BPEL: Modelagem de Processos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BPEL: Modelagem de Processos"

Transcrição

1 BPEL: Modelagem de Processos Brauleyn Z. Nunes 1, Cesar R. de S. Junior 1, Elena D. Bastos 1, Munir C. K. de Moraes 1, Paola J. C. R. Goncalves 2, Roger T. 2 Instituto Metodista Granbery Faculdade Metodista Granbery (FMG)- Juiz de Fora MG Brazil {pjcanete, Abstract. The article presents the standard for orchestration of BPEL services (Business proccess Execution Language), its structure and approach used, and highlight the advantages and disadvantages of their use, addressing technological and business aspects that should be analyzed for choosing this tool. Resumo. O artigo apresenta o padrão para orquestração de serviços Bpel(Business Proccess Execution Language), sua estrutura e a abordagem utilizada, além de destacar as vantagens e desvantagens de sua utilização, abordando aspectos tecnológicos e empresariais que deverão ser analisados para a escolha dessa ferramenta. 1. Introdução O Bpel é uma linguagem usada para definir processo de negócios que surgiu da união de duas linguagens que possuia semelhanças entre si, a Web Services Flow Language (WSFL) e a Web Services for Business Process Design (XLANG), sendo as empresas IBM e a Microsoft respectivamente responsável por suas criações. O Bpel foi concebido da estrutura hierárquica do funcionamento da linguagem XLANG e o controle baseado em grafos da WSFL e formou o conhecido Bpel. Para ser concebido o BPEL, foi necessário definir como esta linguagem seria escrita, baseado nisso, foi elegido o padrão de arquitetura SOA, que tem por características a orientação a serviço, onde os serviços podem ser construídos a partir da chamada de outros serviços existentes, o que contribui para o reuso dos serviços. Neste tipo de abordagem, as técnicas mais utilizadas na composição do serviço são orquestração e coreografia. No BPEL, há uma definição sobre a abordagem de orquestração que esta linguagem de modelagem de processos utiliza, bem como o funcionamento da mesma, destacando benefícios em relação à outras abordagens existentes. São destacadas as atividades básicas e estruturadas que o BPEL utiliza em sua estrutura. A seguir apresentam-se as vantagens do BPEL, demonstrando os benefícios técnicos e organizacionais da utilização dessa ferramenta na modelagem de processos. Também é apresentado às desvantagens de implementação dessa linguagem, dentre elas o alto custo com infraestrutura de TI, a alta curva de aprendizagem das ferramentas de

2 mercado que devem ser levados em conta no momento da decisão pela utilização desse padrão. Como forma de atualização e de possibilidade de competição e sobrevivência no mercado, diversas empresas e organizações tem empregado o BPEL e o SOA a seus processos como forma de organizar e definir interfaces de integração entre diferentes sistemas, dos mais simples aos mais complexos. A utilização desta tecnologia em uma empresa já é considerada essencial, uma vez que as empresas se encontram em um cenário dinâmico e que exige constantes inovações e controle total de seus processos. Como poderemos visualizar a seguir, teremos um case de utilização do BPEL SOA em uma empresa do ramo de Logística e Transporte Ferroviário. 2. Arquitetura SOA

3 A arquitetura SOA é um meio de integração de sistemas baseados em orientação a serviços, onde cada recurso de TI pode ser acessado e descrito. Tais recursos estão disponíveis através de interfaces de serviço. Esta arquitetura utiliza protocolos baseados em padrão e interfaces convencional, geralmente Web services, para facilitar o acesso a lógica e informações comerciais entre os diversos serviços. Desta maneira, o SOA permite que os recursos e interfaces de serviço subjacentes sejam compostos em processos, possibilitando que cada processo seja um serviço que ofereça uma nova capacidade que pode ser agregada. Para efetivar estes conceitos, o SOA utiliza uma abordagem de design, tendo em vista a criação de uma infraestrutura de TI, que seja integrada e capaz de retornar rapidamente às mudanças nas necessidades de negócios, fornecendo os recursos necessários para transformar o conjunto existente de sistemas de informações heterogêneos, distribuídos, complexos e inflexíveis de uma empresa em sistemas de informações integrados, simplificados e altamente flexíveis que possam apoiar diretamente na organização e eficiência dos processos de uma empresa. Toda a arquitetura SOA envolve uma grande gama de profissionais, cada um responsável por determinada função, onde os arquitetos de solução, profissionais desta arquitetura, são os responsáveis por alinhar e desenvolver toda a estrutura desta solução, a fim de se mapear as fontes de informações sobre o negócio de forma unificada e abrangente, percebendo melhor os custos e benefícios deste investimento. É possível perceber que esta abordagem possibilita criar soluções dinâmicas colaborativas que satisfaçam os objetivos da organização, uma vez que tanto os desenvolvedores quanto os arquitetos de soluções estão preocupados em alcançar as necessidades da organização como um todo. 3. Histórico O Bpel é usado para definir processos de negócios na área de serviço web, ele surgiu da união de duas ideias presente nas linguagens Web Service Flow Language (WSFL) e a Web Services for Business Process Design (XLANG). Foram duas grandes empresas de tecnologia da informação responsáveis por estas linguagens, a WSFL foi desenvolvida no ano de 2001 pela IBM e a XLANG no ano de 2000 pela Microsoft. Ambas as linguagens possuía seu próprio escopo, porém apresentavam diversas semelhanças. O Bpel associou a estrutura hierárquica de funcionamento presente na linguagem XLANG, com o controle baseado em grafos existente na WSFL. Em função da aceitação da linguagem de processo BPMN como um padrão, a IBM e a Microsoft decidiram unir suas ações no ano de 2002, com o intuito de formar o Business process execution language for web services (BPEL4WS) resumidamente representado

4 por Bpel, este foi proposto pelas empresas IBM, Microsoft, Siebel Systems, BEA e SAP que especificam o comportamento dos serviços web objetivando interagir processos. Em abril de 2003 o BPELWS foi submetido para análise na Organization for the Advancement of Structured Information Standards (OASIS) que significa Organização para o Avanço de Padrões em Informação Estruturada, que funciona como um consórcio mundial que conduz o desenvolvimento e adoção de padrões para o e-business e web services. Em setembro de 2004 a Techinical Committee OASIS aprovou o Bpel e em 2007 ele foi publicado. Apoiado por grandes empresas de TI no mundo ficou comprovado para muitos que ele seria o padrão mais bem aceito em um espaço de tempo pequeno, então foi que grandes corporações anunciaram que passariam adotar esta nova especificação conhecida como Bpel. Idealizando um futuro para o Bpel a Star up norte-americana Collaxa foi uma das primeiras a lançar uma engine de funcionamento de processo em Bpel, logo após a empresa Oracle comprou a Collaxa e integrou este produto na suas soluções. Atualmente a utilização do Bpel é compreendida por dois paradigmas que as empresas adotaram: uma linha considera o BPEL uma linguagem de programação e execução de processos (como a Oracle e IBM) e outras consideram o Bpel como uma interface de comunicação de regras de processos, como é o caso da Microsoft. 4. BPEL BPEL surgiu da consolidação de duas linguagens criadas por duas organizações distintas: IBM, responsável pela WSFL e Microsoft responsável pela XLANG. Esta linguagem é responsável pela especificação dos processos de negócios e os estados destes processos, especificando de acordo com as atividades como acontece a comunicação e relacionamento entre web services (Maldaner et. al, 2003). Processos de negócios são elementos primordiais dentro de uma organização, nesses processos está contido um conjunto de atividades que servirão para atingir alguma meta da organização (Moreira et. al., 2011). Com o BPEL, podemos especificar cada atividade a ser realizada de modo que o objetivo seja alcançado da melhor forma possível. BPEL é uma linguagem de modelagem de processos, baseado em uma abordagem de orquestração. A abordagem de orquestração funciona contendo um controlador central, que recebe (receive) requisições de usuários ou consumidores, e de acordo com esta requisição, o controlador central invoca (invoke) um web service, de modo que a web services possa enviar respostas de volta ao controlador, e por fim, o controlador possa enviar uma resposta (reply) ao consumidor ou ao usuário (Moreira et. al., 2011). A abordagem de orquestração, representada na figura 1, é comparada com uma abordagem de coreografia e tem benefícios que podemos destacar como: a facilidade de implementação, administração (pois estando com esta arquitetura, é muito mais fácil a visualização e consequentemente a administração dos processos) e monitoramento (Moreira et. al., 2011).

5 Figura 1 Abordagem de orquestração. Fonte: (MOREIRA, 2011). Em um processo BPEL está explícita a ordem exata em que os serviços serão executados, de modo sequencial ou em paralelo. Este processo é composto de várias atividades, que podem servir para o envio, recebimento de respostas entre o controlador central e consumidores (Alvez et. al., 2007) LINGUAGEM UTILIZADA NO BPEL Com a linguagem BPEL, é possível ter situações em que é necessário utilizar condicionais usando o if ou switch. Podem-se construir loops usando while, declarar variáveis, copiar ou atribuir valores. Um processo BPEL, é composto de várias atividades, dentre elas, é possível dividí-las em duas categorias: atividades básicas e atividades estruturadas (Moreira et. al., 2011). As atividades básicas estão descritas a seguir: invoke: invoca uma operação para um web service; receive: recebe a mensagem de uma fonte externa (consumidor); reply: envia uma resposta para uma fonte externa (consumidor); waiting: realiza uma pausa por um período especificado; assign: utilizada para copiar dados; throw: levantar erros na execução do processo; terminate: finaliza a execução de uma instância do web service; compensate: desfaz alterações em caso de erro; validate: Validar dados XML armazenados em variáveis. As atividades estruturadas estão descritas a seguir: if-else: selecione exatamente um ramo de atividade a partir de um conjunto de opções; sequence: define a ordem de execução do processo; switch: para lógica condicional; while: para laços (loop); pick: bloqueia e espera por uma mensagem adequada para chegar;

6 flow: atividades contidas são executados em paralelo, parcialmente ordenado através de links de controle; foreach: executa uma atividade por um número de vezes; repeatuntil: executa uma atividade até atingir uma condição; scope: define um escopo para agrupamento de atividades, criação de variáveis locais, tratamento pelo mesmo manipulador de erro e levantamentos de exceções. De acordo com a figura 2, é observado lado a lado um exemplo de um workflow de um processo e o código BPEL correspondente. Figura 2 Workflow e código BPEL correspondente. Fonte: (ANDRÉ, 2009) 4.2. Vantagens e desvatagens O BPEL possui grandes vantagens em relação ao as outras linguagens de modelagem de processo. Uma das características mais marcantes dessa linguagem é ela poder ao mesmo tempo realizar o desenho de um determinado processo, e também executar os processos desenhados (RIBEIRO, 2008). Do ponto de vista empresarial o BPEL traz grandes transformações para as organizações, principalmente no âmbito de definição de processos. Empresas que empregam o BPEL para modelagem e execução de processos tendem a incentivar ás áreas de negócio a mapearem todos os fluxos de atividades inerentes a organização. (MALDANER, 2009). Devido a suas características técnicas, como a utilização da estrutura de orquestração, o BPEL se adapta muito mais rápido as mudanças constantes nas regras de negócios das organizações. Como a base do BPEL é a utilização de webservices, a comunicação com os parceiros e fornecedores se torna muito mais simplificada, já que não é necessária a incorporação das regras de negócios dentro dos sistemas da organização. (KANESHIMA, 2013).

7 Das desvantagens encontradas podemos destacar a pouca maturidade da ferramenta e a fase de desenvolvimento a qual se encontra. Alguns fornecedores ainda não utilizam a versão WS-BPEL 2.0 devido à imaturidade do padrão. Diante dessa circunstância, diversas soluções proprietárias surgem com várias extensões exclusivas, o que pode gerar uma dependência de determinada ferramenta por parte das empresas. (ANDRÉ, 2009). A base de funcionamento do BPEL é totalmente sobre webservices. Apesar de esse tipo ser serviço trazer grandes vantagens na questão de integração com parceiros, há um grande custo para mantê-lo. Webservices exigem alto poder de processamento dependendo do tamanho de todo o processo em execução no ambiente. Devido a essa característica, são necessários grandes investimentos por parte das organizações para a construção de uma infraestrutura de TI adequada e escalável para dar suporte a esse tipo de serviço, e isso pode se tornar-se inviável para as pequenas e médias empresas que desejam implementar o BPEL em seus processos. (PACHECO, 2009). A alta curva de aprendizagem das ferramentas disponíveis no mercado é outra desvantagem que pode trazer sérios riscos aos projetos das organizações. Essa particularidade exige que as empresas invistam recursos consideráveis no treinamento da equipe responsável pela execução de projetos em BPEL. (ANDRÉ. 2009). Por fim o BPEL tem uma característica que pode ser também considerada uma desvantagem competitiva em relação a outras linguagens para modelagem de processos. Observando as três bases fundamentais de um workflow, que são a lógica do processo (que determina o que realizado), a organização (a qual especifica quem é responsável pelo processo) e infraestrutura (quais ferramentas usadas) o BPEL não suporta um desses pilares. No BPEL não existe a determinação de quem é responsável pela execução de determinado processo (Organização). Por causa dessa desvantagem, as empresas podem recorrer complementar com outras linguagens de processos como o BPMN para sanar essa ausência do BPEL na representação de workflows. (PACHECO, 2009). 5. Cases Na atualidade, as empresas e organizações são exigidas ao máximo para se manterem a frente na acirrada competição do mercado global. Muitas empresas sentem cada vez mais a necessidade de organizar e integrar seus processos entre os diferentes sistemas que possibilitam suas ações dinâmicas frente ao seu dia-a-dia. Como muitas empresas adquirem soluções de mercado para seus problemas, muitos dos sistemas serão de linguagens diferentes além de que não terão nenhuma integração entre si. Desta forma a utilização do BPEL SOA permite à empresa estar integrando os seus processos de uma forma quase sempre mais rentável, onde são reduzidos os custos de uma possível customização do sistema, além de ser uma configuração menos complexa. Entre vários exemplos de empresas no mercado que buscam essa integração, está a MRS Logística S.A, que foi fundada em 1996, após a abertura de concessão da extinta Rede Ferroviária Federal. A empresa MRS Logística S.A é uma concessionária operadora da

8 Malha Ferroviária do Sudeste do Brasil, onde a mesma atua nos Estados de Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo, disponibilizando soluções e serviços de Logística Ferroviária para empresas do ramo Agrícola, de Siderurgia e Mineração. A Empresa MRS necessitava de uma orquestração BPEL SOA para estar disponibilizando uma arquitetura definida para o Recebimento de Notas de Expedição na empresa. Esta nota deve ser autêntica na base de dados Oracle 11g uma vez que tal nota é um arquivo XML gerado automaticamente por alguns ERP s disponíveis na MRS. Como forma de reduzir a possibilidade de lentidão na execução do processo, o mesmo foi projetado para executar procedures automaticamente e caso tais procedures estejam lentas ou não respondendo, o SOA deverá criar uma fila de mensagens no banco de dados de forma que as notas de expedição sejam validadas e emitidas posteriormente. Conforme o Diagrama da Figura 3. Figura 3: Arquitetura SOA BPEL. Fonte: Material disponíbilizado pela empresa de Logística MRS. Na figura 3, a sigla ESB (Enterprise Service Bus 11g - Oracle) é o WebService principal que realizará o recebimento e processamento de arquivos XML de Notas de Expedição, enquanto o EJB Service estará realizando a validação das informações através da integração SOA BPEL. Quando o processo citado está lento ou superlotado, o BPEL SOA realizará uma segunda integração, onde são criadas diversas listas e filas

9 de arquivos XML e que deverão ser armazenadas e posteriormente reprocessadas de forma a serem enviadas novamente para a emissão de Notas de Expedição. 6. Ferramentas Entre as ferramentas disponibilizadas no mercado, está a ferramenta Oracle SOA Suite que implementa o modelo de processos BPEL, será abordado suas vantagens e desvantagens, além de algumas figuras exemplificando um pouco da ferramenta para melhor vislumbrar o processo e o uso de acordo com a necessidade de cada empresa. As ferramentas para implementação do modelo podem ser Freeware como: NetBeans, Eclipse BPEL Designer e ActiveVOS Designer; ou Shareware como: Oracle Suite e Jdeveloper; ou Proprietárias como: JOpera e WebRatio. Oracle SOA Suíte 10g que é um pacote com todos os aplicativos necessários para desenvolver os processos em BPEL, e está disponível para download no link: Esse pacote possui o Oracle BPEL Process Manager com integração ao JDeveloper, é uma [...] solução confiável para projetar, disponibilizar e gerenciar processos de negócio [...] (www.furutani.com.br) que é responsável por interpretar e executar o BPEL. A figura 4 abaixo mostra o sistema em si com as possíveis utilizações do Oracle Manager. Tela principal do Oracle Enterprise Manager: Figura 4: Tela Principal do Oracle Enterprise Manager 11g. Fonte: (CONSULTING, 2013). O resultado de uma operação pode ser visualizado utilizando o BPEL como na Figura 5:

10 Figura 5: Processo BPM. Fonte: (CONSULTING, 2013). Após a conclusão dos processos pode ser feita a simulação do mesmo, além de fazer a análise de custos e verificação da cadência das execuções dos processos, mostrando a análise de impacto das mudanças e alterações necessárias, como mostra a figura 6. Figura 6: Fonte: (CONSULTING, 2013). O Sistema também possui alguns componentes, entre os mais utilizados está o de indicadores, chamado KPI (key performance indicators), Um dos componentes essenciais dos BPMS é a existência do BAM (Business activity monitoring) que nos permite, em tempo real, analisar o que está a acontecer nos processos de negócio. ( CONSULTING, 2013). Os indicadores estão ligados aos metadados

11 disponíveis na raiz facilitando o processo de medição, indicando assim, as tarefas e processos mais relevantes. Este componente possui vários tipos de gráficos, como: gráfico de barras, pizza, área, linhas, entre outros, além de filtragem por valores ou tipificações. Como mostra a figura Conclusão Figura 7: Tela de Indicadores. Fonte: (CONSULTING, 2013). Podemos concluir que o BPEL é a notação mais indicada para o mercado global na atualidade. É notável que as empresas procuram uma grande integração e padronização de seus processos e métodos não apenas para a área de T.I, mas também para outras áreas e de outros segmentos. Devido à utilização da abordagem de orquestração, há uma facilidade maior de manutenibilidade e administração dos projetos que utilizam essa linguagem de modelagem de processos diante do ambiente de constantes mudanças nas regras de negócios das organizações. Os suportes necessários para o funcionamento da organização é de grande importância, pois a competitividade é marcada por avanços na melhoria da produção e nos amplos controles econômicos das companhias. Por outro lado, a otimização e a organização dos seus processos de Tecnologia da Informação agem diretamente sobre a questão de sobrevivência de uma empresa em um mercado tão competitivo. As Organizações dipostas a transformar e inovar serão as de maiores chance de estabelecer rumos fixos e diretos ao sucesso, superando barreiras que impossibilitem sua evolução. Com a utilização do BPEL, torna-se possível a integração e execução de processos de negócios dentro das organizações e entre as mesmas, através de troca de informações (mensagens). Um diferencial nessa abordagem é que tanto a composição de processos,

12 quanto sua exposição é feita utilizando web services, que é a principal tecnologia para implementação de serviços, e atualmente é um padrão de fato. A transparência pela qual os serviços são invocados é um fator importante devido à simplicidade do BPEL, obtida através do padrão XML. É uma ferramenta que permite a execução de complexos processos de negócio. Conclui-se que o BPEL traz diversas vantagens para as organizações, destacando a obrigatoriedade por uma cultura de mapeamento de processos para serem modelados e implantados posteriormente. Entretanto é importante que o líder de um projeto BPEL obtenha suporte de outra ferramenta para que possa ter uma visão completa dos workflows (O que? Quem? Como?) dos processos, já que essa linguagem não contempla quem é responsável por executar as atividades de determinado serviço. Referências ALVEZ, Alexandre, ARKIN, Assaf, et al. Web Services Business Process Execution Language Version 2.0. OASIS, Disponível em <http://docs.oasisopen.org/wsbpel/2.0/os/wsbpel-v2.0-os.html>. Acessado em 03 dez ANDRÉ, Thiago Moreira. Compilador bpel gspn para avaliação de desempenho de workflow. Disponível em:< tcc.ecomp.poli.br/20091/tcc% 20Thiago% 20Moreira% doc >. Acessado em: 17/10/2013. BAPTISTA, kleber Emanuelle. Plataforma de execução de serviços web Coreografados por interpretação de documentos ws-cdl. Disponível em: <https://www.unimep.br/phpg/bibdig/pdfs/2006/hlxmbtxajhgc.pdf>. Acessado em: 15/11/2013. BORTOLINI, Rafael. Padronizando Processos: BPMN, BPML, XPDL e BPEL. Disponível em: < >Acessado em : 02/12/2013. CONSULTING, link. Oracle BPM 11g Analise à Plataforma, maio de Disponível em: <http://www.link.pt/upl/%7ba8bd1d14-3d65-4cb8-8e21- d9e9bf4c3859%7d.pdf >. Acessado em: 29 de novembro de FURUTANI, Introdução ao BPEL utilizando o Oracle SOA Suíte 10g. Disponível em:<http://www.furutani.com.br/tutoriais/bpel/introducao-ao-bpel-utilizando-o-oracle -SOA-Suite-10g.pdf>. Acessado em: 03 de dezembro de JURIC, Matjaz B. A Hands-on Introduction to BPEL. Oracle Coporation Disponível em: <http://www.oracle.com/technetwork/articles/matjaz-bpel html>. Acesso em 03/12/2013.

13 KANESHIMA, Eliana. Utilização de Serviços na integração de aplicações empresariais. Disponível em: < Acessado em: 05/12/2013 MALDANER, Lucas A. PASQUAL, Everton S. Uma Análise de Linguagens de Composição de Serviços: A Utilização de BPEL e YAWL. Disponível em: <http://periodicos.unesc.net/index.php/sulcomp/article/view/914/903>. Acesso em 03 dez MOREIRA, Arthur M. P., LEÃO, Felipe B. C., LOPES, Sandro P. L., FARIA, Flávio, AZEVEDO, Leonardo G. BPEL: Principais Conceitos e Uso Prático. Disponível em: <http://www.seer.unirio.br/index.php/monografiasppgi/article/viewfile/1591/1383>. Acesso em 03 dez PACHECO, Diego. Como Vamos de BPEL Parte 1, Disponível em <http://imasters.com.br/artigo/13145/desenvolvimento/como-vamos-de-bpel-parte-01/> Acessado em 02/12/2013. RABELO, Ricardo J. DAS Integração de Sistemas Corporativos, BPEL Business Process Execution Language. Disponível em: <http://www.das.ufsc.br/~rabelo/ensino/das5316/materialdas5316/bpm/medio/bpe L%20%E2%80%93%20Business%20Process%20Execution%20Language% pdf > Acessado em 12/10/2013 RIBEIRO, Jose Luiz Vaz. Orquestração e Composição de Serviços Web Usando BPEL. Universidade de Aveio. Aveio, Portugal, ROCHA, Fabricio, Implementando um Processo de Negócio com BPEL. Disponível em: <http://www.linhadecodigo.com.br/artigo/2854/implementando-um-processo-denegocio-com-bpel.aspx>. Acessado em: 03 de dezembro de UNICAMP. Orquestração com WS- BPEL. Disponível em: <http://www.ic. unicamp.br/~beatriz/cursos/mo826/orquestracao.pdf > Acessado em: 13/10/2013.

WS-BPEL Web Service Business Process Execution Language

WS-BPEL Web Service Business Process Execution Language DAS5316 WS-BPEL Web Service Business Process Execution Language Prof. Ricardo J. Rabelo (rabelo@das.ufsc.br) Responsável pela elaboração dos slides Alexandre Perin (perin@das.ufsc.br) Florianópolis (SC),

Leia mais

Prof. Ricardo J. Rabelo (rabelo@das.ufsc.br)

Prof. Ricardo J. Rabelo (rabelo@das.ufsc.br) DAS5316 - Integração de Sistemas Corporativos BPEL Business Process Execution Language Prof. Ricardo J. Rabelo (rabelo@das.ufsc.br) Responsável pela elaboração dos slides Alexandre Perin (perin@das.ufsc.br)

Leia mais

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição 15 2 Conceitos relativos a Web services e sua composição A necessidade de flexibilidade na arquitetura das aplicações levou ao modelo orientado a objetos, onde os processos de negócios podem ser representados

Leia mais

Oracle BPM 11g. Análise à Plataforma

Oracle BPM 11g. Análise à Plataforma Oracle BPM 11g Análise à Plataforma Maio de 2010 Tive o privilégio de ser convidado a participar no "EMEA BPM 11g beta bootcamp" em Abril de 2010, no qual tive contacto mais próximo com a última versão

Leia mais

Combinação de serviços já existentes para criar um novo serviço. jcd@cin.ufpe.br. cin.ufpe.br. cin.ufpe.br. Composição de Serviços Com WS-BPEL

Combinação de serviços já existentes para criar um novo serviço. jcd@cin.ufpe.br. cin.ufpe.br. cin.ufpe.br. Composição de Serviços Com WS-BPEL Introdução à Composição de serviços Web Júlio César Damasceno jcd@ Agenda Definição Motivação Background Arquitetura Orientada a Serviço (SOA) Computação Orientada a Serviço (SOC) Web Services Composição

Leia mais

Fase 1: Engenharia de Produto

Fase 1: Engenharia de Produto Fase 1: Engenharia de Produto Disciplina: Análise de Requisitos DURAÇÃO: 44 h O objetivo principal da disciplina é realizar uma análise das necessidades e produzir um escopo do produto. Representará os

Leia mais

SOA 2.0 ou Event-Driven SOA

SOA 2.0 ou Event-Driven SOA SOA SOA 2.0 ou Event-Driven SOA 1 Introdução Recentemente, a Oracle anuciou o termo SOA 2.0. E já deu para imaginar a repercussão que isto teve. Estamos em um momento onde SOA (Service-Oriented Architecture),

Leia mais

PROJELER. Solução de código aberto para gerenciamento de processos de negócio

PROJELER. Solução de código aberto para gerenciamento de processos de negócio Otimização e Automação de Processos de Negócio Abril/2008 Solução de código aberto para gerenciamento de processos de negócio Maurício Bitencourt, PMP Diretor Executivo mauricio.bitencourt@projeler.com.br

Leia mais

SOA: Service-oriented architecture

SOA: Service-oriented architecture SOA: Service-oriented architecture Roteiro Breve História O que é Arquitetura de Software? O que é SOA? Serviços Infraestrutura Composição Sua empresa está preparada para SOA? Breve História Uma empresa

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 14 SOA e ESB Service-Oriented

Leia mais

O desafio de uma visão mais ampla

O desafio de uma visão mais ampla com SAP NetWeaver BPM Descrição de Solução A competição acirrada tem levado as organizações a adotar novas disciplinas de gestão e empregar recursos tecnológicos avançados, a fim de atingir melhores índices

Leia mais

Disciplina: Automação de Processos de Negócio

Disciplina: Automação de Processos de Negócio Disciplina: Automação de Processos de Negócio PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Eros Viggiano Ementa da disciplina Viabilização da otimização de processo através da

Leia mais

Ferramentas unificadas de SOA alinham negócios e TI IDG Research aponta grandes ganhos potenciais a partir de uma solução integrada

Ferramentas unificadas de SOA alinham negócios e TI IDG Research aponta grandes ganhos potenciais a partir de uma solução integrada Insight completo sobre IDG/Oracle Relatório de pesquisa de SOA Ferramentas unificadas de SOA alinham negócios e TI IDG Research aponta grandes ganhos potenciais a partir de uma solução integrada Alinhamento

Leia mais

BPM e SOA. Grinaldo Lopes de Oliveira (grinaldo@gmail.com) Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

BPM e SOA. Grinaldo Lopes de Oliveira (grinaldo@gmail.com) Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas BPM e SOA Grinaldo Lopes de Oliveira (grinaldo@gmail.com) Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Como funcionam as organizações? O que ébpm Business Process Management (BPM)

Leia mais

Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços. Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena

Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços. Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena Tópicos Motivação e Objetivos LP e SOA Processo ADESE

Leia mais

Introdução ao BPEL utilizando o Oracle SOA Suíte 10g

Introdução ao BPEL utilizando o Oracle SOA Suíte 10g Introdução ao BPEL utilizando o Oracle SOA Suíte 10g 1. Introdução Neste artigo serão apresentados alguns conceitos inerentes a SOA Service Oriented Architecture e um exemplo prático de construção de processo

Leia mais

Inspeção da Ferramenta Oracle BPEL PM

Inspeção da Ferramenta Oracle BPEL PM UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA Relatórios Técnicos do Departamento de Informática Aplicada da UNIRIO n 0016/2009 Inspeção da Ferramenta Oracle BPEL

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 13 Web Services Web Services

Leia mais

Integração de Sistemas Corporativos DAS5316. BPM e BPMN. Prof. Ricardo J. Rabelo (rabelo@das.ufsc.br) Alexandre Perin (perin@das.ufsc.

Integração de Sistemas Corporativos DAS5316. BPM e BPMN. Prof. Ricardo J. Rabelo (rabelo@das.ufsc.br) Alexandre Perin (perin@das.ufsc. DAS5316 BPM e BPMN Prof. Ricardo J. Rabelo (rabelo@das.ufsc.br) Alexandre Perin (perin@das.ufsc.br) Florianópolis (SC), 2010. Roteiro BPM Introdução Definição Características Ciclo de vida Integração com

Leia mais

Automação do Processo de Instalação de Softwares

Automação do Processo de Instalação de Softwares Automação do Processo de Instalação de Softwares Aislan Nogueira Diogo Avelino João Rafael Azevedo Milene Moreira Companhia Siderúrgica Nacional - CSN RESUMO Este artigo tem como finalidade apresentar

Leia mais

Business Process Integration Architecture

Business Process Integration Architecture Business Process Integration Architecture Definição, Motivações e Conceitos Base 3/2/2005 José Alves Marques 1 Processo de Negócio A modelação de processos está focada em: Criar e optimizar modelos de

Leia mais

Obtendo Qualidade com SOA

Obtendo Qualidade com SOA Obtendo Qualidade com SOA Daniel Garcia Gerente de Prática BPM/SOA daniel.garcia@kaizen.com.br 11 de Novembro de 2009 Copyright 2009 Kaizen Consultoria e Serviços. All rights reserved Agenda Sobre a Kaizen

Leia mais

Integração Orientada a Serviços

Integração Orientada a Serviços Integração Orientada a Serviços Porto Alegre, Agosto de 2006 Agenda Sobre a e-core SOA O que é? Web Services x SOA Principal Motivação - Integração SOI ESB BPEL JBI ServiceMix Solução Proposta A Empresa

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA em Gestão da Tecnologia da Informação

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA em Gestão da Tecnologia da Informação FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA em Gestão da Tecnologia da Informação 1 Ruironaldi dos Santos Cruz ARTIGO ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇO SOA SERVICE

Leia mais

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People.

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. O SoftExpert BPM Suite é uma suíte abrangente de módulos e componentes perfeitamente integrados, projetados para gerenciar todo o ciclo de

Leia mais

INTRODUÇÃO A MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN 1 FÁBIO RODRIGUES CRUZ 2 2.1 CONCEITO DE MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN

INTRODUÇÃO A MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN 1 FÁBIO RODRIGUES CRUZ 2 2.1 CONCEITO DE MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN INTRODUÇÃO A MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN 1 FÁBIO RODRIGUES CRUZ 2 1 INTRODUÇÃO A Business Process Modeling Notation (BPMN), ou Notação de Modelagem de Processos de Negócio, é um conjunto de

Leia mais

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People.

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. O SoftExpert BPM Suite é uma suíte abrangente de módulos e componentes perfeitamente integrados, projetados para gerenciar todo o ciclo de

Leia mais

IBM WebSphere Business Monitor

IBM WebSphere Business Monitor Obtenha visibilidade em tempo real do desempenho dos processos de negócios IBM WebSphere Business Monitor Fornece aos usuários de negócios uma visão abrangente e em tempo real do desempenho dos processos

Leia mais

INFRAESTRUTURA PARA INOVAÇÃO BPM e SOA

INFRAESTRUTURA PARA INOVAÇÃO BPM e SOA INFRAESTRUTURA PARA INOVAÇÃO BPM e SOA Palestrante: Eduardo José Ribeiro de Castro, MSc. eduardo@quaddract.com.br 25/08/2009 1 Objetivo Geral APL Brasília Capital Digital Desenvolver entre as empresas

Leia mais

5 Estudo de caso: utilizando o sistema para requisição de material

5 Estudo de caso: utilizando o sistema para requisição de material 61 5 Estudo de caso: utilizando o sistema para requisição de material A fim de avaliar as características da arquitetura proposta e a corretude da implementação, realizamos experiências com cenários de

Leia mais

3 Serviços na Web (Web services)

3 Serviços na Web (Web services) 3 Serviços na Web (Web services) 3.1. Visão Geral Com base na definição do Word Wide Web Consortium (W3C), web services são aplicações autocontidas, que possuem interface baseadas em XML e que descrevem

Leia mais

Orquestração de Processos de Negócio

Orquestração de Processos de Negócio Orquestração de Processos de Negócio Partitura, Libreto, Maqueta Ponto de Situação da Arquitectura Os Processos de negócio foram levantados e foram descritos Eventualmente em BPMN Os Serviços de Negócio

Leia mais

Ciclo BPM: da Estratégia à Medição

Ciclo BPM: da Estratégia à Medição Treinamentos em Gestão por Processos Ciclo BPM: da Estratégia à Medição Da modelagem e análise ao monitoramento da execução de processos automatizados: tudo o que você precisa saber para fazer a Gestão

Leia mais

MODELAGEM DE PROCESSOS

MODELAGEM DE PROCESSOS MODELAGEM DE PROCESSOS a a a PRODUZIDO POR CARLOS PORTELA csp3@cin.ufpe.br AGENDA Definição Objetivos e Vantagens Linguagens de Modelagem BPMN SPEM Ferramentas Considerações Finais Referências 2 DEFINIÇÃO:

Leia mais

SINS: Um ambiente para geração de aplicações baseadas em serviços

SINS: Um ambiente para geração de aplicações baseadas em serviços SINS: Um ambiente para geração de aplicações baseadas em serviços Sérgio Larentis Jr (Unisinos) Andrêsa Larentis (Unisinos) Jorge Barbosa (Unisinos) Sérgio Crespo C. S. Pinto (Unisinos) SBSI 2008 Roteiro

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas. Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios

Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas. Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios Goiânia 12/2011 Versionamento 12/12/2011 Hugo Marciano... 1.0

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

A aplicação do BPM e as suas soluções na modelagem de processos de negócio

A aplicação do BPM e as suas soluções na modelagem de processos de negócio A aplicação do BPM e as suas soluções na modelagem de processos de negócio Meire Helen Batista Dias Faculdade de Tecnologia da Zona Leste/FATEC-ZL São Paulo SP Brasil meirehelenbdias@bol.com.br Cristina

Leia mais

Arquiteturas Orientadas a Serviços ESB. Enterprise Service Bus. Prof. Ricardo J. Rabelo DAS5316 Integração de Sistemas Corporativos

Arquiteturas Orientadas a Serviços ESB. Enterprise Service Bus. Prof. Ricardo J. Rabelo DAS5316 Integração de Sistemas Corporativos ESB Enterprise Service Bus Prof. Ricardo J. Rabelo DAS5316 Integração de Sistemas Corporativos Resumo Introdução Definição Problemas atuais e Vantagens Evolução do ESB ESB versus EAI, MOM, Workfow, SOA

Leia mais

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Workflow Processo

Leia mais

WORKFLOW. Mapeamento de Processos de Negócio 26/11/2009. Tadeu Cruz, Prof. M.Sc. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

WORKFLOW. Mapeamento de Processos de Negócio 26/11/2009. Tadeu Cruz, Prof. M.Sc. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS WORKFLOW Mapeamento de Processos de Negócio Tadeu Cruz, Prof. M.Sc. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS É proibido a reprodução total ou parcial de qualquer forma ou por qualquer meio sem a expressa autorização

Leia mais

Ed. 2.07 REVISTA HYPER NEWS. Entrevista com Gabriel Epsztejn, sobre BPM. Seminário Executivo de BPM. Artigo BPM X ITIL

Ed. 2.07 REVISTA HYPER NEWS. Entrevista com Gabriel Epsztejn, sobre BPM. Seminário Executivo de BPM. Artigo BPM X ITIL Ed. 2.07 REVISTA HYPER NEWS Entrevista com Gabriel Epsztejn, sobre BPM Seminário Executivo de BPM Artigo BPM X ITIL 3 ENTREVISTA Entrevista com Gabriel Epsztejn, gerente de pré-vendas da Oracle, sobre

Leia mais

BPMN (Business Process. George Valença gavs@cin.ufpe.br

BPMN (Business Process. George Valença gavs@cin.ufpe.br BPMN (Business Process Modeling Notation) George Valença gavs@cin.ufpe.br 31/10/2012 Introdução Modelagem de processos No ciclo de vida BPM, a etapa de modelagem de processos consiste em um conjunto de

Leia mais

IBM Software IBM Business Process Manager Simples e Poderoso

IBM Software IBM Business Process Manager Simples e Poderoso IBM Software IBM Business Process Manager Simples e Poderoso Uma única plataforma BPM que oferece total visibilidade e gerenciamento de seus processos de negócios 2 IBM Business Process Manager Simples

Leia mais

PROCESSOS DE NEGÓCIOS: UMA VISÃO GERAL

PROCESSOS DE NEGÓCIOS: UMA VISÃO GERAL Universidade Federal de Santa Maria Sistemas de Informação ELC1093 Modelagem de Processos de Negócio PROCESSOS DE NEGÓCIOS: UMA VISÃO GERAL Profa. Lisandra Manzoni Fontoura Objetivos da Aula: Processos

Leia mais

Service Oriented Architecture (SOA)

Service Oriented Architecture (SOA) São Paulo, 2011 Universidade Paulista (UNIP) Service Oriented Architecture (SOA) Prof. MSc. Vladimir Camelo vladimir.professor@gmail.com 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com 1 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com

Leia mais

BPMN: Identificando vantagens e desvantagens do uso desta ferramenta para modelagem de processos.

BPMN: Identificando vantagens e desvantagens do uso desta ferramenta para modelagem de processos. BPMN: Identificando vantagens e desvantagens do uso desta ferramenta para modelagem de processos. Franciele da Costa Canello 1 RESUMO As organizações estão cada vez mais necessitando de sistemas que aliem

Leia mais

acoplamento Exprime o grau de conexão entre os módulos; os módulos de um software devemapresentar um baixo coeficiente de acoplamento.

acoplamento Exprime o grau de conexão entre os módulos; os módulos de um software devemapresentar um baixo coeficiente de acoplamento. SOA Arquitetura Orientada a Serviços Conceitos e Aplicações Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com/ http://edilms.eti.br Gestão de TI Conceitode SOA SOA - Service OrientedArchitecture (Arquitetura

Leia mais

Artigo de Conclusão de curso sobre BPM - Gestão de Processo de Negócio

Artigo de Conclusão de curso sobre BPM - Gestão de Processo de Negócio Artigo de Conclusão de curso sobre BPM - Gestão de Processo de Negócio Este é um artigo sobre BPM que merece destaque no Portal GSTI. No trabalho abaixo, de Francisco Sobreira Neto, é elaborado um apanhado

Leia mais

Abstraindo as Camadas de SOA & Aplicações Compostas

Abstraindo as Camadas de SOA & Aplicações Compostas Abstraindo as Camadas de SOA & Aplicações Compostas Serviço Service Requisitante Consumer Service Serviço Provider Provedor consumidores processos business e processes negócios Coreografia process choreography

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

Aplicação de Métodos baseado em Processos de Negócio para Desenvolvimento de Serviços

Aplicação de Métodos baseado em Processos de Negócio para Desenvolvimento de Serviços Aplicação de Métodos baseado em Processos de Negócio para Desenvolvimento de Serviços Luan Lima 1, Ricardo Diniz Sul 1,2, Leonardo Guerreiro Azevedo 1,2,3 1 Departamento de Informática Aplicada (DIA) Universidade

Leia mais

Etapas e Desafios. plataforma de BPM corporativa. BPMS Showcase 2014. Kelly Sganderla Consultora de Processos, CBPP Kelly.sganderla@iprocess.com.

Etapas e Desafios. plataforma de BPM corporativa. BPMS Showcase 2014. Kelly Sganderla Consultora de Processos, CBPP Kelly.sganderla@iprocess.com. BPMS Showcase 2014 Etapas e Desafios na seleção de uma plataforma de BPM corporativa Apresentado por: Kelly Sganderla Consultora de Processos, CBPP Kelly.sganderla@iprocess.com.br Apresentando a iprocess

Leia mais

Processos redesenhados

Processos redesenhados Otimização do fluxo de trabalho PROGRAMAÇÃO Processos redesenhados Construa ferramentas para gerenciamento do fluxo de trabalho com BPEL. por Michael Kleinhenz jose luis navarro sxc.hu Um funcionário em

Leia mais

Service Oriented Architectures

Service Oriented Architectures Service Oriented Architectures Uma abordagem evolutiva Manager, IT Middleware Vodafone Portugal Mario.saraiva@vodafone.com Agenda 1. O desafio da Integração O princípio do Middleware, ActiveWorks e Middleware

Leia mais

ANÁLISE DE LINGUAGENS DE COMPOSIÇÃO PARA WEB SERVICES

ANÁLISE DE LINGUAGENS DE COMPOSIÇÃO PARA WEB SERVICES DALTON LUIZ MARCÍLIO ANÁLISE DE LINGUAGENS DE COMPOSIÇÃO PARA WEB SERVICES Dissertação apresentada como requisito parcial à obtenção do grau de Mestre em Informática, Curso de Pós-Graduação em Informática,

Leia mais

A gestão de processos de negócio: conceitos e ferramentas BPM

A gestão de processos de negócio: conceitos e ferramentas BPM FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DO PORTO A gestão de processos de negócio: conceitos e ferramentas BPM Trabalho realizado por: Ana Luisa Veiga Filipa Ramalho Doutora Maria Manuela Pinto GSI 2007 AGENDA:

Leia mais

Gestão de Processos de Negócios

Gestão de Processos de Negócios Gestão Operacional da TI Gestão de Processos de Negócios Business Process Management (BPM) Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Professor NOME: RÔMULO CÉSAR DIAS DE ANDRADE

Leia mais

Bem-vindo à apresentação do SAP Business One.

Bem-vindo à apresentação do SAP Business One. Bem-vindo à apresentação do SAP Business One. Neste tópico, responderemos à pergunta: O que é o Business One? Definiremos o SAP Business One e discutiremos as opções e as plataformas disponíveis para executar

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu. Gestão e Tecnologia da Informação

PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu. Gestão e Tecnologia da Informação IETEC - INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu Gestão e Tecnologia da Informação BAM: Analisando Negócios e Serviços em Tempo Real Daniel Leôncio Domingos Fernando Silva Guimarães Resumo

Leia mais

PROJELER. Componentes da Solução Intalio BPMS 5.2. Maurício Bitencourt 51 21171872 / 51 84087798 mauricio.bitencourt@projeler.com.

PROJELER. Componentes da Solução Intalio BPMS 5.2. Maurício Bitencourt 51 21171872 / 51 84087798 mauricio.bitencourt@projeler.com. Componentes da Solução Intalio BPMS 5.2 Maurício Bitencourt 51 21171872 / 51 84087798 mauricio.bitencourt@projeler.com.br Platinum Implementation Partner 1 Enterprise Edition Software de Código Aberto

Leia mais

Workflow como Proposta de. Workflow. O Gerenciamento de Processos. Prof. Roquemar Baldam roquemar@pep.ufrj.br

Workflow como Proposta de. Workflow. O Gerenciamento de Processos. Prof. Roquemar Baldam roquemar@pep.ufrj.br Workflow como Proposta de Automação Flexível O Gerenciamento de Processos Planejamento do BPM Diretrizes e Especificações Seleção de processo críticos Alinhamento de processos à estratégia www.iconenet.com.br

Leia mais

- - flow é uma suíte de ferramentas de workflow que permite desenhar e automatizar os processos de negócio das organizações.

- - flow é uma suíte de ferramentas de workflow que permite desenhar e automatizar os processos de negócio das organizações. - - flow é uma suíte de ferramentas de workflow que permite desenhar e automatizar os processos de negócio das organizações. Com Q-flow, uma organização pode tornar mais eficientes os processos que permitem

Leia mais

Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br BPMN

Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br BPMN Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br BPMN Benefícios da modelagem Em uma organização orientada a processos, modelos de processos são o principal meio para medir o desempenho

Leia mais

Um estudo e a utilização de padrões para integração da tecnologia de processos em ambientes de gerência de projetos na web

Um estudo e a utilização de padrões para integração da tecnologia de processos em ambientes de gerência de projetos na web Um estudo e a utilização de padrões para integração da tecnologia de processos em ambientes de gerência de projetos na web Alexandre Franco de Magalhães Mestrado em Computação Aplicada pelo Instituto Nacional

Leia mais

COMPARANDO FERRAMENTAS DE BUSINESS PROCESS MANAGEMENT: UMA AVALIAÇÃO PRÁTICA

COMPARANDO FERRAMENTAS DE BUSINESS PROCESS MANAGEMENT: UMA AVALIAÇÃO PRÁTICA COMPARANDO FERRAMENTAS DE BUSINESS PROCESS MANAGEMENT: UMA AVALIAÇÃO PRÁTICA Rodrigo Kauer Zuchetto 1 Mariano Nicolao 2 RESUMO. Este artigo apresenta uma comparação de ferramentas de BPM, através de critérios

Leia mais

Arquitetura Orientada a Serviço

Arquitetura Orientada a Serviço Arquitetura Orientada a Fabio Perez Marzullo IEEE Body of Knowledge on Services Computing Sponsored by Technical Committee on Services Computing, IEEE Computer Society 1 SOA e Web Services SOA é um modelo

Leia mais

Semântica para Sharepoint. Busca semântica utilizando ontologias

Semântica para Sharepoint. Busca semântica utilizando ontologias Semântica para Sharepoint Busca semântica utilizando ontologias Índice 1 Introdução... 2 2 Arquitetura... 3 3 Componentes do Produto... 4 3.1 OntoBroker... 4 3.2 OntoStudio... 4 3.3 SemanticCore para SharePoint...

Leia mais

BPM E SOA MODELO PARA O DESENVOLVIMENTO CORPORATIVO

BPM E SOA MODELO PARA O DESENVOLVIMENTO CORPORATIVO BPM E SOA MODELO PARA O DESENVOLVIMENTO CORPORATIVO João Felipe D Assenção Faria Arquiteto JEE Especialista SOA/BPM JOÃO FELIPE D ASSENÇÃO FARIA Arquiteto JEE (12 anos) Especialista SOA/BPM (aprox. 4 anos)

Leia mais

Thalita Moraes PPGI Novembro 2007

Thalita Moraes PPGI Novembro 2007 Thalita Moraes PPGI Novembro 2007 A capacidade dos portais corporativos em capturar, organizar e compartilhar informação e conhecimento explícito é interessante especialmente para empresas intensivas

Leia mais

PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS

PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS Élysson Mendes Rezende Bacharelando em Sistemas de Informação Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS Cilene Loisa Assmann (UNISC) cilenea@unisc.br Este estudo de caso tem como objetivo trazer a experiência de implantação

Leia mais

Padrões Abertos, Componentização e SOA A chave para a evolução e criação de uma nova geração de sistemas de gestão comercial

Padrões Abertos, Componentização e SOA A chave para a evolução e criação de uma nova geração de sistemas de gestão comercial Padrões Abertos, Componentização e SOA A chave para a evolução e criação de uma nova geração de sistemas de gestão comercial Sindo V. Dias Antônio C. Mosca Rogério A. Rondini Agenda Cenário do Setor de

Leia mais

Web Services. Integração de aplicações na Web. Sistemas Distribuídos

Web Services. Integração de aplicações na Web. Sistemas Distribuídos Web Services Integração de aplicações na Web Integração de Aplicações na Web Interoperação entre ambientes heterogêneos desafios diversidade de componentes: EJB, CORBA, DCOM... diversidade de linguagens:

Leia mais

REST Um Estilo de Arquitetura de Sistemas Distribuídos

REST Um Estilo de Arquitetura de Sistemas Distribuídos REST Um Estilo de Arquitetura de Sistemas Distribuídos Márcio Alves de Araújo¹, Mauro Antônio Correia Júnior¹ 1 Faculdade de Computação Universidade Federal de Uberlândia (UFU) Monte Carmelo MG Brasil

Leia mais

Gerenciamento de Processos de Negócio

Gerenciamento de Processos de Negócio Gestão por Processos By Alan Lopes +55 22-99202-0433 alopes.campos@mail.com http://prof-alan-lopes.weebly.com Gerenciamento de Processos de Negócio - Conceitos e fundamentos - Modelagem de processo - Análise

Leia mais

Treinamento BPM e BPMN Apresentação Executiva

Treinamento BPM e BPMN Apresentação Executiva Apresentação Executiva 1 O treinamento de BPM e BPMN tem como premissa capacitar o aluno a captar as atividades relativas a determinado processo da empresa, organizá-las, gerando um fluxograma de atividades/processos,

Leia mais

Arquitetura de Software: Uma Central para Gestão da execução de serviços

Arquitetura de Software: Uma Central para Gestão da execução de serviços Arquitetura de Software: Uma Central para Gestão da execução de serviços ADILSON FERREIRA DA SILVA Centro Paula Souza São Paulo Brasil afs.software@gmail.com Prof.a. Dr.a. MARILIA MACORIN DE AZEVEDO Centro

Leia mais

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES w w w. i d e a l o g i c. c o m. b r INDICE 1.APRESENTAÇÃO 2.ESPECIFICAÇÃO DOS RECURSOS DO SOFTWARE SAXES 2.1. Funcionalidades comuns a outras ferramentas similares 2.2. Funcionalidades próprias do software

Leia mais

Engenharia de Software I: Análise e Projeto de Software Usando UML

Engenharia de Software I: Análise e Projeto de Software Usando UML Engenharia de Software I: Análise e Projeto de Software Usando UML Capítulo 1 Processo de Desenvolvimento de Software Metodologia de Desenvolvimento de Software Uma metodologia é um conjunto de métodos,

Leia mais

Desafios dos Processos de Integração

Desafios dos Processos de Integração Treinamentos em Gestão por Processos Desafios dos Processos de Integração Compreendendo a complexidade de projetos de integração de sistemas Cada vez mais as empresas tem a necessidade de trabalhar com

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA TECNOLOGIA BPMS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE PROCESSOS ADERENTES AO MODELO DO MPS.BR

UTILIZAÇÃO DA TECNOLOGIA BPMS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE PROCESSOS ADERENTES AO MODELO DO MPS.BR UTILIZAÇÃO DA TECNOLOGIA BPMS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE PROCESSOS ADERENTES AO MODELO DO MPS.BR Karin Maria Sohnlein (UNISC) karin.sohnlein@gmail.com Rafael Bortolini (UNISC) rfbortolini@gmail.com Vinicius

Leia mais

PRIMAVERA P6 ANALYTICS DA ORACLE

PRIMAVERA P6 ANALYTICS DA ORACLE PRIMAVERA P6 ANALYTICS DA ORACLE O Primavera P6 Analytics da Oracle é um pacote de solução de inteligência de negócios que fornece percepções valiosas sobre seus projetos e portfólios no Primavera P6 Enterprise

Leia mais

Dominando o Mapeamento de Processos com BPMN 2.0

Dominando o Mapeamento de Processos com BPMN 2.0 Treinamentos em Gestão por Processos Dominando o Mapeamento de Processos com BPMN 2.0 Representando processos de negócio com a notação mais poderosa do Mercado. BPMN (Business Process Model and Notation)

Leia mais

1. P06 Recursos Tecnológicos. Plataformas de ECM e BPMS P06.005

1. P06 Recursos Tecnológicos. Plataformas de ECM e BPMS P06.005 1. IDENTIFICAÇÃO Padrão Segmento Código P06.005 Revisão v. 2015 2. PUBLICAÇÃO Plataformas de ECM e BPMS Recursos Tecnológicos Versão Data para adoção Publicação v. 2015 02 de outubro de 2015 PORTARIA N

Leia mais

IBM Business Process Manager Versão 8 Release 5. Visão Geral do IBM Business Process Manager

IBM Business Process Manager Versão 8 Release 5. Visão Geral do IBM Business Process Manager IBM Business Process Manager Versão 8 Release 5 Visão Geral do IBM Business Process Manager ii Visão Geral Manuais PDF e o Centro de Informações Os manuais PDF são fornecidos como uma conveniência para

Leia mais

Juliano Sulzbach. Consultor de Vendas Oracle Regional Sul

Juliano Sulzbach. Consultor de Vendas Oracle Regional Sul Juliano Sulzbach Consultor de Vendas Oracle Regional Sul GUO-RS Oracle BPEL Process Manager Agenda Introdução Oracle BPEL Process Manager Rápida revisão Demonstrações Agenda Introdução Oracle BPEL Process

Leia mais

Renata Alves Campos (CoInfo) Sandra Maria Peron de Lima (DP) Março/2012

Renata Alves Campos (CoInfo) Sandra Maria Peron de Lima (DP) Março/2012 Renata Alves Campos (CoInfo) Sandra Maria Peron de Lima (DP) Março/2012 O que é um processo? Um processo é um grupo de atividades realizadas numa seqüência lógica com o objetivo de produzir um bem ou um

Leia mais

Apresentação da Empresa

Apresentação da Empresa Apresentação da Empresa Somos uma empresa especializada em desenvolver e implementar soluções de alto impacto na gestão e competitividade empresarial. Nossa missão é agregar valor aos negócios de nossos

Leia mais

Definições. BPM - Business Process Management. BPMN Business Process Modeling Notation. BPMS Business Process Management System

Definições. BPM - Business Process Management. BPMN Business Process Modeling Notation. BPMS Business Process Management System Definições BPM - Business Process Management BPMN Business Process Modeling Notation BPMS Business Process Management System Erros da Gestão de Processos / BPM 1. Fazer a Gestão sem Automação Desenho,

Leia mais

Liderança em idéias, métodos e resultados em BPM no Brasil. Automação de Processos. Jones Madruga

Liderança em idéias, métodos e resultados em BPM no Brasil. Automação de Processos. Jones Madruga Liderança em idéias, métodos e resultados em BPM no Brasil Automação de Processos Jones Madruga Promover melhorias e inovações que efetivamente criam valor não é simples... Apresentação Ø Organização PRIVADA

Leia mais

Genio desafios. O Genio entre os novos paradigmas da engenharia do software. www.quidgest.com quidgest@quidgest.com

Genio desafios. O Genio entre os novos paradigmas da engenharia do software. www.quidgest.com quidgest@quidgest.com Genio desafios O Genio entre os novos paradigmas da engenharia do software Genio Desafios Linguagem Genio Integração ANSI SQL Sintaxe de referência ao modelo Inferência e validação de tipos Declaração

Leia mais

Gerenciamento de aplicações compostas: Preenchendo a lacuna de visibilidade da TI em aplicações compostas complexas Um artigo técnico da Oracle,

Gerenciamento de aplicações compostas: Preenchendo a lacuna de visibilidade da TI em aplicações compostas complexas Um artigo técnico da Oracle, Gerenciamento de aplicações compostas: Preenchendo a lacuna de visibilidade da TI em aplicações compostas complexas Um artigo técnico da Oracle, novembro de 2008. Gerenciamento de aplicações compostas:

Leia mais

Tópicos Avançados em Banco de Dados Visão Geral de Tópicos Avançados em Banco de Dados I. Prof. Hugo Souza

Tópicos Avançados em Banco de Dados Visão Geral de Tópicos Avançados em Banco de Dados I. Prof. Hugo Souza Tópicos Avançados em Banco de Dados Visão Geral de Tópicos Avançados em Banco de Dados I Prof. Hugo Souza Iniciaremos nossos estudos sobre os tópicos avançados sobre banco de dados recapitulando o histórico

Leia mais

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações 1 Introdução A Organização é a forma pela qual nós coordenamos nossos recursos de todos os tipos para realizar o trabalho que nos propusemos a fazer. A estrutura de nossas organizações manteve-se basicamente

Leia mais

Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia

Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia P ORTFÓ FÓLIO Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia versão 1.1 ÍNDICE 1. A EMPRESA... 3 2. BI (BUSINESS INTELLIGENCE)... 5 3. DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS... 6 3.1. PRODUTOS

Leia mais

Modalidade educação a distância - 2ª edição

Modalidade educação a distância - 2ª edição Modalidade educação a distância - 2ª edição OBJETIVOS: Propiciar aos participantes o desenvolvimento das seguintes competências: Pensar estrategicamente o uso da gestão por processos; Estruturar projetos

Leia mais

Linha de Produto para BPM

Linha de Produto para BPM Linha de Produto para BPM Prof. Dr. Marcelo Fantinato m.fantinato@usp.br Sistemas de Informação, EACH/USP Agenda Fundamentos LP para BPM Estabelecimento de Contratos Exemplo de Aplicação Trabalhos em Andamento/Próximos

Leia mais

Análise de Negócios & da Informação Alexandra Hütner M.Sc. Engineer

Análise de Negócios & da Informação Alexandra Hütner M.Sc. Engineer Análise de Negócios & da Informação Alexandra Hütner M.Sc. Engineer 1 O QUE REALMENTE MUDOU??? 2 1 O Que Realmente MUDOU??? Você S/A Agosto/2011 O Que Realmente MUDOU??? Você S/A Agosto/2011 2 CENÁRIO

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES Rigoleta Dutra Mediano Dias 1, Lívia Aparecida de Oliveira Souza 2 1, 2 CASNAV, MARINHA DO BRASIL, MINISTÉRIO DA DEFESA, BRASIL Resumo: Este

Leia mais