2 x 2 2x Dêexemplodematrizesquadradas,demesmotamanho,AeB,taisqueAB BA.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2 x 2 2x 1 0. 3. Dêexemplodematrizesquadradas,demesmotamanho,AeB,taisqueAB BA."

Transcrição

1 EXERCITANDOAULA. Determineovalordexsabendoqueamatri x x é simétrica.. Dêexemplodematriesquadradas,demesmotamanho,AeB,nãonulas,taisqueAB=O. 3. Dêexemplodematriesquadradas,demesmotamanho,AeB,taisqueAB BA. 4. SendoA=,calculeaspotênciasA, A 3, A 4 ea n parauminteiropositivonqualquer.. SejamA,B,C ex matriesdemesmotamanho. SabendoqueX A B= 3 X C,expresseX emtermos dea,bec. 6. SejamA,B,X ey matriesdemesmotamanho. Sabendoque { X+Y = A,expresseX ey emtermosdeaeb. X+Y =B 7. Resolva os seguintes sistemas matriciais a seguir. { X+Y =A X Y =3A a X+Y =O b Y +Z=B X+Z=C 8. DeterminetodasasmatriesX,,taisqueX =O.. DeterminetodasasmatriesX,,taisqueX =I.. DeterminetodasasmatriesX,,taisqueX =X.. SejaA=. MostrequeaequaçãomatricialX 6 =Aadmiteexatamente4soluçõesedetermine-as.. SejamA= 3. eb= 4. SejaXumamatri 3. DetermineXsabendoque t X+A=B. 3. Paracadamatridadaaseguir,encontreumamatrinaformaemescada,àqualamatridadaélinha-equivalente. a b c d 3 3 e 4 f SejamA,BeC matriesm n. Demonstreaspropriedadesaseguir. aa+c=b+c A=B.bA+A=A A=O.. SejamAumamatrim nex R. Demonstreaspropriedadesabaixo. axa=o A=Ooux=. ba+a=a. ca= A A=O. 6. SejamAumamatrim neb umamatrin p. Demonstreque A= A, A B= AB= AB e A B=AB. 7. SejamAeB matriesquadradasn ntaisqueab=ba. DemonstrequeA+B =A +AB+B. 8. SejamAeB matriesquadradasn ntaisqueab=ba. DemonstrequeA+BA B=A B.. SejamA,B ec matriesm n. Demonstreaspropriedadesabaixo. a A B= A+B b A+B= A B c A B C=A B+C d A+B C=A+B C. SejamAumamatrim neb ec matriesn p. DemonstrequeAB C=AB AC.. SejamAeB matriesm nec umamatrin p. DemonstrequeA BC=AC BC.. Demonstrequeostermosdadiagonalprincipaldeumamatrianti-simétrican nsãotodosnulos. 3. Demonstre que toda matri triangular superior e simétrica é diagonal. 4. Demonstre que toda matri triangular inferior e simétrica é diagonal.. Uma matri quadrada chama-se matri triangular estritamente superior se é triangular superior e se os termos da diagonal principal são todos nulos. Seja A uma matri triangular estritamente superior 3 3. Demonstre que A 3 =O. 6. SejamAeB,respectivamente,matriesm nen p. Mostrequeai-ésimalinhadeABéA i B. Concluaqueas linhasdeabsãoa B,A B,...,A m B.

2 7. SejamAeB,respectivamente,matriesm nen p. Mostrequeak-ésimacolunadeABéA B k. Concluaque ascolunasdeab sãoa B,A B,...,A B p. 8. SejaAumamatriquadradan n. DefinimosotraçodeAcomosendoasomadostermosqueconstituemsua diagonalprincipaleodenotamosportra. DemonstrequeAeB sãomatriesn nex R,entãotrA+B= tra+trb,trxa=xtraetrab=trba.. SejaAumamatrim n. Mostrequeaj-ésimalinhadatranspostadeAéatranspostadaj-ésimacolunadeA. Emsímbolos,istoquerdierque t A j = t A j. 3. SejaAumamatrin n. Demonstreasafirmaçõesabaixo. a Aésimétrica A= t A. b Aéanti-simétrica A= t A. c A=O Aésimétricaeanti-simétrica. 3. SejamAeB matriesm nex umnúmeroreal. Mostreque: a t A+B= t A+ t B b t xa=x t A c t t A=A. 3. SejamAumamatrim neb umamatrin p. Mostreque t AB= t B ta. 33. MostrequeseAeB sãomatriessimétricasn nex R,entãoA+B exasãotambémmatriessimétricas. 34. Mostre que se A e B são matries anti-simétricas n n e x R, então A+B e xa são também matries antisimétricas. 3. Paratodamatrin na,demonstreque a A+t Aésempresimétrica b A t Aésempreanti-simétrica. Concluaquetodamatriquadradaseescreve,demodoúnico,comosoma de uma matri simétrica com uma anti-simétrica. 36. SeAéanti-simétrica,demonstrequeA ésimétrica. 37. SejamAeB matriessimétricasn n. DemonstrequeAB=BA AB ésimétrica. 38. Demonstre que: a toda matri é linha-equivalente a si mesma b seamatriaélinha-equivalenteab eb élinha-equivalenteac,entãoaélinha-equivalenteac. 3. SuponhaqueumamatriA foiobtidaapartirdeaporumaúnicaoperaçãoelementarcomlinhas. MostrequeA podeserobtidadea,também,porumaúnicaoperaçãoelementarcomlinhas. ConcluaqueseAélinha-equivalente ab,entãob élinha-equivalenteaa. 4. Mostrequepodemospermutarduaslinhasdeumamatriutiliandosomenteasoperaçõese3. 4. Escreva na forma matricial AX = B os sistemas lineares seguintes: { x+3=4 a x+= 3x = x+8= d 4= x= b { x+=4 += c e 7x+ 4= x+3+= 8+4 = { 7x+4 +8w= x+8 7w=. 4. Escrevanaformamatricialx A +x A +...+x n A n =Bossistemaslinearesdoexercícioanterior. 43. Resolva os sistemas lineares do penúltimo exercício anterior. 44. Determine todas as matries que comutam com cada uma das seguintes matries: a b c. 4. SejaAumamatri. MostrequeAcomutacomrespeitoàmultiplicaçãodematriescomqualquermatri a RtalqueA=aI. a b 46. Determine todas as matries que comutam com,sendoc. c d a b 47. Determine todas as matries que comutam com. d 48. João,queinicialmentetemumacertaquantiaemreais,dáaPedrotantosreaisquantosPedropossuieaJosétantos reaisquantosjosépossui. Depois, PedrodáaJoséeaJoãoarespectivaquantiaemreaisquecadaumpassoua possuir. Emseguida, José fa amesmacoisacomjoãoepedro. Se, nofinal, todosterminamcom6reais, com quantos reais João começou?

3 4. Calcule as inversas das seguintes matries invertíveis: 4 3 a b 8 c Resolva cada sistema linear a seguir calculando a inversa da matri dos coeficientesque é invertível e aplicando a fórmulax=a B. { x+= a x+3= b.. Determinea demodoqueosistema. Determinea paraqueosistema x +=4 7x+= +3= x +3= 4 x 6+7= 8 6x 8+a= x++= x++a= x+4+a =. seja indeterminado. só admita a solução trivial. 3. Determine o conjunto solução de cada sistema linear abaixo, em função dos valores do parâmetro a. { x++= ax+a+a= ax+ = a x+a = b x++a= c ax++=. x+4+a = ax+=a 4. SejaA= a a a 33 GeneralieparaAn n.. Sea ii paratodoi,demonstrequeaéinvertívelequea =. Dêexemplodeduasmatriesinvertíveisn ncujasomanãoéinvertível. a. a SejamAeBmatriesquadradasdemesmotamanho,emqueAéinvertível. Mostre,porindução,que ABA n = AB n A paratodointeiropositivon. 7. SejaAumamatrin n. MostrequeseAtemumalinhanula,entãoAnãoéinvertível. 8. SeAéumamatriinvertível,demonstreque t Aétambéminvertíveleque t A = t A.. SejaAumamatrisimétricainvertível. DemonstrequeA ésimétrica. 6. SejaAumamatriquadrada. MostrequeseAteminversaàesquerda,entãoAéinvertível. a b 6. MostrequeamatriA= éinvertível ad bc.emcasoafirmativo,calculea c d. 6. SejamA,B ex matriesn n,emqueaéinvertível. ExpresseX emtermosdeaeb sabendoque t XA=B SejamA= eb=. SejaX umamatritalque 6 t XA=B. DetermineX. 64. Sejam A e B matries quadradas n n. Diemos que A é semelhante a B e escrevemos A B se existe uma matriinvertívelp talquea=p BP. Demonstreaspropriedadesabaixo,ondeA,BeC sãomatriesquadradas de mesmo tamanho. a A A b A B B A c A B eb C A C. 6. Demonstrequeaúnicamatrisemelhanteàmatrinulaeaprópria. Idem,paraamatriidentidade. 66. Demonstre que duas matries semelhantes têm o mesmo traço. 67. SejamAeB matriesquadradasn n. MostrequeseABéinvertível,entãoAeB tambémosão. 68. SejamA,A,...,A r matriesn n. Mostre,usandooprincípiodeindução,queA,A,...,A r sãoinvertíveis o produtórioa A A r oé. 6. SeAéumamatri eb é,mostrequeab nãoéinvertível. 7. Uma matri quadrada chama-se ortogonal se é invertível e sua inversa é sua transposta. Mostre que se uma matri diagonalétambémortogonal,entãoostermosdesuadiagonalprincipalsãoiguaisaou. 7. DemonstrequeseAéortogonal,então t Aétambémortogonal. 7. DemonstrequeseAeB sãomatriesortogonaisentãoabeb ABtambémosão. 73. Discuta o conjunto solução de cada sistema linear abaixo segundo os valores do parâmetro a. ax+a+a= ax++= a ax++= b x+a+=a. ax=a x++a= a 3

4 74. Determineosvaloresdea eb quetornamosistemalinearabaixopossíveleindeterminado. x++a= 3x++=4 x+4 =b 7. Discuta,segundoosvaloresdoparâmetrot,oconjuntosoluçãodosistemalinearaseguir,sabendoquea+b+c= ea, becsãodoisadoisdistintos. tx++=a x+t+=b x++t=c 76. Sejam A e B matries n n quaisquer. Mostre que se I AB é invertível, então I BA também o é e que I BA =I+BI AB A. 77. SejaAumamatrin n. MostrequeseAnãoéinvertível, entãoexisteumamatrib,n n,nãonula, talque AB=O. 78. SejaAumamatrin n.mostrequeseanãoéinvertível, entãoexisteumamatric,n n,nãonula, talque CA=O. 7. SejamAeB,respectivamente,matriesn mem n. Mostrequesen>m,entãoAB nãoéinvertível. 8. SejamAumamatritriangularestritamentesuperiorn n,emquen>,e k n. Demonstre,porindução sobre k, que a potência A k tem a seguinte propriedade: seu termo de posição i,j é igual a ero sempre que j i k,istoé,amatria k temoseguinteaspecto: Apartesombreadaéconstituídadostermosdeposiçãoi,jtaisquej i k. ConcluaqueA n =O. 8. SejaAumamatritriangularestritamenteinferiorn n. MostrequeA n =O. 8. SejaAumamatrin n. MostrequeAcomutacomqualquermatrin n existea RtalqueA=aI n. RESPOSTAS OU SUGESTÕES: x= A= eb= 3Mesmoexemplodoexercícioanterior 4A= n X= 6A+6B C 6X= 4 A+BeY = B A 7 ax= 3 AeY = 6 A bx= C B+A,Y = C+B+AeZ= C+B A x 8X= oux= com x x X=,X=,X= ou X= com + 4 X =, X =, X = 4 4 ou X = 4 3 3,,, X= 3a 3 b c 4 d e f Denote: A=a ij,b=b jk, t A= a ji e t B= b kj,emquea ji=a ij eb ji=b jk. Façaainda: t AB=c ki e t B ta=d ki. Notequec ki =A i B k ed ki = t B k t A i 4SejamAeB aslinhas. Primeiramente,substituaAporA B,depoissubstituaB por B+A B,etc 4 a 3 x 4 = b x 4 = + 4 com 4

5 c e x ax bx = 4 d x = w = = cx = dx = 43a 7 ex { x= = b + 8 x= 4+t = t =t +x ,t Rc = x=8u 7v = dosistemaéimpossível e 4 4 u+ 4 4 v =u w=v w 44 a,,w R b +w w w c x x x a d,x,, R x x= = + 6 = 8 =,u,v R,,w R 46 c +w b c,ewlivres w 47 Para b=ea=d, a matri dada comuta comtoda matri. Para b=ea d, ela comuta só com as matries diagonaise,parab,elacomutacomasmatriesquetêmaformaaseguir: a d b +w w a c a 3/4 /4,,w R b / /38 6/ 3/76 / /76 3/ 3/38 / /47 /47 /47 /47 /47 83/47 8/47 /47 8/47 4/47 /47 /47 /47 /47 /47 /47 { x= 3 = 4 b x= = 3 = a= a ea 3 ac.s.= paraa=± ec.s.={ a a, a paraa ± bc.s.={a t, at,tt R}paraa=oua=eC.S.={,,}paraa ea cosistematemúnicasolução a eéimpossívelsea= I n e I n 6SejaB inversadea,àesquerda,logo,ba=i. Assim,AéinversadeB,àdireita. UseagoraofatodeB serinvertível a } 6Separeemdoiscasos: a=ea,useescalonamentoeofatodequeumamatriéinvertível d b ad bc c a élinha-equivalenteàmatriidentidade. A = 4 6X= t B A 63X= 3 67ParademonstrarqueAéinvertível,mostrequeAteminversaàdireita. ParaprovarqueB é invertível,useb=a AB 73 aosistematemúnicasolução a eéimpossívelsea= bosistemaépossíveldeterminado a ea eéimpossívelparaa=oua= 74a= /7eb= 46/ 7Osistemaépossíveldeterminado t et parat=osistemaéimpossíveleépossível indeterminado para t = 76FaçaX=I AB euseofatodequex XAB=I=X ABX 77ConsidereosistemalinearhomogêneoAX=Oetomeumasoluçãonãotrivialdestesistema 78Considere t Aeuseoexercícioanterior 7ConsidereosistemalinearhomogêneoBX=O,emqueOéamatricolunam nula,tome umasoluçãonãotrivialdomesmoenotequeestaétambémsoluçãodosistemaabx=o,em queoéamatricolunan nula

6 8Considere t Aeuseoexercícioanterior 8SejaA=a ij. Parademonstraraimplicação,primeiramente,demonstra-sequea ij =para i j. Paraisso,fixeiej distintos,considereamatrix=x uv definidacomosesegue: x ji =e x uv =parau j ouv i,e,useofatodequeax=xatomandoostermosdeposiçãoi,i. Paraprovarquea ii =a,paratodoi,fixeumiedefinaamatrix=x uv colocandox i =e x uv =parau iouv econsidereostermosdeposiçãoi,dasmatriesax exa. 6

Aulas Teóricas e de Problemas de Álgebra Linear

Aulas Teóricas e de Problemas de Álgebra Linear Aulas Teóricas e de Problemas de Álgebra Linear Nuno Martins Departamento de Matemática Instituto Superior Técnico Maio de Índice Parte I (Aulas teóricas e chas de exercícios) Matrizes e sistemas de equações

Leia mais

Álgebra Linear. Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru. 19 de fevereiro de 2013

Álgebra Linear. Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru. 19 de fevereiro de 2013 Álgebra Linear Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru 19 de fevereiro de 2013 Sumário 1 Matrizes e Determinantes 3 1.1 Matrizes............................................ 3 1.2 Determinante

Leia mais

Álgebra Linear. André Arbex Hallack Frederico Sercio Feitosa

Álgebra Linear. André Arbex Hallack Frederico Sercio Feitosa Álgebra Linear André Arbex Hallack Frederico Sercio Feitosa Janeiro/2006 Índice 1 Sistemas Lineares 1 11 Corpos 1 12 Sistemas de Equações Lineares 3 13 Sistemas equivalentes 4 14 Operações elementares

Leia mais

Este apêndice resume os conceitos de álgebra matricial, inclusive da álgebra de probabilidade,

Este apêndice resume os conceitos de álgebra matricial, inclusive da álgebra de probabilidade, D Resumo de Álgebra Matricial Este apêndice resume os conceitos de álgebra matricial, inclusive da álgebra de probabilidade, necessária para o estudo de modelos de regressão linear múltipla usando matrizes,

Leia mais

Capítulo 1: Sistemas Lineares e Matrizes

Capítulo 1: Sistemas Lineares e Matrizes 1 Livro: Introdução à Álgebra Linear Autores: Abramo Hefez Cecília de Souza Fernandez Capítulo 1: Sistemas Lineares e Matrizes Sumário 1 O que é Álgebra Linear?............... 2 1.1 Corpos.........................

Leia mais

Notas de Aula. Álgebra Linear I

Notas de Aula. Álgebra Linear I Notas de Aula Álgebra Linear I Rodney Josué Biezuner 1 Departamento de Matemática Instituto de Ciências Exatas (ICEx) Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Notas de aula da disciplina Álgebra Linear

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL - MATEMÁTICA PROJETO FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA ELEMENTAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL - MATEMÁTICA PROJETO FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA ELEMENTAR UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL - MATEMÁTICA PROJETO FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA ELEMENTAR Assuntos: Matrizes; Matrizes Especiais; Operações com Matrizes; Operações Elementares

Leia mais

Exercícios de Matemática Matrizes

Exercícios de Matemática Matrizes Exercícios de Matemática Matrizes ) (Unicamp-999) Considere as matrizes: cos sen x sen cos y M=, X = z e Y = a) Calcule o determinante de M e a matriz inversa de M. b) Resolva o sistema MX = Y. ) (ITA-6)

Leia mais

QUESTÕES DE ESCOLHA MÚLTIPLA

QUESTÕES DE ESCOLHA MÚLTIPLA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE SETÚBAL DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA 9/ TÓPICOSDERESOLUÇÃODO o TESTE(DIURNO) QUESTÕES DE ESCOLHA MÚLTIPLA. [,]SejamAeB duas matrizes

Leia mais

Tópicos Matriciais Pedro Henrique O. Pantoja Natal / RN

Tópicos Matriciais Pedro Henrique O. Pantoja Natal / RN 1. Traço de Matrizes. Definição 1.1: O traço de uma matriz quadrada A a de ordem n é a soma dos elementos da diagonal principal. Em símbolos, TrA a a a a. Daqui em diante, A denotará uma matriz quadrada

Leia mais

Matrizes e Determinantes

Matrizes e Determinantes Capítulo 1 Matrizes e Determinantes 11 Generalidades Iremos usar K para designar IR conjunto dos números reais C conjunto dos números complexos Deste modo, chamaremos números ou escalares aos elementos

Leia mais

QUESTÕES COMENTADAS E RESOLVIDAS

QUESTÕES COMENTADAS E RESOLVIDAS LENIMAR NUNES DE ANDRADE INTRODUÇÃO À ÁLGEBRA: QUESTÕES COMENTADAS E RESOLVIDAS 1 a edição ISBN 978-85-917238-0-5 João Pessoa Edição do Autor 2014 Prefácio Este texto foi elaborado para a disciplina Introdução

Leia mais

Álgebra Linear e Geometria Analítica

Álgebra Linear e Geometria Analítica Álgebra Linear e Geometria Analítica Departamento de Matemática para a Ciência e Tecnologia Universidade do Minho 2005/2006 Engenharia e Gestão Industrial Engenharia Electrónica Industrial e de Computadores

Leia mais

11 a LISTA DE PROBLEMAS DE ÁLGEBRA LINEAR LEIC-Taguspark, LERCI, LEGI, LEE 1 o semestre 2003/04 - semana de 2003-12-08

11 a LISTA DE PROBLEMAS DE ÁLGEBRA LINEAR LEIC-Taguspark, LERCI, LEGI, LEE 1 o semestre 2003/04 - semana de 2003-12-08 INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO - DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA a LISTA DE PROBLEMAS DE ÁLGEBRA LINEAR LEIC-Taguspark LERCI LEGI LEE o semestre 23/4 - semana de 23-2-8. Diga justificando quais dos seguintes ternos

Leia mais

Álgebra Linear Resumo das aulas teóricas e práticas Paulo R. Pinto http://www.math.ist.utl.pt/ ppinto/ Lisboa, Novembro de 2011

Álgebra Linear Resumo das aulas teóricas e práticas Paulo R. Pinto http://www.math.ist.utl.pt/ ppinto/ Lisboa, Novembro de 2011 Álgebra Linear Resumo das aulas teóricas e práticas Paulo R Pinto http://wwwmathistutlpt/ ppinto/ Lisboa, Novembro de 2011 Conteúdo 1 Matrizes e sistemas lineares 1 11 Álgebra das Matrizes 1 12 Operações

Leia mais

Capítulo 3 - Sistemas de Equações Lineares

Capítulo 3 - Sistemas de Equações Lineares Capítulo 3 - Sistemas de Equações Lineares Carlos Balsa balsa@ipb.pt Departamento de Matemática Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Bragança Matemática I - 1 o Semestre 2011/2012 Matemática I 1/

Leia mais

UNIV ERSIDADE DO EST ADO DE SANT A CAT ARINA UDESC CENT RO DE CI ^ENCIAS T ECNOLOGICAS DEP ART AMENT O DE MAT EMAT ICA DMAT

UNIV ERSIDADE DO EST ADO DE SANT A CAT ARINA UDESC CENT RO DE CI ^ENCIAS T ECNOLOGICAS DEP ART AMENT O DE MAT EMAT ICA DMAT UNIV ERSIDADE DO EST ADO DE SANT A CAT ARINA UDESC CENT RO DE CI ^ENCIAS T ECNOLOGICAS CCT DEP ART AMENT O DE MAT EMAT ICA DMAT Professora Graciela Moro Exercícios sobre Matrizes, Determinantes e Sistemas

Leia mais

Capítulo 3 - Sistemas de Equações Lineares

Capítulo 3 - Sistemas de Equações Lineares Capítulo 3 - Sistemas de Equações Lineares Carlos Balsa balsa@ipb.pt Departamento de Matemática Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Bragança Matemática I - 1 o Semestre 2011/2012 Matemática I 1/

Leia mais

Sistema de equações lineares

Sistema de equações lineares Sistema de equações lineares Sistema de m equações lineares em n incógnitas sobre um corpo ( S) a x + a x + + a x = b a x + a x + + a x = b a x + a x + + a x = b 11 1 12 2 1n n 1 21 1 22 2 2n n 2 m1 1

Leia mais

Capítulo 2: Transformação de Matrizes e Resolução de Sistemas

Capítulo 2: Transformação de Matrizes e Resolução de Sistemas 2 Livro: Introdução à Álgebra Linear Autores: Abramo Hefez Cecília de Souza Fernandez Capítulo 2: Transformação de Matrizes e Resolução de Sistemas Sumário 1 Transformação de Matrizes.............. 3 1.1

Leia mais

Breve referência à Teoria de Anéis. Álgebra (Curso de CC) Ano lectivo 2005/2006 191 / 204

Breve referência à Teoria de Anéis. Álgebra (Curso de CC) Ano lectivo 2005/2006 191 / 204 Breve referência à Teoria de Anéis Álgebra (Curso de CC) Ano lectivo 2005/2006 191 / 204 Anéis Há muitos conjuntos, como é o caso dos inteiros, dos inteiros módulo n ou dos números reais, que consideramos

Leia mais

R é o conjunto dos reais; f : A B, significa que f é definida no conjunto A (domínio - domain) e assume valores em B (contradomínio range).

R é o conjunto dos reais; f : A B, significa que f é definida no conjunto A (domínio - domain) e assume valores em B (contradomínio range). f : A B, significa que f é definida no conjunto A (domínio - domain) e assume valores em B (contradomínio range). R é o conjunto dos reais; R n é o conjunto dos vetores n-dimensionais reais; Os vetores

Leia mais

ficha 3 espaços lineares

ficha 3 espaços lineares Exercícios de Álgebra Linear ficha 3 espaços lineares Exercícios coligidos por Jorge Almeida e Lina Oliveira Departamento de Matemática, Instituto Superior Técnico 2 o semestre 2011/12 3 Notação Sendo

Leia mais

Exercícios Teóricos Resolvidos

Exercícios Teóricos Resolvidos Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Matemática Exercícios Teóricos Resolvidos O propósito deste texto é tentar mostrar aos alunos várias maneiras de raciocinar

Leia mais

Cálculo. Álgebra Linear. Programação Computacional. Metodologia Científica

Cálculo. Álgebra Linear. Programação Computacional. Metodologia Científica UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL Cálculo Álgebra Linear Programação Computacional Metodologia Científica Realização: Fortaleza, Fevereiro/2012 UNIVERSIDADE

Leia mais

2 Matrizes. 3 Definição Soma de duas matrizes, e ( ) 4 Propriedades Propriedades da soma de matrizes ( )

2 Matrizes. 3 Definição Soma de duas matrizes, e ( ) 4 Propriedades Propriedades da soma de matrizes ( ) Nova School of Business and Economics Apontamentos Álgebra Linear 1 Definição Matriz ( ) Conjunto de elementos dispostos em linhas e colunas. Ex.: 0 1 é uma matriz com 2 linhas e 3 colunas. 2 Definição

Leia mais

A minha mãe MariadaConceiçãodeFreitas eemmemóriademeupai José de Andrade e Silva.

A minha mãe MariadaConceiçãodeFreitas eemmemóriademeupai José de Andrade e Silva. A minha mãe MariadaConceiçãodeFreitas eemmemóriademeupai José de Andrade e Silva. Prefácio Este texto surgiu da experiência do autor quando ministrou algumas vezes a disciplina Álgebra Linear e Geometria

Leia mais

(os números, que constituirão os corpos numéricos) (os vetores, que constituirão os espaços vetoriais)

(os números, que constituirão os corpos numéricos) (os vetores, que constituirão os espaços vetoriais) Os objetos que serão considerados aqui são de duas natureza: Escalar: Vetorial: (os números, que constituirão os corpos numéricos) (os vetores, que constituirão os espaços vetoriais). Corpos Numéricos

Leia mais

Resolução da Prova da Escola Naval 2009. Matemática Prova Azul

Resolução da Prova da Escola Naval 2009. Matemática Prova Azul Resolução da Prova da Escola Naval 29. Matemática Prova Azul GABARITO D A 2 E 2 E B C 4 D 4 C 5 D 5 A 6 E 6 C 7 B 7 B 8 D 8 E 9 A 9 A C 2 B. Os 6 melhores alunos do Colégio Naval submeteram-se a uma prova

Leia mais

MATEMÁTICA GEOMETRIA ANALÍTICA I PROF. Diomedes. E2) Sabendo que a distância entre os pontos A e B é igual a 6, calcule a abscissa m do ponto B.

MATEMÁTICA GEOMETRIA ANALÍTICA I PROF. Diomedes. E2) Sabendo que a distância entre os pontos A e B é igual a 6, calcule a abscissa m do ponto B. I- CONCEITOS INICIAIS - Distância entre dois pontos na reta E) Sabendo que a distância entre os pontos A e B é igual a 6, calcule a abscissa m do ponto B. d(a,b) = b a E: Dados os pontos A e B de coordenadas

Leia mais

Capítulo 5: Transformações Lineares

Capítulo 5: Transformações Lineares 5 Livro: Introdução à Álgebra Linear Autores: Abramo Hefez Cecília de Souza Fernandez Capítulo 5: Transformações Lineares Sumário 1 O que são as Transformações Lineares?...... 124 2 Núcleo e Imagem....................

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL Realização: UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL Álgebra Linear Realização:

Leia mais

As expressões que apresentam letras, além de operações e números são chamadas expressões algébricas. As letras são as variáveis.

As expressões que apresentam letras, além de operações e números são chamadas expressões algébricas. As letras são as variáveis. 1 Aula 3 Expressões algébricas. Produtos notáveis. Fatoração. Objetivos: Conceituar variáveis. Enumerar as propriedades operacionais das expressões algébricas. Fatorar expressões algébricas. Simplificar

Leia mais

Obs.: São cartesianos ortogonais os sistemas de coordenadas

Obs.: São cartesianos ortogonais os sistemas de coordenadas MATEMÁTICA NOTAÇÕES : conjunto dos números complexos : conjunto dos números racionais : conjunto dos números reais : conjunto dos números inteiros = {0,,, 3,...} * = {,, 3,...} Ø: conjunto vazio A\B =

Leia mais

NOÇÕES DE ÁLGEBRA LINEAR

NOÇÕES DE ÁLGEBRA LINEAR ESPAÇO VETORIAL REAL NOÇÕES DE ÁLGEBRA LINEAR ESPAÇOS VETORIAIS Seja um conjunto V φ no qual estão definidas duas operações: adição e multiplicação por escalar, tais que u, v V, u+v V e α R, u V, αu V

Leia mais

Åaxwell Mariano de Barros

Åaxwell Mariano de Barros ÍÒ Ú Ö Ö Ð ÓÅ Ö Ò Ó Ô ÖØ Ñ ÒØÓ Å Ø Ñ Ø ÒØÖÓ Ò Ü Ø Ì ÒÓÐÓ ÆÓØ ÙÐ ¹¼ ÐÙÐÓÎ ØÓÖ Ð ÓÑ ØÖ Ò Ð Ø Åaxwell Mariano de Barros ¾¼½½ ËÓÄÙ ¹ÅA ËÙÑ Ö Ó 1 Vetores no Espaço 2 1.1 Bases.........................................

Leia mais

Revisão para a Bimestral 8º ano

Revisão para a Bimestral 8º ano Revisão para a Bimestral 8º ano 1- Quadrado da soma de dois termos Observe: (a + b)² = ( a + b). (a + b) = a² + ab+ ab + b² = a² + 2ab + b² Conclusão: (primeiro termo)² + 2.(primeiro termo). (segundo termo)

Leia mais

Recordamos que Q M n n (R) diz-se ortogonal se Q T Q = I.

Recordamos que Q M n n (R) diz-se ortogonal se Q T Q = I. Diagonalização ortogonal de matrizes simétricas Detalhes sobre a Secção.3 dos Apontamentos das Aulas teóricas de Álgebra Linear Cursos: LMAC, MEBiom e MEFT (semestre, 0/0, Prof. Paulo Pinto) Recordamos

Leia mais

GLOSSÁRIO: UM DICIONÁRIO PARA ÁLGEBRA LINEAR

GLOSSÁRIO: UM DICIONÁRIO PARA ÁLGEBRA LINEAR GLOSSÁRIO: UM DICIONÁRIO PARA ÁLGEBRA LINEAR Matriz de adjacência de um grafo. Matriz quadrada com a ij = 1 quando existe uma arestado nodo i para o nodo j; caso contrário a ij = 0. A = A T para um grafo

Leia mais

MATRIZES Matriz quadrada Matriz linha e matriz coluna Matriz diagonal Matriz identidade

MATRIZES Matriz quadrada Matriz linha e matriz coluna Matriz diagonal Matriz identidade MATRIZES Matriz quadrada matriz quadrada de ordem. diagonal principal matriz quadrada de ordem. - 7 9 diagonal principal diagonal secundária Matriz linha e matriz coluna [ ] colunas). (linha e matriz linha

Leia mais

Disciplina: Introdução à Álgebra Linear

Disciplina: Introdução à Álgebra Linear Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte Campus: Mossoró Curso: Licenciatura Plena em Matemática Disciplina: Introdução à Álgebra Linear Prof.: Robson Pereira de Sousa

Leia mais

CURSO DE. Álgebra Linear Aplicada

CURSO DE. Álgebra Linear Aplicada CURSO DE Álgebra Linear Aplicada Antonio Cândido Faleiros Centro de Matemática, Computação e Cognição Universidade Federal do ABC Santo André, SP 6 de abril de 2009 Sumário 1 Equações lineares 1 1.1 Equaçãoalgébricalinear...

Leia mais

Por que o quadrado de terminados em 5 e ta o fa cil? Ex.: 15²=225, 75²=5625,...

Por que o quadrado de terminados em 5 e ta o fa cil? Ex.: 15²=225, 75²=5625,... Por que o quadrado de terminados em 5 e ta o fa cil? Ex.: 15²=225, 75²=5625,... 0) O que veremos na aula de hoje? Um fato interessante Produtos notáveis Equação do 2º grau Como fazer a questão 5 da 3ª

Leia mais

Universidade Estadual de Santa Cruz. Departamento de Ciências Exatas e Tecnológicas. Especialização em Matemática. Disciplina: Estruturas Algébricas

Universidade Estadual de Santa Cruz. Departamento de Ciências Exatas e Tecnológicas. Especialização em Matemática. Disciplina: Estruturas Algébricas 1 Universidade Estadual de Santa Cruz Departamento de Ciências Exatas e Tecnológicas Especialização em Matemática Disciplina: Estruturas Algébricas Profs.: Elisangela S. Farias e Sérgio Motta Operações

Leia mais

CURSO ONLINE RACIOCÍNIO LÓGICO

CURSO ONLINE RACIOCÍNIO LÓGICO AULA QUINZE: Matrizes & Determinantes (Parte II) Olá, amigos! Pedimos desculpas por não ter sido possível apresentarmos esta aula na semana passada. Motivos de força maior nos impediram de fazê-lo, mas

Leia mais

ITA - 2005 3º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

ITA - 2005 3º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR ITA - 2005 3º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Matemática Questão 01 Considere os conjuntos S = {0,2,4,6}, T = {1,3,5} e U = {0,1} e as afirmações: I. {0} S e S U. II. {2} S\U e S T U={0,1}.

Leia mais

ÁLGEBRA BOOLEANA. Foi um modelo formulado por George Boole, por volta de 1850.

ÁLGEBRA BOOLEANA. Foi um modelo formulado por George Boole, por volta de 1850. ÁLGEBRA BOOLEANA Foi um modelo formulado por George Boole, por volta de 1850. Observando a lógica proposicional e a teoria de conjuntos verificamos que elas possuem propriedades em comum. Lógica Proposicional

Leia mais

Carga horária: 60 horas Créditos: 04. Matrizes, Determinantes, Sistemas de Equações Lineares e Geometria Analítica.

Carga horária: 60 horas Créditos: 04. Matrizes, Determinantes, Sistemas de Equações Lineares e Geometria Analítica. Disciplina: Matemática para o Ensino Básico IV Prof Ms José Elias Dos Santos Filho Curso de Licenciatura em Matemática UFPBVIRTUAL elias@ccaeufpbbr Ambiente Virtual de Aprendizagem: Moodle wwweadufpbbr

Leia mais

Gobooks.com.br. PucQuePariu.com.br

Gobooks.com.br. PucQuePariu.com.br ÁLGEBRA LINEAR todos os conceitos, gráficos e fórmulas necessárias, em um só lugar. Gobooks.com.br PucQuePariu.com.br e te salvando de novo. Agora com o: RESUMO ÁLGEBRA LINEAR POR: Giovanni Tramontin 1.

Leia mais

Corpos. Um domínio de integridade finito é um corpo. Demonstração. Seja D um domínio de integridade com elemento identidade

Corpos. Um domínio de integridade finito é um corpo. Demonstração. Seja D um domínio de integridade com elemento identidade Corpos Definição Um corpo é um anel comutativo com elemento identidade em que todo o elemento não nulo é invertível. Muitas vezes é conveniente pensar em ab 1 como sendo a b, quando a e b são elementos

Leia mais

a m1 A ou [ A] ou A ou A A = a ij para i = 1 m e j = 1 n A=[ 1 2 3 Os elementos da diagonal principal são: a ij para i = j

a m1 A ou [ A] ou A ou A A = a ij para i = 1 m e j = 1 n A=[ 1 2 3 Os elementos da diagonal principal são: a ij para i = j Cap. 2.- Matrizes e Sistemas Lineares 2.. Definição Matriz é um conjunto organizado de números dispostos em linhas e colunas. Representações Matriz retangular A, m x n (eme por ene) a 2 a n A=[a a 2 a

Leia mais

ÁLGEBRA LINEAR ISBN 978-85-915683-0-7

ÁLGEBRA LINEAR ISBN 978-85-915683-0-7 . ÁLGEBRA LINEAR ISBN 978-85-915683-0-7 ROBERTO DE MARIA NUNES MENDES Professor do Departamento de Matemática e Estatística e do Programa de Pós-graduação em Engenharia Elétrica da PUCMINAS Belo Horizonte

Leia mais

Aula: Equações polinomiais

Aula: Equações polinomiais Aula: Equações polinomiais Turma 1 e 2 Data: 05/09/2012-12/09/2012 Tópicos Equações polinomiais. Teorema fundamental da álgebra. Raízes reais e complexas. Fatoração e multiplicação de raízes. Relações

Leia mais

FUVEST VESTIBULAR 2005 FASE II RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA GOUVEIA.

FUVEST VESTIBULAR 2005 FASE II RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA GOUVEIA. FUVEST VESTIBULAR 00 FASE II PROFA. MARIA ANTÔNIA GOUVEIA. Q 0. Para a fabricação de bicicletas, uma empresa comprou unidades do produto A, pagando R$9, 00, e unidades do produto B, pagando R$8,00. Sabendo-se

Leia mais

Notas de Aula. Álgebra Linear

Notas de Aula. Álgebra Linear Notas de Aula Álgebra Linear Rodney Josué Biezuner 1 Departamento de Matemática Instituto de Ciências Exatas (ICEx) Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Notas de aula da disciplina Álgebra Linear

Leia mais

Caderno de Atividades: GEOMETRIA ANALÍTICA E ÁLGEBRA LINEAR. Prof. Carlos Vidigal Profª. Érika Vidigal

Caderno de Atividades: GEOMETRIA ANALÍTICA E ÁLGEBRA LINEAR. Prof. Carlos Vidigal Profª. Érika Vidigal Caderno de Atividades: GEOMETRIA ANALÍTICA E ÁLGEBRA LINEAR Prof. Carlos Vidigal Profª. Érika Vidigal GEOMETRIA ANALÍTICA E ÁLGEBRA LINEAR FINALIDADE: Aplicar e desenvolver o raciocínio analítico na resolução

Leia mais

Fundamentos de Matemática Elementar (MAT133)

Fundamentos de Matemática Elementar (MAT133) Fundamentos de Matemática Elementar (MAT133) Notas de aulas Maria Julieta Ventura Carvalho de Araújo (Colaboração: André Arbex Hallack) Março/2010 i Índice 1 Conjuntos 1 1.1 A noção de conjunto e alguns

Leia mais

Produtos. 4.1 Produtos escalares

Produtos. 4.1 Produtos escalares Capítulo 4 Produtos 4.1 Produtos escalares Neste tópico iremos estudar um novo tipo de operação entre vetores do plano e do espaço. Vamos fazer inicialmente uma consideração geométrica, como segue. Seja

Leia mais

Espaços vectoriais com produto interno. ALGA 2007/2008 Mest. Int. Eng. Biomédica Espaços vectoriais com produto interno 1 / 15

Espaços vectoriais com produto interno. ALGA 2007/2008 Mest. Int. Eng. Biomédica Espaços vectoriais com produto interno 1 / 15 Capítulo 6 Espaços vectoriais com produto interno ALGA 2007/2008 Mest. Int. Eng. Biomédica Espaços vectoriais com produto interno 1 / 15 Definição e propriedades Seja V um espaço vectorial real. Chama-se

Leia mais

Lista 8 - Geometria Analítica

Lista 8 - Geometria Analítica Lista 8 - Geometria Analítica Posição Relativa, Distância e Ângulos e paralelo a reta x = y = z 7 1 Estude a posição relativa das retas r e s. Se as retas forem concorrentes encontre o ponto de intersecção

Leia mais

Gramáticas Livres de Contexto

Gramáticas Livres de Contexto Gramáticas Livres de Contexto 25 de novembro de 2011 Definição 1 Uma Regra (ou produção) é um elemento do conjunto V (V Σ). Sendo que V é um conjunto finito de elementos chamados de variáveis e Σ um conjunto

Leia mais

2) Se z = (2 + i).(1 + i).i, então a) 3 i b) 1 3i c) 3 i d) 3 + i e) 3 + i. ,será dado por: quando x = i é:

2) Se z = (2 + i).(1 + i).i, então a) 3 i b) 1 3i c) 3 i d) 3 + i e) 3 + i. ,será dado por: quando x = i é: Aluno(a) Nº. Ano: º do Ensino Médio Exercícios para a Recuperação de MATEMÁTICA - Professores: Escossi e Luciano NÚMEROS COMPLEXOS 1) Calculando-se corretamente as raízes da função f(x) = x + 4x + 5, encontram-se

Leia mais

MATRIZES, DETERMINANTES E SISTEMAS LINEARES

MATRIZES, DETERMINANTES E SISTEMAS LINEARES MATEMÁTICA MATRIZES, DETERMINANTES E SISTEMAS LINEARES. UFMT Um projeto de pesquisa sobre dietas envolve adultos e crianças de ambos os sexos. A composição dos participantes no projeto é dada pela matriz

Leia mais

Parte 2. Polinômios sobre domínios e corpos

Parte 2. Polinômios sobre domínios e corpos Parte Polinômios sobre domínios e corpos Pressupomos que o estudante tenha familiaridade com os anéis comutativos com unidade, em particular com domínios e corpos. Alguns exemplos importantes são Z Q R

Leia mais

Vetores. Definição geométrica de vetores

Vetores. Definição geométrica de vetores Vetores Várias grandezas físicas, tais como por exemplo comprimento, área, olume, tempo, massa e temperatura são completamente descritas uma ez que a magnitude (intensidade) é dada. Tais grandezas são

Leia mais

Teste Intermédio Matemática. 9.º Ano de Escolaridade. Versão 1. Duração do Teste: 30 min (Caderno 1) + 60 min (Caderno 2) 21.03.

Teste Intermédio Matemática. 9.º Ano de Escolaridade. Versão 1. Duração do Teste: 30 min (Caderno 1) + 60 min (Caderno 2) 21.03. Teste Intermédio Matemática Versão 1 Duração do Teste: 30 min (Caderno 1) + 60 min (Caderno 2) 21.03.2014 9.º Ano de Escolaridade Indica de forma legível a versão do teste. O teste é constituído por dois

Leia mais

Lista 1. Sistema cartesiano ortogonal. 1. Observe a figura e determine os pontos, ou seja, dê suas coordenadas: a) A b) B c) C d) D e) E

Lista 1. Sistema cartesiano ortogonal. 1. Observe a figura e determine os pontos, ou seja, dê suas coordenadas: a) A b) B c) C d) D e) E Sistema cartesiano ortogonal Lista. Observe a figura e determine os pontos, ou seja, dê suas coordenadas: a) A b) B c) C d) D e) E. Marque num sistema de coordenadas cartesianas ortogonais os pontos: a)

Leia mais

POLINÔMIOS. Ana Paula Gargano

POLINÔMIOS. Ana Paula Gargano POLINÔMIOS Ana Paula Gargano O que é polinômio? É uma expressão algébrica composta de um ou mais termos, que é o produto de um número por letras elevadas a expoentes naturais. A parte numérica é o coeficiente

Leia mais

IMPORTAÇÃO DO CADASTRO DE PESSOAS

IMPORTAÇÃO DO CADASTRO DE PESSOAS IMPORTAÇÃO DO CADASTRO DE PESSOAS 1. Objetivo: 1. Esta rotina permite importar para o banco de dados do ibisoft Empresa o cadastro de pessoas gerado por outro aplicativo. 2. O cadastro de pessoas pode

Leia mais

5.2 Componentes Simétricas P r o f. F l á v i o V a n d e r s o n G o m e s

5.2 Componentes Simétricas P r o f. F l á v i o V a n d e r s o n G o m e s UERSDDE FEDERL DE JU DE FOR nálise de Sistemas Elétricos de Potência 5. omponentes Simétricas P r o f. F l á v i o a n d e r s o n G o m e s E - m a i l : f l a v i o. g o m e s @ u f j f. e d u. b r E

Leia mais

Atividades para classe

Atividades para classe Módulo 1: Expressões algébricas Página 78 Atividades para classe 1 Sérgio escreveu três expressões algébricas no caderno dele: uma racional inteira, uma racional fracionária e outra irracional. Identifique

Leia mais

Prova de Admissão para o Mestrado em Matemática IME-USP - 23.11.2007

Prova de Admissão para o Mestrado em Matemática IME-USP - 23.11.2007 Prova de Admissão para o Mestrado em Matemática IME-USP - 23.11.2007 A Nome: RG: Assinatura: Instruções A duração da prova é de duas horas. Assinale as alternativas corretas na folha de respostas que está

Leia mais

1 B 1 Dado z = ( 1 + 3 i), então z n é igual a

1 B 1 Dado z = ( 1 + 3 i), então z n é igual a MATEMÁTICA NOTAÇÕES : conjunto dos números naturais : conjunto dos números inteiros : conjunto dos números racionais : conjunto dos números reais : conjunto dos números complexos i: unidade imaginária:

Leia mais

Introdução MATRIZES. O que vocês acham? Onde podemos usar Matrizes além dos estudos de matemática?

Introdução MATRIZES. O que vocês acham? Onde podemos usar Matrizes além dos estudos de matemática? PROBBILIDDES Professora Rosana Relva Números Inteiros e Racionais Introdução rrelva@globo.com O crescente uso dos computadores tem feito com que a teoria das matrizes seja cada vez mais aplicada. Onde

Leia mais

Qual é Mesmo a Definição de Polígono Convexo?

Qual é Mesmo a Definição de Polígono Convexo? Qual é Mesmo a Definição de Polígono Convexo? Elon Lages Lima IMPA, Rio de Janeiro Quando pensamos num polígono convexo, imaginamos seus vértices todos apontando para fora, ou seja, que ele não possui

Leia mais

ENSINO ENS. FUNDAMENTAL PROFESSOR(ES) TURNO. 01. A) 83 16 B) 3 2005 D) 103 a. 02. A) 5 2 B) 3 2 C) 6 2 D) a 2006 E) (ab) 3 F) (3a) p 03.

ENSINO ENS. FUNDAMENTAL PROFESSOR(ES) TURNO. 01. A) 83 16 B) 3 2005 D) 103 a. 02. A) 5 2 B) 3 2 C) 6 2 D) a 2006 E) (ab) 3 F) (3a) p 03. SÉRIE 8º ANO OLÍMPICO ENSINO ENS. FUNDAMENTAL PROFESSOR(ES) SEDE ALUNO(A) Nº RESOLUÇÃO TURMA TURNO DATA / / ÁLGEBRA CAPÍTULO POTENCIAÇÃO Exercícios orientados para a sua aprendizagem (Pág. 6 e 7) 0. A)

Leia mais

Equações Exponenciais Equações que envolvem termos em que a incógnita aparece no expoente são chamadas de equações exponenciais. Por exemplo, Solução:

Equações Exponenciais Equações que envolvem termos em que a incógnita aparece no expoente são chamadas de equações exponenciais. Por exemplo, Solução: Matemática Aplicada Equações Exponenciais Equações que envolvem termos em que a incógnita aparece no expoente são chamadas de equações exponenciais. Por exemplo, Apresentaremos a seguir as propriedades:

Leia mais

Bacharelado em Ciência da Computação Matemática Discreta

Bacharelado em Ciência da Computação Matemática Discreta Bacharelado em Ciência da Computação Matemática Discreta Prof. Diego Mello da Silva Instituto Federal de Minas Gerais - Campus Formiga 19 de fevereiro de 2013 diego.silva@ifmg.edu.br (IFMG) Matemática

Leia mais

12. FUNÇÕES INJETORAS. FUNÇÕES SOBREJETORAS 12.1 FUNÇÕES INJETORAS. Definição

12. FUNÇÕES INJETORAS. FUNÇÕES SOBREJETORAS 12.1 FUNÇÕES INJETORAS. Definição 90 1. FUNÇÕES INJETORAS. FUNÇÕES SOBREJETORAS 1.1 FUNÇÕES INJETORAS Definição Dizemos que uma função f: A B é injetora quando para quaisquer elementos x 1 e x de A, f(x 1 ) = f(x ) implica x 1 = x. Em

Leia mais

INSTITUTO TECNOLÓGICO

INSTITUTO TECNOLÓGICO PAC - PROGRAMA DE APRIMORAMENTO DE CONTEÚDOS. ATIVIDADES DE NIVELAMENTO BÁSICO. DISCIPLINAS: MATEMÁTICA & ESTATÍSTICA. PROFº.: PROF. DR. AUSTER RUZANTE 1ª SEMANA DE ATIVIDADES DOS CURSOS DE TECNOLOGIA

Leia mais

2.2 Subespaços Vetoriais

2.2 Subespaços Vetoriais 32 CAPÍTULO 2. ESPAÇOS VETORIAIS 2.2 Subespaços Vetoriais Sejam V um espaço vetorial sobre R e W um subconjunto de V. Dizemos que W é um subespaço (vetorial) de V se as seguintes condições são satisfeitas:

Leia mais

Prof. José Carlos Morilla

Prof. José Carlos Morilla 1 Cálculo Vetorial e Geometria Analítica Santos 009 1 CÁLCULO VETORIAL... 4 1.1 Segmentos Orientados... 4 1. Vetores... 4 1..1 Soma de um ponto com um vetor... 5 1.. Adição de vetores... 5 1..3 Diferença

Leia mais

Exercícios e questões de Álgebra Linear

Exercícios e questões de Álgebra Linear CEFET/MG Exercícios e questões de Álgebra Linear Versão 1.2 Prof. J. G. Peixoto de Faria Departamento de Física e Matemática 25 de outubro de 2012 Digitado em L A TEX (estilo RevTEX). 2 I. À GUISA DE NOTAÇÃO

Leia mais

Luckas Andre Farias. Criptografia em hardware usando VHDL aplicado a VOIP

Luckas Andre Farias. Criptografia em hardware usando VHDL aplicado a VOIP Luckas Andre Farias Criptografia em hardware usando VHDL aplicado a VOIP Londrina 2012 Luckas Andre Farias Criptografia em hardware usando VHDL aplicado a VOIP Trabalho de Conclusão de curso apresentado

Leia mais

Fundamentos Tecnológicos

Fundamentos Tecnológicos 1 2 Potenciação Fundamentos Tecnológicos Potenciação, radiciação e operações algébricas básicas Prof. Flavio Fernandes Dados um número real positivo a e um número natural n diferente de zero, chama-se

Leia mais

Instituto Superior Técnico Departamento de Matemática Última actualização: 11/Dez/2003 ÁLGEBRA LINEAR A

Instituto Superior Técnico Departamento de Matemática Última actualização: 11/Dez/2003 ÁLGEBRA LINEAR A Instituto Superior Técnico Departamento de Matemática Secção de Álgebra e Análise Última actualização: 11/Dez/2003 ÁLGEBRA LINEAR A FICHA 8 APLICAÇÕES E COMPLEMENTOS Sistemas Dinâmicos Discretos (1) (Problema

Leia mais

NOTAÇÕES. +... + a n. , sendo n inteiro não negativo k =1. Observação: Os sistemas de coordenadas considerados são cartesianos retangulares.

NOTAÇÕES. +... + a n. , sendo n inteiro não negativo k =1. Observação: Os sistemas de coordenadas considerados são cartesianos retangulares. MATEMÁTICA NOTAÇÕES : conjunto dos números reais : conjunto dos números complexos i: unidade imaginária, i = z: módulo do número z Re(z): parte real do número z Im(z): parte imaginária do número z det

Leia mais

ÁLGEBRA. Isidorio Rodrigues Queiroz. Rio de Janeiro / 2009 TODOS OS DIREITOS RESERVADOS À UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO

ÁLGEBRA. Isidorio Rodrigues Queiroz. Rio de Janeiro / 2009 TODOS OS DIREITOS RESERVADOS À UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO VICE-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO E CORPO DISCENTE COORDENAÇÃO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA ÁLGEBRA Conteudista Isidorio Rodrigues Queiroz Rio de Janeiro / 2009 TODOS OS DIREITOS RESERVADOS À UNIVERSIDADE

Leia mais

Exercícios 1. Determinar x de modo que a matriz

Exercícios 1. Determinar x de modo que a matriz setor 08 080509 080509-SP Aula 35 MATRIZ INVERSA Uma matriz quadrada A de ordem n diz-se invertível, ou não singular, se, e somente se, existir uma matriz que indicamos por A, tal que: A A = A A = I n

Leia mais

Módulo de Geometria Anaĺıtica 1. Coordenadas, Distâncias e Razões de Segmentos no Plano Cartesiano. 3 a série E.M.

Módulo de Geometria Anaĺıtica 1. Coordenadas, Distâncias e Razões de Segmentos no Plano Cartesiano. 3 a série E.M. Módulo de Geometria Anaĺıtica 1 Coordenadas, Distâncias e Razões de Segmentos no Plano Cartesiano a série EM Geometria Analítica 1 Coordenadas, Distâncias e Razões de Segmentos no Plano Cartesiano 1 Exercícios

Leia mais

CAPÍTULO 6 TRANSFORMAÇÃO LINEAR

CAPÍTULO 6 TRANSFORMAÇÃO LINEAR INODUÇÃO AO ESUDO DA ÁLGEBA LINEA CAPÍULO 6 ANSFOMAÇÃO LINEA Introdução Muitos problemas de Matemática Aplicada envolvem o estudo de transformações, ou seja, a maneira como certos dados de entrada são

Leia mais

RELAÇÕES BINÁRIAS Produto Cartesiano A X B

RELAÇÕES BINÁRIAS Produto Cartesiano A X B RELAÇÕES BINÁRIAS PARES ORDENADOS Um PAR ORDENADO, denotado por (x,y), é um par de elementos onde x é o Primeiro elemento e y é o Segundo elemento do par A ordem é relevante em um par ordenado Logo, os

Leia mais

Conjuntos numéricos. Notasdeaula. Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming. Dr. Régis Quadros

Conjuntos numéricos. Notasdeaula. Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming. Dr. Régis Quadros Conjuntos numéricos Notasdeaula Fonte: Leithold 1 e Cálculo A - Flemming Dr. Régis Quadros Conjuntos numéricos Os primeiros conjuntos numéricos conhecidos pela humanidade são os chamados inteiros positivos

Leia mais

4.2 Produto Vetorial. Orientação sobre uma reta r

4.2 Produto Vetorial. Orientação sobre uma reta r 94 4. Produto Vetorial Dados dois vetores u e v no espaço, vamos definir um novo vetor, ortogonal a u e v, denotado por u v (ou u v, em outros textos) e denominado produto vetorial de u e v. Mas antes,

Leia mais

TIPO DE PROVA: A. Questão 1. Questão 4. Questão 2. Questão 3. alternativa D. alternativa A. alternativa D. alternativa C

TIPO DE PROVA: A. Questão 1. Questão 4. Questão 2. Questão 3. alternativa D. alternativa A. alternativa D. alternativa C Questão TIPO DE PROVA: A Se a circunferência de um círculo tiver o seu comprimento aumentado de 00%, a área do círculo ficará aumentada de: a) 00% d) 00% b) 400% e) 00% c) 50% Aumentando o comprimento

Leia mais

APLICAÇÕES DE SISTEMAS LINEARES E DETERMINANTE NA ENGENHARIA CIVIL

APLICAÇÕES DE SISTEMAS LINEARES E DETERMINANTE NA ENGENHARIA CIVIL UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL INSTITUTO DE MATEMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO PROFISSIONAL MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL ELTON DA SILVA PAIVA VALIENTE APLICAÇÕES DE SISTEMAS LINEARES

Leia mais

Observação: Os sistemas de coordenadas considerados são cartesianos retangulares.

Observação: Os sistemas de coordenadas considerados são cartesianos retangulares. NOTAÇÕES N: conjunto dos números naturais C: conjunto dos números complexos Z: conjuntodosnúmerosinteiros i: unidadeimaginária,i 2 = 1 R: conjuntodosnúmerosreais z : módulodonúmeroz C M m n (R): conjuntodasmatrizesreaism

Leia mais

POLINÔMIOS. x 2x 5x 6 por x 1 x 2. 10 seja x x 3

POLINÔMIOS. x 2x 5x 6 por x 1 x 2. 10 seja x x 3 POLINÔMIOS 1. (Ueg 01) A divisão do polinômio a) x b) x + c) x 6 d) x + 6 x x 5x 6 por x 1 x é igual a:. (Espcex (Aman) 01) Os polinômios A(x) e B(x) são tais que A x B x x x x 1. Sabendo-se que 1 é raiz

Leia mais

ITA - 2004 3º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

ITA - 2004 3º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR ITA - 2004 3º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Matemática Questão 01 Considere as seguintes afirmações sobre o conjunto U = {0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9} I. U e n(u) = 10 III. 5 U e {5}

Leia mais

Geometria Analítica. Katia Frensel - Jorge Delgado. NEAD - Núcleo de Educação a Distância. Curso de Licenciatura em Matemática UFMA

Geometria Analítica. Katia Frensel - Jorge Delgado. NEAD - Núcleo de Educação a Distância. Curso de Licenciatura em Matemática UFMA Geometria Analítica NEAD - Núcleo de Educação a Distância Curso de Licenciatura em Matemática UFMA Katia Frensel - Jorge Delgado Março, 011 ii Geometria Analítica Conteúdo Prefácio ix 1 Coordenadas na

Leia mais