ROSENY ALVES DA SILVA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ROSENY ALVES DA SILVA"

Transcrição

1 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIR DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA DME CAMPUS DE JI-PARANÁ ROSENY ALVES DA SILVA EDUCAÇÃO INCLUSIVA: PERCEPÇÕES DE PEDAGOGOS SOBRE O PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA PARA ALUNOS AUTISTAS NA CIDADE DE JI-PARAN/RO Ji-Paraná 2014

2 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIR DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA DME CAMPUS DE JI-PARANÁ ROSENY ALVES DA SILVA EDUCAÇÃO INCLUSIVA: PERCEPÇÕES DE PEDAGOGOS SOBRE O PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA PARA ALUNOS AUTISTAS NA CIDADE DE JI-PARAN/RO Trabalho de Conclusão de Curso submetido ao Departamento de Matemática e Estatística, da Universidade Federal de Rondônia, Campus de Ji-Paraná, como parte dos requisitos para obtenção do título de Licenciada em Matemática, sob a orientação do professor Prof.Dr. Ariveltom Cosme da Silva. Ji-Paraná 2014

3

4 ROSENY ALVES DA SILVA EDUCAÇÃO INCLUSIVA: PERCEPÇÕES DE PEDAGOGOS SO- BRE O PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATE- MÁTICA PARA ALUNOS AUTISTAS NA CIDADE DE JI- PARANÁ/RO Este Trabalho de Conclusão de Curso foi julgado adequado como parte dos requisitos para obtenção do título de Licenciado (a) em Matemática e teve o parecer final como Aprovado, no dia , pelo Departamento de Matemática e Estatística, da Universidade Federal de Rondônia, Campus de Ji-Paraná. Banca Examinadora Profª. Ms. Márcia Rosa Uliana UNIR Prof. Ms. Reginaldo Tudeia dos Santos UNIR Prof. Dr. Ariveltom Cosme da Silva. Orientador UNIR

5 RESUMO SILVA, Roseny Alves. As percepções da docência matemática frente a educação inclusiva de alunos autistas Monografia (Licenciatura em Matemática) Departamento de Matemática e Estatística, Universidade Federal de Rondônia, Ji-Paraná. Pesquisas que busquem a percepção de docentes matemáticos na educação inclusiva ainda são escassas no Brasil. Sendo assim, o estudo buscou investigar as concepções e os aspectos sobre a educação inclusiva de alunos autistas, assim como destacar a importância da formação e capacitação dos professores, visando à melhoria do ensino de matemática para autistas. Procurou também identificar as dificuldades enfrentadas pelos docentes para ensinar matemática para discentes autistas e averiguar a relação dos alunos autistas com professores e colegas, esses objetivos foram encalçados a partir da concepção das professoras do ensino fundamental do 1º ciclo do ensino fundamental que atuam ou já atuaram em turmas de alunos com diagnóstico de autismo nas escolas públicas da cidade de Ji-paraná RO, localizadas no perímetro urbano. Como procedimentos metodológicos inicialmente foi feito um levantamento bibliográfico e em seguida foi aplicado um questionário com questões abertas, após isso todos os dados foram submetidos a uma análise qualitativa. Os resultados apontam que essas professoras se sentem despreparadas para oferecer um ensino compatível às complexidades apresentada pela síndrome do autismo. Evidenciam ainda, que a formação inicial das professoras pesquisadas não foi suficiente para uma atuação eficaz no contexto inclusivo e que há necessidade da formação continuada que contemple metodologias e esclarecimento sobre a síndrome do autismo. Palavras - chave: Autismo; Capacitação de professores; Procedimentos metodológicos.

6 Dedicatória Dedico este trabalho a Deus, pois sem ele nada seria possível. E todas as pessoas que me apoiaram nos momentos de lutas e indecisões, principalmente meus pais, marido, filhos, irmãs e aos meus colegas que sempre estiveram presentes nessa caminhada.

7 AGRADECIMENTOS A Deus por ter me dado a oportunidade de concluir este curso, pois ele me concedeu saúde e inteligência para seguir em frente. Ao professor orientador pelas sugestões e pelo apoio para desenvolver este trabalho e pela disponibilidade em me orientar. Aos meus pais, marido, filhos e irmãs, principalmente a Marineide que sempre me apoiou e incentivou nos momentos mais difíceis desse curso. Aos meus amigos Regiane Franklin e Rudson Carlos, pois sempre me incentivaram e muitas das vezes não me deixaram desanimar, e pela companhia durante os momentos de estudos. Aos professores da Universidade Federal de Rondônia que sempre se empenharam como professores, companheiros e amigos, proporcionando uma aprendizagem com eficiência e qualidade.

8 SUMÁRIO INTRODUÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA E AUTISMO BREVE HISTÓRICO DO AUTISMO Definições, características comportamentais e tratamento Educação inclusiva e fomação do professor EDUCAÇÃO INCLUSIVA: INSERÇÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO DO AUTISTA INCLUSÃOESCOLAR Práticas pedagógicas e autismo O desenvolvimento matemático PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS DELINEAMENTO DA PESQUISA Participantes Procedimentos RESULTADOS E DISCURSÕES ETIOLOGIA DO AUTISMO Atividades desenvolvidas com o aluno autista Visão das professoras quanto ao comportamento e a recepção das atividades por parte dos alunos Relacionamento com as professoras e colegas Dificuldades encontradas para ensinar matemática Escola e formação do professor...35

9 4.7 Escola e a inclusão de alunos autistas CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS ANEXOS...45

10 10 INTRODUÇÃO A trajetória das discussões em torno da educação inclusiva é longa, principalmente quando se trata da inclusão escolar de alunos com deficiências Prieto (2003). No entanto são escassas as pesquisas voltadas especificamente para a matemática para autistas. Nas últimas décadas as questões da inclusão educacional aumentaram seu enfoque na sociedade em geral. As mudanças ocorridas na Lei Nº /96 Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) foram decisivas para suscitar a preocupação de levar às instituições escolares a conscientização de entender o seu papel e a lei, colocando assim a inclusão em prática. Ao receber um aluno com deficiência, espera-se que a escola tenha o mínimo de estrutura física adequada e equipe escolar qualificada para atender esse aluno e oferecer a ele condições de desenvolvimento e aprendizagem. Capellini (2001) assegura: As ações que apresentam sucessos em sistemas inclusivos mostram que é imprescindível alterações em suas práticas passando desde diminuição do número de alunos por classe, aprendizado cooperativo, elaboração de projeto pedagógico, plano individual de ensino, melhoria da formação profissional, valorização do magistério, apoios centrados na classe comum e não via suplementação, com uma pedagogia centrada na criança baseada em suas habilidades e não em suas deficiências, e que incorpore conceitos como interdisciplinaridade, individualização, colaboração e conscientização/sensibilização (CAPELLINI, 2001, p. 155). Sendo assim, faz-se necessário que a escola venha se adaptar aos alunos com deficiências, pois estes devem ter também acesso a uma educação de qualidade, com seus direitos e deveres garantidos como qualquer outro aluno. Para Sassaski (2003), "oferecer educação de qualidade requer mudanças físicas, curriculares e pedagógicas na escola". A Política Nacional de Educação Especial define alunos e alunas com deficiência aqueles que têm impedimentos de longo prazo, de natureza física, mental, intelectual ou sensorial, que em interação com diversas barreiras podem ter restringida sua participação plena e efetiva na escola e na sociedade (BRASIL, 2008, p.14). Dentre as diversas deficiências, o autismo se apresenta como um grande desafio, tendo em vista que mesmo em meio a diversas pesquisas científicas, ainda existe profundos desconhecimentos, pois há diferentes conceitos de autismo entre os estudiosos. Gauderer (1993) apresenta o seguinte conceito: Autismo é uma doença grave, crônica, incapacitante que compromete o desenvolvimento normal de uma criança... que relacionam-se com objetos, eventos e pessoas de maneira não usual, tudo levando a crer que haja um comprometimento orgânico do sistema nervoso central em níveis mais diversos.... (GAUDERER,

11 , p. 302). Já Amy (2001) esclarece que: O Autismo foi objeto de hipóteses formuladas por psicanalistas, educadores, biólogos, geneticistas e cognitivistas. Permanece, no entanto, como um mistério quanto a sua origem e evolução. É sem dúvida difícil determinar se a oposiçãoao mundo que essas crianças manifestam é ativa e voluntária, se lhes é imposta por deficiências biogenéticas cujas origens ignoramos ou se o inato e o adquirido se articulam entre si para criar desordem e anarquia no universo interno dessas crianças (AMY, 2001, p.19). Assim, na complexidade que o autismo apresenta, a escola deve dispor de profissionais capacitados para lidar com esses discentes e possibilitar a criação de novos métodos para que tenham uma aprendizagem significativa. E a educação matemática também se enquadra nessa perspectiva, pois a matemática está presente em todas as situações do cotidiano. Para D Ambrosio (1999, p.97) um dos maiores erros que se prática em Educação, e em especial na Educação Matemática, tem sido o desvincular a Matemática das outras atividades humanas. Nesse sentido, se não é fácil para a escola atender os requisitos da inclusão, torna-se mais desafiador ainda incluir alunos e alunas autistas no componente curricular de matemática que é frequentemente visto como extremamente difícil de compreender pela maioria dos discentes por exigir concentração e disciplina. Contudo, professores e professoras devem estar preparados para enfrentar os obstáculos e dispor de todos os recursos possíveis para oferecer uma educação de qualidade. Para isso, deve ocorrer uma reestruturação em todo âmbito escolar, desde a estrutura física até a forma com que a comunidade escolar concebe a inclusão de alunos autistas na escola. A esse respeito os Parâmetros Curriculares Nacionais PCN (1998) defendem que: A escola para todos requer uma dinamicidade curricular que permita ajustar o fazer pedagógico às necessidades dos alunos. Ver as necessidades especiais dos alunos atendidas no âmbito da escola regular requer que os sistemas educacionais modifiquem, não apenas as suas atitudes e expectativas em relação a esses alunos, mas, também, que se organizem para constituir uma real escola para todos, que dê conta dessas especificidades (BRASIL, 1998, p. 31). Desse modo, para que a educação matemática contemple discentes autistas, deve efetivar mudanças na prática pedagógica. Para isso, deve haver modificações no processo de formação inicial do docente, assim como, formação continuada para os professores que já estão em sala de aula. Tardif (2007, p. 23) acrescenta, Ora, um professor de profissão [...] é um ator no sentido forte do termo, isto é, um sujeito que assume sua prática a partir dos significados que ele mesmo lhe dá um sujeito que possui conhecimentos e um saber-fazer provenientes de sua

12 12 própria atividade e a partir dos quais ele a estrutura e a orienta. Sendo assim, é nos saberes da prática pedagógica que o professor irá construir uma escola inclusiva que contemple todas as necessidades do autista, sendo relevante a inovação e recriação de uma metodologia revolucionária. Diante do exposto e mediante a uma vivência significativa com o meio educacional e com crianças que possui a síndrome de autismo, já que trabalho em uma escola e também possuo um sobrinho com esta síndrome, houve se então a necessidade de buscar algumas respostas sobre como os professores enfrentam a inclusão desses alunos em sala de aula, formação acadêmica e como se desenvolve os conteúdos matemáticos para estes discentes. Os objetivos desse estudo são: a) Investigar as concepções e os aspectos sobre a educação inclusiva de alunos autistas; b) Destacar a importância da formação e capacitação dos professores, visando à melhoria do ensino de matemática a autistas; c) Destacar as dificuldades enfrentadas pelos docentes para ensinar matemática para discentes autista; d) Averiguar a relação dos alunos autistas com professores e colegas na visão do professor. Este estudo foi organizado em: Parte I Autismo e educação inclusiva; Parte II Educação Inclusiva: Inserção Social e desenvolvimento do autista; Parte III Procedimentos metodológicos; Parte IV Resultados e discussões e Considerações Finais. A parte I percorre o histórico do autismo e suas implicações. A parte II problematiza a inserção social do autismo com ênfase na dificuldade de comunicação que esse grupo caracteriza. A parte III traz os procedimentos metodológicos da pesquisa. A parte IV aponta os resultados obtidos mediante a pesquisa e por fim as considerações finais.

13 13 CAPÍTULO I 1 EDUCAÇÃO INCLUSIVA E AUTISMO 1.1 BREVE HISTÓRICO DO AUTISMO São múltiplos os discursos que envolvem o mundo dos indivíduos autistas, ainda há muitos enigmas e questionamentos que cercam essa temática, tendo em vista que são várias definições atribuídas ao autismo, trazendo assim a complexidade em seus estudos. Caramicoli (2013) afirma que ao revisar a bibliografia sobre o tema, descobriu que além de diversas causas aferidas, há constantes pesquisas novas, de campos de conhecimento diferentes, que descobrem novo fator relacionado, bem como, outras formas de tratamento que trazem outros resultados. Para Pereira (2007) o autismo pode ser considerado por três expressões análogas: Transtornos do Espectro Autista TEA, Transtornos Invasivos do Desenvolvimento TID e Transtornos Globais do Desenvolvimento TGD. A palavra autismo vem do grego: autos que significa em si mesmo e foi criada inicialmente para dar nome a um sintoma da esquizofrenia em 1911, pelo médico Eugene Bleuler. Esse termo na verdade, deriva do grego (autos = si mesmo + ismo =disposição/orientação) e foi tomado emprestado de Bleuler (o qual, por sua vez, subtraiu o eros da expressão auto erotismus, cunhada por Ellis, para descrever os sintomas fundamentais da esquizofrenia.(bosa, 2002,p.26) Contudo, somente em 1943 foi publicado através de um artigo científico pelo psiquiatra infantil americano Leo Kanner uma abordagem diferente da Bleuler. De acordo (CARAMICOLI, 2013, p.14), o artigo intitulado Autistic Disturbances Of Afecttive Contact (Distúrbios Autísticos do Contato Afetivo) foi escrito pelo médico em razão de uma observação realizada com crianças desde 1938, na qual percebeu que um grupo se diferenciava das demais por suas características de isolamento e resistência obsessiva à mudança de rotina. Essas particularidades faziam com que essas crianças ficassem voltadas para si mesmas, motivo pelo qual Kanner denominou-as como autistas. O autismo designado como Distúrbios Autísticos do Contato Afetivo por Kanner englobava um conjunto de comportamentos que traziam as seguintes especificidades: perturbações das relações afetivas com o meio, solidão autística extrema, inabilidade no uso da linguagem para comunicação, presença de boas potencialidades cognitivas, aspecto físico

14 14 aparentemente normal, comportamentos ritualísticos, início precoce e incidência predominante no sexo masculino (Tamanaha et al., 2008, p.296). As crianças que fizeram parte da pesquisa de Kanner apresentavam ainda distúrbios alimentares desde o início de vida, reação de pavor diante de sons agudos ou movimentações bruscas de objetos e quando ela própria desenvolvia sons altos ou movimento de algum objeto era de forma repetitiva e constante. Com isso, Kanner conseguiu diferir a criança com autismo da criança com esquizofrenia, pois o infante esquizofrênico consegue se alimentar normalmente, toleram sons e movimentos e a partir de 06 a 08 anos de idade consegue brincar em grupo. Já a criança com distúrbio autísticos tem como característica marcante, forte dificuldade de estabelecer contato afetivo com as pessoas e apresenta esse isolamento desde o início da vida. Após a publicação de Kanner, em 1944, o médico Hans Asperger publicou um estudo com a definição para um distúrbio que designou de Psicopatia Autística manifestada por transtorno severo na interação social, uso pedante da fala, desajeitamento motor e incidência apenas no sexo masculino. Asperger também diferiu crianças com autismo daquelas com esquizofrenia. Segundo Caramicoli (2013) os estudos de Asperger tiveram pontos comuns com os de Kanner, ambos questionaram a formação e a profissão dos pais como fatores que se relacionam com a psicopatia autística. Em muitos casos essas crianças tiveram várias gerações anteriores de ancestrais que foram intelectuais e que foram dirigidos para suas profissões de maneira natural. [...] Muitos dos pais das crianças autistas ocupam cargos altos, apesar de suas notáveis peculiaridades. Isso comprova o valor social desse tipo de personalidade (ASPERGER, 1991, p.84 apud CARAMICOLI, 2013, p. 17). Contudo, em outros estudos realizados o autismo já é abordado também como perturbação neurobiológica contradizendo o diagnóstico por fatores sociais. Mais tarde em 1983, os estudos de Asperger foram reconhecidos e ganharam o nome de Síndromes de Asperger e deixou de ser considerado autismo. 1.2 DEFINIÇÕES, CARACTERÍSTICAS COMPORTAMENTAIS E TRATAMENTO Pelo enredamento em torno das pesquisas sobre o autismo surgiram várias definições, fruto de investigações em diferentes áreas. Dessa forma, o autismo ainda não foi claramente definido. Para a The National Society for Autistic Children - USA o autismo é: Uma inadequacidade no desenvolvimento que se manifesta de maneira grave, durante toda vida. É incapacitante e aparece, tipicamente, nos três primeiros anos de

15 15 vida. Acontece em cerca de 5 entre (dez mil) nascidos e é quatro vezes mais comum entre meninos do que em meninas. É encontrada em todo mundo e em famílias de toda configuração racial, étnica e social. Não se conseguiu provar nenhuma causa psicológica no meio ambiente dessas crianças que possa causar o autismo (GAUDERER, 1993, pág. 3, 4). Santos (2008), alerta que nos dias atuais dados registram que a prevalência do autismo é de 01(um) para cada 150 (cento e cinquenta nascidos). Outra definição importante é do Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM IV TR, 2002) que considera o autismo como comprometimento qualitativo da interação social; comprometimento qualitativo da comunicação e padrões restritos e repetitivos de comportamento, interesses e atividades. Já na Classificação de Transtornos Mentais e de Comportamentos CID 10, o autismo é analisado como: Transtorno Global do Desenvolvimento caracterizado por: a) um desenvolvimento anormal ou alterado, manifestado antes da idade de três anos, e b) apresentando uma perturbação característica do funcionamento em cada um dos três domínios seguintes: interações sociais, comunicação, comportamento focalizado e repetitivo. Além disso, o transtorno se acompanha comumente de numerosas outras manifestações inespecíficas, como por exemplo: fobias, perturbações de sono ou alimentação, crises de birras ou agressividade (auto-agressividade), (CID-10, 2000, apud, SANTOS, 2008, p.16). As causas do autismo enfrentam muitas controvérsias no meio científico, a teoria que via o autismo como problema emocional, prevaleceu até a década de 60 na qual se considerava que as crianças autistas tinham mães distantes e obsessivas, que proviam cuidados mecanizados aos filhos, na época foram chamadas de mães-geladeira o que ocasionou grandes desgastes às famílias com filhos autistas. Contudo isso não foi comprovado e atualmente os estudos dão mais ênfase a fatores neurobiológicos e genéticos. Coelho e Santo problematizam que: O autismo é um distúrbio neurofisiológico e a sua causa é desconhecida, no entanto, alguns investigadores atribuem-no a alterações bioquímicas mas outros associam-no a distúrbios metabólicos hereditários, encefalites, meningites, rubéola contraída antes do nascimento, ou até a lesões cerebrais. Porém existem bastantes incertezas e dúvidas na relação do Autismo com estas doenças (COELHO e SANTO, 2006, p.05). Dessa forma, o autismo é caracterizado por déficits de interação social, comprovado ao ver a inaptidão de se relacionar com o outro, essas características vêm acompanhadas de déficit de linguagem e alterações no comportamento. A maioria dos casos (65 a 90%) estão associados à deficiência mental e pode ocorrer independente de raça, cultura e classe social (Camargo; Bosa 2009). Assim, o autismo apresenta etiologias múltiplas, estudos de Bertoglio e Hendren

16 16 (2009) afirmam que pesquisas sobre a patofisiologia do autismo sugerem mecanismos potenciais múltiplos, que servem como base para explicar o fenótipo heterogêneo. De acordo com Sato (2008) em grande parte dos casos de autismo, os sintomas aparecem nos primeiros cinco anos de vida, mas é exatamente no final do segundo ano que se observa um desvio no nível de desenvolvimento esperado para essa idade, onde julga-se que pode estar associado a algum grau de retardo mental. O autor apresenta ainda uma tabela com os critérios diagnósticos para Transtornos Autistas ancorados pelo DSM-IV publicado em 1994 nos Estados Unidos. A tabela se divide em critérios A, B e C, conforme o esclarecimento a seguir: No critério A o diagnóstico só é considerado positivo se a criança apresentar um total de seis sintomas dos itens 1,2 e 3, sendo pelo menos dois sintomas do item 1, um sintoma do item 2 e um sintoma do item 3. Quadro: Critérios diagnósticos do DSM-IV para transtorno autista. CRITÉRIO A Itens Sintomas 1-1-Comprometimento a- Comprometimento acentuado no uso de múltiplos comportamentos não verbais, tais como contato visual direto, qualitativo na interação social, manifestados pelo expressão facial, posturas corporais e gestos para regular menos dois dos seguintes a interação social; aspectos: b- Fracasso em desenvolver relacionamentos apropriados com seus pares próprios do seu nível de desenvolvimento; c- Ausência de tentativas espontâneas de compartilhar prazer, interesses ou realizações com outras pessoas (exemplos: não mostrar, trazer ou apontar objetos de interesse); d- Ausência de reciprocidade social ou emocional. 2- Comprometimento qualitativo na comunicação, manifestados pelo menos um dos seguintes aspectos: a- Atraso ou ausência total de desenvolvimento da linguagem falada (sem tentativa de compensar por gestos ou mímicas); b- Em indivíduos com fala adequada, observa-se acentuado comprometimento na capacidade de iniciar ou manter

17 17 uma relação; c- Uso estereotipado e repetitivo da linguagem ou linguagem idiossincrática. d- Ausência de jogos ou brincadeiras de imitações sociais variados e espontâneas apropriados ao nível desenvolvimento. 3- Padrões restritos repetitivos de comportamento, interesses e atividades, manifestados por pelo menos um dos seguintes aspectos: a- Preocupação persistente com um ou mais padrões estereotipados e restritos de interesse anormais em intensidade ou foco; b- Adesão aparentemente inflexível a rotinas ou rituais específicos e não funcionais. c- Maneirismo motores estereotipados e repetitivos (exemplo: agitar ou torcer as mãos ou dedos ou movimentos complexos de todo o corpo); d- Preocupação persistente com partes de objetos; Fonte: No critério B, o diagnóstico é feito a partir da ocorrência de pelo menos uma das três áreas apresentadas: Quadro 2: sintomas para diagnóstico do autismo. CRITÉRIO B Critério Atrasos ou funcionamento anormal em pelo menos uma das seguintes áreas: Sintomas 1- Interação social; 2- Linguagem para fins de comunicação social; 3- Jogos imaginativos ou simbólicos; Fonte: No critério C ampliou-se o período de aparecimento dos primeiros sintomas de 30 meses para 36 meses.

18 18 O diagnóstico é importante porque permite aos profissionais a delimitação da patologia e ainda define possibilidades de tratamento, prevenção e investigação das etiologias manifestadas. Não há instrumentos utilizados para orientar o diagnóstico de autismo formulados na Língua Portuguesa, grande parte está em Língua Inglesa e passaram por traduções e avaliações. De acordo com Ballabriga et al. (1994) os instrumentos traduzidos e validados no Brasil para uso da população brasileira são a Escala D Avaluació Dels Trets Autistes ATA que foi traduzida e validada por Assumpção et al. (1999) e o Inventário de Comportamentos Autísticos ICA por Materleto et al. (2005). O tratamento para autismo também se apresenta de forma complexa, tendo em vista, que é preciso considerar as peculiaridades de cada sujeito, pois podem expor níveis de desenvolvimento diferentes dos outros, assim como a capacidade intelectual, o nível de linguagem, grau avançado ou não do distúrbio. Enfim, são inúmeros os fatores que podem influenciar no tratamento, que vão desde a idade na época em que se submete a forma de intervenção, até a receptividade da família ao tratamento, a personalidade, entre outros. Em termos gerais, uma metodologia de tratamento pode ter resultados significativos para um indivíduo e nenhum para outro. Santos (2008) argumenta que o tratamento com medicamentos não promove a cura. Ele é utilizado para tratar sintomas de autistas que têm comportamento autodestrutivo, excessivamente irrequieto e demasiadamente ligado em estímulos ambientais e apresentam distúrbios do sono. Um dos tipos mais usuais de tratamento é o TEACCH- Treatment and Education Fautistic and Related Communication Handicapped Children. No Brasil é conhecido como Tratamento e Educação para crianças com Autismo e com Distúrbios correlatos da comunicação. O TEACCH foi desenvolvimento na Universidade americana de Chapel Hill da Carolina do Norte e foi idealizado pelo médico Eric Schoppler. Atualmente é muito utilizado em várias partes do mundo. O TEACCH consiste num método de avaliação chamado PEP-R Perfil Psico Educacional Revisado que permite visualizar algumas características que vão possibilitar um programa individualizado. Mello (2007) através do Guia Prático da AMA Associação de Amigos Autistas no Brasil declara o seguinte a respeito do TEACCH: O TEACCH se baseia na organização do ambiente físico através de rotinas - organizadas em quadros, painéis ou agendas - e sistemas de trabalho, de forma a adaptar o ambiente para tornar mais fácil para a criança compreendê-lo, assim como compreender o que se espera dela.[...] A nossa experiência tem mostrado que o TEACCH, adequadamente usado, pode ajudar muito estas crianças. Temos

19 19 conseguido resultados acima do esperado, não de forma súbita e milagrosa, mas como fruto de um trabalho demorado e sempre voltado para as características individuais de cada criança (MELLO, 2007, p.23). Outra intervenção utilizada é a ABA Applied Behavior Analysis, que é a Análise Aplicada do Comportamento. Mello (2007) mostra que esse tratamento tem o intuito de ensinar à criança habilidades que ela não possui e essas habilidades são introduzidas por etapas. É um sistema de estímulo e recompensa onde quando necessário é oferecido um tipo de apoio físico que deve ser retirado logo que possível para que a criança não fique dependente dele. Mello (2007, p. 37) defende que A principal crítica à ABA é também, como no TEACCH, a de supostamente robotizar as crianças, o que não nos parece correto, já que a idéia é interferir precocemente o máximo possível, para promover o desenvolvimento da criança, de forma que ela possa ser maximamente independente o mais cedo possível. Existem inúmeros outros tratamentos, alguns estão dentro de uma linha formal outros não, mas todos possuem um mesmo objetivo que é oferecer qualidade de vida aos autistas. Mello (2007) argumenta que os tratamentos em geral apresentam eficácias, se não produz resultados no autista, suscita força e motivação nas famílias e cuidadores que sempre vão em busca de novos métodos e tratamento EDUCAÇÃO INCLUSIVA E FORMAÇÃO DO PROFESSOR A educação influencia todos os setores da sociedade e deve abranger os indivíduos na sua totalidade. No Brasil, independente da condição social o indivíduo tem direito à educação, conforme preconiza o Artigo 205 da Constituição Federal. A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento da pessoa, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho. A educação inclusiva é uma política social que ainda levanta fortes questionamentos, pois a escola é quem deve se adaptar para receber a criança, contudo o que se vê é justamente o contrário, a escola não tem conseguido desempenhar o seu papel que é garantir educação de qualidade para todos. A UNESCO através da Declaração de Salamanca discorre que: O princípio fundamental desta linha de ação é de que as escolas devem acolher todas as crianças, independentemente de suas condições, físicas, intelectuais, emocionais, linguística e outras. Devem acolher crianças com deficiência ou bem dotadas, crianças que vivem nas ruas e que trabalham, crianças de populações distantes ou nômades, crianças de minorias lingüísticas étnicas ou culturais e crianças de outros grupos ou zonas desfavorecidas ou marginalizadas (UNESCO, 2003, p. 17 e 18).

20 20 Nesse sentido, alunos e alunas com necessidades educativas especiais, têm direito à escola regular e devem ser contemplados nas suas necessidades cognitivas, físicas, psicológica e social. No capítulo V da Lei de Diretrizes e Bases da Educação LDB, a educação especial é definida como modalidade de educação escolar que deve ser oferecida na rede regular de ensino para alunos portadores de deficiências. O que culminou realmente a viabilização da educação inclusiva foram dois eventos mundiais de extrema importância: A Conferência Mundial sobre Educação para Todos, realizada em Jontiem, na Tailândia em 1990 e a Conferência Mundial sobre Educação Especial, ocorrida em Salamanca, na Espanha, em Na conferência realizada em Salamanca foi elaborado o documento Declaração de Salamanca e Linha de Ação sobre Necessidades Educativas Especiais, que inspirada na igualdade de valor entre as pessoas, propõe ações a serem assumidas pelos governos em atenção às diferenças individuais (Carvalho, 1998, p.146). A partir da criação desse documento em Salamanca a Educação para portadores de necessidades especiais ficou estabelecida como direito irrevogável, para que esses sujeitos tivessem direito à educação, aos bens culturais que foram socialmente construídos, assim como toda forma de conhecimento, socialização e cultura que um indivíduo tem direito. Dessa forma, não se pode mais pensar num sistema educacional sem a inclusão dessas pessoas que por muito tempo esteve à margem da sociedade. Contudo, não basta incluir esse alunado, é necessário adequar a escola para recebê-los, pois se a escola não esta preparada esses alunos terão sérias consequências em seu desenvolvimento. A inclusão está assegurada, porém a chegada de alunos com deficiências nas escolas, geralmente representa apenas o cumprimento da legislação e demonstra o distanciamento entre o ideal e prática. Para Glat (2007): A educação inclusiva significa um novo modelo de escola, em que é possível o acesso e a permanência de todos os alunos, e, onde os mecanismos de seleção e discriminação, até então utilizados, são substituídos por procedimentos de identificação e remoção de barreiras para a aprendizagem (p.16). Muito embora os alunos estejam em sala, estes não dispõem de materiais que possam levá-lo a desenvolver suas potencialidades. Atrelado a isso se encontra a precariedade de recursos humanos, a ausência de formação de professores e gestores dificulta adaptação escolar a esse novo modelo, inviabilizando assim, a plena inclusão. Desse modo, urge a capacitação de professores, principalmente da rede pública para lidar com a diversidade que irão se deparar. E o Projeto Político Pedagógico da escola tam-

Queila Medeiros Veiga TGD NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

Queila Medeiros Veiga TGD NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA TGD NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Marcos Legais 1988 Constituição Federal (art. 208, III) direito das pessoas com necessidades especiais de receberem educação, preferencialmente na rede regular

Leia mais

De acordo com estudos recentes o autismo é mais freqüente em pessoas do sexo masculino.

De acordo com estudos recentes o autismo é mais freqüente em pessoas do sexo masculino. 1 AUTISMO Autismo é um distúrbio do desenvolvimento que se caracteriza por alterações presentes desde idade muito precoce, com impacto múltiplo e variável em áreas nobres do desenvolvimento humano como

Leia mais

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia?

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? Gloria Contenças Marques de Arruda (Escola Municipal Luiz de Lemos) Baseado em informações dos conteúdos estudados, Michels (2006) diz que "[...] as reformas

Leia mais

AUTISMO: CONVÍVIO ESCOLAR, UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO.

AUTISMO: CONVÍVIO ESCOLAR, UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO. AUTISMO: CONVÍVIO ESCOLAR, UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO. Anne Caroline Silva Aires- UEPB Marta Valéria Silva Araújo- UEPB Gabriela Amaral Do Nascimento- UEPB RESUMO Este trabalho tem como objetivo apresentar

Leia mais

AUTISMO. 3º Encontro Formativo para Profissionais da Educação. Atendimento aos Estudantes com Deficiência na Rede Municipal de Contagem

AUTISMO. 3º Encontro Formativo para Profissionais da Educação. Atendimento aos Estudantes com Deficiência na Rede Municipal de Contagem AUTISMO 3º Encontro Formativo para Profissionais da Educação Atendimento aos Estudantes com Deficiência na Rede Municipal de Contagem Quem somos? Professoras das SRMF / AAE - Contagem Raquel Shirley Stella

Leia mais

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre sabem alguma coisa, todo educando pode aprender, mas

Leia mais

O DIAGNÓSTICO DOS TRANSTORNOS DO ESPECTRO DO AUTISMO TEA

O DIAGNÓSTICO DOS TRANSTORNOS DO ESPECTRO DO AUTISMO TEA 1 MARIA ELISA GRANCHI FONSECA Psicóloga Mestre em Educação Especial UFSCAR TEACCH Practitioner pela University of North Carolina USA Coordenadora de Curso INFOCO FENAPAES UNIAPAE Coordenadora CEDAP APAE

Leia mais

TRABALHO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DE UMA ESCOLA INCLUSIVA. Profa. Maria Antonia Ramos de Azevedo UNESP/Rio Claro. razevedo@rc.unesp.

TRABALHO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DE UMA ESCOLA INCLUSIVA. Profa. Maria Antonia Ramos de Azevedo UNESP/Rio Claro. razevedo@rc.unesp. TRABALHO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DE UMA ESCOLA INCLUSIVA Profa. Maria Antonia Ramos de Azevedo UNESP/Rio Claro. razevedo@rc.unesp.br O que é educação inclusiva? Inclusão é um processo de aprendizagem

Leia mais

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA Jacqueline Oliveira de Melo Gomes Faculdade de Formação de Professores da Mata Sul / FAMASUL-PE jacomgomes@yahoo.com.br

Leia mais

TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR

TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO:

Leia mais

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL Introdução Com frequência as tecnologias digitais estão sendo empregadas pelos educadores em

Leia mais

TEA Módulo 3 Aula 2. Processo diagnóstico do TEA

TEA Módulo 3 Aula 2. Processo diagnóstico do TEA TEA Módulo 3 Aula 2 Processo diagnóstico do TEA Nos processos diagnósticos dos Transtornos do Espectro Autista temos vários caminhos aos quais devemos trilhar em harmonia e concomitantemente para que o

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: ALUNO COM DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA NO ENSINO REGULAR

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: ALUNO COM DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA NO ENSINO REGULAR EDUCAÇÃO INCLUSIVA: ALUNO COM DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA NO ENSINO REGULAR Autoras: Natália Aparecida DAL ZOT, Rafaela Alice HORN, Neusa MARTINI Identificação autores: Acadêmica do Curso de Matemática-Licenciatura

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO Priscila Reinaldo Venzke Luciano Leal Loureiro RESUMO Este trabalho é resultado da pesquisa realizada para a construção do referencial teórico

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Victor Mendes) Altera a redação do parágrafo único do art. 3º e os artigos 5º e 7º da Lei nº 12.764, de 27 de dezembro de 2012, que institui a Política Nacional de Proteção

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 07/2015. O Conselho Municipal de Educação - CME, no uso de suas competências e considerando:

RESOLUÇÃO Nº 07/2015. O Conselho Municipal de Educação - CME, no uso de suas competências e considerando: RESOLUÇÃO Nº 07/2015. Estabelece normas para Educação Especial na perspectiva de educação inclusiva para Alunos com necessidades educacionais especiais durante o período escolar em todas as etapas e modalidades

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA. Profa.: Jane Peruzo Iacono Projeto: UNIOESTE/MEC 2006

EDUCAÇÃO INCLUSIVA. Profa.: Jane Peruzo Iacono Projeto: UNIOESTE/MEC 2006 EDUCAÇÃO INCLUSIVA Profa.: Jane Peruzo Iacono Projeto: UNIOESTE/MEC 2006 Por que é equivocado dizer que a INCLUSÃO refere se a um processo direcionado aos alunos com necessidades educacionais especiais,

Leia mais

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM Helena Harumi Maruyama G Pedagogia INESUL LONDRINA PR Orientadora Ms. Maria Eliza Corrêa Pacheco D Pedagogia INESUL LONDRINA PR PAINEL e-mail:

Leia mais

INTERSETORIALIDADE E AUTISMO

INTERSETORIALIDADE E AUTISMO INTERSETORIALIDADE E AUTISMO Daniel de Sousa Filho Psiquiatra da Infância e Adolescência Mestre em Distúrbios do Desenvolvimento UPM Introdução Kanner, 1943 Asperger, 1944 Bleuler, 1906 Transtornos do

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR Luciana Barros Farias Lima e Claudia Regina Pinheiro Machado Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro UNIRIO lucpeda@gmail.com

Leia mais

O ENSINO DA MATEMÁTICA E O ALUNO SURDO: UM CIDADÃO BILINGUE

O ENSINO DA MATEMÁTICA E O ALUNO SURDO: UM CIDADÃO BILINGUE O ENSINO DA MATEMÁTICA E O ALUNO SURDO: UM CIDADÃO BILINGUE NEDEL¹, Vera SILVA²,Maria Elena Neves da Resumo O presente artigo relata a importância do uso das tecnologias. As lutas dos surdos pelo direito

Leia mais

HABILIDADES SOCIAIS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Maria Luiza Pontes de França Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte

HABILIDADES SOCIAIS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Maria Luiza Pontes de França Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte HABILIDADES SOCIAIS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Maria Luiza Pontes de França Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte Resumo geral: Os estudos na área das habilidades sociais no Brasil têm contemplado

Leia mais

Um Bom Começo: Conhecer a Questão do Autismo

Um Bom Começo: Conhecer a Questão do Autismo Um Bom Começo: Conhecer a Questão do Autismo Conceito Incidência Causas do Autismo Manifestações mais comuns O espectro de manifestações autistas Como é feito o diagnóstico de autismo Instrumentos para

Leia mais

Eugênio Cunha eugenio@eugeniocunha.com www.eugeniocunha.com

Eugênio Cunha eugenio@eugeniocunha.com www.eugeniocunha.com Autismo: um olhar pedagógico Eugênio Cunha eugenio@eugeniocunha.com www.eugeniocunha.com Algumas reflexões iniciais: Primeiramente, é importante dizer que não há respostas prontas para todas as questões

Leia mais

Autismo e Aprendizagem

Autismo e Aprendizagem Autismo e Aprendizagem O termo autismo origina-se do grego autós, que significa de si mesmo. Foi empregado pela primeira vez pelo psiquiatra suíço Bleuler, em 1911, que buscava descrever a fuga da realidade

Leia mais

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO (AEE)

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO (AEE) ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO (AEE) Aleksandra Debom Garcia 1 Fatima Gomes Nogueira Daguiel 2 Fernanda Pereira Santana Francisco 3 O atendimento educacional especializado foi criado para dar um

Leia mais

Londrina, 29 a 31 de outubro de 2007 ISBN 978-85-99643-11-2

Londrina, 29 a 31 de outubro de 2007 ISBN 978-85-99643-11-2 O USO DO COMPUTADOR COMO FERRAMENTA PARA TRABALHAR COM PESSOAS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA. Jane Aparecida de Souza Santana (FCT/Unesp) Ms. Flaviana dos Santos Silva Profª Drª Elisa Tomoe Moriya Schlünzen

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UMA BARREIRA ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UMA BARREIRA ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UMA BARREIRA ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA Natássia Contrera Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP e-mail: natassiac@hotmail.com Giseli Bueno Berti Universidade

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Data: 21 de março de 2013. Assunto: Orientação aos Sistemas de Ensino para a implementação da Lei nº 12.764/2012

Data: 21 de março de 2013. Assunto: Orientação aos Sistemas de Ensino para a implementação da Lei nº 12.764/2012 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão Diretoria de Políticas de Educação Especial Esplanada dos Ministérios, Bloco L, Anexo I, 4º andar, sala 412

Leia mais

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA 1.0 INTRODUÇÃO JUSCIARA LOURENÇO DA SILVA (UEPB) VIVIANA DE SOUZA RAMOS (UEPB) PROFESSOR ORIENTADOR: EDUARDO

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA RESUMO

A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA RESUMO A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA Mayara Cordeiro da Silva ( UFAL) Mayaracordeiro4@gmail.com Rebecca Thamyres de Missena Costa( UFAL) rebecca.ufal@gmail.com RESUMO Muito vem sendo discutido

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

Práticas avaliativas numa perspectiva inclusiva

Práticas avaliativas numa perspectiva inclusiva Práticas avaliativas numa perspectiva inclusiva Adriana feijão de Sousa Magalhães Universidade Estadual Vale do Acaraú Resumo: O presente artigo pretende tratar da avaliação inclusiva como forma de oportunizar

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

Sem vocês nenhuma conquista valeria a pena. que dignamente me apresentaram à importância da família e ao caminho da honestidade e persistência.

Sem vocês nenhuma conquista valeria a pena. que dignamente me apresentaram à importância da família e ao caminho da honestidade e persistência. DEDICATÓRIA Às mulheres da minha vida Neiliane e Wany pelo apoio incondicional em todos os momentos, principalmente nos de incerteza, muito comuns para quem tenta trilhar novos caminhos. Sem vocês nenhuma

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO Fátima Aparecida Queiroz Dionizio UEPG faqdionizio@hotmail.com Joseli Almeida Camargo UEPG jojocam@terra.com.br Resumo: Este trabalho tem como

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA Q U E S T Õ E S E R E F L E X Õ E S Suraya Cristina Dar ido Mestrado em Educação Física, na Escola de Educação Física da Universidade de São Paulo, SP, 1987 1991 Doutorado em

Leia mais

ALUNOS ESPECIAS NA CONTEMPORANEIDADE: APRENDIZAGENS NO ENSINO DA MATEMÁTICA

ALUNOS ESPECIAS NA CONTEMPORANEIDADE: APRENDIZAGENS NO ENSINO DA MATEMÁTICA ALUNOS ESPECIAS NA CONTEMPORANEIDADE: APRENDIZAGENS NO ENSINO DA MATEMÁTICA André Martins Alvarenga Universidade Federal do Pampa andrealvarenga@unipampa.edu.br Bruna Borges Telmo Universidade Federal

Leia mais

COMUNICACÃO FALA E LINGUAGEM

COMUNICACÃO FALA E LINGUAGEM COMUNICACÃO FALA E LINGUAGEM AUTISMO De acordo com o DSM-V o Autismo é um transtorno de desenvolvimento que geralmente aparece nos três primeiros anos de vida e compromete as habilidades de comunicação

Leia mais

É preciso amor pra poder pulsar

É preciso amor pra poder pulsar Autismo: ideias e práticas inclusivas É preciso amor pra poder pulsar Eugênio Cunha eugenio@eugeniocunha.com www.eugeniocunha.com O que fazer para educar essas crianças? Como podem trabalhar escola e

Leia mais

Pediatria do Desenvolvimento e do Comportamento. Faculdade de Ciências Médicas Prof. Orlando A. Pereira Unifenas

Pediatria do Desenvolvimento e do Comportamento. Faculdade de Ciências Médicas Prof. Orlando A. Pereira Unifenas Pediatria do Desenvolvimento e do Comportamento Faculdade de Ciências Médicas Prof. Orlando A. Pereira Unifenas Genética e Ambiente A combinação de fatores ambientais e genéticos é que determina o produto

Leia mais

INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL

INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL Resumo 1 Discente do Curso de Serviço Social da Faculdade Novos Horizontes MG 2 Discente do Curso de Serviço

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias.

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias. PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias. A INCLUSÃO DA CRIANÇA COM SINDROME DE DOWN E SEU PROCESSO

Leia mais

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE GRADUAÇAO EM PEDAGOGIA LICENCIAMENTO EAD

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE GRADUAÇAO EM PEDAGOGIA LICENCIAMENTO EAD UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE GRADUAÇAO EM PEDAGOGIA LICENCIAMENTO EAD Município: Pirassununga Estado: São Paulo Turma: 440 Pólo: Fundação de Ensino de Pirassununga Tutor (a): Inez Nunes Paula

Leia mais

Falta preparo para inclusão de crianças com deficiência na escola regular

Falta preparo para inclusão de crianças com deficiência na escola regular Entrevistas PARTICIPAÇÃO, DIREITOS E CIDADANIA Falta preparo para inclusão de crianças com deficiência na escola regular 1 DE JUNHO DE 2015 A inclusão da pessoa com deficiência na escola regular está prevista

Leia mais

A Educação Física como meio de inclusão social: mito ou verdade?

A Educação Física como meio de inclusão social: mito ou verdade? A Educação Física como meio de inclusão social: mito ou verdade? Discente em formação do curso de Licenciatura Plena em Educação Física, da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB, Campus Jequié.

Leia mais

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior UNIrevista - Vol. 1, n 2: (abril 2006) ISSN 1809-4651 A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior Marilú Mourão Pereira Resumo Fisioterapeuta especialista em neurofuncional

Leia mais

Carta pedagógica. Professora: Maria Teresinha Turma: alfabetização

Carta pedagógica. Professora: Maria Teresinha Turma: alfabetização Carta pedagógica Ao escrever esta carta pedagógica, veio-me a questão do erro que acontece a todo o momento em minha turma na sala de aula. Lendo textos de autores como Morais, fiquei ciente da sua fala

Leia mais

PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO

PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO ISSN 2316-7785 PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO RESUMO Karen Rodrigues Copello Universidade Federal de Santa Maria karen_keruso@hotmail.com Debora Silvana Soares Universidade

Leia mais

ESPAÇOS PEDAGÓGICOS ADAPTADOS: EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGENS DE ADAPTAÇÃO QUE ENRIQUECEM A EDUCAÇÃO

ESPAÇOS PEDAGÓGICOS ADAPTADOS: EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGENS DE ADAPTAÇÃO QUE ENRIQUECEM A EDUCAÇÃO 1 ESPAÇOS PEDAGÓGICOS ADAPTADOS: EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGENS DE ADAPTAÇÃO QUE ENRIQUECEM A EDUCAÇÃO VOGEL, Deise R. 1 BOUFLEUR, Thaís 2 RAFFAELLI, Alexandra F. 3 Palavras chave: Espaços adaptados; experiências;

Leia mais

Um pouco mais sobre desenvolvimento social e os Transtornos do Espectro Autista

Um pouco mais sobre desenvolvimento social e os Transtornos do Espectro Autista Um pouco mais sobre desenvolvimento social e os Transtornos do Espectro Autista www.infanciaeadole scencia.com.br O desenvolvimento social ocorre ao longo de todas as etapas do ciclo vital. Entretanto,

Leia mais

PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico

PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico Vanessa Lopes da Silva 1 Leandro Marcon Frigo 2 Resumo A partir do problema dicotômico vivenciado pelo Ensino Técnico Integrado,

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Regulamento de Projeto Integrador dos Cursos Superiores de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Segurança da Informação e Sistemas para Internet

Leia mais

A NECESSIDADE DA PESQUISA DO DOCENTE PARA UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA INCLUSIVA, PRINCIPALMENTE NA EDUCAÇÃO ESPECIAL E NO TRABALHO COM AUTISTAS

A NECESSIDADE DA PESQUISA DO DOCENTE PARA UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA INCLUSIVA, PRINCIPALMENTE NA EDUCAÇÃO ESPECIAL E NO TRABALHO COM AUTISTAS XXII Semana de Educação da Universidade Estadual do Ceará 31 de agosto a 04 de setembro de 2015 A NECESSIDADE DA PESQUISA DO DOCENTE PARA UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA INCLUSIVA, PRINCIPALMENTE NA EDUCAÇÃO ESPECIAL

Leia mais

AUTISMO E TDAH: O DESAFIO DA INCLUSÃO. Prof. Dr. Carlo Schmidt. Prof. Adjunto da CE/UFSM Depto. Educação Especial

AUTISMO E TDAH: O DESAFIO DA INCLUSÃO. Prof. Dr. Carlo Schmidt. Prof. Adjunto da CE/UFSM Depto. Educação Especial AUTISMO E TDAH: O DESAFIO DA INCLUSÃO Prof. Dr. Carlo Schmidt Prof. Adjunto da CE/UFSM Depto. Educação Especial INTRODUÇÃO Caracterização: Do que estamos falando? TDAH Autismo O que essas condições têm

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGOGICA DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A PRÁTICA PEDAGOGICA DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA A PRÁTICA PEDAGOGICA DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Jadson Gilliardy Barbosa de Souza¹; Maria Aparecida Alves Sobreira Carvalho 2 ; Valmiza da Costa Rodrigues Durand 3. Instituto Federal da Paraíba-

Leia mais

O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco.

O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco. O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco. Autora: Maria José de Souza Marcelino. Orientador: Professor Dr. Washington Luiz Martins (UFPE). Instituto

Leia mais

O professor de Arte e a Educação Inclusiva: Cotidianos, vivências.

O professor de Arte e a Educação Inclusiva: Cotidianos, vivências. O professor de Arte e a Educação Inclusiva: Cotidianos, vivências. TAVARES, Tais B. Rutz 1 ; MEIRA, Mirela R. 2 Resumo: Este artigo adota uma perspectiva de que a educação inclusiva é um processo em construção,

Leia mais

ANEXO XI (Retificado no DOU de 18/07/2013, Seção 1, pág 25)

ANEXO XI (Retificado no DOU de 18/07/2013, Seção 1, pág 25) ANEXO XI (Retificado no DOU de 18/07/2013, Seção 1, pág 25) MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL LAUDO DE AVALIAÇÃO AUTISMO (Transtorno Autista e Autismo Atípico) Serviço Médico/Unidade

Leia mais

INSTRUÇÃO Nº014/08 - SUED/SEED

INSTRUÇÃO Nº014/08 - SUED/SEED INSTRUÇÃO Nº014/08 - SUED/SEED Estabelece critérios para o funcionamento da Classe Especial nas séries iniciais do Ensino Fundamental, na área dos Transtornos Globais do Desenvolvimento. A Superintendente

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h. Estrutura Curricular do Curso Disciplinas

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h. Estrutura Curricular do Curso Disciplinas CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h Ética profissional na Educação Fundamentos históricos, conceitos, sociais e legais na Educação Inclusiva Legislação Aplicável na Educação Inclusiva Fundamentos

Leia mais

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem.

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem. Emanuella Filgueira Pereira Universidade Federal do Recôncavo da Bahia O JOGO NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo O presente artigo apresenta resultados parciais de uma pesquisa mais ampla que

Leia mais

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G)

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) Resumo: Este artigo procurou abordar o ensino da matemática na Educação Infantil através de brincadeiras,

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA A ESCOLA INCLUSIVA

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA A ESCOLA INCLUSIVA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA A ESCOLA INCLUSIVA Vera Lúcia de Brito Barbos Mestranda em Educação Lúcia de Araújo R. Martins UFRN 1. INTRODUÇÃO Podemos considerar que estamos atravessando um dos maiores

Leia mais

LEGISLAÇÃO PERTINENTE À EDUCAÇÃO DOS SURDOS

LEGISLAÇÃO PERTINENTE À EDUCAÇÃO DOS SURDOS EDUCAÇÃO E SURDEZ Daniele Campos Laino Cardoso 1 Sebastiana Rosa da Silva 2 Solange Conceição da Cruz Machado 3 A Língua Brasileira de Sinais (Libras) - embora reconhecida oficialmente em todo o território

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM AEE - ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM AEE - ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM AEE - ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO ÁREA DO CONHECIMENTO: Educação. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em AEE - Atendimento Educacional

Leia mais

AUTISMO NA SALA DE AULA

AUTISMO NA SALA DE AULA 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AUTISMO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT

RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT RESOLUÇÃO Nº 257/06-CEE/MT Dispõe sobre a Implantação do Ensino Fundamental para Nove Anos de duração, no Sistema Estadual de Ensino de Mato Grosso, e dá outras providências. O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA GABINETE DA DEPUTADA LUZIA TOLEDO PROJETO DE LEI Nº 157/2010

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA GABINETE DA DEPUTADA LUZIA TOLEDO PROJETO DE LEI Nº 157/2010 PROJETO DE LEI Nº 157/2010 A semana de conscientização sobre transtornos de aprendizagem, no âmbito do Estado do Espírito Santo. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETA: Art. 1º Fica

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna:

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna: TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na

Leia mais

A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1

A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1 A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1 Claudiane da S. EUSTACHIO Dayana Pires Alves GARCIA Fátima RODRIGUES Jean de J. SANTANA 2 Juliana CESANA 3 Ana Lucia de Carvalho MARQUES

Leia mais

UMA ANÁLISE DAS TESES E DISSERTAÇÕES NO PORTAL DA CAPES: A EDUCAÇÃO ESPECIAL EM FOCO 1

UMA ANÁLISE DAS TESES E DISSERTAÇÕES NO PORTAL DA CAPES: A EDUCAÇÃO ESPECIAL EM FOCO 1 UMA ANÁLISE DAS TESES E DISSERTAÇÕES NO PORTAL DA CAPES: A EDUCAÇÃO ESPECIAL EM FOCO 1 Mary Ellen Silva Santos Angélica Marcelino Diana Araújo Souza Nathália Araújo Patrícia Alves Ivania Reis 2 RESUMO

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

Autismo Rede Biomédica de Informações

Autismo Rede Biomédica de Informações Autismo Rede Biomédica de Informações DSM-IV Critérios, Transtornos Invasivos do Desenvolvimento 299.00 Transtornos Autisticos A. Um total de seis ( ou mais) itens de (1), (2) e (3), com pelo menos dois

Leia mais

Inclusão: entre a teria e a prática Roberta Kuhn Fuhr 1. Resumo:

Inclusão: entre a teria e a prática Roberta Kuhn Fuhr 1. Resumo: Resumo: Inclusão: entre a teria e a prática Roberta Kuhn Fuhr 1 Este artigo apresenta uma breve análise de como esta se desencadeando o processo de inclusão de crianças com necessidades especiais nas instituições

Leia mais

PARECER DOS RECURSOS

PARECER DOS RECURSOS 01) As definições do público alvo para a educação especial devem ser contextualizadas e não se esgotam na mera categorização e especificações atribuídas a um quadro de deficiência, transtornos, distúrbios

Leia mais

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS 1 ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Marilda Coelho da Silva marildagabriela@yahoo.com.br Mestrado Profissional Formação de Professores UEPB As

Leia mais

PROGRAMA DE HABILIDADES SOCIAIS COMO ESTRATÉGIA PARA A INCLUSÃO ESCOLAR E SOCIAL

PROGRAMA DE HABILIDADES SOCIAIS COMO ESTRATÉGIA PARA A INCLUSÃO ESCOLAR E SOCIAL PROGRAMA DE HABILIDADES SOCIAIS COMO ESTRATÉGIA PARA A INCLUSÃO ESCOLAR E SOCIAL PATRÍCIA LORENA QUITÉRIO patylorenaq@gmail.com PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (PROPED/UERJ) 1 INTRODUÇÃO A oficina

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA NA REDE DE ENSINO PÚBLICA ESTADUAL DE SERGIPE

EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA NA REDE DE ENSINO PÚBLICA ESTADUAL DE SERGIPE 1 EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA NA REDE DE ENSINO PÚBLICA ESTADUAL DE SERGIPE Msc. Chrystiane Vasconcelos Andrade Toscano Universidade Tiradentes e Secretaria de Estado da Educação de Sergipe chrystoscano@yahoo.com.br

Leia mais

:: Legislação. Unidade: Câmara de Educação Básica. Número: 79/2009 Ano: 2009. Ementa:

:: Legislação. Unidade: Câmara de Educação Básica. Número: 79/2009 Ano: 2009. Ementa: :: Legislação Unidade: Câmara de Básica Número: 79/2009 Ano: 2009 Ementa: Estabelece normas para a Especial, na Perspectiva da Inclusiva para todas as etapas e Modalidades da Básica no Sistema Estadual

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS NO ENSINO DE MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS

A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS NO ENSINO DE MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS NO ENSINO DE MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS SILVA, Bárbara Tavares da 1 ARAÚJO, Junivan Gomes de 2 ALVES, Suênha Patrícia 3 ARAÚJO, Francinário Oliveira de 4 RESUMO Sabemos que

Leia mais

4. CURSO DE EDUCAÇÃO NA DIVERSIDADE E CIDADANIA. 4.1. Apresentação

4. CURSO DE EDUCAÇÃO NA DIVERSIDADE E CIDADANIA. 4.1. Apresentação 4. CURSO DE EDUCAÇÃO NA DIVERSIDADE E CIDADANIA 4.1. Apresentação O Curso de Educação na Diversidade e Cidadania é um curso de formação continuada de professores de educação básica, com carga horária de

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA

CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA Andrelino Costa FERREIRA (UEPB/SEE-PB) Priscila Raposo ANANIAS (CESED/SEE- PB) Profª Drª Francisca Pereira

Leia mais

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE RESUMO Leandro Pedro de Oliveira José Rubens de Lima Jardilino (orientador) Este trabalho

Leia mais

A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NA PERSPECTIVA DOS PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL

A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NA PERSPECTIVA DOS PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NA PERSPECTIVA DOS PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL Resumo MICHELS, Lísia Regina Ferreira 1 - UFFS Grupo de Trabalho - Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência Financiadora:

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA, LICENCIATURA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola Autora: CAMILA SOUZA VIEIRA Introdução A presente pesquisa tem como temática Educação física para Portadores

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais