CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO CEARÁ FACULDADE CEARENSE - FaC CURSO DE SERVIÇO SOCIAL ERIKA SILVA ALBUQUERQUE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO CEARÁ FACULDADE CEARENSE - FaC CURSO DE SERVIÇO SOCIAL ERIKA SILVA ALBUQUERQUE"

Transcrição

1 CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO CEARÁ FACULDADE CEARENSE - FaC CURSO DE SERVIÇO SOCIAL ERIKA SILVA ALBUQUERQUE AUTISMO E EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UMA ANÁLISE SOBRE A CONCEPÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO ESPAÇO ARAM FORTALEZA 2014

2 ERIKA SILVA ALBUQUERQUE AUTISMO E EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UMA ANÁLISE SOBRE A CONCEPÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO ESPAÇO ARAM Monografia apresentada ao curso de graduação em Serviço Social do Centro de Ensino Superior do Ceará, outorgado pela Faculdade Cearense - FAC como requisito parcial para a obtenção do grau de Bacharel em Serviço Social. Orientadora: Prof. Ms. Jefferson Falcão Sales. FORTALEZA 2014

3 A345a Albuquerque, Erika Silva Autismo e educação inclusiva: Uma análise sobre a concepção dos profissionais do Espaço ARAM / Erika Silva Albuquerque. Fortaleza f. Il. Orientador: Profº. Ms. Jefferson Falcão Sales. Trabalho de Conclusão de Curso (graduação) Faculdade Cearense, Curso de Serviço Social, Autismo. 2. Educação inclusiva. 3. Família. I. Sales, Jefferson Falcão. II. Título CDU 364:37 Bibliotecário Marksuel Mariz de Lima CRB-3/1274

4 ERIKA SILVA ALBUQUERQUE AUTISMO E EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UMA ANÁLISE SOBRE A CONCEPÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO ESPAÇO ARAM Monografia apresentada como prérequisito para obtenção do título de Bacharelado em Serviço Social, outorgado pela Faculdade Cearense FaC, tendo sido aprovada pela banca examinadora composta pelos professores. Data de aprovação: / / BANCA EXAMINADORA Prof. Ms. Jefferson Falcão Sales (Orientador) Prof.ª Esp. Talitta Cavalcante Albuquerque Vasconcelos Prof.ª Ms. Valdícia Falcão Sales

5 Eu não sou difícil de ler. Faça sua parte. Eu sou daqui, eu não sou de Marte. Vem cara, me repara. Não vê tá na cara, sou porta-bandeira de mim. Só não se perca ao entrar. No meu Infinito particular. (Infinito Particular - Arnaldo Antunes, Marisa Monte e Carlinhos Brown).

6 A todas as Famílias Autistas. (DEDICO)

7 AGRADECIMENTOS Primeiramente a Deus, por ter me concedido força, fé e coragem para pesquisar sobre uma temática tão especial na minha vida, contudo, é imensurável minha satisfação em poder repassar meus conhecimentos e experiências, por meio dessa pesquisa. Ao meu irmão Maurício Albuquerque, o destaque principal desta pesquisa, trago, aqui, meus sinceros agradecimentos, pelos ensinamentos que a presença dele trouxe para nossa família e pelo amor incondicional em todos os momentos, sendo ele, a inspiração desta pesquisa, em que a sua participação é de fundamental importância para a construção deste trabalho. Sou imensamente orgulhosa de fazer parte de uma família com a presença abençoada de um Autista. À minha amiga Sumara Frota, pela ajuda nos momentos de desespero que eu não sabia nem por onde começar minha pesquisa. Eu sou imensamente grata por ter me ajudado e me dado força nesse momento tão importante para todas nós. Obrigada por me escutar e por me receber em sua casa, para me orientar na execução deste trabalho. À minha Mãe Francisca Silva, pelo apoio, paciência e o carinho devotados a mim, sempre acreditando em mim, quando, muitas vezes, senti dificuldades. Essa vitória também é sua, por ser Mãe de um Autista e por sempre lutar e se dedicar em defesa da causa. Agradecer os profissionais do Espaço Aram e do LABRINJO por me receberem e contribuírem para a construção deste trabalho tão importante na conclusão de mais uma etapa da minha vida acadêmica. Este trabalho eu dedico a todos vocês que colaboraram com seus conhecimentos e que compartilham essa experiência dentro deste trabalho. Às minhas amigas desde o início do curso, Thaís Vieira e Jamile Ramos, pelos anos de amizade, companheirismo e paciência durante essa longa jornada. Foram diversas as dificuldades, mas o momento de colhermos os frutos do nosso esforço está bem próximo. Vocês são especiais e tenho orgulho de ter compartilhado todos os momentos com vocês, seja dentro ou fora da faculdade. A todos os professores (as) aos quais tivemos o prazer de aprender sobre conhecimentos tão importantes e que serão levados por toda nossa carreira

8 profissional. Vocês são os principais responsáveis por nosso sucesso como futuras Assistentes Sociais. A toda minha maravilhosa Banca, Professoras Talitta Albuquerque e Valdícia Sales, as quais aceitaram o meu convite e acolheram a temática com tanto carinho e dedicação. É uma honra dividir esse momento com vocês, onde eu compartilho todas as minhas experiências durante a realização da pesquisa. E finalmente ao meu Orientador Jefferson Sales, pai de duas filhas lindas, uma pessoa admirável, que carrega uma abrangência de conhecimentos sobre o autismo, em que consegue explicar e divulgar a temática de maneira exemplar. Venho agradecer pela sua paciência e ajuda que foi de fundamental importância para construção desse trabalho. Obrigada por me proporcionar grandes momentos de aprendizagens sobre essa temática tão maravilhosa e encantadora.

9 RESUMO O Autismo é caracterizado como uma temática bastante recorrente em nossa sociedade, e sua discussão vem se desenvolvendo aos poucos no decorrer dos anos. O Autismo tornou-se um dos grandes desafios a ser enfrentado, no que diz respeito à garantia dos direitos básicos, previstos em lei. Este trabalho tem como objetivo central trazer a discussão sobre a análise dos profissionais do Projeto Brincar para Incluir do Espaço Aram em relação aos desafios e possibilidades existentes dentro do processo de inclusão escolar na perspectiva da pessoa autista, tendo como referência institucional a Clínica - Escola Espaço Aram. Os objetivos específicos contemplam: analisar a vivência dos profissionais com crianças autistas; perceber como acontece o processo da inserção de crianças autistas no universo escolar e compreender a relação entre Família, Autismo e Educação Inclusiva. A pesquisa traz enfoques teóricos sobre autismo, as leis direcionadas para este público, o autismo e as relações familiares, a Educação Inclusiva para crianças autistas, o contexto histórico e as políticas de Educação Inclusiva. Contudo, a pesquisa busca contemplar todos os objetivos previstos, embasando-se teoricamente por autores renomados na área do autismo e da educação inclusiva. A pesquisa é de caráter qualitativo, com base em referências bibliográficas, pesquisa de campo com coletas de dados, por meio de entrevistas semiestruturadas e pesquisa documental. A pesquisa foi realizada no período de fevereiro até junho de 2014, tendo como sujeitos da pesquisa quatro profissionais da Educação Física e da Pedagogia, inseridos nas atividades do Espaço Aram. Os resultados deste referente ensaio monográfico busca abrir a discussão sobre a importância da inserção escolar para pessoas com autismo independente da idade, cor e classe social, ou seja, distante de qualquer forma de preconceito e que venha proporcionar ao leitor uma reflexão crítica sobre a educação inclusiva na perspectiva da pessoa autista. Palavras-Chaves: Autismo. Educação Inclusiva. Família.

10 ABSTRACT Autism is characterized as a theme very arising in our society and its discussion has been developing gradually over the years. Autism has become a major challenge to be faced with regard to ensuring the basic rights provided by law. This work has as main objective to bring the discussion on the analysis of professional Project "Playing to Include" Aram of space in relation to the challenges and opportunities within the school inclusion in the autistic person perspective, taking as reference the institutional Clinic - Aram Area school. The specific objectives include analyzing the experience of professionals with autistic children, realizing how does the process of integration of autistic children in the school environment and understand the relationship between Family, Autism and Inclusive Education. The research presents theoretical approaches to autism, laws directed at this audience, autism and family relations, Inclusive Education for autistic children, the history and the politics of Inclusive Education. However, the research seeks to address all the objectives set, if basing theoretically by renowned authors in autism and inclusive education area. The research is qualitative, based on references, field research with data collection through semi-structured interviews and documentary research. The survey was conducted from February to June 2014, with the four professional research subjects of Physical Education and Pedagogy, participated in the activities of Aram Area. The results concerning this monographic essay seeks to open a discussion about the importance of school integration for people with autism regardless of age, race, and social class, ie, away from any form of prejudice and that will provide the reader with a critical reflection on education inclusive perspective on the autistic person. Key Words: Autism. Inclusive Education. Family.

11 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1 - Evolução da Política de Inclusão no Ensino Regular... 48

12 LISTA DE SIGLAS AACD Associação de Assistência à Criança Deficiente ABA Aplied Behavioral Annalysis (Análise do Comportamento Aplicado) ABP Associação Brasileira de Psiquiatria AMA Associação de Amigos Autistas APAE Associação de Pais e Amigos Excepcionais CADEME Campanha Nacional de Educação e Reabilitação de Deficientes Mentais CENESP Centro Nacional de Educação Especial ECA Estatuto da Criança e do Adolescente IBC Instituto Benjamim Constant ISSEC Instituto de Saúde dos Servidores do Ceará LDB Lei de Diretrizes e Bases LABRINJO Laboratório de Brinquedos e Jogos LANGEP Liga Acadêmica de Neurologia-Genética-Psiquiatria MEC Ministério da Educação e Cultura NAS Núcleo de Atenção à Saúde NASF Núcleo de Apoio à Saúde das Famílias NAED Núcleo de Atenção Especial de Defesa à Inclusão OEA Organização dos Estados Americanos OMS Organização Mundial de Saúde ONG Organização Não Governamental ONU Organização das Nações Unidas PEAC Picture Exchange Communication System (Sistema de Comunicação de Troca de Figuras) SEESP Secretaria de Educação Especial SON - RISE Son - Rise Program (Método Educacional para Crianças com Autismo) SUS Sistema Único de Saúde TCC Trabalho de Conclusão de Curso TDAH Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade TEA Transtorno do Espectro Autista

13 TEACCH Treatment and Education of Autistic and Communication Handicapped Children (Treinamento e Ensino de Crianças com Autismo e Outras Dificuldades de Comunicação Relacionada) UFC Universidade Federal do Ceará UNIFOR - Universidade De Fortaleza

14 SUMÁRIO INTRODUÇÃO ASPECTOS METODOLÓGICOS DA PESQUISA Aproximação com O Objeto Pesquisado Lócus da Pesquisa Especificidades da Pesquisa ABORDAGEM TEÓRICA SOBRE O AUTISMO A Definição sobre o Autismo O Autismo no Brasil e as Leis O Autismo e a Família A EDUCAÇÃO INCLUSIVA Um Breve Contexto Histórico da Educação Inclusiva Políticas de Educação Inclusiva: Avanços e Desafios Espaço Aram: A Perspectiva da Educação Inclusiva para Crianças Autistas, Uma Visão da Equipe Profissional CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS APÊNDICES ANEXOS... 65

15 14 INTRODUÇÃO A presente pesquisa direciona-se à análise acerca dos desafios referentes à educação inclusiva com perspectiva relativa à pessoa autista, compreendendo como a equipe profissional da Clínica-Escola Espaço Aram em parceria com o projeto Brincar para Incluir da Universidade Federal do Ceará UFC vivenciam os desafios dessa trajetória sobre a inclusão da criança autista no âmbito escolar. O objetivo da pesquisa é compreender a perspectiva dos profissionais sobre a importância da Educação Inclusiva para crianças autistas, trazendo como enfoques a questão da inserção e sua trajetória no universo das escolas, as atividades que são realizadas pelos profissionais, as experiências absorvidas com crianças autistas e suas avaliações sobre o trabalho realizado pelo Espaço Aram. A pesquisa contempla em seus objetivos específicos analisar as vivências dos profissionais com crianças autistas, entender o processo de inserção escolar e por fim compreender concepções sobre educação inclusiva, família, autismo e leis de direcionamento com enfoque na temática. A partir do diálogo e das entrevistas com quatro profissionais da Educação Física e da Pedagogia, os quais trabalham na Clínica-Escola Aram e no projeto da UFC, proponho-me a compartilhar todas as opiniões sobre os aspectos facilitadores e dificultadores sobre a convivência com uma criança autista, tendo em vista que pesquisa está direcionada, desta forma, para diferentes posicionamentos, enfrentamentos e cuidados voltados às crianças autistas. Seguindo essa lógica, busco discutir a perspectiva do autismo com enfoque no cuidado e na inclusão dessas crianças autistas dentro do ambiente escolar. O interesse pelo tema surgiu por questões pessoais, por ter na família a presença de um irmão autista, despertando-me, desse modo, o interesse de pesquisar sobre a temática, tendo em vista que futuramente serei sua cuidadora e também por aspectos próprios de conhecimento sobre o assunto que é de fundamental importância para a compreensão dos desafios que são postos a todas nós familiares de crianças autistas. Alguns autores costumam trazer o termo famílias autistas, e é a partir de uma nova perspectiva sobre as mudanças de vida e aprendizagem, relatadas neste trabalho, que focamos a presença que essas crianças proporcionam para nós familiares e para toda a sociedade em geral.

16 15 Por ter experiência familiar com uma criança autista, a compreensão surgiu com maior facilidade sobre as ideias dos autores de referência na área. A linguagem utilizada deve proporcionar ao leitor, mesmo sem experiência com um autista, uma maior percepção acerca do assunto, com uma facilidade na leitura, à luz desses autores. Todos os relatos descritos são elaborados a partir das experiências de nossa mãe, Francisca Silva, por meio das quais ela, com sua vivência, traz para esta pesquisa uma riqueza de conhecimentos de sua prática com uma criança autista. Durante o acompanhamento de todo processo escolar do meu irmão, pude observar como a educação é importante para pessoas com autismo, ela ajuda a socializar pessoas autistas e não autistas, para ambos conhecerem a realidade um do outro, dentro dessas perspectivas foi de extrema importância a necessidade de mostrar a sociedade o quanto a educação inclusiva, com foco em pessoas autistas, é importante, reforçando nessa pesquisa a visão da equipe multiprofissional que trabalha diretamente com a criança autista desde então nasceu à pesquisa deste TCC. O atual trabalho encontra-se dividido em três capítulos, o primeiro capítulo é o de percurso metodológico, em que se busca trazer aspectos relacionados à aproximação com o tema escolhido, explicitando a metodologia utilizada e a escolha do espaço para a realização desta pesquisa. O segundo capítulo traz uma alusão sobre o autismo e o seu contexto histórico, as leis desenvolvidas para pessoas com deficiência e a importância do papel da família com uma criança autista. No terceiro capítulo, faremos menção à educação inclusiva, fazendo um resgate histórico sobre as políticas que envolvem a educação e a visão da equipe profissional em relação à inserção de crianças autistas no ambiente escolar. Por fim, é trazido de forma sucinta às análises e às compreensões, acerca das questões que foram apreendidas durante a pesquisa, trazendo de forma clara e objetiva, o que se pode concluir sobre os desafios dos cuidados à pessoa autista e sua inserção na educação, correlacionando com as vivências dos profissionais do Espaço Aram, trazendo como discussão as facilidades e dificuldades, definidas pelos mesmos, acerca do autismo, suas formas de tratamento, inserção e os cuidados em geral. Esse estudo bibliográfico foi vinculado em três categorias para qualificação da pesquisa: autismo, educação inclusiva e família, trazendo todos esses elementos de forma correlacionada. O que se espera da pesquisa é trazer um

17 16 conhecimento mais ampliado sobre as discussões acerca do autismo e da educação inclusiva, contribuindo para a compreensão e um olhar mais sensível da sociedade perante as diversas abordagens que o mundo do autismo tem para nos revelar.

18 17 1 ASPECTOS METODOLÓGICOS DA PESQUISA Este capítulo trará ao leitor uma aproximação, em detalhes, da escolha da temática e dos percursos que foram utilizados para chegar à conclusão da pesquisa, mostrando traços das técnicas escolhidas e a metodologia abordada em maiores detalhes. 1.1 Aproximação com o Objeto Pesquisado Conforme referenciado na introdução deste trabalho, meu 1 interesse pela temática surgiu por uma motivação pessoal. Dentre os meus dois irmãos, um deles é autista e tem 19 anos, e atualmente, mora com minha mãe no interior do Ceará, em uma localizada conhecida por São Gonçalo do Amarante. Por apresentar essa experiência de ter alguém próximo da família com autismo, foi o que me motivou para pesquisar e compreender mais sobre esse assunto. Quando leio os autores que abordam essa temática, identifico-me e relaciono-me com a realidade presente em minha vida, essa articulação entre teoria e experiência prática, de lidar com a presença de uma pessoa autista na família, faz com que a pesquisa se desenvolva com mais facilidade dentro dessa perspectiva. Segundo os relatos de nossa mãe, meu irmão ao nascer, aparentemente era uma criança normal como todas as outras em seu comportamento. Teve seu crescimento normal, sua amamentação ocorreu no período certo, emitiu os sons fonéticos, começou a andar na idade certa, mas não engatinhou, contudo, o seu desenvolvimento foi considerado normal até os 03 anos de idade, após isso, ele regrediu em relação ao seu comportamento, foi então que nossa mãe percebeu que havia algo diferente com meu irmão. Ela conta que na época relatava aos médicos sua preocupação com o meu irmão, explicando que havia uma mudança significativa nos comportamentos dele e que estava ficando preocupada em relação a isso, mas simplesmente os médicos ignoraram, por falta de experiência sobre o assunto ou por não querer dar o diagnóstico, por achar que o quadro clínico poderia melhorar, não diagnosticando 1 Será utilizada a primeira pessoa neste tópico por se tratar de uma motivação pessoa da pesquisadora.

19 18 imediatamente como autismo, colocando o caso como um atraso normal e que iria melhorar com o passar de seu desenvolvimento. Pude constatar esse relato da minha mãe em relação às falhas dos profissionais em detectar quando a criança está com Autismo, em uma palestra, no mês de Abril de 2014, sobre o Autismo, realizada no auditório da Universidade de Fortaleza UNIFOR pelo então renomado Psiquiatra e Orientador da LANGEP - Liga Acadêmica de Neurologia-Genética-Psiquiatria da UNIFOR (Universidade De Fortaleza), Dr. André Luiz Santos Pessoa. Em seu discurso, levantaram-se essas questões da dificuldade dos diagnósticos precoces e a falta de preparo profissional, já visto em anos anteriores e que persiste até hoje, dificultando o desenvolvimento da criança autista. Quando nos deparamos com a realidade sobre a formação dos médicos, percebemos que esta formação profissional, ainda, deixa muito a desejar, no que tange às questões relacionadas à qualificação desses profissionais, no sentido de identificar e diagnosticar uma pessoa com do autismo, portanto, ainda precisa-se caminhar em direção a novas profissionalizações, devido ao surgimento de outros tipos de categorias de deficiência que necessitam desse aparato. A falta de atenção dos médicos em ouvir as famílias, muitas vezes também é um problema e faz com que haja esse atraso do diagnóstico, isso se efetiva dentro dos relatos familiares e observações feitas com os pacientes em clínica, concepção esta trazida pelo palestrante do seminário para mostrar essa realidade. Meu irmão passou por um longo processo de idas e vindas aos mais diversos especialistas, foi um período de realização de uma série de exames para detectar o que havia com ele. Nossa mãe conta que ele foi diagnosticado após várias tentativas com diferentes profissionais de diversas áreas. Com outras opiniões e possibilidades e outros olhares médicos dedicados e que buscavam sempre pesquisar sobre diversos tipos de problemas, então, foi dado um parecer final sobre o caso, isso ocorreu após os quatro anos de idade dele que foi confirmado o diagnóstico de autismo pela ausência da fala, comportamentos repetitivos e dificuldade em atender aos chamados. Somente após o surgimento desses sintomas, característicos da pessoa autista, foi que os médicos identificaram que pela idade não era normal esse atraso no comportamento.

20 19 Nossa mãe sempre carregou com alegria e disposição a notícia sobre o diagnóstico confirmado para o autismo, buscando sempre alternativas para que meu irmão tivesse um tratamento adequado. Inicialmente, como toda mãe, houve uma dificuldade, pois ela não sabia como prosseguir. Em vista disso, então, ela procurou um apoio psicológico e pedagógico, para enfrentar essa situação e compreender o que ela precisava fazer para ajudá-lo, idealizando permanentemente a melhora do seu desenvolvimento social. Na época de todo esse processo, entre idas e vindas aos médicos, morávamos todos em Fortaleza, foi aqui, em Fortaleza, que meu irmão iniciou suas atividades clínicas e escolares, em uma instituição conhecida como Projeto Diferente, na qual havia uma equipe multiprofissional disposta a atender esses tipos de casos. Assim sendo, ele foi encaminhado a esta instituição, através das neurologistas que o acompanhavam na época. Ele passou grande parte de sua infância nessa clínica-escola, então nossa mãe casou com outro homem, após alguns anos do falecimento do nosso pai, decidiu morar com toda a família na cidade de São Gonçalo do Amarante, e, consequentemente, ele deixou a instituição. Foi nesse período que nossa mãe procurou os apoios existentes para as pessoas com deficiência no município de São Gonçalo, e o inseriu nos serviços que a cidade disponibilizava. Nessa busca, encontrou a instituição chamada Casa de Patrícia, a qual era uma instituição de acolhimento para esse perfil de público. Neste local eram realizadas apenas atividades escolares. Ele passou muitos anos por lá, porém ocorreu, no ano de 2010, o fechamento da instituição por falta de recursos financeiros para a sua manutenção, por se tratar de uma ONG - Organização Não Governamental, e o município de São Gonçalo do Amarante não disponibilizar verbas suficientes para custear as ações que a instituição realizava. Com a extinção desta ONG, a cidade passou um grande período sem nenhuma atividade voltada para essa população, desse modo, com o apelo dos pais e familiares por melhorias, em relação ao tratamento dessas crianças, jovens e adultos, a Prefeitura de São Gonçalo do Amarante, em parceria com o NASF, lançou um projeto chamado NAEDI - Núcleo de Atenção Especial de Inclusão às Pessoas com Deficiência, que atua dentro da cidade, prestando assistência a esse público, através de atividades pedagógicas, realizadas semanalmente e que segue alguns

21 20 requisitos básicos para inserção dessas pessoas (estar em acompanhamento médico pelo NASF e regularmente matriculado no projeto). Com a convivência com o meu irmão, podemos observar que no comportamento cotidiano dele, é muito notável que ele é uma criança calma, não é agressivo, nem é hiperativo, muito pelo contrário, ele é admirado por todos na cidade, vizinhos, amigos e familiares por ser uma criança tranquila e alegre, sempre sorrindo para todos que se dirigem até a nossa casa. As pessoas até brincam e dizem: Ele nem parece ser um autista, pois ele tem um comportamento aparentemente normal para quem não sabe do caso. Todavia isso acontece devido ao tratamento que ele recebeu e recebe, e também pelo incentivo escolar ao qual ele é estimulado. Por isso, a escolha desta temática veio no intuito de aprofundar as questões referentes aos desafios dos cuidados familiares à pessoa autista e à inserção da criança com autismo no âmbito escolar, considerando que milhões de famílias, Brasil a fora, vivem esse dilema cotidianamente, seja em casos na família, seja de pessoas conhecidas. Porém, não há como fugir do autismo, já que estamos inseridos em um contexto no qual o número de diagnósticos de autismo cresce alarmantemente em todo o mundo. Segundo dados retirados da ONG (Organização Não Governamental) Autismo e Vida, a ONU- Organização das Nações Unidas, publicou que se estima existirem aproximadamente 70 milhões de pessoas afetadas pelo autismo no mundo. No Brasil já são mais de 2 milhões e, nos EUA, a cada 68 crianças, 1 tem autismo, números estes alarmantes, o que confere esse crescimento em relação aos diagnósticos do autismo Lócus da Pesquisa Inicialmente, escolhi como local de referência em Fortaleza para realizar a pesquisa, a Casa da Esperança, mas por motivos burocráticos, curto prazo de realização e dificuldades de locomoção, até a referida instituição, resolve-se mudar o local de realização do trabalho monográfico. Ao procurar outras instituições que atendessem esse perfil de público, o qual direcionará a pesquisa, encontramos uma instituição de atendimento às crianças com deficiência, próxima à minha residência, o que facilitou o percurso planejado para execução da pesquisa e também para que outras pessoas que terão acesso a esse ensaio monográfico possam conhecer esta

22 21 instituição caso venha necessitar dela. A socialização de instituições deste porte é muito importante para a sociedade, principalmente para as famílias com crianças autistas que ainda não tem conhecimento sobre a rede de apoio existente em toda cidade de Fortaleza. A instituição pesquisada denomina-se Espaço Aram, a palavra Aram, segundo a fundadora Isabelle Rabelo, origina-se do Tupi-Guarani, da língua indígena, e significa Sol, dando a ideia de levar a luz a essas crianças (o Sol vem denominado na logomarca da Instituição). O espaço atua no âmbito da educação especial, com acompanhamento multidisciplinar aos alunos e ao público em geral. As atividades desenvolvidas incluem a psicologia, fisioterapia, psicomotricidade, educação física, pedagogia, fonoaudiologia, psicopedagogia e terapia ocupacional. Está localizada na Rua Sólon Pinheiro, n. 1850, Bairro de Fátima, Fortaleza-Ce, os telefones para contato são: (85) e (85) A Clínica-Escola, como é caracterizada, foi fundada em 17 de Novembro de 2006, nasceu com os objetivos da responsável que é Psicóloga e fundadora Isabelle Rabelo, a razão dessa criação consiste analisar que a educação não seria completa se os alunos com deficiência tendessem a se isolar da sociedade, que muitas vezes tem preconceito contra tudo que não conhece. Ao longo de uma experiência profissional como Psicóloga, com a clientela de pessoas com deficiência e dos anseios das famílias em integrar seus filhos ao meio social, a fim de tornar-se um ser produtivo e independente, levou a fundadora do Espaço Aram a desenvolver um trabalho prestando atendimento clinico e pedagógico. Segundo o histórico da instituição, o Espaço Aram passou a funcionar com regularidade, sendo aberta aos alunos com interações educativas especializadas, a família e a comunidade em geral, por apresentar uma demanda na área especial. O objetivo da instituição é oferecer às pessoas uma educação especial, como uma proposta séria e inovadora de escola, pautada nos mais atualizados conceitos sobre educação especial. O Espaço Aram prioriza os princípios da individualização (respeito as diferenças individuais, potencialidades e limites pessoais), integração (participação das pessoas com necessidades educativas especiais em seu ambiente, direito à socialização) e normalização (proporcionar condições da vida compatíveis com a da sociedade a qual estão inseridos).

23 22 Ainda segundo o histórico apresentado pela instituição, o espaço oferece ensino do Infantil III ao 5º ano, com salas divididas por especialidades e idades, assegurando um planejamento de objetivos e estratégias de intervenção diferenciadas de acordo com as necessidades dos grupos trabalhados. Como complemento da proposta pedagógica, os alunos são atendidos por uma equipe especializada. De acordo com a documentação disponibilizada, referente à instituição, a equipe é composta por psicóloga, fonoaudióloga, educadores físicos, psicopedagoga, fisioterapeuta, terapeuta ocupacional e psicomotricista. É uma instituição de caráter privado, tendo convênio apenas com o ISSEC - Instituto de Saúde dos Servidores do Estado do Ceará. O histórico da instituição afirma que, em média, são 6 a 8 crianças atendidas por dia na instituição, trabalha-se, dessa forma, com um grupo pequeno, tendo em vista que essas crianças precisam de um cuidado e uma atenção especial, o que preserva essa quantia de integrantes diariamente atendidos. A instituição acolhe crianças com autismo, síndrome de Down, paralisia cerebral, TDAH e outros tipos de deficiências, mas segundo o relato da fundadora, a escola só tem como referencias 4 crianças autistas assistidas na instituição. O número total de alunos não foi revelado durante a realização da pesquisa, sendo dificultoso o acesso de algumas informações importantes para demonstração dos dados quantitativos neste ensaio monográfico. O espaço físico observado é bem agradável e aconchegante, os compartimentos são bem divididos, contendo por escrito nas portas as informações do que representam cada sala, sempre utilizando cores bem chamativas. Na recepção, o que chamou atenção é que há uma mesa com brinquedos educativos, para que as crianças se sintam à vontade, e muitos quadros espalhados que expõem todas as artes realizadas pelas crianças, contudo, é um local bastante organizado, arejado e bem localizado, que realiza um trabalho incrível de ressocialização e reinserção dessas crianças, através de atividades educacionais e interativas. De acordo com a explicação de Isabelle Monteiro, existem os atendimentos da parte clínica durante o período da manhã e durante a tarde são realizadas as atividades escolares. Existem dois grupos semanais que são realizados, um na Brinquedoteca da UFC - Universidade Federal do Ceará ou LABRINJO - Laboratório de Brinquedos e Jogos, localizado no bairro Pici e os outros

Queila Medeiros Veiga TGD NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

Queila Medeiros Veiga TGD NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA TGD NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Marcos Legais 1988 Constituição Federal (art. 208, III) direito das pessoas com necessidades especiais de receberem educação, preferencialmente na rede regular

Leia mais

Autismo e Aprendizagem

Autismo e Aprendizagem Autismo e Aprendizagem O termo autismo origina-se do grego autós, que significa de si mesmo. Foi empregado pela primeira vez pelo psiquiatra suíço Bleuler, em 1911, que buscava descrever a fuga da realidade

Leia mais

GOVERNO DO MUNICIPIO DE CONSELHEIRO LAFAIETE GABINETE DO PREFEITO

GOVERNO DO MUNICIPIO DE CONSELHEIRO LAFAIETE GABINETE DO PREFEITO LEI N o 5.641, DE 23 DE JUNHO DE 2014. RECONHECE A PESSOA COM TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA COMO PORTADORA DE DEFICIÊNCIA PARA OS FINS DE FRUIÇÃO DOS DIREITOS ASSEGURADOS PELA LEI ORGÂNICA E PELAS DEMAIS

Leia mais

TRANSTORNO DO AUTISTA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

TRANSTORNO DO AUTISTA NA EDUCAÇÃO INFANTIL FACULDADE MÉTODO DE SÃO PAULO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA ERIKA DE SOUZA NOGUEIRA JENIFFER OLIVEIRA RODRIGUES COSTA JESSICA PRISCILLA TESLENCO MARTINS PINHEIRO TRANSTORNO DO AUTISTA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

Leia mais

TÍTULO: AUTORES: INSTITUIÇÃO: ÁREA TEMÁTICA 1-INTRODUÇÃO (1) (1).

TÍTULO: AUTORES: INSTITUIÇÃO: ÁREA TEMÁTICA 1-INTRODUÇÃO (1) (1). TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA EQUIPE MULTIDISCIPLINAR NA MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA E INCLUSÃO SOCIAL DE INDIVÍDUOS PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS ASSISTIDOS PELA APAE DE VIÇOSA, MG. AUTORES: André

Leia mais

Palavras-chave: Medicalização da educação, Fracasso escolar e Problemas de Aprendizagem.

Palavras-chave: Medicalização da educação, Fracasso escolar e Problemas de Aprendizagem. A MEDICALIZAÇÃO DO FRACASSO ESCOLAR EM ESCOLAS PÚBLICAS MUNICIPAIS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE VITÓRIA-ES Elizabete Bassani UFES Mirela Santos Bleidão UFES Resumo Esta pesquisa documental teve como objetivo

Leia mais

De acordo com estudos recentes o autismo é mais freqüente em pessoas do sexo masculino.

De acordo com estudos recentes o autismo é mais freqüente em pessoas do sexo masculino. 1 AUTISMO Autismo é um distúrbio do desenvolvimento que se caracteriza por alterações presentes desde idade muito precoce, com impacto múltiplo e variável em áreas nobres do desenvolvimento humano como

Leia mais

AUTISMO NA SALA DE AULA

AUTISMO NA SALA DE AULA 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AUTISMO

Leia mais

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID

A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID A PRÁTICA DE MONITORIA PARA PROFESSORES EM FORMAÇÃO INICIAL DE LÍNGUA INGLESA DO PIBID Victor Silva de ARAÚJO Universidade Estadual da Paraiba sr.victorsa@gmail.com INTRODUÇÃO A monitoria é uma modalidade

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR Luciana Barros Farias Lima e Claudia Regina Pinheiro Machado Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro UNIRIO lucpeda@gmail.com

Leia mais

Comunicação para Todos Em Busca da Inclusão Social e Escolar. Centro Universitário Feevale, Novo Hamburgo, RS. Resumo

Comunicação para Todos Em Busca da Inclusão Social e Escolar. Centro Universitário Feevale, Novo Hamburgo, RS. Resumo Comunicação para Todos Em Busca da Inclusão Social e Escolar Communication for All - In Search of the Social and Pertaining to School Inclusion Centro Universitário Feevale, Novo Hamburgo, RS Carolina

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS ISSN 2316-7785 FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS José André Tavares de Oliveira Instituto Federal de Alagoas

Leia mais

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO (AEE)

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO (AEE) ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO (AEE) Aleksandra Debom Garcia 1 Fatima Gomes Nogueira Daguiel 2 Fernanda Pereira Santana Francisco 3 O atendimento educacional especializado foi criado para dar um

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências boletim Jovem de Futuro ed. 04-13 de dezembro de 2013 Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências O Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013 aconteceu de 26 a 28 de novembro.

Leia mais

Voluntariado. Cabe na sua vida. Ser voluntário #issomudaomundo NOTÍCIAS. Ação Estudar Vale a Pena mobiliza mais de 800 voluntários Itaú Unibanco

Voluntariado. Cabe na sua vida. Ser voluntário #issomudaomundo NOTÍCIAS. Ação Estudar Vale a Pena mobiliza mais de 800 voluntários Itaú Unibanco NOTÍCIAS Ação Estudar Vale a Pena mobiliza mais de 800 voluntários Itaú Unibanco Mobilizar. Colaborar. Transformar. Muitas foram as motivações que levaram você e mais 791 colaboradores Itaú Unibanco (e

Leia mais

www.aamparaautismo.org.br - aamparaautismo@yahoo.com.br (41) 8416-9537 Rua Pres. Carlos Cavalcanti, 598 Centro Curitiba PR

www.aamparaautismo.org.br - aamparaautismo@yahoo.com.br (41) 8416-9537 Rua Pres. Carlos Cavalcanti, 598 Centro Curitiba PR www.aamparaautismo.org.br - aamparaautismo@yahoo.com.br (41) 8416-9537 Rua Pres. Carlos Cavalcanti, 598 Centro Curitiba PR ROSIMERE BENITES Dados Pessoais: Casada: Reinaldo Benites Filha: Beatriz Benites

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

Plano de Ação. Plano de Ação - 2013. Plano de Ação para o Ano de 2013: Finalidades Estatutárias. Objetivos. Origem dos Recursos.

Plano de Ação. Plano de Ação - 2013. Plano de Ação para o Ano de 2013: Finalidades Estatutárias. Objetivos. Origem dos Recursos. Plano de Ação 2013 Plano de Ação para o Ano de 2013: Finalidades Estatutárias Objetivos Origem dos Recursos Infraestrutura Público Alvo Capacidade de Atendimento Recursos Financeiros Utilizados Recursos

Leia mais

Movimento Pró Autista

Movimento Pró Autista POLÍTICAS PÚBLICAS DE ATENDIMENTO PARA AS PESSOAS COM TRANSTORNO DO ESPECTRO DO AUTISMO Saúde Educação Trabalho Cultura, Esportes e Lazer Transporte Especializado Centros de Convivência Moradias Assistidas

Leia mais

TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR

TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO:

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

INTERSETORIALIDADE E AUTISMO

INTERSETORIALIDADE E AUTISMO INTERSETORIALIDADE E AUTISMO Daniel de Sousa Filho Psiquiatra da Infância e Adolescência Mestre em Distúrbios do Desenvolvimento UPM Introdução Kanner, 1943 Asperger, 1944 Bleuler, 1906 Transtornos do

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se PEDAGOGIA HOSPITALAR: PERSPECTIVAS PARA O TRABALHO DO PROFESSOR. Bergamo, M.G. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Silva, D.M. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Moreira, G.M. (Curso de Pedagogia,

Leia mais

Inclusão Escolar do Aluno Autista. Módulo 1 - Introdução

Inclusão Escolar do Aluno Autista. Módulo 1 - Introdução Inclusão Escolar do Aluno Autista Módulo 1 - Introdução O Que é AUTISMO? Autismo é um conjunto de sintomas (síndrome) que p e r t e n c e à c a t e g o r i a d o s t r a n s t o r n o s d e neurodesenvolvimento.

Leia mais

AS NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS E A INCLUSÃO

AS NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS E A INCLUSÃO AS NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS E A INCLUSÃO Francelina Elena Oliveira Vasconcelos (france.vasconcelos@gmail.com) Rosilda Teixeira de Freitas (rosildafreitas@farrapo.com.br) Resumo Neste trabalho

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

TERAPIA OCUPACIONAL PADRÃO DE RESPOSTA

TERAPIA OCUPACIONAL PADRÃO DE RESPOSTA TERAPIA OCUPACIONAL PADRÃO DE RESPOSTA QUESTÃO 38 Rosa está com 56 anos de idade e vive em um hospital psiquiátrico desde os 28 anos de idade. Em seu prontuário, encontra-se que ela é doente mental desde

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores A VISÃO DE ALGUMAS BOLSISTAS DO PIBID SOBRE SUA ATUAÇÃO EM CONTEXTOS EDUCACIONAIS INCLUSIVOS

Leia mais

RELATÓRIO FINAL CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SAÚDE MENTAL

RELATÓRIO FINAL CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SAÚDE MENTAL RELATÓRIO FINAL CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SAÚDE MENTAL Nome: ALDINÉA GUARNIERI DE VASCONCELLOS Escolaridade: Super Completo/ Pós- Graduação Idade: 44 anos Profissão: Assistente Social Local de Trabalho:

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM FOCO. PALAVRAS-CHAVE: avaliação dificuldades de aprendizagem contexto escolar

A AVALIAÇÃO EM FOCO. PALAVRAS-CHAVE: avaliação dificuldades de aprendizagem contexto escolar A AVALIAÇÃO EM FOCO Beatriz Biss Telles 1 Dalila Maria De Paula Antoneche 2 Maria Daiane Baranhuke Budzilo 3 RESUMO: O presente apresenta os resultados pesquisa de caráter exploratório, desenvolvida como

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

O BRINCAR COMO MEDIADOR DE INTERAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE LINGUAGEM EM CRIANÇAS AUTISTAS

O BRINCAR COMO MEDIADOR DE INTERAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE LINGUAGEM EM CRIANÇAS AUTISTAS O BRINCAR COMO MEDIADOR DE INTERAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE LINGUAGEM EM CRIANÇAS AUTISTAS BEZERRA 1, Aíla Murielle Medeiros CORDEIRO 1, Ingrydh KOCH 1, Bernard; LIMA 1, Tácia Adriana Florentino de NUNES

Leia mais

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão FORMULÁRIO DE AÇÃO DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM 1.1. TÍTULO: CAPACITAÇÃO PARA EDUCADORES DA PRIMEIRA INFÂNCIA,

Leia mais

COMUNICACÃO FALA E LINGUAGEM

COMUNICACÃO FALA E LINGUAGEM COMUNICACÃO FALA E LINGUAGEM AUTISMO De acordo com o DSM-V o Autismo é um transtorno de desenvolvimento que geralmente aparece nos três primeiros anos de vida e compromete as habilidades de comunicação

Leia mais

HABILIDADES SOCIAIS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Maria Luiza Pontes de França Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte

HABILIDADES SOCIAIS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Maria Luiza Pontes de França Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte HABILIDADES SOCIAIS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Maria Luiza Pontes de França Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte Resumo geral: Os estudos na área das habilidades sociais no Brasil têm contemplado

Leia mais

ATENDIMENTO EDUCACIONAL SALAS MULTIFUNCIONAIS

ATENDIMENTO EDUCACIONAL SALAS MULTIFUNCIONAIS ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO -AEE SALAS MULTIFUNCIONAIS LEGISLAÇÃO Considerando o Decreto 6949/2009 que promulga a convenção da ONU sobre os direitos das pessoas com deficiência, assegurando um

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA Autor: Marusa Fernandes da Silva marusafs@gmail.com Orientadora: Profª. Ms. Mônica Mª N. da Trindade Siqueira Universidade de Taubaté monica.mnts@uol.com.br Comunicação oral:

Leia mais

-RESUMOS DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO DO CURSO PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL DA FASF LUZ - 2013

-RESUMOS DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO DO CURSO PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL DA FASF LUZ - 2013 -RESUMOS DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO DO CURSO PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL DA FASF LUZ - 2013 Monografias e Artigos (Ordem Alfabética dos Alunos, Orientador (a), Título e Resumo) Ana Cristina Fonseca

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA

PÓS-GRADUAÇÃO EM TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA PÓS-GRADUAÇÃO EM TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA Instituição Certificadora: FALC Faculdade da Aldeia de Carapicuíba Amparo Legal: Resolução CNE CES 1 2001/ 2007 Carga Horária: 600h (sendo 150h para estágio)

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

AUTISMO. 3º Encontro Formativo para Profissionais da Educação. Atendimento aos Estudantes com Deficiência na Rede Municipal de Contagem

AUTISMO. 3º Encontro Formativo para Profissionais da Educação. Atendimento aos Estudantes com Deficiência na Rede Municipal de Contagem AUTISMO 3º Encontro Formativo para Profissionais da Educação Atendimento aos Estudantes com Deficiência na Rede Municipal de Contagem Quem somos? Professoras das SRMF / AAE - Contagem Raquel Shirley Stella

Leia mais

Projeto Amplitude. Plano de Ação 2015. Conteúdo

Projeto Amplitude. Plano de Ação 2015. Conteúdo Projeto Amplitude Plano de Ação 2015 P r o j e t o A m p l i t u d e R u a C a p i t ã o C a v a l c a n t i, 1 4 7 V i l a M a r i a n a S ã o P a u l o 11 4304-9906 w w w. p r o j e t o a m p l i t u

Leia mais

Algumas disciplinas do curso de formação inicial Algumas cadeiras Durante o curso houve disciplinas que estavam direccionadas para essa temática.

Algumas disciplinas do curso de formação inicial Algumas cadeiras Durante o curso houve disciplinas que estavam direccionadas para essa temática. ANEXO III 217 QUADRO N. º 4 - Formação recebida no domínio da intervenção educativa com crianças portadoras de NEE SUB-CATEGORIA INDICADORES UNIDADES DE REGISTO SUJEITOS F.U.R. % Disciplinas do Curso Uma

Leia mais

Mostra de Projetos 2011 BRINQUEDOTECA: O LÚDICO NO RESGATE

Mostra de Projetos 2011 BRINQUEDOTECA: O LÚDICO NO RESGATE Mostra de Projetos 2011 BRINQUEDOTECA: O LÚDICO NO RESGATE Mostra Local de: Londrina. Categoria do projeto: Projetos finalizados. Nome da Instituição/Empresa: (Campo não preenchido). Cidade: Londrina.

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias.

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias. PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias. A INCLUSÃO DA CRIANÇA COM SINDROME DE DOWN E SEU PROCESSO

Leia mais

Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil

Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil Hernandes Santos, Amarílis Alfabetização na inclusão

Leia mais

Definição e Histórico. Avaliação, Diagnóstico e Intervenção no TEA Módulo 1

Definição e Histórico. Avaliação, Diagnóstico e Intervenção no TEA Módulo 1 + Definição e Histórico Avaliação, Diagnóstico e Intervenção no TEA Módulo 1 + Autismo Nome criado por Eugen Bleuler em 1911 Dementia Praecox ou Grupo da Esquizofrenias Termo extraído dos estudos sobre

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Nome da Instituição: Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Responsável pelo preenchimento das informações: HELIANE

Leia mais

Carta pedagógica. Professora: Maria Teresinha Turma: alfabetização

Carta pedagógica. Professora: Maria Teresinha Turma: alfabetização Carta pedagógica Ao escrever esta carta pedagógica, veio-me a questão do erro que acontece a todo o momento em minha turma na sala de aula. Lendo textos de autores como Morais, fiquei ciente da sua fala

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA FORMAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE NA ATENÇÃO AO CÂNCER: DESAFIOS PARA OS TÉCNICOS DE ENFERMAGEM ESPECIALIZAÇÃO DO TÉCNICO

Leia mais

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL Larissa dos Santos Gomes Resumo O presente artigo refere-se ao trabalho de conclusão

Leia mais

UMA ANÁLISE DAS TESES E DISSERTAÇÕES NO PORTAL DA CAPES: A EDUCAÇÃO ESPECIAL EM FOCO 1

UMA ANÁLISE DAS TESES E DISSERTAÇÕES NO PORTAL DA CAPES: A EDUCAÇÃO ESPECIAL EM FOCO 1 UMA ANÁLISE DAS TESES E DISSERTAÇÕES NO PORTAL DA CAPES: A EDUCAÇÃO ESPECIAL EM FOCO 1 Mary Ellen Silva Santos Angélica Marcelino Diana Araújo Souza Nathália Araújo Patrícia Alves Ivania Reis 2 RESUMO

Leia mais

Conheça quatro projetos de educação transformadores que foram premiados pelo Sinepe/PR

Conheça quatro projetos de educação transformadores que foram premiados pelo Sinepe/PR Conheça quatro projetos de educação transformadores que foram premiados pelo Sinepe/PR Projetos educacionais transformadores realizados por instituições de ensino particular do Paraná ganharam reconhecimento

Leia mais

PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI

PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI Resumo Rosangela de Sousa Cardoso Stabenow1 - UEL Cassiana Magalhães2 - UEL Grupo de Trabalho - Didática:

Leia mais

Fonoaudiologia educacional e autismo: sem comunicação não há inclusão! Autores: PATRÍCIA BLASQUEZ OLMEDO, CÁTIA CRIVELENTI DE FIGUEIREDO WALTER,

Fonoaudiologia educacional e autismo: sem comunicação não há inclusão! Autores: PATRÍCIA BLASQUEZ OLMEDO, CÁTIA CRIVELENTI DE FIGUEIREDO WALTER, Fonoaudiologia educacional e autismo: sem comunicação não há inclusão! Autores: PATRÍCIA BLASQUEZ OLMEDO, CÁTIA CRIVELENTI DE FIGUEIREDO WALTER, Palavras-chave: Autismo, Inclusão Educacional, Barreiras

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil CONSELHO DE CLASSE A visão dos professores sobre educação no Brasil INTRODUÇÃO Especificações Técnicas Data do Campo 19/06 a 14/10 de 2014 Metodologia Técnica de coleta de dados Abrangência geográfica

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL Introdução Com frequência as tecnologias digitais estão sendo empregadas pelos educadores em

Leia mais

Autismo: papel do Fonoaudiólogo e a Inclusão na escola

Autismo: papel do Fonoaudiólogo e a Inclusão na escola Autismo: papel do Fonoaudiólogo e a Inclusão na escola Palestrantes: Francielle Martins e Julia Tognozzi Orientadoras: Profª Drª Dionísia Ap. Cusin Lamonica e Fga. Ms. Camila da Costa Ribeiro O que é autismo?

Leia mais

Requerimento (Do Sr. Hugo Leal)

Requerimento (Do Sr. Hugo Leal) Requerimento (Do Sr. Hugo Leal) Sugere ao Poder Executivo sejam tomadas providências no sentido de ser exigido a feitura de diagnóstico precoce de autismo em todas as unidades de saúde pública do país,

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE ESPAÇO FÍSICO NA CRECHE ( os cantinhos ), que possibilitou entender o espaço como aliado do trabalho pedagógico, ou seja, aquele que

ORGANIZAÇÃO DE ESPAÇO FÍSICO NA CRECHE ( os cantinhos ), que possibilitou entender o espaço como aliado do trabalho pedagógico, ou seja, aquele que Introdução A formação continuada iniciou-se com um diagnóstico com os profissionais que atuam nos Centros de Educação Infantil do nosso município para saber o que pensavam a respeito de conceitos essenciais

Leia mais

A Família e sua importância no processo educativo dos alunos especiais

A Família e sua importância no processo educativo dos alunos especiais Geyza Pedrisch de Castro Joana Darc Macedo Passos Sandra Lima Karantino A Família e sua importância no processo educativo dos alunos especiais Guajará Mirim RO. 2012. 1. JUSTIFICATIVA O presente Projeto

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h. Estrutura Curricular do Curso Disciplinas

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h. Estrutura Curricular do Curso Disciplinas CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h Ética profissional na Educação Fundamentos históricos, conceitos, sociais e legais na Educação Inclusiva Legislação Aplicável na Educação Inclusiva Fundamentos

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR

OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR Fundação Universidade Federal do Tocantins Maria Jose de Pinho mjpgon@mail.uft.edu.br Professora orientadora do PIBIC pedagogia Edieide Rodrigues Araújo Acadêmica

Leia mais

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Criança de 0 a 5 anos Docente do Curso Gilza Maria Zauhy Garms Total da Carga

Leia mais

A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA RESUMO

A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA RESUMO A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA Mayara Cordeiro da Silva ( UFAL) Mayaracordeiro4@gmail.com Rebecca Thamyres de Missena Costa( UFAL) rebecca.ufal@gmail.com RESUMO Muito vem sendo discutido

Leia mais

A INCLUSÃO EDUCACIONAL NAS ESCOLAS PÚBLICAS RURAIS

A INCLUSÃO EDUCACIONAL NAS ESCOLAS PÚBLICAS RURAIS A INCLUSÃO EDUCACIONAL NAS ESCOLAS PÚBLICAS RURAIS Patrícia Correia de Paula Marcocia - UTP Este trabalho apresenta resultados parciais e preliminares de uma pesquisa qualitativa sobre a inclusão escolar

Leia mais

A POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO E AS IMPLICAÇÕES DE UM

A POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO E AS IMPLICAÇÕES DE UM A POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO E AS IMPLICAÇÕES DE UM NASCIMENTO PREMATURO Francisca Daniela de Morais Roberto moraisfrancisca@bol.com.br Regina Célia Pinheiro da Silva Orientadora UNITAU regcps@yahoo.com.br

Leia mais

PROGRAMA DE HABILIDADES SOCIAIS COMO ESTRATÉGIA PARA A INCLUSÃO ESCOLAR E SOCIAL

PROGRAMA DE HABILIDADES SOCIAIS COMO ESTRATÉGIA PARA A INCLUSÃO ESCOLAR E SOCIAL PROGRAMA DE HABILIDADES SOCIAIS COMO ESTRATÉGIA PARA A INCLUSÃO ESCOLAR E SOCIAL PATRÍCIA LORENA QUITÉRIO patylorenaq@gmail.com PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (PROPED/UERJ) 1 INTRODUÇÃO A oficina

Leia mais

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Alessandro Alves A pré-adolescência e a adolescência são fases de experimentação de diversos comportamentos. É nessa fase que acontece a construção

Leia mais

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal.

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal. A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA MUNICIPAL RECANTO DO BOSQUE: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA UMA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA A PARTIR DO SUBPROJETO DA EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESEFFEGO/UEG.

Leia mais

OFICINA BRINCADEIRAS TRADICIONAIS COM SUCATAS: A EXPERIÊNCIA DO PROJETO DE EXTENSÃO LUDOTECA EM MOVIMENTO

OFICINA BRINCADEIRAS TRADICIONAIS COM SUCATAS: A EXPERIÊNCIA DO PROJETO DE EXTENSÃO LUDOTECA EM MOVIMENTO OFICINA BRINCADEIRAS TRADICIONAIS COM SUCATAS: A EXPERIÊNCIA DO PROJETO DE EXTENSÃO LUDOTECA EM MOVIMENTO Área Temática: sociedade e educação. Anilde Tombolato Tavares da Silva (Coordenadora da Ação) Autores

Leia mais

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA 1.0 INTRODUÇÃO JUSCIARA LOURENÇO DA SILVA (UEPB) VIVIANA DE SOUZA RAMOS (UEPB) PROFESSOR ORIENTADOR: EDUARDO

Leia mais

Workshop da FAEL. aborda direitos humanos. e papel do educador

Workshop da FAEL. aborda direitos humanos. e papel do educador Workshop da FAEL aborda direitos humanos e papel do educador No 15 workshop da Faculdade Educacional da Lapa - FAEL, os acadêmicos do curso de pedagogia tiveram a oportunidade de aprender e praticar os

Leia mais

Pediatria do Desenvolvimento e do Comportamento. Faculdade de Ciências Médicas Prof. Orlando A. Pereira Unifenas

Pediatria do Desenvolvimento e do Comportamento. Faculdade de Ciências Médicas Prof. Orlando A. Pereira Unifenas Pediatria do Desenvolvimento e do Comportamento Faculdade de Ciências Médicas Prof. Orlando A. Pereira Unifenas Genética e Ambiente A combinação de fatores ambientais e genéticos é que determina o produto

Leia mais

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II 1 A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II Donizeth Henrique Aleluia Vieira 1 Paula Rodrigues de Souza 2 Suely Miranda Cavalcante Bastos 3 Resumo: Juntamente com o campo dos Números

Leia mais

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES Kátia Hatsue Endo Unesp hatsueendo@yahoo.com.br Daniela Bittencourt Blum - UNIP danibittenc@bol.com.br Catarina Maria de Souza Thimóteo CEETEPS - catarinamst@netonne.com.br

Leia mais

ATENDIMENTO DAS CRIANÇAS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NO MUNICÍPIO DE CORNÉLIO PROCÓPIO-PR

ATENDIMENTO DAS CRIANÇAS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NO MUNICÍPIO DE CORNÉLIO PROCÓPIO-PR ATENDIMENTO DAS CRIANÇAS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NO MUNICÍPIO DE CORNÉLIO PROCÓPIO-PR Emylaine Maria Graciano de Souza (PIBIC Jr/CNPq), Gyovana Persinato Inoue (PIBIC Jr/CNPq), Heloísa

Leia mais

De que Inclusão Estamos Falando? A Percepção de Educadores Sobre o Processo de Inclusão Escolar em Seu Local de Trabalho

De que Inclusão Estamos Falando? A Percepção de Educadores Sobre o Processo de Inclusão Escolar em Seu Local de Trabalho 1 de 5 29/6/2010 00:34 www.ibmeconline.com.br De que Inclusão Estamos Falando? A Percepção de Educadores Sobre o Processo de Inclusão Escolar em Seu Local de Trabalho Autora: Patrícia Carla de Souza Della

Leia mais

Creche Municipal Pequeno Príncipe

Creche Municipal Pequeno Príncipe DESCRIPCIÓN DE LA INSTITUCIÓN UBICACIÓN GEOGRÁFICA Região: Centro Oeste Município: Porto dos Gaúchos MT Título da experiência: Construindo sua identidade no universo da brincadeira Autoras: Claudiane Eidt

Leia mais

ENSINAR MATEMÁTICA UTILIZANDO MATERIAIS LÚDICOS. É POSSÍVEL?

ENSINAR MATEMÁTICA UTILIZANDO MATERIAIS LÚDICOS. É POSSÍVEL? 1 de 7 ENSINAR MATEMÁTICA UTILIZANDO MATERIAIS LÚDICOS. É POSSÍVEL? Jéssica Alves de Oliveira Maria José dos Santos Chagas Tatiane de Fátima Silva Seixas RESUMO: De uma maneira geral, existe, por parte

Leia mais

Direitos Reservados à A&R - Reprodução Proibida

Direitos Reservados à A&R - Reprodução Proibida Direitos Reservados à A&R - Reprodução Proibida AUTISMO: UMA REALIDADE por ZIRALDO MEGATÉRIO ESTÚDIO Texto: Gustavo Luiz Arte: Miguel Mendes, Marco, Fábio Ferreira Outubro de 2013 Quando uma nova vida

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

BRINCAR E INTEGRAÇÃO SENSORIAL: POSSIBILIDADES DE INTERVENÇÃO DA TERAPIA OCUPACIONAL

BRINCAR E INTEGRAÇÃO SENSORIAL: POSSIBILIDADES DE INTERVENÇÃO DA TERAPIA OCUPACIONAL BRINCAR E INTEGRAÇÃO SENSORIAL: POSSIBILIDADES DE INTERVENÇÃO DA TERAPIA OCUPACIONAL DIONISIO, Amanda Luziêk Alves¹ FRANCA, Annyelle Santos² CAVALCANTE, Cindy Bianca Soares² ARAÚJO, Clarice Ribeiro Soares³

Leia mais

INCLUSÃO ESCOLAR E DEFICIÊNCIA MENTAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA MUNICIPAL DE LAVRAS - MINAS GERAIS

INCLUSÃO ESCOLAR E DEFICIÊNCIA MENTAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA MUNICIPAL DE LAVRAS - MINAS GERAIS INCLUSÃO ESCOLAR E DEFICIÊNCIA MENTAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA MUNICIPAL DE LAVRAS - MINAS GERAIS 2010 Fernanda Garcia Resende Bárbara Terra Ávila Estudantes de Psicologia - Centro Universitário

Leia mais

Um pouco mais sobre desenvolvimento social e os Transtornos do Espectro Autista

Um pouco mais sobre desenvolvimento social e os Transtornos do Espectro Autista Um pouco mais sobre desenvolvimento social e os Transtornos do Espectro Autista www.infanciaeadole scencia.com.br O desenvolvimento social ocorre ao longo de todas as etapas do ciclo vital. Entretanto,

Leia mais

AUTISMO: CONVÍVIO ESCOLAR, UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO.

AUTISMO: CONVÍVIO ESCOLAR, UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO. AUTISMO: CONVÍVIO ESCOLAR, UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO. Anne Caroline Silva Aires- UEPB Marta Valéria Silva Araújo- UEPB Gabriela Amaral Do Nascimento- UEPB RESUMO Este trabalho tem como objetivo apresentar

Leia mais

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, madalena@univates.br Daniela Cristina Schossler,

Leia mais

Inclusão Social da Pessoa com Deficiência Intelectual:

Inclusão Social da Pessoa com Deficiência Intelectual: Inclusão Social da Pessoa com Deficiência Intelectual: Educação Especial no Espaço da Escola Especial Trabalho, Emprego e Renda Autogestão, Autodefesa e Família APAE : INTEGRALIDADE DAS AÇÕES NO CICLO

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

O DIAGNÓSTICO DOS TRANSTORNOS DO ESPECTRO DO AUTISMO TEA

O DIAGNÓSTICO DOS TRANSTORNOS DO ESPECTRO DO AUTISMO TEA 1 MARIA ELISA GRANCHI FONSECA Psicóloga Mestre em Educação Especial UFSCAR TEACCH Practitioner pela University of North Carolina USA Coordenadora de Curso INFOCO FENAPAES UNIAPAE Coordenadora CEDAP APAE

Leia mais

Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO

Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO - Abordagem multiprofissional e interdisciplinar - assistência prestada por

Leia mais