ESCOLA SUPERIOR ABERTA DO BRASIL ESAB CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA CLINICA E INSTITUCIONAL GRASIELA PROCÓPIO DUARTE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESCOLA SUPERIOR ABERTA DO BRASIL ESAB CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA CLINICA E INSTITUCIONAL GRASIELA PROCÓPIO DUARTE"

Transcrição

1 ESCOLA SUPERIOR ABERTA DO BRASIL ESAB CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA CLINICA E INSTITUCIONAL GRASIELA PROCÓPIO DUARTE A CRIANÇA ESTRANHA NA ESCOLA: PSICOPEDAGOGIA E CRIANÇAS AUTISTAS VILA VELHA ES 2011

2 GRASIELA PROCÓPIO DUARTE A CRIANÇA ESTRANHA NA ESCOLA: PSICOPEDAGOGIA E CRIANÇAS AUTISTAS Monografia apresentada ao Curso de Pós- Graduação Lato Sensu em Psicopedagogia Clínica e Institucional da Escola Superior Aberta do Brasil ESAB, como requisito para obtenção do titulo de Especialista em Psicopedagogia Clínica e Institucional, sob orientação do Prof. Me. Marcony Brandão Uliana VILA VELHA - ES 2011

3 GRASIELA PROCÓPIO DUARTE A CRIANÇA ESTRANHA NA ESCOLA: PSICOPEDAGOGIA E CRIANÇAS AUTISTAS Monografia aprovada em de de Banca Examinadora VILA VELHA ES 2011

4 DEDICATÓRIA Dedico às crianças, estranhas ou não...

5 AGRADECIMENTO Agradeço a Deus, A meus pais, ao Yan, à Celinha, ao Marcus e à Maria Amélia, A meus amores e aos meus dissabores, Sem vocês eu não teria chegado aqui, Sem vocês eu não irei avançar mais...

6 A tarefa daqueles que lidam com as crianças é a de fazê-las ter vontade de viver, de despertá-las para o mundo, não as deixando ao sabor do destino, mas, responsabilizando-as pela invenção de suas próprias vidas e de sua sociedade. Freud

7 RESUMO Palavras-chave: Autismo. Psicanálise. Psicopedagogia. Este trabalho pretende responder como o profissional da Psicopedagogia pode contribuir para a inserção e o aprendizado de crianças autistas no ambiente escolar favorecendo-lhe a criatividade e o desenvolvimento de suas potencialidades. Para isso, será utilizada metodologia de pesquisa de caráter exploratório-descritivo, utilizando da revisão bibliográfica e análise documental. As obras escolhidas para serem analisadas são o livro autobiográfico do filme Temple Grandin de direção de Mick Jackson e do livro autobiográfico Uma menina estranha de Temple Grandin e Margareth Scariano. Pela pesquisa bibliográfica e pela história de vida de Temple Grandin pretende-se compreender o autismo sob a ótica da Psiquiatria e da Psicanálise; contextualizar o transtorno autista no ambiente escolar; verificar como o profissional da educação pode intervir/auxiliar para a inserção de crianças autistas na escola; analisar o caso de autismo "recuperado". O trabalho será dividido em quatro capítulos, no primeiro será de conceituação dos saberes: psicologia, pedagogia, psicanálise, psiquiatria e psicopedagogia; abordará a formação do sujeito e a importância da socialização; tratará da questão da relevância da escola para a inserção do sujeito na sociedade; pontuará a aprendizagem, a escola e a educação escola e conceituará e diferenciará inteligência dos problemas de aprendizagem (distúrbios e dificuldade de aprendizagem). O segundo capítulo terá conceituação do o autismo, pontuação de suas causas, o diagnóstico e o tratamento, além de apresentá-lo à luz da psicanálise, abordando a posição do psicanalista frente ao autismo. No terceiro capítulo será feito a leitura das obras a serem analisadas. O último capítulo apresentará a resposta do problema da pesquisa: como o psicopedagogo, pode atuar no ambiente escolar, com crianças autistas, visando o favorecimento da sua aprendizagem, possibilitando-a a desenvolver a criatividade e potencialidades, bem como o objetivo geral e os objetivos específicos foram alcançados. O transtorno não tem cura e suas causas são desconhecidas, mas seus sintomas podem ser amenizados, tornando as crianças mais independentes o possível. Para isso esses profissionais devem permanecer atentos às peculiaridades da criança, sendo menos invasor o possível, sem rotular, estigmatizar ou abandonar. Ele deve amar a criança, respeitando seu tempo e seu ritmo, mesmo que seus fantasmas internos apareçam.

8 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 8 CAPÍTULO 1 - CIENCIAS E SABERES CONCEITOS FUNDAMENTAIS PROCESSO DE SOCIALIZAÇÃO Percepção social APRENDIZAGEM E EDUCAÇÃO ESCOLAR INTELIGÊNCIA x PROBLEMAS DE APRENDIZAGEM...16 CAPÍTULO 2 - O AUTISMO AUTISMO E PSIQUIATRIA AUTISMO E PSICANALISE Vertente desenvolvimentista Vertente psicanalítica A constituição do sujeito versus autismo O Som e o silêncio CAUSA DIAGNÓSTICO TRATAMENTO Posição do analista na clínica com autistas CAPÍTULO 3 - TEMPLE GRANDIN UMA MENINA ESTRANHA...46 CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS... 60

9 8 INTRODUÇÃO O Transtorno Autista foi distinto da doença mental esquizofrenia e postulado pelo psiquiatra Kanner em Trata-se, conforme a DSM IV (2002), de uma psicopatologia que afeta o desenvolvimento da interação social e da comunicação de forma acentuadamente anormal e um repertório muito restrito de atividades e interesses. Suas manifestações variam conforme o nível de desenvolvimento e da idade cronológica da criança. Repulsa ao toque, comportamento agressivo, incapacidade de falar, sensibilidade intensa a odores e ruídos repentinos, preferência ao isolamento e tendência ao isolamento são algumas características de pessoas autistas. Os autistas são taxados como pessoas que se trancam em seu mundo mental, terra onde não se pisam e se desconhece, porém, é possível certificar pela bibliografia e pelos casos apresentados por diversos autores, como Campanário, Soller e Azevedo e até mesmo pela história de Temple Grandim que as crianças acometidas por este transtorno, muitas vezes, são crianças com o coeficiente intelectual normal, ou mesmo elevado. Contudo, devido a sua dificuldade de interação social, sua inserção na escola e seu aprendizado podem ficar comprometidos. Ao mesmo tempo em que elas apresentam esta dificuldade, é também difícil tratar o estranho e o desconhecido, como nos confessa Villa (2010). Para ele, é o som que amedronta os profissionais, uma vez que o silêncio aflora seus inúmeros fantasmas interiores, afastando-os ou impelindo-os a auxiliar na recuperação dessas crianças. Considerando que existe esta dificuldade em tratar o desconhecido, no ambiente escolar, o primeiro lugar onde as crianças, normalmente, freqüentam longe do espaço familiar e onde passam grande parte de suas vidas, não seria diferente. Há a necessidade em preparar os profissionais para acolher e favorecer a inserção dessas pessoas diferentes e especiais. É necessário trabalhar a favor das crianças autistas, ajudando-as a descobrir seus talentos ocultos e a se tornarem menos estranhas. Surge, então, o problema: como o profissional da psicopedagogia pode contribuir para a inserção de crianças autistas no ambiente escolar, favorecendo-lhe o aprendizado?

10 9 Desta forma, o objetivo geral da pesquisa é analisar como o profissional da psicopedagogia pode contribuir no sentido da inserção e do aprendizado de crianças autistas no ambiente escolar. Os objetivos específicos são: investigar o autismo sob a ótica da Psiquiatria e da Psicanálise; contextualizar o transtorno autista no ambiente escolar; investigar como o profissional da educação pode intervir/auxiliar para a inserção de crianças autistas na escola; analisar o caso de amenização dos sintomas do autismo de Temple Grandin. Para buscar responder o problema levantado, alcançando o objetivo geral e os objetivos específicos, a metodologia escolhida para o trabalho é de caráter exploratório-descritivo, o qual utilizará de recursos da pesquisa bibliográfica e da análise documental. A análise documental consiste na investigação do livro autobiográfico de Temple Grandin, Uma menina estranha, e, de seu filme intitulado pelo seu próprio nome. Temple Grandin nasceu em 1947, nos Estados Unidos, aos três anos e meio foi diagnosticada como autista. Aos seis meses não se aninhava no colo materno, ficando rígida e rejeitando o corpo de quem a abraçava, até os três anos e meio comunicou somente por gritos, assobios e murmúrios. Brincava com suas fezes, como se fossem massa para modelar. Ora ignorava sons altíssimos, ora reagia com violência com pequenos estalidos. O cheiro de uma flor a atormentava, descontrolando-a ou fazendo com que se refugiasse em seu mundo interior. (GRANDIN, SCARIANO, 1999). O diagnóstico de autista fez a mãe de Grandin lutar por ela. Temple ingressou na escola ainda criança. Ela teve muitos problemas, principalmente com a agressividade. Suas notas eram péssimas. Ela não dançava conforme a música da escola, pois tinha seu próprio ritmo, seu próprio som, sua maneira própria de enxergar e compreender o mundo. Conseguia pensar somente fatos concretos. Conceitos abstratos não faziam parte de seu mundo. Foi expulsa da escola, estigmatizada, ridicularizada por muitos, mas também aceita e estimulada por tantos outros. Na infância tinha somente uma amiga. Temple estudou psicologia e comportamento animal. Desenvolveu uma máquina do abraço,

11 10 para estimulá-la e relaxá-la. Aos trinta anos de idade, conseguiu dar seu primeiro aperto de mão e olhar nos olhos de alguém. Continuou esforçando-se para se melhorar a cada dia mais. Terminou seu doutorado, viaja o mundo dando palestras e desenvolve importantes projetos em sua área de trabalho. Para isso, o trabalho será dividido em quatro capítulos. O primeiro capítulo conceituará os saberes: psicologia, pedagogia, psicanálise, psiquiatria e psicopedagogia. Abordará a formação do sujeito e a importância da socialização. Tratará da questão da relevância da escola para a inserção do sujeito na sociedade. Pontuará a aprendizagem, a escola e a educação escolar. Conceituará e diferenciará inteligência dos problemas de aprendizagem (distúrbios e dificuldade de aprendizagem). No segundo capítulo deverá ser conceituado o autismo, pontuando suas causas, o diagnóstico e o tratamento e apresentá-lo à luz da psicanálise. No terceiro capítulo será feito a leitura do filme Temple Grandin (2010) de direção de Mick Jackson e do livro autobiográfico Uma menina estranha (1999) de Temple Grandin e Margareth Scariano. No último capítulo deverá ser apresentado as contribuições do profissional da psicopedagogia para a inserção das crianças autistas no ambiente escolar, favorecendo-lhe o aprendizado.

12 11 CAPÍTULO 1 - CIÊNCIAS E SABERES 1.1- CONCEITOS FUNDAMENTAIS Este trabalho articula diversos saberes, como a pedagogia, a psicologia, a psicanálise, a psiquiatria e a psicopedagogia. Para melhor contextualização, iniciaremos com a conceituação de cada um. A palavra Pedagogia é de origem grega e significa paidós (criança) e agogé (condução). É a ciência do ensino. Para Paulo Freire (apud BORGES, 2008) a educação relaciona-se ao diálogo crítico, à conscientização, à humanização relacionando-se ao fazer pedagógico. Psicologia vem do grego psykhologuía, de psykhé, "psique, "alma", "mente" e λόγος, lógos, "palavra", "razão" ou "estudo"). Hiran Pinel em Fundamentos Gerais da Psicopedagogia Clínica (2002) pontua que a psicologia é uma ciência ampla, com diversas vertentes. Dentre estas abordagens tem-se a Teoria Psicanalítica, que estuda o inconsciente, a Teoria Comportamental que dá ênfase ao comportamento humano, a Teoria Fenomenólogica-existencial, com foco no fenômeno, além da Gestalt, da Teoria Centrada na Pessoa e da Psicologia do Desenvolvimento e da Aprendizagem. A psicologia, portanto, é a ciência que se preocupa com o comportamento humano em seus diversos aspectos e condutas observáveis. Ela pode utilizar de métodos e instrumentos de medições. Conforme Luciana Infantini Almeida em Intervenções Psicológicas na ótica da psicanálise (2011), a psicanálise é uma abordagem dentro da ampla psicologia e foi criada por Sigmund Freud. Seu autor acreditava que na base do comportamento humano encontram-se conteúdos inconscientes, como desejos, sentimentos, pulsões. É, portanto, uma ciência do inconsciente. Seu tratamento ocorre através do processo de Livre Associação, Interpretação de Sonhos, análise dos Atos Falhos e da Resistência. Seu propósito é descobrir, no inconsciente dos seres humanos, suas necessidades, complexos, traumas e tudo que perturbe seu equilíbrio emocional.

13 12 Psiquiatria é a especialização da medicina que se ocupa de desenvolver e testar modelos de conhecimento, prevenção e tratamento dos diversos transtornos psiquiátricos.( INSTITUTO DE PSIQUIATRIA, 2011 ) A psicopedagogia, segundo Hiran Pinel (2002), se ocupa da aprendizagem humana, advindo da questão problema de aprendizagem, situada além dos limites da psicologia e da pedagogia. Seu trabalho é de cunho clínico (cuidador) ou instituicional (preventivo). É possível inferir, portanto, a partir dessas conceituações que a pedagogia é a ciência do ensino; a psicologia é a ciência da mente; a psicanálise trata dos processos inconscientes; a psiquiatria busca no orgânico as causas das doenças e, normalmente, faz uso de medicações; e já a psicopedagogia, encontra-se além dos muros da psicologia e da pedagogia, ela se ocupa da aprendizagem humana, apresentando-se como forma cuidadora das dificuldades de aprendizagem ou como forma preventiva, no ambiente institucional. Considerando a complexidade do ser humano, cabe a interdisciplinaridade das ciências para entendê-lo, compreendê-lo e tratá-lo tal como ele se apresenta, abstendo os diversos profissionais de estigmas, rótulos e preconceitos O PROCESSO DE SOCIALIZAÇÃO Wagner Dias Freitas em Psicologia Social (2008) enfatiza que o ser humano é um ser social. A socialização é um tipo de interação, que molda a natureza da personalidade humana, o comportamento humano, a interação e a participação na sociedade. É um processo progressivo e cumulativo, no qual a criança assimila comportamentos, valores, normas, códigos e ritos de um determinado grupo. O indivíduo torna-se membro de um conjunto social. Sem a socialização, a sociedade e o homem não seriam possíveis. Freitas (2008) define a socialização, de maneira ampla, como a internalização de idéias e de valores estabelecidos coletivamente e a assimilação de papéis e de

14 13 comportamentos socialmente desejáveis. É a incorporação do homem à sociedade. (FREITAS, 2008, p. 15) O autor aponta que o processo de socialização é fundamentalmente a educação. Educação esta que se aprende no convívio com outras pessoas correspondendo ao modo de agir em diversos momentos da vida. Ela ocorre dentro da família, com amigos, desconhecidos e mesmo no ambiente escolar. Ele completa que a socialização pode ser interpretada como condicionadora do comportamento, ou seja, ela determina a maneira de agir e comportar-se em cada situação, mediante a incorporação das normas e regras de conduta ditadas pela sociedade. Porém, por ser difusa e fragmentada por vários processos, deixa espaços de ação livres para a iniciativa individual espontânea. Para Freitas (2008) pessoas pouco socializadas não absorveram completamente os princípios que regem a sociedade, isto pode ocasionar-lhes problemas de adaptação e interação social ao longo da vida Percepção social Conforme Borges (2008) percepção é uma função cerebral que dá sentido aos estímulos recebidos a partir do histórico pessoal, é através dela que é possível interpretar e organizar os estímulos recebidos, dando-lhes significados. Portanto, é aquisição, interpretação, seleção e organização das informações obtidas pelos sentidos. Segundo Freitas (2008) a percepção social é pré-condição do processo de interação social. Ela consiste na recepção dos estímulos pelos órgãos dos sentidos atribuindolhes significados. Tem início no momento de chegada do estímulo sensorial ao percebedor e finaliza com a tomada de consciência. Embora a percepção passe pelos órgãos dos sentidos, ela é singular, visto ocorrer de forma única para cada pessoa. Um mesmo fenômeno é sentido, percebido e processado de acordo com o que a pessoa traz consigo mesma dentro de sua

15 14 bagagem psíquica. O que um percebe é diferente daquilo que é percebido pelo outro APRENDIZAGEM E EDUCAÇÃO ESCOLAR Existem vários conceitos pontuais de aprendizagem, que se entrelaçam e se complementam, apresentando, assim, um conceito global. Para Freitas (2008) aprender significa adquirir capacidades e habilidades físico-motoras e conhecimentos. O processo de aprendizagem ocorre no amadurecimento, no desenvolvimento físico ou na experiência, isto é, na medida em que o ser desenvolve-se fisicamente ou pelo contato direto com algo que lhe chame atenção. Ela é o produto da interação contínua do organismo com o mundo físico e social e aquisição de novas formas de comportamento que combinam com comportamentos inatos. Maria Doralice Veiga Alves em Psicopedagogia: Avaliação e Diagnóstico (2007) esclarece que a aprendizagem é um processo integrado que altera qualitativamente a mente de quem aprende. As pessoas absorvem as informações pelos hábitos adquiridos, ou por técnicas de ensino. Ela afirma que a vontade de aprender faz parte do psiquismo humano. Para Alves (2007) a aprendizagem pode ainda ser uma mudança relativamente durável no comportamento de forma mais ou menos sistemática, ou não, adquirida pela experiência, pela prática motivada e pela observação. A motivação é essencial ao processo de aprendizagem. Maria da Conceição Coqueiro e Ana Maria Furtado em Dificuldades de Aprendizagem (2007) ressaltam que a aprendizagem e o desenvolvimento iniciam quando o ser humano nasce e se depara com suas necessidades, sentimentos. e potencialidades. A família apresenta, portanto, papel de suma importância nesse processo. É a partir do desenvolvimento psicomotor, intelectual e afetivo-social que a criança traça o perfil de sua identidade, desta forma o principal objetivo da aprendizagem é a formação integral do indivíduo.

16 15 Desta forma, o ser humano desde o momento de seu nascimento está apto para aprender. São os primeiros movimentos, primeiros gestos, primeiros balbucios. Destes surgem movimentos complexos e palavras, frases e textos inteiros. Aprender inclui o simples e o complexo, seguindo a motivação interior de cada um. A aprendizagem é individual e é influenciada pelo meio em que se vive, primeiramente pela família. Kely Cristina Pereira em Estrutura e Funcionamento do Ensino Fundamental e Médio (2009) aponta que os principais canais de conservação e inovação dos valores e dos conhecimentos são as instituições sociais como a família, a igreja, o mercado profissional, a mídia e a escola. Os seres humanos dependem do processo educativo para a sua sobrevivência, a educação é imprescindível. A Educação para Pereira (2009) significa conduzir para um lugar diferente daquele em que se está. Ela pode ser compreendida de duas formas: Educação vivencial espontânea: aprende-se simplesmente pelo viver, num processo contínuo; Educação proposital ou intencional: deliberada e organizada em locais predeterminados como escola, e também pela mídia. O papel da escola, em uma visão generalizada, é dar embasamento teórico, mas segundo Pereira (2009) a escola não deve apenas ensinar, ela deve criar uma forma de estimular o aluno a descobrir por si mesmo, tanto o saber acadêmico, quanto o moral e cívico. O conhecimento não deve ser encarado como obrigação, pois se sabe que os maiores projetos da humanidade tiveram inicio na sala de aula. Como nos lembra Antônio Flávio e Barbosa Moreira e Vera Maria Candau em Educação escolar e cultura: construindo caminhos ( 2003) a escola é uma instituição cultural, pois não há educação onde a cultura não esteja entrelaçada. A escola transmite a cultura da humanidade, em particular do momento em que se vive. Seguindo seus pensamentos, a escola é uma instituição construída no contexto da modernidade com a finalidade de desenvolver a função fundamental de transmitir a cultura, oferecendo as novas gerações o que a humanidade produziu de mais significativo.

17 16 Para Borges e Furtado (2007) a escola não interfere apenas na transmissão do saber científico, culturalmente organizado, mas também, na socialização e individualização da criança, auxiliando no desenvolvimento da afetividade, habilidades sociais, reafirmação de sua identidade e ampliação de seu mundo de relações. Há um estreito laço entre aprendizagem, educação e escola. Ao interligarmos a visão da escola na educação, pode-se inferir que ela é muito mais do que transmissora de conceitos e saberes acadêmicos, é a responsável pela a inserção do individuo na sociedade, apresentando-lhe normas de convivência, transmitindo a cultura, desenvolvendo cidadãos críticos e conscientes, além de propiciar a prática da criatividade e a descoberta de novos saberes INTELIGÊNCIA VERSUS PROBLEMAS DE APRENDIZAGEM Borges (2008) aponta que a inteligência relaciona-se a capacidade de compreender e conhecer o mundo em que vive, de raciocinar sobre seres animados e inanimados que o cercam e estabelecer relações entre eles. Para Piaget (1982, apud ALVES, 2007) inteligência é uma adaptação, um caso particular de adaptação biológica, ela é essencialmente uma organização com função de estruturar o universo como o organismo estrutura o meio imediato. Leandro S. Almeida e Ricardo Primi no BPR5: Manual Técnico (2000) apresenta os conceitos de inteligência fluida e inteligência cristalizada de Cattel. A inteligência fluída é a capacidade de raciocinar, estabelecer relações e generalizações sobre os problemas que não tem soluções previamente aprendidas. Representa a capacidade biológica do sujeito ou seu potencial intelectual pouco influenciável pela cultura. Já a inteligência cristalizada traduz a capacidade intelectual do sujeito evoluindo ao longo do seu processo de aculturação, refletindo as experiências educativas e culturais. Relaciona-se com a extensão e profundidade dos conhecimentos que a pessoa tem armazenado.

18 17 A teoria da inteligência múltipla é apresentada por Howard Gardner apud Alves (2007), nela inteligências são potenciais, ativados ou não, pelos valores culturais, familiares e pessoais, não é algo que é apenas mensurável. Elas são inerentes ao homem, cabendo a ele ativá-las, desenvolvendo-as e levando-as a sua maior potencialidade. As inteligências são: Lógico-matemática: relacionada à capacidade de resolver problemas, operações matemáticas e questões científicas; Linguística: relacionada à língua falada ou escrita; Espacial: capacidade de visualização minuciosa do mundo visual; Musical: relaciona-se a capacidade de compor, tocar e apreciar padrões musicais; Físico-cinestésica: capacidade de utilizar o corpo para dança e esporte; Intrapessoal: capacidade de auto-conhecimento; Interpessoal: capacidade de compreender, entender as motivações e desejos dos outros; Naturalista: sensibilidade de compreender e assimilar fenômenos da natureza. Percebe-se, então, que a inteligência faz parte da natureza humana. A inteligência pode ser dividida em sete tipos, podendo ser fluída, ou seja, traduzida pela capacidade de raciocinar e generalizar problemas previamente desconhecidos, ou cristalizada, influenciada pela cultura. Cabe ao homem desenvolvê-la e potencializála, de acordo com seus interesses e aptidões. Ser inteligente é interagir com o mundo em que cerca, relacionando os seres, é adaptar-se biologicamente ao meio. A aprendizagem relaciona-se com a inteligência, ou com a capacidade de potencializá-la. Ser inteligente não implica em necessariamente ter facilidade em aprender. Há pessoas que apresentam algumas dificuldades para aprender. Alves (2007) aponta que as dificuldades de aprendizagem são provenientes de aspectos naturais ou secundários e são passíveis de mudanças por meio de recursos de adequação ambiental. Borges e Furtado (2008) ressaltam que fatores: físicos, emocionais, sensoriais, neurológicos, intelectuais ou cognitivos, educacionais ou sócio-econômicos podem

19 18 causar distúrbios que originam nas dificuldades de aprendizagem, na medida em que o homem é um ser integral, e que a deficiência de algum fator pode implicar na deficiência de algum aspecto de sua vida. Dentre as dificuldades de aprendizagem destaca-se a disgrafia, a dislexia, a disortografia e discalculia, que podem estar presentes, também em crianças autistas. Para Fonseca (1975, apud ALVES, p.49, 2007) a dificuldade de aprendizagem é um termo global com causas relacionadas ao sujeito que aprende, ao professor, aos conteúdos pedagógicos, ao método de ensino, ao ambiente físico e social da escola visto que cada um aprende de sua maneira, e nem sempre é possível adaptar às generalizações oferecidas por tais fatores. Cada sujeito é único. Enquanto os distúrbios de aprendizagem relacionam-se a um grupo de dificuldades específicas e pontuais, caracterizados pela presença de uma disfunção neurológica. Alves (2007) designa distúrbio de aprendizagem, as crianças com dificuldades de aquisição teórica, embora apresente inteligência normal e não apresente algum desfavorecimento físico, emocional ou social. Diferentemente de deficiência mental, os distúrbios de aprendizagem são reversíveis, as crianças podem aprender pela adequação de métodos e atenção. Os distúrbios de aprendizagem são manifestados, segundo Alves (2007) pelos distúrbios de atenção e concentração; dificuldades de leitura, dificuldades na matemática. Ela considera uma criança com distúrbio de aprendizagem se ela tiver um desempenho inferior a de outras crianças na mesma faixa etária e com experiências de aprendizagem apropriadas e apresenta discrepância entre seu desempenho e sua habilidade intelectual. As dificuldades e os distúrbios de aprendizagem diferem das deficiências mentais na medida em que são reversíveis se diagnosticados e tratados de forma adequada e apropriada para o desenvolvimento da criança. Compara-se uma criança a outra. Estabelecem-se padrões de normalidade de intelecto. Pela observação é possível perceber quando o desenvolvimento intelectual da criança difere da normalidade. Esta diferença encontra-se além ou aquém do esperado? Trata-se de uma deficiência mental ou de algum distúrbio que pode estar

20 19 gerando uma dificuldade? Mesmo que seu intelecto esteja dentro dos padrões da normalidade, seja ele médio ou médio superior, algum distúrbio de aprendizagem pode se manifestar. A detecção dos problemas de aprendizagem e tratamento adequado pode reverter o quadro, favorecendo o desenvolvimento intelectual da criança.

21 20 CAPÍTULO 2 - O AUTISMO É possível encontrar vários significados e conceitos para o termo autismo. Para este trabalho recorremos à Sociedade Americana de Autismo (ASA), ao Manual de Diagnóstico e Estatística das Perturbações Mentais, 4ª edição, DSM IV (2002), à Classificação Internacional de Doenças, CID-10. A Autism Society of American, ASA, define autismo como: uma inadequacidade no desenvolvimento que se manifesta de maneira grave por toda a vida. É incapacitante e aparece tipicamente nos três primeiros anos de vida. Acomete cerca de 20 entre cada 10 mil nascidos e é quatro vezes mais comum no sexo masculino do que no feminino. É encontrado em todo o mundo e em famílias de qualquer configuração racial, étnica e social. (AUTISM-SOCIETY, 2011) Os sintomas são causados por disfunções físicas do cérebro, incluindo: 1. Distúrbios no ritmo de aparecimentos de habilidades físicas, sociais e lingüísticas. 2. Reações anormais às sensações. As funções ou áreas mais afetadas são: visão, audição, tato, dor, equilíbrio, olfato, gustação e maneira de manter o corpo. 3. Fala e linguagem ausentes ou atrasadas. Certas áreas específicas do pensar, presentes ou não. Ritmo imaturo da fala, restrita compreensão de idéias. Uso de palavras sem associação com o significado. 4. Relacionamento anormal com os objetivos, eventos e pessoas. Respostas não apropriadas a adultos e crianças. Objetos e brinquedos não usados de maneira devida. (AUTISM-SOCIETY, 2011) O Manual de Diagnóstico e Estatística das Perturbações Mentais, 4ª edição, DSM IV (2002), é publicado pela Sociedade Americana de Psiquiatria e fornece os critérios de classificação dos Transtornos Mentais. Neste, o Transtorno Autista, sob código, F84.0, é também denominado autismo infantil precoce, autismo da infância e autismo de Kanner. Consta os quadros Transtorno Autista, Transtorno de Rett, Transtorno Desintegrativo da Infância, Transtorno de Asperger. Suas manifestações variam de acordo com o desenvolvimento e idade cronológica. Caracteriza-se pelo desenvolvimento acentuado anormal ou prejudicado na interação social e comunicação, de atividades e interesses. Pode haver prejuízos múltiplos com comportamentos não-verbais (contato visual, expressão facial, posturas e gestos corporais) que regulam a interação social e a comunicação. (AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION, 2002)

22 21 Para a Classificação Internacional de Doenças, CID-10 (2000) o autismo infantil (F84.0) é um transtorno global do desenvolvimento caracterizado por: desenvolvimento anormal ou alterado, manifestado antes da idade de três anos. Atribui-se o diagnóstico a crianças que apresentam comprometimento qualitativo à integração social recíproca e à comunicação, além de comportamento restrito, estereotipado e repetitivo. O transtorno acompanha comumente de numerosas outras manifestações inespecíficas, como: fobias, perturbações de sono ou da alimentação, crises de birra ou agressividade (auto-agressividade).(datasus, 2008) É possível inferir que dentro as várias conceituações sobre o autismo, seja denominado por Autismo Infantil ou Transtorno Autista, dentre outras, eles se entrecruzam. Desta forma, pode-se considerar que o transtorno autista acomete crianças até três anos de idade, afetando suas relações interpessoais e apresentando manifestações comportamentais típicas e estereotipadas. No autismo, como Tânia Ferreira nos traz em A criança e a loucura apontamentos sobre a clínica do autismo e da psicose (2000), o sujeito encontra-se em dois mundos, seu mundo autista e o mundo das relações, tão amedrontador que é preferível evitá-lo, utilizando-se de recursos estereotipados e repetitivos, afastando o mau que tentar se aproximar AUTISMO E PSIQUIATRIA Flora Fernandes em seu artigo Psicopatologia Introdução e definição (2008) define Psicopatologia como estudo descritivo dos fenômenos psíquicos de cunho anormal, exatamente como se apresentam à experiência imediata, de forma independente dos problemas clínicos. Estuda os gestos, o comportamento e as expressões dos enfermos além de relatos e autodescrições realizadas pelos mesmos. Oscar Cirino em Psicanálise e Psiquiatria com crianças: desenvolvimento ou estrutura (2001) enfatiza os dizeres de Jaspers que em psicopatologia, todo o procedimento do clínico é guiado pelo que ele chama de relações de

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA GABINETE DA DEPUTADA LUZIA TOLEDO PROJETO DE LEI Nº 157/2010

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA GABINETE DA DEPUTADA LUZIA TOLEDO PROJETO DE LEI Nº 157/2010 PROJETO DE LEI Nº 157/2010 A semana de conscientização sobre transtornos de aprendizagem, no âmbito do Estado do Espírito Santo. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETA: Art. 1º Fica

Leia mais

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 I Introdução O objetivo deste trabalho é pensar a questão do autismo pelo viés da noção de estrutura, tal como compreendida

Leia mais

Autismo e Deficiência Intelectual.

Autismo e Deficiência Intelectual. Autismo e Deficiência Intelectual. Wagner Ranna. Pediatra. Psiquiatra. Psicanalista. Professor de Psicossomática Psicanalítica do SEDES. Psiquiatra CAPS Infantil da Lapa/PMSP/CRSCO/STS Lapa. Ex-professor

Leia mais

Definição e Histórico. Avaliação, Diagnóstico e Intervenção no TEA Módulo 1

Definição e Histórico. Avaliação, Diagnóstico e Intervenção no TEA Módulo 1 + Definição e Histórico Avaliação, Diagnóstico e Intervenção no TEA Módulo 1 + Autismo Nome criado por Eugen Bleuler em 1911 Dementia Praecox ou Grupo da Esquizofrenias Termo extraído dos estudos sobre

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Lúcia Peranzoni 1 Fabiana Lacerda da Silva 2 Resumo: O presente trabalho foi desenvolvido na disciplina Estágio Básico II no segundo semestre de 2011, tendo

Leia mais

Eugênio Cunha eugenio@eugeniocunha.com www.eugeniocunha.com

Eugênio Cunha eugenio@eugeniocunha.com www.eugeniocunha.com Autismo: um olhar pedagógico Eugênio Cunha eugenio@eugeniocunha.com www.eugeniocunha.com Algumas reflexões iniciais: Primeiramente, é importante dizer que não há respostas prontas para todas as questões

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE GRADUAÇAO EM PEDAGOGIA LICENCIAMENTO EAD

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE GRADUAÇAO EM PEDAGOGIA LICENCIAMENTO EAD UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE GRADUAÇAO EM PEDAGOGIA LICENCIAMENTO EAD Município: Pirassununga Estado: São Paulo Turma: 440 Pólo: Fundação de Ensino de Pirassununga Tutor (a): Inez Nunes Paula

Leia mais

A função especular da fala materna e suas referências. ao psiquismo e à constituição do si mesmo.

A função especular da fala materna e suas referências. ao psiquismo e à constituição do si mesmo. A função especular da fala materna e suas referências ao psiquismo e à constituição do si mesmo. Alexandre Socha No artigo O papel de espelho da mãe e da família no desenvolvimento infantil (1967), Winnicott

Leia mais

Transtornos Globais do Desenvolvimento e Dificuldades de. Curso de Formação Pedagógica Andréa Poletto Sonza Março/2010

Transtornos Globais do Desenvolvimento e Dificuldades de. Curso de Formação Pedagógica Andréa Poletto Sonza Março/2010 Transtornos Globais do Desenvolvimento e Dificuldades de Aprendizagem Curso de Formação Pedagógica Andréa Poletto Sonza Março/2010 Transtornos Globais do Desenvolvimento São consideradas pessoas com TGD

Leia mais

Autismo e Aprendizagem

Autismo e Aprendizagem Autismo e Aprendizagem O termo autismo origina-se do grego autós, que significa de si mesmo. Foi empregado pela primeira vez pelo psiquiatra suíço Bleuler, em 1911, que buscava descrever a fuga da realidade

Leia mais

e (Transtornos Específicos da Aprendizagem (TEA)) Dulcelene Bruzarosco Psicóloga/Terapeuta de Família e Casal.

e (Transtornos Específicos da Aprendizagem (TEA)) Dulcelene Bruzarosco Psicóloga/Terapeuta de Família e Casal. e (Transtornos Específicos da Aprendizagem (TEA)) Dulcelene Bruzarosco Psicóloga/Terapeuta de Família e Casal. Entre os gregos e romanos antigos, havia divergências quanto à maneira de ver e considerar

Leia mais

A FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO CIENTISTA SOCIAL: SABERES E COMPETÊNCIAS NECESSÁRIOS

A FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO CIENTISTA SOCIAL: SABERES E COMPETÊNCIAS NECESSÁRIOS O JOGO SEGUNDO A TEORIA DO DESENVOLVIMENTO HUMANO DE WALLON Cleudo Alves Freire Daiane Soares da Costa Ronnáli da Costa Rodrigues Rozeli Maria de Almeida Raimunda Ercilia Fernandes S. de Melo Graduandos

Leia mais

O DIAGNÓSTICO DOS TRANSTORNOS DO ESPECTRO DO AUTISMO TEA

O DIAGNÓSTICO DOS TRANSTORNOS DO ESPECTRO DO AUTISMO TEA 1 MARIA ELISA GRANCHI FONSECA Psicóloga Mestre em Educação Especial UFSCAR TEACCH Practitioner pela University of North Carolina USA Coordenadora de Curso INFOCO FENAPAES UNIAPAE Coordenadora CEDAP APAE

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSÃO EDUCACIONAL TRANSTORNOS GLOBAIS DO DESENVOLVIMENTO

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSÃO EDUCACIONAL TRANSTORNOS GLOBAIS DO DESENVOLVIMENTO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSÃO EDUCACIONAL TRANSTORNOS GLOBAIS DO DESENVOLVIMENTO DEFINIÇÃO Os alunos da área dos Transtornos Globais do Desenvolvimento apresentam

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Henrique Figueiredo Carneiro Liliany Loureiro Pontes INTRODUÇÃO Esse trabalho apresenta algumas considerações,

Leia mais

CORPOREIDADE: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CORPOREIDADE: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL UNIVERSIDADE METROPOLITANA DE SANTOS NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA FACULDADE DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE PEDAGOGIA Educação Mediadora Ana Lucia Rodrigues Nunes Teixeira Carla Trindade da Silva

Leia mais

Feminilidade e Violência

Feminilidade e Violência Feminilidade e Violência Emilse Terezinha Naves O tema sobre a violência e a feminilidade apresenta-se, nas mais diversas áreas do conhecimento, como um tema de grande interesse, quando encontramos uma

Leia mais

De acordo com estudos recentes o autismo é mais freqüente em pessoas do sexo masculino.

De acordo com estudos recentes o autismo é mais freqüente em pessoas do sexo masculino. 1 AUTISMO Autismo é um distúrbio do desenvolvimento que se caracteriza por alterações presentes desde idade muito precoce, com impacto múltiplo e variável em áreas nobres do desenvolvimento humano como

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

Alessandra Santana. Angélica Cristina da Silva Freire

Alessandra Santana. Angélica Cristina da Silva Freire Câmpus Alfenas 28 de novembro de 2011 SUMÁRIO Alessandra Santana... 2 Angélica Cristina da Silva Freire... 2 Bárbara Luiza Novais... 3 Bruna Aparecida Reis... 3 Carolina Esteves Martins... 4 Celsianne

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E A INTERVENÇÃO DA PSICOMOTRICIDADE NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E A INTERVENÇÃO DA PSICOMOTRICIDADE NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E A INTERVENÇÃO DA PSICOMOTRICIDADE NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM CAROLINE SILVA DE OLIVEIRA Discente do Curso de Licenciatura Plena do Curso de Educação Física das Faculdades Integradas

Leia mais

A Psiquiatria e seu olhar Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira

A Psiquiatria e seu olhar Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira A Psiquiatria e seu olhar Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira Transtornos Neuróticos Aspectos históricos A distinção neuroses e psicoses foi, durante

Leia mais

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva A criança que chega à escola é um indivíduo que sabe coisas e que opera intelectualmente de acordo com os mecanismos de funcionamento

Leia mais

A INTEGRAÇÃO SENSORIAL COMO ABORDAGEM DE TRATAMENTO DE UM ADOLESCENTE NO ESPECTRO AUTISTA

A INTEGRAÇÃO SENSORIAL COMO ABORDAGEM DE TRATAMENTO DE UM ADOLESCENTE NO ESPECTRO AUTISTA A INTEGRAÇÃO SENSORIAL COMO ABORDAGEM DE TRATAMENTO DE UM ADOLESCENTE NO ESPECTRO AUTISTA MATIAS, Rayane CLASSE, Jéssica P. D. CAVALCANTI, Flavia R. R. SILVA, Angela C. D. RESUMO O presente trabalho se

Leia mais

Um pouco mais sobre desenvolvimento social e os Transtornos do Espectro Autista

Um pouco mais sobre desenvolvimento social e os Transtornos do Espectro Autista Um pouco mais sobre desenvolvimento social e os Transtornos do Espectro Autista www.infanciaeadole scencia.com.br O desenvolvimento social ocorre ao longo de todas as etapas do ciclo vital. Entretanto,

Leia mais

AUTISMO. 3º Encontro Formativo para Profissionais da Educação. Atendimento aos Estudantes com Deficiência na Rede Municipal de Contagem

AUTISMO. 3º Encontro Formativo para Profissionais da Educação. Atendimento aos Estudantes com Deficiência na Rede Municipal de Contagem AUTISMO 3º Encontro Formativo para Profissionais da Educação Atendimento aos Estudantes com Deficiência na Rede Municipal de Contagem Quem somos? Professoras das SRMF / AAE - Contagem Raquel Shirley Stella

Leia mais

A CHILDHOOD AUTISM RATING SCALE (CARS)

A CHILDHOOD AUTISM RATING SCALE (CARS) A CHILDHOOD AUTISM RATING SCALE (CARS) I. Relações pessoais: 1.- Nenhuma evidencia de dificuldade ou anormalidade nas relações pessoais: O comportamento da criança é adequado a sua idade. Alguma timidez,

Leia mais

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com 803 AS CONTRIBUIÇÕES DO LÚDICO PARA O DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL INFANTIL NO CONTEXTO ESCOLAR Rafaela Reginato Hosokawa, Andréia Cristiane Silva Wiezzel Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de

Leia mais

MECANISMOS DE DEFESA

MECANISMOS DE DEFESA 1 MECANISMOS DE DEFESA José Henrique Volpi O Ego protege a personalidade contra a ameaça ruim. Para isso, utilizase dos chamados mecanismos de defesa. Todos estes mecanismos podem ser encontrados em indivíduos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA NO APRENDIZADO DA ESCRITA E DA LEITURA: UM OLHAR MAIS CUIDADOSO PARA OS DISLÉXICOS

A IMPORTÂNCIA NO APRENDIZADO DA ESCRITA E DA LEITURA: UM OLHAR MAIS CUIDADOSO PARA OS DISLÉXICOS A IMPORTÂNCIA NO APRENDIZADO DA ESCRITA E DA LEITURA: UM OLHAR MAIS CUIDADOSO PARA OS DISLÉXICOS Polyana Lucena Camargo de Almeida (G-UEL) poly_uel@yahoo.com.br Viviane Boneto Pinheiro (G-UEL) vivianeboneto@hotmail.com

Leia mais

INTERSETORIALIDADE E AUTISMO

INTERSETORIALIDADE E AUTISMO INTERSETORIALIDADE E AUTISMO Daniel de Sousa Filho Psiquiatra da Infância e Adolescência Mestre em Distúrbios do Desenvolvimento UPM Introdução Kanner, 1943 Asperger, 1944 Bleuler, 1906 Transtornos do

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

CORPOLINGUAGEM E MOVIMENTO: UMA PROPOSTA DE TRABALHO CORPORAL PARA CRIANÇAS À LUZ DA PSICANÁLISE

CORPOLINGUAGEM E MOVIMENTO: UMA PROPOSTA DE TRABALHO CORPORAL PARA CRIANÇAS À LUZ DA PSICANÁLISE CORPOLINGUAGEM E MOVIMENTO: UMA PROPOSTA DE TRABALHO CORPORAL PARA CRIANÇAS À LUZ DA PSICANÁLISE Nathalia Leite Gatto Nota-se que as disciplinas ligadas ao movimento na educação infantil, tanto curriculares

Leia mais

Conhecendo o Aluno com TGD

Conhecendo o Aluno com TGD I - [FICHA DE AVALIAÇÃO SOBRE O ALUNO COM TRANSTORNOS GLOBAIS DO DESENVOLVIMENTO] Usar letra de forma Os alunos com Transtornos Globais do Desenvolvimento (TGD) são aqueles que apresentam alterações qualitativas

Leia mais

DISLEXIA: QUE BICHO É ESSE?

DISLEXIA: QUE BICHO É ESSE? DISLEXIA: QUE BICHO É ESSE? Lívia Ferreira da Silveira 1 Tatiana Azevedo de Souza da Cunha Lima 2 Resumo: O presente trabalho apresenta algumas reflexões acerca da historicidade e do conceito de dislexia

Leia mais

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Brincadeiras que ensinam Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Por que as crianças brincam? A atividade inerente à criança é o brincar. A criança brinca para atribuir significados

Leia mais

Conceitos de Identidade Relação "eu" e "outro" Para Vygotsky

Conceitos de Identidade Relação eu e outro Para Vygotsky FAMOSP - FACULDADE MOZARTEUM DE SÃO PAULO PEDAGOGIA - 1 o SEMESTRE PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO Conceitos de Identidade Relação "eu" e "outro" Para Vygotsky Deyse Maria Souza Almeida Eliete Pereira Nunes

Leia mais

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO Campo Limpo Paulista 2012 1 CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA Marcos Legais Resolução CNE CES 1 2002 Resolução CNE

Leia mais

Prof. Kildo Adevair dos Santos (Orientador), Prof.ª Rosângela Moura Cortez UNILAVRAS.

Prof. Kildo Adevair dos Santos (Orientador), Prof.ª Rosângela Moura Cortez UNILAVRAS. BARBOSA, S. L; BOTELHO, H. S. Jogos e brincadeiras na educação infantil. 2008. 34 f. Monografia (Graduação em Normal Superior)* - Centro Universitário de Lavras, Lavras, 2008. RESUMO Este artigo apresenta

Leia mais

É preciso amor pra poder pulsar

É preciso amor pra poder pulsar Autismo: ideias e práticas inclusivas É preciso amor pra poder pulsar Eugênio Cunha eugenio@eugeniocunha.com www.eugeniocunha.com O que fazer para educar essas crianças? Como podem trabalhar escola e

Leia mais

AUTISMO: CONVÍVIO ESCOLAR, UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO.

AUTISMO: CONVÍVIO ESCOLAR, UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO. AUTISMO: CONVÍVIO ESCOLAR, UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO. Anne Caroline Silva Aires- UEPB Marta Valéria Silva Araújo- UEPB Gabriela Amaral Do Nascimento- UEPB RESUMO Este trabalho tem como objetivo apresentar

Leia mais

TRAÇOS CARACTEROLÓGICOS: MARCAS E REGISTROS DAS ETAPAS DE DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL

TRAÇOS CARACTEROLÓGICOS: MARCAS E REGISTROS DAS ETAPAS DE DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL TRAÇOS CARACTEROLÓGICOS: MARCAS E REGISTROS DAS ETAPAS DE DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL Christiano de Oliveira Pereira 1 RESUMO O caráter específico de cada indivíduo é resultante de todas as experiências

Leia mais

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial 30 1. 3. Anna Freud: o analista como educador Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial ênfase ao desenvolvimento teórico e terapêutico da psicanálise de crianças. Sua

Leia mais

PREVENIR PRECOCEMENTE A VIOLÊNCIA E O FRACASSO ESCOLAR. Professor Maurice BERGER (Hospital Universitário Saint Etienne, França)

PREVENIR PRECOCEMENTE A VIOLÊNCIA E O FRACASSO ESCOLAR. Professor Maurice BERGER (Hospital Universitário Saint Etienne, França) PREVENIR PRECOCEMENTE A VIOLÊNCIA E O FRACASSO ESCOLAR Professor Maurice BERGER (Hospital Universitário Saint Etienne, França) 1 Trinta anos de experiência num serviço de psiquiatria infantil especializado

Leia mais

Da anomia à heteronomia na. Rossano Cabral Lima Psiquiatra infanto-juvenil; mestre e doutorando em Saúde Coletiva (IMS/UERJ)

Da anomia à heteronomia na. Rossano Cabral Lima Psiquiatra infanto-juvenil; mestre e doutorando em Saúde Coletiva (IMS/UERJ) Da anomia à heteronomia na infância Rossano Cabral Lima Psiquiatra infanto-juvenil; mestre e doutorando em Saúde Coletiva (IMS/UERJ) Hipótese mais difundida: indiferenciação primordial entre mãe e bebê

Leia mais

Um Bom Começo: Conhecer a Questão do Autismo

Um Bom Começo: Conhecer a Questão do Autismo Um Bom Começo: Conhecer a Questão do Autismo Conceito Incidência Causas do Autismo Manifestações mais comuns O espectro de manifestações autistas Como é feito o diagnóstico de autismo Instrumentos para

Leia mais

Palavras-chave: Formação de professores; Justificativas biológicas; Dificuldades de escolarização

Palavras-chave: Formação de professores; Justificativas biológicas; Dificuldades de escolarização OS MECANISMOS DE ATUALIZAÇÃO DAS EXPLICAÇÕES BIOLÓGICAS PARA JUSTIFICAR AS DIFICULDADES NO PROCESSO DE ESCOLARIZAÇÃO: ANÁLISE DO PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO LETRA E VIDA Cristiane Monteiro da Silva 1 ; Aline

Leia mais

12 Teoria de Vigotsky - Conteúdo

12 Teoria de Vigotsky - Conteúdo Introdução Funções psicológicas superiores Pilares da teoria de Vigotsky Mediação Desenvolvimento e aprendizagem Processo de internalização Níveis de desenvolvimento Esquema da aprendizagem na teoria de

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

Tecnologia do Pará IFPA. gomesisaias68@yahoo.com.br. 1 Graduando do Curso de Licenciatura em Geografia do Instituto Federal de Educação, Ciência e

Tecnologia do Pará IFPA. gomesisaias68@yahoo.com.br. 1 Graduando do Curso de Licenciatura em Geografia do Instituto Federal de Educação, Ciência e GEOGRAFANDO BELÉM Isaias Gomes de Jesus Junior 1 Resumo O presente artigo vem apresentar a Tecnologia Educacional Geografando Belém. Esta Tecnologia Educacional, de princípio, foi desenvolvida para apresentar

Leia mais

Requerimento (Do Sr. Hugo Leal)

Requerimento (Do Sr. Hugo Leal) Requerimento (Do Sr. Hugo Leal) Sugere ao Poder Executivo sejam tomadas providências no sentido de ser exigido a feitura de diagnóstico precoce de autismo em todas as unidades de saúde pública do país,

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1 . PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR Secretaria Municipal de Educação e Cultura SMEC Coordenadoria de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1 Angela Freire 2

Leia mais

TEA Módulo 3 Aula 2. Processo diagnóstico do TEA

TEA Módulo 3 Aula 2. Processo diagnóstico do TEA TEA Módulo 3 Aula 2 Processo diagnóstico do TEA Nos processos diagnósticos dos Transtornos do Espectro Autista temos vários caminhos aos quais devemos trilhar em harmonia e concomitantemente para que o

Leia mais

ALUNOS ESPECIAS NA CONTEMPORANEIDADE: APRENDIZAGENS NO ENSINO DA MATEMÁTICA

ALUNOS ESPECIAS NA CONTEMPORANEIDADE: APRENDIZAGENS NO ENSINO DA MATEMÁTICA ALUNOS ESPECIAS NA CONTEMPORANEIDADE: APRENDIZAGENS NO ENSINO DA MATEMÁTICA André Martins Alvarenga Universidade Federal do Pampa andrealvarenga@unipampa.edu.br Bruna Borges Telmo Universidade Federal

Leia mais

Índice. 1. Definição de Deficiência Motora...3

Índice. 1. Definição de Deficiência Motora...3 GRUPO 5.2 MÓDULO 10 Índice 1. Definição de Deficiência Motora...3 1.1. O Que é uma Deficiência Motora?... 3 1.2. F82 - Transtorno Específico do Desenvolvimento Motor... 4 2 1. DEFINIÇÃO DE DEFICIÊNCIA

Leia mais

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil NOSSA MISSÃO: Por meio da educação formar cidadãos felizes, independentes, éticos e solidários VALORES: Respeito, honestidade, boa moral

Leia mais

ALUNOS COM AUTISMO NA ESCOLA: PROBLEMATIZANDO AS POLÍTICAS PÚBLICAS

ALUNOS COM AUTISMO NA ESCOLA: PROBLEMATIZANDO AS POLÍTICAS PÚBLICAS ALUNOS COM AUTISMO NA ESCOLA: PROBLEMATIZANDO AS POLÍTICAS PÚBLICAS Resumo A temática da inclusão de alunos com autismo tem merecido maior atenção, após a promulgação da Política Nacional de Educação Especial

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02 Sumário Pág. I) OBJETIVO 02 II) ESTRUTURA DO CURSO 1) Público alvo 02 2) Metodologia 02 3) Monografia / Trabalho final 02 4) Avaliação da aprendizagem 03 5) Dias e horários de aula 03 6) Distribuição de

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO PSICOPEDAGOGIA 1 - JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO PSICOPEDAGOGIA 1 - JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO PSICOPEDAGOGIA 1 - JUSTIFICATIVA Atualmente os ambientes educacionais não estão mais localizados somente nas Escolas e/ou Instituições de ensino. Muitas organizações,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS

LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS Sonia Maria Dechandt Brochado (orientadora- UENP) Mariana Matheus Pereira da Silva (G- UENP/ campus Jac.) Introdução A língua é o instrumento fundamental para

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA Q U E S T Õ E S E R E F L E X Õ E S Suraya Cristina Dar ido Mestrado em Educação Física, na Escola de Educação Física da Universidade de São Paulo, SP, 1987 1991 Doutorado em

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL ÁREA DO CONHECIMENTO: Educação. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Educação Especial. OBJETIVO DO CURSO: Formar especialistas

Leia mais

AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO

AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO Igor Guterres Faria¹ RESUMO: Este estudo é parte integrante do projeto de pesquisa de iniciação científica

Leia mais

Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola

Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola Autor: Telma Pantano Data: 30/12/2009 Releitura realizada por Lana Bianchi e Vera Lucia Mietto. A identificação precoce de um

Leia mais

AUTISMO NA SALA DE AULA

AUTISMO NA SALA DE AULA 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AUTISMO

Leia mais

Expressão Musical II. Universidade De Trás-Os-Montes e Alto Douro Educação Básica 1ºano,2ºsemestre,2012/1013. Docente: António Neves

Expressão Musical II. Universidade De Trás-Os-Montes e Alto Douro Educação Básica 1ºano,2ºsemestre,2012/1013. Docente: António Neves Universidade De Trás-Os-Montes e Alto Douro Educação Básica 1ºano,2ºsemestre,2012/1013 Expressão Musical II Docente: António Neves Discente: Ana Matos nº 53184 A música e o som, enquanto energia, estimulam

Leia mais

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM Maria Elisa França Rocha A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da sexualidade, bem como conhecer suas fantasias e as teorias que

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 3.394, DE 2012 (Do Sr. Manoel Junior)

PROJETO DE LEI N.º 3.394, DE 2012 (Do Sr. Manoel Junior) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 3.394, DE 2012 (Do Sr. Manoel Junior) Dispõe sobre o diagnóstico e o tratamento da dislexia na educação básica. DESPACHO: ÀS COMISSÕES DE: SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA;

Leia mais

Aprendizagem na Educação Musical

Aprendizagem na Educação Musical Aprendizagem na Educação Musical Flávia Rizzon Universidade Federal do Rio Grande do Sul Resumo: O presente texto refere-se à importância de reavaliar a didática na área da Educação Musical, relacionando-a

Leia mais

Como tem sido seus estudos? Tem conseguido manter a disciplina necessária para assegurar o nível de aprendizado exigido?

Como tem sido seus estudos? Tem conseguido manter a disciplina necessária para assegurar o nível de aprendizado exigido? Saudações concurseiro, Como tem sido seus estudos? Tem conseguido manter a disciplina necessária para assegurar o nível de aprendizado exigido? É muito importante estabelecer uma frequência no estudo,

Leia mais

A Dança na Terceira Idade

A Dança na Terceira Idade A Dança na Terceira Idade Bárbara Costa Carolina Miguel Leonardo Delarete Pimenta Na terceira idade, geralmente, o ser humano sofre algumas alterações de um declínio geral no aspecto biopsicossocial. Como

Leia mais

MANUAL DE OBSERVAÇÃO PARA O EDUCADOR: CONHECENDO MELHOR A PRÁTICA PROFISSIONAL E MEUS ALUNOS

MANUAL DE OBSERVAÇÃO PARA O EDUCADOR: CONHECENDO MELHOR A PRÁTICA PROFISSIONAL E MEUS ALUNOS MANUAL DE OBSERVAÇÃO PARA O EDUCADOR: CONHECENDO MELHOR A PRÁTICA PROFISSIONAL E MEUS ALUNOS Caro leitor: O objetivo principal deste Manual de Observação para o Educador: conhecendo melhor a prática profissional

Leia mais

Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito

Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito UM TÊNUE LIMIAR... 1 Graciella Leus Tomé Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito me chocou. Foi a internação de uma jovem senhora, mãe, casada, profissão estável,

Leia mais

Depressão não é sintoma, mas inibição

Depressão não é sintoma, mas inibição 4 (29/4/2015) Tristeza Atualmente denominada de depressão, por lhe dar por suporte o humor, a tristeza é uma covardia de dizer algo do real. Seu avesso, no sentido moebiano, a alegria, pode ir até a elacão.

Leia mais

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Elany Nogueira da Silva Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo Este presente artigo pretende refletir idéias sobre o brincar na Educação Infantil,

Leia mais

Dist úrbios e Dificuldades de Aprendizagem

Dist úrbios e Dificuldades de Aprendizagem Dist úrbios e Dificuldades de Aprendizagem Considerações sobre o normal e o patológico Segundo Leticia Lanz: a pessoa é considerada normal quando sua conduta corresponde aos padrões e expectativas do sistema.

Leia mais

Clínica psicanalítica com crianças

Clínica psicanalítica com crianças Clínica psicanalítica com crianças Ana Marta Meira* A reflexão sobre a clínica psicanalítica com crianças aponta para múltiplos eixos que se encontram em jogo no tratamento, entre estes, questões referentes

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Dra. Nadia A. Bossa. O Olhar Psicopedagógico nas Dificuldades de Aprendizagem

Dra. Nadia A. Bossa. O Olhar Psicopedagógico nas Dificuldades de Aprendizagem O Olhar Psicopedagógico nas Dificuldades de Aprendizagem Aprendizagem humana Ao nascer, o bebê humano é recebido num mundo de cultura e linguagem que o antecede e ao qual necessita ter acesso. Porém falta

Leia mais

As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico

As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico Mariana Antoniuk 1 Dêivid Marques 2 Maria Angela Barbato Carneiro ( orientação) 3 Abordando as diferentes linguagens da criança neste ano, dentro do

Leia mais

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS 13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS A importância da formação pessoal e social da criança para o seu desenvolvimento integral e para a

Leia mais

TOCAR E VER: O CORPO TORNANDO-SE SUJEITO

TOCAR E VER: O CORPO TORNANDO-SE SUJEITO TOCAR E VER: O CORPO TORNANDO-SE SUJEITO Iraquitan de Oliveira Caminha 1 O objetivo desse estudo é analisar a experiência de tocar e de ver, considerando a pulsão de domínio, concebida por Freud, e a motricidade

Leia mais

A teoria da Matriz de Identidade e a Teoria dos Papéis. Cybele Ramalho (PROFINT)

A teoria da Matriz de Identidade e a Teoria dos Papéis. Cybele Ramalho (PROFINT) A teoria da Matriz de Identidade e a Teoria dos Papéis Cybele Ramalho (PROFINT) Matriz de Identidade A matriz de identidade é o lugar onde a criança se insere desde o nascimento, relacionando-se com outros

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO E O APRENDIZADO EM VIGOTSKY

O DESENVOLVIMENTO E O APRENDIZADO EM VIGOTSKY O DESENVOLVIMENTO E O APRENDIZADO EM VIGOTSKY Kassius Otoni Vieira Kassius Otoni@yahoo.com.br Rodrigo Luciano Reis da Silva prrodrigoluciano@yahoo.com.br Harley Juliano Mantovani Faculdade Católica de

Leia mais

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa EDUCAÇÃO INFANTIL JUSTIFICATIVA O momento social, econômico, político e histórico em que vivemos está exigindo um novo perfil de profissional, de cidadão: informado, bem qualificado, crítico, ágil, criativo,

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM FOCO. PALAVRAS-CHAVE: avaliação dificuldades de aprendizagem contexto escolar

A AVALIAÇÃO EM FOCO. PALAVRAS-CHAVE: avaliação dificuldades de aprendizagem contexto escolar A AVALIAÇÃO EM FOCO Beatriz Biss Telles 1 Dalila Maria De Paula Antoneche 2 Maria Daiane Baranhuke Budzilo 3 RESUMO: O presente apresenta os resultados pesquisa de caráter exploratório, desenvolvida como

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MÚSICA NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA DA TURMA DE 9º ANO DA ESCOLA RAIMUNDO PEREIRA DO NASCIMENTO

A IMPORTÂNCIA DA MÚSICA NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA DA TURMA DE 9º ANO DA ESCOLA RAIMUNDO PEREIRA DO NASCIMENTO A IMPORTÂNCIA DA MÚSICA NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA DA TURMA DE 9º ANO DA ESCOLA RAIMUNDO PEREIRA DO NASCIMENTO 0 1 A IMPORTÂNCIA DA MÚSICA NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA DA TURMA DE 9º ANO DA ESCOLA

Leia mais

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável.

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável. Transtornos mentais: Desafiando os Preconceitos Durante séculos as pessoas com sofrimento mental foram afastadas do resto da sociedade, algumas vezes encarcerados, em condições precárias, sem direito a

Leia mais

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica PORQUE AS CRIANÇAS ESTÃO PERDENDO TODOS OS REFERENCIAIS DE ANTIGAMENTE EM RELAÇÃO ÀS BRINCADEIRAS?

Leia mais

O SER WINNICOTTIANO E A CLÍNICA DA PÓS-MODERNIDADE. Winnicott viveu em uma época em que a concepção de pós-modernidade estava se

O SER WINNICOTTIANO E A CLÍNICA DA PÓS-MODERNIDADE. Winnicott viveu em uma época em que a concepção de pós-modernidade estava se 1 O SER WINNICOTTIANO E A CLÍNICA DA PÓS-MODERNIDADE Nahman Armony Winnicott viveu em uma época em que a concepção de pós-modernidade estava se formando, e, sabedor ou não disto, contribuiu com conceitos

Leia mais

AUTISMO E TDAH: O DESAFIO DA INCLUSÃO. Prof. Dr. Carlo Schmidt. Prof. Adjunto da CE/UFSM Depto. Educação Especial

AUTISMO E TDAH: O DESAFIO DA INCLUSÃO. Prof. Dr. Carlo Schmidt. Prof. Adjunto da CE/UFSM Depto. Educação Especial AUTISMO E TDAH: O DESAFIO DA INCLUSÃO Prof. Dr. Carlo Schmidt Prof. Adjunto da CE/UFSM Depto. Educação Especial INTRODUÇÃO Caracterização: Do que estamos falando? TDAH Autismo O que essas condições têm

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO Priscila Reinaldo Venzke Luciano Leal Loureiro RESUMO Este trabalho é resultado da pesquisa realizada para a construção do referencial teórico

Leia mais