DIANA GOMES DOS SANTOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIANA GOMES DOS SANTOS"

Transcrição

1 DIANA GOMES DOS SANTOS A ARTE COMO MEDIADORA NA COMUNICAÇÃO DO AUTISTA: possíveis contribuições para facilitar a comunicação de um autista no contexto da educação formal Instituto Cenecista Fayal de Ensino Superior Itajaí (SC) 2008

2 DIANA GOMES DOS SANTOS A ARTE COMO MEDIADORA NA COMUNICAÇÃO DO AUTISTA: possíveis contribuições para facilitar a comunicação de um autista no contexto da educação formal Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como requisito necessário à obtenção do grau de Bacharel em Pedagogia; do Instituto Cenecista Fayal de Ensino Superior. Orientadora: Professora Nara Marone. Instituto Cenecista Fayal de Ensino Superior Itajaí (SC) 2008

3 A ARTE COMO MEDIADORA NA COMUNICAÇÃO DO AUTISTA: possíveis contribuições para facilitar a comunicação de um autista no contexto da educação formal Este trabalho de conclusão de curso foi julgado aprovado para a obtenção do grau de Bacharel em Pedagogia do Instituto Cenecista Fayal de Ensino Superior IFES. Itajaí, 24 junho de Professor Wilson Reginatto Jr Coordenador de estágio Banca Examinadora Profª Nara Marone Orientadora Profª Dnda. Fernanda Germani de Oliveira Profª Dnda. Márcia Regina Cordeiro Bavaresco

4 EQUIPE TÉCNICA Estagiária Diana Gomes dos Santos Coordenador de estágio Professor Wilson Reginatto Jr Orientador de conteúdo Professora Ms. Nara Regina Marone Orientador de Metodologia Marcello Soares

5 DEDICATÓRIA Para Ana Paula e Denise, minhas irmãs. In memorian.

6 AGRADECIMENTOS Ainda que minha boca estivesse cheia de canto, como o mar; E minha língua, de júbilo, como o bramido de suas ondas; E meus lábios de louvor como a amplidão do firmamento; E meus olhos resplandecessem como o sol e a luz; E meus braços se estendessem como as águias no espaço; E meus pés fossem ligeiros como os dos cervos... Não conseguiria agradecer-te, Adonai, Deus nosso e Deus de nossos pais, nem bendizer Teu Nome sequer em medida infinitesimal pelos benefícios que fizeste a nossos pais E também... a mim. À minha mãe, senhora Maria Dilma, por todo encorajamento, estímulo e exemplo, A meu irmão, Alceu Jr, por seu desprendimento e ajuda, À minha irmã Mirian, e a meu pai, senhor Alceu dos Santos, por todo apoio que deram. LARRAÑAGA, Ignácio. Encontro, manual de oração. Ed definitiva. Oficinas de Oração e Vida. TOV: 1996.

7 RESUMO A presente pesquisa foi desenvolvida na Associação Educacional para o Desenvolvimento do Potencial Humano de Santa Catarina (Humanity), na cidade de Itajaí. Sabendo que o autismo é um padrão de comportamento peculiar caracterizado por comprometimentos nas interações sociais e déficits no desenvolvimento da linguagem, verificou-se a oportunidade de utilizar a arte como mediadora na comunicação do autista, a fim de estimulá-lo a expressar-se artisticamente. Para isso foi feito, em um primeiro momento, um levantamento das Instituições que trabalham com crianças autistas e utilizam a Linguagem das Artes como mediadora no processo empreendido. Em um segundo momento, após a seleção de uma das Instituições, foi feita a coleta de dados por meio de registro contínuo de observação direta do comportamento do participante um aluno autista de sete anos. Após a coleta, os dados foram analisados à luz das teorias de autores e pesquisadores como Kanner (1943), Kaplan (1997) e Talamoni (2005); sendo identificados benefícios como desenvolvimento da fala e diminuição da agressividade. Esta pesquisa contribuiu com a constante (in) formação pessoal e profissional da pesquisadora. Palavras-chave: autista, linguagem, comunicação, arte.

8 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO OBJETIVOS Objetivo geral Objetivos específicos O QUE É AUTISMO? Transtornos Invasivos no desenvolvimento: autismo Comportamentos característicos A CRIANÇA AUTISTA EM AMBIENTES DIVERSOS A criança autista em seu ambiente familiar A criança autista em seu ambiente escolar COMUNICAÇÃO E LINGUAGEM A comunicação e as relações do autista A linguagem do autista A ARTE O ensino de arte A arte enquanto terapia A educação (do) sensível A arte como mediadora na comunicação do autista METODOLOGIA Modalidade da pesquisa Campo de observação Histórico da Associação Educacional Humanity Instrumentos de coletas de dados Procedimentos Participantes Critérios para a análise dos dados RESULTADOS CONSIDERAÇÕES FINAIS... 37

9 10. REFERÊNCIAS ANEXOS... 41

10 9 1. INTRODUÇÃO Autismo é o nome dado a um padrão de comportamento peculiar caracterizado por comprometimentos persistentes nas interações sociais recíprocas, além de déficits e desvios no desenvolvimento da linguagem. Uma característica muito marcante no autismo é a dificuldade na comunicação, pois o desenvolvimento da linguagem e o comportamento esperados, não se desenvolvem adequadamente ou são perdidos no início da infância. O psiquiatra Leo Kanner (1943), foi quem descreveu o autismo pela primeira vez, e publicou um artigo intitulado Distúrbios autísticos do contato afetivo. O autismo, na época, era considerado uma forma incomum e precoce de esquizofrenia. Atualmente sabe-se que o autismo está distinto das psicoses. Pessoas com este padrão de comportamento são consideradas excêntricas podendo levar uma vida considerada normal desde que haja respeito e compreensão da parte dos que convivem com ela. Gary Mesilov, diretor da divisão Teacch 1 (Treatment and Education of Autistic and Related Comunication Handicapped Children), diz que o autismo funciona como se fosse uma cultura diferente já que afeta no indivíduo a forma como ele come, se veste, ocupa seus momentos de lazer etc. Para contribuir com o desenvolvimento de um autista respeitando seu tempo e limitações não é necessário oferecer-lhe muito, basta-lhe uma vida simples, ordenada e tranqüila, o que lhe é essencial. Sabe-se que a arte é um tipo particular de conhecimento, onde o produto criado pelo artista propicia um tipo de comunicação, a forma artística fala por si mesma. A arte é capaz de estruturar e organizar o mundo respondendo aos desafios que dele emanam; é um produto que expressa as representações imaginárias das distintas culturas, que se renovam através dos tempos (BRASIL, 1997). 1 Trata-se de uma série de procedimentos e técnicas, desenvolvidas para ajudar o autista a atuar na sociedade; aplicáveis a todos os portadores de distúrbios abrangentes do desenvolvimento, independente das particularidades do indivíduo em questão.

11 10 Tendo em vista que a dificuldade na comunicação é uma das características mais marcantes no autismo; considerando o autismo como um certo tipo de cultura e reconhecendo a arte como um como um modo de comunicação, expressão e um objeto de conhecimento capaz de expressar representações imaginárias de culturas distintas; propõe-se utilizar o conhecimento artístico como uma forma de linguagem entre o autista e o mundo social, facilitando sua comunicação e conseqüente interação com a sociedade. Além disto, este transtorno de desenvolvimento ainda é cercado por mitos e pouco compreendido inclusive por médicos, o que torna pertinente o objeto de estudo desta pesquisa. Sabendo-se que as maiores dificuldades no autista são a comunicação e o convívio social, e entendendo a arte como uma forma de comunicação e expressão, ousa-se questionar: Como a arte pode contribuir na comunicação de um autista e em seu relacionamento com a sociedade? A presente pesquisa, desenvolvida na Associação Educacional para o Desenvolvimento do Potencial Humano Humanity, vem ao encontro das dúvidas e questionamentos, da pesquisadora, quanto às dificuldades no relacionamento e na comunicação de pessoas autistas e, quiçá, quebrar paradigmas préestabelecidos pela sociedade.

12 11 2. OBJETIVOS 2.1. Objetivo geral: Identificar em uma criança autista qual a arte que demonstra maior interesse e como é capaz de estimulá-la a expressar sua percepção, imaginação, emoção, sensibilidade e reflexão Objetivos específicos: Perscrutar, no município de Itajaí, uma Instituição que trabalhe com a linguagem das artes como mediadora na relação autista / sociedade. Entender como a produção e fruição em artes contribuem para o bom relacionamento da criança autista com a sociedade e vice-versa.

13 12 3. O QUE É AUTISMO? 3.1. Transtornos invasivos no desenvolvimento: autismo Autismo é um nome dado a um padrão de comportamento, produzido de forma complexa, como um resultado final de uma longa seqüência de causas (KATHRYN, 1996). Segundo Kaplan (1997), são transtornos evolutivos comportamentais invasivos no desenvolvimento. Descrito pela primeira vez em 1943 por Leo Kanner, psiquiatra infantil austríaco, radicado nos Estados Unidos da América. Este transtorno de desenvolvimento, que atinge uma em cada mil crianças nascidas na maioria meninos, em uma proporção de quatro portadores do sexo masculino para cada mulher ainda é cercado por mitos e pouco compreendido, inclusive por médicos (TALAMONI, 2005). Em 1943, Kanner descreveu onze crianças com um padrão de comportamento peculiar em comum que compreendia muitos diferentes aspectos. Kanner (1943), considerou que tais características definiam uma síndrome específica, completamente distinta de outras perturbações infantis e decidiu designá-las de autismo infantil precoce. Um ano após o trabalho de Kanner, Hans Asperger, psiquiatra australiano, escreveu sobre um grupo de adolescentes que eram extravagantes em seus relacionamentos sociais; tinham falta de empatia com os demais; revelavam memória mecânica, mas pobre compreensão de idéias abstratas, referiu-se a estas características, entre outras, como psicopatia autística, atualmente conhecida como Síndrome de Asperger. Para Kathryn (1996), o diagnóstico precoce e apropriado é o primeiro passo crucial no sentido de assegurar um melhor futuro para crianças autistas, pois, crianças com transtornos autísticos possuem relacionamentos perturbados, ou seja, uma capacidade perturbada de se relacionar afetando todas as áreas de desempenho, aprendizado e comportamento; enquanto o processo natural de maturação pode provocar progressos, o déficit básico jamais é totalmente curável. Porém, ninguém pode estar sempre certo de um diagnóstico tão difícil,

14 13 especialmente um que não pode ser confirmado por um teste clínico exclusivo. O autismo é um grande nivelador, e somente aqueles que convivem com o autista tornam-se os melhores entendedores do assunto. Algumas vezes a criança autista parece ter um olhar vivo, direto, e o desejo do contato físico o que confunde observadores que não são familiarizados com o espectro total do distúrbio autístico (KATHRYN, 1996). Os sinais típicos do transtorno variam bastante, uma vez que há vários graus de autismo. Cerca de 70% a 80% dos casos, os portadores também possuem diagnóstico de retardo mental. Em geral, os autistas têm dificuldades de relacionamento interpessoal o que inclui uma aversão a contatos e manifestações de carinho atraso significativo ou ausência da linguagem verbal, mímica e gestual, podem parecer surdos e apáticos, não respondem a estímulos, não costumam olhar nos olhos dos interlocutores, dificilmente manifestam expressões faciais das emoções. Além de comportamentos repetitivos e estereotipados, são rígidos e inflexíveis, uma mudança na rotina pode perturbálos. Possuem interesses restritos. Algumas crianças têm fixação em determinados assuntos, como cálculos, música, calendários ou animais pré-históricos, têm vasto conhecimento sobre o assunto. Podem aparentar compreensão em assuntos altamente complexos e dificuldade na compreensão de assuntos mais simples (TALAMONI, 2005). Um dos grandes mitos associados ao autismo até bem pouco tempo estava relacionado às origens do problema. Até a década de 1970, médicos e cientistas achavam que a culpa pelo transtorno de desenvolvimento na criança era da mãe, provavelmente por sua rigidez na educação. Hoje, já se sabe que as razões são várias, muitas desconhecidas, embora a maioria seja genética. Entre os fatores externos que podem desencadear o autismo estão as doenças infecciosas da gravidez, como a rubéola, a sífilis e a toxoplasmose, e as infecções no cérebro, como a meningite. Todos esses fatores provocam alterações nas células cerebrais. As causas, portanto, são biológicas e não emocionais (TALAMONI, 2005).

15 14 Os transtornos invasivos no desenvolvimento (TID) são associados a diversas síndromes, os mais conhecidos são: Síndrome de Asperger; Síndrome de Angelman; Síndrome do X Frágil; Síndrome de Landau Kleffner; Síndrome Rett; Síndrome de Prader-Willi. Todas estas síndromes apresentam características semelhantes sendo muitas vezes confundidas até mesmo por médicos (ASSOCIAÇÃO, 1989). A Síndrome de Asperger, por exemplo, é considerado o autismo de melhor prognóstico. Portadores dessa síndrome possuem as mesmas dificuldades de comunicação, interação social e uso da imaginação do autista típico. Porém, não apresentam retardo mental, que é muito comum na maioria dos autistas, nem mesmo qualquer atraso significativo de desenvolvimento de fala ou cognitivo. Por isso, alguns chegam a levar uma vida bastante próxima do que é dito normal, sendo consideradas pessoas excêntricas. Um exemplo desse diagnóstico mais leve de autismo é o da autora Temple Grandin, uma professora assistente de ciências animais da Universidade do Colorado nos EUA, que é uma das maiores especialistas do mundo no projeto de instalações de criação e abate de gado. Escreve artigos, leciona, viaja e profere palestras em congressos em todo o mundo (TALAMONI, 2005). Uma pergunta pertinente gira em torno deste transtorno: autismo tem cura? É importante atentar ao fato de que autismo não é uma doença, portanto, não existe cura. Porém, existem tratamentos que incluem medicamentos específicos e técnicas pedagógicas especializadas.

16 Comportamentos característicos Kaplan (1997), deixa claro que o autismo só pode ser diagnosticado por um médico neuropediatra ou por um psiquiatra especializado em autismo. Porém, como já foi mencionado anteriormente, o quanto antes for diagnosticado o autismo em uma criança, maiores serão os resultados do tratamento. E ainda que não haja cura, posto que não é uma doença, a relevância de um diagnóstico precoce faz-se necessário para que as crianças autistas recebam, o quanto antes, a ajuda necessária para se adaptarem ao meio social. Quanto mais nova a criança, maior sua plasticidade neuronal. Os pequenos estão muito mais abertos e sensíveis, respondendo mais prontamente a qualquer estimulação por parte das pessoas e do meio ambiente. Portanto, conhecer as características de comportamentos autísticos não capacita qualquer indivíduo que seja para diagnosticar o autismo, mas ajuda a despertar as suspeitas necessárias para que se procure o profissional capacitado para tal diagnóstico e, conseqüentemente, começar o tratamento necessário e adequado. Se o tratamento e a atenção forem adequados e constantes, os autistas podem chegar bem próximos de um relacionamento considerado normal, podendo surpreender os amigos e até mesmo seus familiares (TALAMONI, 2005). Apresentam-se então as principais características do transtorno autista: dificuldades para desenvolver relações de companheirismo e socialização; não procuram dividir satisfações, interesses e realizações com outras pessoas; demonstram indiferença emocional e social; ausência de perigo; resistência ao contato físico e à afetividade; hiperatividade física; comportamento agressivo; comportamento ritualista e agregado a rotinas de vida anormais; apego a objetos estranhos e padrão de brincadeiras estereotipadas;

17 16 marcante lesão na comunicação; atraso ou ausência de desenvolvimento de linguagem oral ou através de gestos e mímicas; diminuição da habilidade de iniciar e manter uma conversa com outras pessoas, quando apresentam fala; ausência quanto à compreensão da linguagem falada; fala tardia, e quando esta ocorre, percebe-se ecolalia repetição mecânica de palavras ou frases inabilidade de usar termos abstratos. Os sintomas variam amplamente e se manifestam de diversas maneiras, dependendo do nível desde o mais baixo ao mais alto grau de comprometimento, (ASSOCIAÇÃO, 1989). 4. A CRIANÇA AUTISTA EM AMBIENTES DIVERSOS 4.1. A criança autista em seu ambiente familiar Muitos trabalhos escritos de profissionais do campo e a atual literatura clínica, sugerem que pais de famílias de indivíduos autistas estão sob estress geralmente por longo período de tempo, afirmam Belgin e Poewerriand (1996) em sua dissertação. Alguns pesquisadores descobriram que pais de crianças autistas relataram níveis mais altos de estress do que crianças com outras deficiências (síndrome de down por exemplo), pois a criança autista aparenta ser fisicamente normal e muitas vezes atraente, porém, a natureza e o grau de deficiência são ambíguos, o que torna difícil para a família desenvolver uma expectativa realista em relação às capacidades e potencialidades da criança (BELGIN & POEWERRIAND, 1996).

18 17 No que diz respeito aos sentimentos relacionados ao convívio com o irmão, a análise das entrevistas realizadas por Gomes, Zanchettin e Bosa (2004) revelou sentimentos de raiva, pena choque e vergonha relacionados ao jeito do irmão. Tais sentimentos são provocados por diversas situações como comportamentos imaturos e de risco, agressividade e auto-agressão, dificuldade de compreender os desejos e necessidades do irmão, tarefa de cuidar do irmão e preocupações como futuro do mesmo (GOMES; ZANCHETTIN; BOSA, 2004, p. 180). Mas é no ambiente familiar, segundo Kathryn (1996), que se deve começar a ajuda para a criança autista, justamente pelo fato de causar tantos estresses à sua família. Pois, para que esta situação diminua a criança precisa da ajuda de todos e, principalmente da ajuda dos seus. Kathryn (1996), sugere que se inicie, logo nos primeiros anos, certas restrições, pois, muito do que fazem na idade de dois anos, não será aceitável quando já estiverem com vinte, por exemplo, pois, na medida em que crescem, são impedidos de continuarem a fazer, em situação e lugares não habituais, o que sempre lhes foi permitido fazerem em casa, com isto muitos jovens autistas ficam confusos (KATHRYN, 1996, p. 48) A criança autista em seu ambiente escolar Geralmente o ambiente escolar é o primeiro ambiente social que uma criança começa a freqüentar, seja ela autista ou não. Kathryn (1996), sugere que uma forma de perceber uma criança autista é observá-la em companhia de outras crianças da mesma idade e ouvir aqueles que convivem com ela diariamente, descobriria-se que, se a criança é autista as demais saberiam que ela é uma criança diferente. Uma classe escolar pode ser, por tanto, o local mais conveniente para observar crianças suspeitas de autismo. Segundo Gauderer (1998), o trabalho educacional da criança autista dependerá da instituição e turma na qual está inserida, pois as situações serão diversas em turma de crianças autistas e naquelas turmas onde uma só criança é

19 18 autista. As crianças autistas precisam receber uma educação especial diária oferecida por profissionais bem qualificados que conheçam e compreendam bem o autismo. O primeiro passo da abordagem educacional para as crianças autistas será colocá-las em situações em que elas possam concentrar-se nas tarefas a mão, e esqueçam daquelas sensações de medos e obsessões que as mantêm continuamente distraídas, ensinando-as a explorar o ambiente e torná-las produtivas no seu aprendizado tornando-as mais ativas e independentes (GAUDERER, 1998). A abordagem da criança autista em um estabelecimento educacional variará de acordo com a natureza da instituição. Evidentemente o trabalho com uma turma de crianças autistas envolve situações diversas do que é feito com uma turma em que apenas uma criança é autista (KATHRYN, 1996 p. 61). Diante disto nota-se a relevância de uma educação específica direcionada à criança portadora de autismo paralelamente a educação formal. Em tempos onde a inclusão está em voga, concordar, e até mesmo sugerir uma educação especifica para o autista, pode parecer um ato de exclusão. Porém, é preciso atentar ao fato de que para que haja a inclusão destas crianças no ensino regular, são necessários o preparo dos professores e uma estrutura adequada nas escolas para atenderem a tais crianças, além do preparo da própria criança autista para interagir bem no ambiente em que será inserido, como sugere Luis Alberto Silva, presidente da Associação Nacional das APAES de Florianópolis, em sua entrevista com Bevilacqua (2005). Não adianta simplesmente jogá-las em uma sala de aula onde o professor, despreparado, propõe atividades diferentes para seu aluno diferente, isto sim é um ato excludente. Por maiores que sejam as dificuldades de um aluno, ele tem o direito de realizar as mesmas atividades que os outros alunos de sua turma, as dificuldades aparecerão independente de o aluno ser ou não autista (BEVILACQUA, 2005). Além disso, o autismo é um transtorno no comportamento, o que faz com que os objetivos sejam diferenciados, onde o principal é aproximar as crianças autistas do mundo social e a sociedade das crianças autistas, ou seja, ajudá-las

20 19 a viverem em sociedade procurando mantê-las junto a outras crianças, sendo que esta é a maior dificuldade no autista, um ambiente familiar saudável também é imprescindível (KATHRYN, 1996). Coll (1995) defende que os procedimentos da educação de um autista, devem basear-se em um conhecimento minucioso das leis de aprendizagem, buscando promovê-la em condições naturais de interação e não somente em contextos educacionais condutuais. Então, é preciso sim uma educação específica para o autista, mas que esta seja paralela à educação regular formal, pois se a dificuldade do autista é a interação social é exatamente isto que deve ser trabalhado, não o privando do contato com os outros mas ajudando-o a conviver em sociedade. E sempre respeitando sua individualidade. Faz-se necessário, diante de tantas situações mencionadas, apontar um método/programa, que possa atender e contribuir para o bom desenvolvimento de um autista; para que o professor, ao deparar-se com um aluno autista, saiba como proceder com esta criança tão especial. O MétodoTeacch 2, visa exatamente o que acaba de ser proposto; visa à estruturação e organização do autista, para que este, por sua vez, possa conviver bem e em sua sociedade (PROGRAMA TEACCH, 2003). Este método originado em 1996 nos Estados Unidos da América; na Universidade da Carolina do Norte, Escola de Medicina, Divisão de Psiquiatria; pelo Doutor Eric Schopler e colaboradores tem como princípio associar técnicas comportamentais ao estudo da psicolingüística. A psicoterapia comportamental está clara na ênfase dada à estrutura, na especificação de repertórios condutuais básicos, suas condições e conseqüências e na aquisição de comportamentos com uso de reforçadores. Quanto à psicolingüística, evidencia-se nas categorias de comunicação propostas e utilizadas pela metodologia; e na importância à escolha de objetivos compatíveis com a idade cronológica da pessoa com autismo (PROGRAMA TEACCH, 2003). 2 Tratamento e Educação para Autistas e Crianças com Deficiências Relacionadas à Comunicação (Treatment and Education of Autistic and Related Comunication Handicapped Children).

21 20 Este método desenvolveu maneiras de ajudar indivíduos autistas a atuar na sociedade e cultura que os cercam, tendo como base alguns princípios: 1) Pontos fortes e interessantes: todo autista possui pontos fortes e interessantes que podem se tornar mais funcionais para ele. Por exemplo: aqueles que são atentos a detalhes visuais, são ensinados habilidades de combinar, selecionar e diferenciar que podem ser usadas em situações da vida cotidiana. 2) Avaliação Contínua e Cuidadosa: todo autista tem o potencial para desenvolver habilidades melhores, de progredir. Desde a criança com déficit cognitivo elevado, até o indivíduo altamente funcional. Todos têm falhas e todos têm potencial para progredir. O Teacch começa o processo de desenvolvimento observando a abordagem dos alunos com relação a materiais e atividades diferentes e em quantidade diferentes. Presta-se muita atenção na comunicação, autocuidado, habilidades vocacionais e de recreação. Então se prioriza as necessidades e estabelecem-se os objetivos. 3) Ajuda para entender significados: pois todos têm limitações no entendimento do significado, portanto não se pode esquecer da necessidade constante de o aluno ter um guia para ambientes confusos e de difícil interpretação. 4) Desobediência resultante da falta de entendimento: a maioria de seus comportamentos é devido à dificuldade de entendimento. Regras podem ser muito abstratas ou vagas e a desobediência raramente é um conceito útil no autismo. 5) Colaboração dos pais: É importante incorporar os desejos e estilos de vida da família do aluno ao programa educacional.

22 21 Um ponto de vista importantíssimo no Teacch é a estrutura visual: ensinar os alunos com métodos visuais para capitalizar sua aptidão visual, além de tornar a atividade mais significativa. O método teacch tem por fundamento a socialização dos indivíduos (PROGRAMA TEACCH, 2003). 5. COMUNICAÇÃO E LINGUAGEM 5.1. A comunicação e as relações do autista Uma característica muito marcante no autismo é a dificuldade na comunicação. Fator muito relevante, em se tratando de relações, (neste caso relações escolares), pois é necessário que o professor consiga comunicar-se com seu aluno, para que, conseqüentemente haja a educação. Um bom ponto de partida, para uma possível ajuda, é o princípio de que tudo o que uma criança autista precisa fazer e saber terá que ser ensinado, o que se ensina é o que a criança aprende. A forma com que o mundo relaciona-se com a criança autista pode ser melhorada ensinando a ela tantas delicadezas sociais quanto possível (KATHRYN, 1996). A faixa etária entre os seis e os doze anos, é considerada por especialistas, o período mais tranqüilo na vida de um autista, pois, em geral, os mais violentos ataques de raiva e hiperatividade já passaram e o ressurgimento de frustrações hormonais da adolescência, ainda virão. É neste período, freqüentemente, que aprendem a interagir socialmente, apesar de serem vistas como intencionalmente retiradas da vida social. Mas, a realidade é que têm pouca idéia de se relacionarem com os outros e, portanto, pouca escolha nesta questão. Kathryn (1996), afirma ainda, que algumas vezes os problemas de crianças autistas brilhantes não são aparentes até que elas estejam no ambiente mais flexível que é exigido adaptar-se aos padrões dos outros. Não se beneficiarão da presença de outras crianças simplesmente colocando-as entre as demais, mas podem obter

23 22 substanciais benefícios se a interação é propositadamente planejada. Porém, necessitam de ajuda em tolerar e entender o comportamento social dos outros, especialmente no que se relacione, diretamente, com elas A linguagem do autista Sabe-se que a linguagem é um dos meios utilizados para comunicar idéias e sentimentos, e a linguagem no autismo é descrita como uma incapacidade em usar a comunicação interativa (ESTUDOS LINGÜÍSTICOS, 2008), ou seja, segundo Kanner (1943), a linguagem do autista não possui a função de comunicar uma mensagem à outra pessoa. Segundo Kaplan (1997), 50% de todas as crianças autistas jamais apresentam um discurso proveitoso. Porém, algumas podem demonstrar uma fascinação por letras e números e aprenderem a ler sozinhas, muitas vezes, surpreendentemente bem, entretanto, lêem sem qualquer compreensão. Enquanto Kathryn (1996) afirma que, havendo ou não a fala, o grau em que a criança seja capaz de compreender é importante e pode conduzi-la a um ensino direto. Pois raramente uma criança autista entende tudo o que é dito a ela. Déficits e desvios amplos no desenvolvimento da linguagem estão entre os principais critérios diagnósticos do transtorno autista. As crianças autistas não são simplesmente relutantes para falar, e suas anormalidades de linguagem não se devem a uma falta de motivação. Tanto um desvio quanto um atraso na linguagem são características do distúrbio autista (KAPLAN, 1997,p. 981). Baseado nisto, nota-se que, a criança que atingiu a idade de três anos, sem nunca ter chegado a falar cresce com ansiedade. A criança que inicialmente falava e então perdeu por completo o uso da palavra, vai também causar preocupações. Porém, há crianças cujas dificuldades de comunicação são menos óbvias e, portanto, uma vez mais um diagnóstico apropriado pode ser protelado, (Kathryn, 1996).

24 23 Kaplan (1997), relata ainda que crianças autistas fazem pouco uso do significado em suas memórias e processos de pensamentos, quando estes aprendem a conversar fluentemente, carecem de competência social, e suas conversações não se caracterizam por intercâmbio de respostas recíprocas. Contrastando com crianças ditas normais que entendem muita coisa antes mesmo de aprender a falar, os autistas verbais geralmente dizem mais do que entendem, a linguagem dá-se por meio de ecolalia (repetição automática das palavras ouvidas) ou com frases estereotipadas sem qualquer relação com o contexto. Kanner (1943) aborda este fato no contexto mais amplo do sintoma denominando fala ecolálica e relata que crianças por ele acompanhadas repetiam como um papagaio tudo o que lhe havia sido dito, naquele momento ecolalia imediata ou em momentos anteriores ecolalia diferida. A esse respeito, chega a afirmar que a conversa dessas crianças é um eco de tudo o que já se lhe pôde ser dito, registrando a limitação, ou mesmo a ausência da produção de frases espontâneas. 6. A ARTE 6.1. O ensino de arte A arte é um tipo particular de conhecimento, onde o produto criado pelo artista propicia um tipo de comunicação, a forma artística fala por si mesma (BRASIL,1996). Para o ensino de Arte, Diaz (2007), acredita que é preciso trabalhar seriamente, em adequação com o contexto, buscando conhecer a realidade. Enquanto educador, é preciso ler incessantemente, estudar sobre métodos, como se constrói o conhecimento, estudar sobre a vida e obra dos artistas, movimentos artísticos, acompanhar a produção cultural de sua cidade, país e mundo. Saber usar com adequação os materiais, estabelecer pontes do conhecimento com as

TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR

TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO:

Leia mais

Autismo e Aprendizagem

Autismo e Aprendizagem Autismo e Aprendizagem O termo autismo origina-se do grego autós, que significa de si mesmo. Foi empregado pela primeira vez pelo psiquiatra suíço Bleuler, em 1911, que buscava descrever a fuga da realidade

Leia mais

AUTISMO: CONVÍVIO ESCOLAR, UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO.

AUTISMO: CONVÍVIO ESCOLAR, UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO. AUTISMO: CONVÍVIO ESCOLAR, UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO. Anne Caroline Silva Aires- UEPB Marta Valéria Silva Araújo- UEPB Gabriela Amaral Do Nascimento- UEPB RESUMO Este trabalho tem como objetivo apresentar

Leia mais

AUTISMO. 3º Encontro Formativo para Profissionais da Educação. Atendimento aos Estudantes com Deficiência na Rede Municipal de Contagem

AUTISMO. 3º Encontro Formativo para Profissionais da Educação. Atendimento aos Estudantes com Deficiência na Rede Municipal de Contagem AUTISMO 3º Encontro Formativo para Profissionais da Educação Atendimento aos Estudantes com Deficiência na Rede Municipal de Contagem Quem somos? Professoras das SRMF / AAE - Contagem Raquel Shirley Stella

Leia mais

De acordo com estudos recentes o autismo é mais freqüente em pessoas do sexo masculino.

De acordo com estudos recentes o autismo é mais freqüente em pessoas do sexo masculino. 1 AUTISMO Autismo é um distúrbio do desenvolvimento que se caracteriza por alterações presentes desde idade muito precoce, com impacto múltiplo e variável em áreas nobres do desenvolvimento humano como

Leia mais

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO (AEE)

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO (AEE) ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO (AEE) Aleksandra Debom Garcia 1 Fatima Gomes Nogueira Daguiel 2 Fernanda Pereira Santana Francisco 3 O atendimento educacional especializado foi criado para dar um

Leia mais

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil NOSSA MISSÃO: Por meio da educação formar cidadãos felizes, independentes, éticos e solidários VALORES: Respeito, honestidade, boa moral

Leia mais

O DIAGNÓSTICO DOS TRANSTORNOS DO ESPECTRO DO AUTISMO TEA

O DIAGNÓSTICO DOS TRANSTORNOS DO ESPECTRO DO AUTISMO TEA 1 MARIA ELISA GRANCHI FONSECA Psicóloga Mestre em Educação Especial UFSCAR TEACCH Practitioner pela University of North Carolina USA Coordenadora de Curso INFOCO FENAPAES UNIAPAE Coordenadora CEDAP APAE

Leia mais

Um pouco mais sobre desenvolvimento social e os Transtornos do Espectro Autista

Um pouco mais sobre desenvolvimento social e os Transtornos do Espectro Autista Um pouco mais sobre desenvolvimento social e os Transtornos do Espectro Autista www.infanciaeadole scencia.com.br O desenvolvimento social ocorre ao longo de todas as etapas do ciclo vital. Entretanto,

Leia mais

Eugênio Cunha eugenio@eugeniocunha.com www.eugeniocunha.com

Eugênio Cunha eugenio@eugeniocunha.com www.eugeniocunha.com Autismo: um olhar pedagógico Eugênio Cunha eugenio@eugeniocunha.com www.eugeniocunha.com Algumas reflexões iniciais: Primeiramente, é importante dizer que não há respostas prontas para todas as questões

Leia mais

Queila Medeiros Veiga TGD NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

Queila Medeiros Veiga TGD NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA TGD NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Marcos Legais 1988 Constituição Federal (art. 208, III) direito das pessoas com necessidades especiais de receberem educação, preferencialmente na rede regular

Leia mais

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL ROSA, Maria Célia Fernandes 1 Palavras-chave: Conscientização-Sensibilização-Transferência RESUMO A psicóloga Vanda

Leia mais

Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil

Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil Hernandes Santos, Amarílis Alfabetização na inclusão

Leia mais

Transtornos Globais do Desenvolvimento e Dificuldades de. Curso de Formação Pedagógica Andréa Poletto Sonza Março/2010

Transtornos Globais do Desenvolvimento e Dificuldades de. Curso de Formação Pedagógica Andréa Poletto Sonza Março/2010 Transtornos Globais do Desenvolvimento e Dificuldades de Aprendizagem Curso de Formação Pedagógica Andréa Poletto Sonza Março/2010 Transtornos Globais do Desenvolvimento São consideradas pessoas com TGD

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

INTERSETORIALIDADE E AUTISMO

INTERSETORIALIDADE E AUTISMO INTERSETORIALIDADE E AUTISMO Daniel de Sousa Filho Psiquiatra da Infância e Adolescência Mestre em Distúrbios do Desenvolvimento UPM Introdução Kanner, 1943 Asperger, 1944 Bleuler, 1906 Transtornos do

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Marília Darc Cardoso Cabral e Silva 1 Tatiane Pereira da Silva 2 RESUMO Sendo a arte uma forma do ser humano expressar seus sentimentos,

Leia mais

O AUTISMO- NA CRIANÇA

O AUTISMO- NA CRIANÇA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MÉRTOLA Escola E,B 2,3 ES\Escola S. Sebastião de Mértola Curso Profissional de Técnico de Apoio Psicossocial- 3ºano Disciplina de Psicopatologia Geral Ano letivo 2013\14 Docente:

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL II OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

AUTISMO NA ESCOLA. Letícia Soares da Silva. Tati Ana Soares Costa. Profª Orientadora: Mara Nieckel da Costa RESUMO

AUTISMO NA ESCOLA. Letícia Soares da Silva. Tati Ana Soares Costa. Profª Orientadora: Mara Nieckel da Costa RESUMO AUTISMO NA ESCOLA Letícia Soares da Silva Tati Ana Soares Costa Profª Orientadora: Mara Nieckel da Costa RESUMO Este trabalho apresenta as principais dificuldades de aprendizagem em crianças portadoras

Leia mais

Pediatria do Desenvolvimento e do Comportamento. Faculdade de Ciências Médicas Prof. Orlando A. Pereira Unifenas

Pediatria do Desenvolvimento e do Comportamento. Faculdade de Ciências Médicas Prof. Orlando A. Pereira Unifenas Pediatria do Desenvolvimento e do Comportamento Faculdade de Ciências Médicas Prof. Orlando A. Pereira Unifenas Genética e Ambiente A combinação de fatores ambientais e genéticos é que determina o produto

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

Um Bom Começo: Conhecer a Questão do Autismo

Um Bom Começo: Conhecer a Questão do Autismo Um Bom Começo: Conhecer a Questão do Autismo Conceito Incidência Causas do Autismo Manifestações mais comuns O espectro de manifestações autistas Como é feito o diagnóstico de autismo Instrumentos para

Leia mais

ARTES VISUAIS E DEFICIÊNCIA VISUAL: UMA REFLEXÃO SOBRE A INCLUSÃO EM ESCOLAS PÚBLICAS MUNICIPAIS DE UM ESTADO DO SUL DO BRASIL

ARTES VISUAIS E DEFICIÊNCIA VISUAL: UMA REFLEXÃO SOBRE A INCLUSÃO EM ESCOLAS PÚBLICAS MUNICIPAIS DE UM ESTADO DO SUL DO BRASIL ARTES VISUAIS E DEFICIÊNCIA VISUAL: UMA REFLEXÃO SOBRE A INCLUSÃO EM ESCOLAS PÚBLICAS MUNICIPAIS DE UM ESTADO DO SUL DO BRASIL SILVEIRA, Tatiana dos Santos da FURB - Universidade Regional de Blumenau silsa@terra.com.br

Leia mais

Palavras chaves: Criança, Educação Infantil, Corpo e Movimento.

Palavras chaves: Criança, Educação Infantil, Corpo e Movimento. CORPO E MOVIMENTO: CONCEPÇÕES E PRÁTICAS DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INFANTIL Tamiris Andrade dos Santos (UEL) tamiris_152@hotmail.com Gilmara Lupion Moreno gilmaralupion@uel.br RESUMO: Sabe-se da importância

Leia mais

A Educação Física como meio de inclusão social: mito ou verdade?

A Educação Física como meio de inclusão social: mito ou verdade? A Educação Física como meio de inclusão social: mito ou verdade? Discente em formação do curso de Licenciatura Plena em Educação Física, da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB, Campus Jequié.

Leia mais

Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE. Julho de 2010

Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE. Julho de 2010 Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE Julho de 2010 Deficiência intelectual De acordo com o Decreto nº 5.296, a deficiência mental, atualmente denominada deficiência intelectual, refere-se ao

Leia mais

Índice. O Que é AUTISMO? Quais São os Sintomas Típicos do AUTISMO? Causas do AUTISMO. Problemas Comportamentais e as Dificuldades dos Pais

Índice. O Que é AUTISMO? Quais São os Sintomas Típicos do AUTISMO? Causas do AUTISMO. Problemas Comportamentais e as Dificuldades dos Pais Índice O Que é AUTISMO? 03 04 Quais São os Sintomas Típicos do AUTISMO? Causas do AUTISMO 06 07 Problemas Comportamentais e as Dificuldades dos Pais Projeto de Integração Pró-Autista (Pipa) e a Terapia

Leia mais

RELATÓRIO FINAL CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SAÚDE MENTAL

RELATÓRIO FINAL CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SAÚDE MENTAL RELATÓRIO FINAL CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SAÚDE MENTAL Nome: ALDINÉA GUARNIERI DE VASCONCELLOS Escolaridade: Super Completo/ Pós- Graduação Idade: 44 anos Profissão: Assistente Social Local de Trabalho:

Leia mais

HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019

HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019 HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019 HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Evelise Raquel de Pontes Mariane Soares Sana Orientadora: Renata Junqueira de Souza. Instituição: Universidade Estadual

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias.

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias. PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias. A INCLUSÃO DA CRIANÇA COM SINDROME DE DOWN E SEU PROCESSO

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA INCLUSÃO DE CRIANÇAS PORTADORAS DE NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NO ENSINO REGULAR

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA INCLUSÃO DE CRIANÇAS PORTADORAS DE NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NO ENSINO REGULAR TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA INCLUSÃO DE CRIANÇAS PORTADORAS DE NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NO ENSINO REGULAR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 07/2015. O Conselho Municipal de Educação - CME, no uso de suas competências e considerando:

RESOLUÇÃO Nº 07/2015. O Conselho Municipal de Educação - CME, no uso de suas competências e considerando: RESOLUÇÃO Nº 07/2015. Estabelece normas para Educação Especial na perspectiva de educação inclusiva para Alunos com necessidades educacionais especiais durante o período escolar em todas as etapas e modalidades

Leia mais

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO Inês Aparecida Costa QUINTANILHA; Lívia Matos FOLHA; Dulcéria. TARTUCI; Maria Marta Lopes FLORES. Reila Terezinha da Silva LUZ; Departamento de Educação, UFG-Campus

Leia mais

Requerimento (Do Sr. Hugo Leal)

Requerimento (Do Sr. Hugo Leal) Requerimento (Do Sr. Hugo Leal) Sugere ao Poder Executivo sejam tomadas providências no sentido de ser exigido a feitura de diagnóstico precoce de autismo em todas as unidades de saúde pública do país,

Leia mais

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES Resumo Gabriela Jeanine Fressato 1 - Universidade Positivo Mariana Gomes de Sá Amaral

Leia mais

PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO

PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO ISSN 2316-7785 PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO RESUMO Karen Rodrigues Copello Universidade Federal de Santa Maria karen_keruso@hotmail.com Debora Silvana Soares Universidade

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA CLAINES KREMER GENISELE OLIVEIRA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: POR UMA PERSPECTIVA DE RELAÇÕES ENTRE

Leia mais

MATERIAIS UTILIZADOS NA SALA DO MÉTODO TEACH

MATERIAIS UTILIZADOS NA SALA DO MÉTODO TEACH MATERIAIS UTILIZADOS NA SALA DO MÉTODO TEACH Por: Aparecida Cristina de Freitas Sandra Aparecida Pondé Regiane Aparecida Ribeiro Professoras do Método Teach Apae de Quatiguá/PR Atualmente vários métodos

Leia mais

ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO

ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO Autora: Suellen Viviane Lemos Fernandes Co-autora: Maria Irene Miranda Bernardes Universidade Federal de Uberlândia suellenped65@hotmail.com Introdução O presente trabalho

Leia mais

Conhecendo o Aluno com TGD

Conhecendo o Aluno com TGD I - [FICHA DE AVALIAÇÃO SOBRE O ALUNO COM TRANSTORNOS GLOBAIS DO DESENVOLVIMENTO] Usar letra de forma Os alunos com Transtornos Globais do Desenvolvimento (TGD) são aqueles que apresentam alterações qualitativas

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

AUTISMO NA SALA DE AULA

AUTISMO NA SALA DE AULA 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AUTISMO

Leia mais

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre sabem alguma coisa, todo educando pode aprender, mas

Leia mais

Índice. 1. Definição de Deficiência Motora...3

Índice. 1. Definição de Deficiência Motora...3 GRUPO 5.2 MÓDULO 10 Índice 1. Definição de Deficiência Motora...3 1.1. O Que é uma Deficiência Motora?... 3 1.2. F82 - Transtorno Específico do Desenvolvimento Motor... 4 2 1. DEFINIÇÃO DE DEFICIÊNCIA

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC FIGUEIREDO, Anelice Maria Banhara - SME / Chapecó/SC anelicefigueiredo@gmail.com LORENZET, Simone Vergínia - SME

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR Luciana Barros Farias Lima e Claudia Regina Pinheiro Machado Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro UNIRIO lucpeda@gmail.com

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Lúcia Peranzoni 1 Fabiana Lacerda da Silva 2 Resumo: O presente trabalho foi desenvolvido na disciplina Estágio Básico II no segundo semestre de 2011, tendo

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola Autora: CAMILA SOUZA VIEIRA Introdução A presente pesquisa tem como temática Educação física para Portadores

Leia mais

Direitos Reservados à A&R - Reprodução Proibida

Direitos Reservados à A&R - Reprodução Proibida Direitos Reservados à A&R - Reprodução Proibida AUTISMO: UMA REALIDADE por ZIRALDO MEGATÉRIO ESTÚDIO Texto: Gustavo Luiz Arte: Miguel Mendes, Marco, Fábio Ferreira Outubro de 2013 Quando uma nova vida

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h. Estrutura Curricular do Curso Disciplinas

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h. Estrutura Curricular do Curso Disciplinas CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h Ética profissional na Educação Fundamentos históricos, conceitos, sociais e legais na Educação Inclusiva Legislação Aplicável na Educação Inclusiva Fundamentos

Leia mais

A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1

A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1 A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1 Claudiane da S. EUSTACHIO Dayana Pires Alves GARCIA Fátima RODRIGUES Jean de J. SANTANA 2 Juliana CESANA 3 Ana Lucia de Carvalho MARQUES

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

ALUNOS ESPECIAS NA CONTEMPORANEIDADE: APRENDIZAGENS NO ENSINO DA MATEMÁTICA

ALUNOS ESPECIAS NA CONTEMPORANEIDADE: APRENDIZAGENS NO ENSINO DA MATEMÁTICA ALUNOS ESPECIAS NA CONTEMPORANEIDADE: APRENDIZAGENS NO ENSINO DA MATEMÁTICA André Martins Alvarenga Universidade Federal do Pampa andrealvarenga@unipampa.edu.br Bruna Borges Telmo Universidade Federal

Leia mais

O BRINCAR COMO MEDIADOR DE INTERAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE LINGUAGEM EM CRIANÇAS AUTISTAS

O BRINCAR COMO MEDIADOR DE INTERAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE LINGUAGEM EM CRIANÇAS AUTISTAS O BRINCAR COMO MEDIADOR DE INTERAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE LINGUAGEM EM CRIANÇAS AUTISTAS BEZERRA 1, Aíla Murielle Medeiros CORDEIRO 1, Ingrydh KOCH 1, Bernard; LIMA 1, Tácia Adriana Florentino de NUNES

Leia mais

Daniel no mundo do silêncio

Daniel no mundo do silêncio Guia para pais Daniel no mundo do silêncio Walcyr Carrasco série todos juntos ilustrações de Cris Eich Daniel perde a audição nos primeiros anos de vida, e sua família dá todo o apoio para ele se comunicar

Leia mais

MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações;

Leia mais

Inclusão Escolar do Aluno Autista. Módulo 1 - Introdução

Inclusão Escolar do Aluno Autista. Módulo 1 - Introdução Inclusão Escolar do Aluno Autista Módulo 1 - Introdução O Que é AUTISMO? Autismo é um conjunto de sintomas (síndrome) que p e r t e n c e à c a t e g o r i a d o s t r a n s t o r n o s d e neurodesenvolvimento.

Leia mais

:: Legislação. Unidade: Câmara de Educação Básica. Número: 79/2009 Ano: 2009. Ementa:

:: Legislação. Unidade: Câmara de Educação Básica. Número: 79/2009 Ano: 2009. Ementa: :: Legislação Unidade: Câmara de Básica Número: 79/2009 Ano: 2009 Ementa: Estabelece normas para a Especial, na Perspectiva da Inclusiva para todas as etapas e Modalidades da Básica no Sistema Estadual

Leia mais

JOGO DE QUÍMICA: UM MÉTODO LÚDICO PARA COMPREENSÃO DE CONCEITOS E INTERAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS.

JOGO DE QUÍMICA: UM MÉTODO LÚDICO PARA COMPREENSÃO DE CONCEITOS E INTERAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS. JOGO DE QUÍMICA: UM MÉTODO LÚDICO PARA COMPREENSÃO DE CONCEITOS E INTERAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS. cibdo@yahoo.com.br Cristiane Barbosa de Oliveira * (PQ) Neusa Maria John Scheid (PG). Palavras-Chave: Educação

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 010 /CME/2011 (*) APROVADA EM 28.07.2011. O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO MUNICÍPIO DE MANAUS, no uso de suas atribuições legais e;

RESOLUÇÃO N. 010 /CME/2011 (*) APROVADA EM 28.07.2011. O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO MUNICÍPIO DE MANAUS, no uso de suas atribuições legais e; RESOLUÇÃO N. 010 /CME/2011 (*) APROVADA EM 28.07.2011 Institui os procedimentos e orientações para Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva no Sistema Municipal de Ensino de Manaus. O CONSELHO

Leia mais

Sentimentos e emoções Quem vê cara não vê coração

Sentimentos e emoções Quem vê cara não vê coração Material pelo Ético Sistema de Ensino Elaborado para Educação Infantil Publicado em 2011 Projetos temáticos EDUCAÇÃO INFANTIL Data: / / Nível: Escola: Nome: Sentimentos e emoções Quem vê cara não vê coração

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente

O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente O INGRESSO NA CARREIRA DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PREFEITURA DE SÃO PAULO: Currículo e atuação docente Leandro Pedro de Oliveira¹ INTRODUÇÃO A introdução à carreira docente tem sido objeto de

Leia mais

Introdução ao Programa de Língua Portuguesa

Introdução ao Programa de Língua Portuguesa 1 MAPLE BEAR INTERMEDIATE - LP Introdução ao Programa de Língua Portuguesa Português é a língua falada no Brasil e é, primeiramente, com ela que pensamos, falamos, brincamos, cantamos e escrevemos. É a

Leia mais

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA Antonio Carlos Pavão Quero saber quantas estrelas tem no céu Quero saber quantos peixes tem no mar Quero saber quantos raios tem o sol... (Da canção de João da Guabiraba

Leia mais

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL Introdução Com frequência as tecnologias digitais estão sendo empregadas pelos educadores em

Leia mais

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Meu nome é Maria Bonita, sou mulher de Vírgulino Ferreira- vulgo Lampiãofaço parte do bando de cangaceiros liderados por meu companheiro.

Leia mais

ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE

ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE Unidade II ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE EDUCAÇÃO INFANTIL Profa. Ana Lucia M. Gasbarro A formação pessoal e social da criança, áreas de conhecimento e desenvolvimento da criança Introdução A importância

Leia mais

Dicas de relacionamento com as pessoas com deficiência

Dicas de relacionamento com as pessoas com deficiência Dicas de relacionamento com as pessoas com deficiência Respeito à Diversidade Devemos respeitar as pessoas exatamente como elas são. O respeito à diversidade humana é o primeiro passo para construirmos

Leia mais

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Criança de 0 a 5 anos Docente do Curso Gilza Maria Zauhy Garms Total da Carga

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSÃO EDUCACIONAL

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSÃO EDUCACIONAL ORIENTAÇÃO PARA A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DA AVALIAÇÃO QUALITATIVA DA APRENDIZAGEM SEMESTRAL Educação Infantil Estimulação Essencial e Pré-Escolar O relatório da Educação Infantil - Estimulação Essencial

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Abril2014

Atividades Pedagógicas. Abril2014 Atividades Pedagógicas Abril2014 II A Jogos As crianças da Turma dos Amigos, desde os primeiros dias de aula, têm incluídos em sua rotina as brincadeiras com jogos de encaixe. Vários jogos estão disponíveis

Leia mais

Orientações a respeito do Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade

Orientações a respeito do Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade Orientações a respeito do Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade Nathália Fernandes Andreza Aparecida Polia Ranielí Gonçalves de Souza Halessandra Medeiros O Transtorno do Déficit de Atenção

Leia mais

AS ATIVIDADES ESPORTIVAS E DE LAZER COMO CONTRIBUIÇÃO PARA A INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE IGARASSU.

AS ATIVIDADES ESPORTIVAS E DE LAZER COMO CONTRIBUIÇÃO PARA A INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE IGARASSU. AS ATIVIDADES ESPORTIVAS E DE LAZER COMO CONTRIBUIÇÃO PARA A INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE IGARASSU. Autora: MARIA JOSÉ CALADO Introdução Diante da necessidade e do direito

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR INTRODUÇÃO Raquel de Oliveira Nascimento Susana Gakyia Caliatto Universidade do Vale do Sapucaí (UNIVÁS). E-mail: raquel.libras@hotmail.com

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual

OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual OS DESAFIOS DA INCLUSÃO ESCOLAR: O método avaliativo do aluno com deficiência intelectual Tuane Telles Rodrigues 1 Letícia Ramires Corrêa 2 Resumo: Durante nossa vida acadêmica estamos em constante aperfeiçoamento,

Leia mais

PRÁTICAS INCLUSIVAS: NA BUSCA DE UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL COM ALUNOS DA APAE NO MUNICÍPIO DE AREIA PB

PRÁTICAS INCLUSIVAS: NA BUSCA DE UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL COM ALUNOS DA APAE NO MUNICÍPIO DE AREIA PB PRÁTICAS INCLUSIVAS: NA BUSCA DE UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL COM ALUNOS DA APAE NO MUNICÍPIO DE AREIA PB Germana Luziana Cardoso do Nascimento; Universidade Federal da Paraíba (UFPB); Germanaluziana@gmail.com

Leia mais

Luísa Cabral 17 de Junho de 2008

Luísa Cabral 17 de Junho de 2008 SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E REABILITAÇÃO DIRECÇÃO de SERVIÇOS de EDUCAÇÃO e APOIO PSICOPEDAGÓGICO SERVIÇO TÉCNICO de APOIO PSICOPEDAGÓGICO CENTRO

Leia mais

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna:

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna: TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão FORMULÁRIO DE AÇÃO DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM 1.1. TÍTULO: CAPACITAÇÃO PARA EDUCADORES DA PRIMEIRA INFÂNCIA,

Leia mais

A POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO E AS IMPLICAÇÕES DE UM

A POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO E AS IMPLICAÇÕES DE UM A POLÍTICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO E AS IMPLICAÇÕES DE UM NASCIMENTO PREMATURO Francisca Daniela de Morais Roberto moraisfrancisca@bol.com.br Regina Célia Pinheiro da Silva Orientadora UNITAU regcps@yahoo.com.br

Leia mais

A CHILDHOOD AUTISM RATING SCALE (CARS)

A CHILDHOOD AUTISM RATING SCALE (CARS) A CHILDHOOD AUTISM RATING SCALE (CARS) I. Relações pessoais: 1.- Nenhuma evidencia de dificuldade ou anormalidade nas relações pessoais: O comportamento da criança é adequado a sua idade. Alguma timidez,

Leia mais

SÍNDROME DE ASPERGER

SÍNDROME DE ASPERGER Philipe Machado Diniz de Souza Lima CRM 52.84340-7 Psiquiatra Clínico Psiquiatra da Infância e Adolescência Atuação: CAPSI Maurício de Sousa Matriciador em Saúde Mental AP3.3 SÍNDROME DE ASPERGER Síndrome

Leia mais

Educação Especial. 5. O que é a Sala de Recursos Multifuncionais?

Educação Especial. 5. O que é a Sala de Recursos Multifuncionais? Educação Especial 1. Qual a definição de pessoa com deficiência? De acordo com a ONU, pessoa com deficiência é aquela que tem impedimentos de natureza física, intelectual ou sensorial, os quais, em interação

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: ALUNO COM DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA NO ENSINO REGULAR

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: ALUNO COM DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA NO ENSINO REGULAR EDUCAÇÃO INCLUSIVA: ALUNO COM DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA NO ENSINO REGULAR Autoras: Natália Aparecida DAL ZOT, Rafaela Alice HORN, Neusa MARTINI Identificação autores: Acadêmica do Curso de Matemática-Licenciatura

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSÃO EDUCACIONAL TRANSTORNOS GLOBAIS DO DESENVOLVIMENTO

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSÃO EDUCACIONAL TRANSTORNOS GLOBAIS DO DESENVOLVIMENTO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSÃO EDUCACIONAL TRANSTORNOS GLOBAIS DO DESENVOLVIMENTO DEFINIÇÃO Os alunos da área dos Transtornos Globais do Desenvolvimento apresentam

Leia mais

Autismo: papel do Fonoaudiólogo e a Inclusão na escola

Autismo: papel do Fonoaudiólogo e a Inclusão na escola Autismo: papel do Fonoaudiólogo e a Inclusão na escola Palestrantes: Francielle Martins e Julia Tognozzi Orientadoras: Profª Drª Dionísia Ap. Cusin Lamonica e Fga. Ms. Camila da Costa Ribeiro O que é autismo?

Leia mais

O Autismo E O Lúdico

O Autismo E O Lúdico O Autismo E O Lúdico Autora: Lucinéia Cristina da Silva (FEF) * Coautora: Alexandra Magalhães Frighetto (UFMT) * Coautor: Juliano Ciebre dos Santos (FSA) * Resumo: A apresentação desse artigo tem como

Leia mais

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA Uma proposta para aplicação no Programa Mais Educação Izabele Silva Gomes Universidade Federal de Campina Grande UFCG izabelesilvag@gmail.com Orientador (a): Professora

Leia mais

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO CAMILA SONALY QUEIROZ TITO¹ MAÍSE RODRIGUES LÚCIO² O presente artigo tem por objetivo levar educadores da Educação Infantil a repensar sobre as concepções e metodologias

Leia mais

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Camila Turati Pessoa (Universidade Federal de Uberlândia) camilatpessoa@gmail.com Ruben de Oliveira

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais