O IMPACTO DO TRANSTORNO AUTISTA NA VIDA DAS MÃES DOS PORTADORES 1. Hellen Christina Michaelsen Borges 2 Mariana Gonçalves Boeckel 3

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O IMPACTO DO TRANSTORNO AUTISTA NA VIDA DAS MÃES DOS PORTADORES 1. Hellen Christina Michaelsen Borges 2 Mariana Gonçalves Boeckel 3"

Transcrição

1 O IMPACTO DO TRANSTORNO AUTISTA NA VIDA DAS MÃES DOS PORTADORES 1 Hellen Christina Michaelsen Borges 2 Mariana Gonçalves Boeckel 3 RESUMO O presente artigo tem como objetivo apresentar uma investigação acerca do impacto do Transtorno Autista na vida das mães dos portadores. O Transtorno Autista é considerado um transtorno Global do Desenvolvimento, com características graves e comprometedoras. Caracteriza-se por uma intensa dificuldade na interação social e na comunicação, com padrões repetitivos e restritos no comportamento, atividades e interesses. A sobrecarga materna é apontada por diversos autores como sendo uma consequência do próprio transtorno Autista, a qual implica em uma dependência intensa e constante do portador em relação à sua mãe, principal cuidadora. Além disso, outros fatores como a falta de apoio conjugal, a escassez de apoio e o isolamento social contribuem como agravantes para a sobrecarga materna. Participaram deste estudo cinco mães de portadores de Autismo, os quais frequentam uma Escola Especial da Serra Gaúcha/RS. Para a coleta das informações utilizou-se um questionário de dados sócio-bio-demográficos e uma entrevista semiestruturada. Os dados obtidos no questionário foram analisados descritivamente, e realizou-se Análise de Conteúdo das entrevistas, a fim de compreender com maior profundidade os resultados obtidos. Os resultados evidenciaram a indícios de sobrecarga materna, o empobrecimento da rede de apoio social das cuidadoras, e a importante representatividade que a Escola Especial desempenha, tanto no apoio a essas mães, como no tratamento dos portadores de Autismo. Palavras-chave: Autismo. Sobrecarga materna. Rede de apoio social. Escola Especial. INTRODUÇÃO O Transtorno Autista é considerado pelo DSM IV-TR (APA, 2002) um transtorno Global do Desenvolvimento, com características graves e comprometedoras. Esse transtorno caracteriza-se por uma intensa dificuldade na interação social e na comunicação, com padrões repetitivos e restritos no comportamento, atividades e interesses. A presença de uma criança Autista tende a modificar as relações familiares e, em alguns casos, há a possibilidade do rompimento de vínculos (BARBOSA; FERNANDES, 2009). As dificuldades pertinentes ao transtorno devido à sua cronicidade e as condições 1 Artigo de pesquisa apresentado ao Curso de Psicologia das Faculdades Integradas de Taquara (Faccat), como requisito parcial para aprovação na disciplina Trabalho de Conclusão II. 2 Acadêmica do Curso de Psicologia das Faculdades Integradas de Taquara (Faccat). Endereço Postal: Rua Prefeito Waldemar Frederico Weber, 479/307. Gramado/RS. 3 Psicóloga, Mestre em Psicologia Social e da Personalidade (PUCRS), Doutoranda em Psicologia (PUCRS), Docente do Curso de Psicologia das Faculdades Integradas de Taquara (Faccat) e Orientadora do Trabalho de Conclusão. Endereço Postal: Av. Oscar Martins Rangel, 4500 (115), Taquara/RS. 1

2 físicas e mentais dos portadores resultam em uma maior dependência em relação às suas mães (SCHMIDT; DELL AGLIO; BOSA, 2007). Dados de 1990 indicam que o Brasil tem aproximadamente portadores de Autismo. Partindo do pressuposto de que cada família tenha em média quatro membros, pode-se afirmar que são cerca de dois milhões e quatrocentas mil pessoas envolvidas no cuidado ao portador (BRASIL, 1990b). Atualmente não há uma estimativa oficial que indique o número de portadores de Autismo, sendo utilizados dados de pesquisas internacionais como referência (FRAGA, 2010). Schmidt e Bosa (2007) apontam que a mãe é a principal cuidadora dos portadores de Autismo, e por isso está mais propensa ao desenvolvimento de altos níveis de estresse, o que resulta em sobrecarga. A sobrecarga foi identificada em vários estudos (DUARTE; BORDIM; JENSEN, 2001; FÁVERO-NUNES; SANTOS, 2005; SCHMIDT; BOSA, 2007; SCHMIDT; DELL'AGLIO; BOSA, 2006), especialmente por resultar em agravos na saúde física e psicológica das mães (SCHMIDT; BOSA, 2007). Outros fatores que podem contribuir para o surgimento da sobrecarga são: a falta de apoio conjugal, o excesso de cuidados com o filho, o isolamento social e a escassez de apoio social (SCHMIDT; BOSA, 2007). Partindo disso, o presente artigo objetiva apresentar resultados de uma investigação qualitativa sobre o impacto da sobrecarga na vida das mães dos portadores de Autismo. 1 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 1.1 A formação do vínculo mãe-bebê e sua complexidade Todas as espécies possuem capacidade própria para viver em ajustamento no ambiente ao qual pertencem. A família nuclear é uma unidade social básica, e em todos os mamíferos, incluindo o homem, aparece um tipo de cuidado, denominado cuidado maternal. Boa parte do comportamento maternal ocupa-se em aproximar a mãe do seu filho, e para diminuir a distância que há entre eles, ela o retém em estreito contato físico, ou o mantém próximo do seu campo visual ou auditivo (BOWLBY, 2002). O termo apego, portanto, pode ser considerado como a busca e a manutenção da proximidade de um indivíduo com outro. Uma criança, por exemplo, quando tem ao seu alcance uma figura de apego, vivencia sentimentos de segurança e tranquilidade. E, uma possível ameaça de perda, é capaz de gerar uma profunda tristeza e ansiedade na criança (BOWLBY, 2002). 2

3 No mesmo sentido, pode-se entender que a promoção da proximidade depende de sinais, como por exemplo, o sorriso e o choro, que se tornam eficazes para a realização do contato, programando os adultos para responderem de acordo com o sinal emitido. A proximidade depende, então, da relação entre os comportamentos da criança e as respostas dos adultos, demonstrando disponibilidade aos seus sinais (LAMB, 1984). O apego pode ser compreendido também como um sistema biologicamente enraizado na infância humana, e que se desenvolve principalmente durante os três primeiros anos de vida. Em circunstâncias normais, as crianças apresentam mudanças em seu comportamento após a metade do seu primeiro ano, e por volta dos nove meses começam a protestar frente à separação dos seus cuidadores, demonstrando capacidade de discriminá-los de outros adultos estranhos a ela. Quando ativados estressores como cansaço, medo e fome, a criança tem motivação para buscar conforto, segurança e nutrição em suas figuras de apego (ZEANAH; KEYES; SETTLES, 2003). Eles podem ser observados ao longo do ciclo vital. Se há uma resposta materna adequada às necessidades do bebê no início de sua vida, posteriormente haverá possibilidade de formação de outros vínculos sadios, com menor incidência de sentimentos de abandono e tristeza (NASCIMENTO et al., 2006). Nas crianças com diagnóstico de Autismo percebe-se a dificuldade no estabelecimento de relações interpessoais. Este comportamento é peculiar neste transtorno, diferenciando as crianças portadoras de Autismo das demais (SCHWARTZMAN, 1995). 1.2 Sinais clínicos do Autismo De acordo com o DSM IV TR (APA, 2002) o Transtorno Autista pertence ao grupo dos Transtornos Globais do Desenvolvimento. Ele se caracteriza por um acentuado comprometimento no desenvolvimento e nos padrões de comportamento do indivíduo, envolvendo as áreas das relações sociais, da comunicação e um repertório muito restrito nos interesses e atividades. O indivíduo pode apresentar ausência de reciprocidade social e emocional, padrões de comportamento repetitivos e estereotipados, agressividade e impulsividade. Caracterizam o Autismo como um Transtorno Invasivo de Desenvolvimento, com prejuízo severo e profundo em diversas áreas da vida do portador (MARTINS; PREUSSLER; ZAVASCHI, 2002) c. Há uma associação frequente com o retardo mental, e o DSM IV TR (APA, 2002) refere que ele pode variar de leve a severo. Schwartzman (1995) aponta que 3

4 embora o nível de inteligência possa ser variável, os índices indicam que o retardo mental está presente em cerca de 70 a 85% dos casos. As manifestações do Autismo podem variar imensamente, dependendo da idade cronológica e do nível de desenvolvimento do indivíduo. O portador apresenta dificuldade no uso de padrões de interação não verbal, por exemplo, contato visual direto e utilização de gestos e expressões faciais. Apresenta, também, dificuldade na percepção alheia, podendo ignorar até mesmo os irmãos e não reconhecer as necessidades e o sofrimento do outro (APA, 2002). Gadia, Tuchman e Rotta (2004) acrescentam a insistência em determinadas rotinas, a resistência às mudanças e a incapacidade de simbolização. O curso do transtorno Autista é contínuo. O início acontece antes dos três anos de idade, e os pais relatam perceber dificuldade na interação social desde o nascimento ou logo após o mesmo. Os adultos portadores, inclusive os que apresentam elevado nível de funcionamento, continuam demonstrando características típicas do transtorno nas áreas da interação social e comunicação, além de restrições nas atividades e interesses (APA, 2002). 1.3 O luto pelo filho idealizado A família é o primeiro universo das relações sociais e, através da comunicação verbal e não verbal, exerce influência estruturante no desenvolvimento da criança. Ela tem como função oferecer estabilidade social, aceitação, senso de identidade, solidariedade e apoio emocional (CARMIGNANI, 2005). O nascimento de um filho portador de uma doença grave representa a necessidade de alterar os sonhos e as expectativas construídas em torno de um filho saudável. Essas expectativas quando não satisfeitas, as limitações e as imperfeições do filho acabam gerando ansiedade nos pais, levando-os a atravessarem um período de luto. Além disso, a situação envolve outras dificuldades, como por exemplo, a escolha de um cuidador e as necessidades tanto financeiras quanto emocionais (BROWNS, 1995). Sanchez e Batista (2009) apontam que o diagnóstico torna-se um marco importante e gerador de desestabilização familiar e a negociação de novos papéis faz parte da busca pela reacomodação da família frente à nova realidade. Neste sentindo, Sprovieri e Assumpção Jr. (2001) afirmam que o transtorno traz além das consequências para o portador, influência na situação social de todo o grupo familiar e pode gerar um rompimento nas atividades sociais normais. Para o portador, as dificuldades nas relações sociais podem ocasionar problemas de 4

5 conduta, bem como refletir no cotidiano da família, já que todos os membros passariam a viver em função das suas exigências e permanente dependência. O diagnóstico mobiliza na família a necessidade de reorganizar e reajustar situações de vida, e essa difícil experiência se alterna em momentos de aceitação, rejeição, esperança e angústia (PENNA, 2006). Os pais têm que fazer o luto pela perda do filho ideal, para que possam perceber as reais capacidades e potencialidades de sua criança (FÁVERO-NUNES; SANTOS, 2005, p. 367). Glat (1996) ressalta a importância dos pais receberem atendimento e apoio profissional com o intuito de perceberem a existência de sentimentos ambíguos. Assim, poderão dar-se conta do seu desapontamento e dos sentimentos provenientes deste, para que através deste processo, possam vivenciar o luto pelo filho normal esperado e idealizado. Ao mesmo tempo, Bosa (2006) salienta que a demonstração de sentimentos de frustração, raiva e ambivalência fazem parte do processo de adaptação. O processo do luto não ocorre de forma linear, e poderá voltar ao contexto da família em importantes momentos da vida da criança. Esses momentos costumam ser sobrecarregados de desgaste físico, emocional e financeiro devido às maiores exigências do portador para com sua família (GLAT, 1996). 1.4 O Transtorno Autista e os Principais Fatores de Estresse na Família Sprovieri (1995) explica que a família é o primeiro grupo a que o indivíduo pertence, podendo ser considerada uma unidade básica de desenvolvimento, experiências, realizações e, também, de fracassos humanos. Em relação ao Autismo, torna-se necessário compreender a família como uma instituição social significativa, buscando perceber a interação e a dinâmica familiar, já que o transtorno traz consequências internas e externas, afetando os relacionamentos e os vínculos. Schmidt e Bosa (2007) dizem que os comportamentos característicos dos portadores de Autismo associados à severidade do transtorno podem constituir estressores em potencial para os demais membros da família. A relação entre o estresse familiar e o Autismo não ocorre de forma linear baseada em causas e efeitos, e por este motivo, não se pode adotar uma postura reducionista. É importante destacar que cada membro da família tem um papel e funções que refletirão no todo familiar. Se o pai for pouco atuante, há maiores possibilidades de ocorrer sobrecarga materna, devido ao acúmulo de tarefas. Mas, se ele conseguir conviver de forma 5

6 adequada, provavelmente será mais fácil à mãe e aos demais membros da família se adaptarem à realidade. Entretanto, são constantes as situações de rejeição e abandono paterno (CARMIGNANI, 2005). Bosa (2002) salienta que há um alto nível de estresse nas mães de portadores de Autismo. Dentre os fatores apontados como estressores surgem: os cuidados diários com a criança, as listas de espera, os deslocamentos e os custos para atendimentos. Ainda lhe cabe a administração da casa e com essa sobrecarga de tarefas, resta pouco tempo disponível para si própria. A dificuldade de compreender a criança, os rituais e estereotipias levam-na ao isolamento social, inclusive de amigos e familiares, e denunciam a cronicidade deste transtorno. Essas características são apontadas como motivo de queixa e dor para essas mães. Fávero-Nunes e Santos (2005) e Serra (2010) complementam referindo que a mãe é a pessoa que passa mais tempo com o filho portador de Autismo, assim, além de assumir os cuidados com ele, exerce várias outras funções, o que gera diversos prejuízos, inclusive em sua carreira profissional e acadêmica. O estresse familiar não se deve apenas à excessiva demanda de cuidados, mas às estratégias utilizadas pela família para lidar com as dificuldades provenientes desta situação. No entanto, vivenciar os estressores de forma continua pode vir a afetar a autoeficácia do casal em relação às suas habilidades parentais (SCHMIDT; BOSA, 2007). O sentimento de pertencimento social pode ser favorecido através da formação de uma rede com diálogo aberto e compreensão mútua. Os profissionais envolvidos no tratamento podem ajudar a avaliar, tanto as situações estressantes quanto os recursos disponíveis para solucionar os problemas, partindo do pressuposto que as famílias podem ser auxiliadas a se tornarem mais resilientes (SCHMIDT; BOSA, 2007). 1.5 Rede de Apoio Social O apoio social pode ser considerado a partir de uma relação interpessoal, onde os indivíduos demonstram disponibilidade, preocupação e interesse pelo outro, valorizando-o e assistindo-o com os recursos próprios disponíveis (FONSECA; MOURA, 2008). Compreende-se a rede social como as relações sociais e suas características morfológicas e transacionais (MARTINS, 2005). Guadalupe (2001) considera que a rede social é formada pelo indivíduo e por todas as outras pessoas com quem ele interage, sendo que cada membro desta rede cumpre determinada função. Ressalta a importância de que sejam feitos 6

7 investimentos no cuidador primário através do apoio efetivo, possibilitando a ele a aquisição de competências, a fim de que consiga lidar com os seus problemas cotidianos. A qualidade na rede de suporte social pode servir como forma de sustentação para as mães (PENNA, 2006). Os suportes sociais são fatores importantes para a adequação dos comportamentos maternos em relação ao filho (DRESSEN; BRÁZ, 2000). No contexto familiar existem situações que variam entre momentos de bem-estar e de crise, e a instabilidade surge quando a doença está presente (FONSECA et al., 2004). No caso do Autismo, a família sente-se impotente no seu papel de socializadora e incapaz de realizar o que é socialmente esperado e aprovado. Além de conviver com dificuldades internas, como a cronicidade da doença, os sintomas que causam constrangimento social, o rompimento dos vínculos e das atividades normais da família, ainda há as forças sociais externas. Muitas vezes os vizinhos, amigos e outros parentes, contribuem negativamente, sugerindo e questionando tratamentos, causando tensões e gerando maior desgaste emocional (SCHWARTZMAN, 1995). Messa (2010) complementa que as doenças crônicas podem ser consideradas permanentes e incuráveis, e normalmente é a família quem está mais próxima das vivências do paciente. Devido às necessidades de cuidados que o paciente possui, a família necessita de uma reorganização, e isso resulta em uma alteração nos papéis e funções que passam a ser repensadas e distribuídas de forma que ele seja auxiliado neste doloroso processo de adoecer. O medo com relação ao futuro, o sofrimento e a culpa costumam permear a relação entre a mãe e a criança. Para que o vínculo se institua, o apoio do companheiro e o suporte social e emocional mostram-se importantes fatores (CASTRO; PICCININI, 2002). O sentimento de pertencimento a uma rede de apoio social passa pela comunicação e compreensão mútua. Os profissionais que trabalham com essas famílias além de auxiliá-las nas situações de enfrentamento do estresse, devem auxiliá-las a buscar recursos para a solução dos problemas que surgem. Há a necessidade de avaliar as crenças que permeiam a família e procurar uma reorganização tanto interna como externa, o que envolve também as relações estabelecidas com a comunidade. Além disso, rever os papéis sociais, as formas de interação e buscar uma maior resiliência familiar são pontos positivos no atendimento a essas famílias (BOSA, 2006). Neste contexto, a família necessita adaptar-se às novas situações que surgem em decorrência das necessidades do membro doente, necessitando desenvolver e utilizar estratégias de enfrentamento. Ademais, pelo fato do Brasil ser um país com grandes 7

8 diferenças econômicas, é necessário considerar a influência dos fatores econômicos e sociais nas dificuldades da família (MESSA, 2010). Complementando, Schmidt e Bosa (2007) salientam a importância da Escola Especial como forma de apoio social. As mães se sentem apoiadas e orientadas por esta instituição, pois ela exerce uma função de proteção por meio de atendimento psicológico, orientações, informações e atendimento grupal. Esse apoio atenua e impede que o estresse materno evolua para fases mais agudas. Neste sentido, percebe-se que a escola é o único espaço social que divide com a família a responsabilidade de educar, oferecendo possibilidades de desenvolvimento social. Ao mesmo tempo, em que é capaz de trazer novas esperanças às famílias, ela colabora no sentido de mostrar para os pais a realidade, evitando as habituais fantasias sobre a cura (SERRA, 2010). De forma geral, pode-se destacar que as redes sociais são formadas através das interações entre seus membros, e essas interações são assinaladas pelo vínculo através das diversas formas de comunicação e da capacidade de organização sobre o fazer. Assim, as relações sociais proporcionam um sentido à vida, favorecem a construção de uma identidade e viabilizam a percepção da existência de suporte social, promovendo o êxito nas ações sociais e no autocuidado (MENESES, 2007). 2 MÉTODO Foi realizada uma pesquisa qualitativa de cunho exploratório com o delineamento de casos múltiplos. Segundo Minayo (2007), a principal fonte de dados utilizada no método qualitativo é a realidade social do sujeito e o conjunto de representações, crenças, valores, significados, interações e atitudes, que fazem parte de sua vida, e que estão relacionadas ao fenômeno a ser investigado. Creswell (2007) refere que o delineamento de casos múltiplos se caracteriza por ocorrer em cenário natural. Este permite uma análise aprofundada nas entrevistas, visando ampliar e detalhar os conhecimentos acerca do tema investigado (GIL, 2010). 2.1 Participantes Participaram deste estudo cinco mães de portadores de Autismo que frequentam uma Escola Especial da Serra Gaúcha/RS. As mães foram selecionadas através de uma amostra de conveniência, tendo em vista a complexidade do transtorno Autista e sua variação 8

9 dentro deste espectro. O diagnóstico foi informado pelos profissionais da Escola Especial, que tiveram como base o registro médico do prontuário. As participantes foram incluídas na amostra de forma progressiva, de modo que a coleta encerrou-se quando as informações começaram a se repetir. Adotou-se como critério de inclusão que os filhos das mães tivessem idades entre 12 e 18 anos, período este que compreende a adolescência segundo o Estatuto da Criança e Adolescente (BRASIL, 1990a). E, como critérios de exclusão, que as mães não tivessem nenhum transtorno mental grave, envolvimento com substancias psicoativas e/ou terem atravessado um período de separação conjugal nos últimos seis meses. 2.2 Instrumentos Para a coleta de dados utilizou-se um questionário de dados sóciodemográficos (Apêndice A) e uma entrevista semiestruturada (Apêndice B). Os dados sóciodemográficos levantaram informações acerca dos portadores de Autismo e suas mães, sendo estas utilizadas para caracterizar ambos. A entrevista semiestruturada, composta por 19 perguntas abertas, trouxe informações pertinentes ao vínculo da mãe com o filho, a sobrecarga materna e as formas de apoio social desejadas por elas. De acordo com Minayo (2007), a entrevista semiestruturada permite que o participante da pesquisa expresse livremente sua opinião acerca do que lhe foi perguntado, falando sobre seus sentimentos e atitudes diante dos fatos e acontecimentos que envolvem o tema da pesquisa. 2.3 Procedimentos para coleta de dados Após a aprovação do projeto pelo Comitê de Ética da Faccat (Protocolo 711), realizou-se o contato com uma Escola Especial para exposição dos objetivos da pesquisa e procedimentos acerca da coleta de dados. Posterior à aprovação da Instituição e indicação de participantes pela Psicóloga, estabeleceu-se contato telefônico para agendamento das entrevistas. As entrevistas foram realizadas pela própria pesquisadora na Escola Especial, sendo primeiramente apresentado e lido o TCLE (Termo de Consentimento Livre e Esclarecido) (Apêndice C). As entrevistas foram gravadas em áudio, com a duração média de uma hora. 9

10 2.4 Procedimentos para análise dos dados Em um primeiro momento realizou-se a análise descritiva dos dados sóciodemográficos. Em seguida, as informações obtidas na entrevista semiestruturada foram submetidas à Análise de Conteúdo (BARDIN, 1977; OLABUENÁGA, 1999), a qual propõe que o material seja submetido a leituras e releituras, e categorizado em unidades de significado. 3 ANÁLISE E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS 3.1 Características sociodemográficas das mães dos portadores de Autismo Participaram do presente estudo cinco mães de portadores de Autismo. A idade média foi de 45,8 anos (DP: 4,26), com idades que compreenderam dos 42 aos 53 anos. Com relação ao estado civil, todas as mães eram casadas, e uma delas estava no segundo casamento. Quanto à escolaridade, uma mãe possuía ensino fundamental incompleto, três tinham o ensino médio completo e uma o ensino superior incompleto. Todas as mães consideraram-se do lar, pois cuidavam da casa e do filho em tempo integral. A análise da renda foi calculada com base no salário mínimo, sendo que a renda familiar foi em média de R$ 1428,00 (DP: R$426,69), sendo o mínimo dois salários, e o máximo quatro salários, com quatro pessoas morando em cada residência em todos os casos. Em quatro casos o cônjuge foi citado como sendo o único provedor da renda, e no outro caso, a mãe ajudava na renda familiar trabalhando em casa como costureira, visto que assim conseguia observar e cuidar do filho enquanto trabalhava, além de cuidar do lar. Estas informações acerca da caracterização das mães dos portadores de Autismo deste estudo vão ao encontro com os dados de outras investigações. Na pesquisa de Monteiro et al. (2008), foram entrevistadas 14 mães, a maioria delas era casada, com nível médio de escolaridade, do lar e, portanto, não trabalhavam fora de casa devido à necessidade de cuidarem constantemente do filho portador de Autismo. Em Schmidt, Dell Aglio e Bosa (2007), dentre 30 mães, a maioria, também, era casada e não trabalhavam fora de casa, sendo os pais os únicos provedores da renda familiar. Torna-se importante ressaltar, que a situação de baixa renda familiar dificulta a vida do portador e da sua família, tornando inviável a contratação de profissionais que seriam necessários para o tratamento do portador ou até mesmo, a contratação de uma profissional (babá) para auxiliar nos cuidados diários com o filho. A mãe, portanto, é a que acaba tendo a responsabilidade pelo cuidado tanto do filho quanto dos afazeres domésticos da casa 10

11 (FÁVERO-NUNES; SANTOS, 2010). Essa realidade acarreta no acúmulo de responsabilidades, e pode levar ao desenvolvimento de quadros de estresse (SCHMIDT; BOSA, 2007). 3.2 Características sociodemográficas dos portadores de Autismo Quanto aos portadores de Autismo, três eram do sexo masculino e dois do sexo feminino, com idades entre 12 e 18 anos (M= 16 anos; DP: 2,82). Todos frequentavam diariamente a Escola Especial, possuíam o ensino fundamental incompleto, e nenhum encontrava-se em processo de inclusão escolar. Sobre a idade de ingresso na Escola Especial, um frequentava a instituição desde os sete meses de idade, outro desde um ano, seguindo-se as idades de três, cinco e sete anos. O DSM IV TR (APA, 2002) aponta que os índices do Autismo são quatro a cinco vezes maior no sexo masculino; da mesma forma, na bibliografia pesquisada, a maioria dos portadores de Autismo era no sexo masculino. Em estudos como os de Fávero-Nunes e Santos (2010) e Schmidt, Dell Aglio e Bosa (2007), os dados foram exclusivamente de portadores de Autismo do sexo masculino. Schmidt e Bosa (2007) obtiveram idade média dos portadores de Autismo semelhante à encontrada neste estudo, referindo inclusive que todos os portadores frequentavam a Escola Especial a mais de 10 anos. Fávero-Nunes e Santos (2010) relatam que dentre as 20 mães entrevistadas, apenas duas referiram que o filho estava em processo de inclusão, constatando a dificuldade de ingresso na rede regular de ensino. Isto pôde ser constatado também neste estudo, visto que nenhum dos portadores está em processo de inclusão escolar. Guzmán-Silva et al. (2002) dizem que são poucas as instituições especializadas para o acompanhamento dos portadores de Autismo, e que infelizmente o governo não incentiva nem fornece recursos para a realização deste trabalho especializado. Com relação à Assistência Médica recebida, três vão ao Neurologista, sendo que em dois casos o atendimento é particular e no outro este é realizado na própria Escola; e quatro vão ao Psiquiatra, sendo três na Escola Especial uma vez por mês, e um no Posto de Saúde a cada dois meses. Todos os portadores fazem uso de medicação psicotrópica, seja antipsicótico, antiepilético, antidepressivo, estabilizador de humor, ansiolítico. Os resultados obtidos no estudo de Schmidt, Dell Aglio e Bosa (2007) aponta que apenas 30% dos portadores recebiam atendimento psiquiátrico. Neste estudo, apenas um portador não recebe atendimento psiquiátrico; no entanto, é acompanhado pelo Neurologista. 11

12 O tratamento medicamentoso é apontado por Assumpção Jr. e Pimentel (2000) como central no tratamento do Autismo, especialmente no que se refere aos sintomas característicos deste transtorno, como agitação, agressividade e irritabilidade. O destaque, no entanto, é que a farmacoterapia não pode ser tida como opção exclusiva do tratamento, mas como facilitadora para as outras opções de tratamento multidisciplinares. Outros profissionais destacados como parte da rede de atendimento dos portadores de Autismo foram: Psicóloga, Assistente Social, Terapeuta Ocupacional e Pedagoga. Na área da Psicologia, três portadores eram atendidos uma vez por semana; na Assistência Social, um portador era atendido uma vez por semana; na Terapia Ocupacional, um portador era atendido uma vez por semana. Os cinco eram alunos da instituição, e recebiam apoio pedagógico nos cinco dias da semana. Esses achados corroboram com a importância do acompanhamento por diversos profissionais. Diante da complexidade do Transtorno Autista, Fávero-Nunes e Santos (2010) salientam a necessidade do acompanhamento do portador por uma equipe multiprofissional. 3.3 O Autismo sobre a ótica das mães dos portadores A análise de conteúdo das entrevistas realizadas segundo Bardin (1977) e Olabuenága (1999) possibilitou a categorização do conteúdo em 19 categorias de análise, que posteriormente foram analisadas e decompostas em subcategorias. A Tabela 1 apresenta as categorias e subcategorias analisadas. Tabela 1: Descrição das Categorias e Subcategorias referentes à Entrevista Semiestruturada CATEGORIAS SUBCATEGORIAS 1 GESTAÇÃO 1.1 Problemas de saúde da mãe Refere-se ao período da...foi bem sofrida a gravidez... gestação da mãe do portador...eu tive três gestações, nas três tive pré-eclampsia... de Autismo. 1.2 Sentimentos 2 NASCIMENTO Refere-se ao momento do nascimento e os primeiros dias de vida do portador de Autismo. 3 DESENVOLVIMENTO Refere-se ao desenvolvimento do portador de Autismo....eu passei um período meio triste Problemas de saúde do bebê...nasceu pelo pezinho, teve asfixia, convulsão......ele ficou 33 dias na UTI Dentro da normalidade/esperado...foi tranquilo, foi tudo normal, a cesárea, o pós-nascimento. Ele nasceu bem, tudo bem Sugar...sugar o bico foi uma vitória Relação com as fezes...o cocô foi complicado, tinha episódios dela passar a mão, passar na roupa de cama, nas paredes......usou fraldas até os 4 anos, porque ele tinha medo de banheiro Problemas de saúde...ela ficou 90 dias na UTI... A médica só vinha me dizer, o quadro tá ruim, tu tem que te preparar. E aí, como é que a gente se prepara pra uma 12

13 4 DIFERENTE Refere-se ao momento que a mãe percebeu que seu filho mostrava-se diferente das outras crianças. 5 COMO FOI SABER DO AUTISMO Refere-se à forma como a família ficou sabendo do diagnóstico de Autismo. 6 REAÇÃO DA FAMÍLIA Refere-se à forma como a família reagiu diante do diagnóstico de Autismo. filha tua morrer? Não tem como Tônus muscular...ela era toda molinha Linguagem...falou mãe e pai logo Agitação...desde muito cedo eu já via nele a hiperatividade, de muito, muito, muito agitado... isso desde que ele nasceu Gritos...antes dos três anos ele já gritava demais Relação com os brinquedos...jogava os brinquedos fora pela janela, ele não queria saber de brinquedos Estereotipia...teve a fase da sacolinha, ele só balançava a sacolinha. O meu pátio era branco de sacolinha, porque ele balançava e rasgava a sacolinha Interação...a gente tentava contato com ela e ela resistia muito......quando ele tinha uns dois anos e meio eu notava que ele não ficava muito junto com as outras crianças... ele não participava, gostava de ficar mais isolado Apatia...ela era muito quietinha......na festinha de 1 aninho para poucas crianças, ele não bateu palmas Convulsões...com 5 meses já teve convulsões......com 9 meses ela fazia um beicinho e saia água dos olhos, eu nunca imaginei que isso podia ser uma convulsão Comparação com outras crianças...aí a gente vai percebendo, que os outros vão indo, e a tua vai bem devagar Incompreensão do Transtorno Autista...demorou muito, eu só sabia que ela tinha um retardo......foi difícil entender Dificuldade na aceitação...foi difícil aceitar porque a gente não sabe o que fazer, como vai reagir, o que fazer com o comportamento dele, porque é bem diferente do costumado com as crianças Não fornecimento de informação para a família extensa...eu nem sei se todas as pessoas da minha família sabem que é Autismo o que ela tem Sentimentos Choque...foi bem chocante pra mim e pro pai Difícil...difícil, muito difícil. Difícil pela dor. Foi muito difícil que eu cheguei em casa e juntei as roupinhas dela e botei numa bolsa, como se eu quisesse me livrar daquilo, como se eu quisesse me livrar dela Desespero...a gente se desesperou Tristeza...todo mundo ficou muito triste, muito abalado Vergonha...o meu marido não queria que eu contasse pra ninguém, porque sairiam muitos boatos Dificuldade de compreensão...eles têm dificuldade em entender. Não é uma rejeição. Mas eles têm dificuldade de entender Dificuldade de aceitação...a gente se perguntou, porque eu, se eu queria tanto, ele foi planejado, 13

14 7 RELACIONAMENTO DA FAMÍLIA COM O PORTADOR Refere-se ao relacionamento da família extensa com o portador de Autismo. 8 CUIDADORES Refere-se às pessoas que cuidam dos portadores de Autismo. 9 ORGANIZAÇÃO FAMILIAR Refere-se à forma de organização familiar quanto aos cuidados com o portador de Autismo. 10 ROTINA DIÁRIA Refere-se à forma como a mãe auxilia o filho portador de Autismo. 11 DEDICAÇÃO DIÁRIA Refere-se aos cuidados que a mãe dedica diariamente ao filho portador de Autismo. 12 SAIR DE CASA Refere-se às saídas de casa da mãe com o filho portador de Autismo. não foi rejeitado, bem pelo contrário, tem umas perguntas que a gente ainda se faz Ausência de apoio da família extensa...como o problema tá na família mas não tá contigo, pra eles foi mais fácil... mas não adianta, quem enfrenta realmente é o marido e a mulher Dificuldade de aceitação paterna...meu marido ficou a parte, ignorou, ele não aceitava Carinho...eles têm muito carinho por ele... todo mundo colabora no seu ambiente pra que ele se sinta bem Afastamento devido ao preconceito...depois que ele nasceu eles se afastaram mais ainda... eles têm preconceito Ajuda...se eu precisar de ajuda eles vão me ajudar Sem problemas...eu nunca tive problema nem com a minha família nem com a dele Mãe 8.2 Pai 8.3 Tia 9.1 Apoio do cônjuge...ele me ajuda, veste as crianças, pega a bolsa, limpa os óculos dela, ou vai tirando a mesa. De noite ele também cuida dela......meu marido trabalha à noite e de manhã fica em casa pra me ajudar a cuidar do M. e do pequeno Falta de apoio do cônjuge...ele me assessora no momento que eu precisar... é uma coisa mais de socorrer mesmo......isso é um problema sério... isso tudo é comigo Rede de apoio familiar empobrecida...na família não tem ninguém que ajude Higiene...ajudo no banho, tem que ser, ela não sabe se limpar direito, ela não sabe escovar os dentes direito...tem que estar sempre ao lado orientando Vestir-se...troco a roupa, amarro o tênis, oriento o vestir Cuidado...e tem que cuidar, porque ela pode ir para a rua, ela não tem domínio Motivá-lo para levantar...chamo para levantar da cama, senão ele não levanta Dedicação integral...a maior parte do tempo é dedicada para ele......ele tá junto todo o tempo, ele tá sempre me solicitando Tranquilo...ele me acompanha nos lugares... ele é tranquilo Evitação de lugares tumultuados...dentro de um limite vou a qualquer lugar, mas evito lugares tumultuados, e onde ele não possa caminhar Complicado...complicado ele não gosta de muito movimento, de pessoas, ele se irrita com barulho e música alta Impaciência...ele não gosta de ficar muito dentro de um lugar só Constrangimento...ela tem umas manias. Tinha época que perguntava pra todo mundo como era o nome, depois quanto custava as coisas... 14

15 13 COMPORTAMENTOS QUE MAIS INCOMODAM A MÃE Refere-se ao comportamento que mais incomoda a mãe do portador de Autismo. 14 SENTIMENTOS PROVENIENTES DO CUIDAR Refere-se aos sentimentos que envolvem o cuidar do filho portador de Autismo 15 FUTURO Refere-se à perspectiva que a mãe tem sobre o futuro do filho portador de Autismo. 16 TEMPO LIVRE Refere-se ao tempo livre da mãe do portador de Autismo. 17 PREJUÍZO NA SAÚDE DA MÃE Refere-se à saúde da mãe do portador de Autismo. 18 APOIO QUE A MÃE RECEBE Refere-se ao apoio recebido pela mãe do portador de Autismo Manipulação das fezes...pegar o próprio cocô e jogar Possessão...esse grude assim é demais, essa possessão dela pelas pessoas Auto-agressão...quando ele começa a se morder Manipulação dos genitais...manipular os genitais Linguagem...repetir perguntas Irritação...independente da resposta que damos, ela sempre briga Sobrecarga...é muito cansativo......causa muito estresse......eu tenho que estar sempre respondendo......eu tenho que cuidar da casa toda e ainda tem o pequeno Incerteza...é uma coisa bem difícil de se pensar......eu fico pensando quem vai cuidar dele quando eu não estiver mais aqui Evitação...eu nem tenho pensado... antes eu me torturava muito pensando nisso, eu pensava dia e noite Necessidade de auto-preservação materna...eu pretendo estar viva, tudo o que eu penso é isso, é estar bem Trabalho...costurando Trabalho voluntário...trabalhando como voluntária na escola Tarefas do lar...fico em casa fazendo serviço Grupo de mães...é me juntar com as mães no grupo de mães... jogar conversa fora e dividir as dores Saúde física...problema relacionado à mama......hipertensão......fasceíte (inflamação membrana pés Saúde mental...depressão......convulsão......ansiedade Saúde física e mental...fibromialgia por causa do estresse agudo Psicológico...eu tenho a psicóloga na escola Medicamentoso...eu tomo remédio pra depressão, isso me ajuda Familiar...minha família, se eu pedir qualquer coisa eles me ajudam Cônjuge...eu tenho meu marido, ele não tem muito jeito... depois que achei que eu ia morrer ele começou a melhorar, porque senão era tudo comigo Grupo de mães...grupo de mães, não marco nada nesse dia Ausência de apoio...nenhum... 15

16 19 APOIO DESEJADO Refere-se ao apoio desejado pelas mães de portadores de Autismo Atenção ao filho portador de Autismo...tudo que é pra mim eu prefiro pra ele primeiro... eu gostaria de mais atendimentos pra ele, mais atividades, mais oportunidades... hidroginástica, equoterapia, piscina e natação......a escola me dá o atendimento pra minha filha... esse espaço me dá o ar que eu preciso pra continuar Familiar...que alguém da família tirasse ele de casa pra caminhar seria bom Psicológico...apoio psicológico em grupo Financeiro...apoio financeiro para medicação dela e a minha... A primeira categoria refere-se ao período de gestação das mães dos portadores de Autismo. As respostas das mães, em sua grande maioria, apontaram que o período gestacional foi problemático, envolvendo tristeza, depressão e solidão. Corroborando, o tema da segunda categoria, o nascimento do Autista, discorre sobre o nascimento e os primeiros dias de vida do portador de Autismo. Com exceção de uma mãe, as demais apontaram graves problemas no momento do parto e logo após este. Os nascimentos foram envolvidos por diversas problemáticas, envolvendo asfixia, convulsão, e internações na Unidade de Tratamento Intensivo, por períodos entre 33 e 90 dias. Não há comprovação na literatura científica de que problemas na gestação ou até mesmo no nascimento sejam a causa do transtorno Autista. As manifestações na primeira infância são muito sutis comparadas com as observadas após os dois anos de idade na criança (APA, 2002). Há alguns tipos de deficiências que a família pode ficar sabendo da sua existência durante a gravidez ou logo após o nascimento com a realização de exames, mas no caso do Autismo a descoberta se dá durante a convivência com a criança no dia-a-dia (SERRA, 2010). O nascimento de um filho portador de uma doença grave representa a necessidade de alterar os sonhos e as expectativas construídas em torno de um filho saudável. Essas expectativas quando não satisfeitas, as limitações e as imperfeições do filho acabam gerando ansiedade nos pais, levando-os a atravessarem um período de luto. Além disso, a situação envolve outras dificuldades, como por exemplo, a escolha de um cuidador e as necessidades tanto financeiras quanto emocionais (BROWNS, 1995). Quanto ao desenvolvimento do portador de Autismo, terceira categoria, evidenciaram-se como subcategorias: o sugar, o controle dos esfíncteres, a coordenação motora, o tônus muscular, a linguagem e problemas de saúde. Silva e Mulick (2009) apontam que apesar do DSM-IV-TR apresentar critérios para o diagnóstico de Autismo, este é um processo complexo, visto que envolve o desenvolvimento e o perfil individual da criança, a 16

17 variação das manifestações, o momento em que começam aparecer os sintomas e as comorbidades. Desta forma, os profissionais envolvidos na avaliação, devem obter informações importantes, interpretando-as de forma criteriosa e cuidadosa. A quarta categoria refere-se ao momento que a mãe percebeu que seu filho mostrava-se diferente das outras crianças. Os dados coletados indicam que desde os primeiros meses de vida, os portadores de Autismo apresentaram problemas na interação social, demonstrando resistência e evitação ao contato; agitação psicomotora; gritos; movimentos estereotipados; apatia e a presença de convulsões. A comparação do filho com outras crianças da mesma faixa etária também faz parte desta categoria, e vem a confirmar a existência de comportamentos e do desenvolvimento diferentes do esperado. Existe um processo gradativo envolvendo os sintomas do transtorno Autista, e desde o nascimento os pais referem que seus bebês desde muito cedo se mostram desinteressados em interagir com outras pessoas e, inclusive, com os próprios pais. (GUZMAN et al., 2002). Como características do transtorno Autista podem-se citar o déficit no contato e na habilidade social, a falta de empatia e comportamento social impróprio. Com relação à comunicação, o grau de dificuldade é variado, incluindo tanto a habilidade verbal quanto a não verbal. Os padrões repetitivos e estereotipados incluem insistência nas rotinas, resistência a mudanças e o não uso do brinquedo enquanto atividade simbólica (GADIA; TCHUMAN; ROTTA, 2004). Os problemas na interação social afetam de certa forma o pensamento, linguagem e o comportamento da criança (GUZMAN et al., 2002). Com relação às convulsões relatadas pelas mães, o DSM IV TR (APA, 2002) refere que estas podem estar presentes em até 25% dos casos de Autismo, não sendo, portanto, critério necessário para o seu diagnóstico. A quinta categoria refere-se sobre como foi saber do Autismo, e traz relatos acerca da forma como a família ficou sabendo do diagnóstico. Apareceram como subcategorias a incompreensão do Transtorno Autista e o não fornecimento de informações acerca deste para a família. Silva e Mulick (2009) afirmam que é necessário a elaboração de modelos e diretrizes norteadoras para a realização do diagnóstico de Autismo no Brasil, assim como na implementação de sistemas de apoio e intervenções tanto para os portadores como para suas famílias. Serra (2010) comenta que quanto mais cedo for feito o diagnóstico de Autismo, mais cedo a criança será encaminhada para a estimulação precoce e poderá receber a ajuda necessária no seu desenvolvimento, no entanto os pais não são encaminhados para tratamento. As informações acerca do Autismo são norteadoras para os pais, visto que 17

18 fornece uma visão real acerca do diagnóstico, prognóstico, possibilidades e também dificuldades do filho. Entretanto, o que se destaca é a imprecisão nos diagnósticos médicos, as consultas rápidas e pouco esclarecedoras. Quanto aos pais não informarem os demais membros da família extensa acerca do diagnóstico do filho, Guzman et al. (2002) destaca que o medo e o constrangimento diante do diagnóstico é comum aos pais de crianças com Autismo. Isto se deve à falta de informações, a pouca experiência e compreensão acerca do transtorno. Neste sentido, é de extrema importância que eles recebam apoio para que possam elaborar seus sentimentos com relação à criança, para que possam auxiliá-la no processo de inclusão social, o qual inicia na família. Diante do recebimento diagnóstico de Autismo, vários tipos de reações da família foram identificados sexta categoria, tais como os sentimentos de choque, aflição, desespero e tristeza. Dificuldade de aceitação e compreensão do transtorno pela família, bem como também pelos pais; e a ausência de apoio da família extensa também foram reações identificadas diante do diagnóstico. Corroborando essas informações, Fávero-Nunes (2009) aponta que ser informado sobre o Autismo, faz com que a família sofra um impacto. Penna (2006) acrescenta que a percepção da diferença do filho e o recebimento do diagnóstico de Autismo, fazem com que exista uma necessidade de reorganização e de ajustamento familiar, experiência esta que oscila entre a aceitação, a rejeição, a esperança e a angústia. O fato do Autismo ser um transtorno com múltiplas causas, com ausência de um componente genético e de difícil diagnóstico, pode gerar um intenso sentimento de culpa nos pais. Após o reconhecimento desses sentimentos, é importante a busca junto aos membros da família de alternativas para o enfrentamento da situação, através de orientações, aconselhamentos e apoio institucional especializado. Neste sentido, torna-se de grande importância para o grupo familiar o desenvolvimento de estratégias de enfrentamento e treinamento de manejo, pois visam o desenvolvimento de melhores habilidades para o domínio e a adaptação nas situações geradoras de estresse (FÁVERO-NUNES; SANTOS, 2005). Sobre o relacionamento da família com o portador de Autismo, sétima categoria, há uma variação sobre a percepção das mães em relação ao tema. Algumas referiram que o filho é tratado com carinho e há possibilidade de recebimento de ajuda nos cuidados, enquanto outras referiram que a família se afastou devido ao preconceito. O Autismo é um problema que afeta tanto o portador como sua família. O fato de ser ainda um transtorno 18

19 incurável faz com que este necessite de acompanhamento por toda a vida e desta forma toda família acaba sendo discriminada (GUZMAN et al., 2002). Assim como o Autista sofre com a exclusão educacional e social, sua família também vivencia essa experiência. Alterações na dinâmica familiar, na conjugalidade, na vida profissional e no dia-a-dia influenciam e afetam tanto a saúde e qualidade de vida do cuidador como também de toda a família (SERRA, 2010). A oitava categoria se refere aos cuidadores dos portadores de Autismo e pode-se observar que todas as respostas indicaram que esta tarefa fica a cargo da mãe. Corroborando com esta informação, na nona categoria, intitulada organização da família pode-se observar que há tanto a presença como também a falta de apoio do cônjuge, e o empobrecimento da rede de apoio familiar. Essas informações corroboram com a bibliografia apresentada quando refere que a mãe é a principal cuidadora dos portadores de Autismo (BOSA, 2006; FÁVERO-NUNES; SANTOS, 2005; SCHMIDT; BOSA, 2007; SERRA, 2010). Monteiro et al. (2008) salientam que as mães têm a difícil tarefa de assumir o cuidado com o filho, e este é muito complexo, pois ambos, passam a viver o mesmo cotidiano. Serra (2010) destaca que em sua pesquisa as mães mencionaram o cansaço e a sobrecarga por não terem com quem dividir os cuidados do filho, além disso, elas passaram a viver a história dos filhos como sendo delas próprias. Segundo Penna (2006) há evidências de que os familiares de portadores de Autismo, vivenciam o estresse e a falta de uma rede de apoio social. Por esse motivo, Bosa (2006) defende que o tratamento para o portador de Autismo envolva as necessidades da criança e as necessidades da família. Além disso, tanto as pessoas que compõem a rede social de apoio da família, como as funções que elas exercem, sofrem alterações de acordo com o tempo histórico, contexto sociocultural e o estágio de desenvolvimento do indivíduo e de sua família enquanto grupo. Por esse motivo, torna-se necessário que os profissionais das várias áreas que trabalham com o aspecto social, considerem as mudanças e a complexidade da rede social da família, tal como os apoios recebidos e percebidos por ela (DRESSEN; BRÁZ, 2000). Desta forma, a rotina diária da mãe, décima categoria, está associada com as atividades de vida diária do portador, como higiene, o vestir-se, a necessidade de cuidado constante e de motivá-lo a sair da cama pela manhã. Percebe-se que a mãe se dedica integralmente ao filho, tema este abordado na décima primeira categoria, intitulada dedicação diária. 19

20 O fato da mãe não ter nenhuma atividade profissional, permanecendo no lar, acaba sendo um indicativo para que ela assuma o papel de cuidadora principal do filho, o que vem a favorecer o aparecimento do estresse materno (SCHMIDT; BOSA, 2007). Schmidt, Dell Aglio e Bosa (2007) confirmaram essas informações, indicando que as principais dificuldades maternas, estão relacionadas com as atividades de vida diária e também com os problemas de comportamento do filho portador de Autismo. Os altos níveis de estresse encontrados nas mães de pessoas com Autismo parecem estar relacionados a fatores como o excesso de demanda de cuidados diretos do filho, isolamento social e escassez de apoio social (SCHMIDT; BOSA, 2007 apud SCHMIDT, 2004). A décima segunda categoria refere-se ao sair de casa com o portador de Autismo. Com exceção de uma mãe que considerou esse sair tranquilo, as outras mães referiram evitar lugares tumultuados, considerando este um fator complicador devido à impaciência e aos comportamentos inadequados do filho, que geram constrangimentos para elas. Evitando determinados lugares, elas também preservam os filhos de preconceitos sociais. Barbosa e Fernandes (2009) pontuam que há uma redução na qualidade das relações sociais das famílias dos portadores de Autismo e, normalmente, elas passam a ocupar uma posição social inferior àquela que desfrutavam anteriormente na sociedade. A décima terceira categoria refere-se aos comportamentos que mais incomodam as mães. Dentre as respostas citadas aparecem: a manipulação das fezes e dos genitais, autoagressão, irritabilidade, ecolalia e possessividade. Schmidt e Bosa (2007) referem que, em relação ao membro portador de Autismo, os estressores familiares podem ser potencializados, devido aos comportamentos comuns e à severidade do Transtorno. A décima quarta categoria refere-se aos sentimentos provenientes do cuidar do filho portador de Autismo. Diante de todas as respostas das mães pode-se perceber indícios da sobrecarga diante dos cuidados com os filhos, organização da casa e dedicação aos demais membros da família. Os estudos indicam que em função da inexistência de um padrão peculiar de respostas do Autista, a sobrecarga maior é a emocional, sendo o prejuízo cognitivo do portador o maior fator de estresse (FÁVERO-NUNES; SANTOS, 2005). As características do transtorno e sua conseqüência, tanto físicas quanto mentais, aumentam a necessidade de acompanhamento e de dependência dos cuidadores, o que pode tornar-se um grave estressor para a família (SCHMIDT; BOSA, 2003). 20

TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR

TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO:

Leia mais

SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2

SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2 SOFRIMENTO PSÍQUICO NA ADOLESCÊNCIA Marcia Manique Barreto CRIVELATTI 1 Solânia DURMAN 2 INTRODUÇÃO: Durante muitos anos acreditou-se que os adolescentes, assim como as crianças, não eram afetadas pela

Leia mais

Transição para a parentalidade após um diagnóstico de anomalia congénita no bebé: Resultados do estudo

Transição para a parentalidade após um diagnóstico de anomalia congénita no bebé: Resultados do estudo 2013 Transição para a parentalidade após um diagnóstico de anomalia congénita no bebé: Resultados do estudo Ana Fonseca, Bárbara Nazaré e Maria Cristina Canavarro Pontos de interesse especiais: Porque

Leia mais

Avaliação. Formulação de Caso BETANIA MARQUES DUTRA. MSc. Psicologia. Esp. Neusopsicologia. Esp.Psicopedagogia. Terapeuta Cognitivo-Comportamental

Avaliação. Formulação de Caso BETANIA MARQUES DUTRA. MSc. Psicologia. Esp. Neusopsicologia. Esp.Psicopedagogia. Terapeuta Cognitivo-Comportamental Avaliação & Formulação de Caso BETANIA MARQUES DUTRA MSc. Psicologia Esp. Neusopsicologia Esp.Psicopedagogia Terapeuta Cognitivo-Comportamental Coordenadora do Curso de TCC Aplicada a crianças e adolescentes

Leia mais

O Capitão Avape contra o Fantasma Autismo

O Capitão Avape contra o Fantasma Autismo O Capitão Avape contra o Fantasma Autismo Esta é a segunda edição do manual sobre o autismo, elaborado pelo Grupo de Saúde Mental da Avape (Associação para Valorização de Pessoas com Deficiência), em parceria

Leia mais

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH:

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH: OQUEÉOTRANSTORNOBIPOLARDO HUMOR(TBH)? O transtorno bipolar do humor (também conhecido como psicose ou doença maníaco-depressiva) é uma doença psiquiátrica caracterizada por oscilações ou mudanças de humor

Leia mais

ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO

ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO ESTUDO DE CASO PSICOPEDAGÓGICO Autora: Suellen Viviane Lemos Fernandes Co-autora: Maria Irene Miranda Bernardes Universidade Federal de Uberlândia suellenped65@hotmail.com Introdução O presente trabalho

Leia mais

Mediação, autismo e educação infantil: Práticas para engajar a criança em atividades Cláudia Sanini Cleonice Alves Bosa Universidade Federal do Rio

Mediação, autismo e educação infantil: Práticas para engajar a criança em atividades Cláudia Sanini Cleonice Alves Bosa Universidade Federal do Rio Mediação, autismo e educação infantil: Práticas para engajar a criança em atividades Cláudia Sanini Cleonice Alves Bosa Universidade Federal do Rio Grande do Sul Eixo Temático: Autismo Introdução: O autismo

Leia mais

Objetivos da SMAM 2013

Objetivos da SMAM 2013 Objetivos da SMAM 2013 1. Conscientizar da importância dos Grupos de Mães (ou do Aconselhamento em Amamentação) no apoio às mães para iniciarem e manterem a amamentação. 2. Informar ao público sobre os

Leia mais

DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA. Silvana C. Maciel UFPB

DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA. Silvana C. Maciel UFPB DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA Silvana C. Maciel UFPB CONCEITO DE DROGA Droga é qualquer substância que, não sendo produzida pelo organismo, tem a propriedade de atuar sobre um ou mais de seus sistemas,

Leia mais

AUTISMO. 3º Encontro Formativo para Profissionais da Educação. Atendimento aos Estudantes com Deficiência na Rede Municipal de Contagem

AUTISMO. 3º Encontro Formativo para Profissionais da Educação. Atendimento aos Estudantes com Deficiência na Rede Municipal de Contagem AUTISMO 3º Encontro Formativo para Profissionais da Educação Atendimento aos Estudantes com Deficiência na Rede Municipal de Contagem Quem somos? Professoras das SRMF / AAE - Contagem Raquel Shirley Stella

Leia mais

PAR. Torne-se um PAR para que sua vida seja ÍMPAR ACELBRA-RJ

PAR. Torne-se um PAR para que sua vida seja ÍMPAR ACELBRA-RJ PAR Torne-se um PAR para que sua vida seja ÍMPAR ACELBRA-RJ PAR Paciente Ativo e Responsável ACELBRA-RJ Ser um PAR celíaco Flávia Anastácio de Paula Adaptação do Texto de Luciana Holtz de Camargo Barros

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Lúcia Peranzoni 1 Fabiana Lacerda da Silva 2 Resumo: O presente trabalho foi desenvolvido na disciplina Estágio Básico II no segundo semestre de 2011, tendo

Leia mais

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação.

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Introdução Criar um filho é uma tarefa extremamente complexa. Além de amor,

Leia mais

TOC E A INTERFERÊNCIA NA VIDA SOCIAL DO PACIENTE

TOC E A INTERFERÊNCIA NA VIDA SOCIAL DO PACIENTE TOC E A INTERFERÊNCIA NA VIDA SOCIAL DO PACIENTE Laís Rosiak 1 Rebeca Bueno dos Santos ¹ Mara Regina Nieckel da Costa 2 RESUMO O presente artigo apresenta o estudo realizado sobre o Transtorno Obsessivo

Leia mais

Requerimento (Do Sr. Hugo Leal)

Requerimento (Do Sr. Hugo Leal) Requerimento (Do Sr. Hugo Leal) Sugere ao Poder Executivo sejam tomadas providências no sentido de ser exigido a feitura de diagnóstico precoce de autismo em todas as unidades de saúde pública do país,

Leia mais

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição IDENTIFICANDO A DEPRESSÃO Querida Internauta, Lendo o que você nos escreveu, mesmo não sendo uma profissional da área de saúde, é possível identificar alguns sintomas de uma doença silenciosa - a Depressão.

Leia mais

PROJETO DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL JN.M@TOS RNC REDE NOVO CURSO END.: AV. 15 DE NOVEMBRO, N 200 GUARANI PIABETÁ MAGÉ/ RJ www.rnc.org.

PROJETO DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL JN.M@TOS RNC REDE NOVO CURSO END.: AV. 15 DE NOVEMBRO, N 200 GUARANI PIABETÁ MAGÉ/ RJ www.rnc.org. PROJETO DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL JN.M@TOS RNC REDE NOVO CURSO END.: AV. 15 DE NOVEMBRO, N 200 GUARANI PIABETÁ MAGÉ/ RJ www.rnc.org.br ÍNDICE FUNÇÕES E ATRIBUIÇÕES DO CUIDADOR... 01 a 03 CUIDADOR...

Leia mais

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável.

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável. Transtornos mentais: Desafiando os Preconceitos Durante séculos as pessoas com sofrimento mental foram afastadas do resto da sociedade, algumas vezes encarcerados, em condições precárias, sem direito a

Leia mais

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial Eliane Maria Monteiro da Fonte DCS / PPGS UFPE Recife PE - Brasil Pesquisa realizada pelo NUCEM,

Leia mais

COMO AS CRIANÇAS ENFRENTAM SUAS ALTERAÇÕES DE FALA OU FLUÊNCIA?

COMO AS CRIANÇAS ENFRENTAM SUAS ALTERAÇÕES DE FALA OU FLUÊNCIA? COMO AS CRIANÇAS ENFRENTAM SUAS ALTERAÇÕES DE FALA OU FLUÊNCIA? Autores: ANA BÁRBARA DA CONCEIÇÃO SANTOS, AYSLAN MELO DE OLIVEIRA, SUSANA DE CARVALHO, INTRODUÇÃO No decorrer do desenvolvimento infantil,

Leia mais

SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA:

SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: CRENÇAS DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE ACERCA DO CUIDADO DA PESSOA EM SOFRIMENTO MENTAL. Programa de Pós-Graduação em Psicologia Faculdade de Filosofia Ciências

Leia mais

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA Autor: Marusa Fernandes da Silva marusafs@gmail.com Orientadora: Profª. Ms. Mônica Mª N. da Trindade Siqueira Universidade de Taubaté monica.mnts@uol.com.br Comunicação oral:

Leia mais

A NECESSIDADE DA PESQUISA DO DOCENTE PARA UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA INCLUSIVA, PRINCIPALMENTE NA EDUCAÇÃO ESPECIAL E NO TRABALHO COM AUTISTAS

A NECESSIDADE DA PESQUISA DO DOCENTE PARA UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA INCLUSIVA, PRINCIPALMENTE NA EDUCAÇÃO ESPECIAL E NO TRABALHO COM AUTISTAS XXII Semana de Educação da Universidade Estadual do Ceará 31 de agosto a 04 de setembro de 2015 A NECESSIDADE DA PESQUISA DO DOCENTE PARA UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA INCLUSIVA, PRINCIPALMENTE NA EDUCAÇÃO ESPECIAL

Leia mais

Um pouco mais sobre desenvolvimento social e os Transtornos do Espectro Autista

Um pouco mais sobre desenvolvimento social e os Transtornos do Espectro Autista Um pouco mais sobre desenvolvimento social e os Transtornos do Espectro Autista www.infanciaeadole scencia.com.br O desenvolvimento social ocorre ao longo de todas as etapas do ciclo vital. Entretanto,

Leia mais

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA)

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA) TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA) SERVIÇO DE PSIQUIATRIA HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE (HCPA) DEPARTAMENTO DE PSIQUIATRIA UNIVERSIDADE

Leia mais

CUIDAR DE CUIDADORES: PROGRAMA DE TREINAMENTO PARA CUIDADORES DE IDOSOS DEPENDENTES

CUIDAR DE CUIDADORES: PROGRAMA DE TREINAMENTO PARA CUIDADORES DE IDOSOS DEPENDENTES CUIDAR DE CUIDADORES: PROGRAMA DE TREINAMENTO PARA CUIDADORES DE IDOSOS DEPENDENTES Iuanda Silva Santos, Faculdades Integradas de Patos, yuanda_@hotmail.com; Rúbia Karine Diniz Dutra, Faculdades Integradas

Leia mais

Questionário Sociodemográfico e Clínico

Questionário Sociodemográfico e Clínico Questionário Sociodemográfico e Clínico dados pessoais do sujeito: data: local: contacto telef.: nome: idade: naturalidade: estado civil: S C UF D V outros: escolaridade (nº anos c/ sucesso): habilitações

Leia mais

Classificação de deficiência mental - Evolução do conceito na história

Classificação de deficiência mental - Evolução do conceito na história Classificação de deficiência mental - Evolução do conceito na história Classificação de deficiência mental (1976) 1- Variação normal da inteligência (VNI) QI entre 71e 84 Geralmente sem atraso do DNPM

Leia mais

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Alessandro Alves A pré-adolescência e a adolescência são fases de experimentação de diversos comportamentos. É nessa fase que acontece a construção

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Especial EDUCAÇÃO INCLUSIVA A FAMÍLIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Especial EDUCAÇÃO INCLUSIVA A FAMÍLIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Especial EDUCAÇÃO INCLUSIVA A FAMÍLIA Brasília - 2004 Série: EDUCAÇÃO INCLUSIVA 1. A Fundamentação Filosófica 2. O Município 3 A Escola 4 A Família FICHA TÉCNICA

Leia mais

Equipe: Ronaldo Laranjeira Helena Sakiyama Maria de Fátima Rato Padin Sandro Mitsuhiro Clarice Sandi Madruga

Equipe: Ronaldo Laranjeira Helena Sakiyama Maria de Fátima Rato Padin Sandro Mitsuhiro Clarice Sandi Madruga Equipe: Ronaldo Laranjeira Helena Sakiyama Maria de Fátima Rato Padin Sandro Mitsuhiro Clarice Sandi Madruga 1. Por que este estudo é relevante? Segundo o relatório sobre a Carga Global das Doenças (Global

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola Autora: CAMILA SOUZA VIEIRA Introdução A presente pesquisa tem como temática Educação física para Portadores

Leia mais

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1 OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1. Introdução: Compreendendo que a Educação Infantil é uma etapa

Leia mais

HISTÓRIA E PERSPECTIVAS DE VIDA DE ALCOOLISTAS

HISTÓRIA E PERSPECTIVAS DE VIDA DE ALCOOLISTAS HISTÓRIA E PERSPECTIVAS DE VIDA DE ALCOOLISTAS Jéssica Molina Quessada * Mariana Caroline Brancalhão Guerra* Renata Caroline Barros Garcia* Simone Taís Andrade Guizelini* Prof. Dr. João Juliani ** RESUMO:

Leia mais

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com 803 AS CONTRIBUIÇÕES DO LÚDICO PARA O DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL INFANTIL NO CONTEXTO ESCOLAR Rafaela Reginato Hosokawa, Andréia Cristiane Silva Wiezzel Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de

Leia mais

DISTÚRBIOS EMOCIONAIS NA ESCOLA: ALGUMAS CAUSAS E SINAIS

DISTÚRBIOS EMOCIONAIS NA ESCOLA: ALGUMAS CAUSAS E SINAIS DISTÚRBIOS EMOCIONAIS NA ESCOLA: ALGUMAS CAUSAS E SINAIS GISLAINE HOSANA ARAÚJO FERNANDES SAPIENS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS exibidaboutique@gmail.com INTRODUÇÃO A escola é um ambiente onde acontecem

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

O que você deve saber sobre

O que você deve saber sobre O que você deve saber sobre TOC Transtorno Obsessivo Compulsivo Fênix Associação Pró-Saúde Mental 1. O que é TOC? O Transtorno Obsessivo Compulsivo é uma doença mental crônica (transtorno psiquiátrico),

Leia mais

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8 CAPÍTULO 8 Fator emocional O projeto comum de ter filhos, construir a própria família, constitui um momento existencial muito importante, tanto para o homem como para a mulher. A maternidade e a paternidade

Leia mais

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET TRAUMA)

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET TRAUMA) TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET TRAUMA) SERVIÇO DE PSIQUIATRIA HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE (HCPA) DEPARTAMENTO DE PSIQUIATRIA UNIVERSIDADE

Leia mais

Psicose pós-parto. A psicose pós-parto é um quadro de depressão pós-parto mais grave e mais acentuado, pois na psicose pós-parto existe o

Psicose pós-parto. A psicose pós-parto é um quadro de depressão pós-parto mais grave e mais acentuado, pois na psicose pós-parto existe o Psicose pós-parto Pode ir desde uma leve tristeza que desaparece com o passar dos dias até um grau mais grave de depressão onde é necessária uma rápida intervenção médica. Este estágio é chamado de psicose

Leia mais

PREVENIR PRECOCEMENTE A VIOLÊNCIA E O FRACASSO ESCOLAR. Professor Maurice BERGER (Hospital Universitário Saint Etienne, França)

PREVENIR PRECOCEMENTE A VIOLÊNCIA E O FRACASSO ESCOLAR. Professor Maurice BERGER (Hospital Universitário Saint Etienne, França) PREVENIR PRECOCEMENTE A VIOLÊNCIA E O FRACASSO ESCOLAR Professor Maurice BERGER (Hospital Universitário Saint Etienne, França) 1 Trinta anos de experiência num serviço de psiquiatria infantil especializado

Leia mais

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA - APRESENTAÇÃO 1- COMO SURGIU A IDÉIA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 2- O QUE SIGNIFICA INCLUSÃO ESCOLAR? 3- QUAIS AS LEIS QUE GARANTEM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 4- O QUE É UMA ESCOLA

Leia mais

QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: CLASSIFIQUE EM VERDADEIRO (V) OU FALSO (F) AS SENTENÇAS ABAIXO:

QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: CLASSIFIQUE EM VERDADEIRO (V) OU FALSO (F) AS SENTENÇAS ABAIXO: QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: 1. Um tapinha no bumbum não é considerado violência devido ao baixo grau de agressão. 2. A prática sexual com indivíduos menores de 14 anos, com o consentimento

Leia mais

Diversidade e Inclusão na Escola: Necessidades Especiais

Diversidade e Inclusão na Escola: Necessidades Especiais Diversidade e Inclusão na Escola: Necessidades Especiais Ex ore parvulorum veritas A A verdade sai da boca das crianças as. Ditado Latino Inclusão a qualquer custo? Má Inclusão Inferiorização + Aprendizado

Leia mais

O AUTISMO- NA CRIANÇA

O AUTISMO- NA CRIANÇA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MÉRTOLA Escola E,B 2,3 ES\Escola S. Sebastião de Mértola Curso Profissional de Técnico de Apoio Psicossocial- 3ºano Disciplina de Psicopatologia Geral Ano letivo 2013\14 Docente:

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se PEDAGOGIA HOSPITALAR: PERSPECTIVAS PARA O TRABALHO DO PROFESSOR. Bergamo, M.G. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Silva, D.M. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Moreira, G.M. (Curso de Pedagogia,

Leia mais

Cuidados paliativos e a assistência ao luto

Cuidados paliativos e a assistência ao luto Cuidados paliativos e a assistência ao luto O processo de luto tem início a partir do momento em que é recebido o diagnóstico de uma doença fatal ou potencialmente fatal. As perdas decorrentes assim se

Leia mais

Quando o medo transborda

Quando o medo transborda Quando o medo transborda (Síndrome do Pânico) Texto traduzido e adaptado por Lucas Machado Mantovani, mediante prévia autorização do National Institute of Mental Health, responsável pelo conteúdo original

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

INTERSETORIALIDADE E AUTISMO

INTERSETORIALIDADE E AUTISMO INTERSETORIALIDADE E AUTISMO Daniel de Sousa Filho Psiquiatra da Infância e Adolescência Mestre em Distúrbios do Desenvolvimento UPM Introdução Kanner, 1943 Asperger, 1944 Bleuler, 1906 Transtornos do

Leia mais

Como desenvolver a resiliência no ambiente de Recursos Humanos

Como desenvolver a resiliência no ambiente de Recursos Humanos Como desenvolver a resiliência no ambiente de Recursos Humanos Edna Bedani Edna Bedani Mestre em Administração, Pós Graduada em Administração, com especialização em Gestão Estratégica de RH, graduada em

Leia mais

Projeto: Acesso das famílias de mulheres presas ao Programa Bolsa Família no Distrito Federal

Projeto: Acesso das famílias de mulheres presas ao Programa Bolsa Família no Distrito Federal Projeto: Acesso das famílias de mulheres presas ao Programa Bolsa Família no Distrito Federal Coordenação: Debora Diniz Instituições: Universidade de Brasília (UnB) e Anis Instituto de bioética, gênero

Leia mais

1» A revolução educacional e a educação em valores 11

1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Sumário Introdução 9 1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Introdução 12 As causas da revolução educacional 12 O triplo desafio pedagógico 14 Da transmissão à educação 15 O que pretende

Leia mais

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica PORQUE AS CRIANÇAS ESTÃO PERDENDO TODOS OS REFERENCIAIS DE ANTIGAMENTE EM RELAÇÃO ÀS BRINCADEIRAS?

Leia mais

5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças

5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças 5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças Refletir sobre as resposta de saúde e a inclusão da família Relembrar os objetivos das famílias Questionar as

Leia mais

Como aconteceu essa escuta?

Como aconteceu essa escuta? No mês de aniversário do ECA - Estatuto da Criança e do Adolescente, nada melhor que ouvir o que acham as crianças sobre a atuação em Educação Integral realizada pela Fundação Gol de Letra!! Conheça um

Leia mais

Prevenção em saúde mental

Prevenção em saúde mental Prevenção em saúde mental Treinar lideranças comunitárias e equipes de saúde para prevenir, identificar e encaminhar problemas relacionados à saúde mental. Essa é a característica principal do projeto

Leia mais

DEPRESSÃO. O que você precisa saber. Fênix Associação Pró-Saúde Mental

DEPRESSÃO. O que você precisa saber. Fênix Associação Pró-Saúde Mental DEPRESSÃO O que você precisa saber Fênix Associação Pró-Saúde Mental Eu admito que preciso de ajuda, pois sozinho não consigo... (Grupo Fênix: Os 6 Passos para a Recuperação) a 1 Edição São Paulo 2010

Leia mais

1- É importante conhecer os nossos pensamentos?

1- É importante conhecer os nossos pensamentos? DEFEITOS NO PENSAMENTO. E AGORA? Nosso pensamento ocorre de modo contínuo e automático, continuamos produzindo pensamentos até quando dormimos. São eles que determinam se teremos emoções e comportamentos

Leia mais

ADOLESCÊNCIA NORMAL Tamara Santos de Souza (fonte: http://psicologiaereflexao.wordpress.com/)

ADOLESCÊNCIA NORMAL Tamara Santos de Souza (fonte: http://psicologiaereflexao.wordpress.com/) ADOLESCÊNCIA NORMAL Tamara Santos de Souza (fonte: http://psicologiaereflexao.wordpress.com/) Arminda Aberastury foi pioneira no estudo da psicanálise de crianças e adolescentes na América Latina. A autora

Leia mais

Direitos Reservados à A&R - Reprodução Proibida

Direitos Reservados à A&R - Reprodução Proibida Direitos Reservados à A&R - Reprodução Proibida AUTISMO: UMA REALIDADE por ZIRALDO MEGATÉRIO ESTÚDIO Texto: Gustavo Luiz Arte: Miguel Mendes, Marco, Fábio Ferreira Outubro de 2013 Quando uma nova vida

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO AMBIENTE NO DESENVOLVIMENTO HUMANO

A INFLUÊNCIA DO AMBIENTE NO DESENVOLVIMENTO HUMANO A INFLUÊNCIA DO AMBIENTE NO DESENVOLVIMENTO HUMANO Roberta Ortiz Furian Palavra-chave: ecologia, ambiente, desenvolvimento Este trabalho tem como objetivo destacar a teoria Ecologia do Desenvolvimento

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO DOS SABERES EXPERIENCIAIS ACERCA DAS EMOÇÕES NAS PRÁTICAS DOS BOLSISTAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA

O DESENVOLVIMENTO DOS SABERES EXPERIENCIAIS ACERCA DAS EMOÇÕES NAS PRÁTICAS DOS BOLSISTAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA O DESENVOLVIMENTO DOS SABERES EXPERIENCIAIS ACERCA DAS EMOÇÕES NAS PRÁTICAS DOS BOLSISTAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA Luciana da Silva Catardo Acadêmica do curso de Ciências Biológicas/Licenciatura na Universidade

Leia mais

Revelação Diagnóstica do HIV A arte de comunicar más notícias Tânia Regina C. de Souza, Karina Wolffenbuttel, Márcia T. F.

Revelação Diagnóstica do HIV A arte de comunicar más notícias Tânia Regina C. de Souza, Karina Wolffenbuttel, Márcia T. F. Revelação Diagnóstica do HIV A arte de comunicar más notícias Tânia Regina C. de Souza, Karina Wolffenbuttel, Márcia T. F. dos Santos A aids é ainda uma doença ameaçadora. Apesar de todos os avanços no

Leia mais

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Educação Inclusiva ALUNO(A):Claudia Maria de Barros Fernandes Domingues MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 NÚCLEO REGIONAL: Rio

Leia mais

REGULAMENTO NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE E ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO - NAAP INSTITUTO MASTER DE ENSINO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS

REGULAMENTO NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE E ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO - NAAP INSTITUTO MASTER DE ENSINO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS REGULAMENTO NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE E ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO - NAAP INSTITUTO MASTER DE ENSINO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS Art. 1º O presente regulamento tem por finalidade normatizar as atividades

Leia mais

Não é o outro que nos

Não é o outro que nos 16º Plano de aula 1-Citação as semana: Não é o outro que nos decepciona, nós que nos decepcionamos por esperar alguma coisa do outro. 2-Meditação da semana: Floresta 3-História da semana: O piquenique

Leia mais

www.aamparaautismo.org.br - aamparaautismo@yahoo.com.br (41) 8416-9537 Rua Pres. Carlos Cavalcanti, 598 Centro Curitiba PR

www.aamparaautismo.org.br - aamparaautismo@yahoo.com.br (41) 8416-9537 Rua Pres. Carlos Cavalcanti, 598 Centro Curitiba PR www.aamparaautismo.org.br - aamparaautismo@yahoo.com.br (41) 8416-9537 Rua Pres. Carlos Cavalcanti, 598 Centro Curitiba PR ROSIMERE BENITES Dados Pessoais: Casada: Reinaldo Benites Filha: Beatriz Benites

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA E EDUCAÇÃO ESPECIAL: A RELAÇÃO DE PARCERIA ENTRE PROFESSORES QUE TRABALHAM NO MODELO DE ENSINO COLABORATIVO

EDUCAÇÃO FÍSICA E EDUCAÇÃO ESPECIAL: A RELAÇÃO DE PARCERIA ENTRE PROFESSORES QUE TRABALHAM NO MODELO DE ENSINO COLABORATIVO EDUCAÇÃO FÍSICA E EDUCAÇÃO ESPECIAL: A RELAÇÃO DE PARCERIA ENTRE PROFESSORES QUE TRABALHAM NO MODELO DE ENSINO COLABORATIVO Patrícia Santos de Oliveira¹ Melina Thais da Silva² RESUMO A proposta de trabalho

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias.

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias. PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias. A INCLUSÃO DA CRIANÇA COM SINDROME DE DOWN E SEU PROCESSO

Leia mais

TERAPIA OCUPACIONAL PADRÃO DE RESPOSTA

TERAPIA OCUPACIONAL PADRÃO DE RESPOSTA TERAPIA OCUPACIONAL PADRÃO DE RESPOSTA QUESTÃO 38 Rosa está com 56 anos de idade e vive em um hospital psiquiátrico desde os 28 anos de idade. Em seu prontuário, encontra-se que ela é doente mental desde

Leia mais

FAMÍLIA X ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DA PARTICIPAÇÃO NAS TOMADAS DE DECISÕES

FAMÍLIA X ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DA PARTICIPAÇÃO NAS TOMADAS DE DECISÕES FAMÍLIA X ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DA PARTICIPAÇÃO NAS TOMADAS DE DECISÕES Erika Alencar de Moura 1 ; Ângela Maria da Silva 2 ; Nailde Gonçalves da Silva 3 ; Maria dos Prazeres Albuquerque 4 ; Luciana Maria

Leia mais

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL.

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. ÁREA TEMÁTICA: Enfermagem O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. CARVALHO, Sancherleny Bezerra de. Acadêmica do 6º período

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Conhecendo e compartilhando com Rosário e a rede de saúde

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. Conhecendo e compartilhando com Rosário e a rede de saúde UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS Faculdade de Ciências Médicas Departamento de Saúde Coletiva Residência Multiprofissional em Saúde Mental e Coletiva Relatório Referente à experiência de Estágio Eletivo

Leia mais

Associação Lar do Neném

Associação Lar do Neném Criança Esperança 80 Associação Lar do Neném Recife-PE Marília Lordsleem de Mendonça Abraço solidário Todas as crianças são de todos : esse é o lema do Lar do Neném, uma instituição criada há 26 anos em

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

Resultados 62 Resultados 63 Resultados 64 Resultados 65 Resultados 66 Discussão 67 4. DISCUSSÂO Até a década de 70, os estudos e os modelos de tratamento eram estruturados e embasados nas características

Leia mais

TRABALHO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DE UMA ESCOLA INCLUSIVA. Profa. Maria Antonia Ramos de Azevedo UNESP/Rio Claro. razevedo@rc.unesp.

TRABALHO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DE UMA ESCOLA INCLUSIVA. Profa. Maria Antonia Ramos de Azevedo UNESP/Rio Claro. razevedo@rc.unesp. TRABALHO PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DE UMA ESCOLA INCLUSIVA Profa. Maria Antonia Ramos de Azevedo UNESP/Rio Claro. razevedo@rc.unesp.br O que é educação inclusiva? Inclusão é um processo de aprendizagem

Leia mais

Dedico este livro a todas as MMM S* da minha vida. Eu ainda tenho a minha, e é a MMM. Amo-te Mãe!

Dedico este livro a todas as MMM S* da minha vida. Eu ainda tenho a minha, e é a MMM. Amo-te Mãe! Dedico este livro a todas as MMM S* da minha vida. Eu ainda tenho a minha, e é a MMM. Amo-te Mãe! *MELHOR MÃE DO MUNDO Coaching para Mães Disponíveis, www.emotionalcoaching.pt 1 Nota da Autora Olá, Coaching

Leia mais

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ JOVEM APRENDIZ Eu não conhecia nada dessa parte administrativa de uma empresa. Descobri que é isso que eu quero fazer da minha vida! Douglas da Silva Serra, 19 anos - aprendiz Empresa: Sinal Quando Douglas

Leia mais

Índice. 1. Definição de Deficiência Motora...3

Índice. 1. Definição de Deficiência Motora...3 GRUPO 5.2 MÓDULO 10 Índice 1. Definição de Deficiência Motora...3 1.1. O Que é uma Deficiência Motora?... 3 1.2. F82 - Transtorno Específico do Desenvolvimento Motor... 4 2 1. DEFINIÇÃO DE DEFICIÊNCIA

Leia mais

A RESPONSIVIDADE DE UMA CRIANÇA COM TRANSTORNO GLOBAL DO DESENVOLVIMENTO EM INTERAÇÃO COM O PAI

A RESPONSIVIDADE DE UMA CRIANÇA COM TRANSTORNO GLOBAL DO DESENVOLVIMENTO EM INTERAÇÃO COM O PAI A RESPONSIVIDADE DE UMA CRIANÇA COM TRANSTORNO GLOBAL DO DESENVOLVIMENTO EM INTERAÇÃO COM O PAI PRISCILA CAMARA DE CASTRO ABREU PINTO psicastro@hotmail.com UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO MARCIA

Leia mais

HABILIDADES SOCIAIS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Maria Luiza Pontes de França Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte

HABILIDADES SOCIAIS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Maria Luiza Pontes de França Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte HABILIDADES SOCIAIS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Maria Luiza Pontes de França Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte Resumo geral: Os estudos na área das habilidades sociais no Brasil têm contemplado

Leia mais

As Mulheres e o Trabalho de Cuidar SÃO PAULO,07 DE NOVEMBRO DE 2014.

As Mulheres e o Trabalho de Cuidar SÃO PAULO,07 DE NOVEMBRO DE 2014. As Mulheres e o Trabalho de Cuidar MYRIAN MATSUO II Seminário de Sociologia da FUNDACENTRO: Condições de Trabalho das Mulheres no Brasil SÃO PAULO,07 DE NOVEMBRO DE 2014. Doutora em Sociologia pelo Departamento

Leia mais

Gtp+ PROGRAMAS E PROJETOS Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo (GTP+) Fundação em 2000, Recife-PE O Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo é a única ONG da Região Nordeste do Brasil coordenada

Leia mais

Evelise Saia Rodolpho Aluna do 10º Termo de Psicologia Prof. Mestre. Luis Santo Schicotti Ana Lígia Pini Guerreiro Psicóloga Escolar Janaína Fernanda

Evelise Saia Rodolpho Aluna do 10º Termo de Psicologia Prof. Mestre. Luis Santo Schicotti Ana Lígia Pini Guerreiro Psicóloga Escolar Janaína Fernanda Evelise Saia Rodolpho Aluna do 10º Termo de Psicologia Prof. Mestre. Luis Santo Schicotti Ana Lígia Pini Guerreiro Psicóloga Escolar Janaína Fernanda Allmeida Marques Profª da Sala de Recursos Os Transtornos

Leia mais

A Guarda Compartilhada

A Guarda Compartilhada A Guarda Compartilhada Maria Carolina Santos Massafera Aluna do curso de pós-graduação em Direito Civil e Processo Civil na Fundação Aprender Varginha, em convênio com o Centro Universitário Newton Paiva.

Leia mais

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão FORMULÁRIO DE AÇÃO DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM 1.1. TÍTULO: CAPACITAÇÃO PARA EDUCADORES DA PRIMEIRA INFÂNCIA,

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física ATIVIDADE FÍSICA ASILAR Departamento de Psicologia e Educação Física 1. INTRODUÇÃO Compreensivelmente, à medida que envelhecemos podemos observar várias mudanças, tanto com relação aos nossos órgãos e

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CRIANÇAS/ADOLESCENTES PARA FINS DE ADOÇÃO INTERNACIONAL (CONTEÚDOS RELEVANTES)

ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CRIANÇAS/ADOLESCENTES PARA FINS DE ADOÇÃO INTERNACIONAL (CONTEÚDOS RELEVANTES) ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CRIANÇAS/ADOLESCENTES PARA FINS DE ADOÇÃO INTERNACIONAL (CONTEÚDOS RELEVANTES) ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CRIANÇAS/ADOLESCENTES PARA FINS

Leia mais

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - Sou so profes r a, Posso m a s n ão parar d aguento m e ai ensinar s? d a r a u la s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A

Leia mais

Folheto Informativo, Vol. 4, n.º 21. idos pais. Associação

Folheto Informativo, Vol. 4, n.º 21. idos pais. Associação Folheto Informativo, Vol. 4, n.º 21. idos pais Associação promoção do desenvolvimento, tratamento e prevenção da saúde mental Associação Edição online gratuita i dos pais. Folheto Informativo. Vol. 4,

Leia mais

Mulheres de rabo de peixe e homens de rosto de cão :

Mulheres de rabo de peixe e homens de rosto de cão : Mulheres de rabo de peixe e homens de rosto de cão : dilemas e soluções contingenciais para evitar a exclusão social na investigação Isabel Estrela Rego & Ana Moura Arroz Métodos Qualitativos em Ciências

Leia mais