A INVESTIGAÇÃO DE SINAIS PRECOCES DE RISCO DE AUTISMO EM BEBÊS COM IRMÃOS AUTISTAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A INVESTIGAÇÃO DE SINAIS PRECOCES DE RISCO DE AUTISMO EM BEBÊS COM IRMÃOS AUTISTAS"

Transcrição

1 A INVESTIGAÇÃO DE SINAIS PRECOCES DE RISCO DE AUTISMO EM BEBÊS COM IRMÃOS AUTISTAS Aluno: Ana Luísa Barbosa Torreão Dáu 1 Orientadora: Carolina Lampreia Introdução Tem havido, na última década, grande ênfase na importância de um diagnóstico precoce do autismo, aos 18 meses de idade. Outras pesquisas ainda indicam a possibilidade de o mesmo ser feito entre 8 e 12 meses. Por isso, desde 2003, o grupo de pesquisa Autismo, Comunicação e Intervenção (existente desde 1998), coordenado pela professora Carolina Lampreia, no departamento de psicologia da PUC-Rio, tem como principais focos a Identificação Precoce do Autismo - buscando encontrar uma metodologia que permita tal identificação entre 0 e 24 meses de idade (Braido, 2006; Lampreia, 2008a; Lampreia & Lima, 2008) e a Intervenção Precoce no Autismo com a criação de um programa de intervenção para crianças entre 2 e 5 anos de idade com suspeita de risco autístico (Fiore-Correia, 2005; Lampreia, 2004; Lampreia, 2007; Lampreia, 2008b). Descrito pela primeira vez em 1943 pelo médico austríaco Leo Kanner, o autismo está contido na categoria de Transtornos Globais do Desenvolvimento de base biológica inata. Ele tem como principal característica uma tríade de prejuízos nas áreas de interação social, comunicação e padrões restritos e repetitivos de comportamentos, interesses e atividades (DSM-IV-TR; Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders, 2002). Disfunções sensoriais também têm sido encontradas em cerca de 70% dos autistas (O Neil & Jones, 1997). Sua etiologia, no entanto, permanece desconhecida e seu spectrum é muito heterogêneo em relação a quadros clínicos ou comportamentais. Desde sua primeira descrição foram mencionados sinais muito precoces do autismo, como falta de contato ocular e movimentos antecipatórios. Entretanto, de acordo com a CID-10 (Classificação Internacional de Doenças), elaborado pela Organização Mundial da Saúde (WHO, 1998) e o DSM-IV-TR (Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders-Revised), feito pela Associação Americana de Psiquiatria (APA, 2002), é somente aos 36 meses de idade que o diagnóstico deve ser 1 Colaborou com a pesquisa a aluna de Iniciação Científica Karin Yasmin Veloso Müller. 1

2 feito. Ambos apresentam itens de avaliação genéricos que não são adequados para o reconhecimento precoce do transtorno. No entanto, a identificação precoce desse transtorno, em bebês que correm o risco de desenvolvê-lo, com o intuito de realizar uma intervenção bastante precoce, pode ter como vantagem recuperar ou minimizar os efeitos do mesmo. Ao mesmo tempo, esta tem a importância de minimizar o sofrimento da família e tornar profissionais, tanto da área da saúde quanto da educação, mais vigilantes para o risco autístico. Atualmente não se pode confirmar a reversão do quadro por conta de programas de intervenção precoce, antes dos cinco anos de idade. Entretanto, autores se referem a evidências crescentes de melhoras no quadro clínico em transtornos de tal espectro (Charman & Baird, 2002). Por conta das evidências, vários pesquisadores vêm procurando desenvolver instrumentos mais precisos e exaustivos. São notáveis alguns com forma de entrevistas (ABI, ADI-R, HBS, CARS), questionários (ABC, Form E-2, CHAT, M-CHAT) ou protocolos de observação (ADOS, PL-ADOS, ADOS-G, CARS, CHAT, ERN, GERN, ECA, ECA-N, ERC/BSE, ERC-N/IBSE). Para avaliação precoce, no entanto, os métodos são poucos. Como estudos já validados e mais utilizados, podem ser citados o ADI-R (Lord, Rutter & Le Courteur, 1994), que consta de uma entrevista com o cuidador do bebê a partir dos 18 meses até idade pré-escolar, e o CHAT (Baron-Cohen, Allen & Gillberg, 1992), devendo ser aplicado aos 18 meses com um questionário de 9 perguntas ao cuidador e 5 itens de observação pediátrica. Nota-se, portanto, que ambos são feitos a partir dos 18 meses, embora se possa pensar em indicadores ainda mais precoces. Um relato retrospectivo dos pais, pesquisas sobre comunicação social pré-verbal no desenvolvimento típico e estudos de vídeos familiares são exemplos. Este último tem permitido o encontro de sinais de risco aos 12 meses de idade (Adrien, Faure, Perrot, Hameury, Garreau, Barthelemy & Sauvage, 1991; Baranek, 1999; Osterling & Dawson, 1994; Osterling, Dawson & Munson, 2002). Há também, desde 2005, pesquisas longitudinais prospectivas que procuram indícios de risco de autismo a partir dos seis meses de idade. Essas pesquisas são realizadas através da observação de bebês que possuem irmãos mais velhos diagnosticados como autistas. A realização desses estudos justifica-se, pois devido à base biológica dos transtornos do espectro autista, há uma prevalência de 3 a 5% entre 2

3 os irmãos de autistas contra 1% na população como um todo (Sumi, Taniai, Miyachi & Tanemura, 2006 citado por Merin, Young, Ozonoff, Rogers, 2007). Tais pesquisas se utilizam, preferencialmente, de categorias discretas de atenção compartilhada, como olhar para o pesquisador, alternância do olhar, apontar e seguir o apontar, que envolvem interações triádicas mãe-bebê-objeto e se desenvolvem entre nove e quinze meses de idade. Estas são consideradas precursores da linguagem e sinalizadoras do autismo. Por outro lado, alguns estudos do desenvolvimento típico da intersubjetividade e da comunicação inicial não verbal, tais como os de Stern (1977; 1992), Hobson (2002) e Bates (1976; 1979), adotam uma metodologia que enfoca a observação dos aspectos qualitativos da passagem de uma habilidade a outra. Estes estudos não apenas registram a aquisição de uma nova habilidade em determinado momento do desenvolvimento, mas descrevem as condições nas quais ela surge em termos das atividades em que a criança está envolvida e a participação do adulto. Eles descrevem, por exemplo, a substituição que a criança faz do gesto para vocalização que já a acompanhava. Nesses estudos dos aspectos qualitativos são observados precurssores das categorias discretas que se encontram nas interações diádicas mãe-bebê, de zero a nove meses de idade, como contingência, reciprocidade, antecipação e alternância de turno. Para tais capacidades, a criança precisa conseguir se engajar afetivamente, o que não parece acontecer em bebês com risco de apresentar o transtorno (Hobson, 2002). Alguns estudos também focam aspectos qualitativos da passagem de uma habilidade a outra, registrando a aquisição das mesmas e descrevendo as condições de surgimento. Portanto, para compreender melhor as falhas iniciais que caracterizam o desenvolvimento do transtorno autístico, é necessário tanto conhecer os aspectos qualitativos e descritivos do desenvolvimento típico, assim como aspectos afetivos da comunicação inicial. Objetivo Tendo como meta encontrar subsídios para uma intervenção mais precoce do autismo, isto é, entre os 12 e 24 meses de idade, a pesquisa visa uma investigação longitudinal do desenvolvimento de interações mãe/adulto-bebê, diádicas e triádicas em crianças com alto risco de desenvolver características autísticas, ou seja, que tenham irmãos com diagnóstico de autismo, comparando-as com outras crianças sem risco de 3

4 autismo, isto é, sem histórico familiar de autismo. Ela também visa a investigação de possíveis disfunções sensoriais. Os pressupostos são que crianças autistas apresentam menos interações sociais com outras pessoas, devido a uma falta de engajamento afetivo e emocional, além de respostas sensoriais atípicas. Assim, busca-se identificar diferenças nas interações desses dois grupos a partir da microanálise de vídeos por categorias discretas e afetivas, pois se espera que os bebês do grupo de risco que se enquadrem no espectro aos dois anos de idade apresentem nos primeiros 12 meses de vida diferenças quanto às categorias discretas e afetivas. Exemplos de contrastes possíveis são menos sorrisos, contato ocular, vocalizações e toque, menos engajamento afetivo e fluxo da interação menos harmonioso. Também são procuradas diferenças nas respostas sensoriais de ambos os grupos. O instrumento utilizado para tal fim será o Test of Sensory Functions in Infants (TSFI, DeGangi & Greenspan, 1989), já que este determina e avalia déficits de processamento sensorial em bebês entre 4 e 18 meses. Espera-se que os bebês que, aos 24 meses recebam o diagnóstico de autismo apresentem respostas sensoriais atípicas de acordo com tal avaliação. Método Participantes Foram recrutados 5 bebês entre 3 e 6 meses de idade que formaram 2 grupos: 1) grupo autismo (AU) 3 bebês que tem um irmão com diagnóstico de autismo, 2) grupo desenvolvimento típico (DT) 2 bebês sem histórico familiar de autismo. O recrutamento foi feito através de associações de pais e amigos de autistas e profissionais que trabalham com esta população. Os objetivos e procedimentos da pesquisa foram explicados a cada responsável pelos bebês que assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido. Critérios de exclusão, para bebê e irmão do bebê: baixo peso ao nascimento (< gr.), prematuridade (< 35 semanas), trauma severo ao nascimento, exposição prénatal a drogas ilícitas e consumo excessivo de álcool, transtorno genético conhecido, retardo mental para os grupos AU e DT, e autismo familiar para o grupo DT. Os irmãos autistas dos bebês foram avaliados quanto ao transtorno autístico através de DSM-IV-TR e CARS (Schopler, Reichler & Renner, 1988) por uma neuropediatra 4

5 com treinamento nos respectivos instrumentos. As mães/cuidadores foram entrevistados quanto à gestação, parto e desenvolvimento do bebê que faz parte da pesquisa. Procedimento Os bebês foram observados e filmados, através de uma filmadora digital, quinzenalmente, até completarem 6 meses de idade e, posteriormente, mensalmente, até completarem 12 meses de idade, em casa, nas seguintes situações: 1) interação face-a-face mãe/adulto-bebê: mãe/adulto dialoga /brinca com bebê à sua frente, a uma distância mínima de 50 cm, por 5 minutos. 2) interação mãe/adulto-bebê-objeto: mãe/adulto dialoga /brinca com bebê à sua frente, à mesma distância mínima, a respeito de objeto, por 5 minutos. 3) avaliação de algumas das seguintes categorias: pedir; seguir o olhar; seguir o apontar; brincar com o outro; olhar referencial; perceber sentimentos; algumas categorias do AOSI (ver objetivo de cada categoria e procedimento em anexo 1) Em seguida está sendo feito o follow-up: filmagens bimestrais aos 14 / 16 / 18 / 20 / 22 / 24 m. Os bebês também foram avaliados quanto a: 1) perfil de desenvolvimento por meio do Autism Observation Scale for Infants (AOSI) de Bryson, Zwaigenbaum, McDermott, Rombough, & Brian (2008), instrumento desenvolvido com o fim de detectar e monitorar sinais precoces de autismo em bebês de alto-risco (com irmãos autistas). Ele inclui 18 itens de observação pontuados em uma escala de 0 a 2 ou 3: [0 função típica; 1 inconsistente; 2 comportamento atípico; 3 ausência de comportamento (1-3 grau crescente de severidade)]. As avaliações estão sendo realizadas aos 6, 12 e 18 meses de idade. 2) possíveis disfunções de processamento sensorial por meio do Test of Sensory Functions in Infants (TSFI) de DeGangi & Greenspan (1989) em 2 sessões de observação: aos 6, 12 e 18 meses de idade. O TSFI possui critérios objetivos distribuídos em 24 itens que englobam os seguintes domínios: reatividade a pressão tátil, integração tátil-visual, função motora adaptativa, controle motor ocular e reatividade a estimulação vestibular. O instrumento é administrado em aproximadamente 20 minutos através da interação do avaliador com o bebê que deve permanecer sentado no colo do responsável, descalço e com os antebraços expostos. O avaliador apresenta diversos estímulos através do material padrão que 5

6 acompanha o instrumento e registra suas reações de acordo com os critérios do TSFI. 3) possíveis características de autismo por meio do CARS e DSM-IV-TR aos 12 e 24 meses. A avaliação através do CARS, que inclui 15 itens de observação, está sendo feita a partir das filmagens e entrevista com o cuidador/mãe seguindo a escala de pontuação do instrumento. 4) possível atraso do desenvolvimento por meio do Bayley, aos 12 e 24 meses. A avaliação inclui itens correspondentes à faixa etária do bebê e seguirá os procedimentos de pontuação do instrumento. Resultados As filmagens foram transferidas para um computador e analisadas a partir das seguintes categorias de análise: 1. Categorias discretas: sorriso (parceiro sorri para o outro ou responde ao sorriso do outro, retribuindo o sorriso imediatamente), contato ocular (parceiro dirige sua atenção visual para o outro e olha diretamente para sua face e nos seus olhos), vocalização (um dos parceiros emite sons). 2. Categorias afetivas: engajamento afetivo: grau de conexão emocional entre o bebê e seu cuidador (García-Perez, Lee & Hobson, 2007). A avaliação será subjetiva e pontuada em 3 níveis: sem conexão emocional, alguma conexão, conexão emocional forte; fluxo da interação: harmonia do intercâmbio entre o bebê e seu cuidador (García-Perez, Lee & Hobson, 2007). A avaliação será subjetiva e pontuada em 3 níveis: intercâmbio mínimo, pouco harmonioso (requer esforço por parte da mãe para fazer com que ocorra intercâmbio), muito harmonioso (intercâmbio relaxado e regular). Em um primeiro momento na análise dos vídeos, foi observado se houve uma solicitação/recrutamento de interação por parte da mãe/cuidador ou do bebê. Caso tenha havido, foi observado se ocorreu um episódio de interação, segundo os seguintes critérios de Stern (1992): bebê (ou mãe/cuidador) apresenta expressão afetiva (sorri, vocaliza, chora); mãe/cuidador (ou bebê) responde; bebê (ou mãe/cuidador) vê, ouve resposta da mãe/cuidador (ou bebê). Para cada solicitação, foi indicado quem fez a solicitação e foram registradas as categorias discretas do solicitante. E para cada 6

7 episódio de interação foram registradas as categorias discretas e afetivas da mãe/cuidador e do bebê. Foram analisadas e levadas em consideração até as três melhores filmagens de cada criança por mês. Serão apresentados dados parciais com relação à análise dos vídeos e testagens dos participantes 2 a 5. O participante 1 ainda não terá seus resultados avaliados por estarem incompletos. Serão comparadas as durações médias de episódios de interação e recrutamento entre os participantes, mensalmente. Também serão apresentadas tabelas com a percentagem de categorias discretas em episódios de interação nas filmagens para cada bebê e adulto, mensalmente. Em figuras, serão ilustradas as conexões emocionais em cada mês do adulto e do bebê e fluxo das interações das díades. Também serão apresentados brevemente os resultados do TSFI, do Bayley, do DSM-IV-TR e CARS e do AOSI. Com relação à duração média de recrutamento e interação (tabela 1 abaixo), pode-se dizer que esta varia bastante em um mesmo participante em cada mês. Tabela 1 Comparação da duração média dos episódios de recrutamento e de interação Idade/Meses Duração P2 P3 P4 P5 Média (segs.) 3 Recrutamento - 23,7 - - Interação - 52, Recrutamento - 18,8 - Interação - 61, Recrutamento - 13,0 11,0 15,3 Interação - 36,2 38,0 17,6 6 Recrutamento 16,2 0,0-31,3 Interação 29,4 282,0-24,7 7 Recrutamento 12, ,3 Interação 8, ,6 8 Recrutamento 13,7-18,6 - Interação 11,4-15,9-9 Recrutamento 9,3 21,7 12,8 - Interação 16,0 42,8 14,0-10 Recrutamento - 12,7 16,0 - Interação - 54,0 14,0-11 Recrutamento 4, Interação 12, Recrutamento 9,0 22,2 - - Interação 29,4 53,

8 Serão discutidos, a seguir, os resultados relativos às categorias discretas dos participantes 2 e 3 (sem-risco) e 4 e 5 (alto-risco) (tabelas 2 a 5 abaixo). Quanto ao participante 2 (P2), observa-se que não há problemas quanto ao contato ocular. Chama atenção a diferença de quantidade de sorrisos e de vocalizações entre o cuidador e o bebê. Tabela 2: Episódios de interação: % categorias discretas para adulto e bebê (P2) Faixa Contato ocular Sorriso Vocalização etária (meses) A B A B A B 6 100,0 100,0 100,0 20,0 100,0 60, ,0 100,0 75,0 62,5 100,0 12, ,0 100,0 80,0 20,0 100,0 60, ,0 75,0 75,0 0,0 100,0 50, ,0 100,0 100,0 100,0 50,0 0, ,0 100,0 80,0 60,0 80,0 40,0 Quanto ao participante 3 (P3), não há problemas quanto ao contato ocular. Este também sorri até mais que seu cuidador nos episódios de interação. Somente há diferença no quesito vocalização, pois este não o faz em todos os episódios. No entanto, geralmente, o faz em mais da metade deles. Tabela 2: Episódios de Interação: % categorias discretas para adulto e bebê (P3) Faixa etária (meses) Contato ocular Sorriso Vocalização A B A B A B 3 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 60, ,0 100,0 100,0 100,0 100,0 60, ,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100, ,0 100,0 100,0 100,0 100,0 0, ,0 100,0 50,0 100,0 75,0 50, ,0 100,0 83,3 100,0 100,0 66, ,0 100,0 60,0 100,0 100,0 60,0 8

9 Quanto ao participante 4 (P4), também não parece haver problemas quanto a contato ocular. Sorri em mais da metade dos episódios, mas, no entanto, chama atenção por vocalizar muito pouco, enquanto seu cuidador vocaliza em todos os episódios. Tabela 2: Episódios de interação: % categorias discretas para adulto e bebê (P4) Faixa etária (meses) Contato ocular Sorriso Vocalização A B A B A B 5 100,0 100,0 100,0 57,1 100,0 57, ,5 100,0 87,5 100,0 100,0 25,0 9 87,5 87,5 87,5 75,0 100,0 25, ,0 100,0 100,0 100,0 100,0 25,0 O participante 5 (P5) não apresenta problemas quanto a contato ocular. Sorri em pelo menos metade dos episódios de interação e, em geral, apresenta vocalização. Tabela 2: Episódios de interação: % categorias discretas para adulto e bebê (P5) Faixa Contato ocular Sorriso Vocalização etária (meses) A B A B A B ,0 100,0 87,5 50,0 100,0 75,0 6 66,7 100,0 66,7 100,0 66,7 33, ,0 100,0 100,0 85,7 100,0 85,7 A seguir, serão apresentados os dados das análises relativas às categorias afetivas: conexão emocional e fluxo da interação (figuras 1 a 8, abaixo). Primeiro, ilustraremos a conexão emocional. A conexão emocional do participante 2 varia entre alguma e forte, sendo, em mais da metade das vezes, alguma, enquanto a de seu cuidador, em geral se mantém forte. 9

10 Sem Alguma Forte 20 0 A B A B A B A B A B A B A B Faixa etária (meses) A adulto; B bebê. Figura 1 Conexão Emocional P2 A conexão emocional do participante 3 varia entre alguma e forte, sendo, em mais da metade das vezes, forte, acompanhando a de seu cuidador que, em geral também se mantém forte. Nos meses 5 e 6 podemos observar que tanto adulto quanto bebê apresentaram conexão emocional forte durante todo o período de interação. 100,0 80,0 60,0 40,0 Sem 20,0 0,0 A B A B A B A B A B A B A B A B A B A B Faixa etária (meses) Alguma Forte Figura 1 Conexão Emocional P3 10

11 A conexão emocional do participante 4 é, na maior parte das vezes, alguma, chegando a ser forte algumas vezes. Já a de seu cuidador tende a se manter forte Sem Alguma Forte 20 0 CA CB CA CB CA CB CA CB CA CB CA CB Figura 3 Conexão Emocional P4 Faixa etária (meses) A conexão emocional do participante 5 varia entre alguma e forte, sendo em sua maioria, forte. Já a de seu cuidador se mantém, na maior parte das vezes, forte Sem Alguma Forte 20 0 CA CB CA CB CA CB Figura 4 Conexão Emocional P Faixa etária (meses) A seguir, serão apresentados os dados relativos ao fluxo da interação adultobebê. 11

12 O fluxo da interação da díade bebê-cuidador referente ao participante 2 varia, principalmente entre fluxo mínimo e pouco harmonioso, alcançando, algumas vezes, um fluxo muito harmonioso Mínimo Pouco Harmonioso Muito Harmonioso Faixa etária (meses) Figura 5 Fluxo da Interação P2 O fluxo da interação do participante 3 varia, mas é, em sua maioria muito harmonioso ou pouco harmonioso, chegando, poucas vezes a ser mínimo. Figura 6 Fluxo da Interação P3 12

13 O fluxo da interação do participante 4 com seu cuidador varia, mas é, em sua maioria, mínimo, chegando a ser pouco harmonioso e muito harmonioso, algumas vezes Mínimo Pouco Harmonioso Muito Harmonioso Faixa etária (meses) Figura 7 Fluxo da Interação P4 O fluxo da interação do participante 5 varia, apresentando-se predominantemente mínimo no mês 5 e muito harmonioso nos meses 6 e Mínimo Pouco Harmonioso Muito Harmonioso Faixa etária (meses) Figura 8 Fluxo da Interação P5 Ainda deverão ser realizadas análises qualitativas para poder compreender porquê o bebê e o adulto apresentam tais níveis de conexão emocional e o fluxo da interação. 13

14 Discussão Deve-se levar em consideração que a pesquisa ainda está em andamento, e, portanto, os resultados apresentados ainda não são conclusivos. Quanto às categorias discretas, chamou atenção o fato de nenhum dos participantes parecer apresentar problemas quanto a contato ocular. Também foi notável a pequena quantidade de sorrisos do participante 2, criança do grupo dos sem-risco. Quanto aos participantes de alto-risco, chamou atenção a pouca vocalização do participante 4 e a sua dificuldade em manter o contato ocular, visto que, no autismo, há prejuízo na área da comunicação e de realização de contato ocular. Nos episódios de interação a conexão emocional, em nenhum dos participantes e em momento algum, foi nenhuma. Nela, o que mais chamou atenção foi o caso do participante 4, por este apresentar na maior parte das vezes alguma conexão emocional, em comparação com os demais que apresentaram, majoritariamente, conexões fortes. O fluxo da interação de todos os participantes variou bastante e o do participante 2 foi, em geral, notavelmente menos harmonioso do que o do participante 3. No entanto, o que mais salta aos olhos é o fluxo das interações do participante 4, o único que, na maior parte das vezes é mínimo. Conclui-se, portanto, que o participante 4, em todas as categorias chama atenção em questões de risco, com pouca vocalização, conexão emocional menor que os demais e menos harmonia no fluxo das interações. Este participante encontra-se no grupo de alto-risco e por isso, esse resultado é bastante relevante. 14

15 Referências Adrien, J.L., Faure, M., Perrot, A., Hameury, L., Garreau, B., Barthelemy, C. & Sauvage, D. (1991) Autism and Family Home Movies: Preliminary Findings. Journal of Autism and Developmental Disorders, 21, 1, Adrien, J.L., Lenoir, P., Martineau, J., Perrot, A., Hameury, L., Larmande, C. & Sauvage, D. (1993) Blind ratings of early symptoms of autism based upon family home movies. Journal of the American Academy of Child Adolescence Psychiatry, 32, 3, Baranek, G.T. (1999) Autism during infancy: A retrospective video analysis of sensorymotor and social behaviors at 9-12 months of age. Journal of Autism and Developmental Disorders, 29, 3, Baron-Cohen, S., Allen, J. & Gillberg, C. (1992) Can Autism be Detected at 18 Months? The Needle, the Haystack, and the CHAT. British Journal of Psychiatry, 161, Bayley, N. (2005) Bayley Scales of Infant and Toddler Development - III. Harcourt Assessment. Braido, M.L.G. (2006) Identificação precoce dos Transtornos do Espectro Autista: Um estudo de vídeos familiares. Dissertação de Mestrado. Departamento de Psicologia - Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Bryson, S.E., Zwaigenbaum, L., McDermott, C., Rombough, V. & Brian, J. (2008) The Autism Observation Scale for Infants: Scale Development and Reliability Data. Journal of Autism and Developmental Disorders, 38, Charman, T. & Baird, G. (2002) Practioner review: Diagnosis of autism spectrum disorder in 2- and 3-year-old children. Journal of Child Psychology and Psychiatry, 43, 3, DeGangi, G.A. & Greenspan, S.I. (1989) Test of Sensory Functions in Infants (TSFI). Los Angeles: Western Psychological Services. DSM-IV-TR (2002) Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais. trad. Dayse Batista, 4. ed. Porto Alegre: Artes Médicas Sul. Fiore-Correia, O.B. (2005) A aplicabilidade de um programa de intervenção precoce em crianças com possível risco autístico. Dissertação de Mestrado. Departamento de Psicologia - Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. García-Pérez, R.M., Lee, A. & Hobson, R.P. (2007) On intersubjective engagement in autism: A controlled study of nonverbal aspects of conversation. Journal of Autism and Developmental Disorders, 37, 7, Hobson, P. (2002) The Cradle of Thought. London: Macmillan. Kanner, L. (1943) Autistic Disturbances of Affective Contact. Nervous Child, 2, Lampreia, C. (2004) Uma perspectiva desenvolvimentista sócio-pragmática para o entendimento do autismo e suas implicações para a intervenção precoce. Em: E.G. Mendes, M.A. Almeida & L.C.A. Williams (Orgs.), Temas em Educação Especial : avanços recentes. (p ). São Carlos - SP: EDUFSCar. Lampreia, C. (2007) A perspectiva desenvolvimentista para a intervenção precoce no autismo. Estudos de Psicologia (Campinas), 24, p Lampreia, C. (2008a) Algumas considerações sobre a identificação precoce no autismo. Em E.G. Mendes, M.A. Almeida e M.C.P.I. Hayashi (orgs.), Temas em Educação Especial: Conhecimentos para fundamentar a prática". (pp ). Araraquara, S.P.: Junqueira&Marin Editores. 15

16 Lampreia, C. (2008b) O processo de desenvolvimento rumo ao símbolo: uma perspectiva pragmática. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 60, 2, Lampreia, C. & Lima, M.M.R. (2008) Instrumento de vigilância precoce do autismo: Manual e Vídeo. Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio; São Paulo: Loyola. Lord C., Rutter M. & LeCouteur A. (1994). Autism Diagnostic Interview Revised: A revised version of a diagnostic interview for caregivers of individuals with possible pervasive developmental disorders. Journal of Autism and Developmental Disorders, 24, Merin, N, Young, G.S., Ozonoff, S. & Rogers, S.J. (2007) Visual Fixation Patterns during Reciprocal Social Interaction Distinguish a Subgroup of 6-Months-Old Infants At- Risk for Autism from Comparison Infants. Journal of Autisn and Developmental Disorders, 37, 1, O'Neil, M. & Jones, R.S.P. (1997) Sensory-perceptual abnormalities in autism: A case for more research? Journal of Autism and Developmental Disorders, 27, 3, Osterling, J. & Dawson, G. (1994) Early Recognition of Children with Autism: A Study of First Birthday Home Videotapes. Journal of Autism and Developmental Disorders, 24, 3, Osterling, J.A., Dawson,G. & Munson, J.A. (2002) Early recognition of 1-year-old infants with autism spectrum disorder versus mental retardation. Development and Psychopathology, 14, Schopler, E., Reichler, R.J. & Renner, B.R. (1988) The Childhood Autism Rating Scale (CARS). Los Angeles, Ca: Western Psychological Services. Stern, D. (1992) O Mundo Interpessoal do Bebê. Uma Visão a partir da Psicanálise e da Psicologia do Desenvolvimento. Porto Alegre: Artes Médicas. Stern, D. N. (1995) The motherhood constellation. A unified view of parent-infant psychotherapy. N.Y.: Basic Books. World Health Organization (1998) International classification of diseases; 10 th revision. Genebra: WHO. 16

A INVESTIGAÇÃO DE SINAIS PRECOCES DE RISCO DE AUTISMO EM BEBÊS COM IRMÃOS AUTISTAS

A INVESTIGAÇÃO DE SINAIS PRECOCES DE RISCO DE AUTISMO EM BEBÊS COM IRMÃOS AUTISTAS Departamento de psicologia A INVESTIGAÇÃO DE SINAIS PRECOCES DE RISCO DE AUTISMO EM BEBÊS COM IRMÃOS AUTISTAS ALUNO: Cecília Foerster Dias Garcia 1 ORIENTADORA: Carolina Lampreia Introdução Na última década,

Leia mais

A Investigação de Sinais Precoces de Risco de Autismo em Bebês com Irmãos Autistas. Aluno: Gilberto Bruzzi Desiderio Orientadora: Carolina Lampreia

A Investigação de Sinais Precoces de Risco de Autismo em Bebês com Irmãos Autistas. Aluno: Gilberto Bruzzi Desiderio Orientadora: Carolina Lampreia A Investigação de Sinais Precoces de Risco de Autismo em Bebês com Irmãos Autistas Aluno: Gilberto Bruzzi Desiderio Orientadora: Carolina Lampreia Introdução O autismo é concebido como um transtorno do

Leia mais

Psicologia Ciência e Profissão ISSN: 1414-9893 revista@pol.org.br Conselho Federal de Psicologia Brasil

Psicologia Ciência e Profissão ISSN: 1414-9893 revista@pol.org.br Conselho Federal de Psicologia Brasil Psicologia Ciência e Profissão ISSN: 1414-9893 revista@pol.org.br Conselho Federal de Psicologia Brasil Lampreia, Carolina Psicologia Ciência e Profissão, vol. 29, núm. 1, 2009, pp. 160-171 Conselho Federal

Leia mais

Comparação entre as respostas do Childhood Autism Rank Scale e do Autism Behavior Checklist de indivíduos com Transtornos do Espectro Autístico.

Comparação entre as respostas do Childhood Autism Rank Scale e do Autism Behavior Checklist de indivíduos com Transtornos do Espectro Autístico. Comparação entre as respostas do Childhood Autism Rank Scale e do Autism Behavior Checklist de indivíduos com Transtornos do Espectro Autístico. Santos, THFS; Balestro, JI; Barbosa, MRB; Amato, CAH; Fernandes,

Leia mais

Limites e Possibilidades da Identificação de Risco de Autismo no Primeiro Ano de Vida

Limites e Possibilidades da Identificação de Risco de Autismo no Primeiro Ano de Vida disponível em www.scielo.br/prc Limites e Possibilidades da Identificação de Risco de Autismo no Primeiro Ano de Vida Limits and Possibilities of Identifying Autism within the First Year of Life Mariana

Leia mais

O DIAGNÓSTICO DOS TRANSTORNOS DO ESPECTRO DO AUTISMO TEA

O DIAGNÓSTICO DOS TRANSTORNOS DO ESPECTRO DO AUTISMO TEA 1 MARIA ELISA GRANCHI FONSECA Psicóloga Mestre em Educação Especial UFSCAR TEACCH Practitioner pela University of North Carolina USA Coordenadora de Curso INFOCO FENAPAES UNIAPAE Coordenadora CEDAP APAE

Leia mais

3 A Afetividade e a capacidade simbólica no autismo

3 A Afetividade e a capacidade simbólica no autismo 3 A Afetividade e a capacidade simbólica no autismo Leo Kanner, psiquiatra infantil, foi o primeiro a definir a síndrome do autismo. Em 1943, publicou o artigo Autistic disturbances of affective contact,

Leia mais

Os estudos prospectivos e retrospectivos de sinais precoces de autismo

Os estudos prospectivos e retrospectivos de sinais precoces de autismo 3 Os estudos prospectivos e retrospectivos de sinais precoces de autismo No capítulo anterior foram discutidas as características das interações diádicas e o repertório com que cada parceiro adulto e bebê

Leia mais

The developmental approach for early intervention in autism

The developmental approach for early intervention in autism A perspectiva desenvolvimentista para a intervenção precoce no autismo The developmental approach for early intervention in autism Carolina LAMPREIA 1 Resumo A intervenção precoce no autismo tem-se tornado

Leia mais

A INTEGRAÇÃO SENSORIAL COMO ABORDAGEM DE TRATAMENTO DE UM ADOLESCENTE NO ESPECTRO AUTISTA

A INTEGRAÇÃO SENSORIAL COMO ABORDAGEM DE TRATAMENTO DE UM ADOLESCENTE NO ESPECTRO AUTISTA A INTEGRAÇÃO SENSORIAL COMO ABORDAGEM DE TRATAMENTO DE UM ADOLESCENTE NO ESPECTRO AUTISTA MATIAS, Rayane CLASSE, Jéssica P. D. CAVALCANTI, Flavia R. R. SILVA, Angela C. D. RESUMO O presente trabalho se

Leia mais

TEA Módulo 3 Aula 2. Processo diagnóstico do TEA

TEA Módulo 3 Aula 2. Processo diagnóstico do TEA TEA Módulo 3 Aula 2 Processo diagnóstico do TEA Nos processos diagnósticos dos Transtornos do Espectro Autista temos vários caminhos aos quais devemos trilhar em harmonia e concomitantemente para que o

Leia mais

O impacto do autismo no desenvolvimento infantil

O impacto do autismo no desenvolvimento infantil Tema Autismo O impacto do autismo no desenvolvimento infantil WENDY L. STONE, PhD LAUREN TURNER, PhD Vanderbilt Centre for Child Development, EUA (Publicado on-line, em inglês, em 24 de agosto de 2005)

Leia mais

A metodologia dos estudos de vídeos familiares

A metodologia dos estudos de vídeos familiares 3 A metodologia dos estudos de vídeos familiares O capítulo anterior foi dedicado à apresentação de estudos que investigaram o desenvolvimento da linguagem, do pensamento e da subjetividade em bebês com

Leia mais

Olívia Balster Fiore-Correia

Olívia Balster Fiore-Correia Olívia Balster Fiore-Correia O papel da conexão afetiva na construção de um programa de intervenção precoce para crianças recém-diagnosticadas autistas ou com risco autístico Tese de Doutorado Tese apresentada

Leia mais

Pense Autismo. A importância do diagnóstico precoce no TEA Transtorno do espectro Autista. Autor: Dr. Marcone Oliveira Médico Neuropediatra

Pense Autismo. A importância do diagnóstico precoce no TEA Transtorno do espectro Autista. Autor: Dr. Marcone Oliveira Médico Neuropediatra Pense Autismo A importância do diagnóstico precoce no TEA Transtorno do espectro Autista Autor: Dr. Marcone Oliveira Médico Neuropediatra Declaração de Responsabilidade e Conflito de Interesse O autor

Leia mais

3 As conexões afetivas no autismo

3 As conexões afetivas no autismo 3 As conexões afetivas no autismo Vimos no capítulo anterior como se processa a conexão afetiva no desenvolvimento típico. A ideia principal é que os bebês já nascem com essa predisposição para se envolver

Leia mais

TÍTULO: ANÁLISE DAS FORMAS DE TRATAMENTOS PARA O TRANSTORNO DE ESPECTRO AUTISTA (TEA)

TÍTULO: ANÁLISE DAS FORMAS DE TRATAMENTOS PARA O TRANSTORNO DE ESPECTRO AUTISTA (TEA) TÍTULO: ANÁLISE DAS FORMAS DE TRATAMENTOS PARA O TRANSTORNO DE ESPECTRO AUTISTA (TEA) CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE ANHANGUERA DE

Leia mais

Roberta Costa Caminha. Autismo: Um Transtorno de Natureza Sensorial? Dissertação de Mestrado

Roberta Costa Caminha. Autismo: Um Transtorno de Natureza Sensorial? Dissertação de Mestrado Roberta Costa Caminha Autismo: Um Transtorno de Natureza Sensorial? Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre pelo Programa de Pós-graduação

Leia mais

2- O Desenvolvimento Típico e o Desenvolvimento da Criança Autista

2- O Desenvolvimento Típico e o Desenvolvimento da Criança Autista 2- O Desenvolvimento Típico e o Desenvolvimento da Criança Autista As interações sociais são primordiais para o desenvolvimento humano e já se encontram nas primeiras relações mãe-bebê. Entretanto, existem

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE OBSERVAÇÃO ESTRUTURADA PARA IDENTIFICAÇÃO DE SINAIS PRECOCES DOS TRANSTORNOS DO ESPECTRO AUTISTA

DESENVOLVIMENTO DE OBSERVAÇÃO ESTRUTURADA PARA IDENTIFICAÇÃO DE SINAIS PRECOCES DOS TRANSTORNOS DO ESPECTRO AUTISTA Universidade Presbiteriana Mackenzie DESENVOLVIMENTO DE OBSERVAÇÃO ESTRUTURADA PARA IDENTIFICAÇÃO DE SINAIS PRECOCES DOS TRANSTORNOS DO ESPECTRO AUTISTA Aluna: Karina Figueira Muro (IC) e Cristiane Silvestre

Leia mais

3 As falhas na conexão afetiva no desenvolvimento de crianças autistas

3 As falhas na conexão afetiva no desenvolvimento de crianças autistas 3 As falhas na conexão afetiva no desenvolvimento de crianças autistas A partir da compreensão da importância da conexão afetiva para o desenvolvimento humano, é possível perceber como falhas nesta habilidade

Leia mais

Fonoaudiologia educacional e autismo: sem comunicação não há inclusão! Autores: PATRÍCIA BLASQUEZ OLMEDO, CÁTIA CRIVELENTI DE FIGUEIREDO WALTER,

Fonoaudiologia educacional e autismo: sem comunicação não há inclusão! Autores: PATRÍCIA BLASQUEZ OLMEDO, CÁTIA CRIVELENTI DE FIGUEIREDO WALTER, Fonoaudiologia educacional e autismo: sem comunicação não há inclusão! Autores: PATRÍCIA BLASQUEZ OLMEDO, CÁTIA CRIVELENTI DE FIGUEIREDO WALTER, Palavras-chave: Autismo, Inclusão Educacional, Barreiras

Leia mais

Da anomia à heteronomia na. Rossano Cabral Lima Psiquiatra infanto-juvenil; mestre e doutorando em Saúde Coletiva (IMS/UERJ)

Da anomia à heteronomia na. Rossano Cabral Lima Psiquiatra infanto-juvenil; mestre e doutorando em Saúde Coletiva (IMS/UERJ) Da anomia à heteronomia na infância Rossano Cabral Lima Psiquiatra infanto-juvenil; mestre e doutorando em Saúde Coletiva (IMS/UERJ) Hipótese mais difundida: indiferenciação primordial entre mãe e bebê

Leia mais

Processo Diagnóstico: CID/DSM/Diagnóstico Diferencial. Módulo 3: Aspectos Diagnósticos

Processo Diagnóstico: CID/DSM/Diagnóstico Diferencial. Módulo 3: Aspectos Diagnósticos + Processo Diagnóstico: CID/DSM/Diagnóstico Diferencial Módulo 3: Aspectos Diagnósticos + Processo Diagnóstico do TEA Suspeita dos pais/cuidadores/professores Avaliação médica e não-médica (escalas de

Leia mais

Transtornos Mentais diagnosticados na infância ou na adolescência

Transtornos Mentais diagnosticados na infância ou na adolescência Pediatria do Desenvolvimento e do Comportamento Transtornos Mentais diagnosticados na infância ou na adolescência Faculdade de Ciências Médicas Prof. Orlando A. Pereira Unifenas Transtorno de Deficiência

Leia mais

Um Bom Começo: Conhecer a Questão do Autismo

Um Bom Começo: Conhecer a Questão do Autismo Um Bom Começo: Conhecer a Questão do Autismo Conceito Incidência Causas do Autismo Manifestações mais comuns O espectro de manifestações autistas Como é feito o diagnóstico de autismo Instrumentos para

Leia mais

Um estudo sobre programas de intervenção precoce e o engajamento dos pais como co-terapeutas de crianças autistas

Um estudo sobre programas de intervenção precoce e o engajamento dos pais como co-terapeutas de crianças autistas Carolina Salviano de Figueiredo Um estudo sobre programas de intervenção precoce e o engajamento dos pais como co-terapeutas de crianças autistas Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito

Leia mais

A Linguagem de crianças nascidas pré-termo e termo na primeira infância

A Linguagem de crianças nascidas pré-termo e termo na primeira infância A Linguagem de crianças nascidas pré-termo e termo na primeira infância Palavras chave: desenvolvimento da linguagem, prematuro, testes de linguagem Introdução O processo de evolução da linguagem se dá

Leia mais

Luísa Cabral 17 de Junho de 2008

Luísa Cabral 17 de Junho de 2008 SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E REABILITAÇÃO DIRECÇÃO de SERVIÇOS de EDUCAÇÃO e APOIO PSICOPEDAGÓGICO SERVIÇO TÉCNICO de APOIO PSICOPEDAGÓGICO CENTRO

Leia mais

TRANSTORNOS DO ESPECTRO AUTISTA: IMPORTÂNCIA E DIFICULDADE DO DIAGNÓSTICO PRECOCE

TRANSTORNOS DO ESPECTRO AUTISTA: IMPORTÂNCIA E DIFICULDADE DO DIAGNÓSTICO PRECOCE TRANSTORNOS DO ESPECTRO AUTISTA: IMPORTÂNCIA E DIFICULDADE DO DIAGNÓSTICO PRECOCE PESSIM, Larissa Estanislau 1 FONSECA, Profª. Ms. Bárbara Cristina Rodrigues 2 RESUMO Segundo a ONU, o autismo acomete cerca

Leia mais

Clinicamente o autismo é considerado uma perturbação global do desenvolvimento.

Clinicamente o autismo é considerado uma perturbação global do desenvolvimento. Autismo: Definição Causas Conceitos centrais Diagnóstico O QUE É O AUTISMO? O autismo é uma disfunção no desenvolvimento cerebral que tem origem na infância e persiste ao longo de toda a vida. Pode dar

Leia mais

Perturbações do Neurodesenvolvimento e do Comportamento PERTURBAÇÃO DO ESPETRO DO AUTISMO (PEA)

Perturbações do Neurodesenvolvimento e do Comportamento PERTURBAÇÃO DO ESPETRO DO AUTISMO (PEA) Perturbações do Neurodesenvolvimento e do Comportamento PERTURBAÇÃO DO ESPETRO DO AUTISMO (PEA) Caraterização Conclusões Não olha nos olhos, balança o corpo num movimento repetitivo, comunica pouco ou

Leia mais

Evelise Saia Rodolpho Aluna do 10º Termo de Psicologia Prof. Mestre. Luis Santo Schicotti Ana Lígia Pini Guerreiro Psicóloga Escolar Janaína Fernanda

Evelise Saia Rodolpho Aluna do 10º Termo de Psicologia Prof. Mestre. Luis Santo Schicotti Ana Lígia Pini Guerreiro Psicóloga Escolar Janaína Fernanda Evelise Saia Rodolpho Aluna do 10º Termo de Psicologia Prof. Mestre. Luis Santo Schicotti Ana Lígia Pini Guerreiro Psicóloga Escolar Janaína Fernanda Allmeida Marques Profª da Sala de Recursos Os Transtornos

Leia mais

Artigo. A Conexão Afetiva nas Intervenções Desenvolvimentistas para Crianças Autistas

Artigo. A Conexão Afetiva nas Intervenções Desenvolvimentistas para Crianças Autistas 926 926 A Conexão Afetiva nas Intervenções Desenvolvimentistas para Crianças Autistas Affective Connection In Developmental Interventions For Autistic Children La Conexión Afectiva En Las Intervenciones

Leia mais

3 O Desenvolvimento da Linguagem no Autismo

3 O Desenvolvimento da Linguagem no Autismo 3 O Desenvolvimento da Linguagem no Autismo Neste capítulo, trato dos desvios com relação ao desenvolvimento típico da linguagem, no caso específico dos desvios encontrados no autismo. No autismo, há um

Leia mais

Transtorno Invasivo do Desenvolvimento e Atenção Compartilhada. Margareth N. Montenegro

Transtorno Invasivo do Desenvolvimento e Atenção Compartilhada. Margareth N. Montenegro Caderno de Pós-Graduação em Distúrbios do Desenvolvimento Transtorno Invasivo do Desenvolvimento e Atenção Compartilhada Margareth N. Montenegro Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Distúrbios do

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS SILVANA BATISTA GAINO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS SILVANA BATISTA GAINO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS SILVANA BATISTA GAINO LISTA DE VERIFICAÇÃO EM COMUNICAÇÃO E LINGUAGEM PARA TRANSTORNOS DO ESPECTRO AUTÍSTICO SÃO PAULO 2004 SILVANA

Leia mais

Autismo e seu impacto no desenvolvimento infantil

Autismo e seu impacto no desenvolvimento infantil Autismo e seu impacto no desenvolvimento infantil TONY CHARMAN, PhD Instituto de Saúde Infantil, REINO UNIDO (Publicado on-line, em inglês, em 16 de setembro de 2005) (Revisado, em inglês, em 1 o de junho

Leia mais

Pediatria do Desenvolvimento e do Comportamento. Faculdade de Ciências Médicas Prof. Orlando A. Pereira Unifenas

Pediatria do Desenvolvimento e do Comportamento. Faculdade de Ciências Médicas Prof. Orlando A. Pereira Unifenas Pediatria do Desenvolvimento e do Comportamento Faculdade de Ciências Médicas Prof. Orlando A. Pereira Unifenas Genética e Ambiente A combinação de fatores ambientais e genéticos é que determina o produto

Leia mais

Autismo Atualizado: Janeiro 2011

Autismo Atualizado: Janeiro 2011 Autismo Atualizado: Janeiro 2011 Editor do tema : Margaret E. Clarke, MD, University of Calgary, Canadá Tradução: B&C Revisão de Textos Revisão técnica: Vera Regina Fonseca, Sociedade Brasileira de Psicanálise

Leia mais

Revista Educação Especial ISSN: 1808-270X revistaeducaçãoespecial.ufsm@gmail.com Universidade Federal de Santa Maria Brasil

Revista Educação Especial ISSN: 1808-270X revistaeducaçãoespecial.ufsm@gmail.com Universidade Federal de Santa Maria Brasil Revista Educação Especial ISSN: 1808-270X revistaeducaçãoespecial.ufsm@gmail.com Universidade Federal de Brasil Lampreia, Carolina A regressão do desenvolvimento no autismo: Revista Educação Especial,

Leia mais

A Inclusão Educacional de Alunos com Transtornos Invasivos do Desenvolvimento.

A Inclusão Educacional de Alunos com Transtornos Invasivos do Desenvolvimento. A Inclusão Educacional de Alunos com Transtornos Invasivos do Desenvolvimento. Dayse Serra Junia de Vilhena Introdução: cada termo em seu lugar. A proposta de escrever sobre a inclusão educacional dos

Leia mais

Comportamentos Indicativos de Apego em Crianças com Autismo

Comportamentos Indicativos de Apego em Crianças com Autismo disponível em www.scielo.br/prc Comportamentos Indicativos de Apego em Crianças com Autismo Attachment Behaviors in Children with Autism Cláudia Sanini, Gabriela Damasceno Ferreira, Thiago Spillari Souza

Leia mais

2 A Afetividade e o desenvolvimento típico da capacidade simbólica

2 A Afetividade e o desenvolvimento típico da capacidade simbólica 2 A Afetividade e o desenvolvimento típico da capacidade simbólica Este capítulo refere-se à discussão sobre a importância da afetividade para o desenvolvimento da capacidade simbólica humana, em uma perspectiva

Leia mais

PRÁTICAS EDUCACIONAIS NA ABORDAGEM HISTÓRICO CULTURAL PARA ALUNOS AUTISTAS NA ESCOLA ESPECIAL.

PRÁTICAS EDUCACIONAIS NA ABORDAGEM HISTÓRICO CULTURAL PARA ALUNOS AUTISTAS NA ESCOLA ESPECIAL. 1 PRÁTICAS EDUCACIONAIS NA ABORDAGEM HISTÓRICO CULTURAL PARA ALUNOS AUTISTAS NA ESCOLA ESPECIAL. JOSIANE MARIA BONATTO BRAGIN 1 Núcleo de Estudos e Pesquisas: Práticas Educativas e Processos de Interação

Leia mais

Modelos de Intervenção em PEA

Modelos de Intervenção em PEA Braga 2008 1 de Março o de 2008 Modelos de Intervenção em PEA João Teixeira Centro de Estudos e Apoio à Criança a e Família APPDA-Norte Modelos de Intervençao em PEA 1943 Kanner e Asperger identificam

Leia mais

PERTURBAÇÃO DO ESPECTRO DO AUTISMO (PEA)

PERTURBAÇÃO DO ESPECTRO DO AUTISMO (PEA) Sub-departamento de Educação Especial PERTURBAÇÃO DO ESPECTRO DO AUTISMO (PEA) O autismo é uma das mais graves perturbações de desenvolvimento da criança, que resulta numa incapacidade que se prolonga

Leia mais

Autismo: papel do Fonoaudiólogo e a Inclusão na escola

Autismo: papel do Fonoaudiólogo e a Inclusão na escola Autismo: papel do Fonoaudiólogo e a Inclusão na escola Palestrantes: Francielle Martins e Julia Tognozzi Orientadoras: Profª Drª Dionísia Ap. Cusin Lamonica e Fga. Ms. Camila da Costa Ribeiro O que é autismo?

Leia mais

AUTISMO. 3º Encontro Formativo para Profissionais da Educação. Atendimento aos Estudantes com Deficiência na Rede Municipal de Contagem

AUTISMO. 3º Encontro Formativo para Profissionais da Educação. Atendimento aos Estudantes com Deficiência na Rede Municipal de Contagem AUTISMO 3º Encontro Formativo para Profissionais da Educação Atendimento aos Estudantes com Deficiência na Rede Municipal de Contagem Quem somos? Professoras das SRMF / AAE - Contagem Raquel Shirley Stella

Leia mais

De acordo com estudos recentes o autismo é mais freqüente em pessoas do sexo masculino.

De acordo com estudos recentes o autismo é mais freqüente em pessoas do sexo masculino. 1 AUTISMO Autismo é um distúrbio do desenvolvimento que se caracteriza por alterações presentes desde idade muito precoce, com impacto múltiplo e variável em áreas nobres do desenvolvimento humano como

Leia mais

Autismo Cuidados Primários de Saúde

Autismo Cuidados Primários de Saúde 688 dossier: neurodesenvolvimento infantil Autismo Cuidados Primários de Saúde Guiomar Oliveira* RESUMO O autismo é uma perturbação complexa e crónica do neurodesenvolvimento, habitualmente grave e frequente.

Leia mais

O IMPACTO DOS DISTÚRBIOS DE DESENVOLVIMENTO DE LINGUAGEM NA APRENDIZAGEM NOEMI TAKIUCHI*

O IMPACTO DOS DISTÚRBIOS DE DESENVOLVIMENTO DE LINGUAGEM NA APRENDIZAGEM NOEMI TAKIUCHI* O IMPACTO DOS DISTÚRBIOS DE DESENVOLVIMENTO DE LINGUAGEM NA APRENDIZAGEM NOEMI TAKIUCHI* * Professora Adjunta da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, Doutora em Semiótica e Linguística

Leia mais

DIAGNÓSTICO E INTERVENÇÃO PRECOCE NO TRANSTORNO DO ESPECTRO DO AUTISMO: RELATO DE UM CASO

DIAGNÓSTICO E INTERVENÇÃO PRECOCE NO TRANSTORNO DO ESPECTRO DO AUTISMO: RELATO DE UM CASO 4 CAPÍTULO DIAGNÓSTICO E INTERVENÇÃO PRECOCE NO TRANSTORNO DO ESPECTRO DO AUTISMO: RELATO DE UM CASO Cíntia Perez Duarte Psicóloga, Mestre e Doutora em Distúrbios do Desenvolvimento cperezduarte@yahoo.com.br

Leia mais

Equivalência de Estímulos e Autismo: Uma Revisão de Estudos Empíricos 1. Stimulus Equivalence and Autism: A Review of Empirical Studies

Equivalência de Estímulos e Autismo: Uma Revisão de Estudos Empíricos 1. Stimulus Equivalence and Autism: A Review of Empirical Studies Psicologia: Teoria e Pesquisa Out-Dez 2010, Vol. 26 n. 4, pp. 729-737 Equivalência de Estímulos e Autismo: Uma Revisão de Estudos Empíricos 1 Camila Graciella Santos Gomes André Augusto Borges Varella

Leia mais

O profissional também tem um relevante papel em ajudar a família a se engajar no tratamento de sua criança, tanto oferecendo a ela recursos para

O profissional também tem um relevante papel em ajudar a família a se engajar no tratamento de sua criança, tanto oferecendo a ela recursos para 5- Conclusão: O presente programa de intervenção precoce é perfeitamente aplicável, desde que algumas recomendações sejam feitas com relação a alguns de seus procedimentos e às categorias de desenvolvimento

Leia mais

A INTERFERÊNCIA DA PRODUÇÃO VERBAL NA APLICAÇÃO DO AUTISM BEHAVIOR CHECKLIST EM CRIANÇAS AUTISTAS VERBAIS E NÃO VERBAIS

A INTERFERÊNCIA DA PRODUÇÃO VERBAL NA APLICAÇÃO DO AUTISM BEHAVIOR CHECKLIST EM CRIANÇAS AUTISTAS VERBAIS E NÃO VERBAIS A INTERFERÊNCIA DA PRODUÇÃO VERBAL NA APLICAÇÃO DO AUTISM BEHAVIOR CHECKLIST EM CRIANÇAS AUTISTAS VERBAIS E NÃO VERBAIS Ana Carina Tamanaha, Márcia Regina Fumagalli Marteleto, Jacy Perissinoto Departamento

Leia mais

Considerando-se que o diagnóstico

Considerando-se que o diagnóstico DISTÚRBIOS GLOBAIS DO DESENVOLVIMENTO rancisco B. A ssum ao INTRODUÇÃO Considerando-se que o diagnóstico é por definição, "o conhecimento integral do paciente", o diagnóstico desses distúrbios, é, por

Leia mais

EVOLUÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO NEUROPSICOMOTOR DE CRIANÇAS PRÉ ESCOLARES

EVOLUÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO NEUROPSICOMOTOR DE CRIANÇAS PRÉ ESCOLARES EVOLUÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO NEUROPSICOMOTOR DE CRIANÇAS PRÉ ESCOLARES Ana Karolina Paiva Braga 1 ; Juliana Campos Rodovalho 1 ; Lílian Fernanda Pacheco 2 ; Cibelle Kayenne Martins Roberto Formiga

Leia mais

INTERSETORIALIDADE E AUTISMO

INTERSETORIALIDADE E AUTISMO INTERSETORIALIDADE E AUTISMO Daniel de Sousa Filho Psiquiatra da Infância e Adolescência Mestre em Distúrbios do Desenvolvimento UPM Introdução Kanner, 1943 Asperger, 1944 Bleuler, 1906 Transtornos do

Leia mais

Aspectos Médicos da Síndrome de Asperger

Aspectos Médicos da Síndrome de Asperger Aspectos Médicos da Síndrome de Asperger Dr Walter Camargos Jr. / 2001 O que é a Síndrome de Asperger? A Síndrome de Asperger é um transtorno de múltiplas funções do psiquismo com afetação principal na

Leia mais

Transtornos Globais do Desenvolvimento e Dificuldades de. Curso de Formação Pedagógica Andréa Poletto Sonza Março/2010

Transtornos Globais do Desenvolvimento e Dificuldades de. Curso de Formação Pedagógica Andréa Poletto Sonza Março/2010 Transtornos Globais do Desenvolvimento e Dificuldades de Aprendizagem Curso de Formação Pedagógica Andréa Poletto Sonza Março/2010 Transtornos Globais do Desenvolvimento São consideradas pessoas com TGD

Leia mais

AUTISMO E EDUCAÇÃO: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA SOBRE A ABORDAGEM DO TRANSTORNO AUTÍSTICO NOS PERIÓDICOS BRASILEIROS AVALIADOS NA ÁREA DA EDUCAÇÃO

AUTISMO E EDUCAÇÃO: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA SOBRE A ABORDAGEM DO TRANSTORNO AUTÍSTICO NOS PERIÓDICOS BRASILEIROS AVALIADOS NA ÁREA DA EDUCAÇÃO AUTISMO E EDUCAÇÃO: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA SOBRE A ABORDAGEM DO TRANSTORNO AUTÍSTICO NOS PERIÓDICOS BRASILEIROS AVALIADOS NA ÁREA DA EDUCAÇÃO Introdução PIEL, Jéssica Piccioni. je_piccioni@hotmail.com

Leia mais

A relação entre regressão da linguagem e desenvolvimento sociocomunicativo de crianças com transtorno do espectro do autismo

A relação entre regressão da linguagem e desenvolvimento sociocomunicativo de crianças com transtorno do espectro do autismo Artigo Original Original Article Bárbara Backes 1 Regina Basso Zanon 1 Cleonice Alves Bosa 1 A relação entre regressão da linguagem e desenvolvimento sociocomunicativo de crianças com transtorno do espectro

Leia mais

INTERSETORIALIDADE: uma experiência clínica no acompanhamento de uma criança autista na escola

INTERSETORIALIDADE: uma experiência clínica no acompanhamento de uma criança autista na escola INTERSETORIALIDADE: uma experiência clínica no acompanhamento de uma criança autista na escola FRANÇA, Karine,Mio¹ SILVA, Ariane Cristina ¹ MARCELINO, Rosana Oliveira ¹ KARAM, Dayran ² TOMÉ, Marta Fresneda

Leia mais

DETECÇÃO DE RISCOS PSÍQUICOS EM BEBÊS DE BERÇÁRIOS DE CENTROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL DE CURITIBA, ATRAVÉS DO PROTOCOLO IRDI-18

DETECÇÃO DE RISCOS PSÍQUICOS EM BEBÊS DE BERÇÁRIOS DE CENTROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL DE CURITIBA, ATRAVÉS DO PROTOCOLO IRDI-18 DETECÇÃO DE RISCOS PSÍQUICOS EM BEBÊS DE BERÇÁRIOS DE CENTROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL DE CURITIBA, ATRAVÉS DO PROTOCOLO IRDI-18 DOSSENA, Angelini Lucca 1 NASCIMENTO, Márcia Regina Aparecida do

Leia mais

CONFECÇÃO DE UMA ESCALA DE AVALIAÇÃO (ADATA) PARA FACILITAÇÃO NO DIAGNÓSTICO DO TRANSTORNO AUTÍSTICO.

CONFECÇÃO DE UMA ESCALA DE AVALIAÇÃO (ADATA) PARA FACILITAÇÃO NO DIAGNÓSTICO DO TRANSTORNO AUTÍSTICO. CONFECÇÃO DE UMA ESCALA DE AVALIAÇÃO (ADATA) PARA FACILITAÇÃO NO DIAGNÓSTICO DO TRANSTORNO AUTÍSTICO. Carlos Fernando França Mosquera¹,(FAP) Fernando da Silva Maciel²(FAP), Nicoli Scotti de Mello²(FAP),

Leia mais

Autismo e Aprendizagem

Autismo e Aprendizagem Autismo e Aprendizagem O termo autismo origina-se do grego autós, que significa de si mesmo. Foi empregado pela primeira vez pelo psiquiatra suíço Bleuler, em 1911, que buscava descrever a fuga da realidade

Leia mais

Transtornos Invasivos do Desenvolvimento: conceituação e critérios diagnósticos

Transtornos Invasivos do Desenvolvimento: conceituação e critérios diagnósticos Transtornos Invasivos do Desenvolvimento: conceituação e critérios diagnósticos José Salomão Schwartzman Professor do Programa de Pós-Graduação em Distúrbios do Desenvolvimento do Centro de Ciências Biológicas

Leia mais

Projeto Documentautismo

Projeto Documentautismo CEMI Centro de Ensino Médio Integrado a Educação Profissional Projeto Documentautismo FREDERICO TALES BEZERRA MATOS DE ALENCAR BRASÍLIA DF 2011 FREDERICO TALES BEZERRA MATOS DE ALENCAR Projeto Documentautismo

Leia mais

A RESPONSIVIDADE DE UMA CRIANÇA COM TRANSTORNO GLOBAL DO DESENVOLVIMENTO EM INTERAÇÃO COM O PAI

A RESPONSIVIDADE DE UMA CRIANÇA COM TRANSTORNO GLOBAL DO DESENVOLVIMENTO EM INTERAÇÃO COM O PAI A RESPONSIVIDADE DE UMA CRIANÇA COM TRANSTORNO GLOBAL DO DESENVOLVIMENTO EM INTERAÇÃO COM O PAI PRISCILA CAMARA DE CASTRO ABREU PINTO psicastro@hotmail.com UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO MARCIA

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DA IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROGRAMA 12

ACOMPANHAMENTO DA IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROGRAMA 12 2 INTERVENÇÃO PRECOCE E AUTISMO: ACOMPANHAMENTO DA IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROGRAMA 12 Lívia de Oliveira Ferreira 3 Carlo Schmidt 4 O autismo pode ser definido como um distúrbio complexo que afeta o curso

Leia mais

BRINCAR E INTEGRAÇÃO SENSORIAL: POSSIBILIDADES DE INTERVENÇÃO DA TERAPIA OCUPACIONAL

BRINCAR E INTEGRAÇÃO SENSORIAL: POSSIBILIDADES DE INTERVENÇÃO DA TERAPIA OCUPACIONAL BRINCAR E INTEGRAÇÃO SENSORIAL: POSSIBILIDADES DE INTERVENÇÃO DA TERAPIA OCUPACIONAL DIONISIO, Amanda Luziêk Alves¹ FRANCA, Annyelle Santos² CAVALCANTE, Cindy Bianca Soares² ARAÚJO, Clarice Ribeiro Soares³

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL IDENTIFICAÇÃO PRECOCE DE AUTISMO: A APLICABILIDADE DO INSTRUMENTO CHAT E LEVANTAMENTO

Leia mais

Rastreamento de sinais precoces de transtorno do espectro do autismo em crianças de creches de um município de São Paulo

Rastreamento de sinais precoces de transtorno do espectro do autismo em crianças de creches de um município de São Paulo Revista Psicologia: Teoria e Prática, 15(2), 144-154. São Paulo, SP, maio-ago. 2013. Sistema de avaliação: às cegas por pares (double blind review). Universidade Presbiteriana Mackenzie. Rastreamento de

Leia mais

Autismo Rede Biomédica de Informações

Autismo Rede Biomédica de Informações Autismo Rede Biomédica de Informações DSM-IV Critérios, Transtornos Invasivos do Desenvolvimento 299.00 Transtornos Autisticos A. Um total de seis ( ou mais) itens de (1), (2) e (3), com pelo menos dois

Leia mais

AVALIAÇÕES QUANTITATIVA E QUALITATIVA DE UM MENINO AUTISTA: UMA ANÁLISE CRÍTICA

AVALIAÇÕES QUANTITATIVA E QUALITATIVA DE UM MENINO AUTISTA: UMA ANÁLISE CRÍTICA AVALIAÇÕES QUANTITATIVA E QUALITATIVA DE UM MENINO AUTISTA: UMA ANÁLISE CRÍTICA Carolina Lampreia * RESUMO. O conceito de autismo sofreu várias reformulações ao longo do tempo. Seu diagnóstico conta atualmente

Leia mais

TÍTULO: MÉTODO DE ANALISE DO COMPORTAMENTO APLICADA (ABA) E PORTADORES DO TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA (TEA)

TÍTULO: MÉTODO DE ANALISE DO COMPORTAMENTO APLICADA (ABA) E PORTADORES DO TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA (TEA) TÍTULO: MÉTODO DE ANALISE DO COMPORTAMENTO APLICADA (ABA) E PORTADORES DO TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA (TEA) CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE

Leia mais

PROGRAMA DE HABILIDADES SOCIAIS COMO ESTRATÉGIA PARA A INCLUSÃO ESCOLAR E SOCIAL

PROGRAMA DE HABILIDADES SOCIAIS COMO ESTRATÉGIA PARA A INCLUSÃO ESCOLAR E SOCIAL PROGRAMA DE HABILIDADES SOCIAIS COMO ESTRATÉGIA PARA A INCLUSÃO ESCOLAR E SOCIAL PATRÍCIA LORENA QUITÉRIO patylorenaq@gmail.com PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (PROPED/UERJ) 1 INTRODUÇÃO A oficina

Leia mais

Conhecendo o Aluno com TGD

Conhecendo o Aluno com TGD I - [FICHA DE AVALIAÇÃO SOBRE O ALUNO COM TRANSTORNOS GLOBAIS DO DESENVOLVIMENTO] Usar letra de forma Os alunos com Transtornos Globais do Desenvolvimento (TGD) são aqueles que apresentam alterações qualitativas

Leia mais

AUTISMO NA SALA DE AULA

AUTISMO NA SALA DE AULA 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AUTISMO

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSÃO EDUCACIONAL TRANSTORNOS GLOBAIS DO DESENVOLVIMENTO

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSÃO EDUCACIONAL TRANSTORNOS GLOBAIS DO DESENVOLVIMENTO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSÃO EDUCACIONAL TRANSTORNOS GLOBAIS DO DESENVOLVIMENTO DEFINIÇÃO Os alunos da área dos Transtornos Globais do Desenvolvimento apresentam

Leia mais

Transtornos do espectro do autismo Palestra do Dr. Christopher Gillberg, no dia 10 de outubro de 2005, no Auditório do InCor, em São Paulo.

Transtornos do espectro do autismo Palestra do Dr. Christopher Gillberg, no dia 10 de outubro de 2005, no Auditório do InCor, em São Paulo. Transtornos do espectro do autismo Palestra do Dr. Christopher Gillberg, no dia 10 de outubro de 2005, no Auditório do InCor, em São Paulo. 1. O Professor Christopher Gillberg é médico, PhD, Professor

Leia mais

INTERVENÇÃO ABA COM ESTUDANTES COM AUTISMO: ENVOLVIMENTO DE PAIS E PROFESSORES

INTERVENÇÃO ABA COM ESTUDANTES COM AUTISMO: ENVOLVIMENTO DE PAIS E PROFESSORES INTERVENÇÃO ABA COM ESTUDANTES COM AUTISMO: ENVOLVIMENTO DE PAIS E PROFESSORES Priscila Benitez Isis de Albuquerque Ricardo M. Bondioli Nathalia Vasconcelos Manoni Alice Resende Bianca Melger Universidade

Leia mais

Índice. O Que é AUTISMO? Quais São os Sintomas Típicos do AUTISMO? Causas do AUTISMO. Problemas Comportamentais e as Dificuldades dos Pais

Índice. O Que é AUTISMO? Quais São os Sintomas Típicos do AUTISMO? Causas do AUTISMO. Problemas Comportamentais e as Dificuldades dos Pais Índice O Que é AUTISMO? 03 04 Quais São os Sintomas Típicos do AUTISMO? Causas do AUTISMO 06 07 Problemas Comportamentais e as Dificuldades dos Pais Projeto de Integração Pró-Autista (Pipa) e a Terapia

Leia mais

Mediação, autismo e educação infantil: Práticas para engajar a criança em atividades Cláudia Sanini Cleonice Alves Bosa Universidade Federal do Rio

Mediação, autismo e educação infantil: Práticas para engajar a criança em atividades Cláudia Sanini Cleonice Alves Bosa Universidade Federal do Rio Mediação, autismo e educação infantil: Práticas para engajar a criança em atividades Cláudia Sanini Cleonice Alves Bosa Universidade Federal do Rio Grande do Sul Eixo Temático: Autismo Introdução: O autismo

Leia mais

Comportamentos comunicativos não verbais em crianças com Transtorno do Espectro do Autismo

Comportamentos comunicativos não verbais em crianças com Transtorno do Espectro do Autismo Comportamentos comunicativos não verbais em crianças com Transtorno do Espectro do Autismo Bárbara Backes, Regina Basso Zanon, Maíra Ainhoren Meimes, Gabriela Moreira Romeira, Cleonice Alves Bosa Universidade

Leia mais

SÍNDROME DE ASPERGER

SÍNDROME DE ASPERGER Philipe Machado Diniz de Souza Lima CRM 52.84340-7 Psiquiatra Clínico Psiquiatra da Infância e Adolescência Atuação: CAPSI Maurício de Sousa Matriciador em Saúde Mental AP3.3 SÍNDROME DE ASPERGER Síndrome

Leia mais

2 A conexão afetiva no desenvolvimento típico

2 A conexão afetiva no desenvolvimento típico 2 A conexão afetiva no desenvolvimento típico Na presente pesquisa serão adotados autores com uma perspectiva desenvolvimentista, ou seja, uma perspectiva em que, por meio do estudo do desenvolvimento

Leia mais

PARENTALIDADE NA FAVELA: UMA EXPERIÊNCIA COM CONSULTAS TERAPÊUTICAS

PARENTALIDADE NA FAVELA: UMA EXPERIÊNCIA COM CONSULTAS TERAPÊUTICAS PARENTALIDADE NA FAVELA: UMA EXPERIÊNCIA COM CONSULTAS TERAPÊUTICAS Daniel Kauffmann 1 Tereza Marques de Oliveira 2 Resumo O objetivo deste trabalho é relatar nossa experiência na clínica do social, junto

Leia mais

Autismo e seu impacto no desenvolvimento infantil: Comentários sobre Charman, Stone e Turner, e Sigman e Spence

Autismo e seu impacto no desenvolvimento infantil: Comentários sobre Charman, Stone e Turner, e Sigman e Spence AUTISMO Autismo e seu impacto no desenvolvimento infantil: Comentários sobre Charman, Stone e Turner, e Sigman e Spence Peter Mundy, PhD Centro para Autismo e Deficiências Relacionadas, Universidade de

Leia mais

O AUTISMO- NA CRIANÇA

O AUTISMO- NA CRIANÇA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MÉRTOLA Escola E,B 2,3 ES\Escola S. Sebastião de Mértola Curso Profissional de Técnico de Apoio Psicossocial- 3ºano Disciplina de Psicopatologia Geral Ano letivo 2013\14 Docente:

Leia mais

As Atividades Lúdicas no Desenvolvimento de uma Criança com Autismo

As Atividades Lúdicas no Desenvolvimento de uma Criança com Autismo As Atividades Lúdicas no Desenvolvimento de uma Criança com Autismo Setembro 2014 A Associação Onda de Palavras é um projeto jovem e pioneiro. Princípios: simplicidade, eficácia, rigor e excelência. Principal

Leia mais

Resumo: Autismo. Intervenções Comportamentais para Crianças com Autismo

Resumo: Autismo. Intervenções Comportamentais para Crianças com Autismo Intervenções Comportamentais para Crianças com Autismo -D Diretor, Programa ASSERT Professor, Departamento de Educação Especial e Reabilitação Utah State University Professor Visitante/Pesquisador Associado

Leia mais

AUTISMO E TDAH: O DESAFIO DA INCLUSÃO. Prof. Dr. Carlo Schmidt. Prof. Adjunto da CE/UFSM Depto. Educação Especial

AUTISMO E TDAH: O DESAFIO DA INCLUSÃO. Prof. Dr. Carlo Schmidt. Prof. Adjunto da CE/UFSM Depto. Educação Especial AUTISMO E TDAH: O DESAFIO DA INCLUSÃO Prof. Dr. Carlo Schmidt Prof. Adjunto da CE/UFSM Depto. Educação Especial INTRODUÇÃO Caracterização: Do que estamos falando? TDAH Autismo O que essas condições têm

Leia mais

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO (AEE)

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO (AEE) ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO (AEE) Aleksandra Debom Garcia 1 Fatima Gomes Nogueira Daguiel 2 Fernanda Pereira Santana Francisco 3 O atendimento educacional especializado foi criado para dar um

Leia mais

ROTINAS E TÉCNICAS INTERVENTIVAS NO ESPECTRO AUTISTA

ROTINAS E TÉCNICAS INTERVENTIVAS NO ESPECTRO AUTISTA ROTINAS E TÉCNICAS INTERVENTIVAS NO ESPECTRO AUTISTA Dr. Márcio Borges Moreira Instituto de Educação Superior de Brasília Instituto Walden4 Conceitos Básicos Reforço Comportamento Consequência Punição

Leia mais

comportamento que pode ser observado em crianças e pré-adolescentes, gerando grande estresse

comportamento que pode ser observado em crianças e pré-adolescentes, gerando grande estresse Recusa Escolar M.A.M. 1 RECUSA ESCOLAR: Por que algumas crianças não querem ficar na escola? Embora não seja formalmente caracterizada como uma síndrome, recusa escolar é um comportamento que pode ser

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA GABINETE DA DEPUTADA LUZIA TOLEDO PROJETO DE LEI Nº 157/2010

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA GABINETE DA DEPUTADA LUZIA TOLEDO PROJETO DE LEI Nº 157/2010 PROJETO DE LEI Nº 157/2010 A semana de conscientização sobre transtornos de aprendizagem, no âmbito do Estado do Espírito Santo. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETA: Art. 1º Fica

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE JAEL CRISTINA BARROS BREITSCHWERDT

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE JAEL CRISTINA BARROS BREITSCHWERDT UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PÓS-GRADUAÇÃO EM DISTÚRBIOS DO DESENVOLVIMENTO JAEL CRISTINA BARROS BREITSCHWERDT AVALIAÇÃO DE SINAIS PRECOCES EM TRANSTORNOS DO ESPECTRO AUTISTA, POR MEIO DA OBSERVAÇÃO

Leia mais