AS ESTRATÉGIAS DE RELAÇÕES PÚBLICAS NA CAUSA DO AUTISMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AS ESTRATÉGIAS DE RELAÇÕES PÚBLICAS NA CAUSA DO AUTISMO"

Transcrição

1 CENTRO DE EDUCAÇÃO, COMUNICAÇÃO E ARTES DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL HABILITÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS CAROLINA GUADANHIN SÂMIA KAMIZI AS ESTRATÉGIAS DE RELAÇÕES PÚBLICAS NA CAUSA DO AUTISMO Londrina 2003

2 2 AS ESTRATÉGIAS DE RELAÇÕES PÚBLICAS NA CAUSA DO AUTISMO Docente Marta Terezinha Motta Campos Martins Dicentes Carolina Guadanhin Sâmia Kamizi O Espaço Escuta, que é um Centro Interdisciplinar de Diagnóstico e Tratamento Precoce dos Distúrbios Globais do Desenvolvimento, é considerado como a organização mais adequada em Londrina, para diagnosticar e tratar uma criança autista, porém, é pouco conhecida e precisa ser mais divulgada. Frente a este cenário, entende-se que há uma necessidade de se aplicar estratégias efetivas de comunicação no Espaço Escuta e, para um melhor entendimento da importância das atividades que foram realizadas junto à entidade, apontam-se alguns assuntos vinculados à temática, como a contribuição das Relações Públicas para a causa do autismo, a comunicação servindo de apoio para a OSCIP e a importância do voluntariado para o propósito do Espaço Escuta. Com a aplicação de uma pesquisa institucional, foi possível detectar o ambiente ao qual esta organização está inserida, viabilizando analisar os principais aspectos, desenvolvidos no texto, para serem trabalhados junto à entidade. Relata-se ainda os grupos de interesse ligados ao Espaço Escuta e os públicos que mais carecem dos esforços das Relações Públicas para atingir o objetivo de tornar uma instituição mais conhecida, bem como suas atividades, por meio das ações que foram executadas para este mesmo fim. Apesar de não haver pesquisas exatas sobre sua origem, sabe-se que existem meios de como diagnosticar o autismo precocemente e amenizar o grau da síndrome. Mas para isso, faz-se necessário esclarecer a população e

3 3 orientá-la a procurar o profissional ou instituição adequada, caso suspeitem que alguma criança possui indicadores de autismo. Há um índice crescente de interesse pela doença e uma prova disso é o aumento de congressos, encontros, grupos de estudos e campanhas que têm abordado este assunto. Porém, um número reduzido de psicólogos e psiquiatras possuem conhecimento aprofundado sobre o assunto e acesso aos principais eventos. Percebe-se que existe uma sociedade abrangente que influencia, direta ou indiretamente, o desenvolvimento da criança e precisa ter mais esclarecimento sobre o assunto. O obstetra, por exemplo, é o primeiro profissional a manter contato com a mãe e, conseqüentemente, com o bebê. Após o nascimento, tem-se as enfermeiras e o pediatra. Em relação à família, além dos pais, existem os avós, os tios e, às vezes, a babá torna-se um membro indispensável na criação de uma criança. Já na escola, o indivíduo passa a ter contato com professores, pedagogos e colegas. Por tanto, entende-se que, mesmo com poucos anos de vida, a criança já possui vínculos sociais significativos. Dentro deste contexto e com fundamento nos resultados de uma pesquisa de opinião pública, aplicada para medir o grau de esclarecimento da sociedade londrinense em relação ao autismo, percebeu-se a necessidade de um maior conhecimento a respeito desta síndrome e também do maior envolvimento dos públicos relacionados a esta problemática. Por meio desta pesquisa, identificou-se o Espaço Escuta que, prestando gratuitamente atendimento psicológico e pediátrico, especialmente para mães, bebês e crianças, propõe um trabalho de diagnóstico e tratamento precoce dos distúrbios do desenvolvimento global. A escolha desta instituição, como objeto de estudo para o desenvolvimento deste trabalho, fez-se em função de ser a única entidade em Londrina e região que oferece o diagnóstico, o tratamento e o esclarecimento de informações a respeito do autismo e outros distúrbios globais do desenvolvimento. Logo, a atividade social do Espaço Escuta em prol dos portadores de autismo e seus familiares vêm ao encontro do objetivo primeiro deste trabalho:

4 4 o de oferecer aos envolvidos nesta problemática recursos de Relações Públicas que possam, com a melhoria efetiva da comunicação entre eles, acrescentar vantagens ao trabalho oferecido pela instituição. A CAUSA Segundo alguns pesquisadores, a doença do autismo não tem cura e é mais comum do que se imagina. Então, para que haja um esclarecimento coletivo em torno deste problema, necessita-se da elaboração de estratégias de comunicação com o intuito de direcionar as informações necessárias para os públicos-alvo e criar vínculos entre os mesmos e o Espaço Escuta. Sendo o autismo uma doença sem origem definida e pouco conhecida, partiu-se do pressuposto que a sociedade em geral possivelmente não estivesse suficientemente informada a respeito dessa doença. Percebeu-se, então, a necessidade de mensurar qual era exatamente o grau de esclarecimento dos londrinenses a respeito do autismo. Para avaliar esse nível de conhecimento, considerou-se como públicos os segmentos da sociedade com maior possibilidade de convívio com um indivíduo autista, durante as primeiras fases do desenvolvimento da doença. Esses públicos foram constituídos por profissionais da área da saúde, da educação e pais de crianças de 0 a 6 anos, como já foi citado. Durante o decorrer deste trabalho, pôde-se aprofundar conhecimentos sobre o tema e alcançar os objetivos principais. Porém, admite-se que o desenvolvimento da Pesquisa de Opinião Pública foi comprometido por várias limitações, dentre as quais: a escassez de tempo disponível das pesquisadoras para dedicação dos propósitos, a grande quantidade de barreiras burocráticas na administração de escolas e hospitais para a autorização da aplicação dos questionários, o período de férias escolares no momento de trabalhar com os educadores, a pouca disponibilidade de tempo dos profissionais da saúde em atender, uma certa insegurança dos pesquisados em geral em revelar ignorância sobre o tema e, por fim, relativo desinteresse de algumas pessoas e instituições procuradas em participar da pesquisa.

5 5 Contudo, todos os envolvidos tiveram grande relevância nos resultados obtidos e que, de acordo com os objetivos propostos, considera-se plenamente satisfatórios. Em especial, ressalta-se a qualidade das contribuições cedidas por algumas organizações e profissionais especificamente ligados ao tema, como por exemplo, o Espaço Escuta, a APA e, especialmente, a psicóloga Maribél de Salles de Melo. A Pesquisa de Opinião Pública, além das observações não sistemáticas, viabilizou o levantamento de diversas considerações. Deste modo, os dados analisados confirmaram o que se deduziu e alguns foram bastante surpreendentes. Em relação aos pais, os resultados levantados já eram esperados, pois confirmaram a hipótese de que este público-alvo apresentaria acentuado grau de desinformação a respeito do autismo. Apenas 28,57% dos pais disseram saber o que é autismo e 61,54% já ouviram falar. Destes, 55,05% afirmaram saber sobre as características baseadas em filmes que assistiram, significando que devem possuir um conceito restrito ou errôneo sobre o que realmente é o autismo. Já na área da educação, pôde-se averiguar que, nas escolas não especializadas, alguns profissionais possuem algum conhecimento relevante sobre o assunto, pois tiveram ou têm contato com algum aluno portador da doença em questão. No entanto, como era previsto, a grande maioria desses profissionais não detêm conhecimento suficiente da síndrome. Apesar de 61,74% dos entrevistados afirmarem que encaminhariam um aluno autista para o psicólogo, 47,06% acreditam que a doença é neurológica. Os profissionais da área da saúde, especificamente enfermeiros e médicos pediatras, demonstraram não estarem preparados para diagnosticar o autismo e nem orientar para onde encaminhar um paciente autista, pois 55,56% acredita, assim como os profissionais da educação, que é uma doença neurológica, e não psicológica. Esta situação pode estar ocorrendo devido ao fato de que 88,89% dos pesquisados não adquiriram conhecimentos suficientes na grade curricular de seus cursos. Dentro de todas as variáveis argüidas na elaboração do projeto quali-quantitativo, somente uma, referente a proximidade e/ou convivência com

6 6 portadores de autismo, revelou-se capaz de provocar alguma alteração no nível de conhecimento das pessoas entrevistadas acerca da patologia: o de elevá-lo. Diante dessas considerações, pôde-se constatar que muitos indivíduos autistas não são diagnosticados logo no início do desenvolvimento da doença e nem encaminhados ao local de atendimento especializado, o que por sua vez contribui para que o agravamento da síndrome. Contudo, concluiu-se que a população londrinense necessita de informações sobre o autismo e constatou-se a importância de desenvolver estratégias de Relações Públicas que possam ajudar a reverter este quadro, trabalhando em parceria com os propósitos do Espaço Escuta. A entidade necessita de uma maior divulgação para que os profissionais a procurem quando observarem algum indivíduo com traços de autismo e se interessarem por colaborar com trabalhos voluntários ou desejarem aprofundar-se mais sobre o assunto. O autismo é uma síndrome que apresenta diversas alterações do desenvolvimento global e desvios qualitativos na comunicação, interação social e imaginação e, em geral, manifesta-se muito cedo, antes dos três anos de vida. É considerado uma síndrome porque se caracteriza por um conjunto de sintomas típicos que identificam o problema, porém não pode ser detectada por nenhum exame específico. Os indivíduos autistas têm dificuldade ou impossibilidade de se comunicar, por isso, quase não falam. Também são resistentes a mudanças de ambiente e alterações de rotina, podem tornar-se agressivos, mostram indiferença às pessoas e acontecimentos ao seu redor, não atendem a chamados e, quase sempre, não expressam emoções. Quando diagnosticado precocemente, através da observação e estudo de comportamento sintomático, o autismo pode ser tratado com terapias específicas por profissionais e instituições especializadas. O tratamento pode amenizar as dificuldades causadas pela síndrome, mas não pode dar ao portador uma vida completamente normal, mesmo porque o distúrbio atinge um dos principais requisitos para o desenvolvimento humano: a capacidade de interação social.

7 7 Há mais de 60 anos, a síndrome do autismo vem sendo estudada pela ciência, mas ainda apresenta dúvidas e divergências quanto a sua causa. Entretanto, este distúrbio que antes era conhecido por poucas pessoas, entre elas alguns profissionais da saúde e pais de autistas, hoje já se tornou um assunto mais difundido também entre os indivíduos que não são diretamente ligados ao autismo. Nota-se que a questão é debatida publicamente, comentada em veículos de comunicação de massa e até mesmo servindo como temática de filmes e programas de televisão. Em 2002, a brasileira Verônica Bird, responsável pela Verônica Bird Charitable Fundation, nos Estados Unidos, entregou ao MEC (Ministério da Educação e Cultura) um vídeo que orienta sobre os aspectos do autismo em relação à educação. Mais recentemente, pode-se ver nos comerciais de televisão, a campanha da AMA (Associação dos Amigos do Autista), que divulga características e cuidados especiais com a criança autista. Estes casos são índices do crescimento da divulgação do assunto atualmente, apesar de, ainda assim, serem insuficientes para um completo esclarecimento social. Admite-se que essas iniciativas são válidas, porém tratase de campanhas superficiais por serem destinadas à massa. Diante desta tendência de maior enfoque ao tema do autismo, como problema social e, por conseguinte, como pauta para discussões do interesse público, torna-se óbvia a necessidade de estratégias de comunicação para otimizar o trabalho desenvolvido por profissionais e organizações sociais que se dedicam à causa do autismo. O propósito das Relações Públicas é criar meios de esclarecimento sobre a problemática, direcionando-os a um grupo determinado, almejando que os resultados sejam mais significativos para as instituições a favor desta causa, como o Espaço Escuta. É com a contribuição profissional das Relações Públicas, que a comunicação, entre esta instituição e seus públicos, torna-se efetiva, integrando, aproximando e otimizando o relacionamento dos envolvidos com o trabalho social para o problema do autismo.

8 8 O ESPAÇO ESCUTA Psicóloga e psicanalista, Maribél de Salles de Melo, havia percebido que alguns profissionais procuravam especializações em outras cidades, pois necessitavam de mais conhecimento sobre o desenvolvimento global infantil. Pretendendo dar continuidade às atividades que já realizava na Associação Psicanalítica de Curitiba, resolveu, então, implantar na cidade de Londrina, em agosto de 1999, cursos que já ministrava há 10 anos. Dois anos depois, como resultado desse trabalho e contando com o apoio de profissionais que participavam de suas aulas, fundou um Centro Interdisciplinar de Diagnóstico e Tratamento Precoce dos Distúrbios Globais do Desenvolvimento - o Espaço Escuta, hoje designado uma OSCIP - que oferece atividades para Formação, Aperfeiçoamento e Pesquisa aos profissionais com base em conceitos psicanalíticos. A organização possui o propósito de prestar serviços para melhorar o desenvolvimento global infantil, além de treinar e capacitar profissionais que tenham algum tipo de interesse a respeito do diagnóstico precoce. Realiza também atendimento gratuito a crianças de 0 a 12 anos com problemas de hiperatividade, autismo e atrasos no desenvolvimento, bem como centra forças na formação de pessoas que têm contato constante e significativo com as mesmas. Em março de 2002, iniciou-se um curso de duração de dois anos, sendo um pré-requisito para quem possui interesse em desenvolver alguma atividade voluntária com as crianças no Espaço Escuta O Espaço Escuta está localizado na Rua Amador Bueno, 265, em Londrina - Pr. O local onde funciona a instituição é constituído por: sala de pediatria, sala de espera, pátio, três banheiros, bebedouro, sala de aula, 4 salas de atendimento, cozinha e secretaria. Apesar do tamanho do prédio ser considerado de pequeno porte, está adequado para a quantidade de pacientes atendidos e de pessoas que freqüentam o local, seja como voluntários ou alunos. E ainda tem a vantagem de

9 9 estar localizado próximo ao Hospital Infantil e ao Hospital Evangélico e outras clínicas. O coffee-break, servido no intervalo das aulas, é preparado na cozinha do Espaço Escuta, onde os profissionais que atuam na organização podem fazer também suas refeições, caso necessitem. O bebedouro e sanitários estão posicionados estrategicamente próximos a salas de aula e de atendimento. A sala, onde são ministrados os cursos oferecidos pela entidade, possui material didático que serve de apoio às discussões sobre o tema abordado, além de recursos visuais, como o quadro negro e mural. O ambiente onde são realizados todos os exames e tratamentos ainda possui uma estrutura incompleta, contendo instrumentos médicos e psicológicos que auxiliam na detecção do diagnóstico da criança. Caso a criança necessite de exames mais detalhados, como tomografia, por exemplo, são encaminhadas a uma equipe de médicos neurológicos. O aluguel do espaço onde está situada a instituição é pago com a ajuda fixa de algumas empresas e com o lucro de promoções e eventos realizados. Esta verba também ajuda na compra de materiais de limpeza, brinquedos, papelaria e no pagamento das contas de luz, água, telefone e da faxineira, restando ainda uma quantia que está sendo guardado para a construção de uma sala de espera maior, para que haja mais conforto aos pacientes e seus pais ou responsáveis, além de visitas que esperam ser atendidas. As organizações desenvolvem atividades diretamente relacionadas com o motivo principal de sua existência, como no caso do Espaço Escuta, que coloca à disposição da comunidade londrinense e região um serviço de atendimento gratuito às crianças com distúrbios do desenvolvimento global. Além disso, realiza cursos de capacitação de profissionais da saúde, da educação e da área social frente ao diagnóstico e tratamento de doenças psíquicas. Atualmente, mais de 35 crianças são atendidas na instituição, todas encaminhadas por entidades como APAE, ILECE, Hospital Infantil,

10 10 CISMEPAR, Escola Meta e Associação Londrinense de Saúde Mental, com as quais possui parceria. As mães das crianças que são encaminhadas ao Espaço Escuta também recebem apoio psicológico, podendo expor suas angústias, dúvidas, medos, e também adquirem instruções para ajudar na interação e inclusão social do seu filho. Os cursos realizados no Espaço Escuta, como por exemplo, psicanálise e transdisciplina ou psicanálise e educação, são normalmente freqüentados por pediatras, psicólogos, profissionais de enfermagem, professores da área educacional e demais interessados no entendimento do desenvolvimento global da criança e que se preocupam com o comprometimento psíquico e o tratamento adequado dos indivíduos ainda na infância. Atualmente, o Espaço Escuta conta com colaboradores que oferecem de 5 a 15 horas semanais: 6 profissionais voluntários constituindo o Grupo Gestor: 4 psicólogas - sendo que uma é a presidente - 1 neuropediatra e 1 administrador de empresas (tesoureira); 1 pediatra; 5 estagiários do Curso de Psicanálise e Transdisciplina: 3 estudantes de psicologia, 1 de psicopedagogia e 1 assistente social; 2 estagiárias de Comunicação Social - Habilitação em Relações Públicas 1 secretária O Grupo Gestor é eleito a cada dois anos pelos colaboradores da instituição. Como os integrantes deste grupo devem ser membro efetivo e sócios contribuintes por mais de 3 anos, e a OSCIP tem apenas dois anos de atuação, este ano deverá haver uma reeleição dos membros. Como o Espaço Escuta trata de distúrbios do desenvolvimento global infantil, para atuar como voluntário na organização, exige-se que o estudante ou profissional seja da área de psicologia ou pediatria e que tenha completado o curso profissionalizante de dois anos, oferecido na própria instituição, para que tenham base e informações suficientes sobre o problema

11 11 das crianças, não havendo riscos de piorar a saúde do paciente ou a possibilidade de alterar o diagnóstico e tratamento adequado para o paciente. Já os voluntários de outras áreas - como serviço social, comunicação e administração, por exemplo - que desejam trabalhar na instituição, são entrevistados por um dos representantes do Grupo Gestor antes de começarem a atuar no Espaço Escuta. Este representante analisa os objetivos e o perfil do interessado, se está de acordo ou não com a proposta da OSCIP. Basicamente, não há funcionário remunerado. Apenas uma porcentagem da verba adquirida com os cursos prestados são destinados às duas psicólogas que ministram os cursos oferecidos. O Grupo Gestor possui reuniões administrativas semanais para a discussão e realização dos trabalhos que estão ou serão realizados e é o momento em que são tomadas as decisões maiores por meio de votação dos membros. No começo de todo ano, acontece uma assembléia com todos os integrantes da organização, onde são discutidas e distribuídas as tarefas para os colaboradores. Estes são divididos em comissões para o planejamento e desenvolvimento de determinadas atividades. O responsável de cada comissão leva as informações para serem discutidas na reunião do Grupo Gestor. As funções de cada comissão são: Administrativo: trata da parte burocrática, faz levantamento de dados relevantes ao trabalho da instituição, cuida da documentação, organiza as reuniões para propor as atividades que devem ser executadas pelas outras comissões. Ensino e Formação: preparação dos cursos e conteúdo pra a capacitação e atualização da equipe de alunos e profissionais. Projetos: criação de veículos de comunicação para enviar às outras instituições da cidade e região, divulgando o trabalho do Espaço Escuta, além de arrecadar fundos para obtenção de instrumentos como: filmadora, aparelhos de som, computadores. Clínica: é responsável pelo atendimento dos pacientes e supressão dos estagiários.

12 12 Eventos: cuida da organização de festas, almoços, palestras para a arrecadação de verba. Acervo: faz o levantamento de livros utilizados nas aulas, além de organizar uma biblioteca e fazer publicações em revistas. As atividades realizadas pelos profissionais e estagiárias de psicologia são: Triagem e avaliação das crianças encaminhadas; Atendimentos Individuais às crianças; Atendimentos Individuais com as mães; Formação de grupos de pais; Supervisão e orientação a profissionais de outras instituições; Contatos com outras instituições e profissionais que atendem crianças; Elaboração dos relatórios de atendimentos; Encaminhamento da criança a outra instituição se não for caso para o Espaço Escuta; Discussão interdisciplinar dos casos. A psicopedagoga trabalha em parceria com as psicólogas e também faz avaliação dos casos encaminhados externa ou internamente, atendimento individual, participação no grupo de pais e discussão interdisciplinar dos casos. Já a assistente social cuida da análise social dos casos, faz visitas domiciliares e atendimento social no Espaço Escuta, além de participar também das discussões interdisciplinares dos casos. A mãe de uma das crianças atendidas na instituição é voluntária e exerce a função de secretária, atendendo a telefonemas, anotando recados e passando todas as informações necessárias aos interessados nas atividades do Espaço Escuta. E a faxineira é a única remunerada pelos componentes do Grupo Gestor.

13 13 A PROPOSTA Depois de traçar o perfil dos públicos que devem ser trabalhados e analisar os processos de trabalho, além das condições internas e externas, da organização, parte-se para o planejamento estratégico. Esta próxima fase consistiu em averiguar no Espaço Escuta todos os sistemas de informação, estabelecendo os objetivos e cumprindo metas de acordo com as necessidades da entidade e dos grupos de interesse a serem trabalhados. Pretende-se com as Relações Públicas instituir efetivos relacionamentos para que suas operações mantenham-se favoráveis ao desenvolvimento do Espaço Escuta. Além disso, devido à implantação da comunicação perante os desafios estratégicos que a organização deve enfrentar, pretende-se atingir o propósito principal de torná-la conhecida frente aos seus grupos de interesse para que seu trabalho também sejam disseminado. OS PROJETOS Os projetos executados conseguiram atingir o objetivo proposto desde o princípio: o de divulgar as atividades do Espaço Escuta, tendo como contexto o autismo, a importância do seu diagnóstico precoce e o encaminhamento das crianças ao tratamento adequado. Os públicos-alvo deste trabalho foram constituídos por profissionais da rede de pré-ensino, médicos pediatras e famílias da sociedade londrinense, que convivem com crianças de 0 a 6 anos - idade em que a doença pode se desenvolver. Além de disseminar as propostas da entidade em questão, pretendeu-se despertar o interesse das pessoas pela causa do autismo. Assim, desenvolveu-se um trabalho comunicação que viabilizou uma aproximação entre o Espaço Escuta e seus públicos, possibilitando uma troca mútua entre ambos.

14 14 A entidade ampliou o seu público em potencial, sendo que as pessoas podem vir a tornar voluntários ou participantes dos cursos oferecidos pela mesma. Em conta partida, o Espaço Escuta forneceu mais informações e esclarecimentos aos seus públicos de interesse, possibilitando um maior desempenho profissional no trabalho com as crianças. PROJETO CARAVANA ESPAÇO ESCUTA : AÇÕES E RESULTADOS Constatada a falta de conhecimento sobre o autismo, mesmo entre os profissionais da educação, sentiu-se a necessidade de um trabalho de comunicação que pudesse levar a estes profissionais, informações suficientes para despertar sua atenção à causa do autismo. Neste contexto, o público-alvo definido neste projeto foi o de profissionais de pré-ensino, ou seja, aqueles que trabalham com crianças de 0 a 6 anos. O objetivo principal deste projeto foi o de informar os professores, supervisores e diretores das escolas de pré-ensino de Londrina, a respeito do autismo. Além disso, era necessário também divulgar o Espaço Escuta como instituição capaz de diagnosticar e tratar transtornos do desenvolvimento global infantil. Assim, informados e esclarecidos, os profissionais da educação infantil em Londrina poderiam ser parceiros no trabalho do Espaço Escuta e encaminhar para a instituição alunos que apresentassem algum sinal de autismo ou qualquer outro transtorno do desenvolvimento. Para alcançar os objetivos propostos, criou-se o projeto Caravana Espaço Escuta, formando uma equipe de psicólogas e voluntários que visitavam as escolas de pré-ensino, para ministrar palestras e esclarecimento de dúvidas aos professores. As visitas da caravana foram previamente agendadas com os diretores das escolas, possibilitando maior planejamento e estruturação dos docentes envolvidos. As psicólogas do Espaço Escuta revezavam-se conforme dias e horários disponíveis, mas o conteúdo das palestras foi o mesmo em todas as escolas visitadas.

15 15 A maioria das instituições educacionais não pôde agendar as palestras devido a falta de horário, já que o término do ano letivo dificulta a inclusão de mais atividades para os professores, mas gostariam projeto no ano seguinte. Foram realizadas até o momento pela Caravana Espaço Escuta, palestras na Pré-Escola Educativa, Pré-Escola Solução, Sistema Maxi de Ensino, Escola Meta Fundamental e Colégio Londrinense, sendo que o Espaço Escuta tem sido procurado por outras instituições que solicitaram visitas da caravana para o início do ano letivo de Em todas as escolas, as palestras abordaram o assunto do autismo e o trabalho do Espaço Escuta. Inicialmente, as responsáveis pelo projeto faziam a introdução da palestra, agradecendo a oportunidade da visita, explicando os motivos e entregando, a cada participante, uma carta que apresentava o projeto Caravana Espaço Escuta como um trabalho acadêmico de conclusão do curso de Relações Públicas. Esta carta de apresentação trazia ainda os objetivos do projeto, telefones e s das alunas autoras do projeto para contato em caso de dúvidas ou sugestões. Em seguida, era apresentado o vídeo Espaço Escuta na Causa do Autismo, com duração aproximada de 8 minutos, que mostrava cenas intercaladas de filmes sobre a síndrome e entrevistas realizadas com médicos, psicólogos e outros profissionais do Espaço Escuta. As cenas escolhidas abordaram principalmente, temáticas como sintomas do autismo, importância do diagnóstico precoce e atividades da OSCIP. Este vídeo foi criado e desenvolvido especialmente para o trabalho, em parceria com um técnico do laboratório de telejornalismo da UEL e responsável pela edição. O tempo de produção deste material foi de três dias, considerando a seleção de cenas. O objetivo principal do vídeo foi despertar o interesse para a causa do autismo e o trabalho do Espaço Escuta. Este propósito foi plenamente atingido neste projeto à medida que introduzia o assunto da palestra gerando inúmeras indagações antes mesmo da explanação da psicóloga.

16 16 Ao iniciar a abordagem da psicóloga sobre o autismo, era distribuído o folder informativo para os participantes. Este folder foi produzido por meio de patrocínio e desenvolvido especialmente para professores de préensino, com o intuito de trazer informações claras e objetivas a respeito da doença, evidenciando alguns sinais, estatísticas e ressaltando-se a necessidade de tratamento. A frase O autista não pode mudar o mundo dele... Você pode! causou curiosidade e questionamentos em todas a palestras. Este material também divulgava os dados da OSCIP e era guardado pelos professores, que solicitavam mais exemplares para entregar a colegas de trabalho de outras escolas ou conhecidos que pudessem se interessar pelo assunto. Em seguida, a psicóloga abria espaço para perguntas que, em geral, eram os motivos dos prolongamentos das palestras, além do tempo previsto, tamanho o interesse despertado nos participantes. E finalmente, uma pesquisa de avaliação era entregue aos professores que, devolvendo-as completamente preenchidas, participavam do sorteio de brindes. As escolas participantes do projeto significaram aproximadamente 60 profissionais de educação infantil, entre professores, supervisores, orientadores e diretores. Com a compilação dos dados desta pesquisa e a observação das reações em sala de aula durante as palestras da "Caravana Espaço Escuta", pôde-se constatar que 61% dos profissionais de educação infantil participantes do projeto, desconheciam os indicadores, características e formas de tratamento do autismo, apesar de 100% deles acreditarem que tal conhecimento faz-se relevante para sua profissão. Após a palestra, 100% destes profissionais afirmaram ter melhorado seu conhecimento a respeito da doença, sendo que 73% passaram a julgar-se capazes de reconhecer uma criança com pautas de autismo. No entanto, a estatística que mais respondeu ao objetivo primeiro deste trabalho revelou que 100% dos profissionais de educação infantil pesquisados aprovaram a iniciativa do projeto "Caravana Espaço Escuta" e 78%

17 17 passaram a considerar a possibilidade de encaminhar alunos que apresentarem sinais de autismo para uma avaliação do Espaço Escuta. É importante ressaltar ainda que este projeto surpreendeu as expectativas a medida que se comparava o comportamento dos professores antes e depois da visita da "Caravana Espaço Escuta". De modo geral, os momentos que precediam a palestra demonstravam que os professores estavam fazendo apenas uma atividade a mais, sem muito interesse ou desejo especial. No entanto, o decorrer da apresentação e o desfecho da palestra traziam nítidas modificações neste cenário. Todos os participantes ficavam interessados pelo tema, faziam perguntas, apresentavam exemplos e solicitavam mais materiais. Além disso, todas as palestras tiveram prazo maior que o previsto, em função dos vários questionamentos feitos pelos participantes, que não se preocuparam em passar do horário. Finalmente, em todas as escolas houve solicitações de visitas da "Caravana Espaço Escuta" a outros espaços, que só não foram atendidas ainda, devido à falta de tempo hábil para este ano. PROJETO VOCÊ SABIA, DOUTOR? : AÇÕES E RESULTADOS Constatado o pouco esclarecimento dos profissionais de pediatria a respeito do autismo e dos locais de tratamento especial para esta síndrome, considerou-se também os médicos pediatras como público-alvo deste trabalho. Outro fator de decisão para esta escolha foi o fato de que estes profissionais são os primeiros a serem procurados pelas mães que percebem problemas de desenvolvimento em seus filhos. Daí, a grande influência que os pediatras exercem no momento de encaminhar o paciente autista para a instituição ou profissional adequado ao tratamento do caso. Portanto, fez-se evidente a necessidade de divulgar o trabalho do Espaço Escuta para tal público. Assim, criou-se o projeto Você Sabia, Doutor?, visando o esclarecimento desses profissionais a respeito do autismo e do trabalho especializado oferecido pelo Espaço Escuta, além da possibilidade de contar

18 18 com o auxílio destes profissionais para o encaminhamento de seus pacientes autistas a um centro de diagnóstico e tratamento específico para este transtorno. A execução deste trabalho foi dividida em duas etapas. A primeira foi a distribuição de boletins de esclarecimento sobre o autismo e as atividades oferecidas pelo Espaço Escuta, em consultórios e clínicas pediátricas de Londrina. O boletim foi criado em parceria com a equipe do Espaço Escuta. Seu texto obteve uma linguagem clara e objetiva, considerando o pouco tempo disponível destes profissionais para leitura deste material e a hipótese de que por ventura pudesse chegar às mãos dos enfermeiros e auxiliares nos consultórios. A criação e a impressão dos boletins foram possíveis por meio de patrocínio e a quantidade produzida considerou número de pediatras envolvidos e os exemplares que deveriam ficar no Espaço Escuta para apoio a outros trabalhos, totalizando 200 unidades. O conteúdo deste material dependeu de pesquisas bibliográficas e de artigos científicos publicados na Internet, sendo também submetido à análise prévia de dois médicos pediatras. O texto enfatizou a importância do diagnóstico precoce, os sinais indicadores do autismo e a existência de uma instituição em Londrina, especializada no tratamento deste distúrbio. Com o boletim, seguiam dois documentos: carta de apresentação, destacando a importância daquela leitura para o propósito do trabalho, e a pesquisa de avaliação com perguntas objetivas sobre o projeto. A segunda etapa deste projeto foi a doação dos vídeos a hospitais de grande porte que possuem atendimento infantil. Os hospitais escolhidos foram: Hospital Infantil, Hospital Universitário e PAI (Pronto Atendimento Infantil). O vídeo utilizado foi o mesmo produzido para o projeto Caravana Espaço Escuta, considerando-se que o intuito de despertar o interesse sobre a questão do autismo era comum a ambos. Em acompanhamento ao vídeo, também foi enviada carta de apresentação, que explicava os objetivos do projeto e a importância do papel multiplicador que poderia desempenhar no hospital em questão. Telefones e e-

19 19 mails para contato também constavam na carta, oferecendo a oportunidade de que a direção do hospital agendasse futuramente uma palestra do Espaço Escuta para maiores esclarecimentos. Outro documento que acompanhou o vídeo foi a pesquisa de avaliação para mensurar os resultados efetivos. A grande dificuldade para a execução deste projeto foi encontrar horários disponíveis entre os médicos para responder e entregar as pesquisas de avaliação. Entre os 70 pediatras que receberam os boletins informativos, 36 responderam as pesquisas de avaliação. A falta de esclarecimento destes profissionais foi confirmada pelo índice de 88% dos pediatras que consideravam como péssimo ou ruim seu conhecimento sobre o autismo. Apesar disso, 81% destes pediatras acreditam na importância desse conhecimento para sua profissão. Ainda assim, o índice de 19% que não vêem essa importância é preocupante, já que são eles as primeiras referências da mãe que percebe qualquer transtorno no desenvolvimento de seu filho. Dos médicos pesquisados, 71% aprovou completamente o boletim Meu Paciente Autista e 100% deles revelou que o boletim contribuiu para aumentar, em alguns aspectos, seu conhecimento sobre a doença. Os indicadores do autismo relatados no boletim foram considerados importantes para a avaliação médica de 75% dos pesquisados e, finalmente, 72% dos pediatras em questão considerou positivo o fato de encaminhar pacientes autistas ao Espaço Escuta. A segunda fase deste projeto, a distribuição dos vídeos em hospitais com atendimento infantil, também foi bem sucedida em sua avaliação. A pesquisa foi respondida pelos diretores dos três hospitais e revelou que o objetivo principal desta parte do projeto foi atingido: todos tiveram seu interesse despertado para a causa do autismo. Constatou-se ainda, que dois dos hospitais acreditam na importância do conhecimento sobre esta doença para a atividade dos pediatras e consideram relevante a apresentação dos indicadores mostrados no vídeo. Enfim, este projeto foi de grande importância para o objetivo principal deste trabalho, já que conseguiu espaço entre os profissionais da

20 20 classe médica para divulgar, além do autismo, o trabalho do Espaço Escuta nesta causa. PROJETO COMUNIDADE ESCUTA : AÇÕES E RESULTADOS A imprensa é o canal mais abrangente para transmitir mensagens de qualquer gênero, tornando-se também uma formadora de públicos. Coube a este trabalho utilizar este meio como um aliado na divulgação das informações do autismo e do Espaço Escuta para que os objetivos determinados possam ser concretizados e os resultado satisfatórios. Partindo do princípio que a população possui baixo nível de informação sobre o assunto e para que a OSCIP seja mais conhecida frente a comunidade londrinense, fez-se necessário que as suas atividades sejam mais difundidas entre as famílias e as pessoas que tenham interesse em aumentar o seu conhecimento ou precisam de mais informações sobre a doença em questão e demais distúrbios do desenvolvimento infantil, como profissionais da saúde e educação. Dentro deste contexto, criou-se o projeto "Comunidade Escuta", sendo a imprensa o melhor canal divulgador para atingir um número significativo de pessoas, fazendo com que o feedback seja imediato. Primeiramente, entrou-se em contato com a Rádio Paiquerê FM pelo telefone. Agendado a data da entrevista, com a Maribél de Salles de Melo - presidente do Espaço Escuta, foi elaborada uma pauta para que os dois apresentadores do Programa do Zezão - o próprio Zezão e o Edson Ferreira - pudessem se orientar ao fazer as perguntas sobre a importância de divulgar este trabalho, as características do autismo, o diagnóstico precoce e o motivo pelo qual o nosso público-alvo se constitui, além das famílias, de profissionais de préensino e médicos pediatras. Os profissionais que não tiveram a oportunidade de participar do projeto "Caravana Espaço Escuta" ou "Você sabia, Doutor?", tiveram maior probabilidade de serem atingidos por meio deste outro trabalho de comunicação.

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1.1 APRESENTAÇÃO O Plano de Comunicação e Participação Social subsidiará a elaboração do Plano Diretor de Mobilidade Urbana, criando as bases para

Leia mais

Projeto Amplitude. Plano de Ação 2015. Conteúdo

Projeto Amplitude. Plano de Ação 2015. Conteúdo Projeto Amplitude Plano de Ação 2015 P r o j e t o A m p l i t u d e R u a C a p i t ã o C a v a l c a n t i, 1 4 7 V i l a M a r i a n a S ã o P a u l o 11 4304-9906 w w w. p r o j e t o a m p l i t u

Leia mais

Kit de Apoio à Gestão Pública 1

Kit de Apoio à Gestão Pública 1 Kit de Apoio à Gestão Pública 1 Índice CADERNO 3: Kit de Apoio à Gestão Pública 3.1. Orientações para a reunião de Apoio à Gestão Pública... 03 3.1.1. O tema do Ciclo 4... 03 3.1.2. Objetivo, ações básicas

Leia mais

Plano de Ação. Plano de Ação - 2013. Plano de Ação para o Ano de 2013: Finalidades Estatutárias. Objetivos. Origem dos Recursos.

Plano de Ação. Plano de Ação - 2013. Plano de Ação para o Ano de 2013: Finalidades Estatutárias. Objetivos. Origem dos Recursos. Plano de Ação 2013 Plano de Ação para o Ano de 2013: Finalidades Estatutárias Objetivos Origem dos Recursos Infraestrutura Público Alvo Capacidade de Atendimento Recursos Financeiros Utilizados Recursos

Leia mais

TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR

TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO:

Leia mais

OBSERVATÓRIO ESCOLAR 2008

OBSERVATÓRIO ESCOLAR 2008 OBSERVATÓRIO ESCOLAR 2008 ANUALMENTE A ETEC PASSA POR UMA REFLEXÃO A RESPEITO DE SEU TRABALHO, REGISTRADA EM UM INDICADOR DENOMINADO OBSERVATÓRIO ESCOLAR. ESTE É REPRESENTADO POR SETE ASPECTOS CONTIDOS

Leia mais

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se PEDAGOGIA HOSPITALAR: PERSPECTIVAS PARA O TRABALHO DO PROFESSOR. Bergamo, M.G. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Silva, D.M. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Moreira, G.M. (Curso de Pedagogia,

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA

MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA MANUAL DO ALUNO EM DISCIPLINAS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA ORIENTAÇÕES PARA OS ESTUDOS EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Caro (a) Acadêmico (a), Seja bem-vindo (a) às disciplinas ofertadas na modalidade a distância.

Leia mais

Diretrizes da Comissão Regional de Imagem e Comunicação Dos Escoteiros do Brasil. Região do Rio Grande do Sul

Diretrizes da Comissão Regional de Imagem e Comunicação Dos Escoteiros do Brasil. Região do Rio Grande do Sul Diretrizes da Comissão Regional de Imagem e Comunicação Dos Escoteiros do Brasil Após um mais de ano de trabalho e experiências adquiridas a CRIC apresenta à diretoria regional as diretrizes que regem

Leia mais

Jornada de Aprendizado. Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (CNseg)

Jornada de Aprendizado. Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (CNseg) Jornada de Aprendizado Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (CNseg) Promovendo os microsseguros: Educação Financeira Conteúdo

Leia mais

Eduardo J. A. e SILVA 2 Camilla P. BRASILEIRO 3 Claudomilson F. BRAGA 4 Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO

Eduardo J. A. e SILVA 2 Camilla P. BRASILEIRO 3 Claudomilson F. BRAGA 4 Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO Estudo da proporção e o nível de conhecimento dos alunos de graduação do período vespertino do Campus II da UFG sobre o Programa Coleta Seletiva Solidária 1 Eduardo J. A. e SILVA 2 Camilla P. BRASILEIRO

Leia mais

FORMAÇÃO PARA PAIS E DOCENTES DA EDUCAÇÃO INFANTIL

FORMAÇÃO PARA PAIS E DOCENTES DA EDUCAÇÃO INFANTIL FORMAÇÃO PARA PAIS E DOCENTES DA EDUCAÇÃO INFANTIL Área Temática: Educação Modalidade: Comunicação Oral. Rosangela Maria Boeno (Coordenadora da Ação de Extensão) 1 Rosangela Maria Boeno 2 Adrieli Signorati

Leia mais

A INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA EQUIPE MULIDISCIPLINAR DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA NO MUNICÍPIO DE MEDIANEIRA - PR

A INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA EQUIPE MULIDISCIPLINAR DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA NO MUNICÍPIO DE MEDIANEIRA - PR A INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA EQUIPE MULIDISCIPLINAR DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA NO MUNICÍPIO DE MEDIANEIRA - PR 1.1 1.2 Cheile Kátia da Silva 1. Michelly Laurita Wiese 1.3 INTRODUÇÃO: De acordo com

Leia mais

O PAPEL DA AGÊNCIA DE JORNALISMO DA UEPG NO FOMENTO À PRODUÇÃO DE NOTÍCIAS INSTITUCIONAIS NA WEB

O PAPEL DA AGÊNCIA DE JORNALISMO DA UEPG NO FOMENTO À PRODUÇÃO DE NOTÍCIAS INSTITUCIONAIS NA WEB 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA O PAPEL DA

Leia mais

Pense em quem pensa por mim. A relação afetiva entre o colaborador e a Universidade por meio da Comunicação Social da Ciência

Pense em quem pensa por mim. A relação afetiva entre o colaborador e a Universidade por meio da Comunicação Social da Ciência Pense em quem pensa por mim. A relação afetiva entre o colaborador e a Universidade por meio da Comunicação Social da Ciência Marilisa de Melo Freire Rossilho Li Li Min Santiago, outubro de 2015. UNICAMP

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS: Habilitações: Língua Portuguesa e respectivas Literaturas Língua Espanhola e respectivas

Leia mais

DISCIPLINA: ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES (AAC)

DISCIPLINA: ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES (AAC) Escola de Enfermagem Wenceslau Braz DISCIPLINA: ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES (AAC) INTRODUÇÃO O Projeto Pedagógico do Curso de Enfermagem da Escola de Enfermagem Wenceslau Braz (EEWB) da cidade

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento M A N U A L TREINAMENTO 1. Introdução A velocidade das mudanças tecnológicas, o aumento da diversidade nos locais de trabalho e a acentuada mobilidade dos trabalhadores atuais são aspectos do mundo contemporâneo

Leia mais

Faculdade de Direito Ipatinga Núcleo de Investigação Científica e Extensão NICE Coordenadoria de Extensão. Identificação da Ação Proposta

Faculdade de Direito Ipatinga Núcleo de Investigação Científica e Extensão NICE Coordenadoria de Extensão. Identificação da Ação Proposta Faculdade de Direito Ipatinga Núcleo de Investigação Científica e Extensão NICE Coordenadoria de Extensão Identificação da Ação Proposta Área do Conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas Área Temática:

Leia mais

Os Veículos de Comunicação Dirigida da Embrapa Soja

Os Veículos de Comunicação Dirigida da Embrapa Soja Os Veículos de Comunicação Dirigida da Embrapa Soja FERREIRA, L.L. 1, GALERANI, G.S.M. 2, 1 Universidade Estadual de Londrina UEL, Cx. Postal 6001 CEP 86051-990 - Londrina - PR, 2 Embrapa Soja O profissional

Leia mais

GOVERNO DO MUNICIPIO DE CONSELHEIRO LAFAIETE GABINETE DO PREFEITO

GOVERNO DO MUNICIPIO DE CONSELHEIRO LAFAIETE GABINETE DO PREFEITO LEI N o 5.641, DE 23 DE JUNHO DE 2014. RECONHECE A PESSOA COM TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA COMO PORTADORA DE DEFICIÊNCIA PARA OS FINS DE FRUIÇÃO DOS DIREITOS ASSEGURADOS PELA LEI ORGÂNICA E PELAS DEMAIS

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS ALTERNATIVAS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA: A QUESTÃO DOS PROJETOS

A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS ALTERNATIVAS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA: A QUESTÃO DOS PROJETOS A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS ALTERNATIVAS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA: A QUESTÃO DOS PROJETOS Prof. Dra. Simone Sendin Moreira Guimarães Instituto de Ciências Biológicas/ICB Universidade Federal

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, JURÍDICA E DE ESTUDOS SOBRE A PESSOA IDOSA

SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, JURÍDICA E DE ESTUDOS SOBRE A PESSOA IDOSA 110. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( x ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO

Leia mais

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA Autor: Marusa Fernandes da Silva marusafs@gmail.com Orientadora: Profª. Ms. Mônica Mª N. da Trindade Siqueira Universidade de Taubaté monica.mnts@uol.com.br Comunicação oral:

Leia mais

II. Atividades de Extensão

II. Atividades de Extensão REGULAMENTO DO PROGRAMA DE EXTENSÃO I. Objetivos A extensão tem por objetivo geral tornar acessível, à sociedade, o conhecimento de domínio da Faculdade Gama e Souza, seja por sua própria produção, seja

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ A N E X O I E D I T A L D E C O N C U R S O P Ú B L I C O Nº 01/2015 D O S R E Q U I S I T O S E A T R I B U I Ç Õ E S D O S C A R G O S RETIFICAÇÃO

Leia mais

Código de Ética da Psicopedagogia

Código de Ética da Psicopedagogia Código de Ética da Psicopedagogia O Código de Ética tem o propósito de estabelecer parâmetros e orientar os profissionais da Psicopedagogia brasileira quanto aos princípios, normas e valores ponderados

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE

TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE CIDADE DE SÃO PAULO AUTOR(ES): THAIS

Leia mais

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas Julie Caroline de Alcântara Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: juliealcantara.31@gmail.com

Leia mais

I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009

I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009 I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009 Observatório da Educação participação e controle da sociedade civil nas políticas

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA CÍCERO WILLIAMS DA SILVA EMERSON LARDIÃO DE SOUZA MARIA DO CARMO MEDEIROS VIEIRA ROBERTO GOMINHO DA SILVA

Leia mais

EXPLICAÇÕES SOBRE A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO

EXPLICAÇÕES SOBRE A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO EXPLICAÇÕES SOBRE A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO Elementos Textuais: INTRODUÇÃO: Introduzir significa apresentar. Descrever o trabalho baseando-se nas seguintes colocações: o quê fez, por que

Leia mais

Tudo sobre TELEMEDICINA O GUIA COMPLETO

Tudo sobre TELEMEDICINA O GUIA COMPLETO Tudo sobre TELEMEDICINA O GUIA COMPLETO O QUE É TELEMEDICINA? Os recursos relacionados à Telemedicina são cada vez mais utilizados por hospitais e clínicas médicas. Afinal, quem não quer ter acesso a diversos

Leia mais

Profea- Projeto de Formação de Educadores Ambientais

Profea- Projeto de Formação de Educadores Ambientais Profea- Projeto de Formação de Educadores Ambientais Mostra Local de: Maringá PR Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Facinor- Faculdade

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE ESPAÇO FÍSICO NA CRECHE ( os cantinhos ), que possibilitou entender o espaço como aliado do trabalho pedagógico, ou seja, aquele que

ORGANIZAÇÃO DE ESPAÇO FÍSICO NA CRECHE ( os cantinhos ), que possibilitou entender o espaço como aliado do trabalho pedagógico, ou seja, aquele que Introdução A formação continuada iniciou-se com um diagnóstico com os profissionais que atuam nos Centros de Educação Infantil do nosso município para saber o que pensavam a respeito de conceitos essenciais

Leia mais

DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP

DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP São Paulo - SP - maio 2011 Rita Maria Lino Tarcia, Universidade Federal

Leia mais

Elaboração de pauta para telejornal

Elaboração de pauta para telejornal Elaboração de pauta para telejornal Pauta é a orientação transmitida aos repórteres pelo pauteiro, profissional responsável por pensar de que forma a matéria será abordada no telejornal. No telejornalismo,

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS 1. Categorias profissionais que já compõem o SUAS RS: - Psicólogo - Assistente Social - Advogado - Educador Social - Nutricionista - Pedagogo - Enfermeiro - Estagiários - Supervisores e Coordenação - Técnico

Leia mais

Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹

Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹ Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹ José Alves de SOUZA² Maria Stella Galvão SANTOS³ Universidade Potiguar (UnP ), Natal, RN RESUMO Este Plano de Comunicação refere-se a um estudo

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS / 2014. Convênio Municipal Secretaria de Desenvolvimento Social

RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS / 2014. Convênio Municipal Secretaria de Desenvolvimento Social RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS / 2014 Convênio Municipal Secretaria de Desenvolvimento Social Entidade: Grupo de Pesquisa e Assistência ao Câncer Infantil Endereço: Rua Antônio Miguel Pereira

Leia mais

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas.

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SANTOS, Silvana Salviano silvanasalviano@hotmail.com UNEMAT Campus de Juara JESUS, Lori Hack de lorihj@hotmail.com UNEMAT

Leia mais

PROJETO ESCOLA PARA PAIS

PROJETO ESCOLA PARA PAIS PROJETO ESCOLA PARA PAIS Escola Estadual Professor Bento da Silva Cesar São Carlos São Paulo Telma Pileggi Vinha Maria Suzana De Stefano Menin coordenadora da pesquisa Relator da escola: Elizabeth Silva

Leia mais

Relato das experiências vividas na formação do FORPEDI MUNICÍPIO: REGENTE FEIJÓ

Relato das experiências vividas na formação do FORPEDI MUNICÍPIO: REGENTE FEIJÓ Relato das experiências vividas na formação do FORPEDI MUNICÍPIO: REGENTE FEIJÓ Introdução Esclarecimento das necessidades da continuidade das fases de aprendizagem por faixa etária da criança, isto é:

Leia mais

Estágio Curricular Supervisionado

Estágio Curricular Supervisionado Estágio Curricular Supervisionado CURSO DE ENFERMAGEM O curso de bacharelado em Enfermagem do IPTAN apresenta duas disciplinas em seu plano curricular pleno relativas ao estágio: Estágio Supervisionado

Leia mais

Palavras chave: Jornalismo Científico - Saúde - Neurociências

Palavras chave: Jornalismo Científico - Saúde - Neurociências PENSE EM QUEM PENSA POR MIM Relação afetiva entre o colaborador e a Universidade por meio da Comunicação Social da Ciência Marilisa de Melo Freire Rossilho, Li Li Min Universidade Estadual de Campinas

Leia mais

COMO SE TORNAR UM VOLUNTÁRIO?

COMO SE TORNAR UM VOLUNTÁRIO? COMO SE TORNAR UM VOLUNTÁRIO? Apresentação Ir para a escola, passar um tempo com a família e amigos, acompanhar as últimas novidades do mundo virtual, fazer um curso de inglês e praticar um esporte são

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

Mostra de Projetos 2011 BRINQUEDOTECA: O LÚDICO NO RESGATE

Mostra de Projetos 2011 BRINQUEDOTECA: O LÚDICO NO RESGATE Mostra de Projetos 2011 BRINQUEDOTECA: O LÚDICO NO RESGATE Mostra Local de: Londrina. Categoria do projeto: Projetos finalizados. Nome da Instituição/Empresa: (Campo não preenchido). Cidade: Londrina.

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série).

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série). INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A EJA 1- Você se matriculou em um CURSO DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA). Esse curso tem a equivalência do Ensino Fundamental. As pessoas que estudam na EJA procuram um curso

Leia mais

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA Romaldo Bomfim Medina Jr 1 Luciane Silva Ramos 2 Fernanda Franceschi de Freitas 3 Carmem Lúcia Colomé Beck 4 O movimento

Leia mais

CURSO DE DISSEMINADORES DE EDUCAÇÃO FISCAL

CURSO DE DISSEMINADORES DE EDUCAÇÃO FISCAL CURSO DE DISSEMINADORES DE EDUCAÇÃO FISCAL ELABORAÇÃO DOS PROJETOS PROFª: Daniele Dias de Oliveira Bertagnolli Mai/2012 PROJETO A palavra projeto (do latim projectu, particípio passado de projicere, lançar

Leia mais

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO Campo Limpo Paulista 2012 1 CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA Marcos Legais Resolução CNE CES 1 2002 Resolução CNE

Leia mais

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS CRIZÓSTOMO, Cilene Delgado MILANEZ, Maria Rosa de Morais SOUSA, Rejane Lúcia Rodrigues Veloso ALBUQUERQUE, Judith

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS A sistematização que segue refere-se aos pontos trabalhados pelo grupo, no sentido de ativar a reflexão de questões que seriam tratadas no Encontro Estadual dos Trabalhadores do SUAS, realizado dia 16

Leia mais

apresentação oral sobre temas concernentes às especificidades do curso de Redes de Computadores;

apresentação oral sobre temas concernentes às especificidades do curso de Redes de Computadores; CENTRO DE ENSINO SUPERIOR FABRA MANTENEDOR DA ESCOLA DE ENSINO SUPERIOR FABRA Cred. Pela Portaria Ministerial nº 2787 de 12/12/2001 D.O.U. 17/12/2001 Rua Pouso Alegre, nº 49 Barcelona Serra/ES CEP 29166-160

Leia mais

Você conhece a Medicina de Família e Comunidade?

Você conhece a Medicina de Família e Comunidade? Texto divulgado na forma de um caderno, editorado, para a comunidade, profissionais de saúde e mídia SBMFC - 2006 Você conhece a Medicina de Família e Comunidade? Não? Então, convidamos você a conhecer

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

Claudilene Fernandes da Silva

Claudilene Fernandes da Silva CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde CONSCIENTIZAÇÃO E EDUCAÇÃO EM SAÚDE NA IMPLANTAÇÃO ACOLHIMENTO COM CLASSIFICAÇÃO DE RISCO: ASSEGURANDO SATISFAÇÃO

Leia mais

ilupas da informação e comunicação na área de Saúde entrevista

ilupas da informação e comunicação na área de Saúde entrevista ilupas Pesquisa Nacional identifica investimentos em tecnologias da informação e comunicação na área de Saúde Por Kelly de Souza O baixo grau de investimento em Tecnologias da Informação e Comunicação

Leia mais

Equipe da GCO: 1. Carlos Campana Gerente 2. Maria Helena 3. Sandro 4. Mariana

Equipe da GCO: 1. Carlos Campana Gerente 2. Maria Helena 3. Sandro 4. Mariana Gerência de Comunicação GCO tem por finalidade planejar, organizar, coordenar e controlar as atividades de comunicação e editoriais do Confea. Competências da GCO 1. Organizar e executar projetos editoriais:

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS CAMPO GRANDENSES INSTRUÇÃO NORMATIVA 002/2010 17 05 2010

FACULDADES INTEGRADAS CAMPO GRANDENSES INSTRUÇÃO NORMATIVA 002/2010 17 05 2010 O Diretor das Faculdades Integradas Campo Grandenses, no uso de suas atribuições regimentais e por decisão dos Conselhos Superior, de Ensino, Pesquisa, Pós Graduação e Extensão e de Coordenadores, em reunião

Leia mais

ANALISE AS RESPOSTAS DA PESQUISA COMPARTILHE OS RESULTADOS COM OS SÓCIOS DO SEU CLUBE E OUTROS COMPANHEIROS LEÕES

ANALISE AS RESPOSTAS DA PESQUISA COMPARTILHE OS RESULTADOS COM OS SÓCIOS DO SEU CLUBE E OUTROS COMPANHEIROS LEÕES Serviços Leonísticos para Crianças Avaliação das necessidades da comunidade Os dados estatísticos atuais revelam que milhões de crianças em todas as partes do mundo sofrem de pobreza, doenças, deficiências

Leia mais

GTT 1 - A Descaracterização do Trabalho do Professor de Educação Física nas Atuais Políticas Públicas de Educação na RMBH

GTT 1 - A Descaracterização do Trabalho do Professor de Educação Física nas Atuais Políticas Públicas de Educação na RMBH Documento final do "Seminário: O trabalho docente em educação física face às atuais políticas públicas na educação na RMBH: Repercussões nas instituições Formadoras" O presente documento tem por finalidade

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL

ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL A SANTA CASA BH TEM TODOS OS CUIDADOS PARA VOCÊ CONQUISTAR UMA CARREIRA SAUDÁVEL. Missão Humanizar a assistência

Leia mais

Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante

Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante POR QUE CRIAR CIHDOTTs? 6294 hospitais no país Necessidade de descentralização Equipes localizadas dentro do hospital notificante

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA CIVIL CAMPUS CAMPO MOURÃO ENGENHARIA CIVIL CARLOS HENRIQUE FELIPE POÇAS RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO Relatório de Estágio

Leia mais

A NECESSIDADE DA PESQUISA DO DOCENTE PARA UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA INCLUSIVA, PRINCIPALMENTE NA EDUCAÇÃO ESPECIAL E NO TRABALHO COM AUTISTAS

A NECESSIDADE DA PESQUISA DO DOCENTE PARA UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA INCLUSIVA, PRINCIPALMENTE NA EDUCAÇÃO ESPECIAL E NO TRABALHO COM AUTISTAS XXII Semana de Educação da Universidade Estadual do Ceará 31 de agosto a 04 de setembro de 2015 A NECESSIDADE DA PESQUISA DO DOCENTE PARA UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA INCLUSIVA, PRINCIPALMENTE NA EDUCAÇÃO ESPECIAL

Leia mais

Universidade Estadual De Londrina

Universidade Estadual De Londrina Universidade Estadual De Londrina CENTRO DE EDUCAÇÃO, COMUNICAÇÃO E ARTES DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA MANUAL DO ESTAGIÁRIO CURSO PEDAGOGIA LONDRINA 2009 2 REITOR WILMAR SACHETIN MARÇAL

Leia mais

CURSO DE EDUCAÇÃO FISICA ATIVIDADES EXTRA CURRICULARES

CURSO DE EDUCAÇÃO FISICA ATIVIDADES EXTRA CURRICULARES CURSO DE EDUCAÇÃO FISICA ATIVIDADES EXTRA CURRICULARES Com a crescente produção de conhecimento e ampliação das possibilidades de atuação profissional, o curso proporciona atividades extra curriculares

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

UNIÍTALO FISIOTERAPIA MANUAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

UNIÍTALO FISIOTERAPIA MANUAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Prezado aluno (a), As disciplinas Práticas Clínicas Supervisionadas (PCS), também conhecidas como estágios supervisionados, irão permitir que você integre todo o conhecimento adquirido ao longo do curso,

Leia mais

Campo Mourão, 30 de maio de 2006. Excelentíssimo Senhor NELSON TUREK. DD. Prefeito Municipal. Nesta

Campo Mourão, 30 de maio de 2006. Excelentíssimo Senhor NELSON TUREK. DD. Prefeito Municipal. Nesta Educação Especial - Medidas Jurídicas 2 - Proposta ao Prefeito Municipal - Inclusão de dotação orçamentária específica - Equipe Multidisciplinar - Inclusão de alunos com TDAH Promotoria de Justiça de Proteção

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Encontro das Instituições: Potencializando Parcerias

Encontro das Instituições: Potencializando Parcerias ÁREA TEMÁTICA: DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA Encontro das Instituições: Potencializando Parcerias Gisele Alves de Sá Quimelli Rosiane Henneberg Roseni Marconato Pinto Thalita Arnaud de Souza Camila Silva

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

Formação de Voluntários em Programas Corporativos. Trabalho em Grupo Encontro de 08/06/2011

Formação de Voluntários em Programas Corporativos. Trabalho em Grupo Encontro de 08/06/2011 Formação de Voluntários em Programas Corporativos Trabalho em Grupo Encontro de 08/06/2011 Questão 1 A empresa tem uma estratégia definida? A empresa planeja a formação dos voluntários? Se sim, qual o

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR 1. Como são os cursos ofertados pela plataforma freire e quais os benefícios para os professores que forem selecionados? O professor sem formação poderá estudar nos

Leia mais

PERFIL EMPREENDEDOR DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM DESIGN DE MODA

PERFIL EMPREENDEDOR DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM DESIGN DE MODA PERFIL EMPREENDEDOR DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM DESIGN DE MODA Alini, CAVICHIOLI, e-mail¹: alini.cavichioli@edu.sc.senai.br Fernando Luiz Freitas FILHO, e-mail²: fernando.freitas@sociesc.org.br Wallace Nóbrega,

Leia mais

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Liderança 1.1 1.2 1.3 1.4 1. As decisões tomadas pelo Conselho Pedagógico, pela Direção e pelo Conselho Geral são disponibilizadas atempadamente. 2. Os vários

Leia mais

NORMAS GERAIS DE ESTÁGIO PARA O CURSO DE PÓS- GRADUAÇÃO: GESTÃO, SUPERVISÃO E ORIENTAÇÃO EDUCACIONAL

NORMAS GERAIS DE ESTÁGIO PARA O CURSO DE PÓS- GRADUAÇÃO: GESTÃO, SUPERVISÃO E ORIENTAÇÃO EDUCACIONAL NORMAS GERAIS DE ESTÁGIO PARA O CURSO DE PÓS- GRADUAÇÃO: GESTÃO, SUPERVISÃO E ORIENTAÇÃO EDUCACIONAL APRESENTAÇÃO Este manual destina-se a orientação dos procedimentos a serem adotados durante o estágio

Leia mais

Neste contexto, destacamos as ações desenvolvidas durante o ano letivo em seus respectivos meses. MARÇO:

Neste contexto, destacamos as ações desenvolvidas durante o ano letivo em seus respectivos meses. MARÇO: Relatório O brincando se Aprende Um Projeto Socioeducativo foi criado e aplicado como uma nova metodologia, para despertar o interesse dos alunos do Ensino Médio pelas atividades matemáticas e de linguagens,

Leia mais

RELATÓRIO GERAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2014

RELATÓRIO GERAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2014 RELATÓRIO GERAL AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2014 2014 Dados da Instituição FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DO SUL DE MINAS - FACESM Código: 508 Faculdade privada sem fins lucrativos Estado: Minas Gerais

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

REGULAMENTO NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE E ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO - NAAP INSTITUTO MASTER DE ENSINO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS

REGULAMENTO NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE E ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO - NAAP INSTITUTO MASTER DE ENSINO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS REGULAMENTO NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE E ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO - NAAP INSTITUTO MASTER DE ENSINO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS Art. 1º O presente regulamento tem por finalidade normatizar as atividades

Leia mais

SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio.

SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio. SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio. RESUMO Nós, jovens brasileiros, é uma continuidade do conhecido Este jovem brasileiro, sucesso do portal por 6 edições consecutivas.

Leia mais