AS ESTRATÉGIAS DE RELAÇÕES PÚBLICAS NA CAUSA DO AUTISMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AS ESTRATÉGIAS DE RELAÇÕES PÚBLICAS NA CAUSA DO AUTISMO"

Transcrição

1 CENTRO DE EDUCAÇÃO, COMUNICAÇÃO E ARTES DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL HABILITÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS CAROLINA GUADANHIN SÂMIA KAMIZI AS ESTRATÉGIAS DE RELAÇÕES PÚBLICAS NA CAUSA DO AUTISMO Londrina 2003

2 2 AS ESTRATÉGIAS DE RELAÇÕES PÚBLICAS NA CAUSA DO AUTISMO Docente Marta Terezinha Motta Campos Martins Dicentes Carolina Guadanhin Sâmia Kamizi O Espaço Escuta, que é um Centro Interdisciplinar de Diagnóstico e Tratamento Precoce dos Distúrbios Globais do Desenvolvimento, é considerado como a organização mais adequada em Londrina, para diagnosticar e tratar uma criança autista, porém, é pouco conhecida e precisa ser mais divulgada. Frente a este cenário, entende-se que há uma necessidade de se aplicar estratégias efetivas de comunicação no Espaço Escuta e, para um melhor entendimento da importância das atividades que foram realizadas junto à entidade, apontam-se alguns assuntos vinculados à temática, como a contribuição das Relações Públicas para a causa do autismo, a comunicação servindo de apoio para a OSCIP e a importância do voluntariado para o propósito do Espaço Escuta. Com a aplicação de uma pesquisa institucional, foi possível detectar o ambiente ao qual esta organização está inserida, viabilizando analisar os principais aspectos, desenvolvidos no texto, para serem trabalhados junto à entidade. Relata-se ainda os grupos de interesse ligados ao Espaço Escuta e os públicos que mais carecem dos esforços das Relações Públicas para atingir o objetivo de tornar uma instituição mais conhecida, bem como suas atividades, por meio das ações que foram executadas para este mesmo fim. Apesar de não haver pesquisas exatas sobre sua origem, sabe-se que existem meios de como diagnosticar o autismo precocemente e amenizar o grau da síndrome. Mas para isso, faz-se necessário esclarecer a população e

3 3 orientá-la a procurar o profissional ou instituição adequada, caso suspeitem que alguma criança possui indicadores de autismo. Há um índice crescente de interesse pela doença e uma prova disso é o aumento de congressos, encontros, grupos de estudos e campanhas que têm abordado este assunto. Porém, um número reduzido de psicólogos e psiquiatras possuem conhecimento aprofundado sobre o assunto e acesso aos principais eventos. Percebe-se que existe uma sociedade abrangente que influencia, direta ou indiretamente, o desenvolvimento da criança e precisa ter mais esclarecimento sobre o assunto. O obstetra, por exemplo, é o primeiro profissional a manter contato com a mãe e, conseqüentemente, com o bebê. Após o nascimento, tem-se as enfermeiras e o pediatra. Em relação à família, além dos pais, existem os avós, os tios e, às vezes, a babá torna-se um membro indispensável na criação de uma criança. Já na escola, o indivíduo passa a ter contato com professores, pedagogos e colegas. Por tanto, entende-se que, mesmo com poucos anos de vida, a criança já possui vínculos sociais significativos. Dentro deste contexto e com fundamento nos resultados de uma pesquisa de opinião pública, aplicada para medir o grau de esclarecimento da sociedade londrinense em relação ao autismo, percebeu-se a necessidade de um maior conhecimento a respeito desta síndrome e também do maior envolvimento dos públicos relacionados a esta problemática. Por meio desta pesquisa, identificou-se o Espaço Escuta que, prestando gratuitamente atendimento psicológico e pediátrico, especialmente para mães, bebês e crianças, propõe um trabalho de diagnóstico e tratamento precoce dos distúrbios do desenvolvimento global. A escolha desta instituição, como objeto de estudo para o desenvolvimento deste trabalho, fez-se em função de ser a única entidade em Londrina e região que oferece o diagnóstico, o tratamento e o esclarecimento de informações a respeito do autismo e outros distúrbios globais do desenvolvimento. Logo, a atividade social do Espaço Escuta em prol dos portadores de autismo e seus familiares vêm ao encontro do objetivo primeiro deste trabalho:

4 4 o de oferecer aos envolvidos nesta problemática recursos de Relações Públicas que possam, com a melhoria efetiva da comunicação entre eles, acrescentar vantagens ao trabalho oferecido pela instituição. A CAUSA Segundo alguns pesquisadores, a doença do autismo não tem cura e é mais comum do que se imagina. Então, para que haja um esclarecimento coletivo em torno deste problema, necessita-se da elaboração de estratégias de comunicação com o intuito de direcionar as informações necessárias para os públicos-alvo e criar vínculos entre os mesmos e o Espaço Escuta. Sendo o autismo uma doença sem origem definida e pouco conhecida, partiu-se do pressuposto que a sociedade em geral possivelmente não estivesse suficientemente informada a respeito dessa doença. Percebeu-se, então, a necessidade de mensurar qual era exatamente o grau de esclarecimento dos londrinenses a respeito do autismo. Para avaliar esse nível de conhecimento, considerou-se como públicos os segmentos da sociedade com maior possibilidade de convívio com um indivíduo autista, durante as primeiras fases do desenvolvimento da doença. Esses públicos foram constituídos por profissionais da área da saúde, da educação e pais de crianças de 0 a 6 anos, como já foi citado. Durante o decorrer deste trabalho, pôde-se aprofundar conhecimentos sobre o tema e alcançar os objetivos principais. Porém, admite-se que o desenvolvimento da Pesquisa de Opinião Pública foi comprometido por várias limitações, dentre as quais: a escassez de tempo disponível das pesquisadoras para dedicação dos propósitos, a grande quantidade de barreiras burocráticas na administração de escolas e hospitais para a autorização da aplicação dos questionários, o período de férias escolares no momento de trabalhar com os educadores, a pouca disponibilidade de tempo dos profissionais da saúde em atender, uma certa insegurança dos pesquisados em geral em revelar ignorância sobre o tema e, por fim, relativo desinteresse de algumas pessoas e instituições procuradas em participar da pesquisa.

5 5 Contudo, todos os envolvidos tiveram grande relevância nos resultados obtidos e que, de acordo com os objetivos propostos, considera-se plenamente satisfatórios. Em especial, ressalta-se a qualidade das contribuições cedidas por algumas organizações e profissionais especificamente ligados ao tema, como por exemplo, o Espaço Escuta, a APA e, especialmente, a psicóloga Maribél de Salles de Melo. A Pesquisa de Opinião Pública, além das observações não sistemáticas, viabilizou o levantamento de diversas considerações. Deste modo, os dados analisados confirmaram o que se deduziu e alguns foram bastante surpreendentes. Em relação aos pais, os resultados levantados já eram esperados, pois confirmaram a hipótese de que este público-alvo apresentaria acentuado grau de desinformação a respeito do autismo. Apenas 28,57% dos pais disseram saber o que é autismo e 61,54% já ouviram falar. Destes, 55,05% afirmaram saber sobre as características baseadas em filmes que assistiram, significando que devem possuir um conceito restrito ou errôneo sobre o que realmente é o autismo. Já na área da educação, pôde-se averiguar que, nas escolas não especializadas, alguns profissionais possuem algum conhecimento relevante sobre o assunto, pois tiveram ou têm contato com algum aluno portador da doença em questão. No entanto, como era previsto, a grande maioria desses profissionais não detêm conhecimento suficiente da síndrome. Apesar de 61,74% dos entrevistados afirmarem que encaminhariam um aluno autista para o psicólogo, 47,06% acreditam que a doença é neurológica. Os profissionais da área da saúde, especificamente enfermeiros e médicos pediatras, demonstraram não estarem preparados para diagnosticar o autismo e nem orientar para onde encaminhar um paciente autista, pois 55,56% acredita, assim como os profissionais da educação, que é uma doença neurológica, e não psicológica. Esta situação pode estar ocorrendo devido ao fato de que 88,89% dos pesquisados não adquiriram conhecimentos suficientes na grade curricular de seus cursos. Dentro de todas as variáveis argüidas na elaboração do projeto quali-quantitativo, somente uma, referente a proximidade e/ou convivência com

6 6 portadores de autismo, revelou-se capaz de provocar alguma alteração no nível de conhecimento das pessoas entrevistadas acerca da patologia: o de elevá-lo. Diante dessas considerações, pôde-se constatar que muitos indivíduos autistas não são diagnosticados logo no início do desenvolvimento da doença e nem encaminhados ao local de atendimento especializado, o que por sua vez contribui para que o agravamento da síndrome. Contudo, concluiu-se que a população londrinense necessita de informações sobre o autismo e constatou-se a importância de desenvolver estratégias de Relações Públicas que possam ajudar a reverter este quadro, trabalhando em parceria com os propósitos do Espaço Escuta. A entidade necessita de uma maior divulgação para que os profissionais a procurem quando observarem algum indivíduo com traços de autismo e se interessarem por colaborar com trabalhos voluntários ou desejarem aprofundar-se mais sobre o assunto. O autismo é uma síndrome que apresenta diversas alterações do desenvolvimento global e desvios qualitativos na comunicação, interação social e imaginação e, em geral, manifesta-se muito cedo, antes dos três anos de vida. É considerado uma síndrome porque se caracteriza por um conjunto de sintomas típicos que identificam o problema, porém não pode ser detectada por nenhum exame específico. Os indivíduos autistas têm dificuldade ou impossibilidade de se comunicar, por isso, quase não falam. Também são resistentes a mudanças de ambiente e alterações de rotina, podem tornar-se agressivos, mostram indiferença às pessoas e acontecimentos ao seu redor, não atendem a chamados e, quase sempre, não expressam emoções. Quando diagnosticado precocemente, através da observação e estudo de comportamento sintomático, o autismo pode ser tratado com terapias específicas por profissionais e instituições especializadas. O tratamento pode amenizar as dificuldades causadas pela síndrome, mas não pode dar ao portador uma vida completamente normal, mesmo porque o distúrbio atinge um dos principais requisitos para o desenvolvimento humano: a capacidade de interação social.

7 7 Há mais de 60 anos, a síndrome do autismo vem sendo estudada pela ciência, mas ainda apresenta dúvidas e divergências quanto a sua causa. Entretanto, este distúrbio que antes era conhecido por poucas pessoas, entre elas alguns profissionais da saúde e pais de autistas, hoje já se tornou um assunto mais difundido também entre os indivíduos que não são diretamente ligados ao autismo. Nota-se que a questão é debatida publicamente, comentada em veículos de comunicação de massa e até mesmo servindo como temática de filmes e programas de televisão. Em 2002, a brasileira Verônica Bird, responsável pela Verônica Bird Charitable Fundation, nos Estados Unidos, entregou ao MEC (Ministério da Educação e Cultura) um vídeo que orienta sobre os aspectos do autismo em relação à educação. Mais recentemente, pode-se ver nos comerciais de televisão, a campanha da AMA (Associação dos Amigos do Autista), que divulga características e cuidados especiais com a criança autista. Estes casos são índices do crescimento da divulgação do assunto atualmente, apesar de, ainda assim, serem insuficientes para um completo esclarecimento social. Admite-se que essas iniciativas são válidas, porém tratase de campanhas superficiais por serem destinadas à massa. Diante desta tendência de maior enfoque ao tema do autismo, como problema social e, por conseguinte, como pauta para discussões do interesse público, torna-se óbvia a necessidade de estratégias de comunicação para otimizar o trabalho desenvolvido por profissionais e organizações sociais que se dedicam à causa do autismo. O propósito das Relações Públicas é criar meios de esclarecimento sobre a problemática, direcionando-os a um grupo determinado, almejando que os resultados sejam mais significativos para as instituições a favor desta causa, como o Espaço Escuta. É com a contribuição profissional das Relações Públicas, que a comunicação, entre esta instituição e seus públicos, torna-se efetiva, integrando, aproximando e otimizando o relacionamento dos envolvidos com o trabalho social para o problema do autismo.

8 8 O ESPAÇO ESCUTA Psicóloga e psicanalista, Maribél de Salles de Melo, havia percebido que alguns profissionais procuravam especializações em outras cidades, pois necessitavam de mais conhecimento sobre o desenvolvimento global infantil. Pretendendo dar continuidade às atividades que já realizava na Associação Psicanalítica de Curitiba, resolveu, então, implantar na cidade de Londrina, em agosto de 1999, cursos que já ministrava há 10 anos. Dois anos depois, como resultado desse trabalho e contando com o apoio de profissionais que participavam de suas aulas, fundou um Centro Interdisciplinar de Diagnóstico e Tratamento Precoce dos Distúrbios Globais do Desenvolvimento - o Espaço Escuta, hoje designado uma OSCIP - que oferece atividades para Formação, Aperfeiçoamento e Pesquisa aos profissionais com base em conceitos psicanalíticos. A organização possui o propósito de prestar serviços para melhorar o desenvolvimento global infantil, além de treinar e capacitar profissionais que tenham algum tipo de interesse a respeito do diagnóstico precoce. Realiza também atendimento gratuito a crianças de 0 a 12 anos com problemas de hiperatividade, autismo e atrasos no desenvolvimento, bem como centra forças na formação de pessoas que têm contato constante e significativo com as mesmas. Em março de 2002, iniciou-se um curso de duração de dois anos, sendo um pré-requisito para quem possui interesse em desenvolver alguma atividade voluntária com as crianças no Espaço Escuta O Espaço Escuta está localizado na Rua Amador Bueno, 265, em Londrina - Pr. O local onde funciona a instituição é constituído por: sala de pediatria, sala de espera, pátio, três banheiros, bebedouro, sala de aula, 4 salas de atendimento, cozinha e secretaria. Apesar do tamanho do prédio ser considerado de pequeno porte, está adequado para a quantidade de pacientes atendidos e de pessoas que freqüentam o local, seja como voluntários ou alunos. E ainda tem a vantagem de

9 9 estar localizado próximo ao Hospital Infantil e ao Hospital Evangélico e outras clínicas. O coffee-break, servido no intervalo das aulas, é preparado na cozinha do Espaço Escuta, onde os profissionais que atuam na organização podem fazer também suas refeições, caso necessitem. O bebedouro e sanitários estão posicionados estrategicamente próximos a salas de aula e de atendimento. A sala, onde são ministrados os cursos oferecidos pela entidade, possui material didático que serve de apoio às discussões sobre o tema abordado, além de recursos visuais, como o quadro negro e mural. O ambiente onde são realizados todos os exames e tratamentos ainda possui uma estrutura incompleta, contendo instrumentos médicos e psicológicos que auxiliam na detecção do diagnóstico da criança. Caso a criança necessite de exames mais detalhados, como tomografia, por exemplo, são encaminhadas a uma equipe de médicos neurológicos. O aluguel do espaço onde está situada a instituição é pago com a ajuda fixa de algumas empresas e com o lucro de promoções e eventos realizados. Esta verba também ajuda na compra de materiais de limpeza, brinquedos, papelaria e no pagamento das contas de luz, água, telefone e da faxineira, restando ainda uma quantia que está sendo guardado para a construção de uma sala de espera maior, para que haja mais conforto aos pacientes e seus pais ou responsáveis, além de visitas que esperam ser atendidas. As organizações desenvolvem atividades diretamente relacionadas com o motivo principal de sua existência, como no caso do Espaço Escuta, que coloca à disposição da comunidade londrinense e região um serviço de atendimento gratuito às crianças com distúrbios do desenvolvimento global. Além disso, realiza cursos de capacitação de profissionais da saúde, da educação e da área social frente ao diagnóstico e tratamento de doenças psíquicas. Atualmente, mais de 35 crianças são atendidas na instituição, todas encaminhadas por entidades como APAE, ILECE, Hospital Infantil,

10 10 CISMEPAR, Escola Meta e Associação Londrinense de Saúde Mental, com as quais possui parceria. As mães das crianças que são encaminhadas ao Espaço Escuta também recebem apoio psicológico, podendo expor suas angústias, dúvidas, medos, e também adquirem instruções para ajudar na interação e inclusão social do seu filho. Os cursos realizados no Espaço Escuta, como por exemplo, psicanálise e transdisciplina ou psicanálise e educação, são normalmente freqüentados por pediatras, psicólogos, profissionais de enfermagem, professores da área educacional e demais interessados no entendimento do desenvolvimento global da criança e que se preocupam com o comprometimento psíquico e o tratamento adequado dos indivíduos ainda na infância. Atualmente, o Espaço Escuta conta com colaboradores que oferecem de 5 a 15 horas semanais: 6 profissionais voluntários constituindo o Grupo Gestor: 4 psicólogas - sendo que uma é a presidente - 1 neuropediatra e 1 administrador de empresas (tesoureira); 1 pediatra; 5 estagiários do Curso de Psicanálise e Transdisciplina: 3 estudantes de psicologia, 1 de psicopedagogia e 1 assistente social; 2 estagiárias de Comunicação Social - Habilitação em Relações Públicas 1 secretária O Grupo Gestor é eleito a cada dois anos pelos colaboradores da instituição. Como os integrantes deste grupo devem ser membro efetivo e sócios contribuintes por mais de 3 anos, e a OSCIP tem apenas dois anos de atuação, este ano deverá haver uma reeleição dos membros. Como o Espaço Escuta trata de distúrbios do desenvolvimento global infantil, para atuar como voluntário na organização, exige-se que o estudante ou profissional seja da área de psicologia ou pediatria e que tenha completado o curso profissionalizante de dois anos, oferecido na própria instituição, para que tenham base e informações suficientes sobre o problema

11 11 das crianças, não havendo riscos de piorar a saúde do paciente ou a possibilidade de alterar o diagnóstico e tratamento adequado para o paciente. Já os voluntários de outras áreas - como serviço social, comunicação e administração, por exemplo - que desejam trabalhar na instituição, são entrevistados por um dos representantes do Grupo Gestor antes de começarem a atuar no Espaço Escuta. Este representante analisa os objetivos e o perfil do interessado, se está de acordo ou não com a proposta da OSCIP. Basicamente, não há funcionário remunerado. Apenas uma porcentagem da verba adquirida com os cursos prestados são destinados às duas psicólogas que ministram os cursos oferecidos. O Grupo Gestor possui reuniões administrativas semanais para a discussão e realização dos trabalhos que estão ou serão realizados e é o momento em que são tomadas as decisões maiores por meio de votação dos membros. No começo de todo ano, acontece uma assembléia com todos os integrantes da organização, onde são discutidas e distribuídas as tarefas para os colaboradores. Estes são divididos em comissões para o planejamento e desenvolvimento de determinadas atividades. O responsável de cada comissão leva as informações para serem discutidas na reunião do Grupo Gestor. As funções de cada comissão são: Administrativo: trata da parte burocrática, faz levantamento de dados relevantes ao trabalho da instituição, cuida da documentação, organiza as reuniões para propor as atividades que devem ser executadas pelas outras comissões. Ensino e Formação: preparação dos cursos e conteúdo pra a capacitação e atualização da equipe de alunos e profissionais. Projetos: criação de veículos de comunicação para enviar às outras instituições da cidade e região, divulgando o trabalho do Espaço Escuta, além de arrecadar fundos para obtenção de instrumentos como: filmadora, aparelhos de som, computadores. Clínica: é responsável pelo atendimento dos pacientes e supressão dos estagiários.

12 12 Eventos: cuida da organização de festas, almoços, palestras para a arrecadação de verba. Acervo: faz o levantamento de livros utilizados nas aulas, além de organizar uma biblioteca e fazer publicações em revistas. As atividades realizadas pelos profissionais e estagiárias de psicologia são: Triagem e avaliação das crianças encaminhadas; Atendimentos Individuais às crianças; Atendimentos Individuais com as mães; Formação de grupos de pais; Supervisão e orientação a profissionais de outras instituições; Contatos com outras instituições e profissionais que atendem crianças; Elaboração dos relatórios de atendimentos; Encaminhamento da criança a outra instituição se não for caso para o Espaço Escuta; Discussão interdisciplinar dos casos. A psicopedagoga trabalha em parceria com as psicólogas e também faz avaliação dos casos encaminhados externa ou internamente, atendimento individual, participação no grupo de pais e discussão interdisciplinar dos casos. Já a assistente social cuida da análise social dos casos, faz visitas domiciliares e atendimento social no Espaço Escuta, além de participar também das discussões interdisciplinares dos casos. A mãe de uma das crianças atendidas na instituição é voluntária e exerce a função de secretária, atendendo a telefonemas, anotando recados e passando todas as informações necessárias aos interessados nas atividades do Espaço Escuta. E a faxineira é a única remunerada pelos componentes do Grupo Gestor.

13 13 A PROPOSTA Depois de traçar o perfil dos públicos que devem ser trabalhados e analisar os processos de trabalho, além das condições internas e externas, da organização, parte-se para o planejamento estratégico. Esta próxima fase consistiu em averiguar no Espaço Escuta todos os sistemas de informação, estabelecendo os objetivos e cumprindo metas de acordo com as necessidades da entidade e dos grupos de interesse a serem trabalhados. Pretende-se com as Relações Públicas instituir efetivos relacionamentos para que suas operações mantenham-se favoráveis ao desenvolvimento do Espaço Escuta. Além disso, devido à implantação da comunicação perante os desafios estratégicos que a organização deve enfrentar, pretende-se atingir o propósito principal de torná-la conhecida frente aos seus grupos de interesse para que seu trabalho também sejam disseminado. OS PROJETOS Os projetos executados conseguiram atingir o objetivo proposto desde o princípio: o de divulgar as atividades do Espaço Escuta, tendo como contexto o autismo, a importância do seu diagnóstico precoce e o encaminhamento das crianças ao tratamento adequado. Os públicos-alvo deste trabalho foram constituídos por profissionais da rede de pré-ensino, médicos pediatras e famílias da sociedade londrinense, que convivem com crianças de 0 a 6 anos - idade em que a doença pode se desenvolver. Além de disseminar as propostas da entidade em questão, pretendeu-se despertar o interesse das pessoas pela causa do autismo. Assim, desenvolveu-se um trabalho comunicação que viabilizou uma aproximação entre o Espaço Escuta e seus públicos, possibilitando uma troca mútua entre ambos.

14 14 A entidade ampliou o seu público em potencial, sendo que as pessoas podem vir a tornar voluntários ou participantes dos cursos oferecidos pela mesma. Em conta partida, o Espaço Escuta forneceu mais informações e esclarecimentos aos seus públicos de interesse, possibilitando um maior desempenho profissional no trabalho com as crianças. PROJETO CARAVANA ESPAÇO ESCUTA : AÇÕES E RESULTADOS Constatada a falta de conhecimento sobre o autismo, mesmo entre os profissionais da educação, sentiu-se a necessidade de um trabalho de comunicação que pudesse levar a estes profissionais, informações suficientes para despertar sua atenção à causa do autismo. Neste contexto, o público-alvo definido neste projeto foi o de profissionais de pré-ensino, ou seja, aqueles que trabalham com crianças de 0 a 6 anos. O objetivo principal deste projeto foi o de informar os professores, supervisores e diretores das escolas de pré-ensino de Londrina, a respeito do autismo. Além disso, era necessário também divulgar o Espaço Escuta como instituição capaz de diagnosticar e tratar transtornos do desenvolvimento global infantil. Assim, informados e esclarecidos, os profissionais da educação infantil em Londrina poderiam ser parceiros no trabalho do Espaço Escuta e encaminhar para a instituição alunos que apresentassem algum sinal de autismo ou qualquer outro transtorno do desenvolvimento. Para alcançar os objetivos propostos, criou-se o projeto Caravana Espaço Escuta, formando uma equipe de psicólogas e voluntários que visitavam as escolas de pré-ensino, para ministrar palestras e esclarecimento de dúvidas aos professores. As visitas da caravana foram previamente agendadas com os diretores das escolas, possibilitando maior planejamento e estruturação dos docentes envolvidos. As psicólogas do Espaço Escuta revezavam-se conforme dias e horários disponíveis, mas o conteúdo das palestras foi o mesmo em todas as escolas visitadas.

15 15 A maioria das instituições educacionais não pôde agendar as palestras devido a falta de horário, já que o término do ano letivo dificulta a inclusão de mais atividades para os professores, mas gostariam projeto no ano seguinte. Foram realizadas até o momento pela Caravana Espaço Escuta, palestras na Pré-Escola Educativa, Pré-Escola Solução, Sistema Maxi de Ensino, Escola Meta Fundamental e Colégio Londrinense, sendo que o Espaço Escuta tem sido procurado por outras instituições que solicitaram visitas da caravana para o início do ano letivo de Em todas as escolas, as palestras abordaram o assunto do autismo e o trabalho do Espaço Escuta. Inicialmente, as responsáveis pelo projeto faziam a introdução da palestra, agradecendo a oportunidade da visita, explicando os motivos e entregando, a cada participante, uma carta que apresentava o projeto Caravana Espaço Escuta como um trabalho acadêmico de conclusão do curso de Relações Públicas. Esta carta de apresentação trazia ainda os objetivos do projeto, telefones e s das alunas autoras do projeto para contato em caso de dúvidas ou sugestões. Em seguida, era apresentado o vídeo Espaço Escuta na Causa do Autismo, com duração aproximada de 8 minutos, que mostrava cenas intercaladas de filmes sobre a síndrome e entrevistas realizadas com médicos, psicólogos e outros profissionais do Espaço Escuta. As cenas escolhidas abordaram principalmente, temáticas como sintomas do autismo, importância do diagnóstico precoce e atividades da OSCIP. Este vídeo foi criado e desenvolvido especialmente para o trabalho, em parceria com um técnico do laboratório de telejornalismo da UEL e responsável pela edição. O tempo de produção deste material foi de três dias, considerando a seleção de cenas. O objetivo principal do vídeo foi despertar o interesse para a causa do autismo e o trabalho do Espaço Escuta. Este propósito foi plenamente atingido neste projeto à medida que introduzia o assunto da palestra gerando inúmeras indagações antes mesmo da explanação da psicóloga.

16 16 Ao iniciar a abordagem da psicóloga sobre o autismo, era distribuído o folder informativo para os participantes. Este folder foi produzido por meio de patrocínio e desenvolvido especialmente para professores de préensino, com o intuito de trazer informações claras e objetivas a respeito da doença, evidenciando alguns sinais, estatísticas e ressaltando-se a necessidade de tratamento. A frase O autista não pode mudar o mundo dele... Você pode! causou curiosidade e questionamentos em todas a palestras. Este material também divulgava os dados da OSCIP e era guardado pelos professores, que solicitavam mais exemplares para entregar a colegas de trabalho de outras escolas ou conhecidos que pudessem se interessar pelo assunto. Em seguida, a psicóloga abria espaço para perguntas que, em geral, eram os motivos dos prolongamentos das palestras, além do tempo previsto, tamanho o interesse despertado nos participantes. E finalmente, uma pesquisa de avaliação era entregue aos professores que, devolvendo-as completamente preenchidas, participavam do sorteio de brindes. As escolas participantes do projeto significaram aproximadamente 60 profissionais de educação infantil, entre professores, supervisores, orientadores e diretores. Com a compilação dos dados desta pesquisa e a observação das reações em sala de aula durante as palestras da "Caravana Espaço Escuta", pôde-se constatar que 61% dos profissionais de educação infantil participantes do projeto, desconheciam os indicadores, características e formas de tratamento do autismo, apesar de 100% deles acreditarem que tal conhecimento faz-se relevante para sua profissão. Após a palestra, 100% destes profissionais afirmaram ter melhorado seu conhecimento a respeito da doença, sendo que 73% passaram a julgar-se capazes de reconhecer uma criança com pautas de autismo. No entanto, a estatística que mais respondeu ao objetivo primeiro deste trabalho revelou que 100% dos profissionais de educação infantil pesquisados aprovaram a iniciativa do projeto "Caravana Espaço Escuta" e 78%

17 17 passaram a considerar a possibilidade de encaminhar alunos que apresentarem sinais de autismo para uma avaliação do Espaço Escuta. É importante ressaltar ainda que este projeto surpreendeu as expectativas a medida que se comparava o comportamento dos professores antes e depois da visita da "Caravana Espaço Escuta". De modo geral, os momentos que precediam a palestra demonstravam que os professores estavam fazendo apenas uma atividade a mais, sem muito interesse ou desejo especial. No entanto, o decorrer da apresentação e o desfecho da palestra traziam nítidas modificações neste cenário. Todos os participantes ficavam interessados pelo tema, faziam perguntas, apresentavam exemplos e solicitavam mais materiais. Além disso, todas as palestras tiveram prazo maior que o previsto, em função dos vários questionamentos feitos pelos participantes, que não se preocuparam em passar do horário. Finalmente, em todas as escolas houve solicitações de visitas da "Caravana Espaço Escuta" a outros espaços, que só não foram atendidas ainda, devido à falta de tempo hábil para este ano. PROJETO VOCÊ SABIA, DOUTOR? : AÇÕES E RESULTADOS Constatado o pouco esclarecimento dos profissionais de pediatria a respeito do autismo e dos locais de tratamento especial para esta síndrome, considerou-se também os médicos pediatras como público-alvo deste trabalho. Outro fator de decisão para esta escolha foi o fato de que estes profissionais são os primeiros a serem procurados pelas mães que percebem problemas de desenvolvimento em seus filhos. Daí, a grande influência que os pediatras exercem no momento de encaminhar o paciente autista para a instituição ou profissional adequado ao tratamento do caso. Portanto, fez-se evidente a necessidade de divulgar o trabalho do Espaço Escuta para tal público. Assim, criou-se o projeto Você Sabia, Doutor?, visando o esclarecimento desses profissionais a respeito do autismo e do trabalho especializado oferecido pelo Espaço Escuta, além da possibilidade de contar

18 18 com o auxílio destes profissionais para o encaminhamento de seus pacientes autistas a um centro de diagnóstico e tratamento específico para este transtorno. A execução deste trabalho foi dividida em duas etapas. A primeira foi a distribuição de boletins de esclarecimento sobre o autismo e as atividades oferecidas pelo Espaço Escuta, em consultórios e clínicas pediátricas de Londrina. O boletim foi criado em parceria com a equipe do Espaço Escuta. Seu texto obteve uma linguagem clara e objetiva, considerando o pouco tempo disponível destes profissionais para leitura deste material e a hipótese de que por ventura pudesse chegar às mãos dos enfermeiros e auxiliares nos consultórios. A criação e a impressão dos boletins foram possíveis por meio de patrocínio e a quantidade produzida considerou número de pediatras envolvidos e os exemplares que deveriam ficar no Espaço Escuta para apoio a outros trabalhos, totalizando 200 unidades. O conteúdo deste material dependeu de pesquisas bibliográficas e de artigos científicos publicados na Internet, sendo também submetido à análise prévia de dois médicos pediatras. O texto enfatizou a importância do diagnóstico precoce, os sinais indicadores do autismo e a existência de uma instituição em Londrina, especializada no tratamento deste distúrbio. Com o boletim, seguiam dois documentos: carta de apresentação, destacando a importância daquela leitura para o propósito do trabalho, e a pesquisa de avaliação com perguntas objetivas sobre o projeto. A segunda etapa deste projeto foi a doação dos vídeos a hospitais de grande porte que possuem atendimento infantil. Os hospitais escolhidos foram: Hospital Infantil, Hospital Universitário e PAI (Pronto Atendimento Infantil). O vídeo utilizado foi o mesmo produzido para o projeto Caravana Espaço Escuta, considerando-se que o intuito de despertar o interesse sobre a questão do autismo era comum a ambos. Em acompanhamento ao vídeo, também foi enviada carta de apresentação, que explicava os objetivos do projeto e a importância do papel multiplicador que poderia desempenhar no hospital em questão. Telefones e e-

19 19 mails para contato também constavam na carta, oferecendo a oportunidade de que a direção do hospital agendasse futuramente uma palestra do Espaço Escuta para maiores esclarecimentos. Outro documento que acompanhou o vídeo foi a pesquisa de avaliação para mensurar os resultados efetivos. A grande dificuldade para a execução deste projeto foi encontrar horários disponíveis entre os médicos para responder e entregar as pesquisas de avaliação. Entre os 70 pediatras que receberam os boletins informativos, 36 responderam as pesquisas de avaliação. A falta de esclarecimento destes profissionais foi confirmada pelo índice de 88% dos pediatras que consideravam como péssimo ou ruim seu conhecimento sobre o autismo. Apesar disso, 81% destes pediatras acreditam na importância desse conhecimento para sua profissão. Ainda assim, o índice de 19% que não vêem essa importância é preocupante, já que são eles as primeiras referências da mãe que percebe qualquer transtorno no desenvolvimento de seu filho. Dos médicos pesquisados, 71% aprovou completamente o boletim Meu Paciente Autista e 100% deles revelou que o boletim contribuiu para aumentar, em alguns aspectos, seu conhecimento sobre a doença. Os indicadores do autismo relatados no boletim foram considerados importantes para a avaliação médica de 75% dos pesquisados e, finalmente, 72% dos pediatras em questão considerou positivo o fato de encaminhar pacientes autistas ao Espaço Escuta. A segunda fase deste projeto, a distribuição dos vídeos em hospitais com atendimento infantil, também foi bem sucedida em sua avaliação. A pesquisa foi respondida pelos diretores dos três hospitais e revelou que o objetivo principal desta parte do projeto foi atingido: todos tiveram seu interesse despertado para a causa do autismo. Constatou-se ainda, que dois dos hospitais acreditam na importância do conhecimento sobre esta doença para a atividade dos pediatras e consideram relevante a apresentação dos indicadores mostrados no vídeo. Enfim, este projeto foi de grande importância para o objetivo principal deste trabalho, já que conseguiu espaço entre os profissionais da

20 20 classe médica para divulgar, além do autismo, o trabalho do Espaço Escuta nesta causa. PROJETO COMUNIDADE ESCUTA : AÇÕES E RESULTADOS A imprensa é o canal mais abrangente para transmitir mensagens de qualquer gênero, tornando-se também uma formadora de públicos. Coube a este trabalho utilizar este meio como um aliado na divulgação das informações do autismo e do Espaço Escuta para que os objetivos determinados possam ser concretizados e os resultado satisfatórios. Partindo do princípio que a população possui baixo nível de informação sobre o assunto e para que a OSCIP seja mais conhecida frente a comunidade londrinense, fez-se necessário que as suas atividades sejam mais difundidas entre as famílias e as pessoas que tenham interesse em aumentar o seu conhecimento ou precisam de mais informações sobre a doença em questão e demais distúrbios do desenvolvimento infantil, como profissionais da saúde e educação. Dentro deste contexto, criou-se o projeto "Comunidade Escuta", sendo a imprensa o melhor canal divulgador para atingir um número significativo de pessoas, fazendo com que o feedback seja imediato. Primeiramente, entrou-se em contato com a Rádio Paiquerê FM pelo telefone. Agendado a data da entrevista, com a Maribél de Salles de Melo - presidente do Espaço Escuta, foi elaborada uma pauta para que os dois apresentadores do Programa do Zezão - o próprio Zezão e o Edson Ferreira - pudessem se orientar ao fazer as perguntas sobre a importância de divulgar este trabalho, as características do autismo, o diagnóstico precoce e o motivo pelo qual o nosso público-alvo se constitui, além das famílias, de profissionais de préensino e médicos pediatras. Os profissionais que não tiveram a oportunidade de participar do projeto "Caravana Espaço Escuta" ou "Você sabia, Doutor?", tiveram maior probabilidade de serem atingidos por meio deste outro trabalho de comunicação.

Ficha Técnica. Supervisão Comissão de Organização, Normas e Procedimentos CONP

Ficha Técnica. Supervisão Comissão de Organização, Normas e Procedimentos CONP Referência Ficha Técnica Plano de comunicação Resolução n 1.025, de 30 de outubro de 29 Supervisão Comissão de Organização, Normas e Procedimentos CONP Elaboração Projeto ART e Acervo Técnico - Equipe

Leia mais

OBSERVATÓRIO ESCOLAR 2008

OBSERVATÓRIO ESCOLAR 2008 OBSERVATÓRIO ESCOLAR 2008 ANUALMENTE A ETEC PASSA POR UMA REFLEXÃO A RESPEITO DE SEU TRABALHO, REGISTRADA EM UM INDICADOR DENOMINADO OBSERVATÓRIO ESCOLAR. ESTE É REPRESENTADO POR SETE ASPECTOS CONTIDOS

Leia mais

identificação e detalhamento dos indicadores definidos para mensurar os resultados do projeto.

identificação e detalhamento dos indicadores definidos para mensurar os resultados do projeto. APRESENTAÇÃO O presente documento se refere ao Plano do Projeto de Implantação das Estratégias de Ensino - a ser executado por Instituição de Ensino Superior - IES que se inscreva para fazer parte do Projeto

Leia mais

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se PEDAGOGIA HOSPITALAR: PERSPECTIVAS PARA O TRABALHO DO PROFESSOR. Bergamo, M.G. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Silva, D.M. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Moreira, G.M. (Curso de Pedagogia,

Leia mais

ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE INCLUSIVA EM CURITIBA. Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura Municipal de Curitiba

ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE INCLUSIVA EM CURITIBA. Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura Municipal de Curitiba ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE EDUCACAO INFANTIL INCLUSIVA EM CURITIBA VEJA COMO SUA EMPRESA PODE TRANSFORMAR ESTA IDEIA EM REALIDADE { Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura

Leia mais

GOVERNO DO MUNICIPIO DE CONSELHEIRO LAFAIETE GABINETE DO PREFEITO

GOVERNO DO MUNICIPIO DE CONSELHEIRO LAFAIETE GABINETE DO PREFEITO LEI N o 5.641, DE 23 DE JUNHO DE 2014. RECONHECE A PESSOA COM TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA COMO PORTADORA DE DEFICIÊNCIA PARA OS FINS DE FRUIÇÃO DOS DIREITOS ASSEGURADOS PELA LEI ORGÂNICA E PELAS DEMAIS

Leia mais

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 Sete Lagoas Março de 2014 Sumário 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO... 4 1.1. Composição da Comissão

Leia mais

TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR

TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO:

Leia mais

PLANO DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL PELA EDUCAÇÃO

PLANO DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL PELA EDUCAÇÃO PLANO DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL PELA EDUCAÇÃO Este documento é resultado do chamado do Ministério da Educação à sociedade para um trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria

Leia mais

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL. 1.1. Histórico da Prática Eficaz

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL. 1.1. Histórico da Prática Eficaz Nome da Instituição: Universidade Feevale Segmento: IES - Instituições de Ensino Superior Categoria: Gestão Administrativa, de Pessoas ou Financeira Nome da Prática Eficaz de Gestão Educacional: Programa

Leia mais

UNICEF BRASIL Edital de Seleção de Consultor RH/2013/015

UNICEF BRASIL Edital de Seleção de Consultor RH/2013/015 UNICEF BRASIL Edital de Seleção de Consultor RH/2013/015 O UNICEF, Fundo das Nações Unidas para a Infância, a Organização mundial pioneira na defesa dos direitos das crianças e adolescentes, convida profissionais

Leia mais

FORMAÇÃO PARA PAIS E DOCENTES DA EDUCAÇÃO INFANTIL

FORMAÇÃO PARA PAIS E DOCENTES DA EDUCAÇÃO INFANTIL FORMAÇÃO PARA PAIS E DOCENTES DA EDUCAÇÃO INFANTIL Área Temática: Educação Modalidade: Comunicação Oral. Rosangela Maria Boeno (Coordenadora da Ação de Extensão) 1 Rosangela Maria Boeno 2 Adrieli Signorati

Leia mais

Plano de Ação. Plano de Ação - 2013. Plano de Ação para o Ano de 2013: Finalidades Estatutárias. Objetivos. Origem dos Recursos.

Plano de Ação. Plano de Ação - 2013. Plano de Ação para o Ano de 2013: Finalidades Estatutárias. Objetivos. Origem dos Recursos. Plano de Ação 2013 Plano de Ação para o Ano de 2013: Finalidades Estatutárias Objetivos Origem dos Recursos Infraestrutura Público Alvo Capacidade de Atendimento Recursos Financeiros Utilizados Recursos

Leia mais

Formação de Voluntários em Programas Corporativos. Trabalho em Grupo Encontro de 08/06/2011

Formação de Voluntários em Programas Corporativos. Trabalho em Grupo Encontro de 08/06/2011 Formação de Voluntários em Programas Corporativos Trabalho em Grupo Encontro de 08/06/2011 Questão 1 A empresa tem uma estratégia definida? A empresa planeja a formação dos voluntários? Se sim, qual o

Leia mais

Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante

Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante POR QUE CRIAR CIHDOTTs? 6294 hospitais no país Necessidade de descentralização Equipes localizadas dentro do hospital notificante

Leia mais

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Projeto Sua Escola na Feevale

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Projeto Sua Escola na Feevale ANEXO 04 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Projeto Sua Escola na Feevale 1.1. Histórico da Prática Eficaz Na busca pela excelência e qualidade de ensino, a Universidade Feevale

Leia mais

Projeto Amplitude. Plano de Ação 2015. Conteúdo

Projeto Amplitude. Plano de Ação 2015. Conteúdo Projeto Amplitude Plano de Ação 2015 P r o j e t o A m p l i t u d e R u a C a p i t ã o C a v a l c a n t i, 1 4 7 V i l a M a r i a n a S ã o P a u l o 11 4304-9906 w w w. p r o j e t o a m p l i t u

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ A N E X O I E D I T A L D E C O N C U R S O P Ú B L I C O Nº 01/2015 D O S R E Q U I S I T O S E A T R I B U I Ç Õ E S D O S C A R G O S RETIFICAÇÃO

Leia mais

Estágio Curricular Supervisionado

Estágio Curricular Supervisionado Estágio Curricular Supervisionado CURSO DE ENFERMAGEM O curso de bacharelado em Enfermagem do IPTAN apresenta duas disciplinas em seu plano curricular pleno relativas ao estágio: Estágio Supervisionado

Leia mais

Guia das Ligas Acadêmicas do Curso de Medicina da USFCar

Guia das Ligas Acadêmicas do Curso de Medicina da USFCar Guia das Ligas Acadêmicas do Curso de Medicina da USFCar Organizado e escrito pelo Grupo de Trabalho das Ligas Acadêmicas do Curso de Medicina da UFSCar em Setembro de 2010 sendo baseado no Guia para Construção

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO EPB0178 QUEBRA DO SIGILO PROFISSIONAL EM CASOS DE PEDOFILIA GABRIELE

Leia mais

Indicadores e Padrões de Qualidade para Cursos de Graduação em Fonoaudiologia (Revisado em 11-11-99)

Indicadores e Padrões de Qualidade para Cursos de Graduação em Fonoaudiologia (Revisado em 11-11-99) DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS DO ENSINO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS ENSINO Comissão de especialistas de Fonoaudiologia-CEEFONO Indicadores e Padrões de Qualidade para Cursos de Graduação

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE NUTRIÇÃO, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade MANUAL DE ESTÁGIO Curso de PEDAGOGIA S U M Á R I O 1. Apresentação... 03 2. Proposta de Estágio... 03 3. Aspectos legais... 04 4. Objetivo Geral... 04 5. Campo de Estágio... 05 6. Modalidades de Estágio...

Leia mais

Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹

Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹ Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹ José Alves de SOUZA² Maria Stella Galvão SANTOS³ Universidade Potiguar (UnP ), Natal, RN RESUMO Este Plano de Comunicação refere-se a um estudo

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 45 -CONSUP/IFAM, de 13 de julho de 2015.

RESOLUÇÃO Nº. 45 -CONSUP/IFAM, de 13 de julho de 2015. RESOLUÇÃO Nº. 45 -CONSUP/IFAM, de 13 de julho de 2015. O Magnífico Reitor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas IFAM, neste ato como Presidente do Conselho Superior, órgão

Leia mais

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE LETRAS

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE LETRAS MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE LETRAS Belo Horizonte 2013 SUMÁRIO 1 Informações e procedimentos... 2 2 Atividades que irão complementar a formação... 2 4 As atividades complementares podem

Leia mais

Os Veículos de Comunicação Dirigida da Embrapa Soja

Os Veículos de Comunicação Dirigida da Embrapa Soja Os Veículos de Comunicação Dirigida da Embrapa Soja FERREIRA, L.L. 1, GALERANI, G.S.M. 2, 1 Universidade Estadual de Londrina UEL, Cx. Postal 6001 CEP 86051-990 - Londrina - PR, 2 Embrapa Soja O profissional

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ESTÁGIO SUPERVISIONADO

ORIENTAÇÕES PARA ESTÁGIO SUPERVISIONADO ORIENTAÇÕES PARA ESTÁGIO SUPERVISIONADO Em atendimento à Resolução CNE/CP nº 2 de 19 de fevereiro de 2002, os alunos dos cursos de Licenciaturas cumprem 400 horas de Estágio Curricular Supervisionado,

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA INCLUSÃO DE CRIANÇAS PORTADORAS DE NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NO ENSINO REGULAR

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA INCLUSÃO DE CRIANÇAS PORTADORAS DE NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NO ENSINO REGULAR TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA INCLUSÃO DE CRIANÇAS PORTADORAS DE NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NO ENSINO REGULAR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE

Leia mais

PSICOLOGIA E ONCOLOGIA: UMA PARCERIA ESSENCIAL?

PSICOLOGIA E ONCOLOGIA: UMA PARCERIA ESSENCIAL? PSICOLOGIA E ONCOLOGIA: UMA PARCERIA ESSENCIAL? Aline Fernanda Sartori Kanegusuku¹; Marina Tiemi Kobiyama Sonohara 1 ; Angélica Aparecida Valenza¹; Nemerson José Jesus¹; Sandra Diamante² RESUMO Para compreender

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS GESTORES SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING NA EMPRESA: ESTUDO DE CASO NA PORTO ALEGRE CLÍNICAS

PERCEPÇÃO DOS GESTORES SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING NA EMPRESA: ESTUDO DE CASO NA PORTO ALEGRE CLÍNICAS 1 PERCEPÇÃO DOS GESTORES SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING NA EMPRESA: ESTUDO DE CASO NA PORTO ALEGRE CLÍNICAS Porto Alegre RS Março 2010 Bianca Smith Pilla Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO

ESTÁGIO SUPERVISIONADO ESTÁGIO SUPERVISIONADO I- DA EXIGÊNCIA - Resolução CNE/CP 1/ 2002, que institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação de professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura,

Leia mais

Centro de Assistência Social Semeador Marília Forjaz de Alvarenga

Centro de Assistência Social Semeador Marília Forjaz de Alvarenga Centro de Assistência Social Semeador Marília Forjaz de Alvarenga MANUAL DO VOLUNTÁRIO SUMÁRIO 1. Ser voluntário 3 2. Normas internas dos voluntários 4 3. Lei nº 9608, de fevereiro de 1998 5 4. Procedimento

Leia mais

O PAPEL DA AGÊNCIA DE JORNALISMO DA UEPG NO FOMENTO À PRODUÇÃO DE NOTÍCIAS INSTITUCIONAIS NA WEB

O PAPEL DA AGÊNCIA DE JORNALISMO DA UEPG NO FOMENTO À PRODUÇÃO DE NOTÍCIAS INSTITUCIONAIS NA WEB 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA O PAPEL DA

Leia mais

Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência

Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência Universidade Metodista de São Paulo Faculdade de Jornalismo e Relações Públicas Curso de Relações Públicas: 34 anos de tradição, ética e excelência Fábio França Maria Aparecida Ferrari Maio de 2006 1 Tradição

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA Vitória, ES Janeiro 2010. 1ª Revisão Janeiro 2011. 2ª Revisão Janeiro 2012. POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA REDE GAZETA IDENTIDADE CORPORATIVA Missão

Leia mais

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1.1 APRESENTAÇÃO O Plano de Comunicação e Participação Social subsidiará a elaboração do Plano Diretor de Mobilidade Urbana, criando as bases para

Leia mais

PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS: EXPECTATIVAS E PERCEPÇÕES SOBRE A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO

PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS: EXPECTATIVAS E PERCEPÇÕES SOBRE A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS: EXPECTATIVAS E PERCEPÇÕES SOBRE A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO 2014 APRESENTAÇÃO Já faz tempo que as empresas estão trabalhando com o desafio

Leia mais

UMA AÇÃO INCLUSIVA FRENTE ÀS TECNOLOGIAS ASSISTIVAS UTILIZADAS POR PESSOAS CEGAS

UMA AÇÃO INCLUSIVA FRENTE ÀS TECNOLOGIAS ASSISTIVAS UTILIZADAS POR PESSOAS CEGAS UMA AÇÃO INCLUSIVA FRENTE ÀS TECNOLOGIAS ASSISTIVAS UTILIZADAS POR PESSOAS CEGAS Carlene da Penha Santos - Graduanda/ UFPB Luzia Domiciano da Silva - Graduanda/ UFPB OBJETIVO Aproximar os alunos ditos

Leia mais

BREVE HISTÓRICO OBJETIVOS ESTRUTURA DO CURSO

BREVE HISTÓRICO OBJETIVOS ESTRUTURA DO CURSO PÓS-GRADUAÇÃO LATO-SENSU PROJETO PEDAGÓGICO PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL BREVE HISTÓRICO A Universidade Candido Mendes UCAM, criada e mantida pela Sociedade Brasileira de Instrução SBI, fundada

Leia mais

I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009

I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009 I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009 Observatório da Educação participação e controle da sociedade civil nas políticas

Leia mais

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO DE LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL O ensino da língua espanhola no contexto da escola pública INTRODUÇÃO Este plano procura articular-se de forma integrada com o plano de trabalho institucional, que

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO Dispõe sobre os princípios e diretrizes para disciplinar e regulamentar os procedimentos a serem adotados pelo Curso de Nutrição da Faculdade de

Leia mais

04 Despertar a ideologia sócio-econômicaambiental na população global, Mobilização política para os desafios ambientais

04 Despertar a ideologia sócio-econômicaambiental na população global, Mobilização política para os desafios ambientais TRATADO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA SOCIEDADES SUSTENTÁVEIS E RESPONSABILIDADE GLOBAL CIRCULO DE ESTUDOS IPOG - INSTITUTO DE PÓSGRADUAÇÃO MBA AUDITORIA, PERÍCIA E GA 2011 Princípios Desafios Sugestões 01

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Profª. Vânia Amaro Gomes Coordenação de Curso DIADEMA, 2015 Introdução Atualmente há uma grande dificuldade dos alunos egressos das Faculdades em obter emprego

Leia mais

QUESTIONÁRIO-PESQUISA ENGENHARIA MECÂNICA

QUESTIONÁRIO-PESQUISA ENGENHARIA MECÂNICA QUESTIONÁRIO-PESQUISA ENGENHARIA MECÂNICA Esta pesquisa é parte integrante do Exame Nacional de Cursos o Provão e tem por objetivo não só levantar informações que permitam traçar o perfil do conjunto de

Leia mais

Grupo de Pais de Crianças Autistas na Instituição AMA (Associação dos Amigos do Autismo) Ribeirão Preto, São Paulo. Resumo

Grupo de Pais de Crianças Autistas na Instituição AMA (Associação dos Amigos do Autismo) Ribeirão Preto, São Paulo. Resumo Grupo de Pais de Crianças Autistas na Instituição AMA (Associação dos Amigos do Autismo) Ribeirão Preto, São Paulo Juliana DUARTE Resumo O presente trabalho tem o objetivo de mostrar o trabalho realizado

Leia mais

Manual de apoio à elaboração de projetos culturais

Manual de apoio à elaboração de projetos culturais Manual de apoio à elaboração de projetos culturais Um projeto tem como objetivo transformar idéias e aspirações em ações concretas que possam aproveitar oportunidades, solucionar problemas, atender a necessidades

Leia mais

A INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA EQUIPE MULIDISCIPLINAR DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA NO MUNICÍPIO DE MEDIANEIRA - PR

A INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA EQUIPE MULIDISCIPLINAR DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA NO MUNICÍPIO DE MEDIANEIRA - PR A INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA EQUIPE MULIDISCIPLINAR DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA NO MUNICÍPIO DE MEDIANEIRA - PR 1.1 1.2 Cheile Kátia da Silva 1. Michelly Laurita Wiese 1.3 INTRODUÇÃO: De acordo com

Leia mais

CARTILHA. Um dia de cada vez

CARTILHA. Um dia de cada vez CARTILHA Um dia de cada vez ÍNDICE APADEQ ESTRUTURA TRATAMENTO EM VILA ESPERANÇA SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA TERAPÊUTICA AMBULATORIAL PÚBLICO TIPOS DE ASSISTÊNCIA SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA TERAPÊUTICA RESIDENCIAL

Leia mais

Oficinas de tratamento. Redes sociais. Centros de Atenção Psicossocial Álcool e drogas

Oficinas de tratamento. Redes sociais. Centros de Atenção Psicossocial Álcool e drogas Oficinas de tratamento Redes sociais Centros de Atenção Psicossocial Álcool e drogas Irma Rossa Médica Residência em Medicina Interna- HNSC Médica Clínica- CAPS ad HNSC Mestre em Clínica Médica- UFRGS

Leia mais

O COORDENADOR PEDAGÓGICO E OS DESAFIOS DA FUNÇÃO

O COORDENADOR PEDAGÓGICO E OS DESAFIOS DA FUNÇÃO 1 O COORDENADOR PEDAGÓGICO E OS DESAFIOS DA FUNÇÃO Bruna Riboldi 1 Jaqueline Zanchin Josiane Melo Ketelin Oliveira Natália Moré Paula T. Pinto Nilda Stecanela2 Samanta Wessel3 Resumo Este artigo tem por

Leia mais

Mostra de Projetos 2011 BRINQUEDOTECA: O LÚDICO NO RESGATE

Mostra de Projetos 2011 BRINQUEDOTECA: O LÚDICO NO RESGATE Mostra de Projetos 2011 BRINQUEDOTECA: O LÚDICO NO RESGATE Mostra Local de: Londrina. Categoria do projeto: Projetos finalizados. Nome da Instituição/Empresa: (Campo não preenchido). Cidade: Londrina.

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL

ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL A SANTA CASA BH TEM TODOS OS CUIDADOS PARA VOCÊ CONQUISTAR UMA CARREIRA SAUDÁVEL. Missão Humanizar a assistência

Leia mais

FRANQUIA UnicEAD. para cursos presenciais. Qual minha proposta de parceria? O que eu chamo de Franquia?

FRANQUIA UnicEAD. para cursos presenciais. Qual minha proposta de parceria? O que eu chamo de Franquia? FRANQUIA UnicEAD para cursos presenciais Qual minha proposta de parceria? Parceria de prestação de serviços educacionais, onde eu lhe concedo o direito de uso sobre meus materiais dos cursos à distância,

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros.

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros. 3 - Introdução 4 - Quais são as métricas para alcançar uma boa ÍNDICE As Métricas Fundamentais da Gestão Hospitalar gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos 11 - Indicadores operacionais 14 - Indicadores

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Especial EDUCAÇÃO INCLUSIVA A FAMÍLIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Especial EDUCAÇÃO INCLUSIVA A FAMÍLIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Especial EDUCAÇÃO INCLUSIVA A FAMÍLIA Brasília - 2004 Série: EDUCAÇÃO INCLUSIVA 1. A Fundamentação Filosófica 2. O Município 3 A Escola 4 A Família FICHA TÉCNICA

Leia mais

FESURV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2009-2010

FESURV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2009-2010 FESURV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2009-2010 1 Fragilidade resultado inferior a 50% Ponto a ser melhorado 50% e 59,9% Potencialidade igual ou

Leia mais

11º PRÊMIO DESTAQUE EM COMUNICAÇÃO SINEPE/RS Categoria: Gestão de Comunicação e Relacionamento Programa Marketing Interno

11º PRÊMIO DESTAQUE EM COMUNICAÇÃO SINEPE/RS Categoria: Gestão de Comunicação e Relacionamento Programa Marketing Interno 11º PRÊMIO DESTAQUE EM COMUNICAÇÃO SINEPE/RS Categoria: Gestão de Comunicação e Relacionamento Programa Marketing Interno 1 APRESENTAÇÃO 1.1 A Universidade Feevale Reconhecida por sua inovação e qualidade

Leia mais

DIFICULDADES E DESAFIOS NA DOAÇÃO Não faltam doadores. Falta doação.

DIFICULDADES E DESAFIOS NA DOAÇÃO Não faltam doadores. Falta doação. DIFICULDADES E DESAFIOS NA DOAÇÃO Não faltam doadores. Falta doação. Palestra realizada por Francisco N. de Assis, presidente da ADOTE no I Fórum sobre doação de órgãos e tecidos, promovido pelo Conselho

Leia mais

FONOAUDIOLOGIA E EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO A PROFESSORES. Ana Claudia Tenor. Secretaria Municipal de Educação de Botucatu

FONOAUDIOLOGIA E EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO A PROFESSORES. Ana Claudia Tenor. Secretaria Municipal de Educação de Botucatu II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores FONOAUDIOLOGIA E EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO A PROFESSORES Ana Claudia Tenor

Leia mais

II. Atividades de Extensão

II. Atividades de Extensão REGULAMENTO DO PROGRAMA DE EXTENSÃO I. Objetivos A extensão tem por objetivo geral tornar acessível, à sociedade, o conhecimento de domínio da Faculdade Gama e Souza, seja por sua própria produção, seja

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2010

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2010 RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2010 Palestras informativas Promover ações educativas para a promoção do voluntariado transformador. Mobilizar voluntários. Toda a comunidade de Curitiba e Região Metropolitana

Leia mais

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES KOWALCZUK, Lidiane Mendes Ferreira - PUCPR lidianemendesf@gmail.com VIEIRA, Alboni Marisa Dudeque Pianovski - PUCPR alboni@alboni.com Eixo Temático: Formação de Professores

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

O ESTÁGIO NO CURSO DE PEDAGOGIA: UMA EXPERIÊNCIA DE PESQUISA E PRÁTICA COM ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR

O ESTÁGIO NO CURSO DE PEDAGOGIA: UMA EXPERIÊNCIA DE PESQUISA E PRÁTICA COM ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR O ESTÁGIO NO CURSO DE PEDAGOGIA: UMA EXPERIÊNCIA DE PESQUISA E PRÁTICA COM ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR Resumo SANTOS, Gisele Mugnol - FACINTER 1 gisele@facinter.br ROSENAU, Luciana dos Santos - FACINTER

Leia mais

O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL

O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL Kenya Vieira de Souza e Silva Vanessa Duarte Resumo A educação

Leia mais

O que é psicanálise?

O que é psicanálise? 1 O que é psicanálise? Bem, se você está buscando por cursos de psicanálise, já tem uma ideia básica a seu respeito. Portanto, não vou me alongar aqui na definição da psicanálise, das técnicas e das teorias.

Leia mais

FACULDADE SÃO MIGUEL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS RECIFE

FACULDADE SÃO MIGUEL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS RECIFE MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS RECIFE 2014 2 MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Normas e orientações gerais para o Estágio Supervisionado da Licenciatura em Letras 1. APRESENTAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE E ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO - NAAP INSTITUTO MASTER DE ENSINO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS

REGULAMENTO NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE E ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO - NAAP INSTITUTO MASTER DE ENSINO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS REGULAMENTO NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE E ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO - NAAP INSTITUTO MASTER DE ENSINO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS Art. 1º O presente regulamento tem por finalidade normatizar as atividades

Leia mais

MANUAL DE PESSOAL MÓDULO 40 : PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA AIDS E DST

MANUAL DE PESSOAL MÓDULO 40 : PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA AIDS E DST CAP : 1 1 MÓDULO 40 : PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA AIDS E DST CAPÍTULO 1 : APRESENTAÇÃO 1. FINALIDADE Estabelecer diretrizes gerais para a operacionalização do Programa Nacional de

Leia mais

Palavras chave: Jornalismo Científico - Saúde - Neurociências

Palavras chave: Jornalismo Científico - Saúde - Neurociências PENSE EM QUEM PENSA POR MIM Relação afetiva entre o colaborador e a Universidade por meio da Comunicação Social da Ciência Marilisa de Melo Freire Rossilho, Li Li Min Universidade Estadual de Campinas

Leia mais

Parceria faculdade-empresa na área de jornalismo

Parceria faculdade-empresa na área de jornalismo Parceria faculdade-empresa na área de jornalismo ANA EUGÊNIA NUNES DE ANDRADE Jornalista, professora do Curso de Comunicação Social habilitação em Jornalismo, da Universidade do Vale do Sapucaí (Univás)

Leia mais

ASSOCIAÇÃO SANTISTA DE PESQUISA PREVENÇÃO E EDUCAÇÃO. Relatório de Atividades 2010

ASSOCIAÇÃO SANTISTA DE PESQUISA PREVENÇÃO E EDUCAÇÃO. Relatório de Atividades 2010 ASSOCIAÇÃO SANTISTA DE PESQUISA PREVENÇÃO E EDUCAÇÃO Relatório de Atividades 2010 2 MISSÃO Busca da melhoria da qualidade de vida tendo por bases o investimento na saúde, educação, na garantia da cidadania,

Leia mais

ESTATUTO DO CONSELHO DO PROJETO VIVATIVA

ESTATUTO DO CONSELHO DO PROJETO VIVATIVA ESTATUTO DO CONSELHO DO PROJETO VIVATIVA I CONCEITO E FINALIDADE a) o Conselho é associação livre de voluntários com a finalidade de organizar ações de cunho sócio/cultural/ambiental, pelos meios que os

Leia mais

11 Prêmio Destaque em Comunicação SINEPE NAS INTERNAS. Centro Universitário UNIVATES

11 Prêmio Destaque em Comunicação SINEPE NAS INTERNAS. Centro Universitário UNIVATES 11 Prêmio Destaque em Comunicação SINEPE NAS INTERNAS Centro Universitário UNIVATES Apresentação do Projeto - Apresentação da instituição educacional Com sede no município de Lajeado, a Univates também

Leia mais

Unidade II COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL. Profa. Ma. Andrea Morás

Unidade II COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL. Profa. Ma. Andrea Morás Unidade II COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL Profa. Ma. Andrea Morás Comunicação empresarial Envolve todas as ferramentas de comunicação. Atividade multidisciplinar. Envolve conflitos, emoções, potencialidades e

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES O Parecer do CNE/CES nº 492/2001, assim define as atividades complementares:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO CIÊNCIAS BIOLÓGICAS LICENCIATURA PLENA ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS O Curso de Ciências Biológicas, através

Leia mais

Pense em quem pensa por mim. A relação afetiva entre o colaborador e a Universidade por meio da Comunicação Social da Ciência

Pense em quem pensa por mim. A relação afetiva entre o colaborador e a Universidade por meio da Comunicação Social da Ciência Pense em quem pensa por mim. A relação afetiva entre o colaborador e a Universidade por meio da Comunicação Social da Ciência Marilisa de Melo Freire Rossilho Li Li Min Santiago, outubro de 2015. UNICAMP

Leia mais

Geocassia de Fátima Souza (UERN) Marta Jussara Frutuoso da Silva (UERN)

Geocassia de Fátima Souza (UERN) Marta Jussara Frutuoso da Silva (UERN) AS CONTRIBUIÇÕES DO PIBID-ESPANHOL PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE LÍNGUA ESPANHOLA: UMA EXPERIÊNCIA EM DUAS ESCOLAS DA CIDADE DE PAU DOS FERROS-RN Geocassia de Fátima Souza (UERN) Marta Jussara

Leia mais

ENSINANDO A APRENDER!

ENSINANDO A APRENDER! ENSINANDO A APRENDER! A hora do estudo da criança em casa pode ser produtiva, eficaz e até prazerosa se você colocar em prática uma série de dicas valiosas dos especialistas. Confira! Estudar é fundamental.

Leia mais

A participação nessas atividades será comprovada através de um formulário denominada Relatório de Atividades Complementares (RAC).

A participação nessas atividades será comprovada através de um formulário denominada Relatório de Atividades Complementares (RAC). Manual do Aluno OBJETIVO A Faculdade do Pará implantou o Programa de Treinamento Profissional (PTP) para que você possa realizar ações práticas, desde o primeiro período do curso, ligado a profissão que

Leia mais

GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais

GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E GERENCIAIS 2012 GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais CURSOS ADMINISTRAÇÃO CIÊNCIAS ATUARIAIS CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO CIÊNCIAS

Leia mais

Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Conselho Regional de Medicina rayer@usp.br

Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Conselho Regional de Medicina rayer@usp.br Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Conselho Regional de Medicina rayer@usp.br RELAÇÃO DOS MÉDICOS COM A INDÚSTRIA DE MEDICAMENTOS, ÓRTESES/ PRÓTESE E EQUIPAMENTOS MÉDICO-HOSPITALARES Conhecer

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

REGULAMENTO ESCRITÓRIO DE PRÁTICAS DE GESTÃO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO

REGULAMENTO ESCRITÓRIO DE PRÁTICAS DE GESTÃO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO REGULAMENTO ESCRITÓRIO DE PRÁTICAS DE GESTÃO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO Artigo 1º A unidade acadêmico-gerencial modelo designado Escritório de Práticas de Gestão e com nome fantasia

Leia mais

Atuação Profissional de Psicólogos(as) em Programas de Educação Inclusiva

Atuação Profissional de Psicólogos(as) em Programas de Educação Inclusiva 1 de 15 Atuação Profissional de Psicólogos(as) em Programas de Educação Inclusiva Sair Dados pessoais Sexo: Masculino Feminino 2. Idade: 3. Como você se define quanto cor/raça/etnia? Amarela Indígena Parda

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM FOCO. PALAVRAS-CHAVE: avaliação dificuldades de aprendizagem contexto escolar

A AVALIAÇÃO EM FOCO. PALAVRAS-CHAVE: avaliação dificuldades de aprendizagem contexto escolar A AVALIAÇÃO EM FOCO Beatriz Biss Telles 1 Dalila Maria De Paula Antoneche 2 Maria Daiane Baranhuke Budzilo 3 RESUMO: O presente apresenta os resultados pesquisa de caráter exploratório, desenvolvida como

Leia mais

RESUMO O HOMEM E O RIO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A SUSTENTABILIDADE DO RIO PARAÍBA DO SUL

RESUMO O HOMEM E O RIO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A SUSTENTABILIDADE DO RIO PARAÍBA DO SUL RESUMO O HOMEM E O RIO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A SUSTENTABILIDADE DO RIO PARAÍBA DO SUL UNITAU - Universidade de Taubaté CBH-PS Comitê de Bacias Hidrográficas do Rio Paraíba do Sul Trabalho realizado

Leia mais

-RESUMOS DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO DO CURSO PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL DA FASF LUZ - 2013

-RESUMOS DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO DO CURSO PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL DA FASF LUZ - 2013 -RESUMOS DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO DO CURSO PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL DA FASF LUZ - 2013 Monografias e Artigos (Ordem Alfabética dos Alunos, Orientador (a), Título e Resumo) Ana Cristina Fonseca

Leia mais

A GESTÃO DO PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO EM CONTEXTO DE EDUCAÇÃO INFANTIL 1

A GESTÃO DO PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO EM CONTEXTO DE EDUCAÇÃO INFANTIL 1 A GESTÃO DO PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO EM CONTEXTO DE EDUCAÇÃO INFANTIL 1 HOLZSCHUH, Aline Simone 2 ; CANCIAN, Viviane Ache 3 1 Trabalho de Pesquisa _UFSM 2 Curso de Especialização em Gestão Educacional (UFSM),

Leia mais

CONSIDERANDO a aprovação em reunião do dia 19/03/2007, pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão;

CONSIDERANDO a aprovação em reunião do dia 19/03/2007, pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão; RESOLUÇÃO CEPE/CA Nº 189/2007 Aprova o Regulamento do Programa de Residência em Medicina Veterinária, da Universidade Estadual de Londrina. contidos no processo nº 13270/2006; CONSIDERANDO os pronunciamentos

Leia mais

Diretrizes da Comissão Regional de Imagem e Comunicação Dos Escoteiros do Brasil. Região do Rio Grande do Sul

Diretrizes da Comissão Regional de Imagem e Comunicação Dos Escoteiros do Brasil. Região do Rio Grande do Sul Diretrizes da Comissão Regional de Imagem e Comunicação Dos Escoteiros do Brasil Após um mais de ano de trabalho e experiências adquiridas a CRIC apresenta à diretoria regional as diretrizes que regem

Leia mais

INSTITUTO NOROESTE DE BIRIGUI RELATÓRIO PEDAGÓGICO E ADMINISTRATIVO REFERENTE AO MÊS DE AGOSTO DE 2014

INSTITUTO NOROESTE DE BIRIGUI RELATÓRIO PEDAGÓGICO E ADMINISTRATIVO REFERENTE AO MÊS DE AGOSTO DE 2014 INSTITUTO NOROESTE DE BIRIGUI RELATÓRIO PEDAGÓGICO E ADMINISTRATIVO REFERENTE AO MÊS DE AGOSTO DE 2014 EDUCAÇÃO INFANTIL E ENSINO FUNDAMENTAL I Organização do presente do dia dos pais Gincana em comemoração

Leia mais

Associação de Estudantes da Faculdade de Ciências Médicas Campo Mártires da Pátria, 130 1169-056 Lisboa Tel.: (..351) 21 880 30 95

Associação de Estudantes da Faculdade de Ciências Médicas Campo Mártires da Pátria, 130 1169-056 Lisboa Tel.: (..351) 21 880 30 95 Associação de Estudantes da Faculdade de Ciências Médicas Campo Mártires da Pátria, 130 1169-056 Lisboa Tel.: (..351) 21 880 30 95 bonecada Praça Central. Colombo 27 de abril a 3 de maio Somos estudantes

Leia mais

O BRINCAR NO AMBIENTE HOSPITALAR

O BRINCAR NO AMBIENTE HOSPITALAR O BRINCAR NO AMBIENTE HOSPITALAR INTRODUÇÃO O presente estudo busca refletir a respeito da importância do brincar no ambiente hospitalar. A construção desse material foi feita a partir do contato de três

Leia mais