O SOFRIMENTO PSÍQUICO EM MÃES DE AUTISTAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O SOFRIMENTO PSÍQUICO EM MÃES DE AUTISTAS"

Transcrição

1 1 O SOFRIMENTO PSÍQUICO EM MÃES DE AUTISTAS Denise Aparecida de Oliveira Torres Francieli da Silva Oratz Rafaela Bragança Peixe Tailor Alves Cabral Sandra Mara dos Santos O SOFRIMENTO PSÍQUICO EM MÃES DE AUTISTAS Resumo Denise Aparecida de Oliveira Torres 1 Francieli da Silva Oratz 2 Rafaela Bragança Peixe 3 Tailor Alves Cabral 4 Sandra Mara dos Santos 5 O presente trabalho busca discutir sobre sofrimento psíquico e autismo, objetivando identificar os sentimentos vividos pelas mães de crianças autistas. Para este estudo, foi realizada uma pesquisa bibliográfica, onde foram selecionados livros e artigos capazes de explicar o tema proposto. Busca-se entender como essas pressões agem no psiquismo das mães e quais as causas das mesmas. De acordo com a revisão de literatura, observou-se que família da criança autista, em especial a mãe, está constantemente exposta a pressões internas e externas que geram o sofrimento psíquico, expressado diretamente por meio de sentimentos de culpa, preocupações, medo, angústia, impotência, impossibilidade de realizar seus desejos e fantasias, frustração, luto pela perda do filho imaginário, tristeza. Sendo assim faz necessário um sustentáculo emocional para a família, em especial a mãe que necessita ainda de um acompanhamento psicológico para que ela possa se adaptar a esse filho e aceitá-lo superando suas projeções fantasiosas. Palavras-chave: sofrimento psíquico autismo - materno. Abstract 1 Acadêmica do Curso de Psicologia pelas Faculdades Associadas de Ariquemes FAAr. 2 Acadêmica do Curso de Psicologia pelas Faculdades Associadas de Ariquemes FAAr 3 Acadêmica do Curso de Psicologia pelas Faculdades Associadas de Ariquemes FAAr. 4 Acadêmico do Curso de Psicologia da Faculdade de Educação e Meio Ambiente-FAEMA. 5 Docente do Curso de Psicologia pelas Faculdades Associadas de Ariquemes FAAr.

2 2 This paper seeks to discuss about autism and mental suffering, aiming to identify the feelings experienced by the mothers of autistic children. For this study, we performed a literature search, based on selected books and articles that can explain the theme. We seek to understand how these pressures act on the psyche of mothers and what causes them. According to literature review, we found that families of autistic children, especially the mother, is constantly exposed to internal and external pressures that cause mental suffering, expressed directly through feelings of guilt, worry, fear, anguish, impotence, inability to achieve her desires and fantasies, frustration, mourning the loss of the imaginary child, sadness. Therefore an emotional support is necessary for the family, especially the mother who still needs psychological counseling so she can adapt to the child and accept him overcoming her fanciful projections. Keywords: mental disorder - autism mother Introdução Ao analisar o tema Sofrimento Psíquico e Autismo, faz-se necessário contextualizar alguns pontos. O sofrimento psíquico relaciona-se com o sistema de defesa do indivíduo que responde a ataques, internos como os pulsionais, passionais e externos caracterizados por mudanças ambientais ou perdas diversas as quais pode se deparar no decorrer de sua vivência. Já o autismo, está pautado na ausência de respostas emocionais que inviabilizam a interação do indivíduo com o meio. A partir de pesquisa bibliográfica, todo material recolhido referente ao tema foi submetido a uma triagem, a partir da qual foi possível estabelecer um plano de leitura. Tal leitura foi realizada sistematicamente, acompanhada de anotações e fichamentos que serviram de fundamentação teórica ao estudo. A pesquisa deu-se entre novembro 2011 e março de O método em questão permitiu discutir a temática do autismo, considerar fatores a ele relacionados e compreender a relação entre o desejo materno e a criança autista de acordo com os objetivos estabelecidos por este trabalho. Em todas as culturas é comum que seus membros ao constituírem-se em matrimonio, esperam a chegada dos filhos com bastante expectativa. Expectativa esta que pode gerar momentos de muita ansiedade. No caso das mães a espera do nascimento de um filho, vai além das mudanças físicas. Durante o tempo de gestação a estrutura psíquica da mãe cria essa representação do bebê, nesse período a mãe projeta

3 3 nesse novo indivíduo, todas as suas fantasias e cria um filho ideal, perfeito e que irá corresponder as suas expectativas. No entanto, passado o período de gestação e pós-parto a mãe tem a sua frente um recém-nascido ativo e percebe que o filho idealizado vai se distanciando do filho presente e talvez não atenda às suas expectativas e fantasias do seu período gestatório. Em casos onde a criança ao longo de seu desenvolvimento, apresenta sinais de patologia, nota-se um profundo desconforto na família, em especial, na mãe. Desta forma, o presente trabalho tem os seguintes objetivos: a) discutir a temática do autismo; b) considerar fatores a ele relacionados; e, c) compreender a relação entre o desejo materno e a criança autista. Para tanto, foi realizada uma pesquisa bibliográfica baseada em obras como Rapaport (1981), Dolto (1984), Ceccarelli (2005), entre outros. Lidando com o filho real: o autista A espera do nascimento de um filho é na sua maioria um momento de grande júbilo vivido pela mulher. É como se de início o bebê se apresentasse para a mãe como um estrangeiro, constituindo um enigma que ela não conhece nem decifra. Durante os meses da espera supõe-se que ele possa progressivamente passar a ser o objeto das múltiplas projeções derivadas das experiências infantis da mãe. Nesse tempo da gestação tratar-se-ia então, para a mãe, de realizar o trabalho de transformar o estrangeiro em familiar, atribuindo-lhe características, por meio dos efeitos de projeção e de idealização, ancoradas em sua própria história infantil. O pai, por sua vez também compartilha dessas expectativas e emoções. Tais sentimentos abrangem toda a família, no entanto a mãe é quem vive e cria as maiores idealizações a respeito dessa criança. Fiori (1981) afirma que quando uma criança é concebida, já há na mãe e no pai uma organização de fantasias ou de expectativas ligadas à concepção e ao desenvolvimento da criança (p. 7). No entanto passado o período de gestação e pósparto a mãe tem a sua frente um recém-nascido ativo e que pode não atender as suas expectativas da gestação. O recém-nascido requer adaptação e organização das atividades diárias da mãe que necessita estar preparada para perceber que o bebê idealizado no transcorrer do seu desenvolvimento vai se tornando um filho real e talvez não atenda as suas expectativas e fantasias do seu período gestatório.

4 4 Com atividades biológicas inferiores aos de outros animais o recém-nascido humano necessita de cuidados quase que integral em relação aos outros seres vivos, o ser humano nasce muito menos amadurecido para enfrentar os problemas relacionados à sua sobrevivência (D Andrea, 1987, p. 32), estes cuidados na grande maioria desempenhada pela mãe. É estabelecido que alguns bebês exigirão maiores cuidados do que outros, os bebês que apresentarem características mais tranquilas serão mais fáceis de ser cuidados, os mais agitados solicitarão maior atenção. Logo a mãe dispensará a ele mais tempo e maior energia tanto física quanto psicológica. Diante disso Rapaport (1981) fundamenta: [...] será mais fácil para uma mãe, notadamente a primípara, adaptar-se a uma criança tranquila ( p. 23). Com o nascimento do bebê, o filho real vai gradualmente substituindo o filho imaginário, as decepções vão acontecendo para permitir o processo de separação dos dois. O próprio nascimento é o inicio desse processo, porque, na fantasia da mãe, o que ela desejava era a fusão total que o parto interrompe. À medida que a realidade se impõe, a mãe vai retomando a sua historia novamente. Evocam-se algumas dessas construções teóricas sobre a relação inicial mãebebê. Winnicott (1999) afirma que o papel fundamental do ambiente materno para a determinação do psiquismo se constitui de processos de integração necessários para que se dê o desenvolvimento emocional. Lacan, (1986), por sua vez, aponta para o papel da mãe como encarnação do Outro, como aquela que veicula num primeiro tempo, junto ao bebê, a lei simbólica da cultura, e que lhe fornece o primeiro espelho através do qual ele ao mesmo tempo se aliena e se constitui. Laplanche (1988) enfatiza o papel iniciativo da mãe, responsável pela sedução generalizada necessária, desenvolvimento do pensamento freudiano explicitado nos Três ensaios sobre a teoria da sexualidade, onde Freud (1905) afirma que é função da mãe despertar o instinto sexual da criança e ensiná-la a amar. A mãe, então é aquela que introduz o bebê no campo pulsional, instilando Eros em sua constituição. Dolto (1984) refere-se ao papel fundamental da mãe como responsável por fazer operar as castrações simbolígenas, que vão, passo a passo, estabelecendo os marcos e fazendo surgir novas estruturações no psiquismo infantil. Este bebê ora projetado perfeito e saudável pode apresentar fragilidades e dificuldades físicas, cognitivas, motoras e psicológicas que a mãe não está preparada

5 5 para enfrentá-las, e quanto mais grave essas interferências, maior será a angústia ao enfrentamento dessa nova realidade inesperada pela mãe e pela família [...] no caso de crianças que apresentam dificuldades físicas ou mentais [...] o estabelecimento mãecriança torna-se particularmente difícil para a mãe (Rapaport, 1981 p. 24). No caso do nascimento de uma criança excepcional há um choque na família, em especial, na mãe. A má formação do filho real faz reviver seus conflitos e dificulta a elaboração gradual dos mesmos. A impossibilidade de realizar seus desejos e fantasias traz uma grande frustração. Segundo Gauderer (1985), os pais de uma criança deficiente estão em eterno luto pela perda do filho saudável que não veio; o que existe é uma criança substituta que está definitivamente lesada. No que tange as mães de crianças autistas, seus filhos nascem com suas características física, cognitiva, saudável, os sentidos (olfato, tato, paladar, visão) em perfeito funcionamento; não há, a priori, comportamento que as façam imaginar qualquer transtorno. O descobrimento da realidade totalmente insonhável no período gestacional leva aos transtornos e á angústia que caracterizam o sofrimento psíquico da mãe. Segundo Ceccarelli (2005) as posições freudianas, concebem o psiquismo como uma organização que se desenvolveu para proteger o ser humano contra os ataques, internos e externos, que punham sua vida em perigo. Sendo o psiquismo parte integrante do sistema imunológico, um indivíduo pode mais facilmente contrair doenças caso possua um sistema de defesa fragilizado, em contrapartida, pode estar menos munido para responder aos ataques, internos (pulsionais, passionais) e externos (mudanças ambientais, perdas diversas), que encontra ao longo da vida e, adoecendo psiquicamente. Evidencia-se que, dentre os membros da família de uma criança com desenvolvimento atípico, as mães podem ser bastante atingidas emocionalmente, pois se deparam com a perda do filho imaginado por elas. Por isso, correm o risco de apresentar sentimentos como tristeza, frustração, ambivalência e negação, os quais podem alterar o relacionamento mãe-criança. Contudo, consta-se que mãe de uma criança com desenvolvimento atípico pode ser estressante, na medida em que existe uma sobrecarga adicional em todos os níveis: social, psicológico, financeiro e, também, nos cuidados com a criança. Esta sobrecarga poderá variar de acordo com as características de cada criança e com a severidade da

6 6 deficiência que ela apresenta, já que diferentes casos originam diferentes expectativas e necessidades ou formas de superação para as famílias. Segundo a Organização Mundial da Saúde (1993) o autismo é caracterizado como um transtorno invasivo do desenvolvimento, definido pela presença de desenvolvimento anormal e/ou comprometimento que se manifesta antes da idade de três anos e pelo tipo característico de funcionamento anormal em todas as três áreas: de interação social, comunicação e comportamento restrito e repetitivo. O transtorno ocorre três a quatro vezes mais frequente em garotos do que em meninas. A criança com autismo tem um comprometimento qualitativo em suas interações sociais recíprocas, demonstram uma falta de resposta às emoções de outras pessoas/ou falta de modulação do comportamento de acordo com o contexto social. As mães não entendem o comportamento dissociável da criança e seus movimentos estereotipados. Em muitos casos, estes são acompanhados de agressividade por parte da criança, levando a mãe a uma situação de stress. Investigações salientam os impactos de ter um filho com autismo na saúde mental materna. Comparações entre mães de crianças com autismo e mães de crianças portadoras de outras patologias, ou ainda, mães de crianças com Desenvolvimento Típico estabelecem que mães de crianças com atrasos no desenvolvimento e com autismo apresentaram risco mais elevado para desenvolver depressão e foram mais severamente afetadas por este quadro clínico (Robinson et al (2001). Robinson et al (2001) também afirma que essas mães desenvolveram menos estratégias de enfrentamento de problemas, possivelmente porque apresentavam um repertório insuficiente e pobre na qualidade de suas respostas, levando, assim, a uma maior frustração no seu papel materno. As mães dedicam grande parte do seu tempo aos cuidados com o filho autista, muitas precisam abandonar seus empregos, para se dedicar exclusivamente aos cuidados dispensados a estes, passando a viver uma sobrecarga emocional, física e financeira nos cuidados com o portador do autismo, além da dificuldade na reprodução de imaginação de uma vida normal. Considerações finais A partir do que foi discutido é possível constatar que a família da criança autista, a mãe em especial, está constantemente exposta a pressões internas e externas que

7 7 geram o sofrimento psíquico. Tal sofrimento é expresso por culpa, preocupações, medo, angústia, impotência, frustração, luto pela perda do filho imaginário e tristeza. Em suma, a mãe necessita de atenção especial, pois o cuidado da criança é primordialmente exercido por ela. A saúde mental da mãe deve ser prioriorizada, uma vez que, ela assume múltiplas responsabilidades nos cuidados físicos, cognitivos, psicológicos do filho que necessita de zelo, disponibilidade, tempo, paciência, além do seu papel no âmbito familiar: outros filhos, marido, tarefas domésticas e sociais. Inerente a toda essa intensidade de anseios, percepções faz necessário um sustentáculo emocional para a mãe da criança autista. Este sustentáculo emocional deve ser construído gradativamente para que a mãe possa se adaptar ao filho autista e aceitálo superando suas projeções fantasiosas. O acompanhamento psicológico pode contribuir para que o sofrimento seja superado. Referências ceccarelli, P. (2005) O Sofrimento Psíquico na Perspectiva da Psicopatologia Fundamental. Psicologia em Estudo, Maringá, 10(3) Recuperado em 22 março, de 2012, de D'Andréa, F. F. (1983). Desenvolvimento da personalidade. Rio de Janeiro: DIFEL. Dolto, F.(2008). A imagem inconsciente do corpo. Kon, Noemi Motitz Paris: Seuil. Perspectiva. (Original publicado em 1984) Fiori, V. R. (1981). Psicologia da gestação, In: C. R. Rappaport (Org.), Psicologia do Desenvolvimento. São Paulo: EPU. Freud, S. (1976) Três ensaios sobre a teoria da sexualidade. In: Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas completas de Sigmund Freud, vol.vii Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1905). Gauderer, E.C. (1985). Autismo da década de 80. São Paulo: Sarvier. Lacan, J. (1986) Escritos. Rio de Janeiro, Jorge Zahar. Laplanche. J. (1988) Teoria da sedução generalizada. Porto Alegre: Artes Médicas. Rappaport, C. R. (1981) Psicologia do desenvolvimento. A infância inicial: O bebê e sua mãe. São Paulo: EPU. Robinson J, Drotar D, Boutry M. Problem Solving Abilities Among Mothers of Infants With Failure to Thrive. J Pediatr Psychol. 2001; (1):

8 Winnicott, D. ( 1999). Os bebês e suas mães. São Paulo: Martins Fontes,

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8 CAPÍTULO 8 Fator emocional O projeto comum de ter filhos, construir a própria família, constitui um momento existencial muito importante, tanto para o homem como para a mulher. A maternidade e a paternidade

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO AMOR MATERNO NA RELAÇÃO MÃE-BEBÊ: REFLEXÕES A PARTIR DA PSICANÁLISE.

A CONSTRUÇÃO DO AMOR MATERNO NA RELAÇÃO MÃE-BEBÊ: REFLEXÕES A PARTIR DA PSICANÁLISE. A CONSTRUÇÃO DO AMOR MATERNO NA RELAÇÃO MÃE-BEBÊ: REFLEXÕES A PARTIR DA PSICANÁLISE. Cléa Maria Ballão Lopes 1 Nos últimos tempos venho trabalhando com gestantes e puérperas, diretamente via atendimento

Leia mais

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Henrique Figueiredo Carneiro Liliany Loureiro Pontes INTRODUÇÃO Esse trabalho apresenta algumas considerações,

Leia mais

TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR

TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO:

Leia mais

O DESENHO COMO EXPRESSÃO DA SUBJETIVIDADE EM CRIANÇAS HOSPITALIZADAS: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

O DESENHO COMO EXPRESSÃO DA SUBJETIVIDADE EM CRIANÇAS HOSPITALIZADAS: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA O DESENHO COMO EXPRESSÃO DA SUBJETIVIDADE EM CRIANÇAS HOSPITALIZADAS: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Trabalho de curso 2014 Herminia Dias de Freitas Lahana Giacomini de Vasconcellos Luciana Stefano Acadêmica

Leia mais

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Psicologia Professores: Adriana Ribas adrianaribas@uniarp.edu.br Período/ Fase: 2º Semestre: 2º Ano:

Leia mais

A AGRESSIVIDADE INFANTIL EM SALA DE AULA E A INFLUÊNCIA DOS FATORES ESCOLARES

A AGRESSIVIDADE INFANTIL EM SALA DE AULA E A INFLUÊNCIA DOS FATORES ESCOLARES 654 A AGRESSIVIDADE INFANTIL EM SALA DE AULA E A INFLUÊNCIA DOS FATORES ESCOLARES Rafaela Reginato Hosokawa, Andréia Cristiane Silva Wiezzel Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PSICOLOGIA NO ATENDIMENTO A MÃES E PAIS NA MATERNIDADE

A IMPORTÂNCIA DA PSICOLOGIA NO ATENDIMENTO A MÃES E PAIS NA MATERNIDADE 6 A IMPORTÂNCIA DA PSICOLOGIA NO ATENDIMENTO A MÃES E PAIS NA MATERNIDADE Ana Paula Santos; Camile Haslinger Cássia Ferrazza Alves Elenara Farias Lazzarotto Da Costa Ligia Andrea Rivas Ramirez Cristina

Leia mais

VI CONGRESSO BRASILEIRO DE PSICOPATOLOGIA FUNDAMENTAL Recife, de 05 a 08 de setembro de 2002

VI CONGRESSO BRASILEIRO DE PSICOPATOLOGIA FUNDAMENTAL Recife, de 05 a 08 de setembro de 2002 VI CONGRESSO BRASILEIRO DE PSICOPATOLOGIA FUNDAMENTAL Recife, de 05 a 08 de setembro de 2002 CO/65 A PREMATURIDADE NA RELAÇÃO MÃE-BEBÊ. Macêdo, L. & Barros, P. Departamento de Psicologia, UNICAP, Recife,

Leia mais

O Escutar através do Desenho

O Escutar através do Desenho 1 O Escutar através do Desenho Neide M.A.Corgosinho 1 RESUMO: O artigo aqui apresentado baseia-se em algumas experiências de trabalho na internação pediátrica do Hospital Militar de Minas Gerais no período

Leia mais

OS RELACIONAMENTOS AFETIVOS DE MULHERES COM TRANSTORNO DE PERSONALIDADE BORDERLINE

OS RELACIONAMENTOS AFETIVOS DE MULHERES COM TRANSTORNO DE PERSONALIDADE BORDERLINE OS RELACIONAMENTOS AFETIVOS DE MULHERES COM TRANSTORNO DE PERSONALIDADE BORDERLINE Élide Dezoti Valdanha, Fernanda Kimie Tavares Mishima e Valéria Barbieri. INTRODUÇÃO De acordo com o DSM-IV-TR - Manual

Leia mais

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com 803 AS CONTRIBUIÇÕES DO LÚDICO PARA O DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL INFANTIL NO CONTEXTO ESCOLAR Rafaela Reginato Hosokawa, Andréia Cristiane Silva Wiezzel Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de

Leia mais

ESTIMULAR BRINCANDO: DESENVONVIMENTO DE BRINQUEDO, FERRAMENTA DE AUXILIO LÚDICO-EDUCATIVO NO TRATAMENTO DO CÂNCER INFANTIL

ESTIMULAR BRINCANDO: DESENVONVIMENTO DE BRINQUEDO, FERRAMENTA DE AUXILIO LÚDICO-EDUCATIVO NO TRATAMENTO DO CÂNCER INFANTIL ESTIMULAR BRINCANDO: DESENVONVIMENTO DE BRINQUEDO, FERRAMENTA DE AUXILIO LÚDICO-EDUCATIVO NO TRATAMENTO DO CÂNCER INFANTIL INTRODUÇÃO Amara Holanda Fabiane Romana Fernanda Oliveira Karen Trage Máuren Mássia

Leia mais

Autismo e Deficiência Intelectual.

Autismo e Deficiência Intelectual. Autismo e Deficiência Intelectual. Wagner Ranna. Pediatra. Psiquiatra. Psicanalista. Professor de Psicossomática Psicanalítica do SEDES. Psiquiatra CAPS Infantil da Lapa/PMSP/CRSCO/STS Lapa. Ex-professor

Leia mais

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM Maria Elisa França Rocha A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da sexualidade, bem como conhecer suas fantasias e as teorias que

Leia mais

Feminilidade e Angústia 1

Feminilidade e Angústia 1 Feminilidade e Angústia 1 Claudinéia da Cruz Bento 2 Freud, desde o início de seus trabalhos, declarou sua dificuldade em abordar o tema da feminilidade. Após um longo percurso de todo o desenvolvimento

Leia mais

MECANISMOS DE DEFESA

MECANISMOS DE DEFESA 1 MECANISMOS DE DEFESA José Henrique Volpi O Ego protege a personalidade contra a ameaça ruim. Para isso, utilizase dos chamados mecanismos de defesa. Todos estes mecanismos podem ser encontrados em indivíduos

Leia mais

BRINQUEDOTECA ESCOLAR: AMENIZANDO CONDUTAS AGRESSIVAS POR INTERMÉDIO DO BRINCAR

BRINQUEDOTECA ESCOLAR: AMENIZANDO CONDUTAS AGRESSIVAS POR INTERMÉDIO DO BRINCAR Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 713 BRINQUEDOTECA ESCOLAR: AMENIZANDO CONDUTAS AGRESSIVAS POR INTERMÉDIO DO BRINCAR Rafaela Reginato Hosokawa, Andréia

Leia mais

A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA

A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA BUCK, Marina Bertone Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: marina.bertone@hotmail.com SANTOS, José Wellington

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Especial EDUCAÇÃO INCLUSIVA A FAMÍLIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Especial EDUCAÇÃO INCLUSIVA A FAMÍLIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Especial EDUCAÇÃO INCLUSIVA A FAMÍLIA Brasília - 2004 Série: EDUCAÇÃO INCLUSIVA 1. A Fundamentação Filosófica 2. O Município 3 A Escola 4 A Família FICHA TÉCNICA

Leia mais

A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE.

A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE. A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE. Desde os primeiros passos de Freud em suas investigações sobre o obscuro a respeito do funcionamento da mente humana, a palavra era considerada

Leia mais

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO 2015 Marcell Felipe Alves dos Santos Psicólogo Clínico - Graduado pela Centro Universitário Newton Paiva (MG). Pós-graduando em

Leia mais

Feminilidade e Violência

Feminilidade e Violência Feminilidade e Violência Emilse Terezinha Naves O tema sobre a violência e a feminilidade apresenta-se, nas mais diversas áreas do conhecimento, como um tema de grande interesse, quando encontramos uma

Leia mais

A RELAÇÃO HOMEM-TRABALHO DE PORTADORES DE HIV, DOENTES OU NÃO DE AIDS

A RELAÇÃO HOMEM-TRABALHO DE PORTADORES DE HIV, DOENTES OU NÃO DE AIDS A RELAÇÃO HOMEM-TRABALHO DE PORTADORES DE HIV, DOENTES OU NÃO DE AIDS Mariana Tironi de Camargo Mariana Gonçales Gerzeli Francisco Hashimoto Resumo: A presente pesquisa tem por objetivo compreender como

Leia mais

O Brincar para a Criança Hospitalizada

O Brincar para a Criança Hospitalizada Andressa Ranzani Nora Mello Keila Maria Ramazotti O Brincar para a Criança Hospitalizada Primeira Edição São Paulo 2013 Agradecimentos Aos nossos familiares, que revestiram nossas vidas com muito amor,

Leia mais

SOBRE FANTASIA E OS CONTOS DE FADAS

SOBRE FANTASIA E OS CONTOS DE FADAS SOBRE FANTASIA E OS CONTOS DE FADAS Sonia Porto Machado sonia@liberato.com.br Rua Inconfidentes, 395 Bairro Primavera Novo Hamburgo RS: Fundação Liberato Professora, Psicopedagoga e Terapeuta de Família

Leia mais

AUTISMO: CONVÍVIO ESCOLAR, UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO.

AUTISMO: CONVÍVIO ESCOLAR, UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO. AUTISMO: CONVÍVIO ESCOLAR, UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO. Anne Caroline Silva Aires- UEPB Marta Valéria Silva Araújo- UEPB Gabriela Amaral Do Nascimento- UEPB RESUMO Este trabalho tem como objetivo apresentar

Leia mais

DEPRESSÃO MATERNA E IMPLICAÇÕES SOBRE O DESENVOLVIMENTO INFANTIL DO AUTISTA MATERNAL DEPRESSION AND IMPLICATIONS ON THE INFANT DEVELOPMENT OF AUTIST

DEPRESSÃO MATERNA E IMPLICAÇÕES SOBRE O DESENVOLVIMENTO INFANTIL DO AUTISTA MATERNAL DEPRESSION AND IMPLICATIONS ON THE INFANT DEVELOPMENT OF AUTIST Depressão Rev Bras Crescimento materna e implicações Desenvolvimento sobre o Hum. autismo 2010; 20(3) 809-815 Rev Bras Crescimento Desenvolvimento Hum. PESQUISA 2010; 20(3) ORIGINAL 809-815 ORIGINAL RESEARCH

Leia mais

PSICOTERAPIA INFANTIL

PSICOTERAPIA INFANTIL PSICOTERAPIA INFANTIL Claudia Ribeiro Boneberg 1 Demarcina K. Weinheimer 2 Ricardo Luis V. de Souza 3 Ramão Costa 4 Me. Luiz Felipe Bastos Duarte 5 1 TEMA Psicoterapia psicanalítica infantil 1.1 DELIMITAÇÃO

Leia mais

Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito

Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito UM TÊNUE LIMIAR... 1 Graciella Leus Tomé Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito me chocou. Foi a internação de uma jovem senhora, mãe, casada, profissão estável,

Leia mais

Sobre a intimidade na clínica contemporânea

Sobre a intimidade na clínica contemporânea Sobre a intimidade na clínica contemporânea Flávia R. B. M. Bertão * Francisco Hashimoto** Faculdade de Ciências e Letras de Assis, UNESP. Doutorado Psicologia frbmbertao@ibest.com.br Resumo: Buscou-se

Leia mais

Revista Científica Eletrônica de Psicologia

Revista Científica Eletrônica de Psicologia ADOÇÃO: UMA INVESTIGAÇÃO PSICOLÓGICA Ediléia de Sá CABRAL 1 Juliana BARACAT 2 RESUMO A pesquisa teve como objetivo executar um estudo com devido embasamento teórico que pudesse justificar o conceito do

Leia mais

Revista Eventos Pedagógicos v.5, n.2 (11. ed.), número regular, p. 251-260, jun./jul. 2014

Revista Eventos Pedagógicos v.5, n.2 (11. ed.), número regular, p. 251-260, jun./jul. 2014 Revista Eventos Pedagógicos v.5, n.2 (11. ed.), número regular, p. 251-260, jun./jul. 2014 AS RELAÇÕES AFETIVAS COMO DIMENSÃO INTERDEPENDENTE DAS FORMAÇÕES COGNITIVAS EM SALA DE AULA: um olhar a partir

Leia mais

A família da criança deficiente

A família da criança deficiente A família da criança deficiente Leonice Moura Naiana Valério Alunas do Curso de Mestrado do Programa de em Distúrbios do da Universidade Presbiteriana Mackenzie RESUMO Este trabalho buscou mostrar a estrutura

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA VERSÃO CURRICULAR. Professor(a): Fábio Roberto Rodrigues Belo Ano/Semestre: 2015/2

CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA VERSÃO CURRICULAR. Professor(a): Fábio Roberto Rodrigues Belo Ano/Semestre: 2015/2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA VERSÃO CURRICULAR 2009/1 Professor(a): Fábio Roberto Rodrigues

Leia mais

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial

Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial 30 1. 3. Anna Freud: o analista como educador Durante toda sua vida, Anna Freud ocupou-se com a psicanálise, dando especial ênfase ao desenvolvimento teórico e terapêutico da psicanálise de crianças. Sua

Leia mais

O DIAGNÓSTICO DOS TRANSTORNOS DO ESPECTRO DO AUTISMO TEA

O DIAGNÓSTICO DOS TRANSTORNOS DO ESPECTRO DO AUTISMO TEA 1 MARIA ELISA GRANCHI FONSECA Psicóloga Mestre em Educação Especial UFSCAR TEACCH Practitioner pela University of North Carolina USA Coordenadora de Curso INFOCO FENAPAES UNIAPAE Coordenadora CEDAP APAE

Leia mais

Entre o insuportável da recusa e o excesso da orexia: a ética da oralidade e as queixas alimentares na clínica psicanalítica com crianças.

Entre o insuportável da recusa e o excesso da orexia: a ética da oralidade e as queixas alimentares na clínica psicanalítica com crianças. Entre o insuportável da recusa e o excesso da orexia: a ética da oralidade e as queixas alimentares na clínica psicanalítica com crianças. Dione de Medeiros Lula Zavaroni Renata de Leles Rodrigues Ana

Leia mais

GESTAÇÃO E CÂNCER: CONVIVENDO COM OS PARADOXOS

GESTAÇÃO E CÂNCER: CONVIVENDO COM OS PARADOXOS GESTAÇÃO E CÂNCER: CONVIVENDO COM OS PARADOXOS INTRODUÇÃO Daniela Achette 1 Adriana Aparecida Fregonese 2 O adoecer traz vivências muito peculiares para a maioria das mulheres, sendo vasta a literatura

Leia mais

O paradoxo da creche: lugar de acolhimento, lugar de separação A influência das práticas institucionais na creche sobre a saúde mental dos bebês

O paradoxo da creche: lugar de acolhimento, lugar de separação A influência das práticas institucionais na creche sobre a saúde mental dos bebês O paradoxo da creche: lugar de acolhimento, lugar de separação A influência das práticas institucionais na creche sobre a saúde mental dos bebês Regina Orth de Aragão Sumário Breve histórico. O acolhimento

Leia mais

INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA NO PERÍODO PÓS-PARTO EM UMA MATERNIDADE

INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA NO PERÍODO PÓS-PARTO EM UMA MATERNIDADE 98 INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA NO PERÍODO PÓS-PARTO EM UMA MATERNIDADE Resumo Cássia Ferrazza Alves Ana Paula Santos Camille Haslinger Elenara Farias Lazzarotto Da Costa Lígia Andrea Rivas Ramirez e Cristina

Leia mais

O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica.

O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica. O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica. Silvana Maria de Barros Santos Entre o século XVI a XIX, as transformações políticas, sociais, culturais e o advento da

Leia mais

O TER E O FAZER: A PSICOPATOLOGIA DA OBESIDADE INFANTIL. Carolina Mendes Cruz Ferreira. Me. Fernanda Kimie Tavares Mishima

O TER E O FAZER: A PSICOPATOLOGIA DA OBESIDADE INFANTIL. Carolina Mendes Cruz Ferreira. Me. Fernanda Kimie Tavares Mishima O TER E O FAZER: A PSICOPATOLOGIA DA OBESIDADE INFANTIL Carolina Mendes Cruz Ferreira Me. Fernanda Kimie Tavares Mishima Profa. Dra. Valéria Barbieri INTRODUÇÃO A obesidade infantil é considerada uma patologia

Leia mais

Nível de estresse e depressão em mães cuidadoras 1 de pacientes portadores de transtornos invasivos do desenvolvimento na Apae-Muriaé (MG)

Nível de estresse e depressão em mães cuidadoras 1 de pacientes portadores de transtornos invasivos do desenvolvimento na Apae-Muriaé (MG) Nível de estresse e depressão em mães cuidadoras 1 de pacientes portadores de transtornos invasivos do desenvolvimento na Apae-Muriaé (MG) Fernanda Borel Cordeiro 1, borelpsicologia@yahoo.com.br; Ana Lúcia

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PSICOMOTRICIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DA PSICOMOTRICIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DA PSICOMOTRICIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL COSTA, Jane de Fátima Rodrigues da Discente do curso de Educação Física na Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva FAIT ZUTTIN, Roberta

Leia mais

As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico

As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico Mariana Antoniuk 1 Dêivid Marques 2 Maria Angela Barbato Carneiro ( orientação) 3 Abordando as diferentes linguagens da criança neste ano, dentro do

Leia mais

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 I Introdução O objetivo deste trabalho é pensar a questão do autismo pelo viés da noção de estrutura, tal como compreendida

Leia mais

AVALIAÇÃO DA IMPLANTAÇÃO DE UM AMBIENTE DE CONVIVÊNCIA PERMANENTE EM UM CAPS INFANTIL 1

AVALIAÇÃO DA IMPLANTAÇÃO DE UM AMBIENTE DE CONVIVÊNCIA PERMANENTE EM UM CAPS INFANTIL 1 AVALIAÇÃO DA IMPLANTAÇÃO DE UM AMBIENTE DE CONVIVÊNCIA PERMANENTE EM UM CAPS INFANTIL 1 PEIXOTO, Maristela Jaqueline Reis 2 ; LENA, Marisangela Spolaôr 3, CULAU, Fernanda Steffen 4, CASSEL, Paula Argemi

Leia mais

A função especular da fala materna e suas referências. ao psiquismo e à constituição do si mesmo.

A função especular da fala materna e suas referências. ao psiquismo e à constituição do si mesmo. A função especular da fala materna e suas referências ao psiquismo e à constituição do si mesmo. Alexandre Socha No artigo O papel de espelho da mãe e da família no desenvolvimento infantil (1967), Winnicott

Leia mais

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição

Fonte: Jornal Carreira & Sucesso - 151ª Edição IDENTIFICANDO A DEPRESSÃO Querida Internauta, Lendo o que você nos escreveu, mesmo não sendo uma profissional da área de saúde, é possível identificar alguns sintomas de uma doença silenciosa - a Depressão.

Leia mais

A FORMAÇÃO DAS NEUROSES E SUA CONSTITUIÇÃO NA INFÂNCIA: IMPLICAÇÕES NA VIDA ESCOLAR

A FORMAÇÃO DAS NEUROSES E SUA CONSTITUIÇÃO NA INFÂNCIA: IMPLICAÇÕES NA VIDA ESCOLAR A FORMAÇÃO DAS NEUROSES E SUA CONSTITUIÇÃO NA INFÂNCIA: IMPLICAÇÕES NA VIDA ESCOLAR Jane Kelly de Freitas Santos (apresentador) 1 Maria Cecília Braz Ribeiro de Souza (orientador) 2 1 Curso de Pedagogia

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSORES SUBSTITUTOS EDITAL

PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSORES SUBSTITUTOS EDITAL EDUCAÇÃO INFANTIL 01) Tomando como base a bibliografia atual da área, assinale a alternativa que destaca CORRE- TAMENTE os principais eixos de trabalho articuladores do cotidiano pedagógico nas Instituições

Leia mais

A depressão materna e suas implicações no desenvolvimento infantil.

A depressão materna e suas implicações no desenvolvimento infantil. A depressão materna e suas implicações no desenvolvimento infantil. Marta Priscila Schneider Dias 1 Denice Bortolin Baseggio 2 Resumo: Este artigo objetiva discutir as repercussões da depressão materna

Leia mais

Motivações para a mulher HIV positivo gestar

Motivações para a mulher HIV positivo gestar Motivações para a mulher HIV positivo gestar Maria Regina Limeira Ortiz* Tania Mara Andreoli Gomes** Resumo Trabalhar com mulheres portadoras do vírus da Imuno Deficiência adquirida(hiv) é algo extremamente

Leia mais

DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA PULSIONAL FREUDIANA PARA UMA REFLEXÃO SOBRE A RELAÇÃO ENTRE AMOR E ÓDIO. Ligia Maria Durski

DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA PULSIONAL FREUDIANA PARA UMA REFLEXÃO SOBRE A RELAÇÃO ENTRE AMOR E ÓDIO. Ligia Maria Durski DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA PULSIONAL FREUDIANA PARA UMA REFLEXÃO SOBRE A RELAÇÃO ENTRE AMOR E ÓDIO. Ligia Maria Durski Iniciemos este texto fazendo uma breve retomada de alguns momentos importantes da

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS BRINCADEIRAS E JOGOS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DAS BRINCADEIRAS E JOGOS NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DAS BRINCADEIRAS E JOGOS NA EDUCAÇÃO INFANTIL PINHO, Luis Marcelo Varoneli Graduando do curso de Pedagogia, da Faculdade de Ciências Humanas da Associação Cultural e Educacional de Garça,

Leia mais

Evelise Saia Rodolpho Aluna do 10º Termo de Psicologia Prof. Mestre. Luis Santo Schicotti Ana Lígia Pini Guerreiro Psicóloga Escolar Janaína Fernanda

Evelise Saia Rodolpho Aluna do 10º Termo de Psicologia Prof. Mestre. Luis Santo Schicotti Ana Lígia Pini Guerreiro Psicóloga Escolar Janaína Fernanda Evelise Saia Rodolpho Aluna do 10º Termo de Psicologia Prof. Mestre. Luis Santo Schicotti Ana Lígia Pini Guerreiro Psicóloga Escolar Janaína Fernanda Allmeida Marques Profª da Sala de Recursos Os Transtornos

Leia mais

5. Referências bibliográficas:

5. Referências bibliográficas: 82 5. Referências bibliográficas: ASSOUN, P. Lecciones Psicoanalíticas sobre Hermanos y Hermanas., Buenos Aires: Ediciones Nueva Visión, 1998. BENGHOZI, P. E FERÉS- CARNEIRO, T. Laço frátrio e continente

Leia mais

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA)

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA) TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA) SERVIÇO DE PSIQUIATRIA HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE (HCPA) DEPARTAMENTO DE PSIQUIATRIA UNIVERSIDADE

Leia mais

Índice. O Que é AUTISMO? Quais São os Sintomas Típicos do AUTISMO? Causas do AUTISMO. Problemas Comportamentais e as Dificuldades dos Pais

Índice. O Que é AUTISMO? Quais São os Sintomas Típicos do AUTISMO? Causas do AUTISMO. Problemas Comportamentais e as Dificuldades dos Pais Índice O Que é AUTISMO? 03 04 Quais São os Sintomas Típicos do AUTISMO? Causas do AUTISMO 06 07 Problemas Comportamentais e as Dificuldades dos Pais Projeto de Integração Pró-Autista (Pipa) e a Terapia

Leia mais

Pediatria do Desenvolvimento e do Comportamento. Faculdade de Ciências Médicas Prof. Orlando A. Pereira Unifenas

Pediatria do Desenvolvimento e do Comportamento. Faculdade de Ciências Médicas Prof. Orlando A. Pereira Unifenas Pediatria do Desenvolvimento e do Comportamento Faculdade de Ciências Médicas Prof. Orlando A. Pereira Unifenas Genética e Ambiente A combinação de fatores ambientais e genéticos é que determina o produto

Leia mais

AUTORES: CASTRO, M. S.; SANTANA N. F. O.; BILMAIA R. A.

AUTORES: CASTRO, M. S.; SANTANA N. F. O.; BILMAIA R. A. TÍTULO: AS DIFICULDADES E AS COMPLEXIDADES ENCONTRADAS NA ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DENTRO DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO E O RELACIONAMENTO COM O DESENVOLVIMENTO INFANTIL RESUMO AUTORES: CASTRO, M.

Leia mais

REFLEXÕES CLÍNICAS SOBRE UM CASAL DE PAIS ADOTANTES

REFLEXÕES CLÍNICAS SOBRE UM CASAL DE PAIS ADOTANTES REFLEXÕES CLÍNICAS SOBRE UM CASAL DE PAIS ADOTANTES Autores: Tânia Regina Goia; José Paulo Diniz; Maria Luísa Louro de Castro Valente Instituição: Universidade Estadual Paulista Faculdade de Ciências e

Leia mais

ANEXO XI (Retificado no DOU de 18/07/2013, Seção 1, pág 25)

ANEXO XI (Retificado no DOU de 18/07/2013, Seção 1, pág 25) ANEXO XI (Retificado no DOU de 18/07/2013, Seção 1, pág 25) MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL LAUDO DE AVALIAÇÃO AUTISMO (Transtorno Autista e Autismo Atípico) Serviço Médico/Unidade

Leia mais

ALGUNS ASPECTOS IMPORTANTES PARA O DESENVOLVIMENTO NA TERCEIRA INFÂNCIA.

ALGUNS ASPECTOS IMPORTANTES PARA O DESENVOLVIMENTO NA TERCEIRA INFÂNCIA. ALGUNS ASPECTOS IMPORTANTES PARA O DESENVOLVIMENTO NA TERCEIRA INFÂNCIA. RESUMO Patrícia Pedroso Fernandes¹, Reivane Lopes Cassiano¹, Ricardo Bortolieiro Palazetti¹ Ana Paula Barbosa². UNIVERSIDADE DE

Leia mais

UMA EXPERIENCIA PROFILATICA A PREPARAÇÃO DE CRIANÇAS PARA ADOÇÃO*

UMA EXPERIENCIA PROFILATICA A PREPARAÇÃO DE CRIANÇAS PARA ADOÇÃO* UMA EXPERIENCIA PROFILATICA A PREPARAÇÃO DE CRIANÇAS PARA ADOÇÃO* Betina Tabajaski** Verônica Petersen Chaves*** Porto Alegre e Canela, Rio Grande do Sul, Brazil, 1997. RESUMO A adoção é uma das alternativas

Leia mais

A POSSIBILIDADE DE TRANSFORMAÇÃO EM ANÁLISE RESUMO. pela Psicanálise. No trabalho com pessoas que têm dificuldade na integração de amoródio

A POSSIBILIDADE DE TRANSFORMAÇÃO EM ANÁLISE RESUMO. pela Psicanálise. No trabalho com pessoas que têm dificuldade na integração de amoródio A POSSIBILIDADE DE TRANSFORMAÇÃO EM ANÁLISE RESUMO Sandra C. Tschirner 1 Winnicott compreende que as técnicas psicanalíticas clássicas atenderiam a um grupo específico de pacientes, aos neuróticos, que

Leia mais

Maria Cecília Schiller Sampaio Fonseca. Ao pensar sobre o tema dentro desse Encontro surgiram em minha mente vários

Maria Cecília Schiller Sampaio Fonseca. Ao pensar sobre o tema dentro desse Encontro surgiram em minha mente vários PARENTALIDADE : TORNAR-SE PAIS Maria Cecília Schiller Sampaio Fonseca (SBPSP - SBPRJ) Ao pensar sobre o tema dentro desse Encontro surgiram em minha mente vários pontos de partida e várias reflexões. É

Leia mais

Create PDF with PDF4U. If you wish to remove this line, please click here to purchase the full version

Create PDF with PDF4U. If you wish to remove this line, please click here to purchase the full version O CUIDAR DE ENFERMAGEM A PUERPERA APRESENTANDO DEPRESSÃO PÓS-PARTO HOLANDA, Eliane Rolim de ARAUJO, Tereza Lourença Matias de RIBEIRO, Francica Sanches Tavares SANTOS, Kamila Késsia Gomes dos SILVA, Gerson

Leia mais

AUTISMO NA ESCOLA. Letícia Soares da Silva. Tati Ana Soares Costa. Profª Orientadora: Mara Nieckel da Costa RESUMO

AUTISMO NA ESCOLA. Letícia Soares da Silva. Tati Ana Soares Costa. Profª Orientadora: Mara Nieckel da Costa RESUMO AUTISMO NA ESCOLA Letícia Soares da Silva Tati Ana Soares Costa Profª Orientadora: Mara Nieckel da Costa RESUMO Este trabalho apresenta as principais dificuldades de aprendizagem em crianças portadoras

Leia mais

PARENTALIDADE NA FAVELA: UMA EXPERIÊNCIA COM CONSULTAS TERAPÊUTICAS

PARENTALIDADE NA FAVELA: UMA EXPERIÊNCIA COM CONSULTAS TERAPÊUTICAS PARENTALIDADE NA FAVELA: UMA EXPERIÊNCIA COM CONSULTAS TERAPÊUTICAS Daniel Kauffmann 1 Tereza Marques de Oliveira 2 Resumo O objetivo deste trabalho é relatar nossa experiência na clínica do social, junto

Leia mais

Envelhecimento, erotismo e relacionamentos amorosos na velhice

Envelhecimento, erotismo e relacionamentos amorosos na velhice Envelhecimento, erotismo e relacionamentos amorosos na velhice Thiago de Almeida O amor é um conceito que possui uma extensa cadeia de significados e interpretações distintas. Muito longe de ser meramente

Leia mais

CORPOLINGUAGEM E MOVIMENTO: UMA PROPOSTA DE TRABALHO CORPORAL PARA CRIANÇAS À LUZ DA PSICANÁLISE

CORPOLINGUAGEM E MOVIMENTO: UMA PROPOSTA DE TRABALHO CORPORAL PARA CRIANÇAS À LUZ DA PSICANÁLISE CORPOLINGUAGEM E MOVIMENTO: UMA PROPOSTA DE TRABALHO CORPORAL PARA CRIANÇAS À LUZ DA PSICANÁLISE Nathalia Leite Gatto Nota-se que as disciplinas ligadas ao movimento na educação infantil, tanto curriculares

Leia mais

Serviço de Psicologia do Instituto de Neurologia e Cardiologia de Curitiba:

Serviço de Psicologia do Instituto de Neurologia e Cardiologia de Curitiba: Serviço de Psicologia do Instituto de Neurologia e Cardiologia de Curitiba: Tem por objetivo prestar atendimento aos pacientes internados ou de forma ambulatorial no Hospital, bem como aos seus familiares,

Leia mais

CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM DEFICIÊNCIA: indicadores de inclusão na família e na política de educação.

CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM DEFICIÊNCIA: indicadores de inclusão na família e na política de educação. 1 CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM DEFICIÊNCIA: indicadores de inclusão na família e na política de educação. Maria Jacinta da Silva * Selma Maria Muniz Marques da Silva ** Terezinha Moreira Lima. Assistente

Leia mais

A atuação do Residente de Psicologia nos Grupos de Pré-consulta *

A atuação do Residente de Psicologia nos Grupos de Pré-consulta * ARTIGOS A atuação do Residente de Psicologia nos Grupos de Pré-consulta * Raquel Moreira Pádova ** Introdução A questão que analiso neste trabalho, se refere à atuação do psicólogo nos grupos de pré-consulta

Leia mais

I - A evolução da Psicanálise

I - A evolução da Psicanálise Necessidades e cuidados no setting. Rosa M. C. Reis. Membro Efetivo da SPRJ - Sociedade Psicanalítica do Rio de Janeiro FEBRAPSI Federação Brasileira de Psicanálise IPA - International Association Psychoanalytical

Leia mais

Apresentação do Serviço de Psicologia. Roberta de Siqueira Meloso (coordenadora Psicologia CRI-Norte) Mário Amore Cecchini (Psicólogo CRI-Norte)

Apresentação do Serviço de Psicologia. Roberta de Siqueira Meloso (coordenadora Psicologia CRI-Norte) Mário Amore Cecchini (Psicólogo CRI-Norte) Sejam bem vindos no Apresentação do Serviço de Psicologia Roberta de Siqueira Meloso (coordenadora Psicologia CRI-Norte) Mário Amore Cecchini (Psicólogo CRI-Norte) CRI Norte C.R.I. - Centro de Referencia

Leia mais

O DESEJO DE SABER: GÊNESE E TRAJETÓRIA.

O DESEJO DE SABER: GÊNESE E TRAJETÓRIA. O DESEJO DE SABER: GÊNESE E TRAJETÓRIA. Mariza P. Porto 1 É preciso ler isto, não com os olhos, não com a memória, mas com a imaginação. (M. de Assis) A psicanálise nos ensina que a pulsão de saber transcende

Leia mais

Da anomia à heteronomia na. Rossano Cabral Lima Psiquiatra infanto-juvenil; mestre e doutorando em Saúde Coletiva (IMS/UERJ)

Da anomia à heteronomia na. Rossano Cabral Lima Psiquiatra infanto-juvenil; mestre e doutorando em Saúde Coletiva (IMS/UERJ) Da anomia à heteronomia na infância Rossano Cabral Lima Psiquiatra infanto-juvenil; mestre e doutorando em Saúde Coletiva (IMS/UERJ) Hipótese mais difundida: indiferenciação primordial entre mãe e bebê

Leia mais

QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: CLASSIFIQUE EM VERDADEIRO (V) OU FALSO (F) AS SENTENÇAS ABAIXO:

QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: CLASSIFIQUE EM VERDADEIRO (V) OU FALSO (F) AS SENTENÇAS ABAIXO: QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: 1. Um tapinha no bumbum não é considerado violência devido ao baixo grau de agressão. 2. A prática sexual com indivíduos menores de 14 anos, com o consentimento

Leia mais

Diagnóstico: um sintoma? O diagnóstico em psiquiatria tem uma história. Sua principal função é de ser um instrumento

Diagnóstico: um sintoma? O diagnóstico em psiquiatria tem uma história. Sua principal função é de ser um instrumento Diagnóstico: um sintoma? Larissa de Figueiredo Rolemberg Mendonça e Manoel Tosta Berlinck (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo PUC/SP) O diagnóstico em psiquiatria tem uma história. Sua principal

Leia mais

A SOMATOPSICODINÂMICA DAS BIOPATIAS: INTERPRETAÇÃO REICHIANA DAS DOENÇAS COM ETIOLOGIA DESCONHECIDA

A SOMATOPSICODINÂMICA DAS BIOPATIAS: INTERPRETAÇÃO REICHIANA DAS DOENÇAS COM ETIOLOGIA DESCONHECIDA 1 A SOMATOPSICODINÂMICA DAS BIOPATIAS: INTERPRETAÇÃO REICHIANA DAS DOENÇAS COM ETIOLOGIA DESCONHECIDA Cairu Vieira Corrêa Resumo O seguinte trabalho tem o objetivo de compreender através da teoria reichiana

Leia mais

CLASSE HOSPITALAR E A PRÁTICA DA PEDAGOGIA

CLASSE HOSPITALAR E A PRÁTICA DA PEDAGOGIA CLASSE HOSPITALAR E A PRÁTICA DA PEDAGOGIA OLIVEIRA, Linda marques de Acadêmica do curso de Pedagogia da ACEG/FAHU-Garça-SP E-MAIL: linda_faculdade@yahoo.com.br FILHO, Vanessa Cristiane de Souza Acadêmico

Leia mais

Vivências que permeiam a hospitalização: uma revisão acerca da assistência em hospitalização infantil

Vivências que permeiam a hospitalização: uma revisão acerca da assistência em hospitalização infantil Vivências que permeiam a hospitalização: uma revisão acerca da assistência em hospitalização infantil Experiences that permeate the hospitalization: a review on assistance in children s hospitalization

Leia mais

A CRIAÇÃO DE DESENHOS-ESTÓRIAS NA PSICOTERAPIA DE UM ADOLESCENTE COM SÍNDROME DE ASPERGER. Bráulio Eloi de Almeida Porto RESUMO

A CRIAÇÃO DE DESENHOS-ESTÓRIAS NA PSICOTERAPIA DE UM ADOLESCENTE COM SÍNDROME DE ASPERGER. Bráulio Eloi de Almeida Porto RESUMO A CRIAÇÃO DE DESENHOS-ESTÓRIAS NA PSICOTERAPIA DE UM ADOLESCENTE COM SÍNDROME DE ASPERGER Bráulio Eloi de Almeida Porto RESUMO A Síndrome de Asperger, patologia do espectro do autismo, mantém preservada

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE O LUTO E AS RELAÇÕES OBJETAIS

REFLEXÕES SOBRE O LUTO E AS RELAÇÕES OBJETAIS Centro Universitário de Brasília FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE - FACS CURSO: PSICOLOGIA REFLEXÕES SOBRE O LUTO E AS RELAÇÕES OBJETAIS CAROLINA MOURA BENTO BRASÍLIA NOVEMBRO/2005 CAROLINA MOURA BENTO REFLEXÕES

Leia mais

IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010.

IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010. IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010. Os nomes dos modos de sofrimentos atuais, ou, Transtornos

Leia mais

O JOGO EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Valéria Cristina Giacometti 1, Rosiclaire Barcelos 1, Carmen Lúcia Dias 2

O JOGO EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Valéria Cristina Giacometti 1, Rosiclaire Barcelos 1, Carmen Lúcia Dias 2 1099 O JOGO EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Valéria Cristina Giacometti 1, Rosiclaire Barcelos 1, Carmen Lúcia Dias 2 1 Discente do Mestrado em Educação da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Docente

Leia mais

TOCAR E VER: O CORPO TORNANDO-SE SUJEITO

TOCAR E VER: O CORPO TORNANDO-SE SUJEITO TOCAR E VER: O CORPO TORNANDO-SE SUJEITO Iraquitan de Oliveira Caminha 1 O objetivo desse estudo é analisar a experiência de tocar e de ver, considerando a pulsão de domínio, concebida por Freud, e a motricidade

Leia mais

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673 Analícea Calmon Seguindo os passos da construção teórico-clínica de Freud e de Lacan, vamos nos deparar com alguns momentos de

Leia mais

e suas contribuições para a psicanálise atual

e suas contribuições para a psicanálise atual CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHANGUERA DE SANTO ANDRÉ Ana Paula Sampaio Valera RA 2135001778 Damaris Lima de Oliveira.. RA 2120208661 Maria Anália de Souza Kuball RA 2121215410 Meire de Lima Araújo RA 2135001818

Leia mais

TÍTULO: CÂNCER INFANTIL: UM ESTUDO SOBRE A EXPERIÊNCIA DOS CUIDADORES INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

TÍTULO: CÂNCER INFANTIL: UM ESTUDO SOBRE A EXPERIÊNCIA DOS CUIDADORES INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS TÍTULO: CÂNCER INFANTIL: UM ESTUDO SOBRE A EXPERIÊNCIA DOS CUIDADORES CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS

Leia mais

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar Colégio La Salle São João Professora Kelen Costa Educação Infantil Educação Infantil- Brincar também é Educar A importância do lúdico na formação docente e nas práticas de sala de aula. A educação lúdica

Leia mais

MUDANÇAS NO CONTEXTO FAMILIAR

MUDANÇAS NO CONTEXTO FAMILIAR 1 MUDANÇAS NO CONTEXTO FAMILIAR 1 SOUZA, M. A. 2 ZAMPAULO, J. 3 BARROS, D. R. B. Resumo: Com esse breve estudo buscou se refletir sobre as mudanças que a família tem vivenciado no contexto social. Procura

Leia mais

SÍNDROME DE BURNOUT, A SÍNDROME DA ESTAFA PROFISSIONAL: UMA REVISÃO DA LITERATURA.

SÍNDROME DE BURNOUT, A SÍNDROME DA ESTAFA PROFISSIONAL: UMA REVISÃO DA LITERATURA. SÍNDROME DE BURNOUT, A SÍNDROME DA ESTAFA PROFISSIONAL: UMA REVISÃO DA LITERATURA. Vanessa Parizotto Ramos¹; Dayanne Cristina Ribeiro¹; Tamires Aparecida Camarini¹; Carina Bortolato Garcia². Resumo: A

Leia mais

PSICOLOGIA. CES Revista v. 25 Juiz de Fora 2011

PSICOLOGIA. CES Revista v. 25 Juiz de Fora 2011 Psicologia PSICOLOGIA 298 Maternidade na adolescência: e amamentação do vínculo afetivo a construção Beatriz Maternidade e amamentação na adolescência: a construção do vínculo afetivo dos Santos Pereira*

Leia mais

TOXICOMANIAS* COSTA, Priscila Sousa 1 ; VALLADARES, Ana Cláudia Afonso 2

TOXICOMANIAS* COSTA, Priscila Sousa 1 ; VALLADARES, Ana Cláudia Afonso 2 1 EFEITOS TERAPÊUTICOS DA COLAGEM EM ARTETERAPIA NAS TOXICOMANIAS* COSTA, Priscila Sousa 1 ; VALLADARES, Ana Cláudia Afonso 2 Palavras-chave: Arteterapia, Enfermagem psiquiátrica, Toxicomania, Cuidar em

Leia mais

NEM SEMPRE É CHATICE, PODE SER A SÍNDROME DO PÂNICO

NEM SEMPRE É CHATICE, PODE SER A SÍNDROME DO PÂNICO NEM SEMPRE É CHATICE, PODE SER A SÍNDROME DO PÂNICO SILVA, A. K. V.; SILVA, R. F. V. RESUMO O tema é Síndrome do Pânico, cujo problema pode levar a pessoa a pensar que está louca. Justifica-se por ser

Leia mais

A função da alteridade frente ao desamparo nos primórdios da vida psíquica

A função da alteridade frente ao desamparo nos primórdios da vida psíquica A função da alteridade frente ao desamparo nos primórdios da vida psíquica Natália De Toni Guimarães dos Santos O humano só advém a partir de outros humanos. O filho do homem é um ser absolutamente dependente

Leia mais