SEGURO DA AGRICULTURA FAMILIAR - SEAF

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SEGURO DA AGRICULTURA FAMILIAR - SEAF"

Transcrição

1 SEGURO DA AGRICULTURA FAMILIAR - SEAF PRODUZINDO COM SEGURANÇA O Seguro da Agricultura Familiar - SEAF foi criado pelo Governo Federal para que o produtor possa desenvolver sua lavoura com segurança, atendendo uma antiga reivindicação da agricultura familiar por um seguro com garantia de renda. Para viabilizar e dar sustentabilidade a essa conquista, o SEAF promove o uso de tecnologia adequada, cuidados com o manejo, recursos naturais e medidas preventivas contra adversidades agroclimáticas, estimulando a condução da lavoura como um empreendimento economicamente viável. O agricultor precisa estar menos exposto a riscos e ter melhores condições para plantar e colher. Essa é a base para uma agricultura familiar mais forte. O SEAF oferece uma cobertura padrão e uma cobertura adicional. Ambas cobrem a renda da lavoura segurada. A cobertura adicional do SEAF foi criada para auxiliar no pagamento de prestações de operações do Pronaf Investimento, visando apoiar o agricultor familiar na realização de investimentos para modernização e aumento da produção de alimentos. I COBERTURA PADRÃO DO SEAF Condições para operações contratadas a partir de julho de 2015 ENQUADRAMENTO Público Alvo Agricultores familiares que tomam financiamento de custeio agrícola no Pronaf (Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar). Culturas Abacaxi, Açaí, Algodão, Ameixa, Amendoim, Arroz, Aveia, Banana, Cacau, Café arábica, Café robusta, Cajú, Canade-açúcar, Canola, Cevada, Coco, Dendê, Feijão, Feijão Caupi, Gergelim, Girassol, Goiaba, Laranja, Lima Ácida, Limão, Maçã, Mamão, Mamona, Mandioca, Manga, Maracujá, Melancia, Milheto, Milho, Nectarina, Palma Forrageira, Pêra, Pêssego, Pimenta do Reino, Pomelo, Pupunha, Seringueira, Sisal, Soja, Sorgo Granífero, Tangerina, Toranja, Trigo, Uva americana e Uva europeia, contempladas no Zoneamento Agrícola de Riscos Climáticos (ZARC) do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (MAPA). Lavouras Irrigadas de culturas sem ZARC na UF: são amparáveis pelo SEAF. Lavouras Consorciadas - Todas em que a cultura principal tenha indicativo no zoneamento agrícola de risco climático. Adesão Automática no crédito de custeio agrícola do PRONAF. Valor Segurado 80% da Receita Bruta Esperada do empreendimento (RBE), com os seguintes limites para a Renda Líquida Segurada (RLS): R$ 20 mil; 3 vezes o valor do financiamento, para olericultura; 2 vezes o valor do financiamento, para culturas permanentes; valor do financiamento, para demais culturas. Obs.: A Receita Bruta Esperada é estimada pelo banco na contratação do financiamento. É calculada multiplicando a produtividade esperada pelo preço de mercado estimado para o produto para a época da colheita. Renda Líquida Segurada = 80% da RBE Valor do Financiamento (observados os limites acima). Adicional (prêmio de seguro) Alíquota base: 3%; Sistema de Bonificações - para cada ano agrícola em que o beneficiário formalizar adesão ao SEAF, a partir de 1 de julho de 2015: o Decréscimos na alíquota: 0,25%, se não solicitar cobertura; o Acréscimos na alíquota: 0,5%, se solicitar cobertura; o Alíquota mínima: 2%; o Alíquota máxima: 6%; Redutor para lavouras irrigadas e semiárido: 1%. Croqui No ato da contratação do crédito, o produtor deverá elaborar um mapa situando a propriedade e a área onde será implantada a lavoura, especificando linhas de contorno, pontos de referência e vizinhanças. Cultivares Crioulas Agricultores que utilizam sementes de cultivares tradicionais, locais ou crioulas poderão ter cobertura do

2 seguro, desde que seja cultivar cadastrada no MDA por entidade habilitada. Análise de Solo Para operações com valor financiado acima de R$ 5.000,00 é obrigatória a apresentação de análise química e granulométrica do solo e recomendação de adubação ao banco. As análises têm 2 e 10 anos de validade, respectivamente. As análises de solo emitidas a partir de 1 de julho de 2015 devem: estar em nome do beneficiário, de membro da família constante da DAP ou do proprietário da terra, informar o número de hectares da gleba da lavoura a que se referem e conter o município e a matrícula ou nome do imóvel. COBERTURA Valor da Cobertura Igual ao Valor Segurado mais juros do financiamento, deduzidas a receita bruta obtida com a colheita, as parcelas do financiamento não aplicadas e as perdas por causas não amparadas. Gatilho Se a lavoura tiver perda maior que 30% causada por evento amparado pelo programa, ou seja, receita bruta obtida menor que 70% da receita bruta esperada, poderá ser solicitado pagamento do SEAF. Eventos Cobertos Chuva excessiva, geada, granizo, seca, variação excessiva de temperatura, ventos fortes, ventos frios e doença ou praga sem método de controle técnica ou economicamente viável. Exemplos de Eventos não Cobertos Incêndio de lavoura. Enchente e outros eventos causados por acidentes e não por causas fortuitas da natureza. Evento fora da vigência do seguro. Evento associado ao plantio em locais impróprios ou sujeitos a riscos frequentes. Exemplos de Fatores de Perda Parcial ou Total da Cobertura Tecnologia ou manejo inadequados Não observância do Zoneamento Agrícola Solo não indicado Plantio fora do período indicado Sementes de cultivares não habilitadas Profundidade do solo inferior a 50 cm. Declividade do terreno superior a 45%. Erosão ou não conservação de solo Insuficiência ou inadequação no controle de pragas e doenças Falta de cuidados necessários no cultivo Cultura plantada diferente da financiada Área plantada ou de emergência menor que a financiada Início da colheita antes da perícia Falta de comprovação de insumos adquiridos Uso de tecnologia incompatível com a produtividade prevista na contratação do financiamento. VIGÊNCIA DO AMPARO DO SEAF Início da vigência: Em lavoura temporária: inicia-se a partir da emergência das plantas ou transplantio para o local definitivo, após o débito do adicional. Em lavoura permanente: inicia-se com o débito do adicional. Término da vigência: Encerra-se com o término da colheita ou da época de colheita, o que ocorrer primeiro. COMPROVAÇÃO DE PERDAS Comunicação de Ocorrência de Perdas - COP Deverá ser feita na agência bancária onde foi contratada a operação amparada no SEAF. O agricultor deve apresentar ao banco os comprovantes de aquisição de insumos no ato da COP. Antes de fazer a COP, é necessário: 1) Avaliar se as perdas são amparada 2) Verificar se a receita da lavoura será menor que 70% da receita esperada e se as demais condições estão sendo cumpridas.

3 COP Indevida A COP será indevida se for realizada nas seguintes situações: a) o prejuízo decorrer de tecnologia inadequada ou evento não amparado; b) houver descumprimento das regras do Zoneamento Agrícola ou das normas do SEAF; c) o agricultor não plantou, ou plantou cultura diferente da financiada; d) não houve perdas expressivas (acima de 30%); e) o valor da receita do empreendimento for maior que o valor enquadrado no seguro; f) a COP for intempestiva. O agricultor se responsabiliza pelo custo da vistoria quando a COP for considerada indevida. COP Intempestiva Se realizada: 1 em data que não mais permita: a) apurar as causas e extensão das perdas; b) identificar itens do orçamento não realizados; c) aferir a tecnologia utilizada no empreendimento. 2 após o início da colheita (em evento iniciado/ocorrido antes da colheita); 3 após a alteração ou derrubada parcial ou total da lavoura (em evento iniciado/ocorrido antes da colheita); 4 mais de 3 dias úteis após evento ocorrido durante a colheita; 5 após o término da vigência do SEAF. Vistoria de Comprovação de Perdas - O técnico deve vistoriar toda a área segurada acompanhado do produtor, o qual deve fornecer os documentos e informações que forem solicitados. Impedimento de técnicos Não pode realizar vistoria nenhum técnico que tenha qualquer vínculo de interesse com o agricultor, como por exemplo, quem elaborou o projeto ou prestou assistência técnica na propriedade, comercializa insumos, seja ligado à prefeitura ou sindicato de agricultores, esteja concorrendo ou exercendo cargo eletivo, entre outros. Colheita somente após a Vistoria - Não se deve realizar a colheita antes da visita do técnico vistoriador. A área colhida antes da vistoria terá a produtividade considerada igual à prevista no contrato, ou seja sem perdas. Insumos de Produção Própria Devem constar no orçamento o tipo e a quantidade a ser utilizada. O agricultor estará dispensado de apresentar nota fiscal, mas deverá demonstrar ao técnico vistoriador que a propriedade possui estrutura de produção compatível com a quantidade que deveria ser aplicada. II COBERTURA ADICIONAL DO SEAF Para Operações do Pronaf Investimento Essa cobertura adicional do SEAF foi criada para apoiar os investimentos em modernização e aumento da produção de alimentos na agricultura familiar. Oferece uma cobertura adicional de renda para pagamento de prestações de financiamentos de investimento do PRONAF e do crédito fundiário. Enquadramento Operações de investimento contratadas a partir de 1 de julho de Prestações com vencimento após a época de colheita e até 180 dias após o vencimento da operação de custeio. Cobertura - Garante até 100% da prestação de investimento, até R$ 5.000,00 por agricultor/ano, observado que a soma do SEAF Custeio com o SEAF Investimento é limitada à 95% da receita bruta esperada do empreendimento. Adesão - Opcional e vinculada a operação de custeio agrícola do Pronaf de atividade que irá gerar renda para pagar o investimento. É importante que o agricultor faça adesão à cobertura adicional do SEAF para Pronaf Investimento. Para tanto, deve informar ao banco no qual está tomando crédito de custeio, que tem operação de investimento que precisa amparar no SEAF. Adicional (prêmio) Mesma alíquota da cobertura padrão do SEAF. Acionamento do Seguro Feito juntamente com a comunicação de perdas da cobertura padrão do SEAF. Eventos cobertos, culturas e demais condições - Os mesmos da cobertura padrão do SEAF. III - MONITORAMENTO DO SEAF A cada safra, uma amostra dos contratos é selecionada para análise por profissionais a serviço da SAF/MDA e vistoria nas lavouras seguradas, com o objetivo de acompanhar e orientar o trabalho dos técnicos de comprovação de perdas e agentes financeiros.

4 O monitoramento torna possível a adoção de medidas preventivas contra irregularidades, além de subsidiar o controle da qualidade da comprovação de perdas e dos processos de cobertura e levantar informações para aprimoramento do SEAF. Devem ser fornecidas ao técnico do monitoramento as informações e documentação que forem solicitadas. IV - ZONEAMENTO AGRÍCOLA É um instrumento fundamental para o funcionamento do SEAF. Envolve um trabalho de mapeamento do território que analisa o histórico do clima e as características do solo e da planta, fornecendo para cada município indicações de data de plantio de forma a reduzir a exposição do agricultor a riscos climáticos. A construção dos indicativos do zoneamento agrícola leva em conta: 1.Pesquisa Científica Climatologia quantidade e distribuição de chuvas, temperatura etc. Fenologia Vegetal necessidades das plantas em água e radiação solar, duração do ciclo (número de dias entre germinação e colheita) etc. Pedologia tipo de solo e nível de retenção de água. 2. Indicação de Cultivares A partir da análise das características fenológicas de cada cultivar e da adaptabilidade a cada região. 3. Indicativos de Plantio Como resultado desses estudos são fornecidos períodos onde o plantio tem menor risco de perdas, com a probabilidade de 80% de sucesso (a cada 10 anos, ocorrer perdas em no máximo 2). Os indicativos são tabulados para as variáveis, cultura, município, tipo de solo e ciclo da cultivar. V - CUIDADOS GERAIS PARA GARANTIR A COBERTURA DO SEAF Para não perder a cobertura do SEAF, é importante que o agricultor conheça as regras e condições do programa. Em geral, o agricultor que utiliza a tecnologia recomendada não tem problemas na hora de acessar a cobertura do SEAF. Alguns cuidados, no entanto, são de responsabilidade direta do agricultor e merecem maior atenção para evitar perda de cobertura. Requerem especial atenção a contratação ou renovação do financiamento, a condução da lavoura e o pedido de cobertura. S E A F 1 - NA CONTRATAÇÃO OU RENOVAÇÃO DE OPERAÇÃO DE CRÉDITO Solos Deve ser apropriado para a cultura, com pelo menos 50 cm de profundidade, não muito pedregoso, sem muita declividade e atender aos demais critérios de aptidão agrícola. Em lavouras permanentes onde sejam adotadas medidas para evitar erosão e conservação do solo, poderá ser admitido o uso de áreas com declividade maior que 45%, observado o limite de 45º e demais condições das leis ambientais. As amostras para análise de solo devem ser coletadas por técnico qualificado. Uma para cada gleba da lavoura. Devem estar em nome do mutuário, de membro da família constante da DAP ou do proprietário da terra, informar o número de hectares da gleba da lavoura a que se referem e conter o município e a matrícula do imóvel. Entregar cópia ao banco e guardar os originais para apresentar novamente no ano seguinte (análise química vale por dois anos e a granulométrica por dez anos). O resultado da análise deverá acompanhar a recomendação de uso de insumos. Zoneamento Agrícola Certificar-se de que existe indicativo de plantio no município para a cultura, para o tipo de solo em que será desenvolvida a lavoura e para o ciclo fenológico da cultivar que será utilizada. Cultivar Deve estar indicada no zoneamento agrícola (exceto se for cultivar crioula). ATENÇÃO! Os indicativos do zoneamento agrícola são periodicamente atualizados. As portarias são divulgadas no site: Se não tiver portaria para o ano em curso, utilizar a última portaria publicada no site. Semente Dar preferência para semente certificada, de fornecedor de boa reputação. É permitido utilizar grão obtido a partir de semente adquirida na safra anterior com nota fiscal. Cultivar Local, Tradicional ou Crioula Devem estar cadastradas na Secretaria da Agricultura Familiar (SAF/MDA) e o agricultor deve observar as demais normas, inclusive a data de plantio do zoneamento agrícola. Informe-se pelo site Sistema de Produção/Nível de Tecnologia É importante a orientação da assistência técnica para definir a tecnologia a ser utilizada. Ao contratar o crédito, checar a estimativa feita pelo banco para a receita bruta esperada da lavoura, confirmar se o empreendimento foi classificado em categoria compatível com a realidade da lavoura a ser implantada e com a produtividade que, de fato, pode ser obtida.

5 Vistoria Prévia Deve ser realizada em lavouras permanentes antes da contratação do financiamento. O banco precisa ter o laudo de vistoria para poder formalizar o contrato de crédito. O agricultor deve assegurar-se de que o laudo foi entregue ao banco. Croqui Apresentar croqui ou mapa de localização da lavoura indicando o local, contornos e dimensões da área onde a lavoura efetivamente será implantada. Orçamento Deve indicar os tipos e valores de insumos que de fato serão aplicados em cada fase da lavoura, inclusive os serviços, sementes crioulas e demais insumos próprios que não requerem comprovantes de aquisição. Condições Contratuais Na apresentação de proposta e antes de assinar contrato, o agricultor familiar deve conferir se todas as condições (cultura, área plantada, orçamento, produção esperada etc.) estão de acordo com o que será praticado na lavoura. ATENÇÃO! O Agricultor deve guardar a documentação relativa ao seguro, juntando tudo em uma pasta: cópia do contrato de crédito, das análises de solo, das notas fiscais de aquisição de insumos, das notas de venda da produção etc. Renovação Automática do Contrato É necessário que o agricultor familiar verifique se irá plantar a mesma lavoura, no mesmo local, o mesmo número de hectares e nas mesmas condições de tecnologia e produção esperada. Se houver alguma mudança em relação ao contrato original, é preciso procurar o banco para fazer os ajustes. Agricultor Contratante O mutuário que assina o contrato tomando o crédito deve ser quem, de fato, é o dono do empreendimento, quem conduzirá a lavoura. Atenção! O uso do nome de terceiros (sendo ou não membro da família) é irregular e sujeita a perda da cobertura do seguro, além de outras penalidades. Duplicidade de Operações Não podem ser contratadas duas operações para a mesma cultura em uma mesma safra. Deve-se evitar realizar operações de custeio agrícola em bancos diferentes na mesma safra. 2 - DURANTE A CONDUÇÃO DA LAVOURA Preparo/Conservação de Solos Adotar as práticas necessárias para evitar erosão e compactação, para correção de acidez e fertilidade e para favorecer a retenção de umidade (curvas de nível, cobertura vegetal, plantio direto na palha etc.). Plantio Deve ser feito nas datas indicadas no Zoneamento Agrícola e no local previsto no croqui. É preciso ainda confirmar se há umidade no solo e previsão de chuvas para os dias seguintes. Atenção: A vigência do Seguro inicia após a emergência e estabelecimento das plântulas. Aplicação de Insumos Fazer conforme recomendação técnica e o orçamento de crédito (calagem, adubação no plantio, adubação de cobertura, controle de ervas invasoras, pragas e doenças, etc.). Comprovantes Guardar a primeira via das notas fiscais de aquisição de insumos e serviços (sementes, fertilizantes, defensivos etc.), pois deverão ser apresentadas ao banco se houver comunicação de perdas. Devem ser nominativas ao mutuário e conter o seu CPF. A data da nota fiscal não pode ser anterior a 180 dias da data do contrato nem posterior à data da aplicação/utilização do insumo/serviço. Nota fiscal de produtor rural somente pode ser admitida se for insumo com característica de produção rural, produzido pelo emissor na nota. Não é exigida nota fiscal de semente crioula, nem de insumo de produção própria que estejam previstos no orçamento do crédito. Tecnologia/Manejo Buscar orientação da assistência técnica para um manejo adequado. Stand, cultivar, adubação e demais aspectos devem ser suficientes para atingir a produtividade prevista no contrato.

6 Colheita Realizar na época recomendada e agilizar os procedimentos de colheita, evitando a exposição do produto a intempéries. Não deixar o produto na lavoura, pois a vigência do seguro termina com a colheita ou com o término da época de colheita. Cuidar com acondicionamento e a guarda do produto. 3 - NA COMUNICAÇÃO DE OCORRÊNCIA DE PERDAS - COP Quando ocorrem perdas amparadas pelo SEAF, o agricultor deve informar ao banco, para que este solicite a um técnico habilitado a realização de vistoria na lavoura, dando início ao processo de cobertura do seguro. Condições para a COP Antes de fazer a COP verificar se a perda foi causada por evento amparado pelo SEAF, se o valor da perda é maior que 30% e se não há irregularidades na lavoura. Quando Fazer a COP Efetuar a COP assim que ocorrerem perdas superiores a 30% e em momento que permita ao técnico vistoriador identificar a causa e a dimensão dos danos. Não pode ser tardia. Deve ser feita bem antes de iniciar a colheita (no caso de evento durante a colheita, comunicar imediatamente). Liberação Para a Colheita Aguardar a vistoria e a liberação de área antes de iniciar a colheita. A área estará liberada 7 dias após a realização da vistoria final. Atenção! Para quem está em área de atuação do Programa Garantia Safra, vale lembrar que há muitas diferenças entre o SEAF e esse Programa. O SEAF não depende da prefeitura - cada agricultor deve ir ao banco fazer a sua COP. ANÁLISE DE SOLO Ver material informativo preparado pela SAF, disponível na página do SEAF no site do MDA. Observe se o tipo de solo apontado pela análise granulométrica tem indicativo no zoneamento agrícola. ONDE OBTER MAIS INFORMAÇÕES Órgãos Públicos de Assistência Técnica Rural Secretaria de Agricultura do Município Sindicatos, associações e cooperativas Agências dos bancos que operam o SEAF Veja a página do SEAF no site do MDA e Fone: (61)

Seguro da Agricultura

Seguro da Agricultura Seguro da Agricultura SEAFFamiliar Produzindo com Segurança 2 I Cobertura Padrão do SEAF (a partir de julho de 2015) 4 Enquadramento... 5 Cobertura... 7 Vigência do amparo do SEAF... 9 Comprovação de

Leia mais

Evolução, Perspectivas e Desafios. J.C. Zukowski

Evolução, Perspectivas e Desafios. J.C. Zukowski SEAF Evolução, Perspectivas e Desafios J.C. Zukowski Coordenador Geral do SEAF SEGUROS AGRÍCOLAS NO BRASIL Emergência ou Básico Agricultura Familiar Agricultura Comercial Garantia-Safra Subsídio ao Prêmio

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário

Ministério do Desenvolvimento Agrário SEAF EVOLUÇÃO NO BRASIL E EM PERNAMBUCO SEAF Segurados 2008/2009 Segurados/ km2 585.427 Distribuição Espacial de Agricultores Segurados no SEAF GARANTIA SAFRA Segurados 2008/2009 Segurados/ km2 553.387

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS

ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS Por: Maria Silvia C. Digiovani, engenheira agrônoma do DTE/FAEP,Tânia Moreira, economista do DTR/FAEP e Pedro Loyola, economista e Coordenador

Leia mais

Alimentos Saudáveis para o Brasil

Alimentos Saudáveis para o Brasil Agricultura Familiar: Alimentos Saudáveis para o Brasil Plano Safra 2015/2016 Mais proteção para quem produz Novo seguro de renda Cobertura de até 80% da receita bruta esperada Limites de cobertura triplicados:

Leia mais

TÍTULO. Políticas de Financiamento e Proteção da Produção - MDA

TÍTULO. Políticas de Financiamento e Proteção da Produção - MDA TÍTULO Políticas de Financiamento e Proteção da Produção - MDA Lei 11.326/06 Art. 3o Para os efeitos desta Lei, considera-se agricultor familiar e empreendedor familiar rural aquele que pratica atividades

Leia mais

Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar - PGPAF

Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar - PGPAF Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar - PGPAF O QUE É O PGPAF? Programa do Governo Federal que garante aos agricultores familiares que tem financiamento no âmbito do Pronaf a indexação

Leia mais

CAPÍTULO : Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro) - 16 SEÇÃO : Proagro Mais - A partir de 1º/1/2015-10

CAPÍTULO : Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro) - 16 SEÇÃO : Proagro Mais - A partir de 1º/1/2015-10 TÍTULO : CRÉDITO RURAL TÍTULO : CRÉDITO RURAL 1 CAPÍTULO: Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro) - 16 SEÇÃO: Proagro Mais - Safras a partir de 1º/7/2011-10 CAPÍTULO : Programa de Garantia

Leia mais

PRONAF. Financiamento do Desenvolvimento Rural pelo Fortalecimento da Agricultura Familiar a experiência brasileira do Pronaf.

PRONAF. Financiamento do Desenvolvimento Rural pelo Fortalecimento da Agricultura Familiar a experiência brasileira do Pronaf. PRONAF Financiamento do Desenvolvimento Rural pelo Fortalecimento da Agricultura Familiar a experiência brasileira do Pronaf. A diversidade da Agricultura familiar B: 0.4 C: 0.7 D: 0.4 E: 0.1 Cobertura

Leia mais

MANUAL DE VENDAS SEGURO COLHEITA GARANTIDA

MANUAL DE VENDAS SEGURO COLHEITA GARANTIDA MANUAL DE VENDAS SEGURO COLHEITA GARANTIDA 1 Finalidade O setor Agropecuário é, e sempre foi, fundamental para a economia Brasileira, porém está sujeito aos riscos de produção por intempéries da Natureza

Leia mais

ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA

ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA III Reunião Técnica do CEMADEN Tema: Extremos Climáticos e Colapso de Produção Agrícola Fortaleza/CE 02 e 03 de abril de 2012 Antecedentes Altos índices

Leia mais

CADERNO PRONAF AGROECOLOGIA

CADERNO PRONAF AGROECOLOGIA CADERNO PRONAF AGROECOLOGIA Ministério do Desenvolvimento Agrário DILMA ROUSSEFF Presidenta da República PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário Apresentação Sumário 4 FERNANDA MACHIAVELI Chefia

Leia mais

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011 PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011 Mais crédito, mais segurança e juros menores. Do Plano Safra 2002/2003 ao Plano Safra 2010/2011, o volume de recursos oferecidos por meio do Pronaf para custeio

Leia mais

Como negociar e assegurar as garantias que serão dadas ao banco quando se necessita de um financiamento rural do Pronaf

Como negociar e assegurar as garantias que serão dadas ao banco quando se necessita de um financiamento rural do Pronaf Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria da Agricultura Familiar Como negociar e assegurar as garantias que serão dadas ao banco quando se necessita de um financiamento rural do Pronaf 1 INTRODUÇÃO

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário SEGURO DA AGRICULTURA FAMILIAR

Ministério do Desenvolvimento Agrário SEGURO DA AGRICULTURA FAMILIAR Ministério do Desenvolvimento Agrário Jose Carlos Zukowski Coordenador Geral do SEAF POLÍTICAS DA SAF/MDA COM AÇÕES A EM SEMENTES Agroecologia Desenvolvimento sustentável Diversificação Seguro da da Agricultura

Leia mais

Crédito do Pronaf em R$ bilhões

Crédito do Pronaf em R$ bilhões Crédito do Pronaf em R$ bilhões 23,9 (parcial até 30/06) Crédito na safra 2015/2016 - R$ 28,9 bilhões Recursos por fonte - safra 2015/2016 Fonte Projeção (em reais) % sobre o total Poupança rural Banco

Leia mais

O Crédito e a. no BB

O Crédito e a. no BB O Crédito e a Sustentabilidade no BB O Crédito e a Sustentabilidade no BB Para efeito de concessão de crédito, os produtores são divididos da seguinte forma: Agricultura Familiar: Agricultores e Pecuaristas

Leia mais

Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar PGPAF

Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar PGPAF PGPAF Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar PGPAF O QUE É O PGPAF Programa do Governo Federal que garante aos agricultores familiares que tem financiamento no âmbito do Pronaf a indexação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.342, DE 20 DE JUNHO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 4.342, DE 20 DE JUNHO DE 2014 RESOLUÇÃO Nº 4.342, DE 20 DE JUNHO DE 2014 Dispõe sobre ajustes nas normas de de custeio, de investimento e de comercialização com recursos do crédito rural, a partir de 1º de julho de 2014. O Banco Central

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO. Secretaria da Agricultura Familiar. Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar - Pronaf

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO. Secretaria da Agricultura Familiar. Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar - Pronaf MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO Secretaria da Agricultura Familiar Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar - Pronaf Agricultura Familiar 06/07- renegociação dos custeios - Resolução

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/culturama...

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/culturama... Página 1 de 7 Olericultura A Cultura da Mandioca de Mesa Nome Cultura da Mandioca de Mesa Produto Informação Tecnológica Data Julho -2002 Preço - Linha Olericultura Informações resumidas sobre Resenha

Leia mais

SEGURO RURAL BRASILEIRO. Elaine Cristina dos Santos Ferreira

SEGURO RURAL BRASILEIRO. Elaine Cristina dos Santos Ferreira SEGURO RURAL BRASILEIRO Elaine Cristina dos Santos Ferreira MODALIDADES OFERTADAS DE SEGURO RURAL Agrícola Pecuário Florestas Aqüícola Penhor rural Benfeitorias e produtos agropecuários CPR Vida do Produtor

Leia mais

Mitigação e Adaptação da Agricultura às Mudanças Climáticas

Mitigação e Adaptação da Agricultura às Mudanças Climáticas Seminário de Avaliação de Impacto sobre as Adaptações da Agricultura Dakar, 26 a 29 de abril de 2011 Mitigação e Adaptação da Agricultura às Mudanças Climáticas KLEBER SANTOS Brasília, 27 de abril de 2011

Leia mais

Você atingiu o estágio: Recomendações. NOME: MUNICIPIO: Ipiranga Data de preenchimento do guia: 2012-02-14 Data de devolução do relatório:

Você atingiu o estágio: Recomendações. NOME: MUNICIPIO: Ipiranga Data de preenchimento do guia: 2012-02-14 Data de devolução do relatório: Guia de sustentabilidade na produção de soja na Agricultura Familiar Relatório individual NOME: Prezado senhor (a), Em primeiro lugar, no nome dacoopafi, da Gebana e da Fundação Solidaridad,gostaríamos

Leia mais

TÍTULO 30 COMPRA COM DOAÇÃO SIMULTÂNEA CDS

TÍTULO 30 COMPRA COM DOAÇÃO SIMULTÂNEA CDS (*) 1) FINALIDADE: Aquisição de alimentos de organizações fornecedoras constituídas por público descrito no parágrafo 2º, item 4, Art. 3º da Lei Nº 11.326/2006, com vistas à doação para organizações constituídas

Leia mais

PROGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES PARA O PERÍODO OUTUBRO, NOVEMBRO E DEZEMBRO DE 2011

PROGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES PARA O PERÍODO OUTUBRO, NOVEMBRO E DEZEMBRO DE 2011 Estado do Rio Grande do Sul CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES PARA O PERÍODO OUTUBRO, NOVEMBRO E DEZEMBRO DE 2011 Boletim de Informações

Leia mais

Manuel Cláudio Motta Macedo Ademir Hugo Zimmer

Manuel Cláudio Motta Macedo Ademir Hugo Zimmer 16 Potencial para Adoção da Estratégia de Integração Lavoura- -Pecuária e de Integração Lavoura-Pecuária- -Floresta para Recuperação de Pastagens Degradadas Manuel Cláudio Motta Macedo Ademir Hugo Zimmer

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO FUNDO MÚTUO AGRÍCOLA E GRUPO MÚTUO DE GRANIZO

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO FUNDO MÚTUO AGRÍCOLA E GRUPO MÚTUO DE GRANIZO 1 COMITÊ GESTOR: 1.1 DA COMPOSIÇÃO: o Comitê Gestor do Fundo Mútuo Agrícola será composto pelos seguintes membros: - 01 (um) Representante do Conselho de Administração; - 01 (um) Representante do Conselho

Leia mais

Linhas de Financiamento

Linhas de Financiamento A história do cooperativismo no País está relacionada ao crescimento da agricultura brasileira. E o Banco do Brasil, como principal responsável pelo impulso do nosso agronegócio, é também o banco do cooperativismo.

Leia mais

No Sistema Participativo de Garantia as avaliações da conformidade visam:

No Sistema Participativo de Garantia as avaliações da conformidade visam: MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO SISTEMA PARTICIPATIVO DE GARANTIA DA QUALIDADE ORGÂNICA E BIODINÂMICA DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AGRICULTURA BIODINÂMICA - VERSÃO 5 No Sistema Participativo de Garantia as avaliações

Leia mais

RESOLUCAO 3.856. IV - os recursos do Funcafé repassados às instituições financeiras devem ser remunerados:

RESOLUCAO 3.856. IV - os recursos do Funcafé repassados às instituições financeiras devem ser remunerados: RESOLUCAO 3.856 Dispõe sobre linhas de crédito destinadas aos financiamentos de custeio, colheita, estocagem de café e para Financiamento para Aquisição de Café (FAC), ao amparo de recursos do Fundo de

Leia mais

Integração Lavoura Pecuária

Integração Lavoura Pecuária Integração Lavoura Pecuária A B E A S CONVÊNIO Nº 420013200500139/SDC/MAPA A B E A S Apresentação Esta cartilha, produto do esforço do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA, em parceria

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais

Política Agrícola e Comércio Internacional. Acadêmicos: Aline Clarice Celmar Marcos Micheli Virginia

Política Agrícola e Comércio Internacional. Acadêmicos: Aline Clarice Celmar Marcos Micheli Virginia Política Agrícola e Comércio Internacional Acadêmicos: Aline Clarice Celmar Marcos Micheli Virginia Introdução O seguro agrícola é um dos instrumentos da política agrícola mais eficaz utilizado para minimizar

Leia mais

VI Congresso Brasileiro de Algodão. Seguro Agrícola como Alternativa para redução dos Riscos Agropecuários

VI Congresso Brasileiro de Algodão. Seguro Agrícola como Alternativa para redução dos Riscos Agropecuários VI Congresso Brasileiro de Algodão Seguro Agrícola como Alternativa para redução dos Riscos Agropecuários Segmentação do Mercado Segurador Brasileiro Danos SEGUROS Pessoas PREVI- DÊNCIA CAPITA- LIZAÇÃO

Leia mais

Reunião Câmara Setorial Cadeia Produtiva do Arroz - 10/09/10

Reunião Câmara Setorial Cadeia Produtiva do Arroz - 10/09/10 Reunião Câmara Setorial Cadeia Produtiva do Arroz Brasília/DF - 10/09/10 Dados da Seguradora Aliança a do Brasil Seguro Agrícola Riscos Cobertos Tromba d água Ventos fortes e ventos frios Granizo Geada

Leia mais

2.2 - SÃO PAULO, PARANÁ, ESPÍRITO SANTO, BAHIA E RONDÔNIA.

2.2 - SÃO PAULO, PARANÁ, ESPÍRITO SANTO, BAHIA E RONDÔNIA. 1 - INTRODUÇÃO No período de 01 a 14 de abril de 2007, os técnicos da CONAB e das instituições com as quais mantém parceria visitaram municípios produtores de café em Minas Gerais, Espírito Santo, São

Leia mais

AQUISIÇÃO GOVERNO FEDERAL AGF 2011 - TRIGO

AQUISIÇÃO GOVERNO FEDERAL AGF 2011 - TRIGO O QUE É A AGF? É a aquisição direta de produto constante da pauta da Política de Garantia de Preço Mínimo pelo Governo Federal. QUANDO É REALIZADA? Quando o preço de mercado estiver abaixo do Preço Mínimo

Leia mais

I - despesas de soca e ressoca de cana-de-açúcar, abrangendo os tratos culturais, a colheita e os replantios parciais;

I - despesas de soca e ressoca de cana-de-açúcar, abrangendo os tratos culturais, a colheita e os replantios parciais; RESOLUÇÃO Nº 4.226, DE 18 DE JUNHO DE 2013 Dispõe sobre ajustes nas normas de financiamento de custeio, de investimento e de comercialização com recursos do crédito rural, a partir de 1º de julho de 2013.

Leia mais

SEGURO CUSTEIO AGRÍCOLA VERÃO

SEGURO CUSTEIO AGRÍCOLA VERÃO SEGURO CUSTEIO AGRÍCOLA VERÃO Condições Contratuais Versão 1.1 CNPJ 61.074.175/0001-38 Processo SUSEP nº 15414.900179/2015-05 MAPFRE Seguros Gerais S.A. - CNPJ 61.074.175/0001-38 SAC - Central de Atendimento

Leia mais

SEGURO RURAL BRASILEIRO

SEGURO RURAL BRASILEIRO SEGURO RURAL BRASILEIRO Gestão de Risco Rural Programa de Subvenção Econômica ao Prêmio do Seguro Rural 2011 O QUE É O SEGURO RURAL? O seguro rural é uma importante ferramenta de gestão de riscos que protege

Leia mais

CARTA-CIRCULAR N 2493

CARTA-CIRCULAR N 2493 CARTA-CIRCULAR N 2493 Divulga o documento n. 23 do MCR, referente ao regulamento do Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (PROAGRO). Tendo em vista o disposto no MCR 7-1-3-"n" e 7-2-11- "g", fica

Leia mais

MATERIAL DE MULTIPLICAÇÃO E DE REPRODUÇÃO SEMENTES E MUDAS. rio

MATERIAL DE MULTIPLICAÇÃO E DE REPRODUÇÃO SEMENTES E MUDAS. rio MATERIAL DE MULTIPLICAÇÃO E DE REPRODUÇÃO SEMENTES E MUDAS Rosangele Balloni R. Gomes Engª Agrª Fiscal Federal Agropecuário rio Sup. Fed. Agric. Pec.. e Abastecimento em São Paulo SFA/SP LEGISLAÇÃO LEI

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3235. I - os prazos estabelecidos nos quadros previstos no MCR 4-1- 28 e 29 são máximos, admitidos prazos inferiores;

RESOLUÇÃO Nº 3235. I - os prazos estabelecidos nos quadros previstos no MCR 4-1- 28 e 29 são máximos, admitidos prazos inferiores; RESOLUÇÃO Nº 3235 Promove ajustes complementares na regulamentação sobre Empréstimos do Governo Federal (EGF) para atender a financiamentos da safra 2004/2005. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art.

Leia mais

COMUNICADO DIRAB/SUOPE/GEOPE N.º 234, DE 23/7/09. A : TODAS AS SUREGs, SUFIN E BOLSAS DE MERCADORIAS, SPA, CNB E ANBM.

COMUNICADO DIRAB/SUOPE/GEOPE N.º 234, DE 23/7/09. A : TODAS AS SUREGs, SUFIN E BOLSAS DE MERCADORIAS, SPA, CNB E ANBM. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO Conab DIRETORIA DE OPERAÇÕES E ABASTECIMENTO Dirab SUPERINTENDÊNCIA DE OPERAÇÕES COMERCIAIS Suope GERÊNCIA DE

Leia mais

MILHO TRANSCÊNICO: CADA VEZ MAIS PRESE

MILHO TRANSCÊNICO: CADA VEZ MAIS PRESE MILHO TRANSCÊNICO: CADA VEZ MAIS PRESE A Fundação Pró-Sementes aponta que um dos grandes problemas encontrados nos arrozais é a forte atuação de plantas invasoras, que são de difícil controle, prejudicando

Leia mais

Programa de Garantia da Atividade Agropecuária PROAGRO

Programa de Garantia da Atividade Agropecuária PROAGRO Programa de Garantia da Atividade Agropecuária PROAGRO Relatório Circunstanciado 2011 a 2014 Página 2 de 71 SUMÁRIO Texto 1. INTRODUÇÃO... 6 2. O PROGRAMA... 8 3. FATOS RELEVANTES... 18 3.1 Auditorias...

Leia mais

MANUAL DE PREENCHIMENTO DO RECADASTRAMENTO DO VITICULTOR VIA WEB 2010

MANUAL DE PREENCHIMENTO DO RECADASTRAMENTO DO VITICULTOR VIA WEB 2010 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO - MAPA-DFA/RS SECRETARIA DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DO RS EMBRAPA UVA E VINHO IBRAVIN MANUAL DE PREENCHIMENTO DO RECADASTRAMENTO DO VITICULTOR VIA WEB

Leia mais

AQUISIÇÃO GOVERNO FEDERAL AGF 2011 - ARROZ

AQUISIÇÃO GOVERNO FEDERAL AGF 2011 - ARROZ O QUE É A AGF? É a aquisição direta de produto constante da pauta da Política de Garantia de Preço Mínimo pelo Governo Federal. QUANDO É REALIZADA? Quando o preço de mercado estiver abaixo do Preço Mínimo

Leia mais

PRODUTOS ORGÂNICOS SISTEMAS PARTICIPATIVOS DE GARANTIA. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

PRODUTOS ORGÂNICOS SISTEMAS PARTICIPATIVOS DE GARANTIA. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento PRODUTOS ORGÂNICOS SISTEMAS PARTICIPATIVOS DE GARANTIA Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento 2008 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.Todos os direitos reservados. É permitida

Leia mais

SUMÁRIO DA APRESENTAÇÃO

SUMÁRIO DA APRESENTAÇÃO Agricultura Familiar na Alimentação Escolar SUMÁRIO DA APRESENTAÇÃO Lei 11.947/09 Visão de Futuro, Oportunidades e Desafios PAA e Programa Nacional de Alimentação Escolar Necessidades Alimentação Escolar

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS SOJA E SOJA IRRIGADA SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 2. OBJETO DO SEGURO

CONDIÇÕES ESPECIAIS SOJA E SOJA IRRIGADA SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 2. OBJETO DO SEGURO CONDIÇÕES ESPECIAIS SOJA E SOJA IRRIGADA SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 1.1. As presentes Condições Especiais complementam as Condições Gerais da apólice de Seguro Agrícola e se aplicam ao seguro de Soja

Leia mais

Banco Mundial. Capacitação em Gestão de Convênios e Projetos

Banco Mundial. Capacitação em Gestão de Convênios e Projetos Banco Mundial Capacitação em Gestão de Convênios e Projetos Versão: Agosto/2011 O QUE É O PROGRAMA PRODUZIR? O PRODUZIR é um programa do Governo do Estado da Bahia, coordenado pela CAR - Companhia de Desenvolvimento

Leia mais

INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA. Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG

INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA. Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG - No Brasil o Sistema de Integração Lavoura Pecuária, sempre foi bastante utilizado,

Leia mais

O Estado de São Paulo dispõe do Programa Estadual de Regularização de Núcleos Habitacionais - Cidade Legal, doravante denominado de Cidade Legal.

O Estado de São Paulo dispõe do Programa Estadual de Regularização de Núcleos Habitacionais - Cidade Legal, doravante denominado de Cidade Legal. O Estado de São Paulo dispõe do Programa Estadual de Regularização de Núcleos Habitacionais - Cidade Legal, doravante denominado de Cidade Legal. Em resumo, o programa fornece, mediante convênio de cooperação

Leia mais

Esta versão não substitui a publicada no DOU INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02, DE 30 DE SETEMBRO DE 2005

Esta versão não substitui a publicada no DOU INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02, DE 30 DE SETEMBRO DE 2005 Esta versão não substitui a publicada no DOU INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02, DE 30 DE SETEMBRO DE 2005 Dispõe sobre os critérios e procedimentos relativos ao enquadramento de projetos de produção de biodiesel

Leia mais

SEGURO RURAL PSR. Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural Privado

SEGURO RURAL PSR. Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural Privado SEGURO RURAL PSR Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural Privado O QUE É O PSR Apoio do Governo Federal ao produtor rural para contratação de apólice de seguro rural, por meio de subvenção econômica.

Leia mais

DESTAQUES. Assembléia Geral Extraordinária Pré-Assembléia Semestral de Balanço. Normas e Procedimentos Safra 2010/2011

DESTAQUES. Assembléia Geral Extraordinária Pré-Assembléia Semestral de Balanço. Normas e Procedimentos Safra 2010/2011 Nº I Publicação Semanal da Cooperativa Castrolanda I Julho, 23-2010 DESTAQUES Assembléia Geral Extraordinária Pré-Assembléia Semestral de Balanço Normas e Procedimentos Safra 2010/2011 - Limites para custeio

Leia mais

O BB em Mato Grosso 1.968. Posição em Agosto/2011. Agências 571. Pontos de Atendimento. PABs + PAEs. Correspondentes. Terminais de Autoatendimento

O BB em Mato Grosso 1.968. Posição em Agosto/2011. Agências 571. Pontos de Atendimento. PABs + PAEs. Correspondentes. Terminais de Autoatendimento O BB em Mato Grosso Agências 571 Posição em Agosto/2011 Terminais de Autoatendimento Municípios com Presença do BB 267 Correspondentes 202 Número de Municípios com Presença do BB 897 126 102 PABs + PAEs

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS - ALGODÃO HERBÁCEO SEGURO AGRÍCOLA

CONDIÇÕES ESPECIAIS - ALGODÃO HERBÁCEO SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO Nº do Processo SUSEP: 15414.001178/2005-04 CONDIÇÕES ESPECIAIS - ALGODÃO HERBÁCEO SEGURO AGRÍCOLA 1.1. As presentes Condições Especiais complementam as Condições Gerais da apólice de Seguro

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE PRODUÇÃO E USO DE BIODIESEL (PNPB)

PROGRAMA NACIONAL DE PRODUÇÃO E USO DE BIODIESEL (PNPB) PROGRAMA NACIONAL DE PRODUÇÃO E USO DE BIODIESEL (PNPB) 1. Biodiesel no Brasil No Brasil, biodiesel é o biocombustível derivado de biomassa renovável para uso em motores a combustão interna com ignição

Leia mais

Sementes e Mudas Orgânicas

Sementes e Mudas Orgânicas Sementes e Mudas Orgânicas Cenário atual e desafios para o futuro Eng Agr Marcelo S. Laurino Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Comissão da Produção Orgânica de São Paulo BioFach América

Leia mais

Tema: Reserva Legal. Familiar/MMA

Tema: Reserva Legal. Familiar/MMA Tema: Reserva Legal Norma atual Proposta 1 Proposta Agricultura Proposta Movimento MAPA/ruralistas Familiar/MMA Socioambientalista Recuperação de RL: exige a Reconhecimento de Não aceitar anistia para

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA

CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 1.1. As presentes Condições Especiais complementam as Condições Gerais da apólice de Seguro Agrícola e se aplicam ao seguro de

Leia mais

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP Autores: Eng.º Agr.º José Alberto Ávila Pires Eng.º Agr.º Wilson José Rosa Departamento Técnico da EMATER-MG Trabalho baseado em: Técnicas

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS - CANA DE AÇÚCAR SEGURO AGRÍCOLA

CONDIÇÕES ESPECIAIS - CANA DE AÇÚCAR SEGURO AGRÍCOLA CONDIÇÕES ESPECIAIS - CANA DE AÇÚCAR SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 1.1. As presentes Condições Especiais complementam as Condições Gerais da apólice de Seguro Agrícola e se aplicam ao seguro de Cana de

Leia mais

Novas tecnologias para o desenvolvimento produtivo baseado na experiência do desenvolvimento do Cerrado Brasileiro

Novas tecnologias para o desenvolvimento produtivo baseado na experiência do desenvolvimento do Cerrado Brasileiro Novas tecnologias para o desenvolvimento produtivo baseado na experiência do desenvolvimento do Cerrado Brasileiro Cláudio Takao Karia Chefe Adjunto de P&D Embrapa Cerrados VI Foro por el desarrollo de

Leia mais

DECRETO N 037/2014. O Prefeito Municipal de Santa Teresa Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais,

DECRETO N 037/2014. O Prefeito Municipal de Santa Teresa Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais, DECRETO N 037/2014 Regulamenta aplicação das Instruções Normativas SDE Nº 01/2014 a 02/2014, que dispõem sobre as Rotinas e Procedimentos do Sistema de Desenvolvimento Econômico a serem observados no âmbito

Leia mais

Definição: Documentação que comprova os atos e fatos que originam o lançamento na escrituração contábil da entidade Ministério da Previdência Social.

Definição: Documentação que comprova os atos e fatos que originam o lançamento na escrituração contábil da entidade Ministério da Previdência Social. Definição: Documentação que comprova os atos e fatos que originam o lançamento na escrituração contábil da entidade Ministério da Previdência Social. Documentos que possuem validade fiscal perante o fisco

Leia mais

PIB do Agronegócio CEPEA-USP/CNA Janeiro a abril de 2008 NÚMEROS BONS E ESTÁVEIS PARA O AGRONEGÓCIO EM ABRIL

PIB do Agronegócio CEPEA-USP/CNA Janeiro a abril de 2008 NÚMEROS BONS E ESTÁVEIS PARA O AGRONEGÓCIO EM ABRIL NÚMEROS BONS E ESTÁVEIS PARA O AGRONEGÓCIO EM ABRIL O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro estimado pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada da Universidade de São Paulo (Cepea),

Leia mais

48º Congresso Brasileiro de Olericultura

48º Congresso Brasileiro de Olericultura Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento 48º Congresso Brasileiro de Olericultura Lei dos agrotóxicos e implicações em minor crops Dr. Débora Maria Rodrigues Cruz Maringá, 29 de julho de 2008

Leia mais

PRODUÇÃO FLORESTAL Plante árvores e aumente a renda da propriedade

PRODUÇÃO FLORESTAL Plante árvores e aumente a renda da propriedade Série Time Agro Brasil PRODUÇÃO com PRESERVAÇÃO PRODUÇÃO FLORESTAL Plante árvores e aumente a renda da propriedade 1 Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro

Leia mais

PORTARIA Nº 60, DE 06 DE SETEMBRO DE 2012

PORTARIA Nº 60, DE 06 DE SETEMBRO DE 2012 PORTARIA Nº 60, DE 06 DE SETEMBRO DE 2012 Dispõe sobre os critérios e procedimentos relativos à concessão, manutenção e uso do Selo Combustível Social. O MINISTRO DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO,

Leia mais

Pesquisa e Desenvolvimento em Agricultura Familiar na Embrapa Arroz e Feijão

Pesquisa e Desenvolvimento em Agricultura Familiar na Embrapa Arroz e Feijão Pesquisa e Desenvolvimento em Agricultura Familiar na Embrapa Arroz e Feijão ISSN 1678-9644 Dezembro, 2004 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro Nacional de Pesquisa de Arroz e Feijão Ministério

Leia mais

Informativo SPA/CONTAG Nº 001/2013

Informativo SPA/CONTAG Nº 001/2013 Anexos I, II e III Ofício Circular n o. 0001/2013/SPA/CONTAG Pág. 1 Informativo SPA/CONTAG Nº 001/2013 I. RESOLUÇÃO 4.164, DE 20/12/2012: A medida promove ajustes nos normativos do Pronaf Crédito: 1. Altera

Leia mais

Aregião de Cerrados no Brasil Central, ao longo

Aregião de Cerrados no Brasil Central, ao longo 103 Trigo no Brasil começa nos Cerrados Márcio Só e Silva Aregião de Cerrados no Brasil Central, ao longo dos anos, tem procurado opções de culturas para melhorar, tanto agronomicamente quanto economicamente,

Leia mais

Compra e Venda da Produção da Agricultura Familiar para a Alimentação Escolar

Compra e Venda da Produção da Agricultura Familiar para a Alimentação Escolar Compra e Venda da Produção da Agricultura Familiar para a Alimentação Escolar Hilda Lorena Freitas Agente PNAE/REBRAE Cecane/UNB A partir da Lei n. 11.947/2009 Art. 14. Do total dos recursos financeiros

Leia mais

PROJETO LAVOURA COMUNITÁRIA

PROJETO LAVOURA COMUNITÁRIA Agência Goiânia de Assistência Técnica, Extensão Rural e Pesquisa Agropecuária-Emater Vinculada à Secretaria de Agricultura, Pecuária e Irrigação MINUTA PROJETO LAVOURA COMUNITÁRIA Safra 20XX /20XX Município:

Leia mais

COBERTURAS DE SEGURO PARA LA AGRICULTURA FAMILIAR

COBERTURAS DE SEGURO PARA LA AGRICULTURA FAMILIAR COBERTURAS DE SEGURO PARA LA AGRICULTURA FAMILIAR PROGRAMAS DEL GOBIERNO FEDERAL EN BRASIL J.C. Zukowski Coordenador Geral de Gestão de Riscos e Seguro Agropecuário Agricultura Familiar SEGUROS AGRÍCOLAS

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA Nº001/2010

CHAMADA PÚBLICA Nº001/2010 CHAMADA PÚBLICA Nº001/2010 A PREFEITURA MUNICIPAL DE PETROLINA-PE, pessoa jurídica de direito público com sede na Av. Guararapes, nº 2.114 - Centro - Petrolina-PE, inscrita no CNPJ nº. 10.358.190/0001-77,

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA

CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 1.1. As presentes Condições Especiais complementam as Condições Gerais da apólice de Seguro Agrícola e se aplicam ao seguro de

Leia mais

Coordenadoria do Desenvolvimento da Agricultura Familiar

Coordenadoria do Desenvolvimento da Agricultura Familiar Coordenadoria do Desenvolvimento da Agricultura Familiar 1- PROJETO: Projeto Hora de Plantar 2- INTRODUÇÃO e JUSTIFICATIVA : A distribuição de sementes e mudas, através do Projeto Hora de Plantar, pela

Leia mais

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA N o 003/2015

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA N o 003/2015 EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA N o 003/2015 O Município de Três de Maio comunica aos interessados que está procedendo à CHAMADA PÚBLICA, para fins de habilitação e recebimento das propostas de gêneros alimentícios

Leia mais

SLEA SISTEMA DE LICENCIAMENTO ELETRÔNICO DE ATIVIDADES DA PREFEITURA DE SÃO PAULO

SLEA SISTEMA DE LICENCIAMENTO ELETRÔNICO DE ATIVIDADES DA PREFEITURA DE SÃO PAULO SLEA SISTEMA DE LICENCIAMENTO ELETRÔNICO DE ATIVIDADES DA PREFEITURA DE SÃO PAULO Manual passo-a-passo para obtenção do Auto de Licença de Funcionamento/ Auto de Licença de Funcionamento Condicionado Eletrônico

Leia mais

Populações evolutivas: bancos de germoplasma vivos nos campos iranianos

Populações evolutivas: bancos de germoplasma vivos nos campos iranianos Populações evolutivas: bancos de germoplasma vivos nos campos iranianos Maryam Rahmanian, Maede Salimi, Khadija Razavi, Dr. Reza Haghparast e Dr. Salvatore Ceccarelli Seleção realizada no contexto no qual

Leia mais

ANEXO I CAPÍTULO I DO CONTROLE, USO E EXIGÊNCIAS DO CFO E DO CFOC

ANEXO I CAPÍTULO I DO CONTROLE, USO E EXIGÊNCIAS DO CFO E DO CFOC ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA DISCIPLINAR A UTILIZAÇÃO DO CERTIFICADO FITOSSANITÁRIO DE ORIGEM - CFO E O CERTIFICADO FITOSSANITÁRIO DE ORIGEM CONSOLIDADO - CFOC CAPÍTULO I DO CONTROLE, USO E EXIGÊNCIAS

Leia mais

OS DEZ ANOS DO PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR: UM CONVITE À REFLEXÃO

OS DEZ ANOS DO PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR: UM CONVITE À REFLEXÃO Observatório de Políticas Públicas para a Agricultura nº42 - julho 2012 OS DEZ ANOS DO PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR: UM CONVITE À REFLEXÃO Valdemar J. Wesz Junior* Catia Grisa** Na primeira semana

Leia mais

Produtos, Serviços e Soluções. Novembro de 2015

Produtos, Serviços e Soluções. Novembro de 2015 Produtos, Serviços e Soluções Novembro de 2015 PRONAF AGROINDÚSTRIA Financiamento das necessidades de custeio do beneficiamento e industrialização da produção, da armazenagem e conservação de produtos

Leia mais

PROPOSTA DE LEI SANITÁRIA PARA MUNICÍPIOS A PARTIR DA CONSTITUIÇÃO DO SUASA

PROPOSTA DE LEI SANITÁRIA PARA MUNICÍPIOS A PARTIR DA CONSTITUIÇÃO DO SUASA PROPOSTA DE LEI SANITÁRIA PARA MUNICÍPIOS A PARTIR DA CONSTITUIÇÃO DO SUASA Sugestão elaborada pela equipe do Programa de Agroindústria do MDA: José Adelmar Batista Leomar Luiz Prezotto João Batista da

Leia mais

GUIA DE ORIENTAÇÕES CONSÓRCIO DE IMÓVEIS EMBRACON

GUIA DE ORIENTAÇÕES CONSÓRCIO DE IMÓVEIS EMBRACON GUIA DE ORIENTAÇÕES CONSÓRCIO DE IMÓVEIS EMBRACON Estimado Consorciado de imóvel, Parabéns! Você fez um excelente investimento! É um privilégio para nós, tê-lo como nosso cliente! É a oportunidade de juntos,

Leia mais

Nematóides: Manejo e Controle a Nível de Grandes Áreas do Cerrado no Sistema Algodão-Soja- Milho

Nematóides: Manejo e Controle a Nível de Grandes Áreas do Cerrado no Sistema Algodão-Soja- Milho Nematóides: Manejo e Controle a Nível de Grandes Áreas do Cerrado no Sistema Algodão-Soja- Milho Evaldo Kazushi Takizawa Engenheiro Agrônomo Ceres Consultoria Agronômica /GBCA 1 Temas Considerações iniciais.

Leia mais

ESTADO DO PIAUI SEMED SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

ESTADO DO PIAUI SEMED SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CHAMADA PÚBLICA Nº. 001/2015, PARA AQUISIÇÃODE GÊNEROS ALIMENTÍCIOS DA AGRICULTURA FAMILIAR PARA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR, COM DISPENSAS DE LICITAÇÃO, LEI Nº. 11.947, DE 16/07/2009, RESOLUÇÃO/CD/FNDE Nº. 26,

Leia mais

Passo a passo. para venda e aquisição dos produtos da agricultura familiar para atendimento da alimentação escolar.

Passo a passo. para venda e aquisição dos produtos da agricultura familiar para atendimento da alimentação escolar. Passo a passo para venda e aquisição dos produtos da agricultura familiar para atendimento da alimentação escolar 16 Revista CoopAlimento PNAE O Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) é o maior

Leia mais

ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E AGRICULTURA FAMILIAR

ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E AGRICULTURA FAMILIAR ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E AGRICULTURA FAMILIAR A experiência do município de Pomerode/SC. PREFEITURA MUNICIPAL DE POMERODE SECRETARIA DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO EMPREENDEDORA Governo do Estado de Santa Catarina

Leia mais

RELATÓRIO TÈCNICO. Técnico: João Adolfo Kasper. Período de Viagem:19/06/2005 á 25/06/2005

RELATÓRIO TÈCNICO. Técnico: João Adolfo Kasper. Período de Viagem:19/06/2005 á 25/06/2005 RELATÓRIO TÈCNICO Técnico: João Adolfo Kasper Período de Viagem:19/06/2005 á 25/06/2005 Objetivo: Realizar o 5º Levantamento da Safra 2004/2005 sendo a 3ª avaliação para as culturas, Arroz Sequeiro, Milho

Leia mais

Apuração de impostos; Registro e controle dos documentos fiscais; Registro e controle de prejuízos acumulados.

Apuração de impostos; Registro e controle dos documentos fiscais; Registro e controle de prejuízos acumulados. Apuração de impostos; Registro e controle dos documentos fiscais; Registro e controle de prejuízos acumulados. 02 São todas as receitas provenientes da atividade operacional da empresa, incluindo as vendas

Leia mais

Propostas do Sistema Cooperativista para o Plano Safra da Agricultura Familiar 2015/2016

Propostas do Sistema Cooperativista para o Plano Safra da Agricultura Familiar 2015/2016 Propostas do Sistema Cooperativista para o Plano Safra da Agricultura Familiar 2015/2016 Introdução...4 O cooperativismo e a agricultura familiar... 5 Crédito Rural...8 Sugestões para aprimoramento das

Leia mais

Documento Assinado Digitalmente

Documento Assinado Digitalmente LICENÇA DE OPERAÇÃO LO Processo n.º 1962 / 2014-DL A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual n.º 9.077, de 04/06/90, e com seus Estatutos aprovados pelo Decreto n.º 33.765, de

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRIBUTOS RECOM Regulamentação Orientador Empresarial DECRETO nº 7.319/2010 DOU: 29.09.2010 Regulamenta a aplicação do Regime Especial de Tributação

Leia mais

Artigo para uso exclusivo do IPEC.RJ REGISTRO CONTÁBIL DAS SUBVENÇÕES PARA INVESTIMENTOS E O TRATAMENTO FISCAL E SOCIETÁRIO

Artigo para uso exclusivo do IPEC.RJ REGISTRO CONTÁBIL DAS SUBVENÇÕES PARA INVESTIMENTOS E O TRATAMENTO FISCAL E SOCIETÁRIO www.ipecrj.com.br CONTABILIZANDO A LEITURA nº 01 Dia 05/JUL/2010 REGISTRO CONTÁBIL DAS SUBVENÇÕES PARA INVESTIMENTOS E O TRATAMENTO FISCAL E SOCIETÁRIO ANTES DA INTRODUÇÃO: HOMENAGEM A GEBARDO Acho importante,

Leia mais