A INCLUSÃO DE CRIANÇAS AUTISTAS NO ENSINO REGULAR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A INCLUSÃO DE CRIANÇAS AUTISTAS NO ENSINO REGULAR"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE A INCLUSÃO DE CRIANÇAS AUTISTAS NO ENSINO REGULAR TERESA CRISTINA DUARTE ALVES ORIENTADOR: ANTÔNIO FERNANDO VIEIRA NEY RIO DE JANEIRO, ABRIL/2002

2 UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE A INCLUSÃO DE CRIANÇAS AUTISTAS NO ENSINO REGULAR TERESA CRISTINA DUARTE ALVES Trabalho monográfico como requisito parcial para a obtenção do grau de especialista em Psicopedagogia. RIO DE JANEIRO, ABRIL/ 2002 DEDICATÓRIA

3 Ao meu filho Eduardo, cuja existência é fundamental para o meu amadurecimento como pessoa e como educadora.

4 AGRADECIMENTOS A Deus que nos guiou nesta jornada. A meus filhos e esposo que contribuíram para a realização deste curso. A todos os professores e amigos pelo companheirismo e amizade durante o curso.

5 Há o sofrimento do corpo, em si mesmo: dores, incapacidades, limitações. Mas há a dor terrível do olhar das outras pessoas. Se não houvesse olhos, se todos fossem cegos, Então a diferença não doeria tanto. Ela dói porque, no espanto do olhar dos outros, está marcado o estigma-maldição: Você é diferente. Rubem Alves

6 SUMÁRIO INTRODUÇÃO à O TRANSTORNO AUTISTA Transtornos Globais do Desenvolvimento...11 à Os Sintomas do Autismo...13 à A Etiologia...16 à DEFICIÊNCIA MENTAL O Deficiente Mental e a História da Humanidade...18 à A Educação dos Deficiente Mentais...19 à Nos Países Desenvolvidos à No Brasil...23 à A Educação dos Portadores de Distúrbios de Conduta à 28 3 A EDUCAÇÃO ESPECIAL...28 à A Educação Especial no Brasil...30 à Educação Especial: Legislação e Normas de 1961 à de 1972 à à de 1986 à à a partir de à 35 4 A INCLUSÃO DOS PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS NO ENSINO REGULAR...35 à A Integração dos Portadores de Necessidades Especiais nas Classes do Ensino Regular...36 à A Realidade da Inclusão...38 à A Formação dos Professores...40 à A Adaptação do Espaço Físico...41

7 4.1.3 A Fixação do Tempo e do Espaço Escolar...41 à A Inclusão do Autista no Ensino Regular...42 à 43 CONCLUSÃO...44 à 46 BIBLIOGRAFIA...47 à 48

8 RESUMO Este trabalho tem como objetivo estudar as dificuldades encontradas pelos portadores de necessidades especiais, em particular os autistas, em ingressar numa escola, seja ela especial ou regular, e os obstáculos do dia-a-dia numa sociedade preconceituosa e injusta. O levantamento histórico apresentado foi extremamente necessário para que fosse feito uma apreciação de como surgiu a questão da inclusão no Brasil e de como era visto o portador de deficiência no mundo desde a Antigüidade até os dias de hoje. A pesquisa foi realizado tendo como objeto principal a consulta de vasta bibliografia sobre o assunto, através de observações realizadas em algumas escolas da rede municipal de Duque de Caxias e em cursos de capacitação realizados a partir do ano de 1998, quando passei a me interessar pelo tema.

9 INTRODUÇÃO Esse trabalho de pesquisa faz uma análise da trajetória da educação dos portadores de necessidades especiais, em particular das crianças com autismo infantil moderado e outros distúrbios comportamentais, desde o sistema manicomial até a inclusão destas nas turmas do ensino regular. O indivíduo autista sinaliza algumas atitudes comportamentais como: problemas de linguagem, tendência a estipulação de uma rotina, obstáculo nas relações sociais e dificuldade de abstração. Estas características exigem um acompanhamento clínico, através de um atendimento conjunto entre psicólogos e fonoaudiólogos. Um trabalho competente e consciente destes profissionais será de grande importância para o seu desenvolvimento psicomotor e cognitivo. Isto permitirá que a

10 criança freqüente e classe regular de ensino, mediante o preparo do professor e a avaliação diferenciada. Desta maneira, para compreender melhor a questão do autista é necessário mostrar como a deficiência mental foi vista durante toda a história da humanidade, o preconceito, a discriminação e o isolamento familiar e social sofridos por esses seres humanos que chegaram a ser considerados como o demônio para a Igreja e um entrave ao desenvolvimento do homem para os pensadores. Antes de surgir o desenvolvimento da psiquiatria, o cárcere domiciliar ou manicomial era a forma de tratamento mais usual. Isto provocava um distanciamento cada vez maior entre o portador de deficiência, a família e a sociedade em geral. Apesar de todo desenvolvimento da Medicina, nos dias atuais ainda é desconhecida ou fundamentada, a causa de algumas entidades nosológicas, como é o caso do autismo, fato esse que atrasa o diagnóstico e, consequentemente, o tratamento. A base deste trabalho não está pautada na questão clínica, apesar de em alguns momentos haver necessidade de comentar sobre as características comportamentais da criança portadora da síndrome autística, mas sim a presença, garantida pela Constituição da República Federativa do Brasil, destas no sistema educacional, que pode ocorrer pela Educação Especial, pela Integração ou pela Educação Inclusiva. A mesma não sugere somente que a criança nesta condição esteja inserida no ambiente escolar, mas indica caminhos para que a escola seja agradável e contribua para o seu desenvolvimento social e pessoal, assim como suas habilidades e competências. Para a compreensão da política educacional brasileira no decorrer do século XX e as tendências de cada período é necessário conhecer todo o processo

11 histórico, do aprisionamento à inclusão. As conquistas dos pais e pessoas simpatizantes da causa dos deficientes foi relevante em todo esse percurso. A luta contra o preconceito e a segregação tiveram que alcançar o poder Legislativo, a normatização de toda a estrutura destinada a esses indivíduos precisou ser regulamentada para que as demais pessoas entendessem que os direitos humanos se destinam a todos e não aos que se consideram normais. A Educação Especial surgiu como uma forma de mostrar à população que os deficientes, inclusive os mentais, têm condições de alcançar uma vida, até certo ponto, independente. Segundo esta prática é necessário utilizar linguagem, técnicas e métodos educacionais próprios para cada deficiência. Esses alunos devem freqüentar escolas próprias para esse fim as escolas especiais. Nestas o atendimento educacional é acompanhado pela assistência terapêutica, havendo uma subordinação da proposta pedagógica às determinações de psicólogos, terapeutas ocupacionais e fonoaudiólogos. Segundo os opositores desta linha educacional estas instituições na realidade determinam a separação das crianças e adolescentes deficientes das demais e a sua exclusão do ambiente escolar da maioria. A Integração propõe desfazer as mazelas das escolas especiais. Os portadores de deficiência são integrados em classes especiais na escola regular. Quando atingem as condições determinadas pela proposta pedagógica são colocados na classe regular e recebem em outro horário atendimento especializado nas salas de recursos. O planejamento do professor não é adaptado para receber o deficiente, assim como a estrutura física e o quantitativo de alunos em sala de aula não sofre alterações. A criança diferente tem que se adaptar às condições estabelecidas pela maioria e, segundo os pedagogos contrários a essa prática, acabam se isolando dos colegas e do professor que, por outro lado, não tem tempo de atendê-lo separadamente e sofre a pressão de pais dos demais alunos. A frustração é comum por parte do professor, da família e do deficiente.

12 Atualmente propõe-se a Educação Inclusiva, no qual o aluno é incluído na classe regular. A escola se adapta para recebê-lo em termos de espaço físico e de proposta pedagógica, ao contrário da Integração. Ao ser elaborado o Projeto Político e Pedagógico dá-se prioridade a esses indivíduos. O problema da inclusão dos portadores de necessidades especiais é a formação dos professores e o preconceito enraizado na comunidade escolar pais, corpo docente, corpo discente e pessoal de apoio em relação as diferenças. A proposta de inclusão ainda é recente e precisa ser mais trabalhada. Tudo que é novo causa polêmica e as discussões sobre o assunto se fazem necessárias, pois um dos principais objetivos dos educadores é preparar os seus alunos para exercer a cidadania e não é coerente formar cidadão preconceituoso e injusto.

13 1. O TRANSTORNO AUTISTA O distúrbio autista foi delimitado pela primeira vez pelo psiquiatra austríaco Leo Kanner em 1943, que o definiu como um tipo de psicose muito semelhante a esquizofrenia adulta. Em seu trabalho, Kanner descreveu onze crianças que exibiam uma incapacidade aparentemente congênita de conviver com outras pessoas, o que contrastava acentuadamente com sua capacidade de relacionar-se com objetos. Kanner notou que este era o oposto do padrão tipicamente observado, ou seja, lactentes se interessavam muito mais pelo ambiente social, opostamente ao não-social. Ele também observou que, quando se desenvolvia a linguagem nestas crianças, era notavelmente ecolálica, tinha inversão de pronomes e era concreta. Elas também exibiam atividades incomuns, repetitivas e aparentemente sem finalidade(esteriotipias). Em sua escolha do nome para o transtorno, autismo infantil precoce, enfatizou a distinção da afecção. Por muitos anos, a confusão girou em torno da possibilidade de que o autismo fosse a primeira manifestação de esquizofrenia. No entanto, várias linhas de pesquisa esclareceram que autismo e esquizofrenia infantil diferem em muitos aspectos, como a clínica, a evolução e os antecedentes familiares. 1.1 Os Transtornos Globais do Desenvolvimento Essa síndrome está classificado entre os Transtornos Globais do Desenvolvimento (TGDs), que correspondem a indivíduos que se caracterizam por

14 prejuízo severo e invasivo em diversas áreas do desenvolvimento: habilidades de comunicação ou presença de comportamento, interesses e atividades estereotipados e habilidades de interação recíproca. São eles: Transtorno Autista, Transtorno de Rett, Transtorno Desintegrativo da Infância (TDI), Transtorno de Asperger e Transtorno Global do Desenvolvimento não especificado de outra forma / autismo atípico(tgd-neof). Apesar das características básicas dos transtornos estarem presentes entre todos, a maior ou menor intensidade ou o aparecimento de outros sinais determinam a classificação de cada uma. Comparando-se crianças autistas com outras crianças com outro tipo de Transtorno Global do Desenvolvimento podemos observar diferenças. O Transtorno de Rett tem sido observado no sexo feminino, enquanto que o Transtorno Autista acomete em maior freqüência no sexo masculino. No primeiro há um padrão característico de desaceleração do crescimento craniano, perda de habilidades manuais voluntárias adquiridas anteriormente e o aparecimento de marcha pouco coordenada ou movimentos do tronco, o que não ocorre no autismo. Durante os anos pré-escolares, meninas com Transtorno de Rett podem exibir dificuldades na interação social similares àquelas observadas na Segunda característica, mas estas tendem a ser temporárias. O que difere uma pessoa portadora de Transtorno Autista da criança com Transtorno Desintegrativo da Infância é o fato de mostrar sinais já no primeiro ano de vida, enquanto que caso desintegrativo há a aquisição, considerada normal, de habilidades e, entre dois e dez anos, começa a apresentar uma regressão com a perda de habilidades na linguagem social, verbal e escrita. A diferença entre o autista de alto funcionamento, aqueles que apresentam os sintomas menos persistentes, e o Transtorno de Asperger é o fato do autista apresentar mais esteriotipias e um maior apego a rotina. Quanto as aptidões

15 o autista demonstra em geral uma única área de habilidade, enquanto que o portador do Transtorno de Asperger pode ter interesse por várias áreas. Os Transtornos Globais do Desenvolvimento não-especificado de outra forma ou autismo atípico engloba casos subliminares, por exemplo, nos quais há acentuado comprometimento da interação social, da comunicação e/ou padrões de comportamento ou interesse estereotipados, mas em que não são preenchidas as características completas para autismo em cada um desses domínios ou mesmo para outros TGDs definidos explicitamente. Os indivíduos com TGD-NEOF têm melhor prognóstico do que as pessoas com autismo, mas os problemas sociais, comunicativos ou adaptativos e comportamentais podem ser proeminentes durante os anos escolares. Logo, algumas semelhanças entre os Transtornos Globais do Desenvolvimento, nos primeiros anos de vida do indivíduo, levam os médicos e terapeutas a um período prolongado de avaliação antes de confirmar o diagnóstico. É comum relatos de pais que viveram um processo de peregrinação para conseguir uma denominação da patologia de seus filhos e iniciar um tratamento. 1.2 Os Sintomas do Autismo O autismo infantil é uma síndrome de etiologia orgânica. Está presente desde o nascimento e se manifesta invariavelmente antes dos trinta meses de idade. Caracteriza-se por respostas anormais a estímulos auditivos e visuais e por problemas graves quanto a compreensão da linguagem falada. Entre os principais sintomas do autismo infantil está, segundo a American Psychiatric Association e a National Society Autistic Children, a anormalidade no ritmo de desenvolvimento e na aquisição de habilidades físicas, sociais, e de linguagem.

16 O diagnóstico do autismo requer desequilíbrios em cada um dos três domínios: relações sociais, comunicação e recreação e interesses e atividades restritas. Por definição, o início se dá por volta dos 3 anos de idade. Áreas de desequilíbrio social incluem acentuado comprometimento dos comportamentos nãoverbais de interação social, fracasso no desenvolvimento de relações com os pares da maneira apropriada para o nível de desenvolvimento, falta de busca do compartilhar de alegrias e de interesses e falta de reciprocidade social ou emocional. Os comprometimentos da comunicação incluem atraso ou falta total da linguagem falada (sem tentativa de compensação por meio de outros meios) ou, para indivíduos verbais, acentuada dificuldade de sustentar ou iniciar conversas, linguagem estereotipada e repetitiva (ou idiossincrática) e falta de faz-de-conta ou brincadeiras sociais de maneira apropriada para o nível de desenvolvimento. A categoria de comportamento, interesses e atividades restritos, repetitivos e estereotipados, inclui preocupações e objetivos, adesão a rotinas ou rituais não-funcionais, estereotipias e maneirismos motores (bater as mãos ou os dedos ou balançar do corpo) e preocupação persistente com partes de objetos. O início antes dos 3 anos de idade é determinado na dependência de um indivíduo ter ou não funções anormais ou atrasadas nas áreas de interação social, uso social da linguagem ou recreação simbólica ou imaginativa naquele momento. Atraso ou anormalidade em qualquer uma das áreas são típicos e suficientes para o diagnóstico. Kanner definiu o autista em seu artigo Distúrbios Autísticos de Contato Afetivo (Autistic Disturbances of Affective Contact) como crianças que têm inaptidão para estabelecer relações normais com o outro; um atraso na aquisição da linguagem e, quando ela se desenvolve, uma incapacidade de lhe dar um valor de comunicação.

17 O fato de não conseguir expressar o que deseja e a interpretação equivocada das pessoas que cercam o autista, levam-no a um comportamento agressivo ou de aparente descontrole emocional. O indivíduo apresenta usualmente uma necessidade imperiosa de manter imutável seu ambiente material. As mudanças, mesmo as mais simples, podem ser motivo para atitudes hostis. O apego por determinados objetos que seguram durante muito tempo em suas mãos ou utilizam em suas brincadeiras e guardam sempre no mesmo lugar, dando provas de uma memória freqüentemente notável, é uma característica que está ligada aos seus rituais e aos movimentos estereotipados como de rodar objetos ou o seu próprio corpo, bater os braços (flappin). Algumas dessas crianças têm uma destreza muito grande para rodar moedas, dados, roda de carrinhos, mas não conseguem segurar um lápis para pintar. Um fator característico no autismo é a tendência ao isolamento e a dificuldade de interagir com as outras pessoas. É como se o indivíduo criasse o seu próprio mundo e de vez em quando fosse visitar o mundo maior. Esta síndrome infantil é um distúrbio do desenvolvimento a tal ponto complexo que nenhum modelo, nenhuma abordagem clínica, metodológica ou terapêutica poderá por si mesmo abranger a verdade. A exemplo disso temos a ausência, até hoje, de um exame

18 que detecte a deficiência, como o exame do pezinho, o mapeamento cerebral, a tomografia computadorizada ou a ressonância magnética. Isso dificulta um diagnóstico, retarda o tratamento e, na maior parte das vezes, influencia no ambiente escolar. Atualmente é considerado como uma síndrome complexa, sendo incluído pelo DSM-IV (APA, 1994) no grupo dos distúrbios generalizados do desenvolvimento, isto é, um conjunto de sintomas que ocorre simultaneamente num mesmo indivíduo. Mas inicialmente Kanner o definiu como um adjetivo, distúrbios autísticos do contato afetivo; como um sintoma, retardo mental com traços autísticos e, por último, como uma subcategoria da esquizofrenia. Segundo Laboyer autismo infantil e deficiência mental podem estar simultaneamente presentes num mesmo cidadão, mas esses dois estados são totalmente diferentes.

19 Alguns estudos de Ruther e Lockier (Rutther 1967, Lockier e Rutter 1969, 1970) que compararam autistas as crianças de mesma idade, do mesmo sexo e do mesmo nível intelectual mostraram que estas tem maiores capacidades visuo-espaciais, manipulatórias (tarefas de montagem, por exemplo) e uma memória notável. As menos prejudicadas podem ter capacidade de realizar operações matemáticas, já que essas operações obedecem regras que elas podem aprender. Entretanto eles não têm capacidade de abstração e nem de generalização, e não sabem utilizar conceitos. Quando comparamos as particularidades de desenvolvimento da criança autista com os deficientes mentais notamos que destes últimos é mais lento, atinge um nível inferior ao dos normais, mas permanece sempre regular com uma boa coordenação entre os três eixos do desenvolvimento motor, cognitivo e social. Já nos autistas ele é irregular, faz progressos, passa por período de estagnação e de regressão, sem nenhum paralelismo entre os eixos. É muito difícil diferenciar autistas daqueles que têm distúrbio do desenvolvimento da linguagem do tipo receptivo. As crianças disfásicas conseguem se exprimir por gestos, de brincar com jogos imaginativos e quando aprendem a

20 falar, mostram desejo de participar do diálogo. Já nos autistas a linguagem é mais retardada e inadequada como: a ecolalia, repete o que acaba de dizer e o que o outro disse; comenta em voz alta as suas ações. Segundo Rutter depois dos dez anos os traços específicos da linguagem dos autistas de inteligência não-verbal costumam desaparecer e se aproximam do normal em forma e conteúdo. 1.3 A Etiologia Tanto os modelos etiológicos do autismo, como a história clínica refletem as grandes correntes psiquiátricas contemporâneas. Esquematicamente, podemos distinguí-los em: psicodinâmico, orgânico e intermediário. Os teóricos psicodinâmicos afirmam que a criança é biologicamente normal ao nascer, e que o desenvolvimento dos sintomas é secundário, atribuível, portanto, às condutas parentais inadequadas. As teorias orgânicas partem de um postulado oposto: os pais contribuem muito pouco para a patologia de seu filho, que é congênita. Num esforço de síntese dos dois esquemas anteriores, um modelo intermediário foi proposto:

21 a criança é biologicamente deficiente e vulnerável e os pais têm dificuldade em ajudá-la. As discussões concernentes à existência da contribuição de fatores psicogênicos à gênese do autismo infantil dominaram a pesquisa nesse campo durante mais de vinte anos. Kanner, em 1943, em sua primeira descrição de autismo, reúne as características clínicas comuns aos seus onze primeiros pacientes e nota que os pais têm, eles também, um certo número de pontos comuns: pertencem a uma classe sócio-econômica elevada, possuem uma inteligência superior à normal, são preocupados sobretudo com o pensamento abstrato, falta-lhes calor humano, são introvertidos, pouco emotivos e obsessivos. Essa observação aliada a outras pesquisas deram origem a três hipóteses sobre os fatores psicogênicos responsáveis pela origem do autismo: o primeiro item

22 sugere que o funcionamento patológico dos pais gera a síndrome do autismo em seus filhos, a segunda propõe a existência de dois grupos de autistas, um associado a uma patologia neurológica e outro a um fator orgânico, a terceira sugere que o autismo se situa à conjunção de um acidente orgânico inato e de stress psicogênico. As pesquisas genéticas foram inauguradas pelo próprio Kanner, ele sugere, em 1954, num artigo intitulado: Até que ponto o autismo infantil é determinado por uma anomalia constitucional? ( To what extent is early infantile autism determined by constitutional inadequacies? ), a existência de um distúrbio constitucional ou genético, tendo por conseqüência um defeito de relação entre a criança e o mundo externo, que provocaria a aparição do autismo. Segundo estudos neste sentido alguns casos estão associados à

23 rubéola, fenilcetonúria não tratada, viroses durante a gestação, principalmente durante os três primeiros meses (inclusive citomegalovirus), toxoplasmose, anoxia, traumatismo no parto e o patrimônio genético. Na realidade o autismo ainda representa uma incógnita, mas é unanimidade por parte dos médicos que não ocorre por bloqueios ou razões emocionais, como insistiam os psicanalistas, mas pode ser agravado por elas. Uma das características é um severo comprometimento do comportamento, facilmente percebido pelos estudantes. Os comportamentos habitualmente apresentados pela criança autista (esteriotipias, rituais, agressividade, raiva, auto-agressão, hiperatividade, problema na alimentação, no sono, respostas não adequadas aos estímulos geradores, respostas de pânico etc.) podem provocar, como primeira reação, espanto e

24 sensação de incompetência nos professores, sendo necessário compreendê-la para poder ajudálas. Segundo Herrero a modificação de comportamento é uma arma eficaz para conseguir a diminuição ou eliminação das alterações de atitudes do autista e incrementar condutas funcionais. A partir daí há possibilidade de desenvolver atividades que permitam um quadro evolutivo no processo educativo da criança. O quadro comportamental apresentado pelas crianças portadoras de Transtornos Globais do Desenvolvimento (TGDs) levaram-nas durante muito tempo a serem enquadradas no grupo dos deficientes mentais. Em 1994 o Diagnostic and Statistical Manual for Mental Disorders (DSM-IV) adotou o termo Distúrbio de Conduta para os padrões persistentes e repetitivos de comportamentos que violam os

25 direitos de outros, atuando por um período de seis meses, contra as normas apropriadas para sua idade ou regras sociais. Conforme Baptista e Rangé, citado por Nunes (1999), ainda estão incluídos nesse rótulo toda a sorte de indesejáveis e interferentes no processo educativo, envolvendo agressividade, falta de atenção, agitação, impulsividade e postura desafiadora. Carr e Panzo (1993) acrescentam a esse quadro a falta de habilidade para trabalhar independentemente e a dificuldade de manter-se envolvido nas tarefas escolares e completá-las em tempo previsto. Levando em conta a visão que a sociedade civil e científica tinha dos portadores de Transtornos Globais do Desenvolvimento até as primeiras décadas do século XX, incluiremos, de início, estes no grupo dos deficientes mentais.

26 2. DEFICIÊNCIA MENTAL O quadro comportamental apresentado pelas crianças portadoras de Transtornos Globais do Desenvolvimento (TGDs) levaram-nas durante muito tempo a serem enquadradas no grupo dos deficientes mentais. Em 1994 o Diagnostic and Statistical Manual for Mental Disorders (DSM-IV) adotou o termo Distúrbio de Conduta para os padrões persistentes e repetitivos de comportamentos que violam os direitos de outros, atuando por um período de seis meses, contra as normas apropriadas para sua idade ou regras sociais. Conforme Baptista e Rangé, citado por Nunes (1999), ainda estão incluídos nesse rótulo toda a sorte de indesejáveis e interferentes no processo educativo, envolvendo agressividade, falta de atenção, agitação, impulsividade e postura desafiadora. Carr e Panzo (1993)

27 acrescentam a esse quadro a falta de habilidade para trabalhar independentemente e a dificuldade de manter-se envolvido nas tarefas escolares e completá-las em tempo previsto. Levando em conta a visão que a sociedade civil e científica tinha dos portadores de Transtornos Globais do Desenvolvimento até as primeiras décadas do século XX, incluiremos, de início, estes no grupo dos deficientes mentais. 2.1 O Deficiente Mental e a História da Humanidade Na Antigüidade as pessoas deficientes eram consideradas como a degeneração da raça humana e por isso deviam ser abandonados ou eliminados pelo incomodo que representavam aos seus familiares e a sociedade. Com o Cristianismo o deficiente mental começou a ser pensado de forma contraditória: em um período era tido como um feiticeiro e por isso era repudiado e em outro como um anjo trazido por Deus, que deveria ser adorado por todos. Na Idade Média a deficiência mental era considerada como uma forma

28 do familiar direto (mãe, pai, irmãos) pagar seus pecados e, como não tinham culpa de sua situação, eram dignos de caridade por parte da família e da sociedade. Até o século XVIII, as noções a respeito da deficiência eram basicamente ligadas a misticismo e ocultismo, não havendo base científica para o desenvolvimento de noções realísticas. Nesse período não existia na sociedade humana noções de igualdade e democracia. O Cristianismo exercia uma influência cultural muito forte na sociedade ocidental e pregava que o homem era a imagem e semelhança de Deus, determinando a condição humana como a própria perfeição física e mental. E não sendo parecidos com Deus, os portadores de deficiência eram postos à margem da condição humana, sendo marginalizados ou ignorados. A sociedade entendia que a condição de deficiente ou incapacitado era imutável e por isso não se empenhava em organizar serviços para atender as necessidades individuais específicas dessa população. As primeiras iniciativas de atendimento em instituições (autênticos guetos, depósitos e reserva de segregados) partiram de pessoas leigas ou profissionais, que se identificavam com os problemas enfrentados por esses indivíduos. Eram em sua maioria instituições filantrópicas, que na sua trajetória, a despeito de se constituir um grande esforço dos segmentos sociais mantinham resquícios do habitual isolamento. Apesar disso foram passos importantes para a ampliação do conhecimento e da

29 busca de alternativas de atuação, com vistas à melhoria das condições de vida dessas pessoas. 2.2 A Educação dos Deficientes Mentais Toda a trajetória do homem no decorrer de sua história levou-o a buscar o conhecimento e o desenvolvimento tecnológico. Em relação aos deficientes mentais não foi diferente, a família destes e os profissionais da área de saúde mental não se acomodaram e lutaram para que conquistassem a sua independência através de métodos diferenciados Nos Países Desenvolvidos A Europa foi a precursora no atendimento aos excepcionais com objetivos educacionais. Foram criadas instituições especializadas para portadores de deficiência mental, mas até o século XX esses locais geravam a segregação das pessoas atendidas já que estas ficavam separadas do resto da sociedade. Tais medidas foram se expandindo, tendo sido primeiramente levadas para os Estados Unidos e Canadá e posteriormente para outros países, inclusive o Brasil, como veremos em um capítulo a parte. Jean Marc Itard ( ) foi a primeira pessoa a usar métodos sistematizados para o ensino de deficientes mentais, através de experiência de aprendizagem e da motivação e recompensas. Edward Séguin ( ) estabeleceu o primeiro internato público na França para crianças retardadas, e imaginou um currículo para elas, baseado na crença de que o sistema nervoso podia ser reeducado pelo treinamento motor e sensorial.

30 A incapacidade apresentada pelo aluno deficiente mental para o aprendizado da matemática preocupava Séguin, levando-o em 1846 a publicar seu trabalho: Traitment moral, hygiène et éducation des idiots et des autres enfants arriérés. Segundo ele o ensino da iniciação à matemática para o deficiente mental tinha como objetivo familiarizá-lo com as quantidades observáveis na vida prática. Assim, denominou a aritmética por ele ensinada ao aluno deficiente mental como a ciência dos números sensíveis. E mais explicitamente afirmou: Para meus alunos um, dois, três, quatro devem ser coisas antes de ser quantidades; a idéia do número deve preceder sempre o símbolo assim como a criança fala as palavras antes de ler (Séguin, 1846, p. 480). Esta frase expressa, exatamente, como Séguin procedeu para ensinar matemática para o aluno deficiente mental. Outra importante educadora que contribuiu para a evolução da educação dos portadores de necessidades especiais foi Maria Montessori ( ), médica italiana que desenvolveu um programa de treinamento para crianças retardadas mentais nos internatos de Roma. Montessouri enfatizou a auto-educação pelo uso de materiais didáticos que incluíam, dentre outros, blocos, encaixes, recortes, objetos coloridos e letras em relevo. Uma importante contribuição de Montessouri foi a confecção de um material específico para o ensino da matemática como, por exemplo, dez barras que entre si mantém uma relação de um a dez. A menor tem dez centímetros, equivale ao primeiro segmento, é vermelha e representa a quantidade um. A Segunda tem vinte centímetros,

Autismo e Aprendizagem

Autismo e Aprendizagem Autismo e Aprendizagem O termo autismo origina-se do grego autós, que significa de si mesmo. Foi empregado pela primeira vez pelo psiquiatra suíço Bleuler, em 1911, que buscava descrever a fuga da realidade

Leia mais

O DIAGNÓSTICO DOS TRANSTORNOS DO ESPECTRO DO AUTISMO TEA

O DIAGNÓSTICO DOS TRANSTORNOS DO ESPECTRO DO AUTISMO TEA 1 MARIA ELISA GRANCHI FONSECA Psicóloga Mestre em Educação Especial UFSCAR TEACCH Practitioner pela University of North Carolina USA Coordenadora de Curso INFOCO FENAPAES UNIAPAE Coordenadora CEDAP APAE

Leia mais

AUTISMO. 3º Encontro Formativo para Profissionais da Educação. Atendimento aos Estudantes com Deficiência na Rede Municipal de Contagem

AUTISMO. 3º Encontro Formativo para Profissionais da Educação. Atendimento aos Estudantes com Deficiência na Rede Municipal de Contagem AUTISMO 3º Encontro Formativo para Profissionais da Educação Atendimento aos Estudantes com Deficiência na Rede Municipal de Contagem Quem somos? Professoras das SRMF / AAE - Contagem Raquel Shirley Stella

Leia mais

AUTISMO E TDAH: O DESAFIO DA INCLUSÃO. Prof. Dr. Carlo Schmidt. Prof. Adjunto da CE/UFSM Depto. Educação Especial

AUTISMO E TDAH: O DESAFIO DA INCLUSÃO. Prof. Dr. Carlo Schmidt. Prof. Adjunto da CE/UFSM Depto. Educação Especial AUTISMO E TDAH: O DESAFIO DA INCLUSÃO Prof. Dr. Carlo Schmidt Prof. Adjunto da CE/UFSM Depto. Educação Especial INTRODUÇÃO Caracterização: Do que estamos falando? TDAH Autismo O que essas condições têm

Leia mais

Autismo Rede Biomédica de Informações

Autismo Rede Biomédica de Informações Autismo Rede Biomédica de Informações DSM-IV Critérios, Transtornos Invasivos do Desenvolvimento 299.00 Transtornos Autisticos A. Um total de seis ( ou mais) itens de (1), (2) e (3), com pelo menos dois

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA GABINETE DA DEPUTADA LUZIA TOLEDO PROJETO DE LEI Nº 157/2010

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA GABINETE DA DEPUTADA LUZIA TOLEDO PROJETO DE LEI Nº 157/2010 PROJETO DE LEI Nº 157/2010 A semana de conscientização sobre transtornos de aprendizagem, no âmbito do Estado do Espírito Santo. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETA: Art. 1º Fica

Leia mais

A INTEGRAÇÃO SENSORIAL COMO ABORDAGEM DE TRATAMENTO DE UM ADOLESCENTE NO ESPECTRO AUTISTA

A INTEGRAÇÃO SENSORIAL COMO ABORDAGEM DE TRATAMENTO DE UM ADOLESCENTE NO ESPECTRO AUTISTA A INTEGRAÇÃO SENSORIAL COMO ABORDAGEM DE TRATAMENTO DE UM ADOLESCENTE NO ESPECTRO AUTISTA MATIAS, Rayane CLASSE, Jéssica P. D. CAVALCANTI, Flavia R. R. SILVA, Angela C. D. RESUMO O presente trabalho se

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA INCLUSÃO DE CRIANÇAS PORTADORAS DE NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NO ENSINO REGULAR

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA INCLUSÃO DE CRIANÇAS PORTADORAS DE NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NO ENSINO REGULAR TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA INCLUSÃO DE CRIANÇAS PORTADORAS DE NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NO ENSINO REGULAR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE

Leia mais

ALUNOS COM AUTISMO NA ESCOLA: PROBLEMATIZANDO AS POLÍTICAS PÚBLICAS

ALUNOS COM AUTISMO NA ESCOLA: PROBLEMATIZANDO AS POLÍTICAS PÚBLICAS ALUNOS COM AUTISMO NA ESCOLA: PROBLEMATIZANDO AS POLÍTICAS PÚBLICAS Resumo A temática da inclusão de alunos com autismo tem merecido maior atenção, após a promulgação da Política Nacional de Educação Especial

Leia mais

GLOSSÁRIO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL

GLOSSÁRIO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL GLOSSÁRIO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL Atendimento Educacional Especializado (AEE) O Atendimento Educacional Especializado (AEE) é um serviço da Educação Especial que organiza atividades, recursos pedagógicos

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Victor Mendes) Altera a redação do parágrafo único do art. 3º e os artigos 5º e 7º da Lei nº 12.764, de 27 de dezembro de 2012, que institui a Política Nacional de Proteção

Leia mais

De acordo com estudos recentes o autismo é mais freqüente em pessoas do sexo masculino.

De acordo com estudos recentes o autismo é mais freqüente em pessoas do sexo masculino. 1 AUTISMO Autismo é um distúrbio do desenvolvimento que se caracteriza por alterações presentes desde idade muito precoce, com impacto múltiplo e variável em áreas nobres do desenvolvimento humano como

Leia mais

Luísa Cabral 17 de Junho de 2008

Luísa Cabral 17 de Junho de 2008 SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E REABILITAÇÃO DIRECÇÃO de SERVIÇOS de EDUCAÇÃO e APOIO PSICOPEDAGÓGICO SERVIÇO TÉCNICO de APOIO PSICOPEDAGÓGICO CENTRO

Leia mais

Transtornos Globais do Desenvolvimento e Dificuldades de. Curso de Formação Pedagógica Andréa Poletto Sonza Março/2010

Transtornos Globais do Desenvolvimento e Dificuldades de. Curso de Formação Pedagógica Andréa Poletto Sonza Março/2010 Transtornos Globais do Desenvolvimento e Dificuldades de Aprendizagem Curso de Formação Pedagógica Andréa Poletto Sonza Março/2010 Transtornos Globais do Desenvolvimento São consideradas pessoas com TGD

Leia mais

:: Legislação. Unidade: Câmara de Educação Básica. Número: 79/2009 Ano: 2009. Ementa:

:: Legislação. Unidade: Câmara de Educação Básica. Número: 79/2009 Ano: 2009. Ementa: :: Legislação Unidade: Câmara de Básica Número: 79/2009 Ano: 2009 Ementa: Estabelece normas para a Especial, na Perspectiva da Inclusiva para todas as etapas e Modalidades da Básica no Sistema Estadual

Leia mais

Queila Medeiros Veiga TGD NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

Queila Medeiros Veiga TGD NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA TGD NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Marcos Legais 1988 Constituição Federal (art. 208, III) direito das pessoas com necessidades especiais de receberem educação, preferencialmente na rede regular

Leia mais

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO (AEE)

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO (AEE) ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO (AEE) Aleksandra Debom Garcia 1 Fatima Gomes Nogueira Daguiel 2 Fernanda Pereira Santana Francisco 3 O atendimento educacional especializado foi criado para dar um

Leia mais

Dist úrbios e Dificuldades de Aprendizagem

Dist úrbios e Dificuldades de Aprendizagem Dist úrbios e Dificuldades de Aprendizagem Considerações sobre o normal e o patológico Segundo Leticia Lanz: a pessoa é considerada normal quando sua conduta corresponde aos padrões e expectativas do sistema.

Leia mais

Transtornos Invasivos do Desenvolvimento

Transtornos Invasivos do Desenvolvimento UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ UNOCHAPECÓ Área de Ciências Humanas e Jurídicas Curso de Psicologia, 4º Período Componente Curricular: Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem III Professora:

Leia mais

Pediatria do Desenvolvimento e do Comportamento. Faculdade de Ciências Médicas Prof. Orlando A. Pereira Unifenas

Pediatria do Desenvolvimento e do Comportamento. Faculdade de Ciências Médicas Prof. Orlando A. Pereira Unifenas Pediatria do Desenvolvimento e do Comportamento Faculdade de Ciências Médicas Prof. Orlando A. Pereira Unifenas Genética e Ambiente A combinação de fatores ambientais e genéticos é que determina o produto

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSÃO EDUCACIONAL TRANSTORNOS GLOBAIS DO DESENVOLVIMENTO

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSÃO EDUCACIONAL TRANSTORNOS GLOBAIS DO DESENVOLVIMENTO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSÃO EDUCACIONAL TRANSTORNOS GLOBAIS DO DESENVOLVIMENTO DEFINIÇÃO Os alunos da área dos Transtornos Globais do Desenvolvimento apresentam

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 07/2015. O Conselho Municipal de Educação - CME, no uso de suas competências e considerando:

RESOLUÇÃO Nº 07/2015. O Conselho Municipal de Educação - CME, no uso de suas competências e considerando: RESOLUÇÃO Nº 07/2015. Estabelece normas para Educação Especial na perspectiva de educação inclusiva para Alunos com necessidades educacionais especiais durante o período escolar em todas as etapas e modalidades

Leia mais

FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO ESPECIAL

FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO ESPECIAL FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO ESPECIAL Resumo Vera Lucia dos Santos O presente artigo vem apresentar um retrato da educação especial, de forma peculiar no Brasil. O estudo se dedica a apresentar a realidade

Leia mais

Daniel no mundo do silêncio

Daniel no mundo do silêncio Guia para pais Daniel no mundo do silêncio Walcyr Carrasco série todos juntos ilustrações de Cris Eich Daniel perde a audição nos primeiros anos de vida, e sua família dá todo o apoio para ele se comunicar

Leia mais

A INCLUSÃO DOS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA EM ESCOLA DA REDE PÚBLICA EM TERESINA

A INCLUSÃO DOS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA EM ESCOLA DA REDE PÚBLICA EM TERESINA A INCLUSÃO DOS ALUNOS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA EM ESCOLA DA REDE PÚBLICA EM TERESINA Francisca Clelma da Costa Aluna do Curso de Pedagogia da UESPI Campus Clóvis Moura, PIBIC/UESPI Voluntária 2009/2010

Leia mais

HISTÓRIA, DEFICIÊNCIA E EDUCAÇÃO ESPECIAL 1

HISTÓRIA, DEFICIÊNCIA E EDUCAÇÃO ESPECIAL 1 1 HISTÓRIA, DEFICIÊNCIA E EDUCAÇÃO ESPECIAL 1 Arlete Aparecida Bertoldo Miranda Doutora em Educação Profª da FACED/Universidade Federal de Uberlândia arlete@ufu.br Resumo: O objetivo deste texto é fazer

Leia mais

Clinicamente o autismo é considerado uma perturbação global do desenvolvimento.

Clinicamente o autismo é considerado uma perturbação global do desenvolvimento. Autismo: Definição Causas Conceitos centrais Diagnóstico O QUE É O AUTISMO? O autismo é uma disfunção no desenvolvimento cerebral que tem origem na infância e persiste ao longo de toda a vida. Pode dar

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA 3º PERÍODO A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA 3º PERÍODO A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA 3º PERÍODO A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA Adenilton Santos Moreira* RESUMO Este trabalho analisa a Inclusão social como a capacidade

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL ÁREA DO CONHECIMENTO: Educação. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Educação Especial. OBJETIVO DO CURSO: Formar especialistas

Leia mais

Requerimento (Do Sr. Hugo Leal)

Requerimento (Do Sr. Hugo Leal) Requerimento (Do Sr. Hugo Leal) Sugere ao Poder Executivo sejam tomadas providências no sentido de ser exigido a feitura de diagnóstico precoce de autismo em todas as unidades de saúde pública do país,

Leia mais

ASSESSORARTE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS

ASSESSORARTE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS ASSESSORARTE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS Prefeitura Municipal de Alumínio Concurso Público 001/2006 24 Professor de Educação Especial Instruções: Não abra o caderno de prova antes de receber autorização do

Leia mais

Índice. 1. Definição de Deficiência Motora...3

Índice. 1. Definição de Deficiência Motora...3 GRUPO 5.2 MÓDULO 10 Índice 1. Definição de Deficiência Motora...3 1.1. O Que é uma Deficiência Motora?... 3 1.2. F82 - Transtorno Específico do Desenvolvimento Motor... 4 2 1. DEFINIÇÃO DE DEFICIÊNCIA

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Especial EDUCAÇÃO INCLUSIVA A FAMÍLIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Especial EDUCAÇÃO INCLUSIVA A FAMÍLIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Especial EDUCAÇÃO INCLUSIVA A FAMÍLIA Brasília - 2004 Série: EDUCAÇÃO INCLUSIVA 1. A Fundamentação Filosófica 2. O Município 3 A Escola 4 A Família FICHA TÉCNICA

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias.

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias. PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias. A INCLUSÃO DA CRIANÇA COM SINDROME DE DOWN E SEU PROCESSO

Leia mais

Definição e Histórico. Avaliação, Diagnóstico e Intervenção no TEA Módulo 1

Definição e Histórico. Avaliação, Diagnóstico e Intervenção no TEA Módulo 1 + Definição e Histórico Avaliação, Diagnóstico e Intervenção no TEA Módulo 1 + Autismo Nome criado por Eugen Bleuler em 1911 Dementia Praecox ou Grupo da Esquizofrenias Termo extraído dos estudos sobre

Leia mais

20 EDUCAÇÃO ESPECIAL

20 EDUCAÇÃO ESPECIAL EDUCAÇÃO ESPECIAL 20 21 EDUCAÇÃO ESPECIAL NA PERSPECTIVA INCLUSIVA A Educação Especial, de acordo com a legislação brasileira, é uma modalidade de ensino transversal, que perpassa todos os níveis de ensino

Leia mais

TEA Módulo 3 Aula 2. Processo diagnóstico do TEA

TEA Módulo 3 Aula 2. Processo diagnóstico do TEA TEA Módulo 3 Aula 2 Processo diagnóstico do TEA Nos processos diagnósticos dos Transtornos do Espectro Autista temos vários caminhos aos quais devemos trilhar em harmonia e concomitantemente para que o

Leia mais

HABILIDADES SOCIAIS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Maria Luiza Pontes de França Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte

HABILIDADES SOCIAIS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Maria Luiza Pontes de França Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte HABILIDADES SOCIAIS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Maria Luiza Pontes de França Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte Resumo geral: Os estudos na área das habilidades sociais no Brasil têm contemplado

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 3.394, DE 2012 (Do Sr. Manoel Junior)

PROJETO DE LEI N.º 3.394, DE 2012 (Do Sr. Manoel Junior) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 3.394, DE 2012 (Do Sr. Manoel Junior) Dispõe sobre o diagnóstico e o tratamento da dislexia na educação básica. DESPACHO: ÀS COMISSÕES DE: SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA;

Leia mais

BREVE ANÁLISE DAS QUESTÕES QUE PODEM FAVORER O PROCESSO EDUCACIONAL DAS PESSOAS COM AUTISMO.

BREVE ANÁLISE DAS QUESTÕES QUE PODEM FAVORER O PROCESSO EDUCACIONAL DAS PESSOAS COM AUTISMO. BREVE ANÁLISE DAS QUESTÕES QUE PODEM FAVORER O PROCESSO EDUCACIONAL DAS PESSOAS COM AUTISMO. Introdução OLIVEIRA, Tereza Cristina Carvalho Iwamoto de 1. - UNESP Agência Financiadora: CAPES Ao falar sobre

Leia mais

Diversas são as áreas que vêm se preocupando com crianças e adultos com Dificuldades

Diversas são as áreas que vêm se preocupando com crianças e adultos com Dificuldades DISCALCULIA: UMA LIMITAÇÃO NA APRENDIZAGEM Jaime Ferreira Jacinto Segundo Sargento de Engenharia - Pós-Graduado no Ensino da Matemática pela Faculdade Estadual de Filosofia, Ciências e Letras - FAFI, União

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE. Julho de 2010

Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE. Julho de 2010 Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE Julho de 2010 Deficiência Múltipla A Deficiência Múltipla refere-se à associação de duas ou mais deficiências, conforme o Decreto nº 5.296, art. 5º (BRASIL,

Leia mais

A Psiquiatria e seu olhar Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira

A Psiquiatria e seu olhar Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira A Psiquiatria e seu olhar Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira Transtornos do Desenvolvimento Psicológico Transtornos do Desenvolvimento Psicológico

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO - Educação Especial

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO - Educação Especial PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO - Educação Especial 8. EDUCAÇÃO ESPECIAL 8.1 Diagnóstico A Constituição Federal estabelece o direito de as pessoas com necessidades especiais receberem educação preferencialmente

Leia mais

Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO

Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO - Abordagem multiprofissional e interdisciplinar - assistência prestada por

Leia mais

Conselho Brasileiro para Superdotação www.conbrasd.org

Conselho Brasileiro para Superdotação www.conbrasd.org Conselho Brasileiro para Superdotação www.conbrasd.org Ofício Nº 05/2013 Ref. : Resolução CME/CEINC Nº 11, de 26/10/2011 Ao Conselho Municipal de Educação de São Leopoldo Ilma. Zaira Carina Corneli Presidenta

Leia mais

BREVE HISTÓRICO OBJETIVOS ESTRUTURA DO CURSO

BREVE HISTÓRICO OBJETIVOS ESTRUTURA DO CURSO PÓS-GRADUAÇÃO LATO-SENSU PROJETO PEDAGÓGICO PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL BREVE HISTÓRICO A Universidade Candido Mendes UCAM, criada e mantida pela Sociedade Brasileira de Instrução SBI, fundada

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

A Educação Especial na Perspectiva Inclusiva

A Educação Especial na Perspectiva Inclusiva A Educação Especial na Perspectiva Inclusiva Instituto Paradigma O Instituto Paradigma é uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP), dedicada a desenvolver e implementar projetos nas

Leia mais

INCLUSÃO NA EDUCAÇAO INFANTIL: IGUALDADE, RESPEITO E DIREITO DE TODOS AO ACESSO E À PERMANÊNCIA NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO

INCLUSÃO NA EDUCAÇAO INFANTIL: IGUALDADE, RESPEITO E DIREITO DE TODOS AO ACESSO E À PERMANÊNCIA NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO INCLUSÃO NA EDUCAÇAO INFANTIL: IGUALDADE, RESPEITO E DIREITO DE TODOS AO ACESSO E À PERMANÊNCIA NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO Jacira Amadeu Mendes 1 RESUMO: O presente trabalho aborda questões sobre a inclusão

Leia mais

passa por uma longa pesquisa de diagnóstico diferencial de surdez e deficiência mental, retardando ainda mais o diagnóstico do autismo.

passa por uma longa pesquisa de diagnóstico diferencial de surdez e deficiência mental, retardando ainda mais o diagnóstico do autismo. 1 O início de tudo O presente trabalho foi realizado em quatro escolas regulares de Ensino Fundamental de dois municípios da Baixada Fluminense, que serão denominados na pesquisa como município A e município

Leia mais

Neurociência e Saúde Mental

Neurociência e Saúde Mental 1 O QUE É DEFICIÊNCIA MENTAL OU INTELECTUAL http://www.apaesp.org.br/sobreadeficienciaintelectual A Deficiência Intelectual, segundo a Associação Americana sobre Deficiência Intelectual do Desenvolvimento

Leia mais

A INCLUSÃO E O ENSINO REGULAR. Valéria Mota Scardua 4. Resumo:

A INCLUSÃO E O ENSINO REGULAR. Valéria Mota Scardua 4. Resumo: 85 A INCLUSÃO E O ENSINO REGULAR Valéria Mota Scardua 4 Resumo: Este trabalho apresenta questionamentos que buscam justificar a inclusão de alunos com necessidades educacionais especiais no ensino regular.

Leia mais

A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos

A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos ARANHA, M.S.F.. A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos. Resumo de

Leia mais

Serviço de Psicologia do Instituto de Neurologia e Cardiologia de Curitiba:

Serviço de Psicologia do Instituto de Neurologia e Cardiologia de Curitiba: Serviço de Psicologia do Instituto de Neurologia e Cardiologia de Curitiba: Tem por objetivo prestar atendimento aos pacientes internados ou de forma ambulatorial no Hospital, bem como aos seus familiares,

Leia mais

DISLEXIA: DIAGNÓSTICO E INTERVENÇÃO SOB O OLHAR DA PSICOPEDAGOGIA, FONOAUDIOLOGIA E NEUROLOGIA

DISLEXIA: DIAGNÓSTICO E INTERVENÇÃO SOB O OLHAR DA PSICOPEDAGOGIA, FONOAUDIOLOGIA E NEUROLOGIA DISLEXIA: DIAGNÓSTICO E INTERVENÇÃO SOB O OLHAR DA PSICOPEDAGOGIA, FONOAUDIOLOGIA E NEUROLOGIA Jaime Luiz Zorzi No o 8º Congresso Brasileiro de Psicopedagogia que acontecerá em São Paulo de 09 a 11 de

Leia mais

AUTISMO NA SALA DE AULA

AUTISMO NA SALA DE AULA 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AUTISMO

Leia mais

ATENDIMENTO EDUCACIONAL SALAS MULTIFUNCIONAIS

ATENDIMENTO EDUCACIONAL SALAS MULTIFUNCIONAIS ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO -AEE SALAS MULTIFUNCIONAIS LEGISLAÇÃO Considerando o Decreto 6949/2009 que promulga a convenção da ONU sobre os direitos das pessoas com deficiência, assegurando um

Leia mais

ANEXO XI (Retificado no DOU de 18/07/2013, Seção 1, pág 25)

ANEXO XI (Retificado no DOU de 18/07/2013, Seção 1, pág 25) ANEXO XI (Retificado no DOU de 18/07/2013, Seção 1, pág 25) MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL LAUDO DE AVALIAÇÃO AUTISMO (Transtorno Autista e Autismo Atípico) Serviço Médico/Unidade

Leia mais

Um pouco mais sobre desenvolvimento social e os Transtornos do Espectro Autista

Um pouco mais sobre desenvolvimento social e os Transtornos do Espectro Autista Um pouco mais sobre desenvolvimento social e os Transtornos do Espectro Autista www.infanciaeadole scencia.com.br O desenvolvimento social ocorre ao longo de todas as etapas do ciclo vital. Entretanto,

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL Introdução Com frequência as tecnologias digitais estão sendo empregadas pelos educadores em

Leia mais

INTERSETORIALIDADE E AUTISMO

INTERSETORIALIDADE E AUTISMO INTERSETORIALIDADE E AUTISMO Daniel de Sousa Filho Psiquiatra da Infância e Adolescência Mestre em Distúrbios do Desenvolvimento UPM Introdução Kanner, 1943 Asperger, 1944 Bleuler, 1906 Transtornos do

Leia mais

O USO DO RECURSO DE TECNOLOGIA ASSISTIVA POR ALUNOS COM PARALISIA CEREBRAL NO AMBIENTE ESCOLAR NA VISÃO DOS CUIDADORES. Resumo

O USO DO RECURSO DE TECNOLOGIA ASSISTIVA POR ALUNOS COM PARALISIA CEREBRAL NO AMBIENTE ESCOLAR NA VISÃO DOS CUIDADORES. Resumo O USO DO RECURSO DE TECNOLOGIA ASSISTIVA POR ALUNOS COM PARALISIA CEREBRAL NO AMBIENTE ESCOLAR NA VISÃO DOS CUIDADORES Ana Lidia Penteado Urban Universidade Federal de São Carlos Centro de Educação e Ciências

Leia mais

Perguntas mais freqüentes sobre a deficiência auditiva e dúvidas mais comuns relacionadas à surdez

Perguntas mais freqüentes sobre a deficiência auditiva e dúvidas mais comuns relacionadas à surdez Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Perguntas mais freqüentes sobre a deficiência auditiva e dúvidas mais comuns relacionadas à surdez

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

Conhecendo o Aluno com TGD

Conhecendo o Aluno com TGD I - [FICHA DE AVALIAÇÃO SOBRE O ALUNO COM TRANSTORNOS GLOBAIS DO DESENVOLVIMENTO] Usar letra de forma Os alunos com Transtornos Globais do Desenvolvimento (TGD) são aqueles que apresentam alterações qualitativas

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Rio de Mouro Padre Alberto Neto CÓDIGO 170318. Sub-departamento de Educação Especial

Agrupamento de Escolas de Rio de Mouro Padre Alberto Neto CÓDIGO 170318. Sub-departamento de Educação Especial Sub-departamento de Educação Especial A deficiência mental interfere directamente no funcionamento intelectual do ser humano, sendo este abaixo da média. O aluno apresenta comprometidos, além das funções

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2004.1. Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2004.1. Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 10 h/a Créditos: 2 : A Antropologia enquanto ciência e seus principais ramos. Metodologia da pesquisa em Antropologia

Leia mais

XIII Congresso Estadual das APAEs

XIII Congresso Estadual das APAEs XIII Congresso Estadual das APAEs IV Fórum de Autodefensores 28 a 30 de março de 2010 Parque Vila Germânica, Setor 2 Blumenau (SC), BRASIL A IMPORTÂNCIA E SIGNIFICÂNCIA DO TRABALHO EM EQUIPE INTERDISCIPLINAR

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02 Sumário Pág. I) OBJETIVO 02 II) ESTRUTURA DO CURSO 1) Público alvo 02 2) Metodologia 02 3) Monografia / Trabalho final 02 4) Avaliação da aprendizagem 03 5) Dias e horários de aula 03 6) Distribuição de

Leia mais

TÍTULO: ANÁLISE DAS FORMAS DE TRATAMENTOS PARA O TRANSTORNO DE ESPECTRO AUTISTA (TEA)

TÍTULO: ANÁLISE DAS FORMAS DE TRATAMENTOS PARA O TRANSTORNO DE ESPECTRO AUTISTA (TEA) TÍTULO: ANÁLISE DAS FORMAS DE TRATAMENTOS PARA O TRANSTORNO DE ESPECTRO AUTISTA (TEA) CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE ANHANGUERA DE

Leia mais

Problema de Aprendizagem: Possíveis Intervenções Psicopedagógicas

Problema de Aprendizagem: Possíveis Intervenções Psicopedagógicas Problema de Aprendizagem: Possíveis Intervenções Psicopedagógicas *Vanessa Ferreira Silva Breve histórico da psicopedagogia De acordo com Bossa (2000, p.37) a psicopedagogia surgiu na Europa, mais precisamente

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Alessandro Alves A pré-adolescência e a adolescência são fases de experimentação de diversos comportamentos. É nessa fase que acontece a construção

Leia mais

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Universidade do Minho Escola de Psicologia rgomes@psi.uminho.pt www.psi.uminho.pt/ www.ardh-gi.com Esta apresentação não substitui a leitura

Leia mais

Autismo: papel do Fonoaudiólogo e a Inclusão na escola

Autismo: papel do Fonoaudiólogo e a Inclusão na escola Autismo: papel do Fonoaudiólogo e a Inclusão na escola Palestrantes: Francielle Martins e Julia Tognozzi Orientadoras: Profª Drª Dionísia Ap. Cusin Lamonica e Fga. Ms. Camila da Costa Ribeiro O que é autismo?

Leia mais

GOVERNO DO MUNICIPIO DE CONSELHEIRO LAFAIETE GABINETE DO PREFEITO

GOVERNO DO MUNICIPIO DE CONSELHEIRO LAFAIETE GABINETE DO PREFEITO LEI N o 5.641, DE 23 DE JUNHO DE 2014. RECONHECE A PESSOA COM TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA COMO PORTADORA DE DEFICIÊNCIA PARA OS FINS DE FRUIÇÃO DOS DIREITOS ASSEGURADOS PELA LEI ORGÂNICA E PELAS DEMAIS

Leia mais

A CHILDHOOD AUTISM RATING SCALE (CARS)

A CHILDHOOD AUTISM RATING SCALE (CARS) A CHILDHOOD AUTISM RATING SCALE (CARS) I. Relações pessoais: 1.- Nenhuma evidencia de dificuldade ou anormalidade nas relações pessoais: O comportamento da criança é adequado a sua idade. Alguma timidez,

Leia mais

3ª Reunião com coordenadores locais/2014. Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. 28 de julho de 2014

3ª Reunião com coordenadores locais/2014. Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. 28 de julho de 2014 3ª Reunião com coordenadores locais/2014 Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa 28 de julho de 2014! O USO DO JOGO NO PROCESSO DE INCLUSÃO DA CRIANÇA NA PERSPECTIVA DO PACTO Profa. Valéria Barbosa

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 010 /CME/2011 (*) APROVADA EM 28.07.2011. O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO MUNICÍPIO DE MANAUS, no uso de suas atribuições legais e;

RESOLUÇÃO N. 010 /CME/2011 (*) APROVADA EM 28.07.2011. O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO MUNICÍPIO DE MANAUS, no uso de suas atribuições legais e; RESOLUÇÃO N. 010 /CME/2011 (*) APROVADA EM 28.07.2011 Institui os procedimentos e orientações para Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva no Sistema Municipal de Ensino de Manaus. O CONSELHO

Leia mais

13. EDUCAÇÃO ESPECIAL

13. EDUCAÇÃO ESPECIAL 13. EDUCAÇÃO ESPECIAL 13.1 ORGANIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL 13.1.1 Objetivos gerais. Política de integração da educação especial na educação infantil, no ensino fundamental e no ensino médio A educação

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 261/02-CEE/MT.

RESOLUÇÃO N. 261/02-CEE/MT. RESOLUÇÃO N. 261/02-CEE/MT. Fixa normas para a Educação Especial na Educação Básica do Sistema Estadual de Ensino O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO, no uso de atribuições que lhe confere os

Leia mais

De que Inclusão Estamos Falando? A Percepção de Educadores Sobre o Processo de Inclusão Escolar em Seu Local de Trabalho

De que Inclusão Estamos Falando? A Percepção de Educadores Sobre o Processo de Inclusão Escolar em Seu Local de Trabalho 1 de 5 29/6/2010 00:34 www.ibmeconline.com.br De que Inclusão Estamos Falando? A Percepção de Educadores Sobre o Processo de Inclusão Escolar em Seu Local de Trabalho Autora: Patrícia Carla de Souza Della

Leia mais

Apresentação da professora Professora da Educação Básica, Educação de Surdos e Ensino Superior (UFPR)

Apresentação da professora Professora da Educação Básica, Educação de Surdos e Ensino Superior (UFPR) Fundamentos para as Necessidades Educativas Especiais Teleaula 1 Profa. Dra. Sueli Fernandes tutoriapedagogia@grupouninter.com.br Pedagogia Apresentação da professora Professora da Educação Básica, Educação

Leia mais

Transtornos do Comportamento da Criança

Transtornos do Comportamento da Criança Transtornos do Comportamento da Criança 01 ... Para aquele que não sabe como controlar seu íntimo, inventar-se-á controle Goethe 02 Definição Comportamento é o conjunto de atitudes e reações do indivíduo

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Pearson Education do Brasil. Orientações aos Municípios para Solicitação de. Implantação de Salas de Recursos Multifuncionais

Pearson Education do Brasil. Orientações aos Municípios para Solicitação de. Implantação de Salas de Recursos Multifuncionais Pearson Education do Brasil Orientações aos Municípios para Solicitação de Implantação de Salas de Recursos Multifuncionais Outubro de 2012 Apresentação Este documento oferece orientações para que os gestores

Leia mais

Autismo: a luta contra discriminação 1

Autismo: a luta contra discriminação 1 XXI Prêmio Expocom 2014 Exposição da Pesquisa Experimental em Comunicação 1 Autismo: a luta contra discriminação 1 Marcela MORAES2 Iara de Nazaré Santos RODRIGUES³ Jonária FRANÇA4 Faculdade Boas Novas

Leia mais

Falta preparo para inclusão de crianças com deficiência na escola regular

Falta preparo para inclusão de crianças com deficiência na escola regular Entrevistas PARTICIPAÇÃO, DIREITOS E CIDADANIA Falta preparo para inclusão de crianças com deficiência na escola regular 1 DE JUNHO DE 2015 A inclusão da pessoa com deficiência na escola regular está prevista

Leia mais

INCLUSÃO ESCOLAR E DEFICIÊNCIA MENTAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA MUNICIPAL DE LAVRAS - MINAS GERAIS

INCLUSÃO ESCOLAR E DEFICIÊNCIA MENTAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA MUNICIPAL DE LAVRAS - MINAS GERAIS INCLUSÃO ESCOLAR E DEFICIÊNCIA MENTAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA MUNICIPAL DE LAVRAS - MINAS GERAIS 2010 Fernanda Garcia Resende Bárbara Terra Ávila Estudantes de Psicologia - Centro Universitário

Leia mais

Secretaria Municipal de Educação

Secretaria Municipal de Educação Secretaria Municipal de Educação Processo Seletivo (edital 002/2006) Caderno de Prova Educação Especial na Rede Municipal de Ensino e Entidades Conveniadas Educação Especial (9915) Secretaria Municipal

Leia mais

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO E LABORATÓRIOS DE APRENDIZAGEM: O QUE SÃO E A QUEM SE DESTINAM

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO E LABORATÓRIOS DE APRENDIZAGEM: O QUE SÃO E A QUEM SE DESTINAM ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO E LABORATÓRIOS DE APRENDIZAGEM: O QUE SÃO E A QUEM SE DESTINAM Rui Sartoretto Mara Lucia Sartoretto A inclusão das pessoas com deficiências nas escolas comuns da rede

Leia mais

Transtornos Mentais diagnosticados na infância ou na adolescência

Transtornos Mentais diagnosticados na infância ou na adolescência Pediatria do Desenvolvimento e do Comportamento Transtornos Mentais diagnosticados na infância ou na adolescência Faculdade de Ciências Médicas Prof. Orlando A. Pereira Unifenas Transtorno de Deficiência

Leia mais

É preciso amor pra poder pulsar

É preciso amor pra poder pulsar Autismo: ideias e práticas inclusivas É preciso amor pra poder pulsar Eugênio Cunha eugenio@eugeniocunha.com www.eugeniocunha.com O que fazer para educar essas crianças? Como podem trabalhar escola e

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04 Curso: Graduação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA PLENA MATRIZ CURRICULAR SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO

Leia mais

PEDAGOGIA HOSPITALAR: um breve histórico

PEDAGOGIA HOSPITALAR: um breve histórico PEDAGOGIA HOSPITALAR: um breve histórico Cláudia R. Esteves 1 Muito se tem falado sobre Qualidade de Vida, de como aplicá-la aos seus dias de forma a viver sua saúde física e mental em equilíbrio, de estar

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES NA EDUCAÇÃO ESPECIAL: O ATENDIMENTO AO ALUNO COM TRANSTORNO

Leia mais