Geografia 1. Aula 1. Formação Territorial e Geopolítica Brasileira. A escolha de quem pensa! 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Geografia 1. Aula 1. Formação Territorial e Geopolítica Brasileira. A escolha de quem pensa! 1"

Transcrição

1 Geografia 1 Aula 1 Formação Territorial e Geopolítica Brasileira 01. A figura a seguir, a despeito de apresentar a delimitação territorial atual do Brasil, representa a formação espacial colonial-escravista brasileira na passagem do século XVIII para o século XIX, momento fundamental para a compreensão da formação territorial do Brasil. A figura delimita as diversas atividades econômicodemográficas, do que resulta um dado arranjo espacial. 03. A ação lusitana, nos primeiros séculos de colonização, foi decisiva para a formação de um país de grande extensão territorial que foi, gradativamente, absorvendo o espaço conquistado, mediante tratados sucessivos Tordesilhas, Madri e Santo Ildefonso para efetivar esta territorialização à proporção que a população crescia e que os meios de comunicação e de transporte permitiam. (ANDRADE, M. C. A questão do território no Brasil. Ipesp/Hucitec: São Paulo/Recife, 1995.) Essa citação destaca a expansão do território do Brasil, que inicialmente compreendia apenas o território situado a leste da linha de Tordesilhas. Explique os principais processos que proporcionaram tal expansão. a) Relacione as áreas de pecuária, no final do século XVIII, aos biomas existentes no Brasil. b) A expansão da atividade pecuária pelo território esteve vinculada também ao tropeirismo. Descreva o papel da atividade pecuária e do tropeirismo na constituição do território brasileiro. 02. Uma divisão regional é fruto de teorias e métodos utilizados para a regionalização. Ela apresenta uma espécie de fotografia do estágio da organização do espaço geográfico nacional feita a partir das lentes dessas teorias e desses métodos. Com base nesse fragmento e nos mapas a seguir, apresente as diferenças entre as regionalizações estabelecidas para o Brasil por Milton Santos (1999), IBGE (1988) e Pinchas Geiger (1964), identificando os critérios (naturais, econômicos e/ou sociais) utilizados pelos autores. 04. Leia a seguir o trecho da música Tropicália, de Caetano Veloso (1968). A seguir responda às questões: Sobre a cabeça os aviões Sob os meus pés os caminhões Aponta contra os chapadões Meu nariz. Eu organizo o movimento Eu oriento o carnaval Eu inauguro o monumento no planalto central do país. a) O movimento tropicalista, do qual Caetano Veloso foi um representante, traça um retrato cantado do Brasil. Segundo algumas interpretações, na música Tropicália o autor contesta a ideologia que dominava o pensamento político do Brasil, principalmente entre as décadas de 1930 e 1960, mostrando as contradições da modernização subdesenvolvida do Brasil. A que fatos se referem os versos segundo e sétimo do trecho da música Tropicália acima reproduzida? A escolha de quem pensa! 1

2 b) Brasília, inaugurada em 1960, completa 50 anos em A sua construção no Planalto Central era um velho sonho do Estado brasileiro desde o Império. Aponte duas justificativas para a construção de Brasília. 05. Leia o trecho a seguir e responda às questões: O Brasil faz fronteira com dez países da América do Sul, entre os doze existentes, o que reforça o caráter estratégico dessa área para a competitividade do país e para a integração do continente. Mas, grande parte das regiões de fronteira está isolada dos centros nacionais, quer pela ausência de redes de transportes e de comunicação, quer pelo peso político e econômico menor que possui. Na escala local-regional, o meio geográfico que melhor caracteriza a zona de fronteira é aquele formado pelas cidades gêmeas nos limites entre os países. Essas cidades gêmeas apresentam fluxos transfronteiriços com elementos comuns, que geram interações. (Adaptado de Lia Osório Machado, Estado, territorialidade, redes: cidades gêmeas na zona de fronteira sul-americana em Maria Laura Silveira (org.), Continente em chamas: globalização e ter ritório na América Latina. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005, p. 258; e do Programa de Desenvolvimento de Faixa de Fronteira. Brasília: Ministério da Integração Nacional em: fronteira. Acesso em: 12 out ) a) Comente, sucintamente, dois elementos incentivadores de fluxos transfronteiriços entre cidades gêmeas. b) Aponte dois projetos nacionais elaborados entre as décadas de 1980 e 1990 que podem ser considerados como estratégicos para a manutenção das fronteiras brasileiras. 06. O Centro-Oeste foi a região brasileira que mais sofreu alterações em seus limites territoriais com a criação de novas unidades da Federação na segunda metade do século XX, tais como a instalação do Distrito Federal (1960), a criação dos estados de Mato Grosso do Sul (1979) e do Tocantins (1988). Considerando o fato mencionado, a) exponha uma razão que justifique a escolha da Região Centro-Oeste para sediar a capital federal; b) qual o bioma que foi recortado em razão da divisão do estado do Mato Grosso? 07. Com base no mapa e em seus conhecimentos: a) Analise os principais fluxos de turistas pelo mundo, relacionando-os com aspectos da Divisão Internacional do Trabalho. b) Faça uma análise sobre a posição do Brasil na distribuição dos fluxos internacionais de turistas. 08. O estado do Rio de Janeiro atual é o resultado de uma engenharia geopolítica que marcou a vida políticoadministrativa do Brasil nos últimos 50 anos e, mais especificamente, a dos habitantes do Rio de Janeiro. A partir da afirmação acima, a) identifique DUAS novas configurações políticoterritoriais no espaço brasileiro relacionadas com a transferência da capital do Brasil para Brasília em b) descreva sucintamente a transformação políticoterritorial ocorrida no Sudeste brasileiro com a fusão dos estados da Guanabara e Rio de Janeiro, em Desde o fim dos governos militares, a América do Sul tem tido um dos mais baixos gastos militares no mundo. Mas o fim das crises econômicas que assolaram o subcontinente entre os anos 1997 e 2000 propiciou condições financeiras para a reemergência de projetos das Forças Armadas e o crescimento dos orçamentos militares para a segurança e defesa em diversos países da região. (Adaptado de Rafael Duarte Villa, Corrida armamentista ou modernização de armamentos na América do Sul: estudo comparativo dos gastos militares. Estudos e Cenários, dez. 2008, p Disponível em e Acesso em 25/10/2010.) a) De quais assuntos se ocupa a agenda de segurança e defesa dos governos nacionais? b) Quais as principais motivações para a modernização das Forças Armadas por parte dos países sulamericanos? 10. A inserção atual do Brasil no sistema mundo coloca-o diante da instabilidade da economia mundial e provoca conflitos entre as unidades federativas. Essa condição dificulta a gestão em escala nacional e local. Tendo em vista essa situação, a) apresente um fator da economia mundial que gera a instabilidade na escala nacional; b) explique nesse contexto o que é guerra fiscal. 11. A maior integração da Amazônia Legal à economia brasileira está baseada na estruturação de um sistema de circulação, envolvendo, principalmente, hidrovias e rodovias, conforme esquema abaixo. 2 A escolha de quem pensa!

3 13. Analise os mapas a seguir. Com base nos mapas A e B, explique os critérios de regionalização adotados para o Brasil. Com base nesse esquema e em seus conhecimentos, identifique o eixo a) hidroviário A e analise sua relação com os mercados interno e externo. b) rodoviário B e analise a polêmica em torno da pavimentação dessa rodovia, considerando um impacto ambiental e um social. 12. Durante o Estado Novo ( ), foi criado o Conselho Nacional de Geografia, que deu origem ao Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, IBGE. Uma das atribuições do IBGE era produzir estatísticas básicas sobre a população brasileira, por meio de Censos. Também caberia ao Instituto produzir informações cartográficas, bem como propor e instituir uma regionalização do território brasileiro. As figuras a seguir dizem respeito a dois momentos históricos da regionalização do território brasileiro. Pergunta-se: 14. A história da ocupação do território brasileiro caracterizou-se pela existência de um conjunto de atividades produtivas primário-exportadoras distribuídas em regiões distintas. Com o avanço da industrialização, após 1930, ocorreu gradativa integração do território nacional. Com relação a essas considerações, a) explique um fator econômico-político que dificultava a integração do mercado nacional na Primeira República; b) apresente e analise uma das medidas políticas implementadas pelo governo de Juscelino Kubitschek com o intuito de promover a integração territorial. 15. APESAR DA FALTA DE VERBAS, CALHA NORTE É AMPLIADO BRASÍLIA. O governo decidiu ampliar a presença militar na Região Norte do país. O Presidente Lula, atendendo a pedido do Ministro da Defesa aumentou a área de atuação do Programa Calha Norte, criado em O número de municípios atingidos pelo programa saltará de 74 para 151. A linha de fronteira incluída no Calha Norte aumentará de quilômetros para cerca de 11 mil quilômetros. A área total do Calha Norte será de 2,5 milhões de quilômetros quadrados, que representam 25,6% do território nacional. Com base na reportagem acima, cite: (Adaptado de O Globo, 10/01/2003) a) dois objetivos do governo brasileiro ao ampliar o Programa Calha Norte; b) dois fatores, ligados à organização espacial da região, que dificultam a eficácia do Programa. Gabarito a) Qual o principal critério utilizado para instituir a regionalização do território brasileiro em 1940? Qual a principal finalidade do Estado brasileiro ao regionalizar o seu território? b) Em 1988 o Estado de Tocantins foi criado. Tocantins foi desmembrado de qual Estado? Por que ele foi inserido na região Norte do Brasil? 1. a) São destacadas áreas de criação pecuária, a Campanha Gaúcha, nos Pampas, Triângulo Mineiro em área de Cerrado, Mato Grosso, Ilha de Marajó e em áreas alagáveis e Sertão Nordestino. b) A demanda por animais de tração e para a alimentação associada ao vazio populacional do Brasil foram aspectos que facilitaram a criação nessas inúmeras áreas. Na época, os deslocamentos das áreas de criação para as áreas de emprego ou consumo eram feitos a toque com boiadeiros e tropeiros que rasgavam o território tocando os animais. 3. A Divisão Regional proposta por Pedro Pinchas Geiger considera aspectos naturais e socioeconômicos, podendo ser caracterizada como a mais dinâmica. Nela temos a Amazônia, o Nordeste e o Centro Sul, caracterizada como a principal concentração econômica, financeira, social, cultural, A escolha de quem pensa! 3

4 populacional, infraestrtural brasileira. A Divisão Regional do IBGE coloca o país em 5 regiões geoeconômicas com características peculiares. O sistema considera os estados existentes, seus limites correspondem às divisas estaduais. É formada pelas regiões Norte, Nordeste, Centro-Oeste, Sudeste e Sul. A Divisão Regional proposta por Milton Santos destaca uma região concentrada caracterizada pela concentração de ciência, tecnologia e informação, determinantes no processo de ocupação do espaço, sendo formada pela Amazônia, Nordeste, Centro-Oeste e Concentrada. 4. a) O segundo verso da canção faz referência à opção pelo transporte rodoviário(após a chegada das montadoras de automóveis) como forma de integração do território. No sétimo verso, à inauguração de Brasília, ocorrida em b) Justificativas simbólicas: promover o progresso e a modernidade da sociedade brasileira, legitimar a centralização e a segurança nacional. Justificativas políticas: deslocar o centro de decisões políticas para longe dos centros econômicos; diminuir os riscos de conturbações socioeconômicas. Justificativas econômicas: promover a integração territorial nacional, facilitar a ligação e o deslocamento entre o litoral e o interior, diminuir os desequilíbrios socioeconômicos regionais, abertura de novas possibilidades econômicas através de projetos para a captação de recursos e desenvolvimento tecnológico e favorecer as migrações. 5. a) São elementos incentivadores dos fluxos transfronteiriços entre cidades gêmeas: - a busca por colocação profissional (oferta diferenciada de postos de trabalhos para funções principalmente de baixa qualificação); - a circulação de capitais (oportunidades mais rentáveis de remuneração, lavagem de dinheiro); - terra e outros recursos naturais (preço diferenciado desses recursos); - busca por melhores condições de vida, ou seja, por serviços coletivos (saúde e educação, por exemplo). b) Projeto Calha Norte (1982), de caráter defensivo, que previa a ocupação militar na faixa de fronteira com países do Norte da América do Sul tendo por base o eixo rodoviário da Perimetral Norte e o projeto Sivam (Sistema de Vigilância da Amazônia) ao longo dos anos a) As razões que justificam a escolha da Região Centro- Oeste para sediar a capital federal são: posição geográfica da região situada no centro do país, facilitando a interligação da capital com as demais regiões e expansão das atividades econômicas modernas no interior do Brasil; interiorização da Capital Federal para integrar o sertão e o litoral; interiorização da Capital Federal por motivos de segurança nacional contra inimigos externos e internos; incremento da economia do interior do país e do povoamento da Região Centro Oeste; disponibilidade de áreas planas com abundância de recursos hídricos para atender à demanda da população; preocupação estratégica visando à ocupação da Amazônia; preocupação estratégica contra invasões casadas por conflitos internacionais. b) O bioma que foi recortado com a divisão do Estado de Mato Grosso foi o Pantanal. 7. a) No vácuo deixado pelo fim do emprego industrial, o turismo constitui-se em um dos setores mais importantes com potencial de geração de emprego e atividades capazes de produzir oportunidades de ganho. No Brasil, apesar do crescimento visto nos últimos anos, a atividade ainda é subutilizada em todo seu potencial. Vantagens como taxas de câmbio favoráveis, clima, beleza cênica e hospitalidade, são contrapostas por problemas complexos cuja solução depende muito de vontade política. Infraestrutura de transporte e principalmente aeroportuária saturada, país monoglota, falta de segurança, cidades excessivamente congestionadas, são alguns aspectos negativos. Os maiores fluxos de turismo estão no hemisfério norte entre os EUA, a Europa Ocidental e o Japão (82%) e podem ser associados ao fato de se constituírem nos países mais ricos do mundo. A França é o país que mais recebe turistas no mundo, vindos principalmente dos EUA e do Japão. b) O Brasil ocupa posição secundária no turismo recebendo principalmente contingentes de europeus que dão destaque para a Amazônia e centros históricos. Com o aumento da classe média, melhor acesso ao crédito e o Real apreciado, existe um aumento das viagens de brasileiros para o exterior. 8. a) Com a construção de Brasília, foi definido (1) um novo Distrito Federal no Planalto Central brasileiro, e o antigo Distrito Federal, (2) a cidade do Rio de Janeiro e o seu município, foram elevados à categoria de unidade da federação, tornando-se o estado da Guanabara ( ). b) Com a fusão dos antigos estados da Guanabara e Rio de Janeiro, em 1975, a cidade/município do Rio de Janeiro perdeu a sua condição de unidade federativa (não era mais um estado da federação) e passou a ter uma nova posição político-administrativa: ser a capital do atual estado do Rio de Janeiro. 9. a) Estados nacionais, em geral possuem forças armadas para tratar de assuntos relacionados à segurança nacional, seja com projeção interna ou externa, soberania, defesa civil, integração nacional e segurança institucional. A vigilância de fronteiras é parte importante do processo. b) A complexidade crescente das relações internacionais impõe necessidades de ordem estratégicas que podem ser expressas por acordos diplomáticos e por posições militares. Uma vez que as forças armadas são subordinadas ao chefe do executivo, cabe ao Estado determinar o tamanho de seu Exército e dotá-lo de equipamentos e treinamento bem como seu papel na estabilidade e segurança interna e em relação aos países vizinhos e posturas internacionais de campo mais amplo. A modernidade tecnológica acaba se tornando estratégica e ao mesmo tempo fator limitante para países da América Latina, com economias subdesenvolvidas ou em desenvolvimento. 10. a) Apresentar um fator mundial que gera instabilidade do Brasil diante da inserção no sistema mundo, entre os indicados: - Oscilação cambial com valorização do Real; - As bolsas de valores e mercantis ficam mais vulneráveis; - Impacto de produtos importados mais baratos na economia interna. b) Guerra fiscal pode ser entendida, entre vários aspectos, como: - competição fiscal entre unidades federativas para atrair investimentos industriais, comerciais etc; - ofertas de melhores subsídios governamentais a empresas situadas em outros estados para que atuem em seus territórios; - garantia de investimentos públicos em infraestrutura nos estados para atrair empresas de outros estados. - pressões políticas no Congresso onde bancadas parlamentares tentam obter vantagens fiscais para seus estados. 11. Apesar dos desequilíbrios notáveis na matriz de transporte com o predomínio do modal rodoviário, nos últimos 16 anos tem ocorrido investimentos e expansão de outras modalidades como a ferrovia e o aeroviário. Um dos setores que mais cresceu no período, mesmo com dificuldades inerentes como relevo, distâncias e investimentos irregulares, foi a hidrovia fluvial. a) O eixo A é a hidrovia do rio Madeira, que se destaca pelo escoamento da soja plantada no noroeste do Brasil via rio Amazonas com destino aos portos da Europa e América do Norte. b) O eixo B é a rodovia BR-163, Cuiabá-Santarém, obra projetada no período dos governos militares como um dos 4 A escolha de quem pensa!

5 eixos de penetração e integração do território brasileiro, ligando a Amazônia ao restante do país. Exerce influência sobre o ganho de competitividade do agronegócio do Brasil Central escoando a produção até Belém, via Santarém. 12. a) A regionalização do espaço brasileiro, a partir de 1940, veio da necessidade de identificar os diferentes espaços existentes no país com seus respectivos potenciais de recursos e aspectos socioeconômicos, para promover uma melhor inserção no mercado nacional emergente. b) O estado do Tocantins, criado em 1988, desmembrou-se a partir do norte de Goiás. Passou a fazer parte da região Norte em função de interesses de ordem econômica que possibilitaram acesso aos incentivos fiscais da Sudam. 13. Mapa A - Divisão para fins estatísticos e de planejamento, segundo regiões homogêneas (física, econômica e humana), coincidindo com os limites dos estados. Mapa B - Não se atém aos limites estaduais, baseando-se principalmente em critérios socioeconômicos 14. a) Um fator econômico-político entre os indicados abaixo, além de outros: - a política econômica baseada na produção de bens primários, voltada para a exportação, dava pouca ênfase à atividade industrial e à formação de um mercado consumidor interno, que era obrigado a importar produtos e bens manufaturados; - a malha viária era insuficiente para a integração efetiva das diversas regiões, dificultando o transporte de bens e produtos e a consolidação de um mercado unificado; - as barreiras tarifárias interestaduais eram empecilhos à circulação de mercadorias e integração do mercado nacional; - o domínio político-econômico das oligarquias fundiárias dificultava o desenvolvimento de outras atividades produtivas que possibilitasse a integração regional. b) Uma das medidas políticas indicadas abaixo, além de outras: - a construção de Brasília, capital federal, consumiu grandes investimentos públicos, proporcionou o crescimento do processo migratório e retirou do isolamento regiões, outrora distantes do centro do poder político; - a criação da Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste (Sudene) foi uma das medidas adotadas pelo governo com a finalidade de promover o desenvolvimento e integração regional; - a construção de rodovias federais, iniciada ainda na fase de construção de Brasília, ligou a capital a várias regiões do país e estreitou as relações entre o centro dinâmico do país, São Paulo, às mais diversas áreas do território nacional; - o Plano de Metas, baseado nos estudos realizados pela Comissão Econômica para a América Latina (Cepal), visava ao desenvolvimento dos setores: de energia, de transporte, de alimentação, da indústria de base e da educação; - a implantação da indústria automobilística promoveu a expansão da malha viária que possibilitou maior integração territorial. Amparado na Instrução 113 da Superintendência da Moeda e do Crédito (Sumoc), o governo, direcionou os investimentos estatais do setor de bens de capital para o de bens de consumo duráveis, particularmente para esse tipo de indústria. 15. a) Dois dentre os objetivos: - evitar a ação de contrabandistas - combater a ação do narcotráfico - preservar a soberania nacional na exploração dos recursos naturais da região - evitar a atuação de grupos guerrilheiros dos países vizinhos, em particular da Colômbia b) Dois dentre os fatores: - rede urbana incompleta - redes de transporte precárias - baixa densidade demográfica - redes de comunicação insuficientes - floresta pluvial que dificulta a locomoção Aula 2 Relevo Brasileiro 01. Observe a figura a seguir: Em maio de 2008, um terremoto, de 7,8 graus na escala Richter, atingiu severamente a Província de Sichuan (China), matando milhares de pessoas. Em janeiro de 2009, um tremor de terra, de 6,2 graus, atingiu a Costa Rica, causando prejuízos materiais, além de ceifar vidas. Em setembro de 2009, tremores de terra, de 7,6 graus, atingiram a Indonésia, provocando mortes e danos materiais. Considerando o mapa, os fatos acima citados e seus conhecimentos, responda: a) Quais os principais fatores que geram atividades sísmicas no planeta? b) Por que, no Brasil, as atividades sísmicas são, predominantemente, de baixa intensidade? 02. O relevo do Planalto Central brasileiro, por sua constituição geológica e geomorfológica, possibilita o aproveitamento dos seus recursos naturais e facilita o desenvolvimento de atividades econômicas. Com base nesta afirmação, a) apresente duas características das formas desse relevo; b) explique um tipo de atividade econômica favorecida por essa forma de relevo. 03. Deslizamento sobre o túnel Rebouças A liberação do túnel Rebouças, no Rio de Janeiro, interditado desde a noite desta terça-feira (23), pode demorar uma semana. Grandes volumes de terra - num total de cerca de 6000 toneladas - deslizaram no local, segundo a Secretaria Municipal de Obras. A escolha de quem pensa! 5

6 a) apresente duas características das formas desse relevo; b) explique um tipo de atividade econômica favorecida por essa forma de relevo. 07. Observe a figura a seguir e responda às questões: Com base na notícia acima, apresente duas causas para a ocorrência de deslizamentos de encostas e duas medidas preventivas para impedir ou atenuar as consequências desse fenômeno. 04. O solo é um componente da paisagem formado por processos naturais contínuos, resultante da ação de diversos elementos, constituindo-se em importante recurso para várias atividades humanas. O uso inadequado de técnicas agrícolas e o desmatamento, em localidades com predominância de climas tropicais, contribuem para modificar as características dos solos. Considerando esse processo, a) diferencie o conceito de lixiviação do de laterização; b) explique a importância do plantio em curva de nível como uma técnica para a conservação dos solos. a) No perfil geológico-geomorfológico do Estado de São Paulo aparece representado o relevo de cuestas. O que é um relevo de cuestas e quais as suas principais características? b) O Rio Tietê tem suas nascentes no município de Salesópolis, no reverso da Serra do Mar, a aproximadamente 50 km do litoral, e tem a sua foz no rio Paraná. Quando adentra a Bacia Sedimentar do Paraná, o Rio Tietê corre concordante ao mergulho das rochas desta bacia. Por que, apesar de nascer próximo ao litoral, o Rio Tietê é afluente do Rio Paraná? Como são denominados os rios que têm o mesmo comportamento que o Rio Tietê no trecho da Bacia Sedimentar do Paraná? 08. Analise os dois perfis de solo a seguir. 05. Uma das definições de desenvolvimento sustentável é: o desenvolvimento capaz de suprir as necessidades da geração atual, sem comprometer a capacidade de atender às necessidades das futuras gerações. É o desenvolvimento que não esgota os recursos para o futuro. (Adaptado de /) a) O solo é um recurso fundamental para a subsistência da população mundial. Que práticas de conservação do solo podem garantir sua preservação para as gerações futuras? b) Segundo o INPE, nos últimos meses de novembro, dezembro e janeiro, foram registrados, na Amazônia Legal, 754 km² de desmatamentos por corte raso ou degradação progressiva. Indique o principal objetivo desse desmatamento e as consequências ambientais dessa ação. 06. O relevo do Planalto Central brasileiro, por sua constituição geológica e geomorfológica, possibilita o aproveitamento dos seus recursos naturais e facilita o desenvolvimento de atividades econômicas. Com base nesta afirmação, Identifique qual dos dois perfis é típico do semiárido nordestino brasileiro. Justifique sua resposta com base na noção de intemperismo. 09. Leia o texto a seguir: OS SERTÕES A Serra do Mar tem um notável perfil em nossa história. A prumo sobre o Atlântico desdobra-se como a cortina de baluarte desmedido. De encontro às suas escarpas embatia, fragílima, a ânsia guerreira dos Ca- 6 A escolha de quem pensa!

7 vendish e dos Fenton. No alto, volvendo o olhar em cheio para os chapadões, o forasteiro sentia-se em segurança. Estava sobre ameias intransponíveis que o punham do mesmo passo a cavaleiro do invasor e da metrópole. Transposta a montanha - arqueada como a precinta de pedra de um continente - era um isolador étnico e um isolador histórico. Anulava o apego irreprimível ao litoral, que se exercia ao norte; reduzia-o a estreita faixa de mangues e restingas, ante a qual se amorteciam todas as cobiças, e alteava, sobranceira às frotas, intangível no recesso das matas, a atração misteriosa das minas... Ainda mais - o seu relevo especial torna-a um condensador de primeira ordem, no precipitar a evaporação oceânica. Os rios que se derivam pelas suas vertentes nascem de algum modo no mar. Rolam as águas num sentido oposto à costa. Entranham-se no interior, correndo em cheio para os sertões. Dão ao forasteiro a sugestão irresistível das entradas. A terra atrai o homem; chama-o para o seio fecundo; encanta-o pelo aspecto formosíssimo; arrebata- -o, afinal, irresistivelmente, na correnteza dos rios. Daí o traçado eloquentíssimo do Tietê, diretriz preponderante nesse domínio do solo. Enquanto no S. Francisco, no Parnaíba, no Amazonas, e em todos os cursos d água da borda oriental, o acesso para o interior seguia ao arrepio das correntes, ou embatia nas cachoeiras que tombam dos socalcos dos planaltos, ele levava os sertanistas, sem uma remada, para o rio Grande e daí ao Paraná e ao Paranaíba. Era a penetração em Minas, em Goiás, em Santa Catarina, no Rio Grande do Sul, no Mato Grosso, no Brasil inteiro. Segundo estas linhas de menor resistência, que definem os lineamentos mais claros da expansão colonial, não se opunham, como ao norte, renteando o passo às bandeiras, a esterilidade da terra, a barreira intangível dos descampados brutos. Assim é fácil mostrar como esta distinção de ordem física esclarece as anomalias e contrastes entre os sucessos nos dous pontos do país, sobretudo no período agudo da crise colonial, no século XVII. Enquanto o domínio holandês, centralizando- -se em Pernambuco, reagia por toda a costa oriental, da Bahia ao Maranhão, e se travavam recontros memoráveis em que, solidárias, enterreiravam o inimigo comum as nossas três raças formadoras, o sulista, absolutamente alheio àquela agitação, revelava, na rebeldia aos decretos da metrópole, completo divórcio com aqueles lutadores. Era quase um inimigo tão perigoso quanto o batavo. Um povo estranho de mestiços levantadiços, expandindo outras tendências, norteado por outros destinos, pisando, resoluto, em demanda de outros rumos, bulas e alvarás entibiadores. Volvia-se em luta aberta com a corte portuguesa, numa reação tenaz contra os jesuítas. Estes, olvidando o holandês e dirigindo-se, com Ruiz de Montoya a Madri e Díaz Taño a Roma, apontavam-no como inimigo mais sério. De feito, enquanto em Pernambuco as tropas de van Schkoppe preparavam o governo de Nassau, em São Paulo se arquitetava o drama sombrio de Guaíra. E quando a restauração em Portugal veio alentar em toda a linha a repulsa ao invasor, congregando de novo os combatentes exaustos, os sulistas frisaram ainda mais esta separação de destinos, aproveitando-se do mesmo fato para estadearem a autonomia franca, no reinado de um minuto de Amador Bueno. Não temos contraste maior na nossa história. Está nele a sua feição verdadeiramente nacional. Fora disto mal a vislumbramos nas cortes espetaculosas dos governadores, na Bahia, onde imperava a Companhia de Jesus com o privilégio da conquista das almas, eufemismo casuístico disfarçando o monopólio do braço indígena. (EUCLIDES DA CUNHA. Os sertões. Edição crítica de Walnice Nogueira Galvão. 2 ed. São Paulo: Editora Ática, 2001, p ) No texto, Euclides da Cunha refere-se à Serra do Mar. Observe o mapa. Identifique a unidade geomorfológica onde se insere a Serra do Mar, justificando as palavras do autor - era um isolador étnico e um isolador histórico. 10. Rochas são agregadas naturais de grãos de um ou mais minerais. São formadas por diferentes processos, podendo ser classificadas como sendimentares, metamórficas e magmáticas. A partir dessas afirmações, responda: a) Quais são as principais diferenças entre as rochas sedimentares e as magmáticas? b) Como se forma uma rocha metamórfica? c) No Brasil, entre o Jurássico e o Cretáceo, houve o surgimento de vários diques de diabásio com direção NW, além de campos de derrames basálticos. A que podemos relacionar o aparecimento de tais diques e derrames basálticos? 11. Sobre os estudos dos solos, responda aos itens a seguir. a) O desenvolvimento de um solo resulta do equilíbrio entre vários fatores. Indique quatro fatores que detêm um papel importante para a formação do solo. b) Um perfil esquemático de solo completo e bem desenvolvido possui os horizontes denominados de horizontes principais, que são sequenciados da superfície para a profundidade e identificados simbolicamente pelas letras maiúsculas O, A, E, B, C. Pontue as principais características dos horizontes que correspondem às letras O, A e C. c) No Estado do Ceará, a grande maioria dos solos encontra-se sob a predominância do clima semiárido, embora ocorram exceções. Aponte as principais características dos solos nos tabuleiros costeiros cearenses. A escolha de quem pensa! 7

8 12. Observe a figura a seguir e faça o que se pede: Unidades do Relevo Brasileiro c) Por que muitos assentamentos humanos foram historicamente desenvolvidos nas várzeas dos rios? 15. RIQUEZA SUBTERRÂNEA O Aquífero Guarani é o maior reservatório de água doce da América do Sul, com 45 quatrilhões de litros. Fonte: Adaptado de ROSS, J.L.S (org). Geografia do Brasil. São Paulo: Edusp, 1995, p. 53 a) Quais as unidades de relevo representadas na figura pelos números 3 e 26? b) Cite duas características físicas de cada uma delas. 13. Analise os perfis 1, 2 e 3. Observe o mapa. Fonte: Ministério do Meio Ambiente. (Adaptado de Jornal do Brasil, 06/08/2000.) A figura acima representa o maior reservatório de água doce da América do Sul. A sua formação ocorreu em determinado tipo de terreno e, mais tarde, através de derrames, foi criado uma espécie de tampão que cobriu o aquífero, contribuindo para a boa qualidade de suas águas. Identifique o tipo de rocha que cobriu o aquífero e a estrutura geológica da sua formação. Gabarito a) Relacione cada perfil aos traçados identificados, no mapa, com as letras a, b e c. b) Considerando a altitude, destaque a principal diferença entre eles. 14. O entendimento do relevo é fundamental para solucionar os problemas relativos à expansão dos sítios urbanos. (Jurandyr L. S. Ross, Geomorfologia, ambiente e planejamento, São Paulo, Contexto, 1990, p. 18.) Considerando a afirmação e a figura anterior, responda: a) Quais são as três diferentes formas de relevo apresentadas na figura? b) Que unidades de relevo não são propícias à urbanização? Justifique sua resposta. 1. a) As ocorrências de atividades sísmicas relacionamse aos deslocamentos de placas tectônicas. As placas tectônicas podem se deslocar basicamente de três formas: convergência, divergência e/ou transcorrência formando correntes magmáticas, resultantes de forças endógenas. São movimentos lentos e que acabam acumulando enormes quantidades de energia que periodicamente eclodem em ondas de choque resultando em terremotos ou, quando no leito marinho, em tsunamis (ondas gigantescas), para depois se acomodarem e reiniciarem o processo. b) Qualquer área da crosta terrestre está sujeita a atividades sísmicas. A diferença está em sua intensidade. O território brasileiro encontra-se sobre a placa tectônica Sul-Americana na porção centro-leste em área de terrenos muito antigos, Pré-Cambrianos ou Arqueo-Proterozoico, consolidados sobre escudos cristalinos espessos que absorvem a pressão interna mais intensa, deixando surgir à superfície apenas os eventos de baixa magnitude. O Brasil fica distante da região de contato entre a placa Sul-Americana e a placa de Nazca com frequentes sismos de grande intensidade (Círculo do Fogo). 2. a) O relevo regional é caracterizado pela presença de formações residuais como as chapadas com pequena variação altimétrica e alinhamentos serranos. b) A forma de relevo residual: - Não oferece muitos obstáculos às atividades agropecuárias, principalmente quanto à mecanização - Atividades de lazer, turismo e ecoturismo em terrenos montanhosos e serranos. 8 A escolha de quem pensa!

9 3. Duas das causas: solos com baixa infiltração. retirada da cobertura vegetal. acúmulo de lixo nas encostas. ocupação irregular de encostas. elevada inclinação das encostas. chuvas intensas e/ou de grande duração/altura. Duas das medidas: educação ambiental. recolhimento de lixo. uso de sistemas de alerta. reflorestamento de encostas. fiscalização da ocupação de encostas. implantação de programas de habitação popular. remoção da população de áreas com risco de deslizamento. realização de obras de contenção tecnicamente mais adequadas. 4. a) A lixiviação pode ser descrita como um processo de lavagem horizontal e vertical dos solos pelas águas correntes (chuvas) onde as camadas de solo são carreadas e depositadas em corpos hídricos. A laterização é a formação de crosta ferruginosa ou canga laterítica a partir de hidratação e oxidação de elementos minerais com formação de hidróxido de ferro, resultando uma camada endurecida na superfície do solo. b) O plantio em curvas de nível altimétrico é uma técnica de conservação de solos, dificultando a erosão a partir da diminuição da velocidade de escoamento da água ajudando na retenção do solo. 5. a) Atualmente a sustentabilidade na agricultura aparece cada vez mais nos processos de agricultura orgânica com uso de sementes especiais, não uso de agrotóxicos, adubos orgânicos obtidos na propriedade a partir de biodigestores, além de práticas consagradas como: rotação de culturas, plantio em curvas de nível, terraceamento, implementos agrícolas mais leves, redução de queimadas. b) O principal objetivo do desmatamento em corte raso é a abertura de clareiras para a agropecuária, extração de madeira, áreas de produção mineral, infraestrutura de transporte e hidroeletricidade. As principais consequências são: redução de biodiversidade com extinção de espécies em casos extremos, degradação do solo, erosão, assoreamento dos rios,alteração microclimática e do ciclo hidrológico, emissão de gás carbônico, aquecimento global. 6. a) O relevo regional é caracterizado pela presença de formações residuais como as chapadas com pequena variação altimétrica e alinhamentos serranos. b) A forma de relevo residual: - Não oferece muitos obstáculos às atividades agropecuárias, principalmente quanto à mecanização - Atividades de lazer, turismo e ecoturismo em terrenos montanhosos e serranos. 7. a) Trata-se de uma forma de relevo resultante de sucessão alternada de camadas rochosas que se inclinam numa determinada direção, formando uma linha frontal (front) com declividade acentuada e reverso com declive suave. b) O rio Tietê nasce em reverso de relevo soerguido na Serra do Mar com inclinação para o interior do território, com suas águas escoando em direção à calha do rio Paraná, seu nível de base referencial. São chamados rios consequentes pois atravessam as cuestas na direção do mergulho das camadas. 8. O perfil A é típico do semiárido nordestino. Devido à escassez de chuvas, a ação do intemperismo químico é limitada, o que faz com que o intemperismo físico seja o principal agente de formação do solo. Em consequência, o horizonte A (solo arável) é pouco profundo e se apoia diretamente sobre a rocha-mãe. 9. Trata-se do Planalto Oriental ou Atlântico, caracterizado por rochas cristalinas. A frase era um isolador étnico e um isolador histórico, presente no texto, refere-se às dificuldades de transposição da Serra do Mar, uma escarpa de declividade acentuada, variando de 800 a 1000 m de altitude, que isolava étnica e historicamente o planalto da baixada santista. 10. a) As principais diferenças estão em seus processos de formação. As rochas sedimentares resultam da ação de desgaste e deposição de grãos de rochas pré-existentes, sendo também mais friáveis. As magmáticas, com maior grau de dureza, surgem a partir da consolidação de material piroclástico, ígneo, do início da formação da Terra. b) A rocha metamórfica é o produto da transformação de rochas pré-existentes a partir de alterações químicas de suas estruturas, resultantes da pressão do edifício geológico e do grau geotérmico, que provocam metamorfismo na rocha. c) O surgimento dos diques de basalto e diabásio está relacionado ao deslocamento da placa tectônica sulamericana que, ao se descolar afastando-se da placa africana, derivou para oeste, resultando na fragmentação do embasamento cristalino. O fendilhamento resultante do processo favoreceu a emergência de rocha liquefeita do interior da Terra, originando os derrames de basalto que solidificados passaram pelo processo de erosão, transformando-se no solo terra-roxa nas bordas da Bacia Sedimentar do Paraná. 11. a) estão corretas as respostas: rocha mãe, matéria orgânica, clima, relevo e tempo. b) O = horizonte orgânico; A = horizonte mineral com acúmulo de húmus; C = material inconsolidado de rocha alterada em processo de intemperismo. c) nos tabuleiros costeiros ocorrem solos derivados de sedimentos da Formação Barreiras, que caracterizam-se como: profundos e muito profundos; argilo-arenosos e arenosos; de baixa fertilidade natural. 12. a) Unidade 3: Planaltos e Chapadas da Bacia Sedimentar do Paraná. Unidade 26: Planície do Pantanal (Mato-Grossense) b) Unidade 3: Planaltos sedimentares, rochas vulcânicas. Unidade 26: Planície fluvial, cheias de verão 13. a) 1 - c / 2 - b / 3 - a b) Perfil 1 - predomínio de planaltos de faixa dos 900 m de altitude. Perfil 2 - depressões relativas. Perfil 3 - planícies e terras baixas, baixos platôs. 14. a) São elas: - planície. - planaltos. - montanhas. b) Os planaltos: topo relativamente plano, difícil inundação, poucas possibilidades de deslizamentos. c) Áreas de maior risco, desvalorizadas do ponto de vista dos imóveis. 15. Rocha vulcânica - bacia sedimentar. A escolha de quem pensa! 9

10 Aula 3 Clima Brasileiro 01. Desertificação, segundo a Convenção das Nações Unidas de Combate à Desertificação, é a degradação generalizada da terra nas regiões áridas, semiáridas e subúmidas secas, resultante de vários fatores, entre eles as variações climáticas e as atividades humanas. Sobre esse tema, responda o que se pede a seguir. a) Mencione uma atividade humana responsável pela desertificação. b) Cite uma consequência do processo de desertificação para o meio natural. c) Cite um problema social resultante da desertificação. d) Identifique o segmento do território cearense que apresenta maior susceptibilidade à desertificação. 02. Cidades disputam Copa de extremos O mundial de futebol de 2014 deve ser o mais difícil em termos climáticos e de logística da história do campeonato. Observe o esquema a seguir, com um possível itinerário de uma seleção de futebol participante da Copa do Mundo no Brasil. A partir dessa análise e considerando outros conhecimentos sobre o assunto, a) IDENTIFIQUE o sistema atmosférico indicado, nessa carta, pela seta. b) EXPLIQUE de que modo se forma esse tipo de sistema atmosférico. c) IDENTIFIQUE dois fenômenos meteorológicos possivelmente resultantes da passagem desse sistema atmosférico sobre o sul do Estado de Minas Gerais. 04. Leia o fragmento e observe o gráfico que segue. O tempo refere-se ao estado momentâneo da atmosfera em dado instante e lugar, enquanto o clima diz respeito à série dos estados atmosféricos acima de um lugar em sua sucessão habitual, durante um longo período. MENDONÇA, Francisco; DANNI-OLIVEIRA, Inês Moresco. Climatologia: noções básicas e climas do Brasil. São Paulo: Oficina de Textos, [Adaptado]. Tendo em vista as características naturais do território brasileiro, explique as diferenças de temperatura verificadas entre Manaus e Porto Alegre e as diferenças de pluviosidade entre Brasília e Rio de Janeiro. 03. Analise esta carta sinótica da América do Sul, em que está indicado, por uma seta, um sistema atmosférico: Com base na leitura do texto e na interpretação do gráfico, a) apresente e explique um dos fatores geográficos responsáveis pela determinação desse tipo climático; b) explique a relação existente entre a temperatura e a pluviosidade durante o verão. 05. As figuras a seguir apresentam os mapas com a atuação das massas de ar no inverno e no verão brasileiros e o climograma da cidade de Cuiabá. 10 A escolha de quem pensa!

11 a) O que são frentes? b) Dê o nome das massas responsáveis pela formação das frentes frias que atingem o Rio de Janeiro e apresente suas principais características. 09. Os mapas adiante representam o comportamento das massas de ar no verão e inverno brasileiros: De acordo com a atuação das massas de ar equatorial continental, tropical atlântica e polar atlântica, justifique as variações da temperatura e da pluviosidade do clima de Cuiabá. 06. O El Niño é um fenômeno decorrente de um processo natural, envolvendo os sistemas atmosférico e oceânico. A sua ocorrência implica em diferentes tipos e níveis de impactos em diversas regiões do planeta. Tendo o El Niño como referência, apresente uma consequência socioambiental decorrente da influência desse fenômeno para a população na região Sul do território brasileiro e explique por que esse fenômeno causa a consequência apresentada. 07. Compare os gráficos apresentados e, a seguir, faça o que se pede. (SENE, E. de; MOREIRA, J. C. Geografia Geral e do Brasil: espaço geográfico e globalização. São Paulo: Scipione, 1998.) Com base na leitura dos mapas e em seus conhecimentos, responda: a) Qual é a massa de ar responsável pela queda de temperaturas observada durante o inverno nas regiões Sul e Sudeste do Brasil? b) Qual é a massa de ar que mais atua no território brasileiro no verão? c) Compare a atuação da Massa de Ar Equatorial Continental (mec) no verão e no inverno brasileiros. 10. Nas épocas de estiagem, a dispersão de poluentes é dificultada e a qualidade do ar piora muito na cidade de São Paulo, afetando, consideravelmente, a saúde das pessoas. a) Identifique e nomeie os climas apresentados nos gráficos. b) Caracterize os dois tipos climáticos apresentados. 08. Não raro, a temperatura no Rio de Janeiro cai bruscamente em função da chegada de frentes frias. Analise o gráfico sobre o número acumulado de inversões térmicas, de 1985 a 2003, e a) defina o fenômeno meteorológico denominado inversão térmica. b) explique a tendência de ocorrência desse fenômeno na cidade de São Paulo, no período analisado. 11. Leia o texto a seguir e responda. A poluição do ar provoca doenças respiratórias no ser humano, deteriora prédios e monumentos históricos, afeta a vida das plantas, animais e até mesmo os cinturões verdes de abastecimento dos grandes centros urbanos. Adap. ALMEIDA, L. M. A. de; RIGOLIN, T. B. Geografia. São Paulo: Ática, p.174. A escolha de quem pensa! 11

12 Aponte dois exemplos de problemas que agravam a poluição do ar em escalas locais ou regionais, principalmente nas cidades. 12. Os mapas a seguir representam a situação das massas de ar que atuam no Brasil no solstício de verão e no solstício de inverno. Observe e faça o que se pede: a) Qual a massa de ar cuja atuação é intensificada nas estações de outono/inverno no sudeste brasileiro? b) Por que razão há uma tendência para o aumento do número de óbitos nas estações de outono/inverno na cidade de Rio Claro? c) Quais os tipos de tempo que a massa de ar mencionada acima proporciona? Como eles podem contribuir para o aumento do número de óbitos? 14. O gráfico a seguir retrata a distribuição das temperaturas e precipitações médias mensais de Barra (BA). Adaptado de Marcos de Amorim Coelho e Nilce Bueno Soncin. Geografia do Brasil. São Paulo: Editora Moderna, 1985, p.48 e 50. a) Durante o inverno, por que a massa polar consegue atingir mais facilmente a região amazônica? b) Por que a massa tropical continental é atuante no Brasil apenas no verão? c) Na Zona da Mata nordestina, por que as chuvas concentram-se no solstício de inverno? 13. Rio Claro, cidade de porte médio do interior do estado de São Paulo, apresenta alguns problemas relacionados à poluição urbana. A partir dessas informações e dos gráficos a seguir, responda: Gráfico 1: Variação Semestral das Temperaturas médias e dos óbitos na cidade de Rio Claro-SP (Outubro/Inverno Outubro/Inverno 1997) Gráfico 2: Variação Semestral das Temperaturas médias e inalações na cidade de Rio Claro-SP (Outono/Inverno Outono/Inverno 1997) (Fonte: E. Nimer. Climatologia da Região Nordeste do Brasil: introdução à climatologia dinâmica. REVISTA BRASILEIRA DE GEOGRAFIA. Rio de Janeiro, IBGE, 34(2), 1972, p. 46.) a) Qual é o tipo climático representado e sua principal área de ocorrência? b) Descreva os principais aspectos térmicos e pluviométricos do tipo climático representado. c) Qual é a formação vegetal que aparece associada a este tipo climático? 15. Boletim do Tempo para o Brasil Válido para 07 de abril de segunda A semana começa com chuva em quase todo o país. A frente fria que há alguns dias está no Sudeste, hoje, deixa o tempo instável e com chuva, chuviscos e trovoadas em SP, RJ, MG, ES, DF, GO, MS e MT. No Norte e Nordeste, devido ao calor e à umidade, há um aumento da nebulosidade e, à tarde, ocorrem pancadas de chuva e trovoadas isoladas. No Sul, uma massa de ar frio de origem polar deixa o tempo ensolarado e com temperaturas baixas. O Sol aparece com poucas nuvens na BA, SE e AL. A temperatura mínima fica em torno de 6 C nas serras gaúchas e catarinenses, e a máxima atinge 37 C no norte da BA e de RR. (www.infotempo/uol.com.br) A partir das informações sobre o tempo, a) indique quatro elementos do clima; b) explique como a latitude interfere no clima. Gabarito (Adaptado de Agnelo W. S. Castro, Clima urbano e saúde: as patologias do aparelho respiratório associadas aos tipos de tempo de inverno, em Rio Claro-SP. Rio Claro: UNESP/IGCE, Tese de Doutoramento, 2000). 1. a) A exploração tradicional e de baixo nível tecnológico dos recursos em áreas secas e pobres, as mais suscetíveis à desertificação, tem levado ao virtual esgotamento da biodiversidade. A pecuária extensiva exerce grande pressão 12 A escolha de quem pensa!

13 sobre a vegetação nativa, tanto pela eliminação das plantas como pela compactação do solo devido ao pisoteio, mudando a composição florística da vegetação nativa e permitindo a difusão de espécies invasoras sem valor ecológico. Por outro lado, a agricultura tradicional de sequeiro com as culturas de milho, feijão e arroz são bastante exigentes em solo e água, promovendo o esgotamento rápido dos solos, a agricultura itinerante e a rotação de terras. Além disso, muitas áreas são deixadas em pousio já em estado de degradação avançada, agravando os problemas de perda de solo e de fertilidade natural em virtude da proliferação de pragas invasoras. A queimada é também uma prática corrente que degrada a microfauna do solo. O desmatamento para uso da madeira para fins energéticos também é um fator de degradação. A superexploração do extrativismo também leva à perda da biodiversidade. b) A desertificação acarreta diminuição da umidade no ambiente e ampliação das condições de aridez, provocando alterações do comportamento do ciclo hidrológico nas áreas em que o processo está em curso, com diminuição das precipitações e da recarga de reservatórios de águas superficiais e subterrâneas. Há diminuição da biodiversidade, tanto animal quanto vegetal. Os solos tornam-se improdutivos. Esse conjunto de situações gera áreas desertificadas em zonas climáticas nas quais naturalmente situações análogas a desertos não ocorreriam. c) A desertificação tem grande impacto social, pois tem como resultado a diminuição da produtividade, implicando aumento da fome, aumento da pobreza, deterioração dos meios de subsistência das populações tradicionais e desagregação de hábitos de vida rural. Está na raiz do êxodo rural em diversas áreas do mundo, aumentando o problema da fome e da pobreza também nas áreas urbanas. d) Grande parcela do sertão cearense encontra-se sujeita a processos de desertificação, pois sofre intensa pressão exercida pelas atividades sociais tradicionais sobre o ecossistema frágil do semiárido, cuja capacidade de regeneração é baixa. A região de Irauçuba vem sendo indicada pelos pesquisadores como a área mais problemática no tocante a essa situação. 2. Temperatura: A baixa latitude de Manaus resulta em temperaturas elevadas na cidade em qualquer época do ano; a alta latitude de Porto Alegre resulta em temperaturas mais baixas em junho, período de inverno. Pluviosidade: A desigualdade verificada pode ser explicada pela atuação da Massa Tropical Atlântica (MTA) sobre as duas cidades na época do ano em que ocorrem os jogos. Quente e úmida, essa massa de ar provoca chuvas na faixa litorânea, onde está localizada a cidade do Rio de Janeiro; em Brasília, essa massa não provoca o mesmo efeito, uma vez que ela perde grande parte de sua umidade antes de chegar à capital federal. 3. a) Trata-se de um sistema frontal caracterizado por uma frente fria. b) Os sistemas frontais formam-se a partir do deslocamento de ar por diferenças de pressão atmosférica. O ar circula na atmosfera das zonas de alta para as zonas de baixa pressão. c) A entrada de um sistema frontal de frente fria no sul de Minas pode resultar em chuvas frontais, seguidas pela massa de ar frio, que provoca queda de temperatura e, em casos de frentes mais fortes, a formação de geadas. 4. a) Um dos fatores geográficos e sua explicação, entre os apresentados a seguir: - maritimidade/continentalidade: as áreas costeiras geralmente possuem umidade maior que as localizadas no interior do continente. Goiânia situa-se afastada da superfície marítima, por isso sofre inexpressiva influência da maritimidade; - altitude: em decorrência da temperatura ser consequência da irradiação do calor existente na superfície terrestre, à medida que aumenta a altitude diminui-se a temperatura. Em Goiânia, tem-se altitudes do relevo, expressas em cotas altimétricas medianas; - situação latitudinal: a proximidade ou não em relação à Linha do Equador determina maiores ou menores temperaturas médias. Em virtude de Goiânia localizarse na área intertropical, sua temperatura média é de, aproximadamente, 23 C; - formas do relevo: a distribuição dos grandes compartimentos (serras, planaltos e planícies) formam corredores naturais para o desenvolvimento dos sistemas atmosféricos em grandes extensões, ou seja, a configuração do relevo pode facilitar ou dificultar a circulação das massas de ar. No caso de Goiânia, tem significativa expressão os alinhamentos N/S do território sul-americano e o relevo suave-ondulado de Goiânia; - dinâmica das massas de ar e frentes: são responsáveis pelas características de temperatura e umidade. As massas de ar que mais interferem nas características do clima de Goiânia são a equatorial continental, tropical continental, tropical atlântica e a polar atlântica; - vegetação/atividades humanas: as intervenções na paisagem, decorrentes da economia moderna, ocasionam transformações na dinâmica natural. Essas intervenções, no caso de Goiânia, são mais evidentes pelo processo do desmatamento para a realização de obras de engenharia. b) Relação existente entre a temperatura e a pluviosidade durante o verão: Essa área apresenta temperaturas elevadas na maior parte do ano, sendo nos meses de setembro e outubro o período em que se observa temperaturas mais elevadas. No período do verão (de dezembro a março), verifica-se que as temperaturas continuam elevadas, apresentando médias que oscilam entre 22 C e 24 C. A incidência dos totais pluviométricos concentra-se entre os meses de outubro a abril, com destaque para os meses de dezembro a março (verão), com índices pluviométricos médios entre 200 e 275 mm. Observa-se, mediante a leitura e interpretação das médias térmicas mensais e dos índices pluviométricos, que o verão caracteriza-se por ser uma estação quente e chuvosa. 5. A temperatura mantém-se elevada o ano todo, pois as duas massas de ar que afetam a região são quentes. No inverno ocorre também o fenômeno da friagem, causada pelo avanço da Massa Polar Atlântica, resultando na queda de temperatura. A pluviosidade é elevada no verão, período de influência da Massa Equatorial Continental, que é úmida. Durante o inverno, a Massa Tropical Atlântica não consegue levar a umidade, causando uma redução na quantidade de chuva. 6. Uma consequência decorrente desse fenômeno, dos apresentados a seguir, entre outros: - enchentes, alagamentos ou inundações; - deslizamentos; - perda da produção agrícola; - proliferação de doenças. Esses impactos, na região Sul do Brasil são originados ou intensificados pelo El Niño, visto que este fenômeno é responsável pelo aumento da temperatura média e por precipitações abundantes principalmente na primavera, provocando chuvas ao longo de praticamente todo o dia. 7. a) Clima I: equatorial Clima II: subtropical b) I: quente e úmido, com pequena amplitude térmica, alta pluviosidade, chuvoso o ano todo. II: grande amplitude térmica, invernos rigorosos, sem estação seca definida. 8. a) As frentes são áreas limítrofes entre massas de ar de propriedades diferentes. b) A massa tropical atlântica (mta), que se origina no Atlântico Sul, quente e úmida, e a massa polar atlântica do hemisfério sul (mpa), fria e úmida. 9. a) Atuação da massa Polar atlântica (mpa). b) Massa Equatorial continental (mea) e também a massa Tropical atlântica (mta). A escolha de quem pensa! 13

14 c) No verão a massa Equatorial continental não encontra obstáculos e se expande por boa parte do território brasileiro. No inverno o avanço da massa Polar atlântica inibe a presença da massa Equatorial continental que fica restrita ao noroeste amazônico. 10. a) As inversões térmicas resultam do rápido esfriamento do ar próximo à superfície, sob uma camada de ar quente. O fenômeno deixa o ar estagnado e dificulta a dispersão de poluentes, provocando graves problemas de saúde, principalmente respiratórios. b) A ocorrência de inversões térmicas, está associada aos meses de inverno, junho, julho e agosto, período de baixas temperaturas e pouca pluviosidade. 11. Inversão térmica; ilhas de calor; chuva ácida. 12. a) Inverno: a diminuição da influência do centro de baixa do Chaco permite que o anticiclone do Atlântico Sul e da Argentina avance sobre o continente. Entram nas calhas de relevo e favorecem a ocorrência das friagens na Amazônia. b) Verão: Ciclone formado na depressão barométrica do Chaco com baixas pressões (alta temperatura) facilitando a convergência das massas de ar equatorial e atlântica. c) A influência da massa Polar atlântica se faz sentir no litoral nordestino, provocando chuvas de inverno. 13. a) A região sofre influência da massa de ar Polar atlântica. b) Diminui a pluviosidade, o ar fica mais seco, dificultando a dispersão de poluentes, atingindo populações de crianças e idosos, aumentando o número de óbitos. c) Tempo seco com baixa pluviosidade. 14. a) O tipo climático representado no gráfico é o Tropical semiárido, cuja principal área de ocorrência é o Sertão Nordestino. b) Elevadas médias térmicas anuais (em torno de 28 C) e por chuvas escassas (menos de 750 milímetros por ano) e de irregular distribuição ao longo dos meses. c) A caatinga. 15. a) Elementos do clima: temperatura, umidade, pressão atmosférica (massas de ar) e precipitações (chuvas, chuviscos). b) À medida que aumenta a latitude, diminui a temperatura e aumenta a amplitude térmica. a) A partir dessa análise e considerando outros conhecimentos sobre o assunto, explique por que a perda mais significativa de habitat, até 2050, está prevista para ocorrer no espaço nacional que apresenta, no mapa, a forma de um arco, que se estende do Maranhão até Rondônia. Leia esta afirmativa: As razões que justificam o menor impacto de perdas, tanto na fachada oriental do território nacional quanto no noroeste da Amazônia Legal Brasileira, são equivalentes e integram o mesmo grupo causal. Você concorda com essa afirmativa? Justifique sua resposta 02. Cerca de 95% do mercado nacional de gesso é abastecido pelos depósitos de gipsita existentes na Bacia do Araripe, no Sertão Nordestino. No Brasil, o processo de produção de gesso consome grande quantidade de energia proveniente da queima da lenha e do carvão vegetal, extraído do bioma Caatinga. a) Apresente uma característica da Caatinga que a diferencia das demais formações vegetais brasileiras. b) Aponte uma consequência ambiental do desmatamento da Caatinga. 03. O tipo e a distribuição da cobertura vegetal está associada a fatores como clima, solo e recursos hídricos. Explique por que isso ocorre e cite o exemplo de um tipo específico de vegetação e suas características em função dos fatores citados. 04. O mapa a seguir representa a área abrangida pelo projeto de transposição do rio São Francisco. Aula 4 Vegetação Brasileira 01. Analise este mapa, em que estão representados os resultados obtidos por um grupo de pesquisa internacional, ao estimar a taxa de perda do habitat natural em parte do Continente Sul-americano: a) Qual o principal bioma a ser atingido pela transposição do São Francisco? Dê duas características desse bioma. b) Indique um impacto positivo e outro negativo esperados no projeto de transposição do São Francisco. 14 A escolha de quem pensa!

15 05. A ONU escolheu 2010 como o Ano Internacional da Biodiversidade. A indicação é uma clara intenção de despertar o mundo para os limites que a natureza impõe ao consumismo a qualquer custo. Diante do exposto, a) explique o significado do conceito de desenvolvimento sustentável, segundo a ONU; b) apresente dois fatores que impactam a biodiversidade do Cerrado. 06. O extrativismo da madeira no Brasil representa cerca de 4% do PIB nacional, concentrado principalmente no sul da Bahia, no Paraná e na Amazônia. De acordo com o Código Florestal Brasileiro, as florestas da Amazônia só podem ser exploradas através de planos de manejo, um conjunto de técnicas que permite colher as árvores de grande porte protegendo as árvores menores que serão extraídas futuramente. O cartograma a seguir representa o fluxo de comercialização das madeiras amazônicas. Com base no texto e na leitura do mapa: a) cite um corredor ecológico amazônico especialmente vulnerável à degradação ambiental, apontando o fator responsável por tal vulnerabilidade; b) identifique duas comunidades tradicionais existentes nesses corredores amazônicos e descreva seus respectivos modos de utilização dos recursos naturais. 08. Leia os textos jornalísticos a seguir. a) A partir das informações apresentadas no cartograma, indique e justifique o destino principal da madeira amazônica. b) Apresente uma vantagem do uso de madeira proveniente de manejo florestal para a atividade industrial. 07. OS CORREDORES ECOLÓGICOS AMAZÔNICOS E A SOCIOBIODIVERSIDADE Nas últimas décadas, vêm sendo criadas no Brasil unidades de conservação ambiental ao mesmo tempo que vêm sendo delimitados territórios indígenas, especialmente na Amazônia. Recentemente, foi proposto o Programa Piloto para a Proteção de Florestas Tropicais no Brasil, chamado de PPG-7. A originalidade desse programa consiste em criar vastos conjuntos protegidos, interligando unidades de conservação distintas juridicamente, como áreas de uso sustentável, áreas de proteção integral, reservas extrativistas e reservas indígenas. O programa definiu cinco corredores ecológicos na Amazônia (ver mapa), cuja riqueza biológica está associada também a uma grande diversidade sociocultural, representada por comunidades tradicionais que há muito tempo habitam a região amazônica, detentoras de conhecimentos de manejo e preservação do meio em que vivem. Texto 1: O respeito às unidades de conservação e às terras indígenas já demarcadas que juntas correspondem a cerca de 37% da Amazônia Legal garantiria a permanência da floresta e impediria a transformação da mata em savana. O Estado de S. Paulo, 16/06/2009. Adaptado. Texto 2: O atual modo de desenvolvimento da Amazônia está muito longe do desejável. É preciso incentivar as populações florestais a conduzirem atividades de desenvolvimento sustentável, remunerando, por exemplo, os serviços voltados ao ecossistema prestados pelos habitantes da floresta. Le Monde, 16/06/2009. Adaptado. a) Indique duas diferenças entre as estratégias propostas nesses textos para a solução dos atuais problemas socioambientais da região amazônica. b) Considerando que a Amazônia Legal abrange cerca de 60% do território brasileiro, calcule a porcentagem ocupada em nosso país pelas unidades de conservação e terras indígenas já demarcadas. c) Por que a preservação da Amazônia Legal não é suficiente para garantir a manutenção da biodiversidade no Brasil? A escolha de quem pensa! 15

16 09. Observe a figura. espaço brasileiro e indique alguma medida realizada pelo Estado, no sentido da proteção à cobertura vegetal. c) Comumente ouvimos falar em impactos ambientais. Ainda com base no texto, quais seriam os impactos decorrentes da retirada da vegetação em um ambiente de clima tropical chuvoso? 11. Leia o texto a seguir e faça o que se pede: A maior biodiversidade brasileira é encontrada nesse ecossistema. No entanto, esse ecossistema já foi muito devastado pelas diversas formas de ocupação a que foi submetido. Desde a extração do pau-brasil até o vertiginoso crescimento urbano-industrial. (Adap. ALMEIDA, L. M. A. de e RIGOLIN, T. B. Geografia. São Paulo: Ática, p.442.) A vegetação predominante do Brasil Meridional era a Mata de Araucárias ou Mata dos Pinhais, um tipo de conífera que outrora forneceu produtos muito utilizados na Região Sul e em outras áreas do país. Com base nesta afirmação, a) indique uma característica da vegetação de araucárias e uma característica do clima subtropical; b) cite dois produtos do extrativismo vegetal dessa região. 10. Estamos voando rumo ao sul do território brasileiro, na direção da cidade do Rio de Janeiro. É de manhã cedo. Lá embaixo, a sombra do avião desliza sobre a névoa. Quando esta se abre, revela pequenas faixas verdes de floresta em meio ao mar de morros de Minas Gerais. Não se avistam fileiras bem ordenadas de reflorestamento, porém manchas irregulares de floresta. Nos perguntamos como elas escaparam ao machado civilizador. De um avião que tivesse voltado no tempo, avistaríamos um interminável tapete verde. Adaptado de Warren Dean. A Ferro e Fogo. São Paulo, a) Identifique a que tipo de ecossistema o texto se refere. b) Cite duas (2) características desse ecossistema. 12. Observe a figura a seguir: a) Identifique a formação vegetal representada e sua área de ocorrência original. b) Considerando ao menos um fator de ordem física, explique por que essa formação tem ocorrências fora de sua área nuclear. c) Identifique três das principais atividades econômicas que promoveram a substituição de tal formação vegetal. 13. Os manguezais são ecossistemas de alta produtividade biológica, sendo responsáveis por parte considerável dos recursos marinhos. Ocupam grande extensão dos litorais tropicais e subtropicais, porém, apesar de sua grande relevância para a vida dos oceanos, estão entre os ecossistemas mais devastados do planeta. Considere o fragmento de texto acima e observe o mapa que o acompanha. Depois, responda às questões propostas a seguir. a) Se compararmos as faixas contínuas de floresta e as pequenas manchas verdes que restam em locais antes ocupados pela Mata Atlântica, podemos dizer que essas manchas oferecem menos chances de sobrevivência e de reprodução para as espécies que lá habitam. Você concorda com essa afirmação? Justifique a sua resposta. b) Cite dois fatores que levaram à devastação da Mata Atlântica ao longo do processo de ocupação do 16 A escolha de quem pensa!

17 Com base nessas informações e na análise da ilustração, indique as características ambientais dos mangues, quanto ao solo e à vegetação, e cite duas ações predatórias provocadas pelo homem. 14. Na figura a seguir, são mostrados pontos de queimadas, no Brasil, monitorados por satélites. Identifique, de acordo com o que é mostrado no mapa, duas formações vegetais originais que vêm sendo afetadas pelas queimadas e descreva um impacto ambiental ocasionado por essas queimadas. 15. Originalmente estendia-se por toda a faixa costeira: do Rio Grande do Norte ao Rio Grande do Sul. Hoje, segundo as estatísticas mais alarmantes, recobre apenas 7% do território brasileiro. A área original dessa floresta corresponde ao espaço natural que foi mais devastado pela intensa urbanização e industrialização que ocorreram no Brasil. Adap. ALMEIDA, L. M. A. de e RIGOLIN, T. B. Geografia. São Paulo: Ática, p A propósito do fragmento acima: a) Identifique o tipo de formação vegetal a que o texto se refere. b) Cite três (03) características desse tipo de floresta. Gabarito 1. a. A perda de biodiversidade na região indicada no mapa (arco de desmatamento que se localiza entre o Maranhão e Rondônia) ocorrerá devido à expansão da ocupação humana. O desmatamento e a poluição ambiental que acompanham as invasões humanas vão determinar a extinção local de diversas espécies, principalmente as mais sensíveis; tais como, árvores de grande porte, aves, anfíbios répteis e mamíferos. A pescaria extensiva e a predatória também reduzirá as populações de peixes que ocupam as águas. b. O menor impacto de perdas, tanto na fachada oriental do território nacional quanto no noroeste da Amazônia Legal Brasileira, não são equivalentes e não integram o mesmo grupo causal. A ocupação territorial no nordeste foi facilitada pela destruição da Mata Atlântica. A ocupação da Amazônia é dificultada pela densidade da mata, regiões alagadas periodicamente, doenças tropicais como a malária, presença de reservas indígenas e legislação específica que procura preservar a integridade desse ecossistema único no planeta. 2. a) O domínio morfoclimático da Caatinga é caracterizado pela presença de espécies xerófitas, cactáceas, resistentes à baixa umidade devido a sistema de raízes extensas. b) Como consequências ambientais resultantes do desmatamento da Caatinga, podemos destacar: a perda da biodiversidade, o processo de desertificação e o aumento da erosão (aumento do risco de enchentes no período chuvoso). 3. A vegetação é um reflexo do conjunto de fatores apresentados. Dependendo da forma como interagem o clima, o solo e a água numa dada região e das características de cada um desses elementos haverá um certo tipo de vegetação. Como exemplos a vegetação amazônica, o cerrado ou a caatinga. 4. a) O rio São Francisco desloca-se em boa parte de seu percurso e nas áreas da transposição planejada, em áreas de bioma de Caatinga. Trata-se de um bioma caracterizado pelo clima semiárido com baixa pluviosidade e vegetação de arbustos de porte médio e espécies xerófitas. Os solos são rasos e existe hidrografia intermitente nas áreas apontadas. b) Impactos positivos: aumento da oferta de água para irrigação e dessedentação animal; mais água para o abastecimento urbano. Impactos negativos: eventual alteração de flora e fauna da região atingida; possível aumento da concentração fundiária; possibilidade de salinização dos solos; diminuição da vazão do São Francisco a jusante da área de captação. 5. a) O significado de desenvolvimento sustentável, segundo a ONU, é garantir o desenvolvimento econômico atual sem prejudicar as gerações futuras ; Ou O equilíbrio entre desenvolvimento econômico e preservação ambiental. b) Os fatores que impactam a biodiversidade do Cerrado, dentre outros, são: o desmatamento descontrolado; a produção de monocultura em grandes latifúndios; o uso de agrotóxico; uso descontrolado/incorreto de água para a irrigação; captura de animais silvestres; a prática da pecuária extensiva. 6. a) A extração de madeira em toras da Amazônia é destinada basicamente ao mercado interno, notadamente para o Sul e Sudeste onde se concentram o mercado consumidor com maior poder aquisitivo e as principais industrias moveleiras, em São Paulo e no Paraná. b) O manejo florestal a partir do corte seletivo de espécies de valor comercial revela-se uma prática sustentável garantindo o ciclo de reprodução natural das espécies. 7. a) Os corredores Ocidental, Leste e dos Ecótonos Sul- Amazônicos estão entre os mais vulneráveis, devido a sua proximidade com o chamado arco do povoamento consolidado, com base na produção de soja e criação pecuária. São áreas agropecuárias bem estabelecidas em áreas de cerrado no Centro-Oeste e Nordeste e seguem principalmente em direção ao Norte, à Amazônia sobre os corredores indicados. b) Na região encontramos os chamados povos da floresta. Comunidades formadas por seringueiros, catadores de castanha do Pará, ribeirinhos além de povos indígenas de diversas nações. São populações que vivem principalmente de atividades sustentáveis. Com o fortalecimento de suas identidades culturais e políticas esses grupos passam a desenvolver novas atividades como ecoturismo e artesanato. 8. A região Norte é a mais extensa do país e na proporção em que foi sendo estudada e pesquisada revelou-se muito rica em recursos naturais. Essa riqueza acaba despertando a cobiça de segmentos privados como mineradoras, madeireiras, laboratórios farmacêuticos entre outros, interessados na exploração comercial da biodiversidade amazônica. a) Podemos indicar como diferenças entre as estratégias possíveis de ser adotadas para solucionar problemas socioambientais da Amazônia, propostas nos textos jornalísticos: Texto 1 proposta de uma política preservacionista que pretende a intocabilidade dos recursos com isolamento do A escolha de quem pensa! 17

18 espaço geográfico em relação aos interesses do capital. Essa proposta tem o pressuposto da forte participação do Estado nacional no manejo, fiscalização e manutenção das áreas, bem como uma estrutura de propriedade comunal da terra. Texto 2 propõe uma política conservacionista, pois aborda o tema da sustentabilidade com base em atividades extrativistas que protege os interesses do trabalho, e defende a sobrevivência dos povos da floresta enfatizando a propriedade privada como forma de acesso a terra. b) A Amazônia Legal corresponde a 60% do território brasileiro e as unidades de conservação e terras indígenas já demarcadas correspondem juntas a 37% da Amazônia Legal, totalizando 22,2% do território brasileiro. c) O Brasil é um país de grande extensão territorial e possui variada biodiversidade. A Amazônia Legal é uma de suas expressões. Seria necessária uma política estratégica que contemplasse a manutenção do Cerrado, da Caatinga, das Pradarias, Complexos como o Pantanal e os mangues, a Floresta Tropical e de Araucária, além de áreas de transição como a Mata dos Cocais, por exemplo. 9. a) Características da vegetação de araucárias: adaptação ao clima de temperaturas baixas no inverno; ocorrência em altitudes superiores a m; ambientes com alta umidade (chuvas e/ou vales onde formam florestas-galerias); formato de guarda-chuva invertido (retenção de umidade e sustentação de precipitação nival); principais ocorrências em solos férteis (terra roxa); aciculifoliada (folhas duras e pontiagudas em formato de agulhas/espinhos); árvores separadas por sexo (machos e fêmeas); pinhões que alimentam os animais de pequeno porte. Características do clima subtropical: estações do ano bem marcadas; grandes amplitudes térmicas anuais; chuvas bem distribuídas durante todo o ano; índices pluviométricos acima de 1250 mm anuais; temperatura média anual em torno de 18 ºC. b) Produtos do extrativismo vegetal da região: a erva-mate (folhas)/chimarrão; a madeira (da imbuia, do ipê, do cedro ou do pinheiro-doparaná); pinhão; canela; xaxim. 10. a) Sim. A diminuição do território acarreta menor disponibilidade de alimentos, o que compromete o tamanho das populações. O menor número de indivíduos numa determinada população favorece os cruzamentos entre membros de uma mesma família, aumentando a chance de nascimento de crias portadoras de defeitos genéticos, o que pode dificultar a sua sobrevivência. b) Ocupação histórica: exploração madeireira; plantation; agroindústria; práticas agrícolas inadequadas; queimada; desmatamento Crescimento urbano e industrialização Indústria extrativa madeireira Iniciativa do Estado: medidas legais; leis de proteção ambiental; criação de Parques Nacionais e APAs Dificuldades de fiscalização no cumprimento das leis; extensão territorial e falta de pessoal suficiente para implementar a fiscalização das áreas c) Impactos ambientais sobre os solos: perda de fertilidade, erosão, degradação do solo, intemperização Ravinamento Voçorocas Assoreamento dos rios, com a retirada da mata ciliar Contaminação dos solos e das águas subterrâneas por inseticidas Lixiviação 11. a) Floresta ou Mata Atlântica. b) É perene - permanentemente verde, não perde as folhas; é heterogênea - constituída de várias espécies; é densa - fechada; é higrófila - várias espécies vivem em ambientes úmidos; predomina sobre terra firme; localiza-se em um relevo escarpado; tem a maior biodiversidade do mundo. 12. a) Trata-se da Floresta Aciculifoliada ou Mata das Araucárias, típica das áreas elevadas das regiões sul e sudeste do Brasil. b) A altitude é uma das características físicas mais marcantes para explicar sua ocorrência fora da área nuclear, em lugares como a Serra da Mantiqueira (região sudeste). c) A produção de papel e celulose, mobília e construção civil, além de atividades agropastoris, estão entre as principais atividades capazes de destruir esse ecossistema. 13. Os manguezais se desenvolvem em áreas de águas pouco movimentadas ou alagadas nas reentrâncias dos litorais (baías, enseadas, estuários e deltas)com solos ricos em matéria orgânica. Vegetação com grande capacidade de adaptação a duas condições adversas: a salinidade do solo e a deficiência de oxigênio, em virtude do alagamento pelas oscilações das marés. Por essa razão, são espécies arbustivas e arbóreas com raízes aéreas (pneumatóforas) para absorver oxigênio. O intenso processo de urbanização das áreas litorâneas tem levado à degradação desse ecossistema, como o desmatamento, os aterros para expansão imobiliária e a contaminação por resíduos sólidos, esgotos, vazamentos de navios (petroleiros e outros), efluentes e/ou vazamentos industriais. 14. Os dados de satélite indicam que as formações vegetais mais afetadas são os Cerrados e a Floresta Amazônica. Os principais impactos ambientais são: - a redução da cobertura vegetal, importante para a estabilização do solo ao protegê-lo do impacto direto das chuvas e do escoamento acelerado das águas superficiais; - lixiviação dos solos, provocando redução da fertilidade; - redução da biodiversidade tanto de origem animal como vegetal. 15. a) Floresta ou Mata Atlântica. b) - É perene: permanentemente, verde e não perde as folhas; - é heterogênea: constituída de várias espécies; - é densa: fechada; - é higrófila: várias espécies vivem em ambientes úmidos; - predomina sobre terra firme; - localiza-se em um relevo montanhoso; - apresenta maior biodiversidade do mundo. Aula 5 Hidrografia Brasileira 01. As discussões sobre a instalação da Usina Hidrelétrica de Belo Monte iniciaram-se no começo da década de 1970, definindo os primeiros diagnósticos sobre o inventário hidrelétrico da bacia hidrográfica na qual a usina será instalada. Em fevereiro de 2010, foi concedida a licença ambiental para a construção da usina, considerada a maior usina hidrelétrica inteiramente brasileira. a) Em qual bacia hidrográfica será construída a Usina Hidrelétrica de Belo Monte, e em qual unidade federativa será localizada? b) Aponte um impacto ambiental e um impacto socioeconômico decorrentes da instalação e do funcionamento de uma usina hidrelétrica de grande porte no bioma em que será instalada a usina de Belo Monte. 18 A escolha de quem pensa!

19 02. Observe o segmento de reta traçado no mapa. A sua extensão é de km e percorre o rumo Noroeste- Sudeste. Explique a diferença entre o padrão brasileiro de uso dos recursos hídricos e o dos países membros da OCDE, considerando a relação entre o consumo urbano e a captação de água bruta. 06. Historicamente, os rios tiveram um papel importante na formação de centros urbanos, tanto pelo abastecimento de água como por ser um meio de transporte que favorecia as trocas de mercadorias, sobretudo de produtos agrícolas. Entretanto, ao longo do tempo, os rios passaram a ser utilizados como rede de esgoto. Discorra sobre dois problemas socioambientais decorrentes do uso inadequado dos recursos hídricos em áreas urbanas no Brasil. Mencione as principais bacias hidrográficas e as principais unidades de relevo atravessadas pelo segmento. 03. Estima-se que o Brasil concentre entre 12 e 16% do volume total de recursos hídricos do planeta Terra. Embora essa seja uma participação expressiva, os recursos não são distribuídos de forma homogênea e encontram-se ameaçados por fatores socioeconômicos diversos. (CLARKE, R & KING, J. O atlas da água. São Paulo: Publifolha, 2005.) Defina o que são recursos hídricos e justifique a afirmação de que tais recursos não são distribuídos de forma homogênea, especificando três fatores socioeconômicos que os ameaçam. 04. Os rios são cursos de água que escoam sobre os continentes. A maior parte deles nasce em fontes naturais originadas de lençóis subterrâneos, alimentados pela infiltração da água das chuvas. Sobre esse tema, responda o que se pede a seguir. a) Identifique a unidade espacial formada por um rio principal e seus afluentes. b) Identifique a bacia hidrográfica de maior potencial de águas superficiais do mundo. c) Indique o principal elemento responsável pela intermitência dos rios no semiárido brasileiro. 07. O Brasil é dotado de uma vasta rede hidrográfica. Muitos de seus rios destacam-se pela extensão, largura, profundidade e volume de água escoado, tornando o país detentor de uma das maiores reservas de água doce do mundo. Apesar desta realidade, o país já enfrenta problemas no que concerne ao abastecimento urbano de água potável (como no caso de São Paulo), além de conflitos no campo pela distribuição de água para as atividades da agricultura e pecuária. Com base nestas informações, responda ao que se pede. a) Caracterize o potencial das bacias hidrográficas do Paraná e do Amazonas para o abastecimento de água potável nos centros urbanos, considerando a atual distribuição geográfica da população sobre o território nacional. b) Cite e explique dois impactos negativos decorrentes da utilização dos recursos hídricos da Bacia do Paraná. 08. Os rios são correntes naturais de água doce, com canais definidos e fluxos perenes ou intermitentes que desembocam nos oceanos, lagos ou em outros rios. Nessa condição, os rios realizam ações de transformação das paisagens e têm grande importância social. a) Cite os processos associados aos rios a partir dos quais ocorre a transformação das paisagens naturais. b) Aponte três situações de uso dos rios pela sociedade. 09. Além do conceito de Plataforma Continental, do ponto de vista geomorfológico, temos também o conceito de Plataforma Continental Jurídica. O desenho a seguir mostra um dos critérios possíveis para a delimitação da Plataforma Continental Jurídica, no Brasil. 05. Observe os gráficos a seguir: A escolha de quem pensa! 19

20 a) Caracterize a Plataforma Continental, do ponto de vista geomorfológico. Justifique sua importância econômica para o Brasil. b) Discorra sobre a importância da Plataforma Continental Jurídica, considerando a exploração do subsolo marinho. 10. O gráfico apresenta o regime de um rio brasileiro. a) Identifique o tipo climático que determina o regime expresso no gráfico e indique as possíveis áreas de sua ocorrência. b) Relacione os dados do gráfico com as características do respectivo tipo climático. 11. Leia o texto e faça o que se pede: CHUVA DEIXA DESABRIGADOS, CAUSA EN- CHENTES EM SP E CORTA ENERGIA NO RIO Fortes pancadas de chuva causaram deslizamentos, enchentes e trânsito, na tarde desta terça-feira, nos municípios localizados na região metropolitana de São Paulo. Cerca de 50 pessoas ficaram desabrigadas, em Santo André, mas não há registros de feridos. No Rio de Janeiro, regiões ficaram sem energia. Bairros de Niterói e de São Gonçalo permaneciam SEM LUZ, por volta das 20h. (Fonte: Folha Online 11/01/2005.) As tragédias relacionadas às chuvas se repetem a cada verão na região metropolitana de São Paulo. Relacione a urbanização da região com clima úmido na recorrência do fenômeno das enchentes de junho de Foi lançado ao mar, no Rio de Janeiro, o gigantesco porta-contêiner Amazônia Azul. A embarcação incorpora a mais avançada tecnologia de construção naval e de controle ambiental (...). Quando o navio entrar em operação no final do ano, a participação da bandeira brasileira no nosso comércio exterior terá atingido o percentual de 40%, o que representa um avanço considerável já que, em 2006 esse percentual não chegava a 3%. Em termos de transporte nacional de mercadorias, as últimas estatísticas são auspiciosas: o modal aquaviário (cabotagem, navegação fluvial e lacustre) igualou-se ao modal rodoviário, ficando a matriz de transportes nacional mais equilibrada e eficiente. [VIDIGAL, A.A. F. et alii. Amazônia Azul - o mar que nos pertence. Rio de Janeiro / São Paulo: Editora Record, cap.4, p , 2006 (usos do mar)]. O trecho da reportagem fictícia e o cartograma apresentado indicam uma condição territorial brasileira ainda pouco estudada e explorada pelos gestores públicos e privados do país. Reconhecendo a importância da Amazônia Azul subexplorada, responda às questões a seguir. a) Relacione o atraso do modal aquaviário brasileiro às políticas de integração regional adotadas no país, ao longo do século XX. b) Cite uma consequência desse atraso para o país frente às atuais dinâmicas de investimentos internacionais produtivos na era da globalização. c) Identifique dois usos do mar (além do transporte) que podem ser vitais para o impulsionamento da economia brasileira perante os desafios a serem enfrentados pelo planeta, neste século. 13. O estudo do regime de um rio ou de uma bacia hidrográfica constitui um elo de um sistema complexo em que a alteração de um dos seus elementos implica a alteração do conjunto. É o ponto de partida para se avaliar a possibilidade ou não de seu aproveitamento quanto à produção de energia elétrica, fornecimento de água para irrigação de terras, abastecimento de água para as cidades, navegação e desenvolvimento da piscicultura. ADAS; ADAS, 1998, p Considerando o gráfico e as informações do texto, caracterize os rios Paraná e Paraguai, estabelecendo, respectivamente, suas relações com o relevo e indicando suas possibilidades de aproveitamento econômico. 20 A escolha de quem pensa!

21 14. Observe o esquema e responda. a) Considerando o início e o final do escoamento das águas, qual a denominação dada, respectivamente, às áreas localizadas próximas das letras A e B? Em qual margem do rio principal a densidade de drenagem é maior? b) Pelas características gerais deste esquema, onde seria mais viável a implantação de um núcleo urbano, na situação 1 ou 2? Justifique sua resposta. 15. Três grandes eldorados podem ser reconhecidos contemporaneamente: os fundos oceânicos ainda não regulamentados; a Antártida, partilhada entre as potências; e a Amazônia, única a pertencer, em sua maior parte, a um só Estado nacional. (Adaptado de Bertha Becker, Amazônia: Geopolítica na virada do III Milênio. Rio de Janeiro: Garamond, 2005, p.35.) a) Quais os principais recursos associados ao oceano Atlântico? b) Quais os principais problemas apresentados pela exploração desse oceano? c) De acordo com a Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar (de 1982, em vigor internacionalmente a partir de 1994), o que é Mar Territorial? Gabarito 1. a) A Usina de Belo Monte será construída na bacia do rio Xingu no estado do Pará. b) Como impacto ambiental decorrente da instalação e do funcionamento de uma usina hidroelétrica de grande porte podemos destacar alterações na vegetação nativa, afogamento de espécies de plantas e animais nas áreas do entorno do lago formado pela barragem. Em termos socioambientais, é provável, num primeiro momento, que ocorram deslocamentos populacionais de habitantes ribeirinhos em direção a cidades grandes das proximidades como Belém ou mesmo para outros estados. 2. As principais bacias hidrográficas atravessadas pelo segmento AB são: Paraguai e Paraná. O perfil atravessa as unidades de relevo: Planície do Pantanal Mato-Grossense, Planaltos e Chapadas da Bacia do Paraná (Planalto Ocidental Paulista), Depressão da Borda Leste da Bacia do Paraná (Depressão Periférica), Planaltos e Serras do Atlântico Leste-Sudeste (Planalto Oriental). 3. Recursos hídricos são águas disponíveis para uso e que a distribuição dessas águas ocorre de forma bastante diferenciada entre as várias regiões brasileiras, podendo citar exemplos como o Norte, onde há abundância desses recursos e o Nordeste, onde eles são escassos. Os fatores que os ameaçam podem ser citados o uso inadequado da água em áreas urbanas, como o desperdício e a ausência de saneamento básico, ou comprometimento da água pelo uso agrícola, turístico e pela criação de gado, além do desmatamento que interfere na disponibilidade e conservação desse recurso. 4. a) A bacia hidrográfica é a unidade espacial formada por um rio principal e seus afluentes. b) O Brasil é dotado de uma densa rede hidrográfica, com elevado potencial de águas superficiais. A maior bacia hidrográfica do mundo encontra-se quase totalmente em território brasileiro: é a bacia hidrográfica do rio Amazonas, que também apresenta o maior potencial de águas superficiais. Ela nasce nos Andes peruanos e deságua no oceano Atlântico. c) A maioria dos rios brasileiros apresenta caráter perene, dadas as características climáticas predominantes. Somente no sertão nordestino, os rios são intermitentes, devido ao clima semiárido que se caracteriza por baixos totais pluviométricos e distribuição irregular da chuva no decorrer do ano. Assim, os rios contêm água somente no período chuvoso, secando completamente no período seco. 5. A diferença nos padrões de uso dos recursos hídricos retratados nos gráficos, considerando o consumo urbano e a captação da água bruta, reside no fato de que nos países da OCDE há uma maior eficiência na distribuição, o que significa menor desperdício de água. Além disso, a água é, em grande parte, reutilizada nesses países. 6. Recurso natural imprescindível para a sobrevivência é escasso e mal distribuído. O crescimento das atividades econômicas, das cidades e populações e principalmente da produção agrícola, são responsáveis pelo aumento significativo do consumo de água em todo o planeta. Dentre os inúmeros problemas socioambientais que afetam a qualidade e o consumo de água podemos citar: - A poluição das águas a partir do baixo nível de investimento em saneamento básico com contaminação por esgoto; - Ocupação irregular e mal planejada das várzeas, provocando enchentes que afetam populações ribeirinhas com perda de vidas, transtornos materiais, incidência de doenças como a leptospirose. 7. a) - Bacia do Paraná: Potencial elevado que atualmente possui elevado aproveitamento, considerando o número de cidades banhadas por esta bacia. - Bacia do Amazonas: Potencial elevado que atualmente possui baixo grau de aproveitamento, considerando que a área possui baixa densidade demográfica. b) - Poluição: Altos índices de poluição decorrentes da descarga direta de esgotos urbanos; - Poluição decorrente da atividade de agropecuária (agrotóxicos, irrigação); - Elevado índice de represamento para a construção de usinas hidrelétricas: desconfiguração das características naturais. - Alteração do equilíbrio ecológico dos rios pela construção de hidrovias. 8. a) erosão,assoreamento. b) Água potável abastecimento de populações, dessedentação animal e de cidades, pesca, produção de energia, transporte, recreação. 9. a) A plataforma continental é um prolongamento da faixa costeira a partir da deposição sedimentar resultante do processo erosivo do relevo costeiro e do desague dos rios que carreiam sedimentos resultantes da ação de desgate no interior do território. A plataforma estende-se desde a elevação continental até o talude, encosta abrupta que desaba o relevo na direção da zona abissal ou leito marinho, passando pelo subsolo marinho continental. A importância econômica da plataforma continental brasileira está nas atividades como a pesca e a exploração de petróleo e gás natural. A pesca é favorecida pelas condições de piscosidade das águas, rasas, com luminosidade, temperatura e A escolha de quem pensa! 21

22 salinidade favoráveis ao processo de formação de cadeias alimentícias e reprodutivas. O petróleo, recurso energético resultante da decomposição do fitoplâncton, de animais marinhos e vegetais em bacias sedimentares em mares rasos, é potencial em plataformas continentais. O Brasil tem sua maior produção petrolífera (em torno de 80%) na Bacia de Campos, plataforma continental do litoral fluminense, hoje, principalmente em águas profundas. Essa exploração é possível graças à adoção da zona econômica exclusiva do mar territorial em 200 milhas a partir da linha costeira. b) O manual técnico da convenção das Nações Unidas para a legislação sobre o mar, de 1982, prevê a determinação da plataforma continental jurídica (PCJ) para além das 200 milhas do mar territorial, unindo, mediante linhas retas, que não excedam 60 milhas marítimas, pontos fixos definidos por coordenadas de latitude e longitude. (CNUM, art. 76, pág. 7). A importância da exploração do subsolo marinho para o Brasil está na definição de zona econômica exclusiva (ZEE) como situada além do mar territorial e que não exceda as 200 milhas marítimas das linhas de base a partir das quais se mede a largura do mar territorial. Trata-se de faixa potencial em exploração de nódulos minerais, petróleo e gás natural. 10. a) O tipo climático que determina o regime de um rio brasileiro expresso no gráfico é o clima tropical, marcado por cheias de verão e vasantes de inverno, com possíveis áreas de ocorrência na Região Sudeste e na Região Centro-Oeste. b) O gráfico mostra uma maior vazão (cheia) nas estações de primavera (4) e verão (1). Já a menor vazão (vazante) ocorre no outono (2) e no inverno (3). 11. A urbanização crescente aumenta as áreas de solo impermeabilizado inclusive nas várzeas dos rios, impedindo a absorção da água. Além disso, muitos rios foram retificados, diminuindo a área da vazante. Num local de clima úmido, onde as chuvas de verão são muito intensas, a água não é absorvida nem escoada de imediato, causando assim, a enchente. 12. a) A opção pelo Rodoviarismo como política pública no Brasil, desde os anos de 1930, desviou a atenção dos investidores públicos e privados para os demais meios de transporte. As ferrovias foram gradualmente substituídas e o transporte marítimo manteve o seu perfil colonial: estar voltado, quase que exclusivamente, para o comércio internacional. A partir da década de 1950, os investimentos no setor de transportes foram transplantados, quase que totalmente, para as rodovias, única e exclusivamente, para atender às exigências do setor industrial automobilístico, que era dominado por empresas estrangeiras. Assim, as rodovias se tornaram mais modernas, os carros mais baratos, e os trens, lentos e ineficientes, além do grande litoral brasileiro ter sido esquecido como alternativa de transporte inter-regional no país. b) Dentre as consequências, destacam-se: - A redução dos investimentos internacionais no país frente ao custo - Brasil relacionado aos altos custos do transporte rodoviário, o mais elevado depois do transporte aeroviário. - A redução no recolhimento de impostos pelo Estado, como impacto direto da diminuição da circulação de bens, mercadorias e serviços, no país. - A diminuição das exportações brasileiras frente ao alto valor do frete gerado por um sistema portuário ineficiente e centralizado. - O sucateamento da infraestrutura portuária que não poderá mais suportar o transporte mercante de navios de grande calagem, reduzindo o afluxo de bens e mercadorias circulantes a grandes distâncias no país. - A redução da frota mercante do país devido à obsolescência do parque industrial instalado destinado à construção naval, afetando milhares de empregos diretos e indiretos. c) Dos usos do mar mais importantes a serem citados que podem compor forças para a ampliação a importância do Brasil frente a si mesmo e ao mundo, deve ser destacado(a): - A exploração de petróleo na plataforma continental e de outros recursos naturais. - A pesca e a produção alimentar, a partir dos recursos da fauna e flora marinha. - A pesquisa científica voltada para os mais diversos setores da sociedade. - A produção de energia. - O turismo. - O esporte. 13. Em função de sua relação com o relevo, os rios são classificados como de planície (rio Paraguai) e de planalto (rio Paraná). O perfil longitudinal do rio Paraná revela a grande declividade (rio de planalto) que ele apresenta em território brasileiro (alto e médio curso) e, consequentemente, o seu grande potencial energético, o que justifica a existência de grandes hidrelétricas em sua bacia, apesar de trecho navegável na hidrovia Tietê-Paraná, através de eclusas. O perfil longitudinal do rio Paraguai caracteriza-se como rio de planície. Em consequência, tem grande importância para a navegação. 14. a) A - Nascente - alto curso B - Foz - baixo curso Na margem direita há uma maior densidade de drenagem (maior número de afluentes). b) A área 2 mostra-se mais viável pois apresenta um relevo mais baixo, aplainado, o que favorece a implantação de sistemas de transportes, possibilidade de construir uma área portuária e, portanto, maior facilidade de abastecimento. A área 1 está localizada próxima da nascente, ou seja, o relevo é mais elevado onde há captação de água, o que dificultaria a presença de uma cidade. 15. a) O petróleo, o gás natural, a pesca, as algas, o sal marinho e outros minérios. b) - intenso tráfego marítimo, que gera vazamentos de óleo e migração de espécies de diferentes ambientes, resultando na alteração da cadeia trófica; - comprometimento de ecossistemas, devido à pesca predatória; - proximidade de grandes cidades em embocaduras de rios com rejeitos urbanos industriais e domésticos. c) Área contígua à costa litorânea de um país, que pode atingir 12 milhas náuticas de extensão, onde o país tem direito de explorar economicamente os recursos oceânicos da plataforma continental, desde que demonstre capacidade tecnológica para tal. Aula 6 Fontes de energia no Brasil 01. O consumo de energia elétrica deve subir 9,4% em 2010 (...) e as projeções para o período indicam crescimento médio da demanda de 5,2% ao ano. Extraído e adaptado da Folha de S. Paulo, 09/07/2010, p.b5. Este contexto exige incremento da infraestrutura e diversificação da matriz energética, na qual a bioeletricidade deve assumir um papel cada vez maior. a) Caracterize e exemplifique um processo de geração de bioeletricidade. b) Aponte duas vantagens (socioeconômicas e/ou ambientais) e duas desvantagens que esse tipo de geração energética pode implicar. 22 A escolha de quem pensa!

23 02. Grande parte da produção de petróleo, no Brasil, provém de bacias localizadas na plataforma continental (off shore). Todavia, a produção de petróleo, em área terrestre (on shore), tem significativa importância econômica. a) Identifique duas áreas produtoras de petróleo on shore no Brasil e explique as causas da existência de petróleo nessas áreas. b) No Brasil, nos últimos anos, a exportação de petróleo tem superado, em volume, a importação. Apesar disso, persiste um deficit comercial relativo a esse produto. Explique o porquê desse deficit. 03. Aponte as vantagens e as desvantagens para o Brasil de um eventual aumento da produção de energia nuclear. 04. Governo já tem data para tirar Angra 3 do papel: 10. de setembro O Brasil está muito próximo de tirar do papel a retomada do programa nuclear. O governo debateu por anos se deveria ou não reiniciar as obras de Angra 3. Por fim, em junho do ano passado, o Conselho Nacional de Política energética (CNPe) decidiu autorizar a eletronuclear a construir a terceira usina em Angra dos Reis. Pelos planos que o governo vem anunciando recentemente, Angra 3 será apenas a primeira de uma série de novas usinas nucleares que deverão ser construídas no Brasil. LEONARDO GOY. Adaptado de O Estado de São Paulo, 08/07/2008 A retomada do programa nuclear brasileiro traz à tona a polêmica que envolve essa forma de gerar energia não apenas no país, mas no mundo. Aponte dois argumentos favoráveis e dois argumentos contrários à opção de ampliar a geração de energia elétrica em centrais termonucleares no Brasil. b) Aponte três áreas onde estão localizadas importantes fontes de energia do país. c) Cite dois tipos de energia alternativa em expansão no Brasil. d) Cite três exemplos de atitudes e mudanças de hábitos cotidianos que podem contribuir para uma melhor maneira de utilizar os recursos energéticos. 07. A construção do gasoduto Brasil-Bolívia, inaugurado em 1999, consumiu US$ 2 bilhões de investimentos e foi muito importante para o setor energético brasileiro, pois gerou um considerável aumento na oferta de gás natural no país. O gasoduto foi projetado para transportar - a partir de 2007, quando deve ser atingida sua capacidade máxima - 30 milhões de metros cúbicos de gás, correspondentes à metade das necessidades nacionais. (Adaptado de MORAES, P. R. Geografia do Brasil. 2a. ed. São Paulo: Harbra, 2003, p. 510.) Com base nos dados fornecidos pelo texto e nos conhecimentos sobre fontes de energia, analise a vantagem do uso do gás natural do ponto de vista do meio ambiente e a vantagem específica dessa fonte de energia em relação à matriz energética brasileira. 08. O biodiesel é um combustível biodegradável, derivado basicamente de diversas fontes vegetais, e que pode substituir total ou parcialmente o diesel de petróleo em vários tipos de motores. a) Dê exemplo de duas fontes utilizadas na produção do biodiesel. b) Explique por que o biodiesel tem sido considerado uma alternativa econômica e ambientalmente viável para o Brasil. 09. Observe o gráfico. 05. Recentemente, a relação entre a expansão da produção de agrocombustíveis e a produção de alimentos entrou na agenda política internacional. Considerando esse fato, responda às questões: a) No Brasil, a produção de agrocombustíveis tem forte base na cultura da cana-de-açúcar. Aponte o principal impacto socioeconômico advindo do crescimento da produção de cana-de-açúcar e identifique os principais Estados brasileiros em que essa expansão vem ocorrendo mais fortemente. b) A implementação de uma política de soberania ou segurança alimentar tem sido indicada como alternativa à crise de alimentos. Quais os principais objetivos das políticas de segurança alimentar? 06. O Brasil tem, cada vez mais, buscado investir em novas fontes de energia, o que tem exigido da sociedade mudanças de hábitos e reflexões sobre maneiras de utilizá-las. Sobre essa problemática, atenda ao que se solicita nos itens a seguir. a) Nomeie duas das principais fontes de energia do país. Utilizando as informações acima faça o que se pede. a) Compare o consumo das principais fontes de energia do Brasil com as fontes consumidas mundialmente. b) Considerando as questões ambientais e o uso energético sustentável, explique o consumo brasileiro de energia segundo as fontes renováveis e não renováveis. A escolha de quem pensa! 23

24 10. DEU NO NEW YORK TIMES! (...) 05 de agosto de 2005 Precisamos de uma nova estratégia energética. À época da crise do petróleo de 1973, o Brasil importava quase 80% de sua demanda de petróleo. Após três décadas, essa dependência diminuiu bastante. Hoje a metade dos novos carros vendidos no Brasil roda com qualquer combinação de gasolina e álcool.(...) Nos Estados Unidos, o máximo de economia conseguido pelos automóveis de Detroit foi 10,6 km por litro de gasolina em 1986 e desde então essa média só vem piorando.(...) Nós preferimos importar petróleo da Arábia Saudita, mas não álcool do Brasil. Essas frases foram extraídas de um artigo de jornal de grande circulação nos Estados Unidos. Nele, o jornalista faz duras críticas à estratégia norte-americana em relação à sua política energética. Ao mesmo tempo, enaltece as soluções adotadas pelo Brasil. a) Qual tem sido a estratégia norte-americana para enfrentar a crise energética mundial? b) Quais as alternativas seguidas pelo Brasil para enfrentar essa questão? 11. Observe o mapa, onde estão hachurados os estados brasileiros que possuem jazidas de um minério fundamental para o abastecimento de um tipo específico de usina, localizada no Sudeste brasileiro. a) Identifique o minério e o tipo de usina que ele abastece. b) Em qual região brasileira há maior ocorrência das jazidas deste minério? Quais são e em que estado brasileiro estão localizadas as usinas que se utilizam dele? 12. A Plataforma Continental Brasileira tem uma superfície de 4,3 milhões de km 2, cuja exploração econômica é responsável por 90% da produção nacional de petróleo, extraída de poços que estão, em muitos casos, sob uma lâmina de água a mais de 1000 m de profundidade. Com relação aos municípios costeiros adjacentes às áreas marítimas de exploração petrolífera apresente: a) uma vantagem decorrente da proximidade; b) uma desvantagem dessa mesma proximidade. 13. No Brasil, as empresas estatais assumiram crescente parcela da formação de capital, com a constituição de grandes empresas setoriais de atuação em todo o território nacional. Uma dessas empresas é a Petrobrás, que completa 50 anos no ápice de seu vigor financeiro. A Petrobrás está envolta, até os dias atuais, em um debate entre liberais e nacionalistas que marcou sua criação, em 1953, por Getúlio Vargas, sob o lema o petróleo é nosso. (Adaptado de Sérgio Prado, Aspectos Federativos do Investimento Estatal, em Rui de B.A. Affonso e Pedro L. B. Silva (orgs.), Empresas Estatais e Federação. São Paulo: FUNDAP, 1996, p. 11 e Folha de S. Paulo, Caderno Especial Petrobrás , 03/10/2003). a) Desde que foi criada até meados de 1990, a Petrobrás operou como monopólio estatal de exploração, produção e de refino. O que mudou na indústria petrolífera no Brasil com a quebra do monopólio estatal do petróleo? b) Como a Petrobrás vem reagindo à quebra do monopólio estatal de petróleo? c) Em qual estado brasileiro há a maior concentração das atividades de produção petrolífera e em qual estado há a maior concentração das atividades de refino? 14. Na década de 1920, a geração hidráulica de energia (turbinas e rodas d águas) já era majoritária nos Estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, Bahia, Goiás, Mato Grosso, Santa Catarina e Espírito Santo. Nos demais Estados, a eletricidade era produzida, na sua maior parte, por geradores térmicos (máquinas a vapor e combustão interna). (Adaptado de Milton Santos e Maria Laura Silveira, O Brasil: Território e sociedade no início do século XXI. Rio de Janeiro, Record, 2001, p. 71.) a) No início do século XX, a difusão da energia elétrica no território brasileiro era feita por sistemas técnicos independentes. A partir da década de 1960, passa a ocorrer uma unificação e interligação dos sistemas hidrelétricos isolados. Por quê? b) Cite um dos grandes subsistemas energéticos brasileiros. c) O complexo binacional de Itaipu ainda é considerado a maior hidrelétrica do mundo. Dê duas justificativas para a sua construção. 15. Em vários países, as pesquisas relacionadas ao uso de fontes energéticas alternativas já se vêm desenvolvendo há bastante tempo. No Brasil é grande o potencial natural para sua produção, apesar de seu baixo nível de aproveitamento atual. Apresente duas características do quadro natural brasileiro, relacionando-as ao seu potencial para o desenvolvimento de fontes alternativas de geração de energia. Gabarito 1. a) A geração de bioeletricidade a partir da indústria sucroalcooleira. A energia é obtida por cogeração em usinas de produção de açúcar e etanol. b) Vantagens: o período de cogeração corresponde à baixa hidrológica nas bacias do Sudeste e Centro-Oeste, em 24 A escolha de quem pensa!

25 período de seca (inverno tropical continental com baixa pluviosidade); trata-se de fonte de energia limpa com balanço ambiental positivo. Desvantagens: processo sujeito a entre safras; baixo nível de acesso ao sistema de transmissão elétrica para exportar o excedente de cogeração. 2. a) O petróleo em áreas terrestres (on-shore) no Brasil está associado principalmente a regiões costeiras e as maiores reservas estão na Bacia Potiguar no Rio Grande do Norte, próximo a Mossoró e no Recôncavo Baiano, próximo a Salvador, Bahia, a primeira área de produção petrolífera no Brasil. Ao longo da costa existem inúmeras outras áreas como Carmópolis em Sergipe e Coqueiro Seco e Atalaia em Alagoas. Existe uma pequena produção de petróleo e gás natural na Bacia do Urucu no vale médio do Amazonas. São áreas caracterizadas como bacias sedimentares, antigos leitos marinhos onde no período Cretáceo da Era Mesozoica, grande volume de matéria orgânica (plâncton marinho), por decomposição anaeróbica, resultou na formação de petróleo. b) Como o Brasil privilegiou a matriz de transporte rodoviário, a demanda por óleo diesel e gasolina fez o país importar o produto e mais adiante construir refinarias mais voltadas ao craqueamento de petróleo leve, com mais hidrocarbonetos e de melhor qualidade na produção de combustíveis como a gasolina, o querosene e o óleo diesel e com maior valor de mercado. A descoberta de petróleo na Bacia de Campos, Rio de Janeiro, na plataforma continental, promoveu mudanças no planejamento estratégico do país para o setor energético. A maioria do petróleo de Campos era do tipo pesado com muito betume e elementos graxos e menor valor de mercado. A Petrobras estabeleceu uma política de exportar o petróleo pesado, com menor valor, e importar o petróleo leve, de maior valor, gerando deficit, pelo valor do petróleo leve e seu alto consumo. As atuais descobertas na camada do pré-sal são caracterizadas por grande quantidade de petróleo leve, o que pode inverter a tendência deficitária ao longo do tempo. 3. As vantagens estão na autonomia de localização geográfica das unidades de geração, no aumerto de oferta de energia. As desvantagens ficam por conta da geração de lixo atômico, potencial de acidentes e altos custos na obtenção de energia. 4. Fatores favoráveis: autonomia geográfica na localização de unidades geradoras; aumento na oferta de energia. Fatores desfavoráveis: Altos custos, geração de lixo atômico. 5. a) A partir da implantação do projeto Pró-álcool houve grande expansão do cultivo de cana de açúcar que acabou promovendo expansão latifundiária, desemprego, migrações internas desordenadas, aumento de trabalhadores temporários, boias-frias, queda de áreas cultivadas com lavouras alimentícias. As áreas onde vem ocorrendo maior expansão recente são os estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás e Tocantins. b) São políticas que tem por finalidade garantir a produção familiar, hoje ameaçada pela expansão do agronegócio. Com produção para exportação ou consumo industrial. 6. a) Petróleo (produção de derivados); energia elétrica de origem hidráulica; álcool combustível. b) Bacia de Campos, litoral fluminense, maior reserva e produção nacional de petróleo. Bacia do Paraná, maior potencial hidroenergético instalado - Hidrelétricas de Itaipu (Brasil/Paraguai). Bacia Amazônica, maior potencial energético disponível. São Paulo/Pernambuco e Alagoas - Produção de Cana-de-açúcar. c) Energia eólica ( ventos).energia solar. Biodiesel - a partir de produtos vegetais, como a cana-de-açúcar e a mamona. d) 1. Desligar os aparelhos elétricos das tomadas após o uso. 2. Optar por lâmpadas e aparelhos elétricos econômicos 3. evitar desperdício de água (banhos prolongados, torneira vazando etc). 4. não jogar lixo nas ruas ou nos rios. 5. preferir o uso de biocombustíveis. 7. Ambientalmente trata-se de uma fonte mais limpa e de múltiplos usos. Para o Brasil, a vantagem é diversificar a sua matriz energética para não depender de menos fontes de energia. 8. a) A produção de biodiesel pode utilizar fontes vegetais, como a mamona, o dendê, a palma, a soja e o pinhão bravo. b) Aspectos como o fato da estrutura de produção do agronegócio já estar bem organizada e implantada, não necessitando praticamente de incorporação de novas áreas com impactos ambientais decorrentes, possuir matériasprimas nacionais e constituir-se em fonte alternativa, renovável e pouco poluente e ecologicamente sustentável, fazem do biodiesel uma alternativa ambiental viável. 9. a) O Brasil segue a tendência mundial com alto consumo de petróleo, porém tem uma matriz energética mais limpa devido à grande presença da energia elétrica de origem hidráulica. b) Observa-se no gráfico que 57% da energia brasileira é considerada renovável, com 40% de energia elétrica primária e 17% de biomassa. Os restantes 43% são formados por energia não renovável, com 34% de petróleo, 5% de carvão mineral e 4% de gás natural. Em termos ambientais, pode, com esses dados, ser considerada uma matriz energética limpa. Obs.: Dados mais recentes (2006) colocam um declínio de energia elétrica primária para um aumento de termoelétricas a carvão e a gás natural. 10. a) Manutenção do petróleo como principal fonte de energia e dependência do abastecimento externo, principalmente dos países do Oriente Médio e da América Latina. Essa dependência leva o governo americano a realizar políticas de alianças ou pressão militar. b) O Brasil diversificou suas fontes de energia e buscou soluções domésticas, tais como: investimentos no Proálcool; aumento da produção interna de petróleo e gás natural; incentivos à produção de biodiesel; aumento da capacidade geradora das usinas hidrelétricas. 11. a) Trata-se do urânio, utilizado como combustível em usinas termonucleares. b) Na região Nordeste. No Ceará (Itataia), na Bahia (Lagoa Real-Caetité) e na Paraíba (Espinhares), estão as reservas mais conhecidas. No Rio de Janeiro, município de Angra dos Reis, estão as usinas nucleares de Angra I e II. 12. a) Possibilidades de ganho de capital a partir da cobrança de royalties pelo uso do recurso, geração de empregos. b) Crescimento urbano desordenado, poluição. 13. a) A quebra do monopólio da Petrobrás, fez com que outras empresas petrolíferas entrassem no Brasil e disputassem o mercado interno em atividades como prospecção, refino, transporte, sendo as atividades ligadas ao setor, controladas pela ANP, que é um órgão regulador. b) A Petrobrás precisou mudar sua postura internamente, investindo no aumento da produção e externamente consolidando-se técnica e financeiramente, para fazer frente à concorrência internacional no setor. c) Produção: Bacia de Campos, RJ (82% da produção nacional). Refina: São Paulo, único estado que possui 4 refinarias. 14. a) Na década de 1960, passou a ocorrer uma unificação dos sistemas hidrelétricos isolados existentes no Brasil, porque a expansão da produção de energia elétrica passou a ser encarada pelo governo federal como um assunto de interesse estratégico, de caráter desenvolvimentista e de âmbito nacional. b) Entre os subsistemas energéticos brasileiros, existentes no campo da produção hidroelétrica, pode-se citar como exemplo: a CESP e a CEMIG. c) Condições naturais favoráveis na área, proximidade de um grande mercado consumidor, com forte perspectiva de carência energética. Quadro geopolítico daquele momento histórico, marcado pelo militarismo e pelo acirramento da disputa pela Bacia do Prata com a Argentina. A escolha de quem pensa! 25

26 15. Relacionando a potencialidade do quadro natural brasileiro com o desenvolvimento de fontes alternativas de energia, cita-se como, por exemplo: - predomínio do clima tropical favorecendo a exploração de energia solar; - extensão territorial e o clima propiciando a exploração da biomassa como fonte energética; - extenso litoral com intensidades de ventos, permitindo o aproveitamento da energia eólica; - relevo acidentado e grande quantidade de rios, possibilitando a construção de pequenas centrais hidrelétricas como soluções locais e alternativas aos grandes complexos hidrelétricos. Aula 7 Agropecuária Brasileira 01. No Brasil, é comum a defesa da agricultura familiar, mas privilegia-se, pela concessão de créditos e de investimentos em infraestrutura, o agronegócio. A este último, porém, não só cabem méritos no equilíbrio da balança comercial e composição do superavit primário que favorecem a economia nacional, mas também pesam alguns pecados como a perda de biodiversidade e grande parcela de responsabilidade na escassez de água, que ameaça a humanidade nas últimas décadas. Por outro lado, a agricultura familiar é, em geral, menos produtiva por hectare que ocupa. Tendo-se em vista, porém, outras atividades da economia como a indústria e o comércio, por exemplo e, essa modalidade de agricultura é, muitas vezes, mais capaz de promover o estímulo ao crescimento econômico nacional. Considerando essas informações e outros conhecimentos sobre o assunto, a) Cite e explique duas estratégias adotadas pelo agronegócio que comprometem a biodiversidade e os recursos hídricos no Brasil. b) Cite dois fatores que, no Brasil, fazem da agricultura familiar um estímulo para a economia nacional ou para o comércio e a indústria. 02. PESSOAL OCUPADO NOS ESTABELECIMENTOS AGROPECUÁRIOS Localidade Total de pessoal ocupado Brasil Estado de São Paulo Estado do Rio Grande do Sul Mão de obra familiar (78,3%) (50,2%) (87,9%) Empregados contratados (21,7%) (49,8%) (12,1%) Fonte: IBGE, Censo Agropecuário Adaptado. Com base na tabela e em seus conhecimentos: a) Analise a presença de mão de obra familiar nos Estados de São Paulo e do Rio Grande do Sul, relacionando-a com as atividades agropecuárias predominantes em cada um deles. b) Tendo em vista o fato de que a mão de obra familiar é majoritária no Brasil, analise os dados de pessoal ocupado nos estabelecimentos rurais no Estado de São Paulo, considerando as transformações agrárias ocorridas, nesse estado, a partir dos anos A luta pela terra no Brasil ganhou dimensão nacional com a emergência de movimentos sociais e políticas de distribuição de terras pelo governo. Apesar disso, persistem os conflitos no campo brasileiro. a) Por que ocorrem conflitos na fronteira agrícola do país? b) Qual foi a principal mudança ocorrida nos conflitos no campo brasileiro nos últimos anos? Explique. 04. O campesinato neste continente [América Latina] sempre precisou se movimentar para procurar terras de trabalho. Locomove-se movido pelo interesse de trabalhar com terras e ao mesmo tempo à procura delas. Ora consegue-as por ocupações e as perde por despejo judicial ou por grilagem; ora perde-as economicamente em função da política de preços que leva à perda de prazos de vencimento da hipoteca consumada para obter crédito para a lavoura. Perde-as ainda em função de determinações mais estruturais do processo de acumulação capitalista no campo em cada conjuntura proletarização, subordinação à agroindústria ou transformação do segmento de produtores familiares numa determinada área em bolsão de reserva para o capital enquanto mão de obra disponível para exploração eventual ou intermitente. Ou, como pequeno produtor, se proprietário permanentemente endividado, acaba amarrado a contratos draconianos de parceria com os tubarões da agricultura de exportação. (Ana Maria Motta Ribeiro, Sociologia do narcotráfico na América Latina e a questão camponesa, em Ana Maria Motta Ribeiro; Jorge Atílio S. Iulianelli (Orgs.), Narcotráfico e violência no campo. Rio de Janeiro: DP&A, 2000, p.24.) a) O que significa grilagem de terras? Como surge o termo grilagem? b) Como a estrutura agrária contribui para o processo migratório de camponeses, em vários sentidos e direções, pelo interior do Brasil? 05. Herdeiro do pampa pobre Mas que pampa é essa que eu recebo agora Com a missão de cultivar raízes Se dessa pampa que me fala a história Não me deixaram nem sequer matizes? Passam às mãos da minha geração Heranças feitas de fortunas rotas Campos desertos que não geram pão Onde a ganância anda de rédeas soltas Herdei um campo onde o patrão é rei Tendo poderes sobre o pão e as águas Onde esquecido vive o peão sem leis De pés descalços cabresteando mágoas Se for preciso, eu volto a ser caudilho Por essa pampa que ficou pra trás Porque eu não quero deixar pro meu filho A pampa pobre que herdei de meu pai Gaúcho da Fronteira e Vaine Duarte 26 A escolha de quem pensa!

27 A região do pampa, no Rio Grande do Sul, reflete a realidade rural brasileira e suas mazelas. Identifique o processo socioespacial que originou a estrutura agrária descrita no texto. Aponte também uma de suas causas e uma de suas consequências socioeconômicas. 06. OBSERVE AS FIGURAS A SEGUIR 09. A figura a seguir, a despeito de apresentar a delimitação territorial atual do Brasil, representa a formação espacial colonial-escravista brasileira na passagem do século XVIII para o século XIX, momento fundamental para a compreensão da formação territorial do Brasil. A figura delimita as diversas atividades econômicodemográficas, do que resulta um dado arranjo espacial. a) Indique uma função desempenhada pela pecuária na economia colonial. b) Apresente as condições que permitiram que a atividade pecuária ocupasse áreas florestais, no Brasil, a partir do século XX. 07. A questão agrária no Brasil resulta de um conjunto de problemas gerados pelo processo de acumulação capitalista e pelo desenvolvimento da agricultura e da pecuária, em particular. Sobre essa questão, responda o que se pede a seguir. a) Apresente duas características dominantes da estrutura fundiária brasileira. b) Cite duas diferentes formas de trabalho presentes no campo brasileiro. c) Complete o quadro apresentando, para cada grupo de produção, a região produtora e dois produtos agropecuários expressivos cultivados em cada uma delas. a) Relacione as áreas de pecuária, no final do século XVIII, aos biomas existentes no Brasil. b) A expansão da atividade pecuária pelo território esteve vinculada também ao tropeirismo. Descreva o papel da atividade pecuária e do tropeirismo na constituição do território brasileiro. 10. Leia as informações a seguir: Região Grupos de produção Produtos agropecuários Complexos agroindustriais Unidades familiares de produção d) Cite duas consequências socioeconômicas decorrentes da não realização da reforma agrária pelo governo brasileiro. 08. Agronegócio (também chamado de agrobusiness) é o conjunto de negócios relacionados a toda cadeia produtiva da agricultura e da pecuária. O aprimoramento do agronegócio barateou o custo dos alimentos e deu à população um maior poder de consumo e de escolha, mas também trouxe vários problemas, principalmente ligados às questões ambientais e sociais. a) Cite três importantes produtos do agronegócio brasileiro. b) Mencione dois problemas ambientais e dois problemas sociais gerados por essa atividade econômica. PIB DA AMAZÔNIA LEGAL CRESCE MAIS QUE O DO PAÍS O agronegócio avança e é apontado por ambientalistas como a principal causa da devastação na Amazônia. Setores do governo e representantes de produtores rurais descartam a hipótese de recuo do agronegócio na Amazônia Legal e afirmam que a tendência será aumentar a produção em áreas de florestas já abertas. Adaptado de Zero Hora, 16/06/2008. A escolha de quem pensa! 27

28 Diferentes critérios e objetivos podem orientar a divisão do espaço geográfico em regiões. Na Amazônia, uma variedade de parâmetros tem sido empregada para essa divisão, o que pode gerar dúvidas quanto ao recorte territorial de suas regionalizações. Diferencie o recorte territorial da Região Norte do recorte da Amazônia Legal. Em seguida, aponte os dois principais produtos do agronegócio cuja expansão da produção representa um sério risco para o desmatamento na Amazônia. 11. Observe a figura a seguir: a) O que é o Protocolo de Cartagena? Por que alguns países se recusam a assiná-lo? b) Qual é o principal produto transgênico cultivado na Argentina? Quais implicações trouxe ao Brasil? 12. A agropecuária é uma atividade produtiva integrante do setor primário da economia, caracterizada pela produção de bens alimentícios e matérias-primas decorrentes do cultivo de plantas e de criação de animais. No Brasil, a partir da década de 1950, essa atividade se modernizou atingindo atualmente elevados índices de produção. Considerando estes dados, responda ao que se pede. a) Diferencie agropecuária extensiva e intensiva. b) Identifique e explique dois aspectos positivos da agricultura moderna para a economia brasileira. c) Identifique e explique dois impactos negativos, resultantes da modernização da agricultura, para os trabalhadores rurais. 13. Leia o poema a seguir: Tem fazenda e fazenda que é grande perfeitamente sobe serra desce serra salta muita água corrente sem lavoura e sem ninguém o dono mora ausente Lá só tem um caçambeiro* tira onda de valente Isso é uma grande barreira que está em nossa frente tem muita gente sem terra e tem muita terra sem gente. *caçambeiro = adulador, bajulador. ( Espelho da Realidade, em: CONTO DOS LAVRADORES DE GOIÁS) Analise a estrutura fundiária brasileira e a forma de ocupação da terra, com base em elementos presentes no poema anterior. 14. O posseiro operou como desbravador do território, como amansador da terra (...). É frequentemente utilizado para deslocar os grupos indígenas, para avançar sobre a terra deles, desalojado pelo capital (...). O capital, amplamente estimulado pelo Estado, já avança sobre as terras dos posseiros e terras indígenas. (José de Souza Martins, em: AMAZÔNIA: MONOPÓLIO, EX- PROPRIAÇÃO E CONFLITO) O texto refere-se às relações entre posseiros, índios e empresas capitalistas, no processo de ocupação territorial que ocorre na Amazônia. Com base nesse texto, responda: a) O que é fronteira agrícola? b) Como ocorre a sua expansão? c) Quais são as consequências dessa expansão? 15. A busca do aumento da produtividade agrícola vem incentivando no Brasil, um consumo crescente de máquinas, defensivos e fertilizantes. Quais os tipos de críticas que vêm sendo feitas à utilização desse tipo de tecnologia, do ponto de vista das consequências de seu uso na natureza? Gabarito 1. a) A opção por monoculturas, com destaque para as de maior valor de mercado, como soja, cana-de-açúcar e café e o plantio de espécies geneticamente modificadas, capazes de render mais de uma safra por ano, implicando no uso de irrigação com elevado consumo de água. b) A policultura é responsável por um maior dinamismo econômico, maior empregabilidade no cuidado das variadas lavouras e expansão da base de produtos de consumo urbano nos setores comercial e industrial, como verduras, legumes e frutas 2. A análise da tabela permite comparações entre a mão de obra familiar e a mão de obra contratada e suas variações em áreas específicas do Brasil. Ao compararmos os estados do Rio Grande do Sul com São Paulo, existem diferenças significativas. A herança colonial do Rio Grande do Sul favoreceu uma concentração de propriedades familiares enquanto em São Paulo, a produção voltada para uma escala maior, tende a ter mais mão de obra contratada. a) A predominância de mão de obra familiar no Rio Grande do Sul é uma herança colonial europeia, baseada na pequena propriedade com produtos variados (policultura) para consumo e comercialização como forma de obtenção de excedente. A videira, a macieira, a pereira, a cevada, a criação confinada para abate de frango e leitão, seu uso em frigoríficos, o gado leiteiro com uso nos laticínios, são alguns exemplos. Em São Paulo, o equilíbrio nos números aponta para um processo de maior concentração de terras com cultivos comerciais como cana de açúcar e café. b) Pode-se inferir um gradual deslocamento da mão de obra do campo para a cidade devido a mudanças a partir da década de 1950 em: tipos de safra diminuição da cafeicultura e expansão da cana e da laranja; mecanização processo crescente que desloca mão de obra para outras atividades. Enquanto um cortador de cana produz 6 toneladas por dia, uma máquina cortadora produz 22 toneladas por hora. 28 A escolha de quem pensa!

29 3. a) São as áreas mais recém incorporadas à economia agropecuária, onde ainda ocorrem problemas fundiários em relação a posse de terra em termos de titulação. b) A organização dos movimentos em torno do MST que possibilitou a criação de grupos melhor estruturados, politicamente conscientizados e com mais instrumentos de luta. 4. a) A grilagem de terra é uma espécie de estelionato na tentativa de tomar posse de terras alheias ou públicas mediante falsas escrituras de propriedade. O termo tem origem antiga associada ao uso de grilos (insetos) para dar a aparência de envelhecimento ao papel dos documentos por conta dos dejetos dos insetos. Acabou se tornando uma expressão consagrada. b) O Brasil herdou do período colonial um sistema de distribuição e registro de terras que favoreceu a existência de uma estrutura fundiária baseada no latifúndio. A presença de pequenas propriedades foi por muito tempo ligada apenas à subsistência com sua institucionalização e incorporação produtiva mais dinâmica apenas a partir do século XIX com a presença dos imigrantes europeus radicados mais na região sul. O resultado é um processo fundiário desequilibrado onde a concentração de terras é o principal problema seja do ponto de vista social seja economicamente falando. O resultado é que existe muita gente para pouca terra e muita terra nas mãos de poucos proprietários. Os desequilíbrios decorrentes acabam favorecendo sucessivos movimentos migratórios em busca de oportunidades ou terras baratas. O Brasil é ainda uma das poucas nações que não concluiu seu processo reforma agrária. 5. Concentração fundiária ou concentração de terras Uma das causas: modernização da agricultura. o sistema de sesmarias adotado na época colonial. legislação fundiária que restringe o acesso à terra ao pequeno agricultor. Uma das consequências: êxodo rural. redução dos cultivos de subsistência. empobrecimento do morador do campo. aumento das desigualdades de renda no país. 6. a) A economia colonial brasileira é fundamentada no ciclo canavieiro e na pecuária, que lhe dava suporte, em grandes latifúndios. As lavouras de cana localizavam-se no litoral e a internação socioeconômica era controlada pela coroa portuguesa. No período colonial, a pecuária desempenhou vários papéis como: I) facilitar o surgimento de núcleos urbanos; II) favorecer a interiorização da população desdobrando-se na ocupação do território; III) atender as demandas por animais de tração e consumo de carne para a população majoritariamente concentrada na faixa litorânea. b) Ao longo do século XX, o território brasileiro passou a ser explorado intensivamente a partir de movimentos migratórios atraídos pelo baixo preço da terra e programas governamentais de investimentos à agropecuária modernizada. No início dos anos 1970, as áreas florestadas constituíam-se na última fronteira pioneira do país, que passou a ser conquistada por atividades primárias como garimpo e agricultura, aspectos que permitiram que a pecuária ocupasse essas áreas florestais a partir do século XX. Podemos destacar aspectos como: I) crescimento urbano-industrial com aumento da demanda por carne no mercado interno; II) a expansão capitalista do campo com investimentos em zootecnia que levou a uma maior rentabilidade da atividade pecuária (inseminação artificial, plantel melhorado, rações balanceadas pastagens artificiais, melhoria do plantel etc.); III) aumento das exportações pela origem predominantemente verde de nosso rebanho bovino; IV) a ausência de regularização e fiscalização insuficiente nas novas áreas de ocupação. 7. a) Entre as características dominantes da estrutura fundiária brasileira, podemos citar o fato de ser uma das mais concentradas do mundo e o fato de possuir grandes disparidades regionais na relação entre trabalho tecnológico e trabalho manual na produção, apesar de ter se destacado pelo desenvolvimento dos megalatifúndios no mesmo processo em que se observa o crescimento dos minifúndios. Isso tem permitido a configuração de uma estrutura fundiária, repleta de conflitos pela terra. b) Entre as diferentes formas de trabalho presentes no campo brasileiro, podemos lembrar as formas de trabalho não capitalistas, que podem ser o trabalho familiar, a parceria, a prática de ajuda mútua, o trabalho coletivo e o uso comum da terra, e as formas de trabalho capitalista, que podem ser o trabalho assalariado, o contrato temporário, o trabalho diarista, e, algumas vezes, o arrendamento. c) Com relação à região produtora, aos grupos de produção e aos produtos agropecuários que ocupam lugar de destaque nela, podemos salientar alguns fatos. O Sudeste se destaca pelos mais eficientes complexos agroindustriais do país, pela produção da cana-de-açúcar, da laranja, do milho e pela pecuária intensiva para o mercado externo. No caso das unidades familiares presentes nessa região, podemos citar a produção de frutas típicas, como a uva, o figo, a goiaba, a pera, o morango, e a produção de flores. O Centro-Oeste também tem destaque com os complexos agroindustriais produtores de milho, soja, e a pecuária intensiva. Nas unidades familiares, o destaque vai para o cultivo do feijão, milho e mandioca e das frutas do cerrado, como o piqui. No Nordeste os complexos agroindustriais estão desenvolvendo a cana-de-açúcar, a uva de mesa e a soja. De fato, o destaque nessa região está nas unidades familiares, com o arroz, o feijão, a mandioca, o milho e o algodão. A região Sul destaca-se com a agroindústria de avicultura, suinocultura, produção de soja e celulose. As unidades familiares muitas vezes atreladas aos complexos agroindustriais produzem suínos, uva, fumo e trigo. O Norte destaca-se pelo crescimento das pastagens extensivas, feitas pelos grandes proprietários de terra que avançam do Centro-Oeste para o Norte, e pela coleta de produtos da floresta, como a castanha-do-pará, a malva, o urucum, o guaraná, o açaí, o cupuaçu e o bacuri, feita pelos produtores que, também, são pescadores. d) Entre as consequências socioeconômicas decorrentes da não realização da reforma agrária pelo governo brasileiro, podemos citar alguns fatos. A luta pela reforma agrária e por condições dignas de vida no campo tem destaque especial, porque em nosso país a migração campo-cidade tem fortalecido nas cidades a concentração da renda e aumento da desigualdade social através do aumento do desemprego, da favelização, da pobreza, da miséria e da fome. Outra consequência bastante importante é a alta no preço dos alimentos. 8. a) Como exemplos de produtos importantes do agronegócio brasileiro, podemos destacar: soja, cana de açúcar, algodão, café. b) Do ponto de vista ambiental, a expansão do agronegócio no Centro-Oeste e no Norte do Brasil vem destruindo os ecossistemas do Cerrado e da Floresta Amazônica; as queimadas para plantio provocam poluição e aumento da carga de gás carbônico (estufa) para a atmosfera, fazendo do Brasil um dos maiores lançadores de gases estufa para a atmosfera. Em termos sociais, a expansão do agronegócio aumentou muito a concentração de terras; os baixos salários pagos à mão de obra rural, como no caso dos cortadores de cana que em algumas regiões da fronteira agropecuária trabalham em condições precárias. 9. a) São destacadas áreas de criação pecuária, a Campanha Gaúcha, nos Pampas, Triângulo Mineiro em área de Cerrado, Mato Grosso, Ilha de Marajó e em áreas alagáveis e Sertão Nordestino. b) A demanda por animais de tração e para a alimentação associada ao vazio populacional do Brasil foram aspectos que facilitaram a criação nessas inúmeras áreas. Na época, A escolha de quem pensa! 29

30 os deslocamentos das áreas de criação para as áreas de emprego ou consumo eram feitos a toque com boiadeiros e tropeiros que rasgavam o território tocando os animais. 10. A Região Norte é uma área geoeconômica denominada pelo IBGE, composta pelos estados do Pará, Amazonas, Roraima, Rondônia, Acre, Amapá e Tocantins. A Amazônia Legal é um domínio natural caracterizado pela presença da floresta amazônica ocupando toda a região Norte, mais oeste do Maranhão e norte do Mato Grosso. Os dois produtos são a soja e a criação pecuária bovina. 11. a) O Protocolo de Cartagena trata da Biossegurança (assinado por 132 países) sendo o primeiro acordo firmado no âmbito da Convenção sobre Diversidade Biológica (com 188 países). Pretende assegurar um nível compatível de proteção no campo da transferência, manipulação e uso seguro dos organismos vivos modificados (OVMs), resultantes da biotecnologia moderna (transgênicos). A recusa de vários países em assiná-lo está relacionada ao temor que os transgênicos possam ter efeitos nocivos sobre a saúde humana e prejudicar a conservação e o uso sustentável da diversidade biológica. b) O produto transgênico mais cultivado na Argentina é a soja. O aumento da produção de soja transgênica na Argentina, trouxe, entre outras, diversas consequências para o Brasil, como: o aumento da concorrência no mercado internacional e a entrada ilegal de sementes transgênicas em seu território. 12. a) - Agropecuária extensiva: Grandes áreas ocupadas, baixo emprego de mão de obra, baixo grau de mecanização, baixa produtividade. - Agropecuária intensiva: Alto grau de mecanização, utilização de pouca mão de obra, alta produtividade, monocultura agroexportadora. b) - Alta produtividade: Geração de renda; - Maior oferta de produtos a preços mais acessíveis; - Geração de excedentes para exportação e consequente geração de divisas - Maior capacidade de produção de produtos agropecuários. c) - Utilização de pouca mão de obra e consequente expulsão do homem do campo; concentração fundiária, degradação das condições de trabalho. 13. Excessiva concentração fundiária dificultando o acesso à terra. 14. a) Área natural que começa a ser utilizada pela primeira vez. b) A partir de áreas já conhecidas, em direção às novas. c) Ocupação, expansão agropecuária e extrativista, migrações. 15. Excesso de defensivos e pesticidas. Contaminação dos alimentos e dos trabalhadores. Poluição dos rios. Aula 8 Demografia Brasileira 01. Analise o gráfico demográfico do Brasil entre os anos de 1920 e Considerando que o crescimento vegetativo de uma população resulta das taxas de natalidade e mortalidade, responda: a) O que pode explicar o aumento do crescimento vegetativo do país entre 1940 e 1960? E o que pode explicar a queda desse índice após 1960? Justifique. b) Como se explica o crescimento absoluto da população brasileira, a partir de 1960, concomitantemente à queda no crescimento vegetativo? 02. O Índice de Desenvolvimento Humano - IDH é adotado pela Organização das Nações Unidas - ONU para a classificação de países de acordo com indicadores sociais e econômicos. Aponte dois indicadores demográficos que compõem o IDH. Em seguida, a partir da análise do gráfico, justifique a variação desse índice no Brasil nas últimas décadas. 03. Observe os mapas a seguir: a) Correlacione as informações contidas nos mapas. b) Identifique e explique dois fatores responsáveis por mudanças no padrão espacial de distribuição da população brasileira, ocorridas entre 1991 e Os dados dos últimos censos demográficos do Brasil indicam aumento da migração urbano-urbano e da pendular. Com base nesta afirmação, a) apresente dois fatores que explicam a relevância atual da migração urbano-urbano; b) explique uma causa para o aumento atual da migração pendular. 05. O impacto sobre São Paulo dos migrantes nordestinos, que chegaram à cidade no meio do século XX, foi tão grande quanto os efeitos produzidos pelos imigrantes que vieram da Europa, do Oriente Médio e da Ásia em décadas anteriores. Nos dois casos, os que dominavam a cidade incentivaram a vinda desses trabalhadores e suas famílias (...). Entretanto, os efeitos sociais e políticos foram sempre mais difíceis de digerir como demonstram os casos recentes de uma prefeita da cidade e de um presidente da República, nascidos no Nordeste, e objetos em São Paulo de preconceitos nada sutis. (Adaptado de Paulo Fontes, Um Nordeste em São Paulo Trabalhadores migrantes em São Miguel Paulista ( ). Rio de Janeiro: FGV, p.13.) 30 A escolha de quem pensa!

31 a) Qual a maior cidade nordestina fora do Nordeste brasileiro? Por que houve o incentivo ao processo imigratório de nordestinos para São Paulo? b) Quais as principais determinantes sociais e econômicas do processo migratório de nordestinos para São Paulo em meados do século XX? 06. A velocidade do declínio dos níveis de fecundidade brasileiros em um curto espaço de tempo teve importantes repercussões em termos de uma drástica redução da taxa de crescimento populacional brasileira e de uma profunda mudança na distribuição etária da população nacional, que resultou em um amplo declínio da participação relativa do grupo etário jovem (menores de 15 anos) e uma mais do que duplicação do peso da população idosa (acima de 65 anos) entre 1950 e Inicia-se, dessa forma, o persistente processo de envelhecimento da população brasileira. (MOREIRA, M. de M. Envelhecimento da população brasileira: aspectos gerais. Disponível em textos. Acesso em 22/10/2009.) Como é denominado o processo pelo qual o Brasil está passando e quais são suas razões e consequências? 07. Observe o gráfico a seguir e responda às questões: Indique um país que promove campanha de incentivo à natalidade, apresentando uma justificativa para isso. Em seguida, identifique um motivo pelo qual a população do Brasil não diminuiu entre 1982 e 2008, apesar dos dados acima apresentados. 09. Os fluxos migratórios são fenômenos antigos e bastante complexos que envolvem pessoas de países, regiões e cidades de diferentes culturas e classes sociais. Os motivos que levam as pessoas a se deslocarem são diversos e têm gerado consequências positivas e negativas no campo e na cidade. Na perspectiva de entender os fluxos migratórios, a Geografia trabalha com alguns conceitos e relaciona alguns fatores que explicam tal fenômeno. Sobre estes conceitos e fatores, faça o que se pede a seguir. a) Defina: I. êxodo rural: II. migração pendular: b) I. dois fatores de repulsão populacional. II. dois fatores de atração populacional. c) Apresente: I. uma consequência positiva ocasionada pelo deslocamento das pessoas no Nordeste brasileiro. II. uma consequência negativa ocasionada pelo deslocamento das pessoas no Nordeste brasileiro. 10. Observe o gráfico a seguir: a) Indique a(s) região(ões) do globo com taxa de esperança de vida ao nascer inferior à média mundial, nos intervalos e Indique a região representada no gráfico com o melhor desempenho no aumento de expectativa de vida ao nascer entre os períodos 1965/1970 e 1995/2000. b) Por que, entre os períodos 1965/1970 e 1995/2000, houve aumento da esperança de vida ao nascer em todas as regiões indicadas no gráfico? 08. Pare de tomar a pílula Dia desses, podem lançar uma campanha para as mulheres brasileiras voltarem a ter mais filhos, como já acontece em alguns países mundo afora. Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios revelam que, se dependesse apenas do nascimento de bebês, nossa população já teria encolhido: em 1982, eram 6,7 milhões de brasileiros com menos de um ano; em 2008, eram 5,2 milhões, ou seja, 1,5 milhão de brasileirinhos a menos no país. Adaptado de O Globo, 20/09/2009 Considerando-se o crescimento urbano no Brasil no século XX: a) identifique duas causas socioespaciais, entre 1930 e 1990, para a diminuição do número de óbitos causados por infecções parasitárias ; b) cite um motivo para o aumento significativo das mortes geradas por causas externas e um motivo para a ampliação das mortes na categoria aparelho circulatório. 11. Observe a diferença da forma da pirâmide etária brasileira de 1980 e de 2000, e explique as causas e as consequências desta modificação. A estrutura etária da população é, de modo geral, retratada por meio de gráficos em forma de pirâmides. Na ordenada, são colocados os grupos de idade; na abscissa, o contingente populacional (em números absolutos ou percentuais) é enquadrado em cada um dos grupos de idade. A escolha de quem pensa! 31

32 13. Observe o gráfico. 12. Os dados recentes sobre analfabetismo no Brasil e nos países da América Latina e Caribe, divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE, 2008), revelam importante aspecto das diferenças regionais. a) Compare a base e o topo nos anos de 1992 e b) Comente a situação das mulheres e dos homens nas faixas etárias de 20 a 24 anos e de 30 a 34 anos. 14. A análise de uma pirâmide etária permite identificar numerosas características socioeconômicas de uma população, o que pode contribuir para o direcionamento adequado das ações governamentais. Observe as pirâmides etárias do Brasil: Identifique duas mudanças do perfil demográfico do país, no período considerado, indicando também uma política pública adequada a cada uma dessas mudanças. 15. O conceito de analfabetismo sofreu mudanças desde a Antiguidade até os dias atuais. No Brasil, os valores da taxa de analfabetismo decresceram de 54,5% em 1940 para 13,3% em Os resultados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) permitem comparar a situação de homens e mulheres no aspecto educacional e no nível de ocupação, no período 1992 a Observe os gráficos. a) Em termos regionais qual a situação da distribuição das taxas de analfabetismo no Brasil? De que maneira isso influencia a manutenção das desigualdades regionais? b) Entre os países citados, qual apresenta a maior taxa de analfabetismo? De que maneira a situação política desse país contribui para explicar tal fato? Descreva o comportamento das curvas relativas ao sexo feminino nos dois indicadores considerados. 32 A escolha de quem pensa!

33 Gabarito 1. a) No período considerado, melhorias sanitárias e vacinação repercutiram em queda nas taxas de mortalidade (principalmente a mortalidade infantil). Dentro de um ambiente de população rural predominante, as taxas de natalidade mantiveram-se altas provocando alta taxa de crescimento vegetativo. b) A urbanização crescente a partir dos anos 1960 diminuiu a natalidade, mas a base de cálculo nos valores absolutos também ficou modificada devido ao período entre 1940 e 1960 com alto crescimento vegetativo. O resultado foi uma queda do crescimento vegetativo com aumento inercial da população absoluta. 2. O IDH pode ser indicado por expressões como PIB per capta; acesso à renda caracterizada pelo poder aquisitivo real; índice de analfabetismo; expectativa de vida ao nascer. O Brasil apresentou indicadores de melhoria na educação e na expectativa de vida garantindo a elevação de seu IDH. 3. O Brasil segue uma tendência mundial de controle espontâneo de natalidade a partir da consolidação do processo de urbanização. Mas sua distribuição no território apresenta algumas disparidades. a) Basicamente os mapas mostram a distribuição irregular da população no território brasileiro. A expansão industrial atuou como uma mola impulsionando a urbanização que acabou se concentrando na faixa litorânea por questões históricas, culturais e locacionais. O efeito da urbanização também pode ser notada nas taxas de crescimento populacional mais significativas em regiões mais afastada ainda com perfil rural em relação às maiores concentrações urbano-industriais com menores taxas de crescimento populacional, devido a fatores como maior urbanização, altos custos de criação, casamentos tardios entre outros. b) O período entre 1991 e 2000 foi marcado pelo avanço da fronteira pioneira agropecuária que incorporou novas áreas de produção conduzindo contingentes populacionais em direção ao interior. Além disso, os grandes centros metropolitanos começaram a mostrar sinais de deteriorização de suas instalações, queda na qualidade de vida e altos custos operacionais que acabaram favorecendo o surgimento de políticas de descentralização favorecendo o crescimento de cidades médias. 4. a) Fatores que explicam a migração urbano-urbano: pouco dinamismo das cidades pequenas que geram fluxos dessas para as cidades médias; fuga dos problemas urbanos das metrópoles; deslocamento das indústrias para as cidades médias atraindo trabalhadores; deslocamento de parte da população jovem das pequenas cidades para as médias ou grandes em busca de oportunidades de emprego; busca de emprego e educação; demanda por mão de obra qualificada; inchaço das metrópoles. b) Causas do aumento da migração pendular: crescimento das metrópoles e/ou das regiões metropolitanas; desenvolvimento de atividades terciárias e quaternárias nos espaços urbanos; distância espacial entre os locais de moradia, estudo e trabalho; aumento no tempo de deslocamento entre os pontos de circulação; deslocamento diário de trabalhadores do espaço urbano para o rural; menor custo de vida nas cidades pequenas próximo às cidades médias e grandes; 5. a) São Paulo é considerada a maior cidade nordestina fora do Nordeste. O baixo preço da mão de obra em ciclos econômicos que demandaram participação do processo de crescimento econômico da capital e de sua Região Metropolitana foram os principais incentivos à migração nordestina. b) De um lado as más condições de vida a partir da má distribuição de terras e de renda e por outro lado o crescimento econômico e a demanda por mão de obra para atividades na indústria, construção civil e serviços podem ser considerados determinantes no processo migratório de nordestinos para São Paulo. 6. Brasil passa por um processo de transição demográfica, cujas razões são a baixa taxa da natalidade, que contribui para a diminuição da população jovem associada à queda da mortalidade com o aumento da perspectiva de vida. Tais processos têm paulatinamente aumentado a percentagem da população idosa em relação à jovem, o que traz como consequências alterações no mercado de trabalho, maior demanda por políticas públicas específicas, como saúde e assistência social voltadas aos idosos, bem como maior pressão sobre o sistema de seguridade social. 7. a) Entre 1965 e 1970, são regiões africanas e asiáticas que se encontram abaixo da média mundial; entre 1995 e 2000, apenas a África está nessa situação. Entre os períodos de 1995 a 1970 e de 1995 a 2000, o melhor desempenho pode ser observado na Ásia. b) Entre os períodos de 1965 a 1970 e 1995 a 2000, ocorreu uma melhoria significativa nas condições de saneamento básico, maior acesso à educação, melhores condições de alimentação, maior disseminação das vacinas, maior acesso à saúde, urbanização e relativo aumento da renda em escala global, apesar de estar ocorrendo em condições desiguais. 8. Um dos países: Japão Itália Alemanha Suécia Uma das justificativas: reposição de mão de obra. aumento da arrecadação de impostos. diminuição dos deficits previdenciários. diminuição da necessidade de importação de mão de obra estrangeira. Um dos motivos: aumento da expectativa de vida. redução da taxa de mortalidade geral. 9. a) I. O êxodo rural é a migração das pessoas que moram no campo para a cidade. Vários são os motivos que levam a população rural a migrar para a cidade, dentre estes se destacam as oportunidades de melhoria de vida, como a oferta de empregos, o acesso aos serviços de educação, assistência médica, saneamento, eletricidade. Contribuem também para o êxodo rural as secas periódicas, as geadas e a questão agrária, como a concentração fundiária, a mecanização da agricultura. II. A migração pendular é o deslocamento diário de uma população entre municípios. Esse fluxo de pessoas ocorre nas regiões metropolitanas, onde há uma forte integração socioeconômica entre os municípios. Trata-se de um movimento diário de pessoas entre o local de moradia e o local de trabalho. Nesse movimento há o uso intenso dos meios de transporte coletivo. b) I. Podemos destacar, como fatores de repulsão populacional, a estagnação econômica das áreas de repulsão, a concentração fundiária, que gera conflitos nestas áreas, as catástrofes naturais, como as secas periódicas e as geadas, a ausência de serviços educacionais de boa qualidade. A ampliação das relações capitalistas no campo, que desestrutura as antigas relações tradicionais de trabalho (a parceria, o arrendamento etc.), a mecanização da A escolha de quem pensa! 33

34 agricultura, a substituição da lavoura por pastos e a grande especulação imobiliária são também as causas da fuga da população do campo para a cidade. II. Já os fatores de atração populacional dizem respeito à oferta de emprego gerada por algumas atividades na construção civil e na indústria presente nos grandes centros urbanos; à oferta de serviços, mesmo que temporários, na construção de rodovias, ferrovias, usinas hidrelétricas, tanto no campo como na cidade. No que se refere à região Norte do Brasil, destaca-se o fluxo de pessoas atraídas pelo garimpo, pela extração de madeiras e borracha e pelas indústrias de mineração. Nessa região, nas últimas décadas do século XX, assiste-se à ampliação da fronteira agrícola ao sul de seus limites territoriais, o que tem atraído grandes empresas agrícolas de outras regiões. Os atrativos das cidades, veiculados pela mídia sobre uma população que cada vez mais perde suas raízes com a terra, também contribuem para o êxodo rural. Ao mesmo tempo em que o campo expulsa, a cidade atrai. c) I. Podemos considerar, como consequências positivas ocasionadas pelo deslocamento das pessoas, a oportunidade de trocar suas experiências favorecendo assim o enriquecimento cultural por meio da troca de valores através dos contatos, a possibilidade de sucesso na vida profissional favorecido pela oportunidade de estudos nos diversos níveis de ensino (fundamental, médio e superior) e melhores condições de moradia em função da acessibilidade aos serviços como água, energia e saneamento básico. II. São várias as consequências negativas ocasionadas pelo deslocamento das pessoas de seu lugar de origem para outro. Quanto ao Nordeste brasileiro, podemos citar a perda da identidade do indivíduo causada pela ruptura com seu lugar de origem, ou seja, o distanciamento físico nas relações familiares e de amizades, assim como pelo abandono das imagens dos lugares que marcam o cotidiano das pessoas: bairros, ruas, povoados etc. Outra consequência diz respeito à condição de forasteiro, de estranho, e à necessidade de integração com o novo espaço físico e social. A população nordestina, em alguns casos, sofre preconceito regional. Mais uma consequência é a discriminação decorrente dos modos de falar e de vestir, do gosto musical etc. As condições de moradia dessa população que migra para as grandes cidades são precárias, pois poucos são os que conseguem moradia digna. Muitos moram nas periferias dos grandes centros urbanos, onde faltam serviços básicos, como assistência à saúde, coleta de lixo, esgotamento sanitário, pavimentação das ruas, entre outros. 10. a) As causas selecionadas são: 1. a implantação dos serviços de saneamento básico em grande número de bairros das cidades brasileiras; 2. a instalação de centrais de tratamento de água nas principais regiões metropolitanas do país; 3. a realização permanente de campanhas nacionais e locais sobre regras básicas de higiene pessoal, popularizadas através dos meios de comunicação de massa; 4. a drástica redução do analfabetismo, através da disseminação das escolas de ensino básico por todo o território nacional; 5. a ampliação das redes de hospitais e postos de saúde pelo território nacional; 6. a criação de institutos de pesquisa dedicados à saúde pública aprimorando técnicas de prevenção e controle de algumas doenças infecto-parasitárias (Fundação Oswaldo Cruz, Adolfo Lutz, Butantã). b) Dentre os motivos gerados por causas externas, destacam-se: 1. o aumento significativo dos acidentes de trânsito; 2. o crescente número de vítimas da violência urbana, principalmente nas periferias dos grandes centros brasileiros. Dentre as causas geradas pela categoria aparelho circulatório, destacam-se: 1. as mudanças nos padrões alimentares da população brasileira, com o aumento do consumo de gorduras polisaturadas, fast food e comidas industrializadas diversas, típicas do ambiente urbano; 2. a sedentarização do homem urbano que, pelo próprio ritmo de vida das cidades contemporâneas, reduz as chances de movimentos corporais; 3. a reduzida oferta, nas cidades, de espaços de lazer e para atividades físicas ao ar livre, diminuindo as possibilidades dos seus habitantes desenvolverem exercícios e atividades lúdicas e esportivas com mais frequência; o estresse urbano e a sua associação com as diversas formas de poluição (do ar, sonora...) que afeta a qualidade de vida e amplia as chances de infartos e outras doenças do aparelho circulatório. 11. O Brasil encontra-se na fase de transição demográfica onde o processo de urbanização incrementado a partir do censo de 1970, provoca estreitamento da base da pirâmide com declínio da natalidade, diminuição da mortralidade e das taxas de fecundidade com aumento no número de adultos e melhoria da expectativa de vida com número crescente de idosos. 12. a) O gráfico segue as disparidades socioeconômicas regionais. As regiões Sul e Sudeste apresentam melhores condições em relação ao Nordeste enquanto as regiões Norte e Centro-Oeste têm posições intermediárias. b) O Haiti é o país com o pior desempenho com a maior taxa de analfabetismo. Ajuda a entender essa situação a grande instabilidade política por que passa o país nas últimas décadas, sendo necessária a intervenção da ONU, processo que conta com a participação de uma missão de paz do Brasil. 13. a) Brasil vem passando por uma forte evolução na longevidade de sua população. A urbanização e o melhor acesso a medicamentos, entre outros aspectos, aumentam a longevidade, fato evidenciado no topo da pirâmide etária com aumento de idosos entre 1992 e b) O gráfico mostra um ligeiro predomínio de população feminina e uma diminuição nos números absolutos indicando um amadurecimento da população. 14. Duas das mudanças e respectiva política pública: - O estreitamento da base da pirâmide indica a redução do número de jovens./ Reduzir alguns tipos de investimentos em educação, como a expansão da rede de escolas para o Ensino Fundamental. - O alargamento do corpo da pirâmide indica o aumento da população em idade ativa e o esperado aumento correspondente da PEA./ Gerar trabalho e renda. - O alargamento do topo da pirâmide indica o aumento da população idosa./ Para essa mudança, pode ser indicada uma das seguintes políticas públicas: - aumentar os investimentos no sistema público de saúde para capacitá-lo a absorver a maior demanda por esses serviços - elevar a eficiência do sistema previdenciário em função do maior número de aposentados em relação ao de trabalhadores ativos - desenvolver ações que aumentem o percentual de trabalhadores formais de modo a aumentar o número de contribuintes em relação ao de beneficiários - implementar programas e planos de assistência social voltados para a terceira idade. 15. Observa-se uma participação crescente da mulher no mercado de trabalho a partir de dados como percentual maior de mulheres com mais tempo de estudo, e participação declinante do homem na PEA com aumento da participação feminina. Além disso, os salários pagos às mulheres são menores aos pagos aos homens. No processo de globalização da economia, onde a busca por menores custos de produção é relevante, isso faz com que as mulheres tenham seu potencial de emprego aumentado. 34 A escolha de quem pensa!

35 Aula 9 Urbanização Brasileira 01. Em 1985, viviam na Região Metropolitana de São Paulo mais de 14 milhões de pessoas. A maioria mora em habitações precárias - favelas, cortiços e casas autoconstruídas em terrenos destituídos de serviços públicos - e ganham poucos salários mínimos por mês, revelando um acentuado grau de pauperismo e precárias condições urbanas de existência. A Região configura-se enquanto Metrópole não só pela sua extensão territorial, mas também porque é a partir dela que se organiza a dinâmica do capitalismo no Brasil, pois aí se concentra a engrenagem produtiva essencial à economia do País (...). (Lúcio Kowarick, Escritos urbanos. São Paulo: Ed. 34, 2000, p.19.) Com base nas informações acima, responda as questões a seguir. a) Explique a relação existente entre a construção de moradias cada vez mais distantes das áreas centrais e o alto valor das tarifas do transporte público. b) Apresente três motivos que levam a população a preferir o uso de transporte particular em detrimento do transporte público. c) Explique, no mínimo, dois problemas socioambientais produzidos pelo uso excessivo de transporte particular que comprometem a qualidade de vida na cidade. 03. As cidades clamam por transporte público. Vende-se uma laje na favela. Jornal do Brasil a) O que define uma metrópole? b) Identifique dois fatores econômicos determinantes na metropolização de São Paulo. 02. A política urbana permanece setorializada: não há integração entre políticas habitacionais, programas de infraestrutura e serviços urbanos. O modelo socioterritorial de segregação contribuiu, durante anos, para a produção de cidades cada vez mais excludentes e insustentáveis dos pontos de vista social, ambiental e econômico. Atualmente, para atender a demanda por moradia, bairros são construídos cada vez mais distantes das áreas centrais e zonas industriais, levando a população a enfrentar diariamente, horas no deslocamento entre moradia-trabalho-moradia. As favelas do Rio de Janeiro estão sendo verticalizadas por falta de espaço para aumentar a área habitada. A venda da laje está custando até 30 mil reais pelo direito de construir e usar a parte superior da casa. Blog as novidades, acessado em 05/10/2010 Relacione as duas manchetes. 04. O Brasil, principalmente a partir da década de 1990, tem apresentado um significativo crescimento econômico que, nas grandes aglomerações urbanas, repercute diretamente no consumo de bens duráveis e não duráveis. Como consequência desse consumo, mesmo com o aumento da reciclagem e de campanhas educativas, nota-se vertiginosa ampliação na geração de resíduos sólidos urbanos que nem sempre são depositados em locais adequados. A escolha de quem pensa! 35

36 Nas grandes cidades, vem ocorrendo o aumento da produção de resíduos sólidos. Somente na cidade de São Paulo são mais de 15 mil toneladas, das quais mais de 90% vão para os aterros sanitários e lixões a céu aberto, estando sua maioria no limite da sua capacidade útil. Muitos aterros não têm tratamento adequado para o chorume derramado, gerando inúmeros impactos ambientais. Além disso, as áreas destinadas aos resíduos sólidos estão também no limite da sua capacidade operacional e nem toda a coleta está sob o controle das autoridades públicas. Os depósitos clandestinos representam um problema sério nas metrópoles. No caso da Região Metropolitana de São Paulo (RMSP), é um problema real já que uma parte significativa do lixo coletado nas 38 cidades é destinada aos lixões, e cerca de 25 cidades têm nos lixões a única alternativa para eliminarem seu lixo. 06. O processo de formação de cidades brasileiras esteve associado, entre outras situações, à existência de aldeamento indígena, estação de saúde, arraial de mineração, capela, forte, assentamento de imigrantes, rota de tropeiros ou, ainda, à construção de cidades planejadas. (JACOBI, Pedro. Impactos socioambientais urbanos: do risco à busca de sustentabilidade. In: MENDONÇA, F. Impactos socioambientais urbanos. Curitiba: UFRS, 2004). Com base no gráfico e no texto acima, responda as questões a seguir. a) Explique a relação existente entre crescimento econômico e produção de resíduos sólidos urbanos. b) Qual é a diferença entre Vazadouro a Céu Aberto (Lixão) e Aterro Sanitário? c) Apresente 3 consequências ambientais produzidas pela destinação do lixo em locais inadequados. 05. Observe os dados na tabela abaixo. Distribuição demográfica por tamanho de municípios Estado de São Paulo (1970 e 2000) Clase de tamanho dos municípios (mil habitantes) Nº de municípios Ano de 1970 Ano de 2000 População Nº de municípios População Total % Total % Total % Total % Até , , , ,2 Entre 20 e , , , ,9 Entre 50 e , ,0 54 8, ,3 Entre 100 e , ,0 40 6, ,8 Entre 250 e , ,0 14 2, ,9 Entre 500 e 2 mil 0 0,0 0 0,0 7 1, ,7 Mais de 2 mil 1 0, ,3 1 0, ,2 Total do estado (Adaptado de C. A. Brandão e F. C. de Macedo, Demografia e urbanização. Em: W. Cano; C. A. Brandão; C. S. Maciel e F. C. Macedo, Economia Paulista: Dinâmica socioeconômica entre 1980 e Campinas: Alínea, 2007, p.23.) Com base no mapa e em seus conhecimentos: a) Preencha a legenda correta para o mapa acima. b) Identifique e explique duas razões para a construção de Brasília, capital do país, que é uma cidade planejada. 07. O direito de todos de morar em um lugar adequado, com condições dignas e com qualidade de vida é garantido pela Constituição Brasileira. Entretanto, o padrão de crescimento das cidades no Brasil tem se caracterizado pelo desrespeito desse direito, especialmente para a população de baixa renda. A periferia brasileira que sempre foi o reduto desse grupo e das moradias populares representadas pelos conjuntos habitacionais, pelas casas autoconstruídas e, também, pelas favelas hoje, tem um cenário diferente, pois uma nova classe social e uma nova forma de moradia têm ocupado esse espaço: a população de alto poder aquisitivo e seus condomínios horizontais fechados. a) Na tabela consta um município com mais de 2 milhões de habitantes (São Paulo). Analise sucintamente a sua evolução demográfica, comparando o ano de 1970 com b) Na tabela, levando em conta as classes de tamanho, observa-se significativo crescimento do número de municípios entre 100 mil e 500 mil habitantes (duas classes de tamanho) entre 1970 e Quais os principais fatores causadores do crescimento expressivo do número dessas cidades? 36 A escolha de quem pensa!

37 10. Na década de 1970, o governo brasileiro instituiu nove regiões metropolitanas com o objetivo de promover o desenvolvimento econômico de grandes aglomerações urbanas. Apresente duas características das regiões metropolitanas. 11. Existe no Brasil, próximo ao Trópico de Capricórnio, uma espécie de trópico da exclusão social, a partir do qual podemos distinguir claramente as regiões que concentram e abrigam os municípios com maior problema de exclusão social, ou seja, onde a selva da exclusão mostra-se intensa e generalizada. Atualmente, existem 2290 municípios com Índice de Exclusão Social na faixa de 0,0 a 0,4, portanto, em situação de maior exclusão. a) Com base no texto introdutório e na charge, explique o processo de segregação socioespacial presente no espaço urbano brasileiro. b) A partir da análise do gráfico, aponte e explique dois fatores que contribuem para o crescimento das favelas nas grandes cidades brasileiras. 08. Em 1985, viviam na Região Metropolitana de São Paulo mais de 14 milhões de pessoas. A maioria mora em habitações precárias - favelas, cortiços e casas autoconstruídas em terrenos destituídos de serviços públicos - e ganham poucos salários mínimos por mês, revelando um acentuado grau de pauperismo e precárias condições urbanas de existência. A Região configura-se enquanto Metrópole não só pela sua extensão territorial, mas também porque é a partir dela que se organiza a dinâmica do capitalismo no Brasil, pois aí se concentra a engrenagem produtiva essencial à economia do País (...). (Lúcio Kowarick, Escritos urbanos. São Paulo: Ed. 34, 2000, p.19.) a) O que define uma metrópole? b) Identifique dois fatores econômicos determinantes na metropolização de São Paulo. 09. Considere a tabela a seguir. Distribuição relativa da população urbana (%), segundo o tamanho das cidades no Brasil. A partir da análise do mapa e do texto: a) identifique as macrorregiões que concentram municípios com maior exclusão social; b) apresente dois fatores que expliquem essa precária situação social. 12. As charges constituem ricos instrumentos de leitura do mundo e resumem uma situação, pois falam por si só. Tamanho das cidades < , , , , ,04 11,4 12,44 11, ,8 10,5 10,23 10, ,59 21,92 24,43 26, e mais 33,65 34,83 33,56 33,01 Fonte: IBGE, censos demográficos de 1970, 1980, 1991 e a) Tendo em vista as cidades com mais de 50 mil habitantes, aponte a tendência predominante que o processo de urbanização do país seguia nas décadas de 1970 e b) Acerca da urbanização brasileira, o geógrafo Milton Santos aponta o processo de involução metropolitana ou desmetropolização, no qual ocorre o crescimento diferenciado entre metrópoles. Justifique a conclusão do autor com base nos dados da tabela. A escolha de quem pensa! 37

38 b) Quais são as principais estratégias utilizadas nas cidades brasileiras para revitalizar as áreas consideradas decadentes? 15. O fenômeno da urbanização ocorre em escala mundial, tanto nos países ricos quanto nos países pobres e em diferentes hierarquias. Considerando que as megacidades são aquelas que apresentam mais de 10 milhões de habitantes e que as cidades globais são os centros da economia mundial, observe o quadro a seguir e responda: Quadro. As megacidades no novo milênio / áreas urbanas com mais de 10 milhões de habitantes Identifique a temática evidenciada nas duas charges e explique três causas principais de sua ocorrência. 13. Um dos problemas enfrentados por muitos brasileiros são os escorregamentos de grandes volumes de solo e rocha, cujas consequências podem incluir, não raras vezes, perda de vidas humanas. (Adaptado de Indicadores8.xls). a) Quais são as três megacidades que no período apresentaram as maiores taxas de crescimento? Aponte as principais razões desse significativo crescimento. b) Dentre as megacidades, Nova Iorque e Tóquio são os principais exemplos de cidades globais. Identifique duas características das cidades globais. c) Explique uma consequência sócio-econômica do crescimento acelerado das megacidades nos países pobres. Justifique sua resposta. a) Cite dois fatores físico-naturais envolvidos em processos de escorregamento como o apresentado na foto acima. Explique-os. b) Analise, criticamente, dois tipos de ação humana, que, em geral, colaboram para a ocorrência de episódios dessa natureza. 14. Os projetos de recuperação e preservação de centros históricos, associados a processos de reestruturação urbana, têm sido uma constante no Brasil, principalmente a partir do final da década de 1980 e início de Pelourinho em Salvador, Bairro do Recife na capital pernambucana e o corredor cultural no Rio de Janeiro são alguns exemplos nacionais de locais que vêm sofrendo esse tipo de intervenção. Barcelona, Nova Iorque, Boston, Manchester, Paris e Buenos Aires estão entre os exemplos internacionais que marcam o fenômeno mundial de revitalização ou remodelação urbana. (Disponível em: htm, 05/11/07.) a) Por que ocorre a chamada decadência dos centros tradicionais das cidades? Gabarito 1. a) Uma metrópole pode ser definida por vários fatores dentre eles: tamanho expressivo da população; a diversidade e concentração de atividades econômicas; a gestão centralizada (concentração de sedes de empresas e bancos); redes técnicas nodais; a concentração de serviços de ordem superior; localização privilegiada da inovação; densidade de emissão e recepção de informação, comunicação e capitais. b) O processo de metropolização de São Paulo pode ser associado a industrialização do estado de São Paulo, com concentração de capitais e crescimento do setor terciário. 2. a) O atual modelo de expansão urbana mostra que a população de baixa renda fica localizada cada vez mais longe dos centros, ou em áreas de risco, como várzeas fluviais, e áreas de encostas acentuadas e deslocadas pela especulação imobiliária. O resultado recai sobre a política de transportes, que prioriza o veículo de uso privado em detrimento do transporte público, encarecendo-o e aumentando os congestionamentos de trânsito. b) O alto custo das tarifas, o longo tempo de deslocamento, o desconforto das conduções sempre lotadas nos horários de pico. c) Grandes engarrafamentos de trânsito, aumento da poluição atmosférica e sonora, altas despesas com queima de combustíveis, mais acidentes com prejuízos materiais e perda de vidas, entre outros. 38 A escolha de quem pensa!

39 3. Com as localidades periféricas cada vez mais distantes dos centros econômicos e dada a relativa centralidade de algumas das principais áreas faveladas do Rio de Janeiro como a Rocinha e o Morro da Mangueira, a valorização e adensamento dessas áreas ficam ressaltadas. Um dos desdobramentos desse processo é o aumento de passageiros em linhas já existentes demandando maior oferta de transporte público. 4. a) O crescimento econômico amplia o poder aquisitivo de uma população, levando-a um maior consumo de produtos. A geração de resíduos, normalmente acompanha o mesmo ritmo, pois as indústrias lançam no mercado a cada dia produtos com formas, cores, tamanhos e funções das mais diferenciadas. O setor terciário, por sua vez, ao comercializar estes produtos, faz uso de embalagens plásticas, papéis, vidros e metais que são rapidamente descartados, tendo, em grande parte como destino final, o lixo. O lixo orgânico também é cada vez mais produzido, necessitando de projetos de coleta seletiva para uma maior eficiência em seu trato. b) Vazadouro a céu aberto: sistema simples de destinação do resíduo sólido, não possui tratamento prévio, ou seja, o resíduo é lançado a céu aberto e não necessita de técnicas de engenharia para conter gases e líquidos gerados pelos resíduos sólidos urbanos. Aterro Sanitário: é um sistema que apresenta maior controle de poluição ambiental. Inclui drenagem pluvial, drenagem e tratamento do chorume, drenagem e tratamento dos gases e constante processo de controle e monitoramento. c) Contaminação do solo e recursos hídricos pelo chorume; metais pesados e outros elementos químicos; poluição atmosférica pela emanação de partículas odoríficas produzidas no processo de decomposição do lixo; escorregamento de encostas, principalmente no período chuvoso, devido à deposição de lixo em áreas íngremes; proliferação de insetos e roedores de forma descontrolada, que encontram no lixo alimento e abrigo, sendo alguns, capazes de transmitir diversas doenças ao homem e outros animais. 5. a) A cidade de São Paulo, em 1970, encontrava-se em plena expansão urbana, recebendo grandes contingentes de migrantes de outras regiões do país em busca de melhores condições de vida com perspectivas de trabalho na construção civil e na indústria. Como o crescimento se deu de forma desordenada, a cidade acabou passando por um inchaço urbano. Em 2000, os indicadores mostram novos aspectos. A cidade de São Paulo começou a mostrar fortes indicadores de saturação e em conjunto com a alta do custo observou-se uma reorientação das migrações em direção às cidades de médio porte. b) A saturação da cidade de São Paulo, os altos custos empresariais, a presença de um sindicalismo forte, a adoção de políticas públicas governamentais para a descentralização industrial ajudam a entender o crescimento expressivo do número dessas cidades. 6. As cidades brasileiras são formadas inicialmente por padrões básicos. Cidades litorâneas para atender demandas metropolitanas e iniciar contatos de interiorização; cidades na boca da mata, locais de fronteira agropecuária pioneira e cidades ponta de trilho em terminais ferroviários no interior. Posteriormente, a expansão industrial e a modernização da produção rural, expandiram a rede urbana que se constituiu em cidades com variadas funções e serviços. a) Ouro Preto, Diamantina e Cuiabá: áreas de mineração (arraiais, aldeamentos) Blumenau, Três Tilhas e Nova Friburgo: colônias de imigrantes. Natal, Belém e Manaus: fortes militares. Passo Fundo Ponta Grossa e Sorocaba: parada de tropas. b) O deslocamento da capital federal para Brasília levou em consideração o potencial de interiorizar a população e a economia do país na última fronteira do território a ser conquistada. Foi uma medida para diminuir os desequilíbrios socioeconômicos regionais. A cidade planejada foi uma solução inovadora num período marcado por emergência de desenvolver um espírito nacional e pela ausência de suporte material pré-existente. A localização no interior também resultou no afastamento do centro de decisões políticas em relação ao centro econômico e financeiro, numa tentativa de manter o sistema político afastado das pressões socioeconômicas. 7. a) Em função de aspectos históricos e socioeconômicos, a terra e a renda no Brasil estão muito concentradas. Nas grandes, o processo da terra é inacessível à maior parte da população. Ou seja, o surgimento, a expansão e a construção da cidade seguem o sabor do capital imobiliário especulativo, criando áreas bem localizadas e com infraestrutura completa, acessíveis à população de alta e média classe, separada de áreas de várzeas fluviais sujeitas aos alagamentos e encostas de alta declividade sujeitas a deslizamentos. Ou ainda áreas periféricas, distantes e mal conectadas com o restante da cidade. Estas são as áreas das populações de baixa renda, segregadas das áreas de melhor qualidade e localização ou mesmo isoladas por muros, como na charge. b) A especulação imobiliária: expulsa a população de baixa renda das áreas mais valorizadas e mais bem providas de infraestrutura para as periferias ou áreas de risco; trata-se de um grupo que não pode pagar por essas benfeitorias, restando-lhes as favelas; O rápido e desordenado crescimento das cidades: o inchaço urbano, devido ao êxodo rural, que dificultou ao Poder Público o planejamento, desenvolvimento e a implantação de infraestruturas e serviços suficientes para atender todas as necessidades básicas da população, ou seja, uma política nacional que priorizasse as necessidades básicas da população, especialmente aquelas de baixo poder aquisitivo. 8. a) Uma metrópole pode ser definida por vários fatores dentre eles: tamanho expressivo da população; a diversidade e concentração de atividades econômicas; a gestão centralizada (concentração de sedes de empresas e bancos); redes técnicas nodais; a concentração de serviços de ordem superior; localização privilegiada da inovação; densidade de emissão e recepção de informação, comunicação e capitais. b) O processo de metropolização de São Paulo pode ser associado a industrialização do estado de São Paulo, com concentração de capitais e crescimento do setor terciário. 9. a) De acordo com a tabela as décadas de 1970 e 1980 mostram uma tendência de urbanização com base no crescimento das cidades de porte médio, pois os valores são acentuados nas cidades com população acima de habitantes. b) Da estagnação ou ligeiro declínio na participação das cidades com ou mais habitantes, entre 1980 a 2001, pode-se concluir que as grandes metrópoles estão em grande declínio em seus ritmos de crescimento. O grupo de cidades entre e habitantes nos permite projetar uma população concentrada em novos centros metropolitanos. 10. Áreas metropolitanas constituem-se em grandes complexos urbanos caracterizados entre outros aspectos: I) pela integração de uma cidade principal com os municípios a ela contíguos, que também se articulam entre si; II) a formação de áreas conurbadas; III) demandas por serviços e infraestrutura comuns e implantados pela administração municipal, estadual e federal, em conjunto; IV) fluxos contínuos de pessoas e bens entre os municípios componentes da região metropolitana. 11. a) As macrorregiões com exclusão social intensa e generalizada são: Norte e Nordeste. b) A situação social de vulnerabilidade pode ser expressa por aspectos como: analfabetismo crônico ainda em alto valor percentual incluindo o funcional com difícil acesso à educação com baixo nível de formação e capacitação; insegurança alimentar indo desde fome até subnutrição; A escolha de quem pensa! 39

40 difícil acesso ao mercado de trabalho, em relação direta ao baixo nível educacional; economia formal pouco estruturada ou vivendo de atividades de baixa remuneração; ambiente educacional e institucional favorável ao desemprego, subemprego e informalidade; desigualdade de acesso à renda; estrutura de produção agrícola arcaica com latifúndios de baixa produtividade e difícil acesso à terra e moradia; exclusão digital, por falta de equipamentos e investimento; difícil acesso aos instrumentos de cidadania como atestados, certidões, títulos; limitação de acesso a serviços de saúde, tratamento dentário, medicina diagnóstica. 12. As charges tratam de um dos problemas mais marcantes da sociedade brasileira relacionado a dificuldades de acesso à moradia. As favelas ilustradas estão entre os exemplos mais marcantes. Ocupam extensas áreas com alta densidade de moradias em cada área. Chegando a subir o Corcovado e o Cristo Redentor, numa alusão a ocupação de todo espaço disponível não ocupado ou difícil de ser ocupar, mesmo que em áreas de grande risco. Causas: - Concentração de terra e de renda. - Inchaço urbano, resultado do crescimento rápido e desordenado das grandes cidades brasileiras. - Investimentos públicos em infraestrutura, saneamento básico e moradias aquém das necessidades. - Especulação imobiliária, bloqueando o acesso de áreas consideradas nobres à população de baixa renda. - Desemprego e subemprego, com baixa renda, limitando as opções de moradia de grande parte da população. 13. a) Os fatores envolvidos são a falta de cobertura vegetal e a alta declividade do terreno, em áreas sujeitas a altos índices pluviométricos. São aspectos que dificultam a absorção de água e favorecem os deslizamentos de encostas. b) Os escorregamentos de encostas dos morros em áreas urbanas ocorrem devido ao crescimento desordenado das cidades e à ocupação irregular de áreas de risco pela população de baixa renda, com a consequente retirada da cobertura vegetal. As construções precárias também contribuem para o aumento dos incidentes em encostas. 14. a) A decadência dos centros tradicionais das cidades associase à saturação dessas áreas ao longo do tempo. A excessiva concentração de serviços (comerciais e financeiros) e infraestrutura (terminais de transportes públicos) fazem com que os centros tradicionais se tornem áreas repulsivas para residências, que se estabelecem em novas porções do espaço urbano e acabam atraindo a parcela mais refinada do comércio. Também saem os serviços mais qualificados (financeiros e empresariais), que se aglomeram em novos locais, formando subcentros, a exemplo da avenida Paulista, na metrópole paulistana. Esse processo desvaloriza os centros tradicionais em termos de especulação imobiliária e estes acabam sendo sucateados. Contrastando com sua antiga função centralizadora das dinâmicas socioeconômicas das cidades, hoje os centros são marcados pela expansão do setor informal. b) As edificações mais antigas dos centros tradicionais, que perderam suas funções originais ao longo do tempo, vão sendo novamente incorporadas à dinâmica urbana quando adquirem novas funções, desenvolvidas com o objetivo de revitalizá-las e reintegrá-las. Esse processo é notável, na metrópole paulistana, pela criação de um shopping no antigo prédio da Light, localizado no centro da cidade, assim como pela revitalização da estação da Luz, onde foi instalado um centro cultural. A participação do poder público nessas obras, geralmente, visa beneficiar a sociedade e, ao mesmo tempo, resgatar importantes patrimônios histórico-culturais do país. 15. a) Delli, Karachi, Jacarta. São cidades recentemente incorporadas ao processo de mundialização econômica, passando por rápido e desordenado ritmo de crescimento urbano e populacional. b) Sedes de empresas transnacionais e bancos, centros financeiros e comerciais, diversidade e densidade de redes de infraestrutura. c) Exclusão social. Na medida em que as cidades se desenvolvem aumenta a necessidade de maior qualificação da mão de obra. A falta ou a má qualificação da população ativa exclui os trabalhadores do mercado de trabalho. Aula 10 Industrialização Brasileira 01. Comparando-se dois momentos do processo de industrialização brasileira, a década de 1930 e a década de 1950, responda: a) Quais são as diferenças, com relação ao mercado externo, entre esses dois momentos? b) Quais transformações a industrialização trouxe para a organização espacial brasileira? 02. Na década de 1990, verificou-se uma desconcentração industrial no Brasil. a) Quais as consequências para o Estado de São Paulo? b) Quais estados ganharam maior destaque industrial nesse processo? Explique. 03. Estabeleça uma análise comparativa entre o contexto do processo da industrialização brasileira da década de 50 e final da década de 90, abordando dois aspectos: o papel do estado e o mercado consumidor. 04. A Embraer é uma das principais empresas exportadoras do Brasil. É também uma das maiores importadoras de bens e serviços da economia nacional. O exemplo da Embraer indica uma mudança em curso no comércio mundial, o que afetou o modelo de desenvolvimento dominante no Brasil após a Segunda Guerra Mundial. a) Apresente uma característica do modelo de substituição de importações vigente no Brasil até o final da década de b) Explique por que as grandes empresas passaram a ter um peso significativo nas trocas internacionais. 05. O processo de desconcentração industrial no Brasil vem sendo apontado como um dos responsáveis pelos altos índices de desemprego verificados em algumas áreas metropolitanas. Ao mesmo tempo, o setor terciário tem sido, reconhecidamente, o grande empregador no atual estágio de desenvolvimento da economia brasileira. Com base nessas informações e em seus conhecimentos, a) cite e analise duas causas possíveis dessa desconcentração industrial; b) explique por que o setor terciário tornou-se o maior empregador do país. 06. A indústria moderna estabeleceu o mercado mundial. A necessidade de um mercado em constante expansão para os produtos industriais deu caráter cosmopolita à produção e ao consumo em todos os países. Em lugar 40 A escolha de quem pensa!

41 da auto-suficiência e fechamento nacional e local temos interações em todas as direções, uma interdependência universal das nações. (Adaptado de Marx & Engels, 1848). Seguindo a lógica do sistema capitalista, os investimentos de empresas brasileiras no exterior aumentaram nos últimos anos. Apresente duas razões para o aumento da presença das empresas brasileiras no exterior nos últimos anos. 07. O Estado de São Paulo detinha 57% do valor da produção industrial do Brasil em Em 2005, essa percentagem tinha caído para cerca de 49%. Isso é o que se chama desconcentração industrial. a) Mencione um fator próprio de São Paulo, que explique essa desconcentração. b) Mencione dois fatores próprios de outros Estados, que expliquem a ida de indústrias para essas áreas. 08. Informações da Pesquisa Industrial Anual Empresa 2002, do IBGE, mostram que houve um processo bastante amplo de desconcentração da indústria brasileira no período de Enquanto o conjunto das microrregiões geográficas onde se localizam as capitais dos estados perdeu participação relativa na produção industrial do país, houve um aumento da participação percentual das cidades médias do interior na produção industrial. Aponte alguns fatores que influenciam a localização das atividades industriais e cite ao menos três exemplos para ilustrar a ação desses fatores. 09. Leia o texto a seguir e faça o que se pede: A localização das indústrias no Brasil seguiu os padrões comuns a essa atividade em todo o mundo. Em um primeiro momento, houve marcante concentração das indústrias em uma determinada região para mais tarde acontecer exatamente o oposto: as empresas estão se deslocando para áreas menos industrializadas. No que diz respeito ao processo de industrialização brasileira, observam-se nitidamente essas duas características: no início, na primeira fase, um processo de concentração industrial e, um outro momento a partir dos anos 1980, o processo de dispersão industrial. a) Relacione dois quesitos para o desenvolvimento da industrialização no Brasil na primeira fase chamada de concentração. b) Relacione dois quesitos para a fase da dispersão industrial. 10. Segundo pesquisa do IBGE, apenas 9% das indústrias brasileiras se enquadram na categoria de alta intensidade tecnológica e, no período de 2000 a 2004, esse segmento reduziu de 31,7% para 30% sua participação no PIB industrial do País. Ainda de acordo com a mesma pesquisa, essa queda percentual reflete o dinamismo das exportações de outras categorias industriais, que expandiram, também, sua participação percentual no PIB. Por outro lado, a despeito dessa redução percentual, as indústrias com alta intensividade tecnológica são responsáveis por quase um terço desse mesmo PIB. a) APRESENTE uma razão que justifica o baixo percentual de indústrias brasileiras que incorporam alta tecnologia. b) EXPLIQUE por que o dinamismo das exportações incide, no Brasil, sobre as categorias industriais com menor investimento em tecnologia. c) APRESENTE uma razão que justifica o fato de 9% de as indústrias de alta intensidade tecnológica serem responsáveis por quase um terço do PIB industrial do País. 11. A raiz da concentração industrial na região Sudeste, inicialmente no interior do estado e depois, na capital, é a economia cafeeira no estado de São Paulo. Muitos fatores representavam atrativos para as novas indústrias, que formaram na região o maior parque industrial da América Latina. Adap. MOREIRA, I. O espaço geográfico: geografia geral e do Brasil. São Paulo: Ática, a) Indique quatro desses fatores atrativos. b) Nas últimas décadas, a indústria paulista sofreu uma descentralização industrial. Apresente 2 (dois) fatores responsáveis por esse fato. 12. Nos últimos anos, tem-se constatado, no Brasil, um processo de desconcentração industrial por regiões, uma vez que, em 1970, 70% das 5 mil maiores empresas do País estavam concentradas na região Sudeste. Já no ano 2000, esse percentual diminuiu para 55%, tendo em vista o deslocamento das indústrias para outras regiões brasileiras, especialmente Nordeste e Sul. Identifique e explique dois fatores que proporcionam a ocorrência desse processo. 13. A charge abaixo ilustra bem o difícil caminho para o emprego formal na nossa sociedade. A escolha de quem pensa! 41

42 A partir dessa situação, apresente dois motivos que vêm contribuindo para o alto desemprego do setor secundário da economia brasileira. 14. Em um dos vários desdobramentos da disputa política entre o governo de Minas Gerais e o governo federal, o governador Itamar Franco afirmou que não aceitaria a privatização dos rios de Minas, numa reação contrária à proposta de privatização da hidroelétrica de Furnas. Como se sabe, a hidroelétrica de Furnas se insere no contexto do complexo hidroelétrico da Bacia do Rio Paraná, onde estão instalados 70% do potencial de geração do país. Estabeleça uma correlação entre a concentração espacial da produção de energia hidroelétrica e o processo de desenvolvimento industrial brasileiro, nos últimos 40 anos. 15. Observe o mapa a seguir: Com base no mapa acima e em seus conhecimentos, a) identifique o tipo de indústria predominante na região Nordeste, considerando sua capacidade geradora de emprego. b) caracterize o parque industrial da região Sudeste. Considere, na sua análise, a presença da indústria de ponta de alta tecnologia nessa região e sua capacidade geradora de emprego. Gabarito 1. a) Até 1930 o Brasil era praticamente um exportador de produtos primários agrícolas como café, cana de açúcar e algodão. Após 1950, com a expansão industrial, o Brasil começa a participar no mercado externo com exportações de semimanufaturados e industrializados. b) A industrialização começa a se desenvolver de modo mais regular a partir da década de 1930 e se torna mais presente a partir dos anos Nesse período, a produção industrial concentra-se na cidade de São Paulo. O forte ritmo de crescimento atinge a década de 1970 com forte concentração e se inicia o processo de saturação com problemas de trânsito, custos tributários, sindicalismo forte, poluição. O Estado lança programas de descentralização industrial que se inicia com o deslocamento das indústrias para o ABC e Cubatão, anos 1950 e 1960 e ao longo dos eixos rodoviários do estado de São Paulo em direção à Campinas, Sorocaba, São José dos Campos- Taubaté e Santos nos anos No Rio de Janeiro, com o deslocamento do Distrito Federal para o Brasil Central, a indústria se espalha pela região metropolitana (Duque de Caxias) e ao longo da via Dutra (Volta Redonda). Belo Horizonte e sua região metropolitana também se desenvolvem ao longo dos anos 1970 e na década de 1980 o governo estadual lança um programa de industrialização no sul do estado (Itajubá, Pouso Alegre). No período dos governos militares, a descentralização industrial seguiu para novos polos como Salvador, Porto Alegre, Curitiba, Manaus. 2. a) O Estado de São Paulo perdeu espaço na produção industrial para outras unidades da federação, embora ainda concentre alguns setores de maior valor agregado como a indústria aeroespacial. b) Alguns dos principais destaques são: o sul de Minas Gerais, a região metropolitana de Curitiba, o Vale do Paraíba no Estado do Rio de Janeiro e partes do Recôncavo Baiano, próximo a Salvador. São localidades que se propiciaram da legislação aprovada na Constituição de 1988 que previa liberdade fiscal e tributária para os Estados desde que não ferissem a Lei de Responsabilidade Fiscal. Esse instrumento favoreceu o uso de isenções ou incentivos fiscais propostos para atrair indústrias. Com a queda de impostos ou valendose desses incentivos, muitas indústrias deixaram o Estado de São Paulo em direção a outros estados. 3. Nos anos 1950 o Estado tinha um papel relevante na industrialização com fomentos ao setor. No final da década, período JK, o capital privado internacional começa a entrar no país e ocorre a expansão dos setores de bens de consumo. O mercado consumidor é restrito aos grandes centros urbanos e às camadas mais abastadas. No final da década de 1990, a economia está flexibilizada ao sabor da globalização econômica de modelo neoliberal com uma produção industrial diversificada e com um mercado consumidor maior e com mais acesso ao crédito. 4. a) O modelo de substituição de importações vigente até o final da década de 1970 no Brasil tinha como características: uma política de desenvolvimento econômico baseada no tripé: investimentos estatais, capital nacional e capital externo; a substituição de bens industriais importados pela produção nacional; o papel fundamental do Estado como financiador e avalista das atividades produtivas; o fortalecimento do mercado interno; a concentração espacial da produção. b) Porque a organização espacial da produção passou de uma lógica multinacional para uma lógica transnacional. A multinacional operava em mercados nacionais relativamente fechados, já as empresas transnacionais operam em escala global, dispersando as etapas de suas cadeiras produtivas em diversos lugares do mundo. Com isso as trocas internacionais ocorrem de forma crescente no interior das cadeias produtivas das empresas globais. 5. a) O processo de desconcentração do parque industrial brasileiro ocorrido com maior intensidade nas últimas décadas decorre do aumento do custo dos insumos de produção, nos velhos centros industriais, principalmente na metrópole paulistana e no ABC paulista, como: mão de obra, em razão de maior organização dos trabalhadores, na sua maioria sindicalizados no setor secundário; energia, em face de perspectiva de ocorrência de um colapso no fornecimento (apagão ou black-out); transporte, por causa da saturação da infraestrutura; terrenos, cujos preços foram majorados pelo processo de especulação imobiliária, inúmeros tributos, problemas ambientais, que impõem restrições legais relacionadas ao uso do solo, emissão de poluentes, geração de resíduos e lixo etc. Soma-se a esses fatores a ação do poder público interessada em minorar as desigualdades regionais, em incorporar novas áreas ao espaço econômico nacional, além da ação de Estados e Municípios reduzindo a carga tributária (Guerra Fiscal) oferecendo incentivos creditícios e facilidades para a apropriação de recursos 42 A escolha de quem pensa!

43 naturais na contratação de mão de obra. b) O setor terciário apresenta uma maior diversificação de atividades do que o secundário e o primário, os quais se tornaram mais automatizados nas últimas décadas. Como o setor de serviços absorve tanto a mão de obra de alta qualificação profissional quanto a de baixa qualificação, inclusive um maior contingente de trabalhadores informais, ocorre no País uma hipertrofia do setor terciário comércio, serviços e profissões liberais. 6. Entre as razões para a expansão da atuação das grandes empresas brasileiras no exterior temos: a expansão dos mercados consumidores e fornecedores, a diversificação das fontes de fornecimento de matéria-prima; a ocupação de uma melhor posição em um mercado internacional altamente competitivo; o aumento da escala geográfica de controle da produção; a participação na formação dos preços das commodities ; a busca de maiores margens de lucro. 7. a) A descentralização industrial foi influenciada, entre outros aspectos, pela valorização imobiliária dos terrenos para ocupação industrial e pelo alto custo da mão de obra em relação a outros estados. b) O processo de desconcentração industrial para outros estados foi incentivado, entre outros aspectos: - pela abertura a reformas tributárias estaduais, que possibilitaram a criação de legislações tributárias mais vantajosas que as do estado de São Paulo, o que causou uma guerra fiscal entre os estados; - pelos terrenos para implantação industrial a preços baixos e pela mão de obra abundante e barata. 8. São cidades com custos mais baixos e infraestrutura ainda pouco saturada. Exemplos: Sumaré e Americana em SP, Volta Redonda no RJ, Feira de Santana na BA. 9. a) Concentração industrial: ferrovias, mercado consumidor, mão de obra assalariada imigrante, dinheiro oriundo do café; b) Dispersão industrial: guerra fiscal, isenções e custos de produção mais baixos. 10. a) Baixo nível de investimentos em pesquisa tecnológica e qualificação de mão de obra. b) São setores industriais tradicionais de tecnologia assimilada como siderurgia, petroquímica e agroindústria, cujo custo de implantação está amortizado pelo tempo de atuação. c) Por serem setores de ponta, produzem artigos com alto valor agregado com maior participação na formação do PIB. 11. a) Maior concentração demográfica; maior concentração de capital; existência de densa rede ferroviária; densa rede rodoviária; grande mercado consumidor; grande disponibilidade de mão de obra; aproveitamento energético dos cursos de água; proximidade dos dois principais portos; presença da capital federal (Rio de Janeiro). b) Os altos custos dos impostos e o intenso fluxo de transportes e comunicações, acarretando congestionamentos e prejudicando a produção Políticas públicas com viés descentralizador no âmbito federal possibilitando melhorias de infraestrutura que acabam favorecendo o deslocamento de grupos ou segmentos industriais para outras regiões fora do Sudeste. - Expansão de redes de comunicação e de transportes, oferecendo vantagens locacionais. - Elaboração de políticas de incentivos fiscais implementadas por estados e municípios para atrair investimentos empresariais. - Disponibilidade de mão de obra a custos mais baixos em áreas mais afastadas ou de implementação recente de atividades nos setores secundário e terciário. 13. Tecnologia, modernização, abertura econômica, desqualificação profissional, competitividade, corte de custos, lucratividade. 14. O acúmulo de capitais, a presença de imigrantes e outros fatores, promoveram uma enorme concentração do parque industrial na região Sudeste. A energia necessária para permitir a expansão industrial da região provém da Bacia do Paraná, tipicamente de planalto, com grande potencial e que drena justamente aquela região. 15. a) A região Nordeste passou por um processo de industrialização mais recente comparativamente ao Sudeste. Devido a suas condições locacionais, infraestruturais, dos investimentos e da qualificação de sua mão de obra, a região Nordeste desenvolveu mais o setor de bens de consumo não duráveis como os setores alimentício, calçadista, têxtil e construção civil. São setores relativamente mais simples e suas cadeias produtivas tem maior capacidade de contratar mão de obra, com vantagens comparativas para uma região carente de atividades. b) A concentração histórica de capital na região Sudeste, foi geradora de novas necessidades de consumo e diversificação.isso acaba transformando a região na maior concentração industrial do Brasil, caracterizado por setores os mais variados, com unidades de produção que vão desde as mais simples, bens de consumo não duráveis, como alimentícia e construção civil, até as mais complexas e desenvolvidas como informática e aviação, passando pela indústria pesada como siderúrgicas. A evolução tecnológica e comercial criou novas demandas e mudanças locacionais, favorecendo a descentralização da produção e o surgimento de tecnopolos que concentram áreas de formação de mão de obra, pesquisa e produção e com níveis cada vez maiores de automação que modificam a estrutura funcional, demandando cada vez menos trabalhadores. São fatos que exigem novas política públicas de qualificação e localização da mão de obra com ênfase a novas possibilidades como serviços e terceiro setor. Aula 11 Comércio Externo Brasileiro 01. Observe os gráficos abaixo sobre as exportações brasileiras. A escolha de quem pensa! 43

10. Não raro, a temperatura no Rio de Janeiro cai bruscamente em função da chegada de "frentes" frias.

10. Não raro, a temperatura no Rio de Janeiro cai bruscamente em função da chegada de frentes frias. Nome: Nº: Turma: Geografia 1º ano Apoio Didático - Exercícios Silvia Jun/09 10. Não raro, a temperatura no Rio de Janeiro cai bruscamente em função da chegada de "frentes" frias. a) O que são "frentes"?

Leia mais

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Grande extensão territorial Diversidade no clima das regiões Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Motivação! Massas de Ar Grandes

Leia mais

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes Clima e Formação Vegetal O clima e seus fatores interferentes O aquecimento desigual da Terra A Circulação atmosférica global (transferência de calor, por ventos, entre as diferentes zonas térmicas do

Leia mais

Geografia Brasil: físico Vestibulares 2015-2011 - UNICAMP

Geografia Brasil: físico Vestibulares 2015-2011 - UNICAMP Geografia Brasil: físico Vestibulares 2015-2011 - UNICAMP 1. (Unicamp 2015) A água utilizada para os mais diversos fins não provém apenas dos reservatórios aquáticos que se podem ver (rios, lagos, lagoas,

Leia mais

Fenômenos e mudanças climáticos

Fenômenos e mudanças climáticos Fenômenos e mudanças climáticos A maioria dos fenômenos climáticos acontecem na TROPOSFERA. Camada inferior da atmosfera que vai do nível do mar até cerca de 10 a 15 quilômetros de altitude. Nuvens, poluição,

Leia mais

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades Climatologia É uma parte da que estuda o tempo e o clima cientificamente, utilizando principalmente técnicas estatísticas na obtenção de padrões. É uma ciência de grande importância para os seres humanos,

Leia mais

Domínios Morfoclimáticos

Domínios Morfoclimáticos Domínios Morfoclimáticos Os domínios morfoclimáticos representam a interação e a integração do clima, relevo e vegetação que resultam na formação de uma paisagem passível de ser individualizada. Domínios

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 1ª Ano Tema da aula: Dinâmica Climática e Formações Vegetais no Brasil Objetivo da aula: conhecer a diversidade

Leia mais

CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL

CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL 1.0. Clima no Mundo A grande diversidade verificada na conjugação dos fatores climáticos pela superfície do planeta dá origem a vários tipos de clima. Os principais

Leia mais

LISTA DE RECUPERAÇÃO 1ª SÉRIE EM

LISTA DE RECUPERAÇÃO 1ª SÉRIE EM COLÉGIO FRANCO-BRASILEIRO NOME: N : TURMA: PROFESSOR(A): ANO: 9º DATA: / / 2014 LISTA DE RECUPERAÇÃO 1ª SÉRIE EM 1. Analise a figura e o texto apresentados a seguir. Atualmente existem três categorias

Leia mais

Formação das Rochas. 2.Rochas sedimentares: formadas pela deposição de detritos de outras rochas,

Formação das Rochas. 2.Rochas sedimentares: formadas pela deposição de detritos de outras rochas, Relevo Brasileiro 1.Rochas magmáticas ou ígneas, formadas pela solidificação do magma.podem ser intrusivas formadas dentro da crosta terrestre ou extrusivas na superfície. Formação das Rochas 2.Rochas

Leia mais

Geografia do Brasil - Profº Márcio Castelan

Geografia do Brasil - Profº Márcio Castelan Geografia do Brasil - Profº Márcio Castelan 1. (Uerj 2007) As figuras a seguir apresentam os mapas com a atuação das massas de ar no inverno e no verão brasileiros e o climograma da cidade de Cuiabá. De

Leia mais

Data: /08/2014 Bimestre: 2. Nome: 8 ANO B Nº. Disciplina: Geografia Professor: Geraldo

Data: /08/2014 Bimestre: 2. Nome: 8 ANO B Nº. Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Data: /08/2014 Bimestre: 2 Nome: 8 ANO B Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Prova / Atividade: 2,0 (DOIS) Nota: GRUPO 3 1- (1,0) A mundialização da produção industrial é caracterizada

Leia mais

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Diversidade global de climas Motivação! O Clima Fenômeno da atmosfera em si: chuvas, descargas elétricas,

Leia mais

GEOGRAFIA. Professora Bianca

GEOGRAFIA. Professora Bianca GEOGRAFIA Professora Bianca TERRA E LUA MOVIMENTO DA LUA MOVIMENTOS DA TERRA TEMPO E CLIMA Tempo é o estado da atmosfera de um lugar num determinado momento. Ele muda constantemente. Clima é o conjunto

Leia mais

Vegetação. Solo. Relevo. Clima. Hidrografia

Vegetação. Solo. Relevo. Clima. Hidrografia Vegetação Solo Relevo Clima Hidrografia VEGETAÇÃO E SOLOS HETEROGÊNEA CALOR E UMIDADE RÁPIDA DECOMPOSIÇÃO/FERTILIDADE. NUTRIENTES ORGÂNICOS E MINERAIS (SERRAPILHEIRA). EM GERAL OS SOLOS SÃO ÁCIDOS E INTEMPERIZADOS.

Leia mais

CP/CAEM/2005 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 2005 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO

CP/CAEM/2005 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 2005 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO CP/CAEM/05 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 05 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA DO BRASIL 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) Analisar os fatores fisiográficos do espaço territorial do Brasil, concluindo sobre a influência

Leia mais

REVISÃO PARA AV1 Unidade 1 Cap. 1

REVISÃO PARA AV1 Unidade 1 Cap. 1 REVISÃO PARA AV1 Unidade 1 Cap. 1 Continente Americano Prof. Ivanei Rodrigues Teoria sobre a formação dos continentes Transformação da crosta terrestre desde a Pangeia até os dias atuais. A Teoria da

Leia mais

PROGNÓSTICO CLIMÁTICO. (Fevereiro, Março e Abril de 2002).

PROGNÓSTICO CLIMÁTICO. (Fevereiro, Março e Abril de 2002). 1 PROGNÓSTICO CLIMÁTICO (Fevereiro, Março e Abril de 2002). O Instituto Nacional de Meteorologia, órgão do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, com base nas informações de análise e prognósticos

Leia mais

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BRASILEIROS

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BRASILEIROS O que você deve saber sobre DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BRASILEIROS Segundo o geógrafo Aziz Ab Sáber, um domínio morfoclimático é todo conjunto no qual haja interação entre formas de relevo, tipos de solo,

Leia mais

CLIMA E DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS DO BRASIL

CLIMA E DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS DO BRASIL CLIMA E DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS DO BRASIL Essa aula vai permitir que você conheça elementos e fatores do clima, as relações entre eles, os tipos de climas do Brasil e as características dos domínios morfoclimáticos

Leia mais

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 1º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor: Bruno Matias Telles 1ª RECUPERAÇÃO AUTÔNOMA ROTEIRO DE ESTUDO - QUESTÕES

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 1º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor: Bruno Matias Telles 1ª RECUPERAÇÃO AUTÔNOMA ROTEIRO DE ESTUDO - QUESTÕES COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 1º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor: Bruno Matias Telles 1ª RECUPERAÇÃO AUTÔNOMA ROTEIRO DE ESTUDO - QUESTÕES Estudante: Turma: Data: / / QUESTÃO 1 Fonte: .

Leia mais

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.:

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= TEMPO ATMOSFÉRICO

Leia mais

GEOGRAFIA. Professores: Marcus, Ronaldo

GEOGRAFIA. Professores: Marcus, Ronaldo GEOGRAFIA Professores: Marcus, Ronaldo Questão que trabalha conceitos de cálculo de escala, um tema comum nas provas da UFPR. O tema foi trabalhado no Módulo 05 da apostila II de Geografia I. Para melhor

Leia mais

Classificações climáticas

Classificações climáticas Classificações climáticas Glauber Lopes Mariano Departamento de Meteorologia Universidade Federal de Pelotas E-mail: glauber.mariano@ufpel.edu.br glaubermariano@gmail.com O clima do Brasil pode ser classificado

Leia mais

AULAS DE RECUPERAÇÃO FINAL 7º ANO: AULAS 6, 7, 20, 27, 34 e 35,36 e 37 E 53.

AULAS DE RECUPERAÇÃO FINAL 7º ANO: AULAS 6, 7, 20, 27, 34 e 35,36 e 37 E 53. AULAS DE RECUPERAÇÃO FINAL 7º ANO: AULAS 6, 7, 20, 27, 34 e 35,36 e 37 E 53. AULAS 6 e 7: O RELEVO BRASILEIRO PLANALTOS BRASILEIROS: Muito desgastados, antigos, conhecidos também como cinturões orogênicos

Leia mais

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25 Profº André Tomasini Localizado na Região Centro-Oeste. Campos inundados na estação das chuvas (verão) áreas de florestas equatorial e tropical. Nas áreas mais

Leia mais

RESPOSTA D LISTA DE EXERCÍCIOS. 1) Analise o diagrama e as afirmativas a seguir.

RESPOSTA D LISTA DE EXERCÍCIOS. 1) Analise o diagrama e as afirmativas a seguir. 1) Analise o diagrama e as afirmativas a seguir. LISTA DE EXERCÍCIOS I) A partir de critérios geomorfológicos, os planaltos corrrespondem às regiões do relevo onde predomina o processo erosivo; neste compartimento

Leia mais

OS CLIMAS DO BRASIL Clima é o conjunto de variações do tempo de um determinado local da superfície terrestre.

OS CLIMAS DO BRASIL Clima é o conjunto de variações do tempo de um determinado local da superfície terrestre. OS CLIMAS DO BRASIL Clima é o conjunto de variações do tempo de um determinado local da superfície terrestre. Os fenômenos meteorológicos ocorridos em um instante ou em um dia são relativos ao tempo atmosférico.

Leia mais

O Clima do Brasil. É a sucessão habitual de estados do tempo

O Clima do Brasil. É a sucessão habitual de estados do tempo O Clima do Brasil É a sucessão habitual de estados do tempo A atuação dos principais fatores climáticos no Brasil 1. Altitude Quanto maior altitude, mais frio será. Não esqueça, somente a altitude, isolada,

Leia mais

CLIMATOLOGIA. Profª Margarida Barros. Geografia - 2013

CLIMATOLOGIA. Profª Margarida Barros. Geografia - 2013 CLIMATOLOGIA Profª Margarida Barros Geografia - 2013 CLIMATOLOGIA RAMO DA GEOGRAFIA QUE ESTUDA O CLIMA Sucessão habitual de TEMPOS Ação momentânea da troposfera em um determinado lugar e período. ELEMENTOS

Leia mais

1) INSTRUÇÃO: Para responder à questão, considere as afirmativas a seguir, sobre a Região Nordeste do Brasil.

1) INSTRUÇÃO: Para responder à questão, considere as afirmativas a seguir, sobre a Região Nordeste do Brasil. Marque com um a resposta correta. 1) INSTRUÇÃO: Para responder à questão, considere as afirmativas a seguir, sobre a Região Nordeste do Brasil. I. A região Nordeste é a maior região do país, concentrando

Leia mais

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal Brasil e suas Organizações políticas e administrativas GEOGRAFIA Em 1938 Getúlio Vargas almejando conhecer o território brasileiro e dados referentes a população deste país funda o IBGE ( Instituto Brasileiro

Leia mais

FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA. DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber. Ipê Amarelo

FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA. DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber. Ipê Amarelo FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber Ipê Amarelo Fatores que influenciam na distribuição das formações vegetais: Clima 1. Temperatura; 2. Umidade; 3. Massas de ar; 4. Incidência

Leia mais

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Biomas Brasileiros I Floresta Amazônica Caatinga Cerrado Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Floresta Amazônica Localizada na região norte e parte das regiões centro-oeste e nordeste;

Leia mais

GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 30 O CLIMA NO BRASIL

GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 30 O CLIMA NO BRASIL GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 30 O CLIMA NO BRASIL Como pode cair no enem (PUC Adaptado) ºC 30 20 10 0 mm 500 350 250 150 1811 mm anuais 50 0 Baseado no climograma e nas afirmativas a seguir, responda a

Leia mais

Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO Bacia Hidrográfica Área drenada por um conjunto de rios que, juntos, formam uma rede hidrográfica, que se forma de acordo com elementos fundamentais como o clima

Leia mais

CLIMAS DO BRASIL MASSAS DE AR

CLIMAS DO BRASIL MASSAS DE AR CLIMAS DO BRASIL São determinados pelo movimento das massas de ar que atuam no nosso território. É do encontro dessas massas de ar que vai se formando toda a climatologia brasileira. Por possuir 92% do

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES

CADERNO DE ATIVIDADES COLÉGIO ARNALDO 2014 CADERNO DE ATIVIDADES GEOGRAFIA ATENÇÃO: Este trabalho deverá ser realizado em casa, trazendo as dúvidas para serem sanadas durante as aulas de plantão. Aluno (a): 5º ano Turma: Professora:

Leia mais

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral BIOMAS DO BRASIL Ecologia Geral Biomas do Brasil segundo classificação do IBGE Segundo a classificação do IBGE, são seis os biomas do Brasil: Mata Atlântica Cerrado Amazônia Caatinga Pantanal Pampa O

Leia mais

Capítulo 9. Climas Brasileiros. Há grande variação climática, devido:

Capítulo 9. Climas Brasileiros. Há grande variação climática, devido: Capítulo 9 Climas Brasileiros Há grande variação climática, devido: Diferença de latitude (extensão norte-sul); Maior ou menor influência da Maritimidade (extensão leste-oeste). Massas de ar Tipos: Equatoriais,

Leia mais

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO Estrada da Água Branca, 2551 Realengo RJ Tel: (21) 3462-7520 www.colegiomr.com.br PROFESSOR ALUNO ANA CAROLINA DISCIPLINA GEOGRAFIA A TURMA SIMULADO: P3 501 Questão

Leia mais

Amazônia Brasileira e Brasil em Crise

Amazônia Brasileira e Brasil em Crise Amazônia Brasileira e Brasil em Crise 1. (UERJ-2009) Folha de São Paulo, 01/06/2008. Adaptado de Zero Hora, 16/06/2008. Diferentes critérios e objetivos podem orientar a divisão do espaço geográfico em

Leia mais

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA Atividade de Ciências 5º ano Nome: ATIVIDADES DE ESTUDO Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA FLORESTA AMAZÔNICA FLORESTA ARAUCÁRIA MANGUEZAL PANTANAL CAATINGA CERRADO

Leia mais

REVISÃO UDESC GAIA GEOGRAFIA GEOGRAFIA FÍSICA PROF. GROTH

REVISÃO UDESC GAIA GEOGRAFIA GEOGRAFIA FÍSICA PROF. GROTH REVISÃO UDESC GAIA GEOGRAFIA GEOGRAFIA FÍSICA PROF. GROTH 01. (UDESC_2011_2) Segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), existem no Brasil oito Bacias Hidrográficas. Assinale a alternativa

Leia mais

PROGNÓSTICO TRIMESTRAL (Setembro Outubro e Novembro de- 2003).

PROGNÓSTICO TRIMESTRAL (Setembro Outubro e Novembro de- 2003). 1 PROGNÓSTICO TRIMESTRAL (Setembro Outubro e Novembro de- 2003). O prognóstico climático do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), órgão do Ministério da Agricultura, Pecuária e do Abastecimento,

Leia mais

GEOGRAFIA. c) quanto menores os valores de temperatura e pluviosidade, maior é a

GEOGRAFIA. c) quanto menores os valores de temperatura e pluviosidade, maior é a GEOGRAFIA QUESTÃO 17 A imagem abaixo retrata um dos agentes modeladores da supefície terrestre. Sobre a ação destes agentes externos sobre as rochas todas as afirmações são verdadeiras, EXCETO: a) a profundidade

Leia mais

Modulo I Mudanças Climáticas

Modulo I Mudanças Climáticas Nome: Nº: Turma: Geografia 1º ano Exercícios Extras Silvia Set/09 Modulo I Mudanças Climáticas 1. (UFRJ) A maior parte do aquecimento da atmosfera é proveniente da radiação terrestre: a atmosfera deixa

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA Instituto Nacional de Meteorologia INMET Coordenação Geral de Agrometeorologia

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA Instituto Nacional de Meteorologia INMET Coordenação Geral de Agrometeorologia 1 PROGNÓSTICO DE ESTAÇÃO PARA A PRIMAVERA DE 2003 TRIMESTRE Outubro-Novembro-Dezembro. A primavera começa neste ano às 07:47h do dia 23 de setembro e vai até 05:04h (horário de Verão) de Brasília, do dia

Leia mais

Observe o mapa múndi e responda.

Observe o mapa múndi e responda. EXERCÍCIOS DE REVISÃO COM RESPOSTAS PARA O EXAME FINAL GEOGRAFIA 5ª SÉRIE 1) Escreva V para verdadeiro e F para falso: ( V ) No globo terrestre, no planisfério e em outros mapas são traçadas linhas que

Leia mais

PROVA DE GEOGRAFIA 4 o BIMESTRE DE 2012

PROVA DE GEOGRAFIA 4 o BIMESTRE DE 2012 PROVA DE GEOGRAFIA 4 o BIMESTRE DE 2012 PROF. FERNANDO NOME N o 1 a SÉRIE A compreensão do enunciado faz parte da questão. Não faça perguntas ao examinador. A prova deve ser feita com caneta azul ou preta.

Leia mais

Sugestão de avaliação

Sugestão de avaliação Sugestão de avaliação 6 CIÊNCIAS Professor, esta sugestão de avaliação corresponde ao terceiro bimestre escolar ou às Unidades 3 e 4 do livro do Aluno. Avaliação Ciências NOME: TURMA: escola: PROfessOR:

Leia mais

Fundação Universitária para o Vestibular (FUVEST USP) FUVEST 2013

Fundação Universitária para o Vestibular (FUVEST USP) FUVEST 2013 Fundação Universitária para o Vestibular (FUVEST USP) FUVEST 2013 01 (FUVEST 2013) - Entre as características que distinguem a água do mar das águas dos rios continentais, destaca-se a alta concentração

Leia mais

Ciências Humanas e suas Tecnologias - Geografia

Ciências Humanas e suas Tecnologias - Geografia Natal, 05 de abril de 2011 Ciências Humanas e suas Tecnologias - Geografia As situações 1 e 2 exemplificam modelos de exploração do espaço rural no Vale do Açu, no Estado do Rio Grande do Norte: agricultura

Leia mais

a) Cite o nome do estado brasileiro onde aparece a maior parte do domínio das araucárias. R:

a) Cite o nome do estado brasileiro onde aparece a maior parte do domínio das araucárias. R: Data: /08/2014 Bimestre: 2 Nome: 7 ANO A Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Prova / Atividade: 2,0 (DOIS) Nota: GRUPO 3 1-(1,0) A paisagem brasileira está dividida em domínios morfoclimáticos.

Leia mais

Elementos Climáticos CLIMA

Elementos Climáticos CLIMA CLIMA Elementos Climáticos O entendimento e a caracterização do clima de um lugar dependem do estudo do comportamento do tempo durante pelo menos 30 anos: das variações da temperatura e da umidade, do

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 O território brasileiro e suas regiões.( 7º ano) *Brasil é dividido em 26 estados e um Distrito Federal (DF), organizados em regiões. * As divisões

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3.1. Localização O aproveitamento Hidrelétrico de Itumbiara, com potência instalada de 2080 MW, situa-se no rio Paranaíba, na divisa dos estados de Minas Gerais e Goiás,

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Bacias Hidrográficas Brasileiras. Prof. Claudimar Fontinele

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Bacias Hidrográficas Brasileiras. Prof. Claudimar Fontinele Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Bacias Hidrográficas Brasileiras Prof. Claudimar Fontinele BACIA HIDROGRÁFICA Bacia Hidrográfica é a área drenada por um rio principal

Leia mais

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11 Águas Continentais do Brasil Capítulo 11 As reservas brasileiras de água doce O Brasil é um país privilegiado pois detém cerca de 12% da água doce disponível no planeta; Há diversos problemas que preocupam:

Leia mais

PROGNÓSTICO DE ESTAÇÃO PARA A PRIMAVERA DE 2001. TRIMESTRE Outubro-Novembro-Dezembro.

PROGNÓSTICO DE ESTAÇÃO PARA A PRIMAVERA DE 2001. TRIMESTRE Outubro-Novembro-Dezembro. 1 PROGNÓSTICO DE ESTAÇÃO PARA A PRIMAVERA DE 2001 TRIMESTRE Outubro-Novembro-Dezembro. A Primavera começa este ano às 22h04min (hora de Brasília), no dia 22 de setembro e termina às 17h20min (horário de

Leia mais

RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS DAS

RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS DAS 1 RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS DAS QUESTÕES ( ) I Unidade ( ) II Unidade ( x ) III Unidade FÍSICA E GEOGRAFIA Curso: Ensino Fundamental Ano: 1.º Turma: ABCDEFG Data: / / 11 009 Física Profs. 1. Resolução I

Leia mais

Nome: ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Nome: ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Disciplina: Geografia Ano / Série: 6ª ano Professor (a):gabriel Moreira Perona Data: / / 2014 Roteiro de Recuperação Nome: ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

POPULAÇÃO SUBNUTRIDA - 2006

POPULAÇÃO SUBNUTRIDA - 2006 PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 8º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================== 01- Observe os

Leia mais

Distinguir os conjuntos

Distinguir os conjuntos A UU L AL A Distinguir os conjuntos Nesta aula, vamos acompanhar como os geógrafos distinguem conjuntos espaciais diferenciados na superfície da Terra. Vamos verificar que tais conjuntos resultam de diferentes

Leia mais

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Região Norte 1. Qual a diferença entre região Norte, Amazônia Legal e Amazônia Internacional? A região Norte é um conjunto de 7 estados e estes estados

Leia mais

A dinâmica do relevo terrestre e A hidrografia terrestre

A dinâmica do relevo terrestre e A hidrografia terrestre 1 O relevo terrestre é formado e modelado pela ação de diversos agentes internos (movimentos tectônicos, vulcanismo, terremoto) e externos (ação das águas, do vento e do próprio homem). Explique de que

Leia mais

Exercícios Tipos de Chuvas e Circulação Atmosférica

Exercícios Tipos de Chuvas e Circulação Atmosférica Exercícios Tipos de Chuvas e Circulação Atmosférica 1. De acordo com as condições atmosféricas, a precipitação pode ocorrer de várias formas: chuva, neve e granizo. Nas regiões de clima tropical ocorrem

Leia mais

CAPÍTULO 8 O FENÔMENO EL NIÑO -LA NIÑA E SUA INFLUENCIA NA COSTA BRASILEIRA

CAPÍTULO 8 O FENÔMENO EL NIÑO -LA NIÑA E SUA INFLUENCIA NA COSTA BRASILEIRA CAPÍTULO 8 O FENÔMENO EL NIÑO -LA NIÑA E SUA INFLUENCIA NA COSTA BRASILEIRA O comportamento climático é determinado por processos de troca de energia e umidade que podem afetar o clima local, regional

Leia mais

Seu pé direito nas melhores faculdades

Seu pé direito nas melhores faculdades Seu pé direito nas melhores faculdades FUVEST 2 a Fase JANEIRO/2005 GEOGRAFIA 01. Nas últimas décadas, em Davos, na Suíça, vem ocorrendo anualmente um dos mais importantes eventos sobre a economia mundial.

Leia mais

D) As planícies brasileiras terminam, na sua grande maioria, em frentes de cuestas nome que se dá às áreas planas das praias.

D) As planícies brasileiras terminam, na sua grande maioria, em frentes de cuestas nome que se dá às áreas planas das praias. 01 - (UDESC 2008) Para classificar o relevo, deve-se considerar a atuação conjunta de todos fatores analisados a influência interna, representada pelo tectonismo, e a atuação do clima, nos diferentes tipos

Leia mais

Município D 8.902 545 6,12 Município E 231.977 3.544 1,53 Município F 93.655 1.280 1,37

Município D 8.902 545 6,12 Município E 231.977 3.544 1,53 Município F 93.655 1.280 1,37 01 - Os problemas ambientais estão na ordem do dia dos debates científicos, das agendas políticas, da mídia e das relações econômicas. Até muito recentemente, ao se falar de meio ambiente, as instituições

Leia mais

PROGNÓSTICO TRIMESTRAL Agosto-Setembro-Outubro de 2003. Prognóstico Trimestral (Agosto-Setembro-Outubro de 2003).

PROGNÓSTICO TRIMESTRAL Agosto-Setembro-Outubro de 2003. Prognóstico Trimestral (Agosto-Setembro-Outubro de 2003). 1 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA Instituto Nacional de Meteorologia INMET Endereço: Eixo Monumental VIA S1 Telefone: + 55 61 344.3333/ Fax:+ 55 61 344.0700 BRASÍLIA / DF - CEP:

Leia mais

01. Frederico Ratzel enunciou o princípio, segundo o qual o geógrafo, ao estudar um dos fatores geográficos ou uma área, deveria, inicialmente, procurar localizá-la e estabelecer os seus limites, usando

Leia mais

LISTA DE RECUPERAÇÃO FINAL GEOGRAFIA (1ª SÉRIE A)

LISTA DE RECUPERAÇÃO FINAL GEOGRAFIA (1ª SÉRIE A) 1. (Unesp 2013) Analise os climogramas dos principais tipos climáticos do Brasil e as fotos que retratam as formações vegetais correspondentes. Identifique o climograma e a respectiva foto que representa

Leia mais

Geografia - Clima e formações vegetais

Geografia - Clima e formações vegetais Geografia - Clima e formações vegetais O MEIO NATURAL Clima e formações vegetais 1. Estado do tempo e clima O que é a atmosfera? A atmosfera é a camada gasosa que envolve a Terra e permite a manutenção

Leia mais

Os pontos cardeais, colaterais e subcolaterais

Os pontos cardeais, colaterais e subcolaterais Os pontos cardeais, colaterais e subcolaterais Dois trópicos e dois círculos Polares Tipos de Escalas Gráfica Numérica 1 : 100.000 Principais projeções cartográficas Cilíndrica Cônica Azimutal ou Plana

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO PARA A PROVA DE RECUPERAÇÃO - SIMULADO OBS: GABARITO NO FINAL DOS EXERCÍCIOS. QUALQUER DÚVIDA DEIXAR MENSAGEM NO FACEBOOK

EXERCÍCIOS DE REVISÃO PARA A PROVA DE RECUPERAÇÃO - SIMULADO OBS: GABARITO NO FINAL DOS EXERCÍCIOS. QUALQUER DÚVIDA DEIXAR MENSAGEM NO FACEBOOK EXERCÍCIOS DE REVISÃO PARA A PROVA DE RECUPERAÇÃO - SIMULADO OBS: GABARITO NO FINAL DOS EXERCÍCIOS. QUALQUER DÚVIDA DEIXAR MENSAGEM NO FACEBOOK 1. A vegetação varia de local para local baseada, sobretudo,

Leia mais

MAS O QUE É A NATUREZA DO PLANETA TERRA?

MAS O QUE É A NATUREZA DO PLANETA TERRA? MAS O QUE É A NATUREZA DO PLANETA TERRA? A UNIÃO DOS ELEMENTOS NATURAIS https://www.youtube.com/watch?v=hhrd22fwezs&list=plc294ebed8a38c9f4&index=5 Os seres humanos chamam de natureza: O Solo que é o conjunto

Leia mais

Questão 76. Questão 77. alternativa A

Questão 76. Questão 77. alternativa A Questão 76 Analisando a imagem (adaptada) do satélite TM-LANDSAT-5 obtida em 20/08/1997, podemos observar que, exatamente na região de maior concentração urbano-industrial do país, que abrange as regiões

Leia mais

GEOGRAFIA. transformadas

GEOGRAFIA. transformadas GEOGRAFIA Disciplina A (currículo atual 2008) Disciplina B (currículos extintos) 1ª período 59480 Cartografia Geral 68 Geografia Cartografia B 136 37230 Geografia Contida Ementa: Aborda os fundamentos

Leia mais

Paisagens Climatobotânicas do Brasil

Paisagens Climatobotânicas do Brasil Paisagens Climatobotânicas do Brasil 1. (UEL-2012) Os domínios morfoclimáticos brasileiros são definidos a partir da combinação dos elementos da natureza, como os climáticos, botânicos, pedológicos, hidrológicos

Leia mais

CAP. 23 REGIÃO SUDESTE. Prof. Clésio Farrapo

CAP. 23 REGIÃO SUDESTE. Prof. Clésio Farrapo CAP. 23 REGIÃO SUDESTE Prof. Clésio Farrapo 1. CARACTERIZAÇÃO FÍSICA DA REGIÃO SUDESTE A Regiāo Sudeste ocupa 924.573,82 km², equivalente a 10,86% do território nacional. Grande parte desse território

Leia mais

Os Domínios Morfoclimáticos do Brasil

Os Domínios Morfoclimáticos do Brasil Os Domínios Morfoclimáticos do Brasil A classificação morfoclimática reúne grandes combinações de fatos geomorfológicos, climáticas, hidrológicos, pedológicos e botânicos que por sua relativa homogeinidade,

Leia mais

RESOLUÇÕES E RESPOSTAS

RESOLUÇÕES E RESPOSTAS GEOGRAFIA 1 GRUPO CV 10/2009 RESOLUÇÕES E RESPOSTAS QUESTÃO 1: a) Os gráficos destacam que conforme ocorreu o aumento da população na grande São Paulo aumentaram também o número de viagens da população

Leia mais

1ª PARTE - OBJETIVA ESPECIFICA (Valendo 05 pontos cada questão)

1ª PARTE - OBJETIVA ESPECIFICA (Valendo 05 pontos cada questão) PREFEITURA DE VÁRZEA ALEGRE CE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 01/2014 SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CONTRATAÇÂO TEMPORÁRIA - PROVA DE GEOGRAFIA PROFESSOR DE GEOGRAFIA (6º ao 9º ANO) ASSINATURA DO

Leia mais

INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015

INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015 INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015 1. INTRODUÇÃO A estação do verão inicia-se no dia 21 de dezembro de 2014 às 20h03 e vai até as 19h45 do dia 20 de março de 2015. No Paraná, historicamente, ela é bastante

Leia mais

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 2º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor : Bruno Matias Telles 1ª RECUPERAÇÃO AUTÔNOMA ROTEIRO DE ESTUDO - QUESTÕES

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 2º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor : Bruno Matias Telles 1ª RECUPERAÇÃO AUTÔNOMA ROTEIRO DE ESTUDO - QUESTÕES COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 2º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor : Bruno Matias Telles 1ª RECUPERAÇÃO AUTÔNOMA ROTEIRO DE ESTUDO - QUESTÕES Estudante: Turma: Data: / / QUESTÃO 1 Analise o mapa

Leia mais

A BIOSFERA DO BRASIL (I) AULAS 34 E 35

A BIOSFERA DO BRASIL (I) AULAS 34 E 35 A BIOSFERA DO BRASIL (I) AULAS 34 E 35 OS BIOMAS DO BRASIL: (Aziz Ab Saber) O que se leva em consideração nesses domínios morfoclimáticos? Clima. Relevo. Solo. Vegetação. Vida. História da Terra e da ocupação

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO A DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO E MITIGAÇÃO DOS EFEITOS DA SECA- PAN-Brasil

PROGRAMA DE AÇÃO A DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO E MITIGAÇÃO DOS EFEITOS DA SECA- PAN-Brasil PROGRAMA DE AÇÃO A NACIONAL DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO E MITIGAÇÃO DOS EFEITOS DA SECA- PAN-Brasil Secretaria de Extrativismo e Desenvolvimento Rural Sustentável Coordenação de Combate à Desertificação

Leia mais

CAPÍTULO 11 O FENÔMENO EL NINO

CAPÍTULO 11 O FENÔMENO EL NINO CAPÍTULO 11 O FENÔMENO EL NINO 1.0. O que é o El Nino? É o aquecimento anômalo das águas superficiais na porção leste e central do oceano Pacífico equatorial, ou seja, desde a costa da América do Sul até

Leia mais

GEOGRAFIA. O espaço brasileiro

GEOGRAFIA. O espaço brasileiro O espaço brasileiro GEOGRAFIA Formação e a expansão do território brasileiro No século XV os países europeus estavam envolvidos em uma política mercantilista o que fazia que se lançassem ao mar em busca

Leia mais

GEOGRAFIA. O texto refere-se ao(à) (A) Índia. (B) Japão. (C) Coréia do Sul. (D) Cingapura. (E) China.

GEOGRAFIA. O texto refere-se ao(à) (A) Índia. (B) Japão. (C) Coréia do Sul. (D) Cingapura. (E) China. GEOGRAFIA 16ª QUESTÃO Com a criação de zonas econômicas especiais, nos últimos anos, este país asiático em transição econômica, do socialismo para o capitalismo, tem adotado uma política de abertura da

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 3ª PROVA SUBSTITUTIVA DE GEOGRAFIA Aluno: Nº Série: 7º Turma: Data: Nota: Professor: Edvaldo Valor da Prova: 50 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

Exercícios de Alteração na Paisagem e Morfologia Litorânea

Exercícios de Alteração na Paisagem e Morfologia Litorânea Exercícios de Alteração na Paisagem e Morfologia Litorânea Material de apoio do Extensivo 1. (UNIOESTE) O relevo apresenta grande diversidade de formas que se manifestam, ao longo do tempo e do espaço,

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO II ETAPA LETIVA GEOGRAFIA 5. o ANO/EF - 2015

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO II ETAPA LETIVA GEOGRAFIA 5. o ANO/EF - 2015 SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA MANTENEDORA DA PUC MINAS E DO COLÉGIO SANTA MARIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO II ETAPA LETIVA GEOGRAFIA 5. o ANO/EF - 2015 Caro(a) aluno(a), É tempo de conferir os conteúdos estudados

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST CIÊNCIAS HUMANAS

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST CIÊNCIAS HUMANAS SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST CIÊNCIAS HUMANAS Título do Podcast Área Segmento Duração Massas de Ar no Brasil Ciências Humanas Ensino Fundamental; Ensino Médio 5min33seg Habilidades: H.7 (Ensino Fundamental)

Leia mais

Questões Climáticas e Água

Questões Climáticas e Água Questões Climáticas e Água Material de apoio para Monitoria 1. (UNICAMP-2012) O mapa abaixo indica a ocorrência de queda de neve na América do Sul. Observe o mapa e responda às questões. a) Que fatores

Leia mais