PROJETO DE PESQUISA AUTISMO: MARCAS DE HETEROGEIENIDADE DE UM DISCURO. Linha de Pesquisa: Linguagem e Discurso

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO DE PESQUISA AUTISMO: MARCAS DE HETEROGEIENIDADE DE UM DISCURO. Linha de Pesquisa: Linguagem e Discurso"

Transcrição

1 PROJETO DE PESQUISA AUTISMO: MARCAS DE HETEROGEIENIDADE DE UM DISCURO Linha de Pesquisa: Linguagem e Discurso Candidata: Cynara Maria Andrade Telles Orientador: Prof. Dr. Roberto Leiser Baronas

2 2 AUTISMO: MARCAS DE HETEROGEIENIDADE DE UM DISCURO SOBRE RESUMO: Utilizando como referencial teórico a Análise do Discurso de filiação francesa, pretendemos neste trabalho, investigar, por meio de entrevistas, o discurso de profissionais da saúde e da educação, com experiência de trabalho com sujeitos autistas. Buscaremos nesses depoimentos, modos de ressignificação da doença e marcas de heterogeneidade nos enunciados desses representantes do discurso da ciência. Para isso, teremos como pilares teóricos os conceitos de heterogeneidade e de sujeito do inconsciente, entendido também como sujeito da linguagem, e que, ao enunciar, estabelece um acordo com o discurso do outro, marcando explicitamente o caráter heterogêneo do discurso, como uma tentativa ilusória de delimitar territórios entre o seu discurso e o discurso do outro, tomado como um, tentando negar a heterogeneidade constitutiva que se manifesta implicitamente pela retomada de já-ditos, dados pelo interdiscurso. Esta concepção caracteriza a ausência de neutralidade da palavra que circula e habita uma infinidade de discursos outros, que se constituem por embates, pactos, ajustes e consentimentos. Pretendemos, por meio dessa entrevistas, no trabalho de escuta interpretativa, apontar as marcas de heterogeneidade do discurso desses profissionais, escutando-os em seus aspectos relevantes e discrepantes, que reproduzem e contrapõem o discurso do Outro da ciência. PALAVRAS-CHAVE: sujeito, discurso, autismo, heterogeneidade.

3 3 INTRODUÇÃO Poucos são os trabalhos, onde o foco principal seja a escuta do sujeito e sua implicação em um trabalho de saúde mental. Ao se abordar especificamente o autismo, as investigações são feitas a partir dos primeiros meses de vida. Marcadamente heterogêneo, o discurso da ciência considera-a, em um dos poucos aspectos de consenso, a mais precoce doença mental. Foi Leo Kanner (1943) quem isolou alguns casos semelhantes de crianças que apresentavam entre outros aspectos, forte isolamento, ausência de reciprocidade no olhar e desinteresse profundo em estabelecer contato. Essas definições ainda hoje são consideradas apropriadas por pesquisadores da área. Em nosso trabalho de dissertação de mestrado, investigamos, por meio de entrevistas, o discurso de mães sobre o autismo de seus filhos O interesse por esse tema surgiu a partir da experiência de atendimento clínico-psicológico, marcada por questionamentos e desafios em uma instituição municipal na cidade de São José do Rio Preto (Escola Municipal Maria Lúcia de Oliveira), onde eram atendidos casos de doença mental infantil. Observávamos que o diagnóstico, em lugar de auxiliar, muitas vezes se colocava como obstáculo na relação com esse filho, o que foi confirmado na escuta das mães, que se viam impedidas de significar subjetivamente esse filho, após serem informadas, por representantes do discurso autorizado da ciência, do problema de seus filhos. Com a intenção de prosseguir nessa pesquisa, pretendemos agora investigar o discurso de profissionais da saúde e da educação, seguindo especialmente as marcas de heterogeneidade, e de ressignificação da doença, dos representantes do discurso da ciência sobre o autismo. Interessa-nos prosseguir e aprofundar essa pesquisa, por se tratar de um trabalho de caráter inédito, atual e polêmico, marcado por diferentes visões advindas do discurso médico, das famílias, do discurso pedagógico, e segundo por não haver trabalhos disponíveis com o enfoque a que este se propõe: os modos caracteristicamente heterogêneos de significar o autismo, com campos de saber em grande parte, totalmente dissociados e controversos entre eles. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICO-METODOLÓGICA

4 4 O presente trabalho terá como referencial teórico a Análise do Discurso de linha francesa fundamentada teoricamente por PÊCHEUX E FUCHS (1993), que utiliza como objeto de pesquisa o discurso falado pelo homem, em constante movimento, trazendo em cada sujeito uma marca de subjetividade e, portanto, de heterogeneidade. O discurso tem como aspecto constitutivo a exterioridade, que é da ordem da memória, do interdiscurso e da ideologia, e diz respeito ao contexto, às condições de produção e de enunciação em que determinado discurso é proferido. Refletir sobre o sujeito discursivo implica, primeiro, deixar de lado o modo de representá-lo dado pelas ciências positivas, qual seja, o de que o sujeito controla o seu pensamento e a sua linguagem, de que é dono apenas da racionalidade e por ela comandado, de que ele assenhora-se da consciência com tal lucidez, que isso lhe garante um domínio absoluto sobre a realidade. Também coloca de lado a concepção de que sujeito seja sinônimo de indivíduo, passível de ser quantificado e regularizado em categorizações e generalizações. Tendo refutado tais noções, interessa-nos tomar emprestado de Pêcheux (1969) a noção de sujeito discursivo, definido como posição na linguagem. O discurso é materializado pelo sujeito, que num processo social e histórico reutiliza e ressignifica a língua. Podemos definir em categorias a maneira em que se empreende o Processo Discursivo. Primeiramente consideramos a Formação Social, espaço onde o sujeito se posiciona, ocupando um lugar de (não) poder na sociedade que está inserido, nesse espaço se empreende um movimento marcado pela contradição entre regiões ideológicas em que a desigualdade se presentifica e se relaciona com a luta de classes e com os interesses econômicos, formando a trama das Formações Ideológicas, que ao materializarem a Ideologia, formam uma rede heterogênea e complexa, e palco desse espaço social onde os sentidos se naturalizam (PÊCHEUX, 1995). A forma-sujeito, que também pode ser entendida como sujeito do saber, sujeito do discurso ou sujeito universal, diz respeito à forma com a qual o sujeito do discurso se identifica a uma determinada Formação Discursiva. O processo de identificação a uma Formação Discursiva se opera no imaginário, campo da linguagem que se presentifica quando o outro reconhece o sujeito, na exterioridade discursiva, com um já-lá que estabiliza sentidos, estabelece a condição do dizível e permite a entrada na rede social e no universo da linguagem. Os processos de identificação dos indivíduos com as Formações Discursivas não são evidentes, enquanto formas de apropriação/reprodução/transformação de efeitos préconstruídos que dominam os sentidos de seu dizer, e representam diferentes modalidades de captura do sujeito (ZANDWAIS, 2005, p. 145).

5 5 O conceito de Formação Imaginária deriva do conceito lacaniano de imaginário, definido como demanda lançada ao Outro lugar do eu, das ilusões de completude, da alienação, sendo em Análise do Discurso o resultado de processos discursivos do passado, ou seja, o efeito do funcionamento imaginário do sujeito em relação ao Outro, ao Sujeito, portanto, ao resultado de seu posicionamento no universo discursivo. As Formações Imaginárias se relacionam ao contexto sócio-histórico no qual o sujeito está inserido e definem as condições de produção constituintes dos discursos que sempre se articulam uns aos outros. Pelas Formações Imaginárias é que podemos interpretar o modo como, no discurso, o sujeito formula sua trama para si, para o outro e para o referente, um lugar imaginário, antecipando, na trama discursiva, sentidos já ditos. As Formações Ideológicas criam efeitos de sentido de evidência, mascarando no interior dessas formações forças contraditórias que se confrontam com forças ideológicas divergentes dentro de uma determinada Formação Social. As posições que assumem os sujeitos dessa trama foram definidas por Formações Discursivas (FDs) (PÊCHEUX, 1995), dentro das quais os sentidos das palavras mudam a partir da posição ideológica ocupada por quem as emprega. A Formação Discursiva interpela o indivíduo em sujeito do discurso por um processo de identificação a esta Formação Discursiva. Ela pode ser concebida também como o espaço em que se estabelecem os sentidos, espaço marcadamente heterogêneo e atravessado por várias posições, no qual o sujeito se inscreve numa determinada formação discursiva por redes de filiações deslocadas entre presente e passado, com movimentos de um sujeito em relação com outros sujeitos. Seguindo a reflexão sobre o conceito de Formação Discursiva, Indursky (2001) afirma que o funcionamento do sujeito do discurso pode ser observado pela maneira com que este sujeito se relaciona com a Formação Discursiva. As características de constituição das Formações Discursivas são a contradição e a heterogeneidade, com limites instáveis que num movimento constante, configuram e reconfiguram as relações. Para se filiar a uma dada Formação Discursiva o sujeito passa por um processo de subjetivação em que ocorre a fragmentação da forma-sujeito (INDURSKY, 2001). Num primeiro momento, o sujeito realiza uma identificação plena em que enunciação e formasujeito se superpõem em uma Formação Discursiva, com a qual se identifica sem nenhum conflito aparente, reproduzindo então a posição do Sujeito Universal. Num segundo momento, o sujeito empreende um movimento de desidentificação à Formação Discursiva em questão, distanciando-se, em seu discurso, da forma-sujeito, trazendo como efeito um movimento de tensão e consequente questionamento, que se manifestam quando surgem as

6 6 diferenças entre a posição que esse sujeito assume e a Formação Discursiva à qual se filia e que Courtine (apud INDURSKY, 2001) denominou Formação Discursiva Heterogênea. O terceiro momento promove o processo de desidentificação, ocorrendo um processo de ruptura com a Formação Discursiva à qual se filiava. É a Formação Discursiva que permite compreender os diferentes sentidos de uma mesma palavra, pois toda palavra chega a um contexto vinda de um outro contexto, elas são carregadas, ocupadas, habitadas, atravessadas de discurso, como afirma Authier- Revuz (2004, p. 36), relacionando esta marca de heterogeneidade discursiva ao advento do sujeito que se opera a partir do discurso do Outro, condição imprescindível para se inscrever no universo da linguagem. Portanto, o discurso do sujeito é estruturalmente marcado por outros discursos e/ou pelo discurso do Outro. Foi com a intenção de chegar ao conceito de heterogeneidade do discurso que tratamos de todos os conceitos acima, pois é esse fio teórico que nos permite chegar ao aspecto constitutivamente heterogêneo do discurso. E, por termos verificado no trabalho de dissertação a característica marcadamente heterogênea do discurso da ciência do autismo, que pretendemos tomar como pilares para nosso trabalho os conceitos de sujeito discursivo e heterogeneidade. Authier-Revuz (2004) subdivide a heterogeneidade em mostrada e constitutiva. A heterogeneidade mostrada (ou marcada) se presentifica no discurso por citações, entrevistas, depoimentos. Nela, o sujeito enunciador estabelece um acordo com o discurso do outro, marcando explicitamente o caráter heterogêneo do discurso, como uma tentativa ilusória de delimitar territórios entre o seu discurso e o discurso do outro, tomado com um, tentando negar a heterogeneidade constitutiva que se manifesta implicitamente pela retomada de jáditos, dados pelo interdiscurso, marcando a ausência de neutralidade da palavra que circula e habita uma infinidade de discursos outros que se constituem por embates, pactos, ajustes e consentimentos. Authier-Revuz (2004) considera que estudar o modo no qual, nos diversos tipos de discurso, funcionam as formas de heterogeneidade mostrada, é se permitir acesso a um aspecto da representação que dá o locutor de sua enunciação, representação que traduz o modo de negociação (recusa) preparado na duração de uma fala, pelo sujeito, de uma fala normal. O lugar da memória (ACHARD, 1999) é aquele que estabelece a condição de legibilidade do dizer, posto que as palavras não guardam um sentido em si mesmas, mas significam pela anterioridade, pelo arquivo que elas constituem (e que as constituem) e pelo movimento construído socialmente a partir da relação delas com o poder. Consideramos

7 7 importante ressaltar que a memória não é tomada aqui como cronologia histórica, como sinônimo de datas, ou como narrativa linear, mas como memória discursiva. A memória discursiva permite ao sujeito A Análise do Discurso, de filiação francesa, fundamenta-se no método interpretativo que atribui sentido a algo sem sentido evidente. Supõe uma brecha entre o objeto conhecido e aquele que está entrando em contato com o objeto. O método interpretativo tem seu foco de investigação voltado para os dados marginais, os resíduos, os não ditos, pois são considerados reveladores, tal como o trabalho de um detetive ao tentar decifrar a cena de um crime. Utilizam-se como corpus a materialidade linguística por meio de depoimentos escritos ou orais, textos, documentos, e efetua recortes deste material. No trabalho de escuta são tomados como objetos de investigação a estrutura discursiva, a posição ocupada pelo sujeito, as cenas que descrevem e constroem. Com base nesses pressupostos e atentos às construções discursivas, aos modos de dizer e à materialidade discursiva, pretendemos realizar além de um trabalho interpretativo, a investigação da produção de sentidos em um dado funcionamento discursivo caracteristicamente heterogêneo, aqui entendido como constitutivo permanente, mas não aparente da enunciação (AUTHIER-REVUZ, 2004), trazendo do passado um acontecimento pontuado numa cadeia significante. OBJETIVOS A Análise do Discurso é denominada teoria de entremeios por fazer uma reformulação das teorias em que se baseia. Propõe a articulação dos estudos da linguagem, tendo como objeto o discurso produzido pelo sujeito que é afetado pela linguagem por meio de formações ideológicas e discursivas. O discurso é considerado em Análise do Discurso como efeito de sentido entre interlocutores (PÊCHEUX, 1997). É por este motivo que se propõe em lugar da mensagem, o estudo do discurso. Na tentativa de contribuir para a reflexão e a busca de novas formas de se conceber o autismo, pretendemos, por meio de entrevistas, destacar as marcas de heterogeneidade dos profissionais que trabalham com essa doença, escutando-os em seus aspectos relevantes e discrepantes, que reproduzem, contrapõem o discurso do Outro da ciência. Sob este aspecto, é necessária a reflexão quanto à subjetividade nos atos de linguagem: pistas na materialidade linguística, que dêem condições de interpretar os modos de dizer de si e do outro. Esta concepção teórica marca sua diferença sobre o olhar generalizante das correntes biológicas. Por fim, este trabalho pretende criar possibilidades de se dar retornos à sociedade em forma de artigos, além de novos enfoques

8 8 para o trabalho prático com a patologia em questão. Para isso, nosso objetivo será investigar os modos de significar e os efeitos de sentido da doença do autismo, materializados por representantes dos discursos da ciência da saúde e da educação. Teremos como objetivos específicos: - A escuta do trabalho de significação dos profissionais da saúde sobre a doença, considerando tratar-se de representantes do discurso de autoridade do universo científico - O discurso de educadores, representantes do discurso pedagógico, sobre os impasses do trabalho com crianças autistas em sala de aula. - Concebendo que os sujeitos de seus discursos, são constitutivamente atravessados por outros discursos, pretendemos seguir as marcas de heterogeneidade dos discursos materializados pelos sujeitos entrevistados, que retomam discursos outros, como condição do dizer. Coleta e análise do corpus A pesquisa será realizada na cidade de São José do Rio Preto, com profissionais que se dispuserem a contribuir para esse trabalho. A escolha pela cidade é em função de contatos prévios já realizados com profissionais desse município. Para realizarmos a pesquisa serão convidadas três profissionais da área de saúde e três da área de educação para participarem de entrevistas onde falarão de seus modos de entendimento da doença, do modo como entendem a linguagem dos autistas e de suas dificuldades na experiência com o trabalho com essa população. Não serão considerados como critério, entretanto, sexo ou idade. A grande relevância para a pesquisa serão os dados qualitativos em detrimento dos quantitativos. O trabalho será desenvolvido de acordo com os princípios éticos estabelecidos pelo Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos da Universidade Federal de São Carlos. Um termo de consentimento será recebido previamente, garantindo sigilo de identidade dos sujeitos envolvidos, já que não trabalhamos com pessoas ou sujeitos empíricos, mas com os discursos e as projeções imaginárias do sujeito no dizer. A decisão de participação será de total liberdade dos profissionais. Realizaremos entrevistas tendo como roteiro um questionário semi-estruturado, as quais serão gravadas e transcritas na íntegra antes de serem submetidas à análise. Não se estabelecerá um tempo determinado para a realização das mesmas, tendo os entrevistados total liberdade de interromperem a qualquer momento.

9 9 Os dados serão analisados qualitativamente, destacando as formas de dizer, os significantes, as formulações em que o sujeito emerge singularmente. Para isso, serão respeitados nas transcrições, tanto quanto seja possível, o ritmo das falas, aspectos fonéticos, pausas, silêncios, mantendo seu modo coloquial, regionalismos e tropeços. Pretendemos realizar a interpretação de fatos lingüístico-discursivos observados nos discursos desses profissionais. Marcas de equívocos do sujeito, tais como deslizes, vacilos, derivas e trocas serão recortadas, dando prioridade à escuta de elementos no funcionamento da linguagem que conduzam a aspectos relevantes para a presente pesquisa. CRONOGRAMA PRIMEIRO E SEGUNDO ANOS ETAPAS CUMPRIMENTO DE CREDITOS REVISÃO BIBLIOGRÁFICA ENTREVISTAS E TRANSCRIÇÕES PARTICIPAÇÃOEM GRUPOS DE ESTUDO ENCONTROS COM O ORIENTADOR TRABALHOS EM CONGRESSOS PUBLICAÇÃO DE ARTIGO CIENTIFICO jan/fev mar/abr mai/jun jul/ago set/out nov/dez jan/fev mar/abr mai/jun jul/ago set/out nov/dez X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X X TERCEIRO E QUARTO ANOS ETAPAS jan/fev mar/abr mai/jun jul/ago set/out nov/dez jan/fev mar/abr mai/jun jul/ago set/out nov/dez ANÁLISE DE DADOS X X X QUALIFICAÇÃO X REDAÇÃO FINAL X X X X DEFESA DE TESE X PARTICIPAÇÃOEM X X X X X X X X X GRUPOS DE X X X ESTUDO ENCONTROS COM X X X X X X X X X X X X O ORIENTADOR TRABALHOS EM X X X X X X CONGRESSOS PUBLICAÇÃO DE X X X X ARTIGO CIENTIFICO

10 10 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ACHARD, P. Papel da memória. Campinas, Pontes, AUTHIER-REVUZ, Entre a transparência e a opacidade: um estudo enunciativo do sentido. Porto Alegre: EDPUCRS, INDURSKY, F. Unicidade, desdobramento, fragmentação: a trajetória da noção de sujeito em Análise do Discurso. In: MITTMANN, S.; GRIGOLETTO, E.; CAZARINI, G. (Orgs.). Práticas Discursivas e Identitárias. Porto Alegre: Nova Prova editora, KANNER, Leo. Os distúrbios autísticos do contato afetivo. In: Paulina Schmidtbauer Rocha (org). Autismos. São Paulo: Ed. Escuta. Recife, PÊCHEUX, M. Semântica e discurso uma crítica à afirmação do óbvio. Unicamp. Campinas, ; FUCHS, C. A propósito da análise automática do discurso: atualização e perspectivas. In GADET, F; HAK, T. (orgs.) Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. 2 ed. Ed. UNICAMP, Campinas, O Discurso estrutura ou acontecimento? Pontes. Campinas, ZANDAWAIS, A. A forma-sujeito do discurso e suas modalidades de subjetivação: um contraponto entre saberes e práticas. In: INDURSKY, F. e FERREIRA, M. C. L. (Orgs.). Michel Pêcheux e a análise do discurso: uma relação de nunca acabar. São Carlos: Claraluz, 2005.

(Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1

(Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1 (Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1 Beatriz Maria ECKERT-HOFF 2 Doutoranda em Lingüística Aplicada/UNICAMP Este texto se insere no painel 04, intitulado Mises au point et perspectives à

Leia mais

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 FORMAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 A MATERIALIZAÇÃO

Leia mais

O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos. Luciana Aleva Cressoni. PPGPE/UFSCar

O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos. Luciana Aleva Cressoni. PPGPE/UFSCar O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos Luciana Aleva Cressoni PPGPE/UFSCar Depois de uma palavra dita. Às vezes, no próprio coração da palavra se reconhece o Silêncio. Clarice Lispector

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 MODERNA

Leia mais

25/07 ESBOÇO DE ANÁLISE DE UM TEXTO MIDIÁTICO IMAGÉTICO SOB OS PRESSUPOSTOS DA ANÁLISE DO DISCURSO. Maricília Lopes da Silva (PG-UNIFRAN)

25/07 ESBOÇO DE ANÁLISE DE UM TEXTO MIDIÁTICO IMAGÉTICO SOB OS PRESSUPOSTOS DA ANÁLISE DO DISCURSO. Maricília Lopes da Silva (PG-UNIFRAN) 25/07 ESBOÇO DE ANÁLISE DE UM TEXTO MIDIÁTICO IMAGÉTICO SOB OS PRESSUPOSTOS DA ANÁLISE DO DISCURSO. Maricília Lopes da Silva (PG-UNIFRAN) Introdução Nesta pesquisa, desenvolve-se um trabalho pautado nos

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este?

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este? Universidade do Sul de Santa Catarina UNISUL maria.schlickmann@unisul.br Palavras iniciais... As reflexões que apresento neste texto são um recorte de estudo que venho realizando na minha tese de doutorado.

Leia mais

DIETA DO SEXO - DISCURSOS SOBRE FEMININO/MASCULINO EM UMA PROPAGANDA DE PRESERVATIVOS: MEMÓRIA DISCURSIVA, INTERPRETAÇÃO E DESLIZAMENTO DE SENTIDOS

DIETA DO SEXO - DISCURSOS SOBRE FEMININO/MASCULINO EM UMA PROPAGANDA DE PRESERVATIVOS: MEMÓRIA DISCURSIVA, INTERPRETAÇÃO E DESLIZAMENTO DE SENTIDOS DIETA DO SEXO - DISCURSOS SOBRE FEMININO/MASCULINO EM UMA PROPAGANDA DE PRESERVATIVOS: MEMÓRIA DISCURSIVA, INTERPRETAÇÃO E DESLIZAMENTO DE SENTIDOS Verônica Rodrigues Times 1 Texto e Discurso: delimitando

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA

O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA Elisandra Aparecida Palaro 1 Neste trabalho analisamos o funcionamento discursivo de documentos do Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

REPRESENTAÇÕES DE CULTURA SURDA DE ALUNOS DA DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE LIBRAS

REPRESENTAÇÕES DE CULTURA SURDA DE ALUNOS DA DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE LIBRAS Introdução REPRESENTAÇÕES DE CULTURA SURDA DE ALUNOS DA DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE LIBRAS Ana Rachel Carvalho Leão 1 Este trabalho tem por objetivo apresentar algumas representações sobre cultura surda

Leia mais

O DISCURSO POLÍTICO NA CHARGE: ENTRE A REPETIÇÃO E AS (RE)SIGNIFICAÇÕES

O DISCURSO POLÍTICO NA CHARGE: ENTRE A REPETIÇÃO E AS (RE)SIGNIFICAÇÕES O DISCURSO POLÍTICO NA CHARGE: ENTRE A REPETIÇÃO E AS (RE)SIGNIFICAÇÕES Cristiane Renata da Silva Cavalcanti 1 Silmara Dela Silva 2 CONSIDERAÇÕES INICIAIS Atravessada pela historicidade constitutiva do

Leia mais

REPRESENTAÇÕES DOS SURDOS DE ALUNOS DA DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE LIBRAS

REPRESENTAÇÕES DOS SURDOS DE ALUNOS DA DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE LIBRAS REPRESENTAÇÕES DOS SURDOS DE ALUNOS DA DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE LIBRAS ANA RACHEL CARVALHO LEÃO Faculdade de Letras/Universidade Federal de Minas Gerais Av. Antônio Carlos, 6627 312070-901 Belo Horizonte

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

Aula8 HETEROGENEIDADE DISCURSIVA: OS MODOS DE REPRESENTAÇÃO DO OUTRO NO DISCURSO. Eugênio Pacelli Jerônimo Santos Flávia Ferreira da Silva

Aula8 HETEROGENEIDADE DISCURSIVA: OS MODOS DE REPRESENTAÇÃO DO OUTRO NO DISCURSO. Eugênio Pacelli Jerônimo Santos Flávia Ferreira da Silva Aula8 HETEROGENEIDADE DISCURSIVA: OS MODOS DE REPRESENTAÇÃO DO OUTRO NO DISCURSO META Discutir a heterogeneidade discursiva como constitutiva da linguagem. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá:

Leia mais

SALA/AMBIENTE DE LEITURA: DISCURSOS SOBRE A ATUAÇÃO DO PROFESSOR NO NOVO ESPAÇO *

SALA/AMBIENTE DE LEITURA: DISCURSOS SOBRE A ATUAÇÃO DO PROFESSOR NO NOVO ESPAÇO * 1 SALA/AMBIENTE DE LEITURA: DISCURSOS SOBRE A ATUAÇÃO DO PROFESSOR NO NOVO ESPAÇO * Denise Franciane Manfré Cordeiro Garcia (UNESP/São José do Rio Preto) Fernanda Correa Silveira Galli (UNESP/São José

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 LINGUÍSTICA

Leia mais

Seminário Cenário Contemporâneo: Polêmicas e Desafios ao Serviço Social

Seminário Cenário Contemporâneo: Polêmicas e Desafios ao Serviço Social Seminário Cenário Contemporâneo: Polêmicas e Desafios ao Serviço Social Seminário Cenário Contemporâneo: Polêmicas e Desafios ao Serviço Social PALESTRA 03: Investigação em Serviço Social: para quê, a

Leia mais

MEMÓRIA DISCURSIVA E IDENTIFICAÇÃO EM NARRATIVAS DE DESCENDENTES DE IMIGRANTES ITALIANOS

MEMÓRIA DISCURSIVA E IDENTIFICAÇÃO EM NARRATIVAS DE DESCENDENTES DE IMIGRANTES ITALIANOS MEMÓRIA DISCURSIVA E IDENTIFICAÇÃO EM NARRATIVAS DE DESCENDENTES DE IMIGRANTES ITALIANOS Flávia Rosane Camillo Tibolla 1 Angela Derlise Stübe 2 Esta pesquisa pretende analisar traços de memória discursiva

Leia mais

ANÁLISE DO DISCURSO FRANCESA: REVISITAÇÃO EPISTEMOLÓGICA E QUESTÕES CENTRAIS

ANÁLISE DO DISCURSO FRANCESA: REVISITAÇÃO EPISTEMOLÓGICA E QUESTÕES CENTRAIS ANÁLISE DO DISCURSO FRANCESA: REVISITAÇÃO EPISTEMOLÓGICA E QUESTÕES CENTRAIS Daiana Oliveira Faria 1 Lucília Maria Sousa Romão 2 Neste ensaio, propomos uma abordagem crítica de três textos cruciais para

Leia mais

ESCUTANDO DISCURSIVAMENTE A ESCRITA DE SUJEITOS ADOLESCENTES SOBRE QUESTÕES DE CORPO: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA

ESCUTANDO DISCURSIVAMENTE A ESCRITA DE SUJEITOS ADOLESCENTES SOBRE QUESTÕES DE CORPO: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA ESCUTANDO DISCURSIVAMENTE A ESCRITA DE SUJEITOS ADOLESCENTES SOBRE QUESTÕES DE CORPO: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA Rubens Prawucki (Centro Universitário - Católica de SC) 1- Iniciando as reflexões: O objetivo

Leia mais

SHOW DA FÉ: MODOS DE DIZER E (RES)SIGNIFICAR

SHOW DA FÉ: MODOS DE DIZER E (RES)SIGNIFICAR SHOW DA FÉ: MODOS DE DIZER E (RES)SIGNIFICAR Izabel Seehaber 1 Carme Regina Schons 2 Partindo do pressuposto de que, há algum tempo, várias Igrejas de denominações religiosas identificaram, em suportes

Leia mais

A INSTITUCIONALIZAÇÃO DA AD NOS PROGRAMAS DE PÓS- GRADUAÇÃO DA PUC/RS E DA UFRGS

A INSTITUCIONALIZAÇÃO DA AD NOS PROGRAMAS DE PÓS- GRADUAÇÃO DA PUC/RS E DA UFRGS A INSTITUCIONALIZAÇÃO DA AD NOS PROGRAMAS DE PÓS- GRADUAÇÃO DA PUC/RS E DA UFRGS Taís da Silva MARTINS Universidade Federal de Santa Maria taissmartins@superig.com.br Em nossa pesquisa, buscamos entender

Leia mais

ABAIXO O ACUMULO! PALAVRAS-CHAVE: efeitos de sentido, discurso publicitário, slogans, evidências naturais.

ABAIXO O ACUMULO! PALAVRAS-CHAVE: efeitos de sentido, discurso publicitário, slogans, evidências naturais. ABAIXO O ACUMULO! CARMO, Alex Sandro de Araujo (PG UNIOESTE) RESUMO: Para compreender os efeitos de sentido contidos nos discursos é preciso considerar, dentre alguns fatos, as junções do texto e do contexto,

Leia mais

A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS

A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS Victória Junqueira Franco do Amaral -FFCLRP-USP Soraya Maria Romano Pacífico - FFCLRP-USP Para nosso trabalho foram coletadas 8 redações produzidas

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ENSINO EM MATO GROSSO

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ENSINO EM MATO GROSSO POLÍTICAS PÚBLICAS DE ENSINO EM MATO GROSSO Joelma Aparecida Bressanin 1 Este trabalho é resultado de uma reflexão sobre o funcionamento dos programas de formação continuada de professores que desenvolvemos

Leia mais

ELEMENTOS CONSTITUINTES DO DISCURSO: UMA ANÁLISE EM REDAÇÕES ESCOLARES RESUMO

ELEMENTOS CONSTITUINTES DO DISCURSO: UMA ANÁLISE EM REDAÇÕES ESCOLARES RESUMO ELEMENTOS CONSTITUINTES DO DISCURSO: UMA ANÁLISE EM REDAÇÕES ESCOLARES Jamires Nobre Menezes de Oliveira ( UNEB). RESUMO Este trabalho apresenta os elementos constituintes do discurso estabelecidos entre

Leia mais

CORPO, CULTURA E ARQUIVO: FAZENDO MOVIMENTAR OS DISCURSOS SOBRE A ANOREXIA NERVOSA

CORPO, CULTURA E ARQUIVO: FAZENDO MOVIMENTAR OS DISCURSOS SOBRE A ANOREXIA NERVOSA CORPO, CULTURA E ARQUIVO: FAZENDO MOVIMENTAR OS DISCURSOS SOBRE A ANOREXIA NERVOSA Mariele Zawierucka Bressan 1 INICIAR É PRECISO... DO CORPO E DA CULTURA: ALGUMAS PONDERAÇÕES Tomamos, em nosso trabalho,

Leia mais

RESUMOS COM RESULTADOS... 1334 RESUMOS DE PROJETOS... 1336

RESUMOS COM RESULTADOS... 1334 RESUMOS DE PROJETOS... 1336 1333 RESUMOS COM RESULTADOS... 1334 RESUMOS DE PROJETOS... 1336 RESUMOS COM RESULTADOS 1334 DISCURSOS DE PROFESSORES/TUTORES DE LÍNGUA INGLESA: PRÉ-CONSTRUÍDOS SOBRE A RELAÇÃO PROFESSOR-ALUNO EM EAD...

Leia mais

FORMAÇÃO DISCURSIVA: ELA AINDA MERECE QUE LUTEMOS POR ELA POR ELA?

FORMAÇÃO DISCURSIVA: ELA AINDA MERECE QUE LUTEMOS POR ELA POR ELA? FORMAÇÃO DISCURSIVA: ELA AINDA MERECE QUE LUTEMOS POR ELA POR ELA? Freda INDURSKY Universidade Federal do Rio Grande do Sul Situando a reflexão Esta noção, desde suas formulações iniciais, tem sido revisitada

Leia mais

A LÍNGUA INGLESA NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: INVESTIGANDO AS REPRESENTAÇÕES DOS ALUNOS DOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS SOBRE O INGLÊS

A LÍNGUA INGLESA NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: INVESTIGANDO AS REPRESENTAÇÕES DOS ALUNOS DOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS SOBRE O INGLÊS A LÍNGUA INGLESA NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: INVESTIGANDO AS REPRESENTAÇÕES DOS ALUNOS DOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS SOBRE O INGLÊS Resumo Pauliana Duarte Oliveira IFG 1 Grupo de trabalho: Cultura,

Leia mais

O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987)

O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987) O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987) Blanca de Souza Viera MORALES (UFRGS) Para Pêcheux e Gadet a lingüística não pode reduzir-se

Leia mais

O FUNCIONAMENTO DA INCLUSÃO/EXCLUSÃO, EM RECORTES DE DISCURSOS DE SUJEITOS COTISTAS, NA UNEMAT

O FUNCIONAMENTO DA INCLUSÃO/EXCLUSÃO, EM RECORTES DE DISCURSOS DE SUJEITOS COTISTAS, NA UNEMAT O FUNCIONAMENTO DA INCLUSÃO/EXCLUSÃO, EM RECORTES DE DISCURSOS DE SUJEITOS COTISTAS, NA UNEMAT 1. Introdução Adelita Balbinot 1 Olímpia Maluf-Souza 2 As condições de produção dos discursos em torno das

Leia mais

A imagem do sujeito aprendiz de língua estrangeira representada nos folders de propaganda de cursos de idiomas

A imagem do sujeito aprendiz de língua estrangeira representada nos folders de propaganda de cursos de idiomas A imagem do sujeito aprendiz de língua estrangeira representada nos folders de propaganda de cursos de idiomas 1 Introdução O presente trabalho consiste em compreender a noção de sujeito que emerge em

Leia mais

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a GRADE CURRICULAR DO MESTRADO EM LETRAS: LINGUAGEM E SOCIEDADE DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS 34 CRÉDITOS Teorias da Linguagem (60h/a 04 Teorias Sociológicas (60h/a 04 Metodologia da Pesquisa em Linguagem (30h/a

Leia mais

ENSINO DE LÍNGUA ENTRE MUROS

ENSINO DE LÍNGUA ENTRE MUROS ENSINO DE LÍNGUA ENTRE MUROS Andréa Rodrigues (UERJ) andrearodrigues.letras@hotmail.com 1. Introdução Este trabalho aborda o modo como o ensino de língua materna é apresentado em algumas cenas do filme

Leia mais

OS DESDOBRAMENTOS DE SENTIDOS PARA O IDOSO INSTITUCIONALIZADOS

OS DESDOBRAMENTOS DE SENTIDOS PARA O IDOSO INSTITUCIONALIZADOS OS DESDOBRAMENTOS DE SENTIDOS PARA O IDOSO INSTITUCIONALIZADOS Geralda Maria de Carvalho Zaidan Universidade Estadual de Campinas-UNICAMP Introdução Este trabalho pretende constituir-se numa síntese da

Leia mais

INVESTIGAÇÃO DOS SENTIDOS NARRATIVOS ENCONTRADOS NO DISCURSO DE AFÁSICOS PARTICIPANTES DE GRUPO DE CONVIVÊNCIA

INVESTIGAÇÃO DOS SENTIDOS NARRATIVOS ENCONTRADOS NO DISCURSO DE AFÁSICOS PARTICIPANTES DE GRUPO DE CONVIVÊNCIA INVESTIGAÇÃO DOS SENTIDOS NARRATIVOS ENCONTRADOS NO DISCURSO DE AFÁSICOS PARTICIPANTES DE GRUPO DE CONVIVÊNCIA Palavras chave: afasia; diálogo; sentido. O estudo tem o objetivo investigar e analisar os

Leia mais

DITADURA MILITAR: O DISCURSO DE MULHERES NO CONFLITO POR TERRA NA REGIÃO DO ARAGUAIA

DITADURA MILITAR: O DISCURSO DE MULHERES NO CONFLITO POR TERRA NA REGIÃO DO ARAGUAIA DITADURA MILITAR: O DISCURSO DE MULHERES NO CONFLITO POR TERRA NA REGIÃO DO ARAGUAIA Juliany Teixeira Reis 1 Judite Gonçalves Albuquerque 2 Esta pesquisa foi inicialmente objeto de uma monografia de graduação

Leia mais

Projeto de Graduação 1 Prof. Fabiano Dorça. Metodologia Científica

Projeto de Graduação 1 Prof. Fabiano Dorça. Metodologia Científica Projeto de Graduação 1 Prof. Fabiano Dorça Metodologia Científica Metodologia Científica Conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para formular e resolver problemas de aquisição

Leia mais

AGNÈS VAN ZANTEN PESQUISADORA DO CENTRO NACIONAL DE PESQUISA CIENTÍFICA CNRS. PARIS/FRANÇA

AGNÈS VAN ZANTEN PESQUISADORA DO CENTRO NACIONAL DE PESQUISA CIENTÍFICA CNRS. PARIS/FRANÇA AGNÈS VAN ZANTEN PESQUISADORA DO CENTRO NACIONAL DE PESQUISA CIENTÍFICA CNRS. PARIS/FRANÇA COMPRENDER Y HACERSE COMPRENDER: COMO REFORZAR LA LEGITIMIDADE INTERNA Y EXTERNA DE LOS ESTUDIOS CUALITATIVOS

Leia mais

Política de Línguas na América Latina 1

Política de Línguas na América Latina 1 Política de Línguas na América Latina 1 Eduardo Guimarães * Num momento como o atual, em que as relações internacionais vêm mudando rapidamente e que se caracteriza, entre outras coisas, pelo fato político

Leia mais

A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1

A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1 A ESCOLHA DAS LÍNGUAS OFICIAIS DO MERCOSUL: HEGEMONIA E SILENCIAMENTO 1 Daiana Marques Sobrosa 2 1. Introdução Em 26 de março de 1991, Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai assinaram o Tratado de Assunção

Leia mais

MEMÓRIA E IDENTIDADE SOCIAL EM IMAGENS DA CULINÁRIA NORDESTINA. Construções Identitárias em diversos gêneros da mídia nordestina'', desenvolvido no

MEMÓRIA E IDENTIDADE SOCIAL EM IMAGENS DA CULINÁRIA NORDESTINA. Construções Identitárias em diversos gêneros da mídia nordestina'', desenvolvido no MEMÓRIA E IDENTIDADE SOCIAL EM IMAGENS DA CULINÁRIA NORDESTINA Regina BARACUHY mrbaracuhy@uol.com.br Universidade Federal da Paraíba / PROLING Este trabalho faz parte de um projeto intitulado: "História,

Leia mais

A emergência da ideologia, da história e das condições de produção no. prefaciamento dos dicionários

A emergência da ideologia, da história e das condições de produção no. prefaciamento dos dicionários A emergência da ideologia, da história e das condições de produção no prefaciamento dos dicionários Verli PETRI vpetri@terra.com.br Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) O processo de prefaciamento/apresentação

Leia mais

DE QUEM É ESTE COMERCIAL? : A CONTRIBUIÇÃO AUTORAL DO REVISOR NOS DISCURSOS PUBLICITÁRIOS

DE QUEM É ESTE COMERCIAL? : A CONTRIBUIÇÃO AUTORAL DO REVISOR NOS DISCURSOS PUBLICITÁRIOS DE QUEM É ESTE COMERCIAL? : A CONTRIBUIÇÃO AUTORAL DO REVISOR NOS DISCURSOS PUBLICITÁRIOS Debbie Mello Noble 1 A discussão sobre autoria na publicidade é extremamente ampla e complexa. Quando nos deparamos

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

RESENHA A CORAGEM DA TEORIA CIÊNCIA DA LINGUAGEM E POLÍTICA: ANOTAÇÕES AO PÉ DAS LETRAS

RESENHA A CORAGEM DA TEORIA CIÊNCIA DA LINGUAGEM E POLÍTICA: ANOTAÇÕES AO PÉ DAS LETRAS RESENHA A CORAGEM DA TEORIA ORLANDI, E. P. Ciência da Linguagem e Política: anotações ao pé das letras. Campinas: Pontes, 2014, 128 pp. Pensar sozinho isto é sábio. Nietzsche para ler ao som de Panis et

Leia mais

A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte.

A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte. A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte. Doutorando: Laudo Rodrigues Sobrinho Universidade Metodista de Piracicaba-UNIMEP e-mail: laudinho@bol.com.br

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

O SUJEITO-PROFESSOR E SUA INSCRIÇÃO APARENTE NO DISCURSO EDUCACIONAL VIGENTE Luzia Alves 1

O SUJEITO-PROFESSOR E SUA INSCRIÇÃO APARENTE NO DISCURSO EDUCACIONAL VIGENTE Luzia Alves 1 410 O SUJEITO-PROFESSOR E SUA INSCRIÇÃO APARENTE NO DISCURSO EDUCACIONAL VIGENTE Luzia Alves 1 RESUMO. O presente estudo se propõe a analisar num artigo, publicado em uma revista de grande circulação no

Leia mais

A MEMÓRIA DISCURSIVA NA NARRATIVA DO CONTO DE FADAS A BELA E A FERA

A MEMÓRIA DISCURSIVA NA NARRATIVA DO CONTO DE FADAS A BELA E A FERA A MEMÓRIA DISCURSIVA NA NARRATIVA DO CONTO DE FADAS A BELA E A FERA Myrian Conceição Crusoé Rocha Sales 1 Resumo Este artigo tem por finalidade evidenciar aspectos da memória discursiva da Análise do Discurso

Leia mais

ENTRE A CIÊNCIA E A MÍDIA: UM OLHAR DE ASSESSORIA DE IMPRENSA 1

ENTRE A CIÊNCIA E A MÍDIA: UM OLHAR DE ASSESSORIA DE IMPRENSA 1 Página43 ENTRE A CIÊNCIA E A MÍDIA: UM OLHAR DE ASSESSORIA DE IMPRENSA 1 Giovanna Benedetto Flores 2 Resumo: Esse trabalho se propõe a identificar as estratégias discursivas predominantes do jornalista

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

RESISTÊNCIA E DESAFIO: TRAÇOS DO PENSAMENTO DE PÊCHEUX NO BRASIL

RESISTÊNCIA E DESAFIO: TRAÇOS DO PENSAMENTO DE PÊCHEUX NO BRASIL RESISTÊNCIA E DESAFIO: TRAÇOS DO PENSAMENTO DE PÊCHEUX NO BRASIL Luiz Francisco DIAS Universidade Federal de Minas Gerais Passados 20 anos da morte de Michel Pêcheux, os estudos em torno das suas idéias

Leia mais

O REAL DO DISCURSO NA REPRESENTAÇÃO DA SOCIEDADE BRASILEIRA NA ESCRITA DA CIÊNCIA DAS CIÊNCIAS SOCIAIS.

O REAL DO DISCURSO NA REPRESENTAÇÃO DA SOCIEDADE BRASILEIRA NA ESCRITA DA CIÊNCIA DAS CIÊNCIAS SOCIAIS. O REAL DO DISCURSO NA REPRESENTAÇÃO DA SOCIEDADE BRASILEIRA NA ESCRITA DA CIÊNCIA DAS CIÊNCIAS SOCIAIS. Carolina de Paula Machado 1 A análise semântica de uma palavra, que não se paute por uma visão formal,

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Formação de professor, Estágio, Identidade.

PALAVRAS-CHAVE: Formação de professor, Estágio, Identidade. RELATÓRIOS DE ESTÁGIO: CONTRIBUIÇÕES PARA A CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE DO PROFESSOR DE PORTUGUÊS BORGES, Ana Maria de Miranda Marques/UFG anamariademiranda2@gmail.com MORAES, Eliana Melo Machado/CAJ-UFG

Leia mais

PESQUISA QUALITATIVA

PESQUISA QUALITATIVA PESQUISA QUALITATIVA CONHECIMENTO É o processo pelo qual as pessoas intuem, apreendem e depois expressam. Qualquer ser humano que apreende o mundo (pensa) e exterioriza, produz conhecimento. PESQUISA É

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 43 3 METODOLOGIA DA PESQUISA Medeiros (2005) esclarece que a pesquisa científica tem por objetivo maior contribuir para o desenvolvimento humano. Para isso, conta com métodos adequados que devem ser planejados

Leia mais

Olimpíada de LP Escrevendo o futuro

Olimpíada de LP Escrevendo o futuro Olimpíada de LP Escrevendo o futuro QUATRO GÊNEROS EM CARTAZ: OS CAMINHOS DA ESCRITA Cristiane Cagnoto Mori 19/03/2012 Referências bibliográficas RANGEL, Egon de Oliveira. Caminhos da escrita: O que precisariam

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas ESTUDO DO TERMO ONOMA E SUA RELAÇÃO COM A INTERDISCIPLINARIDADE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ENSINO FUNDAMENTAL DA GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DA ONOMÁSTICA/TOPONÍMIA Verônica Ramalho Nunes 1 ; Karylleila

Leia mais

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA Maria Lúcia C. Neder Como já afirmamos anteriormente, no Texto-base, a produção, a seleção e a organização de textos para a EAD devem

Leia mais

COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB

COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB Monaliza Silva Professora de ciências e biologia da rede estadual

Leia mais

AS CONCEPÇÕES DE NATUREZA E MEIO AMBIENTE DOS EDUCANDOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) 1

AS CONCEPÇÕES DE NATUREZA E MEIO AMBIENTE DOS EDUCANDOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) 1 AS CONCEPÇÕES DE NATUREZA E MEIO AMBIENTE DOS EDUCANDOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) 1 Leonardo da Costa VERGARA¹; Fernanda Gratão LEMES²; Simone Sendin Moreira GUIMARÃES 3 ; Rones de Deus PARANHOS

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO SOCIAL

O PAPEL DO PSICÓLOGO SOCIAL Página 1 de 5 O PAPEL DO PSICÓLOGO SOCIAL Leandro Nunes 1 Primeiramente, gostaria de me posicionar e anunciar de que campo da ciência psicológica vou estruturar meu argumento. No entanto afirmo que me

Leia mais

Metodologias de Pesquisa Qualitativa

Metodologias de Pesquisa Qualitativa Metodologias de Pesquisa Qualitativa Pesquisa Qualitativa Subjetividade e interpretação do avaliador/pesquisador Entender um problema em profundidade. Não usa estatísticas e generalizações. Trabalha com

Leia mais

PESQUISA EM EDUCAÇÃO

PESQUISA EM EDUCAÇÃO PESQUISA EM EDUCAÇÃO O que é Pesquisa? O que é Pesquisa? 1. Ato ou efeito de pesquisar. 2. Indagação ou busca minuciosa para averiguação da realidade; investigação. 3. Investigação e estudo sistemáticos,

Leia mais

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I I PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA BIBLIOGRAFIA: MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE IMAGEM DO PROFESSOR DE LÍNGUA PORTUGUESA

A CONSTRUÇÃO DE IMAGEM DO PROFESSOR DE LÍNGUA PORTUGUESA A CONSTRUÇÃO DE IMAGEM DO PROFESSOR DE LÍNGUA PORTUGUESA Carlos Alexandre Nascimento Aragão (UNIT) 1 1. UMA BREVE ABORDAGEM SOBRE A ANÁLISE DO DISCURSO O discurso é concebido por Pêcheux (1988) como um

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 I Introdução O objetivo deste trabalho é pensar a questão do autismo pelo viés da noção de estrutura, tal como compreendida

Leia mais

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA Profa. Ms. Rose Romano Caveiro CONCEITO E DEFINIÇÃO É um conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para formular e resolver problemas

Leia mais

SENTIDOS SOBRE A LEITURA NA REDE SOCIAL SKOOB *

SENTIDOS SOBRE A LEITURA NA REDE SOCIAL SKOOB * 1 SENTIDOS SOBRE A LEITURA NA REDE SOCIAL SKOOB * Hayanne Zahra (UNESP/São José do Rio Preto) Fernanda Correa Silveira Galli (UNESP/São José do Rio Preto) RESUMO: Com a potencialização das novas tecnologias

Leia mais

Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP

Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP Pela sua importância destacam-se aqui alguns dos seus princípios: Todos/as os/ssujeitos, de ambos os sexos, têm direito fundamental à educação, bem como a oportunidade

Leia mais

INVESTIGANDO REPRESENTAÇÕES SOBRE A LÍNGUA INGLESA NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

INVESTIGANDO REPRESENTAÇÕES SOBRE A LÍNGUA INGLESA NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL 1 INVESTIGANDO REPRESENTAÇÕES SOBRE A LÍNGUA INGLESA NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Pauliana Duarte Oliveira 1 Laura Calaça da Silva 2 Márcia Teixeira de Paula 3 Suzy Mara Gomes 4 Resumo Neste trabalho

Leia mais

Camila Nunes LAWSON (Universidade Católica de Pelotas)

Camila Nunes LAWSON (Universidade Católica de Pelotas) A (RE)CONSTITUIÇÃO DAS IDENTIDADES DE UMA PROFESSORA PRÉ-SERVIÇO: UMA ANÁLISE DA RELAÇÃO ENTRE PROFESSORA ORIENTADORA E PROFESSORA ESTAGIÁRIA Camila Nunes LAWSON (Universidade Católica de Pelotas) ABSTRACT:

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL Élcio Aloisio Fragoso 1 INTRODUÇÃO Neste texto, faremos algumas considerações acerca do discurso simbolista no Brasil, relativamente à história

Leia mais

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA Maria Eliane Gomes Morais (PPGFP-UEPB) Linduarte Pereira Rodrigues (DLA/PPGFP-UEPB) Resumo: Os textos publicitários

Leia mais

DISCURSO MÉDICO E O PSICOLÓGICO: UMA ANÁLISE DISCURSIVA DA DECISÃO JUDICIAL

DISCURSO MÉDICO E O PSICOLÓGICO: UMA ANÁLISE DISCURSIVA DA DECISÃO JUDICIAL DISCURSO MÉDICO E O PSICOLÓGICO: UMA ANÁLISE DISCURSIVA DA DECISÃO JUDICIAL Cibeli Simoes Santos 1 O embate entre o Discurso Jurídico e o Discurso Médico-psiquiátrico foi colocado mais uma vez em questão

Leia mais

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R INTRODUÇÃO A pesquisa é um procedimento reflexivo e crítico de busca de respostas para problemas ainda não solucionados. O

Leia mais

Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO

Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO Projeto de Pesquisa apresentado ao Programa de Pós- Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Santa Maria como requisito parcial para a seleção de ingresso

Leia mais

SUJEITO E SENTIDO: EFEITOS DE LINGUAGEM. Bethania S. C. Mariani Universidade Federal Fluminense

SUJEITO E SENTIDO: EFEITOS DE LINGUAGEM. Bethania S. C. Mariani Universidade Federal Fluminense SUJEITO E SENTIDO: EFEITOS DE LINGUAGEM Bethania S. C. Mariani Universidade Federal Fluminense Resumo O objetivo deste texto é investigar os processos de interpelação-identificação que, na ótica da Análise

Leia mais

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica)

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) GRUPO PAIDÉIA FE/UNICAMP Linha: Episteduc Coordenador: Prof. Dr. Silvio Sánchez Gamboa Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) Os projetos de pesquisa se caracterizam

Leia mais

O discurso de mídia em relação a mulher 1

O discurso de mídia em relação a mulher 1 O discurso de mídia em relação a mulher 1 GLÁUCIA PEREIRA DE SOUZA UNIVERSIDADE CATOLICA DE BRASILIA O objetivo desta comunicação é fazer uma primeira discussão sobre o discurso da mídia em relação à mulher,

Leia mais

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico:

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: 1 Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: Uma breve aproximação Clodoveo Ghidolin 1 Um tema de constante debate na história do direito é a caracterização e distinção entre jusnaturalismo e positivismo

Leia mais

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA).

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). Alinne da Silva Rios Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP e-mail: alinnerios@hotmail.com Profa. Ms. Leila

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

ENSINO-APRENDIZAGEM DE LINGUA INGLESA: Uma nova ordem do discurso

ENSINO-APRENDIZAGEM DE LINGUA INGLESA: Uma nova ordem do discurso 517 ENSINO-APRENDIZAGEM DE LINGUA INGLESA: Uma nova ordem do discurso Tatiana Silvia Andrade dos Santos 1 UNITAU RESUMO. A necessidade de se aprender inglês para o mercado de trabalho já faz parte da memória

Leia mais

TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR

TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO:

Leia mais

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo:

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo: 3 METODOLOGIA Apresenta-se a seguir a descrição da metodologia utilizada neste trabalho com o objetivo de expor os caminhos que foram percorridos não só no levantamento dos dados do estudo como também

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 Sandra M. Zákia L. Sousa 2 As demandas que começam a ser colocadas no âmbito dos sistemas públicos de ensino, em nível da educação básica, direcionadas

Leia mais

A REDAÇÃO DO VESTIBULAR E A CONSTRUÇÃO DE UM ETHOS DISCURSIVO APOIADO NO HIPERENUNCIADOR JORNALISTA

A REDAÇÃO DO VESTIBULAR E A CONSTRUÇÃO DE UM ETHOS DISCURSIVO APOIADO NO HIPERENUNCIADOR JORNALISTA A REDAÇÃO DO VESTIBULAR E A CONSTRUÇÃO DE UM ETHOS DISCURSIVO APOIADO NO HIPERENUNCIADOR JORNALISTA Gislane Kátia TESSAROLO AUTORA - MESTRANDA DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM LETRAS E LINGUÍSTICA UFG

Leia mais

O trabalho de pesquisa é a procura de respostas para algum problema pela aplicação de métodos científicos.

O trabalho de pesquisa é a procura de respostas para algum problema pela aplicação de métodos científicos. 1 Manual de TCC O Trabalho de Conclusão de Curso, como o próprio nome indica, deve ser apresentado pelos alunos no final do curso de graduação. Trata-se de um estudo sobre um tema específico ligado a área

Leia mais

UM ESPAÇO POLÊMICO DE LEITURAS PELO YOUTUBE NA CONTEMPORANEIDADE

UM ESPAÇO POLÊMICO DE LEITURAS PELO YOUTUBE NA CONTEMPORANEIDADE UM ESPAÇO POLÊMICO DE LEITURAS PELO YOUTUBE NA CONTEMPORANEIDADE Juciele Pereira Dias 1 27 de janeiro de 2013: Acordo e atendo o celular... Ligo a televisão... Ligo o computador... Entro no Facebook...

Leia mais

ANÁLISE DO DISCURSO AULA 01: CARACTERIZAÇÃO INICIAL DA ANÁLISE DO DISCURSO TÓPICO 01: O QUE É A ANÁLISE DO DISCURSO MULTIMÍDIA Ligue o som do seu computador! OBS.: Alguns recursos de multimídia utilizados

Leia mais

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua!

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua! PROJETO-INTERVENÇÃO O curso de formação de gestores escolares que estamos realizando orientase por dois eixos básicos: a) a educação compreendida como direito social a ser suprido pelo Estado; b) a gestão

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: AS CONDIÇÕES DE PRODUÇÃO DA LEI 11.274/06 NUMA ABORDAGEM DISCURSIVA, UMA ANÁLISE EM CONSTRUÇÃO

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: AS CONDIÇÕES DE PRODUÇÃO DA LEI 11.274/06 NUMA ABORDAGEM DISCURSIVA, UMA ANÁLISE EM CONSTRUÇÃO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: AS CONDIÇÕES DE PRODUÇÃO DA LEI 11.274/06 NUMA ABORDAGEM DISCURSIVA, UMA ANÁLISE EM CONSTRUÇÃO Maria Sirlene Pereira Schlickmann 1 RESUMO: Esta comunicação tem por objetivo

Leia mais

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal.

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal. A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA MUNICIPAL RECANTO DO BOSQUE: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA UMA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA A PARTIR DO SUBPROJETO DA EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESEFFEGO/UEG.

Leia mais

UMA INVESTIGAÇÃO COM ALUNOS DE UM CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA SOBRE A MOBILIZAÇÃO DE CONHECIMENTOS MATEMÁTICOS

UMA INVESTIGAÇÃO COM ALUNOS DE UM CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA SOBRE A MOBILIZAÇÃO DE CONHECIMENTOS MATEMÁTICOS UMA INVESTIGAÇÃO COM ALUNOS DE UM CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA SOBRE A MOBILIZAÇÃO DE CONHECIMENTOS MATEMÁTICOS Cintia Ap. Bento dos Santos Universidade Cruzeiro do Sul Programa de Pós Graduação

Leia mais

ANÁLISE CRÍTICA DE UMA PROPAGANDA DA SKY VEICULADA NA REVISTA VEJA

ANÁLISE CRÍTICA DE UMA PROPAGANDA DA SKY VEICULADA NA REVISTA VEJA ANÁLISE CRÍTICA DE UMA PROPAGANDA DA SKY VEICULADA NA REVISTA VEJA Themis Rondão Barbosa 1 IFMS Resumo: Este trabalho tem por objetivo analisar um texto publicitário da SKY publicado na revista Veja (n.

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA INTERDISCIPLINAR DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO CONTEXTO ESCOLAR LIMA,

REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA INTERDISCIPLINAR DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO CONTEXTO ESCOLAR LIMA, REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA INTERDISCIPLINAR DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO CONTEXTO ESCOLAR LIMA, Maria Jacqueline Girão Soares. jaclima@centroin.com.br GT: Educação Ambiental / n. 22 Introdução Entre professores

Leia mais