7ª Edição da Conferência Internacional de Produção Mais Limpa de São Paulo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "7ª Edição da Conferência Internacional de Produção Mais Limpa de São Paulo"

Transcrição

1 Projeto de de Efeito Estufa da 7ª Edição da Conferência Internacional de Produção Mais Limpa de São Paulo São Paulo Agosto de 2008 *connectedthinking

2 de Projeto de de Efeito Estufa da 7ª Edição da Conferência Internacional de Produção Mais Limpa de São Paulo 21 de agosto de 2008 Atenção: Exmo. Senhor Vereador Gilberto Natalini À Câmara Municipal de São Paulo Gabinete do Exmo. Sr. Vereador Gilberto Natalini São Paulo - SP Prezados Senhores: Este relatório apresenta os resultados da aplicação da metodologia da PricewaterhouseCoopers (PwC) para quantificação das emissões de gases de efeito estufa da 7ª Edição da Conferência Internacional de. As análises referidas neste documento advêm da compilação das informações disponibilizadas pelos profissionais encarregados da organização da conferência e de entrevistas realizadas em campo por profissionais da PwC. Para a elaboração destas entrevistas, foi utilizada a metodologia PwC. Este relatório é de uso exclusivo dos organizadores da 7ª Edição da Conferência Internacional de, e é de sua inteira responsabilidade a apresentação deste a terceiros. Atenciosamente, PricewaterhouseCoopers Ltda. 2

3 de Índice Sumário Executivo Introdução Objetivos Cálculo de Emissões Consumo de Energia Resíduos Transporte Grau de Escolaridade dos Participantes Opinião do Público sobre o Uso do Etanol Total de Emissões Resultados

4 de Sumário Executivo A 7ª edição da Conferência Internacional de, ocorrida no dia 21 de maio de 2008, no Anhembi Parque, Grande Auditório, teve como tema principal o etanol e a cidade de São Paulo, suas perspectivas e oportunidades. O evento teve como objetivos promover o debate sobre o tema produção mais limpa com a iniciativa privada, administração pública, terceiro setor, instituições de ensino e sociedade civil, assim como, contribuir para difundir a prática do desenvolvimento limpo nos órgãos da administração pública, pequenas, médias e grandes empresas. Para que as emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) do evento sejam neutralizadas, a PricewaterhouseCoopers como parceira da conferência, realizou o levantamento das emissões de GEE e posteriormente aplicou sua metodologia para a quantificação das emissões. Neste trabalho são apresentados a metodologia utilizada para o cálculo das emissões de GEE, as pesquisas feitas com o público participante e os palestrantes do evento, e os resultados obtidos. 1 Introdução A Produção Mais Limpa, criada em 1989 pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), tem o objetivo de proporcionar uma estratégia preventiva que permitesse às empresas aumentarem a eficiência de uso de recursos naturais através da minimização ou reciclagem dos resíduos gerados. São Paulo faz parte do grupo das 40 maiores cidades do mundo e possui um grande potencial poluidor. Desde 2002, a Conferência de Produção Mais Limpa de São Paulo tem disseminado informações sobre modelos de conduta sustentável. Neste ano, durante a conferência, profissionais da área de tecnologia e meioambiente, estudantes, população em geral e administradores públicos, tiveram a chance de conhecer estratégias e propôr outros caminhos para minimizar os efeitos da poluição emitida na atmosfera. As discussões foram balizadas pelos temas "O etanol e a cidade de São Paulo: suas perspectivas e oportunidades". 4

5 de A conferência teve como objetivo provocar na sociedade um debate aprofundado e amplo sob as vertentes: ambiental, social e econômica, da produção e do uso do etanol como combustível limpo e renovável. Para compensar o impacto causado ao meio ambiente pela conferência, o evento terá suas emissões de gases de efeito estufa neutralizadas pela metodologia da PricewaterhouseCoopers (PwC). O plantio de mudas será efetuado em escolas via parceria entre a Secretaria do Verde e Meio Ambiente, Secretaria da Educação, Câmara Municipal. A verificação do plantio efetuado cabe à PwC. 2 Objetivo O objetivo do presente projeto é a neutralização das emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) causadas pela realização da 7ª edição da Conferência Internacional de, através do plantio de espécimes arbóreas em escolas e sua posterior verificação. Nos cálculos de quantificação dos GEE serão incluídas as emissões do translado de seus participantes (distância e meio de transporte), do tratamento dos resíduos sólidos orgânicos gerados e da energia elétrica consumida durante o evento. Estes cálculos proporcionarão, por sua vez, a quantificação de mudas necessárias para a neutralização do evento. O plantio destas mudas trará benefícios sociais por meio de novas áreas plantadas em escolas, bem como a educação ambiental dos alunos. Desta forma, o presente projeto contribui ao mesmo tempo para uma arborização local, para o combate as mudanças climáticas através da fixação do carbono, e conscientização da população. 3 Cálculos de Emissões Nos cálculos, as emissões de GEE foram expressas em toneladas de dióxido de carbônico equivalente (tco 2 e), de acordo com o modelo sugerido pelo Painel Intergovernamental sobre as Mudanças Climáticas, o qual tem a missão de avaliar exaustiva e objetivamente toda a informação técnica, científica e sócio-econômica disponível, que permita conhecer os riscos das mudanças do clima. O IPCC, através do seu Terceiro Grupo de Trabalho avalia as opções que permitem limitar as emissões de 5

6 de GEE s e, atenuar os outros meios dos efeitos das mudanças climáticas. A unidade, tco 2 e, é utilizada por este Grupo de Trabalho como base comparativa do potencial de Efeito Estufa dos diferentes GEE s, tendo como referencia as características do gás carbônico. Para os cálculos foram utilizados dados fornecidos pela organização do evento, assim como dados coletados durante e após o evento por profissionais da PwC. O escopo de projeto considerado para a contabilização das emissões de GEE foi a estrutura física do Grande Auditório, no Anhembi Parque, local de realização do evento, e o transporte do público e palestrantes. Os trajetos considerados no transporte foram os deslocamentos entre as origens e o evento, assim como os respectivos retornos. O total de pessoas no recinto do evento foi aproximadamente 840 pessoas. Para refinar as estimativas e garantir a clareza e transparência dos resultados, as emissões foram subdivididas de acordo com suas origens. Para cada estimativa o cenário mais realista possível foi traçado para servir de base aos cálculos realizados. 3.1 Consumo de Energia Elétrica Para calcular as emissões relativas ao consumo de eletricidade do evento, foi utilizado o fator de emissão (tco 2 e / MWh) proveniente da composição da matriz elétrica brasileira desenvolvida a partir da ferramenta Tool to calculate the emission factor for an electricity system, proveniente da metodologia ACM0002 Consolidated baseline methodology for grid-connected electricity generation from renewable sources, aprovada pela Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas (UNFCCC) para Projetos de Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) empregados no Brasil, informaçoes disponibilizadas pelo Operador Nacional do Sistema (ONS). A quantificação da energia elétrica consumida foi efetuada pelos organizadores do evento por meio de análise do consumo elétrico no dia do evento. A energia elétrica total consumida foi de 0,370 MWh. Utilizando este valor na metodologia acima descrita, obtém-se o resultado de 0,0682 tco 2 e. 6

7 de 3.2 Resíduos Sólidos Orgânicos Devido à estratégia adotada pelos organizadores do evento de fornecimento do coffee break, o lixo gerado foi quase totalmente reciclado, o que resultou, sob a perspectiva de emissões de GEEs, em uma produção insignificante de resíduos sólidos orgânicos. Por conseguinte, a parcela de emissões decorrentes dos resíduos sólidos gerados foi desconsiderada na somatória total do evento. 3.3 Transporte As distâncias percorridas em cada trajeto foram multiplicadas pelos fatores de emissão relativos ao meio de transporte e combustível utilizados. Os fatores de emissão (kgco 2 e/p*km) utilizados foram obtidos através da Associação dos Taxistas, do Sindicato dos Engenheiros no Estado de São Paulo, da SP Trans, Tabela de Consumo de Veículos da Revista CarSale, AirBus e Tam, assim como o IPCC e Schlumber Excellence in Educational Development - SEED. As distâncias percorridas foram estimadas por meio de um mapa. Uma amostra de aproximadamente 25% dos participantes do evento foi entrevistada para se ter conhecimento de onde e como estes foram ao evento. De acordo com a pesquisa efetuada, a maior parte do público veio da Zona Sul da Cidade de São Paulo, representando 26% dos participantes. A segunda maior parcela, representante de 19,50% dos participantes, veio da Zona Leste (Figura 1). Da Zona Sul a maior parte dos participantes veio de Ônibus e carro a Gasolina, da Zona Leste a maioria veio de Metrô e Ônibus. 7

8 de Figura 1 Pessoas por Região 15,00% 15,00% 19,50% 26,00% Região ABC Zona Leste Zona Norte Zona Oeste Zona Sul Centro Outros 7,50% 11,00% 6,00% Da parcela do público que foi entrevistada pode-se notar que a maior parte se locomoveu de Ônibus, representando 35,49% dos participantes (Figura 2). Vale ressaltar que a utilização do metrô incentivada pelos organizadores do evento e que do terminal Tietê até o evento, foi disponibilizado um ônibus pelo evento. Em seguida, com 19,99%, está o meio de locomoção Metrô. Juntos os dois representam 55,48% do público. É interessante notar que estes são os meios de transporte coletivos de baixa intensidade de emissão por pessoa. 8

9 de Figura 2 Pessoas por Transporte 19,99% 19,56% 15,75% 3,13% 0,12% 3,05% 0,36% 1,52% 0,51% 0,51% 35,49% Avião Internacional Avião Nacional A pé Carro GNV Motorcicleta Táxi Trem Carro Álcool Carro Gasolina Metrô Ônibus De posse dos valores citados acima, pôde-se calcular a emissão de cada meio de transporte e sua contribuição de emissões (Figura 3). Nota-se que a maior parte das emissões do translado dos participantes é proveniente da utilização de Avião, sendo que o avião internacional utilizado (Estocolmo São Paulo Estocolmo) e o nacional (3 pessoas Goiás São Paulo Goiás) somam juntos 68,12%. 9

10 de Figura 3 Porcentagem de Emissões por Meio de Transporte 57,02% 13,38% Avião Internacional Táxi Avião Nacional Carro Gasolina Ônibus Metrô 11,10% Trem Motorcicleta 0,16% Carro GNV 0,44% 0,87% 2,42% 6,86% 7,75% As emissões provenientes de pessoas andando a pé, de bicicleta e de carro a Álcool são responsáveis por 0% de emissões, sendo o etanol uma fonte renovável de energia. A soma dos GEE emitidos em transporte dos participantes em geral resulta em 4,1024 tco 2 e. É interessante observar que nesta 7ª edição da Conferência Municipal de Produção Mais Limpa, apesar de ter sido um evento para menos pessoas (cerca de metade da 6ª edição) a emissão proveniente dos meios de transporte não caiu na mesma proporção, pois houve pessoas que vieram de outros estados via avião, o que acarretou um incremento no total de emissões quando comparado ao evento do ano passado. O Avião possui uma grande intensidade de emissões de GEE por pessoa Grau de Escolaridade dos Participantes Com o intuito de caracterizar e obter um esboço do público que freqüentou o evento, buscou-se a informação referente ao nível de escolaridade dos participantes (Figura 5). 10

11 de Figura 5 Grau de Escolaridade 6% 19% 18% 2% 24% 2º Grau Incompleto 2º Grau Completo 3º Grau Incompleto 3º Grau Completo Técnico Pós-Graduação / Mestrado 31% Observou-se que a maioria do público do evento, cerca de 51%, possui 3º Grau Completo e/ou curso Técnico e Pós-Graduação/Mestrado Opinião do Público sobre o Uso do Etanol Durante a entrevista também foi requisitada a opinião do público sobre aspectos prós e contras da utilização do etanol de cana-de-açúcar, como segue nas Figuras 6, 7 e 8 a seguir. 11

12 de Figura 6 Na sua opinião, qual o principal pró do etanol de cana-de-açúcar? 12% É um combustível mais barato. 25% 35% Alternativa ao petróleo / Desenvolvimento Sustentável. Proporciona o desenvolvimento econômico/tecnológico. Ajuda a consolidação da autosuficiência energética. 28% Nota-se que a maioria das pessoas (63%) acredita que a utilização do etanol de cana-de-açúcar proporciona, principalmente, o desenvolvimento sustentável, assim como, econômico e tecnológico, sendo uma alternativa viável ao uso dos derivados de petróleo. Figura 7 Na sua opinião, qual o principal contra do etanol de cana-de-açúcar? Uma parcela expressiva de pessoas acredita que as condições de trabalho nas lavouras de cana-de-açúcar são ruins, tendo esta área uma necessidade de cuidado por parte dos governantes. 12

13 de Figura 8 O desenvolvimento do etanol contribui para a redução do Efeito Estufa? 70% 18% Sim. Não. Não Sei. 12% A maioria das pessoas acredita que o etanol contribua para a redução das emissões antropogênicas de gases de efeito estufa. 3.4 Total de Emissões Na Figura 9 é possível perceber claramente que as emissões provenientes do transporte detêm a maior parcela de emissões do evento. Juntos, os meios de transporte somam 98%. Figura 6 - Representatividade das Emissões (em tco 2 e) 98% Transporte 2% Energia Elétrica 13

14 de Abaixo, na Tabela 1 pode-se observar os respectivos valores das emissões em carbono equivalente de Transporte, Energia Elétrica e a soma de todos os itens. Tabela 1 Emissões de GEE por Item Analisado Transporte dos Participantes (tco 2 e) Energia Elétrica (tco 2 e) Lixo Orgânico (tco 2 e) Total (tco 2 e) 4,0124 0,0682 Desconsiderado 4, Conclusão De posse do valor referente ao total das emissões de GEE do evento, estimou-se que é necessário no mínimo o plantio de 30 mudas para absorver as 4,08 toneladas de gás carbônico equivalente, emitidas durante o evento. As quantidades de carbono absorvido por árvore variam bastante nos artigos científicos, devido às diferentes características das espécimes arbóreas, climas de regiões, incidência solar, tipos de solo, topografia entre outros aspectos. No calculo da quantidade de mudas a ser plantada, utilizou-se um valor médio. Este valor já inclui as mudas que possivelmente não se desenvolverão por completo. 14

15 Relatório dos Auditores Independentes sobre o Processo de Aplicação de Metodologia para Neutralização das Emissões de Gases de Efeito Estufa da 7ª Edição da Conferência Internacional de A Câmara Municipal de São Paulo Gabinete do Exmo. Sr. Vereador Gilberto Natalini Introdução Os organizadores da 7ª Edição da Conferência Internacional de Produção Mais Limpa de São Paulo ( Conferência ) solicitaram a PricewaterhouseCoopers ( PwC ) a aplicação de nossa metodologia para estimativa das emissões de gases de efeito estufa da mencionada conferência e de neutralização destas emissões através do plantio de mudas de espécies nativas diversas. Este relatório é de uso exclusivo dos organizadores da Conferência, e é de sua inteira responsabilidade a apresentação deste a terceiros. Objeto Este relatório apresenta a asseguração limitada para a estimativa das emissões de gases de efeito estufa da Conferência, de acordo com nossa metodologia para cálculo das emissões, para as seguintes atividades: 1. Consumo de energia elétrica da Conferência; 2. Quantidade de resíduos sólidos orgânicos gerados pelos participantes da Conferência; e 3. Utilização de transporte pelos participantes da Conferência. 4. Além da estimativa das emissões de gases de efeito estufa da Conferência, este relatório apresenta a asseguração limitada para a estimativa de neutralização das emissões através da captura de gases de efeito estufa a partir do plantio de mudas de espécies nativas diversas. Padrões e Critérios Os critérios e padrões utilizados para nossa metodologia de cálculo de emissões e captura de gases e efeito estufa estão baseados em parâmetros estabelecidos pelo Painel Intergovernamental de Mudanças do Clima ( IPCC ), em metodologias de cálculo de emissões de gases de efeito estufa aprovadas pelo Conselho Executivo do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo ( MDL ), em fatores da Associação dos Taxistas, do Sindicato dos Engenheiros do Estado de São Paulo e da SP Trans, em fatores da Tabela de Consumo de Veículos da Revista CarSale, Airbus e Tam e em parâmetros da Schlumber Excellence in Educational Develpoment SEED. Considerações e Limitações Os resultados de informações não financeiras apresentados estão sujeitos a limitações inerentes dada a natureza e os métodos utilizados para determinar, calcular e estimar tais informações. Nossos trabalhos não se constituem em auditoria financeira ou revisão de informações financeiras históricas.

16 Procedimentos Utilizados e Conclusões Para estimar as emissões de gases de efeito estufa de acordo com o Objeto, as seguintes atividades foram realizadas: 1. Entrevistas com participantes da Conferência para obtenção de informações com relação ao transporte utilizado para deslocamento ao local da Conferência; 2. Utilização de valores de energia elétrica consumida na Conferência; 3. Utilização de valores de resíduos sólidos orgânicos gerados na Conferência; 4. Avaliação de metodologias e parâmetros para cálculo das emissões e captura de gases de efeito estufa, com base em Padrões e Critérios reconhecidos internacionalmente; 5. Aplicação dos parâmetros em metodologia elaborada pela PwC; e 6. Cálculo das emissões de gases de efeito estufa e cálculo da captura por mudas de espécies nativas diversas para neutralização da Conferência. Os procedimentos de cálculos, parâmetros utilizados e estimativas de emissões e captura de gases de efeito estuda está detalhado no Anexo a este relatório. Baseado em nossos trabalhos, podemos concluir que as emissões totais de gases de efeito estufa da Conferência correspondem a 4,08 toneladas de dióxido de carbono equivalente. Para neutralizar o total de emissões estimado, concluímos que seria necessário o plantio de 30 mudas de espécies nativas diversas. São Paulo, 21 de agosto de PricewaterhouseCoopers Ltda. CRC 2SP018638/O-1 Rogério Roberto Gollo Contador CRC 1RS044214/O-9 "S" SP

17 de Anexo Detalhamento das estimativas de cálculo de gases de efeito estufa da Conferência Nos cálculos, as emissões de gases de efeito estufa foram expressas em toneladas de dióxido de carbônico equivalente (tco 2 e), seguindo o padrão mundial estipulado pelo IPCC, órgão científico para assuntos de mudanças climáticos da ONU. Esta unidade, tco 2 e, é utilizada para comparar as emissões de vários gases de efeito estufa baseado no potencial de aquecimento global de cada um. Para a execução dos cálculos foram utilizados dados fornecidos pela organização do evento, assim como dados coletados antes, durante e após o evento por profissionais da PwC. O escopo de projeto considerado para a contabilização das emissões de GEE foi a estrutura física do Grande Auditório, na Anhembi Parque, local de realização do evento, e o transporte do público e palestrantes. Os trajetos considerados no transporte foram os deslocamentos entre as origens e o evento, assim como os respectivos retornos. Para refinar as estimativas e garantir a clareza e transparência dos resultados, as emissões foram subdivididas de acordo com suas origens. Para cada estimativa o cenário mais realista possível foi traçado para servir de base aos cálculos realizados. 1 Consumo de Energia Elétrica Para calcular as emissões relativas ao consumo de eletricidade da Conferência, foi utilizado o fator de emissão (tco 2 e / MWh) proveniente da composição da matriz elétrica brasileira desenvolvida a partir da metodologia ACM0002 Consolidated baseline methodology for gridconnected electricity generation from renewable sources, aprovada pelo Conselho Executivo para MDL empregados no Brasil e informações disponibilizadas pelo Operador Nacional do Sistema (ONS). A quantificação da energia elétrica consumida foi efetuada pelos organizadores do evento por meio de análise do consumo elétrico no dia da Conferência. A energia elétrica total consumida foi de 0,370 MWh. Utilizando este valor na metodologia acima descrita, obtém-se o resultado de 0,0682 tco 2 e. 2 Resíduos Sólidos Devido à baixa geração de lixo durante o evento, este foi desconsiderado. 3 Transporte As distâncias percorridas em cada trajeto foram multiplicadas pelos fatores de emissão relativos ao meio de transporte e combustível utilizados. Os fatores de emissão (kgco 2 e/p*km) utilizados foram obtidos através da Associação dos Taxistas, do Sindicato dos Engenheiros no Estado de São Paulo, da SP Trans, Tabela de Consumo de Veículos da Revista CarSale, AirBus e Tam, assim como o IPCC e Schlumber Excellence in Educational Development - SEED. As distâncias percorridas foram estimadas por meio de um mapa. Uma amostra de aproximadamente 10% dos participantes do evento (público em geral) foi entrevistada para se ter conhecimento de onde e como estes foram ao evento. Todos os palestrantes foram entrevistados. A soma dos gases de efeito estufa emitidos em transporte do público em geral e dos palestrantes resulta em 4,0124 tco 2 e. 17

18 de 4 Captura de gases de efeito estufa pelo plantio de árvores De posse do valor referente ao total das emissões de gases de efeito estufa da Conferência, estimou-se que será necessário, no mínimo, o plantio de 30 mudas de espécies nativas diversas para absorver as 4,08 toneladas de gás carbônico equivalente emitidas durante a Conferência. As quantidades de carbono absorvido por árvore variam devido às diferentes características das espécimes arbóreas, características climáticas, incidência solar, tipos de solo entre outros aspectos. No cálculo da quantidade de mudas a serem plantadas, utilizou-se um valor conservador de taxa de estoque de carbono por árvore plantada, a fim de garantir a efetiva neutralização de todas as emissões de gases de efeito estufa originadas pelo evento. 18

8ª Edição da Conferência Municipal de Produção Mais Limpa de São Paulo

8ª Edição da Conferência Municipal de Produção Mais Limpa de São Paulo Projeto de de Produção Mais Limpa de São Paulo São Paulo Outubro de 2009 *connectedthinking Projeto de neutralização das Emissões dos Gases de Efeito de 30 de outubro de 2009 Atenção: Exmo. Sr. Vereador

Leia mais

RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE CO 2

RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE CO 2 RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE CO 2 XIV Simpósio Nacional de Auditoria de Obras Públicas (SINAOP) Centro de Eventos do Pantanal - Cuiabá 1 Novembro 2011 Nome do Evento: XIV SINAOP 2011 Cuiabá

Leia mais

O projeto de Neutralização das Emissões de Carbono do Camarote Expresso 2222 envolve as seguintes etapas:

O projeto de Neutralização das Emissões de Carbono do Camarote Expresso 2222 envolve as seguintes etapas: Relatório de Emissões de Carbono Camarote Expresso 2222 Carnaval Salvador 2010 Introdução As atividades da humanidade têm aumentado como nunca visto a concentração de gases poluidores na atmosfera. Alguns

Leia mais

Seção 1: Solicitação de Registro

Seção 1: Solicitação de Registro Formulário de Registro e Validação de Atividade de Projeto de MDL (Ao submeter este formulário, a entidade operacional designada confirma que a atividade de MDL proposta atende a todos os requisitos de

Leia mais

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA IPOJUCATUR TRANSPORTES E TURISMO LTDA ANO BASE 2009

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA IPOJUCATUR TRANSPORTES E TURISMO LTDA ANO BASE 2009 INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA IPOJUCATUR TRANSPORTES E TURISMO LTDA ANO BASE 2009 ÍNDICE 1. A Empresa 03 2. Objetivo 03 3. Inventário segundo a ISO 14.064-01 03 4. Identificação dos

Leia mais

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS ANO BASE 2005 O Governo do Estado, por meio da Fundação Estadual de Meio Ambiente FEAM, entidade da Secretaria Estadual de Meio

Leia mais

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2011

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2011 Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2011 Resumo Este documento apresenta o Inventário corporativo de Emissões Diretas e Indiretas

Leia mais

Sumário. Resumo Executivo 1 INTRODUÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO 06 3. OBJETIVO 06 4. MATERIAL E MÉTODOS 06. 4.1 Limites Organizacionais 06

Sumário. Resumo Executivo 1 INTRODUÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO 06 3. OBJETIVO 06 4. MATERIAL E MÉTODOS 06. 4.1 Limites Organizacionais 06 INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA CORPORATIVAS UNIMED dezembro de 2011. Sumário Resumo Executivo 03 1 INTRODUÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO 06 3. OBJETIVO 06 4. MATERIAL E MÉTODOS

Leia mais

2 Documento de Referência CarbonOk

2 Documento de Referência CarbonOk 2 Documento de Referência CarbonOk SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO... 5 2 PROGRAMA CARBONOK... 6 2.1 Missão... 6 2.2 Objetivos... 6 2.3 Valores... 7 2.4 Metodologia... 7 2.5 Atuação... 8 2.6 Responsável... 9 3

Leia mais

Recuperação energética de gás de aterro & Créditos de carbono. Fórum Permanente "Meio Ambiente e Sociedade"

Recuperação energética de gás de aterro & Créditos de carbono. Fórum Permanente Meio Ambiente e Sociedade Recuperação energética de gás de aterro & Créditos de carbono Fórum Permanente "Meio Ambiente e Sociedade" São Paulo, Brasil 15 de Outubro de 2013 Sumário MDL & Créditos de Carbono Panorama do Mercado

Leia mais

Versão Web Inventário Corporativo de Gases de Efeito Estufa

Versão Web Inventário Corporativo de Gases de Efeito Estufa Inventário Corporativo de Gases do Efeito Estufa 2011 Versão Web Inventário Corporativo de Gases de Efeito Estufa Gerente do Projeto: Iris Gobato Gercov Consultora: Adriane Elise de Assunção Flausino Consultor:

Leia mais

Relatório de atribuição do Certificado off7. Observatório Português de Boas práticas Laborais

Relatório de atribuição do Certificado off7. Observatório Português de Boas práticas Laborais Relatório de atribuição do Certificado off7 Observatório Português de Boas práticas Laborais Ano: 2011 1. Índice 1. ÍNDICE... 2 2. SUMÁRIO EXECUTIVO... 3 3. INTRODUÇÃO... 5 4. MEDIR... 8 4.1. METODOLOGIA

Leia mais

Inventário de Gases de Efeito Estufa do Festival de Turismo das Cataratas do Iguaçu 2013

Inventário de Gases de Efeito Estufa do Festival de Turismo das Cataratas do Iguaçu 2013 Inventário de Gases de Efeito Estufa do Festival de Turismo das Cataratas do Iguaçu 2013 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. GHG PROTOCOL... 2 2.1 Premissas... 3 2.1.1 Definições... 3 2.1.1.1. Período... 3

Leia mais

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2010

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2010 Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2010 Resumo Este documento apresenta o Inventário corporativo de Emissões Diretas e Indiretas

Leia mais

(material embargado até 19.11.2015 às 10hs)

(material embargado até 19.11.2015 às 10hs) (material embargado até 19.11.2015 às 10hs) SEEG 3.0 Sistema de Estimativa de Emissões de Gases de Efeito Estuda Estimativas de Emissões de Gases de Efeito Estufa no Brasil 1970-2014 DESTAQUES: Emissões

Leia mais

Padrões de produção e consumo

Padrões de produção e consumo INDICADORES AMBIENTAIS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO 113 Padrões de produção e consumo Recicloteca da COMLURB - Gávea 114 INDICADORES AMBIENTAIS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO ÁGUA ATMOSFERA SOLO BIODIVERSIDADE

Leia mais

GESTÃO CARBONO 2014 (BASE 2013)

GESTÃO CARBONO 2014 (BASE 2013) GESTÃO CARBONO 2014 (BASE ) O CENÁRIO DO CARBONO E A EVEN O Cenário do Carbono A principal ameaça ao meio-ambiente são as mudanças climáticas decorrentes do aumento das emissões de Gases de Efeito Estufa,

Leia mais

Matriz energética e emissão de gases de efeito estufa Fatos sobre o Brasil

Matriz energética e emissão de gases de efeito estufa Fatos sobre o Brasil Confederação Nacional da Indústria Matriz energética e emissão de gases de efeito estufa Fatos sobre o Brasil Edição revisada Brasília, 2008 Nota técnica Os gráficos desta cartilha foram elaborados a partir

Leia mais

LEI Nº 5.248 DE 27 DE JANEIRO DE 2011

LEI Nº 5.248 DE 27 DE JANEIRO DE 2011 LEI Nº 5.248 DE 27 DE JANEIRO DE 2011 Institui a Política Municipal sobre Mudança do Clima e Desenvolvimento Sustentável, dispõe sobre o estabelecimento de metas de redução de emissões antrópicas de gases

Leia mais

In Press Porter Novelli Inventário de Emissões Corporativas 2009

In Press Porter Novelli Inventário de Emissões Corporativas 2009 In Press Porter Novelli Inventário de Emissões Corporativas 2009 1 Sumário 1. Introdução 1.1. Empresa 1.2. Inventário 1.3. Metodologia de Cálculo 2. Determinação do Inventário 2.1. Limites do Inventário

Leia mais

Etanol, Bio eletricidade e Mudanças Climáticas

Etanol, Bio eletricidade e Mudanças Climáticas Etanol, Bio eletricidade e Mudanças Climáticas 4o. Congresso de Tecnologia na Cadeia Produtiva da Cana de Açúcar em Mato Grosso do Sul CANASUL 2010 Campo Grande, Agosto 2010 Isaias C Macedo NIPE/UNICAMP

Leia mais

Inventário de Gases de Efeito Estufa

Inventário de Gases de Efeito Estufa Inventário de Gases de Efeito Estufa Gerenciamento de Informações e Ações Dirigidas Nicole Celupi - Three Phase Gerenciamento de Informações e Ações Dirigidas Institucional A Three Phase foi criada em

Leia mais

INVENTÁRIO: Completo Preliminar. INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada

INVENTÁRIO: Completo Preliminar. INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa Companhia Energética de São Paulo - CESP 2009 INVENTÁRIO: Completo Preliminar INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira

Leia mais

Papel do setor sucroenergético na mitigação das mudanças climáticas

Papel do setor sucroenergético na mitigação das mudanças climáticas Ethanol Summit Painel: Biocombustíveis e a Mitigação das Mudanças Climáticas Papel do setor sucroenergético na mitigação das mudanças climáticas Géraldine Kutas International Advisor, Brazilian Sugarcane

Leia mais

O quadro abaixo mostra que a disposição dos resíduos em aterros é aquela que traz menos benefícios ambientais

O quadro abaixo mostra que a disposição dos resíduos em aterros é aquela que traz menos benefícios ambientais VANTAGES PROJETO PEGASUS E RECICLAGEM ENERGÉTICA O problema do lixo é extremamente grave em nosso país. Estimativas baseadas nos dados do IBGE mostram que no País são geradas diariamente cerca de 140 mil

Leia mais

Tratados internacionais sobre o meio ambiente

Tratados internacionais sobre o meio ambiente Tratados internacionais sobre o meio ambiente Conferência de Estocolmo 1972 Preservação ambiental X Crescimento econômico Desencadeou outras conferências e tratados Criou o Programa das Nações Unidas para

Leia mais

Relatório de Neutralização das emissões de gases do efeito estufa

Relatório de Neutralização das emissões de gases do efeito estufa 2011 Inventário de GEE Relatório de Neutralização das emissões de gases do efeito estufa Evento: -Super 9k Montevérgine -Prova Ciclística 9 de Julho 0 Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa

Leia mais

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA CORPORATIVAS UNIMED CUIABÁ

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA CORPORATIVAS UNIMED CUIABÁ INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA CORPORATIVAS UNIMED CUIABÁ Abril de 2015 Sumário Resumo Executivo 03 1. INTRODUÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO 06 3. OBJETIVO 06 4. MATERIAL E MÉTODOS

Leia mais

Under Strict Embargo Not for distribution or publication until 19 November, 2014, 10:01 Washington D.C. Time (EST)/15:01 GMT

Under Strict Embargo Not for distribution or publication until 19 November, 2014, 10:01 Washington D.C. Time (EST)/15:01 GMT Under Strict Embargo Not for distribution or publication until 19 November, 2014, 10:01 Washington D.C. Time (EST)/15:01 GMT NEGOCIAÇÕES FUNDAMENTAIS SOBRE MUDANÇA CLIMÁTICA CRUCIAL NOS PRÓXIMOS DIAS EM

Leia mais

SUSTENTABILIDADE????

SUSTENTABILIDADE???? SUSTENTABILIDADE???? POPULAÇÃO MUNDIAL PRINCIPAIS PROBLEMAS GRANDES DESAFIOS DA HUMANIDADE: ÁGUA POTÁVEL FLORESTAS ALIMENTOS DIVERSIDADE BIOLÓGICA MORADIA GERAÇÃO DE ENERGIA ATMOSFERA, MUDANÇAS CLIMÁTICAS

Leia mais

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA CORPORATIVAS UNIMED CUIABÁ

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA CORPORATIVAS UNIMED CUIABÁ INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA CORPORATIVAS UNIMED CUIABÁ Abril de 2014 Sumário Resumo Executivo 03 1. INTRODUÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO 06 3. OBJETIVO 06 4. MATERIAL E MÉTODOS

Leia mais

Diretoria de Projetos Socioambientais

Diretoria de Projetos Socioambientais Objetivo Diretoria de Projetos Socioambientais Objetivo do Projeto Ecoeventus Projeto Ecoeventus é o alicerce de um Programa de Educação Ambiental Formal adotado com intuito de mobilizar participantes

Leia mais

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA Versão resumida BANCO BRADESCO S.A.

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA Versão resumida BANCO BRADESCO S.A. INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA Versão resumida BANCO BRADESCO S.A. 2008 1 Inventário de GEE O Inventário de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) permite que uma

Leia mais

COP 21 INDC BRASILEIRA

COP 21 INDC BRASILEIRA COP 21 Vinte e três anos após a assinatura da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC), a 21 a Conferência das Partes (COP21), que será realizada em Paris (entre os dias 30 novembro

Leia mais

INVENTÁRIO DE GEE BICBANCO 2013

INVENTÁRIO DE GEE BICBANCO 2013 INVENTÁRIO DE GEE BICBANCO 2013 A liberação de gases de efeito estufa (GEE) associada às atividades humanas em todo o mundo é reconhecida como a principal causa das mudanças climáticas que vem sendo observadas

Leia mais

Livro Uma Verdade Inconveniente - Al Gore

Livro Uma Verdade Inconveniente - Al Gore Livro Uma Verdade Inconveniente - Al Gore O objetivo do presente projeto é a neutralização das emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) causadas pela produção e distribuição da edição em português do livro

Leia mais

Ecoeficiência. Inventário de emissões. Assumimos o compromisso de monitorar as emissões de GEE anualmente

Ecoeficiência. Inventário de emissões. Assumimos o compromisso de monitorar as emissões de GEE anualmente Relatório Anual de Sustentabilidade 2011 69 Ecoeficiência A Redecard aprimorou seu nível de controle de consumo de água, energia elétrica, combustível e da geração de lixo para adotar práticas responsáveis

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO COMUNICAÇÃO ESTADUAL EMISSÕES NO SETOR DE ENERGIA: ABORDAGEM DE REFERÊNCIA (TOP DOWN)

SUMÁRIO EXECUTIVO COMUNICAÇÃO ESTADUAL EMISSÕES NO SETOR DE ENERGIA: ABORDAGEM DE REFERÊNCIA (TOP DOWN) COMUNICAÇÃO ESTADUAL 1º INVENTÁRIO DE EMISSÕES ANTRÓPICAS DE GASES DE EFEITO ESTUFA DIRETOS E INDIRETOS DO ESTADO DE SÃO PAULO EMISSÕES NO SETOR DE ENERGIA: ABORDAGEM DE REFERÊNCIA (TOP DOWN) SUMÁRIO EXECUTIVO

Leia mais

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa. Evento: CORRIDA ESPERANÇA - 2011

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa. Evento: CORRIDA ESPERANÇA - 2011 2011 Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa Evento: CORRIDA ESPERANÇA - 2011 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. A GREEN CO 2.... 3 2.1. VISÃO.... 3 2.2. MISSÃO.... 3 2.3. OBJETIVOS.... 3 2.4. VALORES....

Leia mais

Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana

Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana Proposta de Plano de Trabalho Plano Setorial de Mitigação e Adaptação às Mudanças Climáticas OBJETIVOS Ministério das Cidades Estimar as emissões de gases de efeito estufa (GEEs) e os locais (GELs) produzidos

Leia mais

Inventário de Emissão de Gases de Efeito Estufa

Inventário de Emissão de Gases de Efeito Estufa Inventário de de Gases de Efeito Estufa Projeto Coral Vivo Priscila G. C. Sette Moreira CREA 49.354/D Inventário de de Gases de Efeito Estufa 1 Introduça o A variação do clima é um fenômeno natural que

Leia mais

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA CORPORATIVAS UNIMED CUIABÁ

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA CORPORATIVAS UNIMED CUIABÁ INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA CORPORATIVAS UNIMED CUIABÁ Abril de 2016 Av. Historiador Rubens de Mendonça, 4193 Bosque da Saúde Cuiabá/MT www.acaoverde.org.br (65) 3611 1606 Sumário

Leia mais

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto Capítulo 21 Meio Ambiente Global Geografia - 1ª Série O Tratado de Kyoto Acordo na Cidade de Kyoto - Japão (Dezembro 1997): Redução global de emissões de 6 Gases do Efeito Estufa em 5,2% no período de

Leia mais

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares Projeto de lei n. Institui a Política Estadual sobre Mudança do Clima e fixa seus princípios, objetivos, diretrizes e instrumentos. A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte

Leia mais

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GEE 14º CONGRESSO BRASILEIRO DE EMBALAGEM

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GEE 14º CONGRESSO BRASILEIRO DE EMBALAGEM INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GEE 14º CONGRESSO BRASILEIRO DE EMBALAGEM 2010 Dados gerais do evento Duração 2 dias Participantes ~450 Palestras em auditório e salas Atividades Exposição de fornecedores Coffee-breaks

Leia mais

Mobilidade Urbana Urbana

Mobilidade Urbana Urbana Mobilidade Urbana Urbana A Home Agent realizou uma pesquisa durante os meses de outubro e novembro, com moradores da Grande São Paulo sobre suas percepções e opiniões em relação à mobilidade na cidade

Leia mais

CAROS (AS) LEITORES (AS),

CAROS (AS) LEITORES (AS), Brochura-CafeSustent.indd 1 09/09/2011 12:00:41 CAROS (AS) LEITORES (AS), Em junho de 2007, a FEBRABAN - Federação Brasileira de Bancos deu início a uma série de cafés da manhã com o objetivo de discutir

Leia mais

3 Emissões de Gases de Efeito Estufa

3 Emissões de Gases de Efeito Estufa 3 Emissões de Gases de Efeito Estufa 3.1. Metodologia Neste capítulo, com base na Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro, é apresentada a metodologia utilizada para as estimativas de emissões de

Leia mais

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DO EFEITO ESTUFA PROGEN 2015

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DO EFEITO ESTUFA PROGEN 2015 DATA: 10/06/2015 FL.: 1/20 INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DO EFEITO ESTUFA PROGEN 2015 CLIENTE Nome Departamento Data Visto Aprovado - - - - Aprovado sem Comentários Aprovado com Comentários Não Aprovado

Leia mais

INVENTÁRIO: Completo Preliminar. INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada

INVENTÁRIO: Completo Preliminar. INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada Inventário das de Gases de Efeito Estufa SADIA S/A 2009 INVENTÁRIO: Completo Preliminar INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada Data: 01/04/2010 Preparador

Leia mais

POLITICAS PARA AS MUDANÇAS CLIMATICAS

POLITICAS PARA AS MUDANÇAS CLIMATICAS IV FORUM DA TERRA POLITICAS PARA AS MUDANÇAS CLIMATICAS Denise de Mattos Gaudard SABER GLOBAL / IIDEL FIRJAN Rio de Janeiro Novembro 2011 O QUE ESTA ACONTECENDO COM NOSSO PLANETA? Demanda de Consumo de

Leia mais

Legislação Municipal e Mudanças Climáticas

Legislação Municipal e Mudanças Climáticas Legislação Municipal e Mudanças Climáticas Ronaldo Vasconcellos Vice-Prefeito de Belo Horizonte Coordenador do Comitê Municipal sobre Mudanças Climáticas e Ecoeficiência Legislação Municipal e Mudanças

Leia mais

A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras

A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras Emilio Lèbre La Rovere Coordenador, CentroClima/LIMA/PPE/COPPE/UFRJ 2º Encontro dos Secretários

Leia mais

CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015

CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015 ATENÇÃO: ANTES DE ASSINAR ESTA CARTA, LEIA O CONTEÚDO ATÉ O FINAL E CLIQUE NO LINK. FÓRUM DE AÇÃO EMPRESARIAL PELO CLIMA CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015 O desafio da mudança do clima

Leia mais

Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Relatório de Atividades em Evento de Sustentabilidade FIESC 2012

Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Relatório de Atividades em Evento de Sustentabilidade FIESC 2012 Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa Relatório de Atividades em Evento de Sustentabilidade FIESC 2012 Julho de 2012 A natureza criou o tapete sem fim que recobre a superfície da terra. Dentro

Leia mais

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer AGRICULTURA E AQUECIMENTO GLOBAL Carlos Clemente Cerri Centro de Energia Nuclear na Agricultura (CENA/USP) Fone: (19) 34294727 E-mail: cerri@cena.usp.br Carlos Eduardo P. Cerri Escola Superior de Agricultura

Leia mais

Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15

Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15 Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15 Formada por associações empresariais, empresas, organizações da sociedade civil e indivíduos interessados na construção

Leia mais

Economia de Baixo de Carbono, onde estamos? para onde vamos?

Economia de Baixo de Carbono, onde estamos? para onde vamos? Seminário sobre Sustentabilidade no Setor Elétrico Brasileiro Economia de Baixo de Carbono, onde estamos? para onde vamos? 21 de novembro de 2014 Aneel Brasília O conteúdo deste relatório foi produzido

Leia mais

Estudo do potencial da geração de energia renovável proveniente dos "aterros sanitários" nas regiões metropolitanas e grandes cidades do Brasil 1

Estudo do potencial da geração de energia renovável proveniente dos aterros sanitários nas regiões metropolitanas e grandes cidades do Brasil 1 Estudo do potencial da geração de energia renovável proveniente dos "aterros sanitários" nas regiões metropolitanas e grandes cidades do Brasil 1 Resumo Convênio FEALQ - Ministério do Meio Ambiente (Início

Leia mais

EMISSÕES DO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS E EFLUENTES LÍQUIDOS (2009-2010)

EMISSÕES DO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS E EFLUENTES LÍQUIDOS (2009-2010) EMISSÕES DO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS E EFLUENTES LÍQUIDOS (2009-2010) Sumário Executivo De acordo com a Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC), adotada em 1992, as mudanças

Leia mais

Seminário Soluções Técnicas e Financeiras para Cidades Sustentáveis Banco Mundial Brasília. 08 e 09 de Junho 2010

Seminário Soluções Técnicas e Financeiras para Cidades Sustentáveis Banco Mundial Brasília. 08 e 09 de Junho 2010 Seminário Soluções Técnicas e Financeiras para Cidades Sustentáveis Banco Mundial Brasília 08 e 09 de Junho 2010 No Programa de Governo Gestão 2009-2012 está previsto o Programa Biocidade e neste o Plano

Leia mais

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DO EFEITO ESTUFA PROGEN 2014

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DO EFEITO ESTUFA PROGEN 2014 DATA: 25/07/2014 FL.: 1/19 INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DO EFEITO ESTUFA PROGEN 2014 CLIENTE Nome Departamento Data Visto Aprovado - - - - Aprovado sem Comentários Aprovado com Comentários Não Aprovado

Leia mais

Confederação Nacional da Indústria

Confederação Nacional da Indústria Confederação Nacional da Indústria Brasília, novembro de 2010 mudança do clima COP 16: A Contribuição da Indústria Brasileira As Principais Mensagens Os esforços da indústria brasileira são uma importante

Leia mais

Divisão de Questões Globais PROCLIMA Programa de Prevenção às Mudanças Climáticas CETESB Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental

Divisão de Questões Globais PROCLIMA Programa de Prevenção às Mudanças Climáticas CETESB Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental João Wagner Alves 1 Divisão de Questões Globais PROCLIMA Programa de Prevenção às Mudanças Climáticas CETESB Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental Agradecimentos: Prof. Dr. Ronaldo Balassiano

Leia mais

Deslocamento de automóveis sorteados pelo Banco Bradesco aos cotistas do HiperFundo:

Deslocamento de automóveis sorteados pelo Banco Bradesco aos cotistas do HiperFundo: Relatório de Emissões de Gases do Efeito Estufa Deslocamento de automóveis sorteados pelo Banco Bradesco aos cotistas do HiperFundo: Quantificação e Compensação Elaboração: Sumário 1. Introdução...3 1.1

Leia mais

OS BIOCOMBUSTÍVEIS E A

OS BIOCOMBUSTÍVEIS E A OS BIOCOMBUSTÍVEIS E A INDÚSTRIA DO PETRÓLEO Ricardo de Gusmão Dornelles Diretor do Departamento de Combustíveis Renováveis Jun/2009 MATRIZ ENERGÉTICA MUNDIAL E NACIONAL - 2008 54,9 45,1 Brasil (2008)

Leia mais

NECESSIDADE DE CONHECIMENTO DAS EMISSÕES NOS PROCESSOS PRODUTIVOS. Inventários de Emissões

NECESSIDADE DE CONHECIMENTO DAS EMISSÕES NOS PROCESSOS PRODUTIVOS. Inventários de Emissões NECESSIDADE DE CONHECIMENTO DAS EMISSÕES NOS PROCESSOS PRODUTIVOS Inventários de Emissões O QUE É UM INVENTÁRIO? Um inventário corporativo de emissões diretas e indiretas de gases de efeito estufa é a

Leia mais

CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER APRENDER A APRENDER FAZENDO E APRENDENDO GEOGRAFIA. Aula 18.2 Conteúdo.

CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER APRENDER A APRENDER FAZENDO E APRENDENDO GEOGRAFIA. Aula 18.2 Conteúdo. A A Aula 18.2 Conteúdo Mudanças globais 2 A A Habilidades Perceber as mudanças globais que estão ocorrendo no Brasil e no mundo. 3 A A Conferências e protocolos Preocupados com os problemas relacionados

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa. Ano de referência do inventário: 2014. Inventário Parcial

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa. Ano de referência do inventário: 2014. Inventário Parcial Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2014 1. Dados do inventário Banco Santander S.A. (Brasil) Tipo de preenchimento: 1.1 Responsável pela elaboração do inventário

Leia mais

Seminário Internacional - Oportunidades e Desafios do Mercado de Carbono Pós COP-15

Seminário Internacional - Oportunidades e Desafios do Mercado de Carbono Pós COP-15 Seminário Internacional - Oportunidades e Desafios do Mercado de Carbono Pós COP-15 São Paulo, 24/02/2010 Mudanças Climáticas: redução de emissões de GEE pelo setor sucro-alcooleiro Isaias C. Macedo NIPE,

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

O Fundo Clima e sua ferramenta de estimativa de emissões evitadas

O Fundo Clima e sua ferramenta de estimativa de emissões evitadas O Fundo Clima e sua ferramenta de estimativa de emissões evitadas Seminário Internacional sobre Finanças Climáticas São Paulo, 26 de fevereiro de 2015 Estrutura da Apresentação 1 O Fundo Clima 2 Ferramenta

Leia mais

Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa da Fundação Planetário da Cidade do Rio de Janeiro. Ano de Referência 2013

Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa da Fundação Planetário da Cidade do Rio de Janeiro. Ano de Referência 2013 Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa da Fundação Planetário da Cidade do Rio de Janeiro Ano de Referência 2013 Junho de 2014 RELATÓRIO TÉCNICO Inventário de Gases de Efeito Estufa da Fundação

Leia mais

Inventário de Gases de Efeito Estufa da Fundação Planetário da Cidade do Rio de Janeiro

Inventário de Gases de Efeito Estufa da Fundação Planetário da Cidade do Rio de Janeiro RELATÓRIO TÉCNICO Inventário de Gases de Efeito Estufa da Fundação Planetário da Cidade do Rio de Janeiro Ano de referência: 2012 Outubro de 2013 RIO DE JANEIRO - RJ Rio de Janeiro RJ. Telefone: +55-21-3256-7968

Leia mais

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GEE 2014

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GEE 2014 INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GEE 2014 Outubro/2014 VERSÃO 01 AUTOR Guilherme Pacheco Schuchter Belo Horizonte, MG Brasil guilherme@waycarbon.com COLABORADORES Jussara Utsch Belo Horizonte, MG Brasil jussara.utsch@scdcbrasil.com.br

Leia mais

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL GESEL / SINERGIA / EDF A OPÇÃO NUCLEAR PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento

Leia mais

NOSSA ASPIRAÇÃO JUNHO/2015. Visão Somos uma coalizão formada por associações

NOSSA ASPIRAÇÃO JUNHO/2015. Visão Somos uma coalizão formada por associações JUNHO/2015 NOSSA ASPIRAÇÃO Visão Somos uma coalizão formada por associações empresariais, empresas, organizações da sociedade civil e indivíduos interessados em contribuir para a promoção de uma nova economia

Leia mais

mudança do clima uma contribuição da indústria brasileira

mudança do clima uma contribuição da indústria brasileira mudança do clima uma contribuição da indústria brasileira Brasília, junho de 2009 mudança do clima uma contribuição da indústria brasileira Brasília, junho de 2009 Este é um documento em progresso. A CNI

Leia mais

. Reafirmar a importância do etanol como tema estratégico para a economia, o meio-ambiente, a geração de empregos e o futuro do País

. Reafirmar a importância do etanol como tema estratégico para a economia, o meio-ambiente, a geração de empregos e o futuro do País o que é O QUE É. Lançado em Brasília em dezembro de 2011, o Movimento Mais Etanol visa detalhar e disseminar políticas públicas e privadas indispensáveis para: w O restabelecimento da competitividade do

Leia mais

Mudanças Climáticas na Vale

Mudanças Climáticas na Vale 30/09/2011 Mudanças Climáticas na Vale Gerência de Nova Economia e Mudanças Climáticas Departamento de Desenvolvimento Sustentável Política de Sustentabilidade Operador Sustentável Legado Econômico, Social

Leia mais

Relatório de Neutralização das Emissões de Gases de Efeito Estufa Janeiro de 2009

Relatório de Neutralização das Emissões de Gases de Efeito Estufa Janeiro de 2009 Relatório de Neutralização das Emissões de Gases de Efeito Estufa Janeiro de 2009 Relatório de Neutralização das Emissões de Gases de Efeito Estufa Janeiro de 2009 Apresentação 1 Aquecimento Global 2 Controle

Leia mais

Fórum do CB27 em Natal Medidas para a redução do efeito estufa

Fórum do CB27 em Natal Medidas para a redução do efeito estufa 11 Fórum do CB27 em Natal Medidas para a redução do efeito estufa Alex Régis Ana Lúcia Araújo Assessora de Comunicação da SEMURB Considerado um dos mais participativos, desde a sua criação, o VI Encontro

Leia mais

Seção 1: Solicitação de Registro

Seção 1: Solicitação de Registro F-MDL-REG Formulário de Registro e Validação de Atividade de Projeto de MDL (Ao submeter este formulário, a entidade operacional designada confirma que a atividade de MDL proposta atende a todos os requisitos

Leia mais

Anexo III da Resolução n 1 da CIMGC

Anexo III da Resolução n 1 da CIMGC Anexo III da Resolução n 1 da CIMGC Projeto Nobrecel de Troca de Combustível na Caldeira de Licor Negro (Nobrecel fuel switch in black liquor boiler Project) Introdução: O objetivo deste relatório é o

Leia mais

USO DO ETANOL NA FROTA DE ÔNIBUS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO COMO ESTRATÉGIA DE GESTÃO AMBIENTAL URBANA.

USO DO ETANOL NA FROTA DE ÔNIBUS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO COMO ESTRATÉGIA DE GESTÃO AMBIENTAL URBANA. USO DO ETANOL NA FROTA DE ÔNIBUS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO COMO ESTRATÉGIA DE GESTÃO AMBIENTAL URBANA. Natália Rangel de Oliveira Chiara Santiago Ajeje Gerson Araujo de Medeiros, Professor,

Leia mais

CGD. Relatório de Compensação de Emissões de GEE

CGD. Relatório de Compensação de Emissões de GEE CGD 1 RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE GEE CGD S.A. 2014 2 CGD Relatório de Compensação de Emissões de GEE - CGD S.A. 2014 1.1 Introdução O Programa de Baixo Carbono, pioneiro no setor da banca

Leia mais

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali:

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: Briefing A Caminho de Bali Brasília, 21 de Novembro 2007 O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: O que o mundo precisa fazer para combater as mudanças climáticas As mudanças climáticas são, sem dúvida,

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2013 Ford Nome fantasia: Ford - CNPJ: 03.470.727/0001-20 Tipo da empresa: Matriz Setor econômico: C. Indústrias de transformação

Leia mais

Excelentíssimo Senhor Deputado VALDIR ROSSONI Presidente da Assembleia Legislativa do Estado do Paraná CURITIBA PR lhph/ctl prot. n.º 11.185.

Excelentíssimo Senhor Deputado VALDIR ROSSONI Presidente da Assembleia Legislativa do Estado do Paraná CURITIBA PR lhph/ctl prot. n.º 11.185. MENSAGEM N.º 04/2012 Curitiba, 13 de março de 2012 Senhor Presidente, Tenho a honra de encaminhar a Vossa Excelência, para apreciação dessa augusta Casa de Leis, o incluso Anteprojeto de Lei que objetiva

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

Resumo. Palavras chave: Gases poluentes; Efeito estufa; Sucroenergéticas. Lucas Schwerz 1 ; Eduardo Mirko Velenzuela Turdera 2

Resumo. Palavras chave: Gases poluentes; Efeito estufa; Sucroenergéticas. Lucas Schwerz 1 ; Eduardo Mirko Velenzuela Turdera 2 Balanço das emissões de gases do efeito estufa (CO 2 ) em usinas sucroenergéticas, de Mato Grosso do Sul de acordo com a potência instalada em suas centrais de cogeração. Lucas Schwerz 1 ; Eduardo Mirko

Leia mais

Conceito e Evolução da utilização da Energia

Conceito e Evolução da utilização da Energia Energia Limpa Agenda O que é energia limpa? Tipos de energia limpa Energia Hídrica Energia Eólica Energia Geotérmica Biomassa Energia Solar Energia do Mar O Brasil neste cenário Protocolo de Kyoto Conceito

Leia mais

Parágrafo único. Os programas e ações do Governo Federal que integram o Plano Plurianual deverão observar o previsto no caput.

Parágrafo único. Os programas e ações do Governo Federal que integram o Plano Plurianual deverão observar o previsto no caput. DECRETO Nº 7.390, DE 9 DE DEZEMBRO DE 2010. Regulamenta os arts. 6o, 11 e 12 da Lei no 12.187, de 29 de dezembro de 2009, que institui a Política Nacional sobre Mudança do Clima - PNMC, e dá outras providências.

Leia mais

INVENTÁRIO RIO DE JANEIRO DE EMISSÕES DE DE GASES DO EFEITO ESTUFA DA CIDADE DO RESUMO EXECUTIVO

INVENTÁRIO RIO DE JANEIRO DE EMISSÕES DE DE GASES DO EFEITO ESTUFA DA CIDADE DO RESUMO EXECUTIVO INVENTÁRIO DE EMISSÕES IN DE DE GASES DO EFEITO ESTUFA DA CIDADE DO DO EFEIT RIO DE JANEIRO RESUMO EXECUTIVO RI Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa da Cidade do Rio de Janeiro Prefeito da

Leia mais

Sustentabilidade. Vanda Nunes - SGS

Sustentabilidade. Vanda Nunes - SGS Novas Tendências de Certificação de Sustentabilidade Vanda Nunes - SGS A HISTÓRIA DA SGS Maior empresa do mundo na área de testes, auditorias, inspeções e certificações. Fundada em 1878, na cidade de Rouen,

Leia mais

Linha Economia Verde

Linha Economia Verde Linha Economia Verde QUEM SOMOS Instituição Financeira do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009 Instrumento institucional de apoio àexecução de políticas

Leia mais

Inventário de Emissões e Estratégias de Neutralização. Desafios dos Projetos de Crédito de Carbono

Inventário de Emissões e Estratégias de Neutralização. Desafios dos Projetos de Crédito de Carbono Inventário de Emissões e Estratégias de Neutralização Desafios dos Projetos de Crédito de Carbono Julho 2009 Sobre a GSS Empresa com atuação focada no desenvolvimento de projetos e prestação de consultorias

Leia mais

etanol e bioeletricidade!!). Ora a cana de açúcar se presta a ambas as tecnologias mencionadas. Ao converter açúcar em etanol, nas dornas de

etanol e bioeletricidade!!). Ora a cana de açúcar se presta a ambas as tecnologias mencionadas. Ao converter açúcar em etanol, nas dornas de Comentários sobre o Resumo do Segundo Seminário Internacional sobre Uso Eficiente do Etanol, realizado nos dias 17 e 18 de setembro de 2015, no Auditório do BNDES, Rio de Janeiro, RJ, organizado pelo INEE.

Leia mais

White Paper Inventário de Gases de Efeito Estufa

White Paper Inventário de Gases de Efeito Estufa White Paper Inventário de Gases de Efeito Estufa O que você precisa saber? Inventário de Gases de Efeito Estufa O que você precisa saber? Sumário Objetivo... 2 Parte 1 - Entendendo o Inventário de Gases

Leia mais

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS CONTEÚDO CRITÉRIO I - POLÍTICA... 2 INDICADOR 1: COMPROMISSO, ABRANGÊNCIA E DIVULGAÇÃO... 2 CRITÉRIO II GESTÃO... 3 INDICADOR 2: RESPONSABILIDADES... 3 INDICADOR 3: PLANEJAMENTO/GESTÃO

Leia mais