AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS DE RESTRIÇÕES AO TRÂNSITO DE VEÍCULOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS DE RESTRIÇÕES AO TRÂNSITO DE VEÍCULOS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL, ARQUITETURA e URBANISMO AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS DE RESTRIÇÕES AO TRÂNSITO DE VEÍCULOS Mrgrid Mri Lurenç Cruz Orientdr Prf. Dr. Mri Luci Glves Cmpins, 2006 S.P. Brsil

2 iii UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL, ARQUITETURA e URBANISMO AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS DE RESTRIÇÕES AO TRÂNSITO DE VEÍCULOS Mrgrid Mri Lurenç Cruz Orientdr Prf. Dr. Mri Luci Glves Dissertçã de Mestrd presentd à Cmissã de Pós Grduçã d Fculdde de Engenhri Civil, Arquitetur e Urbnism d Universidde Estdul de Cmpins, cm prte ds requisits pr btençã d títul de Mestre em Engenhri Civil, n áre de cncentrçã em Trnsprtes. Cmpins, 2006 S.P. Brsil

3 iv FICHA CATALOGRÁFICA ELABORADA PELA BIBLIOTECA DA ÁREA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA - BAE - UNICAMP C889 Cruz, Mrgrid Mri Lurenç Avliçã ds impcts de restrições trânsit de veículs / Mrgrid Mri Lurenç Cruz.--Cmpins, SP: [s.n.], Orientdr: Mri Luci Glves. Dissertçã (Mestrd) - Universidde Estdul de Cmpins, Fculdde de Engenhri Civil, Arquitetur e Urbnism. 1. Trânsit urbn. 2. Trânsit Cngestinment. 3. Trânsit Sinis e sinlizçã. 4. Avliçã. I. Glves, Mri Luci. II. Universidde Estdul de Cmpins. Fculdde de Engenhri Civil, Arquitetur e Urbnism. III. Títul. Titul em Inglês: Assessment f the impcts f vehicle trffic restrint. Plvrs-chve em Inglês: Trffic restrint; Assessment f impcts. Áre de cncentrçã: Trnsprtes. Titulçã: Mestrd Bnc exmindr: Antôni Clóvis Pint Ferrz e Crls Albert Bndeir Guimrães. Dt d defes: 30/01/2006

4 v

5 vii DEDICATÓRIA As meus pis Ondin e Nelsn

6 ix AGRADECIMENTOS À minh rientdr, Prfessr Dutr Mri Luci Glves pel excelente rientçã, dedicçã e mtivçã que tnt me judrm n relizçã deste trblh. A Rul, pel cmpnheirism, cmpreensã, pi e incentiv. As meus fmilires pel cmpreensã ns mments de necessidde de usênci. As prfessres e funcináris d Fculdde de Engenhri Civil, Arquitetur e Urbnism d UNICAMP Universidde Estdul de Cmpins pel jud. As migs d curs de mestrd d UNICAMP que me cmpnhrm. As migs d CET Cmpnhi de Engenhri de Tráfeg de Sã Pul, que diret u indiretmente cntribuírm pr desenvlviment deste trblh.

7 xi SUMÁRIO DEDICATÓRIA... vii AGRADECIMENTOS... ix RESUMO... xvii ABSTRACT... xix 1 INTRODUÇÃO Cnsiderções e Justifictiv Objetiv Estrutur d Text GESTÃO DA DEMANDA Medids de Gestã d Demnd Medids de Restriçã Trânsit RESTRIÇÕES AO ESTACIONAMENTO Cnsiderções Iniciis Objetivs Restriçã Físic Restriçã Regulmentr Restriçã pr temp de permnênci Restriçã pr hrári Restriçã pr crcterístic d veícul u d usuári Restriçã Fiscl Restriçã cm cbrnç pr lclizçã Restriçã cm cbrnç pr crcterístic d veícul u d usuári RESTRIÇÕES À CIRCULAÇÃO Cnsiderções Iniciis Objetivs Restriçã Físic Céluls de tráfeg Mderçã de tráfeg... 48

8 xii Rmp metering Pedestrinizçã Restriçã Regulmentr Hierrquizçã de tráfeg Lbirints Fix exclusiv de ônibus Restriçã pr plcs de licenciment High-ccupncy vehicle Permits Restriçã Fiscl Pedági High-ccupncy tll ANÁLISE DOS IMPACTOS DAS MEDIDAS DE RESTRIÇÃO Cnsiderções Iniciis Prcediment Adtd Identificçã ds Atres Vriáveis e Indicdres Acessibilidde Micrcessibilidde Acessibilidde intermediári Fluidez Segurnç Nível de serviç Cust Qulidde mbientl Impcts d Implementçã de Medids de Restriçã Análise ds Impcts pr Atr Cnsiderções iniciis Atr pssiv Atr tiv, nã mecnizd Atr tiv, mecnizd, nã-mtrizd Atr tiv, mecnizd, mtrizd CONCLUSÕES REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

9 xiii LISTA DE FIGURAS Figur 2.1 Pdrã de sinl de regulmentçã 17 Figur 3.1 Sinl de regulmentçã - pribid estcinr 24 Figur 3.2 Vis cm restriçã físic estcinment cm cmplementçã de sinl regulmentr 25 Figur 3.3 Exempls de sinis de regulmentçã de estcinment 28 Figur 3.4 Exempl de sinl de regulmentçã permitind estcinr cm temp de permnênci máxim determind. 30 Figur 3.5 Exempl de sinl de pribiçã de estcinment em hráris determinds 30 Figur 3.6 Exempls de sinis de regulmentçã de estcinment de mtciclets 31 Figur 3.7 Exempl de utilizçã de regulmentçã de estcinment de táxis 32 Figur 3.8 Exempl de sinl de regulmentçã de estcinment pr pesss cm necessiddes especiis cm temp de permnênci máxim determind 33 Figur 3.9 Exempl de utilizçã de regulmentçã de estcinment pr crg e descrg cm restriçã de hrári 33 Figur 3.10 Exempl de sinl de regulmentçã de estcinment rttiv pg Zn Azul 37 Figur 3.11 Exempl de sinl de regulmentçã de estcinment rttiv pg Zn Mrrm 40 Figur 3.12 Exempl de sinl de regulmentçã de estcinment rttiv pg Zn Azul exclusiv pr deficientes físics 41 Figur 3.13 Flhet explictiv d estcinment rttiv pg d cidde de Córdb 42 Figur 4.1 Áre genéric cm implntçã de célul de tráfeg 47 Figur 4.2 Deflexões hrizntis 49 Figur 4.3 Deflexões verticis 50 Figur 4.4 Ampliçã ds clçds 51 Figur 4.5 Esquem de implntçã de rmp metering 53

10 xiv Figur 4.6 Exempl de sinl de regulmentçã que príbe circulçã de veículs utmtres 54 Figur 4.7 Pedestrinizçã em Mntrel 55 Figur 4.8 Exempl de sinl de regulmentçã que estbelece tip de veícul cm permissã de circulçã n vi 57 Figur 4.9 Exempls de sinis de regulmentçã de circulçã n vi 58 Figur 4.10 Áre genéric cm implntçã de lbirint 58 Figur 4.11 Exempl de Fix Exclusiv pr Ônibus 60 Figur 4.12 Mp d áre d prgrm de restriçã trânsit de veículs utmtres n municípi de Sã Pul 62 Figur 4.13 Exempl de sinl implntd ns limites d áre d rdízi municipl em Sã Pul 62 Figur 4.14 Exempl de sinl de regulmentçã de High-ccupncy vehicle - HOV 63 Figur 4.15 Exempls de Sinis de Regulmentçã d Trânsit de Cminhões 65 Figur Restriçã implementd em qudrs () e em vis (b). 77

11 xv LISTA DE TABELAS Tbel 3.1 Distâncis ceitáveis pr percrrer pé prtir d estcinment. 20 Tbel 5.1 Identificçã ds tres 79 Tbel 5.2 Vriáveis e indicdres 87 Tbel 5.3 Restriçã estcinment Restriçã físic áre cm restriçã 88 Tbel 5.4 Restriçã estcinment Restriçã físic áre djcente 89 Tbel 5.5 Restriçã estcinment Restriçã regulmentr Temp de permnênci áre cm restriçã 90 Tbel 5.6 Restriçã estcinment Restriçã regulmentr Temp de permnênci áre djcente 91 Tbel 5.7 Restriçã estcinment Restriçã regulmentr Hrári áre cm restriçã 92 Tbel 5.8 Restriçã estcinment Restriçã regulmentr Hrári áre djcente 93 Tbel 5.9 Restriçã estcinment Restriçã regulmentr Crcterístic d veícul u usuári áre cm restriçã 94 Tbel 5.10 Restriçã estcinment Restriçã regulmentr Crcterístic d veícul u usuári áre djcente 95 Tbel 5.11 Restriçã estcinment Restriçã fiscl Lclizçã áre cm restriçã 96 Tbel 5.12 Restriçã estcinment Restriçã fiscl Lclizçã áre djcente 97 Tbel 5.13 Restriçã estcinment Restriçã fiscl Crcterístic d veícul u usuári áre cm restriçã 98 Tbel 5.14 Restriçã estcinment Restriçã fiscl Crcterístic d veícul u usuári áre djcente 99 Tbel 5.15 Restriçã à circulçã Restriçã físic Céluls de tráfeg áre cm restriçã 100 Tbel 5.16 Restriçã à circulçã Restriçã físic Céluls de tráfeg áre djcente 101 Tbel 5.17 Restriçã à circulçã Restriçã físic Pedestrinizçã áre cm restriçã 102

12 xvi Tbel 5.18 Restriçã à circulçã Restriçã físic Pedestrinizçã áre djcente 103 Tbel 5.19 Restriçã à circulçã Restriçã físic Mderçã de tráfeg áre cm restriçã 104 Tbel 5.20 Restriçã à circulçã Restriçã físic Mderçã de tráfeg áre djcente 105 Tbel 5.21 Restriçã à circulçã Restriçã físic Rmp metering áre cm restriçã 106 Tbel 5.22 Restriçã à circulçã Restriçã físic Rmp metering áre djcente 107 Tbel 5.23 Restriçã à circulçã Restriçã regulmentr Hierrquizçã de tráfeg áre cm restriçã 108 Tbel 5.24 Restriçã à circulçã Restriçã regulmentr Hierrquizçã de tráfeg áre djcente 109 Tbel 5.25 Restriçã à circulçã Restriçã regulmentr Lbirints áre cm restriçã 110 Tbel 5.26 Restriçã à circulçã Restriçã regulmentr Lbirints áre djcente 111 Tbel 5.27 Restriçã à circulçã Restriçã regulmentr Fix exclusiv de ônibus áre cm restriçã 112 Tbel 5.28 Restriçã à circulçã Restriçã regulmentr Fix exclusiv de ônibus áre djcente 113 Tbel 5.29 Restriçã à circulçã Restriçã regulmentr Plcs de licenciment áre cm restriçã 114 Tbel 5.30 Restriçã à circulçã Restriçã regulmentr Plcs de licenciment áre djcente 115 Tbel 5.31 Restriçã à circulçã Restriçã regulmentr High-ccupncy vehicle áre cm restriçã 116 Tbel 5.32 Restriçã à circulçã Restriçã regulmentr High-ccupncy vehicle áre djcente 117 Tbel 5.33 Restriçã à circulçã Restriçã regulmentr Permits áre cm restriçã 118 Tbel 5.34 Restriçã à circulçã Restriçã regulmentr Permits áre djcente 119 Tbel 5.35 Restriçã à circulçã Restriçã fiscl Pedági áre cm restriçã 120 Tbel 5.36 Restriçã à circulçã Restriçã fiscl Pedági áre djcente 121 Tbel 5.37 Restriçã à circulçã Restriçã fiscl High-ccupncy tll áre cm restriçã 122 Tbel 5.38 Restriçã à circulçã Restriçã fiscl High-ccupncy tll áre djcente 123 Tbel 5.39 Impcts cusds tr pssiv 125 Tbel 5.40 Impcts cusds tr tiv, nã-mecnizd 126 Tbel 5.41 Impcts cusds tr tiv, mecnizd, nã-mtrizd 127 Tbel 5.42 Impcts cusds tr tiv, mecnizd, mtrizd (mtciclet, utmóvel e cminhã) 128 Tbel 5.43 Impcts cusds tr tiv, mecnizd, mtrizd (ônibus) 129 Tbel 5.44 Impcts cusds tr tiv, mecnizd, mtrizd (táxi) 130

13 xvii RESUMO As medids de restriçã trânsit de veículs utmtres sã, em gerl, plicds em áres centris de grndes ciddes. Neste trblh, sã presentds e vlids s medids de restriçã estcinment e à circulçã, grupds em restrições físic, regulmentr e fiscl. O bjetiv deste trblh é verificr quis impcts pdem ser cusds, s diverss usuáris d vi, pel implementçã de medids de restriçã trânsit de veículs. Pr tnt, é desenvlvid prcediment pr uxilir técnics, respnsáveis pel decisã sbre implementçã dests medids, sistemtizr s infrmções pr nálise. Primeirmente, sã rgnizds s infrmções dispníveis n litertur cnsultd sbre medids de restriçã, que qui sã dividids em restriçã estcinment e restriçã à circulçã. As medids de restriçã sã clssificds e definids, e sã presentds s bjetivs que mtivm su implntçã cm exempls de plicçã em diverss lcliddes, tnt d Brsil qunt d exterir. Após est crcterizçã, é feit um nálise ds tendêncis de lterções prvcds pel implementçã de medids de restriçã cnsidernd cd usuári d vi, denmind tr neste trblh. Sã esclhids lgums vriáveis pr mei ds quis é feit nálise, cm cessibilidde, fluidez, segurnç, cust e qulidde mbientl. As infrmções sbre s tendêncis de lterçã dests vriáveis sã sistemtizds cnsidernd cd tr. A vliçã ds impcts d plicçã de cd medid é feit pr dus áres hiptétics, um nde hveri

14 xviii implementçã ds medids de restriçã e um áre djcente, sem plicçã de restriçã. Psterirmente, é feit um síntese dests infrmções, pr tip de usuári d sistem viári, bservnd se huve melhr u pir ns vriáveis esclhids pr nálise. Cm este prcediment, é pssível verificr quis impcts pdem ser cusds, cd usuári d vi, pel implementçã de medids de restriçã trânsit de veículs. Os gestres de trânsit têm encntrd resistênci à implementçã ds medids de restriçã trânsit, prvvelmente pel flt de respld técnic pr um tmd de decisã fundmentd e prque seus impcts nã sã bem cmpreendids pels perdres d sistem viári. Prcuru-se, neste trblh, sistemtizr infrmções que venhm prfundr cnheciment e clbrr pr nálise e tmd de decisões sbre implementçã de medids de restriçã trânsit de veículs.

15 xix ABSTRACT In generl, restrictive vehicle trffic mesures re pplied t centrl res in lrge cities. This wrk presents n ssessment f the restrictive mesures n trffic nd prking in terms f physicl, regultry nd fiscl restrint. This wrk ims t verifying the impcts cused t the vrius rd user grups due t the intrductin f restrictive mesures twrds vehicle trffic. Prcedures will be develped in rder t ssist decisin-mker trffic mngers t systemtize dt cllectin nd nlysis. Initilly, the vilble infrmtin frm the literture n restrictive mesures is rgnized int prking r trffic restrint mesures. The mesures re defined nd clssified, nd the resns tht mtivted their implementtin re presented lng with exmples f pplictin in different plces, such s cities in Brzil nd ther cuntries. After this chrcteriztin, tendency nlysis n the resulting chnges triggered by the implementtin f the restrictive mesures is presented, cnsidering ech rd user grup, hereby clled ctr. Vribles such s ccessibility, trffic flw, sfety, cst nd envirnmentl qulity hve been chsen fr the nlysis. The infrmtin but the vrible chnge tendencies re systemtized tking int ccunt ech ctr. The evlutin f the impcts f the pplictin f ech mesure is mde cnsidering tw hyptheticl res: ne where the restrictive mesures

16 xx shuld hve been pplied, nd n djcent re where n restrictins hve been pplied lthugh side effects my be bserved. Subsequently, synthesis f the results chieved is presented shwing imprvement r wrsening fr the chsen vribles ccrding t the rd user grups. This prcedure llws the ssessment f the impcts cused by the implementtin f trffic restrint t ech rd user grup. Trffic mngers hve encuntered resistnce in implementing trffic restrictive mesures, prbbly due t the lck f technicl supprt t cnsistent decisin mking nd t the pr understnding f the resulting impcts by the rd system mngers. This wrk ims t imprving knwledge nd cllbrting t nlysis nd decisin mking n the implementtin f trffic restrint mesures by mens f systemtizing the infrmtin.

17 1 1 INTRODUÇÃO 1.1 Cnsiderções e Justifictiv A prtir d décd de 1950, utmóvel pssu cupr ppel imprtnte cm mei de trnsprte. O espç urbn trnu-se fvrável ele, sem cntud hver cntrle n distribuiçã ds tividdes e ns níveis de densment d sistem viári, de md grntir s pdrões de gerçã e trçã de vigens que pudessem ser tendids pel sistem viári (LANDMANN, 1994). N iníci d décd de 1960, Buchnn (1963) presentu um estud que mstr precupçã cm us mis equilibrd e eficiente d espç viári, tend cm spects fundmentis: desenvlviment de plns de trnsprte envlvend trnsprte públic, plítics de estcinment e medids de cntrle de cess de veículs determinds áres. N finl d décd de 1960, Ptrssi (1969) já expressv precupçã cm lguns efeits d ument d trânsit em áres urbns, cm pr exempl, diminuiçã ds velciddes e ument d númer de cidentes cm cnseqüente perd d qulidde d espç, d temp e d súde. N décd de 1970, númer reltiv de vigens pr utmóvel cresceu centudmente em detriment de vigens pr ônibus. Este cresciment fi cnseqüênci d priridde ds plítics de circulçã que beneficivm trnsprte individul, que ferece

18 2 mir flexibilidde e cmdidde s seus usuáris, em relçã utrs meis de trnsprte (GOMES et l, 2001; VASCONCELLOS, 1998). Est tendênci cnteceu tmbém ns décds seguintes. As pesquiss Origem/Destin (O/D), relizds pel Cmpnhi d Metrplitn de Sã Pul em 1987 e em 1997, mstrm diminuiçã ds vigens relizds pr trnsprte públic e ument ds vigens relizds pr utmóvel. Em 1987, n Regiã Metrplitn de Sã Pul, d ttl de vigens, 27,3% frm feits pr trnsprte individul e 35,1% pr trnsprte públic. Em 1997, s vigens pr trnsprte individul umentrm pr 31,0%, enqunt s vigens pr trnsprte públic diminuírm pr 32,7% (BRANCO, 1999). O resultd de um pesquis relizd pel Ntinl Trvel Survey, d Rein Unid, mstr que fmílis que nã têm cess utmóvel fzem em médi 2,5 vigens pr di, enqunt fmílis cm um utmóvel fzem em médi 6,4 vigens. Ist implic gerçã de 3,9 nvs vigens pr fmíli. Qund fmíli dquire dis u mis utmóveis mudnç é mir ind, um vez que médi de vigens sbe pr 8,7 num di de semn....prece puc rzável dmitir que s vigens resultntes de nvs tividdes gerds pel quisiçã de um utmóvel pssm ser bsrvids pels frms existentes de trnsprte públic. As nvs vigens representm 60% ds feits pr utmóvel e nã existim qund trnsprte públic er mis eficiente d que n presente. (WOOTTON, 1999, p.161). O númer de veículs em circulçã está umentnd rpidmente, prprcinlmente ument d ppulçã, ument d riquez, cresciment d tividde cmercil, e prvvelmente cm influênci d estil de vid interncinl, n qul utmóvel é um element essencil. N miri ds píses d mund em desenvlviment, númer de veículs mtrizds está umentnd mis que 10% n, fzend cm que númer de veículs dbre em 7 ns. Cm ist, em grndes ciddes d mund em desenvlviment, s temps de vigem sã crescentes e cessibilidde destin dentr de um temp limite é decrescente (GAKENHEIMER, 1999). N Brsil, rápid expnsã d frt veiculr pde ser justificd pr lguns spects, cm estbilizçã ecnômic, mudnçs n estrutur scil, dçã de um plnejment

19 3 bsed n trnsprte rdviári e flt de investiments em trnsprte de mss (VIANNA, PORTUGAL e BALASSIANO, 2004). Cm quisiçã de um utmóvel, númer de vigens ument substncilmente, send que lgums vigens sã trnsferids d trnsprte públic pr utmóvel e utrs pssm ser feits. N cidde de Sã Pul, est crcterístic tmbém é bservd. Segund Brt (2001), pel cncentrçã de rend e tividdes ecnômics, cidde de Sã Pul detém 78% d frt de veículs d Regiã Metrplitn, 40% d frt estdul e 15% d frt ncinl. Ns píses em desenvlviment, ument ds cngestinments e declíni d mbilidde têm cntecid em três etps (GAKENHEIMER, 1999). A primeir dels é reduçã d mbilidde ds usuáris de utmóveis, resultnte d ument ds cngestinments. A segund etp crre qund há declíni d mbilidde tmbém ds usuáris d trnsprte públic, cusd pel lt vlume de veículs em vis principis, nde trnsprte públic fz seus deslcments. Finlmente, n terceir etp, crre migrçã de usuáris d trnsprte públic que estã n etp 2 pr utmóvel prticulr, pel quisiçã de veículs. Cm ist, mbilidde destes usuáris sfre um melhr pis, mesm cm cngestinments em gerl, é vntjs us d utmóvel us d trnsprte públic. Segund Lndmnn (1994), váris sã s ftres determinntes n distribuiçã mdl, cm: cnfrt, fert de trnsprte públic, temp de vigem, segurnç, cessibilidde e fcilidde de estcinment. Váris utres enumerm s principis impcts negtivs cusds pel mpl us de veículs utmtres em gerl em áres urbns (BLESSINGTON, 1994; JONES e HERVIK, 1992; MAY, 1986; PORTUGAL e GOLDNER, 2003;VERHOEF, NIJKAMP e RIETVELD, 1995): Cngestinments; Acidentes de trânsit; Pluiçã snr; Pluiçã tmsféric; Aqueciment glbl; Degrdçã d pisgem;

20 4 Degrdçã d qulidde de vid; Desgregçã cmunitári e rmpiment ns relcinments sciis; Utilizçã de espçs públics priritrimente pr veículs; Descnfrt gerl n us ds espçs públics pel pedestre; Gsts públics: finnceir, humn, tecnlógic e reltiv espç públic. O utmóvel é mei de trnsprte que mis prejudic desempenh de td rede viári. É veícul cm menr cpcidde de trnsprte e mir gru de cupçã ds espçs de circulçã. Cm ument d prticipçã ds utmóveis n númer ttl de vigens, inicilmente, ument densidde de utmóveis ns vis principis e psterirmente, ns vis lcis (POYARES, 2000; WOOTTON, 1999). Bsicmente, sã três s tips de intervenções utilizds pels técnics de engenhri de tráfeg e plnejdres de trnsprte pr minimizr s prblems gerds pel excess de veículs: Medids cm bjetiv de umentr fert viári, que cntemplm cnstruçã de nvs vis u mpliçã d cpcidde existente, pr exempl, cm lrgment ds vis (CRACKNELL, 2000; LANDMANN, 1994); Gestã d tráfeg, que inclui técnics de engenhri de tráfeg pr eliminr s efeits ds ftres de reduçã d cpcidde viári (LANDMANN, 1994) e medids pr melhri d mviment de bens e pesss (nã pens veículs), melhri d qulidde e segurnç ds sistems de trnsprte (incluind trnsprte cletiv, s utmóveis, trnsprte de crg urbn, s veículs nã mtrizds e pedestres) e su relçã cm mei mbiente (CRACKNELL, 2000). Segund Tpp (1995), gestã de tráfeg deve englbr rgnizçã, perçã, trifçã e dministrçã, bjetivnd eficiênci e cmptibilidde mbientl de um sistem integrd de trnsprtes envlvend diverss mds; Gestã d demnd, que englb medids cm bjetiv de prmver mudnç significtiv n md, hrári, rt u destin finl, resultnd n reduçã d númer ttl ds vigens (MAY, 1986). Medids de gestã d demnd devem ter su implntçã cnsiderd qund vlume de veículs ns vis é demsidmente

21 5 elevd e super cpcidde viári dispnível, e s dus medids nterires nã btiverm respst stisftóri s prblems de trânsit (LANDMANN, 1994; POYARES, 2000). Investiments n ument d fert de sistem viári têm vid útil bstnte curt e, ssim, cstumm flhr n seu prpósit, um vez que ests medids trem ind mis utmóvel, cmprmetend lcis de cnvivênci urbn e cm cnseqüênci, diminuind qulidde de vid (WOOTTON, 1999). Cnsider-se que, n mir prte ds ciddes, cpcidde viári nã umentrá suficiente pr suprtr um ument indiscrimind d us d utmóvel. Pr sluçã d prblem d excess de veículs, inicilmente, fi dd ênfse sluções mens e plitivs, cm us d própri cngestinment cm um mecnism de restriçã. Grdulmente, huve recnheciment d necessidde de intervençã pr mei de medids pr grntir melhr us pssível d cpcidde ds vis (JONES e HERVIK, 1999). Estã incluíds neste grup métds mtemátics pr nlisr rede viári, diminuind s efeits ds ftres de reduçã d cpcidde, rdennd trânsit pr sinlizçã verticl, hrizntl, cnfigurções gemétrics e semáfrs (LANDMANN, 1984). Mesm cm plicçã de medids de ument d fert viári e melhri d cpcidde d sistem viári existente, demnd de trânsit pderá exceder cpcidde viári cusnd cngestinments. Sb ests cndições, s cngestinments só pdem ser reduzids cm gestã d demnd, lternd distribuiçã mdl, umentnd númer de vigens relizds pel trnsprte públic e reduzind númer ttl de vigens pr utmóveis (POYARES, 2000). A gestã d demnd cmpreende s medids de incentiv us d trnsprte públic (pr exempl, melhri d nível de serviç prestd e subsídi de trifs) que melhrm s pções lterntivs trnsprte individul (WOOTTON, 1999) e incluem ind incentiv trnsprte cmprtilhd e técnics de restriçã trânsit (CRACKNELL, 2000; MAY, 1986; POYARES, 2000).

22 6 A restriçã trânsit fz prte de estuds de gestã de trnsprtes e impõe, de lgum mneir, reduçã us de determind veícul, principlmente utmóvel, interferind significtivmente n esclh d mdlidde de trnsprte, reduzind s cngestinments. Qund plicds em cnjunt cm medids de incentiv à utilizçã d trnsprte públic e de cntrle d us d sl, pdem ser um plític cerente de intervençã (LANDMANN, 1994). Entretnt, restriçã trânsit tem tid puc efetividde e sucess em su plicçã pel resistênci ds usuáris d utmóvel, que sã fetds diretmente pel privçã d us d seu bem de cnsum, d seu sttus e ds benefícis pr ele trzids (VIOLATO e SANCHES, 2001). A ppulçã tende rejeitr qulquer medid que fete diretmente seu estil de vid, pesr de recnhecer que frm tul, dependente d us d utmóvel, é principl cus d cngestinment, pluiçã d r e cidentes (WOOTTON,1999). Em 1997, Códig de Trânsit Brsileir estbeleceu cmpetênci pr plnejr e implntr medids pr reduçã d circulçã de veículs e rerdençã d tráfeg, cm bjetiv de diminuir emissã glbl de pluentes s órgãs e entiddes executivs de trânsit ds Municípis (BRASIL, 1997). Cm espç viári é um bem cmum, prtilhd pr diferentes slicitções (PORTUGAL,1990), é imprtnte cnsiderr s diverss tres d sciedde que serã fetds dinte d impsiçã de restriçã tráfeg. Existem diferençs cm relçã s interesses e necessiddes ds diverss tres. Algums diferençs implicm cnflits pssíveis de sluções negcids, utrs implicm sluções que vã ferir lguns ds interesses. A melhr sluçã pr s prblems de trânsit será que cnsiderr qulidde de vid d ppulçã, prcurnd equcinr d melhr frm s perds e s gnhs entre s diverss tres d sciedde envlvids cm s impcts gerds pels lterções n us d sistem viári (LANDMANN, 1994).

23 7 1.2 Objetiv Este trblh tem pr bjetiv estudr s medids de restriçã us de veículs utmtres em vis urbns. Pr tnt se prcuru sistemtizr cnheciment dispnível n litertur cnsultd sbre s medids de restriçã à circulçã e estcinment. Os veículs cnsiderds sã s utmóveis, s ônibus e s cminhões de trnsprte de crg urbn. Nã serã cnsiderds restrições s veículs de trnsprte de crgs ruris, crgs superdimensinds e veículs nã-mtrizds. Prcuru-se tmbém nlisr s impcts cusds diverss usuáris d vi pel implementçã de medids de restriçã, cnsidernd determinds vriáveis, cm cessibilidde, fluidez, segurnç, cust e qulidde mbientl. Pretende-se ssim frnecer subsídis técnics pr entendiment de quis medids de restriçã fetm cd usuári d sistem viári, e cm estes usuáris sã fetds. 1.3 Estrutur d Text Este trblh está rgnizd em 6 cpítuls. O 1 cpítul present imprtânci d trblh e seu bjetiv. O 2 cpítul cntém prte d revisã bibligráfic, cntend um brdgem gerl sbre gestã d demnd. Sã identificds s medids de gestã d demnd que implicm medids de restriçã de estcinment e circulçã de veículs utmtres. Sã presentds seus principis bjetivs e requisits, e clssificçã dtd. Os 3 e 4 cpítuls presentm revisã bibligráfic referente às restrições estcinment e à circulçã de veículs, cnsidernd seus bjetivs, spects intervenientes e impcts identificds n bibligrfi cnsultd.

24 8 O 5 cpítul cmpreende um nálise qulittiv ds impcts gerds pel implementçã ds medids de restriçã usuáris d vi e s resultds d nálise. Finlmente, 6º cpítul descreve s cnclusões d trblh.

25 9 2 GESTÃO DA DEMANDA N sistem viári, mesm cm implementçã de medids de timizçã u medids pr umentr fert viári, cngestinment crrerá sempre que demnd exceder fert. As áres centris ds ciddes trem um grnde númer de vigens, devid densment de tividdes. Os váris mds de cess ests áres definem distribuiçã mdl ds vigens. Cnfrt, fert de trnsprte públic, temp de vigem, segurnç, cessibilidde, fcilidde de estcinment sã ftres determinntes n distribuiçã mdl. A reduçã n demnd signific interferir nestes ftres e lterr divisã mdl, ns destins e rts, trnsferind usuáris ds utmóveis pr trnsprte públic u reduzind númer ttl de vigens (LANDMANN, 1994). 2.1 Medids de Gestã d Demnd Pde-se dividir gestã d demnd em dis grups: primeir é frmd pels medids de incentiv lterntivs us d veícul privd e segund grup tem cm princípi impr lgum frm de restriçã us d veícul privd. O primeir nã present eficiênci n diminuiçã d us d utmóvel, enqunt segund, bjet deste estud, present melhres resultds neste sentid. Est crcterístic pôde ser verificd em pesquis relizd n Hlnd (TERTOOLEN, VAN KREVELD e VERSTRATEN, 1998). Frm

26 10 entrevistds 350 mtrists, cncluind-se que métds pr influencir diminuiçã d us d utmóvel, cm fciliddes pr utilizçã d trnsprte públic e divulgçã de infrmções sbre cnseqüêncis finnceirs e mbientis cusds pel cngestinment, nã sã suficientes pr estimulr s mtrists deixr de utilizr seus veículs. Cncluiu-se ind que us d utmóvel está frtemente ligd sentiment de independênci e cnveniênci, nã fvrecend est mudnç. Vilt e Snches (2001) definem medids de gestã d demnd cm um cnjunt de estrtégis utilizds pr reduzir us d utmóvel ns ciddes u trnsferir est demnd (de usuáris de utmóvel) pr utrs mds de trnsprte. As utrs cnsiderm it medids de gestã d demnd: Vigem cmprtilhd u crn prgrmd grupr em um únic veícul diverss pesss que vijm szinhs; Hráris lterntivs de trblh estrtégi de lterr s hráris de deslcments, entre cs e trblh ds pesss, visnd esplhment ds pics; Incentiv às vigens pr mds nã-mtrizds incentiv us de biciclet e cminhd pr lcmçã; Subsídi pel nã utilizçã de utmóvel prticulr refere-se fereciment de uxíli finnceir u frneciment de psses pr trnsprte cletiv u dispnibilizçã de vgs de estcinment grtuits pr pesss que prticipem d vigem cmprtilhd; Cntrle d fert e cbrnç de estcinments plicçã dest medid ns áres centris ds ciddes busc dificultr estcinment pr desestimulr us d utmóvel e incentivr us de utrs meis de trnsprte; Trtment preferencil pr veículs multi-usuáris ferecer vntgens pel utilizçã de pists exclusivs pr deslcment de veículs cm muits cupntes, prprcinnd ssim um ecnmi n temp de vigem; Restriçã à circulçã de utmóveis pde ser dividid em dis tips: restriçã pr áre - que príbe cess de veículs um determind áre de tividde intens - e restriçã pr temp, que pde restringir us d utmóvel durnte lguns períds d di u em lguns dis d semn;

27 11 Mderçã de trânsit implntçã de dispsitivs redutres de velcidde e/u vlume de tráfeg e dispsitivs pr segurnç ds pedestres. Ds medids presentds, s qutr primeirs nã implicm restriçã, ms sim incentiv à mudnç mdl. Entretnt, s demis implicm lgum md de restriçã sej à circulçã, sej estcinment. Vscncells (1998) present qutr mneirs de incentiv à mudnç d md de circulçã, evitnd ssim, us d utmóvel: Trnsferênci mdl um bjetiv ds plítics de circulçã e trnsprte refere-se à trnsferênci de vigens ds utmóveis pr s ônibus. Os serviçs de trnsprte públic deverim ter cm crcterístics flexibilidde, pssibilidde de reserv, cnfrt, pgment eletrônic, infrmçã de lt qulidde e integrçã cm utmóveis e utrs sistems eficientes de trnsprte; Vigem cmprtilhd u crn prgrmd utilizd cmumente ns píses desenvlvids, el tem um lcnce limitd pr presentr lgums desvntgens, cm limitçã que é impst usuári que tem dispnibilidde de us exclusiv d utmóvel, impssibilitnd encdement de diverss tividdes e lterçã de hráris ds tividdes pr um ds usuáris; Restrições trânsit impõem restrições s deslcments ds pesss. O utr qui present clssificçã descrit pr My (1986), que será detlhd dinte; Pedági viári deve ser vist primeirmente cm um cmplement utrs medids de grnti de qulidde d trnsprte públic e, secundrimente, cm um mneir de regulr cngestinment de utmóveis. Ds qutr mneirs presentds, pens s incentivs à trnsferênci mdl e à crn prgrmd nã implicm restriçã à circulçã u estcinment. Wttn (1999) present cinc medids de gestã d demnd que nã implicm restrições, pr reslver prblems lng prz de cngestinment, pluiçã e segurnç: Efetivr cmpnhs eductivs de cnscientizçã ds cnseqüêncis d esclh d md de trnsprte;

28 12 Cmptibilizr lclizçã ds tividdes e sistem de trnsprte; Utilizr tecnlgi pr diminuir necessidde de deslcments, pr exempl, implementnd fciliddes de cmprs u emissã de dcuments pel internet; Frnecer infrmções sbre cndições de trânsit pr timizr esclh de rts ds vigens; Cbrr tx n cmbustível pr reduzir cngestinment e pluiçã. O utr present, ind, utrs três medids de gestã d demnd que sã cincidentes cm s sugerids pr Jnes e Hervik (1992) e que implicm lgum tip de restriçã us d utmóvel: Us de limitdres de cpcidde de um ligçã u junçã pel restriçã d espç u d temp dispnível pr pssgem veiculr, dentr de um percurs cntrld u seletiv; Cntrle ds níveis de trânsit pel regulmentçã pr permissã de cess de pens lgums clsses de usuáris em um ligçã u áre; Cbrnç pel us d espç viári, utiliznd pgment de tx pr trnr dispnível escss espç viári. Crcknell (2000) divide s medids de gestã d demnd em cinc tips, send que s três primeirs implicm restrições: Cntrle e cbrnç pel estcinment n vi públic e cbrnç pel estcinment privd nã residencil; Cntrle d us de veículs pel regulmentçã, pr brreirs físics e pel redistribuiçã d espç, dnd preferênci s veículs de trnsprte públic; Cbrnç pr desencrjr prpriedde d veícul e pr reduzir us de veículs em áres cngestinds; Incentivs s mds eficientes e nã-pluentes, cm cminhr e ndr de biciclet; Alterções de hrári ds tividdes e d us d sl, prmvend reduçã d ttl de demnd de vigens.

VIBRAÇÃO NO NÚCLEO ESTATÓRICO DO GERADOR DA UG-05 DA USINA HIDRELÉTRICA ENGº. SÉRGIO MOTTA (PORTO PRIMAVERA) 1.0 INTRODUÇÃO

VIBRAÇÃO NO NÚCLEO ESTATÓRICO DO GERADOR DA UG-05 DA USINA HIDRELÉTRICA ENGº. SÉRGIO MOTTA (PORTO PRIMAVERA) 1.0 INTRODUÇÃO GGH/008 6 de Outubr de 00 Cmpins - Sã Pul - Brsil GRUPO I GRUPO DE ESTUDO DE GERAÇÃO HIDRÁULICA - GGH VIBRAÇÃO NO NÚCLEO ESTATÓRICO DO GERADOR DA UG-05 DA USINA HIDRELÉTRICA ENGº. SÉRGIO MOTTA (PORTO PRIMAVERA)

Leia mais

Estudo de impacto das mudanças climáticas sobre os recursos hídricos superficiais e sobre os níveis dos aqüíferos na Bacia do Rio Tocantins.

Estudo de impacto das mudanças climáticas sobre os recursos hídricos superficiais e sobre os níveis dos aqüíferos na Bacia do Rio Tocantins. Estud de impct ds mudnçs climátics sbre s recurss hídrics superficiis e sbre s níveis ds qüífers n Bci d Ri Tcntins. Jvier Tmsell, Dniel Andrés Rdrigue, Lu Adrin Curts, Mônic Ferreir, Juli Cér Ferreir

Leia mais

Definição de Necessidades de Capacitação de Pós-Graduação

Definição de Necessidades de Capacitação de Pós-Graduação I Mdliddes Pós-grduçã strictu sens (mestrd e dutrd) Pós-dutrd de Cpcitçã Definiçã de Necessiddes de Cpcitçã de Pós-Grduçã O Ipe definirá sus necessiddes de cpcitçã em pós-grduçã nulmente, levnd em cnt:

Leia mais

Plano de ação para o tema: resíduos

Plano de ação para o tema: resíduos Pln çã pr tem: resídus Dignóstic (situções melhrr) Objetiv(s) Met(s) Ações e Ativids Prevists Cncretizçã Avliçã- instruments e Indicdres ( mnitrizçã e vliçã Recurss Interveniente s Clendrizçã ções) Lix;

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE 07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE SEMENTES NA QUALIDADE FISIOLOGICA DA SEMENTE E A EFICIENCIA NO CONTROLE DE PRAGAS INICIAIS NA CULTURA DA SOJA Objetivo Este trblho tem como objetivo vlir o efeito

Leia mais

TÍTULO: Métodos de Avaliação e Identificação de Riscos nos Locais de Trabalho. AUTORIA: Ricardo Pedro

TÍTULO: Métodos de Avaliação e Identificação de Riscos nos Locais de Trabalho. AUTORIA: Ricardo Pedro TÍTULO: Métodos de Avlição e Identificção de Riscos nos Locis de Trblho AUTORIA: Ricrdo Pedro PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 167 (Novembro/Dezembro de 2006) 1. Enqudrmento legl A vlição e identificção de

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO PROCESSO SELETIVO DE PROVAS E TÍTULOS PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PROFESSOR DA EDUCAÇÃO SUPERIOR EDITAL N 004/2012 UNEMAT A, no uso de sus tribuições legis e em cumprimento ds norms prevists no rtigo

Leia mais

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600 1 - INTRODUÇÃO Ests instruções têm por objetivo fornecer s orientções pr utilizção do critério pr cálculo d demnd de edifícios residenciis de uso coletivo O referido critério é plicável os órgãos d COPEL

Leia mais

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama.

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama. Crtilh Explictiv Segurnç pr quem você m. Bem-vindo, novo prticipnte! É com stisfção que recebemos su desão o Fmíli Previdênci, plno desenhdo pr oferecer um complementção de posentdori num modelo moderno

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso.

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso. TERMO DE ADESÃO A POLITICA DE INSCRIÇÃO NOS EVENTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENFERMAGEM 9ª. JORNADA BRASILEIRA DE ENFERMAGEM GERIÁTRICA E GERONTOLÓGICA TEMA CENTRAL: A interfce do cuiddo de enfermgem

Leia mais

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA AUTORES: AMARAL, An Pul Mgno; NETO, Antônio d Luz Cost. E-MAIL: mgno_n@yhoo.com.br; ntonioluzneto@gmil.com INTRODUÇÃO Sendo um desfio ensinr químic pr

Leia mais

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras Universidde Estdul de Cmpins Fernnd Resende Serrdourd RA: 093739 Disciplin: CS101- Métodos e Técnics de Pesquis Professor: Armndo Vlente Propost de Projeto de Pesquis Liberdde de expressão n mídi: seus

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA 1 - Ddos do Proponente 1.1- Nome d Entidde 1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Dt d Fundção 1.5- Endereço 20/09/2011 1.6- Município 1.7- CEP 1.8- U F

Leia mais

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295 Anuiddes equivlentes: $480 + $113 + $149 5 9% 5 VPL A (1, 09) $56, 37 A 5 9% 3,88965 5 9% 5 9% AE = = = = $14, 49 = 3,88965 AE B $140 $620 + $120 + 7 9% 7 VPL B (1, 09) $60, 54 = = = 5, 03295 7 9% 7 9%

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Mnul de Operção e Instlção Clh Prshll MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS Cód: 073AA-025-122M Rev. B Novembro / 2008 S/A. Ru João Serrno, 250 Birro do Limão São Pulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE ALENQUERdÁ~*~ CONTRATO-PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DESPORTIVO

CÂMARA MUNICIPAL DE ALENQUERdÁ~*~ CONTRATO-PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DESPORTIVO / CÂMARA MUNICIPAL DE ALENQUERdÁ~*~ 258 318 ALENQUER Telel 263 73 9 Fx 263 711 54 gerl@cm lenquer pt www cm lenquer pt CONTRATO-PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DESPORTIVO Entre: Primeir utrgnte Câmr Municipl

Leia mais

Plano de Gestão 2012-2015

Plano de Gestão 2012-2015 Plno de Gestão 202-205 - Cmpus UFV - Florestl - Grdução Missão: Promover polítics de incentivo à pesquis, pós-grdução, inicição científic e cpcitção de recursos humnos, objetivndo excelênci do Cmpus Florestl

Leia mais

1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Data da Fundação. 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P F 1.12- RG

1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Data da Fundação. 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P F 1.12- RG 1 - DADOS DO PROPONENTE 1.1- Nome d Entidde 1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Dt d Fundção 1.5- Endereço 20/09/2011 1.6- Município 1.7- CEP 1.8- U F 1.9- Telefone 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P

Leia mais

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos.

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos. Acoplmento É o gru de dependênci entre dois módulos. Objetivo: minimizr o coplmento grndes sistems devem ser segmentdos em módulos simples A qulidde do projeto será vlid pelo gru de modulrizção do sistem.

Leia mais

SISTEMA PROGRESSIVO 2011.2 SÁBAD O TARDE 23.08 27.08 24.08 02.09 SEXTA MANHA 9H SEXTA MANHA 7H SEXTA TARDE 14H SEXTA MANHA 7H SEXTA TARDE 14H

SISTEMA PROGRESSIVO 2011.2 SÁBAD O TARDE 23.08 27.08 24.08 02.09 SEXTA MANHA 9H SEXTA MANHA 7H SEXTA TARDE 14H SEXTA MANHA 7H SEXTA TARDE 14H SISTEM PRGRESSIV 2011.2 DMINISTRÇÃ DE RECURSS MTERIIS E PTRIMNIIS TERÇ QURT QUINT NITE 23.08 27.08 24.08 DMINISTRÇÃ PLICD ENFERMGEM TERÇ QURT QUINT NITE 23.08 24.08 DMINISTRÇÃ D PRDUÇÃ TERÇ QURT QUINT

Leia mais

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo 232 Definições e ptidões 232 Séries 233 Vrintes 233 Tolerâncis e jogos 234 Elementos de cálculo 236

Leia mais

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ Ricrdo S. Blrdin Mrcelo G. Mdlosso Mônic P. Debortoli Giuvn Lenz. Dep. Defes Fitossnitári - UFSM; Instituto Phytus. Em nos

Leia mais

Ilha Solteira, 17 de janeiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013

Ilha Solteira, 17 de janeiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013 Nossos prceiros Pel trnsprênci e qulidde d plicção dos recursos públicos Ilh Solteir, 17 de jneiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013 Ao Exmo. Sr. Alberto dos Sntos Júnior Presidente d Câmr Municipl de Ilh

Leia mais

Vo t a ç ão TEXTO DO CONGRESSO. PROPOSTA DO GOVERNO / Partidos da Base PROPOSTAS DAS BANCADAS DE OPOSIÇÃO E / OU ATEMPA / SIMPA

Vo t a ç ão TEXTO DO CONGRESSO. PROPOSTA DO GOVERNO / Partidos da Base PROPOSTAS DAS BANCADAS DE OPOSIÇÃO E / OU ATEMPA / SIMPA PROPOSTA DO GOVERNO / Prtidos d Bse PROPOSTAS DAS BANCADAS DE OPOSIÇÃO do Governo (Mensgem Retifictiv) E / OU ATEMPA / SIMPA Vo t ç ão TEXTO DO CONGRESSO Diverss estrtégis pr tingir s mets Emend 1- exclui

Leia mais

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. NBR 13434

Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. Licença de uso exclusiva para Petrobrás S.A. NBR 13434 ABNT-Associção Brsileir de Norms Técnics Sede: Rio de Jneiro Av. Treze de Mio, 13-28º ndr CEP 20003-900 - Cix Postl 1680 Rio de Jneiro - RJ Tel.: PABX (021) 210-3122 Fx: (021) 220-1762/220-6436 Endereço

Leia mais

Definição e Criação de Molduras

Definição e Criação de Molduras TQS - Mldur Escrit pr Eng. Cmil Ferreir Seg, 20 Mi 2013 09:47 - Ness mensg rei lg dic crir nv mldur pltg n TQS. Ain nesse mesm text, lbrrei ts sbre recurs interessnte p uxiliá-ls criçã crimbs (u sels)

Leia mais

táxis compartilhados Shared-transport / Shared-taxi

táxis compartilhados Shared-transport / Shared-taxi Benefícis ds serviçs de transprte de táxis cmpartilhads Shared-transprt / Shared-taxi Reuniã de Especialistas sbre Transprte Urban Sustentável: Mdernizand e Trnand Eclógicas as Frtas de Táxis nas Cidades

Leia mais

CAPA APENAS PARA INDICAÇÃO Favor retirar essa informação, mas não retire o QR CODE ao lado.

CAPA APENAS PARA INDICAÇÃO Favor retirar essa informação, mas não retire o QR CODE ao lado. CP PENS PR INDICÇÃ Favor retirar essa informação, mas não retire o QR CDE ao lado. LINH FRM LINH ELETR LINH SUPER LINH MTEC LINH DPTS C T Á L G D E P R D U T S LINH EXP LINH EXPSIÇÃ SEGUR nossa história

Leia mais

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 6.1 Recursos de curto przo 6.2 Administrção de disponibiliddes 6.3 Administrção de estoques 6.4 Administrção de conts 6.1 Recursos de Curto Przo Administrção Finnceir e

Leia mais

Ter formação mínima em nível superior comprovada que atenda a formação acadêmica ou formação ou vinculação em programa de

Ter formação mínima em nível superior comprovada que atenda a formação acadêmica ou formação ou vinculação em programa de ANEXO II EDITAL Nº 04/2014 2 º PRORROGAÇÃO PARA VAGAS REMANESCENTES QUADRO DE VAGAS REMANESCENTES PARA O PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO DE PROFESSORES PESQUISADORES FORMADORES ÁREA DA PESQUISA EMENTA EIXO

Leia mais

A ARTICULAÇÃO DE PESQUISA E EXTENSÃO PARA COMPREENSÃO E DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES EM UMA UNIVERSIDADE ABERTA PARA A TERCEIRA IDADE

A ARTICULAÇÃO DE PESQUISA E EXTENSÃO PARA COMPREENSÃO E DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES EM UMA UNIVERSIDADE ABERTA PARA A TERCEIRA IDADE A ARTICULAÇÃO DE ESQUISA E EXTENSÃO ARA COMREENSÃO E DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES EM UMA UNIVERSIDADE ABERTA ARA A TERCEIRA IDADE Cludi Regin Mgnbsc Mrtins Universidde Estdul d Centr-Oeste, Irti - rná, Brsil

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turm K) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Celso Mnuel Lim Docente Celso Mnuel

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL 1 N O T A T É C N I C A N º. 0 0 3 / 2 0 0 7 Análise ds demnds identificds ns udiêncis públics do Plnejmento Estrtégico. Construção de plnejmento. 1 JUSTIFICATIVA Após relizção de seis udiêncis públics

Leia mais

Questão 1. Questão 2. alternativa E. alternativa C

Questão 1. Questão 2. alternativa E. alternativa C Quesã Pedr iru mens de um cenen de fs d fes em cmemrçã seu niversári e quer clcá-ls ds num álbum de 0 págins. Em cd págin desse álbum cbem, n máxim, 0 fs. Inicilmene, Pedr enu clcr 6 fs em cd págin. A

Leia mais

Desvio do comportamento ideal com aumento da concentração de soluto

Desvio do comportamento ideal com aumento da concentração de soluto Soluções reis: tividdes Nenhum solução rel é idel Desvio do comportmento idel com umento d concentrção de soluto O termo tividde ( J ) descreve o comportmento de um solução fstd d condição idel. Descreve

Leia mais

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS MATO GROSSO

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS MATO GROSSO PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS MATO GROSSO Objetivo 1: Grntir prioridde técnic, polític e finnceir pr ções de enfrentmento do HIV/DST voltds

Leia mais

Fluxo Gênico. Desvios de Hardy-Weinberg. Estimativas de Fluxo gênico podem ser feitas através de dois tipos de métodos:

Fluxo Gênico. Desvios de Hardy-Weinberg. Estimativas de Fluxo gênico podem ser feitas através de dois tipos de métodos: Desvios de Hrdy-Weinberg cslmento preferencil Mutção Recombinção Deriv Genétic Fluo gênico Fluo Gênico O modelo de Hrdy-Weinberg consider pens um únic populção miori ds espécies tem váris populções locis

Leia mais

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROGRAMA DE APOIO INSTITUCIONAL À EXTENSÃO PROJETOS DE EXTENSÃO EDITAL 01/014-PROEX/IFRN Os cmpos sombredos

Leia mais

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92 PROGRAMA FINALÍSTICO

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92 PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA: 022 - Progrm Súde d Fmíli 1. Problem: Alto índice de pcientes que visitm unidde Mist de Súde pr trtr de problems que poderim ser resolvidos com visit do médico em su cs.

Leia mais

Processo TIG. Eletrodo (negativo) Argônio. Arco elétrico Ar Ar + + e - Terra (positivo)

Processo TIG. Eletrodo (negativo) Argônio. Arco elétrico Ar Ar + + e - Terra (positivo) Processo TIG No processo de soldgem rco sob proteção gsos, região se unir é quecid té que se tinj o ponto de fusão, pr que isto ocorr, é fornecid um energi trvés do rco elétrico, que irá fundir tnto o

Leia mais

PLANTADEIRAS ASM SÉRIE 1200

PLANTADEIRAS ASM SÉRIE 1200 PLANTADEIRAS ASM SÉRIE 1200 Plntdeirs sm série 1200. Plnti vnçd, plnti Cse ih. Os nvs cnceits d gricultur exigem máquins de grnde rendiment, perfrmnce e fcilidde de mnutençã. A plntdeir Cse IH, cm seu

Leia mais

TARIFÁRIO 2016 Operadora Nacional SEMPRE PERTO DE VOCÊ

TARIFÁRIO 2016 Operadora Nacional SEMPRE PERTO DE VOCÊ TARIFÁRIO 2016 Operdor Ncionl SEMPRE PERTO DE VOCÊ 24 HOTÉIS PORTUGAL E BRASIL LAZER E NEGÓCIOS CIDADE, PRAIA E CAMPO Os Hotéis Vil Glé Brsil Rio de Jneiro VILA GALÉ RIO DE JANEIRO 292 qurtos 2 resturntes

Leia mais

REGULAÇÃO E GESTÃO COMPETITIVA NO SETOR ELÉTRICO: UM EQUILÍBRIO DINÂMICO. Prof. Carlos Raul Borenstein, Dr. UFSC

REGULAÇÃO E GESTÃO COMPETITIVA NO SETOR ELÉTRICO: UM EQUILÍBRIO DINÂMICO. Prof. Carlos Raul Borenstein, Dr. UFSC GAE/ 04 17 à 22 de outubro de 1999 Foz do Iguçu Prná - Brsil GRUPO VI GRUPO DE ASPECTOS EMPRESARIAIS (GAE) REGULAÇÃO E GESTÃO COMPETITIVA NO SETOR ELÉTRICO: UM EQUILÍBRIO DINÂMICO Prof. Crlos Rul Borenstein,

Leia mais

Análise de Variância com Dois Factores

Análise de Variância com Dois Factores Análise de Vriânci com Dois Fctores Modelo sem intercção Eemplo Neste eemplo, o testrmos hipótese de s três lojs terem volumes médios de vends iguis, estmos testr se o fctor Loj tem influênci no volume

Leia mais

ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU

ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU 1 ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU EDITAL UFU/PREFE/044/2010 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA ESTAGIÁRIO(A) A Pró-reitori de Grdução d Universidde Federl de Uberlândi, mprd no rtigo 248 ds Norms de Grdução

Leia mais

a FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA 9.º ANO

a FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA 9.º ANO Cristin Antunes Mnuel Bispo Pul Guindeir FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA 9.º ANO Escol Turm N.º Dt Grupo I Documento I É um serviço de tendimento telefónico de Trigem, Aconselhmento e Encminhmento, Assistênci

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenção/Colegido o(s) qul(is) será vinculdo: Engenhris Curso (s) : Engenhris Nome do projeto: MtLb Aplicdo n Resolução de Sistems Lineres.

Leia mais

Aula 11 Bibliotecas de função

Aula 11 Bibliotecas de função Universidade Federal d Espírit Sant Centr Tecnlógic Departament de Infrmática Prgramaçã Básica de Cmputadres Prf. Vítr E. Silva Suza Aula 11 Biblitecas de funçã 1. Intrduçã À medida que um prgrama cresce

Leia mais

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92 PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA : 15 Mnutenção e Revitlizção do Ensino Infntil FUNDEB 40% 1. Problem: O município possui pens dus escol que oferece ensino infntil e não tende tod demnd.

Leia mais

SGCT - Sistema de Gerenciamento de Conferências Tecnológicas

SGCT - Sistema de Gerenciamento de Conferências Tecnológicas SGCT - Sistema de Gerenciament de Cnferências Tecnlógicas Versã 1.0 09 de Setembr de 2009 Institut de Cmputaçã - UNICAMP Grup 02 Andre Petris Esteve - 070168 Henrique Baggi - 071139 Rafael Ghussn Can -

Leia mais

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Pulo/SP PNRS E O WASTE-TO-ENERGY Definições do Artigo 3º - A nov ordenção básic dos processos Ordem de prioriddes do Artigo 9º

Leia mais

Internação WEB BR Distribuidora v20130701.docx. Manual de Internação

Internação WEB BR Distribuidora v20130701.docx. Manual de Internação Mnul de Internção ÍNDICE CARO CREDENCIADO, LEIA COM ATENÇÃO.... 3 FATURAMENTO... 3 PROBLEMAS DE CADASTRO... 3 PENDÊNCIA DO ATENDIMENTO... 3 ACESSANDO O MEDLINK WEB... 4 ADMINISTRAÇÃO DE USUÁRIOS... 5 CRIANDO

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE CAPITULO I VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA FINS INDUSTRIAIS ARTIGO l. A lienção, trvés de vend, reliz-se por negocição direct com os concorrentes sendo o preço d vend fixo, por metro qudrdo, pr um ou mis

Leia mais

Capítulo 1 Introdução à Física

Capítulo 1 Introdução à Física Vetor Pré Vestiulr Comunitário Físic 1 Cpítulo 1 Introdução à Físic Antes de começrem com os conceitos práticos d Físic, é imprescindível pr os lunos de Pré-Vestiulr estrem certificdos de que dominm os

Leia mais

II NÚMERO DE VAGAS: As vagas serão oferecidas em cada disciplina optativa de acordo com a disponibilidade institucional do Programa.

II NÚMERO DE VAGAS: As vagas serão oferecidas em cada disciplina optativa de acordo com a disponibilidade institucional do Programa. Av. Fernndo Ferrri, 514 Vitóri ES CEP: 29.075-910 Cmpus de Goibeirs Tel/Fx: +55 (27) 4009-7657 E-mil: ppghis.ufes@hotmil.com http://www.histori.ufes.br/ppghis EDITAL DE SELEÇÃO DE CANDIDATOS A ALUNO ESPECIAL

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2015. Etec Profª Ermelinda Giannini Teixeira

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2015. Etec Profª Ermelinda Giannini Teixeira Coorden http://www.etecermelind.com.br/etec/sis/ptd_tec_6.php 1 de 5 18/09/2015 12:45 Unidde de Ensino Médio e Técnico Cetec Ensino Técnico Integrdo o Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plno de Trblho Docente

Leia mais

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia)

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia) COLÉGIO NAVAL 016 (1º di) MATEMÁTICA PROVA AMARELA Nº 01 PROVA ROSA Nº 0 ( 5 40) 01) Sej S som dos vlores inteiros que stisfzem inequção 10 1 0. Sendo ssim, pode-se firmr que + ) S é um número divisíel

Leia mais

VETORES. Com as noções apresentadas, é possível, de maneira simplificada, conceituar-se o

VETORES. Com as noções apresentadas, é possível, de maneira simplificada, conceituar-se o VETORES INTRODUÇÃO No módulo nterior vimos que s grndezs físics podem ser esclres e vetoriis. Esclres são quels que ficm perfeitmente definids qundo expresss por um número e um significdo físico: mss (2

Leia mais

UNESP - FEIS - DEFERS

UNESP - FEIS - DEFERS UNESP - FEIS - DEFERS DISCIPLINA: ARMAZENAMENTO E BENEFICIAMENTO DE GRÃOS Exercício Modelo sobre Secgem de Grãos Como técnico contrtdo pr ssessorr u propriedde produtor de milho pr grãos, efetur u nálise

Leia mais

MÉTODO E PERCEPÇÃO DE CUIDAR EM ENFERMAGEM

MÉTODO E PERCEPÇÃO DE CUIDAR EM ENFERMAGEM UNIVERSIDADE DO PORTO INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DE ABEL SALAZAR MÉTODO E PERCEPÇÃO DE CUIDAR EM ENFERMAGEM JOSÉ DOS SANTOS COSTA Mestrd em Ciêncis de Enfermgem PORTO, 1999 UNIVERSIDADE DO PORTO

Leia mais

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO Um prject eurpeu em clabraçã cm a EHFA Eurpean Health and Fitness Assciatin, cm sede em Bruxelas Regist ds Prfissinais Intrduçã Estams numa fase em que a Tutela

Leia mais

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA (II Determinntes) ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL Determinntes Índice 2 Determinntes 2

Leia mais

Dia 1 de Outubro Dia Nacional da Água

Dia 1 de Outubro Dia Nacional da Água Divisão de Plnemento Ambientl e Proteção Civil Di 1 de Outubro Di Ncionl d Águ entre 2 mil e 8 mil milhões de pessos té Águ 2050, num momento em que meç do Aquecimento Globl d Terr é um A águ é essencil

Leia mais

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE;

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE; http://www.mm.gov.br/port/conm/res/res97/res22697.html Pge 1 of 5 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 226, DE 20 DE AGOSTO DE 1997 O Conselho Ncionl do Meio Ambiente - CONAMA, no uso ds tribuições que lhe são conferids

Leia mais

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra Serviços de Acção Socil d Universidde de Coimbr Serviço de Pessol e Recursos Humnos O que é o bono de fmíli pr crinçs e jovens? É um poio em dinheiro, pgo menslmente, pr judr s fmílis no sustento e n educção

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL MISSÃO DO CURSO O Curso Superior de Tecnologi em Automção Industril do Centro Universitário Estácio Rdil de São Pulo tem

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO. DISCIPLINA: OPERAÇÕES TÉCNICAS DE RECEÇÃO (12º Ano Turma M)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO. DISCIPLINA: OPERAÇÕES TÉCNICAS DE RECEÇÃO (12º Ano Turma M) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO DISCIPLINA: (12º Ano Turm M) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Teres Sous Docente Teres Bstos Ano Letivo 2015/2016 Competêncis

Leia mais

Convocatòri a 2015. Pàg. 2 / 4. c) por ruas muito ruidosas. (0, 5punts)

Convocatòri a 2015. Pàg. 2 / 4. c) por ruas muito ruidosas. (0, 5punts) Convoctòri Aferru un etiquet identifictiv v999999999 de codi de brres Portuguès (més grns de 25 nys) Model 1 Not 1ª Not 2ª Aferru l cpçler d exmen un cop cbt l exercici TEXTO Um clássico lisboet O elétrico

Leia mais

Conheça a sua fatura da água!

Conheça a sua fatura da água! Conheç su ftur d águ! Jneiro de 20 FATURA/RECIBO N.º: 27 VALOR 8,7 Euros Município de Reguengos de Monsrz Titulr / Locl Mord ou sítio de leitur/do contdor Loclidde d mord de leitur NIF: Áre NIPC 07 040

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO - UEMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG COODERNAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO - CPG EDITAL Nº17/2014 PPG/CPG/UEMA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO - UEMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG COODERNAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO - CPG EDITAL Nº17/2014 PPG/CPG/UEMA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO - UEMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG COODERNAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO - CPG EDITAL Nº17/2014 PPG/CPG/UEMA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

Gerenciamento de Aquisições em Projetos de Obras

Gerenciamento de Aquisições em Projetos de Obras Gerencimento de Aquisições em Projetos de Obrs Frhd Abdollhyn, MSc., PMP MSP & PRINCE2 Prctitioner frhd@uol.com.br Ptrocindores: Relizção: Frhd Abdollhyn, PMP PRINCE2 Prctitioner Cyrus Associdos Apoio

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth FUNCIONL ENTORNO IDENTIFICR RELÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERNDO OS TRIBUTOS DO LUGR - MSSS EDIFICDS, RELÇÕES DE PROXIMIDDE, DIÁLOGO, INTEGRÇÃO OU UTONOMI O ENTORNO D CSH #9 É COMPOSTO

Leia mais

AGENTE ADMINISTRATIVO DO MP/RS DIREITO ADMINISTRATIVO DELEGAÇÃO DE SERVIÇOS NOTARIAIS E REGISTRAIS DO RS

AGENTE ADMINISTRATIVO DO MP/RS DIREITO ADMINISTRATIVO DELEGAÇÃO DE SERVIÇOS NOTARIAIS E REGISTRAIS DO RS 1 SUMÁRIO I. Administrção Públic... II. Atos Administrtivos... III. Poder de Políci... IV. Serviço Público... V. Responsbilidde Civil do Estdo... VI. Controle d Administrção Públic... 02 09 21 23 25 27

Leia mais

CPV O cursinho que mais aprova na GV

CPV O cursinho que mais aprova na GV O cursinho que mis prov n GV FGV Administrção 04/junho/006 MATEMÁTICA 0. Pulo comprou um utomóvel fle que pode ser bstecido com álcool ou com gsolin. O mnul d montdor inform que o consumo médio do veículo

Leia mais

Relações em triângulos retângulos semelhantes

Relações em triângulos retângulos semelhantes Observe figur o ldo. Um escd com seis degrus está poid em num muro de m de ltur. distânci entre dois degrus vizinhos é 40 cm. Logo o comprimento d escd é 80 m. distânci d bse d escd () à bse do muro ()

Leia mais

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos 3. Cálculo integrl em IR 3.. Integrl Indefinido 3... Definição, Proprieddes e Exemplos A noção de integrl indefinido prece ssocid à de derivd de um função como se pode verificr prtir d su definição: Definição

Leia mais

Capítulo 3. Autómatos e respectivas linguagens

Capítulo 3. Autómatos e respectivas linguagens Cpítulo 3. Neste estudo, os utómtos serão considerdos principlmente como dispositivos de ceitção d lingugem, e respectiv estrutur intern será discutid pens n medid em que se relcione com lingugem ceite.

Leia mais

1.8 Não será permitida a inscrição simultânea em mais de 2 (dois) componentes curriculares a serem lecionados no mesmo período.

1.8 Não será permitida a inscrição simultânea em mais de 2 (dois) componentes curriculares a serem lecionados no mesmo período. VISO PÚBLICO Nº 04/UNOESC-R/2015 O Reitor d Universidde do Oeste de Snt Ctrin Unoesc, Unoesc Virtul, entidde educcionl, crid pel Lei Municipl nº 545/68 e estruturd de direito privdo, sem fins lucrtivos,

Leia mais

Edital de Processo Seletivo Nº 21/2015

Edital de Processo Seletivo Nº 21/2015 Editl de Processo Seletivo Nº 21/2015 O SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL ADMINISTRAÇÃO REGIONAL NO ESTADO DO PIAUÍ, SENAC-PI, no uso de sus tribuições regimentis, torn público que estão berts

Leia mais

ANEXO. DHA < 200 mm - baixo risco DHA > 200 mm - alto risco

ANEXO. DHA < 200 mm - baixo risco DHA > 200 mm - alto risco ANEXO 1. NOTA TÉCNICA O Brsil produz dus espécies de cfé: O rábic (Coffe rábic L.) e o robust (Coffe cnephor Pierre ex A. Froehner.), mis conhecido como cfé robust. Atulmente, o pís é o mior produtor e

Leia mais

os corpos? Contato direto F/L 2 Gravitacional, centrífuga ou eletromagnética F/L 3

os corpos? Contato direto F/L 2 Gravitacional, centrífuga ou eletromagnética F/L 3 Universidde Federl de Algos Centro de Tecnologi Curso de Engenri Civil Disciplin: Mecânic dos Sólidos 1 Código: ECIV018 Professor: Edurdo Nobre Lges Forçs Distribuíds: Centro de Grvidde, Centro de Mss

Leia mais

Construção e montagem

Construção e montagem Construção e montgem Tetos Knuf D11 Construção Os tetos Knuf com chps de gesso podem ser fixdos diretmente o teto originl ou suspensos com tirnte e suportes. As chps de gesso são prfusds num estrutur metálic,

Leia mais

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis Manutençã Vensis Manutençã É módul que permite gerenciament da manutençã de máquinas e equipaments. Prgramaçã de manutenções preventivas u registr de manutenções crretivas pdem ser feits de frma

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES PROFESSOR: MARCOS AGUIAR MAT. BÁSICA I. FUNÇÕES. DEFINIÇÃO Ddos

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS Questã n 1 Cnheciments Específics O text dissertativ deve cmtemplar e desenvlver s aspects apresentads abaix. O papel d PPA é de instrument de planejament de médi/lng praz que visa à cntinuidade ds bjetivs

Leia mais

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA MANUAL ds LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA Objetiv 1. Oferecer as aluns a infra-estrutura e suprte necessári à execuçã de tarefas práticas, slicitadas pels prfessres, bservand s prazs estabelecids. 2. Oferecer

Leia mais

Artigo 12 Como montar um Lava Jato

Artigo 12 Como montar um Lava Jato Artig 12 Cm mntar um Lava Jat Antigamente era cmum bservar as pessas, n final de semana, cm seus carrs, bucha e sabã nas mãs. Apesar de ainda haver pessas que preferem fazer serviç suj szinhas, s lava

Leia mais

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis PCP Vensis PCP O PCP é módul de planejament e cntrle de prduçã da Vensis. Utilizad n segment industrial, módul PCP funcina de frma ttalmente integrada a Vensis ERP e permite às indústrias elabrar

Leia mais

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELADOS COM DIFERENTES TIOS DE TELAS Angéli Cervi, Rosne Bins, Til Deckert e edro A.. Borges 4. Resumo A modelgem mtemátic é um método de investigção que utiliz

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação Os nvs uss da tecnlgia da infrmaçã nas empresas Sistemas de Infrmaçã Prf. Marcel da Silveira Siedler siedler@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Planejament

Leia mais

Aula 8: Gramáticas Livres de Contexto

Aula 8: Gramáticas Livres de Contexto Teori d Computção Segundo Semestre, 2014 ul 8: Grmátics Livres de Contexto DINF-UTFPR Prof. Ricrdo Dutr d Silv Veremos gor mneir de gerr s strings de um tipo específico de lingugem, conhecido como lingugem

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E DE ÉTICA POLÍTICA SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO

CÓDIGO DE CONDUTA E DE ÉTICA POLÍTICA SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO CÓDIGO DE CONDUTA E DE ÉTICA POLÍTICA SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO POLÍTICA SOBRE PRESENTESE ENTRETENIMENTO Oferecer u receber presentes cmerciais e entreteniment é frequentemente uma frma aprpriada

Leia mais

ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA. O ENCONTROCAS é um evento semestral realizado pelo Instituto Superior de

ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA. O ENCONTROCAS é um evento semestral realizado pelo Instituto Superior de Faculdade de Ciências Sciais Aplicadas de Bel Hriznte Institut Superir de Educaçã Curs de Pedaggia ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA O ENCONTROCAS é um event semestral

Leia mais

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza Operdores momento e energi e o Princípio d Incertez A U L A 5 Mets d ul Definir os operdores quânticos do momento liner e d energi e enuncir o Princípio d Incertez de Heisenberg. objetivos clculr grndezs

Leia mais

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps Realizads pela Direçã-Geral das Artes Avaliaçã da Utilidade ds Wrkshps Títul: Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps realizads pela

Leia mais