O RIO TIETÊ: O PROCESSO HISTÓRICO E SUA IMPORTÂNCIA PARA SÃO PAULO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O RIO TIETÊ: O PROCESSO HISTÓRICO E SUA IMPORTÂNCIA PARA SÃO PAULO"

Transcrição

1 O RIO TIETÊ: O PROCESSO HISTÓRICO E SUA IMPORTÂNCIA PARA SÃO PAULO Ana Beatriz König de Oliveira Graduanda em Geografia Universidade Federal de Viçosa 271 Resumo: O Tietê é o mais importante rio do Estado de São Paulo e um dos mais importantes da região Sudeste. Ele é um dos únicos rios que corre no sentido contrário, ou seja, do litoral para o interior. Sua história é quase tão antiga quanto o descobrimento do Brasil. Durante muitos séculos, ele foi a principal forma dos bandeirantes chegarem ao interior do Estado de São Paulo e a região central e norte do Brasil. O objetivo deste trabalho é coletar dados e analisar como a história do Rio Tietê influenciou no processo de crescimento e urbanização da cidade de São Paulo e quais as consequências dessa urbanização desordenada que resultou nos problemas de enchentes e poluição da água do Rio. Para a construção desse trabalho, foram analisados livros, artigos, mapas e reportagens. Palavra-chave: Rio Tietê; Poluição; Enchentes; São Paulo The Tietê River is the most important river of the state of São Paulo and one of the most important rivers of the Brazilian Southeast. He is one of the few rivers that flows in the opposite direction, which means, from the coast to the interior. His story is almost as old as the discovery of Brazil. For many centuries it was the main form of Scouts reach the interior of the state of São Paulo and the central and northern regions of Brazil. The objective of this study is to collect data and analyze how history influenced the Tietê River in the growth and urbanization of the city of São Paulo and the consequences of this unplanned urbanization has resulted in the problems of flooding and pollution of the river water. To construct this work, books, articles, maps and reports were analyzed. Keywords: Tietê River; Pollution; Flood; São Paulo Eixo Temático: 2 Clima, Ambiente e Sociedade

2 INTRODUÇÃO O Rio Tietê é um dos mais conhecidos rios da América Latina e do mundo, com enorme importância econômica para a região Sudeste e principalmente para o Estado de São Paulo por ter uma grande capacidade de escoar as produções industriais e agrícolas, ainda pouco aproveitadas, que possibilitará o Estado de São Paulo exportar toda a sua riqueza pela malha fluvial do Tietê para todos os países do MERCOSUL. O Rio é conhecido por atravessar a Região Metropolitana da cidade de São Paulo, a maior metrópole da América Latina. 272 O Rio nasce a metros do nível do mar, na cidade de Salesópolis, município da Região Metropolitana de São Paulo, nas encostas da Serra do Mar. Sua nascente se localiza a 22 km do Oceano Atlântico e a 96 km da capital do Estado de São Paulo em uma área coberta pela Mata Atlântica. Ele percorre quilômetros no sentido leste oeste até a sua foz no Rio Paraná, na divisão com o Estado do Mato Grosso do Sul. Ao contrário da maioria dos rios que correm no sentido do mar, o Tietê corre sentido interior por não conseguir sobrepor a Serra do Mar. Em seu trajeto, ele banha 62 municípios paulistas (Figura 1). Para esse trabalho, foram utilizados procedimentos metodológicos com base na pesquisa qualitativa. Foram feitos levantamentos bibliográficos e documentais a respeito do tema. O trabalho tem como objetivo de estudo o Rio Tietê e a sua importância para o desenvolvimento de São Paulo e como esse desenvolvimento prejudicou o Rio. O Rio Tietê é tão importante para o povo paulista e paulistano, que até o escritor Mário de Andrade deixa registrado as forma de admiração pelo gigante que corta todo o estado de São Paulo, travando um percurso pouco comum aos cursos habituais das águas e insiste em correr sentido interior e não para o mar. Meu rio, meu Tietê, onde me levas? Sarcástico rio que contradizes o curso das águas E te afastas do mar e te adentras na terra dos homens, Onde me queres levar?... Por que me proíbes assim praias e mar, por que Me impedes a fama das tempestades do Atlântico E os lindos versos que falam em partir e nunca mais voltar?" Mário de Andrade

3 273 Figura 1 - Trajeto do Rio Tietê. Fonte: Departamento de Águas e Energia Elética do Estado de São Paulo. HISTÓRIA DO RIO TIETÊ Os significados do nome do Rio são controversos. Para o historiador João Mendes de Almeira, Tietê quer dizer grande rio, onde ti significa água, rio, e etê, exprime o superlativo. Até1730, Tietê era o nome dado ao rio desde a nascente até a cidade de Salto. De Salto até a sua foz, o rio era chamado de Rio Anhembi. Em 1748, o nome Tietê apareceu pela primeira vez no mapa D Anville Essa dualidade existiu até 1840 (Figura 2).

4 274 Figura 2 - Mapa de Jean-Baptiste Bourguignon D'Anville. Amerique Meridionale David Rumsey Collection, Paris. O Rio Tietê era a principal via de acesso dos bandeirantes para se chegar ao interior de São Paulo e no Estado de Mato Grosso do Sul. Durante os séculos XIX e início do século XX, o Rio Tietê foi local de lazer e entretenimento permitindo a pescaria, a prática de esportes aquáticos, como remo e natação, além de piqueniques e partidas de futebol em suas margens. Com o crescimento da cidade de São Paulo na virada do século XIX para o século XX, a necessidade constante de energia foi aumentando. Na virada do século

5 XX em São Paulo 73,23% da energia que se utilizava era gerada a vapor; 21,87% de natureza hidráulica e apenas 4,29% proveniente da eletricidade, havendo também uma incipiente produção de gás que perfazia 0,47% (ROCHA, 1991, p. 37) A empresa canadense Light (antecessora da Eletropaulo) recebeu em 1899, no governo Campo Salles, o direito de explorar os serviços de transportes urbanos em São Paulo. A concessionária sempre preferiu aproveitar as águas do rio Tietê para atender a produção de energia. Em meados de 1930, a empresa auxiliou no processo de retificação do rio Tietê para que houvesse terrenos para ocupação de pessoas e indústrias (Figura 3). 275 Figura 3 - Projeto de retificação anterior ao projeto do Eng. Saturnino de Brito Fonte: Livro Algo do Tietê hoje. Em 1905, o então Secretário da Agricultura, Carlos Botelho, solicitação sanitarista Francisco Rodrigues Saturnino Rodrigues de Brito que estudasse os rios de São Paulo (Leis n o , de 1927, e n o 3.295, de 1929)e em 1911, o relatório entregue por Brito indicava os rios Tietê e Guarapiranga como futuros mananciais destinados ao abastecimento público (ROCHA, 1991, p.37). Em 1926, Saturnino de Brito reforça a importância de ter o rio como um manancial de abastecimento e sugere uma regularização para controlar as enchentes e permitir a navegação, assim como havia sido feito nos rios europeus, Sena, Tâmisa e outros. Essa regularização consistia em um canal escavado, com taludes de inclinação considerados adequadas pelos conhecimentos geotécnicos de hoje. Havia duas

6 hipóteses: a primeira consistia em uma seção trapezoidal com base inferior de 91m e com um talude de 3,50 m de altura colocado em cima de outro trapézio de base inferior de 105 m e com taludes de 1m de altura e 37,50 m de largura cada um. A pista viária da margem esquerda estaria 180 m distante da pista viária da margem direita. A outra seção proposta era múltipla trapezoidal, com duas partes laterais mais escavadas e separadas por uma ilha central longitudinal, que em caso de cheia, essa seria submersa. A distância entre as vias marginais também eram de 180 m. O plano (Figura 4) ainda previa a construção de duas lagoas, uma a jusante da Ponte das Bandeiras e outra a montante. A capacidade de cada uma seria de um milhão de metros quadrados. Essas lagoas também poderiam ser utilizadas para a prática de esportes e recreação e ainda previa a navegação e a implantação de quatro eclusas. 276 O interessante no projeto é que a partir dos 180 m livres entre as pistas, seria implantada, em cada margem, uma faixa de 14,50 m para os trabalhos de manutenção. Com a altura da água a 4,50m, a vazão seria de 670 m³/s. Na Via Anhanguera, um dos pontos mais críticos do Tietê na capital, caso a altura da água atingisse 8 m de altura, a vazão seria de 1850 m³/s, o que ainda permitiria operações de manutenção e limpeza. Mas infelizmente o plano de Saturnino de Brito não foi implantado, mesmo com outras obras de sucesso em outras cidades brasileiras. Em 1927, João Florence de Ulhoa Cintra estava à frente da Comissão de Melhoramentos do Tietê e modificou o projeto, eliminando as comportas e o lagos. A ocupação do vale marginal se daria com avenidas e pontes. Em 1928, a intenção era de iniciar o conjunto de obras denominado Plano Avenidas, diferente do que Saturnino de Brito projetou. Em 1929 ocorreu uma grande cheia do Rio e nesse mesmo ano, com o falecimento do sanitarista e com a Crise Econômica, a obra parou. Em 1930 e 1932, os movimentos revolucionários mantiveram as obras estagnadas. Somente em 1938, no governo Prestes Maia as obras foram iniciadas e em 1950 a obra de retificação foi concluída.

7 277 Figura 4 - Projeto do Engenheiro Saturnino de Brito Fonte: Livro Algo do Tietê Hoje. Atualmente, o Rio Tietê possui grande importância econômica para o Estado já que tem um alto potencial elétrico, o que permite a criação de represas que geram energia elétrica para abastecer várias regiões. As principais represas são: Edgar de Souza (em Santana do Parnaíba), Pirapora do Bom Jesus (no município de Pirapora do Bom Jesus), Laras (próximo a Laranjal Paulista), Anhembi (no município de Anhembi), Barra Bonita (no município de Barra Bonita), Ibitinga (entre Borborema e Icanga) Três Irmãos (entre Andradina e Pereira Barreto) e Promissão (entre Promissão e Avanhandava). Juntas, essas usinas hidrelétricas podem produzir mais de 1GW. POLUIÇÃO E CONTAMINAÇÃO Com a exploração de ouro e ferro em algumas regiões ao longo do rio Tietê no século XVII, as águas já sofriam alterações quanto à sua qualidade, cor e turbidez devido aos metais pesados que eram despejados no rio. As consequências na época eram desconhecidas. Em 1901 já se falava que as águas do rio Tietê eram poluídas em função da criação de suínos na região de Mogi das Cruzes e Guarulhos e do despejo de esgoto, sem tratamento, das moradias ao seu redor. A implantação de indústrias no entorno e o despejo de resíduos industriais colaborou para o aumento da poluição (ALVIM, 2006).

8 Na década de 1920 (Figura 5), sanitaristas e engenheiros da Companhia de Melhoramentos de São Paulo defendeu que era necessário retificar e desassorear o leito do Rio Tietê com o intuito de acabar com as suas enchentes. Nesse período, a cidade de São Paulo vivia uma época em que se buscava o desenvolvimento e o progresso a todo custo, e, portanto, era necessário para que pudessem ocupar os terrenos das várzeas dos rios Tamanduateí e Tietê para a construção de pistas. As obras fizeram com que as tradicionais atividades às margens do Rio acabassem e a região virou um depósito de lixo. 278 Figura 5 - Rio Tietê na década de Fonte: Departamento de Águas e Energia Elétrica do Estado de São Paulo DAEE Na década de 1940, a água do rio começou a queimar as plantas quando utilizada na irrigação das hortaliças e plantas ornamentais (ROCHA, 1991, p.45). Para piorar a situação, nas décadas de 40 e 50, o então prefeito Adhemar de Barros resolveu interligar as redes de esgoto da cidade fazendo com que elas desembocassem no rio Tietê. Em 1950, o crescimento populacional de São Paulo continuou e de forma desorganizada. O esgoto dessas casas e indústrias era jogado no Rio sem nenhum tipo de tratamento o que causou a poluição e contaminação das águas do Rio. O transporte fluvial, comercial e recreativo perdurou na Zona Metropolitana de São Paulo até o início dessa década.

9 A substituição da vegetação por superfícies impermeabilizadas, a velocidade de vazão das águas do Rio na capital aumentou (Figura 6). O desmatamento e a destruição da mata ciliar, uso do solo para agricultura, além de fertilizantes e agrotóxicos, barragens de usinas hidrelétricas e lançamento de esgotos domésticos e industriais. Todos esses fatores são causadores da poluição e contaminação das águas do rio Tietê. Na Região Metropolitana de São Paulo, esses problemas são ainda maiores. 279 Figura 6 - Rio Tietê no trecho da cidade de São Paulo Fonte: Departamento de Águas e Energia Elétrica do Estado de São Paulo Em 1968, começa a preocupação com a qualidade das águas e do ar do Estado de São Paulo. A Companhia de Tecnologia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo a CETESB foi criada com a finalidade de levantar dados, diagnosticar, estudar e propor medidas que controlassem a poluição. Na década de 1970, mesmo com a preocupação com a qualidade das águas, os governantes não faziam muitos planos para a recuperação das águas do Tietê. Também não havia por parte da população uma consciência ambiental. Esses fatos se agravaram ainda mais pela Ditadura Militar que não pretendia gastar dinheiro com um projeto de tratamento e recuperação do rio.

10 A Ditadura Militar organizou a economia do Brasil a partir do planejamento do Estado. Foi nesse contexto que a cidade de São Paulo foi inserida no sistema global e foi elevada a cidade global. As noções de modernização e os componentes sociais e políticos foram perdendo o sentido durante esse período. Na década de 1980, o crescimento populacional e a expansão econômica de São Paulo agravaram ainda mais os níveis de poluição do rio. Mas a poluição não está presente em toda a extensão do rio Tietê. Na nascente em Salesópolis, a água brota limpa e cristalina. O próximo município por onde passa o rio é Biritiba-Mirim. Nesse trecho já é possível ver os primeiros sinais de poluição das águas causados por fertilizantes e agrotóxicos. Na cidade de Mogi das Cruzes, a 45 quilômetros da nascente, inicia-se o lançamento dos esgotos domésticos e industriais (cerca de 60 toneladas por dia) sem nenhum tratamento no Rio. Em Guarulhos, esse número aumenta para 680 toneladas de por dia e nesse trecho ocorre à diminuição da vazão e da largura do Rio Tietê. No trecho de São Paulo do Rio Tietê, o índice de contaminação atinge o seu maior nível. São cerca de toneladas de esgoto despejados no Rio. 280 No trecho seguinte à capital, em Pirapora do Bom Jesus, a existência de acidentes naturais como cachoeiras, faz com que os detergentes que são jogados no Rio formem espumas brancas. Mas essa agitação ajuda a oxigenar e movimentar a água, deixando-a mais limpa. Após o município de Salto a qualidade da água começa a melhorar novamente. No município de Laranjal Paulista, o Rio Sorocaba deságua no Rio Tietê, trazendo águas com melhor qualidade. No trecho que corta o município de Conchas, o Rio já tem oxigênio o que permite a existência de peixes, plantas, algas e micro-organismos na água. Em Barra Bonita, a água já recebe um bom tratamento, mas ainda está longe do recomendado. Segundo um relatório lançado pela CETESB em 2012, o esgoto ainda é o principal vilão do rio Tietê. A qualidade da água sai ótima de Salesópolis, continua ótima em Biritiba-Mirim em Mogi das Cruzes e em Suzano passa para ruim e em Guarulhos já está péssima. Em 1992, foi criado pelo Governo do Estado de São Paulo por meio da Sabesp, o Projeto de Despoluição do Rio Tietê (Figura 7). O objetivo principal era ampliar a coleta e o tratamento dos esgotos domésticos e industriais na Região Metropolitana de São Paulo. O projeto foi dividido em quatro etapas.

11 Figura 7 - Projeto Tietê Fonte: Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo Sabesp 281 1ª etapa (1992 a 1998): consistiram na coleta e afastamento do esgoto das moradias de aproximadamente 250 mil pessoas. Em relação às águas, não houve mudanças no trecho da Região Metropolitana de São Paulo. No trecho do Médio Tietê, ocorreu uma melhora significativa. Houve um decréscimo na poluição orgânica principalmente nas cidades de Salto, Porto Feliz, Itu e Anhembi. 2ª etapa (2000 a 2008): O volume médio do esgoto tratado na Região Metropolitana de São Paulo passou de 11 mil para 16 mil litros por segundo. Isso significa70% dos esgotos coletados. Segundo a Sabesp, nesta etapa foi possível atingir uma cobertura global em coleta de esgotos de 84% da população urbana da Região Metropolitana de São Paulo. 3ª etapa (2010 a 2016): a meta dessa etapa é ampliar os índices de coleta e tratamento dos esgotos dos municípios da Região Metropolitana de São Paulo. Até 2015, espera-se que 30 km do trecho paulistano do rio voltem a ter vida e os outros 30 km deixem de ter odor desagradável. Segundo a presidente da Sabesp, Dilma Pena, até 2025, o rio deve estar despoluído e com peixes no trecho de São Paulo. Mas para a ONG SOS Mata Atlântica, só terá peixes nesse trecho se forem caborja ou tamboatá, pois esses são mais resistentes e não dependem do oxigênio da água para respirar, já que eles colocam a cabeça para fora d água para respirar.

12 ENCHENTES As enchentes na cidade de São Paulo não possuem apenas um fator causador e sim, uma soma de fatores que resultam nas enchentes. O rio Tietê sempre foi um rio com meandros e com a sua retilinização para a construção de avenidas, o seu curso natural foi modificado. A construção das marginais se deu em áreas naturalmente alagadiças (Figuras 8 e 9). 282 Figura 8 - Seção transversal típica em dia de sol. Fonte:baciashidrografias.no.comunidades.net Figura 9 - Seção transversal típica em dia de cheia. Fonte: baciashidrografias.no.comunidades.net Para canalizar e construir as avenidas, foi necessária a retirada da vegetação e a substituição por superfícies impermeabilizadas, como asfalto e concreto, que impedem a absorção das águas das chuvas. Como não têm para onde ir, as águas escoam até o nível mais baixo, o rio Tietê. Quando esse recebe um volume muito maior de água do que a sua vazão suporta, ele transborda. A falta de limpeza e manutenção das calhas do rio e dos piscinões agrava ainda mais a situação. Existe uma área lateral, logo abaixo das pistas da Marginal, que são responsáveis por absorver as águas das enchentes. Quando essa faixa está limpa, sem lixo, mato ou entulho, esse processo ocorre normalmente. Há a enchente, mas não ocorre a inundação das pistas da Marginal.

13 A água do rio chega à capital com uma quantidade de material sólido que diminui a profundidade do rio Tietê para 3 a 4 metros, sendo que o necessário para as águas terem vazão seria uma profundidade entre 6 e 7 metros. Isso também ocorre pela falta de limpeza da calha. A retirada das árvores para a duplicação da Marginal também é um fator determinante para a ocorrência de enchentes. Por tanto, nota-se que é uma série de fatores responsáveis pela ocorrência de inundações. Para diminuir com o problema das enchentes, em 1995, durante o governo de Mário Covas, decide-se aprofundar a calha do rio Tietê na cidade de São Paulo e em outros municípios da Região Metropolitana. O projeto de melhorias foi dividido em duas fases. 283 Na Fase I (entre 1998 e 2000), o Departamento de Águas e Energia Elétrica DAEE fez intervenções onde está localizado o complexo viário do Cebolão. Com o rebaixamento médio de 2,5 m da calha, a vazão do rio aumentou em 40%. Na Fase II (entre 2002 e 2005), as obras ocorreram em 24,5 km entre o Cebolão e a Barragem da Penha. Essa fase do projeto retirou 6,8 milhões de m³ de solo e rochas. A ampliação da largura do canal foi entre 41 e 46 metros e a vazão do rio Tietê aumentou de 640 para 1060 m³/s próximo ao Cebolão. Em 2009, o DAEE anunciou o Parque das Várzeas do Tietê (figura 14), que ligará o Parque Ecológico do Tietê, na capital, com o Parque Nascentes do Tietê em Salesópolis. Será o maior parque linear do mundo, com 75 km extensão e uma área de 107 km². As obras começaram em 2011 e a previsão é que ele fique pronto em 2020 e custe R$ 1,7 bilhão. A ideia é que o Parque tenha mata ciliar no seu percurso para ajudar no controle de enchentes. Figura 10 - Projeto do Parque Várzeas do Tietê. Fonte: Departamento de Águas e Energia Elétrica do Estado de São Paulo DAEE

14 DISCUSSÃO E RESULTADOS O rio Tietê poderia ser um dos mais lindos do Brasil, mas uma sucessão de erros em suas obras, a ambição para transformar São Paulo no maior pólo industrial da América Latina e a falta de planejamento acabaram comprometendo a qualidade e a dinâmica do rio. O conturbado processo evolutivo de ocupação territorial e de industrialização são uma das principais razões pelo rio Tietê se encontrar na atual situação. Nota-se que, quanto maior a concentração urbana, menor a qualidade da água. 284 Desde o início do século XX, poucas pessoas já lutavam para a preservação das águas do rio, mas apenas na década de 1990 que a preservação se tornou uma prioridade e a grande população começou a se conscientizar da importância do rio para a cidade e para o Estado. Se o projeto de Saturnino de Brito tivesse sido executado, muitas enchentes teriam sido evitadas ao longo desses 88 anos, já que seu plano consistia em obras contra inundações, descarga de esgotos de forma adequada e navegação no trecho da capital. O sanitarista também ressaltou a necessidade da preservação das florestas devido ao controle de enchentes e a construção de dois grandes lagos para conter as águas em caso de cheias e que também serviriam para o lazer da população. E para completar, havia 35,50 m em cada margem caso houvesse a necessidade de se ampliar a largura do rio. Isso sem alterar os 10 m reservados em cada margem para a limpeza e manutenção das calhas. Infelizmente Saturnino de Brito não foi ouvido e somente hoje entendemos que deveria ser. Mais do que nunca sabermos o quanto são necessários projetos adequados para conter as enchentes e melhorar a qualidade das águas do rio. BIBLIOGRAFIA AB SABER. Aziz. Natureza primária de São Paulo de Piratininga. Scientific American Brasil, edição 25, junho 2004, Duetto Editorial, 2004a. Disponível em <http://www2.uol.com.br/sciam/artigos/natureza_primaria_de_sao_paulo_de_pirati ninga.html>. Acesso em 13 dez ALVIM, Angélica Aparecida Tanus Benatti et al. A modernidade e os conflitos sócio - ambientais em São Paulo: um olhar sobre o Plano Diretor Estratégico Municipal.. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM AMBIENTE E SOCIEDADE (ANPPAS), 3., 2006, Brasília. Anais.... São Paulo: Annablume, p Disponível em: <http://www.anppas.org.br/encontro_anual/encontro3/arquivos/ta DOC>. Acesso em: 13 dez

15 ANDRADE, Mário de. Poesias completas. 3ª edição. São Paulo: Martins, INL, BRASIL. Ministério do Meio Ambiente nº 9.984, de Agência Nacional de Águas. Brasília, DF, FOLHA DE SÃO PAULO (São Paulo) (Ed.). Rio Tietê perderá o cheiro ruim até 2015, diz governo Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/ rio-tiete-perdera-o-cheiro-ruimate-2015-diz-governo.shtml>. Acesso em: 13 dez PRIZIBISCZKI, Cristiane. Tietê: um rio, muitos problemas Elaborada por O Eco. Disponível em: <http://www.oeco.org.br/reportagens/23245-tiete-um-riomuitos-problemas>. Acesso em: 13 dez ROCHA, A. A. Do Lendário Anhembi ao Poluído Tietê. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo EDUSP, p. 285 ROSA, Giovanni Santa. Do outro lado do rio: o que está sendo feito hoje para recuperar o Rio Tietê Elaborada por Gizmodo. Disponível em: <http://gizmodo.uol.com.br/do-outro-lado-do-rio-terceira-parte/>. Acesso em: 12 dez SÃO PAULO (Estado). Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo. São Paulo, SP, 1973 SÃO PAULO (Estado). Departamento de Águas e Energia Elétrica. São Paulo, SP, 1951 SÃO PAULO (Estado). O Rio Tietê e A Hidrovia. São Paulo, SÃO PAULO, jan Biblioteca Virtual do Governo do Estado de São Paulo. Disponível em: <http://www.bibliotecavirtual.sp.gov.br/pdf/saopaulo-riotiete.pdf>. Acesso em: 16 nov ZANIRATO, Sílvia Helena. História da Ocupação e das Intervenções na Várzea do Rio Tietê. Revista Crítica Histórica, Maceió, v. II, n.4, p , dez Disponível em: <http://www.revista.ufal.br/criticahistorica/attachments/article/108/história da ocupação e das intervenções na várzea do rio tietê.pdf>. Acesso em: 13 dez ZUCOLO, Renato Mattos. Algo do Tietê Hoje.: Leito, Várzea e Afluentuba. São Paulo: Nova Bandeira Produções Editoriais, p.

Poluição do rio Tietê

Poluição do rio Tietê Poluição do rio Tietê Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente / Terra e Universo Tema Água e vida; uso dos recursos naturais / a ocupação do espaço e suas consequências / desequilíbrio ambiental / desenvolvimento

Leia mais

Núcleo União Pró-Tietê. Água : O ouro azul do planeta

Núcleo União Pró-Tietê. Água : O ouro azul do planeta Núcleo União Pró-Tietê Água : O ouro azul do planeta Água A água é um mineral, elemento químico simples (H 2 O) fundamental para o planeta. Forma oceanos, geleiras, lagos e rios. Cobre ¾ da superfície

Leia mais

PLANO DIRET O DIRET R O DE MACR MA ODRENA CR GEM ODRENA DA BACIA DO ALTO TIETÊ

PLANO DIRET O DIRET R O DE MACR MA ODRENA CR GEM ODRENA DA BACIA DO ALTO TIETÊ PLANO DIRETOR DE MACRODRENAGEM DA PLANO DIRETOR DE MACRODRENAGEM DA BACIA DO ALTO TIETÊ MAPA DE LOCALIZAÇÃO A ANÁLISE E O ENCAMINHAMENTO DE SOLUÇÕES PARA AS QUESTÕES DE DRENAGEM URBANA TÊM SIDO UM DOS

Leia mais

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11 Águas Continentais do Brasil Capítulo 11 As reservas brasileiras de água doce O Brasil é um país privilegiado pois detém cerca de 12% da água doce disponível no planeta; Há diversos problemas que preocupam:

Leia mais

A HIDROSFERA. Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato

A HIDROSFERA. Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato A HIDROSFERA Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato A HIDROSFERA A água é o mais abundante solvente natural que atua no sentido de desagregar, ou seja, fragmentar

Leia mais

Departamento de Águas e Energia Elétrica

Departamento de Águas e Energia Elétrica 13 de Novembro de 2012 Departamento de Águas e Energia Elétrica O DAEE foi criado há 60 anos, em 12/12/1951, tendo como principais competências, no âmbito do Estado de SP: Elaborar o planejamento, os estudos,

Leia mais

- RJ O Gerenciamento dos Recursos HídricosH nas grandes Cidades. Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp

- RJ O Gerenciamento dos Recursos HídricosH nas grandes Cidades. Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp III Pré-ENCOB - RJ O Gerenciamento dos Recursos HídricosH nas grandes Cidades Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo - Sabesp 5ª Maior

Leia mais

A curiosa história do Engenheiro Billings, o homem que fez os rios correrem ao contrário, e mudou para sempre a cidade de São Paulo.

A curiosa história do Engenheiro Billings, o homem que fez os rios correrem ao contrário, e mudou para sempre a cidade de São Paulo. A curiosa história do Engenheiro Billings, o homem que fez os rios correrem ao contrário, e mudou para sempre a cidade de São Paulo. Engenheiro Billings, O homem que mudou São Paulo Capa de uma revista

Leia mais

SEMINÁRIO ENCHENTES NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO SITUAÇÃO ATUAL DA CALHA DO RIO TIETÊ

SEMINÁRIO ENCHENTES NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO SITUAÇÃO ATUAL DA CALHA DO RIO TIETÊ SEMINÁRIO ENCHENTES NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO SITUAÇÃO ATUAL DA CALHA DO RIO TIETÊ 10 de novembro de 2009 DAS CHEIAS ÀS INUNDAÇÕES Em meados do século XIX, surgem os primeiros registros da transformação

Leia mais

PARQUE VÁRZEAS TIETÊ

PARQUE VÁRZEAS TIETÊ INTRODUÇÃO PARQUE VÁRZEAS TIETÊ O Programa Parque Várzeas do Tietê (PVT), visa a recuperação da capacidade de contenção de cheias que ocorrem nas várzeas do rio Tietê desde a barragem da Penha até o município

Leia mais

Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO Bacia Hidrográfica Área drenada por um conjunto de rios que, juntos, formam uma rede hidrográfica, que se forma de acordo com elementos fundamentais como o clima

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PRESERVAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO MACHADO

EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PRESERVAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO MACHADO EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PRESERVAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO MACHADO FÁBIO VIEIRA MARTINS Pós-graduando em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP fabio.vieirageo@hotmail.com

Leia mais

Águas do Planeta. Nascente Curso Superior Margem Direita Meandro Curso Médio Margem Esquerda Afluente Curso Inferior Foz Em Delta Foz Em Estuário

Águas do Planeta. Nascente Curso Superior Margem Direita Meandro Curso Médio Margem Esquerda Afluente Curso Inferior Foz Em Delta Foz Em Estuário PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= Águas do Planeta

Leia mais

Maubertec (2001) Projeto de Melhoria Hidráulica do Rio Tietê

Maubertec (2001) Projeto de Melhoria Hidráulica do Rio Tietê Maubertec (2001) Projeto de Melhoria Hidráulica do Rio Tietê Realizado a pedido do DAEE, contém, dentre outras coisas, especificações da eclusa da Barragem Móvel e estudos hidráulicos e hidrológicos realizados

Leia mais

ANÁLISE ENERGÉTICA DO RIO TIETÊ A ENERGIA E SUAS POSSIBILIDADES

ANÁLISE ENERGÉTICA DO RIO TIETÊ A ENERGIA E SUAS POSSIBILIDADES ANÁLISE ENERGÉTICA DO RIO TIETÊ A ENERGIA E SUAS POSSIBILIDADES Matheus Henrique Soares Zanqueta¹; Antonio Carlos Caetano de Souza² UFGD-FAEN, C. Postal 533, 79804-970 Dourados-MS, E-mail: matheuszanqueta@outlook.com

Leia mais

BACIA DO RIO DAS VELHAS

BACIA DO RIO DAS VELHAS BACIA DO RIO DAS VELHAS A bacia hidrográfica do rio das Velhas está localizada na região central do estado de Minas Gerais, entre as coordenadas 17 o 15 e 20 o 25 S - 43 o 25 e 44 o 50 W, apresentando

Leia mais

REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS.

REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS. REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS. BACIA HIDROGRÁFICA. É UMA REDE DE TERRAS DRENADAS POR UM RIO E SEUS PRINCIPAIS AFLUENTES.

Leia mais

Hidrografia - Brasil. Professora: Jordana Costa

Hidrografia - Brasil. Professora: Jordana Costa Hidrografia - Brasil Professora: Jordana Costa As reservas brasileiras de água doce O Brasil é um país privilegiado em relação a disponibilidade de água; Possui cerca de 12% de água doce do planeta em

Leia mais

-- De São Paulo a Santos -- Colégio Santa Clara Prof. Marcos

-- De São Paulo a Santos -- Colégio Santa Clara Prof. Marcos -- De São Paulo a Santos -- Colégio Santa Clara Prof. Marcos São Paulo tem déficit de água Região Metropolitana de São Paulo População: aprox. 20 milhões Consumo médio de água: 73 mil litros por segundo

Leia mais

RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE 7ºS ANOS. Bacia Hidrográfica é a área drenada por um rio principal e todos os seus afluentes e subafluentes.

RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE 7ºS ANOS. Bacia Hidrográfica é a área drenada por um rio principal e todos os seus afluentes e subafluentes. RECUPERAÇÃO 2º TRIMESTRE 7ºS ANOS Bacia Hidrográfica é a área drenada por um rio principal e todos os seus afluentes e subafluentes. BACIAS HIDROGRÁFICAS BRASILEIRAS BACIAS INDEPENDENTES BACIAS SECUNDÁRIAS

Leia mais

Mudanças Climáticas: Efeitos Sobre a Vida e Impactos nas Grandes Cidades. Água e Clima As lições da crise na região Sudeste

Mudanças Climáticas: Efeitos Sobre a Vida e Impactos nas Grandes Cidades. Água e Clima As lições da crise na região Sudeste Mudanças Climáticas: Efeitos Sobre a Vida e Impactos nas Grandes Cidades Água e Clima As lições da crise na região Sudeste Mudanças Climáticas: Efeitos Sobre a Vida e Impactos nas Grandes Cidades A água

Leia mais

BACIA HIDROGRÁFICA URBANIZADA: O CASO DO RIO IMBOAÇU SÃO GONÇALO (REGIÃO METROPOLITANO DO RIO DE JANEIRO)

BACIA HIDROGRÁFICA URBANIZADA: O CASO DO RIO IMBOAÇU SÃO GONÇALO (REGIÃO METROPOLITANO DO RIO DE JANEIRO) BACIA HIDROGRÁFICA URBANIZADA: O CASO DO RIO IMBOAÇU SÃO Martins, V.A. 1 ; Menezes, C.R. 2 ; Salgado, C.M. 3 ; 1 UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Email:viamaralinda@gmail.com; 2 UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

Leia mais

Desafios e metas do Estado de São Paulo

Desafios e metas do Estado de São Paulo 1º Seminário Saneamento Básico Universalização do Saneamento: Desafios e Metas para o Setor 07 de novembro de 2011 Desafios e metas do Estado de São Paulo Edson Giriboni Secretário de Saneamento e Recursos

Leia mais

DOSSIÊ Sistema Rio Grande

DOSSIÊ Sistema Rio Grande Espaço das Águas Fundação Patrimônio Histórico da Energia e Saneamento Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo Sabesp DOSSIÊ Sistema Rio Grande Fevereiro 2009 1. Histórico do Sistema Rio

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Bacias Hidrográficas Brasileiras. Prof. Claudimar Fontinele

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Bacias Hidrográficas Brasileiras. Prof. Claudimar Fontinele Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Bacias Hidrográficas Brasileiras Prof. Claudimar Fontinele BACIA HIDROGRÁFICA Bacia Hidrográfica é a área drenada por um rio principal

Leia mais

HIDROGRAFIA DO BRASIL

HIDROGRAFIA DO BRASIL Hidrografia características gerais HIDROGRAFIA DO BRASIL Bacias hidrográficas Reflete as condições de umidade do clima do país Rica em rios,, mas pobre em lagos Predominância de rios de planalto,, favoráveis

Leia mais

Oi amigos. A maioria de vocês já me conhece, eu sou o Kiko, o amigo do futuro, e vou apresentar a vocês o Tibum, que é o amigo da água.

Oi amigos. A maioria de vocês já me conhece, eu sou o Kiko, o amigo do futuro, e vou apresentar a vocês o Tibum, que é o amigo da água. Oi amigos. A maioria de vocês já me conhece, eu sou o Kiko, o amigo do futuro, e vou apresentar a vocês o Tibum, que é o amigo da água. 01 Água no corpo humano: cérebro 75% sangue 81% músculos 75% coração

Leia mais

A MULHER E O MANUSEIO DA ÁGUA A MULHER E O USO DA ÁGUA

A MULHER E O MANUSEIO DA ÁGUA A MULHER E O USO DA ÁGUA A MULHER E O USO DA ÁGUA A sociedade define as atividades que os seres humanos devem fazer a partir do seu sexo. Aos homens são destinadas aquelas consideradas produtivas, ou seja, que servem para ganhar

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

AVALIAÇÃO DA BALNEABILIDADE DAS PRAIAS DO MUNICÍPIO DE SANTOS/SP NOS ÚLTIMOS DEZ ANOS

AVALIAÇÃO DA BALNEABILIDADE DAS PRAIAS DO MUNICÍPIO DE SANTOS/SP NOS ÚLTIMOS DEZ ANOS Revista Ceciliana Jun 4(1): 55-59, 2012 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana AVALIAÇÃO DA BALNEABILIDADE DAS PRAIAS DO MUNICÍPIO DE SANTOS/SP NOS ÚLTIMOS

Leia mais

O retrato da água no Brasil na visão da Sociedade

O retrato da água no Brasil na visão da Sociedade O retrato da água no Brasil na visão da Sociedade Enfrentando a escassez da água O Dia da Água, instituído por resolução da assembleia das ONU em 22 de março de 1992, chama atenção da sociedade para a

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DRENAGEM NA BACIA DO RIO VERRUGA EM VITÓRIA DA CONQUISTA

AVALIAÇÃO DE DRENAGEM NA BACIA DO RIO VERRUGA EM VITÓRIA DA CONQUISTA Porto Alegre/RS 23 a 26/11/2015 AVALIAÇÃO DE DRENAGEM NA BACIA DO RIO VERRUGA EM VITÓRIA DA CONQUISTA UERITON DA COSTA FIGUEIREDO FILHO (*), ORLEANE SOUZA DE BRITO 2, LEONARDO GOMES MARTINS 3, ENDEL DE

Leia mais

Profa. Ana Luiza Veltri

Profa. Ana Luiza Veltri Profa. Ana Luiza Veltri EJA Educação de Jovens e Adultos Água de beber Como está distribuída a água no mundo? A Terra, assim como o corpo humano, é constituída por dois terços de água; Apenas 1% da quantidade

Leia mais

10 ANOS DO PLANO DIRETOR DE MACRODRENAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ALTO TIETÊ. 2 a 4 de dezembro de 2008 São Paulo VÁRZEAS DO TIETÊ

10 ANOS DO PLANO DIRETOR DE MACRODRENAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ALTO TIETÊ. 2 a 4 de dezembro de 2008 São Paulo VÁRZEAS DO TIETÊ 10 ANOS DO PLANO DIRETOR DE MACRODRENAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ALTO TIETÊ 2 a 4 de dezembro de 2008 São Paulo O PROJETO VÁRZEAS DO TIETÊ ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO Breve Histórico do Rio Tietê e a cidade

Leia mais

Paulo Massato Yoshimoto. Diretor Metropolitano - Sabesp

Paulo Massato Yoshimoto. Diretor Metropolitano - Sabesp Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp O papel da SABESP no ciclo de vida da água Redução do volume produzido. Preservação e despoluição dos mananciais. Água de reúso Controle de Perdas

Leia mais

Dilma Pena, secretária estadual de Saneamento e Energia de São Paulo

Dilma Pena, secretária estadual de Saneamento e Energia de São Paulo Dilma Pena, secretária estadual de Saneamento e Energia de São Paulo (pronunciamento na abertura do seminário Tecnologia e eficiência em saneamento ambiental, do Valor Econômico) O tripé formado por investimentos

Leia mais

Água. Material de Apoio - Água

Água. Material de Apoio - Água Água Material de Apoio Programa Escola Amiga da Terra Mapa Verde Realização: Instituto Brookfield Assessoria: Práxis Consultoria Socioambiental Este material foi utilizado pelos educadores participantes

Leia mais

Os desafios da gestão de recursos hídricos e as ações para redução do potencial de escassez de água

Os desafios da gestão de recursos hídricos e as ações para redução do potencial de escassez de água Os desafios da gestão de recursos hídricos e as ações para redução do potencial de escassez de água Mierzwa, José Carlos Departamento de Engenharia Hidráulica e Ambiental Escola Politécnica da Universidade

Leia mais

USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA

USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA ASGAM Assessoria de Gestão Ambiental Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos COGERH USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA Marcos Dantas Gestão Ambiental Pós-graduando em Biodiversidade e Sustentabilidade

Leia mais

Este caderno contém exercícios de fixação e passatempos sobre os temas: Água no cotidiano - Módulo 1. A oferta de água - Módulo 2

Este caderno contém exercícios de fixação e passatempos sobre os temas: Água no cotidiano - Módulo 1. A oferta de água - Módulo 2 professor Este caderno contém exercícios de fixação e passatempos sobre os temas:. Mapa conceitual sobre Água: Água no cotidiano - Módulo que são em três estados físicos A oferta de água - Módulo 2 é encontrada

Leia mais

SEMINÁRIO SOBRE A HIDROVIA TIETÊ-PARANÁ

SEMINÁRIO SOBRE A HIDROVIA TIETÊ-PARANÁ SEMINÁRIO SOBRE A HIDROVIA TIETÊ-PARANÁ ANTAQ PERSPECTIVAS DE AVANÇO DA INFRA-ESTRUTURA DO TIETÊ Oswaldo F. Rossetto Jr. Diretor Brasília DF 08 de agosto de 2007 SECRETARIA DOS TRANSPORTES HIDROVIA TIETÊ-PARANÁ

Leia mais

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES CICLO DE PALESTRAS E DEBATES PLC PROGRAMA Nº 30/11 NOVO PRODUTOR CÓDIGO FLORESTAL DE ÁGUA Ã NO GUARIROBA Á COMISSÃO DE AGRICULTURA E REFORMA AGRÁRIA DO SENADO FEDERAL Devanir Garcia dos Santos Gerente

Leia mais

Adensamento do tecido urbano e drenagem de águas pluviais Arquiteto Prof. Nestor Goulart Reis

Adensamento do tecido urbano e drenagem de águas pluviais Arquiteto Prof. Nestor Goulart Reis Adensamento do tecido urbano e drenagem de Arquiteto Prof. Nestor Goulart Reis Enchentes, no campo, são problemas naturais. Em áreas urbanas, são problemas sociais Nosso primeiro objetivo: origem dos problemas.

Leia mais

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água.

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. ÁGUA Água conhecida como elemento vital Comunidades primitivas evoluídas Água Sobrevivência História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. Civilizações mais primitivas comunidades nômades

Leia mais

DRENAGEM URBANA SUSTENTÁVEL

DRENAGEM URBANA SUSTENTÁVEL Fabiana Y. Kobayashi 3695130 Flávio H. M. Faggion 4912391 Lara M. Del Bosco 4913019 Maria Letícia B. Chirinéa 4912241 Marília Fernandes 4912683 DRENAGEM URBANA SUSTENTÁVEL escola politécnica - USP Novembro

Leia mais

A palavra transporte vem do latim trans (de um lado a outro) e portare (carregar). Transporte é o movimento de pessoas ou coisas de um lugar para

A palavra transporte vem do latim trans (de um lado a outro) e portare (carregar). Transporte é o movimento de pessoas ou coisas de um lugar para A palavra transporte vem do latim trans (de um lado a outro) e portare (carregar). Transporte é o movimento de pessoas ou coisas de um lugar para outro. Os transportes podem se distinguir pela possessão:

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2ª PROVA PARCIAL DE GEOGRAFIA

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2ª PROVA PARCIAL DE GEOGRAFIA COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012 2ª PROVA PARCIAL DE GEOGRAFIA Aluno(a): Nº Ano: 7º Turma: Data: 02/06/2012 Nota: Professor(a): EDVALDO DE OLIVEIRA Valor da Prova: 40 pontos Orientações

Leia mais

Água - Recurso Natural

Água - Recurso Natural - Recurso Natural PROF. Carla Gracy Ribeiro Meneses A água é um elemento essencial para a humanidade. Nosso corpo é composto por dois terços de água, isso equivalente ao nosso peso total. Curiosidades!

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO II ETAPA LETIVA GEOGRAFIA 5. o ANO/EF - 2015

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO II ETAPA LETIVA GEOGRAFIA 5. o ANO/EF - 2015 SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA MANTENEDORA DA PUC MINAS E DO COLÉGIO SANTA MARIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO II ETAPA LETIVA GEOGRAFIA 5. o ANO/EF - 2015 Caro(a) aluno(a), É tempo de conferir os conteúdos estudados

Leia mais

Características Gerais

Características Gerais Características Gerais O Brasil é atingido por : Planalto da Guianas, Cordilheira dos Andes e Planalto Brasileiro; É pobre em formações mas rico em rios; Ocorrem rios permanentes e temporários; ainda que

Leia mais

Localização Estoques Hídricos

Localização Estoques Hídricos ÁGUA USO RACIONAL FUNDAÇÃO RELICTOS Ciclo da Água Estado Físico da Água. Localização Estoques Hídricos Água no Mundo Água no Nosso Corpo 74% do nosso corpo também é constituído de água. Assim como a água

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso ESTUDO PRELIMINAR SOBRE O PROJETO DE CONSTRUÇÃO DO PARQUE NOSSA SENHORA DA PIEDADE

Trabalho de Conclusão de Curso ESTUDO PRELIMINAR SOBRE O PROJETO DE CONSTRUÇÃO DO PARQUE NOSSA SENHORA DA PIEDADE Trabalho de Conclusão de Curso ESTUDO PRELIMINAR SOBRE O PROJETO DE CONSTRUÇÃO DO PARQUE NOSSA SENHORA DA PIEDADE Rogéria Coutinho Santos Curso de Ciências Biológicas Belo Horizonte MG 2010 Rogéria Coutinho

Leia mais

A Ocupação do Sítio Urbano de São Paulo: implicações de ordem socioeconômica, espacial e ambiental. Plano de Aula

A Ocupação do Sítio Urbano de São Paulo: implicações de ordem socioeconômica, espacial e ambiental. Plano de Aula A Ocupação do Sítio Urbano de São Paulo: implicações de ordem socioeconômica, espacial e ambiental. Plano de Aula Urbanização em São Paulo Brasil Crise no Campo Estrutura Fundiária Mecanização Questões

Leia mais

Profº André Tomasini. TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 4A AULA 12 Águas Continentais

Profº André Tomasini. TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 4A AULA 12 Águas Continentais Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRENTE 4A AULA 12 Águas Continentais ÁGUAS CONTINENTAIS Os oceanos e mares cobrem 2/3 da superfície do planeta. Águas Oceânicas : Abrange oceanos e mares. Águas

Leia mais

Bacias hidrográficas do Brasil. Só percebemos o valor da água depois que a fonte seca. [Provérbio Popular]

Bacias hidrográficas do Brasil. Só percebemos o valor da água depois que a fonte seca. [Provérbio Popular] Bacias hidrográficas do Brasil Só percebemos o valor da água depois que a fonte seca. [Provérbio Popular] A água doce corresponde a apenas 2,5% do volume da hidrosfera. O Brasil é bastante privilegiado

Leia mais

A ocupação de várzeas na urbanização paulista: histórico e perspectivas

A ocupação de várzeas na urbanização paulista: histórico e perspectivas A ocupação de várzeas na urbanização paulista: histórico e perspectivas Seminário Enchentes II Prof. Dr. Eduardo A. C. Nobre IAB-SP / FAUUSP IE-SP / ABES/ IAB-SP / SINAENCO 11 de agosto 2010 1 O Sítio

Leia mais

Questões Climáticas e Água

Questões Climáticas e Água Questões Climáticas e Água Material de apoio para Monitoria 1. (UNICAMP-2012) O mapa abaixo indica a ocorrência de queda de neve na América do Sul. Observe o mapa e responda às questões. a) Que fatores

Leia mais

Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos

Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos 383 Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO PARANÁ NA GESTÃO AMBIENTAL DA CONSTRUÇÃO DA PONTE RODOVIÁRIA - BR- 262/SP/MS Jhonatan Tilio Zonta¹,* ; Eduardo

Leia mais

Uma faceta do problema de abastecimento de água na cidade de São Paulo: o (sub)aproveitamento da produção hídrica do rio Aricanduva.

Uma faceta do problema de abastecimento de água na cidade de São Paulo: o (sub)aproveitamento da produção hídrica do rio Aricanduva. Marcia Regina Fracaro dos Santos Geógrafa DG/FFLCH/USP E-mail: mrfracaro@usp.br Uma faceta do problema de abastecimento de água na cidade de São Paulo: o (sub)aproveitamento da produção hídrica do rio

Leia mais

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Região Norte 1. Qual a diferença entre região Norte, Amazônia Legal e Amazônia Internacional? A região Norte é um conjunto de 7 estados e estes estados

Leia mais

Gestão de águas urbanas: conquistas, desafios e oportunidades

Gestão de águas urbanas: conquistas, desafios e oportunidades Associação Brasileira de Recursos Hídricos Gestão de águas urbanas: conquistas, desafios e oportunidades Vladimir Caramori CTEC/UFAL Fortaleza, novembro de 2010 Gestão das águas urbanas Tema complexo reconhecido

Leia mais

Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo.

Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade IV Natureza sociedade: questões ambientais. Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo. 2 CONTEÚDO

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO.

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. Patrícia Pinheiro da Cunha 1, Magda Beatriz de Almeida Matteucci

Leia mais

COSEMA - FIESP Programas e Ações A para os grandes problemas da RMSP. Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp

COSEMA - FIESP Programas e Ações A para os grandes problemas da RMSP. Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp COSEMA - FIESP Programas e Ações A da Sabesp para os grandes problemas da RMSP Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp Evolução Populacional - RMSP Reversão da centrifugação Menor pressão

Leia mais

PORTO FLUVIAL DE PORTO DE PORTO ALEGRE

PORTO FLUVIAL DE PORTO DE PORTO ALEGRE PORTO FLUVIAL DE PORTO DE PORTO ALEGRE Integrantes: Mauricio Beinlich Pedro Granzotto Características físicas: O Porto de Porto Alegre é o mais meridional do Brasil. Geograficamente, privilegiado em sua

Leia mais

Hidrografia. Bacias hidrográficas no mundo. Relevo oceânico

Hidrografia. Bacias hidrográficas no mundo. Relevo oceânico Hidrografia Relevo oceânico Bacias hidrográficas no mundo BACIA HIDROGRÁFICA: Corresponde à área de captação de água superficial e subsuperficial para um canal principal e seus afluentes; portanto, é uma

Leia mais

ANEXO VII - TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO VII - TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO VII - TERMO DE REFERÊNCIA DERROCAMENTO DE PEDRAIS PARA DESOBSTRUÇÃO E ALARGAMENTO DA FAIXA NAVEGÁVEL DO RIO SÃO FRANCISCO, ENTRE SOBRADINHO E JUAZEIRO-BA/PETROLINA-PE ANEXO VII - TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

Proposta de Recuperação Ambiental na Área Urbana da Microbacia do Rio Ouro Monte

Proposta de Recuperação Ambiental na Área Urbana da Microbacia do Rio Ouro Monte Proposta de Recuperação Ambiental na Área Urbana da Microbacia do Rio Ouro Monte D. Mondardo a, P. P. Bellon b, L. B. Santos c, C. C. Meinerz D, A. F. Haoui E A.c. Universidade Estadual do Oeste do Paraná,

Leia mais

DEGRADAÇÃO AMBIENTAL DO RIO GAVIÃO

DEGRADAÇÃO AMBIENTAL DO RIO GAVIÃO DEGRADAÇÃO AMBIENTAL DO RIO GAVIÃO Marilia de Jesus Oliveira (*), Eriswagner Matos Soares, Bethania de Sousa Pires, Vanessa Carvalho de Oliveira * Instituto Federal da Bahia, Campus de Vitória da Conquista,

Leia mais

Formas de uso da água

Formas de uso da água Formas de uso da água INTRODUÇÃO A água é utilizada para várias atividades humanas: uso doméstico, geração de energia, irrigação, navegação, lazer, entre outras atividades. Distribuição relativa do consumo

Leia mais

HIDROGRAFIA DO PARANÁ

HIDROGRAFIA DO PARANÁ HIDROGRAFIA DO PARANÁ CONCEITOS Rios: cursos de águas naturais, mais ou menos caudalosos que deságuam em outro rio, no oceano ou num lago. Denominações para os rios: regatos, córregos, ribeirões e rios.

Leia mais

Falta de água e excesso de água

Falta de água e excesso de água Falta de água e excesso de água Quando era aluno na Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, o professor doutor José Meiches era Secretário de Obras Públicas do Estado de São Paulo em seu primeiro

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO RIO PARAGUAI EM CÁCERES A PARTIR DE INDICADORES MORFOLÓGICOS, PANTANAL SUPERIOR BRASIL

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO RIO PARAGUAI EM CÁCERES A PARTIR DE INDICADORES MORFOLÓGICOS, PANTANAL SUPERIOR BRASIL DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO RIO PARAGUAI EM CÁCERES A PARTIR DE Ferreira Santana, M. 1 ; Appolari, B.P. 2 ; Leocádio de Oliveira, J. 3 ; Lourenço Alves da Silva, J. 4 ; dos Santos Leandro, G.R. 5 ; dos Santos,

Leia mais

UD II - EUROPA FÍSICA

UD II - EUROPA FÍSICA UD II - EUROPA FÍSICA 7. Hidrografia 8. Tipos de mares 9. Hidrovias Referências: Geografia em Mapas (pgs. 46 e 47). Geoatlas 9º ANO 2º BIMESTRE - TU 902 AULA 2 7. HIDROGRAFIA As regiões mais elevadas do

Leia mais

Monitoramento por Indicadores Ambientais e de Percepção do Projeto Tietê

Monitoramento por Indicadores Ambientais e de Percepção do Projeto Tietê Monitoramento por Indicadores Ambientais e de Percepção do Projeto Tietê Manifesto SOS Mata Atlântica Quem somos e o que fazemos Acreditamos Que a humanidade só garantirá a qualidade de vida quando souber

Leia mais

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3.1. Localização O aproveitamento Hidrelétrico de Itumbiara, com potência instalada de 2080 MW, situa-se no rio Paranaíba, na divisa dos estados de Minas Gerais e Goiás,

Leia mais

DECRETO Nº 1.752, DE 06 DE MAIO DE 1996.. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso de suas atribuições legais e

DECRETO Nº 1.752, DE 06 DE MAIO DE 1996.. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso de suas atribuições legais e DECRETO Nº 1.752, DE 06 DE MAIO DE 1996. Súmula: Instituída a Área de Proteção Ambiental na área de manancial da bacia hidrográfica do rio Pequeno, denominada APA Estadual do Pequeno.. O GOVERNADOR DO

Leia mais

O TURISMO E O LAZER E SUA INTERFACE COM O SETOR DE RECURSOS HÍDRICOS

O TURISMO E O LAZER E SUA INTERFACE COM O SETOR DE RECURSOS HÍDRICOS O TURISMO E O LAZER E SUA INTERFACE COM O SETOR DE RECURSOS HÍDRICOS Martha Sugai Superintendente de Usos Múltiplos Substituta Brasília, 13 de julho de 2005 A indústria do turismo é, na atualidade, a atividade

Leia mais

Processo de revitalização de rios urbanos análise compara8va dos projetos Tietê (São Paulo/SP) e Manuelzão (Bacia do Rio das Velhas/MG)

Processo de revitalização de rios urbanos análise compara8va dos projetos Tietê (São Paulo/SP) e Manuelzão (Bacia do Rio das Velhas/MG) Processo de revitalização de rios urbanos análise compara8va dos projetos Tietê (São Paulo/SP) e Manuelzão (Bacia do Rio das Velhas/MG) UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ - PPGMADE Roberta Giraldi Romano -

Leia mais

PORTARIA Nº 443/BSB DE 03 DE OUTUBRO DE 1978

PORTARIA Nº 443/BSB DE 03 DE OUTUBRO DE 1978 PORTARIA Nº 443/BSB DE 03 DE OUTUBRO DE 1978 O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe confere o artigo 85, item II, da Constituição e tendo em vista o disposto no artigo 9º do Decreto

Leia mais

DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Gerência de Licenciamento de Recursos Hídricos - GELIRH

DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Gerência de Licenciamento de Recursos Hídricos - GELIRH DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL Gerência de Licenciamento de Recursos Hídricos - GELIRH PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES DA GERÊNCIA a. analisar os requerimentos e processos de outorga de direito de uso de

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Transportes de Produtos Perigosos, Ações Emergenciais, Produtos Perigosos, Transporte de Produtos Perigosos em Áreas de Mananciais.

PALAVRAS-CHAVE: Transportes de Produtos Perigosos, Ações Emergenciais, Produtos Perigosos, Transporte de Produtos Perigosos em Áreas de Mananciais. 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina IV-012 PLANO DE AÇÃO EMERGENCIAL PARA ACIDENTES ENVOLVENDO O TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS

Leia mais

Abaixo pode ver como funciona a maior das 197 ETAs de São Paulo, a de Guaraú, que fica na zona norte da capital e abastece 8,1 milhões de pessoas!

Abaixo pode ver como funciona a maior das 197 ETAs de São Paulo, a de Guaraú, que fica na zona norte da capital e abastece 8,1 milhões de pessoas! A água captada de rios ou represas vem com folhas, peixes, lodo e muitas bactérias. Para chegar às casas limpa e sem cheiro, ela passa cerca de três horas dentro de uma estação de tratamento (ETA), o que

Leia mais

PROJETO MEGACIDADES EMERGENTES RECIFE ESPAÇOS LIVRES EM MEGACIDADES POTENCIAL PARA UMA VIDA EM NATUREZA ORIENTADA

PROJETO MEGACIDADES EMERGENTES RECIFE ESPAÇOS LIVRES EM MEGACIDADES POTENCIAL PARA UMA VIDA EM NATUREZA ORIENTADA PROJETO MEGACIDADES EMERGENTES RECIFE ESPAÇOS LIVRES EM MEGACIDADES POTENCIAL PARA UMA VIDA EM NATUREZA ORIENTADA CLUSTER 8 Perspectivas da Geografia Urbana CLUSTER 6 Estruturas urbanas, Planejamento urbano,

Leia mais

Escola Secundária da Maia

Escola Secundária da Maia Escola Secundária da Maia Introdução Rio Douro Rio Tejo Rio Mondego A causa da poluição dos rios Como evitar a poluição dos rios Consequências da Poluição Conclusão Este trabalho irá falar sobre a poluição

Leia mais

Bacia Hidrográfica ou Bacia de drenagem de um curso de água é o conjunto de terras que fazem a drenagem da água das precipitações para esse curso de

Bacia Hidrográfica ou Bacia de drenagem de um curso de água é o conjunto de terras que fazem a drenagem da água das precipitações para esse curso de Hidrografia Bacia Hidrográfica ou Bacia de drenagem de um curso de água é o conjunto de terras que fazem a drenagem da água das precipitações para esse curso de água. É uma área e, como tal, mede-se em

Leia mais

PROF. RICARDO TEIXEIRA A DINÂMICA DA HIDROSFERA

PROF. RICARDO TEIXEIRA A DINÂMICA DA HIDROSFERA PROF. RICARDO TEIXEIRA A DINÂMICA DA HIDROSFERA A hidrosfera fonte para a vida A superfície do planeta Terra é constituída predominantemente de água. Os continentes e ilhas constituem cerca de 30% da superfície

Leia mais

Para produzir energia elétrica e

Para produzir energia elétrica e Produção de energia elétrica A UU L AL A uma notícia de jornal: Leia com atenção o texto a seguir, extraído de Seca agrava-se em Sobradinho e ameaça causar novo drama social no Nordeste Para produzir energia

Leia mais

Organização: Grupo de Educação Ambiental - GEA-Arrudas. Subcomitê da Bacia Hidrográfica do Ribeirão Arrudas

Organização: Grupo de Educação Ambiental - GEA-Arrudas. Subcomitê da Bacia Hidrográfica do Ribeirão Arrudas Belo Horizonte, 2009 Organização: Grupo de Educação Ambiental - GEA-Arrudas. Subcomitê da Bacia Hidrográfica do Ribeirão Arrudas Texto: Aimée do Amaral Figueiredo, Cecília Rute de Andrade Silva, Jaqueline

Leia mais

Bacias Hidrográficas

Bacias Hidrográficas Bacias Hidrográficas Objetivos Conceituar bacias hidrográficas; Entender o funcionamento das bacias; Conhecer as principais bacias brasileiras; Conhecer a legislação. Introdução A água encontra-se disponível

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS LAGOAS DO PARQUE NATURAL MUNICIPAL TANCREDO NEVES (PASSA CINCO). MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS LAGOAS DO PARQUE NATURAL MUNICIPAL TANCREDO NEVES (PASSA CINCO). MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS LAGOAS DO PARQUE NATURAL MUNICIPAL TANCREDO NEVES (PASSA CINCO). MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG Lucas Mattos Martins (*), Guilherme Resende Tavares,

Leia mais

ÁGUA: COMO ECONOMIZAR PARA NÃO MORRER DE SEDE!

ÁGUA: COMO ECONOMIZAR PARA NÃO MORRER DE SEDE! ÁGUA: COMO ECONOMIZAR PARA NÃO MORRER DE SEDE! Prof. Dr. Adilson Roque dos Santos Doutor em Ecologia UERJ Email: adilsonroquesantos@gmail.com adilson.roque@uol.com.br CARACTERÍSTICAS A Água Água e História

Leia mais

A CHEIA DO RIO NEGRO EM MANAUS E SEUS IMPACTOS NO CENTRO E NA PONTA NEGRA EM 2009

A CHEIA DO RIO NEGRO EM MANAUS E SEUS IMPACTOS NO CENTRO E NA PONTA NEGRA EM 2009 A CHEIA DO RIO NEGRO EM MANAUS E SEUS IMPACTOS NO CENTRO E NA PONTA NEGRA EM 2009 1. INTRODUÇÃO Diego Lopes Morais 1 1 Graduando em Geografia / Universidade do Estado do Amazonas - UEA Instituto Nacional

Leia mais

Em 1992 de uma manifestação popular nasceu o Projeto Tietê; A nossa iniciativa surgiu durante a construção da calha do Tietê;

Em 1992 de uma manifestação popular nasceu o Projeto Tietê; A nossa iniciativa surgiu durante a construção da calha do Tietê; uem Somos Em 1992 de uma manifestação popular nasceu o Projeto Tietê; A nossa iniciativa surgiu durante a construção da calha do Tietê; A poluição difusa é responsável por 35% da poluição na região Metropolitana;

Leia mais

Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013

Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013 Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013 Segurança hídrica - Declaração Ministerial do 2o Fórum Mundial da Água, 2001 Acesso físico e econômico à água em quantidade e qualidade suficiente

Leia mais

1. OS DIVISORES DE ÁGUA : cristas das elevações que separam a drenagem de uma e outra bacia.

1. OS DIVISORES DE ÁGUA : cristas das elevações que separam a drenagem de uma e outra bacia. BACIAS HIDROGRÁFICAS A bacia hidrográfica é usualmente definida como a área na qual ocorre a captação de água (drenagem) para um rio principal e seus afluentes devido às suas características geográficas

Leia mais

ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO

ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO SIMÃO, Rosycler Cristina Santos Palavras chave: rede urbana; São Paulo; disparidades regionais; Censo Demográfico 2000. Resumo O objetivo do trabalho é mostrar

Leia mais

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais:

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: A elevatória apresenta três conjuntos moto-bombas (Foto 3), dos quais dois operam em paralelo, ficando um de reserva, cada um associado a um motor elétrico de 150 cv de potência e recalcando uma vazão

Leia mais

REVISÃO NOVAFAP-FACID(geografia-Hugo)

REVISÃO NOVAFAP-FACID(geografia-Hugo) REVISÃO NOVAFAP-FACID(geografia-Hugo) 1. (Ufu) Na década de 1960, o geógrafo Aziz Nacib Ab'Saber reuniu as principais características do relevo e do clima das regiões brasileiras para formar, com os demais

Leia mais