MINISTÉRIO DAS CIDADES SECRETARIA NACIONAL DE TRANSPORTE E DA MOBILIDADE URBANA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MINISTÉRIO DAS CIDADES SECRETARIA NACIONAL DE TRANSPORTE E DA MOBILIDADE URBANA"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DAS CIDADES SECRETARIA NACIONAL DE TRANSPORTE E DA MOBILIDADE URBANA Ata da 33ª Reunião Ordinária do Comitê Técnico de Trânsito, Transporte e Mobilidade Urbana do CONCidades DATA: 04/06/2012 HORÁRIO: das 14h às 19h00 I. REPRESENTANTES: LOCAL: Ministério das Cidades - SNTU- sala 602 A Agnaldo Evangelista Sousa Conselheiro Titular Central de Movimentos Populares Aldemar Matias Da Silva Conselheiro Titular Organização das Cooperativas Brasileiras Alex Barreto Santos Conselheiro Titular União Nacional por Moradia Popular Antonio Carlos Damasceno Conselheiro Suplente Confederação Nacional de Associações de Moradores Daniel dos Santos Conselheiro Suplente Confederação Nacional de Associações de Moradores Donizete Fernandes De Oliveira Conselheiro Titular União Nacional por Moradia Popular Eurico Divon Galhardi Conselheiro Suplente Confederação Nacional do Transporte Getúlio Vargas De Moura Júnior Conselheiro Suplente Confederação Nacional das Associações de Moradores Irene Mergener Cunha Conselheira Suplente Secretaria de Relações Institucionais da Presidência da República José Antonio Lanchoti Conselheira Suplente Associação Brasileira de Ensino de Arquitetura e Urbanismo José Eduardo Ribeiro Copello Observador Governo do Estado da Bahia José Geraldo Baião Conselheiro Suplente Associação dos Engenheiros e Arquitetos de Metrô José Ronald Boueres Damasceno Conselheiro Suplente Confederação Nacional de Municípios Juarez Bispo Mateus Conselheiro Titular Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transporte Jurema da Silva Constâncio Conselheira Titular União Nacional por Moradia Popular Laerte Conceição Mathias De Oliveira Conselheiro Titular Federação Nacional dos Engenheiros Luciano Roberto Rosas Siqueira Conselheiro Suplente Fórum Nacional de Secretários e Dirigentes de Transporte Urbano e Trânsito 1

2 Luiz Carlos Bertotto Conselheiro Suplente Fórum Nacional de Secretários e Dirigentes de Transporte Urbano e Trânsito Manuel Xavier Lemos Filho Conselheiro Suplente Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil - CTB Marcos Bicalho Dos Santos Conselheiro Suplente Associação Nacional das Empresas de Transporte Urbano Maria Arnete Borges Conselheira Suplente Associação de Pessoas com Deficiência de Limoeiro do Norte - CE Maria Inês Damasceno Da Silva Conselheira Suplente Associação Brasileira de Municípios Mario Wilson Pereira Reali Conselheiro Suplente Frente Nacional de Prefeitos Miguel Lobato Silva Conselheiro Titular Movimento Nacional de Luta pela Moradia Mirce da Cunha Machado Conselheira Titular Fórum Nacional de Secretários e Dirigentes de Transporte Urbano e Trânsito Nazareno Stanislau Afonso Conselheiro Públicos Nelson Saule Júnior Conselheiro Titular Instituto Polis - SP Titular Associação Nacional de Transportes Neusa Aparecida Dos Santos Conselheira Titular Frente Nacional de Vereadores pela Reforma Urbana Paulo Ruben Nascimento Cohen Conselheiro Central de Movimentos Populares Ronaldo Dimas Nogueira Pereira Conselheiro Suplente Governo do Estado do Tocantins Sandra Mara Clave Conselheiro Suplente Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transporte Silvio José Gonçalves Conselheiro Suplente Movimento Nacional de Luta pela Moradia Wagner Fajardo Pereira Conselheiro Titular Federação Nacional dos Metroviários Whelton Pimentel De Freitas Conselheiro Titular União Nacional por Moradia Popular 2. CONVIDADOS: Sr. Edson Gaspar, representante do DENATRAN 2

3 Pauta 1) Abertura 2) Apresentação da Campanha da Lei da Mobilidade 3) Critérios de seleção de projetos 4) Apresentação Programa da Lei Seca 5) Apresentação do Programa da Década da Redução de Acidentes 6) Plano Setorial de Transporte e da Mobilidade para Mitigação das Mudanças Climáticas 7) Mobilidade Urbana e a Rio 20 8) Projetos TRESURB e CBTU 9) Ações e Atividades da SeMOB para 2012 Informes Gerais 1 O Senhor Júlio Eduardo dos Santos, Secretário da Secretaria Nacional de Mobilidade Urbana-SeMOB iniciou a reunião apresentando-se. Após, compôs a mesa e colocou em votação, para aprovação, a ata da reunião anterior, os presentes solicitaram que primeiro esta deveria ser lida pelos membros, ficou acordado que a aprovação se daria na próxima reunião do GT, em seguida procedeu a leitura da pauta conforme proposta na reunião anterior e colocou em discussão. Quanto à questão da presença da TRENSURB, colocou em debate, uma vez que a empresa, mesmo sendo federalizada atua em âmbito estadual. Informou-se que a gestão é federal. Esclareceu ainda que foi solicitada a presença da CBTU e que tal solicitação seria agora válida para as reuniões seguintes. 2.Nazareno Stanislau Afonso ( Conselheiro Titular ) apontou para a necessidade do GT ter como membros permanentes, representantes da CBTU, TRENSURB e DENATRAN. 3.Wagner Fajardo Pereira (Conselheiro Titular) informou da Resolução já existente neste sentido, isto é, convocar para as reuniões do GT representantes das empresas de trem federalizadas e do DENATRAN 4. O Sr Júlio Eduardo dos Santos (Secretário da SeMOB) leu os itens da pauta e perguntou se a ordem proposta seria aquela 5. o Sr João Alencar (SeMOB) propõe alteração da ordem dos itens listados e que se inicie a reunião pela sua apresentação sobre o Plano Setorial de Transporte e Mobilidade para Mitigação das Mudanças Climáticas, pois este tema será levado a Consulta Pública. 6. O Sr. Nazareno Stanislau Afonso (Conselheiro Titular) questiona a denominação do item constante da pauta sob o nome Paz no Trânsito 7. O Secretário Júlio Eduardo dos Santos esclarece que trata-se de um erro na pauta e o nome 3

4 correto da apresentação é Programa Lei Seca, a ser realizada pelo Denatran e propõe um limite de tempo para as falas e apresentações o que é aceito pelos presentes 8. Relato da Apresentação do Sr. João Alencar (SeMOB) Inicia se reportando a recente reunião realizada no Estado de São Paulo, com órgãos estaduais para apresentação do plano setorial, por incumbência legal (Lei da Mudança do Clima). Nesta lei, o transporte é um dos tópicos, sendo que o Ministério dos Transportes fica responsável pelo transporte de cargas e o Ministério das Cidades com o transporte de passageiros. De início, os investimentos federais na área de mobilidade são importantes para mitigação. A elaboração foi dividida em fases: na primeira quais as informações necessárias? A NTU participou da discussão. Numa segunda fase, realizou-se reuniões abertas com indicações do Fórum Brasileiro de Mudança do Clima, mas não necessariamente as pessoas indicadas têm a ver com a mobilidade. Houve discussão com a sociedade civil em evento realizado em São Paulo e foram convocados os Conselheiros Bispo e Laerte. Nesta discussão ampliada estavam presentes ainda, universidades e a Prefeitura de São Paulo. Explica que a Lei traz o esforço para redução da emissão de gás até 2020, com divisão do trabalho de dois em dois anos para revisão, e com participação intensiva da sociedade. Observou-se que o vilão é o transporte individual. Outra questão é em relação a qual será o abatimento como benefício. Considerando-se o ano base 2010, haverá em dez anos redução de cerca de 66 % até As infra-estruturas abrangem investimentos da Copa e, além disso, as que recebem investimento do BNDES. Um estudo prova que até % das pessoas estarão utilizando etanol no seu transporte, e, devem ser trazidas para o transporte público. Face aos investimentos e mudança de matriz tecnológica, qual a repercussão? É necessário fazer-se a inserção de dados e pesquisa de transferência modal para validar as premissas. É necessário recurso para montagem de banco de dados. A política de mobilidade urbana deve estar alinhada com a política de mudança do clima. Afirmou que o tempo era escasso e há carência de informações. Assim, os dados foram decorrentes dos investimentos feitos no setor. A consulta pública será centralizada no Ministério do Meio Ambiente, não adiantando colocarem-se coisas inexequíveis. Haverá viagens regionais para discussão, uma espécie de consulta pública presencial, envolvendo o Ministério do Planejamento, Ministério do Meio Ambiente, Casa Civil e demais ministérios. 9. Sr. Júlio Eduardo dos Santos Secretário da SeMOB agradeceu a exposição e abre as inscrições para as intervenções, em seguida informa o nome dos inscritos e abre o debate. 10. Os Senhores Wagner Fajardo Pereira e Manuel Xavier Lemos Filhos (Conselheiro Titular Suplente respectivamente) questionam sobre o convite para participação feito pelo Sr. João Alencar ter sido dirigido a penas dois Conselheiros moradores e militantes da Cidade de São Paulo e não ter sido extensivo de todos os membros do Comitê Técnico que residem no Estado. Afirmam ainda não terem comparecido por não terem tomado conhecimento do mesmo. Por fim, ressaltam suas qualificações profissionais e militantes no setor e a importância do tema. 11. Secretário Júlio Eduardo dos Santos (Secretario SeMOB) informa então, que os membros do Comitê Técnico serão sempre informados de todas e quaisquer ações da SeMOB em suas respectivas regiões. 12. A Sra Mirce da Cunha Silva Machado (Conselheira Títular) questiona sobre qual é a política nacional para as pequenas e médias cidades em vista da lei de mobilidades. 13. O Sr. Nazareno Stanislau Afonso (Conselheiro Titular) explica que a lógica da pobreza é que precisa ser pensada, pois o usuário de transporte público coletivo não pode pagar o 4

5 impacto negativo do transporte individual. Os benefícios de investimentos foram dados apenas para um modal e as conseqüências disso nos últimos anos foram drásticas. Tem que reduzir o uso do transporte individual e aumentar o do transporte coletivo. 14. Daniel dos Santos (Conselheiro Suplente) Volto a fazer ressalva quanto à participação dos conselheiros nos encontros locais e pergunto qual a estrutura da Secretaria para fazer esse papel, pois o conselho é formado por pessoas de condições financeiras diferenciadas e gostaríamos de participar dos eventos. Quanto ao barateamento da passagem para o trabalhador acho legal e acho que esta redução tem que ter retorno, benefícios e qual o pensamento do governo nessa troca. 15.Luis Carlos Bertoto. (Conselheiro Suplente) Como diz o Nazareno, estamos fazendo um projeto de redução de emissão que reduza os prejuízos também na saúde. Quando se retira os veículos individuais e aumenta o uso do transporte coletivo, a exemplo do que aconteceu com o transporte escolar, é necessário ter um veículo novo, adequado a situação e uma política de governo em que as empresas possam comprar os veículos. 16. Jose Geraldo Baião (Conselheiro Suplente) Quero aproveitar a ata anterior que tem um evento que realizaremos em setembro a 18º Semana de Tecnologia Metroferroviária. Já oferecemos a participação gratuita dos conselheiros e queremos também a participação do Ministério no evento. Ressalto o benefício social que o sistema de Metrô tem trazido para a cidade. O que se pretende aplicar neste setor tem tido retorno nos benefícios sociais. Há um dado do metrô de SP que mede a contribuição deste transporte para a cidade, o valor medido em 2012 mostrou que tudo que se investe em tecnologia traz benefícios. 17. Manuel Xavier Lemos Filho (Conselheiro Suplente) Volto a reforçar essa questão de que toda vez que o Ministério das Cidades realizar atividades fora do Distrito Federal que acione o conselheiro da região. A exemplo do que aconteceu semana passada, nós recebemos a pauta do Ministro em São Paulo e eu e outros conselheiros participamos. Lembro que todos nós atuamos no setor de transporte. Acho que não há uma recomendação do Governo Federal para a substituição da frota e isso não se justifica, o que tratamos hoje é o descaso de anos com o meio ambiente. A inversão da lógica é verdadeira, não dá pra pensar que quem vai pagar a conta é o usuário do sistema público. Não há como trabalhar com a idéia de que quem usa paga a conta, ou ainda, que transporte público é negócio, visando lucro. 18. Laerte Conceição Matias de Oliveira (Conselheiro Titular) Não entendi a consulta pública. A lei da mobilidade urbana e esse plano são casados? O ser humano é prioritário, seguido da bicicleta, por último o transporte individual. A lógica tem que ser mudada logo. Quando foi para a criação da Lei da Mobilidade fizemos alguns encontros para mobilizar a sociedade, agora é hora de fazer uma devolutiva. Concordo, ainda, que essa nova lei abre espaço para o pedágio urbano, portanto, temos que pensar no Sistema Nacional e que nós teríamos que ter um fundo também para fazermos regulação na parte da tarifa. 19. Expedito CUT Parabenizo o João pela apresentação e quanto ao valor da redução de emissão de gazes, acho que é razoável. Quando você faz referência a mudança do modal para o transporte sobre trilhos é importante. O documento sinalizou para o restante do governo federal, para que tome conhecimento da situação e tome as devidas providências. Este comitê deve estar mobilizado para as consultas públicas para debatermos esse tema lá nos locais, para provocarmos esta discussão pois a questão é: ou mudamos a matriz energética de transporte ou não teremos mudanças. 5

6 20. Marcos Bicalho dos Santos (Conselheiro Suplente) explanou sobre as experiências na área de gás, ou seja, o meio ambiente contribuindo para melhoria de vida da população. Assim, deve-se colocar os benefícios da mudança de matriz energética de forma clara. 21. Wagner Fajardo de Oliveira (Conselheiro Titular) Entendo a reunião, mas eu, o Manuel e o Baião atuamos na área de transporte, somos técnicos, entendemos bem o assunto e atuamos nas nossas respectivas áreas e não fomos convidados para essa reunião em São Paulo. Espero que isso não aconteça novamente, pois podemos contribuir muito nessas discussões e temos interesse reconhecido no assunto. Quanto à questão de fundos, esta proposta estava presente no projeto de lei, mas não foi acatada pela Câmara e pelo Senado, mas não está o município impedido de estabelecer este fundo. Quanto ao fundo do clima está caminhando mas os recursos ainda são poucos. 22. O Secretário Júlio Eduardo dos Santos pede para se retirar por alguns instantes, pois está sendo convocado ao Gabinete do Ministro. O Sr Ricardo Caiado (SeMOB) assume a coordenação da reunião; 23. Passou-se a discutir a Apresentação da Campanha da Lei da Mobilidade. 24. João Alencar (SeMOB) Eu não tenho na secretaria e não existe aqui no Ministério recurso para realização dos seminários dessa resolução. Existe recurso no PPA para atividade de capacitação. Não temos recursos para seminários. O que se discute internamente é que, no período pré-eleitoral e com a mudança de gestão em alguns locais, não é um bom momento para realização dos seminários. A capacitação deve estar associada com uma discussão sobre o que a diretriz de mobilidade urbana irá impactar em cada município, quem se beneficia e a possibilidade de haver um fundo municipal. Além disso, o conteúdo deve ser compatível com cada localidade. 25. Ricardo Caiado (SeMOB) Lembro que temos recursos na ordem de um milhão de reais e que deve ser gasto logo, pois para pedirmos para o ano seguinte temos que gastar este. Podemos fazer o planejamento e elaboração de conteúdo utilizando este recurso 26. Marcos Bicalho dos Santos (Conselheiro Suplente) Na última reunião discutimos isso num espectro muito maior para que a lei se traduza em ações, pois é uma lei de diretrizes e pode não se traduzir em ações práticas. Elaboramos, juntamente com a FNP, uma cartilha da Lei da mobilidade que trouxe. Nós vemos com apreensão essa sua colocação, pois a falta de atenção para a mobilidade é preocupante. 27. Inês Damasceno ( Conselheira Suplente) Como ficou a proposta da reunião anterior dos órgãos se juntarem e fazermos uma cartilha ampla para distribuição e dos seminários regionais? Tenho esperança de conseguirmos nos juntar, essa é apenas uma primeira iniciativa. 28. Nazareno Stanislau Afonso (Conselheiro Titular) Essa cartilha vai funcionar tipo o modelo, quem desejar pode utilizar para apresentações e reproduções. 29. Nelson Saule Júnior (Conselheiro Titular) Me preocupa um pouco como o Ministério das Cidades é fragmentado. Temos é que nos apropriar das experiências da SNAPU e da Secretaria de Habitação. Pegamos a experiência do Estatuto das Cidades quando não tínhamos, nem ministério, nem um milhão e divulgamos. Esse material já é um primeiro passo para usarmos em cursos e eventos. O segundo passo é pensar em um programa de capacitação de multiplicadores e buscar parceria com a Caixa, pois todo o material sobre o estatuto foi ela 6

7 que produziu. Deveríamos já procurar um parceiro. O conteúdo pode ser elaborado por uma instituição ou pensarmos e escrevermos. Nada impede de pensarmos nos seminários regionais para esse ano. 30. Getúlio Vargas de Moura Junior (Conselheiro Suplente) Seria bom fazermos o resgate da reunião passada e fico feliz com a intervenção do Saule, pois isso já foi discutido na reunião passada com o pessoal do movimento de transporte, com o pessoal de empresas e fizemos uma proposta. Perguntamos qual o aporte institucional que o Ministério das Cidades vai nos dar para envolvermos a sociedade, a Federação Nacional de Municípios e nós para que possamos garantir os seminários neste ano e para que não passemos o ano sem fazer nenhuma ação. Não adianta nada fazermos plano de mobilidade sem dialogar com outros planos. Tem muitos prefeitos e vereadores para sensibilizarmos. 31. Nazareno Stanislau Afonso (Conselheiro Titular) Temos dois momentos e a lei está mexendo com o paradigma de como valorizar o transporte não motorizado e o Transporte Coletivo. Então nossa ação tem que tornar pública essa mudança. Devemos rediscutir o que diz Adriano Branco, quando fala das mudanças com a responsabilidade do poder público de mostrar que agora a lei é essa, o sindicato dos engenheiros, a assembléia do Rio Grande do Sul já se disponibilizaram para fazer os Seminários, mas com o aval do governo Federal? Queremos divulgar que o Ministério das Cidades está dizendo que agora a lei é essa. A segunda coisa é o próprio Ministério pegar essa cartilha e divulgar e o MDT fazer uma cartilha voltada para o movimento social. Serão duas cartilhas, uma de discurso político e uma outra bem popular. Qualquer um tem condições de dar essa aula. A Univale de Santa Catarina disse que quer reproduzir a cartilha. Podemos nos preparar esse ano para isso. A lei diz que nada pode ser feito sem obedecer a lei, não precisamos do plano de mobilidade para divulgarmos, pois a lei vale agora. 32. Daniel dos Santos (Conselheiro Suplente) Quero lembrar que na última reunião se fez uma discussão de que três membros iriam fazer a cartilha e todos avaliavam. Por isso é ruim a Ata não chegar a tempo, porque não vemos o que foi discutido anteriormente. 33.Mirce da Cunha Silva Machado (Conselheira Titular) Podíamos aproveitar as audiências do orçamento participativo e divulgarmos a Lei. Vamos inserir no debate o Plano de Mobilidade e de Acessibilidade. 34. Juarez Bispo Mateus (Conselheiro Titular) Queremos o compromisso de quem vai ser candidato, queremos saber o compromisso que terão com a mobilidade. O Ministério das Cidades e a SeMOB têm o compromisso de serem, articuladores do debate, de comprometer o futuro candidato de que agora vale a lei. Não queremos que seja como o Plano Diretor que faz dez anos de criação e a maioria dos municípios não tem nem secretaria de transportes. A maioria das cidades não tem 20 mil habitantes. Queremos o compromisso de implantação. 35. Inês Damasceno (Conselheira Suplente) Aqui no Ministério tem três organizações setoriais distintas que trabalham com o municipal e só a Frente Nacional dos Prefeitos fez algo até agora. Temos dentro do conselho gente especializada e tem que haver uma discussão sobre transporte de massa. Vamos sair do discurso da burocracia e vamos para a prática. 36. Ricardo Caiado de Alvarenga (SeMOB) encerra o debate e passa a palavra ao Sr. João Alencar. 37. João Alencar (SeMOB) retoma o debate da sua apresentação respondendo aos diversos 7

8 questionamentos feitos pelos Conselheiros e Conselheiras. 38. Getútilo Vargas de Moura Júnior (Conselheiro Suplente) O que não dá pra ser feito a gente já sabe, mas o que dá pra fazer é o que a gente quer. Já temos garantido alguns lugares no sul para a realização do seminário e precisamos assegurar nas outras regiões e fazermos os Seminários Regionais. 39. Laerte Conceição Mathias de Oliveira (Conselheiro Titular) O Seminário da Região Sudeste pode ser na sede do sindicato em São Paulo, não temos como fazer a divulgação, mas pode ser no sindicato. 40. Mirce da Cunha Machado (Conselheira Titular ) O Seminário da região Norte pode ser realizado em Porto Velho, no Teatro Municipal e o Ministério das Cidades bancaria a ida do pessoal daqui. 41. Getúlio Vargas de Moura Júnior (Conselheiro Suplente) Não gostaríamos que esse ano passasse em branco, se vão ser realizados até julho ou no final do ano não importa, mas é fundamental chamar atenção do conjunto da sociedade para a questão da mobilidade. 42. Agnaldo Evangelista Sousa (Conselheiro Titular) Queria levantar uma questão: se estamos fazendo numa assembleia legislativa é então um evento do estado? Vejo na capa desta cartilha carro, bicicleta e ônibus e nada de moto, mas temos que discutir a moto. Moro num lugar que o mototaxi é transporte regular e as pessoas usam e tem também o problema dos acidentes de trânsito com moto. 43. Manoel Xavier Lemos Filho (Conselheiro Suplente) Não sei se vou na contramão deste debate, nos estamos falando de uma legislação muito importante, mas de uma forma amadorística, que não pode ficar apenas no âmbito deste Ministério, temos que apresentar que conquistamos a lei, então que o Ministério das Cidades apresente uma programação de trabalho consistente e de recursos, pois assim não conseguiremos atingir nossos objetivos. 44. Júlio Eduardo dos Santos (Secretário da SeMOB) Essa questão colocada pelo Xavier é a minha proposta, no começo do ano que vem, com prefeitos novos, fazemos tudo: divulgação e capacitação. 45. Manoel Xavier Lemos Filho (Conselheiro Suplente) Alguns companheiros dizem que a lei não serve, já ouvi isso em determinadas reuniões, então aproveitamos para nos aprofundarmos na leitura da lei e darmos destaque para cada das questões que temos e que o Ministério apresente para o próximo encontro uma proposta consistente para trabalharmos. 46. Laerte Conceição Mathias de Oliveira (Conselheiro Titular) Concordo que o Ministério esteja por trás, numa ação mais estruturante, mas penso que ainda deveria ser feito alguma coisa neste ano. Então que sejam feitos os cinco seminários regionais e que seja antes do processo eleitoral. 47. Nazareno Stanislau Afonso (Conselheiro Titular) Vou na linha do Conselheiro Laerte, a lei foi aprovada em janeiro, não dá pra serem realizados seminários apenas no ano que vem, então que sejam feitos em parceria e que os conselheiros sejam os divulgadores da cartilha. Já temos condições de fazer algo. A idéia é que a Cartilha seja de livre reprodução. Acho que deveríamos construir uma plataforma política da mobilidade e que as entidades apóiem, que tenhamos algo referendado na lei. Quanto a fazer uma outra cartilha que alguém se habilite, o 8

9 MDT está propondo duas cartilhas com focos distintos, uma mais elaborada e outra mais popular, com desenhos mesmo. Mesmo que fizéssemos essas cinco audiências ainda este ano, ainda faríamos um bom planejamento para realizarmos outras em 2013 e com recursos. 48. Mirce da Cunha Machado (Conselheira Titular) Vejo aqui na Ata da reunião passada que foi formado o grupo com objetivo de pensar isso, mas não foi feito. 49. Nelson Sauler (Conselheiro Titular) Precisamos dar uma ordenada nestas idéias. Foram feitas varias propostas e precisamos ordenar como vamos trabalhar. Ter vários materiais é ótimo, mas temos que ver, quem escreveu tem alguma interpretação diferente? O que estou concordando é que haja essa organização do trabalho. Proponho que o Ministério das Cidades tenha sua própria cartilha e que o material possa ser feito em parceria. No Estatuto da Cidade o Instituto Polis fez uma cartilha. É importante pensar que esse material seja fruto de uma produção mais coletiva. Aqui tem duas propostas concretas o Ministério das Cidades vai fazer essa ação agora ou depois das eleições? 50. Júlio Eduardo dos Santos (Secretário SeMOB) Senhores, temos três inscritos, tem alguma proposta diferente? Caso contrario acho que temos duas linhas e vamos escolher uma delas. 51. Getúlio Vargas de Moura Júnior (Conselheiro Suplente) Gostaria de saber se alguém leu a cartilha, pois todo o material foi discutido aqui, foi aprovado pelos companheiros do Ministério, pelo movimento, o que está aqui é o que foi discutido? No momento não temos que gastar recurso com a cartilha, mas temos que pensar como vamos fazer os seminários. 52. Expedito (Conselheiro Representante da CUT) Aqui não há sobreposição de proposta, fora a proposta do companheiro Xavier que falou que é amadorismo, que não concordo. O que diz o Getúlio é que reproduzamos a cartilha sem ter que analisar com os universitários novamente, aproveitar o recursos e dar start na divulgação. A única coisa que difere é a questão da plataforma que é mais do Ministério. 53. Wagner Fajardo Pereira (Conselheiro Titular) Sinceramente acho que a questão não é ser amador ou não. Essa cartilha tem um conteúdo político e ideológico, portanto, o Ministério das Cidades não tem que divulgá-la. Na minha opinião, não dá pra essa ser a cartilha do Ministério. Temos que fazer os seminários e divulgar a lei e não divulgar a cartilha. O planejamento para a divulgação da lei tem que passar por aqui, pelo comitê, pois antes não passava. O Denatran deve também participar. Tem que ter verba pra divulgação da lei e temos que pensar nisso. Reafirmo que o Seminário é pra divulgar a lei e não a cartilha. 54. Júlio Eduardo dos Santos (Secretário da SeMOB) vou fazer uma proposta: que a partir de 2013 façamos, de forma estruturada e planejada, a divulgação da lei e a capacitação. Vou me informar sobre como vamos fazer isso e se é possível em ano de eleição fazer os seminários no segundo turno. Minha proposta é também fazer uma cartilha comentada. 55. João Alencar (SeMOB) - Proponho trabalhar um material próprio. 56. Júlio Eduardo dos Santos (Secretário SeMOB) Me comprometo em buscar patrocínio para a publicação da cartilha sobre a Lei da Mobilidade. 57. Manoel Xavier Lemos Neto (Conselheiro Suplente) Sugiro que as pessoas que estão se propondo a sediar os encontros regionais que definam o mais rápido possível os locais para a 9

10 sua realização. 58. Wagner Fajardo Pereira (Conselheiro Titular) Companheiros, não sei se vocês todos sabem que alguns sistemas metroviários estão em greve e as empresas tem se recusado a negociar, assim quero propor uma Resolução recomendando o reinicio do processo de negociação, a reabertura das negociações e que não se prive as pessoas do direito ao transporte. A proposta de Resolução foi aprovada por unanimidade. 59. Expedito (Conselheiro Representante da CUT) Aproveito para lembrar que amanha, aqui no Tribunal Superior do Trabalho, teremos a audiência de conciliação. 60. Finalizando a reunião a Diretora da DeMOB, Sra Luisa Gomide faz uma breve apresentação sobre a participação da SeMOB na Conferência Rio Fala que terá um espaço Chamado Diálogos Sustentáveis para se discutir um texto elaborado por consultor contratado e que este texto estará no site do Ministério. 61. Júlio Eduardo dos Santos (Secretário da SeMOB) agradece a presença de todos e finaliza a reunião. Encaminhamentos: 1. O Ministério das Cidades buscará patrocínio para publicação de uma cartilha sobre a Lei de Mobilidade Comentada ainda este ano. 2. O Ministério das Cidades se compromete a realizar a divulgação da Lei da Mobilidade bem como promover cursos de capacitação para elaboração de Planos de Mobilidade a partir de Os Conselheiros se comprometem a organizar um seminário em cada uma das cinco regiões do país com a participação do Ministério das Cidades, na condição de palestrante, ainda neste ano. Pauta preliminar da próxima reunião: 1. Informes do planejamento das ações para divulgação da Lei da Mobilidade 2. Apresentação Programa da Lei Seca pelo Denatran 3. Apresentação do Denatran sobre década para a redução de acidentes de trânsito 4. Projetos TRENSURB 5. Projetos CBTU 6. Critérios de seleção de projetos proposta de resolução 10

PLANOS DE MOBILIDADE URBANA

PLANOS DE MOBILIDADE URBANA IMPLANTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA: PLANOS DE MOBILIDADE URBANA RENATO BOARETO Brasília, 28 de novembro de 2012 Organização Não Governamental fundada em 2006 com a missão de apoiar a

Leia mais

CONSTITUINTE EXCLUSIVA E SOBERANA DO SISTEMA POLITICO

CONSTITUINTE EXCLUSIVA E SOBERANA DO SISTEMA POLITICO HQ se lga! i CONSTITUINTE EXCLUSIVA E SOBERANA DO SISTEMA POLITICO CONSTITUINTE EXCLUSIVA E SOBERANA DO SISTEMA POLITICO Defender a CONSTITUINTE é um erro! Erro, por que? A direita vai aproveitar uma Constituinte

Leia mais

País predominantemente urbano: cerca de 80% da população brasileira mora em cidades.

País predominantemente urbano: cerca de 80% da população brasileira mora em cidades. A Política de Mobilidade Urbana no desenvolvimento das cidades! AS CIDADES País predominantemente urbano: cerca de 80% da população brasileira mora em cidades. Processo de urbanização caracterizado pelo

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima

CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima Plano Setorial de Transporte e de Mobilidade Urbana para Mitigação da Mudança do Clima PSTM - Parte 2: Mobilidade Urbana /

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima

CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima Plano Setorial de Transporte e de Mobilidade Urbana para Mitigação da Mudança do Clima PSTM - Parte 2: Mobilidade Urbana /

Leia mais

Fórum do CB27 em Natal Medidas para a redução do efeito estufa

Fórum do CB27 em Natal Medidas para a redução do efeito estufa 11 Fórum do CB27 em Natal Medidas para a redução do efeito estufa Alex Régis Ana Lúcia Araújo Assessora de Comunicação da SEMURB Considerado um dos mais participativos, desde a sua criação, o VI Encontro

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana ATA DA 34ª REUNIÃO ORDINÁRIA DO COMITÊ TÉCNICO DE TRÂNSITO, TRANSPORTE E MOBILIDADE URBANA DO CONCIDADES DATA: 08/08/2012

Leia mais

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1.1 APRESENTAÇÃO O Plano de Comunicação e Participação Social subsidiará a elaboração do Plano Diretor de Mobilidade Urbana, criando as bases para

Leia mais

Agora gostaria de passar a palavra ao Sr. Heráclito Brito Gomes, que fará a abertura da teleconferência. Por favor, Sr. Gomes, pode prosseguir.

Agora gostaria de passar a palavra ao Sr. Heráclito Brito Gomes, que fará a abertura da teleconferência. Por favor, Sr. Gomes, pode prosseguir. Boa tarde, senhoras e senhores, e obrigada por aguardarem. Sejam bem-vindos à teleconferência da Qualicorp para discussão da aquisição da Aliança Administradora de Benefícios de Saúde Ltda. Estão presentes

Leia mais

RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS

RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS práticas colaborativas e políticas públicas Bianca Santana Carolina Rossini Nelson De Luca Pretto organizadores São Paulo Salvador 2012 1ª edição 1ª impressão financiamento

Leia mais

ATA DA 105ª ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA (AGE) DA ASSOCIAÇÃO DE DOCENTES DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA

ATA DA 105ª ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA (AGE) DA ASSOCIAÇÃO DE DOCENTES DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA A D C E F E T - R J ASSOCIAÇÃO DE DOCENTES DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA SEÇÃO SINDICAL DA A N D E S - SINDICATO NACIONAL Av. Maracanã 229 - Rio de Janeiro - RJ - CEP

Leia mais

Relatório de Atividades 2014. Comissão de Ética

Relatório de Atividades 2014. Comissão de Ética Comissão de Ética Introdução As ações desenvolvidas pela Comissão de Ética em 2014 foram pautadas nos parâmetros do Questionário de Avaliação da Ética elaborado pela Comissão de Ética Pública (CEP) que

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES

MINISTÉRIO DAS CIDADES MINISTÉRIO DAS CIDADES MINISTÉRIO DAS CIDADES Programa Brasil Acessível Arq. Augusto Valiengo Valeri FÓRUM NACIONAL DE TRAVESSIA ACESSÍVEL CET / CPA - SP 06 de novembro de 2007 São Paulo - SP Estrutura

Leia mais

DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO NÚCLEO DE REVISÃO DE COMISSÕES TEXTO COM REDAÇÃO FINAL

DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO NÚCLEO DE REVISÃO DE COMISSÕES TEXTO COM REDAÇÃO FINAL CÂMARA DOS DEPUTADOS DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO NÚCLEO DE REVISÃO DE COMISSÕES TEXTO COMISSÃO ESPECIAL - PL 203/91 - POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS EVENTO: Reunião Ordinária N : 000638/01

Leia mais

Ata Conselho de Usuários 12/11/2008.

Ata Conselho de Usuários 12/11/2008. Ata Conselho de Usuários 12/11/2008. Aos doze dias do mês de novembro de dois mil e oito, às 08h40min., reuniram-se o Presidente do Conselho, Sr. Osvaldo Eustáquio, o Vice-Presidente Sr. Petrolinces de

Leia mais

Ata de Reunião. Data da Reunião: 02/07/2013 Horário: 10h00min às 18h00min Local: Apex Brasil.

Ata de Reunião. Data da Reunião: 02/07/2013 Horário: 10h00min às 18h00min Local: Apex Brasil. Ata de Reunião 1. IDENTIFICAÇÃO DA REUNIÃO Data da Reunião: 02/07/2013 Horário: 10h00min às 18h00min Local: Apex Brasil. Líder da Reunião: Regina Silvério Telefones: (61) 3426-0785 Ordem do dia: Reunião

Leia mais

CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DE PROJETOS

CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DE PROJETOS CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DE PROJETOS Lúcia Maria Mendonça Santos Marcos Daniel Souza dos Santos Paula Coelho da Nóbrega Departamento de Mobilidade Urbana Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana

Leia mais

A Ministra do Meio Ambiente do Brasil, Senadora Marina Silva, apresentou a agenda para consideração dos participantes, tendo sido aprovada.

A Ministra do Meio Ambiente do Brasil, Senadora Marina Silva, apresentou a agenda para consideração dos participantes, tendo sido aprovada. II Reunião de Ministros de Meio Ambiente do MERCOSUL 8 de novembro de 2004, Brasília, Brasil Ata da Reunião nº 02/04 Realizou-se na cidade de Brasília, República Federativa do Brasil, no dia 8 de novembro

Leia mais

ATA EXECUTIVA DA ª REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA MESA MUNICIPAL DE NEGOCIAÇÃO PERMANENTE DO SUS DE VITÓRIA MMNP SUS VITÓRIA

ATA EXECUTIVA DA ª REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA MESA MUNICIPAL DE NEGOCIAÇÃO PERMANENTE DO SUS DE VITÓRIA MMNP SUS VITÓRIA ATA EXECUTIVA DA ª REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA MESA MUNICIPAL DE NEGOCIAÇÃO PERMANENTE DO SUS DE VITÓRIA MMNP SUS VITÓRIA Reunião realizada no dia 13 de fevereiro de 2012, às 15:00 horas, no auditório da

Leia mais

METRÔ RIO NA RMS JUNHO E JULHO 2010 MOBILIZAÇÃO, SENSIBILIZAÇÃO E MONITORAMENTO DE LIDERANÇAS COMUNITÁRIAS TELEFONE, E-MAIL, RÁDIO E MÍDIAS SOCIAIS

METRÔ RIO NA RMS JUNHO E JULHO 2010 MOBILIZAÇÃO, SENSIBILIZAÇÃO E MONITORAMENTO DE LIDERANÇAS COMUNITÁRIAS TELEFONE, E-MAIL, RÁDIO E MÍDIAS SOCIAIS METRÔ RIO NA RMS JUNHO E JULHO 2010 MOBILIZAÇÃO, SENSIBILIZAÇÃO E MONITORAMENTO DE LIDERANÇAS COMUNITÁRIAS TELEFONE, E-MAIL, RÁDIO E MÍDIAS SOCIAIS NÚMEROS GERAIS: 1962 contatos por telefone com lideranças

Leia mais

DOCUMENTO DE PROVIDÊNCIAS AUDIÊNCIA PÚBLICA: COPA DO MUNDO DE 2014 EM CURITIBA E A UTILIZAÇÃO DO POTENCIAL CONSTRUTIVO

DOCUMENTO DE PROVIDÊNCIAS AUDIÊNCIA PÚBLICA: COPA DO MUNDO DE 2014 EM CURITIBA E A UTILIZAÇÃO DO POTENCIAL CONSTRUTIVO DOCUMENTO DE PROVIDÊNCIAS AUDIÊNCIA PÚBLICA: COPA DO MUNDO DE 2014 EM CURITIBA E A UTILIZAÇÃO DO POTENCIAL CONSTRUTIVO AS ENTIDADES E MOVIMENTOS DA SOCIEDADE CIVIL ORGANIZADA PRESENTES NA AUDIÊNCIA PÚBLICA

Leia mais

José Carlos de Oliveira Lima recebe homenagem especial da Fundação Vanzolini por sua atuação em prol da construção sustentável

José Carlos de Oliveira Lima recebe homenagem especial da Fundação Vanzolini por sua atuação em prol da construção sustentável José Carlos de Oliveira Lima recebe homenagem especial da Fundação Vanzolini por sua atuação em prol da construção sustentável Placa de reconhecimento foi entregue ao engenheiro durante a Conferência Aqua,

Leia mais

FÓRUM NACIONAL DE REFORMA URBANA

FÓRUM NACIONAL DE REFORMA URBANA Dias: 14 e 15 de setembro de 2011. Local: Brasília Distrito Federal. Ministério das Cidades Ata da Reunião da coordenação do FNRU. Presentes: Marcos Landa(MNLM), Gegê (CMP), Rogério Matos (FNU), Maria

Leia mais

SUGESTÕES PARA O DEBATE SOBRE O REGIMENTO INTERNO

SUGESTÕES PARA O DEBATE SOBRE O REGIMENTO INTERNO SUGESTÕES PARA O DEBATE SOBRE O REGIMENTO INTERNO Os Fóruns estão começando a rever seus Regimentos Internos e conferindo se estes estão colaborando da melhor forma possível para seu funcionamento. Este

Leia mais

Balanço SEMESTRAL da Gestão (Fev/Agosto 2012) Secretaria de Articulação Institucional e Ações Temáticas/SPM

Balanço SEMESTRAL da Gestão (Fev/Agosto 2012) Secretaria de Articulação Institucional e Ações Temáticas/SPM 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 ANEXO II ATA DA 10ª REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS DA MULHER REALIZADA NOS DIAS 04 E 05 DE SETEMBRO

Leia mais

EDITAL DE COMPOSIÇÃO DO COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS

EDITAL DE COMPOSIÇÃO DO COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS EDITAL DE COMPOSIÇÃO DO COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS A Secretaria Municipal de Agricultura, Desenvolvimento Rural e Meio Ambiente convida os Órgãos Públicos

Leia mais

ATA DA 48ª REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL. DA GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS NO DISTRITO FEDERAL.

ATA DA 48ª REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL. DA GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS NO DISTRITO FEDERAL. ATA DA 48ª REUNIÃO ORDINÁRIA DO DA GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS NO DISTRITO FEDERAL. Aos vinte e nove dias do mês de janeiro de dois mil e quatorze, as dez horas e trinta minutos deu-se a última chamada

Leia mais

capa Menos de 30% das principais cidades brasileiras possuem Plano de Mobilidade Urbana

capa Menos de 30% das principais cidades brasileiras possuem Plano de Mobilidade Urbana Menos de 30% das principais cidades brasileiras possuem Plano de Mobilidade Urbana Mesmo com lei, municípios brasileiros caminham lentamente na elaboração dos planos de mobilidade urbana. Na reta final

Leia mais

DISCURSO DE FRANCIS BOGOSSIAN

DISCURSO DE FRANCIS BOGOSSIAN DISCURSO DE FRANCIS BOGOSSIAN na solenidade de posse do Conselho Consultivo e do presidente executivo da AEERJ Dia 28 de julho de 2014 Centro de Convenções da Firjan Minhas Senhoras e Meus Senhores, Gostaria

Leia mais

1. Garantir a educação de qualidade

1. Garantir a educação de qualidade 1 Histórico O Pacto pela Juventude é uma proposição das organizações da sociedade civil, que compõem o Conselho Nacional de Juventude, para que os governos federal, estaduais e municipais se comprometam

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem?

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? SAIBA TUDO SOBRE O ENEM 2009 Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? Até 2008, o Enem era uma prova clássica com 63 questões interdisciplinares, sem articulação direta com os

Leia mais

Relatório Final da VI Conferência Municipal dos Direitos da Pessoa Idosa Piraí RJ.

Relatório Final da VI Conferência Municipal dos Direitos da Pessoa Idosa Piraí RJ. PREFEITURA MUNICIPAL DE PIRAÍ SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO - CMI P.A.I. PONTO DE APOIO AO IDOSO Inaugurado numa quinta-feira, o novo ano no Calendário Gregoriano,

Leia mais

Os brasileiros precisam conhecer a história dos negros. (textos e fotos Maurício Pestana)

Os brasileiros precisam conhecer a história dos negros. (textos e fotos Maurício Pestana) Os brasileiros precisam conhecer a história dos negros (textos e fotos Maurício Pestana) Responsável pelo parecer do Conselho Nacional de Educação que instituiu, há alguns anos, a obrigatoridade do ensino

Leia mais

Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica

Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica Política do Programa de Voluntariado do Grupo Telefônica INTRODUÇÃO O Grupo Telefônica, consciente de seu importante papel na construção de sociedades mais justas e igualitárias, possui um Programa de

Leia mais

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE)

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) É o chamado do Ministério da Educação (MEC) à sociedade para o trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria da

Leia mais

ATA DA 6 REUNIÃO DO CONSELHO CONSULTIVO DO PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO MAR NÚCLEO CARAGUATATUBA

ATA DA 6 REUNIÃO DO CONSELHO CONSULTIVO DO PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO MAR NÚCLEO CARAGUATATUBA ATA DA 6 REUNIÃO DO CONSELHO CONSULTIVO DO PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO MAR NÚCLEO CARAGUATATUBA REALIZADA EM 04 DE AGOSTO DE 2014. DATA, HORA E LOCAL: 04 de AGOSTO de 2014, às 13 horas, no Centro de Visitantes

Leia mais

ONG BRASI O DIÁLOGO ABRE CAMINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO. Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil

ONG BRASI O DIÁLOGO ABRE CAMINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO. Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil ONG BRASI 2012 O DIÁLOGO ABRE CAMINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil Dezembro de 2013 3 EXPEDIENTE Presidenta

Leia mais

Revisão Participativa. dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo

Revisão Participativa. dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume II Revisão Participativa do Plano Diretor Estratégico (PDE) 1. A importância do PDE (Plano Diretor Estratégico)

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO PAULO

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO PAULO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO PLANO DE MOBILIDADE URBANA DE SÃO PAULO outubro 2013 Plano de Mobilidade Urbana de São Paulo Em atendimento à Lei Federal 12.587 Institui a Política Nacional de Mobilidade Urbana

Leia mais

CONVOCAÇÃO. Estância Turística de Santa Fé do Sul, 19 de Setembro de 2014. Luiz Antonio Peres Trivelato Junior Presidente do Conselho Administrativo

CONVOCAÇÃO. Estância Turística de Santa Fé do Sul, 19 de Setembro de 2014. Luiz Antonio Peres Trivelato Junior Presidente do Conselho Administrativo CONVOCAÇÃO O Presidente do Conselho de Administração do SANTAFÉPREV Instituto Municipal de Previdência de Santa Fé do Sul, com base na Lei Municipal n 3.104 de 14/08/2013, CONVOCA, para o Dia 23/09/2014,

Leia mais

Kit de Apoio à Gestão Pública 1

Kit de Apoio à Gestão Pública 1 Kit de Apoio à Gestão Pública 1 Índice CADERNO 3: Kit de Apoio à Gestão Pública 3.1. Orientações para a reunião de Apoio à Gestão Pública... 03 3.1.1. O tema do Ciclo 4... 03 3.1.2. Objetivo, ações básicas

Leia mais

Metodologia. MARGEM DE ERRO O intervalo de confiança estimado é de 95% e a margem de erro máxima é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos.

Metodologia. MARGEM DE ERRO O intervalo de confiança estimado é de 95% e a margem de erro máxima é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos. Metodologia COLETA Entrevistas domiciliares com questionário estruturado. LOCAL DA PESQUISA Município de São Paulo. UNIVERSO moradores de 16 anos ou mais. PERÍODO DE CAMPO de 26 de setembro a 1º de outubro

Leia mais

Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Esporte Eunápolis Bahia

Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Esporte Eunápolis Bahia Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Esporte Eunápolis Bahia PORTARIA Nº 14/2009 Aprova o Regulamento da I Conferência Municipal de Cultura de Eunápolis-BA e dá outras providências. A SECRETÁRIA

Leia mais

PROMOTORIA DE JUSTIÇA DAS COMUNIDADES

PROMOTORIA DE JUSTIÇA DAS COMUNIDADES MPPR-0046.13.002014-5 ATA DE AUDIÊNCIA PÚBLICA Aos 18 de abril de 2013, às 19h, na Rua da Cidadania da Regional Boa Vista, localizada na Av. Paraná, 3600, no Bairro Boa Vista, em Curitiba-PR, tiveram início

Leia mais

kleber.matos@planalto.gov.br, gerson.almeida@planalto.gov.br e joao.filho@planalto.gov.br

kleber.matos@planalto.gov.br, gerson.almeida@planalto.gov.br e joao.filho@planalto.gov.br À SECRETARIA ESPECIAL DE DIREITOS HUMANOS Ministro Paulo de Tarso Vannuchi E-mail: paulo.vannuchi@sedh.gov.br e valeria.silva@sedh.gov.br AO MINISTÉRIO DAS CIDADES Ministro Márcio Fortes de Almeida E-mail:

Leia mais

Câmara Municipal de Tijucas do Sul

Câmara Municipal de Tijucas do Sul ATA DA 9 a SESSÃO ORDINÁRIA DO PRIMEIRO PERÍODO ORDINÁRIO DA PRIMEIRA SESSÃO LEGISLATIVA DA 15 a LEGISLATURA EM 07/04/2014. Aos sete dias do mês de abril do ano de dois mil e quatorze, nesta cidade de

Leia mais

2013/2016, REALIZADA NA CÂMARA MUNICIPAL DE MURIAÉ, EDIFÍCIO MANUEL CORRÊA DO PRADO, SITUADA À PRAÇA CORONEL PACHECO DE MEDEIROS, S

2013/2016, REALIZADA NA CÂMARA MUNICIPAL DE MURIAÉ, EDIFÍCIO MANUEL CORRÊA DO PRADO, SITUADA À PRAÇA CORONEL PACHECO DE MEDEIROS, S ATA DA 9 a REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA 2ª SESSÃO LEGISLATIVA DA 33 a LEGISLATURA, 2013/2016, REALIZADA NA CÂMARA MUNICIPAL DE MURIAÉ, EDIFÍCIO MANUEL CORRÊA DO PRADO, SITUADA À PRAÇA CORONEL PACHECO DE MEDEIROS,

Leia mais

Projeto Cidades da Copa PLANO DE AÇÃO PORTO ALEGRE - RS

Projeto Cidades da Copa PLANO DE AÇÃO PORTO ALEGRE - RS Projeto Cidades da Copa PLANO DE AÇÃO PORTO ALEGRE - RS PORTO ALEGRE EM AÇÃO É ESPORTE E EDUCAÇÃO O esporte não é educativo a priori, é o educador que precisa fazer dele ao mesmo tempo um objeto e meio

Leia mais

Protocolo de Relacionamento Político dos Escoteiros do Brasil

Protocolo de Relacionamento Político dos Escoteiros do Brasil Protocolo de Relacionamento Político dos Escoteiros do Brasil Protocolo de Relacionamento Político dos Escoteiros do Brasil Este guia pretende nortear os Grupos Escoteiros do Brasil a desenvolverem um

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR 1. Como são os cursos ofertados pela plataforma freire e quais os benefícios para os professores que forem selecionados? O professor sem formação poderá estudar nos

Leia mais

Clipping. ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO 03 de outubro de 2011 ESTADO DE MINAS

Clipping. ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO 03 de outubro de 2011 ESTADO DE MINAS ESTADO DE MINAS 1 2 ESTADO DE MINAS 3 ESTADO DE MINAS http://www.em.com.br PSD de Kassab mira 'órfãos' do PMDB quercista O PSD obteve registro no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) na terça-feira e corre

Leia mais

Levantamento dos marcos lógicos e legais de Mobilidade Urbana, Transporte e Trânsito.

Levantamento dos marcos lógicos e legais de Mobilidade Urbana, Transporte e Trânsito. 1. Marcos Lógicos Levantamento dos marcos lógicos e legais de Mobilidade Urbana, Transporte e Trânsito. Publicação/Origem MARCOS LÓGICOS INTERNACIONAIS Declaração Universal dos Direitos Humanos 1948 Art.

Leia mais

Prioridades para o PA 2014 Comunidade Externa. Câmpus Restinga Junho, 2013. Desenvolvimento Institucional

Prioridades para o PA 2014 Comunidade Externa. Câmpus Restinga Junho, 2013. Desenvolvimento Institucional Prioridades para o PA 2014 Comunidade Externa Câmpus Restinga Junho, 2013 Desenvolvimento Institucional APRESENTAÇÃO O presente relatório deve ser considerado como um Anexo ao Diagnóstico das Prioridades

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL ATA DA 22ª REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DA GERÊNCIA-EXECUTIVA DO INSS EM SÃO JOSÉ DO RIO PRETO Data : 02/08/2007 Horário: 10:30 h Local : Sala

Leia mais

DOSSIE SOBRE A LUTA DOS MORADORES DO ASSENTAMENTO CANAÃ (MT)

DOSSIE SOBRE A LUTA DOS MORADORES DO ASSENTAMENTO CANAÃ (MT) DOSSIE SOBRE A LUTA DOS MORADORES DO ASSENTAMENTO CANAÃ (MT) Há dois anos, um grupo de trabalhadores ocupou um local abandonado próximo ao bairro Parque Cuiabá (Mato Grosso). O local era ponto de usuários

Leia mais

ATA 94ª RO CAP/PSFS 1. VERIFICAÇÃO DE PRESENÇA E APROVAÇÃO DA ATA DA 93ª REUNIÃO ORDINÁRIA

ATA 94ª RO CAP/PSFS 1. VERIFICAÇÃO DE PRESENÇA E APROVAÇÃO DA ATA DA 93ª REUNIÃO ORDINÁRIA LOCAL E DATA ATA 94ª RO CAP/PSFS No dia 04 de novembro de 2003, às 09h30m, no auditório do Hotel Zibamba, no Município de São Francisco do Sul, sob a presidência de Marco Antônio Dechichi, representante

Leia mais

Alexandre Enzweiler, Gabriel de Almeida e Yvo Pitol 22/04/2013

Alexandre Enzweiler, Gabriel de Almeida e Yvo Pitol 22/04/2013 CIPA Comissão Interna de Prevenção de Acidentes NR-5 Alexandre Enzweiler, Gabriel de Almeida e Yvo Pitol 22/04/2013 Atribuições iniciais Criada em 1934 e regulamentada somente em 1978 juntamente com outras

Leia mais

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre Sumário I. Apresentação do Manual II. A Prevenção de Acidentes com Crianças III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre IV. Como a Educação pode contribuir para a Prevenção de Acidentes no Trânsito V. Dados

Leia mais

NORMAS REGULADORAS DO PROCESSO SELETIVO Edital Nº 17/2014-SEDIS

NORMAS REGULADORAS DO PROCESSO SELETIVO Edital Nº 17/2014-SEDIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA NACIONAL DE FORTALECIMENTOS DOS CONSELHOS ESCOLARES PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO CENTRO DE EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

Leia mais

Foto: Por gelinh. Flickr Creative Commons. Programa Cidades Sustentáveis

Foto: Por gelinh. Flickr Creative Commons. Programa Cidades Sustentáveis Foto: Por gelinh. Flickr Creative Commons Programa Cidades Sustentáveis CONTEXTO No Mundo Atualmente: mais da metade da humanidade já vive em cidades 2030: 60% e 2050: 70% (ONU) Emissões de gases de efeito

Leia mais

Ministério das Cidades

Ministério das Cidades Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana Ministério das Cidades A Mobilidade Urbana no Brasil Seminário Internacional:

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

Transcrição da Teleconferência Fato Relevante Camargo Corrêa Desenvolvimento Imobiliário 27 de dezembro de 2007. Tomás Awad, Itaú Corretora:

Transcrição da Teleconferência Fato Relevante Camargo Corrêa Desenvolvimento Imobiliário 27 de dezembro de 2007. Tomás Awad, Itaú Corretora: Tomás Awad, Itaú Corretora: Bom dia. Eu queria só ter um pouco mais de noção pelo menos de Caieiras. Pelo que vocês deram a entender, o projeto começa em 2010 o lançamento. Em que estágio vocês estão agora

Leia mais

Câmara Municipal de Tijucas do Sul

Câmara Municipal de Tijucas do Sul ATA DA 32 a SESSÃO ORDINÁRIA DO PRIMEIRO PERÍODO ORDINÁRIO DA PRIMEIRA SESSÃO LEGISLATIVA DA 15 a LEGISLATURA EM 30/09/2013 Aos trinta dias do mês de setembro do ano de dois mil e treze, nesta cidade de

Leia mais

PLANO DE AÇÕES SINDICAIS 2012 anexo ata de 03 de fevereiro de 2012 DEMANDA AÇÃO QUANDO FAZER COMO FAZER

PLANO DE AÇÕES SINDICAIS 2012 anexo ata de 03 de fevereiro de 2012 DEMANDA AÇÃO QUANDO FAZER COMO FAZER PLANO DE AÇÕES SINDICAIS 2012 anexo ata de 03 de fevereiro de 2012 DEMANDA AÇÃO QUANDO FAZER COMO FAZER 1.1-Reunião com a diretoria 1.1.1 03/02 ( sexta feira ) 17h 1.1.1.1 Convocar membros da diretoria

Leia mais

Comitê de Articulação Federativa Regimento Interno

Comitê de Articulação Federativa Regimento Interno PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Comitê de Articulação Federativa Regimento Interno DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º O Comitê de Articulação

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DOS TRABALHOS NO 1 SEMESTRE DE 2012.

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DOS TRABALHOS NO 1 SEMESTRE DE 2012. PROJETO: 13 - VOLUNTÁRIOS PARA A COPA DO MUNDO 2014. Objetivo: Acompanhar junto ao COL/FIFA (Comitê Organizador Local da FIFA) a seleção e recrutamento dos voluntários para atuarem na Copa do Mundo 2014.

Leia mais

Secretariado do MDT aprova foco temático e ações institucionais, de comunicação e de organização para 2014

Secretariado do MDT aprova foco temático e ações institucionais, de comunicação e de organização para 2014 Secretariado do MDT aprova foco temático e ações institucionais, de comunicação e de organização para 2014 O Secretariado do MDT se reuniu em 27 de maio de 2014, na sede da Associação Nacional de Transportes

Leia mais

d) Programa de Formação na Área da Cultura. ( ) Sim ( ) Não

d) Programa de Formação na Área da Cultura. ( ) Sim ( ) Não Componentes do Sistema Municipal de Cultura constituídos no Município: I - Coordenação: a) Secretaria Municipal de Cultura (ou órgão equivalente) ( ) Sim ( ) Não II - Instâncias de Articulação, Pactuação

Leia mais

EDITAL DE ELEIÇÃO E CONSTITUIÇÃO DOS CONSELHOS DE USUÁRIOS DA SKY

EDITAL DE ELEIÇÃO E CONSTITUIÇÃO DOS CONSELHOS DE USUÁRIOS DA SKY EDITAL DE ELEIÇÃO E CONSTITUIÇÃO DOS CONSELHOS DE USUÁRIOS DA SKY São convocados os senhores Usuários dos serviços de Telecomunicações e as associações ou entidades que possuam em seu objeto social características

Leia mais

ATA DA 130ª REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO DE CONSUMIDORES da AMPLA

ATA DA 130ª REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO DE CONSUMIDORES da AMPLA ATA DA 130ª REUNIÃO ORDINÁRIA DO CONSELHO DE CONSUMIDORES da AMPLA Local: Sala de Reunião do Conselho de Consumidores, Edifício Sede da Ampla, Praça Leoni Ramos nº 1 bl. 02/4º andar - São Domingos Niterói,

Leia mais

CONGRESSO ESTADUAL DE ARQUITETOS E URBANISTAS DE SANTA CATARINA PARTICIPAÇÃO, ATUAÇÃO, QUALIFICAÇÃO

CONGRESSO ESTADUAL DE ARQUITETOS E URBANISTAS DE SANTA CATARINA PARTICIPAÇÃO, ATUAÇÃO, QUALIFICAÇÃO CONGRESSO ESTADUAL DE ARQUITETOS E URBANISTAS DE SANTA CATARINA PARTICIPAÇÃO, ATUAÇÃO, QUALIFICAÇÃO CONGRESSO ESTADUAL DE ARQUITETOS E URBANISTAS NOS OUÇAM! Regimentalmente o Conselho de Arquitetura e

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES. Brasília, 25 de Abril de 2012

MINISTÉRIO DAS CIDADES. Brasília, 25 de Abril de 2012 MINISTÉRIO DAS CIDADES Brasília, 25 de Abril de 2012 1 ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO 1. ELABORAÇÃO DE PLANO EM ATENDIMENTO À LEI 12.187/2009 POLÍTICA NACIONAL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2. GRUPO TÉCNICO - CLIMA

Leia mais

Veja 10 fatores a serem avaliados ao receber proposta de emprego

Veja 10 fatores a serem avaliados ao receber proposta de emprego Terça-feira, 10 de dezembro de 2013 Atualizado em 10/12/2013 08h00 Veja 10 fatores a serem avaliados ao receber proposta de emprego Profissional deve pesar salário, plano de carreira, horário, entre outros.

Leia mais

ConstruBusiness - Rumo a 2022

ConstruBusiness - Rumo a 2022 ConstruBusiness - Rumo a 2022 EXPRESS ANO 1/12 Nº44 DEZ/12 CONSTRUBUSINESS 2012 10º CONGRESSO BRASILEIRO DA CONSTRUÇÃO Em sua 10ª edição, o Construbusiness elaborou o programa Compete Brasil, com soluções

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA MARIA DA FEIRA

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA MARIA DA FEIRA REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA MARIA DA FEIRA O Decreto-Lei nº7/2003, de 15 de Janeiro, com as alterações introduzidas pela Lei nº 41/2003, de 22 de Agosto, retificada pela

Leia mais

Conselho Gestor de Tecnologia da Informação e Comunicação Ata Nº 18, de 8 de outubro de 2014 (Sessão Extraordinária do Conselho Gestor de TIC)

Conselho Gestor de Tecnologia da Informação e Comunicação Ata Nº 18, de 8 de outubro de 2014 (Sessão Extraordinária do Conselho Gestor de TIC) Conselho Gestor de Tecnologia da Informação e Comunicação Ata Nº 18, de 8 de outubro de 2014 (Sessão Extraordinária do Conselho Gestor de TIC) Presidente: Leonardo Bidese de Pinho Aos oito dias de outubro

Leia mais

Câmara Municipal de Tijucas do Sul

Câmara Municipal de Tijucas do Sul ATA DA 16 a SESSÃO ORDINÁRIA DO PRIMEIRO PERÍODO ORDINÁRIO DA PRIMEIRA SESSÃO LEGISLATIVA DA 15 a LEGISLATURA EM 26/05/2014. Aos vinte e seis dias do mês de maio do ano de dois mil e quatorze, nesta cidade

Leia mais

SITE REDE BRASIL ATUAL, 30 /10/2012. Haddad assumirá cidade deficitária em diversas áreas, afirmam especialistas

SITE REDE BRASIL ATUAL, 30 /10/2012. Haddad assumirá cidade deficitária em diversas áreas, afirmam especialistas SITE REDE BRASIL ATUAL, 30 /10/2012 Haddad assumirá cidade deficitária em diversas áreas, afirmam especialistas Últimos oito anos de gestão representaram estagnação ou retrocesso na cidade Por: Redação

Leia mais

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências boletim Jovem de Futuro ed. 04-13 de dezembro de 2013 Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências O Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013 aconteceu de 26 a 28 de novembro.

Leia mais

A Gazeta (ES) 27/10/03 Conferência das Cidades chega ao fim com eleição de conselho

A Gazeta (ES) 27/10/03 Conferência das Cidades chega ao fim com eleição de conselho A Gazeta (ES) 27/10/03 Conferência das Cidades chega ao fim com eleição de conselho Brasília - A 1º Conferência Nacional das Cidades terminou ontem, no Minas Tênis Clube, em Brasília, com a escolha dos

Leia mais

Visão para o Rio Rede das Redes Projetos Transformadores / Negócios

Visão para o Rio Rede das Redes Projetos Transformadores / Negócios PROJETO 2015-2017 O Projeto Associação Comercial do Rio de Janeiro 2015 2017 consiste em um conjunto de conceitos, diretrizes e convergências de ações que vão orientar a atuação da ACRio para os próximos

Leia mais

Plano Estadual de Educação está disponível para consulta pública

Plano Estadual de Educação está disponível para consulta pública Veículo: Portal Agência Alagoas Data: 15/05/2015 Coluna/Editoria: EDUCAÇÃO Página: On-line Agência Alagoas Plano Estadual de Educação está disponível para consulta pública Documento está disponível no

Leia mais

Este documento faz parte do Repositório Digital da Rede Nossa São Paulo

Este documento faz parte do Repositório Digital da Rede Nossa São Paulo Este documento faz parte do Repositório Digital da Rede Nossa São Paulo www.nossasaopaulo.org.br Facebook, Youtube e G+: Rede Nossa São Paulo Twitter: @nossasaopaulo Reunião do Colegiado - 04/08/10 Participantes:

Leia mais

Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade

Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade Existe a compreensão evidente por parte das lideranças empresariais, agentes de mercado e outros formadores de opinião do setor privado

Leia mais

Realização e Organização. www.vamaislonge.com.br

Realização e Organização. www.vamaislonge.com.br Realização e Organização www.vamaislonge.com.br Quem somos... Leonardo Alvarenga, tenho 23 anos, sou criador do Não Tenho Ideia e do #VáMaisLonge. Sou formado em Educação Física mas larguei tudo logo após

Leia mais

Reunião do Conselho Coordenador do FMS

Reunião do Conselho Coordenador do FMS CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE DE GUARULHOS Reunião do Conselho Coordenador do FMS Ao vigésimo oitavo dia do mês de agosto de dois mil e treze, às quatorze horas e dezesseis minutos reuniu-se o Conselho Coodenador

Leia mais

1. II Conferência Nacional de Cultura II CNC e Pré-conferências setoriais

1. II Conferência Nacional de Cultura II CNC e Pré-conferências setoriais 1. II Conferência Nacional de Cultura II CNC e Pré-conferências setoriais Nos dias 11 a 14 de março, o Ministério da Cultura e seus órgãos vinculados realizarão II Conferência Nacional de Cultura (II CNC).

Leia mais

ATA DA 40ª REUNIÃO PLENÁRIA ORDINÁRIA DO CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS CONARQ

ATA DA 40ª REUNIÃO PLENÁRIA ORDINÁRIA DO CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS CONARQ Conselho Nacional de Arquivos CONARQ ATA DA 40ª REUNIÃO PLENÁRIA ORDINÁRIA DO CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS CONARQ 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 Aos seis dias do

Leia mais

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE Lei nº 4791/2008 Data da Lei 02/04/2008 O Presidente da Câmara Municipal do Rio de Janeiro nos termos do art. 79, 7º, da Lei Orgânica do Município do Rio de Janeiro, de 5 de abril de 1990, não exercida

Leia mais

RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE REFORMA AGRÁRIA

RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE REFORMA AGRÁRIA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO MDA INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA INCRA RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE

Leia mais

8 Passos para o Recrutamento Eficaz. Por Tiago Simões

8 Passos para o Recrutamento Eficaz. Por Tiago Simões 8 Passos para o Recrutamento Eficaz Por Tiago Simões Uma das coisas que aprendi na indústria de marketing de rede é que se você não tem um sistema de trabalho que comprovadamente funcione, muito provavelmente

Leia mais

Área Emitente: Gestão com Pessoas/SESMT ASSUNTO: ELEIÇÃO DA CIPA COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES NR-5

Área Emitente: Gestão com Pessoas/SESMT ASSUNTO: ELEIÇÃO DA CIPA COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES NR-5 Código: Data emissão: Data de Vigência: Página 1 de 7 1- Objetivo: Prevenir acidentes e doenças decorrentes do trabalho aplicando as determinações da legislação NR-5. 2- Aplicação: Este procedimento aplica-se

Leia mais

Plano de Fiscalização de Unidades de Conservação - SIM

Plano de Fiscalização de Unidades de Conservação - SIM Plano de Fiscalização de Unidades de Conservação - SIM Formação Socioambiental 3º Encontro Planejando intervenções Polo 6 P.E. Serra do Mar Núcleo Caraguatatuba Algo que pode provocar ou, também, inspirar...

Leia mais

Art. 1º Fica aprovado, na forma do Anexo, o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ. JOSÉ EDUARDO CARDOZO ANEXO

Art. 1º Fica aprovado, na forma do Anexo, o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ. JOSÉ EDUARDO CARDOZO ANEXO PORTARIA Nº 2.588, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 Aprova o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições previstas nos incisos I e II do parágrafo

Leia mais

Coordenação: João Henrique Lara do Amaral Cynthya Almeida Coradi Relatoria: Stela Maris Aguiar Lemos

Coordenação: João Henrique Lara do Amaral Cynthya Almeida Coradi Relatoria: Stela Maris Aguiar Lemos RELATÓRIO OFICINA FNEPAS ESTADUAL MINAS GERAIS INTEGRALIDADE E QUALIDADE NA FORMAÇÃO E NAS PRÁTICAS EM SAÚDE: Integrando Formação, Serviços, Gestores e Usuários Local: COBEM Uberlândia Data: 22 de outubro

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DA SAÚDE DO ESTADO DA BAHIA SUPERINTENDÊNCIA DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DIRETORIA DE ATENÇÃO BÁSICA

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DA SAÚDE DO ESTADO DA BAHIA SUPERINTENDÊNCIA DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DIRETORIA DE ATENÇÃO BÁSICA GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DA SAÚDE DO ESTADO DA BAHIA SUPERINTENDÊNCIA DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DIRETORIA DE ATENÇÃO BÁSICA ORIENTAÇÕES BÁSICAS À GESTÃO MUNICIPAL: ORGANIZAÇÃO DA CONFÊRENCIA

Leia mais