Perguntas e respostas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Perguntas e respostas"

Transcrição

1 CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS VOLTADOS AO APOIO DE PLANOS DE GESTÃO TERRITORIAL E AMBIENTAL EM TERRAS INDÍGENAS Perguntas e respostas (esta lista poderá receber a inclusão de novas questões, caso sejam identificadas perguntas recorrentes nas oficinas ou via correio eletrônico) 1. O BNDES indica consultores para a elaboração de propostas ou projetos? O BNDES não credencia nem indica consultores pessoas físicas ou jurídicas como intermediários para facilitar, agilizar ou aprovar operações com o próprio Banco ou com as instituições financeiras credenciadas a repassar seus recursos. O BNDES está sempre disponível para tirar dúvidas e prestar os esclarecimentos que se fizerem necessários diretamente ao interessado, por meio do endereço eletrônico Para dúvidas específicas quanto à Chamada Pública, o endereço deve ser utilizado. 2. Quais Terras Indígenas podem participar desta Chamada Pública? As Terras Indígenas objeto de apoio já deverão estar, no mínimo, delimitadas e identificadas, com portaria da FUNAI publicada no Diário Oficial da União (conforme art. 11 do Decreto n /12, que institui a PNGATI) e, ainda, localizadas total ou parcialmente no bioma Amazônia. Não serão permitidos projetos sobre áreas ainda em estudo. 3. Como devem ser abordadas as Terras Indígenas que possuem índios isolados e de recente contato? Conforme define o item 4.2 da Chamada, a elaboração dos PGTAs em Terras Indígenas com presença de povos indígenas isolados e/ou recém-contatados, que possuam territórios compartilhados ou limítrofes com outros povos indígenas, deve levar em conta a presença destes povos e suas formas de ocupação, fazendose necessária a participação das unidades da FUNAI responsáveis pelas ações junto a estes povos (Coordenação Geral de Índios Isolados e de Recente Contato CGIIRC e as Frentes de Proteção Etnoambiental). 4. O que deve ser feito caso a proposta de projeto envolva Terras Indígenas que possuem sobreposições com Unidades de Conservação? Em caso de dúvidas, deve-se entrar em contato com as agências regionais da FUNAI ou diretamente com a Coordenação Geral de Gestão Ambiental - CGGAM da FUNAI. Primordialmente, deve-se entrar em contato para esclarecimentos acerca das áreas cujos limites estejam sendo contestados ou objeto de litígio. 5. Existem prazos específicos para os períodos de construção, implementação e execução dos projetos? Não. O projeto deve respeitar o limite estabelecido em sua proposta encaminhada ao Fundo Amazônia, observado o prazo de execução total de até 42 meses.

2 6. Projetos que apresentem planos de acordos internos de uso da terra poderão ser apoiados no edital? Para serem objeto de apoio, tais planos devem estar inseridos dentro da estratégia de um PGTA, que pode contemplar, como uma das suas ações, a pactuação de tais acordos. De qualquer forma, deverão ser observados os princípios e diretrizes da PNGATI (Decreto n. 7747/2012). 7. Uma TI que já está contemplada por outro projeto apoiado (ou em negociação) com o Fundo Amazônia, cujo objetivo principal é Gestão Territorial e Ambiental, pode integrar uma proposta em resposta à Chamada? Desde que não haja sobreposição de atividades e que haja adicionalidade à proposta anterior, não há impedimento à participação na Chamada Pública. 8. São apoiáveis excursões para caçadas, pescarias e coletas de frutos? Sim. Entretanto, ressalta-se que não é financiável a compra de armamentos (item 5.8 f da Chamada), assim como a compra de munição. 9. São apoiáveis atividades relacionadas à saúde? E quanto ao cultivo de ervas medicinais? Os itens relacionados diretamente à saúde não são financiáveis nesta Chamada Pública. No caso de atividades de apoio ao cultivo de ervas medicinais, seria possível apoiá-las, desde que elas estejam inseridas numa estratégia de resgate cultural dentro da gestão ambiental ou numa atividade produtiva sustentável. 10. Sobre o item da Chamada Pública:... deverão ser asseguradas, também, necessariamente as seguintes ações transversais: a) Capacitação e formação indígena; b) Fortalecimento das organizações indígenas locais e das entidades proponentes dos projetos. Contudo, não fica claro como estes aspectos devem ser desenvolvidos no projeto. Quais tipos de ações se encaixariam nessas linhas? Além disso, fortalecimento institucional e formação de equipe das instituições indigenistas e ou socioambientais também podem ser contempladas nas propostas? Nos termos do item 3.2 da chamada, além da capacitação e formação das comunidades indígenas, as ações de fortalecimento institucional abrangem tanto as associações indígenas incluídas no projeto quanto as instituições que venham a propô-lo e assumirão obrigações contratuais perante o BNDES, sejam estas indigenistas ou indígenas. PGTAs 11. As Terras Indígenas que possuem atividades de etnomapeamento e etnozoneamento poderão considerá-las como subsídios para os processos de implementação? Sim, caso tais atividades estejam dentro da construção de um PGTA, que deve obedecer requisitos e critérios da PNGATI (Decreto n. 7747/2012), entre eles, o protagonismo indígena. Caberá à Comissão de Seleção avaliar o estágio e nível de maturidade das atividades implementadas para fins de proposta de implementação, sendo relevante destacar que as TIs que não possuam PGTA elaborado não poderão ser objeto de propostas que contemplem a sua elaboração mais a implementação do referido plano. 2

3 12. Há necessidade de encaixar, na proposta de projeto, diagnósticos de cada etnia, ou o diagnóstico pode ser global? Caso o projeto se proponha a implementar um PGTA pronto, quanto mais detalhado o diagnóstico da TI, incluindo as especificidades de cada etnia, melhor será o Plano e mais consistente, portanto, a proposta. No entanto, eventualmente, em propostas que abranjam TIs com mais de uma etnia, o aprofundamento e detalhamento de um diagnóstico mais geral pode ser apoiado no âmbito de um PGTA ainda em conclusão. 13. Qual conceito de PGTA será usado para avaliar se uma TI já possui o instrumento? Não há um conceito restrito, devendo o proponente se nortear pelo documento Orientações para Elaboração Planos de Gestão Ambiental e Territorial de Terras Indígenas elaborado pela FUNAI e disponibilizado no site do Fundo Amazônia. Tal documento contém princípios e etapas a serem seguidas pelo proponente na elaboração do PGTA. Os princípios contidos no referido documento se referem a protagonismo indígena, legalidade, sustentabilidade e estabelecimento de acordos/pactos. Com relação às etapas, estas seriam: 1)sensibilização e mobilização; 2) diagnóstico; 3) planejamento; 4) execução; e 5) monitoramento e avaliação. Importante ressaltar que tal documento tem caráter orientador, e não normativo. Eventuais Planos já existentes que tenham sido elaborados de forma diversa serão avaliados pela Comissão, da qual a FUNAI faz parte para fins de serem ou não considerados PGTAs. 14. Quais os critérios mínimos para serem considerados PGTAs? Os instrumentos de planejamento que embasam a proposta de implementação precisam necessariamente ser formatados como PGTAs? Os critérios mínimos são aqueles relacionados aos princípios e às etapas a serem consideradas na elaboração do plano, conforme documento orientador da FUNAI citado no item anterior. Consequentemente, os instrumentos de planejamento devem ser elaborados com observância a tais princípios e etapas. 15. Pode ser considerado como PGTA um plano de vida genérico junto a documentos das comunidades que detalhem ações? O Plano de vida será considerado PGTA desde que tenha diagnóstico consistente, plena participação indígena comprovada e, principalmente, atividades concretas a serem apoiadas dentro dos limites da Chamada. Ou seja, não basta um plano genérico. Vale lembrar que o processo de seleção dos projetos é concorrencial e cada caso será avaliado pela Comissão. 16. O PGTA pode ser apresentado como um anexo dentro da consulta prévia? Sim. 17. Quais os limites entre a elaboração e implementação de PGTAs? Planos de negócio, por exemplo? A implementação se refere ao apoio para a execução de atividades concretas previstas no PGTA (ex: apoio à cadeia produtiva de castanha). Já a elaboração tem suas características esclarecidas nas Perguntas 12 e 13 acima. Assim, planos de negócio são um item de implementação (plano de negócio da castanha, por exemplo). 18. Se a unidade territorial para apoio é por Terra Indígena, como considerar as diferentes aldeias/ etnias nela inseridas e os diferentes estágios dos respectivos PGTAs? A princípio, o PGTA deve contemplar toda a unidade territorial da TI e englobar todas as aldeias e etnias nela existentes. No entanto, em algumas TIs, que contemplem etnoregiões, conforme avaliação da própria FUNAI, pode-se justificar a divisão territorial e a elaboração de mais de um PGTA numa única TI. Esta divisão territorial e os diferentes estágios precisam ser considerados no projeto. 3

4 Anuência prévia 19. Quais as formas de comprovação de anuência dos povos indígenas que serão aceitas? Como serão verificados? A anuência poderá ser comprovada de diversas formas perante o BNDES, tais como: ata de reunião, seminário ou fórum documentado e assinado por lideranças indígenas; declaração das entidades representativas; ou ainda outro documento em que fique claro o consentimento dos povos indígenas envolvidos em relação ao projeto. Proponentes, beneficiários e arranjos 20. No arranjo institucional do projeto, pode o parceiro ou o beneficiário que solicita o apoio estar inadimplente? E no caso de proponentes que estejam na justiça contra a Funasa, estão inadimplentes? Conforme o documento da Chamada Pública que traduz as exigências operacionais padrão do BNDES, é requisito para contratação com o Banco a regularidade fiscal e adimplência com a União, por força de lei. Tal requisito deve ser preenchido por toda e qualquer entidade que figurar no contrato com o BNDES. Ações judiciais em curso contra a instituição não são óbices, por si só, para impedir a contratação com o BNDES, porém serão levadas em conta na análise cadastral feita pelo BNDES, que tem por finalidade avaliar eventuais riscos jurídicos, financeiros e de imagem do Fundo Amazônia/BNDES. No entanto, caso tal ação judicial gere condenação que torne a instituição inadimplente perante a União, haverá óbice à contratação com o BNDES. 21. Como promover o protagonismo indígena se a Chamada prevê requisitos que só podem ser atendidos pela estrutura de grandes organizações? A Chamada Pública prevê a possibilidade de participação de vários tipos de entidades, indígenas, indigenistas, socioambientalistas ou ambientalistas, desde que tais instituições possuam capacidade de gestão. Além disso, o protagonismo indígena não se resume a figurar como proponente dos projetos. Pelo contrário, trata-se de requisito necessário para a elaboração de todo e qualquer PGTA, no sentido de que os indígenas abrangidos no projeto devem estar incluídos em todo o seu processo, desde a participação na elaboração do projeto, na composição das instâncias de governança, na implementação das atividades e como beneficiários finais. 22. O fortalecimento institucional prevê o apoio apenas para a estruturação física das organizações e para a gestão dos projetos ou também para o fortalecimento político de instituições indígenas ou indigenistas? Desde que demonstrada a relação com o projeto, ações de fortalecimento político das organizações indígenas poderão ser apoiadas como, por exemplo, capacitação e fóruns de discussão para elaboração do PGTA. Com relação às instituições indigenistas, o fortalecimento institucional não abrange o fortalecimento político de tais organizações. 4

5 Contrapartida 23. No caso de organizações indígenas, como estas podem comprovar a contrapartida mínima de 3%? Elas podem comprová-la, no caso de contrapartida financeira, com a apresentação de comprovantes de gastos realizados, equivalentes a 3% do valor solicitado ao Fundo Amazônia (recibo de um serviço contratado, por exemplo). Na contrapartida não financeira, com a previsão de bens ou serviços que serão destinados à execução do projeto (ver Pergunta a seguir). 24. O que significa contrapartida não financeira? Significa uma contrapartida descrita no projeto com itens financiáveis economicamente mensuráveis. Por exemplo: contratação de um serviço para a realização do projeto, aquisição de veículo, custos de instalação de escritório ou unidade necessária à execução do projeto, etc. A comprovação será verificada na ocasião da visita de acompanhamento do BNDES e a partir do relatório de desempenho, elaborado pelo proponente, sem necessidade de comprovação por meio de recibos e notas fiscais. Itens financiáveis 25. O pagamento de aluguel, água e luz pode ser classificado como contrapartida não financeira do projeto? O custeio administrativo, ou seja, referente aos gastos realizados pela organização proponente para suas atividades ordinárias, independentemente do projeto, não é considerado como contrapartida. 26. A auditoria financeira prevista é direcionada ao projeto ou à instituição? A auditoria financeira exigida na chamada é direcionada às contas da instituição proponente. Vale lembrar que o projeto que vier a ser apoiado pela presente chamada irá integrar os registros contábeis da instituição proponente e, portanto, os recursos recebidos do Fundo Amazônia também serão contabilizados na auditoria. 27. É possível uma organização apresentar um projeto com orçamento além de seu maior projeto gerido ou maior que seu orçamento anual atual? Sim, desde que comprove capacidade operacional para executar o projeto. Tal capacidade será verificada pelo BNDES durante a análise do projeto e, caso tal requisito não fique devidamente demostrado, o projeto poderá ser cancelado nesta fase. 28. As pessoas com funções administrativas e financeiras se enquadram nos custos operacionais (até 10% do valor total do projeto) ou nos custos de despesas com pessoal relacionado diretamente com projeto? O pessoal com funções administrativas, desde que com dedicação exclusiva ao projeto, deve ser considerado como despesas com pessoal relacionado diretamente ao projeto e, portanto, tais custos não estão limitados ao percentual de 10% do projeto. No caso das assessorias especializadas, como contabilidade e assessoria jurídica, deverão estar incluídas nos custos operacionais (até 10% do valor total do projeto). Vale ressaltar que o custo global de gestão do projeto deve ser dimensionado de forma proporcional e razoável ao valor total do projeto e aos benefícios a serem auferidos pelos indígenas, público-alvo desta Chamada. 5

6 29. Como é feito o calculo dos percentuais de 10% para custos operacionais, 70% para implementação de PGTAs e 30% para elaboração de PGTAs? Os 10% referentes a custos operacionais são calculados em relação ao valor total do projeto. 70% se referem às ações previstas no item da Chamada e 30% nas ações previstas no item do referido documento. 30. A Assistência Técnica e Extensão Rural (ATER) indígena é financiável? Sim, conforme disposto no item 5.7 ( São financiáveis ), item f desta Chamada. 31. Sobre a recuperação de áreas degradadas, podem ser aplicados investimentos na recuperação do entorno? O objeto da presente Chamada são as Terras Indígenas localizadas total ou parcialmente no bioma Amazônia. A previsão de ações no âmbito do projeto que incluam áreas no entorno das TIs devem estar muito bem justificadas e relacionadas diretamente com o PGTA e/ou com sua implementação. 32. Poderá ser realizado o pagamento de bolsas para Agentes Ambientais Indígenas (AAIs) durante o projeto? Sim, desde que estes agentes estejam desenvolvendo atividades relacionadas diretamente ao projeto. Tais bolsas serão custeadas como prestação de serviço. Perguntas gerais 33. Como contemplar, em três anos, a elaboração ou implementação de PGTAs em Terras Indígenas muito grandes (ou complexos territoriais)? O prazo limite dos projetos a serem executados no âmbito dessa Chamada é de até 42 meses. A presente Chamada não tem por ambição a implementação total dos PGTAs em TIs muito grandes, mas alavancar e contribuir para tal processo. No caso de TIs com territórios muito grandes, o proponente deve optar, no conjunto de ações possíveis, por aquelas que sejam mais prioritárias ou que necessitem de um apoio mais efetivo e que possam ser executadas dentro do prazo acima mencionado. 34. Proponentes deverão seguir a Lei 8.666/1993 (Lei de licitações) na execução do projeto? Não. A exigência na aquisição e/ou contratação de serviços é a realização de três orçamentos ou apresentação de justificativa acerca da impossibilidade ou inexigibilidade de realizar a referida cotação, conforme a minuta padrão de Contrato do Fundo Amazônia. 35. Se o projeto for aprovado, a execução deverá ser feita via SICONV? Não. O BNDES não opera via SICONV nem via convênios, celebrando, outrossim, contratos. 6

7 36. O que se entende por tempo de encerramento da análise: é o tempo de encerramento da comissão avaliadora do edital? Ou é o tempo de avaliação para a contratação do projeto/proposta? Assim, em perspectiva, podemos considerar quantos meses/anos? A análise de uma proposta se encerra quando a equipe técnica do Fundo Amazônia submete seu Relatório de Análise à apreciação da Diretoria do BNDES. O tempo decorrido entre o encerramento das inscrições para a Chamada Pública e o do encaminhamento à Diretoria dependerá de uma série de fatores, inclusive da celeridade das respostas dos proponentes aos questionamentos, que ocorrerão na fase de análise, pela equipe do Fundo Amazônia (item 7.3 da Chamada Pública). 37. Qual seria o tempo para uma associação indígena e/ou indigenista, socioambiental concorrer a apoio financeiro para implementar algumas ações de PGTAs que foram objeto de elaboração do presente edital? O Fundo Amazônia voltará a receber propostas de apoio financeiro relacionados à implantação de PGTAs em TIs, uma vez que todas as propostas aprovadas no âmbito da presente Chamada tenham seus Relatórios de Análise submetidos à apreciação da Diretoria do BNDES (ver Pergunta acima). 38. Uma Terra Indígena que já está contemplada por outro projeto apoiado (ou em negociação) com o Fundo Amazônia, cujo objetivo principal é Gestão Territorial e Ambiental, pode integrar uma proposta em resposta ao presente edital? Desde que não haja sobreposição de atividades e que haja adicionalidade à proposta anterior, não há impedimento à participação na Chamada Pública. 39. Itens de comunicação são contemplados no projeto? Sim. A Chamada pública prevê que os PGTAs deverão apresentar estratégia de publicação e divulgação dos seus resultados. Módulos da Consulta prévia 1º Módulo 40. Qual o papel do interveniente? Pode ser órgão público? O interveniente pode ser um órgão público (ou entidade privada) que tem o papel de assumir algumas corresponsabilidades junto com o proponente na execução do projeto, integrando também o Contrato a ser celebrado perante o BNDES para a execução do projeto. Cabe lembrar que, para fins de concorrência na Chamada Pública, deverá ser identificada a instituição proponente, que deverá ser a responsável pela gestão financeira e administrativa do projeto, perante o BNDES. A inclusão de uma eventual instituição como interveniente no Contrato será tratada na fase de análise pelo BNDES, que poderá solicitar tal inclusão, se for o caso. Caberá à proponente, na Consulta Prévia apresentada ao BNDES, descrever eventuais participações relevantes de outras instituições, identificando o papel a ser desempenhado por cada uma delas. 7

8 2º Módulo 41. No 2º módulo, quadro B, a lista de indicação de áreas contempladas não inclui os PGTAs. Elas serão incluídas? No novo Roteiro devem ser incluídas no Segundo módulo, item A. Chamada_PNGATI.dot 3º Módulo 42. O que pode ser considerado como custo operacional? Custo operacional possui um sentido amplo e pode ser entendido como todo custo necessário à realização do projeto. Na presente Chamada, porém, há uma divisão clara, que traz algumas restrições em relação a tais despesas, conforme abaixo especificado: - Despesas indiretamente relacionadas ao projeto necessárias à sua concepção, elaboração ou implementação, tais como, despesas com contabilidade e assistência jurídica, estarão limitadas a 10% do valor global do projeto (ver item 5.7, letra l da Chamada); - Custos administrativos da instituição, incluindo gastos com pessoal sem dedicação exclusiva e despesas correntes (água, luz, telefone), não serão financiados (ver item 5.8, j, da Chamada); e - Despesas diretamente relacionadas ao projeto (pessoal com dedicação exclusiva, custos com base de campo, etc.) poderão ser financiadas no projeto e não estarão limitadas a 10% do valor global. 43. Como identificar a contrapartida nas tabelas orçamentárias? Ela deve ser identificada diretamente no item da tabela, podendo ser destacada entre parênteses. No caso de contrapartida não financeira, deverá ser descrito no item L do 3 módulo do Roteiro. 44. A contrapartida somente poderá ser relacionada com os itens financiáveis? Sim. A contrapartida deve abranger itens financiáveis (item 5.7 da Chamada). 45. É possível utilizar recursos de outras fontes como contrapartida? Sim, porém é relevante lembrar que instituição assumirá contratualmente a obrigação de comprovar a contrapartida indicada no projeto. 46. Onde apresentar, no Roteiro, as previsões de investimentos nas categorias (elaboração de PGTAs) e (implementação de PGTAs), apoiadas no âmbito da Chamada? No Quadro de Usos e Fontes (terceiro módulo, letra L) do Roteiro. Cabe ressaltar que, conforme o item 3.1 da Chamada, os investimentos abrangidos na categoria estão limitados a 30% do total da proposta. 47. Há limites a serem observados para os montantes previstos em cada produto/serviço? 8

9 Deve-se atentar para os itens 3.1 e 5.7.1, I, da Chamada. À exceção destes itens, não há limites préestabelecidos para gastos com cada um dos Usos (ver Quadro de Usos e Fontes (terceiro módulo, letra L). 48. Itens relacionados à gestão direta do projeto são passíveis de financiamento no âmbito da Chamada? Sim, desde que sejam justificados e dependendo de sua natureza (por exemplo, gastos com pessoal com dedicação parcial não serão apoiados). 49. No formulário, o pessoal administrativo do projeto deve ser incluído como parte de gestão? Sim. O pessoal administrativo deve ser incluído na planilha orçamentária da gestão do projeto (item G do 3 módulo do Roteiro). Ver, ainda, resposta acima do item 1 do terceiro módulo. 50. Numa Terra Indígena com várias comunidades, se uma vier a se envolver com atividades ilegais, seria possível realocar os recursos que antes se destinavam a ela? Sim, desde que a atividade ainda não tenha sido iniciada. Tal hipótese deverá ser relatada ao BNDES, que avaliará a melhor solução em conjunto com o proponente. Perguntas gerais 51. O Roteiro para elaboração do projeto é a consulta prévia? Sim. 52. Será elaborado um roteiro para prestação de contas e execução financeira? Este roteiro já esta disponível no website do Fundo Amazônia. ads/modelo_relatorio_de_desempenho.doc 53. As Terras Indígenas que estão em processo de revisão podem ser contempladas pelo edital? Tal situação será avaliada pela Comissão de Classificação e Seleção, da qual a FUNAI faz parte, que analisará eventuais situações de conflito e sobreposição de limites em relação à TI, objeto da presente Chamada, e o risco jurídico do recebimento do apoio financeiro pelo Fundo Amazônia. 54. O projeto pode apoiar ações de sequestro de carbono e venda de créditos de carbono? Não (ver item ) 55. Quem poderá sanar dúvidas na elaboração da proposta e no preenchimento do formulário? As dúvidas podem ser enviadas para o específico da Chamada: Ademais, serão realizadas Oficinas da capacitação em Rio Branco AC (29 e 30/07), Belém - PA (5 e 6/08) e Manaus AM (7 e 8/08). 56. Como os indígenas saberão que o valor solicitado pela instituição proponente, e aprovado pelo BNDES, está sendo aplicado? 9

10 O acompanhamento da implementação do projeto dependerá do arranjo de governança de cada projeto, o qual deverá incluir as entidades e grupos indígenas locais. Ao mesmo tempo, o BNDES acompanhará e divulgará no seu website os resultados alcançados no decorrer do projeto. Vale lembrar que é necessária uma estratégia de publicação e divulgação do projeto. Monitoramento de impactos 57. Como se dará o monitoramento de impactos do projeto? O monitoramento de impactos se dará no decorrer da execução de todo o projeto, baseado nos indicadores de execução e efetividade definidos e no acompanhamento técnico realizado pela equipe do Fundo Amazônia. 58. As mudanças ocorridas no âmbito do projeto devem ser comunicadas? Não apenas as mudanças, mas qualquer fato que afete ou impacte a continuidade do projeto deverão ser comunicados prontamente à equipe técnica do Fundo Amazônia responsável pelo projeto no BNDES. Ressalte-se que há, inclusive, cláusula contratual padrão no Contrato do Fundo Amazônia. 59. Para cada atividade prevista no projeto deve haver um indicador? Não é necessário desenvolver um indicador para cada atividade. Os indicadores devem ser desenvolvidos na esfera dos produtos e serviços (indicadores de execução) e na esfera dos impactos (indicadores de efetividade). 10

1ª Oficina Chamada Pública de Projetos do Fundo Amazônia Apoio à Planos de Gestão Territorial e Ambiental (PGTA) em Terras Indígenas

1ª Oficina Chamada Pública de Projetos do Fundo Amazônia Apoio à Planos de Gestão Territorial e Ambiental (PGTA) em Terras Indígenas 1ª Oficina Chamada Pública de Projetos do Fundo Amazônia Apoio à Planos de Gestão Territorial e Ambiental (PGTA) em Terras Indígenas Brasília, 10 e 11 de Junho 2014 Política Nacional de Gestão Ambiental

Leia mais

Termo de Referencia. Contratação de Especialista 1 Moderação e Planejamento Participativo Indígena e Indigenista

Termo de Referencia. Contratação de Especialista 1 Moderação e Planejamento Participativo Indígena e Indigenista Termo de Referencia IIª Etapa de Agenda e Planejamento da Gestão Territorial e Ambiental da Terra Indígena Trincheira Bacajá, povo Mebengokré Xikrin Contratação de Especialista 1 Moderação e Planejamento

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE GESTÃO TERRITORIAL E AMBIENTAL DE TERRAS INDÍGENAS - PNGATI

POLÍTICA NACIONAL DE GESTÃO TERRITORIAL E AMBIENTAL DE TERRAS INDÍGENAS - PNGATI POLÍTICA NACIONAL DE GESTÃO TERRITORIAL E AMBIENTAL DE TERRAS INDÍGENAS - PNGATI FUNAI - CGGAM Coordenação Geral de Gestão Ambiental Fundação Nacional do Índio Diretoria de Promoção ao Desenvolvimento

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII

CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII A Associação Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial EMBRAPII torna público o processo de seleção para habilitar Polos EMBRAPII IF (PEIF). Os

Leia mais

Indicadores de Belo Monte

Indicadores de Belo Monte Indicadores de Belo Monte Processo de planejamento de gestão ambiental e territorial, por TI Situação em outubro de 2015 O Programa de Gestão Territorial Indígena do PBA-CI contempla uma série de ações

Leia mais

Edital de Seleção Pública de Projetos Sociais

Edital de Seleção Pública de Projetos Sociais Disposições Gerais As inscrições dos projetos serão aceitas com a entrega física do projeto, acompanhado de CD ROM com a versão digitalizada, nos escritórios das Regionais da CEMAR (relação ANEXO I), ou

Leia mais

EDITAL Verde-Amarelo/ Parques Tecnológicos: FINEP 04/2002

EDITAL Verde-Amarelo/ Parques Tecnológicos: FINEP 04/2002 EDITAL Verde-Amarelo/ Parques Tecnológicos: FINEP 04/2002 O Ministério da Ciência e Tecnologia, em cumprimento às recomendações do Comitê Gestor do Programa de Estímulo à Interação Universidade-Empresa

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria do Turismo, Esporte e do Lazer Fundação de Esporte e Lazer do Rio Grande do Sul - FUNDERGS

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria do Turismo, Esporte e do Lazer Fundação de Esporte e Lazer do Rio Grande do Sul - FUNDERGS EDITAL Nº 03/2015 PEQUENAS OBRAS E REFORMAS EM GINÁSIOS ESPORTIVOS, CANCHAS, QUADRAS ESPORTIVAS, ESTÁDIOS, CAMPOS DE FUTEBOL E OUTROS ESPAÇOS DESTINADOS À PRÁTICA DE ESPORTES E AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS

Leia mais

O PREFEITO DE GOIÂNIA, no uso de suas atribuições legais, e CAPÍTULO I DO FUNDO MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER

O PREFEITO DE GOIÂNIA, no uso de suas atribuições legais, e CAPÍTULO I DO FUNDO MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER 1 Gabinete do Prefeito DECRETO Nº 4139, DE 11 DE SETEMBRO DE 2013. Regulamenta o Fundo Municipal de Esporte e Lazer e o Incentivo ao Esporte e Lazer e dá outras providências. O PREFEITO DE GOIÂNIA, no

Leia mais

Edital SENAI SESI de Inovação 2012 PERGUNTAS FREQUENTES

Edital SENAI SESI de Inovação 2012 PERGUNTAS FREQUENTES Edital SENAI SESI de Inovação 2012 PERGUNTAS FREQUENTES Brasília 2012 Edital SENAI SESI de Inovação 2012 PERGUNTAS FREQUENTES Brasília 2012 Edital SENai SESi de inovação 2012 PERGUNTAS FREQUENTES 3 1)

Leia mais

Edital FAPERJ n.º 17/2010 Parceria CAPES/FAPERJ PROGRAMA EQUIPAMENTO SOLIDÁRIO CAPES/FAPERJ 2010

Edital FAPERJ n.º 17/2010 Parceria CAPES/FAPERJ PROGRAMA EQUIPAMENTO SOLIDÁRIO CAPES/FAPERJ 2010 Edital n.º 17/2010 Parceria / PROGRAMA EQUIPAMENTO SOLIDÁRIO / 2010 O Ministério da Educação, por meio da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, e o Governo do Estado do Rio de Janeiro,

Leia mais

EDITAL UCB 001/2012 Propostas de Pesquisas

EDITAL UCB 001/2012 Propostas de Pesquisas Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Diretoria de Programa de Pesquisa EDITAL UCB 001/2012 Propostas de Pesquisas A Universidade Católica de Brasília - UCB, por intermédio do Presidente do Conselho

Leia mais

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Em vigor a partir de 01/04/2016 RINA Via Corsica 12 16128 Genova - Itália tel. +39 010 53851 fax +39 010 5351000 website : www.rina.org Normas

Leia mais

CHECKLIST CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE RECURSOS FEDERAIS

CHECKLIST CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE RECURSOS FEDERAIS CHECKLIST CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE RECURSOS FEDERAIS VERIFICAÇÕES PRELIMINARES Art. 3, caput e 1 ; 1. O objeto do convênio ou contrato de repasse guarda relação com a atividade do convenente? 2.

Leia mais

Programa Fundo Amazônia / Ministério do Meio Ambiente de apoio ao Cadastramento Ambiental Rural

Programa Fundo Amazônia / Ministério do Meio Ambiente de apoio ao Cadastramento Ambiental Rural Programa Fundo Amazônia / Ministério do Meio Ambiente de apoio ao Cadastramento Ambiental Rural 1 OBJETIVO Apoio financeiro a projetos que viabilizem a adesão de proprietários rurais ao Cadastro Ambiental

Leia mais

CHAMADA PARA O PROCESSO DE INSCRIÇÃO 2014/2015 DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DA FUNCAP

CHAMADA PARA O PROCESSO DE INSCRIÇÃO 2014/2015 DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DA FUNCAP CHAMADA PARA O PROCESSO DE INSCRIÇÃO 2014/2015 DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DA FUNCAP CHAMADA Nº. 13/2013 DETALHAMENTO GERAL INTRODUÇÃO A (FUNCAP), vinculada

Leia mais

Manual de Conduta INTRADER DTVM LTDA. MANUAL DE CONDUTA E MELHORES PRÁTICAS

Manual de Conduta INTRADER DTVM LTDA. MANUAL DE CONDUTA E MELHORES PRÁTICAS INTRADER DTVM LTDA. MANUAL DE CONDUTA E MELHORES PRÁTICAS VERSÃO 2012 ÍNDICE 1. Introdução 2. Das Obrigações dos Agentes Autônomos 3. Das Vedações 4. Do Termo de Recebimento, Ciência e Aceitação 1. Introdução

Leia mais

Conjunto EDITAL N.º 025/2014 PROEPI/IFPR - RETIFICADO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INCENTIVO AO EMPREENDEDORISMO INOVADOR (PIBIN)

Conjunto EDITAL N.º 025/2014 PROEPI/IFPR - RETIFICADO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INCENTIVO AO EMPREENDEDORISMO INOVADOR (PIBIN) EDITAL N.º 025/2014 PROEPI/IFPR - RETIFICADO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INCENTIVO AO EMPREENDEDORISMO INOVADOR (PIBIN) A Pró-Reitoria de Extensão, Pesquisa e Inovação do Instituto Federal do Paraná

Leia mais

Apoio a Programas de Conservação

Apoio a Programas de Conservação Apoio a Programas de Conservação OBJETIVOS Apoiar instituições para que desenvolvam ações de conservação em médio e longo prazo, na forma de programa, que resultem em medidas efetivas de conservação. As

Leia mais

Edital. Ações para o desenvolvimento integral na Primeira Infância

Edital. Ações para o desenvolvimento integral na Primeira Infância Edital Ações para o desenvolvimento integral na Primeira Infância 1. OBJETIVO 1.1. Este edital tem o objetivo de apoiar financeiramente projetos de extensão universitária voltados a ações para o desenvolvimento

Leia mais

EDITAL Seleção para apoio a implantação de projetos que contribuam com o Desenvolvimento Territorial

EDITAL Seleção para apoio a implantação de projetos que contribuam com o Desenvolvimento Territorial FUNDO MULTILATERAL DE INVESTIMENTOS PROGRAMA REGIONAL DE FORMAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO LOCAL COM INCLUSÃO SOCIAL- ConectaDEL EDITAL Seleção para apoio a implantação de projetos que contribuam

Leia mais

EVENTOS E CONGRESSOS

EVENTOS E CONGRESSOS EVENTOS E CONGRESSOS O financiamento de eventos de caráter científico-tecnológico obedece à seguinte priorização: a) organização; b) participação coletiva; c) participação individual no país; d) participação

Leia mais

Chamada CNPq-SETEC/MEC N º 17/2014 - Apoio a Projetos Cooperativos de Pesquisa Aplicada e de Extensão Tecnológica Perguntas Frequentes

Chamada CNPq-SETEC/MEC N º 17/2014 - Apoio a Projetos Cooperativos de Pesquisa Aplicada e de Extensão Tecnológica Perguntas Frequentes 2014 Chamada CNPq-SETEC/MEC N º 17/2014 - Apoio a Projetos Cooperativos de Pesquisa Aplicada e de Extensão Tecnológica Perguntas Frequentes Este documento foi elaborado pelo IFSP e IF Sudeste MG e contém

Leia mais

Programa de Fluxo Contínuo para Apoio a Projetos Especiais

Programa de Fluxo Contínuo para Apoio a Projetos Especiais Chamada Pública nº 03/2012 Programa de Fluxo Contínuo para Apoio a Projetos Especiais A FUNDAÇÃO ARAUCÁRIA de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Paraná, em conformidade com suas finalidades,

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA SEBRAE-TO / SECT-TO INOVA TOCANTINS / PAPPE INTEGRAÇÃO - Nº 01 / 2010

CHAMADA PÚBLICA SEBRAE-TO / SECT-TO INOVA TOCANTINS / PAPPE INTEGRAÇÃO - Nº 01 / 2010 CHAMADA PÚBLICA SEBRAE-TO / SECT-TO INOVA TOCANTINS / PAPPE INTEGRAÇÃO - Nº 01 / 2010 SELEÇÃO PÚBLICA DE PROPOSTAS PARA APOIO À PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO EM MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO

Leia mais

PROGRAMA DE BOLSAS DE DOUTORADO FORA DO ESTADO EDITAL N 07/2015

PROGRAMA DE BOLSAS DE DOUTORADO FORA DO ESTADO EDITAL N 07/2015 PROGRAMA DE BOLSAS DE DOUTORADO FORA DO ESTADO EDITAL N 07/2015 O Presidente da Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico FUNCAP, Prof. Francisco César de Sá Barreto, no uso

Leia mais

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA Nº 02/2012 SNBP-FBN X ENTIDADES PÚBLICAS E PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA Nº 02/2012 SNBP-FBN X ENTIDADES PÚBLICAS E PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA Nº 02/2012 SNBP-FBN X ENTIDADES PÚBLICAS E PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS SELEÇÃO PÚBLICA DE PROPOSTA PARA PROJETO DE APOIO A INSTALAÇÃO DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS NO BRASIL REFERENTE

Leia mais

Relação de documentos necessários para requerer o CEBAS?

Relação de documentos necessários para requerer o CEBAS? Relação de documentos necessários para requerer o CEBAS? DOCUMENTO DESCRIÇÃO DO DOCUMENTO SOLICTADO Requerimento assinado pelo O modelo do requerimento pode ser obtido no anexo I desta relação representante

Leia mais

EDITAL FAPESB/SECTI/SEBRAE/IEL Apoio à Implantação de Cursos de Empreendedorismo 002/2006

EDITAL FAPESB/SECTI/SEBRAE/IEL Apoio à Implantação de Cursos de Empreendedorismo 002/2006 EDITAL FAPESB/SECTI/SEBRAE/IEL Apoio à Implantação de Cursos de Empreendedorismo 002/2006 SELEÇÃO PÚBLICA DE PROPOSTAS PARA O PROGRAMA BAHIA INOVAÇÃO REDE DE EMPREENDEDORISMO A Fundação de Amparo à Pesquisa

Leia mais

ANEXO - Roteiro para elaboração dos projetos

ANEXO - Roteiro para elaboração dos projetos ANEXO - Roteiro para elaboração dos projetos Os projetos a serem apresentados deverão obedecer ao roteiro proposto. Deverão ser executados no prazo máximo de 12 (doze) meses, contados a partir da data

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS Introdução Independentemente do nível de experiência da proponente na elaboração de projetos, o Instituto Cooperforte empresta apoio, orientação e subsídios às Instituições

Leia mais

VIII Concurso de Projetos Sociais Volkswagen na Comunidade. Roteiro para Elaboração de Projetos Sociais

VIII Concurso de Projetos Sociais Volkswagen na Comunidade. Roteiro para Elaboração de Projetos Sociais VIII Concurso de Projetos Sociais Volkswagen na Comunidade Roteiro para Elaboração de Projetos Sociais quem pode participar Pessoas jurídicas, não-governamentais e sem fins lucrativos tais como: associações,

Leia mais

PROGRAMA DE CULTURA BANCO DO NORDESTE/BNDES MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA PRESTAÇÃO DE CONTAS

PROGRAMA DE CULTURA BANCO DO NORDESTE/BNDES MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA PRESTAÇÃO DE CONTAS PROGRAMA DE CULTURA BANCO DO NORDESTE/BNDES MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA PRESTAÇÃO DE CONTAS ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA... 3 2. DELIMITAÇÃO DA NECESSIDADE DE PRESTAÇÃO DE CONTAS... 3 3. SOBRE O FORMULÁRIO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRO-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA INCUBADORA TECNOLÓGICA E DO AGRONEGÓCIO DE MOSSORÓ

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRO-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA INCUBADORA TECNOLÓGICA E DO AGRONEGÓCIO DE MOSSORÓ MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRO-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA INCUBADORA TECNOLÓGICA E DO AGRONEGÓCIO DE MOSSORÓ CHAMADA Nº. 01/2016 IAGRAM A Incubadora Tecnológica

Leia mais

EDITAL PARA SELEÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS 2014

EDITAL PARA SELEÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS 2014 EDITAL PARA SELEÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS 2014 1. DO OBJETO 1.1. O presente edital tem por objeto realizar uma chamada pública nacional para seleção de projetos sociais. O edital destina-se às organizações

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA PÓS-GRADUAÇÃO E DE PESQUISA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA PÓS-GRADUAÇÃO E DE PESQUISA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA PÓS-GRADUAÇÃO E DE PESQUISA EDITAL RETIFICATIVO Nº. 01/2015 Retifica o Edital nº 09/2014 de apoio à manutenção

Leia mais

CARTA DE CONVOCAÇÃO. Lembramos ainda que: 1) A presença à Assembleia é indispensável para os cooperados interessados na atribuição de unidades.

CARTA DE CONVOCAÇÃO. Lembramos ainda que: 1) A presença à Assembleia é indispensável para os cooperados interessados na atribuição de unidades. CARTA DE CONVOCAÇÃO MOD.017 REV.03 Vitória-ES, 23 de abril de 2014 Prezado(a) Cooperado(a) Conforme edital de convocação, publicado no jornal NOTÍCIA AGORA do dia 18/04/2014, a Assembleia Geral Extraordinária

Leia mais

II Chamada Pública de Projetos Comunitários No. 1/2016

II Chamada Pública de Projetos Comunitários No. 1/2016 II Chamada Pública de Projetos Comunitários No. 1/2016 A Tabôa Fortalecimento Comunitário é uma entidade sem fins lucrativos que fomenta o empreendedorismo e o fortalecimento das organizações de base comunitária.

Leia mais

EDITAL FAPEMIG 16/2011

EDITAL FAPEMIG 16/2011 EDITAL FAPEMIG 16/2011 PROGRAMA ESTRUTURADOR REDE DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA MESTRES E DOUTORES A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais FAPEMIG, atendendo à orientação

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO (Anexo 1)

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO (Anexo 1) Prezado(a) Professor(a), Visando orientar e otimizar as informações que deverão constar no projeto, elencamos, abaixo, os itens imprescindíveis para compreensão e apresentação da sua proposta ao Prêmio

Leia mais

O SUAS e rede privada na oferta de serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais

O SUAS e rede privada na oferta de serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais O SUAS e rede privada na oferta de serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais Departamento da Rede Socioassistencial Privada do SUAS. Secretaria Nacional de Assistencia Social. DADOS

Leia mais

EDITAL DE APOIO A PESQUISAS REALIZADAS NA RPPN URU, LAPA, PARANÁ

EDITAL DE APOIO A PESQUISAS REALIZADAS NA RPPN URU, LAPA, PARANÁ EDITAL DE APOIO A PESQUISAS REALIZADAS NA RPPN URU, LAPA, PARANÁ I. Informações gerais sobre a reserva particular do Patrimônio Natural (RPPN) URU Em 2003, a Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação

Leia mais

b) Descrição, objetivo e justificativa do projeto, apresentando detalhadamente o conjunto de ações a ser realizado e cronograma físico-financeiro;

b) Descrição, objetivo e justificativa do projeto, apresentando detalhadamente o conjunto de ações a ser realizado e cronograma físico-financeiro; EDITAL DE OCUPAÇÃO DA CASA DA LEITURA / 2015 Dúvidas frequentes: 1) Quem pode participar? Resposta: Estão habilitadas a participar do EDITAL DE OCUPAÇÃO DA CASA DA LEITURA 2015, empresas de produções artísticas,

Leia mais

APOIO À REALIZAÇÃO DE EVENTOS CIENTÍFICOS, TECNOLÓGICOS E DE INOVAÇÃO EDITAL Nº030/ 2015 - AREC

APOIO À REALIZAÇÃO DE EVENTOS CIENTÍFICOS, TECNOLÓGICOS E DE INOVAÇÃO EDITAL Nº030/ 2015 - AREC APOIO À REALIZAÇÃO DE EVENTOS CIENTÍFICOS, TECNOLÓGICOS E DE INOVAÇÃO EDITAL Nº030/ 2015 - AREC O Governo do Estado do Maranhão e a Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Inovação - SECTI, por meio

Leia mais

PROGRAMA DE BOLSAS FUNDAÇÃO ARAUCÁRIA & RENAULT DO BRASIL

PROGRAMA DE BOLSAS FUNDAÇÃO ARAUCÁRIA & RENAULT DO BRASIL CHAMADA PÚBLICA 21/2015 PROGRAMA DE BOLSAS FUNDAÇÃO ARAUCÁRIA & RENAULT DO BRASIL A Fundação Araucária de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Paraná (FA) em parceria com o Renault do Brasil

Leia mais

Chamada de Propostas de Pesquisa na área de Mudanças Climáticas Globais Convênio FAPESP-FAPERJ

Chamada de Propostas de Pesquisa na área de Mudanças Climáticas Globais Convênio FAPESP-FAPERJ Chamada de Propostas de Pesquisa na área de Mudanças Climáticas Globais Convênio FAPESP-FAPERJ 1) Introdução A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo FAPESP e a Fundação de Amparo à Pesquisa

Leia mais

EDITAL FLD 02/2015 - JUSTIÇA SOCIOAMBIENTAL SELEÇÃO DE PROJETOS PARA CONSERVAÇÃO DO BIOMA PAMPA E QUALIDADE DE VIDA DA POPULAÇÃO

EDITAL FLD 02/2015 - JUSTIÇA SOCIOAMBIENTAL SELEÇÃO DE PROJETOS PARA CONSERVAÇÃO DO BIOMA PAMPA E QUALIDADE DE VIDA DA POPULAÇÃO EDITAL FLD 02/2015 - JUSTIÇA SOCIOAMBIENTAL SELEÇÃO DE PROJETOS PARA CONSERVAÇÃO DO BIOMA PAMPA E QUALIDADE DE VIDA DA POPULAÇÃO O projeto deve ser elaborado no formulário em WORD, disponível para download

Leia mais

SELO DE MÉRITO ABC/FNSHDU EDIÇÃO 2014

SELO DE MÉRITO ABC/FNSHDU EDIÇÃO 2014 SUMÁRIO ITEM SUMÁRIO 1 1. DOS OBJETIVOS 2 2. DAS CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E DA PREMIAÇÃO 2 3. DO PROCEDIMENTO DA INSCRIÇÃO 3 4. DAS CATEGORIAS 3 4.1 Projetos de impacto regional, com foco em ações de

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA J.P. MORGAN CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A.

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA J.P. MORGAN CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA J.P. MORGAN CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. A J.P. Morgan Corretora de Câmbio e Valores Mobiliários S.A. (a Corretora ), em atenção ao disposto no art.

Leia mais

TELEFONES: (0XX11) 3175 5351 Mesa de Operações FAX: (0XX11) 3283 5849

TELEFONES: (0XX11) 3175 5351 Mesa de Operações FAX: (0XX11) 3283 5849 REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO BM&F TELEFONES: (0XX11) 3175 5351 Mesa de Operações FAX: (0XX11) 3283 5849 ALFA CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. Nº 04, com sede no Município de São Paulo,

Leia mais

DECRETO Nº 15.114,DE 8 DE JANEIRO DE 2013 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

DECRETO Nº 15.114,DE 8 DE JANEIRO DE 2013 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS DECRETO Nº 15.114,DE 8 DE JANEIRO DE 2013 Disciplina a celebração de convênios e operações de crédito com previsão de ingresso de recursos financeiros que beneficiem órgãos e entidades da Administração

Leia mais

Programa de Fortalecimento das Cadeias e Arranjos Produtivos Locais - APLs

Programa de Fortalecimento das Cadeias e Arranjos Produtivos Locais - APLs Programa de Fortalecimento das Cadeias e Arranjos Produtivos Locais - APLs Realização de Convênios Convênios São acordos firmados por entidades públicas, ou entre estas e organizações particulares para

Leia mais

CHAMADA DE PROJETOS Nº 01/2015 APOIO A PROJETOS NA MODALIDADE DIFERENCIAÇÃO DO PROGRAMA SEBRAETEC - SEBRAE/BA

CHAMADA DE PROJETOS Nº 01/2015 APOIO A PROJETOS NA MODALIDADE DIFERENCIAÇÃO DO PROGRAMA SEBRAETEC - SEBRAE/BA CHAMADA DE PROJETOS Nº 01/2015 APOIO A PROJETOS NA MODALIDADE DIFERENCIAÇÃO DO PROGRAMA SEBRAETEC - SEBRAE/BA PREÂMBULO O SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO ESTADO DA BAHIA - SEBRAE/BA, entidade

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO N.º 1.132, DE 2 DE JULHO DE 2003.

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO N.º 1.132, DE 2 DE JULHO DE 2003. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO N.º 1.132, DE 2 DE JULHO DE 2003. Revoga a Resolução n.º 1.115, de 19 de dezembro de 2000, que dispõe sobre

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROEX EDITAL Nº. 09/2016-PROEX/IFRN

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROEX EDITAL Nº. 09/2016-PROEX/IFRN 1 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROEX EDITAL Nº. 09/2016-PROEX/IFRN SELEÇÃO PÚBLICA PARA APOIO A PROJETOS DE EXTENSÃO EXERCÍCIO 2016

Leia mais

EDITAL FAPEMIG 15/2014

EDITAL FAPEMIG 15/2014 EDITAL FAPEMIG 15/2014 PROGRAMA DE ATRAÇÃO DE ESTUDANTES DO MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY - MIT PARA INTERCÂMBIO EM EMPRESAS DE BASE TECNOLÓGICA EM MINAS GERAIS A Fundação de Amparo à Pesquisa

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. Aprova as Diretrizes Gerais do Sistema Brasileiro de Tecnologia - SIBRATEC.

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL LEI DE INFORMÁTICA E INCUBADORA RAIAR Coordenação: Prof. Edemar Antonio Wolf De Paula Gerente da Incubadora Raiar Porto Alegre, 05 de janeiro de

Leia mais

Termo de Referência INTRODUÇÃO E CONTEXTO

Termo de Referência INTRODUÇÃO E CONTEXTO Termo de Referência CONSULTORIA PARA O DESENVOLVIMENTO DE MARCO CONCEITUAL E METODOLÓGICO DE FERRAMENTAS DE MONITORAMENTO AMBIENTAL E DE BEM ESTAR DE TERRAS E POVOS INDÍGENAS INTRODUÇÃO E CONTEXTO Desde

Leia mais

Art. 2º. Fazer publicar esta Portaria em Boletim de Serviço, revogando-se a Portaria 577/05-R, de 05 de dezembro de 2005.

Art. 2º. Fazer publicar esta Portaria em Boletim de Serviço, revogando-se a Portaria 577/05-R, de 05 de dezembro de 2005. PORTARIA 328/R-06 DE 22 DE JUNHO DE 2006. O REITOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE, no uso da competência que lhe foi atribuída pelo artigo 39, inciso XX, do Regimento Geral da UFRN; CONSIDERANDO

Leia mais

Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL. Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE

Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL. Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE Módulo 10 Controle e Fiscalização Revisão Motivo da Revisão 1 Correções e aperfeiçoamentos Instrumento

Leia mais

Carta à sociedade referente à participação no Plano de Investimentos do Brasil para o FIP

Carta à sociedade referente à participação no Plano de Investimentos do Brasil para o FIP Carta à sociedade referente à participação no Plano de Investimentos do Brasil para o FIP Prezado(a)s, Gostaríamos de agradecer por sua participação e pelas contribuições recebidas no âmbito da consulta

Leia mais

EDITAL Nº 003/2016/PR-PPGI/IFAM, DE 25 DE MAIO DE 2016

EDITAL Nº 003/2016/PR-PPGI/IFAM, DE 25 DE MAIO DE 2016 EDITAL Nº 003/2016/PR-PPGI/IFAM, DE 25 DE MAIO DE 2016 PROGRAMA DE APOIO À REALIZAÇÃO DE EVENTOS CIENTÍFICOS E TECNOLÓGICOS DE CURSOS STRICTU SENSO - PAESS A PR- PPGI, no uso de suas atribuições estatutárias,

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP CT-INFO- 01/2006 SELEÇÃO PÚBLICA DE PROPOSTAS DE PROJETOS INOVADORES EM SOFTWARE

CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP CT-INFO- 01/2006 SELEÇÃO PÚBLICA DE PROPOSTAS DE PROJETOS INOVADORES EM SOFTWARE CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP CT-INFO- 01/2006 SELEÇÃO PÚBLICA DE PROPOSTAS DE PROJETOS INOVADORES EM SOFTWARE 1. OBJETIVO O MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA MCT, por intermédio da Financiadora de Estudos

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 19ª REGIÃO SERVIÇO DE CONTROLE INTERNO PLANO DE AUDITORIA DE LONGO PRAZO

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 19ª REGIÃO SERVIÇO DE CONTROLE INTERNO PLANO DE AUDITORIA DE LONGO PRAZO PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 19ª REGIÃO SERVIÇO DE CONTROLE INTERNO PLANO DE AUDITORIA DE LONGO PRAZO PARA O PERÍODO DE 2014 A 2017 NOVEMBRO - 2013 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

POLÍTICA DO BANCO SOBRE A AUDITORIA DE PROJETOS E ENTIDADES. (Documento AF-100) Washington, DC. Consultas: (202) 623-1617 y 2235 dev-fmr@iadb.

POLÍTICA DO BANCO SOBRE A AUDITORIA DE PROJETOS E ENTIDADES. (Documento AF-100) Washington, DC. Consultas: (202) 623-1617 y 2235 dev-fmr@iadb. Banco Interamericano de Desenvolvimento POLÍTICA DO BANCO SOBRE A AUDITORIA DE PROJETOS E ENTIDADES (Documento AF-100) Washington, DC. Consultas: (202) 623-1617 y 2235 dev-fmr@iadb.org 1 Í N D I C E Página

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA ELABORAÇÃO DE PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DOS MUNICÍPIOS DE BRASIL NOVO, MEDICILÂNDIA, URUARÁ E PLACAS PROJETO042/2014

Leia mais

Edital nº 06/2003 Programa Sul-Americano de Apoio às Atividades de Cooperação em Ciência e Tecnologia - PROSUL

Edital nº 06/2003 Programa Sul-Americano de Apoio às Atividades de Cooperação em Ciência e Tecnologia - PROSUL Edital nº 06/2003 Programa Sul-Americano de Apoio às Atividades de Cooperação em Ciência e Tecnologia - PROSUL Chamada para apoio a atividades de cooperação em Projetos de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS 2013 PROGRAMA OI DE PATROCINIO ESPORTIVO INCENTIVADO AVISO 1 PRORROGAÇÃO DO PRAZO DE INSCRIÇÃO

EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS 2013 PROGRAMA OI DE PATROCINIO ESPORTIVO INCENTIVADO AVISO 1 PRORROGAÇÃO DO PRAZO DE INSCRIÇÃO EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS 2013 PROGRAMA OI DE PATROCINIO ESPORTIVO INCENTIVADO AVISO 1 PRORROGAÇÃO DO PRAZO DE INSCRIÇÃO O Instituto Telemar, torna público, para conhecimento dos interessados, que

Leia mais

Programa Novos Talentos

Programa Novos Talentos Programa Novos Talentos FAQ Perguntas Frequentes 1. SOBRE O PROGRAMA 1.1. O que é o Programa Novos Talentos? O Programa Novos Talentos visa apoiar a realização de atividades extracurriculares cursos, oficinas

Leia mais

2.2.1. Caso seja protocolado mais de 01 (um) projeto, será aceito o último projeto protocolado.

2.2.1. Caso seja protocolado mais de 01 (um) projeto, será aceito o último projeto protocolado. EDITAL DE CONCURSO N 002/2015 8 EDITAL DO FUNDO MUNICIPAL DE APOIO À CULTURA A FUNDAÇÃO CULTURAL DE BRUSQUE, inscrita no CNPJ sob o nº 04.894.677/0001-71, com sede na Rua Germano Schaefer, 110 Praça da

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA EDITAL DE RECRUTAMENTO Nº 001/2016 PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 012/2016

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA EDITAL DE RECRUTAMENTO Nº 001/2016 PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 012/2016 ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA EDITAL DE RECRUTAMENTO Nº 001/2016 PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 012/2016 I. DO OBJETO DA CONTRATAÇÃO Contratação de TÉCNICO DE CAMPO para o Projeto Produção Sustentável em Áreas

Leia mais

TERMO DE CONVOCAÇÃO Nº 002/2014 PROCESSO Nº. 008/2013 RESPOSTA A IMPUGNAÇÃO DE EDITAL IMPETRADO PELA CONTATO ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS

TERMO DE CONVOCAÇÃO Nº 002/2014 PROCESSO Nº. 008/2013 RESPOSTA A IMPUGNAÇÃO DE EDITAL IMPETRADO PELA CONTATO ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS TERMO DE CONVOCAÇÃO Nº 002/2014 PROCESSO Nº. 008/2013 RESPOSTA A IMPUGNAÇÃO DE EDITAL IMPETRADO PELA CONTATO ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS RESPOSTA À IMPUGNAÇÃO Modalidade: Pregão Presencial/Tipo: Menor Preço

Leia mais

EDITAL FAPES N 003/2012 - ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS

EDITAL FAPES N 003/2012 - ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS EDITAL FAPES N 003/2012 - ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS ALTERADO PELA DIREX NA 219ª REUNIÃO ORDINÁRIA Chamada Pública para seleção de propostas para auxílio financeiro à organização de eventos técnicocientíficos

Leia mais

EDITAL Abertura de Processo Seletivo

EDITAL Abertura de Processo Seletivo EDITAL Abertura de Processo Seletivo Projeto de Iniciação Científica das Faculdades Integradas Campo-grandenses (FIC) Dispõe sobre as normas para o processo de chamada de propostas de projetos de iniciação

Leia mais

Resolução Normativa PUC n o 021/10 ATRIBUIÇÂO DE AULA PROCESSO SELETIVO EXTERNO DE DOCENTE

Resolução Normativa PUC n o 021/10 ATRIBUIÇÂO DE AULA PROCESSO SELETIVO EXTERNO DE DOCENTE PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS Resolução Normativa PUC n o 021/10 Campinas (SP), 1 o /6/10 DESTINATÁRIO: TODAS AS UNIDADES DA PUC-CAMPINAS ASSUNTO: ATRIBUIÇÂO DE AULA PROCESSO SELETIVO EXTERNO

Leia mais

Certificação Profissional FEBRABAN REGULAMENTO

Certificação Profissional FEBRABAN REGULAMENTO Certificação Profissional FEBRABAN REGULAMENTO Janeiro de 2014 Versão 1.3 1. INTRODUÇÃO O presente Regulamento é fundamental para reger as operações-chave do programa de Certificação Profissional FEBRABAN.

Leia mais

Fundo de Desenvolvimento da Amazônia FDA

Fundo de Desenvolvimento da Amazônia FDA Roteiro de Apresentação de Carta-Consulta FDA/SUDAM Fundo de Desenvolvimento da Amazônia FDA Roteiro para Apresentação de Carta-Consulta Roteiro de Apresentação de Carta-Consulta FDA/SUDAM ÍNDICE 1 - Glossário

Leia mais

EDITAL FAPESB 002/2013 APOIO À PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS CIENTÍFICOS E/OU TECNOLÓGICOS

EDITAL FAPESB 002/2013 APOIO À PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS CIENTÍFICOS E/OU TECNOLÓGICOS EDITAL FAPESB 002/2013 APOIO À PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS CIENTÍFICOS E/OU TECNOLÓGICOS A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia FAPESB, no uso das suas atribuições, torna público o presente Edital

Leia mais

COMPRA - FASE INTERNA DA LICITAÇÃO PREGÃO, CONVITE, TOMADA DE PREÇOS E CONCORRÊNCIA

COMPRA - FASE INTERNA DA LICITAÇÃO PREGÃO, CONVITE, TOMADA DE PREÇOS E CONCORRÊNCIA SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO - SCI FOLHA DE VERIFICAÇÃO - DALC COMPRA - FASE INTERNA DA LICITAÇÃO PREGÃO, CONVITE, TOMADA DE PREÇOS E CONCORRÊNCIA Processo: TRT/SOF nº Volumes: Exercício: Subelemento:

Leia mais

NORMATIVO SARB 003/2008, revisto e atualizado em 14 de maio de 2015.

NORMATIVO SARB 003/2008, revisto e atualizado em 14 de maio de 2015. NORMATIVO SARB 003/2008, revisto e atualizado em 14 de maio de 2015. O Sistema de Autorregulação Bancária da Federação Brasileira de Bancos - FEBRABAN institui o NORMATIVO DE SERVIÇO DE ATENDIMENTO AO

Leia mais

ESCOLA DE ENGENHARIAS E CIÊNCIAS EXATAS. EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA 2015.1 / e-labora (PROJETOS DE PESQUISA APLICADA)

ESCOLA DE ENGENHARIAS E CIÊNCIAS EXATAS. EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA 2015.1 / e-labora (PROJETOS DE PESQUISA APLICADA) ESCOLA DE ENGENHARIAS E CIÊNCIAS EXATAS (PROJETOS DE PESQUISA APLICADA) 1. EDITAL A Universidade Potiguar UnP, através da Escola de Engenharias e Ciências Exatas, torna público o presente Edital, pelo

Leia mais

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave ISO14004 uma diretriz ISO 14004:2004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Prof.Dr.Daniel Bertoli Gonçalves FACENS 1 Seu propósito geral é auxiliar as

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. 1.1. Gestões a serem auditadas: Contábil, Financeira, Patrimonial, Administrativa.

TERMO DE REFERÊNCIA. 1.1. Gestões a serem auditadas: Contábil, Financeira, Patrimonial, Administrativa. GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO FUNDAÇÃO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO TERMO DE REFERÊNCIA 1 DO OBJETO 1.1. Contratação de empresa

Leia mais

Orientações Estruturantes

Orientações Estruturantes Ministério do Esporte Programa Esporte e Lazer da Cidade PELC & Vida Saudável Orientações Estruturantes 2016 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...3 2. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO E PROJETO TÉCNICO PEDAGÓGICO...3 3. RELAÇÃO

Leia mais

RELATÓRIO DE DESEMPENHO FINANCEIRO Nº 01

RELATÓRIO DE DESEMPENHO FINANCEIRO Nº 01 RELATÓRIO DE DESEMPENHO FINANCEIRO Nº 01 Fortalecimento da Gestão Territorial e Ambiental de Terras Indígenas na Amazônia Instituto de Conservação Ambiental The Nature Conservancy do Brasil - TNC Brasil

Leia mais

COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO DOS VALES DO SÃO FRANCISCO E DO PARNAÍBA - MI NORMA DE AUDITORIA (NOR-902)

COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO DOS VALES DO SÃO FRANCISCO E DO PARNAÍBA - MI NORMA DE AUDITORIA (NOR-902) COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO DOS VALES DO SÃO FRANCISCO E DO PARNAÍBA Vinculada ao Ministério da Integração Nacional - MI NORMA DE AUDITORIA (NOR-902) FOR-101/01 NORMAS ESPECIAIS CÓDIGO: 900 FOLHA Nº:

Leia mais

REGULAMENTO DE SELEÇÃO DE EMPREENDIMENTOS. Prêmio Consulado da Mulher EDITAL - 2016

REGULAMENTO DE SELEÇÃO DE EMPREENDIMENTOS. Prêmio Consulado da Mulher EDITAL - 2016 REGULAMENTO DE SELEÇÃO DE EMPREENDIMENTOS Prêmio Consulado da Mulher EDITAL - 2016 1. APRESENTAÇÃO 1.1. O Instituto Consulado da Mulher, ação social da marca Consul, torna público que estão abertas as

Leia mais

Disposições Gerais. Atenção para o prazo de inscrição. Data de inicio 11/01/2016. Data Final: 29/01/2016. Passo a passo do envio dos projetos

Disposições Gerais. Atenção para o prazo de inscrição. Data de inicio 11/01/2016. Data Final: 29/01/2016. Passo a passo do envio dos projetos Disposições Gerais As inscrições dos projetos serão aceitas com a entrega física do projeto com plano de trabalho, planilha orçamentária, folha de apresentação à Cemar e certificado de mérito ou protocolo

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP CT-Aquaviário - CONSTRUÇÃO NAVAL E TRANSPORTE AQUAVIÁRIO 02/2010

CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP CT-Aquaviário - CONSTRUÇÃO NAVAL E TRANSPORTE AQUAVIÁRIO 02/2010 CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP CT-Aquaviário - CONSTRUÇÃO NAVAL E TRANSPORTE AQUAVIÁRIO 02/2010 SELEÇÃO PÚBLICA DE PROPOSTAS PARA APOIO A PROJETOS DE CONSTRUÇÃO NAVAL E DE TRANSPORTE AQUAVIÁRIO 1. OBJETIVO

Leia mais

Entenda o PL 7.168/2014 de A a Z

Entenda o PL 7.168/2014 de A a Z Entenda o PL 7.168/2014 de A a Z O Projeto de Lei 7.168/2014 avança na construção de um novo Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil. Ele trata das relações entre Estado e OSCs e estabelece

Leia mais

EDITAL Nº 135 /2010 DE 22 DE NOVEMBRO DE 2010 SELEÇÃO DE NOVOS EMPREENDIMENTOS PARA INSTALAÇÃO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DO CEFET- MG NASCENTE ARAXÁ

EDITAL Nº 135 /2010 DE 22 DE NOVEMBRO DE 2010 SELEÇÃO DE NOVOS EMPREENDIMENTOS PARA INSTALAÇÃO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DO CEFET- MG NASCENTE ARAXÁ EDITAL Nº 135 /2010 DE 22 DE NOVEMBRO DE 2010 SELEÇÃO DE NOVOS EMPREENDIMENTOS PARA INSTALAÇÃO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DO CEFET- MG NASCENTE ARAXÁ O DIRETOR-GERAL DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

Leia mais

INCUBADORA DE EMPRESAS I-DEIA EDITAL 01/2011 PROCEDIMENTOS PARA O PROCESSO SELETIVO

INCUBADORA DE EMPRESAS I-DEIA EDITAL 01/2011 PROCEDIMENTOS PARA O PROCESSO SELETIVO INCUBADORA DE EMPRESAS I-DEIA EDITAL 01/2011 PROCEDIMENTOS PARA O PROCESSO SELETIVO FEVEREIRO DE 2011 Telefones: (66) 3422 2461 / 6710 1 1. Apresentação da Incubadora de Empresas I-deia A Incubadora I-deia

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA IMS/CAT/UFBA. Título I. Das Disposições Gerais. Capítulo I

REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA IMS/CAT/UFBA. Título I. Das Disposições Gerais. Capítulo I 1 REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA IMS/CAT/UFBA Título I Das Disposições Gerais Capítulo I Dos Objetivos e da Estruturação Geral do Serviço de Psicologia Art. 1º - O Serviço de Psicologia é parte

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA PROCESSO DE SELEÇÃO DE PROJETOS PARA O PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DO CNPQ MODALIDADES: PIBIC E PIBITI / 2013 2014 EDITAL Nº 65/PROPESP/IFRO, DE 22 DE JULHO DE

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS VOLTADOS AO APOIO DE PLANOS DE GESTÃO TERRITORIAL E AMBIENTAL EM TERRAS INDÍGENAS

CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS VOLTADOS AO APOIO DE PLANOS DE GESTÃO TERRITORIAL E AMBIENTAL EM TERRAS INDÍGENAS CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS VOLTADOS AO APOIO DE PLANOS DE GESTÃO TERRITORIAL E AMBIENTAL EM TERRAS INDÍGENAS OBJETO DO APOIO O objeto da presente Chamada Pública consiste em selecionar propostas candidatas

Leia mais

CT03.07 - Departamento de Gestão Social Fevereiro/2013 Atualizado em março/2014 CARTA TÉCNICA

CT03.07 - Departamento de Gestão Social Fevereiro/2013 Atualizado em março/2014 CARTA TÉCNICA CARTA TÉCNICA Nome do Certificado: INSCRIÇÃO NO CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL ENTIDADES QUE DEVEM REALIZAR O REGISTRO: Entidades de Assistência Social ORGÃO RESPONSÁVEL PELA EMISSÃO: Conselho

Leia mais

NORMAS DO SISTEMA DE MONITORIA CAPÍTULO I DO CONCEITO

NORMAS DO SISTEMA DE MONITORIA CAPÍTULO I DO CONCEITO NORMAS DO SISTEMA DE MONITORIA CAPÍTULO I DO CONCEITO Art. 1º A monitoria é uma atividade acadêmica, no âmbito da graduação, que pretende oferecer ao aluno experiência de iniciação à docência. 1º A monitoria

Leia mais

FORMAR PARA FORMAR: PROCESSOS PARTICIPATIVOS PARA FORMAÇÃO EM PNGATI.

FORMAR PARA FORMAR: PROCESSOS PARTICIPATIVOS PARA FORMAÇÃO EM PNGATI. EDITAL DE CONVOCAÇÃO DE PARTICIPANTES DOS CURSOS BÁSICOS DE FORMAÇÃO EM PNGATI DE RORAIMA, RONDÔNIA, SUL DO AMAZONAS, BIOMA MATA ATLÂNTICA SUL-SUDESTE E NORDESTE, MINAS GERAIS E ESPÍRITO SANTO PARA O CURSO

Leia mais

MINUTA CHAMADA PÚBLICA N 003/2008 Fortalecimento da Ciência: Raça e Etnia

MINUTA CHAMADA PÚBLICA N 003/2008 Fortalecimento da Ciência: Raça e Etnia MINUTA CHAMADA PÚBLICA N 003/2008 Fortalecimento da Ciência: Raça e Etnia TERMOS DA CHAMADA PÚBLICA N 003/2008 A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Goiás FAPEG, em consonância com o Pacto Goiano

Leia mais