ATRIBUIÇÕES DO AGENTE DE TRÂNSITO DA EMPRESA PÚBLICA DE TRANSPORTES E CIRCULAÇÃO DE PORTO ALEGRE: LIMITES E POSSIBILIDAES LEGAIS 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ATRIBUIÇÕES DO AGENTE DE TRÂNSITO DA EMPRESA PÚBLICA DE TRANSPORTES E CIRCULAÇÃO DE PORTO ALEGRE: LIMITES E POSSIBILIDAES LEGAIS 1"

Transcrição

1 ATRIBUIÇÕES DO AGENTE DE TRÂNSITO DA EMPRESA PÚBLICA DE TRANSPORTES E CIRCULAÇÃO DE PORTO ALEGRE: LIMITES E POSSIBILIDAES LEGAIS 1 Elisa Hillig RESUMO O presente estudo tem por objetivo demonstrar até onde se estende o poder de polícia dos agentes da Empresa Pública de Transporte e Circulação EPTC. Sob esse enfoque buscar-se-á conceituar esse poder, para melhor entendê-lo com o fito de visualizar o lugar que o agente de trânsito ocupa atualmente. A partir desta percepção buscou-se identificar os aspectos que dão legalidade, moralidade, impessoalidade e publicidade a este profissional, para fiscalizar, controlar e cumprir as normas estabelecidas na legislação de trânsito. A partir da percepção de que a segurança do trânsito é dever e responsabilidade do Estado e direito de todos os cidadãos, conforme a Constituição Federal de 1988 entendese que o Município, por meio dos seus agentes de trânsito deverá dar segurança a seus munícipes, e que este poder de polícia dos agentes de trânsito se manifesta de duas formas: por uma ordem de polícia, como proibir estacionamento em determinados locais, colocar placas nas vias; e por consentimento, se o cidadão pode ou não tomar determinada atitude. Este poder é dinamizado através da fiscalização. Palavras-chave: Poder de multar da EPTC. Atribuições do agente de trânsito. Empresa Pública de Transporte e Circulação. EPTC. LISTA DE ABREVIATURAS: CONTRAN Conselho Nacional de Trânsito. DENATRAN Departamento Nacional de Trânsito. DNIT Departamento Nacional de Infraestrutura e Transporte. CETRAN Conselho Estadual de 1 Artigo extraído do Trabalho de Conclusão de curso, apresentado como requisito parcial para obtenção do grau de Bacharel em Ciências Jurídicas e Socicias da Faculdade de Direito da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Aprovação com grau 9,0 pela banca examinadora, composta pela orientadora, Profª. Magda Azário Kanaan Polanczyk, Profª. Lívia Haygert Pithan e Prof. Orci Paulino Bretanha Teixeira, em 27 de novembro de 2009.

2 2 Trânsito. DETRAN Departamento Estadual de Trânsito. DER Departamento de Estradas e Rodagem. EPTC Empresa Pública de Transporte e Circulação. SUMÁRIO: Introdução. 1. Estado de Direito e o Princípio da Legalidade. 1.1 Princípio da Legalidade. 1.2 Poder de Polícia. 1.3 A deledação e o exercício do poder de polícia. 2. O código de trânsito brasileiro. 2.1 Contexto histórico. 2.2 Conceitos do direito de trânsito. 2.3 A municipalização do trânsito em Porto Alegre EPTC Empresa Pública de Transportes e Circulação. 3. O agente de trânsito da EPTC. 3.1 Perfil do agente de trânsito. 3.2 Atribuições 3.3 Limites e possibilidades legais. Considerações Finais. Referências Bibliográficas. INTRODUÇÃO Este estudo tem por objetivo demonstrar até onde se estende o poder de polícia da Empresa Pública de Transporte e Circulação EPTC, situada em Porto Alegre/RS, instituída pela Lei nº 8.133/98. A EPTC tem a função de operar, controlar e fiscalizar o sistema de transporte e trânsito de pessoas, veículos automotores e de veículos de tração animal no âmbito do Município de Porto Alegre, bem como fiscalizar o trânsito e a gestão da Câmara de Compensação Tarifária CCT, observando as normas do Código de Trânsito Brasileiro e à legislação municipal pertinente em seu artigo 10 da Lei nº 8.133/98. Como citado antes no texto legal, a EPTC Empresa Pública de Transporte e Circulação recebeu suas competências através da Lei Municipal. Sendo necessário que se diga que as empresas públicas, apesar de serem pessoas jurídicas de direito privado, podem ser criadas para realizar atividades de interesse da Administração Pública. Sob esse enfoque fica claro, a EPTC, sendo uma empresa pública municipal, desenvolve ações próprias do serviço público com delegação legal para atuar nas competências municipais descritas no Código de Trânsito Brasileiro, artigo 24, tanto na área de planejamento do trânsito, quanto na de regulamentação, operação e fiscalização deste. Dentre tais atribuições, a fiscalização do trânsito é o eixo da competência da EPTC, ou seja, a aferição do cumprimento das regras do Código pelos condutores e usuários do sistema de trânsito. Tais ações normalmente são exercidas por

3 3 meio de autuações, aplicação de penalidades e medidas administrativas, incluindo a arrecadação das multas aplicadas, normalmente referentes as infrações relacionadas com a parada, o estacionamento e circulação dos veículos, pois as demais permanecem como competência fiscalizatória do Estado. Neste sentido, para atingir os objetivo deste estudo, o mesmo foi dividido em três capítulos: O primeiro capítulo versará sobre as questões relativas ao Estado de Direito e o Princípio da Legalidade, com ênfase no Princípio da Legalidade, o poder de polícia e a delegação e o exercício do mesmo; O segundo capítulo trás como título o Código de Trânsito Brasileiro com destaque de abordagem o seu contexto histórico, os conceitos do Direito de Trânsito e os aspectos fundamentais da municipalização do trânsito da cidade de Porto Alegre; O terceiro e último capítulo deste estudo tem a ver com o agente de trânsito da Empresa Pública de Transporte e Circulação EPTC, versando sobre o perfil do agente de trânsito, suas atribuições e os limites e possibilidades legais daquele. 1 ESTADO DE DIREITO E O PRINCÍPIO DA LEGALIDADE No Brasil, onde, por força da Constituição Federal vigente, há instituído um Estado Democrático de Direito, cabe ao Poder Judiciário controlar a legalidade da Administração Pública, com zelo e independência, como ficou expresso no artigo 5, inciso XXXV, que versa sobre o princípio da inafastabilidade do controle jurisdicional. Esse princípio assegura a todo aquele que se achar lesado, ou ameaçado em seus direitos, o acesso ao judiciário, a fim de resgatá-los ou mantêlos, não podendo a lei restringir esse acesso. Tal prerrogativa constitucional dos cidadãos corresponde o dever do Estado de prestar uma tutela jurisdicional não apenas formal, mas verdadeiramente eficaz. Alerta José Joaquim Gomes Canotilho que o Estado de Direito não pode ser concebido como um sistema fechado e imutável, mas sim que "o conceito do Estado de Direito surge como um conceito temporalmente condicionado, aberto a influências e confluências de concepções cambiantes do Estado e da

4 4 Constituição, e a várias possibilidades de concretização 2. E, para Paulo Bonavides na idade em que o Direito é mais a legitimidade e o princípio, do que a regra, mais a constitucionalidade e o direito fundamental, que a legalidade e o código, a dimensão principiológica há de imperar nas Cortes Constitucionais qual quinta-essência do Estado de Direito, como proposta que legitime, nos países da periferia, os substratos valorativos da democracia participativa 3. Assim, a partir da democracia participativa, a soberania passa do Estado para a Constituição, pois a ela é o poder vivo do povo, aquele que ele não alienou em nenhuma assembléia ou órgão representativo, ela representa um poder que faz as leis, toma as decisões fundamentais e exercita uma vontade que é a sua, e não de outrem, porque vontade soberana não se delega senão na forma decadente da intermediação representativa dos corpos que legislam 4. Sob esse foco, a legitimidade do Estado de Direito, fundado na Constituição, constrói sua morada nos princípios, se bem aplicados pelos hermeneutas, fazem eles concretas, estáveis e eficazes as Constituições, e lhes imprimem certo grau de flexibilidade ponderativa de valores normativos no eixo do sistema, sem retirarlhes a unidade 5. Os princípios devem ser interpretados sistematicamente e à luz dos valores vigentes à época dos fatos. Aliás, essa é a tônica da Teoria Tridimensional do Direito, de Miguel Reale, embasada no trinômio, fato, valor e norma 6. Para Plácido e Silva, os princípios são o conjunto de regras ou preceitos que se fixam para servir de norma a toda espécie de ação jurídica, traçando a conduta a ser tida em uma operação jurídica PRINCÍPIO DA LEGALIDADE Mais do que mera determinação normativa constitucional, a legalidade eleva-se à categoria de princípio, tendo em vista seu elevado caráter valorativo. 2 CANOTILHO, José Joaquim Gomes. Direito Constitucional. 6. ed. Rev. Coimbra: Almedina, 1995, p BONAVIDES, Paulo. Jurisdição Constitucional e Legitimidade. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ea/v18n51/a07v1851.pdf>. Acessado em: 20 SET BONAVIDES, Paulo. Do Estado Liberal ao Estado Social. São Paulo: Malheiros, 2003, p BONAVIDES, Paulo. Do Estado Liberal ao Estado Social. São Paulo: Malheiros, 2003, p REALE, Miguel. Lições Preliminares de Direito. 24. ed. São Paulo: Saraiva, 1998, p PLÁCIDO E SILVA. Vocabulário Jurídico. Rio de Janeiro: Forense, 2000, p. 223.

5 5 Confere-lhe vida e dinamicidade, porquanto o conteúdo jurídico, por força de sua natureza valorativa, transcende o mero e esparsante positivado. Neste caso, a legalidade faz às vezes de valiosíssimo princípio 8. Para Luiz Luisi o Princípio da Legalidade, segundo a doutrina mais contemporânea, se desdobra em três postulados. Um quanto às fontes das normas penais incriminadoras. Outro, concernente a enunciação dessas normas. E um terceiro relativo à validade das disposições penais no tempo. O primeiro dos postulados é o da reserva legal. O segundo é o da determinação taxativa. E o último é o da irretroatividade 9. Os princípios são a estrutura de um ordenamento jurídico, os alicerces sobre os quais este é construído. De acordo com Celso Antônio Bandeira de Mello, princípio é o mandamento nuclear de um sistema, a disposição fundamental que se irradia sobre diferentes normas compondo-lhes o espírito e servindo de critério para sua exata compreensão e inteligência, definindo a lógica do sistema jurídico. Nesse sentido, violar a legalidade seria como violar a viga mestra do Estado de Direito 10. Entre o Estado de Direito e o Princípio da Legalidade existe uma estreita e inseparável ligação. Segundo José Carlos Barbosa Moreira, no Estado de Direito, todos os poderes sujeitam-se à lei. Qualquer intromissão na esfera jurídica das pessoas deve, por isso mesmo, justificar-se, o que caracteriza o Estado de Direito como Estado que se justifica 11. O Princípio da Legalidade, com todas suas implicações é próprio do Estado de Direito, tendo sido erigido à dignidade de garantia fundamental pelo Supremo Tribunal Federal 12. Está previsto no rol de direitos e garantias fundamentais da Constituição Federal de 1988 (art. 5º, II), in verbis: ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer algo senão em virtude de lei, e está agasalhado, ainda, pela disposição constitucional prevista no artigo 37, caput, não obstante sua previsão em outros dispositivos da Constituição Federal de BASTOS. Curso de Direito Constitucional. 20. ed. São Paulo: Saraiva, 1999, p LUISI, Luiz. Princípios Constitucionais Penais. Porto Alegre: Fabris,1991, p BANDEIRA DE MELLO, Celso Antônio. Curso de Direito Administrativo. 14 ed. São Paulo: Malheiros, 2002, p MOREIRA, José Carlos Barbosa. A Motivação das Decisões Judiciais como Garantia Inerente ao Estado de Direito. In: Temas de Direito Processual. 2ª série. São Paulo: Saraiva, 1978, p BRASIL. Supremo Tribunal Federal, 1ª T. Recurso Extraordinário n /SP. Relator: Ministro Ilmar Galvão. Brasília: STF, J.: Disponível em: <www.stf.gov.br>. Acessado em: 27.AGO

6 6 O Princípio da Legalidade oferece ao dissertar sobre o Artigo 5º, II da Constituição Federal de 1988, a submissão do poder público à lei, notadamente à Constituição, a Lei maior. Enquanto o particular tem a liberdade de fazer tudo o que a lei não proibir, a Administração Pública tem o dever de apenas fazer o que a lei determinar. A legitimidade do ato público, portanto, não se baseia no que não está defeso em lei, mas sim no que está prescrito em lei. Pode-se dizer que os particulares regem-se pela autonomia da vontade; o agente público, pela subsunção da vontade. Assim, dentro do Princípio da Legalidade está o poder de regulamentar, que segundo Celso Bandeira de Mello deverão ser: [...] compatíveis com o Princípio da Legalidade quando, no interior das possibilidades comportados pelo enunciado legal, os preceptivos regulamentares servem a um dos seguintes propósitos: I - limitar a discricionariedade administrativa seja para: a) dispor sobre o modus procedendi da Administração nas relações que necessitam, surgirão entre ela e os administrados por ocasião da execução da lei; b) caracterizar fatos, situações ou comportamentos enunciados na lei mediante conceitos vagos cuja determinação mais precisa deva ser embasada em índices, fatores ou elementos configurados a partir de critérios ou avaliações técnicas segundo padrões uniformes, para garantia do princípio da igualdade e da segurança jurídica, II - decompor analiticamente o conteúdo de conceitos sintéticos, mediante simples discriminação integral dos que neles contém. Em suma: para ser válido o regulamento só pode conter disposições previamente comportadas pela lei regulamentada. Em razão do Princípio da Legalidade é que se afirma que o poder da Administração é um poder-dever, ou seja, o poder conferido ao Estado não caminha sem o dever de cumprir a finalidade da lei 13. A regra básica é a autonomia da vontade, não a vontade de quem detém o poder, mas do dono do poder. O dominus do poder é o povo, e o poder está previsto na lei; o administrador público é o mandatário dos poderes do povo, e deve agir como tal, ou seja, de acordo com o que manda a lei. O administrador é um servo da lei, a ela deve total obediência 14. Neste sentido revela Luis Roberto Barroso que existe uma aplicação singular que diferencia o Princípio da Legalidade para o particular e para a Administração Pública: 13 MELLO, Celso Antônio Bandeira de. Discricionariedade e Controle Jurisdicional. 2. ed. São Paulo: Malheiros, 1996, p YUNES JÚNIOR, Faissal. O Controle do Ato Administrativo e o Estado de Direito. In: Cadernos de Direito Constitucional e Ciência Política. Ano 7, n. 29. São Paulo: Revista dos Tribunais. Out./Dez., 1999, p. 121.

7 7 [...] também por tributo às suas origens liberais, o Princípio da Legalidade flui por vertentes distintas em sua aplicação ao Poder Público e aos particulares. De fato, para os indivíduos e pessoas privadas, o Princípio da Legalidade constitui-se em garantia do direito de liberdade, e materializa-se na proposição tradicional do direito brasileiro, gravada no inciso II do art. 5º da Constituição da República: ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei. Reverencia-se, assim, a autonomia da vontade individual, cuja atuação somente deverá ceder ante os limites impostos pela lei 15. Extrai-se dessa formulação a inferência clara de que tudo aquilo que não está proibido por lei é juridicamente permitido. Ou como assevera José Joaquim Gomes Canotilho: [...] se o princípio democrático obtém concretização através do princípio maioritário, isso não significa desprezo da proteção das minorias (...); se o princípio democrático, na sua dimensão económica, exige a intervenção conformadora do Estado através de expropriações e nacionalizações, isso não significa que se posterguem os requisitos de segurança inerentes ao princípio do Estado de Direito (Princípio de Legalidade, Princípio de Justa Indenização, Princípio de Acesso aos Tribunais para discutir a medida da intervenção) 16. Para Ingo Wolfang Sarlet, na certa, se cuida de processo de ponderação no qual não se trata da atribuição de uma prevalência absoluta de um valor sobre outro, mas, sim, na tentativa de aplicação simultânea e compatibilizada de normas, ainda que no caso concreto se torne necessária a atenuação de uma delas PODER DE POLÍCIA O poder de polícia se pauta em uma visão simplista e limitada. Ele está no bojo da própria função do servidor público, já que é um poder que vem das antigas Polis gregas, derivados de polis (cidade), que deram vida a política e a polícia. Polícia neste caso significa o bem comum, podendo ser sacrificado o direito individual em prol do direito (bem comum) e da polícia (derivada de civilização/civilidade) 18. O ordenamento jurídico pátrio, o poder de polícia, está expresso em algumas 15 BARROSO, Luis Roberto. Boletim de Direito Administrativo. São Paulo: NDJ, ano XIII, v. 01, Janeiro de 1997, p CANOTILHO, José Joaquim Gomes. Direito Constitucional. 6. ed. Revista. Coimbra : Almedina, 1995, p SARLET, Ingo Wolfgang. Valor de Alçada e Limitação do Acesso ao Duplo Grau de Jurisdição. Revista da Ajuris 66, MARTINS, Ives Gandra da Silva. Curso de Direito Tributário. 2. ed. Belém: CEJUP, Centro de Extensão Universitária 1998, p. 19.

8 8 passagens: artigo 145, II da Constituição Federal de , artigo 78 do Código Tributário Nacional, quando trata da instituição de taxas (espécie tributária que é cobrada em razão do poder de polícia - artigo 5 c/c artigo 77 do Código Tributário Nacional), que além de conceituar o instituto, apresenta sua forma regular de exercício, sem que haja arbitrariedade que possa violar a legalidade (artigo 78, parágrafo único CTN). Artigo 78: Considera-se poder de polícia atividade da Administração Pública que, limitando ou disciplinando direito, interesse ou liberdade, regula a prática de ato ou a abstenção de fato, em razão de interesse público concernente à segurança, à higiene, à ordem, aos costumes, à disciplina da produção e do mercado, ao exercício de atividades econômicas dependentes de concessão ou autorização do Poder Público, à tranqüilidade pública ou ao respeito à propriedade e aos direitos individuais ou coletivos. (Redação dada pelo Ato Complementar nº 31, de ) Parágrafo único. Considera-se regular o exercício do poder de polícia quando desempenhado pelo órgão competente nos limites da lei aplicável, com observância do processo legal e, tratando-se de atividade que a lei tenha como discricionária, sem abuso ou desvio de poder. De acordo com Maria Sylvia Zanella Di Pietro, a razão dessa definição constar no Código Tributário Nacional decorre do fato de constituir o exercício desse poder um dos fatos geradores da taxa 20. Sob este prisma, veja-se a previsão do artigo 77, do mesmo diploma legal. Artigo 77: As taxas cobradas pela União, pelos Estados, pelo Distrito Federal ou pelos Municípios, no âmbito de suas respectivas atribuições, têm como fato gerador o exercício regular do poder de polícia, ou a utilização, efetiva ou potencial, de serviço público específico e divisível, prestado ao contribuinte ou posto à sua disposição. No caso do Estado, ele detém poderes políticos e poderes administrativos; os poderes políticos, executivo, legislativo e judiciários, assim como os poderes que surgem secundariamente devem ser exercidos de acordo com a legalidade e pelo interesse da comunidade. O poder de polícia é a faculdade que dispõem a administração para restringir direitos do cidadão em benefício da coletividade, ou seja, é o mecanismo de frenagem de que dispõem a Administração Pública para conter abusos de órbita individual. 21 Ao se analisar o poder de polícia, estuda-se também a polícia administrativa, 19 BRASIL. Constituição Federal. Artigo 145: A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios poderão instituir os seguintes tributos: II - taxas, em razão do exercício do poder de polícia ou pela utilização, efetiva ou potencial, de serviços públicos específicos e divisíveis, prestados ao contribuinte ou postos a sua disposição; 20 DI PRIETO. Maria Sylvia Zanella. Parcerias na Administração Pública. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002, p MEIRELLES, Hely Lopes. Direito Administrativo Brasileiro. 20. ed. São Paulo: Malheiros, 1993, p.115.

9 9 que suscita algumas confusões com outros tipos de polícia, em específico polícia judiciária. Para Celso Antônio Bandeira de Mello, a expressão poder de polícia, é equivocada e manifestamente infeliz. Ela abarca coisas radicalmente distintas, submetidas a regimes de inconciliável diversidade: leis e atos administrativos. Lembra esta uma fonte de lamentáveis e temíveis confusões, que pode levar a reconhecer à Administração, poderes que seriam inconcebíveis no Estado de Direito, pois a Administração somente pode atuar com base na lei que lhe confere poderes, e que esta somente poderá exercê-los nos termos e forma que esta lei estabeleceu, que por sua vez não possui a supremacia que o termo indica 22. A diferenciação entre as duas polícias, ou de manutenção da ordem pública, é que a polícia administrativa incide sobre bens, direitos e atividades, já as demais formas de polícia atuam sobre pessoas indiscriminadamente. Essa distinção revela que, a polícia administrativa é inerente e se difunde por toda a Administração Pública, enquanto as demais são privativas de determinados órgãos, Polícia Civil, Militar, outras 23. Abrange o poder de polícia, a liberdade dos particulares, com o fito de impedir uma conseqüência anti-social. Ele se destaca não raro pela imposição de abstenção dos particulares. Já a polícia administrativa exige de regra uma inação, um non facere; contudo, há algumas vezes obrigação de fazer, como por exemplo, exibir planta para licenciamento de construção, disposição do artigo do Plano Diretor de Porto Alegre. Para José Afonso da Silva, somente a lei pode impor limitações a direitos reconhecidos pela Constituição, a doutrina traça distinção entre poder de polícia e atividade de polícia, identificando aquele como manifestação do poder legislativo, único dotado de competência de impor, mediante lei formal, limitações aos direitos individuais e a esta como função exercida pela Administração Pública 22 BANDEIRA DE MELLO, Celso Antônio. Curso de Direito Administrativo. 9. ed. São Paulo: Malheiros, MEIRELLES, Hely Lopes. Direito Administrativo Brasileiro. 20. ed. São Paulo: Malheiros, 1998, p PLANO DIRETOR DE PORTO ALEGRE. RS. Artigo 147. A execução das obras de urbanização será objeto de garantia por parte do loteador, segundo as modalidades previstas em regulamentação - garantia hipotecária, caução em dinheiro, em títulos da dívida pública, fiança bancária ou seguro-garantia, em valor equivalente ao custo orçamentado das obras -, aceitas pelos órgãos técnicos municipais, salvo na garantia hipotecária, a qual deverá ser, no mínimo, equivalente a 60% (sessenta por cento) da área dos lotes. PLANO DIRETOR AMBIENTAL DE PORTO ALEGRE - RS

10 10 mediante atos de polícia, que são atos administrativos subordinados ao ordenamento jurídico 25. O poder de polícia é a atividade da Administração Pública expressa em atos normativos ou concretos de condicionar, com fundamento em sua supremacia geral e na forma da lei, a liberdade e a propriedade dos indivíduos, mediante ação ora fiscalizadora, ora preventiva, ora repressiva, impondo coercitivamente aos particulares um dever de abstenção. Os publicistas uniformemente assinalam que o objetivo do poder de polícia é executar medidas restritivas do Direito individual em benefício ao bem estar social e da preservação do próprio Estado, no mesmo sentido, a disposição do artigo 85 da lei Orgânica do Município de Porto Alegre 26 e/ou a opção do Município de criar Empresa Pública ao invés de Autarquia ou simplesmente continuar prestando o serviço público através da Secretária Municipal de Transportes, e de contratar seus agentes de fiscalização na forma de contrato trabalhista celetista e não através de servidores públicos efetivos estatutários, estão adequadas aos mais estritos ditames do direito e da própria Constituição Federal de Portanto, de acordo com Cretella Junior, esta vem a ser uma das razões pela qual o poder de polícia, na órbita Municipal vem a ser mais favorecida, bem como mais amplo do que em outras áreas, pois nas coletividades públicas locais, a ação da administração é mais direta, intensa, profunda e freqüente, em razão do maior número de conflitos que surgem entre o poder público e o administrado, reclamando-se, por isso mesmo, ação policial contínua e eficiente A DELEGAÇÃO E O EXERCÍCIO DO PODER DE POLÍCIA 25 SILVA, José Afonso da. Curso de Direito Constitucional Positivo. 21. ed. rev. e atual. São Paulo: Malheiros: 2002, p LEI ORGÂNCIA DE PORTO ALEGRE RS. Artigo 85 O Município deverá organizar sua administração e exercer suas atividades dentro de um processo de planejamento permanente, atendendo ao interesse local e aos princípios técnicos adequados ao desenvolvimento integrado da comunidade. Parágrafo único Para o planejamento é garantida a participação popular nas diversas esferas de discussão e deliberação. 27 PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE RS. Parecer nº 1067/2003. Ementa: atribuições dos agentes de fiscalização da EPTC. Prerrogativas da atividade de fiscalização por delegação do Secretário Municipal dos Transportes. Disponível em: <http://www.anpm.com.br/fotos/pareceres>. Acessado em: 20.AGO CRETELLA JUNIOR, José. Direito Administrativo Municipal. Rio de Janeiro: Forense, 1981, p. 277.

11 11 A busca pela eficiência também é uma característica do Serviço Público atual, na verdade é um princípio que veio ratificar a reforma da Administração Pública no Brasil. Este também foi um postulado fornecedor de atributos que deram suporte ao processo de privatização no âmbito dos serviços públicos. Deve ficar patente que pelo fato de o serviço ter sido delegado à iniciativa privada, ele tenha perdido sua finalidade principal que é produzir a satisfação de necessidades coletivas e individuais. Pelo contrário, ele, o serviço, se mantém público, já que o mesmo deve atender aos interesses coletivos. Concretamente o que mudou foi a sua forma de execução 29. Sob esse o que se tem atualmente é uma transferência de responsabilidades. Anteriormente o Estado tinha o dever de se preocupar com a questão social do serviço público. Atualmente, no que tange às concessionárias e permissionárias de serviços públicos, as mesmas precisam oferecer um serviço adequado à população, nos termos do artigo 6º, 1º, Lei nº 8.987, de 13 de fevereiro de Neste contexto, afirma Maria Sylvia Zanella Di Pietro que, deve haver um posicionamento a partir da idéia de parceria entre o público e o privado, para que se atinja um objetivo comum, qual seja: a de que o Estado tem por fim a busca do bem comum, ou seja, assegurar as condições ideais para que os próprios particulares atinjam o bem comum 31. Nesse rumo, os instrumentos de delegação de serviço público devem, antes de tudo, ter como meta principal a realização do bem comum, fundamentado no interesse coletivo e na solidariedade. Nesse sentido, antes de se adentrar ao estudo das modalidades de delegação de serviço público, se faz mister ter em mente o significado do instituto. Desta forma busca-se na doutrina de Carlos Ari Sundfeld o seguinte conceito: [...] a delegação é ato administrativo pelo qual a Administração transfere transitoriamente a particular o exercício do direito à exploração do serviço público. O Poder Público trespassa apenas o exercício da 29 SOUTO, MARCOS JURUENA VILLELA. Desestatização, Privatização, Concessões e Terceirização. São Paulo: Lumen Juris, 2000, p BRASIL. Constituição Federal. Artigo 6º. Toda concessão ou permissão pressupõe a prestação de serviço público adequado ao pleno atendimento dos usuários, conforme estabelecido nesta Lei, nas normas pertinentes e no respectivo contrato. 1º Serviço adequado é o que satisfaz as condições de regularidade, continuidade, eficiência, segurança, atualidade, generalidade, cortesia na sua prestação e modicidade das tarifas. 31 DI PRIETO. Maria Sylvia Zanella. Parcerias na Administração Pública. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002, p. 27.

12 12 atividade, mantendo sua titularidade 32. Consiste na transferência da execução de serviços públicos a particulares (prestadores de serviços públicos). A Delegação pode ser feita sob as modalidades de: a) concessão; b) permissão; ou c) autorização resultando daí os serviços concedidos, permitidos e autorizados 33. A natureza jurídica da delegação de serviços públicos é uma relação jurídica complexa. Ela abarca por um lado a manifestação do Estado, por meio de norma específica, a dispor sobre o regime de funcionamento, organização e modo de prestação do serviço. Em outro momento, ela envolve a manifestação de vontade do particular aderindo às condições impostas 34. Observa-se em tal particular, uma diferença finalística entre as partes do contrato, pois está presente de um lado o Estado que busca a realização de um interesse público, e de outro lado o particular, na busca pelo lucro. É, pois, dicotomia essencial que acompanha toda e qualquer relação contratual entre o Estado e o particular (não apenas as de delegação), mas que guarda o conteúdo instrutivo de sinalar a red line que distingue o público do particular, e afirma a necessidade da Administração estatal. Destas definições, primeiro é possível observar que ao se tratar de delegação, o mesmo é realizado sempre em relação à execução de dada atividade cuja titularidade permanece com a Administração. Segundo, que ao delegar esta execução a Administração, em regra, delega certas prerrogativas suas o que se dá, entretanto sempre em caráter precário. No que tange ao Poder de Polícia, ele é segundo a doutrina, um termo equívoco. A polícia administrativa é considerada preventiva e tem por objetivo tomar providências e fazer respeitar todas as medidas necessárias para a manutenção da ordem, da segurança e da salubridade pública. Ela é separada em duas classes polícia de segurança e administrativa -, concebendo-se a primeira como a que tem por escopo defender os direitos dos indivíduos e do Estado, e a segunda como a tutela da boa ordem administrativa SUNDFELD, Carlos Ari. Direito Administrativo Econômico. São Paulo: Malheiros, 2006, p MEIRELLES, Hely Lopes. Direito Administrativo Brasileiro. 26. ed. São Paulo: Malheiros, 2001, p BANDEIRA DE MELLO, Celso A. Curso de direito administrativo. 11. ed. São Paulo: Malheiros, 1999, p CRETELLA JÚNIOR, José. Direito Administrativo Brasileiro. Rio de Janeiro: Forense, 1999,

13 13 A expressão poder de polícia era utilizada para toda ação estatal dirigida ao bem-estar dos administrados. Essa visão é própria da época dos Estados absolutos, nos quais a autoridade era incontestável perante seus súditos. O direito era considerado como emanado do soberano (rei), que não errava. Para José Cretella Junior o primeiro elemento, de obrigatória presença desta colocação é o da fonte de que provém: [...] o Estado, ficando, pois, de lado, qualquer proteção de natureza particular; o segundo elemento, o escopo, de natureza teleológica, também é essencial para caracterizar a polícia, ou seja, não existe o instituto se o fim que se propõe por outro que não o de assegurar a paz, a tranqüilidade, a boa ordem, para cada um e para todos os membros da comunidade; o terceiro elemento que não pode faltar na definição de polícia é o que diz respeito, in concreto, às limitações a qualquer tipo de atividade que possa perturbar a vida em comum 36. Verifica-se que o serviço público pode ser prestado por particulares, já o exercício do poder de polícia não pode ser delegado, visto que se trata de poder de império, o que provocaria o desequilíbrio entre os particulares, conforme já decidiu o pleno do Supremo Tribunal Federal 37. O caráter limitador das ações dos particulares em favor da coletividade vem a ser o diferencial entre o exercício do poder de polícia e o serviço público em sentido estrito. A base fundamental do poder de polícia administrativo é evitar danos à coletividade a partir da ação de particular. Ela vem a ser a atividade estatal que tende a regular o equilíbrio necessário entre a existência individual e o bem comum quando perturbado. A mesma se refere à ação estatal, atual ou potencial, sobre os direitos fundamentais em prol do interesse público 38. No que tange a classificação do Poder de Polícia cabe destacar que a atuação da Administração Pública com base em autorização legal explícita ou implícita vem a ser uma atividade da polícia administrativa que é multiforme, imprevisível, não podendo ser delimitada em todos os setores em que deve desdobrar-se. Sendo infinitos os recursos de que lança mão o gênero humano, a polícia precisa intervir sem restrições, no momento oportuno, pois que sua ação é indefinida como a própria vida, não sendo possível aprisioná-la em rígidas Idem.. 37 CRETELLA JÚNIOR, José. Direito Administrativo Brasileiro. Rio de Janeiro: Forense, 1999, p FAVRETO, Rogério. Novos Rumos da Autonomia Municipal. São Paulo: Max Limonad, 2000, p

14 14 fórmulas, motivo por que certa flexibilidade ou a livre escolha dos meios é inseparável da polícia O CÓDIGO DE TRÂNSITO BRASILEIRO 2.1 CONTEXTO HISTÓRICO O Código de Trânsito Brasileiro é sinal de uma nova era, um tempo de conscientização e fortalecimento de valores como a cidadania e educação. É de conhecimento de todos que a Lei de Diretrizes e Bases em vigor estabelece que a Educação para o trânsito deva figurar entre os temas transversais, que dizem respeito ao dia a dia da vida dos pequenos brasileiros, sempre através de atividades curriculares e extracurriculares, na sala de aula e fora desta. Neste sentido a conduta no trânsito deve ser uma questão de cidadania responsável. Aqui a chave que se tem para avançar em tal caminho é a educação. E o grande mecanismo que se dispõe para proibir excessos é a reeducação. No Código de Trânsito Brasileiro estão presentes 340 artigos, compostos por 20 capítulos. Observa-se especial destaque para todos os artigos que lidam com as normas gerais de circulação e conduta, das infrações, do processo administrativo e dos crimes de trânsito. Estão, também, ali alinhados dois anexos: dos conceitos e definições (I) e sinalização (II), tendo sido o teor deste último, alterado pela Resolução CONTRAN nº 160/04, em que pese parecer contraditório uma resolução revogar o anexo de uma lei ordinária, isto ocorreu em razão da interpretação que os membros do Conselho Nacional de Trânsito (CONTRAN) tiveram acerca do teor do artigo 306 do CTB 40. Atualmente tem-se a base legal do que deve ser, na verdade, uma mudança de mentalidade. Trata-se de um novo modo de conduta e não apenas um ponto de referência. No entanto, a educação para o trânsito não se restringe às iniciativas dos órgãos de trânsito; deve explorá-las; a comunidade, por sua própria diligência, devendo promovê-la; bem com a escola deve incentivá-la. 39 CRETELLA JÚNIOR, José. Op. cit., p NUCCI, Guilherme de Souza. Crimes de trânsito. São Paulo: Juarez de Oliveira, 1999, p. 43.

15 15 Por sua vez a legislação de trânsito no Brasil, já existe há muito tempo, pois segundo relata Arnaldo Rizzardo, a primeira legislação de que se pode noticiar é o Decreto nº 8.324, de 27 de outubro de 1910, normatizador das atividades de transporte por meio de automóveis 41. Neste decreto, lê-se que os os condutores eram ainda chamados de motorneiros, deixando expresso no artigo 21 que os mesmos se mantivessem constantemente senhores da velocidade do veículo, devendo diminuir a marcha ou mesmo parar o movimento todas as vezes que o automóvel pudesse ser causa de acidente 42. Em continuidade as mudanças na legislação brasileira de trânsito foi editado o Decreto Legislativo nº 4.460, de 11 de janeiro de 1922, que segundo, G.F.L. Pinheiro e D. Ribeiro delineavam o norte para a construção de estradas e a carga máxima oficial para veículos. Um decreto que registrou a expressão mataburros. No decorrer da gestão presidencial de Washington Luiz foi disponibilizado na legislação de trânsito da época o Decreto Legislativo nº 5.141, de 05 de janeiro de 1927, em que ficou expresso pela primeira vez o termo autocaminhões 43. De acordo com Arnaldo Rizzardo o primeiro código de trânsito de alcance nacional veio com a promulgação do Decreto nº , de 24 de julho de Tal diploma era composto de 93 artigos que normatizava temas específicos de trânsito, tais como a circulação internacional de automóveis no território nacional, a sinalização, segurança e polícia nas estradas 44. A validade deste decreto segundo Geraldo Farias L. Pinheiro e D. Ribeiro se manteve até a disponibilização do primeiro Código Nacional de Trânsito, estabelecido pelo Decreto-Lei nº 2.994, de 28 de janeiro de Este último foi substituído pelo Decreto-Lei nº 3.651, de 25 de setembro de Na seqüência do aprimoramento da legislação de trânsito foi editada a Lei nº 5.108, de 21 de setembro de 1966 criadoras do Código Nacional de Trânsito (CNT). Esta lei em conjunto com o Regulamento do Código Nacional de Trânsito (RCNT) promulgado a partir da edição do Decreto nº , de 16 de janeiro de 1968, terminam por dar rumo e disciplina ao trânsito de veículos nas vias terrestres. 41 RIZZARDO, Arnaldo. Comentários ao Código de Trânsito Brasileiro. 4. ed. rev., atual. e ampl. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2003, p PINHEIRO, Geraldo Farias L., RIBEIRO, D. Código de Trânsito Brasileiro Interpretado. São Paulo: Juarez de Oliveira, 2000, p Idem, p RIZZARDO, Arnaldo. Op. cit. p. 38.

16 16 Ainda de acordo com Geraldo Farias L. Pinheiro e D. Ribeiro no decorrer da vigência do diploma regulador do trânsito brasileiro ocorreram muitas mudanças, sendo que a primeira revisão se fez valer em Neste período histórico um anteprojeto não foi acolhido, mas posteriormente, em 06 de junho de 1991 foi instituída Comissão Especial, que trouxe para análise um novo anteprojeto do Código Nacional de Trânsito, em razão da necessidade de alterações na legislação de trânsito, conseqüência dos apelos da sociedade, atemorizada pelo alto índice de acidentes e elevada impunidade dos infratores 45. Uma vez terminado as tratativa da dita Comissão, foi remetida ao Congresso Nacional, por meio de mensagem presidencial, Aviso nº 543, de 22 de abril de 1993, analisado pela Câmara dos Deputados, como Projeto de Lei nº 3.710/93, e que recebeu ali muitas alterações por uma Comissão Especial formada exclusivamente para sua análise, e depois enviada ao Senado sob a rubrica de Projeto de Lei da Câmara nº 73/ Depois de apresentado o Substitutivo ao projeto encaminhado pela Câmara, e que voltou à Casa de origem, e mais uma vez foi examinado, segundo a ótica de uma nova Comissão Especial, foi assim depois dos trâmites regimentais transformado na Lei nº 9.503, de 23 de setembro de 1997, qual seja, o Código de Trânsito Brasileiro 47. A vigência do Código de Trânsito Brasileiro foi o resultado de muita discussão no meio doutrinário brasileiro, uma vez que seu artigo 340 determinava a entrada em vigor após 120 dias da data de sua publicação, a qual se deu em 24 de setembro de Os intérpretes levam em conta que a vigência do novo diploma de trânsito brasileiro teve seu início a partir de 22 de janeiro de 1998, já com as modificações impostas pela Lei nº 9.602, de 21 de janeiro de Durante todos esses últimos anos de vigência, o Código de Trânsito Brasileiro foi alterado por leis 49, que estabeleceram novos regramentos quanto ao infracionamento por excesso de velocidade, e mais recentemente pela Lei nº 11705/2008, que instituiu no Código de Trânsito Brasileiro a tolerância zero de 45 PINHEIRO, Geraldo Farias L., RIBEIRO, D. Código de Trânsito Brasileiro Interpretado. São Paulo: Juarez de Oliveira, 2000, p Idem, Idem, p RIZZARDO, Arnaldo. Comentários ao Código de Trânsito Brasileiro. 4. ed. rev., atual. e ampl. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2003, p BRASIL. LEIS nº ( ), ( ), ( ), ( ), ( ), nº ( )

17 17 álcool para os condutores de veículos automotores. Ela proibiu o comércio de bebidas na faixa de rodovia federal ou em terrenos contíguos à faixa de domínio com acesso direto à rodovia 50. Cabe salientar que a normatização do regramento de trânsito vai além do diploma atual, pois este é tão somente uma parte do complexo e sistêmico conjunto de atos normativos 51, estritos e amplos, convencionado como legislação de trânsito, já que da mesma fazem parte outras leis e decretos esparsos. Cita-se aqui como exemplo, o Regulamento para o Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos (RTTP), cuja origem vem do Decreto nº /1988, assim como várias resoluções, deliberações e portarias expedidas pelo CONTRAN, DENATRAN, DNIT, CETRAN, DETRAN, DER outros órgãos e entidades de trânsito estaduais e municipais, no âmbito de sua jurisdição administrativa. 2.2 CONCEITOS DO DIREITO DE TRÂNSITO De acordo com a evolução humana, dos meios de locomoção e das estradas, o trânsito também veio sendo normalizado, tendo em vista o contexto social e cultural de cada época. Sob esse foco afirma Vilson Rodrigues Alves que o trânsito é a utilização isolada ou grupal das vias por meio de pessoas, veículos e semoventes. Esse uso pode efetivar-se para fins de circulação, parada e estacionamento, inclusive para as operações de carga ou descarga de bens 52. Para Cássio Mattos Honorato o trânsito vem a ser um fenômeno mais amplo do que geralmente é compreendido, em razão de englobar todos os usuários das vias terrestres, mesmo que não se encontrem embarcados em veículos 50 BARBAGALO, Fernando Brandini. Lei nº 1.705/08: alcance das alterações no Código de Trânsito Brasileiro. Disponível em: <http://www.sindemosc.com.br/index>. Acessado em: 20 AGO DI PRIETO, Mária Sílvia Zanella Atos Normativos. Disponível em: <http://www.tcm.sp.gov.br/legislacao/doutrina>. Acessado em: 05 OUT É todo ato que tenha por fim imediato adquirir, resguardar, transferir, modificar, extinguir e declarar direitos ou impor obrigações. É, portanto, toda manifestação de vontade da Administração Pública, que, agindo nessa qualidade declare ou imponha obrigações aos administrados e a si própria. O ato administrativo é aquele que pela prescrição, juízo e conhecimento produz efeitos jurídicos, expedidos pela Administração Pública. Mas nem todo ato expedido pelo Estado é administrativo, somente aqueles que estão ligados ao objeto e poderes da Administração. A lei é um ato do Estado e não é ato administrativo, assim como uma sentença judicial não é um ato administrativo, é um ato jurisdicional expedido pelo Estado. 52 ALVES, Vilson Rodrigues. Acidentes de Trânsito e Responsabilidade Civil. São Paulo: Bookseller, Tomo I. 2002, p. 177.

18 18 automotores, e mesmo que não se encontrem em deslocamento. Uma pessoa caminhando ou sentada em um banco de uma praça estará sujeita as normas impostas pelo Código de Trânsito Brasileiro 53. Já no campo do conceito de direito de trânsito avisa Waldyr de Abreu ser a: [...] autonomia legislativa do direito de trânsito é bem caracterizada pelos códigos de trânsito, que regulam, pelo menos, parte relevante desta novel disciplina, assim como sua autonomia científica [...] está suficientemente demonstrada nos princípios fundamentais norteadores dos referidos códigos 54. Neste sentido, visando o perfeito andamento do processo de administrar o trânsito, vem o Estado, gestor da Administração Pública, criar o Sistema Nacional de Trânsito, por meio da Lei 9.503/97 Lei de Trânsito. O legislador deixou claro no artigo 5º, compreender tal sistema dado conjunto de órgãos e entidades da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios. Todos eles se afinam no objetivo do exercício das atividades de planejamento, administração, normalização, pesquisa, registro e licenciamento de veículos, formação, educação, engenharia, operação do sistema viário, policiamento, fiscalização, julgamento de infrações e de recursos e aplicação de penalidades 55. No mesmo rumo revela Waldyr de Abreu os seguintes princípios informadores do direito de trânsito: preservação da segurança, garantia da fluidez, respeito à corrente de trânsito, da confiança e da direção defensiva. Sob o amparo desse princípio, os usuários das vias (condutores, pedestres, ciclistas, etc.) devem comportar-se de modo a não causar prejuízo ou incômodo à circulação 56. No Código de Trânsito Brasileiro esses princípios são encontrados na regra geral expressa no artigo 26, cujo conteúdo expõe que: Artigo 26. Os usuários das vias terrestres devem: I - abster-se de todo ato que possa constituir perigo ou obstáculo para o trânsito de veículos, de pessoas ou de animais, ou ainda causar danos a propriedades públicas ou privadas; II - abster-se de obstruir o trânsito ou torná-lo perigoso, atirando, depositando ou abandonando na via objetos ou substâncias, ou nela criando qualquer outro obstáculo. 53 HONORATO, Cássio Mattos. Trânsito infração e crimes. Campinas: Millenniium, 2000, p ABREU, Waldir. Código de Trânsito Brasileiro: infrações administrativas, crimes de trânsito e questões fundamentais. São Paulo: Saraiva, 1998, p SABATOVSKI, Emílio; Fontoura, Iara; Saiki, Tânia. Código de Trânsito Brasileiro. São Paulo: Juruá, 1997, p ABREU, Waldir. Código de Trânsito Brasileiro: infrações administrativas, crimes de trânsito e questões fundamentais. São Paulo: Saraiva, 1998, p. 313.

19 19 As normas ali descritas relativas e que dizem respeito ao comportamento abrangem outros dispositivos e consequentemente alcançam outros bens jurídicos amparados pelo Código de Trânsito Brasileiro, que podem ser a preservação da saúde e do meio ambiente (artigo 1º, 5º), o conforto e à educação para o trânsito (artigo 6º, inc. I) e a proteção à via e à incolumidade física da pessoa (art. 269, 1º) 57. No que tange à corrente de trânsito fica evidente que em circulação, se faz necessário ter como ponto de partida da base a marcha paralela ao eixo da via que vem a ser a normalidade para o tráfego. Já toda e qualquer manobra são anormalidades que perturbam a circulação. Este princípio no Código de Trânsito Brasileiro está presente, principalmente, nos artigos 34 e 35. Ali está a síntese da realização de qualquer manobra, que precisa considerar a posição, velocidade e direção do veículo, de forma a criar um perigo para os demais usuários da via, assim como tal manobra deve ser indicada de forma clara e com a devida antecedência 58. Sob o prisma do princípio da confiança o usuário da via tem o direito de contar que: [...] os demais usuários se comportem, como ele, de maneira correta, a menos as circunstâncias particulares sejam de tal natureza a lhe permitir reconhecer que não é assim. Exemplos dessa regra de comportamento podem ser encontrados nos artigos 42, segundo o qual nenhum condutor deverá frear bruscamente seu veículo, salvo por razões de segurança, e no inciso II do artigo 43, o qual estabelece que sempre que o condutor desejar diminuir a velocidade deve antes se certificar que pode fazê-lo sem risco para outros condutores, a não ser que haja perigo iminente 59. Com relação à direção defensiva se observa que o mesmo deixa claro, em especial aos condutores de veículo que: não devem se envolver em acidentes, precisam estar em condições de antecipar os acidentes evitáveis, quais sejam: previsíveis e evitáveis. Leia-se todos acidentes, que o motivo esteja vinculado à conduta de outros usuários da via ou condições atmosféricas, das vias ou dos veículos ABREU, Waldir. Código de Trânsito Brasileiro: infrações administrativas, crimes de trânsito e questões fundamentais. São Paulo: Saraiva, 1998, p Idem, p Idem, ibidem. 60 Idem.

20 20 A direção defensiva se trata de educação no trânsito e está presente no Código de Trânsito Brasileiro nos artigos 27 e 28, abaixo transcritos: Artigo 27: Antes de colocar o veículo em circulação nas vias públicas, o condutor deverá verificar a existência e as boas condições de funcionamento dos equipamentos de uso obrigatório, bem como assegurar-se da existência de combustível suficiente para chegar ao local de destino. Artigo 28.O condutor deverá, a todo momento, ter domínio de seu veículo, dirigindo-o com atenção e cuidados indispensáveis à segurança do trânsito. Com relação às expressões utilizadas no CTB, seus conceitos e definições são aqueles estabelecidos em seu Anexo I: Anexo I - AGENTE DA AUTORIDADE DE TRÂNSITO - pessoa, civil ou policial militar, credenciada pela autoridade de trânsito para o exercício das atividades de fiscalização, operação, policiamento ostensivo de trânsito ou patrulhamento. [...] AUTORIDADE DE TRÂNSITO - dirigente máximo de órgão ou entidade executivo integrante do Sistema Nacional de Trânsito ou pessoa por ele expressamente credenciada. [...] FISCALIZAÇÃO - ato de controlar o cumprimento das normas estabelecidas na legislação de trânsito, por meio do poder de polícia administrativa de trânsito, no âmbito de circunscrição dos órgãos e entidades executivos de trânsito e de acordo com as competências definidas neste Código. [...] OPERAÇÃO DE TRÂNSITO - monitoramento técnico baseado nos conceitos de Engenharia de Tráfego, das condições de fluidez, de estacionamento e parada na via, de forma a reduzir as interferências tais como veículos quebrados, acidentados, estacionados irregularmente atrapalhando o trânsito, prestando socorros imediatos e informações aos pedestres e condutores. [...] PATRULHAMENTO - função exercida pela Polícia Rodoviária Federal com o objetivo de garantir obediência às normas de trânsito, assegurando a livre circulação e evitando acidentes. [...] POLICIAMENTO OSTENSIVO DE TRÂNSITO - função exercida pelas Polícias Militares com o objetivo de prevenir e reprimir atos relacionados com a segurança pública e de garantir obediência às normas relativas à segurança de trânsito, assegurando a livre circulação e evitando acidentes. Como visto até aqui, sob o manto protetor da legislação de trânsito, o tema educação foi e é tratado como essencial para mudar as condições do trânsito brasileiro, e é abordado sob vários ângulos. Num primeiro momento ele é definido como um direito das pessoas e um dever do Estado, como exposto no artigo 74, e é tornada obrigatória para os níveis de ensino de 1º, 2º e 3º graus de acordo com o artigo 76, com prazo determinado para que o currículo mínimo seja sugerido no início da vigência do Código em harmonia com o artigo 315.

1. (FCC/TRT3/Analista/2009) São exemplos de atuação concreta da Administração Pública fundada no poder de polícia em sentido estrito:

1. (FCC/TRT3/Analista/2009) São exemplos de atuação concreta da Administração Pública fundada no poder de polícia em sentido estrito: 1. (FCC/TRT3/Analista/2009) São exemplos de atuação concreta da Administração Pública fundada no poder de polícia em sentido estrito: (A) desapropriação de terras improdutivas. (B) penhora de bens em execução

Leia mais

A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice ÍNDICE

A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice ÍNDICE Estrada Dona Castorina, 124 Jardim Botânico Rio de Janeiro RJ CEP: 22460-320 Tel.: 21 35964006 A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice

Leia mais

O SILÊNCIO DA LEI NA ESFERA ADMINISTRATIVA

O SILÊNCIO DA LEI NA ESFERA ADMINISTRATIVA 71 O SILÊNCIO DA LEI NA ESFERA ADMINISTRATIVA Camilla Mendonça Martins Acadêmica do 2º ano do curso de Direito das FITL AEMS Mariana Ineah Fernandes Acadêmica do 2º ano do curso de Direito das FITL AEMS

Leia mais

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA DIREITO ADMINISTRATIVO Estado, governo e administração pública: conceitos, elementos, poderes e organização; natureza, fins e princípios. Direito Administrativo: conceito, fontes e princípios. Organização

Leia mais

Da reserva de administração, da harmonia entre os Poderes e da iniciativa legislativa

Da reserva de administração, da harmonia entre os Poderes e da iniciativa legislativa Vitória, 07 de julho de 2008. Mensagem n º 156/ 2008 Senhor Presidente: Comunico a V. Exa. que vetei totalmente o Projeto de Lei n 116/2007, por considerá-lo inconstitucional, pois padece dos vícios de

Leia mais

DIVISÃO ESPACIAL DO PODER

DIVISÃO ESPACIAL DO PODER DIVISÃO ESPACIAL DO PODER FORMA DE ESTADO: UNITÁRIO 1. Puro: Absoluta centralização do exercício do Poder; 2. Descentralização administrativa: Concentra a tomada de decisões, mas avança na execução de

Leia mais

Terminais Alfandegados à Luz do Direito Administrativo

Terminais Alfandegados à Luz do Direito Administrativo Terminais Alfandegados à Luz do Direito Administrativo LEONARDO COSTA SCHÜLER Consultor Legislativo da Área VIII Administração Pública ABRIL/2013 Leonardo Costa Schüler 2 SUMÁRIO O presente trabalho aborda

Leia mais

UNIDADE: FACULDADE DE DIREITO DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS

UNIDADE: FACULDADE DE DIREITO DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS ÍNDICE Código Disciplina Página DIR 02-07411 Direito Constitucional I 2 DIR 02-07417 Direito Constitucional II 3 DIR 02-00609 Direito Constitucional III 4 DIR 02-00759 Direito

Leia mais

20/04/2005 TRIBUNAL PLENO V O T O. Senhor Presidente, que a requisição de bens e/ou serviços, nos

20/04/2005 TRIBUNAL PLENO V O T O. Senhor Presidente, que a requisição de bens e/ou serviços, nos 20/04/2005 TRIBUNAL PLENO MANDADO DE SEGURANÇA 25.295-2 DISTRITO FEDERAL V O T O O SENHOR MINISTRO CELSO DE MELLO: Ninguém ignora, Senhor Presidente, que a requisição de bens e/ou serviços, nos termos

Leia mais

COMPETÊNCIA ARTIGOS 21 A 33 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL

COMPETÊNCIA ARTIGOS 21 A 33 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL COMPETÊNCIA ARTIGOS 21 A 33 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL A primeira informação que devemos procurar sobre a unidade que vamos agora trabalhar (denominada de competência) e para que se possa ter um bom entendimento

Leia mais

CONVÊNIOS E CONSÓRCIOS

CONVÊNIOS E CONSÓRCIOS CONVÊNIOS E CONSÓRCIOS 1. LEGISLAÇÃO - Fundamentação Constitucional: Art. 241 da CF/88 - Fundamentação Legal: Art. 116 da Lei 8.666/93, 2. CONCEITO - CONVÊNIO - é o acordo firmado por entidades políticas

Leia mais

Autarquia. Administração Indireta. Figura sujeita a polemicas doutrinárias e de jurisprudência. Ausente na estrutura do Executivo Federal

Autarquia. Administração Indireta. Figura sujeita a polemicas doutrinárias e de jurisprudência. Ausente na estrutura do Executivo Federal Administração Direta Fundação Publica Direito Público Consórcio Público Direito Público Fundação Publica Direito Privado Empresa Pública Consórcio Público Direito Privado Sociedade Economia Mista Subsidiária

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE EMPRESA PÚBLICA DE TRANSPORTE E CIRCULAÇÃO S/A EPTC CONCURSO PÚBLICO 01/2007

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE EMPRESA PÚBLICA DE TRANSPORTE E CIRCULAÇÃO S/A EPTC CONCURSO PÚBLICO 01/2007 CARGO: ADVOGADO PROGRAMA RETIFICADO EM 12/12/2007 DIREITO ADMINISTRATIVO 1. Direito Administrativo: conceito, abrangência, origem e evolução histórica. 2. Administração Pública: conceito, abrangência.

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Poder de Polícia: conceito, características e meios de atuação e divisão no atual sistema administrativo brasileiro Ricardo Pontes de Almeida* INTRODUÇÃO A partir do estudo do sistema

Leia mais

INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade.

INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade. INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade. Jaileno Miranda Conceição¹ RESUMO O Direito Administrativo é um ramo do Direito Público composto por órgãos, agentes, e pessoas jurídicas administrativas,

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br O Princípio da Legalidade na Administração Pública Heletícia Oliveira* 1. INTRODUÇÃO O presente artigo tem como objeto elucidar, resumidamente, a relação do Princípio da Legalidade

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br A responsabilidade administrativa no Direito Ambiental por Carolina Yassim Saddi * Uma data que merece reflexão foi comemorada no dia 5 de junho do corrente ano: Dia Mundial do Meio

Leia mais

2. (CESPE/MMA/2009) O modelo de federalismo brasileiro é do tipo segregador.

2. (CESPE/MMA/2009) O modelo de federalismo brasileiro é do tipo segregador. 1. (CESPE/SEJUS-ES/2009) A CF adota o presidencialismo como forma de Estado, já que reconhece a junção das funções de chefe de Estado e chefe de governo na figura do presidente da República. 2. (CESPE/MMA/2009)

Leia mais

Poderes Administrativos. Professora: Paloma Braga

Poderes Administrativos. Professora: Paloma Braga Poderes Administrativos Professora: Paloma Braga Poderes Administrativos - Conceito São os meios ou instrumentos através dos quais a Administração Pública exerce a atividade administrativa na gestão dos

Leia mais

LEI Nº 1034, DE 12 DE AGOSTO DE 2015.

LEI Nº 1034, DE 12 DE AGOSTO DE 2015. LEI Nº 1034, DE 12 DE AGOSTO DE 2015. DISPÕE SOBRE A MUNICIPALIZAÇÃO DO TRÂNSITO E TRANSPORTE NO ÂMBITO DO MUNICÍPIO DE ALTO GARÇAS E CRIA O DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE TRÂNSITO E A JUNTA ADMINISTRATIVA

Leia mais

2 A DISTINÇÃO ENTRE SERVIÇO PÚBLICO EM SENTIDO ESTRITO E ATIVIDADE ECONÔMICA DESEMPENHADA PELO ESTADO

2 A DISTINÇÃO ENTRE SERVIÇO PÚBLICO EM SENTIDO ESTRITO E ATIVIDADE ECONÔMICA DESEMPENHADA PELO ESTADO 19 A DISPENSA DE EMPREGADOS EM EMPRESAS PÚBLICAS E SOCIEDADES DE ECONOMIA MISTA PRESTADORAS DE SERVIÇOS PÚBLICOS OU EXPLORADORAS DE ATIVIDADES ECONÔMICAS EM REGIME DE MONOPÓLIO Adib Pereira Netto Salim*

Leia mais

PONTO 1: Poderes Administrativos: - Poder Hierárquico continuação. - Poder de Polícia. - Poder Vinculado. - Poder Discricionário.

PONTO 1: Poderes Administrativos: - Poder Hierárquico continuação. - Poder de Polícia. - Poder Vinculado. - Poder Discricionário. 1 DIREITO ADMINISTRATIVO PONTO 1: Poderes Administrativos: - Poder Hierárquico continuação. - Poder de Polícia. - Poder Vinculado. - Poder Discricionário. 1)Poderes Administrativos: Poder hierárquico continuação:

Leia mais

PROCESSO - TC-2938/2005 INTERESSADO - SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE ALEGRE ASSUNTO - CONSULTA

PROCESSO - TC-2938/2005 INTERESSADO - SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE ALEGRE ASSUNTO - CONSULTA PROCESSO - TC-2938/2005 INTERESSADO - SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE ALEGRE ASSUNTO - CONSULTA REPASSE DE RECURSOS FINANCEIROS POR AUTARQUIA MUNICIPAL À PREFEITURA PARA EXECUÇÃO DE SERVIÇOS DE SUA

Leia mais

PODER DE POLÍCIA NA ARGENTINA E NO BRASIL. Luciano Machado Ferreira Doutorando, Especialista em Ciências Criminais e Direito Público - Professor IPTAN

PODER DE POLÍCIA NA ARGENTINA E NO BRASIL. Luciano Machado Ferreira Doutorando, Especialista em Ciências Criminais e Direito Público - Professor IPTAN PODER DE POLÍCIA NA ARGENTINA E NO BRASIL Luciano Machado Ferreira Doutorando, Especialista em Ciências Criminais e Direito Público - Professor IPTAN Emerson dos Santos Ribeiro Especialista - Professor

Leia mais

Vitória, 22 de abril de 2008. Mensagem n º 84 / 2008. Senhor Presidente:

Vitória, 22 de abril de 2008. Mensagem n º 84 / 2008. Senhor Presidente: Vitória, 22 de abril de 2008. Mensagem n º 84 / 2008 Senhor Presidente: Comunico a V. Exa. que, amparado nos artigos 66, 2 e 9, IV da Constituição Estadual, decidi vetar totalmente por inconstitucionalidade

Leia mais

Simulado de Direito Administrativo Professor Estevam Freitas

Simulado de Direito Administrativo Professor Estevam Freitas Simulado de Direito Administrativo Professor Estevam Freitas 01. ( FUNIVESA/SEPLAG/AFC 2009) Assinale a alternativa correta acerca da organização administrativa brasileira. ( A ) Toda a sociedade em que

Leia mais

Centro de Formação, Treinamento e Aperfeiçoamento/CEFOR Especialização em Instituições e processos Políticos do Legislativo

Centro de Formação, Treinamento e Aperfeiçoamento/CEFOR Especialização em Instituições e processos Políticos do Legislativo Centro de Formação, Treinamento e Aperfeiçoamento/CEFOR Especialização em Instituições e processos Políticos do Legislativo Maria Amélia da Silva Castro A função controle exercida pelo parlamento: o papel

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO CURSO DE DIREITO ADMINISTRATIVO

APRESENTAÇÃO DO CURSO DE DIREITO ADMINISTRATIVO APRESENTAÇÃO DO CURSO DE DIREITO ADMINISTRATIVO Salve salve mais uma vez meus amigos concurseiros! O Curso de Direito Administrativo que terá início na primeira semana de julho (08/07) voltará sua atenção

Leia mais

300 Questões Comentadas do Poder Executivo

300 Questões Comentadas do Poder Executivo 1 Para adquirir a apostila de 300 Questões Comentadas acesse o site: www.odiferencialconcursos.com.br ESTA APOSTILA SERÁ ATUALIZADA ATÉ A DATA DO ENVIO S U M Á R I O Apresentação...3 Questões...4 Respostas...82

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO IV DA ORGANIZAÇÃO DOS PODERES CAPÍTULO I DO PODER LEGISLATIVO Seção II Das Atribuições do Congresso Nacional Art. 49. É da competência exclusiva

Leia mais

POLÍCIA CIVIL DO RJ- FEC www.beabadoconcurso.com.br Todos os direitos reservados. - 1 -

POLÍCIA CIVIL DO RJ- FEC www.beabadoconcurso.com.br Todos os direitos reservados. - 1 - f POLÍCIA CIVIL DO RJ- FEC www.beabadoconcurso.com.br Todos os direitos reservados. - 1 - DIREITO ADMINISTRATIVO SÚMARIO UNIDADE 1. Direito Administrativo: conceito, fontes, princípios. Conceito de Estado,

Leia mais

RELAÇÃO DO DIREITO CONSTITUCIONAL COM OUTRAS DISCIPLINAS OU CIÊNCIAS.

RELAÇÃO DO DIREITO CONSTITUCIONAL COM OUTRAS DISCIPLINAS OU CIÊNCIAS. RELAÇÃO DO DIREITO CONSTITUCIONAL COM OUTRAS DISCIPLINAS OU CIÊNCIAS. 1. RELAÇÃO COM O DIREITO ADMINISTRATIVO: Classificado no Direito Público Interno, de quem é um de seus ramos, o Direito Administrativo,

Leia mais

3º SIMULADO DE DIREITO ADMINISTRATIVO (CESPE) PROFESSOR: ANDERSON LUIZ

3º SIMULADO DE DIREITO ADMINISTRATIVO (CESPE) PROFESSOR: ANDERSON LUIZ Quadro de Avisos: Informo o lançamento dos seguintes cursos aqui no Ponto dos Concursos: Lei nº 8.112/90 em Exercícios (CESPE); Lei nº 8.429/92 em Exercícios (CESPE); Lei nº 8.666/93 em Exercícios (CESPE);

Leia mais

PARECER DECRETO CALL CENTER

PARECER DECRETO CALL CENTER PARECER DECRETO CALL CENTER PARECER DECRETO 6.523/2008 Elizabeth Costa de Oliveira Góes Trata-se de parecer com vistas a analisar a aplicabilidade do Decreto 6.523/2008, de 31 de julho de 2008, no que

Leia mais

PROCESSO - TC-2216/2003 INTERESSADO - CÂMARA MUNICIPAL DE SANTA TERESA ASSUNTO - CONSULTA

PROCESSO - TC-2216/2003 INTERESSADO - CÂMARA MUNICIPAL DE SANTA TERESA ASSUNTO - CONSULTA PROCESSO - TC-2216/2003 INTERESSADO - CÂMARA MUNICIPAL DE SANTA TERESA ASSUNTO - CONSULTA TELEFONIA CELULAR CONTRATAÇÃO PELO PODER LEGISLATIVO DE OPERADORA PARA ATENDER AOS VEREADORES, SERVIDORES E SEUS

Leia mais

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL. (Do Deputado Robério Negreiros) ~1.. ::J ".,,.",

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL. (Do Deputado Robério Negreiros) ~1.. ::J .,,., CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL EMENDA N 1 /2015 (MODIFICATIVA) (Do Deputado Robério Negreiros) Ao Projeto de Lei no 145 de 2015 que "Dispõe sobre a publicação mensal, em diário oficial e outros

Leia mais

LEGISLAÇÃO DE INTERESSE DA DEFESA CIVIL / CBMERJ CONSTITUIÇÃO FEDERAL

LEGISLAÇÃO DE INTERESSE DA DEFESA CIVIL / CBMERJ CONSTITUIÇÃO FEDERAL LEGISLAÇÃO DE INTERESSE DA DEFESA CIVIL / CBMERJ CONSTITUIÇÃO FEDERAL Art.5º Todos são iguais perante a lei.. XI a casa é asilo inviolável do indivíduo, ninguém nela podendo penetrar sem consentimento

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DE POSSE, SEM TRANSFERÊNCIA DE DOMÍNIO

TRANSFERÊNCIA DE POSSE, SEM TRANSFERÊNCIA DE DOMÍNIO TRANSFERÊNCIA DE POSSE, SEM TRANSFERÊNCIA DE DOMÍNIO O presente estudo tem o intuito de analisar e diferenciar brevemente os institutos da cessão de uso, concessão de uso e concessão de direito real de

Leia mais

LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE

LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE Código de Trânsito Brasileiro LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE 1997 e LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR Atualizado até a LEI Nº 12.865, DE 9 DE OUTUBRO DE 2013 A UFIR foi extinta, sendo congelada no valor de R$

Leia mais

PROJETO DE LEI N o 4.970, DE 2013.

PROJETO DE LEI N o 4.970, DE 2013. COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR PROJETO DE LEI N o 4.970, DE 2013. Adota medidas para informar os consumidores acerca dos tributos indiretos que incidem sobre bens e serviços, conforme o disposto no 5º,

Leia mais

AS CARREIRAS DE ESTADO

AS CARREIRAS DE ESTADO AS CARREIRAS DE ESTADO Ultimamente, muito se tem falado sobre as Carreiras Típicas de Estado. Mas o que vem a ser exatamente uma Carreira Típica de Estado? Imaginemos um modelo mínimo de administração

Leia mais

TÍTULO: O PODER JUDICIÁRIO NA PROTEÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS PREVISTOS NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988

TÍTULO: O PODER JUDICIÁRIO NA PROTEÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS PREVISTOS NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 TÍTULO: O PODER JUDICIÁRIO NA PROTEÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS PREVISTOS NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: DIREITO INSTITUIÇÃO: CENTRO

Leia mais

IMPOSSIBILIDADE JURÍDICA DO TRIBUNAL DO JURI NA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL

IMPOSSIBILIDADE JURÍDICA DO TRIBUNAL DO JURI NA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL IMPOSSIBILIDADE JURÍDICA DO TRIBUNAL DO JURI NA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL Jonas Guedes 1 Resumo: O tema abordado no presente artigo versará sobre a impossibilidade jurídica do Tribunal do Júri na Justiça

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999 Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 411/2009 TCE/TO Pleno

RESOLUÇÃO Nº 411/2009 TCE/TO Pleno RESOLUÇÃO Nº 411/2009 TCE/TO Pleno 1. Processo nº: 07854/2008 2. Classe de Assunto: III - Consulta 3. Entidade: Defensoria Pública 4. Interessado: Estellamaris Postal 5. Relator: Conselheiro Napoleão de

Leia mais

AULA 01. Esses três primeiros livros se destacam por serem atualizados pelos próprios autores.

AULA 01. Esses três primeiros livros se destacam por serem atualizados pelos próprios autores. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Direito Administrativo / Aula 01 Professora: Luiz Oliveira Castro Jungstedt Monitora: Mariana Simas de Oliveira AULA 01 CONTEÚDO DA AULA: Estado Gerencial brasileiro.introdução1

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 4.073, DE 3 DE JANEIRO DE 2002. Regulamenta a Lei n o 8.159, de 8 de janeiro de 1991, que dispõe sobre a política nacional

Leia mais

Torna obrigatória a contratação do serviço de Inspeção de Segurança Veicular mediante processo de licitação pública.

Torna obrigatória a contratação do serviço de Inspeção de Segurança Veicular mediante processo de licitação pública. PROJETO DE LEI N 3005 DE 2008 Business Online Comunicação de Dados Torna obrigatória a contratação do serviço de Inspeção de Segurança Veicular mediante processo de licitação pública. Autor: Regis de Oliveira

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO CONTROLE

DIREITO ADMINISTRATIVO CONTROLE DIREITO ADMINISTRATIVO CONTROLE Atualizado em 12/11/2015 CLASSIFICAÇÕES E SISTEMAS DE CONTROLE CLASSIFICAÇÕES DO CONTROLE Quanto ao posicionamento do órgão controlador: Externo: exercido por um ente que

Leia mais

LEI DE PROGRAMA DE COMPUTADOR

LEI DE PROGRAMA DE COMPUTADOR LEI DE PROGRAMA DE COMPUTADOR LEI Nº 9.609, de 19 de fevereiro de 1998 Dispõe sobre a proteção de propriedade intelectual de programa de computador, sua comercialização no País, e dá outras providências.

Leia mais

CONDICIONAR A EXPEDIÇÃO DO CRLV AO PAGAMENTO DE MULTAS É LEGAL?

CONDICIONAR A EXPEDIÇÃO DO CRLV AO PAGAMENTO DE MULTAS É LEGAL? CONDICIONAR A EXPEDIÇÃO DO CRLV AO PAGAMENTO DE MULTAS É LEGAL? A matéria que pretendemos colocar em discussão neste breve estudo concerne na legalidade do condicionamento da expedição do CRLV Certificado

Leia mais

RECOMENDAÇÃO Nº 001/2015/4OFCIVEL/PR/AM

RECOMENDAÇÃO Nº 001/2015/4OFCIVEL/PR/AM RECOMENDAÇÃO Nº 001/2015/4OFCIVEL/PR/AM O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pelo Procurador da República subscrito, no uso de suas atribuições legais, em especial o disposto no art. 6º, XX, da Lei Complementar

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo ACÓRDÃO Registro: 2012.0000122121 Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 9074862-42.2007.8.26.0000, da Comarca de São José do Rio Preto, em que são apelantes PREFEITURA MUNICIPAL DE

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GESTÃO E CONTROLE. Princípios da Administração Pública

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GESTÃO E CONTROLE. Princípios da Administração Pública PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GESTÃO E CONTROLE Princípios da Administração Pública PRINCÍPIOS A palavra princípio significa início, começo, origem das coisas, verdades primeiras,

Leia mais

200 Questões Fundamentadas do Ministério Público

200 Questões Fundamentadas do Ministério Público 1 Para adquirir a apostila digital de 200 Questões Fundamentadas acesse o site: www.odiferencialconcursos.com.br S U M Á R I O Apresentação...3 Questões...4 Respostas...59 Bibliografia...101 2 APRESENTAÇÃO

Leia mais

Da inaplicabilidade dos artigos 607 e 608 da CLT às Vigilâncias Sanitárias de Estados e Municípios

Da inaplicabilidade dos artigos 607 e 608 da CLT às Vigilâncias Sanitárias de Estados e Municípios Da inaplicabilidade dos artigos 607 e 608 da CLT às Vigilâncias Sanitárias de Estados e Municípios Aldem Johnston Barbosa Araújo Advogado da UEN de Direito Administrativo do Escritório Lima & Falcão e

Leia mais

Evolução do fenômeno da tributação

Evolução do fenômeno da tributação Evolução do fenômeno da tributação COM A GRADATIVA EVOLUÇÃO DAS DESPESAS PÚBLICAS, PARA ATENDER ÀS MAIS DIVERSAS NECESSIDADES COLETIVAS, TORNOU-SE IMPRESCINDÍVEL AO ESTADO LANÇAR MÃO DE UMA FONTE REGULAR

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL DANIELA MURARO DEFESA DO ESTADO E DAS INSTITUIÇÕES DEMOCRÁTICAS

DIREITO CONSTITUCIONAL DANIELA MURARO DEFESA DO ESTADO E DAS INSTITUIÇÕES DEMOCRÁTICAS DEFESA DO ESTADO E DAS INSTITUIÇÕES DEMOCRÁTICAS 11.1 DEFINIÇÃO A Constituição de 1988, nos arts. 136 a 141, prescreve as regras relativas ao Estado de Defesa e ao Estado Sítio. São normas que visam à

Leia mais

Processo seletivo vestibular nas universidades e faculdades particulares e a nova LDB (Lei 9.394/96)

Processo seletivo vestibular nas universidades e faculdades particulares e a nova LDB (Lei 9.394/96) Processo seletivo vestibular nas universidades e faculdades particulares e a nova LDB (Lei 9.394/96) Fernando José Araújo Ferreira Procurador da República no Paraná Recentemente o Ministério Público Federal

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL O Estado KWY editou norma determinando a gratuidade dos estacionamentos privados vinculados a estabelecimentos comerciais, como supermercados, hipermercados, shopping

Leia mais

ORESTES QUÉRCIA, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, Decreta:

ORESTES QUÉRCIA, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, Decreta: Decreto Nº 30.374, de 12 de setembro de 1989 12/09/1989. Aprova o regulamento de autorização de acesso pelas rodovias estaduais aos terrenos lindeiros às suas faixas de domínio, onde se instalem estabelecimentos

Leia mais

DO CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS

DO CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS DECRETO Nº 4.073, DE 3 DE JANEIRO DE 2002 Regulamenta a Lei no 8.159, de 8 de janeiro de 1991, que dispõe sobre a política nacional de arquivos públicos e privados. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da

Leia mais

Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES. Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello

Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES. Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello Direito nas organizações Promover uma visão jurídica global do Sistema Tributário Nacional, contribuindo para a formação do

Leia mais

E S T A D O D O M A T O G R O S S O Prefeitura Municipal de Jaciara

E S T A D O D O M A T O G R O S S O Prefeitura Municipal de Jaciara INSTRUÇÃO NORMATIVA SJU SISTEMA JURÍDICO N.º 001/2011 Versão: 001/2011 Aprovação em: 28/11/2011 Ato de aprovação: Decreto nº. 2995/2011. Unidade Responsável: Sistema Jurídico I - FINALIDADE: Representar

Leia mais

SEGURANÇA PÚBLICA ARTIGOS 42 E 144 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL

SEGURANÇA PÚBLICA ARTIGOS 42 E 144 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL SEGURANÇA PÚBLICA ARTIGOS 42 E 144 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL Segurança Pública, no entendimento do professor Orlando Soares (in Comentários à Constituição da República Federativa do Brasil), traduz o estado

Leia mais

PODERES ADMINISTRATIVOS

PODERES ADMINISTRATIVOS PODERES ADMINISTRATIVOS Os Poderes Administrativos são inerentes à Administração Pública e possuem caráter instrumental, ou seja, são instrumentos de trabalho essenciais para que a Administração possa

Leia mais

II A realização dos direitos fundamentais nas cidades

II A realização dos direitos fundamentais nas cidades DIREITO À CIDADE UM EXEMPLO FRANCÊS Por Adriana Vacare Tezine, Promotora de Justiça (MP/SP) e Mestranda em Direito Urbanístico na PUC/SP I Introdução A determinação do governo francês de proibir veículos

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O Nº. 17.325 (Processo nº. 2007/50269-2)

R E S O L U Ç Ã O Nº. 17.325 (Processo nº. 2007/50269-2) R E S O L U Ç Ã O Nº. 17.325 (Processo nº. 2007/50269-2) Assunto: Consulta formulada pelo Sr. CARLOS ACATAUASSÚ NUNES, Diretor-Geral da AGÊNCIA DE REGULAÇÃO E CONTROLE DE SERVIÇOS PÚBLICOS DO ESTADO DO

Leia mais

RESPONSABILIDADES DOS CONSELHEIROS & GESTORES DOS REGIMES PRÓPRIOS E SUAS IMPLICAÇÕES JURÍDICAS

RESPONSABILIDADES DOS CONSELHEIROS & GESTORES DOS REGIMES PRÓPRIOS E SUAS IMPLICAÇÕES JURÍDICAS NOTA JURÍDICA N.º 001/2008 Cuiabá/MT, 03 de julho de 2008. RESPONSABILIDADES DOS CONSELHEIROS & GESTORES DOS REGIMES PRÓPRIOS E SUAS IMPLICAÇÕES JURÍDICAS 1. Devido à responsabilidade da Agenda Assessoria

Leia mais

Direito Administrativo I

Direito Administrativo I Faculdade de Direito Milton Campos Reconhecida pelo Ministério da Educação Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Direito Público Direito Administrativo I Carga Horária: 60 h/a 1- Ementa 1 Estado. 2 Poderes

Leia mais

LEI Nº 963, de 21 de julho de 2009.

LEI Nº 963, de 21 de julho de 2009. LEI Nº 963, de 21 de julho de 2009. Dispõe sobre a criação da Coordenadoria Municipal de Trânsito - CMT, órgão executivo de trânsito, vinculado à Secretaria Municipal de Transporte e Trânsito, em conformidade

Leia mais

Direito Constitucional 3º semestre Professora Ilza Facundes. Organização do Estado Federação na Constituição de 1988

Direito Constitucional 3º semestre Professora Ilza Facundes. Organização do Estado Federação na Constituição de 1988 Direito Constitucional 3º semestre Professora Ilza Facundes Organização do Estado Federação na Constituição de 1988 a) CARACTERÍSTICAS I. Órgãos representativos: Câmara dos Deputados Representa o Povo

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Direito tributário

Maratona Fiscal ISS Direito tributário Maratona Fiscal ISS Direito tributário 1. São tributos de competência municipal: (A) imposto sobre a transmissão causa mortis de bens imóveis, imposto sobre a prestação de serviço de comunicação e imposto

Leia mais

SENTENÇA (EMBARGOS DE DECLARAÇÃO) RELATÓRIO

SENTENÇA (EMBARGOS DE DECLARAÇÃO) RELATÓRIO SENTENÇA (EMBARGOS DE DECLARAÇÃO) RELATÓRIO ASSOCIAÇÃO DOS MAGISTRADOS DA JUSTIÇA DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO, qualificada nos autos, interpôs embargos declaratórios à sentença de fls. 181/182, que extinguiu

Leia mais

A APLICAÇÃO RETROATIVA DA LEI 11.334/2006, QUE REDUZIU MULTAS DE TRÂNSITO POR EXCESSO DE VELOCIDADE

A APLICAÇÃO RETROATIVA DA LEI 11.334/2006, QUE REDUZIU MULTAS DE TRÂNSITO POR EXCESSO DE VELOCIDADE A APLICAÇÃO RETROATIVA DA LEI 11.334/2006, QUE REDUZIU MULTAS DE TRÂNSITO POR EXCESSO DE VELOCIDADE Miguel Teixeira Filho Advogado em Joinville/SC www.teixeirafilho.com.br 1. Introdução O presente artigo

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, de 2010. (Do Sr. Dr. Marcelo Itagiba)

PROJETO DE LEI Nº, de 2010. (Do Sr. Dr. Marcelo Itagiba) PROJETO DE LEI Nº, de 2010. (Do Sr. Dr. Marcelo Itagiba) Regulamenta a profissão de taxista transformando os motoristas auxiliares de veículos de aluguel a taxímetro em empregados ou em permissionários

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Vinculação do estudo do impacto ambiental Gabriela Mansur Soares Estudo Do Impacto Ambiental Vinculação Do Estudo Do Impacto Ambiental (Eia) O objetivo desse artigo é demonstrar

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2011

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2011 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2011 Disciplina: Direito Administrativo I Departamento IV Direito do Estado Docente Responsável: Prof. José Pedro Zaccariotto Carga Horária Anual: 100 horas/aula Tipo:

Leia mais

Natanael Gomes Bittencourt Acadêmico do 10º semestre de Direito das Faculdades Jorge Amado

Natanael Gomes Bittencourt Acadêmico do 10º semestre de Direito das Faculdades Jorge Amado ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Natanael Gomes Bittencourt Acadêmico do 10º semestre de Direito das Faculdades Jorge Amado Resumo: A Administração Pública se liga ao interesse público e às necessidades sociais,

Leia mais

Direitos Fundamentais i

Direitos Fundamentais i Direitos Fundamentais i Os direitos do homem são direitos válidos para todos os povos e em todos os tempos. Esses direitos advêm da própria natureza humana, daí seu caráter inviolável, intemporal e universal

Leia mais

Aspectos da Responsabilidade Civil Extracontratual Objetiva no Código Civil/02

Aspectos da Responsabilidade Civil Extracontratual Objetiva no Código Civil/02 60 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 13 10 Anos do Código Civil - Aplicação, Acertos, Desacertos e Novos Rumos Volume 2 Aspectos da Responsabilidade Civil Extracontratual Objetiva no Código Civil/02

Leia mais

Subseção I Disposição Geral

Subseção I Disposição Geral Subseção I Disposição Geral Art. 59. O processo legislativo compreende a elaboração de: I - emendas à Constituição; II - leis complementares; III - leis ordinárias; IV - leis delegadas; V - medidas provisórias;

Leia mais

Unidade II. A afirmação pode ser comprovada da leitura do dispositivo transcrito:

Unidade II. A afirmação pode ser comprovada da leitura do dispositivo transcrito: Unidade II 4 IMUNIDADES TRIBUTÁRIAS A Constituição Federal proíbe a instituição de impostos sobre certas pessoas ou situações. Baleeiro (1976, p. 87) ensina que imunidades tributárias são: vedações absolutas

Leia mais

Luiz Eduardo de Almeida

Luiz Eduardo de Almeida Luiz Eduardo de Almeida Apresentação elaborada para o curso de atualização do Instituo Brasileiro de Direito Tributário IBDT Maio de 2011 Atividade da Administração Pública: ato administrativo Em regra

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI Nº 11.127, DE 09 DE FEVEREIRO DE 1998. (atualizada até a Lei nº 12.239, de 19 de janeiro de 2005) Institui o Sistema

Leia mais

Convênios, contrato de repasse e termo de cooperação. Considerações iniciais acerca do convênio

Convênios, contrato de repasse e termo de cooperação. Considerações iniciais acerca do convênio Convênios, contrato de repasse e termo de cooperação Gustavo Justino de Oliveira* Considerações iniciais acerca do convênio Nos termos do artigo 1.º, 1.º, inciso I, do Decreto 6.170/2007, considera- -se

Leia mais

DA ORGANIZAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL

DA ORGANIZAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL DA ORGANIZAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL A organização político administrativa da República Federativa do Brasil compreende a União, os Estados, o Distrito Federal, e os Municípios, todos autônomos, nos termos

Leia mais

ENTIDADES PARAESTATAIS

ENTIDADES PARAESTATAIS ENTIDADES PARAESTATAIS I) CONCEITO Embora não empregada na atual Constituição Federal, entidade paraestatal é expressão que se encontra não só na doutrina e na jurisprudência, como também em leis ordinárias

Leia mais

JORNADA DE TRABALHO/PONTO ELETRÔNICO

JORNADA DE TRABALHO/PONTO ELETRÔNICO JORNADA DE TRABALHO/PONTO ELETRÔNICO 1 O art. 19 da Lei nº 8.112/90, com a redação dada pela Lei nº 8.270/91, estabelece que os servidores públicos deverão cumprir jornada de trabalho fixada em razão das

Leia mais

César Assis & Advogados

César Assis & Advogados BRASÍLIA, 21 DE MAIO DE 2013. EXMO SR. VEREADOR CARLOS HENRIQUE PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE BAEPENDI MINAS GERAIS. SENHOR PRESIDENTE. Consulta-nos esta Casa de Leis, sobre a obrigatoriedade dos Srs.

Leia mais

OS LIMITES DO PODER DISCRICIONÁRIO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

OS LIMITES DO PODER DISCRICIONÁRIO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA OS LIMITES DO PODER DISCRICIONÁRIO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA A Administração Pública, no exercício de suas funções, dispõe de poderes que visam garantir a prevalência do interesse público sobre o particular.

Leia mais

Lei nº 9.609, de 19 de fevereiro de 1998.

Lei nº 9.609, de 19 de fevereiro de 1998. Lei de Software Lei nº 9.609, de 19 de fevereiro de 1998. Dispõe sobre a proteção da propriedade intelectual de programa de computador, sua comercialização no País, e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

GUARDA MUNICIPAL E SEGURANÇA PÚBLICA

GUARDA MUNICIPAL E SEGURANÇA PÚBLICA GUARDA MUNICIPAL E SEGURANÇA PÚBLICA Aristides Medeiros ADVOGADO Consoante estabelecido no art. 144, caput, da Constituição Federal, os órgãos incumbidos da segurança pública, isto é, da segurança geral,

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO ORGANIZAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

DIREITO ADMINISTRATIVO ORGANIZAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DIREITO ADMINISTRATIVO ORGANIZAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Atualizado em 27/10/2015 ORGANIZAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DESCENTRALIZAÇÃO E DESCONCENTRAÇÃO A administração pública exerce as suas competências

Leia mais

Antes de saber o que é Administração Pública e de falar sobre a estrutura da Administração Pública brasileira, é importante que sejam dados conceitos

Antes de saber o que é Administração Pública e de falar sobre a estrutura da Administração Pública brasileira, é importante que sejam dados conceitos DIREITO FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO Prof.ª Kênia Rodrigues de Oliveira Prof. Genival Santos Oliveira GESTÃO PÚBLICA Necessidades Captação COLETIVAS de Recursos: e do ESTADO Próprios Transferências GESTÃO

Leia mais

O Conselho Tutelar e a fiscalização de bailes, boates e congêneres:

O Conselho Tutelar e a fiscalização de bailes, boates e congêneres: O Conselho Tutelar e a fiscalização de bailes, boates e congêneres: Murillo José Digiácomo 1 Uma questão que sempre surge quando se discute o papel do Conselho Tutelar no Sistema de Garantias idealizado

Leia mais

XXI Seminário Nacional de Segurança das IPES UFPA - 2012 Legislação e suas Contradições na Segurança das IPES

XXI Seminário Nacional de Segurança das IPES UFPA - 2012 Legislação e suas Contradições na Segurança das IPES XXI Seminário Nacional de Segurança das IPES UFPA - 2012 Legislação e suas Contradições na Segurança das IPES Armando Luís do Nascimento Universidade Federal de Pernambuco Pesquisador do Núcleo de Estudos

Leia mais

Ato Normativo nº. 473-CPJ, de 27 de julho de 2006. (pt. nº. 3.556/06)

Ato Normativo nº. 473-CPJ, de 27 de julho de 2006. (pt. nº. 3.556/06) Ato Normativo nº. 473-CPJ, de 27 de julho de 2006 (pt. nº. 3.556/06) Constitui, na comarca da Capital, o Grupo de Atuação Especial de Inclusão Social, e dá providências correlatas. O Colégio de Procuradores

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO N.º 13, DE 02 DE OUTUBRO DE 2006. (Alterada pela Res. 111/2014) Regulamenta o art. 8º da Lei Complementar 75/93 e o art. 26 da Lei n.º 8.625/93, disciplinando, no âmbito do Ministério Público,

Leia mais