REVISÃO DE LITERATURA E ANÁLISE EM PLANEJAMENTO DE TRANSPORTES USANDO OS SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REVISÃO DE LITERATURA E ANÁLISE EM PLANEJAMENTO DE TRANSPORTES USANDO OS SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS"

Transcrição

1 BÁRBARA DE FREITAS FERREIRA REVISÃO DE LITERATURA E ANÁLISE EM PLANEJAMENTO DE TRANSPORTES USANDO OS SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS Trabalho apresentado ao Departamento de Engenharia Elétrica e de Produção da Universidade Federal de Viçosa como parte das exigências da disciplina EPR491-Trabalho de Graduação II para a conclusão do curso de Engenharia de Produção. Orientador: Prof. Julio César de Oliveira Departamento de Engenharia Civil ABRIL 2006 VIÇOSA-MG, BRASIL.

2 Dedico este trabalho exclusivamente aos meus pais, Ezequias e Sueli, preciosidades da minha vida, sem eles não teria chegado aqui. 2

3 AGRADECIMENTOS Agradeço a Deus em primeiro lugar, por ter fortalecido a fé e a saúde que eu precisava para chegar à conclusão deste trabalho e, conseqüentemente, desta graduação. Aos meus pais, Ezequias e Sueli, por todo amor, apoio e incentivo. Às minhas tias Ângela e Ana, e minha avó Maura, que sempre torceram por mim, nessa e em outras vitórias. Ao professor orientador Julio Oliveira, pelos conhecimentos repassados. Ao professor Carlos Vieira, por ter iniciado esse trabalho. À mestranda Alessandra, por toda ajuda e paciência. À mestre Márcia Moura orientada do professor Carlos Ribeiro por ter cedido o banco de dados. Aos meus amigos que de alguma forma contribuíram para a conclusão deste trabalho. 3

4 RESUMO REVISÃO DE LITERATURA E ANÁLISE EM PLANEJAMENTO DE TRANSPORTES USANDO OS SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS A Logística diz respeito à criação de valor para clientes e fornecedores. O valor é expresso em termos de tempo e lugar, ou seja, produtos e serviço só terão valor se forem entregues ou efetuados no tempo e no lugar certos com o menor custo possível. O transporte, cujo objetivo principal é movimentar produtos de um local de origem até um determinado destino minimizando ao mesmo tempo os custos financeiros e temporais, está dentro da perspectiva logística e é um dos elementos fundamentais para o bom funcionamento dessas operações. A crescente urbanização que ocorre em nosso país vem, há alguns anos, trazendo sérias conseqüências para o sistema de transporte urbano. O transporte urbano no Brasil é feito basicamente por ônibus e por isso o serviço ao cliente é um componente que deve ter toda atenção dos tomadores de decisão nas empresas. Dentro desse contexto, o objetivo deste trabalho é o estudo dos aspectos ligados ao planejamento de transportes, e as suas devidas conseqüências no sistema de transporte público urbano. Para isso foram usadas ferramentas do geoprocessamento, mais especificamente os Sistemas de Informações Geográficas com o software Arcview. A metodologia consistiu em fazer uma revisão bibliográfica, fazendo um levantamento do há na referente ao uso de Sistemas de Informações Geográficas no planejamento do transporte público urbano. Posteriormente foi realizada uma análise prática no software Arcview, colocando os conhecimentos adquiridos na revisão bibliográfica. Concluindo o trabalho, analisados os estudos realizados, foi mostrado que os SIG s constituem ferramentas extremamente úteis no planejamento de rotas de veículos e que é muito importante ter uma base de dados do Arcview bem elaborada, destinada para cada caso analisado. 4

5 Sumário 1. INTRODUÇÃO REVISÃO BIBLIOGRÁFICA HISTÓRICO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÕES ÁREAS DE APLICAÇÕES DOS SIG S..., TEORIA DOS GRAFOS..., ROTEIRIZAÇÃO EXEMPLOS DE TOMADAS DE DECISÃO COM BASE EM SIG S METODOLOGIA RESULTADOS CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXOS

6 1.Introdução Segundo Ballou (1993), a logística diz respeito à criação de valor, principalmente, para clientes e fornecedores. O valor em logística é expresso em termos de temo e lugar, pois produtos e serviços não têm valor a menos que estejam sob a posse do cliente quando (tempo) e onde (lugar) ele deseja consumi-los. A boa gestão logística vê cada atividade dentro da cadeia de suprimentos como contribuinte no processo de adição de valor. Através de alguns estudos efetuados, como por exemplo pelo Fundo Monetário Internacional, o custo da logística representa em média 12% do produto interno bruto mundial. Portanto, o valor é adicionado pela minimização desses custos quando o benefício é repassado para o consumidor e para os acionistas das empresas (Ballou, 1995). A logística no Brasil está passando por um período de extraordinárias mudanças. Podese mesmo afirmar que estamos no limiar de uma revolução, tanto em termos das práticas empresariais quanto da eficiência, qualidade e disponibilidade da infra-estrutura de transportes e comunicações, elementos fundamentais para a existência de uma logística moderna. Para as empresas que aqui operam, é um período de riscos e oportunidades. Riscos devido às enormes mudanças que precisam ser implementadas e oportunidades devido aos enormes espaços para melhorias de qualidade do serviço e aumento de produtividade, fundamentais para o aumento da competitividade empresarial (Fleury, 1998). O transporte que está dentro da perspectiva da logística, é um dos elementos mais importantes para o bom funcionamento das operações. O principal objetivo do transporte é movimentar produtos de um local de origem até um determinado destino minimizando ao mesmo tempo os custo financeiros e temporais. As despesas de perdas e danos também devem ser minimizadas. Essa movimentação de fretes absorve entre um e dois terços do total dos custos logísticos (Ballou, 1995). A logística de transporte é a responsável por otimizar a cadeia de fornecimento e distribuição dentro do processo produtivo. Recentemente, as mudanças econômicas no Brasil motivaram as empresas na busca pela produtividade, na qual a logística constitui um dos fatores predominantes, considerando as dimensões continentais do território brasileiro (Roseto, 2001). O objetivo da logística de transportes é administrar racionalmente a aquisição de entrega de materiais (produtos) de forma a minimizar o custo total (Ballou, 1995). A crescente urbanização que ocorre em nosso país vem, há alguns anos, trazendo sérias conseqüências para o sistema de transporte urbano. Ao contrário do que acontece em 6

7 outros países, o transporte urbano no Brasil é feito basicamente por ônibus, o que torna imprescindível para sua operação a existência de um compromisso entre, fornecedores do serviço e clientes, para que não gere insatisfação e insegurança. O serviço ao cliente é um componente que deve ter toda atenção dos tomadores de decisão dentro da logística. O impacto do transporte nesse aspecto é um dos mais significativos e as principais exigências do mercado geralmente estão ligadas à pontualidade do serviço (além do próprio tempo de viagem). Outro ponto a ser considerado é o gerenciamento dos riscos associados a roubos, danos e avarias e também à capacidade do transportador de oferecer mais que um serviço básico de transporte, mas estabelecer, principalmente, a confiabilidade do serviço ao cliente. Estes tipos de problemas afetam diretamente na confiança de seus clientes em relação aos serviços prestados, visto que o processo de espera do passageiro nos pontos é, muitas vezes, excessivo, e até mesmo o percurso é demorado e exaustivo. Diversos são os motivos que levam essas empresas a gerarem esse desconforto aos seus clientes. Por isso, torna-se necessário um estudo mais detalhado para otimização dessa rede de transporte coletivo, pois se observa a dificuldade dessas empresas em definir as rotas de ônibus. A principal função do sistema de transporte coletivo urbano é facilitar a circulação de pessoas dentro de um certo município ou entre certos municípios, interligando centros produtores, lojas e a população. Este tipo de planejamento poderá, futuramente, ser integrado aos sistemas existentes de transportes público, visto que poderá garantir preços competitivos, confiabilidade e pontualidade no tempo da viagem e além disso, fornecer atividades essenciais para o desenvolvimento de municípios. Com isso, observa-se que o transporte público urbano tem um papel fundamental em várias estratégias na rede logística dessas empresas, tornando necessária a geração de soluções que possibilitem flexibilidade e velocidade na resposta ao cliente, ao menor custo possível, gerando assim maior competitividade e também, criando alternativas que sejam capazes de sustentar uma demanda que está crescendo continuamente. Dentro desse contexto, o objetivo deste trabalho é o estudo dos aspectos ligados ao planejamento de transportes, e as suas devidas conseqüências no sistema de transporte público urbano. Especificamente, no escopo desta pesquisa, serão propostos modelos que otimizarão o sistema de transporte urbano, baseando-se em ferramentas do geoprocessamento e teoria dos grafos. 7

8 2. Revisão Bibliográfica 2.1. Histórico dos Sistemas de Informações Geográficas SIG s Uma definição bastante comum de SIG encontrada na literatura relaciona esta tecnologia com uma ferramenta que associa banco de dados a mapas digitalizados. Conceitos mais amplos que este são apresentados hoje em dia, como por exemplo, o conceito de Aronoff (1989), no qual diz que qualquer conjunto de procedimentos baseados em computador, usados para armazenar e manipular dados geograficamente referenciados. Um SIG completo consiste em pelo menos cinco componentes: software, hardware, base de dados geográficos (composto pela base de dados física e por programas que gerenciam esses dados), recursos humanos e organização. Partindo do princípio que o sistema seja implementado na empresa, não basta apenas um software que trabalhe com um banco de dados e mapas digitalizados, é importante que exista pessoal qualificado, um objetivo no seu uso e interação com outras áreas dentro da organização. A criação da base de dados é a etapa mais importante no processo de análises em SIG sendo que a escolha do método mais apropriado está em função do objetivo do trabalho e de sua aplicação. Cabe salientar que a qualidade dos dados originais e a precisão da técnica irão determinar o nível dos resultados finais do trabalho. A base de dados geográficos pode ser considerada como um conjunto de entrada, processamento e saída de informações, que fornecem subsídios para o sistema gerenciador de banco de dados recuperar e transformar dados em informações (Burrough, 1989). Em geral, é formada por componentes geográficos, que representam as características espaciais da superfície e os dados alfanuméricos que descrevem as características dos elementos geográficos. Os sistemas de informações geográficas surgiram há mais de três décadas e têm-se tornado ferramentas valiosas nas mais diversas áreas de conhecimento. Tais sistemas constituem um ambiente tecnológico e organizacional que tem, cada vez mais, ganho adeptos no mundo todo. É interessante observar que o emprego do conceito de computação para o processamento de dados geográficos reporta-se ao século passado, quando Herman Hollerith, funcionário do Bureau of census americano, criou e empregou cartões perfurados e uma máquina tabuladora para agilizar as atividades relativas ao censo de 1890, tendo finalizado após três anos, um imenso avanço ao censo anterior (1880) que demorou 08 anos para ser completamente processado por vias convencionais (Meneguette, 2000). 8

9 Em 1951 instalou-se o primeiro UNIVAC I, um computador automático universal, o qual era o mais avançado de sua geração e que se tornou o primeiro a entrar em linha de produção. Entretanto, a comunidade científica ressentia-se com a falta de ferramentas matemáticas adequadas para descrever quantitativamente a variação espacial. Os primeiros desenvolvimentos apropriados em Matemática, segundo Burrough (1989), para lidar com problemas espaciais começaram por volta dos anos 30 e 40, em paralelo com desenvolvimentos em métodos estatísticos e análise de séries temporais. O progresso prático efetivo foi completamente bloqueado pela ausência de ferramentas computacionais adequadas. Foi somente após 1960 que, com a disponibilidade do computador digital, floresceram, tanto os métodos conceituais de análise espacial, quanto as reais possibilidades de mapeamento temático quantitativo e análise espacial, de acordo com Burrough (1989). A história relata diversas iniciativas efetivas no sentido de empregar a tecnologia computacional no processamento de dados espaciais. Entretanto, o primeiro SIG que se tem notícia surgiu em 1964 no Canadá (Canada Geographic Information System) por iniciativa do Dr. Roger Tomlinson, que embora tenha construído os módulos básicos de software, impulsionando o desenvolvimento de hardware e elaborado uma complexa base de dados, só publicou seus trabalhos uma década depois. Na verdade, somente no final da década de 70 é que a indústria dos SIG's começou a amadurecer, favorecendo inclusive, no início dos anos 80, o surgimento da versão comercial dos primeiros sistemas, que passaram a ter aceitação mundial. Naquela ocasião, os Governos Federais, seja o americano, o canadense e alguns europeus (Suécia, Noruega, Dinamarca, apoiavam financeiramente iniciativas voltadas tanto à Cartografia Assistida por Computador (CAC), quanto aos SIG's. Foi naquele período que o USGS (United States Geological Survey) passou a tornar disponíveis ao público bases de dados digitais, tais como os modelos digitais de elevação ou DEM's (Digital Elevation Models). O tratamento das informações espaciais no passado era realizado basicamente através da utilização de mapas em papel. Hoje em dia, existem softwares que permitem o uso de tais informações para auxiliar na tomada de decisão. Análises do tipo quantos e quais clientes são atendidos no raio de 150 Km são facilmente realizadas pela tecnologia SIG. Além disso, pode-se fazer análises e gerar mapas temáticos utilizando base de dados digitais contendo rodovias, ferrovias e informações sobre dados georreferenciados. Sem mencionar a aplicação desta ferramenta em problemas de localização, seja de pontos comerciais ou de fábricas. No roteamento de veículos ela é fundamental, pois permite ao usuário visualizar as rotas que foram geradas a partir de um algoritmo. 9

10 Para Kagan et al. (1992), os SIG's permitem manusear, atualizar, alterar, ou acrescentar outras alterações, ou ainda trabalhar com parte dos dados, em função do problema em questão. Entretanto, a maior vantagem de se utilizar os SIG s em relação aos métodos tradicionais é a rapidez e flexibilidade e isso permite ao planejador novos conceitos para representação gráfica e manipulação de dados Áreas de aplicação dos SIG s As áreas de aplicação de SIG extrapolam o uso no marketing e na logística. Estes sistemas surgiram em estudos ambientais e urbanos, sendo em seguida utilizados nas áreas de energia, água e esgoto, saúde e em estudos populacionais. Com isso, é importante ressaltar que dentro do geoprocessamento, as aplicações citadas a seguir fazem parte de um grupo específico. Para Nazário et al (2000), devido à importância que os dados espaciais ocupam na atividade logística, os SIG s possibilitam inúmeras aplicações. A partir da utilização de dados georreferenciados, pode-se executar diversas análises nas seguintes áreas: Apoio ao Marketing - Nesta área o uso de SIG auxilia na identificação do potencial de vendas das diferentes regiões. Isto fornece informação para eventuais promoções em pontos com menor poder aquisitivo. Além disso, pode ser realizada segmentação de mercado, pois se existirem dados disponíveis dos clientes com suas respectivas necessidades (obtidas através de pesquisas), pode-se estabelecer padrões de serviço diferenciados. A visão espacial é fundamental neste tipo de informação para a tomada de decisão. Geografia de mercado - localização de pontos comerciais - Na atualidade, a tecnologia SIG é amplamente utilizada na geografia de mercado, que tem no estudo de localização de pontos comerciais a principal vertente. Esta abordagem possui um escopo diferenciado do estudo de localização de fábricas e centros de distribuição. Neste ponto, os custos com transportes e armazenagem têm um impacto considerável. Já na definição do melhor ponto comercial, questões como mão da via, sinais de trânsito e outros aspectos mais urbanos são ressaltados. 10

11 Localização de fábricas e CD's (centros de distribuição) / Roteamento - Neste tipo de estudo, os SIG s são utilizados como a principal ferramenta na solução destes problemas. É obtida através de algoritmos baseados em programação matemática. Porém, a importância que a representação visual tem no sentido de facilitar o entendimento de não especialistas é muito grande. Além disso, a ferramenta SIG possibilita identificar problemas na resposta do modelo. Análises de sistemas logísticos - É importante existir controle em sistemas logísticos já implementados, sendo possível através dos SIG s. Para distribuidores, por exemplo, pode-se identificar várias anomalias, tais como: desbalanceamento das regiões de entrega, fluxos inadequados, má formação na consolidação, entre outras Teoria dos Grafos O processo de modelagem de sistemas de transportes, visando sua simulação e otimização, baseia-se na representação matemática de redes, conhecida como grafos, que permitem a aplicação de algoritmos de simulação e otimização dos fluxos de transportes (Christofides, 1975; Veloso et al, 1986). Talvez o método mais simples e direto da roteirização seja o método da rota mais curta. Portanto, antes de descrever este método, é preciso introduzir alguns conceitos de grafos no qual esse está inserido. Nesta forma convencional de modelar um sistema de transporte, os arcos (ou trechos) podem representar ruas ou vias, e os nós (pontos de conexão e extremidades) podem representar fábricas, depósitos, cruzamento entre vias, entre outros. Associado a cada nó e arco pode existir um conjunto de atributos, tais como: distância, velocidade, custo, tempo e outros. Considerando uma rede de transporte estática, pode-se facilmente obter respostas para consultas do tipo: qual o menor caminho entre nós que possibilitará significativas otimizações e reduções de custos em todo o sistema de transporte. Um grafo G é constituído por um conjunto N de elementos e por uma relação binária entre esses elementos. Escreve-se: G = (N,A). Os elementos de N são denominados nós (ou vértices), enquanto os elementos de A são denominados arcos ou arestas (Veloso et al, 1986). Nós ligados por arcos são ditos adjacentes. Diz-se também que arcos são incidentes de ou a determinados nós, conforme partam ou cheguem a eles. 11

12 Um caminho é definido como uma seqüência de um ou mais arcos em que um segundo nó de cada arco coincide com o primeiro do seguinte, permitindo a partir de um nó a atingir um nó b. Quando o nó a for igual ao nó b temos um circuito. Um grafo conexo é quando tem um nó do qual existem caminhos para todos os demais. Um grafo é dito fortemente conexo se de todos os nós é possível atingir todos os demais. Um subgrafo se define como um subconjunto dos nós de um dado grafo, juntamente com todos os arcos cujas duas extremidades são nós desse subconjunto. Já em um grafo parcial, permanecem todos os nós do grafo original, mas é tomado um subconjunto de seus arcos. Diz-se que um grafo é acíclico, por não conter circuitos. Grafos acíclicos são o caso mais geral de ordem parcial. Um outro caso particular de ordem parcial são as redes, que possuem dois nós especiais: o nó fonte, do qual todos os demais são atingidos, e o nó sorvedouro, do qual não parte nenhum arco. Agora será feita a abordagem sobre o método: há uma rede representada por ligações e nós, na qual os nós estão conectando pontos entre as ligações, e as ligações são os custos (distâncias, tempos, ou uma combinação de ambos formando uma média ponderada do tempo e da distância) para deslocamento entre nós. Inicialmente, todos os nós são considerados nãoresolvidos, isto é, não estão ainda em uma rota definida. Portanto um nó resolvido está na rota. Começando com a origem como um nó resolvido, Objetivo da n-ésima iteração. Encontre o n-ésimo nó mais próximo da origem. Repita para n = 1,2,... até que o nós mais próximo seja o destino. Entrada para a n-ésima iteração. Os nós (n-1) mais próximos da origem, resolvidos pela iteração precedente, incluem suas rota e distâncias mais curtas da origem. Estes nós, mais a origem, serão chamados nós resolvidos; os outros são nós não-resolvidos. Candidatos para o n-ésimo nó mais próximo. Cada nó resolvido que está diretamente conectado pelo ramo a um ou mais nós não-resolvidos fornece um candidato o nó não-resolvido com o ramo de conexão mais curto. Os empates fornecem candidatos adicionais. Cálculo do n-ésimo nó mais próximo. Para cada um destes nós resolvidos e seus candidatos, adicione a distância entre eles à distância da rota mais curta entre este nó resolvido e origem. O candidato com a menor distância total é o n-ésimo nó mais próximo (os empates fornecem nós resolvidos adicionais), e a sua rota mais curta é a que gera esta distância. 12

13 2.4. Roteirização Embora haja muitas variações de problemas de distribuição, podemos reduzí-los a alguns tipos básicos. Há o problema de encontrar um trajeto, ou seja, fazer a roteirização através de uma rede na qual o ponto de origem seja diferente do ponto de destino. Há um problema similar quando existem vários pontos de origem e destino. Quanto à definição conceitual de roteamento (ou roteirização), este termo costuma ser empregado como o seu equivalente em inglês, routing, significando o processo de construção de roteiros e a seqüência de paradas a serem cumpridas por veículos de uma frota. O roteamento de veículos tem sido estudado e analisado por muitos especialistas da área de transportes e de pesquisa operacional. Por meio de algoritmos (modelos de simulação e otimização) e de uma base de dados apropriada (rede representando o sistema viário), é possível resolver problemas de roteamento e programação de veículos para atender a determinado objetivo, como o de grupo de cargas a serem coletadas ou distribuídas (Moura, 2001). A determinação de rotas de veículos é caracterizada como um problema de roteamento e programação de veículos, levando em consideração não somente aspectos geográficos, mas também aspectos como restrições de horários de atendimento nos pontos a serem visitados. Ao considerar apenas os aspectos espaciais da localização dos pontos a serem atendidos, temse o que se define como problema de roteamento puro (Moura, 2001). O problema de roteamento de veículos (PRV) consiste na definição de rotas que minimizem a distância total percorrida pelos veículos, atendendo à demanda de todos os consumidores. Enfim, uma rota consiste em uma seqüência de visitas a um conjunto de pontos dispersos geograficamente, com início e término em um depósito. O método da rota mais curta presta-se à solução computadorizada na qual rede das ligações e dos nós pode ser mantida em um banco de dados. Selecionando pares particulares da origem e do destino, as rotas curtas podem ser desenvolvidas. As rotas de distância absoluta mais curtas não levam em conta o tempo de atravessar a rede porque a qualidade das ligações não é levada em conta. 13

14 2.5. Exemplos de tomadas de decisão com base em SIG s Pimentel e Salgado (1994), observaram que para o uso adequado de um SIG, é necessário um trabalho conjunto entre os usuários finais e aqueles que desenvolvem os sistemas. A falta de comunicação ou troca de informações entre os envolvidos no processo acarreta um produto final que geralmente não atende plenamente as necessidades dos usuários, ou seja, um sistema ineficiente. Os autores mostram que, somente com o trabalho harmônico entre os envolvidos será possível a otimização no processo de desenvolvimento e utilização de um SIG. No trabalho de Nassi et al. (1996), foi apresentada uma experiência prática mostrando os primeiros passos na implantação de um SIG em grandes cidades como no Rio de Janeiro e Recife. O objetivo era gerar imagens para cadastro que auxiliassem no planejamento do transporte público urbano. Para isso foi necessária a representação gráfica de alguns dos principais componentes do sistema, tais como: cadastro de ruas e avenidas do município, itinerários de linhas, perfis de carregamento de linhas e rotas, entre outros. Com a base cartográfica criada e utilizando as ferramentas do SIG, foi possível, segundo os autores do trabalho, o planejamento e operação do transporte público urbano por seus administradores. Um estudo pioneiro, que tange ao problema de alocação de matrículas em escolas públicas foi apresentado por Fonseca & Zuppo (1996), para o município de Belo Horizonte- MG. A administração da cidade implementou um cadastro de endereços, com base em um projeto de geoprocessamento urbano e umas das linhas de ação dirigiu-se a informações georreferenciadas de escolas e alunos. Dutra (1998), fez a análise de seu trabalho baseado no estudo de Fonseca & Zuppo (1996), e tem como objetivo a comparação de algumas medidas, tomadas por órgãos de ensino da cidade de São Carlos-SP, com outras medidas semelhantes, obtidas por uma ferramenta capaz de ofertar divisões zonais e alocações mais coerentes dos alunos. Este trabalho visou definir possíveis arranjos de localização de escolas de primeiro grau, em São Carlos, e são abordados custos de deslocamentos decorrentes de uma reforma escolar implementada no estado de São Paulo. Segundo esta reforma, os alunos de ensino fundamental de primeira à quarta série ficaram separados fisicamente dos demais níveis. Foi utilizado o SIG como ferramenta capaz de gerar e analisar os custos relacionados com o desperdício de recursos financeiros. O aspecto mais importante dessa aplicação é que ela foi 14

15 totalmente desenvolvida em um equipamento de custo relativamente baixo, considerável, portanto acessível às prefeituras de pequenas e médias cidades. Dentro do aspecto de roteirização da rede de transporte coletivo urbano, Vieira (1999) fez o estudo de métodos racionais de roteirização de ônibus urbano para escolha de um método adequado à aplicação nas grandes cidades brasileiras. Para se conhecer as diferenças locais em termos de planejamento de itinerários nessas capitais, apresentou-se um levantamento efetuado junto a 11 órgãos gestores. Foi posteriormente realizada uma comparação com os procedimentos adotados no Brasil com os procedimentos dos EUA e Canadá, e escolhe-se o melhor método baseado nos critérios existentes na literatura. O objetivo foi alcançado e o método escolhido pode ser aplicado, com algumas modificações pertinentes na coleta de dados. Esperou-se que a pesquisa contribuísse para divulgação das técnicas de roteirização baseadas em modelos matemáticos de modo a auxiliar o especialista na: alteração e/ou concepção de rotas; e na completa reformulação dos sistemas de transportes público. Moura (2001), realizou um trabalho com o objetivo de desenvolver uma metodologia para auxiliar empresas a planejar e otimizar as rotas de veículos que realizam a distribuição de mercadorias. Para auxiliar nessas operações, os SIG s são uma poderosa ferramenta, por oferecerem recursos para visualização do sistema viário e dos pontos de atendimento. Para atingir os objetivos propostos pela autora, foi necessário criar uma base de dados para o sistema viário de Viçosa-MG, que representa as características espaciais da superfície e os dados descritos relacionados aos elementos geográficos. Para maiores detalhes sobre o tipo de informação e a origem dos dados geográficos descritos no banco de dados podem ser obtidos em Moura(2001). Moura (2001) avaliou o potencial do SIG como instrumento para otimizar rotas de entregas de mercadorias, desenvolvendo um estudo de caso nessas rotas percorridas pela empresa responsável em fazer as entregas de mercadorias de um supermercado selecionado. Tendo como base a rede do sistema viário, as rotas foram geradas, possibilitando a localização automática dos endereços dos clientes e a visualização das mesmas. A autora comprovou que a utilização do software Arcview para geração e edição dos arcos da rede é um recurso eficiente confirmando a sua potencialidade. O uso do recurso de geocodificação de endereços permitiu maior flexibilidade e rapidez na localização dos endereços dos clientes. Portanto, a utilização do ArcView é viável para otimização das rotas de entregas de mercadorias permitindo obter uma redução média de 13% nas rotas estudadas. Para a empresa responsável pelas entregas e, conseqüentemente, para a população, a redução no percurso dos 15

16 veículos traz uma série de vantagens, dentre elas a de que a redução na quilometragem gera menores custos e maiores vantagens econômicas para a empresa. 3. Metodologia A metodologia do presente trabalho consistiu, em primeiro lugar, em fazer uma revisão bibliográfica referente ao tema proposto. A área de estudo está situada na cidade de Viçosa-MG, mais especificamente, no transporte coletivo urbano e as suas respectivas rotas. Desta maneira, o trabalho foi desenvolvido a partir de um levantamento sobre o que há disponível na literatura referente ao uso de Sistemas de Informações Geográfica no planejamento do transporte público urbano. A segunda parte do trabalho constou do desenvolvimento de um exemplo prático em redes de transporte, utilizando como exemplo a rede de transporte coletivo urbano viçosense. Baseado no trabalho de Moura (2001), foi feita a modelagem dos dados, utilizando-se o software Arcview, que é um dos módulos do Sistema de Informações Geográficas (SIG), para a simulação dessas rotas da rede de transporte. Mediante a utilização do Arcview, realizou-se a edição do arquivo digital com os arruamentos, ao que se seguiu a derivação das linhas de centro para a representação das ruas sob a forma de arcos simples e, assim, gerou-se a rede do sistema viário. Complementando o banco de dados, foram inseridos os dados alfanuméricos (nomes dos logradouros, bairros, numeração das edificações etc.) referentes a esses arcos, utilizando a técnica de geocodificação de endereços para sua identificação automática. Em razão de algumas ruas não apresentarem uma seqüência na numeração das edificações, foi necessário realizar uma segmentação nos arcos dessas ruas, para que a localização dos endereços fosse mais precisa. Posteriormente foi efetuado um levantamento das escolas municipais e estaduais, localizando-as geograficamente usando um GPS para obtenção de suas respectivas coordenadas. A próxima etapa foi a inclusão no banco de dados dos pontos, representando as escolas no município, por meio de suas coordenadas geográficas e, conseqüentemente, a localização espacial de cada ponto. Localizadas as escolas, realizou-se a simulação no Arcview de uma linha de ônibus saindo da garagem da empresa União, passando em todas as escolas e retornando à origem ou ponto de partida que é a garagem da empresa. Para isso, foi utilizado o módulo Network 16

17 Analyst e dentro deste a ferramenta route, gerando os resultados que serão demonstrados a seguir. 4. Resultados Demonstrando o conhecimento adquirido através da revisão bibliográfica deste trabalho, realizou-se uma simples análise prática no software Arcview. Através do banco de dados previamente montado da rede viária do município de Viçosa-MG com os pontos marcados onde se localizam as escolas, fez-se a simulação de uma linha de ônibus que passasse em todas as escolas, municipais e estaduais. A figura 1 mostra a rede viária com as escolas e a figura 2 mostra a rota traçada. A descrição dessas rotas encontra-se em anexo, destacando que a rota do menor caminho obtida tem exatamente m. 17

18 18

19 19

20 5. Conclusão Os estudos analisados até o momento mostraram que os SIG s constituem ferramentas extremamente úteis no planejamento de rotas de veículos, pois combinam a utilização de dados espaciais e algoritmos apropriados de otimização e simulação. No entanto, é preciso criar um banco de dados bem consolidado, isto é, fazer a coleta dos dados geográficos e alfanuméricos e, assim, estruturar o banco adequadamente, ou seja, conforme o tipo de aplicação. Essa foi a maior dificuldade encontrada no presente trabalho, pois o banco de dados utilizado foi cedido pelo professor Carlos Ribeiro através da tese de mestrado de Moura (2001) e não possui a modelagem adequada para a análise de redes. Assim, a análise prática efetuada foi mais trabalhosa e limitada e por isso demandou um tempo maior do que o esperado. Contudo o objetivo principal foi alcançado, com a revisão bibliográfica, percebendo que as aplicações práticas realizadas pelos principais grupos de pesquisa envolvidos mostram o enorme potencial e importância que os SIG s possuem no planejamento de transportes. O exemplo de aplicação descrito nos resultados do presente trabalho demonstra somente uma das inúmeras análises que podem ser feitas nesse planejamento. 20

Introdução ao SIG. Objetivos Específicos 18/11/2010. Competência: Apresentar: Utilidade de um SIG

Introdução ao SIG. Objetivos Específicos 18/11/2010. Competência: Apresentar: Utilidade de um SIG MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE - ICMBio DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA - DIPLAN COORDENAÇÃO GERAL DE GESTÃO DE PESSOAS -

Leia mais

INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO GEOPROCESSAMENTO. Introdução ao Geoprocessamento. Conceitos básicos 18/06/2015. Conceitos básicos

INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO GEOPROCESSAMENTO. Introdução ao Geoprocessamento. Conceitos básicos 18/06/2015. Conceitos básicos GEOPROCESSAMENTO INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO Prof. Esp. André Aparecido da Silva Introdução ao Geoprocessamento Conceitos básicos Conceitos básicos Componentes de um SIG Entrada de Dados em Geoprocessamento

Leia mais

ALOCAÇÃO DE DEMANDA ESCOLAR USANDO TECNOLOGIA SIG

ALOCAÇÃO DE DEMANDA ESCOLAR USANDO TECNOLOGIA SIG ALOCAÇÃO DE DEMANDA ESCOLAR USANDO TECNOLOGIA SIG Daniel da Silva Marques (UFAM) daniel.ufam2009@hotmail.com Caio Ronan Lisboa Pereira (UFAM) caioronan@hotmail.com Almir Lima Caggy (UFAM) almir_kggy@hotmail.com

Leia mais

Palavras chave Sistema de Informações Geográficas, Banco de Dados, Geoprocessamento

Palavras chave Sistema de Informações Geográficas, Banco de Dados, Geoprocessamento IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS PARA O MUNICÍPIO DE TERESÓPOLIS, EM LABORATÓRIO DO UNIFESO José Roberto de C. Andrade Professor do Centro de Ciências e Tecnologia, UNIFESO Sergio Santrovitsch

Leia mais

Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc.

Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc. Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc. SUMÁRIO Apresentação da ementa Introdução Conceitos Básicos de Geoinformação Arquitetura de SIGs Referências Bibliográficas APRESENTAÇÃO

Leia mais

A coleta dos resíduos sólidos urbanos pode ser classificada em quatro tipos, que são: especial, particular, regular e seletiva.

A coleta dos resíduos sólidos urbanos pode ser classificada em quatro tipos, que são: especial, particular, regular e seletiva. ANÁLISE DE INFLUÊNCIA DO TRANSPORTE NA COLETA SELETIVA UTILIZANDO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA L. A. Brasileiro e A. A. Martins Júnior RESUMO A coleta é ligada à etapa de transporte, independente do

Leia mais

SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE

SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE Prof. Luciene Delazari Grupo de Pesquisa em Cartografia e SIG da UFPR SIG Aplicado ao Meio Ambiente - 2011 GA020- SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE Prof. Luciene S. Delazari -

Leia mais

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade IV GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade IV GERENCIAMENTO DE TRANSPORTE Prof. Altair da Silva Transporte em area urbana Perceba o volume de caminhões que circulam nas áreas urbanas em nosso país. Quais são os resultados para as empresas

Leia mais

TRANSPORTE COLETIVO URBANO E A ROTEIRIZAÇÃO

TRANSPORTE COLETIVO URBANO E A ROTEIRIZAÇÃO TRANSPORTE COLETIVO URBANO E A ROTEIRIZAÇÃO Tamires Soares Ferreira 1, Dante Alves Medeiros Filho 2, Emanuely Velozo Aragão Bueno 3 RESUMO:NAS EMPRESAS DE GRANDE E MÉDIO PORTE TEMOS A INCIDÊNCIA DO SISTEMA

Leia mais

3 O Geoprocessamento e o Sistema de Informação Geográfico

3 O Geoprocessamento e o Sistema de Informação Geográfico 3 O Geoprocessamento e o Sistema de Informação Geográfico Este capítulo apresenta uma introdução aos conceitos referentes ao Geoprocessamento e o Sistema de Informação Geográfico. Será apresentada a estruturação

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA (I)

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA (I) UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS DISCIPLINA: LEB450 TOPOGRAFIA E GEOPROCESSAMENTO II PROF. DR. CARLOS ALBERTO VETTORAZZI

Leia mais

Anais do II Seminário de Atualização Florestal e XI Semana de Estudos Florestais. Deise Regina Lazzarotto

Anais do II Seminário de Atualização Florestal e XI Semana de Estudos Florestais. Deise Regina Lazzarotto SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS APLICADO AOS DADOS DO GRUPO DE PESQUISA BIODIVERSIDADE E SUSTENTABILIDADE DE ECOSSISTEMAS FLORESTAIS DE IRATI PR. Deise Regina Lazzarotto Departamento de Engenharia Florestal

Leia mais

Estudo de Roteirização de Veículos com Aplicação da Técnica de Varredura para Cargas Fracionadas

Estudo de Roteirização de Veículos com Aplicação da Técnica de Varredura para Cargas Fracionadas Estudo de Roteirização de Veículos com Aplicação da Técnica de Varredura para Cargas Fracionadas Daniel Barzan de Mattos Amaral danielbarzan@gmail.com UNISANTOS Anderson Willian de Souza andersonwillian7@gmail.com

Leia mais

INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO. Profª Iana Alexandra Alves Rufino [iana_alex@uol.com.br]

INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO. Profª Iana Alexandra Alves Rufino [iana_alex@uol.com.br] INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO Profª Iana Alexandra Alves Rufino [iana_alex@uol.com.br] Introdução ao Geoprocessamento Conceitos básicos Componentes de um SIG Exemplos de aplicações Conceitos Geoprocessamento

Leia mais

Sistema de localização e bloqueio veicular por célula de comunicação Objetivo Principal

Sistema de localização e bloqueio veicular por célula de comunicação Objetivo Principal de comunicação Objetivo Principal Prover uma solução de baixo custo para Identificação, localização, bloqueio e recuperação de veículos roubados ou procurados, através de micro circuitos embarcados de

Leia mais

3.0 Sistemas de Informação Geográfica

3.0 Sistemas de Informação Geográfica 3.0 Sistemas de Informação Geográfica Neste capítulo será feita uma revisão sobre os temas relacionados aos sistemas de informação geográfica, assim como suas aplicações a transporte. A apresentação do

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA IF SUDESTE MG REITORIA Av. Francisco Bernardino, 165 4º andar Centro 36.013-100 Juiz de Fora MG Telefax: (32) 3257-4100 CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

Leia mais

SOFTWARE DE GERENCIAMENTO DOCUMENTAL PARA EMPRESAS DE PEQUENO E MÉDIO PORTE

SOFTWARE DE GERENCIAMENTO DOCUMENTAL PARA EMPRESAS DE PEQUENO E MÉDIO PORTE Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 SOFTWARE DE GERENCIAMENTO DOCUMENTAL PARA EMPRESAS DE PEQUENO E MÉDIO PORTE Cláudio Leones Bazzi 1 ; Juliano Rodrigo Lamb

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO. Herondino Filho

GEOPROCESSAMENTO. Herondino Filho GEOPROCESSAMENTO Herondino Filho Sumário 1. Introdução 1.1 Orientações Avaliação Referência 1.2 Dados Espaciais 1.2.1 Exemplo de Dados Espaciais 1.2.2 Aplicações sobre os Dados Espaciais 1.3 Categoria

Leia mais

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com TMS e Roteirizadores Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Definição TMS (Transportation Management System) é um produto para melhoria da qualidade e produtividade de todo o processo de distribuição. Este

Leia mais

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR PRESIDENTE

Leia mais

Diferenças entre Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados para GIS - SGBDs

Diferenças entre Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados para GIS - SGBDs Diferenças entre Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados para GIS - SGBDs O objetivo deste documento é fazer uma revisão bibliográfica para elucidar as principais diferenças entre os SGBDs, apontando

Leia mais

Relações mais harmoniosas de convívio com a natureza; O mundo como um modelo real que necessita de abstrações para sua descrição; Reconhecimento de

Relações mais harmoniosas de convívio com a natureza; O mundo como um modelo real que necessita de abstrações para sua descrição; Reconhecimento de Relações mais harmoniosas de convívio com a natureza; O mundo como um modelo real que necessita de abstrações para sua descrição; Reconhecimento de padrões espaciais; Controle e ordenação do espaço. Técnicas

Leia mais

SIG - Sistemas de Informação Geográfica

SIG - Sistemas de Informação Geográfica SIG - Sistemas de Informação Geográfica Gestão da Informação Para gestão das informações relativas ao desenvolvimento e implantação dos Planos Municipais de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica

Leia mais

MAPEAMENTO DA ROTA DE COLETA SELETIVA DAS COOPERATIVAS DE CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS DO NATAL/RN

MAPEAMENTO DA ROTA DE COLETA SELETIVA DAS COOPERATIVAS DE CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS DO NATAL/RN MAPEAMENTO DA ROTA DE COLETA SELETIVA DAS COOPERATIVAS DE CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS DO NATAL/RN Rejane dos Santos Dantas¹; Robson Garcia da Silva²; rsdbiosl@bol.combr¹; robson.garcia@ifrn.edu.br²;

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

Sistema de Informação Geográfica Aplicado na Agricultura

Sistema de Informação Geográfica Aplicado na Agricultura Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Agrárias Departamento Engenharia Agrícola Pós-Graduação em Engenharia Agrícola Disciplina: Seminário I Sistema de Informação Geográfica Aplicado na Agricultura

Leia mais

Conceitos Básicos. Geoprocessamento: Uma Ferramenta Para o Desenvolvimento Regional Sustentável. Conceitos Básicos.

Conceitos Básicos. Geoprocessamento: Uma Ferramenta Para o Desenvolvimento Regional Sustentável. Conceitos Básicos. Geoprocessamento: Uma Ferramenta Para o Desenvolvimento Regional Sustentável Sistema de Informação Dados Armazenados Questão Informação Laboratório de Geoprocessamento (LAGEO) Programa de Mestrado em Ciências

Leia mais

Aplicações de Otimização em Processos Industriais

Aplicações de Otimização em Processos Industriais Aplicações de Otimização em Processos Industriais Maria Cristina N. Gramani gramani@mackenzie.com.br Departamento de Engenharia de Produção Escola de Engenharia Universidade Presbiteriana Mackenzie Organização

Leia mais

SP 18/01/80 NT 051/80. Programação de Semáforos a Tempo Fixo para Ônibus. Eduardo Antonio Moraes Munhoz. 1. Apresentação

SP 18/01/80 NT 051/80. Programação de Semáforos a Tempo Fixo para Ônibus. Eduardo Antonio Moraes Munhoz. 1. Apresentação SP 18/01/80 NT 051/80 Programação de Semáforos a Tempo Fixo para Ônibus Eduardo Antonio Moraes Munhoz 1. Apresentação Dado o atual estágio de desenvolvimento e implantação do programa Semco, onde a utilização

Leia mais

Pesquisa Operacional Programação em Redes

Pesquisa Operacional Programação em Redes Pesquisa Operacional Programação em Redes Profa. Alessandra Martins Coelho outubro/2013 Modelagem em redes: Facilitar a visualização e a compreensão das características do sistema Problema de programação

Leia mais

Programação Inteligente para Transporte Urbano

Programação Inteligente para Transporte Urbano Programação Inteligente para Transporte Urbano Programação horária Também chamada de programação de linha, consiste em obter como resultado final, tabelas horárias de viagens para uma linha (ou linhas)

Leia mais

ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO

ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO Wallace Passos Malheiros wallace.malheiros@gmail.com André Lima Duarte sesplife@yahoo.com.br

Leia mais

COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com Introdução Atualmente, é impossível imaginar uma empresa sem uma forte área de sistemas

Leia mais

Técnicas para Programação Inteira e Aplicações em Problemas de Roteamento de Veículos 14

Técnicas para Programação Inteira e Aplicações em Problemas de Roteamento de Veículos 14 1 Introdução O termo "roteamento de veículos" está relacionado a um grande conjunto de problemas de fundamental importância para a área de logística de transportes, em especial no que diz respeito ao uso

Leia mais

Site da disciplina: Site do Laboratório de Geotecnologias Aplicadas: https://moodleinstitucional.ufrgs.br. http://www.ufrgs.

Site da disciplina: Site do Laboratório de Geotecnologias Aplicadas: https://moodleinstitucional.ufrgs.br. http://www.ufrgs. Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Geociências Departamento de Geografia Sistemas de Informações Geográficas I GEO 01007 Professora: Eliana Lima da Fonseca Site da disciplina: https://moodleinstitucional.ufrgs.br

Leia mais

Costa, B.L. 1 ; Faria, R.A.M²; Marins, L.S.³. ²Universidade do Estado do Rio de Janeiro / Faculdade de Formação de Professores - rfariageo@hotmail.

Costa, B.L. 1 ; Faria, R.A.M²; Marins, L.S.³. ²Universidade do Estado do Rio de Janeiro / Faculdade de Formação de Professores - rfariageo@hotmail. GERAÇÃO DE MAPA DE USO E COBERTURA DE SOLO UTILIZANDO IMAGENS DE SATÉLITE LANDSAT 8 PARA O SUPORTE AO PLANEJAMENTO MUNICIPAL DO MUNICÍPIO DE NITERÓI RJ. Costa, B.L. 1 ; Faria, R.A.M²; Marins, L.S.³ 1 Universidade

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICO (SIG) DOS SERVIÇOS TURÍSTICOS DO CENTRO DE PELOTAS-RS

SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICO (SIG) DOS SERVIÇOS TURÍSTICOS DO CENTRO DE PELOTAS-RS SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICO (SIG) DOS SERVIÇOS TURÍSTICOS DO CENTRO DE PELOTAS-RS Autor(es): Apresentador: Orientador: Revisor 1: Revisor 2: Instituição: SCHMIDT, Kelly Raquel; RAMOS, Maria da Graça

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

I STRUME TOS DIGITAIS COMO SUPORTE DE A ÁLISE DO ESPAÇO URBA O. J. De ardin, R. A. Ribeiro e J. Francisco

I STRUME TOS DIGITAIS COMO SUPORTE DE A ÁLISE DO ESPAÇO URBA O. J. De ardin, R. A. Ribeiro e J. Francisco I STRUME TOS DIGITAIS COMO SUPORTE DE A ÁLISE DO ESPAÇO URBA O J. De ardin, R. A. Ribeiro e J. Francisco RESUMO O presente artigo trata de parte de metodologia adotada para o desenvolvimento da dissertação

Leia mais

2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado

2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado 2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado Conteúdo 1. Função Produção 3. Administração da Produção 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Introdução à Administração Eunice Lacava Kwasnicka - Editora

Leia mais

PROJETO MUTIRÃO DA CARONA SOLIDÁRIA

PROJETO MUTIRÃO DA CARONA SOLIDÁRIA PROJETO MUTIRÃO DA CARONA SOLIDÁRIA INTRODUÇÃO A mobilidade das cidades tem se tornado um desafio cada vez maior com o passar do tempo. Em 10 anos, a frota de automóveis e motocicletas cresceu 400% no

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2010. Qualificação: TÉCNICO EM LOGÍSTICA. Professora: FLÁVIA ANDRÉIA CANEDO DE LIMA

Plano de Trabalho Docente 2010. Qualificação: TÉCNICO EM LOGÍSTICA. Professora: FLÁVIA ANDRÉIA CANEDO DE LIMA Plano de Trabalho Docente 2010 ETEC RODRIGUES DE ABREU Ensino Técnico Código: 135 Município: BAURU/SP Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICO EM LOGÍSTICA Qualificação: TÉCNICO

Leia mais

Gestão de Armazenamento

Gestão de Armazenamento Gestão de Armazenamento 1. Introdução As organizações estão se deparando com o desafio de gerenciar com eficiência uma quantidade extraordinária de dados comerciais gerados por aplicativos e transações

Leia mais

Planejamento das Linhas de ônibus no Rio com a derrubada da perimetral.

Planejamento das Linhas de ônibus no Rio com a derrubada da perimetral. Planejamento das Linhas de ônibus no Rio com a derrubada da perimetral. Aline Leite 1 ; Daniel Lopes 1 ; Eduardo Tavares da Silva 2 ; Eunice Horário Teixeira 2 ; Jorge Tiago Bastos 2 ; Luciana Brizon 2

Leia mais

Sociedade do Conhecimento

Sociedade do Conhecimento Gerenciamento (Gestão) Eletrônico de Documentos GED Introdução Gerenciamento Eletrônico de Documentos - GED Sociedade do Conhecimento Nunca se produziu tanto documento e se precisou de tanta velocidade

Leia mais

O Sistema Way foi além, idealizou uma forma não só de garantir a qualidade do produto final, como deotimizar a logística de transporte e entrega.

O Sistema Way foi além, idealizou uma forma não só de garantir a qualidade do produto final, como deotimizar a logística de transporte e entrega. A Way Data Solution se especializou em Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) para criar um sistema inovador de logística e monitoramento de temperatura/ umidade, através do qual empresas poderão

Leia mais

ANÁLISE DA VIABILIDADE DE IMPLANTAÇÃO DE REDE SEMIPÚBLICA DE TRANSPORTE COLETIVO EM UBERLÂNDIA, MG

ANÁLISE DA VIABILIDADE DE IMPLANTAÇÃO DE REDE SEMIPÚBLICA DE TRANSPORTE COLETIVO EM UBERLÂNDIA, MG ANÁLISE DA VIABILIDADE DE IMPLANTAÇÃO DE REDE SEMIPÚBLICA DE TRANSPORTE COLETIVO EM UBERLÂNDIA, MG Luciano Nogueira José Aparecido Sorratini ANÁLISE DA VIABILIDADE DE IMPLANTAÇÃO DE REDE SEMIPÚBLICA DE

Leia mais

UNIVERSIDADE, EAD E SOFTWARE LIVRE

UNIVERSIDADE, EAD E SOFTWARE LIVRE Universidade Federal de Minas Gerais Elisa Castro Pedro Henrique Ferreira Simas Ricardo Freitas de Paula UNIVERSIDADE, EAD E SOFTWARE LIVRE Belo Horizonte 2011 O Ensino a Distância da Estatística Básica

Leia mais

ANEXO VI ESPECIFICAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO E CONTROLE OPERACIONAL

ANEXO VI ESPECIFICAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO E CONTROLE OPERACIONAL Anexo VI -fls.1/7 ANEXO VI ESPECIFICAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO E CONTROLE OPERACIONAL Serão apresentados a seguir os conceitos, requisitos e especificações básicas do Sistema de Monitoramento e Controle

Leia mais

Sistema de Armazenamento de Dados Eleitorais - SisElege

Sistema de Armazenamento de Dados Eleitorais - SisElege Faculdade de Tecnologia Senac DF Sistema de Armazenamento de Dados Eleitorais - SisElege Documento de Visão Versão 4.0 Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor 05/09/2014 1.0 Versão Inicial do

Leia mais

USO DO GEOPROCESSAMENTO APLICADO À GESTÃO DE SISTEMAS DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO NO RIO GRANDE DO NORTE

USO DO GEOPROCESSAMENTO APLICADO À GESTÃO DE SISTEMAS DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO NO RIO GRANDE DO NORTE USO DO GEOPROCESSAMENTO APLICADO À GESTÃO DE SISTEMAS DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO NO RIO GRANDE DO NORTE Adriana Dias Moreira PIRES (1); Bruno César Dias de ALBUQUERQUE (2); Daniel Bruno Alves dos SANTOS

Leia mais

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Manuseio de Materiais / Gestão de Informações Primárias Apoio 1 2 Manuseio de Materiais Refere-se aos deslocamentos de materiais

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações Tipos de SI

Tecnologia e Sistemas de Informações Tipos de SI Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações Tipos de SI Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 5.2 Qual a Diferença? Dado? Informação? Conhecimento? Dado Platão (428-348

Leia mais

Projetos. Universidade Federal do Espírito Santo - UFES. Mestrado em Informática 2004/1. O Projeto. 1. Introdução. 2.

Projetos. Universidade Federal do Espírito Santo - UFES. Mestrado em Informática 2004/1. O Projeto. 1. Introdução. 2. Pg. 1 Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Mestrado em Informática 2004/1 Projetos O Projeto O projeto tem um peso maior na sua nota final pois exigirá de você a utilização de diversas informações

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Letícia Antunes Resende 1 Herbe Xavier 2

Letícia Antunes Resende 1 Herbe Xavier 2 As contribuiçõesdas geotecnologias à atividade turística Letícia Antunes Resende 1 Herbe Xavier 2 Pode-se considerar que o turismo é, antes de tudo, uma experiência geográfica, pois a atividade se desenvolve

Leia mais

SISTEMAS DE TRANSPORTES

SISTEMAS DE TRANSPORTES ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS, PRODUÇÃO E LOGÍSTICA SISTEMAS DE TRANSPORTES TRANSPORTES Transportes, para a maioria das firmas, é a atividade logística mais importante, simplesmente porque ela absorve, em

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE TRANUS COMO APOIO À ENGENHARIA DE TRÁFEGO E TRANSPORTE URBANO

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE TRANUS COMO APOIO À ENGENHARIA DE TRÁFEGO E TRANSPORTE URBANO UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE TRANUS COMO APOIO À ENGENHARIA DE TRÁFEGO E TRANSPORTE URBANO 1. INTRODUÇÃO Atualmente a tecnologia vem se desenvolvendo cada vez mais rápido para suprir as necessidades da população.

Leia mais

WMS - Warehouse Management System

WMS - Warehouse Management System Sistema de Gestão Empresarial LUSANA SOUZA NATÁLIA BATUTA MARIA DAS GRAÇAS TATIANE ROCHA GTI V Matutino Prof.: Itair Pereira Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 2. WMS... 2 3. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO... 2 4. POLÍTICA

Leia mais

Preços de Frete Rodoviário no Brasil

Preços de Frete Rodoviário no Brasil Preços de Frete Rodoviário no Brasil Maria Fernanda Hijjar O Brasil é um país fortemente voltado para o uso do modal rodoviário, conseqüência das baixas restrições para operação e dos longos anos de priorização

Leia mais

Projeto Geoimagem Introduzindo Diferencial Estratégico e Técnico aos Sistemas Corporativos de Informações Georreferenciadas da CEMIG

Projeto Geoimagem Introduzindo Diferencial Estratégico e Técnico aos Sistemas Corporativos de Informações Georreferenciadas da CEMIG 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Projeto Geoimagem Introduzindo Diferencial Estratégico e Técnico aos Sistemas Corporativos de Informações Georreferenciadas da CEMIG Carlos Alberto Moura CEMIG

Leia mais

Powered By: IMPORTANTE:

Powered By: IMPORTANTE: Powered By: IMPORTANTE: Este manual contém informações seguras de operação. Por favor, leia e siga as instruções desse manual. Falhas podem resultar em ferimentos pessoais, morte, e/ou danos no Delphi

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Tipos de SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução 2 n As organizações modernas competem entre si para satisfazer as necessidades dos seus clientes de um modo

Leia mais

Grande parte dos planejadores

Grande parte dos planejadores ARTIGO Fotos: Divulgação Decidindo com o apoio integrado de simulação e otimização Oscar Porto e Marcelo Moretti Fioroni O processo de tomada de decisão Grande parte dos planejadores das empresas ainda

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid)

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns WMS Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Informática Aplicada a Logística Profº Breno Amorimsexta-feira, 11 de setembro de 2009 Agenda

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2009

PLANO DE ENSINO 2009 PLANO DE ENSINO 2009 Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médio ( ) Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Graduação ( ) Pós-graduação ( ) I. Dados Identificadores Curso Superior de Tecnologia

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações. Um SIG gera

Leia mais

23/08/2013. Tecnologia da Informação. Transportes SEMINÁRIO: MOVIMENTAÇÃO E TI

23/08/2013. Tecnologia da Informação. Transportes SEMINÁRIO: MOVIMENTAÇÃO E TI UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO INTEGRADA DA LOGISTICA SEMINÁRIO: MOVIMENTAÇÃO E TI ANNA KAROLINE DINIZ CAMILA MOURA FAVARO FERNANDO DOS ANJOS REINALDO FRANCISCO TIAGO SOUZA

Leia mais

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação UNIFEI Universidade Federal de Itajubá Prof. Dr. Alexandre Ferreira de Pinho 1 Sistemas de Apoio à Decisão (SAD) Tipos de SAD Orientados por modelos: Criação de diferentes

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EXERCÍCIOS DO LIVRO SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ALUNO ADRIANO RAMPINELLI FERNANDES

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EXERCÍCIOS DO LIVRO SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ALUNO ADRIANO RAMPINELLI FERNANDES FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EXERCÍCIOS DO LIVRO SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ALUNO ADRIANO RAMPINELLI FERNANDES Capítulo 1 - Página 28 - Questões de revisão 1.2 O que é exatamente um sistema

Leia mais

O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia

O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia Elaine Gomes Assis (UNIMINAS) elainega@uniminas.br Luciane

Leia mais

Metas de um Sistema Distribuído

Metas de um Sistema Distribuído Metas de um Sistema Distribuído Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do

Leia mais

Gerenciamento de Traçado de Rede Rural Utilizando o Software Google Earth. Wagner Antônio Araújo Veloso CEMIG Distribuição S.A.

Gerenciamento de Traçado de Rede Rural Utilizando o Software Google Earth. Wagner Antônio Araújo Veloso CEMIG Distribuição S.A. 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Gerenciamento de Traçado de Rede Rural Utilizando o Software Google Earth Wagner Antônio Araújo Veloso CEMIG Distribuição S.A. wveloso@cemig.com.br RESUMO

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Introdução ao Geoprocessamento

Introdução ao Geoprocessamento Sistema de Informação Geográfica SIG Introdução ao Geoprocessamento Professor: Daniel Luis Nithack e Silva O processo de urbanização marcha em um ritmo mais acelerado do que as possibilidades de planejar

Leia mais

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho.

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. - DSI DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. Preocupação: Problema técnicos Mudança na natureza e conteúdo do trabalho

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA GESTÃO DOS PROCESSOS DE PROJETOS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA: ESTUDO DE CASO EM EMPRESAS DE SÃO CARLOS-SP

DIAGNÓSTICO DA GESTÃO DOS PROCESSOS DE PROJETOS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA: ESTUDO DE CASO EM EMPRESAS DE SÃO CARLOS-SP DIAGNÓSTICO DA GESTÃO DOS PROCESSOS DE PROJETOS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA: ESTUDO DE CASO EM EMPRESAS DE SÃO CARLOS-SP Raquel Ragonesi Permonian (UFSCAR) raquelrpermonian@hotmail.com Jose da Costa Marques

Leia mais

Universidade São Judas Tadeu

Universidade São Judas Tadeu Universidade São Judas Tadeu Anna Karoline Diniz Fortaleza Camila Moura Favaro Fernando dos Anjos Reinaldo Francisco Carvalho Tiago Souza Tecnologia da Informação no Transporte São Paulo 2013 1 Tecnologia

Leia mais

Relatório Técnico-Executivo Referente aos Serviços Prestados pela UNESP/FEG através Empresa JR. ENG

Relatório Técnico-Executivo Referente aos Serviços Prestados pela UNESP/FEG através Empresa JR. ENG Relatório Técnico-Executivo Referente aos Serviços Prestados pela UNESP/FEG através Empresa JR. ENG Este relatório tem como objetivo apresentar as atividades executadas pelo grupo de pesquisa da Faculdade

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA O GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE DE PASSAGEIROS

A IMPORTÂNCIA DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA O GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE DE PASSAGEIROS A IMPORTÂNCIA DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA O GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE DE PASSAGEIROS Edgard Dias Batista Jr. UNESP/FEG Universidade Estadual Paulista Departamento de Produção - Campus de Guaratinguetá,

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE. SALVADOR/BA, 04 de Setembro de 2014.

RIO GRANDE DO NORTE. SALVADOR/BA, 04 de Setembro de 2014. RIO GRANDE DO NORTE SALVADOR/BA, 04 de Setembro de 2014. Monitoramento de veículos na Revenda Francisco Correia E-mail: zonanortegas@ig.com.br O Mercado de GLP em Natal/RN O Mercado de GLP em Natal/RN

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Dimensões de análise dos SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n Os sistemas de informação são combinações das formas de trabalho, informações, pessoas

Leia mais

Software para especificação de motores de indução trifásicos

Software para especificação de motores de indução trifásicos Instituto Federal Sul-riograndense Campus Pelotas - Curso de Engenharia Elétrica Software para especificação de motores de indução trifásicos Disciplina: Projeto Integrador III Professor: Renato Neves

Leia mais

EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO VI - ESPECIFICAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO DA FROTA.

EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO VI - ESPECIFICAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO DA FROTA. EDITAL CONCORRÊNCIA 02/2015 ANEXO VI - ESPECIFICAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO DA FROTA. 1. Sistema de Monitoramento da Frota O Sistema de Monitoramento da Frota será implantado pela concessionária para

Leia mais

Utilização de SIG aliado ao sistema de gestão ambiental em cursos d água urbanos.

Utilização de SIG aliado ao sistema de gestão ambiental em cursos d água urbanos. Utilização de SIG aliado ao sistema de gestão ambiental em cursos d água urbanos. AUTORES: Reginal Exavier¹, Elizabeth Rodrigues Brito Ibrahim² ¹Graduado no curso de Engenharia Ambiental e Sanitária pelo

Leia mais

GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA I AULA 05: LOGÍSTICA INTEGRADA E OUTRAS QUESTÕES TÓPICO 05: MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAS O manuseio de materiais representa atividade de maior custo logístico, além de consumir

Leia mais

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO 1 LOGÍSTICA 1 Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO Versa o presente artigo sobre logística e suas aplicabilidades no mundo moderno. A logística foi criada para suprir necessidades durante a Segunda

Leia mais

ANÁLISE DO SISTEMA DE RASTREAMENTO E MONITORAMENTO DE ROTA EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO

ANÁLISE DO SISTEMA DE RASTREAMENTO E MONITORAMENTO DE ROTA EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO ANÁLISE DO SISTEMA DE RASTREAMENTO E MONITORAMENTO DE ROTA EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO Luciano Manoel Candido luciano.lmc@hotmail.com UNIASSELVI/FADESC Helio Alves da Cruz adm.helio@bol.com.br UNIASSELVI/FADESC

Leia mais

POLÍTICA DE GEOPROCESSAMENTO DA ELETROSUL

POLÍTICA DE GEOPROCESSAMENTO DA ELETROSUL POLÍTICA DE GEOPROCESSAMENTO DA ELETROSUL Abril - 2013 SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. ABRANGÊNCIA... 3 3. CONCEITOS... 3 3.1. Geoprocessamento... 3 3.2. Gestão das Informações Geográficas... 3 3.3. Dado Geográfico

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

NOÇÕES DE GEOPROCESSAMENTO. Módulo 3

NOÇÕES DE GEOPROCESSAMENTO. Módulo 3 NOÇÕES DE GEOPROCESSAMENTO Módulo 3 Sistema Metropolitano de Informações Georreferenciadas MetroGeo Curso Noções de Geoprocessamento Módulo 3 Oscar Ricardo M. Schmeiske Programação Curso Noções de Geoprocessamento

Leia mais

19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM SISTEMA CAD DE GRANDE PORTE E EM SISTEMA PDM

19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM SISTEMA CAD DE GRANDE PORTE E EM SISTEMA PDM 19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM SISTEMA CAD DE GRANDE PORTE E EM SISTEMA PDM Autor(es) ANDRE BERTIE PIVETTA Orientador(es) KLAUS SCHÜTZER Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ 1. Introdução

Leia mais

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras?

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Introdução O Contexto econômico do mundo globalizado vem sinalizando para as empresas que suas estratégias de

Leia mais

ESTUDO SOBRE A EVOLUÇÃO DOS PROCESSOS LOGÍSTICOS NO BRASIL

ESTUDO SOBRE A EVOLUÇÃO DOS PROCESSOS LOGÍSTICOS NO BRASIL ESTUDO SOBRE A EVOLUÇÃO DOS PROCESSOS LOGÍSTICOS NO BRASIL JOSÉ EDUARDO DO COUTO BARBOSA 1 SARAH GABRIELA CARDOSO DE LIMA 2 EVERTON LUIZ DA CHAGAS 3 Resumo A logística brasileira foi fortemente marcada

Leia mais

Demanda por um sistema integrado de mobilidade urbana, acessível por órgãos gestores, operadoras de transporte e população!

Demanda por um sistema integrado de mobilidade urbana, acessível por órgãos gestores, operadoras de transporte e população! Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico - Turma 17 Sistema de Informação de Usuários Michel Costa da Silva (*) No Brasil, o crescimento demográfico das grandes capitais, o apoio governamental

Leia mais