Mudanças nas expectativas e comportamento do usuário de transporte coletivo urbano na Região Metropolitana de São Paulo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mudanças nas expectativas e comportamento do usuário de transporte coletivo urbano na Região Metropolitana de São Paulo"

Transcrição

1 PESQUISA DE OPINIÃO SOBRE QUALIDADE DOS SERVIÇOS AN P Mudanças nas expectativas e comportamento do usuário de transporte coletivo urbano na Região Metropolitana de São Paulo Comissão de Pesquisa de Opinião sobre Qualidade dos Serviços de Transporte da ANTP A diminuição constante e acentuada do número de passageiros de transporte coletivo, o aumento do transporte individual, a elevação dos índices de motorização e o crescimento do congestionamento urbano, bem como as transformações demográficas nas grandes cidades, que dão origem a novos grupos de usuários e novas necessidades de viagem, são alguns dos fenômenos que, nos últimos anos, atingiram o transporte coletivo urbano. Este cenário, associado ao surgimento de outras opções de deslocamento, criou um novo panorama: o fim do usuário cativo. Tal fato forçou o setor a entrar definitivamente no mundo da concorrência, dando visibilidade ao que é essencial em todo este processo: o desejo cotidiano de milhões de pessoas de atingir os destinos desejados de forma mais satisfatória. Até recentemente, o descontentamento dos usuários se manifestava com freqüência através da depredação dos veículos, o que ainda ocorre episodicamente. Atualmente, a reação mais comum tem sido o abandono do transporte convencional por alternativas que satisfaçam as suas necessidades de deslocamento, como o transporte individual e as lotações. Essa forte migração sinaliza para a necessidade de adequar o serviço dos diversos modos às expectativas dos usuários, considerando-os não como massa homogênea, mas como agrupamentos com necessidades e desejos diferenciados. Alguns benefícios proporcionados pelos meios alternativos, se assimilados também pelo transporte convencional, poderiam reconquistar a demanda perdida e até atrair novos públicos para este serviço. Nesse sentido, tem-se observado que algumas empresas operadoras e gestoras de transporte coletivo vêm 97 buscando, ainda que de forma gradativa, introduzir novos métodos de gestão ajustados aos conceitos de qualidade e produtividade. A constatação dessa realidade impôs a necessidade de se olhar o transporte também sob a ótica do mercado e do processo de metropolização. Isso porque existe uma relação direta entre o contexto mais amplo, urbano e econômico, e as necessidades de acessibilidade da população, evidenciadas pelos novos padrões e desejos de deslocamentos. Sob esse enfoque, as pesquisas de opinião e de mercado vêm se destacando em seu papel de instrumento mais adequado para acompanhar e monitorar a dinâmica das expectativas dos usuários em relação aos serviços de transporte coletivo urbano. A pesquisa mostrase ainda mais apropriada, se considerado o seu uso já bastante difundido em outros setores econômicos, na tarefa de detectar as necessidades do mercado consumidor de bens ou serviços. CIRCULAÇÃO E TRANSPORTE DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO NUMA PERSPECTIVA HISTÓRICA O estado de virtual colapso da circulação e dos transportes em São Paulo, hoje, pode ser entendido através da história do seu desenvolvimento urbano. Geograficamente, a cidade cresceu e se expandiu entre dois rios, o Tietê e o Pinheiros, através de eixos de penetração rumo ao interior e ao litoral. Ao longo dessas estradas de ligação, consolidou-se uma configuração de estruturação urbana e deslocamento num desenho radiocêntrico dos sistemas de circulação viária e de transporte, tendo como pólo principal o centro da cidade de São Paulo. Tal fenômeno em São Paulo aconteceu de forma rápida e desordenada. Neste século, a população da cidade cresceu mais de 40 vezes, passando de habitantes em 1900 para os moradores em 1990, e sua extensão cresceu quase 30 vezes, ampliando a área urbana de 52 quilômetros quadrados para os atuais Desde o início do século, fase da consolidação da sua importância econômica, da aceleração de seu processo de urbanização e da configuração dos seus espaços urbanos, funcionais e sociais, definiramse dois grandes eixos de desenvolvimento no município. Um em direção à região Sudoeste, setor privilegiado e rico onde foram feitos os principais investimentos públicos, viários e de serviços, e outro em direção à zona Leste, setor residencial e proletário, caudatário do desenvolvimento industrial instalado nos primórdios da região, tendo como divisa entre ambos o vale do rio Tamanduateí. 98

2 Além do pólo central do município de São Paulo, foram se configurando, ao longo do século, outros pólos de emprego e residência como a região do ABC, Osasco, Guarulhos e Mogi das Cruzes, municípios da Grande São Paulo caracterizados por deslocamentos pendulares regionais e também por uma polarização pelo município de São Paulo. Todo este complexo metropolitano, estruturando as periferias das cidades marcadamente pobres e destituídas, está numa área de quilômetros quadrados com uma população atual em torno de 16 milhões de habitantes. 1 Do ponto de vista da circulação e dos transportes no município de São Paulo, esta configuração implica num deslocamento diário de três milhões de pessoas de uma região para outra, já que as principais oportunidades econômicas do terciário, setor que gera a maior parte dos empregos, estão concentradas na região Sudoeste. Assim, as soluções dos problemas de circulação e transporte em São Paulo e na sua região metropolitana dependem também de uma desconcentração regional de recursos, gerando novos pólos de desenvolvimento econômico, social e cultural na cidade. Desde a década de 30 até hoje, o modelo da oferta de transporte coletivo vem demonstrando os seus limites. O esgotamento do sistema de transporte, via bondes e ônibus, foi sendo agravado pelo crescimento do uso do veículo particular, cujo crescimento deu-se de forma acelerada até chegar aos atuais índices. Ainda que tenham existido durante todo o século planos capazes de oferecer soluções estruturais para o transporte de massa na região, acabou prevalecendo a visão rodoviarista, incentivadora do transporte individual. Com o transporte de massa carente de intervenções e investimentos estruturais, foi se consolidando a crença de que a saída para o deslocamento urbano podia ser o transporte individual. Esta postura foi estimulada pela indústria automobilística, que apoiou totalmente a política voltada à ampliação do sistema viário, dela tirando o máximo proveito. Com isso, e por força dessa evolução ao longo deste século, a Região Metropolitana de São Paulo não tem atualmente uma estrutura de transporte coletivo baseada em modos de grande capacidade como o trem e o metrô, mas sim nos ônibus, responsáveis pelo transporte da maioria das viagens motorizadas. O metrô e o trem metropolitano não assumiram o papel estruturador das viagens que lhes cabia, seja porque o investimento na expansão da rede tem sido insuficiente, como é o caso do metrô, seja porque a recuperação da ferrovia é ainda uma promessa. 1. Dados de população e área da Região Metropolitana de São Paulo incluem o município de São Paulo. 99 Os últimos dados da pesquisa O/D 97 2 mostram que o metrô responde por 8% das viagens motorizadas e o trem por 3%, em contraste com os 39% dos ônibus. Ao mesmo tempo, as viagens por auto, incluindo táxi, já respondem atualmente por 47% de todas viagens motorizadas. Região Metropolitana de São Paulo Evolução das viagens motorizadas por modo principal 1977 a 1997 (em %) Modo principal Ano (viagens diárias) Metrô Trem Ônibus Auto (inclui táxi) Lotação 0 1 Outros Fonte: Pesquisa O/D MUDANÇAS NO PERFIL DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Atualmente, as mudanças mais marcantes por que passa a Região Metropolitana de São Paulo estão associadas à redução gradativa do papel da indústria na geração de empregos e à expansão do setor de serviços. A instalação de novas unidades industriais, assim como a transferência de unidades já existentes para fora da região, vêm provocando o seu esvaziamento industrial há algum tempo, resultado tanto da perda de vantagens locacionais pela ausência crônica de investimentos em infra-estrutura, quanto de incentivos de uma política de descentralização industrial. Nessa fase de transição, em que a base econômica passa do setor industrial para o setor terciário, os reflexos se fazem sentir, principalmente, no âmbito do mercado de trabalho, com sua crescente fragmentação e aumento do desemprego. As mudanças no mercado de trabalho também estão relacionadas a fatores como: a proliferação de atividades de baixa qualificação e renda, o crescimento do trabalho temporário e do trabalho no domicílio, a expansão do trabalho por conta própria ou por micro-empresários e do comércio de rua ou ambulante. 2. Pesquisa Origem/Destino da Região Metropolitana de São Paulo, realizada em 1997, sob a coordenação do Metrô-SP. 100

3 A estabilidade da economia, obtida com a implantação do Plano Real a partir de 1993, e a queda continuada da inflação, no período de 1994 a 1998, aumentaram a capacidade de compra das faixas de renda mais baixas da população. No entanto, o quadro de crescimento da economia e de aumento da renda, observado a partir de 1994, começa a se inverter já em 1996, com a queda da atividade industrial e o aumento do nível de desemprego. Assim, contrariando as expectativas formuladas em 1995 de expansão e de modernização do sistema de transporte, a economia do setor entrou em declínio em Na maioria das cidades, a quantidade de passageiros transportados vem caindo ou, no máximo, se mantendo estável com o aumento da produção quilométrica. O usuário, tradicionalmente visto como cativo, passa a adotar outras formas de deslocamento urbano. As perdas de passageiros para o automóvel parecem também ser bastante significativas, sobretudo a partir de 1992, quando a produção automobilística nacional e as importações para suprir o mercado interno ganharam um novo impulso. Neste novo ciclo de crescimento, a indústria automobilística deu ênfase à produção de veículos econômicos e mais baratos, com financiamento de até 36 meses, o que proporcionou o aumento de sua posse na classe C, 3 segmento que concentra um grande contingente de usuários de transporte público. O uso do automóvel também está sendo estimulado pela manutenção do preço da gasolina num patamar baixo. Região Metropolitana de São Paulo Evolução da motorização e mobilidade (x 1.000) Variáveis Frota de autos Taxa de motorização Índice de mobilidade 1,01 1,53 1,32 1,23 Fonte: Pesquisa O/D Além disso, a falta de qualidade do sistema convencional, principalmente do trem e do ônibus, e sua dificuldade em atender às expectativas de sua clientela, vêm sendo superadas pela agilidade do transporte coletivo informal, que preenche as carências deixadas pelo sistema regular. 3. Segundo critério de mensuração de consumo - Critério Brasil - da Anep/Abipeme, adotado a partir de A queda na demanda atingiu principalmente o sistema de ônibus e, em menor proporção, o trem e o metrô. Numa perspectiva histórica, o declínio do transporte coletivo vem se acentuando, numa competição cada vez mais vantajosa para o transporte individual. Região Metropolitana de São Paulo Evolução da divisão modal (em %) Modo principal Ano (viagens diárias) Coletivo Individual Fonte: Pesquisa O/D NOVO USUÁRIO E SUAS EXPECTATIVAS Na tentativa de compreender o novo usuário, consumidor de viagens urbanas realizadas através dos modos de transporte coletivos, há que se considerar, antes de mais nada, que o contexto social no qual ele está inserido, descrito anteriormente, vem sofrendo mudanças que contribuem para a composição de um perfil muito mais exigente em relação aos serviços prestados. Pode-se dizer que o contexto não é apenas pano de fundo, mas um elemento ativo na estruturação de novos posicionamentos dos diversos grupos sociais, constituindo-se como uma trama que vai se montando passo a passo, de acordo com a dinâmica da conjuntura histórica. Além das já mencionadas transformações do cenário do transporte coletivo urbano e da metrópole, hoje, vive-se um momento de intensas trocas promovidas pelo processo de mundialização, em que informações de todos os lugares são lançadas no conjunto da sociedade com grande velocidade, principalmente com o avanço e difusão de novas tecnologias. Com isso, apresentam-se possibilidades antes nem imaginadas quanto à facilidade e agilidade no acesso a fontes de conhecimento, produtos e serviços, redirecionando a vida dos indivíduos para objetivos em permanente mutação, com níveis de exigência cada vez maiores. Com o processo de globalização, além da influência visível da difusão da informação e da exposição maciça a inúmeros produtos no comportamento dos consumidores, outras transformações estruturais vêm afetando substancialmente a sociedade brasileira, como a maior exigência pelo mercado de trabalho de uma mão-de-obra especializada e qualificada, fazendo com que o nível de escolaridade da população economicamente ativa venha crescendo gradativamente. Além disso, 102

4 observa-se uma crescente presença das mulheres nas atividades produtivas, mudando o comportamento desse segmento frente ao mercado de consumo, tendo em vista sua maior autonomia na administração e decisão sobre seus recursos pessoais ou da família. Concomitantemente, há que se considerar que mudanças demográficas, como o envelhecimento da população, a queda da taxa de natalidade e a redução do núcleo familiar, tanto no seu tamanho quanto na rede de relações, contribuem também para uma outra postura diante do mercado. Além disso, com a instituição do Código de Defesa do Consumidor, novos hábitos e atitudes se fortalecem gradualmente na população. Lembrando ainda de outros fatores recentes também decisivos na formação deste novo consumidor, destaca-se o acesso a bens e serviços que o segmento com menor poder aquisitivo teve a partir do plano de estabilização econômica. Essa vivência imprimiu novos padrões de consumo, criou novas necessidades e modificou definitivamente o seu comportamento e suas expectativas. O serviço público, cuja imagem, salvo raras exceções, é o reflexo da ineficiência e da burocracia, não ficou imune às transformações, passando recentemente pelo processo de privatização de alguns setores. Essas mudanças vêm sendo amplamente acompanhadas pela mídia, estimulando também o desenvolvimento de novas condutas da população diante de necessidades não atendidas. Isso é uma novidade, pois a tendência observada ao longo dos anos, retratava um conformismo e apatia frente à indiferença e falta de respostas da máquina estatal, como se não houvesse nada a fazer e nem adiantasse reclamar. A nova configuração sócio-demográfica da sociedade brasileira tem impacto direto no perfil dos usuários do serviço de transporte coletivo e, consequentemente, no serviço considerado desejável. ESTUDOS DE CASOS O usuário e o metrô Um exemplo maior desse processo de mudança de expectativas do usuário de transporte coletivo é o Metrô de São Paulo, que desde seu início vem realizando pesquisas de opinião e estudos sobre o comportamento de seu público. Certamente, esses dados podem ser considerados indicativos de tendências válidas para a população usuária de transporte coletivo da cidade, visto que a maior parte da clientela do metrô usa outros modos coletivos e representa uma parcela típica da população economicamente ativa. Comparando-se a composição da demanda do metrô hoje com a do início da operação, vê-se que a proporção dos sexos está pratica- 103 mente equilibrada, com a inserção mais efetiva das mulheres no mercado de trabalho; a população está mais envelhecida (usuários com até 34 anos passaram de 80% no início da operação para 64% em 97); de acordo com o fenômeno já citado, o nível de instrução elevouse significativamente (o percentual de pessoas com 2º grau completo e com nível universitário também completo passou de 32% para 61%); e, finalmente, registra-se a queda do número de usuários mais pobres, refletindo o mencionado aumento de renda dessa parcela e uma maior acessibilidade ao metrô. Tais alterações nas características do usuário convergem para uma mesma direção: um público mais maduro, instruído e com maior poder aquisitivo, com uma melhor visão do funcionamento e das deficiências do transporte coletivo e, naturalmente, mais exigente e conhecedor de seus direitos como cidadão. Antes de mais nada, em função da qualidade do serviço prestado e do atendimento diferenciado, o Metrô de São Paulo destacou-se entre os demais serviços públicos de transporte, impondo um novo padrão de serviço como parâmetro a ser seguido e, ao mesmo tempo, criando novas expectativas para a população da cidade. A tecnologia empregada no metrô, até então desconhecida, suscitava a crença de que ele seria um transporte muito rápido, com velocidade supersônica, seguro, confortável e moderno, e que possibilitaria a organização dos trajetos urbanos na cidade. Nessa época, a circulação urbana já se mostrava caótica em virtude do crescimento das viagens por transporte individual e do sistema de transporte público depender quase que exclusivamente do ônibus. Assim sendo, o metrô representou uma esperança de solução para esse problema. Com a integração do metrô ao ônibus e à ferrovia e, posteriormente, a operação da linha 3 - Vermelha, observa-se que as expectativas dos usuários sofrem um revés. Com o aumento da demanda a partir de 1979, devido à entrada de usuários de menor poder aquisitivo e quase sem preparo para o uso do sistema, o metrô deixa de ser identificado como o transporte preferencial da classe média. Iniciam-se os problemas de superlotação nas suas diversas áreas e, naturalmente, maior exigência por conforto, por ser, até então, um dos diferenciais do serviço, deixando de apresentar algumas das vantagens oferecidas pelo carro. Posteriormente, mais especificamente a partir de 1991, com a reorganização da economia e redução dos investimentos públicos, a expansão do metrô ficou seriamente comprometida e, no mesmo período, agravam-se os problemas urbanos, entre eles o de circulação e da violência. Com isso, as principais dificuldades de deslocamento da população passam a estar relacionadas à rapidez na 104

5 realização dos seus trajetos e à segurança pública. É interessante notar que a priorização da rapidez, particularmente em detrimento do conforto, se dá em função da percepção da saturação e limitação do sistema metroviário, decorrentes, entre outros fatores, da falta de investimentos em outros modos de transporte. Atualmente, o maior desejo da população em geral é por expansão mais rápida do sistema metroviário, tendo em vista que este é tido como o principal salvador do caos imperante na circulação urbana. O usuário e a ferrovia A ausência de investimentos para a recuperação da ferrovia, fazendo com que ela deixasse de cumprir o papel complementar ao metrô, na região Leste e nos trajetos de longo distância, evidenciou ainda mais as limitações daquele meio de transporte. O usuário construiu uma imagem negativa da ferrovia, associada a questões de ineficiência, obsolescência, desrespeito, insegurança, desconforto e desorganização, denotando uma idéia de abandono por parte do poder público e gestores. A ferrovia ficou identificada como transporte de pobre, de pessoas desprovidas de quaisquer benefícios sociais, sendo que seu uso traz um estigma de sub-cidadão e provoca discriminação no momento de procura de emprego, por exemplo. O não atendimento das necessidades de deslocamento dos usuários desse transporte faz com que uma parcela reaja agressivamente, depredando o sistema e ignorando suas regras de uso. Mesmo com todas essa mazelas, existe ainda um resquício na memória dos usuários sobre um transporte digno, da família e do trabalhador, que propiciava viagens agradáveis, fazendo com que haja o desejo e esperança de soluções para os seus problemas. Para esse segmento de usuários, que são residentes em regiões periféricas, as expectativas de melhoria da ferrovia englobam desde aumento e recuperação da frota para melhorar as condições de conforto e pontualidade, passando pela segurança pública, até adoção de um sistema de comunicação eficiente com o usuário, que dê informações sobre problemas de circulação e orientações importantes para o uso. O usuário e o sistema de ônibus Assim como a ferrovia, o sistema ônibus não foi capaz de dar respostas às necessidades de deslocamento da população. Tanto é assim que hoje se observa um movimento de migração para as lotações, cujas características positivas de conforto, maior rapidez da viagem, flexibilidade de trajeto e menor tempo de espera vêm preenchendo as lacunas deixadas pelo sistema regular. 105 Em comparação com outros modos, o ônibus ainda se destaca pela maior acessibilidade e pelo atendimento amplo aos desejos de destinos da população. Ele vem suprindo as limitações da rede de metrô, na opinião de seus usuários. Por ser um sistema que sofre interferências profundas dos congestionamentos urbanos, que dificultam o cumprimento dos horários e prolongam o tempo de permanência dentro do veículo, as principais reivindicações de seus usuários referem-se, logicamente, aos aspectos operacionais, como tempo de espera e de conforto. Mas, hoje, também são muito salientadas questões relativas à funcionalidade do sistema e à qualidade do atendimento. Dentre as expectativas em relação ao serviço de ônibus do município, apresentam-se como as mais importantes: redução do intervalo através do aumento da oferta, implementação de novas ramificações das linhas para diminuir o tempo de viagem, instalação de mais terminais urbanos para reduzir os percursos, construção de mais corredores segregados, padronização das frotas com veículos mais confortáveis e bem cuidados, incremento de serviços diferenciados como microônibus e linhas expressas, melhor preparo dos empregados para o atendimento ao público e campanhas educativas. Embora tendo expectativas parecidas, os usuários das linhas intermunicipais enfrentam condições ainda mais difíceis. Algumas regiões de moradia dessa população caracterizam-se como cidadesdormitório. São municípios mais distantes, com rede de infra-estrutura bastante deficitária, e que receberam a migração de segmentos de baixa renda, expulsos de outras regiões que ficaram mais valorizadas. Tais locais mantêm uma grande relação de dependência com a cidade de São Paulo, para a realização de atividades essenciais como trabalho, estudo, saúde, lazer e outros serviços básicos, levando seus moradores a fazer uso de transporte coletivo, com tempos de viagem geralmente muito longos. Desse modo, entre os anseios dos usuários das linhas de ônibus intermunicipais, a segurança pessoal, a certeza de chegar ao destino e a confiabilidade no cumprimento dos horários são os mais recorrentes. Suas principais demandas são: operação em linhas expressas, aumento da oferta nos horários de pico, maior conforto dos assentos dos veículos, ampliação do horário noturno e integração com o metrô. Também, surgiu, com muita ênfase, a necessidade de capacitação dos empregados para o atendimento ao público usuário. Isso confirma uma postura diferente do usuário frente aos serviços prestados, à medida que sua preocupação se amplia ao colocar, em patamares próximos de importância da rapidez e do conforto da viagem, ques- 106

6 tões relativas ao atendimento prestado pelos empregados, informações ao público em geral e racionalidade do sistema de transporte coletivo. Em síntese, o crescimento e a persistência dos meios alternativos, mais especificamente das lotações, só tem sido possível por responder às necessidades dos usuários não atendidas pelo sistema de transporte regular. Sua penetração não tem se restringido apenas aos segmentos mais desprovidos desse tipo de serviço, mas tem atingido também os estratos médios da população com a oferta de veículos mais confortáveis e sofisticados. O posicionamento de parcela expressiva da comunidade técnica, contrário à oficialização do transporte alternativo, por entender que provocará a desregulamentação do transporte convencional, não encontra eco entre a população. A sua existência é hoje uma exigência do mercado, que tem o seu funcionamento moldado pelas necessidades dos consumidores. Tal constatação pode ser observada em relação ao surgimento dos ônibus clandestinos, no início desta década, e, posteriormente, sua derrocada com o aparecimento de outros meios considerados mais atraentes como os lotações. As expectativas da população em relação aos diversos modos de transporte não se diferenciam substancialmente, pois trazem em seu núcleo o anseio por maior acessibilidade e rapidez nos deslocamentos. Diante da crise no sistema de circulação, o usuário percebe cada vez mais a necessidade de políticas de transporte público efetivas, em que sejam priorizadas as ações de expansão da rede metroviária, recuperação da ferrovia, construção de novos corredores exclusivos e terminais urbanos, para que haja uma significativa melhora dos deslocamentos na cidade. Pensam ainda que é imprescindível uma integração eficaz entre os diversos modos, demandando para isso uma ação conjunta e articulada dos gestores desses serviços. URBANOS DE SÃO PAULO - EMTU, Projeto usuário final, Unidade Técnica de Mercado da STM, SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO - SEMPLA, PREFEITURA DO MUNICÍ- PIO DE SÃO PAULO, São Paulo: crise e mudança, São Paulo, Ed. Brasiliense, SOUZA, Maria Adélia A. de, A identidade da metrópole, São Paulo, Ed. Hucitec - Edusp, ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE EMPRESAS DE TRANSPORTES URBANOS - NTU E AS- SOCIAÇÃO NACIONAL DE TRANSPORTES PÚBLICOS- ANTP, Transporte público urbano - crise e oportunidades, Brasília, Autores do trabalho da Comissão de Pesquisa de Opinião sobre Qualidade dos Serviços de Transporte da ANTP Augusto C. Portugal Gomes - SPTrans/SP; Carlos A. Pañella Motta - EMTU/SP; Cecília E. Fuentes Guedes - Metrô/SP; Denise Daud Cardoso - Metrô/SP; Maria Cristina F. Silva - Metrô/SP (coordenadora); Mauricio A. Bandeira de Melo - Transurb/SP e Patrícia Pacheco Bertozzi - EMTU/SP. BIBLIOGRAFIA CIA. PAULISTA DE TRENS METROPOLITANOS - CPTM, Atributos de imagem da ferrovia, Relatório de pesquisa qualitativa, CIA. DO METROPOLITANO DE SÃO PAULO - METRÔ, Caracterização socioeconômica do usuário e seus hábitos de viagem, Relatório de pesquisa quantitativa, 1974 a O Metrô segundo seu usuário - uma avaliação do serviço, Relatório de pesquisa quantitativa e qualitativa, 1974 a SÃO PAULO TRANSPORTES S.A. - SPTRANS, Imagem do serviço de ônibus do município de São Paulo, Relatório de pesquisa qualitativa, 1997/ Plano de transporte público de São Paulo/Documento Preliminar SECRETARIA DOS TRANSPORTES METROPOLITANOS DO GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO - STM, EMPRESA METROPOLITANA DE TRANSPORTES

PESQUISA DE MOBILIDADE DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO PRINCIPAIS RESULTADOS PESQUISA DOMICILIAR DEZEMBRO DE 2013

PESQUISA DE MOBILIDADE DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO PRINCIPAIS RESULTADOS PESQUISA DOMICILIAR DEZEMBRO DE 2013 PESQUISA DE MOBILIDADE DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO PRINCIPAIS RESULTADOS PESQUISA DOMICILIAR DEZEMBRO DE 2013 SUMÁRIO Página Capítulo 3 Objetivos, conceitos utilizados e metodologia 12 Dados socioeconômicos

Leia mais

Questão 1. Resposta A. Resposta B

Questão 1. Resposta A. Resposta B Questão 1 Ao longo do século XX, as cidades norte-americanas se organizaram espacialmente de um modo original: a partir do Central Business District (CBD), elas se estruturaram em circunferências concêntricas

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO DE INFRAESTRUTURA E MOBILIDADE URBANA

GRUPO DE TRABALHO DE INFRAESTRUTURA E MOBILIDADE URBANA DESENVOLVIMENTO DE LAY-OUT DE PROPOSTA ALTERNATIVA PARA O SISTEMA G DE TRANSPORTE PÚBLICO MULTIMODAL PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA GRANDE VITÓRIA GRUPO DE TRABALHO DE INFRAESTRUTURA E MOBILIDADE URBANA

Leia mais

SUGESTÕES PARA A REFORMULAÇÃO DOS SISTEMAS DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS URBANOS E METROPOLITANO DE PORTO ALEGRE 1

SUGESTÕES PARA A REFORMULAÇÃO DOS SISTEMAS DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS URBANOS E METROPOLITANO DE PORTO ALEGRE 1 SUGESTÕES PARA A REFORMULAÇÃO DOS SISTEMAS DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS URBANOS E METROPOLITANO DE PORTO ALEGRE 1 Contribuições ao debate do Conselho Deliberativo Metropolitano - CDM Por Mauri

Leia mais

QUAL O NÚMERO DE VEÍCULOS QUE CIRCULA EM SÃO PAULO?

QUAL O NÚMERO DE VEÍCULOS QUE CIRCULA EM SÃO PAULO? QUAL O NÚMERO DE VEÍCULOS QUE CIRCULA EM SÃO PAULO? RESENHA Carlos Paiva Qual o número de veículos que circula em um dia ou a cada hora do dia na Região Metropolitana, no município e no centro expandido

Leia mais

Planejamento da Mobilidade Urbana em Belo Horizonte

Planejamento da Mobilidade Urbana em Belo Horizonte Seminário de Mobilidade Urbana Planejamento da Mobilidade Urbana em Belo Horizonte Celio Bouzada 23 de Setembro de 2015 Belo Horizonte População de Belo Horizonte: 2,4 milhões de habitantes População da

Leia mais

História da Habitação em Florianópolis

História da Habitação em Florianópolis História da Habitação em Florianópolis CARACTERIZAÇÃO DAS FAVELAS EM FLORIANÓPOLIS No início do século XX temos as favelas mais antigas, sendo que as primeiras se instalaram em torno da região central,

Leia mais

Políticas de integração para mobilidade urbana em cidades coordenadas por diferente modais Wagner Colombini Martins 20/09/2013

Políticas de integração para mobilidade urbana em cidades coordenadas por diferente modais Wagner Colombini Martins 20/09/2013 Políticas de integração para mobilidade urbana em cidades coordenadas por diferente modais Wagner Colombini Martins 20/09/2013 A gestão pública brasileira é marcada pela atuação setorial, com graves dificuldades

Leia mais

ASSOCIAÇÃO UNIVERSIDADE EM REDE

ASSOCIAÇÃO UNIVERSIDADE EM REDE Como Associação que abarca as instituições de educação superior públicas tendo como finalidade o desenvolvimento da educação a distância, a UniRede apresenta abaixo as considerações relativas aos três

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2012 M U L H E R N O M E R C A D O D E T R A B A L H O: P E R G U N T A S E R E S P O S T A S A Pesquisa Mensal de Emprego PME,

Leia mais

Metodologia. MARGEM DE ERRO O intervalo de confiança estimado é de 95% e a margem de erro máxima é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos.

Metodologia. MARGEM DE ERRO O intervalo de confiança estimado é de 95% e a margem de erro máxima é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos. Metodologia COLETA Entrevistas domiciliares com questionário estruturado. LOCAL DA PESQUISA Município de São Paulo. UNIVERSO moradores de 16 anos ou mais. PERÍODO DE CAMPO de 26 de setembro a 1º de outubro

Leia mais

SITUAÇÃO ENCONTRADA NO DF EM 2007

SITUAÇÃO ENCONTRADA NO DF EM 2007 SITUAÇÃO ENCONTRADA NO DF EM 2007 Frota antiga e tecnologia obsoleta; Serviço irregular de vans operando em todo o DF 850 veículos; Ausência de integração entre os modos e serviços; Dispersão das linhas;

Leia mais

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960.

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. Glauber Lopes Xavier 1, 3 ; César Augustus Labre Lemos de Freitas 2, 3. 1 Voluntário Iniciação

Leia mais

I - A inserção dos trabalhadores negros nos mercados de trabalho metropolitanos entre 1998 e 2004

I - A inserção dos trabalhadores negros nos mercados de trabalho metropolitanos entre 1998 e 2004 DESIGUALDADE RACIAL EM MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS (ROTEIRO DE DIVULGAÇÃO) Embora a segregação racial esteja presente em várias manifestações e estruturas da sociedade brasileira, o mercado de

Leia mais

Ciclo de Debates sobre Mobilidade Urbana e Transportes Públicos no Estado de São Paulo

Ciclo de Debates sobre Mobilidade Urbana e Transportes Públicos no Estado de São Paulo Ciclo de Debates sobre Mobilidade Urbana e Transportes Públicos no Estado de São Paulo Integração Metropolitana do Transporte Público pelo Bilhete Único e Sistemas Estadual e Metropolitano de Transporte

Leia mais

OS ENTRAVES DA MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL: UMA CARACTERIZAÇÃO DOS MODAIS DE TRANSPORTE PÚBLICO

OS ENTRAVES DA MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL: UMA CARACTERIZAÇÃO DOS MODAIS DE TRANSPORTE PÚBLICO OS ENTRAVES DA MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL: UMA CARACTERIZAÇÃO DOS MODAIS DE TRANSPORTE PÚBLICO Nivaldo Gerôncio da Silva Filho 1 RESUMO: A mobilidade urbana sustentável começa a definir novos conceitos

Leia mais

Plano de Mobilidade Urbana Sustentável

Plano de Mobilidade Urbana Sustentável Viajeo Plus City Showcase in Latin America Plano de Mobilidade Urbana Sustentável Nívea Oppermann Peixoto, Ms Diretora de Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil EMBARQ Brasil auxilia governos e empresas

Leia mais

Job 150904 Setembro / 2015

Job 150904 Setembro / 2015 Job 50904 Setembro / Metodologia TÉCNICA DE LEVANTAMENTO DE DADOS: Entrevistas pessoais com questionário estruturado. LOCAL DA PESQUISA: Município de São Paulo. UNIVERSO: Moradores de 6 anos ou mais de

Leia mais

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es).

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es). A QUALIDADE DE VIDA SOB A ÓTICA DAS DINÂMICAS DE MORADIA: A IDADE ENQUANTO UM FATOR DE ACÚMULO DE ATIVOS E CAPITAL PESSOAL DIFERENCIADO PARA O IDOSO TRADUZIDO NAS CONDIÇÕES DE MORADIA E MOBILIDADE SOCIAL

Leia mais

Especificidades das mortes violentas no Brasil e suas lições. Maria Cecília de Souza Minayo

Especificidades das mortes violentas no Brasil e suas lições. Maria Cecília de Souza Minayo Especificidades das mortes violentas no Brasil e suas lições Maria Cecília de Souza Minayo 1ª. característica: elevadas e crescentes taxas de homicídios nos últimos 25 anos Persistência das causas externas

Leia mais

Ministério Público do Estado de Mato Grosso 29ª Promotoria de Justiça de Defesa da Ordem Urbanística de Cuiabá

Ministério Público do Estado de Mato Grosso 29ª Promotoria de Justiça de Defesa da Ordem Urbanística de Cuiabá Ministério Público do Estado de Mato Grosso 29ª Promotoria de Justiça de Defesa da Ordem Urbanística de Cuiabá Carlos Eduardo Silva Promotor de Justiça Abr. 2015 Direito à Cidade/Mobilidade Urbana O ambiente

Leia mais

POLÍTICA DE TRANSPORTE. Espaço exclusivo Caminhos Desobstruídos. Serviço em Rede. Operação Controlada Regularidade Confiabilidade

POLÍTICA DE TRANSPORTE. Espaço exclusivo Caminhos Desobstruídos. Serviço em Rede. Operação Controlada Regularidade Confiabilidade POLÍTICA DE TRANSPORTE QUALIFICAR O Serviço de Transporte por Ônibus Espaço exclusivo Caminhos Desobstruídos Serviço em Rede Flexibilidade de Trajetos Racionalidade de Caminhos Operação Controlada Regularidade

Leia mais

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE. DA REPRODUÇÃO DA VIDA E PODE SER ANALISADO PELA TRÍADE HABITANTE- IDENTIDADE-LUGAR. OBJETIVOS ESPECÍFICOS A. Caracterizar o fenômeno da urbanização como maior intervenção humana

Leia mais

Como transformar o direito à mobilidade em indicadores de políticas públicas?

Como transformar o direito à mobilidade em indicadores de políticas públicas? Como transformar o direito à mobilidade em indicadores de políticas públicas? Uma contribuição - INCT Observatório das Metrópoles - Projeto: Metropolização e Mega-eventos: os impactos da Copa do Mundo/2014

Leia mais

SP 01/04/92 NT 144/92. Telemarketing: Uma Alternativa de Pesquisa de Opinião para o Sistema de Transporte Público

SP 01/04/92 NT 144/92. Telemarketing: Uma Alternativa de Pesquisa de Opinião para o Sistema de Transporte Público SP 01/04/92 NT 144/92 Telemarketing: Uma Alternativa de Pesquisa de Opinião para o Sistema de Transporte Público Assessoria Técnica da Presidência - ATE Introdução Nas grandes cidades, as restrições naturais

Leia mais

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DE PORTO ALEGRE NOS ANOS 2000 Boletim Especial: Dia Internacional das Mulheres MARÇO/2010 Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho

Leia mais

Transporte e Planejamento Urbano

Transporte e Planejamento Urbano Transporte e Planejamento Urbano para o Desenvolvimento da RMRJ Julho/2014 Cidades a maior invenção humana As cidades induzem a produção conjunta de conhecimentos que é a criação mais importante da raça

Leia mais

DEDICATED TO MAKING A DIFFERENCE. obilidade. relatorio sintético

DEDICATED TO MAKING A DIFFERENCE. obilidade. relatorio sintético DEDICATED TO MAKING A DIFFERENCE obilidade relatorio sintético relatorio sintético O relatório a seguir representa uma fotografia da mobilidade no mundo no início do século XXI e identifica as ameaças

Leia mais

Gráfico nº 1 - Variação do Nível de Atividade 1T/08-1T/07 Elaboração Núcleo de Pesquisa Industrial da FIEA 52,08

Gráfico nº 1 - Variação do Nível de Atividade 1T/08-1T/07 Elaboração Núcleo de Pesquisa Industrial da FIEA 52,08 Resumo Executivo A Sondagem Industrial procura identificar a percepção dos empresários sobre o presente e as expectativas sobre o futuro. Os dados apresentados servem como parâmetro capaz de mensurar o

Leia mais

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão 1 V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Painel: Desenvolvimento Institucional Mudanças na Cultura de Gestão Roteiro: 1. Perfil das organizações do PAD. 2. Desenvolvimento Institucional:

Leia mais

REPARTIÇÃO INTERMODAL DO TRÁFEGO

REPARTIÇÃO INTERMODAL DO TRÁFEGO REPARTIÇÃO INTERMODAL DO TRÁFEGO 1.Introdução A divisão modal pode ser definida como a divisão proporcional de total de viagens realizadas pelas pessoas e cargas, entre diferentes modos de viagem. Se refere

Leia mais

Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015. Coordenação: Juciano Martins Rodrigues. Observatório das Metrópoles

Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015. Coordenação: Juciano Martins Rodrigues. Observatório das Metrópoles Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015 Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015 Coordenação: Juciano Martins Rodrigues Observatório das Metrópoles Luiz Cesar de Queiroz

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Porto Alegre: transformações na metrópole e na Região Metropolitana mais meridional do Brasil (1980-2010)

Porto Alegre: transformações na metrópole e na Região Metropolitana mais meridional do Brasil (1980-2010) Observatório das Metrópoles INCT/CNPq Porto Alegre: transformações na metrópole e na Região Metropolitana mais meridional do Brasil (1980-2010) Luciano Joel Fedozzi Paulo Roberto Rodrigues Soares Observatório

Leia mais

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Marcia Heloisa P. S. Buccolo, consultora jurídica de Edgard Leite Advogados

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. 1.1 Motivação e Justificativa

1 INTRODUÇÃO. 1.1 Motivação e Justificativa 1 INTRODUÇÃO 1.1 Motivação e Justificativa A locomoção é um dos direitos básicos do cidadão. Cabe, portanto, ao poder público normalmente uma prefeitura e/ou um estado prover transporte de qualidade para

Leia mais

Mobilidade Urbana: Esse Problema tem Solução? Ronaldo Balassiano Programa de Engenharia de Transportes PET/COPPE/UFRJ

Mobilidade Urbana: Esse Problema tem Solução? Ronaldo Balassiano Programa de Engenharia de Transportes PET/COPPE/UFRJ Mobilidade Urbana: Esse Problema tem Solução? Ronaldo Balassiano Programa de Engenharia de Transportes PET/COPPE/UFRJ 1 1 Introdução Sustentabilidade Mudança nos atuais modelos de produção e consumo Alternativas

Leia mais

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior 5.1 Nome da iniciativa ou Projeto Academia Popular da Pessoa idosa 5.2 Caracterização da Situação Anterior O envelhecimento é uma realidade da maioria das sociedades. No Brasil, estima-se que exista, atualmente,

Leia mais

AS INTERFACES DO PLANEJAMENTO URBANO COM A MOBILIDADE

AS INTERFACES DO PLANEJAMENTO URBANO COM A MOBILIDADE AS INTERFACES DO PLANEJAMENTO URBANO COM A MOBILIDADE Quando focalizamos a condição de sermos moradores de um aglomerado, isso nos remete a uma posição dentro de um espaço físico, um território. Esse fato,

Leia mais

País predominantemente urbano: cerca de 80% da população brasileira mora em cidades.

País predominantemente urbano: cerca de 80% da população brasileira mora em cidades. A Política de Mobilidade Urbana no desenvolvimento das cidades! AS CIDADES País predominantemente urbano: cerca de 80% da população brasileira mora em cidades. Processo de urbanização caracterizado pelo

Leia mais

A REDE URBANA NO VALE DO PARAÍBA: ESTAGNAÇÃO ECONÔMICA DO MUNÍCIPIO DE REDENÇÃO DA SERRA

A REDE URBANA NO VALE DO PARAÍBA: ESTAGNAÇÃO ECONÔMICA DO MUNÍCIPIO DE REDENÇÃO DA SERRA A REDE URBANA NO VALE DO PARAÍBA: ESTAGNAÇÃO ECONÔMICA DO MUNÍCIPIO DE REDENÇÃO DA SERRA RODRIGO ALEXANDRE PEREIRA CALDERARO 1 e EVÂNIO DOS SANTOS BRANQUINHO 2 calderaro.ro@gmail.com; evanio.branquinho@unifal-mg.edu.br

Leia mais

A REGIÃO METROPOLITA NA NA REVISÃO DO PLANO DIRETOR DE CURITIBA

A REGIÃO METROPOLITA NA NA REVISÃO DO PLANO DIRETOR DE CURITIBA A REGIÃO METROPOLITA NA NA REVISÃO DO PLANO DIRETOR DE CURITIBA SITUAÇÃO ATUAL INTEGRAÇÃO METROPOLITANA NA LEI ORGÂNICA DE CURITIBA TÍTULO IV - DA ORDEM ECONÔMICA E SOCIAL CAPÍTULO I - DA ORDEM ECONÔMICA

Leia mais

MOBILIDADE URBANA. André Abe Patricia Stelzer

MOBILIDADE URBANA. André Abe Patricia Stelzer MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL André Abe Patricia Stelzer Atualmente, a mobilidade urbana é parte da política de desenvolvimento urbano sustentável. Trata do deslocamento de bens e pessoas e do atendimento

Leia mais

Centro Educacional Juscelino Kubitschek

Centro Educacional Juscelino Kubitschek Centro Educacional Juscelino Kubitschek ALUNO: N.º: DATA: / /2011 ENSINO FUNDAMENTAL SÉRIE: 6ª série/7 ano TURMA: TURNO: DISCIPLINA: GEOGRAFIA PROFESSOR: Equipe de Geografia Roteiro e lista de Recuperação

Leia mais

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO 1 DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO Cesar Simões Salim Professor e Autor de livros de empreendedorismo cesar.salim@gmail.com Visite meu blog: http://colecaoempreendedorismo.blogspot.com/

Leia mais

Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste

Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste Introdução De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Juliano Varela de Oliveira 2 O Desenvolvimento Sustentável é uma proposta alternativa ao modelo de desenvolvimento com viés puramente

Leia mais

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO MARÇO 2013 A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

www.supervia.com.br 1

www.supervia.com.br 1 www.supervia.com.br 1 Trens Urbanos no Rio de Janeiro Histórico Antes da privatização, sob condições de transporte inadequadas, o número de passageiros caiu consistentemente Média de passageiros dias úteis

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: LOCOMOÇÃO URBANA AGOSTO/2011

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: LOCOMOÇÃO URBANA AGOSTO/2011 RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: LOCOMOÇÃO URBANA AGOSTO/2011 PESQUISA CNI-IBOPE CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI Robson Braga de Andrade Presidente Diretoria Executiva - DIREX José Augusto Coelho

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

URBANIZAÇÃO BRASILEIRA: ALGUNS COMENTÁRIOS. Profa. Dra. Vera Lúcia Alves França

URBANIZAÇÃO BRASILEIRA: ALGUNS COMENTÁRIOS. Profa. Dra. Vera Lúcia Alves França URBANIZAÇÃO BRASILEIRA: ALGUNS COMENTÁRIOS Profa. Dra. Vera Lúcia Alves França A década de 1930 do século XX traz para a população brasileira um novo momento, quanto a sua distribuição. Até então, a população

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

Analisando viagens a pé e por bicicletas na integração com transporte de massa

Analisando viagens a pé e por bicicletas na integração com transporte de massa Analisando viagens a pé e por bicicletas na integração com transporte de massa Fernanda Borges Monteiro, Vânia Barcellos Gouvêa Campos arqnandy@gmail.com; vania@ime.eb.br Instituto Militar de Engenharia

Leia mais

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Em 2012, ocorreram 2.767 óbitos por Aids no Estado de São Paulo, o que representa importante queda em relação ao pico observado em 1995 (7.739). A

Leia mais

Reforma Agrária e Assentamentos Rurais: caminhos para erradicação da pobreza e para a Segurança Alimentar

Reforma Agrária e Assentamentos Rurais: caminhos para erradicação da pobreza e para a Segurança Alimentar Reforma Agrária e Assentamentos Rurais: caminhos para erradicação da pobreza e para a Segurança Alimentar Sonia Maria Pessoa Pereira Bergamasco Feagri/UNICAMP Fórum: Combate à Pobreza e Segurança Alimentar

Leia mais

Manutenção das desigualdades nas condições de inserção

Manutenção das desigualdades nas condições de inserção A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MARÇO 2014 Manutenção das desigualdades nas condições de inserção De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2ª PROVA PARCIAL DE GEOGRAFIA Aluno(a): Nº Ano: 8º Turma: Data: 04/06/2011 Nota: Professor: Edvaldo Valor da Prova: 40 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

TREM DE GUARULHOS EXPRESSO AEROPORTO

TREM DE GUARULHOS EXPRESSO AEROPORTO TREM DE GUARULHOS EXPRESSO AEROPORTO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO 2 Municípios Habitantes PIB (Regional) Comércio e Serviços 39 18,6 milhões 10,5% população Brasileira R$ 244 Bilhões 15,7% PIB Brasileiro

Leia mais

TÉCNICA DE LEVANTAMENTO DE DADOS: Entrevistas pessoais com questionário estruturado.

TÉCNICA DE LEVANTAMENTO DE DADOS: Entrevistas pessoais com questionário estruturado. Job 44/4 Setembro/04 Metodologia TÉCNICA DE LEVANTAMENTO DE DADOS: Entrevistas pessoais com questionário estruturado. LOCAL DA PESQUISA: Município de São Paulo. UNIVERSO: Moradores de 6 anos ou mais de

Leia mais

Mobilidade urbana: realidade e perspectivas

Mobilidade urbana: realidade e perspectivas Mobilidade urbana: Josef Barat realidade e perspectivas Fórum Nordeste 2030 Visão Estratégica Recife, 14 de Agosto de 2013 Importância da mobilidade urbana Econômica: Necessária para o bom desempenho das

Leia mais

2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS

2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS 2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS Neste capítulo se pretende avaliar os movimentos demográficos no município de Ijuí, ao longo do tempo. Os dados que fomentam a análise são dos censos demográficos, no período 1920-2000,

Leia mais

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos:

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos: 1 INTRODUÇÃO Sobre o Sou da Paz: O Sou da Paz é uma organização que há mais de 10 anos trabalha para a prevenção da violência e promoção da cultura de paz no Brasil, atuando nas seguintes áreas complementares:

Leia mais

Apesar da Lei que institui as diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana, datar de janeiro de 2012, até agora, passados dois anos

Apesar da Lei que institui as diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana, datar de janeiro de 2012, até agora, passados dois anos O presente projeto de Lei que autoriza a implantação do Corredor Capão Redondo / Campo Limpo / Vila Sonia é apresentado de maneira descolada do Projeto de Lei 0017/2014, ora em 2ª votação, e que autoriza

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Superior Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais

O Modelo de Desenvolvimento Brasileiro

O Modelo de Desenvolvimento Brasileiro GESTÃO DE MACROPOLÍTICAS PÚBLICAS FEDERAIS O Modelo de Desenvolvimento Brasileiro Esther Dweck Brasília Ministério do Planejamento 04 de fevereiro de 2014 O modelo de desenvolvimento brasileiro Objetivos

Leia mais

Planejamento das Linhas de ônibus no Rio com a derrubada da perimetral.

Planejamento das Linhas de ônibus no Rio com a derrubada da perimetral. Planejamento das Linhas de ônibus no Rio com a derrubada da perimetral. Aline Leite 1 ; Daniel Lopes 1 ; Eduardo Tavares da Silva 2 ; Eunice Horário Teixeira 2 ; Jorge Tiago Bastos 2 ; Luciana Brizon 2

Leia mais

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens Um país de idosos Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens A expectativa de vida do brasileiro aumentou mais de 20 anos em

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL: POR UMA ACESSIBILIDADE MAIS JUSTA

BOAS PRÁTICAS DE MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL: POR UMA ACESSIBILIDADE MAIS JUSTA BOAS PRÁTICAS DE MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL: POR UMA ACESSIBILIDADE MAIS JUSTA Nivaldo Gerôncio da Silva Filho 1 Resumo: Nos últimos 20 anos, as preocupações com os fatores socioambientais vêm se configurando

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

na região metropolitana do Rio de Janeiro

na região metropolitana do Rio de Janeiro O PERFIL DOS JOVENS EMPREENDEDORES na região metropolitana do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL MARÇO DE 2013 Nº21 PANORAMA GERAL Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD/IBGE) de 2011,

Leia mais

Condições de vida das pessoas com deficiência no Brasil

Condições de vida das pessoas com deficiência no Brasil Condições de vida das pessoas com deficiência no Brasil Relatório de Pesquisa de Opinião Pública Nacional Metodologia Pesquisa de opinião pública tipo quantitativa Universo: Cadastro de pessoas do IBDD

Leia mais

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL META Refletir sobre as características da população brasileira como fundamento para a compreensão da organização do território e das políticas de planejamento e desenvolvimento

Leia mais

MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA-PB SUPERINTENDÊNCIA

MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA-PB SUPERINTENDÊNCIA MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA-PB SUPERINTENDÊNCIA DE TRANSPORTE E TRANSITO DE JOÃO PESSOA STTRANS EDITAL DE CONCORRÊNCIA Nº 001/2011 PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 2010/047142 ANEXO IV DIRETRIZES PARA A REESTRUTURAÇÃO

Leia mais

Política de humanização no estado de São Paulo

Política de humanização no estado de São Paulo Artigo Política de humanização no estado de São Paulo Por Eliana Ribas A autora é psicanalista e doutora em Psicologia Clínica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Atua como coordenadora

Leia mais

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento)

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Nos dois últimos anos, vimos construindo as bases de um crescimento sustentável e socialmente benéfico para a grande maioria dos brasileiros.

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

Pesquisa de Satisfação QualiÔnibus. Cristina Albuquerque Engenheira de Transportes EMBARQ Brasil

Pesquisa de Satisfação QualiÔnibus. Cristina Albuquerque Engenheira de Transportes EMBARQ Brasil Pesquisa de Satisfação QualiÔnibus Cristina Albuquerque Engenheira de Transportes EMBARQ Brasil Qualificar o serviço de transporte coletivo por ônibus para manter e atrair novos usuários ao sistema e tornar

Leia mais

MOBILIDADE URBANA EM PRESIDENTE PRUDENTE: O TRANSPORTE COLETIVO E SUAS POSSIBILIDADES

MOBILIDADE URBANA EM PRESIDENTE PRUDENTE: O TRANSPORTE COLETIVO E SUAS POSSIBILIDADES 480 MOBILIDADE URBANA EM PRESIDENTE PRUDENTE: O TRANSPORTE COLETIVO E SUAS POSSIBILIDADES Poliana de Oliveira Basso¹, Sibila Corral de Arêa Leão Honda². ¹Discente do curso de Arquitetura e Urbanismo da

Leia mais

LEVANTAMENTO DEMOGRÁFICO E ESTUDO DA QUALIDADE DE VIDA COMO SUBSIDIO A GESTÃO TERRITORIAL EM FRANCISCO BELTRÃO ESTADO DO PARANÁ BRASIL

LEVANTAMENTO DEMOGRÁFICO E ESTUDO DA QUALIDADE DE VIDA COMO SUBSIDIO A GESTÃO TERRITORIAL EM FRANCISCO BELTRÃO ESTADO DO PARANÁ BRASIL LEVANTAMENTO DEMOGRÁFICO E ESTUDO DA QUALIDADE DE VIDA COMO SUBSIDIO A GESTÃO TERRITORIAL EM FRANCISCO BELTRÃO ESTADO DO PARANÁ BRASIL José Francisco de Gois 1 Vera Lúcia dos Santos 2 A presente pesquisa

Leia mais

PALESTRA A SER PROFERIDA EM QUITO PELO SR SECRETÁRIO DE ESTADO DE TRANSPORTES DO DISTRITO FEDERAL

PALESTRA A SER PROFERIDA EM QUITO PELO SR SECRETÁRIO DE ESTADO DE TRANSPORTES DO DISTRITO FEDERAL PALESTRA A SER PROFERIDA EM QUITO PELO SR SECRETÁRIO DE ESTADO DE TRANSPORTES DO DISTRITO FEDERAL Senhoras e senhores É com grande satisfação que participo dessa primeira Conferência de Gerenciamento de

Leia mais

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR SANTOS, Elaine Ferreira dos (estagio II), WERNER, Rosiléa Clara (supervisor), rosileawerner@yahoo.com.br

Leia mais

F n i a n n a c n i c a i m a en e t n o Foco: Objetivo:

F n i a n n a c n i c a i m a en e t n o Foco: Objetivo: FINANCIAMENTO DO SUAS: GESTÃO MUNICIPAL E AS DESIGUALDADES REGIONAIS Financiamento Foco: competências da gestão municipal, especialmente no enfrentamento das desigualdades regionais exige o debate sobre

Leia mais

PLANOS DE MOBILIDADE URBANA

PLANOS DE MOBILIDADE URBANA IMPLANTAÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA: PLANOS DE MOBILIDADE URBANA RENATO BOARETO Brasília, 28 de novembro de 2012 Organização Não Governamental fundada em 2006 com a missão de apoiar a

Leia mais

III Conferência Municipal de Política Urbana ESTUDOS URBANOS Transformações recentes na estrutura urbana

III Conferência Municipal de Política Urbana ESTUDOS URBANOS Transformações recentes na estrutura urbana III Conferência Municipal de Política Urbana ESTUDOS URBANOS Transformações recentes na estrutura urbana PBH/SMURBE Núcleo de Planejamento Urbano da Secretaria Municipal de Políticas Urbanas de Belo Horizonte

Leia mais

O SISTEMA DE PARCERIAS COM O TERCEIRO SETOR NA CIDADE DE SÃO PAULO

O SISTEMA DE PARCERIAS COM O TERCEIRO SETOR NA CIDADE DE SÃO PAULO O SISTEMA DE PARCERIAS COM O TERCEIRO SETOR NA CIDADE DE SÃO PAULO Januário Montone II Congresso Consad de Gestão Pública Painel 23: Inovações gerenciais na saúde O SISTEMA DE PARCERIAS COM O TERCEIRO

Leia mais

INVESTIMENTOS NO METRÔ DE SÃO PAULO

INVESTIMENTOS NO METRÔ DE SÃO PAULO INVESTIMENTOS NO METRÔ DE SÃO PAULO Fonte: Relatório 2001 do Governo do Estado de SP O sistema metroviário de São Paulo paga suas operações e ainda devolve aos cofres do Estado os investimentos realizados.

Leia mais

COPA DO MUNDO FIFA 2014 BRASIL. Oportunidades e Desafios

COPA DO MUNDO FIFA 2014 BRASIL. Oportunidades e Desafios COPA DO MUNDO FIFA 2014 BRASIL Oportunidades e Desafios COPA DO MUNDO - OPORTUNIDADES Um evento esportivo do porte de uma Copa do Mundo é como uma grande vitrine do país no exterior e corresponde a um

Leia mais

Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola.

Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola. Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola. Chico Poli Algumas vezes, fora da escola há até mais formação do que na própria escola. (M. G. Arroyo) É preciso toda uma

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO DOS SERVIÇOS DE PRÉ-EMBARQUE

RELATÓRIO TÉCNICO DOS SERVIÇOS DE PRÉ-EMBARQUE RELATÓRIO TÉCNICO DOS SERVIÇOS DE PRÉ-EMBARQUE agosto/2005 Cenário São Paulo tem uma das maiores frotas de ônibus do mundo. São quase 15 mil ônibus, para o transporte diário de mais de 6 milhões de passageiros.

Leia mais

Seminário: Mobilidade Urbana e Transportes Públicos no Estado de São Paulo

Seminário: Mobilidade Urbana e Transportes Públicos no Estado de São Paulo : Mobilidade Urbana e Transportes Públicos no Estado de São Paulo Tema: Uma Agenda para a Mobilidade Urbana da Metrópole Planejamento Urbano, Mobilidade e Modos Alternativos de Deslocamento Engº Jaime

Leia mais

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014 GEOGRAFIA QUESTÃO 1 A Demografia é a ciência que estuda as características das populações humanas e exprime-se geralmente através de valores estatísticos. As características da população estudadas pela

Leia mais

Cidades e Aeroportos no Século XXI 11

Cidades e Aeroportos no Século XXI 11 Introdução Nos trabalhos sobre aeroportos e transporte aéreo predominam análises específicas que tratam, por exemplo, do interior do sítio aeroportuário, da arquitetura de aeroportos, da segurança aeroportuária,

Leia mais

Unesp 2014/2 Geografia 2ª Fase

Unesp 2014/2 Geografia 2ª Fase QUESTÃO 5 (Placas Tectônicas e Terremotos) A partir das informações apresentadas e de conhecimentos geográficos, indique as áreas e as razões que levam algumas zonas do planeta a estarem sujeitas a maior

Leia mais

BRASIL EXCLUDENTE E CONCENTRADOR. Colégio Anglo de Sete Lagoas Prof.: Ronaldo Tel.: (31) 2106 1750

BRASIL EXCLUDENTE E CONCENTRADOR. Colégio Anglo de Sete Lagoas Prof.: Ronaldo Tel.: (31) 2106 1750 BRASIL EXCLUDENTE E CONCENTRADOR As crises econômicas que se sucederam no Brasil interromperam a política desenvolvimentista. Ocorre que o modelo de desenvolvimento aqui implantado (modernização conservadora

Leia mais

Mapa 11: Itinerários das Linhas Diametrais - por Grupo de Operação. Ribeirão Preto - SP/2010

Mapa 11: Itinerários das Linhas Diametrais - por Grupo de Operação. Ribeirão Preto - SP/2010 200000 205000 210000 215000 220000 Mapa 11: Itinerários das Linhas Diametrais - por Grupo de Operação. Ribeirão Preto - SP/2010 7660000 7665000 195000 Legenda Linhas Diametrais Rápido D Oeste (4) 7655000

Leia mais

ESPELHO DE EMENDA INICIATIVA

ESPELHO DE EMENDA INICIATIVA SISTEMA DE ELABORAÇÃO DE S ÀS LEIS ORÇAMENTÁRIAS ESPELHO DE Inclusão de Iniciativa no Ministério da Educação Página: 1563 de 2301 AUTOR DA Otavio Leite 25100001 2030 - Educação Básica 0598 - Apoiar o educando,

Leia mais

O impacto do INCLUSP no ingresso de estudantes da escola pública na USP

O impacto do INCLUSP no ingresso de estudantes da escola pública na USP VERSÃO: 03-04-2008 2 O impacto do INCLUSP no ingresso de estudantes da escola pública na USP 1. Apresentação do Programa O Programa de Inclusão Social da USP (INCLUSP) foi concebido a partir da preocupação

Leia mais