Distribuição de Frequência

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Distribuição de Frequência"

Transcrição

1 Distribuição de Frequência Tabela de requências Tabela de classiicação simples Tabela de classiicação cruzada Representação gráica Histograma Polígono de requências Distribuição de requências e gráicos A distribuição de requências é uma orma muito útil de resumir a inormação sobre uma ou mais variáveis Trata da organização de um conunto de medidas ou observações em classes, indicando a requência de observações em cada classe Formato é muito sensível ao número de observações disponíveis 1 Distribuição de requências e gráicos Além de resumir a inormação, tem por inalidade: 1. Representar a orma como os valores das variáveis se distribuem (localização da maioria dos valores, simetria, número de picos e ormato das caudas). Indicar qual modelo de distribuição de probabilidade poderia ser adequado para esses dados, pois ornece uma idéia empírica da distribuição da população Tabelas de classiicação simples As características dessas tabelas variam de acordo com o tipo de variável em estudo. Se a variável é do tipo categórica ou numérica discreta (com poucos valores), devemos obter as requências para cada nível dessa variável. Se a variável é do tipo numérica contínua nua, devemos primeiro construir intervalos e depois obter as requências para cada intervalo. 3 1

2 Distribuição de requências Construção da tabela Quando a variável or categórica ou numérica discreta (com poucos valores), a tabela de distribuição de requências apresentará a seguinte característica: cada valor da variável constituirá uma classe. Exemplo VARIÁVEL CATEGÓRICA Variável em estudo: conceito na disciplina de Estatística stica Dados brutos: ruim, médio, bom, médio, ruim, médio, ruim, médio, ruim, bom, médio, médio, bom, médio, médio, médio, ótimo, médio, bom, ótimo, bom, ótimo, médio, ótimo, médio, ruim, médio, ótimo, médio, médio, bom, ruim, bom, bom, médio, ruim, médio, médio, ótimo, médio, bom, ruim, ruim, bom, médio, médio, ruim, bom, médio, médio, bom, bom, bom, médio, ruim, bom, médio, médio, ruim, médio 5 Para construir a tabela devemos seguir apenas dois passos: 1 o passo: Identiicar e ordenar as categorias ou valores da variável. Cada categoria ou valor constituirá uma classe. O número da classe é representado por, tal que =1,,..., k, k onde k é o número total de classes. Número da classe () Classe 1 Ruim Médio 3 Bom Ótimo º passo: Contar o número de elementos em cada classe, ou sea, contar quantas vezes o dado está repetido. Classe F 1 Ruim 1 Médio 3 Bom 15 Ótimo Σ 0 Os valores provenientes desta contagem, denotados por F, são denominados requências absolutas das classes. Outras requências importantes: Frequência absoluta acumulada, denotada por, expressa o número de elementos acumulados em cada classe. Classe F 1 Ruim 1 1 Médio 39 3 Bom 15 5 Ótimo 0 Σ 0-8

3 Outras requências importantes: Frequência relativa, denotada por, expressa a proporção de elementos em cada classe. Classe F 1 Ruim 1 1 0, Médio 39 0,5 3 Bom ,5 Ótimo 0 0,1 Σ 0-1 Outras requências importantes: Frequência relativa acumulada, denotada por, expressa a proporção de elementos acumulada em cada classe. Classe F 1 Ruim 1 1 0, 0, Médio 39 0,5 0,5 3 Bom ,5 0,90 Ótimo 0 0,1 1 Σ F 9 10 Interpretação proporção de alunos que obtiveram até conceito MédioM número de alunos que obtiveram até conceito Bom Classe F 1 Ruim 1 1 0, 0, Médio 39 0,5 0,5 3 Bom ,5 0,90 Ótimo 0 0,1 1 Σ proporção de alunos que obtiveram conceito Ruim número de alunos que obtiveram conceito Ótimo 11 Exemplo - VARIÁVEL VEL NUMÉRICA DISCRETA Variável em estudo: número de animais portadores de brucelose em 350 propriedades Dados brutos:, 5,, 0,,, 3,,,, 3, 3, 5, 3, 5, 1,,,, 3, 5,, 3, 3,, 3, 0,,, 3,, 0,, 0,, 3, 3, 1,,,,... 1º passo: Identiicar e ordenar os valores da variável º passo: Contar o número de elementos em cada classe. Classe F Σ

4 Interpretação Classe F ,151 0, ,11 0, ,3 0, ,33 0, ,088 0, ,09 0, ,005 1 Σ Exercício proposto: Os dados a seguir se reerem ao número diário de pães não vendidos em uma certa padaria até a hora do encerramento do expediente: Construa a distribuição de requências para esses dados Resolução: Classe F ,5 0,5 1 0,15 0, ,15 0, ,05 0, ,05 0, , , ,05 1 Σ Distribuição de requências para variáveis contínuas Exemplo: Variável em estudo: valores gastos (em reais) pelas primeiras 50 pessoas que entraram num determinado Supermercado, no dia 01/01/000. Dados brutos: 3,03 19,5 5,0 5,13,9 18,3 13,8 15,3 3,3 15, 1,00,5 85, 38, 8,3,58 0,1 93,3 8,5, 3,0,9 8,0 5,5 3,11 8,88 9, 10,81 1,9 8,38 18,3 1, 1,0, 19,50 1,39 39,1,08 38,98 19,, 8,08 59,0 8,0,, 5,80 0,3 50,39 0,

5 As variáveis veis contínuas nuas, em geral, assumem muitos valores dierentes uns dos outros. Para contornar problemas desse tipo, as tabelas de distribuição de requências são construídas de modo que cada classe sea constituída por um intervalo de valores da variável. Quando variáveis discretas assumem muitos valores dierentes é usual agrupar os dados discretos em intervalos de classe. Construção da tabela 1 o passo: Ordenar o conunto de dados: colocar os dados brutos em ordem crescente de grandeza (rol). Dados ordenados: 3,11 8,88 9, 10,81 1,9 13,8 15,3 15, 1,00 1,39 18,3 18,3 19, 19,50 19,5 0,1 0,59, 3,0,,58 5,13,,,5 8,0 8,08 8,38 3,03 3,3 38,98 38, 39,1 1,0,9,08, 5,0,9 8,5 50,39 5,5 5,80 59,0 1, 0,3 8,0 85, 8,3 93, Construção da tabela o passo: Determinar o número de classes (k) da tabela. De modo geral, esse valor não deverá ser inerior a 5 e nem superior a 15. Essa deinição deverá ser orientada pelos obetivos do trabalho, mas existem algumas regras obetivas de determinação, como, por exemplo: Regras para determinação do número de classes: Arredondar para cima (inteiro) k = n k = 1+ 3,3 log n Regra empírica onde: k: número n de classes n: número n de observações Fórmula de Sturges 19 3 o passo: Determinar a amplitude do intervalo de classe. Para isso utilizamos a expressão onde: i: amplitude do intervalo a t : amplitude total = x (n) x (1) at i = k o passo: Construir os intervalos de classe. Classe 1 x (1) x (1) + i x (1) + i x (1) + i 3 x (1) + i x (1) + 3i Arredondar para cima x (1) = Extremo Inerior x (n) = Extremo Superior 5 o passo: Contar o número de elementos em cada classe. 0 5

6 Na construção dos intervalos de classe, é importante observar que: Recomenda-se o uso de intervalos de mesma amplitude, mas eventualmente uma amplitude variável poderá ser mais adequada ao contexto; Deve ser garantido que todas as observações seam classiicadas; As classes são mutuamente exclusivas, ou sea, uma observação pertence a uma única classe; Com exceção da última classe, que é echada à esquerda e à direita, os intervalos são echados à esquerda e abertos à direita, de modo que um valor que coincida com o extremo superior será classiicado na classe seguinte. Exemplo: Tomemos a seguinte variável: X = peso ao nascer (em kg) de 0 bovinos machos da raça Ibagé, para a qual os valores observados (e á ordenados) oram: 1, 1, 1, 18, 18, 18, 19, 0, 0, 0, 0, 0, 1, 1,,, 3, 3, 3, 3, 3, 3, 3, 3, 3, 5, 5, 5, 5, 5, 5,,,,,,, 8, 8, 8, 9, 9, 9, 30, 30, 30, 30, 30, 30, 30, 31, 3, 33, 33, 33, 3, 3, 35, 3, 39. Faça a distribuição de requências desses dados. 1 Resolução: n = 0 k = 1+ 3,3 log n = 1 + 3,3 1,8 =,9 at ES EI 39-1 i = = = = 3,85 3,3 k k Classes 1 19,3 19,3,, 5,9 5,9 9, 9, 3,5 3,5 35,8 35,8 39,1 Σ F ,11 0,15 0,5 0, 0,15 0,1 0,0333 1,0000 0,11 0, 0,51 0,1 0,8 0,9 1,0000 Ponto médio ou centro de classe c 1,5 0,95,5,55 30,85 3,15 3,5 3 Exercício proposto: Os dados em rol abaixo (ordenação horizontal) se reerem aos valores gastos (em reais) pelas primeiras 50 pessoas que entraram em um determinado Supermercado, no dia 01/01/000. 3,11 8,88 9, 10,81 1,9 13,8 15,3 15, 1,00 1,39 18,3 18,3 19, 19,50 19,5 0,1 0,59, 3,0,,58 5,13,,,5 8,0 8,08 8,38 3,03 3,3 38,98 38, 39,1 1,0,9,08, 5,0,9 8,5 50,39 5,5 5,80 59,0 1, 0,3 8,0 85, 8,3 93,3 Faça a distribuição de requências desses dados.

7 Resolução: n = 50 k = 1+ 3,3 log n = 1 + 3,3 1, =, at ES EI 93,3-3,11 i = = = = 1,89 k k Classe F 1 3,11 1, ,1 0,1 1,00 8, , 0,5 3 8,89 1,8 3 0,1 0,8 1,8 5, 8 0,1 0,8 5 5,, ,0 0,9,5 80,5 1 0,0 0,9 80,5 93,3 50 0,08 1 c Σ ,5,5 35,3 8,3 1,1,01 8,90 5 Representação gráica As distribuições de requências podem ser representadas graicamente através de: Histograma Polígono de requências Histograma (variável contínua) O histograma consiste de um conunto de retângulos contíguos cua base é igual à amplitude do intervalo e a altura proporcional à requência das respectivas classes. Frequência no intervalo Polígono de requências (variável contínua) O polígono de requências é constituído por segmentos de retas que unem os pontos cuas coordenadas são o ponto médio e a requência de cada classe. Para echá-lo toma-se uma classe anterior a primeira e uma posterior a última, uma vez que ambas possuem requência zero. Figura - Histograma para o peso ao nascer de 0 bovinos da raça Ibagé. UFPel, 001. Figura - Polígono de requências para o peso ao nascer de 0 bovinos da raça Ibagé. UFPel,

8 Polígono de requências (variável contínua) variável discreta (dados de enumeração) Quando trabalhamos com variáveis discretas, os retângulos dos histogramas se reduzem a retas e, consequentemente, deixam de ser contíguos. Frequência no ponto 9 Figura - Número de animais portadores de brucelose em 350 propriedades rurais. UFPel, Variável Categórica Tabelas de classiicação cruzada Gráico de colunas Alunos Ruim Médio Bom Ótimo Conceito Figura - Conceito dos alunos na disciplina de Estatística. UFPel, 001. Gráico de setores 10% 0% Ruim 5% Médio Bom Ótimo 5% Figura - Conceito dos alunos na disciplina de Estatística. UFPel, 001. Em algumas situações, pode haver interesse no estudo de duas ou mais variáveis simultaneamente. Daí surgem as distribuições conuntas de requências. As tabelas de classiicação cruzada são tabelas de requências relativas a duas variáveis, categóricas ou numéricas

9 Frequências cruzadas de variáveis categóricas Representação gráica São conhecidas também como tabelas de dupla entrada, tabelas de associação ou tabelas de contingência. As regras básicas para sua construção são semelhantes às das tabelas de classiicação simples. Tabela.1. Distribuição dos alunos da escola E, segundo o hábito de umar e conceito em Estatística. Conceito Sim Hábito de umar Não Totais Ruim Médio 10 1 Bom Ótimo Totais Gráicos em duas dimensões (diagramas): descrevendo a variação de um ator dentro dos níveis do outro. Número de alunos Ruim Médio Bom Ótimo Fumante Não Fumante Conceito Figura - Distribuição dos alunos da escola E, segundo o hábito de umar e conceito em Estatística. Número de alunos Fumante Não Fumante Ruim Médio Bom Ótimo Figura - Distribuição dos alunos da escola E, segundo o hábito de umar e conceito em Estatística. 3 Frequências cruzadas de variáveis numéricas Ao estudarmos conuntamente duas variáveis numéricas, as tabelas de classiicação cruzada são, agora, denominadas tabelas de correlação. As tabelas de requências cruzadas de duas variáveis contínuas também são construídas de modo similar às de classiicação simples. Representação gráica Diagramas de dispersão: este tipo de gráico pode ornecer uma indicação do tipo de relacionamento que existe entre as duas variáveis. Observação ( i ) Peso dos pais (xi) Peso dos ilhos (yi) Tabela.1. Distribuição dos alunos do Colégio C, segundo suas notas em Estatística e Matemática. Estatística Matemática 0 10 Totais Totais Figura - Gráico de dispersão dos pesos (em kg) de dez alunos do Colégio C e de seus respectivos pais. 3 9

Unidade II Estatística descritiva

Unidade II Estatística descritiva Unidade II Estatística descritiva 2.1. Apresentação de dados 2.1.1 Séries estatísticas 2.1.2 Tabelas 2.1.3 Gráicos 2.2. Distribuições de reqüências e gráicos 2.2.1 Tabelas de classiicação simples 2.2.2

Leia mais

Apresentação de Dados em Tabelas e Gráficos

Apresentação de Dados em Tabelas e Gráficos Apresentação de Dados em Tabelas e Gráficos Os dados devem ser apresentados em tabelas construídas de acordo com as normas técnicas ditadas pela Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

Leia mais

Nome: Nº- Série/Ano: Turma: Nível: Matrícula Nº: Data: / / ANÁLISE DE DADOS E INDICADORES SOCIAIS TABULAÇÃO

Nome: Nº- Série/Ano: Turma: Nível: Matrícula Nº: Data: / / ANÁLISE DE DADOS E INDICADORES SOCIAIS TABULAÇÃO Nome: Nº- Série/Ano: Turma: Nível: Matrícula Nº: Data: / / Professores: Eliton Mendes Variável ANÁLISE DE DADOS E INDICADORES SOCIAIS TABULAÇÃO É o objeto da pesquisa. É aquilo que estamos investigando.

Leia mais

4Distribuição de. freqüência

4Distribuição de. freqüência 4Distribuição de freqüência O objetivo desta Unidade é partir dos dados brutos, isto é, desorganizados, para uma apresentação formal. Nesse percurso, seção 1, destacaremos a diferença entre tabela primitiva

Leia mais

MÉDIA ARITMÉTICA MÉDIA PONDERADA MODA MEDIANA

MÉDIA ARITMÉTICA MÉDIA PONDERADA MODA MEDIANA MÉDIA ARITMÉTICA MÉDIA PONDERADA MODA MEDIANA Em um amostra, quando se têm os valores de uma certa característica, é fácil constatar que os dados normalmente não se distribuem uniformemente, havendo uma

Leia mais

MÓDULO 1. I - Estatística Básica

MÓDULO 1. I - Estatística Básica MÓDULO 1 I - 1 - Conceito de Estatística Estatística Técnicas destinadas ao estudo quantitativo de fenômenos coletivos e empíricamente observáveis. Unidade Estatística nome dado a cada observação de um

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIAS

DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIAS DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIAS 1 Dados Brutos: são os dados tomados como eles são, de forma desorganizada. Indica-se por x i Rol: são os dados organizados em ordem crescente ou decrescente. Tamanho da amostra:

Leia mais

Unidade II Estatística descritiva

Unidade II Estatística descritiva Unidade II Estatística descritiva 2.1. Apresentação de dados 2.1.1 Séries estatísticas 2.1.2 Tabelas 2.1.3 Gráficos 2.2. Distribuições de freqüências e gráficos 2.2.1 Tabelas de classificação simples 2.2.2

Leia mais

MÓDULO 4 DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIAS

MÓDULO 4 DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIAS MÓDULO 4 DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIS Como vimos no módulo 1, para que nós possamos extrair dos dados estatísticos de que dispomos a correta análise e interpretação, o primeiro passo deverá ser a correta

Leia mais

ESTATÍSTICA. Prof. Ari Antonio, Me. Ciências Econômicas. Unemat Sinop 2012

ESTATÍSTICA. Prof. Ari Antonio, Me. Ciências Econômicas. Unemat Sinop 2012 ESTATÍSTICA Prof. Ari Antonio, Me Ciências Econômicas Unemat Sinop 2012 1. Introdução Concepções de Estatística: 1. Estatísticas qualquer coleção consistente de dados numéricos reunidos a fim de fornecer

Leia mais

BIOESTATÍSTICA ESTATÍSTICA DESCRITIVA: Representação Gráfica

BIOESTATÍSTICA ESTATÍSTICA DESCRITIVA: Representação Gráfica BIOESTATÍSTICA ESTATÍSTICA DESCRITIVA: Representação Gráfica Guilherme Peña Cespedes Departamento de Estatística Universidade Federal do Amazonas Manaus, AM - Brasil Utilizamos ferramentas gráficas para

Leia mais

Agrupamento de Escolas Eugénio de Castro 1º Ciclo. Critérios de Avaliação. Ano Letivo 2015/16 Disciplina MATEMÁTICA 3.º Ano

Agrupamento de Escolas Eugénio de Castro 1º Ciclo. Critérios de Avaliação. Ano Letivo 2015/16 Disciplina MATEMÁTICA 3.º Ano Agrupamento de Escolas Eugénio de Castro 1º Ciclo Critérios de Avaliação Ano Letivo 2015/16 Disciplina MATEMÁTICA 3.º Ano Números e Operações Números naturais Utilizar corretamente os numerais ordinais

Leia mais

UNIDADE II TABELAS E GRÁFICOS

UNIDADE II TABELAS E GRÁFICOS UNIDADE II TABELAS E GRÁFICOS Conteúdo Programático Construção de tabelas de freqüência Classificação dos gráficos Construção de gráficos de: Barras Setores Histograma Agora vamos assistir a uma Apresentação

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL MATEMÁTICA 3 DOMÍNIOS OBJETIVOS ATIVIDADES

PLANIFICAÇÃO ANUAL MATEMÁTICA 3 DOMÍNIOS OBJETIVOS ATIVIDADES PLANIFICAÇÃO ANUAL MATEMÁTICA 3 DOMÍNIOS OBJETIVOS ATIVIDADES Números naturais Conhecer os numerais ordinais Utilizar corretamente os numerais ordinais até centésimo. Contar até um milhão Estender as regras

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA TABELAS E GRÁFICOS Departamento de Estatística Luiz Medeiros Tabela de dados multidimensionais Até agora vimos como organizar, resumir e descrever informações referentes

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS MATEMÁTICA 7.º ANO PLANIFICAÇÃO GLOBAL Planificação 7º ano 2012/2013 Página 1 DOMÍNIO TEMÁTICO: NÚMEROS

Leia mais

Estatística Básica. Introdução à Análise Exploratória de Dados. Renato Dourado Maia. Instituto de Ciências Agrárias

Estatística Básica. Introdução à Análise Exploratória de Dados. Renato Dourado Maia. Instituto de Ciências Agrárias Estatística Básica Introdução à Análise Exploratória de Dados Renato Dourado Maia Instituto de Ciências Agrárias Universidade Federal de Minas Gerais Organização de Dados Hoje, serão discutidos alguns

Leia mais

O comportamento conjunto de duas variáveis quantitativas pode ser observado por meio de um gráfico, denominado diagrama de dispersão.

O comportamento conjunto de duas variáveis quantitativas pode ser observado por meio de um gráfico, denominado diagrama de dispersão. ESTATÍSTICA INDUTIVA 1. CORRELAÇÃO LINEAR 1.1 Diagrama de dispersão O comportamento conjunto de duas variáveis quantitativas pode ser observado por meio de um gráfico, denominado diagrama de dispersão.

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE ESTATÍSTICA

NOÇÕES BÁSICAS DE ESTATÍSTICA Curso de Capacitação em Epidemiologia Básica e Análise da Situação de Saúde Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde NOÇÕES BÁSICAS DE ESTATÍSTICA Gleice Margarete de Souza Conceição Airlane

Leia mais

Capítulo 5 Representações gráficas para variáveis quantitativas

Capítulo 5 Representações gráficas para variáveis quantitativas Capítulo 5 Representações gráficas para variáveis quantitativas Introdução Até o capítulo passado, você aprendeu a sintetizar dados a partir de um conjunto desordenado de dados, identificando a quantidade

Leia mais

Estatística descritiva. Também designada Análise exploratória de dados ou Análise preliminar de dados

Estatística descritiva. Também designada Análise exploratória de dados ou Análise preliminar de dados Estatística descritiva Também designada Análise exploratória de dados ou Análise preliminar de dados 1 Estatística descritiva vs inferencial Estatística Descritiva: conjunto de métodos estatísticos que

Leia mais

Resoluções comentadas de Raciocínio Lógico e Estatística - SEPLAG-2010 - APO

Resoluções comentadas de Raciocínio Lógico e Estatística - SEPLAG-2010 - APO Resoluções comentadas de Raciocínio Lógico e Estatística - SEPLAG-010 - APO 11. O Dia do Trabalho, dia 1º de maio, é o 11º dia do ano quando o ano não é bissexto. No ano de 1958, ano em que o Brasil ganhou,

Leia mais

QUALITATIVA VARIÁVEL QUANTITATIVA

QUALITATIVA VARIÁVEL QUANTITATIVA NOMINAL ORDINAL QUALITATIVA VARIÁVEL QUANTITATIVA DISCRETA CONTÍNUA - Variável qualitativa nominal = valores que expressam atributos, sem nenhum tipo de ordem. Ex: cor dos olhos, sexo, estado civil, presença

Leia mais

Distribuição de probabilidades

Distribuição de probabilidades Luiz Carlos Terra Para que você possa compreender a parte da estatística que trata de estimação de valores, é necessário que tenha uma boa noção sobre o conceito de distribuição de probabilidades e curva

Leia mais

Disponibilizo a íntegra das 8 questões elaboradas para o Simulado, no qual foram aproveitadas 4 questões, com as respectivas resoluções comentadas.

Disponibilizo a íntegra das 8 questões elaboradas para o Simulado, no qual foram aproveitadas 4 questões, com as respectivas resoluções comentadas. Disponibilizo a íntegra das 8 questões elaboradas para o Simulado, no qual foram aproveitadas questões, com as respectivas resoluções comentadas. Amigos, para responder às questões deste Simulado, vamos

Leia mais

A Estatística, um ramo da Matemática, é aplicada em diferentes áreas, como Administração, Engenharia, Medicina, Psicologia, Ciências Sociais etc.

A Estatística, um ramo da Matemática, é aplicada em diferentes áreas, como Administração, Engenharia, Medicina, Psicologia, Ciências Sociais etc. ESTATÍSTICA DESCRITIVA MÓDULO 1 - INTRODUÇÃO À ESTATÍSTICA DESCRITIVA A Estatística, um ramo da Matemática, é aplicada em diferentes áreas, como Administração, Engenharia, Medicina, Psicologia, Ciências

Leia mais

INSTITUTO TECNOLÓGICO

INSTITUTO TECNOLÓGICO PAC - PROGRAMA DE APRIMORAMENTO DE CONTEÚDOS. ATIVIDADES DE NIVELAMENTO BÁSICO. DISCIPLINAS: MATEMÁTICA & ESTATÍSTICA. PROFº.: PROF. DR. AUSTER RUZANTE 1ª SEMANA DE ATIVIDADES DOS CURSOS DE TECNOLOGIA

Leia mais

Escalas. Antes de representar objetos, modelos, peças, A U L A. Nossa aula. O que é escala

Escalas. Antes de representar objetos, modelos, peças, A U L A. Nossa aula. O que é escala Escalas Introdução Antes de representar objetos, modelos, peças, etc. deve-se estudar o seu tamanho real. Tamanho real é a grandeza que as coisas têm na realidade. Existem coisas que podem ser representadas

Leia mais

Preparação para o teste intermédio de Matemática 8º ano

Preparação para o teste intermédio de Matemática 8º ano Preparação para o teste intermédio de Matemática 8º ano Conteúdos do 7º ano Conteúdos do 8º ano Conteúdos do 8º Ano Teorema de Pitágoras Funções Semelhança de triângulos Ainda os números Lugares geométricos

Leia mais

Aula 4 Conceitos Básicos de Estatística. Aula 4 Conceitos básicos de estatística

Aula 4 Conceitos Básicos de Estatística. Aula 4 Conceitos básicos de estatística Aula 4 Conceitos Básicos de Estatística Aula 4 Conceitos básicos de estatística A Estatística é a ciência de aprendizagem a partir de dados. Trata-se de uma disciplina estratégica, que coleta, analisa

Leia mais

MATEMÁTICA. Recenseamento/Sondagem ESTATÍSTICA

MATEMÁTICA. Recenseamento/Sondagem ESTATÍSTICA MATEMÁTICA NOME: ANO: TURMA: N.º FICHA INFORMATIVA ESTATÍSTICA A estatística é uma área da Matemática que trata da recolha, organização, resumo e interpretação de dados, e está presente em todos os ramos

Leia mais

b) a 0 e 0 d) a 0 e 0

b) a 0 e 0 d) a 0 e 0 IFRN - INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RN PROFESSOR: MARCELO SILVA MATEMÁTICA FUNÇÃO DO º GRAU 1. Um grupo de pessoas gastou R$ 10,00 em uma lanchonete. Quando foram pagar a conta,

Leia mais

Capítulo 3 Modelos Estatísticos

Capítulo 3 Modelos Estatísticos Capítulo 3 Modelos Estatísticos Slide 1 Resenha Variáveis Aleatórias Distribuição Binomial Distribuição de Poisson Distribuição Normal Distribuição t de Student Distribuição Qui-quadrado Resenha Slide

Leia mais

PROBABILIDADE Prof. Adriano Mendonça Souza, Dr.

PROBABILIDADE Prof. Adriano Mendonça Souza, Dr. PROBABILIDADE Prof. Adriano Mendonça Souza, Dr. Departamento de Estatística - PPGEMQ / PPGEP - UFSM - O intelecto faz pouco na estrada que leva à descoberta, acontece um salto na consciência, chameo de

Leia mais

36ª Olimpíada Brasileira de Matemática GABARITO Segunda Fase

36ª Olimpíada Brasileira de Matemática GABARITO Segunda Fase 36ª Olimpíada Brasileira de Matemática GABARITO Segunda Fase Soluções Nível 1 Segunda Fase Parte A CRITÉRIO DE CORREÇÃO: PARTE A Na parte A serão atribuídos 5 pontos para cada resposta correta e a pontuação

Leia mais

Centro Universitário Franciscano Material elaborado por: Professora Leandra Anversa Fioreze e Professor Clandio Timm Marques.

Centro Universitário Franciscano Material elaborado por: Professora Leandra Anversa Fioreze e Professor Clandio Timm Marques. Conceitos Introdutórios 1. Definindo Estatística: Ciência que fornece métodos para a coleta, organização, descrição, análise e interpretação de dados, utilizando-os na tomada de decisões. 2. Divisão da

Leia mais

PROBABILIDADE. Aula 5

PROBABILIDADE. Aula 5 Curso: Psicologia Disciplina: Métodos Quantitativos Profa. Valdinéia Data: 28/10/15 PROBABILIDADE Aula 5 Geralmente a cada experimento aparecem vários resultados possíveis. Por exemplo ao jogar uma moeda,

Leia mais

PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 4ª MENSAL - 2º TRIMESTRE TIPO A

PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 4ª MENSAL - 2º TRIMESTRE TIPO A PROVA DE FÍSICA 2º ANO - 4ª MENSAL - 2º TRIMESTRE TIPO A 0) No gráico abaixo, que representa uma máquina térmica ideal, temos uma seqüência de transormações gasosas que segue a ordem ABCDA. De acordo com

Leia mais

Ferramentas da Qualidade. Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT

Ferramentas da Qualidade. Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Ferramentas da Qualidade Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Histogramas Histograma O histograma é um gráfico de barras no qual o eixo horizontal, subdividido em vários pequenos intervalos, apresenta

Leia mais

Resolvendo problemas com logaritmos

Resolvendo problemas com logaritmos A UA UL LA Resolvendo problemas com logaritmos Introdução Na aula anterior descobrimos as propriedades dos logaritmos e tivemos um primeiro contato com a tábua de logarítmos. Agora você deverá aplicar

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E TRATAMENTO DE DADOS Nome: N.º Turma / /201

ORGANIZAÇÃO E TRATAMENTO DE DADOS Nome: N.º Turma / /201 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA BOA ÁGUA 172388 Escola Básica Integrada da Boa Água EB1 n.º2 da Quinta do Conde EB1/JI do Pinhal do General JI do Pinhal do General Departamento

Leia mais

Função do 2º Grau. Alex Oliveira

Função do 2º Grau. Alex Oliveira Função do 2º Grau Alex Oliveira Apresentação A função do 2º grau, também chamada de função quadrática é definida pela expressão do tipo: y = f(x) = ax² + bx + c onde a, b e c são números reais e a 0. Exemplos:

Leia mais

Gráficos estatísticos: histograma. Série Software ferramenta

Gráficos estatísticos: histograma. Série Software ferramenta Gráficos estatísticos: histograma Série Software ferramenta Funcionalidade Este software permite a construção de histogramas a partir de uma tabela de dados digitada pelo usuário. Gráficos estatísticos:

Leia mais

MODELOS PROBABILÍSTICOS MAIS COMUNS VARIÁVEIS ALEATÓRIAS DISCRETAS

MODELOS PROBABILÍSTICOS MAIS COMUNS VARIÁVEIS ALEATÓRIAS DISCRETAS MODELOS PROBABILÍSTICOS MAIS COMUNS VARIÁVEIS ALEATÓRIAS DISCRETAS Definições Variáveis Aleatórias Uma variável aleatória representa um valor numérico possível de um evento incerto. Variáveis aleatórias

Leia mais

CAP5: Amostragem e Distribuição Amostral

CAP5: Amostragem e Distribuição Amostral CAP5: Amostragem e Distribuição Amostral O que é uma amostra? É um subconjunto de um universo (população). Ex: Amostra de sangue; amostra de pessoas, amostra de objetos, etc O que se espera de uma amostra?

Leia mais

Probabilidade - aula I

Probabilidade - aula I e 27 de Fevereiro de 2015 e e Experimentos Aleatórios e Objetivos Ao final deste capítulo você deve ser capaz de: Entender e descrever espaços amostrais e eventos para experimentos aleatórios. Interpretar

Leia mais

Faculdade Sagrada Família

Faculdade Sagrada Família AULA 12 - AJUSTAMENTO DE CURVAS E O MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS Ajustamento de Curvas Sempre que desejamos estudar determinada variável em função de outra, fazemos uma análise de regressão. Podemos dizer

Leia mais

CAPÍTULO 4 CIRCUITOS SEQUENCIAIS II: CONTADORES ASSÍNCRONOS

CAPÍTULO 4 CIRCUITOS SEQUENCIAIS II: CONTADORES ASSÍNCRONOS 50 Sumário CAPÍTULO 4 CIRCUITOS SEQUENCIAIS II: CONTADORES ASSÍNCRONOS 4.1. Introdução... 52 4.2. Contadores Assíncronos Crescentes... 52 4.3. Contadores Assíncronos Decrescentes... 56 4.4. Contador Assíncrono

Leia mais

Distribuição de Freqüência

Distribuição de Freqüência Distribuição de Freqüência Representação do conjunto de dados Distribuições de freqüência Freqüência relativa Freqüência acumulada Representação Gráfica Histogramas Organização dos dados Os métodos utilizados

Leia mais

Conteúdo. Apostilas OBJETIVA - Ano X - Concurso Público 2015

Conteúdo. Apostilas OBJETIVA - Ano X - Concurso Público 2015 Apostilas OBJETIVA - Ano X - Concurso Público 05 Conteúdo Matemática Financeira e Estatística: Razão; Proporção; Porcentagem; Juros simples e compostos; Descontos simples; Média Aritmética; Mediana; Moda.

Leia mais

Estatística e Probabilidade. Aula 8 Cap 05. Distribuição normal de probabilidade

Estatística e Probabilidade. Aula 8 Cap 05. Distribuição normal de probabilidade Estatística e Probabilidade Aula 8 Cap 05 Distribuição normal de probabilidade Estatística e Probabilidade Na aula anterior vimos... Distribuições Binomiais Distribuição Geométrica Distribuição de Poisson

Leia mais

fx-82ms fx-83ms fx-85ms fx-270ms fx-300ms fx-350ms

fx-82ms fx-83ms fx-85ms fx-270ms fx-300ms fx-350ms O uso da Calculadora Científica (Casio fx) fx-82ms fx-83ms fx-85ms fx-270ms fx-300ms fx-350ms Prof. Ms. Renato Francisco Merli 2013 1 Sumário 1. Antes de Começar... 2 2. Cálculos Básicos... 8 3. Cálculos

Leia mais

3.1 Definições Uma classe é a descrição de um tipo de objeto.

3.1 Definições Uma classe é a descrição de um tipo de objeto. Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Diagrama de Classes Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação:

Leia mais

Prova Escrita de Matemática Aplicada às Ciências Sociais

Prova Escrita de Matemática Aplicada às Ciências Sociais Exame Final Nacional do Ensino Secundário Prova Escrita de Matemática Aplicada às Ciências Sociais 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 835/2.ª Fase 15 Páginas Duração

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO NORMAL 1

DISTRIBUIÇÃO NORMAL 1 DISTRIBUIÇÃO NORMAL 1 D ensid ade Introdução Exemplo : Observamos o peso, em kg, de 1500 pessoas adultas selecionadas ao acaso em uma população. O histograma por densidade é o seguinte: 0.04 0.03 0.02

Leia mais

RESUMO DA AULA PRÁTICA DE EXCEL

RESUMO DA AULA PRÁTICA DE EXCEL PARA CONSTRUIR TABELAS: RESUMO DA AULA PRÁTICA DE EXCEL Vai em ; Em seguida irá abrir a janela: Na parte Selecione os dados ou somente a variável que deseja analisar, por exemplo: Em seguida marque a opção

Leia mais

Capítulo 5: Aplicações da Derivada

Capítulo 5: Aplicações da Derivada Instituto de Ciências Exatas - Departamento de Matemática Cálculo I Profª Maria Julieta Ventura Carvalho de Araujo Capítulo 5: Aplicações da Derivada 5- Acréscimos e Diferenciais - Acréscimos Seja y f

Leia mais

Estatística no EXCEL

Estatística no EXCEL Estatística no EXCEL Prof. Ms. Osorio Moreira Couto Junior 1. Ferramentas... 2 2. Planilha de dados... 3 2.1. Introdução... 3 2.2. Formatação de células... 4 2.3. Inserir ou Excluir Linhas e Colunas...

Leia mais

ESTUDO DAS PROJEÇÕES NOÇÕES ELEMENTARES 1. DEFINIÇÃO

ESTUDO DAS PROJEÇÕES NOÇÕES ELEMENTARES 1. DEFINIÇÃO Estudo das projeções ESTUDO DAS PROJEÇÕES NOÇÕES ELEMENTARES 1. DEFINIÇÃO Geometria é a ciência que tem por objetivo a medida das linhas, superfícies e dos volumes. Descrever significa representar, contar

Leia mais

MODELAGEM VISUAL DE OBJETOS COM UML DIAGRAMA DE CLASSES. lucelia.com@gmail.com

MODELAGEM VISUAL DE OBJETOS COM UML DIAGRAMA DE CLASSES. lucelia.com@gmail.com MODELAGEM VISUAL DE OBJETOS COM UML DIAGRAMA DE CLASSES lucelia.com@gmail.com Externamente ao sistema, os atores visualizam resultados de cálculos, relatórios produzidos, confirmações de requisições solicitadas,

Leia mais

Elaborado por Eduardo Rebouças Carvalho Hermano Alexandre Lima Rocha DISTRIBUIÇÃO NORMAL

Elaborado por Eduardo Rebouças Carvalho Hermano Alexandre Lima Rocha DISTRIBUIÇÃO NORMAL Faculdade de Medicina Universidade Federal do Ceará Elaborado por Eduardo Rebouças Carvalho Hermano Alexandre Lima Rocha DISTRIBUIÇÃO NORMAL - Uma curva de distribuição pode descrever a forma da distribuição

Leia mais

Matemática SSA 2 REVISÃO GERAL 1

Matemática SSA 2 REVISÃO GERAL 1 1. REVISÃO 01 Matemática SSA REVISÃO GERAL 1. Um recipiente com a forma de um cone circular reto de eixo vertical recebe água na razão constante de 1 cm s. A altura do cone mede cm, e o raio de sua base

Leia mais

Distribuição Gaussiana. Modelo Probabilístico para Variáveis Contínuas

Distribuição Gaussiana. Modelo Probabilístico para Variáveis Contínuas Distribuição Gaussiana Modelo Probabilístico para Variáveis Contínuas Distribuição de Frequências do Peso, em gramas, de 10000 recém-nascidos Frequencia 0 500 1000 1500 2000 2500 3000 3500 1000 2000 3000

Leia mais

Índice de Exercícios. Exercício 1.

Índice de Exercícios. Exercício 1. Índice de Exercícios Exercício 1...1 Exercício 2...2 Exercício 3...4 Exercício 4...7 Exercício 5. (Ficha de trabalho de Metrologia e Qualidade módulo 4)...8 Exercício 6. (Ficha de trabalho de Metrologia

Leia mais

FUNÇÕES E INEQUAÇÕES

FUNÇÕES E INEQUAÇÕES UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA ANDRÉIA SCHMIDT GEHHANNY ASSIS JAQUELINI ROCHA SIMÃO LARISSA VANESSA DOMINGUES FUNÇÕES E INEQUAÇÕES CURITIBA 2012

Leia mais

Faculdade Tecnológica de Carapicuíba Tecnologia em Logística Ênfase em Transportes Notas da Disciplina de Estatística (versão 3.

Faculdade Tecnológica de Carapicuíba Tecnologia em Logística Ênfase em Transportes Notas da Disciplina de Estatística (versão 3. Faculdade Tecnológica de Carapicuíba Tecnologia em Logística Ênfase em Transportes Notas da Disciplina de Estatística (versão 3.1) Estatística Séries Estatística Uma série estatística define-se como toda

Leia mais

APOSTILA TECNOLOGIA MECANICA

APOSTILA TECNOLOGIA MECANICA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE POMPEIA CURSO TECNOLOGIA EM MECANIZAÇÃO EM AGRICULTURA DE PRECISÃO APOSTILA TECNOLOGIA MECANICA Autor: Carlos Safreire Daniel Ramos Leandro Ferneta Lorival Panuto Patrícia de

Leia mais

Estatística e Probabilidade

Estatística e Probabilidade Estatística e Probabilidade Aula 2 Cap 02 Estatística Descritiva Neste capítulo... estudaremos formas de organizar e descrever conjuntos de dados. O objetivo é tornar os dados mais compreensíveis de modo

Leia mais

9 é MATEMÁTICA. 26. O algarismo das unidades de (A) 0. (B) 1. (C) 3. (D) 6. (E) 9.

9 é MATEMÁTICA. 26. O algarismo das unidades de (A) 0. (B) 1. (C) 3. (D) 6. (E) 9. MATEMÁTICA 6. O algarismo das unidades de (A) 0. (B) 1. (C) 3. (D) 6. (E) 9. 10 9 é 7. A atmosfera terrestre contém 1.900 quilômetros cúbicos de água. Esse valor corresponde, em litros, a (A) (B) (C) (D)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE MATEMÁTICA 1 a LISTA DE EXERCÍCIOS Bioestatística Professor: Ednaldo Carvalho Guimarães

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE MATEMÁTICA 1 a LISTA DE EXERCÍCIOS Bioestatística Professor: Ednaldo Carvalho Guimarães UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE MATEMÁTICA a LISTA DE EXERCÍCIOS Bioestatística Professor: Ednaldo Carvalho Guimarães ) Um pesquisador obteve os seguintes valores de umidade (%) em casa

Leia mais

Estatística Descritiva

Estatística Descritiva Estatística Descritiva Como construir uma distribuição de freqüências. Como construir gráficos de freqüências. Como encontrar medidas de tendência central. Como encontrar medidas de variabilidade. Como

Leia mais

INVESTIMENTO A LONGO PRAZO 1. Princípios de Fluxo de Caixa para Orçamento de Capital

INVESTIMENTO A LONGO PRAZO 1. Princípios de Fluxo de Caixa para Orçamento de Capital 5 INVESTIMENTO A LONGO PRAZO 1. Princípios de Fluxo de Caixa para Orçamento de Capital 1.1 Processo de decisão de orçamento de capital A decisão de investimento de longo prazo é a decisão financeira mais

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA. Seleção 2009. Prova Escrita 06/02/2009

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA. Seleção 2009. Prova Escrita 06/02/2009 UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Seleção 2009 Prova Escrita 06/02/2009 Número de inscrição: Esta prova é composta de três partes: Parte A: conteúdos

Leia mais

UNIDADE 3 MEDIDAS DE POSIÇÃO E DISPERSÃO OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM

UNIDADE 3 MEDIDAS DE POSIÇÃO E DISPERSÃO OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM Unidade 2 Distribuições de Frequências e Representação Gráfica UNIDADE 3 MEDIDAS DE POSIÇÃO E DISPERSÃO OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM Ao finalizar esta Unidade, você deverá ser capaz de: Calcular

Leia mais

CINEMÁTICA VETORIAL. Observe a trajetória a seguir com origem O.Pode-se considerar P a posição de certo ponto material, em um instante t.

CINEMÁTICA VETORIAL. Observe a trajetória a seguir com origem O.Pode-se considerar P a posição de certo ponto material, em um instante t. CINEMÁTICA VETORIAL Na cinemática escalar, estudamos a descrição de um movimento através de grandezas escalares. Agora, veremos como obter e correlacionar as grandezas vetoriais descritivas de um movimento,

Leia mais

AULA 03 Resumos e Gráficos de Dados

AULA 03 Resumos e Gráficos de Dados 1 AULA 03 Resumos e Gráficos de Dados Ernesto F. L. Amaral 17 de agosto de 2010 Metodologia de Pesquisa (DCP 854B) Fonte: Triola, Mario F. 2008. Introdução à estatística. 10 ª ed. Rio de Janeiro: LTC.

Leia mais

Os gráficos estão na vida

Os gráficos estão na vida Os gráficos estão na vida A UUL AL A Nas Aulas 8, 9 e 28 deste curso você já se familiarizou com o estudo de gráficos. A Aula 8 introduziu essa importante ferramenta da Matemática. A Aula 9 foi dedicada

Leia mais

LISTA DE INTERVALO DE CONFIANÇA E TESTE DE HIPÓTESES

LISTA DE INTERVALO DE CONFIANÇA E TESTE DE HIPÓTESES Monitora Juliana Dubinski LISTA DE INTERVALO DE CONFIANÇA E TESTE DE HIPÓTESES EXERCÍCIO 1 (INTERVALO DE CONFIANÇA PARA MÉDIA) Suponha que X represente a duração da vida de uma peça de equipamento. Admita-se

Leia mais

O método multicritérios de apoio à decisão

O método multicritérios de apoio à decisão Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciênci Tecnologia e Inovação Energia Anexo 3 O método multicritérios de apoio à decisão 2 Energia Considerando as características do problema de priorização sistematizadas

Leia mais

ENERGIA CINÉTICA E TRABALHO

ENERGIA CINÉTICA E TRABALHO ENERGIA CINÉTICA E TRABALHO O que é energia? O termo energia é tão amplo que é diícil pensar numa deinição concisa. Teoricamente, a energia é uma grandeza escalar associada ao estado de um ou mais objetos;

Leia mais

Desenhando perspectiva isométrica

Desenhando perspectiva isométrica Desenhando perspectiva isométrica A UU L AL A Quando olhamos para um objeto, temos a sensação de profundidade e relevo. As partes que estão mais próximas de nós parecem maiores e as partes mais distantes

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo IX Qualidade

Gerenciamento de Projetos Modulo IX Qualidade Gerenciamento de Projetos Modulo IX Qualidade Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Matemática Ficha de Trabalho/Apoio Tratamento de Dados

Matemática Ficha de Trabalho/Apoio Tratamento de Dados Matemática Ficha de Trabalho/Apoio Tratamento de Dados Constrói um gráfico de barras que represente a informação sobre os animais domésticos dos alunos da turma A. 7ºano Organização e análise de dados

Leia mais

Oitava Lista de Exercícios Assuntos: Estatística Descritiva

Oitava Lista de Exercícios Assuntos: Estatística Descritiva Oitava Lista de Exercícios Assuntos: Estatística Descritiva 1. (Apostila 4 - ex.2.7) Na Tabela abaixo tem-se as médias dos alunos de 2 turmas de Introdução à Estatística Econômica da Faculdade de Economia

Leia mais

(c) 2a = b. (c) {10,..., 29}

(c) 2a = b. (c) {10,..., 29} 11 Atividade extra UNIDADE CONJUTOS Fascículo 4 Matemática Unidade 11 Conjuntos Exercı cio 11.1 Sejam os conjuntos A = {a, 7, 0} e B = {0, 1, b}, tal que os conjuntos A e B sejam iguais. Qual é a relação

Leia mais

Curvas em coordenadas polares

Curvas em coordenadas polares 1 Curvas em coordenadas polares As coordenadas polares nos dão uma maneira alternativa de localizar pontos no plano e são especialmente adequadas para expressar certas situações, como veremos a seguir.

Leia mais

Eng Civil Washington Peres Núñez Dr. em Engenharia Civil pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Eng Civil Washington Peres Núñez Dr. em Engenharia Civil pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul PESQUISA ANÁLISE DE CARACTERÍSTICAS DE QUALIDADE DE MISTURAS ASFÁLTICAS PRODUZIDAS NA ATUALIDADE NO SUL DO BRASIL E IMPACTOS NO DESEMPENHO DE PAVIMENTOS FLEXÍVEIS. MANUAL DE OPERAÇÃO DO BANCO DE DADOS

Leia mais

PORCENTAGENS www.aplicms.com.br PROF. PEDRO A. SILVA

PORCENTAGENS www.aplicms.com.br PROF. PEDRO A. SILVA PORCENTAGENS Razão centesimal Chamamos de razão centesimal a toda razão cujo conseqüente (denominador) seja igual a. 6 270 2, 5 ; e Outros nomes usamos para uma razão centesimal são razão porcentual e

Leia mais

Revisão: Noções básicas de estatística aplicada a avaliações de imóveis

Revisão: Noções básicas de estatística aplicada a avaliações de imóveis Curso de Avaliações Prof. Carlos Aurélio Nadal cnadal@ufpr.br 1 AULA 03 Revisão: Noções básicas de estatística aplicada a avaliações de imóveis 2 OBSERVAÇÃO: é o valor obtido durante um processo de medição.

Leia mais

Velocidade Média Velocidade Instantânea Unidade de Grandeza Aceleração vetorial Aceleração tangencial Unidade de aceleração Aceleração centrípeta

Velocidade Média Velocidade Instantânea Unidade de Grandeza Aceleração vetorial Aceleração tangencial Unidade de aceleração Aceleração centrípeta Velocidade Média Velocidade Instantânea Unidade de Grandeza Aceleração vetorial Aceleração tangencial Unidade de aceleração Aceleração centrípeta Classificação dos movimentos Introdução Velocidade Média

Leia mais

Solução do Conjunto de Problemas 2

Solução do Conjunto de Problemas 2 Solução do Conjunto de Problemas 2 Parte A. Capítulo 3. 1. 66 & 71.999 2. Veja anexo (a) idade 1 : 8/5 = 1,6% idade 11 : 13/9 = 1,444% Portanto, há mais crianças na idade 1. (b) idade 21 : 10/7 = 1,4%

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MATO GROSSO CAMPUS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MATO GROSSO CAMPUS BIOESTATÍSTICA Aula 0 TÓPICOS ABORDADOS: Introdução a estatística; Coleta de dados; Estatística descritiva; Distribuição de frequências; Notação de somatório Medidas de posição. ESTATÍSTICA É um ramo da

Leia mais

Eventos independentes

Eventos independentes Eventos independentes Adaptado do artigo de Flávio Wagner Rodrigues Neste artigo são discutidos alguns aspectos ligados à noção de independência de dois eventos na Teoria das Probabilidades. Os objetivos

Leia mais

Atenção: o conjunto vazio é representado por { } 1.2 Pertinência e Inclusão

Atenção: o conjunto vazio é representado por { } 1.2 Pertinência e Inclusão Módulo 1 Conjuntos A Teoria dos Conjuntos foi estabelecida por Georg Ferdinand Ludwig Cantor (1845 1918). Em meados do século XX, a Teoria dos Conjuntos exerceu profundos efeitos sobre o ensino da Matemática.

Leia mais

Além do Modelo de Bohr

Além do Modelo de Bohr Além do Modelo de Bor Como conseqüência do princípio de incerteza de Heisenberg, o conceito de órbita não pode ser mantido numa descrição quântica do átomo. O que podemos calcular é apenas a probabilidade

Leia mais

DESENHO TÉCNICO. Aula 03

DESENHO TÉCNICO. Aula 03 FACULDADE DE TECNOLOGIA SHUNJI NISHIMURA POMPÉIA - SP DESENHO TÉCNICO Aula 03 Prof. Me. Dario de A. Jané DESENHO TÉCNICO 1. PRINCÍPIOS BÁSICOS DE DESENHO TÉCNICO Normas Instrumentos Folhas (dobra, moldura,

Leia mais

DICAS PARA CÁLCULOS MAIS RÁPIDOS ARTIGO 06

DICAS PARA CÁLCULOS MAIS RÁPIDOS ARTIGO 06 DICAS PARA CÁLCULOS MAIS RÁPIDOS ARTIGO 06 Este é o 6º artigo da série de dicas para facilitar / agilizar os cálculos matemáticos envolvidos em questões de Raciocínio Lógico, Matemática, Matemática Financeira

Leia mais

Resoluções comentadas de Raciocínio Lógico e Estatística SEFAZ - Analista em Finanças Públicas Prova realizada em 04/12/2011 pelo CEPERJ

Resoluções comentadas de Raciocínio Lógico e Estatística SEFAZ - Analista em Finanças Públicas Prova realizada em 04/12/2011 pelo CEPERJ Resoluções comentadas de Raciocínio Lógico e Estatística SEFAZ - Analista em Finanças Públicas Prova realizada em 04/1/011 pelo CEPERJ 59. O cartão de crédito que João utiliza cobra 10% de juros ao mês,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática Mestrado Profissional. Produto da Dissertação

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática Mestrado Profissional. Produto da Dissertação UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática Mestrado Profissional Produto da Dissertação Um estudo de caso sobre uma possibilidade para o ensino de Matemática

Leia mais

2 CLASSIFICAÇÃO / PONTUAÇÃO

2 CLASSIFICAÇÃO / PONTUAÇÃO 1 CONSTITUIÇÃO DAS EQUIPAS E CONFIGURAÇÃO DOS JOGOS O número de praticantes desportivos por equipa que podem ser inscritos no boletim de jogo é os seguintes: 2º Ciclo: 4 jogadores (Jogos 2x2); 3º Ciclo

Leia mais