PROTEÇÃO PATRIMONIAL DOS ADQUIRENTES NAS INCORPORAÇÕES IMOBILIÁRIAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROTEÇÃO PATRIMONIAL DOS ADQUIRENTES NAS INCORPORAÇÕES IMOBILIÁRIAS"

Transcrição

1 PROTEÇÃO PATRIMONIAL DOS ADQUIRENTES NAS INCORPORAÇÕES IMOBILIÁRIAS Revista do consumidor, I A proteção contratual dos adquirentes e consumidores Em 1964 a Lei das Incorporações Imobiliárias (Lei 4.591/64) introduziu no direito positivo um avançado sistema de proteção contratual dos adquirentes de imóveis em construção, fundado nos princípios da boa-fé objetiva e da função social do contrato. Mais tarde, a Lei n 8.078/90 (Código de Defesa do Consumidor), orientada por esses mesmos princípios, dispôs sobre a proteção contratual nas relações de consumo, aplicável, também, aos contratos de construção e de venda de imóveis. Entretanto, apesar de tratarem da proteção contratual, nenhuma dessas duas leis cuidou da proteção patrimonial, deixando os adquirentes de imóveis em construção sob risco de perda das quantias que pagaram, como bem ilustram casos de desequilíbrio econômico-financeiro de empresas incorporadoras, de que é exemplo o caso Encol. Só recentemente, em 2004, veio a ser instituído um regime especial de proteção patrimonial dos credores das empresas incorporadoras, notadamente os adquirentes dos imóveis integrantes dos empreendimentos, por força da Lei nº , de 2 de agosto de 2004, que permite a segregação patrimonial de determinadas incorporações. Por esse regime, os adquirentes são investidos de poderes de controle sobre o empreendimento e o exclui dos efeitos de eventual falência da empresa incorporadora, autorizando os adquirentes a vender as unidades do estoque da empresa, mediante leilão extrajudicial, e prosseguir a obra diretamente, sem

2 intervenção judicial. Trata-se, igualmente, de um regime de vinculação de receitas, pelo qual se conserva o quantum necessário à conclusão das obras e entrega das unidades aos adquirentes. O contrato de incorporação imobiliária A Lei n 4.591, de 1964, regulamenta a atividade empresarial de incorporação imobiliária, tipifica o contrato de incorporação, que, basicamente, corresponde à alienação de imóveis durante a construção, e estabelece um sistema de proteção dos adquirentes contra os riscos inerentes à construção. Essa lei, nos seus arts. 28 e seguintes, diz respeito aos mecanismos e procedimentos contratuais pertinentes exclusivamente à fase da construção. Traço característico do negócio é a venda antecipada de apartamentos de um edifício a construir, visando a captação de recursos que consiste em obter o capital necessário à construção do edifício, mediante venda, por antecipação, dos apartamentos de que se constituirá. 1 Dada essa noção, fica claro que a venda de apartamento já pronto e averbado no Registro de Imóveis não se caracteriza como contrato de incorporação. É o contrato pelo qual o incorporador se obriga a transmitir, a título oneroso, unidades imobiliárias em construção, integrantes de edificação coletiva, e, bem assim, a promover, por si ou por terceiros, a construção e averbação dos apartamentos no Registro de Imóveis, visando a instituição da propriedade condominial especial de que tratam os arts e seguintes do Código Civil (Lei 4.591/64, parágrafo único do art. 28 e art. 44). É contrato bilateral, típico, consensual, oneroso, comutativo, solene e de execução continuada, para cuja formalização são utilizadas espécies de contrato já tipificadas no ordenamento, entre elas a compra e venda ou a promessa de compra e venda da unidade imobiliária, como coisa futura, a 1 GOMES, Orlando, Direitos reais. Rio de Janeiro: Forense, 14. ed., 1999, p. 227, e DINIZ, Maria Helena, Curso de direito civil brasileiro. Teoria das obrigações contratuais e extracontratuais. São Paulo: Saraiva, 11. ed., 1996, p. 493.

3 compra e venda ou a promessa de venda da fração ideal de terreno conjugada com contrato de construção e a compra e venda com pacto adjeto de alienação fiduciária ou com pacto adjeto de hipoteca. O objeto do contrato de incorporação contempla elementos de natureza obrigacional e de natureza real. O primeiro é o objeto imediato do contrato; trata-se de obrigação de fazer e de dar, ou seja, de uma parte, a obrigação do incorporador de promover a construção, por si ou por terceiros, e de entregar as unidades aos adquirentes, transmitindo-lhes a propriedade. 2 Na forma da promessa de compra e venda, o elemento de natureza obrigacional do contrato de incorporação consiste no compromisso que as partes assumem de contratar a transferência do domínio, logo que se complete o pagamento do preço. 3 O elemento de natureza real é seu objeto mediato, ou seja, a atribuição, ao adquirente, da propriedade do imóvel cuja construção está sendo promovida pelo incorporador. Ao tipificar o contrato de incorporação, a Lei n 4.591/64 dita os parâmetros do seu conteúdo, fixa balizamentos e limitações para evitar práticas abusivas, estabelece deveres de conduta que corporificam o princípio da boa-fé objetiva e atendem à exigência do equilíbrio das relações obrigacionais, submetendo a controle a manifestação de vontade para ajustá-la às atuais exigências sociais e econômicas e, assim, assegurar o cumprimento da função social do contrato. Para controle da atividade empresarial do incorporador, a lei determina o conteúdo do contrato (seja de compra e venda, de promessa, de empreitada, 2 CHALHUB, Melhim Namem, Da incorporação imobiliária. 2. Ed., 2005, Rio de Janeiro: Renovar, p ANDRADE, Darcy Bessone de Oliveira, Da compra e venda promessa e reserva de domínio. Belo Horizonte: Bernardo Álvares, 1960, p. 193.

4 de alienação fiduciária etc), tudo visando assegurar a consecução da função social do contrato, mediante realização de sua finalidade econômica, o que se alcança mediante completa construção da edificação e entrega das unidades imobiliárias aos adquirentes, nas condições pactuadas. Nesse sentido, a Lei 4.591/64 estabelece requisitos mínimos e regulamenta toda a evolução do processo contratual, desde a fase pré-contratual, na qual está presente a obrigatoriedade de prévia exibição dos elementos essenciais do contrato, por meio do Memorial de Incorporação arquivado no Registro de Imóveis, passando por todo o curso da execução do contrato e seguindo até a fase da extinção do contrato, em razão da responsabilidade civil do incorporador. Em termos concretos, é útil voltar a atenção para alguns dos aspectos mais importantes da regulamentação do contrato de incorporação: a) o incorporador só pode colocar à venda as frações ideais e acessões depois de divulgar os elementos essenciais do contrato, mediante registro do memorial de incorporação no Registro de Imóveis, contendo as informações sobre toda a história do imóvel, a situação jurídica e patrimonial do incorporador, as condições peculiares pelas quais o incorporador negociou o terreno (se pagou à vista, se parceladamente, se obteve a titularidade por permuta, quais as condições da permuta, se for o caso, etc), a situação jurídica do incorporador (se é mesmo o titular da incorporação ou se é procurador do incorporador), os ônus fiscais e os ônus reais que pesam sobre o terreno, a cópia do projeto de construção aprovado pelas autoridades competentes, o orçamento da obra, a específica situação do incorporador perante a Previdência Social, a discriminação das frações ideais em que ficará dividido o terreno, que constituirão propriedade individual dos futuros adquirentes etc. b) são estabelecidas sanções civis e penais contra o incorporador que, por ação ou omissão, frustrar a segurança jurídica propiciada pelo sistema do

5 Registro de Imóveis, estando tipificados como crimes contra a economia popular a promoção de incorporação em que se fizer afirmação falsa quanto à constituição do condomínio, à alienação das frações ideais ou à construção do edifício e, ainda, como contravenções penais os seguintes fatos (1) negociar frações ideais sem prévio registro do memorial no Registro de Imóveis competente; (2) omitir a existência de algum ônus real sobre o terreno; (3) deixar de outorgar o contrato de aquisição aos adquirentes; (4) deixar de mencionar no contrato o orçamento da obra; (5) paralisar a obra por mais de 30 dias ou retardar seu andamento sem justa causa (art. 65 da Lei 4.591/64); c) Mesmo que o incorporador se recuse a outorgar o contrato ao adquirente, ou interponha obstáculos a essa outorga, a lei assegura ao adquirente o direito de registrar o contrato preliminar de aquisição da unidade ou, se não houver contrato, autoriza-o a registrar qualquer documento que o incorporador lhe tenha outorgado, até mesmo um instrumento de ajuste preliminar, registro esse que confere ao adquirente direito real oponível a terceiros, com o consequente direito à obtenção compulsória do contrato correspondente (art. 35, 4 ); d) se o incorporador, sem justa causa, paralisar a obra por mais de 30 dias ou retardar seu andamento, poderá ser notificado para que a reinicie ou a recoloque em andamento normal, sendo certo que, não atendida a notificação em 30 dias, os adquirentes poderão substituir o incorporador e assumir a administração da obra (art. 43, VI); e) em caso de falência do incorporador, e tendo sido outorgadas por ele promessas de venda aos adquirentes, aplicar-se-á a legislação respectiva (art. 43, VI, do Decreto-lei n 7661, de Lei de Falências); a legislação respectiva, no caso das promessas registradas no Registro de Imóveis competente, são o Decreto-lei n 58, de 1937 (art promessas em geral), a Lei n 6.766, de 1979 (promessas de lotes de terreno) e a Lei n 4.591, de 1964 (art. 35, 4 - promessa ou instrumento preliminar de ajuste nas incorporações), todas elas dispondo que a promessa registrada

6 no Registro de Imóveis competente confere ao promissário comprador direito real, oponível a terceiros, com direito a adjudicação compulsória; f) ainda em caso de falência do incorporador, ou de atraso injustificado da obra, bem como no caso de paralisação da obra por mais de 30 dias, os adquirentes poderão assumir a incorporação e prosseguir a obra com os recursos do seu orçamento próprio, só respondendo pelas dívidas e obrigações vinculadas à sua incorporação. No contexto desse conjunto de medidas, o legislador dispensou atenção especial à segurança do adquirente na contratação da aquisição da unidade, cuidando de dar atributo de direito real não só à promessa de compra e venda, mas, também, ao instrumento de ajuste preliminar que tenha sido outorgado pelo incorporador. Com efeito, ao registrar seu contrato de promessa de compra ou, mesmo, o ajuste preliminar, que tenha firmado por instrumento particular, o adquirente tornar-se-á titular de direito de real sobre a futura unidade imobiliária, direito esse que será válido e eficaz contra terceiros (art. 35, 4 ). Quanto às promessas de compra e venda em geral, importa notar que, já em 1937, o art. 22 do Decreto-lei n 58, assegurava direito real ao adquirente, desde que registrado o contrato. 4 É relevante o fato de que a eventualidade de falência do incorporador não altera a natureza do direito do adquirente, que, titular de direito real, oponível contra todos, tem assegurada a obtenção da adjudicação compulsória, desde que complementado o pagamento do preço; uma vez quitada a promessa, 4 Decreto-lei n 58, de 1937: Art. 22. Os contratos, sem cláusula de arrependimento, de compromisso de compra e venda e cessão de direito de imóveis não loteados, cujo preço tenha sido pago no ato de sua constituição ou deva sê-lo em uma ou mais prestações, desde que inscritos a qualquer tempo, atribuem aos compromissários direito real oponível a terceiros, e lhes conferem o direito de adjudicação compulsória nos termos dos arts. 16 desta lei, 640 e 641 do Código de Processo Civil.

7 tem o promissário direito à obtenção da adjudicação contra a massa, assegurada que está, a prevalência das regras da legislação específica relativas a essa modalidade de contrato quanto aos negócios celebrados pelo falido. A par das normas de proteção dos adquirentes contidas na Lei das Incorporações e em outras dispersas no ordenamento, o Código de Defesa do Consumidor CDC inclui essa modalidade de contrato entre as relações de consumo, seja porque, em regra, o adquirente encontra-se em posição de desvantagem técnica e econômica ante a empresa incorporadora, seja porque classifica o bem imóvel como produto para efeito das relações jurídicas de consumo, bem como porque considera a construção e a comercialização de imóveis como atividades caracterizadoras da figura de fornecedor (Lei 8.078/90, art. 3 ). Esses mecanismos de proteção, entretanto, não se mostram suficientes para salvaguardar os direitos dos adquirentes em caso de desequilíbrio econômico e financeiro do incorporador, ou, pior, em caso de eventual insolvência do incorporador, hipóteses em que os direitos dos adquirentes haveriam de ser contaminados por efeito de outras dívidas do incorporador, que, mesmo tendo origem em outros negócios não vinculados à incorporação, poderiam comprometer o terreno e as acessões, levando muitas vezes os adquirentes a perder todas as economias que tiverem entregue ao incorporador. De fato, embora cada incorporação tenha seu traço característico e seu orçamento específico, e muito embora suas receitas próprias possam ser suficientes para levar a cabo a incorporação independente da atividade geral da empresa incorporadora, o certo é que elementos estranhos podem interferir na estruturação e no desenvolvimento físico e financeiro de cada um dos empreendimentos do incorporador, podendo levá-los ao desequilíbrio e à frustração da finalidade social e econômica do contrato.

8 Na ausência de mecanismos especiais de proteção patrimonial, os riscos dos credores da incorporação, notadamente o risco dos adquirentes, são incalculáveis. Com efeito, o acervo de cada uma das incorporações imobiliárias empreendidas por determinado incorporador integra seu patrimônio geral e, assim sendo, os bens e direitos que o integram constituem garantia geral dos credores, podendo, portanto, ser submetidos a constrição por qualquer credor, para pagamento de quaisquer débitos do incorporador, haja ou não vinculação entre o débito e o empreendimento. Disso resulta que, a despeito de o memorial fixar os limites orçamentários de cada incorporação, a verdade é que, não havendo afetação patrimonial de cada um desses acervos, os bens e direitos integrantes de cada um deles podem ser excutidos para satisfação de créditos em geral, contra o incorporador, ou para cumprimento de obrigações estranhas à incorporação respectiva; é que esses bens, direitos e obrigações encontram-se agregados num único patrimônio sem qualquer destaque ou afetação e, portanto, podem vir a responder por obrigações vinculadas a qualquer das incorporações de que seja titular a empresa incorporadora. Além disso, em caso de falência da incorporadora, os bens que integram o acervo de todas as suas incorporações devem ser arrecadados à massa, daí surgindo dúvidas e incertezas quanto à plena eficácia das disposições dos incisos III e VI do art. 43 da Lei 4.591/64. De fato, o inciso III do art. 43 prevê que, em caso de falência do incorporador, os adquirentes serão considerados credores privilegiados da massa, enquanto que o inciso VI admite a substituição do incorporador, em caso de atraso ou paralisação da obra. Se a incorporação tiver sido pactuada mediante compra e venda da fração ideal do terreno (pela qual cada adquirente se torne proprietário das frações

9 ideais, mediante escritura de compra e venda registrada) e celebração de contrato de construção do edifício, a solução, caso sobrevenha a falência do incorporador, há de ser relativamente simples, pois o terreno já não estará integrando o patrimônio deste e, portanto, não será arrecadado, enquanto que, no que tange à obra, o contrato de construção poderá ser distratado, nos termos do art. 43 da Lei de Falências, que permite ao síndico prosseguir ou não a execução dos contratos em curso, conforme seja conveniente para a massa ou não. Essa forma jurídica de contratação da incorporação, entretanto, é rara, sendo mais comum a contratação de promessa de compra e venda de unidade imobiliária (fração ideal + acessões) como coisa futura. Nesse caso, o incorporador é titular do domínio sobre o imóvel e, em contrapartida, é sujeito passivo de obrigação de construir e entregar a unidade, bem como da obrigação de outorgar o contrato definitivo de compra e venda. Muito embora aqui, também, se aplique a regra do art. 43 da Lei de Falências, pela qual o Síndico da Massa dirá da conveniência ou não do cumprimento desse contrato de promessa de compra e venda, será necessária autorização judicial para transmissão do domínio para o adquirente. Nesses casos, é comum apresentarem-se duas situações: a primeira, contemplando contratos de promessa de venda registrados no Registro de Imóveis e a segunda contemplando contratos de promessa sem registro. No primeiro caso, estando os contratos registrados, a autorização poderá ser deferida à vista de documento comprobatório do registro e da comprovação do pagamento do preço; em regra, esses pedidos de autorização não encontram obstáculos, desde que comprovados o pagamento e o registro do contrato e, bem assim, desde que atendidos os requisitos e procedimentos estabelecidos pela Lei de Falências para proteção da comunidade dos credores, em geral, notadamente no que tange à precedência dos registros imobiliários. Entretanto, poderão ocorrer dificuldades nos casos em que os adquirentes tenham deixado de registrar seus contratos de aquisição de unidades, pois, enquanto na primeira hipótese (contrato registrado no Registro de Imóveis) o adquirente é

10 investido de direito real sobre o imóvel, na outra hipótese (contrato não registrado no Registro de Imóveis), o direito do adquirente tem natureza meramente obrigacional, e é na configuração de direito de crédito que deve ser habilitado no Juízo onde se processa a falência, ali passando a concorrer com os demais créditos, de acordo com o regime de preferências estabelecido em lei. 5 Qualquer que seja a situação, entretanto, cada caso deverá ser examinado de per si, circunstância que poderá postergar a solução e, obviamente, levar os adquirentes a sofrer prejuízos elevados e irreparáveis. O que é certo é que, em regra, sobrevindo a falência do incorporador, o terreno e as acessões, quando integrantes do patrimônio do incorporador, sem qualquer destaque, poderão ser arrecadadas, e os adquirentes só haverão de satisfazer seus direitos após a liquidação do ativo da massa, no final do processamento da falência, que se prolonga por muitos anos, ou mediante alvará nas hipóteses cabíveis. A inclusão dos direitos creditórios dos adquirentes na categoria dos créditos privilegiados, como consta do art. 43 da Lei nº 4.591/64, não chega a produzir resultado na prática, pois as preferências dos créditos trabalhistas e fiscais, entre outros, deslocam os créditos dos adquirentes (de privilégio geral) para os últimos lugares na ordem legal de preferências. Em suma, embora a construção seja, em regra, erigida parcialmente com recursos aportados pelos adquirentes, estes não têm nenhuma preferência sobre o acervo da incorporação, nem mesmo um eventual direito de indenização ou retenção por benfeitorias. Ou seja, os adquirentes contribuem para a construção de um ativo que, em caso de falência, será apropriado preferencialmente por outros credores, muitos dos quais não deram nenhuma contribuição para a construção daquelas acessões; os adquirentes só poderão 5 A solução é coerente com a lógica do sistema, mas outras soluções podem ser encontradas, à vista das peculiaridades de cada caso concreto, em atenção ao princípio da boa-fé e considerando a densidade social do contrato de incorporação.

11 apropriar-se da sobra, depois de satisfeitos os credores preferenciais, mesmo estranhos à obra. Risco idêntico sofre o financiador da incorporação, pois os recursos que tiver aportado para a obra, convertidos em pedra e cal, acabarão sendo submetidos a concurso, para rateio entre todos os credores cujas preferências antecederem à do financiador, mesmo aqueles credores que não tenham contribuído para a execução das acessões levantadas no terreno. Em síntese, em ambos os casos, outros credores, não vinculados à obra, mas que têm preferência sobre os direitos dos adquirentes, se apropriarão da construção realizada em parte com recursos destes últimos e do financiador da obra, deixando-lhes a sobra, se houver. Essas modalidades de risco, além de inúmeros outros riscos próprios da atividade da incorporação, surgem com freqüência em razão do aumento dos riscos a que está sujeita a atividade empresarial em geral. Efetivamente, não obstante o sistema de proteção instituído pela Lei das Incorporações e acrescidas pelo Código de Defesa do Consumidor, notadamente o sistema de proteção contratual, o ordenamento não oferecia aos adquirentes mecanismos que evitassem ou delimitassem seus riscos patrimoniais. De fato, a execução de um edifício de grande porte prolonga-se por dois, três anos ou mais, e nesse período os adquirentes sujeitam-se a riscos patrimoniais, sejam decorrentes de inadequada aplicação dos recursos que tiverem entregue ao incorporador, sejam decorrentes de eventual desequilíbrio do patrimônio geral do incorporador. A omissão do sistema legislativo, como observa Caio Mário da Silva Pereira, poderia dar causa a mau emprego dos recursos de um prédio em outro,

12 causando grandes prejuízos por causa de mau emprego das verbas, quando o dinheiro dos adquirentes de unidades em um edifício é desviado para outro construído pelo mesmo profissional e, quando se informam aqueles, lá se foram os recursos e vem a falta de numerário. 6 Tal é a complexidade da atividade e tais os riscos dos parceiros do incorporador, que o Professor Caio Mário da Silva Pereira, em 1960, ao tratar do assunto em seu Propriedade Horizontal, no qual apresentara anteprojeto que veio a ser convertido na Lei n 4.591/64, já advertia que a lei deveria prever o credenciamento de um órgão fiscalizador encarregado de acompanhar a execução das incorporações e velar pelo cumprimento dos encargos imputáveis ao incorporador; nesse mister, seu anteprojeto contemplava um registro obrigatório dos incorporadores e um sistema fiscalizador 7 A proposição, de fato, contribuiria para melhor controle dessa atividade empresarial, com reflexos benéficos para os adquirentes de modo geral, embora não afastasse os riscos patrimoniais dos adquirentes, nem contornasse os efeitos de eventual insolvência do incorporador. Dada essa realidade, é possível perceber que, a despeito do sistema de proteção contratual da Lei das Incorporações e do Código de Defesa do Consumidor, os riscos patrimoniais do adquirente de unidade imobiliária em construção são de difícil dimensionamento, dada a complexidade própria do negócio e considerando as dificuldades do adquirente para acompanhar, controlar e avaliar o desempenho do incorporador e do construtor na implementação dos serviços da construção. 6 Caio Mário da Silva Pereira, Condomínio e incorporações, Forense, Rio, 3 a ed., 1976, p Em nosso livro da Propriedade Horizontal já tratáramos do assunto, e sugerimos então que se incumbissem as autoridades administrativas locais desse mister, bem como aos Conselhos Regionais de Engenharia e Arquitetura, dada a proximidade patente entre a atividade do incorporador e a do construtor (às vezes reunidas na mesma pessoa), e ainda pelo fato notório da eficiência e elevação com que se conduzem esses Conselhos. No Anteprojeto que redigimos tivemos a mesma cautela, mas parece que na tramitação legislativa faltou quem tivesse conhecimento especializado da matéria, para imprimir sistema a este ponto tão importante. A Lei n 4.591, de 16 de dezembro de 1964, não cria um órgão específico de fiscalização. Condomínio e incorporações, cit., p. 257.

13 Além disso eventuais litígios decorrentes de financiamento da construção do edifício poderiam colocar em risco a participação dos adquirentes no negócio. A adequação do negócio incorporativo à teoria da afetação 8 A atividade da incorporação imobiliária é naturalmente vocacionada para a afetação patrimonial, seja em razão da relativa autonomia de cada empreendimento, considerado de per si, seja por força da antecipação parcial de pagamento por parte dos adquirentes. Observe-se a estrutura do negócio incorporativo, traçada a partir do art. 28 da Lei nº 4.591/64. O dossiê que forma o Memorial define por completo o objeto de cada negócio incorporativo e seu programa financeiro, atribuindo identidade a cada um desses negócios; o Memorial distingue cada incorporação dos demais empreendimentos, tornando-a única, inconfundível. Ao determinar a fixação dessa estrutura, pela reunião de elementos de identificação específica de cada empreendimento, a Lei n 4.591/64 já conferia condições de autonomia material a cada incorporação, circunstância que atrai naturalmente a incorporação para a órbita da teoria da afetação, pois o conteúdo do negócio incorporativo que o Memorial de Incorporação exprime já terá estabelecido a caracterização e os limites do patrimônio a afetar, observada a destinação própria da atividade da incorporação, que é a construção e a entrega das unidades aos respectivos adquirentes. Efetivamente, o Memorial contém cópia do projeto de construção e planilhas que descrevem e caracterizam a futura edificação e as futuras unidades imobiliárias autônomas, bem como discriminam as frações ideais do terreno a que as unidades haverão de se vincular; além disso, contém o orçamento, que quantifica o custo total da obra e discrimina o custo de cada unidade imobiliária, bem como outras peças 8 Dessa matéria cuidamos em nosso trabalho Trust (Renovar, Rio de Janeiro, 2001, pp. 119 e segs).

14 enumeradas pelo art. 32, tudo isso compondo um conjunto que dá caracterização própria a cada negócio de incorporação. Cada incorporação tem potencial de receita própria, decorrente dos créditos oriundos da alienação das unidades do empreendimento ou, eventualmente, de recursos provenientes de financiamento específico para a obra, e essas fontes, em princípio, são suficientes para conferir autonomia financeira a cada negócio incorporativo, pois o volume potencial das receitas é, naturalmente, superior ao custo da obra. A incorporação, assim, tem estrutura econômico-financeira capaz de propiciar a realização do negócio com suas próprias forças, ou seja, com recursos financeiros gerados por si mesma, independente de outras fontes de receita. Ora, de acordo com a teoria da afetação, admite-se a segregação patrimonial ou a qualificação de determinado patrimônio segundo encargos que se impõem a certos bens para efeito de vinculá-los a determinada finalidade. Segundo essa teoria, é possível a existência de várias massas patrimoniais sob titularidade de um mesmo sujeito, constituídas com a precípua finalidade de se alcançar determinados fins jurídicos ou para viabilizar determinada exploração econômica. Para esse fim, não é necessário que o bem objeto da afetação seja retirado do patrimônio do titular, mas, sim, que seja destacado para atender a determinada finalidade, sempre mediante expressa autorização legal, estando compreendidos nessa teoria o bem de família, o dote, as rendas vitalícias, as substituições etc. Implica a afetação que os credores vinculados ao patrimônio especial têm ação somente sobre bens dele integrantes, com exclusão dos outros bens do patrimônio do devedor, ou significa que esses credores têm preferência sobre os bens afetados. Patrimônios de afetação são incomunicáveis por natureza. A incomunicabilidade é seu traço característico fundamental, sua razão de existir, pois, para cumprir sua finalidade de proteção de um bem socialmente

15 relevante ou para assegurar a consecução de determinada atividade econômica, é indispensável que os bens afetados fiquem afastados dos efeitos de negócios estranhos ao objeto da afetação. Sem a incomunicabilidade não é possível a realização da finalidade social e econômica definida para o bem. É o caso, por exemplo, do imóvel destinado a moradia da família, que só responde pelas dívidas e obrigações vinculadas ao imóvel, entre elas o imposto predial, as quotas de condomínio, os salários dos empregados da casa e as contribuições previdenciárias relativos a esses empregados, entre outras. Não obstante a incomunicabilidade, a constituição desses patrimônios especiais não resulta em desmembramento do patrimônio geral: este permanece uno, abrangendo todo o conjunto de direitos e obrigações do sujeito, pois, como assinala Caio Mário da Silva Pereira, ainda que se procure destacar mais de um acervo ativo-passivo de valores jurídicos, sempre há de exprimir a noção de patrimônio a idéia de conjunto, de reunião, e esta, segundo a própria razão natural, é una. Assim, não obstante haja casos em que a origem ou a destinação de determinados bens e direitos justifique a criação de acervos especiais, ainda assim não se tem pluralidade ou divisibilidade de patrimônio, e não obstante a separação de tais acervos ou massas, o patrimônio do indivíduo há de ser tratado como unidade, em razão da unidade subjetiva das relações jurídicas. Vinculado a um fim especial, o acervo afetado é alvo de tratamento destacado no patrimônio geral, sem que se crie uma personalidade: Os bens, objeto da afetação, a nosso ver, achamse, sem dúvida, vinculados ao fim, encontram-se gravados de encargo, ou são objeto de restrição. Assim entendendo, aprovamos a disposição contida no Projeto de novo Código Civil, que autoriza separar do patrimônio da pessoa um conjunto de bens ou direitos vinculados a um fim determinado, seja por mandamento legal, seja por destinação do titular. Separados do patrimônio, e afetados a um fim, são tratados como bens independentes do patrimônio geral do indivíduo. A afetação, porém, implicará composição de um patrimônio sem se verificar a criação de uma personalidade, como se dá

16 com as fundações. Caso contrário, eles se prendem ao fim, porém continuam encravados no patrimônio do sujeito. Não há, pois, razão para romper com a concepção tradicional da unidade do patrimônio, com a qual se concilia a idéia de poderem existir, no patrimônio, massas de bens objetivamente considerados: bens dotais, bens de ausentes, bens da herança etc. 9 O patrimônio de afetação é, assim, uma universalidade de direitos e obrigações destinada ao cumprimento de determinada função, que opera integrada ao patrimônio geral. Organizado para determinado fim, esse complexo de bens, direitos e obrigações é dotado de autonomia funcional para alcançar esse fim, pois, como observa Messineo, o conceito de patrimônio separado tem um certo nexo com o conceito de universalidade e com o problema da responsabilidade limitada (...) e sobre ele incidem direitos e obrigações autônomas. 10 Assim, dentro do patrimônio geral do sujeito coexistiriam duas ou mais massas patrimoniais que, embora incomunicáveis, podem estar relacionadas por laços de interdependência, cujos limites e intensidade hão de ser determinados pela natureza da função a que estiver destinada a massa patrimonial especial, preservando-se sempre as condições necessárias à consecução do objetivo da afetação. A afetação pode corporificar-se de formas distintas, conforme a função do acervo afetado e em atenção à espécie de negócio em que venha a ser aplicada. No caso dos fundos de investimento, por exemplo, a sociedade administradora adquire a propriedade dos bens e direitos que constituirão o acervo da carteira de investimentos, mas na modalidade de propriedade fiduciária, em que, embora figure como proprietária, sua titularidade é apenas nominal, pois os subscritores das quotas do fundo é que são os titulares do conteúdo econômico daqueles bens e direitos; a sociedade 9 Instituições de Direito Civil, Forense, Rio, 17 a ed., 1995, vol. I, pp. 240 e Manual de derecho civil y comercial, Ediciones Jurídicas Europa-América, Buenos Aires, 1971, v. II, p. 265.

17 administradora torna-se proprietária desses bens e direitos apenas para administrá-los, jamais para tirar proveito de sua exploração econômica, de modo que o resultado positivo líquido dessa exploração é destinada aos subscritores. Já na incorporação imobiliária o incorporador adquire o terreno para si próprio, é o beneficiário da exploração econômica do negócio; neste caso, a função da afetação é a consecução da incorporação, com a conclusão da obra e entrega das unidades aos respectivos adquirentes; na medida em que o incorporador contrate a venda de coisa futura, a preço fechado, sua obrigação é de resultado e, portanto, responde pela execução da obra com seu patrimônio geral; de outra parte, o lucro apurado no negócio da incorporação é dele e, portanto, uma vez liquidado o patrimônio de afetação, deve ser apropriado no patrimônio geral do incorporador; assim, caso o produto da venda das unidades de determinada incorporação não seja suficiente para levá-la a cabo, o incorporador terá que extrair recursos do seu patrimônio geral e destiná-los à conclusão da incorporação e, de outra parte, caso haja resultado positivo na incorporação, este será levado para o patrimônio geral. Em ambos os casos fundo de investimento e incorporação imobiliária sobressai com clareza o contorno da autonomia funcional do acervo patrimonial envolvido, mas a interdependência entre as massas patrimoniais geral e especial ressalta com toda nitidez no negócio da incorporação imobiliária. As lições de Caio Mário e de Messineo permitem apreender claramente a configuração dessa espécie de patrimônio a que se atribui destinação especial. A autonomia funcional do acervo ao qual se atribui uma destinação específica explica a articulação entre os elementos de um mesmo patrimônio, pois os bens que integram o patrimônio de afetação, como adverte Caio Mário, continuam encravados no patrimônio do sujeito. Vale dizer: o patrimônio de afetação não é um patrimônio dissociado do patrimônio geral do sujeito, mas permanece a ele articulado, nele operando destacadamente, e esse destaque é feito para que possa tal acervo cumprir determinada função, daí porque se fala que sua autonomia é funcional, não plena. A esses

18 fundamentos deve-se dar redobrada atenção quando da interpretação dos textos legislativos que disciplinam a constituição de patrimônios de afetação. O advento da proteção patrimonial dos adquirentes Com base nesses pressupostos, o art. 53 da Lei n /2004 veio suprir a importante lacuna, assegurando aos adquirentes a proteção patrimonial que faltava. A nova lei resulta do Projeto de Lei da Câmara n 2.109/99, que reproduz anteprojeto de nossa lavra aprovado pelo Instituto dos Advogados Brasileiros, tendo sido, posteriormente, incorporado ao Projeto de Lei do Executivo n 3.065/2004, que veio a ser convertido na Lei n /2004; o art. 53 dessa lei acrescenta à Lei 4.591/64 os arts. 31A a 31F, dispondo sobre o modo de constituição da afetação do acervo das incorporações, os mecanismos de controle e os procedimentos em caso de insolvência da empresa incorporadora. O art. 31A estabelece a destinação do acervo de cada incorporação imobiliária, ao permitir que tal acervo constitua um patrimônio de afetação, destinado à consecução da incorporação correspondente e à entrega das unidades imobiliárias aos respectivos adquirentes. Dada essa qualificação, os bens, direitos e obrigações vinculados à incorporação afetada passam a formar um núcleo patrimonial com autonomia funcional, que só responde pelas suas próprias dívidas e obrigações. Uma Comissão de Representantes dos adquirentes exerce controle sobre esse patrimônio separado, inclusive mediante análise trimestral do seu balanço específico e está legitimada para, em caso de falência ou recuperação da empresa incorporadora, assumir a administração do empreendimento e dar prosseguimento à obra, independente de intervenção judicial e com autonomia em relação ao processo de falência.

19 Essa autonomia é ratificada pela recente Lei n /2005, que regulamenta a Recuperação da Sociedade Empresária e do Empresário, ao estabelecer, no inciso IX do art. 119, que as atividades relacionadas a patrimônios de afetação prosseguirão independente do processo de falência até que cumpram sua finalidade. III O regime jurídico instituído pelos arts. 31A a 31F da Lei 4.591/64 De acordo com as novas normas legais, a afetação se efetiva mediante termo de afetação, que será averbado no Registro de Imóveis. Uma vez afetado, o acervo da incorporação torna-se incomunicável, passando a responder somente pelas suas próprias dívidas e obrigações. Contabilidade separada Cada patrimônio de afetação tem ativo e passivo próprios. A lei exige que o incorporador mantenha contabilidade separada para cada incorporação afetada, sem que isso implique exclusão do acervo afetado do patrimônio geral do incorporador, nem limitação da sua responsabilidade pela incorporação, de modo que ele é que é o responsável pela obtenção dos recursos para conclusão da obra e entrega das unidades. Direito subjetivo do incorporador e restrições ao exercício dos seus poderes A afetação não atinge o direito subjetivo do incorporador, que, sendo titular do terreno e das acessões, continua investido dos poderes de livre disponibilidade dos bens integrantes da incorporação. Sendo, entretanto, um encargo que vincula esses bens a uma determinada destinação (conclusão da obra e entrega das unidades aos adquirentes), a afetação condiciona o exercício dos poderes do titular da incorporação, impedindo que ele perpetre atos de desvio de destinação. Por isso mesmo, os parágrafos 3 ao 8 do art. 31A autorizam o incorporador a ceder os créditos oriundos da comercialização

20 das unidades, seja em termos plenos ou fiduciários, bem como a constituir garantias reais sobre os bens e direitos da incorporação. Mas, coerentemente com o regime de vinculação de receitas visando a consecução da incorporação, esses dispositivos deixam claro que (i) a constituição de garantias reais só é admitida em operação de crédito cujo produto seja integralmente destinado à realização da incorporação, (ii) o produto da cessão de créditos, plena ou fiduciária, passa a integrar o patrimônio de afetação. Pode o incorporador, entretanto, apropriar-se dos recursos financeiros que excederem a importância necessária à conclusão da obra (art. 44), considerando-se os valores a receber até sua conclusão e, bem assim, os recursos necessários à quitação de financiamento para a construção, se houver ( 8 do art. 31A). O incorporador tem, assim, assegurado seu direito subjetivo de titular do negócio, mas a lei lhe impõe determinadas obrigações correspectivas, e, a despeito de poder ceder até mesmo a totalidade dos créditos oriundos da comercialização, ele é obrigado a preservar os recursos necessários à conclusão da obra, manter apartados os bens e direitos objeto de cada incorporação, manter e movimentar os recursos financeiros em conta de depósito específica para a incorporação afetada, manter contabilidade separada e fornecer à Comissão de Representantes, trimestralmente, balancetes e demonstrativos do estado da obra (art. 31D). Controle e fiscalização O controle e a fiscalização do desenvolvimento da incorporação afetada será feito pela Comissão de Representantes dos adquirentes, a partir dos relatórios trimestrais que receberá do incorporador, bem como pela instituição financiadora do empreendimento. Extinção da afetação Uma vez concluída a obra, entregues as unidades aos adquirentes e paga a dívida decorrente do financiamento, se houver, extingue-se a afetação. Dá-se também a extinção da afetação em duas outras hipóteses, a saber: (i) em caso de denúncia da incorporação, depois de

O dispositivo em questão dispõe que a incorporação imobiliária poderá ser submetida ao regime de afetação, a critério do incorporador, nestes termos:

O dispositivo em questão dispõe que a incorporação imobiliária poderá ser submetida ao regime de afetação, a critério do incorporador, nestes termos: Exmo. Sr. Presidente do Instituto dos Advogados do Brasil PARECER INDICAÇÃO Nº 022/2015 Projeto de Lei nº 5092/2013: Altera a redação do art. 31-A da Lei nº 4.591/1964, para qualificar como patrimônio

Leia mais

PATRIMÔNIO DE AFETAÇÃO. Advogado: Marcelo Terra

PATRIMÔNIO DE AFETAÇÃO. Advogado: Marcelo Terra PATRIMÔNIO DE AFETAÇÃO Advogado: Marcelo Terra 1. Objetivo do patrimônio de afetação O patrimônio de afetação se destina à consecução da incorporação correspondente e entrega das unidades imobiliárias

Leia mais

Incorporação Imobiliária

Incorporação Imobiliária Incorporação Imobiliária Lei nº 4.591, de 16 de dezembro de 1964 Incorporação Imobiliária Incorporação imobiliária é a atividade exercida pela pessoa física ou jurídica, empresário ou não que se compromete

Leia mais

Lei 11.795/08 A NOVA LEI DE CONSÓRCIOS. Juliana Pereira Soares

Lei 11.795/08 A NOVA LEI DE CONSÓRCIOS. Juliana Pereira Soares Lei 11.795/08 A NOVA LEI DE CONSÓRCIOS Art. 2º da Lei 11.795/08: Consórcio é a reunião de pessoas naturais e jurídicas em grupo, com prazo de duração e número de cotas previamente determinados, promovida

Leia mais

CONTRATOS DE INCORPORAÇÃO IMOBILIÁRIA. *Afranio dos Santos Evangelista Junior.

CONTRATOS DE INCORPORAÇÃO IMOBILIÁRIA. *Afranio dos Santos Evangelista Junior. CONTRATOS DE INCORPORAÇÃO IMOBILIÁRIA. *Afranio dos Santos Evangelista Junior. Sumário: I Considerações iniciais; II Características dos contratos de incorporação imobiliária; III Elementos dos contratos

Leia mais

INCORPORAÇÕES IMOBILIÁRIAS. Uma análise sob a ótica contratual

INCORPORAÇÕES IMOBILIÁRIAS. Uma análise sob a ótica contratual INCORPORAÇÕES IMOBILIÁRIAS Uma análise sob a ótica contratual LEI ESPECIAL LEI Nº. 4.591, de 16 de dezembro de 1964 (com alterações da Lei nº. 10.931/04) Dispõe sobre o condomínio em edificações e as incorporações

Leia mais

1º A gestão do Programa cabe ao Ministério das Cidades e sua operacionalização à Caixa Econômica Federal CEF.

1º A gestão do Programa cabe ao Ministério das Cidades e sua operacionalização à Caixa Econômica Federal CEF. LEI 10.188, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2001 Cria o Programa de Arrendamento Residencial, institui o arrendamento residencial com opção de compra e dá outras providências. Faço saber que o Presidente da República

Leia mais

Consultor Legislativo da Área VII Finanças, Direito Comercial, Direito Econômico, Defesa do Consumidor e

Consultor Legislativo da Área VII Finanças, Direito Comercial, Direito Econômico, Defesa do Consumidor e SOBRE AS ALTERAÇÕES NO CRÉDITO IMOBILIÁRIO E OUTRAS REFERENTES À POLÍTICA HABITACIONAL CONTIDAS NA MP 2.212 DE 30/8/01 E NAS MPS 2.221 E 2.223 DE 4/9/01 EDUARDO BASSIT LAMEIRO DA COSTA Consultor Legislativo

Leia mais

REGULAMENTO PROMOÇÃO ISENÇÃO DE CONDOMÍNIO, IPTU E ESCRITURA GRÁTIS

REGULAMENTO PROMOÇÃO ISENÇÃO DE CONDOMÍNIO, IPTU E ESCRITURA GRÁTIS REGULAMENTO PROMOÇÃO ISENÇÃO DE CONDOMÍNIO, IPTU E ESCRITURA GRÁTIS Promoção a ser realizada por GUARENAS INVESTIMENTOS IMOBILIÁRIOS LTDA, pessoa jurídica de direito privado, inscrita no CNPJ/MF sob nº

Leia mais

Cadernos ASLEGIS. ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br. http://bd.camara.leg.br

Cadernos ASLEGIS. ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br. http://bd.camara.leg.br ASSOCIAÇÃO DOS CONSULTORES LEGISLATIVOS E DE ORÇAMENTO E FISCALIZAÇÃO FINANCEIRA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS Cadernos ASLEGIS ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br http://bd.camara.leg.br o palrimôniode afetação

Leia mais

TRIBUTAÇÃO DO SETOR IMOBILIÁRIO E DA CONSTRUÇÃO CIVIL. Martelene Carvalhaes

TRIBUTAÇÃO DO SETOR IMOBILIÁRIO E DA CONSTRUÇÃO CIVIL. Martelene Carvalhaes TRIBUTAÇÃO DO SETOR IMOBILIÁRIO E DA CONSTRUÇÃO CIVIL Martelene Carvalhaes GESTÃO DE RISCOS O mercado de empreendimentos imobiliários é onde as empresas operam com maior nível de riscos devido às particularidades

Leia mais

Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI

Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Diversos veículos podem ser utilizados para securitizar recebíveis imobiliários, entretanto o uso dos Certificados de Recebíveis Imobiliários -CRI- vem caminhando

Leia mais

TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA

TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PIAUÍ PROGRAMA DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR-PROCON Rua Álvaro Mendes, 2294, Centro Teresina PI, CEP: 64000-060 Fones: (86)3221-5848 (86) 3216-4550 TERMO DE AJUSTAMENTO

Leia mais

Estabelecimento Empresarial

Estabelecimento Empresarial Estabelecimento Empresarial É a base física da empresa, que consagra um conjunto de bens corpóreos e incorpóreos, constituindo uma universalidade que pode ser objeto de negócios jurídicos. É todo o complexo

Leia mais

INCORPORAÇÃO IMOBILIÁRIA

INCORPORAÇÃO IMOBILIÁRIA INCORPORAÇÃO IMOBILIÁRIA Segundo o SINDUSCON-SP (Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado de São Paulo) a construção civil brasileira deve registrar uma expansão de 8,8% no PIB (Produto Interno

Leia mais

Securitização De Créditos Imobiliários

Securitização De Créditos Imobiliários Securitização De Créditos Imobiliários Operações Imobiliárias A 1. O que é securitização de créditos imobiliários? Securitização é um processo estruturado, coordenado por uma instituição especializada

Leia mais

CERTIFICADO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS CRI

CERTIFICADO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS CRI CERTIFICADO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS CRI Diversos veículos podem ser utilizados para securitizar recebíveis imobiliários, entretanto o uso dos Certificados de Recebíveis Imobiliários CRI vem caminhando

Leia mais

REGULAMENTO PROMOÇÃO ITBI PREMIADO MRV MAIO 2014

REGULAMENTO PROMOÇÃO ITBI PREMIADO MRV MAIO 2014 REGULAMENTO PROMOÇÃO ITBI PREMIADO MRV MAIO 2014 MRV ENGENHARIA E PARTICIPAÇÕES S.A. ( MRV ), pessoa jurídica de direito privado, inscrita no CNPJ/MF sob o nº 08.343.492/0001-20, com sede na Av. Raja Gabaglia,

Leia mais

O 10. QUADROS DA NBR 12.721/2006, COM ART O 11. ALVARÁ DE CONSTRUÇÃO O 12. ATESTADO DE IDONEIDADE FINANCEIRA O 13. CONTRATO-PADRÃO

O 10. QUADROS DA NBR 12.721/2006, COM ART O 11. ALVARÁ DE CONSTRUÇÃO O 12. ATESTADO DE IDONEIDADE FINANCEIRA O 13. CONTRATO-PADRÃO LISTA DE DOCUMENTOS 1 Lei 4.591/64, Provimento nº 260/CGJ/2013. O incorporador deverá apresentar, no Ofício de Registro de Imóveis, os seguintes documentos, organizados nesta ordem. CHECK LIST O 1. MEMORIAL

Leia mais

FAQ Perguntas Frequentes

FAQ Perguntas Frequentes FAQ Perguntas Frequentes Índice 01. Incorporação Imobiliária...3 02. Contrato...4 03. Pagamento e Boletos...5 04. Financiamento...6 05. Distrato e Transferência...8 06. Documentações...9 07. Instalação

Leia mais

T4F ENTRETENIMENTO S.A. CNPJ/MF N.º 02.860.694/0001-62

T4F ENTRETENIMENTO S.A. CNPJ/MF N.º 02.860.694/0001-62 T4F ENTRETENIMENTO S.A. CNPJ/MF N.º 02.860.694/0001-62 PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES O presente Plano de Opção de Compra de Ações da T4F ENTRETENIMENTO S.A. ( Companhia ), aprovado pela Assembléia

Leia mais

II. Contrato Principal: o documento contratual, seus aditivos e anexos, que especificam as obrigações e direitos do segurado e do tomador.

II. Contrato Principal: o documento contratual, seus aditivos e anexos, que especificam as obrigações e direitos do segurado e do tomador. SEGURO-GARANTIA - CONDIÇÕES GERAIS Este seguro garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador no contrato principal, firmado com o segurado, conforme os termos da apólice. I. Seguro-Garantia:

Leia mais

DA PROMESSA DE COMPRA E VENDA DE BEM IMÓVEL NA PERSPECTIVA DO REGISTRO DE IMÓVEIS: CLÁUSULAS SUSPENSIVA E RESOLUTIVA, EXTINÇÃO E PUBLICIADE REGISTRAL

DA PROMESSA DE COMPRA E VENDA DE BEM IMÓVEL NA PERSPECTIVA DO REGISTRO DE IMÓVEIS: CLÁUSULAS SUSPENSIVA E RESOLUTIVA, EXTINÇÃO E PUBLICIADE REGISTRAL DA PROMESSA DE COMPRA E VENDA DE BEM IMÓVEL NA PERSPECTIVA DO REGISTRO DE IMÓVEIS: CLÁUSULAS SUSPENSIVA E RESOLUTIVA, EXTINÇÃO E PUBLICIADE REGISTRAL Professor Luiz Egon Richter 1. DA DISTINÇÃO ENTRE A

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SRF Nº 23, de 25.03.83.

INSTRUÇÃO NORMATIVA SRF Nº 23, de 25.03.83. INSTRUÇÃO NORMATIVA SRF Nº 23, de 25.03.83. Altera normas para a apuração e tributação do lucro nas atividades de compra e venda, loteamento, incorporação e construção de imóveis estabelecidas pela Instrução

Leia mais

Esta proposta altera parcialmente o Plano original de recuperação judicial, apresentado em março de 2015, após negociações com credores.

Esta proposta altera parcialmente o Plano original de recuperação judicial, apresentado em março de 2015, após negociações com credores. MODIFICAÇÕES AO PLANO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL PROPOSTAS PELOS CREDORES PARA SEREM APRESENTADAS NO PROSSEGUIMENTO DA ASSEMBLEIA GERAL DE CREDORES DESIGNADA PARA O DIA 19/11/2015 Esta proposta altera parcialmente

Leia mais

A PORTABILIDADE DE FINANCIAMENTO IMOBILIÁRIO DA LEI FEDERAL N.º 12.703/2012 E SEUS REFLEXOS

A PORTABILIDADE DE FINANCIAMENTO IMOBILIÁRIO DA LEI FEDERAL N.º 12.703/2012 E SEUS REFLEXOS A PORTABILIDADE DE FINANCIAMENTO IMOBILIÁRIO DA LEI FEDERAL N.º 12.703/2012 E SEUS REFLEXOS A portabilidade de financiamento imobiliário (com transferência de alienação fiduciária de bem imóvel em garantia)

Leia mais

SOCIEDADE LIMITADA. Sociedade Limitada. I - responsável integralmente e ilimitadamente pelas dívidas assumidas em seu próprio nome

SOCIEDADE LIMITADA. Sociedade Limitada. I - responsável integralmente e ilimitadamente pelas dívidas assumidas em seu próprio nome Sociedade Limitada I - responsável integralmente e ilimitadamente pelas dívidas assumidas em seu próprio nome II a limitação refere-se aos sócios 2. Responsabilidade dos Sócios I - Decreto 3.708/19 (sociedade

Leia mais

Lei nº 11.196, de 21.11.2005 (DOU-1 22.11.2005)

Lei nº 11.196, de 21.11.2005 (DOU-1 22.11.2005) LUCRO IMOBILIÁRIO PESSOA FÍSICA ISENÇÃO E TRIBUTAÇÃO PELO IMPOSTO DE VENDA NOVA GARANTIA DA LOCAÇÃO: FUNDO DE INVESTIMENTO INCORPORAÇÃO POSSE EM ÁREAS PÚBLICAS Lei nº 11.196, de 21.11.2005 (DOU-1 22.11.2005)

Leia mais

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador ANTONIO CARLOS JÚNIOR I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador ANTONIO CARLOS JÚNIOR I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2010 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS, sobre o Projeto de Lei da Câmara nº 57, de 2007 (PL 4760, de 2005, na origem), que altera o art. 3º da Lei nº 8.100, de 5 de dezembro de 1990, para

Leia mais

Lei n. o 7/2013. Regime jurídico da promessa de transmissão. de edifícios em construção. Breve introdução

Lei n. o 7/2013. Regime jurídico da promessa de transmissão. de edifícios em construção. Breve introdução Lei n. o 7/2013 Regime jurídico da promessa de transmissão de edifícios em construção Breve introdução 1. O que regula essencialmente o Regime jurídico da promessa de transmissão de edifícios em construção?

Leia mais

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO REGULAMENTO DA PROMOÇÃO A CONSTRUTORA Massai, empresa inscrita no CNPJ/MF sob o nº 01.295.921/0001-91, com sede na Av. Monteiro da Franca, Nº 1092, CEP 58038-20 - bairro Manaíra, em JOÃO PESSOA /PB, realizará

Leia mais

Breves notas sobre a promessa de compra e venda de imóvel.

Breves notas sobre a promessa de compra e venda de imóvel. Breves notas sobre a promessa de compra e venda de imóvel. Dentre as inúmeras espécies contratuais previstas na legislação civil, emerge uma utilizada em larga escala no dia-a-dia tanto empresarial como

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS SEGURO GARANTIA CIRCULAR SUSEP 232/03. Processo SUSEP nº 10.003.017/01-08

CONDIÇÕES GERAIS SEGURO GARANTIA CIRCULAR SUSEP 232/03. Processo SUSEP nº 10.003.017/01-08 CONDIÇÕES GERAIS SEGURO GARANTIA CIRCULAR SUSEP 232/03 Processo SUSEP nº 10.003.017/01-08 Cláusula 1ª - OBJETO Este seguro garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo Tomador no contrato principal,

Leia mais

A Breve referência à Filosofia da Venda Executiva mediante Negociação particular

A Breve referência à Filosofia da Venda Executiva mediante Negociação particular 67 A Breve referência à Filosofia da Venda Executiva mediante Negociação particular 67 Página 65 de 224 O capítulo segundo foi epigrafado com o título Ontologia da venda executiva por negociação particular.

Leia mais

O RELATÓRIO DE GESTÃO E OS REQUISITOS DO CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS

O RELATÓRIO DE GESTÃO E OS REQUISITOS DO CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS O RELATÓRIO DE GESTÃO E OS REQUISITOS DO CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS (Esta informação contém apenas informação geral, não se destina a prestar qualquer serviço de auditoria, consultadoria de gestão,

Leia mais

- Crédito trabalhista: obrigação solidária do adquirente e alienante;

- Crédito trabalhista: obrigação solidária do adquirente e alienante; Aula de 02/03/15 5. ESTABELECIMENTO EMPRESARIAL - Conceito: corresponde ao conjunto de bens reunidos pelo empresário (individual ou sociedade empresária) para a realização de sua atividade econômica; -

Leia mais

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO INDICAÇÃO PREMIADA URBAMAIS

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO INDICAÇÃO PREMIADA URBAMAIS REGULAMENTO DA PROMOÇÃO INDICAÇÃO PREMIADA URBAMAIS URBAMAIS PROPERTIES E PARTICIPAÇÕES S.A., sociedade por ações, inscrita no CNPJ/MF sob o nº 10.571.175/0001-02, com sede na Av. Raja Gabaglia, nº 2720,

Leia mais

OFERTA PÚBLICA DE UNIDADES AUTÔNOMAS IMOBILIÁRIAS HOTELEIRAS OBJETO DE

OFERTA PÚBLICA DE UNIDADES AUTÔNOMAS IMOBILIÁRIAS HOTELEIRAS OBJETO DE OFERTA PÚBLICA DE UNIDADES AUTÔNOMAS IMOBILIÁRIAS HOTELEIRAS OBJETO DE CONTRATOS DE INVESTIMENTO COLETIVO ( CIC ) NO EMPREENDIMENTO CONDOMÍNIO EDIFÍCIO IBIRAPUERA ( OFERTA ) DECLARAÇÃO DO ADQUIRENTE NOME

Leia mais

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR PROJETO DE LEI Nº 748, DE 2007

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR PROJETO DE LEI Nº 748, DE 2007 COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR I RELATÓRIO PROJETO DE LEI Nº 748, DE 2007 (Do Sr. Rogerio Lisboa) Derroga o art. 9º da Lei 10.931, de 02 de Agosto de 2004. Autor: Deputado ROGERIO LISBOA Relator: Deputada

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO JURÍDICA Disciplina: Direito Comercial Tema: Recuperação Judicial Prof.: Alexandre Gialluca Data: 12/04/2007 RESUMO

CURSO DE ATUALIZAÇÃO JURÍDICA Disciplina: Direito Comercial Tema: Recuperação Judicial Prof.: Alexandre Gialluca Data: 12/04/2007 RESUMO RESUMO 1) Falência. Continuação. 1.1) Da realização ativo. Art. 108, Lei 11.101/05. O administrador Judicial providenciará a realização do ativo. Pode ser por: leilão; proposta fechada ou pregão O porduto

Leia mais

NORMAS DO PROGRAMA REABILITA PRIMEIRO PAGA DEPOIS

NORMAS DO PROGRAMA REABILITA PRIMEIRO PAGA DEPOIS NORMAS DO PROGRAMA REABILITA PRIMEIRO PAGA DEPOIS 1.OBJETO O presente programa tem como objeto a alienação de prédios e/ou frações municipais para reabilitação 2. OBJECTIVOS O Programa Reabilita Primeiro

Leia mais

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO CYRELA COMERCIAL PROPERTIES INVESTIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A.,

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO CYRELA COMERCIAL PROPERTIES INVESTIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A., PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DA CYRELA COMERCIAL PROPERTIES INVESTIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A. PELA CYRELA COMMERCIAL PROPERTIES S.A. EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES Pelo presente instrumento

Leia mais

Publicado na revista TOC. Fiscalidade no imobiliário Contrato de locação financeira imobiliária Enquadramento fiscal

Publicado na revista TOC. Fiscalidade no imobiliário Contrato de locação financeira imobiliária Enquadramento fiscal Publicado na revista TOC Fiscalidade no imobiliário Contrato de locação financeira imobiliária Enquadramento fiscal O regime jurídico do contrato de locação financeira, vem consagrado no DL nº 149/95,

Leia mais

Anexo I da ata de Assembleia Geral Extraordinária da RUMO LOGÍSTICA OPERADORA MULTIMODAL S.A., realizada em 24 de abril de 2015.

Anexo I da ata de Assembleia Geral Extraordinária da RUMO LOGÍSTICA OPERADORA MULTIMODAL S.A., realizada em 24 de abril de 2015. Anexo I da ata de Assembleia Geral Extraordinária da RUMO LOGÍSTICA OPERADORA MULTIMODAL S.A., realizada em 24 de abril de 2015. RUMO LOGÍSTICA OPERADORA MULTIMODAL S.A. CNPJ/MF n 71.550.388/0001-42 NIRE

Leia mais

TEORIA GERAL DO DIREITO EMPRESARIAL

TEORIA GERAL DO DIREITO EMPRESARIAL Direito Societário É subárea do direito empresarial que disciplina a forma de exercício coletivo de atividade econômica empresária; Importante observação sobre as questões da primeira fase da OAB: 25%

Leia mais

NOTA TÉCNICA CONJUNTA PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA

NOTA TÉCNICA CONJUNTA PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA NOTA TÉCNICA CONJUNTA PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA Associação dos Notários e Registradores do Brasil ANOREG/BR Instituto de Registro Imobiliário do Brasil IRIB Associação dos Registradores Imobiliários

Leia mais

PDG REALTY S.A. EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES Companhia Aberta. CNPJ/MF n.º 02.950.811/0001-89 NIRE 35.300.158.954 Código CVM 20478

PDG REALTY S.A. EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES Companhia Aberta. CNPJ/MF n.º 02.950.811/0001-89 NIRE 35.300.158.954 Código CVM 20478 PDG REALTY S.A. EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES Companhia Aberta CNPJ/MF n.º 02.950.811/0001-89 NIRE 35.300.158.954 Código CVM 20478 PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES O presente Plano de Opção de Compra

Leia mais

Anexo 1.2.7 : Modelo de instrumento de cessão de crédito sem coobrigação

Anexo 1.2.7 : Modelo de instrumento de cessão de crédito sem coobrigação Anexo 1.2.7 : Modelo de instrumento de cessão de crédito sem coobrigação INSTRUMENTO PARTICULAR DE CESSÃO DE CRÉDITOS SEM COOBRIGAÇÃO Por este instrumento, as partes a seguir designadas e qualificadas,

Leia mais

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO RENDA GARANTIDA

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO RENDA GARANTIDA REGULAMENTO DA PROMOÇÃO RENDA GARANTIDA HAF SPE017 HA JARDIM BOTÂNICO LTDA., pessoa jurídica de direito privado, com sede na Rua Prof. Pedro Viriato Parigot de Souza, nº. 1280, Mossunguê, nesta Capital,

Leia mais

REGULAMENTO PROMOÇÃO MEGA OFERTA COSIL EXCLUSIVO PARA ESTÂNCIA/SE

REGULAMENTO PROMOÇÃO MEGA OFERTA COSIL EXCLUSIVO PARA ESTÂNCIA/SE REGULAMENTO PROMOÇÃO MEGA OFERTA COSIL EXCLUSIVO PARA ESTÂNCIA/SE A COSIL CONSTRUÇÕES E INCORPORAÇÕES S.A. com sede na AV. Ivo do Prado 352 Centro, na cidade de Aracaju, SE Inscrita no CNPJ 13.010.301/0001-48

Leia mais

DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS. Curso de Técnico em Transações Imobiliárias Curso Total

DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS. Curso de Técnico em Transações Imobiliárias Curso Total DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS Curso de Técnico em Transações Imobiliárias Curso Total DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS. FINALIDADE. DOS TÍTULOS REGISTRÁVEIS: ESCRITURA

Leia mais

O sócio que ceder suas quotas continua responsável pelas obrigações sociais até dois anos depois de modificado o contrato social:

O sócio que ceder suas quotas continua responsável pelas obrigações sociais até dois anos depois de modificado o contrato social: AULA 2 4. Tipos societários 4.1 Sociedade Simples Se a sociedade simples não optar por outra forma essa é a forma que será a ela aplicada. Esse tipo é também subsidiário aos outros tipos sociais, ou seja,

Leia mais

As implicações da Medida Provisória nº 656/2014 para o adquirente de imóvel

As implicações da Medida Provisória nº 656/2014 para o adquirente de imóvel As implicações da Medida Provisória nº 656/2014 para o adquirente de imóvel Por Roberto Santos Silveiro* Com o propósito de dar maior segurança jurídica ao adquirente de imóvel, no dia 07 de novembro deste

Leia mais

CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS

CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS CONTABILIDADE: DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS (DLPA) PROCEDIMENTOS SUMÁRIO 1. Considerações Iniciais 2. Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados (DLPA) na Lei das S.A. 3. Demonstração

Leia mais

Sumário Introdução 1. Escorço histórico 2. Condomínio edilício 3. Direitos e deveres no condomínio edilício

Sumário Introdução 1. Escorço histórico 2. Condomínio edilício 3. Direitos e deveres no condomínio edilício Sumário Introdução 13 1. Escorço histórico 15 1.1. O surgimento da propriedade horizontal no mundo 16 1.2. Condomínio edilício no Brasil 17 2. Condomínio edilício 20 2.1. A questão do nome do instituto

Leia mais

INSTRUMENTO PARTICULAR DE PROMESSA DE VENDA E COMPRA DE IMÓVEL URBANO, que entre si celebram:

INSTRUMENTO PARTICULAR DE PROMESSA DE VENDA E COMPRA DE IMÓVEL URBANO, que entre si celebram: INSTRUMENTO PARTICULAR DE PROMESSA DE VENDA E COMPRA DE IMÓVEL URBANO, que entre si celebram: I - de um lado, na qualidade de Promitente VENDEDORA, a FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL DO BANCO ECONÔMICO S/A-ECOS,

Leia mais

I) o custo de aquisição de terrenos ou prédios, inclusive os tributos devidos na aquisição e as despesas de legalização;

I) o custo de aquisição de terrenos ou prédios, inclusive os tributos devidos na aquisição e as despesas de legalização; 3 FORMAÇÃO DO CUSTO O custo dos imóveis vendidos compreenderá obrigatoriamente: I) o custo de aquisição de terrenos ou prédios, inclusive os tributos devidos na aquisição e as despesas de legalização;

Leia mais

1. Compra e Venda Mercantil (art. 481/504 CC) 1. Origem histórica da compra e venda

1. Compra e Venda Mercantil (art. 481/504 CC) 1. Origem histórica da compra e venda 1. Compra e Venda Mercantil (art. 481/504 CC) 1. Origem histórica da compra e venda A compra e venda é o mais importante de todos os contratos, tendo em vista que é pela compra e venda que se dá a circulação

Leia mais

PROGRAMA COMPROU, GANHOU MÓVEIS PLANEJADOS - VERDE MORUMBI

PROGRAMA COMPROU, GANHOU MÓVEIS PLANEJADOS - VERDE MORUMBI PROGRAMA COMPROU, GANHOU MÓVEIS PLANEJADOS - VERDE MORUMBI REALIZADORA BONNAIRE RESIDENCIAL EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A., sociedade por ações, inscrita no CNPJ sob n. 09.259.333/0001-04, com seus

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Considerando que os Municípios dispõem de atribuições no domínio da promoção do desenvolvimento, de acordo com o disposto na alínea n) do n.º 1 do

Leia mais

PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO

PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO Disciplina: Direito Empresarial II JUR 1022 Turma: C02 Prof.: Luiz Fernando Capítulo VI SOCIEDADES ANÔNIMAS 1. Evolução Legal: a) Decreto n. 575/49;

Leia mais

PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES DA GENERAL SHOPPING BRASIL S.A CNPJ/MF nº 08.764.621/0001-53 NIRE 35.300.340.833

PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES DA GENERAL SHOPPING BRASIL S.A CNPJ/MF nº 08.764.621/0001-53 NIRE 35.300.340.833 PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES DA GENERAL SHOPPING BRASIL S.A CNPJ/MF nº 08.764.621/0001-53 NIRE 35.300.340.833 CLÁUSULA 1. OBJETIVOS DA OUTORGA DE OPÇÕES 1.1 Os objetivos do Plano de Opção de Compra

Leia mais

Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto *

Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto * Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto * Nos termos da Resolução do Conselho de Ministros n.º 103/2002, de 26 de Julho, que aprovou o Programa para a Produtividade e o Crescimento da Economia, foi delineado

Leia mais

BRASILAGRO COMPANHIA BRASILEIRA DE PROPRIEDADES AGRÍCOLAS CNPJ/MF n.º 07.628.528/0001-59

BRASILAGRO COMPANHIA BRASILEIRA DE PROPRIEDADES AGRÍCOLAS CNPJ/MF n.º 07.628.528/0001-59 BRASILAGRO COMPANHIA BRASILEIRA DE PROPRIEDADES AGRÍCOLAS CNPJ/MF n.º 07.628.528/0001-59 PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES APROVADO PELA ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA DA BRASILAGRO COMPANHIA BRASILEIRA DE

Leia mais

RESOLUÇÃO AGE Nº 279, DE 6 DE OUTUBRO DE 2011. (Texto Consolidado)

RESOLUÇÃO AGE Nº 279, DE 6 DE OUTUBRO DE 2011. (Texto Consolidado) RESOLUÇÃO AGE Nº 279, DE 6 DE OUTUBRO DE 2011. (Texto Consolidado) Regulamenta o oferecimento e a aceitação de seguro garantia e da carta de fiança no âmbito da Advocacia Geral do Estado - AGE. O ADVOGADO-GERAL

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 51, DE 09 DE JUNHO DE 1986.

INSTRUÇÃO CVM Nº 51, DE 09 DE JUNHO DE 1986. INSTRUÇÃO CVM Nº 51, DE 09 DE JUNHO DE 1986. Regulamenta a concessão de financiamento para compra de ações pelas Sociedades Corretoras e Distribuidoras. O Presidente da Comissão de Valores Mobiliários

Leia mais

Plano de Outorga de Opção de Compra de Ações

Plano de Outorga de Opção de Compra de Ações Plano de Outorga de Opção de Compra de Ações 1. OBJETIVO DO PLANO 1.1. O objetivo deste Plano de Outorga de Opção de Compra de Ações ( Plano ) da QGEP Participações S.A. ( Companhia ), instituído nos termos

Leia mais

A POSSIBILIDADE DA INCLUSÃO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS DO CONVENENTE NO PLANO DE TRABALHO A SER APRESENTADO EM CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE

A POSSIBILIDADE DA INCLUSÃO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS DO CONVENENTE NO PLANO DE TRABALHO A SER APRESENTADO EM CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE A POSSIBILIDADE DA INCLUSÃO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS DO CONVENENTE NO PLANO DE TRABALHO A SER APRESENTADO EM CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE Elaborado em: 22/09/2010 Autora: Walleska Vila Nova Maranhão

Leia mais

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR Consiste na forma como as diferentes Pessoas Jurídicas atuam no desenvolvimento de atividades econômicas e sociais no âmbito da sociedade. De acordo com o

Leia mais

LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR

LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR ATUALIZAÇÃO 9 De 1.11.2014 a 30.11.2014 VADE MECUM LEGISLAÇÃO 2014 CÓDIGO CIVIL PÁGINA LEGISLAÇÃO ARTIGO CONTEÚDO 215 Lei 10.406/2002 Arts. 1.367 e 1.368-B Art. 1.367. A propriedade fiduciária em garantia

Leia mais

Estas seriam isentas de contribuição predial ou qualquer outra taxa camarária, durante os primeiros dez anos do período de amortização.

Estas seriam isentas de contribuição predial ou qualquer outra taxa camarária, durante os primeiros dez anos do período de amortização. «CASAS ECONÓMICAS» Desde há muito que se ouve falar no conceito de casas económicas, mas nem sempre o cidadão comum percebe o que realmente são e em que contexto elas apareceram, e, o que tem a Caixa Geral

Leia mais

Gestão de Contratos. Noções

Gestão de Contratos. Noções Gestão de Contratos Noções Contrato - Conceito Contrato é todo acordo de vontades, celebrado para criar, modificar ou extinguir direitos e obrigações de índole patrimonial entre as partes (Direito Civil).

Leia mais

Alterações ao Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas

Alterações ao Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas Alterações ao Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas O Governo divulgou recentemente um conjunto de medidas de revisão e aperfeiçoamento do atual Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas,

Leia mais

Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social

Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social 1.4.7.3. Contribuições do art.195 CF Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social (previdência, saúde e assistência social), espécies de contribuições sociais, como

Leia mais

3LEI Nº 438 DE 09 DE SETEMBRO DE 2014

3LEI Nº 438 DE 09 DE SETEMBRO DE 2014 3LEI Nº 438 DE 09 DE SETEMBRO DE 2014 Dispõe sobre a consignação em folha de pagamento de agente político e servidor da administração municipal do executivo e do legislativo e dá outras providências. O

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural Serviço Nacional de Aprendizagem Rural REGULAMENTO DOS PROCEDIMENTOS PARA CELEBRAÇÃO DE TERMOS DE COOPERAÇÃO Estabelece diretrizes, normas e procedimentos para celebração, execução e prestação de contas

Leia mais

MANUAL DE GARANTIAS 1

MANUAL DE GARANTIAS 1 MANUAL DE GARANTIAS 1 Para a obtenção do financiamento junto à FINEP deverão ser apresentadas Garantias Reais e Pessoais cumulativamente, exceto em caso de garantia por fiança bancária e demais casos de

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 526, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 526, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 526, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014. Altera dispositivos da Lei Complementar Estadual n.º 308, de 25 de outubro de 2005, e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO

Leia mais

PRÁTICA CIVIL E PROCESSUAL LEGALE

PRÁTICA CIVIL E PROCESSUAL LEGALE BEM IMOVEL Art. 79. São bens imóveis o solo e tudo quanto se lhe incorporar natural ou artificialmente. Art. 80. Consideram-se imóveis para os efeitos legais: I -os direitos reais sobre imóveis e as ações

Leia mais

Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014

Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014 Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014 Regulamenta o oferecimento e a aceitação do seguro garantia judicial para execução fiscal e seguro garantia parcelamento administrativo fiscal para

Leia mais

REGULAMENTO PROMOÇÃO DESCONTO FINANCIAMENTO

REGULAMENTO PROMOÇÃO DESCONTO FINANCIAMENTO REGULAMENTO PROMOÇÃO DESCONTO FINANCIAMENTO Promoção a ser realizada por GRANADA INVESTIMENTOS IMOBILIÁRIOS LTDA, pessoa jurídica de direito privado, inscrita no CNPJ/MF sob nº. 08.844.183/0001-33, com

Leia mais

ACORDO DE COOPERAÇÃO

ACORDO DE COOPERAÇÃO ACORDO DE COOPERAÇÃO DEFINE O ACORDO DE COOPERAÇÃO QUE ENTRE SI CELEBRAM A CAIXA ECONÔMICA FEDERAL E O CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA DO ESPIRITO SANTO - CREA/ES, PARA CONCESSÃO

Leia mais

Nota do autor, xv. 6 Nome Empresarial, 48 6.1 Conceito e função do nome empresarial, 48 6.2 O nome do empresário individual, 49

Nota do autor, xv. 6 Nome Empresarial, 48 6.1 Conceito e função do nome empresarial, 48 6.2 O nome do empresário individual, 49 Nota do autor, xv Parte I - Teoria Geral da Empresa, 1 1 Introdução ao Direito de Empresa, 3 1.1 Considerações gerais, 3 1.2 Escorço histórico: do direito comercial ao direito de empresa, 4 1.3 Fontes

Leia mais

Decreto-Lei n. o 221/2000 09-09-2000

Decreto-Lei n. o 221/2000 09-09-2000 Decreto-Lei n. o 221/2000 09-09-2000 Assunto: Transpõe para a ordem jurídica interna, apenas no que aos sistemas de pagamento diz respeito, a Diretiva n.º 98/26/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho,

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 19 (R1) Investimento em Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 19 (R1) Investimento em Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture) COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 19 (R1) Investimento em Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture) Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 31

Leia mais

DIREITO FALIMENTAR. Conceito de falência. Direito Falimentar - Prof. Armindo AULA 1 1. Falência (do latim fallere e do grego sphallein ):

DIREITO FALIMENTAR. Conceito de falência. Direito Falimentar - Prof. Armindo AULA 1 1. Falência (do latim fallere e do grego sphallein ): DIREITO FALIMENTAR ARMINDO DE CASTRO JÚNIOR E-mail: armindocastro@uol.com.br Homepage: www.armindo.com.br Facebook: Armindo Castro Celular: (82) 9143-7312 Conceito de falência Falência (do latim fallere

Leia mais

PRÉVOIR PPR NOVA VERSÃO INFORMAÇÕES PRÉ-CONTRATUAIS ANEXO À PROPOSTA PRÉVOIR PPR

PRÉVOIR PPR NOVA VERSÃO INFORMAÇÕES PRÉ-CONTRATUAIS ANEXO À PROPOSTA PRÉVOIR PPR Este documento apresenta-se como um resumo das Condições Gerais e Especiais do seguro Prévoir PPR e não dispensa a consulta integral das mesmas. SEGURADOR FINALIDADE SEGMENTO-ALVO CONDIÇÕES DE SUBSCRIÇÃO

Leia mais

DO REFINANCIAMENTO DA DÍVIDA IMOBILIÁRIA COM TRANSFERÊNCIA DE CREDOR SUB- ROGAÇÃO

DO REFINANCIAMENTO DA DÍVIDA IMOBILIÁRIA COM TRANSFERÊNCIA DE CREDOR SUB- ROGAÇÃO DO REFINANCIAMENTO DA DÍVIDA IMOBILIÁRIA COM TRANSFERÊNCIA DE CREDOR SUB- ROGAÇÃO Inovações trazidas pela Lei Federal n.º 12.810 de 15 de maio de 2013. João Pedro Lamana Paiva* 1 Desde o advento da Lei

Leia mais

a) Verificar o direito real do promitente comprador;

a) Verificar o direito real do promitente comprador; PROMESSA DE COMPRA E VENDA 1 Lindiara Antunes Do Nascimento 2, Carlos Guilherme Probst 3. 1 TRABALHO DE CURSO - TC 2 AUTOR- Aluna do curso de Direito pela UNIJUI 3 COUATOR - Mestre em Educação nas Ciências

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Setembro 2007

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Setembro 2007 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Setembro 2007 PATRIMÔNIO DE AFETAÇÃO EM SOCIEDADES DE PROPÓSITO ESPECÍFICO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO NA VENDA DE IMÓVEIS RESIDENCIAIS

Leia mais

PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES DE EMISSÃO DA VIA VAREJO S.A.

PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES DE EMISSÃO DA VIA VAREJO S.A. PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES DE EMISSÃO DA VIA VAREJO S.A. 1 ÍNDICE 1 OBJETIVOS... 3 2 PARTICIPANTES... 3 3 ADMINISTRAÇÃO DO PLANO... 3 4 AÇÕES OBJETO DESTE PLANO... 5 5 OUTORGA DA OPÇÃO... 5 6 EXERCÍCIO

Leia mais

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS. Decreto-Lei n.º 215/89, de 1 de Julho (Revisto pelo Decreto-Lei n.º 198/2001, de 3 de Julho)

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS. Decreto-Lei n.º 215/89, de 1 de Julho (Revisto pelo Decreto-Lei n.º 198/2001, de 3 de Julho) ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS Decreto-Lei n.º 215/89, de 1 de Julho (Revisto pelo Decreto-Lei n.º 198/2001, de 3 de Julho) Artigo 2.º Conceito de benefício fiscal e de despesa fiscal e respectivo controlo

Leia mais

AULA 12. Produtos e Serviços Financeiros VI

AULA 12. Produtos e Serviços Financeiros VI AULA 12 Produtos e Serviços Financeiros VI Operações Acessórias e Serviços As operações acessórias e serviços são operações de caráter complementar, vinculadas ao atendimento de particulares, do governo,

Leia mais

Recuperação Extrajudicial, Judicial e Falência. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Recuperação Extrajudicial, Judicial e Falência. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Recuperação Extrajudicial, Judicial e Falência Recuperação Extrajudicial, Judicial e Falência Decreto-lei nº 7.661, de 21 de junho de 1945 Lei de Falências revogado. Lei nº 11.101, de 09 de fevereiro de

Leia mais

Questão 1. Sobre a ação de responsabilidade prevista no art. 159 da Lei das Sociedades Anônimas e sobre a Teoria da Aparência:

Questão 1. Sobre a ação de responsabilidade prevista no art. 159 da Lei das Sociedades Anônimas e sobre a Teoria da Aparência: PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO EMPRESARIAL P á g i n a 1 Questão 1. Sobre a ação de responsabilidade prevista no art. 159 da Lei das Sociedades Anônimas e sobre a Teoria da Aparência: I. A ação

Leia mais

Pagamento Direto a Subcontratados em Empreitada de Obra Pública

Pagamento Direto a Subcontratados em Empreitada de Obra Pública Pagamento Direto a Subcontratados em Empreitada de Obra Pública Antônio Carlos Cintra do Amaral Indaga-me a Consulente se pode estabelecer, em contrato de empreitada para execução de obras e serviços em

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 8.668, DE 25 DE JUNHO DE 1993. Dispõe sobre a constituição e o regime tributário dos Fundos de Investimento Imobiliário e dá

Leia mais

a) Título (Alteração contratual), recomendando-se indicar o nº de seqüência da alteração;

a) Título (Alteração contratual), recomendando-se indicar o nº de seqüência da alteração; ALTERAÇÃO DE SOCIEDADE EMPRESÁRIA: *ELEMENTOS DA ALTERAÇÃO CONTRATUAL a) Título (Alteração contratual), recomendando-se indicar o nº de seqüência da alteração; b) Preâmbulo; c) Corpo da alteração: Nova

Leia mais

EXTINÇÃO DA PESSOA JURÍDICA Aspectos Tributários

EXTINÇÃO DA PESSOA JURÍDICA Aspectos Tributários EXTINÇÃO DA PESSOA JURÍDICA Aspectos Tributários Sumário 1. Conceito 2. Procedimentos Fiscais na Extinção 2.1 - Pessoa Jurídica Tributada Com Base no Lucro Real 2.2 - Pessoa Jurídica Tributada Com Base

Leia mais

11/11/2010 (Direito Empresarial) Sociedades não-personificadas. Da sociedade em comum

11/11/2010 (Direito Empresarial) Sociedades não-personificadas. Da sociedade em comum 11/11/2010 (Direito Empresarial) Sociedades não-personificadas As sociedades não-personificadas são sociedades que não tem personalidade jurídica própria, classificada em: sociedade em comum e sociedade

Leia mais