RESPEITO AOS DIREITOS HUMANOS ECONOMICOS E SOCIAIS DA CIDADANIA: Efetivação de Políticas de Prevenção da Criminalidade pelo Ministério Público.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESPEITO AOS DIREITOS HUMANOS ECONOMICOS E SOCIAIS DA CIDADANIA: Efetivação de Políticas de Prevenção da Criminalidade pelo Ministério Público."

Transcrição

1 RESPEITO AOS DIREITOS HUMANOS ECONOMICOS E SOCIAIS DA CIDADANIA: Efetivação de Políticas de Prevenção da Criminalidade pelo Ministério Público. - Resumo e destaques objetivos da Conferência proferida no Congresso Internacional de Direitos Humanos (de 13 a 14/9/2011) promovido pela Comissão Nacional de Direitos Humanos, no Salão Bicameral do Parlamento, na cidade de Assunção, em Comemoração ao Bicentenário do Paraguai ( ). Cândido Furtado Maia Neto Procurador de Justiça MP-PR A prevenção da criminalidade somente se dará com o efetivo respeito aos Direitos Humanos Econômicos e Sociais da cidadania. Quando os governantes acordarem, esperamos que não seja tarde demais para tentar amenizar este gravíssimo problema da sociedade. Começo citando o ilustre jurista Rui Barbosa quando disse que tudo que presenciou e que viu em sua vida pessoal e profissional, se resume em 5 palavras: NÃO HÁ JUSTIÇA SEM DEUS. No Preâmbulo da Constituição Federal brasileira, encontramos...instituir um Estado democrático, destinado a assegurar o exercício dos direitos sociais e individuais, a liberdade, a segurança, o bem-estar, o desenvolvimento, a igualdade e a justiça..., sob a proteção de Deus O águia de Haia, grande filósofo do direito brasileiro e internacional, estava se referindo aos Direitos Humanos, onde a Verdade, originária da Criação e do Criador se traduz em lei superior natural, universal e imutável. As Leis Naturais como obra da Criação e do Criador (de DEUS), independentemente de religião. O Estado Laico possui o dever de Promover e Procurar Justiça. A gestão da administração pública está a cargo dos seres humanos, possuidores de sentimento, de esperança e fé suprema. A justiça não é feita por computadores, mas pelos Homens de Boa-Vontade, possuidores de espírito de irmandade e caridade para com seus semelhantes. Justiça dos homens para os homens. Leis do Estado para os cidadãos e não em prejuízo ou contra à vontade da sociedade, posto que Todo o Poder Emana do Povo (art.. Paráf. Único, art. 1º CF). O maior Poder do Povo são os seus Direitos Humanos. Os princípios consagrados nos Pacto, Convenções e Tratados de Direitos Humanos fazem parte da legislação universal, plena e irrevogável, com vigor em todo o

2 Planeta, em todos os Continentes, sem distinção de qualquer natureza, de nacionalidade, de riqueza ou pobreza, de sexo, etc (art. 5º caput e I CF). Justiça faz parte da Verdade da vida dos homens, meio de busca pela Paz Eterna e Mundial das Repúblicas, quando todas as pessoas estiverem em perfeita harmonia e desenvolvimento espiritual adequado para compreender a importância máxima de seus Direitos Humanos Econômicos e Sociais, poderão exigir do Estado e de seus governantes os Direitos Fundamentais indisponíveis para uma vida digna, no contexto de uma sociedade justa, solidária e fraterna (art.. 3º, I CF). A Justiça produz a Paz e o Direito assegura a tranquilidade (Is, 32:17) A consciência dos homens define o Direito e a Justiça, onde a sentença prolatada pelo Poder Judiciário materializará e dará suporte para a obrigatoriedade de cumprimento dos Direitos Humanos. Justiça Social é inteligência, proporciona a Paz interna (de cada um) e ao mesmo tempo a Paz externa (para todos); já a injustiça é ignorância, se traduz em erro, em equivoco, má-fé, prevaricação e corrupção. São três as perspectivas dos Direitos Humanos, a saber: 1- Filosófica ou jusnaturalista: que significa direito absoluto e natural 2- Universalista: representa os Tratados, Pactos e Convenções internacional 3- Constitucionalista: os direitos humanos positivados e reconhecidos na Carta Magna Devemos ressaltar que os Direitos Humanos e os Direitos Fundamentais são, na verdade, a mesma coisa, posto que são clausulas pétreas auto-aplicáveis, com prevalência hierárquica superior sobre as outras normas de nível nacional (art. 4º, II e art. 5º 1º e 2º CF). Foi depois da 2ª Grande Guerra Mundial que os Direitos Humanos apareceram transcritos em uma Declaração Universal (OUU-1948), e com a internacionalização ou globalização neste século XXI merecem ainda maior e melhor importância pelo Estados e governantes, em prol da população universal mais carente e necessitada. Todos os Estado que se dizem verdadeiramente democráticos devem expressar taxativamente em suas Constituições, de maneira simples e objetiva, que os instrumentos internacionais de Direitos Humanos possuem prevalência ou preeminência frente as normas nacionais, independentemente de ratificação; também que as Nações Unidas e a Organização dos Estados Americanos e suas Cortes de Justiça são soberanas. Não existe Justiça, nem Democracia, nem Cidadania, e nem respeito a Pessoa Humana, se o governo de um povo não observa e não possuir respeito integral aos Direitos Humanos. Devem os Estados Democráticos garantir a boa qualidade de vida para o digno bem-estar social de seus cidadãos, com a proteção mínima desde a concepção, do nascimento até a morte, que também deve ser respeitada com dignidade humana.

3 Quando se diz proteção à vida não se está apenas se referindo a questão de ordem penal, quanto ao crime de homicídio, mas na tutela estatal dos direitos civis e políticos, econômicos e sociais, trabalhistas e quando ao meio-ambiente aceitável e sustentável. Falamos de dignidade da vida com liberdade, em todos os sentidos, de ir e vir, liberdade de palavras, de votos, de pensamentos, de expressões, de seleção e escolha de trabalho e salário, liberdade filosófica, etc., contra a exploração economicamente das grandes potencias mundiais e dos grupos financeiros-empresariais supranacionais. As Nações Unidas aprovou a Declaração de Princípios dos Indivíduos que não são nacionais do País em que vivem (ONU/ Res. 40/144 de 1985), que significa a proteção sem fronteiras como direito de conviver em qualquer parte do globo terrestre, independentemente de nacionalidade, onde o ser humano busca espaços de trabalho para viver dignamente, com menos exploração econômica e tributária dos governos que não respeitam a cidadania, o trabalho e o trabalhador-contribuinte. Liberdade, igualdade e fraternidade, o tripé da Revolução francesa de 1798 (séc. XVIII), em nome de um governo do povo para o povo, de uma República verdadeira com a res pública é do povo, com Direitos Humanos da saúde, educação, segurança social e segurança pública. Assim a segurança pública somente estará presente e será um Direito Humano do Cidadão quando os governos que se dizem democráticos prestarem a devida e necessária atenção aos Direitos Humanos Econômicos e Sociais da população mais necessitada de assistência pública. Esta é a fórmula de prevenção da criminalidade, o mais será sempre pura demagogia e hipocresia das autoridades constituídas. A segurança pública é dever do Estado (art CF). O Direito Penal é eminentemente repressivo, só se usa o código e as leis criminais após o cometimento de um determinado delito, seja ele tentado ou consumado. Afirmar que a pena cominada, aquela descrita no código penal intimida é falta de conhecimento científico, está comprovado que a sanção não intimida e não reduz a criminalidade, pois os delitos aumentam dia a dia de maneira assustadora, o que vem causando grande intranqüilidade e descrédito público. Também a ressocialização dos presos ou condenados, é outra ficção ou mito do direito penal. Os especialistas recomendam a utilização de medidas alternativas à prisão, ante os efeitos negativos produzidos pela detenção (Regras Mínimas das Nações Unidas não privativas de Liberdade, e Diretrizes da ONU sobre a Função dos Membros do Ministério Público, ambos instrumentos de 1990). Se a sociedade extra-murus, aquela que vive em liberdade, não possuírem os seus Direitos Humanos Econômicos e Sociais mínimos, respeitados, imaginemos a comunidade reclusão que vive intra-murus, aprisionada; jamais será atendida e assistida

4 pelo Estado quanto aos seus direitos indispensáveis para a necessária reintegração social. Esta é a razão do aumento da taxa de reincidência criminal, onde 80% ou mais dos ex-presidiários voltam a cometer ilícitos graves e hediondos, superlotando os presídios, ante a falta de oportunidades para o trabalho após o internamento penitenciário (Regras Mínimas e Princípios Básicos para o Tratamento do Recluso, ONU/1955 e 1990; Conjunto de Princípios para a proteção de Todas as Pessoas Submetidas a Qualquer Forma de Detenção ou Prisão, ONU/ 1988; e Princípios e Boas Práticas para a Proteção das Pessoas Privadas de Liberdade nas Américas, Res 1/ OEA). A tarefa do Estado no sistema penal de justiça é a preservação do princípio do devido processo legal, em respeito a dignidade da pessoa do preso, processado ou condenado, onde deve ser asseguradas todas as garantias judiciais (Pacto Internacional de Direitos Civis e Políticos ONU/1966, e Convenção Americana sobre Direitos Humanos OEA/1969). Ainda que alguns poucos pretendam denominar os presos como pessoas não humanas e como inimigas nacionais da sociedade - teoria autoritária e anti-democrática do direito penal do inimigo -, o direito humanitário através do Convênio de Genebra ONU/1949 exige tratamento devido até para os estrangeiros inimigos de guerra; e ainda os presos devem ter no mínimo os mesmos direitos que os animais. A história dos Direitos Humanos é a própria história da humanidade, no Decálogo de Moises, como a primeira lei imutável e escrita em pedra, antes de Cristo, onde prescreve AMAR UNS AOS OUTROS (até os inimigos), correspondendo as primeiras aspirações legais e principiologicas de Direitos Humanos. Heráclito Fontoura Sobral Pinto. jurista brasileiro, defensor dos Direitos Humanos, especialmente durante as ditaduras civil ( ) e militar ( ); defendeu Luis Carlos Prestes preso em 1935, exigindo a aplicação do artigo 14 da Lei de Proteção aos Animais ao prisioneiro. Na campanha pelas eleições diretas, em 1983, causou sensação ao participar do histórico comício da Candelária, no Rio de Janeiro, quando iniciou seu discurso citando o 1º do art. 1º da Constituição de 1969 Todo poder emana do povo e em seu nome é exercido. Se não somos humanos, como vamos respeitar e falar de Direitos Humanos, para quem, só para os amigos e parentes. E o perdão humano e judicial (art. 120 CP) para que serve, na Justiça dos homens; bem como a solidariedade, fraternidade, tolerância, compaixão e a remissão. O Amor e Caridade fazem parte da Justiça, integra o núcleo do coração humano, para benefício e respeito à dignidade física e moral, de todas as pessoas, presas ou em liberdade (inc. XLIX art. 5º CF cc. art. 38 Código Penal). A prevenção da criminalidade vem dos meios externos do Direito Penal, e não com ele, propriamente dito; são os Direitos Humanos Econômicos e Sociais que possibilitam a prevenção da criminalidade com a implantação de políticas públicas sociais (Pacto Internacional dos Direitos Econômicos, Sociais e Culturais, ONU, 1966).

5 Não existe Direito Penal preventivo. Para a implementação políticas públicas básicas e fundamentais à cidadania, cabe ao Ministério Público a tutela e a exigência quanto a verificação dos gatos do orçamento destinados por lei, à saúde, educação e assistência social. Propostas de ações judiciais macros gerais acionando o Estado e os governantes gestores do erário, pela corrupção, prevaricação ou desvio de verbas públicas, através de ações penais, ações civis publicas de improbidade administrativa, ação popular, mandado de segurança. A população vive em completa e total insegurança pública, em situação de gravíssimo risco social, o que incumbe diretamente ao Ministério Público interpor medidas judiciais que obriguem os gestores do dinheiro público aplicar corretamente as verbas destinadas no orçamento, aos setores específicos, a fim de demonstrar e comprovar os gastos com o uso destes recursos. Esta é a via para a melhor prevenção da criminalidade, contra os discursos políticos demagógicos, mentirosos, hipócritas e corruptos, proferidos por autoridades estelionatárias do bem público e da fé comum do povo. Não podemos esquecer que o desrespeito aos Direitos Humanos é crime grave e hediondo, de lesa humanidade, de lesa pátria, de lesa cidadania, e de lesa democracia; onde a sociedade torna-se vítima de abuso de poder e de autoridade, cometidos pelo Estado através de seus agentes públicos (Declaração de Princípios Básicos de Justiça Relativos às Vítimas de Crime e de Abuso de Poder ONU/1985). Sem dúvida é importante a maior difusão dos Direitos Humanos, nas escolas de ensino médio e nas universidades, como disciplina obrigatória, para os jovens possuírem noção de seus deveres e direitos fundamentais; bem como é imprescindível a capacitação adequada de todos os profissionais que atuam na administração da justiça, dentre eles: os policiais, membros do Ministério Público, magistrados e defensores públicos, para interpretar e aplicar as normas e os princípios de Direitos Humanos, corretamente (Código de Conduta para os Funcionários Encarregados de Cumprir a Lei, e Princípios Básicos sobre a utilização da força e da arma de fogo, ONU 1979 e 1990). O Estado precisa e deve ser ético, promovendo e procurando justiça através da distribuição da economia para amenizar a pobreza, pois a própria constatação de miséria é sentença condenatória contra os Direitos Humanos. Se o Estado exige ao cidadão o devido cumprimento e respeite as leis vigentes, também os governantes devem começar efetivamente a prestar atenção aos Direitos Humanos Econômicos e Sociais, só assim estaremos diante de uma Republica e de um verdadeiro Estado Democrático, do contrário resta-nos citar Voltaire é tão difícil chegar a Justiça como ao Céu.

A PENA DE MORTE EM TEMPO DE GUERRA

A PENA DE MORTE EM TEMPO DE GUERRA UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO MILITAR DIREITO PENAL MILITAR PARTE GERAL MARCELO VITUZZO PERCIANI A PENA DE MORTE EM TEMPO DE GUERRA Marcelo Vituzzo Perciani 1º Tenente da Polícia

Leia mais

O que são Direitos Humanos?

O que são Direitos Humanos? O que são Direitos Humanos? Técnico comercial 4 (1º ano) Direitos Humanos são os direitos e liberdades básicas de todos os seres humanos. O principal objetivo dos Direitos Humanos é tratar cada indivíduo

Leia mais

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 2 TODOS SÃO IGUAIS PERANTE A LEI* *Artigo 5º da Constituição Brasileira

Leia mais

Noções de Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos

Noções de Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos Noções de Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos Direitos Humanos Criada durante o pós Guerra ( 2ª Guerra Mundial), em 1946 e aprovada em 1948 pela Assembléia Geral das Nações Unidas;

Leia mais

Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS

Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS 1 1. CONCEITO BÁSICO DE DIREITO Somente podemos compreender o Direito, em função da sociedade. Se fosse possível ao indivíduo

Leia mais

PRINCÍPIOS DE DIREITO AMBIENTAL

PRINCÍPIOS DE DIREITO AMBIENTAL PRINCÍPIOS DE DIREITO AMBIENTAL PRINCÍPIOS INTEGRAM O DIREITO NÃO-ESCRITOS ESCRITOS ESTABELECEM PADRÕES DE CONDUTA VALORES FUNDAMENTAIS EXEMPLOS: PRINCÍPIO DA LEGALIDADE (art. 5º, II, CR) PRINCÍPIO DA

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS O MP E AS VERBAS DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS O MP E AS VERBAS DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS O MP E AS VERBAS DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO PÚBLICO O Ministério Público é instituição permanente, essencial à função jurisdicional do Estado, incumbindo-lhe a defesa

Leia mais

PNDH - 3 DECRETO Nº 7.037, DE 21 DE DEZEMBRO DE

PNDH - 3 DECRETO Nº 7.037, DE 21 DE DEZEMBRO DE CURSO NEON PNDH - 3 DECRETO Nº 7.037, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2009. Profª Andréa Azevêdo Disciplina: DIREITOS HUMANOS E PARTICIPAÇÃO SOCIAL ANDRÉA AZEVÊDO Professora. e-mail: professoraandreaazevedo@yahoo.com.br

Leia mais

Disposições Preliminares do DIREITO DO IDOSO

Disposições Preliminares do DIREITO DO IDOSO Disposições Preliminares do DIREITO DO IDOSO LESSA CURSOS PREPARATÓRIOS CAPÍTULO 1 O ESTATUTO DO IDOSO O Estatuto do Idoso - Lei 10.741/2003, é o diploma legal que tutela e protege, através de um conjunto

Leia mais

PARAMETROS DO ESTRITO CUMPRIMENTO DE DEVER LEGAL

PARAMETROS DO ESTRITO CUMPRIMENTO DE DEVER LEGAL 1 PARAMETROS DO ESTRITO CUMPRIMENTO DE DEVER LEGAL Prof.Dr.Luís Augusto Sanzo Brodt ( O autor é advogado criminalista, professor adjunto do departamento de Ciências Jurídicas da Fundação Universidade Federal

Leia mais

COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL. MENSAGEM N o 479, DE 2008

COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL. MENSAGEM N o 479, DE 2008 COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL MENSAGEM N o 479, DE 2008 Submete à consideração do Congresso Nacional o texto do Tratado de Extradição entre a República Federativa do Brasil e o Governo

Leia mais

Declaração Americana dos Direitos e Deveres do Homem (1948)

Declaração Americana dos Direitos e Deveres do Homem (1948) Declaração Americana dos Direitos e Deveres do Homem (1948) Resolução XXX, Ata Final, aprovada na IX Conferência Internacional Americana, em Bogotá, em abril de 1948 A IX Conferência Internacional Americana,

Leia mais

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO PROJETO DE LEI N o 2.587, DE 2007 Altera as Leis nº s 6.938, de 31 de agosto de 1981, e 9.605, de 12 de fevereiro de 1998. Autora: Deputada Thelma

Leia mais

PENAS ALTERNATIVAS E O DIREITO PENAL MILITAR

PENAS ALTERNATIVAS E O DIREITO PENAL MILITAR PENAS ALTERNATIVAS E O DIREITO PENAL MILITAR MARIA FERNANDA DE LIMA ESTEVES [1] Desde o início da história, a humanidade depara-se com o cometimento das mais diversas infrações, e, ao lado delas, surge

Leia mais

A DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA NO PROCESSO PENAL

A DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA NO PROCESSO PENAL A DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA NO PROCESSO PENAL CRISTIANE APARECIDA ROSA DIALUCE 1 GUILHERME JORGE DO CARMO SILVA 2 VÂNIA MARIA BEMFICA GUIMARÃES PINTO COELHO 3 RESUMO O presente estudo vem à lume apresentar

Leia mais

O PAPEL DA COMUNIDADE NO PROCESSO DE RESSOCIALIZAÇÃO DO CONDENADO NO ÂMBITO DA ASSOCIAÇÃO DE PROTEÇÃO E ASSISTÊNCIA AO CONDENADO (APAC)

O PAPEL DA COMUNIDADE NO PROCESSO DE RESSOCIALIZAÇÃO DO CONDENADO NO ÂMBITO DA ASSOCIAÇÃO DE PROTEÇÃO E ASSISTÊNCIA AO CONDENADO (APAC) ANAIS - I Congresso Norte Mineiro de Direito Constitucional - Outubro de 2015 ISSN 2447-3251- Montes Claros, MG-p. 1 O PAPEL DA COMUNIDADE NO PROCESSO DE RESSOCIALIZAÇÃO DO CONDENADO NO ÂMBITO DA ASSOCIAÇÃO

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 6.124 DE 2005. (Apensados: PL nº 5.448/01 e PL nº 2.276/07)

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 6.124 DE 2005. (Apensados: PL nº 5.448/01 e PL nº 2.276/07) COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 6.124 DE 2005 (Apensados: PL nº 5.448/01 e PL nº 2.276/07) Define o crime de discriminação dos portadores do vírus da imunodeficiência

Leia mais

DECLARAÇÃO IBERO-AMERICANA DE JUSTIÇA JUVENIL RESTAURATIVA

DECLARAÇÃO IBERO-AMERICANA DE JUSTIÇA JUVENIL RESTAURATIVA DECLARAÇÃO IBERO-AMERICANA DE JUSTIÇA JUVENIL RESTAURATIVA Introdução Em abril e novembro de 2014, Terre des hommes (Tdh), aliada à Agência Espanhola de Cooperação Internacional (AECID) e à Conferência

Leia mais

Noções de Direito Internacional Privado Aula 01-2º Bimestre - 2015/B

Noções de Direito Internacional Privado Aula 01-2º Bimestre - 2015/B # Noções Introdutórias Noções de Direito Internacional Privado Aula 01-2º Bimestre - 2015/B Direito Internacional O direito internacional privado é o ramo do Direito, que visa regular os conflitos de leis

Leia mais

Prova Prático-Profissional

Prova Prático-Profissional ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO DO ESTADO DA BAHIA 2ª AVALIAÇÃO PARA EXAME DE ORDEM 03/2000 PROVA DE QUESTÕES SUBJETIVAS D.P.J. 05/01/2001 Prova Prático-Profissional Direito Penal SENHOR BACHAREL:

Leia mais

ANEXOS 3º CICLO O OUTRO EM MIRA

ANEXOS 3º CICLO O OUTRO EM MIRA ANEXOS 3º CICLO O OUTRO O VALOR DE MAIS UM Anexo 01 Um pássaro perguntou a uma pomba quanto pesava um floco de neve. A pomba respondeu: Nada. Mesmo nada. Foi então que o pássaro contou esta história à

Leia mais

RECOMENDAÇÃO Nº 01/2013

RECOMENDAÇÃO Nº 01/2013 RECOMENDAÇÃO Nº 01/2013 O MINISTÉRIO PÚBLICO, neste ato representado pela Promotora de Justiça da Comarca Sanclerlândia - GO, Dra. Andréia Zanon Marques Junqueira que subscreve ao final, no uso de suas

Leia mais

CRIMES IMPRESCRITÍVEIS

CRIMES IMPRESCRITÍVEIS CRIMES IMPRESCRITÍVEIS Celso Duarte de MEDEIROS Júnior 1 Claudete Martins dos SANTOS 2 João Aparecido de FREITA 3 CRIMES IMPRESCRITÍVEIS Este trabalho trará um conceito de prescrição e mostrará que como

Leia mais

CAPÍTULO 2 DEMOCRACIA E CIDADANIA

CAPÍTULO 2 DEMOCRACIA E CIDADANIA CAPÍTULO 2 DEMOCRACIA E CIDADANIA Nos dias de hoje os conceitos de democracia e cidadania são cada vez mais reconhecidos e relevantes para a realidade actual (Menezes, 2005; Ferreira, 2010; Perrenoud,

Leia mais

TRATADOS INTERNACIONAIS E SUA INCORPORAÇÃO NO ORDENAMENTO JURÍDICO 1. DIREITOS FUNDAMENTAIS E TRATADOS INTERNACIONAIS

TRATADOS INTERNACIONAIS E SUA INCORPORAÇÃO NO ORDENAMENTO JURÍDICO 1. DIREITOS FUNDAMENTAIS E TRATADOS INTERNACIONAIS Autora: Idinéia Perez Bonafina Escrito em maio/2015 TRATADOS INTERNACIONAIS E SUA INCORPORAÇÃO NO ORDENAMENTO JURÍDICO 1. DIREITOS FUNDAMENTAIS E TRATADOS INTERNACIONAIS Nas relações internacionais do

Leia mais

CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA

CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA Adoptada pela Resolução No. 44/25 da Assembleia Geral das Nações Unidas em 20 de Novembro de 1989 PREÂMBULO Os Estados Partes da presente Convenção, Considerando

Leia mais

LIBERDADE DE CONSCIÊNCIA, EXPRESSÃO E RELIGIÃO NO BRASIL Rev. Augustus Nicodemus Lopes APRESENTAÇÃO CARTA DE PRINCÍPIOS 2011

LIBERDADE DE CONSCIÊNCIA, EXPRESSÃO E RELIGIÃO NO BRASIL Rev. Augustus Nicodemus Lopes APRESENTAÇÃO CARTA DE PRINCÍPIOS 2011 LIBERDADE DE CONSCIÊNCIA, EXPRESSÃO E RELIGIÃO NO BRASIL [SLIDE 1] CAPA [SLIDE 2] UM ASSUNTO ATUAL APRESENTAÇÃO CARTA DE PRINCÍPIOS 2011 Os conceitos de liberdade de consciência e de expressão têm recebido

Leia mais

FONTES DO PROCESSO FONTE MATERIAL E FORMAL

FONTES DO PROCESSO FONTE MATERIAL E FORMAL FONTES DO PROCESSO PENAL FONTE MATERIAL E FORMAL FONTES LUGARES DE ONDE PROVEM A NORMA OU LUGARES DE ONDE PROVEM A NORMA OU DIREITO. PODEM SER: - MATERIAIS - FONTES CRIADORAS - FORMAIS FONTES DE EXPRESSÃO

Leia mais

ELEIÇÃO 2014 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA BRASIL 27 DO BRASIL QUE TEMOS PARA O BRASIL QUE QUEREMOS E PODEMOS DIRETRIZES GERAIS DE GOVERNO

ELEIÇÃO 2014 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA BRASIL 27 DO BRASIL QUE TEMOS PARA O BRASIL QUE QUEREMOS E PODEMOS DIRETRIZES GERAIS DE GOVERNO ELEIÇÃO 2014 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA BRASIL 27 DO BRASIL QUE TEMOS PARA O BRASIL QUE QUEREMOS E PODEMOS DIRETRIZES GERAIS DE GOVERNO CUMPRIR E FAZER CUMPRIR A CONSTITUIÇÃO 1. Cumprir e fazer cumprir a

Leia mais

Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948

Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 PARTE A Módulo I Acordos/Convenções Internacionais 1. Declaração Universal dos Direitos Humanos Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. Introdução: A Pena 2. A Pena na Constituição Federal de 1988 3. Finalidades da pena 4. Espécies de pena no Código Penal brasileiro 5. Direito Penitenciário 6. Legislação 7. Aplicação

Leia mais

A FILOSOFIA DE UMA POLÍCIA COMUNITÁRIA COMO RESPEITO AOS DIREITOS HUMANOS

A FILOSOFIA DE UMA POLÍCIA COMUNITÁRIA COMO RESPEITO AOS DIREITOS HUMANOS A FILOSOFIA DE UMA POLÍCIA COMUNITÁRIA COMO RESPEITO AOS DIREITOS HUMANOS Bruno Marques da SILVA 1 RESUMO: Este trabalho tem por objetivo fazer uma análise história e objetiva sobre as adaptações que as

Leia mais

Regras Mínimas das Nações Unidas para a Administração da Justiça da Infância e da Juventude Regra de Beijing

Regras Mínimas das Nações Unidas para a Administração da Justiça da Infância e da Juventude Regra de Beijing Regras Mínimas das Nações Unidas para a Administração da Justiça da Infância e da Juventude Regra de Beijing Adotadas pela Resolução 40/33 da Assembléia Geral da ONU, em 29 de novembro de 1985. PRIMEIRA

Leia mais

POLÍTICA DE PREVENÇÃO E COMBATE AO ASSÉDIO MORAL E SEXUAL NO AMBIENTE DE TRABALHO

POLÍTICA DE PREVENÇÃO E COMBATE AO ASSÉDIO MORAL E SEXUAL NO AMBIENTE DE TRABALHO POLÍTICA DE PREVENÇÃO E COMBATE AO ASSÉDIO MORAL E SEXUAL NO AMBIENTE DE TRABALHO Versão 1.0 RES nº 101/2014, 09/12/2014 Sumário 1. Objetivo... 3 2. Aplicação... 3 3. Conceitos... 3 4. Referências... 4

Leia mais

TRABALHO 1 COMENTÁRIOS A ACÓRDÃO(STF)

TRABALHO 1 COMENTÁRIOS A ACÓRDÃO(STF) UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA MATRICULA:12/0138573 ALUNO:WILSON COELHO MENDES PROFESSOR:VALLISNEY OLIVEIRA TRABALHO 1 COMENTÁRIOS A ACÓRDÃO(STF) Teoria geral do Processo II Princípio:Juiz natural, com observações

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO PROJETO DE LEI N o 604, DE 2011 Dispõe sobre a Política de Prevenção à Violência contra os Profissionais do Magistério Público e Privado e dá

Leia mais

SUJEITOS PROCESSUAIS: JUIZ E MINISTÉRIO PÚBLICO

SUJEITOS PROCESSUAIS: JUIZ E MINISTÉRIO PÚBLICO SUJEITOS PROCESSUAIS: JUIZ E MINISTÉRIO PÚBLICO Sujeitos processuais são as pessoas que atuam no processo, ou seja, autor, réu e juiz, existem outros sujeitos processuais, que podem ou não integrar o processo,

Leia mais

MARCOS HISTÓRICOS DOS DIREITOS HUMANOS

MARCOS HISTÓRICOS DOS DIREITOS HUMANOS MARCOS HISTÓRICOS DOS DIREITOS HUMANOS DIREITOS HUMANOS Os direitos humanos visam salvaguardar a dignidade de todas as pessoas, em todos os momentos e lugares e em todas as suas dimensões. DIREITOS HUMANOS

Leia mais

Instituições do Direito Público e Privado

Instituições do Direito Público e Privado Instituições do Direito Público e Privado Professora conteudista: Cristiane Nagai Sumário Instituições do Direito Público e Privado Unidade I 1 INTRODUÇÃO AO DIREITO...1 1.1 Conceitos gerais de direito...2

Leia mais

CONVENÇÃO INTERNACIONAL SOBRE A ELIMINAÇÃO DE TODAS AS FORMAS DE DISCRIMINAÇÃO RACIAL (DECRETO Nº 65.810, DE 8 DE DEZEMBRO DE 1969)

CONVENÇÃO INTERNACIONAL SOBRE A ELIMINAÇÃO DE TODAS AS FORMAS DE DISCRIMINAÇÃO RACIAL (DECRETO Nº 65.810, DE 8 DE DEZEMBRO DE 1969) Normas internacionais sistema global DECLARAÇÃO UNIVERSAL DE DIREITOS HUMANOS Art. 2º - Toda pessoa tem capacidade para gozar os direitos e as liberdades estabelecidas nesta Declaração, sem distinção de

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Meio ambiente equilibrado e sadio - Um Direito Fundamental Uélton Santos* Art. 225, CF. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e

Leia mais

DISCURSO ABERTURA DO SEMINÁRIO DA OISC CPLP HOTEL PESTANA, 10 DE JUNHO DE 2013, SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA NACIONAL;

DISCURSO ABERTURA DO SEMINÁRIO DA OISC CPLP HOTEL PESTANA, 10 DE JUNHO DE 2013, SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA NACIONAL; DISCURSO ABERTURA DO SEMINÁRIO DA OISC CPLP HOTEL PESTANA, 10 DE JUNHO DE 2013, SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA; SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA NACIONAL; MERITÍSSIMO JUIZ CONSELHEIRO

Leia mais

Tribunal de Justiça do Estado de Goiás

Tribunal de Justiça do Estado de Goiás 1 APELAÇÃO CRIMINAL Nº 512212-28.2009.8.09.0107(200995122121) COMARCA DE MORRINHOS APELANTE : VIBRAIR MACHADO DE MORAES APELADO : MINISTÉRIO PÚBLICO RELATOR : Des. LUIZ CLÁUDIO VEIGA BRAGA RELATÓRIO O

Leia mais

O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E A ECONOMIA DE MERCADO. Antônio Fernando Guimarães Pinheiro

O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E A ECONOMIA DE MERCADO. Antônio Fernando Guimarães Pinheiro O ESTADO DEMOCRÁTICO DE DIREITO E A ECONOMIA DE MERCADO Antônio Fernando Guimarães Pinheiro INTRODUÇÃO O Estado de direito veio consagrar o processo de afirmação dos direitos humanos que constitui um dos

Leia mais

CÓDIGO ÉTICA E CONDUTA FRANCO ADVOGADOS

CÓDIGO ÉTICA E CONDUTA FRANCO ADVOGADOS CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DE FRANCO ADVOGADOS ÍNDICE CAPÍTULO I - DEFINIÇÕES 1 CAPÍTULO II OBJETIVO 2 CAPÍTULO III AMBIENTE DE TRABALHO 2 CAPÍTULO IV - REGRAS E PROCEDIMENTOS 2 CAPÍTULO V - VANTAGEM INDEVIDA

Leia mais

A dignidade da pessoa humana e os valores da liberdade, da igualdade e da solidariedade

A dignidade da pessoa humana e os valores da liberdade, da igualdade e da solidariedade Direitos humanos: considerações gerais Camila Bressanelli * A dignidade da pessoa humana e os valores da liberdade, da igualdade e da solidariedade Análise contextual: Para o estudo dos direitos humanos

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD 1 de 6 Comunidade Global Tema Direitos fundamentais do : Declaração Universal dos Direitos do OBJECTIVO: Participa consciente e sustentadamente na comunidade global 1. Leia, com atenção, a Declaração Universal

Leia mais

Código de Ética Nas Relações com as Partes Interessadas Com os Clientes e a Concorrência

Código de Ética Nas Relações com as Partes Interessadas Com os Clientes e a Concorrência Código de Ética Conduzimos nossos negócios dentro de uma estrutura de padrões profissionais, legislações, regulamentações e políticas internas. Entretanto, temos consciência que essas normas não necessariamente

Leia mais

PLANEJAMENTO URBANO: AUSÊNCIA DE CONCRETIZAÇÃO DOS INSTRUMENTOS URBANÍSTICOS E A BUSCA PELO ESTADO DE BEM ESTAR SOCIAL

PLANEJAMENTO URBANO: AUSÊNCIA DE CONCRETIZAÇÃO DOS INSTRUMENTOS URBANÍSTICOS E A BUSCA PELO ESTADO DE BEM ESTAR SOCIAL PLANEJAMENTO URBANO: AUSÊNCIA DE CONCRETIZAÇÃO DOS INSTRUMENTOS URBANÍSTICOS E A BUSCA PELO ESTADO DE BEM ESTAR SOCIAL Luis Paulo de Oliveira Aluno do Curso de Direito do UNIFOR MG SANT'ANNA, Mariana Senna.

Leia mais

Marco legal. da política indigenista brasileira

Marco legal. da política indigenista brasileira Marco legal da política indigenista brasileira A política indigenista no país tem como base a Constituição Federal de 1988, o Estatuto do Índio (Lei nº 6.001/1973) e instrumentos jurídicos internacionais,

Leia mais

Maurício Piragino /Xixo Escola de Governo de São Paulo. mauxixo.piragino@uol.com.br

Maurício Piragino /Xixo Escola de Governo de São Paulo. mauxixo.piragino@uol.com.br Democracia Participativa e Direta: conselhos temáticos e territoriais (Conselhos Participativos nas Subprefeituras); Iniciativa Popular, Plebiscitos e Referendo" Maurício Piragino /Xixo Escola de Governo

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO PROJETO DE LEI N o 2.785, DE 2011 Altera a Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 - Estatuto da Criança e do Adolescente, para assegurar a convivência

Leia mais

ENUNCIADOS ELABORADOS PELA ASSESSORIA DE RECURSOS CONSTITUCIONAIS

ENUNCIADOS ELABORADOS PELA ASSESSORIA DE RECURSOS CONSTITUCIONAIS ENUNCIADOS ELABORADOS PELA ASSESSORIA DE RECURSOS CONSTITUCIONAIS ÁREA CRIMINAL CRIMES CONTRA OS COSTUMES 1. CRIMES CONTRA OS COSTUMES. ESTUPRO E ATENTADO VIOLENTO AO PUDOR. TODAS AS FORMAS. CRIMES HEDIONDOS.

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 221, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 221, DE 2015 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 221, DE 2015 Altera a Lei no 9.795, de 27 de abril de 1999, que dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências,

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 47, DE 2003 (PEC nº 64, de 2007, apensada)

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 47, DE 2003 (PEC nº 64, de 2007, apensada) COMISSÃO ESPECIAL DESTINADA A APRECIAR E PROFERIR PARECER À PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO N O 47, DE 2003, DO SENADO FEDERAL, QUE ALTERA O ART. 6 O DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL, PARA INTRODUZIR A ALIMENTAÇÃO

Leia mais

Critérios para correção: o conteúdo e a qualidade da sentença:

Critérios para correção: o conteúdo e a qualidade da sentença: Critérios para correção: o conteúdo e a qualidade da sentença: 1. Qualidade da redação: 1.1. Com observância, inclusive, de ortografia e gramática além de completo domínio do vernáculo. 1.2. Valor: 2,0

Leia mais

BALANÇO SOBRE PRIMEIRO ANO DO GOVERNO DILMA

BALANÇO SOBRE PRIMEIRO ANO DO GOVERNO DILMA BALANÇO SOBRE PRIMEIRO ANO DO GOVERNO DILMA SAÚDE Para a saúde, muitas promessas foram feitas: construção de 500 Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) 24 horas, construção de cerca de 8.600 unidades básicas

Leia mais

LIBERDADE DE EXPRESSÃO

LIBERDADE DE EXPRESSÃO Plano de Aula LIBERDADE DE EXPRESSÃO SOBRE ESTE PLANO DE AULA Este plano de aula proporciona uma abordagem ao tema da liberdade de expressão para trabalhar com estudantes do 3ºciclo e Ensino Secundário.

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 647/XII ALTERA O CÓDIGO PENAL, CRIMINALIZANDO A PERSEGUIÇÃO E O CASAMENTO FORÇADO. Exposição de motivos

PROJETO DE LEI N.º 647/XII ALTERA O CÓDIGO PENAL, CRIMINALIZANDO A PERSEGUIÇÃO E O CASAMENTO FORÇADO. Exposição de motivos PROJETO DE LEI N.º 647/XII ALTERA O CÓDIGO PENAL, CRIMINALIZANDO A PERSEGUIÇÃO E O CASAMENTO FORÇADO Exposição de motivos A Convenção do Conselho da Europa para a Prevenção e o Combate à Violência contra

Leia mais

Política Nacional de Imigração e Proteção ao(a) Trabalhador(a) Migrante

Política Nacional de Imigração e Proteção ao(a) Trabalhador(a) Migrante ANEXO II Política Nacional de Imigração e Proteção ao(a) Trabalhador(a) Migrante (Proposta aprovada pelo Conselho Nacional de Imigração em 12/05/2010 para avaliação pública e sujeita a alterações) DISPOSIÇÕES

Leia mais

Processo seletivo vestibular nas universidades e faculdades particulares e a nova LDB (Lei 9.394/96)

Processo seletivo vestibular nas universidades e faculdades particulares e a nova LDB (Lei 9.394/96) Processo seletivo vestibular nas universidades e faculdades particulares e a nova LDB (Lei 9.394/96) Fernando José Araújo Ferreira Procurador da República no Paraná Recentemente o Ministério Público Federal

Leia mais

PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR APRESENTADA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA POSIÇÃO DA AMNISTIA INTERNACIONAL PORTUGAL

PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR APRESENTADA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA POSIÇÃO DA AMNISTIA INTERNACIONAL PORTUGAL PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR APRESENTADA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA POSIÇÃO DA AMNISTIA INTERNACIONAL PORTUGAL A Amnistia Internacional Portugal defende a manutenção Formação Cívica nos 2.º

Leia mais

CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1891

CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1891 CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1891 Preâmbulo Nós, os representantes do povo brasileiro, reunidos em Congresso Constituinte, para organizar um regime livre e democrático, estabelecemos, decretamos e promulgamos

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 128/2012

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 128/2012 PROJETO DE LEI Nº 128/2012 Altera a Lei nº 14.485, de 19 de julho de 2007, com a finalidade de incluir no Calendário Oficial de Eventos da Cidade de São Paulo o Dia Municipal de Combate a Homofobia, a

Leia mais

Profa. Dra. Ana Maria Klein UNESP/São José do Rio Preto anaklein@ibilce.unesp.br

Profa. Dra. Ana Maria Klein UNESP/São José do Rio Preto anaklein@ibilce.unesp.br Profa. Dra. Ana Maria Klein UNESP/São José do Rio Preto anaklein@ibilce.unesp.br 3º Seminário de Proteção Escolar / Secretaria da Educação 20 e 21 de agosto de 2014 / Serra Negra 1 Diferenças culturais

Leia mais

+(',21'2 FLÁVIO AUGUSTO MARETTI SIQUEIRA

+(',21'2 FLÁVIO AUGUSTO MARETTI SIQUEIRA 2129275$7$0(1723(1$/$23257('($50$'()2*2$ 7(1'Ç1&,$'(75$16)250$d 2'23257('($50$(0&5,0( +(',21'2 FLÁVIO AUGUSTO MARETTI SIQUEIRA Estagiário do Ministério Público Federal atuando na Procuradoria da República

Leia mais

PROJETO DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO FEDERAL N.º, DE 2011 (Da Sra. Rosinha da Adefal)

PROJETO DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO FEDERAL N.º, DE 2011 (Da Sra. Rosinha da Adefal) PROJETO DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO FEDERAL N.º, DE 2011 (Da Sra. Rosinha da Adefal) Altera o art. 6º da Constituição Federal para incluir o direito à Acessibilidade entre os direitos e garantias fundamentais

Leia mais

Violência Contra a Mulher no Brasil e em todo o Mundo

Violência Contra a Mulher no Brasil e em todo o Mundo Violência Contra a Mulher no Brasil e em todo o Mundo Joseana Macêdo Fechine Campina Grande outubro, 2010 Violência Contra a Mulher no Brasil e em todo o Mundo (FECHINE, J. M.) 1 Sumário Considerações

Leia mais

Senhor Presidente PROJETO DE LEI

Senhor Presidente PROJETO DE LEI Senhor Presidente PROJETO DE LEI " INSTITUI, NO CALENDÁRIO OFICIAL DE DATAS E EVENTOS DO MUNICÍPIO DE SÃO CAETANO DO SUL, A 'SEMANA DE CONSCIENTIZAÇÃO SOBRE ÉTICA E CIDADANIA', E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS."

Leia mais

POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS

POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS Para a construção de um memorandum dos juízes dos países e territórios de língua oficial portuguesa (UIJLP) no âmbito da 1ª Conferência Internacional sobre Políticas

Leia mais

FICHA DE INTERESSE NOVAS MISSÕES SOCIAS NA VENEZUELA: EM DIREÇÃO À SUPREMA FELICIDADE SOCIAL. Governo Bolivariano da Venezuela

FICHA DE INTERESSE NOVAS MISSÕES SOCIAS NA VENEZUELA: EM DIREÇÃO À SUPREMA FELICIDADE SOCIAL. Governo Bolivariano da Venezuela FICHA DE INTERESSE Governo Bolivariano da Venezuela Embaixada da República Bolivariana da Venezuela na República Federativa do Brasil NOVAS MISSÕES SOCIAS NA VENEZUELA: EM DIREÇÃO À SUPREMA FELICIDADE

Leia mais

DA INCONSTITUCIONALIDADE DA PRISÃO DO DEPOSITÁRIO INFIEL

DA INCONSTITUCIONALIDADE DA PRISÃO DO DEPOSITÁRIO INFIEL 1 DA INCONSTITUCIONALIDADE DA PRISÃO DO DEPOSITÁRIO INFIEL Edson Ribeiro De acordo com a Convenção de Viena (1969), os tratados internacionais são acordos internacionais firmados entre Estados, na forma

Leia mais

Questões de Processo Penal

Questões de Processo Penal Questões de Processo Penal 1º) As Contravenções Penais (previstas na LCP) são punidas com: a) ( ) Prisão Simples; b) ( ) Reclusão; c) ( ) Detenção; d) ( ) Não existe punição para essa espécie de infração

Leia mais

ESTADO DO AMAZONAS CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS GABINETE VEREADOR REIZO CASTELO BRANCO A CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DECRETA:

ESTADO DO AMAZONAS CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS GABINETE VEREADOR REIZO CASTELO BRANCO A CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DECRETA: Projeto de Lei nº 060/2013 Autor: VEREADOR REIZO CASTELO BRANCO DISPÕE sobre a criação do Centro Municipal de Bem-Estar Animal - CEBEA, e dá outras providências. A DECRETA: Art. 1º. Fica criado o Centro

Leia mais

I. DO OBJETIVO II. DOS FATOS

I. DO OBJETIVO II. DOS FATOS Nota Técnica nº 001/2009 CNS Em 02 de setembro de 2009. Assunto: A Natureza Deliberativa e a Executoriedade das Decisões do Conselho Nacional de Saúde. I. DO OBJETIVO Trata a presente nota jurídica de

Leia mais

Unidade: Meio Ambiente e Direito Ambiental. Unidade I:

Unidade: Meio Ambiente e Direito Ambiental. Unidade I: Unidade: Meio Ambiente e Direito Ambiental Unidade I: 0 Unidade: Meio Ambiente e Direito Ambiental Introdução A disciplina Direito Ambiental tem como objetivo propiciar ao corpo discente uma análise sobre

Leia mais

ESTADO CONDENADO POR PRISÃO E PROCESSO ILEGAL CONTRA VIGILANTE E PROPRIETÁRIO DA EMPRESA, POR PORTE DE ARMA

ESTADO CONDENADO POR PRISÃO E PROCESSO ILEGAL CONTRA VIGILANTE E PROPRIETÁRIO DA EMPRESA, POR PORTE DE ARMA ESTADO CONDENADO POR PRISÃO E PROCESSO ILEGAL CONTRA VIGILANTE E PROPRIETÁRIO DA EMPRESA, POR PORTE DE ARMA Desembargador diz que obrigação de delegado e promotor é conhecer a lei Segue abaixo, com partes

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO (REVISTO) 2014-2016 VALORIZAÇÃO DA DIGNIDADE HUMANA, ATRAVÉS DE UMA ECONOMIA SUSTENTÁVEL

PLANO ESTRATÉGICO (REVISTO) 2014-2016 VALORIZAÇÃO DA DIGNIDADE HUMANA, ATRAVÉS DE UMA ECONOMIA SUSTENTÁVEL PLANO ESTRATÉGICO (REVISTO) 2014-2016 VALORIZAÇÃO DA DIGNIDADE HUMANA, ATRAVÉS DE UMA ECONOMIA SUSTENTÁVEL 1 PLANO ESTRATÉGICO 2014-2016 REUNIÃO DA COMISSÃO EXECUTIVA ABIDJAN 2014 2 PLANO ESTRATÉGICO 2014-2016

Leia mais

Texto integral de Proposições

Texto integral de Proposições Texto integral de Proposições PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2007 Altera a Lei nº 1.411, de 13 de agosto de 1951, para atualizar a regulamentação do exercício da profissão de Economista e dá outras providências.

Leia mais

Atendimento Policial a Vítimas de Violência Doméstica

Atendimento Policial a Vítimas de Violência Doméstica Pág. 01 Pág. 02 Pág. 03 Pág. 04 Pág. 05 Pág. 06 Pág. 07 Pág. 08 As condutas delituosas inseridas no contexto da Violência Doméstica e/ou familiar contra a mulher receberam uma conceituação legal a partir

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 233/XII

PROPOSTA DE LEI N.º 233/XII PROPOSTA DE LEI N.º 233/XII PLANO NACIONAL DE AÇÃO PARA OS DIREITOS DA CRIANÇA As crianças são encaradas como sujeitos de direitos, a partir do momento em que o seu bem-estar é concebido como uma consequência

Leia mais

Política Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas

Política Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas Política Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1 A Política Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas tem por finalidade estabelecer princípios, diretrizes

Leia mais

http://www.allemar.prof.ufu.br DIREITO & RELAÇÕES INTERNACIONAIS

http://www.allemar.prof.ufu.br DIREITO & RELAÇÕES INTERNACIONAIS http://www.allemar.prof.ufu.br DIREITO & RELAÇÕES INTERNACIONAIS DECLARAÇÃO DE ESTOCOLMO "A Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente reuniu-se em Estocolmo entre os dia 05 e 16 de junho de 1972

Leia mais

Caracterização Cronológica

Caracterização Cronológica Caracterização Cronológica Filosofia Medieval Século V ao XV Ano 0 (zero) Nascimento do Cristo Plotino (204-270) Neoplatônicos Patrística: Os grandes padres da igreja Santo Agostinho ( 354-430) Escolástica:

Leia mais

: MIN. CELSO DE MELLO : CARLOS NUNES DE AZEVEDO : DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO : DEFENSOR PÚBLICO-GERAL FEDERAL

: MIN. CELSO DE MELLO : CARLOS NUNES DE AZEVEDO : DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO : DEFENSOR PÚBLICO-GERAL FEDERAL MED. CAUT. EM HABEAS CORPUS 110.237 PARÁ RELATOR PACTE.(S) IMPTE.(S) PROC.(A/S)(ES) COATOR(A/S)(ES) : MIN. CELSO DE MELLO : CARLOS NUNES DE AZEVEDO : DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO : DEFENSOR PÚBLICO-GERAL

Leia mais

OS DIREITOS E A FUNÇÃO PÚBLICA DOS CATADORES E DAS CATADORAS DE MATERIAL RECICLÁVEL

OS DIREITOS E A FUNÇÃO PÚBLICA DOS CATADORES E DAS CATADORAS DE MATERIAL RECICLÁVEL OS DIREITOS E A FUNÇÃO PÚBLICA DOS CATADORES E DAS CATADORAS DE MATERIAL RECICLÁVEL ( * ) Daniel Rech ( ) Introdução Desejaria nesta minha apresentação abordar três aspectos essenciais de um mesmo tema

Leia mais

Profa. Ms. Maria Sônia França. PUC-GO e UFG, onde se aposentou

Profa. Ms. Maria Sônia França. PUC-GO e UFG, onde se aposentou Profa. Ms. Maria Sônia França PUC-GO e UFG, onde se aposentou Prevenir é chegar antes que as coisas ruins aconteçam. É um pacto de amor à vida, diante da banalidade do crime, do tráfico, da violência.

Leia mais

1. Alguém no Brasil acaba pagando a conta: Os salários dos parlamentares

1. Alguém no Brasil acaba pagando a conta: Os salários dos parlamentares 1. Alguém no Brasil acaba pagando a conta: Os salários dos parlamentares Gerhard Erich Boehme boehme@folha.com.br boehme@globo.com boehme@r7.com http://gboehme.blogspot.com/ O brasileiro é inimigo do Brasil,

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO PROJETO DE LEI N o 7.135, DE 2006 Tipifica o porte de arma de qualquer tipo em presídio. Autor: Deputado Moroni Torgan Relator: Deputado Ary

Leia mais

O Tribunal Penal Internacional. Luciana Boiteux Prof. Adjunta de Direito Penal FND/UFRJ

O Tribunal Penal Internacional. Luciana Boiteux Prof. Adjunta de Direito Penal FND/UFRJ O Tribunal Penal Internacional Luciana Boiteux Prof. Adjunta de Direito Penal FND/UFRJ Conceitos Básicos É o primeiro tribunal penal internacional permanente Os tribunais internacionais criados até então

Leia mais

Empresas podem usar detector de mentiras, decide Justiça. Quarta, 21 de setembro de 2005, 14h44 Fonte: INVERTIA notícias portal terra

Empresas podem usar detector de mentiras, decide Justiça. Quarta, 21 de setembro de 2005, 14h44 Fonte: INVERTIA notícias portal terra Empresas podem usar detector de mentiras, decide Justiça. Quarta, 21 de setembro de 2005, 14h44 Fonte: INVERTIA notícias portal terra Décio Guimarães Júnior Acadêmico do 6ºperíodo do curso de graduação

Leia mais

15/05/2013 MODELO DE RELAXAMENTO DA PRISÃO EM FLAGRANTE

15/05/2013 MODELO DE RELAXAMENTO DA PRISÃO EM FLAGRANTE Direito Processual Penal 2ª Fase OAB/FGV Professora Beatriz Abraão MODELO DE RELAXAMENTO DA PRISÃO EM FLAGRANTE Excelentíssimo Senhor Doutor Juiz de Direito da... Vara Criminal da Comarca... (especificar

Leia mais

Capítulo I Princípios Gerais. Capítulo II Responsabilidade Institucional. Capítulo III Responsabilidade Social

Capítulo I Princípios Gerais. Capítulo II Responsabilidade Institucional. Capítulo III Responsabilidade Social 4 5 5 6 7 7 7 8 9 9 10 10 Apresentação Capítulo I Princípios Gerais Capítulo II Responsabilidade Institucional Capítulo III Responsabilidade Social Capítulo IV A Ética nas Relações Internas Capítulo V

Leia mais

PRINCÍPIO DA IGUALDADE DIREITOS INDIVIDUAIS PRINCÍPIO DA ISONOMIA. Estrangeiro Não residente. Princípio da Legalidade.

PRINCÍPIO DA IGUALDADE DIREITOS INDIVIDUAIS PRINCÍPIO DA ISONOMIA. Estrangeiro Não residente. Princípio da Legalidade. DIREITOS INDIVIDUAIS PRINCÍPIO DA IGUALDADE Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do

Leia mais

ROTEIRO DE AULA TEORIA GERAL DAS PRISÕES CAUTELARES.

ROTEIRO DE AULA TEORIA GERAL DAS PRISÕES CAUTELARES. CURSO DIREITO DISCIPLINA PROCESSO PENAL II SEMESTRE 7º Turma 2015.1 ROTEIRO DE AULA TEORIA GERAL DAS PRISÕES CAUTELARES. 1. DO CONCEITO DE PRISAO A definição da expressão prisão para fins processuais.

Leia mais

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA. PROJETO DE LEI N o 1.169, DE 2011 I RELATÓRIO

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA. PROJETO DE LEI N o 1.169, DE 2011 I RELATÓRIO COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI N o 1.169, DE 2011 Altera a Lei nº 11.129, de 30 de junho de 2005, que Institui o Programa Nacional de Inclusão de Jovens - ProJovem; cria o Conselho Nacional

Leia mais

Quem somos: Movimento CONTRA a Redução da Maioridade Penal

Quem somos: Movimento CONTRA a Redução da Maioridade Penal Quem somos: Movimento CONTRA a Redução da Maioridade Penal Tema de luta histórica de entidades governamentais e não governamentais campanhas, grupos, redes, pastorais, conselhos ligadas, sobretudo aos

Leia mais