O CABIMENTO DE EMBARGOS DE TERCEIROS NA PROMESSA COMPRA E VENDA DESPROVIDA DE REGISTRO CIVIL.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O CABIMENTO DE EMBARGOS DE TERCEIROS NA PROMESSA COMPRA E VENDA DESPROVIDA DE REGISTRO CIVIL."

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ UNIVALI CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR CURSO DE DIREITO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA O CABIMENTO DE EMBARGOS DE TERCEIROS NA PROMESSA COMPRA E VENDA DESPROVIDA DE REGISTRO CIVIL.

2 2 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ WAHINGTON LUIZ MACHADO O CABIMENTO DE EMBARGOS DE TERCEIROS NA PROMESSA DE COMPRA E VENDA DESPROVIDA DE REGISTRO CIVIL: bibiguaçu 2009

3 3 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ UNIVALI CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR CURSO DE DIREITO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA O CABIMENTO DE EMBARGOS DE TERCEIROS NA PROMESSA COMPRA E VENDA DESPROVIDA DE REGISTRO CIVIL. Dedico este trabalho aos meus pais, José Machado, e Maria de Lourdes Luiz, vida que me proporcionam, e á minha namorapor tudo que sentem por mim e eu por eles. AGRADECIMENTO

4 4 Dedico este trabalho aos meus pais, José Machado, e Maria de Lourdes Luiz, pela vida que me proporcionam, e a minha namorada Sheena, por tudo que sentem por mim e eu por eles.

5 5 (AGRADECIMENTO) Agradeço aos meus professores pela paciência, perseverança e competência na função de lecionadores do grande ensinamento que adquiri no curso de direito.

6 6 SUMÁRIO RESUMO...8 ABSTRACT INTRODUÇÃO DA PROPRIEDADE HISTÓRICO DA PROPRIEDADE NO BRASIL Conceito Formas De Aquisição Da Propriedade Da aquisição da Propriedade Móvel Ocupação Usucapião Achado do tesouro Tradição Especificação Confusão, Comistão e Adjunção Da aquisição da Propriedade Imóvel Da transcrição Da usucapião Usucapião extraordinária Usucapião ordinária Usucapião especial Acessão Extinção da Propriedade Alienação Renuncia Abandono Perecimento da Coisa Desapropriação...33

7 7 2. PROMESSA DE COMPRA E VENDA 2.1 Contrato Preliminar Promessa de Compra e Venda Promessa de Compra e Venda no Código Civil de Registro da Promessa de compra e venda em Registro de Imóveis DOS EMBARGOS DE TERCEIRO 3.1 Dos Embargos de Terceiro: Conceito E Natureza Jurídica Da legitimidade para embargar: terceiro possuidor Da Súmula 621 Do Supremo Tribunal Federal Da Súmula 84 Do Superior Tribunal De Justiça Da Boa Fé Do Embargado: Uma Alternativa Viável...70 CONCLUSÃO REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS...77

8 8 RESUMO Trata-se de um trabalho monográfico que tem como objetivo averiguar a possibilidade do promitente comprador, quando já imitido na posse do imóvel objeto do compromisso de compra e venda [ não registrada] ajuizar embargos de terceiro em face de penhora do referido imóvel em execução movida contra o promissário vendedor. A matéria, que envolve direito civil propriedade, tratando das formas de aquisição e extinção e processo civil quanto ao contrato de compromisso de compra e venda, através de enunciados sumulares, de forma diversa no Supremo Tribunal Federal e no Superior Tribuna de Justiça. O primeiro capitulo versa sobre a evolução da propriedade no Brasil, suas formas de aquisição. O segundo capitulo refere-se a instituto promessa de compra e venda. No terceiro Capitulo refere-se ao divergente entendimento concedido à matéria no Supremo Tribunal Federal e no Superior Tribunal de Justiça, aqui relacionados os precedentes jurisprudenciais que deram ensejo a cada decisão o embasamento teórico das súmulas divergente, bem como a elaboração de uma alternativa adequada em face das conseqüências jurídicas e sociais de cada decisão sumuladas.

9 9 ABSTRACT this is a monograph that aims to investigate the possibility of the prospective buyer, when he followed in possession of the property subject of the commitment of buying and selling [unregistered] bans the third judge in the face of attachment of the property running moved promissri against the seller. The matter, which involves civil procedure - the process of implementation and embargoes third and civil law - ownership and commitment contract of sale, was disciplined by summaries of statements, different from the Supreme Court and the Superior Courts. The first chapter deals with the evolution of property in Brazil, its forms of acquisition. The second chapter refers to the Institute of possession, as their forms of acquisition and extinction. The third chapter refers to divergent understanding given the committee on the Supreme Court and the Superior Court, listed the precedents that gave rise to every decision the theoretical overviews of divergent as well as the development of an appropriate alternative in face of legal and social consequences of each decision scoresheet.

10 10 1. INTRODUÇÃO O trabalho que adiante de desenvolve tem por objeto construir algumas proposições acerca da oponibilidade dos embargos de terceiro, pelo promitente comprador, que tem o imóvel objeto do compromisso de compra e venda penhorado em ação executiva de terceiro, na qual figura como parte executada o promissário vendedor, o Compromisso de compra e venda não esta registrado, e o registro imobiliário do imóvel prometido a venda indica o mesmo pertencer ao executado, is casu o promissário vendedor. Assim, através da pesquisa realizada, buscou-se responderão problema formulado no projeto de monografia jurídica: É admissível a oposição de embargos de terceiro nos [casos] de compromisso de compra e venda não registra em Cartório Público Para tanto, utilizou-se o método dedutivo para a abordagem do tema, ao passo que pesquisa é calcada em fontes primárias, ou seja, na legislação pertinente e em decisões e acórdãos, assim como em fonte secundárias, mediante pesquisa bibliográfica em doutrinas e pareceres. O estudo esta inserido em duas áreas de concentração, quais seja direito processual civil e direito civil. A área Civil se materializa no primeiro e segundo capitulo, o são a o direito de propriedade da e o instituto da posse é os embargos de terceiro, neste caso específico oposto pelo terceiro possuidor do bem penhorado em execução no qual não figura como litigante. O terceiro e derradeiro, Quanto ao direito processual civil, os institutos aqui estudados apresenta o direito processual civil é os embargos de terceiro, neste caso específico oposto pelo terceiro possuidor do bem penhorado em execução no qual não figura como litigante, sendo ainda comporta neste capítulo comporta a divergência sumular em que está inserido o tema proposto, local em que as Súmulas 621, do STF, e 84, do STJ, são analisadas com relação aos

11 11 seus precedentes jurisprudenciais e embasamento teórico, para quere ao final se apresente uma alternativa coerente com os efeitos jurídicos e sociais de cada decisão sumulada. No entendimento consagrado pelo supremo tribunal federal da Sumula 621, restou privilegiada a necessidade de inscrição imobiliária do compromisso de compra e venda, caso em que ocorreria o efeitos erga omnes. Logo, o efeitos inter partes resultantes do compromisso não registrada não são suficientes ao terceiro embargante para desconstituir a penhora do bem prometido a venda. Já o Superior Tribunal de Justiça disciplinou a matéria, através da Súmula 84, de forma diversa, aduzindo que a posse decorrente do compromisso de compra e venda é bastante a legitimar os embargos de terceiro, sendo o registro imobiliário dispensável para tanto.

12 12 1. PROPRIEDADE 1.4 HISTÓRICO DA PROPRIEDADE NO BRASIL A raiz histórica de propriedade é encontrada no direito romano. 1 Difícil é saber o momento em que surge em Roma a primeira forma de propriedade territorial, tendo em vista que as fontes não são muito claras quanto a matéria, porém, a noção de propriedade imobiliária individual em Roma, segundo fontes, data da época da Lei das XII Tábuas. Neste primeiro momento, o indivíduo recebia uma porção de terra para cultivo, porém, após terminada a colheita, a terra voltava a ser coletiva. 2 Enriquecendo este primeiro momento da propriedade em Roma, Diniz 3 ensina que: Nos primórdios da cultura romana a propriedade era da cidade ou gens, possuindo cada indivíduo uma restrita porção de terra (1/2 hectare), e só eram alienáveis os bens móveis. Com o costume de conceder-se sempre a mesma porção de terra às mesmas pessoas, ano após ano, o pater familias faz benfeitorias em tal terra, e ali instala-se com sua família e seus escravos. 4 1 DINIZ, Maria Helena. Curso de direito civil brasileiro : direito das coisas. Vol ed. ver. e atual. São Paulo : Saraiva, p VENOSA, Sílvio de Salvo. Direito civil : direitos reais. 6. ed. São Paulo : Atlas, p DINIZ, Maria Helena. Curso de direito civil brasileiro : direito das coisas. Vol ed. ver. e atual. São Paulo : Saraiva, p. 105.

13 13 Com tal, a propriedade coletiva foi dando lugar à propriedade privada, passando pelas seguintes etapas: 1º) propriedade individual sobre os bens necessários a existência do proprietário; 2º) propriedade individual sobre os bens suscetíveis de troca com outras pessoas; 3º) propriedade dos meios de trabalho e pertinentes a produção; e 4º) finalmente a propriedade individual dos moldes capitalistas, onde o proprietário poderia explorar seu bem de modo absoluto. 5 Já na Idade Média, a propriedade passou por uma fase peculiar, fase esta com dualidade de sujeitos, ou seja, o dono da propriedade e o que explorava economicamente o solo, o qual pagava ao primeiro pelo seu uso. 6 Tais pedaços de solo explorados mediante pago eram denominados feudos, tais quais, inicialmente, eram dados como usufruto condicional a certos beneficiários que se comprometiam a prestar serviços, incluindo em tais, os militares. No decorrer do tempo, a propriedade sobre os feudos passou a ser hereditária, e, cabendo salientar, somente transmissíveis na linha masculina. 7 O Direito Canônico admite a idéia de que o homem está legitimado a adquirir bens, por tratar-se de garantia de liberdade individual. No entanto, através de Santo Agostinho e Santo Tomás de Aquino, ensina-se que a propriedade privada é eminente a natureza do homem, sendo que para tal, deve fazer justo uso dela. 8 O feudalismo desapareceu com o advento da Revolução Francesa, esta datada de A partir de tal (século XVIII), a escola do direito natural passa a reclamar leis que, taxativamente, definissem propriedade. A Revolução Francesa recepcionou a idéia romana, já o Código de Napoleão traça a concepção individualista do instituto propriedade, ou seja, gozo e dispor da coisa de modo absoluto, desde que não haja proibição legal ou regulamentar. Código e revolução 4 VENOSA, Sílvio de Salvo. Direito civil : direitos reais. 6. ed. São Paulo : Atlas, p DINIZ, Maria Helena. Curso de direito civil brasileiro : direito das coisas. Vol ed. ver. e atual. São Paulo : Saraiva, p GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito civil brasileiro : direito das coisas. Vol. 5. São Paulo : Saraiva, p DINIZ, Maria Helena. Curso de direito civil brasileiro : direito das coisas. Vol ed. ver. e atual. São Paulo : Saraiva, p VENOSA, Sílvio de Salvo. Direito civil : direitos reais. 6. ed. São Paulo : Atlas, p DINIZ, Maria Helena. Curso de direito civil brasileiro : direito das coisas. Vol ed. ver. e atual. São Paulo : Saraiva, p. 106.

14 14 que repercutiu em todos os sistemas jurídicos que modelaram-se no Código Civil francês, inclusive na maioria dos sistemas jurídicos latino-americanos. 10 Tendo estudado o histórico da propriedade, seguimos estudando tal instituto, abordando os diversos conceitos de propriedade. 1.5 CONCEITO Primeiramente, cabe salientar que a propriedade é um direito real, direito este estipulado no artigo do Código Civil 11, in verbis: Artigo São direitos reais: [...] I a propriedade; [...] O caput do artigo do Código Civil 12 conceitua propriedade, subjetivamente, sobre a disponibilidade do bem em relação ao proprietário, tendo o proprietário [...] a faculdade de usar, gozar e dispor da coisa, e o direito de reavê-la do poder de quem quer que injustamente a possua ou detenha. Gonçalves 13, valendo-se do artigo supra dito, define propriedade como sendo [...] o poder jurídico atribuído a uma pessoas de usar, gozar, dispor de um bem, corpóreo ou incorpóreo, em sua plenitude e dentro dos limites estabelecidos na lei, bem como de reivindicá-lo de quem injustamente o detenha. Para Rodrigues é o mais completo dos direitos subjetivos, o cerne do direito das coisas, a espinha dorsal do direito privado, justificando esta ultima pelo 10 VENOSA, Sílvio de Salvo. Direito civil : direitos reais. 6. ed. São Paulo : Atlas, p NEGRÃO, Theotonio Código Civil 12 ed. Sãp Paulo: Saraiva NEGRÃO, Theotonio Código Civil 12 ed. Sãp Paulo: Saraiva GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito civil brasileiro : direito das coisas. Vol. 5. São Paulo : Saraiva, p

15 15 motivo de o conflito de interesses entre os homens aparece, na maioria dos casos, pela disputa sobre bens. 14 Já para Gomes 15, a propriedade é [...] o direito complexo, absoluto, perpétuo e exclusivo, pelo qual uma coisa fica submetida à vontade de uma pessoa, com as limitações da lei. Tendo conceituado propriedade, cabe-nos dar seguimento ao presente estudo, estudando as formas de aquisição da mesma. 1.6 FORMAS DE AQUISIÇÃO DA PROPRIEDADE Nosso Código Civil, a partir do artigo apresenta as formas de aquisição da propriedade imóvel, referentes ao usucapião, aquisição por registro do título e aquisição por acessão. Já, a partir do artigo trata da aquisição da propriedade móvel, tratando do usucapião, ocupação, achado de tesouro, tradição, especificação, confusão, comistão e adjunção. 16 Como pode-se verificar, os modos de adquirir classificam-se com apoio na distinção fundamental entre bens móveis e imóveis. É de grande importância prática a distinção entre os modos de adquirir tais bens, pois os bens imóveis se adquirem pela transcrição do título em registro público apropriado, enquanto os bens móveis se adquirem pela tradição. 17 No mesmo sentido Venosa 18 ensina: O domínio transmite-se pela tradição no tocante aos bens móveis e pela transcrição do título aquisitivo para 14 RODRIGUES, Silvio. Direito civil : direito das coisas. Vol ed. rev. e atual. São Paulo : Saraiva, p GOMES, Orlando. Direitos reais. 18. ed. Rio de Janeiro : Forense, p VENOSA, Sílvio de Salvo. Direito civil : direitos reais. 6. ed. São Paulo : Atlas, p GOMES, Orlando. Direitos reais. 18. ed. Rio de Janeiro : Forense, p VENOSA, Sílvio de Salvo. Direito civil : direitos reais. 6. ed. São Paulo : Atlas, p

16 16 os imóveis. Seguiu-se a tradição romana: traditionibus, non nudi pactis, dominia rerum transferuntur. Pode-se distinguir os modos de aquisição da propriedade em originários e derivados. 19 São originários quando não há transmissão de um sujeito para outro, ou seja, o indivíduo torna-se dono de uma coisa por fazê-la sua, sem que tenha sido transmitida por alguém, ou até mesmo porque nunca teve sobre o domínio de outrem. Ainda, não há relação causal entre a propriedade adquirida e o estado jurídico anterior da coisa. 20 No mesmo sentido Rodrigues 21 : São originários os modos de aquisição da propriedade em que não há qualquer relação jurídica de causalidade entre o domínio atual e o estado jurídico anterior, como ocorre na hipótese da acessão ou da usucapião. Já no que tange a aquisição derivada, é a que resulta de uma relação negocial entre o anterior proprietário e o adquirente, ou seja, uma transferência de domínio em razão de manifestação de vontade, através de registro do título translativo ou da tradição. 22 Quanto a forma de aquisição do modo derivado deve-se ter em mente duas importantes conseqüências; O domínio do sucessor vem eivado dos característicos, defeitos e limitações de que se revestia na mão do antecessor; e, para provar seu domínio, o titular deve comprovar a legitimidade do direito de seu 19 RODRIGUES, Silvio. Direito civil : direito das coisas. Vol ed. rev. e atual. São Paulo : Saraiva, p GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito civil brasileiro : direito das coisas. Vol. 5. São Paulo : Saraiva, p RODRIGUES, Silvio. Direito civil : direito das coisas. Vol ed. rev. e atual. São Paulo : Saraiva, p GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito civil brasileiro : direito das coisas. Vol. 5. São Paulo : Saraiva, p. 231.

17 17 antecessor, do antecessor deste, assim por diante, até o período de quinze anos, tempo este suficiente para a aquisição do direito, através da usucapião. 23 Outra forma de aquisição da propriedade é através do direito hereditário, tendo base no artigo do Código Civil 24, que positiva que Aberta a sucessão, a herança transmite-se, desde logo, aos herdeiros legítimos e testamentários. Quanto a maneira que se processa, classificam-se os modos de aquisição em: a título singular, e a título universal. 25 Quanto a título singular, adquire-se a coisa individuada, exemplificando com a compra e venda de determinado bem imóvel, no negócio entre vivos, ou mesmo no legado, na sucessão causa mortis. 26 Ensina da mesma maneira Gonçalves 27, quando ensina que [...] é a título singular quando tem por objeto bens individualizados, particularizados. Verifica-se, ordinariamente, por negócios inter vivos.. Já, no que tange à aquisição a título universal, o modo único de aquisição é a sucessão hereditária. É quando a transmissão da propriedade recai num patrimônio. O adquirente sucede em todos os direitos reais e processuais do transmitente, assim como nas obrigações dele para com terceiros Da aquisição da Propriedade Móvel O Código Civil de 2002 prevê seis modos de aquisição da propriedade móvel, sendo elas: a usucapião; a ocupação; o achado do tesouro; a tradição; a especificação e a confusão. Englobando nesta ultima a comistão e a adjunção RODRIGUES, Silvio. Direito civil : direito das coisas. Vol ed. rev. e atual. São Paulo : Saraiva, p NEGRÃO, Theotonio Código Civil 12 ed. Sãp Paulo: Saraiva GOMES, Orlando. Direitos reais. 18. ed. Rio de Janeiro : Forense, p RODRIGUES, Silvio. Direito civil : direito das coisas. Vol ed. rev. e atual. São Paulo : Saraiva, p GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito civil brasileiro : direito das coisas. Vol. 5. São Paulo : Saraiva, p GOMES, Orlando. Direitos reais. 18. ed. Rio de Janeiro : Forense, p GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito civil brasileiro : direito das coisas. Vol. 5. São Paulo : Saraiva, p. 297.

18 18 então. Cabe-nos estudá-las individualmente, o que será realizado a partir de Ocupação A ocupação, por excelência, é modo originário de aquisição da propriedade. Conceituando-se como a propriedade adquirida de coisa sem dono, ou nunca apropriadas, ou porque foram abandonadas por seu dono. 30 Para Rodrigues 31 ocupação é [...] a tomada da posse de coisas sem dono, com a intenção de lhe adquirir domínio. Tal modalidade de aquisição da propriedade móvel está estipulada no artigo do Código Civil 32, onde estipula que Quem se assenhorar de coisa sem dono para logo lhe adquire a propriedade, não sendo essa ocupação defesa por lei. Para haver a ocupação, é necessário a conjunção de três requisitos, sendo eles: quem apreenda a coisa tenha o ânimo de lhe adquirir a propriedade; que o objeto da apreensão seja res nullis ou res derelicta; e que o ato de apreensão seja forma adequada de aquisição, isto é, que não seja defesa por lei Usucapião A usucapião é conceituada por Venosa 34 como sendo [...] o modo de aquisição da propriedade mediante a posse suficientemente prolongada sob determinadas condições. Rodrigues 35 conceitua da mesma forma, ensinando que a usucapião é [...] modo originário de aquisição do domínio, através da posse mansa e pacífica, por determinado espaço de tempo, fixado na lei. 30 GOMES, Orlando. Direitos reais. 18. ed. Rio de Janeiro : Forense, p RODRIGUES, Silvio. Direito civil : direito das coisas. Vol ed. rev. e atual. São Paulo : Saraiva, p Lei nº GOMES, Orlando. Direitos reais. 18. ed. Rio de Janeiro : Forense, p VENOSA, Sílvio de Salvo. Direito civil : direitos reais. 6. ed. São Paulo : Atlas, p. 193.

19 19 A usucapião de coisas móveis não apresenta a mesma importância, no ordenamento jurídico brasileiro que o referente às coisas imóveis, prevendo prazos mais reduzidos para tal tipo. 36 Tal usucapião está regulamentada nos artigos a do Código Civil, cabendo transcrevê-los, in verbis: Art Aquele que possuir coisa móvel como sua, contínua e incontestadamente durante três anos, com justo título e boa-fé, adquir-lhe-á a propriedade. Art Se a posse da coisa móvel se prolongar por cinco anos, produzirá usucapião, independentemente de título ou boa-fé. Art Aplica-se à usucapião das coisas móveis o disposto nos arts e O estabelecido no artigo estabelece o lapso possessório de três anos para o usucapião ordinário. Já o artigo regula o usucapião extraordinário dos bens móveis. O artigo 1.262, aplica os artigos inscritos no mesmo, deste modo admitindo-se a acessão das posses e as causas que impedem, suspendem ou interrompem a prescrição, no que diz respeito à usucapião ordinário e extraordinário das coisas móveis Achado do tesouro 35 RODRIGUES, Silvio. Direito civil : direito das coisas. Vol ed. rev. e atual. São Paulo : Saraiva, p GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito civil brasileiro : direito das coisas. Vol. 5. São Paulo : Saraiva, p VENOSA, Sílvio de Salvo. Direito civil : direitos reais. 6. ed. São Paulo : Atlas, p

20 20 O tesouro, anteriormente (Código Civil de 1.916), vem agora (Código Civil de 2.002), disciplinado na Seção III do capítulo sobre a aquisição da propriedade móvel, o qual compreende os artigos a Denomina-se tesouro o depósito antigo de pedras preciosas, oculto e de cujo dono não haja memória. 39 Se o tesouro for encontrado em prédio alheio, o mesmo é dividido entre o proprietário do prédio e o inventor, cabendo-nos transcrever o artigo do Código Civil 40 : Art O depósito antigo de coisas preciosas, oculto e de cujo dono não haja memória, será dividido entre o proprietário do prédio e o que achar o tesouro casualmente. Cabe salientar, que praticará crime quem apropriar-se da quota a quem tem direito o proprietário do prédio, com base no artigo 169, parágrafo único, alínea I do Código Penal. 41 Tal divisão do tesouro entre o proprietário do prédio e o achador deve decorrer da casualidade, visto que, se a pessoa foi contratada para achar coisas a relação é negocial, neste caso, o artigo do Código Civil estabelece que o tesouro pertencerá, por inteiro, ao proprietário do prédio, se achado por ele, ou em pesquisa que ordenou, ou por terceiro não autorizado. 42 Se achado em terreno aforado, partilhar-se-á entre quem o achou o foreiro, ou será deste por inteiro, quando o mesmo seja o descobridor, ensinamento este positivado no artigo do Código Civil RODRIGUES, Silvio. Direito civil : direito das coisas. Vol ed. rev. e atual. São Paulo : Saraiva, p GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito civil brasileiro : direito das coisas. Vol. 5. São Paulo : Saraiva, p NEGRÃO, Theotonio Código Civil 12 ed. Sãp Paulo: Saraiva GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito civil brasileiro : direito das coisas. Vol. 5. São Paulo : Saraiva, p VENOSA, Sílvio de Salvo. Direito civil : direitos reais. 6. ed. São Paulo : Atlas, p NEGRÃO, Theotonio Código Civil 12 ed. Sãp Paulo: Saraiva 2009.

21 21 Vale salientar, que é de pouca importância tal matéria, tendo em vista que fora inserida no Código Civil em épocas passadas, onde as pessoas enterravam e escondiam seus pertences ao fugir de guerras e revoluções, as quais, quando morto ou desaparecido o proprietário, ficavam ocultos, até que, pela casualidade eram encontrados Tradição O contrato, por si só, não transfere a propriedade, gera somente a obrigação. O domínio ocorrerá com a tradição. 45 Diniz 46 conceitua a tradição como sendo [...] a entrega da coisa móvel ao adquirente, com a intenção de lhe transferir o domínio, em razão de título translativo de propriedade. No mesmo diapasão, positiva o artigo do Código Civil, in verbis: Art A propriedade das coisas não se transfere pelos negócios jurídicos antes da tradição. Parágrafo único. Subentende-se a tradição quando o transmitente continua a possuir pelo constituto possessório; quando cede ao adquirente o direito à restituição da coisa, que se encontra em poder de terceiro; ou quando o adquirente está na posse da coisa, por ocasião do negócio jurídico. A tradição só terá o poder de transferir a propriedade da coisa se o transmitente for capaz e for o titular do domínio. Portanto, se for feita por quem não é o proprietário, a tradição não produz o efeito jurídico de transferência de 44 VENOSA, Sílvio de Salvo. Direito civil : direitos reais. 6. ed. São Paulo : Atlas, p GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito civil brasileiro : direito das coisas. Vol. 5. São Paulo : Saraiva, p DINIZ, Maria Helena. Curso de direito civil brasileiro : direito das coisas. Vol ed. ver. e atual. São Paulo : Saraiva, p. 317.

22 22 propriedade, excetuando-se se a coisa for oferecida ao público em leilão ou estabelecimento comercial. 47 São três as modalidades de tradição, sendo elas: a tradição real, que consiste na efetiva material da coisa pelo alienante ao adquirente, ainda que por procuradores ou núncios; a tradição simbólica, somente representativa, não ocorrendo materialmente, exemplificando com a simples entrega das chaves de um veículo; e o constituto possessório, também conhecido como tradição ficta, exemplificando o caso em que o alienante continua como locatário da coisa Especificação A especificação dá-se quando a coisa móvel pertence a alguém e é transformada em espécie nova, através do trabalho de outrem. 49 Rodrigues 50 ensina que Ocorre especificação quando alguém, trabalhando determinada matéria-prima, obtém espécie nova. [...]. Tal conceito está baseado no artigo do Código Civil 51. Há quem considere a especificação como uma espécie de acessão, o que não ocorre neste tipo de aquisição de bens móveis, visto que a acessão requer a união ou incorporação de uma coisa e outra, já a especificação, é a transformação definitiva da matéria-prima em espécie nova, através de ação humana. 52 Se a matéria pertence inteiramente ao especificador, não resta dúvida de que continua o mesmo a ser dono da nova espécie. Da mesma maneira, se, embora obtida espécie nova, a redução a forma anterior for possível, sem 47 DINIZ, Maria Helena. Curso de direito civil brasileiro : direito das coisas. Vol ed. ver. e atual. São Paulo : Saraiva, p VENOSA, Sílvio de Salvo. Direito civil : direitos reais. 6. ed. São Paulo : Atlas, p GOMES, Orlando. Direitos reais. 18. ed. Rio de Janeiro : Forense, p RODRIGUES, Silvio. Direito civil : direito das coisas. Vol ed. rev. e atual. São Paulo : Saraiva, p NEGRÃO, Theotonio Código Civil 12 ed. Sãp Paulo: Saraiva DINIZ, Maria Helena. Curso de direito civil brasileiro : direito das coisas. Vol ed. ver. e atual. São Paulo : Saraiva, p. 318.

23 23 qualquer dano, restabelecendo o status quo anterior, à custa do especificador, devolvendo ao dono o que lhe pertencia. 53 Já, quando a matéria for alheia, e não puder reduzi-lo à forma procedente, será do especificador de boa-fé a espécie nova, já, se obtida de má-fé, pertencerá ao dono da matéria-prima, com base no artigo c/c parágrafo primeiro do Código Civil 54. Em casos de confecções de obras de arte, em que o preço da mão de obra exceda consideravelmente o da matéria-prima, existe o interesse social em preservar o trabalho artístico. Cabendo ressaltar que, ainda que realizada de máfé, a Lei concede a propriedade ao especificador, sujeitando o mesmo a indenizar o valor da matéria-prima e a pagar eventuais perdas e danos, com base nos artigos 1.270, 2º. e do Código Civil Confusão, Comistão e Adjunção A comistão, a confusão e a adjunção são modos de aquisição de propriedade móveis, nos quais as diferenciações técnicas carecem de interesse práticos, uma vez que aplicados as mesmas regras, porém, sem prescindir de distinções. 56 Confusão pode se dar da mistura de líquidos de pessoas diferentes ( confusão), ou de coisas secas ( comistão ou mistura). 57 Tais tipos de aquisição da coisa móvel pressupõe a mescla ou união de coisas de proprietários diversos, sem que haja entendimento entre elas, necessário ainda, que da união ou mistura não resulte coisa nova, pois, neste 53 GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito civil brasileiro : direito das coisas. Vol. 5. São Paulo : Saraiva, p NEGRÃO, Theotonio Código Civil 12 ed. Sãp Paulo: Saraiva GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito civil brasileiro : direito das coisas. Vol. 5. São Paulo : Saraiva, p GOMES, Orlando. Direitos reais. 18. ed. Rio de Janeiro : Forense, p VENOSA, Sílvio de Salvo. Direito civil : direitos reais. 6. ed. São Paulo : Atlas, p. 237.

24 24 caso, haverá especificação. Devendo ainda, não poder ser a coisa unida possível de separação. 58 Se a mescla for intencional, com expresso consentimento dos proprietários das coisas misturadas, os mesmos deverão decidir a quem pertencerá o produto da mistura. 59 A regra geral a tais tipos de aquisição é o estabelecimento do condomínio entre os vários titulares. 60 que: Porém, se a mescla não for intencional, mas sim voluntária, Diniz 61 ensina a) se as coisas puderem ser separadas, sem deterioração, possibilitando a cada proprietário a identificação do que lhe pertence, cada qual continuará a ter o domínio sobre a mesma coisa que lhe pertencia antes da mistura (CC, art ); b) se, contudo, for impossível tal separação, ou se ela exigir dispêndios excessivos, o todo subsiste indiviso, constituindo-se um condomínio forçado, cabendo a cada um dos donos quinhão proporcional ao valor do bem (CC, art , 1º); c) se, porém, uma das coisas puder ser considerada principal, o respectivo dono sê-lo-á do todo, indenizando os outros proprietários pelo valor das acessórias (CC, art , 2º). Tendo estudado os modos de aquisição da propriedade móvel, cabe-nos estudar acerca dos modos de aquisição das propriedades imóveis, as quais trataremos a seguir. 58 GOMES, Orlando. Direitos reais. 18. ed. Rio de Janeiro : Forense, p DINIZ, Maria Helena. Curso de direito civil brasileiro : direito das coisas. Vol ed. ver. e atual. São Paulo : Saraiva, p VENOSA, Sílvio de Salvo. Direito civil : direitos reais. 6. ed. São Paulo : Atlas, p DINIZ, Maria Helena. Curso de direito civil brasileiro : direito das coisas. Vol ed. ver. e atual. São Paulo : Saraiva, p. 316.

OBJETIVO. Conhecer as formas de aquisição e perda da propriedade móvel.

OBJETIVO. Conhecer as formas de aquisição e perda da propriedade móvel. PROPRIEDADE OBJETIVO Conhecer as formas de aquisição e perda da propriedade móvel. n Introdução As formas de aquisição e perda da propriedade móvel estão tratadas nos capítulos III e IV do livro do direito

Leia mais

PRÁTICA CIVIL E PROCESSUAL LEGALE

PRÁTICA CIVIL E PROCESSUAL LEGALE BEM IMOVEL Art. 79. São bens imóveis o solo e tudo quanto se lhe incorporar natural ou artificialmente. Art. 80. Consideram-se imóveis para os efeitos legais: I -os direitos reais sobre imóveis e as ações

Leia mais

DA PROMESSA DE COMPRA E VENDA DE BEM IMÓVEL NA PERSPECTIVA DO REGISTRO DE IMÓVEIS: CLÁUSULAS SUSPENSIVA E RESOLUTIVA, EXTINÇÃO E PUBLICIADE REGISTRAL

DA PROMESSA DE COMPRA E VENDA DE BEM IMÓVEL NA PERSPECTIVA DO REGISTRO DE IMÓVEIS: CLÁUSULAS SUSPENSIVA E RESOLUTIVA, EXTINÇÃO E PUBLICIADE REGISTRAL DA PROMESSA DE COMPRA E VENDA DE BEM IMÓVEL NA PERSPECTIVA DO REGISTRO DE IMÓVEIS: CLÁUSULAS SUSPENSIVA E RESOLUTIVA, EXTINÇÃO E PUBLICIADE REGISTRAL Professor Luiz Egon Richter 1. DA DISTINÇÃO ENTRE A

Leia mais

Direito das coisas. O direito das coisas é tratado no livro III da parte especial do código civil, dividido em duas temáticas.

Direito das coisas. O direito das coisas é tratado no livro III da parte especial do código civil, dividido em duas temáticas. OAB - EXTENSIVO Disciplina: Direito Civil Prof. Brunno Giancolli Data: 19/10/2009 Aula nº. 05 TEMAS TRATADOS EM AULA Direito Reais Direito das coisas. O direito das coisas é tratado no livro III da parte

Leia mais

1. INTRODUÇÃO AO DIREITO DAS COISAS

1. INTRODUÇÃO AO DIREITO DAS COISAS SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO AO DIREITO DAS COISAS Conceitos iniciais 1.1 Conceito de direito das coisas. A questão terminológica 1.2 Conceito de direitos reais. Teorias justificadoras e caracteres. Análise preliminar

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br A PROMESSA DE COMPRA E VENDA NO CÓDIGO CIVIL DE 2002 NELSON ROSENVALD PROCURADOR DE JUSTIÇA MG PROFESSOR DE DIREITO CIVIL Define-se a promessa de compra e venda como espécie de contrato

Leia mais

Usucapião. Usucapião de Móveis. Usucapião de outros direitos reais Processo. Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo

Usucapião. Usucapião de Móveis. Usucapião de outros direitos reais Processo. Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo Usucapião Usucapião de Imóveis Usucapião de Móveis M Usucapião de outros direitos reais Processo Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo Departamento de Direito Civil Professor Doutor Antonio

Leia mais

CÓDIGO CIVIL - LEI Nº

CÓDIGO CIVIL - LEI Nº CÓDIGO CIVIL - LEI Nº 10.406/2002 - Art. 1.229 151 conjunto ou separadamente, obras e serviços considerados pelo juiz de interesse social e econômico relevante. 5º - No caso do parágrafo antecedente, o

Leia mais

a) Verificar o direito real do promitente comprador;

a) Verificar o direito real do promitente comprador; PROMESSA DE COMPRA E VENDA 1 Lindiara Antunes Do Nascimento 2, Carlos Guilherme Probst 3. 1 TRABALHO DE CURSO - TC 2 AUTOR- Aluna do curso de Direito pela UNIJUI 3 COUATOR - Mestre em Educação nas Ciências

Leia mais

1. Direito das coisas 2. Posse 3. Classificação da Posse 4. Ações ou Interdito possessórios 5. Propriedade

1. Direito das coisas 2. Posse 3. Classificação da Posse 4. Ações ou Interdito possessórios 5. Propriedade CURSO EXTENSIVO FINAL DE SEMANA OAB 2012.2 Disciplina DIREITO CIVIL Aula 07 EMENTA DA AULA 1. Direito das coisas 2. Posse 3. Classificação da Posse 4. Ações ou Interdito possessórios 5. Propriedade GUIA

Leia mais

Direito das Coisas II

Direito das Coisas II 2.8 DO DIREITO DO PROMITENTE COMPRADOR Ao cabo do que já era reconhecido pela doutrina, o Código Civil de 2002, elevou o direito do promitente comprador ao status de direito real. Dantes, tão somente constava

Leia mais

DO CONCEITO DE USUCAPIÃO

DO CONCEITO DE USUCAPIÃO DO CONCEITO DE USUCAPIÃO Conceito: Usucapião é modo de aquisição da propriedade (ou outro direito real), que se dá pela posse continuada, durante lapso temporal, atendidos os requisitos de lei. LOCALIZAÇÃO

Leia mais

Turma e Ano: Turma Regular Master A. Matéria / Aula: Direito Civil Aula 19. Professor: Rafael da Mota Mendonça

Turma e Ano: Turma Regular Master A. Matéria / Aula: Direito Civil Aula 19. Professor: Rafael da Mota Mendonça Turma e Ano: Turma Regular Master A Matéria / Aula: Direito Civil Aula 19 Professor: Rafael da Mota Mendonça Monitora: Fernanda Manso de Carvalho Silva DIREITO DAS COISAS (continuação) (III) Propriedade

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES 2007/1 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES Disciplina: DIREITO CIVIL V Curso: DIREITO Código CR PER Co-Requisito Pré-Requisito 111111111111111111111111111111111111111

Leia mais

Breves notas sobre a promessa de compra e venda de imóvel.

Breves notas sobre a promessa de compra e venda de imóvel. Breves notas sobre a promessa de compra e venda de imóvel. Dentre as inúmeras espécies contratuais previstas na legislação civil, emerge uma utilizada em larga escala no dia-a-dia tanto empresarial como

Leia mais

RESOLUÇÃO EXTRAJUDICIAL DE PROMESSA DE COMPRA E VENDA IMOBILIÁRIA POR INADIMPLEMENTO ABSOLUTO DO QUESTÕES ATUAIS E OUTRAS NEM TÃO ATUAIS...

RESOLUÇÃO EXTRAJUDICIAL DE PROMESSA DE COMPRA E VENDA IMOBILIÁRIA POR INADIMPLEMENTO ABSOLUTO DO QUESTÕES ATUAIS E OUTRAS NEM TÃO ATUAIS... RESOLUÇÃO EXTRAJUDICIAL DE PROMESSA DE COMPRA E VENDA IMOBILIÁRIA POR INADIMPLEMENTO ABSOLUTO DO COMPRADOR QUESTÕES ATUAIS E OUTRAS NEM TÃO ATUAIS... Rubens Leonardo Marin SECOVI / SP 11/05/2015 O problema:

Leia mais

DIREITOS REAIS SOBRE COISAS ALHEIAS 1

DIREITOS REAIS SOBRE COISAS ALHEIAS 1 DIREITOS REAIS SOBRE COISAS ALHEIAS 1 Amélia Rodrigues Machado ameliamachadoraa@itelefonica.com.br FAC São Roque - NPI: Núcleo de Pesquisa Interdisciplinar INTROUÇÃO São direitos reais aqueles que recaem

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA. Faculdade de Direito de Campos. Direito Civil. Contratos. Fiança no Contrato de Locação Urbana

PROJETO DE PESQUISA. Faculdade de Direito de Campos. Direito Civil. Contratos. Fiança no Contrato de Locação Urbana PROJETO DE PESQUISA Faculdade de Direito de Campos Direito Civil Contratos Fiança no Contrato de Locação Urbana Ana Luiza P. Machado Bárbara Tavares Caldas Fábia Santos Pereira Campos, 2006 ASSUNTO: Direito

Leia mais

TABELA DE CORRESPONDÊNCIA CÓDIGO CIVIL/1916 E CÓDIGO CIVIL/2002

TABELA DE CORRESPONDÊNCIA CÓDIGO CIVIL/1916 E CÓDIGO CIVIL/2002 TABELA DE CORRESPONDÊNCIA CÓDIGO CIVIL/1916 E CÓDIGO CIVIL/2002 PARTE GERAL DISPOSIÇÃO PRELIMINAR Art. 1º............. sem correspondência LIVRO I DAS PESSOAS TÍTULO I DA DIVISÃO DAS PESSOAS DAS PESSOAS

Leia mais

DIREITO CIVIL Espécies de Contratos

DIREITO CIVIL Espécies de Contratos DIREITO CIVIL Espécies de Contratos Espécies de Contratos a serem estudadas: 1) Compra e venda e contrato estimatório; 2) Doação; 3) Depósito; 4) Mandato; 5) Seguro; 6) Fiança; 7) Empréstimo (mútuo e comodato);

Leia mais

Regime de Bens no Casamento. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Regime de Bens no Casamento. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Regime de Bens no Casamento Regime de Bens no Casamento Regime de bens é o conjunto de determinações legais ou convencionais, obrigatórios e alteráveis, que regem as relações patrimoniais entre o casal,

Leia mais

Direito das Sucessões Parte I. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Direito das Sucessões Parte I. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Direito das Sucessões Parte I Sucessão - Etimologia Sucessão Successio, de succedere. Relação de ordem, de continuidade. Uma sequência de fato e de coisas. O que vem em certa ordem ou em certo tempo. Sucessão

Leia mais

AULA 08 TEORIA GERAL DOS CONTRATOS

AULA 08 TEORIA GERAL DOS CONTRATOS Profª Helisia Góes Direito Civil III Contratos Turmas 5ºDIV, 5º DIN-1 e 5º DIN-2 DATA: 24/09/09 (5º DIV) e 29/09/09 (5º DIN-1 e 5º DIN-2) CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ AULA 08 TEORIA GERAL DOS CONTRATOS

Leia mais

FACULDADE LA SALLE DE LUCAS DO RIO VERDE - MT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO

FACULDADE LA SALLE DE LUCAS DO RIO VERDE - MT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO FACULDADE LA SALLE DE LUCAS DO RIO VERDE - MT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO A FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE JOCEANE CRISTIANE OLDERS VIDAL Lucas do Rio Verde MT Setembro 2008 FACULDADE

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 62 da Constituição, adota a seguinte Medida Provisória, com força de lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 62 da Constituição, adota a seguinte Medida Provisória, com força de lei: 1 - MP2220/2001 CNDU - http://www.code4557687196.bio.br MEDIDA PROVISÓRIA No 2.220, DE 4 DE SETEMBRO DE 2001. CNDU Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos MEDIDA PROVISÓRIA

Leia mais

9º Simposio de Ensino de Graduação DIREITO DE SUPERFICIE E SEUS ASPECTOS RELEVANTES

9º Simposio de Ensino de Graduação DIREITO DE SUPERFICIE E SEUS ASPECTOS RELEVANTES 9º Simposio de Ensino de Graduação DIREITO DE SUPERFICIE E SEUS ASPECTOS RELEVANTES Autor(es) FABRICIA DE FREITAS AMÉRICO DE ARAUJO Orientador(es) VICTOR HUGO VELÁZQUES TEJERINA 1. Introdução Visto que

Leia mais

DIREITO REAL DE AQUISIÇÃO DO PROMITENTE COMPRADOR

DIREITO REAL DE AQUISIÇÃO DO PROMITENTE COMPRADOR UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS CAMPUS DE PALMAS CURSO DE DIREITO DIREITO CIVIL V TRABALHO DE DIREITO CIVIL DIREITO REAL DE AQUISIÇÃO DO PROMITENTE COMPRADOR Alunos: Maria Aparecida P. S. Apinajé Lucas

Leia mais

EXERCÍCIO 1. EXERCÍCIO 1 Continuação

EXERCÍCIO 1. EXERCÍCIO 1 Continuação Direito Civil Contratos Aula 1 Exercícios Professora Consuelo Huebra EXERCÍCIO 1 Assinale a opção correta com relação aos contratos. a) O contrato preliminar gera uma obrigação de fazer, no entanto não

Leia mais

DO PROMITENTE COMPRADOR

DO PROMITENTE COMPRADOR DO PROMITENTE COMPRADOR Ver meu artigo científico http://www.ambitojuridico.com.br/site/index.php?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=9612 SERPA LOPES, Apud DINIZ (2011, p. 419) - Compromisso Irretratável

Leia mais

Tanto bens móveis como imóveis podem ser usucapidos. Como nossa disciplina é direito imobiliário, dos imóveis é que estudaremos este instituto.

Tanto bens móveis como imóveis podem ser usucapidos. Como nossa disciplina é direito imobiliário, dos imóveis é que estudaremos este instituto. 1) Para o prof. Daniel Áureo: a usucapião é conceituada como modo de aquisição da propriedade pela posse continuada durante certo lapso de tempo somada aos requisitos estabelecidos em lei. É também chamada

Leia mais

DIREITO IMOBILIÁRIO. Introdução. Terminologia. 1. Direito Imobiliário:

DIREITO IMOBILIÁRIO. Introdução. Terminologia. 1. Direito Imobiliário: Introdução. Terminologia. 1. Direito Imobiliário: Nas palavras de Hércules Aghiarian 1 o direito imobiliário é o direito da coisa em movimento. 1.1. Direito das Coisas ou Direitos Reais: Direito da Coisa

Leia mais

USUCAPIÃO E A POSSE DO IMÓVEL: DISCUSSÕES SÓCIO-JURÍDICAS. 1. Apresentação. 2. Introdução

USUCAPIÃO E A POSSE DO IMÓVEL: DISCUSSÕES SÓCIO-JURÍDICAS. 1. Apresentação. 2. Introdução USUCAPIÃO E A POSSE DO IMÓVEL: DISCUSSÕES SÓCIO-JURÍDICAS SILVA, Alexssandro Crivelli (Acadêmico, Finan) MARTINS, Eduardo (Docente, Finan) 1. Apresentação O presente artigo é fruto de uma pesquisa desenvolvida

Leia mais

DIREITO CIVIL DIREITO DAS COISAS PROF. FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS MÓDULO I

DIREITO CIVIL DIREITO DAS COISAS PROF. FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS MÓDULO I DIREITO CIVIL DIREITO DAS COISAS PROF. FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS MÓDULO I Direito das Coisas; Introdução; Conceito e Distinção entre Direitos Reais e Pessoais; Conteúdo; Regime Constitucional dos Direitos

Leia mais

A Nova Usucapião MARIA CELESTE PINTO DE CASTRO JATAHY 1 INTRODUÇÃO DA LEGISLAÇÃO

A Nova Usucapião MARIA CELESTE PINTO DE CASTRO JATAHY 1 INTRODUÇÃO DA LEGISLAÇÃO 87 A Nova Usucapião MARIA CELESTE PINTO DE CASTRO JATAHY 1 INTRODUÇÃO A Lei 12.424, de 16 de junho de 2011, ao introduzir o art. 1240-A no Código Civil, instituiu uma nova modalidade de usucapião no direito

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DEÍ BRASÍLIA - UniCEUB FACULDADE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS. 1. Aquisição de Direitos

CENTRO UNIVERSITÁRIO DEÍ BRASÍLIA - UniCEUB FACULDADE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS. 1. Aquisição de Direitos CENTRO UNIVERSITÁRIO DEÍ BRASÍLIA - UniCEUB FACULDADE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS Disciplina: DIREITO CIVIL FATOS JURÍDICOS - 3º SEMESTRE Profª: ANA CLÁUDIA A. MOREIRA BITTAR DE DIREITOS AQUISIÇÃO,

Leia mais

Usucapião. É a aquisição do domínio ou outro direito real pela posse prolongada. Tem como fundamento a função social da propriedade

Usucapião. É a aquisição do domínio ou outro direito real pela posse prolongada. Tem como fundamento a função social da propriedade Usucapião É a aquisição do domínio ou outro direito real pela posse prolongada Tem como fundamento a função social da propriedade!1 Requisitos da posse ad usucapionem Posse com intenção de dono (animus

Leia mais

Direito das Coisas I - Posse e Propriedade

Direito das Coisas I - Posse e Propriedade 2.9 Aquisição da posse 2.9.1 Teorias explicativas A aquisição envolve exatamente os aspectos de a pessoa chegar ao bem e de exercer um poder de dominação sobre o mesmo. Para a teoria subjetiva, a aquisição

Leia mais

COMPRA E VENDA DE MOVEIS E IMÓVEIS Modelo 02

COMPRA E VENDA DE MOVEIS E IMÓVEIS Modelo 02 ANUÊNCIA PARA DOAÇÃO OU VENDA DE IMÓVEL ENTRE ASCENDENTE E DESCENDENTES Modelo 01 a quem confere poderes para o fim especial de, como interveniente na escritura de (doação, venda ) que seu(sua)(s) ( pai,

Leia mais

DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS. Curso de Técnico em Transações Imobiliárias Curso Total

DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS. Curso de Técnico em Transações Imobiliárias Curso Total DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS Curso de Técnico em Transações Imobiliárias Curso Total DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS. FINALIDADE. DOS TÍTULOS REGISTRÁVEIS: ESCRITURA

Leia mais

PREPARATÓRIO 2ª ETAPA Direito Civil Parte Geral e Contratos Professor: Marcu Antonio Gonçalves

PREPARATÓRIO 2ª ETAPA Direito Civil Parte Geral e Contratos Professor: Marcu Antonio Gonçalves PREPARATÓRIO 2ª ETAPA Direito Civil Parte Geral e Contratos Professor: Marcu Antonio Gonçalves QUESTÃO 01 Partindo-se da premissa da instrumentalidade do processo, há diferença ontológica entre a jurisdição

Leia mais

Posse e Usucapião Extraordinária

Posse e Usucapião Extraordinária Posse e Usucapião Extraordinária 11 Maria Daniella Binato de Castro 1 INTRODUÇÃO Este trabalho objetiva um breve estudo sobre o instituto da posse e sua relação com a figura da prescrição aquisitiva em

Leia mais

OFÍCIO CIRCULAR N.º 205/2008-CGJ/DOF (Id. 076486/08) Favor mencionar este número Cuiabá, 25 de setembro de 2008.

OFÍCIO CIRCULAR N.º 205/2008-CGJ/DOF (Id. 076486/08) Favor mencionar este número Cuiabá, 25 de setembro de 2008. OFÍCIO CIRCULAR N.º 205/2008-CGJ/DOF (Id. 076486/08) Favor mencionar este número Cuiabá, 25 de setembro de 2008. Senhor(a) Oficial(a) de Registro de Imóveis: De ordem do Excelentíssimo Senhor Desembargador

Leia mais

DIREITO IMOBILIÁRIO. Aula 4. Forma de Aquisição Imobiliária Derivada, Usucapião na Constituição Federal, Usucapião na Legislação Ordinária.

DIREITO IMOBILIÁRIO. Aula 4. Forma de Aquisição Imobiliária Derivada, Usucapião na Constituição Federal, Usucapião na Legislação Ordinária. Material Teórico DIREITO IMOBILIÁRIO Aula 4 Forma de Aquisição Imobiliária Derivada, Usucapião na Constituição Federal, Usucapião na Legislação Ordinária. Conteudista Responsável: Profª Marlene Lessa cod

Leia mais

Estabelecimento Empresarial

Estabelecimento Empresarial Estabelecimento Empresarial É a base física da empresa, que consagra um conjunto de bens corpóreos e incorpóreos, constituindo uma universalidade que pode ser objeto de negócios jurídicos. É todo o complexo

Leia mais

Investimento Imobiliário em Angola Guia Prático

Investimento Imobiliário em Angola Guia Prático www.finaccount.com Investimento Imobiliário em Angola Guia Prático Prestação de Serviços de Consultoria Empresarial e Formação Aquisição de bens imóveis O processo de aquisição de bens imóveis em Angola

Leia mais

REPARTIÇÃO DE COMPETÊNCIAS E NORMAS GERAIS DE DIREITO URBANÍSTICO

REPARTIÇÃO DE COMPETÊNCIAS E NORMAS GERAIS DE DIREITO URBANÍSTICO REPARTIÇÃO DE COMPETÊNCIAS E NORMAS GERAIS DE DIREITO URBANÍSTICO O Desenvolvimento Urbano e a Constituição Federal AS COMPETÊNCIAS DA UNIÃO Art. 21. Compete à União: XX - instituir diretrizes para o desenvolvimento

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL X EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL X EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Em ação de indenização, em que determinada empresa fora condenada a pagar danos materiais e morais a Tício Romano, o Juiz, na fase de cumprimento de sentença, autorizou

Leia mais

www.apostilaeletronica.com.br

www.apostilaeletronica.com.br DIREITO CIVIL I. Lei de Introdução às Normas de Direito Brasileiro... 002 II. Pessoas Naturais e Pessoas Jurídicas... 013 III. Domicílio e Bens... 025 IV. Dos Fatos Jurídicos... 030 V. Prescrição e Decadência...

Leia mais

ESPÉCIES DE RENÚNCIA AO DIREITO HEREDITÁRIO E EFEITOS TRIBUTÁRIOS. Artur Francisco Mori Rodrigues Motta

ESPÉCIES DE RENÚNCIA AO DIREITO HEREDITÁRIO E EFEITOS TRIBUTÁRIOS. Artur Francisco Mori Rodrigues Motta ESPÉCIES DE RENÚNCIA AO DIREITO HEREDITÁRIO E EFEITOS TRIBUTÁRIOS Artur Francisco Mori Rodrigues Motta ESPÉCIES DE RENÚNCIA AO DIREITO HEREDITÁRIO E EFEITOS TRIBUTÁRIOS Artur Francisco Mori Rodrigues Motta

Leia mais

Graficamente temos o seguinte:

Graficamente temos o seguinte: DIREITOS REAIS DE GARANTIA 2- HIPOTECA - é um direito real de garantia que tem por objeto bens imóveis ou que a lei entende como hipotecáveis, pertencentes ao devedor ou a terceiro, e que, embora não entregues

Leia mais

Lição 5. Formação dos Contratos

Lição 5. Formação dos Contratos Lição 5. Formação dos Contratos Seção II Da Formação dos Contratos Art. 427. A proposta de contrato obriga o proponente, se o contrário não resultar dos termos dela, da natureza do negócio, ou das circunstâncias

Leia mais

PÚBLICOS DA COMARCA DE SÃO PAULO / SP

PÚBLICOS DA COMARCA DE SÃO PAULO / SP EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA VARA DE REGISTROS PÚBLICOS DA COMARCA DE SÃO PAULO / SP..., associação sem fins lucrativos, regularmente registrada no 4º Cartório de Registro de Títulos e Documentos,

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO PROJETO DE LEI Nº 2.658, DE 2003

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO PROJETO DE LEI Nº 2.658, DE 2003 COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO PROJETO DE LEI Nº 2.658, DE 2003 Dispõe sobre a concessão de uso especial para fins de moradia prevista pelo 1º do art. 183 da Constituição Federal e dá outras providências.

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Compra e venda com reserva de domínio Raquel Abdo El Assad * Através da compra e venda com reserva de domínio, não se transfere a plena propriedade da coisa ao comprador, pois ao

Leia mais

Repercussões do novo CPC para o Direito Contratual

Repercussões do novo CPC para o Direito Contratual Repercussões do novo CPC para o Direito Contratual O NOVO CPC E O DIREITO CONTRATUAL. PRINCIPIOLOGIA CONSTITUCIONAL. REPERCUSSÕES PARA OS CONTRATOS. Art. 1 o O processo civil será ordenado, disciplinado

Leia mais

INSTRUMENTO PARTICULAR DE PROMESSA DE VENDA E COMPRA DE IMÓVEL URBANO, que entre si celebram:

INSTRUMENTO PARTICULAR DE PROMESSA DE VENDA E COMPRA DE IMÓVEL URBANO, que entre si celebram: INSTRUMENTO PARTICULAR DE PROMESSA DE VENDA E COMPRA DE IMÓVEL URBANO, que entre si celebram: I - de um lado, na qualidade de Promitente VENDEDORA, a FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL DO BANCO ECONÔMICO S/A-ECOS,

Leia mais

14/06/2013. Andréa Baêta Santos

14/06/2013. Andréa Baêta Santos Tema: DIREITO REGISTRAL IMOBILIÁRIO Questões de Registro de Imóveis 14/06/2013 1. Na certidão em relatório Oficial deve sempre se ater ao quesito requerente? formulado o pelo Não, pois sempre que houver

Leia mais

PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO DIREITO CONTRATUAL 1. Angélica Santana NPI FAC SÃO ROQUE

PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO DIREITO CONTRATUAL 1. Angélica Santana NPI FAC SÃO ROQUE PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO DIREITO CONTRATUAL 1 Angélica Santana NPI FAC SÃO ROQUE INTRODUÇÃO Para o Direito existem alguns princípios pelo qual, podemos destacar como base fundamental para estabelecer

Leia mais

PONTO 1: Sucessões. SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA art. 1845 do CC. A dispensa tem que ser no ato da liberalidade ou no testamento.

PONTO 1: Sucessões. SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA art. 1845 do CC. A dispensa tem que ser no ato da liberalidade ou no testamento. 1 DIREITO CIVIL DIREITO CIVIL PONTO 1: Sucessões SUCESSÃO LEGÍTIMA SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA art. 1845 do CC. A dispensa tem que ser no ato da liberalidade ou no testamento. Colação não significa devolução

Leia mais

DIREITO CIVIL. Obrigações, obrigações contratuais e responsabilidade civil

DIREITO CIVIL. Obrigações, obrigações contratuais e responsabilidade civil DIREITO CIVIL Obrigações, obrigações contratuais e responsabilidade civil 1 2 GILBERTO KERBER Advogado. Conselheiro Estadual OAB/RS. Mestre em Direito pela UFSC. Coordenador do Curso de Direito CNEC-IESA

Leia mais

Desse modo, esse adquirente

Desse modo, esse adquirente 1-(FCC - 2012 - Prefeitura de São Paulo - SP - Auditor Fiscal do Município) Uma pessoa adquiriu bem imóvel, localizado em área urbana de município paulista, sem exigir que o vendedor lhe exibisse ou entregasse

Leia mais

Direito Civil VI - Sucessões. Prof. Marcos Alves da Silva

Direito Civil VI - Sucessões. Prof. Marcos Alves da Silva Direito Civil VI - Sucessões Prof. Marcos Alves da Silva Direito das Sucessões Sucessão: alteração de titulares em uma dada relação jurídica Sucessão (sentido estrito): causa mortis A sucessão engloba

Leia mais

Questões Fundamentadas do Código Civil Lei 10.406/2002 - Arts. 104 a 232

Questões Fundamentadas do Código Civil Lei 10.406/2002 - Arts. 104 a 232 1 APOSTILA AMOSTRA Para adquirir a apostila de 350 Questões Fundamentadas do Código Civil Lei 10.406/2002 Art. 104 a 232 Acesse o site: www.concursoassistentesocial.com.br Atenção: A apostila, devidamente

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Formas de aquisição da propriedade imóvel Alexandre Ferreira Classificação: Adquire-se a propriedade de forma originária e derivada: Originária Quando desvinculada de qualquer relação

Leia mais

3 O INSTRUMENTO PARTICULAR NO REGISTRO DE IMÓVEIS A PARTIR DO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO DE 1916... 85 3.1 Evolução histórica... 85 3.1.

3 O INSTRUMENTO PARTICULAR NO REGISTRO DE IMÓVEIS A PARTIR DO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO DE 1916... 85 3.1 Evolução histórica... 85 3.1. SUMÁRIO RESUMO... 13 PREFÁCIO... 15 INTRODUÇÃO... 19 1 CONTRATOS... 23 1.1 Noções gerais... 23 1.2 Conceito... 25 1.3 Elementos do contrato... 26 1.3.1 Elementos essenciais... 26 1.3.1.1 Agente capaz...

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A ação de Usucapião Publicado desde 14/4/2005 José Cafezeiro Neto 1. Dos Procedimentos Especiais 2. Do Usucapião 2.1. Espécies de usucapião de imóveis 2.2. Requisitos Gerais e Específicos

Leia mais

PÁGINA JURÍDICA > ARTIGOS DE PROFESSORES > OS PRICÍPIOS CARDEIAS QUE REGEM O REGISTRO DE IMÓVEIS

PÁGINA JURÍDICA > ARTIGOS DE PROFESSORES > OS PRICÍPIOS CARDEIAS QUE REGEM O REGISTRO DE IMÓVEIS PÁGINA JURÍDICA > ARTIGOS DE PROFESSORES > OS PRICÍPIOS CARDEIAS QUE REGEM O REGISTRO DE IMÓVEIS Gisele Leite Professora da Universidade Veiga de Almeida, Mestre em Direito Civil e conselheira do IBPJ

Leia mais

a palavra é feminina porque vem do latim usus + capere, ou seja, é a captação/tomada/aquisição pelo uso.

a palavra é feminina porque vem do latim usus + capere, ou seja, é a captação/tomada/aquisição pelo uso. 1 a palavra é feminina porque vem do latim usus + capere, ou seja, é a captação/tomada/aquisição pelo uso. é modo de aquisição da propriedade pela posse prolongada sob determinadas condições. OUTRO CONCEITO:

Leia mais

SEMINÁRIO - O PODER JUDICIÁRIO E O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL ENUNCIADOS APROVADOS

SEMINÁRIO - O PODER JUDICIÁRIO E O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL ENUNCIADOS APROVADOS 1) Entende-se por fundamento referido no art. 10 do CPC/2015 o substrato fático que orienta o pedido, e não o enquadramento jurídico atribuído pelas partes. 2) Não ofende a regra do contraditório do art.

Leia mais

Conteúdo: Fatos Jurídicos: Negócio Jurídico - Classificação; Interpretação; Preservação. - FATOS JURÍDICOS -

Conteúdo: Fatos Jurídicos: Negócio Jurídico - Classificação; Interpretação; Preservação. - FATOS JURÍDICOS - Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Civil (Parte Geral) / Aula 11 Professor: Rafael da Motta Mendonça Conteúdo: Fatos Jurídicos: Negócio Jurídico - Classificação; Interpretação; Preservação. - FATOS

Leia mais

Direito Civil III Contratos

Direito Civil III Contratos Direito Civil III Contratos Evicção Prof. Andrei Brettas Grunwald 2011.1 1 Código Civil Artigo 447. Nos contratos onerosos, o alienante responde pela evicção. Subsiste esta garantia ainda que a aquisição

Leia mais

UNIDADE VI Tributação sobre a transmissão de bens e direitos e operações financeiras. 1.1.1. Constituição (art. 156, inciso II e parágrafo segundo)

UNIDADE VI Tributação sobre a transmissão de bens e direitos e operações financeiras. 1.1.1. Constituição (art. 156, inciso II e parágrafo segundo) UNIDADE VI Tributação sobre a transmissão de bens e direitos e operações financeiras 1. Imposto sobre a transmissão de bens imóveis 1.1. Legislação 1.1.1. Constituição (art. 156, inciso II e parágrafo

Leia mais

Registros em terras de fronteiras, margens de rio e terras devolutas

Registros em terras de fronteiras, margens de rio e terras devolutas Registros em terras de fronteiras, margens de rio e terras devolutas Josely Trevisan Massuquetto Procuradora do INCRA no Paraná. Francisco José Rezende dos Santos Oficial do 4º Reg. Imóveis de Bhte e Presidente

Leia mais

Atenção: Material em fase de criação e desenvolvimento, aguarde versão final. 2. Do Direito Real de Propriedade. Direito das Coisas

Atenção: Material em fase de criação e desenvolvimento, aguarde versão final. 2. Do Direito Real de Propriedade. Direito das Coisas Atenção: Material em fase de criação e desenvolvimento, aguarde versão final. 2. Do Direito Real de Propriedade Direito das Coisas Dos princípios constitucionais Dignidade da Pessoa Humana O princípio

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 2ª REGIÃO ESCOLA DA MAGISTRATURA

TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 2ª REGIÃO ESCOLA DA MAGISTRATURA 61 TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 2ª REGIÃO ESCOLA DA MAGISTRATURA PALESTRA TEMA: O DIREITO DAS COISAS NO NOVO CÓDIGO CIVIL Palestrante: Noé de Medeiros São Paulo, abril de 2003. Obs.: o texto desta

Leia mais

SUMÁRIO PREFÁCIO ABREVIATURAS ABREVIATURAS INTRODUÇÃO

SUMÁRIO PREFÁCIO ABREVIATURAS ABREVIATURAS INTRODUÇÃO SUMÁRIO ABREVIATURAS CAT Certidão Autorizativa de Transferência CC - Código Civil CF - Constituição Federal CGC Corregedoria Geral de Justiça CPC Código de Processo Civil CSM Conselho Superior de Magistratura

Leia mais

Usufruto e direitos reais de garantia

Usufruto e direitos reais de garantia Usufruto e direitos reais de garantia Usufruto O usufruto pode recair sobre todo o patrimônio do nu-proprietário ou sobre alguns bens, móveis ou imóveis, e abrange não apenas os bens em si mesmos, mas

Leia mais

Objeto: O direito real de uso pode recair sobre bens móveis ou imóveis.

Objeto: O direito real de uso pode recair sobre bens móveis ou imóveis. Turma e Ano: Turma Regular Master A Matéria / Aula: Direito Civil Aula 23 Professor: Rafael da Mota Mendonça Monitora: Fernanda Manso de Carvalho Silva DIREITO DAS COISAS (continuação) (IV) Direitos Reais

Leia mais

Questões Fundamentadas do Código Civil Lei 10.406/2002 - Arts. 104 a 232

Questões Fundamentadas do Código Civil Lei 10.406/2002 - Arts. 104 a 232 1 350 Art. 104 ao 232 Livro III Dos Fatos Jurídicos Título I Do Negócio Jurídico Título II Dos Atos Jurídicos lícitos Título III Dos Atos ilícitos Título IV Prescrição e Decadência Título V Da Prova Para

Leia mais

AÇÃO DE USUCAPIÃO - AUSÊNCIA DE REQUISITOS - UNIÃO DE POSSES - IMPOSSIBILIDADE

AÇÃO DE USUCAPIÃO - AUSÊNCIA DE REQUISITOS - UNIÃO DE POSSES - IMPOSSIBILIDADE AÇÃO DE USUCAPIÃO - AUSÊNCIA DE REQUISITOS - UNIÃO DE POSSES - IMPOSSIBILIDADE - Compete ao autor, na ação de usucapião extraordinária, preencher os requisitos legais previstos no art. 1.238 do Código

Leia mais

Para extinção das dívidas e/ou saldos devedores do contrato com fundamento no art. 7º da MP nº 496/2010:

Para extinção das dívidas e/ou saldos devedores do contrato com fundamento no art. 7º da MP nº 496/2010: DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA: Extinção de dívidas do contrato Compra do imóvel com base no art. 12 da Lei nº 11.483/2007 Substituição do beneficiário do contrato de compra e venda ou cessão de direitos Emissão

Leia mais

COMPROMISSO DE COMPRA E VENDA E EFEITOS DO REGISTRO PARA AQUISIÇÃO DE BEM IMÓVEL 1 O REGISTRO DE IMÓVEIS EM SEU ASPECTO AMPLO

COMPROMISSO DE COMPRA E VENDA E EFEITOS DO REGISTRO PARA AQUISIÇÃO DE BEM IMÓVEL 1 O REGISTRO DE IMÓVEIS EM SEU ASPECTO AMPLO COMPROMISSO DE COMPRA E VENDA E EFEITOS DO REGISTRO PARA AQUISIÇÃO DE BEM IMÓVEL Fabiano Vicente SILVA 1 Francisco José Dias GOMES 2 RESUMO: O presente artigo tem o objetivo de tratar de um tema que gera

Leia mais

- Direito do promitente. - Concessão de uso especial para fins de moradia - Concessão de direito real de uso

- Direito do promitente. - Concessão de uso especial para fins de moradia - Concessão de direito real de uso Direitos Reais Rol taxativo previsto no artigo 1225 Direitos reais de gozo ou fruição - Propriedade - - - - - - - - - - - - único sobre coisa PRÓPRIA - Superfície - Servidões - Usufruto - Uso - Habitação

Leia mais

O DIREITO DAS Sucessões na Contemporaneidade. http://patriciafontanella.adv.br

O DIREITO DAS Sucessões na Contemporaneidade. http://patriciafontanella.adv.br O DIREITO DAS Sucessões na Contemporaneidade http://patriciafontanella.adv.br Viés Constitucional Assento constitucional (art. 5º XXX, CF/88). Mudança dos poderes individuais da propriedade, trazendo a

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de APELAÇÃO ClVEL n^ 071.433-4/5, da Comarca de SÃO PAULO, em que é apelante TROPVILLE COMERCIAL LTDA., sendo apelada EMPRESARIAL E ASSESSORIA S/C LTDA.:

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br O Seguro-caução Nas Execuções Trabalhistas Bruno Landim Maia DIREITO DO TRABALHO O seguro-garantia é centenário no mundo, mas recentemente operacionalizado no Brasil, é decorrente

Leia mais

Art. 1.331. Pode haver, em edificações, partes que são propriedade exclusiva, e partes que são propriedade comum dos condôminos.

Art. 1.331. Pode haver, em edificações, partes que são propriedade exclusiva, e partes que são propriedade comum dos condôminos. Lei do Condomínio 10.406/2002 CAPÍTULO VII Do Condomínio Edilício Seção I Disposições Gerais Art. 1.331. Pode haver, em edificações, partes que são propriedade exclusiva, e partes que são propriedade comum

Leia mais

Contrato de Corretagem. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Contrato de Corretagem. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Contrato de Corretagem Corretagem O vocábulo "corretor", vem do verbo correr, em seu significado semântico quer dizer: O que anda, procura, agencia negócios comerciais ou civis, serve de intermediário

Leia mais

1. O que é procuração?

1. O que é procuração? Procuração Pública Plano de aula: 1. O que é procuração? 2. Forma Pública 3. Identidade e Capacidade 4. Pessoas Jurídicas 5. Poderes Gerais x Especiais 6. Ad judicia x Ad negotia 7. Substabelecimento 8.

Leia mais

RESUMO DA TABELA DE EMOLUMENTOS E TFJ DE 2015 EM VIGOR PARA ATOS PRATICADOS A PARTIR DE 1º DE JANEIRO DE 2015

RESUMO DA TABELA DE EMOLUMENTOS E TFJ DE 2015 EM VIGOR PARA ATOS PRATICADOS A PARTIR DE 1º DE JANEIRO DE 2015 RESUMO DA TABELA DE EMOLUMENTOS E TFJ DE 2015 EM VIGOR PARA ATOS PRATICADOS A PARTIR DE 1º DE JANEIRO DE 2015 1- ATOS DO REGISTRO CIVIL DAS PESSOAS NATURAIS VALORES EM R$ ATO VALORES TOTAL BUSCA (POR PERÍODO

Leia mais

USUFRUTO. 1) Conceito:

USUFRUTO. 1) Conceito: USUFRUTO 1) Conceito: O usufruto é um dos chamados direitos reais sobre coisa alheia. Para Sílvio de Salvo Venosa 1 usufruto é um direito real transitório que concede a seu titular o poder de usar e gozar

Leia mais

SENTENÇA. Processo nº: 1026847-91.2015.8.26.0100 Classe Assunto: Procedimento Ordinário - Rescisão do contrato e devolução do dinheiro

SENTENÇA. Processo nº: 1026847-91.2015.8.26.0100 Classe Assunto: Procedimento Ordinário - Rescisão do contrato e devolução do dinheiro fls. 375 SENTENÇA Processo nº: 1026847-91.2015.8.26.0100 Classe Assunto: Procedimento Ordinário - Rescisão do contrato e devolução do dinheiro Requerente: Luiz Eduardo Possagnolo Requerido: Gafisa Spe-127

Leia mais

I. DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE INVESTIMENTOS NO URUGUAY. 1. Há alguma restrição imposta a estrangeiros para a compra de imóveis no Uruguai?

I. DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE INVESTIMENTOS NO URUGUAY. 1. Há alguma restrição imposta a estrangeiros para a compra de imóveis no Uruguai? I. DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE INVESTIMENTOS NO URUGUAY 1. Há alguma restrição imposta a estrangeiros para a compra de imóveis no Uruguai? Não há qualquer espécie de restrição imposta a estrangeiros para

Leia mais

O DIREITO DE ARREPENDIMENTO NA INCORPORAÇÃO IMOBILIÁRIA POR PARTE DO COMPRADOR.

O DIREITO DE ARREPENDIMENTO NA INCORPORAÇÃO IMOBILIÁRIA POR PARTE DO COMPRADOR. O DIREITO DE ARREPENDIMENTO NA INCORPORAÇÃO IMOBILIÁRIA POR PARTE DO COMPRADOR. BRUNO MATTOS E SILVA O DIREITO DE ARREPENDIMENTO NA INCORPORAÇÃO IMOBILIÁRIA POR PARTE DO COMPRADOR. BRUNO MATTOS E SILVA

Leia mais

1. DIREITOS DAS COISAS - INTRODUÇÃO.

1. DIREITOS DAS COISAS - INTRODUÇÃO. 1. DIREITOS DAS COISAS - INTRODUÇÃO. Relação direta das pessoas com os bens, ou seja, conjunto de normas e institutos jurídicos que norteiam a superação de conflitos de interesses, relacionados, em ultima

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA E PROCURADORIAS NOTURNO Direito Civil Professor Murilo Sechieri Data: 02/10/2012 Aula 07 RESUMO. SUMÁRIO (continuação)

DEFENSORIA PÚBLICA E PROCURADORIAS NOTURNO Direito Civil Professor Murilo Sechieri Data: 02/10/2012 Aula 07 RESUMO. SUMÁRIO (continuação) Direito Civil Professor Murilo Sechieri Data: 02/10/2012 Aula 07 RESUMO SUMÁRIO (continuação) I. DIREITO DE FAMÍLIA 5. FILIAÇÃO 5.2. Tipos de reconhecimento 5.3. Ação investigatória de paternidade 5.3.1.

Leia mais

Legislação Territorial Constituição Federal de 1988. Camila Cavichiolo Helton Douglas Kravicz Luiz Guilherme do Nascimento Rodrigues Samara Pinheiro

Legislação Territorial Constituição Federal de 1988. Camila Cavichiolo Helton Douglas Kravicz Luiz Guilherme do Nascimento Rodrigues Samara Pinheiro Legislação Territorial Constituição Federal de 1988 Camila Cavichiolo Helton Douglas Kravicz Luiz Guilherme do Nascimento Rodrigues Samara Pinheiro 01. Como a propriedade é tratada pela constituição brasileira?

Leia mais

2ª Fase Direito Civil

2ª Fase Direito Civil 2ª Fase Direito Civil Professor Fabio Alves fabio@ferreiraecamposadv.com CONTRATOS E CDC PRINCÍPIOS AUTONOMIA DA VONTADE PACTA SUNT SERVANDA BOA-FÉ OBJETIVA 1 Formação dos contratos Proposta e Aceitação

Leia mais

PLANEJAMENTO PATRIMONIAL, FAMILIAR E SUCESSÓRIO

PLANEJAMENTO PATRIMONIAL, FAMILIAR E SUCESSÓRIO PLANEJAMENTO PATRIMONIAL, FAMILIAR E SUCESSÓRIO CLIENT ALERT DEZEMBRO/2015 GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SANCIONA AS NOVAS REGRAS REFERENTES AO IMPOSTO SOBRE A TRANSMISSÃO CAUSA MORTIS E DOAÇÃO

Leia mais

CONTRATOS DE INCORPORAÇÃO IMOBILIÁRIA. *Afranio dos Santos Evangelista Junior.

CONTRATOS DE INCORPORAÇÃO IMOBILIÁRIA. *Afranio dos Santos Evangelista Junior. CONTRATOS DE INCORPORAÇÃO IMOBILIÁRIA. *Afranio dos Santos Evangelista Junior. Sumário: I Considerações iniciais; II Características dos contratos de incorporação imobiliária; III Elementos dos contratos

Leia mais