LÍNGUA PORTUGUESA Leia o texto abaixo e responda às questões propostas. Viajar para dentro

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LÍNGUA PORTUGUESA Leia o texto abaixo e responda às questões propostas. Viajar para dentro"

Transcrição

1 14 e 85

2 LÍNGUA PORTUGUESA Leia o texto abaixo e responda às questões propostas Viajar para dentro Os brasileiros estão viajando ais. Pouco iporta o destino: a verdade é que os pacotes turísticos e as passagens ais baratas estão tirando as pessoas de casa. Muita gente lucra co isso, coo os donos de hotéis, restaurantes, locadoras de autoóveis e coércio e geral. Algué perde? Talvez os psicanalistas. Poucas coisas são tão terapêuticas coo sair do casulo. Enquanto os ônibus, trens e aviões continuare lotados, os divãs corre o risco de ficar às oscas. Viajar não é sinônio de férias, soente. Não basta encher o carro co guarda-sol, cadeirinhas, isopores e travesseiros e ruar e direção a ua praia suja e superlotada. Isso não é viajar, é veranear. Viajar é outra coisa. Viajar é transportar-se se uita bagage para elhor receber o que as andanças tê a oferecer. Viajar é despir-se de si eso, dos hábitos cotidianos, das reações previsíveis, da rotina iutável, e renascer virge e curioso, aberto ao que lhe vai ser ensinado. Viajar é tornar-se u desconhecido e aproveitar as vantagens do anoniato. Viajar é olhar para dentro e desascarar-se. Pode acontecer e Paris ou e Trancoso, e Tóquio ou e Rio Pardo. São férias, si, as não só do trabalho: são férias de você. U useu, u ergulho, u rosto novo, u sabor diferente, ua cainhada solitária, tudo vira escola. Desacopanhado, ou co u aigo, ua naorada, aprende-se a valorizar a solidão. E excursão, não. Turas se protege, não desfaze vínculos, e viajar requer liberdade para arriscar. Viajando, você coe bacon no café da anhã, passeia na chuva, vai ao super de bicicleta, faz confidências a que nunca viu antes. Viajando, você dore na graa, usa banheiro público, anda e lobo de burro, costura os próprios botões. Viajando, você erra na pronúncia, usa colar de conchas, troca horários, dirige do lado direito do carro. Viajando, você é reinventado. É ipactante ver a Torre Eiffel de pertinho, os prédios de Manhattan, o lago Coo, o Pelourinho. Mas ver não é só o que interessa nua viage. Sair de casa é a oportunidade de seros estrangeiros e independentes, e essa é a chave para aniquilar tabus. A aioria de nossos edos são herdados. Viajando é que descobrios nossa corage e atreviento, nosso instinto de sobrevivência e conheciento. Viajar iniiza preconceitos. Viajantes não tê endereço, partido político ou classe social. São aventureiros e tepo integral. Viaja-se ais no Brasil, dize as reportagens. Espero que si. Mas que cada turista saiba espiar tabé as próprias reações diante do novo, do inesperado, de tudo o que não estava prograado. O que a gente é, de verdade, nunca é revelado nas fotos. Adaptado de : MEDEIROS, Martha. Viajar para dentro, in Tre-Bala, L&PM Pocket, Assinale a alternativa correta, de acordo co o texto. A) Ua viage, que oportunize boas experiências e cresciento ao indivíduo, te benefícios equivalentes ao aprendizado adquirido nos bancos escolares. B) Considerados estatisticaente, os exeplos oferecidos pela autora leva a concluir que ela vê ais oportunidades de aproveitaento e fruição e viagens para o estrangeiro do que e viagens dentro do território nacional. C) Para alcançare-se os efeitos benéficos que ua viage pode oferecer ao indivíduo, é preferível que ele viaje anônio, possibilitando, assi, ua copleta sensação de liberdade. D) As pessoas que tê o hábito de viajar são ais despojadas e corajosas, tornando-se isentas de edos e preconceitos. E) Viajar equipara as pessoas, na edida e que elas abandona, de certa fora, suas peculiaridades originais. 2. Assinale a passage que elhor refere o tea do texto. A) Os brasileiros estão viajando ais. (l. 01) B) Poucas coisas são tão terapêuticas quanto sair do casulo. (l ) C) São férias, si, as não só do trabalho. (l ) D) Mas ver não é só o que interessa nua viage. (l ) E) O que a gente é, de verdade, nunca é revelado nas fotos. (l )

3 3. Considere as afirativas abaixo, co relação ao texto. I. Desascarar-se (l.28) significa abandonar as suas hipocrisias. II. Ua boa viage equivale a ua psicoterapia, já que seus efeitos são os esos. III. Traandaí ou Capão da Canoa, por exeplo, poderia ser destinos para a viage recoendada pela autora. Quais estão corretas? B) Apenas II. C) Apenas III. D) Apenas I e II. E) Apenas II e III. 4. Considere as propostas de deslocaento da palavra soente na frase Viajar não é sinônio de férias, soente. (l. 14). I. Para antes de Viajar. II. Para entre Viajar e não. III. Para entre é e sinônio. Quais pode anter o significado da frase original? B) Apenas II. C) Apenas III. D) Apenas I e II. E) Apenas II e III. 5. Considere a passage E excursão, não. Turas se protege (l. 37). Se o ponto final que há entre não e Turas fosse substituído por ua vírgula, quatro das palavras ou expressões abaixo poderia ser inseridas logo após essa vírgula, antendo o significado original da passage, EXCETO ua. Assinale-a. A) conquanto B) visto que C) já que D) porquanto E) ua vez que 6. Considere as propostas de substituição, no texto, para a passage ao que lhe vai ser ensinado. (l ). I. a influência nova qualquer. II. a quase totalidade de eventos do undo. III. a toda a gaa de conhecientos. Quais deve ter acrescentado o acento grave, indicativo da ocorrência de crase, sobre a palavra sublinhada? B) Apenas II. C) Apenas III. D) Apenas I e II. E) Apenas II e III Considere as afirações abaixo, e relação à pontuação do texto. I. O otivo de eprego das vírgulas que estão antes e depois de restaurantes (l. 06) é o eso das que estão antes e depois de do inesperado (l. 66). II. A vírgula após lotados (l. 11) justifica-se pelo eso otivo da que está após viajando (l. 39). III. O otivo de eprego da vírgula que está após vínculos (l.38) é o eso da que está após independentes (l. 54). Quais estão corretas? B) Apenas I e II. C) Apenas I e III. D) Apenas II e III. E) I, II e III. 8. Assinale a alternativa que preenche, correta e respectivaente, as lacunas da frase. Manté aceso o ideal sepre lutaos e próxios os parceiros, sonhos tanto conviveos e eu. A) co o qual de que nos você B) para o qual e cujos os você C) pelo qual co cujos você D) por que co cujos tu E) co que e cujos os tu 9. Considere as frases abaixo, e relação à sua correção graatical. I. Discussões houve, é verdade; todavia, hoje reina o consenso. II. Entre eu e tu, não há ais dívidas: estou quite contigo. III. Senhores jornalistas, a secretária do deputado solicitou às policiais que entregasse elas esas o docuento a Vossa Excelência. Quais estão corretas? B) Apenas II. C) Apenas III. D) Apenas I e II. E) Apenas II e III. 10. Considere as frases abaixo, e relação à sua correção graatical. I. Bastantes otivos já devia haver para que interpusésseos ua edida de segurança. II. Era talvez eio-dia e eia quando o jurista expôs sua opinião acerca do processo. III. Vios, por este eio, requerer a Vossa Senhoria que assessore seus funcionários e tarefa tão árdua. Quais estão corretas? B) Apenas II. C) Apenas III. D) Apenas I e II. E) Apenas II e III.

4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 11. No sentido de superar as liitações dos açoscarbono, desenvolvera-se os aços ligados que conté eleentos de liga que elhora as suas propriedades. E função disso analise as afirativas abaixo identificando co u V quais são VERDADEIRAS e co u F quais são FALSAS assinalando a seguir a alternativa correta respectivaente. ( )Os eleentos foradores de carbonetos, coo o tungstênio, o olibidênio e o titânio, diinue a teperatura do ponto eutetóide do diagraa de fases Ferro co Carbono (Fe-C) e auenta o doínio austenítico. ( )Os aços-carbono não pode ser endurecidos para resistir a tensões superiores a aproxiadaente 690 MPa, se perda substancial da ductilidade e resistência ao ipacto. ( )Os aços de édio carbono tê de ser teperados rapidaente para se obter ua estrtura totalente artensítica. Essa têpera, feita co elevadas velocidades de resfriaento, origina distorções e foração de trincas na peça tratada tericaente. ( )Os diferentes eleentos de liga pode provocar u auento ou ua diinuição da teperatura do ponto eutetóide do diagraa de fases Ferro co Carbono (Fe-C). A) F, F, V e V B) F, V, V e V C) V, F, V e F D) V, V, F e F E) V, V, V e F 12. Co relação aos processos de usinage, analise as afirativas abaixo identificando co u V quais são VERDADEIRAS e co u F quais são FALSAS assinalando a seguir a alternativa correta respectivaente. ( ) Moviento de avanço é aquele entre a ferraenta e a peça que, juntaente ao oviento de corte, possibilita u reoção contínua ou repetida do cavaco, durante várias rotações ou cursos da ferraenta. O oviento de avanço pode ser contínuo, coo no caso do torneaento e da furação, ou interitente, coo no caso do aplainaento. ( ) Para a seleção criteriosa do aterial da ferraenta ua série de fatores deve ser ponderados, dentre alguns deles podeos encionar: o aterial a ser usinado, o processo de usinage, a fora e as diensões da ferraenta, o custo do aterial da ferraenta, as condições da usinage entre outros. ( ) O chaado desgaste frontal ou de flanco que ocorre e ferraentas de usinage são ocasionados por choques da ferraenta co a peça e pela variação excessiva de esforço na aresta de corte. ( ) O Aço Rápido é u aço ferraenta de alta liga de tungstênio, olibidênio, croo, vanádio, cobalto e nióbio. É u aterial tenaz, de elevada resistência ao desgaste e elevada dureza a quente, quando coparados a aços carbono usados para ferraentas, podendo ser utilizado até teperaturas de corte da orde de 600ºC. A) F, V, V e F B) F, F, V e V C) V, V, F e V D) V, F, F e F E) V, V, F e F 13. O processo de endureciento por precipitação, feito e ligas de aluínio, envolve três passos, são eles: A) Prieiro noralização, segundo têpera e por últio envelheciento B) Prieiro precipitação, segundo recoziento e por últio têpera seguido de revenido C) Prieiro solubilização, segundo têpera e por últio envelheciento D) Prieiro solubilização, segundo recoziento e por últio envelheciento E) Prieiro precipitação, segundo têpera e por últio revenido 14. Leia as afirativas expostas abaixo sobre os aços inoxidáveis e a seguir assinale a alternativa correta. I A resistência à corrosão desses aços deve-se ao elevado teor de croo, co valores de no ínio 12%. II Os principais tipos são: ferríticos, artensíticos, austeníticos e endurecidos por precipitação. III Os ferríticos são relativaente baratos porque não conté níquel. São usados principalente coo ateriais de construção, e que se requer boa resistência à corrosão e ao calor. IV Os aços inoxidáveis austeníticos possue elhor resistência à corrosão quando coparados aos aços inoxidáveis ferríticos e austeníticos. No entanto, se estas ligas fore posteriorente soldadas ou esfriadas lentaente, a partir de teperaturas elevadas, no intervalo de 870 a 600ºC, pode tornar-se passíveis de corrosão intergranular, porque há precipitação de carbonetos de croo nos contornos de grão. A) Apenas I, II e III são verdadeiras B) Todas são verdadeiras C) Apenas I e II são verdadeiras D) Apenas II, III e IV são verdadeiras E) Apenas III e IV são verdadeiras 4

5 15. Co relação aos processos de conforação plástica feito nos etais é INCORRETO afirar: A) A trefilação é u processo de conforação ecânica que para ser feito deve seguir e orde as seguintes etapas: 1) decapage ecânica ou quíica que retira os óxidos presentes na superfície do fio áquina, 2) lainação e usinage para produção do fio áquina, 3) trefilação e 4) trataento térico de recoziento, quando é necessário restabelecer a ductilidade do aterial B) O forjaento é o processo de deforação a quente e que, pela aplicação de força dinâica ou estática, se odifica a fora de u bloco etálico. Geralente é feito acia da teperatura de recristalização do aterial C) A estapage é u processo de conforação ecânica, realizado geralente a frio, que copreende u conjunto de operações, por interédio das quais ua chapa plana é subetida a transforações de odo a adquirir ua nova fora geoétrica, plana ou oca D) A lainação é u processo de conforação ecânica, onde o etal é forçado a passar entre dois cilindros, girando e sentidos opostos, co a esa velocidade superficial, distanciados entre si a ua distância enor que o valor da espessura da peça a ser deforada E) A extrusão é o processo de conforação ecânica e que u bloco de etal é forçado a passar através do orifício de ua atriz sob alta pressão, de odo a ter sua secção transversal reduzida 16. A nora ABNT NBR ISO/IEC apresenta os requisitos que os laboratórios de ensaio e calibração te que atender se desejare deonstrar que te ipleentado u sistea de gestão. A respeito desta nora o que não está correto afirar? A) a nora é aplicada soente e laboratórios de ensaios etal/ecânicos e bioquíicos B) a nora atende aos requisitos da ISO 9001/2000 C) a nora te coo o foco o cliente D) o uso desta nora facilitará a cooperação entre laboratórios E) A nora especifica os requisitos gerais para a copetência e realizar ensaios e/ou calibrações 17. A capacidade relativa de u aço ser endurecido pelo resfriaento é chaada endurecibilidade. Felizente u experiento relativaente siples tornou-se padrão para indústria fornecer esta coparação sisteática. Qual o ensaio utilizado para verificar a endurecibilidade de u aço? A) Ensaio de Charpy B) Ensaio de Tração C) Ensaio de Bauann D) Ensaio de Dureza E) Ensaio Joiny 18. A estrutura cúbica de corpo centrado possui u átoo centralizado e cada ponto da rede. Dentro da célula unitária existe u átoo no centro desta e u oitavo de átoo e cada u dos oito cantos da célula unitária. O fator de epacotaento atôico, representa a fração do volue da célula unitária ocupado por estes dois átoos. Então, podeos dizer que o fator de epacotaento atóico de ua estrutura cúbica de corpo centrado é: A) 0,74 B) 0,68 C) 1,00 D) 0,47 E) 0, Fundição é o processo de fabricação de peças etálicas que consiste essencialente e encher co etal líquido a cavidade de u olde co forato e edidas correspondentes aos da peça a ser fabricada. Co relação a esse étodo de fabricação é CORRETO afirar: A) O processo de fundição sob pressão consiste e vazar etal líquido e u olde dotado de oviento de rotação, de odo que a força centrífuga origine ua pressão alé da gravidade, a qual força o etal líquido de encontro às paredes do olde onde solidifica B) O processo de fundição de precisão consiste e vazar etal líquido e u olde de areia peritindo a fabricação de peças praticaente de qualquer fora, co pequenas liitações e diensões, fora e coplexidade C) A oldage e areia seca ou e olde estufado é o processo ais siples e ais utilizado e fundições. Consiste e copactar, anualente ou epregando áquinas de oldar, ua istura refratária plástica (areia de fundição), coposta de areia silicosa, argila e água, sobre o odelo colocado ou ontado na caixa de oldar. Coo desvantage apresenta ua péssia qualidade de acabaento da peça a ser fabricada D) O processo de fundição de precisão pode ser feito praticaente co qualquer etal ou liga e as peças pode ser produzidas praticaente acabadas, as o processo te liitações coo não peritir o controle do taanho e contorno dos grãos, solidificação direcional e orientação granular, resultando na perda de controle das propriedades ecânicas E) A cristalização, a contração de volue, a concentração de ipurezas e os desprendientos de gases são fenôenos que ocorre durante a solidificação 5

6 20. A ceentação é u processo que consiste na introdução de carbono na superfície do aço, de odo que este após a têpera e revenido, apresenta ua superfície uito dura e co alta resistência ao desgaste. Na ceentação gasosa a substância carbonetante é ua atosfera gasosa rica e carbono. Abaixo são apresentadas as seguintes considerações a respeito do processo de ceentação gasosa: I. perite u elhor controle do teor de carbono e da espessura da caada ceentada e relação aos outros processos de ceentação. II. As instalações são de baixo custo e co aparelhage de controles de processo siples e relação aos outros processos de ceentação. III. Apresenta enor velocidade de penetração de carbono e relação aos outros processos de ceentação. Qual (is) alternativa (s) acia está (ão) correta (s)? A) Apenas II B) Apenas III C) I e II D) Apenas I E) II e III 21. O étodo de edição de dureza Vickers, é baseado na resistência que u aterial oferece à penetração de ua pirâide de diaante de base quadrada e ângulo entre faces de 1360, sob ua deterinada carga. Coo é representada a dureza Vickers? A) HB B) HRC C) HK D) HV E) HRA 22. Sons extreaente graves ou agudos, pode passar desapercebidos pelo aparelho auditivo, não por deficiência deste, as por caracterizare vibrações co frequências uito baixas ou co frequências uito altas. Então, a faixa de frequência considerada ultrasso e utilizada nos ensaios não destrutivos poro ultrasso é: A) Abaixo de 45 HZ B) Acia de 45 HZ C) Abaixo de Hz D) Acia de 20 HZ E) Abaixo de 20 HZ. 23. O ato de otiizar os custos dos ateriais substituídos u pouco antes da ruptura de ua áquina industrial proporcionado assi u auento da produtividade pela prograação das paradas é a filosofia da: A) Manutenção corretiva; B) Manutenção preventiva; C) Lubrificação industrial; D) Análise de falha. E) Manutenção preditiva; Coo é sabido, os detectores de radiação ocupa ua posição iportante na Radioproteção, pois soente através deles que podeos saber se estaos nu capo de radiações ionizantes ou não, e tabé avaliar, edir, e qualificar as doses de radiação. Das alternativas abaixo qual instruento não é utilizado coo detector de radiação? A) Contador Geiger-Muller B) Detector do estado sólido C) Croatógrafo de íons D) Dosíetro de leitura indireta E) Câara de Ionização 25. O VIM Vocabulário Internacional de Teros Fundaentais e Gerais de Metrologia - é ua publicação tradicional que uniforiza os teros usados e etrologia nos diversos países. Baseado nas definições do VIM, podeos afirar que: I - Zona orta é o intervalo áxio no qual o valor de ua grandeza edida pode ser variado e abas as direções se produzir ua udança perceptível na indicação correspondente. II Estabilidade é a propriedade de u instruento de edição segundo a qual este anté as suas propriedades etrológicas constantes ao longo do tepo. III U padrão define ua dada grandeza, co u valor deterinado e ua incerteza de edição associada, utilizada coo referência. IV Obtê-se a incerteza de edição do Tipo A por ua análise estatística dos valores edidos, obtidos sob condições definidas de edição. V Existe diversos odos de realizar a avaliação do Tipo B da incerteza de edição. Esta pode estar baseada na inforação associada a valores publicados por autoridade copetente,associada ao valor de u aterial de referência certificado,obtida a partir de u certificado de calibração dentre outros odos. A) Soente a afiração IV esta errada; B) Todas as afirações estão corretas; C) As afirações I, II e V estão corretas; D) As afirações I, IV e V estão corretas; E) As alternativas I, II e III estão corretas; 26. Tendo e vista o conceito de que u eixo não transite potência, ou seja, não sofre esforço de torção, qual o principal esforço a ser considerado no projeto de u eixo? A) Flexão. B) Flabage. C) Tração. D) Copressão. E) Fadiga.

7 27. São consideradas características do gás argônio, e relação ao gás hélio, coo gás de proteção no processo de soldage TIG: A) Baixa tensão de arco, enor penetração, aior estabilidade e facilidade na abertura do arco, custo reduzido, aior ação de lipeza e aior resistência a corrente de ar lateral. B) Elevada tensão de arco, aior penetração, aior dificuldade na abertura do arco, baixa estabilidade do arco, enor ação de lipeza, custo elevado e enor resistência a corrente de ar lateral. C) Baixa tensão de arco, enor penetração, enor ação de lipeza, custo elevado e enor resistência a corrente de ar lateral. D) Elevada tensão de arco, aior penetração, custo reduzido, aior ação de lipeza e aior resistência a corrente de ar lateral. E) Vazão para proteção de duas a três vezes aior que a necessária para o gás hélio, custo reduzido, aior ação de lipeza, aior resistência a corrente de ar lateral, aior estabilidade e facilidade na abertura do arco. 28. Entre os consuíveis de soldage por oxigás, o fluxo representa u iportante fator para que o processo de soldage apresente bons resultados. Entre as funções do fluxo, destaca-se: A) Proteger o etal de solda, atuar coo isolante térico para concentrar o calor e agir coo fundente. B) Proteger a poça de fusão contra a ação da atosfera, atuar coo desoxidante e odificar a coposição quíica do etal de solda. C) Reover ou escorificar óxidos de etais que possue elevado ponto de fusão, elhorar a fluidez da escória forada e auxiliar a reoção da escória. D) Melhorar a fluidez da escória forada, proteger o etal de solda, estabilizar a chaa e odificar a geoetria do cordão de solda. E) Auxiliar a reoção da escória, auentar a teperatura da chaa, odificar a geoetria do cordão de solda e proteger o etal de solda. 29. A quebra não prevista de ua áquina industrial traduz-se por ua parada brusca e não prevista da produção, geralente levando a grandes prejuízos e a perda de tepo de produção, isto é ua filosofia na atividade de: A) Manutenção corretiva; B) Manutenção preventiva; C) Manutenção preditiva; D) Lubrificação industrial; E) Análise de falha. 30. No processo de corte por plasa, a correta cobinação entre potência do arco e velocidade de corte resulta nua penetração copleta do plasa na espessura do aterial. A fi de auentar a velocidade de corte, se que a penetração seja reduzida, as seguintes edidas deve ser toadas: A) Auento da corrente, eprego gases oleculares e auento da constrição do arco. B) Auento da corrente, redução da constrição do plasa e diinuição da teperatura do plasa. C) Auento da tensão, redução da constrição do plasa e diinuição da teperatura do plasa. D) Auento da tensão, eprego de gases oleculares e auento da constrição do arco. E) Auento da corrente, eprego de gases oleculares e diinuição da constrição do arco. 31. A finalidade de ua engrenage é a transissão de oviento se deslizaento e potência, ultiplicando os esforços de odo a gerar trabalho. Assinale a alternativa que conté os processos de fabricação adequados para se obter engrenagens: A) Usinage, fundição, forjaento e soldage. B) Forjaento, fundição, lainação e soldage. C) Forjaento, etalurgia do pó, lainação e estapage. D) Fundição, estapage, forjaento e lainação. E) Usinage, fundição, forjaento e estapage. 32. A função básica de ua chaveta é peritir a união de u eixo ou árvore a u cubo. Coo consequência do torque aplicado, surge ua força que irá solicitar a chaveta de que foras? A) Flexão e cisalhaento. B) Esagaento e flexão. C) Esagaento e tração. D) Copressão e cisalhaento. E) Tração e flexão. 33. A estiativa da duração da vida édia dos coponentes de ua áquina industrial é a base na atividade de: A) Manutenção corretiva; B) Manutenção preditiva; C) Lubrificação industrial; D) Análise de falha E) Manutenção preventiva; 7

8 34. Cada u dos cabos que sustenta a platafora da figura possui diâetro de 2. Se o aterial dos cabos é aço co E=200 GPa, o valor da força P para causar u deslocaento para baixo de 2 do ponto B é de: A) B) C) D) E) 36. São considerados vasos de pressão de paredes delgadas os que apresenta diâetro do vaso aior que dez vezes a espessura da parede. No caso de vasos de pressão esféricos podeos afirar que, quando a pressão interna é superior a pressão externa, o círculo de Mohr que representa a distribuição de tensões na parede do reservatório é igual a: A) 35. Deterinar para superfície plana da ilustração a posição do centróide e relação aos eixos xy. B) C) D) A) X 10 Y 30 B) X 10 Y 35 C) X 10 Y 25 D) X 5 Y 30 E) X 5 Y 35 E) 8

9 37. Na ilustração, são utilizados vínculos do tipo rolete no ponto A e articulação no ponto B. Desprezando o peso da viga, deterinar as reações e A e B quando P=30N. A) RA 12N RB 42N B) RA 12N RB 42N C) RA 12N RB 42N D) RA 0N RB 30N E) RA 12N RB 42N 38. O goniôetro é u instruento de edição ou de verificação de edidas angulares. No instruento da figura abaixo o valor indicado é de: A) 8º e 50 B) 8º e 55 C) 2º 55 D) 2º 50 E) 50º e 8 9

10 39. Na ilustração, é utilizado vínculo de apoio fixo no ponto A. Desprezando o peso da viga, deterinar as equações que descreve o coportaento da força cortante (V) e oento fletor (M) ao longo da viga quando é aplicada ua carga distribuída confore ilustração. A. V 120N N M 120N 20. x B. V 120N M 360N.x 720N. C. N N 2 V 120N 20.x M 60N.x 5. x D. V 120N M 60N.x 360N. E. N N V 120N 20.x M 120N.x 10.x 360N. 40. O paquíetro é u instruento usado para edir as diensões linearesinternas, externas e de profundidade de ua peça. Consiste e ua régua graduada, co encosto fixo, sobre a qual desliza u cursor. No paquíetro da figura o valor indicado é de: A) 1 53 / 64 B) 1 43 / 64 C) 1 43 / 128 D) 1 53 / 128 E) 153/

Aula 6 Primeira Lei da Termodinâmica

Aula 6 Primeira Lei da Termodinâmica Aula 6 Prieira Lei da Terodinâica 1. Introdução Coo vios na aula anterior, o calor e o trabalho são foras equivalentes de transferência de energia para dentro ou para fora do sistea. 2. A Energia interna

Leia mais

Curso Profissional de Técnico de Energias Renováveis 1º ano. Módulo Q 2 Soluções.

Curso Profissional de Técnico de Energias Renováveis 1º ano. Módulo Q 2 Soluções. Curso Profissional de Técnico de Energias Renováveis 1º ano Docuento de apoio Módulo Q 2 Soluções. 1. Dispersões 1.1. Disperso e dispersante Dispersão Ua dispersão é ua istura de duas ou ais substâncias,

Leia mais

b) Dalton proporções definidas. c) Richter proporções recíprocas. d) Gay-Lussac transformação isobárica. e) Proust proporções constantes.

b) Dalton proporções definidas. c) Richter proporções recíprocas. d) Gay-Lussac transformação isobárica. e) Proust proporções constantes. APRFUDAMET QUÍMIA 2012 LISTA 9 Leis ponderais e voluétricas, deterinação de fórulas, cálculos quíicos e estudo dos gases. Questão 01) A Lei da onservação da Massa, enunciada por Lavoisier e 1774, é ua

Leia mais

Tubos Jaquetados e com Isolamento

Tubos Jaquetados e com Isolamento www.swagelok.co s Jaquetas e co Isolaento Características Disponíveis nos taanhos 1/4" a " e 6 a 12 e aço inoxidável 316/316L e cobre s e aço inoxidável co e se costura Jaqueta e PVC para baixa teperatura

Leia mais

AVALIAÇÃO DO MODELO DE TRANSFORMADORES EM FUNÇÃO DA FREQUÊNCIA

AVALIAÇÃO DO MODELO DE TRANSFORMADORES EM FUNÇÃO DA FREQUÊNCIA Universidade de Brasília Faculdade de Tecnologia Departaento de Engenaria Elétrica AVALIAÇÃO DO MODELO DE TANSFOMADOES EM FUNÇÃO DA FEQUÊNCIA Por Alexandre de Castro Moleta Orientador: Prof.Dr. Marco Aurélio

Leia mais

QUÍMICA PRISE II SOLUÇÕES 4.1 FENÔMENO DE SATURAÇÃO DE UMA SOLUÇÃO. Sal (soluto) Água (solvente) 1. INTRODUÇÃO

QUÍMICA PRISE II SOLUÇÕES 4.1 FENÔMENO DE SATURAÇÃO DE UMA SOLUÇÃO. Sal (soluto) Água (solvente) 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO QUÍMICA PRISE II SOLUÇÕES 4.1 FENÔMENO DE SATURAÇÃO DE UMA SOLUÇÃO Quando a istura apresenta as esas características e toda a extensão do recipiente teos ua istura hoogênea e, se tiver ais

Leia mais

CALORIMETRIA. Relatório de Física Experimental III 2004/2005. Engenharia Física Tecnológica

CALORIMETRIA. Relatório de Física Experimental III 2004/2005. Engenharia Física Tecnológica Relatório de Física Experiental III 4/5 Engenharia Física ecnológica ALORIMERIA rabalho realizado por: Ricardo Figueira, nº53755; André unha, nº53757 iago Marques, nº53775 Grupo ; 3ªfeira 6-h Lisboa, 6

Leia mais

Ensino Fundamental no Brasil: a Média do Gasto Por Aluno, o IDEB e Sua Correlação nos Municípios Brasileiros.

Ensino Fundamental no Brasil: a Média do Gasto Por Aluno, o IDEB e Sua Correlação nos Municípios Brasileiros. Ensino Fundaental no Brasil: a Média do Gasto Por Aluno, o IDEB e Sua Correlação nos Municípios Brasileiros. Autoria: Jaie Crozatti Resuo: Para contribuir co a discussão da gestão de políticas públicas

Leia mais

TEORIA ELETRÔNICA DA MAGNETIZAÇÃO

TEORIA ELETRÔNICA DA MAGNETIZAÇÃO 113 17 TEORA ELETRÔNCA DA MANETZAÇÃO Sabeos que ua corrente elétrica passando por u condutor dá orige a u capo agnético e torno deste. A este capo daos o noe de capo eletro-agnético, para denotar a sua

Leia mais

4 UM MODELO DE SAZONALIZAÇÃO DA GARANTIA FÍSICA DE PCHS EM PORTFOLIOS PCH+BIOMASSA

4 UM MODELO DE SAZONALIZAÇÃO DA GARANTIA FÍSICA DE PCHS EM PORTFOLIOS PCH+BIOMASSA EM PORTFOLIOS PCH E BIOMASSA 48 4 UM MODELO DE SAZONALIZAÇÃO DA GARANTIA FÍSICA DE PCHS EM PORTFOLIOS PCH+BIOMASSA Confore explicado no capitulo anterior, a decisão do agente hidráulico de coo sazonalizar

Leia mais

Simulado 2 Física AFA/EFOMM 2012. B)30 2 m. D)50 2 m. 1 P r o j e t o F u t u r o M i l i t a r w w w. f u t u r o m i l i t a r. c o m.

Simulado 2 Física AFA/EFOMM 2012. B)30 2 m. D)50 2 m. 1 P r o j e t o F u t u r o M i l i t a r w w w. f u t u r o m i l i t a r. c o m. Prof. André otta - ottabip@hotail.co Siulado 2 Física AFA/EFO 2012 1- Os veículos ostrados na figura desloca-se co velocidades constantes de 20 /s e 12/s e se aproxia de u certo cruzaento. Qual era a distância

Leia mais

UMA HEURÍSTICA PARA RESOLUÇÃO DO PROBLEMA DE CARREGAMENTO DE CONTAINER

UMA HEURÍSTICA PARA RESOLUÇÃO DO PROBLEMA DE CARREGAMENTO DE CONTAINER Pesquisa Operacional na Sociedade: Educação, Meio Aente e Desenvolviento 2 a 5/09/06 Goiânia, GO UMA HEURÍSTICA PARA RESOLUÇÃO DO PROBLEMA DE CARREGAMENTO DE CONTAINER E. Vendraini Universidade Estadual

Leia mais

F. Jorge Lino Módulo de Weibull MÓDULO DE WEIBULL. F. Jorge Lino

F. Jorge Lino Módulo de Weibull MÓDULO DE WEIBULL. F. Jorge Lino MÓDULO DE WEIBULL F. Jorge Lino Departaento de Engenharia Mecânica e Gestão Industrial da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, Rua Dr. Roberto Frias, 4200-465 Porto, Portugal, Telf. 22508704/42,

Leia mais

PC160LC-7B ESCAVADEIRA HIDRÁULICA. POTÊNCIA NO VOLANTE 111 1 HP (82,4 kw) @ 2200 rpm PESO OPERACIONAL 17000 kg. CAPACIDADE DA CAÇAMBA 0,65-1,2 m 3

PC160LC-7B ESCAVADEIRA HIDRÁULICA. POTÊNCIA NO VOLANTE 111 1 HP (82,4 kw) @ 2200 rpm PESO OPERACIONAL 17000 kg. CAPACIDADE DA CAÇAMBA 0,65-1,2 m 3 POTÊNCI NO VOLNTE 111 1 HP (82,4 kw) @ 2200 rp PESO OPERCIONL 17000 PC160LC-7 CPCIDDE D CÇM 0,65-1,2 3 O odelo ostrado pode incluir equipaentos opcionais ESCVDEIR HIDRÁULIC Escavadeira Hidráulica PC160LC-7

Leia mais

SOBRE O PROBLEMA DA VARIAÇÃO DE TEMPERATURA DE UM CORPO

SOBRE O PROBLEMA DA VARIAÇÃO DE TEMPERATURA DE UM CORPO 44 SOBRE O PROBLEMA DA VARIAÇÃO DE TEMPERATURA DE UM CORPO Resuo Jair Sandro Ferreira da Silva Este artigo abordará a aplicabilidade das Equações Diferenciais na variação de teperatura de u corpo. Toareos

Leia mais

Questão 46. Questão 48. Questão 47. alternativa E. alternativa A. gasto pela pedra, entre a janela do 12 o piso e a do piso térreo, é aproximadamente:

Questão 46. Questão 48. Questão 47. alternativa E. alternativa A. gasto pela pedra, entre a janela do 12 o piso e a do piso térreo, é aproximadamente: Questão 46 gasto pela pedra, entre a janela do 1 o piso e a do piso térreo, é aproxiadaente: A figura ostra, e deterinado instante, dois carros A e B e oviento retilíneo unifore. O carro A, co velocidade

Leia mais

QS.1. Química Solucionada 9.9999.0111 / 9.8750.0050 / 9.9400. / 9.8126.0630. www.quimicasolucionada.com.br hedilbertoalves@ig.com.

QS.1. Química Solucionada 9.9999.0111 / 9.8750.0050 / 9.9400. / 9.8126.0630. www.quimicasolucionada.com.br hedilbertoalves@ig.com. Quíica Solucionada 9.9999.0111 / 9.8750.0050 / 9.9400. / 9.8126.060 Título: Revisando (quíica eleentar) Data: / / 2016 EXERCÍCIOS DE REVISÃO O ferro raraente é encontrado livre na crosta terrestre e si

Leia mais

1ª LISTA DE DINÂMICA E ESTÁTICA. está inicialmente em repouso nas coordenadas 2,00 m, 4,00 m. (a) Quais são as componentes da

1ª LISTA DE DINÂMICA E ESTÁTICA. está inicialmente em repouso nas coordenadas 2,00 m, 4,00 m. (a) Quais são as componentes da Universidade do Estado da Bahia UNEB Departaento de Ciências Exatas e da Terra DCET I Curso de Engenharia de Produção Civil Disciplina: Física Geral e Experiental I Prof.: Paulo Raos 1 1ª LISTA DE DINÂMICA

Leia mais

Cabo Foreplast BWF Flexível 750V

Cabo Foreplast BWF Flexível 750V Cabo Foreplast BWF Flexível 7V Devido à sua flexibilidade, os cabos Foreplast BWF flexíveis são recoendados para fiações de quadros e painéis, alé das instalações fixas de construção civil. : Cobre nu,

Leia mais

A Teoria dos Jogos é devida principalmente aos trabalhos desenvolvidos por von Neumann e John Nash.

A Teoria dos Jogos é devida principalmente aos trabalhos desenvolvidos por von Neumann e John Nash. Teoria dos Jogos. Introdução A Teoria dos Jogos é devida principalente aos trabalhos desenvolvidos por von Neuann e John Nash. John von Neuann (*90, Budapeste, Hungria; 957, Washington, Estados Unidos).

Leia mais

Capítulo 14. Fluidos

Capítulo 14. Fluidos Capítulo 4 luidos Capítulo 4 - luidos O que é u luido? Massa Especíica e ressão luidos e Repouso Medindo a ressão rincípio de ascal rincípio de rquiedes luidos Ideais e Moviento Equação da continuidade

Leia mais

:: Física :: é percorrida antes do acionamento dos freios, a velocidade do automóvel (54 km/h ou 15 m/s) permanece constante.

:: Física :: é percorrida antes do acionamento dos freios, a velocidade do automóvel (54 km/h ou 15 m/s) permanece constante. Questão 01 - Alternativa B :: Física :: Coo a distância d R é percorrida antes do acionaento dos freios, a velocidade do autoóvel (54 k/h ou 15 /s) peranece constante. Então: v = 15 /s t = 4/5 s v = x

Leia mais

Building Services. Circuladores para sistemas de aquecimento, sanitários e refrigeração Série ECOCIRC TLC FLC

Building Services. Circuladores para sistemas de aquecimento, sanitários e refrigeração Série ECOCIRC TLC FLC Circuladores para sisteas de aqueciento, sanitários e refrigeração Série ECOCIRC TLC FLC Série Ecocirc TLC FLC O otivo da escolha A vasta gaa de circuladores da ITT Lowara é a sua prieira escolha devido

Leia mais

SIMULADOR DO COMPORTAMENTO DO DETECTOR DE ONDAS GRAVITACIONAIS MARIO SCHENBERG. Antônio Moreira de Oliveira Neto * IC Rubens de Melo Marinho Junior PQ

SIMULADOR DO COMPORTAMENTO DO DETECTOR DE ONDAS GRAVITACIONAIS MARIO SCHENBERG. Antônio Moreira de Oliveira Neto * IC Rubens de Melo Marinho Junior PQ SIMULADOR DO COMPORTAMENTO DO DETECTOR DE ONDAS GRAVITACIONAIS MARIO SCHENBERG Antônio Moreira de Oliveira Neto * IC Rubens de Melo Marinho Junior PQ Departaento de Física, ITA, CTA, 18-9, São José dos

Leia mais

3.3. O Ensaio de Tração

3.3. O Ensaio de Tração Capítulo 3 - Resistência dos Materiais 3.1. Definição Resistência dos Materiais é u rao da Mecânica plicada que estuda o coportaento dos sólidos quando estão sujeitos a diferentes tipos de carregaento.

Leia mais

Prismas, Cubos e Paralelepípedos

Prismas, Cubos e Paralelepípedos Prisas, Cubos e Paralelepípedos 1 (Ufpa 01) Ua indústria de cerâica localizada no unicípio de São Miguel do Guaá no estado do Pará fabrica tijolos de argila (barro) destinados à construção civil Os tijolos

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA Leia o texto abaixo e responda às questões propostas. Viajar para dentro

LÍNGUA PORTUGUESA Leia o texto abaixo e responda às questões propostas. Viajar para dentro 51, 8, 24 LÍNGUA PORTUGUESA Leia o texto abaixo e responda às questões propostas 1 5 10 15 20 25 30 35 40 45 50 Viajar para dentro Os brasileiros estão viajando mais. Pouco importa o destino: a verdade

Leia mais

FÍSICA DADOS. 10 v som = 340 m/s T (K) = 273 + T( o C) s = 38) 27) Q = mc T = C T 39) i = 30) U = Q τ 42) 31) Instruções:

FÍSICA DADOS. 10 v som = 340 m/s T (K) = 273 + T( o C) s = 38) 27) Q = mc T = C T 39) i = 30) U = Q τ 42) 31) Instruções: FÍSICA DADOS 9 N. g = 0 k 0 = 9,0 0 s C 8 c = 3,0 0 v so = 340 /s T (K) = 73 + T( o C) s 0) d = d 0 + v 0 t + at 4) E p = gh 6) 0) v = v 0 + at 5) E c = v 03) v = 04) T= f 05) 0 PV P V = 38) T T V = k0

Leia mais

Projetos de Redes Aéreas Urbanas de Distribuição de Energia Elétrica

Projetos de Redes Aéreas Urbanas de Distribuição de Energia Elétrica Projetos de Redes Aéreas Urbanas de Distribuição Revisão 05 07/2015 NORMA ND.22 ELEKTRO Eletricidade e Serviços S.A. Diretoria de Operações Gerência Executiva de Engenharia, Planejaento e Operação Rua

Leia mais

CORTE DOS METAIS. Prof.Valmir Gonçalves Carriço Página 1

CORTE DOS METAIS. Prof.Valmir Gonçalves Carriço Página 1 CORTE DOS METAIS INTRODUÇÃO: Na indústria de conformação de chapas, a palavra cortar não é usada para descrever processos, exceto para cortes brutos ou envolvendo cortes de chapas sobrepostas. Mas, mesmo

Leia mais

Parâmetros de corte. Você só vai saber a resposta, se estudar esta aula. Os parâmetros

Parâmetros de corte. Você só vai saber a resposta, se estudar esta aula. Os parâmetros Parâmetros de corte Na aula passada, você aprendeu que usinagem é todo o processo de fabricação pelo qual o formato de uma peça é modificado pela remoção progressiva de cavacos ou aparas de material. Você

Leia mais

07. Obras célebres da literatura brasileira foram ambientadas em regiões assinaladas neste mapa:

07. Obras célebres da literatura brasileira foram ambientadas em regiões assinaladas neste mapa: 6 FUVEST 09/0/202 Seu é Direito nas Melhores Faculdades 07. Obras célebres da literatura brasileira fora abientadas e regiões assinaladas neste apa: Co base nas indicações do apa e e seus conhecientos,

Leia mais

Notas de Aula de Física

Notas de Aula de Física Versão preliinar 7 de setebro de 00 Notas de Aula de ísica 05. LEIS DE NEWON... ONDE ESÃO AS ORÇAS?... PRIMEIRA LEI DE NEWON... SEGUNDA LEI DE NEWON... ERCEIRA LEI DE NEWON... 4 APLICAÇÕES DAS LEIS DE

Leia mais

Variadores e redutores de velocidade e manutenção de engrenagens

Variadores e redutores de velocidade e manutenção de engrenagens Variadores e redutores de velocidade e manutenção de engrenagens A UU L AL A Um conjunto de engrenagens cônicas pertencente a uma máquina começou a apresentar ruídos estranhos. O operador da máquina ficou

Leia mais

Resumo com exercícios resolvidos do assunto: Sistemas de Partículas

Resumo com exercícios resolvidos do assunto: Sistemas de Partículas www.engenhariafacil.weebly.co Resuo co exercícios resolvidos do assunto: Sisteas de Partículas (I) (II) (III) Conservação do Moento Centro de Massa Colisões (I) Conservação do Moento Na ecânica clássica,

Leia mais

Estudo da viabilidade económica da implementação de uma microturbina

Estudo da viabilidade económica da implementação de uma microturbina Departaento de Engenharia Mecânica Rao de Terodinâica e fluidos Gestão da Energia Estudo da viabilidade econóica da ipleentação de ua icroturbina Coordenação do trabalho: Professor Fausto Freire André

Leia mais

Estudo da Resistividade Elétrica para a Caracterização de Rejeitos de Minério de Ferro

Estudo da Resistividade Elétrica para a Caracterização de Rejeitos de Minério de Ferro Estudo da Resistividade Elétrica para a Caracterização de Rejeitos de Minério de Ferro Hector M. O. Hernandez e André P. Assis Departaento de Engenharia Civil & Abiental, Universidade de Brasília, Brasília,

Leia mais

COMPOSTAGEM. INFLUENCIA NA TEORIA ZERI, NA SUSTENTABILIDADE GLOBAL E NA REDUÇÃO DA POLUIÇÃO URBANA

COMPOSTAGEM. INFLUENCIA NA TEORIA ZERI, NA SUSTENTABILIDADE GLOBAL E NA REDUÇÃO DA POLUIÇÃO URBANA COMPOSTAGEM. INFLUENCIA NA TEORIA ZERI, NA SUSTENTABILIDADE GLOBAL E NA REDUÇÃO DA POLUIÇÃO URBANA Jorge Orlando Cuéllar Noguera Doutorando e Gestão abiental - UFSC -c.p. 5074 CEP 97110-970 Santa Maria

Leia mais

física GREF leituras de

física GREF leituras de versão preliinar leituras de física GREF Física Térica. para ler, fazer e pensar 3 14. Terra: Planeta Ägua. 15. Os ateriais e as técnicas. 16. Mudanças sob pressão. 17. O ais frio dos frios. 18. Transfornações

Leia mais

LOCALIZAÇÃO ÓTIMA DE ATUADORES E SENSORES EM ESTRUTURAS INTELIGENTES

LOCALIZAÇÃO ÓTIMA DE ATUADORES E SENSORES EM ESTRUTURAS INTELIGENTES XIV CONRESSO NACIONAL DE ESUDANES DE ENENHARIA MECÂNICA Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Mecânica LOCALIZAÇÃO ÓIMA DE AUADORES E SENSORES EM ESRUURAS INELIENES Sione Nishioto

Leia mais

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 11 TENSÕES E DEFORMAÇÕES EM SOLDAGEM

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 11 TENSÕES E DEFORMAÇÕES EM SOLDAGEM 82 CAPÍTULO 11 TENSÕES E DEFORMAÇÕES EM SOLDAGEM 83 TENSÕES E DEFORMAÇÕES EM SOLDAGEM Nas operações de soldagem, principalmente as que envolvem a fusão dos materiais, temos uma variação não uniforme e

Leia mais

RESOLUÇÃO DAS QUESTÔES DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR DA UNICAMP 2006. 1 POR PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA.

RESOLUÇÃO DAS QUESTÔES DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR DA UNICAMP 2006. 1 POR PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA. RESOLUÇÃO DAS QUESTÔES DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR DA UNICAMP 006. POR PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA. 5. O gráfico ao lado ostra o total de acidentes de trânsito na cidade de Capinas e o total de

Leia mais

GalvInfo Center - Um programa do International Zinc Association

GalvInfo Center - Um programa do International Zinc Association - Um programa do International Zinc Association 2. Processos de Revestimento e Tratamentos de Superfície GalvInfoNote 2.3 Introdução Galvanização por Imersão a Quente por Processo Contínuo Versus Galvanização

Leia mais

IPT, DACR, Química 1, 08/09, Soluções 1. Classificação das soluções (cont( IPT Conservação e Restauro

IPT, DACR, Química 1, 08/09, Soluções 1. Classificação das soluções (cont( IPT Conservação e Restauro IPT Conservação e Restauro Quíica 1 oluções uário Tipos de soluções Dispersões A água Mecaniso da dis João uís Farinha Antunes Escola uperior de Tecnologia de Toar Unidades de concentração de soluções

Leia mais

VESTIBULAR 2012.1 2 a FASE - 2ºDIA FÍSICA E QUÍMICA

VESTIBULAR 2012.1 2 a FASE - 2ºDIA FÍSICA E QUÍMICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ COMISSÃO EXECUTIVA DO VESTIBULAR VESTIBULAR 2012.1 2 a FASE - 2ºDIA FÍSICA E QUÍMICA APLICAÇÃO: 12 de DEZEMBRO de 2011 DURAÇÃO: 04 HORAS INÍCIO: 09h00in TÉRMINO: 13h00in

Leia mais

TECNOLOGIA MECÂNICA. Aula 08. Tratamentos Térmicos das Ligas Ferrosas (Parte 2) Tratamentos Termo-Físicos e Termo-Químicos

TECNOLOGIA MECÂNICA. Aula 08. Tratamentos Térmicos das Ligas Ferrosas (Parte 2) Tratamentos Termo-Físicos e Termo-Químicos Aula 08 Tratamentos Térmicos das Ligas Ferrosas (Parte 2) e Termo-Químicos Prof. Me. Dario de Almeida Jané Tratamentos Térmicos Parte 2 - Introdução - - Recozimento - Normalização - Têmpera - Revenido

Leia mais

MANUTENÇÃO EM MANCAIS E ROLAMENTOS Atrito É o contato existente entre duas superfícies sólidas que executam movimentos relativos. O atrito provoca calor e desgaste entre as partes móveis. O atrito depende

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG.. Cabos Elétricos e Acessórios 02.1. Geral 02.2. Noras 02.3. Escopo de Forneciento 02 T-.1. Tabela 02.4. Características Construtivas 04.4.1. Aplicação 04.4.2. Diensionaento 04.4.3.

Leia mais

Modelagem e Simulação de um Sistema de Comunicação Digital via Laço Digital de Assinante no Ambiente SIMOO

Modelagem e Simulação de um Sistema de Comunicação Digital via Laço Digital de Assinante no Ambiente SIMOO Modelage e Siulação de u Sistea de Counicação Digital via Laço Digital de Assinante no Abiente SIMOO Luciano Agostini 1 Gaspar Steer 2 Tatiane Capos 3 agostini@inf.ufrgs.br gaspar@inf.ufrgs.br tatiane@inf.ufrgs.br

Leia mais

GUINDASTE PARA TERRENO ACIDENTADO - SRC 350. Capacidade de 35 toneladas

GUINDASTE PARA TERRENO ACIDENTADO - SRC 350. Capacidade de 35 toneladas GUINDASTE PARA TERRENO ACIDENTADO - SRC 0 01 Produto internacional desenvolvido co a colaboração de especialistas de dois países, baseado na platafora de R&D China e nos Estados Unidos; A lança totalente

Leia mais

XRV 1000 SD5 XRW 1000 SD5 XRXS 566 XRYS 557 / 577 OEM OILTRONIX. Atlas Copco Compressores de Ar Portáteis Maior produtividade em todas as situações

XRV 1000 SD5 XRW 1000 SD5 XRXS 566 XRYS 557 / 577 OEM OILTRONIX. Atlas Copco Compressores de Ar Portáteis Maior produtividade em todas as situações Atlas Copco Copressores de Ar Portáteis Maior produtividade e todas as situações XRV 1000 SD5 XRW 1000 SD5 XRXS 566 XRYS 557 / 577 OEM OILTRONIX A Atlas Copco é líder undial e copressores de ar portáteis,

Leia mais

Centro Universitário Anchieta Engenharia Química Físico Química I Prof. Vanderlei I Paula Nome: R.A. Gabarito 4 a lista de exercícios

Centro Universitário Anchieta Engenharia Química Físico Química I Prof. Vanderlei I Paula Nome: R.A. Gabarito 4 a lista de exercícios Engenharia Quíica Físico Quíica I. O abaixaento da pressão de vapor do solvente e soluções não eletrolíticas pode ser estudadas pela Lei de Raoult: P X P, onde P é a pressão de vapor do solvente na solução,

Leia mais

Termodinâmica Aplicada

Termodinâmica Aplicada TERMODINÂMICA Disciplina: Terodinâica Professor: Caruso APLICAÇÕES I Motores de autoóveis Turbinas Bobas e Copressores Usinas Téricas (nucleares, cobustíveis fósseis, bioassa ou qualquer outra fonte térica)

Leia mais

RESOLUÇÕES E RESPOSTAS

RESOLUÇÕES E RESPOSTAS ESLUÇÕES E ESPSTAS QUESTÃ : 0, t C t + 4 a) Co t, teos: 0, C t + 4 0, C 0,04 5 esposta: 0,04 0, t b) De 0,04, teos: t + 4 0,04(t + 4) 0,t t + 4 5t t 5t + 4 0 t ou t 4 Co t, teos t 4. esposta: 4 P-5/P-

Leia mais

= C. (1) dt. A Equação da Membrana

= C. (1) dt. A Equação da Membrana A Equação da Mebrana Vaos considerar aqui ua aproxiação e que a célula nervosa é isopotencial, ou seja, e que o seu potencial de ebrana não varia ao longo da ebrana. Neste caso, podeos desprezar a estrutura

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DINÂMICO DE UM VAGÃO SUBMETIDO À EXCITAÇÃO HARMÔNICA POR MEIO DE SIMULAÇÃO MULTICORPOS

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DINÂMICO DE UM VAGÃO SUBMETIDO À EXCITAÇÃO HARMÔNICA POR MEIO DE SIMULAÇÃO MULTICORPOS ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DINÂMICO DE UM VAGÃO SUBMETIDO À EXCITAÇÃO HARMÔNICA POR MEIO DE SIMULAÇÃO MULTICORPOS 1º Lucas de Castro Valente*, 2º Raphael Marotta, 3º Vitor Mainenti 4º Fernando Nogueira 1

Leia mais

Componentes de um sistema de realidade virtual

Componentes de um sistema de realidade virtual p prograação Coponentes de u sistea de realidade virtual Neste artigo apresenta-se a idéia de u projeto que perite a siulação de u passeio ciclístico utilizando a realidade virtual. Os sentidos do ciclista

Leia mais

SALTO CAXIAS UM PROBLEMA DE FLUTUAÇÃO NA COROA POLAR EVIDENCIADO PELO AGMS

SALTO CAXIAS UM PROBLEMA DE FLUTUAÇÃO NA COROA POLAR EVIDENCIADO PELO AGMS SALTO CAXIAS UM PROBLEMA DE FLUTUAÇÃO NA COROA POLAR EVIDENCIADO PELO AGMS Pedro Massanori Sakua, Álvaro José Noé Fogaça, Orlete Nogarolli Copel Copanhia Paranaense de Energia Paraná Brasil RESUMO Este

Leia mais

TM229 Introdução aos Materiais ENSAIOS MECÂNICOS Prof. Adriano Scheid Capítulos 6 e 8 - Callister

TM229 Introdução aos Materiais ENSAIOS MECÂNICOS Prof. Adriano Scheid Capítulos 6 e 8 - Callister TM229 Introdução aos Materiais ENSAIOS MECÂNICOS Prof. Adriano Scheid Capítulos 6 e 8 - Callister Introdução: Propriedades mecânicas indicam o comportamento dos materiais quando sujeitos a esforços de

Leia mais

Aparelho de elevação ABS 5 kn

Aparelho de elevação ABS 5 kn 1 597 0503 PT 01.2013 pt Instruções de ontage e de serviço Tradução das instruções originais www.sulzer.co Instruções de ontage e de serviço Instruções de ontage e de serviço para aparelho de elevação

Leia mais

Ficha de Dados de Segurança

Ficha de Dados de Segurança Ficha de Dados de Segurança SECÇÃO 1: Identificação da substância/istura e da sociedade/epresa 1.1. Identificador do produto: Tinteiro EPSON T6309 1.2. Utilizações identificadas relevantes da substância

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE FÍSICA FEP2195 - Física Geral e Experimental para Engenharia I LISTA 05

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE FÍSICA FEP2195 - Física Geral e Experimental para Engenharia I LISTA 05 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE FÍSICA FEP2195 - Física Geral e Experiental para Engenharia I LISTA 05 Rotação de corpos rígidos 1. A hélice de u avião gira a 1900 rev/in. (a) Calcule a velocidade

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA - FÍSICA - Grupos H e I

PADRÃO DE RESPOSTA - FÍSICA - Grupos H e I PDRÃO DE RESPOST - FÍSC - Grupos H e a UESTÃO: (, pontos) valiador Revisor Íãs são frequenteente utilizados para prender pequenos objetos e superfícies etálicas planas e verticais, coo quadros de avisos

Leia mais

ecotec pro O futuro é Vaillant Vaillant, especialistas em Condensação www.vaillant.pt info@vaillant.pt

ecotec pro O futuro é Vaillant Vaillant, especialistas em Condensação www.vaillant.pt info@vaillant.pt O futuro é Vaillant Vaillant, especialistas e Condensação ecotec pro www.vaillant.pt info@vaillant.pt Caldeira ural ista de condensação, co pré-aqueciento de A.Q.S. Vaillant Group International GbH Berghauser

Leia mais

4.2-Setor da Construção apresenta ao Governo proposta para resolver a questão do déficit habitacional.

4.2-Setor da Construção apresenta ao Governo proposta para resolver a questão do déficit habitacional. BOLETIM ECONÔMICO NOVEMBRO/07 Suário 1.Conjuntura: No ês de outubro, IPCA e INPC auenta, IGPM recua e INCC é o eso do ês anterior. IPCA cheio de outubro (0,30%) é superior ao de setebro (0,18%). As aiores

Leia mais

Revisões de análise modal e análise sísmica por espectros de resposta

Revisões de análise modal e análise sísmica por espectros de resposta Revisões de análise odal e análise sísica por espectros de resposta Apontaentos da Disciplina de Dinâica e Engenharia Sísica Mestrado e Engenharia de Estruturas Instituto Superior Técnico Luís Guerreiro

Leia mais

2 Podemos representar graficamente o comportamento de (1) para alguns ângulos φ, que são mostrado nas figuras que se seguem.

2 Podemos representar graficamente o comportamento de (1) para alguns ângulos φ, que são mostrado nas figuras que se seguem. POTÊNCIA EM CARGAS GENÉRICAS Prof. Antonio Sergio C. de Menezes. Depto de Engenharia Elétrica Muitas cargas nua instalação elétrica se coporta de fora resistiva ou uito aproxiadaente coo tal. Exeplo: lâpadas

Leia mais

EMPILHADORES TELESCÓPICOS TURBO

EMPILHADORES TELESCÓPICOS TURBO MPLORS TLSÓPOS TRO SL PRT M TOS S RÇÕS STL MNORL XTRORNÁRS MORNO MOTOR N TR Q MPR OM S NORMS ROPS // M PROTOS NTNS New olland oferece, na gaa de a etros de altura de elevação, odelos para que o cliente

Leia mais

Construção de um sistema de Realidade Virtual (1 a Parte) O Engine Físico

Construção de um sistema de Realidade Virtual (1 a Parte) O Engine Físico Construção de u sistea de Realidade Virtual (1 a Parte) O Engine Físico Roberto Scalco, Fabrício Martins Pedroso, Jorge Tressino Rua, Ricardo Del Roio, Wellington Francisco Centro Universitário do Instituto

Leia mais

Soldagem de manutenção II

Soldagem de manutenção II A UU L AL A Soldagem de manutenção II A recuperação de falhas por soldagem inclui o conhecimento dos materiais a serem recuperados e o conhecimento dos materiais e equipamentos de soldagem, bem como o

Leia mais

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 18:18. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica,

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 18:18. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica, Exercícios Resolvidos de Física Básica Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica, Doutor e Física pela Universidade Ludwig Maxiilian de Munique, Aleanha Universidade Federal da

Leia mais

Estruturas de Betão Armado II 10 Lajes Fungiformes Análise Estrutural

Estruturas de Betão Armado II 10 Lajes Fungiformes Análise Estrutural Estruturas de Betão Arado II 10 Lajes Fungifores Análise Estrutural A. P. Raos Out. 006 1 10 Lajes Fungifores Análise Estrutural Breve Introdução Histórica pbl 1907 Turner & Eddy M (???) 50 1914 Nichols

Leia mais

Físico-Química Experimental I Bacharelado em Química Engenharia Química

Físico-Química Experimental I Bacharelado em Química Engenharia Química Físico-Quíica Experiental I Bacharelado e Quíica Engenharia Quíica Prof. Dr. Sergio Pilling Prática 5 Tensão Superficial de Líquidos Deterinação da tensão superficial de líquidos. utilizando a técnica

Leia mais

UNIVERSIDADE SALGADO DE OLIVEIRA Campus RECIFE. Curso: Engenharia de Produção Disciplina: Materiais para Produção Industrial

UNIVERSIDADE SALGADO DE OLIVEIRA Campus RECIFE. Curso: Engenharia de Produção Disciplina: Materiais para Produção Industrial UNIVERSIDADE SALGADO DE OLIVEIRA Campus RECIFE Curso: Disciplina: Aula 5 Tratamento Térmico Tratamento Térmico O tratamento térmico pode ser definido de forma simples como um processo de aquecimento e/ou

Leia mais

PROJETO DE RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS I:

PROJETO DE RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS I: IFES INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO ANDRÉ VANDER PERINI CARLOS EDUARDO POLATSCHEK KOPPERSCHMIDT WILLIAM SFALSIN MANHÃES PROJETO DE RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS I: CADEIRA DE RODAS SÃO MATEUS ES 2013

Leia mais

A Metrologia da Transferência de Custódia de Petróleo e seus Derivados Líquidos: do fornecedor ao cliente

A Metrologia da Transferência de Custódia de Petróleo e seus Derivados Líquidos: do fornecedor ao cliente A Metrologia da Transferência de Custódia de Petróleo e seus Derivados Líquidos: do fornecedor ao cliente Sistea Supervisório Dados analógicos Controle FT DT TT PT FT Instruentação ROTEIRO Incerteza na

Leia mais

que faz a velocidade angular de um corpo mudar. Como, então, explicar que a velocidade angular do martelo dessa Figura permanece constante?

que faz a velocidade angular de um corpo mudar. Como, então, explicar que a velocidade angular do martelo dessa Figura permanece constante? Exercícios Sears & Zeanski, Young & Freedan Física 0ª Edição Editora Pearson Capítulo 0 Torque e Moento angular QUESTÕES PAA DISCUSSÃO Q0. Ao apertar os parafusos da cabeça do otor de u autoóvel, a grandeza

Leia mais

Exercícios 1. Deduzir a relação:

Exercícios 1. Deduzir a relação: setor 1322 13220509 13220509-SP Aula 35 RELAÇÕES ENTRE ÁRIOS TIPOS DE CONCENTRAÇÃO Tipo de concentração Cou E ol/l As conversões entre esses tipos de concentração pode ser feitas: Aditindo-se 1,0 L de

Leia mais

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 24/2015 ENGENHARIA MECÂNICA Campus Santos Dumont

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 24/2015 ENGENHARIA MECÂNICA Campus Santos Dumont Questão 01 O registro representado na Figura 1 é composto por vários componentes mecânicos, muitos deles, internamente à caraça. Peças com essa característica são difíceis de representar em desenhos técnicos,

Leia mais

Exp Movimento Harmônico Amortecido

Exp Movimento Harmônico Amortecido Exp. 10 - Moviento Harônico Aortecido INTRODUÇÃO De acordo co a segunda lei de Newton, a equação de oviento de u corpo que oscila, e ua diensão, e torno de u ponto de equilíbrio estável, sujeito apenas

Leia mais

5 Controle de Tensão através de Transformador com Tap Variável no Problema de Fluxo de Potência

5 Controle de Tensão através de Transformador com Tap Variável no Problema de Fluxo de Potência 5 Controle de Tensão através de Transforador co Tap Variável no Problea de Fluxo de Potência 5.1 Introdução E sisteas elétricos de potência, os ódulos das tensões sofre grande influência das variações

Leia mais

INDICADORES DA QUALIDADE DE MISTURA DE SÓLIDOS PARTICULADOS

INDICADORES DA QUALIDADE DE MISTURA DE SÓLIDOS PARTICULADOS VI CONGRESSO NACIONAL DE ENGENHARIA MECÂNICA VI NATIONAL CONGRESS OF MECHANICAL ENGINEERING 18 a 1 de agosto de 010 Capina Grande Paraíba - Brasil August 18 1, 010 Capina Grande Paraíba Brazil INDICADORES

Leia mais

Objetivo: converter um comando de posição de entrada em uma resposta de posição de saída.

Objetivo: converter um comando de posição de entrada em uma resposta de posição de saída. Prof. Celso Módulo 0 83 SISTEMAS DE CONTOLE DE POSIÇÃO Objetivo: converter u coando de posição de entrada e ua resposta de posição de saída. Aplicações: - antenas - braços robóticos - acionadores de disco

Leia mais

APLICAÇÃO E IMPORTÂNCIA DOS SIG S E O GEOPROCESSAMENTO NA APRESENTAÇÃO DE MAPAS TEMÁTICOS PARA ESTUDOS DE SEGURANÇA PÚBLICA NA CIDADE DE MARINGÁ-PR

APLICAÇÃO E IMPORTÂNCIA DOS SIG S E O GEOPROCESSAMENTO NA APRESENTAÇÃO DE MAPAS TEMÁTICOS PARA ESTUDOS DE SEGURANÇA PÚBLICA NA CIDADE DE MARINGÁ-PR São Paulo, 8 a 12 de setebro de 2014. APLICAÇÃO E IMPORTÂNCIA DOS SIG S E O GEOPROCESSAMENTO NA APRESENTAÇÃO DE MAPAS TEMÁTICOS PARA ESTUDOS DE SEGURANÇA PÚBLICA NA CIDADE DE MARINGÁ-PR Rafael Gregoleti

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA Leia o texto abaixo e responda às questões propostas. Viajar para dentro

LÍNGUA PORTUGUESA Leia o texto abaixo e responda às questões propostas. Viajar para dentro 40 LÍNGUA PORTUGUESA Leia o texto abaixo e responda às questões propostas 1 5 10 15 20 25 30 35 40 45 50 Viajar para dentro Os brasileiros estão viajando mais. Pouco importa o destino: a verdade é que

Leia mais

Capítulo VII. Por Sérgio Feitoza Costa*

Capítulo VII. Por Sérgio Feitoza Costa* 44 Equipaentos para subestações de T&D Capítulo VII Distâncias de segurança de subestações e sisteas de proteção contra incêndios e subestações Este fascículo ve apresentando conceitos de engenharia para

Leia mais

Conheça nossos produtos e soluções hidráulicas. Conte com a nossa parceria.

Conheça nossos produtos e soluções hidráulicas. Conte com a nossa parceria. Hydro Z Unikap atua na construção civil, e instalações hidráulicas prediais, residenciais, coerciais e industriais, co ais de il itens produzidos confore as noras vigentes, garantindo total segurança na

Leia mais

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*.

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*. EMENTÁRIO As disciplinas ministradas pela Universidade Federal de Viçosa são identificadas por um código composto por três letras maiúsculas, referentes a cada Departamento, seguidas de um número de três

Leia mais

Método Simbólico. Versus. Método Diagramas de Euler. Diagramas de Venn

Método Simbólico. Versus. Método Diagramas de Euler. Diagramas de Venn IV Método Sibólico Versus Método Diagraas de Euler E Diagraas de Venn - 124 - Método Sibólico Versus Método Diagraas de Euler e Diagraas de Venn Para eplicar o que é o Método Sibólico e e que aspecto difere

Leia mais

MEDIÇÃO DE TEMPERATURA

MEDIÇÃO DE TEMPERATURA MEDIÇÃO DE TEMPERATURA 1 INTRODUÇÃO Temperatura é sem dúvida a variável mais importante nos processos industriais, e sua medição e controle, embora difíceis, são vitais para a qualidade do produto e a

Leia mais

IMPULSO E QUANTIDADE DE MOVIMENTO

IMPULSO E QUANTIDADE DE MOVIMENTO IMPULSO E QUNTIDDE DE MOVIMENTO 1. Ua bolinha se choca contra ua superfície plana e lisa co velocidade escalar de 10 /s, refletindo-se e seguida, confore a figura abaixo. Considere que a assa da bolinha

Leia mais

Recomenda-se que os requisitos gerais desta Norma sejam adequados pela autoridade competente à legislação específica local.

Recomenda-se que os requisitos gerais desta Norma sejam adequados pela autoridade competente à legislação específica local. AGO 2000 NBR 14570 ABNT Associação Brasileira de Noras Técnicas Instalações internas para uso alternativo dos gases GN e GLP - Projeto e execução Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP

Leia mais

O FORNO A VÁCUO TIPOS E TENDÊNCIA 1

O FORNO A VÁCUO TIPOS E TENDÊNCIA 1 O FORNO A VÁCUO TIPOS E TENDÊNCIA 1 João Carmo Vendramim 2 Marco Antonio Manz 3 Thomas Heiliger 4 RESUMO O tratamento térmico de ligas ferrosas de média e alta liga já utiliza há muitos anos a tecnologia

Leia mais

170W-7. Equipamento Opcional. Equipamento Padrão ROBEX 170W-7

170W-7. Equipamento Opcional. Equipamento Padrão ROBEX 170W-7 quipaento Padrão quipaento Opcional abine padrão ISO abine totalente e aço, co apla visibilidade e cliatizada Janelas co vidros de segurança Lipador de pára-brisas tipo basculante Janela dianteira dobrável

Leia mais

NPT 024 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS PARA ÁREAS DE DEPÓSITOS

NPT 024 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS PARA ÁREAS DE DEPÓSITOS Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 024 Sistea de chuveiros autoáticos para áreas de depósitos CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 01 Nora de Procediento Técnico 104páginas SUMÁRIO 1 2 3 4 5 Objetivo

Leia mais

Física Fascículo 04 Eliana S. de Souza Braga

Física Fascículo 04 Eliana S. de Souza Braga Física Fascículo Eliana S. de Souza raa Índice Choques, Lançaentos, Graitação esuo eórico... Exercícios... Gabarito... Choques, Lançaentos, Graitação esuo eórico Lançaento horizontal x oiento ertical queda

Leia mais

Soluções em manejo florestal eficiente.

Soluções em manejo florestal eficiente. Soluções e anejo florestal eficiente. Leveza Utiliza ateriais co alta resistência e chapas de espessura reduzida, oferecendo baixo peso e garantindo aior capacidade de carga. Baixo Custo Laço de angueiras

Leia mais

XXXII ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA SISTEMA BRASILEIRO DE FINANCIAMENTO À EDUCAÇÃO BÁSICA: PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS, LIMITAÇÕES E ALTERNATIVAS

XXXII ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA SISTEMA BRASILEIRO DE FINANCIAMENTO À EDUCAÇÃO BÁSICA: PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS, LIMITAÇÕES E ALTERNATIVAS XXXII ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA SISTEMA BRASILEIRO DE FINANCIAMENTO À EDUCAÇÃO BÁSICA: PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS, LIMITAÇÕES E ALTERNATIVAS Reynaldo Fernandes reynaldo.fernandes@fazenda.gov.br Ministério

Leia mais

A Unicamp comenta suas provas COMISSÃO PERMANENTE PARA OS VESTIBULARES

A Unicamp comenta suas provas COMISSÃO PERMANENTE PARA OS VESTIBULARES A Unicap coenta suas provas COMISSÃO PERMANENTE PARA OS VESTIBULARES As questões de Física do Vestibular Unicap versa sobre assuntos variados do prograa (que consta do Manual do Candidato). Elas são foruladas

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Eng. Mecânica. Introdução aos ciclos de refrigeração

Programa de Pós-Graduação em Eng. Mecânica. Introdução aos ciclos de refrigeração Nov/03 Prograa de Pós-Graduação e Eng. Mecânica Disciplina: Siulação de Sisteas Téricos Introdução aos ciclos de refrigeração Organização: Ciclo de Carnot Ciclo padrão de u estágio de copressão Refrigerantes

Leia mais