APOSTILA DE DIREITO CIVIL OBRIGAÇÕES III (CONTRATOS EM ESPÉCIE E RESPONSABILIDADE CIVIL)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APOSTILA DE DIREITO CIVIL OBRIGAÇÕES III (CONTRATOS EM ESPÉCIE E RESPONSABILIDADE CIVIL)"

Transcrição

1 Faculdade Sul-Americana Curso de DIREITO 1 APOSTILA DE DIREITO CIVIL OBRIGAÇÕES III (CONTRATOS EM ESPÉCIE E RESPONSABILIDADE CIVIL) Prof. Esc. Lister de Freitas Albernaz Goiânia 2012

2 OBRIGAÇÕES III CONTRATOS EM ESPÉCIE 2 CONTRATO DE COMPRA E VENDA 1. CONCEITO (ART CC) Código Civil - Art Pelo contrato de compra e venda, um dos contratantes se obriga a transferir o domínio de certa coisa, e o outro, a pagar-lhe certo preço em dinheiro. 2. CARACTERÍSTICAS (NATUREZA JURÍDICA) Bilateral ou Sinalagmático Oneroso Comutativo ou Aleatório Consensual ou Solene Translativo do Domínio 3. ELEMENTOS DA COMPRA E VENDA Consentimento Preço Coisa A Coisa deverá: ter existência ser individuada ser disponível ou estar in commercio ter possibilidade de ser transferida ao comprador 4. LIMITAÇÕES À COMPRA E VENDA Certas pessoas não têm legitimidade para contratar a compra e venda, em razão da sua condição peculiar frente ao negócio jurídico que se pretende realizar. Venda de Ascendente a Descendente Aquisição de Bens por Pessoas que Devem Zelar pelo Interesse do Vendedor Venda de Coisa de Pessoa Casada. Compra e Venda entre Pessoas Casadas. Outros casos: O Condômino O proprietário de coisa alugada Aos menores 5. VENDAS ESPECIAIS Venda Mediante Amostra - CC, art Venda ad mensuram - CC, art CLÁUSULAS ESPECIAIS À COMPRA E VENDA

3 1. Retrovenda; 2. Venda a Contento e Sujeita à Prova; 3. Da Preempção ou Preferência; 4. Venda com Reserva de Domínio; 5. Venda sobre Documentos Retrovenda CC, arts. 505/508. É a cláusula pela qual o vendedor se reserva o direito de reaver, em determinado prazo, o imóvel que vendeu, restituindo o preço pago mais as despesas feitas pelo comprador (CC, art. 505) Da Venda a Contento e da Sujeita à Prova - (CC, arts. 509/512). Ocorre quando se estipula no contrato a condição de que a coisa será testada antes de ser considerada a venda definitiva Da Preempção ou Preferência (CC, arts. 513/520). É a cláusula acertada pelos contratantes mediante a qual fica garantido ao vendedor o direito de adquirir a coisa vendida, quando o comprador resolver vendê-la a terceiro pelo preço e condições que este oferecer Venda com Reserva de Domínio (CC, arts. 521/528). Por força desta cláusula contratual o comprador recebe a posse direta da coisa, permanecendo com o vendedor a propriedade até o pagamento integral da coisa Venda sobre Documentos (CC, arts. 529/532). Tal modalidade de compra e venda tem maior uso no comércio marítimo de praça a praça e entre países distantes. CONTRATO DE TROCA OU PERMUTA 1. CONCEITO A troca ou permuta é o contrato pelo qual as partes se obrigam a dar uma coisa para receber outra. 2. OBJETO Desta forma, podem ser trocados: imóveis por móveis; imóveis por imóveis; móveis por móveis; coisas corpóreas por coisas incorpóreas etc. 3. CARACTERÍSTICAS DA TROCA A permuta é: Bilateral Oneroso Consensual Comutativo

4 4 Pode ser solene, quando envolva a transmissão de bens imóveis. Devendo o contrato ser registrado no CRI. 4. RELAÇÃO COM A COMPRA E VENDA Troca difere da compra e venda pela forma de pagamento. Pode ocorrer pagamento em dinheiro sem descaracterizar a permuta, salvo se representar mais de 50% do pagamento. Aplicam-se à permuta as disposições referentes à compra e venda (CC, art. 533). O Código Civil reserva apenas duas modificações: Salvo disposição em contrário, cada um dos contratantes pagará por metade as despesas com o instrumento da troca; É anulável a troca de valores desiguais entre ascendentes e descendentes, sem consentimento dos outros descendentes e do cônjuge do alienante. O prazo para anular a permuta é decadencial de 2 anos (CC, art. 179). São válidas as permutas de coisas futuras. Resolve-se o contrato aleatório pela regra dos artigos 458 e 459, CC. CONTRATO ESTIMATÓRIO 1. CONCEITO É o negócio jurídico em que alguém (consignatário) recebe de outrem (consignante) bens móveis, ficando autorizado a vendê-los a terceiros, obrigando a pagar um preço estimado previamente, se não restituir as coisas consignadas dentro do prazo ajustado (CC, art. 534). 2. NUTUREZA JURÍDICA O contrato estimatório é: Bilateral Oneroso Real 3. OBJETO Tem por objeto apenas coisas móveis. 4. PONTO DIFERENCIAL COM A COMPRA E VENDA Se diferencia da compra e venda, pois a tradição dos bens não transfere a propriedade, pois o consignante continua sendo o titular do domínio da coisa consignada. 5. OBRIGAÇÕES DAS PARTES

5 DOAÇÃO 5 1. CONCEITO É o contrato pelo qual uma pessoa (física ou jurídica), por vontade própria, transfere do seu patrimônio bens ou vantagens para o de outra pessoa (também física ou jurídica), que os aceita. 2. ELEMENTOS CARACTERÍSTICOS Caracteriza-se a Doação por 4 elementos fundamentais: Contratualidade Ânimo do Doador de fazer a doação Transferência de bens ou de direitos do Doador ao Donatário Aceitação do Donatário Na aceitação temos duas exceções: a) A doação feita em contemplação de casamento futuro com certa e determinada pessoa, que pede o efeito se não forem contraídas as núpcias (CC, art. 546); b) Na doação feita ao incapaz absoluto, desde que não seja sujeita a encargos (CC, art. 543). 3. NATUREZA JURÍDICA a Doação é um contrato: Unilateral Gratuito Consensual É de caráter pessoal Solene 4. FORMA DO CONTRATO DE DOAÇÃO Pode ser escrito ou verbal (CC, art. 541). A doação na forma verbal só será aceita para bens móveis de pequeno valor econômico (CC, art. 541, par. único). A forma verbal revela dois requisitos para sua validade: a) pequeno valor; e b) transmissão imediata da propriedade (tradição). 5. MODALIDADES DE DOAÇÃO Várias podem ser as modalidades de Doação: Doação Pura Doação Condicional Doação Modal ou com Encargo

6 Doação com Cláusula de Reversão Doação com Cláusula de Inalienabilidade Doação Remuneratória e Doação Meritória Doação em Forma de Subvenção Periódica Doação Pura É aquela feita sem nenhum motivo especial, a não ser a intenção do Doador em beneficiar o Donatário com um acréscimo em seu patrimônio Doação Condicional É a que pode ser estabelecida com condição suspensiva ou resolutiva Doação Modal ou com Encargo É o negócio jurídico gracioso, mas que o Doador impõe ao Donatário uma determinada incumbência ou dever em seu favor, ou de terceiro ou do interesse geral da comunidade (CC, art. 553) Doação com Cláusula de Reversão O doador pode estipular que os bens doados voltem ao seu patrimônio, se sobreviver ao donatário (CC, art. 547) Doação com Cláusula de Inalienabilidade, Incomunicabilidade e Impenhorabilidade As cláusulas de inalienabilidade, incomunicabilidade e impenhorabilidade são restritivas do direito à propriedade, pois o Donatário dela não pode dispor livremente Doação Remuneratória e Doação Meritória A doação remuneratória conjuga liberalidade e remuneração pelos serviços prestados gratuitamente pelo donatário ao doador. A doação meritória é feita em contempla de merecimento. O motivo determinante deste negócio jurídico é a vontade do Doador em reconhecer o esforço e premiar ato ou conduta do Donatário, considerados relevantes pelo Doador Doação em Forma de Subvenção Periódica É a doação feita de forma periódica ou continuada (semanal, mensal, anual etc.). 6. REQUISITOS DE VÁLIDA DA DOAÇÃO Além dos requisitos gerais de válida em exigidos em todos os contratos, o de doação submete-se a requisitos específicos que lhe são imprescindíveis: 5.1. Requisitos Subjetivos. Diz respeito à capacidade ativa e passiva dos contratantes da doação. A capacidade ativa limitações legais:

7 7 a) Os incapazes (absoluto e relativo) não poderão, em regra, doar, nem mesmo através de seus representantes legais. b) os cônjuges, sem a devida autorização, exceto no regime de separação absoluta, estão impedidos de fazer doação dos bens e rendimentos comuns, ou dos que possam vir a integrar futura meação. c) o cônjuge adúltero não pode fazer doações a seu cúmplice (CC, arts. 550 e 1.642, IV; Súmula 382 do STF). d) os cônjuges não poderão doar entre si, se a união for pelo regime da comunhão universal de bens. e) o mandatário do doador não poderá nomear donatário ad libitum. f) as entidades públicas e privadas. g) o falido não pode fazer doações. h) ascendentes poderão fazer doações para descendentes, que importarão em adiantamento da legítima. LOCAÇÃO 1. CONCEITO E DISPOSIÇÕES INICIAIS Locação é o contrato pelo qual uma pessoa se obriga a ceder temporariamente o uso e gozo de uma coisa não fungível, mediante certa remuneração. Caio Mário da Silva LEI DO INQUILINATO (Lei nº 8.245/91) - regula a locação de imóveis urbanos. CÓDIGO CIVIL - regula as locações de: 1. de imóveis de propriedade da União, dos Estados e dos Municípios, de suas autarquias e fundações públicas; 2. de vagas autônomas de garagem ou de espaços para estacionamento de veículos; 3. de espaços destinados à publicidade; 4. em apart-hotéis, hotéis-residência ou equiparados, assim considerados aqueles que prestam serviços regulares a seus usuários e como tais sejam autorizados a funcionar; ESTATUTO DA TERRA - regula a locação de imóveis rurais destinados a exploração da terra e da pecuária, independentemente de sua localização, aplicando-se subsidiariamente as disposições do Código Civil. 2. CARACTERÍSTICAS É contrato bilateral É consensual É oneroso É contrato de trato sucessivo É contrato temporário É contrato não personalíssimo

8 8 3. ELEMENTOS ESSENCIAIS Consentimento Coisa Preço Prazo Forma 4. DIREITOS E DEVERES DO LOCADOR 4.1 DIREITOS DO LOCADOR 1) Receber o pagamento do aluguel 2) Cobrar antecipadamente o aluguel 3) Exigir do Locatário, na locação de prédio urbano: Caução em dinheiro Garantia Fidejussória (Fiança) Seguro de Fiança Locatícia Cessão Fiduciária de Quota de Fundo de Investimento 4) Mover ação de despejo. 5) Reaver a coisa locada ou o prédio alugado. 6) Autorizar a cessão e a sublocação e o empréstimo do prédio locado. 7) Pleitear a revisão judicial do aluguel ou a atualização dos alugueis das locações residenciais e nãoresidenciais. 8) Ser comunicado da sub-rogação na locação. Por separação judicial, separação de fato ou divórcio. Por fim da união estável ou concubinária 4.1 DEVERES DO LOCADOR 1) Entregar ao Locatário a coisa locada em estado de servir ao uso a que se destina. 2) Manter a coisa locada no estado de servir ao uso e gozo a que se destina, durante a vigência do contrato de locação. 3) Responder pelos defeitos e vícios ocultos da coisa locada. 4) Garantir o uso pacífico da coisa locada. 5) Pagar: Os impostos que incidam sobre o imóvel locado; As taxas e despesas de administração imobiliária; As despesas extraordinárias de condomínio;

9 Prêmios de seguro contra incêndio. 9 6) Fornecer o recibo de pagamento do aluguel. 7) Indenizar as benfeitorias úteis ou necessárias feitas pelo Locatário. 8) Garantir o direito de preferência ao Locatário ou Sublocatário, em iguais condições com terceiro. 5. DIREITOS E DEVERES DO LOCATÁRIO 5.1 DIREITOS DO LOCATÁRIO 1) Exigir do Locador: A entrega da coisa alugada; O recibo do aluguel; A manutenção do estado da coisa alugada durante o tempo de vigência do contrato de locação; A garantia do uso pacífico da coisa locada; A responsabilidade pelos vícios ocultos da coisa locada. 2) Pedir ao Locador a relatório escrito do estado da coisa alugada, no momento do recebimento. 3) Reter o bem alugado enquanto não for ressarcido: Por perdas e danos advindas da retomada antecipada da coisa locada pelo Locador; Pelas benfeitorias necessárias ou úteis, feitas com consentimento escrito do Locador. 4) Ter direito de preferência para a aquisição do imóvel locado, no caso de Locador pretender aliená-lo. 5) Purgar a mora. 6) Ser despejado mediante Denúncia Cheia ou Denúncia Vazia. 7) Terá direito de sublocar, ceder e emprestar, desde que tenha o consentimento prévio e escrito do Locador. 5.2 DEVERES DO LOCATÁRIO 1) Servir-se da coisa alugada exclusivamente para o uso convencionado ou presumido. 2) Tratar da coisa alugada como se fosse seu. 3) Pagar o aluguel nos prazos ajustados., ou na falta de convenção, até o 6º dia do mês subseqüente ao vencido. 4) Levar ao conhecimento do Locador os danos, que a este incumbe reparar, e as turbações de terceiros, que se pretendam fundas em direito. 5) Restituir a coisa, no fim da locação, no estado em que a recebeu, salvo deteriorações decorrentes do uso regular. 6) Pagar as despesas de limpeza, energia e água, gás, saneamento e despesas ordinárias de condomínio.

10 10 7) Fazer reparos necessários na coisa alugada. 8) Consentir nos reparos urgentes de que a coisa necessitar. 9) Dar caução em dinheiro, garantia c/ fiança ou pagar seguro de fiança locatícia. 10) Pedir consentimento escrito do Locador para sublocar, emprestar ou ceder os direito sobre a coisa locada. 11) Responder pelo perecimento ou deterioração da coisa, se não provar caso fortuito, força maior, vícios de construção etc. 6. EXTINÇÃO DO CONTRATO DE LOCAÇÃO DE COISAS 1) distrato ou rescisão bilateral. 2) retomada do bem alugado. 3) implemento de cláusula resolutória expressa. 4) perda total da coisa alugada. 5) Perda parcial do bem locado por culpa do Locador ou do Locatário. 6) vencimento do prazo contratual. 7) desapropriação da coisa locada. 8) morte do locatário. 9) nulidade ou anulabilidade do contrato de locação. 10) rescisão unilateral por inexecução contratual ou por infração à lei, tanto por parte do Locatário como por parte do Locador. 11) extinção de usufruto ou fideicomisso. 12) falência ou recuperação judicial de um dos contratantes. COMODATO 1. CONCEITO É o contrato pelo qual o Comodante entrega coisa móvel ou imóvel, infungível, ao Comodatário, gratuita e temporariamente, para a finalidade de uso e gozo. João Franzen de Lima 2. CARACTERÍSTICAS JURÍDICAS Contrato Unilateral Contrato Gratuito Contrato Real

11 Contrato Pessoal (Intuitu Persona) Contrato Temporário REQUISITOS a) Subjetivo b) Objetivo c) Formal 4. OBRIGAÇÕES DO COMODATÁRIO 1) Guardar e conservar a coisa emprestada como se fosse sua; 2) Fazer uso e gozo da coisa na forma estipulada ou de acordo com sua natureza; 3) Restituir o bem emprestado no prazo ajustado, ou, em sua falta, quando lhe for reclamado, e, ainda, findo o tempo necessário ao uso concedido; 4) Responder pela mora; 5) Responder pelos riscos da coisa; 6) Responsabilizar-se de forma solidária, se duas ou mais pessoas receberam simultaneamente a coisa emprestada. 4. OBRIGAÇÕES DO COMODANTE Por ser contrato unilateral não gera responsabilidade para o Comodante. Todavia, a lei e algumas circunstâncias supervenientes ao curso do contrato impõem alguns deveres a serem observados pelo Comodante. 1) Não pedir a restituição da coisa emprestada antes do prazo acordado ou do necessário para o uso; 2) Reembolsar o Comodatário pelas despesas extraordinárias e necessárias, feitas sem autorização do Comodante, frente a urgência da medida. 5. EXTINÇÃO DO COMODATO Dar-se-á por extinto o Comodato quando o houver: 1) A expiração do prazo acertado ou necessário ao uso contratado; 2) A resolução por inexecução contratual; 3) A rescisão unilateral do contrato. 4) Distrato; 5) A morte do Comodatário, no caso de acordo pelo uso estritamente pessoal da coisa emprestada. 6) A alienação do bem emprestado.

12 12 MÚTUO 1. CONCEITO É o contrato pelo qual uma pessoa (Mutuante) empresta coisa fungível à outra (Mutuário), que se obriga a restituí-la em coisa do mesmo gênero, da mesma qualidade e na mesma quantidade (CC, art. 586). 2. CARACTERES JURÍDICOS É Contrato Real É Contrato Unilateral É Contrato Gratuito É Contrato Temporário É Contrato Translativo de Domínio 3. REQUISITOS 3.1. Subjetivo Para contratar um mútuo é necessário que as partes sejam capazes. O Mutuante tem de ser apto a dispor da coisa a ser emprestada. O Mutuário deve ser habilitado a obrigar-se. O Mútuo feito a menor, sem prévio autorização do representante legal, não pode ser reavido nem do Mutuário nem dos seus fiadores (CC, art. 588). Tal regra comporta exceção nos seguintes casos (CC, art. 589): 3.2. Objetivo 1) Se a pessoa, de cuja autorização necessitava o mutuário para contrair o empréstimo, o ratificar posteriormente; 2) Se o menor, estando ausente essa pessoa, se viu obrigado a contrair o empréstimo para os seus alimentos habituais; 3) Se o menor tiver bens ganhos com o seu trabalho. Mas, em tal caso, a execução do credor não lhes poderá ultrapassar as forças; 4) Se o empréstimo reverteu em benefício do menor; 5) Se o menor obteve o empréstimo maliciosamente. Por ser empréstimo de consumo, requer que o objeto seja coisa fungível, ou seja, bem móvel que possa ser substituído por outro da mesma espécie, qualidade e quantidade. 4. EFEITOS JURÍDICOS O Mútuo produz os seguintes efeitos: 1) De gerar obrigações ao Mutuário:

13 13 a) Restituir a coisa emprestada por outra do mesmo gênero, quantidade e qualidade. b) Pagar os juros, no caso de mútuo feneratício. 2) De conferir direitos ao Mutuante: a) Exigir garantia da restituição, caso o Mutuário venha a sofrer, antes do vencimento do contrato, mudança no seu patrimônio ou na sua situação financeira, que venha a possibilitar dificuldade na restituição da coisa; b) Reclamar a restituição do bem emprestado, uma vez vencido o prazo contratual. c) Demandar a resolução do contrato se o Mutuário, no mútuo feneratício, deixar de pagar os juros. O Mutuante assume certos deveres, mas que não chegam a ser obrigações. São eles: a) Entregar a coisa objeto do mútuo; b) Abster-se de interferir no consumo da coisa emprestada, não cobrando a restituição antes do convencionado, exceto se houver motivo justo. 5. EXTINÇÃO DO MÚTUO O mútuo se extingue pelo: 1) Pela expiração do prazo convencionado pelos contratantes; 2) Pela ocorrência dos casos previstos no artigo 592, do CC; 3) Pela resolução contratual funda no descumprimento do convencionado; 4) Pela resilição unilateral por parte do devedor; 5) Pelo distrato; 6) Pela efetivação de algum modo terminativo previsto no próprio contrato. PRESTAÇÃO DE SERVIÇO 1. CONCEITO A prestação de serviço é toda a espécie de serviço ou trabalho lícito, que não estiver sujeita às leis trabalhistas ou a lei especial, contratada mediante retribuição. 2. CARACTERES JURÍDICOS É Contrato Bilateral É Contrato Oneroso É Contrato Consensual É Contrato Não-formal É Contrato Intuitu Personae (Pessoal) 3. REGRAS BÁSICAS DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO Limite de Prazo Legal

14 14 Contrato por Prazo Indeterminado Suspensão do Contrato Rescisão Com e Sem Justa Causa Habilitação do Prestador Aliciamento do Prestador Alienação de Prédio Agrícola 4. EXTINÇÃO DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO A prestação de serviço se extingue: a) A morte de quaisquer das partes; b) A expiração do prazo; c) A conclusão da obra; d) A rescisão Contratual, mediante denúncia do contrato (aviso prévio); e) Inadimplência de qualquer das partes; f) Impossibilidade, por força maior, de cumprimento do contrato; g) Distrato. EMPREITADA 1. CONCEITO É o contrato em que alguém, denominado empreiteiro (executor da obra), obriga-se a executar uma obra, com fornecimento próprio ou não de matéria-prima, sob encomenda do comitente (dono da obra ou proprietário), mediante pagamento. 2. CARACTERES JURÍDICOS É Contrato Bilateral É Contrato Oneroso É Contrato Consensual É Contrato Não-solene (forma livre) 3. ESPÉCIES DE EMPREITADA 3.1. Quanto aos Critérios de Determinação do Preço a) Empreitada a preço fixo b) Empreitada por medida c) Empreitada no preço

15 d) Empreitada por preço máximo e) Empreitada por preço de custo Quanto à execução da obra pelo empreiteiro a) Empreitada de lavor ou de mão-de-obra; b) Empreitada de materiais ou mista. 4. DIREITOS E DEVERES DAS PARTES 4.1. Direitos e Deveres do Empreiteiro DIREITOS do Empreiteiro a) Receber o preço ajustado para a execução da obra; b) Exigir a aceitação da obra concluída de acordo com as especificações contratuais; c) Requerer a medição das partes já concluídas, quando a obra se ajustar por etapas; d) Reter a obra, até que o dono da obra cumpra sua obrigação; e) Constituir o dono da obra em mora; f) Ceder o contrato de empreitada, desde que não haja cláusula para execução pessoal da obra (Intuitu Personae); g) Suspender a obra ou rescindir o contrato (CC, Art. 625); DEVERES do Empreiteiro a) Executar a obra segundo as especificações do contrato; b) Corrigir os vício e defeitos que abra apresentar; c) Não fazer modificações ou acréscimos sem autorização do dono da obra, exceto as fundadas em absoluta necessidade técnica; d) Entregar a obra concluída ao comitente; e) Pagar os materiais que recebeu do comitente; f) Fornecer os materiais de acordo com as especificações convencionadas; 4.2. Direitos e Deveres do Comitente DIREITOS do Comitente a) Exigir do empreiteiro a observância obrigação contratual ou suspender a obra, pagando, proporcionalmente, o que já foi executado e mais as despesas e lucros cessantes; b) Receber a obra concluída; c) Acompanhar a execução da obra;

16 16 d) Rejeitar ou pedir abatimento no preço, nos casos previstos no CC, art. 615 e 616; e) Pedir não só o pagamento de materiais que foram entregues ao empreiteiro e por ele inutilizados, mas também no caso de diminuição nos preços dos mesmos DEVERES do Comitente a) Pagar ao empreiteiro o valor ajustado, no prazo convencionado; b) Verificar as etapas concluídas, apontado os defeitos existentes, sob pena de presunção de aceitas e verificadas as que foram pagas. c) Receber a obra concluída; d) Fornecer os materiais necessários à execução da obra, quando previsto no contrato ou na lei; e) Indenizar o empreiteiro (trabalho executado, despesas e lucros cessantes), se rescindir ou suspender o contrato; f) Não alterar a obra já aprovada, sem anuência do autor, mesmo que a execução seja confiada a terceiros, a não ser que, por motivos supervenientes ou razões de ordem técnica, se comprove a inconveniência ou a onerosidade excessiva do projeto primitivo; 4.3. Cessação do Contrato de Empreitada a) Pela execução da obra; b) Pela morte do empreiteiro; c) Pela resilição bilateral (distrato); d) Pela Resolução (inadimplemento c/ perdas e danos); e) Pela rescisão unilateral, por parte do comitente, cabendo indenizar o empreiteiro pelas despesas feitas e pela mão-de-obra, bem como pelo lucro que viria com a conclusão da obra; f) Impossibilidade na conclusão da obra, por força maior ou caso fortuito; g) Pela desapropriação. DEPÓSITO 1. DEFINIÇÃO Deposito é o contrato pelo qual uma pessoa (depositário) recebe um objeto móvel para guardar, até que o depositante o reclame (CC, Art. 627). 2. CARACTERES JURÍDICOS Contrato Real

17 Contrato Gratuito Contrato Temporário Contrato Pessoal (Intuitu Personae) 3. REQUISITOS 17 a) Subjetivos a capacidade genérica para praticar os atos da vida civil, e a especial, por ser imprescindível o consentimento inequívoco e comum de entregar-se uma coisa em depósito e de haver aceitação pelo outro contratante. b) Objetivos que seja o objeto do depósito quaisquer bens móveis, sejam as corpóreas, sejam as que se corporificam, como os valores incorpóreos representados por títulos de qualquer espécie (Ex: ações de S/A, apólices da dívida pública). c) Formais O Código Civil exige o instrumento escrito para o depósito, podendo revestir-se, entretanto, qualquer que seja o valor ou a natureza da coisa, na forma particular. 4. ELEMENTOS ESSENCIAIS DO DEPÓSITO a) A entrega da coisa móvel; b) A guarda da coisa, com poder ou não de uso; 5. MODALIDADES DE DEPÓSITO 5.1. Depósito Voluntário ou Convencional 5.2. Depósito Necessário O contrato de Depósito Necessário subdivide-se em: a) Depósito Legal b) Depósito Miserável c) Depósito do Hospedeiro 6. DAS OBRIGAÇÕES DOS CONTRAENTES 6.1. Obrigações do DEPOSITANTE 1) Deve ele pagar o preço convencionado; 2) Pagar as despesas feitas com o depósito; 3) É obrigado a indenizar o depositário dos prejuízos que lhe advierem do contrato de depósito Obrigações do DEPOSITÁRIO 1) A custódia da coisa, ou a sua guarda e conservação, com o cuidado e diligencia que costuma ter com o que é seu; 2) Manutenção da coisa depositada no estado que se ache; 3) Não pode o depositário usar e gozar da coisa depositada, salvo convenção entre as partes.

18 18 4) Entregar ao depositante a coisa que tiver recebido em substituição ao depósito, se houver perdido, e ceder-lhe as ações contra o terceiro responsável; 5) Restituir o depósito com todos os frutos e acrescidos. 7. EXTINÇÃO DO CONTRATO DE DEPÓSITO a) Pelo decurso do prazo, sem prejuízo do direito do depositante de solicitar, a qualquer momento, a restituição da coisa; b) Por iniciativa do Depositário, promovendo a devolução da coisa ao depositante, ou caso este não possa ou não queira recebê-la, ao depósito público, ou nomeá-la novo depositário; c) Pelo perecimento do objeto por caso fortuito ou força maior, sem sub-rogação em outro; d) Pela morte ou incapacidade superveniente do depositário, se o contrato for intuitu personae; e) Pelo decurso do prazo de 25 anos, quando não reclamados, com recolhimento do bem ao Tesouro, e a sua incorporação ao patrimônio nacional. MANDATO 1. DEFINIÇÃO É o contrato pelo qual uma pessoa se obriga (Mandatário), gratuitamente ou mediante remuneração, a praticar um ato em nome e por conta de outra pessoa (Mandante), de quem recebeu o encargo. 1.1 Instrumento do mandato - O instrumento é a procuração. Não fazemos um papel formal escrito contrato de mandato. Basta a procuração, que não é solene. Porém a lei diz que o mandato pode ser tácito, feito de forma verbal, então a procuração não é indispensável. A procuração é o instrumento, porém não é documento indispensável para a validade do contrato de mandato. Art. 657: A outorga do mandato está sujeita à forma exigida por lei para o ato a ser praticado. Não se admite mandato verbal quando o ato deva ser celebrado por escrito. Este artigo 657 fala que só é aceito mandato verbal em caso de atos que dispensam instrumento público, ou seja, para atos que precisam de instrumento público, precisa-se de uma procuração registrada em cartório. Para comprar uma casa para mim, Yuri precisará de uma procuração pública passada por mim 2. CARACTERES JURÍDICOS É Contrato Consensual É Contrato Pessoal (Intuitu Personae) É Contrato Gratuito (ou Oneroso) É Contrato Não-solene (forma livre) É Contrato Unilateral É Contrato Preparatório É Contrato Revogável ad nutum Unilateral ou bilateral? Unilateral. O mandante não tem obrigações, em regra. Pode se tornar bilateral se, durante sua execução, gerar efeitos à parte contrária por fato superveniente. Oneroso ou gratuito?

19 19 Gratuito, via de regra. Não se perde dinheiro com o mandato ao se mandar alguém comprar pães. Não devemos confundir o mandato em si com o ato praticado pelo mandatário, que pode ser oneroso, como é a compra e venda dos pães. Excepcionalmente o mandato pode ser oneroso. Exemplo: advogado. É um contrato de mandato. A atividade do advogado também inclui uma prestação de serviços, mas não são a mesma coisa. O mandato é obrigatório para que então o advogado preste os serviços. Se oneroso, o mandato se torna bilateral. Comutativo ou aleatório? Essa classificação não se aplica ao contrato de mandato pois é um contrato unilateral. Típico ou atípico? Típico e nominado. Existe previsão legal no Código Civil a partir do art Solene ou não solene? Não solene. Paritário ou de adesão? Qualquer um dos dois. Consensual ou real? Já existe mandato na hora que eu peço que faça, ou só existe na hora em que o mandatário efetiva o ato? É consensual. Há mandato e vinculação desde o momento desde a conclusão do contrato. Principal ou acessório? Eminentemente acessório! Sim, porque ele serve para preparar outros atos que há por serem executados. De execução instantânea ou diferida? Diferida. Preliminar ou definitivo? Definitivo. Pessoal ou impessoal? Pessoal, óbvio. Não se pode deixar qualquer pessoa fazer algo por você. Claro que é feito em função das características pessoais de cada um e claro que extingue com a morte. É intuitu personae mesmo. Por prazo indeterminado ou determinado? Qualquer um dos dois. Exemplo: realize este negócio! quando realizado, o contrato se extingue. 3. REQUISITOS a) Subjetivos A lei exige capacidade para a constituição do Mandatário. Obs.: Qualquer agente capaz, conforme dito no art. 104 (sem jamais abandonar a ideia dos arts. 3º e 4º). Porém, no art. 666 está dito que o maior de dezesseis e menor de dezoito anos não emancipado pode ser mandatário, mas o mandante não tem ação contra ele senão de conformidade com as regras gerais, aplicáveis às obrigações contraídas por menores. Ou seja, o maior de 16 anos e menor de 18 pode ser mandatário. Mas o mandante não terá nenhuma ação contra ele. b) Objetivos O objeto do Mandato deverá revestir-se dos mesmos requisitos do objeto de um negócio jurídico, ou seja, deverá ser lícito, física e juridicamente possível. c) Formais Como é contrato consensual, o Mandato não exige requisito formal para sua validade, nem para sua prova Atos que não podem ser praticados por meio de mandato Ninguém pode, por exemplo, passar procuração para alguém fazer concurso público em seu lugar. Seria muito fácil pedir que um professor ou alguém que já foi aprovado fizesse a prova em seu nome. Também não se pode passar procuração para prestar serviço militar nem fazer testamento. Observação: casamento pode ser feito por procuração. Não existe um rol taxativo de atos que podem e que não podem ser praticado por meio de mandato. Os atos, em sua grande maioria, podem sim ser praticados por meio de procuração 4. DIREITOS E DEVERES DO MANDANTE 4.1. Direitos do MANDANTE 1) Revogar o mandato outorgado ao mandatário; 2) Autorizar ou não o substabelecimento dos poderes conferidos no mandato.

20 20 3) Ratificar os atos do mandatário e do substabelecido; 4) Exigir o recebimento dos valores recebidos pelo mandatário, em razão do mandato outorgado, ou seu deposito em conta do mandante; 5) Exigir que o mandatário preste contas; 6) Demandar contra o mandatário pelas perdas e danos resultantes da desobediência às suas instruções. 7) Pedir informações sobre o negócio sempre que lhe for conveniente. 8) Demandar o mandatário que comprou para si, algo que estava obrigado pelo mandato a adquirir para o mandante, com fundos deste Obrigações do MANDANTE Cumpre ao Mandante o DEVER de: 1) Remunerar o mandatário e substabelecido, nos mandatos onerosos e nos profissionais. 2) Adiantar os valores para as despesas necessárias, sempre que solicitado pelo mandatário. 3) Reembolsar todas as despesas que o mandatário dispensou na execução do mandato. 4) Ressarcir os prejuízos do mandatário, no exercício do mandato, exceto no caso de culpa sua ou excesso de poderes. 5) Honrar os compromissos assumidos pelo mandatário em seu nome. 6) Pagar perdas e danos, caso revoge o mandato com cláusula de irrevogabilidade. 4. DIREITOS E DEVERES DO MANDATÁRIO 4.1. Direitos do MANDATÁRIO Tem o Mandatário o DIREITO de: 1) Exigir a retribuição pecuniária acertada; 2) Pedir ao mandante que adiante os valores destinados aos gastos necessários à execução do mandato; 3) Receber o reembolso das despesas necessárias efetuadas para o exercício do mandato, bem como o direito de reter o objeto que estiver em seu poder até receber o referido reembolso e tudo mais que lhe é devido em face do mandato; 4) Substabelecer os poderes que lhe foram conferidos; 4.2. Deveres do MANDATÁRIO Por outro lado, tem o Mandatário o DEVER de: 1) Executar o mandato de acordo com as instruções recebidas e no limite dos poderes conferidos;

Lição 15. Locação Locação de coisas

Lição 15. Locação Locação de coisas Lição 15. Locação No direito romano, a locação se dividia em locação de coisas e locação de serviços (trabalho). O CC/16 apresentava o contrato de prestação de serviços como locação de serviços. O CC/02

Leia mais

1 Introdução ao direito especial dos contratos, 1 1.1 Direito especial dos contratos ou contratos em espécie, 1 1.2 Evolução da técnica contratual, 3

1 Introdução ao direito especial dos contratos, 1 1.1 Direito especial dos contratos ou contratos em espécie, 1 1.2 Evolução da técnica contratual, 3 1 Introdução ao direito especial dos contratos, 1 1.1 Direito especial dos contratos ou contratos em espécie, 1 1.2 Evolução da técnica contratual, 3 2 Compra e venda, 5 2.1 Conceito. Efeitos obrigacionais

Leia mais

INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 11 INADIMPLEMENTO DAS OBRIGAÇÕES

INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 11 INADIMPLEMENTO DAS OBRIGAÇÕES INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 11 INADIMPLEMENTO DAS OBRIGAÇÕES Índice 1. Inadimplemento das Obrigações...4 1.1. Mora... 4 1.2. Das Perdas e Danos... 4 1.3. Juros moratórios ou juros

Leia mais

DIREITO CIVIL CONTRATOS TIPOS Danilo D. Oyan

DIREITO CIVIL CONTRATOS TIPOS Danilo D. Oyan DIREITO CIVIL CONTRATOS TIPOS Danilo D. Oyan COMPRA E VENDA 481 a 532 Transferência de domínio, preço. TROCA OU PERMUTA 533 Contrato CONSENSUAL, BILATERAL, ONEROSO e COMUTATIVO. Não dinheiro e de valores

Leia mais

DIREITO CONTRATUAL. Uma proposta de ensino aos acadêmicos de Direito. EDITORA LTr SÃO PAULO. 347.44(81) K39d

DIREITO CONTRATUAL. Uma proposta de ensino aos acadêmicos de Direito. EDITORA LTr SÃO PAULO. 347.44(81) K39d GILBERTO KERBER Professor e advogado. Mestre em Direito pela Universidade Federal de Santa Catarina. Professor do Curso de Graduação e de Pós-Graduação de Direito da Universidade Regional Integrada do

Leia mais

DEPÓSITO. 1. Referência legal do assunto. Arts. 627 a 652 do CC. 2. Conceito de depósito

DEPÓSITO. 1. Referência legal do assunto. Arts. 627 a 652 do CC. 2. Conceito de depósito 1. Referência legal do assunto Arts. 627 a 652 do CC. 2. Conceito de depósito DEPÓSITO O contrato de depósito importa na guarda temporária de um bem móvel pelo depositário até o momento em que o depositante

Leia mais

DIREITO CIVIL Espécies de Contratos

DIREITO CIVIL Espécies de Contratos DIREITO CIVIL Espécies de Contratos Espécies de Contratos a serem estudadas: 1) Compra e venda e contrato estimatório; 2) Doação; 3) Depósito; 4) Mandato; 5) Seguro; 6) Fiança; 7) Empréstimo (mútuo e comodato);

Leia mais

OAB 1ª Fase Direito Civil Contratos em Espécie Duarte Júnior

OAB 1ª Fase Direito Civil Contratos em Espécie Duarte Júnior OAB 1ª Fase Direito Civil Contratos em Espécie Duarte Júnior 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. CONTRATOS EM ESPÉCIE COMPRA E VENDA Arts. 481 a 532 NECESSIDADE

Leia mais

Contrato de Empreitada. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Contrato de Empreitada. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Contrato de Empreitada Contrato de Empreitada Empreiteiro é a designação dada a um indivíduo ou empresa que contrata com outro indivíduo ou organização (o dono da obra) a realização de obras de construção,

Leia mais

Sumário. 2.3.1.4 A Hipótese de Venda de Ascendente a Descendente no atual Código,

Sumário. 2.3.1.4 A Hipótese de Venda de Ascendente a Descendente no atual Código, Sumário Nota do Autor à 7q edição, xix 1 Introdução ao direito especial dos contratos, 1 1.1 Direito especial dos contratos ou contratos em espécie, 1 1.2 Evolução da técnica contratual, 3 2 Compra e venda,

Leia mais

Destaca-se que as obrigações jurídicas, objeto do presente estudo, apresentam 3 elementos principais: sujeito, objeto e o vínculo jurídico.

Destaca-se que as obrigações jurídicas, objeto do presente estudo, apresentam 3 elementos principais: sujeito, objeto e o vínculo jurídico. 7. OBRIGAÇÕES A palavra obrigação pode assumir vários significados dependendo do contexto que estiver se referindo. Dessa forma, em sentido amplo, a obrigação é um dever, que pode estar ligado a uma acepção

Leia mais

EMPRÉSTIMO. 1. Referência legal do assunto. Arts. 579 a 592 do CC. 2. Conceito de empréstimo

EMPRÉSTIMO. 1. Referência legal do assunto. Arts. 579 a 592 do CC. 2. Conceito de empréstimo 1. Referência legal do assunto Arts. 579 a 592 do CC. 2. Conceito de empréstimo EMPRÉSTIMO Negócio jurídico pelo qual uma pessoa entrega uma coisa a outra, de forma gratuita, obrigando-se esta a devolver

Leia mais

EXERCÍCIO 1. EXERCÍCIO 1 Continuação

EXERCÍCIO 1. EXERCÍCIO 1 Continuação Direito Civil Contratos Aula 1 Exercícios Professora Consuelo Huebra EXERCÍCIO 1 Assinale a opção correta com relação aos contratos. a) O contrato preliminar gera uma obrigação de fazer, no entanto não

Leia mais

Liquidação Extrajudicial de Instituições Financeiras - Lei nº 6.024/74

Liquidação Extrajudicial de Instituições Financeiras - Lei nº 6.024/74 Legislação Societária / Direito Comercial Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio 43 Liquidação Extrajudicial de Instituições Financeiras - Lei nº 6.024/74 As instituições financeiras particulares, as públicas

Leia mais

MANUAL DAS LOCAÇÕES DE IMÓVEIS RESIDENCIAIS URBANOS

MANUAL DAS LOCAÇÕES DE IMÓVEIS RESIDENCIAIS URBANOS MANUAL DAS LOCAÇÕES DE IMÓVEIS RESIDENCIAIS URBANOS Por Paulo Caldas Paes* Manual Registrado na Fundação Biblioteca Nacional sob o nº 541.597, Livro 1030, Folha 315. 1.0- Apresentação do Manual: Tema de

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR TURMA EXTENSIVA AOS SÁBADOS Disciplina: Direito Civil Professor: Cristiano Chaves Data: 12.12.2009 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR CONTRATOS EM ESPÉCIE II Prof. Cristiano Chaves de Farias O CONTRATO DE DOAÇÃO

Leia mais

1ª FASE - EXTENSIVO MATUTINO Disciplina: Direito Civil Prof.: Brunno Giancoli Data: 07/10/2008 Aula: 8/13

1ª FASE - EXTENSIVO MATUTINO Disciplina: Direito Civil Prof.: Brunno Giancoli Data: 07/10/2008 Aula: 8/13 TEMAS TRATADOS EM SALA Contrato de Compra e Venda - bilateral; - oneroso; - comutativo; - consensual; Elementos - preço, não pode ser fixado a livre arbítrio de uma das partes. - mercadoria. Restrições

Leia mais

Contratos mercantis. Tipos de contratos mercantis: Compra e venda

Contratos mercantis. Tipos de contratos mercantis: Compra e venda Contratos mercantis Quando duas ou mais pessoas acordam em constituir, regular ou extinguir uma relação jurídica de índole patrimonial, estão celebrando um contrato. O contrato é o consenso, aperfeiçoando

Leia mais

DOAÇÃO. 1. Referência legal do assunto. Arts. 538 a 564 do CC. 2. Conceito e características da doação

DOAÇÃO. 1. Referência legal do assunto. Arts. 538 a 564 do CC. 2. Conceito e características da doação 1. Referência legal do assunto Arts. 538 a 564 do CC. DOAÇÃO 2. Conceito e características da doação O art. 538 do CC define a doação como um contrato pelo qual uma pessoa, por liberalidade, transfere

Leia mais

CONTRATOS (COMPRA E VENDA)

CONTRATOS (COMPRA E VENDA) CONTRATOS (COMPRA E VENDA) Professor Dicler COMPRA E VENDA Contrato de compra e venda é aquele pelo qual um dos contratantes t t se obriga bi a transferir o domínio de certa coisa, e, o outro, a pagar-lhe

Leia mais

CONTRATO DE LOCAÇÃO NÃO RESIDENCIAL

CONTRATO DE LOCAÇÃO NÃO RESIDENCIAL DOS NEGÓCIOS JURÍDICOS É o ato de vontade que, por se conformar com os mandamentos da lei e a vocação do ordenamento jurídico, confere ao agente os efeitos por ele almejados. ELEMENTOS ESTRUTURAIS I -ESSENCIAIS

Leia mais

1.1 Direito especial dos contratos ou contratos em espécie, 1. 2.1 Conceito. Efeitos obrigacionais do contrato de compra e venda, 5

1.1 Direito especial dos contratos ou contratos em espécie, 1. 2.1 Conceito. Efeitos obrigacionais do contrato de compra e venda, 5 1 Introdução ao direito especial dos contratos, 1 1.1 Direito especial dos contratos ou contratos em espécie, 1 1.2 Evolução da técnica contratual, 3 2 Compra e venda, 5 2.1 Conceito. Efeitos obrigacionais

Leia mais

Art. 593. A prestação de serviço, que não estiver sujeita às leis trabalhistas ou a lei especial, reger-se-á pelas disposições deste Capítulo.

Art. 593. A prestação de serviço, que não estiver sujeita às leis trabalhistas ou a lei especial, reger-se-á pelas disposições deste Capítulo. Código Civil Parte Especial - Arts. 593 a 709 CAPÍTULO VII Da Prestação de Serviço Art. 593. A prestação de serviço, que não estiver sujeita às leis trabalhistas ou a lei especial, reger-se-á pelas disposições

Leia mais

CONTRATOS DE COLABORAÇÃO III. I - Noções gerais:

CONTRATOS DE COLABORAÇÃO III. I - Noções gerais: CONTRATOS DE COLABORAÇÃO III I - Noções gerais: - Na cadeia de circulação de mercadorias vamos encontrar, inicialmente, aqueles que se dedicam a extrair bens propiciados pela natureza, como o agricultor,

Leia mais

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO: MÚTUO E COMODATO

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO: MÚTUO E COMODATO CONTRATO DE EMPRÉSTIMO: MÚTUO E COMODATO Autor: Graciel Marques Tarão 1. Conceito Contrato de empréstimo é o contrato pelo qual uma das partes entrega um bem à outra, para ser devolvido em espécie ou gênero.

Leia mais

Outubro/2011. Prof a. HELISIA GÓES. Advogada Especialista em Direito Processual Mestre em Direito Ambiental e Políticas Públicas

Outubro/2011. Prof a. HELISIA GÓES. Advogada Especialista em Direito Processual Mestre em Direito Ambiental e Políticas Públicas Contrato de Compra e Venda Outubro/2011 Prof a. HELISIA GÓES Advogada Especialista em Direito Processual Mestre em Direito Ambiental e Políticas Públicas Definição: é a troca de uma coisa por dinheiro

Leia mais

CONSENTIMENTO (LIVRE E ESPONTÂNEO) PREÇO (DINHEIRO OU SUA EXPRESSÃO) COISA (INDIVIDUALIZADA E DISPONÍVEL) NO MOMENTO DA TRADIÇÃO (MÓVEL) TRANSMITE-SE

CONSENTIMENTO (LIVRE E ESPONTÂNEO) PREÇO (DINHEIRO OU SUA EXPRESSÃO) COISA (INDIVIDUALIZADA E DISPONÍVEL) NO MOMENTO DA TRADIÇÃO (MÓVEL) TRANSMITE-SE Direito Civil Professor Grevi Bôa Morte Júnior Contratos em Espécie COMPRA E VENDACOMPRA E VENDA E ELEMENTOS TRANSMITE-SE CONSENTIMENTO (LIVRE E ESPONTÂNEO) PREÇO (DINHEIRO OU SUA EXPRESSÃO) COISA (INDIVIDUALIZADA

Leia mais

OAB 139º 1ª Fase Extensivo Semanal Disciplina: Direito Civil Professor Brunno Giancoli Data: 02/04/2009

OAB 139º 1ª Fase Extensivo Semanal Disciplina: Direito Civil Professor Brunno Giancoli Data: 02/04/2009 TEMAS ABORDADOS EM AULA OAB 139º 1ª Fase Extensivo Semanal Disciplina: Direito Civil Professor Brunno Giancoli Data: 02/04/2009 4ª Aula: Teoria Geral dos Contratos e Extinção Contratual, Espécies de Contrato.

Leia mais

DA PROMESSA DE COMPRA E VENDA DE BEM IMÓVEL NA PERSPECTIVA DO REGISTRO DE IMÓVEIS: CLÁUSULAS SUSPENSIVA E RESOLUTIVA, EXTINÇÃO E PUBLICIADE REGISTRAL

DA PROMESSA DE COMPRA E VENDA DE BEM IMÓVEL NA PERSPECTIVA DO REGISTRO DE IMÓVEIS: CLÁUSULAS SUSPENSIVA E RESOLUTIVA, EXTINÇÃO E PUBLICIADE REGISTRAL DA PROMESSA DE COMPRA E VENDA DE BEM IMÓVEL NA PERSPECTIVA DO REGISTRO DE IMÓVEIS: CLÁUSULAS SUSPENSIVA E RESOLUTIVA, EXTINÇÃO E PUBLICIADE REGISTRAL Professor Luiz Egon Richter 1. DA DISTINÇÃO ENTRE A

Leia mais

Abril/2011. Prof a. Mestre Helisia Góes

Abril/2011. Prof a. Mestre Helisia Góes Contrato de Locação de Coisas Abril/2011 Prof a. Mestre Helisia Góes Definição:Éonegóciojurídicopormeiodoqualumadas partes(locador) se obriga a ceder à outra(locatário), por tempo determinado ou não, o

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO JURÍDICA Disciplina: Direito Comercial Tema: Contratos Mercantis Prof.: Alexandre Gialluca Data: 19/04/2007 RESUMO

CURSO DE ATUALIZAÇÃO JURÍDICA Disciplina: Direito Comercial Tema: Contratos Mercantis Prof.: Alexandre Gialluca Data: 19/04/2007 RESUMO RESUMO 1) Alienação fiduciária 1.1) Alienação fiduciária de bens móveis (Dec-Lei 911/69) Na doutrina há quem diga que se trata de contrato acessório e a quem diga que se trata de contrato incidental. Na

Leia mais

COMPRA E VENDA Cláusulas especiais

COMPRA E VENDA Cláusulas especiais COMPRA E VENDA Cláusulas especiais 1) retrovenda; 2) venda a contento; 3) preempção; 4) reserva de domínio; e 5) venda sobre documentos. COMPRA E VENDA Cláusulas especiais Retrovenda é o direito que tem

Leia mais

Contrato Unilateral - gera obrigações para apenas uma das partes. Contrato Bilateral - gera obrigações para ambas as partes.

Contrato Unilateral - gera obrigações para apenas uma das partes. Contrato Bilateral - gera obrigações para ambas as partes. Turma e Ano: Flex B (2013) Matéria / Aula: Civil (Contratos) / Aula 13 Professor: Rafael da Motta Mendonça Conteúdo: Teoria Geral dos Contratos: 3- Classificação; 4 - Princípios. 3. Classificação: 3.1

Leia mais

TÍTULO V Dos Contratos em Geral. CAPÍTULO I Disposições Gerais. Seção I Preliminares

TÍTULO V Dos Contratos em Geral. CAPÍTULO I Disposições Gerais. Seção I Preliminares TÍTULO V Dos Contratos em Geral CAPÍTULO I Disposições Gerais Seção I Preliminares Art. 421. A liberdade de contratar será exercida em razão e nos limites da função social do contrato. Art. 422. Os contratantes

Leia mais

EMPRÉSTIMO: COMODATO

EMPRÉSTIMO: COMODATO Empréstimo: Comodato 19 EMPRÉSTIMO: COMODATO Sumário: 19.1 Introdução. 19.2- Conceito de comodato. 19.3 Classificação. 19.4 Quem pode dar em comodato. 19.5 Obrigações e direitos do comodatário. 19.6 Extinção

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O contrato de locação em vista da lei do inquilinato Olívia Ricarte INTRODUÇÃO O contrato de locação é um dos mais importantes e também um dos mais utilizados na órbita contratual.

Leia mais

Contratos de Empréstimos

Contratos de Empréstimos Contratos de Empréstimos Material didático destinado à sistematização do conteúdo da disciplina Direito Civil III Publicação no semestre 2014.1 Autor: José Carlos Ferreira da Luz 2 Dados de acordo com:

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL - TEORIA GERAL DOS CONTRATOS MERCANTIS

DIREITO EMPRESARIAL - TEORIA GERAL DOS CONTRATOS MERCANTIS DIREITO EMPRESARIAL - TEORIA GERAL DOS CONTRATOS MERCANTIS Prof. Mauro Fernando de Arruda Domingues 1. Regimes jurídicos e conceito: O contrato é o instrumento pelo qual as pessoas contraem obrigação umas

Leia mais

LOCAÇÃO. 1. Referência legal do assunto. Arts. 565 a 578 do CC. Lei 8.245/1991. 2. Noções gerais sobre locação

LOCAÇÃO. 1. Referência legal do assunto. Arts. 565 a 578 do CC. Lei 8.245/1991. 2. Noções gerais sobre locação 1. Referência legal do assunto Arts. 565 a 578 do CC Lei 8.245/1991 2. Noções gerais sobre locação LOCAÇÃO Num só conceito, o de locatio conductio, os romanos disciplinaram três espécies de contrato: a)

Leia mais

Outubro/2010. Prof a. Esp. Helisia Góes

Outubro/2010. Prof a. Esp. Helisia Góes Contrato de Compra e Venda Outubro/2010 Prof a. Esp. Helisia Góes Definição: é a troca de uma coisa por dinheiro (VENOSA). É o negócio jurídico bilateral pelo qual uma das partes (vendedora) se obriga

Leia mais

PACTO ANTENUPCIAL REGIMES DE BENS

PACTO ANTENUPCIAL REGIMES DE BENS PACTO ANTENUPCIAL O Código Civil dita, em seu art. 1.639, que é lícito aos nubentes, antes de celebrado o casamento, estipular, quanto aos seus bens, o que lhes aprouver. Por oportuno, anote-se que segundo

Leia mais

1. Compra e Venda Mercantil (art. 481/504 CC) 1. Origem histórica da compra e venda

1. Compra e Venda Mercantil (art. 481/504 CC) 1. Origem histórica da compra e venda 1. Compra e Venda Mercantil (art. 481/504 CC) 1. Origem histórica da compra e venda A compra e venda é o mais importante de todos os contratos, tendo em vista que é pela compra e venda que se dá a circulação

Leia mais

DO DEPÓSITO. O depósito, no direito brasileiro, tem por objeto coisa móvel, não se admitindo o depósito de imóveis. VOLUNTÁRIO NECESSÁRIO

DO DEPÓSITO. O depósito, no direito brasileiro, tem por objeto coisa móvel, não se admitindo o depósito de imóveis. VOLUNTÁRIO NECESSÁRIO DAS VÁRIAS ESPÉCIES DE CONTRATO DO DEPÓSITO O depósito é o contrato pelo qual uma pessoa - depositário - recebe, para guardar, um objeto móvel alheio, com a obrigação de restituí-lo quando o depositante

Leia mais

Direito Civil III Contratos

Direito Civil III Contratos Direito Civil III Contratos Compra e Venda Art. 481 a 532 Prof. Andrei Brettas Grunwald 2011.1 1 Conceito Artigo 481 Pelo contrato de compra e venda, um dos contratantes se obriga a transferir o domínio

Leia mais

Aula 008 Da Sucessão Testamentária

Aula 008 Da Sucessão Testamentária Aula 008 Da Sucessão Testamentária 3.5 Disposições Testamentárias 3.5.1 Regras gerais 3.5.2 Espécies de disposições 3.5.2.1 Simples 3.5.2.2 Condicional 3.5.2.3 A Termo ou a prazo 3.5.2.4 Modal 3.5.2.5

Leia mais

Regime de bens no casamento. 14/dez/2010

Regime de bens no casamento. 14/dez/2010 1 Registro Civil Registro de Pessoas Jurídicas Registro de Títulos e Documentos Regime de bens no casamento 14/dez/2010 Noções gerais, administração e disponibilidade de bens, pacto antenupcial, regime

Leia mais

Art. 538. Considera-se doação o contrato em que uma pessoa, por liberalidade, transfere do seu patrimônio bens ou vantagens para o de outra.

Art. 538. Considera-se doação o contrato em que uma pessoa, por liberalidade, transfere do seu patrimônio bens ou vantagens para o de outra. Lição 14. Doação Art. 538. Considera-se doação o contrato em que uma pessoa, por liberalidade, transfere do seu patrimônio bens ou vantagens para o de outra. Na doação deve haver, como em qualquer outro

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta:

O CONGRESSO NACIONAL decreta: Altera a Lei nº 8.245, de 18 de outubro de 1991, que dispõe sobre as locações de imóveis urbanos e os procedimentos pertinentes. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei introduz alteração na Lei

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS Atividade de intermediação de negócios imobiliários relativos à compra e venda e locação Moira de Toledo Alkessuani Mercado Imobiliário Importância

Leia mais

1. Noções gerais: evolução social e o momento de formação do contrato de compra e venda (CC 482)

1. Noções gerais: evolução social e o momento de formação do contrato de compra e venda (CC 482) TURMA EXTENSIVA SEMANAL Disciplina: Direito Civil Professor: Cristiano Chaves Data: 15.12.2009 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR CONTRATOS EM ESPÉCIE Prof. Cristiano Chaves de Farias O CONTRATO DE COMPRA E VENDA

Leia mais

ALTERAÇÕES À LEI DE LOCAÇÃO Lei nº. 12.112/2009

ALTERAÇÕES À LEI DE LOCAÇÃO Lei nº. 12.112/2009 ALTERAÇÕES À LEI DE LOCAÇÃO Lei nº. 12.112/2009 SWISSCAM - Câmara de Comércio Suíço-Brasileira - São Paulo, Brasil - 13 de agosto de 2010 MULTA CONTRATUAL Lei nº. 8.245/91 O locatário poderia devolver

Leia mais

S UMÁRIO LOCAÇÕES E DESPEJO DOUTRINA CAPÍTULO I TEORIA GERAL DAS LOCAÇÕES IMOBILIÁRIAS

S UMÁRIO LOCAÇÕES E DESPEJO DOUTRINA CAPÍTULO I TEORIA GERAL DAS LOCAÇÕES IMOBILIÁRIAS S UMÁRIO LOCAÇÕES E DESPEJO DOUTRINA CAPÍTULO I TEORIA GERAL DAS LOCAÇÕES IMOBILIÁRIAS 1.1. Generalidades... 17 1.2. Conceito, requisitos e características... 37 1.3. Natureza jurídica do contrato de locação...

Leia mais

Prof a.: Helisia Góes Disciplina: DIREITO CIVIL III CONTRATOS Turmas: 5º DIV e 5º DIN Data: 24/09/10. Aula 09

Prof a.: Helisia Góes Disciplina: DIREITO CIVIL III CONTRATOS Turmas: 5º DIV e 5º DIN Data: 24/09/10. Aula 09 CURSO DE DIREITO - 2º SEMESTRE/2010 1 Prof a.: Helisia Góes Disciplina: DIREITO CIVIL III CONTRATOS Turmas: 5º DIV e 5º DIN Data: 24/09/10 Aula 09 DIREITO DOS CONTRATOS II - TEORIA GERAL DO DIREITO DOS

Leia mais

PRÁTICA CIVIL E PROCESSUAL LEGALE

PRÁTICA CIVIL E PROCESSUAL LEGALE BEM IMOVEL Art. 79. São bens imóveis o solo e tudo quanto se lhe incorporar natural ou artificialmente. Art. 80. Consideram-se imóveis para os efeitos legais: I -os direitos reais sobre imóveis e as ações

Leia mais

DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA TRANSMISSÃO IMOBILIARIA

DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA TRANSMISSÃO IMOBILIARIA DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA TRANSMISSÃO IMOBILIARIA Para que você possa adquirir o seu imóvel com segurança, deve exigir do vendedor todos os documentos necessários, para que não seja surpreendido futuramente

Leia mais

CONTRATUAL Obrigação de meio X Obrigação de Resultado. EXTRACONTRATUAL (ex. direito de vizinhança, passagem, águas, etc)

CONTRATUAL Obrigação de meio X Obrigação de Resultado. EXTRACONTRATUAL (ex. direito de vizinhança, passagem, águas, etc) Artigo 186, do Código Civil: Aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência ou imprudência, violar direito e causar dano a outrem, ainda que exclusivamente moral, comete ato ilícito. CONTRATUAL

Leia mais

Sumário. Parte I DOS CONTRATOS EM GERAL PALAVRAS PRÉVIAS 4ª EDIÇÃO... 21 PREFÁCIO... 27

Sumário. Parte I DOS CONTRATOS EM GERAL PALAVRAS PRÉVIAS 4ª EDIÇÃO... 21 PREFÁCIO... 27 PALAVRAS PRÉVIAS 4ª EDIÇÃO... 21 PREFÁCIO... 27 Parte I DOS CONTRATOS EM GERAL Capítulo I INTRODUÇÃO A TEORIA GERAL DOS CONTRATOS... 31 1. O Direito Civil Constitucional... 31 1.1. O Direito Civil na Feição

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA. Faculdade de Direito de Campos. Direito Civil. Contratos. Fiança no Contrato de Locação Urbana

PROJETO DE PESQUISA. Faculdade de Direito de Campos. Direito Civil. Contratos. Fiança no Contrato de Locação Urbana PROJETO DE PESQUISA Faculdade de Direito de Campos Direito Civil Contratos Fiança no Contrato de Locação Urbana Ana Luiza P. Machado Bárbara Tavares Caldas Fábia Santos Pereira Campos, 2006 ASSUNTO: Direito

Leia mais

1. O que é procuração?

1. O que é procuração? Procuração Pública Plano de aula: 1. O que é procuração? 2. Forma Pública 3. Identidade e Capacidade 4. Pessoas Jurídicas 5. Poderes Gerais x Especiais 6. Ad judicia x Ad negotia 7. Substabelecimento 8.

Leia mais

Usufruto e direitos reais de garantia

Usufruto e direitos reais de garantia Usufruto e direitos reais de garantia Usufruto O usufruto pode recair sobre todo o patrimônio do nu-proprietário ou sobre alguns bens, móveis ou imóveis, e abrange não apenas os bens em si mesmos, mas

Leia mais

O Contrato de locação é bilateral e sinalagmático, oneroso, consensual, solene ou não solene, não possui caráter personalíssimo.

O Contrato de locação é bilateral e sinalagmático, oneroso, consensual, solene ou não solene, não possui caráter personalíssimo. Aula 07 Contrato de Locação - Continuação A definição esta prevista no art. 565 do CC. Elementos essenciais: objeto, consentimento e remunera se existir o uso e o gozo de determinado bem sem a remuneração

Leia mais

24/09/2010 (Assessoria empresarial) CONTRATO DE TRANSPORTE

24/09/2010 (Assessoria empresarial) CONTRATO DE TRANSPORTE 24/09/2010 (Assessoria empresarial) CONTRATO DE TRANSPORTE Contrato de transporte, segundo estabelece o artigo 730 do Código Civil, pode ser conceituado como aquele em que alguém se obriga, mediante retribuição,

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO CONTRATOS ADMINISTRATIVOS

DIREITO ADMINISTRATIVO CONTRATOS ADMINISTRATIVOS DIREITO ADMINISTRATIVO CONTRATOS ADMINISTRATIVOS Atualizado em 22/10/2015 CONTRATOS ADMINISTRATIVOS São contratos celebrados pela Administração Pública sob regime de direito público com particulares ou

Leia mais

1O contrato escrito de CONTRATO DE LOCAÇÃO. Locação Comercial

1O contrato escrito de CONTRATO DE LOCAÇÃO. Locação Comercial 1 CONTRATO DE LOCAÇÃO Locação Comercial A locação comercial pode ser entendida como a cessão de um imóvel para terceiro, que ali pretende montar seu negócio e que, para isso, remunerará o proprietário

Leia mais

Aluguel O que é preciso saber sobre aluguel Residencial

Aluguel O que é preciso saber sobre aluguel Residencial Aluguel O que é preciso saber sobre aluguel Residencial Ao alugar um imóvel é necessário documentar a negociação por meio de um contrato, de preferência, escrito. O inquilino deve ler atentamente todas

Leia mais

DOAÇÃO. Art. 538. Considera-se doação o contrato em que uma pessoa, por liberalidade, transfere do seu patrimônio bens ou vantagens para o de outra.

DOAÇÃO. Art. 538. Considera-se doação o contrato em que uma pessoa, por liberalidade, transfere do seu patrimônio bens ou vantagens para o de outra. DOAÇÃO Art. 538. Considera-se doação o contrato em que uma pessoa, por liberalidade, transfere do seu patrimônio bens ou vantagens para o de outra. Art. 539. O doador pode fixar prazo ao donatário, para

Leia mais

DIREITO CIVIL CONTRATOS Rosivaldo Russo

DIREITO CIVIL CONTRATOS Rosivaldo Russo DIREITO CIVIL CONTRATOS Rosivaldo Russo FORMAÇÃO DOS CONTRATOS Vontade contratual e consentimento das partes: a) CONCEITO: mais que mero elemento contratual, a vontade representa pressuposto à relação

Leia mais

Sumário PARTE GERAL 3. PESSOA JURÍDICA

Sumário PARTE GERAL 3. PESSOA JURÍDICA Sumário PARTE GERAL 1. LINDB, DAS PESSOAS, DOS BENS E DO NEGÓCIO JURÍDICO 1. Introdução (DL 4.657/1942 da LINDB) 2. Direito objetivo e subjetivo 3. Fontes do Direito 4. Lacuna da lei (art. 4.º da LINDB)

Leia mais

Capítulo II Da Necessidade do Contrato de Corretagem para a Exigibilidade da Comissão em Transações Imobiliárias.,

Capítulo II Da Necessidade do Contrato de Corretagem para a Exigibilidade da Comissão em Transações Imobiliárias., SUMÁRIO: Capítulo I Do Contrato de Corretagem; 1. Introdução e Conceito, 2. Características Jurídicas do Contrato de Corretagem, 3. Dos Corretores, 3.1. Espécies de Corretores, 4. Das Obrigações do Corretor,

Leia mais

CONTRATOS QUESTÕES ABERTAS

CONTRATOS QUESTÕES ABERTAS DIREITO CIVIL CONTRATOS QUESTÕES ABERTAS 01 - CARLOS celebrou contrato de seguro com a seguradora OK. Foi posto sob seguro um equipamento importado, necessário à indústria de CARLOS. Na apólice se ajustou,

Leia mais

IELF CURSO EXTENSIVO. DIREITO CONTRATUAL. PROFESSOR FLÁVIO FLÁVIO TARTUCE.

IELF CURSO EXTENSIVO. DIREITO CONTRATUAL. PROFESSOR FLÁVIO FLÁVIO TARTUCE. IELF CURSO EXTENSIVO. DIREITO CONTRATUAL. PROFESSOR FLÁVIO FLÁVIO TARTUCE. 1) EVICÇÃO (ARTS. 447 A 457 NCC). A evicção pode ser conceituada como sendo a perda da coisa diante de uma sentença judicial que

Leia mais

Contrato de Corretagem. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Contrato de Corretagem. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Contrato de Corretagem Corretagem O vocábulo "corretor", vem do verbo correr, em seu significado semântico quer dizer: O que anda, procura, agencia negócios comerciais ou civis, serve de intermediário

Leia mais

MODELO DE CONTRATO DE PROMESSA DE COMPRA E VENDA DE IMÓVEL

MODELO DE CONTRATO DE PROMESSA DE COMPRA E VENDA DE IMÓVEL Sugestão de Contrato de Promessa de Compra e Venda de Imóvel MODELO DE CONTRATO DE PROMESSA DE COMPRA E VENDA DE IMÓVEL Pelo presente instrumento de promessa de compra e venda, de um lado como promitente

Leia mais

DIREITO CIVIL. 1. Cláusula Penal:

DIREITO CIVIL. 1. Cláusula Penal: 1 PONTO 1: Cláusula Penal PONTO 2: Formação dos contratos PONTO 3: Arras PONTO 4: Extinção PONTO 5: Classificação dos contratos PONTO 6: Vícios redibitórios 1. Cláusula Penal: Estrutura da cláusula penal:

Leia mais

Estabelecimento Empresarial

Estabelecimento Empresarial Estabelecimento Empresarial É a base física da empresa, que consagra um conjunto de bens corpóreos e incorpóreos, constituindo uma universalidade que pode ser objeto de negócios jurídicos. É todo o complexo

Leia mais

Principais artigos do Código Civil, Livro II, Direito de Empresa, para concursos.

Principais artigos do Código Civil, Livro II, Direito de Empresa, para concursos. Principais artigos do Código Civil, Livro II, Direito de Empresa, para concursos. Olá, amigos. Como vão? Espero que tudo bem. Traremos hoje os principais artigos do Código Civil a serem estudados para

Leia mais

Direito Empresarial II. Foed Saliba Smaka Jr. Curso de Direito ISEPE Guaratuba 2015/2

Direito Empresarial II. Foed Saliba Smaka Jr. Curso de Direito ISEPE Guaratuba 2015/2 Direito Empresarial II Foed Saliba Smaka Jr. Curso de Direito ISEPE Guaratuba 2015/2 Contratos Aula 15 Contratos: Teoria Geral: Livre Manifestação das Vontades; Auto Regulamentação das Vontades; Via de

Leia mais

O CONTRATO DE SEGURO NO NOVO CÓDIGO CIVIL

O CONTRATO DE SEGURO NO NOVO CÓDIGO CIVIL O CONTRATO DE SEGURO NO NOVO CÓDIGO CIVIL Do seguro Seção I Disposições gerais Art. 757. Pelo contrato de seguro, o segurador se obriga, mediante o pagamento do prêmio, a garantir interesse legítimo do

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA ARRENDAMENTO COMERCIAL DO ESTABELECIMENTO DE RESTAURAÇÃO/BEBIDAS DO PARQUE MANUEL DE CASTRO, EM CUBA CADERNO DE ENCARGOS

CONCURSO PÚBLICO PARA ARRENDAMENTO COMERCIAL DO ESTABELECIMENTO DE RESTAURAÇÃO/BEBIDAS DO PARQUE MANUEL DE CASTRO, EM CUBA CADERNO DE ENCARGOS CONCURSO PÚBLICO PARA ARRENDAMENTO COMERCIAL DO ESTABELECIMENTO DE RESTAURAÇÃO/BEBIDAS DO PARQUE MANUEL DE CASTRO, EM CUBA CADERNO DE ENCARGOS CLÁUSULAS GERAIS Artº. 1º Âmbito de aplicação As cláusulas

Leia mais

É aquela em que há multiplicidade de devedores, sendo que cada devedor responde pela dívida toda como se fosse devedor único.

É aquela em que há multiplicidade de devedores, sendo que cada devedor responde pela dívida toda como se fosse devedor único. SOLIDARIEDADE PASSIVA É aquela em que há multiplicidade de devedores, sendo que cada devedor responde pela dívida toda como se fosse devedor único. Decorre da lei (art.154, 828,II) ou da vontade das partes.

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Representantes comerciais autônomos Líris Silvia Zoega T. do Amaral * 1.Introdução: A representação comercial autônoma poderá ser exercida por pessoa física ou jurídica, sem relação

Leia mais

DIREITO CIVIL. 5. A simples interpretação de cláusula contratual não enseja recurso especial.

DIREITO CIVIL. 5. A simples interpretação de cláusula contratual não enseja recurso especial. SÚMULAS DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA - STJ DIREITO CIVIL 5. A simples interpretação de cláusula contratual não enseja recurso especial. c Art. 105, III, da CF. c Art. 257 do RISTJ. 16. A legislação

Leia mais

DIREITO CIVIL REGIME DE BENS

DIREITO CIVIL REGIME DE BENS DIREITO CIVIL REGIME DE BENS 1 1. Princípios a) P. da autonomia da vontade (1.639); b) P. da garantia da ordem pública (1.640); c) P. da definitividade do regime (1.639); d) P. da vedação ao enriquecimento.

Leia mais

LEI Nº 3.601 DE 11 DE AGOSTO DE 2009

LEI Nº 3.601 DE 11 DE AGOSTO DE 2009 LEI Nº 3.601 DE 11 DE AGOSTO DE 2009 ALTERA dispositivos da Lei Municipal nº 3.194, de 03 de janeiro de 2006, que dispõe sobre a política habitacional de interesse social do Município, voltada para a população

Leia mais

Março/2011. Prof a. Mestre Helisia Góes

Março/2011. Prof a. Mestre Helisia Góes DIREITO CIVIL III - CONTRATOS TEORIA GERAL DOS CONTRATOS Extinção dos Contratos (Desfazimento da Relação Contratual) Março/2011 Prof a. Mestre Helisia Góes TRANSITORIEDADE CONTRATO EXTINÇÃO como toda obrigação,

Leia mais

OAB/FGV 2ª Fase de Direito Civil

OAB/FGV 2ª Fase de Direito Civil OAB/FGV 2ª Fase de Direito Civil Professor Fabio Alves fabio@ferreiraecamposadv.com 1. Marlon, famoso jogador de futebol, é contratado para ser o garoto propaganda da Guaraluz, fabricante de guaraná natural.

Leia mais

- Espécies. Há três espécies de novação:

- Espécies. Há três espécies de novação: REMISSÃO DE DÍVIDAS - Conceito de remissão: é o perdão da dívida. Consiste na liberalidade do credor em dispensar o devedor do cumprimento da obrigação, renunciando o seu direito ao crédito. Traz como

Leia mais

CONTRATO DE LOCAÇÃO DE BEM MÓVEL

CONTRATO DE LOCAÇÃO DE BEM MÓVEL CONTRATO DE LOCAÇÃO DE BEM MÓVEL GERTEC TELECOMUNICAÇÕES LTDA., pessoa jurídica de direito privado, inscrita no CNPJ/MF sob nº 35.819.226/0001-01, situada na Rua Guaicurus, nº 145, Vila Conceição, Diadema/SP,

Leia mais

Direitos Reais De Garantia - introdução

Direitos Reais De Garantia - introdução Direitos Reais De Garantia - introdução Desde a Lei das XII Tábuas, o devedor respondia por suas dívidas com o próprio corpo ao credor (submetendo-se à escravidão, etc.) Com a evolução do direito, e, na

Leia mais

INICIAÇÃO A ADVOCACIA CIVEL

INICIAÇÃO A ADVOCACIA CIVEL CONCEITO DE CONTRATO REQUISITOS DO CONTRATO CONTRATO CIVIS E NAS RELAÇÕES DE CONSUMO PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS a. Autonomia da vontade b. Relatividade das convenções c. Força vinculante d. Boa-fé FORMAÇÃO

Leia mais

2.013. Direito Civil IV. Rodrigo Barros Prof. Elke Brondi 2.013

2.013. Direito Civil IV. Rodrigo Barros Prof. Elke Brondi 2.013 2.013 Direito Civil IV Rodrigo Barros Prof. Elke Brondi 2.013 Inicio da aula 07/08/13 Contratos Parte Geral Personalidade Civil nascimento Nascimento Proteção - Direitos Animais Proteção Termino Morte

Leia mais

Contratos financeiros

Contratos financeiros Contratos financeiros Dos vários contratos financeiros existentes, dois merecem especial destaque: o leasing e o factoring. LEASING OU LOCAÇÃO FINANCEIRA O leasing, ou a locação financeira, é o contrato

Leia mais

Estabelecimento Empresarial. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Estabelecimento Empresarial. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Estabelecimento Empresarial Estabelecimento Considera-se estabelecimento todo complexo de bens organizado, para o exercício da empresa, por empresário, ou sociedade empresária. Artigo 1.142 CC Estabelecimento

Leia mais

Matéria/Aula : Direito Civil ( Contratos, Consumidor e Obrigações) / aula 04. E-mail: rafaeldamota@gmail.com / facebook: Rafael da Mota Mendonça

Matéria/Aula : Direito Civil ( Contratos, Consumidor e Obrigações) / aula 04. E-mail: rafaeldamota@gmail.com / facebook: Rafael da Mota Mendonça Turma e Ano: Flex B ( 2014 ) Matéria/Aula : Direito Civil ( Contratos, Consumidor e Obrigações) / aula 04 Professor: Rafael da Mota Mendonça E-mail: rafaeldamota@gmail.com / facebook: Rafael da Mota Mendonça

Leia mais

6. Tópicos Especiais em Obrigações. Tópicos Especiais em Direito Civil

6. Tópicos Especiais em Obrigações. Tópicos Especiais em Direito Civil 6. Tópicos Especiais em Obrigações Tópicos Especiais em Direito Civil Obrigações O professor Álvaro Villaça define a obrigação como a relação jurídica de caráter transitório que vai ser garantida pelo

Leia mais

Módulo Logística Integrada. Questões. Legislação. Prof. Mardônio da Silva Girão

Módulo Logística Integrada. Questões. Legislação. Prof. Mardônio da Silva Girão Módulo Logística Integrada 1. A logística e os contratos empresariais 2. Os contratos eletrônicos 3. A logística e o direito internacional 4. Os contratos internacionais 5. Aspectos da tributação Prof.

Leia mais

Dos contratos em geral

Dos contratos em geral Dos contratos em geral Disposições gerais As Disposições Gerais, constantes no Título V (dos Contratos em Geral) do Código Civil brasileiro (CC) consistem em cláusulas gerais aplicáveis a todo tipo de

Leia mais

CARTILHA LOCAÇÕES RESIDENCIAIS

CARTILHA LOCAÇÕES RESIDENCIAIS 2013 CARTILHA LOCAÇÕES RESIDENCIAIS Realização: SUMÁRIO DEFINIÇÕES... 3 Locatário/Inquilino... 3 Fiador: é... 3 Seguro Fiança... 3 Aluguel... 4 Contrato:... 4 Contrato de locação... 4 Lei Federal n 8.245/91:...

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N 232, de 3 de junho de 2003

CIRCULAR SUSEP N 232, de 3 de junho de 2003 CIRCULAR SUSEP N 232, de 3 de junho de 2003 Divulga as informações mínimas que deverão estar contidas na apólice, nas condições gerais e nas condições especiais para os contratos de segurogarantia e dá

Leia mais

CONTRATO DE LOCAÇÃO DE VEÍCULO

CONTRATO DE LOCAÇÃO DE VEÍCULO CONTRATO DE LOCAÇÃO DE VEÍCULO 1 DA LOCAÇÃO: 1.1 O Veículo objeto da presente locação, inclusive acessórios, devidamente caracterizado no anverso, está sendo entregue em perfeitas condições de funcionamento

Leia mais