GUIA DO IMPOSTO DE RENDA PARA ESTRANGEIROS do ano 2012

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GUIA DO IMPOSTO DE RENDA PARA ESTRANGEIROS do ano 2012"

Transcrição

1 GUIA DO IMPOSTO DE RENDA PARA ESTRANGEIROS do ano 2012 Apresentação da Declaração Definitiva do Imposto de Renda A consulta e o recebimento da Declaração Definitiva do Imposto de Renda referente ao ano 2012 serão aceitas desde 18 de fevereiro de 2013 (segunda-feira) até 15 de março (sexta-feira) de O prazo da contribuição do Imposto de Renda da Declaração Definitiva do ano 2012 é até o dia 15 de março (sexta-feira) do ano A pessoa que for fazer a solicitação da restituição do imposto, poderá apresentar mesmo antes do dia 15 de fevereiro (sexta-feira) de Deve-se prestar atenção nos dias em que a Repartição de Impostos fecha (sábados, domingos e feriados), porque, normalmente o órgão não estará disponível para consultas e/ou recebimento da Declaração. Todavia, algumas Repartições disponibilizam, mesmo nos domingos, serviços de consultas e/ou recebimento da Declaração Definitiva nos dias 24 de fevereiro e 3 de março. As informações e os detalhes poderão ser obtidas na Home Page do Ministério da Receita Nacional [www.nta.go.jp] ou então diretamente na Repartição de Impostos mais próximo. O formulário de declaração, o formulário suplementar e a tabela de cálculo podem ser obtidos acessando a Home Page do Ministério da Receita Nacional e fazendo o download. Pode-se obtê-los também na Repartição de Impostos mais próxima. A Declaração Definitiva poderá ser feita da seguinte forma: 1 Enviada como correspondência normal ou correspondência registrada à Repartição de Impostos que possui jurisdição sobre o bairro em que reside ( * ). Se necessita de uma cópia da Declaração Definitiva com o carimbo da data de recebimento, envie uma cópia (ou uma versão manuscrita) da Declaração Definitiva, juntamente com um envelope-resposta (com endereço do destinatário e selo necessário). 2 Levada diretamente à Repartição de Impostos que possui jurisdição sobre o bairro em que reside (poderá ser colocada no posto de recepção noturna). 3 Feita através de e-tax. * A Declaração Definitiva é uma correspondência postal. Portanto, é necessário ser enviada à Repartição de Impostos através do sistema de Yubinbutsu (correspondência normal), Dai isshu yubinbutsu (correspondência de 1ª. categoria) ou Shinshobinbutsu (correspondência registrada) (A declaração não poderá ser enviada como pacote ). Para mais detalhes, consulte a Home Page do Ministério dos Assuntos Internos e Comunicações (www.soumu.go.jp). No caso de enviar por correspondência normal ou correspondência registrada, a data indicada no carimbo será considerada como o dia de entrega da Declaração. Envie o mais antes possível para que a data do carimbo esteja dentro do prazo limite da declaração. Esta Guia fornece explicações sobre os assuntos comuns, relativos aos impostos. Para maiores informações ou dúvidas, entre em contato com o Ministério da Receita Nacional de Nagoya ou com a Repartição de Impostos mais próxima. Apresente a sua declaração corretamente e o mais antes possível Seus impostos ajudam a manter a nossa comunidade 外 国 人 のための 所 得 税 申 告 の 手 引 き (ポルトガル 語 版 )

2 Índice 1 PONTOS IMPORTANTES SOBRE A DECLARAÇÃO E TRIBUTAÇÃO 1-1 SISTEMA DE TRIBUTAÇÃO POR AUTO-TRIBUTAÇÃO DECLARAÇÃO DEFINITIVA DE RENDA APRESENTE A DECLARAÇÃO CORRETAMENTE SISTEMA DO IMPOSTO RETIDO NA FONTE DE RENDA CONTRIBUINTES LOCAL DO PAGAMENTO DE IMPOSTOS (NOZEICHI) MECANISMO DO IMPOSTO DE RENDA TIPOS DE RENDA E O MÉTODO DE TRIBUTAÇÃO VALOR A SER REDUZIDO DA RENDA (DEDUÇÃO DA RENDA) VALOR A SER REDUZIDOS DO IMPOSTO (PRINCIPAIS DEDUÇÕES) QUEM DEVE FAZER A APRESENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DEFINITIVA PESSOA QUE RECEBE DEVOLUÇÃO DO IMPOSTO AO FAZER A DECLARAÇÃO PRINCIPAIS ITENS DAS EMENDAS APLICADAS A PARTIR DA RETENÇÃO DO IMPOSTO NA FONTE DE RENDA DO ANO SOBRE O PAGAMENTO DO IMPOSTO POSTERGAÇÃO DO PAGAMENTO DE IMPOSTO QUANDO OCORRER ERRO NA DECLARAÇÃO SOBRE AS OBRIGAÇÕES DO PAGAMENTO DO IMPOSTO DE CONSUMO E A APRESENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO AVISO AVISO DO MUNICÍPIO FORMULÁRIO DE DECLARAÇÃO DEFINITIVA - FORMULÁRIO SUPLEMENTAR - TABELA DE CÁLCULO, ETC. 2-1 TIPOS DE FORMULÁRIOS DE DECLARAÇÃO DEFINITIVA FORMULÁRIO SUPLEMENTAR, TABELA DO CÁLCULO, ETC ITENS QUE DEVEM SER OBSERVADOS NO MOMENTO DE PREENCHER O FORMULÁRIO DE DECLARAÇÃO EFINITIVA FORMULÁRIO DA DECLARAÇÃO A (FORMULÁRIO Nº. 1) FORMULÁRIO DA DECLARAÇÃO A (FORMULÁRIO Nº. 2) FORMULÁRIO DA DECLARAÇÃO B (FORMULÁRIO Nº. 1) FORMULÁRIO DA DECLARAÇÃO B (FORMULÁRIO Nº. 2) COMO PREENCHER O FORMULÁRIO DA DECLARAÇÃO NOME, ENDEREÇO, ETC VALOR RENDA BRUTA E VALOR DA RENDA LÍQUIDA O VALOR A SER REDUZIDO DA RENDA (DEDUÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA) CÁLCULO DO IMPOSTO OUTROS (FORMULÁRIO DE DECLARAÇÃO Nº 1) DECLARAÇÃO DE POSTERGAÇÃO DO PAGAMENTO ONDE RECEBER A RESTITUIÇÃO DO IMPOSTO DADOS REFERENTES AOS IMPOSTOS RESIDENCIAL E DE NEGÓCIOS (FORMULÁRIO DE DECLARAÇÃO Nº 2) DOCUMENTO DE DEVEM SER ANEXADOS, ETC., NO ATO DA DECLARAÇÃO SOLICITAÇÃO DE PAGAMENTO DO IMPOSTO POR DÉBITO AUTOMÁTICO E DE ALTERAÇÃO COMO PREENCHER O TALÃO DE PAGAMENTO REFERENCIAS 6-1 MEDIDAS EXCEPCIONAIS ATRAVÉS DE CONVÊNIOS OBSERVAÇÕES ÀS PESSOAS QUE DEIXARÃO O PAÍS NO ANO PRÉ-PAGAMENTO DO VALOR ESTIMADO DE IMPOSTO E SOLICITAÇÃO PARA A REDUÇÃO DO VALOR ESTIMADO DE IMPOSTO NOTIFICAÇÃO DE NOMEAÇÃO DO REPRESENTANTE FISCAL PARA IMPOSTO DE RENDA E IMPOSTO DE CONSUMO FORMULÁRIO DE DECLARAÇÃO PARA USAR COMO RASCUNHO 7-1 FORMULÁRIO DE DECLARAÇÃO A (RASCUNHO) FORMULÁRIO DE DECLARAÇÃO B (RASCUNHO)...71

3 Residente 1 PONTOS IMPORTANTES SOBRE A DECLARAÇÃO E A TRIBUTAÇÃO 1-1 SISTEMA DE TRIBUTAÇÃO POR AUTO-DECLARAÇÃO No Japão, o pagamento do imposto de renda é baseado no sistema de auto-declaração. O sistema de tributação por auto-declaração é aquele cujo valor do imposto é determinado principalmente através da declaração pelo contribuinte e cuja validade é reconhecida. De acordo com este sistema, o próprio contribuinte, que melhor conhece as condições de seu rendimento, calcula o valor da renda e o valor do imposto de renda e apresenta a devida declaração por sua própria responsabilidade. 1-2 DECLARAÇÃO DEFINITIVA DE RENDA A Declaração Definitiva do Imposto de Renda é o procedimento de liquidar o pagamento do imposto efetuado em excesso ou de quantias que faltam ser pagas, comparando-os com o valor do imposto de renda retido na fonte ou do valor pré-pago do imposto estimado. Para isto, o próprio contribuinte deve calcular o valor do rendimento e o imposto de renda relativas à renda total de um ano, correspondentes ao período de 1 de janeiro a 31 de dezembro do ano vigente, de acordo com a classificação residencial (veja a Tabela abaixo) e apresentar a declaração ao diretor distrital da Repartição de Impostos durante o período de 16 de fevereiro a 15 de março do ano seguinte. A consulta e o recebimento da Declaração Definitiva do Imposto de Renda referente ao ano 2012 serão aceitas desde 18 de fevereiro de 2013 (segunda-feira) até 15 de março (sexta-feira) de [FONTE DE RENDA SUJEITA À TAXAÇÃO] Rendas vindas de Fontes no Japão Rendas vindas de Fontes no Exterior Classificação Pago no Japão Pago no Exterior Pago no Japão Pago no Exterior Residente não-permanente Pessoa física, sem a nacionalidade japonesa, que teve domicílio (registro de residente) ou endereço no Japão por 5 anos ou menos no total, dentro dos últimos 10 anos. Residente que não seja residente não-permanente Não-residente Toda a renda paga no Japão está sujeita a imposto. Toda a renda paga no Japão está sujeita a imposto. Toda a renda paga no Japão está sujeita a imposto. Toda a renda paga no Japão está sujeita a imposto. A renda está, a princípio, sujeita a imposto. Toda a renda paga no Japão está sujeita a imposto. Toda a renda paga no Japão está sujeita a imposto. Toda a renda obtida no Exterior que seja enviada ao Japão está sujeita a imposto. Toda a renda paga no Japão está sujeita a imposto. A renda está isenta de imposto. Extensão do valor remetido do Exterior no que diz respeito à renda vinda de fonte no exterior (pago no Exterior) Valor remetido do Exterior refere-se à quantia excedente que foi paga no Exterior dentre as rendas vindas de fontes no Japão. Exemplo de um residente não-permanente que possui 2 tipos de renda (pagamento no Exterior a partir da renda vinda de fontes no Japão e pagamento no Exterior a partir da renda vinda de fontes no Exterior) Rendas vindas de fontes no Japão (750) Rendas vindas de fontes no Exterior (250) A pago no Japão B pago no Exterior C pago no Japão D pago no Exterior Supondo que este residente não-permanente tenha feito a remessa de 260 ao Japão. Primeiro, considera-se que seja uma remessa referente ao pagamento no Exterior de 250 (B) da renda vinda de fontes no Japão dentre o pagamento feito no Exterior de 350 (B+D), e o restante 10 será tributado considerando que seja uma remessa feita a partir da quantia (D) paga no Exterior com a renda vinda de fontes no Exterior. 1

4 1-3 APRESENTE A DECLARAÇÃO CORRETAMENTE Se o contribuinte apresentar a sua declaração excedendo a data de vencimento determinada por lei ou não fizer a contribuição total do imposto até a data de vencimento da contribuição, serão cobradas as seguintes multas: 1 imposto de juros de mora, 2 imposto de juros e 3 imposto adicional. 1 O imposto por atraso é taxado no caso do imposto principal não ser pago até a data de vencimento, determinada por estatuto para o pagamento de imposto, é calculado para o número de dias contados a partir do dia seguinte ao da data de vencimento até o dia em que o montante total do imposto principal for pago. O cálculo do imposto por atraso será efetuado na seguinte forma: Entre 16 de março de 2013 e o dia 15 de maio do mesmo ano Aplica-se o mais baixo entre o percentual de 7,3% ao ano e a redução-padrão estabelecida pelo Banco do Japão no dia 30 de novembro de % (*1) A partir do dia 16 de maio de 2013 Taxa anual de 14,6% Deve-se pagar o juro de mora, junto com o imposto. *1 O percentual da redução-padrão estabelecida pelo Banco do Japão no dia 1º de outubro de 2012 é de 0,3%. Se não houver alteração na taxa do percentual de redução-padrão estabelecida pelo Banco do Japão até o dia 30 de novembro de 2012, o percentual da taxa do imposto por atraso entre 16 de março e 15 de maio de 2013 do mesmo ano será de 4,3%. (Idem para [taxa do imposto de juros] a seguir.). *2 Sobre o cálculo da contribuição do imposto com atraso, consulte a Repartição de Impostos. 2 O imposto de juros é taxado quando o pagamento do imposto de renda, etc., for postergado ou a data de vencimento para a apresentação da declaração for prorrogada por motivo de desastre, etc. O índice para o cálculo é prescrito pelas leis que regem os respectivos impostos, como por exemplo, no caso do imposto de renda, se deve optar pelo índice mais baixo entre os seguintes dois tipos. a) 7,3% ao ano b) Percentual da redução-padrão estabelecida pelo Banco do Japão no dia 30 de novembro do ano anterior + 4%, O imposto de juros deve ser pago junto com o imposto principal. 3 O imposto adicional consistem-se dos seguintes itens: a) O imposto adicional para a declaração insuficiente é, a princípio, taxado o valor do imposto adicional equivalente a 10% no valor do imposto acrescido quando, após efetuar-se a apresentação da declaração dentro prazo estipulado, o valor do imposto declarado for inferior ao valor real e for requerida a apresentação de uma emenda da declaração ou quando o diretor distrital da respectiva repartição de impostos efetuar a correção devido ao pagamento insuficiente do imposto. Não obstante, quando o valor de imposto for aumentado e ao superar o valor de imposto declarado dentro do prazo limite ou o valor de , num dos dois casos, será tributado na porção excedente, o percentual correspondente a 15%. Não obstante, poderá ocorrer a possibilidade de não ser taxado o imposto adicional no caso do contribuinte voluntariamente submeter uma emenda da declaração, antes do exame feito pelo diretor distrital da respectiva repartição de impostos. b) O imposto adicional para a não-declaração é, a princípio, taxado quando uma declaração for apresentada depois da data de vencimento ou, quando uma determinação for exercida, como norma, é tributada na porção excedente, o valor equivalente a 15% do valor do imposto pago. Não obstante, quando o valor de tributação exceder , será tributado na porção excedente, o percentual correspondente a 20%. Não obstante, quando o valor de contribuição exceder , será tributado na porção excedente, o percentual correspondente a 20%. Desde que o contribuinte voluntariamente apresente a sua declaração depois da data de vencimento, mas antes do exame feito pelo diretor distrital da repartição de impostos, haverá uma redução de 5%. No caso de ser reconhecido que o contribuinte tinha a intenção de apresentar a sua declaração antes da data de vencimento, e da declaração ser apresentada dentro de 2 semanas, após o prazo de declaração estabelecido por Lei, as adições da não-declaração não serão impostas. c) O imposto adicional pesado é taxado, ao invés do imposto adicional para declaração insuficiente, quando o contribuinte apresentar uma declaração insuficiente com o intuito de dissimular ou suprimir um fato; e será equivalente a 35% do valor de imposto acrescido. Também, no caso do contribuinte apresentar sua declaração depois da data de vencimento, ou não apresentar sua declaração, e tal contribuinte procurar fazer uma dissimulação ou supressão, ao invés do imposto adicional sem retorno, será taxado com o imposto adicional pesado equivalente a 40% do valor de imposto pago ou a ser pago. 2

5 1-4 SISTEMA DO IMPOSTO RETIDO NA FONTE DE RENDA Para a contribuição do imposto de renda no Japão, adota-se o sistema de auto-declaração e, junto, o sistema de imposto retido na fonte em relação a rendimentos específicos.) O sistema de imposto retido na fonte é aquele que, ao invés de cada contribuinte apresentar declarações e pagar, por si mesmo, os impostos,de salários, da remuneração de aposentadoria, dos juros, dos dividendos, etc., serão retidos e pagos à nação pelo pagador determinado valor do imposto de renda. Em relação à renda proveniente do salário, os pagadores de salários e retribuições requisitam aos recebedores de renda proveniente do salário, a apresentação de seu relatório de isenção para dependentes no dia em que for pago o primeiro salário ou a primeira retribuição do ano em questão. Quando é pago o último salário ou a última retribuição do ano em questão, tais pagadores calculam o montante total de salários e retribuições do ano em questão por cada empregado, calculam depois o valor do imposto do montante total de salários e retribuições, e comparam tal montante de imposto com o montante do imposto retido na fonte do ano em questão. Se houver alguma quantia que falte no pagamento, esta será retida do último salário e, se houver excesso de pagamento, este será ajustado e retornado através de desconto ou de restituição do valor do imposto a ser retido no último salário. Os procedimentos acima descritos são denominados ajuste do final do ano e a maioria dos assalariados não é requisitada a efetuar o pagamento de imposto através da auto-declaração. Os procedimentos acima descritos são denominados ajuste do final do ano, e a maioria dos recebedores de renda proveniente do salário não são requisitados a efetuar o pagamento de imposto através da auto-declaração, devido a este ajuste do final do ano. Se o montante de salários e retribuições dos recebedores de renda proveniente do salário exceder a , o ajuste do final do ano não será efetuado, e estes recebedores estão sujeitos a apresentar a Declaração Definitiva. Também há casos em que a renda proveniente de salário não é sujeita à retenção na fonte, porque é paga fora do país. Nestes casos, mesmo que o montante de salários e retribuições não exceda a , estes recebedores de renda proveniente do salário se submetem fazer a apresentação da Declaração Definitiva. Em relação as rendas obtidas através do salário por um não-residente que esteja submetido à retenção da renda na fonte neste país em princípio, o Imposto de Renda será retido na fonte, no índice uniforme de 20%. A maioria das pessoas que recebem a compensação de aposentadoria não necessita fazer a auto-declaração relacionada à renda de compensação de aposentadoria. Se tiver outras rendas fora da compensação de aposentadoria, como a de dividendos de depósitos, renda de negócios, etc. e, no caso da importância retida na fonte da renda da compensação de aposentadoria e do salário não ser suficiente, quaisquer excessos ou quantias que faltem no pagamento de impostos anuais devem ser ajustados mais uma vez na Declaração Definitiva de Renda. 1-5 CONTRIBUINTES Qualquer indivíduo que esteja incluído nos seguintes itens, está sujeito às obrigações de pagamento de imposto. 1. Residentes Qualquer indivíduo que tiver domicílio ou residência por um período contínuo de um ano ou mais, é considerado residente. Quaisquer residentes que não sejam residentes não-permanentes têm a obrigação de pagar o imposto de renda sobre todo o rendimento prescrito pela Lei do Imposto de Renda. Dentre os residentes, sem a nacionalidade japonesa, que o período de residência no Japão foi de 5 anos ou menos no total, dentro dos últimos 10 anos é considerado um residente não-permanente. Qualquer residente não-permanente está obrigado a pagar o imposto de renda relativo a qualquer renda proveniente de fontes domésticas ou qualquer outra renda paga neste país ou considerada como remessa do Exterior. 2. Não-Residentes Qualquer indivíduo que não entre na classificação dos residentes mencionados no item l acima é considerado não-residente. Os não-residentes estão obrigados a pagar o imposto de qualquer renda proveniente de fontes domésticas. Nota. Em relação aos impostos, se uma pessoa deixar o Japão com a intenção de ausentar-se somente temporariamente e depois reentrar no Japão, ela deverá ser considerada como tendo residido no Japão durante o período de ausência. Presumem-se como intenção de ausentar-se somente temporariamente se, durante o período de ausência: o(a) cônjuge ou outros membros da família continuar vivendo no Japão, ou (b) a pessoa mantiver uma residência ou um quarto em hotel para uso residencial após retornar ao Japão, ou (c) suas propriedades particulares para uso diário estiverem mantidas em guarda para uso após o retorno ao Japão. 3

6 (Referência - 1) Classificação do contribuinte sujeito à obrigação do pagamento de imposto (1) Caso não tenha domicílio (registro de residente), depois de transcorrido 1 ano após a entrada no país. Após a entrada no país, enquanto não tiver domicílio antes de transcorrer 1 ano, a pessoa é considerada Não-residente e, a partir do dia seguinte ao dia em que cumprir 1 ano, é considerada Residente. (2) Caso não tiver domicílio imediatamente após a entrada no país e obtiver domicílio antes de transcorrer 1 ano após a entrada no país. Até o dia anterior ao da obtenção do domicílio, a pessoa é considerada Não-residente e, a partir do dia da obtenção do domicílio, é considerada Residente. (3) Quando a pessoa sem a nacionalidade japonesa, com endereço, que teve domicílio (registro de residente) ou endereço no Japão por mais de 5 anos no total, dentro dos últimos 10 anos. A pessoa é considerada Não-residente durante o transcurso de 5 anos ou menos e, a partir do dia seguinte a este período, é considerada Residente, que exclui a classificação de não-residente. (Referência - 2) Avaliação (suposição) da existência de um domicílio A base do meio de vida do indivíduo está no Japão. Fato Avaliação Observações O indivíduo possui uma ocupação que normalmente requer que se viva continuamente no Japão por um ano ou mais. Existem fatos através dos quais se pode presumir suficientemente que o indivíduo tenha vivido continuamente por um ano ou mais, pela luz das circunstâncias, se o indivíduo tiver nacionalidade japonesa e família vivendo junto, e também ocupação e bens no Japão. Julga-se que tenha domicílio. Presume-se que tenha domicílio. Presume-se que tenha domicílio. Qualquer que seja a base do meio de vida, ela é considerada pela existência de fatos objetivos. Por exemplo, o fato do indivíduo possuir uma ocupação no Japão, do indivíduo conviver com a esposa ou quaisquer outros membros da família, ou do indivíduo possuir um local de negócios. O indivíduo que venha viver no Japão para realizar negócios ou empregar-se numa ocupação neste país, entra nesta classificação (exceto no caso de estar claro que o período de permanência no Japão tenha sido previamente programado por contrato para ser de menos de um ano, etc.) - Nota. Qualquer indivíduo que venha ao Japão para estudar ciências ou aprender práticas, é considerado como tendo uma ocupação para o período de estudo e aprendizado neste país. 4

7 1-6 LOCAL DO PAGAMENTO DE IMPOSTOS (NOZEICHI) Chamamos de NOZEICHI, o local do pagamento de todas as formas de impostos. A Declaração é requisitada ser apresentada ao diretor distrital, que tem jurisdição sobre o local do pagamento de impostos. A Lei do Imposto de Renda estabelece os seguintes. Classificação Local do pagamento de imposto (NOZEICHI) 1 O Sr.(a.) tem seu próprio domicílio no Japão? Sim Local do distrito do domicílio Não 2 O Sr.(a.) tem sua própria residência no Japão? Sim Local do distrito da residência Não 3 O Sr.(a.) é um(a) não-residente que possui suas próprias instalações permanentes (escritório, local de negócios, etc.) no Japão? Não 4 No caso do Sr.(a.) haver possuído um domicílio (residência) no Japão, mas não tem um domicílio (residência) atualmente, há algum membro da família que obedeça a alguma exigência para residir no local do mesmo domicílio (residência)? Não 5 O Sr.(a.) está obtendo alguma compensação por um empréstimo, etc. de uma propriedade imóvel no Japão? Não 6 O seu local de pagamento do imposto foi alguma vez determinado sob alguma das classificações dos itens 1 a 5acima mencionadas? Não 7 O Sr.(a.) desempenha algum ato, como a declaração de imposto de renda, fazendo alguma reclamação, etc.? Não Sim Sim Sim Sim Sim Local das instalações permanentes O então local do domicílio (residência) Local da propriedade emprestada, etc. Local que foi o local de pagamento do imposto imediatamente antes de seu status de residente ser classificado em algum dos itens de 1 a 5. Local que o(a) Sr.(a.) selecionou Locais que pertençam à jurisdição territorial do Departamento de Impostos de Kojimachi 5

8 1-7 MECANISMO DO IMPOSTO DE RENDA No caso de haver a necessidade de fazer o pagamento do imposto de um tipo de renda, o cálculo será realizado na seguinte forma: 1Valor da renda líquida 2Valor da renda líquida 3Valor da Renda Líquida tributável 4Valor de contribuição do imposto declarado Valor da renda bruta Valor a ser reduzido do valor da renda bruta Valor a ser reduzido da renda líquida Percentual do Imposto Valor a ser reduzido do Imposto Multiplica-se o Percentual do Imposto que se aplica no valor de renda a ser tributado Em primeiro lugar, obter o 1 Valor da Renda Líquida, subtraindo o Valor a ser reduzido da renda do Valor da Renda Bruta. Em seguida, obter o 2 Valor da renda sujeita à tributação do imposto, subtraindo o Valor a ser reduzido da renda líquida e obter o 3 Valor do Imposto de Renda, multiplicando o percentual do imposto ao Valor da Renda a ser tributado. Por último, procurar o Valor do Imposto de Renda subtraindo o Valor a ser reduzido do imposto do 4Valor do Imposto de Renda Líquida. (Nota 1) Valor da renda bruta se refere aos seguintes. No caso do comerciante, são valores da renda bruta proveniente da venda de mercadorias, renda diversas, etc.. No caso do locatário de imóveis, são os valores das rendas bruta proveniente do aluguel, locação de terreno, etc.. No caso de assalariado, valor da renda bruta proveniente do salário, etc.. Valor integral, etc., proveniente do pagamento em base ao contrato com o Seguro de Vida e outros. (Nota 2) Valor a ser reduzido da renda bruta se refere aos seguintes. Gastos administrativos (no caso de atividades comerciais, etc.). Dedução do Imposto de Renda proveniente do salário. Prêmio ou taxa, etc., são deduzido do valor integral proveniente do pagamento efetuado pelos seguros. (Nota 3) Valor a ser reduzido do valor da renda líquida (Ver referências sobre o Valor a ser reduzido do valor da renda líquida estipulados nas páginas 8 e 35.) (Nota 4) Percentual do Imposto Estão classificados em 6 categorias desde 5% até 40%, de acordo com a renda líquida. (Nota 5) Valor a ser reduzido do Imposto (Ver as referências sobre o 1-10 Valor a ser reduzido do Imposto, estipulado na página 8 e sobre o 3-4 Cálculo do valor do Imposto, estipulado na página 48.) 6

9 1-8 TIPOS DE RENDA E OS MÉTODOS DE TRIBUTAÇÃO Tipos Resumo Tributação Negócios (Vendas, etc. e Agricultura) Renda proveniente de atividades comerciais, industriais, pesqueiras, de negócio próprio da profissão autônoma, etc. Rendas provenientes de cessão de ações e transações futuras de mercadorias realizadas a escala de negócio empresarial. Taxação Geral Declaração de imposição separada Renda de Imóveis Renda proveniente de locação de imóveis, navios, aviões, etc.. Taxação Geral Taxação separada Renda proveniente de juros sobre apólices públicas e de depósitos em bancos, etc.. Renda de Juros na fonte de renda Renda proveniente de juros do dinheiro depositado em bancos do Exterior. Taxação Geral Renda derivada de dividendos de pessoas jurídicas, de distribuição de lucros dos títulos públicos de fideicomisso de investimentos, etc.. (Se exclui as rendas optadas a Taxação por Declaração Taxação Geral separada.) Renda de Dividendos Na renda optada a Taxação por Declaração separada derivadas de distribuição de dividendo dos bônus das sociedades anônimas, dos títulos de fideicomisso de investimento que incide o direito de obtenção de lucros, etc., Renda derivada de distribuição de dividendos, etc., do fideicomisso de objetivo específico que incide o direito de obtenção de lucros dos bônus das sociedades anônimas. Declaração de imposição separada Taxação separada na fonte de renda Renda dos Salários Rendas provenientes de salários, honorários, remunerações, gratificações semestrais, remuneração aos representantes da Câmara, etc. Taxação Geral Renda Diversa Pensões Públicas, etc. Outros Renda de Cessão Renda Extraordinária Renda de Atividades Florestais Renda de Aposentadoria Renda proveniente da Pensão Nacional, da Previdência Social, de Pensão de Ajuda Mútua dos funcionários públicos, Aposentadoria Nacional, etc. Renda proveniente de remunerações por trabalhos escritos, conferências, pensão do Seguro de Vida, etc., que não se enquadram nos outros tipos de renda. Renda proveniente de cessão de ações que se realiza como negócio (exclui em escala empresarial ou renda proveniente de transações futuras. Dentre a renda derivada do lucro de resgate de bônus e obrigações os lucros de resgate dos determinados bônus de desconto. Renda obtida através de cessão de apólice de clubes de golfe, barras de ouro, maquinarias, etc. Renda proveniente de cessão de terreno, prédio, locação do direito do terreno e ações. *Sobre a renda de cessão de ações, exclui-se o que se considera renda de negócio ou rendas diversas. Renda extraordinária do beneficiamento do contrato com o Seguro de Vida, renda proveniente de prêmios, prêmio de sorteios, etc. Determinada renda proveniente do pagamento integral do seguro de idosos ou dos seguros de danos, dos seguros, da ajuda mútua, etc., com o período de segurado de 5 anos ou menos. Renda proveniente de devastação (Plantas) e cessão de árvores. Renda proveniente de aposentadoria, do pagamento integral de Aposentadoria Nacional e pagamento integral do subsídio aos idosos da Lei do Plano de Pensão da Empresa para o Benefício Definitivo ou Plano de Pensão da Contribuição Definitiva. (Nota) Na renda de dividendos existe o sistema que se necessita evidenciar na Declaração Definitiva. (Ver referência na página 34) Taxação Geral Declaração de imposição separada Taxação separada na fonte de renda Taxação Geral Declaração de imposição separada Taxação Geral Taxação separada na fonte de renda Declaração de imposição separada Declaração de imposição separada (Nota 1) Sogo Kazei (Taxação Geral): Imposto Geral É o sistema de calcular o Imposto de Renda somando as outras rendas através de Declaração Definitiva. (Nota 2) Declaração separada: (Shinkoku Bunri): Declaração de Imposição Seprada É o sistema de calcular o Imposto de Renda separando com as outras rendas através de Declaração Definitiva. (Nota 3) Taxação separada na fonte de renda (Gensen Bunri): Imposição separada da Fonte de Renda É o sistema que conclui a contribuição total, sendo um determinado valor retido na fonte de renda que se recebe, independentemente de outras rendas. Além da renda indicada na coluna Resumo da tabela, a renda que deriva do investimento de dinheiro (poupança) da conta de banco, etc. também está sujeita à Taxação retida por separado na fonte de renda. 7

10 1-9 VALOR A SER REDUZIDO DA RENDA (Dedução da Renda) Tipos Dedução de Perdas Diversas Dedução de Despesas Médicas Dedução do Prêmio do Seguro Social Dedução do Prêmio de Ajuda Mútua de Pequenas Empresas, etc. Dedução do Prêmio do Seguro de Vida Dedução de Prêmios de Seguro contra Terremoto Dedução de Doações Dedução de Viúva ou Viúvo Dedução de Estudante Trabalhador Dedução de Deficientes Dedução de Cônjuge Dedução Especial de Cônjuge Dedução de Dependentes Exemplos dos casos que poderá ter a possibilidade de dedução No caso de sofrer prejuízo relativo à moradia e aos móveis, devido a desastres, roubo ou fraude. Se o pagamento do valor da despesa médica, durante o período de um ano, for maior ao valor determinado. Caso seja feito o pagamento dos prêmios (Imposto) do Seguro Nacional de Saúde, da Pensão Nacional, do Tratamento Médico de Idade Avançada (Tratamento Médico das pessoas com mais de 75 anos de idade) e do Seguro de Enfermagem. Caso sejam feitos os pagamentos do prêmio relacionado ao contrato com o Fundo Mútuo de Ajuda baseado na Lei de Ajuda Mútua de Pequenas Empresas, do prêmio do Seguro Corportativo de Pensão e Seguro Individual de Pensão baseados na Lei do Plano de Pensão Definida e do prêmio do Sistema do Fundo Mútuo de Ajuda aos Deficientes Físicos e Mentais. Caso seja feito o pagamento relacionado aos prêmios do Seguro de Vida novo (anterior), Seguro de Assistência Médica aos Idosos e do Seguro Individual de Pensão novo (anterior). Caso seja feito o pagamento dos prêmios do Seguro Contra Terremoto e do (derrogado) de Prejuízo de Longo Prazo. Caso tenha feito doações ao País (Japão), a instituições públicas regionais ou determinada contribuição para atividades políticas. No caso de ser viúva ou viúvo. No caso do estudante que trabalha. No caso da própria pessoa, do cônjuge ou dependentes familiares ser qualificado como pessoa deficiente. No caso tenha cônjuges que corresponde à dedução. Dedução Básica Dedução Básica é de No caso do valor da renda líquida total da pessoa ser ou inferior e o valor da renda líquida total da/do cônjuge ser superior a ou menor que Quando tiver dependentes familiares que correspondam à dedução Valor a ser reduzido do Imposto (Principais valores de dedução do Imposto, etc.) Tipos Dedução de Dividendos (Reforma de ampliação específica) Dedução Especial de Empréstimo para Aquisição de Moradia Dedução para Contribuições a Partidos Políticos, etc.. Dedução Especial de Doação às organizações autorizadas de pessoa jurídica sem fins lucrativos (NPOs) entre outras. Dedução Especial de Doação às associações de interesse público (pessoa jurídica) Dedução Especial de Doação Designada no caso dos Específicos Desastres de Terremotos Dedução Especial de Reforma de Prova a Terremotos da Moradia Dedução Especial de Reforma Específico da Moradia Dedução Especial para Nova Moradia Atestada Excelente e Longa Durabilidade Dedução Especial dos Certificados Eletrônicos Dedução do Valor do Imposto pago no Exterior Exemplos dos casos que poderá ter a possibilidade de dedução No caso de receber dividendos. (Exclui-se as optiadas por declaração de taxação por separado, etc..) Através do Empréstimo para Aquisição de Moradia, etc., ao realizar aquisição ou construção de uma nova casa, ampliação, reforma, obra de arquitetura sem barreiras e reformas para economizar a energia na construção que se usa como moradia. No caso de haver incluído dentro do valor da doação, os donativos a outros partidos políticos e instituições de fundo político, além do partido designado. Quando houver despesas de doações às organizações autorizadas de pessoa jurídica sem fins lucrativos (NPOs) entre outras. Quando houver despesas de doações a determinadas associações de interesse público ou a fundações de interesse público, corporações escolares, associações de previdência social ou corporações de regeneração e amparo. Quando houver despesas de doações a determinadas organizações autorizadas de pessoa jurídica sem fins lucrativos (NPOs) entre outras ou à Central do Fundo da Comunidade da Associação de Previdência Social do Japão. Quando fizer a reforma prova a terremotos da moradia. Ao realizar a obra de arquitetura sem barreiras e reforma para economizar a energia da moradia. Construção ou Aquisição de uma nova moradia com Atestado de Excelente e Longa Durabilidade. No caso de apresentar a Declaração Definitiva até o dia 15 de março de 2013 através do e-tax com a própria Assinatura Eletrônica ou anexando o Certificado relacionado à Assinatura Eletrônica (Ao assalariado que já recebeu esta dedução na declaração do ajuste final do ano referente a qualquer um dos anos entre 2007 e 2011, não será aplicada a dedução novamente.) No caso tiver pago o Imposto de Renda do Exterior durante o ano Valor do Imposto Recolhido na Fonte No caso do valor do Imposto de Renda tiver sido descontado do salário ou da pensão. 8

11 1-11 QUEM DEVE FAZER A APRESENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DEFINITIVA A pessoa que corresponder a uma das cláusulas da tabela é requisitada a fazer apresentação da Declaração Definitiva. Portanto, confirme cuidadosamente as seguintes cláusulas da tabela do ano 2012, que dão especificações de acordo com a classificação residencial Residente 1. Contribuintes assalariados O(A) Sr.(a.) é requisitado a apresentar a Declaração Definitiva de Renda nos seguintes casos: (1) Pessoa cujo valor da renda salarial do ano 2012 supera (2) Tiver obtido o salário (excluem as rendas proveniente do salário e aposentadoria) de uma só fonte, e o seu montante total de vários tipos de renda, exceda a (3) Obtenha renda proveniente do salário, etc., através de duas ou mais fontes, e que não houver efetuado a retenção do imposto na fonte de renda proveniente do salário ou o ajuste final e o montante total de vários tipos de renda (exceto renda proveniente do salário ou da aposentadoria), tiver excedido Porém, não é necessário apresentar a Declaração Definitiva de Renda se: l. renda total proveniente do salário sujeita à retenção de imposto na fonte, não tiver excedido , mais o total da (a) dedução de prêmios de seguro social, (b) dedução de prêmios de fundo mútuo de ajuda às pequenas empresas, (c) dedução de prêmios de seguro de vida, (d) dedução de prêmios de seguro contra acidentes, (e) dedução para pessoas fisicamente inválidas, idosas, viúvas ou estudantes trabalhadores, (f) dedução para cônjuge, (g) dedução especial para cônjuge, e (h) dedução para dependentes; e se: 2. o montante total de vários tipos de renda (exceto renda proveniente do salário ou da aposentadoria), for ou menos. (4) Funcionários, ajudantes de afazeres domésticos, etc., que trabalham em embaixadas ou consulados de algum país estabelecidos no Japão, trabalhadores dos quais não é descontado o Imposto da Fonte de Renda. (5) O(A) Sr.(a.) receber renda proveniente do salário no Exterior. (6) O(A) Sr.(a.) é diretor(a) de uma companhia familiar, ou um membro da família desse(a) diretor(a), e receber, além do salário as seguintes remunerações: (a) juros sobre empréstimos, aluguel de lojas, escritórios, fábricas ou outros imóveis, ou (b) taxas de locação de máquinas, ferramentas, etc., da dita companhia. (7) Pessoa que obteve deferimento de postergação do prazo de pagamento do imposto retido na fonte de renda do ano fiscal 2012 ou recebeu a devolução do imposto tributado de acordo com o regulamento da Lei Relativa a Reduções, Isenções, Deferimento de Postergação, etc. da Arrecadação de Impostos de Vítimas de Desastres. Nota. Mesmo que o seu caso corresponda a um dos itens acima mencionados, não é necessário apresentar a Declaração Definitiva de Renda, no caso do valor total de rendas diversas, após ser reduzido o valor do imposto calculado com base no valor total da dedução básica e outras deduções, e quando resultarem inferiores ao total do valor de dedução de dividendos e do valor de dedução especial de Empréstimo para para aqusição de moradia (Reforma de ampliação específica), calculado na ocasião do ajuste do final do ano. 2. Rendas diversas provenientes somente das pensões públicas, etc. É necessário apresentar a Declaração Definitiva, quando a pessoa que tiver saldo ao subtrair a dedução de renda do valor de renda diversas relacionado à pensão pública, etc. * Quando o valor da renda diversa relacionado à pensão pública for ou menos, não será necessário apresentar a Declaração Definitiva do Imposto sobre a renda. 3. Renda proveniente de aposentadoria Quando tiver algum valor da compensação de aposentadoria ou outras rendas recebidas de empresas estrangeiras que o imposto não foi retido na fonte, essa pessoa é requisitada a apresentar a Declaração Definitiva. * Em relação ao imposto de renda da renda proveniente da compensação de aposentadoria, geralmente paga-se apenas o valor do imposto retido na fonte de renda que o pagador desconta no pagamento do valor da compensação de aposentadoria sendo desnecessário fazer a declaração dessa renda. Referência nos itens 1 ou Recebedor cuja Renda não seja Proveniente de Salário O(A) Sr.(a.) é requisitado a apresentar a Declaração Definitiva de Renda no caso abaixo indicado: Quando o valor do imposto calculado em base no valor total da dedução básica e outras deduções na fonte de renda, subtraído do valor total de várias fontes de rendas, for superior à soma do valor de dedução de dividendo, da dedução especial e dedução de imposto proporcional. A pessoa é requisitada a apresentar a Declaração Definitiva nos seguintes casos. No caso do não-residente obter renda sujeita à contribuição do Imposto Geral. Não-residente Mesmo que corresponda a um dos itens acima mencionados, não é necessário apresentar a Declaração Definitiva de Renda, se o valor do imposto calculado em base no valor total da dedução básica, deduções por perda várias e dedução do valor de doação, subtraído do valor total de várias fontes de rendas, for menor que a soma do valor de dedução de dividendo e da dedução de imposto proporcional. 9

12 (Referência 1) Fonte de Renda de não-residente proveniente de fontes no Japão sujeita à taxação do Imposto Geral Fonte de Renda dos não-residentes proveniente de fontes no Japão sujeita à taxação do Imposto Geral de acordo com a classificação do não-residentes, estão descritas abaixo. (1) Um não-residente que tenha um estabelecimento permanente para negócios, como uma filial, escritório ou fábrica no Japão: Toda a renda proveniente de fontes no Japão. (De acordo com as cláusulas dos tratados de tributação, o alcance da taxação agregada deve limitar-se à renda atribuível a filiais, etc.) (2) Um não-residente que empreenda projetos de construção no Japão por mais de um ano (este período varia de acordo com as cláusulas dos tratados de tributação), ou um não-residente que tenha agentes de negócios específicos, etc., no Japão: a. Rendas correspondentes aos itens 1 a 5 RENDAS PROVENIENTES DE FONTES NO JAPÃO da página 9. b. Renda proveniente de fontes no Japão que correspondem aos itens 6 a 14 da página 9 que não seja aqueles que pertencem às atividades comerciais realizadas no Japão, associadas a projetos de construção, instalação, ou montagem, ou atividades comerciais realizadas através de certos agentes (3) Um não-residente que não seja classificado como um daqueles das sub-secções (1) e (2) da Nota acima: a. Com renda definida nas sub-secções 1 e 1-2 da secção RENDAS PROVENIENTES DE FONTES NO JAPÃO da página 9. 1 Renda derivada da administração ou posse de bens situados no Japão; 2 Renda derivada da venda de bens imóveis, direitos estabelecidos pelos direitos de mineração nas propriedades, ou direitos de extração e lavra de pedras naturais em território japonês; 3 Renda derivada do corte ou venda de produtos florestais do Japão; 4 Renda derivada da venda a si mesmo de ações, etc. de uma corporação doméstica para tomar vantagem na posição de um acionista líder, após a compra escondida de ações particulares, etc.; 5 Renda derivada da venda de direitos de uso das instalações de clubes de golfe situados no Japão, e a renda das ações similares a tais direitos; 6 Renda derivada da venda de bens situados no Japão durante sua permanência no Japão; 7 Renda descrita na seguinte Nota l da Referência 2. b. Categorias de renda descrita na sub-secção 4 ou 5 da secção RENDAS PROVENIENTES DE FONTES NO JAPÃO. (Referência 2) RENDAS PROVENIENTES DE FONTES NO JAPÃO As seguintes rendas são consideradas Rendas Provenientes de Fontes no Japão: 1. Renda proveniente de negócios conduzidos no Japão ou da administração, posse ou alienação de bens situados no Japão, e a renda descrita na Nota l (excluindo-se a renda que seja classificada nas sub-secções de 2 a 14 abaixo). (Veja Nota l.) 2. As distribuições do lucro auferido no Japão, através de empreendimentos realizados em base nos contratos com corporações, são consideradas Rendas Provenientes de Fontes no Japão. (Veja Nota 2.) 3. Renda proveniente da venda ou alienação de terras e construções no Japão, etc. (terras; direitos de habitar as terras; construções; instalações anexadas às construções; e estruturas)(veja Nota 3.) 4. Renda recebida como compensação das seguintes atividades comerciais, que consistem em serviços particulares prestados no Japão: (1) Artistas ou atletas profissionais, (2) Serviços oferecidos por advogados, contadores, arquitetos, ou outros profissionais, (3) Serviços oferecidos por pessoas que tenham especialização científica, técnica, ou administrativa. (A renda proveniente destes serviços circunstanciais às principais atividades comerciais do empreendimento em questão deve ser incluída na renda proveniente de negócios conduzidos no Japão mencionada no parágrafo l acima. Tais serviços circunstanciais incluem a venda de maquinaria ou equipamento, supervisão de projetos de construção, instalação ou montagem.) 5. Aluguel ou outras compensações pelo uso ou arrendamento de propriedades imóveis (incluindo os seus direitos ou o seu estabelecimento) situadas no Japão, e aluguel de embarcações ou aeronaves cujo arrendatário é um residente japonês ou uma corporação doméstica. 6. Dividendos de lucros dos juros provenientes de operação e investimentos em apólices emitidas pelo governo nacional, regional do Japão, dentre os juros das apólices das empresas estrangeiras que são atribuídos aos empreendimentos realizados no Japão, de poupança e depósitos aplicados em entidades situadas no Japão, de fideicomisso operados em conjunto depositados em entidades situadas no Japão, de fideicomisso de investimentos em apólices públicas e das corporações ou das apólices públicas e de empresas emitidas publicamente. 7. Rendas provenientes de superávit de dividendos, de dividendos de lucros, distribuição de superávit das corporações domésticas, de juros de fundos, de fideicomisso de investimento consignado aos estabelecimentos do país (exclui os que correspondem ao item 6.), distribuição de lucros de fideicomisso com objetivo específico, distribuição de lucros de fideicomisso com objetivo específico do Exterior ou distribuição de lucros de fideicomisso com objetivo de investimento do Exterior. 8. Juros sobre empréstimos, desde que aquele que tome emprestado utilize o lucro para conduzir negócios no Japão. (Veja Nota 4.) 9. Honorários pelo uso, ou prerrogativa de uso dos direitos de propriedade industrial (incluindo-se know-how), direitos autorais (incluindo-se publicações e direitos co-autorais, etc.); taxas de aluguel de equipamentos e lucros pela venda de direitos de propriedade industrial ou autorais, quando tais propriedades são usadas para conduzir negócios no Japão. 10. Salários, retribuições, ou outras remunerações recebidas por emprego ou por outros serviços particulares prestados no Japão (Veja Nota 5); pensões, subsídios por aposentadoria derivados de serviços particulares prestados durante o período de contribuinte residente (Veja Nota 6). 11. Premiações recebidas em conexão com propaganda de negócios conduzidos no Japão 12. Pensões vindas de contratos de seguro de vida ou outros contratos similares firmados através de entidades situadas no Japão. (As pensões governamentais estão incluídas em 10acima) 13. Compensações por benefícios, juros, rendas ou distribuições pagos em conjunção a prestações de poupanças de prazo determinado, prestações de poupanças mútuas, apólices hipotecárias de compra cumulativa de ouro, depósitos a prazo em moeda estrangeira, seguro de vida misto de pagamento integral e outros produtos financeiros similares oferecidos por entidades situadas no Japão. 14. Distribuição de lucros resultantes de associações realizadas secretamente e outros acordos contratuais análogos cujo propósito seja o de contribuição de capital para negócios operados no Japão. Nota 1. O seguinte é considerado como Renda Proveniente de Fontes no Japão. (1) Benefícios de seguros, compensações por danos tidos em conjunção a negócios conduzidos no Japão ou a bens situados no Japão. (2) Doações de bens situados no Japão (excluindo-se aqueles recebidos de particulares). (3) Renda proveniente da descoberta de bens enterrados ou da recuperação de artigos perdidos no Japão. 10

13 (4) Premiações recebidas em concursos realizados no Japão. (5) Renda ocasional derivada de atividades realizadas no Japão. (6) Benefícios econômicos recebidos em conjunção a negócios conduzidos no Japão ou a bens situados no Japão. Nota 2. Neste caso, os contratos com corporações são os seguintes: (1) Contratos com corporações de responsabilidade limitada nos empreendimentos de investimentos regulamentados no Item 1 do Artigo 3 da Lei relacionada ao Contrato com Corporações de Responsabilidade Limitada nos Empreendimentos de Investimentos. (2) Contratos com corporações de responsabilidade limitada nos empreendimentos regulamentados no Item 1 do Artigo 3 da Lei relacionada ao Contrato com Corporações de Responsabilidade Limitada nos Empreendimentos. (3) Contratos concluídos no Exterior correspondente aos itens (1) a (2) e outros contratos sindicais estabelecidos no Item 1 do Código Civil 667. Nota 3. A renda de ou menos recebida de uma pessoa física (um particular) que utiliza a correspondente propriedade, etc., adquirida para o seu próprio uso ou como residência da família, será excluindo do item 3 por considerar-se fonte de renda obtida no Japão sujeita a retenção de imposto, determinado no item do 1. Nota 4. Juros sobre faturas de despachos marítimos, faturas de importação bancária, pagáveis dentro de seis meses a partir da data de emissão, devem ser incluídos na renda derivada de negócios conduzidos no Japão da sub-secção l acima. Nota 5. Os serviços prestados como diretor de uma corporação doméstica e os serviços prestados a bordo de uma embarcação ou aeronave operados por um residente ou corporação doméstica, são considerados como realizados no Japão, independente de onde foram prestados de fato. Nota 6. Salários, recompensas, e outras remunerações por serviços particulares prestados no Japão são considerados como renda proveniente de fontes no Japão, mesmo que não tenham sido pagos no Japão. Nota 7. As rendas definidas nas sub-secções de 1-2 a 14 acima são, em regra, sujeitas à retenção na fonte do imposto de renda. 11

14 1-12 Ao fazer a Declaração Definitiva, receberá a devolução de Imposto Mesmo a pessoa que não tenha necessidade de apresentar a Declaração Definitiva de Renda, se fizer, porém, o pagamento em excesso do imposto retido na fonte ou imposto pré-pago, poderá receber a devolução através de apresentação da declaração (Declaração para Restituição). A Declaração para Restituição do imposto pode ser apresentada mesmo antes de 15 de Fevereiro. Pedimos principalmente às seguintes pessoas para verificar se não pagaram demais: 1. Pessoas com pequeno montante de outras rendas do ano fiscal 2012, que receberam dividendos ou remuneração por manuscritos, sujeitas à taxação agregada. 2. Pessoas com renda proveniente de salário, que podem reivindicar deduções por perdas variadas, despesas médicas, dedução de doações, dedução especial de empréstimo para aqusição de moradia (exceto no caso de receber a dedução no ajuste do final do ano), dedução especial de doação aos partidos político, reforma anti-sísmica da residência, dedução especial de reforma específica da residência, dedução especial para uma casa nova atestada excelente e longa durabilidade e similares. 3. Pessoas que só tiveram renda diversa referente à pensão pública e outros, e que podem receber dedução de despesas médicas e dedução do prêmio de seguro social. 4. Pessoas com renda proveniente de salário, que não estão requisitadas a fazer o ajuste do final do ano devido ao fato de haverem terminado o emprego antes do final de 2012, e não terem sido re-empregadas durante o período restante do mesmo ano. 5. Pessoa que recebeu a compensação de aposentadoria e que corresponde a um dos seguintes itens abaixo: (1) Excluindo a renda de aposentadoria, a pessoa que pode sofrer déficit ao ser subtraída a dedução do Imposto de Renda do valor total de diversas rendas. (2) Pessoa que teve que pagar 20% como imposto de renda, e este valor do imposto retido na fonte renda excedeu a taxa oficial, por não ter sido apresentada a Declaração referente ao recebimento da compensação de aposentadoria, na ocasião de receber o pagamento. (Nota 2) 6. Pessoas que pagam o seu imposto previamente e que não tenham necessidade de apresentar a Declaração Definitiva de Renda. Nota 1. Mesmo recebendo renda proveniente de salário, e sendo isento de apresentar a Declaração Definitiva de Renda devido ao fato do montante total de vários tipos de renda, que não seja a proveniente de salário e aposentadoria, ser equivalente ou inferior a , deve-se relatar o dito montante quando apresentar a Declaração Definitiva de Renda para a devolução. No caso da pessoa que, mesmo que seja isenta de apresentar a Declaração Definitiva de Renda, tiver renda de valor equivalente ou inferior a proveniente de pensão pública e no caso do total de vários tipos de renda além de aposentadoria ser equivalente ou inferior a , se a pessoa desejar receber a devolução, deverá apresentar a Declaração Definitiva do Imposto Renda. Nota 2. Faz-se o cálculo de renda da compensação de aposentadoria na seguinte forma: (Valor da renda valor dedutível na renda da Compensação de Aposentadoria) 0,5 Faz-se cálculo de dedução do Imposto de renda do valor da compensação de aposentadoria do trabalho na seguinte forma: Quando os anos de trabalho consecutivo forem: i) No caso de 20 anos de trabalho ou menos x anos consecutivos de trabalho ( , quando for inferior a ) ii) No caso de exceder 20 anos de trabalho x anos consecutivos de trabalho Quando a pessoa se aposentar por motivo de deficiência, será adicionado o valor de ao valor calculado no item i) ou ii). 12

15 1-13 PRINCIPAIS ITENS DAS EMENDAS APLICADAS A PARTIR DA RETENÇÃO DO IMPOSTO DO ANO A dedução do prêmio do Seguro de Vida foi revisada como a seguir. 1 Para os prêmios de seguro a serem dedutíveis como prêmios do Seguros de Vida, foi adicionado o prêmio do Seguro de Assistência Médica aos Idosos (valor da dedução: 40 mil no máximo) baseando-se no contrato de seguro celebrado a partir de 1º de janeiro de A soma do valor da dedução dos prêmios no que diz respeito a seguintes casos foi revisado, passando a ser \ no máximo (antes da revisão:\ ): os prêmios do Seguro de Vida novo, Seguro de Assistência Médica aos Idosos, Seguro de Pensão Privado novo(dedução de até 40 mil cada) cujos contratos foram celebrados depois de 1º de janeiro de 2012, e os prêmios do Seguro de Vida anterior, Seguro de Pensão Privado anterior (dedução de até 50 mil cada) cujos contratos foram celebrados antes do dia 31 de dezembro de Para a dedução especial por aquisição de moradia, foi adicionada como caso especial, as moradias recém-construídas ou moradias que não tenham sido utilizadas depois de contruídas as quais tenham a certificação de moradia de baixo carbono para uso residencial. (Certificação de moradia de baixo carbono refere-se a uma determinada moradia dentre as habitações de uso residencial que se enquadra na construção de baixo carbono prescrito na Lei sobre Promoção de Baixo Carbono nas cidades a serem utilizadas para uso residencial. Assim por diante.) *Esta revisão será aplicada caso tenha começado a residir na moradia de baixo carbono após a entrada em vigor da Lei sobre Promoção de Baixo Carbono nas cidades. 3. Sobre a dedução especial para nova moradia atestada excelente e longa durabilidade, além do limite de dedução do valor tributado ter sido reduzido para 500 mil (antes da revisão: 1 milhão de no máximo), o seu prazo foi prorrogado para 2 anos, até 31 de dezembro de No âmbito da dedução das despesas médicas, foi adicionada a parte a ser paga pela própria pessoa relativa às despesas provenientes de serviços realizados pelo assistente de cuidados pessoais como sucção do catarro, etc. e atos específicos realizados pelo trabalhador autorizado (equipe de cuidados aos idosos que recebeu um determinado treinamento). 5. Quanto à dedução por doação ou dedução especial por doação às organizações sem fins lucrativos (NPO) certificadas, são tratadas como caso especial, as doações realizadas dentro da validade da certificação ou certificação provisória para as organizações sem fins lucrativos (NPO), etc. certificadas pelo prefeito municipal ou governador da província de acordo com o novo sistema de certificação. 6. Para a dedução do Prêmio de Ajuda Mútua de Pequenas Empresas, etc., foi adicionado o prêmio do Seguro Corporativo de Pensão de acordo com a Lei do Plano de Pensão Definida. (*) Para mais informações, consulte o site do Ministério da Receita Nacional ou informe-se na Repartição de Impostos. No site da Receita Nacional encontram-se disponível o Resumo da Revisão do Imposto de Renda de 2012 e outros manuais de instrução. 13

16 1-14 SOBRE O PAGAMENTO DO IMPOSTO O prazo de pagamento do Imposto de Renda por Declaração Definitiva de Renda é dia 15 de março de 2013 (sexta-feira), sendo o mesmo prazo para a Declaração Definitiva. Efetue o pagamento do Imposto no órgão financeiro (Agência de Receita Nacional do Banco do Japão) mais próximo ou no Escritório da Receita de sua jurisdição até o vencimento, anexando o dinheiro ao boleto de pagamento. O boleto de pagamento encontra-se à disposição no órgão financeiro mais próximo ou no Escritório da Receita. Caso o boleto de pagamento não esteja disponível no órgão financeiro, entre em contato com o Escritório da Receita de sua jurisdição. Sugerimos à pessoa que optar pelo sistema de pagamento por débito automático, deixar o saldo suficiente do valor do imposto até o dia anterior do pagamento. O sistema de débito automático apenas confirma o saldo da sua conta bancária e não há necessidade de ir às instituições financeiras nem à Repartição de Imposto. É um sistema simples e conveniente para efetuar o pagamento do imposto, pelo qual o valor é debitado automaticamente da sua conta bancária. Para solicitar o pagamento do Imposto por débito automático, preencha o formulário Solicitação de pagamento do imposto por débito automático e de alteração, na página 64 e apresente à Repartição de Imposto (fisco) da sua jurisdição ou à instituição financeira até o dia 15 de março (sexta-feira) de Por favor, tome cuidado para não atrasar o pagamento. Após o vencimento, será adicionado o juro de mora (imposto) ao imposto principal, contando a partir do dia seguinte ao do vencimento até a data do pagamento. Mesmo no caso de pagamento por débito automático, se a pessoa não efetuar o pagamento por falta de saldo, também terá que pagar o juro de mora (imposto) a partir do dia seguinte ao do vencimento até o dia em que for efetuado o pagamento. Caso haver impossibilidade do imposto ser debitado da conta, deve-se efetuar o pagamento do imposto principal e do juro de mora (imposto) diretamente na instituição financeira mais próxima ou na Repartição de Imposto (fisco) da sua jurisdição. Para maiores informações sobre o imposto por atraso, leia a página 2. A data do débito automático (3a. parcela) da parte da Declaração Definitiva do imposto de renda referente ao ano 2012, será no dia 22 de abril de 2013 (segunda-feira) 1-15 POSTERGAÇÃO DO PAGAMENTO DE IMPOSTO Se pagar o valor superior à metade do imposto a pagar na Declaração Definitiva de Renda, até o dia 15 de março de 2013 (sexta-feira), [aos que optarem pelo débito automático, deve-se fazer o pagamento do imposto no dia 22 de abril de 2013 (segunda-feira)], poderá pagar o restante até o dia 31 de maio do mesmo ano (sexta-feira). Se desejar a postergação do pagamento, deve-se preencher os dados necessários no quadro 延 納 の 届 出 Declaração de postergação do pagamento do formulário N 1 (Ver referência na página 57). Durante o período de postergação, o valor do imposto será sujeito ao pagamento junto com juro de mora. Para maiores informações sobre o juro de mora, leia a página QUANDO OCORRER ERRO NA DECLARAÇÃO Quando tiver erro no valor do imposto declarado, faça a correção do conteúdo declarado na seguinte forma. Quando o valor tributado for menor que o valor real. Quando o valor tributado for maior que o valor real. Forma de corrigir Corrige-se ao valor correto apresentado a Declaração de Revisão (*1) Faz-se a Solicitação de Alteração e Correção e é requisitada a correção ao valor correto. (*2) *1 No caso de não fazer a correção da declaração do valor errado por própria iniciativa, o Diretor da Repartição de Impostos corrigirá, colocando o valor correto. *2 O prazo para solicitar a alteração e correção, em princípio, é de 5 anos a contar do limite do prazo para a declaração legal de imposto. No entanto, é preciso ficar atento para o imposto de renda cujo limite do prazo para a declaração legal chega antes de 2 de dezembro de 2011, pois o período que se pode fazer a solicitação de alteração e correção é dentro de 1 ano a contar do limite de prazo para a declaração legal. Além disso, mesmo que tenha passado 1 ano depois do prazo para a declaração legal de imposto, se estiver dentro do prazo (3 anos) que possibilita fazer a solicitação de alteração e correção para aumento do valor, poderá apresentar o Formulário de Solicitação de Alteração e Correção e pedir para fazer a correção para um valor correto (alteração e correção para redução do valor) em relação à declaração já efetuada. Quando for reconhecido de que o conteúdo da solicitação é justo, o imposto pago a mais será reembolsado. Para mais detalhes, consulte o site do Ministério da Receita Nacional ou entre em contato com a Repartição de Impostos mais próxima. 14

17 Se esquecer de apresentar a declaração dentro do prazo determinado, apresente-a o mais antes possível. E, mesmo tendo a obrigação de fazer a declaração, se não for apresentada a Declaração Definitiva, o Diretor da Repartição de Impostos decidirá os valores da renda e do imposto. Quando o Diretor da Repartição de Impostos fizer o reajuste, decidindo o valor do imposto, ou quando a declaração for apresentada excedendo o prazo limite, deve-se tomar cuidado porque, além da possibilidade de ser tributado um novo imposto adicional, deve-se fazer junto o pagamento do juro de mora (imposto) a partir do dia seguinte ao do prazo determinado por lei até o dia em que for efetuado o pagamento. 15

18 1-17 SOBRE AS OBRIGAÇÕES DO PAGAMENTO DO IMPOSTO DE CONSUMO E A APRESENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO 1. Empresário que teve venda tributavel superior a no ano 2012 Em relação ao empresário que teve venda (venda tributável) superior a no ano 2012, a sua empresa, no ano 2014 será considerada empresa que se compromete a contribuir com o Imposto de Consumo. Os novos empresários sujeitos à tributação devem apresentar imediatamente a Declaração de Empresa sujeita à Tributação (para período base) a Repartição de Impostos de sua jurisdição residencial entre outras. Como norma, o valor do Imposto de Consumo, se calcula deduzindo do Imposto de Consumo tributado no valor de aquisição o valor do Imposto de Consumo tributado no valor da venda. Não obstante, a empresa que teve a venda tributável de ou menos no ano antepassado, pode optar pelo Sistema Simples de Tributo, que permite calcular o valor do Imposto a pagar a partir do valor do Imposto de Consumo da venda tributável, sem a necessidade de fazer o cálculo do Imposto de Consumo da venda real tributável. Além disso, a empresa que planeja fazer a declaração pelo Sistema Simples de Tributo a partir do ano 2014, deve fazer a apresentação da Declaração de Opção pelo Sistema Simples de Tributo do Imposto de Consumo à Repartição de Impostos da sua jurisdição residencial entre outras, até o dia 31 de dezembro de O contribuinte cuja venda tributável ultrapasse no período especial (entre 1º de janeiro e 30 de junho de 2012) entra na categoria de contribuinte tributável do imposto de consumo (ou seja, empresa que se compromete a contribuir com o Imposto de Consumo) referente a 2013, mesmo que a venda tributável referente a 2011, que é o período base do ano referente a 2013, seja inferior a Além disso, é possível também determinar pela soma do valor do salário em vez da venda tributável. Se tornar contribuinte tributável (ou seja, empresa que se compromete a contribuir com o Imposto de Consumo) de acordo com a determinação acima mencionada, deve apresentar, o mais rápido possível, a Declaração de Empresa sujeita à Tributação (para período específico) ao chefe da Repartição de Impostos da sua jurisdição residencial. 2. Empresário que teve venda tributavel superior a no ano 2010 Em relação ao empresário que teve venda tributável superior a no ano 2010, a sua empresa, no ano 2012 será considerada empresa que se compromete a contribuir com o Imposto de Consumo. Neste caso é preciso realizar a Declaração Definitiva do Imposto de Consumo e pagamento do imposto até 1º de abril de 2013 (segunda-feira). Sobre assuntos gerais e procedimentos relativos ao imposto de consumo, por favor, consulte o Resumo do Imposto de Consumo e sobre a declaração e pagamento do imposto consulte o Guia sobre Declaração Definitiva do Imposto de Consumo Geral e Local. 16

19 1-18 AVISO Foi promulgada a lei sobre medidas especiais para garantir recursos financeiros necessários para execução de medidas de reconstrução por Grande Terremoto do Leste do Japão e com isso foi estabelecido o Imposto de Renda Especial para Reconstrução (Fukko Tokubetsu Shotokuzei). Imposto de Renda Especial para Reconstrução é uma sobretaxa em relação ao valor do imposto de renda de 2.1% sobre o valor do imposto de renda padrão de cada ano a partir de 2013 até 2037, devendo ser este declarado e pago junto com o imposto de renda. Além disso, se o imposto de renda retido na fonte for recolhido em relação à renda obtida a partir de 1º de janeiro de 2013 até 31 de dezembro de 2037, será recolhido junto o Imposto de Renda Especial para Reconstrução. Pré-pagamento do imposto estimado Quando o valor base do pré-pagamento do imposto estimado for \ ou mais em cada ano entre 2013 e 2037, deve fazer o pré-pagamento do Imposto de Renda e do Imposto de Renda Especial para Reconstrução. O valor base do pré-pagamento do imposto estimado referente a 2013, em princípio, com base na Declaração Definitiva do imposto de renda referente a 2012, é a quantia calculada incluindo o valor do Imposto de Renda Especial para Reconstrução (2.1% do valor do imposto de renda referente a 2012) a ser aplicado para Sobre o pré-pagamento do imposto estimado, consulte a página67. Ampliação do âmbito das despesas específicas no que diz respeito à dedução de despesas específicas dos assalariados, a partir de Foram adicionadas para o âmbito das despesas específicas, as despesas oriundas para obter a qualificação de advogado, contador público, consultor fiscal, etc. e despesas necessárias para o trabalho (despesas de livros, roupas, representações entre outras) Além disso, os critérios aplicáveis para a dedução de despesas específicas foram moderados para a metade do valor da dedução dos rendimentos por salário (antes da revisão: valor total da dedução) Ampliação da faixa de pessoas sujeitas ao sistema de arquivamento de contabilização e livros de registro a partir de janeiro de 2014 O arquivamento de contabilização e livro de registro que era necessário para as pessoas que fazem a Declaração Definitiva individual com a folha branca, cujo total da renda por negócios, imóveis ou atividades florestais relativas ao ano anterior ou ano retrasado exceda 3 milhões de, a partir de janeiro de 2014, passou a ser necessário também para todos que possuem renda através dos citados negócios (incluindo aqueles que não necessitam fazer a Declaração Definitiva do Imposto de Renda). Para mais detalhes, consulte o site do Ministério da Receita Nacional ou entre em contato com a Repartição de Impostos mais próximo AVISO DO MUNICÍPIO Para obter mais informações, consulte o encarregado do município onde reside. Declaração do Imposto Residencial de acordo com o sistema de isenção da declaração definitiva do imposto de renda para os beneficiários da pensão. Mesmo que não faça a declaração definitiva do Imposto sobre a renda de acordo com o sistema de isenção da declaração de renda para os beneficiários da pensão, caso a pessoa corresponder aos seguintes itens é necessário que apresente a declaração do Imposto Residencial. 1 Pessoa com a renda proveniente somente de rendas diversas relacionadas à pensão pública, etc. sujeita à aplicação de vários tipos de deduções, fora as deduções escritas no certificado do imposto retido na fonte (gensen choshuhyo) das pensões públicas, etc. (dedução dos prêmios de Seguro Social, dedução de cônjuges, dependentes ou dedução básica entre outras). 2 Pessoa com renda além das rendas diversas, relacionada à renda das pensões públicas. Iniciamos o recolhimento especial (debitação automática na fonte) do Imposto Residencial Individual das pessoas que recebem a pensão pública A partir de outubro de 2009 foi iniciado o recolhimento especial do Imposto da Pensão Pública, etc. Às pessoas sujeitas ao recolhimento especial do Imposto da pensão pública no ano 2012, a principio, solicitamos que continuem fazendo o pagamento do Imposto através do recolhimento especial da pensão pública. As pessoas que cumprem 65 anos de idade entre o dia 3 de abril de 2012 e 2 de abril de 2013 estão sujeitas ao recolhimento especial do Imposto a partir do ano Apenas foi alterado o sistema de recolhimento do Imposto e não significa que será acrescentado novo Imposto. O valor do imposto recolhido e o tipo de pensão pública do qual o imposto será recolhido serão informados através da Notificação do valor do imposto definido, que será enviada pela prefeitura e também através da Notificação do pagamento enviada pelo seguro de pensão. * Documentos como certificado do imposto retido na fonte de renda e outros devem ser colados na folha base separada para anexar documentos e não no verso da declaração. 17

20 Para o formulário B e a Declaração de Taxação Separada ou de Perda 2 Formulário de Declaração Definitiva - Formulário Suplementar - Tabela de Cálculo, etc. 2-1 Tipos de Formulários de Declaração Definitiva Existem formulários da declaração definitiva do tipo A e B. Confirme, na tabela abaixo, o formulário de declaração que deve ser utilizado. Formulários que devem ser usados Descrição da Declaração Somente para quem faz a declaração das rendas dos salários, diversas, de dividendos (exclui-se os A optados a fazer a Declaração de Imposição separada) e extraordinárias, e que não tenha a necessidade de pagar o valor estimado do imposto. (No.1 e No.2) * Para subtrair no presente ano, o valor de déficit transferido do ano anterior, utilize o formulário de declaração B. B (No.1 e No.2) Para o formulário B e a Declaração de Taxação Separada (No.3) Para o formulário B e a Declaração de Perda (No.4) Para pessoa qualquer, independente do tipo de renda. Pessoa que tenha renda de cessão de imóveis, etc. Pessoa que tenha renda de cessão de ações, etc., sujeita à taxação separada. Pessoa que tenha renda de dividendos de ações, etc., sujeita a taxação separada. Pessoa que tenha renda diversa de negócios com produto, sujeita à taxação separada. Pessoa que tenha renda de atividades florestais e de aposentadoria. Pessoa que teve déficit no valor da renda do ano Pessoa que teve perda no valor da renda do ano 2012, ao reduzir o valor da dedução de perdas diversas. 8Pessoa que teve perda no valor da renda do ano 2012, ao reduzir o valor do saldo de perdas do exercício anterior. Para a pessoa que declara com formulário B, e corresponda a uma das descrições entre 1 a 8 do quadro anterior Descrição da Declaração, deve-se fazer o seu uso junto com o formulário da Declaração de Taxação Separada (formulário N 3 para uso de Taxação Separada ) ou o formulário da Declaração de Perda (formulário N 4 para uso de Declaração de Perda ), conforme o conteúdo da declaração. A segunda folha da declaração é a cópia em duplicata. Recomenda-se arquivá-la para servir de referência para elaborar as declarações futuras. Documentos como certificados do imposto retido na fonte e outros devem ser colados na Folha base separada para anexar documentos e apresentados junto com a declaração (no caso de anexar a especificação da renda cole-as no verso da folha de especificação).a segunda folha da declaração é a cópia em duplicata. Recomenda-se arquivá-la para servir de referência para elaborar as declarações futuras. Documentos como certificados do imposto retido na fonte e outros devem ser colados na Folha base separada para anexar documentos e apresentados junto com a declaração (no caso de anexar a especificação da renda cole-as no verso da folha de especificação). 2-2 Formulário suplementar, tabela do Cálculo, etc. De acordo com o conteúdo da declaração, se utiliza os seguintes como formulário suplementar e tabela de cálculo. Formulário suplementar para a Declaração Definitiva (usa-se para escrever a soma de perdas e lucros relacionado a cessão de títulos de ações e transpasse de dedução para o exercício seguinte). Formulário suplementar para a Declaração Definitiva (para o uso no caso de transpasse para o exercício seguinte do prejuízo relacionado a Operações de Termo). Formulário suplementar para a Declaração Definitiva (Para as vítimas do acidente do Grande Terremoto da Região Leste do Japão). Formulário de Especificação da renda auferida através de cessões (Tabela e Formulário de Cálculo anexa ao Formulário de Declaração Definitiva) Formulário de Especificação do valor de renda auferida através de cessões de títulos (ações). Tabela de cálculo do valor de gastos administrativos, quando o contribuinte ser beneficiado pela medida especial do cálculo de renda de negócios do trabalhador em casa, etc. Folha de Cálculo do ano ( ) relacionado às rendas provenientes das corporações de empreendimentos de responsabilidade limitada. (Formulário anexo) Formulário de Cálculo dos valores de despesas necessárias e de perdas relacionadas aos negócios com corporações, que não são consideradas rendas de negócios, etc.. Tabela de cálculo da soma de perdas e lucros. Tabela de cálculo do recolhimento do imposto médio sobre as rendas flutuantes ou rendas provisórias. Tabela de cálculo do valor de dedução de dividendos provenientes de Títulos de Créditos de Investimentos Especiais (Ampliação e reforma específica, etc.) Folha de especificação do cálculo do valor da dedução especial de empréstimo para moradia, específica ampliação, reforma, etc.. Folha de especificação do cálculo do valor da dedução especial de doação a Partidos Políticos, etc. Especificação do cálculo do valor de dedução especial de doação às organizações autorizadas de pessoa jurídica sem fins lucrativos (NPOs, etc.) Especificação do cálculo do valor de dedução especial de doação às associações de interesse público Especificação do cálculo do valor de dedução especial de doação designada no caso dos específicos desastres de terremotos Folha de especificação do cálculo do valor da dedução especial de Dedução Especial de Reforma Prova a Terremotos da Moradia Folha do cálculo do valor de dedução especial do Imposto relacionada à reforma específica da moradia. Folha de cálculo do valor de dedução especial do Imposto relacionada à moradia atestada excelente e longa durabilidade. Folha de especificação de detalhes relacionada à dedução de Folha de especificação do conteúdo da renda. impostos pagos no Exterior. Folha de confirmação sobre o estilo residencial. Folha de especificação de detalhes de bens e perdas. Folha de especificação de detalhes dos gastos médicos. O formulário de declaração, suplementar, de cálculo podem ser descarregados do Home Page da Secretaria da Receita Nacional. 18

21 2-3 Itens que devem ser observados no momento de preencher o formulário de Declaração Definitiva 1. Como o formulário é de papel carbonado, não preencher o formulário N 1 e 2 dobrando e sobreposto. Ao preencher, abrir o formulário ou separar pela linha do meio e preencher com a caneta esferográfica com força. Preencha todas as colunas correspondentes do formulário sem falta. 2. Ao preencher a leitura gráfica (FURIGANA) do seu nome, deixar um espaço entre o sobrenome e o nome. Os sinais ( ) e ( ) devem ser escritos nos espaços quadrados por separado. 3 A segunda folha é uma duplicata e não há inconveniência em usá-la separadamente. Deve-se retirar a segunda folha, quando for apresentada a declaração. 4 Os assalariados e as pessoas com rendas diversas provenientes das pensões públicas devem colar os documentos na folha base separada para anexar os documentos e apresentá-los junto com o Certificado do Imposto Retido na Fonte (Original) e o Certificado do Imposto Retido na Fonte proveniente das Pensões públicas (Original) emitido pelo pagador. 5 A pessoa que possuir rendas provenientes de negócios, imóveis ou atividades florestais deve apresentar junto as declarações do Estado de Contas de Cor Azul e Especificação de Balance especificando o valor total de rendas e as despesas administrativas. 6 A pessoa cuja renda total exceda , além da renda de aposentadoria, apresentar a Folha de Especificação de Detalhes de Bens e Dívidas, especificando o tipo, quantidade e valor de bens e o valor de dívidas, etc., com atualização no dia 31 de dezembro de 2012, juntamente com o formulário de declaração. 7 Para escrever os números dentro dos espaços quadrados, proceda de acordo com o exemplo indicado abaixo. Deve haver a ponta Uma reta vertical Abrir espaço Fazer um ângulo Fechar Exemplo de escrita Se a cifra for superior a cem milhões de, escreva de acordo com o exemplo abaixo indicado. (Se o valor for ) Exemplo de escrita 8 Para corrigir ou alterar os números ou os itens escritos, deve-se traçar duas linhas paralelas sobre a parte errada de acordo com o exemplo abaixo indicado. Exemplo de escrita 19

22 2-4 Formulário da declaração A No. 1 A C 20

23 2-5 Formulário da declaração A No. 2 21

24 2-6 Formulário de Declaração B No. 1 22

25 2-7 Formulário de Declaração B No. 2 23

26 3 Como preencher o formulário da declaração Explica-se, a partir da página 19, Como preencher o formulário da declaração na ordem em que deve ser preenchido o formulário. Pedimos a gentileza de preparar a declaração de acordo com a explicação da guia de preparação da declaração. Não obstante, nos quadros do 収 入 金 額 等 (Valor Auferidos), 所 得 金 額 (Valor da renda), 所 得 から 差 し 引 かれる 金 額 ( 所 得 控 除 ) (Valor a ser reduzido da renda (dedução do imposto de renda)), 税 金 の 計 算 (Cálculo do imposto), 延 納 の 届 出 (Declaração de postergação do pagamento), etc., mencionados no formulário de declaração Nº 1 e 住 民 税 に 関 する 事 項 (imposto residencial) (utilizar o formulário de declaração A), dentre 住 民 税 事 業 税 に 関 する 事 項 (Itens sobre o imposto residencial e de negócios) (utilizar o formulário de declaração B) mencionados no formulário de declaração Nº 2, encontra-se o quadro para os cálculos. Neste caso, em primeiro lugar, faça o cálculo utilizando esta guia e transcreva os itens necessário no formulário da declaração. O quadro para os cálculos é composta pelo seguinte: Exemplo: Referência para fazer o cálculo da (3-2 4 Taxação Geral da Renda de Dividendos) na página 29. Coluna de descrição Escreva na coluna de valores do lado direito, os valores dos itens aqui indicados. Coluna de Preenchimento (cálculos) Escreva o resultado do cálculo ou os valores correspondentes. Valor Auferidos dos dividendos, etc. (impostos inclusos) Perda de juros * A - B (valor do saldo) (Total) (escreva zero- 0 no caso de déficit) A B Valor da renda de dividendos Coluna de códigos São os códigos da tabela de cálculos, necessários para os números da coluna dos valores à esquerda. São utilizados quando houver, na coluna dos itens, a fórmula do cálculo A B. Explicação dos itens importantes Valor da Renda Geral, etc.. A Renda Geral é a soma dos valores (1) e (2) a seguir, acrescentando Renda de Aposentadoria e Renda de Atividades Florestais [Caso tenha rendas sujeitas à Taxação Separada, será o valor total acrescentando a estas (antes de ter a dedução especial)]. (1) O valor total das rendas como a de Negócios, de Imóveis, e Juros, e Dividendos de Taxação Geral, de Salário, de Cessão a Curto Prazo e Rendas Diversas (Esses valores são do pós-cálculo agregado do total de perdas e lucros.). (2) Metade do valor total da Renda de Cessão a Longo Prazo sujeita à Taxação Agregada e Renda Ocasional (Esses valores são do pós-cálculo do total de perdas e lucros.). Entretanto, caso estiver usufruindo a dedução transferida de prejuízo líquido ou outros prejuízos, dedução transferida de prejuízo por cessão em caso de comprar determinados bens para moradia, etc., ou dedução transferida de prejuízo por cessão referente às ações emitidas por empresas de capital aberto ou determinada empresa de pequeno e médio porte, ou então, a dedução transferida de prejuízos por operação a termos relacionados por balanços diferenciais, se refere ao valor pós-aplicação. Valor Total Auferido A Renda Total é a soma dos valores (1) e (2) a seguir, acrescentando Renda de Aposentadoria e Renda de Atividades Florestais [Caso tenha rendas sujeitas à Taxação Separada, será o valor total acrescentando a estas (antes de ter a dedução especial)]. (1) O valor total das rendas como a de Negócios, de Imóveis, de Juros, de Dividendos de Taxação Geral, de Salário, de Cessão a Curto Prazo e Rendas Diversas (Esses valores são do pós-cálculo agregado do total de perdas e lucros.). (2) Metade do valor total da Renda de Cessão a Longo Prazo sujeita à Taxação Agregada e Renda Ocasional (Esses valores são do pós-cálculo do total de perdas e lucros.). Entretanto, caso estiver usufruindo a dedução transferida de prejuízo líquido ou outros prejuízos, dedução transferida de prejuízo por cessão em caso de comprar determinados bens para moradia, etc., ou dedução transferida de prejuízo por cessão referente às ações emitidas por empresas de capital aberto ou determinada empresa de pequeno e médio porte, ou então, a dedução transferida de prejuízos por operação a termos relacionados por balanços diferenciais, se refere ao valor antes de aplicação. Viver da mesma renda Viver da mesma renda significa conviver com a mesma subsistência de vida. Entretanto, mesmo no caso de trabalhador assalariado ou funcionário público, etc. residir separada da sua família em virtude do trabalho, ou no caso de familiar desses residir separadamente em virtude da educação ou tratamento médico, é considerado como viver da mesma renda, se estiver remetendo o dinheiro para despesas de casa, escola e de tratamento médico, ou se o familiar que não convive diariamente venha a viver com outros familiares nos tempos de lazer entre educação ou trabalho. 24

27 3-1 Nome, Endereço, etc. [Como preencher o formulário de declaração A e B] (1) 申 告 書 第 一 表 税 務 署 長 欄 Coluna do Superintendente da Repartição de Impostos de da pessoa que utiliza o Formulário A - B da Declaração Nº 1. [Pessoa que utiliza o formulário A e B] Escrever o nome da Repartição de Impostos da jurisdição do endereço. (2) 申 告 書 第 一 表 年 月 日 欄 Coluna da data dia, mês, ano da pessoa que utiliza o Formulário A - B da Declaração Nº 1: [Pessoa que utiliza o formulário A e B] Escrever a data em que será apresentada a declaração. (3) 申 告 書 第 一 表 第 二 表 平 成 年 分 の 所 得 税 の 確 定 申 告 書 Formulário de declaração Nº 1 e 2: Coluna do Formulário de Declaração Definitiva da declaração de renda do ano. Pessoa que utiliza os Formulários A - B Escrever 24 no espaço quadrado do título do formulário de declaração Nº 1 ou 2. Quem usa o B escreva no espaço vazio definido ( 確 定 ) no inicio do formulário No. 1. (4) 申 告 書 第 一 表 住 所 ( 又 は 居 所 ) Formulário de declaração Nº 1: coluna do Endereço (ou residência). Pessoa que utiliza os Formulários A. Escrever o endereço e o código postal da área. Não obstante, no caso da pessoa fazer a declaração numa Repartição de Impostos que não seja o da jurisdição do seu endereço, deve-se circunscrever o endereço escrito entre parênteses ( ) e escrever o endereço e o código postal da área do endereço declarado legalmente. Atenção: No caso de planejar fazer a contribuição do imposto do seu endereço onde não tem o registro de residente (kyojyuchi) mudando do seu endereço onde realmente vive (jyushochi) e registrado na prefeitura, haverá a necessidade de fazer a declaração do motivo da mudança do endereço. (5) 申 告 書 第 一 表 住 所 ( 又 は 事 業 所 事 務 所 居 所 など) Formulário de declaração Nº 1: coluna do Endereço (ou endereço da empresa, escritório, residência, etc.) Pessoa que utiliza o Formulário B. Escrever o endereço e o código postal da área. Não obstante, no caso da pessoa fazer a declaração no Repartição de Impostos, que não seja o da jurisdição onde está estabelecida a sua empresa, escritório, residência, etc., deve-se circunscrever a letra correspondente dentro dos parênteses ( ) e, escrever o endereço o domicílio declarado legalmente, na linha de cima, e na linha de baixo, o endereço da sua residência. Atenção: No caso de planejar fazer a contribuição do imposto do seu endereço onde não tem o registro de residente (kyojyuchi) mudando do seu endereço onde realmente vive (jyushochi) e registrado na prefeitura, haverá a necessidade de fazer a declaração do motivo da mudança do endereço. (6) 申 告 書 第 一 表 平 成 年 1 月 1 日 の 住 所 Formulário de declaração Nº 1: coluna do Endereço do dia 1 de Janeiro de. Pessoa que utiliza o Formulário A B. Escrever 25 no espaço em branco do 平 成 年 e preencher o endereço residencial atualizado no dia 1 de janeiro de (7) 申 告 書 第 一 表 氏 名 (フリガナ) Formulário de declaração Nº 1: coluna do Nome(leitura gráfica) Pessoa que utiliza o Formulário A B. Escrever o nome e leitura gráfica (FURIGANA) do declarante por ordem de nome de família, nome e o carimbo (inkan). (8) 申 告 書 第 一 表 性 別 Formulário de declaração Nº 1: coluna do Sexo. Pessoa que utiliza o o Formulário A B. Circunscrever com a resposta correspondente. (9) 申 告 書 第 一 表 職 業 Formulário de declaração Nº 1: coluna da Profissão. Pessoa que utiliza o Formulário B. Escrever a profissão do declarante. A pessoa que exerce profissão autônoma deve especificar claramente o tipo de atividade (Exemplo: quitandeiro, funileiro, pintor de automóveis, etc.). Se exercer mais de uma atividade, todas as atividades devem ser declaradas. (10) 申 告 書 第 一 表 屋 号 雅 号 欄 B 使 用 の 方 Coluna da Denominação Social e pseudônimo do Formulário de Declaração Nº 1. Pessoa que utiliza o Formulário B. Escreva a denominação social ou pseudônimo do empreendimento que o Declarante realiza. (11) 申 告 書 第 一 表 世 帯 主 の 氏 名 世 帯 主 との 続 柄 Formulário de declaração Nº 1: coluna do Chefe da família e Relação familiar com o chefe da família. Pessoa que utiliza o o Formulário A B. Escrever o nome do chefe da família e a relação familiar do declarante com o chefe da família. (12) 申 告 書 第 一 表 生 年 月 日 Formulário de declaração Nº 1: coluna da Data de nascimento. Pessoa que utiliza o o Formulário A B. Escrever os números da denominação da era (Meiji, Taisho, Showa, Heisei) correspondentes à data e, ao preencher o ano, mês e dia, deve-se escrever cada um deles em duas cifras. (13) 申 告 書 第 一 表 電 話 番 号 Formulário de declaração Nº 1: coluna do Número de Telefone. Era Meiji : 1 Era Taisho : 2 Era Showa : 3 Era Heisei : 4 Pessoa que utiliza o o Formulário A B. Escrever o número do telefone de contato do declarante e marcar com círculo o tipo de telefone (residência - trabalho - celular). (14) 申 告 書 第 一 表 種 類 Formulário de declaração Nº 1: coluna do Tipo de Declaração. Pessoa que utiliza o o Formulário B. Circunscrever todas as letras correspondentes. A pessoa que faz a Declaração Azul 青 色 - Azul A pessoa que utilizar o formulário de declaração Nº 3 (Taxação Separada) 分 離 - Separada A pessoa que utilizar o formulário de declaração Nº 4 (Declaração de Perda) 損 失 - Perda (15) 申 告 書 第 一 表 特 農 の 表 示 Formulário de declaração Nº 1: coluna da Indicação de Agricultura Especial. Pessoa que utiliza o o Formulário B. A pessoa cuja renda proveniente de atividade agrícola realizada durante o período do ano 2012 exceda 70% do valor total da renda do ano 2012, ou dentre a renda de agricultura após o dia 1 de Setembro tenha a possibilidade de exceder 70%, deve circunscrever 特 農 Agricultura Especial. (16) 申 告 書 第 一 表 翌 年 以 降 送 付 不 要 欄 A B 使 用 の 方 Coluna do número da série do Formulário de Declaração Nº 1 A partir do ano seguinte não terá necessidade de fazer o envio 25

28 Pessoa que utiliza o Formulário A B. A pessoa que receber o Formulário de Declaração da Repartição de Impostos e que não necessitará receber o formulário a partir do ano seguinte, deve marcar um círculo no lugar correspondente. (17) 申 告 書 第 二 表 住 所 氏 名 (フリガナ) Formulário de declaração Nº 2: coluna do Endereço e Nome (leitura gráfica). Pessoa que utiliza o o Formulário A. Escrever o endereço e o nome (leitura gráfica), sem falta, também, no formulário de declaração Nº 2 igual ao do Formulário 1. Não se esqueça de escrever o endereço e nome em ambos os formulários. Nos formulários enviados pela Repartição de Impostos não é necessário escrever o endereço, nem o nome, porque já estão impressos. Porém, por favor, corrija no caso de encontrar erros no endereço ou no nome. (18) 申 告 書 第 二 表 住 所 屋 号 氏 名 (フリガナ) Formulário de declaração Nº 2: coluna do Endereço, Denominação Social e Nome (leitura gráfica). Pessoa que utiliza o o Formulário B. Escrever, sem falta, no Formulário de Declaração Nº 2 o endereço, o nome (leitura gráfica) e a denominação social do estabelecimento igual ao do Formulário No. 1. Nos formulários enviados pela Repartição de Impostos, não é necessário escrever o endereço, a denominação social, nem o nome, porque já estão impressos. Porém, por favor, corrija no caso de encontrar erros no endereço, na denominação social ou no nome. 26

29 3-2 Valor da Renda Bruta e Valor da Renda Líquida Calcula-se o Valor da Renda por tipo do valor da renda, reduzindo da renda bruta aunal as despesas necessárias por tipo de renda auferido. Renda de negócios Pág. 27 Renda de imóveis Pág. 28 Renda de juros Pág. 28 Renda de dividendo Pág. 29 Renda de salário Pág. 30 Rendas diversas Pág. 31 Renda de cessão Pág. 32 Rendas extraorodinárias Pág Renda de Negócios (Atividade de vendas, etc., agricultura) Pessoa que utiliza o Formulário B Refere-se a Renda de Negócios, as rendas provenientes de atividades comerciais, tais como atacado, varejo, restaurantes e bares, fabricação, construção, finanças, transportes, reparação, serviços, etc.. A Renda de Agricultura dentre a Renda de Negócios são as rendas provenientes de: produção agrícola, produção de frutas, criação de bicho-de-seda, indústria pecuária administrada por agricultores, criação de aves, tecelagem e produtos similares, e renda proveniente de produtos lácteos. Nota: A renda proveniente de negócios pode ser sujeita ao Imposto de Negócios (Consulte o guia 3-8 Imposto Residencial e de Negócios (do Formulário No. 2) na página 57). Documentos que devem ser anexados Deve-se anexar a Folha de Balanço da Declaração Azul e a Folha de Balanço da Renda e Gastos com o valor total do valor aurferido ou especificação dos gastos administrativos. Como fazer o cálculo Reduzir o valor dos gastos necessários do Valor da Renda Total. Não obstante, as pessoas que correspondam aos seguintes itens abaixo mencionados, devem consultar o guia Pessoas que desejam ser beneficiadas pela medida especial do cálculo de renda de negócios do trabalhador em casa, etc., porque, ao calcular o valor da renda de negócios e rendas diversas, existem medidas excepcionais sobre os valores a serem incluídos no valor dos gastos administrativos. i Pessoas que exercem a profissões de trabalhador em casa, vendedor, cobrador, registrador de luz, que fornecem mão-de-obra em forma contínua a determinadas pessoas. ii Pessoas que, ao incluírem os valores da renda de negócios e da renda diversas nos gastos administrativos para fazer o cálculo, e este valor somado com a renda proveniente da renda dos salarios resulte inferior a (Nota) Caso utilizar a Folha de Balanço da Declaração Azul de transação à vista, consulte a Repartição dos Impostos. Como preencher o formulário de declaração B Transcrevam na coluna de [Renda de Negócios, Venda, etc. ア ] 収 入 金 額 等 (Valor da renda, etc.) ou na coluna de [Renda de Agricultura イ ], e na coluna 1 Valor da Renda de Negócios, Venda ou na coluna 2 Valor da Renda de Agricultura 所 得 金 額 (Valor da Renda Líquida) do formulário de declaração Nº 1, os respectivos valores declarados na Folha de Balanço da Declaração Azul ou na Folha de Balanço da Renda e Gastos. Transcrevam na coluna 48 do formulário No. 1 da declaração, o total do valor (deduzido) do salário do trabalhador permanente, declarado na Folha de Balanço da Declaração Azul ou na Folha de Balanço da Renda e Gastos e, na coluna, 49 o valor da dedução especial da Declaração Azul. No quadro de 所 得 の 内 訳 ( 源 泉 徴 収 税 額 )(Especificação de renda (valor do imposto recolhido na fonte)) do formulário de declaração Nº 2, escreva as especificações correspondentes. Na coluna 事 業 専 従 者 に 関 する 事 項 (Itens relacionados aos trabalhadores permanentes no negócio), escreva o nome do trabalhador permanente, data de nascimento, relação familiar, tempo de trabalho e condição (somente na declaração branca), tipo do trabalho (somente na declaração branca) e o valor do salário dos trabalhadores permanentes (deduzido). A pessoa que faz a solicitação de medidas excepcionais de contribuição do imposto, etc., nos casos de beneficiamento do seguro social por tratamento médico (Artigo 26 da Norma de Medidas), subsídio de mudança ou descontinuação do negócio (item 3 do Artigo 28 da Norma de Medidas), deve escrever os correspondentes artigos na coluna 特 例 適 用 条 文 等 (Aplicação dos Artigos de Medidas Excepcionais) do formulário de declaração Nº 2. 27

30 2 Renda de Imóveis Pessoa que utiliza o Formulário B e Refere-se às rendas provenientes de locação de terrenos e prédios, dos direitos de propriedade dos imóveis, aluguel de navios, aviões, etc.. Os valores dos direitos de imóveis, de renovação de contrato, da taxa de registro do titular, etc., cobrados na ocasião da locação, são considerados rendas provenientes de imóveis. Não obstante, o valor das luvas que se recebe integralmente ao estabelecer os direitos de arrendamento de imóveis, é considerado renda de transferência. (Nota) Em alguns casos, a renda proveniente de imóveis, poderá ser sujeita à contribuição do Imposto de Negócios, portanto, consulte os itens relacionados ao Imposto Residencial e de Negócios (vide a referência sobre 3-8 Imposto Residencial e de Negócios (do formulário No. 2) na página 58). Documentos que devem ser anexados Deve-se anexar a Folha de Balanço da Declaração Azul e a Folha de Balanço da Renda e Gastos com o valor total do valor aurferido ou especificação dos gastos administrativos. Como fazer o cálculo Deve-se reduzir o valor dos gastos necessário do Valor da Renda Total. Como preencher o formulário de declaração B Escreva na coluna de [Imobiliária ウ ] do quadro do 収 入 金 額 等 (Valor do valor aurferido, etc.), e na coluna de [Imobiliária 3 ] do quadro do 所 得 金 額 (Valor da Renda) do formulário de declaração Nº 1, os respectivos valores declarados na Folha de Balanço da Declaração Azul ou na Folha de Balanço da Renda e Gastos (*). Transcreva na coluna do [Valor Total do Salário dos Trabalhadores Permanentes (deduzido) 48 ] e o na coluna do [Valor da Dedução Especial da Declaração Azul 49 ] do quadro de その 他 (Outros) do formulário de declaração Nº 1, os respectivos valores declarados na Folha de Balanço da Declaração Azul ou na Folha de Balanço da Renda e Gastos. Preencha os itens correspondentes no quadro 所 得 の 内 訳 ( 源 泉 徴 収 税 額 )[Especificação de renda (valor do Imposto Retido na Fonte)] do formulário de declaração Nº 2. No mesmo formulário, no quadro 事 業 専 従 者 に 関 する 事 項 (Ítens relacionados aos trabalhadores permanentes no negócio) escreva o nome do trabalhador permanente, data de nascimento, relação familiar, tempo de trabalho e condição (somente na Declaração Branca), conteúdo de trabalho (somente na Declaração Branca) e o valor do salário (deduzido) dos trabalhadores permanentes. Déficit de juros para aquisição de terrenos, etc.. Para pessoa que tem deficit no valor da Renda de Imóveis e adicionar Valor do deficit de juros para aquisição de terrenos, etc. nos gastos administrativos, preencher no campo 所 得 金 額 (Valor da Renda) do formulário de declaração. Neste caso, colocar antes do valor declarado. 1 Quando o valor de juros do deficit que necessitou para aquisição de terreno ultrapassa o deficit da renda de imóveis Quando o valor de juros do deficit que necessitou para aquisição de terreno não ultrapassa o deficit da renda de imóveis... Valor do deficit exceto valor equivalente ao valor de juros do deficit Sobre o valor de juros do deficit que necessitou para aquisição de terreno, leia o Como preencher a folha de balanço da declaração azul (para renda de imóveis) e Como preencher a folha de balanço da renda e gastos (para renda de imóveis). Para maiores informações, consulte à Secretaria da Receita. Preencha os itens correspondentes no quadro 所 得 の 内 訳 ( 源 泉 徴 収 税 額 )[Especificação de renda (valor do Imposto Retido na Fonte)] do formulário de declaração Nº 2. 3 Renda de Juros Pessoa que utiliza o formulário B São rendas provenientes de distribuições de dividendos de juros das apólices e obrigações corporativas, depósito da conta bancária, e renda proveniente da distribuição de dividendos de lucros das apólices e obrigações corporativas do fundo mútuo de inversões e empréstimos. Porém, normalmente, a contribuição do imposto de renda é suficiente somente com o recolhimento na fonte de renda feito pelo pagador dos juros. Em relação aos juros provenientes dos depósitos das contas dos bancos, etc. do Exterior, cujo imposto não é retido na fonte de renda no Japão, é necessário fazer a declaração. Os juros provenientes do dinheiro emprestado a amigos e empresas são considerados rendas diversas ou renda de negócio e não renda de juros. Cálculo do valor da renda O valor aurferido da renda de juros é considerado valor de renda. Como preencher o formulário de declaração B Escrevam o valor de renda de juros (Valor da Renda) nas seguintes colunas do formulário de declaração No. 1: Coluna エ (Valor da Renda) e coluna 4 (Valor da Renda Líquida). 28

31 4 Taxação Geral da Renda de Dividendos Pessoa que utiliza os Formulários A e B São rendas dos acionistas e inversionistas provenientes das específicas distribuições de dividendos das empresas físicas, tais como, os dividendos de excedentes, de lucros e, fideicomisso de inversão (excluindo-se transação das apólices e obrigações corporativas de fundo mútuo e fideicomisso de subscrição pública, etc.). Sobre as rendas provenientes de dividendos relacionados aos dividendos das ações das empresas (excluindo os principais acionistas), existe a possibilidade de optar-se entre a taxação geral e taxação por declaração separada. No caso de se optar pela taxação por declaração separada é necessário preencher o Formulário No. 3 (para taxação separada), etc. (Consulte o guia 2-1 Tipos de Declaração Definitiva na página 18). O percentual do Imposto da Renda relacionado à renda de dividendos de quando se opta pela taxação por declaração separada é de 7% do Imposto de Renda e 3% do Imposto Residencial. Neste caso, poderão ser feito um cálculo de balanço entre o valor de perda de cessão das ações públicas registradas, etc. e os valores de perdas e lucros. Não obstante, sobre a renda de dividendos de quando se opta pela taxação por declaração separada, o contribuinte não poderá ser beneficiado pela Dedução de Dividendos. Para maiores detalhes, consulte a referência Forma de Declarar a Renda de Cessão de Ações, etc. (Exemplo da forma de preencher). Documentos que devem ser anexados No caso de fazer a declaração relacionadas aos dividendos de ações, será necessário apresentar junto os seguintes decumentos de acordo com o tipo de dividendo, etc.. Notificação de pagamento da distribuição de lucros de fideicomisso do tipo de capital aberto. Notificação de pagamento do valor que se presume ser dividendo, etc.. Notificação do pagamento do dividendo das ações, etc.. Notificação de transação anual da conta específica Coluna de cálculo O valor da renda de salários é calculado da seguinte forma: Valor da renda bruta (Total) dos dividendos, etc. (impostos inclusos) Perda de juros (*) A - B (valor do saldo) (escreva zero- 0 no caso de déficit) Valor da renda de dividendos * A perda de juros limita-se somente ao empréstimo obtido com a finalidade de adquirir ações ou inversões (as rendas provenietnes de cessão de ações, excluem sujeitas à taxação agregada). * Sobre o método de tributação da renda de dividendos consultem na página 34. A B Como preencher o formulário de declaração A Transcreva na coluna エ do Formulário de Declaração No. 1, o valor da renda registrado na coluna A e na coluna [Dividendo 3 ] do quadro do 所 得 金 額 (Valor da Renda) o Valor da renda de dividendos. Ainda, esreva os itens correspondentes nas seguintes colunas do Formulario de Declaração No. 2. Especificação de renda(valor do Imposto Retido na Fonte) Itens relacionados à renda diversa (excluindo-se as pensões públicas, etc.), renda de dividendos e renda ocasional Itens relacionados ao Imposto de Residente Como preencher o formulário de declaração B Transcreva na coluna オ do Formulário de Declaração No. 1, o valor da renda registrado na coluna A e na coluna [Dividendo 5 ] do Formulário de Declaração No. 1, o valor da renda de dividendos. Ainda, esreva os itens correspondentes nas seguintes colunas do Formulario de Declaração No. 2. Especificação de renda(valor do Imposto Retido na Fonte) Itens relacionados à renda diversa (excluindo-se as pensões públicas, etc.), renda de dividendos sujeita a taxação agregada, renda renda por cessão e renda ocasional. Itens relacionados ao Imposto de Residente e de Nogócios. 29

32 5 Renda dos Salários Pessoa que utiliza os Formulários A e B São rendas provenientes do salários, honorários, remunerações, gratificações semestrais, remuneração aos representantes da Câmara, etc. Não obstante, a pessoa que receber a dedução de despesas especialmente designada como assalariado, deve consultar o item Dedução de despesas especialmente designada do assalariado. Documentos que devem ser anexados O original do Certificado do Imposto de renda retido na fonte do salário emitido pelo pagador deve ser colado na folha base separada para anexar os documentos e apresentado junto com o Formulário de Declaração. Coluna de cálculo O valor da renda de salários é calculado da seguinte forma: Valor proveniente auferido dos salários (impostos inclusos) Valor de A (Total) Valor da renda dos salários ~ ~ A yenes A ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ A 4 (arredondam-se as cifras inferiores a 1.000) B.000 B 2,4 A 0, A 0, B 2, B 3, Como preencher o formulário de declaração A No caso do valor proveniente auferido dos salários, etc., somente os que foram feita o ajuste do final do ano, deve-se transcrever na coluna do [Salários ア ] do Formulário de Declaração No. 1, o [Valor pago] mencionado no Certificado do Imposto Retido na Fonte de Renda dos Salários emitido pelo pagador e transcreva o [Valor do salário após dedução do Imposto de Renda] na coluna 1. No caso dos salários e outros que não receberam o ajuste do final do ano deve-se transcrever na coluna do [ ア ] do Formulário de Declaração No. 1, o valor da renda mencionado na coluna A e, na coluna 1 do formulário No. 1, o Valor da Renda proveniente do salário. No quadro de 所 得 の 内 訳 ( 源 泉 徴 収 税 額 ) (Especificação de renda (valor do impostoretido na fonte)) do formulário de declaração Nº 2, escreva as especificações correspondentes. Como preencher o formulário de declaração B No caso do valor proveniente auferido dos salários, etc., somente os que foram feita o ajuste do final do ano, deve-se transcrever na coluna do [Salários カ ] do Formulário de Declaração No. 1, o [Valor pago] mencionado no Certificado do Imposto Retido na Fonte de Renda dos Salários emitido pelo pagador e transcreva o [Valor do salário após dedução do Imposto de Renda] na coluna 6. No caso dos salários e outros que não receberam o ajuste do final do ano deve-se transcrever na coluna do [ カ ] do Formulário de Declaração No. 1, o valor da renda mencionado na coluna A e, na coluna 6 do formulário No. 1, o Valor da Renda proveniente do salário. No quadro de 所 得 の 内 訳 ( 源 泉 徴 収 税 額 ) (Especificação de renda (valor do Imposto Retido na Fonte de Renda) do formulário de declaração Nº 2, escreva as especificações correspondentes. Aplicação dos Artigos de Medidas Excepcionais A pessoa que faz a solicitação da aplicação de medida especial das normas de dedução de despesas, especialmente designada como assalariado, deve escrever Item 2 da Lei 57 na coluna da 特 例 適 用 条 文 等 (aplicação dos artigos de medidas excepcionais) do formulário de declaração Nº 2. 30

33 6 Renda Diversa Pessoa que utiliza os Formulários A e B As rendas que não se enquadram em outros tipos de renda são: Pensão Nacional, Previdência Social, de Ajuda Mútua de Funcionários Públicos, Aposentadoria, etc., provenientes das outras aposentadorias públicas, assim como remunerações aos escritores, de conferências, direitos autorais, atuação em rádio e televisão, juros de empréstimos, Pensão do Seguro de Vida (Seguro de Pensão Individual), Pensão Mútua da Associação dos Aposentados, etc.. Além do mencionado, nos casos de aposentadoria acrescentada (inclusive a aposentadoria normal paga em conjunto), Pensão Familiar que a família da pessoa falecida recebe de acordo com os anos de trabalho, subsídios do Sistema de Ajuda Mútua para manter os deficientes físicos e mentais determinados por Lei, pensões que se recebe do seguro de vida baseadas no direito de receber conforme o contrato, determinadas heranças e cessão de heranças, e concessão de pessoa individual, não haverá tributação na porção do imposto sobre herança e sobre cessões sujeitas à tributação. A pessoa que corresponder à profissão de trabalho em casa, deve consultar a página 27 do item Renda de Negócios (Atividade de vendas, etc., agricultura). Documentos que devem ser anexados O original do Certificado do imposto retido na fonte de renda de pensões públicas, etc., emitido pelo pagador, deve ser colado na folha base separada para anexar os documentos e apresentado junto com a declaração. Coluna de cálculo O valor das rendas diversas de pensões públicas e de outras rendas diversas da categoria Rendas Diversas é calculado separadamente. Cálculo do valor das rendas diversas de pesnões públicas, etc.. Valor proveniente auferido de rendas diversas de pensões públicas, etc. (impostos inclusos) (Total) Pessoas nascidas após o dia 2 de Janeiro de 1948 (pessoas menores de 65 anos de idade), se utiliza a seguinte fórmula de cálculo. Valor de A ~ ~ ~ ~ Rendas diversas de pensões públicas, etc. ~ A A 0, A 0, A 0, Pessoas nascidas antes do dia 1 de Janeiro de 1948 (pessoas maiores de 65 anos de idade ou mais), se utiliza a seguinte fórmula de cálculo. Rendas diversas de pensões Valor de A públicas, etc ~ ~ ~ ~ ~ A A 0, A 0, A 0, A B B Cálculo de outras rendas diversas Valor proveniente auferido de outras rendas diversas ( impostos inclusos) Gastos administrativos C - D (Valor do saldo) (Total) Rendas diversas (escreva zero- 0 no caso B + E de perda) Valor das rendas diversas Como preencher o formulário de declaração A Transcreva na coluna de [Diversas e pensões públicas, etc. イ ] do Formulário de Declaração Nº 1, o valor da Renda mencionado na coluna A e o valor da renda mencionado na coluna C, deve-se transcrever na coluna de [Diversas e outras ウ ] do Formulário de Declaração No. 1. Escrevam na coluna 2 do formulário No. 1, o valor das rendas diversas. Nos quadros 所 得 の 内 訳 ( 源 泉 徴 収 税 額 )(Especificação de renda (valor do Imposto Retido na Fonte) e 雑 所 得 ( 公 的 年 金 等 以 外 ) 配 当 所 得 一 時 所 得 に 関 する 事 項 [Ítens relacionados à renda variada (excluindo-se as pensões públicas, etc.), renda de dividendos e renda ocasional] do formulário de declaração Nº 2 escreva os ítens correspondentes. Como preencher o formulário de declaração B Transcreva na coluna de キ ] do Formulário de Declaração Nº 1, o valor da Renda mencionado na coluna A e o valor da renda mencionado na coluna C, deve-se transcrever na coluna de ク do Formulário de Declaração No. 1. Transcreva na coluna de 7 o valor das rendas diversas. Escreva nos quadros do formulário de declaração Nº 2 os seguintes ítens correspondentes 所 得 の 内 訳 ( 源 泉 徴 収 税 額 )[Especificação de renda (valor do Imposto Retido na Fonte)] 配 当 所 得 雑 所 得 ( 公 的 年 金 等 以 外 ) 総 合 課 税 の 譲 渡 所 得 譲 渡 所 得 一 時 所 得 に 関 する 事 項 [Ítens relacionados à renda de dividendos, renda variada (excluindo-se as pensões públicas, etc.), renda de cessão sujeita à taxação agregada, renda de cessão e renda ocasional]. Sistema de isenção da declaração definitiva do imposto de renda para os beneficiários da pensão A pessoa que receber o valor de renda equivalente ou inferior a proveniente de pensão pública e quando o total de vários tipos de renda (exclui a renda proveniente da aposentadoria) além da de aposentadoria for equivalente ou inferior a , ficará isenta de apresentar a declaração definitiva do Imposto sobre a renda. * Para receber a restituição é preciso apresentar a Declaração Definitiva do Imposto de Renda, mesmo que não haja necessidade de realizar a declaração definitiva do imposto de renda.. (Consultar 1-12 Ao fazer a Declaração Definitiva, receberá a devolução de Imposto na página 12.) * Sobre o Imposto Residencial (Consultar 1-19 Aviso do Município na página 16.). C D E 31

34 7 Renda de Cessão sujeita a Taxação Geral Pessoa que utiliza o Formulário B São rendas provenientes da cessão de bens, tais como apólices de clubes de golfe, barras de ouro, embarcações, maquinarias, direitos de patentes, direito de pesca, trabalhos caligráficos, pinturas, antiguidades, jóias, etc. A renda a curto prazo são as rendas provenientes de cessão de capital dos bens possuídos dentro do período de 5 anos ou menos e a renda a longo prazo, são os bens possuídos durante o período que exceda 5 anos. Não escreva as rendas provenientes de cessões de direitos sobre terreno, terreno alugado, prédios e os acessórios instalados, construções, transação de títulos de ações (exclue-se as rendas sujeitas, por opção, a taxação separada na fonte, para pessoas que optaram pela não declaração deste tipo de renda). Para estas rendas, deve-se utilize o formulário de declaração Nº 3 (Taxação Separada) e apresente-o junto com este formulário de declaração (Consulte o guia 2-1 Tipos de Declaração Definitiva na página 18). Coluna de cálculo Renda de curto período proveniente de cessão Valor da renda bruta da cessão a curto prazo (Valor unitário de cessão) Valor de aquisição de bens a curto prazo *1 A - B C (Valor do saldo) *2 Valor da dedução especial *3 D Valor da renda C - D da cessão a curto prazo Renda de longo período proveniente de cessão Valor da renda bruta da cessão a longo prazo (Valor unitário de cessão) Valor de aquisição de bens a curto prazo *1 E - F (Valor do saldo) *2 Valor da dedução especial *4 ( D) Valor da renda G - H da cessão a longo prazo *1 É o valor total após ser reduzido do custo de aquisição de bens (excluindo-se o valor registrado como gasto de administração, etc. das rendas provenientes de negócios, etc.), o valor equivalente à depreciação e dos gastos diretos, etc., necessário para aquisição dos bens. Para mais informações, consulte a Secretaria da Receita. *2 Caso tiver déficit no valor mencionado ou numa das rendas provenientes de negócios ou imóveis, consulte a Repartição de Impostos, ao invés de usar esta coluna para cálculos. Caso tenha muitas rendas negativas, poderá fazer o cálculo utilizando a Tabela de cálculo da soma de perdas e lucros. *3 O valor da Dedução Especial é de Não obstante, quando o valor do C é menos de o valor do C será o valor limite. Entretanto, caso o valor do C seja negativo, será 0. *4 O valor do G é o valor limite. Entretanto, caso o valor do G seja negativo, será 0. A B E F G H Como preencher o formulário de declaração B Deve-se transcrever o Valor da renda da cessão a curto prazo na coluna do [Curto Prazo ケ ] e o Valor da renda da cessão a longo prazo na coluna do [Longo Prazo コ ] do quadro do 収 入 金 額 等 (Valor Renda Bruta, etc. ) do Formulário de Declaração N 1 (*). * Nesta área, escreva o Valor da Renda Bruta e não o Valor da Renda Líquida. 注 Também, no caso tenha a Renda de Cessão sujeita à Taxação Geral escreva no Formulário de Declaração No. 2 os seguintes itens correspondentes relacionados à Renda Extraordinária: Rendas Diversas ( 雑 所 得 ) e Renda de Dividendo sujeita a Taxação Geral ( 総 合 課 税 の 配 当 所 得 ). A coluna 8 do Formulário de Declaração No. 1, ocorre diferença na forma de escrever quando tenha ou não tenha Renda Extraordinária. Há renda extraordinária Siga para 8 Renda extraordinária. Não há renda extraordinária Faça o seguinte cálculo e transcreva na coluna do 8 do Formulário de Declaração N 1. Valor da renda da cessão a curto prazo Valor da renda da cessão a curto prazo J 0,5 I + K I J K ao 8 do formulário de declaração Nº 1 32

35 8 Renda Extraordinária Pessoa que utiliza os Formulários A e B São as rendas extraordinárias, tais como, devolução de dinheiro dos valores provenientes do contrato com o seguro de vida, por cumprimento do prazo do contrato do seguro contra danos, prêmios, prêmio de sorteios, prêmio de corrida hípica, de bicicletas, gratificação por encontrar objetos perdidos, etc. Coluna de cálculo O valor da renda extraordinária é calculado da seguinte forma: Valor Auferido do valor da renda extraordinária (impostos inclusos) Valor do gasto para obter o ingresso de renda (Total) (escreva zero- 0 no caso de perda) A B *1 C (Valor do saldo) Valor da dedução especial*2 D C - D E E 0,5 F *1 Caso tiver deficit em um dos valores da renda provenientes de negócios ou de imóveis ou de cessão sujeita à taxação agregada, não use esta coluna para cálculos. Consulte a Secretaria da Receita. Caso tenha muitas rendas negativas, poderá fazer o cálculo utilizando a Tabela de cálculo da soma de perdas e lucros. *2 O valor da dedução especial é de , entretanto quando o valor do C for abaixo de , o valor do C será o valor limite. Como preencher o formulário de declaração A Transcreva na coluna オ do Formulário de Declaração No. 1 o valor da renda escrito na coluna E (*) e na coluna 4 do Formulário de Declaração No. 1 o valor F. * Nesta coluna transcreve o valor da renda líquida e não o valor da renda bruta. Nos quadros 所 得 の 内 訳 ( 源 泉 徴 収 税 額 ) [Especificação de renda(valor do Imposto Retido na Fonte)] 雑 所 得 ( 公 的 年 金 等 以 外 ) 配 当 所 得 一 時 所 得 に 関 する 事 項 [Ítens relacionados à renda variada(excluindo-se as pensões públicas, etc.), renda de dividendos e renda extraordinária] do formulário de declaração N 2 escreva os ítens correspondentes. A B Como preencher o formulário de declaração B Transcreva na coluna サ do Formulário de Declaração No. 1 o valor da renda escrito na coluna E. (*) * Nesta coluna transcreve o valor da renda líquida e não o valor da renda bruta. Deve-se transcrever na coluna 8 do Formulário de Declaração No. 1, o resultado do valor calculado usando a seguinte tabela. Coluna de cálculo Valor da renda da cessão a curto prazo 7 Renda de Cessão sujeita a Taxação Geral Valor da renda da cessão a longo prazo 7 Renda de Cessão sujeita a Taxação Geral ( E + H ) 0,5 G + I G H ao 8 do formulário de declaração Nº 1 Nos quadros 所 得 の 内 訳 ( 源 泉 徴 収 税 額 ) [Especificação de renda(valor do Imposto Retido na Fonte de Renda)] e 雑 所 得 ( 公 的 年 金 等 以 外 ) 総 合 課 税 の 配 当 所 得 譲 渡 所 得 一 時 所 得 に 関 する 事 項 [Ítens relacionados à renda de dividendos, renda variada (excluindo-se as pensões públicas, etc.), renda de cessão sujeita à taxação agregada e renda extraordinária] do formulário de declaração Nº 2 escreva os ítens correspondentes. I 33

36 32 9 Total do Valor da Renda Pessoa que utiliza os Forumulários A e B Como preencher o formulário de declaração A Escreva na coluna do 5 do Formulário de Declaração Nº 1, o resultado da soma dos valores de 1 a 4, declarados no Formulário de Declaração Nº 1. [Como preencher o formulário de declaração B] Escreva na coluna 9do Formulário de Declaração Nº 1, o resultado da soma dos valores de 1 a 8*, declarados no Formulário de Declaração Nº 1 (*). * Para a pessoa que preencher a coluna 52 (Ver página 56), escreva o resultado subtraindo do valor total da coluna 1 a 8 do Formulário de Declaração No. 1, o valor da coluna 52 declarado no Formulário de Declaração No. 1. Ao fazer o cálculo do valor da renda, se resultar déficit no valor das rendas de negócios, propriedades imóveis e florestais, tal déficit poderá ser reduzida de outras várias rendas que resultaram em lucros. Denomina-se Cálculo da Soma de Perdas e Lucros. Deve-se tomar cuidado nos seguintes pontos, ao fazer o cálculo de perdas e lucros. 1) No caso da Renda de Cessão ou Renda Extraordinária sujeita à Taxação Geral resultar deficit num dos valores entre 1 e 3 do Formulário de Declaração No. 1, se calcula somando diretamente as Rendas Diversas. 2) Além do caso 1, consulte a Repartição de Impostos, porque o cálculo é complexo. Caso tenha diversas rendas negativas, poderá fazer o cálculo utilizando a Tabela de cálculo da soma de perdas e lucros. Cálculo da Soma de Perdas e Lucros Método de taxação sobre a renda de dividendos 1 Sistema do Imposto Retido na Fonte de Renda - Dividendos auferidos pelas empresas de capital aberto (excluindo os principais acionistas) O Imposto de Renda (7%) e o Imposto Residencial (3%) sobre o valor pago serão recolhidos na fonte. Para declarar os dividendos, etc., escrevam o Valor do Imposto de Renda na coluna 所 得 の 内 訳 ( 源 泉 徴 収 税 額 ) (Especificação do Imposto de Renda (valor do Imposto Retido na Fonte de Renda), e o Valor do Imposto Residencial na coluna do 住 民 税 に 関 する 事 項 (Itens relacionados ao Imposto Residencial) ou na coluna 住 民 税 事 業 税 に 関 する 事 項 (Itens relacionados ao Imposto Residencial/Imposto de Negócios).. - Dividendos, etc., auferidos pelas empresas de capital fechado ou de capital aberto (principais acionistas, etc.) Somente o Imposto de Renda (20%) sobre o valor pago será recolhido na fonte. Escreva o valor do imposto de renda na coluna 所 得 の 内 訳 ( 源 泉 徴 収 税 額 ) (Especificação do Imposto de Renda (valor do Imposto Retido na Fonte de Renda). 2 Sistema da declaração de taxação por separado Em relação à renda de dividendos relacionada aos dividendos de ações de registro público (excluindo os principais acionistas), pode-se optar pela declaração de taxação por separado, aplicando a taxação de 7% (3% de imposto residencial), em lugar de taxação do Imposto Geral. Neste caso, pode-se calcular o valor da perda e de lucro que incide na cessão de ações públicas registradas. Não obstante, ao optar por este sistema, o contribuinte não poderá ser beneficiado pela dedução de dividendos. Nota: No referente aos dividendos, etc. (excluindo os principais acionistas) relacionados às ações públicas das empresas listadas na Bolsa de Valores (capital aberto) que realizam a Declaração Definitiva, é preciso optar por tributação geral para todos os dividendos ou por tributação por separado para todos os dividendos. 3 Sistema de Declaração Definitiva desnecessário Há o Sistema de Declaração Definitiva desnecessário no caso dos seguintes dividendos. Ao optar por este sistema, não poderá receber a dedução do dividendo e a dedução do valor do imposto retido na fonte de renda. - Dividendo de pequena quantia - Dividendos relacionados a empresas de capital aberto (excluindo os principais acionistas). - Distribuição de lucros de empresas de investimentos de ações específicas e de título público. - Dividendos de lucros obtidos por meio de cotas de investimentos de empresas de investimentos especiais. - Dividendos da quantia de investimento das empresas de investimento específico * Pode-se optar por valor de dividendos de cada pagamento que recebe (exclui-se a conta de retenção na fonte de renda do item 4). * Em relação aos dividendos, etc. da conta de investimentos das empresas de investimento específico, mesmo que apresente a declaração definitiva, o contribuinte não pode se beneficiar da dedução de dividendos. Principais acionistas São pessoas que possuem 3% ou mais de ações públicas das empresas listadas na Bolsa de Valores. Dividendos de pequeno valor Refere-se aos valores recebidos pelo pagamento de cada título e, no caso de resultar valor inferior ao realizar o cálculo na seguinte forma x Número de meses do período de cálculo dos dividendos (máximo 12 meses) 12 * O Período do Cálculo de Dividendos se refere ao período até o dia da preparação relacionado ao pagamento dos dividendos, etc., a partir do dia seguinte ao da preparação imediatamente antes do pagamento dos dividendos. 4 Conta Especial para realizar retenção na fonte (conta de retenção na fonte de renda) Ao serem aceitos os dividendos, etc. das ações de registro público na conta de retenção na fonte de renda, pode-se fazer o cálculo dos agregados da renda de cessão das ações de registro público, e de perda e lucro dentro da mesma conta e optar pelo sistema de não fazer a Declaração Definitiva por conta. Também, pode-se optar em declarar somente a renda de cessão da conta do imposto retido na fonte ou somente a renda de dividendos que possui dentro da mesma conta. Porém, neste caso, quando se declara a perda por cessão que possui dentro da conta do imposto retido na fonte, é necessário declarar junto o valor da renda de dividendos que possui dentro da mesma conta. Para maiores detalhes, consulte a referência Forma de Declarar a Renda de Cessão de Ações, etc. (Exemplo da forma de preencher). 34

37 Valor de Dedução do Imposto Dedução do Impsoto de Renda Não Residente 3-3 O valor a ser reduzido da renda (Dedução do Imposto de Renda) É autorizado subtrair diversos valores de dedução dos seguintes valores da renda. Porém, no caso de um não-residente com renda sujeita à taxação geral durante o ano 2012, pode-se subtrair somente a dedução básica, a dedução diversa e a dedução de doações. Quando for indicado junto o 3-4 Cálculo do Imposto (página 48 em diante) da dedução do valor do imposto, deverá ser de acordo com a seguinte tabela. Tabela das rendas dedutíveis e o valor de dedução do Imposto Residente Permanente Residente Residente não Permanente Status de residente trocada durante o ano Dedução de perdas diversas (Ver página 36) Dedução de Despesas Médicas (Ver página 37) Dedução do Prêmio de Seguro Social (Ver página 38) Dedução do Prêmio de Ajuda Mútua de Pequenas Empresas, etc. (Ver página 39) Dedução do Prêmio do Seguro de Vida (Ver página 39) Dedução de Prêmios de Seguro contra Prejuízos (Ver página 41) Dedução de Doações (Ver página 42) Dedução de Viúva ou Viúvo (Ver página 43) Dedução de Estudante Trabalhador (Ver página 43) Dedução de Deficientes (Ver página 44) Dedução de Cônjuges (Ver página 44) Dedução Especial de Cônjuge (Ver página 45) Dedução de Dependentes (Ver página 46) Dedução Básica (Ver página 46) Dedução de Dividendos (Ver página 49) Dedução Especial de Empréstimo para Moradia (Ampliação e reforma específica) (Ver página 50) Deduçãoo para Contribuições a Partidos Políticos (Ver página 51) Valor de dedução especial de doação às organizações autorizadas de pessoa jurídica (Ver página 51) sem fins lucrativos (NPOs), etc. Valor de dedução especial de doação às associações de interesse público (Ver página 51) Valor de dedução especial de doação designada no caso dos específicos desastres de (Ver página 51) terremotos Dedução Especial de Reforma Prova de Terremotos da Moradia (Ver página 52) Dedução especial do Imposto para reforma específica de moradia (Ver página 52) Dedução especial do Imposto para construção de nova moradia com atestado de excelente e longa (Ver página 52) durabilidade Dedução de Impostos Estrangeiros (Ver página 54) Dedução Especial do Certificado Eletrônico (Ver página 53) * Aplicável Não-aplicável Aplicável somente para bens localizados no Japão enquanto a pessoa seja uma não-residente. Aplicável ao pagamento feito como um residente. Aplicável se o status de dependente seja determinado nas datas abaixo descritas: No caso da troca de status de não-residente para residente durante o ano de tributação: 31 de Dezembro No caso da troca de status de residente para não-residente durante o ano de tributação: (1) sem determinar um procurador de imposto: Dia da partida do Japão (2) determinando um procurador de imposto: 31 de Dezembro A princípio, não-aplicável depois do ano que o(a) Sr.(a.) se tornou-se não-residente. Na aplicação deste crédito de imposto, presume-se que não há renda proveniente de fontes no Japão, enquanto a pessoa seja uma não-residente. * O contribuinte poderá ser beneficiado pela Dedução do Imposto, ao realizar a Declaração Definitiva através de e-tax e apresentá-la até o dia 15 de março de 2013, anexando a assinatura eletrônica do próprio contribuinte e o Certificado relacionado a essa assinatura eletrônica. (À pessoa que já recebeu a dedução na Declaração Definitiva em qualquer dos anos entre 2007 e 2011, não será aplicada a dedução novamente.) 35

38 1 Dedução das Perdas Diversas O declarante, cônjuge ou familiar que vive da mesma renda (consulte a página 23) do declarante, cujo valor da renda geral no ano 2012 foi ou inferior, se teve despesa por danos na moradia, nos bens em virtude de desastre, ou sofreu prejuízo por roubo ou usurpação durante o ano 2012, poderá deduzir o valor dessas despesas (Despesa relacionada a desastre) que foi obrigado a pagar. Entretanto, a perda de bens por danos não imprescindíveis na vida diária como obras escritas, quadros, antiguidades, jóias ou casa de veranejo, não serão considerados objetos de Dedução de Perdas Diversas, mas tal perda poderá ser deduzida na renda de cessão do ano 2012 e A pessoa que, no ano 2012, teve renda total (*1) de ou inferior e, em virtude de desastres, teve prejuízo de 50% ou mais nos valores da casa ou móveis e utensílios, e as vítimas de desastres poderão optar pelo que for mais conveniente (*2) entre redução e isenção do imposto relacionadas à lei de redução, isenção e posposição de taxação do imposto (3-4 15Valor de redução e isenção decorrente de desastres consulte a página 53) ou esta dedução de perdas diversas. *1 Se o valor total da renda é ou não de ou inferior, é decidido por valor da renda após subtrair do valor total da renda o valor de dedução especial sujeita a taxação separada. *2 Em relação à vantagem de qual optar, entre a Dedução de Perdas Diversas ou Redução e Isenção do imposto relacionada à lei de redução, isenção e posposição de taxação do imposto às vítimas de desastres, difere de acordo com o valor da renda e do valor do prejuízo das respectivas pessoas. Coluna de cálculo O valor da dedução é calculado da seguinte forma. (Total) Valor das Perdas Valores cobertos pelo Seguro A B (Prejuízo resultante) 5 (do A) ou 9 (do B) do formulário de declaração Nº 1 + Valor da renda de aposentadoria + renda de atividades florestais *1. D 0,1 C E (escreva zero 0 no caso de perda) (escreva zero 0 no caso de perda) (escreva zero 0 no caso de perda) Do valor C, o valor do gasto relacionado à desastres *2. G G (escreva zero 0 no caso de perda) H Maior valor entre F e H Valor da dedução de perdas diversas *1 Se no cálculo de D, houver a taxação separada na renda a ser declarada, é adicionado o valor total nos valores da renda (anteriores a dedução especial). *2 O valor do gasto relacionado a desastres refere-se, dentro das perdas, aos gastos realizados para demolição ou remoção de moradias, relacionados a desastres. A B C D E F Como preencher o formulário de declaração A Tanscreva na coluna 17 o valor de Dedução de Perdas Diversas ( 雑 損 控 除 額 ), do formulário de declaração Nº 1. Escreva a causa do prejuízo, data, tipo do bem que foi danificado, do quadro da [17 Dedução de Perdas Diversas], e transcreva o valor total da perda A, o valor coberto pelo seguro B e o valor do gasto relacionado à perda G, no formulário de declaração Nº 2. Como preencher o formulário de declaração B Transcreva na coluna 10 o valor de Dedução de Perdas Diversas ( 雑 損 控 除 額 ), do formulário de declaração Nº 1. Escreva a causa do prejuízo, data, tipo do bem que foi danificado, no quadro da [10 Dedução de Perdas Diversas], e transcreva o valor total da perda A, o valor coberto pelo seguro B e o valor do gasto relacionado à perda G, no formulário de declaração Nº 2. Documentos que devem ser anexados Para usufruir esta dedução, é necessário anexar ou apresentar os comprovantes dos gastos efetuados por força maior, relacionados à desastres. 36

39 2 Dedução de Despesas Médicas Haverá redução, se as despesas do declarante ou da família que conviva com o declarante (Referência na página 24), como esposa ou outros familiares, pagas, no decorrer do ano de 2012, como Despesas Médicas, forem superiores a um valor determinado. Coluna de cálculo O valor da dedução é calculado da seguinte forma. Despesa médica Valores cobertos pelo Seguro, etc. A B 5 (do A) ou 9 (do B) do formulário de declaração Nº 1 + Valor da renda de aposentadoria + renda de atividades florestais * D 0,05 (Total) (escreva zero 0 no caso de perda) (escreva zero 0 no caso de perda) Valor menor entre E e F (máximo de Valor da , dedução C-F escreva zero 0 da no caso de perda) despesa médica * No cálculo do valor de D, caso for necessário fazer a declaração da renda sujeita à taxação separada, soma-se o valor total desta renda (anterior à dedução especial) A B C D E Como preencher o formulário de declaração A Transcreva na coluna 18 do formulário de declaração Nº 1, o Valor da dedução de despesas médicas. Transcreva na coluna 18 do formulário de declaração Nº 2, o total das despesas médicas efetivamente pagas A e os valores a serem cobertos pelo seguros e similares B. Como preencher o formulário de declaração B Transcreva na coluna 11 do formulário de declaração Nº 1, o Valor da dedução de despesas médicas. Transcreva na coluna 11 do formulário de declaração Nº 2, o total das despesas médicas efetivamente pagas A e os valores a serem cobertos pelo seguros e similares B. Documentos que devem ser anexados Para obter benefício desta dedução, são necessários anexar ou apresentar os comprovantes dos gastos de tratamento médico (*), relacionados a desastres. Quando se tratar de vários pagamentos de despesas médicas ou de alto valor, é necessário anexar ou apresentar a Especificação do tratamento médico com as discriminações preenchidas (consulte na página 18). * Tome cuidado, pois os documentos expedidos pelas cooperativas de seguro de saúde, etc., denominados comunicado de despesas médicas, não são considerados como recibo, etc.. Os valores a serem cobertos pelo seguro são os que se referem nos ítens (1) a (4) a seguir. (1) Os valores de seguro contra prejuízos, seguro médico e auxílio para internação, vindos de contratos de seguro contra prejuízos e contratos de seguro de vida, que recebe com o objetivo de cobrir as despesas médicas. (2) Os valores recebidos como compensações de despesas médicas, internação no hospital ou por lesão conforme estabelecidos no contrato concluidos com o Seguros de Vida, Seguro contra Lesão, etc.. Por exemplo, despesas de tratamento, auxílio-parto e puericultura, auxílio-parto e puericultura da família, despesas de tratamento da família e despesas médicas de alto valor, que recebe em cumprimento das normas legais da Lei de Seguro de Saúde. (3) O valor de perdas e danos que recebe com o objetivo de cobrir as despesas médicas. (4) O auxílio que recebe da sociedade fraternal voluntária com o objetivo de cobrir as despesas médicas. 37

40 *As despesas médicas objeto de Dedução de Despesas Médicas As despesas médicas que podem ser incluídas na Dedução de Despesas Médicas são as que se enquadram em (1) ou (2). (1) São válidos os valores dos seguintes itens, de acordo com as condições da doença, desde que não superem demasiadamente os valores normalmente atribuídos. 1 Consulta e tratamento médico ou dentário 2 Compra de medicamentos necessários ao tratamento 3 Mão de obra necessária na internação em hospitais ou ambulatórios, em instituições de saúde e enfermagem dos idosos, instituições de bem-estar e enfermagem destinadas aos idosos, parteras. 4 Os tratamentos necessários de massagem, de terapia de acupuntura, de compressão digital, moxaterapia por terapeutas e fisioterapia por judoca, etc. 5 Cuidados necessários, por pessoas especialmente contratadas, como sanitarista, enfermeira ou assistente de enfermagem (incluindo assistentes para cuidados no lar). 6 Auxílio necessário de parteira. 7 Determinada despesa de orientação específica de saúde realizada pelo médico, etc.. 8 Valor correspondente aos serviços como sucção de catarro realizados pelo assistente de cuidados pessoais (kaigo fukushishi) etc. depois de 1º de abril de 2012 (Nota) Para determinados serviços realizados sob o sistema do Seguro de Assistência de Enfermagem, as despesas que podem ser incluídas na Dedução de Despesas Médicas são as seguintes: (2) As despesas abaixo mencionadas são as diretamente necessárias para consultas ou tratamento. 1 Despesas de transporte, despesas do uso do quarto e das refeições durante a internação, aquisição de aparelhos médicos ou despesas do aluguel dos mesmos, necessários usualmente. 2 Despesas para a aquisição de membros mecânicos, muleta, prótese dentária. 3 Das despesas a serem pagas pelos governos regionais e locais, em obediência ao estabelecido pela Lei do Bem-Estar de Deficientes Físicos e Lei do Bem-Estar dos Deficientes Mentais, são as despesas para consultas médica ou que correspondam a 1 e 2. Atenção 1 As despesas com fraldas de pessoas acamadas há mais de 6 meses, apresentando-se o Atestado para uso de Fraldas emitido pelo médico que trata da pessoa, podem ser incluídas em Despesas Médicas. O Atestado para uso de Fraldas deve ser anexados na declaração de renda ou apresentados na ocasião da declaração definitiva. (Nota) Determinada pessoa que recebe os cuidados de enfermagem por mais de 2 anos, de acordo com a Lei do Seguro de Assistência de Enfermagem, o Certificado de Confirmação emitido pelos governos do Município, do Distrito, da Vila, etc. pode ser trocado pela Certidão de utilização de fraldas. Atenção 2 As seguintes despesas não são incluídas em Depesas Médicas: (1) Despesas com cirurgias efetuadas com objetivos estéticos ou apenas por questão de mudança da aparência (2) Despesas para a aquisição de medicamentos para prevenção de doenças ou para melhoria da saúde (3) Podem ser incluídas em Despesas Médicas, as despesas para exames de saúde ou orientação específica de saúde (entretanto, se nos citados exames for detectada doença grave, que necessite de tratamento contínuo, ou receber certa específica indicação de tratamento pelo médico que realizou o específico exame de saúde.) (4) Despesas pagas a familiares por prestação de cuidados (5) Despesas para a aquisição de lentes corretivas não diretamente necessários ao tratamento médico Atenção 3 Das despesas médicas, somente as efetivamente pagas no ano de 2012, são alvos de redução. As despesas médicas não pagas poderá ser deduzida no ano que realize o pagamento. Atenção 4 Para os detalhes sobre determinadas instalações e serviços fornecidos pelo sistema de Seguro de Cuidado dos Idosos que correspondem à dedução de despesas médicas, consulte Pessoas que correspondem à dedução de despesas médicas (Fazendo o Download da Home Page do Ministério de Receita Nacional ou obtendo as informações na Repartição de Impostos.). 3 Dedução do Prêmio do Seguro Social Os valores dos prêmios do Seguro Saúde, Seguro Nacional de Saúde (Imposto), Seguro Nacional de Pensão, Fundo Nacional de Pensão, Seguro de Tratamento Médico de Pessoas de Idade Avançada (Idosos com mais de 70 anos de idade), Seguro de Assistência de Enfermagem, etc., que devem ser assumidos pelo declarante, cônjuge ou outros familiares que vivem da mesma renda (Consulte a página 24), poderão ser deduzidos quando estes prêmios tiverem sido pagos pelo declarante ou descontados do seu salário. Não obstante, se os prêmios do Seguro Nacional de Saúde (Imposto), Seguro de Tratamento Médico de Pessoas de Idade Avançada (Idosos com mais de 70 anos de idade) e o Seguro de Assistência de Enfermagem forem reduzidos diretamente das pensões que recebem os dependentes e de outros familiares que vivem da mesma renda do declarante, o declarante não poderá ser beneficiado pela dedução na declaração do seu prêmio de Seguro Social. Caso o prêmio do Seguro Nacional de Saúde (Imposto) e Seguro de Tratamento Médico de Pessoas de Idade Avançada (Idosos com mais de 70 anos de Idade) for pago da conta bancária do declarante, este valor poderá ser deduzido. 38

41 Como preencher o formulário de declaração A Transcreva na [Dedução de Prêmio do Seguro Social 6], do formulário de declaração Nº 2, o tipo do seguro social, o valor do prêmio do seguro e o total do valor. Em caso de preencher o valor da Dedução de Prêmio de Seguro Social que consta no Comprovante de Imposto de Renda Retido na Fonte de Renda, escreva como 源 泉 徴 収 票 のとおり (Idem ao Comprovante de Imposto de Renda Retido na Fonte) na coluna do tipo de prêmio de seguro social do quadro 6 Dedução do Prêmio de Seguro Social do formulário de declaração Nº 2. Transcreva na [Dedução de Prêmio do Seguro Social 6] do formulário de declaração Nº 1, o valor total do pagamento do prêmio do seguro social. Como preencher o formulário de declaração B Escreva no quadro da [12 Dedução de Prêmio do Seguro Social], do formulário de declaração Nº 2, o tipo do seguro social, o valor do prêmio do seguro e o total do valor. Em caso de preencher o valor da Dedução de Prêmio de Seguro Social que consta no Comprovante de Imposto de Renda Retido na Fonte, escreva como 源 泉 徴 収 票 のとおり (Idem ao Comprovante de Imposto de Renda Retido na Fonte de Renda) na coluna do tipo de prêmio de seguro social do quadro 12 Dedução do Prêmio de Seguro Social do formulário de declaração Nº 2. Transcreva na coluna da [Dedução de Prêmio do Seguro Social 12] do quadro do 所 得 から 差 し 引 かれる 金 額 (Valor a ser reduzido da renda), do formulário de declaração Nº 1, o valor total do pagamento do prêmio do seguro social. Documentos que devem ser anexados Para usufruir da dedução do Prêmio (Imposto) do Seguro Nacional de Pensão, é necessário anexar ou apresentar o Certificado de Dedução do Prêmio do Seguro Social (prêmio do Seguro Nacional de Pensão). Não obstante, a pessoa com renda proveniente do salário que já recebeu a dedução no momento do ajuste do final do ano, fica isenta de anexar ou de apresentar. 4 Dedução do Prêmio de Ajuda Mútua de Pequenas Empresas, etc. Em cumprimento às normas legais, o declarante que, baseado na Lei do Fundo Mútuo de Ajuda de Pequenas Empresas, pagou o prêmio do contrato com o Fundo Mútuo de Ajuda (exceto o antigo contrato com o Fundo Mútuo de Ajuda da modalidade 2), o prêmio do Seguro Corporativo de Pensão ou do Seguro Individual de Pensão ou o prêmio, por cláusula contratual, do Sistema do Fundo Mútuo de Ajuda aos Deficientes Físicos e Mentais administrados pelos governos regionais, poderá deduzir estes valores. Como preencher o formulário de declaração A Escreva na coluna da [7 Dedução do Prêmio de Ajuda Mútua de Pequenas Empresas], do formulário de declaração Nº 2, o tipo do prêmio, o valor do prêmio e o total do valor. Em caso de trabalhador assalariado preencher o valor da dedução já recolhido do salário no ato do Ajuste do Final de Ano, escreva como 源 徴 収 票 のとおり (Idem ao Comprovante de Imposto de Renda Retido na Fonte de Renda) na coluna do tipo de prêmio do quadro 7 Dedução do Prêmio de Ajuda Mútua de Pequenas Empresas, etc. do formulário de declaração Nº 2. Transcreva na coluna da [Dedução do Prêmio de Ajuda Mútua de Pequenas Empresas 7] do quadro do 所 得 から 差 し 引 かれる 金 額 (Valor a ser reduzido da renda), do formulário de declaração Nº 1, o valor total do pagamento do prêmio. Como preencher o formulário de declaração B Escreva na coluna da [13 Dedução do Prêmio de Ajuda Mútua de Pequenas Empresas], do formulário de declaração Nº 2, o tipo do prêmio, o valor do prêmio e o total do valor. Em caso de trabalhador assalariado preencher o valor da dedução já recolhido do salário no ato do Ajuste do Final de Ano, escreva como 源 泉 徴 収 票 のとおり (Idem ao Comprovante de Imposto de Renda Retido na Fonte de Renda) na coluna do tipo de prêmio do quadro 13 Dedução do Prêmio de Ajuda Mútua de Pequenas Empresas, etc. do formulário de declaração Nº 2. Transcreva na coluna da [Dedução do Prêmio de Ajuda Mútua de Pequenas Empresas 13] do quadro do 所 得 から 差 し 引 かれる 金 額 (Valor a ser reduzido da renda), do formulário de declaração Nº 1, o valor total do pagamento do prêmio. Documentos que devem ser anexados Para usufruir esta dedução, é necessário anexar ou apresentar os comprovantes dos valores pagos como prêmios. Não obstante, a pessoa com renda proveniente do salário que já recebeu a dedução no momento do ajuste do final do ano, fica isenta de anexar ou de apresentar. 5 Dedução do Prêmio do Seguro de Vida Os prêmios (exceto o valor de dividendos que o contratado recebeu) pagos de Seguro de Vida novo (anterior), Seguro de Assistência Médica aos Idosos ou Seguro Individual de Pensão novo (anterior), podem ser deduzidos no saldo decorrido. Quanto à classificação dos prêmios do Seguro de Vida novo (anterior), Seguro de Assistência Médica aos Idosos e do Seguro Individual de Pensão novo (anterior) está claramente indicada no certificado emitido pela companhia de seguros, etc. O método de cálculo para o valor da dedução do Seguro de Vida entre os prêmios cujo contrato foi celebrado depois de 1º de janeiro de 2012 (prêmios do Seguro de Vida novo, Seguro de Assistência Médica aos Idosos ou Seguro Individual de Pensão novo) e contrato celebrado antes de 31 de dezembro de 2011 (prêmios do Seguro de Vida anterior e do Seguro Individual de Pensão anterior) é diferente. Coluna de cálculo O valor da dedução é calculado da seguinte forma.. 39

42 Prêmio com base no contrato celebrado antes de 31 de dezembro de 2011 Prêmio do Seguro de Vida anterior Prêmio do SeguroIndividual Prêmio pago Valor de A y B (Total) A de Pensão nterior (Total) Valor de dedução Valor de dedução B ~ ~ ~ Valor do A A x 0, = A x 0, = (Máximo ) C Valor do B B x 0, = B x 0, = (Máximo ) D Prêmio com base no contrato celebrado depois de 1º de janeiro de 2012 Prêmio pago Prêmio do Seguro de Vida novo (Total) E Prêmio do Seguro Individual de Pensão novo (Total) F Prêmio do Seguro de Assistência Médica aos Idosos (Total) G Valor do E F G Valor de dedução Valor de dedução Valor de dedução ~ ~ Valor do E E 0, = H Valor do F F 0, = I Valor do G G 0, = J ~ E 0, = (Máximo ) F 0, = (Máximo ) G 0, = (Máximo ) Total C + H (Máximo ) Ao receber aplicação apenas para C,, máximo K D + I (Máximo ) Ao receber aplicação apenas para D, máximo L J (Máximo ) M K + L + M (Máximo ) Valor da dedução do Prêmio do Seguro de Vida Como preencher o formulário de declaração A Transcreva no 8 do formulário de declaração Nº 1, o Valor da dedução do prêmio do Seguro de Vida. No formulário de declaração Nº 2, transcreva de acordo com a classificação da coluna [8 Dedução do Prêmio do Seguro de Vida], os respectivos valores da coluna de cálculo ;A ;B ;C ;D ;E ;F ;G. Além disso, no caso de trabalhadores assalariados que já tenham recebido a dedução da renda salarial na ocasião do Ajuste do Final do Ano e não haja mudança no valor pago que foi a base desse cálculo, por favor escreva 源 泉 徴 収 票 のとおり (Idem ao Comprovante de Imposto de Renda Retido na Fonte de Renda) no quadro 8 Dedução do Prêmio de Seguro de Vida do formulário de declaração Nº 2. Como preencher o formulário de declaração B Transcreva no 14 do formulário de declaração Nº 1, o Valor da dedução do prêmio do Seguro de Vida. No formulário de declaração Nº 2, transcreva os respectivos valores da coluna de cálculo ;A ;B ;C ;D ;E ;F ;G na coluna da [14 Dedução do Prêmio do Seguro de Vida],. Além disso, no caso de trabalhadores assalariados que já tenham recebido a dedução da renda salarial na ocasião do Ajuste do Final do Ano e não haja mudança no valor pago que foi a base desse cálculo, por favor escreva 源 泉 徴 収 票 のとおり (Idem ao Comprovante de Imposto de Renda Retido na Fonte de Renda) no quadro 14 Dedução do Prêmio de Seguro de Vida do formulário de declaração Nº 2. Quanto ao cálculo ;Kou ;L, se estiver pagando os prêmios do Seguro de Vida novo e anterior, ou então, os prêmios do Seguro Individual de Pensão novo e anterior e ser sujeito à aplicação da dedução dos prêmios de Seguro de Vida, o limite aplicável é \ para cada um deles. No entanto, por exemplo no cálculo ;K, o valor da dedução no caso de receber a aplicação da dedução (\50.000) do Seguro de Vida somente do prêmio do Seguro de Vida anterior tal como no caso de ter pago \ de prêmio do Seguro de Vida novo e \ de prêmio de Seguro de Vida anterior, torna-se mais vantajoso que o valor da dedução (\40.000) no caso de receber a aplicação da dedução do Seguro de Vida dos prêmios de ambos, isto é, do Seguro de Vida novo e Seguro de Vida anterior. Neste caso, poderá receber a dedução do prêmio do Seguro de Vida até \ no máximo, mediante aplicação da dedução dos prêmios do Seguro de Vida somente para prêmio do Seguro de Vida anterior. Isto equivale para os casos de prêmios do Seguro Individual de Pensão novo e anterior. Além disso, mesmo neste caso, o valor total de ;K + ;L+ ;M é \ no máximo. Documentos que devem ser anexados Para ser beneficiado por esta dedução, é necessário anexar ou apresentar os comprovantes dos valores pagos (exceto casos cujo prêmio do Seguro de Vida anterior seja abaixo de \9.000 por contrato). No entanto, os trabalhadores assalariados que já tenham recebido a tal dedução na ocasião do Ajuste do Final do Ano, não precisarão anexar e nem apresentar os comprovantes. 40

43 Ao estar filiado no Seguro contra Terremoto e (derrogado) Seguro contra Prejuízo 6 Dedução do Prêmio do Seguro contra Terremoto No caso de pagar o prêmio para filiar-se ao Seguro contra Prejuízo, etc., relacionado ao prejuízo contra terremoto (exclui-se o valor de dividendo recebido pelo segurado), este será deduzido (*). Não obstante, sobre a classificação do contrato do seguro encontra-se indicada na apólice emitida pelas empresas de Seguro contra Prejuízo. Coluna de cálculo O valor da dedução é calculado da seguinte forma. Transcreve-se em forma separada por contrato de seguro baseando nos respectivos certificados. * Quando possuir 2 ou mais certificados de pagamento dos prêmios do Seguro contra Terremos e do (derrogado) Seguro contra Prejuízo, consulte a Repartição de Impostos. Certificado do pagamento do prêmio de outro contrato com seguro Únicamente prêmio do Seguro contra Terremoto Prêmio do Seguro contra Terremoto Prêmio do (derrogado) Seguro contra Prejuízo Únicamente Prêmio do (derrogado) Seguro contra Prejuízo Valor do prêmio (Total) (Total) A + B E C + D F Valor da Dedução do Prêmio do Seguro contra Terremoto Quando o valor do D é inferior a Quando o valor do D é superior a E + G Quando o valor do F é inferior a Quando o valor do F é superior a A + I Valor maior entre H e J Valor do D = D x 0, (No máximo ) (No máximo ) Valor do F = F x 0, (No máximo ) (No máximo ) A B C D G H I J Dedução do Prêmio do Seguro contra Terremoto Como preencher o formulário de declaração A Transcrevam o valor da Dedução do Prêmio do Seguro contra Terremoto na coluna 9 do formulário de declaração Nº 1, o Valor da dedução do Prêmio do Seguro contra Terremoto. Quando escrever o valor da coluna de cálculo H na coluna de cálculo Valor da Dedução do Prêmio do Seguro contra Terremoto. Na coluna do Total do Prêmio do Seguro contra Terremoto 9 da Dedução do Prêmio do Seguro contra Terremoto do Formulário de Declaração No. 2, transcreva o valor E, e o D na coluna do Total do Prêmio do (derrogado) Seguro contra Prejuízo. Quando escrever o valor da coluna de cálculo J na coluna de cálculo Valor da Dedução do Prêmio do Seguro contra Terremoto. Na coluna do Total do Prêmio do Seguro contra Terremoto 9 da Dedução do Prêmio do Seguro contra Terremoto do Formulário de Declaração No. 2, transcreva o valor A, e o F na coluna do Total do Prêmio do (derrogado) Seguro contra Prejuízo. Se este valor não for diferente do valor baseado no cálculo da dedução já recolhido do salário do trabalhador assalariado no ato do Ajuste do Final de Ano, escreva como 源 泉 徴 収 票 のと おり (Idem ao Comprovante de Imposto de Renda Retido na Fonte) no quadro 9 Dedução do Prêmio de Seguro contra Terremoto do formulário de declaração Nº 2. Como preencher o formulário de declaração B Transcreva o Dedução do Prêmio do Seguro contra Terremoto na coluna 15, do formulário de declaração Nº 1. Quando escrever o valor da coluna de cálculo H na coluna de cálculo Dedução do Prêmio do Seguro contra Terremoto. Na coluna do Total do Prêmio do Seguro contra Terremoto 15 da Dedução do Prêmio do Seguro contra Terremoto do Formulário de Declaração No. 2, transcreva o valor E, e o D na coluna do Total do Prêmio do (derrogado) Seguro contra Prejuízo. Quando escrever o valor da coluna de cálculo J na coluna de cálculo Dedução do Prêmio do Seguro contra Terremoto. Na coluna do Total do Prêmio do Seguro contra Terremoto 15 da Dedução do Prêmio do Seguro contra Terremoto do Formulário de Declaração No. 2, transcreva o valor A, e o F na coluna do Total do Prêmio do (derrogado) Seguro contra Prejuízo. Se este valor não for diferente do valor baseado no cálculo da dedução já recolhido do salário do trabalhador assalariado no ato do Ajuste do Final de Ano, escreva como 源 泉 徴 収 票 のと おり (Idem ao Comprovante de Imposto de Renda Retido na Fonte) no quadro 15 Dedução do Prêmio de Seguro de Vida do formulário de declaração Nº 2. Documentos que devem ser anexados Para ser beneficiado pela dedução são necessários anexar ou apresentar o certificado do valor do pagamento. Não obstante, a pessoa com renda proveniente do salário que já recebeu a dedução no momento do ajuste do final do ano, fica isenta de anexar ou de apresentar. * No caso tiver concluido um contrato do Seguro de Prejuízo de longo prazo até o dia 31 de dezembro de 2006 (Contrato com um prazo do seguro e prazo de Ajuda Mútua por um período de 10 anos ou mais, e que tenha a condição especial de receber o dinheiro de volta ao vencer o prazo, etc.), e continua com o mesmo contrato sem mudar este prêmio, após o dia 01 de janeiro de 2007 (denominado (derrogado) prêmio do Seguro contra Prejuízo de longo prazo) poderá ser incluido. 41

44 7 Dedução de Doações Serão deduzidas determinadas despesas de doação realizada pelo contribuidor às organizações específicas do país, organizações públicas regionais, associações de previdência social, organizações autorizadas de pessoa jurídica sem fins lucrativos (NPOs) (*1), etc., despesas de doação relacionada ao desastre de terremoto do Grande Terremoto da Região Leste do Japão, despesas do valor necessário para obtenção de ações das pequenas e médias empresas específicas recém fundadas ou doações políticas, despesas destinadas a determinados fideicomissos públicos, como bens de fideicomissos. *1 Esta dedução se refere a doações destinadas às organizações autorizadas ou autorizadas provisoriamente de pessoa jurídica sem fins lucrativos (NPOs), etc., realizadas dentro do prazo vigente da autorização. *2 No caso das doações políticas específicas, as realizadas a partidos políticos, instituições do fundo político, organizações autorizadas de pessoa jurídica sem fins lucrativos (NPOs), etc., determinadas associações de interesses públicos, e doações relacionadas aos desastres de terremotos, quando estas despesas forem específicas, pode-se optar pela dedução de doação que seja mais vantajosa, dentre as respectivas deduções especiais de doação a partidos políticos, organizações autorizadas de pessoa jurídica sem fins lucrativos (NPOs), etc., e organizações de pessoa jurídica de interesses públicos, designadas no caso dos específicos desastres de terremotos. Como a dedução difere segundo os valores da renda, das doações a partidos políticos e outras doações, para optar pela dedução mais vantajosa ao contribuinte, deve-se realizar os cálculos verificando a Especificação do cálculo do valor de dedução especial de doação a partidos políticos, a Especificação do cálculo do valor de dedução especial de doação às organizações autorizadas de pessoa jurídica sem fins lucrativos (NPOs), etc., a Especificação do cálculo do valor de dedução especial de doação às associações de interesse público e a Especificação do cálculo do valor de dedução especial de doação designada no caso dos específicos desastres de terremotos. *3 Para poder ser aplicada a dedução do valor do Imposto Residencial Individual das doações, é necessário preencher as colunas de dedução do valor do Imposto sobre doações dos Itens relacionados ao Imposto Residencial ou Itens relacionados ao Imposto Residencial ou Imposto sobre Negócios. Para preencher, consulte a página 60 de Dedução do Imposto sobre doações, porque o valor de dedução difere de acordo com a classificação. Cálculo do Valor da Dedução O valor da dedução é calculado da seguinte forma. Valor de doação (Total) relacionada a desastres de terremoto Valor de doação excluindo A (Total) 5 (do A) ou 9 (do B) do formulário de declaração Nº 1 + Valor da Renda de Aposentadoria + Renda de Atividades Florestais * C 0.4 Menor valor entre B e D C 0.8 A + E Menor valor entre F e G H (escreva zero 0 no caso deperda) (escreva zero 0 no caso de perda) A B C D E F G H Valor da dedução de doações * Quando tiver outras rendas além da qual corresponde apresentar a declaração do Imposto por separado, deve-se somar a quantia total dos valores da renda (Antes da dedução especial). Nota: Quando não for possível preparar a tempo o documento para deduzir o valor de doação (Antes da dedução especial) até o prazo determinado de apresentação da Declaração Definitiva, pode-se anexar as cópias dos recibos das doações na Declaração Definitiva, em lugar de apresentar o documento. Imediatamente após a emissão do documento, deve-se apresentá-lo à Repartição de Impostos. Como preencher o formulário de declaração A Transcreva na coluna da [Dedução de Doação 19 ] do formulário de declaração Nº 1, o Valor da dedução de doações. Quando é aplicada a dedução de doação à doação relacionada aos desastres de terremotos, deve-se escrever o número [1] no de [Classificação] da coluna 19 Dedução de Doação. Escreva o endereço e o nome do destinatário da doação na coluna [ 19 Dedução de Doação] do Formulário da Declaração No. 2. Depois, transcreva o valor da coluna de cálculo A na coluna de Doação relacionada a desastres de terremotos e o valor da coluna de cálculo B na coluna de Doação. Também, em Itens relacionados ao Imposto Residencial do Formulário de Declaração No. 2 escreva os itens correspondentes. Ainda no formulário de declaração Nº 2, escreva na coluna 住 民 税 に 関 する 事 項 (Itens relacionados ao Imposto Residencial), os itens necessários. Como preencher o formulário de declaração B Transcreva na coluna da [Dedução de Doação 16 ]do formulário de declaração Nº 1, o Valor da dedução de doações. Quando for aplicada a dedução de doação à doação relacionada a desastres de terremotos, deve-se escrever o número [1] no de [Classificação] da coluna 16. Escreva o endereço e o nome do destinatário da doação na coluna [ 16Dedução de Doação] do Formulário da Declaração No. 2. Depois, transcreva o valor da coluna de cálculo A na coluna de Doação relacionada a desastres de terremotos e o valor da coluna de cálculo B na coluna de Doação. Também, em Itens relacionados ao Imposto Residencial do Formulário de Declaração No. 2 escreva os itens correspondentes. Ainda no formulário de declaração Nº 2, escreva na coluna 住 民 税 事 業 税 に 関 する 事 項 (Itens relacionados ao Imposto Residencial/Imposto de Negócios), os itens necessários. Documentos que devem ser anexados No caso de Contribuição Política, é necessário anexar o documento para dedução de doações (valor do imposto) ( ) emitida e timbrada pelo Comitê Eleitoral ou similares. Nos demais casos de doações passíveis de dedução, é necessário anexar ou apresentar o recibo expedido pela Instituição para a qual foi feita a doação. Às doações para específicas instituições públicas ou instituições escolares, ou pagamento para bens mútuos às específicas instituições de fundo mútuo, é necessário anexar ou apresentar o documento comprovando que a pessoa jurídica ou a instituição do fundo mútuo é uma organização legal como tal ou uma cópia da autorização da entidade. Às contribuições ou doações a políticos deverão ser comprovados através do Documento destinado à dedução do imposto por doação, devidamente comprovados pelas autoridades ou comitês eleitorais competentes. 42

45 Viúvo Viúva 8 Deduções de Viúva ou Viúvo Se a(o) declarante é viúva ou viúvo, poderá deduzir um certo valor determinado. Valor de Dedução Os valores de Deduções são os seguintes. Classificação 1 A pessoa que cujo marido é falecido ou é divorciada e não voltou a se casar ou cujo marido está desaparecido e cuja renda geral, inclusive dependentes e convive com filhos (*2) que teve no ano 2012, a renda (*1) de ou inferior. 2 A pessoa que, além de satisfaz à condição 1), possui filho dependente, e que, no ano de 2012, teve a renda total (*3) de ou inferior. 3 A pessoa que, após perder o marido por morte ou por desaparecimento e não voltou a se casar e que, no ano de 2012, teve a renda total (*3) de ou inferior. Viúvo é a pessoa cuja esposa é falecida ou é divorciada e não voltou a se casar ou cuja esposa está desaparecida, e a renda total (*3) do ano de 2012 foi de 5 milhões de ou inferior, e convive com o filho (*2) que no ano 2012 teve a renda (*1) geral de ou inferior. Valor de Dedução (*1) Consultem a Renda Geral na página 24. (*2) Exceto os dependentes e familiares que sejam objeto de dedução e dependem de outro declarante. Consultem Viver da mesma renda na página 24. (*3) Consultem a Renda Geral na página 24. Como preencher o formulário de declaração A Escreva na coluna 10 do formulário de declaração Nº 1, o valor da deduçãodo. No formulário de declaração Nº 2, escreva na coluna dos [10 ~ 11 Itens referentes à própria pessoa], a dedução da viúva (do viúvo) e marcar com no, um dos itens correspondentes: separada(o) por falecimento, divórcio, não se sabe se o(a) cônjuge está vivo(a) ou morto(a) ou desaparecimento. Como preencher o formulário de declaração B Escreva na coluna 18 do formulário de declaração Nº 1, o valor da dedução No formulário de declaração Nº 2, registre a dedução da viúva (viúvo) na coluna dos [18 ~ 19 Itens referentes à própria pessoa], e marcar com no, um dos itens correspondentes: separada(o) por falecimento, divórcio, não se sabe se está vivo(a) ou morto(a) ou desaparecimento. 9 Dedução de Estudante Caso o declarante seja estudante trabalhador (exceto aqueles cuja renda, no ano 2012, seja de ou superior ou cuja renda não proveniente de seu trabalho seja de ou superior (vide Dedução de Viúva ou Viúvo * da página 24)), poderá usufruir esta dedução. Valor da Dedução É de Como preencher o formulário de declaração A Escreva o valor da dedução na coluna 11 do formulário de declaração Nº 1,. (No caso de usufruir a Dedução de Deficientes, escreva o valor total.) No formulário de declaração Nº 2, registre com no, a Dedução de Estudante Trabalhador, constante na coluna dos [10 ~ 11 Itens referentes à própria pessoa] e escreva o nome da escola onde estuda. Como preencher o formulário de declaração B Escreva o valor da dedução nas colunas (19 ~ 20) do formulário de declaração Nº 1. (No caso de usufruir a Dedução de Deficiente, escreva o valor total.) No formulário de declaração Nº 2, registre, com no da Dedução de Estudante Trabalhador, constante na coluna dos [18 ~ 19 Itens referentes à própria pessoa] e escreva o nome da escola onde estuda. Documentos que devem ser anexados Caso o declarante seja aluno de escola de curso normal, escola técnica ou profissionalizante mantida por instituições de treinamento profissional autorizadas, solicite a expedição, pela escola, de documento comprovante. Este documento deverá ser anexando ou apresentando na ocasião da declaração. Não obstante, no caso do assalariado que já recebeu a dedução no momento de ajuste do final do ano, não terá necessidade de anexar ou de apresentar. 43

46 10 Dedução de Deficiente Se a própria pessoa, cônjuge que corresponda à dedução, familiares dependentes na situação do dia 31 de dezembro do presente ano (no caso de ter falecido durante o ano, o dia do falecimento) forem deficientes (coabitantes) ou deficientes especiais, será deduzido o valor estabelecido. A dedução de deficiente é aplicada também ao dependente familiar menor de 16 anos idade, mesmo que não corresponda à dedução de dependentes. Deficiente é: o portador da Carteira de Deficiente Físico ou Carteira de Feridos e Enfermos de Guerra, portador da Carteira de Bem-Estar de Saúde de Deficiente Mental ou pessoa que foi constatada por médico de saúde mental determinado como deficiente intelectual e as pessoas com idade acima de 65 anos que recebeu o reconhecimento do prefeito por nível de deficiência ser similar aos deficientes, em suma, as pessoas que possuam alguma deficiência física ou mental. Deficiente Especial é: o portador da Carteira de Deficiente Físico, a pessoa com o registro de níveis 1 ou 2 de deficiência, pessoas portadoras de caderneta de Seguro Saúde Social de Deficiência Mental registrado nível 1, com reconhecimento de alto grau de deficiência mental ou pessoas que necessitam de complicada assistência por estarem acamadas, em suma, dentre os deficientes, as pessoas cujo nível de deficiência seja elevado. Valor da Dedução O valor de dedução é de para cada deficiente (Para os deficientes especiais é de e para os deficientes especiais coabitantes é de ). Como preencher o formulário de declaração A Escreva o valor da dedução na coluna 11 do formulário de declaração Nº 1. (No caso de usufruir a Dedução de Estudante Trabalhador, escreva o valor total.) Escreva o nome do deficiente na coluna 11 Dedução de Deficiente do Formulário de Declaração No. 2 e, no caso do deficiente especial ou deficiente especial com quem coabita, faça um círculo no nome dessa pessoa. Como preencher o formulário de declaração B Escreva o valor da dedução nas colunas 19 ~ 20 do formulário de declaração Nº 1. (No caso de usufruir a dedução de Estudante Trabalhador, escreva o valor total.) Escreva o nome do deficiente na 20Dedução de Deficiente do Formulário de Declaração No. 2 e, no caso do deficiente especial ou deficiente especial com quem coabita, faça um círculo no nome dessa pessoa.. 11 Dedução de Cônjuges O declarante cuja(o) cônjuge tenha direito à dedução, é deduzido uma determinada quantia. Cônjuge com direito a dedução é o cônjuge que convive (ver referência na página 24) com o declarante e que tenha o valor total de renda (ver referência na página 24) de 2012 igual ou inferior a , na presente condição do dia 31 de dezembro do mesmo ano (Caso falecer no meio do ano, considerar dia do falecimento.). Não inclui quem recebe renda salarial como empregado permanente que faz a declaração de negócios da Cor Azul e da Cor Branca. * A pessoa que foi aplicada a Dedução de Cônjuge não poderá ser aplicada a Dedução Especial de Cônjuge. Valor de Dedução O valor da dedução é o seguinte: Cônjuge com direito à dedução Cônjuge idoso com direito à dedução *1 Valor de Dedução * Cônjuge idoso com direito à dedução é: entre os cônjuges com direito à dedução, o que nasceu antes do dia 1 de janeiro de 1943 (com a idade de 70 anos ou maior). Como preencher o formulário de declaração A Escreva o valor da dedução na coluna da [Dedução de Cônjuges 12 ] do formulário de declaração Nº 1. Escreva na coluna da [ 12 ~ 14 Dedução (Especial) de Cônjuge e Dedução de Dependentes], do formulário de declaração Nº 2, o nome e data de nascimento do cônjuge e registre no da Dedução de Cônjuge. Como preencher o formulário de declaração B Escreva o valor da dedução na coluna da [Dedução de Cônjuges 21 ] do formulário de declaração Nº 1,. Escreva na coluna da [ 21 ~ 23 Dedução (Especial) de Cônjuge e Dedução de Dependentes] do formulário de declaração Nº 2, o nome e data de nascimento do cônjuge e registre no da Dedução de Cônjuge. 44

47 12 Dedução Especial de Cônjuge Se a renda total referente ao ano 2012 (ver referência na página 24) do declarante for de ou inferior, e tiver cônjuge com quem co-habita (ver referência na págia 24), cuja renda do ano 2012 total seja superior a e inferior a , de acordo com a renda total do(a) cônjuge, é possível deduzir o valor estabelecido. Não inclui quem recebe renda proveniente de salário como empregado que faz a declaração de negócios da Cor Azul e da Cor Branca. Não obstante, quando for destinada a você na qualidade de cônjuge, não se pode aplicar a dedução especial de cônjuges. * A pessoa que foi aplicada a Dedução de Cônjuge não poderá ser aplicada aoo mesmo tempo a Dedução Especial de Cônjuge. * Caso a renda do(a) cônjuge seja exclusivamente proveniente de trabalho em tempo parcial (em geral, renda salarial), o valor total da renda do(a) cônjuge será o valor da renda proveniente do salári o(vide Renda dos Salários da página 30), que é obtido pelo cálculo do valor de ingresso. Caso a renda do(a) cônjuge seja exclusivamente proveniente das pensões públicas, etc., o mesmo será o valor da renda variada (vide Renda Diversas da página31), que é obtido pelo cálculo do valor da renda. Valor da Dedução O valor da dedução é o seguinte. Renda total do(a) cônjuge Valor da dedução ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ Como preencher o formulário de declaração A Escreva o valor da dedução na coluna 13 do formulário de declaração Nº 1e escreva o valor total da renda de cônjuge na coluna 38. Escreva na coluna da [12 ~ 14 Dedução (Especial) de Cônjuge e Dedução de Dependentes] do formulário de declaração Nº 2, o nome e data de nascimento de cônjuges e registre no da Dedução Especial de Cônjuge. Como preencher o formulário de declaração B Escreva o valor da dedução da coluna 22 do formulário de declaração Nº 1 e escreva o valor total da renda de cônjuge na coluna 47. Escreva na coluna da [ 21 ~ 23 Dedução (Especial) de Cônjuge e Dedução de Dependentes] do formulário de declaração Nº 2, o nome e data de nascimento da(o) cônjuge e registre no da Dedução Especial de Cônjuge ~ ~ ~ 0 45

48 13 Dedução de Dependente Quando houver dependentes familiares que correspondam à dedução (excluindo o/a cônjuge), será aplicada a dedução do valor estabelecido. Referente aos dependentes familiares que corresponde à dedução são os dependentes familiares dentre as pessoas nascidas antes do dia 1 de janeiro de 1997 (pessoas de 16 anos de idade ou mais.). * Refere-se à familiar dependente, excluindo o(a) cônjuge (pessoas com menos de 6 graus de consangüinidade e menos de 3 graus de relação matrimonial), a criança consignada pelo governador para educar (isto é, filho adotivo) e, dentre os idosos consignados pelo prefeito municipal para serem cuidados, o que teve o valor total de renda (consulte na página 24) de ou menos no ano 2012, sendo familiares dependentes que vivem da mesma renda (consulte a página 24) do declarante na atual condição do dia 31 de dezembro do presente ano (Caso o familiar dependente vier a falecer durante o ano, considera-se o dia de falecimento.). Não estão incluídas as pessoas que recebem os salários como empregados permanentes que fazem as declarações de negócios da Cor Azul e da Cor Branca. Valor da Dedução O valor da dedução é o seguinte. Valor da dedução Dependentes familiares que correspondem à dedução geral Familiar dependente determinado *1 Familiar dependente idoso * (familiar idoso co-habitante) *3 Familiar dependente idoso (além da pessoa familiar idosa não co-habitante) Como preencher o formulário de declaração A Escreva o nome, a relação familiar, a data de nascimento e o valor de dedução na coluna 12 ~ 14 Dedução (Especial) de Cônjuges e Dedução de Dependentes do Formulário de Declaração No. 2. Na coluna do [ 14 Valor Total da Dedução de Dependentes], escreva o valor total da dedução. Transcreva o valor total da dedução na coluna 14 do formulário de declaração Nº 1. Como preencher o formulário de declaração B Escreva o nome, a relação familiar, a data de nascimento e o valor de dedução na coluna 21 ~ 23 Dedução (Especial) de Cônjuges e Dedução de Dependentes do Formulário de Declaração No. 2 e escreva também o valor total da dedução na coluna 23 Total do valor de dedução de dependentes. Depois, transcreva o valor total do valor de dedução na coluna 23 do Formulário de Declaração No. 1. *1 Familiar dependente determinado é: entre os dependentes familiares, os nascidos entre o dia 2 de janeiro de 1990 até o dia 1 de janeiro de 1994 (com a idade de 19 ou maior e menor de 23 anos de idade). *2 Familiar dependente idoso é: a pessoa idosa dentre os familiares dependentes, nascidos antes do dia 1 de janeiro de 1943 (com a idade de 70 anos ou maior). *3 Familiar idoso co-habitante é: a pessoa idosa dentre os familiares dependentes, os ancestrais em linha direta do declarante ou do(a) cônjuge, que co-habitam com o declarante ou cônjuge. 14 Dedução Básica A Dedução Básica é aplicada a todas as pessoas. Escreva o valor da dedução sem falta. Valor de dedução O valor de dedução é de Como preencher o formulário de declaração A Escreva o valor da dedução na coluna 15 do formulário de declaração Nº 1. Como preencher o formulário de declaração B Escreva o valor da dedução na coluna 24 do formulário de declaração No. 1 46

49 15 Valor Total de 6 a 15 Pessoa que utiliza o formulário de declaração A Escreva na coluna 16 do formulário de declaração Nº 1, o valor total declarado nas colunas 6 a 15 do formulário de declaração Nº 1. Dentre as pessoas que recebem a restituição do imposto (consulte a página 12) ao fazer a declaração definitiva, somente as pessoas que declararam como fonte de renda o salário que recebeu o Ajuste do Final do Ano e cujo resultado do valor do Ajuste do Final do Ano coincide com o valor da dedução do Imposto de Renda, poderão omitir o preenchimento das colunas 6 a 15 do formulário de declaração Nº 1 e 6 a 14 do formulário de declaração Nº 2, transcrevendo na coluna 16 o Valor Total da Dedução de Renda do Comprovante de Imposto Retido na Fonte de Renda. 16 Coluna Total de ou Como preencher o formulário de declaração A Escreva na coluna 20 do formulário de declaração Nº 1, somando o valor descrito nas colunas 16 a 19 do formulário de declaração Nº 1. Como preencher o formulário de declaração B Escreva na coluna 25 do formulário de declaração Nº 1, o valor total descrito nas colunas 10 a 24 do formulário de declaração Nº 1. 47

50 Valor do Imposto da renda sujeita à tributação do imposto 3-4 Cálculo do Imposto 1 Valor da renda sujeita a tributação do Imposto Calculo do valor da renda sujeita à tributação do Imposto O valor da renda sujeita à tributação do imposto e o cálculo do valor do Imposto da Renda sujeita a trabutação é calculado da seguinte forma. Total do valor da renda ( 5 do formulário A da declaração No. 1) A ( 9 do formulário B da declaração No. 1) Total do valor subtraido da renda ( 20 do formulário A da declaração No. 1) B ( 25 do formulário B da declaração No. 1) (elimina-se as A - B frações menores a 1.000) C.000 Como preencher o formulário de declaração A Escreva na coluna do [Valor da renda sujeita à tributação do imposto 21 ] do formulário de declaração Nº 1, subraindo do valor da coluna 5 do formulário de declaração Nº 1 o valor da coluna 20 (arredondar os valores inferiores a 1.000). * No caso do valor da coluna 5 ao ser subtraido do valor da coluna 20 do formulário de declaração Nº 1e resultarem inferiores a (inclusive no caso de déficit), não há necessidade de preencher. Como preencher o formulário de declaração B Escreva na coluna 26 do formulário No. 1, o resultado do valor do 25 reduzido do valor da coluna 9 do formulário de declaração Nº 1 (arredondar os valores inferiores a 1.000). No caso do valor do 25 reduzido do valor da coluna 9 do formulário de declaração Nº 1 serem inferiores a (inclusive no caso de déficit), não há necessidade de preencher. Se o contribuinte optar pela contribuição do imposto promédio sobre rendas flutuantes ou rendas provisórias, o cálculo deverá basear-se na Tabela de cálculo do recolhimento do imposto promédio sobre as rendas flutuantes ou rendas provisórias. Para maiores detalhes, utilize como referência o Guia da Renda flutuante ou renda provisória. Se o contribuinte tiver renda sujeita à taxação separada, será feito o cálculo no formulário de declaração Nº 3 (Para taxação separada), portanto não há necessidade de preencher o formulário de declaração B. 2 Valor do Imposto correspondente ao valor da renda tributável Valor da renda tributável e o cálculo do valor do Imposto correspondente ao valor da renda tributável Valor da renda tributável e o cáculo do valor do Imposto correspondente ao valor da renda tributável se realiza na seguinte forma. Valor do Imposto da renda Valor C sujeita à tributação do imposto ~ C x 0,05 = ~ C x 0, = ~ C x 0, = ~ C x 0, = ~ C x 0, = C x 0, ~ = Pessoa que utiliza os formulários de declaração A O valor do imposto é o valor obtido multiplicando a porcentagem do imposto pelo valor da coluna do [Valor da renda sujeita à tributação do imposto ( 5-20 )] 21 do quadro do 税 金 の 計 算 (Cálculo do Imposto) do formulário de declaração Nº 1. Faça o cálculo, utilizando como referênciao quadro da esquerda. Transcreva na coluna do [Valor do Imposto sobre a 21 acima] 22 do quadro do 税 金 の 計 算 (Cálculo do Imposto) do formulário de declaração Nº 1, o Valor do imposto da renda sujeita à tributação do imposto. Pessoa que utiliza os formulários de declaração B O valor do imposto é o valor obtido multiplicando a porcentagem do imposto pelo valor da coluna do [Valor da renda sujeita à tributação do imposto ( 9-25 ) o formulário Nº 3] 26 do quadro do 税 金 の 計 算 (Cálculo do Imposto) do formulário de declaração Nº 1. Faça o cálculo, utilizando como referência o quadro da esquerda. Entretanto, se o contribuinte tiver renda sujeita à taxação separada, o cálculo será feito no formulário de declaração Nº 3 (Para taxação separada). A pessoa que opta por taxação proporcional do imposto sobre a renda flutuante e renda provisória, transcreva na coluna 27 do formulário de declaração No. 1 os cálculos efetuados na Tabela de cálculo da taxação proporcional sobre a renda flutuante e renda provisória. 48

51 3 Dedução de Dividendo Dentro do valor da renda global, determinados valores das seguintes rendas podem ser deduzidos: quando tiver renda proveniente de dividendos (excetuando-se os dividendos, etc., no caso de optar por não fazer a declaração dos juros de fundos e a Declaração Definitiva) recebidos de pessoa jurídica japonesa, fideicomissos de investimento de ações específicas (excetuando-se os investimentos nos valores médios de ações do Exterior) e rendas de dividendos relacionadas à distribuição de lucros de fideicomisso de investimento em títulos especiais (*1) (não há aplicação da dedução de dividendos, no caso de optar fazer a declaração de tributação por separado, etc.). Cálculo do valor da dedução O valor da dedução é calculado da seguinte forma. Valor da renda de dividendos *2 (Nº 1 3 de formulário de declaração A) (Nº 1 5 de formulário de declaração B) Valor da renda sujeita à tributação do imposto *3 (Nº 1 de formulário de declaração A) (Nº 1 de formulário de declaração B) B A - C D 0.1 (A - D) 0.05 E + F.000 (escreva zero - 0 no caso de perda) (escreva zero - 0 no caso de perda) A B C D E F Valor da dedução de dividendos Como preencher o formulário de declaração A Transcreva na coluna 23 do formulário de declaração Nº 1, o Valor da dedução de dividendos. Como preencher o formulário de declaração B Transcreva na coluna 28 do formulário de declaração Nº 1, o Valor da dedução de dividendos. No caso de obter lucro proveniente de Fideicomisso de Investimentos em Títulos Especiais, deve-se fazer o cálculo, utilizando a Tabela de cálculo do valor de dedução de dividendos provenientes de Fideicomisso de Investimentos em Títulos Especiais. *1 O fideicomisso de investimentos em títulos específicos refere-se ao fideicomisso de investimentos em valores de divisas estrangeiras específicas dentre o fideicomisso de investimentos em títulos (excetuando-se o fideicomisso de investimento nas ações específicas), excluindo o fideicomisso de investimentos em bônus de corporações públicas. Para maiores detalhes, consulte a Pessoa que deseja fazer a dedução de dividendos provenientes de Títulos de Fideicomisso de Investimentos Especiais. *2 Caso tenha renda de dividendos, etc., que não corresponde a Dedução de Dividendos, omitir este valor nesta coluna de cálculo. Escreva o valor da renda de dividendo antes de fazer o cálculo com o déficit de outras rendas. (Referêcia na página 34) *3 Para maiores detalhes, consulte a Pessoa que deseja fazer a dedução de dividendos provenientes de Títulos de Fideicomisso de Investimentos Especiais.O cálculo da pessoa que tenha renda sujeita à Taxação Separada pode ser diferente. Para maiores informações, consulte o encarregado do Imposto de Renda da Repartição de Impostos. 4 Coluna do 29 Pessoa que utiliza o formulário B O empresário sujeito à dedução especial do imposto estabelecidos desde o Artigo 10 da até o item 7 do Artigo 10 da Lei de Medidas Especiais de Tributação, deve escrever o valor de dedução do imposto ao realizar o experimento ou a pesquisa. Como preencher o formulário B No espaço do lado esquerdo de 29, na coluna do Cálculo do Imposto ( 税 金 の 計 算 ) do Formulário de Declaração Nº 1, escreva o Valor do Imposto sobre Inversões e Arrendamento e, no espaço quadrado vazio de Classificação, escreva 1 e, no 29, escreva o valor da dedução. Escreva também o 特 例 適 用 条 文 等 (Artigos de Aplicação de Medidas Excepcionais, etc.) do formulário de declaração Nº 2. 49

52 5 Dedução Especial de Empréstimo para Moradia (Ampliação e reforma específica, etc.) Quando utilizar o empréstimo de moradia para construir, comprar, ampliar ou reformar a casa e quando começar a residir neste imóvel após o dia 1 de janeiro de 1999 (excluindo o período entre 1º de julho de 2001 e 31 de dezembro de 2002), é aplicada a dedução, satisfazendo os determinados requisitos. Para obter mais informações, consulte Pessoa que pode receber dedução especial de empréstimo para moradia ou Pessoa que pode receber dedução especial de empréstimo para moradia no caso de ampliação e reforma específicas, etc. Como preencher o formulário de declaração A Transcreva na coluna 24 do Formulário de Declaração No. 1, o valor calculado na Especificação do cálculo do valor da dedução especial do empréstimo de moradia (Ampliação e reforma específicas, etc.). * No caso do assalariado escrever o valor deduzido no ajuste do final de ano deverá transcrever o valor escrito na coluna do Valor possível de dedução especial do empréstimo para moradia, etc. do certificado do imposto retido na fonte (se estiver escrito o valor na coluna de observação do Valor possível de dedução especial do empréstimo de moradia, etc., transcreva o mesmo valor na coluna 24 ). * Marcar no da 区 分 (classificação), somente as pessoas a quem se aplica dentre as vítimas do Grande Terremoto do Leste do Japão, as medidas excepcionais no valor da dedução ou de aplicação sobreposta da Dedução Especial de Empréstimo para Moradia relacionada com a reaquisição residencial ou prazo de aplicação especial, etc. Para mais detalhes, consulte Às pessoas que podem se beneficiar da dedução especial de empréstimo para moradia em caso de não poder aproveitar a moradia própria para residir devido ao dano sofrido pelo Grande Terremoto do Leste do Japão. Escreva também a data de início da utilização da residência, etc. na coluna 特 例 適 用 条 文 等 (Artigos de Aplicação de Medidas Excepcionais, etc.) do formulário de declaração Nº 2. Marcar com o símbolo 特 (Excepcional) no princípio da data de início da utilização da residência, no caso de serem aplicadas as medidas excepcionais no valor de dedução especial, relacionadas ao empréstimo de moradia; marcar com o símbolo 認 (Certificação), no caso de serem aplicadas as medidas excepcionais de dedução especial do empréstimo de moradia, relacionadas à construção de uma nova casa, recebendo a certificação de construção residencial (refere-se à certificação de excelente moradia e longa durabilidade e certificação de moradia de baixo carbono); marcar com o símbolo 増 (Ampliação), no caso de serem aplicadas as medidas de dedução especial do empréstimo de moradia, relacionadas à obra de reforma para eliminar barreiras; e marcar com o símbolo 断 (Economizar), etc., no caso de serem aplicadas as medidas de dedução especial do empréstimo de moradia, relacionadas à obra de reforma para economizar energia. Como preencher o formulário de declaração B Transcreva na coluna 30 do Formulário de Declaração No. 1, o valor calculado na Especificação do cálculo do valor da dedução especial do empréstimo de moradia (Ampliação e reforma específicas, etc.). * No caso do assalariado escrever o valor deduzido no ajuste do final de ano deve-se transcrever o valor escrito na coluna Valor possível de dedução especial do empréstimo para moradia, etc. do certificado do imposto retido na fonte (se estiver escrito o valor na coluna de observação Valor possível de dedução especial do empréstimo de moradia, etc., transcreva o mesmo valor na coluna 30 ). * Marcar no da 区 分 (classificação), somente as pessoas a quem se aplica dentre as vítimas do Grande Terremoto do Leste do Japão, as medidas excepcionais no valor da dedução ou de aplicação sobreposta da Dedução Especial de Empréstimo para Moradia relacionada com a reaquisição residencial ou prazo de aplicação especial, etc.. Para mais detalhes, consulte Às pessoas que podem se beneficiar da dedução especial de empréstimo para moradia em caso de não poder aproveitar a moradia própria para residir devido ao dano sofrido pelo Grande Terremoto do Leste do Japão. Escreva também a data de início da utilização da residência, etc. na coluna 特 例 適 用 条 文 等 (Artigos de Aplicação de Medidas Excepcionais, etc.) do formulário de declaração Nº 2. Marcar com o símbolo 特 (Excepcional) no princípio da data de início da utilização da residência, no caso de serem aplicadas as medidas excepcionais no valor de dedução especial, relacionadas ao empréstimo de moradia; marcar com o símbolo 認 (Certificação), no caso de serem aplicadas as medidas excepcionais de dedução especial do empréstimo de moradia, relacionadas à construção de uma nova casa, recebendo a certificação de construção residencial (refere-se à certificação de excelente moradia e longa durabilidade e certificação de moradia de baixo carbono); marcar com o símbolo 増 (Ampliação), no caso de serem aplicadas as medidas de dedução especial do empréstimo de moradia, relacionadas à obra de reforma para eliminar barreiras; e marcar com o símbolo 断 (Economizar),etc., no caso de serem aplicadas as medidas de dedução especial do empréstimo de moradia, relacionadas à obra de reforma para economizar energia. 50

53 6 Dedução Especial de Doação a Partidos Políticos Entre determinadas doações políticas, as que forem feitas a partidos políticos ou entidades de apoio financeiro político, poderão ser objeto da Dedução Especial de Doação a Partidos Políticos, etc. Porém, a dedução de doações a partidos políticos (vide Dedução de Doação na página 42), uma vez deduzidas não poderá usufruir a dedução sob este título (Se uma dedução é mais vantajosa que outra depende da sua renda e do valor da doação política. Verifique através da Folha de especificação do cálculo da dedução especial de doação a partidos políticos). Para maiores detalhes, veja o guia para Pessoa que deseja fazer a Dedução Especial de Doação a Partidos Políticos, etc.. Como preencher o formulário de declaração A Consulte a Especificação do cálculo do valor de dedução especial de doações a partidos políticos. Como preencher o formulário de declaração B Consulte a Especificação do cálculo do valor de dedução especial de doações a partidos políticos. 7 Dedução Especial de Doação às organizações autorizadas de pessoa jurídica sem fins lucrativos (NPOs), etc. Quando realizar doação às organizações autorizadas de pessoa jurídica sem fins lucrativos (NPOs), etc., aplica-se a Dedução Especial de Doação às organizações autorizadas de pessoa jurídica sem fins lucrativos (NPOs), etc., satisfazendo determinado requisitos. Não obstante, sobre a doação às organizações autorizadas de pessoa jurídica sem fins lucrativos (NPOs), etc., a dedução é aplicada somente uma vez (Para os detalhes, consultar a página Dedução de Doações ), sem possibilidade de uma segunda vez. (Como difere de acordo os valores da renda e das doações, opte pela dedução mais vantajosa ao contribuinte.) Para os detalhes consulte Pessoa que corresponde à Dedução Especial de Doação às organizações autorizadas de pessoa jurídica sem fins lucrativos (NPOs), etc.. Como preencher o formulário de declaração A Para os detalhes consulte Especificação do cálculo do valor de dedução especial de doação às organizações autorizadas de pessoa jurídica sem fins lucrativos (NPOs), etc.. Como preencher o formulário de declaração B Para os detalhes consulte Especificação do cálculo do valor de dedução especial de doação às organizações autorizadas de pessoa jurídica sem fins lucrativos (NPOs), etc.. 8 Dedução Especial de Doação às Associações de Pessoa Jurídica de Interesse Público Quando tiver despesas de doações a determinadas associações de pessoas jurídicas de interesse público, associações de interesse público, corporações escolares, associações de previdência social ou corporações de regeneração e amparo, será aplicada a dedução especial de doação às associações de interesse público, satisfazendo determinados requisitos. Não obstante, sobre a doação às associações de interesse público, aplica-se a dedução somente uma vez (Para os detalhes consulte a página 41 de Dedução de Doações ), sem possibilidade de uma segunda vez. (Como difere de acordo os valores da renda e das doações, opte pela dedução mais vantajosa ao contribuinte.) Como preencher o formulário de declaração A Para os detalhes consulte Especificação do cálculo do valor de dedução especial de doação às associações de interesse público. Como preencher o formulário de declaração B Para os detalhes consulte Especificação do cálculo do valor de dedução especial de doação às associações de interesse público. 9 Dedução Especial de Doação Designada no caso dos Específicos Desastres de Terremotos Dentre as doações relacionadas aos acidentes de terremoto, ao realizar a doação a determinadas organizações autorizadas de pessoa jurídica sem fins lucrativos (NPOs), etc. ou à Central do Fundo da Comunidade da Associação de Previdência Social do Japão, como fundo necessário para as atividades de apoio às vítimas, será aplicada a Dedução Especial de Doação Designada no caso dos Específicos Desastres de Terremotos, satisfazendo determinados requisitos. Não obstante, sobre a Doação Designada no caso dos Específicos Desastres de Terremotos, aplica-se a dedução somente uma vez (Para os detalhes consulte a página 42 de Dedução de Doações ), sem possibilidade de uma segunda vez. (Como difere de acordo os valores da renda e das doações, opte pela dedução mais vantajosa ao contribuinte.) Para os detalhes consulte Pessoa que corresponde à Dedução Especial de Doação Designada no caso dos Específicos Desastres de Terremotos. Como preencher o formulário de declaração A Para os detalhes consulte Especificação do cálculo do valor de dedução especial de Doação Designada no caso dos Específicos Desastres de Terremotos Como preencher o formulário de declaração B Para os detalhes consulte Especificação do cálculo do valor de dedução especial de Doação Designada no caso dos Específicos Desastres de Terremotos 51

54 10 Dedução Especial de Reforma Prova a Terremotos da Moradia Quem fez reformas a reforma Prova a Terremotos destinadas à moradia (somente as construídas antes de 31 de maio de 1981),satisfazendo determinados requisitos, poderá receber dedução. Para ser aplicada a dedução, é requisitado anexar na Declaração Definitiva do Imposto de Renda, o Formulário de cálculo do valor da dedução especial de reforma a prova de terremotos da moradia, o Certificado de reforma a prova de terremotos da moradia emitido pelo superintendente da organização pública local e pelo engenheiro de construção, e a cópia do certificado de residente. Para verificar se o imóvel se localiza em área planejada para receber a deducação especial de reforma à prova de terremotos em residências, se a reforma à prova de terremotos efetuada poderá receber a emissão do Certificado de reforma prova a terremotos da moradia, ou para saber o modo de calcular o valor dos gastos em reforma à prova de terremotos, consulte a Seção de Residências ou a Seção de Construção da cidade ou da província onde se localiza o imóvel. Para mais detalhes, consulte o panfleto Especificação do cálculo do valor de dedução especial de reforma da moradia para torná-la à prova de terremotos. Como preencher o formulário de declaração A Para os detalhes consulte Especificação do cálculo do valor de dedução especial de reforma da moradia para torná-la à prova de terremotos. Como preencher o formulário de declaração B Para os detalhes consulte Especificação do cálculo do valor de dedução especial de reforma da moradia para torná-la à prova de terremotos. 11 Dedução Especial do Valor do Imposto para Reforma Específica da Moradia No caso de realizar obra de reforma residencial para eliminar barreiras e economizar energia e se satisfizer os requisitos determinados poderá receber dedução. Para mais detalhes, consulte o panfleto Para as pessoas que poderão receber a dedução especial de reforma específica da moradia. Como preencher o formulário de declaração A Para os detalhes consulte Especificação do cálculo do valor de dedução especial de reforma específica da moradia. Como preencher o formulário de declaração B Para os detalhes consulte Especificação do cálculo do valor de dedução especial de reforma específica da moradia. 12 Dedução Especial do Imposto para a Construção da Moradia Atestada Excelente e Longa No caso de adquirir uma nova moradia certificada como Excelente e de Longa Durabilidade e se satisfizer os requisitos Durabiliddade determinados poderá receber dedução. Para mais detalhes, consulte o panfleto Para as pessoas que poderão receber a dedução especial do imposto para a construção de moradia certificada como Excelente e de Longa Durabilidade. Como preencher o formulário de declaração A Para os detalhes consulte Especificação do cálculo do valor de Dedução Especial do Imposto para a Construção da Moradia Certificada como Excelente e de Longa Durabilidade. Como preencher o formulário de declaração B Para os detalhes consulte Especificação do cálculo do valor de Dedução Especial do Imposto para a Construção da Moradia Certificada como Excelente e de Longa Durabilidade. 52

55 Valor de Dedução e Isenção de Desastres 13 Dedução Especial do Certificado Eletrônico [Atenção] Ao apresentar a Declaração Definitiva através de formulário em papel ou através de e-tax sem anexar a assinatura eletrônica ou o certificado relacionado à assinatura eletrônica, a pessoa não poderá ser beneficiada por dedução. Além disso, por poder se beneficiar uma vez só desta dedução entre os anos 2007 e 2012, não poderá receber a dedução novamente se já tenha recebido esta dedução na Declaração Definitiva referente a qualquer um dos anos entre 2007 e Ao realizar a Declaração Definitiva até o dia 15 de março de 2013, através de e-tax anexando a sua assinatura eletrônica ou o Certificado relacionado a assinatura eletrônica poderá usufruir da Dedução do Imposto. Para mais detalhes, consulte o site do Ministério da Receita Nacional (www.nta.go.jp) Valor de dedução No máximo Valor do Imposto de Renda Reduzida Como preencher o formulário de declaração A Reduzam do valor da coluna 22, os valores das colunas das colunas 23, 24, 25, 26, 27, 28, 29, 30, 31, 32 e escreva o resultado na coluna 33 (no caso de déficit, escreva 0 ). Nota 1: Ao apresentar a Declaração Definitiva elaborando no formulário papel ou realizar através da e-tax sem anexar a assinatura eletrônica ou o certificado relacionado a assinatura eletrônica, não poderá usufruir a dedução do valor escrito na coluna 32. Nota 2: No referente à pessoa que recebeu a dedução especial do certificado eletrônico na declaração definitiva do ano 2011, o valor da coluna 32 não será reduzido. Como preencher o formulário de declaração B Reduzam do valor da coluna 27, os valores das colunas das colunas 28, 29, 30, 31, 32, 33, 34, 35, 36, 37, 38 e escreva o resultado na coluna 39 (no caso de déficit escreva 0 ). Nota 1: Ao apresentar a Declaração Definitiva elaborando no formulário papel ou realizar através da e-tax sem anexar a assinatura eletrônica ou o certificado relacionado a assinatura eletrônica, não poderá usufruir a dedução do valor escrito na coluna 38. Nota 2: No referente à pessoa que recebeu a dedução especial do certificado eletrônico na declaração definitiva do ano 2011, o valor da coluna 38 não será reduzido. 15 Valor de Redução e Isenção de Desastres O valor da redução e isenção de desastres aplica-se às pessoas que, no ano de 2012, tiveram renda (vide Dedução das Perdas Diversas *1 da página 36) de ou inferior e que sofreram danos em suas casas ou bens em virtude de desastres, cujo valor dos prejuízos (excluídos os valores que serão ressarcidos por seguros, indenização em virtude de desastres) exceda a metade do valor da casa ou do bem. Neste caso, é possível receber o benefício de redução e isenção de impostos. Se estes prejuízos já foram incluídos em Deduções de Pedras Diversas (vide Dedução das Perdas Diversas da página 36), não se poderá usufruir a redução e isenção sob este título. Cálculo do valor da dedução e Isenção O valor da Dedução e Isenção de Desastres é calculado na seguinte forma. Valor do Imposto de Renda Deduzida ( Nº 1 33 de formulário de declaração A) (Nº 1 39 de formulário de eclaração B) Total do Valor da Renda ~ ~ ~ Valor da redução e isenção de desastres Valor de A A 0,5 A 0,25 A Como preencher o formulário de declaração A Circunscreva o título [Valor de Dedução e Isenção por Desastres] da coluna 34 do formulário de declaração Nº 1 e transcreva o Valor de dedução e isenção de desastres (se for feita a dedução do imposto pago no Exterior, escreva a soma total de ambos os valores). Como preencher o formulário de declaração B Circunscreva o título Valor de Dedução e Isenção de Desastres das colunas 40 e 41 do formulário de declaração Nº 1 e transcreva o Valor de dedução e isenção de desastres (se for feita a dedução do imposto pago no Exterior, escreva a soma total de ambos os valores). 53

56 16 Dedução de Impostos Pagos no Exterior Se tiver Imposto de Renda do Exterior pago durante o ano 2012, este será deduzido. Para mais detalhes, consulte Pessoa que deseja receber a dedução do imposto pago no Exterior. Como preencher o formulário de declaração A Para os detalhes consulte Pessoa que deseja receber a dedução do imposto pago no Exterior. Como preencher o formulário de declaração B Para os detalhes consulte Pessoa que deseja receber a dedução do imposto pago no Exterior. 17 Valor do Imposto Retido na Fonte de Renda No caso do valor do Imposto de Renda ser descontado dos salários e pensões antecipadamente pelo pagador, este valor do imposto será deduzido. As rendas de Juros, de Dividendos, etc. que se realiza a Taxação Separada na Fonte e os dividendos, etc.(consulte Renda de Dividendos na página 34) no caso de opção por não fazer a Declaração Definitiva, não podem ser deduzidos porque a taxação de Imposto de Renda fica quitada apenas com a retenção na fonte de renda. Como preencher o formulário de declaração A Na coluna da 所 得 の 内 訳 ( 源 泉 徴 収 税 額 )(Especificação de renda (valor do imposto retido na fonte) do formulário de declaração Nº 2, especifique o tipo, a espécie, a origem da renda ou o salário, citando o nome, a denominação, o valor recebido e o valor do Imposto Recolhido na Fonte e escreva na coluna do [ 35 Valor Total do Imposto Recolhido na Fonte], o valor total do Imposto Recolhido na Fonte. No caso de ser necessário anexar uma Folha de Especificação de renda por declarar muitas renda do tipo semelhante, escreva o total do Imposto Recolhido na Fonte por tipo de renda, na coluna da 所 得 の 内 訳 ( 源 泉 徴 収 税 額 )((Especificação de renda (valor do imposto recolhido na fonte). Transcreva na coluna do [ 35 Valor do Imposto Recolhido na Fonte] do formulário de declaração Nº 1, o [Valor Total do Imposto Recolhido na Fonte 35 ] do formulário de declaração Nº 2. Como preencher o formulário de declaração B Na coluna da 所 得 の 内 訳 ( 源 泉 徴 収 税 額 )(Especificação de renda (valor do imposto recolhido na fonte)) do formulário de declaração Nº 2, especifique o tipo, a espécie, a origem da renda ou o salário, citando o nome, a denominação, o valor recebido e o valor do Imposto Recolhido na Fonte e escreva na coluna do 42 [ Valor Total do Imposto Recolhido na Fonte], o valor total do Imposto Recolhido na Fonte. No caso de ser necessário anexar uma Folha de Especificação de renda por declarar muitas renda do tipo semelhante, escreva o total do Imposto Recolhido na Fonte por tipo de renda, na coluna da 所 得 の 内 訳 ( 源 泉 徴 収 税 額 )(Especificação de renda (valor do imposto recolhido na fonte). Transcreva na coluna do [ 42 Valor do Imposto Recolhido na Fonte] do formulário de declaração Nº 1, o [Valor Total do Imposto Recolhido na Fonte 42 ] do formulário de declaração Nº 2. * A pessoa que utilizar o formulário de declaração Nº 3 (para uso de Taxação Separada), para efetuar a declaração conjunta da Renda da Aposentadoria, da renda obtida pela transação de venda de ações optando pela Taxação Separada e da Renda de Cessão, escreva junto o valor do Imposto Retido na Fonte de Renda. 54

57 18 Valor do Imposto Declarado Como preencher o formulário de declaração A Refere-se ao valor obtido após deduzir da coluna 33, os valores das colunas 34 e 35. Caso o Valor do Imposto Declarado resultar positivo, escreva o valor da coluna da coluna 36 do formulário de declaração Nº 1, arredondando os valores inferiores a 100. Caso o Valor do Imposto Declarado resultar negativo, escreva o valor da coluna 37 do formulário de declaração Nº 1, desenhando um triângulo em frente ao valor negativo. Como preencher o formulário de declaração B Refere-se ao valor obtido após deduzir os valores das colunas 40, 41 e 42 do valor da coluna 39. Caso o Valor do Imposto Declarado resultar positivo, escreva o valor da coluna 43 do formulário de declaração Nº 1, arredondando os valores inferiores a 100. Caso o Valor do Imposto Declarado resultar negativo, escreva o valor da coluna Contribuição do Valor Estimado do Imposto Pessoa que utiliza o formulário B Para os que tiveram uma determinada renda no ano anterior, é feito o cálculo da Contribuição do Valor Estimado do Imposto com base naquela renda, solicitando-se que efetue o pagamento de parcelas do imposto em Julho e Novembro. A Repartição de Impostos, emitirá o aviso aos que devem contribuir o imposto por estimativa. Como preencher o formulário de declaração B A pessoa que receber a notificação da Repartição de Impostos para contribuir as parcelas do primeiro e segundo período, independentemente de haver contribuído ou não, deve escrever na coluna 44 do formulário de declaração Nº 1, o total dos valores das parcelas referentes ao primeiro e segundo período notificado pela Repartição de Impostos. A Repartição de Impostos envia os formulários com os valores já impressos, não é necessário preencher. 20 Contribuição do Valor do Imposto do Terceiro Período Pessoa que utiliza o formulário B Refere-se ao valor obtido após deduzir da coluna 43, o valor da coluna 44. Como preencher o formulário de declaração B Caso a parcela do terceiro período resultar positivo, escreva o valor da coluna Caso o Valor do Imposto Declarado resultar positivo, escreva o valor da coluna 45 do formulário de declaração Nº 1, arredondando os valores inferiores a 100. Caso o Valor do Imposto Declarado resultar negativo, escreva o valor da coluna

58 3-5 Outros (Formulário de Declaração Nº 1) Como preencher o formulário de declaração A (1) Valor total da renda de cônjuges 38 A pessoa que preencher na coluna 13 (vide Dedução Especial de Cônjuge da página 45) do formulário de declaração Nº 1, deve escrever o valor total da renda do cônjuge em 2012 (vide Dedução de Viúva ou Viúvo da página 24). (2) Total do valor do imposto de renda retido na fonte da renda variada/renda ocasional 39 A pessoa que escrever na coluna 35 do formulário de declaração Nº 1, e dentre o valor do Imposto escrita nesta coluna, tenha o Valor do Imposto Retido na Fonte de Renda sobre os valores da Renda Diversas e Renda Estraordinárial, escreva o valor total destes. (3) Valor do Imposto Recolhido na Fonte de Renda, ainda não contribuído 40 No caso da pessoa que fez a declaração na coluna 37 do formulário No. 1 (no caso do imposto ser restituído), que tiver valores da renda que não seja oriunda do pagador do salário, e, dentre esses valores, tiver algum imposto retido na fonte de renda cujo pagador do salário não tenha feito a contribuição, declara-se esse valor do imposto retido na fonte renda que não foi pago. Quanto ao valor do imposto retido na fonte que ainda não foi contribuído, receba a restituição apresentando a [Certificado de Contribuição do Valor do Imposto Retido na Fonte de Renda] (formulário disponível na Repartição de Impostos), após fazer a efetiva contribuição do imposto retido na fonte de renda. Como preencher o formulário de declaração B (1) Valor Total da Renda de Cônjuges 47 Para a pessoa que se aplica a Dedução Especial de Cônjuge (ver referência na págia 45), escreva o valor total da renda do cônjuge do ano 2012 (ver referência na página 24). (2) Total do valor do salário (dedução) do trabalhador permanente 48 Transcrevam o valor do salário ou da dedução do Balanço da Declaração Azul ou Folha de Especificação de Renda e Gastos, caso seja Empregado permanente que faz a declaração de negócios de cor azul (Declarante do Imposto de Negócios de Cor Azul) ou de cor branca (Declarante do Imposto de Negócios de Cor Branca). (3) Valor da dedução especial de Declaração Azul 49 A pessoa que fizer a Declaração Azul deve transcrever no formulário de Balanço da Declaração Azul, o valor da Dedução Especial de Declaração Azul. (4) Total do valor do imposto de renda retido na fonte de rendas diversas e renda integral, etc. 50 A pessoa que preencher a coluna 42 do formulário de declaração Nº 1, e, dentre esse valor escrito nessa coluna, tenha o Valor do Imposto Retido na Fonte de Renda sobre os valores de Rendas Diversas e Renda Integral, escreva o valor total destes. (5) Valor do Imposto Retido na Fonte de Renda, ainda não contribuído 51 Se a declaração da coluna 43 do formulário No. 1 resultar déficit, a pessoa tiver o valor da renda não oriunda do pagador do salário e, dentre esse valor tiver algum imposto retido na fonte de renda cujo pagador do salário não tenha feito a contribuição do imposto retido na fonte de renda, declara-se o valor do imposto retido na fonte renda que não foi pago. (6) Valor de prejuízo transferido a ser reduzido neste ano 52 Escrever o valor de prejuízo transferido, caso reduzir o valor de prejuízo que não foi possível reduzir até o ano anterior, do valor da renda do ano Não obstante, os valores dos prejuízos transferidos como são reduzidas das rendas provenientes de ações, de cessão, etc., de dividendos de ações optadas a taxação seprada e rendas diversas de transações a termo, se escreve no formulário de declaração No. 3 (para uso de taxação separada), não se deve incluir aqui. A pessoa que apresentar junto com o formulário de declaração Nº 4 (para uso de Declaração de Prejuízo) não deve preencher esta coluna. (7) Valor sujeito à taxação balançada 53 e Valor da Renda Flutuante/Provisória 54 É utilizado quando a pessoa que optar pelo sistema de Taxação Balançada em relação a Renda Flutuante e Renda Provisória transcrever o conteúdo do cálculo na Tabela de cálculo do recolhimento do imposto promédio sobre a renda flutuante ou renda provisória. Para maiores informações, vide o guia Manual sobre Renda Flutuante e Renda Provisória. 56

59 3-6 Declaração de postergação do pagamento Se escreve quando vai atrasar a contribuição do imposto do terceiro período. Cálculo do valor de postergação O cálculo do valor de postergação é feito da seguinte forma. Valor do Imposto declarado e Valor do Imposto a ser contribuido ( 36 do formulário de declaração No. 1) Valor do Imposto do terceiro período e Imposto a ser contribuído ( 45 do formulário de declaração No. 1) 00 (arredondar os valores inferiores a ) Valor de postergação A 0,5 ou inferior A - B A B Valor a ser contribuído até o prazo de pagamento Como preencher o formulário de declaração A Transcreva na coluna 41 do formulário de declaração Nº 1, o valor do Imposto sujeita a contribuição até a data limite de declaração, ou na B da coluna 42. Como preencher o formulário de declaração B Transcreva na coluna 55 do formulário de declaração Nº 1, o valor do Imposto sujeita a contribuição até a data limite de declaração, ou transcreva na B da coluna Onde receber a restituição do imposto A pessoa que fizer a solicitação da restituição do Imposto deve preencher o quadro 還 付 される 税 金 の 受 取 場 所 (Onde receber a restituição do Imposto) do formulário de declaração Nº 1, de acordo com o modelo seguinte. Utilize a conta de depósito para receber a restituição do Imposto. (Nota 1) (Nota 2) (Nota 3) Sobre o titular da conta de depósito Faz-se a transferência na conta de depósito do Declarante. Quanto ao titular da conta de depósito, no caso da conta incluir o nome do estabelecimento, escritório ou denominação social, além do nome do Declarante 1, e também no caso de ser utilizado o 2 nome ou sobrenome antes de ser mudado, escreva somente o nome do Declarante, porque podem haver casos de não ser possível realizar-se a transferência. Sobre o pagamento ao banco que existe somente na Internete não se pode fazer o pagamento do valor de restituição do imposto, exceto nos específicos bancos. Referente ao recebimento do pagamento da restituição do imposto, informe-se ao respectivos bancos. Pessoa que desejar receber o pagamento na conta das filiais do Banco Yucho ou no próprio balcão da Agência de Correios, escreva somente o nome da Agência, etc.. < Exemplo da forma de preenchimento > Pessoas interessadas em receber o pagamento na sua conta corrente do banco Número da conta (máximo 7 dígitos) Caso desejar receber na sua conta do Banco Yucho. Código (5 dígitos) Número da conta (de 2 a 8 dígitos) Favor de assinalar com um Círculo no tipo de sua conta corrente [pessoa portadora de conta corrente do tipo geral 総 合 普 通 口 座 (Sogo Futsu Koza)]. Na coluna para escrever o número da conta, favor preencher somente o número, iniciando-se pela esquerda. Escreva somente o Código e o Número da Caderneta Geral de Poupança, iniciando-se pela esquerda. * Não escreva o Nome, número da filial e nem o número da conta bancária das instituições financeiras. * Quanto tiver um algarismo de 1 cifra dentre códigos e números (Números ramais indicados como -2 no momento de emissão da caderneta bancária), não haverá necessidade de escrever. 57

60 3-8 Dados referentes aos Impostos Residencial e de Negócios (Formulário de declaração Nº 2) A pessoa que fizer a Declaração Definitiva de Imposto de Renda, não tem necessidade de fazer novamente a declaração para fins de Imposto Residencial e de negócio, porque os dados do formulário de declaração definitiva são enviados aos órgãos públicos regionais. Entretanto, como os tratamentos para Imposto de Renda, Impostos Residencial e de Negócio diferem nos seguintes itens, deve preencher as colunas correspondentes do 住 民 税 に 関 する 事 項 (Artigo referente ao Imposto Residencial. A pessoa que utliza o formulário de declaração A ou Artigo referente aos Impostos Residencial e de Negócio, pessoa que utiliza o formulário de declaração B ) do formulário de declaração N 2. Para maiores informações, consulte a cidade ou município da sua residência. Os valores dos Impostos Residencial e de Negócio são calculados pelas províncias e municípios através dos valores da renda descritas no formulário de declaração do Imposto de Renda e outros dados e é avisado ao contribuinte. Não obstante, a pessoa sem obrigação de apresentar o formulário de Declaração Definitiva do Imposto de Renda, a princípio, necessita fazer a declaração dos Impostos Residencial nas prefeituras e de Negócio nas instituições provinciais. 1 Opção da forma de contribuição do imposto residencial sobre a renda além dos salários da pessoa com a renda proveniente do salário e da pensão pública, etc. Pessoa que utiliza os formulários A e B No referente ao Imposto Residencial tributado sobre as rendas provenientes de fontes além do salário e as rendas relacionadas às pensões públicas, pode-se escolher a forma de contribuição do imposto. (As pessoas com menos de 65 anos de idade no dia 1 de abril de 2013 devem apresentar as rendas obtidas fora do salário). Se desejar que o Imposto Residencial seja reduzido do salário, escreva Reduzir do Salário no Formulário de Declaração No. 2. Quando, ao invés de reduzir do salário, desejar pagar em forma separada, apresentando-se pessoalmente na seção de coleta do imposto, deve marcar com um círculo na Contribuição Própria. No referente ao Imposto Residencial sobre as rendas provenientes do salário e relacionadas à pensão pública das pessoas que cumprem e a idade de 65 anos ou mais no dia 1 de abril de 2013, será reduzido dos respectivos salários ou da pensão pública. 2 Nome e endereço de cônjuges e dependentes que correspondem a dedução que não vivem debaixo do mesmo teto Pessoa que utiliza os formulários A e B [Nome e endereço de cônjuge e dependentes familiares que vivem separados e que correspondem à dedução] (Pessoa que utiliza o formulário A) [Nome e endereço de cônjuge, dependentes familiares e empregados permanentes que vivem separados e que correspondem à dedução.] (Pessoa que utiliza o formulário B) Escreva o nome e endereço de cônjuge, dependentes familiares e empregados permanentes que correspondem à dedução e vivem separados na coluna Nome e endereço de cônjuge e dependentes familiares que vivem separados e correspondem à dedução (Pessoa que utiliza o Formulário de Declaração A) ou na coluna Nome e endereço de cônjuge, dependentes familiares e empregados permanentes que vivem separados e correspondem à dedução (Pessoa que utiliza o Formulário de Declaração B) do Formulário de Declaração No Empregado permanente declarado como cônjuge que corresponde a dedução do Imposto de Renda Pessoa que utiliza os formulários B O Imposto de Renda da pessoa que corresponde a dedução de cônjuge ou dedução de dependente sem declarar como empregado permanente, no caso do Imposto Residencial e Imposto de Negócio poderá fazer a Declaração Azul (Os requisitos para o Empregado permanente para fazer a declaração azul são iguais do caso de Imposto de Renda.) Caso haja empregado permanente que se encaixe nesta situação, escreva o nome e o valor do salário na coluna de Cônjuges como empregados permanentes com direito a dedução do Imposto de Renda do formulário de declaração Nº 2. 58

61 4 Imposto Residencial A) Dependentes familiares menores de 16 anos de idade Pessoa que utiliza os formulários A e B Se tiver dependentes familiares menores de 16 anos de idade que não correspondem à dedução de dependentes, escreva o nome, a relação familiar e a data de nascimento. Caso viverem separadamente, escreva também o endereço. B) Medidas excepcionais do Imposto de Residência sobre Dividendos Pessoa que utiliza os formulários A e B Sobre os dividendos de pequena quantia de empresas de capital Valor da Renda de Dividendos fechado e demais rendas, que permitem optar a não fazer a (3do formulário de declaração Nº 1 A) Valor do Imposto do terceiro período e declaração definitiva do imposto de renda, o Imposto de Imposto a ser contribuído residência será tributado juntamente com as demais rendas de (5do formulário de declaração Nº 1 B) forma geral. Referência sobre a Renda de Dividendos na página 28. [Exemplo de cálculo especial do Imposto Residencial referente aos dividendos] A pessoa que escrever o valor correspondente na coluna B, deve transcrever o valor na coluna Exemplo de cálculo especial do Imposto Residencial referente aos dividendos do Formulário de Declaração Nº 2, fazendo o seguinte cálculo. Aos que optaram por não fazer declaração de renda por causa do baixo dividendo de empresas de capital fechado A + B A B Medidas excepcionais referente a Imposto de Residência sobre Dividendos C) Medidas excepcionais aos Não-Residentes Pessoa que utiliza os formulários A e B A pessoa que durante o ano 2012 teve um período como não-residente (período que não residiu no Japão por mais de 1 ano), não é tributado o Imposto Residencial às rendas na fonte causada neste período. Escreva na coluna correspondente do formulário de declaração Nº 2, as Medidas excepcionais aos Não-Residentes. D) Valor Dedutível de dividendos Dedução do valor de distribuição proporcional do imposto sobre a renda de cessão de ações Pessoa que utiliza os formulários A e B Em relação ao valor de distribuição de dividendos específicos, etc., que foram coletados de forma especial, como valor de distribuição proporcional dos Impostos Provinciais (3%) durante o ano 2012, 1 se o imposto de renda for liquidado simplesmente com a retenção do imposto na fonte da renda sem fazer a Declaração Definitiva, o Imposto Residencial também será coletado de forma especial e 2 se o imposto de renda for declarado através de Declaração Definitiva e o contribuinte for beneficiado por dedução ou restituição do valor retido na fonte da renda, recebe-se também no Imposto Residencial, a dedução e a restituição do valor coletado especialmente. Se você fizer a Declaração Definitiva do Imposto sobre a Renda, escreva o valor da distribuição proporcional dos Impostos Provinciais e o valor de dedução do valor da distribuição proporcional do imposto sobre a renda de cessão de ações na coluna Valor de dedução do imposto proporcional sobre dividendos e na coluna Valor de dedução do valor de distribuição proporcional do imposto sobre a renda de cessão de ações do Formulário de Declaração No. 2. Não obstante, no caso de 1, o valor total da renda decidida na Dedução de Cônjuges e Dedução de Dependentes não incluirá as rendas de cessão relacionadas a dividendos específicos e nem as relacionadas a ações específicas. Entretanto, no caso de 2, ao receber a restiituição do valor do Recolhimento Especial do Imposto, após o Município, Distrito ou Vila da sua jurisdição fazerem o cálculo do imposto, a notificação da restituição do imposto será realizada pelo Município, Distrito ou Vila.. 59

62 5 Dedução do valor do imposto sobre doações Pessoa que utiliza os formulários A e B Escreva a soma total de cada tipo de doação: 1 Doações a província ou município; 2 doação a organizações de arrecadação de doações coletivas, estabelecidas no local em que reside em 1º de janeiro de 2013 e às filiais da Cruz Vermelha do Japão; 3 doações indicadas por decreto provincial da província em que reside em 1º de janeiro de 2013; 4 doações indicadas por decreto municipal do município em que reside em 1º de janeiro de * Sobre a doação à Cruz Vermelha do Japão e à Central do Fundo de Comunidade do Japão, como contribuição relacionada ao Grande Terremoto da Região Leste do Japão, e quando esta contribuição for enviada aos grupos das regiões danificadas e comissões distribuidoras de doações como destino final, escreva na coluna Porção destinada às províncias e municípios, por ser tratada como doação destinada aos órgãos locais. Deve tomar cuidado, pois se por exemplo, fizer a doação à Cruz Vermelha do Japão destinada ao Grande Terremoto da Região Leste do Japão sem ter marcado o campo Porção destinada às províncias e municípios e ter marcado Parte destinada ao Central do Fundo de Comunidade do Japão e Cruz Vermelha do Japão por engano, não será possível realizar corretamente o cálculo da dedução do valor do imposto sobre doações. *Em relação aos itens 3 e 4, se uma mesma doação for indicada tanto pela província como pelo município, escreva o valor em ambas as colunas. Consulte o encarregado da província e do município em que reside para perguntar sobre as organizações indicadas por decreto. As doações estabelecidas de acordo com a legislação da Província e Município de onde reside, as quais são feitas para organizações sem fins lucrativos (NPOs), etc. não autorizadas, etc., não serão objetos de dedução do imposto de renda, no entanto, poderá receber a dedução das doações do valor do imposto residencial individual. Neste caso, deve fazer a declaração à municipalidade separadamente. ~ Doações que correspondem a Dedução do Valor do Imposto Residencial Individual ~ Caso tenha a doação que corresponde a Dedução do Valor do Imposto Residencial Individual (Assunto relacionado ao Imposto Residencial), (pessoa que utiliza o formulário B, Assunto relacionado aos Impostos Residencial e de Negócio), existe a seguinte forma de preencher a coluna da Dedução do Imposto de Doação. (Exemplo) Ao fazer as seguintes doações que correspondem aos itens de 1 a 8. 1 Doação à Província Doação ao Município Valor de contribuição à Cruz Vermelha do Japão relacionada ao Grande Terremoto da Região Leste do Japão Valor de contribuição à Central do Fundo de Comunidade do Japão relacionada ao Grande Terremoto da Região Leste do Japão Doação à filial da Cruz Vermelha de onde reside (Exclui o 3 ) Doação para beneficiência pública de onde reside (Exclui o 5 ) Doação à Associação de Utilidade Pública Específica para Aumentar a Eficiência (estabelecida de acordo com a legislação da Província de onde reside) 8 Organização sem fins lucrativos autorizada (NPO) 10,000 (estabelecida de acordo com a legislação da Província e Município de onde reside) A Coluna da Província e Município Corresponde ao 1 a = B Coluna da Associação de Beneficiência Pública, Cruz Vermelha de onde reside Corresponde ao 5 e = C Coluna da Povíncia (estabelecida de acordo com a legislação) Corresponde ao 7 e = D Coluna do Município (estabelecida de acordo com a legislação) Corresponde ao Dedução do Dedução Provincial e A Municipal Imposto de Estabelecida Província C Beneficiência Pública, Cruz Doação por legislação B Vermelha de onde resid Município D * Nota: Devido ao valor de doação de 8 ser incluído na coluna de doação à província e na da doação ao município, o valor total de 1 a 8 e o valor total de A a D não fica igual. 60

63 6 Imposto de Negócios Pessoa que utiliza o formulário B A) A porcentagem e outros fatores do Imposto de Negócios variam de acordo com o tipo da atividade. Como também existem atividades isentas de imposto, a pessoa que corresponde aos seguintes itens 1 e 2, devem registrar na coluna da Renda Isento de Imposto, etc. do formulário de declaração Nº 2, o número correspondente e a respectiva renda. No Imposto de Negócios, não será aplicada a dedução especial da Declaração Azul do Imposto sobre a renda. Portante, deverá registrar o valor antes da dedução especial de Declaração Azul. 1 A pessoa que exerce vários tipos de atividades e que possua renda proveniente das seguintes atividades: 1 Renda proveniente de atividade pecuária (excetuam-se as exercidas conjuntamente com atividade agrícola) 2 Renda proveniente de atividade pesqueira (excetuam-se as de colheita de animais e plantas marinhas de pequeno porte) 3 Renda proveniente de fabricação de carvão vegetal 4 Renda proveniente de atividade de massagista, terapia por pressão de dedo, acupuntura, moxaterapia, judoca-fisioterapeuta (Não obstante, no caso de exercida por deficiente visual de ambos os olhos ou com menos de 0,06 de capacidade visual, escreva 10 por não ser cobrado o imposto.). 5 Renda proveniente de atividade de ferreiro 2 Caso possua renda (renda isento de imposto) das seguintes atividades. 6 Renda proveniente de atividade florestal 7 Renda proveniente de atividade de mineração 8 Renda proveniente de consultas de seguro social 9 Renda proveniente de atividade no exterior (renda originada do escritório no exterior) 10 Renda proveniente de atividade individual que não corresponde ao estipulado no artigo 72 da Lei de Imposto Regional (*) B) Renda de Imóvel, antes da aplicação de medidas excepcionais no cálculo de lucros e perdas No Imposto de Negócios, no caso do valor da renda de imóvel resultar perda, mesmo sobre a perda na parte dos juros de capital de aquisição do terreno, pode ser aplicado o cálculo de lucros e perdas. Caso haja valor que corresponda a este ítem, escreva o valor no formulário de declaração, na coluna da [Renda proveniente de imóvel, antes da aplicação de medidas excepcionais no cálculo de lucros e perdas]. C) Valor da dedução especial da declaração azul, reduzidas da renda proveniente de imóveis Esta Dedução especial da declaração azul dedução concedida a pessoa que fazem a declaração azul do Imposto de renda, não é aceita para Imposto de negócios. Se houver valores referentes a este ítem, escreva o valor correspondente na coluna do [Valor da dedução especial da declaração azul, reduzidas da renda proveniente de imóveis] do formulário de declaração Nº 2. D) Perda na cessão, etc., de propriedades de atividades de negócios Caso sofra perda decorrente da cessão de propriedades de atividades de negócios, tais como, equipamento de máquinas, veículos transportadores, etc. (exclui o terreno, as estruturas, prédios, capital fixo ativo imaterial), por desuso ou que foram vendidos no prazo de 1 ano a partir da data em que deixou de usar. Esta perda, exclusivamente no caso de serem declarados consecutivamente a partir do ano seguinte do ano ocorrido (somente quando se permite apresentar a declaração azul), podem ser objeto de redução do imposto de negócios e serem solicitadas nos exercícios a partir do ano seguinte, durante o período de 3 anos. Caso tenha perda que corresponda ao caso, escreva o referente valor de perda na coluna de [Perda na cessão, etc., de propriedades de atividades empresarial] do formulário de declaração Nº 2. Não obstante, caso resulte déficit na renda de negócios sujeita à tributação do imposto de negócio e, caso no déficit estiverem incluídas as perdas de inventário, propriedades de atividades empresarial, etc., decorrentes de desastre, mesmo que o valor esteja sujeito ao imposto de negócios, esta perda, exclusivamente no caso de serem declarados consecutivamente a partir do ano seguinte do ano ocorrido, podem ser objeto de redução do imposto de negócios e serem solicitadas nos exercícios a partir do ano seguinte, durante o período de 3 anos. Caso tenha perda que corresponda ao caso, escreva o referente valor de perda na coluna de [Perda na cessão, etc., de propriedades de atividades empresarial] do formulário de declaração Nº 2. E) Estabelecimento (descontinuação) de empresa durante o ano anterior Se em meados do ano de 2012 estabeleceu ou descontinuou atividade empresarial, rodear com um círculo na letra correspondente na coluna do [Estabelecimento (descontinuação) de empresa durante o ano anterior] do formulário de declaração Nº 2 e escreva a respectiva data. F) Escritório e similares estabelecidos em outras Províncias A tributação do imposto de negócios é executado pelas respectivas províncias onde estabelece o domicílio social da empresa. Para a pessoa que estabelece escritórios em várias províncias, o imposto de renda será tributado de forma proporcional de acordo com o quadro de pessoal das respectivas sedes, escritórios, etc. Caso tiver escritório ou representação em outras províncias, deve-se fazer um círculo na coluna Escritórios, etc. das Províncias do Formulário de Declaração No. 2. [Escritório e similares estabelecidas em outras Províncias].. 61

64 Atividades de negócios estipulados no Artigo 72 da Lei de Impostos Regional Vendedor de produtos Segurador Empréstimo de dinheiro Locação de produtos Imobiliária (locação) Fabricação Fornecedor de energia elétrica Escavação de areia e pedra Meios de comunicação Transporte Negócios de transporte Contratação de navios Depósito Estacionamento Empreiteira Gráfica Editora Fotógrafo Locação de salas Hotelaria Restaurante japonês Restaurante Investigação de terreno e casa Representação para assuntos marítimos Atacadista Casa de câmbios Banho público Promotor teatral Recreativa Turismo Transação de produtos Imobiliária (venda) Propaganda Investigação Informações Cerimônias Pecuária Pesqueira Fabricação de carvão vegetal Médico Dentista Farmacêutico Parteira Massagista Atividade de terapia por pressão de dedo, acupuntura, moxaterapia, judoca-fisiotereuta, etc., ligados à área paramédica Medição Intermediário Fabricação de placas para impressão Veterinário Ferreiro Advogado Escrivão jurídico Escrivão administrativo Tabelionato Despachante Consultor sobre impostos Auditor contábil Contador Especialista em seguro social Consultoria Engenharia Civil Avaliação de imóveis Desenhista Jardinagem Barbearia Esteticista Lavanderia Protético dentário Higiene dentária Agenciador Representação Em caso de dúvidas, consulte o Escritório da Receita, etc. de cada província. Há possibilidade de Escritório da Receita, etc. de cada província entrar em contato com o declarante, perguntando alguns ítens (como endereços e números dos funcionários no último dia de cada mês, caso tiver escritórios em mais de uma província, etc) necessários em relação a taxação do Imposto de Negócios. 62

65 Cálculo do Imposto Valor a ser deduzido da renda Valor do Ingresso 4 Documentos que devem ser anexados, etc. no ato da Declaração Está a seguir os documentos que devem ser anexados ao formulário de declaração ou apresentados ao entregar o formulário de declaração. Maiores informações constam em [Documentos que devem ser anexados] de cada artigo a partir da página 27desta guia. Artigos, etc. Negócios/Comércios Negócios/Agricultura Imóveis Salários Variada/Pensões Públicas, etc. Documentos a serem anexados ou apresentados e sua classificação Folha de Balanço da Declaração Azul (Declarante do Imposto de Negócios da Cor Azul) ou Folha de Balanço de Ingressos e Gastos (Declarante do Imposto de Negócios da Cor Branca) Comprovante de Imposto de Renda Salarial Retido na Fonte (original) Comprovante de Imposto de Renda das Pensões Públicas, etc. Retido na Fonte (original) Quando apresentar a declaração sobre dividendos, etc., relacionados a ações públicas das Dividendos empresas listadas na Bolsa de Valores (capital aberto), é necessário anexar ou apresentar a notificação de pagamento de acordo com o tipo de dividendo ou o relatório de transação anual da conta bancária específica. A pessoa cuja valor total de rendas exceda , além da Renda de Folha de Especificação de Detalhes de Bens e Dívidas Aposentadoria Dedução de Perdas Diversas Recibos de gastos efetuados por força maior, relacionados a desastres Dedução de Despesas Médicas Recibos de médicos, etc.. (Nota 1 e 2) Folha de Especificação de detalhes das despesas médicas Para ser aplicada a dedução do prêmio de Previdência Social como os prêmios do Plano Dedução do Prêmio de Seguro de Nacional de Pensão e do Fundo do Plano Nacional de Pensão é necessário apresentar o Bem-Estar Social Certificado de Dedução do Prêmio de Previdência Social (Plano de Pensão Nacional) (Nota 3) Dedução do Prêmio de Ajuda Mútua de Pequenas Empresas, etc. Comprovantes de pagamento dos prêmios (Nota 3) Dedução do Prêmio do Seguro de Vida Comprovantes de pagamento dos prêmios (Nota 3) Dedução de Prêmios de Seguro contra Terremoto Comprovantes de pagamento dos valores pagos (Nota 3) Recibos de doações emitidos pelas instituições doadas Em caso de doação para determinadas instuições de benecficiamento público ou instituições escolares Comprovante ou documento de reconhecimento que comprove que esta pessoa jurídica ou instituição é qualificada, ou a cópia Dedução de Doações Em caso de pagamento para bens fideicomissórios de determinadas instituições de beneficiamento público Comprovante ou documento de reconhecimento que comprove que este fideicomisso é qualificado, ou a cópia Em caso de contribuições políticas Documento para Dedução de Doações(valor do imposto) timbrada pelo Comitê de Administração Eleitoral ou similares Dedução de Estudante Trabalhador Comprovante emitido pela escola ou pessoa jurídica (Nota 3) (Classificação) Folha de especificação referente ao cálculo das deduções usufruidas (Está disponível na Repartição de Impostos.) Para maiores detalhes, veja a guia Para Pessoa que deseja usufruir da Dedução Especial de (Específica ampliação, reforma, etc.) Empréstimo (Aquisição) para Moradia e Para Pessoa que deseja usufruir da Dedução Dedução Especial de Empréstimo para Especial de Empréstimo (Aquisição) para ampliação e reforma da Moradia (Está disponível Moradia na Repartição de Impostos.) Dedução Especial de Doação a Partidos Políticos Dedução especial da doação às organizações autorizadas de pessoa jurídica sem fins lucrativos (NPOs), etc. Dedução especial da doação às associações de interesse público Dedução Especial de Doação Designada no caso dos Específicos Desastres de Terremotos Dedução Especial de Reforma Prova a Terremotos da Moradia Dedução Especial de Reforma Específica da Moradia Dedução Especial de Nova Moradia com Atestado de Excelente e Longa Durabilidade Dedução de Impostos pagos no Exterior Residente que teve o período de não residente durante o ano 2012 (Nota 1) (Nota 2) Folha de especificação do cálculo do valor da Dedução Especial de Doação a Partidos Políticos, etc. (Está disponível no Escritório da Receita.) Documento para Dedução de Doações (valor do imposto) timbrada pelo Comitê de Administração Eleitoral ou similares [Especificação do cálculo do valor de dedução especial da doação às organizações autorizadas de pessoa jurídica sem fins lucrativos (NPOs), etc. Recibo do valor de doação emitido pela organização autorizada de pessoa jurídica sem fins lucrativos (NPOs), etc.,que recebeu a doação. Especificação do cálculo do valor de dedução especial da doação às associações de interesse público. Recibo do valor de doação emitido pela associação de interesse público que recebeu a doação. Cópia do certificado de Pessoa Jurídica legal. Especificação do cálculo do valor de dedução especial da Doação Designada no caso dos Específicos Desastres de Terremotos. Recibos com o valor da doação, emitidos pela Central do Fundo de Previdência Social da Comunidade do Japão e pelas organizações autorizadas de pessoa jurídica sem fins lucrativos (NPOs), etc. Folha de especificação do cálculo da Dedução Especial de Reforma Prova a Terremotos da Moradia (Está disponível no Escritório da Receita.), necessita apresentar o Certificado de Reforma Prova a Terremotos da Moradia e Copia do Certificado de Residente. Utilize como referência Para pessoa que poderá usufruir a Dedução Especial de Reforma Específica da Moradia Utilize como referência Para pessoa que poderá usufruir a Dedução Especial de Nova Moradia com Atestado de Excelente e Longa Durabilidade Folha de especificação de detalhes referente à Dedução de Impostos pagos no Exterior Documento que comprova a taxação do Imposto de Renda do Exterior Certificado relacionado ao status de residente. Deve-se tomar cuidado que a Comunicação da Despesa de Tratamento Médico emitidas pelas Associação do Seguro Saúde, não servirá como Comprovante. Entregar com o formulário da declaração. Apresente colando-os na folha base para anexar os documentos, etc.. Entregar com o formulário da declaração. Apresente colando-os na folha base para anexar os documentos, etc. ou mostre-os no momento de apresentar a declaração. Entregar com o formulário da declaração. Apresente colando-os na folha base para anexar os documentos, etc.. Apresente junto com a declaração. Apresente colando-os na folha base para anexar os documentos, etc. Apresente junto com a declaração. Apresente colando-os na folha base para anexar os documentos, etc.. Apresente junto com a declaração. Apresente colando-os na folha base para anexar os documentos, etc. Deve-se apresentar junto com a declaração. Entregar com o formulário da declaração. O período da retenção dos recibos, etc. de despesas médicas apresentados ao Escritório da Receita é de 1 ano. Se o declarante precisar dos recibos, etc. posteriormente, não anexe ao formulário de declaração e apenas os apresente(em caso de declaração via correio, anexe uma nota pedindo a devolução dos recibos, etc. de despesas médicas e um envelope selado para a devolução.). (Nota 3) O assalariado que já recebeu a dedução no momento de ajuste do final do ano, não terá necessidade de apresentar. * A pessoa que utilizou o formulário suplementar para declaração definitiva, tabela de cálculo do valor do imposto, etc., intercalado na página 18 (Formulário Suplementar para a Declaração Definitiva, Tabela do Cálculo do Imposto, etc.) deste guia, anexe a tabela de cálculo, etc. ao formulário de declaração. 63

66 64

GUIA DOS IMPOSTOS DE RENDA E DE RENDA ESPECIAL DE RECONSTRUÇÃO PARA ESTRANGEIROS do ano 2013

GUIA DOS IMPOSTOS DE RENDA E DE RENDA ESPECIAL DE RECONSTRUÇÃO PARA ESTRANGEIROS do ano 2013 GUIA DOS IMPOSTOS DE RENDA E DE RENDA ESPECIAL DE RECONSTRUÇÃO PARA ESTRANGEIROS do ano 2013 Apresentação da Declaração Definitiva do Imposto de Renda O prazo sobre o assessoramento e apresentação da Declaração

Leia mais

IRPF 2012 Cartilha IR 2012

IRPF 2012 Cartilha IR 2012 IRPF 2012 Cartilha IR 2012 A MAPFRE Previdência desenvolveu para os participantes de plano de previdência complementar PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre), FGB Tradicional (Fundo Gerador de Benefício)

Leia mais

IRPF 2014 CARTILHA IR 2014

IRPF 2014 CARTILHA IR 2014 IRPF 2014 CARTILHA IR 2014 A MAPFRE Previdência desenvolveu para os participantes de plano de previdência complementar PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre), FGB Tradicional (Fundo Gerador de Benefício)

Leia mais

Ⅷ. Trabalho/ Impostos/ Remessa Para o Exterior

Ⅷ. Trabalho/ Impostos/ Remessa Para o Exterior Ⅷ. Trabalho/ Impostos/ Remessa Para o Exterior Ⅷ-1 À Procura de Serviço 1. Como Procurar Emprego Hello Works No Japão existe o Centro Público de Estabilidade Profissional (Hello Work Kokyo Shokugyo Anteisho),

Leia mais

Guia de Declaração de IRPF 2011. Ano-calendário 2010. Previdência. IR 2010 Prev e Cp_v2

Guia de Declaração de IRPF 2011. Ano-calendário 2010. Previdência. IR 2010 Prev e Cp_v2 Guia de Declaração de IRPF 2011 Ano-calendário 2010 Previdência IR 2010 Prev e Cp_v2 Quem é obrigado a declarar? Está obrigada a apresentar a Declaração de Ajuste Anual do Imposto sobre a Renda referente

Leia mais

b) receberam rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma tenha sido superior a R$ 40.

b) receberam rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma tenha sido superior a R$ 40. Vitória/ES, 23 de fevereiro de 2013. ORIENTAÇÕES PARA DECLARAÇÃO DO IRPF 2013 A partir do dia 1º março a Receita Federal começa a receber a Declaração de Ajuste Anual do Imposto de Renda Pessoa Física.

Leia mais

O QUE É IRPF? Imposto Sobre a Renda Pessoa Física

O QUE É IRPF? Imposto Sobre a Renda Pessoa Física O QUE É IRPF? Imposto Sobre a Renda Pessoa Física O QUE É DAA? É a Declaração de Imposto de Renda Anual Denominada - Declaração de Ajuste Anual ÓRGÃOS REGULADORES Receita Federal do Brasil Procuradoria

Leia mais

Segurado de Categoria 3 Dependentes dos Segurados de Categoria 2

Segurado de Categoria 3 Dependentes dos Segurados de Categoria 2 16.Pensão ねん きん 年 金 De acordo com o sistema de pensão oficial do Japão, todos os residentes entre 20 e 60 anos de idade são obrigados a se inscreverem na Pensão Nacional. Portanto, todas as pessoas com

Leia mais

LEI Nº 382/2010 DE 05 DE JULHO DE 2010

LEI Nº 382/2010 DE 05 DE JULHO DE 2010 LEI Nº 382/2010 DE 05 DE JULHO DE 2010 Disposição sobre a consignação em folha de pagamento O MUNICÍPIO DE BOA ESPERANÇA faz saber que a CÂMARA MUNICIPAL DE BOA ESPERANÇA decreta e eu sanciono a seguinte

Leia mais

Especial Imposto de Renda 2015

Especial Imposto de Renda 2015 Especial Imposto de Renda 2015 01. Quais são os limites de rendimentos que obrigam (pessoa física) a apresentação da Declaração de Ajuste Anual relativa ao ano-calendário de 2014, exercício de 2015? A

Leia mais

IRPF 2015 Imposto de Renda Pessoa Física

IRPF 2015 Imposto de Renda Pessoa Física CIRCULAR Nº 13/2015 São Paulo, 23 de Fevereiro de 2015. IRPF 2015 Imposto de Renda Pessoa Física Ano-Base 2014 Prezado cliente, No dia 03 de fevereiro de 2015 a Receita Federal publicou a Instrução Normativa

Leia mais

IRPF Imposto de Renda da. Nathália Ceia Março 2011

IRPF Imposto de Renda da. Nathália Ceia Março 2011 IRPF Imposto de Renda da Pessoa Física Nathália Ceia Março 2011 Programa Aula 1 1. Princípios Gerais 2. Fato Gerador 3. Características 4. Contribuinte e Responsável Programa Aula 2 5. Alíquotas e Formas

Leia mais

Organização Hilário Corrêa Assessoria Empresarial e Contabilidade

Organização Hilário Corrêa Assessoria Empresarial e Contabilidade Desde o dia 02/03/2015 iniciamos o período de entrega da declaração de imposto de renda pessoa física de 2015 com base nos fatos ocorridos no ano de 2014, a declaração poderá ser transmitida até o dia

Leia mais

DECRETO Nº 76.975, DE 2 DE JANEIRO DE 1976.

DECRETO Nº 76.975, DE 2 DE JANEIRO DE 1976. DECRETO Nº 76.975, DE 2 DE JANEIRO DE 1976. Promulga a Convenção destinada a Evitar a Dupla Tributação e Prevenir a Evasão Fiscal em Matéria de Impostos sobre a Renda Brasil-Espanha Promulgação. O PRESIDENTE

Leia mais

Física. Pessoa IMPOSTO DE RENDA. c o n t a b i l i z e. É hora de acertar as contas com o Leão

Física. Pessoa IMPOSTO DE RENDA. c o n t a b i l i z e. É hora de acertar as contas com o Leão IMPOSTO DE RENDA Distribuição Gratuita Pessoa Física É hora de acertar as contas com o Leão CONTRATE UM PROFISSIONAL E EVITE PROBLEMAS Entre em contato conosco 47 3028-1483 contabilize@contabilizesc.com.br

Leia mais

DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA 2015 DETALHES A OBSERVAR

DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA 2015 DETALHES A OBSERVAR DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA 2015 DETALHES A OBSERVAR Muito embora não seja uma novidade, já que a maioria das pessoas estejam obrigadas a entregar a Declaração de Imposto de Renda, trazemos aqui alguns

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos MEDIDA PROVISÓRIA Nº 206, DE 6 DE AGOSTO 2004. Altera a tributação do mercado financeiro e de capitais, institui o Regime Tributário

Leia mais

A APLICAÇÃO DE CAPITAIS, IMPOSTO DO SELO E IMPOSTO DE CONSUMOC

A APLICAÇÃO DE CAPITAIS, IMPOSTO DO SELO E IMPOSTO DE CONSUMOC REFORMA FISCAL: IMPOSTO SOBRE A APLICAÇÃO DE CAPITAIS, IMPOSTO DO SELO E IMPOSTO DE CONSUMOC MARÇO 2012 Integrado na reforma fiscal que está em curso, a Imprensa Nacional disponibilizou recentemente o

Leia mais

CHEGOU A HORA DE ACERTARMOS AS CONTAS COM O LEÃO.

CHEGOU A HORA DE ACERTARMOS AS CONTAS COM O LEÃO. Porto Alegre, 17 de fevereiro de 2012 Sr. Cliente: CHEGOU A HORA DE ACERTARMOS AS CONTAS COM O LEÃO. No período de 01 de março até 30 de abril de 2012, a RFB estará recepcionando as Declarações do Imposto

Leia mais

Boletim de Relacionamento Previdência. Imposto de Renda Sul América Previdência

Boletim de Relacionamento Previdência. Imposto de Renda Sul América Previdência Boletim de Relacionamento Previdência Imposto de Renda Sul América Previdência Prezado Participante, Desenvolvemos um guia para que você, que possui um Plano de Previdência PGBL ou Tradicional ou um Plano

Leia mais

Retenção de Impostos e Contribuições

Retenção de Impostos e Contribuições Retenção de Impostos e Contribuições COMO A FONTE PAGADORA DEVE DESCONTAR: IR PIS/PASEP COFINS CSLL ISS INSS Resumo do conteúdo: IR Fonte Assalariados / Pro Labore IR Fonte Terceiros e Não Assalariados

Leia mais

a d en e R d sto o p e Im 20 d eclaração Cartilha D 1

a d en e R d sto o p e Im 20 d eclaração Cartilha D 1 ÍNDICE 1. Obrigatoriedades... 3 2. Forma de elaborar a declaração de IRPF 2014... 4 2.1 Formas de entrega... 4 2.2 Prazo de entrega... 4 2.3 Multa pelo atraso na entrega da declaração... 4 3. Modelos de

Leia mais

Confira os critérios para retenção do Imposto de Renda sobre aluguéis e royalties

Confira os critérios para retenção do Imposto de Renda sobre aluguéis e royalties ALUGUÉIS Retenção do Imposto Confira os critérios para retenção do Imposto de Renda sobre aluguéis e royalties A legislação tributária prevê que constituem rendimento bruto sujeito ao Imposto de Renda

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA DA PESSOA FÍSICA

IMPOSTO DE RENDA DA PESSOA FÍSICA IMPOSTO DE RENDA DA PESSOA FÍSICA Generalidades Trata-se de um imposto que incide sobre todos os rendimentos (de capital, de trabalho e acréscimos patrimoniais) das pessoas físicas não compreendidas no

Leia mais

RENDIMENTOS TRIBUTÁVEIS RECEBIDOS DE PESSOA FÍSICA E DO EXTERIOR PELOS DEPENDENTES

RENDIMENTOS TRIBUTÁVEIS RECEBIDOS DE PESSOA FÍSICA E DO EXTERIOR PELOS DEPENDENTES IDENTIFICAÇÃO DO CONTRIBUINTE Nome: ESMERALDA ROCHA Data de Nascimento: 19/02/1964 Título Eleitoral: 0153835060116 Houve mudança de endereço? Sim Um dos declarantes é pessoa com doença grave ou portadora

Leia mais

15 Impostos ぜ い き ん 1 Impostos Nacionais Residentes e Não residentes

15 Impostos ぜ い き ん 1 Impostos Nacionais Residentes e Não residentes 15.Impostos ぜい きん 税 金 Os residentes no Japão por período superior a 1 ano, mesmo os de nacionalidade estrangeira, são obrigados a recolher impostos da mesma forma que os cidadãos japoneses caso recebam

Leia mais

DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA 2014 ANO BASE 2013

DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA 2014 ANO BASE 2013 Organização Contábil CARIVAN Ltda. DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA 2014 ANO BASE 2013 Advocacia Dr. Carlos Manuel de Jesus Dias PERGUNTAS E RESPOSTAS Pessoa física tem idade mínima para ser contribuinte

Leia mais

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012.

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012. PIS E COFINS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012. Sumário: 1 ENTIDADES FINANCEIRAS 2 - DA ALÍQUOTA 3 - DA BASE DE CÁLCULO 3.1 Receitas Incorridas

Leia mais

DOING BUSINESS IN BRAZIL. 19 DE JUNHO Lisboa. RFF & Associados Preto Advogados

DOING BUSINESS IN BRAZIL. 19 DE JUNHO Lisboa. RFF & Associados Preto Advogados DOING BUSINESS IN BRAZIL 19 DE JUNHO Lisboa RFF & Associados Preto Advogados Raquel Elita Alves Preto - Graduada em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP), com especialização

Leia mais

Especial Imposto de Renda 2015

Especial Imposto de Renda 2015 Especial Imposto de Renda 2015 01. Durante o ano de 2014 contribuí para a Previdência Social como autônoma. Como devo fazer para deduzir esses valores? Qual campo preencher? Se pedirem CNPJ, qual devo

Leia mais

Serviços de Acção Social da Universidade dos Açores Regras Técnicas 2008-2009/2009-2010

Serviços de Acção Social da Universidade dos Açores Regras Técnicas 2008-2009/2009-2010 Regras Técnicas 2008-2009/2009-2010 Considerando o regime de atribuição de bolsas de estudo a estudantes do Ensino Superior Público, determino os critérios e procedimentos técnicos a adoptar pelos Serviços

Leia mais

Fique atento! Chegou a hora de declarar o. Especial. Não descuide do prazo de entrega e confira como declarar seus planos de previdência.

Fique atento! Chegou a hora de declarar o. Especial. Não descuide do prazo de entrega e confira como declarar seus planos de previdência. Especial IRPF 2011 Boletim Informativo dirigido a participantes de planos de previdência da Bradesco Vida e Previdência - Março de 2011 Chegou a hora de declarar o IRPF2011 Fique atento! Não descuide do

Leia mais

Cape contabilidade LUCRO REAL

Cape contabilidade LUCRO REAL 1. CONCEITO LUCRO REAL No regime do lucro real o Imposto de Renda devido pela pessoa jurídica é calculado sobre o valor do lucro líquido contábil ajustado pelas adições, exclusões e compensações prescritas

Leia mais

Imposto de Renda Pessoa Física 2015

Imposto de Renda Pessoa Física 2015 Imposto de Renda Pessoa Física 2015 1 IRPF É um imposto federal brasileiro que incide sobre todas as pessoas que tenham obtido um ganho acima de um determinado valor mínimo. Anualmente este contribuinte

Leia mais

Parte I. Profa. Alessandra Brandão

Parte I. Profa. Alessandra Brandão Parte I Profa. Alessandra Brandão Princípios Informadores Gerais Legalidade Criado por lei ordinária federal Anterioridade Não se sujeita aos 90 dias IrretroaLvidade Súmula 584 do STF: se houve alteração

Leia mais

NOSSO GUIA DO ADVOGADO CONTRIBUINTE

NOSSO GUIA DO ADVOGADO CONTRIBUINTE NOSSO GUIA DO ADVOGADO CONTRIBUINTE NOSSO GUIA DO ADVOGADO CONTRIBUINTE O conteúdo deste guia foi elaborado para orientar os advogados registrados que buscam a OAB para esclarecer suas dúvidas em relação

Leia mais

Contmatic - Escrita Fiscal

Contmatic - Escrita Fiscal Lucro Presumido: É uma forma simplificada de tributação onde os impostos são calculados com base num percentual estabelecido sobre o valor das vendas realizadas, independentemente da apuração do lucro,

Leia mais

Declaração de Imposto de Renda Retido na Fonte. 1) O Órgão Público está obrigado à entrega da DIRF?

Declaração de Imposto de Renda Retido na Fonte. 1) O Órgão Público está obrigado à entrega da DIRF? Declaração de Imposto de Renda Retido na Fonte 1) O Órgão Público está obrigado à entrega da DIRF? Sim. A legislação da DIRF, Instrução Normativa n 1.406, de 23 de outubro de 2013, coloca como pessoa jurídica

Leia mais

INFORMATIVO. Dispensa de IR sobre as contribuições do participante de 01/01/89 a 31/12/95

INFORMATIVO. Dispensa de IR sobre as contribuições do participante de 01/01/89 a 31/12/95 INFORMATIVO Dispensa de IR sobre as contribuições do participante de 01/01/89 a 31/12/95 Este informativo tem o propósito de orientar as associadas sobre as principais questões atinentes aos procedimentos

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO SINDICAL RURAL - Considerações - Ano 2013. Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 24/01/2013. Sumário:

CONTRIBUIÇÃO SINDICAL RURAL - Considerações - Ano 2013. Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 24/01/2013. Sumário: CONTRIBUIÇÃO SINDICAL RURAL - Considerações - Ano 2013 Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 24/01/2013. Sumário: 1 - Introdução 2 - Constitucionalidade 3 - Obrigação 3.1 - Estabelecimentos

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA

IMPOSTO DE RENDA IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA IMPOSTO DE RENDA IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA IMPOSTO l ELEMENTOS DO IMPOSTO: INCIDÊNCIA FATO GERADOR PERÍODO DE APURAÇÃO BASE DE CÁLCULO ALÍQUOTA INCIDÊNCIA l IRPF - É o imposto que incide sobre o produto

Leia mais

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014. c) multa ou qualquer vantagem por rescisão de contratos.

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014. c) multa ou qualquer vantagem por rescisão de contratos. Até dia Obrigação AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014 Histórico ocorridos no período de 21 a 31.07.2014, incidente sobre rendimentos de (art. 70, I, letra "b", da Lei nº 11.196/2005 ): 5

Leia mais

até 31.08.87 100% até 30.09.87 95% até 30.10.87 90% até 30.11.87 85% até 31.12.87 80% Circular n 1214, de 4 de agosto de 1987

até 31.08.87 100% até 30.09.87 95% até 30.10.87 90% até 30.11.87 85% até 31.12.87 80% Circular n 1214, de 4 de agosto de 1987 1 06/01/1988. CIRCULAR Nº 1.214 Documento normativo revogado pela Circular 1278, de 05/01/1988, a partir de Às Sociedades de Crédito Imobiliário, Associações de Poupança e Empréstimo e Caixas Econômicas

Leia mais

2º Semestre de 2010 2

2º Semestre de 2010 2 1 2 2º Semestre de 2010 O objetivo deste material é abordar os pontos principais do Plano de Benefícios PreviSenac e não substitui o conteúdo do regulamento. 3 4 Índice PreviSenac para um futuro melhor

Leia mais

Perguntas Frequentes - Tributação

Perguntas Frequentes - Tributação 1. Tributação do Ganho de Capital Perguntas Frequentes - Tributação 1.1 - Como é feita a tributação dos ganhos obtidos com a alienação de ações? A tributação é feita em bases mensais, ou seja: o ganho

Leia mais

TATIANA SERRÃO ASSOCIADA FBL ADVOGADOS ANGOLA

TATIANA SERRÃO ASSOCIADA FBL ADVOGADOS ANGOLA TATIANA SERRÃO ASSOCIADA FBL ADVOGADOS ANGOLA 3 a 5 de Julho de 2012 Hotel EPIC Sana Luanda Angola MÓDULO I - ENQUADRAMENTO LEGAL, ÚLTIMOS DESENVOLVIMENTOS E TENDÊNCIAS FUTURAS: REFORMA FISCAL Índice 1.

Leia mais

Comprovante de Rendimentos Financeiros

Comprovante de Rendimentos Financeiros Comprovante de Rendimentos Financeiros INFORME DE RENDIMENTOS FINANCEIROS MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL INFORME DE RENDIMENTOS FINANCEIROS DE IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA 1. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 Sistema Tributário Nacional Conjunto de regras jurídicas

Leia mais

Elaborado e apresentado por:

Elaborado e apresentado por: A CONSTRUÇÃO CIVIL E AS REGRAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE - ALTERAÇÕES CONTÁBEIS E TRIBUTÁRIAS: LEIS 11.638/2007, 11.941/2009 e 12.973/2014 UMA VISÃO CONTÁBIL E TRIBUTÁRIA Elaborado e apresentado

Leia mais

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 FISCAL E FINANÇAS LOCAIS NEWSLETTER RVR 2 Maio de 2007 ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 Sandra Cristina Pinto spinto@rvr.pt O Decreto Lei nº 238/2006 e a Lei nº 53-A/2006, publicados

Leia mais

CIRCULAR Nº 1.278 Às Caixas Econômicas, Sociedades de Crédito Imobiliário e Associações de Poupança e Empréstimo

CIRCULAR Nº 1.278 Às Caixas Econômicas, Sociedades de Crédito Imobiliário e Associações de Poupança e Empréstimo 1 CIRCULAR Nº 1.278 Às Caixas Econômicas, Sociedades de Crédito Imobiliário e Associações de Poupança e Empréstimo Comunicamos que a Diretoria do Banco Central, tendo em vista o disposto no i- tem XXIII

Leia mais

COMPROVANTE DE RENDIMENTOS PAGOS E DE RETENÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA NA FONTE

COMPROVANTE DE RENDIMENTOS PAGOS E DE RETENÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA NA FONTE COMPROVANTE DE RENDIMENTOS PAGOS E DE RETENÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA NA FONTE Ano Calendário/ 2010 Quer entender um pouco mais sobre este documento? Conheça as informações que devem constar em cada quadro

Leia mais

IRPF 2012 Imposto de Renda Pessoa Física

IRPF 2012 Imposto de Renda Pessoa Física CIRCULAR Nº 09/2012 São Paulo, 10 de Fevereiro de 2012. IRPF 2012 Imposto de Renda Pessoa Física Ano-Base 2011 Prezado cliente, No dia 06 de Fevereiro de 2012 a Receita Federal publicou a Instrução Normativa

Leia mais

IRRF/ 2014. Instalar o programa da Receita Federal. WWW.receita.fazenda.gov.br. Nova. Após abrir declaração (importação/nova)

IRRF/ 2014. Instalar o programa da Receita Federal. WWW.receita.fazenda.gov.br. Nova. Após abrir declaração (importação/nova) IRRF/ 2014 Instalar o programa da Receita Federal WWW.receita.fazenda.gov.br Nova Tenho Anterior Após abrir declaração (importação/nova) Durante a importação o programa 2013 traz também os pagamentos efetuados.

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

Instrução Normativa Conjunta MINC/MF n 1, de 13.06.95

Instrução Normativa Conjunta MINC/MF n 1, de 13.06.95 Instrução Normativa Conjunta MINC/MF n 1, de 13.06.95 Dispõe sobre os procedimentos de acompanhamento, controle e avaliação a serem adotados na utilização dos benefícios fiscais instituídos pela Lei n

Leia mais

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011

ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011 ARQUIVO ATUALIZADO ATÉ 31/12/2011 Pagamento do Imposto 001 Como e quando deve ser pago o imposto apurado pela pessoa jurídica? 1) Para as pessoas jurídicas que optarem pela apuração trimestral do imposto

Leia mais

FORMALIZAÇÃO formalização será feita pela internet no endereço no endereço www.portaldoempreendedor.gov.br, a partir de 01/07/2009.

FORMALIZAÇÃO formalização será feita pela internet no endereço no endereço www.portaldoempreendedor.gov.br, a partir de 01/07/2009. M.E.I. (Micro empreendedor Individual) Lei Complementar numero 128 de 19 de dezembro de 2008. Considera-se MEI o empresário individual a que se refere o art. 966 da Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002

Leia mais

Guia de Declaração de IR 2014- Investimentos

Guia de Declaração de IR 2014- Investimentos Guia de Declaração de IR 2014- Investimentos BRASIL Guia de Declaração IR 2014- Investimentos O dia 30/04/2014 é último dia para entrega da declaração anual do Imposto de Renda 2014 e com o objetivo de

Leia mais

O que é o FGTS? Quem tem direito ao FGTS? Qual o valor do depósito?

O que é o FGTS? Quem tem direito ao FGTS? Qual o valor do depósito? a O que é o FGTS? O FGTS - Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - é um fundo composto por depósitos bancários em dinheiro, compulsório, vinculado, realizado pelo empregador em favor do trabalhador, visando

Leia mais

HTL SP Participações S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes

HTL SP Participações S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Aos Administradores e Acionistas HTL

Leia mais

Rodobens Locação de Imóveis Ltda.

Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2014 e relatório dos auditores independentes Approach Auditores Independentes Relatório dos

Leia mais

Guia de Declaração IR 2014. Investimentos. Março de 2014. Brasil

Guia de Declaração IR 2014. Investimentos. Março de 2014. Brasil Guia de Declaração IR 2014 Investimentos Março de 2014 Brasil Guia de Declaração IR 2014 - Investimentos O prazo de entrega da declaração anual do Imposto de Renda 2014 tem início no dia 6 de março e o

Leia mais

CAPEMISA SEGURADORA DE VIDA E PREVIDÊNCIA S/A Manual do Cliente Bem Total Versão Jun./11

CAPEMISA SEGURADORA DE VIDA E PREVIDÊNCIA S/A Manual do Cliente Bem Total Versão Jun./11 2 BEM TOTAL MANUAL DO CLIENTE Bem-vindo à CAPEMISA. Parabéns, você acaba de adquirir um produto garantido pela CAPEMISA Seguradora de Vida e Previdência que protege a sua família, caso algum imprevisto

Leia mais

Plano D. Material Explicativo

Plano D. Material Explicativo Plano D Material Explicativo 2 Material Explicativo Previ Novartis Índice Pág. 4 Introdução Pág. 6 A Previdência no Brasil Pág. 10 A Previdência e o Plano de Benefício D Pág. 24 Questões 3 Material Explicativo

Leia mais

LEI NO 1.474, DE 26 DE NOVEMBRO DE 1951 * Modifica a legislação do imposto sobre a renda.

LEI NO 1.474, DE 26 DE NOVEMBRO DE 1951 * Modifica a legislação do imposto sobre a renda. arte_memorias_04.qxd 8/11/10 5:00 PM Page 219 LEIS 219 Leis LEI NO 1.474, DE 26 DE NOVEMBRO DE 1951 * Modifica a legislação do imposto sobre a renda. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, Faço saber que o CONGRESSO

Leia mais

IRPF IR2013. Chegou a hora de declarar o. Especial

IRPF IR2013. Chegou a hora de declarar o. Especial Boletim Informativo dirigido a participantes de planos de previdência da Bradesco Vida e Previdência Março de 2013 Especial IRPF 2013 Chegou a hora de declarar o IR2013 >> Fique por dentro >> Onde informar

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005)

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005) INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005) Dispõe sobre plano de benefício de caráter previdenciário, Fapi e seguro de vida com cláusula de cobertura por sobrevivência e dá outras

Leia mais

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS.

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS. CATEGORIA E RENDIMENTOS DE CAPITAIS Definem-se rendimentos de capitais, todos os frutos e demais vantagens económicas, qualquer que seja a sua natureza ou denominação, pecuniários ou em espécie, procedentes,

Leia mais

MEMORANDO. Cartões 6 Cartões de dupla funcionalidade (débito/crédito)

MEMORANDO. Cartões 6 Cartões de dupla funcionalidade (débito/crédito) GUIA FISCAL 2015 MEMORANDO INDICE I. Introdução II. Enquadramento fiscal dos produtos financeiros Contas 1. Contas à ordem 2. Conta ordenado 3. Conta não residente 4. Depósito a prazo 5. Contas Poupança-Habitação

Leia mais

PLANO SUPLEMENTAR. Material Explicativo Plano Suplementar 1

PLANO SUPLEMENTAR. Material Explicativo Plano Suplementar 1 PLANO SUPLEMENTAR Material Explicativo 1 Introdução A CitiPrevi oferece planos para o seu futuro! Recursos da Patrocinadora Plano Principal Benefício Definido Renda Vitalícia Programa Previdenciário CitiPrevi

Leia mais

DE DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE?

DE DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE? 1. O que são os FUNDOS DE DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE? São recursos públicos mantidos em contas bancárias específicas. Essas contas têm a finalidade de receber repasses orçamentários e depósitos

Leia mais

Contas à ordem Conta ordenado Conta não residente Depósito a prazo Contas Poupança-Habitação (CPH) Cartões de dupla funcionalidade (débito/crédito)

Contas à ordem Conta ordenado Conta não residente Depósito a prazo Contas Poupança-Habitação (CPH) Cartões de dupla funcionalidade (débito/crédito) GUIA FISCAL 2015 INDICE I. Introdução II. Enquadramento fiscal dos produtos financeiros Contas 1. 2. 3. 4. 5. Contas à ordem Conta ordenado Conta não residente Depósito a prazo Contas Poupança-Habitação

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 588, de 21 de dezembro de 2005

Instrução Normativa SRF nº 588, de 21 de dezembro de 2005 Instrução Normativa SRF nº 588, de 21 de dezembro de 2005 DOU de 26.12.2005 Dispõe sobre a tributação dos planos de benefício de caráter previdenciário, Fapi e seguros de vida com cláusula de cobertura

Leia mais

Guia IR Personnalité 2012

Guia IR Personnalité 2012 Guia IR Personnalité 2012 Índice Imposto de Renda 2012... 03 Obrigatoriedade de entrega da declaração... 04 Orientações gerais... 04 Formas de entrega... 05 Multa pelo atraso na entrega... 05 Imposto a

Leia mais

Obrigatoriedade na declaração

Obrigatoriedade na declaração A declaração do Imposto de Renda da Pessoa Física 2010 aparece com algumas novidades, especialmente em relação aos parâmetros que definem a obrigatoriedade da apresentação, o que deverá fazer com que diminua,

Leia mais

Além da documentação acima a inscrição será efetivada com a doação de uma lata de leite em pó que será doado à uma instituição filantrópica da região.

Além da documentação acima a inscrição será efetivada com a doação de uma lata de leite em pó que será doado à uma instituição filantrópica da região. Peruíbe, 10 de março de 2013. As Faculdade Peruíbe realizará pela 1ª vez o serviço de preenchimento gratuito da declaração do imposto de renda (IRPF 2014) para pessoas físicas na atividade IRPF Social.

Leia mais

DIRF - 2013. Fortaleza-CE, 20 de fevereiro de 2013. Plantão Fiscal da DRF/Fortaleza

DIRF - 2013. Fortaleza-CE, 20 de fevereiro de 2013. Plantão Fiscal da DRF/Fortaleza DIRF - 2013 Fortaleza-CE, 20 de fevereiro de 2013 Plantão Fiscal da DRF/Fortaleza 1 O QUE É A DIRF? É a Declaração em que é informada à RFB: Os rendimentos pagos a pessoas físicas domiciliadas no País,

Leia mais

O que é o FGTS? Quem tem direito ao FGTS? Qual o valor do depósito?

O que é o FGTS? Quem tem direito ao FGTS? Qual o valor do depósito? O que é o FGTS? O FGTS - Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - é um fundo composto por depósitos bancários em dinheiro, compulsório, vinculado, realizado pelo empregador em favor do trabalhador, visando

Leia mais

Cartilha Imposto de Renda 2014 ÍNDICE 1. OBRIGATORIEDADE DE APRESENTAÇÃO...3

Cartilha Imposto de Renda 2014 ÍNDICE 1. OBRIGATORIEDADE DE APRESENTAÇÃO...3 CARTILHA DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA 2014 ÍNDICE 1. OBRIGATORIEDADE DE APRESENTAÇÃO...3 2. FORMA DE ELABORAR A DECLARAÇÃO DE IRPF 2014...4 2.1 FORMAS DE ENTREGA...4 2.2 PRAZO DE ENTREGA...4 2.3 MULTA

Leia mais

DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA/2015

DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA/2015 DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA/2015 Regulamento para a Declaração de Ajuste Anual do Imposto de Renda, PESSOA FÍSICA, exercício de 2015, ano-calendário de 2014. DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA

Leia mais

Reforma Fiscal Angolana

Reforma Fiscal Angolana Reforma Fiscal Angolana Impostos sobre aplicação de capitais Imposto de selo Imposto de consumo improve knowledge Luanda 2012 Imposto de Aplicação de Capitais Por diploma publicado com data de 30 de Dezembro

Leia mais

Indique o Banrisul - banco 041 - para crédito da restituição do Imposto de Renda e aproveite as vantagens que só cliente Banrisul tem.

Indique o Banrisul - banco 041 - para crédito da restituição do Imposto de Renda e aproveite as vantagens que só cliente Banrisul tem. Guia IR 2012 No Banrisul, o leão não assusta. Indique o Banrisul - banco 041 - para crédito da restituição do Imposto de Renda e aproveite as vantagens que só cliente Banrisul tem. O Banrisul antecipa

Leia mais

Índice 1. Obrigatoriedades... 3. 2. Forma de elaborar a declaração de IRPF 2013... 4. 2.1 Formas de entrega... 4. 2.2 Prazo de entrega...

Índice 1. Obrigatoriedades... 3. 2. Forma de elaborar a declaração de IRPF 2013... 4. 2.1 Formas de entrega... 4. 2.2 Prazo de entrega... Índice 1. Obrigatoriedades... 3 2. Forma de elaborar a declaração de IRPF 2013... 4 2.1 Formas de entrega... 4 2.2 Prazo de entrega... 4 2.3 Multa pelo atraso na entrega da declaração... 4 3. Modelos de

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Incidência de Imposto de Renda sobre juros e multas geradas por atraso no pagamento de aluguel e

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Incidência de Imposto de Renda sobre juros e multas geradas por atraso no pagamento de aluguel e Incidência de Imposto de Renda sobre juros e multas geradas por atraso no pagamento de e descontos concedidos no recebimento antecipado. 22/06/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas

Leia mais

Acredite no seu trabalho que o Brasil acredita em você. Ministério do Desenvolvimento, Confiança no Brasil.

Acredite no seu trabalho que o Brasil acredita em você. Ministério do Desenvolvimento, Confiança no Brasil. Acredite no seu trabalho que o Brasil acredita em você. Ministério do Desenvolvimento, Confiança no Brasil. Indústria É assim que e Comércio a gente segue Exterior em frente. Introdução Atualmente, muitos

Leia mais

Guia Multilíngüe de Informações Cotidianas

Guia Multilíngüe de Informações Cotidianas 1 Impostos (1) Vida Diária e Impostos Os residentes no Japão por período superior a 1 ano, mesmo os de nacionalidade estrangeira, são obrigados a recolher impostos da mesma forma que os cidadãos japoneses

Leia mais

Parecer da KONTAS Contabilidade Assessoria e Consultoria Empresarial Ltda ME

Parecer da KONTAS Contabilidade Assessoria e Consultoria Empresarial Ltda ME Parecer da KONTAS Contabilidade Assessoria e Consultoria Empresarial Ltda ME Aos Administradores da Associação dos Oficiais da Polícia Militar da Bahia AOPM Salvador - BA Aos Administradores da Associação

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013

Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013 Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013 DOU de 17.9.2013 Dispõe sobre o Regime Tributário de Transição (RTT) instituído pelo art. 15 da Lei nº 11.941, de 27 de maio de 2009. O SECRETÁRIO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO 30/12/2014 11:50:21 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PORTARIA NORMATIVA Nº 22, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014 Altera dispositivos das Portarias Normativas nº 10, de 30 de abril de 2010, e nº 23, de 10 de novembro de

Leia mais

ポルトガル 語 QUE É APOIADA E CULTIVADA POR TODOS SISTEMA DE SEGURO DE ASSISTÊNCIA (KAIGO HOKEN) CIDADE DE NAGOYA

ポルトガル 語 QUE É APOIADA E CULTIVADA POR TODOS SISTEMA DE SEGURO DE ASSISTÊNCIA (KAIGO HOKEN) CIDADE DE NAGOYA ポルトガル 語 QUE É APOIADA E CULTIVADA POR TODOS SISTEMA DE SEGURO DE ASSISTÊNCIA (KAIGO HOKEN) CIDADE DE NAGOYA SISTEMA DE SEGURO DE ASSISTÊNCIA No nosso país, o número de idosos que necessita de assistência

Leia mais

Guia 2008 Itaú Personnalité

Guia 2008 Itaú Personnalité Guia 2008 Itaú Personnalité Guia 2008 Índice Novidades na Declaração de IR 2008 Orientações gerais Formas de entrega Multa pelo atraso na entrega Imposto a pagar ou a restituir Como declarar as aplicações

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Cálculo do Imposto de Renda na Fonte sobre o complemento de 13º Salário

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Cálculo do Imposto de Renda na Fonte sobre o complemento de 13º Salário complemento de 13º Salário 01/04/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 4. Conclusão... 5 5. Informações Complementares...

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA Nº 22, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA Nº 22, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA Nº 22, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014 Altera dispositivos das Portarias Normativas nº 10, de 30 de abril de 2010, e nº 23, de 10 de novembro de

Leia mais

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013 Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras

Leia mais

RENDIMENTOS TRIBUTÁVEIS RECEBIDOS DE PESSOA FÍSICA E DO EXTERIOR PELOS DEPENDENTES

RENDIMENTOS TRIBUTÁVEIS RECEBIDOS DE PESSOA FÍSICA E DO EXTERIOR PELOS DEPENDENTES IDENTIFICAÇÃO DO CONTRIBUINTE Nome: MARILENA BUENO DOS SANTOS Data de Nascimento: 04/03/1933 Título Eleitoral: Houve mudança de endereço? Não Endereço: Rua JOAQUIM INACIO TABORDA RIBAS Número: 1444 Complemento:

Leia mais