PROJETO DE RECICLAGEM DE MATERIAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO DE RECICLAGEM DE MATERIAIS"

Transcrição

1 Fernando Perdiz de Carvalho Flavia Jardin Fernandes Arthur Umeta Ramos PROJETO DE RECICLAGEM DE MATERIAIS RECALCE Centro de Treinamento SENAI Avak Bedouian Birigui 2010

2 Fernando Perdiz de Carvalho Flavia Jardin Fernandes Arthur Umeta Ramos PROJETO DE RECICLAGEM DE MATERIAIS RECALCE Trabalho apresentado a disciplina de projetos, ministrada pelo professor Luciano Schilling da Silva, no 4º semestre do curso técnico de calçado. Centro de Treinamento SENAI Avak Bedouian Birigui 2010

3

4 Banca examinadora Prof... Prof... Prof... Birigui, de de.

5 4 RESUMO Tendo em vista que a cidade de Birigui apresenta um grande número de indústrias de calçado com um alto volume de possíveis matérias-primas que podem ser recicladas, este trabalho tem como objetivo buscar uma solução viável e sustentável para o destino do calçado já usado através de um programa que foi denominado política de créditos. Esta política consiste em fazer com que estes calçados retornem ao destino inicial- fábrica- e sejam reaproveitadas suas partes, em contra partida, o comprador final que os devolvem acumula créditos. Estes créditos, ao final, poderão ser trocados por um produto totalmente reciclado pela empresa. Portanto, torna-se um ciclo, pois as pessoas no momento da compra já têm a consciência de que aquela marca tem responsabilidade social, pois contribuem para a redução do impacto ambiental de sua atividade industrialum ponto muito positivo atualmente, com forte apelo do marketing sobre esse tema e a conscientização da massa. Com isso, o comprador que receberá o produto reciclado com as devoluções, tornar-se-á cliente fiel à marca. A adoção de ações de sustentabilidade garante a médio e longo prazo um planeta em boas condições para o desenvolvimento das diversas formas de vida, inclusive a humana. Palavras-chave- reciclagem, marketing ambiental, empresa, calçado, polímeros, meio ambiente.

6 5 SUMÁRIO Introdução Histórico Origem dos Polímeros TR Vantagens da Utilização do TR PVC Reciclagem Classificação do Lixo Emprego Sustentável Projeto Viabilidade Formatação do Site Logística (postos de coleta) Layout do Setor de Reciclagem Produto Prioridades do Produto Selo do Produto Embalagem Tipo de Brinde Soma dos Pontos Empresas que Investem no Meio Ambiente Natura Compromissos assumidos pela empresa Siemens...31 Considerações Finais...33 Bibliografia...35 Anexos...38

7 6 Introdução Sustentabilidade, redução contínua dos impactos, ecodesign são, atualmente, temas de debates e reuniões de empresas que se preocupam não só com a área que atuam, mas também com o progresso do planeta, de seu habitat, e micronomicamente falando, de sua região. A preocupação com o Meio Ambiente é uma constante de nossa sociedade, tal preocupação se dá pelo resultado da evolução destas indústrias, aumento da geração de resíduos e utilização de materiais com alto tempo de degradação na natureza. O proprietário, seja ele pessoa pública ou particular, não pode dispor ilimitadamente desse meio ambiente, pois isto atingiria a qualidade de vida de todos. Assim, foi criada, nesse âmbito, a Legislação Ambiental Brasileira, que penaliza na forma de multas e trabalhos de reflorestamento o poluidor, se um laudo não apresentar a recuperação do dano ambiental. Birigui, cidade situada no noroeste do Estado de São Paulo, não foge à regra. Conhecida como Capital Brasileira do Calçado Infantil, a cidade é movida pela indústria calçadista que, gera 19 mil empregos diretos, produz 263 mil pares de calçados por dia, o que equivale a uma produção anual de 63,5 milhões de pares.[(sinbi, ON LINE)] Assim, surgem curiosas perguntas como: Mas para onde vão os tênis não utilizados?, O que é feito com os resíduos que supostamente podem poluir águas e solo da cidade?. A resposta é que a recuperação e reutilização dos resíduos acontece. Entretanto, cada material é destinado a um local, o que pode causar confusão, desperdício, custo elevado ou, até mesmo, desvio e roubo. E, pensando nessa reutilização, que surgiu a ideia de que o calçado comprado pelo consumidor final poderia, de alguma forma, voltar para o ponto de origem (a fábrica) e transformá-lo em um outro produto, com a garantia de ser um produto reciclado.

8 7 Em termos de resultados satisfatórios podemos afirmar que os resultados da reciclagem são expressivos tanto no campo ambiental, como nos campos econômico e social. No meio ambiente a reciclagem pode reduzir a acumulação progressiva de resíduos, diminuindo significativamente a poluição do solo, do ar e da água. No aspecto econômico a reciclagem contribui para o uso mais racional dos recursos naturais e a reposição daqueles recursos que são passíveis de reaproveitamento. Um outro benefício é a quantidade de empregos que ela tem gerado nas grandes cidades. No âmbito social, a reciclagem não só proporciona melhor qualidade de vida para as pessoas, através das melhorias ambientais, como também tem gerado muitos postos de trabalho e rendimento para pessoas que vivem nas camadas mais pobres. Muitos desempregados estão buscando trabalho neste setor e conseguindo renda para manterem suas famílias. Visando um objetivo real de reciclagem, foi apontado que dentre todos os materiais que compõem um calçado o TR e o PVC são viáveis economicamente; as demais partes seriam separadas e alocadas de acordo com o seu reaproveitamento. Além disso, há o forte apelo do marketing sobre este tema em seus produtos, pois a população já começa a entender melhor a situação e, cada vez mais buscam marcas/empresas que são sustentáveis, ou seja, se preocupam com sua saúde e com o futuro de seu planeta na forma de ações pró-ativas. Portanto, a partir dos aspectos pautados acima, esse projeto tem como objetivo real reciclar e/ou reaproveitar os produtos devolvidos pela empresa, transformando-os em um novo protudo alternativo que será entregue ao cliente por meio de bonificações determinada de acordo com uma quantidade específica de pares devolvidos, acreditando que esta é a melhor e mais dinâmica alavanca capaz de impulsionar ações comuns em busca do desenvolvimento econômico e social, além da preservação do planeta Terra.

9 8 1- HISTÓRICO 1.1- Origem dos Polímeros Os polímeros são compostos químicos de elevada massa molecular, resultantes de reações químicas de polimerização. Em geral são formadas a partir de unidades estruturais menores (os monómeros). O número de unidades estruturais repetidas numa macromolécula é chamado grau de polimerização. Eles contêm os mesmos elementos nas mesmas proporções relativas que seus monômeros, mas em maior quantidade absoluta. São compostos orgânicos e também reações de difícil execução em laboratório, tanto que, até a primeira metade do século XIX acreditava-se na chamada Teoria da Força Vital enunciada por Berzelius. Até o século XIX somente era possível utilizar polímeros produzidos naturalmente, pois não havia tecnologia disponível para promover reações entre os compostos de carbono. Isso caracteriza a 1ª fase da história dos polímeros. Na 2ª fase Friedrich Wöhler, discípulo de Berzelius, derruba a teoria da Força Vital. Com essa derrubada as pesquisas sobre química orgânica se multiplicam. Em 1883 Charles Goodyear descobre a vulcanização da borracha natural. Por volta de 1860 já havia a moldagem industrial de plásticos naturais reforçados com fibras, como a goma-laca e a gutta-percha. Em 1910 começa a funcionar a primeira fábrica de rayon nos EUA e em 1924 surgem as fibras de acetato de celulose. Na 3ª Fase, Henri Victor Regnault polimeriza o cloreto de vinila com auxílio da luz do sol, EINHORN & BISCHOFF descobrem o policarbonato. Esse material só voltou a ser desenvolvido em 1950 e finalmente em [1970], BAEKELAND sintetiza resinas de fenol-formaldeído. É o primeiro plástico totalmente sintético que surge em escala comercial. O período entre 1920 e 1950 foi decisivo para o surgimento dos polímeros modernos. Durante a década de 1960 surgem os plásticos de engenharia. Na década de 1980 observa-se um certo amadurecimento da

10 9 Tecnologia dos Polímeros: o ritmo dos desenvolvimentos diminui, enquanto se procura aumentar a escala comercial dos avanços conseguidos. Finalmente na década de 1990 os catalisadores de metaloceno, reciclagem em grande escala de garrafas de PE e PET, biopolímeros, uso em larga escala dos elastômeros termoplásticos e plásticos de engenharia. A preocupação com a reciclagem torna-se quase uma obsessão, pois dela depende a viabilização comercial dos polímeros. A partir do final da década de 1990, novas técnicas de polimerização começam a ser investigadas, onde se consegue ter um grande controle da massa molecular e do índice de polidispersividade do polímero. Assim, começam a ser conhecidas as técnicas de polimerização radicalar controlada, como a RAFT, a NMP e a ATRP TR O TR, borracha termoplástica, procede do inglês thermoplastic Rubber, consiste em um material à base de copolímeros em bloco de estireno e butadieno, do tipo estireno-butadieno-estireno (SBS). É um material muito versátil, que apresenta um domínio flexível (butadieno) e outro rígido (estireno), associando as propriedades físicas de uma borracha com a facilidade de processamento dos plásticos. Dependendo da aplicação, o SBS é misturado a outros polímeros, óleos minerais, cargas inertes e aditivos que potencializam suas propriedades, proporcionando a obtenção de uma vasta linha de compostos termoplástico. Onde a variação de matérias primas na fórmula do composto proporciona a obtenção de diferentes propriedades, tais como: flexibilidade, elasticidade, dureza, índice de fluidez, densidade, entre outras, de acordo com a aplicabilidade do artefato a ser injetado ou extrusado Vantagens da utilização do TR Facilidade em pigmentação; Introdução de essência; Facilidade de processamento (Rápido ciclo de injeção);

11 10 Baixo custo de processo; Excelente flexibilidade, inclusive a baixas temperaturas; Boa elasticidade; Menores densidades; Não é tóxico; Ótima aderência (anti-derrapante); Substituição vantajosa ao PVC; Totalmente reciclável. -Vasta linha de compostos TR, para aplicação em vários tipos de calçados e diversas partes: Contrafortes; Solados; Géis amortecedores PVC O cloreto de polivinila (também policloreto de vinila) mais conhecido pelas iniciais PVC por causa da sua designação em inglês Polyvinyl chloride. Não é um material como os outros. É o único material plástico que não é 100% originário do petróleo. O PVC contém, em peso, 57% de cloro (derivado do cloreto de sódio - sal de cozinha) e 43% de eteno (derivado do petróleo). A partir do sal marinho, pelo processo de eletrólise, obtém-se o cloro, soda cáustica e hidrogênio. A eletrólise é a reação química resultante da passagem de uma corrente elétrica por água salgada (salmoura). Assim se dá a obtenção do cloro, que representa 57% da resina de PVC produzida. O petróleo, que representa apenas 43% desta resina, passa por um caminho um pouco mais longo. O primeiro passo é uma destilação do óleo cru, obtendo-se aí a nafta leve. Esta passa, então, pelo processo de craqueamento catalítico (quebra de moléculas grandes em moléculas menores com a ação de catalisadores para aceleração do processo), gerando-se o eteno. Tanto o cloro

12 11 como o eteno estão na fase gasosa e eles reagem produzindo o DCE (dicloro etano). A partir do DCE, obtém-se o MVC (mono cloreto de vinila, unidade básica do polímero. O polímero é formado pela repetição da estrutura monomérica). As moléculas de MVC são submetidas ao processo de polimerização, ou seja, elas vão se ligando formando uma molécula muito maior, conhecida como PVC (policloreto de vinila), que é um pó muito fino, de cor branca, e totalmente inerte. A principal matéria-prima do PVC é o sal marinho, um recurso natural renovável. A maioria dos produtos de PVC tem uma vida útil muito longa. Por outro lado, as embalagens de PVC têm curto tempo de utilização, por serem descartáveis. No entanto, a proporção dos plásticos nos aterros sanitários é baixa (em média, 6% do peso total), sendo que o PVC, que é reciclável, representa apenas, em média, 0,8% desse total.o ciclo de vida útil dos produtos à base de PVC é: De 15 a 100 anos em 64% dos produtos; De 2 a 15 anos em 24%; Até 2 anos em 12% dos produtos. Após o uso dos produtos fabricados à base de PVC, os processos de reciclagem mecânica e a energética são duas maneiras eficientes de reaproveitá-lo. O PVC é: Leve (1,4 g/cm3), o que facilita seu manuseio e aplicação; Resistente à ação de fungos, bactérias, insetos e roedores; Resistente à maioria dos reagentes químicos; Bom isolante térmico, elétrico e acústico; Sólido e resistente a choques; Impermeável a gases e líquidos; Resistente às intempéries (sol, chuva, vento e maresia); Durável: sua vida útil em construções é superior a 50 anos; Não propaga chamas: é auto-extinguível;

13 12 Versátil e ambientalmente correto; Reciclável e reciclado; Fabricado com baixo consumo de energia Reciclagem A reciclagem é um processo industrial que converte o lixo descartado (matéria-prima secundária) em produto semelhante ao inicial ou outro. Reciclar é economizar energia, poupar recursos naturais e trazer de volta ao ciclo produtivo o que é jogado fora. A palavra reciclagem foi introduzida ao vocabulário internacional no final da década de 80, quando foi constatado que as fontes de petróleo e outras matérias-primas não renováveis estavam e estão se esgotando. Reciclar significa = Re (repetir) + Cycle (ciclo). A reciclagem traz os seguintes benefícios: Contribui para diminuir a poluição do solo, água e ar; Melhora a limpeza da cidade e a qualidade de vida da população; Prolonga a vida útil de aterros sanitários; Melhora a produção de compostos orgânicos; Gera empregos para a população não qualificada; Gera receita com a comercialização dos recicláveis; Estimula a concorrência, uma vez que produtos gerados a partir dos reciclados são comercializados em paralelo àqueles gerados a partir de matérias-primas virgens; Contribui para a valorização da limpeza pública e para formar uma consciência ecológica. Seria importante que as pequenas e médias empresas que reciclam, aqui no Brasil, tivessem apoio financeiro para facilitar a busca de novas tecnologias de reciclagem, assim contribuiriam para a criação de empregos, na redução do lixo. Quando os resíduos não são recicláveis, há a possibilidade de mesmo ser reutilizado ou recuperado. A reciclagem surgiu da necessidade de reintroduzir produtos que são agressores à natureza. Assim, os resíduos são coletados, separados e

14 13 processados para serem usados novamente como matéria-prima virgem. Dessa forma, os recursos naturais ficam menos comprometidos Classificação do lixo -Quanto às características físicas: Seco: plásticos, couros tratados, tecidos, madeiras, espumas, cortiças. Molhado: alimentos estragados. -Quanto à composição química: Orgânico: provenientes da natureza. Inorgânico: sintetizados em laboratório.

15 14 -Quanto à origem: Domiciliar: originado da vida diária das residências, Comercial: originado de estabelecimentos comerciais e de serviços. Serviços Públicos: originados dos serviços de limpeza urbana. Hospitalar: descartados por hospitais, farmácias, clínicas veterinárias. Portos, Aeroportos, Terminais Rodoviários e Ferroviários: resíduos que contém ou potencialmente podem conter germes patogênicos. Industrial: originado nas atividades dos diversos ramos da indústria. Radioativo: resíduos provenientes da atividade nuclear. Agrícola: resíduos sólidos das atividades agrícola e pecuária. Entulho: resíduos da construção civil Emprego Sustentável A Organização Internacional do Trabalho (OIT) estima que, até 2050, 2 bilhões de empregos vão ser criados em áreas ligadas à sustentabilidade. De acordo com a organização Compromisso Empresarial para Reciclagem (Cempre), o mercado de reciclagem no Brasil movimenta R$ 10 bilhões ao ano. [(CEMPRE, ON LINE)]

16 15 2- PROJETO A crescente preocupação ecológica dos consumidores, as novas legislações ambientais, os novos padrões de competitividade de serviços ao cliente e as preocupações com a imagem corporativa têm incentivado a criação de canais alternativos de distribuição que solucionem o problema da quantidade de produtos descartados no meio ambiente. Levando-se em conta que a ultima década baseou-se em pesquisas alternativas para solucionar o volume de resíduos provocados pelo grande consumo da população, e também pela inevitável escassez dos recursos naturais, o termo reciclagem passou de apenas preocupação para oportunidades de negócios. De acordo com um estudo do Worldwatch Institute, sediado em Washington, Estados Unidos, os setores da economia relacionados com o ambiente deverão se tornar uma das maiores fontes de emprego nas próximas décadas. Já há 14 milhões de pessoas trabalhando nessas áreas, no mundo inteiro e a demanda de mão-de-obra está crescendo depressa. As maiores oportunidades aparecerão nos ramos de reciclagem, novas fontes de energia e indústria extrativista. Só a reciclagem, atualmente, processa, ao ano, mais de 600 milhões de toneladas de materiais, fatura 160 bilhões de dólares e dá emprego a 1,5 milhão de pessoas no mundo todo, afirma o estudo. (revista super interessante, edição 160, Janeiro 2001) Através da pesquisa* realizada na cidade de Birigui, entre os meses de Setembro a Dezembro de 2010 com ambos os sexos em uma faixa etária de 15 a 50 anos, sem distinção de classe, foi constatado os seguintes dados relevantes:

17 16

18 17

19 18 *Questionário encontra-se ao final do trabalho. Visto que atualmente as empresas buscam essas ações de conscientização ambiental, nada mais necessário que implantar um método para que os calçados, produto que possui componentes nocivos à natureza, transformem-se, de alguma forma, em um produto menos prejudicial ao meio ambiente. É através desta oportunidade de negócio que surge o projeto RECALCE, com o objetivo de solucionar um problema ambiental e ao mesmo tempo proporcionar a empresa uma visibilidade maior ou afirmação da marca no mercado. 2.1-Viabilidade O projeto só irá funcionar corretamente se a empresa trabalhar em conjunto com uma boa campanha de marketing, ou divulgação por meios das mídias disponíveis. Nesta divulgação a empresa deverá focar a responsabilidade da empresa com o meio ambiente e com um planeta mais responsável, além dos procedimentos para ganhar o brinde. Segundo Almeida a ecoeficiência é uma filosofia de gestão empresarial que incorpora a gestão ambiental. Pode ser considerada uma forma de responsabilidade ambiental corporativa. Encoraja as empresas de qualquer setor, porte e localização geográfica a se tornarem mais competitivas, inovadoras e ambientalmente responsáveis. O principal objetivo da

20 19 ecoeficiência é fazer a economia crescer qualitativamente, e não quantitativamente. (2002, pg. 101) O Recalce não visa lucro na fabricação do produto a ser enviado de brinde, mas sim promover e fortalecer a marca da empresa. O lucro, que é a base de funcionamento de uma empresa, será gerado através das vendas dos produtos principais, pois para ganhar um par de chinelos reciclados, o cliente deverá acumular pontos com calçados devolvidos, por motivo de uso, impulsionando a busca da mesma marca pelo cliente. Para a empresa implantar o projeto precisa seguir algumas etapas: Criar um site dinâmico com acesso fácil e com banco de dados para recolhimento das informações passadas pelos clientes. (2.1.1); Definir a logística da devolução dos calçados (2.1.2); Definir o leiaute do setor dentro da empresa (2.1.3); Definir o produto brinde (materiais), embalagem e forma de envio (capítulo 3) Site O projeto RECALCE, surgiu a partir da conscientização do termo Reciclagem. Portanto, no site deve conter informações sobre esse assunto sempre atualizado. No leiaute do site deve apresentar o ícone que levará o comprador diretamente para o link reciclados. Nele devem ser detalhados os passos que deverão ser feitos para registrar os pontos recebidos com a devolução de seu calçado, assim como a apresentação dos produtos reciclados que poderão ser trocados pelos pontos: calçado reciclado, chaveiro, almofada, boneco. Uma sugestão de como pode ser o detalhamento dos passos é: 1- Cadastre seus dados como: nome, endereço, CPF, cidade/estado, idade, ;

21 20 2- Digite o código que foi-lhe entregue ao devolver o calçado usado; 3- Logo após cadastro e confirmação, o cliente já receberá uma senha em que ele poderá acessar o site a qualquer momento para ver seus pontos, os brindes que conseguirá trocar e, conseqüentemente, navegar pelo site e conhecer os produtos novos da marca Logística (Postos de coleta) O produto (calçado) comprado pelo cliente terá dentro da embalagem ou anexada a ele um tag ou folheto com informações e um código. Após uso, o cliente que devolver o calçado usado nos pontos de coleta receberá um tag com um código do vendedor e o canhoto desse código será colado no calçado usado para conferência na empresa. O cliente, então, deve seguir os passos que estarão detalhados neste tag, que consiste em digitar o número do código e cadastrar-se no site da marca, assim o calçado devolvido torna-se um ponto para o recebimento do brinde. Somando 3 (três) pontos o cliente já poderá escolher entre um dos brindes reciclados que a marca oferece. A coleta dos produtos devolvidos fica a cargo dos vendedores de cada região, sendo sua responsabilidade, acionar a empresa de transporte escolhida pela empresa ou correios. Todos os calçados recebidos pela empresa, dependendo do volume recebido deverão ser acondicionados em lugar apropriado para seu desmembramento. Para que a logística dê certo é necessário a disposição do representante da região. Portanto, como idéia base, o representante deveria ter um incentivo para ter a disposição de recolher os calçados usados de seus clientes, como prêmios ao final da coleção, aumento de cota, ou então uma margem de lucro maior sobre suas vendas Layout do Setor de Reciclagem O layout deste setor é muito importante, pois devido a quantidade de materiais que serão desmembrados, estes deverão ser posicionados em locais específicos para identificação correta dos materiais que serão reciclados e dos destinados a coleta, além de seguir o fluxo dos funcionários corretamente.

22 21 Cada calçado recebido é desmontado na seguinte ordem: (fotos) 1- passa pela máquina de desmontagem para a retirada do solado (máquina a vapor para reativar biqueira); 2- separar componentes (espuma/ nylon / sola / estabilizadores / outros); 3- Os componentes de TR e PVC provenientes do solado e peças complementares respectivamente serão reciclados, passando primeiramente pelo processo de moagem separadamente; 4- Após a moagem vão para a extrusora, aonde serão transformados em grânulos de TR e PVC; 5 Posteriormente são colocados na injetora para a confecção do solado e tiras do chinelo respectivamente. Veja a seguir o passo a passo ilustrativo: *Fotos meramente ilustrativas.

23 22 3- O PRODUTO 3.1- Prioridades do Produto A partir de estudos em torno da melhor maneira de aproveitar o calçado usado, ficou definido que os produtos reciclados, brinde da marca, seriam feitos a partir do TR e do PVC triturado. Visando a preservação ecológica da área e a redução de desperdícios, os demais materiais que não são recicláveis ou reutilizáveis, e compõem basicamente o cabedal serão devidamente separados e vendidos a grupos especializados em coletas deste tipo. Depois de uma pesquisa, chegou à conclusão de que 5 tipos de produtos brinde podem ser feitos a partir do material reciclado: Chinelo; Chaveiro; Almofada; Boneco de pano; Saco de boxe. É claro que alguns despenderão de mais trabalho, mais pessoas e conseqüentemente, mais investimentos. Entretanto, nosso intuito aqui é mostrar-lhes opções viáveis para não deixar o calçado ser eliminado de maneira não ecológica. Este programa de investimento ambiental e comunitário promove estilos de vida saudáveis e incentiva mudanças sociais positivas na forma de conscientização através de brindes educativos. 3.2-Selo do Produto Cada produto acabado receberá um selo de respeito à natureza e a marca RECALCE.

24 23 Neste selo verde conterá todas as informações dos procedimentos que envolvem o brinde, como por exemplo, uma breve explicação do material que foi usado no produto. É importante conter também, no verso do selo, algumas dicas educativas de preservação do ambiente, ou então, informações válidas sobre o assunto como quanto se gasta de água ao escovar os dentes, ou tomar um banho. *Logomarca do Projeto 3.3- Embalagem Seguindo o critério de reaproveitamento, a embalagem dos brindes é feita em papelão ondulado 100% biodegradável e reciclável, utilizando tinta para impressão flexográfica a base d água. Como opção pode-se adicionar à caixa uma sacola que facilita o transporte, também conhecida como ecobag, e depois servirá para uso geral, como alternativa às sacolas plásticas, item de alto nível tóxico atualmente. Como os brindes são em tamanhos diferenciados, é necessário que a caixa do produto também tenha mais de um tamanho. De um modo geral, não é necessário mais que três tamanhos. Como exemplo, segue um modelo de caixa reciclada padrão:

25 24 Curiosidades: (brpack, [ON LINE]) Caixas de papelão são recicláveis, descartáveis e 100 % biodegradáveis; São utilizadas em variados segmentos do mercado por terem baixo custo, por serem fáceis e leves de armazenar, por serem reutilizáveis e recicláveis; A taxa de reciclagem de papelão ondulado no Brasil atingiu 79,5% contra 78,3% dos EUA segundo fontes da BRACELPA e PIAC, na revista O Papel do ano de A contribuição das embalagens de papelão ondulado à proteção ambiental em seu processo de reciclagem pode ser resumida como segue: (caixadepapelaodeise, [ON LINE]) Na Produção: otimiza o uso de materiais descartáveis. As embalagens recicladas constituem a fonte principal de matéria prima para a fabricação das caixas. Os materiais auxiliares utilizados também não são agressivos ao meio ambiente - tintas atóxicas, colas e insumos neutros. A fibra virgem é proveniente de florestas plantadas, ou seja, de recursos renováveis; Na Distribuição: reduz a emissão de poluentes no transporte. O número de caminhões nas estradas é drasticamente reduzido ao se utilizar embalagens de papelão ondulado ao invés de embalagens retornáveis. Um menor número de viagens para o transporte de produtos resulta na emissão de menos CO2, menor consumo de combustível, menos

26 25 poluição sonora e menos acidentes. As embalagens de papelão ondulado (tanto cheias como vazias) otimizam a utilização do espaço em todos os pontos da cadeia logística e facilitam o manuseio, o que resulta na redução de custos; No Uso: não apresenta qualquer risco conhecido à saúde humana ou ao meio ambiente. As embalagens de papelão ondulado evitam danos aos produtos e por serem descartáveis evitam também sua contaminação; No Descarte: alivia a pressão nos aterros. As embalagens de papelão ondulado são recicláveis e 100% biodegradáveis e sua taxa de reciclagem está em contínuo crescimento Tipos de Produto Brinde Cada empresa poderá adotar o seu design de produto. Entretanto, como base de pesquisa e opções, segue desenhos de cada produto fictício: Chinelo Chaveiro

27 26 Boneco de Pano 3.5- Soma dos Pontos

28 27 4- Empresas que Investem no Meio Ambiente Há tempos que o marketing tornou-se uma estratégia fundamental para o crescimento e posicionamento das empresas. Ações assim sempre estão ligadas ao aumento da venda e do market share da empresa. Em meados da década de 2000, as pessoas e conseqüentemente as empresas ficaram mais atentas ao que ocorria com o meio ambiente. Empresas de diversos setores começaram então a buscar alternativas viáveis de responsabilidade ambiental. No Brasil o grande exemplo, foi a Natura, uma das pioneiras e sua evolução é descrita no próximo item. A The Body Shop, uma empresa inglesa global tem o objetivo de tornar-se totalmente neutra em carbono num futuro bem próximo, e a Klabin foi a primeira empresa nacional do setor de celulose a negociar créditos de carbono. A união da ética com a responsabilidade social e ambiental se faz em um momento importante de transição: da saída do desenvolvimento a qualquer custo à entrada do desenvolvimento sustentável nas estratégias de crescimento das empresas globais, e mesmo, das pequenas e médias empresas. [(OGlobo, ON LINE)] Já os consumidores (que até pouco tempo, sabiam do assunto, entendiam da degradação ambiental, mas não conseguiam ver recursos paupáveis para ajudar a respeito) começam a exigir mudanças do mercado, através da busca por informações sobre as empresas e suas posturas administrativas e produtivas. As consultas aos sites das empresas, aos órgãos fiscalizadores, a exigência por selos e certificações sócioambientais, além das reclamações aos órgãos responsáveis, jornais e blogs internacionais tem conquistado uma imensa força em nosso mundo virtual, pois através disso é que a população mundial se expressa atualmente, e é por isso que as empresas devem ficar atentas a esse novo mundo consumista. [(OGlobo, ON LINE)] 4.1- Natura [(WIKIPEDIA,ON LINE)] Natura é uma empresa brasileira que atua no setor de produtos de tratamento para o rosto e o corpo, banho, óleos corporais, perfumaria,

29 28 cabelos, proteção solar, infantil e higiene oral. Fundada em 1969 por Antônio Luiz Seabra, hoje está presente no Brasil, Argentina, Chile, Colômbia, México, Peru, Venezuela e França, com planos de expansão para os Estados Unidos da América. O número de funcionários, chamado na empresa de "colaboradores", atingiu em Em 2007 a companhia investiu cerca de R$ 108 milhões em pesquisa e desenvolvimento de novos produtos, consagrando-se como a empresa de cosméticos da América Latina que mais investe nessa área. Para desenvolver seus produtos, a Natura busca mobilizar amplas redes sociais capazes de integrar o conhecimento científico e a sabedoria das comunidades tradicionais, promovendo, ao mesmo tempo, o uso sustentável da biodiversidade botânica. Nas etapas de desenvolvimento e produção de seus cosméticos, a Natura não realiza testes em animais e segue as mais rigorosas normas de segurança internacionais. A empresa detém as certificações NBR ISO e NBR ISO Comprometida historicamente com a preservação do meio ambiente, a Natura foi, em 1983, a primeira empresa a introduzir refis no setor de cosméticos brasileiro. Em 2007 passou a fornecer a seus consumidores produtos de carbono neutro graças ao seu Programa Carbono Neutro, destinado a reduzir e compensar as emissões de gases geradores do efeito estufa (GEEs), desde a atividade de extração de matérias-primas até a disposição final do produto no meio ambiente. No mesmo ano, foi pioneira ao disponibilizar a seus clientes a Tabela Ambiental: um quadro informativo impresso nas embalagens dos produtos, que apresenta dados técnicos sobre as formulações e embalagens. Nos últimos 5 anos, a marca Natura vêm sendo apontada como uma das mais valiosas, admiradas e desejadas do Brasil por institutos de pesquisa e veículos de comunicação. De acordo com "As marcas mais valiosas do Brasil 2008" da Revista Istoé. A empresa exerce a sustentabilidade e a responsabilidade sócioambiental, utiliza em sua estratégia aspectos relacionados ao meio ambiente, as condições sociais e ao relacionamento saudável. Tem estes desafios sociais e ambientais como estimulantes para a inovação. Isso cria

Guia de sustentabilidade para plásticos

Guia de sustentabilidade para plásticos Guia de sustentabilidade para plásticos Maio 2014 1 2 3 4 5 6 7 8 Introdução... 4 Contextualização dos plásticos... 6 Composição dos móveis e utensílios de plásticos...7 Requerimentos para materiais que

Leia mais

Guia de tendas sustentáveis

Guia de tendas sustentáveis Guia de tendas sustentáveis JUNHO 2014 1 2 3 4 5 6 Introdução... 4 Contextualização das tendas... 6 Composição da tenda... 8 3.1 Material estrutural... 8 3.1.1 Material estrutural convencional... 8 3.1.2

Leia mais

Sistemas da edificação Aplicação na prática

Sistemas da edificação Aplicação na prática 1 Vantagens Alta produtividade com equipes otimizadas; Redução de desperdícios e obra limpa; Facilidade de gerenciamento e padronização da obra; Elevada durabilidade; Facilidade de limpeza e conservação;

Leia mais

RECICLAGEM: ECONOMIA X MEIO AMBIENTE

RECICLAGEM: ECONOMIA X MEIO AMBIENTE RECICLAGEM: ECONOMIA X MEIO AMBIENTE DANIELLE PATRÍCIA NASCIMENTO DE OLIVEIRA (IC) 1 ILTON SÁVIO BATISTA MARTINS (PG) 1 JACKSON DA SILVA SANTOS (PG) 1 KATIA LIDIANE DA SILVA (IC) 1 MARIA DO CÉU AZEVEDO

Leia mais

Metodologia Científica e Tecnológica

Metodologia Científica e Tecnológica Metodologia Científica e Tecnológica Módulo 3 Variáveis e Constantes Prof. Carlos Fernando Jung carlosfernandojung@gmail.com http://lattes.cnpq.br/9620345505433832 Edição 2009 Material para Fins Didáticos

Leia mais

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS Alternativas tecnológicas disponíveis. Variações de custo e de segurança das operações. Copyright Ecovalor Consultoria

Leia mais

Visão Sustentável sobre o Desenvolvimento de Embalagens

Visão Sustentável sobre o Desenvolvimento de Embalagens Fórum Varejo Sustentável Alternativas de Embalagens no Varejo Visão Sustentável sobre o Desenvolvimento de Embalagens Eloísa E. C. Garcia CETEA / ITAL VISÃO DE SUSTENTABILIDADE Consumo Sustentável é saber

Leia mais

RECICLAGEM MECÂNICA: CONCEITOS E TÉCNICAS

RECICLAGEM MECÂNICA: CONCEITOS E TÉCNICAS RECICLAGEM MECÂNICA: CONCEITOS E TÉCNICAS 2.1 - Algumas Definições A idéia de se aproveitar resíduos não é nova; ela tem, contudo, se estabelecido de forma expressiva, não só por razões econômicas, mas

Leia mais

Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida.

Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida. Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida. Plástico é Energia Esta cidade que você está vendo aí de cima tem uma população aproximada de 70.000 mil habitantes e

Leia mais

MÓDULO I: Universalização da coleta seletiva

MÓDULO I: Universalização da coleta seletiva PROJETO LIXO LIMPO: MÓDULO I MÓDULO I: Universalização da coleta seletiva VANTAGENS PARA TODA A COMUNIDADE O primeiro módulo visa a Universalização da Coleta Seletiva, promove a consciência ambiental e

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER Conceito LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER É uma área da logística que atua de forma a gerenciar e operacionalizar o retorno de bens e materiais, após sua venda e consumo, às suas origens, agregando

Leia mais

QUÍMICA SUSTENTÁVEL Carlos Fadigas 24/08/2011

QUÍMICA SUSTENTÁVEL Carlos Fadigas 24/08/2011 QUÍMICA SUSTENTÁVEL Carlos Fadigas 24/08/2011 AGENDA BRASKEM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL QUÍMICA SUSTENTÁVEL PILARES BRASKEM FUTURO VISÃO E ESTRATÉGIA AGENDA BRASKEM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL QUÍMICA

Leia mais

REVISÃO 2º BIMESTRE LIXO E SEU DESTINO

REVISÃO 2º BIMESTRE LIXO E SEU DESTINO REVISÃO 2º BIMESTRE LIXO E SEU DESTINO 1) Analise as alternativas sobre aspectos relacionados ao lixo e marque (V) para as verdadeiras e (F) para as falsas. ( ) O lixo é caracterizado como tudo aquilo

Leia mais

Tecnologia e Sustentabilidade

Tecnologia e Sustentabilidade Painel 2 Tecnologia e Sustentabilidade Robério Fernandes Alves de Oliveira 1 Painel 2 Tecnologia e Sustentabilidade As dimensões da sustentabilidade Econômica Social AMBIENTAL 2 Painel 2 Tecnologia e Sustentabilidade

Leia mais

Magazine Meio Ambiente

Magazine Meio Ambiente Página 1 de 5 Magazine Meio Ambiente MEIO AMBIENTE Dez atitudes domésticas ecologicamente corretas Publicado a 28 Janeiro 2011 por Danielrox01 Substituir sacolas de plástico A sacola de plástico é a atual

Leia mais

Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A.

Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A. Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A. Autoria: Silas Dias Mendes Costa 1 e Antônio Oscar Santos Góes 2 1 UESC, E-mail: silas.mendes@hotmail.com 2 UESC, E-mail:

Leia mais

Fundos para Área Contaminada no Brasil: Visão Empresarial

Fundos para Área Contaminada no Brasil: Visão Empresarial Fundos para Área Contaminada no Brasil: Visão Empresarial Marcelo Kós Silveira Campos Diretor Técnico de Assuntos Industriais e Regulatórios Abiquim I CIMAS/ABAS São Paulo,18/09/2009 A Abiquim Fundada

Leia mais

Página 1 de 8-01/04/2014-5:59

Página 1 de 8-01/04/2014-5:59 PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS BANCO DE QUESTÕES - LÍNGUA PORTUGUESA - 4 ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ========================================================================== Texto 1 LIXO NO LIXO Dá para

Leia mais

Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE

Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE Preservação e Conservação A preservação é o esforço para proteger um ecossistema e evitar que ele seja modificado. Depende também da presença e ação do homem sobre

Leia mais

Prof. Paulo Medeiros

Prof. Paulo Medeiros Prof. Paulo Medeiros Em 2010 entrou em vigor no Brasil a lei dos Resíduos Sólidos. Seu objetivo principal é diminuir a destinação incorreta de resíduos ao meio ambiente. Ela define que todas as indústrias,

Leia mais

Logística Ambiental: Adequação das organizações a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Msc. Renata Quemel Pires

Logística Ambiental: Adequação das organizações a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Msc. Renata Quemel Pires Logística Ambiental: Adequação das organizações a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Msc. Renata Quemel Pires Desenvolvimento Sustentável É obter o crescimento econômico contínuo através de um manejo

Leia mais

Gestão dos resíduos sólidos, reciclagem e sustentabilidade ambiental

Gestão dos resíduos sólidos, reciclagem e sustentabilidade ambiental Gestão dos resíduos sólidos, reciclagem e sustentabilidade ambiental Grupo: Fabiana Augusta César Irene Benevides Vinícius Tôrres Pires Samira Chantre Gestão de Resíduos Sólidos Gestão/gerir:Administrar,dirigir,

Leia mais

Garrafas PET: Um lixo que Virou Moda nas Coleções Malwee

Garrafas PET: Um lixo que Virou Moda nas Coleções Malwee Malwee Malhas LTDA. Jaraguá do Sul (SC) Garrafas PET: Um lixo que Virou Moda nas Coleções Malwee Categoria Tecnologias Socioambientais 1. Sobre a organização participante: Razão social: - Malwee Malhas

Leia mais

TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR

TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR 1 o SIMPÓSIO SINDIREPA-RS TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR Felipe Saviczki - cntl.att@senairs.org.br Engenheiro Ambiental Técnico de Desenvolvimento - Área de Consultoria

Leia mais

PRÊMIO. Identificação da Empresa: Viação Águia Branca S/A. Identificação da Experiência: Preservar é Reduzir, Reutilizar e Reciclar

PRÊMIO. Identificação da Empresa: Viação Águia Branca S/A. Identificação da Experiência: Preservar é Reduzir, Reutilizar e Reciclar PRÊMIO 2012 Identificação da Empresa: Viação Águia Branca S/A Identificação da Experiência: Preservar é Reduzir, Reutilizar e Reciclar Data ou Período de Aplicação da Experiência: 2011 e 2012 Categoria

Leia mais

CURSO DE DESIGN DE EMBALAGENS. São Paulo/2013 Assunta Camilo

CURSO DE DESIGN DE EMBALAGENS. São Paulo/2013 Assunta Camilo CURSO DE DESIGN DE EMBALAGENS São Paulo/2013 Assunta Camilo Sustentabilidade Preocupação real com o final Conceito dos R s (reduzir, reutilizar, reciclar, reaproveitar, recusar, retornar, refilar, recuperar,

Leia mais

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br.

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br. Marketing Ambiental Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. O que temos visto e ouvido falar das empresas ou associado a elas? Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br 2 3 Sílvia

Leia mais

CAMPANHA - COPOS PLÁSTICOS

CAMPANHA - COPOS PLÁSTICOS 2015 CAMPANHA - COPOS PLÁSTICOS Vanessa C. S. Becker - COGEMAS SAMAE de Brusque 05/01/2015 Atualmente ouvimos falar muito sobre consciência ambiental e desperdício. Porém algumas vezes agimos de forma

Leia mais

Questões ENADE. 2011 QUESTÃO 11 (Componente específico comum)

Questões ENADE. 2011 QUESTÃO 11 (Componente específico comum) OPQ0001 Questões ENADE 2011 QUESTÃO 11 (Componente específico comum) Materiais metálicos, cerâmicos e poliméricos são amplamente utilizados nos dias de hoje. Suas aplicações estão diretamente relacionadas

Leia mais

Logística, Competitividade e Sustentabilidade

Logística, Competitividade e Sustentabilidade Logística, Competitividade e Sustentabilidade Porque a Surya é diferente? A Surya fabrica cosméticos naturais e orgânicos pensando na saúde e no bem estar das pessoas e natureza. Sobre a Surya Brasil Empresa

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA A COLETA SELETIVA DO LIXO E DICAS DE CONSUMO CONSCIENTE

INSTRUÇÕES PARA A COLETA SELETIVA DO LIXO E DICAS DE CONSUMO CONSCIENTE 12:43 Page 1 INSTRUÇÕES PARA A COLETA SELETIVA DO LIXO E DICAS DE CONSUMO CONSCIENTE Jardins é Page 2 LIXO UM PROBLEMA DE TODOS Reduzir a quantidade de lixo é um compromisso de todos. Uma pessoa é capaz

Leia mais

o ojet Pr a Consciênci 1 Resíduos

o ojet Pr a Consciênci 1 Resíduos Projeto Consciência Resíduos 1 Qual é a diferença entre resíduo e lixo? 2 Qual é a diferença entre resíduo e lixo? Resíduo pode ser considerado qualquer material que sobra após uma ação ou processo produtivo.

Leia mais

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade Carla Fernanda Mueller, carla@deps.ufsc.br 1. Introdução O ciclo dos produtos na cadeia comercial não termina quando, após serem usados pelos consumidores,

Leia mais

Resíduos Sólidos Redução de Embalagens

Resíduos Sólidos Redução de Embalagens Resíduos Sólidos Redução de Embalagens GUILHERME SCHULZ Ecólogo e Biólogo Mestre em Engenharia Bioma Pampa Ecologia guilherme@biomapampa.com.br www.biomapampa.com.br Gestão Ambiental Considerações: Prevenção

Leia mais

Reciclagem polímeros

Reciclagem polímeros Reciclagem polímeros Reciclagem Química A reciclagem química reprocessa plásticos transformando-os em petroquímicos básicos: monômeros ou misturas de hidrocarbonetos que servem como matéria-prima, em refinarias

Leia mais

Tratamento de Efluentes

Tratamento de Efluentes Tratamento de Efluentes A IMPORTÂNCIA DO TRATAMENTO DE EFLUENTES E A REGULAMENTAÇÃO DO SETOR INTRODUÇÃO Conservar a qualidade da água é fundamental, uma vez que apenas 4% de toda água disponível no mundo

Leia mais

Petroquímica Básica Instrutor André Costa

Petroquímica Básica Instrutor André Costa Petroquímica Básica Instrutor André Costa Como é explotado da jazida não possui valor agregado para o homem. É uma mistura complexa de compostos orgânicos e inorgânicos, em que predominam carbono e hidrogênio.

Leia mais

Gestão Ambiental Resíduo Hospitalar. Gizelma de A. Simões Rodrigues

Gestão Ambiental Resíduo Hospitalar. Gizelma de A. Simões Rodrigues Gestão Ambiental Resíduo Hospitalar Gizelma de A. Simões Rodrigues SBS Hospital Sírio Libanês Instituição Filantrópica de saúde, ensino e pesquisa. Hospital de alta complexidade Matriz 172.000 m² 5.900

Leia mais

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade 1. Introdução O ciclo dos produtos na cadeia comercial não termina quando, após serem usados pelos consumidores, são descartados. Há muito se fala em reciclagem e reaproveitamento dos materiais utilizados.

Leia mais

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos:

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Conceito são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Renováveis renovação em um curto período de tempo; Não renováveis

Leia mais

Projeto SeparAção INTRODUÇÃO OBJETIVO GERAL Objetivos específicos

Projeto SeparAção INTRODUÇÃO OBJETIVO GERAL Objetivos específicos Projeto SeparAção INTRODUÇÃO Há muito tempo o homem vem utilizando os recursos naturais que ele encontra em seu habitat e a cada ano que passa, novas formas de uso são descobertas. O maior problema dessa

Leia mais

A Questão da Energia no Mundo Atual

A Questão da Energia no Mundo Atual A Questão da Energia no Mundo Atual A ampliação do consumo energético Energia é a capacidade que algo tem de realizar ou produzir trabalho. O aumento do consumo e a diversificação das fontes responderam

Leia mais

Sustentabilidade: Segregar Resíduos Sólidos na Intervenção Cardiovascular. Ivanise Gomes

Sustentabilidade: Segregar Resíduos Sólidos na Intervenção Cardiovascular. Ivanise Gomes Sustentabilidade: Segregar Resíduos Sólidos na Intervenção Cardiovascular Ivanise Gomes O que é Sustentabilidade? Prática de atividades economicamente viáveis, socialmente justas e ecologicamente corretas

Leia mais

Critérios de Sustentabilidade Ambiental de Produtos. Luciana Betiol FGVCes Centro de Estudos em Sustentabilidade Outubro/2007

Critérios de Sustentabilidade Ambiental de Produtos. Luciana Betiol FGVCes Centro de Estudos em Sustentabilidade Outubro/2007 Critérios de Sustentabilidade Ambiental de Produtos Luciana Betiol FGVCes Centro de Estudos em Sustentabilidade Outubro/2007 Agenda Origem do estudo de Critérios de Sustentabilidade Ambiental de Produtos

Leia mais

O desafio: A vantagem da Videojet:

O desafio: A vantagem da Videojet: Nota de aplicação Tinta Tintas coloridas para embalagens de ponto de venda O desafio: O ambiente de varejo é um mercado em constante evolução, com maior ênfase na embalagem, que não só protege os produtos

Leia mais

dicas sustentáveis Como crescer com práticas responsáveis

dicas sustentáveis Como crescer com práticas responsáveis dicas sustentáveis Como crescer com práticas responsáveis Um desafio que envolve você! Compartilhamos os mesmos espaços e problemas, mas também as soluções. É fundamental ter atitudes responsáveis, suprindo

Leia mais

Os resíduos sólidos podem ser classificados de acordo com a origem, tipo de resíduo, composição química e periculosidade conforme abaixo:

Os resíduos sólidos podem ser classificados de acordo com a origem, tipo de resíduo, composição química e periculosidade conforme abaixo: TIPOS DE RESIDUOS Os resíduos sólidos podem ser classificados de acordo com a origem, tipo de resíduo, composição química e periculosidade conforme abaixo: Resíduo Hospitalar ou de Serviços de Saúde :

Leia mais

COMPLEXO AMBIENTAL DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA

COMPLEXO AMBIENTAL DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA COMPLEXO AMBIENTAL FIAT DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA VALORES EQUIPE DA GESTÃO AMBIENTAL ALTA ADMINISTRAÇÃO ENGENHARIA AMBIENTAL e ENERGIA U. OP. PRENSAS U. OP. FUNILARIA

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos NORMAS ISO 14000 CONCEITOS A preocupação com a estabilidade das linhas tênues de amarração dos ecossistemas conduz os estudiosos a analisar os fatores que podem gerar a ruptura desses sistemas. GESTORES

Leia mais

4-8 TRANSFORME BONS NEGÓCIOS EM SUCESSO MAIO 2015. d a s 11 h à s 2 0 h Anhembi São Paulo - SP. www.feiplastic.com.br. facebook.

4-8 TRANSFORME BONS NEGÓCIOS EM SUCESSO MAIO 2015. d a s 11 h à s 2 0 h Anhembi São Paulo - SP. www.feiplastic.com.br. facebook. 4-8 MAIO 2015 d a s 11 h à s 2 0 h Anhembi São Paulo - SP TRANSFORME BONS NEGÓCIOS EM SUCESSO www.feiplastic.com.br Apoio Institucional: facebook.com/feiplastic Organização e Promoção: O EVENTO Com a ampliação

Leia mais

Plásticos x Meio Ambiente. Jamille Valéria Piovesan Silvane Machado

Plásticos x Meio Ambiente. Jamille Valéria Piovesan Silvane Machado Plásticos x Meio Ambiente Jamille Valéria Piovesan Silvane Machado JUSTIFICATIVA A maioria das invenções modernas estão diretamente relacionadas com nosso conforto e praticidade, porém muitas delas são

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL Reciclagem e Valorizaçã ção o de Resíduos Sólidos S - Meio Ambiente UNIVERSIDADE DE SÃO S O PAULO "PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL" Associação sem fins lucrativos, o CEMPRE se dedica à promoção

Leia mais

Perfil das empresas. Porte da Empresa. Tipo de indústria. (NA) (%) Média 84 55 De 100 a 499 funcionários Grande 69 45 500 ou mais funcionários

Perfil das empresas. Porte da Empresa. Tipo de indústria. (NA) (%) Média 84 55 De 100 a 499 funcionários Grande 69 45 500 ou mais funcionários Perfil das empresas Porte da Empresa (NA) Média 84 De 00 a 499 funcionários Grande 69 4 00 ou mais funcionários 3 00 Tipo de indústria (NA) Indústria/agência de embalagens 33 Usuária de embalagens 02 67

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. Mônica Macedo de Jesus & Sidnei Cerqueira dos Santos RESÍDUOS & REJEITOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. Mônica Macedo de Jesus & Sidnei Cerqueira dos Santos RESÍDUOS & REJEITOS UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE Mônica Macedo de Jesus & Sidnei Cerqueira dos Santos RESÍDUOS & REJEITOS Profa. Songeli Menezes Freire Salvador 2009 RESÍDUO Qualquer material,

Leia mais

Sustentabilidade do Planeta. Todo mundo deve colaborar!

Sustentabilidade do Planeta. Todo mundo deve colaborar! Sustentabilidade do Planeta Todo mundo deve colaborar! Situação no mundo atual O Planeta pede socorro!!!! A atividade humana tem impactado negativamente o meio ambiente. Os padrões atuais de consumo exploram

Leia mais

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para Política Nacional de Resíduos Sólidos Agora é lei Novos desafios para poder público, empresas, catadores e população Marco histórico da gestão ambiental no Brasil, a lei que estabelece a Política Nacional

Leia mais

Lixo. A vida é repleta de Química, Física, História e todas outras ciências que estudamos. Da mesma maneira, o ENEM, aborda os conteúdos que

Lixo. A vida é repleta de Química, Física, História e todas outras ciências que estudamos. Da mesma maneira, o ENEM, aborda os conteúdos que Lixo 1 A vida é repleta de Química, Física, História e todas outras ciências que estudamos. Da mesma maneira, o ENEM, aborda os conteúdos que estudamos em temáticas que rementem ao nosso cotidiano. Dessa

Leia mais

Consumo Consciente Energia Elétrica

Consumo Consciente Energia Elétrica Consumo Consciente Energia Elétrica Agosto 2010 Planeta SUSTENTABILIDADE NO CONSUMO Incentivo ao consumo responsável e consciente IMPORTÂNCIA DA ENERGIA PARA O GRUPO Compra energia elétrica de 23 concessionárias

Leia mais

20o. Prêmio Expressão de Ecologia

20o. Prêmio Expressão de Ecologia 20o. Prêmio Expressão de Ecologia 2012-2013 Separação dos resíduos recicláveis Coleta seletiva no pátio Separação dos resíduos no laboratório Central de resíduos e estação de tratamento de esgoto Capacitação

Leia mais

Reciclagem de plásticos e a melhoria da qualidade de água em mananciais urbanos

Reciclagem de plásticos e a melhoria da qualidade de água em mananciais urbanos Reciclagem de plásticos e a melhoria da qualidade de água em mananciais urbanos Curso: Engenharia Ambiental Aluno: André Lenz de Freitas Disciplina: Ecologia Geral Professor: Ricardo Motta Pinto Coelho

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST CIÊNCIAS HUMANAS

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST CIÊNCIAS HUMANAS SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST CIÊNCIAS HUMANAS Título do Podcast Área Segmento Duração Consumo, consumismo e impacto humano no meio ambiente Ciências Humanas Ensino Fundamental; Ensino Médio 6min29seg Habilidades:

Leia mais

PRÊMIO ESTANDE SUSTENTÁVEL ABF EXPO 2014

PRÊMIO ESTANDE SUSTENTÁVEL ABF EXPO 2014 PRÊMIO ESTANDE SUSTENTÁVEL ABF EXPO 2014 1. APRESENTAÇÃO Com o intuito de disseminar práticas de responsabilidade socioambiental entre as empresas do sistema de franchising, a Associação Brasileira de

Leia mais

Energia, Sustentabilidade e Produção Mais Limpa. Prof. Dr. Douglas Wittmann. São Paulo - 2015

Energia, Sustentabilidade e Produção Mais Limpa. Prof. Dr. Douglas Wittmann. São Paulo - 2015 Energia, Sustentabilidade e Produção Mais Limpa Prof. Dr. Douglas Wittmann São Paulo - 2015 Prof. Dr. Douglas Wittmann Doutor em Ciências (USP). Mestre em Engenharia de Produção (UNIP). Pós-graduado em

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA O COMÉRCIO DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE A LEI 15.374/2011 LEI DA SACOLINHA

ORIENTAÇÕES PARA O COMÉRCIO DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE A LEI 15.374/2011 LEI DA SACOLINHA DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE A LEI 15.374/2011 LEI DA SACOLINHA Muito prazer. Somos a Associação Comercial de São Paulo. A ACSP faz parte da vida de empreendedores de diversos tamanhos. Nós existimos para

Leia mais

Esplanada sem desperdício: preservando o meio ambiente.

Esplanada sem desperdício: preservando o meio ambiente. Implementar ações voltadas ao uso racional de recursos sustentabilidade naturais para promover a ambiental e socioeconômica na Administração Pública Federal. A Esplanada terá metas de racionalização do

Leia mais

Estudo comparativo de tintas e vernizes na flexografia: curável por raios ultravioletas e à base de solventes

Estudo comparativo de tintas e vernizes na flexografia: curável por raios ultravioletas e à base de solventes Estudo comparativo de tintas e vernizes na flexografia: curável por raios ultravioletas e à base de solventes Ana Paula Alves da Silva 1, a, Aline Resmini Melo 1,b, Carolina Resmini Melo 1,c. 1 Engenharia

Leia mais

O que há de tão especial em nós? AkzoNobel Pulp and Performance Chemicals

O que há de tão especial em nós? AkzoNobel Pulp and Performance Chemicals O que há de tão especial em nós? AkzoNobel Pulp and Performance Chemicals Estamos por toda parte. E especialmente perto de você. Bem-vindo à AkzoNobel Pulp and Performance Chemicals Somos parte de uma

Leia mais

Jardim Escola Aladdin

Jardim Escola Aladdin Jardim Escola Aladdin Os 4 Rs da Sustentabilidade Rio de janeiro 2016 Objetivo geral Esse projeto tem como objetivo promover o envolvimento dos alunos, professores, pais e comunidade em defesa à sustentabilidade

Leia mais

Rede de Sustentabilidade Ambiental

Rede de Sustentabilidade Ambiental Rede de Sustentabilidade Ambiental A. O que está acontecendo no planeta? B. Quais os efeitos? C. Quem pode mudar? D. O que é preciso fazer? O que está acontecendo no 1.Característica da população mundial

Leia mais

22o. Prêmio Expressão de Ecologia

22o. Prêmio Expressão de Ecologia 22o. Prêmio Expressão de Ecologia 2014-2015 Cartilha distribuída para alunos nas escolas e em outras palestras realizadas. Ciclo de Vida do EPS: da venda ao reuso Ponto de Coleta Voluntária instalados

Leia mais

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini O lixo é conhecido como os restos das atividades humanas considerados inúteis, indesejáveis e descartáveis. No entanto, separado nos seus

Leia mais

Ficha de Inscrição do 18º Prêmio Expressão de Ecologia

Ficha de Inscrição do 18º Prêmio Expressão de Ecologia Ficha de Inscrição do 18º Prêmio Expressão de Ecologia OBS: Apresentação obrigatória na primeira página do case 1. Informações cadastrais a) Identificação: empresa b) Nome: Walmart Brasil c) Setor: Comércio

Leia mais

FACCAMP - FACULDADE DE CAMPO LIMPO PAULISTA CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA Campo Limpo Paulista - Maio 2013

FACCAMP - FACULDADE DE CAMPO LIMPO PAULISTA CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA Campo Limpo Paulista - Maio 2013 FACCAMP - FACULDADE DE CAMPO LIMPO PAULISTA CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA Campo Limpo Paulista - Maio 2013 DISCIPLINA - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL Integrantes: Adriano de Oliveira RA: 14759 Karina

Leia mais

Ingrid Maria Furlan Öberg

Ingrid Maria Furlan Öberg Desenvolvimento Sustentável Gestão Ambiental Ingrid Maria Furlan Öberg Relação Homem x Ambiente no modelo de desenvolvimento da sociedade moderna NATUREZA Fonte de recursos ilimitados Depósito de resíduos

Leia mais

Índice. Farmácia de Manipulação Conhecendo uma farmácia de manipulação, suas vantagens e procedimentos... 2

Índice. Farmácia de Manipulação Conhecendo uma farmácia de manipulação, suas vantagens e procedimentos... 2 1 Índice Farmácia de Manipulação Conhecendo uma farmácia de manipulação, suas vantagens e procedimentos... 2 A Empresa Informações sobre a empresa, farmacêuticas responsáveis, instalações, diferenciais

Leia mais

Ficha de Inscrição do 17º Prêmio Expressão de Ecologia

Ficha de Inscrição do 17º Prêmio Expressão de Ecologia Ficha de Inscrição do 17º Prêmio Expressão de Ecologia OBS: Apresentação obrigatória na primeira página do case Informações cadastrais a) Identificação: empresa b) Nome: Borachas Vipal S/A c) Setor/Atividades:

Leia mais

Programa de Consumo Consciente nas Instituições de Ensino Superior Particulares FOREXP. Fórum de Extensão das IES Particulares

Programa de Consumo Consciente nas Instituições de Ensino Superior Particulares FOREXP. Fórum de Extensão das IES Particulares Programa de Consumo Consciente nas Instituições de Ensino Superior Particulares FOREXP Fórum de Extensão das IES Particulares Consumir conscientemente significa atentar para os efeitos que este ato acarreta

Leia mais

PRÊMIO STAND SUSTENTÁVEL ABF FRANCHISING EXPO 2012

PRÊMIO STAND SUSTENTÁVEL ABF FRANCHISING EXPO 2012 PRÊMIO STAND SUSTENTÁVEL ABF FRANCHISING EXPO 2012 1. APRESENTAÇÃO Com o objetivo de disseminar práticas de responsabilidade socioambiental entre as empresas do sistema de franchising, a Associação Brasileira

Leia mais

ÍNDICE ORIENTAÇÕES AO CONSUMIDOR CADEIA PRODUTIVA MAIS SUSTENTÁVEL NOSSO HISTÓRICO AMBIENTAL. TI Verde

ÍNDICE ORIENTAÇÕES AO CONSUMIDOR CADEIA PRODUTIVA MAIS SUSTENTÁVEL NOSSO HISTÓRICO AMBIENTAL. TI Verde ORIENTAÇÕES AO CONSUMIDOR INTRODUÇÃO... 03 RECICLE SEU COMPUTADOR POSITIVO... 03 CICLO PRODUTIVO - LOGÍSTICA REVERSA... 04 RECICLAR É PRECISO... 04 DICAS DE USO CONSCIENTE... 05 CADEIA PRODUTIVA MAIS SUSTENTÁVEL

Leia mais

RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2008/2010. Vonpar - Divisão Bebidas

RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2008/2010. Vonpar - Divisão Bebidas RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 200/200 Neste documento você terá o extrato em números dos dados contidos no Relatório de Sustentabilidade 200/200 da Vonpar. Conforme a versão digital animada (disponível

Leia mais

Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993

Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993 Resolução CONAMA Nº 009/1993 - "Estabelece definições e torna obrigatório o recolhimento e destinação adequada de todo o óleo lubrificante usado ou contaminado".

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL "PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL" Associação sem fins lucrativos, fundado em 1992, o CEMPRE se dedica à promoção da reciclagem dentro do conceito de gerenciamento integrado do lixo.

Leia mais

Meio Ambiente: uma questão de sobreviência

Meio Ambiente: uma questão de sobreviência Meio Ambiente: uma questão de sobreviência Sociedade e as empresas despertam para a necessidade de preservação Fernando Neves e Rodrigo Gomes - 2000 Desenvolvimento Ambiental Editorial Não é de hoje que

Leia mais

DEFINIÇÃO: Matriz energética é toda a energia disponibilizada para ser transformada, distribuída e consumida nos processos produtivos.

DEFINIÇÃO: Matriz energética é toda a energia disponibilizada para ser transformada, distribuída e consumida nos processos produtivos. R O C H A DEFINIÇÃO: Matriz energética é toda a energia disponibilizada para ser transformada, distribuída e consumida nos processos produtivos. O petróleo e seus derivados têm a maior participação na

Leia mais

Projeto Aceleração de Negócios FACCAMP 2012

Projeto Aceleração de Negócios FACCAMP 2012 Projeto Aceleração de Negócios FACCAMP 2012 Objetivos e Metas Alavancar a empresa de uma forma sustentável, não apenas ambiental mas financeiramente. Introdução Histórico Tijolo Muralha da China construída

Leia mais

Logística Reversa: destinação dos resíduos de poliestireno expandido (isopor ) pós-consumo de uma indústria i catarinense

Logística Reversa: destinação dos resíduos de poliestireno expandido (isopor ) pós-consumo de uma indústria i catarinense Logística Reversa: destinação dos resíduos de poliestireno expandido 1. Introdução Objetivo da pesquisa: analisar a possibilidade de uma destinação dos resíduos de poliestireno expandido (EPS), utilizados

Leia mais

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade significa permanecer vivo. Somos mais de 7 bilhões de habitantes e chegaremos a 9 bilhões em 2050, segundo a ONU. O ambiente tem limites e é preciso fazer

Leia mais

Sistema Gestão Ambiental

Sistema Gestão Ambiental Sistema Gestão Ambiental Sistema Gestão Ambiental - ISO 14001 Agora você vai conhecer o Sistema de Gestão Ambiental da MJRE CONSTRUTORA que está integrado ao SGI, entender os principais problemas ambientais

Leia mais

Sumário. BAG TÊINER OXIGEN Dispositivo de prevenção para contêiner. BERMS OXIGEN Bacia de contenção para ações rápidas

Sumário. BAG TÊINER OXIGEN Dispositivo de prevenção para contêiner. BERMS OXIGEN Bacia de contenção para ações rápidas Sumário BCP OXIGEN Bacia de contenção de papelão 03 ECOTÊINER DE INTERIOR OXIGEN Dispositivo de prevenção de vazamentos para transporte em contêineres marítimos BAG TÊINER OXIGEN Dispositivo de prevenção

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Políticas Públicas, Consumo Sustentável & Gerenciamento Integrado de Resíduos Sólidos O CETEA/ITAL (Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Embalagens do Instituto de Tecnologia de Alimentos), há mais

Leia mais

PLACAS E TELHAS PRODUZIDAS A PARTIR DA RECICLAGEM DO POLIETILENO / ALUMÍNIO PRESENTES NAS EMBALAGENS TETRA PAK.

PLACAS E TELHAS PRODUZIDAS A PARTIR DA RECICLAGEM DO POLIETILENO / ALUMÍNIO PRESENTES NAS EMBALAGENS TETRA PAK. PLACAS E TELHAS PRODUZIDAS A PARTIR DA RECICLAGEM DO POLIETILENO / ALUMÍNIO PRESENTES NAS EMBALAGENS TETRA PAK. Mario Henrique de Cerqueira Engenheiro de Desenvolvimento Ambiental - Tetra Pak 1. Introdução

Leia mais

Outros materiais que merecem atenção do marceneiro. Introdução

Outros materiais que merecem atenção do marceneiro. Introdução Introdução Existem diversos materiais utilizados pela marcenaria na composição do móvel ou ambiente. Por exemplo os vidros, chapas metálicas, tecidos e etc. O mercado fornecedor da cadeia moveleira lança

Leia mais

10/8/2013. Para se alimentar, o ser humano abate animais, colhe frutos, sementes, etc, recursos naturais que podem ser repostos;

10/8/2013. Para se alimentar, o ser humano abate animais, colhe frutos, sementes, etc, recursos naturais que podem ser repostos; 6º Anos Prof. Leonardo F. Stahnke Consiste em assegurar uma gestão responsável dos recursos do planeta de forma a preservar os interesses das futuras gerações e ao mesmo tempo atender às necessidades das

Leia mais

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência Página 1 de 9 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 00 01 20/05/2009 30/09/2009 16/12/09 Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos

Leia mais

Polímeros. São macromoléculas constituídas de unidades repetitivas, ligadas através de ligações covalentes.

Polímeros. São macromoléculas constituídas de unidades repetitivas, ligadas através de ligações covalentes. Polímeros 1 São macromoléculas constituídas de unidades repetitivas, ligadas através de ligações covalentes. Celulose Classificação quanto a natureza Naturais (Madeira, borracha, proteínas) Sintéticos

Leia mais

Orientações e sugestões para o desenvolvimento de conteúdos e habilidades para aluno DV. Ciências da Natureza/Ensino Médio

Orientações e sugestões para o desenvolvimento de conteúdos e habilidades para aluno DV. Ciências da Natureza/Ensino Médio Orientações e sugestões para o desenvolvimento de conteúdos e habilidades para aluno DV Ciências da Natureza/Ensino Médio Bloco da INDÚSTRIA PETROQUÍMICA E PLÁSTICO O petróleo é um dos principais insumos

Leia mais

CAU/SP. Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo

CAU/SP. Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo CAU/SP Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo Estudo para implantação do SGA, PE e A3P Sistema de Gestão Ambiental do CAU/SP Programa de Ecoeficiência do CAU/SP Agenda Ambiental na Administração

Leia mais