Caixas Band Pass. Simétricas, Ordem. de 4 a

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Caixas Band Pass. Simétricas, Ordem. de 4 a"

Transcrição

1 aixa and Pa Simétrica, de 4 a Ordem Homero Sette Silva Ano ovo de 4

2 aixa and Pa Simétrica, de 4 a Ordem - 4 P4SIM Homero Sette Silva te trabalho é uma releitura do apítulo, do livro Alto-Falante & aixa Acútica, de minha autoria, ecrito há quae dez ano, e erve à eguinte finalidade: a) como errata ao erro tipográfico exitente no texto original; b) apreentar, em detalhe, o deenvolvimento matemático por trá da equaçõe do livro, o que ali eria inviável; c) fazer uo do novo recuro atualmente diponívei, como o MatLab, no entido de tornar mai fácil a análie do conteúdo. Introdução Uma caixa band pa, de quarta ordem, pode er entendida como uma caixa elada, colocada dentro de uma caixa refletora de grave, etando eta em o falante (que vai montado na caixa fechada), endo o duto a fonte onora para o meio exterior, conforme a Fig.. Aliá, eta foi a etratégia uada pelo Autor, quando fez a pequia iniciai que levaram ao deenvolvimento de um oftware para projeto de caixa P de quarta e exta orden: uma caixa de 4 litro, com tampa removível, permitia que caixa menore foem colocada em eu interior. O termo quarta e exta ordem referem-e ao grau do polinômio que caracteriza a repota da caixa band pa, com duto em apena uma da câmara, ou em amba, repectivamente. ete trabalho, conideraremo a câmara como endo a elada, cabendo à câmara conter o duto e o conjunto magnético do falante, poi a prática recomenda io em virtude da melhor refrigeração proporcionada pelo duto (ver a referência bibliográfica Fig. aixa P de 4 a ordem, vita em corte. 5), o que irá contribuir ignificativamente para reduzir a temperatura da bobina, o que é vital para a obrevivência do falante ao trabalhar com potência elevada, como geralmente acontece com o ub woofer. Outro apecto báico a er realtado, é a caracterítica de repota tipo banda paante (Fig. ) da componente acútica no duto, em uma caixa refletora de grave. Ito e deve ao reonador de Helmholtz, que caracteriza a combinação do volume de ar da caixa (comportamento capacitivo), com o ar no duto (comportamento indutivo), o que reulta na intonia da caixa, que entra em reonância em uma freqüência denominada Fb. Algo emelhante ocorre em uma caixa band pa de quarta ordem, quando o inal acútico produzido pela caixa elada tem que atravear um reonador de Helmholtz, ante de e propagar pelo meio ambiente. Quando a freqüência Fb do reonador é igual à freqüência Fc, de reonância do itema caixa fechada, temo uma repota imétrica, com uma atenuação de d/oitava, de ambo o lado da curva de repota, o que ficará evidenciado na figura a erem apreentada, adiante. A equaçõe numerada, ão aquela apreentada no livro.

3 PO em d e ua omponente PD PP PL PO 6 f / Fb Fig. omponente acútica do refletor de grave. A contribuição do duto (em vermelho) é uma repota band pa. Fig. 3a ircuito equivalente de uma caixa band pa de 4 a ordem. Pg g βl ( ) Rg + R Sd ; Zae ( βl) Rg + R Sd ( ) Rae Za Ra + Ma + a Rat Rae + Ra + Rab ; at a ab a a + ab α + ; a α ab Va Vb () 8 Fig. 3b ircuito equivalente com o componente emelhante aociado.

4 Zat Rat + Ma + at Rat at + Ma at + at Ma a ; Ma at ; S a at α + S Zat Ma at Rat at + + at + Rat at + at Rat at Qtc Para Rab deprezível: Rat a S Qt Qtc a + α S Qt at F Qtc Qt + α ; + α + α ( 9) S FS Zat + Qtc + at A âmara Vb Zab Map + ab Map ab + Map α Va Map ab Map onde α b b ab b a Vb Zab Map + b Zab α α b b + + a b a b b

5 Velocidade Volumétrica Ud Zat Pg + Zab Ud Pg + + Qtc α b + at b a b + Ud Pg at α at b Qtc a b + at Sd Ma Mm ; at a + α Ud Sd Pg Mm α + + b + α + b Qtc + d α Va α Qtc ; + α Vb ( + α) T α ( d ) ( d) Qtc Qtc + α Qt + α Va α V d Qt Va ( d Qt) V b () ( Fc/Qtc) Va 4 d F F d Qtc V + α L H ()

6 Ud Sd Pg Mm b + b + + d + Zab Map Up Ud Ud Ud Map Map + + b b Up Sd Mm b b + b Pg d + Up Pg Sd + + d + + Mm b b Up Sd Pg Mm d d b b b b Up Sd Pg Mm d d b b b b Up Sd Pg 4 3 Mm d d + + ( + ) b b b Pa ρ Up πr Pa ρ Sd Pg πr 4 3 Mm d d + + b b b

7 d Qtc Fig. 4 - em função de d Qtc. 6 5 α Va / Vb d Qt Fig. 5 - α em função de d Qt. 6 5 α T α / ( + α ) d Qtc Fig. 6 - α em função de d Qtc. T

8 Repota Simétrica ( b ) Up Sd Pg Mm 4 3 d d Pa ρ Sd Pg 4 3 πr Mm + d + ( + ) + d f F () F F F F L FH () ( 3) ρ Sd Pa Pg π r Mm + d d ρ Sd βl ρ Sd βl ρ Sd Pg g g πr Mm Rg + R Sd πr Mm Rg + R π r Mm ( ) g KPa Pa βl ρ Sd g Rg + R 4 3 π r Mm + d d + βl ρ Sd Pa g g KPa Rg R r Mm + π ( S ) ( S ) KPa ρ βl Sd π r Rg + R Mm ( S ) d d + (S ) D (S ) (4) D + d + ( + ) + d + (5) 4 3 (S ) D j d ( + ) + j d (j )

9 D ( + ) + j d + j d 4 3 (j ) D ( + ) + j d 4 3 (j ) 4 (j ) D ( + ) + j d 4 (j ) D ( ) 4 d 4 (j ) 4 ( + ) d ( + ) d (j ) (j ) d (j ) 4 4 d + + α γ T (7) (j ) d γ 4 / 4 (j ) + + 4d γ

10 γ ( ) γ 4 4 / / ( γ ) (j ) + 4d γ + ( + ) + 4d γ / 4 (j ) ( d γ ) + ( γ ) (6) m f F γ (j ) (j j) PA 4 Log (j j) () d (j ) (j ) (j j) d ( γ ) + ( γ ) Log d γ + γ (j ) d f F e f F γ (j ) Log d (j ) d d PA + (j ) d (j ) d O valore de d e determinam completamente a repota normalizada em freqüência, bem como o Qtc. a figura que e eguem, podemo ver que quanto menore forem d e Qtc, maior erá a banda paante e menor a amplitude da repota.

11 Repota normalizada, em função do fator de amortecimento d, para divero valore de Qtc. (j) d em função de Qtc f / Fc Fig. 7 - omportamento da repota normalizada para d,5 e Qtc variando de, a,5.,,3,4,5,7,,5 (j) d em função de Qtc 5 5 5,,3,4,5,7,,5 f / Fc Fig. 8 - omportamento da repota normalizada para d, e Qtc variando de, a,5. (j) d em função de Qtc 5 5 5,,3,4,5,7,,5 f / Fc Fig. 9 - omportamento da repota normalizada para d,77 (repota utterworth) e Qtc variando de, a,5.

12 Repota normalizada, em função do fator de amortecimento d, para divero valore de Qtc. 5 (j) d em função de Qtc 5 5,,3,4,5,7,,5 f / Fc Fig. - omportamento da repota normalizada para d,5 e Qtc variando de, a,5. 5 (j) d em função de Qtc 5 5,,3,4,5,7,,5 f / Fc Fig. - omportamento da repota normalizada para d,4 e Qtc variando de, a,5. 5 (j) d em função de Qtc 5 5,,3,4,5,7,,5 f / Fc Fig. - omportamento da repota normalizada para d,3 e Qtc variando de, a,5.

13 Repota em função do fator de amortecimento d, para divero valore de Qtc. (j) d em função de Qtc 3 3,5,,7,5,4,3, 4 f / Fc Fig. 3 - omportamento da repota para d,5 e Qtc variando de,5 a,. (j) d em função de Qtc 3,5,,7,5,4,3, 4 f / Fc Fig. 4 - omportamento da repota para d, e Qtc variando de,5 a,. (j) d em função de Qtc 3,5,,7,5,4,3, 4 f / Fc Fig. 5 - omportamento da repota para d,77 (repota utterworth) e Qtc variando de,5 a,.

14 Repota em função do fator de amortecimento d, para divero valore de Qtc. (j) d em função de Qtc 3,5,,7,5,4,3, 4 f / Fc Fig. 6 - omportamento da repota para d,5 e Qtc variando de,5 a,. (j) d em função de Qtc 3,5,,7,5,4,3, 4 f / Fc Fig. 7 - omportamento da repota para d,4 e Qtc variando de,5 a,. (j) d em função de Qtc ,5,,7,5,4,3, 4 f / Fc Fig. 8 - omportamento da repota para d,3 e Qtc variando de,5 a,.

15 Freqüência de orte a 3 d (j ) (j ) 3 ( d γ ) + ( γ ) ( d γ 3) + ( γ3 ) d ( γ 3) + ( γ3 ) (j 3 ) d γ + γ 4 d γ + γ γ + γ + 4 d γ γ + 4d γ γ + 3 x x 4 d x 4d 4d + 4 x d d ± ± + x d ± d + c d (7) ; c ± c + γ x ; 3 γ 3 ± c ± c + Para γ 3 real : γ 3 ± c + c + + c + ) ; γ 3 ± a a c ( 6 F F F F 3 3 γ 3 ± a ; F F F F ± a F F F F ± a F F F F F a F F F

16 a F a F 3 ± + F F Para F 3 empre poitiva: a F a F F F a a F3 F + + FH a a + + F ; FL a a + + F ; d Qtc a a b 4 dqtc (5) FH a a + + F 4 d Qtc 4 d Qtc FL a a + + F 4 d Qtc 4 d Qtc FH,L a a FH,L ± + + ± b + b + F F (4) FH a a + + F ; FL a a + + F FH F F F F F L H L F a FL Va + α + + F F /F ( ) ( b b ) Vb ( b + b + ) S L S (8)

17 H L F F a a a a F F H L F F a a + F F F F H L anda Paante A banda Paante FH F é dada por L F H F F L a omo a a, então 4 d Qtc a a dqtc. Logo, a F a F + α a F FH FL FH FL FH FL d Qtc d Qt + α d Qt FH FL FH FL a W + + F F d d Qtc Qt d d Reolvendo a equação acima, poderemo explicitar d em função da banda paante normalizada, W : d + + W + W W + ( W + ) Reolução horizontal:,5 Reolução vertical:, Fator de Amortecimento d (FH FL) / (F / Qt) Fig. 9 - anda paante normalizada em função do fator de amortecimento.

18 Reolução horizontal:, Fig. Reolução vertical:,.8 Fator de Amortecimento d (FH FL) / (F / Qt).6 Reolução horizontal:, Fig. Reolução vertical:, Fator de Amortecimento d (FH FL) / (F / Qt).4 Reolução horizontal:,5 Fig. Reolução vertical:, Fator de Amortecimento d (FH FL) / (F / Qt)

19 Aim, vemo que a banda paante é função de d (o fator de amortecimento do itema), e do cociente F F F/Qt. Dee modo, ecolhido o fator de amortecimento, o cociente H L fica determinado. a F/Qt quantidade pode er entendida como a banda paante, normalizada em relação à freqüência F/Qt. colhido o valor deejado para F H F L, o cociente F/Qt fica, então, determinado, o que permite a utilização de qualquer falante, dede que o valor calculado para F/Qt eja repeitado. Para uma repota utterworth, a e d, 77 / F Qt F F F F a d H L H L Para uma banda paante de 4 a 4 Hz, teremo F Qt 4. Dee modo, quaiquer falante onde F/Qt 4 poderão er uado. Pico na Repota O eventuai pico na repota podem er determinado pequiando-e o ponto de máximo da repota. Para io, podemo igualar a a derivada de (j ) que tornam o ganho máximo, conforme o deenvolvimento abaixo:, em relação a γ, para a obtenção do valore de γ 4d γ + γ γ + γ + d γ + ( d γ ) + ( γ ) (j ) d 4 4 d γ + γ (j ) dγ 4 γ + d γ + O que foi feito abendo-e que a derivada do cociente u v é igual a v u' u v' v a derivada da função. endo que (') repreenta Igualando a zero a derivada, obteremo o valore de gama que tornam máxima a função: γ + γ γ + γ γ d d d γ + d γ d γ ± d M M M

20 ( d γ M) + ( γm ) (j ) MAX R R 4d γ + γ 4d d + d 4d 8d + 4d ( M ) 4 4 M R R 4d 4d 4d d 4d d 4 R ( d) Log 4d d que pode er implificada, conforme abaixo: R Log 4 d d para d, 77 ; para d >, 77 então R (3) ( d).7 Fator de Amortecimento d R em d Fig. 3 - Pico na repota em função do fator de amortecimento. FH FL a F FH FL a F d Qtc d Qt γ dqtc

21 Freqüência do Pico A freqüência que correpondem ao pico na repota podem er obtida conforme abaixo: γ M ± d γ Fc F F F F γ Fc F F M M M M M M F M γm Fc γm Fc ± + F FM γm γm + + Fc (para F > interea apena a raiz oma) M F M d d ± + + Fc F M d d + + Fc F M d d + + Fc xemplo: m uma caixa band pa imétrica, de quarta ordem, calcule a amplitude do pico e ua repectiva freqüência, abendo-e que d,44, e Fc 74,83 Hz. R Log 4 d d Log 4,44,44 d ( d) F M,44,44 + +,39 +,74,465 Fc M F M,39, 74, 68 Fc + F, ,83 9, 7 Hz ; F, 68 74,83 5, Hz M

22 Módulo do polinômio normalizado da repota, e eu quadrado (para facilitar a derivação na pequia do ponto de máximo), endo d,44, e Fc 74,83 Hz. 5 (j) e (j) em d 4 3 (j) (j).5.5 f / Fc Fig. 4 - ixo horizontal em ecala linear, normalizada em relação a Fc. 5 (j) e (j) em d 4 3 (j) (j) Freqüência em Hz Fig. 5 - ixo horizontal em ecala linear, em Hz. (j) e (j) em d 3 (j) (j) 4 f / Fc Fig. 6 - ixo horizontal em ecala logarítmica, normalizada em relação a Fc.

23 Determinação da Freqüência F e F onde γ ± d (j ) (j, ) ( d γ ) + ( γ ) ( d γ, ) + ( γ, ) onforme podemo contatar acima, para γ ± teremo (j, ) d o que leva a: 4d d γ + γ (, ) (, ) (j, ) 4d d γ + γ 4d γ + γ γ + 4,,,,, 4d γ + 4d γ + 4,, γ + 4d γ + 4d 4,, γ + +, x x 4 d x 4 d 4d ( 4d ) 4 ( 4d ) x ± d ± ( d ) + 4 d x d ± d + 4 d 4 4 x d ± 4 d + 4 d + 4 d d ± 4 d d ± d Para γ ± x d + d γ, x γ, ± x ± ±,, γ, ± ; F F F F F F F ± F F F F, F,,, ± F F F F F F F F,,,,

24 F F, ± + F F Para F e F empre poitiva: F F, + + F F F, F + + F + + F ; F + + F d Qtc F, ± + + F F + + F ; F + + F F F F F F F F F F F F F F F F FH FL F F a a F F F F a F F H L F F F F F F F

25 F F F + F F F F F H L Repota utterworth o cao de uma repota utterworth, a c d omo a, FH + + F ; FL + + F endo F + + F ; F + + F oncluímo que, quando a repota é do tipo utterworth, FH F e FL F. Outra olução para γ Alem da olução anteriormente encontrada, para γ ±, exite uma outra, que coexite com a primeira, empre que d <, onde γ erá diferente de ma, o que motraremo abaixo. (j, ) d onforme vimo ante, x d ± d. Tomando agora a olução diferença, temo: x d d 4d γ γ ± 4d Logo, para γ er real, d deverá er menor ou igual a,5. Sendo eta condição atifeita, teremo mai doi valore de γ onde o módulo do ganho erá, também, igual a : d γ 4 d ; γ 4 d F, F F F F F γ, ± 4 d ± 4 d F F,,,

26 F 4 d 4 d + + F F 4 d 4 d + + F xemplo: m uma caixa band pa imétrica, de quarta ordem, calcule a freqüência F e F, abendo-e que d,44, e Fc 74,83 Hz.,364 (j, ) d,44 (j, ) d Log d Log.44, d F F ,5 +,8, 68 F F F F ,5 +,8, 68 F F F Fc,68 74, 83,68, Hz F Fc,68 74, 83,68 46, Hz omo d <,5, teremo ainda γ, ± 4 d ± 4,44 ±,475 F 4,44 4, F F 4 d 4 d F F Fc,653 74, 83,653 94,7 Hz F Fc,793 74, 83,793 59, Hz

27 Repota para d,44, e Fc 74,83 Hz Repota em d γ Fig. 7 - otar o valore de γ que tornam o módulo do polinômio igual a /d, no cao, d. Repota em d 3 4 f / Fc Fig. 8 - Repota normalizada, motrando a freqüência onde o módulo vale /d, no cao, d. 3 Repota em d Freqüência em Hz Fig. 9 - Repota normalizada em amplitude, motrando a freqüência onde o módulo vale /d, no cao, d

28 Delocamento do cone Xd Ud Sd ( S) Sd Pg Mm Sd b + b + + d + Xd Sd Pg + + d + ( S) Mm b + b Sd Pg S Pg Sd m Mm Xd ( S) S Pg Sd m b + b + + d + Xd S b ( S) Pg Sd m b b b b d Xd S b ( S) Pg Sd m 4 3 b b b b d + d + + Xd S b ( S) Pg Sd m 4 3 b b b + + d d + omo Pg g βl, temo: Rg + R Sd ( )

29 Sd m S βl Sd m S Pg g g β L m + ( Rg + R) Sd ( Rg R) S Xd S + βl m b ( S) g 4 3 Rg + R b b b + d d + Xd g σ K X ; X K X ; Xd g σ X ( S) X X ( S) ( S) X ( S) ( S) X ( S) Tabela - omponente da Função Delocamento do one Xd g σ K X Função delocamento do cone Metro ( S) X X ( S) σ X g Tenão aplicada Volt βl m Rg + R Senibilidade etática (D) ao delocamento metro/volt S S F F K x ( 9) ontante de delocamento - X ( S) Polinômio do delocamento do cone - X K X Delocamento normalizado do cone - ( S) X ( S) X b ( S) 4 3 b b b + + d d + X b ( S) KX 4 3 b b b + + d d + X b ( j) 4 3 b b b j d + + j d +

30 X b ( j) 4 3 ( + ) + + j d j d b b b X b ( j) 4 ( + ) + + j d b b b X b ( j) 4 ( + ) + + d b b b Para repota imétrica, vem: X ( S) d d + X + ( S ) d d + X ( S ) + KX D ( S ) D + d d + ( S ) 4 3 X ( j ) ( ) j d ( ) 4 X ( j ) KX d ()

31 and pa imétrica, onde: d,44 ; ; Qtc,36 ; Fc 74,83 Hz ; Kx (F / Fc) Delocamento ormalizado do one.5.5 Kx Xn (j) Kx Xn (j) Kx Xn 3 (j) f / Fc Fig. 3 - Kx ; Kx 6 / 74, 83,64 ; Kx3 / 74, 83, 7 Delocamento ormalizado do one.5.5 Kx Xn (j) Kx Xn (j) Kx 3 Xn (j) 3 Freqüência em Hz Fig. 3 - Kx ; Kx 6 / 74, 83,64 ; Kx3 / 74, 83, 7 Delocamento ormalizado do one.5.5 Kx Xn (j) Kx Xn (j) Kx 3 Xn (j) Freqüência em Hz Fig. 3 - Kx ; Kx 6 / 74, 83,64 ; Kx3 / 74, 83, 7

32 Repota do delocamento do cone, ao degrau, em função de d, para divero valore de Qtc..4. Delocamento Qtc.5 Qtc Qtc.8 Qt.77 Qtc.6 Qtc.4 Qtc Tempo em Segundo Fig d,5.4 Delocamento do one Qtc.5 Qtc Qtc.8 Qt.77 Qtc.6 Qtc.4 Qtc Tempo em Segundo Fig d,.4 Delocamento do one Qtc.5 Qtc Qtc.8 Qt.77 Qtc.6 Qtc.4 Qtc Tempo em Segundo Fig d,8

33 Repota do delocamento do cone, ao degrau, em função de d, para divero valore de Qtc..4 Delocamento do one Qtc.5 Qtc Qtc.8 Qt.77 Qtc.6 Qtc.4 Qtc Tempo em Segundo Fig d,77.4 Delocamento do one Qtc.5 Qtc Qtc.8 Qt.77 Qtc.6 Qtc.4 Qtc Tempo em Segundo Fig d,6.5 Delocamento do one.5 Qtc.5 Qtc Qtc.8 Qt.77 Qtc.6 Qtc.4 Qtc Tempo em Segundo Fig d,4

34 xemplo xemplo Projetar um itema P, com repota utterworth e freqüência de corte em e 4 Hz. o cao de uma repota utterworth (a mai plana poível), R d e d,77. a Fig. 39 e 4 temo a urva de Repota obtida. Devemo realtar que ea olução não é única, uma vez que a relação F/Qt pode er atifeita por uma infinidade de valore. omo a repota é utterworth, F FH e F FL F F F F F F F 4 8,8Hz L H L H F F FH FL 4 F F PA 4 Log ( ) 4 Log 6 d Qtc d F F Qtc Qt Arbitrando F Hz, teremo Qt,778. Arbitrando Va litro, vem: F F F + α α α, 659 F Vb Va α, L d α, 86 Qt α ( d Qt),778

35 V b Va α,86 L Mantendo o Va igual a litro e upondo F Hz, teremo Qt,77. α ; Vb Va α L α ( d Qt) ; Vb Va α L 5 e em d d 3 Pico 3 Freqüência em Hz Fig Polinômio da repota e eu correpondente normalizado em amplitude, e o ponto de máximo e de 3 d. 5 e em d d 3 Pico Freqüência em Hz Fig. 4 - Idem, em ecala linear.

36 xemplo pecificar um falante adequado para um itema andpa com o corte em 4 Hz e 4 Hz e PA d. a Fig. 6 temo o valore encontrado, correpondente a um falante com F 6 Hz, Qt,9 e Va litro. A Fig. 7 motra a repectiva curva de Repota e do Delocamento do one. omo eta olução não é única, a Fig. 8 e 9 motram o reultado correpondente a um falante com F 4 Hz, Qt,67 e Va litro. a Fig. 4 e 4 temo o reultado referente a um falante com F Hz, Qt,34 e Va litro. PA F FL FH ,83 Hz FH FL FH FL 4 4 a.336 a F F 4 4 a c + c + a c + c + a c c a c c + a a c + c c + a a c 4 4 a,336 c, 69 a.336 c, 69 c d d, 44 Qtc,36 d,44 F F 4 4 Qt Qtc,36 65, 85 colhendo um falante com F 6 Hz e Va litro, vem: F 6 Qt,9 65, 85 65, 85

37 F Va α α,556,556 F V 6 S b Va Vb 8 α,556 litro Va d α,556 Qt α Vb d Qt,44,9 ( ) ( ) Va Vb 64,3 α,556 litro omo, o módulo do polinômio ( j ) e coincidem, conforme podemo ver abaixo. ( j ) e em d 3 3 d 3 Pico 4 3 Freqüência em Hz Fig. 4 - Polinômio da repota e eu correpondente normalizado em amplitude, e o ponto de máximo e de 3 d. 5 e em d d 3 Pico Freqüência em Hz Fig. 4 - Idem, em ecala linear.

38 xemplo 3 Utilizando um alto-falante com F 4 Hz, Qt,3 e Va litro, projetar um itema andpa com um fator de amortecimento unitário, etando o corte inferior em 4 Hz. omo d, então R d. ete cao, a olução é única, etando o reultado motrado na Fig. 43 e 44. F F + α Va α T V ( + α) F F F F F L H d Qtc d Qtc Va d α Vb d Qt Va Qt α ( d Qt) V b V ( d Qt) Va (, 3) 4, L b c d a + ( ) , 44, 44, 636 b a, 44,6 4dQtc 4Qtc Qtc Va Va Va α T α V V Vb ( + α),6,6 FH,L F ± + Qtc + Qtc ; FH,L,6,6 ± + F Qtc + Qtc FH,L,6,6 + + F Qtc Qtc ; FH,L,6,6 + F Qtc Qtc F F,6,6,6 + + ; H,L H,L F F Qtc Qtc Qtc F FH,L,3 F F Qtc H,L

39 FH,L,6,6 ± ± F Qtc + Qtc Para reultado poitivo, FH,L,6,6 ± + F Qtc + Qtc FH,6,6 + + F Qtc + Qtc ; FL,6,6 + F Qtc + Qtc F F FL,6 +,6 + F Qtc Qtc F FS poi Qtc Qt FS FS FL +,6,6 + F Qt Qt ,6,6 + F F F F 3 4 Hz F F FH,6 +,6 + F Qtc Qtc ; FS FS FH,6 +,6 + F Qt Qt 4 4 FH,6 +,6 4,3 +,3 H F Hz F 4 α F 4

40 V b Va α L α Va Vb ( d Qt) Va (, 3) 4, L ( d Qt) V b, dqtc d Qt + α,3 + Pa 4 Log ( ) 4 Log (,),7 d 5 e em d d 3 Pico 3 3 Freqüência em Hz Fig Polinômio da repota e eu correpondente normalizado em amplitude, e o ponto de máximo e de 3 d. e em d d 3 Pico Freqüência em Hz Fig Idem, em ecala linear.

41 O Lado létrico Fig ircuito equivalente vito pelo lado elétrico. Re t ( βl) + Sd Ra Rab ; b Lceb mep Zeb Lceb mep + + b Lceb + mep mep mep Z mep + me me + + Re t Lcet Zeb Re t Lcet + b Z Lcet Lcet Re t Lcet me Lcet mep + b Z Re t Lcet Ret Lcet Lcet mep Lcet me Re t + b Lcet me Lcet Qtc Re t ; Z Lcet Re t Ret Lcet Lcet mep Re t + b

42 Z Qtc Ret Lcet mep Qtc + b + Qtc b Ret Lcet mep b Qtc Z mep b Lceb mep b Lceb Z + Qtc Lcet Qtc Lceb b Ret b b Lcet at a α Lceb ab ab + α + α Z + Qtc Qtc b Ret b b Z + Qtc Qtc Qtc b Ret 4 3 b b b b Z + Qtc Qtc + b Ret 4 3 b b Qtc b b

43 Z + Qtc + + ( + ) + + Qtc Qtc + b Ret 4 3 b b b Z + Qtc b Ret b b Qtc b Qtc ZV Rg + R + Z + Qtc b V b b Qtc b Z Rg R Ret Qtc Para uma repota imétrica, b + Qtc ZV Rg + R + Ret ( + ) + + Qtc Qtc 4 3 omo d Qtc, vem: + Qtc ZV Rg + R + Ret d + ( + ) + d Se Rab for deprezível, Re t Re + Qtc ZV Rg + R + Re d + ( + ) + d + 4 3

44 Deprezando Rg, vem: + Qtc ZV R + Re d + ( + ) + d + Z R Qtc + d d + Re V R 4 3 R + Re ; R Qe R Qt Re Qm Qm + Qm Qtc ZV R Qe d 4 3 ( ) d Qm + V Z R Qe Qtc + d ( + ) + d + Z d ( ) d Qe Qtc d 4 3 ( ) d Qm V R 4 3 Z 4 3 Qm Qm + d + + ( + ) + d + + Qe Qtc Qe Qtc + d + ( + ) + d V R ZV R ZV

45 Zvc Qm Qm j d + ( + ) + j d + + Qe Qtc Qe Qtc ( j) j d + + j d + Zvc Qm ( + ) + + j d + Qe Qtc j d 4 4 ( j) 4 4 Zvc Qm Qe Qtc 4 ( ) d 4 ( j) 4 4 ( + ) + + d Qm d d + Qe Qtc Θ ( j) tg tg ( ) 4 ( + ) ormalizando em Relação à Fc Z V 4 3 Qm Qm + d + + ( + ) + d + + Qe Qtc Qe Qtc R + d d Zvc ( j ) 4 Qm ( + ) + + j ( ) d + Qe Qtc j d 4 Zvc Qm Qe Qtc 4 d ( j ) d Qm ( ) d + ( ) d Qe Qtc Θ ( j ) tg tg 4 4 ( + ) + ( + ) +

46 and pa imétrica, onde: d,44 ; ; Qtc,36 ; Fc 74,83 Hz ; Qt,9 e F 6 Hz Zvc em Ohm e Fae em Rad Módulo Fae f / Fc Fig Módulo de Zvc e fae em radiano, normalizado em relação à Fc. Zvc em Ohm e Fae em rau Zvc em Ohm e Fae em rau Módulo Fae 6 3 Freqüência em Hz Fig Módulo de Zvc e fae em grau em função da freqüência Módulo Fae Freqüência em Hz Fig Módulo de Zvc e fae em grau em função da freqüência, ecala linear.

47 ficiência A propota de Thiele e Small A eficiência de um alto-falante, ou caixa acútica, é definida como endo o cociente entre a potência acútica obtida e a potência elétrica aplicada: η W W A onde a potência acútica é aquela diipada na componente reitiva da impedância de radiação Rar, endo eta, aproximadamente, dada por: Rar ρ π ntão, WA Rar Up( S), poi, no cao de uma band pa de quarta ordem, a velocidade volumétrica é aquela no duto. Up Sd Pg 4 3 Mm d d + + ( + ) b b b Para uma repota imétrica: Up Up Sd Pg Mm d d 4 3 Sd Pg Mm d d 4 3 Up Pg Sd Mm + d d ( S ) d d + Sd Sd Mm ( S) Mm ( S) Up Pg Pg

48 omo Pg g βl, vem: Rg + R Sd ( ) Up g βl Sd Rg R Sd Mm ( + ) ( S ) βl Sd Up g Rg + R Mm S ρ βl Sd W Rar Up g A ( S) ( S ) π Rg + R Mm ρ βl Sd WA g π Rg + R Mm ( S ) ρ βl Sd WA g π Rg R Mm + ( S ) j ( S ) ( j ) ( j ) ρ βl Sd W Rar Up g A ( S) ( j) π Rg + R Mm Thiele e Small definiram a potência elétrica aborvida pelo falante como endo aquela diipada em R, que poui um valor aproximadamente igual ao valor da impedância mínima do falante. ta implificação permite a obtenção de uma equação mai fácil de manipular que, embora útil na comparação de falante, não retrata perfeitamente o fenômeno, uma vez que a potência elétrica aborvida varia com a freqüência. Aim endo, devemo coniderar a eficiência de referencia como endo válida na vizinhança da impedância nominal. W R g Rg + R

49 W ρ βl Sd g π ( Rg + R ) Mm A η P W R Rg g + R ( j ) ( βl) ρ Sd η P π R Mm ( j ) 3 Sd S ρ βl 9,6 F Va η O π R Mm Qe η η P O j alculando a eficiência para, ou eja, na freqüência central da banda paante, teremo: η η η ( ) / P O j O ( d γ ) + ( γ ) 4 omo γ para, temo: ηo ηp η P (3) 4 η O 4 Aim, podemo dizer que a eficiência de uma caixa band pa, imétrica, de quarta ordem, na freqüência Fc, comparada à eficiência do memo alto-falante, intalado em uma caixa tipo radiador direto 4 (fechada, refletor de grave, radiador paivo) erá igual a / (guardada a devida realva quanto à aproximação feita na análie). Outra abordagem Se calcularmo a potência elétrica como endo uma função da freqüência, ao invé de coniderá-la contante, conforme fizemo anteriormente, teremo um reultado muito mai geral, capaz de motrar como a eficiência varia com a freqüência. O reultado obtido ante e torna um cao particular para a freqüência central Fc, como veremo a eguir. Zvc R Zvc Zvc R Zvc ( j ) ( j ) ( j ) ( j )

50 g g W co co ( Θ ) Θ j ( j) Zvc R ( j ) Zvc ( j ) Qm d d + Qe Qtc Θ ( j ) tg 4 tg 4 4 ( + ) + 4 ( + ) + Deprezando Rg, vem: ρ βl Sd W Rar Up g π A ( S) ( j) R Mm ρ βl Sd g W π A R Mm P W g η R co Θ Zvc ( j ) ( j ) ( ( j )) ( βl) Sd Zvc( j ) ρ η P π Θ R Mm co ( ( j )) ( j ) Zvc η η co ( j ) ( Θ( j )) P O j ( ) η η ( j ) ( Θ( j )) P O Zvc co ( j ) η P m Zvc( j ) ; co Θ ( j ) ; j 4 4 ηo O reultado acima, confirma aquele encontrado anteriormente, que fica agora reduzido a um cao particular. A figura adiante permitem uma viualização cômoda de η P, em função da freqüência, e de γ.

51 and pa imétrica, onde: d,44 ; ; Qtc,36 ; Fc 74,83 Hz ; Qt,9 e F 6 Hz 5 η P / η O / 4 η P / η O Freqüência em Hz Fig ficiência relativa em função da freqüência e a eficiência em Fc. 5 η P / η O / 4 η P / η O γ Fig. 5 - ficiência relativa em função de gama e a eficiência em gama. (j), co( Θ ) e Θ em Rad (j) co( Θ ) Θ 3 3 γ Fig. 5 - omponente da eficiência.

52 5 η P / η O d Qtc Fig. 5 - ficiência relativa em função de d Qtc. ibliografia A andpa Loudpeaker ncloure L. R. Fincham Apreentado na 63 a onvenção da AS, maio de 979 The Third Dimenion: Simmetrically Loaded Jean Margerand Speaker uilder, 6/988 3 andpa Loudpeaker Sytem Homero Sette Silva The Reference, Southern alifórnia Áudio Society, USA, 7/99 4 Alto Falante & aixa Acútica Pelo Método de T-S Homero Sette Silva H. Sheldon Serviço de Marketing Ltda., Inverno de Interface Amplificador Falante em Regime de Alta Potência Ruy L.. Monteiro Apreentado na 4 a onvenção da AS rail, em Junho de Diponível em 6 - uro Selenium URSL ota de Aula, verão Junho de Diponível em 7 - Loudpeaker lectric Model for Study of the ffort in Áudio Power Amplifier ortoni e Silva Apreentado na 5 a onvenção da AS, outubro de 3 Diponível em

53 xemplo de Projeto Vamo deenvolver um projeto de caixa band pa, imétrica, de quarta ordem, uando o falante 8SWP, cuja ficha técnica encontra-e em anexo. ete cao, como todo o parâmetro do alto-falante foram epecificado, vamo calcular o valor de F/Qt: F / Qt 36 /,4 85,7 A eguir, utilizando a relaçõe abaixo, vamo arbitrar a banda paante que no interee e calcular d: Arbitrando FH 8 Hz e FL 4 Hz, ou eja, uma banda paante igual a uma oitava, vem: FH FL FH FL 8 4, 4667 W F F 36 Qtc Qt, 4 d + + W + W W + ( W + ) d + +, 8558 (, ), , 4667, Fator de Amortecimento d ( FH FL ) para ( F / Qt ) ( 36 /,4 ) Fig Fator de amortecimento, em função da banda paante, para ( F / Qt ) (36 /,4 ). Qt, 4 Qtc Fc 56,57,66 F 36

54 d Qtc,8558,66,5648,8853 d Qtc,8558,66 PA 4 Log( ).67 d η η P O , 68 Repetindo o procedimento acima, para outra banda paante de interee, obtivemo o quadro abaixo, que no vai permitir ecolher a opção mai indicada. Tabela - Valore obtido para F / Qt 36 /,4 e divera banda paante F H F L F Qtc d d Qtc R d d / PA ηp ηo ,57,66,8558,5648 -,8853,, ,5,738,77,544 -,9535,83, 4 69,8,88,688,49,3,6 -,8, ,83,873,53,468,93,84 -,34,73 Analiando o valore obtido, vemo que quanto maior a banda paante FH FL, menor o nível de preão acútica obtido, PA d. PA d (ou ) indica que a caixa band pa poui o memo nível que eria obtido com o falante intalado em uma caixa de radiação direta. Por ea razão, ecolhemo a banda paante de a 4 Hz, poi ua preão acútica foi ligeiramente maior que a produzida por um radiador direto. Valore negativo de PA, ou de maiore que, indicam uma preão acútica menor aquela produzida pela caixa de radiação direta. Da quatro opçõe analiada, dua não apreentaram pico na repota e na outra dua o pico foram muito pequeno, de modo que o parâmetro R d não foi deciivo, nete cao, para a ecolha da melhor opção. Obtendo na ficha técnica o valor de Va, podemo dimenionar a câmara Vb e V b. V ( d Qt) Va (,77, 4) 79 63, 8 L Va Fc Va 79 α Vb 85,8 L V b F Fc 63,5 F 36 A enibilidade etática ao delocamento, e a contante de delocamento, podem er obtida, conforme abaixo, o que no vai permitir obervar o delocamento do cone, no gráfico correpondente.

55 L m 5, 4 89, 8 m mm σ X β 47,3 µ, 473 Rg + R 5, 6 V V F 36 Kx, 34 Fc 63,5 Delocamento do one em mm W W W Freqüência em Hz Fig Delocamento do cone do falante, intalado na caixa band pa, para divera potência. Tabela 3 - Parâmetro do Delocamento do one para Diferente Tipo de aixa Parâmetro aixa Selada Refletor de rave P 4 a Ordem K X F S FS F S FS σ X βl m Rg βl m βl m + R Rg + R Rg + R Xd g σ K X ( S) X X ( S) omparando o valor da contante de delocamento obtido nete projeto (,34), com o de uma caixa refletora de grave (unitário), vemo que é igual à quae um terço do daquela, o que é uma vantagem importante quando em regime de grande inai. Para podermo afirmar que eta vantagem vai verificar-e no delocamento do cone, preciamo invetigar a influência do polinômio do delocamento do cone, que é diferente na trê configuraçõe. a figura que e eguem, podemo ver o reultado deta comparação, onde a caixa elada teve um volume igual ao da câmara da band pa e o volume da refletora de grave foi igual a 5 litro, ou eja, a oma do volume da dua câmara. te volume foi intonizado em 36 Hz, por er ete o valor coniderado ótimo. A comparação motra a uperioridade da band pa, obre a ba reflex, quanto ao delocamento do cone.

56 Polinômio do Delocamento do one Delocamento do one em aixa and Pa, Selada e Refletora de rave 3 Freqüência em Hz X P X X R Fig aixa elada: memo volume da câmara da band pa ; refletora de grave : volume igual ao total da band pa Delocamento ormalizado do one K x X P K x X X R 3 Freqüência em Hz Fig aixa elada: memo volume da câmara da band pa ; refletora de grave : volume igual ao total da band pa Delocamento do one em mm X P X X R 3 Freqüência em Hz Fig A mema condiçõe anteriore, com Watt aplicado.

57 O polinômio do delocamento do cone, para caixa elada (cloed box) e refletora de grave (ba reflex) etão repreentado abaixo. X + + Qtc X R b b QL + + D R( S) α DR + ( S) S b S b QL S b Qt S b S b QL Qt Qt Q S b L A repota em freqüência, para a caixa projetada, pode er vita na Fig. 58. a Fig. 59 temo a repota para diferente nívei de excitação (onde nenhum tipo de não linearidade foi coniderado). Para compararmo a repota obtida com aquela que eriam coneguida em uma caixa elada, de memo volume que a câmara elada da band pa, e em uma refletora de grave, com volume igual à oma do volume da dua câmara da band pa (5 L), intonizado em 36 Hz, vamo utilizar o repectivo polinômio da repota, conforme e egue. O reultado podem er vito na Fig. 6. Pa g KPa ( S ) Pa KPa SPL( d) Log Log g 6 6 ( S) KPa ρ βl Sd π r + Mm ( Rg R) ( S) + + Qtc R( S) 4 D S b R( S) O coeficiente de proporcionalidade, KPa, para o cao and Pa, loed ox e a reflex ão iguai.

58 95 SPL em d Freqüência em Hz Fig ível da repota, em d SPL, da caixa band pa, para Watt, endo ainalado o ponto de 3 d. SPL em d W W W Freqüência em Hz Fig ível da repota, em d SPL, da caixa band pa, para divera potência aplicada. 95 SPL em d SPL P SPL SPL R 6 3 Freqüência em Hz Fig. 6 - SPL da caixa band pa projetada, e da caixa elada e refletora de grave, uada como comparativo.

59 omentário A partir da análie do circuito análogo elétrico, de uma caixa band pa de quarta ordem, motrado na Fig. 3a e 3b, foi obtida a equação para a preão acútica, ρ Sd Pa Pg π r Mm 4 3 α d b b Qtc b + α Qtc que, no cao particular da imetria, ou eja, quando b aume a eguinte forma: ρ Sd Pa Pg π r Mm 4 3 α α Qtc Qtc Obervando ea equaçõe, vemo que a repota do itema ficou perfeitamente determinada a partir de trê variávei, que ão: O fator de qualidade do itema caixa fechada, Qtc; e o cociente Va / V b e Va / V b, repectivamente repreentado por α e α, que podem er englobado em α T. Va Va α ; α ; α V V T b b α + α o entanto, conforme a referência (), foram introduzida a variávei d e, α d ; α T Qtc + α aumindo, então, a equaçõe anteriore, a eguinte forma: ρ Sd Pa Pg 4 3 π r Mm d d + + ( + ) b b b Pa ρ Sd Pg 4 3 πr Mm + d + ( + ) + d A variável d, denominada fator de amortecimento do itema, deempenha um importante papel na caracterização do itema. Independentemente, determina o tipo da repota a er obtida.

60 Se d > /, a repota não tem pico; e d < /, exitirão doi pico na repota, ladeando a freqüência central Fc e, e d /, a repota erá utterworth. A variável, que naturalmente repreenta a compliância total do itema pode, também, aumir a forma de uma banda paante, conforme abaixo. F H a F F L, onde a d + d + ete novo formato, dependeria da banda paante do itema, FH fator de amortecimento d (poi a é uma função de d). F, da freqüência Fc e do L FH FL FH FL a W F F d Qtc Qt Dete modo, a banda paante normalizada, e o fator de amortecimento do itema, etão interligado entre i, endo um função do outro, conforme motram a equaçõe acima e abaixo apreentada. d + + W + W W + ( W + ) o cao de um itema, como no projeto anterior, onde o falante foi previamente epecificado, e ecolhermo a banda paante, teremo que no contentar com o fator de amortecimento reultante, e vicevera. Só poderemo epecificar, imultaneamente, o fator de amortecimento e a banda paante, e o falante puder er contruído epecificamente, para atender ao requiito do itema. Satifeita a relaçõe acima, o volume da câmara já etarão determinado: Va Vb d Qt Va ; Vb Fc F A introdução da variável γ, foi algo muito prático poi no permite trabalhar com equaçõe do quarto grau (que pode er reduzido ao egundo grau, por imple mudança de variável). o cao do polinômio originai, a equaçõe envolvendo o quadrado do módulo, eriam do oitavo grau (redutívei ao quarto). (j ) / ( d γ ) + ( γ ) ; (j ) ( d γ ) + ( γ ) ; γ A variável, na forma do invero do eu quadrado, determinará a amplitude do polinômio da repota na freqüência Fc, correpondendo ao ganho em relação à repota de uma caixa elada ou refletora de grave, na região de repota plana. O invero de, elevado à quarta potência, indicará o ganho na eficiência da band pa em relação à caixa de radiação direta, acima mencionada.

61 Reumo da quaçõe d F F Qtc Qt α F F Qtc F F Qt α F F F F H L α T d Qtc + α F a F Va α ; V b Va F F α (8) ; + α (9) ; F F + α V F b S V ( d Qt) Va ; F F F F F L H b a 4dQtc ; a c + c + ; c d FH FL FH FL a W F F d Qtc Qt d + + W + W W + ( W + ) Ud Sd Pg Mm d + Up Sd Pg Mm 4 3 d d L Sd Pa g β ρ Rg + R π r Mm + d d βl ρ Sd Pa g g KPa Rg + R πr Mm ( S ) ( S )

62 KPa ρ βl Sd π r Rg + R Mm ( S ) d d + (j ) / ( d γ ) + ( γ ) ; (j ) ( d γ ) + ( γ ) γ ; γ γ ; γ (j j) (j j) 4 Log PA d ( j j) ( j j) d (j ) (j ) (j ) d (j ) Log d d d (j ) (j ) (j ) Log d (j ) d d d F + + F ; F + + F FH a a + + F ; FL a a + + F F, F ± + + ; ± + + FH,L F b b R Log 4 d d para d, 77 ; para d >, 77 então R (3) ( d)

63 Xd S + βl m b ( S) g 4 3 Rg + R b b b + d d + Xd g σ K X ; X K X ; Xd g σ X ( S) X X ( S) ( S) X ( S) ( S) X ( S) K X S FS F Z + d + + ( + ) + d + + Qe Qtc + d + ( + ) + d Qm Qm 4 3 Qe Qtc V R ZV R ZV Zvc Qm Qe Qtc 4 ( ) d 4 ( j) 4 4 ( + ) + + d Qm d d + Qe Qtc Θ ( j) tg 4 tg 4 4 ( + ) + 4 ( + ) + ( βl) ρ Sd η P π R Mm ( j ) 3 Sd S ρ βl 9,6 F Va η O π R Mm Qe η η η ( ) ( d ) / P O j O γ + 4d γ 4

64 ηo ηp η P (3) 4 η O 4 X + + d + ( + ) + d + P X + + Qtc ; X R b b QL + + D R( S) α DR + ( S) S b S b QL S b Qt S b S b QL Qt Qt Q S b L Pa g KPa ( S ) Pa KPa SPL( d) Log Log g 6 6 ( S) KPa ρ βl Sd π r Rg + R Mm + d + ( + ) + d + P( S) ( S) + + Qtc ; R( S) 4 D S b R( S)

65

66 Agradecimento O Autor deeja exprear ua gratidão: Ao prezado ng. Joé Angelo Amado, que com ua curioidade e a buca por mai informaçõe obre o aunto, motivou-me a reecrever o apítulo, que aqui renaceu, junto com o ovo Ano. on fado o levem, e ao Autor, também... Ao prezado Amigo e pequiador arlo orreia da Silva que, mai uma vez, ocorreu-me com eu alentado acervo técnico e inexcedível boa vontade, enviando-me cópia do artigo do Jean Margerand, publicado em Speaker uilder 6/88, poi e extraviou o meu exemplar na andança da minha biblioteca perambulante. Ao dileto Amigo ilberto Monteiro, que no ido de 993 contruiu protótipo e fez mediçõe em caixa band pa, calculada com o oftware, então, recém deenvolvido por mim, o que me deu tranqüilidade para continuar o trabalho, em virtude do bon reultado reportado, quero reiterar minha gratidão. Ao meu editor e mui prezado Amigo, elon ardoo (o mai braileiro do portuguee que conheço), pela publicação, não ó do meu livro, como também pelo inúmero outro que vem editando, diponibilizando, aim, ignificativo acervo para o técnico de áudio do rail e de todo o paíe de língua portuguea. À letrônica Selenium S.A., pelo patrocínio do livro e de todo o meu trabalho, que a ele e eguiram, incluive ete. Legenda da Foto O ditor elon ardoo e ua Tenda Mirim... arlo orreia da Silva, baiano ilutre, o ds. Roalfono ortoni, ob o olhar do Metre! Ruy Monteiro prepara-e para dizer: it wa not my fault e ds oberva. O ditor & o Autor, unido para empre... Ruy Monteiro, o R da Studio R. Roalfono ortoni, dá a dimenão da coia! ilberto Monteiro, na época, expert em om para... lugare público!

67 ALTO-FALATS LIHA PROFISSIOAL - Subwoofer 8SWP / 8SWP-SLF* Subwoofer de alta potência para o uo profiional, epecificamente projetado para reponder na faixa de freqüência de 38 a 5 Hz em caixa tipo vented box com volume de 7 a litro, uportando 6 W RMS (orma AS) ou. W de potência muical contínua. O conjunto magnético otimizado pelo método de elemento finito (FA) reultou em um conjunto de grande eficiência e baixo peo. A utilização T-yoke com arruela inferior rebaixada aegura um delocamento máximo (Xmáx) compatível com a potência. ete alto-falante foi dado atenção epecial ao comportamento em condiçõe de obrecarga mecânica, uportando a condiçõe mai evera de trabalho em falha. A bobina de 4" ( mm) de cobre com 4 camada utiliza acima de 8 g de fio, enrolado em fôrma de fibra de vidro com dua veze a epeura da fôrma comun, com o objetivo de dar ao conjunto móvel grande rigidez. O cone de papel não prenado e de fibra longa poui maa e rigidez uficiente para uportar enorme força de aceleração, preciamente centrado por dua aranha feita de tecido de poliéter e algodão. A carcaça em alumínio injetado poui grande rigidez etrutural e atua como diipador de calor, além de não introduzir perda no fluxo magnético. Um itema triplo de ventilação (furo central, ei furo na arruela inferior e ei janela na carcaça) garante a neceária refrigeração de modo que o elevado valore de potência poam er uportado. *8SWP-SLF: Produto em logotipo frontal Selenium impreo na calota. A expoição à nívei de ruído além do limite de tolerância epecificado pela orma raileira R 5 - Anexo *, pode cauar perda ou dano auditivo. A Selenium não reponabiliza-e pelo uo indevido de eu produto. (*Portaria 34 / 78). SPIFIAÇÕS TÉIAS Diâmetro nominal...46(8) mm (in) Impedância nominal...8 Impedância 9 Hz...7, Potência Programa muical... W RMS (R.33)...6 W AS...6 W 3 Senibilidade média entre 5 e 5 Hz d SPL ompreão de d (pot. nom.) , d ompreão de -3 d (pot. nom.)/ ,5 d ompreão de - d (pot. nom.)/ , d Repota de - d a. Hz pecificaçõe para uo de programa muical e de voz, permitindo ditorção harmônica máxima no amplificador de 5%, endo a potência calculada em função da tenão na aída do amplificador e da impedância nominal do trandutor. orma raileira R.33, com a aplicação de ruído roa durante hora ininterrupta. 3 orma AS (6-6 Hz). PARÂMTROS D THIL-SMALL F (freqüência de reonância) Hz Va (volume equivalente do falante) l Qt (fator de qualidade total)...,4 Qe (fator de qualidade elétrico) ,43 Qm (fator de qualidade mecânico) , o (eficiência de referência em meio epaço) ,56 % Sd (área efetiva do cone)...,94 m 3 Vd (volume delocado)...776, cm Xmáx (delocamento máx. (pico) c/ % ditorção) ,5 mm Xlim (delocamento máx. (pico) ante do dano) , mm ondiçõe atmoférica no local de medição do parâmetro TS: Temperatura...4 Preão atmoférica... mb Umidade relativa do ar...45 % Parâmetro de Thiele-Small medido apó amaciamento de hora com metade da potência R. É admitida uma tolerância de ± 5% no valore epecificado. PARÂMTROS ADIIOAIS L...5,4 Tm Denidade de fluxo no gap...75 T Diâmetro da bobina... mm omprimento do fio da bobina...5,5 m oeficiente de temperatura do fio ( )...,38 / Temperatura máxima da bobina vc (temperatura máx. da bobina/potência máx.) ,46 /W Hvc (altura do enrolamento da bobina) , mm Hag (altura do gap)...9, mm Re (reitência da bobina)...5,6 Mm (maa móvel)...7,7 g m (compliância mecânica) ,8 m/ Rm (reitência mecânica da upenão) , kg/ PARÂMTROS ÃO-LIARS F (indutância da bobina na reonância) ,69 khz (indutância da bobina em khz) ,56 khz (indutância da bobina em khz) ,797 F (reitência de perda na reonância) ,43 khz (reitência de perda em khz) ,75 khz (reitência de perda em khz) , Krm (coeficiente da reitência de perda) ,985 Kxm (coeficiente da indutância da bobina) ,746 rm (expoente da reitência de perda da bobina)......,993 xm (expoente da indutância da bobina) ,7 mh mh mh mh IFORMAÇÕS ADIIOAIS Material do ímã...ferrite de bário Peo do ímã g Diâmetro x altura do ímã... x 4 mm Peo do conjunto magnético g Material da carcaça...alumínio injetado Acabamento da carcaça Pintura epoxi, cor preta Acabamento da arruela...tanhado Material do fio da bobina...obre Material da fôrma da bobina Fibra de vidro Material do cone eluloe fibra longa não prenada Volume ocupado pelo falante...8,6 l Peo líquido do falante...5 g Peo total (incluindo embalagem) g Dimenõe da embalagem ( x L x A) x 48 x 4 cm IFORMAÇÕS PARA MOTAM úmero de furo de fixação...8 Diâmetro do furo de fixação , mm Diâmetro do círculo do furo de fixação mm Diâmetro do corte para montagem frontal mm Diâmetro do corte para montagem traeira mm Tipo do conector...preão p/ fio nu Polaridade Tenão + no borne vermelho: delocamento p/ frente Ditância mín. entre parede da caixa e a traeira do falante.. 75 mm ø 457 8x ø 7 ø ø 4 ø 5 Dimenõe em mm. Página: / Rev.: - 4/3

Professora FLORENCE. Resolução:

Professora FLORENCE. Resolução: 1. (FEI-SP) Qual o valor, em newton, da reultante da força que agem obre uma maa de 10 kg, abendo-e que a mema poui aceleração de 5 m/? Reolução: F m. a F 10. 5 F 50N. Uma força contante F é aplicada num

Leia mais

Filtros Analógicos Ativos

Filtros Analógicos Ativos Filtro Analógico Ativo Topologia Sallen-Key FPB Prof. láudio A. Fleury onteúdo. Introdução. Filtro Paa-Baixa de a. Ordem 3. Mudança de Ecala 4. Filtro Paa-Alta de a. Ordem 5. Filtro Paa-Faixa e ejeita-faixa

Leia mais

CAPÍTULO 10 Modelagem e resposta de sistemas discretos

CAPÍTULO 10 Modelagem e resposta de sistemas discretos CAPÍTULO 10 Modelagem e repota de itema dicreto 10.1 Introdução O itema dicreto podem er repreentado, do memo modo que o itema contínuo, no domínio do tempo atravé de uma tranformação, nete cao a tranformada

Leia mais

Sociedade de Engenharia de Áudio Artigo de Convenção Apresentado na IX Convenção Nacional 11-13 de Abril de 2005, São Paulo, SP

Sociedade de Engenharia de Áudio Artigo de Convenção Apresentado na IX Convenção Nacional 11-13 de Abril de 2005, São Paulo, SP ociedade de Engenharia de Áudio Artigo de Convenção Apreentado na IX Convenção Nacional - 3 de Aril de, ão Paulo, P Ete artigo foi reproduzido do original entregue pelo autor, em ediçõe, correçõe e conideraçõe

Leia mais

Confrontando Resultados Experimentais e de Simulação

Confrontando Resultados Experimentais e de Simulação Confrontando Reultado Experimentai e de Simulação Jorge A. W. Gut Departamento de Engenharia Química Ecola Politécnica da Univeridade de São Paulo E mail: jorgewgut@up.br Um modelo de imulação é uma repreentação

Leia mais

Capítulo 5: Análise através de volume de controle

Capítulo 5: Análise através de volume de controle Capítulo 5: Análie atravé de volume de controle Volume de controle Conervação de maa Introdução Exite um fluxo de maa da ubtância de trabalho em cada equipamento deta uina, ou eja, na bomba, caldeira,

Leia mais

Experimento #4. Filtros analógicos ativos LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA

Experimento #4. Filtros analógicos ativos LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA UNIVESIDADE FEDEAL DE CAMPINA GANDE CENTO DE ENGENHAIA ELÉTICA E INFOMÁTICA DEPATAMENTO DE ENGENHAIA ELÉTICA LABOATÓIO DE ELETÔNICA Experimento #4 Filtro analógico ativo EXPEIMENTO #4 Objetivo Gerai Eta

Leia mais

Estrutura geral de um sistema com realimentação unitária negativa, com um compensador (G c (s) em série com a planta G p (s).

Estrutura geral de um sistema com realimentação unitária negativa, com um compensador (G c (s) em série com a planta G p (s). 2 CONTROLADORES PID Introdução Etrutura geral de um itema com realimentação unitária negativa, com um compenador (G c () em érie com a planta G p (). 2 Controladore PID 2. Acção proporcional (P) G c ()

Leia mais

Vestibular 2013 2 a fase Gabarito Física

Vestibular 2013 2 a fase Gabarito Física etibular 203 2 a fae Gabarito Fíica Quetão 0 (alor: 5 ponto) Cálculo da variação da quantidade de movimento A velocidade inicial no momento do impacto erá a velocidade final da queda Aplicando conervação

Leia mais

AULA 02 POTÊNCIA MECÂNICA. = τ. P ot

AULA 02 POTÊNCIA MECÂNICA. = τ. P ot AULA 0 POTÊNCIA MECÂNICA 1- POTÊNCIA Uma força pode realizar um memo trabalho em intervalo de tempo diferente. Quando colocamo um corpo de maa m obre uma mea de altura H num local onde a aceleração da

Leia mais

Intruçõe Breve Verão 1 0 junho 2005 INSTRUÇÕES APENAS PARA PESSOAL QUALIFICADO APERTO DO CONJUNTO DE SUPORTES AVISO: O funcionamento da ua coluna como componente de um itema upeno pode potencialmente expor

Leia mais

Máquinas Eléctricas. Motores de indução. Motores assíncronos. Arranque

Máquinas Eléctricas. Motores de indução. Motores assíncronos. Arranque Motore de indução Arranque São motore robuto e barato (fabricado em maa), embora tendo o inconveniente de não erem regulávei. Conequentemente, uma vez definido um binário e uma corrente, ete apena dependem

Leia mais

= T B. = T Bloco A: F = m. = P Btang. s P A. 3. b. P x. Bloco B: = 2T s T = P B 2 s. s T = m 10 B 2. De (I) e (II): 6,8 m A. s m B

= T B. = T Bloco A: F = m. = P Btang. s P A. 3. b. P x. Bloco B: = 2T s T = P B 2 s. s T = m 10 B 2. De (I) e (II): 6,8 m A. s m B eolução Fíica FM.9 1. e Com bae na tabela, obervamo que o atleta etá com 5 kg acima do peo ideal. No gráfico, temo, para a meia maratona: 1 kg,7 min 5 kg x x,5 min. Na configuração apreentada, a força

Leia mais

Modelagem Matemática e Simulação computacional de um atuador pneumático considerando o efeito do atrito dinâmico

Modelagem Matemática e Simulação computacional de um atuador pneumático considerando o efeito do atrito dinâmico Modelagem Matemática e Simulação computacional de um atuador pneumático coniderando o efeito do atrito dinâmico Antonio C. Valdiero, Carla S. Ritter, Luiz A. Raia Depto de Ciência Exata e Engenharia, DCEEng,

Leia mais

CATÁLOGO PROFISSIONAL COMPONENTES

CATÁLOGO PROFISSIONAL COMPONENTES CÁLOGO PROFISSIONL COMPONENES NOSS HISÓRI Fundada em 958, na cidadede de Canoas/RS, pelos Fundada em 958, na cidade de Canoas/RS, pelos irmãos Fundada em irmãos Victor, Henrique, rno e pelo amigo Carlos.

Leia mais

SITE EM JAVA PARA A SIMULAÇÃO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS

SITE EM JAVA PARA A SIMULAÇÃO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS SITE EM JAVA PARA A SIMULAÇÃO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS Reumo Luca Franco de Ai¹ Marcelo Semenato² ¹Intituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia/Campu Jataí/Engenharia Elétrica/PIBIT-CNPQ lucafranco_jty@hotmail.com

Leia mais

Crossovers Passivos, de 2 a Ordem, em Sistemas Duas Vias

Crossovers Passivos, de 2 a Ordem, em Sistemas Duas Vias Verão -- roover Paivo, de a rdem, em Sitema Dua Via omero Sette Silva, Eng. www.elenium.com.br conceito envolvido no projeto e utilização de croover paivo de db / itava, com reitor de atenuação na via

Leia mais

Quantas equações existem?

Quantas equações existem? www2.jatai.ufg.br/oj/index.php/matematica Quanta equaçõe exitem? Rogério Céar do Santo Profeor da UnB - FUP profeorrogeriocear@gmail.com Reumo O trabalho conite em denir a altura de uma equação polinomial

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET SP

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET SP Diciplina: Mecânica do Fluido Aplicada Lita de Exercício Reolvido Profeor: 1 de 11 Data: 13/0/08 Caruo 1. Um menino, na tentativa de melhor conhecer o fundo do mar, pretende chegar a uma profundidade de

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC - GAT

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC - GAT XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Verão.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recife PE GRUPO IV GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC GAT

Leia mais

Nestas notas será analisado o comportamento deste motor em regime permanente.

Nestas notas será analisado o comportamento deste motor em regime permanente. MOTO DE INDUÇÃO TIFÁSICO 8/0/006 Ivan Camargo Introdução O motor de indução trifáico correponde a, aproximadamente, 5 % da carga elétrica do Brail, ou eja, 50 % da carga indutrial que, por ua vez, correponde

Leia mais

Bobinas Móveis e as suas principais características:

Bobinas Móveis e as suas principais características: Bobinas Móveis e as suas principais características: Iniciarei aqui um breve estudo dos alto-falantes, e dos seus principais componentes. Irei escrever alguns textos relacionados ao assunto, tentando detalhar

Leia mais

Fotografando o Eclipse Total da Lua

Fotografando o Eclipse Total da Lua Fotografando o Eclipe Total da Lua (trabalho apreentado para o Mueu de Atronomia e Ciência Afin) http://atrourf.com/diniz/artigo.html Autor: Joé Carlo Diniz (REA-BRASIL) "Você pode e deve fotografar o

Leia mais

Análise de Sensibilidade de Anemômetros a Temperatura Constante Baseados em Sensores Termo-resistivos

Análise de Sensibilidade de Anemômetros a Temperatura Constante Baseados em Sensores Termo-resistivos UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE ELETRICIDADE Análie de Senibilidade de Anemômetro a Temperatura Contante Baeado em Senore Termo-reitivo

Leia mais

EXPERIÊNCIA 7 CONVERSORES PARA ACIONAMENTO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS

EXPERIÊNCIA 7 CONVERSORES PARA ACIONAMENTO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA E DE COMPUTAÇÃO - UNICAMP EE-832 - LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA INDUSTRIAL EXPERIÊNCIA 7 CONVERSORES PARA ACIONAMENTO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS 7. Introdução A máquina de corrente

Leia mais

Compensadores. Controle 1 - DAELN - UTFPR. Os compensadores são utilizados para alterar alguma característica do sistema em malha fechada.

Compensadores. Controle 1 - DAELN - UTFPR. Os compensadores são utilizados para alterar alguma característica do sistema em malha fechada. Compenadore 0.1 Introdução Controle 1 - DAELN - UTFPR Prof. Paulo Roberto Brero de Campo O compenadore ão utilizado para alterar alguma caracterítica do itema em malha fechada. 1. Avanço de fae (lead):

Leia mais

Exercícios Resolvidos de Biofísica

Exercícios Resolvidos de Biofísica Exercício Reolvido de Biofíica Faculdade de Medicina da Univeridade de oimbra Exercício Reolvido de Biofíica Metrado ntegrado em Medicina MEMBRNS HOMOGÉNES Exercício 1. Numa experiência com uma membrana

Leia mais

CAPÍTULO 6 - Testes de significância

CAPÍTULO 6 - Testes de significância INF 16 CAPÍTULO 6 - Tete de ignificância Introdução Tete de ignificância (também conhecido como Tete de Hipótee) correpondem a uma regra deciória que no permite rejeitar ou não rejeitar uma hipótee etatítica

Leia mais

Livro para a SBEA (material em construção) Edmundo Rodrigues 9. peneiras

Livro para a SBEA (material em construção) Edmundo Rodrigues 9. peneiras Livro para a SBEA (material em contrução) Edmundo Rodrigue 9 4.1. Análie granulométrica Granulometria, graduação ou compoição granulométrica de um agregado é a ditribuição percentual do eu divero tamanho

Leia mais

Curso de Análise Matricial de Estruturas 1 I - INTRODUÇÃO

Curso de Análise Matricial de Estruturas 1 I - INTRODUÇÃO Curo de Análie Matricial de Etrutura 1 I - INTRODUÇÃO I.1 - Introdução O proceo de um projeto etrutural envolve a determinação de força interna e de ligaçõe e de delocamento de uma etrutura. Eta fae do

Leia mais

Reconhece e aceita a diversidade de situações, gostos e preferências entre os seus colegas.

Reconhece e aceita a diversidade de situações, gostos e preferências entre os seus colegas. Ecola Báic a 2º º e 3º º Ciclo Tema 1 Viver com o outro Tema Conteúdo Competência Actividade Tema 1 Viver com o outro Valore Direito e Devere Noção de valor O valore como referenciai para a acção: - o

Leia mais

PROTEÇÕES COLETIVAS. Modelo de Dimensionamento de um Sistema de Guarda-Corpo

PROTEÇÕES COLETIVAS. Modelo de Dimensionamento de um Sistema de Guarda-Corpo PROTEÇÕES COLETIVAS Modelo de Dimenionamento de um Sitema de Guarda-Corpo PROTEÇÕES COLETIVAS Modelo de Dimenionamento de um Sitema de Guarda-Corpo PROTEÇÕES COLETIVAS Modelo de Dimenionamento de um Sitema

Leia mais

ESTUDO DINÂMICO DA PRESSÃO EM VASOS SEPARADORES VERTICAIS GÁS-LÍQUIDO UTILIZADOS NO PROCESSAMENTO PRIMÁRIO DE PETRÓLEO

ESTUDO DINÂMICO DA PRESSÃO EM VASOS SEPARADORES VERTICAIS GÁS-LÍQUIDO UTILIZADOS NO PROCESSAMENTO PRIMÁRIO DE PETRÓLEO ESTUDO DINÂMICO DA PRESSÃO EM VASOS SEPARADORES VERTICAIS GÁS-LÍQUIDO UTILIZADOS NO PROCESSAMENTO PRIMÁRIO DE PETRÓLEO Thale Cainã do Santo Barbalho 1 ; Álvaro Daniel Tele Pinheiro 2 ; Izabelly Laria Luna

Leia mais

Programa de Formação Técnica Continuada. Categoria de Emprego para Motores CA / CC

Programa de Formação Técnica Continuada. Categoria de Emprego para Motores CA / CC Programa de Formação Técnica Continuada Categoria de Emprego para Motore CA / CC Índice.Introdução.... Chave manuai etrela triângulo.... O motore.... Motore de indução tipo gaiola.... Motore de indução

Leia mais

O CORPO HUMANO E A FÍSICA

O CORPO HUMANO E A FÍSICA 1 a fae Prova para aluno do 9º e 1º ano LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO: 01) Eta prova detina-e excluivamente a aluno do 9 o ano do enino fundamental e 1º ano do enino médio. Ela contém trinta quetõe.

Leia mais

A transformada de Laplace pode ser usada para resolver equações diferencias lineares com coeficientes constantes, ou seja, equações da forma

A transformada de Laplace pode ser usada para resolver equações diferencias lineares com coeficientes constantes, ou seja, equações da forma Introdução A tranformada de Laplace pode er uada para reolver equaçõe diferencia lineare com coeficiente contante, ou eja, equaçõe da forma ay + by + cy = ft), para a, b, c R Para io, a equação diferencial

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CEFET-SP ÁREA INDUSTRIAL Disciplina: Mecânica dos Fluidos Aplicada Exercícios Resolvidos 1 a lista.

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CEFET-SP ÁREA INDUSTRIAL Disciplina: Mecânica dos Fluidos Aplicada Exercícios Resolvidos 1 a lista. ÁREA INDUSTRIAL Diciplina: Mecânica do Fluido Aplicada Exercício Reolvido 1 a lita Profeor: 1 de 7 Data: /03/008 Caruo Em todo o problema, ão upoto conhecido: água =1000kgm 3 e g= 9,80665m 1. Motrar que

Leia mais

s Rede Locais s Shielded Twisted Pair (STP); s Unshielded Twisted Pair (UTP); s Patch Panels; s Cabo Coaxial; s Fibra Óptica;

s Rede Locais s Shielded Twisted Pair (STP); s Unshielded Twisted Pair (UTP); s Patch Panels; s Cabo Coaxial; s Fibra Óptica; Rede de Computadore Rede Locai Shielded Twited Pair (STP); Unhielded Twited Pair (UTP); Patch Panel; Cabo Coaxial; Fibra Óptica; 2 2010 Airton Junior. All right reerved. Rede de Computadore É um conjunto

Leia mais

Um exemplo de Análise de Covariância. Um exemplo de Análise de Covariância (cont.)

Um exemplo de Análise de Covariância. Um exemplo de Análise de Covariância (cont.) Um exemplo de Análie de Covariância A Regreão Linear e a Análie de Variância etudada até aqui, ão cao particulare do Modelo Linear, que inclui também a Análie de Covariância Em qualquer deta trê ituaçõe

Leia mais

CONTROLO DE SISTEMAS. APONTAMENTOS DE MATLAB CONTROL SYSTEM Toolbox. Pedro Dinis Gaspar António Espírito Santo J. A. M.

CONTROLO DE SISTEMAS. APONTAMENTOS DE MATLAB CONTROL SYSTEM Toolbox. Pedro Dinis Gaspar António Espírito Santo J. A. M. UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELECTROMECÂNICA CONTROLO DE SISTEMAS APONTAMENTOS DE MATLAB CONTROL SYSTEM Toolbox Pedro Dini Gapar António Epírito Santo J. A. M. Felippe de Souza

Leia mais

Equações Diferenciais (GMA00112) Resolução de Equações Diferenciais por Séries e Transformada de Laplace

Equações Diferenciais (GMA00112) Resolução de Equações Diferenciais por Séries e Transformada de Laplace Equaçõe Diferenciai GMA Reolução de Equaçõe Diferenciai por Série e Tranformada de Laplace Roberto Tocano Couto tocano@im.uff.br Departamento de Matemática Aplicada Univeridade Federal Fluminene Niterói,

Leia mais

Física 1 Capítulo 7 Dinâmica do Movimento de Rotação Prof. Dr. Cláudio Sérgio Sartori.

Física 1 Capítulo 7 Dinâmica do Movimento de Rotação Prof. Dr. Cláudio Sérgio Sartori. Fíica Capítulo 7 Dinâmica do Movimento de Rotação Prof. Dr. Cláudio Sérgio Sartori. Introdução: Ao uarmo uma chave de roda para retirar o parafuo para trocar o pneu de um automóvel, a roda inteira pode

Leia mais

6.2.1 Prescrições gerais

6.2.1 Prescrições gerais CAPÍTULO 6.2 PRESCRIÇÕES RELATIVAS AO FABRICO E AOS ENSAIOS SOBRE OS RECIPIENTES SOB PRESSÃO, AEROSSÓIS, RECIPIENTES DE BAIXA CAPACIDADE CONTENDO GÁS (CARTUCHOS DE GÁS) E CARTUCHOS DE PILHAS DE COMBUSTÍVEL

Leia mais

UMA ABORDAGEM GLOBAL PARA O PROBLEMA DE CARREGAMENTO NO TRANSPORTE DE CARGA FRACIONADA

UMA ABORDAGEM GLOBAL PARA O PROBLEMA DE CARREGAMENTO NO TRANSPORTE DE CARGA FRACIONADA UMA ABORDAGEM GLOBAL PARA O PROBLEMA DE CARREGAMENTO NO TRANSPORTE DE CARGA FRACIONADA Benjamin Mariotti Feldmann Mie Yu Hong Chiang Marco Antonio Brinati Univeridade de São Paulo Ecola Politécnica da

Leia mais

Associação de Professores de Matemática PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DO EXAME DE MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS SOCIAIS (PROVA 835) 2013 2ªFASE

Associação de Professores de Matemática PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DO EXAME DE MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS SOCIAIS (PROVA 835) 2013 2ªFASE Aociação de Profeore de Matemática Contacto: Rua Dr. João Couto, n.º 7-A 1500-36 Liboa Tel.: +351 1 716 36 90 / 1 711 03 77 Fax: +351 1 716 64 4 http://www.apm.pt email: geral@apm.pt PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

Leia mais

EFEITOS DO COEFICIENTE DE POISSON E ANÁLISE DE ERRO DE TENSÕES EM TECTÔNICA DE SAL

EFEITOS DO COEFICIENTE DE POISSON E ANÁLISE DE ERRO DE TENSÕES EM TECTÔNICA DE SAL Copright 004, Intituto Braileiro de Petróleo e Gá - IBP Ete Trabalho Técnico Científico foi preparado para apreentação no 3 Congreo Braileiro de P&D em Petróleo e Gá, a er realizado no período de a 5 de

Leia mais

Digifort Standard Solução intermediária para instalação de até 32 câmeras

Digifort Standard Solução intermediária para instalação de até 32 câmeras Digifort Standard Solução intermediária para intalação de até 32 câmera A verão Standard fornece o recuro ideai para o monitoramento local e remoto de até 32 câmera por ervidor e por er a verão intermediária

Leia mais

Observação: CURSOS MICROSOFT

Observação: CURSOS MICROSOFT Obervação: O material utilizado nete curo é de propriedade e ditribuição da emprea Microoft, podendo er utilizado por qualquer peoa no formato de ditribuição WEB e leitura em PDF conforme decrito na lei

Leia mais

Capítulo I Tensões. Seja um corpo sob a ação de esforços externos em equilíbrio, como mostra a figura I-1:

Capítulo I Tensões. Seja um corpo sob a ação de esforços externos em equilíbrio, como mostra a figura I-1: apítuo I Seja um corpo ob a ação de eforço externo em equiíbrio, como motra a figura I-1: Figura I-3 Eforço que atuam na eção para equiibrar o corpo Tome-e, agora, uma pequena área que contém o ponto,

Leia mais

PROCEDIMENTO DE MERCADO AM.04 Cálculo de Votos e Contribuição

PROCEDIMENTO DE MERCADO AM.04 Cálculo de Votos e Contribuição PROCEDIMENTO DE MERCADO AM.04 Cálculo de Voto e Contribuição Reponável pelo PM: Acompanhamento do Mercado CONTROLE DE ALTERAÇÕES Verão Data Decrição da Alteração Elaborada por Aprovada por PM AM.04 - Cálculo

Leia mais

Figura 3.1 - Curva granulométrica por peneiramento e sedimentação de uma amostra de solo residual (Minas de calcáreo Caçapava do Sul)

Figura 3.1 - Curva granulométrica por peneiramento e sedimentação de uma amostra de solo residual (Minas de calcáreo Caçapava do Sul) Nota de Aula - Mecânica do Solo 23 UNIDADE 3 GRANULOMETRIA DOS SOLOS 3.1 Introdução Todo o olo, em ua fae ólida, contêm partícula de diferente tamanho em proporçõe a mai variada. A determinação do tamanho

Leia mais

XLVI Pesquisa Operacional na Gestão da Segurança Pública

XLVI Pesquisa Operacional na Gestão da Segurança Pública PROBLEMA DE CORTE UNIDIMENSIONAL COM SOBRAS APROVEITÁVEIS: RESOLUÇÃO DE UM MODELO MATEMÁTICO Adriana Cherri Departamento de Matemática, Faculdade de Ciência, UNESP, Bauru adriana@fc.unep.br Karen Rocha

Leia mais

Apresentação de Motores Elétricos Trifásicos ABNT

Apresentação de Motores Elétricos Trifásicos ABNT Apreentação de Motore Elétrico Trifáico ABNT Apreentação de Motore Elétrico Apreentação de Motore Elétrico Caixa de Ligação Olhal para Prena-cabo Ventilador Rolamento de Efera Chaveta Ponta de Eixo Tampa

Leia mais

Resolução de Equações Diferenciais Ordinárias por Série de Potências e Transformada de Laplace

Resolução de Equações Diferenciais Ordinárias por Série de Potências e Transformada de Laplace Reolução de Equaçõe Diferenciai Ordinária por Série de Potência e Tranformada de Laplace Roberto Tocano Couto rtocano@id.uff.br Departamento de Matemática Aplicada Univeridade Federal Fluminene Niterói,

Leia mais

Resistência dos Materiais SUMÁRIO 1. TENSÕES DE CISALHAMENTO... 1 1.1 DIMENSIONAMENTO... 2 1.2 EXEMPLOS... 2

Resistência dos Materiais SUMÁRIO 1. TENSÕES DE CISALHAMENTO... 1 1.1 DIMENSIONAMENTO... 2 1.2 EXEMPLOS... 2 Reitência do Materiai SUMÁRIO 1. TESÕES DE CISLHMETO... 1 1.1 DIMESIOMETO... 1. EXEMPLOS... Cialhamento 0 Prof. Joé Carlo Morilla Reitência do Materiai 1. Tenõe de Cialhamento Quando dua força cortante

Leia mais

Avaliação de Ações. Mercado de Capitais. Luiz Brandão. Ações. Mercado de Ações

Avaliação de Ações. Mercado de Capitais. Luiz Brandão. Ações. Mercado de Ações Mercado de Capitai Avaliação de Açõe Luiz Brandão O título negociado no mercado podem de renda fixa ou de renda variável. Título de Renda Fixa: Conhece-e de antemão qual a remuneração a er recebida. odem

Leia mais

Lider. ança. para criar e gerir conhecimento. }A liderança é um fator essencial para se alcançar o sucesso também na gestão do conhecimento.

Lider. ança. para criar e gerir conhecimento. }A liderança é um fator essencial para se alcançar o sucesso também na gestão do conhecimento. Liderança para criar e gerir conhecimento Lider ança para criar e gerir conhecimento }A liderança é um fator eencial para e alcançar o uceo também na getão do conhecimento.~ 48 R e v i t a d a ES P M janeiro

Leia mais

Palavras-chave:Algoritmo Genético; Carregamento de Contêiner; Otimização Combinatória.

Palavras-chave:Algoritmo Genético; Carregamento de Contêiner; Otimização Combinatória. Reolução do Problema de Carregamento e Decarregamento 3D de Contêinere em Terminai Portuário para Múltiplo Cenário via Repreentação por Regra e Algoritmo Genético Aníbal Tavare de Azevedo (UNICAMP) anibal.azevedo@fca.unicamp.br

Leia mais

METODOLOGIA DE PROJETO DE FILTROS DE SEGUNDA ORDEM PARA INVERSORES DE TENSÃO COM MODULAÇÃO PWM DIGITAL

METODOLOGIA DE PROJETO DE FILTROS DE SEGUNDA ORDEM PARA INVERSORES DE TENSÃO COM MODULAÇÃO PWM DIGITAL METODOLOGIA DE PROJETO DE FILTROS DE SEGUNDA ORDEM PARA INVERSORES DE TENSÃO COM MODULAÇÃO PWM DIGITAL Leandro Michel * Robinon F. de Camargo * michel@ieee.org robinonfc@bol.com.br Fernando Botterón *

Leia mais

Digifort Enterprise A mais completa solução Digifort para monitoramento de câmeras e alarmes.

Digifort Enterprise A mais completa solução Digifort para monitoramento de câmeras e alarmes. Digifort Enterprie A mai completa olução Digifort para monitoramento de câmera e alarme. A verão Enterprie é o pacote que compreende todo o recuro diponívei para o Sitema Digifort, oferecendo total gerenciamento

Leia mais

Laboratório de Sistemas e Sinais Equações Diferenciais

Laboratório de Sistemas e Sinais Equações Diferenciais Laboratório e Sitema e Sinai Equaçõe Diferenciai Luí Cala e Oliveira Abril 2009 O objectivo ete trabalho e laboratório é o e realizar experiência com moelo e itema em tempo contínuo ecrito por equaçõe

Leia mais

Cap. 8 - Controlador P-I-D

Cap. 8 - Controlador P-I-D CONTROLADOR ID Metrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Comptadore (MEEC) Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Comptadore (DEEC) CONTROLO º emetre 7/8 Tranparência de apoio à ala teórica

Leia mais

Palavras-chave: Tubo Evaporador; Modelo de Drift Flux; Escoamento Bifásico, Simulação Numérica. 1. INTRODUÇÃO

Palavras-chave: Tubo Evaporador; Modelo de Drift Flux; Escoamento Bifásico, Simulação Numérica. 1. INTRODUÇÃO IN 1984-818 Reolução da Equaçõe de Conervação da Maa, Eneria e Momento em Termo de Preão, Título Máico e Fração de Vazio para um Tubo Evaporador Utilizando o Modelo de Drit Flux Luí Henrique Gazeta de

Leia mais

Enterprise Quality Management [EQM] Excelência em Gestão da Qualidade

Enterprise Quality Management [EQM] Excelência em Gestão da Qualidade Enterprie Quality Management [EQM] Excelência em Getão da Qualidade A Getão da Qualidade Total, do inglê Total Quality Management - TQM é uma etratégia de adminitração completa que tem como objetivo principal

Leia mais

Digifort Professional A solução ideal para empresas que necessitam o gerenciamento de até 64 câmeras

Digifort Professional A solução ideal para empresas que necessitam o gerenciamento de até 64 câmeras Digifort Profeional A olução ideal para emprea que neceitam o gerenciamento de até 64 câmera A verão Profeional fornece o melhore recuro para o monitoramento local e remoto de até 64 câmera por ervidor,

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DOS PARÂMETROS ELÉTRICOS DE UM MOTOR DE CORRENTE ALTERNADA

IDENTIFICAÇÃO DOS PARÂMETROS ELÉTRICOS DE UM MOTOR DE CORRENTE ALTERNADA Anai do 12 O Encontro de Iniciação Científica e Pó-Graduação do ITA XII ENCITA / 26 Intituto Tecnológico de Aeronáutica São Joé do Campo SP Brail Outubro 16 a 19 26 IDENTIFICAÇÃO DOS PARÂMETROS ELÉTRICOS

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO MUNICIPAL EDITAL N.º 001/2007

CONCURSO PÚBLICO MUNICIPAL EDITAL N.º 001/2007 CONCURSO PÚBLICO MUNICIPAL EDITAL N.º 001/2007 A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE INHAMBUPE, Etado da Bahia, no uo de ua atribuiçõe legai, mediante a condiçõe etipulada nete Edital, repaldada no art. 37, II da

Leia mais

Resolução Física. Atividades 2. FM.09 1. e Após abandonar a mão do jogador, a bola só sofre a ação exclusiva da força peso. FM.10 1.

Resolução Física. Atividades 2. FM.09 1. e Após abandonar a mão do jogador, a bola só sofre a ação exclusiva da força peso. FM.10 1. eolução Fíica FM.09. e pó abandonar a mão do jogador, a bola ó ofre a ação excluia da força peo.. c Como a força formam 90 entre i e têm o memo módulo (), temo: F Como ele dece em MU, a força reultante

Leia mais

TRANSMISSÃO DE CALOR II. Prof. Eduardo C. M. Loureiro, DSc.

TRANSMISSÃO DE CALOR II. Prof. Eduardo C. M. Loureiro, DSc. TRANSMISSÃO DE CAOR II Prof. Eduardo C. M. oureiro, DSc. MECANISMOS FÍSICOS T T at A condenação ocorre quando a temperatura de um vapor é reduzida a vaore inferiore ao de ua temperatura de aturação. Em

Leia mais

5. Resolva o problema 4 sabaendo que há atrito entre as rodinhas do armário e o chão e o coeficiente de atrito cinético vale k = 0.25.

5. Resolva o problema 4 sabaendo que há atrito entre as rodinhas do armário e o chão e o coeficiente de atrito cinético vale k = 0.25. Dinâica do Sólido Tranlação de Sólido Centro de aa e Moento Angular ATIVIDADE 1 0 Bietre 1. A epilhadeira otrado pea W = 50 lb e é uado para levantar u caixote de peo 500 lb. A epilhadeira etá ovendo-e

Leia mais

Índice 01. FC Series Falcon Components FC 260 M 5" MID BASS FC 260 M 6" MID BASS FC 260 Q 5" QUADRIAXIAL FC 260 Q 6" QUADRIAXIAL

Índice 01. FC Series Falcon Components FC 260 M 5 MID BASS FC 260 M 6 MID BASS FC 260 Q 5 QUADRIAXIAL FC 260 Q 6 QUADRIAXIAL Índice 01 FC Series Falcon Components FC 260 M 5" MID BASS FC 260 M 6" MID BASS FC 260 Q 5" QUADRIAXIAL FC 260 Q 6" QUADRIAXIAL FC 160 Q 5" QUADRIAXIAL FC 160 Q 6" QUADRIAXIAL FC 6910 Q 6X9" QUADRIAXIAL

Leia mais

Inclusão Social dos Jovens nos Assentamentos Rurais de Areia com ênfase no trabalho da Tutoria e recursos das novas TIC s

Inclusão Social dos Jovens nos Assentamentos Rurais de Areia com ênfase no trabalho da Tutoria e recursos das novas TIC s Incluão Social do Joven no Aentamento Rurai de Areia com ênfae no trabalho da Tutoria e recuro da nova TIC MIRANDA 1, Márcia C.V.; SILVA 2, Fátima do S.; FÉLIX 3, Jânio 1 Profeora orientadora e coordenadora

Leia mais

Competências/ Objetivos Especifica(o)s

Competências/ Objetivos Especifica(o)s Tema B- Terra em Tranformação Nº previta Materiai Contituição do mundo material Relacionar apecto do quotidiano com a Química. Reconhecer que é enorme a variedade de materiai que no rodeiam. Identificar

Leia mais

Tensão Induzida por Fluxo Magnético Transformador

Tensão Induzida por Fluxo Magnético Transformador defi deartamento de fíica Laboratório de Fíica www.defi.ie.i.t Tenão Induzida or Fluxo Magnético Tranformador Intituto Suerior de Engenharia do Porto- Deartamento de Fíica Rua Dr. António Bernardino de

Leia mais

31.1 Treliça de Mörsch

31.1 Treliça de Mörsch Univeridade Católica de Goiá - Departamento de Engenharia Etrutura de Concreto Armado I - Nota de Aula conteúdo 31 cialhamento 31.1 Treliça de Mörch O comportamento de peça fletida (fiurada) de concreto

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS PROCEDIMENTOS DE AMOSTRAGEM CASUAL SIMPLES E AMOSTRAGEM SISTEMÁTICA

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS PROCEDIMENTOS DE AMOSTRAGEM CASUAL SIMPLES E AMOSTRAGEM SISTEMÁTICA Etudo comparativo entre o procedimento de amotragem... 67 ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS PROCEDIMENTOS DE AMOSTRAGEM CASUAL SIMPLES E AMOSTRAGEM SISTEMÁTICA EM INVENTÁRIOS DE ARBORIZAÇÃO URBANA Comparative

Leia mais

INFLUÊNCIA DA IMPEDÂNCIA DO ALTO-FALANTE NA POTÊNCIA DO AMPLIFICADOR.

INFLUÊNCIA DA IMPEDÂNCIA DO ALTO-FALANTE NA POTÊNCIA DO AMPLIFICADOR. INFLUÊNCIA DA IMPEDÂNCIA DO ALTO-FALANTE NA POTÊNCIA DO AMPLIFICADOR. A maneira como utilizamos os alto-falantes pode implicar em ganhos ou perdas de potência de um amplificador. Um ganho de potência pode

Leia mais

1. Introdução... 1. 1.1 Âmbito... 1 1.2 Motivação... 2 1.3 Objectivo... 3 1.4 Organização... 3. 2. O Motor de Indução Trifásico...

1. Introdução... 1. 1.1 Âmbito... 1 1.2 Motivação... 2 1.3 Objectivo... 3 1.4 Organização... 3. 2. O Motor de Indução Trifásico... Indice Índice Pág. 1. Introdução... 1 1.1 Âmbito... 1 1. Motivação... 1.3 Objectivo... 3 1.4 Organização... 3. O Motor de Indução Trifáico... 5.1 Parâmetro que Caracterizam o eu Funcionamento... 5. Modelo

Leia mais

Um Modelo de Encaminhamento Hierárquico Multi-Objectivo em Redes MPLS, com Duas Classes de Serviço

Um Modelo de Encaminhamento Hierárquico Multi-Objectivo em Redes MPLS, com Duas Classes de Serviço Um Modelo de Encaminhamento Hierárquico Multi-Objectivo em Rede MPLS, com Dua Clae de Serviço Rita Girão Silva a,c (Tee de Doutoramento realizada ob upervião de Profeor Doutor Joé Craveirinha a,c e Profeor

Leia mais

ANÁLISE LINEAR COM REDISTRIBUIÇÃO E ANÁLISE PLÁSTICA DE VIGAS DE EDIFÍCIOS

ANÁLISE LINEAR COM REDISTRIBUIÇÃO E ANÁLISE PLÁSTICA DE VIGAS DE EDIFÍCIOS Anai do 47º Congreo Braileiro do Concreto - CBC005 Setembro / 005 ISBN 85-98576-07-7 Volume XII - Projeto de Etrutura de Concreto Trabalho 47CBC06 - p. XII7-85 005 IBRACON. ANÁLISE LINEAR COM REDISTRIBUIÇÃO

Leia mais

Imposto de Renda Pessoa Física

Imposto de Renda Pessoa Física Impoto de Renda Peoa Fíica 2006 Manual de Preenchimento Declaração de Ajute Anual Modelo Completo - Ano-calendário de 2005 Receita Federal Minitério da Fazenda GOVERNO FEDERAL Índice PÁG. ENTREGA DA DECLARAÇÃO

Leia mais

Simplified method for calculation of solid slabs supported on flexible beams: validation through the non-linear analysis

Simplified method for calculation of solid slabs supported on flexible beams: validation through the non-linear analysis Teoria e Prática na Engenharia Civil, n.14, p.71-81, Outubro, 2009 Método implificado para cálculo de laje maciça apoiada em viga fleívei: validação por meio da análie não linear Simplified method for

Leia mais

P U C R S PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ENGENHARIA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CONCRETO ARMADO II FORÇA CORTANTE

P U C R S PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ENGENHARIA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CONCRETO ARMADO II FORÇA CORTANTE P U C R S PONTIFÍCI UNIERSIDDE CTÓLIC DO RIO GRNDE DO SUL FCULDDE DE ENGENHRI CURSO DE ENGENHRI CIIL CONCRETO RMDO II FORÇ CORTNTE Pro. lmir Schäer PORTO LEGRE MRÇO DE 006 1 FORÇ CORTNTE 1- Notaçõe principai

Leia mais

Vicente Leite (1), Henrique Teixeira (1), Rui Araújo (2), Diamantino Freitas (2) Resumo

Vicente Leite (1), Henrique Teixeira (1), Rui Araújo (2), Diamantino Freitas (2) Resumo Sitema Electrónico de Condicionamento e Proceamento, em Tempo Real, da Tenõe e Corrente do Motor de Indução Trifáico Alimentado por Converore de Frequência Vicente Leite (1), Henrique Teieira (1), Rui

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO PIAUÍ COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO PIAUÍ COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO 1 EDITAL CONVITE Nº 009/2011-CPL/GPDP Proceo Adminitrativo nº 0221/2011 -CPL/GDPG A, atravé da Comião Permanente de Licitação, intituída pela Portaria nº 383/2011-GDPG, datada de 08/07/2011, da Exma. Sra.

Leia mais

CRECHE COMUNITARIA PINGO DE GENTE AV.Senador Levindo Coelho 130 Tirol CEP.30662-290 CNPJ: 21508312.0001/80

CRECHE COMUNITARIA PINGO DE GENTE AV.Senador Levindo Coelho 130 Tirol CEP.30662-290 CNPJ: 21508312.0001/80 ORGANIZAÇÃO PROPONENTE: CRECHE COMUNITARIA PINGO DE GENTE PROJETO : CUIDANDO EDUCANDO E CONSTRUINDO CIDADÃOS DO FUTURO. LINHA PROGRAMÁTICA DO PROJETO Creche, Educação Infantil, Socialização,Garantia de

Leia mais

3 Fuga de cérebros e investimentos em capital humano na economia de origem uma investigação empírica do brain effect 3.1.

3 Fuga de cérebros e investimentos em capital humano na economia de origem uma investigação empírica do brain effect 3.1. 3 Fuga de cérebro e invetimento em capital humano na economia de origem uma invetigação empírica do brain effect 3.1. Introdução Uma da vertente da literatura econômica que etuda imigração eteve empre

Leia mais

Caixas Band Pass Em Regime De Potência

Caixas Band Pass Em Regime De Potência Caixas Band Pass Em Regime De Potência Homero Sette Silva, Eng. Rosalfonso Bortoni, MSc UNIVERSIDADE FEDERAL ELETRÔNICA SELENIUM S.A. DE SANTA CATARINA Quatro caixas acústicas para subgraves (três do tipo

Leia mais

No campo da eletrcidade podemos sintetizar 03 elementos fundamentais passivos e são eles: resisores, capacitores e indutores.

No campo da eletrcidade podemos sintetizar 03 elementos fundamentais passivos e são eles: resisores, capacitores e indutores. SIMULAÇÃO MODELAGEM DE SISTEMAS POR LAPLACE Pro. Luí Calda Simulação de Proceo em Eng. de Materiai Diiciplina - MR070 A modelagem matemática de um itema é empre uma tarea muito complexa para o engenheiro

Leia mais

A PRODUÇÃO DE SENTIDOS NOS CAMINHOS DO HIPERTEXTO THE PRODUCTION OF SENSE IN THE HYPERTEXT WAY

A PRODUÇÃO DE SENTIDOS NOS CAMINHOS DO HIPERTEXTO THE PRODUCTION OF SENSE IN THE HYPERTEXT WAY 27 A PRODUÇÃO DE SENTIDOS NOS CAMINHOS DO HIPERTEXTO THE PRODUCTION OF SENSE IN THE HYPERTEXT WAY 1 RESUMO: A tecnologia da informação e comunicação - TIC ampliam o epaço para comunicação e interação na

Leia mais

Universidade Presbiteriana Mackenzie. Automação e Controle I

Universidade Presbiteriana Mackenzie. Automação e Controle I Univeridade Prebiteriana Mackenzie Curo de Engenharia Elétrica Automação e Controle I Nota de Aula Prof. Marcio Eiencraft Segundo emetre de 006 Univeridade Prebiteriana Mackenzie Curo de Engenharia Elétrica

Leia mais

Programa de Formação Técnica Continuada. Proteção contra descargas Atmosféricas

Programa de Formação Técnica Continuada. Proteção contra descargas Atmosféricas Programa de Formação Técnica Continuada Proteção contra decarga Atmoférica 1. Origem e formação da decarga atmoférica...2 Índice 2. O parâmetro do Raio...4 3. Claificação da intalaçõe...4 4. Técnica de

Leia mais

λ =? 300 m/ n = 3ventres nv = 3.300 = 2.6 2.6

λ =? 300 m/ n = 3ventres nv = 3.300 = 2.6 2.6 PROVA DE ÍSICA º ANO - 3ª MENSAL - 3º TRIMESTRE TIPO A 01) E relação ao que oi etudado obre ondulatória, ainale V (erdadeiro) ou (alo). (V) A elocidade de ua onda é igual ao produto do copriento de onda

Leia mais

Apostila de SINAIS E SISTEMAS

Apostila de SINAIS E SISTEMAS Apotila de SINAIS E SISTEMAS Álvaro Luiz Stelle (PhD) DAELN CPGEI CEFET PR Março de 5 I PREFÁCIO Eta apotila tem como objetivo dar ao leitor um embaamento teórico da Tranformada de Laplace, de Fourier

Leia mais

Aula 4 Modelagem de sistemas no domínio da frequência Prof. Marcio Kimpara

Aula 4 Modelagem de sistemas no domínio da frequência Prof. Marcio Kimpara FUDAMETOS DE COTROLE E AUTOMAÇÃO Aula 4 Modelagem de itema no domínio da requência Pro. Marcio impara Unieridade Federal de Mato Groo do Sul Sitema mecânico tranlação Elemento Força deloc. tempo Laplace

Leia mais

Física Básica: Mecânica - H. Moysés Nussenzveig, 4.ed, 2003 Problemas do Capítulo 2

Física Básica: Mecânica - H. Moysés Nussenzveig, 4.ed, 2003 Problemas do Capítulo 2 Fíica Báica: Mecânica - H. Moyé Nuenzveig, 4.ed, 003 Problea do Capítulo por Abraha Moyé Cohen Departaento de Fíica - UFAM Manau, AM, Brail - 004 Problea Na célebre corrida entre a lebre e a tartaruga,

Leia mais

Afetação de recursos, produtividade e crescimento em Portugal 1

Afetação de recursos, produtividade e crescimento em Portugal 1 Artigo 65 Afetação de recuro, produtividade e crecimento em Portugal 1 Daniel A. Dia 2 Carlo Robalo Marque 3 Chritine Richmond 4 Reumo No período 1996 a 2011 ocorreu uma acentuada deterioração na afetação

Leia mais

Considere as seguintes expressões que foram mostradas anteriormente:

Considere as seguintes expressões que foram mostradas anteriormente: Demontração de que a linha neutra paa pelo centro de gravidade Foi mencionado anteriormente que, no cao da flexão imple (em eforço normal), a linha neutra (linha com valore nulo de tenõe normai σ x ) paa

Leia mais

SERIES MANUAL TÉCNICO M112D

SERIES MANUAL TÉCNICO M112D SERIES MANUAL TÉCNICO M112D High Power Stage Monitor Dimensões: Peso: Construção: Acabamento: Tela de proteção: Conexão de áudio: Conexão de AC: 382mm x 485mm x 660mm (AxLxP) 36kg MadeFibra Poliéster preto

Leia mais

Pescando direitos. Medidas Provisórias nºs 664 e 665 de 30 dezembro de 2014. Sobre as MP's 664 e 665 de 2014:

Pescando direitos. Medidas Provisórias nºs 664 e 665 de 30 dezembro de 2014. Sobre as MP's 664 e 665 de 2014: Pecando direito Boletim Jurídico do CPP/ Abril de 2015. 1ª edição. Medida Proviória nº 664 e 665 de 30 dezembro de 2014. Sobre a MP' 664 e 665 de 2014: Em 30 dezembro de 2014 foram promulgada a Medida

Leia mais