Formação docente e inovação tecnológica para o ensino-aprendizagem de Português como Língua Estrangeira (PLE) PROPOSTA DO PROJETO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Formação docente e inovação tecnológica para o ensino-aprendizagem de Português como Língua Estrangeira (PLE) PROPOSTA DO PROJETO"

Transcrição

1 Formação docente e inovação tecnológica para o ensino-aprendizagem de Português como Língua Estrangeira (PLE) PROPOSTA DO PROJETO O decênio foi declarado pelas Nações Unidas como a Década da Educação para o Desenvolvimento Sustentável, iniciativa ambiciosa e complexa, cujo objetivo global consiste em integrar os valores inerentes ao desenvolvimento sustentável nas diferentes formas de aprendizagem, de modo a fomentar as transformações necessárias para uma sociedade mais justa para todos. Devido às novas conjunturas políticas, econômicas e sociais, a importância da língua portuguesa no mundo aumentou substancialmente, e seu estatuto como língua estrangeira vem sendo, a cada dia, mais reforçado. Igualmente, a consolidação de significativas mutações geopolíticas na Europa, na América e na África Austral, teve particular repercussão no domínio da utilização das línguas. De acordo com a Ethnologue 1, o Português é a sexta língua materna mais falada no mundo, com de falantes, depois do Chinês (Mandarim), com , o Hindi, com , o Espanhol, com , o Inglês, com , e o Bengali, com Na perspectiva de difusão mundial do Português, formaram-se comunidades, associações e institutos voltados à promoção dessa língua. Em 17 de julho de 1996, em Lisboa, instituiu-se a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), constituída pelos Estados-membros: Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal e São Tomé e Príncipe. Seis anos mais tarde, em 20 de maio de 2002, com a conquista de sua independência, Timor-Leste tornou-se o oitavo país membro da CPLP. Além de voltar-se para o fator político-diplomático dos Estados-membros e para a cooperação em todos os domínios, inclusive os da educação, saúde, ciência e tecnologia, defesa, agricultura, justiça, cultura, desporto e comunicação social, a CPLP tem como objetivo a realização de projetos de promoção e difusão da língua portuguesa. Para 1 Ethnologue, Languages of the World. 14ª edição, 2000.

2 cumprir esse propósito, essa Comunidade conta com um órgão adicional, o Instituto Internacional da Língua Portuguesa (IILP). O IILP mantém acordo com a Associação das Universidades de Língua Portuguesa (AULP), da qual são membros titulares muitas universidades dos Estadosmembros da CPLP, dentre as quais a Universidade Federal de Sergipe (UFS). Em 1992, durante o II Congresso Brasileiro de Lingüística Aplicada, realizado na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) foi criada a Sociedade Internacional de Português-Língua Estrangeira (SIPLE). O objetivo dessa sociedade é congregar professores e pesquisadores, do Brasil e do exterior, que atuam na área de ensino/aprendizagem de português para falantes de outras línguas, para o desenvolvimento de atividades e iniciativas de cunho acadêmico e sócio-político, possibilitando, com isso, contribuir para consolidar a institucionalização da área e para promover a produção e divulgação de conhecimento, bem como o intercâmbio de experiências no ensino/aprendizagem de português em contextos de segunda língua ou de língua estrangeira. Em novembro de 2005, o Brasil e a Argentina firmaram protocolo para promoção do ensino do espanhol e do português como segundas línguas. Tal protocolo decorre das ações do Mercado Comum do Sul (MERCOSUL). Foi assinado, também, em 4 de julho de 2006, o Protocolo de Adesão da República Bolivariana da Venezuela ao Mercosul, que levou o governo venezuelano a incluir o ensino da língua portuguesa no ensino oficial, a partir do ano de 2010, o que proporcionará um significativo aumento na contratação de professores de português como segunda língua nesse país. Igualmente, no Uruguai, o ensino do português será oficializado nas escolas públicas, em 2010, segundo declaração oficial da atual ministra da Educação e Cultura, Maria Simón. Com relação às discussões e ações efetivas no âmbito da política lingüística, foi fundado em 1999, o Instituto de Investigação e Desenvolvimento em Política Lingüística (IPOL), sociedade civil de direito privado, sem fins lucrativos, de caráter cultural e educacional, com sede em Florianópolis, Santa Catarina, sendo constituída por profissionais de diversas áreas do conhecimento para realização de projetos de interesse político-linguístico em sentido amplo. Dois de seus principais objetivos

3 consistem em refletir e agir sobre as políticas lingüísticas no/do Mercosul, e refletir e agir sobre as políticas lingüísticas na/da Lusofonia. Em dezembro de 1991, com a assinatura do protocolo de intenções por parte dos ministros da Educação, criou-se o Setor Educacional do MERCOSUL (SEM). Esse setor é uma instância onde se concentram políticas que integram a educação aos processos econômicos, sociais e políticos necessários para o desenvolvimento das pessoas e das sociedades. No Plano do Setor Educativo do MERCOSUL , a educação é concebida como estratégia para o desenvolvimento da integração econômica e cultural dos Estados Partes do MERCOSUL. Dentre os objetivos do Plano do SEM , destaca-se o primeiro, no qual está prevista a integração regional pelo acordo e execução de políticas educativas que promovam uma cidadania regional, uma cultura de paz e o respeito à democracia, aos direitos humanos e ao meio ambiente. As estratégias para execução desse objetivo são: a promoção de uma consciência cidadã favorável ao processo de integração regional; fomento de programas culturais, lingüísticos e educativos que contribuam para a construção de uma identidade regional, e fortaleçam as zonas de fronteira; desenvolvimento de programas de formação e reflexão em torno da cultura de paz, do respeito à democracia, dos direitos humanos e do meio ambiente; e, promoção e difusão dos idiomas oficiais do MERCOSUL. No tocante à promoção e difusão das línguas oficiais do MERCOSUL, espanhol e português, o Plano prevê, até 2010, o funcionamento de planos e programas de formação de professores de português e espanhol como segundas línguas em cada país dos Estados-membros, bem como a incorporação de programas de ensino de português e espanhol como segundas línguas aos sistemas educativos dos países do MERCOSUL, com vistas à inserção nos currículos. Frente ao rol de ações existentes para difusão e promoção da língua portuguesa, e à crescente demanda internacional para a formação docente em PLE, este projeto apresenta quatro objetivos, a saber:

4 1. articular políticas de línguas 2 e educacionais como suportes para a configuração geopolítica da variedade brasileira da língua portuguesa como língua estrangeira, ou segunda língua, nos sistemas educacionais da Educação Básica dos Estados Partes do MERCOSUL 3 ; 2. desenvolver pesquisas voltadas ao ensino-aprendizagem do português como língua estrangeira, ou segunda língua, para fins de ensino-aprendizagem de Português para estrangeiros residentes no Brasil, sobretudo os hispano-falantes provenientes dos países integrantes do MERCOSUL; 3. formar recursos humanos, no âmbito da docência em PLE, em nível superior; 4. produzir material tecnológico da área, para fins didáticos: dicionário e minidicionário de equivalência entre português e espanhol, em versão impressa e eletrônica. FUNDAMENTAÇÃO DOS OBJETIVOS O pressuposto de que o aspecto político medeia as relações entre línguas e regula o seu estatuto como línguas oficiais aparatadas pelo Estado orienta os procedimentos teórico-metodológicos a serem utilizados na realização do primeiro objetivo deste projeto. Sob uma perspectiva discursiva, busca-se discutir e analisar a questão do bilingüismo presente nas propostas do MERCOSUL, no âmbito do SEM, cujo propósito é a construção da integração econômica e cultural dos países do MERCOSUL, por meio de políticas educativas que promovam a cidadania regional. A ampliação da consciência cidadã aos domínios territoriais dos países sul-americanos pertencentes ao MERCOSUL implica questões de natureza interculturais que visem à construção de uma proximidade sócio-cultural entre países desse continente. Nesse caso, o uso das línguas oficiais, português e espanhol, denominadas por Silveira (1998), como línguas de interface cultural, ganham relevo no cenário político-econômico e cultural dos países sulamericanos. Diante dessa realidade, busca-se verificar a articulação das políticas de línguas e educacionais voltadas para a utilização da variedade brasileira da língua portuguesa em documentos oficiais do MERCOSUL, em programas e planos de ensino da Educação Básica, em manuais didáticos e em dicionários bilíngües português- 2 De acordo com Eni Orlandi (2007), a língua é um corpo simbólico-político que faz parte das relações entre sujeitos na sua vida social e histórica. 3 Há autores que diferenciam LE e L2. Neste projeto, não diferenciamos.

5 espanhol, com vistas a configurar a planificação geopolítica para difusão do ensinoaprendizagem do português como língua estrangeira, ou segunda língua, na variedade brasileira. Segundo Lacoste (2005), a abordagem geopolítica de uma língua não se limita a examinar no mapa o alcance de sua extensão e seus limites com outras línguas, a constatar a coincidência (ou a não-coincidência) com as fronteiras desse ou daquele Estado. (LACOSTE, 2005). Com efeito, essa abordagem analisa e interpreta as rivalidades dos poderes das políticas públicas sobre territórios. Na época colonial, a difusão de uma língua em determinados territórios em detrimento das línguas que até então eram faladas ali traduz rivalidades de poderes nesses territórios. Foi o que ocorreu na construção dos Estadosnação, com a propagação da língua nacional do colonizador como língua oficial das colônias. No Brasil, por exemplo, a institucionalização da língua portuguesa é um relevante fato histórico que atesta o papel da geopolítica, por meio da promulgação de várias leis da Corte Portuguesa, dentre as quais a do Diretório de Pombal, em 1757, que impunha o uso e o ensino da língua do Príncipe aos índios do Estado do Grão-Pará e Maranhão. Segundo Turazza e Corrêa (2008), esse processo histórico evidencia que a implantação da língua portuguesa, ou língua do Príncipe, na colônia brasileira, deu-se pela via escolar. Observa-se, no entanto, que o uso de um mesmo sistema lingüístico em diferentes territórios pode sofrer alterações fonéticas, morfossintáticas e semânticas. É o que se observa no uso da língua portuguesa em território brasileiro, cujas variações em relação ao português usado em Portugal são relevantes. A variedade, contudo, demora a se instalar no corpo de uma língua, de tal sorte que, para que isso ocorra, supõem-se o espaço e o tempo como duas categorias sociais de total importância nesse processo. O espaço, nesse caso, é o território concebido como ator e não apenas como um palco, isto é, o território no seu papel ativo (SANTOS & SILVEIRA, 2001), e o tempo uma condição necessária para a realização das ações. Entretanto a formação de uma língua comum, ou coiné (MELO, 1946) normalmente se explica como um dialeto que teve hegemonia política e, tornado oficial, passou a ser imposto a todas as regiões sujeitas à mesma soberania. A expressão concreta dessa língua é a escrita, daí a importância do papel da escola, cuja tradição é o ensino da escrita.

6 No tocante à escrita, o Novo Acordo Ortográfico é uma tentativa de unificação da língua portuguesa, que seguindo o disposto numa reunião da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), realizada em julho de 2004 em São Tomé e Príncipe, ficou decidido que para o novo acordo entrar em vigor, bastaria que três países o ratificassem. O Brasil em outubro de 2004, Cabo Verde em abril de 2005 e São Tomé e Príncipe em novembro de 2006 ratificaram o acordo, estando assim cumprido o disposto nessa reunião da CPLP. Em Portugal, este acordo foi ratificado pelo Governo a 6 de março de 2008, faltando a aprovação no Parlamento ou pelo Presidente da República. Caso seja aprovado, entrará imediatamente em vigor, no entanto está permitida uma fase de adaptação de seis anos, período em que serão permitidas as duas grafias. O segundo objetivo fundamenta-se em uma visão histórica das abordagens metodológicas para o ensino de línguas estrangeiras, com base nas obras de Rivers (1964), Germain (1993), e Finocchiaro & Brumfit (1983), visando à discussão de métodos de ensino de PLE, cujas diretrizes apontem para o desenvolvimento da competência comunicativa do aprendiz, a partir de uma perspectiva intercultural. Contudo, deve-se considerar, conforme Maingueneau (1997), que o domínio de tal competência deve ser conjugado às noções de competência lingüística e competência enciclopédica para a produção e interpretação de enunciados, uma vez que a sua articulação responde por uma espécie de patrimônio cultural, constituído por movimentos discursivos de conservação e mudança de sentidos. Sob essa perspectiva, a prática intercultural corresponde à condição humana da pluralidade. Essa pluralidade tem o duplo aspecto de igualdade e diferença, sem o qual não é possível definir algo fora da relação que se estabelece com o outro. A distinção entre as coisas do mundo vem à tona no discurso, pois através dele os homens podem distinguir-se, em vez de permanecerem apenas diferentes. Nesse sentido, a existência plural dos homens em sociedade não se qualifica apenas pela diferença, mas pela conjunção entre a igualdade e a diferença, o que torna possível a distinção entre eles. Ser plural, afirma Arendet (1995), consiste em reconhecer a si no outro como igualdade e diferença. Dessa forma, ser diferente é distinguir-se do outro e não ser outro. Pelo viés intercultural, as ações comunicativas são concebidas como deslocamentos em relação ao outro, não apenas para adiantar-se a ele, mas para se revelar ao outro e se constituir com o outro como pessoa. Essa relação dialógica é,

7 segundo Bakhtin (1997), a condição mesma da linguagem, pois sem a revelação do agente no ato, a ação pela linguagem perde seu caráter específico e torna-se um feito qualquer, passando a ser apenas um meio de atingir um fim, tal como a fabricação é um meio de produzir um objeto. Ainda, segundo a mesma autora, isto ocorre sempre que deixa de existir convivência, quando as pessoas são meramente <<pró>> ou <<contra>> (...). Nestas circunstâncias o discurso transforma-se, de fato, em mera conversa. (ARENDET, 1995). Em síntese, a prática intercultural possibilita compreender que as práticas discursivas instituem-se e constituem-se por graus de projeção dos sujeitos à dimensão histórica dos acontecimentos, em que os sentidos podem ser reinterpretados pelo diálogo continuado. Segundo Corrêa (2006), no curto tempo das interações sociais, os conhecimentos e valores do longo tempo histórico são constantemente avaliados sob diferentes perspectivas ideológicas que apontam para espaços de representação de ações futuras. Essas possibilidades de reconstrução do espaço das ações e representações sociais emergem do que os grupos interpretam como necessidade ou falta, isto é, do que ficou por fazer no passado e do que poderá ser feito no futuro. Desse modo, o aprendizado de PLE pela perspectiva intercultural atende não apenas o propósito da integração sócio-cultural, econômica e política dos países prevista nos documentos oficiais do MERCOSUL, mas também reforça a importância da difusão e promoção do ensino-aprendizagem da variedade brasileira da língua portuguesa, por onde os aspectos da cultura brasileira, especialmente inscritos no uso vocabular dessa língua, assumem contornos relevantes para a (re)construção das identidades culturais entre os povos da América do Sul. Ainda em cumprimento ao segundo objetivo desse projeto, busca-se implementar um núcleo de ensino-aprendizagem de português para estrangeiros residentes no Brasil, com a dupla finalidade de aprimoramento das metodologias pela perspectiva intercultural, e de abertura de espaço especializado para atendimento dessa demanda populacional estrangeira no Brasil. Dados do Ministério do Trabalho e Emprego mostram que, entre 1998 e 2005, o número de estrangeiros no Brasil saltou de 13,8 mil para 24,1 mil, representando um crescimento de 75%. Se a internacionalização das empresas brasileiras tem levado muitos profissionais para o exterior, o movimento inverso - de chegada de estrangeiros ao mercado de trabalho nacional - também acontece de forma intensa nos últimos anos.

8 No plano da formação de recursos humanos, no âmbito da docência em PLE, condizente ao terceiro objetivo deste projeto, busca-se promover cursos de extensão e especialização em PLE, em nível de pós-graduação lato sensu, e oferta de disciplinas optativas em nível de graduação e pós-graduação stricto sensu. A oferta de cursos e disciplinas será decorrente dos resultados obtidos nos outros objetivos deste projeto. O quarto objetivo consiste em articular conhecimentos do léxico do português brasileiro e do espanhol rio-platense para a confecção de obra lexicográfica, dicionário de português e espanhol para hispano-falantes aprendizes de PLE. Essa produção já se encontra em andamento por pesquisadores do Grupo Interinstitucional de Pesquisa em Lexicologia GIPLEX, certificado no Diretório do CNPq, e cadastrado na Universidade Federal de Sergipe, em associação com pesquisadores do Núcleo de Pesquisa do Português como Língua Estrangeira NUPPLE, certificado no Diretório do CNPq, e cadastrado na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Tal produção tecnológica, para fins didáticos, sob a coordenação geral das professoras doutoras Jeni Silva Turazza (PUC-SP) e Lêda Pires Corrêa (UFS), vem se desdobrando em projetos de Iniciação Científica (PIBIC) e, mais recentemente, em projeto de Inovação Tecnológica (PIBITI), pela UFS, além de contar com pós-graduandos do Programa de Estudos Pós-Graduados em Língua Portuguesa, da PUC-SP. Seu objetivo principal é desenvolver estudos do léxico com vistas ao ensinoaprendizagem do português como língua estrangeira (PLE). Tal pesquisa fundamenta-se na Metalexicografia ou Lexicografia Teórica, cujo escopo, segundo Welker (2004), é o estudo de problemas ligados à elaboração de dicionários em interface com a Lexicologia, como suporte dos estudos do léxico e sua aplicação na elaboração de dicionários. Levando-se em consideração que os objetivos centrais do ensino-aprendizagem de PLE devem garantir o desenvolvimento proficiente das habilidades de leitura, escrita, fala e escuta nas suas práticas de uso efetivo, na dimensão formal e funcional, a demanda por um material tecnológico, em versão impressa e eletrônica, para finalidade didático-pedagógica, que contemple satisfatoriamente a descrição do universo lexical do português brasileiro contemporâneo, torna-se altamente relevante, até porque o léxico exerce uma das funções mais importantes para a comunicação humana, tanto no que se refere a seus aspectos sociais quanto aos cognitivos.

9 Desse modo, as atividades desenvolvidas na elaboração do dicionário de equivalência entre português e espanhol, com auxílio de pressupostos da Lexicologia e de estudos voltados ao ensino de PLE 4, buscam solucionar problemas no plano fonéticofonológico, morfológico, sintático e semântico atinentes a este tipo de produção lexicográfica. O Dicionário de equivalência do português brasileiro e do espanhol rio-platense vem sendo concebido por meio de uma prática voltada para o estabelecimento de procedimentos analíticos de conteúdos que, configurados pelos significados da base vocabular das designações de alta freqüência do idioma português, possibilitam a construção de definições analíticas quanto às suas singularidades, inscritas na pluralidade de registros socioletais do português brasileiro. Embora a pesquisa tenha como objetivo a produção lexicográfica, que juntamente com as gramáticas, constituise, segundo Auroux (1992), como aparato tecnológico, pois os dicionários são produtos de processos de lexicalização, e funcionam como meios para a produção textualdiscursiva, o seu caráter é inovador quanto ao tratamento intercultural que se atribui às equivalências semânticas entre os vocábulos dos dois idiomas, e pioneiro em território brasileiro, encontrando similar apenas no Señas Diccionario para la Enseñanza de la Lengua Española para Brasileños. A organização microestrutural dessa modalidade de dicionário, dirigida a usuários dos níveis intermediário e avançado do português, apresenta entrada vocabular em português, transcrição fonética, definição vocabular sob a forma de enunciados, exemplário e termo equivalente em espanhol. A base em português encontra-se em estágio avançado de desenvolvimento, carecendo ainda da construção da maior parte dos termos equivalentes em espanhol para que se proceda à revisão detalhada da obra como um todo. Objetiva-se confeccionar, após o término da versão impressa e ampliada do dicionário, a versão eletrônica sob a forma de minidicionário. 4 ALMEIDA FILHO, José Carlos Paes de. Português para estrangeiros: interface com espanhol. 2ª Ed. Campinas, SP: Pontes, SIMÕES, Antônio R. M. Português para falantes de espanhol. 1ª Ed. Campinas, SP: Pontes, 2004.

10 JUSTIFICATIVA O projeto, intitulado Formação docente e inovação tecnológica para o ensinoaprendizagem de Português como Língua estrangeira (PLE), busca contribuir, em sentido lato, com a difusão e a valorização do ensino da variedade brasileira da língua portuguesa em países integrantes do MERCOSUL. Na atualidade, Portugal e Brasil concorrem para o desenho de uma geopolítica do ensino da língua portuguesa no espaço territorial sul-americano. Sabe-se, por exemplo, da iminência da promulgação da nova Lei Orgânica do Instituto Camões, que integrará a essa instituição todo o ensino do Português para estrangeiros, do nível pré-escolar ao superior. Em contrapartida, o Brasil conta com a criação do exame de proficiência em Língua Portuguesa para Estrangeiros, o CELPE-BRAS - Certificado de Proficiência em Língua Portuguesa para Estrangeiro, reconhecido oficialmente, e aplicado, desde 1998, no Brasil e em outros países, com o apoio do Ministério das Relações Exteriores, aos estrangeiros com desempenho satisfatório em teste padronizado do português. Nesse sentido, tornam-se relevantes as ações voltadas para a formação de recursos humanos, no âmbito da docência em PLE, por meio da qual se utilize o português brasileiro, e para a inovação tecnológica para uso no ensino de habilidades de leitura, de escrita e da oralidade dessa variedade da língua portuguesa. Em sentido estrito, este projeto, por meio de associações com o Programa de Pós-Graduação em Lingüística Aplicada, da Universidade de Brasília (UnB), e com o Programa de Estudos Pós-Graduados em Língua Portuguesa, da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), apresenta possibilidades de ampliação do campo de pesquisas voltadas às políticas lingüísticas e educacionais, do campo do ensinoaprendizagem de PLE, além de oferecer condições para a ampliação dos cursos de graduação em Letras do país pela nova habilitação em PLE. O Núcleo de Pós-Graduação em Letras mantém vínculo interinstitucional, na modalidade Associação Temporária, com o Programa de Pós-Graduação em Letras e Lingüística, da Universidade Federal de Alagoas, e estrutura-se por duas linhas de pesquisa Teorias do Texto e Língua, Cultura, Identidade e Ensino, que se ligam à área de concentração Linguagem e Ensino, cujo propósito é refletir acerca da pluralidade de linguagens e vozes que marca as sociedades no mundo contemporâneo. Nesse sentido, a proposta desse projeto visa à ampliação dessa área de concentração pela articulação

11 entre os estudos lingüísticos em uma perspectiva textual-discursiva - sustentados pelas dimensões sócio-históricas, identitárias e culturais - e o ensino-aprendizagem de PLE. A reciprocidade do diálogo entre as duas linhas de pesquisa, para as quais convergem diferentes abordagens dos estudos lingüísticos, identitários, culturais e literários, atesta a relevância dessa proposta voltada à formação de recursos humanos especializados na docência do Português como Língua Estrangeira e à produção tecnológica de recursos didático-pedagógicos que concretizem essa modalidade de ação docente. METODOLOGIA Os procedimentos metodológicos para a consecução deste projeto consistem em: 1. Levantamento, análise e interpretação de acordos, tratados, instruções normativas, protocolos do MERCOSUL e do SEM, desde sua criação até 2010; 2. Mapeamento dos índices percentuais do ensino regular da língua portuguesa como segunda língua no nível escolar correspondente à Educação Básica, proposta pela LDB/96, em nível fundamental e médio dos países integrantes do MERCOSUL; 3. Mapeamento dos índices percentuais do ensino regular da variedade brasileira da Língua Portuguesa, no nível fundamental e médio, das escolas da rede pública dos países integrantes do MERCOSUL; 4. Diagnóstico dos índices obtidos, à luz da articulação das políticas de línguas e educacionais, numa abordagem discursiva; 5. Resgate histórico dos métodos de ensino-aprendizagem de línguas estrangeiras; 6. Análise e interpretação dos métodos de ensino-aprendizagem de línguas estrangeiras para a construção de procedimentos metodológicos de ensino de PLE, pelo viés intercultural; 7. Aplicação de procedimentos metodológicos de ensino de PLE ao público estrangeiro, por meio da docência através da criação de um espaço destinado a essa finalidade;

12 8. Formação e organização de banco de dados do material didático utilizado no ensino-aprendizagem de PLE para o público estrangeiro; 9. Construção das equivalências em espanhol na confecção do dicionário de equivalência do português brasileiro e espanhol rio-platense em sua forma impressa e ampliada; 10. Revisão dos procedimentos lexicográficos e lexicológicos utilizados na confecção da base em português do dicionário de equivalência português brasileiro e espanhol rio-platense; 11. Formulação de critérios para redução dos verbetes e do número de definições vocabulares na produção de um minidicionário eletrônico; 12. Concepção e desenvolvimento de software do minidicionário. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DAS ATIVIDADES PREVISTAS Duração do projeto: 36 meses Cota solicitada: 01 bolsa ANO 1 a) Análise e interpretação dos métodos de ensino-aprendizagem de línguas estrangeiras para a construção de procedimentos metodológicos de ensino de PLE, pelo viés intercultural. DURAÇÃO = 04 meses. b) Aplicação de procedimentos metodológicos de ensino de PLE ao público estrangeiro, por meio da docência através da criação de um espaço destinado a essa finalidade. DURAÇÃO = 06 meses. c) Formação e organização de banco de dados do material didático utilizado no ensino-aprendizagem de PLE para o público estrangeiro. DURAÇÃO = 02 meses. ANO 2

13 a) Construção das equivalências em espanhol na confecção do dicionário de equivalência do português brasileiro e espanhol rio-platense em sua forma impressa e ampliada. DURAÇÃO = 04 meses. b) Revisão dos procedimentos lexicográficos e lexicológicos utilizados na confecção da base em português do dicionário de equivalência português brasileiro e espanhol rio-platense. DURAÇÃO = 04 meses. c) Formulação de critérios para redução dos verbetes e do número de definições vocabulares na produção de um minidicionário eletrônico. DURAÇÃO = 02 meses. d) Concepção e desenvolvimento de software do minidicionário. DURAÇÃO = 02 meses. ANO 3 a) Levantamento, análise e interpretação de acordos, tratados, instruções normativas, protocolos do MERCOSUL e do SEM, desde sua criação até DURAÇÃO = 04 meses. b) Mapeamento dos índices percentuais do ensino regular da língua portuguesa como segunda língua no nível escolar correspondente à Educação Básica, proposta pela LDB/96, em nível fundamental e médio dos países integrantes do MERCOSUL. DURAÇÃO = 02 meses. c) Mapeamento dos índices percentuais do ensino regular da variedade brasileira da Língua Portuguesa, no nível fundamental e médio, das escolas da rede pública dos países integrantes do MERCOSUL. DURAÇÃO = 02 meses. d) Diagnóstico dos índices obtidos, à luz da articulação das políticas de línguas e educacionais, numa abordagem discursiva. DURAÇÃO = 04 meses. RESULTADOS PRETENDIDOS Ao término da pesquisa, objetiva-se alcançar os seguintes resultados: a) Produção e publicação de catálogo das ações do MERCOSUL, no âmbito do SEM, para a planificação do ensino de PLE nos seus Estados-membros, como

14 resultado das análises e interpretações dos documentos oficiais dessa organização; b) Produção e publicação de artigos científicos em periódicos especializados e/ou capítulos de coletâneas sobre o desenho geopolítico do ensino da variedade brasileira da língua portuguesa no âmbito dos países integrantes do MERCOSUL; c) Desenvolvimento e aprimoramento de procedimentos metodológicos para o ensino-aprendizagem de PLE; d) Elaboração de programas e planos de curso de extensão para ensino de PLE, com vistas à formação e especialização de recursos humanos, no âmbito da docência; e) Publicação de dicionário de equivalência do português brasileiro e espanhol rioplatense, em versão impressa e ampliada e em versão eletrônica e reduzida para divulgação nacional e internacional em escolas e universidades dos países integrantes do MERCOSUL; CONCLUSÕES Atualmente, a internacionalização dos processos produtivos nas corporações transnacionais, a sua integração em um mercado globalizado, que opera em tempo real 24 horas por dia, e a expansão do mercado mundial de bens e serviços têm apontado para a necessidade de execução de projetos de pesquisa nas diferentes áreas do conhecimento científico e tecnológico, que viabilizem a participação ativa dos países em desenvolvimento no cenário globalizado. Nesse contexto, o MERCOSUL tem contribuído para o desenvolvimento e integração sustentáveis de seus Estados Partes, por meio de estratégias e políticas pertinentes. No caso do SEM, há clara configuração de uma política lingüística para integração regional dos países sul-americanos e aumento de condições no cenário mundial. Essa proposta de projeto representa uma parcela de contribuição ao avanço científicotecnológico, tendo como principal foco a difusão e promoção da variedade da língua portuguesa na América do Sul. O mapeamento geopolítico do ensino dessa variedade

15 nos países integrantes do MERCOSUL, em nível da Educação Básica, oferecerá índices seguros para a implementação articulada de uma política lingüística e de ensino nesses países sul-americanos, apoiada na formação e especialização de recursos humanos, no plano da docência do Português como Língua Estrangeira, e no desenvolvimento de material tecnológico de apoio ao exercício da prática docente e dos aprendizes de PLE. REFERÊNCIAS ALMEIDA FILHO, José Carlos Paes de. Português para estrangeiros: interface com espanhol. 2ª ed. Campinas, SP: Pontes, ARENDT, Hannah. A condição humana. 7ª ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, AUROUX, Sylvian. A revolução tecnológica da gramatização. Campinas, SP: Ed. da Unicamp, BAKHTIN, Michail. Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. 8ª. ed. São Paulo: Hucitec, CORRÊA, Lêda P. Língua, cultura e identidade: a teoria da ação revisitada. Revista da FAPESE, v. 2, n. 2, p. 7-22, jul./dez FINOCHIARO, Mary & BRUMFIT, Christopher. The functional-notional approach from theory to practice. Oxford University Press, GERMAIN, Claude. Évolution de l enseignement dês langues: 5000 ans d histoire. Paris, CLE International, Série Didactique dês langues Étrangères, collection dirigée par Robert Galisson, LACOSTE, Yves. Por uma abordagem geopolítica da difusão do inglês. In: LACOSTE, Yves, RAJAGOPALAN, Kanavillil. A geopolítica do inglês. São Paulo: Parábola, 2005, p MAINGUENEAU, Dominique. Novas tendências em Análise do Discurso. Campinas, SP: Pontes, MELO, Gladstone Chaves de. A língua do Brasil. Rio de Janeiro: Agir, ORLANDI, Eni P. (Org.). Política lingüística no Brasil. Campinas, SP: Pontes, 2007.

16 RIVERS, Wilga. The psychologist and the forein language teacher. Chicago: University of Chicaco Press, SANTOS, Milton & SILVEIRA, Maria Laura. O Brasil: território e sociedade no início do século XXI. 2ª Ed. Rio de Janeiro/São Paulo: Record, SILVEIRA, Regina Célia P. da. Aspectos da identidade cultural brasileira para uma perspectiva interculturalista no ensino/aprendizagem de português língua estrangeira. In: SILVEIRA, Regina C. P. (org.) Português Língua Estrangeira - Perspectiva. São Paulo: Cortez, SIMÕES, Antônio R. M. Português para falantes de espanhol. 1ª Ed. Campinas, SP: Pontes, TURAZZA, Jeni S. & CORRÊA, Lêda P. A problemática dos grupos fraseológicos na construção de dicionários de equivalência. In: Língua Portuguesa: lusofonia memória e diversidade cultural. Org. BASTOS, Neusa B. são Paulo: EDUC, 2008, PP WELKER, Herbert Andreas. Dicionários: uma pequena introdução à lexicografia. 2ª ed. Brasília: Thesaurus, 2004.

17

O ensino e a cooperação na investigação para o turismo entre os países lusófonos: uma reflexão

O ensino e a cooperação na investigação para o turismo entre os países lusófonos: uma reflexão O ensino e a cooperação na investigação para o turismo entre os países lusófonos: uma reflexão Alexandre Panosso Netto Escola de Artes, Ciências e Humanidades Universidade de São Paulo Fábia Trentin Departamento

Leia mais

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Filosofia da Educação 60 horas Metodologia Científica 60 horas Iniciação à Leitura e Produção de Textos Acadêmicos 60 horas Introdução à filosofia e

Leia mais

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE IV. CÂMARA TEMÁTICA DA EDUCACÃO, CULTURA E DESPORTOS Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola; Meta 2 Até 2010, 80% e,

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE TERMINOLOGIAS EM PORTUGÊS E POLÍTICAS LINGUÍSTICAS

DIVULGAÇÃO DE TERMINOLOGIAS EM PORTUGÊS E POLÍTICAS LINGUÍSTICAS VIII Jornada Científica REALITER Terminologia e Políticas linguísticas DIVULGAÇÃO DE TERMINOLOGIAS EM PORTUGÊS E POLÍTICAS LINGUÍSTICAS Maria da Graça Krieger (kriegermg@gmail.com) Universidade do Vale

Leia mais

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Apresentação: O presente plano de trabalho incorpora, na totalidade, o debate e indicativo do coletivo docente e discente do Centro de Educação e

Leia mais

I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA CPLP CARTA DE PORTO ALEGRE

I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA CPLP CARTA DE PORTO ALEGRE I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA CPLP CARTA DE PORTO ALEGRE O I Seminário Internacional de Educação Superior na Comunidade de Países de Língua

Leia mais

EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E POLÍTICAS PÚBLICAS SOCIAIS

EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E POLÍTICAS PÚBLICAS SOCIAIS EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E POLÍTICAS PÚBLICAS SOCIAIS Flávio Pereira DINIZ (FCS UFG / diniz.fp@gmail.com) 1 Dijaci David de OLIVEIRA (FCS UFG / dijaci@gmail.com) 2 Palavras-chave: extensão universitária;

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a GRADE CURRICULAR DO MESTRADO EM LETRAS: LINGUAGEM E SOCIEDADE DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS 34 CRÉDITOS Teorias da Linguagem (60h/a 04 Teorias Sociológicas (60h/a 04 Metodologia da Pesquisa em Linguagem (30h/a

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Dourados 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Letras - Inglês Obs.: Para proposta

Leia mais

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Elaborada pela Diretoria de Extensão e pela Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

PIBID - Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência

PIBID - Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência O Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência PIBID é um programa de incentivo e valorização do magistério e de aprimoramento do processo de formação de docentes para a educação básica, vinculado

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS INGLÊS E LITERATURAS DE LÍNGUA INGLESA (Currículo iniciado em 2010) COMPREENSÃO E PRODUÇÃO ORAL EM LÍNGUA INGLESA I C/H 102 (2358) intermediário de proficiência

Leia mais

POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Brasília, 25 de novembro de 2009 1 POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO,

Leia mais

Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname

Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname A República Argentina, a República Federativa do Brasil, a República do Paraguai, a República Oriental do Uruguai, a República Bolivariana

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

Palestra: A CPLP E A EDUCAÇÃO. (Escola Stuart Carvalhais - 7 de Março de 2007)

Palestra: A CPLP E A EDUCAÇÃO. (Escola Stuart Carvalhais - 7 de Março de 2007) Palestra: A CPLP E A EDUCAÇÃO (Escola Stuart Carvalhais - 7 de Março de 2007) Excelentíssimos membros do Conselho Directivo, excelentíssimos professores, caríssimos alunos, É com enorme satisfação que

Leia mais

As Políticas de Divulgação e Internacionalização da Língua Portuguesa O Exemplo do Mercosul. Edgard Fernando Viana da Cruz

As Políticas de Divulgação e Internacionalização da Língua Portuguesa O Exemplo do Mercosul. Edgard Fernando Viana da Cruz As Políticas de Divulgação e Internacionalização da Língua Portuguesa O Exemplo do Mercosul Edgard Fernando Viana da Cruz Dissertação de Mestrado em Ensino do Português como Língua Segunda e Estrangeira

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL A língua espanhola na Educação Básica A implantação da língua espanhola por meio da lei federal 11.161, que diz respeito à sua oferta

Leia mais

Nossa inserção na Graduação se dá por meio da Unidade Curricular Educação e Comunicação na Prática Médica.

Nossa inserção na Graduação se dá por meio da Unidade Curricular Educação e Comunicação na Prática Médica. Ao longo desses 15 anos o CEDESS congrega atividades de ensino, pesquisa e extensão, nos níveis de graduação e pós-graduação lato e stricto sensu e tem por objeto de estudo o binômio Educação e Saúde.

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA. Élcio Aloisio FRAGOSO 1

O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA. Élcio Aloisio FRAGOSO 1 1 O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA Élcio Aloisio FRAGOSO 1 Resumo O novo acordo ortográfico já rendeu uma série de discussões sob pontos de vistas bem distintos. O acordo

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz Escola Nacional de Saúde Pública Escola de Governo em Saúde Programa de Educação à Distância IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Equipe da Coordenação

Leia mais

DOCUMENTOS OFICIAIS DO GOVERNO - SUBSÍDIOS PARA A PRÁTICA DOCENTE DO PROFESSOR DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

DOCUMENTOS OFICIAIS DO GOVERNO - SUBSÍDIOS PARA A PRÁTICA DOCENTE DO PROFESSOR DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOCUMENTOS OFICIAIS DO GOVERNO - SUBSÍDIOS PARA A PRÁTICA DOCENTE DO PROFESSOR DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Alciene Ribeiro Feitoza da SILVA 1 Módulo Centro Universitário Ao atuar na formação de professores de

Leia mais

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO DE LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL O ensino da língua espanhola no contexto da escola pública INTRODUÇÃO Este plano procura articular-se de forma integrada com o plano de trabalho institucional, que

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS Art. 1. A Política de Assistência Estudantil da Pós-Graduação da UFGD é um arcabouço de princípios e diretrizes

Leia mais

Letras - Língua Portuguesa

Letras - Língua Portuguesa UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE ENSINO COORDENAÇÃO DE CURSO Letras - Língua Portuguesa 1. Perfil do Egresso: Em consonância

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO Número e Título do Projeto Função no Projeto: Resultado: Atividades: Antecedentes: (breve histórico justificando a contratação)

Leia mais

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Metodologia Científica 60 horas História da Educação 60 horas Sociologia da Educação I 60 horas Filosofia

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Lei n o 9.795, de 27 de Abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2015 2019. Capítulo 5 Organização Didático Pedagógica

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2015 2019. Capítulo 5 Organização Didático Pedagógica PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2015 2019 Capítulo 5 Organização Didático Pedagógica Florianópolis Dezembro 2014 CAPÍTULO 5...5.1 ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO PEDAGÓGICA...5.1 5.1 INOVAÇÕES NOS PROCESSOS

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DA ÁREA DE ENSINO E EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: FORMAÇÃO PEDAGÓGICA PARA PROFISSIONAIS DE SERVIÇOS DE SAÚDE

QUALIFICAÇÃO DA ÁREA DE ENSINO E EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: FORMAÇÃO PEDAGÓGICA PARA PROFISSIONAIS DE SERVIÇOS DE SAÚDE QUALIFICAÇÃO DA ÁREA DE ENSINO E EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: FORMAÇÃO PEDAGÓGICA PARA PROFISSIONAIS DE SERVIÇOS DE SAÚDE Há amplo consenso nas categorias profissionais da saúde, em especial na categoria

Leia mais

A construção da. Base Nacional Comum. para garantir. Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento

A construção da. Base Nacional Comum. para garantir. Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento A construção da Base Nacional Comum para garantir Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento Política pública de Educação ESTADO dever de educar legislação planejamento instituições CIDADÃO

Leia mais

O DESAFIO DE AVALIAR UM CURSO SUPERIOR A DISTÂNCIA INSTITUÍDO A PARTIR DE PARCERIAS ENTRE PAÍSES. 1

O DESAFIO DE AVALIAR UM CURSO SUPERIOR A DISTÂNCIA INSTITUÍDO A PARTIR DE PARCERIAS ENTRE PAÍSES. 1 O DESAFIO DE AVALIAR UM CURSO SUPERIOR A DISTÂNCIA INSTITUÍDO A PARTIR DE PARCERIAS ENTRE PAÍSES. 1 Jane aparecida Gonçalves de Souza 2 Universidade Católica de Petrópolis cidijane@gmail.com RESUMO Pensar

Leia mais

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS 1ª FASE LLE 931 Introdução aos Estudos da Linguagem Total h/a Introdução aos conceitos de língua e língua(gem); características da língua(gem) humana; a complexidade da língua(gem)

Leia mais

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 8 semestres CELSO HENRIQUE SOUFEN TUMOLO 37219288

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 8 semestres CELSO HENRIQUE SOUFEN TUMOLO 37219288 71 EaD_UAB LETRAS LICENCIATURA EM LÍNGUA INGLESA 009 Documentação: jetivo: Titulação: Diplomado em: Resolução n. 005/CEG/009, de 5/03/009 Habilitar professores para o pleno exercício de sua atividade docente,

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS 1. EMENTA Paradigmas de Organização Escolar: pressupostos teóricos e práticos. Administração/gestão escolar: teorias e tendências atuais no Brasil. A escola concebida e organizada a partir das Diretrizes

Leia mais

Planejamento Anual - 2014

Planejamento Anual - 2014 Planejamento Anual - 2014 Tutor Email SILVANA SOUZA SILVEIRA silvana.silveira@pucrs.br Informações do Planejamento Planejamento quanto à participação/contribuição do (a) tutor (a) nas atividades e na formação

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto Nacional CONSULTOR JÚNIOR Número e Título do Projeto: BRA/09/004 Fortalecimento da CAIXA no seu processo

Leia mais

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO

SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO MESTRADO SUGESTÕES PARA ARTICULAÇÃO ENTRE O MESTRADO EM DIREITO E A GRADUAÇÃO Justificativa A equipe do mestrado em Direito do UniCEUB articula-se com a graduação, notadamente, no âmbito dos cursos de

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO:

EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO: EIXO VI VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO: FORMAÇÃO, REMUNERAÇÃO, CARREIRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO: PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS 1. Profissionais da educação: formação inicial e continuada 1.1. Implantar

Leia mais

PROJETO 7. 1. Identificação do projeto

PROJETO 7. 1. Identificação do projeto PROJETO 7 1. Identificação do projeto Título:Cinema, vídeo e tridimensionalidade: o AVA-AV na integração do ensino presencial e a distância. Responsável:Dra. Ana Zeferina Ferreira Maio Vínculo institucional:professora

Leia mais

Fórum Nacional de Diretores de Faculdades/Centros/Departamentos de Educação das Universidades Públicas Brasileiras (FORUMDIR)

Fórum Nacional de Diretores de Faculdades/Centros/Departamentos de Educação das Universidades Públicas Brasileiras (FORUMDIR) Fórum Nacional de Diretores de Faculdades/Centros/Departamentos de Educação das Universidades Públicas Brasileiras (FORUMDIR) I ENCONTRO NACIONAL DE COORDENADORES DE CURSO DE PEDAGOGIA DAS UNIVERSIDADES

Leia mais

I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Cascais, 23 de junho de 2015. Declaração de Cascais

I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Cascais, 23 de junho de 2015. Declaração de Cascais I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Cascais, 23 de junho de 2015 Declaração de Cascais Os Ministros responsáveis pela Energia da Comunidade dos Países de Língua

Leia mais

REGULAMENTO GERAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO LICENCIATURA

REGULAMENTO GERAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO LICENCIATURA REGULAMENTO GERAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO LICENCIATURA APRESENTAÇÃO 1. CARGA HORÁRIA DE ESTÁGIO 2. A COORDENAÇÃO DE ESTÁGIOS 2.1. SUPERVISÃO GERAL DE ESTÁGIOS 2.2. COORDENADORES DE CURSO 2.3. PROFESSORES

Leia mais

MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012

MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012 MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012 Simone Machado Firme FURG 1 Karine Vargas Oliveira FURG 2 Michele Fernanda Silveira

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Artes Visuais busca formar profissionais habilitados para a produção, a pesquisa

Leia mais

Pós graduação em Psicologia Educacional DESCRITIVO DE CURSO

Pós graduação em Psicologia Educacional DESCRITIVO DE CURSO Pós graduação em Psicologia Educacional DESCRITIVO DE CURSO 1. Apresentação O curso de Pós Graduação Lato Sensu em Psicologia Educacional da POSGLOGAL visa a formação profissional de graduados que tenham

Leia mais

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI ANEXO III Cronograma detalhado do PROAVI 65 PROGRAMA DE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA PUC-CAMPINAS CRONOGRAMA COMPLEMENTAR DETALHANDO AS ATIVIDADES E AS AÇÕES DE DIVULGAÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

Projeto IPPDH Cooperação Humanitária Internacional

Projeto IPPDH Cooperação Humanitária Internacional TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONSULTORIA COORDENADOR/A DE CAPACITAÇÃO 1. Antecedentes Projeto IPPDH Cooperação Humanitária Internacional O Projeto Cooperação Humanitária Internacional tem por objetivo o desenvolvimento

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012

COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Letras e Linguística PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS 7.PROJETO PEDAGÓGICO 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ECONOMIA EMENTA: Conceitos Fundamentais; Principais Escolas do Pensamento; Sistema Econômico; Noções de Microeconomia; Noções de Macroeconomia;

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica

Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica TERMO DE REFERÊNCIA 1 OBJETO Contratação de empresa especializada na execução da formação dos professores e equipe gestora, planejamento, acompanhamento e avaliação das aulas e diagnóstico sociolingüístico

Leia mais

CPLP VII REUNIÃO DE MINISTROS DA EDUCAÇÃO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Luanda, 30 de Março de 2012 DECLARAÇÃO FINAL

CPLP VII REUNIÃO DE MINISTROS DA EDUCAÇÃO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Luanda, 30 de Março de 2012 DECLARAÇÃO FINAL CPLP VII REUNIÃO DE MINISTROS DA EDUCAÇÃO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Luanda, 30 de Março de 2012 DECLARAÇÃO FINAL Os Ministros da Educação, ou os seus representantes, de Angola, Brasil,

Leia mais

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM)

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) A extensão é o processo educativo, cultural e científico que articula, amplia, desenvolve e reforça o ensino e a pesquisa,

Leia mais

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO MARANHÃO-IESMA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO-UNISULMA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO MARANHÃO-IESMA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO-UNISULMA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO MARANHÃO-IESMA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO-UNISULMA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Especialização em Metodologia do Ensino Superior Imperatriz

Leia mais

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 Educação e Sustentabilidade Tatiana Feitosa de Britto A Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) tem como tema o futuro que queremos,

Leia mais

Programa Ler e Escrever. Apresentação

Programa Ler e Escrever. Apresentação Programa Ler e Escrever Apresentação Mais do que um programa de formação, o Ler e Escrever é um conjunto de linhas de ação articuladas que inclui formação, acompanhamento, elaboração e distribuição de

Leia mais

UNICEF BRASIL Edital de Licitação RH/2012/032

UNICEF BRASIL Edital de Licitação RH/2012/032 UNICEF BRASIL Edital de Licitação RH/2012/032 O UNICEF, Fundo das Nações Unidas para a Infância, a Organização mundial pioneira na defesa dos direitos das crianças e adolescentes, convida empresas e consultores

Leia mais

CIDADES EDUCADORAS DICIONÁRIO

CIDADES EDUCADORAS DICIONÁRIO CIDADES EDUCADORAS A expressão Cidade Educativa, referindo-se a um processo de compenetração íntima entre educação e vida cívica, aparece pela primeira vez no Relatório Edgar Faure, publicado em 1972,

Leia mais

Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola. Projeto Básico

Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola. Projeto Básico Secretaria de Educação a Distância Departamento de Planejamento em EAD Coordenação Geral de Planejamento de EAD Programa TV Escola Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola Projeto Básico

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

docência em libras E/OU tradução e interpretação de libras

docência em libras E/OU tradução e interpretação de libras PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU docência em libras E/OU tradução e interpretação de libras turma em: fortaleza/ce -> Aulas presenciais aos finais de semana; -> Professores altamente qualificados; -> Curso com

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009)

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N o 98, DE 26 DE MARÇO DE 2009 (Publicada no D.O.U em 30/07/2009) Estabelece princípios, fundamentos e diretrizes para a educação,

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Dourados 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Interdisciplinar Obs.: Para

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO DEPARTAMENTO DE LETRAS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO DEPARTAMENTO DE LETRAS DEPARTAMENTO DE LETRAS CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES DO MAGISTÉRIO SUPERIOR INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES E PROGRAMA Edital nº 74, de NOVEMBRO de 2015, publicado no Diário Oficial da União nº 211, de 05

Leia mais

ROTEIRO PARA CLASSIFICAÇÃO DE LIVROS Avaliação dos Programas de Pós graduação

ROTEIRO PARA CLASSIFICAÇÃO DE LIVROS Avaliação dos Programas de Pós graduação ROTEIRO PARA CLASSIFICAÇÃO DE LIVROS Avaliação dos Programas de Pós graduação Aprovada na 111ª Reunião do CTC de 24 de agosto de 2009 Considerações preliminares O propósito deste roteiro é estabelecer

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES O Parecer do CNE/CES nº 492/2001, assim define as atividades complementares:

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Descrição das atividades: Qualificações profissionais:

TERMO DE REFERÊNCIA. Descrição das atividades: Qualificações profissionais: TERMO DE REFERÊNCIA DADOS DA CONSULTORIA Função no projeto: Contratação de consultoria especializada para a concepção, planejamento e aplicação de curso de formação em tráfico de pessoas para operadores

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina (Reconhecida pelo Decreto Federal n. 69.324 de 07/10/71)

Universidade Estadual de Londrina (Reconhecida pelo Decreto Federal n. 69.324 de 07/10/71) Universidade Estadual de Londrina (Reconhecida pelo Decreto Federal n. 69.324 de 07/10/71) DELIBERAÇÃO Câmara de Pós-Graduação Nº 013/2010 Reestrutura o Programa de Pós-Graduação Associado em Educação

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

PROFLETRAS R E G I M E N T O

PROFLETRAS R E G I M E N T O PROFLETRAS R E G I M E N T O CAPÍTULO I - CAPITULO II - CAPÍTULO III - CAPÍTULO IV - CAPÍTULO V - CAPÍTULO VI - CAPÍTULO VII - CAPÍTULO VIII - Das Finalidades Das Instituições Associadas Da Organização

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL I - Fundamentos legais A Constituição de 1988, inciso IV do artigo 208, afirma: O dever do Estado com a educação será efetivado

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD A política de Educação a Distância EAD está claramente expressa em diversos documentos e regulamentos internos da instituição Regulamento do NEAD Os

Leia mais

PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL

PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL De 1999 até o ano de 2011 o Instituto Adventista de Ensino do Nordeste (IAENE) congregava em seu espaço geográfico cinco instituições de ensino

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O

Leia mais

GICO. ciência de governar. Ele prevê e dád

GICO. ciência de governar. Ele prevê e dád 1. PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO GICO 1.1 É a própria pria organização do trabalho pedagógico gico escolar como um todo, em suas especificidades, níveis n e modalidades. 1.2 É Político por que diz respeito

Leia mais