Instante. 31 de maio a 4 de junho de 2010 Nº95

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Instante. 31 de maio a 4 de junho de 2010 Nº95"

Transcrição

1 Instante Foco: Plano Nacional de Banda Larga: onde está a Anatel? A semana: desempenho do mercado e calendário econômico Fundamentos da economia: atividade, preços, fiscal e externo Cenário econômico até 2011 e indicadores selecionados de infraestrutura Imprensa: Pezco na mídia Agendese: Curso SBDP Estudo de Casos em Telecomunicações São Paulo Frederico Araujo Turolla Maria Fernanda Freire de Lima Thelma Harumi Ohira Erika Roberta Monteiro Gabriela Lima Aidar André Ricardo Noborikawa Paiva Luiz Gabriel Passos Marcio Gabrielli Administrativo Ana Cássia Pereira Silva Tel/fax: Foto:Fernanda Lima. Carmona, Espanha Proibida reprodução não autorizada. Porto Alegre Jorge Luiz Dietrich Rio de Janeiro Yann Le Boulluec Alves Editorial Gabriela Lima Aidar Treinamentos Daniel Sales Tel: de maio a 4 de junho de 2010 Nº95

2 Foco Plano Nacional de Banda Larga: onde está a Anatel? Silvia Regina Barbuy Melchior Esse cenário é não só desfavorável, mas extremamente perigoso para o setor que demanda elevados investimentos No momento em que o País se vê às voltas da discussão sobre um Plano Nacional de Banda Larga (PNBL), não se vislumbra nem de longe a participação do órgão regulador setorial. Questionase: onde está a Anatel? Principal incumbido do entendimento e regulação do setor no país, com a missão de desenvolver uma visão tripartite que abarque os interesses de consumidores, governo e agentes de mercado, de planejar, contribuir e influir na determinação das políticas públicas com estudos e expertise, a Anatel se encontra completamente ausente desse processo, ao contrário do que dispõe mandatoriamente a Lei Geral de Telecomunicações. Se a sua ausência evidencia o desprestígio da Agência e decorre do insucesso em demonstrar à sociedade que sua atuação foi no sentido de garantir qualidade, concorrência e fomentar novos investimentos, ou, se evidencia um grave problema de influência sobre o órgão regulador, o fato é que pelo menos a ausência da Agência na discussão do PNBL certamente enfraquece a acuidade, legalidade e firmeza do plano. Não é sem menos que de outro lado resta um plano publicado1 que apenas se configura como uma diretriz geral, remete a um comitê a tarefa de fixação das regras, grupo este que não inclui o agente regulador e que formalizou a intenção de transformar a Telebrás na empresa não só gestora da infraestrutura para levar banda larga de forma ampla aos municípios do país, como também, prestadora de serviços onde não houver oferta adequada (embora os critérios não sejam claros para a avaliação). Do ponto de vista técnico: o que significa banda larga? Qual a banda recomendada para que o cidadão brasileiro possa usufruir de serviços avançados e com elevado grau de conectividade? Como otimizar o uso de uma infraestrutura existente que não pode ser economicamente duplicada (facilidade essencial), para que o usuário final tenha acesso às telecomunicações, a tarifas e preços razoáveis, em condições adequadas além de mais opções? Como ampliar os meios de acesso para novos operadores? Quais áreas e condições permitem a exploração economicamente viável? Será que de fato uma empresa pública gestora de infraestrutura pode contribuir? Quais os contornos e limites que deveriam pautar a sua atuação para que essa empresa pudesse ser indutora de competição e da diversidade dos serviços, incrementando sua oferta e propiciando padrões de qualidade compatíveis com a exigência dos usuários2? Como a empresa estatal atuaria no fortalecimento do papel do Estado regulador (art. 18, inciso IV)? Esse cenário é não só desfavorável, mas extremamente perigoso para o setor que demanda elevados investimentos, atua com perspectivas de longo prazo e necessita segurança jurídica e institucional. Os efeitos das decisões adotadas não são somente imediatos, mas perduram por anos. Não se pode aceitar simplesmente que a Agência se desvie de sua responsabilidade e permaneça apartada desse processo. É fundamental que o governo e a sociedade atuem para que ela integre a formação do Plano, não só como mera executora, mas exerça plenamente suas atribuições legais. Do contrário, quem perde com esta realidade é certamente o País. 1 Decreto nº 7.175, de 12 de maio de 2010 que Institui o Programa Nacional de Banda Larga PNBL; dispõe sobre o remanejamento de cargos em comissão; altera o Anexo II ao Decreto nº 6.188, de 17 de agosto de 2007; altera e acresce dispositivos ao Decreto nº 6.948, de 25 de agosto de 2009; e dá outras providências. Advogada, USP Especialização em direito contratual. Expertise nos setores de infraestrutura, com ênfase emtelecomunicações e alta tecnologia. Sócia, Melchior e Micheletti Advogados Associados. 2 Art. 2 O Poder Público tem o dever de: I garantir, a toda a população, o acesso às telecomunicações, a tarifas e preços razoáveis, em condições adequadas; II estimular a expansão do uso de redes e serviços de telecomunicações pelos serviços de interesse público em benefício da população brasileira; III adotar medidas que promovam a competição e a diversidade dos serviços, incrementem sua oferta e propiciem padrões de qualidade compatíveis com a exigência dos usuários; IV fortalecer o papel regulador do Estado; V criar oportunidades de investimento e estimular o desenvolvimento tecnológico e industrial, em ambiente competitivo; VI criar condições para que o desenvolvimento do setor seja harmônico com as metas de desenvolvimento social do País.

3 Renda fixa As taxas de juros A semana Renda variável A bolsa Câmbio R$/US$ programe sua semana DIA INDICADORES ECONÔMICOS EVENTOS/ FERIADOS 31 SEG Sondagem da Indústria, FGV, Abril US Holiday: Memorial Day 1 TER IPCS, FGV, Q4 de Maio ISM Mfg Index, Institute for Supply Management, Maio Construction Spending, Census Bureau, U.S., Abril Week Bill Annoucement, U.S. Departamente of the Treasury Pesquisa Industrial Mensal: Produção Física Brasil, Abril 2 QUA IPCS Capitais, FGV, Q4 de Maio ICSCGoldman Store Sales, ICSC and Goldman Sachs MBA Purchase Applications, Mortgage Bankers Association Redbook, Redbook Research Challenger JobCut Report, Challenger, Gray & Christmas, Inc, Maio Pending Home Sales Index, National Association of Realtors, Abril 3 QUI EIA Petroleum Status Report, EIA Jobless Claims, Employment and Training EIA Natural Gas Report, EIA Fed Balance Sheet, FED Money Supply, FED Monster Employment Index, Monster Worldwide, Inc., Maio ADP Employment Report, ADP, Maio Productivity and Costs, BLS, Q1:10 Factory Orders, Bureau of the Census, Abril ISM NonMfg Index, Institute for Supply Management, Maio 4 SEX Employment Situation, BLS, Maio Treosury STRIPS, Office of Debt Management, Maio

4 Como andam os fundamentos? ATIVIDADE: em franco processo de retomada, após o tombo (o acumulado corresponde ao PIB anual, no fim de cada ano) Fonte: IBGE INFLAÇÃO: A convergência para a meta já ocorreu. A atenção agora se volta para o ritmo da retomada da economia, que pode introduzir novas pressões. Fonte: Banco Central do Brasil

5 Como andam os fundamentos? CONTAS PÚBLICAS: toda atenção neste item será pouca! É fundamental monitorar a evolução do superávit primário: uma mudança de política não é bem vinda. Fonte: Banco Central do Brasil SETOR EXTERNO: embora as atenções se voltem para a piora da conta corrente, o financiamento externo é sólido, principalmente através do investimento direto estrangeiro Fonte: Banco Central do Brasil

6 Brasil cenário econômico O principal risco vem das contas públicas P 2011P Setor Real PIB(R$ bi) PIB (US$ bi) 1.941,5 663, ,2 882, , , , , , , , , ,4 3,570, , ,2 Variação do PIB real (%) Consumo das famílias (peso 2006 = 59,7%) Consumo do Governo (peso 2006 = 20,3%) Investimento (peso 2006 = 17,0%) Exportação (peso 2006 = 14,6%) Importação (peso 2006 = 11,6%) 5,7 3,8 4,1 9,1 15,3 13,3 3,2 4,5 2,3 3,6 9,3 8,5 4,0 5,2 2,6 9,8 5,0 18,4 6,1 6,1 5,1 13,9 6,2 19,9 5,1 7,0 1,6 13,4 0,6 18,0 0,2 4,1 3,7 9,9 10,3 11,4 6,5 3,1 6,0 3,0 4,5 1,6 15,0 8,0 9,1 10,0 25,0 15,0 PIB Ótica da Oferta (valor adicionado preços básicos var. anual % a.a.) Agropecuária (peso 2006 = 5,45%) Indústria (peso 2006 = 28,80%) Extrativa Mineral Transformação Construção Civil Prod. e dist. de eletricidade, gás e água Serviços (peso 2006 = 65,75%) Comércio Transp., armaz. e correio Serviços de informação Interm. financeira, previd. complementar Outros Serviços Atividades imobiliárias e aluguel Admin., saúde e educação púb. 2,3 7,9 4,3 8,5 6,6 8,4 5,0 7,2 5,9 5,5 3,7 5,5 3,9 3,8 0,3 2,1 9,3 1,2 1,8 3,0 3,7 3,4 3,5 4,0 5,3 5,4 4,7 1,1 4,8 2,2 4,4 1,0 4,7 3,5 4,2 6,0 2,1 1,6 8,4 4,0 3,0 3,3 4,8 5,3 3,7 5,6 4,9 5,4 6,1 8,4 5,0 7,4 15,1 4,8 4,9 2,3 5,7 4,4 4,9 3,2 8,2 4,8 4,8 6,1 3,4 8,9 13,0 4,2 1,6 1,5 5,2 5,5 0,2 7,0 6,3 2,4 2,6 1,2 2,3 4,9 6,5 5,1 1,4 3,2 5,0 3,0 10,9 4,3 5,3 3,2 Preços IPCA (%) Comercializáveis Não Comercializávies Itens Livres Preços Administrados IGPM (%) 7,6 6,3 6,9 6,5 10,2 12,1 5,7 2,7 6,4 4,3 9,0 1,2 3,1 1,3 4,0 2,6 4,3 3,8 4,5 4,7 6,7 5,7 1,7 7,9 5,9 7,0 7,1 7,1 3,3 9,1 4,3 2,6 5,5 4,2 4,7 4,6 5,4 4,8 7,9 5,0 Setor Público Dívida Líquida Setor Público (% PIB) Dívida Líquida Setor Público (R$ bi) Participação prefixado dív mobiliária % (posição custódia) Saldo primário setor público, % PIB 47,0 912,5 22,6 3,8 46,5 998,5 28,7 3,9 50, ,9 33,8 3,2 42, ,8 39,5 3,4 38, ,5 31,3 3,5 42,8 1329,4 32,0 2,1 41,5 40, ,2 1,525,0 1,9 2,1 Setor Externo Transações Correntes/PIB (%) Transações Correntes (US$ bi) Balança comercial Balança de serviços Rendas Transferências unilaterais Invest Estrangeiro Direto (US$ bi) Invest Estrangeiro no Brasil (líquido) Investimento Brasileiro no Exterior 1,8 11,7 33,6 4,7 20,5 3,2 8,3 18,1 9,8 1,6 14,2 44,7 8,3 26,0 3,6 12,5 15,1 2,5 1,3 13,6 46,5 9,6 27,5 4,3 9,4 18,8 28,2 0,1 3,6 40,0 13,1 29,3 4,0 27,5 34,6 7,1 1,9 27,0 24,8 16,2 39,7 4,1 5,7 45,1 39,4 1,3 19,6 25,3 19,3 33,7 3,3 36,0 25,9 10,1 2,4 2,3 50,0 58,0 18,0 22,0 25,0 30,0 40,0 38,0 3,6 4,0 20,0 17,8 34,0 28,0 10,0 10,2 Mercado financeiro Taxa de juros Selic, % aa fim período Taxa de juros Selic, % aa acumulada Taxa de câmbio, R$/US$ fim período Índice Bovespa, pontos fim período 17,50 16,24 2, ,24 19,05 2, ,19 15,08 2, ,18 11,88 1, ,66 12,49 2, ,75 9,93 1, ,75 11,50 10,61 11,40 1,85 1,90 Mercado de Trabalho (%) Taxa de desemprego média (IBGE) Taxa de desemprego Reg. Metropolitanas (SEADE) 11,5 19,6 9,9 17,9 10,0 16,8 9,3 15,5 7,9 14,1 8,1 14,2 Rating soberano moeda estrangeira (entre parênteses: nota equivalente na escala 0 a 10) ( amarelo = grau especulativo; azul = grau de investimento) Fitch Moody s Standard and Poors BB (5,7) B1 (5,3) BB (5,7) Ba3 (5,7) BB (6,0) Ba2 (6,0) BB+ (6,3) Ba1 (6,3) BBB (7,0) Ba1 (6,3) BBB (7,0) Baa3 (7,0) BB (5,7) BB (5,7) BB (6,0) BB+ (6,3) BBB (7,0) BBB (7,0) 7,3 6,8 13,5 12,0 BBB (7,3) BBB (7,3) Baa2 (7,3) Baa2 (7,3) BBB (7,3) BBB (7,3)

7 Indicadores selecionados de infraestrutura Transporte Aéreo Passageiros Domésticos (milhões) Passageiros Internacionais (milhões) Carga Doméstica (milhões kg) Carga Internacional (milhões kg) Pousos e Decolagens (milhares) Domésticos Internacionais P 61,27 9,95 657,39 557, , ,31 116,28 71,49 11,22 717,69 640, ,76 134,55 83,48 12,60 752,30 607, ,64 142,58 90,01 12,18 641,46 588, ,79 136,75 97,95 12,62 620,89 697, ,14 157,89 99,01 13,17 627,93 625, , ,23 163,65 Ferrovias Evolução da produção de transporte (bilhões de TKU) Evolução do índice de acidentes (acidentes por milhão de Km) 170,18 43,6 182,64 35,7 205,71 32,0 221,63 31,8 238,05 23,0 257,12 14,0 Transporte Rodoviário Passageiros Transportados (milhões) 1 Volumes de veículosrod concedidas (milhões) Venda de veículos bicombustível (% sobre o total) 131,68 557,27 128,37 553,08 6,8 133,69 603,07 25,2 137,17 643,44 52,2 132,61 657,19 78,1 127,63 706,69 85,6 88,0 Saneamento Básico Cobertura de domicílios por rede de água (% ligação a rede geral) Cobertura de domicílios por rede de esgoto (% ligação a rede geral) Coleta de lixo (% de domicílios com coleta direta) 81,96 46,46 76,50 82,52 47,97 78,16 82,23 48,03 77,18 82,32 48,24 78,77 83,21 48,47 79,61 83,32 51,33 79,93 Telecomunicações Telefones em serviço por 100 habitantes (teledensidade) Teledensidade fixa em serviço (por 100 hab) Teledensidade celular (acessos por 100 hab) TV por Assinatura (100 dom) Conexões Banda Larga (milhares) Evolução do acesso à internet banda larga (milhares) ADSL TV por assinatura Outros 42,90 22,60 20,30 7, ,30 22,20 26,20 7, ,70 22,10 36,60 7, ,10 21,50 46,60 8, ,90 20,70 53,20 8, ,30 20,70 63,60 10, ,4 21,3 78,1 11, Energia Elétrica Capacidade instalada geração (GW)/ previsão ANEEL Energia hidráulica Energia nuclear 82,46 65,31 86,51 67,79 90,73 69,00 93,16 70,86 96,63 73,43 100,45 76,87 109,45 114,44 Consumo energia elétrica na rede (GWh) Residencial Industrial Comercial Outros Crescimento anual do parque gerador pot. inst. (MW) Taxa de interrupção DIPC (horas/ano)* FIPC (vezes/ano)** Acréscimo anual de linhas de transmissão à rede básica (Km) 4.638,40 2,26 2, , ,00 1,53 1, , ,60 1,53 1, , ,20 1,03 0, , ,50 0,81 0, , ,00 0,58 0,55 995, ,00 0,54 0, , ,00 Petróleo e Gás Reservas provadas de petróleo (bilhões barris) Produção de petróleo (média milhões barris/dia) 9,80 1,39 10,60 1,54 11,24 1,56 11,77 1,77 12,18 1,88 12,62 1,89 12,80 1,92 Preços componentes do IPCA Taxa de água e esgoto (variação %) Energia Elétrica Residencial (variação %) Comunicações Ônibus intermunicipal Avião 9,48 19,88 11,27 7,79 54,65 21,00 21,37 18,69 18,96 7,20 10,41 9,63 13,91 4,84 6,03 13,42 8,07 6,45 12,35 28,10 5,03 0,28 0,24 8,87 9,64 4,82 6,16 0,67 4,19 3,14 7,11 1,11 1,78 5,66 12,17 4,92 4,68 1,08 6,21 31,88 * Duração da interrupção no ponto de controle ** Frequência de interrupção no ponto de controle 1 Evolução do transporte de passageiros por ligação, interregional e regional Fontes: ANATEL, ANEEL, ANTT, EPE, ONS, Teleco

8 Imprensa Deutsche Welle Frederico Turolla foi entrevistado pela Deutsche Welle a respeito da aposta de Portugal em laços comerciais com excolônias para contornar a crise e diz que A superioridade econômica se inverteu, é verdade. Mas isso não quer dizer que o Brasil seja mais desenvolvido que Portugal. É preciso lembrar que a renda per capita é maior em Portugal e que o país conta com a oportunidade de estar atrelado à União Europeia. Curso SBDP A SBDP está oferecendo um curso de Estudo de casos em Telecomunicações que terá início no dia 9 de Junho. Veja mais no Agendese. Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) Frederico Turolla irá ministrar um seminário do Curso de Mestrado em Economia Aplicada (CMEA) na UFJF, no dia 31 de Maio, segundafeira, com o tema Towards a theory of international production of infrastructure services. Saiba mais em CODESAN 2010 Frederico Turolla participou do Congresso para o Desenvolvimento do Setor de Saneamento Nacional deste ano, que ocorreu nos dias 24 e 25 de Maio. O CODESAN teve excelente repercussão e foi organizado pela Viex Americas, através de seu sócio e producer Vinnicius Vieira. Portal Exame O portal exame comentou a junção de Claro e Embratel, com comentários de Frederico Turolla.

9 Agendese

10 PEZCO é uma empresa de consultoria econômica brasileira. Somos economistas e estamos associados a advogados, administradores de empresas, engenheiros e outros profissionais. Reunimos a expertise necessária para a análise econômica multidisciplinar, imparcial e de excelência. A equipe e nossos associados/consultores se destacam pela formação acadêmica, experiência e responsabilidade com relação a aspectos como: prazos, confidencialidade e coerência de teses. Nossa visão é a de colaborar com decisões de negócios prócompetitividade e influenciar o desenho de ações econômicas, políticas e regulatórias efetivas, promotoras de bemestar. TERMO DE EXONERAÇÃO DE RESPONSABILIDADE Este documento tem como objetivo servir de base para a discussão de elementos do ambiente econômico e setorial, através da compilação de informações e exposição de análises e de pontosdevista. Tomamos os melhores cuidados com a confiabilidade das informações e de suas fontes, mas não podemos garantir a exatidão das mesmas ou das análises realizadas sobre elas. Todas as informações aqui contidas a título de projeção ou previsão se referem a análises com base em elementos e tendências atuais, cujos pressupostos podem mudar significativamente ao longo do tempo. A Pezco Pesquisa e Consultoria Ltda e a Pezco Editora e Desenvolvimento Ltda não se responsabilizam por decisões tomadas com base neste relatório. Tanto Pezco quanto seus eventuais colaboradores e consultores, bem como convidados que figuram neste relatório, podem manter posições em ativos mencionados neste documento, bem como podem estar participando ou ter participado de projetos de consultoria/ assessoria relacionados a organizações e pessoas aqui mencionadas. Os profissionais que figuram neste documento não são, necessariamente, vinculados a Pezco em qualquer aspecto. Ainda, no caso deste conteúdo ser distribuído no âmbito de contrato entre Pezco e Internet Securities do Brasil Ltda (Grupo Euromoney), a Pezco garante ter os direitos de utilização econômica e/ou autorais relativos a este material, ou autorização, exceto aqueles dados que estiverem em domínio público. Se o documento foi recebido por engano, ou se não deseja mais recebêlo, queira responder à mensagem eletrônica com ordem de interrupção do envio como excluir, ou enviar com esta solicitação para Este documento não se destina a oferecer ou solicitar compra ou venda de quaisquer bens ou serviços. Este relatório também está disponível em: Também distribuído por: BLOOMBERG PROFESSIONAL Instante é uma newsletter semanal de temas econômicos, incluindo conjuntura macroeconômica, questões setoriais, infraestrutura, concorrência e regulação. Produzida pela Pezco, é distribuída a um mailling selecionado e através de contrato firmado pela Pezco com Euromoney, plataforma Internet Securities. Edições anteriores Sua solicitação pode ser realizada por meio do endereço PEZCO PESQUISA & CONSULTORIA LTDA R. Dr. Neto de Araújo, 320 cj 1307 Vila Mariana São PauloSP Telefone: +55 (11) Website:

Instante. 23 a 27 de novembro de 2009 N o 70

Instante. 23 a 27 de novembro de 2009 N o 70 Instante Foco: Empresas júnior: aliando educação e oportunidades A semana: desempenho do mercado e calendário econômico Fundamentos da economia: atividade, preços, fiscal e externo Cenário econômico até

Leia mais

11 a 15 de janeiro de 2010 Nº76

11 a 15 de janeiro de 2010 Nº76 Instante Foco: Transição Nutricional no Brasil: alterações do padrão alimentar e do estado nutricional da população A semana: desempenho do mercado e calendário econômico Fundamentos da economia: atividade,

Leia mais

Instante. 21 a 25 de junho de 2010. Porto Alegre Jorge Luiz Dietrich dietrich@pezco.com.br. Rio de Janeiro Yann Le Boulluec Alves yannlba@pezco.com.

Instante. 21 a 25 de junho de 2010. Porto Alegre Jorge Luiz Dietrich dietrich@pezco.com.br. Rio de Janeiro Yann Le Boulluec Alves yannlba@pezco.com. Instante Foco:Apesar do PIB em Alta os Desafios para Universalizar o Saneamento Continuam A semana: desempenho do mercado e calendário econômico Fundamentos da economia: atividade, preços, fiscal e externo

Leia mais

Instante. 12 a 18 de outubro de 2009 N o 64. Tel/fax: +55 11 3582 5509

Instante. 12 a 18 de outubro de 2009 N o 64. Tel/fax: +55 11 3582 5509 Instante Foco: Copa, Olimpíadas e Neve A semana: desempenho do mercado e calendário econômico Fundamentos da economia: atividade, preços, fiscal e externo Cenário econômico até 2010 e indicadores selecionados

Leia mais

Instante. 3 a 7 de maio de 2010 Nº91

Instante. 3 a 7 de maio de 2010 Nº91 Instante Foco: A neutralidade de redes na França A semana: desempenho do mercado e calendário econômico Fundamentos da economia: atividade, preços, fiscal e externo Cenário econômico até 2011 e indicadores

Leia mais

01 a 05 de fevereiro de 2010 Nº79

01 a 05 de fevereiro de 2010 Nº79 Instante Foco: Reduzir custos a qualquer custo custa caro A semana: desempenho do mercado e calendário econômico Fundamentos da economia: atividade, preços, fiscal e externo Cenário econômico até 2010

Leia mais

18 a 22 de janeiro de 2010 Nº77

18 a 22 de janeiro de 2010 Nº77 Instante Foco: Pequenas, apenas A semana: desempenho do mercado e calendário econômico Fundamentos da economia: atividade, preços, fiscal e externo Cenário econômico até 2010 e indicadores selecionados

Leia mais

Instante. 01 a 07 de setembro de 2008 N o 6. Clipping: Descolamento? Não Exatamente. São José dos Campos

Instante. 01 a 07 de setembro de 2008 N o 6. Clipping: Descolamento? Não Exatamente. São José dos Campos Instante Foco: O Leste Asiático no Brasil. Só uma febre amarela? A semana: desempenho do mercado e calendário econômico Fundamentos da economia: atividade, preços, fiscal e externo Cenário econômico até

Leia mais

Instante. De 21 a 25 de Fevereiro de 2011 Nº128. Administrativo e Editorial Ana Cássia Pereira Silva anacassia@pezco.com.br Tel/fax: +55 11 3582 5509

Instante. De 21 a 25 de Fevereiro de 2011 Nº128. Administrativo e Editorial Ana Cássia Pereira Silva anacassia@pezco.com.br Tel/fax: +55 11 3582 5509 Instante Foco:Cursos online: Fazer ou não fazer? Eis a questão... A semana: desempenho do mercado e calendário econômico Fundamentos da economia: atividade, preços, fiscal e externo Cenário econômico até

Leia mais

22 a 26 de fevereiro de 2010 Nº81

22 a 26 de fevereiro de 2010 Nº81 Instante Foco: Os benefícios da Copa no Brasil A semana: desempenho do mercado e calendário econômico Fundamentos da economia: atividade, preços, fiscal e externo Cenário econômico até 2011 e indicadores

Leia mais

Instante. 16 a 20 de novembro de 2009 N o 69

Instante. 16 a 20 de novembro de 2009 N o 69 Instante Foco: O grande desafio do Brasil A semana: desempenho do mercado e calendário econômico Fundamentos da economia: atividade, preços, fiscal e externo Cenário econômico até 2010 e indicadores selecionados

Leia mais

Instante. De 28 de Fevereiro a 04 de Março de 2011 Nº129

Instante. De 28 de Fevereiro a 04 de Março de 2011 Nº129 Instante Foco:Sustentabilidade e gestão Caso Sabesp A semana: desempenho do mercado e calendário econômico Fundamentos da economia: atividade, preços, fiscal e externo Cenário econômico até 2012 e indicadores

Leia mais

Instante. 26 a 30 de julho de 2010 Nº103

Instante. 26 a 30 de julho de 2010 Nº103 Instante Foco:O Comércio Exterior Brasileiro e a Introdução do Conceito de Regime Fiscal Privilegiado A semana: desempenho do mercado e calendário econômico Fundamentos da economia: atividade, preços,

Leia mais

Instante. 4 a 10 de agosto de 2008 N o 2. São José dos Campos Alessandro V. M. Oliveira a.v.m.oliveira@pezco.com.br

Instante. 4 a 10 de agosto de 2008 N o 2. São José dos Campos Alessandro V. M. Oliveira a.v.m.oliveira@pezco.com.br Instante Foco: a Econometria e o preço dos alimentos A semana: desempenho do mercado e calendário econômico Fundamentos da economia: atividade, preços, fiscal e externo Cenário econômico até 2010, com

Leia mais

Instante. 22 a 28 de junho de 2009 N o 48. Tel/fax: +55 11 3582 5509

Instante. 22 a 28 de junho de 2009 N o 48. Tel/fax: +55 11 3582 5509 Instante Foco: Saneamento básico: boas perspectivas, mas muitos desafios! A semana: desempenho do mercado e calendário econômico Fundamentos da economia: atividade, preços, fiscal e externo Cenário econômico

Leia mais

Instante. De 13 a 17 de Dezembro de 2010 Nº 123. Administrativo e Editorial Ana Cássia Pereira Silva anacassia@pezco.com.br Tel/fax: +55 11 3582 5509

Instante. De 13 a 17 de Dezembro de 2010 Nº 123. Administrativo e Editorial Ana Cássia Pereira Silva anacassia@pezco.com.br Tel/fax: +55 11 3582 5509 Instante Foco: Londres e o investimento direto criativo A semana: desempenho do mercado e calendário econômico Fundamentos da economia: atividade, preços, fiscal e externo Cenário econômico até 2011 e

Leia mais

Instante. De 18 a 22 de Julho 2011 Nº147. Administrativo e Editorial Ana Cássia Pereira Silva anacassia@pezco.com.br Tel/fax: +55 11 3582 5509

Instante. De 18 a 22 de Julho 2011 Nº147. Administrativo e Editorial Ana Cássia Pereira Silva anacassia@pezco.com.br Tel/fax: +55 11 3582 5509 Instante Foco: A arte da ilusão A semana: desempenho do mercado e calendário econômico Fundamentos da economia: atividade, preços, fiscal e externo Cenário econômico até 2012 e indicadores selecionados

Leia mais

Instante. De 03 a 07 de Outubro 2011 Nº158. Administrativo e Editorial Ana Cássia Pereira Silva anacassia@pezco.com.br Tel/fax: +55 11 3582 5509

Instante. De 03 a 07 de Outubro 2011 Nº158. Administrativo e Editorial Ana Cássia Pereira Silva anacassia@pezco.com.br Tel/fax: +55 11 3582 5509 Instante Foco: Regulação Econômica, Competição, Inovação e Investimentos A semana: desempenho do mercado e calendário econômico Fundamentos da economia: atividade, preços, fiscal e externo Cenário econômico

Leia mais

Instante. De 31 de Janeiro a 04 de Fevereiro de 2011 Nº125

Instante. De 31 de Janeiro a 04 de Fevereiro de 2011 Nº125 Instante Foco: Neutralidade de Rede:uma análise concorrencial da discriminação de conteúdo e aplicativos pelo detentor de rede de internet banda larga. A semana: desempenho do mercado e calendário econômico

Leia mais

Instante. 5 a 9 de abril de 2010

Instante. 5 a 9 de abril de 2010 Instante Foco: Crédito no Brasil Errata: Só Temos a ganhar. Leia o artigo na íntegra. Por problemas técnicos, o texto foi publicado incompleto. A semana: desempenho do mercado e calendário econômico Fundamentos

Leia mais

Instante. 16 a 21 de fevereiro de 2009 N o 30. São José dos Campos. Frederico Araujo Turolla fredturolla@pezco.com.br

Instante. 16 a 21 de fevereiro de 2009 N o 30. São José dos Campos. Frederico Araujo Turolla fredturolla@pezco.com.br Instante Foco: Crise econômica, federação e responsabilidade fiscal A semana: desempenho do mercado e calendário econômico Fundamentos da economia: atividade, preços, fiscal e externo Cenário econômico

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

Instante. 24 a 28 de maio de 2010 Nº94

Instante. 24 a 28 de maio de 2010 Nº94 Instante Foco: Investindo em Desenvolvimento: A Perspectiva do DBSA A semana: desempenho do mercado e calendário econômico Fundamentos da economia: atividade, preços, fiscal e externo Cenário econômico

Leia mais

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Segundo Trimestre de 2013 Energia Geração, Transmissão e Distribuição Conjuntura Projeto Banco Macroeconômica do Brasil Energia Geração, Transmissão e Distribuição

Leia mais

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula

Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Cenário Econômico de Curto Prazo O 2º Governo Lula Esta apresentação foi preparada pelo Grupo Santander Banespa (GSB) e o seu conteúdo é estritamente confidencial. Essa apresentação não poderá ser reproduzida,

Leia mais

MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO. Sergio Vale Economista-chefe

MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO. Sergio Vale Economista-chefe MB ASSOCIADOS CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO Sergio Vale Economista-chefe I. Economia Internacional II. Economia Brasileira Comparação entre a Grande Depressão de 30 e a Grande Recessão de 08/09 Produção

Leia mais

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio MB ASSOCIADOS Perspectivas para o Agribusiness em 2011 e 2012 Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio 26 de Maio de 2011 1 1. Cenário Internacional 2. Cenário Doméstico 3. Impactos no Agronegócio 2 Crescimento

Leia mais

Instante. De 22 a 26 de Agosto 2011 Nº152. Administrativo e Editorial Ana Cássia Pereira Silva anacassia@pezco.com.br Tel/fax: +55 11 3582 5509

Instante. De 22 a 26 de Agosto 2011 Nº152. Administrativo e Editorial Ana Cássia Pereira Silva anacassia@pezco.com.br Tel/fax: +55 11 3582 5509 Instante Foco: Técnica de Orçamento de Capital - Parte I A semana: desempenho do mercado e calendário econômico Fundamentos da economia: atividade, preços, fiscal e externo Cenário econômico até 2012 e

Leia mais

Brasil Transacções Comerciais & Financeiras

Brasil Transacções Comerciais & Financeiras Pq do Ibirapuera, São Paulo/ SP Brasil Transacções Comerciais & Financeiras Banco Caixa Geral Brasil S.A. /Grupo Caixa Geral de Depósitos Out/2009 A Economia Brasileira 2 A Economia Brasileira SEDE BCG-Brasil:

Leia mais

O desafio da competitividade. Maio 2012

O desafio da competitividade. Maio 2012 O desafio da competitividade Maio 2012 ECONOMY RESEARCH Roberto Padovani Economista-Chefe (55 11) 5171.5623 roberto.padovani@votorantimcorretora.com.br Rafael Espinoso Estrategista CNPI-T (55 11) 5171.5723

Leia mais

Panorama Econômico. Principais Fatos da Semana. 04 de Maio de 2015. Sumário. Acompanhamento De 27 de Abril a 01 de Maio

Panorama Econômico. Principais Fatos da Semana. 04 de Maio de 2015. Sumário. Acompanhamento De 27 de Abril a 01 de Maio Panorama Econômico 04 de Maio de 2015 Sumário Principais Fatos da Semana 1 Economia EUA 2 Economia Brasileira 3 Índices de Mercado 5 Calendário Semanal 5 Acompanhamento Principais Fatos da Semana Nos Estados

Leia mais

ISSN 1517-6576 CGC 00 038 166/0001-05 Relatório de Inflação Brasília v 3 n 3 set 2001 P 1-190 Relatório de Inflação Publicação trimestral do Comitê de Política Monetária (Copom), em conformidade com o

Leia mais

Tendências e cenários para a infra-estrutura de telecomunicações. ões. Seminário: O futuro das (tele)comunicações no Brasil

Tendências e cenários para a infra-estrutura de telecomunicações. ões. Seminário: O futuro das (tele)comunicações no Brasil Tendências e cenários para a infra-estrutura de telecomunicações ões Seminário: O futuro das (tele)comunicações no Brasil em homenagem a Sérgio S Motta (1940 1998) S. Paulo, 3 de junho de 2008 Juarez Quadros

Leia mais

Destaque Setorial - Bradesco

Destaque Setorial - Bradesco Telecomunicações 17 de novembro de 2015 Avanço dos serviços de telecomunicações deverá ser mais lento nos próximos anos Priscila Pacheco Trigo Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Os serviços

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base Cenário Econômico Internacional & Brasil Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda antonio.lacerda@siemens.com São Paulo, 14 de março de 2007

Leia mais

Retornos % Dia % Mês % Ano PREFIXADO IDkA Pré 2A 3.117,66 0,2326 0,0484 2,2339 IPCA IDkA IPCA 2A 3.361,41 0,0303 1,1342 4,33

Retornos % Dia % Mês % Ano PREFIXADO IDkA Pré 2A 3.117,66 0,2326 0,0484 2,2339 IPCA IDkA IPCA 2A 3.361,41 0,0303 1,1342 4,33 RENDA VARÍAVEL O Ibovespa principal indicador da bolsa de valores brasileira fechou o mês de março em queda (-0,84%). A Bovespa segue bastante vulnerável em meio à desaceleração econômica e a mudança de

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

Relatório Mensal. 2015 Março. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS

Relatório Mensal. 2015 Março. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Relatório Mensal 2015 Março Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Composição da Carteira Ativos Mobiliários, Imobiliários e Recebíveis

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira CÂMARA DOS DEPUTADOS Ministro Guido Mantega Comissão de Fiscalização Financeira e Controle Comissão de Finanças e Tributação Brasília, 14 de maio de 2014 1 Economia

Leia mais

abrimos mercados. 2015: Um Ano Perdido para o Brasil?

abrimos mercados. 2015: Um Ano Perdido para o Brasil? abrimos mercados. 2015: Um Ano Perdido para o Brasil? Lígia Heise Panorama Geral Brasil: Crise política agrava problemas econômicos Recessão Melhora da balança comercial Pautas-bomba Aumento do risco país

Leia mais

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda

Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Perspectivas da economia em 2012 e medidas do Governo Guido Mantega Ministro da Fazenda Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Brasília, 22 de maio de 2012 1 A situação da economia internacional

Leia mais

Classificação da Informação: Uso Irrestrito

Classificação da Informação: Uso Irrestrito Cenário Econômico Qual caminho escolheremos? Cenário Econômico 2015 Estamos no caminho correto? Estamos no caminho correto? Qual é nossa visão sobre a economia? Estrutura da economia sinaliza baixa capacidade

Leia mais

Brasil: Crescimento Sustentável, Distribuição de Renda e Inclusão Social. Miami Ministro Paulo Bernardo 6 de Abril de 2008

Brasil: Crescimento Sustentável, Distribuição de Renda e Inclusão Social. Miami Ministro Paulo Bernardo 6 de Abril de 2008 Brasil: Crescimento Sustentável, Distribuição de Renda e Inclusão Social Miami Ministro Paulo Bernardo 6 de Abril de 2008 Brasil consolida um mercado de consumo de massa e promove o surgimento de uma nova

Leia mais

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares Ciências Militares no Século XXI Situação Atual e Desafios Futuros Geopolítica dos Recursos Naturais Fontes Alternativas

Leia mais

Perspectivas 2014 Brasil e Mundo

Perspectivas 2014 Brasil e Mundo 1 Perspectivas 2014 Brasil e Mundo 2 Agenda EUA: Fim dos estímulos em 2013? China: Hard landing? Zona do Euro: Crescimento econômico? Brasil: Deixamos de ser rumo de investimentos? EUA Manutenção de estímulos

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Abril de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março de 2015... 5 3.

Leia mais

Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014

Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014 1 Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014 Brasil: Fundamentos Macroeconômicos (1) Reservas International

Leia mais

Março / 2015. Cenário Econômico Bonança e Tempestade. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Março / 2015. Cenário Econômico Bonança e Tempestade. Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Março / 2015 Cenário Econômico Bonança e Tempestade Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 Bonança Externa Boom das Commodities Estímulos ao consumo X inflação Importações e real valorizado 2

Leia mais

EconoWeek Relatório Semanal. EconoWeek 18/05/2015

EconoWeek Relatório Semanal. EconoWeek 18/05/2015 18/05/2015 EconoWeek DESTAQUE INTERNACIONAL Semana bastante volátil de mercado, com uma agenda mais restrita em termos de indicadores macroeconômicos. Entre os principais destaques, os resultados de Produto

Leia mais

Focus - Relatório de Mercado

Focus - Relatório de Mercado Inflação nos próximos 12 meses suavizada Mediana - agregado IPCA (%) 6,30 6,04 6,00 (1) IGP-DI (%) 5,80 5,66 5,61 (2) IGP-M (%) 5,79 5,79 5,68 (2) IPC-Fipe (%) 5,33 5,11 4,98 (2) * comportamento dos indicadores

Leia mais

Perspectivas para a Inflação

Perspectivas para a Inflação Perspectivas para a Inflação Carlos Hamilton Araújo Setembro de 213 Índice I. Introdução II. Ambiente Internacional III. Condições Financeiras IV. Atividade V. Evolução da Inflação 2 I. Introdução 3 Missão

Leia mais

Macro Visão. Opinião Macroeconômica. China: rumo a um novo equilíbrio? Relatório Semanal de Macroeconomia

Macro Visão. Opinião Macroeconômica. China: rumo a um novo equilíbrio? Relatório Semanal de Macroeconomia Opinião Macroeconômica Macro Visão terça-feira, 8 de setembro de 2009 Relatório Semanal de Macroeconomia China: rumo a um novo equilíbrio? Na semana passada o Macro Visão destacou o aumento da participação

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O saldo total das operações de crédito do Sistema Financeiro Nacional atingiu 54,5% do PIB, com aproximadamente 53% do total do saldo destinado a atividades econômicas. A carteira

Leia mais

Prospectivas da Matriz Energética Nacional 2030

Prospectivas da Matriz Energética Nacional 2030 Prospectivas da Matriz Energética Nacional 2030 Gilberto Hollauer Departamento de Planejamento Energético SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO Brasília, Brasília, 13 de 5 setembro de

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira em 2013 e Reforma do ICMS Interestadual

Perspectivas da Economia Brasileira em 2013 e Reforma do ICMS Interestadual Perspectivas da Economia Brasileira em 2013 e Reforma do ICMS Interestadual Guido Mantega Ministro da Fazenda Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Brasília, 21 de março de 2013 1 A economia

Leia mais

A economia brasileira e as perspectivas do investimento Luciano Coutinho Presidente do BNDES

A economia brasileira e as perspectivas do investimento Luciano Coutinho Presidente do BNDES A economia brasileira e as perspectivas do investimento Luciano Coutinho Presidente do BNDES O Brasil ingressa em um novo ciclo de desenvolvimento A economia brasileira continuarácrescendo firmemente nos

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O Copom decidiu, por unanimidade, elevar a taxa de juros Selic em 0,5 p.p., a 14,25% ao ano, conforme esperado pelo mercado. A decisão ocorreu após elevação de 0,5 p.p no último encontro.

Leia mais

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 1 Fundamentos macroeconômicos sólidos e medidas anti-crise 2 % a.a. Inflação na meta 8 6 metas cumpridas

Leia mais

Perspectivas para o financiamento das PPPs

Perspectivas para o financiamento das PPPs Perspectivas para o financiamento das PPPs PPP Summit 2015 20 de maio de 2015 Frederico Estrella frederico@tendencias.com.br Histórico e perfil da Tendências 2 Histórico Fundada em 1996, a Tendências é

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014 ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014 Data: 29/04/2014 Participantes Efetivos: Edna Raquel Rodrigues Santos Hogemann Presidente, Valcinea Correia da Silva Assessora Especial,

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira Márcio Holland Secretário de Política Econômica Ministério da Fazenda Caxias do Sul, RG 03 de dezembro de 2012 1 O Cenário Internacional Economias avançadas: baixo crescimento

Leia mais

APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO

APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO 18 de Agosto de 2006 Demian Fiocca Presidente do BNDES www.bndes.gov.br 1 BRASIL: NOVO CICLO DE DESENVOLVIMENTO Um novo ciclo de desenvolvimento teve início em 2004.

Leia mais

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado Políticas Públicas Lélio de Lima Prado Política Cambial dez/03 abr/04 ago/04 dez/04 abr/05 ago/05 Evolução das Reservas internacionais (Em US$ bilhões) dez/05 abr/06 ago/06 dez/06 abr/07 ago/07 dez/07

Leia mais

Cenário Econômico Brasil em uma nova ordem mundial. Guilherme Mercês Sistema FIRJAN

Cenário Econômico Brasil em uma nova ordem mundial. Guilherme Mercês Sistema FIRJAN Cenário Econômico Brasil em uma nova ordem mundial Guilherme Mercês Sistema FIRJAN Cenário Internacional Cenário mundial ainda cercado de incertezas (1) EUA: Recuperação lenta; juros à frente (2) Europa:

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

2ª Conferência de Investimentos Alternativos: FIDC, FII E FIP

2ª Conferência de Investimentos Alternativos: FIDC, FII E FIP 2ª Conferência de Investimentos Alternativos: FIDC, FII E FIP São Paulo, 21 de Agosto de 2013 Hotel Caesar Park Patrocínio SPX Capital Agosto 2013 Perspectivas Macroeconômicas Inflação acumulada em 12

Leia mais

Ministério das Comunicações

Ministério das Comunicações Sumário 1. Perfil do país 2. Dados Setoriais 3. Programa Nacional de Banda Larga 4. Marco Civil da Internet Perfil do País 30,0% Taxa de analfabetismo (população com mais de 15 anos de idade) 20,0% 10,0%

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Julho de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Julho de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Julho de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: Inflação e Salários...Pág.3 Europa: Grexit foi Evitado,

Leia mais

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 101/15 30/06/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Junho de 2015 Sumário 1. Perspectivas do CenárioEconômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março

Leia mais

CONJUNTURA ECONÔMICA INDICADORES SELECIONADOS PELO FAE INTELLIGENTIA 1 IPC-FAE ÍNDICE DE PREÇOS DA CLASSE MÉDIA CURITIBANA

CONJUNTURA ECONÔMICA INDICADORES SELECIONADOS PELO FAE INTELLIGENTIA 1 IPC-FAE ÍNDICE DE PREÇOS DA CLASSE MÉDIA CURITIBANA CONJUNTURA ECONÔMICA INDICADORES SELECIONADOS PELO FAE INTELLIGENTIA 1 IPC-FAE ÍNDICE DE PREÇOS DA CLASSE MÉDIA CURITIBANA O Índice de Preços ao Consumidor da Classe Média de Curitiba - IPC-FAE, medido

Leia mais

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 REPÚBLICA DA COLÔMBIA POPULAÇÃO 48 Milhões SUPERFÍCIE 1.141.748 Km2 CAPITAL Bogotá 7,3 milhões PRINCIPAIS CIDADES

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

Petrobras, Poupança e Inflação. 16 de Abril de 2015

Petrobras, Poupança e Inflação. 16 de Abril de 2015 Petrobras, Poupança e Inflação 16 de Abril de 2015 Tópicos Poupança e Cenário Econômico Petrobras Fundos Poupança e Cenário Econômico Caderneta de Poupança 1990: Data do confisco:16 de março de 1990. Cenário

Leia mais

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos Economia e Mercado Aula 4 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Oscilações dos níveis de produção e emprego Oferta e demanda agregadas Intervenção do Estado na economia Decisão de investir Impacto da

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Março de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Março de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Março de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: Fed e Curva de Juros...Pág.3 Europa: Melhora dos Indicadores...Pág.4

Leia mais

Instante. 06 a 12 de julho de 2009 N o 50. Tel/fax: +55 11 3582 5509

Instante. 06 a 12 de julho de 2009 N o 50. Tel/fax: +55 11 3582 5509 Instante Foco: A avaliação internacional do CADE e o Projeto de Lei n.º 06/2009 ("Reforma do CADE") A semana: desempenho do mercado e calendário econômico Fundamentos da economia: atividade, preços, fiscal

Leia mais

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real Capítulo utilizado: cap. 13 Conceitos abordados Comércio internacional, balanço de pagamentos, taxa de câmbio nominal e real, efeitos

Leia mais

Cenários Macroeconômicos para 2014. Wellington Santos Damasceno ETENE

Cenários Macroeconômicos para 2014. Wellington Santos Damasceno ETENE Cenários Macroeconômicos para 2014 Wellington Santos Damasceno ETENE Fortaleza CE 28/11/2013 Cenário Internacional Regiões e Países Selecionados Variação do PIB real (%) Fonte: World Economic Outlook Database,

Leia mais

ENTENDENDO COMO FUNCIONA A RENDA FIXA. Renda Fixa Plano B 124,0 % 10,0 % Renda Fixa Plano C 110,0 % 9,1 % Selic 71,0 % 6,5 %

ENTENDENDO COMO FUNCIONA A RENDA FIXA. Renda Fixa Plano B 124,0 % 10,0 % Renda Fixa Plano C 110,0 % 9,1 % Selic 71,0 % 6,5 % ENTENDENDO COMO FUNCIONA A RENDA FIXA A partir de 2005 foi iniciado um processo de alongamento dos prazos das carteiras de renda fixa da PSS, que propiciou bons ganhos por oito anos seguidos até o final

Leia mais

Ministério da Fazenda. Crise Financeira. Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo. Nelson Barbosa. Novembro de 2008

Ministério da Fazenda. Crise Financeira. Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo. Nelson Barbosa. Novembro de 2008 1 Crise Financeira Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo Nelson Barbosa Novembro de 20 1 2 Impactos da Crise Financeira nas Economias Avançadas Primeiro impacto: grandes perdas patrimoniais, crise

Leia mais

REGULAMENTO. As empresas podem inscrever um ou mais Cases, nas seguintes categorias:

REGULAMENTO. As empresas podem inscrever um ou mais Cases, nas seguintes categorias: REGULAMENTO 1. O PRÊMIO O PRÊMIO SMART, regido por este regulamento, tem como objetivo distinguir e reconhecer as melhores práticas de relacionamento com o cliente em Utilities e Telecom: Energia Elétrica,

Leia mais

Panorama Econômico Abril de 2014

Panorama Econômico Abril de 2014 1 Panorama Econômico Abril de 2014 Alerta Esta publicação faz referência a análises/avaliações de profissionais da equipe de economistas do Banco do Brasil, não refletindo necessariamente o posicionamento

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC FORTALEZA, Agosto de 2013 SUMÁRIO 1. Fundamentos da Análise de Conjuntura. 2. Tipos

Leia mais

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011.

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011. Análise CEPLAN Recife, 17 de agosto de 2011. Temas que serão discutidos na VI Análise Ceplan A economia em 2011: Mundo; Brasil; Nordeste, com destaque para Pernambuco; Informe sobre mão de obra qualificada.

Leia mais

Indicadores de Desempenho Julho de 2014

Indicadores de Desempenho Julho de 2014 Alguns fatores contribuiram para acentuar a desaceleração da produção industrial, processo que teve início a partir de junho de 2013 como pode ser observado no gráfico nº 1. A Copa do Mundo contribuiu

Leia mais

SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES

SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES NO BRASIL COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA SENADO FEDERAL EDUARDO LEVY BRASÍLIA, 04 DE NOVEMBRO DE 2014 crescimento do setor de telecomunicações

Leia mais

Evitar a recessão no Brasil

Evitar a recessão no Brasil Evitar a recessão no Brasil Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda Federação Nacional dos Engenheiros - FNE São Paulo, 12 de Março de 2015 1 2 3 4 5 O quadro internacional A economia brasileira Comércio,

Leia mais

Ativa Corretora. Novembro de 2010

Ativa Corretora. Novembro de 2010 Ativa Corretora Novembro de 2010 Roteiro A economia global passa por ajustes severos, quase que simultaneamente, o que torna o trabalho de previsão ainda mais complexo do que o normal. Existem ainda questões

Leia mais

A economia brasileira e oportunidades de investimento

A economia brasileira e oportunidades de investimento A economia brasileira e oportunidades de investimento Guido Mantega Ministro da Fazenda Aumento do investimento como prioridade do governo Formação Bruta de Capital Fixo, em % PIB *Acumulado até o 3º trimestre

Leia mais

Keynote speech by Senator Walter Pinheiro

Keynote speech by Senator Walter Pinheiro II LATIN AMERICAN PUBLIC POLICY FORUM ON INTERNET, E- COMMERCE AND MOBILE TECHNOLOGIES Economic, Social and Cultural Impact on Latin America's Development Keynote speech by Senator Walter Pinheiro Discussion

Leia mais

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia Descrição do Sistema de Franquia Franquia é um sistema de distribuição de produtos, tecnologia e/ou serviços. Neste sistema uma empresa detentora de know-how de produção e/ou distribuição de certo produto

Leia mais

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2007 (Anexo específico de que trata o art. 4º, 4º, da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000)

Leia mais

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 35 15 a 30 de setembro de 2009 EMPREGO De acordo com a Pesquisa

Leia mais

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior Alessandro Golombiewski Teixeira Secretário-Executivo São Paulo, agosto de 2012 Introdução 1 Contexto Econômico Internacional;

Leia mais

Sistema Fiero/Centro Internacional de Negócios. China e suas potencialidades comerciais

Sistema Fiero/Centro Internacional de Negócios. China e suas potencialidades comerciais Sistema Fiero/Centro Internacional de Negócios China e suas potencialidades comerciais A China será a maior economia do mundo. A dúvida é quando: em 2015, 2020, 2025? 23 4 5 2 . Comércio BR-CN, 2000-2010:

Leia mais

Revisão dos Contratos de Concessão. O PGMU. Desafio do Backhaul 390 Encontro Tele.Síntese

Revisão dos Contratos de Concessão. O PGMU. Desafio do Backhaul 390 Encontro Tele.Síntese Revisão dos Contratos de Concessão. O PGMU. Desafio do Backhaul 390 Encontro Tele.Síntese Mario Dias Ripper F&R Consultores Brasília, 02 de setembro de 2014. PGMU III Geografia Características do Brasil

Leia mais

Cenário Econômico como Direcionador de Estratégias de Investimento no Brasil

Cenário Econômico como Direcionador de Estratégias de Investimento no Brasil Cenário Econômico como Direcionador de Estratégias de Investimento no Brasil VII Congresso Anbima de Fundos de Investimentos Rodrigo R. Azevedo Maio 2013 2 Principal direcionador macro de estratégias de

Leia mais

FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO COM FOCO EM TÍTULOS DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO ESTRUTURADO REIT RIVIERA FII

FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO COM FOCO EM TÍTULOS DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO ESTRUTURADO REIT RIVIERA FII FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO COM FOCO EM TÍTULOS DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO ESTRUTURADO REIT RIVIERA FII Crédito lastreado em imóveis, alta rentabilidade e fluxo de caixa constante, com a solidez do concreto.

Leia mais

Agenda. 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário

Agenda. 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário Agenda 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário Cenário Internacional Cenário Internacional Mundo cresce, mas pouco. Preocupação com China 4 EUA

Leia mais