Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997"

Transcrição

1 RESOLUÇÃO Nº 51-GR/UNICENTRO, DE 7 DE JULHO DE ESTA RESOLUÇÃO ESTÁ REVOGADA PELA RESOLUÇÃO Nº 50/2011-CEPE/ UNICENTRO. ESTA RESOLUÇÃO ESTÁ RATIFICADA PELA RESOLUÇÃO Nº 49/2011-CEPE/UNICENTRO. Regulamenta, ad referendum do CEPE, a Mobilidade Internacional da Universidade Estadual do Centro-Oeste, UNICENTRO. O REITOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO, no uso de suas atribuições legais, considerando o contido no Protocolo nº 8.803, de 22 de junho de 2011, e nos termos do art. 9, inciso XV, do Regimento da UNICENTRO, RESOLVE: Art. 1º Regulamentar, ad referendum do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão, CEPE, a Mobilidade Internacional da Universidade Estadual do Centro-Oeste, UNICENTRO. Parágrafo único. Esta Regulamentação dispõe sobre o Programa de Mobilidade Discente na Graduação e na Pós-Graduação stricto sensu e estabelece normas para o reconhecimento de atividades acadêmicas desenvolvidas em instituições estrangeiras de ensino superior conveniadas ou não com a UNICENTRO. Art. 2º Fica facultado ao aluno de graduação e de pós-graduação stricto sensu, regularmente matriculado em qualquer curso da UNICENTRO, protocolizar pedido para integralizar componentes curriculares tais como disciplina, estágio, trabalho de conclusão de curso, dissertação, tese, desenvolvimento de projeto de pesquisa ou similar, em instituições estrangeiras de ensino superior conveniadas, Anexos I e II, ou não conveniadas com a UNICENTRO. 1º No caso de instituições não-conveniadas, cabe ao Conselho Departamental ou ao Colegiado do Curso de Pós-Graduação aprovar a mobilidade, levando em consideração a pertinência do Plano de Estudos e/ou Pesquisa. 2º O Escritório de Relações Internacionais, ERI, da UNICENTRO, fornece, a pedido, carta de apresentação, ratificando o propósito da mobilidade nas instituições não conveniadas. Art. 3º Os estudantes de graduação da UNICENTRO que participam do programa de mobilidade devem ter integralizado, no mínimo, o primeiro ano de seu curso na UNICENTRO, demonstrar desempenho acadêmico correspondente à média mínima e proficiência em língua estrangeira, de acordo com os critérios estabelecidos pelas instituições no país de destino. 1º Os estudantes vinculados a programas de pós-graduação devem integralizar as disciplinas obrigatórias de seu curso na UNICENTRO. 2º O período em que o aluno estiver realizando os estudos em mobilidade deve ser computado no prazo máximo de integralização curricular. Art. 4º Os convênios entre a UNICENTRO e as instituições estrangeiras, para o envio e recebimento dos alunos em mobilidade são negociados por intermédio do Escritório de Relações Internacionais, em relação de assessoria aos departamentos ou programas de pósgraduação interessados. 1

2 Parágrafo único. As Chefias de Departamento ou Coordenações de Cursos de Pós- Graduação stricto sensu, devem disponibilizar semestralmente ao ERI informações sobre os alunos enviados e recebidos. Art. 5º O aluno que se ausentar da UNICENTRO para estudar no exterior, deve manter a sua matrícula na UNICENTRO inscrito unicamente em Componentes Curriculares em Mobilidade Internacional. Art. 6º O aluno deve submeter à apreciação prévia um Plano de Estudos, Anexos I, II ou III, indicando as atividades que realizará no exterior, com programação e carga horária ou créditos, conforme praticado na instituição de destino. Parágrafo único. Essa apreciação é de competência do Conselho Departamental do Curso de Graduação ou da Coordenação do Curso de Pós-Graduação stricto sensu, para deliberação. Art. 7º Cada aluno em mobilidade deve indicar, no Plano de Estudos, tutores acadêmicos nos países de origem e de destino, que sejam professores do curso e que fiquem responsáveis pelo acompanhamento da realização das atividades previstas no Plano de Estudos. 1º O Conselho Departamental ou Colegiado de Pós-Graduação deve considerar, na aprovação dos Planos de Estudos, a compatibilidade do período de estadia solicitada no exterior, a carga horária e a presença dos temas e aportes teóricos relevantes e significativos, sendo a carga horária secundária e a pertinência dos temas, linhas de pesquisa e bibliografia, critérios prioritários, sempre que houver diferença em relação a sistemas praticados em outras Instituições de Ensino Superior, IES, tais como créditos, padrão semestral e outros especificados em editais e convênios. 2º Os componentes curriculares constantes dos Planos de Estudos aprovados, em conformidade com o caput deste artigo, são, uma vez cumpridos, aproveitados e incluídos no histórico escolar do aluno. 3º A eventual solicitação de prorrogação do período de estudos inicialmente previstos para instituição estrangeira deve ser encaminhada pelo aluno, para apreciação do Conselho Departamental ou Colegiado de Pós-Graduação, mediante um novo Plano de Estudos, ao qual se aplicam as mesmas regras do plano original. 4 Cabe ao Conselho Departamental ou Colegiado de Pós-Graduação apreciar a realização de mobilidade por parte de alunos de graduação que cursam disciplinas anuais quanto à possibilidade de complementação de estudos e avaliação da aprendizagem, relativamente às aulas que o aluno tiver deixado de frequentar devido a mobilidade internacional. 5º O aspecto quantitativo dos estudos que o aluno pode realizar no exterior, especificado em créditos, carga horária, semestre ou ano é estabelecida conforme edital ou termo aditivo de convênio, previamente discutidos com o tutor da UNICENTRO e coerente com o Plano de Estudos. Art. 8º Para o cumprimento do estabelecido no artigo anterior, os departamentos pedagógicos e Colegiados de Pós-Graduação interessados nessa forma de inserção internacional devem proporcionar, em seus projetos pedagógicos, a flexibilização curricular que contemple a internacionalização dos cursos de graduação da UNICENTRO. Parágrafo único. Com vistas a estabelecer a flexibilização curricular e para definir as condições para o aproveitamento de estudos em mobilidade, os Departamentos Pedagógicos e 2

3 Colegiados de Pós-Graduação devem estabelecer um sistema de equivalência de blocos de componentes curriculares, considerando a carga horária e a presença dos temas e aportes teóricos relevantes e significativos da estrutura curricular de cada curso. Art. 9º A realização de estudos ou estágio no exterior sem a aprovação do Plano de Estudos prévio só pode ocorrer com trancamento de matrícula, devendo o Conselho Departamental ou Colegiado de Pós-Graduação apreciar a posteriori o possível aproveitamento dos componentes curriculares cumpridos em intercâmbio. Art.10. Os componentes curriculares cumpridos no exterior são relacionados no Histórico Escolar do aluno sob a rubrica: Componentes Curriculares em Mobilidade Internacional, com a carga horária total cumprida ou créditos de pós-graduação, conforme o Plano de Estudos. 1 Os componentes pertencentes ao curso da UNICENTRO, correspondentes aos mencionados no caput do artigo, são listados no Histórico Escolar com a observação: cumprido em mobilidade internacional. 2 Se o aluno não obtiver aprovação em disciplinas previstas em seu Plano de Estudos, deve cursar disciplina do currículo da UNICENTRO indicada pelo Conselho Departamental ou Colegiado de Pós-Graduação stricto sensu. 3º Os estágios realizados no exterior são aproveitados, para efeito do cumprimento do Estágio Curricular obrigatório, com a carga horária correspondente à efetivamente cumprida. Art. 11. Fica facultado ao aluno de graduação, regularmente matriculado em instituições estrangeiras de ensino superior conveniadas ou não com a UNICENTRO, realizar componentes curriculares na UNICENTRO, durante o período máximo de dois semestres. Parágrafo único. O aluno estrangeiro em mobilidade deve ser matriculado na UNICENTRO como Aluno Estrangeiro, nos termos da legislação em vigor, mediante a apresentação de comprovante de matrícula e histórico da instituição de origem, como prova suficiente da sua aprovação em processo seletivo ao ensino superior.. Art. 12. O Conselho Departamental de Graduação ou o Colegiado do Curso de Pós- Graduação stricto sensu, com a devida deliberação, deve aprovar o Plano de Estudos de alunos estrangeiros que solicitarem mobilidade na UNICENTRO. Parágrafo único. Para cada aluno aceito na UNICENTRO, devem ser indicados, no Plano de Estudos, no mínimo um Tutor Acadêmico brasileiro e um tutor da universidade estrangeira, que o acompanham academicamente em sua permanência na UNICENTRO. Art. 13. Os estágios de estrangeiros feitos no Brasil devem estar em conformidade com o estabelecido pela Resolução Normativa nº 88, de 15 de setembro de 2010, do Conselho Nacional de Imigração. Art. 14. As despesas pelo cumprimento do programa correm por conta do aluno em mobilidade, sem prejuízo de bolsas que possa obter das agências de fomento nacionais e internacionais. Parágrafo único. É de responsabilidade do estudante em mobilidade, seja nacional ou estrangeiro, providenciar o seguro saúde, como documento imprescindível para obtenção de visto de estudante, sempre que o seguro não estiver previsto como item financiável no acordo interinstitucional. 3

4 Art. 15. É de responsabilidade do estudante que se candidata à mobilidade internacional providenciar a tradução juramentada da documentação que não esteja em língua portuguesa. Art. 16. Esta regulamentação está em conformidade com padrões de boas Práticas da Educação no Exterior e com o Código de Ética para a Educação no Exterior. Art. 17. Os casos não previstos nesta Resolução, pertinentes ao Programa de Mobilidade e ao aproveitamento das atividades realizadas, são resolvidos pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão, CEPE. Art. 18. Esta Resolução entra em vigor nesta data. Gabinete do Reitor da Universidade Estadual do Centro-Oeste, UNICENTRO. Prof. Vitor Hugo Zanette, Reitor. 4

5 ANEXOS À RESOLUÇÃO Nº 51-GR/UNICENTRO, DE 7 DE JULHO DE MOBILIDADE INTERNACIONAL UNICENTRO ANEXO 1 Modelo de Plano de Estudos para Mobilidade semestral ou anual PLANO DE TRABALHO (Sempre que utilizado para editais de fomento, este modelo deve ser adaptado conforme as exigências específicas.) Nome do Estudante: Curso: Série: Tutor na UNICENTRO IES Estrangeira: Tutor na IES Estrangeira: Título: INTRODUÇÃO Contextualizar o plano de estudos no curso, na área de conhecimento e no currículo. Expor o relacionamento estabelecido com a Instituição de Ensino Superior, IES, estrangeira e/ou o Convenio, ou Edital específico de órgão de fomento, se for o caso. JUSTIFICATIVA Justificar a pertinência da proposta. OBJETIVO GERAL Descrever ESPECÍFICOS Como o plano contribui para o aperfeiçoamento do estudante? Que tipos de articulação interdisciplinar ou aperfeiçoamento curricular pretende-se? Como a proposta abre perspectivas para a colaboração entre brasileiros e estrangeiros em áreas e linhas de pesquisa similares? Como a proposta vislumbra publicações e/ou outros produtos? Como a proposta vislumbra novas tecnologias e/ou metodologias? METODOLOGIA EX.: Uma das metodologias que pode ser aproveitada para planos de estudo e projetos é denominada Planejamento, Processo e Produto (PPP), baseada em um modelo de avaliação contínua e criada por JACOBSON (1991). Período de execução: mês XXX e ano XXXX a mês XXX e ano XXXX 5

6 ATIVIDADES PROPOSTAS META ATIVIDADES Prazos RESULTADOS ESPERADOS Descrever os impactos cultural, científico, tecnológico, artístico, social e/ou regional almejados, conforme a área do conhecimento. INTEGRAÇÃO CURRICULAR E O RECONHECIMENTO DE CRÉDITOS (no caso de mobilidade para cursar disciplinas ou dupla diplomação). Descrever os tipos de curso (anual ou semestral) na UNICENTRO e na IES estrangeira. Descrever a articulação da formação geral. Por exemplo: Quando o estudante terá concluído cerca de XX% da carga horária das disciplinas referentes ao 2º ou 3º ano do curso? Pretende-se que o estudante seja avaliado antecipadamente e possam ingressar na IES estrangeira com as disciplinas concluídas? Como será feita a equivalência das disciplinas referentes ao Xº ano (Xº e Xº semestres 20XX) e Xº semestre 20XX do Xº ano do curso: Pode-se compatibilizar carga horária por meio do ECTS (Sistema Europeu de Transferência de Créditos/ sigla do nome em inglês, European Credit Transfer System) de forma a obter equivalência das disciplinas a serem cursadas na instituição de destino em relação às disciplinas na instituição de origem? Ex.: cada crédito da instituição européia corresponde à carga horária (h) de 27h, de modo que a carga horária das disciplinas da UNICENTRO é estimada em créditos na mesma proporção. Quadro 1: Elaborar quadro de disciplinas a serem cursadas na IES estrangeira Disciplinas Carga horária Quantidade de Créditos Período de oferta Quadro 2: Elaborar quadro de disciplinas a serem cursadas na UNICENTRO Disciplinas Carga horária Quantidade de Créditos Período de oferta 6

7 As disciplinas constantes nos quadros correspondem a um total de quantos créditos a serem cursados? Informar o responsável pela aprovação dos quadros (disciplinas a serem cursadas) na IES estrangeira e na UNICENTRO. Outras informações (especificar as soluções pretendidas para aproveitamentos de estudos): Há outros tipos de procedimentos de equivalência ou reconhecimento de estudo que serão utilizados? As horas complementares, pré-requisito dos cursos de Licenciatura, serão equiparadas a atividades extracurriculares desenvolvidas no exterior? O Trabalho de Conclusão de Curso, TCC, poderá ser o relatório final apresentado pelo acadêmico no retorno do período de mobilidade, na modalidade de seminário? PREVISÃO DE CUSTOS Informar recursos existentes ou pretendidos para viagem e estadia. CONSIDERAÇÕES FINAIS Expor quaisquer informações complementares e relevantes. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS JACOBSON, S Evaluation model for developing, implementing, and assessing conservation education programs: examples from Belize and Costa Rica. Environmental Management. 15(2):

8 ANEXO 2 Formulário simplificado para outros tipos de mobilidade (especialmente curta duração) INSCRIÇÃO PARA MOBILIDADE ACADÊMICA - ALUNOS DA UNICENTRO Nome Completo DADOS PESSOAIS DO ESTUDANTE Data de nascimento: Endereço para envio de correspondência: Nacionalidade: CEP: Telefone/celular: Telefone familiar: Estado Civil: Passaporte: RA: RG: ESTUDOS EM CURSO Curso: Ano que iniciou o curso: Ano que frequenta no presente ano letivo: Duração: Data prevista para o término do curso: DADOS DA UNIVERSIDADE DE DESTINO Nome da Instituição: Endereço completo: Coordenador Institucional Nome: Nome do Órgão: Responsável pela mobilidade (Tutor) Nome: Telefone: PERÍODO DE ESTUDOS NA UNIVERSIDADE DE DESTINO (Preenchimento Obrigatório) Nome do curso a que se candidata: Período a que se candidata Um ano acadêmico completo 1º Semestre 2º Semestre Outro Período Data de início: Data final: 8

9 PLANO DE ESTUDOS QUE SERÁ REALIZADO NA UNIVERSIDADE DE DESTINO (Preenchimento Obrigatório) Resuma o seu plano de atividades (objetivos, metodologia, aporte teórico e/ou disciplinas de interesse, proposta de coleta de dados, estágios, etc) e justifique o seu interesse na mobilidade, especificando como ela complementará o seu currículo na UNICENTRO. Observação: este plano deve ser adaptado conforme os estudos pretendidos e as possibilidades disponíveis na universidade estrangeira. O estudante e seu tutor na UNICENTRO deverão buscara essas informações no site da universidade conveniada e preferencialmente indicar um tutor na universidade estrangeira. INFORMAÇÕES ADICIONAIS Visto de estudante - Seguro saúde (indicar a empresa contratada) ATENÇÃO: O estudante só deverá sair do Brasil depois de obter o visto de estudante e ter contratado seguro de vida e saúde internacional para qualquer que seja o período de estudos. Guarapuava (ou Irati),.../.../ 20XX Estudante Professor Tutor na UNICENTRO Ciente: Escritório de Relações Internacionais 9

10 ANEXO 3 APPLICATION FORM FOR FOREIGN STUDENT MOBILITY 1. Informações pessoais/ Personal information Nome Completo (Full name): Nacionalidade (Nationality): Data de nascimento (Birth date): Sexo (Gender): Masculino/ Male ( ) Feminino/Female) ( ) Nome do pai/ father's name: Nome da mãe/ mother's name: Numero do passaporte/ Passport number: País e data de emissão/country and date of issue: Endereço permanente (permanent adress): Telefone/Phone number.: Celular (Cell phone number): pessoal/ Personal Contato para emergência/emergency contact person Name: Telefone/Phone number: 2. Informações acadêmicas/ Academic information Graduação/ Undergratuate ( ) Pós-Graduação/ Graduate) ( ) Período para a mobilidade (Dates for the mobility program): Início (mês/ ano) (Beginning month/ year): /, 10

11 Final (mês/ ano) (End month/ year) /. Curso na instituição de origem (Student s major at the home institution): Atualmente matriculado no (ano/semestre) (Currently enrolled in the year/semester): / Área de estudo (Field of Knowledge): Informações da instituição de origem/ Home university information Instituição de origem (Home university): for general contact: Endereço completo do Setor de Relações Internacionais ou departamento responsável na instituição de origem (Full address of the Office for International Relations or responsible department at home institution): TUTOR - nome, título e departamento/ TUTORŚ full name, title and department): do TUTOR (TUTOR s ): Tel.: Fax: Lembre-se de que é por meio deste que manteremos contato com o estudante. Remember that this will be used to contact the student during the application process and any changes or corrections should be informed immediately. 11

12 4. Conhecimento da Línguas/ Proficiency in Languages 4.1. Língua materna/ native language: 4.2. Proficiência em Português/ Portuguese OBS: Preencha os campos abaixo usando 1 (fluente), 2 (bem), 3 (razoável) e 4 (ineficiente) (PS: Fill in the blanks below using 1 (fluent), 2 (good), 3 (average) and 4 (poor) Lê (Reading): Escreve (Writing): Fala (Speaking): Certificado (Proficiency certificate CELPE-BRAS score): 4.3. Proficiência em outra(s) língua(s) pertinente(s) ao plano de estudos/ Proficiency in other language(s) that are pertinent to the study plan - indicate language(s): 5. Plano de estudo/ Study plan Descreva o seu plano de estudos, com objetivos, metodologia, justificativa da mobilidade pretendida e aporte teórico. Este plano deve ter sido discutido com os tutores em ambas instituições. [Describe your study plan, with objectives, methodology, reason for intended mobility and theoretical support. This study plan should have been discussed with the tutors from both institutions]. 12

13 6. Observações adicionais/ Additional remarks 7. Documentação a ser postada/ required documents to be submitted in pdf version - Páginas do passaporte onde constam o número, os dados pessoais e foto/ Passport pages with number, personal informattion and photograph; - Histórico escolar atual/ current transcript of grades; - Prova de matrícula atual/ Proof of enrollment or current registration at home institution; - Termo de responsabilidade assinado pelo tutor na IES de origem/ Responsibility statement signed by the tutor from the home institution; - Carta de aceitação assinada pelo tutor na UNICENTRO/ Letter of acceptance signed by the tutor from UNICENTRO; Certificado de Proficiência em língua portuguesa ou declaração do tutor na IES de origem, sobre as exigências de idioma para o plano de estudo/ Certificate of Proficiency in Portuguese (eg. CELPE-BRAS score) or statement signed by the Tutor from the home instuitution regarding linguistic proficiency requirements of the study plan. - Dados da Apólice do Seguro contratado/ Insurance information (a contratação do seguro pode ser apresentada após a obtenção do Visto/ the insurance may be contracted after the Visa is issued). 13

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº 001 ERI/PROPESP/PROEN/UNICENTRO, DE 5 DE SETEMBRO DE 2011 Aprova os Formulários pertinentes à Mobilidade Internacional da UNICENTRO. A DIRETORA DO ESCRITÓRIO DE RELAÇÕES

Leia mais

EDITAL N. 002/2015-ECI/CPINTER

EDITAL N. 002/2015-ECI/CPINTER UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ - UEM ESCRITÓRIO DE COOPERAÇÃO INTERNACIONAL - ECI COMISSÃO PERMANENTE DE INTERNACIONALIZAÇÃO - CPInter PROGRAMA DE MOBILIDADE ACADÊMICA INTERNACIONAL - GRADUAÇÃO EDITAL

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA UNILA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA UNILA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CONSUN Nº 029 DE 1º DE OUTUBRO DE 2014 Aprova as Diretrizes da Política de Mobilidade Acadêmica da Universidade Federal da Integra ção Latino-Americana UNILA. O Conselho Universitário da Universidade

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MARANHÃO REITORIA ASSESSORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MARANHÃO REITORIA ASSESSORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MARANHÃO REITORIA ASSESSORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS EDITAL Nº 06, DE 18 DE AGOSTO DE 2014. PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 001/2007-CEPE/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 001/2007-CEPE/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 001/2007-CEPE/UNICENTRO Aprova o Regulamento do Programa de Estágio Pedagógico Voluntário da UNICENTRO. O VICE-REITOR, NO EXERCÍCIO DO CARGO DE REITOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE,

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º. Este Regulamento define, no âmbito da Faculdade INEDI, as atividades complementares, bem como os procedimentos a serem

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 74/2011

RESOLUÇÃO Nº 74/2011 Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão RESOLUÇÃO Nº 74/2011 DÁ NOVA REDAÇÃO À RESOLUÇÃO Nº 81/04 QUE TRATA DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES COMO COMPONENTE CURRICULAR DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL. RESOLUÇÃO CEPE-UEMS Nº 1.148, de 25 de outubro de 2011.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL. RESOLUÇÃO CEPE-UEMS Nº 1.148, de 25 de outubro de 2011. RESOLUÇÃO CEPE-UEMS Nº 1.148, de 25 de outubro de 2011. Dispõe sobre a regulamentação da Mobilidade e do Intercâmbio Acadêmicos Internacionais da O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO da UNIVERSIDADE

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO RESOLUÇÃO Nº./2014/CONSELHO UNIVERSITÁRIO

MINUTA DE RESOLUÇÃO RESOLUÇÃO Nº./2014/CONSELHO UNIVERSITÁRIO MINUTA DE RESOLUÇÃO RESOLUÇÃO Nº./2014/CONSELHO UNIVERSITÁRIO Estabelece as diretrizes da Política de Mobilidade Acadêmica da Universidade Federal da Integração Latino-Americana UNILA. O CONSELHO SUPERIOR

Leia mais

2º O envio de alunos da Universidade do Estado do

2º O envio de alunos da Universidade do Estado do UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 026/2011-CONSUNIV DISPÕE sobre as normas gerais de intercâmbio acadêmico dos discentes regularmente matriculados na Universidade do

Leia mais

Colegiado do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciências Veterinárias

Colegiado do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciências Veterinárias MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS Colegiado do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO IESMA

REGULAMENTO GERAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO IESMA REGULAMENTO GERAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO IESMA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. O presente regulamento tem

Leia mais

Programa Ciência sem Fronteiras

Programa Ciência sem Fronteiras Programa Ciência sem Fronteiras Apresentação Este GUIA foi elaborado pela Diretoria de Relações Internacionais (DRI), Pró-Reitoria de Graduação (PRG) e Pró- Reitoria de Pesquisa (PRP) da UFLA para orientar

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 37/2009

RESOLUÇÃO CONSEPE Nº 37/2009 DISPÕE SOBRE CRITÉRIOS PARA O EXAME DE IDENTIDADE OU EQUIVALÊNCIA DE DISCIPLINAS PARA EFEITO DE APROVEITAMENTO DE ESTUDOS O Presidente do Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão CONSEPE, no uso

Leia mais

10/04/2015 regeral_133_146

10/04/2015 regeral_133_146 Seção VI Da Transferência Art. 96. A UNIR aceita transferência de discentes oriundos de outras instituições de educação superior, de cursos devidamente autorizados, para cursos afins, na hipótese de existência

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03/2015 ATIVIDADES DE BOLSISTAS DO PROGRAMA DE DOUTORADO SANDUÍCHE NO EXTERIOR CAPES (PDSE)

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03/2015 ATIVIDADES DE BOLSISTAS DO PROGRAMA DE DOUTORADO SANDUÍCHE NO EXTERIOR CAPES (PDSE) INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03/2015 ATIVIDADES DE BOLSISTAS DO PROGRAMA DE DOUTORADO SANDUÍCHE NO EXTERIOR CAPES (PDSE) Regulamenta as atividades relativas a bolsistas do Programa de Doutorado Sanduíche no

Leia mais

Resolução n o 145 de 30/09/2015 CAS

Resolução n o 145 de 30/09/2015 CAS Resolução n o 145 de 30/09/2015 CAS Estabelece a Política de Intercâmbio da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior da Universidade Positivo, no

Leia mais

PORTARIA Nº. 14/REITORIA/10, de 5 de julho de 2010 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

PORTARIA Nº. 14/REITORIA/10, de 5 de julho de 2010 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO PORTARIA Nº. 14/REITORIA/10, de 5 de julho de 2010 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Institui e estabelece critérios para o Aproveitamento de Estudos e Verificação de Proficiência para fins de certificação

Leia mais

PROFLETRAS R E G I M E N T O

PROFLETRAS R E G I M E N T O PROFLETRAS R E G I M E N T O CAPÍTULO I - CAPITULO II - CAPÍTULO III - CAPÍTULO IV - CAPÍTULO V - CAPÍTULO VI - CAPÍTULO VII - CAPÍTULO VIII - Das Finalidades Das Instituições Associadas Da Organização

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Medicina Colegiado do Curso Superior de Tecnologia em Radiologia RESOLUÇÃO Nº.

Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Medicina Colegiado do Curso Superior de Tecnologia em Radiologia RESOLUÇÃO Nº. RESOLUÇÃO Nº. 002/2011 "Dispõe a respeito das Atividades Complementares Geradoras de Crédito (ACGC) no curso Superior de Tecnologia em Radiologia da UFMG Conforme o disposto na Lei de Diretrizes e Bases

Leia mais

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Recredenciada pelo Decreto Estadual N 9.996, de 02.05.2006

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Recredenciada pelo Decreto Estadual N 9.996, de 02.05.2006 Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Recredenciada pelo Decreto Estadual N 9.996, de 02.05.2006 EDITAL Nº 096/2015 SELEÇÃO DE CANDIDATOS AO PROGRAMA DE BOLSAS IBERO-AMERICANAS PARA ESTUDANTES DA

Leia mais

EDITAL SRI/UNIFESP Nº 026/2013 EDITAL PARA INTERCÂMBIO INTERNACIONAL DE GRADUAÇÃO COM INSTITUIÇÕES CONVENIADAS

EDITAL SRI/UNIFESP Nº 026/2013 EDITAL PARA INTERCÂMBIO INTERNACIONAL DE GRADUAÇÃO COM INSTITUIÇÕES CONVENIADAS EDITAL SRI/UNIFESP Nº 026/2013 EDITAL PARA INTERCÂMBIO INTERNACIONAL DE GRADUAÇÃO COM INSTITUIÇÕES CONVENIADAS A da UNIFESP, juntamente com a, no uso de suas atribuições, nos termos do art. 19, inciso

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 01/2014 R E S O L V E:

RESOLUÇÃO Nº 01/2014 R E S O L V E: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA BAHIA CAMPUS VITÓRIA DA CONQUISTA COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL Av. Amazonas 3150, 45.075-265 Vitória da Conquista

Leia mais

Instrução Normativa xx de... 2014.

Instrução Normativa xx de... 2014. REGULAMENTO PARA AFASTAMENTO DE SERVIDORES DOCENTES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL PARA CAPACITAÇÃO EM PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU E PÓS-DOUTORADO

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE LICENCIATURAS DA FACULDADE DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES - FFP

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE LICENCIATURAS DA FACULDADE DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES - FFP UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE EDUCAÇÃO E HUMANIDADES FACULDADE DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES SÃO GONÇALO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE LICENCIATURAS DA FACULDADE

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1. OBJETIVOS O Objetivo das Atividades Complementares é estimular o aluno a participar de experiências diversificadas que contribuam para o seu futuro profissional,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA COMISSÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02/2010/CPG

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA COMISSÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02/2010/CPG INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02/2010/CPG Estabelece procedimento para o reconhecimento e o registro de diploma de conclusão de curso de Pós-Graduação expedidos por instituições de ensino superior estrangeiras.

Leia mais

CADASTRO DE PROJETOS DE ENSINO. EDITAL Nº XX/2014-PROEN, de XX de XX de 2014

CADASTRO DE PROJETOS DE ENSINO. EDITAL Nº XX/2014-PROEN, de XX de XX de 2014 CADASTRO DE PROJETOS DE ENSINO EDITAL Nº XX/2014-PROEN, de XX de XX de 2014 A Reitoria do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás, por meio da Pró-Reitoria de Ensino (PROEN/IFG), torna

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Tecnologia de Materiais

Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Tecnologia de Materiais Faculdade de Engenharia Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Tecnologia de Materiais Regulamento Capítulo I Da Atribuição e Organização Geral Art. 1 - O Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Tecnologia

Leia mais

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA DA FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA DA FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA DA FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO I. COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) 1. A Comissão

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS. Graduação Sanduíche no Exterior (SWG)

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS. Graduação Sanduíche no Exterior (SWG) Edital N o 02 SWG/UNICENTRO/MCTI/MEC/CNPq/CAPES A Universidade Estadual do Centro-Oeste, por meio da Coordenação Institucional do Programa Ciência sem Fronteiras, atendendo à chamada do Ministério da Ciência,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 05 - CONSU 13 DE JUNHO DE 2007

RESOLUÇÃO Nº. 05 - CONSU 13 DE JUNHO DE 2007 Rua Governador Luiz Cavalcante, S/N, TELEFAX (82) 3530-3382 CEP: 57312-270 Arapiraca-Alagoas RESOLUÇÃO Nº. 05 - CONSU 13 DE JUNHO DE 2007 Dispõe sobre normas e procedimentos para os Cursos de Especialização

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU USJT REGULAMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU USJT REGULAMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU USJT REGULAMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA CEPE 04/12/2013 I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1 o O Curso de Mestrado do Programa

Leia mais

CAMPUS DE FOZ DO IGUAÇU CENTRO DE ENGENHARIAS E CIÊNCIAS EXATAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

CAMPUS DE FOZ DO IGUAÇU CENTRO DE ENGENHARIAS E CIÊNCIAS EXATAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EDITAL Nº. 006/2015 - PGESDE PROCESSO SELETIVO PARA ESTAGIO DE PÓS-DOUTORADO VOLUNTÁRIO, FLUXO CONTÍNUO (INGRESSO 2015), NO PERÍODO DE 10 DE AGOSTO DE 2015 A 20 DE NOVEMBRO DE 2015, NO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Relações Internacionais - USP Edital IRI 02/2013, de 18.04.2013. Seleção em 2013 início dos cursos em 2014

Programa de Pós-Graduação em Relações Internacionais - USP Edital IRI 02/2013, de 18.04.2013. Seleção em 2013 início dos cursos em 2014 Programa de Pós-Graduação em Relações Internacionais - USP Edital IRI 02/2013, de 18.04.2013 Seleção em 2013 início dos cursos em 2014 Estarão abertas, no período de 15 a 31 de outubro de 2013, as inscrições

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FACULDADE DE DIREITO Coordenação de Atividades Complementares

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FACULDADE DE DIREITO Coordenação de Atividades Complementares UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FACULDADE DE DIREITO Coordenação de Atividades Complementares REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA O CURSO DE GRADUAÇÃO Art.1º Este Regulamento define,

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 0 01/12

RESOLUÇÃO N. 0 01/12 RESOLUÇÃO N. 0 01/12 EMENTA: Aprova, no âmbito do Colegiado do Departamento de Matemática e Estatística, ao qual se vincula o Curso de Graduação de Licenciatura em Matemática modalidade à Distância da

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS. Graduação Sanduíche no Exterior/CNPq (SWG)

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS. Graduação Sanduíche no Exterior/CNPq (SWG) Edital N o 01 SWG/UNICENTRO/CNPq A Universidade Estadual do Centro-Oeste, por meio da Coordenação Institucional do Programa Ciência sem Fronteiras, com base no Termo de Concessão 800773/2011-0 do Programa

Leia mais

MANUAL INTERCÂMBIO INTERNACIONAL

MANUAL INTERCÂMBIO INTERNACIONAL MANUAL INTERCÂMBIO INTERNACIONAL Avenida Eufrásia Monteiro Petráglia, 900 Jardim Petráglia CEP. 14.409-160 - Franca-SP Fone (016) 3706-8730 Revisado março/2011 INTERCÂMBIO INTERNACIONAL Procedimentos e

Leia mais

Regulamento das. Atividades Complementares

Regulamento das. Atividades Complementares BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS Regulamento das Atividades Complementares Osasco 2013 Apresentação Este documento apresenta um conjunto geral de normas e orientações sobre a realização das Atividades

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG ESCOLA DE DESIGN ED COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO NUCLEO INTEGRADOR DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS - NIPP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008 Aprovado pelo

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 183/2009 AD REFERENDUM DO CONEPE

RESOLUÇÃO Nº 183/2009 AD REFERENDUM DO CONEPE RESOLUÇÃO Nº 183/2009 AD REFERENDUM DO CONEPE Aprova o Edital 001/2009 para Seleção no Programa de Pósgraduação Stricto Sensu em Educação - Mestrado Acadêmico, da Universidade do Estado de Mato Grosso

Leia mais

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. O presente Regulamento tem por finalidade normatizar as atividades complementares que compõem o currículo pleno dos

Leia mais

Regulamento das Atividades Complementares Obrigatórias ACO

Regulamento das Atividades Complementares Obrigatórias ACO Art. 1º. Este Regulamento tem por finalidade regular o aproveitamento e a validação das Atividades Complementares Obrigatórias ACO que compõem a Matriz Curricular do Curso de Graduação em Administração

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3.736, DE 15 DE SETEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 3.736, DE 15 DE SETEMBRO DE 2011 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO RESOLUÇÃO Nº 3.736, DE 15 DE SETEMBRO DE 2011 Dispõe sobre o afastamento do país e concessão de passagens para servidores da UNIRIO. O Conselho de

Leia mais

UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO EM PATRIMÔNIO CULTURAL E SOCIEDADE

UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO EM PATRIMÔNIO CULTURAL E SOCIEDADE UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO EM PATRIMÔNIO CULTURAL E SOCIEDADE Campus I Joinville 2008 SUMÁRIO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS... 03 CAPÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS GABINETE DO REITOR DEPARTAMENTO DE INTERCÂMBIO E PROGRAMAS INTERNACIONAIS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS GABINETE DO REITOR DEPARTAMENTO DE INTERCÂMBIO E PROGRAMAS INTERNACIONAIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS GABINETE DO REITOR DEPARTAMENTO DE INTERCÂMBIO E PROGRAMAS INTERNACIONAIS EDITAL DE SELEÇÃO N 03/2011/GR APRESENTAÇÃO A Universidade Federal do Pelotas,

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 32/CUn, DE 27 DE AGOSTO DE 2013.

RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 32/CUn, DE 27 DE AGOSTO DE 2013. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA ÓRGÃOS DELIBERATIVOS CENTRAIS CAMPUS UNIVERSITÁRIO TRINDADE CEP: 88040-900 FLORIANÓPOLIS SC TELEFONES: (48) 3721-9522 - 3721-4916 FAX: (48)

Leia mais

EDITAL Nº 003, de 05 de dezembro de 2014.

EDITAL Nº 003, de 05 de dezembro de 2014. EDITAL Nº 003, de 05 de dezembro de 2014. A Faculdade de Ciências Humanas (FCH), da Fundação Universidade Federal da Grande Dourados, torna público o presente Edital para abertura de inscrições visando

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS 1 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art.1º O presente regulamento tem por finalidade estabelecer normas para a realização e o registro das Atividades Complementares nos

Leia mais

Resolução 053/Reitoria/Univates Lajeado, 20 de julho de 2015

Resolução 053/Reitoria/Univates Lajeado, 20 de julho de 2015 Resolução 053/Reitoria/Univates Lajeado, 20 de julho de 2015 Aprova o Edital Propex/Pós-Graduação 06/2015 abertura de inscrições para processo de seleção para os Programas de Pós-Graduação destinado a

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DO ICSP/FESP CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DO ICSP/FESP CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS 1 FESP ICSP INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DO PARANÁ Mantenedora: Fundação de Estudos Sociais do Paraná CGC/MF: 76.602.895/0001-04 Inscr. Estadual: Isento Rua General Carneiro, 216 Fone/Fax (0xx41) 264-3311

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 044/2015, DE 13 DE ABRIL DE 2015 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 044/2015, DE 13 DE ABRIL DE 2015 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG RESOLUÇÃO Nº 044/2015, DE 13 DE ABRIL DE 2015 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho Universitário da UNIFAL-MG, no uso de suas atribuições regimentais e estatutárias,

Leia mais

GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO PROPe

GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO PROPe REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS GRADUAÇÃO PROPe Sumário Título I Dos Cursos de Pós Graduação e suas finalidades...1 Título II Dos Cursos de Pós Graduação em Sentido Lato...1 Título III Dos Cursos de

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 228/2015

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 228/2015 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 228/2015 Aprova e regulamenta a Mobilidade Acadêmica Internacional Externa para alunos de graduação da Universidade de Taubaté. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade do

Leia mais

FACULDADE SANTA TEREZINHA CEST CURSO DE DIREITO NORMAS ESPECÍFICAS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES INDEPENDENTES

FACULDADE SANTA TEREZINHA CEST CURSO DE DIREITO NORMAS ESPECÍFICAS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES INDEPENDENTES NORMAS ESPECÍFICAS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES INDEPENDENTES Art. 1º As Complementares Independentes integram o currículo do curso de graduação de Direito, objetivando sua flexibilização, sendo seu cumprimento

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Ficam aprovadas, conforme anexo, as Políticas de Atendimento a Discentes Estrangeiros da FAE Centro Universitário.

R E S O L U Ç Ã O. Ficam aprovadas, conforme anexo, as Políticas de Atendimento a Discentes Estrangeiros da FAE Centro Universitário. RESOLUÇÃO CONSEPE N. 22/2011 APROVA AS POLÍTICAS DE ATENDIMENTO A DISCENTES ESTRANGEIROS DA FAE CENTRO UNIVERSITÁRIO. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão CONSEPE, no uso das atribuições

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE ALAGOAS - UNEAL

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE ALAGOAS - UNEAL REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE ALAGOAS - UNEAL Este Regulamento e a Resolução do Conselho Superior da Uneal (CONSU/UNEAL) que o aprovou foram

Leia mais

CAPÍTULO II DA DURAÇÃO E DA CARGA HORÁRIA

CAPÍTULO II DA DURAÇÃO E DA CARGA HORÁRIA POLO UFRJ - XERÉM COORDENAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL E SUPORTE ACADÊMICO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO Art. 1 o. As Atividades Complementares são componentes

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA PPGE / UCB REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA.

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA PPGE / UCB REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA. UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA PPGE / UCB REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA Brasília-DF CAPÍTULO I Das Disposições Iniciais Art. 1º. O presente

Leia mais

EDITAL Nº 12/2015/REITORIA/IFTO, DE 30 DE MARÇO DE 2015. CHAMADA Nº 1/2015 LÍDERES EMERGENTES DAS AMÉRICAS/CRAI/PROEX/REITORIA/IFTO

EDITAL Nº 12/2015/REITORIA/IFTO, DE 30 DE MARÇO DE 2015. CHAMADA Nº 1/2015 LÍDERES EMERGENTES DAS AMÉRICAS/CRAI/PROEX/REITORIA/IFTO EDITAL Nº 12/2015//IFTO, DE 30 DE MARÇO DE 2015. CHAMADA Nº 1/2015 LÍDERES EMERGENTES DAS AMÉRICAS/CRAI/PROEX//IFTO O REITOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS, nomeado

Leia mais

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

Regulamento das Atividades Complementares Obrigatórias ACO do Curso de Direito da Faculdade Arthur Thomas

Regulamento das Atividades Complementares Obrigatórias ACO do Curso de Direito da Faculdade Arthur Thomas Art. 1º. Este Regulamento tem por finalidade regular o aproveitamento e a validação das Atividades Complementares Obrigatórias ACO que compõem a Matriz Curricular do Curso de Graduação em Direito da Faculdade

Leia mais

Edital de Aproveitamento de Estudos e Diplomas de Curso Normal Superior e Pedagogia com habilitação em Supervisão e Orientação

Edital de Aproveitamento de Estudos e Diplomas de Curso Normal Superior e Pedagogia com habilitação em Supervisão e Orientação EDITAL n. 06.2012 - FAEL- EAD, 30 de maio de 2012 Edital de Aproveitamento de Estudos e Diplomas de Curso Normal Superior e Pedagogia com habilitação em Supervisão e Orientação A Faculdade Educacional

Leia mais

São Paulo, 122 (42) Diário Oficial Poder Executivo - Seção I sábado, 3 de março de 2012

São Paulo, 122 (42) Diário Oficial Poder Executivo - Seção I sábado, 3 de março de 2012 São Paulo, 122 (42) Diário Oficial Poder Executivo - Seção I sábado, 3 de março de 2012 REITORIA Resolução Unesp-32, de 2-3-2012 Aprova o Regulamento do Programa de Pósgraduação em Aqüicultura, Cursos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS COORDENAÇÃO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS COORDENAÇÃO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS COORDENAÇÃO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS Resolução CGRI/CCSA n o 002/2014 Estabelece normas para aproveitamento

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Art. 1º - O programa de Iniciação Científica da

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS GABINETE DO REITOR FÓRMULA SANTANDER PROGRAMA DE BOLSAS DE MOBILIDADE INTERNACIONAL

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS GABINETE DO REITOR FÓRMULA SANTANDER PROGRAMA DE BOLSAS DE MOBILIDADE INTERNACIONAL O Gabinete do Reitor da Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC Goiás), no uso de suas atribuições, torna público este Edital de seleção de estudantes de graduação da PUC Goiás para a realização

Leia mais

INFORME DO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS

INFORME DO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS INFORME DO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS FACULDADE INDEPENDENTE DO NORDESTE A Direção Geral da Faculdade Independente do Nordeste, com vistas à chamada para seleção de alunos para o Programa Ciência

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 012/07 CONSUNI

RESOLUÇÃO Nº 012/07 CONSUNI RESOLUÇÃO Nº 012/07 CONSUNI APROVA A ALTERAÇÃO DA MATRIZ CURRICULAR DOS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO HABILITAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR E ADMINISTRAÇÃO HABILITAÇÃO EM MARKETING E O REGULAMENTO

Leia mais

Aprova o Regulamento do Programa de Pós-graduação em Relações Internacionais, Cursos de Mestrado Acadêmico e Doutorado, da Unesp, Unicamp e PUC/SP.

Aprova o Regulamento do Programa de Pós-graduação em Relações Internacionais, Cursos de Mestrado Acadêmico e Doutorado, da Unesp, Unicamp e PUC/SP. Resolução UNESP nº 46 de 26/03/2012 Aprova o Regulamento do Programa de Pós-graduação em Relações Internacionais, Cursos de Mestrado Acadêmico e Doutorado, da Unesp, Unicamp e PUC/SP. TÍTULO I Do Programa

Leia mais

O P²CEM FIQUE POR DENTRO DAS NORMAS!!! Programa de Pós-Graduação em Ciência e Engenharia de Materiais P²CEM/UFS

O P²CEM FIQUE POR DENTRO DAS NORMAS!!! Programa de Pós-Graduação em Ciência e Engenharia de Materiais P²CEM/UFS O P²CEM FIQUE POR DENTRO DAS NORMAS!!! Programa de Pós-Graduação em Ciência e Engenharia de Materiais P²CEM/UFS Coordenação: Prof. Dr. Luís Eduardo Almeida Prof. Dr. Marcelo Massayoshi Ueki http://www.engenhariademateriais-ufs.net/

Leia mais

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE Art. 1º. O objetivo das Atividades Complementares é fomentar complementação

Leia mais

R E S O L V E: I - DA TRANSFERÊNCIA EXTERNA FACULTATIVA

R E S O L V E: I - DA TRANSFERÊNCIA EXTERNA FACULTATIVA AEDA Nº. 053/REITORIA/2014 1/9 TRANSFERÊNCIA EXTERNA FACULTATIVA, TRANSFERÊNCIA INTERNA E APROVEITAMENTO DE ESTUDOS PARA O PRIMEIRO E SEGUNDO SEMESTRES LETIVOS DE 2015. O REITOR DA UNIVERSIDADE DO ESTADO

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA PARA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA PARA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DIRETORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA COORDENAÇÃO DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA REGULAMENTO DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA PARA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CACOAL 2010 Considerando as exigências

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO CONSELHO UNIVERSITÁRIO

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CONSUN Nº 07/2010 Define e regulamenta o funcionamento dos programas de pós-graduação stricto sensu O Conselho Universitário da Universidade

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação

Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação Faculdade de Informática Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação Regulamento Capítulo I Da Atribuição e Organização Geral Art. 1 - O Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação (PPGCC),

Leia mais

EDITAL 001/2014 CONVÊNIO DE APOIO AO PROGRAMA DE BOLSAS IBERO-AMERICANAS PARA ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO SANTANDER UNIVERSIDADES

EDITAL 001/2014 CONVÊNIO DE APOIO AO PROGRAMA DE BOLSAS IBERO-AMERICANAS PARA ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO SANTANDER UNIVERSIDADES EDITAL 001/2014 CONVÊNIO DE APOIO AO PROGRAMA DE BOLSAS IBERO-AMERICANAS PARA ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO SANTANDER UNIVERSIDADES A Reitora da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas (), objetivando

Leia mais

REGULAMENTO ATIVIDADE COMPLEMENTAR Curso de Ciências Contábeis

REGULAMENTO ATIVIDADE COMPLEMENTAR Curso de Ciências Contábeis REGULAMENTO ATIVIDADE COMPLEMENTAR Curso de O presente regulamento normativa as Atividades Complementares, componente do Projeto Pedagógico do Curso da Faculdade de Presidente Epitácio FAPE. DA NATUREZA

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 156/2011-CEPE, DE 4 DE AGOSTO DE 2011.

RESOLUÇÃO Nº 156/2011-CEPE, DE 4 DE AGOSTO DE 2011. RESOLUÇÃO Nº 156/2011-CEPE, DE 4 DE AGOSTO DE 2011. Normas para revalidação de diplomas de graduação e de pós-graduação stricto sensu expedidos por instituições de ensino superior estrangeiras. O CONSELHO

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Em conformidade com a Resolução CNE/CES n 1, de 08 de Junho de 2007 e o Regimento da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação (Aprovado pelo Parecer CONSEPE

Leia mais

Fundação de Ensino Superior de Cajazeiras - FESC Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Cajazeiras - FAFIC

Fundação de Ensino Superior de Cajazeiras - FESC Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Cajazeiras - FAFIC REGULAMENTO DAS ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS DO CURSO DE LICENCIATURA EM FILOSOFIA Art. 1º As atividades acadêmico-científico-culturais, denominadas atividades complementares, compreendem

Leia mais

EDITAL CPG/IE-Nº 04/2015. PROCESSO SELETIVO Curso de Especialização em Economia do Trabalho e Sindicalismo 2016

EDITAL CPG/IE-Nº 04/2015. PROCESSO SELETIVO Curso de Especialização em Economia do Trabalho e Sindicalismo 2016 EDITAL CPG/IE-Nº 04/2015 PROCESSO SELETIVO Curso de Especialização em Economia do Trabalho e Sindicalismo 2016 1. INTRODUÇÃO 1.1. O Coordenador da Comissão de Pós-Graduação do Instituto de Economia da

Leia mais

PEC-PG CNPq e CAPES. 8. Recomendações

PEC-PG CNPq e CAPES. 8. Recomendações PEC-PG CNPq e CAPES 8. Recomendações a) O Estudante-Convênio deverá matricular-se no primeiro semestre letivo do ano imediatamente subseqüente ao que se candidatou ao PEC-PG. Poderá, no entanto, ser concedida

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Art. 1º. O presente regulamento institui sobre as Atividades Complementares que têm em mira a flexibilidade curricular e o aprimoramento cultural e intelectual

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO I DOS OBJETIVOS E DA ESTRUTURAÇÃO GERAL DO MESTRADO Art.

Leia mais

PROFMAT - Programa de Mestrado Profissional em Matemática. Regimento. Coordenação do ensino de matemática nas escolas;

PROFMAT - Programa de Mestrado Profissional em Matemática. Regimento. Coordenação do ensino de matemática nas escolas; Capítulo I Objetivos Regimento Artigo 1º - O Objetivo do Programa de Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional é proporcionar ao aluno formação matemática aprofundada, relevante ao exercício

Leia mais

Grupo 1: Atividades Complementares de Ensino (Máximo de 120 horas)

Grupo 1: Atividades Complementares de Ensino (Máximo de 120 horas) CENTRO INTEGRADO DE ENSINO SUPERIOR DE FLORIANO FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE FLORIANO - FAESF RUA FÉLIX PACHÊCO, 1206 BAIRRO: MANGUINHA FONE: (89) 3521-6512 ou 3521-2956 CNPJ: 04.899.971/0001-76 E-MAIL:

Leia mais

NORMAS DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA/QUÍMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC

NORMAS DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA/QUÍMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC NORMAS DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA/QUÍMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC O curso de Pós-Graduação em Ciência e Tecnologia/Química da Universidade Federal do ABC (UFABC) está

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA. Resolução nº 01/2010

CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA. Resolução nº 01/2010 CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Resolução nº 01/2010 Regulamenta a pós-graduação lato sensu nas modalidades semipresencial e à distância O Diretor do Centro de Educação

Leia mais

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Conforme determina o Regulamento das Atividades Complementares da Faculdade Visconde de Cairu FAVIC, este regulamento especifica como

Leia mais

RESOLUÇÃO UNESP Nº 41, DE 17 DE OUTUBRO DE

RESOLUÇÃO UNESP Nº 41, DE 17 DE OUTUBRO DE RESOLUÇÃO UNESP Nº 41, DE 17 DE OUTUBRO DE 2011 (Publicada no D.O.E. de 18/10/11 Seção I, pág. 99) (Republicada no D.O.E. de 10/01/12 Seção I, pág. 78) Regulamenta os Cursos de Especialização da UNESP.

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO UFMG

FACULDADE DE DIREITO UFMG RESOLUÇÃO N. 15, DE 20 DE MARÇO DE 2012 Regulamenta as atividades complementares de graduação no curso de graduação em Direito da Universidade Federal de Minas (UFMG). O Colegiado de Coordenação Didática

Leia mais

FACULDADE DE CAMPINA GRANDE DO SUL Credenciada pela Portaria MEC nº 381/2001, de 05/03/2001 D.O.U. 06/03/2001

FACULDADE DE CAMPINA GRANDE DO SUL Credenciada pela Portaria MEC nº 381/2001, de 05/03/2001 D.O.U. 06/03/2001 FACULDADE DE CAMPINA GRANDE DO SUL Credenciada pela Portaria MEC nº 381/2001, de 05/03/2001 D.O.U. 06/03/2001 RESOLUÇÃO Nº.06/2008 Dispõe sobre a Normatização do Programa. de Cursos de Pós-Graduação Lato

Leia mais

CAPÍTULO I Das definições preliminares, das e dos objetivos.

CAPÍTULO I Das definições preliminares, das e dos objetivos. Resolução n.º 03/2010 Regulamenta os Cursos de Pós-Graduação da Faculdade Campo Real. O CONSU Conselho Superior, por meio do Diretor Geral da Faculdade Campo Real, mantida pela UB Campo Real Educacional

Leia mais

Matrículas 1º semestre letivo de 2014

Matrículas 1º semestre letivo de 2014 EDITAL 17/2013 PRÓ-REITORIA ACADÊMICA Matrículas 1º semestre letivo de 2014 O UDF - Centro Universitário torna público o Edital de Matrícula dos Cursos de Graduação para o 1º semestre letivo de 2014, a

Leia mais

FACULDADE DA REGIÃO DOS LAGOS REGULAMENTO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

FACULDADE DA REGIÃO DOS LAGOS REGULAMENTO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DA REGIÃO DOS LAGOS REGULAMENTO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Capítulo I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Os cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da FERLAGOS orientam-se pelas normas

Leia mais

RESOLUÇÃO FADISA Nº. 005/2006 CONSELHO SUPERIOR DA FACULDADE DE DIREITO SANTO AGOSTINHO FADISA

RESOLUÇÃO FADISA Nº. 005/2006 CONSELHO SUPERIOR DA FACULDADE DE DIREITO SANTO AGOSTINHO FADISA RESOLUÇÃO FADISA Nº. 005/2006 CONSELHO SUPERIOR DA FACULDADE DE DIREITO SANTO AGOSTINHO FADISA O Presidente do CONSELHO SUPERIOR DA FACULDADE DE DIREITO SANTO AGOSTINHO- FADISA, Professor Dr. ELTON DIAS

Leia mais

Edital DIRGER Nº 03/2015

Edital DIRGER Nº 03/2015 1 Edital DIRGER Nº 03/2015 Dispõe sobre o Programa de Incentivo à Mobilidade Acadêmica para os acadêmicos dos cursos de graduação da Faculdade La Salle para o primeiro semestre de 2016. O Diretor Geral

Leia mais

NORMAS ESPECÍFICAS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES INDEPENDENTES

NORMAS ESPECÍFICAS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES INDEPENDENTES NORMAS ESPECÍFICAS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES INDEPENDENTES Art. 1º As Complementares Independentes integram o currículo do curso de graduação de Direito, objetivando sua flexibilização, sendo seu cumprimento

Leia mais