PRONUNCIAMENTO DO GOVERNADOR TASSO COMERCIAL, LNDUST~&~LE DE SERVIÇOS DE NOVO HAMBURGO, NOVO HAMBURGO, RS, 18/12/2001 PARA 2002"

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRONUNCIAMENTO DO GOVERNADOR TASSO COMERCIAL, LNDUST~&~LE DE SERVIÇOS DE NOVO HAMBURGO, NOVO HAMBURGO, RS, 18/12/2001 PARA 2002""

Transcrição

1 PRONUNCIAMENTO DO GOVERNADOR TASSO COMERCIAL, LNDUST~&~LE DE SERVIÇOS DE NOVO HAMBURGO, NOVO HAMBURGO, RS, 18/12/2001 TJ iz.l~l~F PARA 2002" Dr ,Presidente da Associação Comercial, Industrial e de Serviços de Novo Hamburgo, senhores membros da Diretoria desta Associação de classe aqui reunidos, senhores empresários, lideranças políticas, demais autoridades aqui presentes, minhas Senhoras e meus Senhores, E com muita satisfação que recebi o honroso convite da Associação Comercial, Industrial e de Serviços de Novo Hamburgo para vir ao Rio Grande do Sul e participar deste Evento aqui na progressista cidade de Novo Hamburgo. Sintome lisonjeado por estar neste momento diante de uma audiência tão seleta, composta das mais expressivas lideranças do setor produtivo de um dos estados mais importantes do País, para podermos discutir com clareza e objetividade os problemas nacionais e as perspectivas econômicas e políticas que se vislumbram para 2002, um ano que será decisivo para a construção de um Brasil mais próspero e mais justo.

2 Antes de entrar na temática que me foi sugerida, gostaria, porém, de fazer uma apresentação rápida sobre a nossa trajetória política e experiência frente ao Governo do Ceará, que deixou de ser um dos estados mais atrasados do País para se converter em um dos pólos emergentes de crescimento econômico nacional e promissor destino do investimento privado. A minha vida política teve início na primeira metade dos anos 80, ainda no regime autoritário, quando um grupo de jovens empresários, do qual eu fazia parte, se reuniu em tomo do Centro Industrial do Ceará (CIC) com o objetivo de discutir o momento político e econômico pelo qual o País passava, assim como refletir sobre as causas do atraso nordestino e em especial do Ceará e propor alternativas. Tomado desse idealismo e com a vontade de realizar uma transformação nos arcaicos costumes políticos do Ceará daquela época, aproveitamos a oportunidade que surgiu para desafiar um sistema de poder que secularmente dominava o Governo do Estado. Começando a campanha, em 1986, com apenas 2% nas pesquisas de opinião e, praticamente sem estrutura política, vencemos a eleição e partimos, primeiramente, para romper com as velhas práticas e hábitos administrativos e políticos. Essa luta nos levou a dois resultados principais: i) sanear financeiramente 2

3 o Estado já em 1988, o que nos perrnitir ser um dos primeiros estados brasileiros a obter financiamento internacional (do KfW alemão e do Banco Interamericano de Desenvolvimento) durante o período da moratória da dívida externa; e ii) reduzir drasticamente a mortalidade infantil ao implantar no Ceará (de forma pioneira no Brasil) o programa de "Agentes Comunitários de Saúde", que foi inclusive objeto de premiação internacional concedida pelo UNICEF. Vale destacar que, em 1986, o Estado do Ceará estava falido, sem honrar os compromissos mais elementares, inclusive a sua folha de pagamento, com vários meses em atraso. Mais do que isso, o Estado estava desmoralizado; os indicadores sociais chegavam a ser comparáveis aos indicadores dos países mais pobres da hca. E a auto-estima da população estava estraçalhada. Não obstante esse quadro, animava-nos a firme determinação de retirar o Ceará daquela indesejável realidade, que atingia todas as esferas. Depois do saneamento fiscal e da reorganização administrativa, começamos a investir na melhoria da qualidade de vida e no aprimoramento da infia-estrutura do Estado. Passamos a atrair investimentos na indústria e no turismo para ampliar a geração de renda e emprego. A parceria com organismos financeiros internacionais permitiu alavancar recursos e obter assistência técnica para a implernentação de

4 programas e projetos essenciais para a viabilizar o desenvolvimento sustentado em nível local. Com relação as transformações econômicas, o Ceará é hoje uma das áreas mais dinâmicas e promissoras do Brasil. Deixamos para trás o estigma do atraso e a estagnação. Nos últimos 14 anos, soubemos superar momentos de crise climática e nacional e nos prepararmos para aproveitar os fatores favoráveis de que dispomos, de modo que agora logramos alcançar avanços significativos em relação a Com um Produto Interno Bruto da ordem de R$ 22,7 bilhões, cerca de 2,2% do PIB nacional, o Ceará conseguiu, em comparação com o País como um todo, resultados superiores tanto em termos de desempenho econômico (55% de crescimento acumulado no Ceara contra 24,4%para o Brasil no período ) como em melhoria relativa nos indicadores sociais (a mortalidade infantil um pouco abaixo da média brasileira e a universalização de acesso ao ensino fundamental). Apesar das estiagens recorrentes e da instabilidade macroeconômica brasileira ao longo do período (Plano Cruzado, Moratória da dívida externa, Plano Bresser, Plano Verão, Plano Collor etc), conseguimos colocar o Ceará na rota do progresso e estamos consolidando o processo. Dado o grande atraso acumulado que encontramos quando assumimos pela primeira

5 vez o governo em 1987, sabemos que ainda há muito a fazer, mas de todo modo podemos dizer, sem sombra de dúvidas, que a situação atual do Estado é a mais favorável e promissora do que em qualquer outro momento de nossa história. Bem, dito isso, gostaria de passar agora à questão nacional. O Brasil e o Mundo atravessam um momento de transição. Estamos todos em meio a uma verdadeira "era das incertezas". Uma fase particularmente dificil, não só pela crise de um receituário econômico aplicado na última década em muitos países emergentes, inclusive o Brasil, como também pela conjuntura internacional nada favorável, ainda mais abalada pelos recentes ataques terroristas aos Estados Unidos, cujos desdobramentos estão adicionando mais incerteza no cenário mundial. Nessa perspectiva internacional desfavorável, nós brasileiros estarnos diante da necessidade urgente de atacar de fiente os problemas reais que nos afligem e cuja solução não pode ser mais adiada. Dentre esses problemas eu destacaria: primeiro, as enormes desigualdades de renda e de padrão de vida entre as pessoas e as diversas regiões do País; segundo, a crise urbana nas regiões metropolitanas, que se manifesta sob a forma de angustiantes problemas de trafego, ocupação do solo, segurança, habitação e desemprego; terceiro, as arrnadilhas da macroeconomia, representadas pelo: elevado endividarnento do 5

6 setor público, a fkagilidade das transações correntes do balanço de pagamentos com conseqüente vulnerabilidade externa; e a crônica escassez de poupança interna. Além de tudo isso, eu adicionaria as deficiências no sistema político e nas instituições em geral, que têm levado h descrença das pessoas nos políticos e a uma certa desesperança quanto ao futuro da Nação. No entanto, eu já vivi em um Brasil bem pior. E gostaria de falar um pouco sobre esses problemas que estamos vivenciando e, dentro dessa "era de incertezas", trazer um pouco de otimismo. Quando comecei minha atividade política, nós nos deparávamos no País com um cenário sócio-econômico que vale a pena lembrar: 22% de brasileiros (de 15 anos ou mais) analfabetos; 35% das crianças de 7-14 anos fora da escola, o ensino público fundamental de péssima qualidade. Gerações de crianças e jovens sem perspectiva alguma. Hoje, após uma intensa mobilização pela educação, cerca de 97% das crianças brasileiras estão na escola e o analfabetismo caiu em 40% (segundo o IBGE, de 22%, em 1983, para 13,3% em 1999). Assim, os avanços que obtivemos na área da educação prenunciam um futuro promissor para o Brasil. Na saúde pública, a mortalidade infantil média no País era muito alta pelos padrões mundiais (50 por mil nascidos vivos), enquanto mais de 40% da população não tinha assistência

7 médica alguma nem acesso a medicamentos. Hoje, após muito esforço preventivo, a mortalidade infantil caiu para níveis em tomo da média nacional de 30 por mil nascidos vivos e a vacinação sistemática praticamente eliminou doenças infantis, como o sarampo e a poliomielite. No início dos anos 80, o saneamento básico era restrito em muitas áreas do País (somente 79% dos domicílios urbanos eram atendidos por água tratada e 37% servidos por esgotamento sanitário), enquanto a energia elétrica só alcançava reduzida parcela da população rural. Hoje, 91% dos domicílios urbanos no Brasil estão conectados a uma rede de distribuição de água e 52,5% deles servidos por rede de esgotos. Graças ao "Projeto Luz no Campo", milhares de novos domicílios rurais em todo o País já estão eletrificados, propiciando um importante fator de redução da emigração do campo para as cidades e de fixação do homem nas áreas rurais. No campo econômico, a comparação seria ainda pior. Estávamos em meio ao fracasso do Plano Cruzado, com a volta da inflação sem controle, em taxas inimagináveis nos dias de hoje (o IPC da FIPE de quase 400% ao ano em 1987). Estávamos sob moratória da dívida externa e sem crédito algum no exterior. Era também o começo da crise fiscal do Estado Brasileiro. As contas governamentais estavam em uma completa desordem e a gestão

8 pública, sem disciplina ou transparência nos três níveis de governo. A máquina administrativa na maior parte dos governos no Brasil encontrava-se anacrônica e imersa em um enorme e desbragado campo aberto a corrupção e ao clientelismo político, com um grau de ineficiência sem comparação nos dias atuais. Hoje, porém, a austeridade passou a ordem do dia e a "Lei de Responsabilidade Fiscal" é uma realidade, um avanço institucional decisivo para disciplinar a administração pública, visto que pune os maus gestores e zela pela correta aplicação do dinheiro público. Sou do PSDB, o Partido do Presidente. Mas não vim aqui para simplesmente fazer uma defesa do Governo Fernando Henrique. Mas, para dizer, com toda a clareza, com base em dados inquestionáveis, por que sou otimista com o futuro do Brasil. Sou otimista porque estamos numa situação muito melhor agora e muito mais preparados para enfrentarmos os problemas a serem resolvidos. O que precisamos agora é deixar o passado para trás e nos adequarmos às novas realidades em cima do que conquistamos. E enfrentarmos os novos desafios com a mesma coragem e clareza com que enfrentamos e vencemos o dragão da inflação.

9 Eu diria que, menos do que fórmulas milagrosas e soluções técnicas brilhantes, precisamos voltar a dar esperança ao País e confiança no futuro ao povo brasileiro. Sei que não é uma tarefa fácil, mas é perfeitamente possível e vale a pena lutar por isso. Tenho, como vocês, várias idéias e muitas propostas. No entanto, entendo que a grande vantagem que temos é a capacidade de aglutinar forças políticas, compatibilizar idéias, articular interesses divergentes e reunir projetos complementares que sejam capazes de mobilizar o País e a sociedade. Por exemplo, vamos falar sobre um tema de fundamental importância: a reforma do sistema tributário, cuja carga fiscal aumentou de 25%do PIB em 1994 para cerca de 32%em Todos querem uma reforma tributária. Mas cada um quer a sua! A União quer aquela que aumente sua arrecadação. Os estados querem outra que aumente sua receita, ao mesmo tempo em que preserve sua autonomia. Os municípios, idem. Já os empresários defendem uma reforma que reduza a carga fiscal; os exportadores querem uma que desonere a produção. Os assalariados, os prestadores de serviços e os profissionais liberais querem pagar menos impostos e assim por diante. Ao meu ver, o que temos de fazer é reunir todos os interesses em torno de uma reforma tributária realista e consistente e discutir como compatibilizar as demandas específicas com as

10 necessidades da Nação. Entendo que o consenso terá de ser em tomo de questões como simplificação tributária, eqüidade, redução da sonegação e manutenção do equilíbrio fiscal e financeiro da União, estados e municípios. Além disso, temos que discutir e viabilizar uma reforma tributária que permita &na1 à produção nacional competir em pé de igualdade tanto no mercado interno quanto no mercado externo. Dados esses princípios norteadores, defendo que a reforma tributária deva ser a prioridade número um do novo Governo logo no seu início. Dentre os pontos que devem ser contemplados, destacaria: i) a eliminação de impostos e contribuições em cascata (como o PIS e a COFINS) e sua substituição por tributos que incidam sobre o valor econômico adicionado em cada etapa produtiva; ii) a redução da tributação sobre os mecanismos de poupança, em especial dos fundos de pensão; iii) a reformulação da legislação do ICMS de modo a substituí-10 por um tributo sobre o consumo similar ao Imposto sobre Valor Agregado (IVA) que prevalece na maioria dos países europeus; e iv) redução do número de tributos e da carga fiscal incidente sobre a produção exportável de maneira a aumentar a competitividade da empresa nacional em relação a seus concorrentes no exterior. Bem, mencionei reforma tributária por ser um tema de grande interesse do empresariado e, ao mesmo tempo, para tentar

11 demonstrar com clareza que, muito mais que aspectos técnicos, os nossos desafios de realizar uma reforma tributária efetiva dependem da nossa capacidade de aglutinar, de reunir forças, de angariar apoios e de coragem para enfrentar os problemas mais urgentes. É disso que precisamos e não de fórmulas mágicas e de "salvadores da pátria" ou "fenômenos de mídia", que venham a dividir o País ou pôr a perder aquilo que foi tão duramente conquistado. O Brasil precisa de nós e não podemos nem vamos desapontar. Senhores empresários, o Brasil vive hoje um momento singular de sua história como nação. Estamos diante de uma encruzilhada entre a construção de um país próspero e justo para todos e o risco de retrocesso a um estágio de país pobre e fracassado. São grandes os desafios com que nos deparamos para construir a Nação que desejamos, mas também são igualmente grandes os riscos que corremos se pecarmos pela omissão. Dentre esses desafios eu destacaria: primeiro, a moralização da vida política. Não podemos pensar em governar o Brasil, convivendo com um jogo político em que a discussão dos grandes temas de interesse nacional fique refém de pressões de grupos voltados para mesquinharias individuais.

12 Torna-se urgente uma reforma política para que os representantes eleitos pelo povo se mantenham fiéis aos compromissos assumidos em campanha a partir das propostas partidárias. Não é mais aceitável que os partidos políticos se transformem em pequenos espaços voltados para conveniências eleitorais. Os partidos políticos têm de ser respeitados para que a classe política recupere a credibilidade junto a opinião pública. Em segundo lugar, o modelo de urbanização das nossas grandes cidades deve ser olhado sob o prisma de um grande desafio nacional e como tal tem de ser enfrentado. Os complexos problemas de transportes e ocupação do solo urbano nas áreas metropolitanas exigem uma política nacional. No tocante a segurança pública, é urgente e inadiável a reforma das polícias civil e militar, unificando-as e montando um adequado sistema de treinamento e capacitação para os policiais. As penitenciárias brasileiras são verdadeiras "universidades do crime" e necessitam ser imediatamente reformuladas para estancar o aumento da violência e conseguir a ressocialização e a reabilitação dos presos para o convívio com a sociedade. No campo das políticas sociais, os avanços já alcançados pelo Governo Femando Henrique, como a bolsa-escola, a bolsaalimentação, o FUNDEF, o Plano Saúde da Família (PSF) entre outros, devem ser preservados e aprofundados. Conforrne já falamos, hoje alcançamos a universalização do acesso a escola

13 fundamental e 60% das famílias brasileiras estão sendo atendidas regularmente por uma equip-e de saúde da família. Acredito que agora o nosso grande desafio nessas áreas passa pela melhoria na qualidade dos serviços públicos. No momento em que se discutem os novos rumos do Pais, é comum surgirem muitos "especialistas" com planos de toda a ordem, contemplando as mais diversas atividades e setores. Mas é fundamental ter em mente que, antes de idéias geniais para resolver os graves problemas nacionais, precisamos de uma elite dirigente dotada de integridade, espírito público, compromisso com a democracia e humildade para permear e nortear o processo de condução de liderança da nação. São certamente os princípios capazes de mobilizar os melhores valores necessários para a solução das complicadas questões políticas, econômicas e principalmente sociais em um País com as características do Brasil. Só assim, os interesses coletivos efetivamente se sobreporão aos individuais ou dos grupos que se revezam no poder. No campo das relações econômicas internacionais, as transformações recentes indicam que o chamado "Consenso de Washington" se esgotou. Esse receituário de políticas não foi capaz de reduzir a pobreza e as desigualdades no mundo. Ao contrário, as evidências apontam que elas se agravaram. O Brasil não pode mais se omitir, como maior país da América Latina, na

14 rediscussão soberana do modelo global. Os chamados países emergentes estão quase todos em crise e os excessos da globalização parecem atingir até os países desenvolvidos. Nesse sentido, um novo modelo de relações econômicas internacionais precisa ser discutido e implementado. Para isso, o Brasil deve definir e pôr em prática uma estratégia de política externa mais afirmativa e independente de inserção internacional. No campo interno, o grande desafio é reduzir as desigualdades sociais e regionais. Os desníveis de renda no País são inaceitáveis e não podemos mais conviver com eles. Preservada a estabilidade monetária e respeitados os princípios fundamentais da responsabilidade fiscal, a meta deverá ser o crescimento sustentado e a redução das desigualdades. Isso pressupõe políticas regional e industrial ativas ao lado de ações focalizadas sobre os segmentos mais pobres da população. Ao meu ver, a abertura dos mercados não elimina de forma alguma a necessidade de políticas ativas de desenvolvimento nacional destinadas a promover as inovações, a organizar os encadeamentos produtivos e a construir as complementaridades, incorporando ainda os preceitos de desenvolvimento sustentável. O Estado deve exercer um grau maior de interferência sem assumir, como no passado, o papel de empresário, mas sendo pró-ativo na consecução dos objetivos de crescimento e de

15 distribuição de renda e na indução da competitividade. O empresariado brasileiro não pode ser considerado um incômodo para atingir os objetivos nacionais, mas sim como um parceiro obrigatório. Por último, mas não menos importante, considero indispensável o fortalecimento dos mecanismos de poupança interna, através do estímulo aos fundos de pensão e ao mercado de capitais, e da promoção As exportações, como formas mais efetivas para atenuar a crônica vulnerabilidade decorrente das pressões externas. Não podemos mais continuar eternamente impotentes para enfrentar os choques causados pelas fiequentes crises internacionais. No atual cenário de desaceleração econômica na maioria dos países industrializados, o Brasil reage com vigor às tendências recessivas e exibe uma enorme capacidade de resistência às crises, sejam internas, sejam externas. A economia crescerá perto de 2% em 2001 e mais ainda em As exportações nacionais se expandem bem acima da média do comércio mundial e os investimentos estrangeiros, ao contrário das previsões mais pessimistas, continuam a procurar o País como um destino seguro, numa clara distinção dos fundamentos macroeconômicos e potencial de mercado do Brasil em relação a outras economias emergentes. Portanto, apesar do contexto internacional recessivo, considero que as perspectivas

16 econômicas para o próximo ano serão favoráveis, não devendo afetar negativamente o cenário político, nem influenciar o processo eleitoral. Senhor Presidente, senhores empresários, esses eram os pontos que tinha para abordar. Agradeço a atenção de todos e fico a disposição dos senhores para o debate e aprofundamento dos tópicos tratados. MUITO OBRIGADO

TEMA Problemas Brasileiros: Qual é a Solução?

TEMA Problemas Brasileiros: Qual é a Solução? PALAVRAS DO GOVERNADOR TASSO JEREISSATI, NA PEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO (FIRJAN) NO '

Leia mais

Lilg Covas, Renata e Zuzinha para este encbntro.

Lilg Covas, Renata e Zuzinha para este encbntro. PALAVI i DOGOC >OR TASSO 9TI NO EVENTO DA F1---,LIA DE k----socovas EM SÃO PAULO ~22/10/2001~ Senhoras e Senhores, eu gostaria, primeiramente, de dizer da minha honra de ter sido convidado por Dona Lilg

Leia mais

Um dos grandes desafios para tornar o Brasil mais condizente com os anseios da sua população é a "modernização" da vida política.

Um dos grandes desafios para tornar o Brasil mais condizente com os anseios da sua população é a modernização da vida política. Apesar dos problemas associados à má distribuição de renda, o Brasil- ingressa no século XXI com uma das maiores economias do mundo e um compromisso com a paz mundial e o sistema democrático e sem conflitos

Leia mais

Senhoras e Senhores, O Brasil ingressa no século XXI como um País de

Senhoras e Senhores, O Brasil ingressa no século XXI como um País de ! \,, SUBSÍDIOS PARA A APRESENTAÇÃO DO GOVERNADOR TASSO JEREISSATI NA SESSÃO "2002 BRAZIL ECONOMIC FORUM" NA BRAZILIAN AMERICAN CHAMBER OF COMMERCE, EM NOVMORQUE Senhoras e Senhores, # Antes de mais nada,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 17 Discurso no encerramento do Fórum

Leia mais

+ O Processo de Globalização

+ O Processo de Globalização Bom dia Senhoras e Senhores + Comentários da introdução Em primeiro lugar, permita-me dizer-lhes o quanto agradecido e honrado me sinto por estar aqui em Washington hoje, participando deste seminário importante.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca VISITA AOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

Leia mais

Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil

Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil Yoshiaki Nakano Escola de Economia de São Paulo Fundação Getulio Vargas 26 de Abril de 2006 Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil A Base do Novo

Leia mais

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015 CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA UMA UNIÃO EUROPEIA MAIS FORTE 22 de junho de 2015 A União Europeia deve contar com um quadro institucional estável e eficaz que lhe permita concentrar-se

Leia mais

Redução da Pobreza e Desigualdades e Inclusão Produtiva na América Latina: novas abordagens

Redução da Pobreza e Desigualdades e Inclusão Produtiva na América Latina: novas abordagens Redução da Pobreza e Desigualdades e Inclusão Produtiva na América Latina: novas abordagens Washington, DC 13 de março de 2006 Senhoras e Senhores É com imensa satisfação que me dirijo aos Senhores para

Leia mais

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011.

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011. Análise CEPLAN Recife, 17 de agosto de 2011. Temas que serão discutidos na VI Análise Ceplan A economia em 2011: Mundo; Brasil; Nordeste, com destaque para Pernambuco; Informe sobre mão de obra qualificada.

Leia mais

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA --- EMBARGO DE DIVULGAÇÃO ATÉ ÀS 21:00 HORAS DE 01.01.13 --- Palácio de Belém, 1 de janeiro de 2013 --- EMBARGO DE DIVULGAÇÃO ATÉ ÀS 21:00

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO

DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO POR UM CEARÁ MELHOR PRA TODOS A COLIGAÇÃO POR UM CEARA MELHOR PRA TODOS, com o objetivo de atender à Legislação Eleitoral e de expressar os compromissos

Leia mais

SOBRETUDO POR ESTA SER, ESSENCIALMENTE, A "CASA DA FEDERAÇÃO".

SOBRETUDO POR ESTA SER, ESSENCIALMENTE, A CASA DA FEDERAÇÃO. BRAS~LIA, SENADO FEDERAL, 27 de AGOSTO DE 2003. SENHOR PRESIDENTE SENHORAS E SENHORES SENADORES, GOSTARIA DE INICIAR UMA DICUSSÃO CHEGADA DA REFORMA TRIBUTÁRIA. QUE SE ANUNCIA COM A DEPOIS DE VERIFICAR

Leia mais

UMA ANÁLISE DA RELAÇÃO ENTRE MERCADO DE CAPITAIS E DESENVOLVIMENTO

UMA ANÁLISE DA RELAÇÃO ENTRE MERCADO DE CAPITAIS E DESENVOLVIMENTO UMA ANÁLISE DA RELAÇÃO ENTRE MERCADO DE CAPITAIS E DESENVOLVIMENTO João Ricardo Santos Torres da Motta Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico, Economia

Leia mais

A Sombra do Imposto. Propostas para um sistema de impostos mais simples e justo Simplifica Já

A Sombra do Imposto. Propostas para um sistema de impostos mais simples e justo Simplifica Já A Sombra do Imposto Propostas para um sistema de impostos mais simples e justo Simplifica Já Expediente A Sombra do Imposto Cartilha produzida pelo Sistema Fiep (Federação das Indústrias do Estado do Paraná).

Leia mais

Brasilia (DF), 16 de dezembro de 2014.

Brasilia (DF), 16 de dezembro de 2014. Brasilia (DF), 16 de dezembro de 2014. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil na Comissão de Assuntos Econômicos, no Senado Federal Página 1 de 8 Exmo. Sr. Presidente

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 13 Discurso em jantar oferecido ao

Leia mais

Desoneração da carga tributária. (versão preliminar)

Desoneração da carga tributária. (versão preliminar) CONTAG Coletivo Nacional de Política Agrícola Desoneração da carga tributária sobre os produtos alimentícios (versão preliminar) Brasília, 24 de abril de 2009. Objetivo geral: subsidiar a proposta de discussão

Leia mais

A QUESTÃO FEDERATIVA NA DEFINIÇÃO DA POLITICA PÚBLICAS URBANAS NO BRASIL

A QUESTÃO FEDERATIVA NA DEFINIÇÃO DA POLITICA PÚBLICAS URBANAS NO BRASIL A QUESTÃO FEDERATIVA NA DEFINIÇÃO DA POLITICA PÚBLICAS URBANAS NO BRASIL 1 O PACTO FEDERATIVO E A QUESTÃO FISCAL As dificuldades oriundas do federalismo brasileiro vêm ganhando cada vez mais espaço na

Leia mais

Discurso Presidente do Banco Central do Brasil Alexandre Tombini

Discurso Presidente do Banco Central do Brasil Alexandre Tombini Discurso Presidente do Banco Central do Brasil Alexandre Tombini Boa tarde. É com satisfação que estamos aqui hoje para anunciar o lançamento das novas cédulas de 10 e 20 reais, dando sequência ao projeto

Leia mais

Choques Desequilibram a Economia Global

Choques Desequilibram a Economia Global Choques Desequilibram a Economia Global Uma série de choques reduziu o ritmo da recuperação econômica global em 2011. As economias emergentes como um todo se saíram bem melhor do que as economias avançadas,

Leia mais

2015: UM ANO DECISIVO

2015: UM ANO DECISIVO 2015: UM ANO DECISIVO 1. EMENTA: o presente trabalho tem por objetivo abordar as necessidades de mudanças para que o país volte a crescer mais do que neste momento, com um patamar de inflação menor do

Leia mais

A Reforma Tributária e o Desenvolvimento

A Reforma Tributária e o Desenvolvimento A Reforma Tributária e o Desenvolvimento Por que a Reforma Tributária é Fundamental? Acelera o crescimento econômico Torna o crescimento mais sustentável É a reforma econômica mais importante Reforma Tributária

Leia mais

Plano Brasil Maior e o Comércio Exterior Políticas para Desenvolver a Competitividade

Plano Brasil Maior e o Comércio Exterior Políticas para Desenvolver a Competitividade Plano Brasil Maior e o Comércio Exterior Políticas para Desenvolver a Competitividade Alessandro Golombiewski Teixeira Secretário-Executivo do MDIC Rio de Janeiro, Agosto de 2011 Introdução 1 Contexto

Leia mais

PRODUTORES DO VALE PARAM PETROLINA E JUAZEIRO

PRODUTORES DO VALE PARAM PETROLINA E JUAZEIRO Discurso pronunciado pelo Deputado Gonzaga Patriota (PSB/PE), na Sessão de 23/05/2006. Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, PRODUTORES DO VALE PARAM PETROLINA E JUAZEIRO Acompanhando os grandes

Leia mais

O Nordeste Chances e Obstáculos para um Avanço Sustentável

O Nordeste Chances e Obstáculos para um Avanço Sustentável O Nordeste Chances e Obstáculos para um Avanço Sustentável por Cláudia Cristina 1 O NOVO CONTEXTO GLOBAL E O DESAFIO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL As profundas transformações econômicas, sociais e políticas

Leia mais

Texto preparado. Previsões sobre o crescimento mundial

Texto preparado. Previsões sobre o crescimento mundial Novas Oportunidades e Novos Riscos: As Perspectivas para a África Subsariana e Moçambique David Lipton, Primeiro Subdirector-Geral do FMI Fundo Monetário Internacional Universidade Politécnica, Maputo

Leia mais

SANÇÃO DA LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL

SANÇÃO DA LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL SANÇÃO DA LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL Brasília, 04 de maio de 2000 Muitos dos Senhores que estão aqui hoje me conhecem e podem portanto imaginar o quanto é importante e especial para mim este dia. Ver

Leia mais

Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde

Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde Page 1 of 5 Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde Senhor Ministro das Finanças e Planeamento, Senhores Representantes do

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante reunião plenária dos Ministros da Fazenda do G-20 Financeiro

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante reunião plenária dos Ministros da Fazenda do G-20 Financeiro , Luiz Inácio Lula da Silva, durante reunião plenária dos Ministros da Fazenda do G-20 Financeiro São Paulo-SP, 08 de novembro de 2008 Centrais, Senhoras e senhores ministros das Finanças e presidentes

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira Márcio Holland Secretário de Política Econômica Ministério da Fazenda Caxias do Sul, RG 03 de dezembro de 2012 1 O Cenário Internacional Economias avançadas: baixo crescimento

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

Uma agenda tributária para o Brasil. Fóruns Estadão Brasil Competitivo Bernard Appy Maio de 2014

Uma agenda tributária para o Brasil. Fóruns Estadão Brasil Competitivo Bernard Appy Maio de 2014 Uma agenda tributária para o Brasil Fóruns Estadão Brasil Competitivo Bernard Appy Maio de 2014 Sumário Introdução Problemas do sistema tributário brasileiro Sugestões de aperfeiçoamento 2 Sumário Introdução

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca r f Considerei particularmente oportuno

Leia mais

98,3% 90,3% 64,2% 38% 63,3% 3º trimestre/2014. das empresas avaliaram o sistema 80,7% tributário brasileiro qualitativamente como ruim ou muito ruim.

98,3% 90,3% 64,2% 38% 63,3% 3º trimestre/2014. das empresas avaliaram o sistema 80,7% tributário brasileiro qualitativamente como ruim ou muito ruim. 3º trimestre/2014 das empresas avaliaram o sistema 80,7% tributário brasileiro qualitativamente como ruim ou muito ruim. 98,3% 90,3% 64,2% 38% 63,3% das indústrias gaúchas avaliam que o número de tributos

Leia mais

CARTA DO CONTRIBUINTE BRASILEIRO OS TRIBUTOS COMO INSTRUMENTO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL

CARTA DO CONTRIBUINTE BRASILEIRO OS TRIBUTOS COMO INSTRUMENTO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CARTA DO CONTRIBUINTE BRASILEIRO OS TRIBUTOS COMO INSTRUMENTO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL Recomendações para a construção de um sistema tributário mais justo, que aumente a competitividade do

Leia mais

DISCURSO DO SECRETÁRIO-GERAL DA ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS, JOSÉ MIGUEL INSULZA, NA SESSÃO DE ABERTURA DA QUARTA CÚPULA DAS AMÉRICAS

DISCURSO DO SECRETÁRIO-GERAL DA ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS, JOSÉ MIGUEL INSULZA, NA SESSÃO DE ABERTURA DA QUARTA CÚPULA DAS AMÉRICAS DISCURSO DO SECRETÁRIO-GERAL DA ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS, JOSÉ MIGUEL INSULZA, NA SESSÃO DE ABERTURA DA QUARTA CÚPULA DAS AMÉRICAS Mar del Plata, 4 de novembro de 2005. Senhor Presidente da Nação

Leia mais

Governança Sustentável nos BRICS. Resumo executivo

Governança Sustentável nos BRICS. Resumo executivo Governança Sustentável nos BRICS Resumo executivo Sumário executivo A rapidez com que, nos últimos anos, as economias emergentes do Brasil, da Rússia, da Índia, da China e da África do Sul vêm se aproximando

Leia mais

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 INOVAR É FAZER Manifesto da MEI ao Fortalecimento da Inovação no Brasil Para nós empresários Inovar é Fazer diferente, Inovar

Leia mais

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Nota de Imprensa Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Presidente mundial do Banco Santander apresenta em São Paulo o Plano Estratégico 2008-2010 para o A integração

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 62 Discurso na Conferência da Organização

Leia mais

DISCURSO DE POSSE NO MINISTÉRIO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA 4.1.99. Luiz Carlos Bresser Pereira

DISCURSO DE POSSE NO MINISTÉRIO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA 4.1.99. Luiz Carlos Bresser Pereira DISCURSO DE POSSE NO MINISTÉRIO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA 4.1.99 Luiz Carlos Bresser Pereira Quando o Presidente Fernando Henrique Cardoso me disse que o mais importante a ser realizado no Ministério da

Leia mais

Reforma Tributária ria e Política de Desenvolvimento Regional Cuiabá,, Agosto 2007 Reuniões com Governadores Natureza das reuniões anteriores: Governadores de diferentes regiões do país e dirigentes das

Leia mais

2003: ajuste macroeconômico, com corte substancial nos gastos públicos e aumento nas taxas reais de juro.

2003: ajuste macroeconômico, com corte substancial nos gastos públicos e aumento nas taxas reais de juro. 1 1 2 2 3 2003: ajuste macroeconômico, com corte substancial nos gastos públicos e aumento nas taxas reais de juro. 2004-06: recuperação econômica, com direcionamento do aumento da arrecadação federal

Leia mais

Ao longo dos 30 anos de redemocratização do Brasil, o Estado incorporou programas de proteção social aos mais

Ao longo dos 30 anos de redemocratização do Brasil, o Estado incorporou programas de proteção social aos mais Para crescer, Brasil precisa rever cultura de mil bolsas Para Marcos Mendes, consultor do Senado, é muito difícil coordenar um acordo social que reduza benefícios em prol de um país mais eficiente e menos

Leia mais

ENCONTRO DA MEIA DÉCADA DO FÓRUM CONSULTIVO INTERNACIONAL SOBRE EDUCAÇÃO PARA TODOS Aman, Jordânia, 16-19 de Junho de 1996.

ENCONTRO DA MEIA DÉCADA DO FÓRUM CONSULTIVO INTERNACIONAL SOBRE EDUCAÇÃO PARA TODOS Aman, Jordânia, 16-19 de Junho de 1996. Doe, EOOCAC'~ 1-fJ~ Tõ~-5. - " ~ 9qr;, ENCONTRO DA MEIA DÉCADA DO FÓRUM CONSULTIVO INTERNACIONAL SOBRE EDUCAÇÃO PARA TODOS Aman, Jordânia, 16-19 de Junho de 1996. EDUCAÇÃO PARA TODOS: ATINGINDO O OBJETIVO

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO ECONÔMICA DO GOVERNO (PAEG): DO MILAGRE ECONÔMICO AO FIM DO SONHO 1

PROGRAMA DE AÇÃO ECONÔMICA DO GOVERNO (PAEG): DO MILAGRE ECONÔMICO AO FIM DO SONHO 1 PROGRAMA DE AÇÃO ECONÔMICA DO GOVERNO (PAEG): DO MILAGRE ECONÔMICO AO FIM DO SONHO 1 Introdução Márcio Kerecki Miguel dos Santos 2 O Brasil novo que se inicia depois da crise de 1929 e da tomada do poder

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 47 Discurso em mesa-redonda com membros

Leia mais

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS

UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS DESAFIOS DO CAPITALISMO GLOBAL E DA DEMOCRACIA Luiz Carlos Bresser-Pereira A Reforma Gerencial ou Reforma à Gestão Pública de 95 atingiu basicamente os objetivos a que se propunha

Leia mais

São Paulo (SP), 14 de agosto de 2015.

São Paulo (SP), 14 de agosto de 2015. São Paulo (SP), 14 de agosto de 2015. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil, na abertura do X Seminário Anual sobre Riscos, Estabilidade Financeira e Economia Bancária.

Leia mais

Elas formam um dos polos mais dinâmicos da economia brasileira, e são o principal sustentáculo do emprego e da distribuição de renda no país.

Elas formam um dos polos mais dinâmicos da economia brasileira, e são o principal sustentáculo do emprego e da distribuição de renda no país. Fonte: http://www.portaldaindustria.org.br 25/02/2015 PRONUNCIAMENTO DO PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO NACIONAL (CDN) DO SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (SEBRAE), NA SOLENIDADE

Leia mais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais João Carlos Ferraz BNDES 31 de agosto de 2008 Guia Contexto macroeconômico Políticas públicas Perpectivas do investimento

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 93 Exposição na abertura do encontro

Leia mais

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos Economia e Mercado Aula 4 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Oscilações dos níveis de produção e emprego Oferta e demanda agregadas Intervenção do Estado na economia Decisão de investir Impacto da

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A ESTABILIDADE FINANCEIRA MUNDIAL, OUTUBRO DE 2015. A estabilidade financeira aumentou nas economias avançadas

RELATÓRIO SOBRE A ESTABILIDADE FINANCEIRA MUNDIAL, OUTUBRO DE 2015. A estabilidade financeira aumentou nas economias avançadas 7 de outubro de 2015 RELATÓRIO SOBRE A ESTABILIDADE FINANCEIRA MUNDIAL, OUTUBRO DE 2015 RESUMO ANALÍTICO A estabilidade financeira aumentou nas economias avançadas A estabilidade financeira aumentou nas

Leia mais

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável Este artigo é cópia fiel do publicado na revista Nu e va So c i e d a d especial em português, junho de 2012, ISSN: 0251-3552, . Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Leia mais

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015 Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 O cenário econômico nacional em 2014 A inflação foi superior ao centro da meta pelo quinto

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

Conferência na London School of Economics (LSE) Londres, 14 de julho de 2003

Conferência na London School of Economics (LSE) Londres, 14 de julho de 2003 1 Conferência na London School of Economics (LSE) Londres, 14 de julho de 2003 É uma honra ser convidado pela LSE, uma Escola que teve importante papel na história do socialismo na Inglaterra e continua

Leia mais

O futuro da tributação sobre o consumo no Brasil: melhorar o ICMS ou criar um IVA amplo? Perspectivas para uma Reforma Tributária

O futuro da tributação sobre o consumo no Brasil: melhorar o ICMS ou criar um IVA amplo? Perspectivas para uma Reforma Tributária 1 XI CONGRESSO NACIONAL DE ESTUDOS TRIBUTÁRIOS O futuro da tributação sobre o consumo no Brasil: melhorar o ICMS ou criar um IVA amplo? Perspectivas para uma Reforma Tributária Osvaldo Santos de Carvalho

Leia mais

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 BR/2001/PI/H/3 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 2001 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO),

Leia mais

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda.

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. RELATÓRIO DE GESTÃO Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. 2012 ÍNDICE DESTAQUES... 3 MENSAGEM DO GERENTE... 4 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO... 5 Economia internacional... 5 Economia Nacional... 5

Leia mais

,QLTXLGDGHVHP6D~GHQR%UDVLO QRVVDPDLVJUDYHGRHQoD

,QLTXLGDGHVHP6D~GHQR%UDVLO QRVVDPDLVJUDYHGRHQoD ,QLTXLGDGHVHP6D~GHQR%UDVLO QRVVDPDLVJUDYHGRHQoD 'RFXPHQWRDSUHVHQWDGRSRURFDVLmRGRODQoDPHQWRGD &RPLVVmR1DFLRQDOVREUH'HWHUPLQDQWHV6RFLDLVHP6D~GHGR %UDVLO&1'66 0DUoR ,QLTXLGDGHVHPVD~GHQR%UDVLO QRVVDPDLVJUDYHGRHQoD

Leia mais

Cenário Econômico Brasil em uma nova ordem mundial. Guilherme Mercês Sistema FIRJAN

Cenário Econômico Brasil em uma nova ordem mundial. Guilherme Mercês Sistema FIRJAN Cenário Econômico Brasil em uma nova ordem mundial Guilherme Mercês Sistema FIRJAN Cenário Internacional Cenário mundial ainda cercado de incertezas (1) EUA: Recuperação lenta; juros à frente (2) Europa:

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 81 Discurso no jantar oferecido pelo

Leia mais

Somando forças até o fim da pobreza. CARE Brasil Relatório Anual

Somando forças até o fim da pobreza. CARE Brasil Relatório Anual Somando forças até o fim da pobreza CARE Brasil Relatório Anual 2012 CARE Internacional Em 2012, a CARE apoiou 997 projetos de combate à pobreza em 84 países, beneficiando estimadamente 84 milhões de pessoas.

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA Vitória, ES Janeiro 2010. 1ª Revisão Janeiro 2011. 2ª Revisão Janeiro 2012. POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA REDE GAZETA IDENTIDADE CORPORATIVA Missão

Leia mais

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA 1. Criar o Fórum Metropolitano de Segurança Pública Reunir periodicamente os prefeitos dos 39 municípios da Região Metropolitana de São Paulo para discutir, propor,

Leia mais

Bônus demográfico, crescimento econômico e redução da pobreza no Brasil

Bônus demográfico, crescimento econômico e redução da pobreza no Brasil Bônus demográfico, crescimento econômico e redução da pobreza no Brasil José Eustáquio Diniz Alves i As eleições de 2 nem começaram de fato, mas já existe uma grande quantidade de textos circulando na

Leia mais

Repercussões para os trabalhadores portuários em um cenário de pós FUNDAP

Repercussões para os trabalhadores portuários em um cenário de pós FUNDAP Repercussões para os trabalhadores portuários em um cenário de pós FUNDAP A utilização do ICMS como instrumento de indução do desenvolvimento regional. Reforma tributária A questão regional é uma das questões

Leia mais

Especialistas apontam obstáculos e soluções para o Brasil avançar

Especialistas apontam obstáculos e soluções para o Brasil avançar AGENDA BAHIA Especialistas apontam obstáculos e soluções para o Brasil avançar Além das reformas tributária e trabalhista, país precisa investir em infraestrutura eficaz, na redução do custo da energia

Leia mais

Fundação SEADE. www.seade.gov.br

Fundação SEADE. www.seade.gov.br Outubro de 0 N o Monitoramento das metas dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio ODMs Consulte A Fundação Seade disponibilizará, anualmente, as séries históricas do conjunto de indicadores dos ODMs

Leia mais

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro A CONTRIBUIÇÃO DO CDES PARA O DEBATE DA CONSOLIDAÇÃO DAS POLÍTICAS SOCIAIS

Leia mais

O PLANEJAMENTO ECONÔMICO E A ARTICULAÇÃO REGIONAL *

O PLANEJAMENTO ECONÔMICO E A ARTICULAÇÃO REGIONAL * O PLANEJAMENTO ECONÔMICO E A ARTICULAÇÃO REGIONAL * Lúcio Alcântara ** Durante o dia de hoje estaremos dando continuidade aos debates que vêm sendo realizados desde o início do governo Lula sobre a reestruturação

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira em 2013 e Reforma do ICMS Interestadual

Perspectivas da Economia Brasileira em 2013 e Reforma do ICMS Interestadual Perspectivas da Economia Brasileira em 2013 e Reforma do ICMS Interestadual Guido Mantega Ministro da Fazenda Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Brasília, 21 de março de 2013 1 A economia

Leia mais

BOLETIM. Fundação Seade participa de evento para disseminar conceitos e esclarecer dúvidas sobre o Catálogo de

BOLETIM. Fundação Seade participa de evento para disseminar conceitos e esclarecer dúvidas sobre o Catálogo de disseminar conceitos O desenvolvimento do aplicativo de coleta de informações, a manutenção e a atualização permanente do CSBD estão sob a responsabilidade da Fundação Seade. Aos órgãos e entidades da

Leia mais

Grupo Banco Mundial. Construindo um mundo sem pobreza

Grupo Banco Mundial. Construindo um mundo sem pobreza Grupo Banco Mundial Construindo um mundo sem pobreza Enfoque Regional! O Banco Mundial trabalha em seis grandes regiões do mundo: 2 Fatos Regionais: América Latina e Caribe (ALC)! População total: 500

Leia mais

O Mercado de Seguros no Brasil no Século XXI

O Mercado de Seguros no Brasil no Século XXI 18º Congresso Brasileiro dos Corretores de Seguros O Mercado de Seguros no Brasil no Século XXI Cenário econômico atual e perspectivas para nosso país Henrique Meirelles 16 de Outubro, 2013 1 Agenda Introdução

Leia mais

Declaração ao país. António José Seguro. 19 de Julho de 2013. Boa tarde. Durante esta semana batemo-nos para que:

Declaração ao país. António José Seguro. 19 de Julho de 2013. Boa tarde. Durante esta semana batemo-nos para que: Declaração ao país António José Seguro 19 de Julho de 2013 Boa tarde. Durante esta semana batemo-nos para que: Não houvesse mais cortes nas reformas e nas pensões Não houvesse mais despedimentos na função

Leia mais

BENEFÍCIOS DA PARTICIPAÇÃO NO ACORDO INTERNATIONAL DO CAFÉ DE 2007

BENEFÍCIOS DA PARTICIPAÇÃO NO ACORDO INTERNATIONAL DO CAFÉ DE 2007 BENEFÍCIOS DA PARTICIPAÇÃO NO ACORDO INTERNATIONAL DO CAFÉ DE 2007 O Acordo Internacional do Café (AIC) de 2007 é um instrumento chave para a cooperação internacional em matéria de café, e participar dele

Leia mais

Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA

Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Documento de Trabalho SESSÃO TEMÁTICA INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Indicador de importância das prioridades (Resultado

Leia mais

2013 José Carlos Guarino

2013 José Carlos Guarino José Carlos Guarino 2013 OBJETIVOS 1- Panorama Atual X Panorama Futuro ( O Que vai mudar?) 2-Aumento do COFINS de 1% em alguns itens importados (com similar nacional) Porque? Que devemos fazer? 3- Prestadores

Leia mais

Discurso do Presidente do Banco Central do Brasil, Alexandre Tombini na Associação Brasileira de Bancos Internacionais ABBI

Discurso do Presidente do Banco Central do Brasil, Alexandre Tombini na Associação Brasileira de Bancos Internacionais ABBI São Paulo, 31 de Outubro de 2011. Discurso do Presidente do Banco Central do Brasil, Alexandre Tombini na Associação Brasileira de Bancos Internacionais ABBI Prezado Hélio Duarte, presidente da Associação

Leia mais

Relatório de Monitoramento Global de Educação para Todos de 2013. Ensinar e Aprender para o Desenvolvimento

Relatório de Monitoramento Global de Educação para Todos de 2013. Ensinar e Aprender para o Desenvolvimento Relatório de Monitoramento Global de Educação para Todos de 2013 Panorama Ensinar e Aprender para o Desenvolvimento O Relatório de Monitoramento Global de Educação para Todos de 2013 demonstrará porque

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca DURANTE OS TRABALHOS DA 8? CONFERÊNCIA

Leia mais

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar

Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar março de 2012 Introdução Com o objetivo de continuar aprimorando o modelo de gestão de Minas Gerais, foi lançado, em 2010, o projeto Agenda de Melhorias caminhos para inovar na gestão pública. A criação

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 13 Discurso na visita ao Centro Integrado

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 36 Discurso por ocasião do jantar

Leia mais

ECONOMIA E GESTÃO DO SETOR PÚBLICO MÓDULO 7 O SISTEMA TRIBUTÁRIO BRASILEIRO

ECONOMIA E GESTÃO DO SETOR PÚBLICO MÓDULO 7 O SISTEMA TRIBUTÁRIO BRASILEIRO ECONOMIA E GESTÃO DO SETOR PÚBLICO MÓDULO 7 O SISTEMA TRIBUTÁRIO BRASILEIRO Índice 1. O Sistema Tributário Brasileiro...3 1.1. Breve histórico do sistema tributário brasileiro... 3 1.1.1. A reforma dos

Leia mais

DOCUMENTO INFORMATIVO SOBRE O PROJETO (DIP) FASE DE AVALIAÇÃO 4 de novembro de 2013 Relatório Nº: AB7414

DOCUMENTO INFORMATIVO SOBRE O PROJETO (DIP) FASE DE AVALIAÇÃO 4 de novembro de 2013 Relatório Nº: AB7414 DOCUMENTO INFORMATIVO SOBRE O PROJETO (DIP) FASE DE AVALIAÇÃO 4 de novembro de 2013 Relatório Nº: AB7414 Nome da Operação Acre: Fortalecimento de Políticas Públicas para a Melhoria da Prestação de Serviços

Leia mais

UM ANO DEPOIS: PRESTAR CONTAS

UM ANO DEPOIS: PRESTAR CONTAS UM ANO DEPOIS: PRESTAR CONTAS Há um ano, o XIX Governo constitucional iniciou funções com o País submetido a um Programa de Ajustamento Financeiro e Económico (PAEF) tornado inevitável perante a iminência

Leia mais

Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras. Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos

Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras. Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos Sustentabilidade e Competitividade SUSTENTABILIDADE pode ser entendida como

Leia mais

ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO VERA MARTINS DA SILVA

ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO VERA MARTINS DA SILVA ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO VERA MARTINS DA SILVA CEPAM MAIO 2015 Saúde (ações preventivas X curativas) Previdenciária (aumento do custo do sistema) Produtivo (tendência à redução da capacidade produtiva

Leia mais

Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA

Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA O papel das Micro e Pequenas Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA PROF. LÍVIO GIOSA Especialista em modelos de Gestão Empresarial Presidente do CENAM: Centro Nacional de Modernização

Leia mais

IV. Visão Geral do Mapa Estratégico da Indústria Capixaba 2008/2015

IV. Visão Geral do Mapa Estratégico da Indústria Capixaba 2008/2015 IV. Visão Geral do Mapa Estratégico da Indústria Capixaba 2008/2015 Quem disse que nada é impossível? Tem gente que faz isso todos os dias!. Alfred E. Newman O Mapa Estratégico da Indústria Capixaba 2008/2015

Leia mais

Uma Política Industrial para o Brasil

Uma Política Industrial para o Brasil Uma Política Industrial para o Brasil 11 Os marcos históricos do desenvolvimento industrial brasileiro são o ponto de partida para reflexões sobre os desafios enfrentados pela indústria brasileira nos

Leia mais

P R O J E T O ALVORADA

P R O J E T O ALVORADA P R O J E T O ALVORADA O Projeto Alvorada foi idealizado pelo Presidente Fernando Henrique Cardoso para reduzir as desigualdades regionais e elevar a qualidade de vida das populações mais carentes do País.

Leia mais

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR...o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff Julho/2014 0 APRESENTAÇÃO Se fôssemos traduzir o Plano de Governo 2015-2018

Leia mais