AS PÁGINAS 1 A 8 NÃO SÃO APRESENTADAS NESTA PRÉ-VISUALIZAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AS PÁGINAS 1 A 8 NÃO SÃO APRESENTADAS NESTA PRÉ-VISUALIZAÇÃO"

Transcrição

1

2 AS PÁGINAS 1 A 8 NÃO SÃO APRESENTADAS NESTA PRÉ-VISUALIZAÇÃO

3 ÍNDICE SISTEMÁTICO NOTA EDITORIAL... 3 NOTA DE AUTORES... 5 SIGLAS E ABREVIATURAS ª PARTE. SOCIEDADE POR QUOTAS E SOCIEDADE ANÓNIMA: CONCEITO E ELEMENTOS DA SOCIEDADE COMERCIAL CAPÍTULO I. A SOCIEDADE POR QUOTAS VS A SOCIEDADE ANÓNIMA A SOCIEDADE (ART.º 980.º DO CC) A SOCIEDADE POR QUOTAS (ART.º 197.º, N.º 1 DO CSC) A SOCIEDADE ANÓNIMA (ART.º 271.º DO CSC) A SOCIEDADE ANÓNIMA E A SOCIEDADE POR QUOTAS NO CSC (ART. OS 1.º, N.º 2, 197.º E 271.º DO CSC) A SOCIEDADE POR QUOTAS VS A SOCIEDADE ANÓNIMA - PRINCIPAIS DIFERENÇAS A SOCIEDADE POR QUOTAS VS A SOCIEDADE ANÓNIMA - VANTAGENS E DESVANTAGENS REGRA - NÚMERO MÍNIMO DE PARTICIPANTES NUMA SOCIEDADE (ART.º 980.º DO CC) A SOCIEDADE UNIPESSOAL POR QUOTAS (ART.º 270.º-A DO CSC) CONSTITUIÇÃO DA SOCIEDADE UNIPESSOAL POR QUOTAS (ART.º 270.º- A DO CSC) TRANSFORMAÇÃO DE UMA SOCIEDADE POR QUOTAS EM UMA SOCIE- DADE UNIPESSOAL POR QUOTAS (ART.º 270.º-A, N.º 2 DO CSC) INAPLICABILIDADE DAS DISPOSIÇÕES DO CONTRATO DE SOCIEDADE QUE PRESSUPONHAM A PLURALIDADE DE SÓCIOS (ART.º 270.º-A, N.º 3 DO CSC) TRANSFORMAÇÃO DA SOCIEDADE UNIPESSOAL POR QUOTAS EM SOCIEDADE POR QUOTAS (ART.º 270.º-D DO CSC) O SÓCIO ÚNICO - RESTRIÇÕES À AQUISIÇÃO DA QUALIDADE DE SÓCIO DE UMA SOCIEDADE UNIPESSOAL POR QUOTAS E RELAÇÕES DO SÓCIO ÚNICO COM A SOCIEDADE JusPrático Sociedades por Quotas e Sociedades Anónimas

4 ÍNDICE SISTEMÁTICO 1-14 NEGÓCIOS DO SÓCIO ÚNICO COM A SOCIEDADE (ART.º 270.º-F DO CSC) A SOCIEDADE ANÓNIMA E A SOCIEDADE UNIPESSOAL POR QUOTAS A RELAÇÃO DE GRUPO (ART. OS 270.º-A A 270.º-G DO CSC) CAPÍTULO II. O CONTRATO DE SOCIEDADE NOÇÃO DE CONTRATO DE SOCIEDADE ELEMENTOS DO CONTRATO DE SOCIEDADE (ART.º 9.º DO CSC) MENÇÕES ESPECIFICAS OBRIGATÓRIAS A CONSTAR NO CONTRATO DE SOCIEDADE Menções Especificas das Sociedades Por Quotas (art.º 199.º do CSC) Menções Especificas das Sociedades Anónimas (art.º 272.º do CSC) AUSÊNCIA DE ELEMENTO ESSENCIAL DO CONTRATO DE SOCIEDADE (ART.º 42.º DO CSC) IDENTIFICAÇÃO DOS SÓCIOS E ACIONISTAS NO CONTRATO DE SOCIE- DADE (ART.º 9.º, N.º 1, AL. A) DO CSC) Sociedades entre cônjuges (art.º 8.º do CSC) Estipulação do tipo de sociedade (art.º 9.º, n.º 1, al. b) do CSC) Estipulação da firma da sociedade (art. os 9.º, n.º 1, al. c), 200.º e 275.º do CSC) Princípio da verdade (art.º 32.º do DL n.º 129/98, de 13/05) Princípio da novidade (art.º 33.º do DL n.º 129/98, de 13/05) Princípio da exclusividade (art.º 35.º do DL n.º 129/98, de 13/05) O objeto da sociedade (art.º 11.º do CSC) Redação do objeto social (art.º 11.º, n.º 1 do CSC) Amplitude do objeto social (art.º 11.º, n.º 3 do CSC) Atos alheios ao objeto social (art.º 6.º, n.º 4 do CSC) Aquisição de participações sociais noutras sociedades (art.º 11.º, n.º 4 do CSC) Objeto social de duração limitada no tempo (art.º 141.º, n.º 1, al. c) do CSC) Licitude do objeto social A sede da sociedade (art.º 12.º do CSC) Deslocação da sede social (art.º 12.º, n.º 2 do CSC) O capital social (art. os 14.º, 202.º e 277.º, n.º 1 do CSC) Valor mínimo das quotas e das ações (art. os 219.º, n.º 3 e 276.º, n.º 3 do CSC) Divisão do conceito de capital social Função das quotas e das ações Estipulação de direitos especiais dos sócios/acionistas (art.º 24.º, n. os 1 e 4 do CSC) Designação da gerência e da administração no âmbito do contrato de sociedade Indicação do método de designação da gerência e da administração (art. os 252.º, n.º 2 e 391.º do CSC) Wolters Kluwer Portugal

5 ÍNDICE SISTEMÁTICO Liberdade de estipulação relativamente à gerência e restrição no que respeita à administração Estipulação dos poderes da gerência e da administração (art. os 259.º e 405.º do CSC) Estipulação de outras cláusulas de livre disposição pelos sócios ou acionistas Cláusulas comuns às sociedades por quotas e às sociedades anónimas - Obrigação de efetuar prestações acessórias (art. os 209.º e 287.º do CSC) Cláusulas comuns às sociedades por quotas e às sociedades anónimas - Direito aos lucros (art. os 217.º, n.º 1 e 294.º, n.º 1 do CSC) Cláusulas comuns às sociedades por quotas e às sociedades anónimas - Amortização de participações sociais (art. os 232.º, n.º 1 e 347.º do CSC) Cláusulas comuns às sociedades por quotas e às sociedades anónimas - Regras de maioria deliberativa (art. os 250.º, n.º 3 e 386.º do CSC) Cláusulas comuns às sociedades por quotas e às sociedades anónimas - Designação do Secretário da sociedade (art.º 446.º- D do CSC) Cláusulas comuns às sociedades por quotas e às sociedades anónimas - Transmissão das quotas e ações (art. os 225.º, n.º 1 e 328.º do CSC) Cláusulas comuns às sociedades por quotas e às sociedades anónimas Participação em outras sociedades de objeto social diferente (art.º 11.º, n. os 4 e 5 do CSC) Cláusulas comuns às sociedades por quotas e às sociedades anónimas Autorização para a emissão de obrigações (art. os 272.º, al. f) e 350 n.º 1 do CSC) Cláusulas comuns às sociedades por quotas e às sociedades anónimas Alienação do direito de preferência na subscrição de aumento de capital por entradas em dinheiro (art. os 267.º e 458, n.º 3 do CSC) Cláusulas comuns às sociedades por quotas e às sociedades anónimas Atribuição de vantagens especiais aos sócios e acionistas (art.º 16.º, n.º 1 do CSC) Cláusulas facultativas nas sociedades por quotas - Obrigação de efetuar prestações suplementares (art.º 210.º do CSC) Cláusulas facultativas nas sociedades por quotas - Divisão de quotas (art.º 221.º, n.º 3 do CSC) Cláusulas facultativas nas sociedades por quotas - Exoneração e exclusão do sócio (art. os 240.º e 241.º do CSC) Cláusulas facultativas nas sociedades por quotas Responsabilidade dos sócios perante os credores sociais (art.º 198.º do CSC) Cláusulas facultativas nas sociedades anónimas Distribuição antecipada de dividendos (art.º 297.º do CSC) JusPrático Sociedades por Quotas e Sociedades Anónimas

6 ÍNDICE SISTEMÁTICO Cláusulas facultativas nas sociedades anónimas Aumento de Capital Deliberado pela Administração (art. os 85.º, n.º 1 e 456.º do CSC) Cláusula de derrogação de preceitos dispositivos da lei (art.º 9.º, n.º 3 do CSC) CAPÍTULO III. SOCIEDADES IRREGULARES CONCEITO DE SOCIEDADES IRREGULARES SOCIEDADES APARENTES (ART.º 36.º, N.º 1 DO CSC) SOCIEDADES DE FACTO (ART.º 36.º, N.º 2 DO CSC) Regime jurídico aplicável às sociedades de facto (art.º 36.º, n.º 2 do CSC e art.º 980.º do CC) Relações dos sócios com terceiros (art.º 997.º do CC) SOCIEDADES EM PROCESSO DE CONSTITUIÇÃO ANTES DO REGISTO DEFINITIVO Regime jurídico no período entre a celebração do contrato de sociedade e o registo definitivo (art.º 37.º do CSC) Relações entre sócios Exceções ao regime jurídico aplicável nas relações internas (art.º 37.º, n.º 2 do CSC) Regime aplicável às relações externas com terceiros (art.º 40.º, n.º 1 do CSC) Exceção ao regime de responsabilidade nas relações externas (art.º 40.º, n.º 2 do CSC) AFASTAMENTO DA RESPONSABILIDADE PESSOAL E ILIMITADA DOS SÓCIOS NAS SOCIEDADES EM PROCESSO DE CONSTITUIÇÃO Autorização contratual dada à gerência (art.º 19.º, n.º 1, als. a) e b) do CSC) Assunção por parte da sociedade com base em decisão da gerência (art.º 19.º, n.º 2 do CSC) Condicionamento do negócio jurídico à celebração do registo (art.º 40.º, n.º 2 do CSC) POSIÇÃO PROCESSUAL DAS SOCIEDADES IRREGULARES (ART.º 6.º, AL. D) DO CPC) CAPÍTULO IV. ACORDOS PARASSOCIAIS CONCEITO DE ACORDOS PARASSOCIAIS (ART.º 17.º, N.º 1 DO CSC) EFEITOS DOS ACORDOS PARASSOCIAIS RELATIVAMENTE À SOCIEDADE (ART.º 17.º, N.º 1 DO CSC) POSIÇÃO DOS SÓCIOS E ACIONISTAS OUTORGANTES DE UM ACORDO PARASSOCIAL MATÉRIAS TÍPICAS DOS ACORDOS PARASSOCIAIS REGULAÇÃO DO EXERCÍCIO DO DIREITO DE VOTO REGULAÇÃO DO MÉTODO DE DESIGNAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ÓRGÃOS SOCIAIS Wolters Kluwer Portugal

7 ÍNDICE SISTEMÁTICO 1-33 RESPONSABILIDADE SOLIDÁRIA DO SÓCIO NA DESIGNAÇÃO DE GERENTE/ADMINISTRADOR (ART.º 83.º, N.º 1 DO CSC) ESTIPULAÇÃO DE REGRAS DE FINANCIAMENTO DA SOCIEDADE ESTIPULAÇÃO DE REGRAS RELATIVAS ÀS RELAÇÕES COMERCIAIS ENTRE A SOCIEDADE E OS SÓCIOS OU ACIONISTAS CARACTERIZAÇÃO E RESOLUÇÃO DE SITUAÇÕES DE IMPASSE Mecanismos de resolução de situações de impasse: mediação e arbitragem Mecanismos de resolução de situações de impasse: criação de opções sobre participações sociais (cláusulas de call option e put option) CLÁUSULA SHOTGUN CLÁUSULA DE TAG ALONG (DIREITO DE VENDA CONJUNTA) E CLÁUSU- LA DE DRAG ALONG (DEVER DE VENDA CONJUNTA) DIREITO DE PREFERÊNCIA NA AQUISIÇÃO DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS (CLÁUSULA DE RIGHT OF FIRST REFUSAL) CLÁUSULAS PROIBIDAS NUM ACORDO PARASSOCIAL Cláusulas proibidas relativas ao exercício do voto (art.º 17.º, n.º 3 do CSC) INCUMPRIMENTO DO ACORDO PARASSOCIAL ª PARTE. CONSTITUIÇÃO DA SOCIEDADE CAPÍTULO I. PROCESSO CONSTITUTIVO DE UMA SOCIEDADE INTRODUÇÃO º PASSO - OBTENÇÃO DO CERTIFICADO DE ADMISSIBILIDADE DE FIRMA OU DENOMINAÇÃO SOCIAL Requisitos da firma (art. 32.º a 35.º do CSC e DL n.º 129/98, de 13/05) Requerimento do certificado de admissibilidade de firma online Requerimento do certificado de admissibilidade de firma em impresso Local de apresentação do requerimento Custo de emissão do certificado (art.º 23.º do RERN) Informação sobre a viabilidade de aprovação de firma (art.º 47.º do DL n.º 129/98, de 13/05) Validade do certificado de admissibilidade (art.º 53.º do DL n.º 129/98, de 13/05) Desistência do pedido de certificado de admissibilidade Indeferimento do pedido de certificado de admissibilidade Esquema sequencial do processo de pedido de certificado de admissibilidade de firma º PASSO - REALIZAÇÃO DO CAPITAL SOCIAL Capital social realizado em dinheiro (art.º 202.º, n. os 3 e 4 e 277.º do CSC) Capital realizado com bens diversos de dinheiro JusPrático Sociedades por Quotas e Sociedades Anónimas

8 ÍNDICE SISTEMÁTICO º PASSO - CELEBRAÇÃO DO CONTRATO DE SOCIEDADE Forma do contrato de sociedade (art.º 7.º, n.º 1 do CSC) Celebração do contrato por escrito particular Celebração do contrato por escritura pública ou por documento particular autenticado Elementos necessários à celebração do contrato de sociedade Comprovativo de pagamento de Imposto Municipal sobre as Transmissões Onerosas de Imóveis (IMT) (art. os 2.º, n.º 5, al. e) e 37.º do CIMT) e Imposto do Selo (IS) (art.º 1.º, n.º 1 e verba 1.1 da TGIS) Outorgantes no contrato Outorga por representante legal Outorga por representante voluntário (procurador) Outorga por representante orgânico Valor do Imposto de Selo (ponto 26.1 da TGIS) Despesas relativas à constituição da sociedade (art.º 19.º do CSC) º PASSO - REGISTO DO CONTRATO DE SOCIEDADE Legitimidade para requerer o registo (art.º 30.º, n.º 1 do CRC) Registo prévio do contrato de sociedade (art.º 18.º do CSC) Prazo para a apresentação a registo (art.º 15.º, n. os 1 e 2 do CRC) Local de apresentação do registo Documentos necessários para o registo Custo do registo (art.º 22.º, verba 2.1 do RERN e DL n.º 322-A/2001, de 14/12) Suprimento de deficiências (art.º 52.º do CRC e art.º 22.º, verba 21 do RERN) COMUNICAÇÕES OFICIOSAS AOS SERVIÇOS DE FINANÇAS E À SEGU- RANÇA SOCIAL - REGIME EM VIGOR DESDE 1 DE OUTUBRO DE CONCLUSÃO CAPÍTULO II. SERVIÇOS E PROCESSOS SIMPLIFICADOS DE CONSTITUIÇÃO DE SOCIEDADES INTRODUÇÃO REGIME ESPECIAL DE CONSTITUIÇÃO IMEDIATA DE SOCIEDADES «EMPRE- SA NA HORA» (DL N.º 111/2005, DE 08/07) Âmbito de aplicação (art.º 1.º do DL n.º 111/2005, de 08/07) Pressupostos de aplicação deste regime (art.º 3.º do DL n.º 111/2005, de 08/07) Onde se pode constituir uma sociedade sob este regime simplificado? (art.º 4.º do DL n.º 111/2005, de 08/07) Prazo de tramitação (art.º 5.º do DL n.º 111/2005, de 08/07) Procedimento de constituição (art. os 6.º, 7.º, 8.º e 10.º do DL n.º 111/2005, de 08/07) Conclusão do processo (art.º 12.º do DL n.º 111/2005, de 08/07) Custos com o processo de constituição (art.º 14.º do DL n.º 111/2005, de 08/07) Recusa de titulação (art.º 9.º do DL n.º 111/2005, de 08/07) Wolters Kluwer Portugal

9 ÍNDICE SISTEMÁTICO Esquema de constituição de sociedade segundo o procedimento de constituição imediata de sociedades «Empresa na Hora» REGIME ESPECIAL DE CONSTITUIÇÃO ONLINE DE SOCIEDADES (DL N.º 125/2006, DE 29/06) Âmbito de aplicação (art.º 1.º do DL n.º 125/2006, de 29/06) Competência (art.º 3.º do DL n.º 125/2006, de 29/06) Certificação e autenticação eletrónica (art.º 5.º do DL n.º 125/2006, de 29/06) Procedimento de constituição (art.º 6.º do DL n.º 125/2006, de 29/06) Prazo de tramitação (art.º 11.º do 125/2006, de 29/06) Conclusão do processo (art.º 12.º do DL n.º 111/2005, de 08/07) Custos com o processo de constituição (art.º 13.º do DL n.º 111/2005, de 08/07) Esquema do procedimento de constituição de sociedades online VANTAGENS DESTE PROCESSO NOTAS ÚTEIS RELATIVAS À ESCOLHA DO PROCESSO DE CONSTITUI- ÇÃO DE UMA SOCIEDADE ª PARTE. RELAÇÕES DOS SÓCIOS COM A SOCIEDADE CAPÍTULO I. DIREITOS DOS SÓCIOS INTRODUÇÃO DIREITOS DOS SÓCIOS E ACIONISTAS DIREITO AOS LUCROS (ART.º 21.º, N.º 1, AL. A) DO CSC) Proibição de remuneração direta do capital (art.º 21.º, n.º 2 do CSC) Aprovação do relatório de gestão e das contas do exercício (art. os 65.º, 246.º, n.º 1, al. e), 248.º, n.º 1, 376.º e do CSC) Existência de lucros distribuíveis Deliberação de distribuição (art. os 66.º, n.º 5, al. f), 217.º e 294.º do CSC) Cláusulas estatutárias sobre direito aos lucros Cláusula que diferencie a percentagem de lucro atribuída a cada sócio Cláusula que obrigue à distribuição anual dos lucros distribuíveis Cláusula que imponha a aplicação da totalidade dos lucros em reserva no final do exercício Cláusula que determine que a distribuição de lucros depende do que assembleia geral deliberar Pagamento dos lucros Vencimento do direito ao lucro (art. os 217.º, n.º 2 e 294.º, n.º 2 do CSC) Participação de membros dos órgãos de administração de fiscalização nos lucros da sociedade (art. os 217.º, n.º 3 e 294.º, n.º 3 do CSC) JusPrático Sociedades por Quotas e Sociedades Anónimas

10 ÍNDICE SISTEMÁTICO Casos em que a deliberação de distribuição de lucros não deve ser cumprida Citação da sociedade para ação judicial relativa à validade das deliberações (art.º 31.º, n.º 4 do CSC) Adiantamentos de lucros (art. os 297.º e 31.º, n.º 1 do CSC) DIREITO A QUINHOAR NO SALDO DE LIQUIDAÇÃO (ART. OS 21.º, N.º 1, AL. A) E 156.º, N. OS 1, 2 E 4 DO CSC) DIREITOS NO ÂMBITO DO AUMENTO DE CAPITAL Direito de preferência nos aumentos de capital a realizar em dinheiro (art.º 266.º, n.º 1 do CSC) Alienação do direito de participar em aumento de capital (art. os 267.º, n.º 1 e 458.º, n.º 3 do CSC) DIREITO DE PARTICIPAR NAS DELIBERAÇÕES SOCIAIS (ART.º 21.º, N.º 1, AL. B) CSC) DIREITO DE ASSISTÊNCIA OU DE PRESENÇA NA ASSEMBLEIA GERAL DIREITO A SER CONVOCADO DIREITO A CONVOCAR (ART. OS 375.º, N.º 1 E 248.º, N.º 2 DO CSC) DIREITO DE INCLUSÃO DE ASSUNTOS DA ORDEM DO DIA (ART. OS 248.º, N.º 2 E 378.º DO CSC) DIREITO DE PARTICIPAÇÃO Direito de intervenção e apresentação de propostas DIREITO DE VOTO O exercício do direito de voto Inibições do direito de voto Impedimento do direito de voto (art. os 251.º, n.º 1 e 384.º, n. os 6 e 7 do CSC) Impossibilidade de exercício do direito de voto DIREITO À INFORMAÇÃO (ART.º 21.º, N.º 1, AL. C) DO CSC) Pedido genérico de informação (art. os 214.º e 291.º do CSC) Consulta de livros e documentos sociais ou inspeção de bens sociais (n.º 4 do art.º 214.º e art.º 288.º do CSC) Recusa legítima de prestação de informações (art. os 215.º e 291.º nº 4 do CSC) Recusa ilegítima de prestação de informações, ou prestação de informações deficientes INQUÉRITO JUDICIAL (ART. OS 216.º E 292.º, N. OS 2 A 6 E SEGS. DO CSC E ART.º 1479.º DO CPC) UTILIZAÇÃO INDEVIDA DA INFORMAÇÃO Direito à informação exercido no âmbito da assembleia geral (art.º 290.º, n.º 1 CSC) Direito à informação preparatória das assembleias gerais Direito à informação nas assembleias gerais DIREITO A SER DESIGNADO PARA OS ÓRGÃOS SOCIAIS (ART.º 21.º, N.º 1, AL. D) DO CSC) DIREITO À EXONERAÇÃO (ART.º 240.º, N.º 1 DO CSC) Causas Wolters Kluwer Portugal

11 ÍNDICE SISTEMÁTICO Causas específicas de exoneração previstos na lei (art.º 240.º do CSC) Causas de exoneração previstos no contrato (art.º 240.º, n. os 1 e 8 do CSC) Exercício do direito de exoneração Contrapartida a pagar ao sócio em sede de exoneração (art.º 240.º, n.º 5 do CSC) Pagamento da contrapartida (art.º 235.º, n.º 1, al. b) do CSC) ESTIPULAÇÃO DE DIREITOS ESPECIAIS DOS SÓCIOS (ART.º 24.º, N.º 1 DO CSC) REGRAS RELATIVAS À CRIAÇÃO DE DIREITOS ESPECIAIS (ART.º 24.º DO CSC) Direitos especiais de conteúdo patrimonial nas sociedades por quotas (art.º 24.º, n.º 3 do CSC) Direitos especiais de conteúdo não patrimonial nas sociedades por quotas (art.º 24.º, n.º 3 do CSC) Direitos especiais nas sociedades anónimas ALTERAÇÃO OU SUPRESSÃO DE DIREITOS ESPECIAIS (ART.º 24.º, N. OS 5 E 6 DO CSC) CAPÍTULO II. DEVERES DOS SÓCIOS INTRODUÇÃO OBRIGAÇÃO DE REALIZAÇÃO DE ENTRADA (ART.º 20.º, AL. A) DO CSC) A OBRIGAÇÃO DE REALIZAÇÃO DE ENTRADA NAS SOCIEDADES POR QUOTAS Diferimento das entradas nas sociedades por quotas (art. os 26.º e 199.º do CSC) Termos do diferimento da entrada (art.º 202.º, n.º 2 do CSC) Regras a que obedece o diferimento das entradas Estipulação de prazo de vencimento das entradas (art.º 203.º, n.º 1 do CSC) Pagamento da entrada a prestações (art.º 27.º, n.º 6 do CSC) Necessidade de interpelação ao sócio para entrada em mora (art.º 203.º, n.º 3 do CSC) Falta de cumprimento (art.º 27.º do CSC) Responsabilidade solidária pelo pagamento da entrada (art. os 206.º, n.º 1 e 207.º CSC) Extinção da obrigação de entrada Pagamento da obrigação de entrada Dação em cumprimento (art.º 27.º, n.º 2 do CSC) Compensação (art.º 27.º, n. os 4 e 5 do CSC) Remição (art.º 27.º, n.º 1 do CSC) Prescrição (art.º 174.º, n.º 1, al. a) do CSC) Tipos de Entradas Valor das Entradas (art.º 25.º do CSC) DO REGIME ESPECIAL DAS ENTRADAS EM ESPÉCIE (ART. OS 25.º E 28.º DO CSC) JusPrático Sociedades por Quotas e Sociedades Anónimas

12 ÍNDICE SISTEMÁTICO 3-25 O CASO ESPECIAL DOS DIREITOS PESSOAIS DE GOZO REGRAS ESPECÍFICAS DA OBRIGAÇÃO DE ENTRADA NAS SOCIEDADES ANÓNIMAS (ART. OS 285.º E 286.º DO CSC) Realização das entradas e liberação das ações PRESTAÇÕES SUPLEMENTARES (ART.º 210.º DO CSC) OBJETO DAS PRESTAÇÕES SUPLEMENTARES (ART.º 210.º, N.º 2 DO CSC) CONTEÚDO DA DISPOSIÇÃO CONTRATUAL (ART.º 210.º CSC) EXIGIBILIDADE DA OBRIGAÇÃO (ART.º 211.º DO CSC) IMPOSSIBILIDADE DE COMPENSAÇÃO E EXONERAÇÃO (ART.º 212.º, N. OS 2 E 3 DO CSC) DIREITO INTRANSMISSÍVEL DA SOCIEDADE (ART.º 212.º, N.º 4 DO CSC) INCUMPRIMENTO DA OBRIGAÇÃO DE PRESTAÇÕES SUPLEMENTARES E RESPETIVAS CONSEQUÊNCIAS (ART. OS 212.º, 204.º E 205.º DO CSC) RESTITUIÇÃO DAS PRESTAÇÕES SUPLEMENTARES (ART.º 213.º DO CSC) AS PRESTAÇÕES SUPLEMENTARES EM ESQUEMA APLICABILIDADE DO REGIME DAS PRESTAÇÕES SUPLEMENTARES ÀS SOCIEDADES ANÓNIMAS OBRIGAÇÕES DE PRESTAÇÕES ACESSÓRIAS (ART. OS 209.º E 287.º DO CSC) EXEMPLOS DE PRESTAÇÕES ACESSÓRIAS E RESPETIVO REGIME JURÍDICO APLICÁVEL (ART. OS 209.º E 287.º, N.º 1, SEGUNDA PARTE DO CSC) PROIBIÇÃO DE AGRAVAMENTO DA OBRIGAÇÃO DE EFETUAR PRESTA- ÇÕES ACESSÓRIAS (ART.º 86.º, N.º 2 DO CSC) CONTRAPRESTAÇÃO DAS PRESTAÇÕES ACESSÓRIAS ONEROSAS (ART. OS 209.º, N.º 3 E 287.º, N.º 3 DO CSC) INCUMPRIMENTO (ART. OS 209.º, N.º 4 E 287.º, N.º 4 DO CSC) TRANSMISSIBILIDADE DO DIREITO ÀS PRESTAÇÕES ACESSÓRIAS (ART. OS 209.º, N.º 2 E 287.º, N.º 2 DO CSC) EXTINÇÃO DE PRESTAÇÕES ACESSÓRIAS (ART. OS 209.º, N.º 5 E 287.º, N.º 5 DO CSC) EFEITOS DO REGIME DE PRESTAÇÕES ACESSÓRIAS NA FORMA DAS AÇÕES (ART.º 299.º, N.º 2 AL. C) DO CSC) CONCEITO REGIME JURÍDICO CAUSAS LEGAIS DE EXCLUSÃO Não realização de entrada (art.º 204.º, n.º 1 do CSC) Não realização de prestação suplementar (art.º 212.º, n.º 1 ex vi art.º 204.º, n.º 1 do CSC) Utilização prejudicial de informação (art.º 214.º, n.º 6 do CSC) EXCLUSÃO JUDICIAL (ART.º 242.º DO CSC) CAUSAS ESTATUTÁRIAS DE EXCLUSÃO (ART.º 241.º, N.º 1 DO CSC) PROCESSO DE EXCLUSÃO Competência e Necessidade de Deliberação Social (art. os 242.º, n.º 2 e 246.º, n.º 1, al. c) do CSC) Wolters Kluwer Portugal

13 ÍNDICE SISTEMÁTICO Legitimidade para a ação judicial de exclusão (art.º 242.º, n.º 2 do CSC) Prazo Contrapartida a pagar ao sócio Por causa prevista no contrato (art.º 241.º, n.º 2 do CSC) Por causa prevista na lei (art.º 241.º, n.º 2 do CSC) No silêncio do contrato (art.º 242.º do CSC) Efeitos da exclusão judicial CAPÍTULO III. DELIBERAÇÕES SOCIAIS INTRODUÇÃO Deliberações tomadas em reunião de sócios Assembleia geral regularmente convocada Assembleia universal (art. os 54.º, n.º 1, 247.º, n.º 1 e 373.º, n.º 1 do CSC) Requisitos da reunião em assembleia universal (art.º 54.º, n.º 1 do CSC) Deliberações tomadas sem reunião e por escrito Deliberações unânimes por escrito (art.º 54.º, n.º 1 do CSC) Deliberações por voto escrito (art.º 247.º, n.º 1 do CSC) Requisitos da deliberação por voto escrito (art.º 247.º do CSC) INTRODUÇÃO ÀS FORMAS DAS DELIBERAÇÕES Quórum constitutivo (art.º 383.º do CSC) Quórum deliberativo Regra geral das deliberações por maioria simples (art. os 250.º, n.º 3 e 386.º, n.º 1 do CSC) Deliberações por maioria relativa Deliberações por maioria de três quartos (art. os 265.º e 386.º, n.º 3 do CSC) Cômputos dos votos Deliberações por unanimidade (art.º 86.º, n.º 1 do CSC) EXERCÍCIO DO VOTO E ESCRUTÍNIO VALOR E LIMITES AO DIREITO DE VOTO DOCUMENTAÇÃO DAS DELIBERAÇÕES (ART.º 63.º DO CSC) A ata das assembleias Requisitos do livro de atas (art.º 31.º do CCom) Requisitos da ata (art.º 39.º do CCom) Elementos essenciais e estrutura da ata (art.º 63.º, n.º 2 do CSC) Assinatura das atas (art. os 248.º, n.º 6 e 388.º, n.º 2 do CSC) Tutela penal da ata (art.º 521.º do CSC) PARTICIPAÇÃO E REPRESENTAÇÃO DOS SÓCIOS NA FORMAÇÃO DAS DELIBERAÇÕES SOCIAIS Participantes nas deliberações sociais Representação voluntária de sócios em deliberações tomadas em assembleia geral (art. os 249.º e 380.º do CSC) Quem pode exercer a representação (art. os 249.º, n.º 5.º e 380.º, n.º 1 do CSC) JusPrático Sociedades por Quotas e Sociedades Anónimas

14 ÍNDICE SISTEMÁTICO Conteúdo dos poderes em função do instrumento de representação (carta mandadeira) (art. os 249.º, n.º 4 e 380.º, n.º 2 do CSC) Poderes do representante Duração e âmbito dos poderes do representante (art.º 249.º, n.º 2 do CSC) Limites legais ao número de representantes e representados (art.º 381.º do CSC) VÍCIOS DAS DELIBERAÇÕES DELIBERAÇÕES NULAS (ART.º 56.º DO CSC) RENOVAÇÃO DE DELIBERAÇÕES NULAS (ART.º 62.º, N.º 1 DO CSC) DELIBERAÇÕES SOCIAIS ANULÁVEIS (ART.º 58.º DO CSC) RENOVAÇÃO DA DELIBERAÇÃO ANULÁVEL (ART.º 62.º, N.º 2 DO CSC) DELIBERAÇÕES INEFICAZES DELIBERAÇÕES INEXISTENTES AÇÃO DE DECLARAÇÃO DE NULIDADE Legitimidade ativa (art. os 57.º e 286.º do CC) Legitimidade passiva (art.º 60.º, n. os 1 e 2 do CSC) Prazo de propositura (art.º 286.º do CC) A AÇÃO DE ANULAÇÃO DA DELIBERAÇÃO Legitimidade ativa (art.º 59.º, n.º 1 do CSC) Legitimidade passiva (art.º 60.º do CSC) Prazo de propositura (art.º 59.º, n.º 3 do CSC) Necessidade de ata para propositura da ação (art.º 59.º do CSC) EFEITOS DAS AÇÕES DE NULIDADE E DE ANULAÇÃO (ART.º 61.º DO CSC) PROCEDIMENTO CAUTELAR DE SUSPENSÃO DE DELIBERAÇÕES SOCIAIS INVÁLIDAS (ART. OS 396.º A 398.º DO CPC) REQUISITOS (ART.º 396.º, N.º 1 DO CPC) EFEITOS (ART.º 397.º DO CPC) REGISTO DE AÇÕES JUDICIAIS (ART. OS 9.º E 15.º DO CRC E ART.º 168.º, N.º 5 DO CSC) CAPÍTULO IV. CONTRATO DE SUPRIMENTO CONCEITO (ART.º 243.º, N.º 1 DO CSC) POSSIBILIDADE DE VENCIMENTO DE JUROS MEIOS DE CONSTITUIÇÃO DO CONTRATO DE SUPRIMENTO CARACTERÍSTICAS ESPECÍFICAS CARÁTER DE PERMANÊNCIA (ART.º 243.º, N.º 2 DO CSC) Crédito de terceiro sobre a sociedade adquirido pelo sócio (art.º 243.º, n.º 5 do CSC) FORMA DO CONTRATO DE SUPRIMENTO (ART.º 243.º, N.º 6 DO CSC) Exceção ao regime jurídico do contrato de mútuo PARTES (ART.º 244.º, N.º 3 DO CSC) INCUMPRIMENTO DO CONTRATO DE SUPRIMENTO REEMBOLSO Wolters Kluwer Portugal

15 ÍNDICE SISTEMÁTICO 3-80 PRAZO DE REEMBOLSO (ART.º 245.º, N.º 1 DO CSC) Falta de estipulação de prazo (art.º 245.º, n.º 1 do CSC e art.º 777.º, n.º 2 do CC) EXIGIBILIDADE DO CRÉDITO (ART.º 245.º, N.º 2 DO CSC) Exigibilidade em caso de insolvência ou dissolução (art.º 245.º. n.º 3, al. a) e n.º 4 do CSC) GARANTIAS (ART.º 245.º, N.º 6 DO CSC) DEMONSTRAÇÃO DO CARÁTER DE PERMANÊNCIA (ART.º 243.º, N.º 4 DO CSC) Elisão do caráter de permanência (art.º 243.º, n.º 4 do CSC) O CONTRATO DE SUPRIMENTOS E O IMPOSTO DE SELO (ART.º 7.º, N.º 1, AL. I) DO CIS E VERBA DA TGIS) O CONTRATO DE SUPRIMENTOS NAS SOCIEDADES ANÓNIMAS ª PARTE. QUOTAS, AÇÕES E OBRIGAÇÕES CAPÍTULO I. CONCEITO CONCEITO (ART. OS 197.º, N.º 1, 219.º, N.º 6, 271.º E 276.º DO CSC) NÚMERO DE QUOTAS E INDEPENDÊNCIA DAS MESMAS (ART.º 219.º, N. OS 1 E 4, PRIMEIRA PARTE DO CSC) VALOR NOMINAL DA QUOTA (ART.º 219.º, N.º 3 DO CSC) REPRESENTAÇÃO DAS AÇÕES E PROIBIÇÃO DE REPRESENTAÇÃO DA QUOTA VS REPRESENTAÇÃO DAS AÇÕES (ART. OS 219.º, N.º 7 E 304.º DO CSC) UNIFICAÇÃO DE QUOTAS (ART.º 219.º, N.º 4, SEGUNDA PARTE DO CSC) Processo de unificação de quotas (art.º 219.º, n.º 5 do CSC) Registo da unificação das quotas (art. os 3.º, n.º 1, al. c) e 15.º do CRC) DIVISÃO DAS QUOTAS (ART.º 221.º DO CSC) Limites à divisibilidade da quota (art.º 219.º, n.º 3 ex vi art.º 221.º, n. os 1 e 3 do CSC) Necessidade de consentimento de sociedade para a divisão de quotas (art.º 221.º, n. os 4 a 6 do CSC) Causas de divisão de quotas Alteração contratual relativa à divisão de quotas (art.º 221.º, n.º 7 do CSC) Forma da divisão de quotas (art.º 221.º, n.º 2 do CSC) Registo da divisão de quotas (art.º 3.º, n.º 1, al. c) do CRC) CONTITULARIDADE DA QUOTA (ART.º 222.º E SEGS. DO CSC) Exercício de direitos e deveres inerentes à quota indivisa (art.º 222.º do CSC) Designação e destituição do representante comum (art.º 223.º do CSC) Deliberações dos contitulares (art.º 224.º do CSC) EXECUÇÃO DA QUOTA (ART.º 239.º DO CSC) JusPrático Sociedades por Quotas e Sociedades Anónimas

16 ÍNDICE SISTEMÁTICO 4-9 CONCEITO DE AÇÃO CARACTERÍSTICAS DA AÇÃO NÚMERO DE AÇÕES (ART.º 276.º DO CSC) VALOR NOMINAL DA AÇÃO (ART.º 276.º DO CSC) TIPOS DE AÇÕES (ART.º 299.º DO CSC) CATEGORIAS DE AÇÕES Ações Ordinárias Ações Privilegiadas Ações preferenciais sem voto Ações preferenciais remíveis CAPITULO II. TRANSMISSÃO Transmissão de Quotas - Conceito TRANSMISSÃO DE QUOTAS TRANSMISSÃO POR MORTE (ART.º 225.º DO CSC) Impedimento contratual de transmissão da quota aos herdeiros (art.º 225.º do CSC) PRAZO PARA A DECISÃO DA SOCIEDADE (ART.º 225.º, N.º 2 DO CSC) DETERMINAÇÃO DA CONTRAPARTIDA EM CASO DE ALIENAÇÃO DA QUOTA (ART.º 225.º, N.º 4 DO CSC) Falta de pagamento (art.º 225.º, n.º 5 do CSC) TRANSMISSÃO DA QUOTA PARA OS HERDEIROS DEPENDENTE DA VON- TADE DESTES (ART.º 226.º, N.º 1 DO CSC) Recusa de assunção da titularidade da quota (art.º 226.º, n.º 2 do CSC) FALTA DE PAGAMENTO DA CONTRAPARTIDA PELA SOCIEDADE (ART.º 240.º, N.º 6 DO CSC) Falta de pagamento da contrapartida por pessoa diversa da sociedade (art.º 240.º, n.º 7 do CSC) EFEITOS DA PENDÊNCIA DA AMORTIZAÇÃO OU AQUISIÇÃO DA QUOTA DO SÓCIO FALECIDO (ART.º 227.º, N.º 2 DO CSC) Produção de efeitos da amortização ou da aquisição da quota (art.º 227.º, n.º 1 do CSC) TRANSMISSÃO DAS QUOTAS ENTRE VIVOS Necessidade de consentimento (art.º 228.º, n.º 2 do CSC) Penalidades para a cessão de quotas não consentida (art.º 229.º, n.º 6 do CSC) Exceção à necessidade de consentimento (art. os 228.º, n.º 2 e 229.º, n.º 3 do CSC) EFICÁCIA DA CESSÃO DE QUOTAS (ART.º 228.º, N.º 3 DO CSC) PROIBIÇÃO DE CESSÃO DE QUOTAS (ART.º 229.º DO CSC) DISPENSA DE CONSENTIMENTO (ART.º 229.º, N.º 2 DO CSC) Condicionamento do consentimento a determinados requisitos (art.º 229.º, n.º 5 do CSC) Alterações contratuais relativas ao consentimento (art.º 229.º, n.º 4 do CSC) Wolters Kluwer Portugal

17 ÍNDICE SISTEMÁTICO Obtenção do consentimento da sociedade (art.º 230.º do CSC) Consentimento expresso (art.º 230.º, n.º 3 do CSC) Ausência de deliberação; liberdade da cessão (art.º 230.º, n.º 4 do CSC) Consentimento tácito (art.º 230.º, n.º 6 do CSC) CESSÕES ANTERIORES NÃO AUTORIZADAS (ART.º 230.º, N.º 5 DO CSC) RECUSA DE CONSENTIMENTO (ART.º 231.º, N.º 1 DO CSC) Proposta de aquisição da quota (art.º 231.º, n.º 4 do CSC) Situações em que a cessão de quotas se torna livre por omissões da sociedade (art.º 231.º, n. os 2 e 3 do CSC) CELEBRAÇÃO DA CESSÃO DE QUOTAS Registo da cessão de quotas (art. os 3.º, n.º 1, al. e) e 15.º, n.º 1 do CRC) TRANSMISSÃO DE AÇÕES - CONCEITO TRANSMISSÃO DE AÇÕES POR MORTE IMPOSSIBILIDADE DO CONTRATO DE SOCIEDADE EXCLUIR A TRANS- MISSIBILIDADE DAS AÇÕES (ART.º 328.º, N.º 1 DO CSC) LIMITAÇÕES POSSÍVEIS À TRANSMISSIBILIDADE DAS AÇÕES (ART.º 328.º, N.º 2 DO CSC) NECESSIDADE DE CONSENTIMENTO DA SOCIEDADE E ÓRGÃO COMPE- TENTE (ART.º 329.º DO CSC) Regras sobre o consentimento da sociedade para a transmissão de ações (art.º 329.º, n. os 2 e 3 do CSC) FORMA DE TRANSMISSÃO DOS DIVERSOS TIPOS DE AÇÕES REGISTO DA TRANSMISSÃO DAS AÇÕES AQUISIÇÃO DE QUOTAS PRÓPRIAS (ART.º 220.º DO CSC) Casos admissíveis de aquisição de quotas próprias (art.º 220.º, n.º 2 do CSC) Impossibilidade de aquisição de quotas não liberadas (art.º 220.º, n.º 1 do CSC) Efeitos da detenção de quotas próprias (art.º 324.º ex vi art.º 220.º, n.º 4 do CSC) A assistência financeira nas sociedades por quotas AS AÇÕES PRÓPRIAS (ART. OS 316 E SEGS. DO CSC) Proibição de subscrição de ações próprias (art.º 316.º, n.º 1 do CSC) Proibição de subscrição indireta de ações próprias (art.º 316.º, n.º 2 do CSC) A Aquisição derivada de ações próprias (art. os 316.º, n.º 1 e 317 do CSC) Aquisição indireta (art.º 316.º, n.º 2 do CSC) A aquisição de ações próprias - regras As Ações em autocarteira (art.º 324.º do CSC) A aquisição de ações próprias e as relações de grupo (art.º 325.º- A do CSC) Penhor e caução de ações próprias (art.º 325.º do CSC) JusPrático Sociedades por Quotas e Sociedades Anónimas

18 ÍNDICE SISTEMÁTICO Assistência financeira na aquisição de ações próprias (art.º 322.º do CSC) Princípio geral proibitivo (pressupostos e requisitos) A assistência financeira e os atos proibidos A aquisição de ações da sociedade assistente O nexo de causalidade entre a assistência financeira e a aquisição de ações da sociedade assistente Exceções à regra Exceção 1: Transações que se enquadrem nas operações correntes dos bancos ou de outras instituições financeiras Exceção 2: Operações com vista à aquisição de ações pelo ou para o pessoal da sociedade ou de uma sociedade com ela ligada Condições para se verificarem as exceções Consequência Alienação de ações próprias (art.º 320.º do CSC) OFERTAS PÚBLICAS As Ofertas Públicas de Aquisição (OPA) CAPÍTULO III. AMORTIZAÇÃO DE QUOTAS E DE AÇÕES CONCEITO (ART.º 232.º DO CSC) SITUAÇÕES JURÍDICAS CONSTITUÍDAS (ART.º 232.º, N.º 2 DO CSC) PREVISÃO CONTRATUAL DO DIREITO À AMORTIZAÇÃO DA QUOTA CAUSAS LEGAIS DE AMORTIZAÇÃO PRESSUPOSTOS DA AMORTIZAÇÃO Ocorrência de causa legal ou contratual de amortização Iniciativa da sociedade TUTELA DO CAPITAL SOCIAL MÍNIMO (ART.º 236.º, N. OS 1 E 3 DO CSC) FORMA E PRAZO DA AMORTIZAÇÃO CONTEÚDO DA DELIBERAÇÃO DE AMORTIZAÇÃO (ART. OS 236.º E 237.º DO CSC) CONTRAPARTIDA; APURAMENTO E PAGAMENTO (ART.º 235.º DO CSC) Pagamento da contrapartida quando haja disponibilidade de fundos Falta de pagamento da contrapartida quando haja disponibilidade de fundos Se a sociedade não dispuser de fundos para pagar a contrapartida com respeito pela sua situação líquida EFEITOS DA AMORTIZAÇÃO (ART.º 237.º, N.º 1 DO CSC) Fixação do novo valor das quotas (art.º 237.º, n.º 2 do CSC) PREVISÃO CONTRATUAL RELATIVA À QUOTA AMORTIZADA (ART.º 237.º, N.º 3 DO CSC) REGISTO (ART. OS 3.º, N.º 1, AL. I) E 15.º, N.º 1 DO CRC) A AMORTIZAÇÃO DE AÇÕES A amortização de ações sem redução de capital (art.º 346.º do CSC) Wolters Kluwer Portugal

19 ÍNDICE SISTEMÁTICO A deliberação em Assembleia Geral O reembolso As ações de fruição A conversão Registo Amortização de ações com redução do capital (art.º 347.º do CSC) Imposição de amortização amortização automática Permissão de amortização A redução do capital social Registo CAPÍTULO IV. PERDA DA QUOTA PERDA DA QUOTA (ART.º 204.º, N.º 1 DO CSC) Exceção à regra do valor mínimo da quota (art.º 204.º, n.º 2 do CSC) FACULDADES DA SOCIEDADE RELATIVAMENTE À QUOTA PERDIDA EFEITO DO ESTABELECIMENTO DO PREÇO A PAGAR PELA QUOTA DESTINO DAS QUANTIAS OBTIDAS COM A VENDA DA QUOTA PERDIDA (ART.º 208.º DO CSC) CAPÍTULO V. REGRAS GERAIS SOBRE REGISTOS RELATIVOS A QUOTAS E AÇÕES ÂMBITO (ART. OS 53.º-A, N.º 5, AL. A) E 3.º, N.º 1, ALS. C), I) E J) DO CRC) FORMA (ART.º 29.º-A DO CRC) COMPETÊNCIA (ART. OS 29.º, N.º 5 E 29.º-A, N.º 1 DO CRC) NÃO SENDO PROMOVIDO O REGISTO PELA SOCIEDADE (ART.º 29.º-A, N.º 1 DO CRC) REPRESENTAÇÃO DA SOCIEDADE PARA EFEITOS DE REGISTO (ART.º 30.º DO CRC) Extensão da representação (art.º 101.º do CRC) REGRAS E ATOS DESTINADOS AO REGISTO DE FACTOS RELATIVOS A QUOTAS, A PROMOVER PELA SOCIEDADE Eficácia dos factos relativos a quotas (art.º 242.º-A do CSC) SOLICITAÇÃO DA PROMOÇÃO DO REGISTO (ART.º 242.º-B DO CSC) Legitimidade para solicitar a promoção do registo (art.º 242.º-B, n.º 1 do CSC) Elementos que instruem a solicitação de promoção do registo (art.º 242.º-B, n.º 3 do CSC) NORMAS RELATIVAS AO REGISTO PROMOVIDO PELA SOCIEDADE FALTA DA PROMOÇÃO DO REGISTO (ART.º 17.º DO CRC) OS ATOS REGISTAIS REFERENTES A AÇÕES CAPITULO VI. OBRIGAÇÕES A EMISSÃO DE OBRIGAÇÕES (ART.º 348.º DO CSC) JusPrático Sociedades por Quotas e Sociedades Anónimas

20 ÍNDICE SISTEMÁTICO Limite de emissão de obrigações (art. os 348.º, n.º 4 e 349.º do CSC) Deliberação de emissão (art.º 350.º do CSC) Registo (art.º 351.º do CSC e art.º 3.º, n.º 1, al. l) do CRC) Efeitos e consequências da emissão de obrigações no capital social (art.º 349.º, n.º 5.º do CSC) OBRIGAÇÕES PRÓPRIAS (ART.º 354.º DO CSC) ASSEMBLEIA DE OBRIGACIONISTAS (ART.º 355.º DO CSC) Invalidade das deliberações (art.º 356.º do CSC) REPRESENTANTE COMUM DOS OBRIGACIONISTAS (ART. OS 357.º E 359.º, N.º 3 DO CSC) Designação e destituição do representante comum (art.º 358.º do CSC) Atribuições e responsabilidade do representante comum (art.º 359.º do CSC) MODALIDADES DE OBRIGAÇÕES (ART.º 360.º DO CSC) Obrigações convertíveis em ações OBRIGAÇÕES NAS SOCIEDADES POR QUOTAS ª PARTE. ÓRGÃOS DA SOCIEDADE CAPÍTULO I. A ASSEMBLEIA GERAL A ASSEMBLEIA GERAL O ÓRGÃO DELIBERATIVO MATÉRIAS DA COMPETÊNCIA DOS SÓCIOS E ACIONISTAS ORGANIZAÇÃO E PERIODICIDADES DAS REUNIÕES REUNIÕES ORDINÁRIAS (ART. OS 376.º, 248.º E 65.º, N.º 5 DO CSC) REUNIÕES EXTRAORDINÁRIAS CONVOCAÇÃO DAS ASSEMBLEIAS GERAIS (ART. OS 248.º, N.º 3 E 377.º DO CSC) CONTEÚDO DA CONVOCATÓRIA (ART.º 377.º, N.º 5 DO CSC) FUNCIONAMENTO DA ASSEMBLEIA GERAL E FUNÇÕES DO PRESIDENTE DE MESA (ART. OS 374.º E 248.º DO CSC) CAPÍTULO II. O ÓRGÃO DE ADMINISTRAÇÃO CONCEITO (ART.º 252.º, N.º 1 DO CSC) OBRIGAÇÕES DA GERÊNCIA (ART.º 259.º DO CSC) DESIGNAÇÃO DA GERÊNCIA (ART.º 252.º, N.º 2 DO CSC) DURAÇÃO DA GERÊNCIA (ART.º 256.º DO CSC) A QUEM CABE A GERÊNCIA (ART.º 252.º, N.º 4 DO CSC) COMPOSIÇÃO DA GERÊNCIA (ART.º 252.º, N.º 1 DO CSC) EXERCÍCIO DA GERÊNCIA DELEGAÇÃO DOS PODERES DE GERÊNCIA (ART.º 261.º, N.º 2 DO CSC) CONSTITUIÇÃO DE MANDATÁRIOS (ART.º 252.º, N.º 6 DO CSC) Wolters Kluwer Portugal

Outros aspetos legais

Outros aspetos legais Outros aspetos legais Ao constituir uma empresa, é necessário ter em atenção uma série de elementos importantes relacionados com a atividade da empresa antes desta ser constituída, relativos ao pacto social,

Leia mais

TEORIA GERAL DO DIREITO EMPRESARIAL

TEORIA GERAL DO DIREITO EMPRESARIAL Direito Societário É subárea do direito empresarial que disciplina a forma de exercício coletivo de atividade econômica empresária; Importante observação sobre as questões da primeira fase da OAB: 25%

Leia mais

PARTE I DO DIREITO PRIVADO

PARTE I DO DIREITO PRIVADO PARTE I INTRODUÇÃO ÍNDICE SISTEMÁTICO AO ESTUDO DO DIREITO PRIVADO O DIREITO ÍNDICE E AS SUAS FONTES Objecto e plano do curso... 21 PARTE I INTRODUÇÂO AO ESTUDO DO DIREITO PRIVADO TÍTULO I O DIREITO E

Leia mais

Código das Sociedades Comerciais

Código das Sociedades Comerciais Código das Sociedades Comerciais - 1 Código das Sociedades Comerciais Decreto-Lei n.º 262/86 de 2 de Setembro Actualizado de acordo com as alterações introduzidas pelos: Decreto-Lei n.º 184/87, de 21 de

Leia mais

CAPÍTULO I Denominação, sede, duração e objeto social

CAPÍTULO I Denominação, sede, duração e objeto social ESTATUTOS DA PARPÚBLICA PARTICIPAÇÕES PÚBLICAS (SGPS), S.A. CAPÍTULO I Denominação, sede, duração e objeto social Artigo 1.º (Denominação) A sociedade adota a denominação PARPÚBLICA Participações Públicas

Leia mais

MESTRADO EM DIREIO EMPRESARIAL CONSTITUIÇÃO E ESTRUTURAÇÃO DE SOCIEDADES 2012/13 I PROGRAMA. INTRODUÇÃO Os diversos tipos de sociedades comerciais

MESTRADO EM DIREIO EMPRESARIAL CONSTITUIÇÃO E ESTRUTURAÇÃO DE SOCIEDADES 2012/13 I PROGRAMA. INTRODUÇÃO Os diversos tipos de sociedades comerciais Set. 2012 (1ª Versão) MESTRADO EM DIREIO EMPRESARIAL CONSTITUIÇÃO E ESTRUTURAÇÃO DE SOCIEDADES 2012/13 I PROGRAMA INTRODUÇÃO Os diversos tipos de sociedades comerciais 1. Empresa comercial e sociedade

Leia mais

Outros actos que têm de ser registados no Registo Comercial

Outros actos que têm de ser registados no Registo Comercial Outros actos que têm de ser registados no Registo Comercial A maior parte das alterações que ocorrem na vida de uma empresa têm de ser registadas no Registo Comercial. O registo comercial destina-se a

Leia mais

MODELO DE RELATÓRIO DE GOVERNO SOCIETÁRIO Ano ####

MODELO DE RELATÓRIO DE GOVERNO SOCIETÁRIO Ano #### Anexo I MODELO DE RELATÓRIO DE GOVERNO SOCIETÁRIO Ano #### Identificação da sociedade Advertências: - Salvo indicação em contrário ou quando do contexto resulte diferentemente, as informações solicitadas

Leia mais

CÓDIGO DE GOVERNO DAS SOCIEDADES DA CMVM (RECOMENDAÇÕES)

CÓDIGO DE GOVERNO DAS SOCIEDADES DA CMVM (RECOMENDAÇÕES) CÓDIGO DE GOVERNO DAS SOCIEDADES DA CMVM (RECOMENDAÇÕES) I. VOTAÇÃO E CONTROLO DA SOCIEDADE I.1. As sociedades devem incentivar os seus acionistas a participar e a votar nas assembleias gerais, designadamente

Leia mais

REGIME JURÍDICO DAS SOCIEDADES DE NOTÁRIOS. CAPÍTULO I Disposições gerais

REGIME JURÍDICO DAS SOCIEDADES DE NOTÁRIOS. CAPÍTULO I Disposições gerais REGIME JURÍDICO DAS SOCIEDADES DE NOTÁRIOS CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º Âmbito 1 O presente diploma estabelece o regime jurídico aplicável às sociedades de notários. 2 As sociedades de notários

Leia mais

Estatutos da Caixa Geral de Depósitos

Estatutos da Caixa Geral de Depósitos Estatutos da Caixa Geral de Depósitos Conforme aprovado em Assembleia Geral de 22 de julho de 2011 e posterior alteração pela Deliberação Unânime por Escrito de 27 de junho de 2012. CAPÍTULO I Natureza,

Leia mais

PASSAPORTE PARA ANGOLA

PASSAPORTE PARA ANGOLA PASSAPORTE PARA ANGOLA Susana Almeida Brandão 27 de Maio 2011 VEÍCULOS DE INVESTIMENTO Veículos de Investimento Sociedade comercial angolana Sucursal de sociedade estrangeira SOCIEDADES POR QUOTAS vs SOCIEDADES

Leia mais

Profa. Joseane Cauduro. Unidade I DIREITO SOCIETÁRIO

Profa. Joseane Cauduro. Unidade I DIREITO SOCIETÁRIO Profa. Joseane Cauduro Unidade I DIREITO SOCIETÁRIO Introdução A unidade I aborda: empresa e empresário; formação das sociedades; tipos de sociedades. Objetivos da disciplina: apresentar aos estudantes

Leia mais

Nota do autor, xv. 6 Nome Empresarial, 48 6.1 Conceito e função do nome empresarial, 48 6.2 O nome do empresário individual, 49

Nota do autor, xv. 6 Nome Empresarial, 48 6.1 Conceito e função do nome empresarial, 48 6.2 O nome do empresário individual, 49 Nota do autor, xv Parte I - Teoria Geral da Empresa, 1 1 Introdução ao Direito de Empresa, 3 1.1 Considerações gerais, 3 1.2 Escorço histórico: do direito comercial ao direito de empresa, 4 1.3 Fontes

Leia mais

DIREITO SOCIETÁRIO. Sociedades não personificadas

DIREITO SOCIETÁRIO. Sociedades não personificadas DIREITO SOCIETÁRIO As sociedades são classificadas como simples ou empresárias (art. 982, CC). As sociedades empresárias têm por objeto o exercício da empresa: as sociedades simples exercem uma atividade

Leia mais

Contrato que transmite propriedade de algo por um preço sem fins lucrativos

Contrato que transmite propriedade de algo por um preço sem fins lucrativos Acto Acto Civil Contrato que transmite propriedade de algo por um preço sem fins lucrativos Importancia do registo comercial na constituição do registo comercial Art. 874 e ss C. Civ Acto Comercial Contrato

Leia mais

VULCABRAS AZALEIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 50.926.955/0001-42 NIRE 35.300.014.910

VULCABRAS AZALEIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 50.926.955/0001-42 NIRE 35.300.014.910 VULCABRAS AZALEIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 50.926.955/0001-42 NIRE 35.300.014.910 MANUAL DA ADMINISTRAÇÃO PARA A ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DA VULCABRAS AZALEIA S. A. DE 31 DE JANEIRO DE 2011. O

Leia mais

CEMIG TRADING S.A. ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Denominação, Sede, Objeto e Duração

CEMIG TRADING S.A. ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Denominação, Sede, Objeto e Duração CEMIG TRADING S.A. O presente Estatuto é uma consolidação do aprovado pela Escritura Pública de Constituição, em 29-07-2002 - arquivada na JUCEMG em 12-08-2002, sob o nº 3130001701-0, e pelas Assembléias

Leia mais

PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO

PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO Disciplina: Direito Empresarial II JUR 1022 Turma: C02 Prof.: Luiz Fernando Capítulo VI SOCIEDADES ANÔNIMAS 1. Evolução Legal: a) Decreto n. 575/49;

Leia mais

ESTATUTOS. LOULÉ CONCELHO GLOBAL, E.M., Unipessoal, S.A.

ESTATUTOS. LOULÉ CONCELHO GLOBAL, E.M., Unipessoal, S.A. CÂMARA MUNICIPAL DE LOULÉ Código Postal 8104-001 ESTATUTOS LOULÉ CONCELHO GLOBAL, E.M., Unipessoal, S.A. CAPÍTULO I Da Sociedade e do capital social ARTIGO 1.º Denominação A Sociedade adota a denominação

Leia mais

O RELATÓRIO DE GESTÃO E OS REQUISITOS DO CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS

O RELATÓRIO DE GESTÃO E OS REQUISITOS DO CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS O RELATÓRIO DE GESTÃO E OS REQUISITOS DO CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS (Esta informação contém apenas informação geral, não se destina a prestar qualquer serviço de auditoria, consultadoria de gestão,

Leia mais

CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS

CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS Edição de Bolso 8.ª EDIÇÃO ACTUALIZAÇÃO N. 1 1 CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS EDIÇÃO DE BOLSO Actualização n. 1 ORGANIZAÇÃO BDJUR BASE DE DADOS JURÍDICA EDITOR EDIÇÕES

Leia mais

LEGISLAÇÃO CSC PARA CONSULTA NO EXAME

LEGISLAÇÃO CSC PARA CONSULTA NO EXAME ELEMENTOS DO CÒDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS PARA CONSULTA Artigo 28.º Verificação das entradas em espécie 1 - As entradas em bens diferentes de dinheiro devem ser objecto de um relatório elaborado por

Leia mais

A. Código do Imposto sobre o Valor Acrescentado (CIVA)

A. Código do Imposto sobre o Valor Acrescentado (CIVA) Informação n.º 2/2013_Revista 22/novembro/2013 CRÉDITOS INCOBRÁVEIS E EM MORA IVA e IRC A. Código do Imposto sobre o Valor Acrescentado (CIVA) Regularização do IVA 1. Créditos vencidos até 31/12/2012 e

Leia mais

CÓDIGO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO

CÓDIGO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO Artigo 77.º Serviço de finanças competente 1 - Para efeitos do cumprimento das obrigações do presente diploma, considera-se serviço de finanças competente o da área fiscal onde o sujeito passivo tiver

Leia mais

LISGRÁFICA, Impressão e Artes Gráficas, SA

LISGRÁFICA, Impressão e Artes Gráficas, SA LISGRÁFICA, Impressão e Artes Gráficas, SA ESTATUTOS CAPÍTULO I Denominação, Sede e Objecto Artigo 1º Denominação A sociedade continua a sua existência e actividade sob a denominação Lisgráfica-Impressão

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º X/2015 Capital de Risco, Empreendedorismo Social e Investimento Especializado (Revoga o regulamento da CMVM n.

Regulamento da CMVM n.º X/2015 Capital de Risco, Empreendedorismo Social e Investimento Especializado (Revoga o regulamento da CMVM n. Regulamento da CMVM n.º X/2015 Capital de Risco, Empreendedorismo Social e Investimento Especializado (Revoga o regulamento da CMVM n.º 1/2008) [Preâmbulo] Assim, ao abrigo do disposto no n.º 2 do artigo

Leia mais

TABELA DE ATOS E EVENTOS

TABELA DE ATOS E EVENTOS TABELA DE ATOS E EVENTOS CÓDIGO DESCRIÇÃO DO ATO (O ATO CORRESPONDE AO DOCUMENTO A SER ARQUIVADO) DO ATO CÓDIGO DESCRIÇÃO DO EVENTO (O EVENTO CORRESPONDE A FATO QUE REQUER DO TRATAMENTO PARTICULARIZADO

Leia mais

DIREITO CIVIL OBRIGAÇÕES PROF. FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS

DIREITO CIVIL OBRIGAÇÕES PROF. FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS DIREITO CIVIL OBRIGAÇÕES PROF. FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS MÓDULO I Direito das obrigações; Introdução; Divisão patrimonial; Distinção entre os direitos reais e pessoais; Direitos mistos; Obrigações propter

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DE CORRÊA RIBEIRO S/A COMÉRCIO E INDÚSTRIA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO SOCIAL E PRAZO DE DURAÇÃO:

ESTATUTO SOCIAL DE CORRÊA RIBEIRO S/A COMÉRCIO E INDÚSTRIA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO SOCIAL E PRAZO DE DURAÇÃO: ESTATUTO SOCIAL DE CORRÊA RIBEIRO S/A COMÉRCIO E INDÚSTRIA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO SOCIAL E PRAZO DE DURAÇÃO: Denominação Artigo 1º - Corrêa Ribeiro S/A Comércio e Indústria é uma sociedade

Leia mais

O sócio que ceder suas quotas continua responsável pelas obrigações sociais até dois anos depois de modificado o contrato social:

O sócio que ceder suas quotas continua responsável pelas obrigações sociais até dois anos depois de modificado o contrato social: AULA 2 4. Tipos societários 4.1 Sociedade Simples Se a sociedade simples não optar por outra forma essa é a forma que será a ela aplicada. Esse tipo é também subsidiário aos outros tipos sociais, ou seja,

Leia mais

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS.

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS. CATEGORIA E RENDIMENTOS DE CAPITAIS Definem-se rendimentos de capitais, todos os frutos e demais vantagens económicas, qualquer que seja a sua natureza ou denominação, pecuniários ou em espécie, procedentes,

Leia mais

Conceito de Empresário

Conceito de Empresário Conceito de Empresário Requisitos (Art. 966,caput,CC): a) Profissionalismo; b) Atividade Econômica; c) Organização; d) Produção/Circulação de bens/serviços; Não Empresário Requisitos (Art. 966, único,

Leia mais

RESUMO. A responsabilidade da sociedade é sempre ilimitada, mas a responsabilidade de cada sócio é restrita ao valor de suas quotas.

RESUMO. A responsabilidade da sociedade é sempre ilimitada, mas a responsabilidade de cada sócio é restrita ao valor de suas quotas. RESUMO 1)Sociedade Limitada Continuação 1.1) Responsabilidade do sócio dentro da sociedade limitada. A responsabilidade da sociedade é sempre ilimitada, mas a responsabilidade de cada sócio é restrita

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ UNIDADE VII CIÊNCIAS CONTÁBEIS TEMA: SOCIEDADE LIMITADA PROFª: PAOLA SANTOS SOCIEDADE LIMITADA

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ UNIDADE VII CIÊNCIAS CONTÁBEIS TEMA: SOCIEDADE LIMITADA PROFª: PAOLA SANTOS SOCIEDADE LIMITADA UNIDADE VII CIÊNCIAS CONTÁBEIS TEMA: SOCIEDADE LIMITADA PROFª: PAOLA SANTOS SOCIEDADE LIMITADA 1. LEGISLAÇÃO APLICÁVEL A sociedade limitada é o tipo societário de maior presença na economia brasileira.

Leia mais

PACTO SOCIAL (Março 2009)

PACTO SOCIAL (Março 2009) NORMA-AÇORES, SOCIEDADE DE ESTUDOS E APOIO AO DESENVOLVIMENTO REGIONAL, S. A. E S T A T U T O S CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE E OBJECTO Artigo 1.º (Firma) 1. Nos termos da lei e dos presentes estatutos,

Leia mais

a) Título (Alteração contratual), recomendando-se indicar o nº de seqüência da alteração;

a) Título (Alteração contratual), recomendando-se indicar o nº de seqüência da alteração; ALTERAÇÃO DE SOCIEDADE EMPRESÁRIA: *ELEMENTOS DA ALTERAÇÃO CONTRATUAL a) Título (Alteração contratual), recomendando-se indicar o nº de seqüência da alteração; b) Preâmbulo; c) Corpo da alteração: Nova

Leia mais

Estatutos da Sociedade de Transportes Colectivos do Porto, S.A.

Estatutos da Sociedade de Transportes Colectivos do Porto, S.A. Estatutos da Sociedade de Transportes Colectivos do Porto, S.A. CAPÍTULO I Denominação, duração, sede e objecto Artigo 1º Denominação e duração 1 - A sociedade adopta a forma de sociedade anónima e a denominação

Leia mais

Tipo firma, duração, sede e objeto social

Tipo firma, duração, sede e objeto social CONTRATO DE SOCIEDADE DA LUZ SAÚDE, S.A. Capítulo I Tipo firma, duração, sede e objeto social Artigo 1.º Tipo, Firma e Duração 1. A Sociedade é organizada sob a forma de sociedade anónima e adota a firma

Leia mais

Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA. Índice 1.

Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA. Índice 1. Fiscal Online Disciplina: Direito Tributário Prof. Eduardo Sabbag Data: 13.07.2012 MATERIAL DE APOIO MONITORIA Índice 1. Anotações de Aula 1. ANOTAÇÕES DE AULA DIREITO TRIBUTARIO NO CTN Art. 155-A CTN.

Leia mais

Questão 1. Sobre a ação de responsabilidade prevista no art. 159 da Lei das Sociedades Anônimas e sobre a Teoria da Aparência:

Questão 1. Sobre a ação de responsabilidade prevista no art. 159 da Lei das Sociedades Anônimas e sobre a Teoria da Aparência: PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO EMPRESARIAL P á g i n a 1 Questão 1. Sobre a ação de responsabilidade prevista no art. 159 da Lei das Sociedades Anônimas e sobre a Teoria da Aparência: I. A ação

Leia mais

ESTABELECIMENTO DE EMPRESAS EM MOÇAMBIQUE

ESTABELECIMENTO DE EMPRESAS EM MOÇAMBIQUE ESTABELECIMENTO DE EMPRESAS EM MOÇAMBIQUE Edição Online e coordenação técnica: Icep Portugal/Unidade Conhecimento de Mercado Actualização: Unidade Conhecimento de Mercado Data: Julho 2004 ÍNDICE 1. Princípios

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS ADMINISTRADORES:

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS ADMINISTRADORES: RESPONSABILIDADE CIVIL DOS ADMINISTRADORES: E A CORPORATE GOVERNANCE MARIA DA CONCEIÇÃO CABAÇOS ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL DO MINHO 18 de Novembro de 2015 PRESSUPOSTOS DA RESPONSABILIDADE CIVIL Para que os

Leia mais

CAPÍTULO III Da Fiscalização das Fundações e Associações

CAPÍTULO III Da Fiscalização das Fundações e Associações CAPÍTULO III Da Fiscalização das Fundações e Associações Art. 186. O Ministério Público, no exercício de sua atribuição fiscalizatória das fundações, 1 exerce atividade administrativa e judicial. Art.

Leia mais

Alterações ao SIREVE e PER e ao regime das ações preferenciais e das obrigações

Alterações ao SIREVE e PER e ao regime das ações preferenciais e das obrigações 9 de fevereiro de 2015 Foi publicado no passado dia 6 de fevereiro o Decreto-Lei n.º 26/2015, que introduz alter ao Sistema de Recuperação de Empresas por via Extrajudicial (SIREVE), ao Código da Insolvência

Leia mais

EMPRESA DE SERVIÇOS DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA S.A.

EMPRESA DE SERVIÇOS DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA S.A. EMPRESA DE SERVIÇOS DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA S.A. O presente Estatuto é uma consolidação do aprovado pela Escritura Pública de Constituição, em 25-07-2002 - arquivada na JUCEMG em 01-08-2002,

Leia mais

CONTRATO DE SOCIEDADE. Empresa Geral do Fomento, S.A. ARTIGO PRIMEIRO. Tipo e Firma

CONTRATO DE SOCIEDADE. Empresa Geral do Fomento, S.A. ARTIGO PRIMEIRO. Tipo e Firma CONTRATO DE SOCIEDADE de Empresa Geral do Fomento, S.A. ARTIGO PRIMEIRO Tipo e Firma A sociedade é constituída segundo o tipo de sociedade anónima e adopta a firma Empresa Geral do Fomento, S.A. ARTIGO

Leia mais

Processo de liquidação

Processo de liquidação Processo de liquidação Regra geral, a sociedade dissolvida entra imediatamente em liquidação, permitindo que se realizem as operações necessárias para que os bens sociais fiquem em condições de ser partilhados

Leia mais

Extinção da empresa por vontade dos sócios

Extinção da empresa por vontade dos sócios Extinção da empresa por vontade dos sócios A dissolução de uma sociedade por deliberação dos sócios pode fazer-se de várias formas, designadamente de forma imediata, com liquidação simultânea, com partilha,

Leia mais

Plano para recuperar ou liquidar a empresa

Plano para recuperar ou liquidar a empresa Plano para recuperar ou liquidar a empresa Os credores podem decidir se querem recuperar a empresa ou liquidála. Cabe aos credores de uma empresa decidirem se querem recuperá-la a empresa ou liquidá-la,

Leia mais

MODELO CONTRATO CONSTITUTIVO DE SOCIEDADE DE ADVOGADOS

MODELO CONTRATO CONSTITUTIVO DE SOCIEDADE DE ADVOGADOS MODELO CONTRATO CONSTITUTIVO DE SOCIEDADE DE ADVOGADOS NOME DO ADVOGADO, brasileiro, divorciado, advogado, inscrito na OAB/BA sob n ------, CPF.: -----------------------, residente e domiciliado nesta

Leia mais

12) COMO É FEITO O REGISTO DA PRESTAÇÃO DE CONTAS ATRAVÉS DA IES?

12) COMO É FEITO O REGISTO DA PRESTAÇÃO DE CONTAS ATRAVÉS DA IES? Registo da prestação de contas 12) COMO É FEITO O REGISTO DA PRESTAÇÃO DE CONTAS ATRAVÉS DA IES? Uma das obrigações integradas na IES é o registo de prestação de contas. Isto significa que, as empresas

Leia mais

Disponibiliza em suporte electrónico actualizado e em tempo real

Disponibiliza em suporte electrónico actualizado e em tempo real Artº.75, nº5 do DL nº76a/2006, de 29/03 e Portaria nº.1416a/2006, de 19/12 Disponibiliza em suporte electrónico actualizado e em tempo real Os registos em vigor respeitantes a qualquer entidade sujeita

Leia mais

CONTRATO SOCIAL DA SOCIEDADE DE ADVOGADOS

CONTRATO SOCIAL DA SOCIEDADE DE ADVOGADOS CONTRATO SOCIAL DA SOCIEDADE DE ADVOGADOS -------------------------------- [Nota: os instrumentos de alteração contratual devem contem o número de registro da sociedade no CNPJ e o número de inscrição

Leia mais

CTT- CORREIOS DE PORTUGAL, S.A. ESTATUTOS. CAPÍTULO I Denominação, Sede, Duração e Objeto. Artigo 1º Denominação

CTT- CORREIOS DE PORTUGAL, S.A. ESTATUTOS. CAPÍTULO I Denominação, Sede, Duração e Objeto. Artigo 1º Denominação CTT- CORREIOS DE PORTUGAL, S.A. ESTATUTOS CAPÍTULO I Denominação, Sede, Duração e Objeto Artigo 1º Denominação A sociedade adota a forma de sociedade anónima e a denominação de CTT - Correios de Portugal,

Leia mais

SOCIEDADE LIMITADA. Sociedade Limitada. I - responsável integralmente e ilimitadamente pelas dívidas assumidas em seu próprio nome

SOCIEDADE LIMITADA. Sociedade Limitada. I - responsável integralmente e ilimitadamente pelas dívidas assumidas em seu próprio nome Sociedade Limitada I - responsável integralmente e ilimitadamente pelas dívidas assumidas em seu próprio nome II a limitação refere-se aos sócios 2. Responsabilidade dos Sócios I - Decreto 3.708/19 (sociedade

Leia mais

ESTATUTO DA SOCIEDADE .. SOCIEDADE UNIPESOAL S.A.

ESTATUTO DA SOCIEDADE .. SOCIEDADE UNIPESOAL S.A. ESTATUTO DA SOCIEDADE.. SOCIEDADE UNIPESOAL S.A. CAPÍTULO I Da Firma, Tipo, Sede, Duração e Objecto Social ARTIGO 1.º (Natureza jurídica, denominação e duração) A sociedade adopta o tipo de sociedade anónima

Leia mais

CONTRATO DE SOCIEDADE DA TOMÁS TIMBANE E ASSOCIADOS ADVOGADOS SOCIEDADE UNIPESSOAL, LDA

CONTRATO DE SOCIEDADE DA TOMÁS TIMBANE E ASSOCIADOS ADVOGADOS SOCIEDADE UNIPESSOAL, LDA CONTRATO DE SOCIEDADE DA TOMÁS TIMBANE E ASSOCIADOS ADVOGADOS SOCIEDADE UNIPESSOAL, LDA CAPÍTULO I FIRMA, OBJECTO SOCIAL E SEDE ARTIGO PRIMEIRO (Firma) Um) A Sociedade é constituída sob a forma de sociedade

Leia mais

ALGUNS APONTAMENTOS SOBRE O ACORDO DE QUOTISTAS NO CÓDIGO CIVIL DE 2002

ALGUNS APONTAMENTOS SOBRE O ACORDO DE QUOTISTAS NO CÓDIGO CIVIL DE 2002 ALGUNS APONTAMENTOS SOBRE O ACORDO DE QUOTISTAS NO CÓDIGO CIVIL DE 2002 JEAN CARLOS FERNANDES Mestre em Direito Comercial pela UFMG Professor da Faculdade de Direito do Centro Universitário Newton Paiva

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO ESTATUTO SOCIAL DOC I CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO Art. 1º: SOCIALCRED S/A SOCIEDADE DE CRÉDITO AO MICROEMPREENDEDOR E À EMPRESA DE PEQUENO PORTE rege-se pelo presente estatuto social

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE PESSOAS DE LOJAS RENNER S.A. Capítulo I Dos Objetivos

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE PESSOAS DE LOJAS RENNER S.A. Capítulo I Dos Objetivos REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE PESSOAS DE LOJAS RENNER S.A. Capítulo I Dos Objetivos Artigo 1º - O Comitê de Pessoas ( Comitê ) de Lojas Renner S.A. ( Companhia ), órgão estatutário, de caráter consultivo

Leia mais

PME INVESTIMENTOS SOCIEDADE DE INVESTIMENTO, S.A.

PME INVESTIMENTOS SOCIEDADE DE INVESTIMENTO, S.A. PME INVESTIMENTOS SOCIEDADE DE INVESTIMENTO, S.A. CAPÍTULO I Denominação, sede e objecto Artigo 1º Denominação e duração A sociedade adopta a denominação de PME Investimentos Sociedade de Investimento,

Leia mais

RETA FINAL - MG Disciplina: Direito Empresarial Aula nº 01 DIREITO EMPRESARIAL

RETA FINAL - MG Disciplina: Direito Empresarial Aula nº 01 DIREITO EMPRESARIAL DIREITO EMPRESARIAL 1. Atividade Empresarial ( art. 966 e ss do CC) Art. 966. Considera-se empresário quem exerce profissionalmente atividade econômica organizada para a produção ou a circulação de bens

Leia mais

Alterações ao regime das ações preferenciais e das obrigações no Código das Sociedades Comerciais

Alterações ao regime das ações preferenciais e das obrigações no Código das Sociedades Comerciais Alterações ao regime das ações preferenciais e das obrigações no Código das Sociedades Comerciais SECÇÃO V Ações preferenciais sem direito de voto Artigo 341º Emissão e direitos dos acionistas 1 O contrato

Leia mais

Direito Societário. Centro de Informática UFPE Disciplina: Gestão de Negócios Bruno Suassuna Carvalho Monteiro

Direito Societário. Centro de Informática UFPE Disciplina: Gestão de Negócios Bruno Suassuna Carvalho Monteiro Direito Societário Centro de Informática UFPE Disciplina: Gestão de Negócios Bruno Suassuna Carvalho Monteiro Importância do Direito Societário Conhecimento Jurídico como ferramenta para a gestão de negócios

Leia mais

ANEXO I à Ata da Assembléia Geral Extraordinária da RENOVA ENERGIA S.A., de 18 de janeiro de 2010

ANEXO I à Ata da Assembléia Geral Extraordinária da RENOVA ENERGIA S.A., de 18 de janeiro de 2010 ANEXO I à Ata da Assembléia Geral Extraordinária da RENOVA ENERGIA S.A., de 18 de janeiro de 2010 PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES DA RENOVA ENERGIA S.A. 1. Objetivo da Outorga de Opções 1.1. Este Plano

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO DOC IV Art. 1º: SOCIALCRED S/A SOCIEDADE DE CRÉDITO AO MICROEMPREENDEDOR E À EMPRESA DE PEQUENO PORTE rege-se pelo presente estatuto social

Leia mais

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTITUIÇÃO DA SOCIEDADE LIMITADA EMPRESA 1

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTITUIÇÃO DA SOCIEDADE LIMITADA EMPRESA 1 INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTITUIÇÃO DA SOCIEDADE LIMITADA EMPRESA 1 Pelo presente instrumento particular, atendendo as formalidades legais, SÓCIA 2; SÓCIO 2, resolvem constituir uma sociedade limitada,

Leia mais

FORMALIDADES PARA CRIAÇÃO DE EMPRESAS TIPOS DE SOCIEDADES

FORMALIDADES PARA CRIAÇÃO DE EMPRESAS TIPOS DE SOCIEDADES Associação Nacional de Jovens Empresários APOIO JURÍDICO FORMALIDADES PARA CRIAÇÃO DE EMPRESAS TIPOS DE SOCIEDADES ANJE - Associação Nacional de Jovens Empresários Casa do Farol Rua Paulo Gama s/n 4169-006

Leia mais

CONTRATO DE SOCIEDADE

CONTRATO DE SOCIEDADE CONTRATO DE SOCIEDADE Abdul Gani Hassam, maior, solteiro, de nacionalidade moçambicana, natural de Mocuba, portador do Bilhete de Identidade n.º 110102275436B, emitido aos 05/12/2011, pelo Arquivo de Identificação

Leia mais

A DISSOLUÇÃO DE SOCIEDADES CAUSAS DE DISSOLUÇÃO

A DISSOLUÇÃO DE SOCIEDADES CAUSAS DE DISSOLUÇÃO A DISSOLUÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE SOCIEDADES INDICE Causas de dissolução.. 2 Processo voluntário de dissolução... 3 Processo simplificado de dissolução.. 4 RJPADLEC - Dissolução... 5 RJPADLEC - Liquidação..

Leia mais

EMPRÉSTIMO OBRIGACIONISTA GALP ENERGIA 2013/2018 FICHA TÉCNICA. Galp Energia, SGPS, S.A. Euro. 100.000 (cem mil euros) por Obrigação.

EMPRÉSTIMO OBRIGACIONISTA GALP ENERGIA 2013/2018 FICHA TÉCNICA. Galp Energia, SGPS, S.A. Euro. 100.000 (cem mil euros) por Obrigação. EMPRÉSTIMO OBRIGACIONISTA GALP ENERGIA 2013/2018 FICHA TÉCNICA ENTIDADE EMITENTE: MODALIDADE: MOEDA: MONTANTE DA EMISSÃO: REPRESENTAÇÃO: VALOR NOMINAL: PREÇO DE SUBSCRIÇÃO: Galp Energia, SGPS, S.A. Emissão

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE RENAR MAÇÃS S/A

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE RENAR MAÇÃS S/A POLÍTCA DE DVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE RENAR MAÇÃS S/A A Política estabelece diretrizes e procedimentos a serem observados na divulgação de ato ou fato relevante e na manutenção do sigilo de tais

Leia mais

CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA DO ESTADO DE SANTA CATARINA NÚCLEO IV - SERVENTIAS EXTRAJUDICIAIS

CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA DO ESTADO DE SANTA CATARINA NÚCLEO IV - SERVENTIAS EXTRAJUDICIAIS Categoria : Emolumentos 80621 O delegatário abstém-se de cobrar emolumentos para o registro dos atos constitutivos, como atas, estatutos, etc., das entidades sem fins lucrativos? 80622 O delegatário abstém-se

Leia mais

Alterações ao regime das ações preferenciais e das obrigações no. Código das Sociedades Comerciais SECÇÃO V. Ações preferenciais sem direito de voto

Alterações ao regime das ações preferenciais e das obrigações no. Código das Sociedades Comerciais SECÇÃO V. Ações preferenciais sem direito de voto Alterações ao regime das ações preferenciais e das obrigações no Código das Sociedades Comerciais SECÇÃO V Ações preferenciais sem direito de voto Artigo 341º Emissão e direitos dos acionistas 1 O contrato

Leia mais

SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site:

SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site: SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site: www.sei-cesucol.edu.br e-mail: sei-cesucol@vsp.com.br FACULDADE

Leia mais

ASSEMBLEIA GERAL ANUAL CONVOCATÓRIA

ASSEMBLEIA GERAL ANUAL CONVOCATÓRIA ASSEMBLEIA GERAL ANUAL CONVOCATÓRIA Sociedade Comercial Orey Antunes, S.A. (sociedade aberta) Sede: Rua Carlos Alberto da Mota Pinto, n.º 17, 6.º andar, Freguesia de S. Isabel, Concelho de Lisboa Capital

Leia mais

SOCIEDADE LIMITADA - X. 1. Histórico e regime jurídico:

SOCIEDADE LIMITADA - X. 1. Histórico e regime jurídico: SOCIEDADE LIMITADA - X 1. Histórico e regime jurídico: - Chamada anteriormente de sociedade por quotas de responsabilidade limitada, a sociedade limitada surgiu por atos legislativos, em atendimento aos

Leia mais

TRATAMENTO FISCAL DE PARTILHA POR DIVÓRCIO

TRATAMENTO FISCAL DE PARTILHA POR DIVÓRCIO Antas da Cunha LAW FIRM TRATAMENTO FISCAL DE PARTILHA POR DIVÓRCIO I) MAIS-VALIAS A mais-valia consiste na diferença entre o valor de aquisição (que pode ser gratuita ou onerosa) e o valor de realização

Leia mais

11/11/2010 (Direito Empresarial) Sociedades não-personificadas. Da sociedade em comum

11/11/2010 (Direito Empresarial) Sociedades não-personificadas. Da sociedade em comum 11/11/2010 (Direito Empresarial) Sociedades não-personificadas As sociedades não-personificadas são sociedades que não tem personalidade jurídica própria, classificada em: sociedade em comum e sociedade

Leia mais

Nota do autor, xix. 5 Dissolução e liquidação, 77 1 Resolução da sociedade em relação a um sócio, 77

Nota do autor, xix. 5 Dissolução e liquidação, 77 1 Resolução da sociedade em relação a um sócio, 77 Nota do autor, xix 1 Empresa, 1 1 Empreender, 1 2 Noções históricas, 2 3 Teoria da empresa, 3 4 Registro, 8 4.1 Redesim, 10 4.2 Usos e práticas mercantis, 14 4.3 Empresário rural, 15 5 Firma individual,

Leia mais

SOCIEDADE ENTRE CÔNJUGES

SOCIEDADE ENTRE CÔNJUGES DIREITO SOCIETÁRIO DIREITO SOCIETÁRIO Sociedade empresária/ Empresário individual Distinção entre a sociedade simples e a sociedade empresária objeto social art.982 CC/02 Duas exceções p.único do art.982

Leia mais

ANTE-PROPOSTA DE DECRETO-LEI VALORES MOBILIÁRIOS DE ESTRUTURA DERIVADA

ANTE-PROPOSTA DE DECRETO-LEI VALORES MOBILIÁRIOS DE ESTRUTURA DERIVADA ANTE-PROPOSTA DE DECRETO-LEI VALORES MOBILIÁRIOS DE ESTRUTURA DERIVADA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Âmbito O presente decreto-lei aplica-se aos seguintes valores mobiliários de estrutura derivada:

Leia mais

AULA 04 QUAL O MELHOR TIPO SOCIETÁRIO PARA SEGURANÇA DOS SÓCIOS? SOCIEDADES PERSONIFICADAS EMPRESÁRIAS SOCIEDADES PERSONIFICADAS OBJETO

AULA 04 QUAL O MELHOR TIPO SOCIETÁRIO PARA SEGURANÇA DOS SÓCIOS? SOCIEDADES PERSONIFICADAS EMPRESÁRIAS SOCIEDADES PERSONIFICADAS OBJETO SOCIEDADES PERSONIFICADAS AULA 04 4.1 TIPOS SOCIETÁRIOS REGISTRO CIVIL DE PESSOAS JURÍDICAS OBJETO REGISTRO PÚBLICO EMPRESAS MERCANTIS SOCIEDADES PERSONIFICADAS EMPRESÁRIAS QUAL O MELHOR TIPO SOCIETÁRIO

Leia mais

PLANO/ ACORDO DE RECUPERAÇÃO

PLANO/ ACORDO DE RECUPERAÇÃO CONFERÊNCIA PLANO/ ACORDO DE RECUPERAÇÃO A. Raposo Subtil FINALIDADE DOS PLANOS/ ACORDOS PROCESSO DE INSOLVÊNCIA Art. 1º, do CIRE - Lei nº 16/2012, de 20-04 ( ) satisfação dos credores pela forma prevista

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

Anexo III à Ata da Assembleia Geral Ordinária e Extraordinária da Plascar Participações Industriais S.A., realizada em 14 de abril de 2011

Anexo III à Ata da Assembleia Geral Ordinária e Extraordinária da Plascar Participações Industriais S.A., realizada em 14 de abril de 2011 Anexo III à Ata da Assembleia Geral Ordinária e Extraordinária da Plascar Participações Industriais S.A., realizada em 14 de abril de 2011 ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO

Leia mais

TAL & TAL CONSULTORES LTDA CNPJ/MF nº 00.000.000./0001-00 PRIMEIRA ALTERAÇÃO CONTRATUAL

TAL & TAL CONSULTORES LTDA CNPJ/MF nº 00.000.000./0001-00 PRIMEIRA ALTERAÇÃO CONTRATUAL TAL & TAL CONSULTORES LTDA CNPJ/MF nº 00.000.000./0001-00 PRIMEIRA ALTERAÇÃO CONTRATUAL Fulano de Tal, brasileiro, casado, advogado, inscrito na OAB/PR sob o nº 00.000, residente e domiciliado na Av....

Leia mais

Registo da prestação de contas

Registo da prestação de contas 12) COMO É FEITO O REGISTO DA PRESTAÇÃO DE CONTAS ATRAVÉS DA IES? Uma das obrigações integradas na IES é o registo de prestação de contas. Isto significa que, as empresas têm simplesmente de entregar a

Leia mais

Decreto-Lei n. o 211/98 16-07-1998...

Decreto-Lei n. o 211/98 16-07-1998... Decreto-Lei n. o 211/98 16-07-1998 Diploma consolidado Assunto: Regula a atividade das sociedades de garantia mútua. As pequenas e médias empresas e as microempresas assumem um papel relevante na estrutura

Leia mais

Gestão de Contratos. Noções

Gestão de Contratos. Noções Gestão de Contratos Noções Contrato - Conceito Contrato é todo acordo de vontades, celebrado para criar, modificar ou extinguir direitos e obrigações de índole patrimonial entre as partes (Direito Civil).

Leia mais

SECÇÃO PRIMEIRA ASSEMBLEIA GERAL ARTIGO QUINTO (CONSTITUIÇÃO DA ASSEMBLEIA GERAL)

SECÇÃO PRIMEIRA ASSEMBLEIA GERAL ARTIGO QUINTO (CONSTITUIÇÃO DA ASSEMBLEIA GERAL) ESTATUTOS DA ISA INTELLIGENT SENSING ANYWHERE, S.A. CAPÍTULO PRIMEIRO DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE E OBJECTO ARTIGO PRIMEIRO (DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO E SEDE) A sociedade, constituída sob a forma de sociedade

Leia mais

Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil - São Paulo

Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil - São Paulo PROCEDIMENTOS GERAIS PARA O REGISTO DE EMPRESAS EM PORTUGAL As sociedades estrangeiras podem praticar as suas actividades em Portugal através da constituição de uma representação permanente no território

Leia mais

Código das Sociedades Comerciais

Código das Sociedades Comerciais Código das Sociedades Comerciais Aprovado pelo Decreto-Lei n o 262/86, de 2 de Setembro. O presente diploma entrou em vigor em 1 de Novembro de 1986, com excepção do artigo 35 o, cuja vigência foi fixada

Leia mais

PRÉVOIR PPR NOVA VERSÃO INFORMAÇÕES PRÉ-CONTRATUAIS ANEXO À PROPOSTA PRÉVOIR PPR

PRÉVOIR PPR NOVA VERSÃO INFORMAÇÕES PRÉ-CONTRATUAIS ANEXO À PROPOSTA PRÉVOIR PPR Este documento apresenta-se como um resumo das Condições Gerais e Especiais do seguro Prévoir PPR e não dispensa a consulta integral das mesmas. SEGURADOR FINALIDADE SEGMENTO-ALVO CONDIÇÕES DE SUBSCRIÇÃO

Leia mais

PLANO GERAL DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES DE EMISSÃO DA SUL AMÉRICA S.A.

PLANO GERAL DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES DE EMISSÃO DA SUL AMÉRICA S.A. PLANO GERAL DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES DE EMISSÃO DA SUL AMÉRICA S.A. 1. Objetivos do Plano Geral 1.1 A outorga de opções para a compra de ações, representadas por certificados de depósitos de ações (

Leia mais

T4F ENTRETENIMENTO S.A. CNPJ/MF N.º 02.860.694/0001-62

T4F ENTRETENIMENTO S.A. CNPJ/MF N.º 02.860.694/0001-62 T4F ENTRETENIMENTO S.A. CNPJ/MF N.º 02.860.694/0001-62 PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES O presente Plano de Opção de Compra de Ações da T4F ENTRETENIMENTO S.A. ( Companhia ), aprovado pela Assembléia

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO 5910 Diário da República, 1.ª série N.º 201 17 de outubro de 2012 MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO Decreto-Lei n.º 225/2012 de 17 de outubro O Decreto -Lei n.º 27 -C/2000, de 10 de março, que cria o

Leia mais

Anexo I da ata de Assembleia Geral Extraordinária da RUMO LOGÍSTICA OPERADORA MULTIMODAL S.A., realizada em 24 de abril de 2015.

Anexo I da ata de Assembleia Geral Extraordinária da RUMO LOGÍSTICA OPERADORA MULTIMODAL S.A., realizada em 24 de abril de 2015. Anexo I da ata de Assembleia Geral Extraordinária da RUMO LOGÍSTICA OPERADORA MULTIMODAL S.A., realizada em 24 de abril de 2015. RUMO LOGÍSTICA OPERADORA MULTIMODAL S.A. CNPJ/MF n 71.550.388/0001-42 NIRE

Leia mais

ESTATUTOS. GESLOURES, Gestão de Equipamentos Sociais, E.M., Unipessoal, Lda.

ESTATUTOS. GESLOURES, Gestão de Equipamentos Sociais, E.M., Unipessoal, Lda. GESLOURES, Gestão de Equipamentos Sociais, E.M., Unipessoal, Lda. Capital Social 3.562.000,00 NIF. 502 814 063 Registada na Conservatória do Registo Comercial de Loures sob o nº 0001/920522 1 CAPÍTULO

Leia mais