Curso de Graduação: MARKETING. Versão 4 Atualizada. 2º Semestre de 2011

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Curso de Graduação: MARKETING. Versão 4 Atualizada. 2º Semestre de 2011"

Transcrição

1 Curso de Graduação: MARKETING Versão 4 Atualizada 2º Semestre de

2 FICHA TÉCNICA DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE MARKETING Informações gerais sobre o curso Denominação: Marketing Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Modalidade: Curso Superior de Tecnologia Titulação: Tecnólogo em Marketing Número de Vagas: 200 vagas anuais para o Plano Piloto, com entradas semestrais de 100 alunos, sendo 50 para o período matutino e 50 para o período noturno. Ato de Autorização: Portaria MEC/SETEC nº 100 de 25/03/2009, publicada no DOU nº 59, S/1, p.46, 27/03/2009. Turno de funcionamento: Parcial - matutino 08h às 11h30min; noturno 19h às 22h30min. Carga horária total do curso: 1710 (um mil, setecentas e dez) horas. Tempo padrão de integralização: Mínimo 1 ano e 6 meses; Máximo: 4 anos. Forma de acesso ao curso: Exame Vestibular, Transferência, Mudança de Curso e Portador de Diploma de Curso Superior. Locais de funcionamento: Av. W4 - SEUPS 703/903, lote A, nº Asa Sul. CEP: Brasília/ DF. Site: 2

3 SUMÁRIO 1. CARACTERÍSTICAS DA INSTITUIÇÃO A Mantenedora Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial Senac-DF Dirigentes do Senac-DF Organograma do Senac- DF A Mantida Faculdade de Tecnologia Senac-DF Dirigentes da Faculdade de Tecnologia Senac-DF Missão Institucional Estrutura Organizacional da Faculdade de Tecnologia Senac-DF Organograma da Faculdade de Tecnologia Senac-DF PROJETO DO CURSO Contexto Educacional Justificativa da Oferta do Curso Histórico do curso de Marketing Objetivos do Curso Objetivo Geral Objetivos Específicos: Perfil do Egresso Competências e Habilidades do Profissional Público-alvo Mercado de Trabalho Currículo Concepção de ensino-aprendizagem Concepção de Currículo Estrutura Curricular Organização Curricular por módulos de certificação Organização do currículo por áreas de conhecimentos Interdisciplinaridade e flexibilidade no Currículo Carga Horária Metodologia de Ensino Programas de Apoio aos Discentes Sistema de Avaliação do Processo de Ensino-Aprendizagem Recursos Tecnológicos Forma de Acesso ao Curso Avaliação e Melhorias Contínuas do Projeto de Curso A Comissão Própria de Avaliação - CPA O Núcleo Docente Estruturante - NDE Colegiado do Curso A Ouvidoria A Coordenação do Curso Ementários e Bibliografia das Disciplinas e Perfil do Corpo Docente INSTALAÇÕES Instalações gerais Espaço físico Equipamentos

4 Serviços Biblioteca Espaço físico Acervo Serviços ATO DE CREDENCIAMENTO DA IES E DE AUTORIZAÇÃO DO CURSO Ato de credenciamento da Faculdade de Tecnologia Senac-DF Ato de autorização do Curso de Marketing Referências Bibliográficas

5 1. CARACTERÍSTICAS DA INSTITUIÇÃO 1.1. A Mantenedora Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial Senac- DF O Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial - Senac foi criado em 10 de janeiro de 1946 pelos decretos-lei e Sua administração está delegada à Confederação Nacional do Comércio - CNC e sua prestação de contas é submetida ao Tribunal de Contas da União - TCU. O Senac é uma organização de caráter privado, sem fins lucrativos, que vem contribuindo para a superação dos problemas sociais e econômicos do país, por meio da Educação Profissional de trabalhadores para as áreas de Comércio de Bens e Serviços, Turismo e Saúde. É mantido, em parte, pelas empresas desses setores, que destinam ao Senac 1% calculado sobre o total da folha de pagamento. Assim sendo, o valor pago pela sociedade civil pelos produtos ou serviços ofertados pelo Senac é apenas uma parte dos custos das atividades, pois a outra parte, conforme informado acima, é subsidiada por outras receitas do Senac, principalmente a contribuição compulsória das empresas do setor de comércio e serviços. A estrutura organizacional do Sistema Senac compreende a Administração Nacional e 27 Administrações Regionais. A Administração Nacional é composta por: Conselho Nacional - órgão deliberativo máximo do Sistema Senac, de estrutura tripartite (governo, empresários e trabalhadores), dirigido pelo presidente da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo. Conselho Fiscal - órgão de fiscalização orçamentária, contábil e financeira, composto por dois representantes do comércio, dois representantes sindicais e três representantes indicados pelo governo. Departamento Nacional (DN) - órgão executivo da Administração Nacional, responsável pela coordenação das políticas e diretrizes nacionais do Sistema Senac e pela assistência técnica aos Departamentos Regionais (DRs). 5

6 As Administrações Regionais possuem a atribuição de realizar, nos Estados ou distrito Federal a que fazem parte, o ensino profissionalizante e demais serviços correlatos. A Administração Regional do Senac no Distrito Federal, designada pela sigla Senac-DF, está inscrita no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas (CNPJ) sob o nº / Integram a Administração Regional do Senac-DF: Conselho Regional órgão deliberativo máximo do Senac-DF, de estrutura tripartite (governo, empresários e trabalhadores), dirigido pelo presidente da Federação do Comércio do Distrito Federal; Departamento Regional órgão executivo do Senac-DF, subordinado ao Conselho Regional. O Senac-DF integra o Sistema Fecomércio-DF, que inclui ainda a Federação do Comércio do Distrito Federal, o SESC-DF e o Instituto Fecomércio. Na estrutura organizacional do Senac-DF a Presidência do Conselho Regional é assistida pela Assessoria da presidência - ASP, pela Assessoria de Comunicação e Marketing ACM (atende todo o Sistema Fecomércio-DF) e pelo Gabinete da Presidência do Conselho GPC. O Departamento Regional do Senac-DF tem como órgão executivo máximo a Direção Regional do Senac-DF DIREG, sendo esta assessorada, bem como as demais Divisões e Unidades Operativas, pelo Gabinete da Direção Regional GDR, pela Controladoria, pela Assessoria Jurídica, pela Ouvidoria e pela Unidade de Sustentabilidade Socioambiental. As Divisões, com cunho gerencial estratégico, objetivam realizar a gestão e os suportes administrativo, financeiro e pedagógico necessários às unidades operativas, sendo estas: Divisão de Administração e Finanças - DAF, Divisão de Educação Profissional - DEP, Divisão de Empresas Educacionais - DEE, Divisão de Planejamento e Desenvolvimento DPD. Em relação às Unidades Operativas, atualmente, o Senac-DF possui sete Centros de Educação Profissional - CEP para atender a demanda de cursos presenciais: Taguatinga, Jessé Freire, Plano Piloto, Ceilândia, Gama, Sobradinho e Ações Móveis. E um Centro de Educação Profissional - CEP de Educação a Distância. Possui, ainda, uma 6

7 Faculdade de Tecnologia Senac-DF com dois campi, Taguatinga e Plano Piloto, uma Escola de Gastronomia, uma Editora, uma Livraria, duas Lanchonetes Escola (Plano Piloto e Taguatinga), um Núcleo de Produção de Alimentos - NPA, um Restaurante Escola e cinco Bibliotecas. A Direção Regional, sede administrativa do Senac-DF, está localizada no Setor de Indústria e Abastecimento (SIA). Desde 2006 ocupa a cobertura do Edifício SIA Centro Empresarial, no trecho 3. O Senac iniciou suas atividades no Distrito Federal em O Senac-DF foi criado como Administração Regional pela Resolução Senac DN nº 317/69 de 27/07/1969, com sede e foro em Brasília - Distrito Federal. Nos seus 43 anos de existência, completados em 05 de abril de 2010, alcançou a marca de um milhão de alunos matriculados. No que se refere aos Cursos de Educação Profissional de Formação Inicial e Continuada, o Senac-DF oferece mais de 300 cursos nas áreas de maior demanda profissional na região do Distrito Federal, disponibilizados para a sociedade em forma de rodízio. A cada trimestre, novos cursos são incorporados. Suas áreas de atuação são: gastronomia, comércio, comunicação, conservação e zeladoria, gestão, imagem pessoal, informática, lazer e desenvolvimento, saúde, turismo e hospitalidade, dentre outros. Em relação aos Cursos de Educação Profissional Técnica de Nível Médio são oferecidas as seguintes áreas: contabilidade, turismo, enfermagem, farmácia, nutrição, massoterapia, podologia, estética, eventos, design de interiores, informática e outros Dirigentes do Senac-DF Adelmir Araújo Santana Presidente do Conselho Regional do Senac-DF Luiz Otávio da Justa Neves Diretor Regional do Senac-DF. 7

8 Organograma do Senac- DF 1.2. A Mantida Faculdade de Tecnologia Senac-DF A Faculdade de Tecnologia Senac-DF foi credenciada pela Portaria Ministerial nº. 208, de 27 de Fevereiro de 2007, com estabelecimento na Avenida W4 SEUP 703/903, Bloco A, na cidade de Brasília, Distrito Federal e na QNG Área Especial nº. 39, na região administrativa de Taguatinga Norte, Distrito Federal. Para funcionamento nos dois endereços foram autorizados os cursos superiores de tecnologia Gestão da Tecnologia da Informação e Gestão Comercial pela Portaria SETEC nº 206, de 28 de fevereiro de 2007, publicada no D.O.U de 2 de março de 2007, Marketing pela portaria SETEC/MEC nº 99 de 25/03/2009, publicada no DOU nº 59, S/1, p.46, 27/03/2009 e Gestão de Recursos Humanos pela Portaria SETEC/MEC nº 100 de 25/03/2009, publicada no DOU nº 59, S/1, p.46, 27/03/

9 O Senac-DF, ao dirigir esforços para criação da Faculdade de Tecnologia Senac- DF, mantém sua política de formação de profissionais preparados para os atuais desafios da economia moderna com foco permanente na rápida colocação de seus graduados e graduandos no mercado de trabalho. Tal finalidade encontra-se em sintonia com a LDB Nº / 96, no Título II - Dos Princípios e Fins da Educação Nacional, que tem por finalidade o pleno desenvolvimento do educando, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho. A gestão da Faculdade de Tecnologia Senac-DF está focada na formação de profissionais de alto nível para um mercado de trabalho cada vez mais exigente. A decisão para a escolha dos cursos superiores é pautada em pesquisa de opinião e de mercado. Assim sendo, em novembro de 2005 o Senac-DF realizou uma pesquisa de opinião em um universo de mais de 700 entrevistados, na sua grande maioria na faixa etária entre 15 e 18 anos. O universo incluiu alunos dos cursos técnicos do Senac-DF e de escolas públicas nas regiões do Distrito Federal e do Entorno, cursando o 3º ano do ensino médio e com aspirações de prosseguir seus estudos na formação superior. Uma porcentagem significativa (560 dos entrevistados) relatou ser muito favorável à abertura da Faculdade de Tecnologia Senac-DF, pois acreditam que o Senac tem condições de atender suas aspirações em termos de ensino, que foram colocados nesta ordem: 1º: Emprego com bom nível de remuneração; 2º: Qualidade ao exercer a profissão; 3º: Preço Acessível; 4º: Boa Estrutura; 5º: Flexibilidade de horário; 6º: Tradição. 9

10 Os Cursos Superiores de Tecnologia também tiveram uma votação expressiva nesta pesquisa. Com base nesses resultados e na experiência histórica do Senac em trabalhar com Educação Profissional decidiu-se no Projeto de Desenvolvimento Institucional PDI da Faculdade de Tecnologia Senac-DF iniciar o funcionamento desta IES com a abertura de Cursos Superiores de Tecnologia Dirigentes da Faculdade de Tecnologia Senac-DF Flávia Furtado Rainha Silveira Diretora Geral Antonia Maria Ribeiro Rodrigues Diretora Acadêmica Francimeire Galdino Bernardo Diretora Administrativa Missão Institucional Educar em nível superior, buscando a inserção dos seus discentes no mundo do trabalho, contribuindo para o desenvolvimento socioeconômico do Distrito Federal e do país Estrutura Organizacional da Faculdade de Tecnologia Senac-DF A estrutura organizacional da Faculdade de Tecnologia Senac-DF obedece aos seguintes princípios: Unidade de administração; Funções de ensino, pesquisa e extensão, geridas pelos Coordenadores de Cursos, subordinados à Diretoria Acadêmica e à Diretoria Geral da Faculdade de Tecnologia Senac-DF; Gestão de recursos humanos e materiais com princípios de qualidade total, governança corporativa e valorização da competência profissional; Flexibilidade de métodos e critérios, respeitando as diferenças individuais, peculiaridades regionais e as possibilidades de combinação dos conhecimentos para novos cursos e programas de pesquisa e extensão. 10

11 Organograma da Faculdade de Tecnologia Senac-DF 11

12 12

13 2. PROJETO DO CURSO 2.1. Contexto Educacional Justificativa da Oferta do Curso A decisão de criar o curso de Marketing decorreu do compromisso da Faculdade de Tecnologia Senac-DF de contribuir para o desenvolvimento do ser humano e da sociedade brasileira, por meio do ensino, da extensão e da pesquisa. A Abertura do curso de Marketing foi prevista no Projeto de Desenvolvimento Institucional - PDI ( ) desta IES e foi o terceiro curso a ser autorizado. Assim sendo, o curso segue os princípios filosóficos e técnicometodológicos que norteiam as práticas acadêmicas presente no Projeto Político Institucional PPI da Faculdade Senac-DF, é guiado pelas políticas e programas institucionais que compõem o PDI bem como pelas Diretrizes Curriculares Nacionais para a Organização e Funcionamento dos Cursos Superiores de Tecnologia, Resolução CNE/CP 3/2002. A oferta deste curso justifica-se pelo crescimento econômico apresentado pelo Distrito Federal - DF nos últimos anos, pelo crescimento da atividade e pela crescente demanda do mercado de trabalho no setor na região do DF e, ainda, pelo número significativo de estudantes do Ensino Médio, do Ensino Técnico e da Educação de Jovens e Adultos formados no DF. Em relação ao desenvolvimento econômico, o Distrito Federal está atualmente entre as oito Unidades da Federação que mais contribuem para a composição do Produto Interno Bruto - PIB brasileiro. Em pesquisa publicada pelo IBGE em 17 de novembro de 2010, na qual apresentou o percentual de participação do PIB nas Unidades da Federação, demonstrou que juntos, São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Paraná, Santa Catarina, Bahia e Distrito Federal, concentram 78,2% da economia do país. Na escala apresentada, o Distrito Federal ficou em oitavo lugar com participação de 3,9%, tendo o maior PIB per capita (45.977,59) do Brasil, representando quase três vezes a média brasileira (R$15.989,75) e quase o dobro de São Paulo (R$ ,86), segundo maior. As Tabelas abaixo expressam as informações apresentadas: 13

14 14

15 Com relação à participação dos setores na composição do PIB do Distrito Federal em 2008 a maior contribuição está relacionada à Administração Pública com 54,8%, em segundo lugar o setor de serviços com 28,7%, a indústria com 10,2%, o comércio com 6,1% e a agropecuária com 0,2%. O gráfico a seguir nos permite uma visualização melhor dos dados informados: Divisão do PIB do DF Fonte: Portal do Governo do Distrito Federal Relatório do Governo do Distrito Federal sobre dados preliminares do PIB do DF em 2009 apontam um crescimento de 1,9 em relação a 2008, ao passo que o Brasil, neste mesmo período, teve desempenho negativo de -0,6 em relação a A justificativa para o DF não ter sido afetado pela crise daquele ano, foi relacionada às peculiaridades da estrutura produtiva desta Unidade da Federação, que tem o setor terciário respondendo por mais de 90% do PIB total da sua economia (Distrito Federal, p.6). Ainda, segundo Relatório do Governo do Distrito Federal, As estimativas para 2010 mostram que o PIB do Distrito Federal a preço de mercado cresceu 3,6% frente ao resultado estimado para 2009 (...). Tal resultado foi bastante inferior ao desempenho da economia nacional, da ordem de 7,5% (Distrito Federal, p.7). Todavia, observa-se um crescimento nos diversos setores da economia do DF, por exemplo, indústria 7,5% e serviços 3,3%, destacando-se o comércio com 8,2%. Neste mesmo ano, segundo o Cadastro Geral dos Empregados e Desempregados CAGED (apud Distrito Federal, p.8) o Distrito Federal gerou 25 mil postos de trabalho, sendo o setor de serviços responsável por 67,2% do total de vagas e o comércio por 27,9%. Percebe-se também que o desemprego teve uma taxa média de 13,6% diminuindo comparativamente aos 15,8% de 2009 (Pesquisa de Emprego e Desemprego PED/DF apud Distrito Federal, p.8). 15

16 Os dados referentes à participação dos setores na composição do PIB do Brasil e do Distrito Federal nos últimos anos podem ser melhor compreendidos na tabela abaixo: As informações apresentadas acerca da economia e mercado de trabalho no Distrito Federal demonstram um cenário propício para a oferta do curso de Marketing. É importante salientar que neste cenário tanto o setor público quanto o setor privado necessitará deste profissional para orientar suas decisões no tocante ao gerenciamento do marketing nas suas organizações. Apesar de assumirem funções específicas em cada setor, o objetivo central do profissional de marketing é promover a imagem institucional e situar a instituição na sociedade. No que se refere ao setor privado, no mundo de hoje, a sobrevivência das empresas está ligada à forma como expõem seus produtos e serviços para seus clientes e consumidores. Foi-se o tempo em que as empresas iniciavam um negócio sem ter certeza do público que gostaria de atingir, sem realizar uma pesquisa para identificar se seu produto ou serviço é ou será realmente útil ou aceito por aquele público, ou mais, sem estudar os desejos do consumidor para saber quais produtos ou serviços lhes oferecer. Esse trabalho de estudo do consumidor e de estratégias para alcançá-lo é realizado pelo profissional de marketing que trouxe às empresas ações mais eficazes 16

17 no que se refere a elaboração de estratégias e táticas para destacar o produto ou serviço que ela representa e aumentar o seu potencial de vendas. Assim sendo, independentemente do tipo de negócio e do tamanho da empresa, a presença do profissional de marketing é fundamental para enfrentamento da concorrência e sobrevivência no mercado. O trabalho do profissional de marketing ocorre tanto no nível estratégico, como o estudo do mercado, a elaboração de estratégias de venda, e a concepção de um produto, como no nível operacional, como a elaboração da campanha, das técnicas de vendas utilizadas e do meio de comunicação mais adequado (Brasilprofissões.com.br). Enfim, dentro da área comercial, o marketing pode realizar a inteligência de mercado, a prospecção e a identificação de oportunidades, selecionar o que é o centro do negócio e organizar os contatos certos para a empresa, bem como o planejamento de ações de relacionamento e campanhas para dar suporte às vendas. Desse modo, o Marketing tem se dividido muito em áreas especificas, com o objetivo de atingir o público certo com as ações de vendas e de comunicação certas, dentre estas áreas destacam-se: Marketing Esportivo - segmento do marketing promocional que trabalha com o esporte, e atua na dimensão institucional de uma marca ou empresa; Marketing Social - consiste na adoção de princípios e técnicas para a promoção de uma causa, idéia ou comportamento social; Marketing Cultural: consiste na associação de alguma marca ou empresa à projetos culturais; dentre outras. O profissional de marketing também é requisitado por pessoas públicas, artistas, cantores, atores, celebridades, pessoas da alta sociedade, políticos etc. para a promoção de sua imagem pessoal. Para as empresas públicas, a contribuição do profissional de marketing está em trabalhar a imagem pública e isto pode acontecer de diversas maneiras: na promoção de um candidato às eleições, na divulgação de um partido político, na exposição de ações e programas governamentais e do próprio governo etc.. Diante do exposto, o DF em pleno aquecimento econômico e com toda a sua especificidade ligada ao setor público, tem carência por profissionais da área de Marketing que venham atender às necessidades latentes ligadas à promoção da imagem institucional e fortalecimento dos negócios. Na maioria das empresas, o Marketing é um setor criado para desenvolver as estratégias de promoção da empresa, de seus produtos e serviços. Assim sendo, no que se refere ao número 17

18 de empresas no DF, em pesquisa realizada pelo IBGE em 2007 o DF possuía (sessenta e quatro mil e trezentas e sessenta e cinco) empresas na área de serviços e em 2008 eram (vinte e três mil quinhentos se oitenta e quatro) empresas na área comercial. Esses dados demonstram um número significativo de empresas que vem empregando profissionais na área de marketing, o que demonstra a importância da Faculdade Senac-DF ofertar o curso de Marketing para formação destes profissionais. Tabela 12 - Dados gerais das empresas comerciais, segundo as Grandes Regiões, Unidades da Federação de atuação das empresas, divisões e grupos de atividades (conclusão) Grandes Regiões, Unidades da Federação de atuação das empresas, divisões e grupos de atividades Receita bruta de revenda e de comissões sobre venda Margem de comercialização (1) Dados gerais das empresas comerciais R$ Salários, retiradas e outras remunerações Pessoal ocupado em Unidades locais com receita de revenda Centro-Oeste Distrito Federal Comércio de veículos, peças e motocicletas Comércio por atacado Comércio varejista Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Serviços e Comércio, Pesquisa Anual de Comércio (1) Receita líquida de revenda menos o custo das mercadorias revendidas. Refere-se ao resultado obtido pelo esforço de venda de mercadorias, deduzi- dos os custos de aquisição das mercadorias pelas empresas. Tabela 80 - Dados regionalizados do segmento empresarial não financeiro, segundo as Grandes Regiões, as Unidades da Federação e as atividades (conclusão) Grandes Regiões e Unidades da Federação Receita bruta de prestação de serviços (1) Salários, retiradas e outras remunerações Pessoal ocupado em Número de empresas (2) R$ Centro-Oeste Distrito Federal Serviços prestados às famílias (3) Serviços de alojamento e alimentação Atividades recreativas e culturais Serviços pessoais Atividades de ensino continuado Serviços de informação Serviços prestados às empresas (3)

19 Transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio Transporte rodoviário (4) Outros transportes Agências de viagens e serviços auxiliares aos transportes Correio e outras atividades de entrega Atividades imobiliárias e de aluguel de bens móveis e imóveis Serviços de manutenção e reparação Outras atividades de serviços Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Serviços e Comércio, Pesquisa Anual de Serviços (1) Inclusive receita de venda e aluguel de imóveis próprios. (2) Refere-se ao número de empresas com atuação na Unidade da Federação e na região. Assim sendo, cada empresa é contada apenas uma vez na Unidade da Federação e na região onde atua. Logo, o número total de empresas numa região é igual ou menor do que a soma dos totais de cada Unidade da Federação dessa região. Pela mesma razão, o número total de empresas no Brasil é igual ou menor do que a soma dos totais de cada região. (3) O conceito adotado na PAS é menos abrangente que o definido nas Contas Nacionais. (4) Inclusive transporte regular em bondes, funiculares, teleféricos ou trens próprios para exploração de pontos turísticos. Conforme foi dito acima, grande parte da empregabilidade do profissional de Marketing está em setores de empresas que tem este fim. Todavia, o DF também possui empresas específicas que prestam consultorias e desenvolvem serviços na área de Marketing. De acordo com pesquisa realizada no Google Maps em 2011, no DF são 257 (duzentas e cinqüenta e sete) empresas cadastradas na área de marketing, o que demonstra que o setor vem crescendo e se consolidando nesta unidade da federação. Outro fator que influencia a busca por esta profissão é a remuneração paga ao profissional de Marketing. O valor dos salários atrai uma grande quantidade de pessoas que precisam e buscam qualificação profissional: 19

20 MARKETING MENOR MÉDIO MAIOR Coordenador de Marketing Analista de Marketing Assistente de Marketing Auxiliar de Marketing ELABORAÇÃO : MILLENNIUM Assessoria em Recursos Humanos (desde 1997). Atendimento comercial exclusivo para empresas contatar 20

21 No Guia Salarial Brasil, desenvolvido pela Robert Ralf Consultoria e na Millennium Assessoria em Recursos Humanos estão informações referentes aos salários médios praticados pelo mercado brasileiro para profissionais da área de Marketing, sendo que esta média salarial pode apresentar variações de acordo com a região e o tamanho da empresa. Percebe-se, pelas tabelas acima, que os profissionais da área de Marketing alcançam boa remuneração já no início da carreira, o que torna um fator motivador para ingressar nessa profissão. E alcançam salários bastante significativos à medida que avançam na carreira e alcançam o seu ápice. Diante exposto, verifica-se que o curso de Tecnologia em Marketing é uma ótima alternativa para a formação dos profissionais requisitados pelo mercado de trabalho e pelo governo, podendo ser realizado por profissionais que já atuam na área e que buscam uma primeira graduação, como também por aqueles já formados e que querem se qualificar nesta área, pois as especificidades desta área requerem formação constante e específica dos profissionais, mesmo daqueles com boa formação acadêmica. Torna-se também uma ótima opção para os estudantes que estão concluindo o Ensino Médio Regular, Ensino Técnico ou Ensino Médio em Educação de Jovens e Adultos - EJA e que precisam adquirir uma profissão e construir uma carreira profissional. Dados finais do Censo da Educação Básica de 2010 e dados preliminares do Censo da Educação Básica de 2011 mostram que o Distrito Federal possui um número significativo de sua população concluindo o Ensino Médio Regular, Ensino Técnico e Ensino Médio em EJA e que irão buscar uma profissão no Ensino Superior. Em 2010 o número de matrícula no Ensino Médio Regular foi de (cento e seis mil, oitocentos e quarenta nove) alunos. Em 2011, os dados preliminares já apontam para (cento e oito mil, quatrocentos e quarenta e sete) alunos, demonstrando um aumento de 1,5% de matrículas em relação a Em relação ao Ensino Técnico, dados finais do Censo de 2010 totalizaram (doze mil, setecentas e quinze) matrículas e os dados preliminares do Censo de 2011 totalizaram (doze mil, quatrocentas e vinte quatro) matrículas, havendo uma queda em 2011 de 2,28% em relação às matrículas de Todavia, como os dados de 2011 são preliminares, poderão ocorrer mudanças até final do mês de novembro, data em que finaliza o prazo para as instituições de ensino realizarem a inclusão de seus dados. Todavia, independente da possível queda de matrículas no Ensino Técnico, a quantidade total de matriculados é significativa em relação ao número de alunos que poderão está concluindo essa etapa de ensino e em busca da Educação Superior. 21

22 Sobre as matrículas de Ensino Médio na EJA, dados de 2010 totalizaram (vinte e seis mil, quatrocentas e nove) matrículas na EJA presencial e Semi-presencial e os dados preliminares de 2011 totalizaram (vinte e quatro, trezentas e setenta e uma) matrículas na EJA Presencial e Semi-presencial, ocorrendo uma queda em 2011 de 7,71% de matrículas em relação a Todavia, é importante ressaltar que os dados de 2011 não estão concluídos. A tabela abaixo apresenta a quantidade de alunos matriculados no Ensino Médio Regular, no Ensino Técnico e no Ensino Médio da EJA no DF, de acordo com dados do Censo da Educação Básica 2010 e dados preliminares do Censo da Educação Básica 2011, divulgados pelo INEP: 22

23 Resultados Finais do Censo Escolar 2010 DISTRITO FEDERAL Município Dependência TOTAL BRASILIA Ed.Infantil Creche EJA (semipresencial) Pré- Escola Ensino Fundamental 1ª a 4ª série e Anos Iniciais 5ª a 8ª série e Anos Finais Ensino Médio Número de Alunos Matriculados Educação Profissional (Nível Técnico) EJA (presencial) Matrícula Inicial Fundamental 2 Médio 2 Fundamental Médio Creche Pré- Escola Educação Especial(Alunos de Escolas Especiais, Classes Especiais e Incluidos) Anos Iniciais Anos Finais Médio Ed Prof. Nível Técnico EJA Fund 1,2 EJA Médio 1,2 Estadual Federal Privada Total Estadual Federal Privada Total Não estão incluídos alunos da Educação de Jovens e Adultos Semi-Presencial 2 Inclui os alunos da Educação de Jovens e Adultos Integrada à Educação Profissional Fonte: INEP 23

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Versão 4 - Atualizada 2º semestre de 2011 FICHA TÉCNICA DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Informações

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING Versão 4 Atualizada 2º Semestre de 2011 FICHA TÉCNICA DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE MARKETING Informações gerais sobre o curso Denominação:

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS

GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Curso de Graduação: GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Versão 4 - Atualizada 2º semestre de 2011 FICHA TÉCNICA DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Informações gerais sobre o curso Denominação:

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING Versão 4 Atualizada Matriz Curricular: 2º Semestre de 2011 FICHA TÉCNICA DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE MARKETING Informações gerais sobre

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL Versão 6 - Atualizada 2º Semestre de 2011 QNG Área Especial nº 39, na Região Administrativa de Taguatinga Norte, DF. FICHA TÉCNICA

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Versão 6 - Atualizada 2º Semestre de 2011 QNG Área Especial nº 39, na Região Administrativa de Taguatinga Norte,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA Versão 1 - Atualizada 1º Semestre de 2013 QNG Área Especial nº 39, na Região Administrativa de Taguatinga Norte, DF. FICHA TÉCNICA DO PROJETO

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Versão 1 1º Semestre de 2013 QNG Área Especial nº 39, na Região Administrativa de Taguatinga Norte, DF. FICHA

Leia mais

Curso de Graduação: MARKETING. Versão 3

Curso de Graduação: MARKETING. Versão 3 Curso de Graduação: MARKETING Versão 3 Julho de 2010 FICHA TÉCNICA DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE MARKETING Informações gerais sobre o curso Denominação: Marketing Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Versão 6 - Atualizada 2º Semestre de 2011 QNG Área Especial nº 39, na Região Administrativa de Taguatinga Norte,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Versão 1 1º Semestre de 2013 FICHA TÉCNICA DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC-DF

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC-DF FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC-DF PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL - PDI ADITAMENTO 2015 PERÍODO DE VIGÊNCIA: 2011 A 2015 BRASÍLIA - DF 2015 1 FICHA TÉCNICA DO PROJETO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

Leia mais

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Com a finalidade de otimizar o processo de elaboração e avaliação dos Projetos Pedagógicos do Cursos (PPC), sugere-se que os itens a seguir sejam

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC-DF PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PERÍODO DE VIGÊNCIA: 2011 A 2015

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC-DF PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PERÍODO DE VIGÊNCIA: 2011 A 2015 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC-DF PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PERÍODO DE VIGÊNCIA: 2011 A 2015 BRASÍLIA - DF 2011 FICHA TÉCNICA DO PROJETO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Informações gerais

Leia mais

GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Curso de Graduação: GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Versão 5 2º Semestre de 2010 QNG Área Especial nº 39, na Região Administrativa de Taguatinga Norte, DF. SUMÁRIO 1.CARACTERÍSTICAS DA INSTITUIÇÃO...

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL

TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL Curso de Graduação: TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL Projeto Atualizado Versão 5 2º Semestre de 2010 QNG Área Especial nº 39, na Região Administrativa de Taguatinga Norte, DF. FICHA TÉCNICA DO PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

CETEC EDUCACIONAL S.A. Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP. Mantida

CETEC EDUCACIONAL S.A. Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP. Mantida CETEC EDUCACIONAL S.A Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP Mantida PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SÃO JOSÉ DOS CAMPOS 1 SUMÁRIO

Leia mais

PUBLICIDADE E PROPAGANDA

PUBLICIDADE E PROPAGANDA PUBLICIDADE E PROPAGANDA Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: AGRONOMIA Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo

Leia mais

FACULDADE PASCHOAL DANTAS

FACULDADE PASCHOAL DANTAS FACULDADE PASCHOAL DANTAS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO ÊNFASE GESTÃO DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SÃO PAULO - SP NOVEMBRO DE 2008 ÍNDICE 1. Visão e Missão da FPD...3 2. ORGANIZAÇÃO

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES. Bibliotecas FacSenac/DF

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES. Bibliotecas FacSenac/DF POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES Bibliotecas FacSenac/DF Brasília 2014 POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECAS FAC SENAC-DF Brasília 2014 SUMÁRIO MISSÃO...6 SENAC-DF...6 FACULDADE SENAC-DF...6

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº09/2011 Aprova a estrutura curricular do Curso de Administração do Centro de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 24/8/2009, Seção 1, Pág. 16. Portaria n 816, publicada no D.O.U. de 24/8/2009, Seção 1, Pág. 16. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 Curso Superior em Tecnologia em Design de Moda Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente

Leia mais

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de RESOLUÇÃO Nº 014/2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Informática, da Escola Superior de Tecnologia, da Universidade do Estado do Amazonas. O REITOR, EM EXERCÍCIO, DA UNIVERSIDADE

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

I RELATÓRIO: 608/2015, de 20/02/2015 PARECER CEE/PE Nº 01/2015-CEB APROVADO PELO PLENÁRIO EM 26/01/2015

I RELATÓRIO: 608/2015, de 20/02/2015 PARECER CEE/PE Nº 01/2015-CEB APROVADO PELO PLENÁRIO EM 26/01/2015 INTERESSADO: COLÉGIO DE SÃO JOSÉ RECIFE/PE ASSUNTO: AUTORIZAÇÃO DO CURSO TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO E DO CURSO TÉCNICO EM RECURSOS HUMANOS EIXO TECNOLÓGICO: GESTÃO E NEGÓCIOS, NA MODALIDADE PRESENCIAL RELATOR:

Leia mais

AÇÕES DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL 1. FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA OU QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL

AÇÕES DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL 1. FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA OU QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL GLOSSÁRIO EDUCAÇÃO PROFISSIONAL SENAC DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL RIO DE JANEIRO NOVEMBRO/2009 AÇÕES DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Ações educativas destinadas ao desenvolvimento de competências necessárias

Leia mais

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 Sete Lagoas Março de 2014 Sumário 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO... 4 1.1. Composição da Comissão

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO DE RIO CLARO ASSOCIAÇÃO DE ESCOLAS REUNIDAS - ASSER

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO DE RIO CLARO ASSOCIAÇÃO DE ESCOLAS REUNIDAS - ASSER 1 ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO DE RIO CLARO ASSOCIAÇÃO DE ESCOLAS REUNIDAS - ASSER ATIVIDADES ACADÊMICAS CURRICULARES COMPLEMENTARES (A.A.C.C.) DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO: ATIVIDADES

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Associação Escola Superior de Propaganda e Marketing UF: SP ASSUNTO: Recredenciamento da Escola Superior de Propaganda

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO CIÊNCIAS BIOLÓGICAS LICENCIATURA PLENA ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS O Curso de Ciências Biológicas, através

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO ELABORAÇÃO DO PPC INTRODUÇÃO O Projeto Pedagógico de Curso (PPC) deve orientar a ação educativa, filosófica e epistemológica do mesmo, explicitando fundamentos políticos,

Leia mais

COMISSÃO ESPECIAL DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PROCESSO Nº: E-03/100.520/2009 INTERESSADO: CENTRO DE ENSINO E TREINAMENTO APLICADO A PROFISSIONAIS LTDA

COMISSÃO ESPECIAL DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PROCESSO Nº: E-03/100.520/2009 INTERESSADO: CENTRO DE ENSINO E TREINAMENTO APLICADO A PROFISSIONAIS LTDA Governo do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Educação CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO COMISSÃO ESPECIAL DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PROCESSO Nº: E-03/100.520/2009 INTERESSADO: CENTRO DE ENSINO E TREINAMENTO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 36 / 2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Graduação em Línguas Estrangeiras

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior- Conaes Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

Proposta do novo Projeto Pedagógico do Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Núcleo Docente Estruturante (NDE)

Proposta do novo Projeto Pedagógico do Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Núcleo Docente Estruturante (NDE) Proposta do novo Projeto Pedagógico do Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Núcleo Docente Estruturante (NDE) 20/05/2015 Agenda 1 2 3 4 5 6 Introdução e Motivação Resultados da

Leia mais

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UBERABA MG INSTITUTO EDUCACIONAL GUILHERME DORÇA PRESIDENTE: LUIZ HUMBERTO DORÇA FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS DIRETOR

Leia mais

COMISSÃO ESPECIAL DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PROCESSO N o : E-03/100.029/2008 INTERESSADO: CENTRO DE ENSINO E TREINAMENTO APLICADO A PROFISSIONAIS LTDA

COMISSÃO ESPECIAL DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PROCESSO N o : E-03/100.029/2008 INTERESSADO: CENTRO DE ENSINO E TREINAMENTO APLICADO A PROFISSIONAIS LTDA Governo do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Educação CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO COMISSÃO ESPECIAL DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PROCESSO N o : E-03/100.029/2008 INTERESSADO: CENTRO DE ENSINO E TREINAMENTO

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Identificação do Curso Nome do Curso: Sistemas de Informação Titulação: Bacharelado Modalidade de ensino: Presencial

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014/2018

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014/2018 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014/2018 CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL MADEIREIRA 1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA UNIDADE 2014/2018 APRESENTAÇÃO O Curso de Engenharia Industrial Madeireira da UFPR foi criado

Leia mais

CURSOS TECNOLÓGICOS EM NÍVEL SUPERIOR: BREVES APONTAMENTOS

CURSOS TECNOLÓGICOS EM NÍVEL SUPERIOR: BREVES APONTAMENTOS CURSOS TECNOLÓGICOS EM NÍVEL SUPERIOR: BREVES APONTAMENTOS Alan do Nascimento RIBEIRO, Faculdade de Políticas Públicas Tancredo Neves Universidade do Estado de Minas Gerais Maria Amarante Pastor BARACHO,

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Grupo Nobre de Ensino Ltda. UF: BA ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade Nobre de Feira de Santana, a ser instalada

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

RELATÓRIO AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FACULDADE POLITÉCNICA DE UBERLÃNDIA 2009-2010

RELATÓRIO AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FACULDADE POLITÉCNICA DE UBERLÃNDIA 2009-2010 RELATÓRIO AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FACULDADE POLITÉCNICA DE UBERLÃNDIA 2009-2010 UBERLÂNDIA, MG JANEIRO, 2011 1 Este relatório aqui apresentado foi elaborado pela Comissão Própria de Avaliação da Faculdade

Leia mais

Consulta Pública para aprimoramento do. Instrumento de Acreditação das Escolas Médica

Consulta Pública para aprimoramento do. Instrumento de Acreditação das Escolas Médica Consulta Pública para aprimoramento do Instrumento de Acreditação das Escolas Médica Estamos disponibilizando para sugestões, avaliação e comentários o instrumento que será utilizado para a acreditação

Leia mais

Respeito ao meio ambiente, colocando o conhecimento científico adquirido a serviço da sociedade e permitindo o desenvolvimento sustentável.

Respeito ao meio ambiente, colocando o conhecimento científico adquirido a serviço da sociedade e permitindo o desenvolvimento sustentável. Coordenação do Curso de Engenharia Química da UFPR (CCEQ) Planejamento Estratégico 2012-2017 Apresentação: O curso de Engenharia Química da UFPR foi criado em 1954 pelo Decreto-Lei nº 6.489, assim completará

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 72/2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação, modalidade

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

I RELATÓRIO: 8021/2011, de 15/12/2011 PARECER CEE/PE Nº 162/2011-CEB APROVADO PELO PLENÁRIO EM 07/11/2011

I RELATÓRIO: 8021/2011, de 15/12/2011 PARECER CEE/PE Nº 162/2011-CEB APROVADO PELO PLENÁRIO EM 07/11/2011 INTERESSADA: EFORTE ESCOLA DE FORMAÇÃO TÉCNICA E EMPRESARIAL RECIFE/PE ASSUNTO: CREDENCIAMENTO DA INSTITUIÇÃO PARA A OFERTA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO E AUTORIZAÇÃO DOS CURSOS: TÉCNICO

Leia mais

NUTRIÇÃO. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC

NUTRIÇÃO. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC NUTRIÇÃO Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: NUTRIÇÃO Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo Base legal da Mantenedora

Leia mais

EDITAL 04/2014 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO FINANCEIRA DE INSTITUIÇÕES FILANTRÓPICAS E ORGANIZAÇÕES SOCIAIS

EDITAL 04/2014 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO FINANCEIRA DE INSTITUIÇÕES FILANTRÓPICAS E ORGANIZAÇÕES SOCIAIS EDITAL 04/2014 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO FINANCEIRA DE INSTITUIÇÕES FILANTRÓPICAS E ORGANIZAÇÕES SOCIAIS A Faculdade Católica Dom Orione, Araguaína TO, torna pública a abertura das inscrições para

Leia mais

Regulamenta a validação e registro das Atividades Complementares dos cursos de Graduação das Faculdades Projeção.

Regulamenta a validação e registro das Atividades Complementares dos cursos de Graduação das Faculdades Projeção. RESOLUÇÃO Nº 01/2011 Regulamenta a validação e registro das Atividades Complementares dos cursos de Graduação das Faculdades Projeção. O Conselho Superior da Faculdade Projeção, com base nas suas competências

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS ALUNOS EM RELAÇÃO ÀS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO LASALLE UNILASALLE

PERCEPÇÃO DOS ALUNOS EM RELAÇÃO ÀS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO LASALLE UNILASALLE 1 PERCEPÇÃO DOS ALUNOS EM RELAÇÃO ÀS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO LASALLE UNILASALLE Jesse Alencar da Silva Centro Universitário La Salle (UNILASALLE-RS)

Leia mais

SEMINÁRIO DE GRADUAÇÃO ENADE 2015

SEMINÁRIO DE GRADUAÇÃO ENADE 2015 SEMINÁRIO DE GRADUAÇÃO ENADE 2015 ROTEIRO SINAES Princípios e concepções Os Ciclos Avaliativos do Enade e os Indicadores de Qualidade Enade 2015 PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO SINAES Responsabilidade : responsabilidade

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos Superiores de Pedagogia

Instrumento de Avaliação de Cursos Superiores de Pedagogia MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior -

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC FLORIANÓPOLIS

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC FLORIANÓPOLIS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC FLORIANÓPOLIS PORTARIA DE CREDENCIAMENTO DA FACULDADE Portaria Nº 3.544 de 13 de dezembro de 2002, publicada no DOU em 16 de dezembro de 2002. Diretor da Faculdade: José Carlos

Leia mais

O Curso de Administração da ESAG. Prof. Dr. Nério Amboni (ESAG/UDESC) 2011.2

O Curso de Administração da ESAG. Prof. Dr. Nério Amboni (ESAG/UDESC) 2011.2 O Curso de Administração da ESAG Prof. Dr. Nério Amboni (ESAG/UDESC) 2011.2 Missão da ESAG A ESAG tem por missão realizar o ensino, a pesquisa, a extensão, de modo articulado, a fim de contribuir na formação

Leia mais

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com. ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.br CPC Conceito Preliminar de Curso 1 - Nota dos Concluintes no ENADE

Leia mais

GRADUAÇÃO HOTELARIA BACHARELADO. NOTA MÁXIMA NO MEC Ministério da Educação

GRADUAÇÃO HOTELARIA BACHARELADO. NOTA MÁXIMA NO MEC Ministério da Educação NOTA MÁXIMA NO MEC Ministério da Educação TITULAÇÃO: Bacharel em Hotelaria CARGA HORÁRIA: 3.104 horas DURAÇÃO: 2 anos DIFERENCIAL 2 ANOS A Castelli ESH propõe-se a ofertar o Curso de Graduação em Hotelaria,

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC DE FLORIANOPOLIS

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC DE FLORIANOPOLIS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC DE FLORIANOPOLIS CREDENCIAMENTO DA FACULDADE Portaria Nº 39 de 13 de janeiro de 2012, publicada no DOU em 16 de janeiro de 2012. Diretor da Faculdade: Ivanir Salete Bazzei

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Turismo

Leia mais

Objetivos Específicos Os objetivos específicos demostram que ao final do curso os alunos deverão estar aptos a:

Objetivos Específicos Os objetivos específicos demostram que ao final do curso os alunos deverão estar aptos a: CURSO: Graduação em Marketing ( graduação) Missão O Curso de Graduação em Marketing tem como missão formar profissionais com capacidade de criar, planejar, executar e controlar processos de marketing que

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS BAMBUÍ

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS BAMBUÍ INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS BAMBUÍ RELATÓRIO DO QUESTIONÁRIO APLICADO AO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO II SEMESTRE/2014 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO (CPA)

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC BLUMENAU

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC BLUMENAU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC BLUMENAU PORTARIA DE CREDENCIAMENTO DA FACULDADE Portaria Nº 1.325 de 18 de maio de 2004, publicada no DOU em 20 de maio de 2004. Diretor da Faculdade: Elita Grosch Maba Diretor

Leia mais

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES ASCES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES ASCES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES ASCES DAS DISPOSIÇÕES GERAIS DOS PRINCÍPIOS NORTEADORES Art. 1º A ASCES, por meio deste Regulamento, contempla as Normas Gerais de Atividades complementares, permitindo

Leia mais

A Câmara Superior de Ensino do Conselho Universitário da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições,

A Câmara Superior de Ensino do Conselho Universitário da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições, RESOLUÇÃO Nº 07/2014 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO Aprova a estrutura curricular contida no Projeto Pedagógico do Curso

Leia mais

PARECER CEE/PE Nº 109/2014-CEB APROVADO PELO PLENÁRIO EM 03/11/2014 I RELATÓRIO:

PARECER CEE/PE Nº 109/2014-CEB APROVADO PELO PLENÁRIO EM 03/11/2014 I RELATÓRIO: INTERESSADO: INTERFACE CURSOS E CONSULTORIA RECIFE/PE ASSUNTO: ALTERAÇÃO DO REGIMENTO, DA PROPOSTA PEDAGÓGICA E DO PLANO DO CURSO TÉCNICO EM TRANSAÇÕES IMOBILIÁRIAS EIXO TECNOLÓGICO: GESTÃO E NEGÓCIOS

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância - Dresead Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 PRÓ-REITORIA DE ENSINO/IFMG/SETEC/MEC, DE 05 DE JUNHO DE 2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 PRÓ-REITORIA DE ENSINO/IFMG/SETEC/MEC, DE 05 DE JUNHO DE 2012. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE ENSINO Av. Professor Mario Werneck, nº 2590,

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

31956 Monografia II 31926

31956 Monografia II 31926 Currículo Novo 2006/01 Duração: 182 créditos 2.730h, acrescidas de 270h de atividades complementares, totalizando 3.000h 31544 Teoria das Organizações I - 31554 Matemática I - 31564 Teoria das Organizações

Leia mais

PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL FACULDADE CASA DO ESTUDANTE. Aprovado no CONSU Conselho Superior em 02/02/2012

PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL FACULDADE CASA DO ESTUDANTE. Aprovado no CONSU Conselho Superior em 02/02/2012 PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL DA FACULDADE CASA DO ESTUDANTE PPI 2012 a 2015 Aprovado no CONSU Conselho Superior em 02/02/2012 Diretor Geral FACULDADE CASA DO ESTUDANTE PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL

Leia mais

Padrões de Qualidade para os Cursos de Graduação em Direito

Padrões de Qualidade para os Cursos de Graduação em Direito MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE DIREITO APRESENTAÇÃO: Padrões de Qualidade para os Cursos

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online MBA EM CONTROLADORIA E FINANÇAS Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação

Leia mais

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006

Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Resolução nº 2/2006 3/2/2006 RESOLUÇÃO CNE Nº 2, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 DOU 03.02.2006 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Engenharia Agrícola e dá outras providências.

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS NOTA TÉCNICA 020/2014 Indicador de adequação da formação do docente

Leia mais

Comissão avalia qualidade de ensino da FABE

Comissão avalia qualidade de ensino da FABE CPA / PESQUISA Comissão avalia qualidade de ensino da FABE Avaliação positiva: A forma de abordagem dos objetivos gerais dos cursos também foi bem avaliada e a qualidade do corpo docente continua em alta.

Leia mais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Construção coletiva a partir das experiências, coordenada pelo Colegiado do Curso de Graduação (art. 34 do Regimento Geral

Leia mais

PLANO DE AÇÃO 2012 Resolução COP Nº. 114/2011 de 08/12/2011

PLANO DE AÇÃO 2012 Resolução COP Nº. 114/2011 de 08/12/2011 PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL De acordo com o Decreto 5.773/2006 PERÍODO - 2012-2015 Resolução COP Nº 113/2011, de 08/12/2011 PLANO DE AÇÃO 2012 Resolução COP Nº. 114/2011 de 08/12/2011 Lucas

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online MBA EM CONTROLADORIA E FINANÇAS Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação

Leia mais

Coordenação de Pós-Graduação e Extensão. Legislação sobre cursos de Pós-graduação Lato Sensu e Credenciamento da FACEC

Coordenação de Pós-Graduação e Extensão. Legislação sobre cursos de Pós-graduação Lato Sensu e Credenciamento da FACEC Coordenação de Pós-Graduação e Extensão Legislação sobre cursos de Pós-graduação Lato Sensu e Credenciamento da FACEC Os cursos de especialização em nível de pós-graduação lato sensu presenciais (nos quais

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso

Projeto Pedagógico do Curso Projeto Pedagógico do Curso Fundamentação Diretrizes curriculares do MEC Diretrizes curriculares da SBC Carta de Princípios da UNICAP Projeto Pedagógico Institucional da UNICAP Diretrizes Curriculares

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

Missão. Objetivo Geral

Missão. Objetivo Geral CURSO: Curso Superior de Tecnologia em Logística Missão Formar profissionais de visão crítica e com conhecimentos e habilidades relativas às atividades logísticas, dotados de base para a atualização profissional

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.662, DE 28 DE ABRIL DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.662, DE 28 DE ABRIL DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.662, DE 28 DE ABRIL DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em,

Leia mais

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA Mantenedora: Fundação Presidente Antônio Carlos Mantida: Faculdade Presidente Antônio Carlos de Araguari

Leia mais

NORMAS PARA CRIAÇÃO DE CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO E DE GRADUAÇÃO NO ÂMBITO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO

NORMAS PARA CRIAÇÃO DE CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO E DE GRADUAÇÃO NO ÂMBITO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO NORMAS PARA CRIAÇÃO DE CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO E DE GRADUAÇÃO NO ÂMBITO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO Dispõe sobre Normas para criação de cursos Técnicos de Nível

Leia mais