MULHER NO CONTIGENTE DE VELHOS - UM ESTUDO SOBRE VIOLÊNCIA E GÊNERO NA VELHICE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MULHER NO CONTIGENTE DE VELHOS - UM ESTUDO SOBRE VIOLÊNCIA E GÊNERO NA VELHICE"

Transcrição

1 MULHER NO CONTIGENTE DE VELHOS - UM ESTUDO SOBRE VIOLÊNCIA E GÊNERO NA VELHICE RESUMO Evaldo Cavalcante Monteiro Doutorando em Educação-LHEC-UFC Maria Aldacy Simões Especialista em família - Gestora do CIAPREVI Patrícia Helena Carvalho Holanda Professora FACED-UFC Parte do fenômeno do envelhecimento da população, como fenômeno atual, que ocorre mundialmente, para tratar da prática de violência contra o segmento idoso, também de proporções mundiais, haja vista, inclusive, a existência do Dia Mundial de Conscientização da Violência contra o Idoso, uma data instituída em 2006, pela Organização das Nações Unidas (ONU) e pela Rede Internacional de Prevenção à Violência à Pessoa Idosa, na luta contra essa ocorrência. Com base em fontes documentais e bibliográficas sobre esse assunto, mostra que: 1) o Brasil criou o seu plano de combate a violência, juntamente com vários serviços, que foram implementados no País; 2) o Ceara foi contemplado com um desses serviços, sabendo que eles foram implantados pela, então, Secretaria Especial dos Direitos Humanos e, ampliados, posteriormente, como política do estado. Revela que, não obstante essa ação, a violência tem sido, estatisticamente crescente, sendo que os dados revelam o perfil da vítima, a mulher idosa, e do seu agressor, usualmente um familiar, homem, filho ou neto, e usuário de droga lícita ou não. Defende que parte desta agressão se deve à gerontofobia sociocultural, o que recomenda a necessidade de se pensar em medidas de educação gerontológica em escala social. Palavras chaves: mulher, idosa, violência, gerontologia. Introdução O envelhecimento populacional é um fenômeno mundial e inédito na historia da humanidade. Processo deflagrado, inicialmente, nos países ditos desenvolvido e presentemente ocorrendo de forma mais célere nos países ditos em desenvolvimento.

2 Fato largamente apregoado como uma conquista, contudo a vivência desta fase não se apresenta tão alvissareira. Um dos fatores que contribuem para esta negatividade é a violência perpetrada contra os idosos. Fato este também mundial, haja vista a existência do dia 15 de junho como Dia Mundial de Conscientização da Violência à Pessoa Idosa. No envelhecimento populacional, há sabidamente um processo feminilização. Com o controle da morte em função do parto a mulher ganhou uma sobrevida maior que os homens. Porém este bônus de anos tem repetido a discriminação sociocultural e política de gênero inclusive nas questões de violência. A Mulher idosa além da discriminação etária, veilhismo 1, sofre mais violência que os homens velhos. A violência: conceito e formas Tomando a população em geral, verificamos que os grupos ditos vulneráveis: crianças, jovens, pessoas, portadoras de deficiência, mulheres e pessoas idosas são os quemais afetados pela violência (SMS 2, p -21). Historicamente, temos visto que no cenário internacional os primeiros estudos sobre violência tratavam das crianças, com a síndrome do bebê espancado, em seguida foi estudado a mulher e depois os velhos. Essa cronologia repete-se no País em tempos diferentes. Uma das primeiras notificações cientificas, alvo de atenção ampla, acerca da violência contra idosos ocorre em 1975 na Inglaterra, através da publicação de artigo em revista descrito como espancamento de avós, por Baker. Os primeiros estudos sobre violência doméstica contra idosos datam de m eados da década de 1970, com a publicação do artigo Granny battered (espancamento de a vós) em 1975 (Baker, 1975, Burston, 1977 apud Krug et alii, 2002). Outro momento importante para o estudo dos maus-tratos foi a criação de 1 Discriminação pelo fato da pessoa ser velha. O Brasil adota o critério etário para definição, ou seja, ter 60 anos ou mais. 2 Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo

3 uma revista dedicada exclusivamente ao tema em 1989 Journal of Elder Abuse & Neglect (Barnett et alii, 1997). De acordo com Machado e Queiroz (2002), o interesse da área de saúde pela violência cresceu devido a dois fatores: a conscientização crescente dos valores da vida e dos direitos de cidadania e as mudanças no perfil de morbimortalidade. (Pasinato e outras, 2004, p.2) No Brasil, essa percepção começa na década de 1990, a partir de eventos de peso internacional, onde essa problemática foi alvo de atenção e debate. Em 1996, a questão da violência foi reconhecida mundialmente como um importante e crescente problema de saúde pública em todo o mundo pela 49a. Assembleia Mundial de Saúde (resolução WHA 49.25). Ressaltaram-se suas importantes consequências para indivíduos, famílias, comunidades e países, tanto no curto como no longo prazo e seus prejuízos para o desenvolvimento social e econômico. (Idem) Vejamos então o que é violência. Escolhemos a conceituação de Minayo, citada no Caderno de Violência contra a Pessoa Idosa da Secretaria Municipal de Saúde (2007) do Estado de São Paulo, como: A violência à pessoa idosa pode ser definida como ações ou omissões cometidas uma vez ou muitas vezes, prejudicando a integridade física e emocional das pessoas desse grupo etário e impedindo o desempenho de seu papel social. A violênciaacontece como uma quebra de expectativa positivados idosos em relação às pessoas e instituições que os cercam (filhos, cônjuge, parentes, cuidadores e sociedade em geral). (SMS-SP, 2007, p.28) Deste conceito, destacamos a questão de repetição, pois não importa quantas vezes ocorreram, uma ação ou omissão realizada só vez, não deixa de ser violência e que esta acontece num contexto de confiança. Para Minayo (Idem), a violência deve ser vista sob os seguintes aspectos ou formas de violência, que achamos por bem detalhar: Violência Física: é o uso da força física para compelir os idosos a fazeremo que não desejam, para feri-los, provocar dor, incapacidade ou morte. Violência Psicológica: corresponde a agressões verbais ou gestuais como objetivo de aterrorizar, humilhar, restringir a liberdade ou isolar do convíviosocial. Violência Sexual: refere-se ao ato ou jogo sexual de caráter homo ouheterorelacional, utilizando pessoas idosas. Esses abusos visam a obterexcitação, relação sexual ou práticas eróticas por meio de aliciamento, violênciafísica ou ameaças.

4 Abandono: é uma de violência que se manifesta pela ausência ou deserçãodos responsáveis governamentais, institucionais ou familiares de prestaremsocorro a uma pessoa idosa que necessite de proteção e assistência. Negligência: refere-se à recusa ou à omissão de cuidados devidos e necessáriosaos idosos por parte dos responsáveis familiares ou institucionais. Violência Financeira ou econômica: consiste na exploração imprópria ouilegal ou ao uso não consentido pela pessoa idosa de seus recursos financeirose patrimoniais. Auto-negligência: diz respeito à conduta da pessoa idosa que ameaça suaprópria a saúde ou segurança, pela recusa de prover cuidados necessáriosa si mesma. Violência Medicamentosa: é administração por familiares, cuidadores eprofissionais dos medicamentos prescritos, de forma indevida, aumentando, diminuindo ou excluindo os medicamentos. Violência Emocional e Social: refere-se a agressão verbal crônica, incluindopalavras depreciativas que possam desrespeitar a identidade, dignidade e autoestima. (In:http://midia.pgr.mpf.gov.br/pfdc/15dejunho/caderno_violencia_idoso_atualizad o_19jun.pdf) Após termos caracterizado e tipificado a violência, esclarecemos que o Brasil signatário da ONU - buscando implementar o Plano de Ação Internacional para o Envelhecimento - desenvolveu um plano nacional de combate à violência contra o idoso. Tendo este ficado a cargo da Secretaria Especial de Direitos Humanos SEDH. Neste plano, está posto que igualmente a outros países, no Brasil, a violência se manifesta, com frequência, no modo de tratar os idosos. Ainda segundo a SEDH, há três fatores que corroboram com a violência: 1) estrutural devido à desigualdade social; 2) as relações interpessoais; 3) as institucionais advinda da não implementação de politicas públicas reforçando a discriminação e relação assimétrica. Os objetivos do plano estão legalmente amparados no estatuto do idoso e pautado pelas diretrizes da ONU estabelecidas no referido Plano de Ação Internacional para o Envelhecimento, além de atenderem aos anseios da população longeva, estabelecidos na I Conferencia Nacional dos Direitos da Pessoa Idosa. Nesses documentos - resultantes de estudos especializados dessa área - encontramos alguns fatores que passaremos a detalhar. A começar pelos fatores contributivos para esse tipo de violência, ligados ao agressor :1) coabitação com o idoso; 2) idoso como chefe de família;3) idoso como dependente financeiro; 4) agressor

5 usuário de drogas; 5) ajuste de relações pregressas; 6) estresse e isolamento social do cuidador; 7) sofrimento psíquico. Apresentamos, ainda, fatores ligados ao fato de que os idosos se tornam mais vulneráveis a violência: a) dependência física do tipo: incontinência urinária ou fecal e a dificuldade de deambular; b) problemas mentais do tipo: esquecimento, confusão mental, alteração do sono; c) incapacidade para atividades da vida diária; d) isolamento social. Diante e tudo isso, com base no nosso trabalho cotidiano de acompanhamento de idosos, em serviço público do estado do Ceará, nós acrescentamos os problemas emocionais do idoso, que expomos a seguir como fatores estruturais: 1) pobreza absoluta; 2) discriminação etária; 3) estereótipos da velhice; 4) descumprimento das leis que protegem os idosos. A mulher idosa: vítima de violência Achamos importante, também, apresentarmos os perfis do agressor e da vítima estabelecidos pelo Centro Integrado de Prevenção a Violência contra a Pessoa Idosa CIAPREVI 3 : o da vítima mulher idosa; do agressor: filho ou neto, usuário de droga licita ou ilícita. A unidade foi inaugurada e entrou em funcionamento em Neste ano, foram realizadas 418 denúncias, em 2010 foram 678 casos; em 2011, 850 casos; em 2012, 1051 casos e em 2013 a unidade encerra suas atividades, tendo recebido 926 casos até novembro. Em quatro anos de existência foram averiguadas e/ou acompanhadas denúncias. Provavelmente o número seja maior, mas não há como saber dos casos não notificados, ainda que haja a obrigatoriedade na área da saúde de notificar os casos quando identificados. Citamos a seguir algumas medidas podem tomadas para combatera violência: 1) respeitar o princípio da autonomia capacidade de decidir da pessoa idosa; 2) prevenção, oferecendo recursos eficientes e adequados para que as pessoas idosas, famílias, cuidadores; 3) investigação das denúncias; 4) 3 Esta unidade de atendimento está sendo desativada em função da estruturação do Sistema único da Assistência Social SUAS. Nem uma outra ação está prevista para substituir esse atendimento ao idoso.

6 envolvimento dos profissionais que atendem ao idoso no combate a violência; 5) avaliar de vida e a urgência da intervenção; Temos que considerar que Brasil não é mais um país jovem. A Organização Mundial de Saúde (OMS) considera uma população envelhecida, quando a proporção de pessoas com 60 anos ou mais atinge 7%,com tendência a crescer, e os brasileiros com 60 anos ou mais representaram 8,6% da população no Censo de Nas projeções da OMS, entre 1950 e 2025, a população de idosos no País crescerá dezesseis vezes, enquanto a população total crescerá cinco vezes, o que nos colocará como a sexta população de idosos do mundo (KELLER et al., 2002, p ). Crescimento populacional desta monta cria um demanda de serviços e políticas públicas que atendam essa demanda. Paradoxalmente, Monteiro (2002) tem apontado que, apesar de termos crescido em população, os serviços e as políticas públicas, no estado do Ceará não tem acompanhado a esta demanda, apesar de termos doze anos de Estatuto do Idoso e de vinte um anos de Política Nacional do Idoso. Ademais, nenhum serviço de modalidade nova foi desenvolvido no estado, que apenas mantem as modalidades anteriormente existentes, quanto ao asilamento e formação de grupo de idosos. O ser estrangeiro Uma explicação plausível que nos ocorre para explicar a situação vivida pelo idoso é a da estrangeiridade. Koltai (2000) trabalha com a noção de estrangeiro a partir de dois aspectos: o político e o psicanalítico. Abordando o tema, ela afirma que há duas reações possíveis: o fascínio ou o horror, ou seja, amá-lo ou odiá-lo. Na dimensão política o estrangeiro surge da formação do Estado Nação moderno com suas fronteiras. Tudo que estivesse fora, além da fronteira, seria estrangeiro. O estrangeiro é alguém que vem de outro lugar e que pode ser mandado embora, ser repatriado. Isto implica numa categoria sociopolítica e numa exclusão. Essa é a noção

7 vigente, mas nem sempre foi assim. Anteriormente ele era visto apenas como o não familiar. O estrangeiro para Koltai (2000) pode ser imigrante, árabe, nordestino, negro ou judeu. Percebamos que não se trata apenas de uma questão de fronteira, de estar dentro ou fora de determinado país. Esta fronteira, este limite, pode estar nos grupos sociais. Daí podermos acrescentar a esta lista outras tipologias como o velho. Está subjacente a ideia, o sentimento de valor menor. A autora retoma a Grécia antiga, para exemplificar um modo diferente de reagir em relação ao estrangeiro. A Grécia estava fechada em si mesma, o estrangeiro era o desconhecido. Na fase clássica, abriu-se para o comércio e fez concomitantemente o intercâmbio cultural. Apesar desta abertura, esta sociedade também estabelecia a exclusão dos seus estrangeiros, os bárbaros e, num sentido mais lato, os escravos e as mulheres. Assim, o bárbaro era aquele que tinha outra cultura, que ignorava a língua, a religião, os usos e costumes gregos. Para ser cidadão grego, ele teria que abandonar a sua cultura de origem e aprender uma nova identidade. Isto porque, naquela sociedade, ser cidadão era ter direitos e participar da gestão comum dos negócios. A autora salienta que os gregos não tinham o preconceito com relação aos estrangeiros, como temos modernamente. Diz que a democracia deles era tolerante, chegando mesmo a encorajar a presença deles, inclusive dando-lhes direitos civis que eram prerrogativas exclusivas dos cidadãos. Assim, podem chegar até a participar da administração do Estado sem, contudo, ter direitos políticos. Koltai (2000) afirma que é mais fácil ser solidário na abundância. Contrariamente, em situações de crises há o recrudescimento do racismo e da xenofobia. A conjuntura atual de economia globalizada é fomentadora de crises. Nesta situação, a Autora considera, que as pessoas se sentem inseguras e não conseguem ter seu tempo subjetivo projetado no futuro, algo que se interponha entre o presente e a morte. Nesse sentido, ela afirma que faltam projetos sociais para estabelecer laços entre o singular e o social, entre o pessoal e coletivo.

8 Nessa confluência do pessoal com o social, articulando história de vida particular com o contexto social de um discurso discriminatório, a autora explica que ganha força a ideia de eliminação do estrangeiro. A autora lembra, também, como exemplo, os judeus no holocausto da Segunda Guerra, quando foram tratados como um outro que pode ser eliminado. Na psicanálise - tratada aqui através das considerações de Koltai - o sintoma, ou seja, aquilo que se vê, que é manifesto, se dá no cruzamento da história pessoal com a coletiva. O sintoma é o mesmo que singularidade do sujeito, é o laço e a separação, o conflito e a tensão entre história individual e cultural. Interseção entre o mais íntimo do indivíduo e o discurso universal no qual se inscreve. Então, cabe perguntar: Como isso se daria a nível pessoal? Quando crianças, adolescentes e jovens adultos, aprendemos a fazer a distinção entre um eu e um outro. Nessas passagens, há sempre o enfrentamento dessa diferença, que nos aproxima do sentido do outro como estrangeiro. Anteriormente, existia algo internamente sem uma representação, algo internalizado aos indivíduos em seu processo de socialização; e que agora aparece ao dar o nome de estrangeiro? No final de tudo, dito isso de forma bem simples, só podemos reconhecer que existe um fora, porque existe um dentro. O homem é um ser pleno de possibilidades, contudo, ao delimitar, ou seja, ao escolher, todo o campo de possibilidades reduzir-se-á a uma, a que foi escolhida. Desta forma ficará de fora todo o restante. Assim ao delimitar um território, que é a nação, todo o resto é estrangeiro. Da mesma forma, ao definir o eu todo o resto é o não eu. A partir daí nos aproximamos dos semelhantes e nos afastamos dos diferentes. Em outras palavras amamos os iguais a nos e rechaçamos os diferentes. Dentro dessa lógica, desse raciocínio, o mecanismo que gera o estrangeiro é o mesmo que gera a discriminação e o racismo. (Koltai, 2000, s/p) A partir da indicação da psicanálise, entende-se que mora um certo alguém estrangeiro interno, em cada um de nós, convivendo conosco, na nossa vida mental. Desde então, vivemos com esta inquietação, este sofrimento interior. O processo terapêutico profundo nos familiariza com este estrangeiro que portamos.

9 Procuramos o termo em português. Verificamos no dicionário etimológico que estrangeiro e estranho têm a mesma origem no latim, extraneus, o que nos faz pensar que ante o estrangeiro pode-se ter um estranhamento. Koltai (2000) citando Freud, afirma não haver novidade, nem estrangeridade, mas algo conhecido na vida psíquica, que veio a ser estrangeiro, devido ao recalcamento. Trata-se, no fundo, de um jogo de espelho que me reflete, contudo, não sou eu, é um diferente. Consideramos ser este processo psicológico muito importante e necessário para explicar o rechaço da velhice. Considerações finais O processo de envelhecimento é um fato inexorável. As políticas públicas e serviços não acompanham a demanda. Tal fato penas contribui para o incremento da violência, uma vez que deixa do ônus do cuidado do idoso à família, ou mais precisamente ao cuidador familiar. Vimos que a estrangeiridade explica a gerontofobia, no seu substrato psicossocial. O desconhecido, o estrangeiro, que foi recalcado, reaparece e ameaça a torna-se real. A super potencia do adulto que tudo pode, pode reproduzir e produzir riqueza, revela-se uma quimera ante um corpo que caminha inelutavelmente para morte. Quando ela vira? No seu conjunto, existem dados alarmantes no Ceará sobre a violência dirigida às mulheres velhas. Isso chama a nossa atenção porque elas são alvo, na maioria das velhas, de violência conduzida por pessoas da família, sabendo-se que foram elas as que mais cuidaram das casas e dos filhos; se hoje estes se voltam contra elas, como mães e avós, é porque algo muito sintomático está acontecendo na nossa sociedade, que revela a perda dos laços de solidariedade, respeito e estima, gratidão de devolução de cuidados às mulheres que no passado se dedicaram tanto às suas famílias, já que esta tarefa é tradicionalmente dirigida às mulheres.

10 Nosso problema é indagar, seriamente, o que fazemos entre ser velho e morrer? A educação gerontológica voltada para o idoso, pode abrir caminhos ao desenvolvimento de projetos. E a educação para população em geral mostrando que a velhice é um construto social e histórico; e que, a exemplo dos gregos e outras culturas humanas bem antigas, que depositavam nos velhos a fonte de sabedoria mais alta, podemos assimilar os diferentes. Referências KOLTAI, Caterina. Política e psicanálise: o estrangeiro. São Paulo, Escuta, MANNONI, Octave Freud: introdução à psicanálise. Lisboa-PT: Publicações Europa-América, [s.d.]. MONTEIRO, Evaldo Cavalcante. Se o idoso não é prioridade ele também não é esquecido: a complexidade de envelhecer no Ceará. Dissertação de Mestrado em Gerontologia, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PASINATO, Maria Tereza e outras. Idosos Vítimas de Maus-Tratos Domésticos: Estudo Exploratório das Informações dos Serviços de Denúncia. Trabalho apresentado no XIV Encontro Nacional de Estudos Populacionais, ABEP, realizado em Caxambú- MG/ Brasil, de de Setembro de In: Documentos e Sites: Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo. Série Cadernos Violência e Saúde. Volume 3 - Violência contra a Pessoa Idosa, Cuidar Melhor e Evitar a Violência - Manual do Cuidador da Pessoa Idosa. Tomiko Born (organizadora) Secretaria Especial dos Direitos Humanos, Subsecretaria de Promoção e Defesa dos Direitos Humanos. Brasília, CADERNO DE VIOLÊNCIA CONTRA A PESSOA IDOSA. Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo, In: pdf

VIOLÊNCIA CONTRA IDOSOS. Edinilsa Ramos de Souza CLAVES/ENSP/FIOCRUZ

VIOLÊNCIA CONTRA IDOSOS. Edinilsa Ramos de Souza CLAVES/ENSP/FIOCRUZ VIOLÊNCIA CONTRA IDOSOS Edinilsa Ramos de Souza CLAVES/ENSP/FIOCRUZ O que é Violência contra idosos? É um ato (único ou repetido) ou omissão que lhe cause dano ou aflição e que se produz em qualquer relação

Leia mais

15 de junho: Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa

15 de junho: Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa 15 de junho: Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa O dia 15 de junho marca o Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa. A data foi instituída em 2006,

Leia mais

Violência contra a Pessoa Idosa. Sandra Regina Gomes Fonoaudióloga e Gerontóloga sandra@longevida.com.br

Violência contra a Pessoa Idosa. Sandra Regina Gomes Fonoaudióloga e Gerontóloga sandra@longevida.com.br Violência contra a Pessoa Idosa Sandra Regina Gomes Fonoaudióloga e Gerontóloga sandra@longevida.com.br Violência contra as pessoas idosas: FOTOGRAFIA: THINKSTOCK problema sério e invisível Síntese de

Leia mais

Violência contra a pessoa idosa Discutindo Indicadores Maria Cecília de Souza Minayo

Violência contra a pessoa idosa Discutindo Indicadores Maria Cecília de Souza Minayo Violência contra a pessoa idosa Discutindo Indicadores Maria Cecília de Souza Minayo Marco Referencial Considero o tema Violência Contra Idosos como o avesso dos direitos consagrados do Estatuto da Pessoa

Leia mais

NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS DOS CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS DE VIOLÊNCIAS PRATICADAS CONTRA CRIANÇA E ADOLESCENTE

NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS DOS CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS DE VIOLÊNCIAS PRATICADAS CONTRA CRIANÇA E ADOLESCENTE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS DOS CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS DE VIOLÊNCIAS PRATICADAS CONTRA CRIANÇA E ADOLESCENTE Márcia Regina Ribeiro Teixeira Promotora de Justiça de Salvador Agosto de 2014 VIOLÊNCIA:

Leia mais

QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: CLASSIFIQUE EM VERDADEIRO (V) OU FALSO (F) AS SENTENÇAS ABAIXO:

QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: CLASSIFIQUE EM VERDADEIRO (V) OU FALSO (F) AS SENTENÇAS ABAIXO: QUESTIONÁRIO: VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS NOME: 1. Um tapinha no bumbum não é considerado violência devido ao baixo grau de agressão. 2. A prática sexual com indivíduos menores de 14 anos, com o consentimento

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

SEMANA DO IDOSO 2013

SEMANA DO IDOSO 2013 SEMANA DO IDOSO 2013 Itens para reflexão Experiências anteriores A mobilização em 2013 O envelhecimento nos tempos atuais Idoso sem autonomia Excluído do mercado de trabalho Gera dependência Exclusão das

Leia mais

A violência doméstica é um problema universal que atinge milhares de pessoas, em grande número de vezes de forma silenciosa e dissimuladamente.

A violência doméstica é um problema universal que atinge milhares de pessoas, em grande número de vezes de forma silenciosa e dissimuladamente. A violência doméstica é um problema universal que atinge milhares de pessoas, em grande número de vezes de forma silenciosa e dissimuladamente. Trata-se de um problema que acontece em ambos os sexos e

Leia mais

Prevenção da Violência Contra Idosos Importância da Capacitação dos Profissionais de Saúde

Prevenção da Violência Contra Idosos Importância da Capacitação dos Profissionais de Saúde Prevenção da Violência Contra Idosos Importância da Capacitação dos Profissionais de Saúde I FORUM DE AVALIAÇÃO DA VIOLÊNCIA CONTRA VULNERÁVEIS: IDOSOS E PORTADORES DE TRANSTORNO MENTAL ABM 05.12.2015

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE Equipe LENAD: Ronaldo Laranjeira Clarice Sandi Madruga IlanaPinsky Maria Carmen Viana Divulgação: Maio de 2014. 1. Porque esse estudo é relevante? Segundo a Subsecretaria

Leia mais

1.4 Objeto e Metodologia

1.4 Objeto e Metodologia 1.4 Objeto e Metodologia O objeto a pesquisa cujos dados serão apresentados foi definido juntamente com a SAS- Secretaria de Assistência Social de Presidente Prudente em especial com a equipe do CREAS

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER

VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER A Organização Mundial de Saúde (OMS) define violência como o uso intencional da força física ou do poder, real ou em ameaça, contra si próprio, contra outra pessoa, ou contra

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2-Violência e criança

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2-Violência e criança Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2-Violência e criança Nesta unidade, analisaremos os aspectos específicos referentes

Leia mais

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 2 Violência de gênero Nesta unidade, analisaremos os aspectos específicos referentes

Leia mais

Tipos de violência contra o idoso

Tipos de violência contra o idoso VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO: FREQUÊNCIA E PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO DE VÍTIMAS E ACUSADOS EM PROCEDIMENTOS NO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Alba Apolinario 1, Juliana Rosas 3, Valeska Marinho

Leia mais

Equipe: Ronaldo Laranjeira Helena Sakiyama Maria de Fátima Rato Padin Sandro Mitsuhiro Clarice Sandi Madruga

Equipe: Ronaldo Laranjeira Helena Sakiyama Maria de Fátima Rato Padin Sandro Mitsuhiro Clarice Sandi Madruga Equipe: Ronaldo Laranjeira Helena Sakiyama Maria de Fátima Rato Padin Sandro Mitsuhiro Clarice Sandi Madruga 1. Por que este estudo é relevante? Segundo o relatório sobre a Carga Global das Doenças (Global

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a).

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). 1 Ofício nº 01/2015 - CDS - OAB/BLUMENAU Aos(as) Excelentíssimos(as) Vereadores(as) de Blumenau. Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). Conforme se denota do sítio eletrônico,

Leia mais

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência?

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Dados preliminares do sistema de informações de mortalidade do Ministério da Saúde de

Leia mais

Ser humano, sociedade e cultura

Ser humano, sociedade e cultura Ser humano, sociedade e cultura O ser humano somente vive em sociedade! Isolado nenhuma pessoa é capaz de sobreviver. Somos dependentes uns dos outros,e por isso, o ser humano se organiza em sociedade

Leia mais

ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL

ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL O processo de envelhecimento e a velhice devem ser considerados como parte integrante do ciclo de vida. Ao longo dos tempos, o conceito de envelhecimento e as

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO. NÚCLEO DE DEFESA DO IDOSO E PESSOA COM DEFICIÊNCIA ALEXANDRE DE OLIVEIRA ALCÂNTARA

REFLEXÕES SOBRE A VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO. NÚCLEO DE DEFESA DO IDOSO E PESSOA COM DEFICIÊNCIA ALEXANDRE DE OLIVEIRA ALCÂNTARA REFLEXÕES SOBRE A VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO. NÚCLEO DE DEFESA DO IDOSO E PESSOA COM DEFICIÊNCIA ALEXANDRE DE OLIVEIRA ALCÂNTARA FORTALEZA, 17 de junho de 2011. VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO PESQUISA: Violência

Leia mais

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008

Pacto Europeu. para a Saúde. Conferência de alto nível da ue. Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Pacto Europeu para a Saúde Mental e o Bem-Estar Conferência de alto nível da ue JUNTOS PELA SAÚDE MENTAL E PELO BEM-ESTAR Bruxelas, 12-13 de junho de 2008 Slovensko predsedstvo EU 2008 Slovenian Presidency

Leia mais

(1979) Convenção Sobre Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher CEDAW

(1979) Convenção Sobre Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher CEDAW (1979) Convenção Sobre Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher CEDAW (1994) Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência Contra a Mulher (Convenção de Belém

Leia mais

I Seminário. Estadual de enfrentamento ao CRACK. O papel da família no contexto da prevenção e do enfrentamento aos problemas decorrentes do CRACK

I Seminário. Estadual de enfrentamento ao CRACK. O papel da família no contexto da prevenção e do enfrentamento aos problemas decorrentes do CRACK O papel da família no contexto da prevenção e do enfrentamento aos problemas decorrentes do CRACK Contextualização Social Economia Capitalista Transformações sociais Alterações nos padrões de comportamento

Leia mais

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 2 TODOS SÃO IGUAIS PERANTE A LEI* *Artigo 5º da Constituição Brasileira

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº de de 2015.

PROJETO DE LEI Nº de de 2015. PROJETO DE LEI Nº de de 2015. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL PARA O SISTEMA INTEGRADO DE INFORMAÇÕES DE VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO NO ESTADO DE GOIÁS, DENOMINADO OBSERVATÓRIO ESTADUAL DA VIOLÊNCIA CONTRA O

Leia mais

Acupuntura: a escuta das dores subjetivas

Acupuntura: a escuta das dores subjetivas 38 Acupuntura: a escuta das dores subjetivas Simone Spadafora A maior longevidade expõe os seres vivos por mais tempo aos fatores de risco, resultando em maior possibilidade de desencadeamento de doenças

Leia mais

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias Daiana de Aquino Hilario Machado * RESUMO: Neste artigo estaremos discutindo sobre as repercussões do envelhecimento

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL Relatório Analítico PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL PESQUISA SOBRE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER DATASENADO SECS PESQUISA SOBRE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER Há dois anos, o DataSenado

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

Proteção Social Básica

Proteção Social Básica Proteção Social Básica Proteção Social Básica A Proteção Social Básica (PSB) atua na prevenção dos riscos por meio do desenvolvimento de potencialidades e do fortalecimento de vínculos familiares e comunitários

Leia mais

Do Latim civitas = condição ou direitos de cidadão ; de cives = homem que vive em cidade ; urbes = área urbanizada; Do Grego polis = cidade-estado;

Do Latim civitas = condição ou direitos de cidadão ; de cives = homem que vive em cidade ; urbes = área urbanizada; Do Grego polis = cidade-estado; Do Latim civitas = condição ou direitos de cidadão ; de cives = homem que vive em cidade ; urbes = área urbanizada; Do Grego polis = cidade-estado; Utiliza-se para designar uma dada entidade políticoadministrativa;

Leia mais

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 1 Introdução

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 1 Introdução Universidade do Estado do Rio de Janeiro Vice-Reitoria Curso de Abordagem da Violência na Atenção Domiciliar Unidade 1 Introdução Em Introdução, veremos os conceitos gerais referentes à violência, sua

Leia mais

Segunda-feira, 03.10.11

Segunda-feira, 03.10.11 Segunda-feira, 03.10.11 Veja os destaques de hoje e do fim de semana: 1. Dia do Idoso 2. OVG doa lençóis para unidades de saúde Jornal O Popular - 01.10.11 Dia do Idoso Realidade é de maus-tratos, violência

Leia mais

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades 1 Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades A Comissão Nacional da Questão da Mulher Trabalhadora da CUT existe desde 1986. Neste período houve muitos avanços na organização das

Leia mais

Atuação do psicólogo na Assistência Social. Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia

Atuação do psicólogo na Assistência Social. Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia Atuação do psicólogo na Assistência Social Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia Concepção de Assistência Social Assistência social direito social e dever estatal Marco legal: Constituição

Leia mais

Doutoranda: Vera Lúcia de Azevedo Lima (UFPA) Orientadora: Dra. Maria de Lourdes de Souza (UFSC)

Doutoranda: Vera Lúcia de Azevedo Lima (UFPA) Orientadora: Dra. Maria de Lourdes de Souza (UFSC) UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PROGRAMA DE DOUTORADO INTERINSTITUCIONAL EM ENFERMAGEM - UFSC/UFPA/CAPES ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: FILOSOFIA, SAÚDE E SOCIEDADE Doutoranda:

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I TEXTO I Igualdade de Gênero no Enfrentamento à Violência Contra a Mulher As desigualdades são sentidas de formas diferentes pelas pessoas dependendo do seu envolvimento com a questão. As mulheres sentem

Leia mais

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende *

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado é a expressão da participação da sociedade na vida pública mais significativa da atualidade. Os movimentos de participação

Leia mais

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS PAPÉIS E COMPETÊNCIAS O SERVIÇO PSICOSSOCIAL NO CREAS... O atendimento psicossocial no serviço é efetuar e garantir o atendimento especializado (brasil,2006). Os profissionais envolvidos no atendimento

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

Considerações. Acesso à Pesquisa: www.fpa.org.br/area/pesquisaidosos www.sescsp.org.br

Considerações. Acesso à Pesquisa: www.fpa.org.br/area/pesquisaidosos www.sescsp.org.br IDOSOS NO BRASIL: Vivências, Desafios e Expectativas na 3 a. Idade Pesquisa realizada pela Fundação Perseu Abramo em parceria com SESC Nacional e SESC São Paulo Considerações Para viabilizar a pesquisa

Leia mais

www.senado.leg.br/datasenado

www.senado.leg.br/datasenado www.senado.leg.br/datasenado Lei Maria da Penha completa 9 Promulgada em 2006, a Lei Maria da Penha busca garantir direitos da mulher, além da prevenção e punição de casos de violência doméstica e familiar.

Leia mais

CARACTERÍSTICAS SOCIODEMOGRÁFICAS DE IDOSAS. UM OLHAR PARA VIÇOSA, MINAS GERAIS, BRASIL

CARACTERÍSTICAS SOCIODEMOGRÁFICAS DE IDOSAS. UM OLHAR PARA VIÇOSA, MINAS GERAIS, BRASIL CARACTERÍSTICAS SOCIODEMOGRÁFICAS DE IDOSAS. UM OLHAR PARA VIÇOSA, MINAS GERAIS, BRASIL Nubia C. Freitas - UFV nubia.freitas@ufv.br Estela S. Fonseca UFV estela.fonseca@ufv.br Alessandra V. Almeida UFV

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola Autora: CAMILA SOUZA VIEIRA Introdução A presente pesquisa tem como temática Educação física para Portadores

Leia mais

SERVIÇO DE ACOLHIMENTO INSTITUCONAL

SERVIÇO DE ACOLHIMENTO INSTITUCONAL SERVIÇO DE ACOLHIMENTO INSTITUCONAL Abrigo Casa lar Casa de passagem Beatriz Guimarães Bernardeth Gondim Cláudia Souza A PNAS Situando o acolhimento institucional e familiar Proteção Básica Proteção Especial

Leia mais

Idosos Vítimas de Maus-Tratos Domésticos: Estudo Exploratório das Informações dos Serviços de Denúncia

Idosos Vítimas de Maus-Tratos Domésticos: Estudo Exploratório das Informações dos Serviços de Denúncia Idosos Vítimas de Maus-Tratos Domésticos: Estudo Exploratório das Informações dos Serviços de Denúncia Maria Tereza Pasinato Ana Amélia Camarano Laura Machado Palavras-chave: Envelhecimento populacional,

Leia mais

DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB

DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB (ASFORA, R. V. S.) - Raphaella Viana Silva Asfora/Autora ¹ Escola Superior da Magistratura

Leia mais

SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, JURÍDICA E DE ESTUDOS SOBRE A PESSOA IDOSA

SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, JURÍDICA E DE ESTUDOS SOBRE A PESSOA IDOSA 110. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( x ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA SALA DE ESPERA DIREITOS DOS IDOSOS: SUBPROJETO DO NÚCLEO

Leia mais

SAÚDE DA FAMÍLIA E VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER: UM DESAFIO PARA A SAÚDE PUBLICA DE UM MUNICIPIO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Brasil

SAÚDE DA FAMÍLIA E VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER: UM DESAFIO PARA A SAÚDE PUBLICA DE UM MUNICIPIO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Brasil ID 1676 SAÚDE DA FAMÍLIA E VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER: UM DESAFIO PARA A SAÚDE PUBLICA DE UM MUNICIPIO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Brasil Dutra, Laís; Eugênio, Flávia; Camargo, Aline; Ferreira

Leia mais

Abuso Sexual Contra Crianças e Adolescentes

Abuso Sexual Contra Crianças e Adolescentes Abuso Sexual Contra Crianças e Adolescentes Direitos Sexuais de Crianças e Adolescentes Direitos sexuais são direitos humanos universais; Baseiam-se no direito à liberdade, à dignidade e à igualdade para

Leia mais

QUERIDO(A) ALUNO(A),

QUERIDO(A) ALUNO(A), LANÇADA EM 15 MAIO DE 2008, A CAMPANHA PROTEJA NOSSAS CRIANÇAS É UMA DAS MAIORES MOBILIZAÇÕES PERMANENTES JÁ REALIZADAS NO PAÍS, COM FOCO NO COMBATE À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E À EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS

Leia mais

Redes Intersetoriais no Campo da Saúde Mental Infanto-Juvenil

Redes Intersetoriais no Campo da Saúde Mental Infanto-Juvenil Redes Intersetoriais no Campo da Saúde Mental Infanto-Juvenil Cintia Santos Nery dos Anjos 1 O tema deste estudo refere-se a operacionalização da intersetorialidade no campo da Saúde Mental Infanto-Juvenil

Leia mais

Prof. MS. Ellen H. Magedanz

Prof. MS. Ellen H. Magedanz Prof. MS. Ellen H. Magedanz As transformações nos padrões de saúde/doença constituíram-se em uma das características do último século, estão associadas às mudanças na estrutura etária populacional. América

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DAS CRIANÇAS. UNICEF 20 de Novembro de 1959 AS CRIANÇAS TÊM DIREITOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DAS CRIANÇAS. UNICEF 20 de Novembro de 1959 AS CRIANÇAS TÊM DIREITOS DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DAS CRIANÇAS UNICEF 20 de Novembro de 1959 AS CRIANÇAS TÊM DIREITOS DIREITO À IGUALDADE, SEM DISTINÇÃO DE RAÇA RELIGIÃO OU NACIONALIDADE Princípio I - A criança desfrutará

Leia mais

Compromisso para IPSS Amigas do Envelhecimento Ativo CONFEDERAÇÃO NACIONAL INSTITUIÇÕES DE SOLIDARIEDADE

Compromisso para IPSS Amigas do Envelhecimento Ativo CONFEDERAÇÃO NACIONAL INSTITUIÇÕES DE SOLIDARIEDADE 2014 Compromisso para IPSS Amigas do Envelhecimento Ativo CONFEDERAÇÃO NACIONAL INSTITUIÇÕES DE SOLIDARIEDADE MANIFESTO E COMPROMISSO DA CNIS IPSS AMIGAS DO ENVELHECIMENTO ATIVO As modificações significativas

Leia mais

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Karina Balduino Leite e Rivadavio Anadão de Oliveira Guassú Maria da Penha foi uma entre as incontáveis vítimas de violência doméstica espalhadas pelo planeta.

Leia mais

Curso: Reflexões sobre o papel dos conselhos estadual e municipais do idoso

Curso: Reflexões sobre o papel dos conselhos estadual e municipais do idoso Curso: Reflexões sobre o papel dos conselhos estadual e municipais do idoso Novembro de 2014 Apoio: A Garantia de Proteção Integral da Pessoa Idosa e a Fiscalização das ILPIS Cláudia Maria Beré Promotora

Leia mais

Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres

Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres META 3 Eliminar as disparidades entre os sexos no ensino fundamental e médio, se possível, até 2005, e em todos os níveis de ensino, o mais

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

Curso de Capacitação em Bullying

Curso de Capacitação em Bullying Curso de Capacitação em Bullying Segundo pesquisa do Instituto Cidadania e da Fundação Perseu Abramo, a violência é o tema que mais preocupa os brasileiros entre 15 e 24 anos (55% do total), à frente de

Leia mais

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS Cristiane Cinat Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP - Franca cricriblue@hotmail.com Introdução

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA IDOSOS: produção científica em periódicos online RESUMO

VIOLÊNCIA CONTRA IDOSOS: produção científica em periódicos online RESUMO VIOLÊNCIA CONTRA IDOSOS: produção científica em periódicos online Natalia Leite Pedrosa (ufpb) Débora Cristina Alves Barros (ufpb) Kelma Rayanne Santos Moura (ufpb) Leila de Cássia Tavares da Fonsêca (ufpb)

Leia mais

Conceituando a violência

Conceituando a violência Conceituando a violência A Organização Mundial da Saúde (OMS) define a Violência como o uso de força física ou poder, em ameaça ou na prática, contra si próprio, outra pessoa ou contra um grupo ou comunidade

Leia mais

Carla Ribeirinho. Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias

Carla Ribeirinho. Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias Carla Ribeirinho Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias Lisboa, 10 de Maio de 2012 Desafios e oportunidades Crescimento em massa da população idosa. Adopção de medidas que visem minorar situações

Leia mais

Fundamentos Socioculturais e Diversidades

Fundamentos Socioculturais e Diversidades NATURALIZAÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Fundamentos Socioculturais e Diversidades MÓDULO III Prof.: MSc. Getulio Ribeiro Histórias da Infância e do Mundo Adulto Da Infância à Melhor Idade

Leia mais

FALANDO ABERTAMENTE SOBRE SUICÍDIO

FALANDO ABERTAMENTE SOBRE SUICÍDIO FALANDO ABERTAMENTE SOBRE SUICÍDIO MOMENTO DE DERRUBAR TABUS As razões podem ser bem diferentes, porém muito mais gente do que se imagina já teve uma intenção em comum. Segundo estudo realizado pela Unicamp,

Leia mais

GALBA TACIANA SARMENTO VIEIRA

GALBA TACIANA SARMENTO VIEIRA GALBA TACIANA SARMENTO VIEIRA No Brasil, a questão do combate ao uso de drogas teve início na primeira metade do século XX, nos governos de Eptácio Pessôa e Getúlio Vargas; A primeira regulamentação sobre

Leia mais

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO Maria Salete da Silva Josiane dos Santos O Programa Assistência Sócio-Jurídica, extensão do Departamento de Serviço Social, funciona no Núcleo

Leia mais

do Idoso Portaria 104/2011

do Idoso Portaria 104/2011 DEVER DE NOTIFICAR- do Idoso Portaria 104/2011 Lei 6.259/75l Lei 10.778/03, ECA, Estatuto n Médicos n Enfermeiros n Odontólogos n Biólogos n Biomédicos n Farmacêuticos n Responsáveis por organizações e

Leia mais

O direito humano ao envelhecimento e o impacto nas políticas públicas

O direito humano ao envelhecimento e o impacto nas políticas públicas Seminário Nacional Envelhecimento e Subjetividade: Desafios para uma cultura de compromisso social O direito humano ao envelhecimento e o impacto nas políticas públicas Comunicação: instrumento de formação

Leia mais

A SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES AS AÇÕES SÃO DESENVOLVIDAS POR QUATRO ÁREAS ESTRATÉGICAS:

A SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES AS AÇÕES SÃO DESENVOLVIDAS POR QUATRO ÁREAS ESTRATÉGICAS: O QUE É QUE FAZ A SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES A Prefeitura de São Paulo, em maio de 2013, seguindo a política implementada nacionalmente e atendendo uma reivindicação histórica do movimento

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Serviço Social 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Serviço Social 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Serviço Social 2011-2 A INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NO PROGRAMA PROJOVEM URBANO Alunos: VARGAS,

Leia mais

NEGLIGÊNCIA COM O IDOSO, MAUS TRATOS EM DOMICÍLIO: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA

NEGLIGÊNCIA COM O IDOSO, MAUS TRATOS EM DOMICÍLIO: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA ETEC PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA CURSO TÉCNICO EM AGENTE COMUNITARIO DE SAUDE CAMILA NOBRE GUARSONI CATIA CRISTIANE SARTORI DENISE APARECIDA FERNANDES

Leia mais

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Josefa Adelaide Clementino Leite 1 Maria de Fátima Melo do Nascimento 2 Waleska Ramalho Ribeiro 3 RESUMO O direito à proteção social

Leia mais

OS SEVIÇOS DE ATENÇÃO À VIOLÊNCIA CONTRA IDOSO: O CIAPVI DE MANAUS

OS SEVIÇOS DE ATENÇÃO À VIOLÊNCIA CONTRA IDOSO: O CIAPVI DE MANAUS OS SEVIÇOS DE ATENÇÃO À VIOLÊNCIA CONTRA IDOSO: O CIAPVI DE MANAUS Ana Paula de S. Oliveira - Doutoranda do Programa de Pós-Graduação Sociedade e Cultura na Amazônia Universidade Federal do Amazonas. E-mail:

Leia mais

Orientação para Aposentadoria. Donália Cândida Nobre Assistente Social Suzana Pacheco F. de Melo Psicóloga

Orientação para Aposentadoria. Donália Cândida Nobre Assistente Social Suzana Pacheco F. de Melo Psicóloga Orientação para Aposentadoria Donália Cândida Nobre Assistente Social Suzana Pacheco F. de Melo Psicóloga Orientação para aposentadoria Entendendo a saúde na definição da Organização Mundial da Saúde:

Leia mais

III Simpósio Nacional Desafios do Profissional de Serviço Social

III Simpósio Nacional Desafios do Profissional de Serviço Social III Simpósio Nacional Desafios do Profissional de Serviço Social Porto, 12 de Fevereiro de 2009 A Importância da Inserção dos Técnicos de Serviço Social nas Escolas Miguel Ângelo F. M. Valério Trabalhador

Leia mais

Informações práticas para denunciar crimes raciais

Informações práticas para denunciar crimes raciais Informações práticas para denunciar crimes raciais O que é racismo? Racismo é tratar alguém de forma diferente (e inferior) por causa de sua cor, raça, etnia, religião ou procedência nacional. Para se

Leia mais

Palestrante: Silvana Ferreira Fernandes silvanaff@yahoo.com.br Psicopedagoga e Neuropedagoga

Palestrante: Silvana Ferreira Fernandes silvanaff@yahoo.com.br Psicopedagoga e Neuropedagoga Palestrante: Silvana Ferreira Fernandes silvanaff@yahoo.com.br Psicopedagoga e Neuropedagoga CONTRA MULHERES, CRIANÇAS E IDOSOS CONCEITO DE VIOLÊNCIA A violência é um fenômeno polissêmico e complexo que

Leia mais

25/03/2009. Violência Dirigida aos Enfermeiros no Local de Trabalho

25/03/2009. Violência Dirigida aos Enfermeiros no Local de Trabalho 25/03/2009 Violência Dirigida aos Enfermeiros no Local de Trabalho Violência Dirigida aos Enfermeiros no Local de Trabalho: O Caso de um Hospital Sandrina Nunes Violência no Sector da Saúde Ilustração

Leia mais

Ações Socioeducativas

Ações Socioeducativas AÇÕES SOCIOEDUCATIVAS NA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Assistência Social Ações Socioeducativas Garantia dos direitos Inclusão social Desenvolvimento do protagonismo Desenvolvimento da autonomia individual

Leia mais

Como proceder à notificação e para onde encaminhá-la?

Como proceder à notificação e para onde encaminhá-la? Se a família não quiser ou não puder assumir a notificação, o educador deverá informar a família que, por força da lei, terá que notificar o fato aos órgãos competentes. Como proceder à notificação e para

Leia mais

O PAPEL DAS ORGANIZAÇÕES SOCIAIS VOLTADAS PARA A DEFESA DE DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NA EDUCAÇÃO

O PAPEL DAS ORGANIZAÇÕES SOCIAIS VOLTADAS PARA A DEFESA DE DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NA EDUCAÇÃO O PAPEL DAS ORGANIZAÇÕES SOCIAIS VOLTADAS PARA A DEFESA DE DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NA EDUCAÇÃO Soraya Hissa Hojrom de Siqueira Diretora da Superintendência de Modalidades e Temáticas

Leia mais

Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações

Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações M ensagens que devem permanecer A pobreza não se combate apenas com caridade ou medidas de emergência. Queremos que a situação melhore

Leia mais

EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL

EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL Proposta I Fomentar a criação de grêmios estudantis, fóruns de juventude, diretórios centrais de estudantes,

Leia mais

Como Ultrapassar as Barreiras para Implantação de Testagem

Como Ultrapassar as Barreiras para Implantação de Testagem ELETROBRAS TERMONUCLEAR S.A. Diretoria de Administração e Finanças DA Superintendência de Recursos Humanos SH.A Gerência de Desenvolvimento e Capacitação- GDC.A Como Ultrapassar as Barreiras para Implantação

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Ações Inclusivas de Sucesso Belo Horizonte 24 a 28 de maio de 2004 Realização: Pró-reitoria de Extensão

Leia mais

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA: Passar do Discurso para a Ação Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 1º Fórum de Ideias - Cambridge University Press

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA Área Temática: Direitos Humanos e Justiça Liza Holzmann (Coordenadora da Ação de Extensão) Liza Holzmann 1 Palavras Chave:

Leia mais

Especificidades das mortes violentas no Brasil e suas lições. Maria Cecília de Souza Minayo

Especificidades das mortes violentas no Brasil e suas lições. Maria Cecília de Souza Minayo Especificidades das mortes violentas no Brasil e suas lições Maria Cecília de Souza Minayo 1ª. característica: elevadas e crescentes taxas de homicídios nos últimos 25 anos Persistência das causas externas

Leia mais