RN 006/2002. Programa de Estímulo à Fixação de Recursos Humanos de Interesse dos Fundos Setoriais - PROSET

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RN 006/2002. Programa de Estímulo à Fixação de Recursos Humanos de Interesse dos Fundos Setoriais - PROSET"

Transcrição

1 Revogada Pela RN-028/07 RN 006/2002 Programa de Estímulo à Fixação de Recursos Humanos de Interesse dos Fundos Setoriais - PROSET O Presidente do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - CNPq, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo Estatuto aprovado pelo Decreto n 3.567, de 17/08/2000, Resolve Estabelecer instrumentos de fomento adequados à implementação do Programa de Estímulo à Fixação de Recursos Humanos de Interesse dos Fundos Setoriais - PROSET. 1. Objetivo Estimular a fixação no país de recursos humanos com destacado desempenho acadêmico e/ou reconhecida competência profissional em áreas vinculadas aos Fundos Setoriais, para atuação preferencialmente, em regiões consideradas mais carentes. 2. Clientela a) Doutor com experiência na execução de projetos científico-tecnológicos, com trabalhos considerados de relevância em área de atuação vinculada aos Fundos Setoriais. b) Mestre com experiência na execução de projetos científico-tecnológicos ou participação em projetos considerados de relevância em área de atuação vinculada aos Fundos Setoriais. c) Técnico qualificado com experiência mínima de 2 (dois) anos na implementação de processos gerenciais ou participação na execução de atividades em projetos de ciência, tecnologia e inovação - CT&I. 3. Requisitos Os candidatos deverão atender aos seguintes requisitos: Doutores e Mestres a) comprovar a titulação de doutor ou de mestre; b) ser indicado pelo dirigente da instituição interessada; c) não possuir vínculo empregatício com instituições nacionais Técnicos a) comprovar titulação de graduação ou de conclusão de curso tecnológico ou de técnico de nível médio;

2 b) ser indicado pelo dirigente da instituição solicitante; c) não possuir vínculo empregatício com instituições nacionais. 4. Instituições Usuárias a) Instituição de Ensino Superior pública ou privada; b) Instituto de Pesquisa científica e tecnológica federal ou estadual; c) Empresa pública ou privada de pesquisa e desenvolvimento ou com capacidade de executar atividades de ciência, tecnologia e inovação - CT&I; d) Micro e pequena empresa, de acordo com a Lei n 9.841/99; e) Empresas privadas produtoras de bens e prestadoras de serviços relacionados com a cadeia produtiva do Fundo Setorial específico e atuando em território nacional. 5. Temas Prioritários Os temas prioritários a serem contemplados pelo PROSET serão definidos, periodicamente, pelos Comitês Gestores de cada Fundo Setorial. 6. Duração do Apoio Para os Estados das Regiões Norte, Nordeste, Centro-Oeste e Estado do Espírito Santo: - vigência inicial de 24 (vinte e quatro) meses, renovável por três períodos consecutivos de 12 (doze) meses Para os Estados das Regiões Sul, Sudeste e Distrito Federal: - vigência inicial de 24 (vinte e quatro) meses, renovável por dois períodos consecutivos de 12 (doze) meses. 7. Formas de Apoio Para os Estados das Regiões Norte, Nordeste, Centro-Oeste e Estado do Espírito Santo: Para Doutores candidatos à atuação em instituição de ensino superior e de pesquisa científica e tecnológica federal ou estadual, empresas públicas de pesquisa e desenvolvimento, bem como micro e pequenas empresas (de acordo com a Lei n 9.841/99): b) auxílio inicial à pesquisa nas seguintes etapas: - quando da concessão da bolsa, auxílio no valor de até R$ ,00 (vinte mil reais), do qual uma parcela de até 10% (dez por cento) poderá ser utilizada para a instalação do bolsista; - quando da primeira renovação, auxílio no valor de até R$ ,00 (dez mil reais); - quando da segunda renovação, auxílio no valor de até R$ 5.000,00 (cinco mil reais);

3 c) auxílio-moradia no valor mensal de R$ 700,00 (setecentos reais) durante o prazo de vigência da bolsa; d) passagem aérea e/ou terrestre do domicílio atual até a cidade da instituição em que atuará no Brasil; e) quota de 2 (duas) bolsas de Iniciação Tecnológica Industrial - ITI por 24 (vinte e quatro) meses, renovável por três períodos consecutivos de 12 (doze) meses, caso solicitada pelo candidato e recomendada por f) quota de 01 (uma) bolsa de Apoio Técnico - AT por 24 (vinte e quatro) meses, renovável por três períodos consecutivos de 12 (doze) meses, caso solicitado pelo candidato e recomendada por g) seguro-saúde correspondente a uma mensalidade da bolsa, a cada ano, visando à contratação de seguradora Para Mestres candidatos à atuação em instituição de ensino superior e de pesquisa científica e tecnológica federal ou estadual, empresas públicas de pesquisa e desenvolvimento, bem como micro e pequenas empresas (de acordo com a Lei n 9.841/99): b) auxílio inicial à pesquisa nas seguintes etapas: - quando da concessão da bolsa, auxílio no valor de até R$ ,00 (doze mil reais), do qual uma parcela de até 10 % (dez por cento) poderá ser utilizada na instalação do bolsista; - quando da primeira renovação, auxílio no valor de até R$ 6.000,00 (seis mil reais); - quando da segunda renovação, auxílio no valor de até R$ 3.000,00 (três mil reais); c) auxílio-moradia no valor mensal de R$ 700,00 (setecentos reais) durante o prazo de vigência da bolsa; d) passagem aérea e/ou terrestre do domicílio atual até a cidade da instituição em que atuará no Brasil; e) quota de 01 (uma) bolsa de Iniciação Tecnológica Industrial - ITI por 24 (vinte e quatro) meses, renovável por três períodos consecutivos de 12 (doze) meses, caso solicitados pelo candidato e recomendada por f) quota de 01 (uma) bolsa de Apoio Técnico - AT por 24 (vinte e quatro) meses, renovável por três períodos consecutivos de 12 (doze) meses, caso solicitado pelo candidato e recomendada por g) seguro-saúde correspondente a uma mensalidade da bolsa, a cada ano, visando à contratação de seguradora Para Técnicos experientes candidatos à atuação em projetos de CT&I desenvolvidos em instituição de ensino superior e de pesquisa científica e tecnológica federal ou estadual, empresas públicas de pesquisa e desenvolvimento, bem como micro e pequenas empresas (de acordo com a Lei n 9.841/99): b) auxílio-moradia no valor mensal de R$ 700,00 (setecentos reais) durante o prazo de vigência da bolsa; c) passagem aérea e/ou terrestre até a cidade da instituição em que atuará;

4 d) seguro-saúde correspondente a uma mensalidade da bolsa, visando à contratação de seguradora Para Doutores candidatos à atuação em instituição privada de ensino superior ou em empresa privada produtora de bens e prestadora de serviços atuando em território nacional: b) Auxílio à pesquisa nas seguintes etapas: - quando da concessão da bolsa, auxílio no valor de até R$ ,00 (dez mil reais), condicionado ao aporte, pela instituição, de igual valor para o projeto de pesquisa. Uma parcela de até 10 % (dez por cento) do auxílio concedido pelo CNPq poderá ser utilizada na instalação do bolsista; - quando da primeira renovação, auxílio no valor de até R$ 5.000,00 (cinco mil reais), condicionado ao aporte pela instituição de igual valor para o projeto de pesquisa; - quando da segunda renovação, auxílio no valor de até R$ 2.500,00 (dois mil e quinhentos reais) condicionados ao aporte pela instituição de igual valor para o projeto de pesquisa; c) passagem aérea e/ou terrestre do domicílio atual até a cidade onde está situada a instituição em d) quota de 2 (duas) bolsas de Iniciação Tecnológica Industrial - ITI por 24 (vinte e quatro) meses, renovável por três períodos consecutivos de 12 (doze) meses, caso solicitados pelo candidato e recomendada por e) quota de 01 (uma) bolsa de Apoio Técnico - AT por 24 (vinte e quatro) meses, renovável por três períodos consecutivos de 12 (doze) meses, caso solicitado pelo candidato e recomendada por f) Auxílio-moradia mensal no valor de R$ 700,00 (setecentos reais), a ser pago pela instituição durante o prazo de vigência da bolsa; g) seguro-saúde anual, a ser pago pela instituição A liberação pelo CNPq das mensalidades da bolsa do pesquisador fica condicionada ao efetivo repasse dos recursos de contrapartida da instituição privada referentes aos itens " f " e "g", bem como a complementação do item "b" Para Mestres, candidatos à atuação em instituição privada de ensino superior ou em empresa privada produtora de bens e prestadora de serviços atuando em território nacional: b) auxílio à pesquisa nas seguintes etapas: - quando da concessão da bolsa, auxílio no valor de até R$ 6.000,00 (seis mil reais), condicionado ao aporte, pela empresa, de igual valor para o projeto de pesquisa. Uma parcela de até 10% (dez por cento) do auxílio concedido pelo CNPq poderá ser utilizada na instalação do bolsista; - quando da primeira renovação, auxílio no valor de até R$ 3.000,00 (três mil reais), condicionado ao aporte pela instituição de igual valor para o projeto de pesquisa; - quando da segunda renovação, auxílio no valor de até R$ 1.500,00 (um mil e quinhentos reais) condicionados ao aporte pela instituição de igual valor para o projeto de pesquisa.

5 c) passagem aérea e/ou terrestre do domicílio atual até a cidade onde está situada a instituição em d) quota de 01 (uma) bolsa de Iniciação Tecnológica Industrial - ITI por 24 (vinte e quatro) meses, renovável por três períodos consecutivos de 12 (doze) meses, caso solicitados pelo candidato e recomendada por e) quota de 01 (uma) bolsa de Apoio Técnico - AT por 24 (vinte e quatro) meses, renovável por três períodos consecutivos de 12 (doze) meses, caso solicitada pelo candidato e recomendada por f) auxílio-moradia mensal no valor de R$ 700,00 (setecentos reais), a ser pago pela instituição durante o prazo de vigência da bolsa; g) seguro-saúde anual, a ser pago pela instituição A liberação pelo CNPq das mensalidades da bolsa do pesquisador fica condicionada ao efetivo repasse dos recursos de contrapartida da instituição privada referentes aos itens " f " e " g ", bem como a complementação do item " b " Para Técnicos experientes candidatos à atuação em projetos de CT&I desenvolvidos em instituição privada ensino superior ou em empresa privada produtora de bens e prestadora de serviços atuando em território nacional: b) passagem aérea e/ou terrestre do domicílio atual até a cidade onde está situada a instituição em c) auxílio-moradia mensal no valor de R$ 700,00 (setecentos reais) durante o prazo de vigência da bolsa, a ser pago pela instituição; d) seguro-saúde anual, a ser pago pela instituição A liberação pelo CNPq das mensalidades da bolsa fica condicionada ao efetivo repasse dos recursos de contrapartida da instituição privada referente aos itens "c" e " d " Para os Estados das Regiões Sul, Sudeste e Distrito Federal Para Doutores candidatos à atuação em instituição de ensino superior e de pesquisa científica e tecnológica federal ou estadual, empresas públicas de pesquisa e desenvolvimento, bem como micro e pequenas empresas (de acordo com a Lei n 9.841/99): b) auxílio inicial à pesquisa nas seguintes etapas: - quando da concessão da bolsa, auxílio no valor de até R$ ,00 (vinte mil reais), do qual uma parcela de até 10% (dez por cento) poderá ser utilizada na instalação do bolsista; - quando da primeira renovação, auxílio no valor de até R$ ,00 (dez mil reais); - quando da segunda renovação, auxílio no valor de até R$ 5.000,00 (cinco mil reais); c) passagem aérea e/ou terrestre do domicílio atual até a cidade da instituição em que atuará no Brasil; d) quota de 2 (duas) bolsas de Iniciação Tecnológica Industrial - ITI por 24 (vinte e quatro) meses, renovável por dois períodos consecutivos de 12 (doze) meses, caso solicitada pelo candidato e

6 recomendada por e) quota de 01 (uma) bolsa de Apoio Técnico - AT por 24 (vinte e quatro) meses, renovável por dois períodos consecutivos de 12 (doze) meses, caso solicitado pelo candidato e recomendada por f) seguro-saúde correspondente a uma mensalidade da bolsa, a cada ano, visando à contratação de seguradora Para Mestres candidatos à atuação em instituição de ensino superior e de pesquisas científica e tecnológica federal ou estadual, empresas públicas de pesquisa e desenvolvimento, bem como micro e pequenas empresas (de acordo com a Lei n 9.841/99): b) Auxílio inicial à pesquisa nas seguintes etapas: - quando da concessão da bolsa, auxílio no valor de até R$ ,00 (doze mil reais), do qual uma parcela de até 10% (dez por cento) poderá ser utilizada na instalação do bolsista; - quando da primeira renovação, auxílio no valor de até R$ 6.000,00 (seis mil reais); - quando da segunda renovação, auxílio no valor de até R$ 3.000,00 (três mil reais); c) passagem aérea e/ou terrestre do domicílio atual até a cidade da instituição em que atuará no Brasil; d) quota de 01 (uma) bolsa de Iniciação Tecnológica Industrial - ITI por 24 (vinte e quatro) meses, renovável por dois períodos consecutivos de 12 (doze) meses, caso solicitados pelo candidato e recomendada por e) quota de 01 (uma) bolsa de Apoio Técnico - AT por 24 (vinte e quatro) meses, renovável por dois períodos consecutivos de 12 (doze) meses, caso solicitado pelo candidato e recomendada por f) seguro-saúde correspondente a uma mensalidade da bolsa, visando à contratação de seguradora Para Técnicos experientes candidatos à atuação em projetos de CT&I desenvolvidos em instituição de ensino superior e de pesquisas científica e tecnológica federal ou estadual, empresas públicas de pesquisa e desenvolvimento, bem como micro e pequenas empresas (de acordo com a Lei n 9.841/99): b) passagem aérea e/ou terrestre do atual domicílio até a cidade da instituição em que atuará; c) seguro-saúde correspondente a uma mensalidade da bolsa, visando à contratação de seguradora Para Doutores candidatos à atuação em instituição privada de ensino superior ou em empresa privada produtora de bens e prestadora de serviços atuando em território nacional: b) auxílio à pesquisa nas seguintes etapas:

7 - quando da concessão da bolsa, auxílio no valor de até R$ ,00 (dez mil reais), condicionado ao aporte, pela instituição, de igual valor para o projeto de pesquisa. Uma parcela de até 10% (dez por cento) do auxílio concedido pelo CNPq poderá ser utilizada na instalação do bolsista; - quando da primeira renovação, auxílio no valor de até R$ 5.000,00 (cinco mil reais), condicionado ao aporte pela instituição de igual valor para o projeto de pesquisa; - quando da segunda renovação, auxílio no valor de até R$ 2.500,00 (dois mil e quinhentos reais) condicionado ao aporte pela instituição de igual valor para o projeto de pesquisa; c) passagem aérea e/ou terrestre do domicílio atual até a cidade onde está situada a instituição em d) quota de 2 (duas) bolsas de Iniciação Tecnológica Industrial - ITI por 24 (vinte e quatro) meses, renovável por dois períodos consecutivos de 12 (doze) meses, caso solicitados pelo candidato e recomendada por e) quota de 01 (uma) bolsa de Apoio Técnico - AT por 24 (vinte e quatro) meses, renovável por dois períodos consecutivos de 12 (doze) meses, caso solicitada pelo candidato e recomendada por f) seguro-saúde anual, a ser pago pela instituição A liberação pelo CNPq das mensalidades da bolsa do pesquisador fica condicionada ao efetivo repasse dos recursos de contrapartida da privada referentes ao item " f ", bem como a complementação do item "b" Para Mestres candidatos à atuação em instituição privada de ensino superior ou em empresa privada produtora de bens e prestadora de serviços atuando em território nacional: b) Auxílio à pesquisa nas seguintes etapas: - quando da concessão da bolsa, auxílio no valor de até R$ 6.000,00 (seis mil reais), condicionado ao aporte, pela instituição, de igual valor para o projeto de pesquisa. Uma parcela de até 10% (dez por cento) do auxílio concedido pelo CNPq poderá ser utilizada na instalação do bolsista; - quando da primeira renovação, auxílio no valor de até R$ 3.000,00 (três mil reais), condicionado ao aporte pela instituição de igual valor para o projeto de pesquisa; - quando da segunda renovação, auxílio no valor de até R$ 1.500,00 (um mil e quinhentos reais) condicionados ao aporte pela instituição de igual valor para o projeto de pesquisa; c) passagem aérea e/ou terrestre do domicílio atual até a cidade onde está situada a instituição em d) seguro-saúde anual, a ser pago pela instituição A liberação pelo CNPq das mensalidades da bolsa do pesquisador fica condicionada ao efetivo repasse dos recursos de contrapartida da instituição privada referentes ao item "d", bem como a complementação do item "b" Para Técnicos qualificados candidatos à atuação em instituição de ensino superior ou em empresa privada produtora de bens e prestadora de serviços atuando em território nacional:

8 b) passagem aérea e/ou terrestre do domicílio atual até a cidade onde está situada a instituição em c) seguro-saúde anual a ser pago pela instituição A liberação pelo CNPq das mensalidades da bolsa fica condicionada ao efetivo repasse dos recursos de contrapartida da instituição privada referentes ao item " c ". 8. Chamada e Exame das Solicitações A apresentação de proposta será efetuada em resposta à Chamada a ser elaborada segundo prioridades definidas pelo Comitê Gestor dos diversos Fundos Setoriais A solicitação será de caráter individual e apresentada pelo candidato por meio de Formulário Eletrônico de Propostas, devendo ser complementada por documentos emitidos pela instituição interessada no candidato Os documentos emitidos pela instituição deverão: a) manifestar, formalmente, interesse em receber o candidato para executar o projeto de pesquisa científica e/ou tecnológica; b) evidenciar a compatibilidade do projeto de pesquisa ou do plano de trabalho do candidato com a programação ou o interesse institucional; c) no caso de instituição de ensino superior, se o candidato possuir apenas o título de Mestre, evidenciar a importância da participação do mesmo em projeto de pesquisa científico-tecnológica relacionado aos temas definidos para o Fundo Setorial específico e de interesse institucional; d) demonstrar possuir condições básicas de infra-estrutura para o desenvolvimento do projeto; e) no caso de instituição privada, deverá ainda emitir compromisso de cumprir as obrigações que lhe cabem de acordo com esta Resolução Normativa A documentação comprobatória do interesse da instituição em receber o candidato e demais requisitos citados no item acima deverão ser enviados, via correio, no prazo máximo de 5 (cinco) dias, contados a partir do envio da proposta por via eletrônica, sem o que a proposta não será avaliada A área técnica do CNPq fará o enquadramento da proposta e após a avaliação por consultores "ad hoc", a mesma será analisada pelo Comitê Técnico definido pelo Fundo Setorial específico, que procederá à seleção e classificação dos candidatos, conforme as prioridades estabelecidas Os resultados dos julgamentos serão divulgados por meio de carta ao candidato, informando o parecer final do CNPq As eventuais superposições e compartilhamento de apoio por agências ou outras fontes de financiamento serão avaliadas pelo CNPq. 9. Disposições Gerais As unidades responsáveis no CNPq pelos diversos Fundos Setoriais deverão, anualmente, elaborar Chamadas seguindo as prioridades definidas pelos Comitês Gestores específicos.

9 9.2 - É permitida a concessão de bolsa a estrangeiro com situação regular no País, com a exigência da apresentação de Visto Temporário, item I ou V, ou Visto Permanente Os pedidos de renovação deverão ser encaminhados ao CNPq pelo menos 90 (noventa) dias antes do término do prazo de vigência da bolsa É vedado a retroatividade na implementação de qualquer bolsa ou o ressarcimento de despesas anteriores à implementação da bolsa É vedado o acúmulo da bolsa com quaisquer outras bolsas de longa duração concedidas por agências estaduais, nacionais, estrangeiras ou internacionais É vedada a concessão da bolsa para alunos de cursos de pós-graduação e a quem estiver em débito de qualquer natureza com o CNPq. 10. Disposições Finais Os valores das bolsas e os respectivos critérios de enquadramento estão definidos na tabela do Anexo I O programa deverá ser submetido a avaliações quanto à sua eficácia e efetividade a cada período de 2 (dois) anos Os casos omissos nesta Resolução Normativa serão resolvidos pela Diretoria Executiva do CNPq Esta Resolução Normativa entra em vigor a partir da data da sua publicação. Brasília, 10 de setembro de 2002 Esper Abrão Cavalheiro Anexo I: Tabela de critérios e valores das Bolsas do PROSET

10 Anexo I: Tabela de critérios e valores das Bolsas do PROSET Modalidade SET Critérios Categoria Nível Região Valor FUNDOS SETORIAIS Doutor há, no mínimo, 5 (cinco) anos e comprovada experiência na: 1 A N, NE, CO e R$ 4.500,00 SET - execução de projetos científico-tecnológicos; - coordenação de projetos de CT&I; - criação / consolidação de grupos de pesquisa. 1 B S, SE e DF. R$ 4.000,00 Ter realizado trabalhos considerados de relevância nos âmbitos internacional, nacional e/ou regional em área de atuação vinculada aos Fundos Setoriais. Doutor há, no mínimo, 2 (dois) anos e comprovada experiência na: 2 A N, NE, CO e R$ 3.900,00 - execução de projetos científico-tecnológicos; - coordenação de projetos de CT&I. 2 B S, SE e DF. R$ 3.500,00 Ter realizado trabalhos considerados de relevância nos âmbitos internacional, nacional e/ou regional em área de atuação vinculada aos Fundos Setoriais. Recém-doutor com experiência na execução de projetos 3 A N, NE, CO e R$ 3.500,00 científico-tecnológicos, com trabalhos considerados de relevância em área vinculada aos Fundos Setoriais 3 B S, SE e DF. R$ 3.000,00 Mestre há, no mínimo, 5 (cinco) anos e comprovada experiência na execução de projetos científico-tecnológicos. 4 A N, NE, CO e R$ 3.300,00 Ter participado de projetos considerados de relevância no âmbito nacional e /ou regional em área de atuação vinculada aos Fundos Setoriais. Mestre há, no mínimo, 2 (dois) anos e comprovada experiência na execução de projetos científico-tecnológicos. 4 B S, SE e DF. R$ 2.900,00 5 A N, NE, CO e R$ 2.900,00 Ter participado de projetos considerados de relevância em 5 B S, SE e DF. R$ 2.600,00 âmbito regional em área de atuação vinculada aos Fundos Setoriais. Mestre com experiência na execução de projetos científicotecnológicos ou participação em projetos considerados de relevância para o setor. 6 A 6 B N, NE, CO e S, SE e DF. R$ 2.500,00 R$ 2.200,00 Técnico qualificado, com nível superior e comprovada experiência mínima de 4 (quatro) anos na: - implementação de processos gerenciais; - participação na execução de projetos de CT&I. Técnico qualificado com nível médio e comprovada experiência mínima de 2 (dois) anos na: 7 A N, NE, CO e R$ 2.100,00 7 B S, SE e DF. R$ 1.838,00 8 A N, NE, CO e R$ 1.700,00 - implementação de processos gerenciais; - participação na execução de projetos de CT&I. 8 B S, SE e DF. R$ 1.521,00

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO PIBITI EDITAL N o 03/2009

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO PIBITI EDITAL N o 03/2009 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE PESQUISA CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFCO E TECNOLÓGICO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO

Leia mais

Programa Bolsa-Sênior

Programa Bolsa-Sênior CHAMADA PÚBLICA 09/2015 Programa Bolsa-Sênior A Fundação Araucária de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Paraná divulga a presente Chamada Pública e convida as instituições de ensino

Leia mais

EDITAL FAPEMIG 06/2014

EDITAL FAPEMIG 06/2014 EDITAL FAPEMIG 06/2014 BOLSA DE INCENTIVO À PESQUISA E AO DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO DESTINADA A SERVIDOR PÚBLICO ESTADUAL A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais FAPEMIG, nos termos

Leia mais

PROGRAMA DE INCENTIVO PARA BOLSAS DE MESTRADO E DOUTORADO

PROGRAMA DE INCENTIVO PARA BOLSAS DE MESTRADO E DOUTORADO PROGRAMA DE INCENTIVO PARA BOLSAS DE MESTRADO E DOUTORADO EDITAL nº 02/2016 ABERTURA DE INSCRIÇÕES PROGRAMA DE BOLSAS DE ESTUDO FATENEMODALIDADE MESTRADO E DOUTORADO O Diretor-Geral da Faculdade Terra

Leia mais

EVENTOS E CONGRESSOS

EVENTOS E CONGRESSOS EVENTOS E CONGRESSOS O financiamento de eventos de caráter científico-tecnológico obedece à seguinte priorização: a) organização; b) participação coletiva; c) participação individual no país; d) participação

Leia mais

EDITAL 10/2014. PROGRAMA MINEIRO DE PÓS-DOUTORADO PMPD lli ACORDO CAPES/FAPEMIG

EDITAL 10/2014. PROGRAMA MINEIRO DE PÓS-DOUTORADO PMPD lli ACORDO CAPES/FAPEMIG EDITAL 10/2014 PROGRAMA MINEIRO DE PÓS-DOUTORADO PMPD lli ACORDO CAPES/FAPEMIG A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais FAPEMIG, atendendo à orientação programática da Secretaria de Estado

Leia mais

EDITAL PIBITI / CNPq / UFERSA 09/2015 Seleção 2015 2016

EDITAL PIBITI / CNPq / UFERSA 09/2015 Seleção 2015 2016 EDITAL PIBITI / CNPq / UFERSA 09/2015 Seleção 2015 2016 A Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação da Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA), através do Núcleo de Inovação Tecnológica NIT/UFERSA,

Leia mais

EDITAL FACEPE 14/2008 PROGRAMA DE BOLSAS DE INCENTIVO ACADÊMICO - BIA

EDITAL FACEPE 14/2008 PROGRAMA DE BOLSAS DE INCENTIVO ACADÊMICO - BIA EDITAL FACEPE 14/2008 PROGRAMA DE BOLSAS DE INCENTIVO ACADÊMICO - BIA A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Pernambuco FACEPE convida as universidades públicas de Pernambuco, federais ou estaduais,

Leia mais

EDITAL Verde-Amarelo/ Parques Tecnológicos: FINEP 04/2002

EDITAL Verde-Amarelo/ Parques Tecnológicos: FINEP 04/2002 EDITAL Verde-Amarelo/ Parques Tecnológicos: FINEP 04/2002 O Ministério da Ciência e Tecnologia, em cumprimento às recomendações do Comitê Gestor do Programa de Estímulo à Interação Universidade-Empresa

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 17/CUn DE 10 DE ABRIL DE 2012. Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Federal de Santa Catarina

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 17/CUn DE 10 DE ABRIL DE 2012. Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Federal de Santa Catarina RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 17/CUn DE 10 DE ABRIL DE 2012 Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Federal de Santa Catarina O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal de Santa

Leia mais

EDITAL FAPESB 002/2013 APOIO À PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS CIENTÍFICOS E/OU TECNOLÓGICOS

EDITAL FAPESB 002/2013 APOIO À PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS CIENTÍFICOS E/OU TECNOLÓGICOS EDITAL FAPESB 002/2013 APOIO À PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS CIENTÍFICOS E/OU TECNOLÓGICOS A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia FAPESB, no uso das suas atribuições, torna público o presente Edital

Leia mais

3.1. A Bolsa assegurará auxílio financeiro ao contemplado e será concedida em doze parcelas.

3.1. A Bolsa assegurará auxílio financeiro ao contemplado e será concedida em doze parcelas. EDITAL PIBIC-EM Nº 01/2015 O Reitor da Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC, com vistas à chamada para a seleção de bolsista de Iniciação Científica para o Ensino Médio PIBIC-EM, sob a Coordenação

Leia mais

Instruções para Candidatos a Bolsa de Mestrado Sanduíche vinculados a Projetos Conjuntos da Coordenação-Geral de Cooperação Internacional

Instruções para Candidatos a Bolsa de Mestrado Sanduíche vinculados a Projetos Conjuntos da Coordenação-Geral de Cooperação Internacional Instruções para Candidatos a Bolsa de Mestrado Sanduíche vinculados a Projetos Conjuntos da Coordenação-Geral de Cooperação Internacional 1. APRESENTAÇÃO Este documento orienta a apresentação de candidaturas

Leia mais

Programa Estágio de Curta Duração CAPES/Fundação Carolina

Programa Estágio de Curta Duração CAPES/Fundação Carolina SPArq nº 0000.01752/2011 Programa Estágio de Curta Duração CAPES/Fundação Carolina Edital CAPES nº. 02/2011 Publicada no DOU de 13/01/11 seção 3 pág. 24 A Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal

Leia mais

Decreto Nº 13.840 de 21/09/2009

Decreto Nº 13.840 de 21/09/2009 Decreto Nº 13.840 de 21/09/2009 Dispõe sobre estágios no âmbito da Administração Pública Direta e Indireta do Estado do Piauí para estudantes regularmente matriculados e com frequência efetiva, vinculados

Leia mais

Programa de Apoio à Organização de Eventos das Associações ou Sociedades Técnico Científicas e Institutos de Pesquisa

Programa de Apoio à Organização de Eventos das Associações ou Sociedades Técnico Científicas e Institutos de Pesquisa Chamada Pública 15/2014 Programa de Apoio à Organização de Eventos das Associações ou Sociedades Técnico Científicas e Institutos de Pesquisa A Fundação Araucária de Apoio ao Desenvolvimento Científico

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CAMPUS VITÓRIA Avenida Vitória, 1729 Jucutuquara 29040-780 Vitória ES 27 3331-2110

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CAMPUS VITÓRIA Avenida Vitória, 1729 Jucutuquara 29040-780 Vitória ES 27 3331-2110 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CAMPUS VITÓRIA Avenida Vitória, 1729 Jucutuquara 29040-780 Vitória ES 27 3331-2110 DIREÇÃO GERAL DO IFES CAMPUS VITÓRIA IFES DIRETORIA DE PESQUISA

Leia mais

EDITAL PARA SELEÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS 2014

EDITAL PARA SELEÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS 2014 EDITAL PARA SELEÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS 2014 1. DO OBJETO 1.1. O presente edital tem por objeto realizar uma chamada pública nacional para seleção de projetos sociais. O edital destina-se às organizações

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE PÓS-DOUTORADO - 2011: CONCESSÃO INSTITUCIONAL ÀS IFES. Diretrizes para Elaboração do Projeto Institucional

PROGRAMA NACIONAL DE PÓS-DOUTORADO - 2011: CONCESSÃO INSTITUCIONAL ÀS IFES. Diretrizes para Elaboração do Projeto Institucional PROGRAMA NACIONAL DE PÓS-DOUTORADO - 2011: CONCESSÃO INSTITUCIONAL ÀS IFES Diretrizes para Elaboração do Projeto Institucional 1 Objetivos O Programa Nacional de Pós-doutorado da CAPES PNPD/2011: Concessão

Leia mais

EDITAL FAPES Nº 003/2010

EDITAL FAPES Nº 003/2010 EDITAL FAPES Nº 003/2010 Seleção de propostas a serem apresentadas pelos Programas de Pósgraduação stricto sensu do estado do Espírito Santo, visando à concessão de quotas de bolsas para formação de recursos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA EDITAL DE INCENTIVO AO ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO NA MODALIDADE A DISTÂNCIA PROJETO

Leia mais

Edital Pronametro nº 1/2014

Edital Pronametro nº 1/2014 Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA NORMALIZAÇÃO, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Edital Pronametro nº 1/2014 Programa

Leia mais

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA: ENSINO MÉDIO DA USC PIBIC/EM 2015/2016

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA: ENSINO MÉDIO DA USC PIBIC/EM 2015/2016 PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA: ENSINO MÉDIO DA USC PIBIC/EM 2015/2016 A Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação da Universidade do Sagrado Coração torna público o presente Edital de abertura de inscrições,

Leia mais

Cadastro do currículo do Bolsista na Plataforma Lattes

Cadastro do currículo do Bolsista na Plataforma Lattes PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EDITAL 7/2016 PROBITI/FAPERGS (Conforme Normas do Programa PROBITI) A Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação (PROPPG) da Universidade de Santa Cruz do Sul torna

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS, LETRAS E ARTES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO E LINGUÍSTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS, LETRAS E ARTES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO E LINGUÍSTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS, LETRAS E ARTES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO E LINGUÍSTICA Resolução n. 002/2014 Estabelece normas, critérios e condições para concessão, manutenção, renovação,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ Centro de Ciências Sociais Aplicadas Pró Reitoria de Extensão e Cultura

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ Centro de Ciências Sociais Aplicadas Pró Reitoria de Extensão e Cultura EDITAL 003/2015- Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior SETI Modalidade Recém- Formados e Graduandos. PROGRAMA UNIVERSIDADE SEM FRONTEIRAS SETI-USF Subprograma APOIO AO EMPREENDEDORISMO

Leia mais

COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR <!ID1282866-0> PORTARIA No- 112, DE 1o- DE AGOSTO DE 2008

COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR <!ID1282866-0> PORTARIA No- 112, DE 1o- DE AGOSTO DE 2008 COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR PORTARIA No- 112, DE 1o- DE AGOSTO DE 2008 O PRESIDENTE SUBSTITUTO DA FUNDAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE PROJETOS EDUCACIONAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE PROJETOS EDUCACIONAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE PROJETOS EDUCACIONAIS EDITAL Nº 001/14 PROEN/DE, de 17 de fevereiro de 2014. PROGRAMA

Leia mais

DECRETO Nº 27.958, DE 16 DE MAIO DE 2007 DODF DE 17.05.2007

DECRETO Nº 27.958, DE 16 DE MAIO DE 2007 DODF DE 17.05.2007 DECRETO Nº 27.958, DE 16 DE MAIO DE 2007 DODF DE 17.05.2007 Aprova o Estatuto Social da Fundação de Apoio à Pesquisa do Distrito Federal e dá outras providências. O GOVERNADOR DO DISTRITO FEDERAL, no uso

Leia mais

Ministério da Educação COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR. PORTARIA No- 140, DE 1o- DE JULHO DE 2010

Ministério da Educação COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR. PORTARIA No- 140, DE 1o- DE JULHO DE 2010 Diário Oficial Imprensa Nacional. Nº 126 DOU de 05/07/10 p. 5 seção 1 REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL BRASÍLIA - DF Ministério da Educação COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR PORTARIA

Leia mais

CONSELHO CIENTÍFICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E INOVAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO RESOLUÇÃO Nº 124, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014.

CONSELHO CIENTÍFICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E INOVAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO RESOLUÇÃO Nº 124, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014. CONSELHO CIENTÍFICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E INOVAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO RESOLUÇÃO Nº 124, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014. Regulamenta o Programa Institucional de Bolsas de Pós-graduação

Leia mais

RESUMO DO EDITAL Nº 57/2014 - PROGRAMA BOLSAS PARA PESQUISA CAPES/HUMBOLDT

RESUMO DO EDITAL Nº 57/2014 - PROGRAMA BOLSAS PARA PESQUISA CAPES/HUMBOLDT RESUMO DO EDITAL Nº 57/2014 - PROGRAMA BOLSAS PARA PESQUISA CAPES/HUMBOLDT Salvador Mar/2016 I - CHAMADA A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior CAPES, Fundação Pública, no cumprimento

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE RESOLUÇÃO CONSUN Nº 009/2012

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE RESOLUÇÃO CONSUN Nº 009/2012 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE RESOLUÇÃO CONSUN Nº 009/2012 Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul. Alterada pela

Leia mais

EDITAL FAPEPI N 008/2012 ACORDO CAPES/FAPEPI BOLSAS DE DOUTORADO E AUXÍLIO PARA DOCENTES DE INSTIUIÇÕES PÚBLICAS DE ENSINO SUPERIOR

EDITAL FAPEPI N 008/2012 ACORDO CAPES/FAPEPI BOLSAS DE DOUTORADO E AUXÍLIO PARA DOCENTES DE INSTIUIÇÕES PÚBLICAS DE ENSINO SUPERIOR EDITAL FAPEPI N 008/2012 ACORDO CAPES/FAPEPI BOLSAS DE DOUTORADO E AUXÍLIO PARA DOCENTES DE INSTIUIÇÕES PÚBLICAS DE ENSINO SUPERIOR A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Piauí - FAPEPI, em conformidade

Leia mais

EDITAL FAPERN/CAPES 01/2013 APOIO AOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR (IES) DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE

EDITAL FAPERN/CAPES 01/2013 APOIO AOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR (IES) DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE EDITAL FAPERN/CAPES 01/2013 APOIO AOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR (IES) DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE A Fundação de Apoio à Pesquisa do Estado do Rio Grande do Norte

Leia mais

PROGRAMA DE BOLSAS DE DOUTORADO FORA DO ESTADO EDITAL N 07/2015

PROGRAMA DE BOLSAS DE DOUTORADO FORA DO ESTADO EDITAL N 07/2015 PROGRAMA DE BOLSAS DE DOUTORADO FORA DO ESTADO EDITAL N 07/2015 O Presidente da Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico FUNCAP, Prof. Francisco César de Sá Barreto, no uso

Leia mais

Governo do Estado de Mato Grosso Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA DO ESTADO DE MATO GROSSO

Governo do Estado de Mato Grosso Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA DO ESTADO DE MATO GROSSO Resolução Nº 04, de 21 de junho de 2006. Aprova o Regulamento das Bolsas para o Apoio à Pós-Graduação de Instituições Públicas e Privadas de Ensino (MT-PG). O PRESIDENTE DO CONSELHO CURADOR DA FUNDAÇÃO

Leia mais

NORMA DE TREINAMENTO (NOR-352)

NORMA DE TREINAMENTO (NOR-352) COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO DOS VALES DO SÃO FRANCISCO E DO PARNAÍBA Vinculada ao Ministério da Integração Nacional - MI NORMA DE TREINAMENTO (NOR-352) FOR-101/01 MANUAL DE RECURSOS HUMANOS CÓDIGO: 350

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE-FURG PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE-FURG PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE-FURG PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO Av. Itália, Km8 Campus Carreiros Rio Grande, RS Brasil 96201-900 fone: 53.32336772 e-mail:prograd@furg.br

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII

CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII A Associação Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial EMBRAPII torna público o processo de seleção para habilitar Polos EMBRAPII IF (PEIF). Os

Leia mais

PROGRAMA APOIO ÀS INSTITUIÇÕES DE PESQUISA SEDIADAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

PROGRAMA APOIO ÀS INSTITUIÇÕES DE PESQUISA SEDIADAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Edital FAPERJ N. o 06/2007 PROGRAMA APOIO ÀS INSTITUIÇÕES DE PESQUISA SEDIADAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO O Governo do Estado do Rio de Janeiro, por intermédio da Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia,

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA INVENTIVA

REGULAMENTO PROGRAMA INVENTIVA REGULAMENTO PROGRAMA INVENTIVA 1. OBJETIVO 1.1. O Programa Inventiva tem como objetivo apoiar a construção de protótipos de produtos inovadores no Estado de Minas Gerais. 2. BENEFICIÁRIOS 2.1. Podem ser

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DELIBERAÇÃO N 0 53, DE 30 DE ABRIL DE 2014 O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

Leia mais

EDITAL Nº 01/2016 PROTEC/UFAM

EDITAL Nº 01/2016 PROTEC/UFAM Poder Executivo Ministério da Educação Universidade Federal do Amazonas Pró-Reitoria de Inovação Tecnológica Programa Institucional de Bolsas de Desenvolvimento Tecnológicoe Inovação PIBITI EDITAL Nº 01/2016

Leia mais

Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação PIBITI/CNPq/USP. Pró-Reitoria de Pesquisa

Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação PIBITI/CNPq/USP. Pró-Reitoria de Pesquisa EDITAL 2015/2016 A Pró-Reitoria de e o Comitê Institucional do Programa de Iniciação Científica e Tecnológica da Universidade de São Paulo PIC/PIBITI USP, tornam público o presente Edital de abertura de

Leia mais

EDITAL Nº 002/2015/PROPE SELEÇÃO DE ORIENTADORES E PROJETOS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

EDITAL Nº 002/2015/PROPE SELEÇÃO DE ORIENTADORES E PROJETOS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA EDITAL Nº 002/2015/PROPE SELEÇÃO DE ORIENTADORES E PROJETOS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - PIBIC/FAPEMIG PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.061, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2009

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.061, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2009 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.061, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre a instituição do Prêmio Experiências Educacionais Inclusivas - A escola aprendendo com as diferenças,

Leia mais

EDITAL N 01/2013 SELEÇÃO DE PROJETOS DE INICIAÇÃO À PESQUISA CIENTÍFICA

EDITAL N 01/2013 SELEÇÃO DE PROJETOS DE INICIAÇÃO À PESQUISA CIENTÍFICA CENTRO DE ENSINO UNIFICADO DE TERESINA CEUT FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS, SAÚDE, EXATAS E JURÍDICAS DE TERESINA COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO EDITAL N 01/2013 SELEÇÃO DE PROJETOS DE

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOFÍSICA DO ON

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOFÍSICA DO ON REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOFÍSICA DO ON Capítulo 1 Das disposições gerais Capítulo 2 Da admissão e matrícula Capítulo 3 Dos prazos e duração dos programas Capítulo 4 Da orientação do

Leia mais

Resolução 089/Reitoria/Univates Lajeado, 26 de julho de 2012

Resolução 089/Reitoria/Univates Lajeado, 26 de julho de 2012 Resolução 089/Reitoria/Univates Lajeado, 26 de julho de 2012 Aprova o Edital Propex 01/2012 Pesquisa para pesquisadores dos Programas de Pós-Graduação em implantação O Reitor do Centro Universitário UNIVATES,

Leia mais

Faixa Financiamento Número de projeto Financiados A Até R$ 2.000,00 6

Faixa Financiamento Número de projeto Financiados A Até R$ 2.000,00 6 Edital n 001/2012 de seleção de projetos internos da FCS A FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE (FCS) DA Universidade Federal da Grande Dourados torna público o presente Edital e convida os pesquisadores vinculados

Leia mais

Programa de Apoio ao Pesquisador

Programa de Apoio ao Pesquisador Programa de Apoio ao Pesquisador Com o objetivo de ampliar a política de indução e fomento à pesquisa no IF Sudeste MG, a Pró-reitoria de Pesquisa e Inovação e os Dirigentes de Pesquisa dos Campi divulgam

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA. Edital 001/2013-PNPD/PPGQ Boa Vista, 19 de dezembro de 2013.

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA. Edital 001/2013-PNPD/PPGQ Boa Vista, 19 de dezembro de 2013. Edital 001/2013-PNPD/PPGQ Boa Vista, 19 de dezembro de 2013. Processo seletivo de candidato à bolsa pelo Programa Nacional de Pós-Doutorado PNPD CAPES, com atuação no Programa de Pós - Graduação em Química

Leia mais

Normas específicas do Programa de Pós graduação em Nutrição e Produção Animal, da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP.

Normas específicas do Programa de Pós graduação em Nutrição e Produção Animal, da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP. Normas específicas do Programa de Pós graduação em Nutrição e Produção Animal, da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP. I. Composição da Comissão Coordenadora do Programa (CCP) O Programa

Leia mais

EDITAL PROPPI Nº 005/2015 - Apoio à Edição de Periódicos Científicos do IFRS

EDITAL PROPPI Nº 005/2015 - Apoio à Edição de Periódicos Científicos do IFRS EDITAL PROPPI Nº 005/2015 - Apoio à Edição de Periódicos Científicos do IFRS O Pró-Reitor de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul

Leia mais

Edital nº 06/2003 Programa Sul-Americano de Apoio às Atividades de Cooperação em Ciência e Tecnologia - PROSUL

Edital nº 06/2003 Programa Sul-Americano de Apoio às Atividades de Cooperação em Ciência e Tecnologia - PROSUL Edital nº 06/2003 Programa Sul-Americano de Apoio às Atividades de Cooperação em Ciência e Tecnologia - PROSUL Chamada para apoio a atividades de cooperação em Projetos de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA FAPESC Nº 02/2013 PROGRAMA FAPESC DE RECURSOS HUMANOS EM CTI MESTRADO E DOUTORADO

CHAMADA PÚBLICA FAPESC Nº 02/2013 PROGRAMA FAPESC DE RECURSOS HUMANOS EM CTI MESTRADO E DOUTORADO 1 OBJETIVO CHAMADA PÚBLICA FAPESC Nº 02/2013 PROGRAMA FAPESC DE RECURSOS HUMANOS EM CTI MESTRADO E DOUTORADO A Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina FAPESC, em parceria com

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E GESTÃO PORTARIA Nº 87, DE 9 DE DEZEMBRO DE 2014.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E GESTÃO PORTARIA Nº 87, DE 9 DE DEZEMBRO DE 2014. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E GESTÃO PORTARIA Nº 87, DE 9 DE DEZEMBRO DE 2014. Institui o regulamento para pagamento de auxílio financeiro a estudantes

Leia mais

EDITAL Nº 001/2012-PROPPG, de 17 de janeiro de 2012.

EDITAL Nº 001/2012-PROPPG, de 17 de janeiro de 2012. PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INCENTIVO À PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS CIENTÍFICOS E TECNOLÓGICOS PARA SERVIDORES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS (PIPECT/IFG) EDITAL Nº 001/-PROPPG,

Leia mais

Mestrandos no Exterior

Mestrandos no Exterior 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ - UEM ESCRITÓRIO DE COOPERAÇÃO INTERNACIONAL - ECI COMISSÃO PERMANENTE DE INTERNACIONALIZAÇÃO - CPInter PROGRAMA DE MOBILIDADE INTERNACIONAL Mestrandos no Exterior EDITAL

Leia mais

PRÊMIO CNI DE ECONOMIA 2014 REGULAMENTO

PRÊMIO CNI DE ECONOMIA 2014 REGULAMENTO PRÊMIO CNI DE ECONOMIA 2014 REGULAMENTO APRESENTAÇÃO Artigo 1º - Idealizado e instituído pela Confederação Nacional da Indústria, o Prêmio CNI de Economia, cuja periodicidade é anual, tem por finalidade

Leia mais

EDITAL N. 09/2006 FAPEMA/FINEP

EDITAL N. 09/2006 FAPEMA/FINEP EDITAL N. 09/2006 FAPEMA/FINEP FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E AO DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLOGICO DO MARANHÃO FAPEMA, em parceria com a FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS FINEP, tornam público

Leia mais

Objetivo: Regular o processo de elaboração e execução de convênios e contratos no âmbito da COPPETEC

Objetivo: Regular o processo de elaboração e execução de convênios e contratos no âmbito da COPPETEC 1 / 5 Objetivo: Regular o processo de elaboração e execução de convênios e contratos no âmbito da COPPETEC Público Alvo: Coordenadores de projeto e órgãos operacionais da Fundação 1. Definições Iniciais

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO PRESIDÊNCIA PORTARIA CNMP-PRESI N.º 88 DE 26 DE OUTUBRO DE 2010.

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO PRESIDÊNCIA PORTARIA CNMP-PRESI N.º 88 DE 26 DE OUTUBRO DE 2010. PORTARIA CNMP-PRESI N.º 88 DE 26 DE OUTUBRO DE 2010. Regulamenta a utilização, manutenção e controle do Sistema de Telefonia fixa e móvel, no âmbito do Conselho Nacional do Ministério Público. O PRESIDENTE

Leia mais

BOLSA CAPES CAMBRIDGE OVERSEAS TRUST DE DOUTORADO PLENO EM CAMBRIDGE EDITAL Nº052 /2013

BOLSA CAPES CAMBRIDGE OVERSEAS TRUST DE DOUTORADO PLENO EM CAMBRIDGE EDITAL Nº052 /2013 BOLSA CAPES CAMBRIDGE OVERSEAS TRUST DE DOUTORADO PLENO EM CAMBRIDGE EDITAL Nº052 /2013 1. DA APRESENTAÇÃO A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior CAPES, instituída como Fundação

Leia mais

Programa CAPES/UDELAR - Docentes

Programa CAPES/UDELAR - Docentes Programa CAPES/UDELAR - Docentes Processo Seletivo 2010 Edital DRI/CGCI No 028/09 A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), Fundação Pública, criada pela Lei no. 8.405, de

Leia mais

EDITAL 03/2015 PROPIT BOLSA DE DOUTORADO PARA DOCENTE E APOIO À MOBILIDADE/FAPESPA

EDITAL 03/2015 PROPIT BOLSA DE DOUTORADO PARA DOCENTE E APOIO À MOBILIDADE/FAPESPA EDITAL 03/2015 PROPIT BOLSA DE DOUTORADO PARA DOCENTE E APOIO À MOBILIDADE/FAPESPA A (PROPIT) da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (UNIFESSPA) em atenção ao Edital Nº 018/2014 da Fundação de

Leia mais

Edital Proppex n 10/2016

Edital Proppex n 10/2016 Edital Proppex n 10/2016 Bolsas de Educação BANCO SANTANDER (BRASIL) S/A CONVÊNIO DE APOIO AO PROGRAMA DE BOLSAS DE EDUCAÇÃO CHAMADA PARA PROJETOS DE ESTUDO VOLTADOS À PESQUISA DE GRUPOS DE PESQUISA DA

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO E LINGUAGEM (CEEL)

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO E LINGUAGEM (CEEL) REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO E LINGUAGEM (CEEL) TÍTULO 1 Da Instituição e seus Fins Art. 1 0 O Centro de Estudos em Educação e Linguagem (CEEL), criado em 2004, para integrar uma

Leia mais

EDITAL N. 03/2015 - SETI Universidade Sem Fronteiras (USF) Bom Negócio Paraná

EDITAL N. 03/2015 - SETI Universidade Sem Fronteiras (USF) Bom Negócio Paraná EDITAL N. 03/2015 - SETI Universidade Sem Fronteiras (USF) Bom Negócio Paraná 1. PREÂMBULO A Universidade Estadual do Paraná, Campus Paranavaí, por meio da Chefe da Divisão de Extensão e Cultura, Professora

Leia mais

Edital nº 017/2015 - PRORROGADO ATÉ 12/07/2015

Edital nº 017/2015 - PRORROGADO ATÉ 12/07/2015 FACULDADES ADAMANTINENSES INTEGRADAS Núcleo de Prática de Pesquisa Edital nº 017/2015 - PRORROGADO ATÉ 12/07/2015 EDITAL DE SELEÇÃO - PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICANO PARA O ENSINO

Leia mais

Regulamento do Mestrado Profissional em Administração Pública em Rede Nacional

Regulamento do Mestrado Profissional em Administração Pública em Rede Nacional Regulamento do Mestrado Profissional em Administração Pública em Rede Nacional Capítulo I Objetivos Artigo 1º - O Mestrado Profissional em Administração Pública em Rede Nacional (PROFIAP) tem como objetivo

Leia mais

EDITAL DIRETORIA nº 02/2011 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIBIC/NOVAUNESC

EDITAL DIRETORIA nº 02/2011 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIBIC/NOVAUNESC EDITAL DIRETORIA nº 02/2011 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIBIC/NOVAUNESC A Diretoria da Faculdade São Gabriel e as Coordenações de Cursos comunicam aos interessados que estarão

Leia mais

Processo Seletivo Interno de Bolsas PROSUP/CAPES UNIPE

Processo Seletivo Interno de Bolsas PROSUP/CAPES UNIPE EDITAL Nº 2/2015 Programa de Pós Graduação em Direito Processo Seletivo Interno de Bolsas PROSUP/CAPES UNIPE O Centro Universitário de João Pessoa - UNIPE torna público o presente edital e convida os alunos

Leia mais

CHAMADA PARA O PROCESSO DE INSCRIÇÃO 2014/2015 DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DA FUNCAP

CHAMADA PARA O PROCESSO DE INSCRIÇÃO 2014/2015 DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DA FUNCAP CHAMADA PARA O PROCESSO DE INSCRIÇÃO 2014/2015 DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DA FUNCAP CHAMADA Nº. 13/2013 DETALHAMENTO GERAL INTRODUÇÃO A (FUNCAP), vinculada

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL PARA CONCESSÃO DE BOLSAS DE INCENTIVO À INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MODALIDADES IC/ICJR) EDITAL n 02/2012/DIPESP/IFAM-CMC/IC-ICJR

PROGRAMA INSTITUCIONAL PARA CONCESSÃO DE BOLSAS DE INCENTIVO À INICIAÇÃO CIENTÍFICA (MODALIDADES IC/ICJR) EDITAL n 02/2012/DIPESP/IFAM-CMC/IC-ICJR MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS DIRETORIA GERAL DO CAMPUS MANAUS CENTRO DIRETORIA DE PESQUISA E POS-GRADUAÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO-MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ-UFPI Campus Universitário "Ministro Petrônio Portella", Bairro Ininga, Teresina, Piauí, Brasil; CEP 64049-550. Telefones: (86) 215-5511/215-5513/215-5516;

Leia mais

RESOLUÇÃO CEG nº 12/2008

RESOLUÇÃO CEG nº 12/2008 RESOLUÇÃO CEG nº 12/2008 Normas para o Estágio 1) Considerando a Lei 11.788 de 25 de setembro de 2008, que trata de Estágios de Estudantes; 2) Considerando a não existência de resolução geral que normatize

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA 001/2006-ProGRAD

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA 001/2006-ProGRAD Altera a Instrução Normativa 009/2005 ProGRAD, de 2 de dezembro, e dispõe sobre princípios reguladores para o desenvolvimento de estágio supervisionado não obrigatório dos cursos de graduação e dá outras

Leia mais

CHAMADA CNPq/MCT - MZ nº 047/2012

CHAMADA CNPq/MCT - MZ nº 047/2012 CHAMADA CNPq/MCT - MZ nº 047/2012 CHAMADA PROCESSO DE INSCRIÇÃO 2012 DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO CNPq / MINISTÉRIO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MOÇAMBIQUE DETALHAMENTO GERAL 1. INTRODUÇÃO O Conselho Nacional

Leia mais

PARECER Nº 034/2013 DA COORDENADORIA DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONEGÓCIOS.

PARECER Nº 034/2013 DA COORDENADORIA DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONEGÓCIOS. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ECONOMIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONEGÓCIOS PARECER Nº 034/2013 DA COORDENADORIA

Leia mais

EDITAL FAPEMIG 15/2013

EDITAL FAPEMIG 15/2013 EDITAL FAPEMIG 15/2013 PROGRAMA DE COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA, TECNOLÓGICA E DE INOVAÇÃO - PCCT A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais FAPEMIG, atendendo à orientação programática da Secretaria

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS Art. 1º O presente instrumento

Leia mais

REITORIA EDITAL Nº 21/2015 FOMENTO À PESQUISA VINCULADA AOS PROGRAMAS STRICTO SENSU

REITORIA EDITAL Nº 21/2015 FOMENTO À PESQUISA VINCULADA AOS PROGRAMAS STRICTO SENSU REITORIA EDITAL Nº 21/2015 FOMENTO À PESQUISA VINCULADA AOS PROGRAMAS STRICTO SENSU O Reitor da Universidade Vila Velha UVV torna público a todos os interessados que estão abertas, de 10 de junho de 2014

Leia mais

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 1009/2012 de 20 de Julho de 2012

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 1009/2012 de 20 de Julho de 2012 VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 1009/2012 de 20 de Julho de 2012 O Decreto Regulamentar n.º 84-A/2007, de 10 de dezembro, alterado pelos Decretos

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP CT-INFO- 01/2006 SELEÇÃO PÚBLICA DE PROPOSTAS DE PROJETOS INOVADORES EM SOFTWARE

CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP CT-INFO- 01/2006 SELEÇÃO PÚBLICA DE PROPOSTAS DE PROJETOS INOVADORES EM SOFTWARE CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP CT-INFO- 01/2006 SELEÇÃO PÚBLICA DE PROPOSTAS DE PROJETOS INOVADORES EM SOFTWARE 1. OBJETIVO O MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA MCT, por intermédio da Financiadora de Estudos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 08/03-COUN

RESOLUÇÃO Nº 08/03-COUN RESOLUÇÃO Nº 08/03-COUN Estabelece o Regimento Interno do Núcleo de Educação a Distância (NEAD) da Universidade Federal do Paraná. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Paraná, no uso de

Leia mais

PROGRAMA CAPES-CONICYT. Cooperação Brasil-Chile

PROGRAMA CAPES-CONICYT. Cooperação Brasil-Chile PROGRAMA Cooperação Brasil-Chile Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Coordenadoria de Cooperação e Intercâmbio Ministério da Educação e do Desporto Anexos I e II 2º andar Caixa

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL E SUDESTE DO PARÁ Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Inovação Tecnológica

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL E SUDESTE DO PARÁ Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Inovação Tecnológica EDITAL 01/2016 Propit PROGRAMA DE APOIO AO DOUTOR RECÉM-CONTRATADO A (Propit), em atenção ao Edital Nº 006/2015 da Fundação Amazônia de Amparo à Estudos e Pesquisa (FAPESPA), em parceria com a Coordenação

Leia mais

Bolsa Auxílio à Iniciação Científica - Regulamento

Bolsa Auxílio à Iniciação Científica - Regulamento Bolsa Auxílio à Iniciação Científica - Regulamento Apresentação Em seu primeiro ano de funcionamento a Fundação Araucária investiu em torno de quatro milhões de reais para o financiamento da pesquisa e

Leia mais

PROGRAMA DE FOMENTO AO DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO, TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO ESTADO DO PIAUÍ CHAMADA PÚBLICA FAPEPI N.º 001/2015

PROGRAMA DE FOMENTO AO DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO, TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO ESTADO DO PIAUÍ CHAMADA PÚBLICA FAPEPI N.º 001/2015 PROGRAMA DE FOMENTO AO DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO, TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO ESTADO DO PIAUÍ CHAMADA PÚBLICA FAPEPI N.º 001/2015 Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Piauí FAPEPI torna público o lançamento

Leia mais

Edital FPTI-BR N 029/2013 PROCESSO FPTI-BR N 0003/2013 SELEÇÃO DE PROPOSTAS PARA CONCESSÃO DE APOIO A ORGANIZAÇÃO E REALIZAÇÃO DE EVENTOS

Edital FPTI-BR N 029/2013 PROCESSO FPTI-BR N 0003/2013 SELEÇÃO DE PROPOSTAS PARA CONCESSÃO DE APOIO A ORGANIZAÇÃO E REALIZAÇÃO DE EVENTOS Edital FPTI-BR N 029/2013 PROCESSO FPTI-BR N 0003/2013 SELEÇÃO DE PROPOSTAS PARA CONCESSÃO DE APOIO A ORGANIZAÇÃO E REALIZAÇÃO DE EVENTOS A Fundação Parque Tecnológico Itaipu Brasil, em parceria com a

Leia mais

Programa Consórcios em Educação Superior Brasil Estados Unidos CAPES/FIPSE. Edital CGCI n. 003/2008

Programa Consórcios em Educação Superior Brasil Estados Unidos CAPES/FIPSE. Edital CGCI n. 003/2008 Programa Consórcios em Educação Superior Brasil Estados Unidos CAPES/ 1 Do programa e objetivo Edital CGCI n. 003/2008 1.1 O Programa CAPES/ tem como objetivo promover o intercâmbio e a cooperação em nível

Leia mais

Prefeitura Municipal da Estância Climática de Santo Antonio do Pinhal Estado de São Paulo

Prefeitura Municipal da Estância Climática de Santo Antonio do Pinhal Estado de São Paulo Prefeitura Municipal da Estância Climática de Santo Antonio do Pinhal Estado de São Paulo LEI N 980, DE 14 DE NOVEMBRO DE 2006 Dispõe sobre a criação do Fundo Municipal de Turismo (FUMTUR), no Município

Leia mais

EDITAL PROGRAMA INOVA UNIRIO PROPG/DPG 2016 (IN-UNIRIO) Edital IN-UNRIO n o 01/2016

EDITAL PROGRAMA INOVA UNIRIO PROPG/DPG 2016 (IN-UNIRIO) Edital IN-UNRIO n o 01/2016 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa PROPG Diretoria de Pós-Graduação - DPG EDITAL PROGRAMA INOVA UNIRIO PROPG/DPG 2016 (IN-UNIRIO) Edital IN-UNRIO

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS GRUPOS DE PESQUISA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO

REGULAMENTO GERAL DOS GRUPOS DE PESQUISA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAL EM CORROSÃO E PROTEÇÃO

QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAL EM CORROSÃO E PROTEÇÃO ABRACO 00 de 0 OBJETIVO Esta norma estabelece a sistemática adotada pela Associação Brasileira de Corrosão ABRACO para o funcionamento do Sistema Nacional de Qualificação e Certificação em Corrosão e Proteção.

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA 03/2016 BOLSAS DE FORMAÇÃO DE MESTRADO E DOUTORADO

CHAMADA PÚBLICA 03/2016 BOLSAS DE FORMAÇÃO DE MESTRADO E DOUTORADO CHAMADA PÚBLICA 03/2016 BOLSAS DE FORMAÇÃO DE MESTRADO E DOUTORADO A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Goiás - FAPEG, conforme decisão de seu Conselho Superior torna público o lançamento do presente

Leia mais

EDITAL FAPERGS/CAPES 13/2013 CIÊNCIAS, MATEMÁTICA E HUMANIDADES CMH PROGRAMA DE BOLSAS DE MESTRADO NAS ÁREAS DE ENSINO DE

EDITAL FAPERGS/CAPES 13/2013 CIÊNCIAS, MATEMÁTICA E HUMANIDADES CMH PROGRAMA DE BOLSAS DE MESTRADO NAS ÁREAS DE ENSINO DE EDITAL FAPERGS/CAPES 13/2013 PROGRAMA DE BOLSAS DE MESTRADO NAS ÁREAS DE ENSINO DE CIÊNCIAS, MATEMÁTICA E HUMANIDADES CMH A FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL FAPERGS e em parceria

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO CHOÇA ESTADO DA BAHIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO CHOÇA ESTADO DA BAHIA LEI Nº 272, DE 06 DE JUNHO DE 2014. Dispõe sobre a criação do Conselho Comunitário de Segurança Pública e Entidades Afins do Município de Barra do Choça e dá outras Providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE

Leia mais