Radiografia. da Saúde. Panorama da Saúde no Brasil. Modelos de Operadoras de Saúde. Bactéria radioativa combate câncer

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Radiografia. da Saúde. Panorama da Saúde no Brasil. Modelos de Operadoras de Saúde. Bactéria radioativa combate câncer"

Transcrição

1 Saúde em lugar Revista da Cruz Azul de São Paulo Ano I - N 1 - Março/2014 Distribuição gratuita Radiografia da Saúde na Cruz Azul Panorama da Saúde no Brasil Modelos de Operadoras de Saúde Bactéria radioativa combate câncer

2 Sumário Expediente Revista Saúde em Primeiro Lugar É uma publicação trimestral da Cruz Azul de São Paulo Corpo Diretivo Cel PM Julio Antonio de Freitas Gonçalves Superintendente Cel PM Renato Aldarvis Coordenador de Saúde Dr. Antonio Lucas Neto Coordenador Clínico Cel PM Renato Perrenoud Coordenador de Educação Cel PM Márcio Matheus Coordenador de Logística Cel PM Vicente Antonio Mariano Ferraz Coordenador de Finanças Cel PM Marcos Roberto Chaves da Silva Coordenador de Sustentabilidade Cel PM Silvio Roberto Montagner Chefe de Gabinete Publicação desenvolvida pela equipe da Gerência de Comunicação Corporativa Elisabeth Diniz, Rosana Rodrigues, Bianca Maciel, Marina Saraiva, Sabrina Tono, Victor Resende e Welton Lima. Jornalista Responsável: Walter Mazar - MTb /SP Fotos Banco de imagens da Cruz Azul e Shutterstock Tiragem exemplares Março/ Saúde evolui, mas falta qualidade, diz estudo Quem gasta mais com Saúde no País Altos e baixos da Saúde O polêmico Mais Médicos Saúde sempre vem em primeiro lugar Cruz Azul, um hospital essencialmente resolutivo Hospital e Ambulatórios Cruz Azul Modelos de Operadoras de Saúde atuantes no País Hospital Dia Bactéria radioativa combate câncer de pâncreas 2 Revista Saúde em Primeiro Lugar - N 1 - Março/2014

3 Opinião A Saúde, historicamente, faz parte da pauta de reivindicações da sociedade e é um dos principais temas de debate e embate político. Não é por menos, pois afeta diretamente cada brasileiro e se trata de fator motor de desenvolvimento socioeconômico do País. Como dizem, tudo na vida tem altos e baixos, mas, no caso da Saúde, o contraste gera imensa perplexidade. A impressão é que vivemos em uma eterna gangorra. Em determinados momentos e quesitos, somos vanguarda, modernos e inovadores. Em outras circunstâncias, a realidade é acachapante. O desequilíbrio funcional entenda-se atendimento, qualidade e serviços entre os municípios brasileiros demonstra que muito, mas muito, mesmo, ainda é preciso ser feito pela Saúde. No entanto, justiça seja feita: muito se fez e se faz, por governos, iniciativa privada, instituições e, claro, profissionais altruístas. Apesar de discutíveis para muitos, os dados do último Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) foram comemorados. A publicação decenal, variação do IDH desenvolvido pela Organização das Nações Unidas (ONU), indica que demos um salto em desenvolvimento. Os cálculos, com base na renda, longevidade (Saúde) e Educação, em uma escala de 0 a 1, demonstram que avançamos alguns níveis na classificação: do muito baixo, em 1991 (0,493), para alto, em 2010 (0,727). A conclusão que se tira, de um país continental como o nosso, capaz de conquistar as mais altas honrarias e, ao mesmo tempo, ainda lutar contra doenças relacionadas à falta de saneamento básico, é que somente investimentos maciços e devidamente direcionados serão capazes de equilibrar esta vertiginosa gangorra de uma vez por todas. Ao virar esta revista, você irá constatar como que a nossa Opinião a respeito da Saúde em nada difere do que pensamos sobre a Educação, pois as duas áreas vivem situações análogas e andam de mãos dadas à procura de soluções. Cruz Azul de São Paulo 3

4 Panorama da Saúde no Brasil Saúde evolui no Brasil, mas falta qualidade, diz estudo Relatório de 2013 do IBGE afirma que a área apresentou relevantes evoluções, no entanto, são necessários mais investimentos para atingir os objetivos determinados pela ONU até 2015 Os últimos dados sobre a Saúde no País, produzidos pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), foram divulgados em novembro de O relatório é resultado da análise dos indicadores sociais brasileiros, que são comparados com os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, estabelecidos internacionalmente sob o comando da Organização das Nações Unidas (ONU) e que devem ser cumpridos até O documento, Uma análise das condições de vida da população brasileira 2013, indica que o setor apresentou relevantes evoluções, com crescente investimento público, embora ainda insuficientes. Uma das ponderações do documento assinala que esforços adicionais são necessários para melhorar a qualidade dos serviços, tornar a Saúde pública mais equânime e homogênea no território e capaz de enfrentar os crescentes desafios ligados à dinâmica demográfica. O instituto de pesquisas destaca as áreas que apresentaram significativa evolução: a redução da mortalidade infantil e materna, o aumento do índice de tratamento da Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (Aids) e a capilaridade (expansão) da atenção básica. 4 Revista Saúde em Primeiro Lugar - N 1 - Março/2014

5 Panorama da Saúde no Brasil A mortalidade infantil, em 1990, era de 53,7 óbitos para cada mil nascidos vivos. Em 2010, o número cai para 18,6 óbitos. Esta redução indica uma tendência que vai ao encontro dos Objetivos do Milênio: redução para 17,9 óbitos até O relatório salienta o resultado da Região Nordeste do País que, em 1990, contabilizou 87,3 óbitos para cada mil nascidos vivos e, em 2010, 22,1 óbitos. Quanto à mortalidade materna (durante a gravidez, aborto, parto ou pós-parto), apesar do percentual expressivo, o Brasil não deve atingir o objetivo internacional de redução de 75% do índice de Em 2010, foi constatada a redução em 51%. Porém, neste mesmo ano, ocorreram 68 óbitos por 100 mil nascidos vivos, quase o dobro do estabelecido pela meta, 35 óbitos por 100 mil. Cânceres de mama e de colo de útero O documento do IBGE inclui a mortalidade materna no contexto saúde da mulher, e apresenta outros índices relevantes quanto à mortalidade por cânceres de mama e de colo de útero. Entre as mulheres de 30 a 69 anos, a mortalidade por câncer de mama apresentou alta: de 15,4 óbitos (1990) para 20,3 óbitos (2010). Os fatores que justificam o aumento são diagnóstico tardio, em consequência da dificuldade de acesso à consulta ou desinformação sobre exames preventivos; envelhecimento da população, em decorrência do aumento da expectativa de vida; e redução da taxa de natalidade o organismo recebe estrogênio, hormônio que propicia o câncer de mama, por mais tempo. A mortalidade por câncer de colo de útero, entre as mulheres de 30 a 69 anos, no mesmo período, se apresentou estável: de 8,7 óbitos por mil habitantes, em 1990, para 8,5, em Mortalidade materna: apesar do percentual expressivo, o Brasil não deve atingir o objetivo internacional de redução de 75% Aids e malária Também faz parte dos objetivos da ONU o combate à Aids e malária. O Brasil foi o primeiro país em desenvolvimento a proporcionar acesso universal e gratuito para o tratamento da Aids na rede de Saúde pública. A análise do IBGE indica que os casos de infecção pelo vírus HIV (Vírus da Imunodeficiência Humana) se mantiveram estáveis na população brasileira. As ocorrências entre 1997 e 2010 variaram apenas de 17,1 para 17,9 para cada 100 mil habitantes. E a taxa de mortalidade por Aids caiu de 7,6 óbitos por 100 mil habitantes, em 1997, para 6,4, em A taxa de mortalidade por malária doença tropical, infecciosa, transmitida pelo mosquito Anopheles também foi reduzida no País. Em 2000, a pesquisa indicou 1,1 para cada 100 mil habitantes e, em 2010, apenas 0,2. A Região Amazônica é a mais problemática, representando 99,9% de casos de malária no Brasil. O relatório conclui que investimentos nas condições sanitárias e ambientais, além da sua inegável função social, têm papel importante para a prevenção de doenças. Ao mesmo tempo, permanece a necessidade de mais investimentos em pesquisa para o tratamento de doenças ainda relevantes, assim como para a busca de novas tecnologias e de tratamentos mais eficientes. Cruz Azul de São Paulo 5

6 Panorama da Saúde no Brasil Quem gasta mais com Saúde no País O objetivo de desenvolver um sistema de Saúde com cobertura universal e atendimento integral é um desafio para o País. Para muitos, meta de tamanha magnitude será impossível sem mais investimentos. Atualmente, 56,3% das despesas em Saúde são bancadas pelas famílias brasileiras, enquanto que 43,7% provêm do poder público. A disparidade fica ainda mais evidente quando comparada com vários países integrantes da Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico, que investem 70%. A ampliação dos gastos públicos se mostra um elemento chave para o financiamento atual e futuro do sistema de Saúde brasileiro, diz o documento Uma análise das condições de vida da população brasileira 2013, do IBGE. Segundo o instituto de pesquisas, os gastos com Saúde representaram 7,2% do total das famílias, de acordo com a Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008/2009. Desta parcela, 48,6% foram destinados à compra de medicamentos, 29,8% com planos de Saúde e 4,7% com consultas e tratamentos dentários. Menor renda, mais gastos As famílias de menor renda gastam mais com exames (5,1%) e consultas médicas (4,4%) do que as de maior renda. Também têm o menor índice de acesso a planos de Saúde, o que, na avaliação do IBGE, pode refletir em carências de cobertura do SUS nesses serviços. O IBGE também analisa resultados da Agência Nacional de Saúde Suplementar (serviço privado). Estima-se que a cobertura dos planos de Saúde representa 24,7%. Deste total, 64% na Região Sudeste. São Paulo, Rio de Janeiro e Espirito Santos são os Estados com maior cobertura. Em contrapartida, os menores percentuais são registrados nas Regiões Norte e Nordeste. Os Estados com menor cobertura são Acre, Roraima e Maranhão. 6 Revista Saúde em Primeiro Lugar - N 1 - Março/2014

7 Panorama da Saúde no Brasil Altos e baixos da Saúde A revista médica britânica The Lancet publicou uma série de artigos sobre os diversos setores da Saúde pública do Brasil. O trabalho, divulgado em 2011, contou com a participação de 29 especialistas brasileiros e descreve a história da assistência médica no País, com ênfase o Sistema Único de Saúde (SUS), implantado em 1988 e considerado como um dos maiores do mundo, por abranger desde o simples atendimento ambulatorial até o transplante de órgãos. Fazem parte dos dados positivos a redução significativa da mortalidade causada pela doença de Chagas, esquistossomose, diarreia infantil, cólera e Aids (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida); e as campanhas de vacinação, apontando o País como exemplo mundial. No entanto, os especialistas salientam que a estratégia de redução de mortalidade ainda precisa ser aprimorada, principalmente, em municípios de pequeno e médio portes. Fazem parte dos dados negativos a falta de controle da dengue e da leishmaniose; o alto índice de abortos ilegais; a hipermedicalização dos partos, que compromete a saúde das mães; o avanço da obesidade e doenças relacionadas; e o alto número de mortes violentas, por crimes ou acidentes. A conclusão do trabalho afirma que é necessária a ampliação de verbas para a Saúde, pois somente com a melhora da infraestrutura o Estado poderá reduzir sua dependência dos serviços privados. Como alternativa, os especialistas também sugerem a promoção de ações envolvendo trabalhadores de Saúde, universidades, instituições de pesquisa, setor privado e a própria sociedade. As campanhas de vacinação como exemplo mundial Cruz Azul de São Paulo 7

8 Panorama da Saúde no Brasil O polêmico Mais Médicos É impossível sintetizar a dinâmica do Programa Mais Médicos do Governo Federal, pois todos os dias assistimos a um novo capítulo desta novela, que se configura eterna. Mas é possível selecionar alguns argumentos dos que são a favor ou contra a presença de médicos estrangeiros no País, além da conotação política da iniciativa. Para o Governo O Programa Mais Médicos faz parte de um amplo pacto de melhoria do atendimento aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS), que prevê investimento de R$ 15 bilhões em 2014 em infraestrutura dos hospitais e unidades de saúde, além de levar mais médicos para regiões onde não existem profissionais. Com a convocação de médicos para atuar na atenção básica de periferias de grandes cidades e municípios do interior do País, se garantirá mais médicos para o Brasil e mais saúde para você (slogan adotado pelo Governo). As vagas são oferecidas, prioritariamente, a médicos brasileiros, interessados em atuar nas regiões onde faltam profissionais. No caso do não preenchimento de todas as vagas, o Brasil aceita candidaturas de estrangeiros, com a intenção de resolver esse problema, que é emergencial para o País. Hoje, o Brasil possui 1,8 médico por mil habitantes. Esse índice é menor do que em outros países, como Argentina (3,2), Uruguai (3,7), Portugal (3,9) e Espanha (4). Além da carência de profissionais, o País sofre com uma distribuição desigual de médicos nas regiões 22 Estados possuem número de médicos abaixo da média nacional. Para quem é contra O Programa Mais Médicos é constantemente questionado na mídia, por representantes do Conselho Federal de Medicina (CFM), da Associação Médica Brasileira (AMB), da Federação Nacional dos Médicos (Fenam) e de organizações estudantis, entre outros. O governo é acusado de tentar transferir para os profissionais de Saúde a sua responsabilidade pelos problemas do SUS. Entendem, também, que é um equívoco a liberação dos estrangeiros do processo de revalidação do diploma, ressaltando que a medida facilitará a contratação de médicos de qualidade questionável. Muitos acreditam que mais médicos não são necessários, mas sim uma política de redistribuição territorial dos profissionais brasileiros. Sobre isso, argumentam que os profissionais não desejam ir para o interior porque o governo não garante condições de trabalho. Existem, ainda, três acusações sequenciais: o programa vai contra as leis trabalhistas, já que os médicos não têm carteira assinada; os médicos também não são considerados servidores públicos; e que está configurado regime de escravidão. Por último, mas, talvez, o mais importante para a grande maioria dos inquisidores do Mais Médicos, é que o programa não passa de demagogia eleitoreira. Certo ou errado, o fato é que na última pesquisa que se tem notícia até o fechamento desta edição de Saúde em primeiro lugar, realizada pela Confederação Nacional dos Transportes (novembro de 2013), o governo contava com o apoio de 84,3% da população. Detalhe: quando o programa foi lançado, o apoio era de 49,7%. 8 Revista Saúde em Primeiro Lugar - N 1 - Março/2014

9 Radiografia da Saúde na Cruz Azul Saúde sempre vem em primeiro lugar O atendimento interdisciplinar é um dos destaques do Hospital Cruz Azul, que procura compreender o paciente em sua totalidade para poder oferecer as melhores soluções O Complexo Hospitalar Cruz Azul realiza, mensalmente, 47 mil consultas nos ambulatórios e 22 mil atendimentos no pronto-socorro, além de 1,6 mil internações, 800 cirurgias e 250 partos, sempre privilegiando a família do Policial Militar e a sociedade, por meio de convênios e parcerias. A Instituição investe, continuamente, na modernização de seu sistema de Saúde, por meio de contratação de profissionais de renome em suas especialidades, integração de equipes, capacitação de colaboradores, introdução de novas tecnologias e aquisição de equipamentos de ponta, como o Pet/CT, tomografia por emissão de pósitrons (antipartícula do elétron). Pronto-Socorro O cliente tem à disposição um completo serviço de PS para adultos, crianças e gestantes; e equipes de enfermagem e médica capacitadas em clínica geral, ortopedia, pediatria e obstetrícia. O funcionamento é 24 horas e são seguidos todos os protocolos institucionais, referendados por instruções normativas internacionais. Os serviços e infraestrutura também são exemplares: consultórios, farmácia, salas de sutura e gesso, salas de urgência e postos de enfermagem para adultos e crianças, área de atendimento ginecológico/obstétrico, sala de repouso para medicação e observação, com leitos para repouso prolongado; e setor de radiologia convencional. Cruz Azul de São Paulo 9

10 Radiografia da Saúde na Cruz Azul Atendimento interdisciplinar O paciente deve ser entendido como um todo, pois as alterações funcionais e os aspectos psicológicos e sociais interferem na sua saúde e qualidade de vida. Por isso, o atendimento interdisciplinar ganha espaço e é entendido por muitos como essencial para uma abordagem integrada. O atendimento interdisciplinar é outro destaque da Cruz Azul. Como exemplo, no caso de gestante de alto risco, o acompanhamento é realizado por profissionais das áreas de obstetrícia, neonatologia, enfermagem, psicologia, serviço social e nutrição. Serviço de Nutrição e Dietética O Serviço de Nutrição e Dietética (SND) do Hospital Cruz Azul oferece alimentação equilibrada, sob os princípios da Ciência da Nutrição, com qualidade, quantidade e harmonia em sua apresentação. A missão da equipe de nutricionistas do SND é fornecer refeições de qualidade aos clientes, pacientes e colaboradores da Cruz Azul, livres de contaminação microbiológica, física ou química. Os fornecedores do SND são rigorosamente selecionados e, na elaboração dos cardápios, são consideradas as inúmeras variáveis do contexto hospitalar. Também é importante destacar a Assistência Nutricional, que classifica os pacientes para nutrição via oral, enteral ou parenteral; com acompanhamento diário e orientação na alta hospitalar. Atendimento humanizado A Cruz Azul desenvolve um trabalho consistente de atenção e acolhimento para clientes, pacientes e seus colaboradores. O Programa de Humanização tem como proposta criar e executar ações integradas de valorização dos atos de assistência aos usuários, nos diversos serviços disponíveis, acentuando aspectos de cordialidade, atenção diferenciada e consideração à dignidade das pessoas. Algumas ações desenvolvidas pelo Programa de Humanização Assistência Psicológica ao Funcionário Programa de Orientação Multidisciplinar de Alta e Fornecimento de Medicamentos de Gratuidade Sinalização e Orientação nos leitos Dia H Otimização da relação médico-paciente Adequação da infraestrutura do Velório e Necrotério Revisão dos padrões de Atendimento ao Cliente Espaço de Acolhimento Familiar Coral CRAZ Cruz Azul de São Paulo Exames Pensando em Você Grupo de Apoio ao Paciente Oncológico Promoção do Binômio Mãe-Filho Visita de cães terapeutas Visita dos Cães Terapeutas - INATAA 10 Revista Saúde em Primeiro Lugar - N 1 - Março/2014

11 Radiografia da Saúde na Cruz Azul Sistema de coparticipação A coparticipação no plano de Saúde representa o valor efetivamente pago pelo associado sempre que for executado algum procedimento em uma das unidades do Complexo Hospitalar Cruz Azul, como consultas ou exames (serviço auxiliar de diagnóstico e terapia) e curativos em pacientes. A Caixa Beneficente da Polícia Militar (CBPM), com a finalidade de buscar o equilíbrio do sistema assistencial, estabeleceu percentuais de ressarcimento de valores (coparticipação) para minimizar os impactos financeiros decorrentes da defasagem entre receita e despesa. Constantemente, são realizados estudos para manter a estabilidade dos serviços de Saúde prestados pela Cruz Azul e minimizar os impactos aos associados. Por isso, recentemente, foram estipulados novos descontos e isenção completa em vários itens do sistema de coparticipação. Tecnologia da Informação A Cruz Azul atualizou completamente o seu parque tecnológico de servidores, com a finalidade de aprimorar a segurança no armazenamento de laudos e exames radiológicos, assim como garantir a comunicação interna e troca de arquivos entre os bancos de dados da Instituição e da Caixa Beneficente da Polícia Militar (CBPM). A capacidade de armazenamento e processamento é garantida pela aquisição de equipamentos de última geração e do Sistema de Virtualização VMware, que simplifica a estrutura da Tecnologia da Informação (TI) e oferece diversos recursos para rede, armazenamento e computação. Especialidades disponíveis na Cruz Azul Anestesista Ambulatório de Dor Buco-Maxilo Cardiologia Clínica Cardiologia Cirúrgica Cardiologia Infantil Cirurgia Cabeça e Pescoço Cirurgia Torácica Cirurgia Geral Cirurgia Infantil Clínica Médica Geral Dermatologia Endocrinologia Endocrinologia Pediátrica Fonoaudiologia Gastroenterologia Gastroenterologia Infantil Ginecologia Hematologia Hepatologia Infectologista Infectologista Pediátrico Nefrologia Infantil Neuro Cirurgia Neuro Clínica Neuro Coluna Neuro Infantil Nutricionista Oftalmologia Oncologia Cirúrgica Oncologia Clínica Onco Hemato Pediatra Ortopedia Ortopedia de Coluna Ortopedia Pediátrica Ortopedia Oncológica Otorrinolaringologia Pediatria Perícia Médica Pneumologia Adulto Pneumo Infantil Psiquiatria Urologia Vascular Mais informações, acesse o site Cruz Azul de São Paulo 11

12 Radiografia da Saúde na Cruz Azul Origem A Associação Cruz Azul de São Paulo teve início em 1925 e até hoje cumpre a sua finalidade original: ser uma Instituição com perfil humanístico e de caráter beneficente, filantrópico e educativo. Tudo começou após a Revolução de 1924, com a proposta de atender a Força Pública, que necessitava oferecer assistência às famílias dos soldados vítimas do conflito. A decisão de criação da Instituição foi de um grupo de senhoras da sociedade e de oficiais. Assim surgiu a Associação das Damas da Cruz Azul de São Paulo. Pouco tempo depois, para que os homens pudessem participar das atividades, a denominação definitiva: Cruz Azul de São Paulo, com sócios militares e civis. inaugurados em A partir de 1948, inúmeras transformações que deram origem ao atual Complexo Hospitalar Cruz Azul e seus ambulatórios descentralizados. A missão educativa da Instituição também é cumprida até hoje. Em 1978, foi inaugurado o primeiro colégio. Hoje, são 10 unidades na Capital paulista e cidades vizinhas, além da FACRAZ Faculdade Cruz Azul e cursos profissionalizantes. No próximo mês de julho, a Cruz Azul irá comemorar 89 anos. Durante o percurso, a Instituição se modernizou e ampliou seu espectro de atendimento à sociedade em geral, que reconhece a sua competência e compromisso inabalável em prol da Saúde e Educação. Em 1928, a associação recebeu um terreno no bairro do Cambuci para a construção do Hospital e Maternidade, Complexo Hospitalar Cambuci - São Paulo - SP 12 Revista Saúde em Primeiro Lugar - N 1 - Março/2014

13 Radiografia da Saúde na Cruz Azul Cruz Azul, um hospital essencialmente resolutivo É curioso o que a internet pode revelar quando realizamos uma simples busca por hospital resolutivo. Muitos, do Brasil e exterior, se autointitulam desta forma e muito mais reafirmam sua intenção de um dia chegar lá, pois isto representa mais rentabilidade associada à qualidade, solucionalidade e satisfação de clientes e profissionais de Saúde. A resolutividade em Saúde é uma maneira de se avaliar os serviços a partir da capacidade de absorção de demanda (da atenção primária à de alta complexidade) até a satisfação dos clientes e médicos. O conceito, fomentado internacionalmente, foi utilizado no País na década de 80 para analisar as características tecnológicas do processo de trabalho da rede Estadual de Centros de Saúde de São Paulo. O Hospital Cruz Azul há vários anos desenvolve projetos com a finalidade de se enquadrar no conceito de resolutividade e, assim, promover a excelência em todos os setores de sua competência em Saúde. Por isso, e por sua infraestrutura, tecnologia envolvida e capacidade de atendimento em todos os níveis de complexidade que correspondem às características definidas pela OMS - Organização Mundial da Saúde, se transformou em referência para hospitais que desejam, um dia, também se tornar resolutivos. O novo papel dos hospitais nos sistemas integrados de serviços de Saúde no mundo, segundo a OMS, exige o seguinte conjunto de atributos e padrões: Deve ser um lugar para manejo de eventos agudos Deve ter uma escala adequada para operar com eficiência e qualidade Deve ter um projeto arquitetônico compatível com as suas funções e amigável aos seus usuários Deve apresentar uma densidade tecnológica compatível com suas funções, o que significa ter unidades de tratamento intensivo e semi-intensivo; unidades de internação; centro cirúrgico; unidade de emergência; unidade de apoio diagnóstico e terapêutico; unidade de atenção ambulatorial; unidade de assistência farmacêutica; unidade de cirurgia ambulatorial; unidade de Hospital Dia; e unidade de atenção domiciliar terapêutica Cruz Azul de São Paulo 13

14 Radiografia da Saúde na Cruz Azul Hospital e Ambulatórios Cruz Azul 14 Revista Saúde em Primeiro Lugar - N 1 - Março/2014

15 Convênios Modelos de operadoras de Saúde atuantes no País O Complexo Hospitalar Cruz Azul e os ambulatórios descentralizados da entidade mantêm diversos convênios para atender todas as pessoas que procuram serviço de qualidade, resolutivo e humanizado. Existem diversos modelos de operadoras de Saúde no mercado, que oferecem os mais variados planos. Elas se apresentam como medicina de grupo, autogestão, administradora, seguro, filantropia e cooperativa. E esta diversificação gera muitas dúvidas e equívocos. Pensando nisso, a revista Saúde em Primeiro Lugar resolveu decifrar o significado das modalidades regulamentas pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), vinculada ao Ministério da Saúde. Conheça todos os convênios e cidades cobertas pela Cruz Azul: Classificação das Operadoras Cruz Azul de São Paulo 15

16 Infraestrutura e Serviço Hospital Dia Soluções para os pacientes da Cruz Azul O Hospital Dia do Complexo Hospitalar Cruz Azul foi idealizado segundo os mais modernos conceitos de engenharia e arquitetura hospitalar, com a finalidade de garantir total segurança, bem-estar e humanização. O conceito de Hospital Dia surgiu no Canadá e vem sendo adotado por hospitais que buscam a excelência em todos os níveis. Entre as modalidades hospitalar e ambulatorial de atendimento, o Hospital Dia destina-se a pacientes que precisam se submeter a procedimentos cirúrgicos de baixa complexidade e/ou tratamentos contínuos sob supervisão médica, porém, sem necessidade de internação integral. O Hospital Dia da Cruz Azul, que integra o Complexo Hospitalar, entrou em funcionamento em 2012, realiza a média mensal de 80 atendimentos e oferece serviço de enfermagem exclusivo e todos os recursos técnicos necessários para a recuperação dos pacientes, aliando qualidade, conforto e praticidade. 16 Revista Saúde em Primeiro Lugar - N 1 - Março/2014

17 Avanços Bactéria radioativa combate câncer de pâncreas Bacilo que causa intoxicação alimentar carrega anticorpo com elemento radioativo e reduz metástase em 90% e diminui o tumor em 60% Após cinco anos do diagnóstico, cerca de 95% dos pacientes com câncer de pâncreas não resistem. É considerado como um dos piores porque, quando descoberto, já pode ter se espalhado pelo corpo (metástase), o que o torna incontrolável, praticamente. No entanto, surge uma nova esperança, que há pouco tempo atrás seria considerada ficcionista demais. Pesquisadores da Faculdade de Medicina Albert Einstein, Nova York (EUA), desenvolveram bactérias radioativas, que se infiltram nas células cancerosas para destruí-las. A bactéria modificada é a Listeria monocytogenes, um bacilo Gram-positivo causador de intoxicação alimentar. A nova versão, enfraquecida, carrega um anticorpo produzido em laboratório, com o elemento radioativo rênio-188. Uma vez injetada no sangue de ratos de laboratório, com câncer de pâncreas, o micro-organismo correspondeu à expectativa. As metástases se reduziram em mais de 90%, enquanto que o tumor principal diminuiu 60%, aproximadamente. Outro fator importante é que não foram observados efeitos colaterais, pois as bactérias radioativas somente agiram nas células cancerosas. Os pesquisadores acreditam que este resultado esteja diretamente ligado ao seu enfraquecimento. A ação da nova bactéria ainda não é totalmente conhecida, por isso são necessárias mais provas para que os testes em seres humanos sejam iniciados. Os ensaios clínicos estão previstos para Cruz Azul de São Paulo 17

18 Saúde em lugar Até aqui, você conheceu a visão da Cruz Azul sobre Saúde. Agora, feche e vire a revista para saber por que, para nós, a Educação também vem em primeiro lugar. Educação em lugar

reduzir a mortalidade infantil

reduzir a mortalidade infantil objetivo 4. reduzir a mortalidade infantil A mortalidade infantil reflete as condições socioeconômicas e ambientais de uma região assim como a condição de acesso a um sistema de saúde de qualidade. Além

Leia mais

HOSPITAL SÃO RAFAEL TUDO É POSSÍVEL A QUEM CRÊ

HOSPITAL SÃO RAFAEL TUDO É POSSÍVEL A QUEM CRÊ HOSPITAL SÃO RAFAEL TUDO É POSSÍVEL A QUEM CRÊ Origem A preocupação com as questões sociais fez com que o professor e sacerdote italiano D. Luigi Maria Verzé chegasse ao Brasil, em 1974, através do Monte

Leia mais

Relatório de. Gestão

Relatório de. Gestão Relatório de Gestão Sumário Apresentação... 2 Serviços Ofertados... 3 Recursos Humanos... 4 Análise Operacional... 5... U RGÊNCIA E EMERGÊNCIA... 5... A MBULATÓRIO... 6... I NTERNAÇÃO... 7... D ESEMPENHO

Leia mais

Pacto Nacional pela Saúde. Mais hospitais e unidades de saúde Mais Médicos Mais Formação

Pacto Nacional pela Saúde. Mais hospitais e unidades de saúde Mais Médicos Mais Formação Pacto Nacional pela Saúde Mais hospitais e unidades de saúde Mais Médicos Mais Formação 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Conheça mais: Programa Mais Médicos Faltam médicos no Brasil De 2003 a 2011, o número de postos

Leia mais

LIVRETO EXPLICATIVO DO PLAM MASTER

LIVRETO EXPLICATIVO DO PLAM MASTER LIVRETO EXPLICATIVO DO PLAM MASTER INDIVIDUAL FAMILIAR OPERADORA Plano de Assistência Médica Mineira Ltda PLAM Inscrição na Agência Nacional de Saúde ANS nº 38.228-1 OPERADORA - Plano de Assistência Médica

Leia mais

NÚMERO DE PROCEDIMENTOS DIAGNÓSTICOS POR

NÚMERO DE PROCEDIMENTOS DIAGNÓSTICOS POR INDICADOR: F.2 NÚMERO DE PROCEDIMENTOS DIAGNÓSTICOS POR CONSULTA MÉDICA (SUS) 1. Conceituação Número médio de procedimentos diagnósticos, de patologia clínica ou de imagenologia por consulta médica, apresentados

Leia mais

CUIDADOS AO CONTRATAR UM PLANO DE SAÚDE

CUIDADOS AO CONTRATAR UM PLANO DE SAÚDE 1 CUIDADOS AO CONTRATAR UM PLANO DE SAÚDE Ao contratar um Plano ou Seguro Saúde se faz necessário analisar alguns pontos como as questões das carências, das doenças pré-existentes, coberturas de emergências

Leia mais

Para a Categoria Funcional de Nível Superior, nas seguintes áreas/especialidades:

Para a Categoria Funcional de Nível Superior, nas seguintes áreas/especialidades: Vagas e requisitos Para a Categoria Funcional de Nível Superior, nas seguintes áreas/especialidades: Áreas/Especialidades Vagas Pré-Requisitos Análises Clínicas (Biologia) 01 a) Formação Superior Completa

Leia mais

PLANO INDIVIDUAL OU FAMILIAR UNIMED. Cuidamos de quem é importante para você

PLANO INDIVIDUAL OU FAMILIAR UNIMED. Cuidamos de quem é importante para você PLANO INDIVIDUAL OU FAMILIAR UNIMED Cuidamos de quem é importante para você plano individual ou familiar Unimed Atenção, respeito e e ciência são pré-requisitos indispensáveis quando se pensa em uma operadora

Leia mais

Nomenclatura dos Produtos

Nomenclatura dos Produtos Nomenclatura dos Produtos Características Cobertura Global Abrange Consultas Médicas, Serviços Auxiliares de Diagnose e Terapia, Atendimentos Ambulatoriais, Internações Hospitalares e Parto. Cobertura

Leia mais

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 44 44 OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO BRASIL OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE NA INFÂNCIA pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 45 45 4 " META 5 REDUZIR EM DOIS TERÇOS, ENTRE

Leia mais

VAGAS e INSCRITOS por GRUPO 39 85

VAGAS e INSCRITOS por GRUPO 39 85 01 - ÁREAS BÁSICAS COM ACESSO DIRETO 1 ANESTESIOLOGIA - 3 ANOS 15 165 11,0 2 CIRURGIA GERAL - 2 ANOS 46 211 4,6 3 CLÍNICA MÉDICA - 2 ANOS 54 275 5,1 4 DERMATOLOGIA - 3 ANOS 5 88 17,6 5 INFECTOLOGIA - 3

Leia mais

Pesquisa da relação entre. médicos, dentistas e fisioterapeutas. com planos de saúde

Pesquisa da relação entre. médicos, dentistas e fisioterapeutas. com planos de saúde Pesquisa da relação entre médicos, dentistas e fisioterapeutas Abril / 2013 Objetivo Conhecer a opinião dos médicos especialistas, cirurgiões-dentistas e fisioterapeutas sobre a relação com os planos ou

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais

PROGRAMA DATA LOCAL E INFORMAÇÕES HORÁRIO

PROGRAMA DATA LOCAL E INFORMAÇÕES HORÁRIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE - SANTA CASA DE PORTO ALEGRE COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA PROCESSO SELETIVO DE RESIDÊNCIA MÉDICA 2015 CALENDÁRIO DA 2ª

Leia mais

ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO

ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO ANALISTA EM SAÚDE/ ASSISTENTE SOCIAL PLANTONISTA REQUISITOS: Certificado ou Declaração de conclusão do Curso de Serviço Social, registrado no MEC; E

Leia mais

TOTVS Série 1 Saúde. CASE Hospital do Círculo. Diego Tatsch TOTVS Saúde / Maio- 2011

TOTVS Série 1 Saúde. CASE Hospital do Círculo. Diego Tatsch TOTVS Saúde / Maio- 2011 1 TOTVS Série 1 Saúde CASE Hospital do Círculo Diego Tatsch TOTVS Saúde / Maio- 2011 2 TOTVS Série 1 Saúde Apresentação I) Produto Série 1 Saúde II) Especialidades específicas III) TISS IV) Segurança I)

Leia mais

ATENÇÃO: Os cargos estão listados em ordenação alfabética por nível decrescente de escolaridade (superior, médio e fundamental).

ATENÇÃO: Os cargos estão listados em ordenação alfabética por nível decrescente de escolaridade (superior, médio e fundamental). 1 de 9 ATENÇÃO: Os cargos estão listados em ordenação alfabética por nível decrescente de escolaridade (superior, médio e fundamental). CARGO PERFIL PRÉ REQUISITO NÍVEL SUPERIOR Administrador Curso Superior

Leia mais

OSMAR DE LIMA MAGALHÃES Secretário do Governo Municipal

OSMAR DE LIMA MAGALHÃES Secretário do Governo Municipal PREFEITURA DE GOIÂNIA 1 GABINETE DO PREFEITO DECRETO Nº 1663, DE 02 DE JULHO DE 2012. Aprova o detalhamento das funções/especialidades dos cargos do Quadro Permanente da Função Saúde da Administração Pública

Leia mais

Curso de Aperfeiçoamento em Medicina Oral e Odontologia Hospitalar

Curso de Aperfeiçoamento em Medicina Oral e Odontologia Hospitalar MINISTÉRIO DA SAÚDE HOSPITAL FEDERAL DOS SERVIDORES DO ESTADO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA Curso de Aperfeiçoamento em Medicina Oral e Odontologia Hospitalar JUSTIFICATIVA A Promoção de saúde só será completa

Leia mais

ANEXO I CARGOS, VAGAS, VENCIMENTO INICIAL, CARGA HORÁRIA, REQUISITOS MÍNIMOS EXIGIDOS, E TAXA DE INSCRIÇÃO. Vencimento Inicial em reais.

ANEXO I CARGOS, VAGAS, VENCIMENTO INICIAL, CARGA HORÁRIA, REQUISITOS MÍNIMOS EXIGIDOS, E TAXA DE INSCRIÇÃO. Vencimento Inicial em reais. ANEXO I CARGOS, VAGAS, VENCIMENTO INICIAL, CARGA HORÁRIA, REQUISITOS MÍNIMOS EXIGIDOS, E TAXA DE INSCRIÇÃO. Cód. Cargo 1 Ajudante de Carga e Descarga Vagas Vagas Reservadas Deficientes Vencimento Inicial

Leia mais

NÚMERO DE CONSULTAS MÉDICAS (SUS) POR HABITANTE

NÚMERO DE CONSULTAS MÉDICAS (SUS) POR HABITANTE Indicadores de cobertura NÚMERO DE CONSULTAS MÉDICAS (SUS) POR HABITANTE 1. Conceituação x Número médio de consultas médicas apresentadas no Sistema Único de Saúde (SUS) por habitante, em determinado espaço

Leia mais

Dados gerais sobre o atendimento oftalmológico no Brasil

Dados gerais sobre o atendimento oftalmológico no Brasil As Condições de Sa ú d e Oc u l a r n o Br a s i l 2012 124 Dados gerais sobre o atendimento oftalmológico no Brasil As Condições de Sa ú d e Oc u l a r n o Br a s i l 2012 126 Dados de financiamento

Leia mais

Seminário: "TURISMO DE SAÚDE NO BRASIL: MERCADO EM ASCENSÃO"

Seminário: TURISMO DE SAÚDE NO BRASIL: MERCADO EM ASCENSÃO Seminário: "TURISMO DE SAÚDE NO BRASIL: MERCADO EM ASCENSÃO" FLEURY LINHA DO TEMPO Uma história de sucesso Uma história de sucesso Uma história de sucesso Uma história de sucesso Uma história de sucesso

Leia mais

MANUAL DO ASSOCIADO. SAÚDE desde 1928

MANUAL DO ASSOCIADO. SAÚDE desde 1928 MANUAL DO ASSOCIADO SAÚDE desde 1928 1 Seja Bem-Vindo, Associado IBCM! É com muita satisfação que oferecemos a você, nosso associado, este manual, que vai ajudá-lo a entender melhor todos os benefícios

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 10 DE JANEIRO DE 2001

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 10 DE JANEIRO DE 2001 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 10 DE JANEIRO DE 2001 DO 9-E, de 12/1/01 O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições, Considerando a Portaria SAS/MS nº 224, de

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO 03/2015-EBSERH/HU-UFJF ANEXO II DO EDITAL Nº 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA, DE 06 DE MARÇO DE 2015 RELAÇÃO DE EMPREGOS E REQUISITOS

CONCURSO PÚBLICO 03/2015-EBSERH/HU-UFJF ANEXO II DO EDITAL Nº 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA, DE 06 DE MARÇO DE 2015 RELAÇÃO DE EMPREGOS E REQUISITOS CONCURSO PÚBLICO 03/2015-EBSERH/HU-UFJF ANEXO II DO EDITAL Nº 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA, DE 06 DE MARÇO DE 2015 RELAÇÃO DE EMPREGOS E REQUISITOS Código Especialidade Requisitos 006 Médico - Anestesiologia

Leia mais

REAL SOCIEDADE ESPANHOLA DE BENEFICÊNCIA (RSEB) HOSPITAL REGIONAL DE SANTA MARIA/DF (HRSM) GABARITO OFICIAL DEFINITIVO.

REAL SOCIEDADE ESPANHOLA DE BENEFICÊNCIA (RSEB) HOSPITAL REGIONAL DE SANTA MARIA/DF (HRSM) GABARITO OFICIAL DEFINITIVO. EMPREGO 1: ASSISTENTE SOCIAL TIPO A Gabarito D X D A C B A D C A D A A A D Gabarito D B B X C C C D C C D C C C D EMPREGO 2: CIRURGIÃO BUCO-MAXILO-FACIAL TIPO A Gabarito D X D A C B A D C A B A C A D Gabarito

Leia mais

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade.

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade. No programa de governo do senador Roberto Requião, candidato ao governo do estado pela coligação Paraná Com Governo (PMDB/PV/PPL), consta um capítulo destinado apenas à universalização do acesso à Saúde.

Leia mais

ANEXO III QUADRO DE PROVAS QUADRO SETORIAL DA SAÚDE

ANEXO III QUADRO DE PROVAS QUADRO SETORIAL DA SAÚDE 1 ANEXO III QUADRO DE PROVAS QUADRO SETORIAL DA CARGO AGENTE DE HIGIENIZAÇÃO DE CÓDIGO DE INSCRIÇÃO AUXILIAR DE COZINHA 2. COPEIRO 3. COZINHEIRO 4. GUARDA PATRIMONIAL 5. ATENDENTE DE CONSULTORIO DENTARIO

Leia mais

Assistência. Assistência no INCA

Assistência. Assistência no INCA Assistência A qualidade do tratamento oferecido aos pacientes pelo Sistema Único de Saúde é de alta prioridade entre as ações desenvolvidas para o controle do câncer no Brasil. Por tratar-se de uma doença

Leia mais

4º SEMINÁRIO AUTOGESTÃO COMO MODELO IDEAL PARA A SAÚDE CORPORATIVA A SUSTENTABILIDADE DA SAÚDE NAS -

4º SEMINÁRIO AUTOGESTÃO COMO MODELO IDEAL PARA A SAÚDE CORPORATIVA A SUSTENTABILIDADE DA SAÚDE NAS - 4º SEMINÁRIO AUTOGESTÃO COMO MODELO IDEAL PARA A SAÚDE CORPORATIVA A SUSTENTABILIDADE DA SAÚDE NAS - EMPRESAS - OS DESAFIOS PARA O SEGMENTO DE AUTOGESTÃO Vilma Dias GERENTE DA UNIDADE CASSI SP AGENDA 1.

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO 06/2015-EBSERH/HC-UFG ANEXO II DO EDITAL Nº 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA, DE 16 DE JULHO DE 2015 RELAÇÃO DE EMPREGOS E REQUISITOS

CONCURSO PÚBLICO 06/2015-EBSERH/HC-UFG ANEXO II DO EDITAL Nº 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA, DE 16 DE JULHO DE 2015 RELAÇÃO DE EMPREGOS E REQUISITOS CONCURSO PÚBLICO 06/2015-EBSERH/HC-UFG ANEXO II DO EDITAL Nº 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA, DE 16 DE JULHO DE 2015 RELAÇÃO DE EMPREGOS E REQUISITOS Código Especialidade Requisitos 004 Médico - Alergia e Imunologia

Leia mais

QUESTIONÁRIO PARA O SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL PARA MÉDICOS, PSICÓLOGOS, FISIOTERAPEUTAS E DEMAIS PRESTADORES DE SERVIÇOS MÉDICOS

QUESTIONÁRIO PARA O SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL PARA MÉDICOS, PSICÓLOGOS, FISIOTERAPEUTAS E DEMAIS PRESTADORES DE SERVIÇOS MÉDICOS QUESTIONÁRIO PARA O SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL PARA MÉDICOS, PSICÓLOGOS, FISIOTERAPEUTAS E DEMAIS PRESTADORES DE SERVIÇOS MÉDICOS O objetivo deste questionário é analisar as atividades

Leia mais

Filantropia e Responsabilidade Social do Hospital Sírio-Libanês

Filantropia e Responsabilidade Social do Hospital Sírio-Libanês Filantropia e Responsabilidade Social do Hospital Sírio-Libanês Í ndice Fi l a nt ro p i a e R e s p o n s a b i l i d a d e S o c i a l 0 5 A Sociedade e a Filantropia Hoje 07 Dezenove Projetos em Parceria

Leia mais

ANEXO I (VAGAS E REQUISITOS) QUADRO SETORIAL DA SAÚDE

ANEXO I (VAGAS E REQUISITOS) QUADRO SETORIAL DA SAÚDE ANEXO I (VAGAS E REQUISITOS) QUADRO SETORIAL DA SAÚDE CARGO CÓDIGO REQUISITOS VAGAS VAGA DEFICIENTE Curso Superior, em nível de graduação, em Enfermagem, ENFERMEIRO DO TRABALHO SE-503 registro profissional

Leia mais

ANEXO I - QUADRO DE CARGOS

ANEXO I - QUADRO DE CARGOS COD NÍVEL ELEMENTAR CARGO CARGA HORÁRIA SEMANAL ANEXO I - QUADRO DE CARGOS VAGAS ÓRGÃO REQUISITO SALÁRIO BASE INICIAL E0 Auxiliar de Serviços Gerais Perfil Serviço de Copa e DAE Fundamental Incompleto

Leia mais

LISTA TELEFÔNICA DO HCE LOCALIZAÇÃO DDD PABX RAMAL RITEX + RAMAL CENTRAL TELEFÔNICA

LISTA TELEFÔNICA DO HCE LOCALIZAÇÃO DDD PABX RAMAL RITEX + RAMAL CENTRAL TELEFÔNICA LISTA TELEFÔNICA DO HCE LOCALIZAÇÃO DDD PABX RAMAL RITEX + RAMAL CENTRAL TELEFÔNICA 21 3891 7000 816+Ramal DIREÇÃO Gabinete do Diretor 21 Tel. Direto 3860-6570 Gabinete do Diretor (FAX) 21 Tel. Direto

Leia mais

Curso de Graduação em MEDICINA Plano Curricular Pleno 2014/1

Curso de Graduação em MEDICINA Plano Curricular Pleno 2014/1 Curso de Graduação em MEDICINA Plano Curricular Pleno 2014/1 MED-100 - Unidades de Ensino da área de conhecimento das bases moleculares e celulares dos processos normais e alterados, da estrutura e função

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL EM GENÉTICA CLÍNICA

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL EM GENÉTICA CLÍNICA NOTA TÉCNICA 05 2007 POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL EM GENÉTICA CLÍNICA Versão preliminar Brasília, 20 de março de 2007. POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL EM GENÉTICA CLÍNICA 1. Antecedentes

Leia mais

Cargo Municipio Tipo Vaga Total Vagas Total Inscritos

Cargo Municipio Tipo Vaga Total Vagas Total Inscritos Cargo Municipio Tipo Vaga Total Vagas Total Inscritos Cand/Vaga AUXILIAR DE ENFERMAGEM AMAPA NAO-DEFICIENTE 1 29 29,00 ENFERMEIRO AMAPA NAO-DEFICIENTE 3 18 6,00 FARMACEUTICO/BIOQUIMICO AMAPA NAO-DEFICIENTE

Leia mais

LINHA DE DESENVOLVIMENTO INICIAÇÃO AO SERVIÇO PÚBLICO PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO AO SERVIÇO PÚBLICO AO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO

LINHA DE DESENVOLVIMENTO INICIAÇÃO AO SERVIÇO PÚBLICO PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO AO SERVIÇO PÚBLICO AO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO LINHA DE DESENVOLVIMENTO INICIAÇÃO AO SERVIÇO PÚBLICO Visa ao conhecimento da função do estado, das especificidades do serviço público, da missão da IFE e da conduta do servidor público e sua integração

Leia mais

Curso Superior Completo em Medicina com especialização reconhecida pelo CRM em Cardiologia e registro no órgão competente

Curso Superior Completo em Medicina com especialização reconhecida pelo CRM em Cardiologia e registro no órgão competente ANEXO DEMONSTRATVO DE VAGAS, REQUSTOS E DESCRÇÃO DAS ATVDADES DOS CARGOS DO PLANO DE CARRERA DA SECRETARA MUNCPAL DE SAÚDE (Lei n.º 7.403 de 28/12/94) Cargo / Nível Função Especialidade N.º de Vagas Requisitos

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA SECRETARIA DE ORGANIZAÇÃO INSTITUCIONAL HOSPITAL DAS FORÇAS ARMADAS (HFA)

MINISTÉRIO DA DEFESA SECRETARIA DE ORGANIZAÇÃO INSTITUCIONAL HOSPITAL DAS FORÇAS ARMADAS (HFA) U N I V E R S I D A D E D E B R A S Í L I A (UnB) CENTRO DE SELEÇÃO E DE PROMOÇÃO DE EVENTOS (CESPE) MINISTÉRIO DA DEFESA SECRETARIA DE ORGANIZAÇÃO INSTITUCIONAL HOSPITAL DAS FORÇAS ARMADAS (HFA) Concurso

Leia mais

CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃOADÃO

CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃOADÃO CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃOADÃO Hospital Universitário Dr. Miguel Riet Corrêa Jr. Rua Visconde de Paranaguá, nº 24 Campus Saúde CEP: 96.200-190 Bairro Centro Rio Grande Rio Grande do Sul/RS Brasil Acesso

Leia mais

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros.

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros. 3 - Introdução 4 - Quais são as métricas para alcançar uma boa ÍNDICE As Métricas Fundamentais da Gestão Hospitalar gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos 11 - Indicadores operacionais 14 - Indicadores

Leia mais

REDE CREDENCIADA MARÍTIMA SEGURO SAÚDE- MAIO 2014

REDE CREDENCIADA MARÍTIMA SEGURO SAÚDE- MAIO 2014 CATEGORIA_DIVULGAÇÃO ESPECIALIDADE_DIVULGAÇÃO NOME_FANTASIA_PONTO BAIRRO_PONTO SERVIÇO DE DIAGNÓSTICO LABORATORIO / ANATOMIA PATOLOGICA CEDACLIN CENTRO SERVIÇO DE TERAPIA FISIOTERAPIA CEMED IMAGEM CENTRO

Leia mais

Hospital Universitário Ana Bezerra HUAB/UFRN

Hospital Universitário Ana Bezerra HUAB/UFRN Hospital Universitário Ana Bezerra HUAB/UFRN DIMENSIONAMENTO DE SERVIÇOS ASSISTENCIAIS E DA GERÊNCIA DE ENSINO E PESQUISA BRASÍLIA-DF, 27 DE MARÇO DE 2013. Página 1 de 20 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 1.1.

Leia mais

DIAMANTE V7.2.2 www.pacotediamante.com.br (Compatível com a versão 9 do PRODOCTOR) Primeira instalação do DIAMANTE

DIAMANTE V7.2.2 www.pacotediamante.com.br (Compatível com a versão 9 do PRODOCTOR) Primeira instalação do DIAMANTE SERVIDOR DIAMANTE V7.2.2 www.pacotediamante.com.br (Compatível com a versão 9 do PRODOCTOR) Primeira instalação do DIAMANTE Opção A O Prodoctor foi instalado de forma padrão, no disco C do servidor. C:\Prodoctor9

Leia mais

ALAGOAS MACEIÓ URGÊNCIA GERAL URGÊNCIA ORTOPÉDICA URGÊNCIA PEDIÁTRICA HOSPITAL GERAL URGÊNCIA E EMERGÊNCIA URGÊNCIA CARDÍACA

ALAGOAS MACEIÓ URGÊNCIA GERAL URGÊNCIA ORTOPÉDICA URGÊNCIA PEDIÁTRICA HOSPITAL GERAL URGÊNCIA E EMERGÊNCIA URGÊNCIA CARDÍACA URGÊNCIA GERAL ALAGOAS URGÊNCIA ORTOPÉDICA URGÊNCIA PEDIÁTRICA HOSPITAL GERAL MACEIÓ URGÊNCIA E EMERGÊNCIA URGÊNCIA CARDÍACA RUA HUGO CORREIA PAES, 253. farol FONE: (82) 2123-7000 REDE CONTRATADA PARA

Leia mais

ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO CEARÁ (ESP-CE) PROCESSO SELETIVO PÚBLICO SIMPLIFICADO PARA PREENCHIMENTO DOS EMPREGOS PÚBLICOS DE POLICLÍNICAS

ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO CEARÁ (ESP-CE) PROCESSO SELETIVO PÚBLICO SIMPLIFICADO PARA PREENCHIMENTO DOS EMPREGOS PÚBLICOS DE POLICLÍNICAS 2024 003.507.983-54 80.00 (PACAJUS) ENFERMEIRO 2019 004.798.133-45 75.00 (PACAJUS) ENFERMEIRO 2143 600.324.453-42 75.00 (PACAJUS) ENFERMEIRO 2322 884.313.043-91 75.00 (PACAJUS) ENFERMEIRO 2027 631.747.313-72

Leia mais

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS O presente levantamento mostra a situação dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) nos municípios brasileiros. Para realizar a comparação de forma mais precisa,

Leia mais

SAÚDE E TRATAMENTOS MÉDICOS

SAÚDE E TRATAMENTOS MÉDICOS SAÚDE E TRATAMENTOS MÉDICOS CENTRO DE PROMOÇÃO À SAÚDE Iwata-shi Kounodai 57-1 É um órgão da prefeitura que tem como objetivo principal: promover serviços visando o bem-estar e a saúde dos cidadãos e a

Leia mais

Cobertura assistencial PLANOS DE SAÚDE CONHEÇA SEUS DIREITOS. Contratos. Tipos de plano. Coberturas obrigatórias. Planos novos e adaptados SÉRIE

Cobertura assistencial PLANOS DE SAÚDE CONHEÇA SEUS DIREITOS. Contratos. Tipos de plano. Coberturas obrigatórias. Planos novos e adaptados SÉRIE Cobertura assistencial Contratos Tipos de plano Coberturas obrigatórias Planos novos e adaptados SÉRIE PLANOS DE SAÚDE CONHEÇA SEUS DIREITOS Cobertura assistencial SÉRIE PLANOS DE SAÚDE CONHEÇA SEUS DIREITOS

Leia mais

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem ANÁLISE DAS NOTIFICAÇÕES DE DENGUE APÓS ATUAÇÃO DO SERVIÇO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR INTRODUÇÃO: A Dengue é uma doença infecciosa febril aguda de amplo espectro clínico e de grande importância

Leia mais

RESIDÊNCIA MÉDICA 2016

RESIDÊNCIA MÉDICA 2016 4600074 1 100 100 - CIRURGIA GERAL Convocado 4600086 2 100 100 - CIRURGIA GERAL Convocado 4600489 3 100 100 - CIRURGIA GERAL Convocado 4600487 4 100 100 - CIRURGIA GERAL Convocado 4600670 5 100 100 - CIRURGIA

Leia mais

Módulo Ambulatorial+Hospitalar +Obstetrícia PREZADO ASSOCIADO

Módulo Ambulatorial+Hospitalar +Obstetrícia PREZADO ASSOCIADO Tabela Comercial UNIFAMÍLIA EMPRESARIAL POR ADESÃO COPARTICIPATIVO 50% Módulo Ambulatorial+Hospitalar +Obstetrícia Cobertura de consultas médicas de pré-natal, exames complementares bem como atendimentos

Leia mais

Combater o HIV/Aids, a malária e outras doenças

Combater o HIV/Aids, a malária e outras doenças Combater o HIV/Aids, a malária e outras doenças META Até 2015, ter detido a propagação do HIV/Aids e começado a inverter a tendência atual. 6a META Alcançar, até, o acesso universal ao tratamento para

Leia mais

Aprovado no CONGRAD: 14.02.06 Vigência: ingressos a partir de 2006/2 CÓD. 1548 CURSO DE MEDICINA

Aprovado no CONGRAD: 14.02.06 Vigência: ingressos a partir de 2006/2 CÓD. 1548 CURSO DE MEDICINA Aprovado no CONGRAD: 14..06 Vigência: ingressos a partir de 2006/2 CÓD. 48 CURSO DE MEDICINA EIXOS TRANSVERSAIS E ÁREAS DO CONHECIMENTO DO CURRÍCULO PLENO ACADÊMI COS I FUNDAMENTOS CONCEITUAIS DO CURSO

Leia mais

DIAMANTE PLUS-CORP Versão 1.00.01 (Compatível com o PRODOCTOR PLUS e PRODOCTOR CORP)

DIAMANTE PLUS-CORP Versão 1.00.01 (Compatível com o PRODOCTOR PLUS e PRODOCTOR CORP) DIAMANTE PLUS-CORP Versão 1.00.01 (Compatível com o PRODOCTOR PLUS e PRODOCTOR CORP) Esta orientação é para clientes que vão iniciar a utilização do DIAMANTE PLUS CORP. SERVIDOR Acesse o site www.pacotediamante.com.br.

Leia mais

SELEÇÃO UNIFICADA PARA RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO CEARÁ - SURCE 2014/2015

SELEÇÃO UNIFICADA PARA RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO CEARÁ - SURCE 2014/2015 SELEÇÃO UNIFICADA PARA RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO CEARÁ - SURCE 2014/2015 ANEXO II - PROGRAMAS / VAGAS / INSTITUIÇÕES As vagas ofertadas são de total responsabilidade de cada uma das respectivas instituições

Leia mais

Universidade Federal Do Triângulo Mineiro

Universidade Federal Do Triângulo Mineiro Universidade Federal Do Triângulo Mineiro UFTM está entre as dez melhores universidades do País. A UFTM, segundo o Índice Geral de Cursos - IGC, divulgado nesta quinta-feira, 17, pelo Inep - Instituto

Leia mais

Nutrição e dietética:

Nutrição e dietética: O sistema permite o cadastro de vários almoxarifados, e controla os estoques separadamente de cada um, bem como o cadastro de grupos de estocagem, visando o agrupamento dos insumos estocáveis, classificados

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO 09/2014-EBSERH/HU-UFMS ANEXO II DO EDITAL Nº 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA, DE 17 DE ABRIL DE 2014 RELAÇÃO DE EMPREGOS E REQUISITOS

CONCURSO PÚBLICO 09/2014-EBSERH/HU-UFMS ANEXO II DO EDITAL Nº 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA, DE 17 DE ABRIL DE 2014 RELAÇÃO DE EMPREGOS E REQUISITOS CONCURSO PÚBLICO 09/2014-EBSERH/HU-UFMS ANEXO II DO EDITAL Nº 02 - EBSERH - ÁREA MÉDICA, DE 17 DE ABRIL DE 2014 RELAÇÃO DE EMPREGOS E REQUISITOS Código Especialidade Requisitos 801 802 Médico Alergia e

Leia mais

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE Paulo Eduardo Elias* Alguns países constroem estruturas de saúde com a finalidade de garantir meios adequados para que as necessidades

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE Prioritária 1: Manter o incentivo aos Programas do Núcleo Apoio da Saúde da Família

Leia mais

RETIFICAÇÃO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO HOSPITAL METROPOLITANO DOUTOR CÉLIO DE CASTRO EDITAL Nº 08/2014

RETIFICAÇÃO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO HOSPITAL METROPOLITANO DOUTOR CÉLIO DE CASTRO EDITAL Nº 08/2014 RETIFICAÇÃO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO HOSPITAL METROPOLITANO DOUTOR CÉLIO DE CASTRO EDITAL Nº 08/2014 O Secretário Municipal Adjunto de Recursos Humanos, no uso de suas atribuições legais, comunica as alterações

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUAZEIRO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS NO QUADRO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE JUAZEIRO

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUAZEIRO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS NO QUADRO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE JUAZEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE JUAZEIRO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS NO QUADRO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE JUAZEIRO RETIFICAÇÃO DO EDITAL Nº 001/2007 O PREFEITO MUNICIPAL DE JUAZEIRO, ESTADO DA BAHIA,

Leia mais

PROGRAMA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE

PROGRAMA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE NOSSO PLANO 1 2 PROGRAMA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE Sumário 1. O Nosso Plano 2. Programa de Promoção da Saúde 3. Por que aderir 4. COMO ADERIR 5. Os tipos de planos 6. Como Funciona 7. Dúvidas Frequentes 8.

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO FINAL DA SELEÇÃO PÚBLICA PARA ADMISSÃO DE MÉDICOS COMO COOPERADOS NA UNIMED JUIZ DE FORA 01/2012

CLASSIFICAÇÃO FINAL DA SELEÇÃO PÚBLICA PARA ADMISSÃO DE MÉDICOS COMO COOPERADOS NA UNIMED JUIZ DE FORA 01/2012 34288 Acupuntura 59 aprovado 3 45210 Alergia e Imunologia 56,5 aprovado 5 42926 Anestesiologia 62,5 aprovado 48867 Anestesiologia 60,5 aprovado 48235 Anestesiologia 59 aprovado 9 48302 Anestesiologia 56

Leia mais

HOSPITAL DOS SERVIDORES DO ESTADO RIO DE JANEIRO

HOSPITAL DOS SERVIDORES DO ESTADO RIO DE JANEIRO U N I V E R S I D A D E D E B R A S Í L I A (UnB) CENTRO DE SELEÇÃO E DE PROMOÇÃO DE EVENTOS (CESPE) HOSPITAL DOS SERVIDORES DO ESTADO RIO DE JANEIRO Processo Seletivo Simplificado GABARITOS OFICIAIS PRELIMINARES

Leia mais

EXERCÍCIOS ALIMENTOS. As novidades em nutrição. Eles ajudam você a ter uma vida melhor VIVER MAIS. Como amadurecer sem perder o otimismo

EXERCÍCIOS ALIMENTOS. As novidades em nutrição. Eles ajudam você a ter uma vida melhor VIVER MAIS. Como amadurecer sem perder o otimismo EXERCÍCIOS Eles ajudam você a ter uma vida melhor ALIMENTOS As novidades em nutrição VIVER MAIS Como amadurecer sem perder o otimismo Alto padrão em saúde Eles se destacam pela qualidade das instalações,

Leia mais

Acupuntura AMN 3º andar

Acupuntura AMN 3º andar Relação de Setores e Serviços Setor / Serviço Unidade Localização Acupuntura 3º andar Aleitamento Materno CPPHO 1º andar Alergia 1º pav., ala 2 Alergo Imunologia Pediátrica CPPHO Térreo Almoxarifado 1º

Leia mais

Apesquisa AMS é uma pesquisa censitária, realizada

Apesquisa AMS é uma pesquisa censitária, realizada Notas técnicas Apesquisa AMS é uma pesquisa censitária, realizada através de entrevista, que abrange todos os estabelecimentos de saúde existentes no País que prestam assistência à saúde individual ou

Leia mais

40 horas semanais Taxa de inscrição R$ 50,00

40 horas semanais Taxa de inscrição R$ 50,00 2.1 ARTÍFICE Ensino Fundamental Completo e experiência comprovada na área de atuação, quando da Salário R$ 622,00 Taxa de inscrição R$ 50,00 2.2 ASSISTENTE SOCIAL Salário R$ 2.223,74 30 horas semanais

Leia mais

APRESENTAÇÃO QUALIVIDA

APRESENTAÇÃO QUALIVIDA APRESENTAÇÃO QUALIVIDA (143.846 segurados ) (1.010.965 associados) (1.403.755 associados) (373.839 associados) 4.389 empresas 3.000.000 vidas * Dados jan 2013 2 MISSÃO NOSSA MISSÃO NOSSA MISSÃO Tornar

Leia mais

ÍNDICE. Foto: João Borges. 2 Hospital Universitário Cajuru - 100% SUS

ÍNDICE. Foto: João Borges. 2 Hospital Universitário Cajuru - 100% SUS ÍNDICE Apresentação...03 Hospital Universitário Cajuru...04 Estrutura...04 Especialidades Atendidas...05 Diferenças entre atendimento de urgência, emergência e eletivo...06 Protocolo de Atendimento...07

Leia mais

Convênio de reconhecimento de especialidades médicas - Resolução CFM 1666 de 7/5/2003 *****

Convênio de reconhecimento de especialidades médicas - Resolução CFM 1666 de 7/5/2003 ***** Convênio de reconhecimento de especialidades médicas - Resolução CFM 1666 de 7/5/2003 ***** Ementa: Dispõe sobre a nova redação do Anexo II da Resolução CFM n.º 1.634/2002, que celebra o convênio de reconhecimento

Leia mais

RESIDÊNCIA MÉDICA 2016

RESIDÊNCIA MÉDICA 2016 4600074 1 100 100 - CIRURGIA GERAL 4600086 2 100 100 - CIRURGIA GERAL 4600489 3 100 100 - CIRURGIA GERAL 4600487 4 100 100 - CIRURGIA GERAL 4600670 5 100 100 - CIRURGIA GERAL 4600415 6 100 100 - CIRURGIA

Leia mais

POLÍTICA DE QUALIFICAÇÃO MÉDICA Edição: 24/10/2013 NORMA Nº 650

POLÍTICA DE QUALIFICAÇÃO MÉDICA Edição: 24/10/2013 NORMA Nº 650 Página: 1/36 1- OBJETIVO Garantir a segurança do paciente e da Instituição, através da definição dos requisitos básicos que permitem ao médico exercer o ato médico no Sistema de Saúde Mãe de Deus (SSMD).

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA RESOLUÇÃO Nº 1.634, DE 11 DE ABRIL DE 2002

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA RESOLUÇÃO Nº 1.634, DE 11 DE ABRIL DE 2002 CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA RESOLUÇÃO Nº 1.634, DE 11 DE ABRIL DE 2002 Dispõe sobre convênio de reconhecimento de especialidades médicas firmado entre o Conselho Federal de Medicina CFM, a Associação

Leia mais

SELEÇÃO UNIFICADA PARA RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO CEARÁ SURCE 2012 ADITIVO AO EDITAL Nº 02/2011

SELEÇÃO UNIFICADA PARA RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO CEARÁ SURCE 2012 ADITIVO AO EDITAL Nº 02/2011 SELEÇÃO UNIFICADA PARA RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO CEARÁ SURCE 2012 ADITIVO AO EDITAL Nº /2011 A Coordenação Geral do Grupo Gestor da SURCE e a Coordenação de Ensino e Pesquisa dos Hospitais Universitários

Leia mais

Unimed Brasil. A Unimed é a maior experiência cooperativista na área da saúde em todo o mundo e também a maior rede de assistência médica do Brasil:

Unimed Brasil. A Unimed é a maior experiência cooperativista na área da saúde em todo o mundo e também a maior rede de assistência médica do Brasil: Unimed Brasil A Unimed é a maior experiência cooperativista na área da saúde em todo o mundo e também a maior rede de assistência médica do Brasil: Presente em 83% território nacional; 375 cooperativas

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: SAÚDE PÚBLICA JANEIRO/2012

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: SAÚDE PÚBLICA JANEIRO/2012 RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: SAÚDE PÚBLICA JANEIRO/2012 Pesquisa CNI-IBOPE CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI Robson Braga de Andrade Presidente Diretoria Executiva - DIREX José Augusto Coelho

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.763/05 (Publicada no D.O.U., de 09 Mar 2005, Seção I, p. 189-192)

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.763/05 (Publicada no D.O.U., de 09 Mar 2005, Seção I, p. 189-192) Página 1 de 17 RESOLUÇÃO CFM Nº 1.763/05 (Publicada no D.O.U., de 09 Mar 2005, Seção I, p. 189-192) Dispõe sobre a nova redação do Anexo II da Resolução CFM nº 1.666/2003, que celebra o convênio de reconhecimento

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO LUIZA MACHADO COORDENADORA ATENÇÃO Ä SAÚDE DA PESSOA IDOSA -AÇÕES DO MINISTERIO

Leia mais

Tabela de Vendas. Saúde

Tabela de Vendas. Saúde Tabela de Vendas Tabela de Preços Ambulatorial + Hospitalar com Obstetrícia REGISTRO ANS ACOMODAÇÃO 0 a 18 anos Next 10 473.323/15-1 QC R$ 83,18 19 a 23 anos R$ 112,97 ÁREA DE ATUAÇÃO NEXT SEISA 24 a 28

Leia mais

A saúde do tamanho do Brasil

A saúde do tamanho do Brasil A saúde do tamanho do Brasil BREVE HISTÓRIA DE UMA LONGA CAMINHADA A saúde é um direito de todos e um dever do Estado. Essa conquista social, incorporada à Constituição Federal de 1988 e construída a partir

Leia mais

DIAMANTE V11.00.03 www.pacotediamante.com.br (Compatível com a versão 11 do PRODOCTOR)

DIAMANTE V11.00.03 www.pacotediamante.com.br (Compatível com a versão 11 do PRODOCTOR) DIAMANTE V11.00.03 www.pacotediamante.com.br (Compatível com a versão 11 do PRODOCTOR) SERVIDOR ATENÇÃO Esta operação só poderá ser efetuada no servidor, e com todas as estações do PRODOCTOR DESLIGADAS.

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE VÁRZEA GRANDE RETIFICAÇÃO EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2011/ PMVG/MT, DE 21 DE SETEMBRO DE 2011.

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE VÁRZEA GRANDE RETIFICAÇÃO EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2011/ PMVG/MT, DE 21 DE SETEMBRO DE 2011. ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE VÁRZEA GRANDE RETIFICAÇÃO EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO Nº 00/0/ PMVG/MT, DE DE SETEMBRO DE 0. A Prefeitura Municipal de Várzea Grande, no uso de suas atribuições

Leia mais

REDE HOSPITALAR DE SANTAS CASAS E FILANTRÓPICOS BRASILEIROS

REDE HOSPITALAR DE SANTAS CASAS E FILANTRÓPICOS BRASILEIROS REDE HOSPITALAR DE SANTAS CASAS E FILANTRÓPICOS BRASILEIROS HOSPITAIS ATENDIMENTOS AMBULATORIAIS SUS 240.430.247 1.753 TOTAL SUS LEITOS 170.869 126.883 (74%) INTERNAÇÕES SUS TOTAL 11.590.793 100% FILANTRÓPICOS

Leia mais

Quem vou ser daqui a 20 anos Público. Privado. Assistencial Acadêmica Gestão. Assistencial Acadêmico Gestão Autônomo

Quem vou ser daqui a 20 anos Público. Privado. Assistencial Acadêmica Gestão. Assistencial Acadêmico Gestão Autônomo Dr Milton Glezer Quem vou ser daqui a 20 anos Público Assistencial Acadêmica Gestão Privado Assistencial Acadêmico Gestão Autônomo Mudanças nos planos de saúde- melhorar cada vez mais o funcionamento dos

Leia mais

Hosp. Municipal Prof. Dr. Alípio Corrêa Netto

Hosp. Municipal Prof. Dr. Alípio Corrêa Netto Hosp. Municipal Prof. Dr. Alípio Corrêa Netto A construção do Hospital Municipal Profº Drº Alípio Corrêa Netto foi uma reivindicação do movimento popular junto à Secretaria de Higiene e Saúde desde 1982.

Leia mais

QUADRO DEMONSTRATIVO DE CARGOS, VAGAS, VENCIMENTOS E DESCRIÇÃO SUMÁRIA DAS ATIVIDADES

QUADRO DEMONSTRATIVO DE CARGOS, VAGAS, VENCIMENTOS E DESCRIÇÃO SUMÁRIA DAS ATIVIDADES ANEXO I QUADRO DEMONSTRATIVO DE CARGOS, VAGAS, VENCIMENTOS E DESCRIÇÃO SUMÁRIA DAS ATIVIDADES CARGO ASSISTENTE SOCIAL / PNS NÍVEL SUPERIOR Função Vagas Município Requisito Remuneração ASSISTENTE SOCIAL

Leia mais

PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO)

PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO) PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO) Mês e Ano de elaboração MODELO PARA ELABORAÇÃO DA PAS 2014: Gerência de Programação em Saúde- DEPLAN/SUSAM 1 SUMÁRIO IDENTIFICAÇÃO DO MUNICÍPIO...3 ELABORAÇÃO...4

Leia mais

92 anos de amor às crianças e aos adolescentes

92 anos de amor às crianças e aos adolescentes 92 anos de amor às crianças e aos adolescentes COMPLEXO PEQUENO PRÍNCIPE Missão do Complexo Proteger a criança e o adolescente por meio da assistência, do ensino, da pesquisa e da mobilização social, fortalecendo

Leia mais

NORMAS DE ATENDIMENTO A CONVÊNIOS E PARTICULARES

NORMAS DE ATENDIMENTO A CONVÊNIOS E PARTICULARES NORMAS DE ATENDIMENTO A CONVÊNIOS E PARTICULARES Conceitos CONSULTAS Atendimentos sem urgência por ordem de chegada. Não existe dentro do Pronto-Socorro e em nenhum local do hospital prévia marcação de

Leia mais

EDITAL nº 103/2009 - ANEXO I CONCURSO PÚBLICO PARA O MAGISTÉRIO SUPERIOR DA UEA. Escola Superior de Ciências da Saúde

EDITAL nº 103/2009 - ANEXO I CONCURSO PÚBLICO PARA O MAGISTÉRIO SUPERIOR DA UEA. Escola Superior de Ciências da Saúde EDITAL nº 103/2009 - ANEXO I CONCURSO PÚBLICO PARA O MAGISTÉRIO SUPERIOR DA UEA Escola Superior de Ciências da Saúde Período de Inscrição: 18 de janeiro de 2010 a 19 de fevereiro de 2010. Local de Inscrição:

Leia mais

RELAÇÃO DE CARGOS. Requisito P/ Provimento. Salario Inicial 40 horas Semanais R$ 778,00. horaria. Ref. Denominação QTD

RELAÇÃO DE CARGOS. Requisito P/ Provimento. Salario Inicial 40 horas Semanais R$ 778,00. horaria. Ref. Denominação QTD RELAÇÃO DE CARGOS Ref. Denominação QTD 3 Agente de Combate as Endias 5 Requisito P/ Provimento Ensino Fundamenta + Curso Preparatório de responsabilidade da Prefeitura presença e nota de 80% de aproveitamento

Leia mais

O lançamento aconteceu em 8 de março de 2004, Dia Internacional da Mulher.

O lançamento aconteceu em 8 de março de 2004, Dia Internacional da Mulher. Sinopse As últimas décadas marcaram o avanço do papel da mulher na economia. Cada vez mais mulheres são responsáveis pela administração de seus lares e é crescente sua participação no mercado de trabalho,

Leia mais