PERFIL DO TRABALHO DECENTE NO BRASIL: UM OLHAR SOBRE AS UNIDADES DA FEDERAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PERFIL DO TRABALHO DECENTE NO BRASIL: UM OLHAR SOBRE AS UNIDADES DA FEDERAÇÃO"

Transcrição

1

2

3 PERFIL DO TRABALHO DECENTE NO BRASIL: UM OLHAR SOBRE AS UNIDADES DA FEDERAÇÃO

4 Copyright Organização Internacional do Trabalho 2012 Primeira edição: 2012 As publicações da Organização Internacional do Trabalho gozam de proteção de direitos de propriedade intelectual em virtude do Protocolo 2 da Convenção Universal sobre Direitos Autorais. No entanto, pequenos trechos dessas publicações podem ser reproduzidos sem autorização, desde que a fonte seja mencionada. Para obter direitos de reprodução ou de tradução, solicitações para esses fins devem ser apresentadas ao Departamento de Publicações da OIT (Direitos e permissões), International Labour Office, CH-1211 Geneva 22, Suíça, ou por correio eletrônico: Solicitações dessa natureza serão bem-vindas. As bibliotecas, instituições e outros usuários registrados em uma organização de direitos de reprodução podem fazer cópias, de acordo com as licenças emitidas para este fim. A instituição de direitos de reprodução do seu país pode ser encontrada no site GUIMARÃES, José Ribeiro Soares. Perfil do Trabalho Decente no Brasil: um olhar sobre as Unidades da Federação. / José Ribeiro Soares Guimarães. Brasília: OIT, p. ISBN: (web pdf) Organização Internacional do Trabalho; Escritório no Brasil. Trabalho Decente, oportunidade de emprego, condições de trabalho, seguridade social, diálogo social,/ Brasil Dados de catalogação da OIT As denominações empregadas e a forma na qual dados são apresentados nas publicações da OIT, segundo a praxe adotada pelas Nações Unidas, não implicam nenhum julgamento por parte da Organização Internacional do Trabalho sobre a condição jurídica de nenhum país, zona ou território citado ou de suas autoridades e tampouco sobre a delimitação de suas fronteiras. A responsabilidade pelas opiniões expressadas nos artigos, estudos e outras colaborações assinados cabe exclusivamente aos seus autores e sua publicação não significa que a OIT as endosse. Referências a empresas ou a processos ou produtos comerciais não implicam aprovação por parte da Organização Internacional do Trabalho e o fato de não serem mencionadas empresas ou processos ou produtos comerciais não implica nenhuma desaprovação. As publicações e produtos eletrônicos da OIT podem ser obtidos nas principais livrarias ou no Escritório da OIT no Brasil: Setor de Embaixadas Norte, Lote 35, Brasília - DF, , tel.: (61) , ou no International Labour Office, CH Geneva 22, Suíça. Catálogos ou listas de novas publicações estão disponíveis gratuitamente nos endereços acima ou por Impresso no Brasil

5 Organização Internacional do Trabalho (OIT) Diretora do Escritório no Brasil Laís Wendel Abramo Diretor do Departamento de Integração de Políticas Stephen Pursey Projeto Monitorando e Avaliando o Progresso no Trabalho Decente (MAP) Coordenadora Internacional Naima Pages Coordenador Nacional do Projeto no Brasil José Ribeiro Soares Guimarães Elaboração e Coordenação do Relatório Perfil do Trabalho Decente no Brasil: um olhar sobre as Unidades da Federação José Ribeiro Soares Guimarães Consultores Danielle Fuly Edmundo Figueiroa Gabriela Souto Jéssica Souza Tiago Oliveira Supervisão Técnica Laís Abramo Projeto Gráfico Júlio Cesar Leitão

6 Prefácio Em 1999 a OIT formalizou o conceito de Trabalho Decente como uma síntese da sua missão histórica de promover oportunidades para que homens e mulheres obtenham um trabalho produtivo e de qualidade, em condições de liberdade, equidade, segurança e dignidade humanas. O Trabalho Decente é o ponto de convergência dos quatro objetivos estratégicos da OIT (o respeito aos direitos no trabalho, a promoção do emprego, a extensão da proteção social e o fortalecimento do diálogo social), e condição fundamental para a superação da pobreza, a redução das desigualdades sociais, a garantia da governabilidade democrática e o desenvolvimento sustentável. Os Governos e os Estados-membros da OIT, assim como as organizações de empregadores e trabalhadores, reconheceram a importância de monitorar o progresso do Trabalho Decente, e, em 2008, a 97ª Reunião da Conferência Internacional do Trabalho, adotou a Declaração sobre Justiça Social para uma Globalização Equitativa (2008), que recomenda, entre outras medidas, que os Estados-membros considerem o estabelecimento de indicadores ou estatísticas apropriadas, se necessário com a assistência técnica da OIT, para monitorar e avaliar o progresso feito [em matéria de Trabalho Decente]. 1 Em setembro de 2008, uma Reunião Tripartite de Peritos em medição do Trabalho Decente forneceu as diretrizes para que o Escritório da OIT compilasse um conjunto de indicadores, distribuídos em dez áreas temáticas: oportunidades de emprego; rendimentos adequados e trabalho produtivo; jornada de Trabalho Decente; conciliação entre o trabalho, vida pessoal e familiar; trabalho a ser abolido; estabilidade e segurança no trabalho; igualdade de oportunidades e de tratamento no emprego; ambiente de trabalho seguro; seguridade social; e diálogo social e representação de trabalhadores e empregadores. Também é objeto de análise o contexto econômico e social que condiciona o Trabalho Decente. Além de dados estatísticos, também se apontou a necessidade de incluir informação qualitativa sobre direitos do trabalho e o marco legal e institucional para o Trabalho Decente. Em novembro de 2008, o Conselho de Administração da OIT decidiu desenvolver uma experiência piloto de aplicação dessa metodologia em um número limitado de países. O Governo brasileiro manifestou interesse em colaborar com essa iniciativa e sugeriu que o país integrasse essa experiência piloto, juntamente com a Áustria, Malásia, Tanzânia e Ucrânia. O Governo brasileiro já vinha compilando uma lista de indicadores para avaliar seu progresso no alcance das metas da Agenda Nacional do Trabalho Decente no Brasil, lançada em maio de Em fevereiro de 2009 teve início o Projeto OIT/CE Monitorando e Avaliando o Progresso do Trabalho Decente (MAP), financiado pela União Europeia, com objetivo de apoiar esse esforço da OIT de desenvolver experiências piloto de medição do Trabalho Decente em dez países em diferentes regiões do mundo. O Brasil foi selecionado como um desses países, e as atividades do projeto MAP se iniciaram no país em julho de Em dezembro desse mesmo ano, o Escritório da OIT no Brasil lançou o relatório sobre o Perfil do Trabalho Decente no Brasil, que avalia o progresso em matéria de Trabalho Decente entre 1992 e Além de representar uma primeira tentativa sistematizada de medir esse progresso a partir das diretrizes propostas em 2008, o objetivo é que esse modelo de relatório possa se constituir num instrumento de monitoramento e avaliação periódica a ser colocado à disposição do País. A elaboração desse primeiro relatório foi precedida por um processo de consulta tripartite. Em agosto de 2009, o Escritório da OIT no Brasil organizou uma Oficina Tripartite de Indicadores de Trabalho Decente, com o intuito de avaliar um conjunto de indicadores propostos para o Brasil, além de considerar a possibilidade de incluir outros, levando-se em conta a disponibilidade de 1 Vide Parágrafo II.B. ii) da Declaração sobre Justiça Social para uma Globalização Equitativa, adotada pela Conferência Internacional do Trabalho na 97ª Sessão em Genebra no 10 de junho de 2008, e disponível no link: groups/public/---dgreports/cabinet/documents/publication/wcms_ pdf

7 informações e o conjunto de indicadores principais já homologados no âmbito da OIT durante a já mencionada Reunião Tripartite de Peritos em medição do Trabalho Decente. A Oficina contou com a participação de representantes do Ministério do Trabalho e Emprego, organizações de empregadores e trabalhadores, IBGE, IPEA e academia. Além de propor indicadores adicionais, discutiram-se as fontes estatísticas que poderiam ser usadas para medir o progresso no Trabalho Decente no país, assim como alguns resultados preliminares. Vários dos indicadores propostos no âmbito dessa Oficina foram incorporados ao primeiro relatório, lançado em dezembro de O presente relatório constitui a segunda edição do Perfil do Trabalho Decente no Brasil. Ele se refere predominantemente à segunda metade dos anos 2000 e incorpora um conjunto muito mais amplo de indicadores do que os contemplados na primeira edição. Adicionalmente, acrescenta um capítulo pioneiro sobre as empresas e o Trabalho Decente. Além de apresentar um conjunto de indicadores e análises relativos às empresas, que podem ajudar a definir políticas e ações relativas à promoção do Trabalho Decente, visa contribuir também para o desenvolvimento e o aperfeiçoamento da metodologia de medição do Trabalho Decente. Trata-se de um primeiro esforço metodológico que deverá ser aperfeiçoado em futuras edições deste relatório, por intermédio de novas contribuições oriundas de oficinas de consulta tripartite no âmbito da medição do Trabalho Decente. O relatório inclui também, de forma inédita no âmbito internacional do Projeto MAP, uma série importante de dados relativos às 27 Unidades da Federação, com o objetivo de analisar a grande heterogeneidade e diversidade de situações existente ao longo do território nacional em todas as dimensões do Trabalho Decente. Essa desagregação dos dados por UF, além da sua importância analítica, tem grande relevância para o desenho das políticas públicas. A elaboração desse segundo relatório, de responsabilidade do Escritório da OIT no Brasil, também foi precedida de um processo de consulta com os constituintes tripartites da OIT no País. Em junho de 2011, em parceria com o IBGE, foi realizada uma Oficina Técnica de Construção de uma Pesquisa Suplementar Domiciliar em Temas de Trabalho Decente, com a presença de representantes de governos (federal e dos estados que possuíam naquela ocasião agendas de Trabalho Decente), empregadores, trabalhadores e academia. Entre julho e agosto de 2011 esse processo de consulta e discussão foi significativamente ampliado, com a realização de seis oficinas regionais de capacitação em construção e análise de indicadores de Trabalho Decente, que contaram com a presença de 155 técnicos representando governos (federal e estaduais), organizações de empregadores e trabalhadores, a academia e outras organizações da sociedade civil de 25 das 27 Unidades da Federação. Essas oficinas foram realizadas no contexto de um termo de cooperação assinado em 2009 entre a OIT e o FONSET (Fórum Nacional de Secretarias do Trabalho), a partir de uma solicitação desse organismo, e como parte do processo de assistência técnica da OIT à realização das Conferências Estaduais de Emprego e Trabalho Decente, preparatórias à I Conferência Nacional de Emprego e Trabalho Decente, que será realizada em Brasília, em agosto de Nessas oficinas foram apresentados e discutidos vários dos novos indicadores que compõem o presente relatório. Finalmente, em maio de 2012, foi realizada nova Oficina de consulta tripartite, na qual foram apresentados e discutidos tanto a metodologia quanto os resultados preliminares deste Relatório, além de possíveis desdobramentos em termos de políticas de promoção do Trabalho Decente. Este Relatório foi elaborado por José Ribeiro Soares Guimarães, coordenador do Projeto MAP no Brasil, a quem agradeço profundamente pela sua capacidade técnica, empenho e compromisso em relação à coordenação e execução de um trabalho dessa magnitude, e em grande parte inédito, que, esperamos, contribua para o avanço da promoção do Trabalho Decente no Brasil. Laís Abramo Diretora do Escritório País da OIT no Brasil

8 Agradecimentos O Perfil do Trabalho Decente no Brasil: um olhar sobre as Unidades da Federação foi elaborado pelo Escritório da Organização Internacional do Trabalho (OIT) no Brasil. Gostaríamos de agradecer a cooperação técnica do IBGE, o apoio do Ministério do Trabalho e Emprego, do Fórum Nacional de Secretarias do Trabalho (FONSET) e a colaboração do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) e de diversos ministérios que forneceram assistência técnica quando solicitada. Agradecemos também aos representantes das organizações de empregadores e trabalhadores brasileiros, pela importante e ampla participação nas oficinas técnicas tripartite de consulta e pelo espírito colaborativo, ao longo de todo o processo de elaboração deste relatório Somos particularmente gratos a Janine Berg, especialista de emprego da OIT, pela inestimável colaboração prestada ao longo da sua permanência como supervisora técnica do Projeto Monitoramento e Avaliação do Progresso do Trabalho Decente (MAP), durante o período de julho de 2009 a julho de Também agradecemos aos colegas do Escritório da OIT no Brasil que colaboraram de diversas maneiras com a elaboração deste relatório: Adalgisa Soares, Ana Lúcia Monteiro, Andrea Araújo, Andréa Bolzon, Andréa Melo, Fernanda Carvalho, Josélia Oliveira, Larissa Lamera, Luiz Machado, Marcia Prates, Marcia Vasconcelos, Maria Cláudia Falcão, Mônica Cabañas, Natanael Lopes, Paulo Muçouçah, Rafaela Egg, Renato Mendes, Severino Goes, Sinomar Fonseca, Sonia Levi, Stanley Gacek, Thaís Faria e Welma Batista. Os nossos sinceros agradecimentos à equipe de Administração, Recursos Humanos e Finanças, do Escritório da OIT no Brasil. Agradecemos também aos colegas da OIT Stephen Pursey, Rafael Diez de Medina, Monica Castillo, David Glejberman, Miguel Del Cid, Margaret Mottaz, Sharon Dubois, Niamh Hogan, Eduard Serra e Helmut Schwarzer pelo importante apoio prestado. Por fim, gostaríamos de agradecer à União Européia por financiar este relatório no âmbito do Projeto OIT/CE Monitoramento e Avaliação do Progresso do Trabalho Decente (MAP) e à coordenadora internacional do projeto pela OIT, Naima Pages, pelo apoio prestado. O conteúdo do Perfil do Trabalho Decente no Brasil não necessariamente reflete as posições das instituições mencionadas acima. Quaisquer erros e eventuais omissões são de inteira responsabilidade do Escritório da Organização Internacional do Trabalho.

9 Notas Técnicas A construção e análise dos Indicadores de Trabalho Decente foram baseadas em fontes de estatísticas oficiais, oriundas das mais diversas instituições integrantes do Sistema Estatístico Nacional. Até o ano de 2003, a abrangência geográfica da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) do IBGE não abarcava a Região Norte do país, a exceção da Unidade da Federação do Tocantins. Em 2004, a PNAD foi implantada nas áreas rurais de Rondônia, Acre, Amazonas, Roraima, Pará e Amapá e alcançou a cobertura completa do território nacional. Diante deste contexto, com o intuito de garantir a comparabilidade das informações provenientes da PNAD e a cobertura para todo o território nacional, os indicadores de Trabalho Decente, baseados na mesma, se referem ao período 2004/2009. Alguns indicadores são referentes aos anos de 2010 e 2011, apresentando como fontes principais o Censo Demográfico 2010 do IBGE e registros administrativos dos mais diversos ministérios. No caso dos indicadores por cor ou raça baseados na PNAD, a categoria negros inclui a população autodeclarada de pretos, pardos e indígenas e a categoria brancos inclui a população de brancos e amarelos. Em 2009, a composição da população brasileira por raça e cor apresentava a seguinte distribuição: brancos (48,2%), pardos (44,2%), pretos (6,9%) e amarelos ou indígenas (0,7%). Com o intuito de aprofundar as análises de gênero e raça, foram construídos indicadores desagregados por novas categorias de sexo e cor ou raça homens brancos, mulheres brancas, homens negros e mulheres negras, além das categorias utilizadas na edição anterior: total, homens, mulheres, brancos e negros. Na grande maioria dos capítulos do presente relatório são mencionadas diversas Normas Internacionais do Trabalho, sob a forma de convenções, recomendações, resoluções e declarações. Todos estes instrumentos são adotados pela Conferência Internacional do Trabalho, órgão máximo de decisão da OIT, que se reúne uma vez por ano. As convenções da OIT são tratados internacionais que definem padrões mínimos a serem observados por todos os países que as ratificam. A ratificação de uma convenção da OIT por qualquer de seus Estados-Membros é um ato soberano e implica sua incorporação ao sistema jurídico, legislativo, executivo e administrativo do país em questão, tendo, portanto, um caráter vinculante. As recomendações, por sua vez, não têm caráter vinculante em termos legais e jurídicos. Frequentemente uma recomendação complementa uma convenção, propondo princípios reitores mais definidos sobre a forma como esta poderia ser aplicada. Existem também recomendações autônomas, que não estão associadas a nenhuma convenção, e que podem servir como guias para a legislação e as políticas públicas dos Estados-Membros.

10 As resoluções representam pautas destinadas a orientar os Estados-Membros e a própria OIT em matérias específicas, e as declarações contribuem para a criação de princípios gerais de direito internacional. Ainda que não tenham o mesmo caráter vinculante das convenções, os Estados-Membros devem responder à OIT quanto às iniciativas e medidas tomadas para promover e implementar os fins e os princípios das declarações. Objetivando informar ao leitor que opte por ler capítulos específicos do relatório, algumas definições de conceitos, fontes de dados, indicadores e termos se repetem em distintos capítulos. Por fim, a versão impressa (a ser divulgada) apresentará adicionalmente o conjunto dos Indicadores Normativos 1, abarcando as dimensões de medição do Trabalho Decente. Tais indicadores apresentam a descrição sucinta da legislação nacional relacionada aos princípios fundamentais do Trabalho Decente, informação sobre os trabalhadores cobertos pela legislação, políticas existentes, informação sobre a ratificação das convenções da OIT, entre outras. Na referida versão impressa, também serão disponibilizados os números absolutos referentes ao total de trabalhadores e trabalhadoras ocupados/as por sexo e cor ou raça para o conjunto do Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação. 1 São exemplos de Indicadores Normativos: Duração Máxima do Trabalho; Licença-Maternidade, Trabalho Infantil, Legislação sobre a Proteção do Emprego, Igualdade de Remuneração para Trabalho de Igual Valor, Auxílio-Doença Acidentário, Inspeção do Trabalho.

11 SUMÁRIO Prefácio... 6 Agradecimentos... 8 Notas Técnicas... 9 Lista de Tabelas Lista de Gráficos Lista de Quadros Lista de Figuras Mapa Esquema Lista de siglas e abreviações Contexto Econômico e Social Oportunidades de Emprego Rendimentos Adequados e Trabalho Produtivo Jornada de Trabalho Decente Conciliação entre Trabalho, Vida Pessoal e Vida Familiar Trabalho a ser Abolido Estabilidade e Segurança no Trabalho Igualdade de Oportunidades e de Tratamento no Emprego Ambiente de Trabalho Seguro Seguridade Social Diálogo Social e Representação de Trabalhadores e Empregadores Empresas e Trabalho Decente Referências Bibliográficas e Bibliografia Consultada

12 12 Perfil do Trabalho Decente no Brasil: Um Olhar sobre as Unidades da Federação Lista de Tabelas tabela 1 Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) - investimentos programados, 2007 a 2010 tabela 2 Participação Percentual das Grandes Regiões no PIB Brasil e Grandes Regiões, 2004 e 2009 tabela 3 Produto Interno Bruto (PIB) e posição no ranking nacional, Unidades da Federação, 2004 e 2009 tabela 4 Produto Interno Bruto (PIB) per capita e ranking nacional, Unidades da Federação, 2004 e 2009 tabela 5 Produtividade do trabalho por macrosetores e variação média anual, Brasil, tabela 6 Índice de Gini da distribuição da renda domiciliar per capita, Brasil e Grandes Regiões, tabela 7 Proporção da renda total apropriada pelos 10% mais pobres e 10% mais ricos da distribuição segundo a renda domiciliar per capita e razão entre os 10% mais ricos e 10% mais pobres, Brasil e Unidades da Federação, 2004 e 2009 tabela 8 Distribuição percentual das pessoas ocupadas de 16 anos ou mais de idade por agrupamentos de atividade do trabalho principal, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, 2004 e 2009 tabela 9 Taxa de frequência líquida a estabelecimento de ensino da população de 06 a 17 anos de idade, por grupo de idade e nível de ensino, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, 2004 e 2009 tabela 10 Taxa de alfabetização das pessoas de 15 anos ou mais de idade, por sexo, cor ou raça e situação de domicílio, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, 2004 e 2009 tabela 11 Taxa de analfabetismo funcional das pessoas de 15 anos ou mais de idade por sexo, cor ou raça e situação de domicílio, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, 2004 e 2009 tabela 12 Número médio de anos de estudo das pessoas de 15 anos ou mais de idade por sexo, cor ou raça e situação de domicílio, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, 2004 e 2009 tabela 13 Número médio de anos de estudo das pessoas ocupadas de 16 anos ou mais de idade por sexo, cor ou raça e situação de domicílio, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, 2004 e 2009 tabela 14 Número de casos de AIDS e Taxa de Incidência por habitantes em jovens de 15 a 24 anos de idade segundo área geográfica de residência, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, 2004/2010 tabela 15 Taxa de participação da população ocupada de 16 a 64 anos de idade por sexo, cor ou raça e situação de domicílio, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, 2004 e 2009 tabela 16 Nível de ocupação da população de 16 a 64 anos de idade por sexo, cor ou raça e situação de domicílio, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, 2004 e 2009 tabela 17 Taxa de desocupação da população de 16 a 64 anos de idade por sexo, cor ou raça e situação de domicílio, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, 2004 e 2009 tabela 18 Taxa de desocupação de jovens de 15 a 24 anos de idade por sexo, cor ou raça e situação de domicílio, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, 2004 e 2009 tabela 19 Proporção de jovens de 15 a 24 anos de idade que não estudam e nem trabalham em relação ao total de jovens de 15 a 24 anos de idade, por sexo e cor ou raça, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, 2004 e 2009 tabela 20 Número de contrato de aprendizagem, Brasil e Unidades da Federação, 2005/2010 tabela 21 Número de empregos formais em 31 de dezembro e variação, variação acumulada absoluta e relativa, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, 2002 e 2010 tabela 22 Taxa de formalidade da população de 16 a 64 anos de idade por sexo, cor ou raça e situação de domícilio, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, 2004 e 2009 tabela 23 Índice de Desenvolvimento da Família (IDF), Unidades da Federação, 2010 tabela 24 Número de empregos verdes segundo grandes categorias de agrupamento de atividades econômicas, Brasil, 2006 e 2010 tabela 25 Número de empregos verdes no mercado formal de trabalho, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, 2006 e 2010 tabela 26 Distribuição percentual do rendimento total e variação patrimonial médio mensal familiar por tipos de origem dos rendimentos, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, 2008 e 2009 tabela 27 Rendimento médio real do trabalho principal das pessoas de 16 anos ou mais de idade, por sexo e cor ou raça, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, 2004/2009 tabela 28 Remuneração média do emprego formal, em dezembro, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, 2009 e 2010 tabela 29 Índice de Gini do rendimento do trabalho principal das pessoas de 16 anos ou mais de idade ocupadas, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, 2004 e 2009 tabela 30 Percentual de pessoas ocupadas de 16 anos ou mais de idade que vive em domicílios particulares permanentes com rendimento domiciliar per capita de até ¼ do salário mínimo, na população ocupada com 16 anos ou mais de idade, por sexo e cor, segundo a situação do domicílio, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, 2004 e

13 Perfil do Trabalho Decente no Brasil: Um Olhar sobre as Unidades da Federação 13 tabela 31 Média de horas semanais trabalhadas pelas pessoas ocupadas de 16 anos ou mais de idade, por sexo e cor ou raça, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, 2004 e 2009 tabela 32 Média de horas semanais trabalhadas pelas pessoas ocupadas de 16 anos ou mais de idade por setor de atividade econômica, Brasil, 2004 e 2009 tabela 33 Proporção da população ocupada de 16 anos ou mais de idade com jornada de trabalho semanal acima de 44 horas, por sexo e cor ou raça, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, 2004 e 2009 tabela 34 Proporção de população ocupada de 16 anos ou mais de idade com jornada de trabalho semanal acima de 44 horas por setor de atividade econômica, Brasil, 2004 e 2009 tabela 35 Proporção da população de 16 anos ou mais de idade ocupada com jornada de trabalho semanal acima de 48 horas, por sexo e cor ou raça, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, 2004 e 2009 tabela 36 Número médio de horas semanais dedicadas ao mercado de trabalho e aos afazeres domésticos da população ocupada de 16 anos ou mais de idade em todos os trabalhos, Brasil, 2009 tabela 37 Número médio de horas semanais dedicadas ao mercado de trabalho e aos afazeres domésticos da população ocupada de 16 anos ou mais de idade em todos os trabalhos, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, 2009 tabela 38 Percentual de crianças (último filho vivo) menores de 12 meses por condições da amamentação, segundo faixa de idade em meses, Brasil, 2006 tabela 39 Número e percentual de mulheres ocupadas de 16 anos ou mais de idade que tiveram filhos durante o ano de referência da pesquisa e distribuição percentual daquelas que tiveram filhos segundo contribuição à previdência, Brasil e Unidades da Federação, 2008 tabela 40 Proporção de mulheres ocupadas de 16 anos ou mais de idade com filhos de 00 a 03 anos de idade, em relação ao total de mulheres ocupadas por cor ou raça e situação de frequência à creche, Brasil e Grandes Regiões, 2009 tabela 41 Proporção de mulheres ocupadas de 16 anos ou mais de idade com filhos de 00 a 03 anos de idade, em relação ao total de mulheres ocupadas e situação de frequência à creche, Brasil e Grandes Regiões, 2009 tabela 42 Proporção de mulheres ocupadas de 16 anos ou mais com filhos de 04 a 06 anos de idade, em relação ao total de mulheres ocupadas por cor ou raça e situação de frequência à creche ou escola, Brasil e Grandes Regiões, 2009 tabela 43 Distribuição percentual das famílias com crianças de 00 a 14 anos de idade por condição de ocupação da pessoa de referência e cônjuge, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, 2009 tabela 44 Pessoas de 60 anos ou mais de idade, residentes em domicílios particulares, total e respectiva distribuição percentual por tipo de arranjo domiciliar, Brasil e Grandes Regiões, 2009 tabela 45 Percentual de população ocupada com depressão segundo a posição na ocupação, Brasil, 2008 tabela 46 Distribuição percentual do tempo de deslocamento casa-trabalho da população de 16 anos ou mais de idade que se desloca de casa para o trabalho, por classes de tempo, Brasil e Unidades da Federação, 2004 e 2009 tabela 47 Distribuição percentual do tempo de deslocamento casa-trabalho da população de 16 anos ou mais de idade que se desloca de casa para o trabalho, por classes de tempo, Brasil, total das Regões Metropolitanas e Metrópoles de São Paulo e do Rio de Janeiro, 2004 e 2009 tabela 48 Percentual dos ocupados que se locomovem a pé ou de bicicleta entre o percurso casa-trabalho, dentre o total de ocupados, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, 2008 tabela 49 Número absoluto e proporção de empregados e trabalhadores domésticos de 16 anos ou mais de idade que recebem auxílio-transporte, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, 2004 e 2009 tabela 50 Número total acumulado de trabalhadores resgatados da condição de trabalho análoga à de escravo, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, 2008 a 2011 tabela 51 Número de infratores no cadastro de empregadores e de municípios com infratores e respectivas participações percentuais no total nacional, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, 2011 tabela 52 Número de trabalhadores resgatados da condição de trabalho análoga à de escravo, beneficiários do Programa Bolsa Família, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, janeiro de 2011 tabela 53 Número e percentual de municípios com políticas ou ações de combate ao trabalho forçado em relação ao total de municípios, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, 2009 tabela 54 Percentual de crianças e adolescentes ocupados na semana de referência, por grupos etários, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, 2004 e 2009 tabela 55 Pessoas de 16 e 17 anos de idade ocupadas por posição na ocupação, Brasil, 2009 tabela 56 Percentual de crianças de 10 a 17 anos ocupadas na semana de referência por sexo e raça ou cor, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, 2004 e 2009 tabela 57 Número de adolescentes ocupados e de aprendizes de 14 e 15 anos de idade e percentual de aprendizes em relação ao total de ocupados de 14 e 15 anos de idade, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, 2009 tabela 58 Número de crianças e adolescentes afastadas de situação irregular de trabalho infantil e número de ações fiscais e de municípios fiscalizados, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, acumulados de 2007 a

14 14 Perfil do Trabalho Decente no Brasil: Um Olhar sobre as Unidades da Federação tabela 59 Crianças com menos de 14 anos de idade ocupadas em estabelecimentos agropecuários por tipo de agricultura e participação percentual da mão de obra infantil no total da ocupação do setor, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, 2006 tabela 60 Capacidade de atendimento do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) e número de municípios que aderiram ao programa, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, abril de 2012 tabela 61 Tempo médio de permanência no trabalho principal, em anos, das pessoas ocupadas de 16 anos ou mais de idade, por sexo e cor ou raça, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, 2004 e2009 tabela 62 Proporção de pessoas ocupadas de 16 anos ou mais de idade com tempo de permanência no trabalho principal inferior a 1 ano, por sexo e cor ou raça, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, 2004 e 2009 tabela 63 Proporção de pessoas ocupadas de 16 anos ou mais de idade com tempo de permanência no trabalho principal superior a 5 anos, por sexo e cor ou raça, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, 2004 e 2009 tabela 64 Participação percentual dos grupos ocupacionais de trabalhadores da produção de bens e serviços e de reparação e manutenção e dos trabalhadores dos serviços na estrutura ocupacional, por sexo, Brasil e Unidades da Federação, 2004 e 2009 tabela 65 Índice de dissimilaridade de Duncan referente à distribuição de homens e mulheres entre grupos ocupacionais, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, 2004 e 2009 tabela 66 Valor do rendimento médio mensal do trabalho principal das pessoas ocupadas de 16 anos ou mais de idade e percentual do rendimento médio das mulheres em relação ao dos homens, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, 2004 e 2009 tabela 67 Percentual do rendimento médio no trabalho principal das mulheres de 16 anos ou mais de idade em relação ao dos homens, com e sem ajuste pelo número de horas trabalhadas, total e segundo anos de estudo, Brasil, 1999 e 2009 tabela 68 Valor do rendimento médio mensal do trabalho principal das pessoas ocupadas de 16 anos ou mais de idade e percentual do rendimento médio das pessoas ocupadas negras em relação às brancas Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, 2004 e 2009 tabela 69 Valor do rendimento médio mensal do trabalho principal das pessoas ocupadas de 16 anos ou mais de idade e percentual do rendimento médio das mulheres negras em relação ao dos homens brancos, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, 2004 e 2009 tabela 70 Percentual de pessoas de 15 anos ou mais de idade, por áreas de inter-relação social em que a cor ou raça influencia a vida das pessoas no Brasil, Unidades da Federação selecionadas integrantes da pesquisa, 2008 tabela 71 Percentual de pessoas de 15 anos ou mais de idade, por áreas de inter-relação social em que a cor ou raça influencia a vida das pessoas no Brasil, segundo classes de rendimento domiciliar per capita e grupos de anos de estudo total, das Unidades da Federação selecionadas integrantes da pesquisa, 2008 tabela 72 Distribuição das vagas ofertadas pelo Sistema Nacional de Emprego (SINE) segundo requisito de sexo para seu preenchimento, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, 2007 e 2010 tabela 73 Distribuição das vagas ofertadas pelo SINE segundo possibilidade de concorrência por sexo a partir do requisito de sexo para seu preenchimento, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, 2007 e 2010 tabela 74 Proporção de mulheres inscritas no SINE em relação ao total de pessoas inscritas, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, tabela 75 Proporção de mulheres colocadas pelo SINE em relação ao total de pessoas colocadas, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, tabela 76 Proporção de trabalhadoras e trabalhadores domésticos de 16 e 64 anos de idade ocupados/as com carteira de trabalho assinada, em relação ao total de trabalhadoras e trabalhadores domésticos de 16 a 64 anos de idade, por sexo e cor ou raça, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, 2004 e 2009 tabela 77 Proporção de trabalhadoras e trabalhadores domésticos de 16 e 64 anos de idade ocupados/ as contribuintes para a previdência social, em relação ao total de trabalhadoras e trabalhadores domésticos de 16 a 64 anos de idade, por sexo e cor ou raça, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, 2004 e 2009 tabela 78 Número de autorizações concedidas a estrangeiros, Brasil, tabela 79 Número de autorizações concedidas a estrangeiros, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, tabela 80 Número percentual de emigrantes internacionais, por sexo, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação de residência das pessoas com quem residiram antes de emigrarem, Brasil, 2010 tabela 81 Número percentual de emigrantes internacionais, por sexo, segundo os continentes e os países estrangeiros de destino, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, 2010 tabela 82 Número de imigrantes, emigrantes e saldo migratório, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, períodos 1995/2000 e 2005/2010 tabela 83 Número de imigrantes de retorno e participação relativa no total de imigrantes, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, 1995/2000 e 2005/2010 tabela 84 População total e população com pelo menos uma das deficiências investigadas e percentual da população com pelo menos uma deficiência, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação,

15 Perfil do Trabalho Decente no Brasil: Um Olhar sobre as Unidades da Federação 15 tabela 85 Número de pessoas com deficiência severa e percentual de incidência na população, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, 2010 tabela 86 Número de empregos em 31 de dezembro das pessoas com deficiência inseridas no mercado formal de trabalho, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, 2007 e 2010 tabela 87 Número de empregos em 31 de dezembro das pessoas com deficiência inseridas no mercado formal de trabalho e percentual sobre o número total de empregos, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, 2007 e 2010 tabela 88 Distribuição percentual das vagas ofertadas pelo SINE, segundo a possibilidade de colocação do trabalhador com deficiência, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, 2007 e 2010 tabela 89 Número de municípios com programas ou ações de geração de trabalho e renda para pessoas com deficiência e com conselho municipal de direitos da pessoa com deficiência, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, 2009 tabela 90 Quantidade de acidentes do trabalho por situação de registro e motivo, Brasil, tabela 91 Quantidade de acidentes do trabalho por situação de registro e motivo, Unidades da Federação, tabela 92 Quantidade de acidentes do trabalho liquidados por consequência, Brasil, tabela 93 Quantidade de acidentes do trabalho liquidados por consequência, Unidades da Federação, tabela 94 Taxas de Incidência e de Mortalidade por acidentes do trabalho, Brasil e Unidades da Federação, tabela 95 Distribuição dos CERESTS, conforme portaria gm/ms nº 2.437/05 e nº 2.728/09, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, 2010 tabela 96 Número de CERESTS habilitados, população ocupada de 10 anos ou mais de idade e média de população ocupada por CEREST, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, 2010 tabela 97 Dados da inspeção em segurança e saúde no trabalho, Brasil, 2004 e 2011 tabela 98 Número de auditores fiscais do trabalho em exercício, população ocupada de 10 anos ou mais de idade e numéro médio de auditores fiscais do trabalho por 10 mil ocupados, Brasil, tabela 99 Número de auditores fiscais do trabalho em exercício, população ocupada de 10 anos ou mais de idade e número médio de auditores fiscais do trabalho por 10 mil pessoas ocupadas, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, 2009 tabela 100 Proporção de pessoas ocupadas de 16 anos ou mais de idade que contribuem para a previdência social, por sexo e cor ou raça, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, 2004 e 2009 tabela 101 Número de famílias beneficiadas pelo programa Bolsa Família, valor anual repassado e valor médio do repasse por família em dezembro de 2011, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, 2004 e 2011 tabela 102 Número de pessoas beneficiadas pelo Benefício de Prestação Continuada (BPC), Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, 2004 e 2011 tabela 103 Valor anual repassado do Benefício de Prestação Continuada (BPC), Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, 2011 tabela 104 População ocupada de 16 anos ou mais de idade que possui plano de saúde, Brasil e Unidades da Federação, 2008 tabela 105 Trajetória do gasto social federal em seguridade social, em % do PIB, Brasil, 1995/2009 tabela 106 População em situação de extrema pobreza e % de incidência por situação do domicílio, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, 2010 tabela 107 Taxa de sindicalização da população ocupada de 16 anos ou mais de idade, por sexo e cor ou raça, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, 2004 e 2009 tabela 108 Taxa de sindicalização da população ocupada de 16 anos ou mais de idade por setor de atividade econômica, Brasil, 2004 e 2009 tabela 109 Distribuição das pessoas de 18 anos ou mais de idade que tiveram situação de conflito no período de referência de 5 anos, por área de situação de conflito mais grave em que se envolveram, Brasil e Unidades da Federação, 2009 tabela 110 Empresas e outras organizações, pessoal ocupado total e assalariado e outras remunerações segundo a natureza jurídica, Brasil, 2009 tabela 111 Empresas e outras organizações, pessoal ocupado total e assalariado e salário médio mensal, segundo as faixas de pessoal ocupado total, Brasil, 2008 e 2009 tabela 112 Pessoal ocupado assalariado segundo seções da Classificação Nacional de Atividades Econômicas (CNAE) 2.0, Brasil, 2008 e 2009 tabela 113 Pessoal ocupado assalariado nas empresas, participação relativa, taxa de crescimento e contribuição à formação da taxa, Brasil, 2008 e 2009 tabela 114 Empresas e outras organizações, pessoal ocupado total em 31 de dezembro, participação relativa e crescimento por Unidade da Federação, Brasil e Unidade da Federação, 2008 e 2009 tabela 115 Número de empresas, pessoal ocupado total e assalariado e salários e outras remunerações e respectiva distribuição segundo o tipo de evento demográfico, Brasil, e e

16 16 Perfil do Trabalho Decente no Brasil: Um Olhar sobre as Unidades da Federação tabela 116 Número de unidades locais total e distribuição percentual segundo o tipo de evento demográfico, Brasil e Grandes Regiões, 2008 tabela 117 Número de unidades locais por tipo de evento demográfico, Brasil e Unidades da Federação, 2008 tabela 118 Mobilidade das empresas de alto crescimento entre os portes das empresas, Brasil, tabela 119 Números de empresas, total e de alto crescimento e taxa intrasetorial segundo os setores de atividade econômica e as respectivas seções da CNAE 2.0, Brasil, 2008 tabela 120 Empresas de alto crescimento, pessoal ocupado assalariado e outras remunerações, total e participação relativa das empresas gazelas, segundo faixas de pessoal ocupado assalariado, Brasil, 2008 tabela 121 Unidades locais de empresas de alto crescimento e de empresa gazelas total e distribuição percentual, com indicação da proporção de empresas gazelas no total das unidades locais de alto crescimento. Brasil e Unidades da Federação, 2008 tabela 122 Número de empresas industriais inovadoras e taxa de inovação no setor industrial, Brasil, / tabela 123 Número de empresas inovativas na indústria e dispêndio realizado, Unidades da Federação, 2008 tabela 124 Número e distribuição percentual de empregos formais por porte do estabelecimento, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, 2010 tabela 125 Distribuição percentual de empregos nas micro e pequenas empresas por setor de atividade econômica, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, 2010 tabela 126 Valor da remuneração média dos empregados em R$ e distribuição percentual da massa de remuneração por porte de estabelecimento, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, 2010 tabela 127 Número e distribuição de empregos formais nas micro e pequenas empresas por localidade capital e interior, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, 2010 tabela 128 Distribuição percentual de empregos formais por sexo e porte do estabelecimento, Brasil, 2010 tabela 129 Distribuição percentual de empregos formais por porte do estabelecimento segundo a faixa etária e grau de instrução dos empregados, Brasil, 2010 TABELA 130 Valor da remuneração média dos empregados por sexo e porte do estabelecimento, Brasil,

17 Perfil do Trabalho Decente no Brasil: Um Olhar sobre as Unidades da Federação 17 Lista de Gráficos GRÁFICO 1 Crescimento mundial do Produto Interno Bruto (PIB), grupos selecionados de países, 2005 a 2010 GRÁFICO 2 Crescimento acumulado do Produto Interno Bruto (PIB), Brasil, 2005 a 2010 GRÁFICO 3 Desempenho das exportações, Brasil, janeiro/2008 a dezembro/2010 GRÁFICO 4 Taxas médias anuais de câmbio R$/US$ - comercial/venda, Brasil, 2005 a 2010 GRÁFICO 5 Taxa básica de juros SELIC, fixada pelo Banco Central, Brasil, 2005 a 2010 GRÁFICO 6 Variação do Índice de Preços ao Consumidor Amplo - (IPCA), Brasil, 2005 a 2010 GRÁFICO 7 Taxa de Investimento da economia brasileira, Brasil, 2005 a 2010 GRÁFICO 8 Crescimento acumulado do Produto Interno Bruto (PIB), Brasil e Grandes Regiões, 2004 a 2009 GRÁFICO 9 Evolução da produtividade média do trabalho por macrosetores, Brasil, GRÁFICO 10 Variação média anual da produtividade do trabalho por macrosetores, Brasil, GRÁFICO 11 Distribuição funcional da renda, Brasil, GRÁFICO 12 Índice de Gini da distribuição da renda domiciliar per capita, Brasil e Grandes Regiões, GRÁFICO 13 Distribuição percentual das pessoas ocupadas de 16 anos ou mais de idade por agrupamentos de atividade econômica do trabalho principal, Brasil, 2004 e 2009 GRÁFICO 14 Número de contratos de aprendizagem, Brasil, GRÁFICO 15 Índice de Gini do rendimento do trabalho principal das pessoas de 16 anos ou mais de idade ocupadas com rendimento, Brasil, GRÁFICO 16 Percentual de prevalência de aleitamento materno exclusivo entre crianças menores de seis meses de idade segundo a situação do trabalho materno, conjunto das capitais brasileiras e Distrito Federal, 2008 GRÁFICO 17 Taxa de frequência escolar das crianças de 00 a 05 anos de idade por quintos de rendimento mensal familiar per capita, Brasil, 2009 GRÁFICO 18 Percentual de famílias com pessoa responsável pela família do sexo feminino que não possuem bens duráveis, por tipo de bem, Brasil, GRÁFICO 19 Distribuição percentual de arranjos familiares segundo o tipo de arranjo, Brasil, 1996 e 2009 GRÁFICO 20 Percentual de crianças de 05 a 17 anos de idade ocupadas, segundo grupos etários, Brasil, GRÁFICO 21 Percentual de pessoas que frequentavam ou frequentaram anteriormente curso de educação profissional, na população de 10 anos ou mais de idade, por sexo e cor ou raça, Brasil, 2007 GRÁFICO 22 Percentual de pessoas que frequentavam ou frequentaram anteriormente curso de educação profissional, na população de 10 anos ou mais de idade, Brasil, Grandes Regiões e Unidades da Federação, 2007 GRÁFICO 23 Distribuição percentual das pessoas de 10 anos ou mais de idade que concluíram o curso de educação profissional que frequentaram anteriormente, por natureza da instituição de realização do curso, segundo o sexo, Brasil, 2007 GRÁFICO 24 Distribuição percentual, por sexo, das pessoas que frequentam ou frequentaram curso de qualificação profissional segundo a área profissional do curso, Brasil, 2007 GRÁFICO 25 Principais resultados da intermediação de mão de obra (SINE), segundo o sexo, Brasil, 2010 GRÁFICO 26 Principais resultados da intermediação de mão de obra (SINE), segundo o sexo, Alagoas, 2010 GRÁFICO 27 Taxa de Incidência de acidentes do trabalho, Brasil, 2008 a 2010 GRÁFICO 28 Taxa de Mortalidade por acidentes do trabalho, Brasil, 2008 a 2010 GRÁFICO 29 Pontos percentuais de redução de pobreza em função das transferências previdenciárias, Brasil e Unidades da Federação GRÁFICO 30 Participação percentual da população por cor ou raça na população total em situação de extrema pobreza e incidência de extrema pobreza por cor ou raça, Brasil, 2010 GRÁFICO 31 Distribuição percentual das Médias e Grandes Empresas (MGEs) por setor de atividade econômica, Brasil, 2010 GRÁFICO 32 Remuneração dos empregados por setor de atividade econômica segundo o porte do estabelecimento, Brasil,

18 18 Perfil do Trabalho Decente no Brasil: Um Olhar sobre as Unidades da Federação Lista de Quadros QUADRO 1 Preceitos da Convenção nº 81 sobre inspeção do trabalho (1947) QUADRO 2 Número de magistrados e média de magistrados por cem mil habitantes, Tribunais Regionais do Trabalho do Brasil, 2010 QUADRO 3 Perspectivas tradicionais das empresas e o enfoque das empresas sustentáveis QUADRO 4 Principais impactos das inovações apontados pelas empresas (em %) atividades da indústria, dos serviços relacionados e de P&D, Brasil, 2008 QUADRO 5 Problemas e obstáculos apontados pelas empresas que implementaram inovações (em %) atividades da indústria, dos serviços relacionados e de P&D, Brasil, 2008 QUADRO 6 Classificação dos estabelecimentos segundo porte Lista de Figuras FIGURA 1 Quantidade de unidades sentinela por estado FIGURA 2 Acidentes de trabalho com crianças e adolescentes segundo UF de residência, Brasil, Mapa mapa 1 Municípios com presença cigana, Brasil, 2009/ Esquema esquema 1 Riscos e modalidades adaptativas estratificadas ante a crise de cuidado e a dupla demanda do trabalho remunerado e não remunerado sobre a mulher 139

19 Perfil do Trabalho Decente no Brasil: Um Olhar sobre as Unidades da Federação 19 Lista de siglas e abreviações ACNUDH AFT AGECOPA AIDS ANTDJ BB BACEN BNDES BPC CadÚnico CAGED CAT CDES CEBRAP CEMPRE CEN AIDS CEPAL CEREST CGTB CID CIMT/OEA CIPA CIS CIT CLT CNAE CNES CNETD CNIg CNJ CMN CNP CNPJ CNPP CNPS CODEFAT COFINS CONAETE CONAETI CONATRAE COPOM CRAS CRB CREAS CRPD CRT CSLL Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos Auditor Fiscal do Trabalho Agência Executora das Obras da Copa do Mundo no Pantanal Síndrome da Imunodeficiência Adquirida Agenda Nacional de Trabalho Decente para a Juventude Banco do Brasil Banco Central do Brasil Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Benefício de Prestação Continuada Cadastro Único para Programas Sociais Cadastro Geral de Empregados e Desempregados Comunicação de Acidente de Trabalho Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social Centro Brasileiro de Análise e Planejamento Cadastro Central de Empresas Conselho Empresarial Nacional para a Prevenção do HIV/Aids Comissão Econômica para América Latina e Caribe Centro de Referência em Saúde do Trabalhador Central Geral de Trabalhadores Brasileiros Classificação Internacional de Doenças Conferência Interamericana de Ministros do Trabalho da Organização de Estados Americanos Comissão Interna de Prevenção de Acidentes Community Inovation Survey Conferência Internacional do Trabalho Consolidação das Leis do Trabalho Classificação Nacional de Atividades Econômicas Conselho Nacional de Economia Solidária Conferencia Nacional de Emprego e Trabalho Decente Conselho Nacional de Imigração Conselho Nacional de Justiça Conselho Monetário Nacional Comissão Nacional Portuária Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas Comissão Nacional Permanente Portuária Conselho Nacional de Previdência Social Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social Coordenadoria Nacional de Combate ao Trabalho Escravo Comissão Nacional de Erradicação do Trabalho Infantil Comissão Nacional de Erradicação do Trabalho Escravo Comitê de Política Monetária Centro de Referência da Assistência Social Commodity Research Bureau Centro de Referência Especializado de Assistência Social Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência Conselho de Relações do Trabalho Contribuição Social sobre o Lucro Líquido

20 20 Perfil do Trabalho Decente no Brasil: Um Olhar sobre as Unidades da Federação CTB CTIO CTPAT CTPP CTRI CTSST CUT DAES DENATRAN DIEESE DORT DSST EAC ECA EUROSTAT FAP FAT FEBRABAN FENATRAD FIFA FGTS FMI FNAS FNTTAA FONSET GEFM GTS-ICC GTS-TRC HIV IASERJ IATUR IBGE ICMS IDF IILS INCRA INEP INPC INSS IOF IPCA IPEA IPEC IPI IRPF JT LER LOAS MERCOSUL MDA Central dos Trabalhadores Brasileiros Comissão Tripartite de Igualdade de Oportunidades e Tratamento de Gênero e Raça no Trabalho Comissão Tripartite do Programa de Alimentação do Trabalhador Comissão Tripartite Paritária Permanente Comissão Tripartite de Relações Internacionais Comissão Tripartite de Saúde e Segurança no Trabalho Central Única de Trabalhadores Departamento das Nações Unidas para Assuntos Econômicos e Sociais Departamento Nacional de Trânsito Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho Departamento de Segurança e Saúde no Trabalho Empresa de Alto Crescimento Estatuto da Criança e do Adolescente Statistical Office of European Communities Fator Acidentário de Prevenção Fundo de Amparo ao Trabalhador Federação Brasileira de Bancos Federação Nacional das Trabalhadoras Domésticas Federação Internacional de Futebol Fundo de Garantia por Tempo de Serviço Fundo Monetário Internacional Fundo Nacional de Assistência Social Federação Nacional de Trabalhadores em Transportes Aquaviários e Afins Fórum Nacional de Secretarias do Trabalho Grupo Especial de Fiscalização Móvel Grupo de Trabalho Setorial Indústria da Construção Civil Grupo de Trabalho Setorial Transporte Rodoviário de Cargas Vírus da Imunodeficiência Humana Instituto de Assistência dos Servidores do Estado do Rio de Janeiro International Association for Time-Use Research Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Imposto sobre Circulação de Mercadorias Índice de Desenvolvimento da Família Instituto Internacional de Estudos do Trabalho Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Índice Nacional de Preços ao Consumidor Instituto Nacional do Seguro Social Imposto Sobre Operações Financeiras Índice de Preços ao Consumidor Amplo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada Programa Internacional para Eliminação do Trabalho Infantil Imposto sobre Produtos Industrializados Imposto de Renda da Pessoa Física Justiça do Trabalho Lesão por Esforço Repetitivo Lei Orgânica de Assistência Social Mercado Comum do Sul Ministério do Desenvolvimento Agrário

PERFIL DO TRABALHO DECENTE NO BRASIL: UM OLHAR SOBRE AS UNIDADES DA FEDERAÇÃO

PERFIL DO TRABALHO DECENTE NO BRASIL: UM OLHAR SOBRE AS UNIDADES DA FEDERAÇÃO PERFIL DO TRABALHO DECENTE NO BRASIL: UM OLHAR SOBRE AS UNIDADES DA FEDERAÇÃO Copyright Organização Internacional do Trabalho 2012 As publicações da Organização Internacional do Trabalho gozam de proteção

Leia mais

O CONCEITO DE TRABALHO DECENTE E SUA AGENDA. Laís Abramo Diretora do Escritório da OIT no Brasil

O CONCEITO DE TRABALHO DECENTE E SUA AGENDA. Laís Abramo Diretora do Escritório da OIT no Brasil O CONCEITO DE TRABALHO DECENTE E SUA AGENDA Laís Abramo Diretora do Escritório da OIT no Brasil Brasília 3 novembro de 2014 O Conceito de Trabalho Decente O CONCEITO DE TRABALHO DECENTE Formalizado pela

Leia mais

Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas

Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) Organização Internacional

Leia mais

VERSÃO RESUMIDA DO RELATÓRIO PERFIL DO TRABALHO DECENTE NO BRASIL: UM OLHAR SOBRE AS UNIDADES DA FEDERAÇÃO

VERSÃO RESUMIDA DO RELATÓRIO PERFIL DO TRABALHO DECENTE NO BRASIL: UM OLHAR SOBRE AS UNIDADES DA FEDERAÇÃO Versão Resumida VERSÃO RESUMIDA DO RELATÓRIO PERFIL DO TRABALHO DECENTE NO BRASIL: UM OLHAR SOBRE AS UNIDADES DA FEDERAÇÃO Copyright Organização Internacional do Trabalho 2012 Primeira edição: 2012 As

Leia mais

Não discriminação e igualdade de oportunidades: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente

Não discriminação e igualdade de oportunidades: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente Não discriminação e igualdade de oportunidades: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente Laís Abramo Socióloga, Mestre e Doutora em Sociologia Diretora Escritório da OIT no Brasil Brasília, 3 de

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro A CONTRIBUIÇÃO DO CDES PARA O DEBATE DA CONSOLIDAÇÃO DAS POLÍTICAS SOCIAIS

Leia mais

Trabalho Decente. Município: Tapiraí / SP. Apresentação

Trabalho Decente. Município: Tapiraí / SP. Apresentação Município: Tapiraí / SP Apresentação Em 1999 a Organização Internacional do Trabalho (OIT) formalizou o conceito de Trabalho Decente (TD) como uma síntese da sua missão histórica de promover oportunidades

Leia mais

Anuário das Mulheres Empreendedoras e Trabalhadoras em Micro e Pequenas Empresas 2013

Anuário das Mulheres Empreendedoras e Trabalhadoras em Micro e Pequenas Empresas 2013 SEBRAE (Org.) Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Anuário das Mulheres Empreendedoras e Trabalhadoras em Micro e Pequenas Empresas 2013 São Paulo, 2013 SEBRAE (Org.) S492a Anuário

Leia mais

Educação e desenvolvimento. Professor: Jorge Abrahão de Castro Período: Julho de 2013.

Educação e desenvolvimento. Professor: Jorge Abrahão de Castro Período: Julho de 2013. Educação e desenvolvimento Professor: Jorge Abrahão de Castro Período: Julho de 2013. Circuito de influencia Fatores do desenvolvimento Ampliação da participação política e social Consumo (Novo padrão

Leia mais

Subsídios para elaboração do PPA Municipal

Subsídios para elaboração do PPA Municipal Município: São Luís / MA Apresentação Este Boletim de Informações Municipais tem o objetivo de apresentar um conjunto básico de indicadores acerca de características demográficas, econômicas, sociais e

Leia mais

Avaliando o Trabalho Decente no Brasil Um olhar sobre o Perfil do Trabalho Decente no país

Avaliando o Trabalho Decente no Brasil Um olhar sobre o Perfil do Trabalho Decente no país Avaliando o Trabalho Decente no Brasil Um olhar sobre o Perfil Decente no país O que é Trabalho Decente? A Agenda Decente é um sistema reconhecido globalmente para redução da pobreza e desenvolvimento

Leia mais

Dimensão social. Educação

Dimensão social. Educação Dimensão social Educação 218 Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 36 Taxa de escolarização Representa a proporção da população infanto-juvenil que freqüenta a escola. Descrição As variáveis

Leia mais

TRABALHO DECENTE E JUVENTUDE NO BRASIL: A CONSTRUÇÃO DE UMA AGENDA

TRABALHO DECENTE E JUVENTUDE NO BRASIL: A CONSTRUÇÃO DE UMA AGENDA TRABALHO DECENTE E JUVENTUDE NO BRASIL: A CONSTRUÇÃO DE UMA AGENDA Laís Abramo* 1 INTRODUÇÃO Em junho de 2003, o então presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, assinou com o diretor-geral da

Leia mais

Políticas Sociais no Brasil

Políticas Sociais no Brasil Políticas Sociais no Brasil José Aparecido Carlos Ribeiro Técnico da Diretoria de Estudos e Políticas Sociais do IPEA São Paulo, outubro/2010 Algumas características: Políticas sociais são formas mais

Leia mais

Estatísticas de Gênero Uma análise dos resultados do Censo Demográfico 2010. Sistema Nacional de Informações de Gênero SNIG

Estatísticas de Gênero Uma análise dos resultados do Censo Demográfico 2010. Sistema Nacional de Informações de Gênero SNIG Diretoria de Pesquisas - Coordenação de População e Indicadores Sociais Gerência de Indicadores Sociais Estatísticas de Gênero Uma análise dos resultados do Censo Demográfico 2010 Sistema Nacional de Informações

Leia mais

Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade?

Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade? Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade? Natália de Oliveira Fontoura * Roberto Gonzalez ** A taxa de participação mede a relação entre a população

Leia mais

O Programa Bolsa Família

O Programa Bolsa Família Painel sobre Programas de Garantia de Renda O Programa Bolsa Família Patrus Ananias de Sousa Ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome República Federativa do Brasil Comissão de Emprego e Política

Leia mais

Fundação SEADE. www.seade.gov.br

Fundação SEADE. www.seade.gov.br Outubro de 0 N o Monitoramento das metas dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio ODMs Consulte A Fundação Seade disponibilizará, anualmente, as séries históricas do conjunto de indicadores dos ODMs

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 11/2012

ESTUDO TÉCNICO N.º 11/2012 ESTUDO TÉCNICO N.º 11/2012 Resenha crítica sobre o Relatório Perfil do Trabalho Decente no Brasil: um olhar sobre as Unidades da Federação MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA

Leia mais

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht Page 1 of 7 Comunicação Social 17 de setembro de 2010 Síntese de Indicadores Sociais 2010 SIS 2010: Mulheres mais escolarizadas são mães mais tarde e têm menos filhos Embora abaixo do nível de reposição

Leia mais

Financiamento e gasto da Política Social brasileira Brasil

Financiamento e gasto da Política Social brasileira Brasil Financiamento e gasto da Política Social brasileira Brasil Jorge Abrahão de Castro Diretor da Diretoria de Estudos e Políticas Sociais (Disoc) do IPEA Brasília, 21 de outubro de 2011 POLÍTICAS SETORIAIS

Leia mais

Igualdade de oportunidades e não discriminação: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente

Igualdade de oportunidades e não discriminação: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente Igualdade de oportunidades e não discriminação: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente Laís Abramo Socióloga, Mestre e Doutora em Sociologia Diretora do Escritório da OIT no Brasil Salvador,

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria de Relações Institucionais Subchefia de Assuntos Federativos

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria de Relações Institucionais Subchefia de Assuntos Federativos Agenda de Compromissos Governo Federal e Municípios 1. Erradicar a extrema pobreza e a fome 2. Educação básica de qualidade para todos 3. Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres

Leia mais

APRENDIZAGEM PROFISSIONAL

APRENDIZAGEM PROFISSIONAL APRENDIZAGEM PROFISSIONAL a LEI promove o Trabalho Decente para a Juventude e desenvolvimento social e econômico para o Brasil Departamento de Políticas Públicas de Trabalho, Emprego e Renda para Juventude

Leia mais

Anuário das MULHERES. Empreendedoras. e Trabalhadoras em Micro e. Pequenas Empresas

Anuário das MULHERES. Empreendedoras. e Trabalhadoras em Micro e. Pequenas Empresas Anuário das MULHERES Empreendedoras e Trabalhadoras em Micro e Pequenas Empresas 2014 SEBRAE - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto

Leia mais

Seminário: Proteção Social e Trabalho Infantil

Seminário: Proteção Social e Trabalho Infantil Seminário: Proteção Social e Trabalho Infantil Enfrentamento ao trabalho infantil no Sistema Único de Assistência Social - SUAS 12 de junho de 2013 Ministério do Desenvolvimento Social e Combate a Fome

Leia mais

Perfil do Trabalho Decente no BRASIL

Perfil do Trabalho Decente no BRASIL Perfil do Trabalho Decente no BRASIL Copyright Organização Internacional do Trabalho 2009 1ª edição 2009 As publicações da Secretaria Internacional do Trabalho gozam da proteção dos direitos autorais sob

Leia mais

Uma análise das condições de vida da população brasileira

Uma análise das condições de vida da população brasileira Diretoria de Pesquisas Coordenação de População e Indicadores Sociais Gerência de Indicadores Sociais SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS 2013 Uma análise das condições de vida da população brasileira 29 de

Leia mais

Exercício de Monitoramento do Plano Nacional de Emprego e Trabalho Decente (PNETD)

Exercício de Monitoramento do Plano Nacional de Emprego e Trabalho Decente (PNETD) Exercício de Monitoramento do Plano Nacional de Emprego e Trabalho Decente (PNETD) Trabalho desenvolvido por iniciativa do Ministério do Trabalho e Emprego, com a assistência técnica do Escritório da Organização

Leia mais

Uma análise das condições de vida da população brasileira

Uma análise das condições de vida da população brasileira Diretoria de Pesquisas Coordenação de População e Indicadores Sociais SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS 2012 Uma análise das condições de vida da população brasileira RJ, 28/11/2012 Síntese de Indicadores

Leia mais

Políticas Sociais no Brasil

Políticas Sociais no Brasil Políticas Sociais no Brasil Jorge Abrahão de Castro Diretor da Diretoria de Estudos e Políticas Sociais do IPEA Brasília, agosto/2010 Algumas características: Políticas sociais são formas mais ou menos

Leia mais

PANORAMA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL NO BRASIL

PANORAMA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL NO BRASIL MPS Ministério da Previdência Social SPS Secretaria de Previdência Social PANORAMA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL NO BRASIL Seminário Técnico - CPLP Timor Leste, 06 e 07 de fevereiro de 2008 ASPECTOS CONCEITUAIS

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR

POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR I Congresso Piauiense de Educação em Educação Primária à Saúde Terezina PI, 15 de novembro de 2008 Marco Antonio Gomes Pérez SMS - Campinas g.perez@ig.com.be Um

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REDAÇÃO DO PROJETO DE LEI Aprova o Plano Municipal de Educação - PME e dá outras providências. O Prefeito do Município de vereadores decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Faço

Leia mais

Crianças/Adolescentes ocupados por U.F e por Faixa Etária

Crianças/Adolescentes ocupados por U.F e por Faixa Etária Erradicação do Trabalho Infantil Brasília, 2 de fevereiro de 21 Introdução Esta nota apresenta um quadro do trabalho infantil no período de 26 a 28, com base na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios

Leia mais

Trabalho Infantil - Diagnóstico Brasil e Sudeste. Paula Montagner Outubro/ 2014

Trabalho Infantil - Diagnóstico Brasil e Sudeste. Paula Montagner Outubro/ 2014 Trabalho Infantil - Diagnóstico Brasil e Sudeste Paula Montagner Outubro/ 2014 A Organização Internacional do Trabalho - OIT tem sido a principal promotora da implementação de ações restritivas ao trabalho

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011 Rio de Janeiro, 21/09/2012 1 Abrangência nacional Temas investigados: Características Características gerais dos moradores Educação Migração Trabalho

Leia mais

AS CARACTERÍSTICAS DO TRABALHO DOMÉSTICO REMUNERADO NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS

AS CARACTERÍSTICAS DO TRABALHO DOMÉSTICO REMUNERADO NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS A MULHER NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS MARÇO 2008 Especial - Abril 2011 AS CARACTERÍSTICAS DO TRABALHO DOMÉSTICO REMUNERADO NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS Em homenagem ao Dia Nacional

Leia mais

IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida

IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida 30 DE NOVEMBRO DE 2011 CONTEXTO Durante os últimos anos,

Leia mais

BOLETIM. Fundação Seade participa de evento para disseminar conceitos e esclarecer dúvidas sobre o Catálogo de

BOLETIM. Fundação Seade participa de evento para disseminar conceitos e esclarecer dúvidas sobre o Catálogo de disseminar conceitos O desenvolvimento do aplicativo de coleta de informações, a manutenção e a atualização permanente do CSBD estão sob a responsabilidade da Fundação Seade. Aos órgãos e entidades da

Leia mais

O BRASIL SEM MISÉRIA NO SEU MUNICÍPIO Município: VITÓRIA DA CONQUISTA / BA O Plano Brasil Sem Miséria O Plano Brasil Sem Miséria foi lançado com o desafio de superar a extrema pobreza no país. O público

Leia mais

Situação do Domicílio Abs. % Abs. % Total 16.938 100 10.444.526 100 Urbano 4.808 28,39 8.912.692 85,33 Rural 12.130 71,61 1.531.

Situação do Domicílio Abs. % Abs. % Total 16.938 100 10.444.526 100 Urbano 4.808 28,39 8.912.692 85,33 Rural 12.130 71,61 1.531. População segundo a Distribuição de Domicílios 2010 Situação do Domicílio Abs. % Abs. % Total 16.938 100 10.444.526 100 Urbano 4.808 28,39 8.912.692 85,33 Rural 12.130 71,61 1.531.834 14,66 FONTE: IPARDES/IBGE

Leia mais

Direitos Humanos - Direitos Econômicos e Sociais -

Direitos Humanos - Direitos Econômicos e Sociais - Direitos Humanos - Direitos Econômicos e Sociais - 1. Conceituação a) condição de pessoa como requisito único para ser titular de direitos humanos. b) dignidade humana. 2. Histórico Declaração americana

Leia mais

ATLAS. de Desenvolvimento Sustentável e Saúde. Brasil 1991 a 2010

ATLAS. de Desenvolvimento Sustentável e Saúde. Brasil 1991 a 2010 ATLAS de Desenvolvimento Sustentável e Saúde Brasil 1991 a 2010 Organização Pan-Americana da Saúde Organização Mundial da Saúde Representação no Brasil Atlas de Desenvolvimento Sustentável e Saúde Brasil

Leia mais

I Oficina com os Estados: Fortalecer a Gestão para Concretizar a Proteção Social

I Oficina com os Estados: Fortalecer a Gestão para Concretizar a Proteção Social I Oficina com os Estados: Fortalecer a Gestão para Concretizar a Proteção Social OFICINAS DO XIV ENCONTRO NACIONAL DO CONGEMAS ENFRENTAMENTO AO TRABALHO INFANTIL NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA Nivia Maria

Leia mais

FOME ZERO. O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza

FOME ZERO. O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza FOME ZERO O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza Seminário Internacional sobre Seguro de Emergência e Seguro Agrícola Porto Alegre, RS -- Brasil 29 de junho a 2 de julho de 2005 Alguns

Leia mais

GUIA DO PRÊMIO ODM BRASIL

GUIA DO PRÊMIO ODM BRASIL GUIA DO PRÊMIO ODM BRASIL 4ª Edição QUANDO O BRASIL SE JUNTA, TODO MUNDO GANHA. Secretaria-Geral da Presidência da República Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) Movimento Nacional

Leia mais

CADERNOS REGIONAIS SUDESTE

CADERNOS REGIONAIS SUDESTE CADERNOS REGIONAIS SUDESTE 2015 Apresentação Neste ano de 2015 se realiza o 12º CONCUT Congresso Nacional da Central Única dos Trabalhadores -, momento de suma importância para não só eleger a nova direção

Leia mais

Estratégia de Desenvolvimento no Brasil e o Programa Bolsa Família. Junho 2014

Estratégia de Desenvolvimento no Brasil e o Programa Bolsa Família. Junho 2014 Estratégia de Desenvolvimento no Brasil e o Programa Bolsa Família Junho 2014 Estratégia de Desenvolvimento no Brasil Estratégia de desenvolvimento no Brasil Crescimento econômico com inclusão social e

Leia mais

Pronatec Aprendiz. Orientações para Implementação

Pronatec Aprendiz. Orientações para Implementação Pronatec Aprendiz Orientações para Implementação Edição de 2015 Apresentação O Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec) representa um passo importante para a consolidação da educação

Leia mais

O Enfrentamento do Trabalho Infantil pelas Políticas Públicas: A POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

O Enfrentamento do Trabalho Infantil pelas Políticas Públicas: A POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL O Enfrentamento do Trabalho Infantil pelas Políticas Públicas: A POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Juliana Petroceli - Assessora Técnica Departamento de Proteção Social Especial Secretaria Nacional de Assistência

Leia mais

DISCRIMINAÇÃO NO EMPREGO: COMO ELIMINÁ-LA?

DISCRIMINAÇÃO NO EMPREGO: COMO ELIMINÁ-LA? DISCRIMINAÇÃO NO EMPREGO: COMO ELIMINÁ-LA? Laís Abramo Socióloga e Doutora em Sociologia pela USP Diretora do Escritório da OIT no Brasil XXII Encontro Brasileiro de Administração Painel V Rio de Janeiro

Leia mais

TERMO PÚBLICO, ABERTO À ADESÃO, DE COMPROMISSO PELO EMPREGO E TRABALHO DECENTE NA COPA DO MUNDO FIFA DE 2014 E NOS JOGOS OLÍMPICOS DE 2016.

TERMO PÚBLICO, ABERTO À ADESÃO, DE COMPROMISSO PELO EMPREGO E TRABALHO DECENTE NA COPA DO MUNDO FIFA DE 2014 E NOS JOGOS OLÍMPICOS DE 2016. TERMO PÚBLICO, ABERTO À ADESÃO, DE COMPROMISSO PELO EMPREGO E TRABALHO DECENTE NA COPA DO MUNDO FIFA DE 2014 E NOS JOGOS OLÍMPICOS DE 2016. O Ministério do Trabalho e Emprego, o Tribunal Regional do Trabalho,

Leia mais

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz Estudo Estratégico n o 5 Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz PANORAMA GERAL ERJ é o estado mais urbano e metropolitano

Leia mais

Plano Nacional de Trabalho Decente Gerar Trabalho Decente para Combater a Pobreza e as Desigualdades Sociais

Plano Nacional de Trabalho Decente Gerar Trabalho Decente para Combater a Pobreza e as Desigualdades Sociais Plano Nacional de Trabalho Decente Gerar Trabalho Decente para Combater a Pobreza e as Desigualdades Sociais Esplanada dos Ministérios - Bloco F, Ed. Sede, 5º andar, Sala 555 - Brasília DF CEP: 70059-900

Leia mais

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO (Tradução não oficial 1 ) Recomendação 202 RECOMENDAÇÃO RELATIVA AOS PISOS NACIONAIS DE PROTEÇÃO SOCIAL A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho,

Leia mais

PESQUISA DE AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL

PESQUISA DE AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL PESQUISA DE AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL FICHA TÉCNICA Instituição executora: Fundação Euclides da Cunha / Núcleo de Pesquisas, Informações e Políticas Públicas

Leia mais

PORTARIA Nº 754, DE 20 DE OUTUBRO DE 2010

PORTARIA Nº 754, DE 20 DE OUTUBRO DE 2010 PORTARIA Nº 754, DE 20 DE OUTUBRO DE 2010 Estabelece ações, normas, critérios e procedimentos para o apoio à gestão e execução descentralizadas do Programa Bolsa Família, no âmbito dos municípios, e dá

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO As Políticas Públicas de Emprego no Brasil Evolução das Políticas Públicas de Emprego 1912 1918 1923 1930 1932 1943 Década de 40 1946 Constituição Criação do da Departamento Confederação Nacional do Brasileira

Leia mais

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 *

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * Os resultados aqui apresentados foram extraídos do Atlas da Vulnerabilidade Social nos Municípios Brasileiros, elaborado pelo Instituto

Leia mais

CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA SOBRE MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL WORKSHOP: OS OITO OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO

CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA SOBRE MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL WORKSHOP: OS OITO OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA SOBRE MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL WORKSHOP: OS OITO OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO Belo Horizonte, outubro de 2007 Objetivos de Desenvolvimento do Milênio

Leia mais

Legado em Transformação Perfil do trabalho infantil no Brasil, por regiões e ramos de atividade Perfil do trabalho infantil no Brasil, por regiões e ramos de atividade Legado em Transformação Perfil

Leia mais

namicro e Pequena Anuário do Trabalho Empresa

namicro e Pequena Anuário do Trabalho Empresa Anuário do Trabalho namicro e Pequena Empresa 2014 SEBRAE - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Presidente do Conselho Deliberativo Robson Braga de Andrade Diretor-Presidente Luiz

Leia mais

Composição: MS, MPS, MTE, Centrais Sindicais Confederações de empregadores. Constituída por meio da Portaria Interministerial nº 152

Composição: MS, MPS, MTE, Centrais Sindicais Confederações de empregadores. Constituída por meio da Portaria Interministerial nº 152 Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador Coordenação Geral de Saúde do Trabalhador Política Nacional de Segurança e Saúde

Leia mais

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS?

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS? COMO SE FAZ NO BRASIL: PRINCIPAIS INSTRUMENTOS DE MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS COMO SE FAZ O MONITORAMENTO? O monitoramento de programas envolve as seguintes etapas:» 1ª etapa: Coleta regular de

Leia mais

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude Organização das Nações Unidas A/RES/66/121 Assembleia Geral Distribuição: geral 2 de fevereiro de 2012 65 a sessão Item 27 (b) da pauta Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011

Leia mais

ANUÁRIO DO TRABALHO. namicro e. Pequena. Empresa

ANUÁRIO DO TRABALHO. namicro e. Pequena. Empresa ANUÁRIO DO TRABALHO namicro e Pequena Empresa 2013 SEBRAE - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões Diretor-Presidente Luiz

Leia mais

O Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego - GRPE

O Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego - GRPE O Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego - GRPE Marcia Vasconcelos - OIT Reunión de Especialistas Género, Probreza, Raza,

Leia mais

ANÁLISE CONJUNTURAL DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO CATARINENSE: 2012-2013

ANÁLISE CONJUNTURAL DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO CATARINENSE: 2012-2013 GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL, TRABALHO E HABITAÇÃO SST DIRETORIA DE TRABALHO E EMPREGO DITE COORDENAÇÃO ESTADUAL DO SISTEMA NACIONAL DE EMPREGO SINE SETOR

Leia mais

No Brasil, existem cerca de 45 milhões de Pessoas com Deficiência, o que representa ¼ da população geral (Censo IBGE, 2010).

No Brasil, existem cerca de 45 milhões de Pessoas com Deficiência, o que representa ¼ da população geral (Censo IBGE, 2010). O Plano Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência PLANO VIVER SEM LIMITE 2011-2014 foi instituído por meio do Decreto da Presidência da República nº 7.612, de 17/11/2011 e tem como finalidade promover,

Leia mais

Município: JOÃO PESSOA / PB

Município: JOÃO PESSOA / PB O Plano Brasil Sem Miséria O Plano Brasil Sem Miséria foi lançado com o desafio de superar a extrema pobreza no país. O público definido como prioritário foi o dos brasileiros que estavam em situação de

Leia mais

Trabalho Decente Apresentação

Trabalho Decente Apresentação Apresentação Em 1999 a Organização Internacional do Trabalho (OIT) formalizou o conceito de Trabalho Decente como uma síntese da sua missão histórica de promover oportunidades para que homens e mulheres

Leia mais

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO:

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO: O Brasil e suas políticas sociais: características e consequências para com o desenvolvimento do país e para os agrupamentos sociais de nível de renda mais baixo nas duas últimas décadas RESUMO: Fernanda

Leia mais

OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO

OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO Conjuntura Para além de enfrentarem a discriminação social e familiar, muitas mulheres ainda lutam para ultrapassar os obstáculos ao

Leia mais

Analfabetismo no Brasil

Analfabetismo no Brasil Analfabetismo no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IETS) Samuel Franco (IETS) Parte 1: Magnitude e evolução do analfabetismo no Brasil Magnitude Segundo estimativas obtidas com base

Leia mais

O EIXO DE GARANTIA DE RENDA NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA

O EIXO DE GARANTIA DE RENDA NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA O EIXO DE GARANTIA DE RENDA NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA Os expoentes do eixo de garantia de renda do Plano Brasil sem Miséria são o Programa Bolsa Família e o Benefício de Prestação Continuada (BPC), ambos

Leia mais

EDUCAÇÃO POLÍTICA E EDUCAÇÃO DEMOCRÁTICA (IV Parte)

EDUCAÇÃO POLÍTICA E EDUCAÇÃO DEMOCRÁTICA (IV Parte) EDUCAÇÃO POLÍTICA E EDUCAÇÃO DEMOCRÁTICA (IV Parte) Saiba quais são as Recomendações das Conferências Internacionais na emancipação política das mulheres, as quais já foram assinadas pelo governo brasileiro

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. As Políticas Públicas de Emprego no Brasil

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. As Políticas Públicas de Emprego no Brasil As Políticas Públicas de Emprego no Brasil 1 Índice 1. Mercado de Trabalho no Brasil 2. FAT Fundo de Amparo ao Trabalhador 2.1. Programas e Ações 2.2. Principais avanços na execução dos Programas e Ações

Leia mais

Um país menos desigual: pobreza extrema cai a 2,8% da população Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) foram divulgados pelo IBGE

Um país menos desigual: pobreza extrema cai a 2,8% da população Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) foram divulgados pelo IBGE Um país menos desigual: pobreza extrema cai a 2,8% da população Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) foram divulgados pelo IBGE Brasília, 7 A pobreza extrema no país caiu a 2,8%

Leia mais

O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES

O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES Outubro 2012 Nº 7 O TRABALHADOR E A INSERÇÃO OCUPACIONAL NA CONSTRUÇÃO E SUAS DIVISÕES A Construção ocupa um contingente crescente de trabalhadores e pode ser apontada como um dos responsáveis pelo dinamismo

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais Brasil Referência 2010. Nota Metodológica nº 07

DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais Brasil Referência 2010. Nota Metodológica nº 07 DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Sistema de Contas Nacionais Brasil Referência 2010 Nota Metodológica nº 07 As Famílias no Sistema de Contas Nacionais (versão para informação

Leia mais

Demonstrativo da extrema pobreza: Brasil 1990 a 2009

Demonstrativo da extrema pobreza: Brasil 1990 a 2009 Campinas, 29 de fevereiro de 2012 AVANÇOS NO BRASIL Redução significativa da população em situação de pobreza e extrema pobreza, resultado do desenvolvimento econômico e das decisões políticas adotadas.

Leia mais

As especificidades da desigualdade étnicoracial no cenário das desigualdades no Brasil

As especificidades da desigualdade étnicoracial no cenário das desigualdades no Brasil MÓDULO 4 - Relações Étnico-Raciais unidade 2 TEXTO 4 As especificidades da desigualdade étnicoracial no cenário das desigualdades no Brasil Você já pensou em como as desigualdades raciais muitas vezes

Leia mais

Relatório Estadual de Acompanhamento - 2008. Relatório Estadual de Acompanhamento 2008 Objetivos de Desenvolvimento do Milênio

Relatório Estadual de Acompanhamento - 2008. Relatório Estadual de Acompanhamento 2008 Objetivos de Desenvolvimento do Milênio Relatório Estadual de Acompanhamento 2008 Objetivos de Desenvolvimento do Milênio 1- Erradicar a extrema pobreza e a fome Meta 1: Reduzir pela metade, entre 1990 e 2015, a proporção da população com renda

Leia mais

9 de septiembre de 2008

9 de septiembre de 2008 SEMINARIO REGIONAL LA CONTRIBUCIÓN N DE LOS PROGRAMAS SOCIALES AL LOGRO DE LOS OBJETIVOS DE DESARROLLO DEL MILENIO EXPERIÊNCIA DO GOVERNO BRASILEIRO M. Andréa a Borges David Santiago de Chile, 8-98 9 de

Leia mais

Elas trabalham mais e ganham menos

Elas trabalham mais e ganham menos Estudo Elas trabalham mais e ganham menos Relatório da OIT mostra que, no período de um ano, as mulheres trabalham dez dias a mais que os homens Lídia Borges e Karina Ribeiro 20 de julho de 2012 (sexta-feira)

Leia mais

ANUÁRIO DO TRABALHO. namicro e. Pequena 2010 / 2011. Empresa

ANUÁRIO DO TRABALHO. namicro e. Pequena 2010 / 2011. Empresa ANUÁRIO DO TRABALHO namicro e Pequena Empresa 2010 / 2011 SEBRAE - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões Diretor-Presidente

Leia mais

PESQUISA MENSAL DE SERVIÇOS

PESQUISA MENSAL DE SERVIÇOS PESQUISA MENSAL DE SERVIÇOS NOTAS METODOLÓGICAS A Pesquisa Mensal de Serviços - PMS tem por objetivo produzir indicadores que permitam o acompanhamento da evolução conjuntural do setor de serviços empresariais

Leia mais

Seminário Preparatório da 3ª CEST A Política Nacional de Saúde do Trabalhador e os seus desafios para a garantia do direito à Saúde

Seminário Preparatório da 3ª CEST A Política Nacional de Saúde do Trabalhador e os seus desafios para a garantia do direito à Saúde Seminário Preparatório da 3ª CEST A Política Nacional de Saúde do Trabalhador e os seus desafios para a garantia do direito à Saúde Profª Dolores Sanches Wünsch NEST/UFRGS 1 Questões Iniciais Papel das

Leia mais

Por que fazer o Censo de 2010?

Por que fazer o Censo de 2010? Por que fazer o Censo de 2010? Diretoria de Pesquisas 18.08.2010 Introdução...2 Para acompanhar evolução da ocupação do território e planejar o seu desenvolvimento sustentável....2 Para avaliar, planejar

Leia mais

Saúde, Processo de Habilitação e Questões Socioeducativas

Saúde, Processo de Habilitação e Questões Socioeducativas Seminário de Políticas para o Trânsito Seguro de Motos Saúde, Processo de Habilitação e Questões Socioeducativas Luiz Eduardo Alcântara de Melo Depto. de Políticas de Saúde e Segurança Ocupacional - DPSSO/SPPS

Leia mais

Relatório de Avaliação do PPA 2012-2015

Relatório de Avaliação do PPA 2012-2015 Relatório de Avaliação do PPA 2012-2015 2014, ano base 2013 Dimensão Estratégica (vol. 1) e Programas Temáticos (vol. 2) Resumo do preenchimento Esther Bemerguy de Albuquerque Secretária de Planejamento

Leia mais

INTRODUÇÃO O PROGRAMA DO SEGURO-DESEMPREGO

INTRODUÇÃO O PROGRAMA DO SEGURO-DESEMPREGO SEGURO-DESEMPREGO NO MUNICÍPIO DE CURITIBA 2008 E 1º BIMESTRE DE 2009 INTRODUÇÃO Este texto tem como objetivo apresentar um perfil do programa de Seguro-Desemprego no município de Curitiba no ano de 2008

Leia mais

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Características da Federação Brasileira Federação Desigual Federação

Leia mais

I Seminário Nacional sobre Deficiência e Funcionalidade. Transitando do modelo médico para o biopsicossocial

I Seminário Nacional sobre Deficiência e Funcionalidade. Transitando do modelo médico para o biopsicossocial I Seminário Nacional sobre Deficiência e Funcionalidade Transitando do modelo médico para o biopsicossocial 1 Participação do MTE no Programa BPC - Trabalho Intermediação de mão de obra da pessoa com deficiência;

Leia mais

75,4. 1,95 mulher, PNAD/08) Taxa de analfabetismo (15 anos ou mais em %) 4,4% População urbana 5.066.324

75,4. 1,95 mulher, PNAD/08) Taxa de analfabetismo (15 anos ou mais em %) 4,4% População urbana 5.066.324 SEMINÁRIO ESTRUTURA E PROCESSO DA NEGOCIAÇÃO COLETIVA CONJUNTURA DO SETOR RURAL E MERCADODETRABALHOEMSANTA DE EM CATARINA CONTAG CARACTERÍSTICAS C C S GERAIS CARACTERÍSTICA GERAIS DE SANTA CATARINA Área

Leia mais

Apoio. Patrocínio Institucional

Apoio. Patrocínio Institucional Patrocínio Institucional Apoio O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam a autoestima de jovens

Leia mais

Declaração da OIT sobre os princípios e direitos fundamentais no trabalho e seu seguimento

Declaração da OIT sobre os princípios e direitos fundamentais no trabalho e seu seguimento Declaração da OIT sobre os princípios e direitos fundamentais no trabalho e seu seguimento adotada durante a Conferência Internacional do Trabalho na octogésima sexta reunião, Genebra, 18 de junho de 1998

Leia mais