O Banco do Brasil na trilha do empowerment: um estudo de caso sobre emancipação do trabalho X discurso organizacional

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Banco do Brasil na trilha do empowerment: um estudo de caso sobre emancipação do trabalho X discurso organizacional"

Transcrição

1 O Banco do Brasil na trilha do empowerment: um estudo de caso sobre emancipação do trabalho X discurso organizacional Érika Batista (Mestranda/Unesp-Marília) A ofensiva neoliberal e a globalização são partes articuladas de um projeto hegemônico do capitalismo contemporâneo. A reestruturação produtiva da década de 70 foi a resposta da crise do padrão de acumulação taylorista-fordista. A globalização da década de 80 se apresentou como a divulgação do modelo mais adequado de sustentação econômica e política: o modelo neoliberal e sua característica essencial, a flexibilidade. A partir dos anos 90 houve uma ressemantização do chamado toyotismo, quando as tendências organizacionais apontaram o caminho do empowerment como uma nova forma de gestão do processo de trabalho. O discurso novo das equipes auto-gerenciais, da criatividade, da autonomia, da horizontalização das relações hierárquicas vem se espalhando em meio às organizações modernas. O trabalho imaterial objetiva-se cada vez mais e a subjetividade é capturada pelo processo produtivo. A reprodução do capital, sob a hegemonia do capital financeiro em detrimento do capital produtivo, é impulsionada pelo trabalho bancário na medida em que agiliza a circulação da mercadoria-dinheiro. A função dos bancos é desfigurada - de suporte ao capital produtivo e ao comércio de dinheiro - e a autonomização do capital financeiro se expressa no poder de controle dos grupos financeiros além da esfera econômica, atuando sobre a esfera política e social em geral. Tais tendências tornam-se expressivas para o entendimento do contexto bancário brasileiro, no bojo da globalização, se considerarmos o porte e a natureza de uma instituição bancária como o Banco do Brasil SA, que conta com a especificidade de operar em regime de economia mista, estabelecendo relações singulares com o governo e participando nas decisões e rumos políticos do país, e ao mesmo tempo concorrendo pelo mercado de produtos bancários como qualquer outro banco privado. O trabalho é parte de pesquisa em andamento que investiga, através de uma interpretação materialista dialética que considera variáveis universais, particulares e singulares, a relação entre trabalho e ser social a partir de contradições econômicas, políticas, ideológicas e psicológicas, no intuito de desvendar como se articulam os mecanismos de controle do capital no setor bancário brasileiro. Em fundamentos específicos, o processo de trabalho do Banco do Brasil em São Bernardo do Campo/SP. A tradição de lutas trabalhistas da região do ABC Paulista motivou a escolha desta localidade para a pesquisa empírica. A investigação é bibliográfica e documental, utilizando bibliografia clássica do tema nas áreas de sociologia do trabalho, economia, administração de empresas e psicologia organizacional, bibliografia específica do objeto, como material institucional do Banco do Brasil, além de pesquisa empírica na forma de entrevistas qualitativas. Os resultados até agora obtidos apontam uma contradição entre o discurso do empowerment, que é emancipador se comparado ao discurso taylorista-fordista, e a prática de trabalho, que ainda aliena os trabalhadores e mantém o controle do processo de trabalho nas mãos do gestores do capital.

2 O Banco do Brasil na trilha do empowerment: um estudo sobre emancipação do trabalho versus discurso organizacional Erika Batista Grupo de Trabalho nº 5: Neoliberalismo e relações de trabalho Resumo: Concatenando a inserção subordinada do Brasil no contexto de mundialização do capital à reestruturação do sistema financeiro nacional, o trabalho busca expor as conseqüências desta para o universo dos trabalhadores bancários através da desmistificação do discurso organizacional do empowerment pela própria prática de trabalho. Especificamente, o objeto se concentra no Banco do Brasil SA. A tradição de lutas trabalhistas da região do ABC Paulista motivou a escolha da unidade que vem sendo acompanhada, tratando-se de uma das agências centrais do conglomerado em São Bernardo do Campo/SP. A fantástica fábrica de dinheiro e a inserção subordinada do Brasil na globalização financeira A financeirização e o desmonte da esfera produtiva são partes articuladas de um projeto de reestruturação do capitalismo contemporâneo. A reestruturação produtiva da década de 70 foi resposta à crise do padrão de acumulação baseado nos modelos taylorista-fordista. A globalização das políticas neoliberais, difundida a partir dos países centrais na década de 80, e ancorada na ficção do dinheiro que gera dinheiro gerou um novo padrão de acumulação, herdado do chamado toyotismo. Este novo padrão seria um momento de transição entre o padrão de acumulação fordista-keynesiano e um novo modelo, que autores da dita escola regulacionista chamam de acumulação flexível. A acumulação flexível, como vou chamá-la, é marcada por um confronto direto com a rigidez do fordismo. Ela se apóia na flexibilidade dos processos de trabalho, dos mercados de trabalho, dos produtos e padrões de consumo (HARVEY, 2004:140). Graduada em Ciências Sociais pela Universidade Estadual Paulista/ Marília; Especialista em Psicologia Organizacional pela Universidade Metodista de São Paulo/ São Bernardo do Campo; Mestranda no Programa de Pós-graduação em Ciências Sociais da Universidade Estadual Paulista/ Marília.

3 Esta (des)razão inevitável da reprodução do capital contemporâneo inclui graves fissuras no que diz respeito à precarização, terceirização e redução dos postos de trabalho, ao desemprego estrutural e, conseqüentemente, atinge todo o setor de serviços, introduzindo cada vez mais trabalho morto e inutilizando trabalho vivo. (MARX, 1985) Neste sentido, trataremos aqui de um núcleo específico de serviço, o segmento bancário. Se pensarmos em que consiste o objeto do trabalhador bancário e o que significa, percebe-se que tal atividade manipula a forma mais fetichizada da mercadoria, o dinheiro, que além de realizar os valores de troca, viabiliza a apropriação do excedente pelo capital a partir dos juros. O capital produtor de juros (também designado capital financeiro ou simplesmente finança ) busca fazer dinheiro sem sair da esfera financeira, sob a forma de juros de empréstimos, de dividendos e outros pagamentos recebidos(...) enfim, de lucros nascidos de especulação bem sucedida (CHESNAIS, 2005:35). Em outras palavras, a ilusão de dinheiro que gera dinheiro. Mesmo que a valorização do capital tenha origem direta na esfera da produção, da mais-valia usurpada do trabalhador no ato da produção, no processo do capital produtor de juros esta valorização aparece como se fosse produzida pelo capital-dinheiro, independentemente do processo produtivo, ou seja, sem a mediação do trabalho, mistificando as relações sociais de produção. Na forma do capital produtor de juros, esse resultado aparece diretamente, sem a intervenção dos processos de produção e de circulação. O capital aparece como fonte misteriosa, autogeradora de juro, aumentando a si mesmo (MARX, livro III: 451). Como parte das políticas de adaptação da realidade nacional à reestruturação do capitalismo contemporâneo, de um processo de submissão política, econômica e cultural do Brasil á mundialização do capital - um processo de desconstrução nacional (TAVARES, 1999) - intensificam-se a desregulamentação financeira e liberalização cambial, ao lado da privatização de setores chave da economia e do desmonte da estrutura produtiva. As privatizações de empresas estatais fortalecem simultaneamente o capital privado nacional e internacional que, em meio ao acirramento da concorrência

4 internacional e da suposta estabilidade monetária, permeia todos os setores da economia e, fundamentalmente, o setor bancário. Esta inserção subordinada se constitui num círculo vicioso onde as economias nacionais não possuem soberania suficiente para confrontar (ou não querem) os mecanismos de dominação do capital globalizado expressos nos programas de macroestabilização e ajuste estrutural sugeridos por organismos como o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Banco Mundial abortando qualquer projeto de desenvolvimento econômico autônomo. Desde os anos 80 articula-se um projeto de fortalecimento do capital privado, industrial e financeiro como tentativa de sanar as dificuldades de valorização originadas na esfera produtiva, do qual as políticas de liberalização e desregulamentação das economias, pautadas no ideário neoliberal, foram os meios (IANNI, 1997). A intensificação da concorrência nos mercados nacionais e internacionais foi fundamental para a reestruturação dos sistemas bancários nacionais e para a transformação da função de intermediadores financeiros dos bancos, pois a liberalização financeira permitiu a entrada de instituições não bancárias e bancos estrangeiros nos mercados, delineando um novo contexto financeiro mundial a partir do qual houve aumento expressivo do número de fusões, incorporações, privatizações e liquidações de instituições bancárias, que ocorreu na década de 80 nos países centrais, e a partir da década de 90 nos países subordinados. O fenômeno do dinheiro que cria mais dinheiro é impulsionado pelo trabalho bancário na medida em que este não só agiliza a circulação da mercadoria-dinheiro, como também a transforma em capital produtor de juros, e acontece na forma de impulsos eletrônicos, quando o capital-dinheiro se desloca em tempo virtual de qualquer parte do globo para outra, na mesma medida em que se desenvolve a mundialização financeira (CHESNAIS, 1999), onde símbolos de valor abstratos são manipulados pelos trabalhadores bancários acriticamente, ou seja, sem uma teleologia que vá além da operacionalização do aparato tecnocientífico. Ademais, esta operacionalização não passa de um adorno no

5 conteúdo do trabalho bancário hoje, uma vez que sua essência passa a ser a venda dos produtos e serviços bancários. Em meio a este universo de degradação do sentido ontológico do trabalho, os trabalhadores que personificam este capital, ou numa terminologia mais adequada da administração moderna, os gestores do capital financeiro, são atingidos pela razão organizacional do chamado empowerment 1, que promove um discurso de maior liberdade e autonomia ao condenar as arcaicas práticas hierárquicas e burocratizadas dos antigos modelos de gestão da época tayloristafordista, sufocando - ainda que por práticas de controle camufladas ou sutis - as incertezas, medos e angústias naturais gerados pelo aprofundamento do conflito capital-trabalho. Sob a égide da competitividade e dos resultados tal deturpação converte-se num processo de corrosão do caráter (SENNET, 2000), ao mesmo tempo em que os trabalhadores padecem de outras mazelas como estresse, lesões corporais, etc, culminando inclusive em casos de suicídios. A internacionalização do sistema financeiro brasileiro e a reestruturação bancária O movimento de aceleração das transformações no sistema financeiro nacional foi intensificado a partir da década de 90, desde a implementação do Plano Real em As políticas de liberalização, desregulamentação e privatização foram os pilares da reestruturação produtiva brasileira e de sua inserção subordinada à dinâmica global do capitalismo contemporâneo. Servindo aos interesses privados, esta internacionalização da economia nacional trouxe consigo transformações destrutivas para o mundo do trabalho, refletindo 1 Em tradução literal empowerment significa empoderar. Contudo, na terminologia da administração moderna, abarca um conjunto de normas, técnicas e estratégias de comprometer o trabalhador em sua dimensão particular, subjetiva, de incorporar seu capital intelectual ao capital estrutural da organização, a partir de formas combinadas de extração de mais-valia absoluta e relativa e camuflados por um discurso de emancipação do trabalho. Ao mesmo tempo em que promove discursos de liberdade e autonomia, e de ataque à rotina, à carreira pré-determinada, etc, corrói os laços de solidariedade coletiva, dissemina o medo e diminui a capacidade de resistência dos grupos, além de criar meios de controle e dominação diferentes dos utilizados na era tayloristafordista.

6 violentamente no aumento do desemprego estrutural e na concentração da renda, e no que tange aos trabalhadores bancários, na baixa dos salários e postos de trabalho. No final da década de 80 o número de bancários chegava a 800 mil, e no final da década de 90 a menos da metade (DIEESE, 2001). Este panorama da reorganização do sistema financeiro nacional e suas conseqüências para o universo dos trabalhadores bancários alicerçaram suas bases nas políticas econômica e monetária implementadas desde o golpe militar de A nova conformação da relação capital-trabalho, com o aumento da taxa de exploração da força de trabalho, concentração de renda e contenção dos gastos públicos, teve seu pontapé institucional a partir do Plano de Ação Econômica do Governo (PAEG) entre , e a Reforma Bancária de 31/12/1964 (Lei nº 4595), que foram os primeiros passos na sistematização e institucionalização do ajuste das frações de classe dominantes entre a burguesia industrial e financeira e sua associação ao capital estrangeiro. A partir de um conjunto de mudanças impostas, de uma modernização autoritária (TAVARES; ASSIS, 1986) das bases de acumulação capitalista, distintas das do período desenvolvimentista dos anos 50, o PAEG e a Reforma Bancária foram seguidos pela Reforma do Mercado de Capitais de 14/07/1965 (Lei nº 4728), que criou mecanismos de controle e fiscalização das instituições financeiras. Diante de um contexto de alta concentração de renda, a reforma do sistema bancário nacional acontece para viabilizar a fluidez do excedente econômico, que foi intermediado pelo sistema financeiro, para a retomada da expansão da produção. (OLIVEIRA, 2003) Entretanto, a mais-valia absoluta e relativa usurpada dos trabalhadores não retornou na forma de investimentos para a expansão da esfera produtiva. O excedente de capital, no contexto de alta concentração da renda gerada pela inflação de desequilíbrio entre os ganhos de produtividade e distribuição, dirigiu-se ao mercado financeiro na forma de aplicações em papéis, ou como no início, dirigiu-se para a fantástica fábrica de dinheiro, uma vez que as altas taxas de lucro financeiro eram mais atrativas do que as da produção.

7 Foi durante o PAEG que a reformulação institucional do sistema financeiro começou efetivamente. Até a criação do Banco Central (BACEN) com a Lei 4.595, as tarefas do BACEN eram distribuídas entre a Sumoc que era um órgão normativo das políticas monetária e cambial sem autoridade executiva e o Banco do Brasil (BB) que acumulava às funções de banco comercial e de fomento as de banqueiro do Tesouro e de banqueiro do sistema bancário. Entretanto, mesmo após a transferência das atividades para o BACEN, o BB continuou a ter acesso automático e discricionário aos fundos do Banco Central. Também foi criado o Sistema Financeiro da Habitação através da Lei 4.380, com o Banco Nacional da Habitação, que atuava em parceria com os também novos programas de Seguridade social, PIS e PASEP, todos importantes instrumentos de captação de poupança forçada (MINELLA, 1988). As medidas promovidas não só viabilizaram a internacionalização do sistema financeiro nacional como também incentivaram a concentração e centralização bancária através da expansão dos grandes bancos pela aquisição dos de menor porte. A supressão dos pequenos e médios bancos pelos grandes caracterizou a expansão do capitalismo monopolista e a transição para o capitalismo transnacional, formando os conglomerados financeiros atuantes em diversos segmentos do setor, o que conferiu poder especulativo e autonomia a tais grupos. Os grandes estabelecimentos, particularmente os bancos, não só absorvem diretamente os pequenos como os incorporam, subordinam, incluemnos no seu grupo, no seu consórcio(...) (LENIN, 2002: 24). O período de , conhecido como milagre econômico, proporcionou altas taxas de crescimento econômico para o país e uma relativa estabilização da inflação, na mesma medida em que ironicamente aumentavam os montantes de endividamento externo, o que fortalecia o capital privado nacional e multinacional na acumulação monopolista e aprofundava a relação de subordinação econômica, política e cultural do Brasil. É claro que o crescimento capitalista se dá, acelerando a acumulação de capital ou a modernização institucional, mas mantendo, sempre, a expropriação capitalista externa e o subdesenvolvimento relativo, como condições e feitos inelutáveis (FERNANDES, 1981: ).

8 Também é fundamental chamar a atenção para a necessidade de o governo militar se legitimar economicamente no poder, já que o período Castello Branco havia sido marcado por estagnação e recessão. Durante o milagre o PIB cresceu a uma taxa média de 11% ao ano e as taxas de investimento, que eram de 15% do PIB entre , atingiram 19% em 1968 e mais de 20% no fim do período (HERMANN, 2005). Vale destacar a participação dos bancos privados nacionais e estrangeiros no Brasil como intermediadores dos bancos privados internacionais no processo de endividamento externo, respaldados legalmente pela resolução nº 63 do BACEN. A década de 80 foi marcada pela lucratividade bancária atrelada aos altos índices inflacionários, exceto durante o breve período de pseudoestabilidade inflacionária do Plano Cruzado. O contexto econômico nacional era de instabilidade monetária e as atividades bancárias concentraram-se na valorização do capital-dinheiro na esfera financeira. Tal movimento especulativo acirrou ainda mais o distanciamento da função original dos bancos, de intermediadores entre a esfera produtiva e a bancária, gerando um ciclo de acumulação improdutiva, ou como já foi dito, uma fantástica fábrica de dinheiro. O Plano Cruzado, implementado em fevereiro de 1986, num momento de grandes expectativas democráticas que motivou o sacrifício da nação e a aposta no sucesso do Plano, atenuou até 1987 os mecanismos especulativos da lucratividade das atividades bancárias (SINGER, 1987). Concomitante ao desmonte da esfera produtiva sob o domínio da valorização do capital financeiro, o poder de controle dos representantes dos grandes conglomerados financeiros ganhava mais espaço. Exemplo deste aumento dos grupos estrangeiros no mercado financeiro nacional foi a entrada do grupo espanhol Santander, que em janeiro de 2000 comprou a ex-instituição bancária federal Meridional - que havia sido privatizada em 1997 e comprada pelo banco Bozano juntamente com o maior banco estadual do país em leilão de privatização realizado em novembro, o Banco do Estado de São Paulo (Banespa).

9 Tais reformas foram levadas a cabo efetiva e definitivamente durante a década de 90, quando a pressão dos grandes grupos financeiros resulta na implementação das políticas de liberalização monetária e abertura comercial desenvolvidas pelo Consenso de Washington, que se objetivaram na desregulamentação salarial, privatizações, aumento da concentração de renda, dos níveis de pobreza e da precarização do trabalho. Já durante o governo de Fernando Collor, , havia um movimento de abertura comercial e financeira visando a associação subordinada da política monetária nacional ao capital transnacional, do qual os acordos financeiros internacionais com o FMI, Banco Mundial e Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) foram as representações (FILGUEIRAS, 2000). Em 1992 os bancos com controle estrangeiro detinham 6,9% do total de ativos do sistema financeiro nacional, e em ,4%, ao passo que os bancos estaduais detinham 52,7% em 1992 e 36,5% em 2000 (DIEESE, 2001). Houve a concentração e centralização de capital no setor, já que o número de instituições bancárias passou de 245 em 1994 para 194 em 1999, na mesma medida em que o número de agências diminuiu de para no mesmo período. Ainda, dos 194 bancos em 1999, 15 eram estrangeiros, 52 eram privados nacionais com controle estrangeiro e 12 nacionais com participação estrangeira (FEBRABAN, 2000). As medidas de ajuste monetário do Plano Real desencadearam esta dinâmica de reorganização do setor financeiro brasileiro, já que o controle as altas taxas de inflação e a entrada dos grupos financeiros internacionais mudaram as estratégias de rentabilidade das instituições bancárias nacionais. No período de hiperinflação os lucros bancários estavam ancorados na valorização dos ativos financeiros, o que prejudicou relativamente a receita dos bancos nos primórdios do Plano Real. As carteiras de crédito dos bancos foram atingidas e altos índices de inadimplência foram verificados como manifestação das crises financeira e bancária, juntamente com a gestão fraudulenta de instituições, o que questionou o poder de fiscalização do Banco Central (Jinkings, 2002).

10 Houve a liquidação de 34 instituições bancárias e a implementação de programas de saneamento do sistema financeiro e bancário, como o Programa de Estímulo à Reestruturação e ao Fortalecimento do Sistema Financeiro Nacional (PROER) em novembro de 1995, a partir da Resolução nº do Conselho Monetário Nacional e da Medida Provisória nº Até 1997 o PROER custou mais de 20 milhões de reais aos cofres públicos, o equivalente ao orçamento para a saúde e quase o dobro do destinado à educação naquele ano (MINELLA, 1998). Desfrutando de programas como o PROER, os representantes dos 3 maiores grupos privados nacionais - Bradesco, Itaú e Unibanco - expandiram seu patrimônio adquirindo diversas instituições bancárias desde a implementação das políticas neoliberais. Tais políticas também incluíram programas de privatizações das instituições estatais, ou federalização para futura privatização. O Programa de Fortalecimento das Instituições Financeiras Públicas Federais (PROFIF), de junho de 2001, deu continuidade ao processo de reestruturação financeira comandado pelo grande capital externo e interno (Jinkings, 2002). Vale destacar o papel fundamental que os bancos nacionais ocupavam no financiamento da esfera produtiva para vislumbrar os efeitos destrutivos para qualquer possibilidade de desenvolvimento autônomo, crescimento e aumento do nível de empregos. Desta forma torna-se evidente a posição do governo brasileiro de atuar, ainda que de forma subordinada, aos interesses especulativos do capital privado sob a égide da financeirização e sob a guarda dos preceitos neoliberais, na medida em que não só apoiou como promoveu processos de fusão, incorporação e privatização de instituições estatais. A reorganização do trabalho bancário e o Empowerment no Banco do Brasil A mudança de foco das atividades administrativas para as comerciais transformou o perfil do bancário, que passa a ser o bancário-vendedor, além de realizar as tarefas administrativas, que agora são integradas às tarefas comerciais em meio à automatização e terceirização dos serviços bancários. Neste sentido, a

11 concepção dos novos produtos bancários, o desenvolvimento tecnocientífico e os programas de qualificação tornam-se as chaves dos ajustes para dentro, compreendendo os processos de redução de custos operacionais o que significa intensificação do trabalho e desemprego bancário e dos ajustes para fora, que seriam as novas estratégias de mercado, o desenvolvimento dos novos produtos e serviços bancários (RODRIGUES,1999). Durante a reestruturação bancária uma série de ajustes organizacionais foi necessária para acompanhar os programas de estabilização, principalmente durante a década de 90, e redirecionar os mecanismos de rentabilidade dos bancos. Os ajustes estratégicos visaram a diminuição de custos administrativos, o aumento da produtividade e o adestramento do trabalhador bancário ao novo perfil comercial dos bancos, caracterizado pela concentração do capital privado, pela informatização dos serviços, qualificação da força de trabalho e segmentação do atendimento de acordo com a renda dos clientes. Integrando os ajustes organizacionais estão os programas de qualidade total, onde produzir com qualidade é igual a maior produtividade e menor custo, possível graças à combinação dos meios de extração da mais-valia absoluta e relativa através da intensificação tecnológica, da remuneração flexível, da precarização e terceirização, o que por sua vez remodelou também as relações de trabalho no interior do setor bancário. A última etapa do processo de automação foi no início dos anos 90 2, com o surgimento dos caixas automáticos, do telemarketing e dos homebanking. 2 No final dos anos 60 foram criados os Centros de Processamento de Dados (CPDs), que agilizaram o chamado setor de retaguarda. Estes centros foram responsáveis por desafogar um grande volume de papéis gerados nas operações realizadas nas agências e reduzir custos operacionais, agilizando os serviços de lançamento de contas correntes, registros contábeis e outras operações de apoio às agências. No início dos anos 80, foi a vez da automação do setor de vanguarda. Houve a implantação do sistema on-line, que ligava os terminais locados nas agências com os CPDs, constituindo a rede on line do banco e informatizando todos os setores. A área de marketing e campanhas publicitárias, juntamente com a modernização do layout das agências completou o projeto estratégico de tratamento da imagem dos bancos como instituições modernas e eficientes (FILGUEIRAS, 2001).

12 A suposição inicial do estudo consiste numa contradição inerente ao discurso organizacional e a efetivação do mesmo. Ao mesmo tempo em que o discurso remete para uma organização do trabalho mais livre, o movimento do real nos leva para outro extremo, do qual emerge um trabalho organizado cada vez mais sob relações contraditórias de caráter ideológico, econômico, político e psíquico, e que produzem a ilusão da liberdade. Conhecer o cenário organizacional onde se processam as relações de trabalho da categoria dos bancários converte-se numa relação de particularidade/totalidade que possibilita desvendar as entrelinhas dos novos discursos organizacionais neste setor. O Banco do Brasil (BB) conta com quase dois séculos de história e participação expressiva no mercado brasileiro, e constitui-se como um dos principais empregadores do País, com funcionários, estagiários, contratados temporários, além de adolescentes trabalhadores até julho de (Banco do Brasil, 2006) A instituição formalizou sua mudança organizacional em 1995, e a partir de então vem acompanhando as tendências globais da gestão do trabalho e a lógica competitiva do mercado. Em 1995 a diretoria do banco lançou um Programa de Ajustes, que, dentre outros aspectos, visou adaptar a estrutura da organização ao novo modelo econômico mundial, onde os investimentos em produção e os índices inflacionários não predominavam mais na determinação do lucro, e sim o capital produtor de juros e especulações, no caso brasileiro impulsionado pelo Plano Real, eliminando o desequilíbrio financeiro que havia sido anunciado pelo prejuízo semestral daquele ano de R$ 2,4 milhões, atingindo R$ 4,2 milhões no balanço anual (RODRIGUES, 2004). Também fizeram parte deste programa estratégias de mudança na cultura organizacional da instituição e planos de demissões - voluntárias, compulsórias e induzidas. O Programa de Desligamento Voluntário (PDV) ocorreu em julho deste ano e foi concluído com sucesso, já que se previu uma adesão de funcionários (dos ), dos quais participaram (Informe Reservado nº 56). Além deste corte voluntário, houve uma redução de 30% do corpo de funcionários enquadrados na categoria de excedentes.

13 O PDV foi anunciado para a sociedade como uma estratégia moderna porque permitia que o funcionário se manifestasse voluntariamente, valorizando o respeito pelos mesmos e a autonomia. Entretanto, o que ocorreu na prática foi bem diferente do discurso, apesar dos números do PDV evidenciarem o sucesso da estratégia. Na realidade, concomitantes ao PDV foram criadas outras estratégias que clarearam a natureza da mudança organizacional pretendida pelo BB. Devido ao prejuízo daquele ano houve fechamento de várias agências de varejo, principalmente em cidades interioranas das regiões Norte e Nordeste, o que causou tensão social e política com representantes locais, que se sentiram excluídos da rota do desenvolvimento representada pela presença do BB. Há de se destacar a associação da imagem do BB aos símbolos nacionais e a tradição do banco de maior financiador de investimentos agrícolas por todo o país até então. Os funcionários que não aderiram ao PDV foram realocados compulsoriamente por todo o país, e os que por motivos de ordem pessoal (filhos em idade escolar, companheiros, aumento do custo de vida em cidades maiores, etc) não concordaram com a transferência sofreram pressão psicológica ao serem enquadrados na categoria excedentes até pedirem demissão (abrindo mão dos direitos trabalhistas), e os que não pediram foram literalmente jogados como pingue-pongue por diversos postos. A categoria de excedentes foi formada a partir dos funcionários que sobraram do PDV, pois a idéia era de diminuir o custo com os funcionários mais antigos reduzindo estes quadros, que eram contratados em regime interno e com estabilidade, e contratando novos funcionários para ocupar as funções deixadas em aberto via novos concursos públicos, mas em regime de CLT e sem estabilidade, o que garantiria à organização se adaptar à lógica da competitividade e implementar medidas de racionalização e intensificação do trabalho modernas. Estes primeiros concursos foram viabilizados em 1998 e Oportunamente foram enquadrados nesta categoria todos os funcionários atuantes politicamente, doentes, ou que não eram muito fiéis para trabalhar horas

14 extras não remuneradas. Junto á criação da categoria de excedentes também foram abolidas várias funções menores na hierarquia, caracterizando situações de conflito e de risco individual (RODRIGUES, 2001). O período de instabilidade e crise interna no BB que se verificou pré e pós Programa de Ajustes foi muito violento, culminando em casos de suicídios, foram notificados junto aos sindicatos e órgãos representativos da categoria, mas sem cobertura da mídia tradicional, que por motivos óbvios não deu muita atenção a este lado do programa. Os principais motivos registrados eram rebaixamento de salário, endividamento e desestruturação familiar promovidos em grande parte pelas realocações compulsórias e pelo Quadro de Excedentes (XAVIER, 1998). É possível perceber o trauma destas mudanças deixados nos funcionários mais antigos que agüentaram firme. F.O. trabalhava numa cidade interiorana de Sergipe quando recebeu o comunicado do fechamento de sua agência e de sua transferência compulsória para São Bernardo do Campo, região metropolitana de São Paulo. Ocupava então o cargo comissionado de gerente administrativo. Tinha 1 filho com 4 anos de idade e o esposo em emprego fixo de vigilância. F. relata que aceitou a transferência por medo de ficar desempregado aos 35 anos e pelos benefícios (plano de saúde, auxílio creche), já que seu companheiro não gozava dos mesmos atrativos. Instalou-se precariamente sem nenhuma ajuda de custo numa região economicamente mais ativa e com custo de vida 3 vezes maior do que em sua cidade anterior, com o agravante do marido desempregado. Mantevese com dificuldades não só no aspecto econômico, mas também no psíquico, já que chegou na nova agência com o estigma do excedente. Além de contar com discriminação de outras naturezas por ser negra e nordestina 3, F.O. ainda carrega as marcas desta mudança organizacional, já que adquiriu um complexo de inferioridade que é reforçado até hoje pelos novos colegas de trabalho, jovens, inteligentes e competitivos, com os quais convive cotidianamente enquanto aguarda sua aposentadoria para daqui há 5 anos. Está 3 Entrevista concedida em caráter informal por funcionário de uma agência de São Bernardo do Campo/SP. (informação verbal/2005).

15 na ingrata função de caixa desde que se transferiu para São Bernardo do Campo, há quase 10 anos. Era preciso transformar a cultura organizacional como um todo, visto que o BB sempre se promoveu às custas de seus funcionários, como os slogans o maior patrimônio do Banco do Brasil são os seus funcionários, o Banco do Brasil é o conjunto dos seus funcionários, criando uma representação simbólica onde o banco era a casa, a família do funcionário, que muitas vezes relegava a um segundo plano sua vida pessoal de fato em favor da dedicação e comprometimento com o paizão BB. Ora, fica claro que com uma cultura organizacional desta ordem ficaria difícil implementar as medidas necessárias para a adaptação à lógica do mercado, que pressupunha um desapego a qualquer imagem paternalista que o banco construiu ao longo de sua história, daí o enxugamento dos funcionários que formavam esta cultura. É evidente também a manipulação estratégica dos valores culturais para atingir as novas metas organizacionais. Primeiro há o reforço da dimensão simbólica, seja no sentido nacionalista ou no familiar, construída ao longo dos anos para comprometer o funcionário e contar com sua dedicação plena, depois para induzi-lo a aderir ao PDV, para garantir a continuidade dos serviços pósprograma, e no momento em que esta cultura torna-se um obstáculo para a nova lógica de mercado a organização dispôs do que foi preciso para readaptá-la aos novos padrões do empowerment. E num 3º momento recorre à antiga imagem, pautada no paternalismo e nacionalismo, para convocar novos funcionários. No concurso de 1999 foram registradas inscrições (RODRIGUES, 2004). Num contexto de alta concentração de renda o direcionamento estratégico é para o atendimento segmentado e os serviços inteligentes. No BB (e na maioria dos grandes bancos) há agências personalizadas, próprias para o contato com o cliente-investidor, enquanto nas agências de varejo comuns há uma segmentação no atendimento ao público. As classificações de segmentação para o BB são NR1 (nível de relacionamento), chamados de clientes exclusivos, com renda igual ou acima de R$ 4.000,01; o NR2 é composto pela carteira de clientes preferenciais, com renda de R$ 1.000,01 a R$ 4.000,00; e o NR3 composto dos

16 clientes com renda inferior a R$ 1.000,00 4. Há também uma segmentação via montante de aplicações financeiras e demais produtos. Esta segmentação extrapola o atendimento atingindo também os trabalhadores, que assumem virtualmente a identidade dos seus clientes. Na constituição do coletivo no processo de trabalho, os funcionários do atendimento aos clientes considerados exclusivos têm um perfil adequado ao seu público, que vai desde os treinamentos e posturas profissionais, até a vida privada, como hábitos e costumes que são incorporados numa realidade alheia a da maioria. Há um conflito entre a situação real e a imagem ideal. Os funcionários assumem a identidade dos seus clientes, expressando em suas práticas cotidianas e no relacionamento interpessoal os valores culturais da classe dominante. Este aculturamento artificial é fonte de conflitos e de nãoidentificação com os demais funcionários que não trabalham com tal público, acirrando a rivalidade que já é inerente quanto à qualificação e fragmentando a consciência de classe de tal categoria. O trabalhador do BB não conta com o sistema de remuneração flexível, ainda, diretamente relacionado às metas estipuladas, e também não pode ser demitido com a mesma facilidade de um banco privado. Em outras palavras, o trabalhador que veste a camisa veste por alguma motivação subjetiva, por algum tipo de controle que não está materializado objetivamente, mas que o faz concentrar todas as suas energias na realização da missão do banco. Além deste controle invisível, desta motivação subjetiva que vai desde necessidade de valorização, reconhecimento, de status, de vaidade, de crença ou mera absorção acrítica da própria atividade realizada, há uma rivalidade que se produz entre os trabalhadores estratégicos (os multifuncionais qualificados, que são responsáveis diretos pelo resultado da agência) e os operacionais (responsáveis diretos pelos setores administrativos e de retaguarda e indiretos dos 4 Informações obtidas através de entrevista informal com funcionário de uma agência de São Bernardo do Campo/SP. (informação verbal/ 2005).

17 resultados) e que se acirra na medida em que a concorrência e a valorização dos primeiros se contrapõe à falta de suporte e marginalização dos segundos 5. Os gestores do capital recorrem às inovações tecnológicas, organizacionais e gerenciais para se apropriarem de maneira combinada das modalidades absoluta e relativa de mais-valia, numa composição que intensifica o trabalho e aumenta a produtividade. A articulação entre estas formas permite a geração de excedentes de força de trabalho e reduz o emprego, além de difundir mecanismos de controle que manipulam o conflito capital-trabalho com o fim de obter a adesão acrítica dos trabalhadores no processo de valorização do capital, dos quais o discurso do empowerment é o exemplo mais moderno. Há um aprofundamento da subsunção real 6 do trabalho ao capital (MARX,1985; ROMERO, 2005) na forma de apropriação do capital intelectual, que se converte em capital estrutural da organização. O discurso do empowerment não acarretou mudanças positivas para os trabalhadores no que diz respeito à qualidade de vida e solução das contradições de classe. Pelo contrário, a modernização das relações de produção e das formas de gerenciamento do trabalho esconde o antagonismo de classe inerente ao sistema capitalista através dos discursos motivacionais, das políticas de recompensa e valorização, da horizontalização, da gerência participativa e democratização das decisões. O empowerment oculta uma realidade antagônica, fragmenta a consciência de classe e ainda reforça o modelo através dos próprios trabalhadores. 5 Em estudo realizado por ROCHA (1995) como parte de um treinamento de altos executivos do Banco do Brasil já se apurava esta rivalidade entre os trabalhadores estratégicos e operacionais na maioria das entrevistas. 6 A diferenciação entre subsunção formal e real é abordada por Karl Marx em seus manuscritos de , e finalmente, em O Capital, a partir da análise da cooperação simples, da manufatura e da grande indústria. Basicamente, a diferenciação se dá quanto aos processos de trabalho na constituição da valorização do capital.

18 Bibliografia BANCO DO BRASIL. Retrato da Empresa. Quem faz o BB. Disponível em: Acesso em 30/07/2006. CHESNAIS, F. (2005) A finança mundializada. São Paulo: Boitempo.. (1999) A mundialização financeira: gênese, custos e riscos. São Paulo: Xamã. DIEESE. (2001) Setor financeiro: conjuntura, resultados, remuneração e emprego. Linha Bancários. São Paulo. FEBRABAN. (2000) Balanço social dos bancos São Paulo. FERNANDES, F. (1981) A revolução burguesa no Brasil. Ensaio de interpretação sociológica. Rio de Janeiro: Zahar. FILGUEIRAS, L. (2000) História do Plano Real. São Paulo: Boitempo Editorial.. (2001) Reestruturação produtiva e emprego bancário. In: GOMES, A. (org). O Trabalho no séc. XXI: considerações para o futuro do trabalho. São Paulo: Anita Garibaldi; Bahia: Sindicato dos Bancários da Bahia. HARVEY, D. (2004) A condição pós-moderna. São Paulo: Loyola. HERMANN. (2005) Reformas, Endividamento Externo e o milagre Econômico ( ). In: GIAMBIAGI, F. (org). Economia Brasileira Contemporânea ( ). Rio de Janeiro: Elsevier. IANNI, O. (1997) Teorias da globalização. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. JINKINGS, N. (2002) Trabalho e resistência na Fonte Misteriosa : os bancários no mundo da eletrônica e do dinheiro. Campinas: Editora da Unicamp. LENIN, Vladimir I. (2002) O imperialismo: fase superior do capitalismo. São Paulo: Centauro. MARX, K. (1985) O capital. Crítica da economia política. Livro III, Vol. 5. Difel. MINELLA, A. (1988) Banqueiros, Organização e Poder no Brasil. Rio de Janeiro: Espaço e tempo/anpocs.. (1998) Elites financeiras, sistema financeiro e governo FHC. In: RAMPINELLI,W.; OURIQUES, N. (orgs). No fio da navalha. Crítica das reformas neoliberais de FHC. São Paulo: Xamã. OLIVEIRA, C. (2003) Crítica à razão dualista. O Ornitorrinco. São Paulo: Boitempo Editorial. ROCHA, E. (1995) Clientes e brasileiros notas para um estudo da cultura do Banco do Brasil. Centro de formação do Banco do Brasil (CEFOR), Brasília, DF. RODRIGUES, A. (1999) O emprego bancário no Brasil e a dinâmica setorial (1990 a 1997). Dissertação de mestrado, PUC. São Paulo. RODRIGUES, L.C. (2004) Metáforas do Brasil. Demissões voluntárias, crise e rupturas no Banco do Brasil. São Paulo: Fapesp/Anablume.

19 . (2001) Banco do Brasil: crise de uma empresa estatal no contexto de reformulação do Estado Brasileiro. Tese (Programa de Pós- Graduação em Ciências Sociais). Universidade Estadual de Campinas: Campinas. ROMERO, D. (2005) Marx e a técnica: um estudo dos manuscritos de São Paulo: Expressão Popular. SENNET, R. (2000) A corrosão do caráter: conseqüências pessoais do trabalho no novo capitalismo. Rio de Janeiro: Record. SINGER, P. (1987) O dia da lagarta. Democratização e conflito distributivo no Brasil do cruzado. São Paulo: Editora Brasiliense. TAVARES, M. C. (1999) Destruição não criadora: memórias de um mandato popular contra a recessão, o desemprego e a globalização subordinada. Rio de Janeiro: Record. ; ASSIS, J. C. (1986) O grande salto para o caos. Rio de Janeiro: Zahar. XAVIER, E. P. (1998) Réquiem aos bancários mortos no trabalho. Porto Alegre: Sindicato dos Bancários de Porto Alegre/ Federação dos Bancários do Rio Grande do Sul.

Empowerment no trabalho bancário: emancipação ou alienação?

Empowerment no trabalho bancário: emancipação ou alienação? Empowerment no trabalho bancário: emancipação ou alienação? 1 Erika Batista erikkabatista@gmail.com; Mestranda do Programa de Pós-graduação em Ciências Sociais da Universidade Estadual Paulista (UNESP/Campus

Leia mais

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA Carlos Eduardo Queiroz Pessoa Bacharel em Filosofia e Direito; Mestrando em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Campina Grande

Leia mais

O GRUPO ABRIL E A EDUCAÇÃO: ESTRATÉGIAS DE ATUAÇÃO

O GRUPO ABRIL E A EDUCAÇÃO: ESTRATÉGIAS DE ATUAÇÃO O GRUPO ABRIL E A EDUCAÇÃO: ESTRATÉGIAS DE ATUAÇÃO Luciana Sardenha Galzerano FE/Unicamp Agência Financiadora: Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo Fapesp Resumo Este trabalho objetiva

Leia mais

A QUALIFICAÇÃO NO NOVO CONTEXTO DA AUTOMAÇÃO E FLEXIBILIZAÇÃO DO TRABALHO: UM ESTUDO NO SETOR BANCÁRIO

A QUALIFICAÇÃO NO NOVO CONTEXTO DA AUTOMAÇÃO E FLEXIBILIZAÇÃO DO TRABALHO: UM ESTUDO NO SETOR BANCÁRIO A QUALIFICAÇÃO NO NOVO CONTEXTO DA AUTOMAÇÃO E FLEXIBILIZAÇÃO DO TRABALHO: UM ESTUDO NO SETOR BANCÁRIO ALVES, Ana Elizabeth Santos (UESB/UFBA) GT: Trabalho e Educação 1 A Qualificação frente ao atual processo

Leia mais

XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA

XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA A APROPRIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS POR INVESTIDORES PRIVADOS SÃO INSTRUMENTOS QUE LEVAM A COMERCIALIZAÇÃO DO ENSINO? 1 MSc. EDUARDO GUERINI JULHO/2013

Leia mais

Avaliação de Alternativas - Grupo de Estudos de Seguro Depósito - Subgrupo: Objetivos de Política Pública.

Avaliação de Alternativas - Grupo de Estudos de Seguro Depósito - Subgrupo: Objetivos de Política Pública. Avaliação de Alternativas - Grupo de Estudos de Seguro Depósito - Subgrupo: Objetivos de Política Pública. (abril, 2002) Ana Carla Abraão Costa Economista, História recente da economia brasileira A economia

Leia mais

O estágio atual da crise do capitalismo

O estágio atual da crise do capitalismo O estágio atual da crise do capitalismo II Seminário de Estudos Avançados PC do B Prof. Dr. Paulo Balanco Faculdade de Economia Programa de Pós-Graduação em Economia Universidade Federal da Bahia São Paulo,

Leia mais

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO: O CASO DOS PROFESSORES SUBSTITUTOS DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Resumo

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO: O CASO DOS PROFESSORES SUBSTITUTOS DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Resumo 1 PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO: O CASO DOS PROFESSORES SUBSTITUTOS DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Viviane Dias Uerj diasviviane01@hotmail.com Melissa Machado Uerj melissagmac@yahoo.com.br Resumo

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA 16/04/2013. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA 16/04/2013. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 Obs.: Para aprofundar os conhecimentos no Sistema Financeiro Nacional, consultar o livro: ASSAF NETO, Alexandre.

Leia mais

Resenha. De forma sintética e competente, faz uma reconstituição histórica desde os processos de colonização que marcaram as sociedades latino-

Resenha. De forma sintética e competente, faz uma reconstituição histórica desde os processos de colonização que marcaram as sociedades latino- Revista Latino-americana de Estudos do Trabalho, Ano 17, nº 28, 2012, 229-233 Resenha O Continente do Labor, de Ricardo Antunes (São Paulo, Boitempo, 2011) Graça Druck A iniciativa de Ricardo Antunes de

Leia mais

A PRECARIZAÇÃO DAS RELAÇÕES TRABALHISTAS E O DEBATE DA CONSCIÊNCIA DE CLASSE

A PRECARIZAÇÃO DAS RELAÇÕES TRABALHISTAS E O DEBATE DA CONSCIÊNCIA DE CLASSE II Semana de Economia Política GT 3 Trabalho e produção no capitalismo contemporâneo A PRECARIZAÇÃO DAS RELAÇÕES TRABALHISTAS E O DEBATE DA CONSCIÊNCIA DE CLASSE Resumo Inaê Soares Oliveira 1 Lohana Lemos

Leia mais

Dipartimento di Economia e Management - Università di Ferrara Ferrara, 11 aprile 2014

Dipartimento di Economia e Management - Università di Ferrara Ferrara, 11 aprile 2014 Dipartimento di Economia e Management - Università di Ferrara Ferrara, 11 aprile 2014 La crisi globale e il feticcio della regolamentazione nell esperienza europea e in quella del Sud America. Flávio Bezerra

Leia mais

A QUESTÃO DA POBREZA NA SOCIEDADE DE CLASSES E SEU ACIRRAMENTO NO NEOLIBERALISMO

A QUESTÃO DA POBREZA NA SOCIEDADE DE CLASSES E SEU ACIRRAMENTO NO NEOLIBERALISMO A QUESTÃO DA POBREZA NA SOCIEDADE DE CLASSES E SEU ACIRRAMENTO NO NEOLIBERALISMO Maria Cristina de Souza ¹ Possui graduação em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas -PUCCAMP(1988),

Leia mais

Projetos de intervenção urbanística no Centro Velho de São Paulo: estudo sobre seus impactos nos movimentos sociais por moradia.

Projetos de intervenção urbanística no Centro Velho de São Paulo: estudo sobre seus impactos nos movimentos sociais por moradia. Projetos de intervenção urbanística no Centro Velho de São Paulo: estudo sobre seus impactos nos movimentos sociais por moradia. Leianne Theresa Guedes Miranda lannethe@gmail.com Orientadora: Arlete Moysés

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO ECONÔMICA DO GOVERNO (PAEG): DO MILAGRE ECONÔMICO AO FIM DO SONHO 1

PROGRAMA DE AÇÃO ECONÔMICA DO GOVERNO (PAEG): DO MILAGRE ECONÔMICO AO FIM DO SONHO 1 PROGRAMA DE AÇÃO ECONÔMICA DO GOVERNO (PAEG): DO MILAGRE ECONÔMICO AO FIM DO SONHO 1 Introdução Márcio Kerecki Miguel dos Santos 2 O Brasil novo que se inicia depois da crise de 1929 e da tomada do poder

Leia mais

27.03.12. Paulo Safady Simão Presidente da CBIC

27.03.12. Paulo Safady Simão Presidente da CBIC 27.03.12 Paulo Safady Simão Presidente da CBIC REPRESENTANTE NACIONAL E INTERNACIONAL DAS ENTIDADES EMPRESARIAIS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO E DO MERCADO IMOBILIÁRIO SINDICATOS, ASSOCIAÇÕES E CÂMARAS 62

Leia mais

Desnacionalização: Reserva e Abertura do Mercado aos Bancos Estrangeiros

Desnacionalização: Reserva e Abertura do Mercado aos Bancos Estrangeiros Desnacionalização: Reserva e Abertura do Mercado aos Bancos Estrangeiros Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ desnacionalização bancária No final

Leia mais

O processo de concentração e centralização do capital

O processo de concentração e centralização do capital O processo de concentração e centralização do capital Pedro Carvalho* «Algumas dezenas de milhares de grandes empresas são tudo, os milhões de pequenas empresas não são nada», afirmava Lénine no seu livro

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

Administração de Recursos Humanos

Administração de Recursos Humanos Administração de Recursos Humanos Profª Ma. Máris de Cássia Ribeiro Vendrame O que é a Administração de Recursos Humanos? Refere-se às práticas e às políticas necessárias para conduzir os aspectos relacionados

Leia mais

BRASIL: CONSTITUIÇÃO E CONTINUAÇÃO DO CAPITALISMO DEPENDENTE

BRASIL: CONSTITUIÇÃO E CONTINUAÇÃO DO CAPITALISMO DEPENDENTE BRASIL: CONSTITUIÇÃO E CONTINUAÇÃO DO CAPITALISMO DEPENDENTE Francieli Martins Batista Licenciada em Ciências Sociais/UEM Resumo: O presente texto traz apontamentos a cerca da formação capitalista brasileira

Leia mais

PROGRAMAS DE INSERÇÃO SÓCIO-PROFISSIONAL DE JOVENS NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MG Geraldo Magela Pereira Leão (UFMG)

PROGRAMAS DE INSERÇÃO SÓCIO-PROFISSIONAL DE JOVENS NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MG Geraldo Magela Pereira Leão (UFMG) PROGRAMAS DE INSERÇÃO SÓCIO-PROFISSIONAL DE JOVENS NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MG Geraldo Magela Pereira Leão (UFMG) 1 - INTRODUÇÃO Este trabalho apresenta dados e informações que fundamentam

Leia mais

Fórum Região Sul. EIXO TEMÁTICO 3 - O trabalho e o trabalhador da Vigilância Sanitária. Curitiba. 7 a 9 de julho de 2015. Lenice Reis ENSP/FIOCRUZ

Fórum Região Sul. EIXO TEMÁTICO 3 - O trabalho e o trabalhador da Vigilância Sanitária. Curitiba. 7 a 9 de julho de 2015. Lenice Reis ENSP/FIOCRUZ Fórum Região Sul Curitiba 7 a 9 de julho de 2015 EIXO TEMÁTICO 3 - O trabalho e o trabalhador da Vigilância Sanitária Lenice Reis ENSP/FIOCRUZ Para lembrar... A Reforma Sanitária Brasileira, ao postular

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO E O TRABALHO PRECARIZADO: APONTAMENTOS SOBRE O CASO DA COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS (CEMIG)

TERCEIRIZAÇÃO E O TRABALHO PRECARIZADO: APONTAMENTOS SOBRE O CASO DA COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS (CEMIG) TERCEIRIZAÇÃO E O TRABALHO PRECARIZADO: APONTAMENTOS SOBRE O CASO DA COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS (CEMIG) Igor Silva Figueiredo 1 Igor.figueiredo@gmail.com Este trabalho consiste numa pesquisa

Leia mais

Avaliação da unidade IV Pontuação: 7,5 pontos

Avaliação da unidade IV Pontuação: 7,5 pontos Avaliação da unidade IV Pontuação: 7,5 pontos 2 QUESTÃO 01 (1,0) Durante a constituição do capitalismo industrial, no século XVIII, firmou-se o trabalho assalariado, reservado aos indivíduos que não dispunham

Leia mais

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços...

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... BANCOS MÚLTIPLOS LISTA DE TABELAS Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... RESUMO Neste trabalho serão apresentadas as principais características e serviços disponibilizados pelos

Leia mais

A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente

A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente BRICS Monitor A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente Agosto de 2011 Núcleo de Análises de Economia e Política dos Países BRICS BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisa BRICS BRICS Monitor

Leia mais

Banco Central Bacen Conhecimentos Bancários

Banco Central Bacen Conhecimentos Bancários Banco Central Bacen Conhecimentos Bancários BANCO CENTRAL DO BRASIL O Banco Central do Brasil, criado pela Lei 4.595, de 31.12.1964, é uma autarquia federal, vinculada ao Ministério da Fazenda, que tem

Leia mais

Nova classe média? Buscando respostas num velho debate sobre os limites do capitalismo. Danilo Chaves Nakamura 1

Nova classe média? Buscando respostas num velho debate sobre os limites do capitalismo. Danilo Chaves Nakamura 1 Nova classe média? Buscando respostas num velho debate sobre os limites do capitalismo Danilo Chaves Nakamura 1 Para minha geração, o êxito do capital era um problema. Agora muitos acreditam que isso é

Leia mais

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1 Página 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL As pessoas que supervisionam as atividades das outras e que são responsáveis pelo alcance dos objetivos nessas organizações são os administradores. Eles tomam decisões,

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

Caderno Prudentino de Geografia, Presidente Prudente, n.32, v.2, p.367-373, ago./dez.2010 RESENHA:

Caderno Prudentino de Geografia, Presidente Prudente, n.32, v.2, p.367-373, ago./dez.2010 RESENHA: RESENHA: PINTO, Geraldo Augusto. A organização do trabalho no século 20: taylorismo, fordismo e toyotismo. 2.ed. São Paulo: Expressão Popular, 2010. 88p. Rogério Gerolineto FONSECA Graduando do curso de

Leia mais

SINDEEPRES: As Relações do Trabalho Terceirizado

SINDEEPRES: As Relações do Trabalho Terceirizado 20 Anos de SINDEEPRES Anos de Terceirização no Brasil Seminário 20 Anos de Terceirização no Brasil SINDEEPRES: As Relações do Trabalho Terceirizado Marcio Pochmann www.sindeepres.org.br Relações do trabalho

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias FACULDADE GOVERNADOR OZANAM COELHO PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE PESSOAS INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias ALINE GUIDUCCI UBÁ MINAS GERAIS 2009 ALINE GUIDUCCI INTRODUÇÃO À GESTÃO DE

Leia mais

Discurso Presidente do Banco Central do Brasil Alexandre Tombini

Discurso Presidente do Banco Central do Brasil Alexandre Tombini Discurso Presidente do Banco Central do Brasil Alexandre Tombini Boa tarde. É com satisfação que estamos aqui hoje para anunciar o lançamento das novas cédulas de 10 e 20 reais, dando sequência ao projeto

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL Com o advento da nova Constituição em 1988 e a promulgação e da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional em fins de 1996, novas perspectivas foram colocadas

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Matemática I 1º PERÍODO Matrizes e sistemas lineares. Funções: lineares, afins quadráticas,

Leia mais

O que é o conglomerado Caixa...

O que é o conglomerado Caixa... CAIXA FEDERAL QUAL CAIXA QUEREMOS? Março 2015 O que é o conglomerado Caixa... A Caixa é uma instituição financeira constituída pelo Decreto-Lei 759/1969, sob a forma de empresa pública, vinculada ao Ministério

Leia mais

Tendências Recentes da Consolidação Bancária no Mundo e no Brasil

Tendências Recentes da Consolidação Bancária no Mundo e no Brasil Tendências Recentes da Consolidação Bancária no Mundo e no Brasil Luiz Fernando de Paula Professor da Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade do Estado do Rio de Janeiro E-mail: lfpaula@alternex.com.br

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes.

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. A ECONOMIA GLOBAL Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. O século XX marcou o momento em que hábitos culturais, passaram a ser ditados pelas grandes

Leia mais

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS Governança Corporativa se faz com Estruturas O Itaú se orgulha de ser um banco essencialmente colegiado. A Diretoria atua de forma integrada e as decisões são tomadas em conjunto, buscando sempre o consenso

Leia mais

SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA

SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA 2 Caixa, patrimônio dos brasileiros. Caixa 100% pública! O processo de abertura do capital da Caixa Econômica Federal não interessa aos trabalhadores e à população

Leia mais

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável Este artigo é cópia fiel do publicado na revista Nu e va So c i e d a d especial em português, junho de 2012, ISSN: 0251-3552, . Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Leia mais

O ACESSO À EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: Desafios e perspectivas

O ACESSO À EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: Desafios e perspectivas 54ª Reunião Anual da SBPC Goiânia/GO Julho/2002 O ACESSO À EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: Desafios e perspectivas João Ferreira de Oliveira (UFG) A universalização do acesso à educação superior constitui-se

Leia mais

Melo e, posteriormente, do Presidente Fernando Henrique Cardoso a reformular sua atuação de forma a atender as exigências postas por organismos

Melo e, posteriormente, do Presidente Fernando Henrique Cardoso a reformular sua atuação de forma a atender as exigências postas por organismos 1 Introdução O presente trabalho representa o resultado de uma pesquisa realizada, no ano 2002, junto a alguns cursos do Programa Capacitação Solidária (PCS) na Região Metropolitana do Rio de Janeiro,

Leia mais

UMA ANÁLISE DA RELAÇÃO ENTRE MERCADO DE CAPITAIS E DESENVOLVIMENTO

UMA ANÁLISE DA RELAÇÃO ENTRE MERCADO DE CAPITAIS E DESENVOLVIMENTO UMA ANÁLISE DA RELAÇÃO ENTRE MERCADO DE CAPITAIS E DESENVOLVIMENTO João Ricardo Santos Torres da Motta Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico, Economia

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Custos e de Resultado. Coordenação Acadêmica: Professor Fabiano Simões Coelho

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Custos e de Resultado. Coordenação Acadêmica: Professor Fabiano Simões Coelho CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Custos e de Resultado Coordenação Acadêmica: Professor Fabiano Simões Coelho 1 APRESENTAÇÃO: Atualmente o mercado está hipercompetitivo.

Leia mais

Palavras-chave: Banco do Brasil, reestruturação bancária, trabalho.

Palavras-chave: Banco do Brasil, reestruturação bancária, trabalho. O BANCO DO BRASIL NO CONTEXTO DA REESTRUTURAÇÃO BANCÁRIA NACIONAL Cleito Pereira dos Santos 1 Resumo Este estudo ressalta o papel significativo das novas tecnologias e dos programas de gestão na reconfiguração

Leia mais

Tendências em Novas Tecnologias 17 de julho de 2014. Painel: Dimensões da difusão tecnológica no setor bancário

Tendências em Novas Tecnologias 17 de julho de 2014. Painel: Dimensões da difusão tecnológica no setor bancário Tendências em Novas Tecnologias 17 de julho de 2014 Painel: Dimensões da difusão tecnológica no setor bancário Inovações Tecnológicas interagem com: internacionalização do sistema; competitividade e produtividade;

Leia mais

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE NASCIMENTO, Elaine Cristina Universidade Tecnológica Federal do Paraná AMORIM, Mário

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO. Prof. Israel Frois

FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO. Prof. Israel Frois FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO Prof. Israel Frois SÉCULO XV Território desconhecido; Era habitado por ameríndios ; Natureza praticamente intocada Riqueza imediata: Pau-Brasil (Mata Atlântica) Seus limites

Leia mais

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia Disciplina: Economia ECN001 Macroeconomia Orçamento do Setor Público É a previsão de receitas e a estimativa de despesas a serem realizadas por um Governo em um determinado exercício (geralmente um ano).

Leia mais

Marcos Antônio de Oliveira 1

Marcos Antônio de Oliveira 1 POLÍTICA DE TREINAMENTO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA DA REDE ESTADUAL DE ENSINO NO PARANÁ: A MATEMÁTICA CONTEXTUALIZADA - CORD/SEED E O AJUSTE DA ESCOLA AO MUNDO DO TRABALHO CAPITALISTA Marcos Antônio

Leia mais

III Reunión, Lima, octubre 2010 A AUTOREFORMA SINDICAL E A HISTÓRIA DOS BANCÁRIOS DA CUT BRASIL. William Mendes,

III Reunión, Lima, octubre 2010 A AUTOREFORMA SINDICAL E A HISTÓRIA DOS BANCÁRIOS DA CUT BRASIL. William Mendes, III Reunión, Lima, octubre 2010 A AUTOREFORMA SINDICAL E A HISTÓRIA DOS BANCÁRIOS DA CUT BRASIL William Mendes, Secretário de Formação da CONTRAFCUT-CUT 1. INTRODUÇÃO No final dos anos setenta e início

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA A atividade empresarial requer a utilização de recursos financeiros, os quais são obtidos na forma de crédito e de

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

ação do primeiro setor, representado pelo Estado, que gradativamente exime-se de suas funções básicas, delegando-as a outras esferas da sociedade.

ação do primeiro setor, representado pelo Estado, que gradativamente exime-se de suas funções básicas, delegando-as a outras esferas da sociedade. O TRABALHO VOLUNTÁRIO NO ÂMBITO DO SETOR PRODUTIVO PRIVADO: REFLEXÕES SOBRE OS NOVOS DISPOSITIVOS DA REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA MIRANDA, Aline Barbosa UFU alinebarbosas@yahoo.com.br SILVA, Maria Vieira UFU

Leia mais

O sucesso do Plano Real na economia brasileira RESUMO

O sucesso do Plano Real na economia brasileira RESUMO 1 O sucesso do Plano Real na economia brasileira Denis de Paula * RESUMO Esse artigo tem por objetivo evidenciar a busca pelo controle inflacionário no final da década de 1980 e início da década de 1990,

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 Janete Maria Lins de Azevedo 2 Falar sobre o projeto pedagógico (PP) da escola, considerando a realidade educacional do Brasil de hoje, necessariamente

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 63 março de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 63 março de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 63 março de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico A concentração bancária no Brasil é uma ameaça à justiça econômica e social 1 Quais as ameaças

Leia mais

Discurso do Diretor Anthero na Abertura da XXXIV CONAC

Discurso do Diretor Anthero na Abertura da XXXIV CONAC Uruguai, 7 de maio de 2012. Discurso do Diretor Anthero na Abertura da XXXIV CONAC 1. É com grande satisfação que participo, em nome do Presidente Alexandre Tombini, da abertura do XXXIV Congresso Nacional

Leia mais

Introdução. (abril, 2002) Ana Carla Abraão Costa Economista,

Introdução. (abril, 2002) Ana Carla Abraão Costa Economista, Avaliação de Alternativas - Grupo de Estudos de Seguro Depósito - Subgrupo: Transição de Garantias de Ampla Abrangência para um Sistema de Seguro Depósito com Cobertura Limitada. (abril, 2002) Ana Carla

Leia mais

O FGTS TRAZ BENEFÍCIOS PARA O TRABALHADOR?

O FGTS TRAZ BENEFÍCIOS PARA O TRABALHADOR? O FGTS TRAZ BENEFÍCIOS PARA O TRABALHADOR? FERNANDO B. MENEGUIN 1 O FGTS - Fundo de Garantia do Tempo de Serviço, regido pela Lei nº 8.036, de 11/05/90, foi instituído, em 1966, em substituição à estabilidade

Leia mais

Parte 01 - Versão 2.3 (Março de 2009)

Parte 01 - Versão 2.3 (Março de 2009) Parte 01 - Versão 2.3 (Março de 2009) Teorias clássica ou neoclássica (liberalismo); Teoria keynesiana; Teoria marxista. Visão do capitalismo como capaz de se auto-expandir e se autoregular Concepção

Leia mais

CAPITAL SOLIDÁRIO? O TRABALHO NO CONTEXTO DAS ORGANIZAÇÕES PRODUTIVAS POPULARES E AS PERSPECTIVAS SOBRE

CAPITAL SOLIDÁRIO? O TRABALHO NO CONTEXTO DAS ORGANIZAÇÕES PRODUTIVAS POPULARES E AS PERSPECTIVAS SOBRE CAPITAL SOLIDÁRIO? O TRABALHO NO CONTEXTO DAS ORGANIZAÇÕES PRODUTIVAS POPULARES E AS PERSPECTIVAS SOBRE A POLÍTICA DA ECONOMIA SOLIDÁRIA Luara Caiana Sousa e Silva INTRODUÇÃO O processo de reestruturação

Leia mais

RH NA ÁREA. Clarice da Fontoura Paim Mestre em Administração e Negócios (PUCRS) UNIRITTER cfpaim@cpovo.net. 1 Introdução

RH NA ÁREA. Clarice da Fontoura Paim Mestre em Administração e Negócios (PUCRS) UNIRITTER cfpaim@cpovo.net. 1 Introdução RH NA ÁREA Clarice da Fontoura Paim Mestre em Administração e Negócios (PUCRS) UNIRITTER cfpaim@cpovo.net Resumo: Considerando a necessidade de orientação das pessoas para o aproveitamento de vagas disponíveis

Leia mais

EXPOSIÇÃO NO ENCONTRO INTERNACIONAL DO 39º CONGRESSO DA FEDERAÇÃO NACIONAL DAS INDÚSTRIAS QUÍMICAS DA FRANÇA CGT ÊLE DE RÉ, FRANÇA, 29.04.

EXPOSIÇÃO NO ENCONTRO INTERNACIONAL DO 39º CONGRESSO DA FEDERAÇÃO NACIONAL DAS INDÚSTRIAS QUÍMICAS DA FRANÇA CGT ÊLE DE RÉ, FRANÇA, 29.04. EXPOSIÇÃO NO ENCONTRO INTERNACIONAL DO 39º CONGRESSO DA FEDERAÇÃO NACIONAL DAS INDÚSTRIAS QUÍMICAS DA FRANÇA CGT ÊLE DE RÉ, FRANÇA, 29.04.2014 Boa tarde companheiras e companheiros, Primeiramente a Central

Leia mais

Xai-Xai, 28 de Agosto de 2009 Rogério P. Ossemane (IESE)

Xai-Xai, 28 de Agosto de 2009 Rogério P. Ossemane (IESE) Xai-Xai, 28 de Agosto de 2009 Rogério P. Ossemane (IESE) Países em recessão oficial (dois trimestres consecutivos) Países em recessão não-oficial (um trimestre) Países com desaceleração econômica de mais

Leia mais

II - O DEBATE TEÓRICO E CONCEITUAL DA COOPERAÇÃO E A CONCEPÇÃO DO MST

II - O DEBATE TEÓRICO E CONCEITUAL DA COOPERAÇÃO E A CONCEPÇÃO DO MST TÍTULO: Elementos para um debate histórico e conceitual da cooperação no contexto das relações de produção capitalistas e a concepção do MST. NOME DO AUTOR: Michelly Ferreira Monteiro Elias. CONDIÇÃO:

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE OS FLUXOS DE CAPITAIS E A VULNERABILIDADE EXTERNA NAS ECONOMIAS EM DESENVOLVIMENTO

A RELAÇÃO ENTRE OS FLUXOS DE CAPITAIS E A VULNERABILIDADE EXTERNA NAS ECONOMIAS EM DESENVOLVIMENTO A RELAÇÃO ENTRE OS FLUXOS DE CAPITAIS E A VULNERABILIDADE EXTERNA NAS ECONOMIAS EM DESENVOLVIMENTO ANDRÉIA POLIZELI SAMBATTI Professora da UNIOESTE/Campus de Cascavel, Ms. em Teoria Econômica DENISE RISSATO

Leia mais

Relato - Do Fordismo/Keynesiano ao Toyotismo/Neoliberal

Relato - Do Fordismo/Keynesiano ao Toyotismo/Neoliberal Relato - Do Fordismo/Keynesiano ao Toyotismo/Neoliberal Segundo diferentes autores, como ANTUNES (1999), HARVEY (2001), GOUNET (1999), KURZ (1996) entre outros, vivemos, atualmente, o chamado desemprego

Leia mais

Bancos brasileiros prontos para um cenário de crescimento sustentado e queda de juros

Bancos brasileiros prontos para um cenário de crescimento sustentado e queda de juros 1 Bancos brasileiros prontos para um cenário de crescimento sustentado e queda de juros Tomás Awad Analista senior da Itaú Corretora Muito se pergunta sobre como ficariam os bancos num cenário macroeconômico

Leia mais

Na história da humanidade é a primeira vez que um conjunto de técnicas envolve o planeta como um todo e faz sentir, instantaneamente, sua presença.

Na história da humanidade é a primeira vez que um conjunto de técnicas envolve o planeta como um todo e faz sentir, instantaneamente, sua presença. GESTÃO DE PESSOAS I 3º Roteiro de Estudo - Globalização, capital humano e gestão de pessoas Vários paradigmas relacionados ao sucesso das empresas envolvem pessoas EMPRESAS DAS LEARNING ORGANIZATIONS CENÁRIO

Leia mais

POLÍTICA DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO: ENTRE O PÚBLICO E O PRIVADO

POLÍTICA DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO: ENTRE O PÚBLICO E O PRIVADO 1 POLÍTICA DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO: ENTRE O PÚBLICO E O PRIVADO Gislaine dos Santos Silva 1 Edvânia Ângela de Souza Lourenço 2 Resumo A partir da Constituição da República Federativa do Brasil,

Leia mais

Um Modelo de Sistema de Informação Contábil para Mensuração do Desempenho Econômico das Atividades Empresariais

Um Modelo de Sistema de Informação Contábil para Mensuração do Desempenho Econômico das Atividades Empresariais 1 UM MODELO DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL PARA MENSURAÇÃO DO DESEMPENHO ECONOMICO DAS ATIVIDADES EMPRESARIAIS Autor: Reinaldo Guerreiro Professor Assistente Doutor do Departamento de Contabilidade

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DE DESENVOLVIMENTO E MUDANÇAS NO MERCADO DE TRABALHO: UMA ANÁLISE DO SETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DO MUNICÍPIO DE LONDRINA 1

POLÍTICAS PÚBLICAS DE DESENVOLVIMENTO E MUDANÇAS NO MERCADO DE TRABALHO: UMA ANÁLISE DO SETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DO MUNICÍPIO DE LONDRINA 1 POLÍTICAS PÚBLICAS DE DESENVOLVIMENTO E MUDANÇAS NO MERCADO DE TRABALHO: UMA ANÁLISE DO SETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DO MUNICÍPIO DE LONDRINA 1 Leonardo Antonio Silvano Ferreira 2 Orientadora: Profª.

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DO IV SIMPÓSIO NACIONAL DO CEBES

RELATÓRIO SÍNTESE DO IV SIMPÓSIO NACIONAL DO CEBES RELATÓRIO SÍNTESE DO IV SIMPÓSIO NACIONAL DO CEBES O IV Simpósio Nacional do (Cebes), realizado no dia 31 de outubro de 2015, no Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB), no Rio de Janeiro, teve como objetivo

Leia mais

Sumário. Conceitos básicos 63 Estrutura do balanço de pagamentos 64 Poupança externa 68

Sumário. Conceitos básicos 63 Estrutura do balanço de pagamentos 64 Poupança externa 68 Sumário CAPÍTULO l As CONTAS NACIONAIS * l Os agregados macroeconômicos e o fluxo circular da renda 2 Contas nacionais - modelo simplificado 4 Economia fechada e sem governo 4 Economia fechada e com governo

Leia mais

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro 1 2 O que é o Mercado de Capitais A importância do Mercado de Capitais para a Economia A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro O que é Conselho Monetário Nacional (CNM) O que é Banco Central (BC)

Leia mais

PACTO SOCIAL AMEAÇADO

PACTO SOCIAL AMEAÇADO PACTO SOCIAL AMEAÇADO Luiz Carlos Bresser-Pereira Folha de S. Paulo, 26.03.1981 A elevação decisiva das taxas de inflação e a configuração clara de uma recessão econômica nos dois primeiros meses de 1981

Leia mais

PRODUÇÃO IMOBILIÁRIA E PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO NO BRASIL CONTEMPORÂNEO: UMA INTERPRETAÇÃO A PARTIR DA IMPRENSA ESPECIALIZADA

PRODUÇÃO IMOBILIÁRIA E PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO NO BRASIL CONTEMPORÂNEO: UMA INTERPRETAÇÃO A PARTIR DA IMPRENSA ESPECIALIZADA Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 492 PRODUÇÃO IMOBILIÁRIA E PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO NO BRASIL CONTEMPORÂNEO: UMA INTERPRETAÇÃO A PARTIR DA IMPRENSA

Leia mais

Resenha Crítica. Resignificação das relações sociais diante da compressão do tempo-espaço

Resenha Crítica. Resignificação das relações sociais diante da compressão do tempo-espaço Resenha Crítica Bibliografia: HARVEY, David. A compressão do tempo-espaço e a condição pós-moderna. In:. A condição pós-moderna. São Paulo: Loyola, 1989. Cap. 17, p. 257-276. Andrea Menezes Bacharel em

Leia mais

PAINEL DÍVIDA PÚBLICA, POLÍTICA FISCAL E O IMPASSE NO DESENVOLVIMENTO

PAINEL DÍVIDA PÚBLICA, POLÍTICA FISCAL E O IMPASSE NO DESENVOLVIMENTO PAINEL DÍVIDA PÚBLICA, POLÍTICA FISCAL E O IMPASSE NO DESENVOLVIMENTO Painelistas: Prof. Dr. Benjamin Alvino de Mesquita (Brasil) Prof. Dr. Adriano Sarquis Bezerra de Menezes (Brasil) Prof. Dr. Jair do

Leia mais

CURSOS TECNOLÓGICOS EMERGÊNCIA DE UMA NOVA REGULAÇÃO

CURSOS TECNOLÓGICOS EMERGÊNCIA DE UMA NOVA REGULAÇÃO CURSOS TECNOLÓGICOS EMERGÊNCIA DE UMA NOVA REGULAÇÃO ACIOLI, Maria de Fátima da Costa Lippo - UFBA GT: Trabalho e Educação/n. 09 Agência Financiadora: não contou com financiamento 1 - Tempos e Movimentos

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Sistema Financeiro Nacional Dinâmica do Mercado Mercado Bancário Conteúdo 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composta

Leia mais

EXPANSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPTANDO DESAFIOS

EXPANSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPTANDO DESAFIOS EXPANSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPTANDO DESAFIOS Maria da Graça Ramos GEUIpesq/UFPel Resumo: No presente texto procura-se estabelecer as relações fundamentais entre a produção da ciência com a

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

Inteligência coletiva e função social da propriedade

Inteligência coletiva e função social da propriedade Apresentação As transformações no modo de produção capitalista rumo a um regime de acumulação global e flexível traduzem-se na fuga para adiante em relação aos aspectos materiais, fixos e territoriais

Leia mais

O PROCESSO DE PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO NA MINERAÇÃO E A ATUAÇÃO DO SINDICATO METABASE DOS INCONFIDENTES NO MUNICIPIO DE MARIANA-MG

O PROCESSO DE PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO NA MINERAÇÃO E A ATUAÇÃO DO SINDICATO METABASE DOS INCONFIDENTES NO MUNICIPIO DE MARIANA-MG 1 O PROCESSO DE PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO NA MINERAÇÃO E A ATUAÇÃO DO SINDICATO METABASE DOS INCONFIDENTES NO MUNICIPIO DE MARIANA-MG Emília da Silva Godoy 1 Luciano Nascimento de Jesus 2 Suely do Pilar

Leia mais

FINANÇAS E MERCADOS FINANCEIROS A Consolidação do Mercado de Capitais Brasileiro João Basilio Pereima Neto *

FINANÇAS E MERCADOS FINANCEIROS A Consolidação do Mercado de Capitais Brasileiro João Basilio Pereima Neto * FINANÇAS E MERCADOS FINANCEIROS A Consolidação do Mercado de Capitais Brasileiro João Basilio Pereima Neto * O mercado de capitais brasileiro vai fechar o ano de 2007 consolidando a tendência estrutural

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico, Economia

Leia mais

O Sistema Financeiro Nacional

O Sistema Financeiro Nacional O Sistema Financeiro Nacional 1 O Sistema Financeiro Nacional Foi constituído com base nas leis: 4595 de 31-12-64 Estrutura o Sistema Financeiro Nacional 4728 de 14-7- 65 Lei do Mercado de Capitais O Sistema

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 6 ANEXO II METODOLOGIAS (A) CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 7 A) Metodologias utilizadas no Curso de Administração, bacharelado: a) Aulas Expositivas, Fórum de Debates, Dinâmica de Grupo, Seminários, Estudos de

Leia mais

Ementas e bibliografia básica das disciplinas

Ementas e bibliografia básica das disciplinas Ementas e bibliografia básica das disciplinas Gestão do Conhecimento e Inteligência Competitiva (10h) Conceitos gerais de gestão do conhecimento Conceitos gerais de inteligência competitiva Ferramentas

Leia mais

Conexões entre o estranhamento e o capitalismo

Conexões entre o estranhamento e o capitalismo Conexões entre o estranhamento e o capitalismo Stênio Eduardo de Sousa Alves Universidade Federal de Uberlândia stenioche@yahoo.com.br Resumo Nos marcos de uma sociedade capitalista globalizada em que

Leia mais

A reforma do Estado no Brasil : estratégias e resultados

A reforma do Estado no Brasil : estratégias e resultados A reforma do Estado no Brasil : estratégias e resultados Angela Santana O debate sobre a crise do Estado e a necessidade de sua reconstrução teve início nos anos 80 nos países industrializados. No Brasil,

Leia mais

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL ÍNDICE Pensamento Social...2 Movimentos Sociais e Serviço Social...2 Fundamentos do Serviço Social I...2 Leitura e Interpretação de Textos...3 Metodologia Científica...3

Leia mais