5. Quadro comparativo dos regimes de trabalho existentes no Brasil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "5. Quadro comparativo dos regimes de trabalho existentes no Brasil"

Transcrição

1 Aspecto Regime estatutário Regime Estatutário Servidor Comissionado Natureza De natureza unilateral, imposto O servidor comissionado é pelo Estado, cuja característica regido em grande parte por principal é a submissão dos regras de natureza estatutária, servidores às disposições estatais, sendo, no entanto, aplicado aceitas no ato da investidura no cargo efetivo. 1 Lotação Órgãos da Administração PPública Direta, Autarquias e Fundações Públicas regras dos empregados do setor privado no caso da previdência. (Também não se lhes aplica as regras sobre estabilidade) Órgãos da Administração Pública Direta, Autarquias e Fundações Públicas Regime celetista com regras de direito público Contratual, resultante da negociação entre as partes, resguardadas regras de direito público essenciais para garantir os interesses públicos básicos. Empregos públicos são núcleos de encargos de trabalho a serem preenchidos por ocupantes contratados para desempenhá-los, sob relação trabalhista. Sujeitam-se a uma disciplina jurídica que, embora sofra algumas inevitáveis influências advindas da natureza pública da entidade contratante, basicamente, é a que se aplica aos contratos trabalhistas em geral; portanto, a prevista na Consolidação das Leis do Trabalho" 2 Empresas Públicas e Sociedades de Economia Mista Regime celetista Contratual, resultante da negociação entre as partes. Servidor Temporário Contratual, mas regido por legislação específica, a Lei 8.745/93. Não se aplica aos servidores temporários, as regras referentes aos empregados celetistas. Empresas, Associações, Órgãos da Administração Fundações Privadas, Pública Direta, Autarquias e Partidos Políticos Fundações e Públicas Entidades Religiosas 1 O regime estatutário foi concebido para atender a peculiaridades de um vínculo no qual não estão em causa tão só interesses empregatícios, mas sim interesses públicos básicos, visto que os servidores públicos são os próprios instrumentos da atuação do Estado Os direitos dos servidores são, na verdade, direitos que devem atender ao interesse público. Nesse aspecto, a própria estabilidade assegurada pela Constituição é um mecanismo de proteção da sociedade quanto ao poder discricionário da Administração. Visa garantir ao agente público a necessária isenção na sua conduta frente a pressões políticas. Esse regime é próprio das áreas de atividades e serviços nos quais o Estado tem que usar o seu poder de autoridade ou de polícia. Nesses setores, de formulação e coordenação de políticas; de regulação, de regulamentação, de fiscalização, dentre outros, é da mais alta relevância controlar o ato do agente público, de forma a fiscalizar a sua alta discrionaridade. São setores em que, por vezes, a qualidade do ato no que se refere á sua conformidade com a legislação e aos princípios da Administração Pública prepondera sobre a avaliação dos resultados concretos que dele poderão advir. Em um processo de fiscalização, por exemplo, é mais importante avaliar a conduta do agente, especialmente da conformidade com a Constituição, com a lei e com a norma, do que avaliar resultados de ordem financeira ou da alteração na conduta do fiscalizado, sobre a qual podem incidir outros fatores que fogem à governabilidade do agente público. Da mesma forma, em uma atividade de formulação de política pública, é muito mais relevante avaliar se a autoridade pública responsável promoveu um processo transparente, no qual houve o acesso das diversas partes interessadas do que os resultados da política, que somente poderão ser aferidos a longo prazo. 2 1

2 Aspecto Regime estatutário Regime Estatutário Servidor Comissionado Regime celetista com regras de direito público Regime celetista Quantitativo Ativos ,2 milhões com carteira Aposentados assinada Atribuições públicas Definição de Atribuições Marco constitucional Principal Legislação Aplicável Natureza da investidura Exercem atividades finalísticas e de meio dos órgãos da Administração Direta, Autarquias e Fundações As atribuições são definidas em lei Exercem atribuições de direção, chefia e assessoramento As atribuições são definidas em lei Exercem as atribuições finalísticas e de meio das empresas públicas e sociedades de economia mista As atribuições são definidas no contrato de trabalho assinado Não se aplica. Exercem atividades de interesse da entidade privada As atribuições são definidas no contrato de trabalho assinado Servidor Temporário Artigos 37, 38, 39, 40 e 41 Artigos 37, 38, 39, 40 e 41 Artigos 7º e 8º Artigos 7º e 8º Artigo 37, IX Lei 8112/90 Lei 8112/90 Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) / Lei 7783/89 (Lei De Greve) A investidura em cargo público implica na assunção legal pelo servidor de um rol de atribuições públicas que se incorporam à sua vida particular, de exercício obrigatório, indelegáveis e irrenunciáveis, salvo por destituição oficial do cargo. 6 Possível a delegação de avocação de competências. A investidura em cargo público implica na assunção legal pelo servidor de um rol de atribuições públicas que se incorporam à sua vida particular, indelegáveis e irrenunciáveis, salvo por destituição oficial do cargo. 7 O emprego público implica na assunção pelo empregado e empregador de um rol de obrigações previamente negociadas e estabelecidas em contrato individual de trabalho firmado entre o Poder público e a pessoa física. A lei (CLT art. 3º) estabelece que é empregado todo aquele que prestar serviços de natureza não eventual a empregador, sob a dependência deste e mediante salário. Esse dispositivo permite, Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) / Lei 7783/89 (Lei De Greve) O emprego implica na assunção pelo empregado e empregador de um rol de obrigações previamente negociadas e estabelecidas em contrato individual de trabalho firmado entre o particulares A lei (CLT art. 3º) estabelece que é empregado todo aquele que prestar serviços de natureza não eventual a Exercem funções temporárias de excepcional interesse público As atribuições são definidas no contrato temporário assinado Lei 8745/93 Não ocupa nem cargo, nem emprego público, apenas exerce uma função pública. 3 Dados extraídos do SIAPE, em agosto de Dados extraídos da RAIS, em agosto de Dados extraídos do SIAPE, em agosto de O Código de Ética do servidor público estipula que a função pública deve ser tida como exercício profissional e, portanto, se integra na vida particular de cada servidor público. Assim, os fatos e atos verificados na conduta do dia-a-dia em sua vida privada poderão acrescer ou diminuir o seu bom conceito na vida funcional (Decreto Nº DE 22/06/94) 7 O Código de Ética do servidor público estipula que a função pública deve ser tida como exercício profissional e, portanto, se integra na vida particular de cada servidor público. Assim, os fatos e atos verificados na conduta do dia-a-dia em sua vida privada poderão acrescer ou diminuir o seu bom conceito na vida funcional (Decreto Nº DE 22/06/94) 2

3 Aspecto Regime estatutário Regime Estatutário Servidor Comissionado Regime celetista com regras de direito público inclusive, que a pessoa física possa pleitear o reconhecimento do vinculo empregatício, ainda que esse não tenha sido estabelecido formalmente. Regime celetista empregador, sob a dependência deste e mediante salário. Esse dispositivo permite, inclusive, que a pessoa física possa pleitear o reconhecimento do vinculo empregatício, ainda que esse não tenha sido estabelecido formalmente. Servidor Temporário Alteração do Regime Jurídico Forma de acesso Requisitos para o acesso Não tem direito adquirido a regime jurídico, sendo plenamente possível alterar o regime jurídico, respeitado, no entanto, o direito adquirido. Por concurso público de provas ou provas e titulas (art. 37, inciso II da CF) Acesso universal a brasileiros natos, naturalizados e estrangeiro, na forma da lei Exceções: as carreiras diplomática e de oficial das forças armadas e o cargo de Ministro de Estado da Defesa são restritos por força do art. 12, 3º da CF a brasileiros natos Estabilidade Assegurada estabilidade constitucional ao cargo efetivo. Somente é possível a Não tem direito adquirido a regime jurídico, sendo plenamente possível alterar o regime jurídico, respeitado, no entanto, o direito adquirido. Livre nomeação e exoneração, independente de concurso público. Acesso universal a brasileiros natos, naturalizados e estrangeiro, na forma da lei Não tem estabilidade. Não pode ser alterado o contrato de trabalho, sem a anuência do empregado e desde que não implique direta ou indiretamente prejuízo a este. Por concurso público de provas ou provas e titulas (art. 37, inciso II da CF) Acesso universal a brasileiros natos, naturalizados e estrangeiro, na forma da lei Não tem estabilidade, mas há segurança: processo administrativo, estabelecido por Não pode ser alterado o contrato de trabalho, sem a anuência do empregado e desde que não implique direta ou indiretamente prejuízo a este. Mediante observância de regras próprias do empregador A critério do empregador, observada a proibição do uso dos critérios de admissão baseado em cor, sexo, idade, estado civil ou outros critérios discriminatórios. A critério do empregador, resguardado o direito de demissão por justa causa Não tem direito adquirido a regime jurídico, sendo plenamente possível alterar o regime jurídico, respeitado, no entanto, o direito adquirido. Processo seletivo simplificado. No caso de calamidade pública, não há seleção. Para o professor visitante pode ser feita análise curricular. Acesso universal a brasileiros natos, naturalizados e estrangeiro, na forma da lei Não tem estabilidade. 3

4 Aspecto Regime estatutário Regime Estatutário Servidor Comissionado exoneração/demissão do cargo nos seguintes casos: a) processo administrativo, b) sentença judicial, c) procedimento de avaliação (mediante disposições legais) ou por d) excesso de despesa (CF, art. 41, 1º) Quanto à exoneração/demissão de cargo vitalício só é possível por sentença judicial transitada em julgado (CF, art. 95, inciso I) Delimitação do exercício das funções Organização da força de trabalho O servidor público deve se ater ao exercício exclusivo das atribuições típicas do cargo em que foi investido. O exercício de outras funções pode representar abuso de poder e desvio de finalidade, denunciáveis por quaisquer cidadãos ou outras partes interessadas. A fixação das atribuições do cargo público objetivam a delimitação do espaço de atuação do agente, na defesa do interesse público. Em carreiras ou cargos isolados, criados por lei O servidor público deve se ater ao exercício exclusivo das atribuições típicas do cargo em que foi investido. O exercício de outras funções pode representar abuso de poder e desvio de finalidade, denunciáveis por quaisquer cidadãos ou outras partes interessadas. A fixação das atribuições do cargo público objetivam a delimitação do espaço de atuação do agente, na defesa do interesse público. Os cargos não são distribuídos em classes, não havendo portando carreira. Regime celetista com regras de direito público regulamento interno para demissões. O desempenho de funções fora do previsto em contrato de trabalho deve ser denunciado pelo empregado, caso esse se sinta prejudicado, mas não configura prejuízo para o interesse público. A fixação das responsabilidades do empregado e das suas atribuições objetivam o atendimento aos interesses das partes do próprio empregado (de não executar atividades para as quais não se sinta devidamente remunerado) e do Poder Público, de poder exigir o desempenho esperado do empregado. Definida pelo estatuto da entidade estatal Regime celetista ou mesmo sem a existência de causa justificadora. O desempenho de funções fora do previsto em contrato de trabalho deve ser denunciado pelo empregado, caso esse se sinta prejudicado. A fixação das responsabilidades do empregado e das suas atribuições objetivam o atendimento aos interesses das partes do próprio empregado (de não executar atividades para as quais não se sinta devidamente remunerado) e do empregador de poder exigir o desempenho esperado do empregado. Definida pelo empregador Servidor Temporário As funções a serem desempenhadas estão previstas no contrato temporário a ser celebrado pelo servidor. Estas funções estão listadas na Lei 8.745/93, como, por exemplo, as de professor temporário, recenseador do IBGE, dentre outras. Exercem apenas funções específicas, não ocupando cargos ou empregos públicos. Natureza Cargos efetivos e vitalícios, com Cargos de provimento em Empregos, com investidura por Empregos privados. Não se aplica. 4

5 Aspecto Regime estatutário Regime Estatutário Servidor Comissionado dos cargos investidura por concurso publico e comissão, cuja investidura é cargos em comissão de livre feita por livre nomeação. exoneração, por autorização constitucional (CF, art. 37, inciso II) Funções de confiança regulação do regime de trabalho Estrutura de cargos e salários Acumulação de cargos Estrutura remuneratória As funções de confiança são exclusivas de servidores públicos (CF, art. 37, inciso XV) A relação empregatícia observa o princípio da reserva legal e da impessoalidade. Disposta pela lei (reserva legal) Proibida acumulação exceto nas hipóteses do art. 37, inciso XVI, da Constituição (no caso de professor, médico e técnico/professor) Estrutura composta por vencimento básico acrescido de vantagens pecuniárias decorrentes do cargo fixadas pela lei (gratificações e adicionais) No atual ordenamento jurídico, não há previsão de bônus ou prêmios de produtividade. Observa teto remuneratório correspondente ao subsídio de ministro do Supremo Tribunal Federal Não podem ser acumulados com cargo em comissão. A relação empregatícia observa o princípio da reserva legal e da impessoalidade. Criados por lei e destinados apenas a funções de direção, chefia e assessoramento. O servidor ocupante de cargo efetivo pode acumular com cargo comissionado, mas não perceberá as duas remunerações integralmente. Regime celetista com regras de direito público concurso público e cargos de confiança, de livre exoneração, por autorização legislativa. O estatuto da entidade pública de regime privado pode prever funções internas próprias, no estatuto, a serem preenchidas por seus empregados do quadro. Relação empregatícia regulada pelas negociações entre o Poder Público e os empregados, observadas regras básicas de direito público (legislação e normas) Estabelecida pelo estatuto interno da entidade Proibida acumulação de cargo público e emprego e de dois empregos, salvo nas hipóteses do art. 37, inciso XVI, da Constituição Recebe parcela única. Estrutura remuneratória estabelecida por estatuto, aprovado ou não por decreto. Não observa teto remuneratório Pode incluir gratificações, adicionais e prêmios/bônus de produtividade, inclusive a participação nos lucros Regime celetista Não se aplica. Regulação privada das relações empregatícias: relação contratual que pressupõe liberdade de negociação Estabelecida pelo estatuto interno da entidade Não há proibição de acumulação de emprego público, a não ser aquela que for negociada em acordo coletivo Estrutura remuneratória estabelecida pelo empregador. Pode incluir gratificações, adicionais e prêmios/bônus de produtividade, inclusive a participação nos lucros Servidor Temporário O servidor temporário não pode exercer funções de confiança. A relação observa disposições legais e contratuais. Não se aplica Não pode acumular com cargo ou emprego público, exceto no caso do professor substituto e de profissional da área médica. A remuneração do servidor temporário é prevista no contrato a ser celebrado. 5

6 Aspecto Regime estatutário Regime Estatutário Servidor Comissionado Valores de Remuneração Redução de Salários/ Remuneração Alteração do Salário/ Remuneração Há reserva legal para fixação e alteração da remuneração/subsidios dos servidores. Há reserva legal para fixação e alteração da remuneração/subsidios dos servidores Regime celetista com regras de direito público Remuneração estabelecida por acordo/convenção coletiva, na qual há avaliação da capacidade de pagamento do Poder Público Não é possível Não é possível Possível, mediante acordo/convenção coletiva Somente por Lei Somente por Lei Por meio de convenção ou acordo coletivo Regime celetista Estabelecida por acordo/convenção coletiva Possível, mediante acordo/convenção coletiva Por meio de convenção ou acordo coletivo Servidor Temporário Há reserva legal para fixação dos valores pagos aos servidores temporários Não é possível Por meio de aditivo ao contrato Benefícios Benefícios constitucionais Estabelecidos por lei e de natureza geral para todos os servidores públicos. Estabelecidos pela CF, art. 39, 3 º,: os benefícios estabelecidos pelo art. 7º da CF menos: a) Relação de emprego protegida contra despedida arbitrária ou sem justa causa: Indenização compensatória (multa ) b) FGTS c) Piso salarial seguro desemprego d) Convenção e acordo coletivo e) Participação nos lucros ou nos resultados f) Outros Estabelecidos por lei e de natureza geral para todos os servidores públicos. Estabelecidos pela CF, art. 39, 3 º,: os benefícios estabelecidos pelo art. 7º da CF menos: a) Relação de emprego protegida contra despedida arbitrária ou sem justa causa: Indenização compensatória (multa ) b) FGTS c) Piso salarial seguro desemprego d) Convenção e acordo coletivo Participação nos lucros ou nos resultados Outros Negociais: entre Poder Publico e empregados. Observa referenciais de mercado Estabelecidos pela CF Art. 7º: a) Relação de emprego protegida contra despedida arbitrária ou sem justa causa: Indenização compensatória (multa ) b) Seguro desemprego c) FGTS d) Piso salarial e) Irredutibilidade do salário, salvo negociada em acordo ou convenção coletiva f) 13º salário g) salário-família h) remuneração do trabalho noturno superior ao diurno i) repouso semanal remunerado j) férias remuneradas com, pelo menos, 1/3 a mais. k) Licença-gestante Negocial: entre empregador e empregados. Observa referenciais de mercado. Estabelecidos pela CF Art. 7º: r) Relação de emprego protegida contra despedida arbitrária ou sem justa causa: Indenização compensatória (multa ) s) Seguro desemprego t) FGTS u) Piso salarial v) Irredutibilidade do salário, salvo negociada em acordo ou convenção coletiva w) 13º salário x) salário-família Estabelecidos por lei. Não se aplica. 6

7 Aspecto Regime estatutário Regime Estatutário Servidor Comissionado Regime celetista com regras de direito público l) licença-paternidade m)aviso prévio n) livre associação civil e direito de greve o) participação nos lucros ou nos resultados p) reconhecimento das convenções e acordos coletivos de trabalho. q) dentre outros. Regime celetista y) remuneração do trabalho noturno superior ao diurno z) repouso semanal remunerado aa) férias remuneradas com, pelo menos, 1/3 a mais. bb) Licençagestante cc) licençapaternidade dd) aviso prévio ee) livre associação civil e direito de greve ff) participação nos lucros ou nos resultados gg) reconheciment o das convenções e acordos coletivos de trabalho. hh) dentre outros. Servidor Temporário Benefícios assistenciais Estabelecidos por lei ou norma geral do Poder Público, alcançando todos os servidores Estabelecidos por lei ou norma geral do Poder Público, alcançando todos os servidores Estabelecidos por lei, norma ou negociados pelos empregados e o Poder Público, em acordo coletivo. Estabelecidos por lei, norma ou negociados pelos empregados e o Poder Público, em acordo coletivo. Estabelecidos por lei ou norma geral do Poder Público, alcançando todos os servidores Promoção de servidor público O art. 39, 2º estabelece que a participação em cursos promovidos por escolas de governo constituem requisito para Não integra carreira, inexistindo promoção. Requisitos de promoção estabelecidos por estatuto e acordo coletivo, convenção coletiva Aplicadas regras privadas de promoção e ascensão profissional Não integra carreira, inexistindo promoção. 7

8 Aspecto Regime estatutário Regime Estatutário Servidor Comissionado promoção na carreira Possui regime de previdência Regime de previdência Social; própria principais características: a) recolhimento em favor da Sistema União previdenciário b) valor da aposentadoria e pensão é o valor integral da remuneração do servidor ativo. c) Há paridade em ativos e inativos para algumas categorias d) Faz jus a licença de acidente do trabalho, com remuneração integral e por tempo determinado e) Licenças com prazo diferenciado Regime celetista com regras de direito público Regime de previdência Social; - valores da aposentadoria e pensão calculados com base em teto de contribuição Regime celetista Regime de previdência Social; Servidor Temporário Regime de previdência Social; Vantagens trabalhistas Não são possíveis por meio de acordos ou convenções coletivas Não são possíveis por meio de acordos ou convenções coletivas Estabelecidas em acordo coletivo: Participação nos lucros Auxílio alimentação Licença prêmio, com possibilidade de conversão em espécie Abonos na freqüência Férias de mais de 30 dias Abono de permanência Previdência complementar Assistência médica subsidiada Empréstimos para tratamento odontológico outros Quaisquer vantagens, estabelecidas em acordo coletivo ou diretamente no contrato de trabalho individual: Segundo a Lei 8.745/93, possuem como direitos : a) férias remuneradas com pelo menos 1/3; b) 13 salário; c) indenização pela metade dos valores a receber, em caso de rescisão antecipada do contrato de trabalho; Fórum para Justiça Federal Justiça Federal Justiça do Trabalho Justiça do Trabalho Justiça Federal 8

9 Aspecto Regime estatutário Regime Estatutário Servidor Comissionado Solução de Litígios Trabalhistas Direito de Sim, amparado no art 5º, XXXIV,a, Sim, amparado no art 5º, Petição CF XXXIV,a, CF Administrativa Legislação que rege a tramitação das petições administrativas Prazo para Solução de Controvérsias Administrativas Regime celetista com regras de direito público Sim, amparado no art 5º, XXXIV,a, CF Regime celetista Sim, amparado no art 5º, XXXIV,a, CF Servidor Temporário Sim, amparado no art 5º, XXXIV,a, CF Lei 9.784/99 Lei 9.784/99 Lei 9.784/99 Não se aplica Lei 9.784/99 30 dias a partir da conclusão da instrução, nos termos do art. 49- Lei 9.784/99 30 dias a partir da conclusão da instrução, nos termos do art. 49- Lei 9.784/99 30 dias a partir da conclusão da instrução, nos termos do art. 49-Lei 9.784/99 Não se aplica 30 dias a partir da conclusão da instrução, nos termos do art. 49-Lei 9.784/99 Direito à Negociação Direta entre Categorias de Servidores e a Administração Pública Não Não Sim, nos termos do art 6º, XXVI, CF Sim, nos termos do art 6º, XXVI, CF Não Direito à apreciação Judicial do Conflito Possibilidade de Redução Salarial Sim Sim Sim Sim Sim Não Não Sim Sim Não Direito de Sim Sim Sim Sim Sim 9

10 Aspecto Regime estatutário Regime Estatutário Servidor Comissionado Formação de Associação para Defesa de seus Interesses Regime celetista com regras de direito público Regime celetista Servidor Temporário Direito de Constituição de Sindicato Sim Sim Sim Sim Sim Possibilidade de Cessão a Outros Entes Públicos Sim Sim Não Sim Sim 10

11 6. Quadro comparativo dos benefícios assegurados aos trabalhadores nos regimes de trabalho existentes na Administração Pública e no regime celetista geral Benefícios Aspecto Regime estatutário Regime Estatutário Servidor sem vinculo com cargo em comissão Relação de emprego protegida contra despedida arbitrária ou sem justa causa: Estabelecidos por lei e de natureza geral para todos os servidores públicos. Estabelecidos pela CF, art. 39, 3 Estabelecidos por lei e de natureza geral para todos os servidores públicos. Estabelecidos pela CF, art. 39, 3 Regime celetista com regras de direito público Negociais: entre Poder Publico e empregados. Observa referenciais de mercado Estabelecidos pela CF Art. 7º: Regime celetista Negocial: entre empregador e empregados. Observa referenciais de mercado. Estabelecidos pela CF Art. 7º: Servidor Temporário Estabelecidos por lei. Convenção e acordo coletivo Não contempla Não contempla contempla contempla Não contempla Participação nos lucros ou nos Não contempla Não contempla contempla contempla Não contempla resultados Indenização compensatória -multa Não contempla Não contempla contempla contempla Não contempla Seguro desemprego Não contempla Não contempla contempla contempla Não contempla FGTS Não contempla Não contempla contempla contempla Não contempla Piso salarial Não contempla Não contempla contempla contempla Não contempla Irredutibilidade do salário, salvo negociada em acordo ou convenção coletiva Não tem Não contempla Não contempla contempla contempla Não contempla 13º salário contempla contempla contempla contempla contempla salário-família contempla contempla contempla contempla contempla remuneração do trabalho noturno contempla contempla contempla contempla contempla superior ao diurno repouso semanal remunerado contempla contempla contempla contempla Não contempla férias remuneradas com, pelo contempla contempla contempla contempla Não contempla menos, 1/3 a mais. Licença-gestante contempla contempla contempla contempla contempla licença-paternidade contempla contempla contempla contempla Não contempla aviso prévio Não contempla Não contempla contempla contempla Não contempla livre associação civil e direito de greve contempla contempla contempla contempla Não contempla 11

12 12

13 13

14 Serviço Social do Comércio - SESC Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial - SENAC Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial - SENAI Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte - SENAT Lei de criação DL nº 9.853/194 6 DL nº º 8.621/194 6 DL nº 4.048/194 2 LEI nº 8.706/199 3 Decreto Instituidor competência Governança conselho deliberativo Representação do Poder Publico presidente diretoria- Executiva Decreto nº CNC minoritária Presidente /1967 da CNC Decreto nº CNC /1967 Decreto nº 494/1962. CNI CNT planejar e executar direta ou indiretamente medidas que contribuam para o bem estar social e a melhoria do padrão de vida dos comerciários e suas famílias e, bem assim para o aperfeiçoamento moral e cívico da coletividade organizar e administrar escolas de aprendizagem comercial organizar e administrar escolas de aprendizagem industrial gerenciar, desenvolver, executar, direta ou indiretamente, e apoioar programas voltados à promoção social do trabalhador em transporte rodoviário e do transportador autônomo, notadamente nos campos da preparação, treinamento e aperfeiçoamento profissional minoritária minoritária minoritária Presidente da CNC Presidente da CNI Presidente da CNT Nomeada pelo presidente do conselho Nomeada pelo presidente do conselho Nomeada pelo presidente do conselho Nomeada pelo presidente do conselho 14

15 Serviço Social do Transporte -SEST Serviço Nacional de Aprendizagem Rural - SENAR Lei de criação LEI Nº 8.706/199 3 Lei nº 8.315/199 1 Decreto Instituidor competência Governança conselho deliberativo Representação do Poder Publico presidente diretoria- Executiva CNT gerenciar, desenvolver, executar, minoritária Presidente Nomeada pelo direta ou indiretamente, e apoioar da CNT presidente do programas voltados à promoção conselho social do trabalhador em transporte rodoviário e do transportador autônomo, notadamente nos campos da alimentação, saúde, cultura, lazer e segurança no trabalho Decreto nº 566/1992 a lei cria o SENAR e dá competência à CNA para organizar e administrar Serviço Brasileiro de Lei nº Decreto nº Poder Público Apoio às Micro e Pequenas Empresas - SEBRAE /1990 Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo - SESCOOP MP nº 1.715/199 8 Decreto nº 3.017/1999 Poder Público organizar, admnistrar e executar em todo o território nacional o ensino da formação profissional rural e a promoção social do trabalhador rural, em centros instalados e mantidos pela instituição ou sob a forma de cooperação, dirigida aos trabalhadores rurais planejar, coordenar e orientar programas técicos, projetos e atividades de apoio às micro e pequenas empresas em conformidade com as políticas nacionais organizar, administrar e executar em todo o territorio nacional o ensino de formação profissional, desenvolvimento e promoção social do trabalhador em cooperativa e dos cooperados minoritária minoritária minoritária Presidente da CNA eleito entre seus membros Nomeada pelo presidente do conselho eleitos pelo conselho deliberativo presidente Nomeada pelo da presidente do Organizaçã conselho o das Cooperativa s Brasileiras 15

16 Serviço Social da Indústria - SESI Lei de criação DL nº 9.403/ Agência Brasiliera Lei de Desenvolvimento nº11.080/2 Industrial - ABDI 004 Agência de Promoção de Exportações do Brasil - Apex Brasil Lei nº /20 03 Agência Brasiliera Lei de Desenvolvimento nº11.080/2 Industrial - ABDI 004 Decreto Instituidor competência Governança conselho deliberativo Representação do Poder Publico presidente diretoria- Executiva Decreto nº CNI minoritária /1965 Decreto nº º 5.352/2005 Decreto nº 4.584/2003 Decreto nº º 5.352/2005 Poder Público Poder Público Poder Público estudar, planejar e executar direta ou indiretamente medidas que contribuam para o bem estar social dos trabalhadores na indústria e nas atividades assemelhadas, concorrendo para a melhoria do padrão geral de vida no país e, bem assim, para o aprefeiçoamento moral e cívico e o desenvolvido do espírito de solidariedade entre as classes promover a execução de políticas de desenvolvimento industrial, especialmente as que contribuam para a geração promover a execução de políticas de promoção de exportações, em cooperação com o Poder Público, especialmente as que favoreçam as empresas de pequeno porte e a geração de empregos promover a execução de políticas de desenvolvimento industrial, especialmente as que contribuam para a geração Majoritária majoritária Majoritária nomeado pelo Presidente da República escolhido e nomeado pelo Presidente da República escolhido e nomeado pelo Presidente da República escolhido e nomeado pelo Presidente da República Nomeada pelo presidente do conselho escolhida e nomeada pelo Presidente da República escolhida e nomeada pelo Presidente da República escolhida e nomeada pelo Presidente da República 16

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I. DOS OBJETIVOS

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I. DOS OBJETIVOS ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I. DOS OBJETIVOS Artigo 1º O Centro de Referência em Informação Ambiental com sede e foro na cidade de Campinas na Avenida Romeu Tortima 388, Cidade Universitária, é uma sociedade

Leia mais

Direito Constitucional. Professor Marcelo Miranda professormiranda@live.com facebook.com/professormarcelomiranda

Direito Constitucional. Professor Marcelo Miranda professormiranda@live.com facebook.com/professormarcelomiranda Direito Constitucional Professor Marcelo Miranda professormiranda@live.com facebook.com/professormarcelomiranda Direitos fundamentais de segunda geração Surgimento: necessidade de intervenção estatal em

Leia mais

ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI

ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI I - DA DENOMINAÇÃO,

Leia mais

Incentivos do Poder Público à atuação de entidades civis sem fins lucrativos, na área social. (1) renúncia fiscal

Incentivos do Poder Público à atuação de entidades civis sem fins lucrativos, na área social. (1) renúncia fiscal Incentivos do Poder Público à atuação de entidades civis sem fins lucrativos, na área social Associação Fundação Privada Associação Sindical Partidos Políticos (1) renúncia fiscal Subvencionada 1 Entidades

Leia mais

LISTA DE CONFERÊNCIA DOS REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO COMO OSCIP

LISTA DE CONFERÊNCIA DOS REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO COMO OSCIP LISTA DE CONFERÊNCIA DOS REQUISITOS PARA QUALIFICAÇÃO COMO OSCIP I DOCUMENTAÇÃO: Checar se, de acordo com o artigo 5º, da Lei n.º 9.790/99, o requerimento de qualificação como OSCIP (Modelo II) está acompanhado

Leia mais

15 - BASES DE INCIDÊNCIA E NÃO INCIDÊNCIA

15 - BASES DE INCIDÊNCIA E NÃO INCIDÊNCIA 15 - BASES DE INCIDÊNCIA E NÃO INCIDÊNCIA 15.1 - Integram a remuneração para fins de cálculos dos valores devidos à Previdência Social e a serem recolhidos para o FGTS, dentre outras, as seguintes parcelas:

Leia mais

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007.

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. Dispõe sobre a criação do Instituto Escola de Governo e Gestão Pública de Ananindeua, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui, e eu

Leia mais

Organizações Sociais. Organizações Sociais (OS) e Organizações da Sociedade de Interesse Público (OSCIP) ENTES DE COOPERAÇÃO. Antes.

Organizações Sociais. Organizações Sociais (OS) e Organizações da Sociedade de Interesse Público (OSCIP) ENTES DE COOPERAÇÃO. Antes. Professor Luiz Antonio de Carvalho Organizações Sociais (OS) e Organizações da Sociedade de Interesse Público (OSCIP) lac.consultoria@gmail.com 1 Segundo o PDRAE-1995 O Projeto Organizações Sociais e Publicização

Leia mais

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR Consiste na forma como as diferentes Pessoas Jurídicas atuam no desenvolvimento de atividades econômicas e sociais no âmbito da sociedade. De acordo com o

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO Art. 1º A Diretoria Executiva, subordinada ao Presidente da Fundação, é responsável pelas atividades

Leia mais

AULA 02 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 02

AULA 02 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 02 AULA 02 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 02 CAPÍTULO VII DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA SEÇÃO I DISPOSIÇÕES

Leia mais

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º A Auditoria Interna do IF Sudeste de Minas Gerais, está vinculada ao Conselho Superior,

Leia mais

CONVÊNIOS E CONSÓRCIOS

CONVÊNIOS E CONSÓRCIOS CONVÊNIOS E CONSÓRCIOS 1. LEGISLAÇÃO - Fundamentação Constitucional: Art. 241 da CF/88 - Fundamentação Legal: Art. 116 da Lei 8.666/93, 2. CONCEITO - CONVÊNIO - é o acordo firmado por entidades políticas

Leia mais

Lei Ordinária Nº 5.519 de 13/12/2005 DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

Lei Ordinária Nº 5.519 de 13/12/2005 DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Lei Ordinária Nº 5.519 de 13/12/2005 Dispõe sobre a qualificação de entidades como organizações sociais, e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PIAUÍ, FAÇO saber que o Poder Legislativo decreta

Leia mais

DECRETO Nº 36726 DE 18 DE JANEIRO DE 2013

DECRETO Nº 36726 DE 18 DE JANEIRO DE 2013 DECRETO Nº 36726 DE 18 DE JANEIRO DE 2013 Aprova o Estatuto da Fundação Cidade das Artes. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais e tendo em vista o que dispõe o Decreto

Leia mais

AS MUDANÇAS NO ESTATUTO JURÍDICO DOS DOMÉSTICOS EC 72/13 Gáudio R. de Paula e José Gervásio Meireles

AS MUDANÇAS NO ESTATUTO JURÍDICO DOS DOMÉSTICOS EC 72/13 Gáudio R. de Paula e José Gervásio Meireles AS MUDANÇAS NO ESTATUTO JURÍDICO DOS DOMÉSTICOS EC 72/13 Gáudio R. de Paula e José Gervásio Meireles A aprovação do projeto de Emenda Constitucional 66/2012, e a subsequente edição da EC 72/13, relativo

Leia mais

Consórcio Público. Administração Indireta

Consórcio Público. Administração Indireta Ordem Social Ordem Econômica Administração Direta Autarquia Fundação Publica Fundação Publica Empresa Pública Sociedade Economia Mista Subsidiária Consórcio Público Administração Indireta 1 Consórcio público

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA FUNDAÇÃO INSTITUTO TECNOLÓGICO DE JOINVILLE - (FITEJ)

REGIMENTO INTERNO DA FUNDAÇÃO INSTITUTO TECNOLÓGICO DE JOINVILLE - (FITEJ) REGIMENTO INTERNO DA FUNDAÇÃO INSTITUTO TECNOLÓGICO DE JOINVILLE - (FITEJ) CAPÍTULO I NATUREZA E FINALIDADES Art 1º. A Fundação Instituto Tecnológico de Joinville, doravante denominada FITEJ, entidade

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS CAPÍTULO II DA FINALIDADE, VINCULAÇÃO E SEDE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS CAPÍTULO II DA FINALIDADE, VINCULAÇÃO E SEDE LEI N. 2.031, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2008 Institui o Serviço Social de Saúde do Acre, paraestatal de direito privado, na forma que especifica. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que

Leia mais

PROJETO DE LEI. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 2º O SESF terá em sua estrutura organizacional os seguintes órgãos:

PROJETO DE LEI. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 2º O SESF terá em sua estrutura organizacional os seguintes órgãos: PROJETO DE LEI Dispõe sobre a criação do Serviço Social do Transporte Ferroviário - SESF e altera a redação do art. 3º da Lei nº 8.706, de 14 de setembro de 1993. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º

Leia mais

ENTIDADES PARAESTATAIS

ENTIDADES PARAESTATAIS ENTIDADES PARAESTATAIS I) CONCEITO Embora não empregada na atual Constituição Federal, entidade paraestatal é expressão que se encontra não só na doutrina e na jurisprudência, como também em leis ordinárias

Leia mais

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 06/2010

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 06/2010 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS Campus Universitário Viçosa, MG 36570-000 Telefone: (31) 3899-2127 - Fax: (31) 3899-1229 - E-mail: soc@ufv.br RESOLUÇÃO

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal Catarinense Conselho Superior

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal Catarinense Conselho Superior RESOLUÇÃO Nº 046 CONSUPER/2014 Regulamento para participação em atividades esporádicas para professores submetidos ao Regime de Dedicação Exclusiva. O Presidente do do IFC, Professor Francisco José Montório

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 004/2013. O Prefeito Municipal de Governador Lindenberg ES, Estado do Espírito Santo apresenta o presente projeto de lei;

PROJETO DE LEI Nº 004/2013. O Prefeito Municipal de Governador Lindenberg ES, Estado do Espírito Santo apresenta o presente projeto de lei; PROJETO DE LEI Nº 004/2013 Ementa: Dispõe sobre o cargo de controlador interno e auditor público interno do Município de Governador Lindenberg ES e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Governador

Leia mais

O contrato de gestão. Valéria Alpino Bigonha Salgado. Organização Social

O contrato de gestão. Valéria Alpino Bigonha Salgado. Organização Social O contrato de gestão e a gestão por resultados Valéria Alpino Bigonha Salgado Organização Social Organização social Contrato de gestão Objetivo do contrato: estabelecer as atribuições, responsabilidades

Leia mais

ENTIDADES DO TERCEIRO SETOR E REGIME TRIBUTÁRIO PROF. SERGIO MONELLO

ENTIDADES DO TERCEIRO SETOR E REGIME TRIBUTÁRIO PROF. SERGIO MONELLO ENTIDADES DO TERCEIRO SETOR E REGIME TRIBUTÁRIO PROF. SERGIO MONELLO 08/10/2013 Para as desonerações tributárias, as entidades podem ser divididas em dois campos: 1) as imunes 2) as isentas 2 IMUNIDADE

Leia mais

Atribuições do órgão conforme a Lei nº 3.063, de 29 de maio de 2013: TÍTULO II DAS COMPETÊNCIAS DOS ÓRGÃOS DA ADMINISTRAÇÃO DIRETA

Atribuições do órgão conforme a Lei nº 3.063, de 29 de maio de 2013: TÍTULO II DAS COMPETÊNCIAS DOS ÓRGÃOS DA ADMINISTRAÇÃO DIRETA SECRETARIA MUNICIPAL DE INFRAESTRUTURA E OBRAS End: Travessa Anchieta, S-55 Centro Fone: (14) 3283-9570 ramal 9587 Email: engenharia@pederneiras.sp.gov.br Responsável: Fábio Chaves Sgavioli Atribuições

Leia mais

Congresso Ministério Público e Terceiro Setor Atuação Institucional na Proteção dos Direitos Sociais. Painel: Formas de Fomento ao Terceiro Setor

Congresso Ministério Público e Terceiro Setor Atuação Institucional na Proteção dos Direitos Sociais. Painel: Formas de Fomento ao Terceiro Setor Congresso Ministério Público e Terceiro Setor Atuação Institucional na Proteção dos Direitos Sociais Painel: Formas de Fomento ao Terceiro Setor Outubro-2010 ESTADO BRASILEIRO SUBSIDIÁRIO COM A PARTICIPAÇÃO

Leia mais

INSTITUTO FÓRUM NACIONAL DOS SECRETÁRIOS E DIRIGENTES ESTADUAIS DE TURISMO - INFORUM ESTATUTO SOCIAL SUMÁRIO

INSTITUTO FÓRUM NACIONAL DOS SECRETÁRIOS E DIRIGENTES ESTADUAIS DE TURISMO - INFORUM ESTATUTO SOCIAL SUMÁRIO 1 INSTITUTO FÓRUM NACIONAL DOS SECRETÁRIOS E DIRIGENTES ESTADUAIS DE TURISMO - INFORUM ESTATUTO SOCIAL SUMÁRIO CAPITULO I - DA DENOMINAÇÃO, DOS FINS, DA SEDE E DO PRAZO Art. 2º Para a consecução dos seus

Leia mais

Referido dispositivo é aplicado aos servidores públicos por força de previsão expressa do artigo 39, parágrafo 3º, o qual dispõe o seguinte:

Referido dispositivo é aplicado aos servidores públicos por força de previsão expressa do artigo 39, parágrafo 3º, o qual dispõe o seguinte: 1. Da legislação que prevê o direito às férias - previsão constitucional e infraconstitucional Preconiza o artigo 7º da Constituição Federal que o trabalhador possui direito a férias anuais, com um adicional

Leia mais

Anteprojeto de Lei: Autonomia das Universidades e Institutos Federais.

Anteprojeto de Lei: Autonomia das Universidades e Institutos Federais. X Encontro Nacional- PROIFES-Federação Anteprojeto de Lei: Autonomia das Universidades e Institutos Federais. Apresentação PROIFES-Federação A Constituição Brasileira de 1988 determinou, em seu artigo

Leia mais

INOVAÇÕES LEGISLATIVAS: área de atuação das fundações e remuneração de dirigentes

INOVAÇÕES LEGISLATIVAS: área de atuação das fundações e remuneração de dirigentes INOVAÇÕES LEGISLATIVAS: área de atuação das fundações e remuneração de dirigentes AIRTON GRAZZIOLI Ministério Público do Estado de São Paulo Promotor de Justiça de Fundações de SP Art. 62, p. único: ÁREA

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.881, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2013. Mensagem de veto Dispõe sobre a definição, qualificação, prerrogativas e finalidades das

Leia mais

DO MINISTÉRIO PÚBLICO art.170 a art175

DO MINISTÉRIO PÚBLICO art.170 a art175 CONSTITUIÇÃO FEDERAL 88 DO MINISTÉRIO PÚBLICO art.127 a art.130- A Art. 127. O Ministério Público é instituição permanente, essencial à função jurisdicional do Estado, incumbindo-lhe a defesa da ordem

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 122, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 122, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 122, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 69ª Reunião Ordinária, realizada no dia 26 de novembro de 2015, no uso das atribuições que

Leia mais

Administração Direta. Empresas Estatais

Administração Direta. Empresas Estatais Ordem Social Ordem Econômica Administração Indireta Administração Direta Autarquia Fundação Publica Direito Público Consórcio Público Direito Público Fundação Publica Direito Privado Consórcio Público

Leia mais

O que é associação sem fins lucrativos? Como constituir e como é tributada?

O que é associação sem fins lucrativos? Como constituir e como é tributada? O que é associação sem fins lucrativos? Como constituir e como é tributada? Parecer: I - Conceitos e objetivos: Associação Sem Fins Lucrativos: Associação é uma entidade de direito privado, dotada de personalidade

Leia mais

DO ESTADO CORPORATIVO E SUA ORGANIZAÇÃO

DO ESTADO CORPORATIVO E SUA ORGANIZAÇÃO CARTA DEL LAVORO (Aprovada no Grande Conselho Fascista, de 21 de abril de 1927) DO ESTADO CORPORATIVO E SUA ORGANIZAÇÃO I - A Nação italiana é um organismo com finalidades, vida, meios, de ação superior,

Leia mais

LEI Nº 5026 DE 19 DE MAIO 2009. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 5026 DE 19 DE MAIO 2009. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 5026 DE 19 DE MAIO 2009 Dispõe sobre a qualificação de entidades como Organizações Sociais e dá outras providências. Autor: Poder Executivo O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, faço saber que

Leia mais

Capítulo I Das Organizações Sociais. Seção I Da Qualificação

Capítulo I Das Organizações Sociais. Seção I Da Qualificação Lei n.º 9.637, de 15 de maio de 1998 Dispõe sobre a qualificação de entidades como organizações sociais, a criação do Programa Nacional de Publicização, a extinção dos órgãos e entidades que menciona e

Leia mais

Agências Executivas. A referida qualificação se dará mediante decreto do Poder Executivo. Agências Reguladoras

Agências Executivas. A referida qualificação se dará mediante decreto do Poder Executivo. Agências Reguladoras Agências Executivas A Lei nº 9.649/98 autorizou o Poder Executivo a qualificar, como agência executiva aquela autarquia ou fundação pública que celebre contrato de gestão com o Poder Público. A referida

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural Serviço Nacional de Aprendizagem Rural REGULAMENTO DOS PROCEDIMENTOS PARA CELEBRAÇÃO DE TERMOS DE COOPERAÇÃO Estabelece diretrizes, normas e procedimentos para celebração, execução e prestação de contas

Leia mais

Paraadministração. Entidades criadas a partir de autorização legislativa. Sociedade e Mercado. Administração Pública. Administração Indireta

Paraadministração. Entidades criadas a partir de autorização legislativa. Sociedade e Mercado. Administração Pública. Administração Indireta Administração Pública Sociedade e Mercado Administração Direta Autarquia Fundação Publica Direito Público Consórcio Público Direito Público Fundação Publica Direito Privado Empresa Pública Consórcio Público

Leia mais

L E I N 7.785, DE 9 DE JANEIRO DE 2014

L E I N 7.785, DE 9 DE JANEIRO DE 2014 L E I N 7.785, DE 9 DE JANEIRO DE 2014 Dispõe sobre a reestruturação da Loteria do Estado do Pará - LOTERPA e dá outras providências. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO PARÁ estatui e eu sanciono a

Leia mais

LEI Nº 1556, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000.

LEI Nº 1556, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000. LEI Nº 1556, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000. Institui o Plano de Custeio do Regime de Previdência dos Servidores Municipais e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE DUQUE DE CAXIAS decreto e eu sanciono

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO. Resolução n 027/2011-CONSU De 22 de dezembro de 2011

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO. Resolução n 027/2011-CONSU De 22 de dezembro de 2011 Resolução n 027/2011-CONSU De 22 de dezembro de 2011 Regulamenta as normas para o relacionamento entre a Universidade Federal do Amapá e as Fundações de Apoio prevista na Lei n 8.958, de 20 de dezembro

Leia mais

Dispõe sobre o contrato de prestação de serviços e as relações de trabalho dele decorrentes.

Dispõe sobre o contrato de prestação de serviços e as relações de trabalho dele decorrentes. COMISSÃO ESPECIAL DESTINADA A PROMOVER ESTUDOS E PROPOSIÇÕES VOLTADAS À REGULAMENTAÇÃO DO TRABALHO TERCEIRIZADO NO BRASIL SUGESTÃO DE SUBSTITUTIVO AO PROJETO DE LEI Nº 4.330, DE 2004 Dispõe sobre o contrato

Leia mais

RESOLUÇÃO N 49, DE 27 DE SETEMBRO DE 2012

RESOLUÇÃO N 49, DE 27 DE SETEMBRO DE 2012 RESOLUÇÃO N 49, DE 27 DE SETEMBRO DE 2012 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 33ª Reunião Ordinária, realizada no dia vinte e sete de setembro de 2012, no uso das atribuições

Leia mais

Dispõe sobre a qualificação de entidades como Organizações Sociais OS no âmbito municipal, e dá outras providências.

Dispõe sobre a qualificação de entidades como Organizações Sociais OS no âmbito municipal, e dá outras providências. PREFEITURA MUNICIPAL DE CAPIVARI DO SUL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL LEI MUNICIPAL Nº 884, DE 19 DE AGOSTO DE 2014. Dispõe sobre a qualificação de entidades como Organizações Sociais OS no âmbito municipal,

Leia mais

CAPÍTULO I - Da qualificação como organização da sociedade civil de interesse público

CAPÍTULO I - Da qualificação como organização da sociedade civil de interesse público LEI DO TERCEIRO SETOR Dispõe sobre a qualificação de pessoas jurídicas de direito privado, sem fins lucrativos, como Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público, institui e disciplina o Termo

Leia mais

O Congresso Nacional decreta:

O Congresso Nacional decreta: Autoriza o Poder Executivo federal a instituir serviço social autônomo denominado Agência Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural - ANATER e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta:

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 555, DE 19 DE JUNHO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 555, DE 19 DE JUNHO DE 2015 Publicada no DJE/STF, n. 122, p. 1-2 em 24/6/2015. RESOLUÇÃO Nº 555, DE 19 DE JUNHO DE 2015 Dispõe sobre as férias dos servidores do Supremo Tribunal Federal. O PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Página 1 de 7 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 13.089, DE 12 DE JANEIRO DE 2015. Mensagem de veto Institui o Estatuto da Metrópole, altera a Lei n o 10.257,

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 411, DE 08 DE JANEIRO DE 2010.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 411, DE 08 DE JANEIRO DE 2010. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 411, DE 08 DE JANEIRO DE 2010. Dispõe sobre a estrutura organizacional do Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Norte e dá outras providências. A GOVERNADORA

Leia mais

LEI N 280 DE 18 DE SETEMBRO DE 2007

LEI N 280 DE 18 DE SETEMBRO DE 2007 LEI N 280 DE 18 DE SETEMBRO DE 2007 Súmula: Dispõe sobre o Sistema de Controle Interno Municipal, nos termos do artigo 31 da Constituição Federal e do artigo 59 da Lei Complementar n 101/2000 e cria a

Leia mais

CAPITULO I DA POLÍTICA MUNICIPAL DO COOPERATIVISMO.

CAPITULO I DA POLÍTICA MUNICIPAL DO COOPERATIVISMO. LEI Nº 1.827/2009. EMENTA: Institui a política de apoio e incentivo ao desenvolvimento do Cooperativismo no âmbito do município de Santa Cruz do Capibaribe/PE e dá outras providências. A MESA DIRETORA

Leia mais

RELAÇÕES ENTRE O IFRS E AS FUNDAÇÕES DE APOIO AUTORIZADAS PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC) E PELO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO (MCTI)

RELAÇÕES ENTRE O IFRS E AS FUNDAÇÕES DE APOIO AUTORIZADAS PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC) E PELO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO (MCTI) RELAÇÕES ENTRE O IFRS E AS FUNDAÇÕES DE APOIO AUTORIZADAS PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC) E PELO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO (MCTI) Dispõe sobre as normas que regulamentam as relações

Leia mais

LEI Nº 4.081, DE 04 DE JANEIRO DE 2008 DODF DE 07.01.2008

LEI Nº 4.081, DE 04 DE JANEIRO DE 2008 DODF DE 07.01.2008 LEI Nº 4.081, DE 04 DE JANEIRO DE 2008 DODF DE 07.01.2008 Dispõe sobre a qualificação de entidades como organizações sociais no âmbito do Distrito Federal e dá outras providências. O GOVERNADOR DO DISTRITO

Leia mais

SUBCHEFIA DE ASSUNTOS PARLAMENTARES

SUBCHEFIA DE ASSUNTOS PARLAMENTARES SUBCHEFIA DE ASSUNTOS PARLAMENTARES PROJETO DE LEI Institui o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego - PRONATEC; altera as Leis n os 7.998, de 11 de janeiro de 1990, que regula o Programa

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 6.469, DE 16/12/2003 - Pub. BM nº 1.591, de 19/12/2003

LEI MUNICIPAL Nº 6.469, DE 16/12/2003 - Pub. BM nº 1.591, de 19/12/2003 Art. 1º LEI MUNICIPAL Nº 6.469, DE 16/12/2003 - Pub. BM nº 1.591, de 19/12/2003 O Prefeito Municipal de São José dos Campos faz saber que a Câmara Municipal aprova e ele sanciona e promulga a seguinte

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO DO SISTEMA PÚBLICO DA EDUCAÇÃO BÁSICA

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO DO SISTEMA PÚBLICO DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEI N. 1.694, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2005 Institui o Sistema Público da Educação Básica do Estado do Acre, face às diretrizes da Educação Nacional e demais instrumentos legais relativos ao regime de colaboração

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETO Nº.1478-R de 14 de Abril de 2005 Regulamenta a Lei Complementar nº290, de 23 de junho de 2004, publicada no Diário Oficial do Estado em 25 de junho de 2004, que dispõe sobre a criação da Fundação

Leia mais

DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 3 OUTROS TIPOS DE CONTRATOS DE TRABALHO

DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 3 OUTROS TIPOS DE CONTRATOS DE TRABALHO DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 3 OUTROS TIPOS DE CONTRATOS DE TRABALHO Índice 1. Outros Tipos de Contratos de Trabalho...3 1.1. Trabalho Rural... 3 1.2. Estagiário... 4 1.3. Trabalho Temporário... 5 1.4.

Leia mais

ENTIDADES DE UTILIDADE PÚBLICA. Como criar ou adequar a sua

ENTIDADES DE UTILIDADE PÚBLICA. Como criar ou adequar a sua ENTIDADES DE UTILIDADE PÚBLICA Como criar ou adequar a sua A presente publicação é dirigida às pessoas que desejam ir além de suas obrigações e deveres individuais, para trabalharem por questões de interesse

Leia mais

ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS POR MILITARES

ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS POR MILITARES ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS POR MILITARES 1. INTRODUÇÃO O presente estudo tem por finalidade analisar a possibilidade de um militar exercer, na ativa ou na reserva remunerada, outro cargo público e receber,

Leia mais

ORIENTAÇÃO NORMATIVA SRH Nº 2, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2011. CAPÍTULO I DO DIREITO E DA CONCESSÃO

ORIENTAÇÃO NORMATIVA SRH Nº 2, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2011. CAPÍTULO I DO DIREITO E DA CONCESSÃO ORIENTAÇÃO NORMATIVA SRH Nº 2, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2011. Dispõe sobre as regras e procedimentos a serem adotados pelos órgãos setoriais e seccionais do Sistema de Pessoal Civil da Administração Federal

Leia mais

I - Técnico de Apoio Fazendário e Financeiro, integrando a categoria funcional de Profissional de Apoio Operacional;

I - Técnico de Apoio Fazendário e Financeiro, integrando a categoria funcional de Profissional de Apoio Operacional; (*) Os textos contidos nesta base de dados têm caráter meramente informativo. Somente os publicados no Diário Oficial estão aptos à produção de efeitos legais. ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL DECRETO Nº 10.609,

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS (Extraído do Decreto Nº 1.171, de 22/06/1994 - Código de Conduta da Alta Administração Federal)

PERGUNTAS E RESPOSTAS (Extraído do Decreto Nº 1.171, de 22/06/1994 - Código de Conduta da Alta Administração Federal) PERGUNTAS E RESPOSTAS (Extraído do Decreto Nº 1.171, de 22/06/1994 - Código de Conduta da Alta Administração Federal) ATIVIDADES PARALELAS 1. Servidor vinculado ao Código de Conduta da Alta Administração

Leia mais

PROJETO DE LEI N. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

PROJETO DE LEI N. O CONGRESSO NACIONAL decreta: PROJETO DE LEI N Institui o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego PRONATEC, altera as Leis n. 7.998, de 11 de janeiro de 1990, n. 8.121, de 24 de julho de 1991 e n. 10.260, de 12 de julho

Leia mais

RELAÇÃO DE EMPREGO DOMÉSTICO

RELAÇÃO DE EMPREGO DOMÉSTICO RELAÇÃO DE EMPREGO DOMÉSTICO FELIPE VASCONCELLOS CAVALCANTE Universidade Federal de Goiás UFG Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional e Recursos Humanos Departamento de Desenvolvimento de Recursos

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº., DE 2011. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

PROJETO DE LEI Nº., DE 2011. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: PROJETO DE LEI Nº., DE 2011. Dispõe sobre a organização sindical no setor público, afastamento de dirigentes sindicais, negociação coletiva, aplicação do direito de greve e sobre o custeio da organização

Leia mais

Parágrafo único. O serviço voluntário não gera vínculo empregatício, nem obrigação de natureza trabalhista, previdenciária ou afim.

Parágrafo único. O serviço voluntário não gera vínculo empregatício, nem obrigação de natureza trabalhista, previdenciária ou afim. LEI DO SERVIÇO VOLUNTÁRIO Lei n 9.608, de 18 de fevereiro de 1998 Dispõe sobre o serviço voluntário e dá outras providências Art. 1 Considera-se serviço voluntário, para fins desta Lei, a atividade não

Leia mais

O Prefeito Municipal de Cuiabá-MT: Faço saber que a Câmara Municipal de Cuiabá-MT aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

O Prefeito Municipal de Cuiabá-MT: Faço saber que a Câmara Municipal de Cuiabá-MT aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: ^ PREFEITURA DE PROJETO DE LEI N DE DE DE 2013. AUTORIZA O PODER EXECUTIVO A CRIAR A EMPRESA PÚBLICA DENOMINADA EMPRESA CUIABANA DE SAÚDE. O Prefeito Municipal de Cuiabá-MT: Faço saber que a Câmara Municipal

Leia mais

TERMO DE PARCERIA (Art. 9º da Lei nº 9.790, de 23.3.99, e Art. 8º do Decreto nº 3.100, de 30.6.99)

TERMO DE PARCERIA (Art. 9º da Lei nº 9.790, de 23.3.99, e Art. 8º do Decreto nº 3.100, de 30.6.99) TERMO DE PARCERIA (Art. 9º da Lei nº 9.790, de 23.3.99, e Art. 8º do Decreto nº 3.100, de 30.6.99) TERMO DE PARCERIA QUE ENTRE SI CELEBRAM A (UNIÃO/ESTADO/MUNICÍPIO), ATRAVÉS DO (ÓRGÃO/ENTIDADE ESTATAL),

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988 Emendas Constitucionais Emendas Constitucionais de Revisão Ato das Disposições

Leia mais

CAPÍTULO I Das Organizações Sociais

CAPÍTULO I Das Organizações Sociais Dispõe sobre a qualificação de entidades como organizações sociais e dá outras providências O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu promulgo a seguinte

Leia mais

QUADRO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA

QUADRO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA ESTUDO ESTUDO QUADRO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA Cláudia Augusta Ferreira Deud Consultora Legislativa da Área XXI Previdência e Direito Previdenciário ESTUDO ABRIL/2007 Câmara dos Deputados

Leia mais

INSTITUTO DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR - INSTITUTO ANDIFES

INSTITUTO DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR - INSTITUTO ANDIFES INSTITUTO DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR - INSTITUTO ANDIFES ESTATUTOS TÍTULO I DO NOME, DA NATUREZA, DO OBJETO, DA SEDE e DO FORO Art. 1º - O INSTITUTO DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS DA EDUCAÇÃO

Leia mais

1. Servidor vinculado ao Código de Conduta da Alta Administração Federal pode desempenhar outras atividades profissionais?

1. Servidor vinculado ao Código de Conduta da Alta Administração Federal pode desempenhar outras atividades profissionais? Atividades Paralelas 1. Servidor vinculado ao Código de Conduta da Alta Administração Federal pode desempenhar outras atividades profissionais? Sim. Nos limites da lei e desde que observadas as restrições

Leia mais

VOTO EM SEPARADO DA DEPUTADA ANDRÉIA ZITO

VOTO EM SEPARADO DA DEPUTADA ANDRÉIA ZITO COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO PROJETO DE LEI Nº 6.708, DE 2009. Acrescenta Capítulo III-A ao Título V da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei nº

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 5, DE 3 DE AGOSTO DE 2010 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 5, DE 3 DE AGOSTO DE 2010 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 5, DE 3 DE AGOSTO DE 2010 (*) Fixa as Diretrizes Nacionais para os Planos de Carreira e Remuneração dos Funcionários

Leia mais

LEI Nº 11.646, DE 10 DE JULHO DE 2001.

LEI Nº 11.646, DE 10 DE JULHO DE 2001. LEI Nº 11.646, DE 10 DE JULHO DE 2001. Autoriza o Poder Executivo a criar a Universidade Estadual do Rio Grande do Sul - UERGS e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Faço

Leia mais

FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DAS INSTITUIÇÕES DO MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS - MERCAPREV REGULAMENTO BÁSICO CAPÍTULO I - DO OBJETO...

FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DAS INSTITUIÇÕES DO MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS - MERCAPREV REGULAMENTO BÁSICO CAPÍTULO I - DO OBJETO... FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DAS INSTITUIÇÕES DO MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS - MERCAPREV REGULAMENTO BÁSICO ÍNDICE CAPÍTULO I - DO OBJETO...2 CAPÍTULO II - DA INSCRIÇÃO...3 CAPÍTULO III - DOS

Leia mais

Como montar uma ONG no Amapá

Como montar uma ONG no Amapá Como montar uma ONG no Amapá Eis um modelo básico do Estatuto Social de uma ONG comumente divulgado na internet. Faça as alterações e adapte à sua realidade. Existem modelos mais amplos e mais completos,

Leia mais

DECISÃO Nº 193/2011 D E C I D E

DECISÃO Nº 193/2011 D E C I D E CONSUN Conselho Universitário DECISÃO Nº 193/2011 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO, em sessão de 08/04/2011, tendo em vista o constante no processo nº 23078.032500/10-21, de acordo com o Parecer nº 022/2011 da

Leia mais

Ministério da Previdência Social MPS Secretaria de Políticas de Previdência Social SPS RPPS E RGPS

Ministério da Previdência Social MPS Secretaria de Políticas de Previdência Social SPS RPPS E RGPS RPPS E RGPS GUAXUPÉ MG AMOG - Associação dos Municípios da Microrregião da Baixa Mogiana. Pedro Antônio Moreira - AFRFB RGPS REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL Art 201 ESTRUTURA DO SISTEMA PREVIDENCIÁRIO

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 108, DE 29 DE MAIO DE 2001

LEI COMPLEMENTAR Nº 108, DE 29 DE MAIO DE 2001 LEI COMPLEMENTAR Nº 108, DE 29 DE MAIO DE 2001 Dispõe sobre a relação entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, suas autarquias, fundações, sociedades de economia mista e outras entidades

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 13/CUn, de 27 setembro de 2011.

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 13/CUn, de 27 setembro de 2011. RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 13/CUn, de 27 setembro de 2011. Dispõe sobre as normas que regulamentam as relações entre a Universidade Federal de Santa Catarina e as suas fundações de apoio. O PRESIDENTE DO

Leia mais

CARTILHA DO SUBSÍDIO

CARTILHA DO SUBSÍDIO CARTILHA DO SUBSÍDIO Cléa da Rosa Pinheiro Vera Mirna Schmorantz A Direção do SINAL atenta às questões que dizem com a possibilidade de alteração da estrutura remuneratória das carreiras de Especialista

Leia mais

CARTILHA: DIREITOS E VANTAGENS DOS SERVIDORES PÚBLICOS UNIDADE ADMINISTRATIVO FINANCEIRA - UNAFIN

CARTILHA: DIREITOS E VANTAGENS DOS SERVIDORES PÚBLICOS UNIDADE ADMINISTRATIVO FINANCEIRA - UNAFIN CARTILHA: DIREITOS E VANTAGENS DOS SERVIDORES PÚBLICOS UNIDADE ADMINISTRATIVO FINANCEIRA - UNAFIN 1. Que vantagens além do vencimento podem ser pagas ao servidor? a) indenizações, que não se incorporam

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE LEI N. 1.099, DE 1º DE DEZEMBRO DE 1993 "Dispõe sobre a constituição do Conselho Estadual do Bem-Estar Social e a criação do Fundo Estadual a ele vinculado e dá outras providências." O GOVERNADOR DO ESTADO

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 611, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2013

LEI COMPLEMENTAR Nº 611, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2013 LEI COMPLEMENTAR Nº 611, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2013 Procedência: Governamental Natureza: PLC/0046.0/2013 DO: 19.729, de 31/12/2013 Fonte: ALESC/Coord. Documentação Fixa o subsídio mensal dos integrantes

Leia mais

FUNDAÇÕES DE APOIO: AVALIAÇÃO E DEBATE NA AGU. FORPLAD UNIFAL POÇOS DE CALDAS/MG 12 a 14 de junho de 2013

FUNDAÇÕES DE APOIO: AVALIAÇÃO E DEBATE NA AGU. FORPLAD UNIFAL POÇOS DE CALDAS/MG 12 a 14 de junho de 2013 FUNDAÇÕES DE APOIO: AVALIAÇÃO E DEBATE NA AGU FORPLAD UNIFAL POÇOS DE CALDAS/MG 12 a 14 de junho de 2013 1 Aspectos introdutórios A criação de grupo de trabalho para realizar um diagnóstico, no âmbito

Leia mais

Lei do Audiovisual IN 81 de 2008.

Lei do Audiovisual IN 81 de 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº. 81, DE 28 DE OUTUBRO DE 2008. Estabelece procedimentos sobre a apresentação de relatórios de gestão e prestação de contas em Programas Especiais de Fomento. A DIRETORIA COLEGIADA

Leia mais

MUNICÍPIO DE PANAMBI RS

MUNICÍPIO DE PANAMBI RS DECRETO MUNICIPAL Nº 064/2014, DE 02 DE JULHO DE 2014. REGULAMENTA A LEI MUNICIPAL 3.681/2013, INSTITUIDORA DO FUNDO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA PESSOA IDOSA E DA OUTRAS PROVIDENCIAS. Miguel Schmitt Prym,

Leia mais

Trabalho Doméstico: as mudanças e os impactos da nova lei. Zilma Aparecida da Silva Ribeiro Abril de 2013

Trabalho Doméstico: as mudanças e os impactos da nova lei. Zilma Aparecida da Silva Ribeiro Abril de 2013 Trabalho Doméstico: as mudanças e os impactos da nova lei Zilma Aparecida da Silva Ribeiro Abril de 2013 Legislação Aplicável * LEI Nº 5.859, DE 11 DE DEZEMBRO DE 1972 * CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 7º, PARÁGRAFO

Leia mais

República Federativa do Brasil Estado do Ceará Município de Juazeiro do Norte Poder Executivo

República Federativa do Brasil Estado do Ceará Município de Juazeiro do Norte Poder Executivo LEI Nº 4311, DE 28 DE ABRIL DE 2014 Dispõe sobre a qualificação de entidades sem fins lucrativos como organizações sociais e adota outras providências O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE JUAZEIRO DO NORTE,. FAÇO

Leia mais

Original assinado por ROBERTO TEIXEIRA DA COSTA Presidente. NORMAS ANEXAS À INSTRUÇÃO N o 001 DE 27 DE ABRIL DE 1978.

Original assinado por ROBERTO TEIXEIRA DA COSTA Presidente. NORMAS ANEXAS À INSTRUÇÃO N o 001 DE 27 DE ABRIL DE 1978. Dispõe sobre as normas e procedimentos para contabilização e elaboração de demonstrações financeiras, relativas a ajustes decorrentes da avaliação de investimento relevante de companhia aberta em sociedades

Leia mais

Regimento Interno da Unidade de Auditoria Interna

Regimento Interno da Unidade de Auditoria Interna CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA - UAUDI Regimento Interno da Unidade de Auditoria Interna Rio de Janeiro 2015 CAPÍTULO I DA MISSÃO E DO ESCOPO

Leia mais

ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P Legenda: Texto em negrito: cláusulas que devem necessariamente constar do estatuto, por força da Lei nº 9.790/99 Texto em

Leia mais