Atração de Capitais Estrangeiros e os 7 Cs

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Atração de Capitais Estrangeiros e os 7 Cs"

Transcrição

1 Atração de Capitais Estrangeiros e os 7 Cs Fortaleza, 22 de agosto de 2005 Diretor-presidente, JETRO São Paulo É uma grande honra estar aqui hoje, tendo os senhores responsáveis pela atração de investimentos ao Nordeste brasileiro como ouvintes. Desde que assumi as minhas funções no Brasil há 1 ano e 9 meses, tive a oportunidade de palestrar em diversos lugares e sinto-me satisfeito em ter uma platéia interessada como a dos senhores. Trabalho na JETRO há 38 anos. Durante todo esse tempo estive envolvido em quatro tipos de atividades de promoção comercial: promoção à exportação, promoção a investimentos externos de empresas japonesas, promoção à importação e promoção aos investimentos de empresas estrangeiras no Japão. Com base nessa experiência, gostaria de analisar juntamente com os senhores as formas de se atrair empresas estrangeiras. Em primeiro lugar, ao realizar esses 4 tipos de atividades de promoção percebi que o mais árduo deles é indiscutivelmente o de trazer os investimentos externos ao País. Com base em minha experiência, considero esse trabalho três vezes mais difícil do que promover as exportações, pela enorme abrangência de atividades a ser desenvolvida e do amplo leque de pessoas a serem contatadas. Comparado a outros trabalhos de promoção, a atração de investimentos exige que seus encarregados mantenham um estreito relacionamento com as empresas e sejam hábeis em marketing e tenham o senso de um vendedor. 47

2 Além disso, os seguintes 7Cs são imprescindíveis para se efetivar o trabalho de atração de investimentos. São eles: 1) CONSENSO 2) CONHECIMENTO 3) COMPETIÇÃO 4) COMPARAÇÃO 5) COOPERAÇÃO 6) COMUNICAÇÃO 7) CONFIANÇA Passarei a explicar cada um desses itens. 1) Atrair investimentos significa CONSENSO. Historicamente, o Japão nunca se interessou muito em atrair investimentos. A proporção entre os investimentos externos e internos do Japão sempre se manteve em torno de 10 para 1. Tomando como exemplo o ano de 1997, o valor dos investimentos externos realizados pelas empresas japonesas atingiu 53.9 bilhões de dólares, enquanto que o dos investimentos estrangeiros no Japão foi de apenas 5.5 bilhões de dólares. Esse fato foi muito criticado por outros países que enxergavam aí o fechamento do mercado japonês. Entretanto, com o fomento aos investimentos estrangeiros no Japão, gradualmente esses investimentos cresceram, tendendo a um maior equilíbrio entre suas cifras. Em janeiro de 2003, o Primeiro-Ministro Koizumi anunciou seu plano de duplicação dos investimentos estrangeiros no Japão nos 5 anos seguintes. No ano fiscal de 2003, os investimentos de empresas japonesas no exterior totalizaram 36.0 bilhões de dólares, enquanto que os investimentos estrangeiros no Japão somaram 18.7 bilhões de dólares, uma proporção de quase 2 para 1. E, no ano fiscal de 2004, finalmente os investimentos estrangeiros ao Japão de 37.4 bilhões de dólares superaram os investimentos externos, que ficaram em 35.5 bilhões de dólares. 48

3 Esse marco revolucionário foi possível graças ao consenso que envolveu a todos do setor público e privado, empenhados em promover os investimentos estrangeiros no Japão, em reativar a economia japonesa e em gerar mais empregos. É sabido que a exprimeira ministra da Inglaterra, Margareth Thatcher, empenhou-se ao máximo ela própria em promover os investimentos estrangeiros no país. Graças a esses esforços, o país recebeu diversos aportes de investimentos de várias partes do mundo. O significado de CONSENSO aqui abordado remete à necessidade de se aumentar a vontade de todos os setores da sociedade em receber investimentos estrangeiros de braços, desde o presidente, ministros, governadores e todo o setor público até burocratas, entidades, sindicatos de trabalhadores, empresas e cidadãos. Obter esse Consenso é muito mais difícil do que se pensa, pois assim como alguns não vêem os investimentos de estrangeiros com bons olhos, outros têm dificuldades em tomar alguma iniciativa, mesmo compreendendo em tese as vantagens em se receber investimentos estrangeiros. Mesmo que os altos escalões governamentais afirmem serem favoráveis ao capital estrangeiro, quando se depara com situações como excesso de tempo nos trâmites alfandegários, ineficiência burocrática, dificuldade de obtenção de vistos ou falta de solução ao chamado custo Brasil e outras problemáticas, torna-se difícil afirmar que exista um consenso. Há investidores estrangeiros que ficam desapontados com a ineficiência do sistema burocrático brasileiro só de ver a longa fila no setor de imigração do aeroporto internacional de Guarulhos. 2) Atrair investimentos significa CONHECIMENTO. Tomo aqui o exemplo do estrategista militar chinês Sun Tzu, cujas obras podem ser encontradas também em livrarias brasileiras. Uma de suas frases mais famosas é Aquele que conhece o inimigo e a si mesmo, lutará cem batalhas sem perigo de derrota. Os responsáveis na atração de capital estrangeiro devem, antes de tudo, conhecer a si mesmos: o posicionamento do Brasil perante o mundo e a América Latina, como é o 49

4 sistema brasileiro de atração de investimentos, o ambiente de investimentos, os diversos sistemas legais, a situação econômica, bem como o posicionamento de seus estados ou municípios no Brasil, entre outros assuntos. Além disso, é necessário estarem analisando quais setores produtivos pretendem atrair. Conhecer o inimigo significa por um lado, pesquisar sobre as condições econômicas ou a tendência das empresas de setores almejados de países-alvo, entre outros e, por outro lado, conhecer as estratégias de atração de investimentos de países ou estados que sejam seus concorrentes, suas atividades de atração de investimentos, seus ambientes de investimentos, os incentivos concedidos e outros. Ou seja, não basta conhecer a si mesmo e ao inimigo, é muito importante que essa plena compreensão leve à tomada de ação. 3) Atrair investimentos significa COMPETIÇÃO. O primeiro aspecto que chamou a minha atenção ao chegar no Brasil, em se tratando de atração de investimentos, foi a inexistência no País da idéia de competição com outros países. O Brasil é o país campeão da América do Sul, não tendo rivais ao seu redor. A Argentina tem apresentado instabilidade política-econômica e Colômbia, Peru e Venezuela possuem mercados restritos, além de enfrentarem algum tipo de problema político, econômico ou social. O Chile é politicamente estável e sua economia tem registrado alto grau de crescimento duradouro, porém o seu mercado é muito reduzido. O Brasil orgulhava-se em possuir o maior PIB da América Latina, porém, sem se dar conta, foi deixado bem atrás pelo México que, juntamente com os Estados Unidos e Canadá, formou o NAFTA e está envolvido em processo de globalização e severa competição. O México de 100 milhões de habitantes conseguiu ultrapassar o PIB do Brasil, cuja população é de 170 milhões de habitantes. 50

5 Mesmo hoje, muitos altos burocratas brasileiros acreditam que podem simplesmente cruzar os braços, pois o capital estrangeiro aparecerá atraído pelos recursos naturais abundantes e pelo potencial do País. Sem dúvida, o capital estrangeiro irá ingressar, porém, não necessariamente virá capital estrangeiro necessário e suficiente para promover o desenvolvimento sustentado. O Brasil precisa observar mais o mundo. Os reais concorrentes não são os países vizinhos, mas sim a China, a Índia, os países asiáticos, os Estados Unidos e países europeus. Recentemente, as revistas VEJA e EXAME publicaram excelentes artigos sobre Qual o segredo do sucesso do Chile? e Como a Irlanda obteve sucessos na introdução de capital estrangeiro. Atrair investimentos implica em competir e, por isso, é absolutamente necessário conhecer as estratégias adotadas por outros países. Gostaria que muitos oficiais do governo lessem esses artigos para por em prática as medidas que se mostrem viáveis. Um exemplo de como a competição é severa pode ser sentida pelo número de escritórios de entidades relacionadas ao comércio exterior e atração de investimentos de vários países e seus estados localizados em Tóquio. Os Estados Unidos contam com 30 escritórios, a Inglaterra 9, a Alemanha 8, a França e a Espanha 7 cada, a Bélgica 2 e a China, 15 escritórios. Basicamente são dois os trabalhos realizados por esses escritórios: o primeiro é a exportação ao Japão dos produtos fabricados em seus estados e o segundo, é atrair os investimentos das empresas japonesas. Basta ver esses números para compreender o quanto um país batalha para atrair investimentos. Tenho sugerido ao governo estadual de São Paulo a abertura de um escritório do Estado em Tóquio que teria 4 funções: as duas acima mencionadas, a promoção ao turismo e dar apoio à população dekassegui. 4) Atrair investimentos significa COMPARAÇÃO. Ao investirem no exterior, os investidores estrangeiros normalmente escolhem 51

6 como alvo alguns países de uma mesma região, baseando sua decisão final na análise comparativa do ambiente de investimentos, porte do mercado, incentivos, entre outros aspectos. Mesmo quando decidem investir em um determinado país, eles selecionam alguns estados ou municípios como candidatos para, ao final, escolherem um único destino. Dentro do rol de suas atividades, a JETRO faz convites às empresas japonesas para investirem no Brasil, mas o maior obstáculo a isso consiste no fato de ser extremamente difícil obter as informações para efeito de comparação no Brasil. Acredito que uma das razões para essa dificuldade seja a inexistência no Brasil de órgãos específicos para atração de investimentos como em outros países. Praticamente todos os países bem-sucedidos possuem excelentes órgãos de atração de investimentos. Esses órgãos fornecem informações sobre os ambientes de investimentos tanto do país como de seus estados aos potenciais investidores. Além do órgão com atuação em nível nacional, existem os órgãos estaduais de atração que se encarregam em divulgar os seus próprios ambientes de investimentos. Penso que o governo brasileiro deva analisar seriamente o estabelecimento de órgãos para a atração de investimentos. Havendo dificuldades para esse estabelecimento, penso que, ao menos, deva fornecer informações que permitam fazer análises comparativas com os seus pares regionais ou com os países concorrentes em matéria de atração de investimentos, incluindo as vantagens e desvantagens dos ambientes de investimentos no Brasil. Sabemos que as diversas Secretarias de Desenvolvimento dos Estados têm atuado dinamicamente na atração de investimentos. O empenho do Nordeste brasileiro nesta tarefa pode ser sentido também na organização deste seminário. O departamento estadual responsável pela atração de investimentos precisa fazer análises comparativas com os dados de outros estados concorrentes e enfatizar as suas vantagens. Pesquisando os ambientes de investimentos, seus sistemas e tendências dos órgãos de atração de investimentos de estados ou países rivais, irá compreender os seus próprios pontos fortes e fracos. Minimizar as fraquezas é a chave para o sucesso. 52

7 5) Atrair investimentos significa COOPERAÇÃO. As atividades de atração de investimentos levam à cooperação com diversas organizações. Tomando o caso da JETRO como exemplo, temos: 1 Órgãos públicos relacionados à atração de capital estrangeiro (Ministério de Economia, Comércio Exterior e Indústria, Ministério das Finanças, Ministério da Justiça, Ministério dos Negócios Estrangeiros, Ministério da Agricultura, Pesca e Floresta, Ministério da Saúde, Trabalho e Bem-Estar, Ministério da Administração Pública e outros). 2 Secretarias regionais (províncias, municipalidades). 3 Associações econômicas (Keidanren, Câmara de Comércio e Indústria do Japão, Associações das indústrias por setores produtivos, outros). 4 Órgãos de atração de investimentos e comércio exterior de todo o mundo. (há vários órgãos de atração de investimentos no mundo todo. A JETRO mantém estreito relacionamento com todas essas organizações, pois torna possível trocar opiniões sobre assuntos de interesse comum como a atração de investimentos, além de poder solicitar eventuais colaborações ao se organizar seminários, workshops ou rodadas de negócios nos países em que as mesmas estão localizadas). Exemplo: ATPF (Asia-Pacific Trade Promotion Forum) No caso da Região Nordeste, quando for enviar uma missão ou realizar seminários de atração de investimentos no exterior, é necessário analisar se esse envio será feito por cada Estado ou em conjunto, pois o impacto pode não ser forte somente com um Estado, além de que, não se oferecem alternativas aos empresários do país investidor. O admirável da Região Nordeste é a existência do excelente Banco do Nordeste, que vem procurando atrair os investimentos para a região. Se for estabelecido um órgão federal de atração de investimentos à altura da força do Brasil, os governos estaduais poderiam trabalhar em conjunto e assim desenvolver atividades ainda mais efetivas. 53

8 6) Atrair investimentos significa COMUNICAÇÃO. Entre 1996 e 1999, eu estive na Itália como diretor-presidente do escritório da JETRO Milão. Assim que assumi o meu posto em São Paulo, minhas impressões foram Como o Brasil se parece com a Itália!, Como o Brasil recebeu influência da Itália!. Depois disso, fui procurar os pontos em comum entre Brasil, Itália e Japão. Acabei encontrando dois. O primeiro deles é que, no passado, nenhum dos três países demonstravam muito entusiasmo em atrair investimentos. Neste aspecto, houve modificações recentemente e tanto o Japão como a Itália estão se esforçando ao máximo. O segundo ponto é que não são muito bons em se comunicar. Assim dizendo, penso que algumas pessoas certamente irão contra-argumentar afirmando que isso é até compreensível para os japoneses, mas que os brasileiros e italianos têm alta capacidade de comunicação. Os japoneses não são fluentes em idiomas estrangeiros e também não podemos dizer que sejam hábeis comunicadores. O japonês é por excelência um ótimo aluno, mas não é um bom professor. A Itália é o único país que, no passado, dominou o mundo por duas vezes: durante o Império Romano e na época Renascentista. Talvez por essa razão, os italianos parecem pensar que eles não precisam informar sobre a Itália ao mundo e sim, que os estrangeiros que forem à Itália possam falar sobre a Itália ao mundo. O brasileiro, apesar de ser um povo comunicativo, a meu ver, parecem pensar que, pelo fato de o Brasil ser um imenso país e líder da América Latina, todo o mundo conheça o Brasil. Vou explicar com um exemplo concreto. Digamos, por exemplo, que certo governador envie uma missão ao Japão e a JETRO ou a Embaixada do Brasil no Japão organizem um seminário. Nessa ocasião, o governador e/ou o secretário de desenvolvimento fazem uma apresentação, mas praticamente todos discursam com a premissa de que as empresas japonesas conhecem suficientemente bem o Brasil e o 54

9 Estado em questão. Os ouvintes ficam sem entender absolutamente nada ao ouvir pela primeira vez aquela seqüência de nomes de projetos, nomes de cidades, rios, portos, órgãos governamentais e outros. Eu costumo sempre recomendar aos representantes dos governos estaduais da seguinte forma: Os japoneses não conhecem o Brasil. Sabem apenas que é o país do futebol, café e carnaval. As importações do Brasil representam apenas 0.8% do total das importações japonesas e as exportações japonesas ao Brasil não passam de 0.4% do total da pauta de exportações do Japão. Assim, dirijam-se às empresas japonesas com a premissa de que elas nada sabem sobre o Brasil e o Estado que vocês representam. As pessoas demonstram descontentamento, mas essa é a realidade. Creio que esse fato não mude muito em qualquer país, não só no Japão. Aqui também é importante conhecer o outro. 7) Atrair investimentos significa CONFIANÇA. É de fundamental importância conquistar a confiança dos investidores. Vamos analisar o que é necessário para que o Brasil, na qualidade de mercado receptor, obtenha a confiança dos potenciais investidores estrangeiros. 1 O alto escalão do governo deve emitir constantemente a mensagem de que o capital estrangeiro é bem-vindo. 2 Enviar continuamente missões aos países-alvo. 3 Atender com honestidade os potenciais investidores. 4 Não mudar constantemente os sistemas legais e tributários relacionados aos investimentos. 5 Dar ouvidos às empresas estrangeiras já instaladas no País. Embora a ênfase acabe sempre voltada aos novos investimentos, os investimentos adicionais das empresas já instaladas também são igualmente importantes. Os órgãos de atração de investimentos no mundo que primam pela excelência utilizam-se dessa prática, sem exceção. Reunir-se periodicamente com as câmaras de comércio e indústria dos 55

10 países localizadas em São Paulo para troca de idéias. 6 Ouvir as opiniões de empresas estrangeiras, esforçar para a redução do chamado custo Brasil e buscar resultados concretos. Quando os investidores estrangeiros falam sobre o Brasil, apontam a falta de CONTINUIDADE neste País, como quando se mudar o governo, mudarem as regras e diretrizes ou a interpretação das regras variar conforme o oficial responsável. Para se obter CONFIANÇA, é importante haver CONTINUIDADE. A execução honesta e contínua das atividades acima se resultará na obtenção da confiança dos potenciais investidores. 56

Como a JETRO poderá apoiar os exportadores brasileiros

Como a JETRO poderá apoiar os exportadores brasileiros Como a JETRO poderá apoiar os exportadores brasileiros Teiji Sakurai Realização :, SÃO PAULO O que é a JETRO? Órgão oficial de comércio exterior do Japão 1951 Osaka Oficialmente JETRO em 1958 76 escritórios

Leia mais

Workshop sobre Atração de Investimentos no Brasil (Segunda Parte) 21 de Marco de 2012 Teiji Sakurai, Professor Universidade de Kansai Gaidai

Workshop sobre Atração de Investimentos no Brasil (Segunda Parte) 21 de Marco de 2012 Teiji Sakurai, Professor Universidade de Kansai Gaidai Workshop sobre Atração de Investimentos no Brasil (Segunda Parte) 21 de Marco de 2012 Teiji Sakurai, Professor Universidade de Kansai Gaidai Quais os países do mundo que têm obtido êxito em atrair investimentos

Leia mais

Como atrair capital estrangeiro para o Brasil

Como atrair capital estrangeiro para o Brasil PAINEL, SÃO PAULO Ano I Numero 04 07/05/2004 por Teiji Sakurai Diretor-Presidente Como atrair capital estrangeiro para o Brasil Maio de 2004 JETRO São Paulo 1) Introdução O investimento estrangeiro recebido

Leia mais

PANORAMA DO MERCADO Asiático

PANORAMA DO MERCADO Asiático Boletim PANORAMA DO MERCADO Asiático Edição nº 1 Julho/2015 Coordenação Geral de Mercados Americanos/Asiático - CGMA Diretoria de Mercados Internacionais - DMINT Apresentação A série Boletim Panorama dos

Leia mais

18 de maio, 19h30. Minhas primeiras palavras são de saudação ao colega Ministro Gao Hucheng, que

18 de maio, 19h30. Minhas primeiras palavras são de saudação ao colega Ministro Gao Hucheng, que PALAVRAS DO MINISTRO ARMANDO MONTEIRO POR OCASIÃO DO JANTAR OFERECIDO PELO CONSELHO EMPRESARIAL BRASIL - CHINA, COM A PRESENÇA DO MINISTRO DO COMÉRCIO DA CHINA, GAO HUCHENG 18 de maio, 19h30. Minhas primeiras

Leia mais

Capítulo 03 Mercados regionais

Capítulo 03 Mercados regionais Capítulo 03 Mercados regionais As organizações decidem atuar no mercado global quando sabem que o crescimento externo será maior do que o interno. Nesse sentido, a China é um dos mercados para onde as

Leia mais

Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil

Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil Thayne Garcia, Assessora-Chefe de Comércio e Investimentos (tgarcia@casacivil.rj.gov.br) Luciana Benamor, Assessora de Comércio e Investimentos

Leia mais

IV Reunião das Administradoras de ZPE. Brasília, 15 de abril de 2015

IV Reunião das Administradoras de ZPE. Brasília, 15 de abril de 2015 IV Reunião das Administradoras de ZPE Brasília, 15 de abril de 2015 I. Atuação da RENAI Roteiro: II. Possibilidades de parceria RENAI - ZPEs Parte I RENAI O que é a RENAI? Rede Nacional de Informações

Leia mais

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO 1 - CHINA 2 - ESTADOS UNIDOS 2014 34.292 84,4 4.668 11,5 1.625 4,0 6.370 23,6 5.361 19,8 13.667 50,6 2013 38.973 84,7 5.458 11,9

Leia mais

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS www.prochile.gob.cl O Chile surpreende pela sua variada geografia. Suas montanhas, vales, desertos, florestas e milhares de quilômetros de costa, o beneficiam

Leia mais

INVESTIMENTOS JAPONESES NO BRASIL

INVESTIMENTOS JAPONESES NO BRASIL INVESTIMENTOS JAPONESES NO BRASIL 23 de março de 2012 Yoshihiro Sawada Diretor-Presidente JETRO, São Paulo O que é a JETRO? Orgão governamental, vinculado ao METI: Ministry of Economy Trade and Industry

Leia mais

8ª Oficina de Trabalho. Eduardo Celino Coordenador-Geral de Investimentos

8ª Oficina de Trabalho. Eduardo Celino Coordenador-Geral de Investimentos 8ª Oficina de Trabalho Eduardo Celino Coordenador-Geral de Investimentos Brasília, 2 de junho de 2011 O que é a Renai Sistema de informações sobre investimentos produtivos no Brasil Coordenação: MDIC Criação:

Leia mais

27/09/2011. Integração Econômica da América do Sul: Perspectiva Empresarial

27/09/2011. Integração Econômica da América do Sul: Perspectiva Empresarial 27/09/2011 Integração Econômica da América do Sul: Perspectiva Empresarial Estrutura da apresentação Perspectiva empresarial Doing Business 2011 Investimentos Estrangeiros e Comércio Exterior Complementaridade

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 17 Discurso no encerramento do Fórum

Leia mais

A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil

A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil Análise Economia e Comércio Bernardo Erhardt de Andrade Guaracy 30 de outubro de 2003 A Redução do Fluxo de Investimento

Leia mais

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos Os Desafios da Fileira da Construção As Oportunidades nos Mercados Externos Agradeço o convite que me foi dirigido para participar neste Seminário e felicito a AIP pela iniciativa e pelo tema escolhido.

Leia mais

Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula.

Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula. Trabalho 01 dividido em 2 partes 1ª Parte Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula. 2ª Parte Perguntas que serão expostas após a apresentação da 1ª Parte, e que

Leia mais

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015 Missão Empresarial EUA Flórida 21 a 26 de Março 2015 Apoiamos empresas a ter sucesso nos mercados internacionais Sobre nós Na Market Access prestamos serviços de apoio à exportação e internacionalização.

Leia mais

Comércio (Países Centrais e Periféricos)

Comércio (Países Centrais e Periféricos) Comércio (Países Centrais e Periféricos) Considera-se a atividade comercial, uma atividade de alto grau de importância para o desenvolver de uma nação, isso se dá pela desigualdade entre o nível de desenvolvimento

Leia mais

Presidente da Terra Brasis faz críticas às mudanças na regulamentação do resseguro

Presidente da Terra Brasis faz críticas às mudanças na regulamentação do resseguro Presidente da Terra Brasis faz críticas às mudanças na regulamentação do resseguro Por Paulo Botti, presidente da Terra Brasis, resseguradora local Nascido em 2008 após árduo trabalho e amplo diálogo entre

Leia mais

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP ****

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** Gostaria de começar por agradecer o amável convite da CIP para participarmos nesta conferência sobre um tema determinante para o

Leia mais

WORLD INVESTMENT REPORT 2013 Cadeias de Valor Global: Investimento e Comércio para o Desenvolvimento

WORLD INVESTMENT REPORT 2013 Cadeias de Valor Global: Investimento e Comércio para o Desenvolvimento WORLD INVESTMENT REPORT 2013 Cadeias de Valor Global: Investimento e Comércio para o Desenvolvimento Sobeet São Paulo, 26 de junho de 2013 EMBARGO 26 Junho 2013 12:00 horas Horário de Brasília 1 Recuperação

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS CENTRO DE PROMOÇÃO DE INVESTIMENTOS CLIMA DE INVESTIMENTOS EM MOÇAMBIQUE

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS CENTRO DE PROMOÇÃO DE INVESTIMENTOS CLIMA DE INVESTIMENTOS EM MOÇAMBIQUE REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS CENTRO DE PROMOÇÃO DE INVESTIMENTOS CLIMA DE INVESTIMENTOS EM MOÇAMBIQUE CONTEÚDO 1 Razões para investir em Moçambique 2 Evolução do Investimento

Leia mais

BLOCOS ECONÔMICOS. O Comércio multilateral e os blocos regionais

BLOCOS ECONÔMICOS. O Comércio multilateral e os blocos regionais BLOCOS ECONÔMICOS O Comércio multilateral e os blocos regionais A formação de Blocos Econômicos se tornou essencial para o fortalecimento e expansão econômica no mundo globalizado. Quais os principais

Leia mais

PAÍSES PRESENTES. República Tcheca. Coreia do Sul. Alemanha. Inglaterra. Angola. Equador. Suiça. Israel. Argentina. Espanha. Itália. Taiwan.

PAÍSES PRESENTES. República Tcheca. Coreia do Sul. Alemanha. Inglaterra. Angola. Equador. Suiça. Israel. Argentina. Espanha. Itália. Taiwan. 1 O EVENTO 3 4 PAÍSES PRESENTES Alemanha Coreia do Sul Inglaterra República Tcheca Angola Equador Israel Suiça Argentina Espanha Itália Taiwan Áustria EUA Japão Turquia Brasil Finlândia México Uruguai

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

Sietar Brasil - Conferência 2011. Cross Cultural Training para crianças e adolescentes Vivian Manasse Leite

Sietar Brasil - Conferência 2011. Cross Cultural Training para crianças e adolescentes Vivian Manasse Leite Sietar Brasil - Conferência 2011 Brasilidade: com Z ou com S? Cross Cultural Training para crianças e adolescentes Vivian Manasse Leite Em 2010 perguntamos: Interculturalidade é um assunto: Hard? Soft?

Leia mais

MARKETING INTERNACIONAL

MARKETING INTERNACIONAL MARKETING INTERNACIONAL Produtos Ecologicamente Corretos Introdução: Mercado Global O Mercado Global está cada dia mais atraente ás empresas como um todo. A dinâmica do comércio e as novas práticas decorrentes

Leia mais

Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized

Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Inovação tecnológica na reforma do setor público: o sistema eletrônico de aquisições

Leia mais

Tributação: entrave ou instrumento para o desenvolvimento. Roberto Abdenur Presidente-Executivo Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial - ETCO

Tributação: entrave ou instrumento para o desenvolvimento. Roberto Abdenur Presidente-Executivo Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial - ETCO ROBERTO ABDENUR DIPLOMATA DURANTE 44 ANOS, APOSENTADO; ATUA COMO CONSULTOR EM ASSUNTOS INTERNACIONAIS; FOI EMBAIXADOR DO BRASIL NO EQUADOR, NA CHINA, NA ALEMANHA NA ÁUSTRIA E PERANTE OS ORGANISMOS INTERNACIONAIS

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2012

Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Volume 39 Ano base 2011 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2010-2011

Leia mais

Indústria Automobilística no Brasil e no Mundo entre 2001 e 2011. Engº Fernando Iervolino

Indústria Automobilística no Brasil e no Mundo entre 2001 e 2011. Engº Fernando Iervolino Indústria Automobilística no Brasil e no Mundo entre 2001 e 2011 Engº Fernando Iervolino Fontes de Informação: ANFAVEA Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores http://www.anfavea.com.br/

Leia mais

Valorização e Globalização da Marca Brasil Plano Aquarela, Megaeventos e Marketing Turístico Internacional

Valorização e Globalização da Marca Brasil Plano Aquarela, Megaeventos e Marketing Turístico Internacional Valorização e Globalização da Marca Brasil Plano Aquarela, Megaeventos e Marketing Turístico Internacional Tribunal de Contas da União, 17 de agosto de 2011 Plano Aquarela Desde 2005 é a base metodológica

Leia mais

Política Básica de Medidas para Estrangeiros Residentes de Descendência Japonesa (Tradução Provisória) 31 de agosto de 2010

Política Básica de Medidas para Estrangeiros Residentes de Descendência Japonesa (Tradução Provisória) 31 de agosto de 2010 Política Básica de Medidas para Estrangeiros Residentes de Descendência Japonesa (Tradução Provisória) 31 de agosto de 2010 Conselho para Promoção de Medidas para Estrangeiros Residentes de Descendência

Leia mais

Gerido pelo CIN Centro Internacional de Negócios / Sistema FIEB e Sebrae, através do acompanhamento e apoio individualizado às empresas, com foco na

Gerido pelo CIN Centro Internacional de Negócios / Sistema FIEB e Sebrae, através do acompanhamento e apoio individualizado às empresas, com foco na Gerido pelo CIN Centro Internacional de Negócios / Sistema FIEB e Sebrae, através do acompanhamento e apoio individualizado às empresas, com foco na competitividade e acesso a mercados, através da articulação

Leia mais

Concretização de uma sociedade com convivência multicultural pacífica mediante uma ampla cooperação e coordenação

Concretização de uma sociedade com convivência multicultural pacífica mediante uma ampla cooperação e coordenação Província de Kanagawa Concretização de uma sociedade com convivência multicultural pacífica mediante uma ampla cooperação e coordenação Desenvolvimento de uma estratégia global aproveitando os pontos fortes

Leia mais

Inovação no Brasil nos próximos dez anos

Inovação no Brasil nos próximos dez anos Inovação no Brasil nos próximos dez anos XX Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas XVIII Workshop ANPROTEC Rodrigo Teixeira 22 de setembro de 2010 30/9/2010 1 1 Inovação e

Leia mais

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Nota de Imprensa Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Presidente mundial do Banco Santander apresenta em São Paulo o Plano Estratégico 2008-2010 para o A integração

Leia mais

Especialistas apontam obstáculos e soluções para o Brasil avançar

Especialistas apontam obstáculos e soluções para o Brasil avançar AGENDA BAHIA Especialistas apontam obstáculos e soluções para o Brasil avançar Além das reformas tributária e trabalhista, país precisa investir em infraestrutura eficaz, na redução do custo da energia

Leia mais

O processo de concentração e centralização do capital

O processo de concentração e centralização do capital O processo de concentração e centralização do capital Pedro Carvalho* «Algumas dezenas de milhares de grandes empresas são tudo, os milhões de pequenas empresas não são nada», afirmava Lénine no seu livro

Leia mais

PARA O SEU NEGÓCIO Feira do Empreendedor Maio/2014

PARA O SEU NEGÓCIO Feira do Empreendedor Maio/2014 PARA O SEU NEGÓCIO Feira do Empreendedor Maio/2014 1 MBA Gestão Empresarial Inteligência Competitiva Planejamento Estratégico Varejo Alta Renda Empresarial Ciência da Computação Pós Inteligência Competitiva

Leia mais

Náutica. Desenvolvimento Económico e Cultura Marítima. Lisboa, 8 de Fevereiro de 2012

Náutica. Desenvolvimento Económico e Cultura Marítima. Lisboa, 8 de Fevereiro de 2012 Náutica Desenvolvimento Económico e Cultura Marítima Lisboa, 8 de Fevereiro de 2012 Aicep Portugal Global é uma agência pública de natureza empresarial, cuja missão é: Atrair investimento estrangeiro para

Leia mais

Choques Desequilibram a Economia Global

Choques Desequilibram a Economia Global Choques Desequilibram a Economia Global Uma série de choques reduziu o ritmo da recuperação econômica global em 2011. As economias emergentes como um todo se saíram bem melhor do que as economias avançadas,

Leia mais

Instituto de Engenharia

Instituto de Engenharia Instituto de Engenharia Os Caminhos da Engenharia Brasileira A Engenharia como Principal Vetor para a Inovação e Competitividade Benedito G. Aguiar Neto Reitor da Universidade Presbiteriana Mackenzie Introdução

Leia mais

Fórum e Exposição Energias Renováveis e Alternativas no Cone Sul- ERACS

Fórum e Exposição Energias Renováveis e Alternativas no Cone Sul- ERACS Fórum e Exposição Energias Renováveis e Alternativas no Cone Sul- ERACS Apresentação O Fórum e Exposição Energias Renováveis e Alternativas no Cone Sul- ERACS ocorrerá nos dias 13, 14 e 15 de outubro de

Leia mais

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios João Ricardo Albanez Superintendente de Política e Economia Agrícola, Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de

Leia mais

Plano de Promoção de Convivência Multicultural de Aichi

Plano de Promoção de Convivência Multicultural de Aichi Plano de Promoção de Convivência Multicultural de Aichi 2013-2017 Viver, brilhar e criar juntos Período Ano fiscal 2013 a 2017 Contexto histórico da formulação do plano O Plano de Promoção de

Leia mais

Processo de Planejamento Estratégico

Processo de Planejamento Estratégico Processo de Planejamento Estratégico conduzimos o nosso negócio? Onde estamos? Definição do do Negócio Missão Visão Análise do do Ambiente Externo e Interno Onde queremos Chegar? poderemos chegar lá? saberemos

Leia mais

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO Ambiente de Inovação em Saúde EVENTO BRITCHAM LUIZ ARNALDO SZUTAN Diretor do Curso de Medicina Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo SOCIEDADES CONHECIMENTO

Leia mais

RELATÓRIO DA OFICINA DE PAÍSES FEDERATIVOS E DA AMÉRICA DO NORTE. (Apresentado pelo Brasil)

RELATÓRIO DA OFICINA DE PAÍSES FEDERATIVOS E DA AMÉRICA DO NORTE. (Apresentado pelo Brasil) TERCEIRA REUNIÃO DE MINISTROS E AUTORIDADES DE OEA/Ser.K/XXXVII.3 ALTO NÍVEL RESPONSÁVEIS PELAS POLÍTICAS DE REDMU-III/INF. 4/05 DESCENTRALIZAÇÃO, GOVERNO LOCAL E PARTICIPAÇÃO 28 outubro 2005 DO CIDADÃO

Leia mais

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS NO AGRONEGÓCIO EM 1. RESULTADO

Leia mais

A internacionalização do varejo brasileiro

A internacionalização do varejo brasileiro franchising A internacionalização do varejo brasileiro Estudo mostra que apenas 5% das franquias brasileiras possuem atuação no exterior. Levantamento aponta ainda que 95% das redes criadas no Brasil estão

Leia mais

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas Porto, 28 de Janeiro de 2014 Índice 1. Enquadramento 2. A aicep Portugal Global 3. Produtos e serviços AICEP Enquadramento Enquadramento

Leia mais

O Cenário Econômico Brasileiro e as Oportunidades de Investimentos

O Cenário Econômico Brasileiro e as Oportunidades de Investimentos O Cenário Econômico Brasileiro e as Oportunidades de Investimentos Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos Apex-Brasil Alessandro Teixeira Presidente Novo Ciclo do Crescimento Econômico

Leia mais

PLC 116/10. Eduardo Levy

PLC 116/10. Eduardo Levy PLC 116/10 Senado Federal Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania Comissão de Assuntos Econômicos Comissão de Educação, Cultura

Leia mais

Organizado pelo Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior do Brasil.

Organizado pelo Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior do Brasil. O QUE É O ENCOMEX Evento referência de comércio exterior no Brasil: 11 anos de eventos 131 edições realizadas 79.500 participantes Organizado pelo Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior

Leia mais

Actividades em Outubro do Fórum de Macau promovem investimento económico e comercial e cooperação regional

Actividades em Outubro do Fórum de Macau promovem investimento económico e comercial e cooperação regional Actividades em Outubro do Fórum de Macau promovem investimento económico e comercial e cooperação regional 1. Fórum de Jovens Empresários da China e dos Países de Língua Portuguesa Fomentar a cooperação

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2013

Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Volume 40 Ano base 2012 Guia de leitura Guia de leitura O Guia de Leitura tem o propósito de orientar

Leia mais

Panorama Mundial (2013)

Panorama Mundial (2013) Panorama Mundial (2013) Produção mundial alcançou US$ 444 bilhões em 2013; Mesmo com os efeitos da crise internacional, registra 85% de crescimento desde 2004, a uma taxa média de 7% ao ano; 54% da produção

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei nº 5.152, de 21/10/1966 São Luís - Maranhão.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei nº 5.152, de 21/10/1966 São Luís - Maranhão. 1 de 5 A educação que movimenta o desenvolvimento Natalino Salgado Filho O ano de 2011 encerra com uma notícia que, aparentemente, parece muito alvissareira para o Brasil. O país ultrapassou a Grã Bretanha

Leia mais

Exemplos de Marketing Global. Coca-Cola, Philip Morris, DaimlerChrysler. McDonald s, Toyota, Ford, Cisco Systems

Exemplos de Marketing Global. Coca-Cola, Philip Morris, DaimlerChrysler. McDonald s, Toyota, Ford, Cisco Systems Fundamentos de Marketing Global Parte 01 O significado de Marketing Global Uma empresa global bem-sucedida deve ser capaz de pensar globalmente e agir localmente. Marketing global pode incluir uma combinação

Leia mais

Elas formam um dos polos mais dinâmicos da economia brasileira, e são o principal sustentáculo do emprego e da distribuição de renda no país.

Elas formam um dos polos mais dinâmicos da economia brasileira, e são o principal sustentáculo do emprego e da distribuição de renda no país. Fonte: http://www.portaldaindustria.org.br 25/02/2015 PRONUNCIAMENTO DO PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO NACIONAL (CDN) DO SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (SEBRAE), NA SOLENIDADE

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

Fevereiro Março Abril Maio Junho. Local: Alemanha Local: Estados Unidos Local: Rússia Local: São Paulo Local: Polônia e Alemanha

Fevereiro Março Abril Maio Junho. Local: Alemanha Local: Estados Unidos Local: Rússia Local: São Paulo Local: Polônia e Alemanha Fevereiro Março Abril Maio Junho AçÕes 2015 Feira Fruit Logistica* SXSW* Fórum de Eficiência Energética APAS 2015 Europa Alemanha Rússia São Paulo Polônia e Alemanha Dias: 4 a 6 FI Dias: 13 a 17 ME Dias:

Leia mais

O Mercado Esportivo e a Importância do Administrador: Cenário e Perspectivas

O Mercado Esportivo e a Importância do Administrador: Cenário e Perspectivas O Mercado Esportivo e a Importância do Administrador: Cenário e Perspectivas Marcelo Claro 4 de outubro de 2012 Esporte é paixão e emoção Um pouco do mercado esportivo no mundo Quase 900 milhões de pessoas

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 62 Discurso na cerimónia de apresentação

Leia mais

PERNAMBUCO SECRETARIA EXECUTIVA DE ARTICULAÇÃO INTERNACIONAL

PERNAMBUCO SECRETARIA EXECUTIVA DE ARTICULAÇÃO INTERNACIONAL PERNAMBUCO SECRETARIA EXECUTIVA DE ARTICULAÇÃO INTERNACIONAL Localização Estratégica Localização Estratégica 350 km 4 capitais de estado 3 aeroportos internacionais 2 aeroportos regionais 4 portos internacionais

Leia mais

Tramita no Congresso Nacional a Proposta de Emenda

Tramita no Congresso Nacional a Proposta de Emenda Redução da jornada de trabalho - Mitos e verdades Apresentação Jornada menor não cria emprego Tramita no Congresso Nacional a Proposta de Emenda à Constituição 231/95 que reduz a jornada de trabalho de

Leia mais

China: a. Professor Zé Soares. potência do século XXI

China: a. Professor Zé Soares. potência do século XXI China: a Professor Zé Soares potência do século XXI China: o país do espetáculo do crescimento e os problemas atuais Desenvolvimento da nova China; Problemas atuais; Olimpíadas de Pequim; A questão do

Leia mais

Gabarito oficial preliminar: História

Gabarito oficial preliminar: História 1) Questão 1 Segundo José Bonifácio, o fim do tráfico de escravos significaria uma ameaça à existência do governo porque Geraria uma crise econômica decorrente da diminuição da mão de obra disponível,

Leia mais

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015 CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA UMA UNIÃO EUROPEIA MAIS FORTE 22 de junho de 2015 A União Europeia deve contar com um quadro institucional estável e eficaz que lhe permita concentrar-se

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 17 Discurso após a cerimónia de assinatura

Leia mais

Grupo 3 - Cadeias em que oportunidades e ameaças são localizadas e ou se anulam

Grupo 3 - Cadeias em que oportunidades e ameaças são localizadas e ou se anulam Grupo 3 - Cadeias em que oportunidades e ameaças são localizadas e ou se anulam 3.1 Cosméticos Diagnóstico Os países desenvolvidos dominam o mercado mundial do setor de cosméticos, perfumaria e artigos

Leia mais

entrevista Felipe Cavalcante, Presidente da ADIT Brasil

entrevista Felipe Cavalcante, Presidente da ADIT Brasil entrevista Felipe Cavalcante, Presidente da ADIT Brasil 10 Brasil-Portugal no Ceará ABRINDO PORTAS PARA O BRASIL PRESIDENTE DA ADIT BRASIL, FELIPE CAVALCANTE DESTACA O ATUAL PANORAMA DOS INVESTIMENTOS

Leia mais

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia Descrição do Sistema de Franquia Franquia é um sistema de distribuição de produtos, tecnologia e/ou serviços. Neste sistema uma empresa detentora de know-how de produção e/ou distribuição de certo produto

Leia mais

Economia de mercado socialista da China: Papéis do governo e dos capitais privados e estrangeiros

Economia de mercado socialista da China: Papéis do governo e dos capitais privados e estrangeiros Economia de mercado socialista da China: Papéis do governo e dos capitais privados e estrangeiros Após a 3ª sessão plenária do 11º Congresso Nacional do Partido Comunista da China (PCCh) realizada em 1978,

Leia mais

Agenda Internacional 2009

Agenda Internacional 2009 Agenda Internacional 2009 CNI: estratégia institucional Visão Estratégica Mapa Estratégico Uma visão sobre o futuro do país e da indústria (2007-2015) Identifica prioridades estratégicas Participação de

Leia mais

Blocos Econômicos. MERCOSUL e ALCA. Charles Achcar Chelala

Blocos Econômicos. MERCOSUL e ALCA. Charles Achcar Chelala Blocos Econômicos MERCOSUL e ALCA Charles Achcar Chelala Blocos Econômicos Tendência recente, com origens na década de 50, com a CEE Comunidade Econômica Européia Em 2007 fez 50 anos Objetivos Fortalecer

Leia mais

Caminhos da Embraco na CHINA

Caminhos da Embraco na CHINA Caminhos da Embraco na CHINA A Embraco hoje %)&& *& " & & # + $$2! " & 34,- & #&*.&! "# $ %& ' (" 0 & "& &*'1 & $- & # / 1 Plantas e pessoas 567 5 8* $9$

Leia mais

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 COMUNICADO No: 58 Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 10 de dezembro de 2015 (Genebra) - A International Air Transport Association (IATA) anunciou

Leia mais

Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais

Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais A Cooperação Internacional tem por objetivo conduzir o conjunto de atores que agem no cenário

Leia mais

(Só faz fé a versão proferida)

(Só faz fé a versão proferida) Exmo. Senhor Presidente do Centro Desportivo e Cultural de Londres, Exmo. Senhor Embaixador, Exmo. Senhor Cônsul Geral, Exmo. Senhor Adido Social, Exmo. Senhor Conselheiro das Comunidades Madeirenses,

Leia mais

Estudo dos países da América Latina e América Central

Estudo dos países da América Latina e América Central Empresa têxtil E M P R E S A T Ê X T I L Estudo dos países da América Latina e América Central Produtos considerados: 6003.33.00/6006.31.00/6006.21.00/6006.22.00/6006.23.00/6006.42.00 1. Exportações brasileiras

Leia mais

2a Conferência Anual Latino-Americana de Gestão do Espectro Dias 20 & 21 de outubro de 2015 Rio de janeiro, Brasil

2a Conferência Anual Latino-Americana de Gestão do Espectro Dias 20 & 21 de outubro de 2015 Rio de janeiro, Brasil Favor notar: Esta é uma versão preliminar do programa e os palestrantes ainda não serão abordados exceto quando explicitamente indicado. 2a Conferência Anual Latino-Americana de Gestão do Espectro Dias

Leia mais

A Gestão dos Portos e a Participação da Comunidade Portuária

A Gestão dos Portos e a Participação da Comunidade Portuária A Participação do CAP na Gestão Portuária Brasília, 25 de Janeiro de 2007 A Gestão dos Portos e a Participação da Comunidade Portuária Julián Palácio Coordenador para América Latina Fundada em 1912, nos

Leia mais

Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã. 26 de novembro de 2014

Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã. 26 de novembro de 2014 Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã 26 de novembro de 2014 1. Empresas Alemãs em Portugal 2. Investimento Direto Alemão em Portugal 3. Exportação / Importação 1. Empresas Alemãs em Portugal Perspetiva

Leia mais

Atualidades. Blocos Econômicos, Globalização e União Européia. 1951 - Comunidade Européia do Carvão e do Aço (CECA)

Atualidades. Blocos Econômicos, Globalização e União Européia. 1951 - Comunidade Européia do Carvão e do Aço (CECA) Domínio de tópicos atuais e relevantes de diversas áreas, tais como política, economia, sociedade, educação, tecnologia, energia, ecologia, relações internacionais, desenvolvimento sustentável e segurança

Leia mais

Percepção de Portugal no mundo

Percepção de Portugal no mundo Percepção de Portugal no mundo Na sequência da questão levantada pelo Senhor Dr. Francisco Mantero na reunião do Grupo de Trabalho na Aicep, no passado dia 25 de Agosto, sobre a percepção da imagem de

Leia mais

COMO ESCOLHER O NEGÓCIO DE MARKETING MULTINÍVEL QUE MAIS COMBINA COM SEU PERFIL

COMO ESCOLHER O NEGÓCIO DE MARKETING MULTINÍVEL QUE MAIS COMBINA COM SEU PERFIL 1 COMO ESCOLHER O NEGÓCIO DE MARKETING MULTINÍVEL QUE MAIS COMBINA COM SEU PERFIL Celso Silva 2 Sobre o autor Celso Silva é nascido no Rio de Janeiro, em 24 de fevereiro de 1950. Aos 17 anos ingressou

Leia mais

SEMIPRESENCIAL 2013.1

SEMIPRESENCIAL 2013.1 SEMIPRESENCIAL 2013.1 MATERIAL COMPLEMENTAR II DISCIPLINA: REALIDADE S. P. E. BRASILEIRA PROFESSOR: CARLOS ALEX BRIC BRIC é um acrônimo criado em novembro de 2001, pelo economista Jim O'Neill, chefe de

Leia mais

Blocos Econômicos ESTÁGIOS DE INTEGRAÇÃO ENTRE PAÍSES

Blocos Econômicos ESTÁGIOS DE INTEGRAÇÃO ENTRE PAÍSES Blocos Econômicos ESTÁGIOS DE INTEGRAÇÃO ENTRE PAÍSES ZONA DE LIVRE- COMÉRCIO Estágio inicial de integração. Eliminação gradativa de barreiras comerciais entre os países-membros. O Nafta é um exemplo de

Leia mais

ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA Causas da Hegemonia atual dos EUA Hegemonia dos EUA Influência Cultural: músicas, alimentações, vestuários e língua Poderio Econômico: 20% do PIB global Capacidade Militar sem

Leia mais

Síntese do Plano de Promoção de Convivência Multicultural da Província de Shiga (Edição revisada)

Síntese do Plano de Promoção de Convivência Multicultural da Província de Shiga (Edição revisada) <Proposta> ポルトガル 語 Síntese do Plano de Promoção de Convivência Multicultural da Província de Shiga (Edição revisada) Da revisão do plano 1.Contexto e objetivos Tendo como base o ápice do ano de 2008, quando

Leia mais

Seminário Temático VII Comércio Exterior. Edgar Saueressig Neto Fernando Mandolini José Danilo Silva Maia Lúcio Daniel Franke

Seminário Temático VII Comércio Exterior. Edgar Saueressig Neto Fernando Mandolini José Danilo Silva Maia Lúcio Daniel Franke Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Curso de Graduação em Administração a Distância Seminário Temático VII Comércio Exterior

Leia mais

Estratégia para Investimentos Diretos Estrangeiros no Mercado do Leste Asiático. ~ Japão, China e ASEAN ~

Estratégia para Investimentos Diretos Estrangeiros no Mercado do Leste Asiático. ~ Japão, China e ASEAN ~ Estratégia para Investimentos Diretos Estrangeiros no Mercado do Leste Asiático ~ Japão, China e ASEAN ~ Palavras-chaves Leste Asiático o Centro de Crescimento do Mundo Integraçã ção o Progressiva das

Leia mais

Seus serviços vão além das fronteiras?

Seus serviços vão além das fronteiras? Seus serviços vão além das fronteiras? Negócios Internacionais Oportunidades para o setor de serviços Globalização Transformações de ordem política, econômica e cultural mundial Mais intensidade nas últimas

Leia mais

O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global

O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global Jorge A r bache U n i v e r s i d a d e d e B r a s í l i a S E M P E X 2 0 1 4 M a c e i ó, 2 2 / 5 / 2 0 1 4 0,45

Leia mais

31º ENCONTRO NACIONAL DE COMÉRCIO EXTERIOR - ENAEX EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA: MITOS E VERDADES

31º ENCONTRO NACIONAL DE COMÉRCIO EXTERIOR - ENAEX EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA: MITOS E VERDADES 31º ENCONTRO NACIONAL DE COMÉRCIO EXTERIOR - ENAEX PALESTRA EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA: MITOS E VERDADES JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Rio de Janeiro, 27 de Setembro de 2012 2 DEFINIÇÃO DE SERVIÇOS

Leia mais

Organizações internacionais Regionais

Organizações internacionais Regionais Organizações internacionais Regionais Percurso 4 Geografia 9ºANO Profª Bruna Andrade e Elaine Camargo Os países fazem uniões a partir de interesses comuns. Esses interesses devem trazer benefícios aos

Leia mais