DIREITO E SAÚDE PÚBLICA DURANTE O REGIME MILITAR DE Heitor Humberto do Nascimento Carvalho (UFU) 1. Introdução

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIREITO E SAÚDE PÚBLICA DURANTE O REGIME MILITAR DE 1964. Heitor Humberto do Nascimento Carvalho (UFU) 1. Introdução"

Transcrição

1 DIREITO E SAÚDE PÚBLICA DURANTE O REGIME MILITAR DE 1964 Heitor Humberto do Nascimento Carvalho (UFU) 1 Introdução Em março de 1964, os militares derrubam o governo e assume a presidência da República o general Castelo Branco. O movimento militar de 1964 teve, como um dos principais objetivos, conter o avanço do comunismo no Brasil no auge da chamada guerra fria 2. Para justificar tal medida, extinguiu o Estado populista que estava em crise e conteve a radicalização do movimento de massas exigindo as reformas de base. Ato contínuo, procede-se à retirada do apoio ao governo de Goulart de significativos setores da burguesia nacional com o objetivo de dar fim a uma crise iniciada no final da década anterior. Dentre os elementos desencadeadores da crise no final da década de 50 temos: a resistência à posse de João Goulart, quando da renúncia de Jânio Quadros; o agravamento do quadro econômico com a ascensão da inflação; a polinização crescente de vários movimentos sociais, como as Ligas Camponesas, e os movimentos de indisciplina militar de marinheiros e sargentos. A primeira medida adota pelos autores do golpe foi a criação do Supremo Comando Revolucionário 3 que aprovou o primeiro Ato Institucional (AI-1) 4. Com o golpe político-militar de 1964, ocasionaram alterações na economia do país geradas pelas mudanças nas relações de trabalho, fruto das novas necessidades do desenvolvimento capitalista no país e das transformações na conjuntura internacional. As alterações a que nos referimos foram, basicamente, as seguintes: a abertura do país às empresas multinacionais a partir da eliminação das restrições à remessa de lucros para o exterior, a adoção de uma nova política salarial e a implantação do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) substituindo o sistema de estabilidade no emprego, a elevação do volume de impostos e a consequente bancarrota de um grande número de pequenas e médias empresas, e a expansão das indústrias petroquímicas, siderúrgicas e do alumínio, realizadas sob o patrocínio do Estado com a participação de conglomerados nacionais e estrangeiros. No campo da saúde, a pasta ministerial voltada para este fim sofreu reduções das verbas destinadas à saúde pública até o final da ditadura. Em contraste com os aumentos no início da década de 60, a porcentagem da participação do Ministério da Saúde no orçamento da União decaiu de 4,57% em 1961 para 3,65% do orçamento em Em 1980, o total destinado à saúde foi de apenas 1,38% do orçamento. A menor porcentagem desse período foi no ano de 1974, com um total de 0,94% 5. Com orçamentos pífios, coube ao Ministério da Saúde apenas o planejamento de projetos e programas em saúde. Tal redução orçamentária sobrecarregou as pastas da Educação e Agricultura, entre outras, com execução de muitas tarefas sanitárias, que lhes foram delegadas. 1 Acadêmico de Direito, pela Faculdade Prof. Jacy de Assis, da Universidade Federal de Uberlândia. É Bolsista de Iniciação Científica do CNPq. Membro do Núcleo Avançado em Direito da Cidadania e do Estado, e do Grupo de Pesquisa em Direito Internacional e Direitos Humanos da UFU. 2 Classificados como agentes do comunismo internacional, foram perseguidos muitos líderes políticos, estudantis, sindicais, e religiosos, que lutavam pela melhoria das condições da saúde do povo. Entre eles estavam Josué de Castro e Francisco Julião, que tiveram seus direitos políticos cassados (BERTOLLI FILHO, 2008, p. 49). 3 Formado pelo general Artur da Costa e Silva, pelo brigadeiro Francisco de Assis Correia de Mello e pelo vice-almirante Augusto Hermann Rademaker Grunewald. 4 Dentre as medidas instituídas pelo AI-1 temos: as eleições indiretas para presidente e vice-presidente da República (Art. 2 ); A suspensão por seis meses das garantias constitucionais ou legais de vitaliciedade e estabilidade (Art. 7 ); Caber, privativamente, ao presidente a iniciativa de projetos de leis que crie ou aumente a despesa pública (Art. 5 ). 5 Cf. BERTOLLI FILHO, 2008, p

2 A Constituição da República Federativa do Brasil de O Artigo 8 do AI-1 é explicito ao colocar na competência da União instituir planos nacionais de educação e de saúde 6, e ainda legislar sobre defesa e proteção da saúde 7. Nesse contexto, o artigo 65 que no tange ao o orçamento anual, estipula, no parágrafo sexto, que o orçamento consignará dotações plurianuais para a execução dos planos de valorização das regiões menos desenvolvidas do País, áreas, sem dúvida, mais carentes de recursos para saúde pública. Neste intento, observa-se que a greve nos serviços públicos e nas atividades essenciais, embora definida em lei, não é permitida 8. Então, diante dessa asfixia dos direitos dos trabalhadores, leva-se a crer que ninguém iria ser privado de atendimento médicos quando os serviços médicos fossem procurados. Os Direitos e as Garantias Individuais, mesmo no período ditatorial, receberam certo respaldo legal, o que contrasta com a realidade da época e o desrespeito aos Direitos Humanos, situação essa agravada em 1968 com a instituição do Ato Institucional 5 pela ditadura militar. Claramente, a saúde como parte integrante dos direitos sociais e individuais não foi o norte para a elaboração da Carta, em contrapartida, com relação à seguridade constitucionalmente garantida aos trabalhadores, com vistas à melhoria de suas condições de vida, há a garantia da assistência sanitária, hospitalar e médica preventiva 9. O esvaziamento do Ministério da Saúde O Ministério da Saúde, além de contar com parcos recursos, também teve sua esfera de atuação alterada: passa a entender a saúde como fenômeno individual e não como elemento coletivo. O resultado disso foi a valoração dos hospitais particulares em detrimento dos hospitais públicos. Assim, os recursos visavam o pagamento das despesas hospitalares dos mais necessitados que frequentavam a iniciativa particular ao passo que os hospitais públicos ficaram à mercê da vontade estatal, portanto, à deriva. Mesmo o Ministério da Saúde tendo se comprometido a realizar programas de saúde e saneamento, a situação da saúde pública não melhorou. Pelo contrário, surtos de epidemias de malária, dengue e meningite surgiram por todo o Brasil durante a década de 70. De fato, as metas estabelecidas pelo II Plano Nacional de Desenvolvimento (II PND), de 1975, não passaram de mero apelo político sem expressão real para melhorar as condições de vida da população. Nesse contexto de incertezas, vale ressaltar que os hospitais públicos estavam despreparados, ou melhor, incapazes de atender a população abandonada e em pânico. O Estado, a seu modo, tentou contornar a situação, e negou qualquer analogia entre a epidemia e as condições de vida da população, agravadas com o fim do milagre econômico. A este respeito, por exemplo, em 1971, começaram as ocorrências de casos de meningite, que atingiram as populações mais carentes das principais cidades do país. Mas, qualquer notícia de que a doença estava se alastrando pelo país era negada ou era, na linguagem dos governos desse período, fruto de perturbadores da ordem social. Até que, em 1975, com um repentino acréscimo dos óbitos o governo não pode mais esconder o surto epidêmico de meningite. Os governantes ainda acrescentaram que outros países estavam sofrendo com a doença, contudo, comparando-se a eles, no Brasil, a situação, segundo eles, era 6 Art. 8, XIV. 7 Art. 8, XVII, c. 8 Art. 157, 7. 9 Art. 158, XV. 66

3 muito melhor. A campanha de vacinação do governo entendida como operação militar fora realizada até 1977, quando a meningite foi declarada sob controle. Todavia, o número de atingidos e de mortos ao certo não se sabe, uma vez que esta informação foi mantida em segredo pela ditadura. A Constituição da República Federativa do Brasil de 1969 Do ponto de vista formal, a carta de 1969, outorgada pelos três ministros militares, da Marinha de Guerra, do Exército e da Aeronáutica Militar, usando das atribuições que lhes conferiam o artigo 3º do Ato Institucional nº 16, de 14 de outubro de 1969, combinado com o 1º do artigo 2º do Ato Institucional nº 5, de 13 de dezembro de 1968, tomou aspecto de emenda constitucional n 1 (17 de outubro de ) incorporando-se à Constituição de Tal fato gerou muita polêmica entre os juristas 11 até que o Supremo Tribunal Federal decidiu em plenária unânime, que a Carta de 1967 estava revogada. Assim, o Texto de 1969 deve ser considerado como novo e autônomo documento constitucional. A Carta promoveu uma maior centralização do poder político nas mãos do Executivo Federal. Na realidade as medidas da ditadura descaracterizaram o federalismo, privilegiando a União em detrimento dos estados membros e municípios. Compete a União, segundo o Texto de 1969, estabelecer e executar planos nacionais de educação e de saúde, bem como planos regionais de desenvolvimento, e ainda organizar a defesa permanente contra as calamidades públicas, especialmente a seca e as inundações 12. Segundo o texto, competia-lhe legislar sobre normas gerais relativas ao orçamento, despesa e gestão patrimonial e financeira de natureza pública; taxa judiciária, custos e emolumentos remuneratórios dos serviços forenses, de registro públicos e notariais; de direito financeiro; de seguro e previdência social; de defesa e proteção da saúde; de regime penitenciário. (Redação introduzida pela Emenda Constitucional nº 7, de ). A Emenda Constitucional nº 27, de 1980, passou a obrigar os Municípios a aplicar, em programas de saúde, 6,0% (seis por cento) do valor que lhes fosse creditado por força do disposto no item II da referida Carta 14. Nas disposições gerais e transitórias da Constituição ficava estipulado ao civil e ao excombatente da Segunda Guerra Mundial, que tivessem participado efetivamente de operações bélicas assistência médica, hospitalar e educacional, se fossem carentes de recursos 15 Observa-se que, como nas Cartas anteriores, o direito à assistência à saúde, como direito individual, não recebe a atenção necessária e devida, como se por um lapso, o direito à saúde, como parte integrante do direito maior de qualquer indivíduo, o direito à vida, bem maior de cada cidadão, fosse negligenciado com a abstenção da responsabilidade social (direito social). Eis, portanto, prováveis razões por que os problemas da política de saúde contemporânea são unanimemente complicados. 10 Possivelmente uma das causas que motivaram a criação da emenda foi o sequestro do embaixador americano no Brasil, Charles Burke Elbrick, por militantes do Movimento Revolucionário 8 de Outubro (MR8) e da Ação Libertadora Nacional (ALN) 4 de Setembro de Em 30 de Outubro: Toma posse como presidente do Brasil Emílio Garrastazu Médici, sem eleições diretas. Junto com ele, Alfredo Buzaid e João Figueredo assumem o Ministério da Justiça e a Casa Militar respectivamente. 11 De um lado, julgavam que a Carta de 1967 apesar de emendada de modo substancial, no entanto não o suficiente para cessar sua vigência. De outro lado, os que defendiam a idéia de que a Carta de 1967 sofreu tantas alterações que havia sido desfigurada de tal maneira que sua vigência havia cessado. 12 Art. 8, XIII. 13 Texto original da Carta: normas gerais sôbre orçamento, despesa e gestão patrimonial e financeira de natureza pública; de direito financeiro; de seguro e previdência social; de defesa e proteção da saúde; de regime penitenciário; 14 Art. 25, 4º. 15 Art. 197, d. 67

4 O Estado ditatorial e a Previdência Social Segundo Claudio Bertolli Filho, para que o regime autoritário tornasse um agente regulador da sociedade, foi necessário uma desmobilização das forças políticas e o enfraquecimento das instituições que atuavam antes de 1964, substituindo-as por organismos e sistemas sob o estrito controle do Estado (BERTOLLI FILHO, 2008, p.54). Para isso, foi criado em 1966 o Instituto Nacional de Previdência Social pelo Decreto-Lei n 72 deste mesmo ano 16, aproveitando-se dos problemas das antigas caixas e instituições de aposentadoria e pensões. O novo instituto integrou todos os órgãos previdenciários que funcionavam desde 1930 por meio do seu artigo primeiro, e ficou subordinado ao Ministério do Trabalho, tendo que assumir o patrimônio e os acordos das instituições que o antecederam. Estabeleceu-se assim, na esfera pública, um sistema dual de saúde: o INPS deveria tratar dos doentes individualmente, enquanto o Ministério da Saúde deveria, pelo menos em teoria, elaborar e executar programas sanitários e assistir a população durante as epidemias. O Estado tornou-se o único coordenador dos serviços de assistência médica, aposentadoria e pensões destinadas às famílias dos trabalhadores, mediante o desconto de 8% do salário mensal. Ao mesmo tempo, aumentou o número de segurados e das atividades médicas subordinadas ao Estado: em 1960 elas correspondiam a cerca de 50% do total de consultas e hospitalizações; 15 anos depois, alcançavam mais de 90%. (BERTOLLI FILHO, 2008, p. 54) O identificador representa a inclusão de quase todas as clínicas e unidades hospitalares na organização previdenciária, e não exclusivamente a ampliação da cobertura médica. Pela Carta de 1967, a ordem econômica tem por fim realizar a justiça social, primeiramente, por meio da liberdade de iniciativa 17. Com isso, as empresas privadas competiam preferencialmente, com o estímulo e apoio do Estado, com o intuito de organizar e explorar as atividades econômicas ligadas à saúde. Somente, para suplementar a iniciativa privada, o Estado se organizaria e exploraria diretamente atividades econômicas no setor 18. Desta maneira, o INPS firmou convênios com mais de 80% dos hospitais instalados no país por meio do setor privado para atender a massa trabalhadora, conforme garantia a Constitucional. Contudo, esse sistema demonstrou-se extremamente frágil: Enquanto o governo reduzia ou atrasava os recursos para a rede conveniada, hospitais e clínicas aumentavam as fraudes para receber aquilo a que tinha direito, e muito mais. [...] Mais do que prejuízos materiais, importantes em si mesmos, a mais grave consequência tem sido a contínua degradação dos serviços médico-hospitalares prestados à população trabalhadora. Em suma imensa maioria da população não tem outra alternativa que não o sistema previdenciário de atendimento. (BERTOLLI FILHO, 2008, p. 55) Em 1974 foi criado o Ministério da Previdência e Assistência Social (MPAS) que agregou a competência do INPS, desvinculando-o do Ministério do Trabalho. Além disso, para contornar o problema de desvio de recursos e a corrupção foi criada também a Empresa de Processamento de Dados da Previdência Social (Dataprev). 16 O Decreto-Lei foi publicado no Diário Oficial da União (DOU) em 22 de novembro de Além de Unificar os institutos de aposentadoria e pensões e criar o Instituto Nacional de Previdência Social, o Decreto-Lei constituiu o INPS como órgão de administração Indireta da União; de personalidade jurídica de natureza autárquica e independente inclusive no que se referem a seus bens, serviços e ações, das regalias, privilégios e imunidades que a União goza, conforme trata o artigo segunda da referida lei. 17 Art. 157, I, da CRFB Art. 163 caput, e 1º, da CRFB

5 Para abrandar as inúmeras críticas, outras medidas foram tomadas, entre elas: o Programa de Assistência ao Trabalhador Rural (Funrural) em 1971; o Plano de Pronta Ação (PPA); e, 1975, o Sistema Nacional de Saúde. Todas elas não passaram de tentativas do governo de melhorar as deficiências do setor de saúde, que em 1979 estava entre as maiores no ranking dos países mais enfermos da América Latina, sendo ultrapassado apenas por Haiti, Bolívia e Peru, apesar de o Brasil ter obtido um relativo aumento na expectativa de vida da população e diminuição da mortalidade infantil. A saúde como próspero negócio ao capital estrangeiro O grande volume de entrada do capital estrangeiro no Brasil durante a Ditadura Militar significou também um aumento dos investimentos na área da saúde e na indústria farmacêutica, o que de fato mostrou-se bastante rentável, durante o milagre econômico. Assim, calcula-se que, naquela época, apenas 25% das verbas arrecadas eram aplicadas no atendimento aos conveniados, na manutenção da burocracia e nas campanhas publicitárias. O restante representa lucro líquido (BERTOLLI FILHO, 2008, p. 58). Outro fator interessante, é que entre 1965 e 1975, grupos farmacêuticos com sede na Europa ou nos Estados Unidos compraram cerca de 25 companhias brasileiras. Em decorrência dessa compra e beneficiadas por ela, as empresas estrangeiras partiram para a formação de cartéis, quer seja, ajustes entre várias empresas de um mesmo ramo de produção que visam ao estabelecimento de um monopólio, dentre outras formas de concentrações financeiras. Desta forma determinaram a qualidade e o valor dos medicamentos, subjugando até mesmo a figura do Estado, que em 1971, criou a Central de Medicamentos (Ceme) para produzir, contratar e distribuir medicamentos à população carente. Além disso, as indústrias farmacêuticas utilizavam de componentes de origem duvidosa 19 e até mesmo proibida em diversos países, inclusive no país sede das empresas, e os vendiam no Brasil segundo seus interesses, aproveitando-se da inércia do Estado incapaz de defender seus cidadãos. Uma vez advertidas ou pressionadas, as empresas interrompiam o fornecimento dos medicamentos, desrespeitando o povo e o Estado. Nesse período, o Ministério da Saúde, além de contar com parcos recursos teve, também, sua esfera de atuação alterada. A partir de então, passa a entender a saúde como fenômeno individual e não como elemento coletivo. O resultado disso foi a valoração dos hospitais particulares em detrimento dos hospitais públicos. Nos ordenamentos jurídicos da época, ou seja, na Carta de 1967 e na Carta de , o direito à saúde, como direito individual, não detém a atenção necessária e devida do poder público, como se por um lapso. Como resultantes o direito à saúde, como parte integrante do direito maior de qualquer indivíduo - o direito à vida - que é o bem maior de cada cidadão, passa a ser negligenciado na medida em que há a abstenção da responsabilidade social (direito social). Assim, os responsáveis públicos não declaram expressamente que o Estado reconhece o direito à saúde, todavia, asseguram aos trabalhadores o direito à assistência sanitária, hospitalar e médica preventiva 21. É este um dos motivos que levam a crer que os problemas da política de saúde contemporânea são unânimes e indistintamente complicados. 19 Calcula-se que, em 1976, existiam cerca de cinco mil remédios considerados supérfluos à venda nas farmácias do Brasil. 20 De um lado, havia os que julgavam que a Carta de 1967 apesar de emendada de modo substancial, no entanto, não foi suficientemente acolhida para que cessasse a sua vigência. De outro lado, havia os que defendiam a idéia de que a Carta de 1967 sofreu tantas alterações que havia, de fato, sido desfigurada de tal maneira que sua vigência havia cessado. 21 Art. 158, inciso XV, CRFB

6 No plano econômico, a ditadura estava abalada pelo fracasso do chamado milagre econômico. Conjuntamente, um governo autoritário e empresas estatais executaram obras faraônicas em que ficava demonstrada a ineficiência estatal. O fracasso tornou-se maior ainda quando o Estado buscou compensar o seu fiasco com a emissão de papel moeda, o que levou o país a uma inflação sem precedentes na história brasileira. Esta herança inflacionária perdurou até pouco tempo na história recente do país. Perpassou pelo último presidente do governo militar, João Baptista de Oliveira Figueiredo ( ) 22 que, assumiu o poder numa intensa crise econômica, ao mesmo tempo em que as manifestações de massa, começavam a ser retomadas. Considerações finais No plano político, mesmo havendo, em 1984, o movimento conhecido como Diretas Já, o fim da ditadura só aconteceu por meio de eleições indiretas para presidente. O colégio eleitoral elegeu, em 1985, Tancredo Neves (representante do PMDB Partido do Movimento Democrático Brasileiro) com ampla margem sobre Paulo Maluf (PDS Partido Democrático Social). Todavia, Tancredo de Almeida Neves faleceu, no dia 21 de abril de 1985, antes de sua posse, assumindo o poder o seu vice José Sarney de Araújo Costa ( ). Em 1985, uma série de medidas democratizantes foi enviada ao Congresso. Com essas medidas, estabeleceram-se as eleições direitas para prefeito das capitais, das áreas consideradas de segurança nacional e das estâncias hidro-minerais. Cabe aqui lembrar, algumas demandas políticas relevantes desse período: a elevação do contingente populacional dos sem-terra, decorrente do empobrecimento generalizado, da concentração da propriedade da terra e da lentidão do Estado na aplicação de projetos de reforma agrária; os problemas enfrentados pelo setor agrícola decorrentes da capitalização de dívidas com instituições bancárias. Provenientes da política de juros altos e da elevação dos preços dos insumos, que ameaçavam comprometer as safras dos anos seguintes. Na tentativa de minimizar a crise econômica advém uma política de privatizações de empresas estatais, que mobilizou setores sociais, políticos e empresariais do país, naquela época, objetivando conter o déficit público, aumentar a produtividade e reduzir os gastos com a máquina governamental; e, claro, nesse caudal de problemas, arrola-se, também, a crise no setor de saúde pública, responsável pelo precário atendimento às camadas populares, contrastando com os avanços verificados nos campos da medicina e da odontologia nacionais. Todo esse estado caótico comprova que a solução depende da adoção de medidas políticas adequadas. Para que o regime autoritário tornasse um agente regulador da sociedade, foi necessário uma desmobilização das forças políticas e o enfraquecimento das instituições que atuavam antes de 1964, substituindo-as por organismos e sistemas sob o estrito controle do Estado (BERTOLLI FILHO, 2008, p. 54). Para isso, foi criado, em 1966, o Instituto Nacional de Previdência Social pelo Decreto-Lei n 72 deste mesmo ano. O Decreto-Lei foi publicado no Diário Oficial da União (DOU) em 22 de novembro de Além de unificar os institutos de aposentadoria e pensões e criar o Instituto Nacional de Previdência Social, o Decreto-Lei constituiu o INPS como órgão de administração Indireta da União; de personalidade jurídica de natureza autárquica e independente inclusive no que se referem a seus bens, serviços e ações, das regalias, privilégios e imunidades que a União goza, conforme trata o artigo segundo da referida lei. Essa estratégia governamental tinha o intuito de aproveitar-se dos problemas das antigas caixas e instituições de aposentadoria e pensões. O novo instituto integrou todos os órgãos previdenciários que funcionavam desde 22 O governo revogou o AI-5, e, em 1979, foi aprovada a Lei de Anistia, que permitia o retorno ao país de um enorme número de exilados pelo regime, além de libertar uma série de prisioneiros políticos. Ainda, foi extinto o bipartidarismo, pela lei de reformulação partidária. Em 1980, foram restauradas as eleições diretas para governadores. 70

7 1930 por meio do seu artigo primeiro, e ficou subordinado ao Ministério do Trabalho, tendo que assumir o patrimônio e os acordos das instituições que o antecederam. Tal medida representou a inclusão de quase todas as clínicas e unidades hospitalares na organização previdenciária, e não exclusivamente na ampliação da cobertura médica. Pela Carta de 1967, o Estado, como já foi ventilado anteriormente, se organizaria e exploraria diretamente atividades econômicas somente para suplementar a iniciativa privada. Enquanto o governo reduzia ou atrasava os recursos para a rede conveniada, hospitais e clínicas aumentavam as fraudes. Desde o fim do chamado milagre econômico, o complexo sistema de saúde existente no país entrou em grave crise como consequência dos problemas históricos de má gestão dos recursos destinados à mesma e do pouco caso das autoridades. Além disso, o Estado apenas oferecia atendimento à saúde para trabalhadores com carteira assinada e suas famílias, decorrências da Lei Eloy Chaves criada pelo Decreto n de 24 de janeiro de 1923 (considerada também como marco da Previdência Social no país), e suas constantes ampliações. Ao restante da população, cabia o acesso a estes serviços como um mero favor e não como um direito; a própria iniciativa privada fora incentivada a abrir clínicas e unidades hospitalares para atendimento aos mais aquinhoados em detrimento ao atendimento público de baixa renda. Foi durante essa efervescência política e econômica que, em 17 de março de 1986, iniciou-se a 8ª Conferência Nacional de Saúde uma vez que as políticas públicas do início dessa década, até a Conferência supramencionada, pouco tinham feito para melhorar a situação lamentável a que estava submetida a saúde frise-se, de passagem, relegada a segundo plano. REFERÊNCIAS: BERTOLLI FILHO, Claudio. História da saúde pública no Brasil. São Paulo: Editora Ática, CANESQUI, Ana Maria (Org.). Ciências sociais e saúde. São Paulo: Editora Hucitec Abrasco, CECHIN, José at all. A história e os desafios da saúde suplementar: 10 anos de regulação. São Paulo: Saraiva, PACHECO E SILVA, Antonio Carlos. Direito à saúde. São Paulo: s.c.p., PAIM, Jairnilson Silva. Direito à saúde, cidadania e Estado. In: CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE, 8., 1987, Brasília. Anais... Brasília: Centro de Documentação, PILETTI, Nelson. História do Brasil. São Paulo: Editora Ática, PINTO, Márcio Alexandre da Silva. Teoria geral do direito da cidadania Tese (Doutorado) PUC-SP, São Paulo,

Período Populista (1945/64)

Período Populista (1945/64) Período Populista (1945/64) INTRODUÇÃO Período de Democracia, sem censura e eleições direta (o( o povo vota) para presidente. O mundo encontrava-se no Período de Guerra Fria : Capitalistas (EUA) X Socialistas

Leia mais

CONSTITUIÇÃO FEDERAL CONSTITUIÇÃO FEDERAL

CONSTITUIÇÃO FEDERAL CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1 Art. 196: A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário

Leia mais

PERÍODO MILITAR (1964/1985) PROF. SORMANY ALVES

PERÍODO MILITAR (1964/1985) PROF. SORMANY ALVES PERÍODO MILITAR (1964/1985) PROF. SORMANY ALVES INTRODUÇÃO Período governado por GENERAIS do exército brasileiro. Adoção do modelo desenvolvimento dependente, principalmente dos EUA, que subordinava a

Leia mais

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010.

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. Pág. 1 de 5 LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. CRIA O FUNDO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL FMHIS E INSTITUI O CONSELHO GESTOR DO FMHIS. O PREFEITO MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL ACRE, EM EXERCÍCIO,

Leia mais

LEI Nº 2.168, DE 11 DE JANEIRO DE 1954

LEI Nº 2.168, DE 11 DE JANEIRO DE 1954 CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Documentação e Informação LEI Nº 2.168, DE 11 DE JANEIRO DE 1954 Estabelece normas para instituição do seguro agrário. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, Faço saber que o CONGRESSO

Leia mais

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador FRANCISCO DORNELLES

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador FRANCISCO DORNELLES PARECER Nº, DE 2011 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, em caráter terminativo, sobre o Projeto de Lei da Câmara nº 18, de 2011 (Projeto de Lei nº 4.605, de 2009, na origem), do Deputado

Leia mais

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador BENEDITO DE LIRA

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador BENEDITO DE LIRA PARECER Nº, DE 2015 1 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 218, de 2011, do Senador EUNÍCIO OLIVEIRA, que dispõe sobre o empregador arcar com os

Leia mais

Na ditadura não a respeito à divisão dos poderes (executivo, legislativo e judiciário). O ditador costuma exercer os três poderes.

Na ditadura não a respeito à divisão dos poderes (executivo, legislativo e judiciário). O ditador costuma exercer os três poderes. Ditadura: É uma forma de governo em que o governante (presidente, rei, primeiro ministro) exerce seu poder sem respeitar a democracia, ou seja, governa de acordo com suas vontades ou com as do grupo político

Leia mais

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007.

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. Dispõe sobre a criação do Instituto Escola de Governo e Gestão Pública de Ananindeua, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui, e eu

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MORRINHOS Estado de Goiás LEI N. 1.233, DE 28 DE DEZEMBRO DE 1.993. O PREFEITO MUNICIPAL DE MORRINHOS,

PREFEITURA MUNICIPAL DE MORRINHOS Estado de Goiás LEI N. 1.233, DE 28 DE DEZEMBRO DE 1.993. O PREFEITO MUNICIPAL DE MORRINHOS, LEI N. 1.233, DE 28 DE DEZEMBRO DE 1.993. Institui o Fundo Municipal de Saúde e da outras providencias.. O PREFEITO MUNICIPAL DE MORRINHOS, Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu, Prefeito Municipal,

Leia mais

Capítulo. A ditadura militar no Brasil

Capítulo. A ditadura militar no Brasil Capítulo A ditadura militar no Brasil ARQUIVO/O GLOBO 1 Do golpe militar ao AI-5 O golpe militar de 1964 João Goulart é derrubado pelos militares, em 31 de março de 1964, por meio de um golpe, apoiado

Leia mais

Resistência à Ditadura Militar. Política, Cultura e Movimentos Sociais

Resistência à Ditadura Militar. Política, Cultura e Movimentos Sociais Resistência à Ditadura Militar Política, Cultura e Movimentos Sociais Visão Panorâmica Introdução à ditadura Antecedentes do Golpe A Ditadura A Resistência A Reabertura Duração: 1964 à 1985 Introdução

Leia mais

Anteprojeto de Lei: Autonomia das Universidades e Institutos Federais.

Anteprojeto de Lei: Autonomia das Universidades e Institutos Federais. X Encontro Nacional- PROIFES-Federação Anteprojeto de Lei: Autonomia das Universidades e Institutos Federais. Apresentação PROIFES-Federação A Constituição Brasileira de 1988 determinou, em seu artigo

Leia mais

1 de 9 ESPELHO DE EMENDAS DE ACRÉSCIMO DE META

1 de 9 ESPELHO DE EMENDAS DE ACRÉSCIMO DE META S AO PLN0002 / 2006 - LDO Página: 2355 de 2392 1 de 9 ESPELHO DE S DE AUTOR DA 27 Valorizar a diversidade das expressões culturais nacionais e regionais 1141 Cultura, Educação e Cidadania 5104 Instalação

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Página 1 de 5 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.405, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84,

Leia mais

PORTARIA N o 42, DE 14 DE ABRIL DE 1999 (ATUALIZADA) (*) (Publicada no D.O.U. de 15.04.99)

PORTARIA N o 42, DE 14 DE ABRIL DE 1999 (ATUALIZADA) (*) (Publicada no D.O.U. de 15.04.99) PORTARIA N o 42, DE 14 DE ABRIL DE 1999 (ATUALIZADA) (*) (Publicada no D.O.U. de 15.04.99) Atualiza a discriminação da despesa por funções de que tratam o inciso I do 1 o do art. 2 o e 2 o do art. 8 o,

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE Prioritária 1: Manter o incentivo aos Programas do Núcleo Apoio da Saúde da Família

Leia mais

Defesa dos Serviços e Trabalhadores Públicos Brasileiros e o. Não Pagamento da Dívida Pública

Defesa dos Serviços e Trabalhadores Públicos Brasileiros e o. Não Pagamento da Dívida Pública Defesa dos Serviços e Trabalhadores Públicos Brasileiros e o Não Pagamento da Dívida Pública O endividamento público vem pautando a vida do povo brasileiro sob diversas formas, especialmente a partir da

Leia mais

50 ANOS DO GOLPE MILITAR

50 ANOS DO GOLPE MILITAR 50 ANOS DO GOLPE MILITAR (1964-1985) Prof. Dr. Rogério de Souza CAUSAS Guerra Fria Contexto Internacional: Construção do Muro de Berlim (1961) Cuba torna-se Socialista (1961) Crise dos Mísseis (1962) CAUSAS

Leia mais

Câmara Municipal de Uberaba Sua Confiança. Nosso Trabalho. LEI N.º 9.623

Câmara Municipal de Uberaba Sua Confiança. Nosso Trabalho. LEI N.º 9.623 Sua Confiança. Nosso Trabalho. LEI N.º 9.623 Estima a receita e fixa a despesa do Município de Uberaba para o exercício de 2005, e contém outras disposições. O Povo do Município de Uberaba, Estado de Minas

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 297, DE 2006

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 297, DE 2006 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 297, DE 2006 Inclui as doações aos Fundos controlados pelos Conselhos de Assistência Social na permissão para dedução do imposto de renda devido pelas pessoas físicas e jurídicas.

Leia mais

ESTADO DO ACRE PREFEITURA MUNICIPAL DE MÂNCIO LIMA GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 19/091 MÂNCIO LIMA ACRE, 06 DE NOVEMBRO DE 1991.

ESTADO DO ACRE PREFEITURA MUNICIPAL DE MÂNCIO LIMA GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 19/091 MÂNCIO LIMA ACRE, 06 DE NOVEMBRO DE 1991. LEI Nº 19/091 MÂNCIO LIMA ACRE, 06 DE NOVEMBRO DE 1991. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LUIS HELOSMAN DE FIGUEIREDO, PREFEITO MUNICIPAL DE MÂNCIO LIMA, ESTADO

Leia mais

Lei do ICMS São Paulo Lei 12.268 de 2006

Lei do ICMS São Paulo Lei 12.268 de 2006 Governo do Estado Institui o Programa de Ação Cultural - PAC, e dá providências correlatas. O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu promulgo a seguinte

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.881, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2013. Mensagem de veto Dispõe sobre a definição, qualificação, prerrogativas e finalidades das

Leia mais

FORMAÇÃO PARA CONSELHEIROS DE DIREITOS. www.institutocultiva.com.br www.rudaricci.com.br

FORMAÇÃO PARA CONSELHEIROS DE DIREITOS. www.institutocultiva.com.br www.rudaricci.com.br FORMAÇÃO PARA CONSELHEIROS DE DIREITOS www.institutocultiva.com.br www.rudaricci.com.br CIDADANIA E PARTICIPAÇÃO Cidadania é o conjunto de DIREITOS: Civis (individuais, em que todos são indivíduos livres

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.405, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010. Institui o Programa Pró-Catador, denomina Comitê Interministerial para Inclusão Social

Leia mais

PROJETO DE LEI. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 2º O SESF terá em sua estrutura organizacional os seguintes órgãos:

PROJETO DE LEI. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 2º O SESF terá em sua estrutura organizacional os seguintes órgãos: PROJETO DE LEI Dispõe sobre a criação do Serviço Social do Transporte Ferroviário - SESF e altera a redação do art. 3º da Lei nº 8.706, de 14 de setembro de 1993. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI 2014-2018 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011 2020 METAS E ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI 2014-2018 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011 2020 METAS E ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI 2014-2018 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011 2020 METAS E ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO Marcos Neves Comissão Central PDI do IFSC PNE EXIGÊNCIA CONSTITUCIONAL O art.

Leia mais

LEI Nº 1047/2012. O Prefeito do Município de Pinhalão, Estado do Paraná. Faço saber que a Câmara Municipal decreta, e eu, sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 1047/2012. O Prefeito do Município de Pinhalão, Estado do Paraná. Faço saber que a Câmara Municipal decreta, e eu, sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1047/2012 O Prefeito do Município de Pinhalão,. SÚMULA: Dispõe sobre as Diretrizes Orçamentárias para o exercício de 2013 e dá outras providências. Faço saber que a Câmara Municipal decreta, e eu,

Leia mais

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Dispõe sobre o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico FNDCT, e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

CONSULTA N. 809.491 EMENTA:

CONSULTA N. 809.491 EMENTA: Utilização do saldo positivo da reserva do regime próprio de previdência social para abertura de créditos adicionais suplementares. Arquivamento de notas de empenho pela administração pública CONSULTA

Leia mais

A GESTÃO PÚBLICA NO BRASIL E SEUS CONTROLES INTERNO E EXTERNO RESUMO

A GESTÃO PÚBLICA NO BRASIL E SEUS CONTROLES INTERNO E EXTERNO RESUMO A GESTÃO PÚBLICA NO BRASIL E SEUS CONTROLES INTERNO E EXTERNO RESUMO O presente estudo é resultado de uma revisão bibliográfica e tem por objetivo apresentar a contextualização teórica e legislativa sobre

Leia mais

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO HISTÓRIA DO LEGISLATIVO Maurício Barbosa Paranaguá Seção de Projetos Especiais Goiânia - 2015 Origem do Poder Legislativo Assinatura da Magna Carta inglesa em 1215 Considerada a primeira Constituição dos

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988...

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988... CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VII DA ORDEM SOCIAL CAPÍTULO VIII DOS ÍNDIOS Art. 231. São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições,

Leia mais

Plano de lutas PLENO EMPREGO

Plano de lutas PLENO EMPREGO Plano de lutas PLENO EMPREGO a) Impulsionar, junto com as outras centrais sindicais, a campanha nacional pela redução constitucional da jornada de trabalho sem redução de salários; b) Exigir a restrição

Leia mais

o Povo do.município de Fruta de Leite, por seus representantes

o Povo do.município de Fruta de Leite, por seus representantes Projeto de Lei N.o Çl1- /2015 "Estima a Receita e Fixa a Despesa do Município de Fruta de Leite para o Exercício Financeiro de 2016 e dá outras Providências". o Povo do.município de Fruta de Leite, por

Leia mais

Rafaela Noronha Brasil

Rafaela Noronha Brasil Saúde Pública e Epidemiologia 2013.1 Rafaela Noronha Brasil Fonoaudióloga ESP/CE Mestre em Saúde, Ambiente e Trabalho Profa Adjunto FATECI/CE Economia agrícola: exportação café (e açúcar) Imigração de

Leia mais

CONTROLE DA GESTÃO HOSPITALAR: UMA RESPOSTA À SOCIEDADE. GIL PINTO LOJA NETO AUDITOR GERAL EMPRESA BRASILEIRA DE SERVIÇOS HOSPITALARES - MEC

CONTROLE DA GESTÃO HOSPITALAR: UMA RESPOSTA À SOCIEDADE. GIL PINTO LOJA NETO AUDITOR GERAL EMPRESA BRASILEIRA DE SERVIÇOS HOSPITALARES - MEC CONTROLE DA GESTÃO HOSPITALAR: UMA RESPOSTA À SOCIEDADE. GIL PINTO LOJA NETO AUDITOR GERAL EMPRESA BRASILEIRA DE SERVIÇOS HOSPITALARES - MEC SUMÁRIO O ESTADO BRASILEIRO E AS ESTATAIS; A EBSERH: CARACTERIZAÇÃO,

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE LEI N. 1.522, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2003 Estima a Receita, fixa a Despesa do Estado para o exercício financeiro de 2004 e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER

Leia mais

, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO , SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N o 27/2013 Aprova o Orçamento Interno da Universidade Federal da Paraíba, para o exercício financeiro de 2013.

Leia mais

QUARTA CONSTITUIÇÃO (A CONSTITUIÇÃO DO ESTADO NOVO)

QUARTA CONSTITUIÇÃO (A CONSTITUIÇÃO DO ESTADO NOVO) QUARTA CONSTITUIÇÃO (A CONSTITUIÇÃO DO ESTADO NOVO) NOME...Constituição dos Estados Unidos do Brasil DATA...10 de Novembro de 1937 ORIGEM...Outorgada DURAÇÃO...9 anos PREÂMBULO O Presidente da República

Leia mais

Subseção I Disposição Geral

Subseção I Disposição Geral Subseção I Disposição Geral Art. 59. O processo legislativo compreende a elaboração de: I - emendas à Constituição; II - leis complementares; III - leis ordinárias; IV - leis delegadas; V - medidas provisórias;

Leia mais

Sistema Único de Saúde (SUS)

Sistema Único de Saúde (SUS) LEIS ORGÂNICAS DA SAÚDE Lei nº 8.080 de 19 de setembro de 1990 Lei nº 8.142 de 28 de dezembro de 1990 Criadas para dar cumprimento ao mandamento constitucional Sistema Único de Saúde (SUS) 1 Lei n o 8.080

Leia mais

Breve análise acerca das Instituições Comunitárias de Educação Superior

Breve análise acerca das Instituições Comunitárias de Educação Superior Breve análise acerca das Instituições Comunitárias de Educação Superior Kildare Araújo Meira Advogado sócio da Covac Sociedade de Advogados, Pós Graduado em Direito Processual Civil pelo Instituto Brasiliense

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

Inspeção do Trabalho: uma questão de ideal ao longo de 120 anos

Inspeção do Trabalho: uma questão de ideal ao longo de 120 anos Inspeção do Trabalho: uma questão de ideal ao longo de 120 anos Antônio Alves Mendonça Júnior Auditor Fiscal do Trabalho Em um contexto capitalista, em que o lucro é entendido como essência da busca de

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 6.094, DE 24 DE ABRIL DE 2007. Dispõe sobre a implementação do Plano de Metas Compromisso Todos pela Educação, pela União

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999. Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas.

LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999. Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas. LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999 Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta

Leia mais

Regime Jurídico dos Certificados de Aforro, Série A

Regime Jurídico dos Certificados de Aforro, Série A Regime Jurídico dos Certificados de Aforro, Série A Decreto n.º 43454 de 30 de Dezembro de 1960 1. O artigo 30.º do Decreto-Lei n.º 42 900, de 5 de Abril de 1960, previu nova modalidade de renda vitalícia

Leia mais

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições.

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Revolução de 1930 Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Responsável pelo fim da chamada Política café com leite Política café com leite

Leia mais

Políticas públicas e a assistência a saúde

Políticas públicas e a assistência a saúde Universidade de Cuiabá UNIC Núcleo de Disciplinas Integradas Disciplina: Formação Integral em Saúde História da Saúde no Brasil: Políticas públicas e a assistência a saúde Profª Ma. Kaline A. S. Fávero,

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA

CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA Art.1º - A SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE - SUSAM integra a Administração Direta do Poder Executivo, na forma da Lei nº 2783, de 31 de janeiro de 2003, como órgão responsável,

Leia mais

MOVIMENTO UNIFICADO EM DEFESA DO SERVIÇO PÚBLICO MUNICIPAL PREVI-RIO. Uma questão do servidor

MOVIMENTO UNIFICADO EM DEFESA DO SERVIÇO PÚBLICO MUNICIPAL PREVI-RIO. Uma questão do servidor MOVIMENTO UNIFICADO EM DEFESA DO SERVIÇO PÚBLICO MUNICIPAL PREVI-RIO Uma questão do servidor PREVI-RIO EM TESE (I) O Previ-Rio é o Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro,

Leia mais

*50425D34* Mensagem n o 342. Senhores Membros do Congresso Nacional,

*50425D34* Mensagem n o 342. Senhores Membros do Congresso Nacional, ** Mensagem n o 342 Senhores Membros do Congresso Nacional, Nos termos do disposto no art. 49, inciso I, combinado com o art. 84, inciso VIII, da Constituição, submeto à elevada consideração de Vossas

Leia mais

Breve visão histórica sobre o planejamento no Brasil

Breve visão histórica sobre o planejamento no Brasil Breve visão histórica sobre o planejamento no Brasil A. Planos de desenvolvimento e de infra-estrutura (1949-1979) 1. Plano Salte (Governo Dutra, 1946-1950, desenhado em 1948, implementado a partir do

Leia mais

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO.

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO. APRESENTAÇÃO Aula 08 3B REVOLUÇÃO FRANCESA Prof. Alexandre Cardoso REVOLUÇÃO FRANCESA Marco inicial da Idade Contemporânea ( de 1789 até os dias atuais) 1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DOS ESTADOS UNIDOS DO BRASIL, DE 18 DE SETEMBRO DE 1946

CONSTITUIÇÃO DOS ESTADOS UNIDOS DO BRASIL, DE 18 DE SETEMBRO DE 1946 CONSTITUIÇÃO DOS ESTADOS UNIDOS DO BRASIL, DE 18 DE SETEMBRO DE 1946 Art 5º - Compete à União: TÍTULO I Da Organização Federal CAPÍTULO I Disposições Preliminares IX - fiscalizar as operações de estabelecimentos

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ EDIFÍCIO ODOVAL DOS SANTOS - CNPJ. 76.290.691/0001-77 www.santaceciliadopavao.pr.gov.br LEI Nº. 720/2013

ESTADO DO PARANÁ EDIFÍCIO ODOVAL DOS SANTOS - CNPJ. 76.290.691/0001-77 www.santaceciliadopavao.pr.gov.br LEI Nº. 720/2013 LEI Nº. 720/2013 SÚMULA: ALTERA A LEI Nº. 593/2010 QUE INSTITUIU O FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE (FMS) E INCLUI O CAPÍTULO IX COM OS ARTIGOS 12º E 13º E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Faço saber que a Câmara Municipal

Leia mais

MÓDULO 19- O BRASIL DA DITADURA MILITAR( 1964-1985)

MÓDULO 19- O BRASIL DA DITADURA MILITAR( 1964-1985) OS PRESIDENTES MILITARES: MÉDICI GEISEL COSTA E SILVA FIGUEIREDO CASTELLO BRANCO 1 - O governo CASTELLO BRANCO (Sorbonne 1964 1967): PAEG (Plano de Ação Econômica do Governo): Fim da Estabilidade no emprego.

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI Nº 11.620 DE 14 DE MAIO DE 2001. (publicada no DOE nº 91, de 15 de maio de 2001) Institui o Programa de Garantia

Leia mais

Módulo 13 - Brasil. Prof. Alan Carlos Ghedini www.inventandohistoria.com

Módulo 13 - Brasil. Prof. Alan Carlos Ghedini www.inventandohistoria.com Módulo 13 - Brasil Prof. Alan Carlos Ghedini www.inventandohistoria.com Marechal Castello Branco (1964 1967) Chegou a presidência via eleição INDIRETA No seu governo foram criados 4 atos institucionais

Leia mais

Hutukara Associação Yanomami - HAY

Hutukara Associação Yanomami - HAY CARTA/ Nº. 010/2008. Para: Ministério da Saúde Senhor José Gomes Temporão Ministro Boa Vista/RR, 14 de agosto de 2008. Ref.: Documento subsídio para a reunião do dia 20 de agosto de 2008 O caos no DSEI

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N o 13/2014 Aprova o Orçamento Interno da Universidade Federal da Paraíba, para o exercício financeiro de 2014.

Leia mais

LEI N 280 DE 18 DE SETEMBRO DE 2007

LEI N 280 DE 18 DE SETEMBRO DE 2007 LEI N 280 DE 18 DE SETEMBRO DE 2007 Súmula: Dispõe sobre o Sistema de Controle Interno Municipal, nos termos do artigo 31 da Constituição Federal e do artigo 59 da Lei Complementar n 101/2000 e cria a

Leia mais

RECEITAS DE CAPITAL 88.883.221 OPERAÇÕES DE CRÉDITO 59.214..075 TRANSFERÊNCIAS DE CAPITAL 29.669.146 TOTAL 1.136.493.735

RECEITAS DE CAPITAL 88.883.221 OPERAÇÕES DE CRÉDITO 59.214..075 TRANSFERÊNCIAS DE CAPITAL 29.669.146 TOTAL 1.136.493.735 LEI Nº 16.929 DE 15 DE DEZEMBRO DE 2003 ESTIMA A RECEITA E FIXA A DESPESA DA PREFEITURA DO RECIFE PARA O EXERCÍCIO DE 2004. O POVO DA CIDADE DO RECIFE, POR SEUS REPRESENTANTES, DECRETA E EU, EM SEU NOME,

Leia mais

OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO

OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO CONSELHO NACIONAL DO TRABALHO (CNT) Órgão criado pelo Decreto nº 16.027, de 30 de abril de 1923, vinculado ao Ministério da Agricultura, Indústria e Comércio e destinado à consulta dos poderes públicos

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MOGI DAS CRUZES

PREFEITURA MUNICIPAL DE MOGI DAS CRUZES Projeto de Lei n 340/99 464 LEI N 4.864 DE 12 DE MARÇO DE 1999 Dispõe sobre a Política Municipal do Idoso, e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE MOGI DAS CRUZES; FAÇO SABER QUE A CÂMARA MUNICIPAL

Leia mais

Unidade II Poder, Estudo e Instituições Aula 10

Unidade II Poder, Estudo e Instituições Aula 10 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade II Poder, Estudo e Instituições Aula 10 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Conteúdo O Consulado: Economia, Educação

Leia mais

DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS

DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS OBJETIVOS Dotar as Promotorias de Justiça

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL (LRF) Atualizado até 13/10/2015 LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) tem como base alguns princípios,

Leia mais

01. Câmara Municipal. 02. Secretaria Municipal de Governo. 03. Gabinete do Vice-Prefeito. 04. Procuradoria Geral do Município

01. Câmara Municipal. 02. Secretaria Municipal de Governo. 03. Gabinete do Vice-Prefeito. 04. Procuradoria Geral do Município Estrutura Administrativa e Principais 01. Câmara Municipal - Lei Orgânica do Município de Teresina, de 05 de abril de 1991. - Votar o Orçamento Anual e o Plano Plurianual, bem como autorizar abertura de

Leia mais

LEI 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE

LEI 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE LEI 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006 Dispõe sobre incentivos e benefícios para fomentar as atividades de caráter desportivo e dá outras providências. * V. Dec. 6.180/2007 (Regulamenta a Lei 11.438/2006).

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE IMPERATRIZ GABINETE DO PREFEITO

ESTADO DO MARANHÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE IMPERATRIZ GABINETE DO PREFEITO LEI COMPLEMENTAR Nº 003/2014 Dispõe sobre a instituição do Regime Jurídico Único dos Servidores Públicos Efetivos do Município de Imperatriz, e dá outras providências. SEBASTIÃO TORRES MADEIRA, PREFEITO

Leia mais

LEI Nº 11.646, DE 10 DE JULHO DE 2001.

LEI Nº 11.646, DE 10 DE JULHO DE 2001. LEI Nº 11.646, DE 10 DE JULHO DE 2001. Autoriza o Poder Executivo a criar a Universidade Estadual do Rio Grande do Sul - UERGS e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Faço

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO III DA ORGANIZAÇÃO DO ESTADO CAPÍTULO II DA UNIÃO Art. 24. Compete à União, aos Estados e ao Distrito Federal legislar concorrentemente sobre:

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2002

PROJETO DE LEI N.º, DE 2002 PROJETO DE LEI N.º, DE 2002 (Do Sr. Augusto Nardes) Institui o Fundo de Desenvolvimento da Empresa de Micro e de Pequeno Porte - Banco do Pequeno Empresário, e dá outras providências. O Congresso Nacional

Leia mais

Política, Democracia e Cidadania

Política, Democracia e Cidadania Política, Democracia e Cidadania Por um jovem brasileiro atuante Por Floriano Pesaro Vereador, líder da bancada do PSDB na Câmara Municipal de São Paulo. Natural de São Paulo, Floriano é sociólogo formado

Leia mais

Constituição Federal

Constituição Federal Constituição Federal CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1 CONSTITUIÇÃO FEDERAL DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL - 1988 COM A INCORPORAÇÃO DA EMENDA 14 Capítulo III Da Educação, da Cultura e do Desporto Seção I Da Educação

Leia mais

Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social

Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social Na mesma semana em que os trabalhadores brasileiros tomaram as ruas e conseguiram suspender a votação do Projeto de Lei

Leia mais

LEI Nº 358/2011. Súmula: Institui o Fundo Municipal de Saúde e dá outras providências. Capitulo I. Objetivos

LEI Nº 358/2011. Súmula: Institui o Fundo Municipal de Saúde e dá outras providências. Capitulo I. Objetivos LEI Nº 358/2011 Faço saber a todos os habitantes que a Câmara Municipal de Cafeara, Estado do Paraná aprovou e eu sanciono a presente Lei, que revoga a Lei nº. 084/92 de 17/09/1992. Súmula: Institui o

Leia mais

Privatização, terceirização e parceria nos serviços públicos: conceitos e tendências

Privatização, terceirização e parceria nos serviços públicos: conceitos e tendências Privatização, terceirização e parceria nos serviços públicos: conceitos e tendências Por Agnaldo dos Santos* Publicado em: 05/01/2009 Longe de esgotar o assunto, o artigo Privatização, Terceirização e

Leia mais

Assembleia Popular Nacional

Assembleia Popular Nacional REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Assembleia Popular Nacional Lei n.º 2/88 Manda executar o Orçamento para o ano de 1988 A Assembleia Popular Nacional, usando da faculdade conferida pela alínea

Leia mais

Estado do Rio Grande do Norte Câmara Municipal de Natal Palácio Padre Miguelinho GABINETE DA VEREADORA AMANDA GURGEL

Estado do Rio Grande do Norte Câmara Municipal de Natal Palácio Padre Miguelinho GABINETE DA VEREADORA AMANDA GURGEL PROJETO DE LEI 103/2015 Dispõe sobre a redução do subsídio do(a) prefeito(a), do(a) vice-prefeito(a), e dos(as) vereadores(as), para o equivalente ao dobro do fixado como piso salarial nacional para os(as)

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.653, DE 7 ABRIL DE 2008. Mensagem de veto Dispõe sobre o Plano Plurianual para o período 2008/2011. seguinte Lei: O PRESIDENTE

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Página 1 de 7 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 13.089, DE 12 DE JANEIRO DE 2015. Mensagem de veto Institui o Estatuto da Metrópole, altera a Lei n o 10.257,

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SIMÃO DIAS Gabinete do Prefeito

PREFEITURA MUNICIPAL DE SIMÃO DIAS Gabinete do Prefeito LEI Nº. 632 /2014 03 de dezembro de 2.014 Dispõe sobre a criação do Programa de Coleta Seletiva com inclusão Social e Econômica dos Catadores de Material Reciclável e o Sistema de Logística Reversa e seu

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.593, DE 18 DE JANEIRO DE 2012. Mensagem de veto Institui o Plano Plurianual da União para o período de 2012 a 2015. A PRESIDENTA

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 156 DE 14 DE JANEIRO DE 2010.

LEI COMPLEMENTAR Nº 156 DE 14 DE JANEIRO DE 2010. LEI COMPLEMENTAR Nº 156 DE 14 DE JANEIRO DE 2010. Dispõe sobre a transformação da Universidade Virtual do Estado de Roraima UNIVIRR, para a categoria de Fundação Pública e dá outras providências. O GOVERNADOR

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006. Texto compilado Dispõe sobre incentivos e benefícios para fomentar as atividades de caráter

Leia mais

Resolução do Conselho de Ministros n.º 34/2012

Resolução do Conselho de Ministros n.º 34/2012 Resolução do Conselho de Ministros n.º 34/2012 A Resolução do Conselho de Ministros n.º 16/2012, de 14 de fevereiro, que aprova os critérios de determinação do vencimento dos gestores públicos, estabelece

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 ATO DAS DISPOSIÇÕES CONSTITUCIONAIS TRANSITÓRIAS Art. 90. O prazo previsto no caput do art. 84 deste Ato das Disposições Constitucionais Transitórias

Leia mais

LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009.

LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009. LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009. DISPÕE SOBRE A REESTRUTURAÇÃO DO DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE SAÚDE, CRIAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA E DESENVOLVIMENTO SOCIAL, DA DIVISÃO DE MEIO-AMBIENTE E

Leia mais

PROJETO DE LEI N o 422, DE 2007 (Apenso o PL nº 3.707, de 2008)

PROJETO DE LEI N o 422, DE 2007 (Apenso o PL nº 3.707, de 2008) ** 1 COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI N o 422, DE 2007 (Apenso o PL nº 3.707, de 2008) Altera o art. 162, Seção III, e o art. 168, Seção V, do Capítulo V do Título II da Consolidação

Leia mais

Modernização da Gestão

Modernização da Gestão Modernização da Gestão Administrativa do MPF Lei de Responsabilidade Fiscal, Finanças Públicas e o Aprimoramento da Transparência Francisco Vignoli Novembro-Dezembro/2010 MPF - I Seminário de Planejamento

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL DANIELA MURARO DEFESA DO ESTADO E DAS INSTITUIÇÕES DEMOCRÁTICAS

DIREITO CONSTITUCIONAL DANIELA MURARO DEFESA DO ESTADO E DAS INSTITUIÇÕES DEMOCRÁTICAS DEFESA DO ESTADO E DAS INSTITUIÇÕES DEMOCRÁTICAS 11.1 DEFINIÇÃO A Constituição de 1988, nos arts. 136 a 141, prescreve as regras relativas ao Estado de Defesa e ao Estado Sítio. São normas que visam à

Leia mais

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DO ARRAIAL PROJETO DE LEI MUNICIPAL N.º. /2007, DE 26 DE NOVEMBRODE 2007.

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DO ARRAIAL PROJETO DE LEI MUNICIPAL N.º. /2007, DE 26 DE NOVEMBRODE 2007. PROJETO DE LEI MUNICIPAL N.º. /2007, DE 26 DE NOVEMBRODE 2007. Cria o Fundo Municipal de Microcrédito e Apoio à Economia Solidaria-FUMAES e Institui o Conselho Gestor do FUMAES e da outras providências.

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta:

O CONGRESSO NACIONAL decreta: Altera a Lei nº 10.683, de 28 de maio de 2003, que dispõe sobre a organização da Presidência da República e dos Ministérios; autoriza a prorrogação de contratos temporários firmados com fundamento no art.

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº. 1.324/2009

LEI MUNICIPAL Nº. 1.324/2009 LEI MUNICIPAL Nº. 1.324/2009 CRIA PROGRAMAS SOCIAIS PARA ATENDIMENTO À POPULAÇÃO CARENTE DO MUNICÍPIO DE PENEDO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE PENEDO, Estado de Alagoas. Faço saber

Leia mais