BANCO CENTRAL DO BRASIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BANCO CENTRAL DO BRASIL"

Transcrição

1 BANCO CENTRAL DO BRASIL Olá, me chamo César de Oliveira Frade. Há alguns anos, leciono para concurso público nas áreas de Economia e Finanças e, atualmente, ocupo o cargo de Analista do Banco Central do Brasil. Comentarei, neste espaço, alguns aspectos importantes acerca da minha carreira, contribuindo para o projeto Conheça Minha Carreira. Os últimos concursos estão sendo divididos em áreas e tentarei, aqui, explicar como é a alocação dentro da instituição, quais as principais características de cada uma das áreas. Dessa forma, acredito que vocês poderão focar seus estudos conforme o seu desejo de trabalho. 1. Atribuições do Banco Central O Banco Central do Brasil é uma autarquia responsável: pela fiscalização das instituições financeiras; pelo meio circulante (controle da moeda em circulação); pela política monetária; pelas normas do Sistema Financeiro Nacional; pelo controle de capitais estrangeiros; pela aplicação das reservas internacionais, entre outras. É importante esclarecer algumas dessas atribuições, principalmente, para aqueles que não estão acostumados aos jargões econômicos. As instituições financeiras possuem capacidade de multiplicar os recursos, emprestar o mesmo recurso por mais de uma vez e, assim,

2 criar meios de pagamentos. No entanto, essa criação possui certa limitação definida nos fóruns internacionais e confirmada internamente. O Banco Central efetua a fiscalização para verificar se as instituições estão seguindo os parâmetros recomendados e estão praticando suas atividades dentro dos níveis de risco aceitáveis. Caso isto não esteja ocorrendo, a instituição pode liquidar essas instituições. Sabemos que cabe à Casa da Moeda a fabricação da moeda utilizada no Brasil. No entanto, a distribuição desses recursos é função precípua do Banco Central. E essa distribuição é chamada de meio circulante. Entretanto, tal função também conta com o desenvolvimento das cédulas em conjunto com a Casa da Moeda. Enquanto o serviço de meio circulante é o controle das cédulas em circulação, política monetária são as regras para que a economia tenha a quantidade necessária de recursos, controlando, assim, consumo, inflação e outros fatores economicamente importantes. Grande parte das normas do Sistema Financeiro Nacional tem origem no Banco Central. Para que as normas sejam confeccionadas, há a necessidade de um estudo constante dos produtos desenvolvidos no mercado financeiro, das tendências no mercado mundial, além dos acompanhamentos dos fóruns internacionais. 2. Estrutura Organizacional O Banco Central é dividido em sete Diretorias, quais sejam: Diretoria de Fiscalização DIFIS Diretoria de Liquidação e Controle de Operações do Crédito Rural DILID; Diretoria de Normas e Organização do Sistema Financeiro DINOR; Diretoria de Política Econômica DIPEC; Diretoria de Política Monetária DIPOM; Diretoria de Assuntos Internacionais DIREX; e

3 Diretoria de Administração DIRAD. Cada uma dessas diretorias possui alguns Departamentos subordinados a elas e ainda existe a presença de alguns poucos Departamentos ligados diretamente à Presidência da Instituição. Acredito que não seja necessário entrar em detalhes sobre as atribuições de cada uma das Diretorias, até mesmo porque seus nomes já informam, grosso modo, qual a atribuição de cada uma delas. Para maiores detalhes acerca do Organograma da Instituição, consulte o link: No entanto, é fundamental ressaltar que o Banco Central do Brasil existe em dez capitais: Belém, Brasília, Belo Horizonte, Curitiba, Fortaleza, Recife, Rio de Janeiro, São Paulo, Salvador e Porto Alegre. A sede da instituição fica em Brasília e é nesta cidade que estão a maioria dos funcionários. As regionais de São Paulo e Rio de Janeiro também possuem um grande número de funcionários. Nas outras, esse número varia de 50 a 250 pessoas trabalhando. Atualmente, o Banco Central tem cerca de funcionários na ativa, sendo mais de 40% desse quantitativo lotado na cidade de Brasília. 3. Carreiras do Banco Central do Brasil O Banco Central do Brasil possui três carreiras distintas: Procurador; Analista; e Técnico

4 As vagas para Procurador devem ser preenchidas por bacharéis em Direito e há um concurso público específico para seu preenchimento. Concurso, em geral, não coincidente com o de Analista. Em geral, os concursos para o preenchimento das vagas de Técnico e Analista ocorrem no mesmo dia. O concurso de técnico ocorreu em 1977 e depois deste somente nos anos de 2005 e Entretanto, não dentre o quantitativo de servidores, os técnicos não representam nem 10% e, no meu ponto de vista, não há uma tendência de crescimento neste quantitativo. O concurso para o cargo de Analista tem ocorrido com bastante freqüência desde 1994 e, atualmente, tem sido dividido em áreas. No entanto, independente da área, todas as pessoas terão exatamente o mesmo cargo. A área irá influenciar apenas nas matérias que deverão ser estudadas e na lotação inicial dentro da instituição. Importante esclarecer que a remoção interna não é nada simples, nem de uma cidade para outra nem de um Departamento para o outro. Logo, a decisão de que área fazer é importante não só para aumentar a probabilidade de conseguir um emprego público como também do trabalho que irá desenvolver e da cidade que irá morar. 4. Graduação exigida nos concursos Para o cargo de Procurador, há a necessidade de ser bacharel em Direito. No caso dos Analistas, exige-se nível superior em qualquer área. E, para o cargo de técnico, há a exigência de nível médio. 5. Disciplinas básicas exigidas nos concursos O concurso de 2009 foi dividido em 6 áreas distintas. E essa é uma tendência do Banco Central, pois, desta forma, facilita a lotação das pessoas nas áreas afins e reduz as reclamações que ocorriam com bastante freqüência. Acredito que deva continuar dessa forma, mas não necessariamente com a presença de todas as áreas.

5 Algumas disciplinas eram comuns para todas as áreas: Português; Direito Constitucional; Direito Administrativo; Sistema Financeiro Nacional; Economia Micro, Macro e Brasileira; Raciocínio Lógico-Quantitativo; e Língua Inglesa Outras matérias eram específicas para cada uma das áreas, sendo que algumas até repetiam. Claro que, neste último caso, de forma mais pesada, a cobrança. Área 1 Informática Nessa área as vagas estão, principalmente, em Brasília. É provável que continue tendo vagas para o próximo concurso mas não devem ser muitas. Disciplinas: Noções Gerais sobre Computadores e Sistema Computacionais; Ambientes Operacionais Corporativos e Infraestrutura de Servidores; Segurança da Informação; Redes de Computadores; Bancos de Dados Corporativos; Gerência de Projetos; Métricas de Software; Engenharia de Software; Modelagem de Processos de Negócio; Acessibilidade e Engenharia de Usabilidade; Portais Corportativos; Desenvolvimento; Testes; Gestão e Recursos Informacionais e Soluções de Suporte à Decisão. Área 2 Economia Essa área costuma ter um quantitativo grande de vagas. Perde apenas para a área de Fiscalização. Em geral, mais de 80% das vagas são destinadas para Brasília, podendo apresentar algumas nas regionais, principalmente no Rio de Janeiro. No entanto, ressalto que o quantitativo do Rio de Janeiro é pequeno. Em geral, para as

6 pessoas que trabalharão no Departamento de Mercado Aberto. Com certeza, essa área será contemplada no próximo concurso. Disciplinas: Operações Bancárias e Contabilidade de Instituições Financeiras; Estatística; Econometria; Finanças; Macroeconomia; Microeconomia. Área 3 Fiscalização Em geral, essa área é a que possui o maior número de vagas nos concursos. A maior parte das vagas é destinada a São Paulo, mas, normalmente, cede servidores novos para todas as regionais. Ou seja, seria a área ideal para aquela pessoa que não tem interesse em morar em Brasília. No próximo certame, deve continuar tendo o maior número de vagas. Disciplinas: Operações Bancárias e Contabilidade de Instituições Financeiras; Supervisão de Instituições Financeiras; Direito Administrativo, Comercial e Penal; Estatística; Finanças; Auditoria Governamental. Área 4 Administrativa e Comunicação Grande parte das vagas é para Brasília. Essa também deverá ser uma área contemplada no próximo certame. Muitas pessoas que trabalham nessas áreas estão se aposentando. Disciplinas: Organizações; Estratégia e Planejamento; Modelagem de Processos de Negócios; Comunicação; Estatística. Área 5 Engenharia Grande parte das vagas é para Brasília. Essa é uma área que tem grande probabilidade de ter vaga no próximo concurso. Tal fato se

7 deve, também, às aposentadorias. Pode também ser unida com a área 4. Disciplinas: Organizações; Matemática Financeira; Contabilidade Auditoria; Operações Logísticas e Infraestrutura. Área 6 Orçamento e Liquidação Essa é uma área pequena dentro do Banco e que corre o risco de não ter vagas no próximo concurso. Disciplinas: Organizações; Administração Financeira e Orçamentária; Direito Civil; Direito Processual Civil; Direito Empresarial; Legislação Específica. 6. Lotação inicial A lotação inicial está intimamente ligada à área prestada no concurso público. É claro que existem exceções, mas irei tentar fazer uma relação das áreas de concentração no concurso com os Departamentos que os novos servidores serão/foram lotados. Tudo isso com base no último concurso (2009). A área 1 foi de Informática e grande parte das vagas destinadas para Brasília. As pessoas, em geral, foram lotadas no Departamento de Informática DEINF. A área 2 foi a área de Economia. Talvez essa seja a área com maior representatividade no Banco Central e que mais Departamentos recebem funcionários. Todos os Departamentos das Diretorias de Normas, de Política Monetária e Política Econômica recebem funcionários desta área. Além disso, a GENCE também pode ser incluída nessa área. Importante ressaltar que o Departamento de Mercado Aberto faz parte da Diretoria de Política Monetária e é um dos três únicos Departamentos do Banco Central cuja sede está fora

8 de Brasília. O DEMAB fica no Rio de Janeiro e os funcionários que são lotados no Rio de Janeiro, em geral, vão para o DEMAB. A área 3 é a área de Fiscalização. Todos os Departamentos da Diretoria de Liquidação e Crédito Rural e os Departamentos da Diretoria de Fiscalização com exceção do DECOP recebem funcionários dessa área. O Departamento de Auditoria Interna e a Contabilidade do Banco Central (DEAFI) também fazem parte dessa área. Importante ressaltar que há uma descentralização da Fiscalização Externa (DESUP) e, portanto, é comum ter vaga em todas as regionais nesta área. O que pode ocorrer é uma movimentação interna antes do concurso e tal fato pode reduzir as vagas em regionais como Belo Horizonte e Rio de Janeiro, pois são as mais procuradas internamente. O DESUP tem a sua sede em São Paulo. A área 4 atende basicamente a Diretoria de Administração, com exceção do Departamento de Informática, DEAFI. No entanto, os funcionários do DECOP Diretoria de Fiscalização também saem desta área, pois o DECOP é uma espécie de comunicação dessa Diretoria. A área 5, em sua maioria, fornece funcionários para o DEMAP Departamento de Materiais. Esse é o Departamento responsável pela fiscalização das reformas e qualquer obra civil dos prédios nas diversas regionais. Além disso, a parte de licitação também está subordinada a esse Departamento. Algumas áreas da SECRE também são contempladas com esses servidores. A área 6 visa atender, basicamente, à Diretoria de Liquidação. É claro que estou fazendo um resumo simples da divisão e nem sempre essa regra é atendida. Podem ocorrer mudanças por necessidade da administração ou mesmo porque servidores novos fizeram algum tipo de solicitação e foram atendidos. Mas, em geral, podemos resumir dessa forma.

9 É muito comum as pessoas pedirem para que eu faça um resumo das atividades diárias de um servidor do BACEN. No entanto, isso não é possível. O BACEN tem mais de 30 Departamentos e cada um deles tem um funcionamento diferente. Não tem como relacionar a atividade do servidor que pesquisa o desenvolvimento dos métodos de segurança das moedas mundiais e a ação dos falsários (atribuição do MECIR) com aqueles que participam da fiscalização externa das instituições financeiras (DESUP) ou mesmo os que aplicam as reservas internacionais (DEPIN). Logo, essa pergunta não tem uma resposta. O que posso dizer é que, em 99% dos casos, o ambiente de trabalho é muito bom, não há aquela competição predatória e sempre há muito respeito entre as pessoas. A relação humana é muito boa. No entanto, existem trabalhos interessantes e outros muito burocráticos e a divisão por área serve para tentar alocar os servidores conforme suas características e intenções. O que as pessoas não podem pensar é que estão entrando na organização para, de início, ocupar cargos importantes e auxiliar nas decisões macroeconômicas. Isso não ocorre, de forma alguma. 7. Remuneração e Benefícios A remuneração inicial de um analista do Banco Central está em R$12.960,77. A progressão ocorre a cada 24 meses podendo ser aplicado um redutor de 180 dias. A remuneração final está em R$18.478,45. Os técnicos possuem uma remuneração inicial da ordem de R$4.917,28 e final de R$8.449,13. A forma de progressão e o redutor funcionam de forma análoga aos analistas. O horário de trabalho, em Brasília, é das 9:00 às 12:30 e 14:00 às 18:30. Em algumas regionais, há uma redução do horário de almoço para que os funcionários sejam liberados mais cedo.

10 Em geral, não existe nem banco de horas nem horário especial. Em alguns poucos lugares, há a necessidade de o serviço começar em horário diferenciado (tem um lugar que começa às 6 da manhã). Nesses casos, os funcionários fazem um horário diferente. Os funcionários possuem um plano de saúde interno que, no meu ponto de vista, é satisfatório. Esse plano tem convênio com alguns dos melhores hospitais do país, possui tratamento dentário, psicológico, exames, etc. Os funcionários custeiam o plano, sendo que a contribuição varia de 1% a 3% do salário, conforme o número de dependentes. Existem 5 funções comissionadas que são dadas por merecimento. Essas funções são recebidas por aquelas pessoas mais dedicadas, que conhecem melhor o trabalho, que possuem certo tempo de casa. Tudo isso conta na avaliação. Em geral, nada é feito de forma atropelada. As pessoas sempre sabem quem é o próximo da fila e, em geral, isso ocorre. Outro item importante é a liberação com salário para cursos de mestrado e doutorado. A regra é que, no máximo, 3% do efetivo pode estar liberado para fazer esses cursos em Universidades que possuam nota CAPES 5 ou superior. Se a pessoa estiver fazendo o mestrado deverá retornar em dois anos com a dissertação defendida. Se o curso for de doutorado, o prazo para término é de 4 anos. Caso o prazo termine e a pessoa não tenha feito a defesa, ela pagará ao Banco o valor recebido enquanto esteve de licença (limitado a 10% do salário) e este pagamento cessará com a defesa da tese ou dissertação. No entanto, a pessoa não poderá se desligar do Governo Federal por prazo idêntico àquele que esteve de licença. Caso seja feito o desligamento, a totalidade dos salários recebidos deverá compor a indenização a ser paga pelo servidor à instituição. 8. Mobilidade e remoção Esse é um tema complicado. A mobilidade de um Departamento para outro é algo complicado dentro do Banco Central. Em geral, a

11 mobilidade ocorre com troca. Mas quando ambos estão insatisfeitos é bem provável que a pessoa esteja trocando seis por meia dúzia. Mesmo com outro Departamento oferecendo uma função comissionada é comum que o chefe não autorize a mudança com a justificativa de que não tem quantitativo suficiente de funcionários. A remoção é ainda mais complicada. Existem inúmeras pessoas que chegaram a Brasília com o intuito de voltar para as suas cidades ou para próximo delas. Portanto, tem muita gente interessada em ocupar vagas nas regionais, principalmente, Belo Horizonte e Rio de Janeiro. Remoções para Brasília e São Paulo tendem a ser menos complicadas que as outras. 9. Mitos Tem sido muito comum comentários de que quem não tem mestrado ou doutorado não tem condições de ingressar no Banco Central. Isso é um grande mito. É claro que qualquer pessoa tem condição de ingressar no BACEN e no concurso, não passam apenas mestres e doutores. Na verdade, passam alguns poucos mestre e doutores. Portanto, vai um recado, a prova de títulos NÃO é fundamental para o êxito neste concurso. César Frade

Curso DSc. Você no curso certo. Concurso Público: Carreiras Correlatas - Bacen, CVM e SUSEP

Curso DSc. Você no curso certo. Concurso Público: Carreiras Correlatas - Bacen, CVM e SUSEP Curso DSc Você no curso certo Concurso Público: Carreiras Correlatas - Bacen, CVM e SUSEP Concurso Público Planejamento de Médio Prazo Não é Vestibular Foco no Edital Questões sorteadas Não cai tudo Não

Leia mais

FACULDADE MORAES JÚNIOR CARGA HORÁRIA DAS DISCIPLINAS POR CURSO CIÊNCIAS CONTÁBEIS CARGA HORÁRIA SÉRIE DISCIPLINA SEMANAL ANUAL 2ª

FACULDADE MORAES JÚNIOR CARGA HORÁRIA DAS DISCIPLINAS POR CURSO CIÊNCIAS CONTÁBEIS CARGA HORÁRIA SÉRIE DISCIPLINA SEMANAL ANUAL 2ª FACULDADE MORAES JÚNIOR DAS DISCIPLINAS POR CURSO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Duração do Curso: 4 anos. Total de 3.200 horas-aula CIÊNCIAS CONTÁBEIS SÉRIE DISCIPLINA SEMANAL ANUAL 2ª Contabilidade e Análise

Leia mais

CONHEÇA MINHA CARREIRA CONSULTOR LEGISLATIVO DO SENADO FEDERAL

CONHEÇA MINHA CARREIRA CONSULTOR LEGISLATIVO DO SENADO FEDERAL CONHEÇA MINHA CARREIRA CONSULTOR LEGISLATIVO DO SENADO FEDERAL Olá, concurseiro(a)! Meu nome é Luciano Oliveira e sou Consultor Legislativo do Senado Federal. Também já exerci os cargos de Auditor Federal

Leia mais

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO 05/IN01/DSIC/GSIPR 00 14/AGO/09 1/7 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações CRIAÇÃO DE EQUIPES DE TRATAMENTO E RESPOSTA A INCIDENTES

Leia mais

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ JOVEM APRENDIZ Eu não conhecia nada dessa parte administrativa de uma empresa. Descobri que é isso que eu quero fazer da minha vida! Douglas da Silva Serra, 19 anos - aprendiz Empresa: Sinal Quando Douglas

Leia mais

Organização administrativa. Estrutura organizacional. A UniBacen tem a seguinte estrutura organizacional:

Organização administrativa. Estrutura organizacional. A UniBacen tem a seguinte estrutura organizacional: Organização administrativa Estrutura organizacional A UniBacen tem a seguinte estrutura organizacional: I órgãos de assistência direta e imediata à Chefia: a) Escritório de Projetos (Espro) b) Coordenação

Leia mais

Prof. Clovis Alvarenga Netto

Prof. Clovis Alvarenga Netto Escola Politécnica da USP Departamento de Engenharia de Produção Março/2009 Prof. Clovis Alvarenga Netto Aula 05 Organização da produção e do trabalho Pessoas e sua Organização em Produção e Operações

Leia mais

NOTA INFORMARTIVA Nº 270/2011/CGNOR/DENOP/SRH/MP

NOTA INFORMARTIVA Nº 270/2011/CGNOR/DENOP/SRH/MP Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Recursos Humanos Departamento de Normas e Procedimentos Judiciais Coordenação-Geral de Elaboração, Sistematização e Aplicação das Normas NOTA

Leia mais

Carreira de Planejamento e Orçamento: Analista de Planejamento e Orçamento (APO)

Carreira de Planejamento e Orçamento: Analista de Planejamento e Orçamento (APO) Carreira de Planejamento e Orçamento: Analista de Planejamento e Orçamento (APO) Olá amigos! Como é bom estar aqui! Hoje venho falar de uma carreira reconhecida como uma das principais do serviço público

Leia mais

CARREIRA E CONCURSO CHAN

CARREIRA E CONCURSO CHAN CARREIRA E CONCURSO OF CHAN ÍNDICE 3... INTRODUÇÃO 5... O CONCURSO 10... ENTREVISTAS CURSO SAPIENTIA 3 INTRODUÇÃO. No mundo dos concursos públicos, poucas pessoas conhecem os concursos para o Serviço Exterior

Leia mais

Como calcular o número necessário de servidores? E QUANDO O PROCESSO DE TRABALHO NÃO É QUANTIFICÁVEL COM FACILIDADE? ALTERNATIVA 2 Uma possibilidade para transpor essa restrição seria a utilização de um

Leia mais

FLUXO DE CAIXA: Módulo BI (Business Intelligence)

FLUXO DE CAIXA: Módulo BI (Business Intelligence) RELATÓRIO DE ESTÁGIO: Tânia Cristina Leite RA: 046567 Orientador: Prof. Dr. Aurelio Ribeiro Leite de Oliveira FLUXO DE CAIXA: Módulo BI (Business Intelligence) Universidade Estadual de Campinas Instituto

Leia mais

Carreira Fiscal Racional de Estudos

Carreira Fiscal Racional de Estudos Carreira Fiscal Racional de Estudos Área Fiscal Cargos e Órgãos Publicação Banca Salário Receita Federal - Auditor 10/03/14 ESAF R$ 14.965,44 Receita Federal - Analista 06/07/12 ESAF R$ 8.624,56 ICMS

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília Edital nº 20/CGPE/PRDI/IFB, de 18 de Dezembro de 2009.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília Edital nº 20/CGPE/PRDI/IFB, de 18 de Dezembro de 2009. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília Edital nº 20/CGPE/PRDI/IFB, de 18 de Dezembro de 2009. PROCESSO DE REMOÇÃO INTERNA DE SERVIDORES DOCENTES. Considerando

Leia mais

Entenda agora as mudanças para as novas contratações do FIES

Entenda agora as mudanças para as novas contratações do FIES Entenda agora as mudanças para as novas contratações do FIES Em notícias divulgadas nos meios de comunicação o Ministério da Educação informou as mudanças constantes relacionadas ao FIES. Segue abaixo

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

CONVÊNIO BACEN / STJ / CJF 2005.

CONVÊNIO BACEN / STJ / CJF 2005. CONVÊNIO DE COOPERAÇÃO TÉCNICO- INSTITUCIONAL QUE FAZEM ENTRE SI O BANCO CENTRAL DO BRASIL, O SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA E O CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL, PARA FINS DE OPERACIONALIZAÇÃO DO SISTEMA BACEN

Leia mais

Currículos dos Cursos do CCH UFV CIÊNCIAS ECONÔMICAS. COORDENADORA DO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS Giovana Figueiredo Rossi grossi@ufv.

Currículos dos Cursos do CCH UFV CIÊNCIAS ECONÔMICAS. COORDENADORA DO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS Giovana Figueiredo Rossi grossi@ufv. 212 CIÊNCIAS ECONÔMICAS COORDENADORA DO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS Giovana Figueiredo Rossi grossi@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2002 213 Bacharelado ATUAÇÃO O curso de Ciências Econômicas visa à

Leia mais

ADM002 Filosofia e Ética Empresarial - 2 36 ADM003 Contabilidade Geral - 4 72 ADM004 Metodologia Científica - 2 36 ADM005 Métodos Quantitativos - 4 72

ADM002 Filosofia e Ética Empresarial - 2 36 ADM003 Contabilidade Geral - 4 72 ADM004 Metodologia Científica - 2 36 ADM005 Métodos Quantitativos - 4 72 Matriz Curricular do Curso de Administração 2015.1 1ª Fase CÓDIGO DISCIPLINAS PRÉ- REQUISITOS CRED ADM001 Interpretação e Produção de Textos - ADM002 Filosofia e Ética Empresarial - 2 36 ADM003 Contabilidade

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações. Um SIG gera

Leia mais

CONCURSO AFC/CGU 2008 (Ampla Concorrência) Rafael da Silva Assunção Wallace Sousa Circuncisão

CONCURSO AFC/CGU 2008 (Ampla Concorrência) Rafael da Silva Assunção Wallace Sousa Circuncisão CONCURSO AFC/CGU 2008 (Ampla Concorrência) Rafael da Silva Assunção Wallace Sousa Circuncisão Março/2012 PERFIL DO CANDIDATO APROVADO (Parte 1) Apoio: ESAF Concurso AFC/CGU 2008 Parte 1 2 NOTA AO LEITOR

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 012/07 CONSUNI

RESOLUÇÃO Nº 012/07 CONSUNI RESOLUÇÃO Nº 012/07 CONSUNI APROVA A ALTERAÇÃO DA MATRIZ CURRICULAR DOS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO HABILITAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR E ADMINISTRAÇÃO HABILITAÇÃO EM MARKETING E O REGULAMENTO

Leia mais

HORÁRIO COMPLETO 2º SEMESTRE DE 2015

HORÁRIO COMPLETO 2º SEMESTRE DE 2015 MANHÃ Turma 1A ADM/ECO 07:30 ANÁLISE MICRO I CÁLCULO I CÁLCULO I ANÁLISE ESTATÍSTICA I FUNDAMENTOS DE ADM I 09:55 LABORATÓRIO DE NEGÓCIOS ANÁLISE MACRO I ANÁLISE ESTATÍSTICA I FUNDAMENTOS DE ADM I ANÁLISE

Leia mais

Sistema de Controle Acadêmico. Grade Curricular. Curso : ADMINISTRAÇÃO. CRÉDITOS Obrigatórios: 176 Optativos: 24. 1º Semestre

Sistema de Controle Acadêmico. Grade Curricular. Curso : ADMINISTRAÇÃO. CRÉDITOS Obrigatórios: 176 Optativos: 24. 1º Semestre Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Pró-reitoria de Graduação - DAARG DRA - Divisão de Registros Acadêmicos Sistema de Controle Acadêmico Grade Curricular 30/01/2014-13:12:25 Curso : ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Manual de Recursos Humanos

Manual de Recursos Humanos Manual de Recursos Humanos Associação dos Amigos do Paço das Artes Francisco Matarazzo Sobrinho Organização Social de Cultura 1 Finalidade: Disponibilizar princípios básicos de gestão de pessoal que devem

Leia mais

Sistema de Controle Acadêmico. Grade Curricular. Curso : ADMINISTRAÇÃO NOTURNO - NOVA IGUAÇU

Sistema de Controle Acadêmico. Grade Curricular. Curso : ADMINISTRAÇÃO NOTURNO - NOVA IGUAÇU Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Pró-reitoria de Graduação - DAARG DRA - Divisão de Registros Acadêmicos Sistema de Controle Acadêmico Grade Curricular 21/06/2012-13:32:04 Curso : ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Subsecretaria de Planejamento, Orçamento e Administração Coordenação-Geral de Recursos Humanos

MINISTÉRIO DA FAZENDA Subsecretaria de Planejamento, Orçamento e Administração Coordenação-Geral de Recursos Humanos MINISTÉRIO DA FAZENDA QUADRO GERAL DO PLANO SETORIAL DE APRENDIZAGEM PERMANENTE - 2007 ÓRGÃO: GERÊNCIA REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DO MINISTERIO DA FAZENDA NO PIAUI - GRA-PÍ Campos de Conhecimento Número

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR 1. Como são os cursos ofertados pela plataforma freire e quais os benefícios para os professores que forem selecionados? O professor sem formação poderá estudar nos

Leia mais

CALENDÁRIO DE EXAMES DA ÉPOCA ESPECIAL 2006/2007 (De 10 de Setembro a 19 de Setembro de 2007) Licenciatura em ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

CALENDÁRIO DE EXAMES DA ÉPOCA ESPECIAL 2006/2007 (De 10 de Setembro a 19 de Setembro de 2007) Licenciatura em ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Licenciatura em Administração Pública Licenciatura em ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DATA 1º ANO Hora 2º ANO Hora 3º ANO Hora 4º ANO Hora Seg. 10/09 Direito Administrativo I Gestão Financeira Gestão Financeira

Leia mais

LEI Nº 8.966 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003

LEI Nº 8.966 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003 Publicada D.O.E. Em 23.12.2003 LEI Nº 8.966 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003 Reestrutura o Plano de Carreira do Ministério Público do Estado da Bahia, instituído pela Lei nº 5.979, de 23 de setembro de 1990,

Leia mais

EDITAL SG-Nº 068/2015

EDITAL SG-Nº 068/2015 EDITAL SGNº 068/2015 Comunicamos aos senhores alunos das Faculdades Integradas Santa Cruz de Curitiba FARESC, as disciplinas que serão ofertadas em Período Especial: Disciplina Administração Financeira

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I. Introdução à Administração Financeira

Administração Financeira e Orçamentária I. Introdução à Administração Financeira Administração Financeira e Orçamentária I Introdução à Administração Financeira Conteúdo O Campo das Finanças A Função Financeira na Empresa As Funções do Administrador Financeiro O Objetivo da Empresa

Leia mais

PROVA DE LEGISLAÇÃO Apenas as alternativas II e III são garantias contratuais admitidas para contratos com a Administração Pública.

PROVA DE LEGISLAÇÃO Apenas as alternativas II e III são garantias contratuais admitidas para contratos com a Administração Pública. PROVA DE LEGISLAÇÃO 1 São admitidas como garantias contratuais para as contratações de obras, serviços e compras efetuados pela Administração Pública: I Hipoteca de imóveis. II Seguro-garantia. III Fiança

Leia mais

RESOLUÇÃO N 11/CUn/97, de 29 de julho de 1997.

RESOLUÇÃO N 11/CUn/97, de 29 de julho de 1997. RESOLUÇÃO N 11/CUn/97, de 29 de julho de 1997. Dispõe sobre os Afastamentos de Curta, Média e Longa Duração de Docentes. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal de Santa Catarina,

Leia mais

EXISTE UM NOVO JEITO DE DELIGENCIAR. suas finanças. Ascent. Consultores

EXISTE UM NOVO JEITO DE DELIGENCIAR. suas finanças. Ascent. Consultores EXISTE UM NOVO JEITO DE DELIGENCIAR suas finanças Ascent MISSÃO Prestar serviços profissionais diferenciados que sejam uma ferramenta útil para a tomada de decisões e agreguem valor ao cliente, baseada

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

Currículos dos Cursos do CCH UFV ADMINISTRAÇÃO. COORDENADOR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Djair Cesário de Araújo dejair@ufv.br

Currículos dos Cursos do CCH UFV ADMINISTRAÇÃO. COORDENADOR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Djair Cesário de Araújo dejair@ufv.br 212 ADMINISTRAÇÃO COORDENADOR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Djair Cesário de Araújo dejair@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2002 213 Bacharelado ATUAÇÃO O Administrador é habilitado a gerir recursos de toda

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

LOGÍSTICA EMENTAS DO CURSO

LOGÍSTICA EMENTAS DO CURSO LOGÍSTICA EMENTAS DO CURSO 1º P TÉCNICAS DE COMUNICAÇÃO ORAL E ESCRITA Técnicas de leitura, interpretação e produção de textos, expressão oral e apresentação de trabalhos acadêmicos, argumentação científica.

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA LEI Nº 2.054, DE 29 DE OUTUBRO DE 2015 (D.O.M. 29.10.2015 N. 3.763 Ano XVI) DISPÕE sobre a estrutura organizacional da Secretaria Municipal de Finanças, Tecnologia da Informação e Controle Interno Semef,

Leia mais

A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES. Evolução do TI e Gestão das Organizações Gestão de Projetos Métodos Ágeis

A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES. Evolução do TI e Gestão das Organizações Gestão de Projetos Métodos Ágeis A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES Evolução do TI e Gestão das Organizações Gestão de Projetos Métodos Ágeis Vamos nos conhecer e definir as diretrizes de nosso curso??? www.eadistancia.com.br

Leia mais

Com objetivo de facilitar o acesso às disciplinas disponíveis no ambiente Moodle, pedimos a todos que leiam com atenção as seguintes orientações.

Com objetivo de facilitar o acesso às disciplinas disponíveis no ambiente Moodle, pedimos a todos que leiam com atenção as seguintes orientações. Prezados Alunos, Com objetivo de facilitar o acesso às disciplinas disponíveis no ambiente Moodle, pedimos a todos que leiam com atenção as seguintes orientações. Inscrição MOODLE Para inscrição nas disciplinas

Leia mais

Uso de Equipamentos de Informática e Telecomunicações

Uso de Equipamentos de Informática e Telecomunicações O SETOR SERVIÇOS DO ESTADO DO ACRE Estrutura Características Setoriais e Regionais A Paer pesquisou as unidades locais, com mais de 20 pessoas ocupadas, do setor serviços do, constatando a presença de

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO SUPERIOR DE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2014 Atualizado em 6 de junho de 2014 pela Assessoria de

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DEZEMBRO 1967

REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DEZEMBRO 1967 Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getulio Vargas REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DEZEMBRO 1967 Art. 1 O CPG Curso de Pós-Graduação, da Escola de Administração de Empresas

Leia mais

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES Introdução A questão dos recursos humanos na área de Tecnologia da Informação é assunto de preocupação permanente no Colégio de

Leia mais

CAPÍTULO I DA CARREIRA Seção I Disposições iniciais. Seção II Do quadro

CAPÍTULO I DA CARREIRA Seção I Disposições iniciais. Seção II Do quadro LEI COMPLEMENTAR Nº 442, de 13 de maio de 2009 Procedência Governamental Natureza PLC/0006.2/2009 DO. 18.604 de 14/05/2009 *Alterada pela LC 534/11 *Ver Lei LC 534/11 (art. 72) *Regulamentada pelo Dec.

Leia mais

Experiência Gestão do conhecimento e alocação de recursos humanos no setor público. A experiência do Banco Central do Brasil.

Experiência Gestão do conhecimento e alocação de recursos humanos no setor público. A experiência do Banco Central do Brasil. Experiência Gestão do conhecimento e alocação de recursos humanos no setor público. A experiência do Banco Central do Brasil. Responsável/Equipe: Gercy Brasil Cardoso Lima (Responsável) - gercy@bcb.gov.br

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 080/2014, DE 25 DE JUNHO DE 2014 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 080/2014, DE 25 DE JUNHO DE 2014 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG RESOLUÇÃO Nº 080/2014, DE 25 DE JUNHO DE 2014 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho Universitário da UNIFAL-MG, no uso de suas atribuições regimentais e estatutárias,

Leia mais

INCISO IV COMPONENTES CURRICULARES DE CADA CURSO, SUA DURAÇÃO, REQUISITOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

INCISO IV COMPONENTES CURRICULARES DE CADA CURSO, SUA DURAÇÃO, REQUISITOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO INCISO IV COMPONENTES CURRICULARES DE CADA CURSO, SUA DURAÇÃO, REQUISITOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Graduação em Administração - FECAP Grade Curricular - 2º Semestre em 2013 (sujeita a alteração) 1 Semestre

Leia mais

CONCEITOS E INSTRUÇÕES. Índice

CONCEITOS E INSTRUÇÕES. Índice CONCEITOS E INSTRUÇÕES Índice 1. CONCEITOS... 2 1.1. O QUE É SERVIÇO?... 2 1.2. O QUE É CONSULTORIA?... 2 1.3. O QUE É ASSESSORIA?... 2 1.4. O QUE É SUPORTE TÉCNICO?... 2 1.5. QUAL A DIFERENÇA ENTRE SUPORTE

Leia mais

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 000571 - TECNOL.GESTAO FINANCEIRA Nivel: Superior

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 000571 - TECNOL.GESTAO FINANCEIRA Nivel: Superior PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO Curso: 000571 - TECNOL.GESTAO FINANCEIRA Nivel: Superior Area Profissional: ECONOMIA Area de Atuacao: GESTAO FINANCEIRA/ECONOMIA Administrar os

Leia mais

Con o s n e s l e h l o h o p a p r a a a v o v c o ê c ê s e s r e um u m p r p ofi o s fi s s i s o i n o a n l a

Con o s n e s l e h l o h o p a p r a a a v o v c o ê c ê s e s r e um u m p r p ofi o s fi s s i s o i n o a n l a Conselho para você ser um profissional Contábil bem-sucedido Conselho para você ser um profissional Contábil bem-sucedido 1) Valorize a profissão: é a única com desemprego zero; tem 23 áreas de especialização

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA LEI Nº 2.051, DE 23 DE OUTUBRO DE 2015 (D.O.M. 23.10.2015 N. 3.759 Ano XVI) DISPÕE sobre a estrutura organizacional da Secretaria Municipal de Administração, Planejamento e Gestão Semad, suas finalidades

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS O PREFEITO DE MANAUS LEI DELEGADA N 10, DE 31 DE JULHO DE 2013 (D.O.M. 31.07.2013 N. 3221 Ano XIV) DISPÕE sobre a estrutura organizacional da SECRETARIA MUNICIPAL DE FINANÇAS, TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.707, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2006. Institui a Política e as Diretrizes para o Desenvolvimento de Pessoal da administração

Leia mais

MANUAL DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS SERVIDORES TÉCNICO- ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO UFES 2015 SUMÁRIO

MANUAL DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS SERVIDORES TÉCNICO- ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO UFES 2015 SUMÁRIO MANUAL DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS SERVIDORES TÉCNICO- ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO UFES 2015 SUMÁRIO 1. Apresentação O Programa de Avaliação de Desempenho constitui um processo pedagógico, coletivo

Leia mais

O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE DOMÍNIOS

O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE DOMÍNIOS O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE DOMÍNIOS A POP3 reuniu aqui as principais orientações para registro, renovação e transferência de domínios, entre outras questões que possam ajudar você a entender como funcionam

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010.

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. Pág. 1 de 5 LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. CRIA O FUNDO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL FMHIS E INSTITUI O CONSELHO GESTOR DO FMHIS. O PREFEITO MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL ACRE, EM EXERCÍCIO,

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

Matrícula: as dúvidas mais frequentes dos alunos da RETEC

Matrícula: as dúvidas mais frequentes dos alunos da RETEC Matrícula: as dúvidas mais frequentes dos alunos da RETEC 1. Qual o período da matrícula? O período de matrícula compreende o período de 23 de julho a 3 de agosto. A partir de 7 de agosto, poderá haver

Leia mais

Parágrafo único. Aplica-se aos titulares dos órgãos referidos no caput deste artigo o disposto no art. 2º, 2º, desta Lei Complementar.

Parágrafo único. Aplica-se aos titulares dos órgãos referidos no caput deste artigo o disposto no art. 2º, 2º, desta Lei Complementar. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 518, DE 26 DE JUNHO DE 2014. Dispõe sobre a organização e o funcionamento da Assessoria Jurídica Estadual, estrutura a Carreira e o Grupo Ocupacional dos titulares

Leia mais

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom Entrevista esclarece dúvidas sobre acúmulo de bolsas e atividadess remuneradas Publicada por Assessoria de Imprensa da Capes Quinta, 22 de Julho de 2010 19:16 No dia 16 de julho de 2010, foi publicada

Leia mais

Gerenciamento de Níveis de Serviço

Gerenciamento de Níveis de Serviço Gerenciamento de Níveis de Serviço O processo de Gerenciamento de Níveis de Serviço fornece o contato entre a organização de TI e o cliente, para garantir que a organização de TI conhece os serviços que

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO SUPERIOR DE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2014 Atualizado em 6 de junho de 2014 pela Assessoria

Leia mais

TITULAÇÕES - VIRGINIA RAMALHO

TITULAÇÕES - VIRGINIA RAMALHO TITULAÇÕES - VIRGINIA RAMALHO LEGENDAS: LP (LICENCIATURA PLENA) EII (ESQUEMA II) 01 - Projeto de Redes I (Redes de Computadores) de Sistemas de Informação Análise de Sistemas Análise de Sistemas Administrativos

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS EDITAL 05/2014

PERGUNTAS E RESPOSTAS EDITAL 05/2014 PERGUNTAS E RESPOSTAS EDITAL 05/2014 Atualizado em 10/11/2014 Esta nota tem o objetivo de esclarecer as instituições que pretendam apresentar propostas de projetos ao Edital 05/2014. 1. No que se refere

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Identificação do Curso Nome do Curso: Sistemas de Informação Titulação: Bacharelado Modalidade de ensino: Presencial

Leia mais

Cargo Servidores Técnico do Banco Central do Brasil 861 Analista do Banco Central do Brasil 5.309 Procurador do Banco Central do Brasil 300 Total

Cargo Servidores Técnico do Banco Central do Brasil 861 Analista do Banco Central do Brasil 5.309 Procurador do Banco Central do Brasil 300 Total 1. O Banco Central Quadro de servidores definido em lei A Lei N 9650 de 27 de maio de 1998 estabelece o plano de carreira dos servidores do Banco Central do Brasil e determina outras providências como

Leia mais

Análise do Edital ISS Salvador 2014

Análise do Edital ISS Salvador 2014 Análise do Edital ISS Salvador 2014 Olá amigos concurseiros, É com um carinho mais que especial que divulgo que no dia 15/09/2014) saiu uma BOMBA NORDESTINA, ou seja, o concurso para Auditor Fiscal do

Leia mais

PARA SEMPRE CERTIFICAÇÃO FLORESTAL FSC. Carmen Figueiredo

PARA SEMPRE CERTIFICAÇÃO FLORESTAL FSC. Carmen Figueiredo PARA SEMPRE CERTIFICAÇÃO FLORESTAL FSC Carmen Figueiredo PARA SEMPRE CERTIFICAÇÃO FLORESTAL FSC 1ª edição 2005 Realização Apoio CRÉDITOS Produção Ethnos estratégias socio ambientais - ethnosconsultoria@uol.com.br

Leia mais

GRATIFICAÇÃO POR ENCARGO DE CURSO OU CONCURSO

GRATIFICAÇÃO POR ENCARGO DE CURSO OU CONCURSO GRATIFICAÇÃO POR ENCARGO DE CURSO OU CONCURSO DEFINIÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES DEFINIÇÃO É a gratificação devida ao servidor em razão de

Leia mais

Manual. Por: PET ADM UFMG. Um guia para conhecer melhor a faculdade

Manual. Por: PET ADM UFMG. Um guia para conhecer melhor a faculdade Manual Do Calouro Por: PET ADM UFMG Um guia para conhecer melhor a faculdade índice PET ADM UFMG Capítulo 1 O curso de Administração Capítulo 2 Oportunidades UFMG Capítulo 3 - Espaços mais importantes

Leia mais

GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS

GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS Graduação PROCESSOS GERENCIAIS 1.675 HORAS Prepara os estudantes para o empreendedorismo e para a gestão empresarial. Com foco nas tendências

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MATEMÁTICA NAS ÁREAS DO CONHECIMENTO

A IMPORTÂNCIA DA MATEMÁTICA NAS ÁREAS DO CONHECIMENTO A IMPORTÂNCIA DA MATEMÁTICA NAS ÁREAS DO CONHECIMENTO 1. Introdução: Por que a Matemática? Eu, Alessandro Ferreira Alves professor de Matemática já alguns anos, já vivenciei em vários momentos a experiência

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 64/2011 Altera a Resolução nº. 57/2007 do CONSEPE, que aprova o Projeto Político-Pedagógico

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2010.2 A BRUSQUE (SC) 2014 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INFORMÁTICA APLICADA À... 4 02 MATEMÁTICA APLICADA À I... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA... 4 04 PSICOLOGIA... 5 05

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

MA UAL DE ECURSOS HUMANOS

MA UAL DE ECURSOS HUMANOS CATAVENTOCULTURAL E EDUCACIONAL MA UAL D RECUR O HUMA O 13187 MA UAL DE ECURSOS HUMANOS Catavento Cultural e Educacional Organização Social de Cultura CATA VENTO CULTURAL E EDUCACIONAL MANUAL DE RECURSOS

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS UNIVERSIDADE DE CRUZ ALTA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Reconhecido pela Portaria nº 706 de 18/12/2013 D.O.U. 19/12/13 Base Curricular do Curso de Ciências Contábeis

Leia mais

ESTÁGIO PROBATÓRIO DEFINIÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES

ESTÁGIO PROBATÓRIO DEFINIÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES ESTÁGIO PROBATÓRIO DEFINIÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES DEFINIÇÃO Período de avaliação do servidor recém-nomeado para cargo efetivo, correspondente

Leia mais

Adicional de Pós-Graduação. Conceito

Adicional de Pós-Graduação. Conceito Adicional de Pós-Graduação Conceito A concessão do APG está condicionada à realização de curso de pós-graduação nos níveis de Especialização, Mestrado e Doutorado, que se enquadrem nas normas dos Conselhos

Leia mais

equipe; V elucidar as dúvidas relativas às normas de trabalho e ao desenvolvimento das atividades programada;

equipe; V elucidar as dúvidas relativas às normas de trabalho e ao desenvolvimento das atividades programada; LEI COMPLEMENTAR Nº 207 DE 1º DE FEVEREIRO DE 2013. Altera a Lei Complementar nº 71, de 18 de dezembro de 2003, que institui a Lei Orgânica da - Geral do Estado de Roraima, nos dispositivos que menciona

Leia mais

HORÁRIO DE PROVAS 3º BIMESTRE

HORÁRIO DE PROVAS 3º BIMESTRE CURSO DE PEDAGOGIA Gestão Escolar e Organização do Trabalho Pedagógico I 23.09.13 19horas Fundamentos da Língua Portuguesa: Leitura e Produção de 23.09.13 21horas Textos Psicologia da Educação I 24.09.13

Leia mais

Carreiras de Técnico e de Analista Judiciário do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT)

Carreiras de Técnico e de Analista Judiciário do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT) Carreiras de Técnico e de Analista Judiciário do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT) Prazer! Sou Marília Barcelos, ingressei no último concurso na carreira de técnico judiciário

Leia mais

Conselho Universitário - Consuni

Conselho Universitário - Consuni PRIMEIRA FASE 01 ECONOMIA Definições e conceitos de economia; macroeconomia; microeconomia; a organização econômica; a atividade de produção; a moeda; a formação de preços; economia de mercado: consumo,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 020/2006-CONSU de 22 de agosto de 2006

RESOLUÇÃO Nº 020/2006-CONSU de 22 de agosto de 2006 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 020/2006-CONSU de 22 de agosto de 2006 EMENTA: Normatiza os Afastamentos de Curta, Média e Longa Duração de Docentes.

Leia mais

FACULDADE KENNEDY BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FACULDADE KENNEDY BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE KENNEDY BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO A Faculdade Kennedy busca sempre melhorar a qualidade, oferecendo serviços informatizados e uma equipe de profissionais preparada para responder

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais