CUSTO-BRASIL E INVESTIMENTO DIRETO ESTRANGEIRO: UMA ANÁLISE DE SUAS RELAÇÕES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CUSTO-BRASIL E INVESTIMENTO DIRETO ESTRANGEIRO: UMA ANÁLISE DE SUAS RELAÇÕES"

Transcrição

1 ISSN CUSTO-BRASIL E INVESTIMENTO DIRETO ESTRANGEIRO: UMA ANÁLISE DE SUAS RELAÇÕES Ana Clara Barbieri, Mario Henrique Fernandes Silveira, Antônio Suerlilton Barbosa da Silva (Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas do Sul de Minas - FACESM) Resumo: O Custo-Brasil implica em perda de competitividade no mercado internacional, representando um grande entrave para o crescimento do País. As empresas que aqui operam têm de conviver com a carga tributária excessiva, com a logística deficiente, com a burocracia onerosa, lidar com a rigidez da legislação trabalhista, entre outros fatores. Segundo Silva (2013), é possível afirmar que o custo-país foi um dos fatores responsáveis pela retração do Investimento Direto Estrangeiro (IDE) direcionado ao Brasil após a crise de 2008, prejudicando o setor produtivo. Partindo dessa hipótese, o artigo procura estabelecer uma breve relação entre Custo- Brasil e atração de IDE. Nas análises decorrentes lançou-se mão do Modelo de Regressão Linear Múltipla, baseado no método dos Mínimos Quadrados Ordinários (MQO). Os resultados encontrados contribuem parcialmente na verificação das suposições feitas ao longo do trabalho, entretanto, conclui-se que é preciso que o governo brasileiro trate dos gargalos da economia de maneira sistêmica para que o Custo-Brasil seja, a princípio, reduzido e, posteriormente, eliminado. Palavras-chaves: Custo-Brasil, Investimento Direto Estrangeiro, Modelo de Regressão Linear Múltipla

2 1. INTRODUÇÃO A partir da década de 1990, década esta marcada pela abertura comercial, implementação do Plano Real e privatização de setores antes pertencentes ao poder público, passou-se a falar sobre o Custo-Brasil. Este termo reúne os entraves prejudiciais ao crescimento econômico do País e sua existência traduz-se em custos adicionais às empresas que aqui operam. Sendo assim, este estudo apresenta duplo objetivo: identificar as componentes deste custo e verificar se há relação com a entrada de Investimento Direto Estrangeiro (IDE), categoria de investimento constituído quando o investidor detém 10% ou mais das ações ordinárias ou do direito a voto numa empresa. Com base nas análises realizadas pela Confederação Nacional da Indústria CNI (1995), Banco Mundial (1996), Lima et. al. (1997), Haddad e Hewings (1998), Mancuso (2004), Marques (2010), Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada IPEA (2012) e Departamento de Competitividade e Tecnologia DECOMTEC (2013) foram identificadas e tomadas como principais componentes do Custo-Brasil: a carga tributária, a infraestrutura de transportes, a burocracia e os encargos sociais. Não se pode pensar, no entanto, que tais variáveis são por si só desfavoráveis ao crescimento do País, bem como à atratividade do IDE. Este problema, no Brasil, repousa sobre a quantidade: ora no excesso de tributação, de encargos sociais e de burocracia; ora na falta de investimento em infraestrutura de transportes. A crise de 2008 fez os ingressos de IDE no Brasil diminuírem drasticamente. No referido ano, o país foi um dos destinos mais visados pelos investidores, apresentando crescimento de 30,3% nas inversões; com a crise, entretanto, esse valor registrou uma variação negativa de 42,6%. De acordo com Silva (2013), tal declínio foi ocasionado pelo desaquecimento da economia brasileira em relação às economias da Índia e da China. Dentre os fatores relevantes para repelir o investidor estrangeiro estão a infraestrutura insatisfatória do país e o fraco apoio institucional ao IDE, posto que os asiáticos apresentam maiores esforços nesse sentido. A hipótese básica deste estudo, suportada por Silva (2013), é a de que o Custo-Brasil influencia negativamente o IDE. Com isso, procurou-se definir as variáveis que compõem o Custo-Brasil e correlaciona-las aos inflows de IDE no País, fazendo uso de séries históricas referentes a cada uma das variáveis durante o período de 1996 a

3 Isto posto, na seção 2 deste trabalho foi feita uma breve conceituação do termo Custo-Brasil com a identificação de suas principais componentes. A seção 3 traz as séries históricas dessas componentes. Já na seção 4, faz-se uma observação do comportamento do IDE no Brasil. Na seção seguinte encontra-se a metodologia da pesquisa. Nas demais seções são apresentados os resultados, as conclusões e as referências. 2. CONCEITUAÇÃO DE CUSTO-BRASIL Os debates acerca do Custo-Brasil intensificaram-se a partir da década de 1990, década marcada pela abertura comercial, implementação do Plano Real e pela privatização de setores antes pertencentes ao domínio público. Mancuso (2004) afirma que desde então o termo passou a ser utilizado para elencar fatores prejudiciais à competitividade das empresas nacionais, quando comparadas às empresas de outros países. Entre os fatores, destaca a CNI (1995), estão: carga tributária excessiva, pesados encargos impostos pela legislação trabalhista, defasagem dos sistemas de educação e saúde, ineficiência da infraestrutura de transportes, altos custos portuários, rápida inutilização das telecomunicações e sistema energético sobrecarregado. Ele não deixa de se associar, também, à regulamentação excessiva da economia, que encarece os custos de transação. As dimensões do Custo-Brasil não são apenas do conhecimento da sociedade, indústria e governo brasileiros, elas vêm tendo repercussão mundial. O Banco Mundial (1996) destacou em seu relatório sobre o tema alguns aspectos setoriais relevantes para o entendimento da composição do Custo-Brasil, a saber: custos de mão-de-obra, custos provenientes da infraestrutura de transportes (com destaque para os portos) e custos ocasionados pelo sistema tributário e pelo regime regulatório. Já Haddad e Hewings (1998) dizem que o custo de se fazer negócios no Brasil constitui-se como um dos principais obstáculos ao seu desenvolvimento econômico. As variáveis que compõem o Custo-Brasil resultam das distorções na relação existente entre o setor público e o privado, refletidos pela legislação inadequada e pela deficiente provisão de bens públicos. Assim como o Banco Mundial (1996), os autores referem-se ao Custo-Brasil dando ênfase aos encargos sociais, à infraestrutura de transportes, ao sistema tributário e à forte regulação econômica presente no país. A avaliação de agentes internacionais sobre a situação econômica, social, política e institucional do país consta também no Monitor da Percepção Internacional do Brasil, uma pesquisa realizada 3

4 pelo IPEA. Metade dos entrevistados relacionou à [...] perda de competitividade decorrente daquilo vulgarmente conhecido como Custo Brasil, que inclui infraestrutura deficiente, excesso de burocracia e impostos elevados [...] (IPEA, 2012, p. 1), o relativo encolhimento da indústria de transformação, da qual a participação no PIB caiu de 19,2% em 2004 para 14,6% em O DECOMTEC, por sua vez, realizou um estudo onde tributação (carga e burocracia), custo de capital de giro, custos de energia e matérias primas, custos de infraestrutura logística, custos extras de serviços a funcionários e custos de serviços non tradables (estes incluem aluguéis, arrendamentos e serviços prestados por terceiros) são elementos do Custo-Brasil, alguns deles passíveis de melhoria a partir da implementação de políticas públicas. Haddad e Santos (2007) ao analisarem a eficiência relativa dos portos brasileiros também não deixam de citar o Custo-Brasil. Para eles, as condições adversas à competitividade das empresas situadas no país o Custo-Brasil independem do setor empresarial. O Banco Mundial (1996), contudo, alega que uma parte considerável dos custos de produção é de responsabilidade da empresa, os quais podem ser maiores ou menores dependendo da boa ou má gestão do negócio. Muitas das variáveis que compõem o Custo-Brasil, porém, estão relacionadas à falta de investimento por parte do próprio governo (municipal, estadual e, principalmente, federal), uma vez que o acesso à educação e saúde de qualidade, a desburocratização, a revisão da legislação trabalhista, a eficiência da matriz de transportes, entre tantos outros fatores cruciais para a competitividade do Brasil, estão, em maioria, sob sua responsabilidade. 3. VARIÁVEIS COMPONENTES DO CUSTO-BRASIL: CONCEITOS E ASPECTOS GERAIS 3.1. Carga tributária Por financiar obras de utilidade pública, como as de infraestrutura, e outros serviços, a carga tributária torna-se um elemento essencial para o bom funcionamento de uma economia. Ela é obtida a partir da razão entre o total da arrecadação nas três esferas de governo (federal, estadual e municipal) e o valor do Produto Interno Bruto (PIB) anual, expressa em pontos percentuais. A partir desse cálculo é possível identificar quanto da riqueza gerada no país é destinada unicamente aos cofres públicos (AMARAL et. al., 2013; DOING BUSINESS, 2012). No período que se estende de 1996 a 2012, a carga tributária brasileira teve aumento de 11,08%. Em 1996, a soma foi de 212 bilhões de reais, já o montante de arrecadado em 2012 foi da ordem 4

5 de 1,6 trilhões de reais. Este valor coloca o Brasil entre os 30 países com a maior carga tributária do mundo. Muitos desses países, no entanto, saem na frente do Brasil no que se refere a melhor aplicação dos recursos arrecadados (AMARAL et. al., 2013). Amaral et. al. (2013) classificam o país como o pior nesta questão, ficando atrás de Argentina e Uruguai. O tamanho da carga tributária exerce influência sobre o investimento e o crescimento da economia. Altas taxas acarretam uma diminuição do investimento privado e, consequentemente, levam ao aumento do número de negócios no mercado informal. O mesmo ocorre quando o retorno do governo à sociedade é desproporcional aos impostos pagos por ela (DOING BUSINESS, 2009). Tal desproporção pode estender seus efeitos ao investidor estrangeiro e até inibir novos investimentos. Ferretti e Funchal (2011) afirmam que o excesso de tributação indica uma redução no retorno pós-tributação, que por sua vez retém o incentivo a novos investimentos: tanto o índice de Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) do setor privado, como o fluxo de entrada de Investimento Direto Estrangeiro (IDE); prejudicando, deste modo, a economia no que se refere a investimentos internos (FBCF) e externos (IDE). Como variável proxy da carga tributária, este trabalho adotará o valor referente da arrecadação de impostos expressa em milhões em reais (Tabela 1). Tabela 1 Arrecadação de Impostos no Brasil em R$ milhões correntes Ano Arrecadação , , , , , , , , , , , , , ,00 Fonte: Amaral et. al. (2013) 5

6 3.2 Infraestrutura de Transportes A infraestrutura é um dos pilares mais sólidos de uma economia, sua qualidade ou a falta desta refletem-se no crescimento e no desenvolvimento do país em questão. O investimento produtivo neste setor pode representar altos retornos socioeconômicos, uma vez que seu progresso contribui em muito na agilidade do crescimento e na redução da pobreza, algo que não seria diferente no Brasil (OECD, 2011). No entanto, o cenário atual da infraestrutura brasileira apresenta muitas barreiras à retomada do crescimento sustentado, o que implica na piora da qualidade dos serviços e em custos elevados para as empresas e para a sociedade em geral. A ineficiência e a baixa competitividade resultantes deste processo estendem seus efeitos sobre toda a economia do país, desestimulando novos investimentos e, deste modo, afetando a criação de novos empregos (OLIVEIRA; TEIXEIRA, 2009). A questão da infraestrutura de transportes (ou infraestrutura logística), como parte deste cenário, compromete a competitividade da economia brasileira de maneira sistêmica (MONTES; REIS, 2011). A infraestrutura logística representa um elo vital para a cadeia do comércio (HIJJAR; WANKE, 2009), quando este elo se enfraquece, as relações comerciais entre as regiões do país e com os demais países acabam se tornando mais complexas. O modal rodoviário, por exemplo, responsável pelo transporte de mais da metade das mercadorias no país, encontra-se em constante deterioração. O fato de apenas 164 mil km de rodovias serem pavimentadas, de um total de 1,7 milhão de estradas, já é um sério agravante da ineficiência verificada no setor (MONTES; REIS, 2011). As ferrovias, por sua vez, transportam uma quantidade bem menor de mercadorias em relação ao sistema rodoviário, sendo usadas basicamente para transportar minerais para exportação, matériasprimas para o aço, grãos e fertilizantes. Com aproximadamente 29 mil km de extensão, a malha ferroviária brasileira é muito pequena se comparada às dimensões continentais do país (MONTES; REIS, 2011). Menor ainda é a participação dos modais hidroviário (13,6%), dutoviário (4,2%) e aéreo (0,4%), que juntos concentram menos de 20% do transporte do total da carga movimentada no país (OLIVEIRA; TEIXEIRA, 2009). 6

7 No que diz respeito aos portos, Haddad e Santos (2007) afirmam que estes são fundamentais para o comércio internacional brasileiro, visto que cerca de 80% das exportações são feitas por via marítima. Contudo, o sistema portuário do país, em relação a outros países em desenvolvimento, tais como Coreia do Sul, México e Argentina, apresenta um atraso significante. Rodovias parcialmente pavimentadas, pouca exploração da capacidade das ferrovias (bem como da de outros modais), o atraso verificado nos portos, todos estes fatores encarecem as transações comerciais, tanto dentro como fora do território nacional. E, além disso, tais gargalos afetam a competitividade internacional do Brasil. Qual seria, então, o cerne de toda esta questão? Hirschman (1958; MONTES; REIS, 2011) aponta o investimento público em infraestrutura Investimento Público em Infraestrutura Para Hirschman (1958), o investimento em Capital Fixo Social (investimento público) é a pedra angular do desenvolvimento econômico, condição sine qua non na geração de investimentos em Atividades Diretamente Produtivas (investimento privado), sobretudo nos países emergentes, que, de maneira geral, apresentam escassez de infraestrutura pública (HIRSCHMAN, 1958; MONTES; REIS, 2011). Sobre os países em desenvolvimento, Hirschman (1958) argumenta que não é a insuficiência na poupança que determina o ciclo vicioso de pobreza, mas a escassez da capacidade de investimento. Aumentada esta capacidade, por meio do investimento público em infraestrutura, seria criado, assim, um ciclo virtuoso de crescimento, uma vez que o investimento público atrai investimento privado (HIRSCHMAN, 1958; MONTES; REIS, 2011). Não só no modelo de Hirschman, mas também sob a ótica Keynesiana, o investimento público é imperativo para que um país cresça e se desenvolva economicamente. O investimento público em infraestrutura, desse modo, é de suma importância para que as taxas de investimento privado se elevem, ao tornar este último menos custoso e mais rentável (MONTES; REIS, 2011). Sendo assim, é possível afirmar que a participação efetiva do setor público nos investimentos é determinante para que a parcela do setor privado seja igual ou superior em termos de efetividade. Com isso, o investimento público e privado em infraestrutura, mais precisamente em infraestrutura logística (Tabela 2), representa a variável proxy para infraestrutura de transportes. Tabela 2 - Total do investimento em infraestrutura de transportes em R$ milhões correntes Ano Investimento em Infraestrutura de Transportes 7

8 , , , , , , , , , , , , , ,38 Fonte: Frischtak (2008); IBGE; Montes e Reis (2011); Cálculos próprios. Tomando como exemplo países desenvolvidos e economias emergentes, as que apresentaram crescimento acelerado nos últimos anos, o Banco Mundial (2005) ressalta que seria necessária, de início, uma inversão de 3,0% do PIB em infraestrutura. Entretanto, tem-se observado nos últimos anos que o Brasil vem destinando apenas 2,0% do PIB para a infraestrutura, e deste, uma parcela de apenas 0,5% à infraestrutura de transportes, [...] um percentual relativamente modesto quando comparado à experiência internacional (FRISCHTAK, 2008, p. 309). 3.3 Burocracia Há evidências empíricas que sugerem que a burocracia é um fator agravante do Custo-Brasil. Moreira (2004), ao tratar deste fator, critica a política de comércio exterior adotada pelo governo brasileiro, caracterizada por inúmeras barreiras internas a exportação. Tais barreiras resultam em [...] burocracia agressiva e retrógrada, que afeta a competitividade [...] e induz dependência à política externa, sendo mais danosas e constrangedoras do que as barreiras externas (p. 2). Sete anos antes desta crítica, foi instituído o Regime Aduaneiro de Entreposto Industrial sob Controle Informatizado (RECOF) a fim de desonerar as empresas que importam mercadorias para a produção de bens industrializados com destino ao mercado externo (GUARNIERI et. al., 2008). No entanto, é imperativo que medidas como esta se estendam a todos os produtos que compõem a pauta exportadora, pois, de acordo com Dias e Pinheiro (2007), cerca de 50% desta é composta por produtos de baixo valor agregado, tais como commodities e produtos intensivos em trabalho. A concessão desse benefício a todos os setores da economia implicaria na simplificação dos procedimentos de fronteira, que para Burnquist e Souza (2011) é tida como a redução da 8

9 burocracia (número de etapas) com a qual importadores e exportadores se deparam. Segundo a OECD (2005), em muitos casos, os atrasos portuários, a ausência de transparência e previsibilidade, procedimentos aduaneiros confusos e desatualizados, bem como a burocracia presente nos processos, são maiores que os custos das tarifas pagas pelas empresas. A CNI (2008) aborda a burocracia do ponto de vista tributário e destaca que a profusão de tributos exige obrigações desnecessárias e custosas dos contribuintes. A frequente mudança de normas e regras prejudica os negócios devido à insegurança jurídica representada por tal inconstância. As empresas ou mantêm departamentos próprios para cumprir as obrigações (geralmente as de grande porte), ou transferem o serviço a terceiros (empresas menores), ambas as iniciativas traduzem-se em mais custo e menos produtividade. Resgatando o conceito de Custo-Brasil elaborado pelo DECOMTEC (2013), temos a tributação mencionada por sua carga e burocracia, em consonância com CNI (2008). Não só o DECOMTEC (2013) traz essa abordagem, outros autores também nos levam a entender que a burocracia está realmente presente quando anexada à tributação. Porém, não é certa tal afirmação, uma vez que a literatura cita a burocracia, mas raramente a conceitua. Desse modo, neste trabalho faz-se menção à burocracia tributária, ou seja, o tempo gasto pelas empresas em um ano para preparar e efetuar o pagamento dos impostos. O Doing Business, em seu relatório de 2009, fez uma mensuração como esta considerando uma amostra de 183 países. O Brasil encontra-se em último, levando as empresas a gastarem 2600 horas por ano para arcar com suas obrigações, um número astronômico se comparado ao primeiro do ranking: as Ilhas Maldivas, com 0 (zero) horas gastas, isto é, tempo nenhum. Em relatórios posteriores com ênfase no Brasil, o Doing Business (2012; 2013) relata que 2600 horas continuam sendo o tempo gasto pelas empresas para ficar em dia com a legislação tributária. Este número permanece constante desde 2006, ano em que o Doing Business começou a fazer esse tipo de mensuração (Tabela 3). Tabela 3 - Burocracia tributária: tempo gasto pelas empresas para preparar e pagar seus impostos Indicador Tempo (horas por ano) DB DB

10 3.4 Encargos Sociais DB DB DB DB DB DB Fonte: Doing Business (2013). Para entender a anexação dos encargos sociais na folha de pagamento é preciso, primeiramente, distinguir encargos sociais de salário. Há uma metodologia internacional, estabelecida pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) e pelo Centro de Estudos sobre Renda e Custos (CERC), na França, que divide o custo do trabalho em rendimentos do trabalho (salários) e contribuições sociais (encargos sociais). Estes últimos não remuneram o trabalhador (como o salário), são, na realidade, recolhidos pelo governo, que repassa alguns deles às entidades patronais de assistência e formação profissional (BITENCOURT; TEIXEIRA, 2008). Baseado nessa metodologia, Camargo (1996) afirma que os encargos sociais efetivos sobre a folha de pagamento no Brasil correspondem a uma alíquota de 45%, sendo que 28% destinam-se ao governo, a fim de que este financie a seguridade social e o ensino formal, e 17% são destinados às organizações patronais, que financiam a capacitação profissional e prestam serviços econômicos a trabalhadores e empregadores (BITENCOURT; TEIXEIRA, 2008). Contudo, há divergências quanto a este percentual, sendo que outras fontes relatam percentuais diferentes. Pastore (1997) afirma que o percentual total é da ordem de 102,6%. Já o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos DIEESE (1997) traz um percentual de 25,1%. O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE (2008) divulgou que a porcentagem de gastos com pessoal da indústria de transformação é de 32,4%. Este mesmo valor foi utilizado pelo Bureau of Labor Statistics (2009) para representar o percentual de encargos sociais cobrados no Brasil. Tamanha contradição entre os percentuais deve-se ao fato de os autores fazerem uso de diferentes bases de cálculo. As contribuições sociais na Europa, por sua vez, são de, em média, 60% sobre a folha de pagamento. Apesar desse valor elevado, a competitividade do continente europeu destaca-se devido aos altos subsídios concedidos ao setor de produção. A alíquota nos demais países concorrentes, como Japão e Tigres Asiáticos, é de 12% e 10%, respectivamente. Este percentual nos Estados Unidos, por sua vez, corresponde 9% (BITENCOURT; TEIXEIRA, 2008). 10

11 O percentual adotado neste trabalho é o mesmo indicado pelo IBGE (2008) e adotado pelo Bureau of Labor Statistics (2009), de 32,4%. A partir dele foi calculada a incidência de encargos sociais em milhões de reais correntes na folha de pagamentos das empresas brasileiras. A série histórica está apresentada na Tabela 4. Tabela 4 - Encargos Sociais em R$ milhões correntes* Ano Encargos Sociais , , , , , , , , , , , ,71 Fonte: IBGE e Cálculos próprios. * Para obter o valor de Encargos Sociais em R$ milhões correntes, foi feito o cálculo de 32,4% do Total de Salários, Retiradas e Outras Remunerações para todos os anos ( ), dados do IBGE. A rigidez da legislação trabalhista, bem como a alta incidência de encargos sociais sobre a folha de pagamentos, tem sido um alvo comum da discussão criada em torno do Custo-Brasil. No entanto, pode-se afirmar, a partir da leitura de Bitencourt e Teixeira (2008), que apenas a redução dos encargos sociais não ocasionaria um grande impacto nesse contexto, representado por múltiplos entraves à competitividade nacional (BITENCOURT; TEIXEIRA, 2008). O ideal seria a combinação de políticas globais com o intuito de impulsionar os ajustes macroeconômicos necessários para reduzir significativamente o Custo-Brasil, tais como a redução da taxa de juros e, acima de tudo, a consolidação da reforma tributária, uma vez que o avanço tecnológico e o crescimento da população economicamente ativa são, de fato, inevitáveis (BITENCOURT; TEIXEIRA, 2008). 4. INVESTIMENTO DIRETO ESTRANGEIRO NO BRASIL A crise internacional de 2008 atingiu os países desenvolvidos e os em vias de desenvolvimento de modo muito distinto, reorganizando os fluxos de IDE ao redor do mundo. Países que antes recebiam grandes influxos de investimento acabaram deixando de ser os principais destinos de IDE. Outros, não tão afetados pela crise, passaram a atrair mais investimento estrangeiro, como é 11

12 o caso do Brasil. De acordo com Silva (2013, p. 55), [...] o Brasil, durante a crise, evidenciou particularidades que resultaram no comportamento diferenciado das entradas e saídas de IDE em relação ao grupo dos países em desenvolvimento [...]. As inversões estrangeiras para o Brasil em 2008 aumentaram em 30,3%, ao passo que o IDE direcionado aos países em desenvolvimento e à América Latina apresentaram crescimento de 17,3% e 13,3%, nesta ordem. O país, contabilizando um volume de US$45 bilhões de dólares, ultrapassou a Índia naquele ano. Tamanho crescimento no fluxo de entrada fez com que a participação do país no total mundial de IDE passasse de 1,6%, em 2007, para 2,5%, em 2008 (SILVA, 2013). Em contrapartida, verificou-se um recuo nos influxos de 42,6%, em 2009, devido à intensificação da crise internacional. Silva (2013) argumenta que tamanho declínio foi ocasionado pelo desaquecimento da economia brasileira em relação aos asiáticos (Índia e China). Dentre os fatores relevantes para repelir o investidor estão a infraestrutura insatisfatória do país e o fraco apoio institucional ao IDE, visto que o Brasil não assinou nenhum tratado de investimento com outro país na última década, enquanto que Índia e China assinaram 43 e 48, respectivamente. Para Araújo (2012), os benefícios às empresas estrangeiras devem ser maximizados se os governos quiserem que seus países recebam investimento direto estrangeiro. O apoio institucional, a oferta de infraestrutura adequada, menores custos de produção e vantagens fiscais seriam meios de incentivar esse tipo de investimento. Como vimos, a obsoleta infraestrutura logística, a excessiva carga tributária, a burocracia de dimensões estratosféricas, assim como o peso dos encargos sociais sobre a folha de pagamentos, aumentam os custos de produção, intensificando, assim, o Custo-Brasil. Logo, é justificável relacionar todas estas variáveis com os influxos de IDE, apresentados em números, de 1996 a 2009, na tabela abaixo: Tabela 5 Ingressos de Investimento Direto Estrangeiro (IDE) em R$ milhões correntes Ano Ingressos , , , , , , ,42 12

13 5. METODOLOGIA , , , , , , ,94 Fonte: Banco Central do Brasil BACEN (2010); Cálculos próprios. Esta pesquisa busca verificar se há alguma influência do Custo-Brasil na atração de IDE para o período A hipótese que norteia o estudo é a de que Custo-Brasil e IDE possuem relação inversa, isto é, os gargalos presentes na economia brasileira diminuem os influxos de IDE. Estes gargalos foram delineados a partir de uma pesquisa bibliográfica sobre o tema, de onde foram retiradas quatro variáveis. Estas apontaram para outras variáveis, as quais, acredita-se, tornam possível a mensuração das primeiras, ou seja, será feito uso de variáveis proxy (Quadro 2). Quadro 2 - Variáveis e autores Variáveis citadas na conceituação de Custo-Brasil Variáveis proxy Carga Tributária Infraestrutura de Transportes Burocracia Encargos Sociais CNI (1995), Banco Mundial (1996), Haddad e Hewings (1998), Marques (2010), IPEA (2012), DECOMTEC (2013). CNI (1995), Banco Mundial (1996), Haddad e Hewings (1998), Marques (2010). CNI (1995), Marques (2010), IPEA (2012), DECOMTEC (2013). CNI (1995), Banco Mundial (1996), Haddad e Hewings (1998). Fonte: Elaborada pelo autor. Arrecadação de tributos (R$ milhões) Investimento em infraestrutura de transportes (R$ milhões) Total do tempo gasto anualmente para o pagamento de impostos Encargos sociais (R$ milhões) sobre o total de salários, retiradas e outras remunerações Amaral et. al. (2013) Frischtak (2008); Montes e Reis (2011); IBGE; cálculos próprios. Doing Business (2013) IBGE (2008); cálculos próprios. Sendo assim, o presente trabalho é de natureza explicativa quanto a seus objetivos, pois procura identificar fatores (variáveis de Custo-Brasil) que se relacionam a um determinado fenômeno (IDE). Quanto a seus procedimentos, ela pode ser classificada como pesquisa bibliográfica, pois as variáveis provêm do referencial teórico. Para mensurar a relação Custo-Brasil IDE foi necessário o tratamento estatístico das variáveis encontradas, partindo da utilização de regressão linear múltipla. Portanto, o objeto de estudo é abordado de modo qualitativo e quantitativo. 13

14 5.1. O Modelo de Regressão Linear Múltipla Para Gujarati e Porter (2011), a análise de regressão consiste no estudo da dependência de uma variável quando relacionada a uma ou mais variáveis. Tem por objetivo estimar e/ou prever o valor médio da primeira, da variável dependente, a partir de valores conhecidos ou fixados das segundas, variáveis independentes ou explicativas. Assim, para estudar a relação de dependência entre as variáveis de estudo, o modelo aqui explicitado admite como variáveis independentes: a arrecadação total de tributos, o investimento em infraestrutura de transportes (ambos em milhões de reais), o total do tempo gasto anualmente pelas empresas no pagamento de impostos e o total de encargos sociais (em R$ milhões) que incidem na folha de pagamento; como variável resposta (ou dependente), temos os influxos de IDE, proxy de IDE. O modelo linear geral admite k variáveis independentes. Sua equação básica está representada abaixo: ) Onde i = 1, 2,..., n e j = 0, 1, 2,..., k; sendo n o tamanho da amostra e k representa o número de variáveis independentes. Sendo assim, o modelo apresenta k + 1 parâmetros (. As hipóteses que sustentam este modelo são, de acordo com Gujarati e Porter (2011): aleatoriedade de a variável é aleatória; média zero de o termo de erro possui média zero, em notação: E( = 0; homoscedasticidade - apresenta variância constante: E( = σ ; a variável tem distribuição normal, ou seja, ; ausência de auto correlação ou independência serial dos resíduos, ou seja, ; independência entre e isto é, E( ) = E( ) =... = E( ); nenhum erro de média nas variáveis explicativas as variáveis independentes são nãoestocásticas, cujos valores são fixos; ausência de multicolinearidade perfeita as variáveis que explicam o modelo não apresentam correlação linear perfeita; a função é identificada as funções a serem analisadas são identificadas; 14

15 ausência de erro de especificação, o que significa que todas as variáveis relevantes para a explicação do modelo aparecem nele de modo explícito. A forma matemática (linear ou não-linear) e o número de equações são definidos corretamente. Nos modelos lineares, a dificuldade na estimação dos parâmetros envolve a resolução de um sistema de equações lineares relacionando coeficientes desconhecidos de regressão. Obtém-se uma forma analítica de estimação dos parâmetros, proveniente de uma solução única. Esta forma pode ser utilizada para qualquer modelo e qualquer conjunto de dados. O método a ser utilizado é o dos Mínimos Quadrados Ordinários (MQO), representado na Equação 2: O critério Q deve ser minimizado no que se refere aos parâmetros de regressão para se obter as estimações de mínimos quadrados. Neste trabalho, os modelos estimados apresentam as seguintes especificações: a) Todas as variáveis: o modelo (Modelo 1) procura investigar o impacto da arrecadação tributária (ARREC.TRIB.t), do investimento em infraestrutura de transportes (INF.TRANSP.t) e do total de encargos sociais (ENC.SOC.t) na atração de investimento direto estrangeiro (IDEt), a variável endógena; b) Dimensão tributária: o modelo (Modelo 2) admite apenas as variáveis que se encontram na dimensão tributária. São elas: arrecadação tributária (carga tributária) e total de encargos sociais incidentes na folha de pagamentos, ambas em R$ milhões; c) Modelos individuais: as variáveis também foram testadas uma a uma na relação com o IDE, em modelos de regressão linear simples. Modelo 3 ; Modelo 4 ; 15

16 Modelo 5 Tendo t como o período compreendido pela pesquisa ( ) e como o erro ou a. perturbação, termo que desempenha o papel das demais variáveis que influenciam a atração de IDE, porém não estão explicitadas no modelo. A revisão da literatura acerca da temática do Custo-Brasil torna possível inferir que todas as variáveis identificadas em seu contexto exercem influência na atração de investimento direto estrangeiro, bem como no crescimento do próprio Brasil. Resta, agora, obter as evidências econométricas. 6. ANÁLISE DOS RESULTADOS O resultado da regressão linear múltipla para o Modelo 1 (todas as variáveis) está expresso na Tabela 6. A variável Burocracia não foi aceita no modelo, devido ao fato de apresentar colinearidade. Variáveis Tabela 6 - Resultados para o modelo com todas as variáveis Análise de Regressão Modelo 1 P-values ARREC.TRIB. 0,00491 INF.TRANSP. 0,79812 ENC.SOC. 0,01192 Equação R 2 82,1% R 2 ajustado 75,4% Resultados obtidos com o software econométrico Gretol (nível de significância de 5%) Fonte: Elaboração própria a partir dos resultados das regressões. Na Tabela 6, é possível observar que duas das três variáveis foram relevantes a um nível de 5% de significância estatística. A variável INF.TRANSP., no entanto, não apresentou p-value significativo. A Tabela 7 representa os resultados obtidos para o modelo que reflete as variáveis em sua dimensão tributária: Variáveis Tabela 7 - Resultados para o modelo com variáveis de caráter tributário Análise de Regressão Modelo 2 P-values 16

17 ARREC.TRIB. 0,00122 ENC.SOC. 0,00271 Equação R 2 82,0% R 2 ajustado 78,0% Resultados obtidos com o software econométrico Gretol (nível de significância de 5%) Fonte: Elaboração própria a partir dos resultados das regressões Na Tabela 7, estão representados os resultados para o modelo que admite variáveis de caráter tributário. Pode-se observar que as duas variáveis do modelo são válidas a um nível de 5% de significância estatística, sendo este o melhor modelo. As Tabelas 8, 9 e 10, por sua vez, expressam os valores obtidos para os modelos individuais, onde foi posta à prova uma variável de cada vez. Variável Tabela 8 - Modelos individuais: Arrecadação Tributária Análise de Regressão Modelo 3 P-value ARREC.TRIB. 0,00143 Equação R 2 58,5% R 2 ajustado 55,1% Resultados obtidos com o software econométrico Gretol (nível de significância de 5%) Fonte: Elaboração própria a partir dos resultados das regressões. Tabela 9 - Modelos individuais: Investimento em Infraestrutura de Transportes Análise de Regressão Modelo 4 Variável P-value INF.TRANSP. 0,14940 Equação R 2 16,5% R 2 ajustado 9,6% Resultados obtidos com o software econométrico Gretol (nível de significância de 5%) Fonte: Elaboração própria a partir dos resultados das regressões. Tabela 10 - Modelos individuais: Encargos Sociais Análise de Regressão Modelo 5 Variável P-value ENC.SOC. 0,

18 Equação R 2 38,9% R 2 ajustado 32,8% Resultados obtidos com o software econométrico Gretol (nível de significância de 5%) Fonte: Elaboração própria a partir dos resultados das regressões. Com base nas tabelas expostas acima, é notável que o R² ajustado de nenhuma delas apresenta um resultado superior a 70%. Os três modelos, desse modo, não apresentam um bom ajuste. Portanto, os modelos individuais não proporcionam resultados favoráveis, embora o p-value apurado no Modelo 5 tenha sido inferior a 5%. 7. CONSIDERAÇÕES FINAIS Este trabalho procurou enumerar quais são os fatores (aqui tratados como variáveis ) que compõem o chamado Custo-Brasil. Além disso, procurou também estabelecer uma relação entre estes e a atração de investimento direto estrangeiro (IDE) para o período de 1996 a Pode-se dizer que, à luz da teoria econômica, o Custo-Brasil influencia negativamente o ingresso de IDE no país. A crise internacional, por exemplo, fez com que o IDE destinado ao Brasil recuasse 42,6% em Não foi, porém, a crise, a única determinante desta contração dos influxos. Na realidade, os investidores estrangeiros migraram para países com maior apoio institucional e infraestrutura apropriada para as atividades produtivas financiadas pelo IDE, aspectos que no Brasil ainda deixam a desejar. O escrito acima se traduz na hipótese que deu rumo a esta pesquisa, buscou-se, assim, a comprovação desta a partir do tratamento estatístico das variáveis encontradas. Dos modelos apurados, dois apresentaram resultados significativos. O primeiro, feito para todas as variáveis, apontou para as variáveis situadas na dimensão tributária, estas deram origem ao segundo modelo, o que melhor explica o objeto de estudo. Neste segundo modelo, estão explicitadas Arrecadação Tributária e Encargos Sociais como variáveis que exercem influência sobre o IDE, porém o coeficiente de Arrecadação Tributária foi positivo, contradizendo a relação inversa que se supúnha até então. Já o coeficiente de Encargos Sociais se mostrou negativo, pode-se dizer, então, que quanto menor a incidência de encargos sociais sobre a folha de pagamentos, menor se torna, também, o obstáculo imposto ao IDE. No entanto, acreditava-se na relevância da variável Infraestrutura de Transportes para o primeiro modelo, devido ao suporte teórico da pesquisa. Outra variável descartada foi Burocracia, para a qual foi utilizada a proxy tempo total para o pagamento de impostos. Para trabalhos futuros 18

19 sugere-se a substituição desta proxy por outra que possibilite uma melhor mensuração, bem como a utilização de uma série temporal mais ampla para as variáveis. A contribuição deste trabalho está no sentido de atualizar a temática do Custo-Brasil, uma vez que, ao buscar fundamentos para esta pesquisa, verificou-se certa desatualização da temática no âmbito acadêmico. Quanto aos entraves presentes na economia brasileira, aqui discutidos, vale ressaltar que muitos, senão todos, poderiam ser amenizados a partir da implementação de políticas públicas que visem tornar o ambiente de negócios mais atrativo e oportuno para novos investidores. REFERÊNCIAS AMARAL, Leticia Mary Fernandes do; AMARAL, Gilberto Luiz do; OLENIKE, João Eloi. Cálculo do IRBES (Índice de Retorno de Bem Estar à Sociedade). Curitiba: Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT), Disponível em: <https://ibpt.org.br/img/uploads/novelty/estudo/787/estudofinalsobrecargatributa RIAPIBXIDHIRBESMARCO2013.pdf>. Acesso em: 22 abr Carga tributária brasileira Curitiba: Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT), Disponível em: <https://ibpt.org.br/img/uploads/novelty/estudo/559/cargatributaria2012ibpt.pdf>. Acesso em: 22 abr ARAÚJO, Carlos Antônio Lopes de. O investimento direto estrangeiro chinês no Brasil e os determinantes para a escolha de setores pelas empresas investidoras. Dissertação (Mestrado Profissional em Desenvolvimento e Comércio) Universidade de Brasília, Brasília, BANCO MUNDIAL. Brasil: o custo Brasil desde Relatório n , Brasília, 10 dez BITENCOURT, Mayra Batista; TEIXEIRA, Erly Cardoso. Impacto dos encargos sociais na economia brasileira. Nova Economia, Belo Horizonte, v. 18, n. 1, p , BURNQUIST, Heloísa Lee; SOUZA, Maurício Jorge Pinto de. Facilitação de comércio e impactos sobre o comércio bilateral. Estudos Econômicos, São Paulo, v. 41, n. 1, p , CNI. Cartilha custo Brasil. São Paulo: Confederação Nacional da Indústria, Conclusões do 3º Encontro Nacional da Indústria. Brasília: Confederação Nacional da Indústria, DECOMTEC. Encargos trabalhistas sobre folha de salários e seus impactos no Brasil e no mundo. FIESP, São Paulo, Disponível em: <http://www.fiesp.com.br/indices-pesquisas-epublicacoes/encargos-trabalhistas-sobre-folha-de-salarios-e-seus-impactos-no-brasil-e-nomundo/>. Acesso em: 12 jul Custo Brasil e taxa de câmbio na competitividade da indústria de transformação brasileira. FIESP, São Paulo, Disponível em: <http://www.fiesp.com.br/indices-pesquisas-e-publicacoes/custo-brasil-na-industria-detransformacao-em />. Acesso em: 27 mar

20 DIAS, Rodnei Fagundes; PINHEIRO, Bruno Rodrigues. Análise da pauta de exportações brasileiras com base nos critérios da UNCTAD para os anos de : como tem sido a inserção brasileira no comércio internacional? Salvador, BA: NEC, (Texto para discussão). Disponível em: <http://www.nec.ufba.br/artigos/artigos/textos_para_discussao/default.asp>. Acesso em: 04 jul DOING BUSINESS. Reforming through difficult times. Banco Mundial, Disponível em: <http://www.doingbusiness.org>. Acesso em: 12 abr Doing business in a more transparent world. Banco Mundial, Disponível em: <http://www.doingbusiness.org>. Acesso em: 27 mar Smarter regulations for small and medium-size enterprises. Banco Mundial, Disponível em: <http://www.doing.business.org>. Acesso em: 15 abr ENGMAN, M. The economic impact of trade facilitation. OECD, Disponível em: < Acesso em: 04 jul FERRETTI, Renata Cardoso; FUNCHAL, Bruno. Efeito da regulação trabalhista e tributária nos investimentos no Brasil. Revista de Administração Mackenzie. São Paulo, v. 12, n. 4, FRISCHTAK, Cláudio R. O investimento em infra-estrutura no Brasil: histórico recente e perspectivas. Pesquisa e Planejamento Econômico. Brasil, v. 38, n. 2, GUARNIERI, Patrícia; BORTOLLI, Luiz Olívio; DUTRA, Divonsir de Jesus da Silva; HATAKEYAMA, Kazuo. As vantagens logísticas e tributárias obtidas com a implantação do RECOF na indústria automobilística. Produção, São Paulo, v. 18, n. 1, p , GUJARATI, Damodar N. ; PORTER, Dawn C. Econometria básica. 5. ed. Porto Alegre: AMGH Editora, HADDAD, E. A.; HEWINGS, Geoffrey. Transportation costs and regional development: an interregional CGE analysis. In: European Congress of the Regional Science Association, 38., 1998, Austria. Disponível em: <http://www-sre.wuwien.ac.at/ersa/ersaconfs/ersa98/papers/426.pdf>. Acesso em: 12 abr HADDAD, E. A.; SANTOS, Raul Antonio Cristóvão dos. Eficiência relativa dos portos brasileiros: uma análise regionalizada. In: Encontro Nacional de Economia, 35., 2007, Recife. Anais..., Recife, Disponível em: < Acesso em: 12 abr INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Séries históricas e estatísticas. Disponível em: < Acesso em: 23 ago INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. Monitor da percepção internacional do Brasil. IPEA, ano 3, n. 7, jun MANCUSO, Wagner Pralon. O lobby da indústria no Congresso Nacional: empresariado e política no Brasil contemporâneo. Dados, Rio de Janeiro, v. 47, n. 3, MARQUES, Joseph C. Business and diplomacy in the age of globalization: Brazilian multinational corporations. In: Brazilian Studies Programme, Oxford, Disponível em: <http://www.lac.ox.ac.uk/papers-2008-present>. Acesso em: 12 abr MONTES, Gabriel Caldas; REIS, Artur Faria dos. Investimento público em infraestrutura no período pós-privatizações. Economia e Sociedade, Campinas, v. 20, n. 1, p ,

A INFLUÊNCIA DO CUSTO-BRASIL NA ATRAÇÃO DE INVESTIMENTO DIRETO ESTRANGEIRO PARA O PERÍODO 1996-2009

A INFLUÊNCIA DO CUSTO-BRASIL NA ATRAÇÃO DE INVESTIMENTO DIRETO ESTRANGEIRO PARA O PERÍODO 1996-2009 A INFLUÊNCIA DO CUSTO-BRASIL NA ATRAÇÃO DE INVESTIMENTO DIRETO ESTRANGEIRO PARA O PERÍODO 1996-2009 ANA CLARA BARBIERI Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas do Sul de Minas FACESM aclarabarbieri@hotmail.com

Leia mais

Área temática: Teoria Econômica e Métodos Quantitativos

Área temática: Teoria Econômica e Métodos Quantitativos Área temática: Teoria Econômica e Métodos Quantitativos A influência do Custo Brasil na atração de Investimento Direto Estrangeiro para o período de 2000-2010 Ana Clara Barbieri aclarabarbieri@hotmail.com

Leia mais

Investimento Direto Estrangeiro e Custo-brasil: uma Análise de Suas Relações

Investimento Direto Estrangeiro e Custo-brasil: uma Análise de Suas Relações Investimento Direto Estrangeiro e Custo-brasil: uma Análise de Suas Relações Ana Clara Barbieri aclarabarbieri@hotmail.com FACESM Mario Henrique Fernandes Silveira mariofernandes90@gmail.com FACESM Antônio

Leia mais

PROSPECTANDO INFLUÊNCIAS ENTRE O CUSTO-BRASIL E INVESTIMENTO DIRETO ESTRANGEIRO À LUZ DO MODELO DE REGRESSÃO LINEAR MÚLTIPLA

PROSPECTANDO INFLUÊNCIAS ENTRE O CUSTO-BRASIL E INVESTIMENTO DIRETO ESTRANGEIRO À LUZ DO MODELO DE REGRESSÃO LINEAR MÚLTIPLA D.O.I.: 10.9771/S.CPROSP.2015.008.073 PROSPECTANDO INFLUÊNCIAS ENTRE O CUSTO-BRASIL E INVESTIMENTO DIRETO ESTRANGEIRO À LUZ DO MODELO DE REGRESSÃO LINEAR MÚLTIPLA Antônio Suerlilton Barbosa Silva 1 ; Ana

Leia mais

Tributação: entrave ou instrumento para o desenvolvimento. Roberto Abdenur Presidente-Executivo Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial - ETCO

Tributação: entrave ou instrumento para o desenvolvimento. Roberto Abdenur Presidente-Executivo Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial - ETCO ROBERTO ABDENUR DIPLOMATA DURANTE 44 ANOS, APOSENTADO; ATUA COMO CONSULTOR EM ASSUNTOS INTERNACIONAIS; FOI EMBAIXADOR DO BRASIL NO EQUADOR, NA CHINA, NA ALEMANHA NA ÁUSTRIA E PERANTE OS ORGANISMOS INTERNACIONAIS

Leia mais

FORUM NACIONAL DE EDUCAÇÃO

FORUM NACIONAL DE EDUCAÇÃO FORUM NACIONAL DE EDUCAÇÃO Educação Profissional e Tecnológica Sergio Moreira BRASIL ÍNDICE GLOBAL DE COMPETITIVIDADE 2013/2014 Ranking Global de Competitividade BRICS: 2006 a 2013 Brasil ficou em 56º

Leia mais

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo O artigo aborda relações entre logística, formação profissional e infra-estrutura do país. São debatidas questões sobre a evolução da logística no Brasil, a preparação educacional do profissional de logística

Leia mais

Desafios do Brasil contemporâneo Infraestrutura, produtividade, reformas e pacto federativo

Desafios do Brasil contemporâneo Infraestrutura, produtividade, reformas e pacto federativo Desafios do Brasil contemporâneo Infraestrutura, produtividade, reformas e pacto federativo A grande janela de oportunidades (O Brasil decola) A grande janela de oportunidades Linha do tempo das conquistas

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

Os determinantes do custo Brasil

Os determinantes do custo Brasil Os determinantes do custo Brasil PET-Economia: Reunião de Conjuntura 14 de Outubro de 2011 Entendendo o O é um termo genérico, usado para descrever o conjunto de dificuldades estruturais, burocráticas

Leia mais

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm ESTUDO DA CNT APONTA QUE INFRAESTRUTURA RUIM AUMENTA CUSTO DO TRANSPORTE DE SOJA E MILHO As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm impacto significativo na movimentação

Leia mais

O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas

O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas 1 O conturbado cenário nacional Economia em recessão: queda quase generalizada do PIB no 2º trimestre de 2015, com expectativa de

Leia mais

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015 Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 O cenário econômico nacional em 2014 A inflação foi superior ao centro da meta pelo quinto

Leia mais

Crescimento Econômico Brasileiro: Análise e Perspectivas

Crescimento Econômico Brasileiro: Análise e Perspectivas Crescimento Econômico Brasileiro: Análise e Perspectivas Fernando A. Veloso Ibmec/RJ XII Seminário Anual de Metas para a Inflação Maio de 2010 Crescimento da Renda per Capita Entre 1960 e 1980, a renda

Leia mais

A Sombra do Imposto. Propostas para um sistema de impostos mais simples e justo Simplifica Já

A Sombra do Imposto. Propostas para um sistema de impostos mais simples e justo Simplifica Já A Sombra do Imposto Propostas para um sistema de impostos mais simples e justo Simplifica Já Expediente A Sombra do Imposto Cartilha produzida pelo Sistema Fiep (Federação das Indústrias do Estado do Paraná).

Leia mais

Plano Brasil Maior e o Comércio Exterior Políticas para Desenvolver a Competitividade

Plano Brasil Maior e o Comércio Exterior Políticas para Desenvolver a Competitividade Plano Brasil Maior e o Comércio Exterior Políticas para Desenvolver a Competitividade Alessandro Golombiewski Teixeira Secretário-Executivo do MDIC Rio de Janeiro, Agosto de 2011 Introdução 1 Contexto

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

Conjuntura - Saúde Suplementar

Conjuntura - Saúde Suplementar Apresentação Nesta 17ª Carta de Conjuntura da Saúde Suplementar, constam os principais indicadores econômicos de 2011 e uma a n á l i s e d o i m p a c t o d o crescimento da renda e do emprego sobre o

Leia mais

Compliance tributário no Brasil As estruturas das empresas para atuar em um ambiente complexo

Compliance tributário no Brasil As estruturas das empresas para atuar em um ambiente complexo Compliance tributário no Brasil As estruturas das empresas para atuar em um ambiente complexo Pesquisa 2013/2014 Existe uma percepção disseminada de que, além do peso de toda a carga tributária, as empresas

Leia mais

A Importância da Logística para o Desenvolvimento Regional Wagner Cardoso

A Importância da Logística para o Desenvolvimento Regional Wagner Cardoso A Importância da Logística para o Desenvolvimento Regional Wagner Cardoso Secretário-Executivo do Conselho de Infraestrutura da Confederação Nacional da Indústria CNI Brasília, 4 de maio de 2011 1 Qualidade

Leia mais

O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global

O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global Jorge A r bache U n i v e r s i d a d e d e B r a s í l i a S E M P E X 2 0 1 4 M a c e i ó, 2 2 / 5 / 2 0 1 4 0,45

Leia mais

36,6% dos empresários gaúchos julgam que o. 74,4% dos empresários gaúchos consideram que. 66,0% das empresas contempladas pela medida a

36,6% dos empresários gaúchos julgam que o. 74,4% dos empresários gaúchos consideram que. 66,0% das empresas contempladas pela medida a 36,6% dos empresários gaúchos julgam que o faturamento é a melhor base tributária para a contribuição patronal. 74,4% dos empresários gaúchos consideram que a medida contribuirá parcialmente ou será fundamental

Leia mais

Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil

Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil Fernando Veloso IBRE/FGV Book Launch of Surmounting the Middle Income Trap: The Main Issues for Brazil (IBRE/FGV e ILAS/CASS) Beijing, 6 de Maio

Leia mais

Desenvolvimento de Mercado

Desenvolvimento de Mercado Desenvolvimento de Mercado DESENVOLVIMENTO DE MERCADO Frente aos importantes temas abordados pelo Fórum Temático de Desenvolvimento de Mercado, da Agenda 2020, destaca-se o seu objetivo principal de fomentar

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS NO BRASIL 2014. Logística, Supply Chain e Infraestrutura. Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura

CUSTOS LOGÍSTICOS NO BRASIL 2014. Logística, Supply Chain e Infraestrutura. Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura CUSTOS LOGÍSTICOS NO BRASIL 2014 Logística, Supply Chain e Infraestrutura Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura Paulo Tarso Vilela de Resende Paulo Renato de Sousa Bolsistas Fapemig Gustavo

Leia mais

1 Ver Castelo (2005). 2 GVconsult (2005).

1 Ver Castelo (2005). 2 GVconsult (2005). A Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas na Construção Civil Relatório de Pesquisa Equipe Técnica Prof. Dr. Fernando Garcia Profa. Ms. Ana Maria Castelo Profa.Dra. Maria Antonieta Del Tedesco Lins Avenida

Leia mais

ESTUDO IBPT Frete marítimo e seu impacto na arrecadação tributária e na inflação

ESTUDO IBPT Frete marítimo e seu impacto na arrecadação tributária e na inflação Junho 2013 ESTUDO IBPT AUMENTO DO FRETE MARÍTIMO NA IMPORTAÇÃO TEM REFLEXOS NA ARRECADAÇÃO TRIBUTÁRIA E NA INFLAÇÃO Frete marítimo na importação teve aumento de 82,11% em Dólar no período de janeiro de

Leia mais

A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil

A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil Análise Economia e Comércio Bernardo Erhardt de Andrade Guaracy 30 de outubro de 2003 A Redução do Fluxo de Investimento

Leia mais

Desindustrialização e Produtividade na Indústria de Transformação

Desindustrialização e Produtividade na Indústria de Transformação Desindustrialização e Produtividade na Indústria de Transformação O processo de desindustrialização pelo qual passa o país deve-se a inúmeros motivos, desde os mais comentados, como a sobrevalorização

Leia mais

BRASIL PERDE UMA POSIÇÃO NO RANKING GLOBAL DE COMPETITIVIDADE 2014 DO FÓRUM ECONÔMICO MUNDIAL

BRASIL PERDE UMA POSIÇÃO NO RANKING GLOBAL DE COMPETITIVIDADE 2014 DO FÓRUM ECONÔMICO MUNDIAL BRASIL PERDE UMA POSIÇÃO NO RANKING GLOBAL DE COMPETITIVIDADE 2014 DO FÓRUM ECONÔMICO MUNDIAL Ranking traz a Suíça em primeiro lugar, seguida de Cingapura e EUA O Brasil perdeu uma posição no Ranking Global

Leia mais

FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR

FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO COMÉRCIO EXTERIOR PAINEL 1 COMO AUMENTAR A PARTICIPAÇÃO DO PAÍS NO COMÉRCIO INTERNACIONAL E A COMPETITIVIDADE DOS PRODUTOS BRASILEIROS JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO São Paulo,

Leia mais

Introdução... 4. Percepção sobre a economia e o comércio... 5. Gargalos da economia brasileira... 7. Consumo das famílias... 8

Introdução... 4. Percepção sobre a economia e o comércio... 5. Gargalos da economia brasileira... 7. Consumo das famílias... 8 Conteúdo Introdução... 4 Percepção sobre a economia e o comércio... 5 Gargalos da economia brasileira... 7 Consumo das famílias... 8 Ambiente regulatório... 9 Logística pública... 10 Mão de obra... 10

Leia mais

Pesquisa. Os Problemas da Empresa Exportadora Brasileira 2008. Entraves e Prioridades

Pesquisa. Os Problemas da Empresa Exportadora Brasileira 2008. Entraves e Prioridades Pesquisa Os Problemas da Empresa Exportadora Brasileira 2008 Entraves e Prioridades Renato Fonseca Brasília, 1 de outubro de 2008 Apresentação 1. Amostra 2. Entraves à expansão das exportações 3. Tributação

Leia mais

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 101/15 30/06/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Junho de 2015 Sumário 1. Perspectivas do CenárioEconômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março

Leia mais

Avaliação dos Resultados

Avaliação dos Resultados MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE COMÉRCIO E SERVIÇOS FÓRUM PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E PEQUENAS DE PEQUENO PORTE Questionário para Identificação dos Gargalos

Leia mais

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012 RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO Junho de 2012 Riscos e oportunidades para a indústria de bens de consumo A evolução dos últimos anos, do: Saldo da balança comercial da indústria

Leia mais

O DESAFIO BRASILEIRO

O DESAFIO BRASILEIRO O DESAFIO BRASILEIRO 1 Principais desafios do comércio mundial para o Brasil O comércio global brasileiro por meio de contêineres principal motor para a globalização do país está crescendo cerca de 4%

Leia mais

Avaliação do Plano de Desenvolvimento Produtivo Departamento de Competitividade DECOMTEC / FIESP

Avaliação do Plano de Desenvolvimento Produtivo Departamento de Competitividade DECOMTEC / FIESP PROPOSTA DE DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS NA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE COMPETITIVIDADE E TECNOLOGIA DECOMTEC Avaliação do Plano de Desenvolvimento Produtivo MAIO Departamento de Competitividade

Leia mais

Fase 2 (setembro 2012) Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário - 2012

Fase 2 (setembro 2012) Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário - 2012 Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário - 2012 Apresentação A sondagem Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário 2012 Fase 2 apresenta a visão do empresário do transporte

Leia mais

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio MB ASSOCIADOS Perspectivas para o Agribusiness em 2011 e 2012 Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio 26 de Maio de 2011 1 1. Cenário Internacional 2. Cenário Doméstico 3. Impactos no Agronegócio 2 Crescimento

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Indicadores sócio-econômicos. Campos Gerais. Paraná.

PALAVRAS-CHAVE Indicadores sócio-econômicos. Campos Gerais. Paraná. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( x ) TRABALHO

Leia mais

Como o ambiente de negócios impacta os investimentos e a produtividade? 1

Como o ambiente de negócios impacta os investimentos e a produtividade? 1 Como o ambiente de negócios impacta os investimentos e a produtividade? 1 Luiz Ricardo Cavalcante 2 Ambiente de negócios é o nome genericamente atribuído às condições que circunscrevem, em um determinado

Leia mais

Desoneração da carga tributária. (versão preliminar)

Desoneração da carga tributária. (versão preliminar) CONTAG Coletivo Nacional de Política Agrícola Desoneração da carga tributária sobre os produtos alimentícios (versão preliminar) Brasília, 24 de abril de 2009. Objetivo geral: subsidiar a proposta de discussão

Leia mais

1º Simpósio Infra-estrutura e Logística no Brasil: Desafios para um país emergente

1º Simpósio Infra-estrutura e Logística no Brasil: Desafios para um país emergente 1º Simpósio Infra-estrutura e Logística no Brasil: Desafios para um país emergente Painel: Gestão Pública, Orçamento e Investimento Públicos - Privados O HISTÓRICO DOS INVESTIMENTOS EM INFRA-ESTRUTURA

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

Uma agenda tributária para o Brasil. Fóruns Estadão Brasil Competitivo Bernard Appy Maio de 2014

Uma agenda tributária para o Brasil. Fóruns Estadão Brasil Competitivo Bernard Appy Maio de 2014 Uma agenda tributária para o Brasil Fóruns Estadão Brasil Competitivo Bernard Appy Maio de 2014 Sumário Introdução Problemas do sistema tributário brasileiro Sugestões de aperfeiçoamento 2 Sumário Introdução

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

A competitividade das Micro e Pequenas Empresas. Bruno Quick

A competitividade das Micro e Pequenas Empresas. Bruno Quick A competitividade das Micro e Pequenas Empresas Bruno Quick Indicadores TOTAL ME e EPPs Empresas formais em operação (2005) Cenário Nacional Part.% ME e EPPs 5.134.934 5.083.585 99% Empregos formais (2005)

Leia mais

Educação, Inovação e Competitividade. Alberto Rodriguez, Ph.D. Especialista Principal em Educação setembro de 2008

Educação, Inovação e Competitividade. Alberto Rodriguez, Ph.D. Especialista Principal em Educação setembro de 2008 Educação, Inovação e Competitividade Alberto Rodriguez, Ph.D. Especialista Principal em Educação setembro de 2008 Origem do estudo Por que alguns países têm excelente desempenho e outros têm fraco desempenho

Leia mais

OBSTÁCULOS TRIBUTÁRIOS AO CRESCIMENTO

OBSTÁCULOS TRIBUTÁRIOS AO CRESCIMENTO OBSTÁCULOS TRIBUTÁRIOS AO CRESCIMENTO TRIBUTAÇÃO, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E CIDADANIA EDUCAÇÃO FISCAL NO CONTEXTO SOCIAL RAZÕES DA CARGA TRIBUTÁRIA. DESENVOLVIMENTO E CONTROLE SOCIAL DO GASTO PÚBLICO

Leia mais

Especialistas apontam obstáculos e soluções para o Brasil avançar

Especialistas apontam obstáculos e soluções para o Brasil avançar AGENDA BAHIA Especialistas apontam obstáculos e soluções para o Brasil avançar Além das reformas tributária e trabalhista, país precisa investir em infraestrutura eficaz, na redução do custo da energia

Leia mais

A Importância dos Incentivos para que Famílias e Empregadores Contribuam com o Sistema de Saúde POF 2002 e 2008

A Importância dos Incentivos para que Famílias e Empregadores Contribuam com o Sistema de Saúde POF 2002 e 2008 A Importância dos Incentivos para que Famílias e Empregadores Contribuam com o Sistema de Saúde POF 2002 e 2008 Marcos Novais José Cechin Superintendente Executivo APRESENTAÇÃO Este trabalho se propõe

Leia mais

Local: Plenário 3 - Senado Federal 08/12/2009

Local: Plenário 3 - Senado Federal 08/12/2009 Seminário de Comissões Desoneração da Folha de Pagamento Local: Plenário 3 - Senado Federal 08/12/2009 Luigi Nese Presidente da Confederação Nacional de Serviços CNS e do CODEFAT PIB: Por Setor da Economia

Leia mais

R. Gen. Aristides Athayde Junior, 350. 80730-370. Bigorrilho. Curitiba. Paraná Telefone: 41 3053-3219. www.ibpt.com.br

R. Gen. Aristides Athayde Junior, 350. 80730-370. Bigorrilho. Curitiba. Paraná Telefone: 41 3053-3219. www.ibpt.com.br EVOLUÇÃO DA CARGA TRIBUTÁRIA BRASILEIRA E PREVISÃO PARA 2013 Com base na arrecadação até novembro de 2013 e com a divulgação do PIB do 3º. trimestre deste ano, o IBPT fez a sua previsão para a carga tributária

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Abril de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março de 2015... 5 3.

Leia mais

98,3% 90,3% 64,2% 38% 63,3% 3º trimestre/2014. das empresas avaliaram o sistema 80,7% tributário brasileiro qualitativamente como ruim ou muito ruim.

98,3% 90,3% 64,2% 38% 63,3% 3º trimestre/2014. das empresas avaliaram o sistema 80,7% tributário brasileiro qualitativamente como ruim ou muito ruim. 3º trimestre/2014 das empresas avaliaram o sistema 80,7% tributário brasileiro qualitativamente como ruim ou muito ruim. 98,3% 90,3% 64,2% 38% 63,3% das indústrias gaúchas avaliam que o número de tributos

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

Departamento de Competitividade e Tecnologia

Departamento de Competitividade e Tecnologia Custos Econômicos e Sociais da Guerra Fiscal do ICMS na Importação DECOMTEC/FIESP Se não bastassem os efeitos da guerra cambial, dos elevados juros e da elevada carga, a indústria nacional enfrenta agora

Leia mais

O QUE É UMA MICROEMPRESA

O QUE É UMA MICROEMPRESA O que é empresa O Artigo 6º da Lei n.º 4.137, de 10/09/1962 define empresa como "... toda organização de natureza civil ou mercantil destinada à exploração por pessoa física ou jurídica de qualquer atividade

Leia mais

PROPOSTAS DA INDÚSTRIA PARA AS ELEIÇÕES 2014

PROPOSTAS DA INDÚSTRIA PARA AS ELEIÇÕES 2014 PROPOSTAS DA INDÚSTRIA PARA AS ELEIÇÕES 2014 Propostas para os candidatos Desde as eleições de 1994, a CNI apresenta à sociedade e aos candidatos sugestões para melhorar o desempenho da economia. Propostas

Leia mais

COMO CONSTRUIR CENÁRIOS MACROECONÔMICOS. Autor: Gustavo P. Cerbasi(gcerbasi@mandic.com.br) ! O que é cenário macroeconômico?

COMO CONSTRUIR CENÁRIOS MACROECONÔMICOS. Autor: Gustavo P. Cerbasi(gcerbasi@mandic.com.br) ! O que é cenário macroeconômico? COMO CONSTRUIR CENÁRIOS! O que é cenário macroeconômico?! Quais os elementos necessários para construção de cenários?! Etapas para elaboração de cenários macroeconômicos! Análise do comportamento das variáveis

Leia mais

Como avançar na melhoria do sistema tributário brasileiro: uma agenda para o curto e o médio prazo

Como avançar na melhoria do sistema tributário brasileiro: uma agenda para o curto e o médio prazo Como avançar na melhoria do sistema tributário brasileiro: uma agenda para o curto e o médio prazo Fórum Estadão Brasil Competitivo: Uma agenda tributária para o Brasil Flavio Castelo Branco Gerente-Executivo

Leia mais

EVOLUÇÃO DO CUSTO PORTUÁRIO BRASILEIRO Janeiro de 2009 a Junho de 2013

EVOLUÇÃO DO CUSTO PORTUÁRIO BRASILEIRO Janeiro de 2009 a Junho de 2013 EVOLUÇÃO DO CUSTO PORTUÁRIO BRASILEIRO Janeiro de 2009 a Junho de 2013 GILBERTO LUIZ DO AMARAL JOÃO ELOI OLENIKE LETÍCIA MARY FERNANDES DO AMARAL 28 de agosto de 2013. 1 EVOLUÇÃO DO CUSTO PORTUÁRIO BRASILEIRO

Leia mais

KADUNA CONSULTORIA O DESAFIO DA COMPETITIVIDADE GLOBAL

KADUNA CONSULTORIA O DESAFIO DA COMPETITIVIDADE GLOBAL KADUNA CONSULTORIA O DESAFIO DA COMPETITIVIDADE GLOBAL 19.09.2014 COMPETITIVIDADE: PALAVRA DE ORDEM Competividade Individual Relativa de cada empresa com seus concorrentes diretos: (i) Gestão Eficiente

Leia mais

Nota da Reunião de 20 de Março de 2014. O cenário macroeconômico em 2014 desafio da renda média

Nota da Reunião de 20 de Março de 2014. O cenário macroeconômico em 2014 desafio da renda média 1 Nota da Reunião de 20 de Março de 2014 O cenário macroeconômico em 2014 desafio da renda média Introdução A reunião contou com a participação do economista chefe do Banco Santander, Maurício Molan, que

Leia mais

Carga Tributária e seus Efeitos na Economia

Carga Tributária e seus Efeitos na Economia Carga Tributária e seus Efeitos na Economia Jorge Lins Freire Presidente da Federação das Indústrias do Estado da Bahia Congresso do Conselho de Contribuintes do Ministério da Fazenda Brasília, 14 de setembro

Leia mais

Como os impostos afetam o crescimento econômico?

Como os impostos afetam o crescimento econômico? Como os impostos afetam o crescimento econômico? Adolfo Sachsida * (sachsida@hotmail.com www.bdadolfo.blogspot.com) I. Introdução Somente a morte e os impostos são inevitáveis (Benjamin Franklin) Os impostos

Leia mais

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015 CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA UMA UNIÃO EUROPEIA MAIS FORTE 22 de junho de 2015 A União Europeia deve contar com um quadro institucional estável e eficaz que lhe permita concentrar-se

Leia mais

2015: UM ANO DECISIVO

2015: UM ANO DECISIVO 2015: UM ANO DECISIVO 1. EMENTA: o presente trabalho tem por objetivo abordar as necessidades de mudanças para que o país volte a crescer mais do que neste momento, com um patamar de inflação menor do

Leia mais

Eficiência Tributária

Eficiência Tributária Eficiência Tributária Cenário Tributário Brasileiro Características negativas: Tributação excessiva Multiplicidade de tributos e de Obrigações Acessórias Tributação em cascata (tributo incide sobre outros

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL Março de 2015

SONDAGEM INDUSTRIAL Março de 2015 SONDAGEM INDUSTRIAL Março de 2015 A exportação se consolida como perspectiva positiva para os próximos meses A Sondagem industrial, realizada junto a 162 indústrias catarinenses no mês de março, mostrou

Leia mais

A Infra-estrutura e os Desafios Logísticos das Exportações Brasileiras

A Infra-estrutura e os Desafios Logísticos das Exportações Brasileiras A Infra-estrutura e os Desafios Logísticos das Exportações Brasileiras P. Fernando Fleury Um dos principais efeitos do processo de globalização que vem afetando a grande maioria das nações, é o aumento

Leia mais

Universidade de Coimbra Faculdade de Direito. Crise do Estado Fiscal, Competitividade e Bem-Estar Social

Universidade de Coimbra Faculdade de Direito. Crise do Estado Fiscal, Competitividade e Bem-Estar Social Universidade de Coimbra Faculdade de Direito Crise do Estado Fiscal, Competitividade e Bem-Estar Social Eduardo Molan Gaban Sócio das áreas de Direito Antitruste e Comércio Internacional de Machado Associados

Leia mais

A Reindustrialização do Brasil no Contexto de um Projeto Nacional de Desenvolvimento

A Reindustrialização do Brasil no Contexto de um Projeto Nacional de Desenvolvimento A Reindustrialização do Brasil no Contexto de um Projeto Nacional de Desenvolvimento ESPM Novembro / 2013 José Ricardo Roriz Coelho Vice-presidente da FIESP e Diretor-titular do 1 1 Oportunidades 2 Desafios

Leia mais

Portal de Informações FEBRABAN. Módulo I Crédito

Portal de Informações FEBRABAN. Módulo I Crédito Portal de Informações FEBRABAN Módulo I Crédito Módulo de dados I: Crédito Sumário Este módulo de dados abrange as operações de crédito com recursos livres e direcionados (taxas de juros administradas)

Leia mais

Redução da jornada de trabalho para 40 horas já!

Redução da jornada de trabalho para 40 horas já! 1 Redução da jornada de trabalho para 40 horas já! O debate da redução da jornada de trabalho no Congresso Nacional Nesta semana, a campanha pela redução da jornada de trabalho sem redução de salários

Leia mais

Reforma Tributária ria e Política de Desenvolvimento Regional Cuiabá,, Agosto 2007 Reuniões com Governadores Natureza das reuniões anteriores: Governadores de diferentes regiões do país e dirigentes das

Leia mais

II Seminário O Comércio Exterior e a Indústria - FIEP. Redução de Custos no Comércio Exterior

II Seminário O Comércio Exterior e a Indústria - FIEP. Redução de Custos no Comércio Exterior II Seminário O Comércio Exterior e a Indústria - FIEP PALESTRA Redução de Custos no Comércio Exterior Fábio Martins Faria Curitiba, 29 de outubro de 2014 1 - REALIDADE BRASIL: PAÍS EXPORTADOR DE PESO 2

Leia mais

As mudanças no sistema de produção e a Propriedade Intelectual: Cadeias globais de valor e importação de serviços

As mudanças no sistema de produção e a Propriedade Intelectual: Cadeias globais de valor e importação de serviços As mudanças no sistema de produção e a Propriedade Intelectual: Cadeias globais de valor e importação de serviços A Propriedade Intelectual e a Sociedade do Conhecimento na nova Economia 19.08.2013 Rio

Leia mais

Evolução Recente dos Preços dos Alimentos e Combustíveis e suas Implicações

Evolução Recente dos Preços dos Alimentos e Combustíveis e suas Implicações 1 ASSESSORIA EM FINANÇAS PÚBLICAS E ECONOMIA PSDB/ITV NOTA PARA DEBATE INTERNO (não reflete necessariamente a posição das instituições) N : 153/2008 Data: 27.08.08 Versão: 1 Tema: Título: Macroeconomia

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA TAXA DE JUROS NOS INVESTIMENTOS EM CAPITAL FIXO DO SETOR PRIVADO NO BRASIL: 1996-2002

A INFLUÊNCIA DA TAXA DE JUROS NOS INVESTIMENTOS EM CAPITAL FIXO DO SETOR PRIVADO NO BRASIL: 1996-2002 A INFLUÊNCIA DA TAXA DE JUROS NOS INVESTIMENTOS EM CAPITAL FIXO DO SETOR PRIVADO NO BRASIL: 1996-2002 1. Introdução Paulo Alexandre França 1 Dirceu Grasel 2 Benedito Dias Pereira 3 As taxas de juros vêm

Leia mais

Política monetária: a fase inicial do Plano Real*

Política monetária: a fase inicial do Plano Real* POLÍTICA ECONÔMICA Política monetária: a fase inicial do Plano Real* Edison Marques Moreira* Introdução Desde a implantação do Plano Real, em 1^ de julho, a economia brasileira convive com inflação baixa,

Leia mais

Competitividade: Do Diagnóstico à Ação. Wilson Brumer Setembro de 2014

Competitividade: Do Diagnóstico à Ação. Wilson Brumer Setembro de 2014 Competitividade: Do Diagnóstico à Ação Wilson Brumer Setembro de 2014 BRASIL FRENTE A UM NOVO DESAFIO DE CRESCIMENTO 6,00% 5,00% 4,00% 3,00% 2,00% 1,00% 0,00% -1,00% Evolução do PIB Mundial 5,35% 5,25%

Leia mais

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado Políticas Públicas Lélio de Lima Prado Política Cambial dez/03 abr/04 ago/04 dez/04 abr/05 ago/05 Evolução das Reservas internacionais (Em US$ bilhões) dez/05 abr/06 ago/06 dez/06 abr/07 ago/07 dez/07

Leia mais

Agenda para Aumento da Competitividade Internacional CNI - FIESP Ministro Guido Mantega

Agenda para Aumento da Competitividade Internacional CNI - FIESP Ministro Guido Mantega Agenda para Aumento da Competitividade Internacional CNI - FIESP Ministro Guido Mantega Brasília, 29 de setembro de 2014 1 A Crise mundial reduziu os mercados Baixo crescimento do comércio mundial, principalmente

Leia mais

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA 17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA PALESTRA FALTA DE COMPETITIVIDADE DO BRASIL FRENTE AO MERCADO EXTERNO JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Porto Alegre, 24 de JUNHO de 2015 2 - TEORIAS No

Leia mais

19ª. Plenária do Fórum Permanente. Comitê Comércio Exterior. 21 de julho de 2011

19ª. Plenária do Fórum Permanente. Comitê Comércio Exterior. 21 de julho de 2011 19ª. Plenária do Fórum Permanente Comitê Comércio Exterior 21 de julho de 2011 1. Atualização do Questionário de Gargalos à Exportação 2. Atualização das Estatísticas do Comércio Exterior de Bens e Serviços

Leia mais

Tabela 1 Evolução da taxa real de crescimento anual do PIB em países selecionados: 1991-2014

Tabela 1 Evolução da taxa real de crescimento anual do PIB em países selecionados: 1991-2014 Ano III /2015 Uma das grandes questões no debate econômico atual está relacionada ao fraco desempenho da economia brasileira desde 2012. De fato, ocorreu uma desaceleração econômica em vários países a

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Junho 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

CNI apresenta aos presidenciáveis propostas para promover o desenvolvimento

CNI apresenta aos presidenciáveis propostas para promover o desenvolvimento 28/07/2014 - ELEIÇÕES 2014 CNI apresenta aos presidenciáveis propostas para promover o desenvolvimento Os 42 estudos com sugestões em dez áreas decisivas para promover a competitividade pautarão o Diálogo

Leia mais

O crescimento da China e seus impactos sobre a economia mineira

O crescimento da China e seus impactos sobre a economia mineira SETOR EXTERNO E ECONOMIA INTERNACIONAL O crescimento da China e seus impactos sobre a economia mineira Gilberto Libânio * RESUMO - O presente trabalho busca discutir a importância do setor externo no desempenho

Leia mais

RESUMO EXECUTIVO Todos os direitos reservados. Distribuição e informações:

RESUMO EXECUTIVO Todos os direitos reservados. Distribuição e informações: RESUMO EXECUTIVO O Ministro da Fazenda, Guido Mantega, comunicou no dia 27 de dezembro de 2011 que vai mudar o regime de tributação para a importação de produtos têxteis do atual ad valorem, em que no

Leia mais

Inovação no Brasil nos próximos dez anos

Inovação no Brasil nos próximos dez anos Inovação no Brasil nos próximos dez anos XX Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas XVIII Workshop ANPROTEC Rodrigo Teixeira 22 de setembro de 2010 30/9/2010 1 1 Inovação e

Leia mais

6º Congresso ANBIMA de Fundos de Investimento. Paulo Oliveira

6º Congresso ANBIMA de Fundos de Investimento. Paulo Oliveira 6º Congresso ANBIMA de Fundos de Investimento Paulo Oliveira A aspiração é tornar o Brasil um polo de uma rede regional interconectada, com conexões globais otimizadas Modelo relacional atual Estrutura

Leia mais

Bernard Appy LCA Consultores. TRIBUTOS E ENCARGOS SOBRE A ELETRICIDADE: Impactos sobre a Eficiência Econômica

Bernard Appy LCA Consultores. TRIBUTOS E ENCARGOS SOBRE A ELETRICIDADE: Impactos sobre a Eficiência Econômica Bernard Appy LCA Consultores TRIBUTOS E ENCARGOS SOBRE A ELETRICIDADE: Impactos sobre a Eficiência Econômica Roteiro EFEITOS DO MODELO DE TRIBUTAÇÃO DA ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL A estrutura tributária

Leia mais

Infraestrutura de Transportes no Brasil Impactos de Investimentos no Crescimento do PIB. Luiz F. M. Vieira, PhD Vice-Presidente

Infraestrutura de Transportes no Brasil Impactos de Investimentos no Crescimento do PIB. Luiz F. M. Vieira, PhD Vice-Presidente São Paulo, 4 de Dezembro de 4 Apresentação Evento MBC Infraestrutura de Transportes no Brasil Impactos de Investimentos no Crescimento do PIB Luiz F. M. Vieira, PhD Vice-Presidente O crescimento do PIB

Leia mais

Redução da jornada de trabalho para 40 horas já!

Redução da jornada de trabalho para 40 horas já! 1 São Paulo, 11 de fevereiro de 2010 NOTA À IMPRENSA Redução da jornada de trabalho para 40 horas já! O debate sobre a redução da jornada de trabalho no Congresso Nacional Nesta semana, a campanha pela

Leia mais

O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999

O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999 14 de maio de 2014 Indicador IFO/FGV de Clima Econômico da América Latina¹ O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999 O indicador

Leia mais