Maksen COMO PODE O BRASIL AUMENTAR A CAPTAÇÃO DE INVESTIMENTO ESTRANGEIRO?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Maksen COMO PODE O BRASIL AUMENTAR A CAPTAÇÃO DE INVESTIMENTO ESTRANGEIRO?"

Transcrição

1 Maksen COMO PODE O BRASIL AUMENTAR A CAPTAÇÃO DE INVESTIMENTO ESTRANGEIRO? O INVESTIMENTO ESTRANGEIRO DIRETO, HISTORICAMENTE RELACIONADO COM OS PAÍSES DESENVOLVIDOS, ENCONTRA-SE ATUALMENTE A SER CANALIZADO PARA ECONOMIAS EMERGENTES, LEVANDO A QUE PAÍSES COMO O BRASIL NECESSITEM DE SE ADAPTAR, DE FORMA A CAPTAREM UMA MAIOR PARTE DESTE FLUXO, FUNDAMENTAL PARA O DESENVOLVIMENTO DAS NAÇÕES. DEVIDO AO CRESCIMENTO ECONÔMICO DOS PAÍSES EMERGENTES, NAS ÚLTIMAS DÉCADAS, O INVESTIMENTO ESTRANGEIRO DIRETO (IED) NESTES PAÍSES TEM AUMENTADO SIGNIFICATIVAMENTE Ao longo da história da humanidade, impérios e empresas sentiram necessidade de expandir as fronteiras econômicas dos seus países / mercados de origem. A entrada em novos países permitia o acesso a recursos que eram escassos ou inexistentes, a possibilidade de aumentar a base de clientes e mercados, o acesso a fatores de produção mais competitivos, o acesso a conhecimento e ativos estratégicos diferenciados e a possibilidade de diversificar o risco do negócio. A aplicação de capital em outros países, além de beneficiar o país emissor, apoiava também, de forma ímpar, o desenvolvimento econômico e social do país receptor, através do aumento da riqueza, do aumento do emprego, da melhoria do saldo da balança comercial ou mesmo através da partilha de conhecimentos e tecnologias inovadoras, gerando uma situação de win-win para os países envolvidos. O IED sempre esteve ligado à dimensão e crescimento 1

2 econômico dos países, pelo que, durante a segunda metade do século passado, os países considerados mais desenvolvidos eram também os mais atrativos e os mais representativos na repartição do IED. Na década de 0, os investimentos estrangeiros estavam bastante concentrados em grandes potências, tais como EUA e Reino Unido (e Hong Kong) que recebiam 47% de todo o investimento mundial. A sua estabilidade econômica, pioneirismo industrial e liderança tecnológica funcionavam como principais chamarizes do capital estrangeiro. Ao mesmo tempo, e devido à sua hegemonia econômica e liquidez financeira, estes eram também responsáveis pela maior parte das aplicações de fundos em outros países, sendo que EUA e Reino Unido contribuíam com cerca de 40% dos investimentos. Sob uma perspectiva global, o cenário de poder econômico vem sendo alterado nos últimos anos, onde países emergentes, como os BRIC (, Rússia, Índia e ), apresentaram recentemente um crescimento do PIB superior ao dos países desenvolvidos, tornando-se agentes relevantes nos fóruns de decisões globais e despertando o interesse dos principais investidores. Previsões de especialistas apontam para uma total mudança do paradigma econômico, com o grupo dos principais países emergentes E7 (,, Rússia, Índia, México, Indonésia e Turquia) a dobrarem o PIB do atual grupo de países mais desenvolvidos G7 (EUA, Reino Unido,, Itália, Alemanha, Japão e ), até 050. Da mesma forma, o fluxo de IED global, ao longo das últimas décadas, apresenta uma migração clara de concentração das economias desenvolvidas para as economias em desenvolvimento e emergentes. Este fenômeno de pulverização da anterior concentração em múltiplos polos, denominado por novo cenário multipolar, levou a que, de acordo com dados da UNCTAD, o valor de IED aplicado nas economias emergentes passasse de %, na década de 90, para os atuais %, prevendo-se um cenário de evolução pautado pelo mesmo ritmo de crescimento. Fluxo de IED mundial ao londo do tempo (US$ Trilhões) 11 0 Países emergentes + em transição % Países Desenvolvidos Há cerca de 0 anos atrás, nenhum país emergente se apresentava entre os 10 maiores receptores de IED. Hoje, e devido à maior estabilidade política e econômica de alguns países, o mundo abriu seus olhos para as nações em desenvolvimento, fazendo com que a e o estejam presentes no top 10 de países receptores de IED, e países como a Rússia, a Índia, e a Arábia Saudita sejam os que mais crescem (4, 50% e % ao ano, respectivamente). Da mesma maneira que passaram a receber mais IED, Ranking dos principais receptores de IED (% do total mundial) EUA Reino Unido (+ HK) Itália Irlanda Suíça Outros Quem ganhava o jogo (1990) 5,4% 4,7%,%,,9%,%,% 1,% 1,7% 1,% 1,4% 1,0% 5,9% 19,4% 1,% Quem está ganhando agora (011) EUA Reino Unido Hong Kong (HK) Suíça Rússia Outros 10% 5,% 5,% 4,7% 4,%,5%,%,,9%,9%,%,5%,4%,%,7% Países Desenvolvidos Países emergentes +emtransição Países como Índia, Arábia Saudita e Ilhas Virgens apresentam um crescimento elevado e logo estarão entre os 15 maiores

3 os emergentes também passaram a exercer um papel mais ativo de investidor, mostrando que definitivamente o jogo está mudando, onde aqueles que estavam acostumados a ganhar possuem grande chance de perder a sua posição de liderança. Considerando apenas os países em desenvolvimento, e Hong Kong são os principais países receptores de investimento estrangeiro direto (17% e 1 respectivamente). O surge como o terceiro principal responsável (10%) pela participação dos países emergentes no total de IED recebido. A LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO E O PLANO REAL PERMITIRAM AO BRASIL A ESTABILIDADE ECONÔMICA PARA RECEBER INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS RELEVANTES A PARTIR DE 1994 O IED no remonta ao século XVI e XVII, com as primeiras campanhas de exploração do açúcar e do Pau-, por parte dos portugueses. Desde então, muitas empresas, de diversos países, chegaram a investir no país, sobretudo nos setores das comunicações, energia e indústria, como foram os casos da americana Interurban Telephone Company, da inglesa/holandesa Shell ou da alemã Volkswagen. O movimento histórico de IED, no, apresentou uma grande volatilidade, com picos de crescimento, resultantes das políticas de desenvolvimento governamentais, mas também com períodos de estagnação e declínio, devido não só ao acompanhamento dos movimentos globais (ex. crises petrolíferas) mas também às crises econômicas e inflacionárias nacionais. Apenas na década de 90 é que se assistiu a uma expansão significativa do fluxo de IED para o, devido à estabilização macroeconômica e à abertura do mercado. Criado com o intuito de resgatar o país da profunda crise financeira da década de 0, o Plano Real conseguiu estabilizar o ambiente macroeconômico brasileiro e aumentar a atratividade dos mercados. Este processo alavancou os índices de IED e inseriu de vez o no cenário econômico internacional. Nem mesmo a crise asiática e a europeia conseguiram frear o crescimento, e o conseguiu se recuperar rapidamente da recessão global, voltando a alavancar o seu recebimento de IED em pouco tempo. Com relação aos setores de destino, a indústria concentrava quase 0% do estoque de IED, devido ao processo de industrialização brasileiro na década de 0. Hoje, o setor de serviços concentra mais da metade do total de estoque dos investimentos, principalmente nas atividades voltadas à infraestrutura do país, como transporte, armazenagem e comunicação. Fluxo histórico de IED no : Plano Real e estabilização macroeconômica 009: Choque pós-crise (recuperação) : Queda da dívida externa e invenção do termo BRIC IED no (US$ bi) th 0 1th 19th 40 0th to 000 4% Média anual de crescimento 000 to 00 % 00 to 01 19%

4 Estoque de IED por setor no 0% 0% 40% Serviços Indústria PARA AUMENTAR A SUA ATRATIVIDADE, PERANTE OS INVESTIDORES INTERNACIONAIS, O BRASIL DEVE MELHORAR, DE FORMA PRIORITÁRIA, A QUALIDADE DAS INSTITUIÇÕES, DA INFRAESTRUTURA GERAL E DA EDUCAÇÃO PRIMÁRIA 0% 0% Setor primário 009 Período de industrialização brasileira Durante a década de 70, os principais investidores de IED no eram EUA (0%), Alemanha (1%), Japão () e Suíça (10%). Esta repartição foi sendo alterada ao longo dos anos, onde apenas os EUA mantêm a sua posição de maior investidor, porém com uma participação bem menor (19%). (), (1) e (%) se tornaram os seguintes principais países investidores, enquanto que aqueles que ocupavam antigamente estes postos não ultrapassam uma participação de 5%. Maiores investidores no (% do total) Estados Unidos Alemanha Japão Suíça Reino Unido Panamá Luxemburgo Itália Portugal Outros Década de % 10% % % % % % % % 0% 0% 1% 0% 19% 5% 5% % % % 4% % 1 4% 15% Mesmo estando presente entre os dez maiores receptores de IED do mundo, quando comparado com os restantes países desse ranking,o apresenta um fraco desempenho nas variáveis consideradas determinantes para a captação de IED, bem como nos indicadores de competitividade. A título de exemplo, verifica-se que entre os dez países com maior fluxo de IED do mundo, o apresenta o pior indicador de Ease of doing business, assumindo a 10ª posição, a passo que os restantes maiores receptores de IED estão entre o º lugar (Hong Kong) e o 44º lugar () quanto à facilidade de se montar um negócio. Da mesma forma, no indicador Global Competitive Index, o apresenta novamente a pior classificação (4º do mundo) quando comparado com os restantes nove países com maior fluxo de IED. Assim, verifica-se não só que existe ainda uma necessidade grande de transformação e melhoria da imagem do perante os investidores mundiais, mas também que existe um grande potencial de crescimento e desenvolvimento que pode ser aproveitado se o país adotar as medidas necessárias. Para diagnosticar a situação do, foram identificadas e avaliadas 1 principais variáveis que, teoricamente, influenciam a atração de IED e que podem ser agrupadas nas seguintes dimensões: Infraestrutura, Instituições, Saúde e educação primária, Eficiência do mercado de consumo e Mercados financeiros. Analisando o desempenho das variáveis determinantes no cenário brasileiro, percebeu-se que a situação ainda é crítica. Excluindo a variável eficiência do mercado financeiro, onde o ocupa uma posição mediana entre os países (4º), o desempenho das outras variáveis influenciadoras é preocupante (Eficiência do mercado de consumo 104º; Infraestrutura 70º; Instituições 79º; e Educação º). 4

5 Identificação da hierarquia de urgência das variáveis determinantes Fonte: Modelo Maksen A Eficiência do Mercado de Consumo Alíquota de imposto # de procedimentos para iniciar um negócio Regras de IED 1 Variáveis Inter-relacionadas Hierarquia de Urgência Principais variáveis influenciadoras de IED Eficiência do Mercado Financeiro Infraestrutura Instituições B C D Tarifas comerciais Proteção legal Facilidade de acesso à empréstimos Infraestrutura geral Qualidade do fornecimento de eletricidade Carga de regulamentação governamental Independência judicial Desperdício dos gastos governamentais E A D C B 1º º º D B A C E Educação E Crime organizado Qualidade da educação primária 1 1 Se dividirmos o estoque de IED pelo PIB de cada país, conseguimos identificar os países que mais recebem IED, independentemente do seu poder econômico. Os dois países que mais recebem IED (Hong Kong e ) são também os países que ocupam a 1ª ou a ª posição nas variáveis acima referidas, com exceção da educação. FDI normalizado ao PIB de cada país Estoque de FDI (MM USD) e Banco Mundial FDI normalizado (USD) EUA.509 EUA 0, Reino Unido Reino Unido 0,49 Hong Kong 1.1 Hong Kong 4,5 Alemanha Suiça Rússia Alemanha Suiça Rússia 0,5 1, 0,0 0,10 0,7 0,4 0,4 0,70 0,,1 0, 0,5 Assim, e de forma a priorizar o plano de iniciativas para o, identificou-se que a qualidade das instituições e regulamentação do é a dimensão mais crítica a melhorar, uma vez que esta influencia o sucesso ou insucesso de qualquer investimento nas demais. Esta dimensão engloba as questões governamentais, judiciais, eficiência do mercado de consumo e do mercado financeiro. No nível hierárquico seguinte, aparecem as variáveis da qualidade da infraestrutura geral e do fornecimento de energia. Por fim, os esforços prioritários devem se focar no aumento da qualidade intelectual da mão de obra brasileira a partir da melhoria na educação primária. AS MELHORES PRÁTICAS GLOBAIS REVELAM TAMBÉM A NECESSIDADE DE CONSTRUÇÃO DE UMA MARCA SÓLIDA NO PAÍS E O DESENVOLVIMENTO DAS AGÊNCIAS DE PROMOÇÃO DE INVESTIMENTO A construção de uma marca forte é fundamental para o posicionamento de um país junto aos investidores internacionais. Quando confrontado com aplicações financeiras alternativas, um investidor terá sempre como base de comparação a sua percepção de solidez econômica, social e política do país, para avaliar o risco do seu investimento. Assim, a promoção de uma marca que construa uma forte reputação atrairá cada vez mais investidores, que por sua vez darão mais força à marca, criando um círculo virtuoso. Não é por acaso que países como EUA, Reino Unido,,, Alemanha e que pertencem aos países com maior recebimento de IED, aparecem também no ranking dos 10 melhores países em termos de marca. Em termos de promoção, o ainda tem um caminho a percorrer. Ao olharmos para o indicador de 5

6 melhores práticas da Investment Promotion Agency, verificamos que o aparece apenas em 5º lugar, bastante abaixo de alguns dos outros maiores receptores de IED do mundo (Alemanha em 4º, em 5º, Reino Unido em 7º e em º dos países com melhores práticas em termos de promoção). Os países com as agências de maior desempenho, dentre outros fatores de sucesso, disponibilizam informações precisas, relevantes e atualizadas, prontas para responderem à necessidade dos investidores. Se levarmos em conta que, de acordo com o Banco Mundial, um aumento de 10% no orçamento de promoção de investimento eleva em,5% os níveis de IED, entendemos a importância que este tema traz para a melhoria das agências de promoção, no. Atualmente, as agências de promoção do sofrem com a falta de foco, causando confusão aos investidores. Existe um desalinhamento estratégico das agências de promoção brasileiras, uma vez que estas não promovem as vantagens competitivas de cada estado nem se encontram coordenadas entre si. FACILITAR O CAMINHO DO INVESTIDOR PARA MAIOR CONCRETIZAÇÃO DE PROPOSTAS DE INVESTIMENTO Analisando as práticas dos países com as melhores agências de promoção, identificam-se iniciativas de curto prazo que o deve implantar de forma a facilitar o caminho do investidor, isto é, apoiá-lo na busca/ prospecção de novos investimentos, bem como facilitar e simplificar o processo de concretização do investimento, melhorando as chances de escolha do como destino final. Tendo em conta o primeiro estágio, onde o investidor busca principalmente informações prospectivas, a proposta envolve a criação de um website de fácil navegação, contendo todas as informações necessárias e links para as agências regionais, além de um suporte de comunicação direta e contato caso haja alguma questão ou necessidade de informação adicional. Após a recolha das informações, o investidor analisa e faz uma avaliação a respeito do possível investimento. No caso brasileiro, vemos que seria fundamental fornecer uma visão geral de cada região, informando todos os incentivos e custos específicos, mostrando sempre que possível casos e histórias de investimentos de sucesso, que entusiasmassem o investidor quanto à potencial oportunidade. Para a finalização do investimento, as agências brasileiras deveriam utilizar uma estratégia que passasse uma mensagem positiva de concretização e de simplicidade burocrática e que orientasse o investidor, mostrando que o investimento pode ser feito, é fácil de ser realizado e os passos a tomar são simples. Neste estágio final, é fundamental que o investidor tenha sempre uma forma disponível de contato, tanto para informações quanto para dúvidas, e tenha facilidade para entender todos os passos necessários para concluir seu investimento. UTILIZAR PAÍSES SIMILARES COMO FONTE COMPLEMENTAR DE CAPTAÇÃO DE INVESTIMENTOS Países como Marrocos, Bulgária e Armênia possuem um desempenho similar ao nas principais variáveis influenciadoras de IED, além das mesmas deficiências institucionais e algumas características culturais similares. Empresas estrangeiras que investem nestes países já desenvolveram competências para lidar com as dificuldades destes mercados e estão acostumadas ao tipo de ambiente empresarial local, podendo se adaptar rapidamente ao cenário brasileiro e tendo uma vantagem competitiva perante as demais. Desta forma a promoção do junto destes países, mostra-se como uma oportunidade e pode atuar como um complemento às restantes formas de atração de investimento. O BRASIL TEM ATUALMENTE A POSSIBILIDADE DE APANHAR A ONDA DE INVESTIMENTOS EM PAÍSES EMERGENTES, TENDO PARA ISSO DE SE ADAPTAR, SE QUISER CONTINUAR A CRESCER ENQUANTO POTÊNCIA MUNDIAL É um fato que o fluxo de IED acompanha atualmente a alteração do paradigma econômico, com países emergentes substituindo as anteriores potências mundiais. Sendo um país emergente, e tendo uma dimensão econômica de grande porte, o apresenta um enorme potencial para captação de um fluxo ainda maior destes investimentos. No entanto, quando se analisam as variáveis determinantes para atrair investimento, verificamos que este potencial não está sendo alcançado por falta de proatividade

7 governamental na melhoria das instituições, da infraestrutura e da educação primária. O caminho a seguir deve ser o de melhorar estas variáveis, envolvendo todos os intervenientes governamentais, desde o poder municipal ao poder federal. Paralelamente, e de forma a obter resultados rápidos, o deve melhorar a sua comunicação com os investidores, bem como criar acordos comerciais em países com características semelhantes e que tenham apresentado casos de sucesso na captação de investimento. Como pudemos verificar, o beneficiou, sobretudo, da conjuntura mundial para melhorar a sua captação de investimento. No entanto, a conjuntura poderá mudar e o não pode apenas depender do contexto para firmar o seu desenvolvimento. Sendo o IED uma variável determinante para o desenvolvimento de um país, será que o, daqui para a frente, tomará as ações necessárias para que seja visto pelos investidores estrangeiros como um mercado atrativo? Maksen Consulting Engineering Outsourcing A Maksen foi criada em 00 com o objetivo de prestar serviços de consultoria estratégica e de negócio, de sistemas de informação e de engenharia/redes de comunicações, apostando nos mais elevados níveis de rigor, profissionalismo, inovação e qualidade. Com uma crescente presença internacional, desenvolve hoje projetos nos diversos continentes do globo, centrando a sua atividade na prestação de serviços de consultoria em quatro grandes áreas: estratégia empresarial e de negócio; organização, processos e análises económico-financeiras; sistemas e tecnologias de informação; engenharia e redes de comunicações. Estudo realizado pela Maksen Informações adicionais em: 01 Maksen. All rights reserved. 7

WORLD INVESTMENT REPORT 2013 Cadeias de Valor Global: Investimento e Comércio para o Desenvolvimento

WORLD INVESTMENT REPORT 2013 Cadeias de Valor Global: Investimento e Comércio para o Desenvolvimento WORLD INVESTMENT REPORT 2013 Cadeias de Valor Global: Investimento e Comércio para o Desenvolvimento Sobeet São Paulo, 26 de junho de 2013 EMBARGO 26 Junho 2013 12:00 horas Horário de Brasília 1 Recuperação

Leia mais

Maksen POR QUE NÃO CONSEGUIMOS INTERNACIONALIZAR NOSSAS EMPRESAS?

Maksen POR QUE NÃO CONSEGUIMOS INTERNACIONALIZAR NOSSAS EMPRESAS? Maksen POR QUE NÃO CONSEGUIMOS INTERNACIONALIZAR NOSSAS EMPRESAS? APESAR DO CRESCIMENTO ACENTUADO DA ATUAÇÃO NO EXTERIOR NOS ÚLTIMOS ANOS, AS EMPRESAS BRASILEIRAS CONTINUAM MUITO ABAIXO DO SEU REAL POTENCIAL

Leia mais

Exercícios sobre BRICS

Exercícios sobre BRICS Exercícios sobre BRICS 1. (ENEM) O G-20 é o grupo que reúne os países do G-7, os mais industrializados do mundo (EUA, Japão, Alemanha, França, Reino Unido, Itália e Canadá), a União Europeia e os principais

Leia mais

A EVOLUÇÃO DO INVESTIMENTO EXTERNO DIRETO (IED) NO BRASIL: 1995-2013 1 RESUMO

A EVOLUÇÃO DO INVESTIMENTO EXTERNO DIRETO (IED) NO BRASIL: 1995-2013 1 RESUMO 1 A EVOLUÇÃO DO INVESTIMENTO EXTERNO DIRETO (IED) NO BRASIL: 1995-2013 1 Cleidi Dinara Gregori 2 RESUMO Este artigo tem como objetivo analisar a evolução do investimento externo direto, também conhecido

Leia mais

Ensino Fundamental II

Ensino Fundamental II Ensino Fundamental II Valor do trabalho: 2.0 Nota: Data: /dezembro/2014 Professora: Angela Disciplina: Geografia Nome: n o : Ano: 8º Trabalho de Recuperação Final de Geografia ORIENTAÇÕES: Leia atentamente

Leia mais

Percepção de Portugal no mundo

Percepção de Portugal no mundo Percepção de Portugal no mundo Na sequência da questão levantada pelo Senhor Dr. Francisco Mantero na reunião do Grupo de Trabalho na Aicep, no passado dia 25 de Agosto, sobre a percepção da imagem de

Leia mais

Os determinantes do custo Brasil

Os determinantes do custo Brasil Os determinantes do custo Brasil PET-Economia: Reunião de Conjuntura 14 de Outubro de 2011 Entendendo o O é um termo genérico, usado para descrever o conjunto de dificuldades estruturais, burocráticas

Leia mais

27/09/2011. Integração Econômica da América do Sul: Perspectiva Empresarial

27/09/2011. Integração Econômica da América do Sul: Perspectiva Empresarial 27/09/2011 Integração Econômica da América do Sul: Perspectiva Empresarial Estrutura da apresentação Perspectiva empresarial Doing Business 2011 Investimentos Estrangeiros e Comércio Exterior Complementaridade

Leia mais

Seus serviços vão além das fronteiras?

Seus serviços vão além das fronteiras? Seus serviços vão além das fronteiras? Negócios Internacionais Oportunidades para o setor de serviços Globalização Transformações de ordem política, econômica e cultural mundial Mais intensidade nas últimas

Leia mais

Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil

Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil Thayne Garcia, Assessora-Chefe de Comércio e Investimentos (tgarcia@casacivil.rj.gov.br) Luciana Benamor, Assessora de Comércio e Investimentos

Leia mais

cargas tributárias para empresas no mundou

cargas tributárias para empresas no mundou Cliente: UHY Moreira Data: 04/10/2011 Veículo: Site Sped Contábil - Porto Alegre Seção/ Pág. : Impostos e Tributos HUhttp://spedcontabilspedfiscal.com.br/impostos-tributacao-arrecadacao/carga-tributaria-brasil-temuma-das-maiores-cargas-tributarias-para-empresas-no-mundo/U

Leia mais

Náutica. Desenvolvimento Económico e Cultura Marítima. Lisboa, 8 de Fevereiro de 2012

Náutica. Desenvolvimento Económico e Cultura Marítima. Lisboa, 8 de Fevereiro de 2012 Náutica Desenvolvimento Económico e Cultura Marítima Lisboa, 8 de Fevereiro de 2012 Aicep Portugal Global é uma agência pública de natureza empresarial, cuja missão é: Atrair investimento estrangeiro para

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

Mais um ano de transição

Mais um ano de transição Mais um ano de transição Boas perspectivas de crescimento nos países emergentes, estagnação na Europa Ocidental, recuperação lenta nos Estados Unidos e avanço das montadoras alemãs e asiáticas devem caracterizar

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

Quem somos Em que acreditamos Acreditamos nas pessoas

Quem somos Em que acreditamos Acreditamos nas pessoas Prioridades para 2014-2019 Quem somos Somos o maior grupo político da Europa, orientado por uma visão política de centro-direita. Somos o Grupo do Partido Popular Europeu do Parlamento Europeu. Em que

Leia mais

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia Descrição do Sistema de Franquia Franquia é um sistema de distribuição de produtos, tecnologia e/ou serviços. Neste sistema uma empresa detentora de know-how de produção e/ou distribuição de certo produto

Leia mais

POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA O difícil caminho até o Grau de Investimento Jedson César de Oliveira * Guilherme R. S.

POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA O difícil caminho até o Grau de Investimento Jedson César de Oliveira * Guilherme R. S. POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA O difícil caminho até o Grau de Investimento Jedson César de Oliveira * Guilherme R. S. Souza e Silva ** Nos últimos anos, tem crescido a expectativa em torno de uma possível

Leia mais

Inovação no Brasil nos próximos dez anos

Inovação no Brasil nos próximos dez anos Inovação no Brasil nos próximos dez anos XX Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas XVIII Workshop ANPROTEC Rodrigo Teixeira 22 de setembro de 2010 30/9/2010 1 1 Inovação e

Leia mais

Indicadores Anefac dos países do G-20

Indicadores Anefac dos países do G-20 Indicadores Anefac dos países do G-20 O Indicador Anefac dos países do G-20 é um conjunto de resultantes de indicadores da ONU publicados pelos países: África do Sul, Alemanha, Arábia Saudita, Argentina,

Leia mais

+Gás Brasil. A energia que pode revolucionar a economia brasileira. São Paulo, 17 de Outubro de 2012

+Gás Brasil. A energia que pode revolucionar a economia brasileira. São Paulo, 17 de Outubro de 2012 +Gás Brasil A energia que pode revolucionar a economia brasileira São Paulo, 17 de Outubro de 2012 A hora do gás na agenda nacional Mudanças tecnológicas, econômicas e políticas globais e locais impõem

Leia mais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais João Carlos Ferraz BNDES 31 de agosto de 2008 Guia Contexto macroeconômico Políticas públicas Perpectivas do investimento

Leia mais

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes.

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. A ECONOMIA GLOBAL Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. O século XX marcou o momento em que hábitos culturais, passaram a ser ditados pelas grandes

Leia mais

Prevenção à Lavagem de Dinheiro num contexto de maior integração financeira e internacionalização da moeda

Prevenção à Lavagem de Dinheiro num contexto de maior integração financeira e internacionalização da moeda Os documentos não representam um posicionamento oficial do SGT-4 nem do Banco Central do Brasil. Prevenção à Lavagem de Dinheiro num contexto de maior integração financeira e internacionalização da moeda

Leia mais

Desafios para Implementação da Gestão de Energia Dificuldades e incentivos para implementar a ISO 50.001

Desafios para Implementação da Gestão de Energia Dificuldades e incentivos para implementar a ISO 50.001 Desafios para Implementação da Gestão de Energia Dificuldades e incentivos para implementar a ISO 50.001 George Alves Soares Chefe da Assessoria Corporativa e de Novos Negócios em Eficiência Energética

Leia mais

Consultor: Gilberto Sarfati

Consultor: Gilberto Sarfati Projeto Cenários de Empreendedorismo Internacional Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento e Secretaria de Assuntos Estratégicos do Governo Federal Consultor: Gilberto Sarfati Levantamento do

Leia mais

A parceria entre TozziniFreire e PLMJ foi

A parceria entre TozziniFreire e PLMJ foi P ARCERIA B RASI A Parceria A parceria entre TozziniFreire e PLMJ foi firmada em 2004 com o intuito comum de expandir a atuação de ambas empresas nos países de língua portuguesa. As organizações identificam-se

Leia mais

A ascensão dos subdesenvolvidos. Geografia Professor Daniel Nogueira

A ascensão dos subdesenvolvidos. Geografia Professor Daniel Nogueira GE GRAFIA A ascensão dos subdesenvolvidos Geografia Professor Daniel Nogueira Os grupos econômicos são grupos de países com comportamento econômico específico. Geralmente economias com aspectos semelhantes.

Leia mais

Internacionalização de empresas: experiências internacionais selecionadas. São Paulo, 14 de junho de 2012

Internacionalização de empresas: experiências internacionais selecionadas. São Paulo, 14 de junho de 2012 experiências internacionais selecionadas São Paulo, 14 de junho de 2012 experiências internacionais selecionadas Estudo realizado em parceria com a Sociedade Brasileira de Estudos de Empresas Transnacionais

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

Pesquisa: Fatores de Atratividade de Investimentos Estrangeiros Diretos no Brasil (2009-2011) Prof. Dr. José Roberto de Araujo Cunha Junior

Pesquisa: Fatores de Atratividade de Investimentos Estrangeiros Diretos no Brasil (2009-2011) Prof. Dr. José Roberto de Araujo Cunha Junior Pesquisa: Fatores de Atratividade de Investimentos Estrangeiros Diretos no Brasil (2009-2011) Prof. Dr. José Roberto de Araujo Cunha Junior São Paulo, 4 de agosto de 2012 1. Contextualização da Pesquisa

Leia mais

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 1 Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 Entrevistador- Como o senhor vê a economia mundial e qual o posicionamento do Brasil, após quase um ano da quebra do

Leia mais

GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA E GLOBALIZAÇÃO PRODUTIVA

GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA E GLOBALIZAÇÃO PRODUTIVA GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA E GLOBALIZAÇÃO PRODUTIVA GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA Interação de três processos distintos: expansão extraordinária dos fluxos financeiros. Acirramento da concorrência nos mercados

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

O Mercado de Energias Renováveis e o Aumento da Geração de Energia Eólica no Brasil. Mario Lima Maio 2015

O Mercado de Energias Renováveis e o Aumento da Geração de Energia Eólica no Brasil. Mario Lima Maio 2015 O Mercado de Energias Renováveis e o Aumento da Geração de Energia Eólica no Brasil Mario Lima Maio 2015 1 A Matriz Energética no Brasil A base da matriz energética brasileira foi formada por recursos

Leia mais

Ciência, Tecnologia e Inovação: Mecanismos de Transformação e Fortalecimento da Indústria de Defesa Nacional

Ciência, Tecnologia e Inovação: Mecanismos de Transformação e Fortalecimento da Indústria de Defesa Nacional Ciência, Tecnologia e Inovação: Mecanismos de Transformação e Fortalecimento da Indústria de Defesa Nacional Satoshi Yokota I Seminário Internacional Livro Branco de Defesa Nacional Transformação da Defesa

Leia mais

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012 Palestra: Macroeconomia e Cenários Prof. Antônio Lanzana 2012 ECONOMIA MUNDIAL E BRASILEIRA SITUAÇÃO ATUAL E CENÁRIOS SUMÁRIO I. Cenário Econômico Mundial II. Cenário Econômico Brasileiro III. Potencial

Leia mais

FORUM NACIONAL DE EDUCAÇÃO

FORUM NACIONAL DE EDUCAÇÃO FORUM NACIONAL DE EDUCAÇÃO Educação Profissional e Tecnológica Sergio Moreira BRASIL ÍNDICE GLOBAL DE COMPETITIVIDADE 2013/2014 Ranking Global de Competitividade BRICS: 2006 a 2013 Brasil ficou em 56º

Leia mais

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 INOVAR É FAZER Manifesto da MEI ao Fortalecimento da Inovação no Brasil Para nós empresários Inovar é Fazer diferente, Inovar

Leia mais

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR Viana do Castelo, 11de Fevereiro www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida em resumo

Leia mais

Otimizada para Crescimento:

Otimizada para Crescimento: Quinta Pesquisa Anual de Mudança na Cadeia de Suprimentos RESUMO REGIONAL: AMÉRICA LATINA Otimizada para Crescimento: Executivos de alta tecnologia se adaptam para se adequar às demandas mundiais INTRODUÇÃO

Leia mais

Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011

Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011 Janeiro 2011 Exclusivamente para empresas de médio porte Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011 Relatório para o Brasil Panorama global: Pesquisa com 2.112 líderes do mercado de

Leia mais

São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios

São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios A importância da economia paulista transcende as fronteiras brasileiras. O Estado é uma das regiões mais desenvolvidas de toda a América

Leia mais

A importância dos Bancos de Desenvolvimento

A importância dos Bancos de Desenvolvimento MISSÃO PERMANENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA JUNTO AO OFÍCIO DAS NAÇÕES UNIDAS REPRESENTAÇÃO COMERCIAL GENEBRA - SUÍÇA NOTA DE TRABALHO A importância dos Bancos de Desenvolvimento G E NEBRA A OS 5 DE Segundo

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Negócios Internacionais

Negócios Internacionais International Business 10e Daniels/Radebaugh/Sullivan Negócios Internacionais Capítulo 3.2 Influencia Governamental no Comércio 2004 Prentice Hall, Inc Objectivos do Capítulo Compreender a racionalidade

Leia mais

A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil

A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil Análise Economia e Comércio Bernardo Erhardt de Andrade Guaracy 30 de outubro de 2003 A Redução do Fluxo de Investimento

Leia mais

2º C o C n o g n r g esso o Br B asil-al A ema m nh n a h de d En E e n rgi g as

2º C o C n o g n r g esso o Br B asil-al A ema m nh n a h de d En E e n rgi g as 2º Congresso Brasil-Alemanha de Energias Renováveis e Eficiência Energética - Effizienz ISO 50001: cenário mundial e brasileiro George Alves Soares São Paulo, 02 de dezembro de 2014 Principais Funções

Leia mais

O papel do CFO na estratégia corporativa

O papel do CFO na estratégia corporativa O papel do CFO na estratégia corporativa Paola Sardi Madueño, Diretora de Estratégia da Monitor Deloitte Dezembro 2014 Tendências globais (1/2) Embora com pesos diferentes, existem algumas tendências globais

Leia mais

Em Crise Profunda no Mercado Interno. Em Expansão Acelerada nos Mercados Externos

Em Crise Profunda no Mercado Interno. Em Expansão Acelerada nos Mercados Externos 2ª JORNADAS DA ESPECIALIZAÇÃO EM DIREÇÃO E GESTÃO DA CONSTRUÇÃO ENGENHARIA CIVIL OS NOVOS DESAFIOS O PAPEL DA CONSTRUÇÃO NO FUTURO Índice: Onde Estamos Europa 2020 e Crescimento da Construção em Portugal

Leia mais

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015 Missão Empresarial EUA Flórida 21 a 26 de Março 2015 Apoiamos empresas a ter sucesso nos mercados internacionais Sobre nós Na Market Access prestamos serviços de apoio à exportação e internacionalização.

Leia mais

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB O NÚCLEO DE ECONOMIA EMPRESARIAL ESPM-SUL PESQUISA E APOIO 1. Despesas em

Leia mais

Exemplos de Marketing Global. Coca-Cola, Philip Morris, DaimlerChrysler. McDonald s, Toyota, Ford, Cisco Systems

Exemplos de Marketing Global. Coca-Cola, Philip Morris, DaimlerChrysler. McDonald s, Toyota, Ford, Cisco Systems Fundamentos de Marketing Global Parte 01 O significado de Marketing Global Uma empresa global bem-sucedida deve ser capaz de pensar globalmente e agir localmente. Marketing global pode incluir uma combinação

Leia mais

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 27/09 Turismo 27/09 Taxas de Juro 21/09 Energia 19/09 Taxas de Juro 15/09 Economia 12/09 Economia INE divulgou Viagens turísticas de residentes 2.º Trimestre de 2006 http://www.ine.pt/prodserv/destaque/2006/d060927/d060927.pdf

Leia mais

A emergência de um novo mundo no século XXI?

A emergência de um novo mundo no século XXI? A emergência de um novo mundo no século XXI? José Eustáquio Diniz Alves 1 A economia mundial deve crescer cerca de 4 vezes nos próximos 40 anos. Isto quer dizer que o Produto Interno Bruto (PIB) terá o

Leia mais

BRASIL PERDE UMA POSIÇÃO NO RANKING GLOBAL DE COMPETITIVIDADE 2014 DO FÓRUM ECONÔMICO MUNDIAL

BRASIL PERDE UMA POSIÇÃO NO RANKING GLOBAL DE COMPETITIVIDADE 2014 DO FÓRUM ECONÔMICO MUNDIAL BRASIL PERDE UMA POSIÇÃO NO RANKING GLOBAL DE COMPETITIVIDADE 2014 DO FÓRUM ECONÔMICO MUNDIAL Ranking traz a Suíça em primeiro lugar, seguida de Cingapura e EUA O Brasil perdeu uma posição no Ranking Global

Leia mais

Capítulo 03 Mercados regionais

Capítulo 03 Mercados regionais Capítulo 03 Mercados regionais As organizações decidem atuar no mercado global quando sabem que o crescimento externo será maior do que o interno. Nesse sentido, a China é um dos mercados para onde as

Leia mais

RELATÓRIO DE MISSÃO INTERNACIONAL À ALEMANHA

RELATÓRIO DE MISSÃO INTERNACIONAL À ALEMANHA RELATÓRIO DE MISSÃO INTERNACIONAL À ALEMANHA Participantes: Dr. Roberto Simões, presidente do CDN (Conselho Deliberativo Nacional) e Dr. Carlos Alberto dos Santos, Diretor Técnico do Sebrae Nacional. Objetivo:

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global

O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global Jorge A r bache U n i v e r s i d a d e d e B r a s í l i a S E M P E X 2 0 1 4 M a c e i ó, 2 2 / 5 / 2 0 1 4 0,45

Leia mais

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas Porto, 28 de Janeiro de 2014 Índice 1. Enquadramento 2. A aicep Portugal Global 3. Produtos e serviços AICEP Enquadramento Enquadramento

Leia mais

Os desafios do desenvolvimento brasileiro e a Política Industrial

Os desafios do desenvolvimento brasileiro e a Política Industrial 4o. Congresso Internacional de Inovação FIERGS Política Industrial em Mercados Emergentes Porto Alegre, 17 de novembro de 2011 Os desafios do desenvolvimento brasileiro e a Política Industrial João Carlos

Leia mais

Como a JETRO poderá apoiar os exportadores brasileiros

Como a JETRO poderá apoiar os exportadores brasileiros Como a JETRO poderá apoiar os exportadores brasileiros Teiji Sakurai Realização :, SÃO PAULO O que é a JETRO? Órgão oficial de comércio exterior do Japão 1951 Osaka Oficialmente JETRO em 1958 76 escritórios

Leia mais

Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP

Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP Lisboa, 10 janeiro 2014 António Rendas Reitor da Universidade Nova de Lisboa Presidente do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas Queria começar

Leia mais

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA 17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA PALESTRA FALTA DE COMPETITIVIDADE DO BRASIL FRENTE AO MERCADO EXTERNO JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Porto Alegre, 24 de JUNHO de 2015 2 - TEORIAS No

Leia mais

Valorização e Globalização da Marca Brasil Plano Aquarela, Megaeventos e Marketing Turístico Internacional

Valorização e Globalização da Marca Brasil Plano Aquarela, Megaeventos e Marketing Turístico Internacional Valorização e Globalização da Marca Brasil Plano Aquarela, Megaeventos e Marketing Turístico Internacional Tribunal de Contas da União, 17 de agosto de 2011 Plano Aquarela Desde 2005 é a base metodológica

Leia mais

Porque é que o Turismo. é essencial para a Economia Portuguesa?

Porque é que o Turismo. é essencial para a Economia Portuguesa? Porque é que o Turismo é essencial para a Economia Portuguesa? 14 milhões de hóspedes Vindos do Reino Unido, Alemanha, Espanha, França, Brasil, EUA Num leque de países que alarga ano após ano. 9,2 % do

Leia mais

Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã. 26 de novembro de 2014

Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã. 26 de novembro de 2014 Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã 26 de novembro de 2014 1. Empresas Alemãs em Portugal 2. Investimento Direto Alemão em Portugal 3. Exportação / Importação 1. Empresas Alemãs em Portugal Perspetiva

Leia mais

Exercícios sobre Tigres Asiáticos

Exercícios sobre Tigres Asiáticos Exercícios sobre Tigres Asiáticos Material de apoio do Extensivo 1. (UNITAU) Apesar das críticas, nos últimos tempos, alguns países superaram o subdesenvolvimento. São os NIC (Newly Industrialized Countries),

Leia mais

Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil

Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil Fernando Veloso IBRE/FGV Book Launch of Surmounting the Middle Income Trap: The Main Issues for Brazil (IBRE/FGV e ILAS/CASS) Beijing, 6 de Maio

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE NÍVEL EMPRESARIAL. Administração Estratégica Conceitos. Autores Peter Wright Mark J. Kroll John Parnell

ESTRATÉGIAS DE NÍVEL EMPRESARIAL. Administração Estratégica Conceitos. Autores Peter Wright Mark J. Kroll John Parnell Administração Estratégica Conceitos Autores Peter Wright Mark J. Kroll John Parnell Alternativas Estratégicas É a estratégia que a alta administração formula para toda a empresa. Reestruturação Empresarial

Leia mais

6º Congresso ANBIMA de Fundos de Investimento. Paulo Oliveira

6º Congresso ANBIMA de Fundos de Investimento. Paulo Oliveira 6º Congresso ANBIMA de Fundos de Investimento Paulo Oliveira A aspiração é tornar o Brasil um polo de uma rede regional interconectada, com conexões globais otimizadas Modelo relacional atual Estrutura

Leia mais

Economia mundial. Perspectivas e incertezas críticas. Reinaldo Gonçalves

Economia mundial. Perspectivas e incertezas críticas. Reinaldo Gonçalves Economia mundial Perspectivas e incertezas críticas Reinaldo Gonçalves Professor titular UFRJ 19 novembro 2013 Sumário 1. Economia mundial: recuperação 2. Macro-saídas: eficácia 3. Incertezas críticas

Leia mais

O outro lado da dívida

O outro lado da dívida O outro lado da dívida 18 KPMG Business Magazine A crise de endividamento na Europa abalou a economia global como a segunda grande onda de choque após a ruptura da bolha imobiliária nos Estados Unidos,

Leia mais

China e África: Será que a lua-de-mel vai continuar?

China e África: Será que a lua-de-mel vai continuar? China e África: Será que a lua-de-mel vai continuar? Wenjie Chen e Roger Nord 21 de dezembro de 2015 A promessa recente de apoio financeiro no valor de USD 60 mil milhões ao longo dos próximos três anos

Leia mais

EXERCÍCIOS ON-LINE 9º ANO 3º TRIMESTRE/2014

EXERCÍCIOS ON-LINE 9º ANO 3º TRIMESTRE/2014 EXERCÍCIOS ON-LINE 9º ANO 3º TRIMESTRE/2014 1. Sobre os BRICS, assinale o que for INCORRETO: a) É um grupo formado pelos países considerados emergentes, formando um dos maiores blocos econômicos do planeta,

Leia mais

Expectativas para 2015

Expectativas para 2015 Crise Economia Pessimismo Política Otimismo Segurança Saúde Prosperidade Expectativas para 2015 OBJETIVO Medir a expectativa da população mundial para o ano seguinte, por meio de índices de esperança e

Leia mais

Indicador ANEFAC dos países do G-20 Edição 2013. Por Roberto Vertamatti*

Indicador ANEFAC dos países do G-20 Edição 2013. Por Roberto Vertamatti* Indicador ANEFAC dos países do G-20 Edição 2013 Por Roberto Vertamatti* Brasil recua novamente para a 15ª posição por não melhorar índices de saúde, educação e renda e piorar em relação a pobreza e desigualdade

Leia mais

Gerenciando a Crise. 10 º Congresso Internacional de Gestão Porto Alegre, 20 de julho de 2009

Gerenciando a Crise. 10 º Congresso Internacional de Gestão Porto Alegre, 20 de julho de 2009 Gerenciando a Crise 10 º Congresso Internacional de Gestão Porto Alegre, 20 de julho de 2009 Apresentação de Martin Forst & Hanna Kleider Divisão de Gestão e Desempenho do Setor Público Diretoria de Governança

Leia mais

O Investimento Direto Estrangeiro (IDE) e o Brasil. Daniela Freddo

O Investimento Direto Estrangeiro (IDE) e o Brasil. Daniela Freddo O Investimento Direto Estrangeiro (IDE) e o Brasil Daniela Freddo 1. O que é o IDE? Investimento de Portfólio X Investimento Direto Investimento de Portfólio: É baseado na percepção do ganho financeiro

Leia mais

Brasil 2007 2010: BRIC ou não BRIC?

Brasil 2007 2010: BRIC ou não BRIC? Brasil 27 21: BRIC ou não BRIC? Conselho Regional de Economia, 3 de outubro de 26 Roberto Luis Troster robertotroster@uol.com.br BRIC Brasil, Rússia, Índia e China BRIC Trabalho de 23 da GS Potencial de

Leia mais

Panorama Mundial (2013)

Panorama Mundial (2013) Panorama Mundial (2013) Produção mundial alcançou US$ 444 bilhões em 2013; Mesmo com os efeitos da crise internacional, registra 85% de crescimento desde 2004, a uma taxa média de 7% ao ano; 54% da produção

Leia mais

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO Ambiente de Inovação em Saúde EVENTO BRITCHAM LUIZ ARNALDO SZUTAN Diretor do Curso de Medicina Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo SOCIEDADES CONHECIMENTO

Leia mais

Exportação de Serviços

Exportação de Serviços Exportação de Serviços 1. Ementa O objetivo deste trabalho é dar uma maior visibilidade do setor a partir da apresentação de algumas informações sobre o comércio exterior de serviços brasileiro. 2. Introdução

Leia mais

O Futuro da Economia Brasileira: baixa eficiência e baixo crescimento? Pedro Cavalcanti Ferreira Fundação Getulio Vargas

O Futuro da Economia Brasileira: baixa eficiência e baixo crescimento? Pedro Cavalcanti Ferreira Fundação Getulio Vargas O Futuro da Economia Brasileira: baixa eficiência e baixo crescimento? Pedro Cavalcanti Ferreira Fundação Getulio Vargas Pontos Principais Teorias e políticas de crescimento tradicionais enfatizaram o

Leia mais

Sociedade de Geografia de Lisboa

Sociedade de Geografia de Lisboa Sociedade de Geografia de Lisboa Tema A internacionalização das empresas portuguesas para os Países da Europa Central e Oriental (PECO) Autor Rui Paulo Almas Data Lisboa, 25 de Junho de 2012 1 A internacionalização

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

A Retomada dos Investimentos e o Mercado de Capitais Instituto IBMEC 18.08.2015

A Retomada dos Investimentos e o Mercado de Capitais Instituto IBMEC 18.08.2015 A Retomada dos Investimentos e o Mercado de Capitais Instituto IBMEC 18.08.2015 A RETOMADA DOS INVESTIMENTOS E O MERCADO DE CAPITAIS Sumário I. O MERCADO DE TÍTULOS DE DÍVIDA PRIVADA NO BRASIL II. A AGENDA

Leia mais

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012 RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO Junho de 2012 Riscos e oportunidades para a indústria de bens de consumo A evolução dos últimos anos, do: Saldo da balança comercial da indústria

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Prof. Fabini Hoelz Bargas Alvarez O que são finanças? Finanças é a arte e a ciência de gestão do dinheiro; Imprescindível, pois todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam dinheiro; A teoria

Leia mais

Perspectivas para o setor de TI. BM&F Bovespa. 26 de junho de 2013 BRASSCOM

Perspectivas para o setor de TI. BM&F Bovespa. 26 de junho de 2013 BRASSCOM Perspectivas para o setor de TI BM&F Bovespa 26 de junho de 2013 BRASSCOM Associados BRASSCOM 1 Mercado Mundial de TI Crescimento Mercado TI BRASIL (2012/2011) 10,8% Crescimento Mercado TI Mundo (2012/2011)

Leia mais

RELATÓRIO TESE CENTRAL

RELATÓRIO TESE CENTRAL RELATÓRIO Da audiência pública conjunta das Comissões de Assuntos Econômicos, de Assuntos Sociais, de Acompanhamento da Crise Financeira e Empregabilidade e de Serviços de Infraestrutura, realizada no

Leia mais

Cenário Geral do Desenvolvimento Econômico da China A Política de GO OUT da China

Cenário Geral do Desenvolvimento Econômico da China A Política de GO OUT da China Cenário Geral do Desenvolvimento Econômico da China A Política de GO OUT da China A aplicação da Estratégia de GO OUT --Investimento direto chinês para o exterior em 2007 As principais medidas para apoiar

Leia mais

O Setor em Grandes Números. Situação Atual e Perspectivas do Mercado Interno e Externo

O Setor em Grandes Números. Situação Atual e Perspectivas do Mercado Interno e Externo O Setor em Grandes Números Situação Atual e Perspectivas do Mercado Interno e Externo I - CADEIA PRODUTIVA NÚMERO ESTIMADO DE EMPRESAS EM 2012 Lapidação / Obras de pedras 350 INDÚSTRIA Joalheria ouro e

Leia mais

PESQUISA: "CLIMA DO BUSINESS SAÚDE" com ganhadores do Prêmio Top Hospitalar 2002

PESQUISA: CLIMA DO BUSINESS SAÚDE com ganhadores do Prêmio Top Hospitalar 2002 MÉDIA GERAL CRESCIMENTO CRESCIMENTO ESTÁVEL 29 QUEDA 6 TOTAL 84 SIMONSEN ASSOCIADOS PESQUISA: "CLIMA DO BUSINESS SAÚDE" com ganhadores do Prêmio Top Hospitalar 2002 GRAU DE CONFIANÇA NO CRESCIMENTO DO

Leia mais

O empreendedorismo em Portugal

O empreendedorismo em Portugal O empreendedorismo em Portugal Hoje 1. Obter uma perspectiva geral sobre a actividade empreendedora em Portugal e no mundo 2. O empreendedorismo e a actividade económica 3. Determinantes nacionais do empreendedorismo

Leia mais

4º PAINEL: INVESTIMENTO PRIVADO, INVESTIMENTO PÚBLICO E MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL

4º PAINEL: INVESTIMENTO PRIVADO, INVESTIMENTO PÚBLICO E MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL SEMINARIO FIESP REINDUSTRIALIZAÇÃO DO BRASIL: CHAVE PARA UM PROJETO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO 4º PAINEL: INVESTIMENTO PRIVADO, INVESTIMENTO PÚBLICO E MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL 26 agosto 2013 Carlos

Leia mais

2ª Conferência de Investimentos Alternativos: FIDC, FII E FIP

2ª Conferência de Investimentos Alternativos: FIDC, FII E FIP 2ª Conferência de Investimentos Alternativos: FIDC, FII E FIP São Paulo, 21 de Agosto de 2013 Hotel Caesar Park Patrocínio SPX Capital Agosto 2013 Perspectivas Macroeconômicas Inflação acumulada em 12

Leia mais

GABARITO PRÉ-VESTIBULAR

GABARITO PRÉ-VESTIBULAR LINGUAGENS 01. C 02. D 03. C 04. B 05. C 06. C 07. * 08. B 09. A 10. D 11. B 12. A 13. D 14. B 15. D LÍNGUA ESTRANGEIRA 16. D 17. A 18. D 19. B 20. B 21. D MATEMÁTICA 22. D 23. C De acordo com as informações,

Leia mais

Luiz Carlos T. de Carvalho Assessor Chefe de Comércio e Investimentos Subsecretaria de Relações Internacionais Secretaria de Estado da Casa Civil

Luiz Carlos T. de Carvalho Assessor Chefe de Comércio e Investimentos Subsecretaria de Relações Internacionais Secretaria de Estado da Casa Civil Luiz Carlos T. de Carvalho Assessor Chefe de Comércio e Investimentos Subsecretaria de Relações Internacionais Secretaria de Estado da Casa Civil Governo do Estado do Rio de Janeiro A SUBSECRETARIA DE

Leia mais