APLICAÇÕES " GEOMETRICAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APLICAÇÕES " GEOMETRICAS"

Transcrição

1 C P Í T U L O. PLICÇÕES " GEOMETRICS Neste capítulo são apresentadas algumas aplicações dos vetares à Geometria Euclidiana. o objetivo deste capítulo é dar uma idéia de como os vetores podem ser úteis na obtenção ;> resultados geométricos, e para isso faremos demonstrações de alguns fatos da Geometria Euclidiana técnica vetorial pode simplificar bastante a resolução de problemas geométricos, mas isso nã acontece sempre. O ideal é conhecer suas virtudes e suas limitações, para utilizá-ia em nos benefício. Exercicio > Prove que as diagonais de um paralelo gramo têm o mesmo ponto médio. Resolução Sendo CD um paralelogramo e M o ponto médio da diagonal C (Figura 5-1 (a)). valem as igualdades C = D e CM =.MÃ. Para concluir que M também é ponto médio da diagonal D, basta mostrar que lfm = MJ5: c Q7C Mr \ (a) (b) Figura 5-1

2 Capítulo 5 - plicações geométricas - 27 Exercicio Prove que o segmento que une os pontos médios de dois lados de um triângulo é paralelo ao terceiro e tem a metade da sua medida. Resolução No triângulo C, sejam M o ponto médio de C e N o de C (Figura 5-1 (b)). ssim, podemos escrever MN=MC+ CN= ~C+~ i =~(C+ i) =~ li Logo, MN// e IIMJVII= 11Ã1I/2. Em vários exercícios usaremos o conceito de razão em que um ponto P divide um segmento orientado não-nulo (,), que é o número real r tal que P = rjijj. É fácil ver que esse número /. P ' P S b di - IIPII d P so existe se pertence a reta e ;é. o essas con içoes, r = -=- quan o pertence ao IIPII IIPII segmento e r = - -=- quando nao pertence. IIPII _ Exercicio Seja r a razão em que o ponto P divide o segmento orientado não-nulo (,). Prove - r- que r ;é -1 e que P = r Resolução Se r fosse igual a-i, P seria o vetor oposto de P e, portanto, = P + jijj = 5, contradizendo a hipótese de que o segmento orientado (,) é não-nulo. -< Como P = rp, podemos escrever P = r(pã + li) = r(-p + ) = -rp + r r- Logo, P + rp = r, ou seja, (1 + r)p = r e, portanto, P = r -Exercicio Sejam, e C pontos distintos e p um número real. Seja X o ponto tal que X = p. Exprima CX em função de C, C, p. Resolução CX= CÃ +X= CÃ + pli = C + p(c + C) = C + p(-c + C) = CÃ - pc + pc Logo,

3 28 - Geometria nalítica - um tratamento vetorial CX = (1- p)c + pc Faça figuras ilustrativas: uma, com, e C não-colineares, colineares e X ora interior, ora exterior ao segmento. outras, com, e C IIXERCÍCldS 5-1 Considerando,, C e X como no exercício resolvido anterior, seja m a razão em que X divide (,). Exprima CX em função de C, C, m. Exprima p em função de m. 5-2 Sejam OC um tetraedro e X o ponto definido por X = mc. Exprima OX e X em função de 6Ã,Oã,oc,m. 5-3 (a) No triângulo Cda Figura 5-2 (a), Mdivide (,) endivide (C,) na mesma razão r. Prove que MN//Ce IIMNII calcule-=-. IICII (b) No quadrilátero CO (eventualmente reverso, como na Figura 5-2 (b)), M divide (,), N divide (C,8), MNPQ é um paralelogramo. P divide (C,O) e Q divide (,O), todos na razão r. Prove que o quadrilátero (c) Suponha que o quadrilátero CO do item anterior seja um paralelogramo. Mostre que as quatro diagonais (as duas de CO e as duas de MNPQ) têm um ponto comum. M N C ngura Sejam, e C pontos quaisquer, ~. Prove que: (a) X pertence à reta se, e somente se, existem a e fj tais que CX = ac + fjc e a + fj = 1; (b) X pertence ao segmento se, e somente se, existem a e fj tais que CX = ac +fjc, a ~ 0, fj~oea+fj=1; (c) X é interior ao segmento XÃ e Xã são de sentido contrário. (isto é, existe À tal que < À < 1 e X = À) se, e somente se, 5-5 Prove que X é um ponto interior ao triângulo de vértices, e C se, e somente se, existem a e fj tais que a > 0, fj > 0, a + fj < 1 e CX = ac + fjc. (Um ponto é interior a um triângulo é interior a um segmento que tem por extremidades um vértice e um ponto interior ao lado oposto.) se

4 Capítulo 5 - plicações geométricas Prove que o segmento que une os pontos médios dos lados não-paratelos de um trapézio é paralelo às bases, e sua medida é a semi-soma das medidas das bases (Figura 5-3 (a)). 5-7 Prove que o segmento que une os pontos médios das diagonais de um trapézio é paralelo às bases, e sua medida é a semidiferença das medidas das bases (Figura 5-3 (b)). D_~ C Dr-::- 7\C Mf \ N I' (a) (b) Figura Suponha que, no trapézio da Figura 5-3 (a), as razões em que M divide (D,) e N divide (C,) são iguais a r.mostre que MN = _r_ + _1_ MN é igual a rllii 1 + r + IIOCII 1+r 1+r OC. Deduza que MN// e que a medida de EJferdçio Reso1lf.ido :<-'5 os pontos médios dos lados, C e C do triângu- Sejam M, N e P, respectivamente, lo C (Figura 5-4). (a) Exprima P, N e CM em função de C, C. (b) Prove que as retas-suportes de duas medianas quaisquer do triângulo são concorrentes. (c) Prove que as três medianas têm um único ponto comum, que divide (,N), (,P) e (C,M) na razão 2 (conhecido como baricentro do triângulo). c p N L..- ~ -"" M Figura 5-4 Resolução, (a) Comecemos por lfp. Note que CP = CÃ/2, pois P é o ponto médio de C. Logo,

5 30 - Geometria nalítica - um tratamento vetorial nalogamente se obtém, para N, N = - C + - C 2 Quanto a CM, trata-se de um caso particular do Exercício 5-4, em que X=Mep= 1/2: Portanto, CM= C +M= CÃ + -.L 2 = C + -.L (C + CiJ) 2 = C (- C - + C) = C - - C + - C CM= -C+-C 2 2 (Note que, com procedimento e notação diferentes, já havíamos obtido esse resultado no Exercício 3-8.) -< (b) Uma vez que as retas N e P são coplanares, para concluir que são concorrentes basta provar que N e P não são paralelos (e o procedimento é análogo para os outros pares de retas). Raciocinemos por redução ao absurdo: se esses vetores fossem paralelos, existiria (Proposição 3-6) um número real À. tal que P = À.N. Devido à parte (a), esta igualdade fornece C +- C = À.(-C + - C) = -À.C + - C Sendo CÃ e CiJ não-paralelos, isso acarreta, pelo Corolário 3-11,-2 = À. = -1/2, o que é impossível. Concluímos que R e P não são paralelos. -< (c) Chamemos G o ponto comum às retas N e P, e H o ponto comum às retas N e CM. Provaremos que G = H e que esse ponto pertence às três medianas, isto é, aos segmentos N, P e CM. Sendo, G e N colineares, existe À.tal que G = À.N; logo, G = + À.N. Da mesma forma, existe fl tal que G = +flp. Portanto, +À.N= +flp. Como = +, podemos escrever Usando P I e P 2 (Proposição 4-2), concluimos que

6 Capítulo 5 - plicações geométricas - 31 Substituindo por C- C e R e P por suas expressões deduzidas na parte (a), obtemos Como C e C não são paralelos, podemos aplicar o Corolário 3-11: À -= 1-,u 2 Estas igualdades fornecem À =,li = 2/3 e, portanto, 2-2- G=+-N=+ -P 3 3 [5-1] Quanto a H, existem a e (3 tais que H = + a.n = C + (3CM.Um procedimento inteiramente análogo ao anterior leva à conclusão de que a = (3 = 2/3, de modo que [5-2] Comparando [5-1]e [5-2],vemos que o que acarreta ~ G=H=+ -N=+ -P= C+ -CM 333 [5-3] ssim, podemos concluir que G pertence às três medianas, já que O < 2/3 < 1. lém disso, da primeira igualdade de [5-3], obtemos e, portanto, G/3 = 2GN/3, ou seja, Isto quer dizer que G divide (,N) na razão 2. nalogamente, prova-se que G divide (,P) e (C,M) na razão 2, conforme foi enunciado. -( Exercicio Dado um triângulo C qualquer, mostre que existe outro com lados paralelos e congruentes às medianas do primeiro. Resoluçêo Usaremos a notação do Exercício 5-5 (acompanhe na Figura 5-5).

7 I I 32 - Geometria nalítica - um tratamento vetoria/ c x ~ L ~ M Figura 5-5 Tomemos um ponto O qualquer. Sejam X = O + N, Y = X + P e Z = Y + em. Inicialmente, mostremos que Z = O. Usando as expressões obtidas na parte (a) do Exercício 5-5 paran, ifp e em, vemos facilmente quen + ifp + EM= Õ. Então, lém disso, como XY = P e YZ= em, decorre do Exercício 5-5 (b) que XV e yz não são paralelos. Logo, X, Ye Z, ou seja, X, Ye O, não são colineares. Existe, pois, um triângulo de vértices X, Ye O. Como OX =N, XY = P e YO = em, os lados do triângulo XYO são paralelos e congruentes a N, P e em. -( 5-9 (a) Mostre que o baricentro de um triângulo C (ponto comum às três medianas do triângulo) é também o baricentro dos pontos,, C, como foi definido no Exercício (b) Sejam OC um tetraedro e X o baricentro do triângulo G. Exprima OX em função de O, OOe OCo 5-10 Os segmentos N, P e CM são dois a dois não-paralelos. Dê uma condição sobre os vetores N, f3 e em, que não envolva suas normas, para que exista um triângulo de lados paralelos e congruentes a N, P e CM (a) Dado o triângulo C, sejam M, N e P pontos tais que 2M = ã, 2N = 5C e 2CP= C. Exprima N, f3 e em em função de C e C, e prove que existe um triângulo paralelos a N, P e CM. de lados (b) Dado o triângulo C, sejam M, N e P pontos tais que M = aã, N = j3c e CP = yc, com a, 13 e y em [0,1]. Prove que existe um triângulo de lados paralelos e congruentes P e CM se, e somente se, a = 13 = y. a N, 5-12 O ponto Xdivide (, ) na razão a, Ydivide (,C) na razão 13 e Zdivide (C,) na razãoy. Exprima CX, V e Z em função de C, Cã, a, 13, y Dado o triângulo C, sejam X o ponto que divide (,) na razão 2 e Yo ponto que divide (,C) na razão 3.,_\ Cv",.im", r.x e V em função de ã, O.

8 Capítulo 5 - plicações geométricas - 33 (b) Prove que as retas CX e Y são concorrentes e exprima o ponto de concorrência P em função de,, C Dado o triângulo C, sejam X e Yos pontos tais que X = ac e V = f3c (Figura 5-6). (a) Prove que X//Y se, e somente se, (a - 1)(/3-1) = 1. (b) Mostre que, se X é interior ao lado C e Y é interior ao lado C, então as retas X e Y são concorrentes. Figura Dado o triângulo C, tome O na reta C tal que C seja o ponto médio de O e Y na reta C tal que as retas O e Y sejam paralelas. ponto médio de Y. Exprima V em função de, C e mostre que C é o "~ xercicio Dado o triângulo C, seja ü = C/2 + C/3. (a) Explique por que existe e é único o ponto X da reta R tal que CX//ü (Figura 5-7). (b) Mostre que X pertence ao segmento e exprima CX em função de C, C. (c) Calcule IIXII e a razão em que X divide (,). 11XE11 Figura 5-7 Resolução (a) O vetor ü não é paralelo a Jj pois, se fosse, existiria um número real À, tal que CI2 + C/3 = ME = À,Ç4C+ C) = -À,C + À,C, e então -1/2 = À,= 1/3, o que é impossível. Conseqüentemente, a reta paralela a ü que contém C não é paralela à

9 34 - Geometria nalítica - um tratamento vetorial reta. Como se trata de retas coplanares, concluímos que elas são concorrentes e que, portanto, o ponto X existe e é único. «(b) Como X, e são colineares, podemos escrever X = a. Do Exercício 5-4 resulta Por outro lado, CX//ü;logo, existe À tal que cx= (l-a)c +ac [5-4] ~-À~À- CX= Àu = - C+ - C 2 3 [5-5] De [5-4] e [5-5], obtemos ~ (1-a)C +ac= -C + -C 2 3 Como Ce Cnão são paralelos, concluímos que 1 - a = À/2 e a = À/3 (Corolário 3-11) e que, portanto,..1.=6/5 e a = 2/5. Logo, X = a e O< a < 1, o que garante que X pertence ao segmento. Voltando a [5-5], obtemos ~ 3 ~ 2- CX= -C+ -C 5 5 (c) Vimos em (b) que X = 2/5. Logo, X = 2(X + XJJ)/5 e, portanto, 3X/5 = 2X/5, ou seja, M= 3XÃ/2. Isso quer dizer que X divide (,) na razão 3/2. «Tomando normas, obtemos IIMII = 31tX4I1/2;logo, 2 _ IIXII _ IIXII 3 - IIMII - IIXII m~~rgícios.~~ 5-16 Sejam, e C vértices de um triângulo. (a) Prove que, se m + n "#- O, então existe um ponto X na reta tal que CX seja paralelo a mg + ng. Exprima CX em função de G, G, m, n. (b) Relacione o caso particular em que m + n = 1 com o Exercício 5-4. (c) Prove (algebricamente) que não existe o ponto X quando m + n = O. Interprete geometricamente este caso No triângulo C, sejam ü = G, v = G, W = ü - 2v. Calcule a para que X = C + aw pertença à reta Dado o triângulo C, seja X a interseção do lado com a bissetriz do ângulo interno de vértice C (Figura 5-8) e sejam a = IIGII e b = IlGII.

10 Capítulo 5 - plicações geométricas - 35 (a) Explique geometricamente por que CX é paralelo a CÃlb + Cãla. (b) Exprima CX em função de CÃ, Cã, a, b. Exprima X em função de, a, b... _ IIXII 11 XII (c) Mostre que X divide (,) na razao bla e conclua que -- = --. b a <. y x Figura No triângulo da Figura 5-8, sejam a = llcãll e b = llcãii; suponhamos que a ;é b. Seja Ya interseção da reta com a bissetriz do ângulo externo de vértice C. (a) Explique geometricamente por que CY é paralelo a CÃlb - Cãla. (b) Exprima CY em função de CÃ, Cã, a, b. Exprima V em função de, a, b... _ IIVII IIavll (c) Mostre que Y divide (,) na razao -bla e conclua que -- = --. b a (d) O que ocorreria se llcãii e llcãll fossem iguais? 5-20 Prove que existe um único ponto comum às bissetrizes internas de um triângulo e que esse ponto, conhecido como incentro do triângulo, é interior a ele Dado o triângulo C não-retângulo, sejam a = tgâ, b = tg8 e c = tgê. (a) Sendo CX a altura relativa ao vértice C, prove que ax = bx e exprima CX em função de CÃ, Cã, a, b. (b) Sendo Ya altura relativa ao vértice e Z a altura relativa ao vértice, exprima V em função de CÃ, Cã, b, c, e Z em função de CÃ, Cã, a, c. 3 (c) Mostre que as retas-suportes das três alturas do triângulo C têm um único ponto comum (ortocentro). Sendo P este ponto, mostre que CP= a+ b CX a+b+c P= b+ c V a+ b+ c P= a+ c Z a+b+c (d) Prove que o ortocentro é interior ao triângulo se, e somente se, ele for acutângulo. (No caso em que o triângulo é retângulo, é imediato verificar que as três alturas têm um único ponto comum, que é o vértice do ângulo reto.) 5-22 Na Figura 5-9, IIMII = 211Mãll e 311NII = IINell. Exprima X em função de,, C Sejam,, C e O vértices de um quadrado, E um ponto de O e F um ponto de CO, tais que o triângulo EF seja eqüilátero. Calcule a razão em que E divide (,O) e a razão em que F divide (O,C).

11 36 - Geometria nalítica - um tratamento vetorial c N L ~----~==~ M Figura (a) Dado o triângulo C, sejam P, O e R pontos tais que = ap8, C = (3QC, apr = (30R. Prove que, se a ~ 1, então, C e R são colineares. (b) Sejam s, e t, duas retas concorrentes em, tangentes à circunferência de centro e raio r, (Figura 5-10). Com centro em um ponto P da sem i-reta de origem que contém, traça-se a circunferência de raio r 2 (menor que r,), tangente às retas s, e t,. Sejam $2 e ~ duas retas tangentes à segunda circunferência, concorrentes em R. Com centro em um ponto Q da semi-reta de origem R que contém P, traça-se a circunferência de raio r 3 (menor que r 2 ), tangente às retas $2 e t 2. Sejam $3 e t 3 as retas tangentes comuns à primeira e à terceira circunferências que tenham em comum um ponto C da reta O, exterior ao segmento O. Prove que, C e R são colineares. t, ~.""",----j'-::>'r~ :::;,...:='----=------t3 S2 S, t 2 Figura 5-10

Bissetrizes e suas propriedades.

Bissetrizes e suas propriedades. Semana Olímpica 013 - Prof. ícero Thiago - olégio ETP/SP issetrizes e suas propriedades. Teorema 1. Seja XOY umângulodadoep umpontoemseuinterior. Então, adistância de P a XO é igual à distância de P a

Leia mais

(A) 30 (B) 6 (C) 200 (D) 80 (E) 20 (A) 6 (B) 10 (C) 15 (D) 8 (E) 2 (A) 15 (B) 2 (C) 6 (D) 27 (E) 4 (A) 3 (B) 2 (C) 6 (D) 27 (E) 4

(A) 30 (B) 6 (C) 200 (D) 80 (E) 20 (A) 6 (B) 10 (C) 15 (D) 8 (E) 2 (A) 15 (B) 2 (C) 6 (D) 27 (E) 4 (A) 3 (B) 2 (C) 6 (D) 27 (E) 4 TEOREMA DE TALES. Na figura abaixo as retas r, s e t são (A) 0 (B) 6 (C) 00 (D) 80 (E) 0. Três retas paralelas são cortadas por duas Se AB = cm; BC = 6 cm e XY = 0 cm a medida, em cm, de XZ é: (A) 0 (B)

Leia mais

Lista 1. Sistema cartesiano ortogonal. 1. Observe a figura e determine os pontos, ou seja, dê suas coordenadas: a) A b) B c) C d) D e) E

Lista 1. Sistema cartesiano ortogonal. 1. Observe a figura e determine os pontos, ou seja, dê suas coordenadas: a) A b) B c) C d) D e) E Sistema cartesiano ortogonal Lista. Observe a figura e determine os pontos, ou seja, dê suas coordenadas: a) A b) B c) C d) D e) E. Marque num sistema de coordenadas cartesianas ortogonais os pontos: a)

Leia mais

AV1 - MA 13-2011 UMA SOLUÇÃO. b x

AV1 - MA 13-2011 UMA SOLUÇÃO. b x Questão 1. figura abaixo mostra uma sequência de circunferências de centros 1,,..., n com raios r 1, r,..., r n, respectivamente, todas tangentes às retas s e t, e cada circunferência, a partir da segunda,

Leia mais

Atividade 01 Ponto, reta e segmento 01

Atividade 01 Ponto, reta e segmento 01 Atividade 01 Ponto, reta e segmento 01 1. Crie dois pontos livres. Movimente-os. 2. Construa uma reta passando por estes dois pontos. 3. Construa mais dois pontos livres em qualquer lugar da tela, e o

Leia mais

Programa Olímpico de Treinamento. Aula 1. Curso de Geometria - Nível 2. Prof. Rodrigo Pinheiro

Programa Olímpico de Treinamento. Aula 1. Curso de Geometria - Nível 2. Prof. Rodrigo Pinheiro Programa Olímpico de Treinamento urso de Geometria - Nível 2 Prof. Rodrigo Pinheiro ula 1 Introdução Nesta aula, aprenderemos conceitos iniciais de geometria e alguns teoremas básicos que utilizaremos

Leia mais

Aula 5 Quadriláteros Notáveis

Aula 5 Quadriláteros Notáveis Aula 5 Quadriláteros Notáveis Paralelogramo Definição: É o quadrilátero convexo que possui os lados opostos paralelos. A figura mostra um paralelogramo ABCD. Teorema 1: Se ABCD é um paralelogramo, então:

Leia mais

Conceitos e fórmulas

Conceitos e fórmulas 1 Conceitos e fórmulas 1).- Triângulo: definição e elementos principais Definição - Denominamos triângulo (ou trilátero) a toda figura do plano euclidiano formada por três segmentos AB, BC e CA, tais que

Leia mais

CURSO DE GEOMETRIA LISTA

CURSO DE GEOMETRIA LISTA GEOMETRI Ângulos Obs.: Dois ângulos são congruentes quando têm a mesma abertura. Exemplos: Ângulos complementares Soma (medida) 90º Ângulos suplementares Soma (medida) 180º issetriz bissetriz de um ângulo

Leia mais

Avaliação 1 - MA13-2015.2 - Gabarito. Sendo dados os segmentos de medidas a e b, descreva como construir com régua e compasso a medida ab.

Avaliação 1 - MA13-2015.2 - Gabarito. Sendo dados os segmentos de medidas a e b, descreva como construir com régua e compasso a medida ab. MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL Avaliação 1 - MA13-2015.2 - Gabarito Questão 01 [ 2,00 pts ] Sendo dados os segmentos de medidas a e b, descreva como construir com régua e compasso

Leia mais

GAAL - 2013/1 - Simulado - 1 Vetores e Produto Escalar

GAAL - 2013/1 - Simulado - 1 Vetores e Produto Escalar GAAL - 201/1 - Simulado - 1 Vetores e Produto Escalar SOLUÇÕES Exercício 1: Determinar os três vértices de um triângulo sabendo que os pontos médios de seus lados são M = (5, 0, 2), N = (, 1, ) e P = (4,

Leia mais

Áreas e Aplicações em Geometria

Áreas e Aplicações em Geometria 1. Introdução Áreas e Aplicações em Geometria Davi Lopes Olimpíada Brasileira de Matemática 18ª Semana Olímpica São José do Rio Preto, SP Nesse breve material, veremos uma rápida revisão sobre áreas das

Leia mais

PONTO MÉDIO LEMBRA? OUTRO PONTO MÉDIO! DOIS PONTOS MÉDIOS LEMBRAM? BASE MÉDIA! Cícero Thiago Magalhães

PONTO MÉDIO LEMBRA? OUTRO PONTO MÉDIO! DOIS PONTOS MÉDIOS LEMBRAM? BASE MÉDIA! Cícero Thiago Magalhães PONTO MÉDIO LEMBRA? OUTRO PONTO MÉDIO! DOIS PONTOS MÉDIOS LEMBRAM? BASE MÉDIA! Cícero Thiago Magalhães Nível Iniciante Propriedade 1 Num triângulo retângulo ABC, a mediana BM relativa à hipotenusa mede

Leia mais

Capítulo 3. Cálculo Vetorial. 3.1 Segmentos Orientados

Capítulo 3. Cálculo Vetorial. 3.1 Segmentos Orientados Capítulo 3 Cálculo Vetorial O objetivo deste capítulo é o estudo de vetores de um ponto de vista geométrico e analítico. De acordo com a necessidade, a abordagem do assunto será formal ou informal. O estudo

Leia mais

Construções Fundamentais. r P r

Construções Fundamentais. r P r 1 Construções Fundamentais 1. De um ponto traçar a reta paralela à reta dada. + r 2. De um ponto traçar a perpendicular à reta r, sabendo que o ponto é exterior a essa reta; e de um ponto P traçar a perpendicular

Leia mais

Aula 10 Triângulo Retângulo

Aula 10 Triângulo Retângulo Aula 10 Triângulo Retângulo Projeção ortogonal Em um plano, consideremos um ponto e uma reta. Chama-se projeção ortogonal desse ponto sobre essa reta o pé da perpendicular traçada do ponto à reta. Na figura,

Leia mais

QUADRILÁTEROS. Um quadrilátero é um polígono de quatro lados. Pode ser dito que é porção do plano limitada por uma poligonal fechada,

QUADRILÁTEROS. Um quadrilátero é um polígono de quatro lados. Pode ser dito que é porção do plano limitada por uma poligonal fechada, QUADRILÁTEROS Um quadrilátero é um polígono de quatro lados. Pode ser dito que é porção do plano limitada por uma poligonal fechada, A B C Lados: AB BC CD AD Vértices: A B C D Diagonais: AC BD D Algumas

Leia mais

Produtos. 4.1 Produtos escalares

Produtos. 4.1 Produtos escalares Capítulo 4 Produtos 4.1 Produtos escalares Neste tópico iremos estudar um novo tipo de operação entre vetores do plano e do espaço. Vamos fazer inicialmente uma consideração geométrica, como segue. Seja

Leia mais

MAT 240- Lista de Exercícios. 1. Dado o ABC, seja G o baricentro deste triângulo e M o ponto médio do lado BC. Prove que AG = 2GM.

MAT 240- Lista de Exercícios. 1. Dado o ABC, seja G o baricentro deste triângulo e M o ponto médio do lado BC. Prove que AG = 2GM. 1 MAT 240- Lista de Exercícios 1. Dado o ABC, seja G o baricentro deste triângulo e M o ponto médio do lado BC. Prove que AG = 2GM. 2. Seja G o baricentro e O o circuncentro do ABC. Na reta que contém

Leia mais

Construções Elementares com Régua e Compasso

Construções Elementares com Régua e Compasso TERCEIRLISTDEEXERCÍCIOS Fundamentos da Matemática II MTEMÁTIC DCET UESC Humberto José ortolossi Construções Elementares com Régua e Compasso (Entregar todos os exercícios até o dia 20/04/2004) 1 Construindo

Leia mais

Exercícios Triângulos (1)

Exercícios Triângulos (1) Exercícios Triângulos (1) 1. Na figura dada, sabe-se que r // s. Calcule x. 2. Nas figuras abaixo, calcule o valor de x. 5. (PUC-SP) Na figura seguinte, as retas r e s são paralelas. Encontre os ângulos

Leia mais

5 LG 1 - CIRCUNFERÊNCIA

5 LG 1 - CIRCUNFERÊNCIA 40 5 LG 1 - CIRCUNFERÊNCIA Propriedade: O lugar geométrico dos pontos do plano situados a uma distância constante r de um ponto fixo O é a circunferência de centro O e raio r. Notação: Circunf(O,r). Sempre

Leia mais

2) Se z = (2 + i).(1 + i).i, então a) 3 i b) 1 3i c) 3 i d) 3 + i e) 3 + i. ,será dado por: quando x = i é:

2) Se z = (2 + i).(1 + i).i, então a) 3 i b) 1 3i c) 3 i d) 3 + i e) 3 + i. ,será dado por: quando x = i é: Aluno(a) Nº. Ano: º do Ensino Médio Exercícios para a Recuperação de MATEMÁTICA - Professores: Escossi e Luciano NÚMEROS COMPLEXOS 1) Calculando-se corretamente as raízes da função f(x) = x + 4x + 5, encontram-se

Leia mais

PROFº. LUIS HENRIQUE MATEMÁTICA

PROFº. LUIS HENRIQUE MATEMÁTICA Geometria Analítica A Geometria Analítica, famosa G.A., ou conhecida como Geometria Cartesiana, é o estudo dos elementos geométricos no plano cartesiano. PLANO CARTESIANO O sistema cartesiano de coordenada,

Leia mais

Mediana, Altura, Bissetriz e Mediatriz de um Triângulo

Mediana, Altura, Bissetriz e Mediatriz de um Triângulo Mediana, Altura, Bissetriz e Mediatriz de um Triângulo Mediana Definição: Denomina-se mediana de um triângulo o segmento que liga um vértice ao ponto médio do lado oposto a este vértice. AM A é mediana

Leia mais

94 (8,97%) 69 (6,58%) 104 (9,92%) 101 (9,64%) 22 (2,10%) 36 (3,44%) 115 (10,97%) 77 (7,35%) 39 (3,72%) 78 (7,44%) 103 (9,83%) Probabilidade 10 (0,95%)

94 (8,97%) 69 (6,58%) 104 (9,92%) 101 (9,64%) 22 (2,10%) 36 (3,44%) 115 (10,97%) 77 (7,35%) 39 (3,72%) 78 (7,44%) 103 (9,83%) Probabilidade 10 (0,95%) Distribuição das.08 Questões do I T A 9 (8,97%) 0 (9,9%) 69 (6,58%) Equações Irracionais 09 (0,86%) Equações Exponenciais (, 0 (9,6%) Geo. Analítica Conjuntos (,96%) Geo. Espacial Funções Binômio de Newton

Leia mais

Exercícios de Matemática Retas e Planos

Exercícios de Matemática Retas e Planos Exercícios de Matemática Retas e Planos 3. (Unesp) Considere o cubo da figura adiante. Das alternativas a seguir, aquela correspondente a pares de vértices que determinam três retas, duas a duas reversas,

Leia mais

DIDÁTIKA - RESOLUÇÕES DOS EXERCÍCIOS EXTRAS

DIDÁTIKA - RESOLUÇÕES DOS EXERCÍCIOS EXTRAS DIDÁTIKA - RESOLUÇÕES DOS EXERCÍCIOS EXTRAS 01. Na figura, ABCD é um quadrado e ADE é um triângulo retângulo em E. Se P é o centro do quadrado, prove que a semirreta EP é a bissetriz do ângulo AED. Resolução.

Leia mais

PROVA DO VESTIBULAR DA FUVEST 2002 2ª etapa MATEMÁTICA. RESOLUÇÃO E COMENTÁRIO DA PROFA. MARIA ANTÕNIA GOUVEIA.

PROVA DO VESTIBULAR DA FUVEST 2002 2ª etapa MATEMÁTICA. RESOLUÇÃO E COMENTÁRIO DA PROFA. MARIA ANTÕNIA GOUVEIA. PROVA DO VESTIBULAR DA FUVEST 00 ª etapa MATEMÁTICA. RESOLUÇÃO E COMENTÁRIO DA PROFA. MARIA ANTÕNIA GOUVEIA. QUESTÃO.01.Carlos, Luis e Sílvio tinham, juntos, 100 mil reais para investir por um ano. Carlos

Leia mais

Lista 1: Vetores -Turma L

Lista 1: Vetores -Turma L Lista 1: Vetores -Turma L Professora: Ivanete Zuchi Siple 1. Dados os vetores u e v da gura, mostrar num gráco um representante do vetor: (a) u v (b) v u (c) u + 4 v u v. Represente o vetor x = u + v w

Leia mais

Ponto, reta e plano no espaço tridimensional, cont.

Ponto, reta e plano no espaço tridimensional, cont. Ponto, reta e plano no espaço tridimensional, cont. Matemática para arquitetura Ton Marar 1. Posições relativas Posição relativa entre pontos Dois pontos estão sempre alinhados. Três pontos P 1 = (x 1,

Leia mais

FUVEST VESTIBULAR 2005 FASE II RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA GOUVEIA.

FUVEST VESTIBULAR 2005 FASE II RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA GOUVEIA. FUVEST VESTIBULAR 00 FASE II PROFA. MARIA ANTÔNIA GOUVEIA. Q 0. Para a fabricação de bicicletas, uma empresa comprou unidades do produto A, pagando R$9, 00, e unidades do produto B, pagando R$8,00. Sabendo-se

Leia mais

Nesta aula iremos continuar com os exemplos de revisão.

Nesta aula iremos continuar com os exemplos de revisão. Capítulo 8 Nesta aula iremos continuar com os exemplos de revisão. 1. Exemplos de revisão Exemplo 1 Ache a equação do círculo C circunscrito ao triângulo de vértices A = (7, 3), B = (1, 9) e C = (5, 7).

Leia mais

POLÍGONOS TRIÂNGULOS E QUADRILÁTEROS

POLÍGONOS TRIÂNGULOS E QUADRILÁTEROS 7º ANO POLÍGONOS TRIÂNGULOS E QUADRILÁTEROS Áreas de alguns quadriláteros Nuno Marreiros Recorda Área do retângulo Para todo e qualquer retângulo de base (b) e altura (h), pode-se escrever: Área do Retângulo

Leia mais

Aula 12 Áreas de Superfícies Planas

Aula 12 Áreas de Superfícies Planas MODULO 1 - AULA 1 Aula 1 Áreas de Superfícies Planas Superfície de um polígono é a reunião do polígono com o seu interior. A figura mostra uma superfície retangular. Área de uma superfície é um número

Leia mais

Módulo de Geometria Anaĺıtica 1. Coordenadas, Distâncias e Razões de Segmentos no Plano Cartesiano. 3 a série E.M.

Módulo de Geometria Anaĺıtica 1. Coordenadas, Distâncias e Razões de Segmentos no Plano Cartesiano. 3 a série E.M. Módulo de Geometria Anaĺıtica 1 Coordenadas, Distâncias e Razões de Segmentos no Plano Cartesiano a série EM Geometria Analítica 1 Coordenadas, Distâncias e Razões de Segmentos no Plano Cartesiano 1 Exercícios

Leia mais

Geometria Analítica. Katia Frensel - Jorge Delgado. NEAD - Núcleo de Educação a Distância. Curso de Licenciatura em Matemática UFMA

Geometria Analítica. Katia Frensel - Jorge Delgado. NEAD - Núcleo de Educação a Distância. Curso de Licenciatura em Matemática UFMA Geometria Analítica NEAD - Núcleo de Educação a Distância Curso de Licenciatura em Matemática UFMA Katia Frensel - Jorge Delgado Março, 011 ii Geometria Analítica Conteúdo Prefácio ix 1 Coordenadas na

Leia mais

Prof. José Carlos Morilla

Prof. José Carlos Morilla 1 Cálculo Vetorial e Geometria Analítica Santos 009 1 CÁLCULO VETORIAL... 4 1.1 Segmentos Orientados... 4 1. Vetores... 4 1..1 Soma de um ponto com um vetor... 5 1.. Adição de vetores... 5 1..3 Diferença

Leia mais

Geometria Métrica Espacial. Geometria Métrica Espacial

Geometria Métrica Espacial. Geometria Métrica Espacial UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA 1. Prismas Geometria Métrica

Leia mais

Apêndice B: Resolução dos Exercícios Propostos

Apêndice B: Resolução dos Exercícios Propostos pêndice : Resolução dos Exercícios Propostos Se você imprimir este arquivo, é importante que olhe para a resolução somente após ter tentado resolvê-los. De fato, para que ocorra a aprendizagem é importante

Leia mais

DESENHO GEOMÉTRICO. Clarissa Ferreira Albrecht Luiza Baptista de Oliveira. Coordenadoria de Educação Aberta e a Distância

DESENHO GEOMÉTRICO. Clarissa Ferreira Albrecht Luiza Baptista de Oliveira. Coordenadoria de Educação Aberta e a Distância Departamento de Arquitetura e Urbanismo Clarissa Ferreira Albrecht Luiza Baptista de Oliveira 20 Coordenadoria de Educação Aberta e a Distância Desenho Geométrico Universidade Federal de Viçosa Reitora

Leia mais

Uma Introdução às Construções Geométricas

Uma Introdução às Construções Geométricas page 1 Uma Introdução às Construções Geométricas Eduardo Wagner page 2 Texto já revisado pela nova ortografia. page 3 Eισαγωγή στ ις Γεωµετ ρική κατ ασκευές Eduardo Wagner page 4 page i Apresentação Oι

Leia mais

MATEMÁTICA Geometria Analítica 3º Ano APROFUNDAMENTO/REFORÇO. Aluno(a): Número: Turma:

MATEMÁTICA Geometria Analítica 3º Ano APROFUNDAMENTO/REFORÇO. Aluno(a): Número: Turma: Colégio Adventista Portão EIEFM MATEMÁTICA Geometria Analítica 3º Ano APROFUNDAMENTO/REFORÇO Professor: Hermes Jardim Disciplina: Matemática Lista 1 1º Bimestre/013 Aluno(a): Número: Turma: 1) Determine

Leia mais

Geometria Elementar gênese e desenvolvimento. Roberto Ribeiro Paterlini

Geometria Elementar gênese e desenvolvimento. Roberto Ribeiro Paterlini Geometria Elementar gênese e desenvolvimento Roberto Ribeiro Paterlini Copyright março de 2010 by Roberto Ribeiro Paterlini Departamento de Matemática, UFSCar A presente versão está disponível na página

Leia mais

Geometria Euclidiana Plana Parte I

Geometria Euclidiana Plana Parte I CURSO INTRODUTÓRIO DE MATEMÁTICA PARA ENGENHARIA 2015.1 Geometria Euclidiana Plana Parte I Joyce Danielle de Araújo - Engenharia de Produção Lucas Araújo dos Santos - Engenharia de Produção O que veremos

Leia mais

O B. Podemos decompor a pirâmide ABCDE em quatro tetraedros congruentes ao tetraedro BCEO. ABCDE tem volume igual a V = a2.oe

O B. Podemos decompor a pirâmide ABCDE em quatro tetraedros congruentes ao tetraedro BCEO. ABCDE tem volume igual a V = a2.oe GABARITO - QUALIFICAÇÃO - Setembro de 0 Questão. (pontuação: ) No octaedro regular duas faces opostas são paralelas. Em um octaedro regular de aresta a, calcule a distância entre duas faces opostas. Obs:

Leia mais

Geometria Plana Noções Primitivas

Geometria Plana Noções Primitivas Geometria Plana Noções Primitivas Questão 1 (CESGRANRIO-85) Numa carpintaria, empilham-se 50 tábuas, umas de 2 cm e outras de 5 cm de espessura. A altura da pilha é de 154 cm. A diferença entre o número

Leia mais

GEOMETRIA GRÁFICA TIPO A GEOMETRIA GRÁFICA TIPO B

GEOMETRIA GRÁFICA TIPO A GEOMETRIA GRÁFICA TIPO B 1 GEOMETRIA GRÁFICA TIPO A GEOMETRIA GRÁFICA 1. Considere um quadrilátero RSTU, satisfazendo RS = ST = TU = UR, como o exemplo ilustrado abaixo. Considerando esses dados, podemos afirmar que: 0-0) SU é

Leia mais

Matemática 2. 01. A estrutura abaixo é de uma casa de brinquedo e consiste de um. 02. Abaixo temos uma ilustração da Victoria Falls Bridge.

Matemática 2. 01. A estrutura abaixo é de uma casa de brinquedo e consiste de um. 02. Abaixo temos uma ilustração da Victoria Falls Bridge. Matemática 2 01. A estrutura abaixo é de uma casa de brinquedo e consiste de um paralelepípedo retângulo acoplado a um prisma triangular. 1,6m 1m 1,4m Calcule o volume da estrutura, em dm 3, e indique

Leia mais

Soluções das Questões de Matemática do Processo Seletivo de Admissão ao Colégio Naval PSACN

Soluções das Questões de Matemática do Processo Seletivo de Admissão ao Colégio Naval PSACN Soluções das Questões de Matemática do Processo Seletivo de Admissão ao Colégio Naval PSACN Questão Concurso 00 Seja ABC um triângulo com lados AB 5, AC e BC 8. Seja P um ponto sobre o lado AC, tal que

Leia mais

A Matemática no Vestibular do ITA. Material Complementar: Prova 2014. c 2014, Sergio Lima Netto sergioln@smt.ufrj.br

A Matemática no Vestibular do ITA. Material Complementar: Prova 2014. c 2014, Sergio Lima Netto sergioln@smt.ufrj.br A Matemática no Vestibular do ITA Material Complementar: Prova 01 c 01, Sergio Lima Netto sergioln@smtufrjbr 11 Vestibular 01 Questão 01: Das afirmações: I Se x, y R Q, com y x, então x + y R Q; II Se

Leia mais

02 Determine o módulo, a direção e o sentido dos seguintes vetores: a) A = 5 Λ i + 3 Λ j, b) B = 10 Λ i -7 Λ j, c) C = 2 Λ i - 3 Λ j + 4 Λ k.

02 Determine o módulo, a direção e o sentido dos seguintes vetores: a) A = 5 Λ i + 3 Λ j, b) B = 10 Λ i -7 Λ j, c) C = 2 Λ i - 3 Λ j + 4 Λ k. Exercícios de apoio à disciplina Geometria Analítica e Cálculo Vetorial 1 01 Três vetores A, B e C possuem as seguintes componentes nas direções x e y: A x = 6, A y = -3; B x = -3, B y =4; C x =2, C y

Leia mais

Assinale as proposições verdadeiras, some os valores obtidos e marque os resultados na Folha de Respostas.

Assinale as proposições verdadeiras, some os valores obtidos e marque os resultados na Folha de Respostas. PROVA APLICADA ÀS TURMAS DO O ANO DO ENSINO MÉDIO DO COLÉGIO ANCHIETA EM MARÇO DE 009. ELABORAÇÃO: PROFESSORES OCTAMAR MARQUES E ADRIANO CARIBÉ. PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA QUESTÕES DE 0 A 08.

Leia mais

ELIPSES INSCRITAS NUM TRIÂNGULO

ELIPSES INSCRITAS NUM TRIÂNGULO ELIPSES INSCRITAS NUM TRIÂNGULO SERGIO ALVES IME-USP Freqüentemente apresentada como um exemplo notável de sistema dedutivo, a Geometria tem, em geral, seus aspectos indutivos relegados a um segundo plano.

Leia mais

Polos Olímpicos de Treinamento. Aula 6. Curso de Geometria - Nível 3. Prof. Cícero Thiago. Teorema 1. (Fórmula tradicional.) BC AD.

Polos Olímpicos de Treinamento. Aula 6. Curso de Geometria - Nível 3. Prof. Cícero Thiago. Teorema 1. (Fórmula tradicional.) BC AD. Polos Olímpicos de Treinamento urso de Geometria - Nível 3 Prof. ícero Thiago ula 6 Relações entre áreas Teorema 1. (Fórmula tradicional.) área do triângulo pode ser calculada por [ ] =. Teorema. (Área

Leia mais

M ó d u l o I: Geometria Analítica Plana. Jorge Delgado Katia Frensel Nedir do Espírito Santo (IMUFF) (IMUFF) (IMUFRJ)

M ó d u l o I: Geometria Analítica Plana. Jorge Delgado Katia Frensel Nedir do Espírito Santo (IMUFF) (IMUFF) (IMUFRJ) M ó d u l o I: Geometria Analítica Plana Jorge Delgado Katia Frensel Nedir do Espírito Santo (IMUFF) (IMUFF) (IMUFRJ) C E D E R J 2 Conteúdo 1 Geometria Analítica Plana 7 Vetores no Plano - Segmentos Orientados...........

Leia mais

Lista 8 - Geometria Analítica

Lista 8 - Geometria Analítica Lista 8 - Geometria Analítica Posição Relativa, Distância e Ângulos e paralelo a reta x = y = z 7 1 Estude a posição relativa das retas r e s. Se as retas forem concorrentes encontre o ponto de intersecção

Leia mais

115% x + 120% + (100 + p)% = 93 2 2. 120% y + 120% + (100 + p)% = 106 2 2 x + y + z = 100

115% x + 120% + (100 + p)% = 93 2 2. 120% y + 120% + (100 + p)% = 106 2 2 x + y + z = 100 MATEMÁTICA Carlos, Luís e Sílvio tinham, juntos, 00 mil reais para investir por um ano. Carlos escolheu uma aplicação que rendia 5% ao ano. Luís, uma que rendia 0% ao ano. Sílvio aplicou metade de seu

Leia mais

Álgebra Linear. Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru. 19 de fevereiro de 2013

Álgebra Linear. Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru. 19 de fevereiro de 2013 Álgebra Linear Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru 19 de fevereiro de 2013 Sumário 1 Matrizes e Determinantes 3 1.1 Matrizes............................................ 3 1.2 Determinante

Leia mais

Vetores. Definição geométrica de vetores

Vetores. Definição geométrica de vetores Vetores Várias grandezas físicas, tais como por exemplo comprimento, área, olume, tempo, massa e temperatura são completamente descritas uma ez que a magnitude (intensidade) é dada. Tais grandezas são

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M2 Trigonometria nos Triângulos

Matemática. Resolução das atividades complementares. M2 Trigonometria nos Triângulos Resolução das atividades complementares Matemática M Trigonometria nos Triângulos p. 1 Em cada caso, calcule o seno, o cosseno e a tangente do ângulo agudo assinalado. a) b) sen γ = cos γ = tg γ 1 sen

Leia mais

QUESTÕES de 01 a 08 INSTRUÇÃO: Assinale as proposições verdadeiras, some os números a elas associados e marque o resultado na Folha de Respostas.

QUESTÕES de 01 a 08 INSTRUÇÃO: Assinale as proposições verdadeiras, some os números a elas associados e marque o resultado na Folha de Respostas. Resolução por Maria Antônia Conceição Gouveia da Prova de Matemática _ Vestibular 5 da Ufba _ 1ª fase QUESTÕES de 1 a 8 INSTRUÇÃO: Assinale as proposições verdadeiras, some os números a elas associados

Leia mais

4.2 Produto Vetorial. Orientação sobre uma reta r

4.2 Produto Vetorial. Orientação sobre uma reta r 94 4. Produto Vetorial Dados dois vetores u e v no espaço, vamos definir um novo vetor, ortogonal a u e v, denotado por u v (ou u v, em outros textos) e denominado produto vetorial de u e v. Mas antes,

Leia mais

Matemática Essencial: Alegria Financeira Fundamental Médio Geometria Trigonometria Superior Cálculos

Matemática Essencial: Alegria Financeira Fundamental Médio Geometria Trigonometria Superior Cálculos Matemática Essencial: Alegria Financeira Fundamental Médio Geometria Trigonometria Superior Cálculos Geometria Plana: Áreas de regiões poligonais Triângulo e região triangular O conceito de região poligonal

Leia mais

1 COMO ESTUDAR GEOMETRIA

1 COMO ESTUDAR GEOMETRIA Matemática 2 Pedro Paulo GEOMETRIA ESPACIAL I 1 COMO ESTUDAR GEOMETRIA Só relembrando a primeira aula de Geometria Plana, aqui vão algumas dicas bem úteis para abordagem geral de uma questão de geometria:

Leia mais

1 Módulo ou norma de um vetor

1 Módulo ou norma de um vetor Álgebra Linear I - Aula 3-2005.2 Roteiro 1 Módulo ou norma de um vetor A norma ou módulo do vetor ū = (u 1, u 2, u 3 ) de R 3 é ū = u 2 1 + u2 2 + u2 3. Geometricamente a fórmula significa que o módulo

Leia mais

MAT 2352 - Cálculo Diferencial e Integral II - 2 semestre de 2012 Registro das aulas e exercícios sugeridos - Atualizado 13.11.

MAT 2352 - Cálculo Diferencial e Integral II - 2 semestre de 2012 Registro das aulas e exercícios sugeridos - Atualizado 13.11. MT 2352 - Cálculo Diferencial e Integral II - 2 semestre de 2012 Registro das aulas e exercícios sugeridos - tualizado 13.11.2012 1. Segunda-feira, 30 de julho de 2012 presentação do curso. www.ime.usp.br/

Leia mais

Prova Final de Matemática

Prova Final de Matemática PROVA FINAL DO 3.º CICLO do Ensino BÁSICO Decreto-Lei n.º 139/01, de 5 de julho Prova Final de Matemática 3.º Ciclo do Ensino Básico Prova 9/1.ª Chamada 8 Páginas Duração da Prova: 90 minutos. Tolerância:

Leia mais

GUIA PARA AS PROVAS ( PO, AT E PG) E VESTIBULARES GEOMETRIA ANALÍTICA

GUIA PARA AS PROVAS ( PO, AT E PG) E VESTIBULARES GEOMETRIA ANALÍTICA GUIA PARA AS PROVAS ( PO, AT E PG) E VESTIBULARES GEOMETRIA ANALÍTICA PROF. ENZO MARCON TAKARA 05 - PLANO CARTESIANO ORTOGONAL Considere num plano a dois eixos x e y perpendiculares em O. O par de eixos

Leia mais

Teste Intermédio Matemática. 9.º Ano de Escolaridade. Versão 1. Duração do Teste: 30 min (Caderno 1) + 60 min (Caderno 2) 21.03.

Teste Intermédio Matemática. 9.º Ano de Escolaridade. Versão 1. Duração do Teste: 30 min (Caderno 1) + 60 min (Caderno 2) 21.03. Teste Intermédio Matemática Versão 1 Duração do Teste: 30 min (Caderno 1) + 60 min (Caderno 2) 21.03.2014 9.º Ano de Escolaridade Indica de forma legível a versão do teste. O teste é constituído por dois

Leia mais

MATEMÁTICA GEOMETRIA ANALÍTICA I PROF. Diomedes. E2) Sabendo que a distância entre os pontos A e B é igual a 6, calcule a abscissa m do ponto B.

MATEMÁTICA GEOMETRIA ANALÍTICA I PROF. Diomedes. E2) Sabendo que a distância entre os pontos A e B é igual a 6, calcule a abscissa m do ponto B. I- CONCEITOS INICIAIS - Distância entre dois pontos na reta E) Sabendo que a distância entre os pontos A e B é igual a 6, calcule a abscissa m do ponto B. d(a,b) = b a E: Dados os pontos A e B de coordenadas

Leia mais

GA Estudo das Retas. 1. (Pucrj 2013) O triângulo ABC da figura abaixo tem área 25 e vértices A = (4, 5), B = (4, 0) e C = (c, 0).

GA Estudo das Retas. 1. (Pucrj 2013) O triângulo ABC da figura abaixo tem área 25 e vértices A = (4, 5), B = (4, 0) e C = (c, 0). GA Estudo das Retas 1. (Pucrj 01) O triângulo ABC da figura abaixo tem área 5 e vértices A = (, 5), B = (, 0) e C = (c, 0). A equação da reta r que passa pelos vértices A e C é: a) y x 7 x b) y 5 x c)

Leia mais

XXXI Olimpíada de Matemática da Unicamp Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica Universidade Estadual de Campinas

XXXI Olimpíada de Matemática da Unicamp Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica Universidade Estadual de Campinas Gabarito da Prova da Primeira Fase Nível Alfa 1 Questão 1 0 pontos Na Tabela 1 temos a progressão mensal para o Imposto de Renda Pessoa Física 014 01. Tabela 1: Imposto de Renda Pessoa Física 014 01. Base

Leia mais

no de Questões A Unicamp comenta suas provas

no de Questões A Unicamp comenta suas provas Cad no de Questões A Unicamp comenta suas provas 99 SEGUNDA FASE 4 de Janeiro de 998 Matemática 0 prova de Matemática do Vestibular Unicamp procura identificar nos candidatos um conhecimento crítico e

Leia mais

Definição de Polígono

Definição de Polígono Definição de Polígono Figura plana limitada por segmentos de recta, chamados lados dos polígonos onde cada segmento de recta, intersecta exactamente dois outros extremos; se os lados forem todos iguais

Leia mais

MATEMÁTICA ANGULOS ENTRE RETAS E TRIÂNGULOS. 3. A medida do complemento: a) do ângulo de 27º 31 é: b) do ângulo de 16º 15 28 é:

MATEMÁTICA ANGULOS ENTRE RETAS E TRIÂNGULOS. 3. A medida do complemento: a) do ângulo de 27º 31 é: b) do ângulo de 16º 15 28 é: MATEMÁTICA Prof. Adilson ANGULOS ENTRE RETAS E TRIÂNGULOS 1. Calcule o valor de x e y observando as figuras abaixo: a) b) 2. Calcule a medida de x nas seguintes figuras: 3. A medida do complemento: a)

Leia mais

APOSTILA DE GEOMETRIA PLANA E ESPACIAL

APOSTILA DE GEOMETRIA PLANA E ESPACIAL APOSTILA DE GEOMETRIA PLANA E ESPACIAL Professora: Elisandra Bar de Figueiredo Elaboração da apostila: Elisandra Bar de Figueiredo Home-page: http://www.joinville.udesc.br/portal/professores/elisandra/

Leia mais

Segmento de reta GEOMETRIA PLANA

Segmento de reta GEOMETRIA PLANA GEOMETRIA PLANA Noções primitivas Os elementos primitivos da geometria são o ponto, a reta e o plano, cujas definições são impossíveis de serem enunciadas, pois só se tem uma noção intuitiva do que sejam.

Leia mais

Geometria Analítica e Vetorial

Geometria Analítica e Vetorial Daniel Miranda, Rafael Grisi, Sinuê Lodovici Geometria Analítica e Vetorial Geometria Analítica e Vetorial Versão para Telas Pequenas. UFABC - Universidade Federal do ABC Santo André http://gradmat.ufabc.edu.br/disciplina/ga/

Leia mais

Geometria Analítica e Vetorial

Geometria Analítica e Vetorial Daniel Miranda, Rafael Grisi, Sinuê Lodovici Geometria Analítica e Vetorial Geometria Analítica e Vetorial Versão para Telas Pequenas. UFABC - Universidade Federal do ABC Santo André http://gradmat.ufabc.edu.br/disciplina/ga/

Leia mais

UM MÓDULO DE ATIVIDADES PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DAS FÓRMULAS DE ÁREA DOS PRINCIPAIS POLÍGONOS CONVEXOS

UM MÓDULO DE ATIVIDADES PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DAS FÓRMULAS DE ÁREA DOS PRINCIPAIS POLÍGONOS CONVEXOS UM MÓDULO DE ATIVIDADES PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DAS FÓRMULAS DE ÁREA DOS PRINCIPAIS POLÍGONOS CONVEXOS Cristiane Fernandes de Souza, Ms. UFRN cristianesouza.fernandes@bol.com.br Introdução O estudo

Leia mais

O coeficiente angular

O coeficiente angular A UA UL LA O coeficiente angular Introdução O coeficiente angular de uma reta já apareceu na Aula 30. Agora, com os conhecimentos obtidos nas Aulas 40 e 45, vamos explorar mais esse conceito e descobrir

Leia mais

Questão 1. Questão 2. Questão 3. Resposta. Resposta

Questão 1. Questão 2. Questão 3. Resposta. Resposta Questão Carlos, Luís e Sílvio tinham, juntos, 00 mil reais para investir por um ano. Carlos escolheu uma aplicação que rendia 5% ao ano. Luís, uma que rendia 0% ao ano. Sílvio aplicou metade de seu dinheiro

Leia mais

Prof. Jorge. Estudo de Polígonos

Prof. Jorge. Estudo de Polígonos Estudo de Polígonos Enchendo a piscina A piscina de um clube de minha cidade, vista de cima, tem formato retangular. O comprimento dela é de 18 m. o fundo é uma rampa reta. Vista lateralmente, ela tem

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M1 Geometria Métrica Plana

Matemática. Resolução das atividades complementares. M1 Geometria Métrica Plana Resolução das atividades complementares Matemática M Geometria Métrica Plana p. 0 Na figura a seguir tem-se r // s // t e y. diferença y é igual a: a) c) 6 e) b) d) 0 8 ( I) y 6 y (II) plicando a propriedade

Leia mais

Geometria Área de Quadriláteros

Geometria Área de Quadriláteros ENEM Geometria Área de Quadriláteros Wallace Alves da Silva DICAS MATEMÁTICAS [Escolha a data] Áreas de quadriláteros Olá Galera, 1 QUADRILÁTEROS Quadrilátero é um polígono com quatro lados. A soma dos

Leia mais

REVISÃO Lista 07 Áreas, Polígonos e Circunferência. h, onde b representa a base e h representa a altura.

REVISÃO Lista 07 Áreas, Polígonos e Circunferência. h, onde b representa a base e h representa a altura. NOME: ANO: º Nº: POFESSO(A): Ana Luiza Ozores DATA: Algumas definições Áreas: Quadrado: EVISÃO Lista 07 Áreas, Polígonos e Circunferência A, onde representa o lado etângulo: A b h, onde b representa a

Leia mais

Geometria Analítica e Vetorial

Geometria Analítica e Vetorial Daniel Miranda, Rafael Grisi, Sinuê Lodovici Geometria Analítica e Vetorial Geometria Analítica e Vetorial Universidade Federal do ABC Santo André Versão 9 17 de Setembro 2015 http://gradmat.ufabc.edu.br/disciplina/ga/

Leia mais

Módulo de Geometria Anaĺıtica Parte 2. Distância entre Ponto e Reta. Professores Tiago Miranda e Cleber Assis

Módulo de Geometria Anaĺıtica Parte 2. Distância entre Ponto e Reta. Professores Tiago Miranda e Cleber Assis Módulo de Geometria Anaĺıtica Parte Distância entre Ponto e Reta a série E.M. Professores Tiago Miranda e Cleber Assis Geometria Analítica Parte Distância entre Ponto e Reta 1 Exercícios Introdutórios

Leia mais

1. Sendo (x+2, 2y-4) = (8x, 3y-10), determine o valor de x e de y. 2. Dado A x B = { (1,0); (1,1); (1,2) } determine os conjuntos A e B. 3. (Fuvest) Sejam A=(1, 2) e B=(3, 2) dois pontos do plano cartesiano.

Leia mais

ÁREA DAS FIGURAS GEOMÉTRICAS PLANAS

ÁREA DAS FIGURAS GEOMÉTRICAS PLANAS 1 ÁREA DAS FIGURAS GEOMÉTRICAS PLANAS 1.Área da região retangular temos: É o paralelogramo que possui os quatro ângulos internos retos, num retângulo, A = B. P = B + d = B + Exemplo: Num retângulo, uma

Leia mais

1 B 1 Dado z = ( 1 + 3 i), então z n é igual a

1 B 1 Dado z = ( 1 + 3 i), então z n é igual a MATEMÁTICA NOTAÇÕES : conjunto dos números naturais : conjunto dos números inteiros : conjunto dos números racionais : conjunto dos números reais : conjunto dos números complexos i: unidade imaginária:

Leia mais

MATEMÁTICA TIPO C. 01. A função tem como domínio e contradomínio o conjunto dos números reais e é definida por ( ). Analise a

MATEMÁTICA TIPO C. 01. A função tem como domínio e contradomínio o conjunto dos números reais e é definida por ( ). Analise a 1 MATEMÁTICA TIPO C 01. A função tem como domínio e contradomínio o conjunto dos números reais e é definida por ( ). Analise a veracidade das afirmações seguintes sobre, cujo gráfico está esboçado a seguir.

Leia mais

TIPO DE PROVA: A. Questão 1. Questão 4. Questão 2. Questão 3. alternativa D. alternativa A. alternativa D. alternativa C

TIPO DE PROVA: A. Questão 1. Questão 4. Questão 2. Questão 3. alternativa D. alternativa A. alternativa D. alternativa C Questão TIPO DE PROVA: A Se a circunferência de um círculo tiver o seu comprimento aumentado de 00%, a área do círculo ficará aumentada de: a) 00% d) 00% b) 400% e) 00% c) 50% Aumentando o comprimento

Leia mais

Geometria Plana 03 Prof. Valdir

Geometria Plana 03 Prof. Valdir Geometria lana 03 rof. Valdir TS TÁVEIS E U TRIÂGUL 1. RIETR É o ponto de equilíbrio ou centro de gravidade do triângulo. baricentro coincide com o ponto de intersecção das medianas do triângulo (na figura

Leia mais

FUVEST 2008 2 a Fase Matemática RESOLUÇÃO: Professora Maria Antônia Gouveia.

FUVEST 2008 2 a Fase Matemática RESOLUÇÃO: Professora Maria Antônia Gouveia. FUVEST 008 a Fase Matemática Professora Maria Antônia Gouveia Q0 João entrou na lanchonete BOG e pediu hambúrgueres, suco de laranja e cocadas, gastando R$,0 Na mesa ao lado, algumas pessoas pediram 8

Leia mais

NOTAÇÕES. +... + a n. , sendo n inteiro não negativo k =1. Observação: Os sistemas de coordenadas considerados são cartesianos retangulares.

NOTAÇÕES. +... + a n. , sendo n inteiro não negativo k =1. Observação: Os sistemas de coordenadas considerados são cartesianos retangulares. MATEMÁTICA NOTAÇÕES : conjunto dos números reais : conjunto dos números complexos i: unidade imaginária, i = z: módulo do número z Re(z): parte real do número z Im(z): parte imaginária do número z det

Leia mais

EXAME NACIONAL DE QUALIFICAÇÃO 2013-2 GABARITO. Questão 1.

EXAME NACIONAL DE QUALIFICAÇÃO 2013-2 GABARITO. Questão 1. EXAME NACIONAL DE QUALIFICAÇÃO 0 - Questão. GABARITO Considere um triângulo equilátero de lado e seja A sua área. Ao ligar os pontos médios de cada lado, obtemos um segundo triângulo equilátero de área

Leia mais

Observação: Os sistemas de coordenadas considerados são cartesianos retangulares.

Observação: Os sistemas de coordenadas considerados são cartesianos retangulares. NOTAÇÕES N: conjunto dos números naturais C: conjunto dos números complexos Z: conjuntodosnúmerosinteiros i: unidadeimaginária,i 2 = 1 R: conjuntodosnúmerosreais z : módulodonúmeroz C M m n (R): conjuntodasmatrizesreaism

Leia mais

Aprendendo Geometria com Origami

Aprendendo Geometria com Origami Luciana Leroy Aprendendo Geometria com Origami Professor Orientador: Alberto Berly Sarmiento Vera Belo Horizonte 2010 2 Luciana Leroy Aprendendo Geometria com Origami Monografia apresentada ao Programa

Leia mais