Longevidade e Impactos na Previdência Social Desenvolvimentos Recentes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Longevidade e Impactos na Previdência Social Desenvolvimentos Recentes"

Transcrição

1 Longevidade e Impactos na Previdência Social Desenvolvimentos Recentes Seminário Valor Econômico: O Futuro do Mercado de Previdência, Seguros e Resseguros Rio de Janeiro, 28 de maio de 2014 Por: Helmut Schwarzer (OIT) Especialista Principal em Seguridade Social para as Américas

2 World Social Protection Report 2014 (no prelo) DESENVOLVIMENTOS RECENTES DA PROTEÇÃO SOCIAL NO MUNDO

3 NÃO- CONTRIBUTIVO CONTRIBUTIVO Informação disponível para 178 países (100%) Regimes legais de pensões por idade com pagamentos regulares de benefícios 166 países 93% Apenas regime contributivo 77 países 43% Regime contributivo e nãocontributivo universal Regime contributivo e nãocontributivo assistencial Nenhum regime legal de pensões que proporcione pagamentos regulares de benefícios a idosos 12 países 7 % Não-contributivo assistencial apenas 3 países 2% Nãocontributivo universal apenas 9 países 5% 27 países 15% 50 países 28% Fundos providentes ( Provident Funds ) proporcionando pagamentos únicos a assalariados e, às vezes, conta-próprias (11 países) Existência de Regimes de Aposentadorias no Mundo, 2012 Fonte: Departamentos de Pesquisa e de Proteção Social da OIT, baseado em SSA/AISS, 2012, 2013

4 Proporção da População em idade de receber aposentadorias que recebia uma aposentadoria em 2010 Avanços de Cobertura com Aposentadorias no Mundo entre 2000 e 2010 Kyrgyzstan Iceland France Estonia Romania Mongolia Namibia Timor-Leste South Africa Lesotho Trinidad and Tobago Slovenia Poland Ukraine Kazakhstan Swaziland Argentina Bolivia Turkey Hungary United States Cyprus Brasil Maldives Aumento de Cobertura Australia Luxembourg Italy Japan Armenia Korea, Rep of Tajikistan Azerbaijan Thailand China Israel Uruguay Chile Albania Greece Tunisia Barbados Moldova Algeria Nepal Spain Belize Bangladesh Ecuador Viet Nam Philippines Iran Mexico India Nicaragua Senegal Colombia Peru Malaysia Mozambique El Salvador Sri Lanka Congo Cameroon Togo Paraguay Dominican Republic Costa Rica Morocco Dominica Panama Cape Verde Diminuição de Cobertura Proporção da População em idade de receber aposentadorias que recebia uma aposentadoria em 2000

5 21,3 28,0 12,9 34,8 37,6 1,7 7,3 11,8 16,9 19,7 21,9 25,8 Proteção social no mundo desde % 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 4. Cobertura legal abrangente 8 áreas de política 3. Cobertura legal semiabrangente 7 áreas de política 2. Cobertura legal limitada 5 a 6 áreas de política 1. Cobertura legal muito limitada 1 a 4 áreas de política Nenhuma 0% Fonte: SSA/AISS , preparado pela OIT/Dep. Pesquisa e de Proteção Social. *Considera os 8 riscos sociais definidos pelo C. 102/OIT.

6 World Social Protection Report 2014 (no prelo) IMPACTOS DA TRANSIÇÃO DEMOGRÁFICA EM REGIMES DE APOSENTADORIAS E PENSÕES

7 Tendência de Redução da Participação da População com até 15 Anos Projeção da População com menos que 15 Anos de Idade, (% da População Total) 45,0 40,0 41,6 42,3 35,0 30,0 25,0 29,9 25,9 20,0 15,0 18,6 15,3 10, Mundo Desenvolvidos Em desenvolvimento América Latina e Caribe Brasil Fonte: United Nations Population Division. World Population Prospects: The 2012 Revision (New York).

8 Desenvolvimento da População em Idade Ativa (PIA) Projeção da População com Idade entre 15 e 64 Anos (PIA), (% da População Total) 70,0 68,0 66,0 64,0 64,6 67,1 67,9 62,0 60,0 62,2 58,0 56,0 54,0 52,0 55,5 53,9 50, Mundo Desenvolvidos Em desenvolvimento América Latina e Caribe Brasil Fonte: United Nations Population Division. World Population Prospects: The 2012 Revision (New York).

9 Aumento da Participação da População 30,0 65+ Projeção da População com Idade de 65 Anos ou mais, (% da População Total) 25,0 20,0 22,5 15,0 13,6 10,0 5,0 0,0 7,0 5,5 3,0 3, Mundo Desenvolvidos Em desenvolvimento América Latina e Caribe Brasil Fonte: United Nations Population Division. World Population Prospects: The 2012 Revision (New York).

10 Aumentos da Expectativa de Vida (Idade 60) Expectativa de Vida à Idade de 60 Anos, ambos Sexos, (em anos de vida adicional) 24,0 22,0 20,0 18,0 17,7 19,0 21,1 16,0 15,4 14,0 12, Mundo Desenvolvidos Em desenvolvimento América Latina e Caribe Brasil Fonte: United Nations Population Division. World Population Prospects: The 2012 Revision (New York).

11 Equilíbrio dos Regimes Previdenciários Receitas Despesas Massa de Contribuições Benefícios/ Serviços Rendimento de Investimentos Gestão Outras Receitas/ Impostos Fraudes/ Erros

12 Elementos que influenciam receitas... Força de Trabalho Idades de Entrada e Saída do Mercado de Trabalho Períodos de Emprego Desemprego, Maternidade, Doença, Inatividade, Invalidez Formalidade Contribuições Salário Real/Massa Salarial Definição da Base de Contribuição Alíquotas de Contribuição Grau de Subdeclaração/Sonegação Fiscalização e Recuperação de Créditos Contribuições do Estado

13 Elementos que influenciam despesas... Distribuição etária, perfil de riscos Cobertura legal, elegibilidade Acesso efetivo, utilização Beneficiários/ Usuários Definição legal das prestações a receber, regra de cálculo Custo de produção/gestão Fraudes/erros Custo do Benefício

14 Tendências de impacto da transição demográfica e desafios gerados Envelhecimento da Força de Trabalho Mudança do perfil de riscos (saúde, SST) Novos riscos (cuidados de longo prazo) Alongamento do tempo de benefícios Maior utilização de serviços (saúde)

15 Emprego e Proteção Social no Novo Contexto Demográfico CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES DA CONFERÊNCIA INT. DO TRABALHO 2013

16 Citação do relatório apresentado: A transição demográfica é irreversível, afeta a todos os países industrializados e em desenvolvimento em todas as regiões do mundo, mesmo que em proporções e momentos diferentes : - A maioria dos países industrializados enfrenta um envelhecimento e, em alguns casos, uma diminuição da população. - A maioria dos países em desenvolvimento enfrentam um crescimento de sua população, aumento de número de jovens e, ao mesmo tempo, um envelhecimento rápido.

17 Mudanças demográficas: resultam do progresso do bem-estar Até 2050: - Desenvolvidos: +7 anos - Em desenvolvimento: +10 anos - Desenvolvidos: inferior à taxa de reposição - Em desenvolvimento: entre 2.7 e 2.2 filhos/mulher Aumento Esperança de Vida Queda Natalidade Pop mundial em 2050: 9.6 bilhões. 21.2% terão ¾ em países em desenvolvimento - maioria de mulheres

18 Impactos relevantes sobre vários grupos populacionais Impactos sobre a PIA e a Força de Trabalho Impactos sobre a População Idosa - Em 2020: +420 milhões de pessoas no mercado de trabalho; - Hoje já há aprox. 200 milhões de desempregados; - Serão necessários +600 milhões de empregos no mundo. -Aumenta taxa de dependência no mundo; - Hoje há 9 pessoas em idade de trabalhar por pessoa 65+; - Em 2050 haverá apenas 4.

19 Políticas com perspectiva integral e do ciclo de vida são necessárias: Mais emprego - Macroeconomia favorável; - Políticas de Formalização; - Combate ao Desemprego Juvenil; - Políticas para incorporar mais mulheres; - Políticas para permitir emprego a pessoas de idade mais avançada; - Aprendizagem permanente, sistemas educativos, produtividade; - Inovação e tecnologia; - Eliminar discriminação no trabalho; Papel-chave do Diálogo Social Proteção social para todos - Garantias básicas de seguridade social; - Promover a sustentabilidade dos regimes de proteção social; - Prevenção de acidentes/doenças do trabalho; - Prevenção de outras causas da invalidez; - Desincentivar aposentadorias precoces; - Prolongar trajetória laboral de acordo com condições nacionais; - Desenvolver políticas de cuidados para pessoas dependentes; - Gestão adequada dos sistemas de proteção social.

20 OECD AND G20 INDICATORS: PENSIONS AT A GLANCE 2013 EXPERIÊNCIAS DE PAÍSES DA OCDE E DO G20 COM PENSÕES (PRIVADAS)

21 Estrutura de Sistemas de Pensões OCDE Pensions at a Glance Pilar: 1 Pilar: Pensões Básicas e Assistenciais, Garantias de Benefício Mínimo 31 de 34 Países OCDE 5 de 8 outros Países do G20 2 Pilar: Aposentadorias e Pensões Contributivas Obrigatórias, Públicas ou Privadas 25 Países da OCDE e 7 de outros do G20 com Pilar Público 13 Países OCDE e 1 outro País do G20 com Pilar Privado obrigatório Aposentadorias e Pensões Complementares, Contributivas Voluntárias, Privadas Países da OCDE que possuem Pensões Privadas complementares voluntárias: 19 Países: Ocupacionais 22 Países: Pessoais

22 Países da OCDE, 1 Pilar Taxas de Reposição Estimadas

23 Países da OCDE, 1 Pilar Taxas de Cobertura (da Pop. 65+)

24 Países da OCDE e G20 Desenho do Pilar Contributivo Obrigatório Pilar Contributivo Obrigatório Público Privado BD (22) Aus, Bel, Can, Cze, Fin, Fra, Gre, Hun, Jap, Cor, Lux, Por, Slov, Esp, Suí, Tur, RU, US, Arg, Bra, Ind, Sau Pontos (4) Est, Fra, Ale, Esl CD/NDC (7) Ita, Nor, Pol, Sué, Chi, Ido, Rus BD (3) Holanda, Islândia, Suíça CD (11) Aus, Chi, Din, Est, Isr, Méx, Nor, Pol, Slo, Sué, Rús

25 Países da OCDE Regras de Aposentadoria, Pilar obrigatório Idade de Aposentadoria Homens: países; países; 68 3 países; 69 1 país. Redução de Idade para Mulheres 4 países. Aposentadoria prematura autorizada 28 países. Fórmula que reduz benefício por ano de antecipação 20 países. Fórmula que aumenta benefício por postergação 22 países.

26 Países da OCDE, 3 Pilar - Cobertura da População em Idade Ativa por Regimes de Pensões Complementares Privadas Voluntárias (2011) Cobertura (Pop anos) por Pensões Voluntárias Ocupacionais Pessoais Total Austrália n.a Áustria Bélgica Canadá Rep. Checa n.a Dinamarca n.a Finlândia França Alemanha Grécia Hungria n.a Islândia n.a Irlanda Israel n.a. n.a. n.a. Itália Coréia n.a Luxemburgo México 1.9 n.a. 1.9 Países Baixos n.a Nova Zelândia Noruega Polõnia Portugal Rep. Eslovaca n.a..... Eslovência Espanha Suécia n.a Turquia Reino Unido Estados Unidos

27 Países da OCDE Planos de Pensão Privados

28 Países da OCDE e G20 Ativos dos Fundos de Pensão, 2011 (% PIB)

29 A Estratégia Bi-Dimensional de Extensão da Proteção Social O PAPEL DA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NO MODELO OIT

30 Normas Relevantes da OIT para Seguridade Social/Aposentadorias Convênio N 102 Convênio sobre a seguridad social (norma mínima), 1952 Estabelece, por exemplo, normas mínimas de cobertura, taxas de reposição de benefícios, previsibilidade, regularidade, ajustes do poder de compra, tempos de espera, elementos de solidariedade no financiamento, direitos de recurso, gestão tripartite dos seguros sociais. Convênio N 128 Convênio sobre as prestações por invalidez, idade e sobrevivência, 1967 Eleva os requisitos do C. 102 Trata de temas de idade de aposentadoria frente ao desenvolvimento demográfico Prevê casos de exceção para trabalhadores em condições insalubres Recomendação N 202 Recomendação relativa aos pisos de proteção social, 2012 Propõe extensão horizontal via pisos de proteção social Propõe extensão vertical incluída nas Estratégias Nacionais negociadas Estabelece critérios e princípios para Pisos e Estratégias

31 A estratégia bi-dimensional da OIT para a extensão da seguridade social: Construir sistemas amplos de seguridade social Dimensão vertical: garantir progressivamente níveis mais altos de proteção, guiados pelo Convênio N.102 (ratificado pelo Brasil) e normas mais avançadas C. 102 alto Nivel de proteção Nivel do Piso baixo Estratégia de extensão vertical Prestações de seguros sociais previsíveis (de benefícios definidos) Piso de Proteção Social: Acesso à saúde essencial e renda básica para todos Previdência complementar voluntária regulada pelo Estado Estratégia de extensão horizontal baixa Renda individual/domiciliar alta Dimensão horizontal: Garantir o acesso à atenção à saúde e segurança básica de renda a todos, guiado pela Recomendação N

32 Síntese desde o ponto de vista da OIT Conclusão OIT vê um papel importante para a previdência complementar na dimensão vertical dos sistemas previdenciários. Há boas práticas internacionais de compartilhamento e coordenação de papéis entre pilares público e privado. É necessária uma regulação adequada para o sistema financeiro e o cumprimento das normas internacionais do trabalho (sobretudo C. 102, C. 128 e R. 202). Adaptação à transição demográfica requer mix de políticas de mercado de trabalho e de desenvolvimento horizontal e vertical dos regimes de proteção social.

33 Obrigado! Contato: Helmut Schwarzer

EDUCAÇÃO. Base do Desenvolvimento Sustentável

EDUCAÇÃO. Base do Desenvolvimento Sustentável EDUCAÇÃO Base do Desenvolvimento Sustentável 1 Por que investir em educação? 2 Por que investir em educação? 1. Acesso à cidadania. 2. Aumento da renda pessoal (prêmio salarial): 10% por um ano a mais

Leia mais

EDUCAÇÃO. Base para o desenvolvimento

EDUCAÇÃO. Base para o desenvolvimento EDUCAÇÃO Base para o desenvolvimento 1 Por que investir em educação? 2 Por que investir em educação? 1. Acesso à cidadania. 2. Aumento da renda pessoal (prêmio salarial): 10% por um ano a mais de escolaridade.

Leia mais

Q: Preciso contratar um numero de empregados para solicitar o visto E2? R: Não, o Visto E2 não requer um numero de empregados como o Visto Eb5.

Q: Preciso contratar um numero de empregados para solicitar o visto E2? R: Não, o Visto E2 não requer um numero de empregados como o Visto Eb5. RE: Visto E1 O E2 Visto E1 O E2 Q :Preciso contratar um advogado para solicitar o Visto E2? R: Sim, o visto E2 requer o conhecimento especializado da legislacao migratória e a experiência de um advogado

Leia mais

Terceiro Sector, Contratualização para ganhos em saúde

Terceiro Sector, Contratualização para ganhos em saúde Terceiro Sector, Contratualização para ganhos em saúde 1º Encontro Nacional - Desafios do presente e do futuro Alexandre Lourenço www.acss.min-saude.pt Sumário Organizações do Terceiro Sector Necessidade

Leia mais

Renovar Idéias: Política Monetária e o Crescimento Econômico no Brasil PSDB-ITV 16/2/2006

Renovar Idéias: Política Monetária e o Crescimento Econômico no Brasil PSDB-ITV 16/2/2006 Renovar Idéias: Política Monetária e o Crescimento Econômico no Brasil PSDB-ITV 16/2/2006 Julio Gomes de Almeida Diretor-Executivo IEDI Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial Motor do Crescimento

Leia mais

http://www.amoportugal.org/

http://www.amoportugal.org/ OBJETIVOS A promoção de eventos de âmbito nacional com recurso à mobilização de Voluntários e ao envolvimento de parcerias públicas e privadas gratuitas. O desenvolvimento da cooperação e da solidariedade

Leia mais

2012: Desenvolvimento Inclusivo Sustentável? Marcelo Neri -Ipea

2012: Desenvolvimento Inclusivo Sustentável? Marcelo Neri -Ipea 2012: Desenvolvimento Inclusivo Sustentável? Marcelo Neri -Ipea Evolução segundo a ótica do Relatório Stiglitz-Sen: http://www.stiglitz-sen-fitoussi.fr/documents/rapport_anglais.pdf Recomendações Enfatizarrenda

Leia mais

Políticas para Inovação no Brasil

Políticas para Inovação no Brasil Políticas para Inovação no Brasil Naercio Menezes Filho Centro de Políticas Públicas do Insper Baixa Produtividade do trabalho no Brazil Relative Labor Productivity (GDP per Worker) - 2010 USA France UK

Leia mais

Evolução da renda no Governo Lula: Cinco conclusões definitivas. Reinaldo Gonçalves 1 4 março 2011

Evolução da renda no Governo Lula: Cinco conclusões definitivas. Reinaldo Gonçalves 1 4 março 2011 Evolução da renda no Governo Lula: Cinco conclusões definitivas Reinaldo Gonçalves 1 4 março 2011 A divulgação dos dados de evolução da renda do Brasil pelo IBGE e a base de dados do FMI permitem algumas

Leia mais

Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2006/2007. João Amador Seminário de Economia Europeia. Economia Portuguesa e Europeia. Exame de 1 a época

Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2006/2007. João Amador Seminário de Economia Europeia. Economia Portuguesa e Europeia. Exame de 1 a época Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2006/2007 FaculdadedeEconomia João Salgueiro João Amador Seminário de Economia Europeia Economia Portuguesa e Europeia Exame de 1 a época 5 de Janeiro de 2007 Atenção:

Leia mais

Relatório Gráfico de Acessibilidade à Página www.ceivap.org.br Janeiro até Dezembro / 2007

Relatório Gráfico de Acessibilidade à Página www.ceivap.org.br Janeiro até Dezembro / 2007 Relatório Gráfico de Acessibilidade à Página www.ceivap.org.br Janeiro até Dezembro / 2007 1. Visitações Diárias ( Y ) Visitas ( X ) Dia do mês 1.1) Janeiro 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES

PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES Eduardo Augusto Guimarães Maio 2012 Competitividade Brasil 2010: Comparação com Países Selecionados. Uma chamada para a ação África

Leia mais

ESPANHA Porta de acessoà Europa para as multinacionais brasileiras

ESPANHA Porta de acessoà Europa para as multinacionais brasileiras ESPANHA Porta de acessoà Europa para as multinacionais brasileiras Existem muitas empresas e investimentos espanhóis no Brasil. É a hora de ter investimentos brasileiros na Espanha Presidente Lula da Silva,

Leia mais

Convenção de Istambul

Convenção de Istambul Convenção de Istambul Antonio Braga Sobrinho Auditor Fiscal da Receita Federal do Brasil Secretaria da Receita Federal do Brasil Ministério da Fazenda Sumário I. Definição e histórico da Convenção II.

Leia mais

CARTA DO DIRETOR-EXECUTIVO

CARTA DO DIRETOR-EXECUTIVO International Coffee Organization Organización Internacional del Café Organização Internacional do Café Organisation Internationale du Café P CARTA DO DIRETOR-EXECUTIVO RELATÓRIO SOBRE O MERCADO CAFEEIRO

Leia mais

Es t i m a t i v a s

Es t i m a t i v a s Brasileiros no Mundo Es t i m a t i v a s Ministério das Relações Exteriores - MRE Subsecretaria Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior - SGEB Departamento Consular e de Brasileiros no Exterior

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Destaques do Education at a Glance 2014

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Destaques do Education at a Glance 2014 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Destaques do Education at a Glance 2014 Diretor de Estatísticas Educacionais Carlos Eduardo Moreno Sampaio

Leia mais

INSTRUTIVO N.º 01/2015 de 14 de Janeiro

INSTRUTIVO N.º 01/2015 de 14 de Janeiro INSTRUTIVO N.º 01/2015 de 14 de Janeiro ASSUNTO: CLASSIFICAÇÃO DE PAÍSES, BANCOS MULTILATERAIS DE DESENVOLVIMENTO E ORGANIZAÇÕES INTERNACIONAIS Havendo necessidade de se estabelecerem critérios de classificação

Leia mais

Human Capital: Education and Health in economic development.

Human Capital: Education and Health in economic development. Human Capital: Education and Health in economic development. Referências Básicas: Economic Development, Todaro & Smith, Capítulo 8 e Human Development Report 2011. Vítor Wilher www.vitorwilher.com Pontos

Leia mais

Prefixos dos destinos internacionais incluídos nos pacotes MEO

Prefixos dos destinos internacionais incluídos nos pacotes MEO País Tipo Destino ALASCA e Móvel ALEMANHA ANDORRA AUSTRÁLIA ÁUSTRIA BÉLGICA CANADA e Móvel CHILE CHINA e Móvel COREIA DO SUL CROÁCIA DINAMARCA ESLOVÉNIA ESPANHA EUA e Móvel FEDERAÇÃO RUSSA FINLÂNDIA FRANÇA

Leia mais

ACESSOS À BVS-PSI MEDIDOS PELO GOOGLE ANALYTICS

ACESSOS À BVS-PSI MEDIDOS PELO GOOGLE ANALYTICS ACESSOS À BVS-PSI MEDIDOS PELO GOOGLE ANALYTICS 1º. Semestre 2013 O Google Analytics é um serviço gratuito oferecido pelo Google que permite analisar as estatísticas de visitação de um site. Este é o primeiro

Leia mais

Protocolo Facultativo para Convenção sobre os Direitos da Criança relativo à venda de crianças, prostituição e pornografia infantis

Protocolo Facultativo para Convenção sobre os Direitos da Criança relativo à venda de crianças, prostituição e pornografia infantis Protocolo Facultativo para Convenção sobre os Direitos da Criança relativo à venda de crianças, prostituição e pornografia infantis Os Estados Partes no presente Protocolo, Considerando que, para melhor

Leia mais

FAQ Obrigatoriedade do GTIN

FAQ Obrigatoriedade do GTIN FAQ Obrigatoriedade do GTIN 1. O que é o GTIN? GTIN, acrônimo para Global Trade Item Number é um identificador para itens comerciais desenvolvido e controlado pela GS1, antiga EAN/UCC. GTINs, anteriormente

Leia mais

LISTA DE REPRESENTAÇÕES SOI 2012 AGÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIA ATÔMICA AIEA PAÍSES MEMBROS

LISTA DE REPRESENTAÇÕES SOI 2012 AGÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIA ATÔMICA AIEA PAÍSES MEMBROS 1 LISTA DE REPRESENTAÇÕES SOI 2012 AGÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIA ATÔMICA AIEA ÁFRICA DO SUL ARÁBIA SAUDITA BRASIL CANADÁ COREIA DO SUL EGITO EQUADOR HOLANDA ITÁLIA JORDÂNIA NÍGER SUÉCIA ALEMANHA ARGENTINA

Leia mais

PROCEDIMENTOS MIGRATÓRIOS E DOCUMENTOS DE VIAGEM

PROCEDIMENTOS MIGRATÓRIOS E DOCUMENTOS DE VIAGEM PROCEDIMENTOS MIGRATÓRIOS E DOCUMENTOS DE VIAGEM 1 PROCEDIMENTOS MIGRATÓRIOS E DOCUMENTOS DE VIAGEM PROCEDIMENTOS MIGRATÓRIOS E DOCUMENTOS DE VIAGEM 2 17. TABELA DE VISTOS Apresentamos a seguir uma tabela

Leia mais

Educação, Economia e Capital Humano em Portugal Notas sobre um Paradoxo

Educação, Economia e Capital Humano em Portugal Notas sobre um Paradoxo Portugal na União Europeia 1986-2010 Faculdade de Economia, Universidade do Porto - 21 Janeiro 2011 Educação, Economia e Capital Humano em Portugal Notas sobre um Paradoxo Pedro Teixeira (CEF.UP/UP e CIPES);

Leia mais

Necessidade de visto para. Não

Necessidade de visto para. Não País Necessidade de visto para Turismo Negócios Afeganistão África do Sul Albânia, Alemanha Andorra Angola Antígua e Barbuda Arábia Saudita Argélia. Argentina Ingresso permitido com Cédula de Identidade

Leia mais

Por que a CPMF é um problema para o Brasil?

Por que a CPMF é um problema para o Brasil? Por que a CPMF é um problema para o Brasil? 1 A Carga Tributária Brasileira Muito pesada para um país que precisa crescer 2 A carga tributária brasileira vem apresentando crescimento 40% 30% 26,9% 27,8%

Leia mais

Bem-vindos à Conferência de Imprensa da EMO. Dr. Wolfram von Fritsch Presidente do Conselho de Administração. 24 de Maio de 2011 no Porto.

Bem-vindos à Conferência de Imprensa da EMO. Dr. Wolfram von Fritsch Presidente do Conselho de Administração. 24 de Maio de 2011 no Porto. Bem-vindos à Conferência de Imprensa da EMO Dr. Wolfram von Fritsch Presidente do Conselho de Administração 24 de Maio de 2011 no Porto Seite 1 Feiras no mix dos meios de comunicação Global Fairs Global

Leia mais

EDUCAÇÃO BÁSICA NO BRASIL TEMAS EM DISCUSSÃO

EDUCAÇÃO BÁSICA NO BRASIL TEMAS EM DISCUSSÃO EDUCAÇÃO BÁSICA NO BRASIL TEMAS EM DISCUSSÃO José Francisco Soares Presidente do Inep Brasília-DF maio 2015 SUMÁRIO Fórum Educacional Mundial Direito à educação: PNE Aprendizado: Base Nacional Comum Financiamento

Leia mais

2015 Global Feed Survey

2015 Global Feed Survey 2015 Global Feed Survey 2015 RESULTADOS DA PESQUISA RESUMO EXECUTIVO 2015 é o quarto ano consecutivo que a Alltech realiza a pesquisa global sobre rações. Este empreendimento exige uma quantidade significativa

Leia mais

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 24/11/2015) Legenda

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 24/11/2015) Legenda Ministério das Relações Exteriores Subsecretaria-Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior Departamento de Imigração e Assuntos Jurídicos Divisão de Imigração Quadro Geral de Regime de Vistos para

Leia mais

Como não organizar todos os países do mundo?

Como não organizar todos os países do mundo? Como não organizar todos os países do mundo? A FIFA tem federações de 186 países independentes, de 19 regiões não independentes e das 4 regiões do Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte (abreviado

Leia mais

Sessão 6 A Economia Portuguesa

Sessão 6 A Economia Portuguesa Sessão 6 A Economia Portuguesa Neves (216) População portuguesa (império e emigração) após 1415 3 25 2 15 1 Africa Emig. PORTUGAL P+Ilhas P+Isl+Asia P+I+As+Brasil P+I+A+B+Afric P+Emp+Emi 5 Brasil continental

Leia mais

A tabela com os Principais dados do Brasil no Education at a Glance 2015 apresenta um resumo dos dados para o Brasil e a média OCDE.

A tabela com os Principais dados do Brasil no Education at a Glance 2015 apresenta um resumo dos dados para o Brasil e a média OCDE. Education at a Glance: OECD Indicators é a principal fonte de informações relevantes e precisas sobre o estado da educação ao redor do mundo. Essa publicação oferece dados sobre a estrutura, o financiamento

Leia mais

Os Desafios da Economia Portuguesa no Contexto Europeu e Mundial. João César das Neves Universidade Católica Portuguesa 8 de Julho de 2015

Os Desafios da Economia Portuguesa no Contexto Europeu e Mundial. João César das Neves Universidade Católica Portuguesa 8 de Julho de 2015 Os Desafios da Economia Portuguesa no Contexto Europeu e Mundial João César das Neves Universidade Católica Portuguesa 8 de Julho de 215 Pode o capitalismo sobreviver? «A tese que tentarei estabelecer

Leia mais

Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006

Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006 Curso e Learning Sistema de Gestão de Segurança da Informação Interpretação da norma NBR ISO/IEC 2700:2006 Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste

Leia mais

DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL

DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL Súmula dos dados provisórios do Inquérito ao Potencial Científico e Tecnológico Nacional, IPCTN, 2007 I DESPESA 1. Despesa em I&D nacional total

Leia mais

Perspectivas do consumo mundial de café

Perspectivas do consumo mundial de café Perspectivas do consumo mundial de café 19º Seminário Internacional de Café de Santos 9 e 10 de maio de 2012 Praia de Pernambuco, Guarujá SP Robério Oliveira Silva Diretor Executivo Resumo Produção mundial

Leia mais

Doingbusiness no Brasil. Penelope Brook PSD/FSD Vice Presidência Grupo Banco Mundial Rio de Janeiro 26 de julho de 2006

Doingbusiness no Brasil. Penelope Brook PSD/FSD Vice Presidência Grupo Banco Mundial Rio de Janeiro 26 de julho de 2006 Doingbusiness no Brasil Penelope Brook PSD/FSD Vice Presidência Grupo Banco Mundial Rio de Janeiro 26 de julho de 2006 1 Indicadores Doingbusiness 2006 2007 2008 Abertura de empresas Registro de propriedades

Leia mais

Cenário e Oportunidade de vendas nas óticas

Cenário e Oportunidade de vendas nas óticas Cenário e Oportunidade de vendas nas óticas Claudia Bindo Gerente de Novos Negócios GfK 2013 1 Empresas de Ótica & Eyewear Pesquisa do Mercado Global feita para você TM Apresentação corporativa GfK 2013

Leia mais

DECOMTEC ÍNDICE FIESP DE COMPETITIVIDADE DAS NAÇÕES IC-FIESP 2014. José Ricardo Roriz Coelho

DECOMTEC ÍNDICE FIESP DE COMPETITIVIDADE DAS NAÇÕES IC-FIESP 2014. José Ricardo Roriz Coelho Departamento de Competitividade e Tecnologia ÍNDICE FIESP DE COMPETITIVIDADE DAS NAÇÕES E OS FATORES-CHAVE PARA O BRASIL AVANÇAR EM COMPETITIVIDADE IC-FIESP 14 José Ricardo Roriz Coelho PARTE II Novembro

Leia mais

Parceria para Governo Aberto Open Government Partnership (OGP)

Parceria para Governo Aberto Open Government Partnership (OGP) Parceria para Governo Aberto Open Government Partnership (OGP) 1ª Conferência Anual de Alto-Nível da Parceria para Governo Aberto - OGP Roberta Solis Ribeiro Assessoria Internacional - CGU Conselho da

Leia mais

ESTATÍSTICAS DA IMIGRAÇÃO 2009

ESTATÍSTICAS DA IMIGRAÇÃO 2009 ESTATÍSTICAS DA IMIGRAÇÃO 2009 Entrada e Permanência I. FONTES OFICIAIS NACIONAIS... 3 Vistos de Estada Temporária (VET) e de Residência (VR), emitidos em 2009, por Tipo de Visto... 4 Vistos de Estada

Leia mais

Original page: VISTO E1 (comerciantes do tratado) e E2 (investidores do tratado)

Original page: VISTO E1 (comerciantes do tratado) e E2 (investidores do tratado) PDF Acrobat www.drmoises.com 1 Original page: VISTO E1 (comerciantes do tratado) e E2 (investidores do tratado) Os comerciantes do tratado são Vistos E-1, investidores do tratado são Vistos E-2. Estes

Leia mais

Compliance e o Desenvolvimento empresarial Marina Araújo 2013

Compliance e o Desenvolvimento empresarial Marina Araújo 2013 Compliance e o Desenvolvimento empresarial Marina Araújo 2013 Qual o impacto do Compliance para o desenvolvimento? Qual o impacto do Compliance para o desenvolvimento? Econômico Como o Compliance das empresas

Leia mais

SWAZILÂNDIA E TANZÂNIA. Across Mundovip Quadrante Soltrópico TUNÍSIA. Club Med Grantur Mundovip Soltrópico. Travelers Travelplan U GANDA.

SWAZILÂNDIA E TANZÂNIA. Across Mundovip Quadrante Soltrópico TUNÍSIA. Club Med Grantur Mundovip Soltrópico. Travelers Travelplan U GANDA. Quem programa o quê? ÁFRICA ÁFRICA DO SUL ANGOLA BOTSWANA CABO VERDE EGIPTO GUINÉ-BISSAU LÍBIA MARROCOS MAURÍCIAS MOÇAMBIQUE NAMÍBIA QUÉNIA SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE SENEGAL SEYCHELLES SWAZILÂNDIA E TANZÂNIA

Leia mais

DADOS DAS EXPORTAÇÕES DE MEL

DADOS DAS EXPORTAÇÕES DE MEL DADOS DAS EXPORTAÇÕES DE MEL EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DE MEL 2009 a 2014 (NCM 04.09.00.00) ANO 2009 2010 2011 2012 2013 2014 Meses US$ KG Valor Kg US$ KG Valor Kg US$ KG Valor Kg US$ KG Valor Kg US$ KG Valor

Leia mais

Nelson Cardoso Amaral 1

Nelson Cardoso Amaral 1 OS 10% DO PIB COMO PROMOTOR DA QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: uma análise considerando os resultados do PISA e os valores aplicados por estudante em diversos países Nelson Cardoso Amaral 1 Resumo O estudo apresenta

Leia mais

Aliança do Pacífico: integração e crescimento

Aliança do Pacífico: integração e crescimento Aliança do Pacífico: integração e crescimento Juan Ruiz BBVA Research Economista chefe para América do Sul Ciclo de Conferências DE / BBVA - Alianza del Pacífico Lisboa, 1 de Outubro de 213 Índice 1 Um

Leia mais

A Nova Classe Média: O Seguro e o Lado Brilhante da Base da Pirâmide. Marcelo Neri mcneri@fgv.br

A Nova Classe Média: O Seguro e o Lado Brilhante da Base da Pirâmide. Marcelo Neri mcneri@fgv.br A Nova Classe Média: O Seguro e o Lado Brilhante da Base da Pirâmide Marcelo Neri mcneri@fgv.br Percentil de da Distribuição Mundial de Renda Comparando Distribuições de Renda Países Selecionados e o Mundo

Leia mais

Brasil avança em duas áreas da Matemática

Brasil avança em duas áreas da Matemática PISA 2003 - BRASIL O Brasil mostrou alguns avanços na segunda edição do Programa Internacional de Avaliação de Alunos (Pisa). Foi o que mais cresceu em duas das áreas avaliadas da Matemática, melhorou

Leia mais

Exportações Brasileiras de Carne Bovina Brazilian Beef Exports. Fonte / Source: SECEX-MDIC

Exportações Brasileiras de Carne Bovina Brazilian Beef Exports. Fonte / Source: SECEX-MDIC Categorias / Products:, INDUSTRIALIZADA / PROCESSED,,, 1 de 16 2000 1999 %(2000x1999) Janeiro / January US$ (000) US$/Ton 25.537 9.793 2.608 15.392 4.375 3.518 66% 124% -26% INDUSTRIALIZADA / PROCESSED

Leia mais

A Economia do Brasil nos últimos 40 Anos e Perspectivas para o Futuro

A Economia do Brasil nos últimos 40 Anos e Perspectivas para o Futuro A Economia do Brasil nos últimos 40 Anos e Perspectivas para o Futuro 40 Anos da Editoria de Economia de O Globo Marcelo Neri mcneri@fgv.br Décadas: 60 e 70 Milagre Crescimento 80 Redemocratização 90 Estabilização

Leia mais

ANEXO 17 TABELA DENACIONALIDADES EPAÍSES (CARTÃO SUS)

ANEXO 17 TABELA DENACIONALIDADES EPAÍSES (CARTÃO SUS) ANEXO 17 TABELA DENACIONALIDADES EPAÍSES (CARTÃO SUS) NACIONALIDADES Cód. Afeganistão 101 África do Sul 102 Albânia 103 Alemanha 104 Ando ra 105 Angola 106 Angui la 107 Antigua e Barbuda 108 Antilhas Holandesas

Leia mais

Desafíos para o financiamento do Sistema Público de Saúde no Brasil

Desafíos para o financiamento do Sistema Público de Saúde no Brasil Desafíos para o financiamento do Sistema Público de Saúde no Brasil André Medici Apresentação Realizada no IFHC São Paulo, 28 de Agôsto de 2014 9/12/2014 1 Principais Questões O Brasil Gasta Pouco em Saúde?

Leia mais

Meninas casadas até os 18 anos na América Latina (%) Meninas casadas até os 15 anos (%) Bolivia (Plurinational State Costa Rica (17º) Brazil (3º)

Meninas casadas até os 18 anos na América Latina (%) Meninas casadas até os 15 anos (%) Bolivia (Plurinational State Costa Rica (17º) Brazil (3º) Nicaragua (1º) Dominican Republic (2º) Brazil (3º) Honduras (4º) Guatemala (5º) Equatorial Guinea (6º) Panama (7º) Cuba (8º) El Salvador (9º) Uruguay (10º) Colombia (11º) Guyana (12º) Mexico (13º) Ecuador

Leia mais

A Norma Brasileira e o Gerenciamento de Projetos

A Norma Brasileira e o Gerenciamento de Projetos A Norma Brasileira e o Gerenciamento de Projetos Realidade Operacional e Gerencial do Poder Judiciário de Mato Grosso Na estrutura organizacional, existe a COPLAN que apoia administrativamente e oferece

Leia mais

POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA O difícil caminho até o Grau de Investimento Jedson César de Oliveira * Guilherme R. S.

POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA O difícil caminho até o Grau de Investimento Jedson César de Oliveira * Guilherme R. S. POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA O difícil caminho até o Grau de Investimento Jedson César de Oliveira * Guilherme R. S. Souza e Silva ** Nos últimos anos, tem crescido a expectativa em torno de uma possível

Leia mais

76% das empresas portuguesas prevê novas contratações em 2016

76% das empresas portuguesas prevê novas contratações em 2016 76% das empresas portuguesas prevê novas contratações em 2016 LISBOA (17 Dezembro, 2015) O Estudo Workforce+Pay 2016 lançado pela Korn Ferry (NYSE:KFY), a consultora global na gestão organizacional e de

Leia mais

A participação do Brasil em estudos e avaliações educacionais comparados internacionais

A participação do Brasil em estudos e avaliações educacionais comparados internacionais A participação do Brasil em estudos e avaliações educacionais comparados internacionais Maria Helena Guimarães de Castro (**) Na década de 90 e com maior intensidade a partir de 1995 o Brasil vem empreendendo

Leia mais

PÚBLICO ALVO: Promotores de viagens; agentes de viagens; consultores de viagens; operadores de emissivo e receptivo; atendentes.

PÚBLICO ALVO: Promotores de viagens; agentes de viagens; consultores de viagens; operadores de emissivo e receptivo; atendentes. 3. Geografia Turística 3.1 Geografia Turística: Brasil de Ponta a Ponta Proporcionar ao participante melhor compreensão geográfica do país; Apresentar as principais especificidades existentes nos continentes

Leia mais

Panorama da Saúde: Indicadores da OCDE Edição 2005. Sumário Executivo

Panorama da Saúde: Indicadores da OCDE Edição 2005. Sumário Executivo Health at a Glance: OECD Indicators 2005 Edition Summary in Portuguese Panorama da Saúde: Indicadores da OCDE Edição 2005 Sumário em Português Sumário Executivo Os sistemas de saúde nos países da OCDE

Leia mais

A lista que se segue mostra o sistema de definição de televisão standard utilizado na maioria dos Países do Mundo. American Forces Radio.

A lista que se segue mostra o sistema de definição de televisão standard utilizado na maioria dos Países do Mundo. American Forces Radio. SISTEMAS DE TV MUNDIAIS Países diferentes usam sistemas de TV diferentes. A diferença entre estes sistemas reside em parte na forma como a informação do sinal de cor é modulada com a informação de luminosidade

Leia mais

A importância e desafios da agricultura na economia regional. Assessoria Econômica

A importância e desafios da agricultura na economia regional. Assessoria Econômica A importância e desafios da agricultura na economia regional Assessoria Econômica A Agricultura é importante para o crescimento e desenvolvimento econômico ou é apenas fornecedora de alimentos? Taxa Média

Leia mais

A mortalidade no Brasil no período 1980 2004: desafios e oportunidades para os próximos anos *

A mortalidade no Brasil no período 1980 2004: desafios e oportunidades para os próximos anos * Diretoria de Pesquisas DPE Coordenação de População e Indicadores Sociais COPIS A mortalidade no Brasil no período 1980 2004: desafios e oportunidades para os próximos anos * Juarez de Castro Oliveira

Leia mais

Desafios Institucionais do Brasil: A Qualidade da Educação

Desafios Institucionais do Brasil: A Qualidade da Educação Desafios Institucionais do Brasil: A Qualidade da Educação André Portela Souza EESP/FGV Rio de Janeiro 13 de maio de 2011 Estrutura da Apresentação 1. Porque Educação? Educação e Crescimento 2. Educação

Leia mais

CREBi Media Kit. Site CREBI Conforme relatórios de visitas emtidos em dezembro de 2008, temos os seguintes dados médios:

CREBi Media Kit. Site CREBI Conforme relatórios de visitas emtidos em dezembro de 2008, temos os seguintes dados médios: CREBi Media Kit Atualmente, somos a mais representativa mídia eletrônica do setor de jóias e afins e também já superamos em muito as maiores médias de outras categorias de mídia. O CREBi oferece três canais

Leia mais

Regiões e Blocos Multinacionais de Mercado

Regiões e Blocos Multinacionais de Mercado Regiões e Blocos Multinacionais de Mercado Cateora e Graham, 2006, Cap. 10 Prof.ª. Fernanda Ilhéu McGraw-Hill/Irwin 2005 The McGraw-Hill Companies, Inc. All rights reserved. Regiões e Blocos Multinacionais

Leia mais

O papel anticíclico dos investimentos públicos e as perspectivas econômicas

O papel anticíclico dos investimentos públicos e as perspectivas econômicas O papel anticíclico dos investimentos públicos e as perspectivas econômicas Luciano Coutinho Rio de Janeiro, 14 de julho de 2009 Limitação da política monetária após crises financeiras Processos de desalavancagem

Leia mais

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil País Afeganistão África do Sul Albânia Alemanha Andorra Angola Antígua e Barbuda Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Austrália

Leia mais

Global leader in hospitality consulting. Global Hotel Market Sentiment Survey 1 Semestre 2014 BRASIL

Global leader in hospitality consulting. Global Hotel Market Sentiment Survey 1 Semestre 2014 BRASIL Global leader in hospitality consulting Global Hotel Market Sentiment Survey 1 Semestre 2014 BRASIL % DE RESPOSTAS POR REGIÃO INTRODUÇÃO Américas 19% Ásia 31% A pesquisa global de opinião sobre o mercado

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2012

Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Volume 39 Ano base 2011 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2010-2011

Leia mais

Orçamento Público, Investimento e Visão de Longo Prazo para a Economia Brasileira. Roberto Ellery Jr, ECO/UnB

Orçamento Público, Investimento e Visão de Longo Prazo para a Economia Brasileira. Roberto Ellery Jr, ECO/UnB Orçamento Público, Investimento e Visão de Longo Prazo para a Economia Brasileira Roberto Ellery Jr, ECO/UnB Investimento no Brasil Investimento no Brasil é Baixo: Dados do FMI mostram que em 2010 a taxa

Leia mais

Índice de desenvolvimento humano

Índice de desenvolvimento humano 1Monitorizar o desenvolvimento humano: aumentar as escolhas das pessoas... Índice de desenvolvimento humano a DESENVOLVIMENTO HUMANO ELEVADO Valor do índice de desenvolvimento humano (IDH) Esperança de

Leia mais

Parceria para Governo Aberto Open Government Partnership (OGP)

Parceria para Governo Aberto Open Government Partnership (OGP) Parceria para Governo Aberto Open Government Partnership (OGP) Fórum de Debates sobre Governo Aberto Transparência, Participação e Cidadania: Governo Aberto e o Poder Executivo Ministro Jorge Hage Sobrinho

Leia mais

Bra Top: BT 3331 Color: 160 Short: SH 4069 Color: 160

Bra Top: BT 3331 Color: 160 Short: SH 4069 Color: 160 Rio Collection 1 2 3 4 Bra Top: BT 3331 Color: 160 Short: SH 4069 Color: 160 5 6 Tank Top: TT 4286 Color: 477 Bra Top: BT 3331 Color: 160 Legging: LE 4069 Color: 160 Rio Collection Bra Top: BT 3331 Color:

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

Doingbusiness no Brasil. Jorge Lima Coordenador de Projetos Movimento Brasil Competitivo Curitiba 09 de novembro de 2006

Doingbusiness no Brasil. Jorge Lima Coordenador de Projetos Movimento Brasil Competitivo Curitiba 09 de novembro de 2006 1 Doingbusiness no Brasil Jorge Lima Coordenador de Projetos Movimento Brasil Competitivo Curitiba 09 de novembro de 2006 indicadores Doingbusiness 2006 2007 2008 Abertura de empresas Registro de propriedades

Leia mais

A procura de novas soluções para os problemas do envelhecimento: As abordagens integradas.

A procura de novas soluções para os problemas do envelhecimento: As abordagens integradas. A procura de novas soluções para os problemas do envelhecimento: As abordagens integradas. Constança Paúl, 19 Abril 2012, IPO-Porto Health Cluster Portugal: Encontros com a inovação em saúde A procura

Leia mais

Planos Voipten Ilimitados

Planos Voipten Ilimitados Planos Voipten Ilimitados Todos os Planos Voipten Ilimitados incluem: - Ligações gratuitas a outros telefones Voipten, bem como de outras operadoras VoIP credenciadas. - Encaminhar Chamadas Encaminhe suas

Leia mais

FISIPE a via Europeia para entrar no negócio da Fibra de Carbono. Março 2012 Instituto de Defesa Nacional 1

FISIPE a via Europeia para entrar no negócio da Fibra de Carbono. Março 2012 Instituto de Defesa Nacional 1 FISIPE a via Europeia para entrar no negócio da Fibra de Carbono Março 2012 Instituto de Defesa Nacional 1 Fibra de Carbono um negócio com fortes barreiras à entrada Precursor Custos de Operação Tecnologia

Leia mais

Federação Nacional dos Portuários. Boletim Econômico. (Agosto 2015)

Federação Nacional dos Portuários. Boletim Econômico. (Agosto 2015) Boletim Econômico (Agosto 2015) I. Movimentação Portuária As estatísticas de movimentação portuária, publicada pela ANTAQ, referente ao primeiro trimestre de 2015 mostram que os portos organizados e os

Leia mais

Global leader in hospitality consulting. Global Hotel Market Sentiment Survey 2 Semestre 2013 BRASIL

Global leader in hospitality consulting. Global Hotel Market Sentiment Survey 2 Semestre 2013 BRASIL Global leader in hospitality consulting Global Hotel Market Sentiment Survey 2 Semestre 2013 BRASIL 50 40 30 20 10 0-10 -20-30 -40-50 Fev 2009 Jul 2009 SENTIMENT NÍVEL GLOBAL Jan 2010 % DE RESPOSTAS POR

Leia mais

Estatísticas básicas de turismo. Brasil

Estatísticas básicas de turismo. Brasil Estatísticas básicas de turismo Brasil Brasília, outubro de 2010 Estatísticas básicas de turismo Índice Páginas I - Turismo no mundo 1. Fluxo receptivo internacional 1.1 - Chegadas de turistas internacionais

Leia mais

Argentina Dispensa de visto, por até 90 dias Dispensa de visto, por até 90 dias. Entrada permitida com Cédula de Identidade Civil

Argentina Dispensa de visto, por até 90 dias Dispensa de visto, por até 90 dias. Entrada permitida com Cédula de Identidade Civil PAÍS Visto de Turismo Visto de Negócios Observação Afeganistão Visto exigido Visto exigido África do Sul Dispensa de visto, por até 90 dias Dispensa de visto, por até 90 dias Albânia Dispensa de visto,

Leia mais

Panorama Econômico e Político da América Latina -Por que a região vai tão bem

Panorama Econômico e Político da América Latina -Por que a região vai tão bem Panorama Econômico e Político da América Latina -Por que a região vai tão bem economicamente? Thomas J Trebat Centro de Estudos Brasileiros Columbia University Junho de 2011 Uma visão mais favorável sobre

Leia mais

A FUNDAÇÃO PARA A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA (FCT)

A FUNDAÇÃO PARA A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA (FCT) A FUNDAÇÃO PARA A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA (FCT) É A AGÊNCIA PÚBLICA NACIONAL PARA A INVESTIGAÇÃO E A INOVAÇÃO EM PORTUGAL WWW.FCT.PT A VISÃO DA FCT É: TORNAR PORTUGAL UMA REFERÊNCIA MUNDIAL EM CIÊNCIA,

Leia mais

"# $%%& ' ( $) $%%& * +! , -..

# $%%& ' ( $) $%%& * +! , -.. ! "# $%%& ' ( $) $%%& * +!, -.. Emissões de CO 2-1994 Queima de Combustíveis Indústria 7% Queima de Combustíveis Transporte 9% Queima de Combustíveis Outros Setores 6% Emissões Fugitivas 1% Processos Industriais

Leia mais

Cenários do Mercado Educacional

Cenários do Mercado Educacional SEMINÁRIO ABMES Cenários do Mercado Educacional Silvia Cezar Diretora de Marketing do Grupo Estácio 04 de novembro de 2014 9h30 a 12h30 redeabmes @redeabmes www.abmes.org.br 1 Agenda Tendências do Mercado

Leia mais

WM 2014 BRASILIEN. 12. Juni 13. Juli. 12.06. 22:00 MESZ Arena de São Paulo São Paulo. Brasilien Kroatien. 13.06. 18:00 MESZ Estádio das Dunas Natal

WM 2014 BRASILIEN. 12. Juni 13. Juli. 12.06. 22:00 MESZ Arena de São Paulo São Paulo. Brasilien Kroatien. 13.06. 18:00 MESZ Estádio das Dunas Natal (1,1) -1- Unbenannt-1 10.06.2014 12:53:16 WM 2014 BRASILIEN 12. Juni 13. Juli A BRASILIEN KROATIEN MEXIKO KAMERUN 12.06. 22:00 MESZ Arena de São Paulo São Paulo Brasilien Kroatien 13.06. 18:00 MESZ Estádio

Leia mais

COMBATE À EVASÃO FISCAL INTERNACIONAL: A TROCA AUTOMÁTICA DE INFORMAÇÕES FINANCEIRAS

COMBATE À EVASÃO FISCAL INTERNACIONAL: A TROCA AUTOMÁTICA DE INFORMAÇÕES FINANCEIRAS COMBATE À EVASÃO FISCAL INTERNACIONAL: A TROCA AUTOMÁTICA DE INFORMAÇÕES FINANCEIRAS Uma verdadeira revolução está em curso relativamente à troca de informações financeiras em matéria fiscal. Até há muito

Leia mais

PANEL Dinâmica Demográfica y su Consideración en las Políticas Públicas

PANEL Dinâmica Demográfica y su Consideración en las Políticas Públicas PANEL Dinâmica Demográfica y su Consideración en las Políticas Públicas Eduardo L.G. Rios-Neto Cedeplar/UFMG CNPD SEMINÁRIO REGIONAL- Avances y Acciones Clave para la Implementación del Programa de Acción

Leia mais

FIT FOR A NEW ERA ECONOMIA DAS LÍNGUAS PORTUGUESA E ESPANHOLA LÍNGUA, COMÉRCIO EXTERNO E INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PERSPECTIVAS EMPRESARIAIS

FIT FOR A NEW ERA ECONOMIA DAS LÍNGUAS PORTUGUESA E ESPANHOLA LÍNGUA, COMÉRCIO EXTERNO E INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PERSPECTIVAS EMPRESARIAIS LÍNGUA, COMÉRCIO EXTERNO E Paternoster Square Londres ECONOMIA DAS LÍNGUAS PORTUGUESA E ESPANHOLA INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PERSPECTIVAS EMPRESARIAIS Francisco Cary 19 de Maio de 2011 O Mercado dos Países

Leia mais

Política Social no Brasil e o desenvolvimento: desafios e perspectivas. Professor: Jorge Abrahão de Castro Período: Julho de 2013.

Política Social no Brasil e o desenvolvimento: desafios e perspectivas. Professor: Jorge Abrahão de Castro Período: Julho de 2013. Política Social no Brasil e o desenvolvimento: desafios e perspectivas Professor: Jorge Abrahão de Castro Período: Julho de 2013. Política Social no Brasil e o desenvolvimento: desafios e perspectivas

Leia mais

Revitalização da Indústria Fonográfica no Brasil

Revitalização da Indústria Fonográfica no Brasil Revitalização da Indústria Fonográfica no Brasil Impacto Positivo de uma Redução de Tributos para Empresas e Consumidores Rio de Janeiro, 27 de maio de 2009 Em 2008, o mercado brasileiro de CDs e DVDs

Leia mais

Global leader in hospitality consulting. Global Hotel Market Sentiment Survey 1 Semestre 2015 BRASIL

Global leader in hospitality consulting. Global Hotel Market Sentiment Survey 1 Semestre 2015 BRASIL Global leader in hospitality consulting Global Hotel Market Sentiment Survey 1 Semestre 2015 BRASIL INTRODUÇÃO Europe 43% % DE RESPOSTAS POR REGIÃO Americas 9% Asia 48% A pesquisa global de opinião sobre

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2015

Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Volume 42 Ano base 2014 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2013-2014

Leia mais

Seminário> Família: realidades e desafios 18 e 19 de Novembro de 2004 Homens e Mulheres entre Família e Trabalho

Seminário> Família: realidades e desafios 18 e 19 de Novembro de 2004 Homens e Mulheres entre Família e Trabalho Seminário> Família: realidades e desafios 18 e 19 de Novembro de 2004 Homens e Mulheres entre Família e Trabalho Anália Cardoso Torres Quatro ideias fundamentais. Grande valorização da família em todos

Leia mais